Issuu on Google+

capa.indd 1

14/12/11 18:15


Quando você olha para a NOVA Hitachi Kokusai Linear...

CÂMERAS • MICRONDAS • ENCODERS • TRANSMISSORES • GAP-FILLERS

Para as Redes de Broadcast Digital Atuais 11737_Panorama Magazine Ad_POR_final.indd 1 pag2e3.indd 2

14/12/11 16:34


...o que você vê? Nós vemos uma nova empresa, que nasceu para trazer as melhores soluções para criar e distribuir conteúdos para os broadcasters em seus mercados. Tecnologia reconhecida mundialmente HDTV com excepcional qualidade e desempenho Suporte e serviços impecáveis Extremamente confiável Melhor Custo-benefício do mercado Funcionalidade avançada Facil de operar

s

Hitachi Kokusai Linear Equipamentos Eletronicos, S.A. Praca Linear 100, Centro • 37540-000 Santa Rita do Sapucai, Minas Gerais • (035) 3473-3473

pag2e3.indd 3

11/18/11 4:50 PM 14/12/11 16:34


Especial Transmissão > Harris

Considerando as vendas em todos os níveis de potência, o crescimento da Harris na área de transmissão já supera os 50% desde o início da fabricação em Campinas, em 2010

Fabricação local Há pouco mais de um ano a Harris Corporation inaugurou em Campinas, interior de São Paulo, a fabricação de transmissores de baixa e média potência para televisão digital. A decisão nasceu da crescente demanda por equipamentos a um preço mais competitivo, além de acelerar a velocidade de entrega das encomendas. Além do mercado brasileiro, o destino natural de parte dos equipamentos é os países da América Latina que estão adotando o padrão ISDB-Tb. Em todos os casos, a possibilidade de transmitir a próxima Copa do Mundo em alta definição é um argumento que também ajuda a concluir novos negócios. Em entrevista à Panorama Audiovisual, Felipe Luna, diretor da empresa no Brasil, conta que a fábrica já teve impactos positivos nas vendas por diversos motivos. “A Harris ganhou mais credibilidade no mercado por conta do investimento realizado”, conta o executivo. “Produzindo aqui, reduzimos os preços de 20% a 30% (também considerando a baixa do dólar). Em relação ao suporte, os clientes se sentem mais confortáveis tendo os módulos e partes transmissores sendo fabricadas aqui. Tudo ficou mais ágil. Além disso, a possibilidade de financiamento através do BNDES também tem trazido alguns negócios, pois todos os nossos produtos

estão cadastrados com o código FINAME”. Luna explica que se a empresa não estivesse produzindo internamente, seria muito difícil comercializar a linha de baixa potência. “Saímos de um mercado praticamente sem vendas na linha de baixa potência, para termos praticamente 50% de participação na transmissão digital. Na parte de média potência, crescemos pelo menos 30% produzindo aqui”. Já na gama de alta potência, acima de 4 kW, a Harris segue importando, pois não há volume que justifique a produção local. “Nessa potência, a relação custo benefício seria quase igual para os clientes, mesmo que produzíssemos aqui”.

Interiorização

Considerando as vendas em todos os níveis de potência, o crescimento da Harris na área de transmissão já supera os 50% desde o início da fabricação em Campinas, em 2010. “Todos os clientes são de alto nível, afiliadas de grandes redes - TV Globo, TV Record e TV Bandeirantes, por exemplo. Temos conquistado muitos negócios com a interiorização e algumas redes estão trabalhando com as afiliadas pensando nos grandes eventos dos próximos anos. Elas já começaram a in-

página 4

harris.indd 4

14/12/11 16:36


harris.indd 5

14/12/11 16:36


Especial Transmissão > Harris

A decisão de fabricar transmissores no Brasil nasceu da crescente demanda por equipamentos a um preço mais competitivo, além de acelerar a velocidade de entrega das encomendas

vestir porque tudo precisa estar pronto para as Olimpíadas e a Copa do Mundo”, conta. Junto com o segmento de transmissão, a empresa também comercializa soluções para conexão e interligação entre os transmissores. “Os investimentos em interiorização também incluem as tecnologias para distribuição por micro-ondas ou via satélite”. No caso das micro-ondas a Harris tem uma parceria com a Aviat Networks, a sua antiga divisão de micro-ondas, cujos equipamentos são integrados nos pacotes de transmissão. “Normalmente, quem pede a digitalização também pede a conexão. Todos os pacotes de transmissão que temos vendido incluem o network”. Hoje, a interiorização ainda está voltada para cidades de médio e grande porte, enquanto as pequenas cidades só devem receber os sinais digitais em dois ou três anos. Nessa perspectiva, a Harris tem contratos de longo prazo que incluem o fornecimento de dezenas de transmissores. “Temos a produção da fábrica garantida até 2016, com uma programação escalonada, graças aos pacotes de longo prazo. O nosso planejamento garante o fornecimento de peças e a entrega nos prazos estabelecidos”. Felipe Luna também explica que muitas rotas analógicas estão sendo desligadas e substituídas por rotas digitais, dando conta não só da distribuição dos sinais a serem transmitidos, como das contribuições jornalísticas e das comunicações corporativas. Isso é possível porque a integração das plataformas Selenium e NetVX com os micro-ondas da Aviat garante tráfego bidirecional. “Quando o broadcaster coloca o investimento na ponta do lápis, ele vê que o dinheiro retorna em pouco tempo”, diz Luna. A empresa não se preocupa com as emissoras que optam pela distribuição via satélite, porque também tem pacotes para atender essa tecnologia. A TV TEM, por exemplo, atua no interior de São Paulo com uma solução híbrida entre micro-ondas e satélite. As micro-ondas são usadas na interconexão e contribuição jornalística, enquanto parte dos transmissores localizados em pequenas cidades recebe o sinal via satélite. Em cada um destes pontos há uma antena receptora. Nesse aspecto, Luna ressalta que antes das vendas, a empresa se preocupa com a necessidade do cliente.

“Temos sistemas para atender todas as configurações, SFN, MFN, micro-ondas, satélite, distribuição, via IP ou outra tecnologia, conforme a necessidade do cliente”, comenta. Entretanto, o executivo também lembra que mesmo em lugares muito afastados, que não precisam de um sinal de retorno, o cliente deve fazer as contas sobre o uso do segmento espacial, para saber se realmente vale a pena.

Investimento

Os custo de transmissão digital dependem muito da topologia da rede, dos locais de instalação e das potências, entre outros fatores, mas Luna considera que de maneira geral o transmissor responde por 50% do custo por site, enquanto torro, antena e demais equipamentos respondem pelos outros 50%. “O principal fator para definir uma rede é o desenho dela, por isso investimos muito em planejamento. Isso tem dado um retorno muito bom junto aos clientes”.

Cronograma

Muitas emissoras têm reclamado do atraso do governo na concessão de novas outorgas para televisão digital, o que reduz a marcha de toda a indústria em até 50%. Essa demora nas autorizações também faz crescer a desconfiança quanto ao prazo final para o desligamento dos transmissores analógicos. Para a Harris, o Ministério das Comunicações tem se esforçado para mudar este cenário, mas o ideal ainda seria existir um cronograma definitivo e executável. Por outro lado, as emissoras que já dispõem de autorizações começaram a investir por determinação das cabeças de rede e para se protegerem da concorrência. Mas elas também têm enfrentado alguns desafios, visto que há escassez de pessoal qualificado para executar os trabalhos até 2016. Na concorrência pela melhor qualidade de sinal as emissoras que migram para a transmissão digital também têm em vista a chegada de novas empresas de TV por Assinatura com canais em alta definição, após a aprovação da PL 116. “No meu ponto de vista, os canais HD distribuídos pela TV aberta têm qualidade imbatível e, aliados a algumas inovações na área de interatividade, vão continuar competitivos”, finalizou Felipe Luna.

página 6

harris.indd 6

14/12/11 16:36


harris.indd 7

14/12/11 16:36


Especial Transmissão > Screen

Integrada ao mercado brasileiro Instalada na cidade de Pouso Alegre, no Sul de Minas Gerais, a Screen Service do Brasil foi uma das primeiras companhias internacionais a se instalar no Brasil para disputar o mercado de transmissão digital. Quando chegou ao país, em 2008, a companhia se associou a empresários e especialistas locais, além de investir 1 milhão de euros em uma fábrica de grande porte. Segundo Júlio Rocha, diretor comercial da empresa, essa estratégia tem dado resultado. “Nós somos uma empresa internacional e seguramente uma das que mais possui tecnologia para TV digital. Queremos ter a cara de uma empresa mineira, brasileira, de fácil acesso e por isso o nosso público vai de A a Z. Nossos produtos têm um preço compatível com o mercado e atendem quem precisa de alta tecnologia ou quer apenas um produto para ligar na tomada e funcionar”, explica.

Foco em projeto e manutenção

Antes de montar a equipe comercial, a Screen Service criou um sistema de pré-venda com engenheiros vindos da Rede Record e da Anatel para fazer o mapeamento das necessidades dos clientes. A missão desta equipe também era dar consultoria às emissoras de pequeno e médio porte que ainda estavam tomando decisões quanto à interiorização do sinal digital. Rocha conta que o trabalho funcionou e comemora os resultados. “Nós participamos do desenvolvimento de todo o pro-

jeto, como aconteceu com uma emissora do Triângulo Mineiro, para a qual viabilizamos o sistema de transmissão numa rede de quase 1500 quilômetros. Mais que usar softwares para cálculo de propagação, nós conhecemos os detalhes da região, as localizações dos sites e as alturas das antenas”. O executivo detalha que este acompanhamento dos projetos é parte da filosofia da empresa, fundada há 30 anos na Itália para prestar serviços às emissoras de TV. “Desde o nosso primeiro contato, a primeira coisa que fizemos foi enviar dois engenheiros e três técnicos a Itália para aprender a dar manutenção. Hoje temos quatro pessoas trabalhando no setor”. Segundo Rocha, outro ponto que está favorecendo a empresa é a localização e a disponibilidade de peças. “Sempre temos módulos de potência e fontes que atendem toda a nossa linha. É muito fácil atender qualquer demanda”.

Estrutura

Os primeiros passos da Screen Service no Brasil foram dados em 2008 e fábrica foi concluída em 2009. Hoje ela conta com 60 funcionários e a direção é feita por brasileiros, sendo que 60% do capital é italiano e 40% brasileiro. “Hoje nós produzimos equipamento a partir de meio watt até 60 kW, analógico, que é equivalente a um modelo de 18 kW digital. Como tudo se resume a quatro tipos de produtos: moduladores, fontes, gavetas e am-

página 8

screen.indd 8

14/12/11 18:18


screen.indd 9

14/12/11 18:18


Especial Transmissão > Screen

“Não vai ser a Screen a empresa a abaixar os preços do mercado, mas percebemos que o preço da concorrência caiu pelo menos 30% quando chegamos ao mercado. O nosso preço se manteve estável e o mercado se nivelou a nós”, conta Júlio Rocha, diretor comercial da empresa

plificadores, para nós é indiferente a potência de saída”, conta o executivo. “Temos ainda gap fillers 5 watts que pode chegar a uma potência ilimitada, porque podemos usar o nosso modulador como excitador. Já fornecemos gap fillers de 250 watts, mas o usual são 100 watts”. A empresa também tem uma linha de encoders para HD e 1Seg, e está lançando um remultiplexador com quatro entradas ASI e entrada gigabit Ethernet. O modelo também pode receber sinais de satélite com acesso condicional ou ISDBT-Tb, para demodular e remultiplexar. “Com a nova linha ARK-6, nós preenchemos todas as lacunas de recepção, analógica e digital, e transmissão. Temos toda a cadeia necessária, passando por encoders, remuxes e links de micro-ondas digital de alta capacidade”.

Negócios e mercado

A Screen Service promove cursos regulares para esclarecer os usuários sobre a tecnologia de transmissão digital

screen.indd 10

Rocha conta que hoje a Screen Service tem algumas dezenas de propostas verbalmente fechadas, decididas tecnicamente em termos financeiros, mas aguardando a licença e outorga do ministério. “De um certo modo, fomos até beneficiados por isso. Não fizemos vendas, mas o cliente também não comprou de outro (fabricante), o que nos deu tempo para nos estruturar. Hoje conseguimos atender tranquilamente a grandes demandas de produtos sem grandes problemas”. Sobre a chegada de novas empresas ao mercado local, como a Hitachi Kokusai, Rocha não vê dificuldades. “Eu

14/12/11 18:18


Especial Transmissão > Screen

enxergo como saudável essa concorrência. São empresas de alto nível tecnológico e produtos de qualidade muito similares. Então se destaca a capacidade de cada no pós-venda, no prazo de produção e no relacionamento eficiente com o cliente. A nossa equipe é de profissionais que já estão no setor há muitos anos, estão todos bem preparados”. O diretor também descarta uma guerra de preços para garantir seu espaço no mercado. “Não vai ser a Screen a empresa a abaixar os preços do mercado, mas percebemos que o preço da concorrência caiu pelo menos 30% quando chegamos ao mercado. O nosso preço se manteve estável e o mercado se nivelou a nós”. Júlio Rocha estima que hoje a Screen Service ocupa entre 25 e 30% do mercado. “O que é muito em dois anos de trabalho. O nosso objetivo é chegar a 35% de share em dois anos. É a fatia que nos cabe”.

Encontros e treinamentos

Regularmente a empresa convida radiodifusores para uma visita à fábrica, onde são apresentadas as tecnologias e produtos disponíveis. “Nós temos duas intenções. O primeiro módulo foi sobre a geração do sinal digital, desde a conversão até a configuração de um sistema. Todos os convidados saem aptos a configurar qualquer sistema. O segundo módulo é voltado às formas de interiorização. Ele explica como tirar o sinal da capital e levar para o interior via satélite ou micro-ondas. As opções por SFN e MFN, e o uso de gap fillers. Percebemos

screen.indd 11

Transmissor digital de 7,5KW+7,5KW da Screen instalado na TV Câmara de São Paulo

que as pessoas já saem daqui com uma visão muito clara”. A última turma reuniu 460 pessoas, principalmente de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. A motivação para estes cursos foi esclarecer os usuários sobre a nova tecnologia para ajuda-los na decisão de compra. “Percebemos que estava muito difícil de discutir tecnologia e mostrar os diferenciais do produto, quando o outro lado não conseguia distinguir o bom do ruim. A nossa intenção foi justamente isso, mostrar o que o sistema digital precisa ter. Fomos percebendo que ficou mais fácil falar dos nossos produtos e suas vantagens”. www.screen.it/pt-br

14/12/11 18:18


Especial Transmissão > Rohde

Henrique Lattarulo, gerente de vendas da divisão, e Bruno Amo, gerente de contas, receberam a Panorama Audiovisual na sede da empresa. “Está aprovada. Estamos somente discutindo onde será localizada a fábrica. A nossa expectativa é ter a fábrica já rodando em meados de 2012”, afirmou Lattarulo

Sinal verde A Rohde&Schwarz está estabelecida há muito anos no Brasil, atendendo os segmentos de teste e medição, comunicações, radiocomunicação e, naturalmente, radiodifusão. Com a chegada da televisão digital e uma perspectiva de vendas excepcional ao longo dos próximos dez anos, nada mais natural do que a fabricante alemã produzir transmissores por aqui. A decisão demorou um pouco, mas em meados de 2012 a nova planta estará em plena operação, como conta Henrique Lattarulo, gerente de vendas da divisão de radiodifusão da empresa. “O projeto está aprovado e as primeiras aquisições de equipamentos já foram feitas. O único ponto em aberto é o local, onde será instalada a nova fábrica”. O desejo de fabricar transmissores no Brasil era uma história antiga e um estudo de mercado determinou a atuação de outras empresas, os desejos da companhia e as exigências dos clientes. O resultado indicou que a Rohde poderia atender uma boa parte do mercado brasileiro de televisão digital nos próximos anos. Foi então que a matriz alemã deu o sinal verde. A empresa pretende controlar todos os processos, por isso não adotará o modelo de outsourcing. “Será uma fábrica própria, focada em transmissores de média e baixa potência, e no futuro também poderemos atender as outras divisões da Rohde&Schwarz”.

“A nossa expectativa é ter a fábrica rodando já em meados de 2012, pois o processo é rápido e já começamos a importar os equipamentos necessários para suportá-la”. Quanto à mão de obra, Lattarulo afirma que a empresa já possui uma equipe técnica no Brasil que apoiará o início das operações. “Também teremos profissionais vindos da Alemanha para fazer o start up e enviaremos técnicos para treinamento lá”

Cenário internacional

Fora da Alemanha, a Rohde&Schwarz tem uma fábrica na República Tcheca e outra para equipamentos básicos de teste e medição em Singapura, que atende o mercado internacional. A fábrica do Brasil atenderá toda a América Latina, com foco no ISDB-Tb. “Acreditamos que em 5 anos o mercado de ISDB-Tb pode responder por pelo menos 10% das vendas mundiais”, afirma. A companhia também é muito forte nos Estados Unidos, onde trabalhou em um projeto conjunto com a Qualcomm, chamado MediaFLO, para transmissão de programas de TV específicos para celular. Cerca de 95% dos transmissores usados foram fornecidos pela Rohde&Schwarz. “Nós suportamos qualquer padrão: ISDB-Tb, DVB-T2, DVB-H, T-DMB, ATSC mobile e todos os padrões de telefonia móvel”.

página 12

rohde.indd 12

14/12/11 16:38


Especial Transmissão > Rohde

Nos últimos tempos a empresa atendeu a TV Justiça, em Brasília, a Rede Vida, entre outros. A Band Rio de Janeiro, que está trabalhando em SFN para não ter zona de sombra na capital fluminense

TDT no interior

Na interiorização da TV digital, a Rohde tem se dedicado a atender projetos de emissoras responsáveis por grandes redes, com dezenas de transmissores. “A nossa ideia é trabalhar com afiliadas de grandes emissoras, com redes que cubram um estado”, explica Lattarulo. O gerente também lembra que neste momento muitas emissoras estão em compasso de espera, porque existe alguma lentidão no processo de liberação das licenças para transmissão digital e muitas emissoras regionais também não têm pressa em adotar a transmissão digital devido ao não retorno do investimento a médio prazo. Estas emissoras querem evitar o gasto adicional com um transmissor adicional, pois serão obrigadas a manter duas transmissões simultâneas em funcionamento (analógica e digital), pagando mais pela energia elétrica, por exemplo. “Claro que se o cliente optar por comprar Rohde&Schwarz há vantagens, já que hoje nós temos a maior eficiência do mercado. Somos, no mínimo, 20% melhor que qualquer outra marca”, pontua. Em geral, os modelos com potência até 2kW tem refrigeração a ar, o modelos com potência superior têm refrigeração líquida. Mas há exceções. Em regiões praianas, por exemplo, é interessante trabalhar com sistema de refrigeração líquida, que é lacrado e não tem contato com maresia.

ANÁLISE DE COBERTURA

Preço e eficiência

No Brasil, o preço é um quesito importante na escolha de um transmissor, mas, segundo Lattarulo, “os preços da Rohde estão adaptados aos preços do mercado brasileiro e além disso o cliente está percebendo que pagar um pouco mais, de 10% a 20%, por um produto premium vale a pena, porque ao longo dos anos ele se paga em relação ao consumo de energia e qualidade superior, por exemplo. Um transmissor de alta potência, de 5 kW Digital, por exemplo, se paga em sete ou oito anos, só com o que economizou de energia em relação ao equipamento de outra marca. Nós fazemos projetos e testes de campo para fazer esta comparação de eficiência”. Para apoiar as vendas, a empresa também pode viabilizar financiamentos através de bancos alemães, a uma taxa de juros inferior à brasileira.

A Rohde também fornece equipamentos de teste e medição necessários no ambiente digital, para medição de taxa de erro de bits, medidas de MER, BER, multipercurso e análise de TS.

Para analisar a medidas de cobertura em redes de TV e Rádio (FM), a Rohde&Schwarz uniu o TV ETL com o Software BCDRIVE, que tem as seguintes características: Suporta medidas móveis e fixas; Aceita padrões digitais ISDB-Tb, DVB-T2 e outros; e padrões de rádio FM. Ele requer um ETL ou ETH com o BCDRIVE instalado; antena para recepção do sinal; e receptor GPS USB para localização.

página 13

rohde.indd 13

14/12/11 16:38


Especial Transmissão > Mectrônica

Cobertura Para atender o segmento de TV Digital com um portfólio ainda maior, no início do segundo semestre a Mectrônica uniu forças com a norte-americana Jampro, uma companhia com mais de 55 anos de experiência. A meta de ambas e trocar conhecimento e oferecer soluções para qualquer tipo de instalação a preços acessíveis. Com 70 funcionários e mais de 35 de história, a Mectrônica é uma das mais importantes fabricantes nacionais de antenas UHF, VHF e FM, contando com instalações em todas as capitais brasileiras. Na entrevista a seguir, Juliana Avella, responsável pelo Departamento de Marketing, dá detalhes da estratégia da empresa para o mercado nacional. Panorama Audiovisual: Qual é a linha oferecida pela Mectrônica para o mercado de transmissão? Juliana Avella: Nós oferecemos produtos modernos e eficientes para transmissão digital e analógica de TV e Rádio. São painéis digitais de 90° e 120°,  slot digital, high power, anel FM e antena vertical, entre outras soluções. Temos ainda uma farta linha de conectores, adaptadores e toda linha de acessórios para linhas e cabos, além de chaves coaxiais e divisores de potência. Panorama: A atuação está concentrada em alguma região do país? Avella: A nossa carteira de clientes está distribuída em todas as regiões. Prestamos serviços de instalação de nossos próprios produtos ou de importados em torres de diversas dimensões e graus de dificuldade, bem como testes e ajustes de antenas já instaladas. Panorama: A Mectrônica mantém um departamento de pesquisa e desenvolvimento? Como é feita a captação de profissionais? Avella: Possuímos um Campo de Testes próprio com uma área de 3.511 m², onde desenvolvemos e aprimoramos nossos produtos. A captação de profissionais é com certeza o nosso maior desafio, uma vez que infelizmente em nosso país não existe uma formação superior específica para o setor de radiofrequência. Então buscamos nos apoiar em novos profissionais da área de engenharia mecânica e mecatrônica para aprender na prática. Panorama: Quais são as vantagens e desafios de uma empresa brasileira que disputa o mercado com companhias internacionais? Avella: A maior vantagem é estar perto do nosso cliente, abrir as portas de nossas instalações e buscar desenvolver o que ele realmente precisa,  cuidando de cada cliente de maneira personalizada. Não somos engessados e mantemos uma parceria com nossos clientes, dando atendimento diferenciado e eficiente, além de uma

equipe de manutenção sempre a postos. A nossa visão sobre as companhias internacionais não é de disputa, mas sim de soma, enriquecer nosso produto e nossas possibilidades de atendimento. É sempre bom ter ao lado um concorrente de peso, que nos gera um desafio a vencer, mantendo a empresa em constante desenvolvimento e aprimorando cada vez mais o produto nacional. Recentemente firmamos uma parceira com a Jampro, e assim como acreditamos que eles venham fortalecer nosso portfólio, eles precisam de nós para criar o vínculo com os clientes brasileiros. No fundo é uma troca de conhecimento e tecnologia. Panorama: É preciso ter uma grande rede de distribuição e pós-venda para disputar o mercado de maneira mais segmentada.  Qual é a estrutura da Mectrônica para esta exigência? Avella: Nos orgulhamos de estar presentes em todas as capitais brasileiras com sistemas de grande porte, como os eficientes sistemas  de alta-potência instalados para a TV Câmara de São Paulo,TV Câmara de Brasília eTV Gazeta de SP, entre outros. Através de um sistema interno, sabemos exatamente quais os últimos produtos adquiridos e quais as próximas necessidades de cada cliente. Panorama: A Mectrônica tem parceria com fabricantes transmissores? Isso é uma vantagem no momento das vendas? Avella: Graças a nossa longa trajetória de 35 anos, hoje podemos dizer que temos um ótimo relacionamento com todos os grandes fabricantes transmissores do Brasil. Com certeza é vantajoso para apresentar uma solução completa para os clientes. www.mectronica.com.br

página 14

mecatronica.indd 14

14/12/11 16:39


mecatronica.indd 15

14/12/11 16:39


Especial Transmissão > Tektronix

O analisador RFM220 monitora a camada física do sinal de RF e o transport stream de vídeo MPEG subjacente. Com isso a equipe de engenharia pode identificar os problemas da camada física, do fluxo de sintaxe ou dos metadados com maior velocidade

ISDB-Tb Neste ano, o lançamento mais importante da Tektronix para o mercado de transmissão foi o RFM220, um analisador de RF para um canal de 6 MHz ISDB-T. Ele traz todas as métricas que importam em uma transmissão de televisão, medindo a potência do canal e MER, por exemplo. Em uma rede de frequência única, o analisador mede os picos dos transmissores para indicar se o intervalo de guarda está na posição correta, no transmissor de uma determinada região, indicando valores como a taxa de bits. O RFM220 tem a vantagem de ser integrável ao analisador de transport stream (TS) MTM400A, que já conta com uma base boa instalada no Brasil, especialmente nas nos transmissores das capitais e principais emissoras. Também é possível unir aos dois equipamentos o VQS1000, que monitora e analisa a qualidade da experiência, em tempo real, de vídeos transmitidos em qualquer rede. “Com essa solução, nós conseguimos fazer análise do RF, do transport stream e da qualidade da experiência de áudio e vídeo, inclusive do loudness, que é uma métrica muito importante hoje”, comenta Silvino Almeida, Gerente de Vendas da Tektronix. O analisador RFM220 ocupa uma unidade de rack e custa US$ 15 mil, cerca de 30% menos que um analisador de espectro da mesma categoria. O MTM400A também custa US$ 15 mil e o VQS1000 US$ 6 mil. O conjunto com as três soluções exige duas unidades de rack e um computador. Silvino lembra que antes do RFM220 havia um gargalo nas análises multicamadas do sistema ISDB-T. “Agora eu consigo ver realmente o que existe no RF, assim como o impacto dele no transport stream, no áudio e no vídeo. Com uma solução de US$ 36 mil, que todas as emissoras deveriam ter ao menos no transmissor principal, são resolvidos 90% dos problemas”. A solução completa pode ser interligada em um sistema de gerência centralizado para quatro ou cinco emissoras, com os gráficos e históricos de desempenhos de todos os equipamentos.

Qualidade nas transmissões ISDB-Tb

A solução de monitoramento atua em todo o tráfego de sinais pela rede, incluindo a fase transmissão em ISDB-Tb. Com recursos avançados de monitoramento e diagnóstico remotos, ela permite que as emissoras ofereçam serviços confiáveis e reduzam o tempo gasto pelos seus especialistas para rastrearem a fonte dos problemas. Com o monitor de canal RF, a empresa trouxe ao mercado uma solução que não apenas monitora a camada física do sinal de RF para detectar erros, como também o transport stream subjacente de vídeo MPEG. Com isso, a equipe de engenharia pode identificar os problemas da camada física, do fluxo de sintaxe ou dos metadados com maior velocidade. O RFM220 oferece ainda amplos recursos como medição de RF de alta performance, medição de MER, monitoramento detalhado do transport stream MPEG, alarmes e logs de eventos. Com as entradas RF e ASI, o RFM220 pode monitorar um transmissor antes e depois da modulação. As principais medições RF incluem potência de canal, SNR, MER, BER, taxa de erros e intervalo de guarda. Já os transport streams podem ser monitorados separadamente, ligando-se a saída ASI do equipamento a entrada ASI do monitor MTM400A. Isso permite que o RFM220 continue a acompanhar a qualidade do sinal de RF mesmo que a entrada ASI seja selecionada para encaminhar a análise do transport stream pelo MTM400A. www.tek.com

página 16

tektronix.indd 16

14/12/11 16:39


tektronix.indd 17

14/12/11 16:39


Especial Transmissão > Spinner

Base para a A Spinner é uma empresa alemã com 65 anos de história e sete fábricas no mundo, incluindo a recém fundada em São José dos Campos (SP) , onde serão fabricados filtros para sistemas de transmissão. A companhia atende quatro grandes segmentos: broadcast, telecomunicações, indústria e uma para projetos de grande porte, desenvolvidos sob medida. Na Europa a Spinner é uma das líderes de mercado no segmento de elementos passivos de RF, como combinadores, filtros, conectores e linhas rígidas, onde encontra concorrentes como a australiana RFS e a italiana Comtech. Aqui no Brasil, entre os seus parceiros está a fabricante de antenas Kathrein, que tem uma linha complementar, além de todos os fabricantes de transmissores. Segundo, Rondinei Silva, gerente de contas da empresa no Brasil, de acordo com a evolução dos negócios, a empresa também poderá produzir aqui combinadores e outros elementos da linha broadcast. Panorama Audiovisual: Antes da fábrica brasileira, a Spinner já atuava na América Latina? Rondinei Silva: Sim, a presença é muito forte. Na Argentina, na Colômbia e no Uruguai. Aqui todas as grandes emissoras já nos conheciam. A intenção da fábrica no Brasil é ser a base para atingir todo o mercado latino-americano, do México ao extremo da América do Sul. Panorama: O que atraiu a empresa? Rondinei Silva: Tínhamos o desejo de vir para a América Latina há muito tempo, pois esta região está em processo de crescimento, enquanto a Europa está numa fase de estabilização. Com a vinda da Harris em 2010 (para fabricar transmissores), se existia alguma dúvida sobre o mercado, ela se dissipou.

Poliana Lanari, diretora geral da empresa no Brasil, e Rondinei Silva, gerente de contas, em frente a sede da empresa, em São José dos Campos (SP). A empresa é uma das líderes em elementos passivos de RF, como combinadores, filtros, conectores e linhas rígidas

Panorama: Toda a linha será feita aqui? Rondinei Silva: Apenas um modelo de 300 watts continuará sendo feito na Alemanha, pois tem uma concepção totalmente diferente na cavidade de ressonância. Ele não é montado em placas, é totalmente usinado. Aqui a nossa linha é montada em placas. Panorama: Nos modelos fabricados no Brasil, quais são as diferenças? Rondinei Silva: Basicamente há uma diferenciação por potência e cavidades de ressonância, para atendimento das máscaras de sinal. Dentro de uma faixa de potência pode haver 4, 6 ou 8 cavidades para garantir a máscara não crítica, subcrítica e crítica. Esta é a divisão primária dos filtros e eles atendem a frequência de UHF inteira. Panorama: Foi necessária alguma adaptação nas máscaras para o padrão brasileiro? Rondinei Silva: Sim, foi feito um ajuste do filtro para as normas específicas, pois os pontos de frequência e atenuações de decibéis são diferentes. Panorama: Cada ajuste é feito para um transmissor, com potência e frequência específica? Rondinei Silva: Por conta da máscara crítica, a maioria dos negócios será com os fabricantes de transmissores. Então, vendas diretas para broadcasters será de elementos para conexão, painéis de conexão e linhas rígidas. Panorama: Apesar disso, com a presença local vocês esperam participar mais ativamente dos projetos? Rondinei Silva: Imagino que sejamos convidados a participar e fazer os processos de otimização de instalações, pois temos especialistas aqui.

Os filtros da Spinner receberam alguns ajustes as normas da TV digital brasileira, que tem pontos de frequência e atenuações de decibéis diferentes das europeias e norte-americanas

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Panorama: E no pós-venda, qual é a estrutura hoje? Rondinei Silva: Em relação aos filtros, especificamente, que tem um ajuste por canal, nós damos garantia. Se o cliente comprou um canal, com o filtro ajustado para ele, e quer migrar para outro canal, nós fazemos este serviço em campo.

PHA e tec Pha

página 18

spinner.indd 18

14/12/11 16:40


Especial Transmissão > Spinner

Panorama: O combinador tem a propriedade de reunir e compartilhar vários canais em uma única torre de transmissão. Como vocês avaliam este mercado no Brasil? Rondinei Silva: Na Europa, isto já está consolidado. Na Alemanha, por exemplo, os donos das infraestruturas usam combinadores sempre. Aqui é diferente. No Brasil, a diferenciação entre uma emissora e outra não está apenas no conteúdo, mas em ter um sinal ativo ou não. A cobertura é um diferencial. Existe um desafio neste processo de combinação. Algumas emissoras combinam o sinal analógico com o digital, são dois no máximo. Eu espero que com a torre de Brasília, os radiodifusores percebam que usar sistemas combinados é mais barato para todos e foquem no negócio deles em gerar conteúdo. Panorama: Mas, na prática, é improvável vermos as emissoras comerciais dividindo o mesmo espaço. O mais certo é que isso aconteça entre emissoras públicas. Rondinei Silva: Eu imagino que no médio prazo, as prefeituras comecem a juntar os canais públicos e também montar uma infraestrutura para atender os demais broadcasters. Panorama: No compartilhamento, a economia é relevante? Rondinei Silva: Diretamente, em relação ao material entre an_phase_vislink_230x150mm.pdf

1

12/12/11

Linha de produção: Dentro de uma faixa de potência pode haver 4, 6 ou 8 cavidades para garantir a máscara não crítica, subcrítica e crítica

o filtro e o combinador, a economia não é tão grande. Entretanto, o combinador gera economias no sistema, pois há menos custos com a antena, com o espaço, com o material de distribuição (as linhas) e com o ar condicionado. Este conjunto de economias torna o projeto viável. Eu já vi exemplos na Europa de 40 ou 50% de economia na instalação. Se contabilizarmos as economias ao longo do tempo com aluguel de sala e com energia o percentual sobe ainda mais. www.spinner-group.com

15:34

ENG HDTV ACESSÍVEL

NewsLite 6000

C

Terminal Satcom

M

Suporte à Comunicação em MO, Celular e Wi-Fi Modulação DVB-S2

Y

CM

MY

SSPA/BUC integrados de 25W Ku

CY

CMY

K

Alta Portabilidade, 23Kg Antena FLA-120 Fly-Away de 1.2m Banda Ku Aprovada pelo Intelsat 30Kg

XP L1310 Transmissor SD/HD para Wireless Camera Codificação H.264 0,8Kg www.phase.com.br

PHASE Engenharia, há trinta anos oferecendo com exclusividade produtos de primeira linha e tecnologia de ponta para as mais variadas aplicações em Broadcasting e Telecomunicações. Phase Engenharia. Experiência em inovação.

spinner.indd 19

phase@phase.com.br

(21) 2493.0125

14/12/11 16:40


Especial Transmissão > RFS

Grandes

A RFS forneceu mais de 50% sistemas irradiantes usados na primeira fase do projeto que levará a TV digital a toda a Argentina

A Radio Frequency Systems apresentou na Broadcast & Cable a família de filtros PeakPower (500 W, 1 kW, 2,5 kW e 5 kW), além de um novo filtro de 8 polos, que suportam com segurança os altos picos de potência necessários à TV digital. Outra atração foram os combinadores de impedância constante para UHF, indicados para aplicações de TV que reúnem múltiplos canais digitais e/ou analógicos. Disponíveis em vários tamanhos e configurações, esses módulos permitem cobrir de forma adequada todas as aplicações de baixa e média potência. Também estiveram em destaque a antena RD Series, do tipo slot; os cabos Heliflex; os conectores EIA; e o painel PHP para banda larga UHF. Com essa linha de produtos, a empresa vem atendendo as necessidades do mercado de TV digital no Brasil, em particular das emissoras que estão levando o sinal digital para as cidades menores, espalhadas pelo interior do país. Ao mesmo tempo, a RFS está fornecendo suas antenas para TV digital para outros países latino-americanos que estão implantando esse novo sistema de transmissão.

TV digital na Argentina

A RFS foi escolhida para a Fase 1B do Projeto INVAP (Investigação Aplicada), que visa cobrir com TV digital todo o território argentino. A fase 1A do projeto oficial, iniciada em maio de 2010, contemplou a instalação de 52 estações irradiantes, cada uma com duas antenas na modalidade PHP (painéis de polarização horizontal), dos quais a RFS forneceu 56%. Foram 58 antenas de 12, 14 ou 16 painéis. A Fase 1B prevê mais 23 sites. A solução apresentada foi customizada de acordo com as necessidades apresentadas pela INVAP, utilizando os tradicionais painéis de polarização horizontal. Já na

Fase 1B foi escolhida a tecnologia de polarização elíptica, que possibilita uma melhor recepção da TV móvel. Os filtros de cavidade coaxial dos combinadores atenderam aos requisitos de máscara crítica da Norma ISDB-T com apenas 6 polos. A RFS também forneceu os cabos coaxiais com dielétrico a ar, da linha Heliflex. Cada estação recebeu dois lances de cabos de 4 polegadas, com aproximadamente 160 metros por lance.

TV Gazeta de Alagoas

A emissora alagoana, afiliada da Rede Globo, contratou a RFS para implantar uma solução de TV digital completa em Maceió, incluindo antena, cabos, linhas de transmissão e acessórios. O projeto envolveu desde a consultoria de estrutura da torre existente, customização e produção da antena na Austrália até a instalação do sistema. “Todo o processo levou cerca de um ano para ser concluído e envolveu o trabalho de uma equipe de mais de 10 profissionais da RFS. Em uma mesma torre, a emissora tem agora sinais analógico, digital e transmissões de rádio FM, sem interferência de sinal entre as tecnologias”, explica Luiz Tonisi, Vice-Presidente de Vendas & Marketing da RFS, completando que “o investimento total também foi amortizado, uma vez que a estrutura legada foi utilizada”. O maior desafio do projeto foi avaliar os riscos e as condições climáticas do local. “Em Alagoas, venta muito e chove mais em algumas épocas do ano. Assim, para içar uma antena de uma tonelada a 160 metros do chão, é preciso muito estudo e precisão”, observa. Com a instalação da antena da TV Gazeta de Alagoas, a RFS marca presença em todas as capitais nordestinas. www.rfsworld.com

página 20

rfs.indd 20

14/12/11 16:41


rfs.indd 21

14/12/11 16:41


Especial Transmissão > Hitachi Kokusai Linear

Com os novos investimentos e ampliação na linha comercializada, a nova administração pretende quadruplicar o faturamento até 2015

Companhia Na apresentação formal sobre os planos da Hitachi Kokusai Linear para o Brasil, as primeiras palavras de Sigueru Kimura, presidente da companhia, confirmaram a continuidade da linha fabricada pela Linear Equipamentos Eletrônicos e o “objetivo da aliança nipo-brasileira de expandir os negócios pelo mundo”. A Hitachi Kokusai Electric é uma empresa fundada em 1949 e tem mais de 5 mil colaboradores e está organizada em duas grandes áreas de negócios. Uma dedicada a equipamentos de telecomunicações e radiodifusão e outra na área de manufatura e semicondutores. No segmento de radiodifusão a empresa produz câmeras de estúdio e portáteis, transmissores e links de micro-ondas e servidores sem fita para armazenamento de mídia. O Sr. Kimura também fez questão de ressaltar a gestão em colaboração com os quatro os quatros fundadores da empresa, que continuam na diretoria, sendo que José Souza Lima também está no conselho de administração criado após a aquisição.

Naturalmente, o estilo de administração e as políticas de produção, qualidade e pós-venda da Hitachi serão implantadas pouco a pouco. Haverá intercâmbios entre técnicos brasileiros e japoneses e o custo de produção deve ser reduzido com a padronização de projetos e criação de plataformas de produtos. A empresa também se beneficiará da compra global de insumos feita pela matriz japonesa.

Metas

A Hitachi promete acirrar a disputa pelo mercado local de transmissão e tem metas bastante agressivas. O objetivo é faturar R$ 84 milhões em 2012 (o dobro de 2010) e R$ 170 milhões em 2015. A empresa também quer ser a líder no segmento de televisão digital terrestre, apoiando-se nos 70% de mercado que a Linear já possui entre os modelos analógicos. A estratégia é migrar a base analógica para os modelos digitais, atingindo, “no mínimo 50% de market share”. O aumento de produção será absorvido pela fábrica comprada em 2010 pela Linear. Os novos gestores prometem ainda reforçar a estrutura de pós-venda nas regiões Sul, Norte e Nordeste com um aumento de 50% na rede de manutenção, redução de 50% no prazo de conserto e melhoria em 30% no prazo de entrega de produtos novos.

Origens

Shigeru Kimura, presidente da Hitachi Kokusai Linear, afirmou que a empresa dará continuidade ao legado da Linear e também irá disputar o segmento de câmeras broadcast, micro-ondas portáteis e segurança eletrônica

A Linear Equipamentos Eletrônicos, agora Hitachi Kokusai Linear, é uma das mais importantes fornecedoras de transmissores para televisão do mundo. Criada em 1977 por um grupo de professores de engenharia de Santa Rita do Sapucaí (MG), no ano seguinte ela já produzia o seu primeiro transmissor para TV de baixa potência, destinado ao mercado brasileiro e latino-americano. O crescimento foi contínuo e logo começou a fabricação

página 22

hitachi.indd 22

14/12/11 16:41


Especial Transmissão > Hitachi Kokusai Linear

A Hitachi Kokusai Linear irá aproveitar a estrutura instalada para ampliar a sua linha de produtos

HI TA C HI K O K U S A I L INE A R Fundação: 1977 Sede: em Santa Rita do Sapucaí (MG) Colaboradores: 320 Faturamento em 2010: R$ 42 milhões Meta de faturamento para 2015: R$ 170 milhões Controle: Hitachi Kokusai Electric (100%)

Yasutoshi Miyoshi, diretor geral comercial, e Manabu Shinomoto, CEO da Hitachi, no evento que apresentou as estratégias da companhia. Os equipamentos de transmissão também serão comercializados na África, Ásia e em países que adotarem o padrão ISDB-T

de receptores de satélite, marcando o início da cobertura via satélite em todo o Brasil. Essa fase de expansão chegou ao final dos anos 90 com o lançamento de soluções para micro-ondas, consolidando a posição da Linear no mercado de radiodifusão. Ainda no final daquela década a empresa construiria uma unidade fabril em Ilhéus (BA). Os investimentos em pesquisa e desenvolvimento são a marca desta empresa nascida na incubadora do Instituto Nacional de Telecomunicações (Inatel). Isto ficou provado nas pesquisas feitas durante a primeira metade dos anos 2000, que culminaram no lançamento de produtos para atender o padrão de transmissão digital ATSC, utilizado nos Estados Unidos. Estas pesquisas colocaram a Linear numa posição privilegiada para atender o mercado de transmissão digital que também nascia no Brasil e na América Latina. O sucesso com os transmissores para o padrão norte-americano foi tão grande, que em 2006 a empresa instalou um escritório de montagens, vendas e serviços na área metropolitana de Chicago. Seu primeiro excitador digital - o AT7001 – foi vendido em 2007 e já trazia a pré-correção automática, tornando-o o modelo preferencial para os flash-cuts digitais. Os anos seguintes foram de liderança no desenvolvimento de produtos para o mercado ISDB-Tb e os excitadores com pré-correção automática foram incorporados à toda linha de transmissores ISDB-Tb e ATSC com potência de 200W ou superior. Em 2010, a empresa comprou uma nova fábrica em Santa Rita do Sapucaí, aumentando a sua capacidade de produção em 300%. Em todos esses anos de história foram instalados e configurados mais de 30 mil equipamentos em mais de 40 países. página 23

hitachi.indd 23

14/12/11 16:41


Especial Transmissão > STB

Apostando em “A experiência adquirida pelos engenheiros e técnicos em campo, além de sermos a única empresa nacional a fazer parte de um grupo que possui várias emissoras de televisão, enriquece a qualidade dos produtos e o atendimento aos clientes”, conta Flávio de Castro Barbosa, gerente comercial da STB

Panorama: Qual é o perfil dos clientes da STB? Flávio de Castro: Hoje temos equipamentos em quase todas as emissoras de TV e FM que atuam no mercado brasileiro, equipamentos analógicos e digitais, variando de 25 Watts a 30 mil Watts. Vale ressaltar que temos equipamentos digitais instalados e operando com alto desempenho nas principais capitais. Nos últimos anos, a STB fez um grande investimento no setor de desenvolvimento da empresa, para acompanhar todo o processo de transição dos equipamentos analógicos para equipamentos digitais. Isso garantiu a fabricante uma linha totalmente híbrida, com equipamentos analógicos preparados para um futuro upgrade digital, assim como uma linha digital, que cumpre todos os requisitos do padrão nipo-brasileiro ISDB-T. Hoje são desenvolvidos e comercializados transmissores digitais de 25W a 5KW, moduladores ISDB-T, MUX–REMUX, Set-Top Boxes e micro-ondas digital.Também está em desenvolvimento um encoder HD/SD/1 seg. Além de atender o mercado nacional, a STB tem forte atuação na América Latina, com transmissores analógicos e digitais, principalmente nos países que já adotaram o padrão ISDB-T. Segundo Flávio de Castro Barbosa, gerente comercial da empresa, “A estimativa de faturamento para o segundo semestre de 2011, gira em torno de US$ 12 milhões para o mercado nacional e US$ 5 milhões para o mercado internacional”.

A STB t em mais de sessenta colaboradores, entre eles desenvolvedores com doutorado no ITA, envolvidos na pesquisa, desenvolvimento e produção

Panorama: A maior parte das vendas em grandes cidades já foi concluída. Para disputar o mercado de maneira mais segmentada, é preciso ter uma grande rede de distribuição e pós-venda. Qual é a estrutura da STB para essa exigência? Flávio de Castro: A STB esta estrategicamente localizada em Santa Rita do Sapucaí, sul de Minas Gerais, que é uma grande geradora de produtos e profissionais para o ramo de Telecom. Contamos com uma rede de representação que atende os quatro cantos do Brasil com rapidez e eficiência, pois ela já atende nossa rede de emissoras (RIT), e em meados de 2012, iremos inaugurar uma nova fábrica de quatro mil metros quadrados. Panorama: Os custos de implantação são um obstáculo para muitas emissoras. Como contornar essa questão? Flávio de Castro: O maior impedimento que enfrentamos na expansão das vendas, vem diretamente de nossos clientes, pois os custos para digitalizar os estúdios são significativamente superiores em relação ao sistema de transmissão. O caminho para garantirmos esta expansão, será junto às prefeituras, na aquisição de transmissores, tirando o peso financeiro das emissoras. Temos um departamento com atendimento exclusivo aos prefeitos para auxiliar nesta expansão regional. Panorama: Fontes do mercado indicam uma guerra de preços na venda de transmissores. Qual é a posição da STB em relação a isso? Flávio de Castro: A STB não entrará nessa guerra. Estamos buscando o nosso espaço com equipamentos modernos e seguros, preços justos e, principalmente, por contar com atendimento diferenciado de vendas, pós-vendas e suporte. Nós contamos com dezenas de representantes que prestam serviços em nossa rede.

página 24

stb.indd 24

14/12/11 17:53


stb.indd 25

14/12/11 17:53


Especial Transmissão > STB

E MI S S O R A S E IN S TA L A Ç Õ E S AT E ND ID A S

A empresa tem um grande estoque de módulo de potência para atender os clientes

Panorama: A STB esta ligada a uma rede de televisão. De que maneira isso beneficia o processo de fabricação e estoque? Flávio de Castro: A STB foi criada em 2003, para, inicialmente, atender as necessidades da RIT (Rede Internacional de Televisão), mas com o crescimento da empresa e produtos cada vez mais atrativos, emplacamos neste mercado com milhares de equipamentos instalados em quase todas as emissoras do país e algumas emissoras da América Latina. Fabricamos hoje transmissores robustos que aliam alta tecnologia com praticidade, além de fazermos pesquisas de campo para o desenvolvimento de novos produtos. A experiência adquirida através pelos engenheiros e técnicos nestas situações, além de sermos a única empresa nacional a fazer parte de um grupo que possui várias emissoras de televisão, enriquecem a qualidade dos produtos e o atendimento aos clientes.

TV Cultura; RIT - Rede Internacional de Televisão; Rede TV; TV Globo Recife; TV Band Porto Alegre; TV Band São Paulo; TV Band Campinas; TV Lajes Santa Catarina; TV Globo Rio De Janeiro; TV Globo Porto Alegre; TV Globo Belo Horizonte; TV Globo Belém; EBC - Empresa Brasileira De Comunicação; REDE Sul Bahia; NOSSA TV Rio De Janeiro; EPTV Campinas; EPTV Sul De Minas; EPTV São Carlos; EPTV Ribeirão Preto; TV Princesa; SBT Campinas; TV Rio Sul; TV TEM Sorocaba (afiliada Globo).

Panorama: Como funciona o departamento de pesquisa e desenvolvimento da empresa? De onde vêm os profissionais que atuam nele? Flávio de Castro: Temos o privilégio em ter em nossa cidade o maior centro de ensino superior em telecomunicações e a primeira escola técnica de eletrônica do país. Na STB temos mais de sessenta colaboradores, entre eles mestres e doutores, que possuem formação nas mais diversas áreas de telecomunicações, trabalhando em uma instalação moderna e de alto nível. Eles estão em constante aperfeiçoamento para proporcionar as mais modernas soluções em broadcast aos nossos clientes. Panorama: Alguns pontos do padrão ISBT-Tb ainda estão em fase de discussão. Como acompanhar essa evolução? Flávio de Castro: O mercado de transmissão está em constante crescimento e aperfeiçoamento, e nossos produtos estão prontos para as tecnologias que estão chegando. Temos pareceria com as empresas inovadoras para manter nossos equipamentos sempre atualizados e prontos para o futuro. Panorama: Qual é índice de nacionalização das peças usadas nos transmissores? Flávio de Castro: Os equipamentos são 100% nacionalizados e de 20 a 30% dos componentes são importados.

“Contamos com uma rede de representação que atende os quatro cantos do Brasil com rapidez e eficiência, pois ela já atende nossa rede de emissoras (RIT), e em meados de 2012, iremos inaugurar uma nova fábrica de quatro mil metros quadrados”, diz Flávio de Castro

página 26

stb.indd 26

14/12/11 17:53


3_capa.indd 12

14/12/11 18:42


4_capa.indd 12

14/12/11 16:34


Suplemento de Transmissão Digital