Issuu on Google+


FAAL – FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E ARTES DE LIMEIRA CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM DESIGN DE INTERIORES

AMBIENTES INTEGRADOS

ALUNO: William Trevizor ORIENTADORES: Prof. João Paulo Marquesini Soares Prof. Dra. Alessandra Natali Queiroz

Blog: http://williamtrevizor.blogspot.com.br/

LIMEIRA Dezembro de 2012


FAAL – FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E ARTES DE LIMEIRA CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM DESIGN DE INTERIORES

AMBIENTES INTEGRADOS

ALUNO: William Trevizor ORIENTADORES: Prof. João Paulo Marquesini Soares Prof. Dra. Alessandra Natali Queiroz

Trabalho apresentado para a Avaliação Integrada, como exigência para aprovação nas disciplinas do 4° Semestre do Curso de Graduação Tecnológica em Design de Interiores, da Faculdade de Administração e Artes de Limeira, sob a orientação do Prof. MSc. João Paulo Marquesini Soares e da Prof. Dra. Alessandra Natali Queiroz.

LIMEIRA Dezembro de 2012


FOLHA DE JULGAMENTO

Candidato: Trabalho defendido e julgado em: ___/___/______

__________________________________________

perante a Comiss達o Julgadora:

_______________

Prof. Dra. Alessandra Natali Queiroz (orientador)

__________________________________________

_______________

(membro interno)

__________________________________________

_______________

(membro externo)

__________________________________________ Profa. MSc. Clarissa Ribeiro (coordenador do curso)

__________________________________________ Profa. MSc. Renata La Rocca (coordenador do curso)

__________________________________________ Profa. Silvia H. Orlandelli da Silva (diretor da Faculdade)


DEDICATÓRIA Dedico este trabalho a todos aqueles acreditaram e contribuíram para que este fosse possível. Em especial, dedico este trabalho a Elisabete Aparecida Trevizor Madureira (“In Memoriam”) que, mesmo distante, continua me dando forças para alcançar meus objetivos.


AGRADECIMENTOS Agradeรงo a todos os meus professores, amigos e familiares que me apoiaram e incentivaram para a conclusรฃo do presente projeto.


RESUMO Neste projeto de ambientes integrados, o foco foi a recepção de amigos e familiares em um espaço descontraído e aconchegante para se passar horas, sem se preocupar com o tempo.


SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO........................................................................................................ 09 2. OBJETIVOS............................................................................................................ 11 2.1. OBJETIVO GERAL ....................................................................................... 12 2.2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS ......................................................................... 12 3. ESTUDOS DE CASO ............................................................................................. 13 3.1. Casa Grelha, FGMF ...................................................................................... 14 3.2. Wall-Less House, Shigeru Ban...................................................................... 14 3.3. Apartamento em Makrygianni, Hiboux ARCHITECTURE .............................. 15 3.4. Apartamento no Copan, Felipe Hess & Renata Pedrosa ............................... 15 3.5. Apartment in Ilion, lkmk architects ................................................................. 16 3.6. Middle Park House, KPDO + CJA ................................................................. 16 3.7. Apartamento HSV em Ljubljana, Enlighter .................................................... 17 4. O CLIENTE ............................................................................................................. 18 4.1. Painel Semântico do Cliente ......................................................................... 19 4.2. Briefing.......................................................................................................... 20 5. CONCEITO ............................................................................................................. 22 5.1. Painel Semântico do Conceito ...................................................................... 23 6. PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO PROJETO ........................................ 24 6.1. Levantamento ............................................................................................... 25 6.2. Estudos Preliminares .................................................................................... 27 6.3. Anteprojeto.................................................................................................... 30 6.4. Projetos executivos ....................................................................................... 31 6.4.1. Localização da área de intervenção ...................................................... 31 6.4.2. Layout, cortes e vistas ........................................................................... 31 6.4.3. Projeto Luminotécnico .......................................................................... 31 6.4.4. Projeto Instalações Prediais Elétricas e Hidráulicas .............................. 31 6.4.5. Paginação de Teto................................................................................. 31 6.4.6. Paginação de Piso ................................................................................. 31 6.4.7. Projeto de Mobiliário .............................................................................. 31 6.4.8. Estudos Cromáticos............................................................................... 31 6.4.9. Especificação de Materiais .................................................................... 34 6.4.10. Planilha de Planejamento de Execução e Orçamento da Obra ............ 35 6.4.11. Maquete eletrônica ............................................................................. 36 6.4.12. Maquete física ..................................................................................... 37 7. REFERÊNCIAS ...................................................................................................... 39


8. LISTA DE FIGURAS ............................................................................................... 41 9. O AUTOR ............................................................................................................... 46


1. INTRODUÇÃO


Situado no Residencial Jardins, em Piracicaba-SP, o apartamento conta com três quartos, sendo um deles suíte. Devido a isto e o cliente morar sozinho, este reservou um deles para ser transformado em uma sala de TV. Com isso, a sala de estar e jantar integradas dispensa o uso de outro aparelho de TV, focando mais na recepção de amigos e familiares. A pedido do cliente, o ambiente foi pensado no conforto das visitas, tornando-se versátil e funcional. A aplicação de um minibar facilita nas horas festivas e descontraídas, como também nas horas privadas, onde o morador pode degustar e aproveitar o espaço mesmo quando sozinho. O principal desafio do projeto foi integrar os ambientes da melhor forma possível, fazendo com que um faça parte do outro o tempo todo, sem móveis dividindo o espaço físico e visual. O pé-direito de 2,80 metros possibilitou a aplicação de gesso no teto, onde foi utilizada iluminação adequada para trazer conforto a todo o espaço. Optou-se por manter o piso e a pintura atuais do ambiente, utilizando-se de estudos cromáticos para que os detalhes presentes entrem em harmonia com os novos propostos. Foram criados dois mobiliários novos, seguindo traços retos e curvilíneos, com ar de contemporaneidade.

10


2. OBJETIVOS


2.1. Objetivo Geral O objetivo do presente Trabalho Final de Graduação é desenvolver e documentar o projeto de interiores para a sala de estar e jantar integrada para a família Trevizor na cidade de Piracicaba, interior de São Paulo.

2.2. Objetivos Específicos - Estudar o conceito de ambiente integrado; - Encontrar soluções para integrar os ambientes; - Propor um novo layout para o referido ambiente; - Realizar estudos cromáticos; - Realizar projetos de paginação de piso e paginação de teto; - Desenvolver projeto de iluminação.

12


3. ESTUDOS DE CASO


3.1. Estudo de Caso 1: Casa Grelha, FGMF A Casa Grelha, projeta pela FGMF Arquitetos, localiza-se na Serra da Mantiqueira, São Paulo. Construída no meio da mata, a residência torna-se parte da paisagem ao ter o uso do vidro em grande parte da estrutura, fazendo com que os ambientes sejam integrados entre si e com o meio externo. Devido ao terreno úmido da região, a mesma teve que ser elevada do solo. Seu nome origina-se do modo que foi construída: utilizando uma grelha estrutural de 5,5 x 5,5 x 3 m. "O programa contido na grelha é composto de um núcleo com áreas de serviço, sociais, quarto de hóspedes e apartamento do proprietário, e três módulos isolados, com dois quartos cada, para os filhos. Entre eles, módulos vazios exaltam a continuidade estrutural e valorizam os vãos por onde o jardim se faz presente. Esse jogo de cheios e vazios permite a organização fragmentada do programa, de forma a resguardar a privacidade dos usuários e ao mesmo tempo permitir a compreensão do conjunto como unidade coesa."

Figura 01. Vista da passagem interna

Figura 02. Vista do interior da residência

3.2. Estudo de Caso 2: Wall-Less House, Shigeru Ban

Figura 03. Vista geral do ambiente. É possível notar os trilhos embutidos das paredes móveis.

Figura 04. Vista superior do ambiente. Destaque para o balcão acompanhando a curva da parede.

Suspensa sobre um vale, a Casa Sem Paredes, de Shigeru Ban, encontra o equilíbrio perfeito entre edificação e vegetação em Nagano, Japão. Para minimizar os trabalhos causados pela escavação, a parte posterior da casa conta com um piso que se curva 14


para formar a parede, cavada na terra. Expressando o conceito estrutural puramente possível, a construção conta apenas alguns pontos fixos, como o teto, piso, bancada de cozinha e instalações sanitárias. Todo o resto dos ambientes podem ser integrados ou divididos a partir de paredes móveis que deslizam por trilhos embutidos no pavimento. Esta flexibilidade proposta pelo arquiteto gera um convite à união do ambiente ao redor, dissolvendo os limites e permitindo a interação entre os diferentes espaços. 3.3. Estudo de Caso 3: Apartamento em Makrygianni, Hiboux ARCHITECTURE

Figura 05. O ambiente fluido faz com que a visão percorra a todos os detalhes e torna livre a movimentação pelo espaço.

Figura 06. A partir desta vista é possível notar as ilhas que abrigam armários e portas de correr embutidas.

Neste apartamento em Atenas, Grécia, a ideia foi utilizar menos parede possível para que o ambiente se tornasse um só, de uma extremidade a outra, para que se aproveitasse a vista exclusiva da cidade. A planta livre do projeto integra todos os ambientes, com exceção do banheiro. Porém, é possível dividi-los através de portas de correr de vidro embutidas nas ilhas presentes no local, integrando diversos ambientes por vez. Para maior privacidade, há também portas de correr em laca branca que fecham o quarto principal, o guarda roupa, a ducha e o quarto de hóspedes. Os elementos são organizados para que nada bloqueie a movimentação livre pelo espaço e nem os ambientes distintos. Apenas o sofá, a mesa de jantar e a cama do quarto principal estão à vista. Sendo a cor branca predominante no espaço, o teto foi revestido em cinza escuro para que seja “ignorado” e afaste a ideia de se estar em uma caixa branca. O layout fluido faz com que a luz natural adentre ao apartamento, reforçando o movimento livre da habitação.

3.4. Estudo de Caso 4: Apartamento no Copan, Felipe Hess & Renata Pedrosa

Figura 07. A falta de paredes garante um espaço fluido e harmonioso.

Este espaço de 140m² localizado no Edifício Copan, construção de Oscar Niemeyer em São Paulo, era um apartamento tradicional até ser transformado em um loft contemporâneo com espaços abertos e fluidos. Para isso, foi necessário demolir as paredes completamente, deixando somente colunas de sustentação. Sua única separação é entre área social e íntima e feita através de um bloco central que, posicionado para a área íntima, contém armários e rouparia. Para a área social, o bloco abriga prateleiras de 15


concreto com objetos memoráveis do proprietário e a cozinha da moradia.

Figura 08. Através da planta baixa do apartamento é possível observar o novo layout do local.

Em diversas partes do apartamento não há revestimentos como, por exemplo, nos pilares de sustentação, na parede atrás da cama e no teto, onde o concreto fica a mostra, contrastando com a decoração local. Parte do teto é revestida em gesso branco em algumas áreas, trazendo sensação de aconchego. Para integrar o quarto à área social, há grandes portas de aço que delimitam a privacidade do local. Neste apartamento quase sem paredes, a comunicação entre os ambientes faz com que a harmonia e a luz natural percorram por todos os lados e é ponto positivo até mesmo quando o proprietário organiza festas particulares.

3.5. Estudo de Caso 5: Apartment in Ilion, lkmk architects Este apartamento de 155m² localizado em Ilion, Grécia, teve como desafio unir as estruturas dos anos 90 a um novo layout para acomodar uma nova família com dois filhos. Sua localização foi suficiente para que os arquitetos soltassem a imaginação. A cozinha, a sala de jantar e a sala de estar passou a ser um ambiente único, fluido e harmonioso devido à simplicidade das formas. A composição das cores para o Figura 09. O ambiente integrado recebeu cores projeto deu-se através da luminosidade solar, fator fundamental em projetos na Grécia, e neutras e iluminação específica. fez com que certa atenção especial fosse dada no projeto de iluminação artificial, que é capaz de se modificar, de forma versátil, de acordo com a tarefa a ser realizada no local. O branco é a cor dominante em todas as áreas e sua neutralidade contínua é interrompida somente por algumas peças cuidadosamente selecionadas, fazendo do ambiente um espaço aconchegante e convidativo. 3.6. Estudo de Caso 6: Middle Park House, KPDO + CJA Esta edificação secular passou por reformas diversas vezes, sendo esta última pela KPDO + CJA. Localizada em Melbourne, Austrália, a habitação se encontra oposta a praia no Middle Park, onde recebe iluminação em suas fachadas durante todo o dia. A iluminação solar influenciou na escolha de cores para seu interior, criando cômodos distintos sob uma paleta neutra. As cores, junto as diferentes intensidades de luz natural, conversam entre si e conectam o ambiente ao exterior a todo o momento devido à ampla vista do mar, do céu e do jardim enquanto, ao mesmo tempo, é capaz de transmitir a sensação de aconchego e intimidade. Esta articulação dos espaços com a luz natural foi fundamental para a criação do ambiente, perfeito para a vida em família. 16


Figura 10. A iluminação natural junto às cores neutras utilizadas forma um ambiente aconchegante.

3.7. Estudo de Caso 7: Apartamento HSV em Ljubljana, Enlighter

Figura 11. A utilização de dimmers controla a luminosidade do ambiente.

O projeto luminotécnico vai muito além de simplesmente iluminar um ambiente. Uma boa iluminação é capaz de destacar objetos, realizar bem as tarefas e proporcionar a sensação de aconchego, bem estar, privacidade, seja na hora de realizar um trabalho ou um encontro social. Além disso, a coloração de cada tipo de luz influencia na sensação térmica como, por exemplo, a luz amarelada que traz a sensação de calor e lâmpadas de aparência fria que fazem o ambiente parecer menos quente. Na escolha do tipo de iluminação deve-se levar em conta, também, a taxa de consumo e a eficiência da mesma para evitar o desperdício de energia. Uma boa solução para isso é o uso de dimmers, ou controladores de intensidade, que auxiliam nas diferentes intensidades de iluminação, criando diferentes cenários e utilizando-se somente da energia necessária para o tipo de tarefa a ser realizada no ambiente.

Neste apartamento em Ljubljana, Eslovênia, a iluminação é feita através de painéis retangulares embutidos no teto que alternam a iluminação geral com a focalizada. Com isso, em ambientes de múltiplas funções, a versatilidade do projeto luminotécnico é capaz de criar diferentes ambientes em um só, de acordo com a atmosfera que o morador quer passar, variando de um ambiente “frio” até ao ambiente aconchegante e acolhedor.

Figura 12. O projeto luminotécnico, de Enlighter, permite a variação de intensidade da luz no ambiente, proporcionando sensações diversas.

17


4. O CLIENTE


Felipe Eduardo Trevizor, 28 anos. Graduado em Fisioterapia pela Universidade Metodista de Piracicaba - UNIMEP, em Piracicaba, Estado de São Paulo. Atualmente, é professor de inglês. Gosta de viajar, jogar futebol e de estar com os amigos e família. Em seu novo apartamento, deseja um projeto de Interiores confortável tanto para estar sozinho quanto para a recepção de amigos.

Figura 13. Felipe Eduardo Trevizor

4.1. Painel Semântico do Cliente

Figura 14. Painel semântico do cliente.

19


4.2. Briefing Cliente Felipe Eduardo Trevizor _Fale um pouco sobre você e seus gostos. Meu nome é Felipe Eduardo Trevizor, tenho 28 anos, sou formado em Fisioterapia, mas atualmente estou trabalhando como professor de inglês. Gosto muito de socializar com meus amigos e jogar futebol. Amo viajar e conhecer lugares novos. Minhas expectativas para o futuro são ter um lugar para morar, construir uma família e ser feliz! _Qual o objetivo e a funcionalidade para o ambiente a ser projetado? O objetivo é criar um ambiente social e agradável para as pessoas que vou receber em casa. Gostaria de passar um ambiente “sinta-se a vontade”. _Qual a sua preferência de cores? Gosto de cores neutras, como branco, cinza, marrom, preto, bege... _A iluminação no ambiente é suficiente? Não. Gostaria que tivesse mais iluminações especificas. _Que imagem deseja que o ambiente transmita? De conforto e prazer. _Para você, qual a definição de conforto? Um ambiente onde você se sente a vontade e despreocupado. _Onde passa a maior parte do tempo? Sala e cozinha _Em relação ao estilo musical, qual a sua preferência? Eclético, gosto de tudo um pouco. _O que faz nas horas vagas? Saio com os amigos e jogo futebol. _O que gosta de fazer para receber os amigos? Alguns aperitivos, drinks e, às vezes, até mesmo um jantar. 20


_Há algum item/mobiliário/objeto indispensável para este ambiente? Queria muito que fosse confortável. Pufes e sofás confortáveis. _Deseja expor, neste ambiente, algum objeto pessoal e/ou que te traga alguma lembrança? Se sim, qual? Não. _Você tem alguma preferência com relação a estilo de mobiliário e iluminação? Gosto do estilo contemporâneo e um toque de clássico. Quanto a iluminação, quero uma específica para quadros na parede. _Com relação aos estilos contemporâneo e clássico, qual detalhe destes estilos te agrada? Por quê? Gosto do contemporâneo por ter formas retas, ser mais “limpo” e por ser neutro. Gosto, também, de detalhes diferentes que dão um contraste.

21


5. O CONCEITO


O

conceito

para

o

projeto

em

questão

foi

desenvolvido

através

de

questionamentos sobre os ambientes integrados, como "Qual o limite do ambiente integrado?" e "Quão integrado ele realmente está". A escolha da integração de ambientes surge através da procura de mais espaço físico e visual e, sem paredes internas, este objetivo é atingido. Apesar de ser encontrado mais facilmente em habitações pequenas, o ambiente integrado também pode ser aderido a grandes edificações, proporcionando melhor campo visual e movimentação pelo local. Apesar disto, nem sempre o ambiente integrado é realmente assim, é possível encontrar um balcão ou um móvel que divida, mesmo que parcialmente, os ambientes. Então, por que não unir ambos de forma contínua para que seja utilizado pelo proprietário tanto sozinho quanto acompanhado?

5.1. Painel Semântico do Conceito

Figura 15. Painel semântico do conceito

Para a confecção do painel semântico foi preciso estudar imagens com relação ao ambiente integrado, contendo projetos de variadas classificações quanto ao seu design, para que o mesmo seja desenvolvido da melhor maneira possível.

23


6. PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO PROJETO


6.1. Levantamento O ambiente em questão foi construído recentemente. Assim, o proprietário, que antes morava com os pais e agora passou a morar sozinho, apenas improvisou a disposição dos mobiliários para que, com o tempo, fosse organizando aos poucos. Contudo, outro problema a ser resolvido é a questão da iluminação natural e artificial que não estão sendo suficientes, além de afastar o clima aconchegante que o ambiente deveria transmitir.

Figura 16. Vista da sala de estar atual

Figura 17. Vista do ambiente

Figura 18. Vista da sala de jantar atual

25


Figura 19. Vista do ambiente

Figura 20. Vista do ambiente

Figura 21. Planta Baixa sem escala

26


Figura 22. Destaque da localização do apartamento, em Piracicaba – SP. Sem escala. Fonte: Google Maps.

6.2. Estudos Preliminares Os layouts foram criados levando em consideração a integração ao máximo dos ambientes inclusive pelo mobiliário, para que seja atingido o nível de linearidade ideal, sem carregar no visual.

Figura 23. Neste layout, a ideia foi unir os assentos da sala de estar com a de jantar extensível. Sem escala.

27


Figura 24. Neste próximo layout, a ideia foi aproximar o mobiliário. Mesa de jantar extensível e sofá modular. Sem escala.

Figura 25. A medida usada no layout foi de uma mesa de jantar e sinuca embutida. Porém, o espaço não acomoda as medidas suficientes para a execução do jogo. Sem escala.

28


Figura 26. Proposta de mobiliário para integrar os ambientes literalmente.

Figura 27. A partir deste layout é possível notar a semelhança com o projeto final, que será mostrado posteriormente.

29


6.3. Anteprojeto

Figura 28. Sala de jantar. Aqui é possível ver parte do sofá integrado projetado para o ambiente.

Figura 29. Vista do aparador e parede revestida com pedra São Thomé em filetes (canjiquinha).

Figura 30. Vista geral do ambiente.

30


6.4. Projetos executivos 6.4.1. Localização da área de intervenção Vide anexo.

6.4.2. Layout, cortes e vistas; Vide anexo.

6.4.3. Projeto Luminotécnico Vide anexo.

6.4.4. Paginação de Teto Vide anexo.

6.4.5. Paginação de Piso Vide anexo.

6.4.6. Projeto de Mobiliário Vide anexo.

6.4.7. Estudos Cromáticos Estudo Cromático 1

Figura 31. Primeira composição – cores escolhidas: vermelho, bege, cinza, branco e preto.

31


Composição das cores

Figura 32. Composição de cores 1.

Figura 33. Aplicação no ambiente.

Estudo Cromático 2

Figura 34. Segunda composição – cores escolhidas: azul, bege, verde, branco e preto.

32


Figura 35. Composição de cores 2.

Figura 36. Aplicação no ambiente.

Figura 37. Composição escolhida.

A composição escolhida dá maior destaque a cor branca, presente na maior parte do mobiliário e teto, seguida da cor vermelha e bege nos detalhes, preto e cinza em detalhes. Esta paleta transmite paz, calma e passividade (branco e bege), assim como elegância, equilíbrio e flexibilidade (vermelho, preto e cinza). 33


6.4.8. Especificação de Materiais Imagem

Descrição

Unid.

Preço Total

Loja

Pendente ST20050 New Line

01

R$229,90

Yamamura

Spot de Embutir Basculante 8,5cm para Mr16 50w

08

R$ 136,00

C&C

Fita de Led Flex 4,4w/M 127v - Brilia Home

15m

R$ 714,95

C&C

Kit A12G 130x60cm

01

R$ 159,00

Zarco Interiores

Kit C107c 130x60cm

01

R$ 159,90

Zarco Interiores

Cortina Voil 250x360cm - Cinza

01

R$ 159,00

Pernambucanas

Almofadas decorativas – 45x45cm – Branco, Vermelho e Bege

06

R$ 90,00

Mariclaudia

Tapete Emotion Polipropileno 200x300cm

01

R$ 799,90

Etna

Espelho Leon 120x35cm

03

R$ 119,70

Etna

34


Vaso Akiva Vidro 31cm

01

R$ 59,90

Etna

Vaso Redondo Tinja Vidro D9

01

R$ 29,99

Etna

Poltrona Trevo II Vermelha

01

R$ 899,90

Etna

Cadeira Rodésia OffWhite

02

R$ 598,00

Oppa

Ret Mesa 175x85cm

01

R$ 399,00

Tok&Stok

-

-

R$ 4.555,14

-

TOTAL

6.4.9. Planilha de Planejamento de Execução e Orçamento da Obra Obra

Construção

Instalação

Preço Total

Aplicação de pedra em estilo canjiquinha

R$ 536,95 1 dia

1 dia

(mão de obra inclusa)

Aplicação de forro e sanca de gesso.

2 dias

3 dias (secagem)

R$ 568,71 R$ 1.015,67

Instalação elétrica

4 dias

1 dia

(mão de obra inclusa)

Mobiliário

25 dias

1 dia

R$ 4.014,43

Total

25 dias

3 dias

R$ 6.135,76

35


6.4.10. Perspectiva eletr么nica final

Figura 38. Vista da sala de estar.

Figura 39. Vista da sala de jantar.

Figura 40. Sala de Jantar.

36


Figura 41. Aparador e parede revestida de pedra São Thomé (canjiquinha) ao fundo.

6.4.11. Fotos da maquete física

Figura 42. Detalhe maquete física - Sala de jantar.

37


Figura 43. Detalhe maquete física – Sala de estar.

Figura 44. Detalhe maquete física - Vista baixa.

38


7. REFERÊNCIAS


ARCHDAILY. Apartamento em Makrygianni, Hiboux Architecture. Disponível em: <http://www.archdaily.com.br/59121/apartamento-em-makrygianni-hiboux-architecture/>. Acesso em 23/09/2012. ARCHDAILY. Apartamento HSV em Ljubljana, Enlighter. Disponível em: <http://www.archdaily.com.br/65442/apartamento-hsv-em-ljubljana-enlighter/>. Acesso em 22/09/2012. ARCHDAILY. Apartamento no Copan, Felipe Hess & Renata Pedrosa. Disponível em: <http://www.archdaily.com.br/20968/apartamento-no-copan-felipe-hess-renata-pedrosa/>. Acesso em 23/09/2012. ARCHDAILY. Middle Park House, KPDO + CJA. <http://www.archdaily.com.br/61745/middle-park-house-kpdo-cja/>. 23/09/2012.

Disponível Acesso

em: em

ARCHELLO. Apartment in Ilion, lkmk architects. Disponível <http://www.archello.com/en/project/apartment-ilion>. Acesso em 23/09/2012.

em:

ARCOWEB. Técnica e arte, Nanci Corbioli. Disponível <http://www.arcoweb.com.br/tecnologia/projeto-luminotecnico-tecnica-e-12-022004.html>. Acesso em 22/09/2012.

em:

CASOS DE CASA. Iluminação: para ambientes com múltiplas funções, vá de dimmer; Bianca Duarte. Disponível em: <http://www.casosdecasa.com.br/index.php/2009/11/iluminacao-para-ambientes-commultiplas-funcoes-va-de-dimmer/>. Acesso em 15/09/2012. BAN, SHIGERU. Wall-Less House, Shigeru Ban. Disponível em: <http://www.shigerubanarchitects.com/SBA_WORKS/SBA_HOUSES/SBA_HOUSES_18/ SBA_Houses_18.html>. Acesso em 09/09/2012. MAGAZINE, UME. Wall-Less House, Shigeru Ban. Disponível <http://www.umemagazine.com/scrollSpreads.aspx>. Acesso em 09/09/2012.

em:

VITRUVIUS. Casa Grelha, FGMF. Disponível em: <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/08.092/2918>. Acesso em 07/09/2012.

40


8. LISTA DE FIGURAS


Figura

Vista

01.

da

passagem

interna.

Fonte:

<http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/08.092/2918>. Acesso em 07/09/2012. Figura

Vista

02.

do

interior

da

residência.

Fonte:

<http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/08.092/2918>. Acesso em 07/09/2012. Figura 03. Vista geral do ambiente. É possível notar os trilhos embutidos das paredes móveis.

Fonte:

<http://www.shigerubanarchitects.com/SBA_WORKS/SBA_HOUSES/SBA_HOUSES_18/ SBvmA_Houses_18.html>. Acesso em 09/09/2012. Figura 04. Vista superior do ambiente. Destaque para o balcão acompanhando a curva da parede. Fonte: <http://www.umemagazine.com/scrollSpreads.aspx>. Acesso em 09/09/2012. Figura 05. O ambiente fluido faz com que a visão percorra a todos os detalhes e torna livre

a

movimentação

pelo

espaço.

Fonte:

<http://www.archdaily.com.br/59121/apartamento-em-makrygianni-hiboux-architecture/>. Acesso em 23/09/2012. Figura 06. A partir desta vista é possível notar as ilhas que abrigam armários e portas de correr

embutidas.

Fonte:

<http://www.archdaily.com.br/59121/apartamento-em-

makrygianni-hiboux-architecture/>. Acesso em 23/09/2012. Figura 07. A falta de paredes garante um espaço fluido e harmonioso. Fonte: <http://www.archdaily.com.br/20968/apartamento-no-copan-felipe-hess-renata-pedrosa/>. Acesso em 23/09/2012. Figura 08. Através da planta baixa do apartamento é possível observar o novo layout do local.

Fonte:

<http://www.archdaily.com.br/20968/apartamento-no-copan-felipe-hess-

renata-pedrosa/>. Acesso em 23/09/2012. Figura 09. O ambiente integrado recebeu cores neutras e iluminação específica. Fonte: <http://www.archello.com/en/project/apartment-ilion>. Acesso em 23/09/2012.

42


Figura 10. A iluminação natural junto às cores neutras utilizadas forma um ambiente aconchegante. Fonte: <http://www.archdaily.com.br/61745/middle-park-house-kpdo-cja/>. Acesso em 23/09/2012. Figura 11. A utilização de dimmers controla a luminosidade do ambiente. Fonte: <http://www.casosdecasa.com.br/index.php/2009/11/iluminacao-para-ambientes-commultiplas-funcoes-va-de-dimmer/>. Acesso em 15/09/2012. Figura 12. O projeto luminotécnico, de Enlighter, permite a variação de intensidade da luz no

ambiente,

proporcionando

sensações

diversas.

<http://www.archdaily.com.br/65442/apartamento-hsv-em-ljubljana-enlighter/>.

Fonte: Acesso

em 22/09/2012. Figura 13. Felipe Eduardo Trevizor. Fonte: fotografia do cliente. Figura 14. Painel semântico do cliente. Fonte: imagem do autor. Figura 15. Painel semântico do conceito. Fonte: imagem do autor. Figura 16. Vista da sala de estar atual. Fonte: fotografia do autor. Figura 17. Vista do ambiente. Fonte: fotografia do autor. Figura 18. Vista a sala de jantar atual. Fonte: fotografia do autor. Figura 19. Vista do ambiente. Fonte: fotografia do autor. Figura 20. Vista do ambiente. Fonte: fotografia do autor. Figura 21. Planta Baixa sem escala. Fonte: imagem do autor. Figura 22. Destaque da localização do apartamento, em Piracicaba – SP. Sem escala. Fonte: Google Maps. Figura 23. Neste layout, a ideia foi unir os assentos da sala de estar com a de jantar extensível. Fonte: imagem do autor. 43


Figura 24. Neste próximo layout, a ideia foi aproximar o mobiliário. Mesa de jantar extensível e sofá modular. Fonte: imagem do autor. Figura 25. A medida usada no layout foi de uma mesa de jantar e sinuca embutida. Porém, o espaço não acomoda as medidas suficientes para a execução do jogo. Fonte: imagem do autor. Figura 26. Proposta de mobiliário para integrar os ambientes literalmente. Fonte: imagem do autor. Figura 27. A partir deste layout é possível notar a semelhança com o projeto final, que será mostrado posteriormente. Fonte: imagem do autor. Figura 28. Sala de jantar. Aqui é possível ver parte do sofá integrado projetado para o ambiente. Fonte: imagem do autor. Figura 29. Vista do aparador e parede revestida com pedra São Thomé em filetes (canjiquinha). Fonte: imagem do autor. Figura 30. Vista geral do ambiente. Fonte: imagem do autor. Figura 31. Primeira composição – cores escolhidas: vermelho, bege, cinza, branco e preto. Fonte: imagem do autor. Figura 32. Composição de cores 1. Fonte: imagem do autor. Figura 33. Aplicação no ambiente. Fonte: imagem do autor. Figura 34. Segunda composição – cores escolhidas: azul, bege, verde, branco e preto. Fonte: imagem do autor. Figura 35. Composição de cores 2. Fonte: imagem do autor. Figura 36. Aplicação no ambiente. Fonte: imagem do autor.

44


Figura 37. Composição escolhida. Fonte: imagem do autor. Figura 38. Vista da sala de estar. Fonte: imagem do autor. Figura 39. Vista da sala de jantar. Fonte: imagem do autor. Figura 40. Sala de Jantar. Fonte: imagem do autor. Figura 41. Aparador e parede revestida de pedra São Thomé (canjiquinha) ao fundo. Fonte: imagem do autor. Figura 42. Detalhe maquete física - Sala de jantar. Fonte: imagem do autor. Figura 43. Detalhe maquete física – Sala de estar. Fonte: imagem do autor. Figura 44. Detalhe maquete física - Vista baixa. Fonte: imagem do autor.

45


9. O AUTOR


William Trevizor facebook.com/williamtrevizor Técnico em Administração pela Escola Técnica Estadual Cel. Fernando Febeliano da Costa, em Piracicaba/SP. Trabalha na Prefeitura Municipal de Piracicaba. Procura ampliar seus conhecimentos em assuntos relacionados à tecnologia, sustentabilidade e inovação para obter soluções e alcançar o sucesso em seus projetos.

47


Escala: 1:50 Cliente: Felipe Eduardo Trevizor

Quarto

Gvcrc<"ètgc"fg"Kpvgtxgp›«q

étgc"fg Ugtxk›q

Projeto: Reforma / Sala de Estar e Jantar

11.40

Quarto

Cozinha

Uw vg Banheiro Banheiro

Passagem

William Trevizor

6.30

Sala de Estar e Jantar

Passagem

étgc"fg"Kpvgtxgp›«q

Rncpvc"Dckzc"/"étgc"fg"Kpvgtxgp›«q Escala 1:50

01/10


B 6.30 .90

2.70

2.40 .15 .55

1

.55 .15

1.05

.40

1.55

3.00

.15

6.00

B

02/10

William Trevizor Projeto: Reforma / Sala de Estar e Jantar

Etapa: Planta Baixa

Cliente: Felipe Eduardo Trevizor

Escala: 1:50

A

4

2

1.60

Sala de Estar e Jantar C"?"38.42"o+ PD = 2,80 m

3

2.70 3.00

A

Planta Baixa

Escala 1:50

.15


Etapa: Corte AA; Vista 1

Escala: 1:50 Cliente: Felipe Eduardo Trevizor

2.45

2.10

1.85 1.00

Projeto: Reforma / Sala de Estar e Jantar

.20

.15 1.10

1.15

.10

.10 1.50 .60

Sala de Estar e Jantar

Corte AA

Quadro C107c 130x60 cm Pendente ST20050 New Line cor: vermelho

Pendente atual cor: branco Cor atual

*p«q"oqfkhkecfq+

Parede revestida com pedra U«q"Vjqofi"*ecplkswkpjc+

Cortina cor: cinza

Ecfgktc"Tqffiukc Off White

William Trevizor

Escala 1:50

Aparador (ver detalhamento)

Mesa 175x85cm cor: branco

Uqh (ver detalhamento)

Vista 1 Escala 1:50

03/10


Escala: 1:50 Cliente: Felipe Eduardo Trevizor

.70

Cor atual

Etapa: Corte BB; Vista 2

Pendente atual cor: branco

Projeto: Reforma / Sala de Estar e Jantar

.15

.10

Parede revestida com pedra U«q"Vjqofi"*ecplkswkpjc+

*p«q"oqfkhkecfq+

Poltrona Trevo II

Sala de Estar e Jantar

Corte BB Escala 1:50

Uqh (ver detalhamento)

Vista 2 Escala 1:50

William Trevizor

2.10

Aparador (ver detalhamento)

1.00

2.45

1.10

Espelho Leon 120x35cm

04/10


*p«q"oqfkhkecfq+

Cortina cor: cinza

Ecfgktc"Tqffiukc Off White

Escala: 1:50

Cor atual

Cliente: Felipe Eduardo Trevizor

Pendente ST20050 New Line cor: vermelho

Etapa: Vista 3; Vista 4

Quadro A12g 130x60 cm

Projeto: Reforma / Sala de Estar e Jantar

Pendente atual cor: branco

Aparador (ver detalhamento) Mesa 175x85cm cor: branco

Vista 3 Escala 1:50

Pendente ST20050 New Line cor: vermelho Cortina cor: cinza

William Trevizor

Poltrona Trevo II

Quadro C107c 130x60 cm

Quadro A12g 130x60 cm

Ecfgktc"Tqffiukc Off White Uqh (ver detalhamento) Mesa 175x85cm cor: branco

Vista 4 Escala 1:50

05/10


1.09

.18 T

1.45

1.26

1.45

.18

Escala: 1:50

tv T

Cliente: Felipe Eduardo Trevizor

1.35

1.35

1.35

Spot de Embutir Basculante 8,5cm Mr16 50w

Gvcrc<"Rncpvc"/"Rtqlgvq"Nwokpqvfiepkeq

Fita de LED Flex 4,4w/M 127v

Projeto: Reforma / Sala de Estar e Jantar

Detalhe da Sanca

Legenda Pendente ST20050 New Line

Fita de LED Flex 4,4w/M 127v

1.35 S4

Interruptor 4 teclas

1.25

1.35

1.60

Vqocfc"rcft«q"CDPV" (h = 30 cm) tv

Ponto de TV

T

Ponto de Telefone Dimmer

.85

1.00

.85

William Trevizor

*p«q"oqfkhkecfq+

Spot de Embutir Basculante 8,5cm Mr16 50w

S4 1.95

1.60

Pendente atual

Rtqlgvq"Nwokpqvfiepkeq Escala 1:50

06/10


Detalhe da Sanca

Escala: 1:50

0.35

Cliente: Felipe Eduardo Trevizor

0.20

Gvcrc<"Rncpvc"/"Rcikpc›«q"fg"Vgvq

0.35

0.15

Nicho para Cortina

Projeto: Reforma / Sala de Estar e Jantar

2.70 2.40

0.15 0.20

0.20 0.15

0.35

Ver detalhe anexo

h = 15cm h = 35cm

William Trevizor

5.85

0.10

0.10

Sanca de gesso

*Alturas medidas a partir da laje

Rncpvc"/"Rcikpc›«q"fg"Vgvq Escala 1:50

07/10


Escala: 1:25 Cliente: Felipe Eduardo Trevizor

Uwrqtvg"ektewnct"go"cnwo pkq"hqueq Fkco‒vtq<"7"eo

Etapa: Detalhamento - Aparador

Vidro temperado 60x45 cm

Projeto: Reforma / Sala de Estar e Jantar

MDF na cor branco

Puxador em aluminio

0.03

0.41

0.45

0.47

0.69 0.75

0.83

William Trevizor

0.25

1.70

0.03

IMAGEM ILUSTRATIVA 3D Sem Escala

1.07

VISTA LATERAL DIREITA Escala 1:25

0.03

0.25

0.41 0.47

0.69

0.75

0.03

0.03

0.03

0.41

0.75

0.25

0.03

0.03

VISTA FRONTAL Escala 1:25

0.03

0.69 0.75

0.03

PLANTA BAIXA Escala 1:25

VISTA LATERAL ESQUERDA Escala 1:25

VISTA POSTERIOR Escala 1:25

08/10


Gvcrc<"Fgvcnjcogpvq"/"Uqh

Escala: 1:25 Cliente: Felipe Eduardo Trevizor

IMAGEM ILUSTRATIVA 3D Sem Escala

Projeto: Reforma / Sala de Estar e Jantar

Uwrqtvg"ektewnct"go"cnwo pkq"hqueq Fkco‒vtq<":"eo

4.58

0.40 0.20

2.40

PLANTA BAIXA Escala 1:25

0.26

VISTA POSTERIOR Escala 1:25

0.06

0.34 0.06

0.34 0.06

VISTA LATERAL ESQUERDA Escala 1:25

0.08

VISTA FRONTAL Escala 1:25

0.40

0.06 0.20

0.08

0.34 0.06

VISTA LATERAL DIREITA Escal 1:25

William Trevizor

0.34 0.06 0.26

0.26

0.06 0.20

0.60

2.40

09/10


.50

.15 .15

1.70 2.70

Escala: 1:50

.52

.50

William Trevizor

1.55 .40

Tapete Emotion Polipropileno 200x300cm .80

.98

1 2

1.05

2.70

4 3

Cliente: Felipe Eduardo Trevizor

3.00

Sala de Estar e Jantar C"?"38.42"o+

6.00

.90

Sala de Estar e Jantar C"?"38.42"o+ PD = 2,80 m

Etapa: Layout Proposto; P.B. Humanizada

.15

.48 2.40

1.04

Projeto: Reforma / Sala de Estar e Jantar

.55 .15

.55

.15

Planta - Layout Proposto

Planta Baixa Humanizada

Escala 1:50

Escala 1:50

10/10


Ambientes Integrados - TFG