Page 19

Site: http://geocities.yahoo.com.br/gagaufera2003/

2.

II.

O terapeuta mantém-se em pé, a uma distância suficiente para observar o posicionamento das mãos do paciente. Estas devem cair na região do terço médio da coxa (Figura 1).

Como elaborar o diagnóstico 1. As mãos podem cair no terço médio.

Nesse caso, a cintura escapular encontra-se bem posicionada em um plano horizontal. Vistos de cima, os ombros encontram-se alinhados com o plano frontal intermediário. 2.

As mãos podem cair no terço anterior (Figura 2), entre o terço anterior e a região anterior da coxa (Figura 3), ou totalmente defronte da coxa (Figura 4).

Nesses três casos, os ombros encontram-se "enrolados" para a frente. Cada uma dessas possibilidades representa o mesmo problema em três diferentes estágios de gravidade. O sulco entre os músculos deltóide e o peitoral maior é bem pronunciado, por causa de uma atitude astênica associada ou não à retração de peitorais (ver p. 51). 3.

As mãos podem cair no terço posterior da coxa (Figura 5). É uma possibilidade mais rara e se deve à posteriorização do tronco. O controle do desequilíbrio fica por conta dos ligamentos anteriores da articulação coxofemoral, e a região dorsal posterioriza-se mais do que

Angela santos diagnóstico clinico postural  
Angela santos diagnóstico clinico postural  
Advertisement