Page 1

BISS

BOLETIM INFORMATIVO SENAI SUZANO ESCOLA “LUIS EULALIO DE BUENO VIDIGAL FILHO” Jan./Fev./Mar. 2013 - Ano II - No. 1.

biblioteca124@sp.senai.br

APRESENTAÇÃO Este número do BISS tem informações sobre reciclagem, uma reflexão sobre um dos pontos mais conhecidos – e degradados – da capital paulista, um dever de todo nativo da língua de Camões, comportamento em sala de aula, o perfil da bibliotecária Cleuci, Copa SENAI, eventos que ocorrerão na escola até junho e uma dica interativa que une games e literatura... divirta-se e aprenda.

EM PAUTA Foram estruturados grupos de trabalho, na escola, com o intuito de captar ideias para o espaço destinado aos jovens no “Centro Interativo de Matemática e Ciências Aplicadas”, do SESI SENAI. A criação deste centro baseia-se na proposta de ampliar os espaços de aprendizado, que não SUMÁRIO devem se restringir às salas de aula. Serão dois espaços (interligados): um Em Pauta, p. 1 voltado às crianças de até 12 anos e Espaço Aluno, p. 2 um para jovens e adultos. Todas as Valores da Reciclagem, p. 2 Contraste, p. 3 escolas SENAI enviarão propostas que Acento Não É Brinde, p. 4 serão analisadas para uma possível Espaço Didático-Pedagógico, p. 5 implementação no centro. Esta fase Os Conflitos nas Salas de Aula, p. 5 do projeto vai até o final do primeiro Perfil, p. 7 semestre. O segundo semestre será Copa SENAI, p. 8 destinado às especificações quanto Eventos, p. 11 ao projeto arquitetônico, instalações, Dica, p. 12 equipamentos e recursos.


ESPAÇO DO ALUNO OS VALORES DA RECICLAGEM Pode-se constatar que um dos principais problemas do mundo moderno é a destinação do lixo produzido em todas as esferas: residencial, industrial, no campo ou no meio urbano. Mas verificam-se iniciativas positivas em relação a esse tema: No Brasil, são produzidas cerca de 47.450 mil toneladas de lixo por ano (Bley Jr, 2001). Nos últimos anos, tem sido verificado um aumento desse volume superior a 10% ao ano, chegando a 40% em Salvador e 22% no Rio de Janeiro e Curitiba (Cozetti, 2001). A Pesquisa Nacional de Saneamento Básico 2000 revelou uma melhoria [grifo nosso] na situação da destinação final do lixo no país. Este estudo verificou que em 2000, 47,1% do lixo produzido era destinado a aterros sanitários, 22,3 % a aterros controlados e apenas 30,5 % a lixões (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ibge, 2002). (hisatugo; marçal júnior, 2007)¹

Ao processo que torna materiais reaproveitáveis, reutilizáveis, dá-se o nome de reciclagem. Com a reciclagem é possível reduzir o consumo de matérias-primas, o volume de lixo e a poluição. A reciclagem é uma forma racional de eliminação de resíduos, já que o material usado volta para o ciclo de produção (nas indústrias). Entretanto, e a população? Como pode contribuir para que o acúmulo de lixo seja ainda menor? Se considerarmos que para o setor de alimentos destina-se mais da metade da produção de embalagens, sendo que estas são as principais fontes de lixo urbano reciclável (hisatugo; marçal júnior, 2007)1, com a colaboração do consumidor, é possível facilitar ainda mais o processo de 2


reciclagem. Utilizar as lixeiras de coleta seletiva é o maior exemplo disso. Para alguns, na hora de descartar o lixo, as cores das lixeiras podem confundir. Mas é de extrema importância que o consumidor esteja atento, pois, quando o material é descartado de forma errônea, seu reaproveitamento é dificultado ou até perdido, como, por exemplo, misturar plásticos e papéis na mesma lixeira. Jogar lixo nas ruas é outro ponto a ser ressaltado, tendo em vista que esses

resíduos vão parar nos bueiros, que, posteriormente, em épocas de chuva, causam terríveis enchentes. Portanto, quando não há uma lixeira por perto, o recomendado é guardar o material (em uma sacola, por exemplo) até que seja possível fazer seu correto descarte. Com essas atitudes, reaproveitaríamos muito mais materiais e reduziríamos a utilização de nossos recursos naturais. Lembrem-se, nossas ações fazem a diferença.

Marcos Miranda N2T – Curso Técnico em Eletromecânica ¹hisatugo, e; marçal júnior, O. Coleta seletiva e reciclagem como instrumentos para conservação ambiental: um estudo de caso em Uberlândia, MG. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 19, n. 2, dez. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S198245132007000200013&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 22 mar. 2013.

CONTRASTE

Figura 1 - Estação da Luz (pinto filho, 2007)2 3


Santa Cecília, bairro popular de São Paulo, com belezas ímpares, sua arquitetura nos remete a épocas passadas, local charmoso, com uma riqueza visual digna de Oscar de melhor fotografia. No entorno da estação Júlio Prestes, encontramos a Sala São Paulo, a Estação Pinacoteca e o Museu da Resistência, todos com seus contornos que não mais podemos admirar devido a fatores que andam na contramão da sociedade, como a criminalidade, a pobreza extrema e as drogas. Ao fazer um breve caminhar pela região, esquecemos este ambiente mágico e só temos olhos para aquele esquadrão de moradores de rua, todos mortos-vivos que já não têm esperança na sua essência, o medo nos domina, há bandidos disputando o mesmo espaço conosco, um espaço que, por direito, é de nossa história e nossa cultura. Mas por que chegou a esta situação? Não podemos nos esquecer de que em nosso passado, não tão distante, havia, naquela área, um setor da repressão institucionalizada. E, como em um truque de cartas, fomos da opressão para o descaso total. Será que um dia encontraremos uma luz no final do túnel para esta situação, já que, hoje, a única luz que temos, ali, é a estação? Everson Costa dos Santos N1T2 – Técnico em Eletromecânica pinto filho, h. t. Torre do relógio: estação da Luz na cidade de São Paulo, Brasil. 2007. 1 fotografia. Disponível em: <http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Esta%C3%A7%C3%A3o_da_Luz_S%C3%A3o_ Paulo_-_Torre_do_Rel%C3%B3gio_1.JPG>. Acesso em: 22 mar. 2013. Reprodução autorizada sob licença Creative Commons. 2

ACENTO NÃO É BRINDE É cada vez mais difícil ler um texto escrito, hoje em dia, em que se respeitem as regras de acentuação da língua portuguesa. Tenho a impressão de que muita gente pensa que acento é brinde, bônus ou algo do tipo. O raciocínio talvez seja “hum... acho que MECANICA não tem acento, ela tem cara de que não leva acento!!!”. 4


Pois então, meu caro(a) leitor(a), saiba que, quando você escreve, deve obedecer a regras, entre elas, as da acentuação. O acento nada mais é que a marcação de uma exceção na tonicidade das palavras em português (e agradeça por ser assim... nem queira saber como se acentuam as palavras em francês!). Não entendeu?! Eu explico com um exemplo. A maioria das palavras terminadas em “a” é de paroxítonas (com a penúltima sílaba tônica), como “mesa”, “bola”, “escada”, etc. Portanto, quando uma palavra terminada em “a” é oxítona, devemos marcar essa vogal tônica com acento. “Pará”, “guaraná”, “cajá” são palavras oxítonas terminadas com a vogal “a” e, por isso, devemos escrevê-las com acento. “Ah, Professoooooor, não entendiiiiiii!!” OK, dou-lhe mais um exemplo. Quantas palavras proparoxítonas (a sílaba tônica é a antepenúltima) encontramos na nossa língua? Pouquíssimas, certo? São tão poucas que todas elas levam acento. É o caso de “lâmpada”, “Elétrica”, “Mecânica”, “robótica” e outras (e esse texto que você está lendo traz alguns outros exemplos). Como aprender isso de vez? Lendo, lendo e lendo. Escrever as palavras de maneira correta – o nome disso é Ortografia – depende muito da memória, ou seja, você registra a grafia das palavras no seu cérebro (olha, outra proparoxítona!!). Além disso, para ajudar nessa tarefa, consulte uma Gramática de Ensino Médio ou de cursos pré-vestibulares e faça exercícios de fixação. Vale a pena. Assim, você terá certeza de que o acento de uma palavra é um direito dela, não uma escolha sua... Fábio Santos Professor de Língua Portuguesa

ESPAÇO DIDÁTICO-PEDAGÓGICO OS CONFLITOS NAS SALAS DE AULA Em todas as relações humanas existem conflitos. Não poderia ser diferente em uma sala de aula. No entanto, como de um lado estão jovens, adolescentes, e do outro lado adultos, com experiência profissional e que já passaram por esta fase 5


difícil, espera-se que estes últimos sejam os agentes principais na resolução dos problemas que se formam durante uma aula. Entretanto, os dois lados tem a sua parcela de participação. A experiência em lidar com adolescentes (e com muitos adultos, também) deixa claro que é um péssimo negócio tratar de problemas individuais de forma coletiva. Uma das maiores necessidades do jovem é ser aceito pelo seu grupo. Sendo assim, toda vez que um aluno é chamado à atenção na frente de seus colegas, ele reage de maneira agressiva e o problema se agrava. Também é muito mais efetiva a negociação, a argumentação, a persuasão do que a imposição e a força. Uma pessoa só muda seu comportamento se estiver convencida de que é o melhor para ela. E para solucionarmos conflitos em sala de aula é necessário tentar encontrar o equilíbrio entre o autoritarismo e a permissividade, respeitando as individualidades (dentro de uma sala nem sempre é viável aplicar uma regra para todos os alunos). Algumas ideias que podem ajudar: 1. Pergunte ao aluno o que está acontecendo com ele e mostre-se aberto sobre o que está lhe perturbando; 2. Escute, escute de verdade o que cada aluno quer lhe dizer; 3. Procure, na medida do possível, resolver você mesmo as situações de conflito e não delegue sua autoridade e responsabilidade a instâncias superiores; 4. Estude até que ponto pode substituir as regras por princípios, deixando que as regras sejam estabelecidas coletivamente; Estas ideias não são, de forma alguma, receitas que podem ser utilizadas em todas as situações, mas apenas lançam uma luz sobre o caminho da resolução dos principais conflitos na sala de aula. Etiano da Silva Lima Filho Coordenador Pedagógico 6


PERFIL

Teatro, cinema, música, leitura e viagens: minhas paixões. Talvez seja melhor eu me apresentar assim, pelos meus gostos, já que, por nome e profissão, todos me conhecem. O SENAI está presente em minha vida há muito tempo... Começou durante meu estágio da faculdade, que fiz na Escola SENAI “Armando de Arruda Pereira”, de São Caetano do Sul, quando ainda existia o curso de cerâmica, que, agora, é da Escola SENAI “Mário Amato”, de São Bernardo do Campo. Após trabalhar em algumas empresas, retornei como bibliotecária do SENAI de Suzano no ano de 1991. Além do SENAI, fiz estágio no IDART, órgão da Prefeitura de São Paulo, sendo que este departamento cuidava do acervo fotográfico e documental de artes. Muitas pessoas passaram na unidade de Suzano, além de diversas mudanças que foram implementadas neste período, visando a melhoria constante do ensino. Inclusive, em relação à Biblioteca: ocorreu mudança de local, de equipamentos, de mobiliário e de sistemas operacionais. O que não muda é a qualidade dos alunos que passam pela escola: inteligentes, interessados em aprender, educados... Tenho, oficialmente, dois sobrinhos: um rapaz de 19 anos e uma menina de 12. Mas posso dizer que tenho um “exército de sobrinhos” que foram agregados ao longo desses mais de 20 anos de dedicação à escola “Luis Eulalio de Bueno Vidigal Filho”. E digo isso com todo o carinho que tenho pelos alunos, colegas de trabalho e pela carreira que abracei, em 1980, através das Faculdades Integradas Tereza D’Ávila, na cidade de Santo André – SP. Descobri que tinha aptidão para ser bibliotecária quando fiz um teste vocacional 7


e, na realidade, já admirava muito o trabalho de uma senhora que foi bibliotecária na rede municipal andreense, o que fez com que eu me apaixonasse pela profissão. Sinto-me muito realizada profissionalmente, amo meus pais, meu único irmão, pretendo investir mais na minha qualidade de vida com atividades culturais, quero viajar bastante e, de preferência, com meu namorado: um ex-colega de escola, dos anos 70, cuja amizade atravessou décadas e se transformou (ou se descobriu) em amor para mim, Cleuci Aragon Filippetti.

COPA SENAI A “COPA SENAI” é resultado da busca incessante de ampliarse a atuação do SENAI/SP na formação do aluno, utilizando-se dos temas transversais, mobilizando a inteligência, emoção e experiência, simultaneamente, para propiciar melhor educação e formar pessoas capazes de fazer a diferença. Os participantes poderão ser federados ou não, desde que, efetivamente, frequentem os cursos regulares do SENAI-SP (CAI e CT) e estejam devidamente alinhados às normas da Instituição. Objetivos específicos da Copa SENAI: • Fomentar uma cultura esportiva; • Desenvolver qualidades pessoais, durante a preparação e no momento dos jogos; • Propiciar diferencial de competência para a vida futura; • Desenvolver hábitos e atitudes saudáveis; • Trabalhar conceitos como trabalho em equipe, respeito e disciplina, utilizando-se dos temas transversais. Serão desenvolvidas, durante a competição, na fase interclasses, as seguintes modalidades, nas faixas etárias sub 18 e sub 22 (masculino e feminino): basquetebol, voleibol, futsal, tênis de mesa e xadrez. 8


FASE INTERCLASSES Em cada unidade serão realizados jogos para definir a equipe representante da escola, para cada modalidade, naipe e faixa etária. Os jogos serão realizados no CAT do SESI Suzano (exceto tênis de mesa e xadrez): Av. Senador Roberto Simonsen, 550 - Parque Suzano.

FASE REGIONAL Reúne os representantes de cada escola em cada modalidade, naipe e faixa etária. As disputas ocorrem dentro de oito regiões definidas por critérios de proximidade geográfica. Região 1 – Capital - Conferência Leste / Norte Região 1 – Capital - Conferência Sul / Oeste Região 2 – ABCDM e Litoral Região 3 – “Castelo” Região 4 – “Vale do Paraíba” Região 5 – Campinas Região 6 – Piracicaba / Rio Claro Região 7 – Ribeirão Preto / Franca Região 8 – Presidente Prudente / Marília

FASE ESTADUAL As equipes campeãs de cada região se enfrentarão em sistema de eliminatória simples, até ser definido o vencedor estadual, em cada modalidade, naipe e faixas etárias.

9


Algumas imagens que marcaram a abertura da Copa SENAI 2012

10


EVENTOS Abril 01/04-31/05 – Inscrições para a 4ª. Edição do FESTSEN (Festival SENAI Suzano de Música). Tema: Diversidade. 1º. Lugar: R$ 800,00; 2º. Lugar: R$ 400,00; 3º. Lugar: 200,00. Regulamento e inscrições no Facebook da AAPM (facebook.com/AAPMSENAISUZANO) ou pessoalmente, na sala da AAPM do SENAI Suzano; 11


12 – Reunião de Pais (8h - 10h), no auditório; 19 – Comemoração Dia de Tiradentes (9h40 - 13h), com a palestra: “O Herói Interior Frente aos Desafios da Vida” (Alunos do CAI e CT), no auditório; 30 – Comemoração Dia do Trabalho (10h - 15h), no auditório. Maio 9 – Comemoração Dia das Mães (14h30), com a palestra: “Que Nada Atrapalhe os Sonhos dos Meus Filhos... Nem as Drogas”, no auditório; 20-24 – Semana de Tecnologia (9h - 17h), no auditório. Junho 5 – Dia do Meio Ambiente (10h - 15h), no auditório; 14 – Formatura do CAI e CT (19h).

DICA

O site “Livro e Game” traz três das principais obras literárias brasileiras (O Cortiço, de Aluísio Azevedo; Memórias de um Sargento de Milícias, de Manual Antônio de Almeida e Dom Casmurro, de Machado de Assis) em formato de jogos online. As fases dos jogos acompanham as narrativas. Assim, o leitor vai, por exemplo, organizando as finanças com o objetivo de construir uma moradia com bons materiais ou se envereda por labirintos para tentar descobrir a personalidade dos envolvidos na trama machadiana. As fases são permeadas por excertos dos livros e comentários. http://www.livroegame.com.br/

12


Boletim Informativo SENAI Suzano Edição 3  

Boletim Informativo SENAI Suzano

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you