Page 1

BRASIL

CUT

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES

Jornal do Sindicato dos Bancários da Paraíba - João Pessoa, agosto novembro de 2019. de 2014. AnoAno XXVIII. XXIII. NºNº 605 559

Imagem: Google Imagens

Trabalhar de sol a sol, sem descanso e sem se aposentar é escravidão!


agosto 2019

opinião

Editorial

Entregues à própria sorte

Neste mês de agosto, após o velho e usual "toma lá, da cá" ressurgir ainda mais revigorado pelo governo que se elegeu mentindo que iria acabar com essa prática, a Câmara dos Deputados aprovou a toque de caixa a Medida Provisória 881 (MP da Exploração) e a Proposta de Emenda Constitucional 006/2019. A medida provisória e a proposta de emenda seguiram para o Senado, onde serão debatidas e submetidas à votação. Caso sejam tratadas no Senado como foram na Câmara Federal, serão aprovadas e a classe trabalhadora será condenada definitivamente à escravidão.

Não dá para se esperar nada de bom de quem insiste na liberação do uso de armas e reduz drasticamente os recursos para as universidades e institutos federais de educação. Entretanto, ao mexer com a retirada de recursos do ensino público o governo despertou a revolta da sociedade e alunos, professores e trabalhadores da educação se mobilizaram, receberam a adesão de outros segmentos da classe trabalhadora e das centrais sindicais e foram as ruas protagonizar as maiores manifestações desde que o governo neofacista tomou posse (Veja foto).

No Baco do Brasil foi implantada uma nova reestruturação que prevê fechamento de agências, transformação de outras em postos de serviço avançados, descomissionamentos e demissões em um novo plano de desligamento incentivado. A Caixa Econômica Federal, após ser condenada em uma ação movida pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), contratou pessoas com deficiências e o governo alardeou que a Caixa seria o "banco da inclusão", mesmo negando acesso ao plano de saúde para esses funcionários. E ainda acabou

Mas, também, o que se esperar de um governo que, em vez de combater o desmatamento ilegal, facilita a destruição da Amazônia, vai à imprensa dizer que o órgão que monitora os ataques às nossas florestas está mentindo e demite o cientista que o comanda? O que se esperar de um presidente que idolatra torturadores e desrespeita o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, insinuando saber como o seu pai foi assasinado durante o a ditadura militar? O que se esperar de um presidente que se elegeu dizendo que iria combater os privilégios, mas quer porque quer nomear ara a Embaixada do Brasil em Nova York um de seus filhos que não tem formação diplomática e mal sabe falar Inglês?

Naturalmente, que alguns setores da economia estão muito satisfeitos com o presidente que eles financiaram a campanha, inclusive bancando as fake news. E, dentre eles, os banqueiros serão os principais beneficiados com as medidas ultraliberais, que quebram as regras trabalhistas, estendem os expedientes aos sábados, domingos e feriados, em troca de folga ou um pagamento qualquer. O banco Itaú, no dia que anunciou mais um gigantesco lucro, também anunciou um plano de demissão voluntária, segundo ele para adequar o quadro funcional ao fechamento de agências físicas e abertura das novas agências digitais. Ou seja, a tecnologia acima de tudo e o povo que se exploda.

com a participação da representação dos empregados na posse dos novos funcionários. E sabe por quê? Para que os novos empregados não tomem conhecimento do cenário de desmonte da Caixa. Sob o governo Bolsonaro, a Caixa reduziu drasticamente os seus investimentos no Nordeste, justamente a única região onde o presidente não venceu as eleições de 2018 (no segundo turno, Fernando Haddad teve 69,7% dos votos válidos, enquanto Bolsonaro teve 30,3%). A nova gestão do banco diminuiu a concessão de empréstimos à Região a apenas 2,2% do total para o país. Estamos entregues à própria sorte, dependendo apenas da nossa capacidade de

Informativo do Sindicato dos Bancários da Paraíba Av. Beira Rio, 3.100, Tambauzinho, João Pessoa-PB. Fone: (83) 3224-2054 (83) 3244-2040 Site: www.bancariospb.com.br e-mail: sindicato@bancariospb.com.br Facebook: bancariospb Instagram: @bancariospb

Presidente: Marcelo de Lima Alves Diretor de Comunicação: Paulo Henrique Rocha Costa Jornalista responsável: Otávio Ivson (DRT-PB 1778/96) Reportagem: Otávio Ivson e Emmanuela Leite Diagramação: Paletta arquitetura, comunicação e design Fotos: Otávio Ivson, Emmanuela Leite, Paletta e Sintrafi-PB Tiragem: 3.300

Trocando

em miúdos

trocando em miúdos

02


agosto 2019

em destaque

Diretoria reafirma compromisso de mobilizar bancárias e bancários contra a MP881 e Reforma da Previdência A reunião do pleno do sistema diretivo do Sindicato dos Bancários da Paraíba, no dia 20 de julho, debateu a MP 881 que nada mais é do que uma nova Reforma Trabalhista que quer escravizar de vez a classe trabalhadora, ao acabar com a jornada especial de seis horas e o repouso remunerado aos sábados, domingos e feriados. O advogado trabalhista Jonathan Pontes fez o debate sobre a conjuntura, com foco nos malefícios dessa nova investida do governo contra trabalhadoras e trabalhadores e a reforma da Previdência. Por 345 votos a 76, a Câmara dos Deputados aprovou, no dia 13 de agosto, o texto-base da MP 881. Editada com a finalidade de reduzir a burocracia e limitar o poder de regulação do Estado sobre as empresas, a “MP da Exploração” avança sobre as leis do trabalho, transformando-a numa espécie de minirreforma trabalhista. Após seis meses na Câmara dos Deputados, no dia 17 de agosto a reforma da Previdência chegou ao Senado Federal, última etapa antes que as mudanças passem a valer. O texto que os senadores irão analisar sofreu mudanças significativas em relação à proposta original encaminhada pelo governo, no que diz respeito ao impacto fiscal, mas conservou todos os malefícios contra a classe trabalhadora. "Vamos pressionar os senadores para não sermos condenados à escravidão com a aprovação da MP 881 e da PEC 006/2019", convocou o presidente Marcelo Alves. 03

trocando em miúdos


campanha nacional dos bancários

Bancários fortalecem a unidade nacional e traçam estratégias para defesa de direitos As resoluções versam sobre as mobilizações contra a Reforma da Previdência e contra a MP 881, que libera o trabalho aos sábados e domingos e feriados; em defesa da unidade da categoria bancária e da mesa única de negociação, em defesa da saúde, da soberania nacional, em da liberdade de imprensa e apoio ao jornalista Glenn Greenwald, pela apuração dos mandantes da morte de Marielle Franco, em defesa da liberdade do ex-presidente Lula, que é um preso político e não teve julgamento justo; e a definição do calendário de lutas. Moções – As moções aprovadas tratavam da defesa da Amazônia e um modelo de desenvolvimento com Justiça Ambiental, contra a Polícia de São Paulo e o governador do Estado João Dória, pela derrota das políticas do governo Bolsonaro, que são prejudiciais ao povo brasileiro; pela soberania nacional, em repúdio a tortura e seus defensores, contra o uso de agrotóxico e em defesa da vida, em defesa da democracia, contra a prisão de Preta Ferreira e os outros cinco militantes do movimento de moradia, pela cota mínima de mulheres, com inclusão de pelo mens 30% quando forem definidas as liberações de dirigentes dos seus locais de trabalho para a atuação sindical, e pela liberdade imediata do companheiro Daniel Ruiz.

A 21ª Conferência Nacional dos Bancários aprovou, no dia 4, as resoluções que vão nortear o movimento sindical bancário no próximo período. Os textos são resultados dos debates acumulados nas conferências estaduais e regionais e durante os três dias de evento, que reuniu mais de 600 delegados sindicais, 395 homens e 209 mulheres, na quadra do Sindicato dos Bancários de São Paulo. “A 21ª Conferência Nacional dos Bancários foi muito boa, com delegados e delegadas de quase todo o país, tanto das capitais como do interior, e tirou resoluções importantes em defesa da soberania nacional, em defesa do Brasil, em defesa do emprego, contra as privatizações das empresas públicas, que são estratégicas para que o país cresça e gere empregos. Também tirou um calendário de lutas, que é importante que todos os bancários e bancárias do Brasil se engajem”, declarou Juvandia Moreira, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários. “Também aprovamos a defesa da mesa única, da CCT e dos acordos coletivos nacionais, reafirmando a importância da unidade nacional da categoria”, completou a presidenta da Contraf-CUT.

Bancários definem prioridades de luta para 2019 na Coferência do Nordeste Bancários de toda a região Nordeste estiveram reunidos nos dias 5 e 6/7 para participar da VIII Conferência Regional da Fetrafi/NE, em Fortaleza, com a presença de 75 delegados. O encontro destacou sobretudo a reorganização do movimento sindical bancário para enfrentar o cenário adverso que se mostra com o governo Bolsonaro, que prima pela retirada de direitos da classe trabalhadora e por ameaças constantes às entidades sindicais, que fazem o enfrentamento contra essa situação. Na abertura, dia 5/7, a presidente da Contraf-CUT, Juvandia Moreira, fez uma breve análise de conjuntura abordando as perspectivas da categoria bancária para 2019. Segundo ela, é extremamente importante a construção da unidade nesse processo. “Não se faz resistência sozinho. Cada hora temos uma notícia pior do que a outra e essa resistência precisa de unidade. Precisamos defender nossa categoria, mas também precisamos defender a democracia, a soberania nacional, as nossas riquezas, a nossa educação, as empresas públicas, o interesse da sociedade brasileira, porque defender isso é defender o Brasil”, disse. trocando em miúdos

04


agosto de 2019

Na atual conjuntura do país, com o patrimônio público e os direitos dos trabalhadores em risco, unidade e resistência são fundamentais para combater os retrocessos. Esta foi a defesa feita pelos delegados e delegadas que participaram do 35º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa Econômica Federal (Conecef), realizado em São Paulo nesta quinta e sextafeira (1 e 2 de agosto). Com o slogan “Todos contra o retrocesso”, a categoria aprovou a pauta de reivindicações, reafirmando questões como a defesa da Caixa 100% pública, do Saúde Caixa e da Funcef, contratação de mais empregados e melhores condições de trabalho, fim do assédio moral e do GDP (programa de gestão de desempenho), combate ao descomissionamento arbitrário, dentre outras. Para os participantes do Congresso, o projeto do governo de enfraquecer e diminuir a atuação do banco público a fim de entregar à iniciativa privada setores como cartões, loterias e gestão do FGTS, está escancarado. O processo de desmonte passa também pelas inúmeras retiradas de direitos dos empregados, com resoluções do governo que

impactam nos planos de saúde de autogestão das empresas estatais como o Saúde Caixa. Destacam-se ainda medidas como a redução de trabalhadores nas unidades, gerando sobrecarga de trabalho e adoecimento.

A plenária final do 30º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil (CNFBB) Olivan Faustino, realizada no dia 2 de agosto, aprovou os encaminhamentos construídos durante todos os painéis realizados nos dois dias de evento, pelos 260 participantes. Sobre o painel do mundo do trabalho, o encaminhamento é reforçar a mesa temática sobre teletrabalho e home office. O objetivo é organizar a mesa, para que se amplie o debate nos sindicatos de todo o país. Painel de Previdência - Encampar a luta contra a reforma da previdência participando das atividades organizadas pelas centrais sindicais. Reforçar a mesa dos bancos incorporados para melhorar o regulamento dos planos e que sejam administrados pela Previ. Painel Cassi - O Congresso deliberou pela realização do Dia Nacional de Luta em Defesa da Cassi no dia 20 agosto, organizar abaixoassinado contra a medida do Conselho Deliberativo que fere a cobrança de 1/24 na coparticipação, intensificar a mobilização e as reuniões nos locais de trabalho, buscar a reabertura de negociação, reforçar o trabalho com as entidades representantes, para juntos construir uma nova proposta.

Mulheres - A plenária final também aprovou as propostas tiradas na reunião das mulheres. Entre elas, a inclusão no 31º Congresso Nacional dos Funcionários do BB a pauta das mulheres, LGBT, negros e pessoas com deficiência.

A defesa intransigente do Banco do Nordeste do Brasil foi o principal foco da 25ª edição do Congresso Nacional dos Funcionários do BNB, que aconteceu dias 12 e 13/7, em Fortaleza-CE. Cerca de 70 delegados de todos os estados nordestinos estiveram reunidos durante esses dois dias e debateram, principalmente, o fortalecimento da unidade dos trabalhadores contra os ataques do governo e a defesa do BNB enquanto banco público e de desenvolvimento da região Nordeste. Na abertura, o secretário de Relações Internacionais da ContrafCUT, Roberto Von Der Osten e o presidente do SEE/BA, Augusto Vasconcelos fizeram uma análise do atual cenário político e reforçaram a importância de se manter a resistência contra o projeto de ultradireita em curso no país, que ameaça os direitos da classe trabalhadora e a própria democracia. A economista do Dieese, Vivian Machado, fez uma explanação sobre os números do BNB e a importância de sua atuação para o desenvolvimento do Nordeste. Ela destacou a importância de se fortalecer a defesa do Banco, tanto

na instância econômica quanto na esfera política, e ressaltou que o movimento sindical deve seguir reivindicando medidas para o crescimento do Banco e a manutenção dos recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE).

05

trocando em miúdos


pelos bancos

BB garante transparência da reestruturação na PB em reunião com Sindicato dos Bancários da Paraíba e de Campina Grande No dia 30 de julho, a diretoria do Sindicato dos Bancários da Paraíba, acompanhada de membros da diretoria do Sindicato dos Bancários de Campina Grande e Região, esteve reunida com Adriano (representante da Superintendência da Paraíba), Paulo de Tarso (Gepes – João Pessoa) e Thiago (Ag. Setor Público) para pedir esclarecimentos sobre o novo processo de reestruturação lançado no dia anterior pela diretoria do Banco do Brasil que, além de afetar funções, agências e departamentos, também prevê um Plano de Desligamento Incentivado. A reunião foi motivada pelo anúncio de um fato relevante, com ações para reorganização institucional do Banco do Brasil, que previam, inclusive, uma redução no quadro de pessoal. O representante da superintendência, Adriano, iniciou sua participação informando que todos foram pegos de surpresa com essa Reorganização Institucional lançada pelo banco com o objetivo de buscar a competitividade e a perenidade dos negócios. Leu alguns ofícios sobre o assunto e disse que já estão trabalhando no mapa das vagas e adequação para levantar a realidade na Paraíba. “Como em outras ocasiões, dentro de nossas possibilidades a Superintendência vai fazer uma adequação que busque resolver os problemas da melhor maneira possível. Garantimos que todo esse processo será transparente e os sindicatos serão informados sobre a sua condução”, arrematou. Os sindicalistas fizeram suas ponderações sobre a quantidade de agências que caíram de nível, os descomissionamentos, os excedentes nas unidades do BB e cobraram lisura nas medidas a serem adotadas pelo Banco, inclusive através de reuniões semanais com a Superintendência.

“Fomos tomados de surpresa com mais essa ameaça ao Banco do Brasil, em uma reestruturação que prioriza a criação de agências digitais e a transformação de agências em postos avançados, afastando cada vez mais a população de baixa renda do atendimento físico. Esse pacote da maldade do desgoverno ultraliberal também prevê descomissionamentos e demissão de funcionários, através de um novo Programa de Desligamento Incentivado. Portanto, fiquemos atentos a quaisquer atitudes equivocadas que ameacem os direitos de um funcionário ou de uma funcionária, cujo fato deve ser comunicado imediatamente ao Sindicato, para agirmos em tempo hábil de salvaguardar nossos representados, concluiu Marcelo Alves, presidente do Seeb-PB.

Sob intervenção da Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS, desde 22 de julho quando foi instaurado o Regime de Direção Fiscal, a Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil - Cassi emitiu nota de esclarecimento em defesa do Banco do Brasil, no dia 15 de agosto, quando a diretoria deveria ter se unido aos funcionários em busca de negociação com o patrocinador (BB). Tudo isso poderia ter sido evitado se, em maio, mais de dois terços dos associados da Cassi tivessem aprovado a proposta de reforma estatutária. E, como não há soluções fáceis para problemas difíceis, agora vamos pagar pra ver o que pode acontecer.

Itaú lucra de R$ 13,9 Bi e anuncia demissões com PDV No mesmo dia em que teve divulgado um lucro R$ 13,9 bilhões no primeiro semestre de 2019, o Banco Itaú anunciou o lançamento de um Programa de Desligamento Voluntário (PDV) em agosto.O anúncio foi feito em comunicado divulgado ao mercado, e vale para “todas as empresas controladas exclusivamente pelo Itaú Unibanco Holding S.A. no Brasil”.Segundo reportagem do UOL, o PDV espera atingir 6.900 funcionários. De acordo com o informe passado à Confederação Nacional dos Trabalhadores no Ramo Financeiro (Contraf-CUT), os desligamentos ocorrerão de acordo com a programação da empresa, até novembro/2019 na modalidade sem justa causa. A holding encerrou o 1º semestre de 2019 com 85.161 empregados no país, com fechamento de 983 postos de trabalho em doze meses, porém, foram fechados 1.043 postos somente no último trimestre do ano.De acordo com o relatório do banco, no Brasil, a redução anual do quadro de colaboradores está relacionada ao encerramento de agências físicas. trocando em miúdos

06


agosto de 2019

Caixa discrimina Nordeste e pessoa com deficiência e presidente vai ter de explicar sobre o desmonte do banco à Câmara Federal O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, será convidado p e l a C o m i s s ã o d e Tr a b a l h o , d e Administração e Serviço Público (CTASP) da Câmara dos Deputados para falar sobre a privatização de áreas rentáveis e estratégicas do banco. A data prevista para ida de Guimarães na CTASP é o dia 1º de outubro, conforme aprovação do requerimento de autoria da deputada federal Erika Kokay (PTDF), no dia 14 de agosto. A intenção da comissão era convocar o ministro Paulo Guedes, que foi substituído pelo presidente da Caixa, em um acordo com a liderança do governo. E sendo a Caixa Econômica Federal uma instituição financeira 100% pública, a sua direção deve explicações ao povo, que é o seu verdadeiro dono. E tem muito o que explicar! Nordeste abandonado - Sob o desgoverno Bolsonaro, a Caixa reduziu drasticamente os seus investimentos no Nordeste, justamente a única região onde o presidente não venceu as eleições de 2018. Segundo levantamento do Jornal O Estado de S. Paulo, com base nos números da própria Caixa e do Tesouro Nacional, a nova gestão do banco diminuiu a concessão de

empréstimos à região a apenas 2,2% do total para o país. Dos R$ 4 bilhões de crédito autorizados para governadores e prefeitos, apenas R$ 89 milhões, referentes a dez operações, foram destinados ao Nordeste. Segundo fontes do jornal no banco e na equipe econômica do governo, que falaram em condição de anonimato, a ordem para não contratar operações para os estados e municípios do Nordeste foi do próprio presidente da Caixa, Pedro Guimarães. Pessoas com deficiência - A Caixa Econômica Federal recorreu em ação que exige o cumprimento da lei de cotas e tem comunicado as pessoas com deficiência que elas não terão plano de saúde, o que desrespeita o Acordo Coletivo. O governo ultraliberal tem propagandeado que a Caixa seria o “banco da inclusão” por conta da convocação de duas mil pessoas com deficiência, mas na prática o banco descrimina os trabalhadores. Desde o dia 13 de agosto que as Entidades representativas dos bancários não têm mais espaço na integração dos novos empregados da Caixa. E o presidente Pedro

Sindicato cobra solução de problemas no Santander Diretores do Sindicato dos Bancários da Paraíba e de Campina Grande e Região se reuniram com a diretora de recursos humanos e relações sindicais do Santander, Fabiana Ribeiro, no dia 23 de julho, para tratar sobre diversas demandas de bancários do banco espanhol e solução para denúncias anônimas sobre assédio moral recebidas através de e-mails. A pauta também contemplou o repúdio ao artíficio do Santander para abrir aos finais de semana, o alto índice de reintegrações e discriminação aos reintegrados, estrutura precária em diversas unidades, a instalação de caixas em locais de difícil acesso para clientes e funcionários e a falta de respeito do Superintendente. O principal motivo da reunião foram as denúncias de assédio moral atribuídas ao Superintendente do banco na Capital. "O Sindicato tentou conversar com o gestor, que se negou a dialogar com a representação dos funcionários", disse o presidente Marcelo Alves, ao apresentar de forma anônima os e-mails recebidos com denúncias da prática de assédio moral. “São graves queixas sobre a conduta do Superintendente, que já possui um histórico de conflitos e desrespeito com funcionários e com a diretoria do Sindicato, numa conduta nada compatível com seu cargo", alertou a diretoria do Seeb - PB.

A diretora do Banco se comprometeu em averiguar as denúncias e tomar as medidas possíveis para corrigir os problemas denunciados, adiantando que iria conversar com o Superintendente sobre as denúncias para tomar uma decisão sobre os fatos, bem como submeter os problemas estruturais ao setor de engenharia. Estamos aguardando as medidas pertinentes para os casos levantados e denunciados. Até porque, durante a reunião dissemos claramente à diretora Fabiana Ribeiro que iríamos acompanhar o desdobramento da apuração dos fatos e as soluções adotadas pelo Banco, principalmente quanto ao respeito aos funcionários e à Entidade representativa da categoria profissional.

07

trocando em miúdos


agosto de 2019

ações sindicais

Está chegando o Dia do Bancário e a categoria continua cerceada do direito ao descanso e/ou ao lazer no para celebrar a data comemorativa, graças à liminar concedida pelo ministro Alexandre de Moraes à Confederação Nacional do Sistema Financeiro (Consif), suspendendo o feriado criado pela Lei 8939/2009 , na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 5566) contra o Estado da Paraíba. Uma vez que a categoria foi prejudicada pela liminar concedida pelo mesmo ministro que proibiu os técnicos de investigarem magistrados do STF com base nas informações do Controle das Atividades Financeiras - Coaf, vamos comemorar o Dia do Bancário na sexta-feira, 30 de agosto, com o tradicional Torneio de Futebol Soçaite do Dia do Bancário, na Arena 28 de Agosto. A partir das 21h, haverá uma festa dançante no Espaço Cultural Marcos Lucena, na sede do Sindicato.

Eleição de Delegados Sindicais do BB, Caixa E BNB As eleições para Delegado/a Sindical no Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Banco do Nordeste do Brasil (BNB) vão acontecer nos locais de trabalho, no período de 26 a 29 de agosto. A posse será dia 13 de setembro. O Delegado Sindical é o representante da categoria no seu local de trabalho e o elo entre a base que o elegeu e a entidade representativa dos trabalhadores do ramo financeiro.

Deveres e Direitos - Uma das principais atribuições do delegado sindical é manter contato permanente com os colegas de trabalho e a direção do Sindicato, promover reuniões, organizar as demandas e estimular os colegas a participarem das ações coletivas. Para desempenhar bem o seu papel, o delegado faz jus à estabilidade no emprego, à permanência na unidade de trabalho durante o mandato e o direito de se ausentar do trabalho.

Cursos CPA 10 e CPA 20 agora à distância A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) celebrou convênio com o Instituto Fenae de Responsabilidade Social para oferecer cursos aos sindicalizados e seus dependentes na modalidade de Ensino à Distância dedicados à formação e à preparação para obtenção de capacitação e certificação em diversas áreas, inclusive CPA 10 e CPA 20. As inscrições serão feitas na Secretaria Geral do Sindicato, em até dois cursos simultâneos. Além da execução nos módulos sem geração de custos, a parceria prevê a utilização das certificações para atender necessidades profissionais de acordo com os interesses de cada participante. Na foto ao lado, encerramento da 10ª turma de CPA20. trocando em miúdos

08

Profile for Walmar Pessoa

Trocando em Miúdos - Edição 605  

Trocando em Miúdos - Edição 605

Trocando em Miúdos - Edição 605  

Trocando em Miúdos - Edição 605

Advertisement