Page 1

1

Relação da Ginástica Artística e da Dança na escola – revisão bibliográfica Value of Artistic Gymnastics and Dance in school – literature review

Vivian Mesquita Gomes (2) Orientador: Ms. Rafaela Liberali (1) Esp. Maria Ines Artaxo (1) Ms. Maria Cristina Mutarelli (1)

1 – Programa de Pós Graduação Lato Sensu da Universidade Gama Filho em Dança e Consciência Corporal 2 – Graduado em Dança e Consciência Corporal pela Universidade Gama Filho

Email: vivaeuvi@hotmail.com

São Paulo - 1291 Data: 24 e 25/09/2011


2 RESUMO

Vivemos em uma sociedade carente de movimento, esquecendo que nosso organismo sobrevive em função do movimento e para sua manutenção necessita de estímulos diariamente, por mais que negligenciamos essa dádiva nosso aparelho locomotor é rico de informações, a ausência da experiência motora prejudica a concentração e o raciocínio, por isso que os conceitos principais do currículo escolar estão relacionados à ação motora, movimento, habilidade, experiência e à técnica de movimento, a partir destes que decidi evidenciar a prática da ginástica artística e da dança no contexto da educação física escolar, pois ambas as manifestações são extremamente ricas nos domínios sobre as ações motoras, que variam da mais simples a mais complexa. A linguagem corporal da ginástica e da dança é de conhecimento universal que deve ser transmitido a todos, e que ainda está a passos lentos pouco observados e explorados nas aulas de educação física escolar, por motivos diversos que tentam justificar a insuficiência motora transmitidas aos alunos, levando os a aulas monótona, repetitiva e desanimadora, resumida a quadra e a bola, a proposta é romper com a idéia de que as aulas de educação física sejam baseadas apenas as modalidades com bola, brincar e jogar, e lançar o desafio transformador da atividade motora com domínio teórico, oferecendo aos alunos todas as possibilidades de conhecimento e de vivências corporais, conscientizandoos aos seus limites corporais ultrapassando os muros da escola para a vida, fazendo jus o conteúdo proposto a educação física escolar, relacionando ao processo de estabelecer a relação de ensino – motivação - criação - aprendizagem.

Palavras Chaves: Movimento, ações motoras, ginástica artística, dança, educação física escolar

ABSTRACT


3 We live in a society devoid of movement, forgetting that our body survives because of the movement and its maintenance requires daily stimulus, however we neglect this gift our locomotive is rich in information, lack of motor experience affect the concentration and reasoning , so that the core concepts of the curriculum are related to motor action, movement, skill, experience and technique of movement, from those who decided to show the practice of gymnastics and dance in the context of physical education, for both manifestations are extremely rich in the fields on the motor actions, ranging from simple to more complex. The body language of gymnastics and dance is universal knowledge that must be transmitted to all, and that is still somewhat slow steps observed and exploited in physical education classes, for various reasons trying to justify the severe motor transmitted to the students, leading the classes boring, repetitive and disheartening, summed up the court and the ball, the proposal is to break with the idea that physical education classes are based only on the modalities with the ball, play and play and throw the challenge of transforming motor activity with the theoretical realm, offering students all the possibilities of knowledge and bodily experiences, making them aware of their bodily limits beyond the school walls to life, doing justice to the proposed content of physical education, relating to the process of establishing the relationship education - motivation creating - learning.

Key – words: Movement, motor actions, gymnastics, dance, Physical education in school

INTRODUĂ‡ĂƒO


4 O movimento corporal na escola é baseado em esporte (BETTI, 1999), porém, as atividades corporais e artísticas fazem parte deste contexto (SOARES, 1996). A Educação Física Escolar possibilita aos alunos apropriarem-se da cultura corporal (GAVA, FRANÇA e ROSA, 2010) do movimento (BETTI, ZULIANI, 2002), pois, os seres humanos estão sempre em movimento (TEIXEIRA, 1999) tornando esta área mais densa, superando a esportivização (MARTINS, 2002) atuando sobre o corpo e ao movimento, buscando a cultura do movimento (DAOLIO, 1996). Além dos benefícios imediatos atribuídos a prática de atividades corporais e artísticas, a ginástica passa a levar aos escolares atitudes positivas (GUEDES, GUEDES, 1997), a ginástica na escola possibilita o redescobrir do prazer, a técnica e a arte da linguagem corporal (AYOUB, 1998) em uma variação de movimentos explorando e desenvolvendo suas vivências, capacidades e possibilidades (BUENO, 2004) um estímulo para o desenvolvimento cerebral (KOREN, BASTOS, 2004), visa movimentos fundamentais locomotores, manipulativos e estabilizadores, além da ludicidade (SCHIAVON, 2003). Se o objetivo da escola é a socialização e a construção dos conhecimentos, torna-se necessário estimular uma ação crítica, criativa e transformadora, entre o sentir, o pensar e o agir (BARRETO, 1998). Em linhas gerais, uma vez que os conhecimentos da motricidade humana englobam ações físicas e mentais propõese uma taxionomia de objetivos (FERRAZ, 2004). A dança é um elemento potencial que visa uma formação humana crítica (SERVO, DENDENAKLEINUBING, 2006) e a ginástica artística é composta de elementos ricos considerados fundamentais para o desenvolvimento motor do ser humano (NUNOMURA, NISTA-PICCOLO, 2005). Em prol da educação física mistura idéias próprias compostas da magia do universo da ginástica com a influência do trabalho de expressionismo da dança,


5 (BUENO, 2004), já que o currículo cultural da educação física enfatiza o diálogo e a leitura da gestualidade implícita nas manifestações corporais, cabe ao professor estimular o grupo a elaborar novas formas de brincar, dançar e fazer ginástica considera-se em especial as atividades rítmicas e expressivas, ambas estão contempladas no universo da ginástica e da dança (MOREIRA, 2009). O objetivo deste trabalho foi demonstrar através de uma revisão bibliográfica a importância da dança e da ginástica no contexto da educação física escolar.

METODOLOGIA Utilizou-se como metodologia a revisão bibliográfica que consiste na procura de referências teóricas para análise do problema de pesquisa e a partir das referências publicadas fazer as contribuições cientifica ao assunto em questão (LIBERALI, 2011).

Educação física escolar, ginástica na escola e dança na escola

A escola pode dar parâmetros para sistematização e apropriação crítica, consciente e transformadora dos conteúdos específicos (MARQUES, 1997), uma dança educativa, criativa e recreativa deve ser o primeiro passo na educação de todo indivíduo, constitui sentimentos (OSSONA, 1984), pois quando priorizamos uma atividade motora consciente e global, não trabalhamos uma ação pedagógica, mas também psicológica (SILVA, SANTOS, LUCAREVSKI, 2005). A construção de esquemas motores complexos envolve não apenas uma disponibilidade corporal completa, mas também uma boa percepção e memorização das estruturas rítmicas (LE BOULCH, 1987).


6 Os conhecimentos da educação física ainda não estão claros, o desafio é propiciar vivências nas quais apareça indissolúvel a tríade sentir - conhecer relacionar-se, de maneira geral, dança e ginástica não estão presentes nas escolas (SERON, RINALDI, MONTENEGRO, LARA, 2007). A característica eclética na formação injetou no mercado de trabalho um profissional indefinido e desorientado (NUNOMURA, NISTA-PICCOLO, 2003), saber teorias é importante, mas é preciso saber aplicá-las a nossa realidade e ainda criar de acordo com nossos interesses e recursos (BARCELLOS, 2008). A proposta de aula focalizando o desenvolvimento integral da criança deve estar pautada num projeto político-pedagógico que contemple as necessidades e os interesses histórico-sociais da criança (AWAD, 2010). Quando o professor sabe o conteúdo a ser ensinado e como deve ensiná-lo, pode transformar suas idéias numa prática possível (MOREIRA, 2006), a educação física se faz presente e essencial na estruturação do corpo que se expressa, pensa, tem sentimentos e vontade, busquemos um desenvolvimento interpessoal e intrapessoal, ou seja, uma educação integral que promova desafios e infinitas descobertas aos docentes e discentes (MOREIRA, 2004). Preconiza que seja proporcionado ao aluno condições para que seu comportamento motor seja desenvolvido através da interação do aumento da diversidade e da complexidade de movimentos (SHIGUNOV, AZEVEDO, 2000), visto necessário conhecer os padrões de locomoção, manipulação e de equilíbrio (GASPARI, 2002), pois, o esquema corporal é a base fundamental da função de ajustamento e o ponto de partida necessário de qualquer movimento (LE BOLCH, 1987), levando ao professor conseguir analisar a criança a partir dos três domínios: físico, cognitivo e sócio-afetivo (NOGUEIRA, NASCIMENTO, 2010).


7 O professor de educação física não pode se esquivar da responsabilidade de preparar o organismo da criança, fisicamente e funcionalmente (MATVEEV, 1997), a verdade é que encontramos dificuldade para introduzir o hábito do exercício (BERTAZZO, 1998). A ginástica artística não é um esporte de fácil domínio, exige por à prova habilidade, força e paciência (SANTOS, MEDINA, ASSIS, 2010), porém, torna-se uma ferramenta interessante para a educação física escolar, por possibilitar grande diversidade de experiências motoras, exercícios progressivos e mais o encorajamento e reforço positivo constantemente (D’AJUZ, ANDRADE, 2010). A ginástica é um conhecimento clássico e contemporâneo, entendida como manifestação cultural que agrega elementos técnicos e expressivos na arte de experimentar com o corpo (OLIVEIRA, RINALDI, LARA, 2009), um expressivo componente da cultura corporal, ampla de experiências e de saberes corporais (PIMENTEL, ARAÚJO, 2010). Quando trabalhada com objetivos educacionais, a ginástica muito tem a contribuir para o desenvolvimento das capacidades da criança, promove a saúde, desenvolve a vontade, a força, a coragem e a energia (FINCO, 2010). A ginástica artística deve deixar de ser vista apenas como esporte, mas também como uma atividade física de base, formativa e educativa (ANDRADE, 2010). As ginásticas e as danças, em suas diferentes formas, devem fazer parte do conteúdo da educação física nos seus diferentes ciclos de ensino (TEIXEIRA, 2008). Aprender a dançar e aprender a falar; são atividades que têm um grau não só de analogia, mas também de inter-relação, uma prática rigorosa de fusões de pluralidade de modelos (BOGEA, BERTAZZO, 2004). É necessária uma apurada integração dos sistemas corporais a fim de assegurarem a aquisição e a manutenção de domínios tão especializados e tão específicos (AGOSTINI,


8 AGOSTINI, 2010), quando estimulados de maneira adequada tendem a desenvolver conhecimentos, habilidades, atitudes e hábitos que podem elevar a probabilidade de tornar as crianças, adultos ativos (GUEDES, GUEDES, 2001). Entretanto, sob a perspectiva de aprendizagem, o importante é saber como estas instruções contribuem efetivamente para a organização, execução e avaliação de ações motoras (PÚBLIO, GOTANI, MANOEL, 1995), no âmbito educacional a dança tem sido reivindicada, como forma de expressão e comunicação (ALMEIDA, 2005), com grande potencial educativo seu ensino prevê a utilização de movimentos, emoções, pensamentos ou ainda princípios filosóficos, sociais e políticos (ROCHA, ALMEIDA, 2007), é uma produção do homem em suas relações com o mundo e que explicita diferentes relações na sua constituição (BRASILEIRO, 2002), a dança além de atividade física é educação, indispensável ao indivíduo, pois o movimento expressivo antes de tudo deve ser consciente, a dança na escola não é arte do espetáculo, é educação através da arte (GARIBA, 2005).

CONCLUSÃO

Nosso corpo é feito de movimentos, e por essa razão devemos explorá-lo, sofisticá-lo, desafiá-lo e enriquecê-lo, observamos que a educação física é rica, e ela é capaz de nos proporcionar a riqueza e a beleza do movimento, o acesso as ginásticas e as danças é direito de todos, e temos por obrigação utilizar desta vasta amplitude de repertório da cultura corporal do movimento e formar cidadãos críticos, criativos, autônomos e conscientes de seus atos. De todas estas referências aqui citadas nenhuma delas discordam que as práticas da ginástica artística e da dança oferecem um vasto manancial ilimitado de aprendizagem, de acervo motor, ritmo


9 e expressividade formando manifestações corporais identificadas e aptas a serem trabalhadas pedagogicamente nas aulas de educação física escolar. Vimos que a dança e a ginástica artística junto à educação física escolar propiciam, uma organização motora, das dimensões e planos que seu corpo ocupa no espaço, adaptando a estrutura mental, estimulando novas vias de comunicação, levando vida aos gestos, sentimentos aos movimentos, a um grande repertório estético, além do prazer de desafiar a gravidade, isto nos leva perceber a necessidade de estudos que quantifiquem a importância da ginástica artística e da dança para crianças em idade escolar, quantificar a diferença entre crianças praticantes de ginástica e de dança das não praticantes.

REFERÊNCIAS

AGOSTINI, B.R.; AGOSTINI, B.R. Adaptação do método vaganova de ballet clássico na Ginástica Rítmica: uma experiência em meninas de 9-11 anos. Anais do II Seminário Internacional de Ginástica Artística e Rítmica de Competição, Campinas, SP: FEF/Unicamp, 2010.

ALMEIDA, C.M. Um olhar sobre a prática da dança de salão. Movimento & Percepção, Espírito Santo de Pinhal, SP, v.5, n.6, ISSN 1679–8678 jan/jun/2005.

ANDRADE, T.V.C. Um outro olhar sobre a Ginástica Artística. Anais do II Seminário Internacional de Ginástica Artística e Rítmica de Competição, Campinas, SP: FEF/ Unicamp, 2010.

AWAD, H. (Org.) Educação Física Escolar: múltiplos caminhos. Jundiaí, SP: Fontoura, 1 ed., 2010.

AYOUB, E. A Ginástica Geral na sociedade contemporânea: perspectivas para a Educação Física Escolar. 1998. 186 p. Tese (Doutorado em Educação Física) apresentada à Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas, 1998. AZEVEDO, E.S.; SHIGUNOV, V. Reflexões sobre as abordagens pedagógicas em educação física. 2000. Disponível em: ˂www.boletimef.org˃. Acesso em 17/01/2011.


10

BARCELLOS, V.R. Necessidades de formação dos professores de educação física do ensino fundamental, relacionados à ginástica como conteúdo escolar. 2008. 183 p. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação, supervisão pedagógica) apresentada à Faculdade de Motricidade Humana da Universidade Técnica de Lisboa, 2008.

BARRETO, D. Dança... Ensino, sentidos e possibilidades na escola. 1998. 217 p. Dissertação (Mestrado em Educação Física) apresentada à Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas, 1998.

BERTAZZO, I. Cidadão corpo: identidade e autonomia do movimento. São Paulo: Summus, 4 ed., 1998.

BERTAZZO, I.; BOGEA, I. Espaço e corpo: Guia de reeducação do movimento. São Paulo: SESC, 240 p., 2004.

BETTI, I.C.R. Esporte na Escola: mas é só isso, professor? Revista Motriz, v.1, n.1, p.25-31, junho/1999.

BETTI, M.; ZULIANI, L.R. Educação Física Escolar: uma proposta de diretrizes pedagógicas. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, v.1, n.1, p.73-81, 2002.

BRASILEIRO, L.T. O conhecimento no currículo escolar: o conteúdo dança em aulas de Educação Física na perspectiva crítica. Movimento, v.8, n.3, p.5-18, Porto Alegre, set/dez/2002.

BUENO, T.F. Ginástica de Grande Área: uma realidade possível no contexto escolar. 2004. 139 p. Dissertação (Mestrado em Educação Física) apresentada à Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas, 2004.

D’AJUZ, T.P.; ANDRADE, T.V.C. A Ginástica Artística na Educação Infantil. Anais do II Seminário Internacional de Ginástica Artística e Rítmica de Competição, Campinas, SP: FEF/Unicamp, 2010.

DAOLIO, J. Educação Física Escolar: em busca da pluralidade. Rev. Paul. Educ. Fís., São Paulo, supl. 2, p. 40-42, 1996. FERRAZ, O.L. Educação Física Escolar: conhecimento e especificidade, a questão da pré-escola. 2004. Disponível em: ˂www. efmuzambinho.org. br˃. Acesso em 13/


11 02/2011.

FINCO, M.D. Ginástica Artística na Escola: Aprendendo através do Esporte. Anais do II Seminário Internacional de Ginástica Artística e Rítmica de Competição, Campinas, SP: FEF/Unicamp, 2010.

GARIBA, C.M.S. Dança escolar: uma linguagem possível na Educação Física. Jun/2005. Rev. Digital. Buenos Aires, año 10, n.85. Disponível on line: <www.efdeportes.com> Acesso on line: 11/01/2011.

GASPARI, T.C. A dança aplicada às tendências da educação física escolar. Rev. Motriz, v.8, n.3, p.123-129, set/dez/2002.

GAVA, D.; FRANÇA, E.S.; ROSA, R.A Educação Física na Educação Infantil: considerações sobre sua importância. Revista Digital efdeportes.com. Buenos Aires, año 15, n.144, Mayo, 2010.

GUEDES, J.E.R.P.; GUEDES, D.P. Características dos programas de Educação Física Escolar. Revista paulista de Educação Física, São Paulo, v.11, n.1, p.4962, jan/jun 1997.

GUEDES, D.P.; GUEDES, J.E.R.P. Esforços físicos nos programas de Educação Física Escolar. Revista paulista de Educação Física, São Paulo, v.15, n.1, p.3344, jan/jun 2001.

KOREN, S.B.R. A Ginástica vivenciada na escola e analisada na perspectiva da criança. 2004. 222 p. Dissertação (Mestrado em Educação Física) apresentada à Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas, 2004.

LARA, L.M. et al. Dança e ginástica nas abordagens metodológicas da educação física escolar. Rev. Bras. Cienc. Esp., Campinas, v.28, n.2, p.155-170, jan/2007.

LE BOULCH, J. Educação Psicomotora: psicocinética na idade escolar. Porto Alegre: Artmed, 2 ed., 1987.

LIBERALI, R. Metodologia Científica Prática: um saber-fazer competente da saúde à educação. 2ª ed rev. ampl, Florianópolis: Postmix, 2011, 206p. MARTINS, A.S. Educação Física Escolar: novas tendências. Rev. Min. Educ. Fís., Viçosa, v. 10, n. 1, p. 171-194, 2002.


12

MARQUES, I.A. Dançando na escola. Rev. Motriz. v. 3, n. 1, junho/1997.

MATVEEV, A.P. Educação Física Escolar: Teoria e Metodologia. Rio de Janeiro: Grupo Palestra Sport, 1 ed., 1997.

MEDINA, G.A.H.; ASSIS, R.J. e SANTOS, F.C.P. A contribuição da Ginástica Artística no desenvolvimento da coordenação motora geral de crianças. Anais do II Seminário Internacional de Ginástica Artística e Rítmica de Competição, Campinas, SP: FEF/Unicamp, 2010.

MOREIRA, E.C. (Org.) Educação Física Escolar: desafios e propostas. Jundiaí, SP: Fontoura, 1 ed., jan/2004.

MOREIRA, E.C. (Org.) Educação Física Escolar: desafios e propostas 2. Jundiaí, SP: Fontoura, março/2006.

MOREIRA, E.C. (Org.) Educação Física Escolar: desafios e propostas I. Revista ampliada, São Paulo: Fontoura, 2 ed., 2009.

NASCIMENTO, L.F.; NOGUEIRA, S.V. Contribuições da Ginástica Artística para os avanços na geografia curricular na área da Educação Infantil Escolar. Anais do II Seminário Internacional de Ginástica Artística e Rítmica de Competição, Campinas, SP: FEF/Unicamp, 2010.

NUNOMURA, M.; NISTA-PICCOLO, V.L. A Ginástica Artística no Brasil: Reflexões sobre a formação profissional. Rev., Bras. Ciência e Esporte, Campinas, v.24, n.3, p.175-194, maio/2003.

NUNOMURA, M.; NISTA-PICCOLO, V.L. (Org.) Compreendendo a Ginástica Artística. São Paulo: Phorte, 2005.

OSSONA, P. A Educação pela dança. São Paulo: Summus editorial, 4 ed., v.33, 1984.

PIMENTEL, F.C.; ARAÚJO, R.C. A prática de ensino e o estágio supervisionado na escola municipal Marechal Castello Branco: possibilidades de uma formação humana crítica, através dos conteúdos da Ginástica Escolar. IV Congresso CentroOeste de Ciências do Esporte. I Congresso Distrital de Ciência do Esporte, Brasília,


13 DF, setembro/2010.

PÚBLIO, N.S.; TANI, G.; MANOEL, E.J. Efeitos da demonstração e instrução verbal na aprendizagem de habilidades motoras da ginástica olímpica. 1995. Disponível em: ˂www. efmuzambinho.org. br˃. Acesso em 13/12/2010.

RINALDI, I.P.B; LARA, L.M e OLIVEIRA, A.A.B. Contribuições ao processo de (re) significação da Educação Física Escolar: dimensões das brincadeiras populares, da dança, da expressão corporal e da ginástica. Movimento, Porto Alegre, v.15, n.4, p.217-242, out/dez/2009.

ROCHA, M.D.; ALMEIDA, C.M. Dança de salão, instrumento para a qualidade de vida. Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, SP, v. 7, n. 10, ISSN 1679-8678, jan/jun/2007.

SANTOS, J.T.; LUCAREVSKI, J.A e SILVA, R.M. Dança na Escola: Benefícios e contribuições na fase pré-escolar. 2005. 11 p. Monografia (Trabalho de Licenciatura em psicologia) – Centro Universitário Filadélfia, UniFil (Brasil), Londrina, 2005.

SCHIAVON, L.M. O projeto crescendo com a ginástica: uma possibilidade na escola. 2003. 203 p. Dissertação (Mestrado em Educação Física) apresentada à Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas, 2003.

SERVO, G.; DENDENAKLEINUBING, N. A dança na perspectiva emancipatória: um relato de experiência. 2006. Disponível em: <www.unochapeco.edu.br/static/files/ trabalhos-anais/Extens%C3%A3o/Educa%C3%A7%C3%A3o/Gizeli%20Servo.pdf>. Acesso em 13/02/2011.

SOARES, C. L. Educação Física Escolar: conhecimento e especificidade. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, n.2, 1996.

TEIXEIRA, H. V. Educação Física e Desportos. São Paulo: Saraiva, 4 ed., 1999.

TEIXEIRA, F.G. A dança e a Ginástica como práticas pedagógicas na Educação Física. Rev. Espaço Acadêmico, n.91, dezembro/2008.

relação da GA e da Dança na escola  

Relação da Ginástica Artística e da Dança na Educação Física Escolar