Page 1

BRASIL

CUT

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES

Jornal Jornaldo doSindicato Sindicatodos dosBancários BancáriosdadaParaíba Paraíba- -João JoãoPessoa, Pessoa,Fevereiro novembro de de 2020. 2014. AnoAno XXIX. XXIII. NºNº 612559

/sindicatodosbancariosdaparaiba

SETE MENTIRAS DA EXTREMA

DIREITA


opinião

Editorial

fevereiro de 2020

Só a luta nos garante!

O governo nazifascista de Bolsonaro e Paulo Guedes não dá tréguas quando se trata de tirar direitos, desregulamentar e privatizar tudo. Enquanto o mundo todo está alerta quanto à proteção ambiental, aqui o governo escancara a exploração de empreendimentos minerários, inclusive de petróleo e gás natural e de geração de energia elétrica em terras indígenas. Em Davos, na Suíça, durante o Fórum Econômico Mundial o todo poderoso banqueiro que comanda a economia do país descaradamente atribuiu aos mais pobres a culpa pela degradação ambiental no Brasil. O governo foi literalmente reprovado no Enem, ao se atrapalhar todo na correção das provas do exame nacional e o secretário nacional da Cultura, Roberto Alvim foi exonerado após fazer um discurso em rede nacional usando frases semelhantes às usadas por Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Adolf Hitler que era antissemita radical e foi um dos idealizadores do nazismo. Até parece que o governo ultraliberal está correndo sem freio e sem direção... Mas, não é bem assim quando se trata de retirar direitos trabalhistas ou de privatizar o patrimônio do povo, cujo processo anda a passos largos, bem cadenciados, seguindo um cronograma préestabelecido e fazendo propaganda de que tudo isso é pelo bem do país. Andam divulgando que os empregos estão crescendo no Brasil, mas ressaltam apenas a quantidade de empregos formais com base na nova legislação, quando o trabalhador tem jornada maior, salário bem menor e sem perspectiva de se aposentar um dia. Ou seja, formalizou o famoso “bico”.

Trocando

em miúdos

trocando em miúdos

Quanto às privatizações, o governo vai entregando tudo (Embraer, Correios, Eletrobrás, Petrobrás), mas vendendo apenas o que é lucrativo e com o preço lá embaixo. Outra estratégia para angariar simpatia da sociedade com as privatizações é desmantelar as empresas públicas, através de sucessivas reestruturações que enxugam quadros de pessoal e precarizam o atendimento ao público. No início do mês, a direção do Banco do Brasil anunciou mudanças no plano de carreira e salários do funcionalismo com reduções significativas, inclusive no pagamento do valor da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). E o processo de reestruturação é apenas um artifício ardiloso para disfarçar a privatização em curso, através do fatiamento da empresa pública. Na Caixa Econômica Federal, a estratégia do governo segue a mesma cartilha ultraliberal e também promove o fatiamento do banco 100% público e está em curso uma reestruturação implantada sem ouvir os trabalhadores e seus representantes. Esse desmonte trará prejuízos enormes à sociedade, pois os investimentos da Caixa com o seu papel social impactam diretamente no desenvolvimento de um Brasil mais justo e digno para todos. O Banco é responsável por 70% dos financiamentos habitacionais, por cerca de 120 milhões de pagamentos do Bolsa Família e por transferir R$ 4,5 milhões aos programas sociais nas áreas de seguridade social, esporte, cultura, segurança pública, educação e saúde. Enfim, isso tudo é apenas um recorte do cenário que a categoria bancária vai enfrentar na campanha nacional deste ano. E vamos em frente, pois só a luta nos garante! Informativo do Sindicato dos Bancários da Paraíba Av. Beira Rio, 3.100, Tambauzinho, João Pessoa-PB. Fone: (83) 3224-2054 (83) 3244-2040 Site: www.bancariospb.com.br e-mail: sindicato@bancariospb.com.br Facebook: bancariospb Instagram: @bancariospb

02

ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA EDITAL DE CONVOCAÇÃO Sindicato dos Trabalhadores em Empresas do Ramo Financeiro no Estado da Paraíba (Sintrafi-PB), inscrito no CNPJ/MF sob o nº 09.371.105/0001-21, Registro sindical nº 10.899/41, por seu presidente abaixo assinado, convoca todos os empregados bancários, associados ou não, que prestam serviços nas unidades do Banco Bradesco S. A., na base territorial deste sindicato, para a Assembleia Geral Extraordinária específica que se realizará no dia 04/03/2020, às 18h00, em primeira convocação, e às 18h30, em segunda convocação, no endereço sito à Av. Ministro José Américo de Almeida, nº 3.100, Tambauzinho, João Pessoa-PB, para discussão e deliberação da seguinte pauta: Da retirada ou não das ações da 7ª e 8ª horas, ajuizadas entre 1º/09 e 30/11 de 2018 contra o Banco Bradesco S. A. João Pessoa-PB, 14 de fevereiro de 2020. Lindonjhonson Almeida de Araújo Diretor Presidente

Presidente: Lindonjhonson Almeida de Araújo Diretor de Comunicação: Paulo Henrique Rocha Costa Jornalista responsável: Otávio Ivson (DRT-PB 1778/96) Reportagem: Otávio Ivson e Emmanuela Leite Diagramação: Paletta arquitetura, comunicação e design Fotos: Otávio Ivson, Emmanuela Leite, Paletta e Sintrafi-PB Tiragem: 3.300


em destaque

fevereiro de 2020

8 de março - Dia Internacional da Mulher No Dia Internacional da Mulher, 8 de março, o Sindicato dos Bancários da Paraíba promoverá o I Encontro de Bancárias da Paraíba. A atividade, que acontecerá das 8h às 14h, na sede da entidade, tem como objetivo discutir temas relacionados à carreira da categoria. A programação inclui roda de diálogo sobre os desafios para a ascensão profissional, terapias holísticas, massagens relaxantes, café da manhã, sorteio de brindes e almoço de confraternização. Haverá também um espaço de entretenimento para crianças. Para a diretora da Mulher do Sindicato, Adriana Maletta, a atividade é um marco para a categoria, além de ser uma oportunidade de confraternização. “Em uma conjuntura tão nociva à classe trabalhadora, no caso da bancária, somase outra luta, a da mulher para ocupar seu espaço na sociedade, sem abrir mão da

I Encontro de Bancárias da Paraíba desafios para a ascensão profissional

8 de março de 2020 igualdade de direitos. Queremos debater com as bancárias sobre os

Mulher Semente...

problemas da atualidade que dificultam o pleno exercício profissional, porque entendemos que somente com reflexão, diálogo e mobilização coletiva contribuiremos em benefício de uma sociedade mais justa. Nossas antepassadas deram sua contribuição, desafiando suas épocas e exigindo direitos hoje vistos como naturais, como por exemplo, o direito ao voto. O caminho é longo, mas precisamos nos organizar. Agora é a nossa vez, com muita união e luta!". O sindicato fica na Avenida Ministro José Américo de Almeida, 3100, bairro Miramar, em João Pessoa. As inscrições podem ser f e i t a s p e l o e - m a i l : silvana.m.sindicato@gmail.com. Basta informar nome completo, banco, telefone e se levará crianças ao evento.

Mulher, ser que dá conta, que vai além da conta, que multiplica, divide, soma e subtrai, sem perder a conta, sem se dar conta, de que esse século foi seu parto, na direção de seu espaço, de seu lugar de direito e de fato, de seu mundo que lhe foi usurpado e que agora é por ela ocupado.

SER-mente... SER que faz gente, SER que faz a gente. Mulher, ser guerreiro, guerrilheiro, lutador... multimidia, multitarefa, multifaceta, multi-acaso... multicoração...

Parabéns, mulher, não pelo oito de março. Mas por sua garra em resistir, não se curvar e conquistar o que lhe é de direito!

Aposentados não tiveram nada a comemorar no seu dia No dia 24 de janeiro é celebrado o Dia Nacional dos Aposentados. Já foi um dia de festas e comemorações para homenagear os profissionais que se dedicaram a vida inteira ao trabalho e que estariam usufruindo dos benefícios de uma aposentadoria digna. Entretanto, no país governado sob os ditames do neoliberalismo, cujo mandatário defende o uso de armas, exalta a tortura, se inspira no nazismo, mantém o salário mínimo sem ganho real e praticamente acabou com a previdência social para favorecer os banqueiros realmente não há nada a comemorar. 03

trocando em miúdos


sete mentiras

As sete mentiras da extrema direita Uma prática comum da extrema direita consiste em alterar a percepção que temos do verdadeiro e do falso, promovendo o sentimento generalizado de insegurança, confusão em relação aos fatos, medo do futuro, enquanto direitos básicos são retirados. A angústia que vivemos, espécie de atordoamento, ante o desmoronar de setores como engenharia nacional, petróleo, educação, ciência e tecnologia (Embraer vendida etc.) expressa não apenas a indignação que comungamos frente à canalhice toda, mas o fato de termos voltado ao Estado mínimo.

1 A eleição de 2018 Muitas dúvidas giram em torno da vitória de Bolsonaro em 2018. Não nos referimos à facada – aliás, parece-nos estranho que Adélio Bispo, no meio daquela multidão de anjinhos, tenha saído com vida após o atentado... –, mas ao uso escancarado da mentira naquela eleição, através da massificação de desinformação, do engodo e da calúnia para milhares de pessoas. Em junho de 2019, reportagem de Patrícia Campos Mello na Folha, revelava que empresas pró-Bolsonaro desembolsaram até R$ 12 milhões para garantir centenas de milhões de disparos nas redes sociais (em especial o WhatsApp) contra o PT. A questão é que além de pessoas terem sido enganadas com conteúdo veiculado (mamadeira de piroca, kit gay etc...), a proibição do financiamento público de campanha foi burlado por essas empresas que pagaram diretamente os disparos aos fornecedores, sem nada declarar à Justiça Eleitoral. Uma malandragem do poder econômico trocando em miúdos

E brutalmente mínimo: Teto de Gastos, privatizações, mudanças na Previdência, cortes de direitos sociais, concentração brutal da renda, venda do patrimônio público (que pertence aos nossos filhos e netos), ausência de regulação das atividades das corporações internacionais e por aí vai. Apenas mentiras e dissimulações são capazes de sustentar a política assassina de Temer e, agora, a do pinochetista Paulo Guedes. E como são várias mentiras, propomos pequenas reflexões sobre apenas sete, cada vez mais naturalizadas na fala cotidiana das pessoas.

trapaceando quatro décadas de reconstrução democrática. A mensagem das eleições para a população é clara: não importam os meios para se chegar aos fins. Vale tudo.

2 A eleição de 2016 Essa eleição suja que vimos ocorrer no país traz a marca de Steve Bannon, o espertalhão todo-poderoso de Trump, estrategista-chefe de seu governo em 2017, envolvido nas trapaças da Cambridge Analytica, reveladas no Guardian e New York Times, envolvendo a compra, análise e segmentação de dados publicados no Facebook por 80 milhões de usuários. Esse mapeamento possibilitou uma estratégia de direcionamento de conteúdo produzido extremamente eficaz. Não é o que explica, naturalmente, mas nos ajuda a compreender fenômenos bizarros como o Brexit na Inglaterra, a vitória de Trump nos Estados Unidos, ambos em 2016. 04

3 A recuperação da economia Enquanto a Globo blinda Paulo Guedes, é cada vez mais evidente a artificialidade da tese sobre a volta da confiança e o retorno dos investimentos nos Brasil. Os números do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI), divulgados em 17.01.2020 e relativos a novembro de 2019, atestam declínio de - 1,2% na indústria, “um dos seus piores resultados, atingindo a maioria dos seus ramos, mostrando também disseminação do ponto de vista geográfico”. Segundo do IBGE, “71% dos parques regionais da indústria ficaram no vermelho, não poupando praticamente nenhum dos principais polos do setor”. A indústria em São Paulo registrou - 2,6% de atividade industrial, queda duas vezes mais intensa que o total do Brasil e seu pior resultado da série. No Rio Grande do Sul a queda foi de - 1,5%; e em MG de - 3,4% (leia mais). Apesar disso, a imprensa vem batendo tambor a Guedes, sem questionar a quem interessa essa política. Algo que os nossos economistas em 2016 já questionavam no livro “Austeridade para quem?” (leia aqui a íntegra).


fevereiro de 2020

4 Guerra contra o Irã Cavando sua reeleição neste 2020, Donald Trump vem promovendo sua guerra particular no Irã, após o assassinato do general iraniano Qasem Soleimani. Conforme aponta Karen De Young, essa guerra nasce sob a suspeição de 73% dos norte-americanos preocupados com a possibilidade de envolvimento dos EUA em uma guerra de larga escala com o Irã. No Brasil, entretanto, assim que noticiada, a possibilidade de guerra ganhou apoio de Bolsonaro, num primeiro momento, eufórico com a oportunidade de exibir sua subserviência ao Império; depois, o presidente amansou, e ouviu a manifestação de espanto, inclusive de generais, contrários à ação norteamericana no Oriente Médio. Nesta quarta-feira, 29.01, o Governo brasileiro, ignorando as resoluções internacionais, exaltou o plano dos Estados Unidos para a região, afirmando que o plano “contempla as aspirações de palestinos e de israelenses”. Um verdadeiro escárnio.

5 Briga entre Globo e Bolsonaro Primeiro ponto a considerarmos nessa briga: a Rede Globo não age motivada por empatias ou antipatias, mas sob profundo espírito de classe, buscando assegurar privilégios e as negociações de sempre. Além disso, seu DNA nunca foi

democrático. A Globo é autoritária e nunca respeitou a democracia neste país. Segundo ponto: não podemos dissociar (como eles querem que façamos) o autoritarismo do atual governo da agenda econômica, uma das mais violentas desde a redemocratização, chancelada pela Globo e pelas mídias responsáveis pelo golpe em 2016. Basta ligar a televisão, dia após dia, a imprensa brasileira enfia goela abaixo da população, tão marcada por carências básicas, a dramática redução de direitos afirmando que isso é o certo, o único caminho, a saída depois do descalabro dos governos petistas. Quer violência maior do que tirar a aposentadoria das pessoas, obrigando-as a trabalhar até os 70 anos de idade? Confinar a população a salários não corrigidos pela inflação e sem direitos trabalhistas? Qualquer imprensa que se nomeie imprensa sabe muito bem como é sólido o casamento entre esses veículos de comunicação e o autoritarismo. Enquanto servir, Bolsonaro está no páreo. Simples assim.

5 Normalidade do Judiciário Acompanhamos estarrecidos desde 2005, para nos situarmos apenas neste século, a contínua perseguição promovida por setores do Judiciário contra os governos do PT e suas principais lideranças. Perseguição que culminou no golpe de 2016, com participação central do sistema de Justiça do Brasil – seja pela omissão (em vários momentos o STF lavou as mãos, simplesmente), seja pela perseguição propriamente dita, com todo seu aparato ideológico garantindo os abusos que vimos e denunciamos. Ao mesmo tempo, essa mesma Justiça, movida pelo 05

racismo institucionalizado quando não mata, condena milhares de jovens, contribuindo com verdadeira chacina da juventude negra das periferias. E estamos dando dois exemplos, poderíamos elencar vários outros, que revelam o quanto o nosso Judiciário, apesar da Constituição de 1988, vem garantindo a exploração do pobre pelo rico, do negro pelo branco, da mulher pelo homem.

7 Vivemos numa democracia Por fim, a mentira de que vivemos em normalidade democrática. E darei aqui apenas um exemplo, porque jamais poderá ser democrático um país que impede a ascensão de sua juventude à universidade pública, como estamos vendo, estarrecidos, na tentativa de desmonte do ENEM, SISU, Prouni... Além de antidemocrático é desumano impedir a ascensão do povo ao que lhe é de direito: a educação superior. E não tenhamos dúvidas, isso é parte de um projeto de privatização massiva no país – envolvendo setores cruciais como Educação, Saúde, Segurança Pública e que jamais poderia ser verbalizado, porque se fosse, fora os malucos de plantão, ninguém teria votado em Jair Bolsonaro e no seu séquito de ministros assassinos de futuros, de sonhos, de oportunidades. E ainda se dizem defensores da família brasileira. É muita hipocrisia. Cabe a cada um de nós desmascará-la.

Joaquim Ernesto Palhares Diretor da Carta Maior trocando em miúdos


pelos bancos

Bancários mobilizados em defesa dos bancos públicos buscam formas de sensibilizar a sociedade para a importância dessas empresas No dia 6, a diretoria do Sindicato dos Bancários da Paraíba foi às agências e departamentos do Banco do Brasil em João Pessoa para mobilizar o funcionalismo contra as arapucas da privatização em curso no BB, travestida de "reestruturação", cujas medidas reduzem a remuneração nos cargos, congelam carreiras e institucionalizam o desvio de função. "Vamos continuar a luta contra as medidas do governo federal que ameaça o patrimônio público e os direitos da categoria", disse o presidente Lindonjhonson.

Sindicato cobra solução para demandas do funcionalismo aos superintendentes No dia 24 de janeiro, a diretoria do Seeb-PB se reuniu com o superintendente Gustavo Arruda e cobrou solução para remoções compulsórias, descomissionamentos, falta de informações nos processos de reestruturação, más condições de trabalho e prática de assédio moral na cobrança pelo atingimento de metas. O superintendente recebeu as denúncias e reclamações do funcionalismo, se comprometeu em solucionar àquelas de sua alçada o mais breve possível e se colocou à disposição do sindicato para demandas de qualquer natureza. Os dirigentes sindicais solicitaram providências urgentes para os problemas que afligem os bancários.

O novo estatuto prevaleceu, apesar do "olho gordo"... Graças a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que suspendeu os efeitos de uma liminar concedida pela 47ª Vara Civil do Rio de Janeiro, o novo trocando em miúdos

No início deste mês, a reunião foi com o superintendente comercial Edson Vanderley Ody, para cobrar solução para problemas detectados nos escritórios digitais, dentre eles o alto índice de adoecimento, ameaças de descomissionamento e prática de assédio moral. O superintendente se colocou à disposição do Sindicato e pretende manter um diálogo permanente para tratar das demandas do funcionalismo e solucionar os problemas que estiverem dentro de sua alçada, bem como acompanhar de perto os processos de avaliação, antes das anotações na GDP.

Estatuto Social da Cassi permanece ativo e garantiu o aporte imediato pelo Banco do Brasil de mais de R$ 1 bilhão e demais verbas previstas até 2021. A liminar que impedia esse aporte foi solicitada pela “Associação Viva Funci”, criada em julho de 2019 por pessoas ligadas ao mercado de saúde que queriam inserir os votos nulos no cômputo da eleição, para inviabilizar o atingimento do quorum e impedir a aprovação da reforma estatutária. 06

A eleição, que aconteceu de 18 a 28/11/2019, foi marcada por uma campanha onde não faltou má fé, insinuações maldosas e levianas e fakes por parte dos defensores do "Não". Inconformados com a derrota, essas pessoas que não têm compromisso com o conjunto do funcionalismo do BB colocaram a existência da Cassi em risco, através de um golpe sujo para tentar converter votos nulos em votos válidos!


fevereiro de 2020

Empregados da Caixa lutam contra reestruturação e fazem Dia Nacional de Mobilização contra medidas nocivas aos bancários No dia 5, os empregados da Caixa Econômica Federal fizeram um Dia Nacional de Mobilização em todo o país com reuniões nos locais de trabalho e paralisações parciais para denunciar o ataque aos direitos dos trabalhadores e o desmonte do banco público. O movimento faz parte das estratégias para o fortalecimento do Dia Nacional de Luta Contra a Reestruturação, no dia 13 de fevereiro, quando bancárias e bancários vão protestar contra medidas que irão extinguir funções, alterar a estrutura da Caixa e afetar seu papel social. São medidas que precarizam ainda mais as condições de trabalho, acarretando problemas como mudança brusca de atividades, cobranças de metas abusivas, descomissionamentos sumários, fim de postos de trabalho e transferências compulsórias.

Tentar mudar estatuto da Funcef na marra é golpe da Caixa A Lei complementar 108/2001 instituiu o voto de minerva. Na Funcef, o atual estatuto começou a valer em 2007, após aprovação de todos os órgãos controladores e a Caixa, inclusive. Ele é essencial para garantir que os interesses da Caixa não prevaleçam sobre os dos participantes e vice-versa. Entretanto, no final de 2019, o

governo tomou uma decisão que acaba com a democracia nos fundos de pensão. Em reunião no dia 20 de dezembro, o Conselho Nacional de Previdência Complementar (CNPC) aprovou resolução que acaba com a eleição para diretoria das E n t i d a d e s F e c h a d a s d e Pr e v i d ê n c i a Complementar. Porém, a eleição nos fundos de pensão só será extinta se a Funcef mudar

Chapa apoiada pelo Seeb-PB vence a eleição para o Conselho de Usuários do Saúde Caixa

ser alterado com o voto de pelo menos um diretor eleito, já que, neste caso, a Caixa não pode usar o voto de minerva. A resolução introduz processo seletivo e vai contra o estatuto dos fundos, que prevê eleições. Fiquemos alertas, pois só ocorrerá a mudança no estatuto da Funcef se um diretor eleito trair seus eleitores.

Reintegrações no Santander Em janeiro, por força de medida judicial, o Santander reintegrou dois funcionários que foram demitidos quando estavam em tratamento de doença ocupacional: Allysson Alberto de Sousa Teotônio e Felipe Queiroz de Vasconcelos. “Graças à iniciativa dos bancários lesionados recorrerem ao Sindicato em tempo hábil, ao trabalho do Escritório de Marcelo Assunção e Advogados Associados e à interpretação da Justiça em reconhecer o direito dos trabalhadores, logramos mais essa vitória ante a ganância dos banqueiros”, comentou Lindonjhonson Almeida.

A Chapa 1 – Movimento pela Saúde, apoiada pelo Sindicato dos Bancários da Paraíba, pela Fenae e outras entidades representativas dos empregados da Caixa, venceu a eleição para o Conselho de Usuários do Saúde Caixa com 77 % dos votos válidos, 16.652 votantes. Outras duas chapas participaram da eleição realizada entre os dias 3 e 7 de fevereiro. Foram 3.462 votos para a chapa 3 e 1.275 para a chapa 2. O resultado do pleito foi divulgado na sexta-feira (7), logo após o encerramento da votação que aconteceu por meio de sistema eletrônico. "Neste momento de ataques às empresas públicas, entre elas a Caixa Econômica Federal, foi muito importante a unidade do movimento e a participação dos empregados para elegerem a Chapa I para o conselho de usuários, esse guardião que atua pela sustentabilidade do Saúde Caixa", avaliou Silvana Ramalho. 07

trocando em miúdos


fevereiro 2020

cultura e lazer

trocando em miĂşdos

08

Profile for Walmar Pessoa

Trocando em Miúdos - Ed 602  

Trocando em Miúdos - Ed 602

Trocando em Miúdos - Ed 602  

Trocando em Miúdos - Ed 602

Advertisement