Page 1

ALFAIATARIA


ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA AJUSTES O serviço de ajustes na alfaiataria VGB é uma extensão das vendas como suporte técnico e faz parte da política de relacionamento entre a Marca e os clientes. Os associados devem orientar os clientes quanto a este recurso e prontificar-se a realizar os ajustes necessários caso o cliente solicite no ato da compra. É muito importante verificar o caimento da peça no corpo do cliente, efetuar as marcações necessárias com alfinete, sem danificar a peça de forma que o cliente não perca o movimento e vestibilidade do produto. Após efetuar as marcações nos locais indicados, consultar o cliente se ele esta de acordo e sentindo-se confortável com o produto. Orientar o cliente quanto aos cuidados para com os alfinetes fixados no produto ao vestir ou retirar o mesmo. Alguns clientes preferem a peça bem ajustada ao corpo; antes de efetuar um ajuste dessa natureza, verificar se a peça mantém os movimentos necessários de mobilidade para não danificar costuras e fibras do tecido.


No caso dos costumes, atenção a calça, que não deve ficar muito justa para não haver desgastes da fibra do tecido na região da coxa (quem tem coxa grossa há muito atrito). Caso o cliente queira fazer o ajuste em demasia o mesmo não deve ser feito pela Crawford. Os associados devem certificar-se de que a data combinada com a alfaiataria e cliente estejam dentro do prazo correto para evitar problemas e constrangimentos para o cliente.


CUIDADOS ESPECIAIS PARA A LÃ FRIA É importante lembrar que a lã fria é um tecido delicado e que não possui elasticidade, portanto o ajuste em demasia ou em local errado pode acarretar desconforto ou desgaste excessivo do produto, pois a fibra do tecido pode desgastar ou forçar demais as costuras. Os costumes Crawford já são desenvolvidos em base de modelagem ajustada ao corpo para que não haja necessidade de ajustes no quadril e pernas (coxa). Inclusive deixamos tecido para soltar a peça e não apertar. Caso seja necessário o ajuste, sugerimos que sejam feitos somente na cintura e na barra. Sinalizar ao cliente de que a lã fria não pode ser ajustada muito próxima ao corpo. O homem deve se sentir confortável para sentar e desenvolver suas atividades. A peça deve seguir o movimento natural do corpo, sem prender os movimentos. Lembrando sempre que uma peça ajustada não é uma peça apertada. Na calça de lã fria deixar sempre uma sobra de 2 dedos de folga em toda a lateral da peça. No caso do cliente com hábito de usar carteira no bolso traseiro é fundamental que ele seja alertado sobre a necessidade de deixar essa sobra para não rasgar a peça quando ele fizer o movimento para sentar.


É indicado que a peça de lã fria seja lavada em local especializado, lavar e seca a peça para garantir que o tecido fique desengordurado e, consequentemente, tenha maior durabilidade. Quando o costume voltar da lavanderia troque de cabide (coloque no cabide original que vem junto ao produto) e retire o saco plástico, pois o mesmo não deixa o tecido respirar. Lembre- se de sinalizar ao cliente de sempre armazenar o costume em local ventilado. Nunca armazenar o costume em capa plástica, recomendamos uma capa de TNT, pois o TNT permite que a lâ respire. A capa plástica serve somente para transporte do mesmo. Guardar o costume úmido no armário, pode mofar o produto. Nunca se deve usar o mesmo costume 2 dias seguindos, pois o tecido fica úmido pela transpiração da pele, precisando de ao menos 1 dia para respirar. Portanto, após usar o costume deve-se deixa-lo respirar por 24hs em um ambiente ventilado.


NO PROVADOR Ao realizar qualquer tipo de ajuste, o associado dever orientar o cliente a ficar com uma postura ereta e olhar para frente para não comprometer o ajuste. Para ajustar a calça o cliente deve estar com o calçado igual ou similar ao calçado que pretende usar com a roupa a ser ajustada; assim não comprometera o ajuste. Para ajustar o paletó o cliente deve sempre estar com uma camisa. Ao realizar as marcações solicitadas pelo cliente ou sugeridas pelo associado, o cliente deve ser orientado a movimentar-se para verificar o conforto e caimento da peça. O ajuste não dever impedir os movimentos naturais e a vestibilidade do produto. No caso da calça, quando forem realizados ajustes na coxa, joelho e panturrilha é primordial que o cliente realize o movimento de sentar, pois somente assim ele vai se certificar de que a peça não vai prender o movimento do corpo nesta região. Consultar o cliente se ele esta se sentindo bem com a peça e se concorda com as marcações do ajuste realizado.


Certificar - se de que as marcações estejam seguras e descrevê-las corretamente no Boleto de Consertos. O gerente deve validar as marcações/ajustes realizados pelo associado para certificar - se de que esta tudo de acordo com os procedimentos realizados pela alfaiataria.


DIFERENCIAL DO COSTUME CRAWFORD O associado deve informar ao cliente sobre os itens abaixo, pois eles valorizam a qualidade do produto e são diferenciais sobre o produto concorrente.

FITA DE SILICONE NO CÓS DA CALÇA A fita de silicone foi desenvolvida para ser aplicada no centro do cós interno da calça avulsa e do costume para que a camisa ao colocada para dentro da calça não saia com facilidade.

FORRO INTERNO NA PERNA Este forro é costurado na base do cós até abaixo do joelho. Este forro evita atrito do tecido com a pele, sem este acabamento o tecido pode agredir a pele devido ao movimento do corpo.


FORRO INTERNO NO GANCHO TRASEIRO As calças avulsas de lã fria e as calças do costume Crawford possuem forro interno. Um diferencial muito importante para a conservação do produto. Este reforço é costurado direto nas pernas da calça para diminuir o atrito ocorrido devido ao movimento da coxa e assim minimizar o desgaste do tecido externo. Este acabamento interno também ajuda a absorver melhor a umidade adquirida com o suor evitando o desgaste do tecido na altura das coxas. Com este acabamento a vida útil do costume/calça avulsa é prolongada.

SOBRA DE TECIDO NA COXA PARA SOLTAR O costume Crawford é confeccionado com uma sobra de tecido na perna de 3,5 cm. Esta sobra de tecido se inicia na junção dos ganchos e vai até o joelho. Esse diferencial foi acrescentado na peça possibilitando um ajuste que traga conforto e evite muito atrito na região das coxas, no caso de clientes que possuam a coxa um pouco mais grossa.


COMPRIMENTO IDEAL DO COSTUME COMPRIMENTO IDEAL DO PALETÓ

O paletó deve cobrir o traseiro por inteiro.

COMPRIMENTO IDEAL DA MANGA A manga deve estar na altura do punho, cobrindo o “ossinho” da parte externa, mas nunca cobrindo a mão. Um detalhe importante é que na prova do costume as mangas devem ser ajustadas de forma que um centímetro da camisa permaneça aparente.

COMPRIMENTO IDEAL DA CALÇA A calça deve cobrir as meias e tocar levemente os sapatos. A barra pode ser feita reta ou inclinada, isso é determinado pela preferência do cliente, evitando sobra de tecido acima do calçado. Por isso é de extrema importância que o cliente esteja com o calçado no momento da marcação da barra.


AJUSTES NA PARTE SUPERIOR PALETÓ Não se deve avaliar o caimento do paletó usando camiseta ou polo. O associado deve sempre orientar que os ajustes devem ser feito com uma camisa, mesmo que o cliente não vá comprá-la. Deve - se orientar o cliente quanto à postura correta, para verificar posicionamento de ombros e comprimento de mangas. Observar sutilmente a postura do cliente, se ele não projeta o corpo para fora de seu eixo central. O eixo do corpo deslocado interfere no resultado de determinados tipos de ajuste de uma peça.


OMBRO

Jamais ajuste o ombro, se não ficar com caimento adequado no cliente opte por outro número. O ombro é um dos primeiros itens que merecem atenção na hora de experimentar o paletó. O paletó pode ter ajuste levemente nas mangas e na largura, mas o ombro tem que servir perfeitamente. Ombro não pode sobrar nem faltar!

PALETÓ | CIRCUFERÊNCIA Para o paletó vestir de forma confortavelmente, na hora de vestir, fechar o primeiro botão e deixar uma sobra de tecido que caiba de 3 a 4 dedos da mão.

PALETÓ | BOTÃO O botão também é um bom recurso tanto para alargar ou diminuir a circunferência da peça. Caso haja necessidade deste recurso, marque com alfinete o local onde será deslocado o botão, tanto para alargar ou diminuir a peça. Para diminuir o tamanho da circuferência.

Para aumentar o tamanho da circuferência.


O paletó apresenta sobra de tecido nas costas, logo abaixo do braço, esta sobra não deve ser eliminada, ela existe para dar mobilidade ao movimento dos braços. Atos simples como o de dirigir, não poderá ser realizado se esse ajuste for feito. PALETÓ | RECORTE LATERAL (ILHARGA) Este ajuste pode ser feito tanto para diminuir quanto para alargar. Neste ajuste, quando marcado para alargar a peça é bom lembrar que não é possivel soltar muito, pois as costuras internas possuem sobra de 1 cm interno. É possivel ganhar com este ajuste no máximo 2 cm no total, uma vez que a margem de tecido deixada dentro da peça é pequena. Esta marcação deve ser realizada com alfinetes na posição vertical, com no máximo 0,5 cm tanto para o lado direito quanto para o lado esquerdo da ilharga.


Neste ajuste, quando marcado para diminuir a peça deve ser marcado com alfinete na posição vertical, com a ponta do alfinete para baixo, prendendo a sobra de tecido a ser eliminado. Começando abaixo do braço até o inicio da abertura lateral.

PALETÓ | COMPRIMENTO Marcar o ajuste a partir do bolso (lapela) deixando com no mínimo 21 cm, para não comprometer o visual da peça. Esta marcação deve ser realizada com o alfinete na posição horizontal, dobrando para dentro o tecido a ser eliminada. Lembrando que o indicado é que cubra todo o traseiro do cliente.

PALETÓ | COMPRIMENTO DA MANGA Para diminuir Marcar o comprimento dobrando o tecido para dentro e prender com alfinetes na posição horizontal. Obs: marcar o comprimento da manga com marcação de fita métrica no entre braço (costura central), mencionando o comprimento final em centímetros.


Para aumentar Marcar com alfinete em forma de cruz, deixando o alfinete que está na posição horizontal mostrando o quanto se deseja aumentar. O associado deve colocar no boleto de conserto quantos centímetros precisam aumentar, lembrando que só é possível aumentar o tecido que existe de reserva.


Ao ajustar a manga o associado deve informar ao cliente que o caseado não será mantido. Apenas os botões serão reposicionados. Lembrando que os ajustes feitos em até 2 cm não serão alterados os botões e nem os caseados.

PALETÓ |DEGOLO Fazer este ajuste quando tiver muita sobra de tecido no centro das costas. Marcar com alfinete na posição horizontal, dobrando o tecido, prendendo a sobra de tecido a ser retirada, lembrando que só é permitido tirar até um centímetro, não mais que isso, porque poderá deformar a parte traseira do paletó.


AJUSTES NA PARTE INFERIOR CALÇA É importante que o cliente esteja com o sapato similiar ou o mesmo que ele irá usar com a peça a ser ajustada. Caso o cliente use outro tipo de sapato poderá interferir diretamente no caimento da peça, podendo assim a peça ficar mais curta ou mais comprida. Iniciar o ajuste da calça pela cintura, colocando sempre a camisa para dentro da calça e acomodando o cós da calça na altura correta. Se necessário coloque o cinto, isso facilita a marcação correta dos ajustes.

CALÇA | CINTURA (CÓS) Para ajustar a cintura Prenda o tecido que irá ajustar com alfinete logo no inicio do cós, dobrando o mesmo para evitar que solte da peça com facilidade.


Para aumentar a cintura e o quadril A calça do constume Crawford possui sobra de tecido da peça, isso facilita bastante na hora de aumentar a cintura. Marque com alfinete na posição vertical, indicando quanto de tecido deve ser necessário para aumentar a peça. Soltar o cós e percorrer até o gancho. Faça a marcação com alfinete nos dois lados da costura.

CALÇA | GANCHO TRASEIRO Para eliminar as sobras do do gancho traseiro, lembrando que neste ajuste também se reduz a medida do quadril. Não fazer grandes ajustes para não interfirir no alinhamento da peça. Marcar com alfinetes na posição vertical até onde se deseja terminar o ajuste, limitando assim o início e o término do ajuste. Caso a peça tenha ajuste nas pernas, o associado deve deixar para colocar os alfinetes por último, pois ao fazer o ajuste da perna o cliente precisa sentar e se os alfinetes já estiverem colocados ele terá dificuldade para sentar.


CALÇA | CULOTE Para eliminar o culote da peça: marcar com alfinete na posição vertical sinalizando o tecido que será retirado e terminar a marcação com um último alfinete na posição horizontal, assim o alfaiate não terá dúvida quanto a esta marcação (ele sabe que o limite é neste último alfinete que está na posição horizontal). Lembrando que a medida do quadril no caso da lã fria, nunca pode ser justa ao corpo, pois o tecido não possui elasticidade. Ao fazer esta marcação o associado deve sempre deixar uma sobra de tecido no quadril de 2 dedos de folga( aproximadamente 3 cm ), assim não irá forçar as costuras com o movimento do corpo, caso contrário a peça irá rasgar com o uso.


CALÇA | COXA Ajustes de pernas Laterais e coxas não devem ultrapassar 0,5 cm (1,0cm no total), para não deformar a peça. O associado nunca deve fazer este tipo de ajuste na calça do costume. A peça está muito justa ao corpo e ao fazer o movimento de sentar ou levantar a peça vai prender na perna, impedindo que ela acompanhe o movimento natural do corpo. Apesar de parecer moderno, isso causa desgaste nas costuras e rompe a fibra do tecido logo nos primeiros dias de uso. Para os clientes que tenham a coxa grossa, a calça do costume e as calças avulsas foram acrescentadas uma sobra de tecido que se inicia na junção dos ganchos e vai até o joelho, possibilitando alargar a coxa para evitar atrito nessa região e proporcionar conforto.


CALÇA | BARRA Considerar o tipo de calçado adequado para o uso da peça. Seguir o gosto do cliente, lembrando que existem os mais modernos e também os que preferem o estilo clássico. Barra mais comprida Marcar o comprimento no início do salto. Barra mais curta e ajustada marcar o comprimento 1,0 cm acima do salto do sapato. Para a barra ficar bem alinhada sem sobras na frente sobre o sapato, sugere se fazer a barra “inclinada”. Parte da frente mais curta e costas mais longas, deixando um caimento mais uniforme na peça. Este tipo de ajuste (desnivelado frente e costas) é opção do cliente. Observar que, a inclinação para manter a frente mais curta em relação às costas para diminuir sobras na parte da frente do sapato, não deverá ultrapassar um centímetro para não franzir a barra por falta de tecido interno. O ajuste para a largura da barra deve ser marcada na parte das costas, no vinco da peça. Marcar com alfinete na posição vertical com a ponta para baixo , indicando quanto de tecido será eliminado. Pedir para o cliente sentar e observar se vai prender o joelho ou a panturrilha.


CALÇA | COMPRIMENTO TOTAL Para o comprimento do entreperna é seguro fazer a marcação com fita métrica em centímetros, indicando para o alfaiate a medida da peça pela costura lateral.

PONTO DE ATENÇÃO Antes de ajustar as calças dos costumes e as calças avulsas, o associado deve solicitar que o cliente se sente para verificar se realmente há necessidade de ajuste nas pernas, ou soltar a mesma. O ajuste em demasia ( justo ao corpo) nas calças não deve ser feito, não são tecidos flexíveis e causarão transtorno para o cliente.


EM CASO DE DÚVIDAS OU SUGESTÕES

ANTONIA.VALADARES@VALDAC.COM.BR

(11) 3799-1106


BOOK ALFAIATARIA  

versão 1

BOOK ALFAIATARIA  

versão 1

Advertisement