Issuu on Google+


ÍNDICE

FICHA TÉCNICA

REPORTAGENS

03 ► Epica (Vagos Open Air) - Vagos 05 ► Xutos e Pontapés - Batalha 07 ► Rita Redshoes - Coimbra 09 ► As Férias da Whisper por Espanha

ENTREVISTAS

11 ► Luís Rodrigues 13 ► João Ribeiro

MÚSICA

12 ► Próximos Lançamentos

CRÍTICA

14 ► Filme - Inglorious Basterds

AGENDA

14 ► Próximos Eventos

whisper #1 15 de Setembro de 2009

GERAL whisper magazine BLOG: whispermagazine.blogspot.com MYSPACE: myspace.com/whispermagazine TWITTER: twitter.com/whisper_magazine EMAIL: whispermagazine@gmail.com

DIRECÇÂO joana vieira BLOG: joanavieiraphot.blogspot.com MYSPACE: myspace.com/meraluna214 DEVIANTART: joanavieiraphot.deviantart.com FLICKR: flickr.com/joana_vieira TWITTER: twitter.com/joana_vieira EMAIL: joanabeco@gmail.com

mariana ribas MYSPACE: myspace.com/damari19 TWITTER: twitter.com/mari_ribas EMAIL: marianamfr@gmail.com

EDITORIAL A Whisper Magazine lança hoje, dia 15 de Setembro de 2009 a sua primeira edição online. É com bastante prazer que vos damos a conhecer este projecto num novo formato. Nesta edição irão poder ver o que a Whisper andou a fazer nos últimos tempos, as nossas últimas reportagens, as entrevistas realizadas, a crítica ao filme Inglorious Basterds, os novos álbuns a serem lançados e os próximos eventos a assistir. Estejam atentos às nossas entrevistas pois são a voz do panorama nacional na fotografia. Entrevistámos dois jovens fotógrafos que procuram algum destaque e reconhecimento nesta área tão competitiva e complexa para se obter um lugar ao sol. Que tenham uma boa primeira leitura sobre as páginas da Whisper.

imagem de capa: © 2009 Universal Studios

Envie os seus trabalhos para whispermagazine@gmail.com © 2009 Whisper Magazine Todos os direitos reservados. As imagens utilizadas têm direitos reservados e são propriedade dos seus respectivos autores.


REPORTAGEM EPICA

VAGOS OPEN AIR ‘09

A Whisper esteve em Vagos (Aveiro) no dia de estreia do festival Vagos Open Air e teve a oportunidade de fotografar os holandeses Epica num espectáculo memorável e de óptimas condições. Após este concerto, a banda marcou uma nova data para Portugal para o bem daqueles que não puderam marcar presença em Vagos. Voltarão a terras lusas dia 1 de Novembro, na Incrível Almadense.

VAGOS OPEN AIR ‘09 Lagoa do Calvão

CARTAZ

7 dE AGOSTO

The Gathering Katatonia Epica Kathaarsys Process of Guilt F.E.V.E.R

8 dE AGOSTO

Amon Amarth Dark Tranquillity Cynic Dawn of Tears Thee Orakle Echidna


Fotos: Joana Vieira Mais Fotos: whispermagazine.blogspot.com Š Joana Vieira Photography Todos os Direiros Reservados


XUTOS

E PONTAPÉS

BATALHA

Por vezes, os concertos estão onde e quando menos se espera. Foi o que aconteceu no passado mês, no dia 16 de Agosto. Não sabia o que ía acontecer nas costas do Mosteiros da Batalha mas mal dei conta do que se tratava, um pequeno tête-à-tête com a orgazinação resultou na acreditação instantânea. Neste concerto pudémos ouvir todos os grandes exitos de Xutos que percorrem gerações nos ouvidos de todos e outros temas dos dois últimos albuns: “Mundo ao Contrário” e “Xutos & Pontapés”. A entrada no concerto foi gratuíta, o que resultou num imenso público de todas as idades a assistir um óptimo espectáculo, bem como nos tem habituado há já 30 anos. E apesar destes vastos anos, os Xutos continuam a dar optimos shows repleto de energia, luzes, musicas cantadas em coro e letras na ponta das linguas.


Fotos: Joana Vieira Mais Fotos: whispermagazine.blogspot.com Š Joana Vieira Photography Todos os Direiros Reservados


REPORTAGEM RITA REDSHOES

CIC ‘09 - COIMBRA

Este concerto teve lugar em Coimbra, na Praça da Canção (CIC ‘09). Foi fácil conseguir a primeira fila neste concerto. Talvez não fosse o melhor locar para uma artista como a Rita Redshoes tocar, mas assim aconteceu e com algum sucesso. A chuva não ajudou, mas aos poucos o público compôs-se e a tímida Rita Pereira pode dar um excelente concerto (com muito boas condições de iluminação). A banda iniciou o concerto com alguns novos temas ainda um pouco desconhecidos pela parte do público. Depressa passaram para os tão conhecidos temas do album “Golden Era” como “Hey Tom”, “Dream On Girl” ou “Choose Love”. Assim se animou o público e o palco nesta noite fresca de 28 de Junho entre os grandes exitos desta relativamente recente banda. No final do concerto não faltaram as covers, entre elas uma fantástica interpretação da música “Ring On Fire”, escrita por June Carter e conhecida pela voz de Johnny Cash, seu grande amor. Assim foi mais um grande concerto de Rita Redshoes, mancando cada presença sua pela timidez, boa disposição e a magia de cada música.


Fotos: Joana Vieira Mais Fotos: whispermagazine.blogspot.com Š Joana Vieira Photography Todos os Direiros Reservados


REPORTAGEM FÉRIAS

MADRID. BARCELONA. BILBAO

A Whisper pode ter ído de férias, mas não se esqueceu dos seus leitores. Trouxemos connosco várias fotografias dos locais por onde passámos nesta passeata por Espanha. Primeira paragens foi:Madrid, a capital onde tudo acontece e tudo é possível. Tivemos a oportunidade de visitar as exposições do World Press Cartoon, de efeitos especiais utilizados em cinema, o Estádio Santiago de Barnabeu, Museu do Prado e tudo mais que era encontrado pelo caminho. Seguimos então até Barcelona onde está todo o “império” Gaudí. Desde a Sagráda Família ao Parque Güell, toda a cidade tem a constante marca de presença deste grande artísta. Pudémos também passear pelas famosas Ramblas e seguir em direcção ao Mar Mediterranêo que nos refrescou em dias de calor insuportável. Já a paragem em Bilbau foi marcada pela visita ao museu de arte moderna Guggenheim. Uma autêntica maratona de experiências para mais tarde recordar.


vez que comecei a fotografar com máquinas compactas, e mesmo hoje que fotografo com uma SLR não tenho as objectivas adequadas ao tipo de fotografia que faço. Em termos de metas atingidas, diria que conseguir bons resultados com o material que tenho, e ver as minhas fotos espalhadas pela Internet em MySpaces e sites oficiais de bandas. ► Quando paras de fotografar durante longo período de tempo sentes falta de pegar na máquina e disparar?

LUÍS RODRIGUES Nome: Luís

Rodrigues

Sim, às vezes dou por mim a olhar para a máquina e a pensar que já há muito tempo que não vou a um concerto. Deveria pensar isso por não ver uma banda a tocar há muito tempo, mas acaba por ser por não fotografar uma banda ao vivo ao muito tempo. ► Quais são as tuas principais influências

Idade: 22

nesta área?

Naturalidade: Entroncamento

Acho que a influência acaba por ser o próprio objecto/pessoa que estou a fotografar. Há fotógrafos que admiro mas no entanto nunca fui muito de olhar para os trabalhos deles e tirar ideias. Limito-me a tirar a máquina da mochila e começar a fotografar, tentando tirar o melhor possível do que tenho à frente. ► Consideras o tratamento de imagem es-

Website: djslide.no.sapo.pt Myspace: myspace.com/djslide Email: netslider25@hotmail.com

► Como surgiu o interesse pela fotografia? Foi uma coisa um pouco inesperada. Comecei por comprar uma máquina fotográfica digital das mais baratas só porque toda a gente tinha uma e andava a exibi-la pela escola, já começava a meter nojo por ser o único a não ter máquina. A máquina era completamente automática e depressa me senti limitado. Depois comprei material melhor e comecei a publicar no MySpace fotografias de concertos que ia ver. As bandas depois comentavam a dizer que as fotos estavam boas e eu comecei a levar a coisa mais a sério a partir daí. ► Como foi o inicio da experiência como fotografo e o processo de aprendizagem?

Comecei por fotografia de concertos, um tipo de fotografia que é ainda hoje o que faço mais. Devido aos movimentos rápidos, falta de luz, e luzes em constante alteração, acabei por ser quase que forçado a aprender depressa como jogar com os diferentes factores a ter em conta quando se tira uma fotografia. Há no entanto sempre lugar para melhorar, e com cada fotografia tenho sempre alguma coisa a analisar para saber como melhorar. ► Quais foram os principais obstáculo e me-

sencial ou dispensável?

Depende um pouco do material que se tem e das condições da fotografia. Há fotografias que tal como saem da máquina já são algo muito bom de se ver, no entanto algumas precisam de um empurrãozinho para ficar algo mesmo bom. Acho que um pouco de tratamento nas cores e luz só beneficia qualquer fotografia, permite por vezes criar a essência que os olhos captavam mas que a máquina não foi capaz de captar. ► Com o surgimento da era digital, a fotografia passou a implicar custos muito menores. Na tua opinião, quais são as principais consequências que isto tem na fotografia e no seu meio?

Não vejo consequências negativas. O digital permitiu que toda a gente pudesse ter o prazer de fotografar. O facto de não ser preciso gastar balúrdios em revelações e rolos acaba por ser também um incentivo ao trialand-error, por isso acaba por não existir aquele medo de tentar algo e aprende-se mais depressa, mas principalmente conseguem-se resultados tas atingidas? Os principais obstáculos talvez ten- mais inovadores. ham sido mesmo a falta de material ► Sei que tens desenvolvido alguns projecmais apropriado e profissional, uma tos com bandas, tanto a nível fotográfico

como de design. Como surgiu esta relação e proximidade com as bandas?

Tudo começou com a tal publicação das fotografias dos concertos no MySpace. As bandas acabavam por perguntar se eu tinha mais fotos e se era possível entregá-las. Assim geralmente acabava por no final de um próximo concerto das bandas entregar um CD com as fotos, ficava um pouco à conversa com as mesmas, e muitas vezes até acabavam por me oferecer t-shirts e até mesmo entradas para outros concertos. Acabei assim por desenvolver relações de amizade com algumas das bandas, que mais tarde me vieram pedir trabalhos de design e até de fotografia, e depois acabavam por falar de mim aos amigos e fui assim criando contactos. No entanto algo que também teve bastante influência no meu envolvimento com bandas foi a criação de um layout personalizado para o meu MySpace. De repente comecei a receber inclusive de bandas internacionais pedidos de orçamentos. ► Existem projectos para o futuro? Comprar uma máquina com sensor full-frame quando for rico, objectivas de grande abertura, continuar a fazer o que faço, arranjar um bom emprego, fazer uma photo trip pela Europa, e mais aquelas coisinhas que todos nós queremos. ► Para finalizar, alguma mensagem que

queiras deixar aos leitores, fotógrafos, promotoras, revistas…?

Leitores: Continuem a ler a Whisper, apoiem as bandas nacionais, apareçam nos concertos em vez de ficarem em casa e depois queixarem-se que não se fazem concertos na vossa zona, porque se os concertos não se fazem é porque não rende fazer concertos para ter apenas 10 pessoas na plateia. Fotógrafos: Vemo-nos no fosso de um qualquer festival ou concerto. Promotoras: Era bom se dessem mais oportunidades a fotógrafos que não pertencem à Blitz ou à Loud, por vezes os amadores são os mais motivados e acabam por conseguir melhores fotografias e até acabam por espalhálas de forma quase viral pela Internet, acabando por promover os vossos eventos. Revistas: Proponham-se a ver os trabalhos dos fotógrafos que vos contactam a dizer que têm fotografias de tal concerto antes de lhes dizer que não estão interessados.


MARK KNOPFLER Get Lucky

15

MEGADETH Endgame

15

BEASTIE BOYS Hot Sauce Committee

PORCUPINE TREE The Incident

15

MUSE The Resistance

15

PEARL JAM Backspacer

22

NOISETTES Wild Young Hearts

22

MIKA The Boy Who Knew

22

PARAMORE Brand New Eyes

29

MADONNA Celebration

29

RAVEONETTES In & Out of Control

06

GOSSIP Music for Men

06

SET.

SET.

SET.

SET.

SET.

SET.

SET.

OUT.

15 SET.

SET.

SET.

OUT.


ENTREVISTA

portas se fecham. Nunca desisti, tendo sempre a noção de que se 20 se fechassem, a 21ª poder-se-ia abrir. Muitas se fecharam, muitas se abriram felizmente. E isto aconteceu, pura e simplesmente devido a três factores: persistência, mérito e suor. ► Quando paras de fotografar durante lon-

porque o “amador” é amigo de quem lhe propõe a realização desse serviço. É basicamente como comprar roupa no Shopping, e não comprar no mercado tradicional: a qualidade tem um preço. ► 8. Nas tuas galerias online podemos en-

Óbvio. Acontece com toda a gente que, felizmente, a possibilidade de fazer na vida o que gosta. Não digo que não tenha férias (e felizmente tenho possibilidade de as fazer muitas vezes), mas quando as tenho, sinto um pouco daquele bixo da saudade. ► Quais são as tuas principais influências

Trabalho e gosto. Existe X evento a decorrer em Y local. Pouco me interessa quem lá vai estar ou onde vai ser. O importante, é que vai decorrer um evento digno de lhe ser feita uma reportagem, e tenho de lá estar, fazer o meu trabalho e não falhar. Posso dizervos que já passei algumas dificuldades (a nível de condições de trabalho no local) para fazer este tipo de fotografia, mas já passei muito boas noites às custas destes eventos. Para além disso, posso aliar dois gostos na minha vida: a noite, e a fotografia. O que mais caracteriza este tipo de fotografia, é o facto de, sem um flash, não ser possível fazer uma reportagem decente. É basicamente flashada na cara, e o resto é técnica fotográfica aliada à beleza (ou não) dos fotografados. ► Existem projectos para o futuro? Muitos, aliciantes e com metas a serem atingidas. Felizmente, cheguei a um ponto em que novas metas terão de ser definidas, pois as que deliniei à alguns anos atrás, já foram atingidas. A ver vamos o “amanhã”, mas certamente não serão as centenas de portas que se fecham que me farão desistir. ► Para finalizar, alguma mensagem que

go período de tempo sentes falta de pegar na máquina e disparar?

João RIBEIRO

nesta área?

A nível de fotógrafos? Não muitos, pois gosto de fotografar com a minha identidade e não com aquele penWebsite: joaoribeirophotography.pt.vu samento de “vou fazer esta foto, como o X fez”. Posso referir três nomes cujos Myspace: myspace.com/pathologist_pt seus trabalhos são por mim dignos de Email: joaoribeirophotography@hotmail.com destaque: Henri Cartier-Bresson (pai do fotojornalismo), Paulo Pimenta (fo► Como surgiu o interesse pela fotografia? tojornalista do jornal Público) e Leonel Não lhe chamaria interesse, mas sim de Castro (fotojornalista do Jornal de fascínio. Sempre vi dessa forma esta Notícias). linguagem tão expressiva como a ► Consideras o tratamento de imagem esfotografia. Mas sendo concreto, sur- sencial ou dispensável? giu quando decidi pegar na minha Há quem continue a dizer que phocompacta Sony, e bati umas fotos ao toshop ou outro software de edição, meu baixo. Daí surgiu o interesse de pois com o digital, a verdadeira esaprofundar mais a temática, pois o sência da fotografia perdeu-se. Só usa resutado dessa fotografia foi interes- o digital quem quer. Só edita quem santíssimo. A nível de fotojornalismo, quer melhorar. Pois ainda estão para foi quando fiz a minha primeira re- vir câmeras que façam uma fotograportagem fotográfica, na altura para fia com um determinado “grau” de a (mítica) revista UNDERWORLD, do Sharpen e saturação (exemplo), e que último concerto de Decapitated em na próxima já apliquem outros filtros diferentes. Isso então no fotojornalPortugal (Panóias, Braga). ► Como foi o inicio da experiência como fo- ismo dava cá um jeito... ► Com o surgimento da era digital, a fotografo e o processo de aprendizagem? Estranho e aliciante. Nunca havia es- tografia passou a implicar custos muito menores. Na tua opinião, quais são as printado num evento sem ser enquanto cipais consequências que isto tem na fopúblico. Ali era diferente: tinha uma tografia e no seu meio? responsabilidade a cumprir, e pessoas Muito resumidamente? Desvalorizapara não desapontar. Correu tudo ção dos profissionais. Hoje em dia, bem, e foi como quando fui a primeira quem trabalha num jornalizinho da vez ver o Benfica: ao fim de tantos terra ou faz uma foto-sessão com uma anos, continuo a estar lá sempre! A banda, já se considera um profissional nível de aprendizagem, todo o pro- no meio. Quando é assim, questiono cesso foi feito de uma forma autodi- quantos desses possuem formação, dacta, até 2008, ano em que ingressei Carteira de Jornalista Profissional no Instituto Português de Fotografia, ou até mesmo, material profissional. para fazer o Curso de Profissional de Atenção, com isto não estou a dizer Fotografia. que os “amadores” não têm valor. ► Quais foram os principais obstáculo e me- Digo sim, que há “amadores” que leNome: João

Ribeiro Naturalidade: Porto

contrar várias fotografias de eventos sócias. Trata-se de trabalho ou gosto? O que mais caracteriza esse tipo de fotografia?

queiras deixar aos leitores, fotógrafos, promotoras, revistas…?

Valorizem o profissionalismo. Não hesitem em falar com um bom profissional, quando esse profissional vos traz segurança mesmo antes de sequer ter visto o resultado final do trabalho ao qual lhe pediu. Movam-se. Saiam de casa com a câmera e vão fazer fotografias do que mais gostam: sejam eventos em que não necessitam de acreditação, sejam sessões de moda cujo modelo é o melhor amigo e não cobra, seja montar um set de luz em casa e fazer fotografia publicitária. Assim comecei, assim construi o meu portefólio, assim se abriram as tais portas, assim consegui colaborações com diversas publicações nacionais, assim consegui a minha Carteira de tas atingidas? vam a sua paixão longe demais, im- Colaborador Especializado, assim Sinceramente, poucos. Sempre lutei. pedindo que um determinado serviço continuarei a lutar. Um bem haja a toNeste Mundo (da fotografia), muitas seja feito por um profissional, apenas dos por este tempo dispendido!


Por: Mariana Ribas Título Original: Inglorious Basterds Título Traduzido: Sacanas sem Lei Gênero: Ação/Drama Duração: 2h 33 min Data de Lançamento: 27 Agosto 2009 Direção: Quentin Tarantino Argumento: Quentin Tarantino

Inglorius Basterds é um filme à Tarantino e por isso não desilude. Desengane-se quem vai para o cinema na expectativa de ver um filme de acção violento, onde o sangue seria a personagem principal, Inglorious Basterds não é nada disso ao contrário do que uma campanha publicitária fez querer parecer (não percebo

porquê, pois um filme com marca Tarantino vende-se a si próprio), é antes mais uma obra-prima que Tarantino nos oferece. Inglorius Basterds mais se assemelha a uma narrativa deliciosamente construída pela genialidade de Tarantino. O filme caracterizase por sequências de diálogos extremamente cativantes e bem escritos, que mostram que Tarantino é mais que um grande realizador, é sem dúvida um grande escritor. A verdade é que o espera um filme recheado de pormenores brilhantes (que é característica dos filmes de Tarantino) inseridos em diálogos não menos brilhantes que fazem lembrar o muitas vezes esquecido Jackie Brown. Em Inglorius Basterds temos a oportunidade de seguir um grupo de soldados americanos liderados por Brad Pitt (que tem um desempenho fantástico na caracterização do típico americano), um frio e calculista general alemão representado pelo talentoso Christoph Waltz, que lhe valeu o prémio para melhor actor em Cannes e uma sobrevivente judia desempenhada por Mélanie Laurent que nos proporcionam o que podemos

SETEMBRO

AGENDA

18. The Rakes e Ebony Bones - Porto - Clubbing Optimus da Casa da Música 19. Get Back (tributo Beatles) - Lisboa - Coliseu 19. Tara Perdida + Fonzie (XLParty Oeiras Digital) - Oeiras - Fundição 19. Municipal Waste + WAKO + Prayers of Sanity... - Seixal (Corroios) - Ginásio Clube 25. The Cult - Lisboa - Coliseu 26. Xutos & Pontapés + Tara Perdida + Os Pontos Negros - Lisboa - Estádio do Restelo 28. Green Day - Lisboa - Pavilhão Atlântico 30. Legendary Tiger Man & Asia Argento & Rita Redshoes - Lisboa - Lux 30. Fuck Buttons - Porto - Plano B

OUTUBRO

01. Legendary Tiger Man & Asia Argento & Rita Redshoes - Coimbra - TAGV 01. Amália Hoje & Orquestra de Praga - Figueira da Foz 02. Legendary Tiger Man & Asia Argento & Rita Redshoes - Porto - Teatro sá da Bandeira 03. Legendary Tiger Man + Convidadas - Tondela - ACERT 03. Au Revoir Simone - Porto - Casa da Música 05. Au Revoir Simone - Lisboa - Aula Magna 05. Amália Hoje & Orquestra Nacional Sinfónica da República Checa - Lisboa - Coliseu 09. Barclay James Harvest + Atrium - Lisboa - Aula Magna 09. Dazkarieh (Quina das Beatas) - Portalegre - Centro de Artes do Espéctaculo 09. Amália Hoje & Orquestra de Praga - Porto - Coliseu 10. Diana Krall - Lisboa - Praça de Touros do Campo Pequeno 10. Amália Hoje & Orquestra de Praga - Vila do Conde 11. Diana Krall - Porto - Pavilhão Rosa Mota 15. Joan As Police Woman - Lisboa - Lux 15. Marduk + Vader - Porto - Teatro Sá da Bandeira 16. Marduk + Vader - Seixal (Corroios) - Cine-Teatro Ginásio Club 17. Joan As Police Woman - Porto - Casa da Música

chamar de final alternativo da segunda guerra mundial. Apesar das críticas negativas que Inglorious Basterds suscitou em alguns críticos de cinema, como por exemplo a falta de rigor histórico do argumento, esquecendo se os críticos que o objectivo de Tarantino não era fazer um filme histórico, mas sim pegar em alguns factos históricos e distorcê-los a seu belo prazer para delícia dos espectadores. Inglorius Basterds é um dos melhores da colecção Tarantino, e uma ode ao cinema em todo o seu esplendor, transpirando cinema por todos os poros. Temos as influências que o realizador referiu publicamente: de The Dirty Dozen à obra italiana dos anos 70, e de Enzo G. Castellari, à qual foi buscar o título. Não admira portanto que o clímax de Inglorious Basterds se passe na maior das ironias numa sala de cinema. Assim sendo, Inglorius Basterds é na minha opinião um dos filmes do ano, um dos melhores de Tarantino, e por isso, mesmo que não seja fã de Tarantino aconselho que o veja, pois para gostar de Inglorius Basterds basta ser adepto de bom cinema.


whispermagazine .blogspot.com whispermagazine@gmail.com


Whisper #1