Issuu on Google+

ANO 3 | EDIÇÃO 08 | JUN/JUL/AGO 2011

EnTREvIsTA Lair Ribeiro ensina como envelhecer bem ComPoRTAmEnTo Minha filha tá namorando. E agora? AlImEnTAção Viver sem glúten é possível e saudável

Meio ambiente Vale a pena fazer a sua parte


Mesmo com o dia corrido, é possível ficar linda. Você só precisa de 2 minutinhos.

A vida é bonita, mas pode ser linda.


Nova família de ingredientes Morango e Leite. Conheça a linha completa de cuidados diários Cuide-se Bem no site: www.boticario.com.br/cuidese


editorial

A gratidão

4

Quando comecei a escrever o editorial da oitava edição da Viver Bem em Revista, o primeiro assinado por mim, uma sensação enorme de gratidão encheu meu coração e me fez mudar o tema. Você, leitor, estava acostumado a ler nesse espaço os textos reflexivos e pertinentes da jornalista Adriana Keller, coordenadora editorial da revista até a edição passada e pessoa determinante para a realização do sonho de expandir o Viver Bem para a mídia impressa. Hoje, Adriana segue por outros caminhos, mas estará sempre ligada a nós pela filosofia de viver bem que é intrínseca a sua vida e que ela imprimiu tão bem nas páginas das edições anteriores. É aqui, no espaço que ela usava para expressar suas ideias, que eu quero agradecê-la. Obrigada por ter aceito o desafio de fazer a Viver Bem em Revista; obrigada pelo empenho e dedicação; obrigada pelas sugestões de pautas; obrigada pelas entrevistas, pelo profissionalismo, pelos ensinamentos e pelo amor que sempre demonstrou ao contribuir com a nossa missão de ajudar as pessoas a encontrarem os caminhos para viver bem. A coisa mais maravilhosa que descobri sobre a gratidão foi que ela faz você se sentir plena e feliz ao reconhecer as dádivas que recebeu da vida, e você, com certeza, foi uma dessas dádivas que Deus colocou no nosso caminho. Aproveito para fazer um convite a você, leitor. Que tal refletir um pouco sobre gratidão e fazer uma viagem ao seu mundo interior? Lembrar das conquistas...de pessoas...das dificulEM REVISTA

Expediente

dades... e, simplesmente, agradecer por tudo. Ser grato é demonstrar consideração pelos outros e pela vida. E tem forma melhor de exercer a gratidão do que cuidar do meio ambiente? Na matéria de capa, você vai encontrar atitudes simples que, se colocadas em prática, vão contribuir para que as gerações futuras possam desfrutar de um mundo melhor. Na entrevista, o cardiologista Lair Ribeiro ensina a envelhecer com saúde. Optar por hábitos e pensamentos saudáveis também é uma forma de agradecer e declarar amor por você mesmo. As 60 páginas que compõem a Viver Bem em Revista número 8 trazem uma boa dose de gratidão. A busca por saúde, paz, realização, harmonia e felicidade é constante na vida de todos, e ajudar você a se encontrar nesse caminho é a nossa maneira de dizer muito obrigada! Juliana Garcia

Edição nº 8 | jun/jul/ago 2011 Direção geral Juliana Garcia e Patrícia Guedeville Coordenação editorial Juliana Garcia Textos Adriana Keller, Cleonildo Mello, Dênia Cruz e Rayanne Carvalho Revisão Scriptoria Textos Empresariais Lucílio Barbosa - 9114-9790 Fotos Geovana Reis Projeto Gráfico Carlos Soares Diagramação GR Design Editorial www.grdesigneditorial.com.br Comercial GGTec Produções Impressão Impressão Gráfica Tiragem 10.000 exemplares Fale conosco 84 3213.8592 viverbememrevista@ggtec.com.br


maturidade

equilíbrio

meio ambiente

comportamento

entrevista

qualidade de vida

alimentação

beleza

8 16 22 32 36 44 50 54

5

Sumário ANO 3 | EDIÇÃO 08 | JUN/JUL/AGO 2011

22 CAPA Modelos: Eduardo Luís e Gabriel Guedeville Foto: Geovana Reis Agradecimento: Viveiro Marina

50

qualidade de vida Dicas para quem quer aderir a corrida com segurança equilíbrio Índia, uma viagem em busca da verdade EM REVISTA


viver bem

Conexão Viver bem

1

Viver bem é o que todo mundo quer mesmo e uma prova disso é o sucesso do Conexão Viver Bem. A oportunidade para praticar exercícios, relaxar e ser feliz atrai cada vez mais participantes. Esse ano, já realizamos duas edições, uma no mês de abril, no Parque das Dunas, e outra no mês de junho, no Parque da Cidade. Confira as fotos e saiba porque o Conexão Viver Bem é um sucesso! 2

6

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

Agradecimentos: Diagonal Rossi , Academia Hi 30, Espaço Corpomente, Academia Evidance, Estúdio Body Fit, Summer Fit, Jasmine, NAF/UNP, Élcia Luz, Bem Estar, Herbalife, Água Mineral Cristalina, Acqua Côco, Parque das Dunas e Prefeitura do Natal. EM REVISTA

1. Degustação no stand da Jasmine. 2. Aula de dança com a Summer Fit. 3. Shiatsu express com Corpomente. 4. Aula de yoga com Mestre Seve Cunha. 5. Diversão saudável para os jornalistas Luís Henrique e Helga Oliveira e o filho Pedro. 6. Academia Hi-30 levou a aula de treinamento funcional. 7. A dança de salão ficou por conta da Evidance. 8. Elieser e Pablo (Studio Body Fit), Daniele Mafra, Juliana Garcia e Patricia Guedeville. 9. Grupo do NAF/UNP responsável pela avaliação física. 10. Hidratação facial no estande da Herbalife. 11. Equipe Bem Estar aplicou massoterapia nos participantes. 12. Jump Show para suar a camisa.


IboPE A produção do programa Viver Bem está em festa com o resultado da última pesquisa do Ibope, que apresentou um crescimento na audiência de 223%, em relação a pesquisa anterior. O Viver Bem está no ar há 9 anos e já se consolidou no mercado potiguar. sAlA DE EsPERA Já imaginou ter um Viver Bem feito, exclusivamente, para a sala de espera da sua clínica? O programa é um excelente canal para divulgar os serviços, a estrutura e a tecnologia disponível. Sem falar da prestação de serviço aos pacientes que aproveitarão o tempo na clínica para aprender a viver melhor.

Todas as reportagens são gravadas com os profissionais da empresa e ainda são apresentadas dicas para agilizar o atendimento. Agende uma visita da nossa produção e confira as vantagens do Viver Bem na sala de espera. Contato: 84 3213 8592. PRomoção vIvER bEm 9 Anos A promoção de aniversário do Viver Bem já virou tradição na cidade e esse ano o sucesso foi ainda maior. O desejo de passar uma temporada no Spa Revivare Casa do Mar atraiu muitos participantes. O nome da vencedora foi divulgado no programa Viver Bem no dia 18 de junho. A funcionária pública Ana Maria Figueiredo já está de malas prontas.

PRoGRAmA vIvER bEm - sábADo, 9h, nA Tv PonTA nEGRA WWW.GuIAvIvERbEm.Com.bR - TWITTER: @PRoG_vIvERbEm

SUA OPINIÃO Decidi escrever para vocês para agradecer a reportagem sobre a alimentação certa para as mulheres porque senti na prática os benefícios. Mudei o cardápio na TPM e deu certo. Parabéns e obrigada! Claudia michele – por email Poucas revistas me predem a leitura da primeira até a última página. A Viver bem consegue isso e sempre deixa um gostinho de quero mais. Parabéns pela edição das mulheres. Conteúdo rico e muito bem elaborado. Já sou assinante e estou ansiosa para receber a próxima edição. Helena silva – por email

Vocês se superaram nessa edição. A entrevista com a antropóloga Mirian Goldenberg foi maravilhosa e tenho certeza que abriu a cabeça de muitas mulheres que se acham inferiores por não terem um homem ao seu lado. Somos poderosas e devemos valorizar isso. lúcia Pinheiro – por email Gostei das dicas sobre economia da água. Importante demais as pessoas se conscientizarem que precisamos usá-la corretamente para não sofrer com a falta dela no futuro. Clayton vianez – por email


beleza

Foto: D`Lucca

Thayanne Flor Álvares

8 30 anos, empresária, formada em Administração de Empresas pela UNP, Thayanne Flor iniciou sua vida profissional muito jovem. Desde os 17 anos trabalha nas empresas da família e, hoje, administra a Natal Pneus. Há 10 anos movida pela paixão por moda, criou a FLORBELLA. Num rápido bate-papo, a jovem empresária contou o que faz para Viver Bem.

Tem algum ritual para manter a beleza da pele e cabelo? Para o cabelo procuro uma vez por mês fazer hidratação com moroccanoil, que deixa o cabelo super macio e com brilho, e quanto à pele sempre lavo com sabonetes específicos e abuso do protetor solar. Como é sua alimentação diária? Minha alimentação é hiperproteica, ou seja, consumo muita proteína, evitando os carboidratos durante a semana.

EM REVISTA

3- Qual a atividade física preferida? Tenho muita energia e adoro atividades físicas, por isso faço musculação há mais de 10 anos com meu personal Dudu Wernik. 4- o que gosta de fazer no tempo livre? Gosto muito de fazer pesquisas de moda nos blogs e amo ler sobre os mais variados assuntos, além de, claro, tomar um bom vinho com minhas amigas.

5- Como será Thayanne daqui a 20 anos? No profissional, espero continuar bem sucedida e levando as empresas do meu pai a um progresso ainda maior, e na minha vida pessoal planejo estar com a minha família constituída, ao lado de uma pessoa amada e com meus filhos, e ainda esbanjando muita saúde! 6- o que é viver bem pra você? Trabalhar muito, amar e ser amada.


Você já pensou em usar um aparelho odontológico para emagrecer? O RIIO (Regulador de ingestão intra-oral) é um aparelho que foi inventado por dois cirurgiões dentistas, Dr. Marcelo Silveira e Dr. Ariel Appelbaum. Observando seus pacientes, eles perceberam que o uso de próteses e aparelhos ortodônticos inibiam a ingestão de alimentos. Os dentistas chegaram à conclusão que o uso de aparelho na boca inicia o processo digestivo com a salivação e deglutição, fazendo o cérebro entender que a pessoa está comendo e ficando saciada. Dra. Lais Roberta, dentista que atua em Natal e utiliza o RIIO em seus pacientes, revela que o aparelho é um mecanismo inovador no processo de emagrecimento, porque não utiliza

medicamentos, nem tem reações colaterais adversas como outros métodos para emagrecer. “ O maior problema para quem está acima do peso é que ele come depressa demais, não dá tempo para o cérebro entender que ele está comendo. O RIIO é colocado pelo menos 30 minutos antes das refeições, fazendo com que o cérebro acredite que a pessoa já começou a comer. Assim, quando começar a ingerir o alimento vai ficar saciada com menos quantidade, além de mastigar bem e por mais tempo”, explica a dentista. No mercado desde 2006, o RIIO chegou a Natal pelas mãos da Dra. Lais quando ela mesma experimentou o aparelho em 2008. A dentista perdeu 18 quilos e mantém o peso

Lais Roberta antes do uso do aparelho e após ter reduzido seu peso

Por Dênia Cruz conquistado até hoje. “Nenhum mecanismo, nem redução de estômago, nem sibutramina, nem shake, nem o aparelho impedem a pessoa de comer, se ela quiser comer. O mais importante na avaliação dos pacientes que usaram o aparelho é a manutenção do peso, eles não voltam a engordar porque aprenderam a lidar bem com a comida. Depois do tratamento o paciente só come com fome, por necessidade e na quantidade certa. Ele faz realmente uma reeducação alimentar”, revela a especialista. O período de adaptação do aparelho é de 3 meses. E só depois de 20 dias de uso é que o organismo aceita a mudança e o paciente se sente adaptado ao equipamento. Dra. Lais ainda ressalta que é importante o paciente associar o uso do RIIO ao acompanhamento nutricional e atividades físicas, atitudes essenciais para a mudança de hábito. O tratamento terá sucesso total se o paciente fizer uso desses métodos.

“A dentista perdeu 18 quilos e mantém o peso conquistado até hoje” EM REVISTA

tecnologia

Odontologia auxilia na reeducação alimentar

9


Por Juliana Garcia

beleza

As mulheres nunca estiveram tão bem servidas de tratamentos para combater os sinais da idade como hoje em dia. A medicina estética oferece um arsenal de opções que consegue substituir os efeitos do bisturi, utilizado nas cirurgias plásticas convencionais. Técnicas muito comentadas como o preenchimento e o Botox prometem suavizar os traços e corrigir as imperfeições do rosto decorrentes do envelhecimento da pele de maneira eficaz e menos invasiva.

10

Preenchimento e Botox Pele mais jovem sem cirurgia plástica

CONHEÇA MELHOR boToX A toxina botulínica é uma substância produzida pela bactéria Clostridium Botulinium. A sua aplicação paralisa a musculatura no ponto onde a substância é injetada e é usada para atenuar rugas de expressão na testa, entre as sobrancelhas ou os pés de galinha. É possível ainda, por meio da técnica, arquear sobrancelhas e abrir o olhar. Dr. Niro Reis explica que a ação do Botox varia de 4 a 6 meses; depois disso ele deve ser reaplicado. PREEnCHImEnTo Com o passar dos anos o ser

EM REVISTA


Outro ponto positivo está relacionado a dor. “Apesar de serem utilizadas injeções e microcânulas, o desconforto na aplicação das duas técnicas é muito pequeno. No caso do Botox, utilizamos um anestésico tópico. Para o tratamento com o preenchimento facial, além do anestésico tópico, fazemos uma leve sedação no paciente”, explica o cirurgião facial Dr. Niro Reis, que ressalta também a importância do paciente entender a diferença entre as técnicas. Em alguns casos, o Botox e o preenchimento podem ser associados para garantir um resultado global. “Fazemos uma avaliação criteriosa com o paciente e juntos chegamos a conclusão sobre a técnica que será utilizada”, orienta Dr. Paulo Eduardo faCialE Av. Rodrigues Alves, 479, Tirol Fones: 84 3222.2040 www.faciale.com.br

humano perde gordura da face, o rosto vai murchando, dando aquele ar de envelhecimento. Com a técnica de preenchimento facial são injetadas substâncias na pele para preencher rugas, corrigir sulcos ou aumentar partes do rosto como as maçãs, o contorno maxiliar e os lábios. O procedimento é simples e rápido, normalmente feito através de microcânulas (seringas sem agulhas) aplicadas de forma mais superficial, ou profunda, de acordo com a densidade da substância. E também é muito rápido: pode variar de 15 a 40 minutos e a recuperação é imediata. Entre as substâncias mais usadas no preenchimento estão o ácido hialurô-

“Fazemos uma avaliação criteriosa com o paciente e juntos chegamos a conclusão sobre a técnica que será utilizada”

“Apesar de serem utilizadas injeções e microcânulas, o desconforto na aplicação das duas técnicas é muito pequeno”

Dr. Paulo Eduardo, cirurgião facial

Dr. Niro Reis, cirurgião facial

nico, metacrilato (PMMA) e a gordura do próprio paciente. A diferença mais marcante é a duração de cada um. O ácido hialurônico é o mais utilizado. Apesar de ser produzido em laboratório, o ácido hialurônico é um componente natural da derme - segunda camada da pele - e dispensa testes prévios. A duração do preenchimento varia de 6 a 12 meses, sendo necessária nova aplicação após este período. Por possuir forma mais fluida, é recomendado para rugas finas, como ao redor dos olhos ou dos lábios. Para quem pretende um resultado definitivo deve conversar com o médico, pois existem boas opções dis-

poníveis no mercado, que são mais utilizadas na correção de sulcos profundos e contornos corporais. Dr. Paulo Eduardo, cirurgião facial, destaca também a utilização da gordura do próprio paciente para o preenchimento. A gordura é biocompatível, rica em células troncos e o resultado é duradouro e natural. Mas, ao contrário dos outros métodos, não é imediato. “Existe um resultado logo após a aplicação. Depois essas células passam por um processo de maturação e desenvolvimento. No início diminuem de tamanho e com o passar do tempo elas vão se nutrindo e aumentando de volume, até chegar ao resultado final”, explica Dr. Paulo Eduardo.

EM REVISTA

11


AnĂşncio O Jornal de Hoje


Acupuntura estética holística A acupuntura, uma prática milenar muito difundida no Oriente, usada para combater diversas patologias, está invadindo as clínicas e mostrando bons resultados em procedimentos estéticos. Em Natal, encontramos esse tipo de tratamento na Clínica do Acupunturista Guilherme Coelho, que utiliza a acupuntura estética associada a uma prática holística para melhorar casos de acnes, rugas, olheiras, flacidez, celulite, gordura localizada, manchas e até cicatriz pós-operatória. O procedimento é feito da mesma maneira que as sessões de acupuntura tradicionais, usando sementes, cristais ionizados e as já conhecidas agulhas. Segundo o Acu. Guilherme Coelho, muitos dos problemas estéticos

têm ligação com algum desequilíbrio nos órgãos internos, daí a importância de se fazer um tratamento no corpo energético e fisiológico. “A acupuntura atua sobre os aparelhos circulatório, hormonal e neurovegetativo, promovendo o equilíbrio de dentro para fora”, revela o acupunturista. Acupuntura pode ser aplicada em qualquer idade. A única restrição é para pessoas que usam alguma peça metálica como um marca-passo. Para um tratamento eficaz são recomendadas em média 10 sessões. “Já identificamos recuperação de até 60% em tratamentos de celulite. Em caso de rugas, rejuvenescimento de 5 a 10 anos, e além disso a promoção da qualidade de vida que é uma constante”, afirma o Acu. Guilherme.

As agulhinhas da medicina chinesa são aliadas da beleza e ajudam no processo de rejuvenescimento da pele, tratamento de estrias, flacidez e celulite

“A acupuntura atua sobre os aparelhos circulatório, hormonal e neurovegetativo, promovendo o equilíbrio de dentro para fora” Guilherme Coelho, acupunturista

BENEFÍCIOS • Melhora a circulação de energia; • Promove aumento de colágeno; • Tonifica as regiões de musculaturas flácidas tensas, atenuando as rugas e marcas de expressão; • Ativa a circulação sanguínea, lin-

fática e energética, tratando estrias e celulites; • Acelera a quebra de células de gordura, diminuindo a gordura localizada, auxiliando no tratamento de celutite, estrias e quelóides.

EM REVISTA

beleza

Por Dênia Cruz

13


alimentação 14

Salada de Kani: uma das 4 opções do cardápio

Café do Tirol

Cardápio saudável e ambiente acolhedor no coração da Afonso Pena Saladas, salgados com massa integral, crepes, bolo sem leite, tapiocas, sanduíches de forno, sucos de frutas e café orgânico são apenas algumas das opções disponíveis no cardápio do Café do Tirol. O proprietário da casa, o paisagista Naldo Silva, recorreu ao seu talento como gourmet e fez questão de elaborar ele mesmo cada receita. São opções leves, muito procuradas para o almoço, que combinam com o clima de Natal e atraem um público que gosta de cuidar da saúde e manter a forma. O espaço amplo, com 43 lugares, já se tornou destino cativo, principalmente, dos profissionais que trabalham nas imediações da avenida Afonso Pena. A dentista Patrícia Monte Duarte é cliente assídua, frequenta sempre o lugar, seja na hora do almoço ou para fazer um lanchinho no meio da tarde. “Além da comodidade, pois eu só preciso atravesEM REVISTA

sar a rua, o que me atrai é a variedade de opções saudáveis no cardápio. É muito bom comer e não ficar com peso na consciência depois”, revela Patrícia. Como o espaço disponibiliza internet WiFi e conta com uma sala reservada, é bastante procurado para reuniões de negócios. “Tem gente que chega para tomar um cafezinho pela manhã e acaba trabalhando por aqui mesmo”, comemora o proprietário da casa, que idealizou também o Clube do Livro, um projeto de incentivo a boa leitura. Para participar, a pessoa traz um livro de casa e troca pelo que escolher. Mais um diferencial do Café que já virou referência no Tirol. Café do Tirol Av Afonso Pena, 1159 - Tirol Horário de funcionamento: Seg a sex: 8h às 19h Sab: 14h às 19h

Naldo Silva: sucesso do Café do Tirol

“O que me atrai aqui é a variedade de opções saudáveis no cardápio” Patrícia Monte Duarte, dentista


alimentação

Por Dênia Cruz

16

Glúten: é possível viver sem ele? Biscoitos, macarrão, pães, bolos, chocolates, pizza e até aquela cervejinha de final de semana são alguns dos alimentos que consumimos diariamente e que contém glúten

A alimentação é sem dúvida o combustível para o ser humano, por isso devemos estar atentos ao que comemos e, principalmente, ao que não podemos comer. Alergias e intolerâncias a alguns tipos de alimentos podem provocar doenças graves, daí a importância de fazer um acompanhamento nutricional. O glúten, por exemplo, está no topo da lista de elementos presentes na alimentação que fazem mal a saúde e causam alergias, tanto que a ANVISA obriga as indústrias a especificarem no rótulo se aquele alimen-

SINTOMAS DE ALERGIA O GLÚTEN InTolERÂnCIA Ao GlÚTEn Às vezes o paciente com o quadro de intolerância ao glúten tem sintomas mais evidentes do que os que tem a doença celíaca: são enxaquecas, constipação (prisão de ventre), diarréia, cólicas abdominais, barriga inchada, dores articulares e musculares, queda de cabelo em grande

EM REVISTA

intensidade, hipoglicemia, hiperatividade, infecção urinária, depressão e diminuição da sensibilidade das mãos e dos pés.

pais consequências da doença são: diarréia crônica; esteatorréia (fezes gordurosas), constipação, gases, cólicas abdominais e perda de peso. Geralmente é identificada na infância.

DoEnçA CElÍACA O portador da doença celíaca tem problemas com a absorção dos nutrientes dos alimentos e as princi-

DIFEREnçA EnTRE A InTolERÂnCIA E A DoEnçA CElÍACA Quem é doente celíaco não pode


to contém ou não glúten. Glúten é uma proteína amorfa presente nas sementes de cereais como o trigo, a cevada, a aveia e o centeio. Essa substância é responsável pela elasticidade da massa da farinha, o que permite sua fermentação e a consistência elástica dos pães e bolos. Para quem pensa que o glutén é algo novo se engana. A endocrinologista Lyz Helena explica que o aparecimento de casos de intolerância ao glúten se deve às mudanças na alimentação da vida moderna em que

as pessoas priorizam os alimentos industrializados. “Para não termos problemas de alergia alimentar, deveríamos voltar a ter o que chamo de dieta pré-histórica, da qual nunca deveríamos ter saído, ou seja, comer tudo que vem da terra. Tudo que o homem criou, em termos de alimentação, não é muito saudável” esclarece a especialista. Para auxiliar seus pacientes da capital paulista, Lyz Helena fez uma pesquisa em São Paulo, em março, e procurou produtos sem glúten em

Qual é o problema do glúten?

“A proteína do glúten é alergênica e impede a produção da serotonina, neurotransmissor produzido no intestino, responsável pela sensação de prazer”

O glúten forma uma espécie de cola que adere a parede do intestino, fazendo com que algumas substâncias que são boas não sejam absorvidas pelo organismo. “A proteína do glúten é alergênica e impede a produção da serotonina, neurotransmissor produzido no intestino, responsável pela sensação de prazer. Sem essa substância o indivíduo pode desenvolver depressão”, afirma Lyz Helena.

comer glutén nunca mais na vida, enquanto o que tem intolerância ao glúten pode consumir com moderação e de forma orientada. A nutricionista Graça Morais explica que quando há suspeita da intolerância ao glúten, o primeiro passo é fazer a retirada dos alimentos com essa proteína por um periodo de 60 dias. O processo é necessário para se

supermercados convencionais, mas a busca foi frustante; não encontrou nada. Somente em lojas especializadas, que são poucas, com produtos caros e de difícil acesso à população em geral. “Lá está sendo mais difícil implementar a dieta, porque os paulistanos têm o hábito de consumir alimentos com glúten. Aqui tenho mais facilidade. Por questões culturais a culinária tem produtos sem glúten como a tapioca, o cuscuz, que substituem o pão sem problemas”, revela a endocrinologista.

17

Lyz Helena, endocrinologista

fazer a observação dos sintomas que caracterizam a intolerância. Se eles aparecem é diagnosticada a alergia. “A doença celíaca é uma alergia hereditária, que já nasce com a pessoa, mas a intolerância é algo adquirido com o mal uso dos alimentos que têm glúten; de tanto consumir o trigo pode ficar sensível a substância. Quando se identifica a alergia o trata-

mento se resume na retirada total dos alimentos com glúten por dois meses e simultaneamente inicia-se a desintoxicação do organismo, a recuperação da mucosa e a recolocação das enzimas e nutrientes, sempre observando os sintomas. Só depois desse processo o paciente poderá consumir o glúten com moderação, explica Dra. Graça Morais.

EM REVISTA


Como é a vida de um celíaco

18

O filho da publicitária Lana Mendes tem doença celíaca, descoberta quando o menino tinha apenas dois anos de idade. Hoje, Miguel Mendes está com 11 anos e, apesar da restrição, ele leva uma vida normal como qualquer criança de sua idade. Lana revela que no período de amamentação Miguel não apresentava nenhum problema, mas quando começou a comer outros alimentos ficou com a barriga inchada. “Fui a vários especialistas para descobrir o problema. Daí Miguel começou a fazer dieta”, conta Lana. Segundo Lana, Miguel é uma criança muito disciplinada; ele não come nada que tenha glúten e chega a observar o rótulo dos alimentos para verificar a existência de glúten. Lana

acredita que toda a disciplina é uma forma de proteção, porque Miguel teve muitas reações ao consumir glúten e isso fez ele criar consciência da sua restrição a substância. “Eu consigo me cuidar, consigo ver quais os produtos que eu posso comer. Quando a gente vai comprar alguma coisa para minha irmã a gente vê se eu posso, e ela às vezes também não come glúten”, conta Miguel. O menino ainda revela que vê a doença celíaca como outras que existem, como a diabetes e assume que está preparado para viver com a restrição ao glúten sem problemas. “Eu não ligo muito para minha alergia, não é nada demais, só preciso não comer glúten, assim tudo fica bem”, declara Miguel.

Sem glúten por opção A jornalista Thaisa Galvão retirou o glúten e a lactose da dieta durante o tratamento ortomolecular. “Fiz uma dieta de um mês, eu senti que foi um emagrecimento sustentável, perda de peso com perda de medida, me senti muito bem. Quando foi reintroduzido o glúten senti que ficava melhor sem ele. Hoje, em casa, minha alimentação é sem glúten, consumo so-

mente quando saio com a família ou em festa com amigos”, revela Thaisa. A jornalista afirma que o processo de reeducação alimentar foi muito importante para ela entender a necessidade do consumo consciente dos alimentos. “Não me imagino retornando ao cardápio anterior. Hoje tenho mais qualidade de vida”, declara a jornalista

“Não me imagino retornando ao cardápio anterior. Hoje tenho mais qualidade de vida” Thaisa Galvão, jornalista EM REVISTA

“Eu consigo me cuidar, consigo ver quais os produtos que eu posso comer” Miguel Mendes, 11 anos

SEM GLÚTEN Amaranto - usado como flocos de cereais e em massas para bolos e pães. Farinha de arroz - massas de biscoitos, bolos, cremes, mingaus, patês, molhos salgados, massa para panquecas e crepes. Fecúla de batata - massa para bolos, pães e biscoitos. Fubá e farinha de milho cuscuz, polenta, broa de milho e bolos. Amido - mingaus, papas, bolos, molhos, cremes, massas doces. Farinha de mandioca - tapioca, grude. Povilho doce e azedo - pão de queijo.


Preserve o seu Bem-estar com uma alimentação saudável, sem Glúten.

O Empório do Orgânico oferece ainda: Produtos sem Lactose Funcionais Diet / Light Linha Gourmet Cafeteria Orgânica Acesso internet Wi-Fi grátis

GRÁTIS

+M agné sio

00 itens + de a14es colha

a su

Horário da Loja Seg a Sex das 8h às 20h / Sáb das 8h às 15h

Disque Entrega: 3344-3040

www.EmporioDoOrganico.com.br

A LOJA D A FÁBRIC

Venha sentir a diferença!


Cedida

Mari Vilar Graduada em Educação Fí-

Pergunte ao personal 1. Body Pump substitui a Musculação? Bia Nunes – por email

20

As duas modalidades utilizam de pesos na sua prática e garantem benefícios como a melhora do condicionamento físico em geral, tonificação dos músculos, redução da gordura corporal, liberação de endorfinas, etc. Mas cada modalidade tem suas peculiaridades, que fazem a diferença no final. Para quem adora aulas em grupo, com execução de movimentos compassados ao ritmo da música e busca os benefícios citados acima, a melhor opção é o Body Pump. Porém se seu objetivo for um treinamento personalizado e hipertrofia, então é a Musculação que você deve escolher. Seja qual for a modalidade, ambas trarão ótimos resultados. Em síntese, tudo depende do objetivo de cada um, consulte o professor, ele irá lhe orientar. 2. Tenho artrite reumatóide e sinto muitas dores, por isso não consigo praticar exercícios. Que modalidade é mais indicada para o meu caso? Bruno Francisco – por email A prática da atividade física leve a moderada é um dos principais aliados para a melhora dos sintomas dessa doença. O controle de peso é essencial e é importante executar exercícios que reduzam a rigidez, que aumentem a flexibilidade e que causem relaxamento para aliviar as dores articulares. Indico atividades como a natação e hidroginástica em piscinas aquecidas, bicicleta estacionária, a dança e

EM REVISTA

sica e Pós-graduada em Fisiologia do Exercício e Esportes Aquáticos na FIG-UNIMESP. Personal trainer, atuante nas academias do RN, e coordenadora da modalidade Spinning na Academia HI FIT até mesmo a musculação. 3. Minha filha de 12 anos já quer ir para a academia. Ela pode fazer musculação? Odete Medeiros – por email Não é proibida a musculação na idade de sua filha, porém, como em toda a atividade física, é importante o acompanhamento de um profissional de Educação Física, que oriente para um programa de exercícios com pesos adequados a maturação da criança, que vise à consciência corporal, melhora da postura, das habilidades motoras, entre outros benefícios já comprovados em estudos realizados nas duas últimas décadas. 4. Pratico natação todos os dias. Preciso fazer algum outro exercício? Janete Rosa – por email A natação é uma excelente atividade para queimar calorias, fortalece os músculos em geral e principalmente da parede torácica. Melhora o sistema respiratório, recupera lesões, melhora a coordenação, ritmo, fornece bem-estar, etc. A única questão a se analisar, é que a partir dos 30 anos de idade, o corpo humano tende a ir perdendo massa muscular, e se torna imprescindível o trabalho com pesos para diminuir essa incidência, ao mesmo tempo em que se previne a osteoporose. Como sugestão poderia se revezar natação e musculação.


Sua confiança nos transformou em referência. A Prontoclínica de Olhos acaba de adquirir sua nova plataforma cirúrgica, a mais moderna do Norte-Nordeste, para correção de miopia, hipermetropia ou astigmatismo. Ela é composta pelo alegretto de última geração para correção de ametropias e do laser de femtossegundo que é usado para execução do flap, o que torna a cirurgia totalmente realizada por laser e aumenta a sua precisão.


qualidade de vida 22

ATENÇÕES

Renata Domingues - campeã norte-nordeste NABBA (2011) e Wellness (2010) - IFBB

Avaliação física Manter a forma com segurança e saúde Por Cleonildo Mello Que praticar atividades físicas traz benefícios para saúde e ajuda a manter a boa forma do corpo, isso já está bem difundido. O que poucos sabem é que uma avaliação física antes de iniciar o treinamento ajuda a indicar a melhor atividade para cada perfil ou a prescrever exercícios com maior segurança, conforme os resultados que se espera alcançar. A recomendação é do coordenador de Educação Física das Clínicas Integradas da FARN, Gleidson Mendes Rebouças. É imprescindível que, antes de iniciar um programa de atividade física, a pessoa faça alguns exames médicos para liberação da atividade, além de uma avaliação física com um educador físico capacitado, para ter conhecimento em qual estágio se encontra. A partir disso, ficará mais fácil prescrever a atividade condizente com os objetivos propostos e determinar a EM REVISTA

progressão do treino. “Tão logo atinja dois meses de prática, é interessante que se faça uma reavaliação para sabermos sua evolução e, consequentemente, avaliarmos o êxito do programa”, diz Gleidson, que responde pelas avaliações físicas que são feitas nas Clínicas Integradas da FARN. A Clínica de Educação Física da FARN faz todas essas avaliações por um custo acessível (apenas R$ 10,00) e funciona sempre às quintas, das 8h às 12h e das 14h às 17h, e sextas-feiras, das 8h às 12h. As avaliações devem ser agendadas na recepção das Clínicas Integradas FARN, que funcionam diariamente das 7h30 às 21h. farN Rua Eliane Barros, 2000 - Tirol Fone: 3215.2960 www.farn.br

Com equipamentos de ponta da Sanny (empresa que mantém parceria com a Faculdade), o serviço avalia a composição corporal, de aspectos neuromusculares tais como força e flexibilidade e da aptidão cardiorrespiratória. A análise da composição corporal é importante porque mostra o percentual de acúmulo de gordura no corpo e a relação com o risco de vir a contrair doenças associadas. Já a reavaliação constata, em um programa de emagrecimento, se houve redução de massa gorda ou possivelmente de massa magra. Semelhantemente, é o que também acontece com a avaliação neuromuscular. “Os aspectos neuromusculares têm uma forte relação com a funcionalidade das pessoas de um modo geral. Quanto mais força muscular e flexibilidade o paciente tiver, melhor será a execução de suas atividades. A força também se relaciona com programas de hipertrofia”, explica o professor. Já a avaliação da aptidão cardiorrespiratória permite entender o comportamento aeróbico do paciente, indicando como está o consumo de oxigênio e os limites na hora de praticar atividades de intensidade moderada por um tempo mais longo.


qualidade de vida 24

Pedal Livre Promover a harmonia do trânsito entre pedestres, veículos e ciclistas. É este o objetivo do projeto Pedal Livre, realizado nas manhãs de domingo na avenida Afonso Pena, no Tirol

EM REVISTA

Coordenado pela Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semob), o projeto destina uma ciclovia de 2,5 quilômetros de extensão dos dois lados da avenida, separados do trânsito de veículos por cones de sinalização. “A idéia é levar esta iniciativa de forma itinerante para outras regiões da cidade”, informou a secretária da Semob Elizabeth Thé. Apesar de ser destinada as bicicletas, muitas pessoas também aproveitam a ciclovia para praticar caminhada e corrida. O pedal livre ocorre das 7h às 11h e atrai famílias inteiras com crianças, jovens, adultos e idosos, todos em busca de uma prática saudável.


“Me sinto segura porque meu filho pedala longe dos carros, sem falar que é uma ótima opção de lazer” Patrícia Silva, advogada

Os participantes do Pedal Livre, além de terem o espaço da via para pedalar, caminhar ou correr, também contam com a tenda da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) com equipes realizando a verificação de pressão e teste de glicemia, além de distribuição de água mineral e agentes e fiscais da Semob organizando o trânsito. Outros órgãos do executivo municipal natalense também são parceiros do Pedal Livre, atuando de forma integrada. A Companhia de Serviços Urbanos (Urbana) entra com a limpeza da via e a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsur) com a poda de árvores.

“Esta é uma excelente iniciativa da Prefeitura, pois possibilita à população uma alternativa de prática saudável em meio à área urbana da cidade”

Os integrantes do Bike Tirol, um grupo de 50 ciclistas que se reúne todas as quartas-feiras à noite para pedalar por vários setores de Natal, frequentam o pedal livre aos domingos. “Esta é uma excelente iniciativa da Prefeitura, pois possibilita à população uma alternativa de prática saudável em meio à área urbana da cidade”, ressaltou o petroleiro Samuel Damasceno, que integra o Bike Tirol. A advogada Patrícia Silva, que já costumava trazer o filho para passear cedinho na Afonso Pena, também aprovou a iniciativa. “Agora me sinto mais segura, pois ele pedala longe dos carros. Sem falar que é mais uma opção de lazer para a cidade”, diz.

Fotos: Frankie Marcone

Samuel Damasceno, petroleiro

EM REVISTA

25


qualidade de vida 26

1, 2, 3 e… Entenda porque cada vez mais pessoas estão entrando na onda da corrida de rua Alexandre Peixoto, 37, perdeu 12kg em 90 dias. Já Jeannyne Vasconcelos, 30, enxugou outros 19kg em seis meses. Os dois poderiam fazer parte de um daqueles anúncios mirabolantes sobre emagrecedores que a gente vê na TV e prometem maravilhas, mas a realidade passa longe desse tipo de invencionice. Eles entraram em forma praticando aquele que provavelmente é um dos hábitos mais primitivos - e intuitivos - do homem: a corrida. EM REVISTA

“Corrida é uma tendência mundial; fez sucesso a partir de uma onda de conscientização onde o esporte virou sinônimo de saúde. A partir daí os profissionais começaram a se capacitar e ingressar na área com essa visão”, avalia Magnólia Figueiredo, referência no atletismo potiguar e atualmente na direção do complexo esportivo Caic. “Outro fator que contribuiu também foi o ritmo de vida nas grandes cidades, que se intensificou e passou a exigir mais das pesso-

Já! Por Rayanne Azevedo

Alexandre Peixoto: corrida e 12 kg a menos


27

as. Um organismo bem condicionado suporta maior carga de trabalho”. Afora os benefícios estéticos, a corrida ainda agrega uma série de vantagens: melhora a capacidade cardiopulmonar, aumenta o tônus muscular, preserva a massa óssea, auxilia no gerenciamento do estresse, ajuda a controlar a pressão arterial, eleva a autoestima, melhora a concentração, as relações interpessoais, a inteligência cognitiva e ainda lhe ensina a interpretar, avaliar e respeitar os limites do próprio organismo. Se você, contudo, se encontra em estado de absoluta inércia, e a idéia de sair correndo por aí já é suficiente para te causar taquicardia, fique tranquilo. O caminho até a boa forma deve ser percorrido em um ritmo saudável e paciente. E esse quem dita é você e o seu organismo. Consultar um médico antes pode prevenir surpresas desagradáveis, além de ajudar a traçar um programa de exercícios mais eficiente. “Para

quem é completamente sedentário, eu recomendo começar com uma caminhada lenta, de três a quatro vezes por semana, durante 50 minutos. O início dos treinos com as caminhadas leves é importante porque contribui no processo de adaptação muscular e cardiorrespiratória”, ensina o educador físico Walter Molina. E nada de atropelar as passadas num ritmo afoito. “Se o seu corpo não estiver habituado, e se a caminhada se der de forma inadequada, você só irá comprometer a postura e mecânica do movimento, ocasionando dores musculares e nas articulações”, adverte o professor.

“Para quem é completamente sedentário, eu recomendo começar com uma caminhada lenta, de três a quatro vezes por semana, durante 50 minutos” . Walter Molina, educador físico EM REVISTA


“Com quatro semanas caminhando diariamente, em três meses você está começando a trotar”. Walter Molina, educador físico

28

Uma vez superada a fase do sedentarismo absoluto, seu organismo começará a se acostumar com o ritmo das caminhadas. Quando isso ocorrer, é hora de passar para o trote - uma espécie de “quase corrida”, porém com menor flutuação e velocidade. “Com quatro semanas caminhando diariamente, em três meses você está começando a trotar”, estima Molina. Quanto aos locais para correr, o ideal é procurar lugares agradáveis, seguros e com chão plano. “O Parque das Dunas é um bom local, apesar de pequeno. Tem também a Rota do

“Não se compare com atleta nem com outros corredores. Lembrese: a primeira superação é nossa”. Magnólia Figueiredo, atleta EM REVISTA

Sol e a Via Costeira. Já o calçadão é uma péssima escolha. Não recomendo, a pedra é muito dura”. E quanto à praia? Essa, avalia o professor, é uma boa pedida desde que a maré esteja baixa e que se corra em uma faixa de areia plana, com tênis e meia. Em relação aos trajes, quanto mais leve eles forem e quanto mais facilitarem a transpiração, melhor. “É importante também estar bem sinalizado, fazer uso de faixas reflexivas à noite e, quando estiver no asfalto, correr sempre no contrafluxo”, ressalta o professor de corrida.

DICAS Entre os praticantes da corrida, uma queixa muito comum é a da “dor desviada” - dor aguda que aparece embaixo da costela. Quando ela surge, é sinal de que ou a respiração está errada ou o corredor está carregando na intensidade e deve diminuir o ritmo. O corredor também deve ficar atento para interpretar sinais do organismo. Enquanto algumas dores são comuns e fazem parte do processo de evolução, outras são sintomáticas. “Quando a pessoa sente dor muscular, dor no pé, é normal. Contudo, no momento em que a dor passa a ser aguda ou crônica, durando mais de dois dias, ou quando a respiração se torna ofegante, é hora de procurar um especialista”, explica o professor. Quem está com sobrepeso também deve redobrar a atenção para não sobrecarregar as articulações de imediato. “Nestes casos, o recomendável é ficar mais tempo na caminhada. Segundo Molina, antes de se exercitar o corredor deve consumir preferencialmente frutas e evitar carne, derivados de leite e alimentos com muita fibra. Para Magnólia, um fator que o corredor iniciante deve ter em mente é que os resultados só são colhidos com paciência, dedicação e respeito aos limites do próprio corpo. “Não se compare com atleta nem com outros corredores. Lembre-se: a primeira superação é nossa”.


Assessoria: quando procurar? Molina afirma que “o ideal é procurar uma assessoria logo no início, para que toda a atividade seja orientada de forma a prevenir riscos. Existem algumas boas opções, é só procurar”. Depois que já estiver treinado, é possível correr sozinho. Magnólia partilha da mesma opinião do treinador e reforça: “Há um fator social muito forte nos grupos de corrida. Vira uma nova família que você constrói”. Graças à assessoria, pessoas como Alexandre e Jeannyne acabaram reformulando completamente suas vidas. “Eu estava gordo e resolvi começar uma

dieta. Ocasionalmente ia caminhar com uma amiga no Parque das Dunas, que foi quem me arrastou para o grupo. Acabei indo por diversão e hoje me mantenho pela qualidade de vida”, afirma Alexandre, que hoje também faz musculação três vezes por semana para melhorar seu rendimento nos treinos. Jeannyne também só contabiliza benefícios: “Eu era sedentária e fumante. Hoje me sinto mais disposta, como à vontade e ainda tenho que me cuidar para não perder peso muito fácil. No início cheguei a fazer musculação, mas hoje fico só na corrida”.

29

“Eu era sedentária e fumante. Hoje me sinto mais disposta...” Jeannyne Vasconcelos, corredora de rua

EM REVISTA


qualidade de vida

Conheça o método inovador que ensina o paciente a corrigir a postura e conquistar mais qualidade de vida

30

Reeducação da dinâmica muscular Por Juliana Garcia As dores atormentaram tanto a vida da aposentada Ana Maria Azevedo Alves, 68, nos últimos 4 anos, a ponto dela mal conseguir andar. Fez cirurgia para tratar hérnia de disco, muitas sessões de fisioterapia e as dores persistiram. Tudo mudou depois que ela iniciou um trabalho de reeducação postural na Escola de Postura. Em apenas 10 sessões, as dores foram embora. “Quando cheguei aqui, eu caminhava com muita dificuldade. Agora estou muito bem. Não sinto mais nenhuma dor”, diz aliviada. EM REVISTA


MODALIDADES

“Conseguimos excelentes resultados nos casos de dor lombar, dor cervical, escoliose, tendinites, hiperlordose e hérnia de disco”

RPG/RDm - Método voltado para a correção dos desvios posturais (escoliose, hiperlordose, hipercifose), alterações articulares (hérnia de disco, artrose, joelho valgo ou raro, pé pronado ou supinado), além de dores na coluna.

Gerlane Cristina, fisioterapeuta

Você deve estar se perguntando qual o segredo para resultados tão rápidos. O método utilizado pela Escola de Postura do Brasil é pioneiro, reduz as dores e reeduca os movimentos do corpo para evitar que o problema retorne. Criado pelo fisioterapeuta Francisco Miguel, o RDM (Reeducação da Dinâmica Muscular) tem comprovação científica e clínica, fundamentadas nos resultados obtidos durante 10 anos de pesquisas sobre a atuação da dinâmica muscular na reabilitação do corpo. Durante as sessões são colocados nos pacientes elementos especiais em 12 pontos do corpo. Eles decodificam as tensões e compressões dos nervos para reorganizar as forças e estabilizar as articulações. O RDM é associado a técnicas como o RPG, Pilates, isoflex ou exercícios terapêuticos. “Conseguimos excelentes resultados nos casos de dor lombar, dor cervical, escoliose, tendinites, hiperlordose e hérnia de disco”, explica a fisioterapeuta Gerlane Cristina, que está a frente da Escola de Postura de Natal. Com mais de 15 anos de experiên-

cia na área de reabilitação, Dra. Gerlane, que foi uma das pioneiras no Rio Grande do Norte com o tratamento da Hidroterapia, não pensou duas vezes para trazer esse método inovador para Natal. “Assim que chega na Escola de Postura o paciente passa por uma avaliação criteriosa para um diagnóstico postural completo. É com base nessa avaliação que estabelecemos o programa de tratamento para ele”, explica Dra. Gerlane. O aluno participa também do curso de coluna teórico com conteúdo específico em anatomia, fisiologia, biomecânica da coluna e ergonomia para sua aplicação prática na vida diária. “O nosso objetivo é fazer com que o aluno adquira consciência corporal e se mantenha no dia-a-dia fazendo exercícios. Com a prática é quase automático assumir a postura correta. Basta uma simples respiração e tudo volta para o lugar”, diz. ESCola dE PoSTUra Rua Auris Coelho, 426 - Lagoa Nova Fone: 84 3231.1494 www.escoladepostura.com.br

PIlATEs/RDm - Indicado para o tratamento de alterações posturais, tensões musculares, fortalecimento e alongamento muscular, consciência corporal, diminuição da ansiedade e aumento da concentração. IsoFlEX/RDm - Técnica exclusiva que trata as alterações posturais de forma dinâmica, proporciona mobilidade e flexibilidade para a coluna, melhora a concentração, memória e o aprendizado, principalmente, em crianças e idosos. EXERCÍCIos TERAPÊuTICos/ RDm - Um trabalho individualizado, que respeita o estado físico de cada paciente, em especial portadores de desvios posturais e pós-operatório, reduzindo a incidência de lesões. HIDRoTERAPIA - São utilizadas técnicas da Cinesioterapia (realizada na água) e os efeitos térmicos promovem relaxamento e conforto muscular, e aliviam as pressões articulares, favorecendo menos impacto. Pessoas com sobrepeso e obesidade conseguem realizar sem maiores problemas.

EM REVISTA

31


entrevista

Lair Ribeiro ensina Por Adriana Keller

32

“A vida é um eco. Se você não está gostando do que está recebendo, observe o que está emitindo”

EM REVISTA

“Envelhecer sem ficar velho” foi o tema da palestra que Lair Ribeiro proferiu em Natal, recentemente. Trilhando um caminho virtuoso de palestrante internacional que salta da área motivacional, passa pela auto-ajuda e habita a saúde, esse jovem de 66 anos falou sobre o desafio de envelhecer saudavelmente. Formado pela Universidade Federal de Juiz de Fora, com mestrado em cardiologia na PUC do Rio de Janeiro, o médico Lair Ribeiro carrega na sua bagagem 17 anos nos Estados Unidos, onde adquiriu grande experiência nos campos educativo e empresarial, além de treinamento médico na Harvard University, como Research Fellow. Autor de mais de 100 livros (13 best sellers), publicações científicas em revistas médicas norte-americanas, Lair fala em receitas da sua avó, desmistifica padrões e aponta como boatos várias certezas que sempre ouvimos falar. Na sua palestra deixou muita gente chocada com as afirmações: “Quem disse que ovo tem colesterol? Costumo comer uma média de cinco por dia... Isso �� um boato”, ou ainda “Para uma grávida é quase preferível fumar a tomar refrigerante”, falou sobre o azeite que usamos, sobre a água que bebemos e o sol que virou um vilão e não é bem assim. A palestra foi no mínimo reveladora, pois o médico destruiu ideias preconcebidas com a maestria e segurança de um expert. Em conversa com a Viver Bem em Revista, Lair Ribeiro revelou a fonte da sua convicção e retórica: a simplicidade de viver com qualidade.


Interessante, objetivo e, acima de tudo, polêmico. O cardiologista quebra conceitos e desmistifica padrões que acostumamos a ouvir desde sempre. Seu lema: focar na solução e não no problema Viver Bem em revista - Qual é a diferença entre envelhecer e ficar velho? lair ribeiro - Velha é aquela pessoa doente, que não enxerga bem, que toma vários remédios todos os dias, que tem deficiências de se locomover... Enfim, independente de ter 60, 70 ou 80 anos é possível envelhecer com saúde com um bom estado biológico. Isso tem a haver com o estilo de vida que cada um leva, com a ingestão de álcool, fumo, alimentação errada e da qualidade do seu sono, como ela dorme... VBr – Entre os grandes vilões do envelhecimento estão os radicais livres, que são produzidos a todo momento pelo nosso organismo. O que fazer? lr - Não existe vida sem eles. O problema é lidar com o excesso de estresse oxidativo, que é uma das grandes causas do envelhecimento. As causas podem ser várias: estresse emocional, a elevada ingestão de ácidos graxos trans, o alto consumo de bebidas alcoólicas, a prática desregrada de atividade física, o consumo exagerado de medicamentos e a exposição a poluentes e toxinas ambientais são alguns fatores. É preciso buscar alternativas antioxidantes como andar de pé no chão, descalço em contato com a terra. Essa é uma medida simples e importante adquirida através da energia natural.

VBr - Vivemos num mundo estético e o brasileiro prima essencialmente pela aparência física. Em sua opinião, alimentamos uma cultura plástica, somos escravos da aparência? lr - Precisamos da aparência para viver. Mas tudo tem limites. Não vejo problema em querer “parecer” bem, mas isso não pode virar uma neurose. O ideal é ver na aparência os resultados da estética interna, essa está sempre ligada a saúde.

“Você é o que você come, o que você faz, o que você pensa e quem você ama”

VBr - Você também é muito conhecido pelas sábias frases de motivação como: “A vida é um eco, se você não está gostando do que está recebendo, observe o que está emitindo”... lr - É a Lei do Retorno. Se eu lhe dou um sorriso, sua resposta será com um sorriso. Por isso, se não gosta do que está recebendo dos outros, da maneira que estão te tratando, presta atenção em como você está se relacionando com as pessoas. Na filosofia quem deve estar sempre à frente, o nº 1, é você. Depois os outros, assim, não é possível dar o que não se tem. Primeiro eu. Se eu não tiver amor, se não me amar como posso amar os outros? EM REVISTA

33


“Esteja ciente de que você tem que falar para ser ouvido, mas tem que se calar para ser apreciado” VBr - Você escreveu um livro sobre a prosperidade. Acredita que ela está ligada a quê? Aos relacionamentos, ao empenho pessoal, sorte, cursos...

34

lr - A roda da abundância gira em que velocidade? Se você continuar fazendo o que sempre fez, continuará obtendo o que sempre obteve. Para obter algo diferente, você tem de começar a fazer algo diferente. Muitos padrões terríveis envolvem o dinheiro, preconceito (dinheiro é coisa suja), quanto mais dinheiro mais gastos, gente rica não tem lugar no céu... Enfim, os padrões não são feitos de cimento nem podem ser recriados linguisticamente. No meu livro, ensino a superar o conformismo na vida pessoal e ampliar a percepção. Reprogramar pensamentos e atitudes, descobrindo e reorientando o potencial de cada um. Mas o livro é somente uma ajuda, um caminho e apenas ler um livro não resolve problemas, é preciso fazer o dever de casa. VBr - Sobre o seu curso “Sintonia”, quais são as técnicas utilizadas? Como são os feedbacks das pessoas que já fizeram. Conte um pouco sobre. lr - Trata-se de uma experiência transformacional, uma pessoa que passa três dias comigo e minha equipe nesse curso, se transforma, não é a mesma pessoa quando sai. A finalidade do programa é a harmonização e a integração da pessoa com os seus aspectos físico, mental, emocional e espiritual, para potencializar ao máximo e melhorar o desenvolvimento de suas relações pessoais e profissionais. As técnicas utilizadas são baseadas na Programação Neurolinguística (PNL), Técnicas de Aprendizagem Acelerada do Dr. Georgi Lozanov, Técnicas de Pensamento Lateral desenvolvidas na Inglaterra pelo Dr. De Bono, para uma melhor utilização dos hemisférios cerebrais, aumentando, assim, o poder da mente. EM REVISTA

PRINCIPAIS OBRAS A magia da comunicação Auto-estima Inteligência aplicada Prosperidade Uma venda não ocorre por acaso Câncer de mama Como conviver com a violência Como passar no vestibular Comunicação global Coleção saber viver pessoalmente, profissionalmente e financeiramente Excelência emocional Gerar lucro Idéias que estimulam O poder da imaginação O sucesso não ocorre por acaso Pés no chão, cabeça nas estrelas Reposição hormonal Uma janela no futuro A grande oportunidade Enriquecer - ambição de muitos, realização de poucos Homens & mulheres - espécies iguais, mundos diferentes É tempo de viver mais e melhor O melhor da vida é aqui e agora Lições de vida Parábolas do mundo inteiro Coleção aprendendo a viver (jack & jonas) Site: www.lairribeiro.com.br


comportamento

Por Rayanne Azevedo

Segundo especialistas, o diálogo é a melhor arma para manter saudáveis as relações entre pais e filhos

Existe idade certa para namorar?

36

Keyla Teodósio não se vê constrangida em olhar mensagens de celular e e-mails

EM REVISTA

A oficial de justiça Keyla Teodósio vive um paradoxo. Na paróquia onde atua enquanto voluntária, costuma orientar cerca de 200 jovens, atividade que desenvolve com facilidade. Já em casa, queixa-se de ter que batalhar diariamente pela confiança da filha adolescente. “Dou total abertura, mas mesmo assim ela se aconselha mais com os amigos do que comigo. Sempre que ela se envolve, se apaixona, eu sou a última a saber”, ressente-se. A angústia de Keyla não é incomum. Ela quer, como todos os pais querem - ou presume-se que deveriam querer - fazer parte da vida da filha, acompanhar seus passos e protegê-la. Marília, provavelmente, também não quer decepcioná-la. Mas, aos 14 anos, ela ainda se enrola quando tem que colocar a mãe a par de assuntos amorosos. “Ela sempre

diz que quando for sério vai me avisar, mas faz isso para escapar da vigilância. Não acho certo ter namoricos escondidos, até porque minha casa está aberta”, censura Keyla. A questão é que Marília faz parte de uma geração de adolescentes adeptos de uma modalidade nem tão recente: “ficar”, uma espécie de namoro-relâmpago, de curta duração e com pouco envolvimento afetivo. “Ela está de castigo. Digo que sou oficial de justiça, porque penhorei tudo: Ipod, celular e internet”, afirma a mãe. O motivo? “Descobri que ela estava ficando com uma pessoa lendo as mensagens do celular dela e fiquei muito triste por ver que todas as amigas já sabiam, mas ela não havia me contado, e eu sequer sei quem é essa pessoa”. Mas Marília já namorou uma vez.


“Eu me preocupava mais quando ela estava sem namorado, porque as investidas dos jovens hoje em dia estão muito pesadas” Josi Amorim, fonoaudióloga

E, quando aconteceu, fez questão de deixar a mãe a par. “Foi no ano passado. Ele estudava em outro colégio e nós passávamos o veraneio no mesmo lugar. Durou um mês e depois eu vi que queria ficar só na amizade. A gente mal se via, conversávamos mais pela internet. Ficamos umas duas vezes só”, resume a adolescente. Ela diz que anda à procura de um namorado: “Procuro alguém sincero, em quem possa confiar e com quem possa conversar”. Quem também acompanha de perto a filha é a fonoaudióloga Josy Amorim. A filha dela, Fernanda, 13, está namorando pela primeira vez com um rapaz da mesma turma do colégio. “Acho ótimo que ela esteja namorando, eu prefiro que namore mesmo. Eu me preocupava mais quando ela estava sem namorado, porque as investidas dos jovens hoje em dia estão muito pesadas. E ele é um rapaz gente boa, bem centrado”, afirma. O fato de os dois estudarem na mesma classe não a preocupa: “Eu mantenho um padrão rígido de educação, e sei que o namoro não vai interferir nos estudos porque eles sentam em lugares diferentes e só saem

juntos aos finais de semana. Na realidade, como ele repetiu de ano, os dois estão competindo para ver quem tira as melhores notas”. De acordo com a psicóloga Mirani Melo, o surgimento do namoro na adolescência é natural e até certo ponto importante, pois contribui para desenvolver uma maturidade para o relacionamento afetivo. O problema, aponta ela, é o “ficar” desenfreado. “Este, sim, muitas vezes é sintomático. As pessoas usam como sinônimo de poder, quantificam o poder pelo número de ficadas. A questão é que essa conduta, se for exagerada, denota uma dificuldade em se vincular com alguém, e é importante que se construam vínculos, ainda que eles venham a se dissolver depois. Faz parte do processo de amadurecimento”, afirma. Mas, segundo a psicóloga, o que se vê hoje nos consultórios são muitas garotas reclamando que está difícil arrumar namorado. “A oferta, a facilidade é tão grande que as pessoas deixam de querer se vincular”. Outro aspecto que a psicóloga cita como preocupante é quando o adolescente busca, em relacionamentos fora de casa, preencher a falta de re-

37

“ É importante que se construam vínculos, ainda que eles venham a se dissolver depois. Faz parte do processo de amadurecimento” Mirani Rocha, psicóloga EM REVISTA


“Existe ex-amigo, ex-namorado, mas não existe ex-mãe. Mãe é uma só. E eu sou brasileira, não desisto nunca de falar com a Marília” Keyla Teodósio, oficial de justiça

38

lação familiar. “Mas isso ocorre geralmente nas classes mais baixas, onde o vínculo vem mais cedo. Essas pessoas constituem logo família para compensar o fato de terem vindo de lares desestruturados”. Segundo Mirani, não existe “cedo demais” em se tratando de namoro na adolescência. O relacionamento, afirma, se desenvolve de acordo com o grau de maturidade do jovem. “Houve uma transformação cultural e as coisas estão acontecendo mais cedo, mas na prática eu não vejo muito isso de adolescentes de classe média se envolverem precocemente em relacionamentos. Claro que quanto mais tarde começar, melhor, por uma questão de maturidade. Mas muitos namoros que começam cedo na realidade nem são namoros, é uma coisa totalmente diferente, mais ingênua”. A psicóloga orienta os pais a observarem o adolescente desde a infância, tendo o cuidado de responder às perguntas deles conforme a curiosidade vai se desenvolvendo. “Os pais têm que enfrentar e falar com os filhos sobre sexo, desde que eles tenham passado para a puberdade e demonstrem interesse pelo outro EM REVISTA

sexo. Nessa idade, o comportamento é mais influenciado pelo grupo, e às vezes os adolescentes podem agir motivados pela cobrança que sentem por parte dos amigos ou por curiosidade, por isso é importante conversar. Já as crianças devem ser orientadas conforme elas vão sendo expostas a determinados assuntos e começam a ter curiosidade”. Keyla e Josy entendem o poder do diálogo e por isso procuram estar sempre próximas de suas filhas. As duas temem que Marília e Fernanda possam ter o mesmo destino que elas tiveram, anos atrás: o de engravidar cedo demais. Também por isso, Keyla não se faz de rogada e diz que faz questão de checar tudo. “Eu não tenho nenhum constrangimento de olhar celular, e-mail”. Josy acena positivamente com a cabeça em sinal de solidariedade e complementa: “A gente tem que ter muito cuidado, porque além de tudo ainda tem a questão da violência”. Mas para Mirani, embora a intenção nesses casos seja nobre, a política de vigilância extrema é assunto sério. “Os pais invadem a privacidade dos filhos, gravam conversa

do MSN, leem diários. É preferível tentar acompanhar a vida do filho. Não adianta proibir, porque ele acaba indo fazer escondido”, observa a psicóloga. “Eu aconselho que os pais orientem, conversem e exponham os riscos para que os filhos fiquem atentos e comuniquem qualquer acontecimento estranho. Mas o adolescente tem seu livre arbítrio”. Fernanda diz que tem uma relação bem aberta com a mãe e tem feito questão de mantê-la atualizada. “Não dá para esconder nada da minha mãe, ela perceberia logo. Eu sempre acabo contando tudo para ela”. Já Marília, embora relute e se mantenha mais reservada, às vezes recorre às cartas para contar aquilo que pessoalmente sentiria mais dificuldade em expor. “Eu deixo a carta na bolsa e não falo nada. Peço: ‘mãe, não lê na minha frente!’”. “Acho que ocorre uma generalização entre elas. Elas acham sempre que contar as coisas para os pais vai ser ruim. Mas tem que contar! Existe ex-amigo, ex-namorado, mas não existe ex-mãe. Mãe é uma só. E eu sou brasileira, não desisto nunca de falar com a Marília”, brinca Keyla.


Impressรฃo Grรกfica


saúde

Xerostomia 40

Todo mundo já sentiu a boca secar em momentos de medo, ansiedade ou nervosismo na hora de falar diante da multidão. Mas o que era para ser um quadro restrito a certas ocasiões está se tornando um problema cada vez mais frequente na sociedade moderna

Boca seca (xerostomia) significa que a produção de saliva não é suficiente para manter a boca úmida. Segundo a odontóloga Maria Cecília Aguiar, a falta de saliva pode provocar secura na boca e, consequentemente, dificuldades para falar, mastigar e engolir alimentos. Além do incômodo, este problema pode trazer consequências mais graves. “A saliva possui anticorpos com ação antimicrobiana, por isso a redução de sua produção deixa a pessoa exposta a uma série de problemas como cáries, candidíase, doenças gengivais, dificuldade de usar próteses e alterações no paladar. Se não tratada, a secura da boca pode também contribuir para o mau hálito”, alerta a dentista. Dentre os principais fatores que contribuem para a redução da salivação, estão o fumo, a ingestão de bebidas alcoólicas, doenças como diabetes e síndrome de Sjögren, tratamento radioterápico e o uso de alguns antidepressivos e anti-hipertensivos. O primeiro passo para o tratamento eficaz é um diagnóstico correto. O paciente que perceber os sinais e sintomas associados a boca seca deve procurar o cirurgião-dentista. “Um grande aliado para o diagnóstico preciso é um exame chamado Sialometria, que analisa o fluxo, a cor, a presença de turbidez, a viscosidade e o pH da saliva”, afirma Dra. Cecília. De acordo com a especialista, os tratamentos variam em função da

causa. Se tiver origem medicamentosa, o odontólogo deve levantar a possibilidade de substituição do medicamento por outro que não afete a produção de saliva junto com o médico do paciente. Da mesma forma, problemas de saúde devem ser descartados ou tratados. Independentemente da causa, o paciente com queixa de boca seca deverá ser acompanhado pelo profissional em intervalos mais curtos para orientação de higiene oral constante, aplicação de flúor e tratamento gengival básico. Além disso, quem sofre do problema deverá manter-se sempre bem hidratado, ingerindo água ou outra bebida sem açúcar e evitando o consumo de bebidas com álcool ou cafeína. Se os lábios estiverem secos, pode ser indicado o uso de lubrificantes. Para minimizar o problema, pode ser utilizada saliva artificial manipulada ou comercial, gomas de mascar sem açúcar e medicamentos que estimulem a salivação. Dra. Cecília utiliza ainda uma associação de técnicas como a aplicação de laser, TENS e acupuntura nas glândulas salivares, com resultados surpreendentes. A partir do segundo semestre, será lançado um portal para o paciente se atualizar sobre o problema: o www.mauhalitotemcura.com.br INSTITUTO DO HÁLITO DO RN Av. Afonso Pena, 1081 - Tirol Natal/RN. (84) 3086.1671 / 3211.2163

Dra. Maria Cecília Aguiar é membro da Associação Brasileira de Halitose, mestre em saúde coletiva e especialista em Odontogeriatria EM REVISTA


humanocenter 42

O cenário com figuras representativas ajuda a obter uma visão panorâmica da situação

Você já tem um coach? Saiba qual a importância desse treinador para o seu desenvolvimento pessoal e profissional EM REVISTA

O que você quer? Essa, provavelmente, será a primeira pergunta que irá ouvir do seu coach. O papel dele é assessorá-lo, levando-o a refletir, chegar a conclusões, definir ações e, principalmente, agir em direção aos seus objetivos, metas e desejos. Por isso, saber exatamente o que você quer é tão importante para o Coaching (processo de desenvolvimento que o coach conduz). Mas, se ainda não souber, o seu coach também pode ajudar a descobrir. O foco dele é você. É liberar o seu potencial e maximizar a sua performance, seja na vida pessoal ou profissional. Ter um coach é para quem tem pressa de mudar, de conquistar e de entender que é capaz de desenvolver as habilidades necessárias para atingir o seu objetivo

com rapidez. Mais de 40 mil executivos possuem coaches nos Estados Unidos. Aqui no Brasil, eles estão começando a acordar para essa necessidade. No mundo dos negócios, o coaching potencializa a comunicação, motivação, influência, negociação, liderança, desenvolvimento organizacional, definição de metas e objetivos, planejamento e foco, alavancando resultados. O coaching parte do princípio que a solução dos nossos problemas está dentro de nós. Para progredir e ter sucesso é preciso, primeiramente, delinear o caminho que queremos seguir em nossa mente e direcionar as ações e atitudes para o objetivo sem criar obstáculos. No atendimento, o


coach auxiliará a perceber o problema de fora, identificar os obstáculos de auto-boicote e montar estratégias para alcançar o objetivo desejado. O método funciona da seguinte forma: a pessoa coloca um tema “problema” a ser trabalhado e monta o cenário com ajuda de figuras representativas, sob orientação do coach, para obter uma visão panorâmica da situação. O resultado é: 1º) o entendimento da raiz do problema; 2º) percepção do caminho a seguir; 3º) ensaio sobre as ações a tomar. Logo no primeiro atendimento você percebe o resultado de seu investimento. Como o tema ainda é cercado de dúvidas, a Viver Bem em Revista, ouviu as coaches da Humanocenter, Karina Braga e Roberta de Oliveira, que atuam no mercado há mais de 20 anos. HUMaNoCENTEr www.humanocenter.com.br

“Investigamos como a forma do pensamento do cliente impacta na forma como toma decisões, gerencia mudanças e lida com conflitos”

ENTREVISTA Como escolher o coach? O coaching é um processo com bases científicas e, portanto, requer formação para ser aplicado. Pesquise o profissional, sua formação e o tempo de experiência. A qualidade do serviço está diretamente ligada a quantidade de ferramentas que ele possui. Quando procurar o coach? Quando não estiver conseguindo fazer, decidir ou resolver algo em sua vida ou nos negócios, o melhor momento é agora! Como é feito o coaching? No primeiro encontro é definido o tema ou questão. Depois agendamos um ciclo com 10 atendimentos de uma hora, cada. Para cada ciclo você resolve uma questão. Logo no segundo encontro, você já sentirá os resultados. Qual o diferencial da Humanocenter? Trabalhamos com o Coaching Sistêmico que considera o cliente de maneira global. Sabemos que tudo está interligado, suas experiências internas, externas, seus relacionamentos, suas metas. Investigamos como a forma do pensamento do cliente impacta na forma como toma decisões, gerencia mudanças e lida com conflitos. Em nossos encontros o trabalho é realizado com dois profissionais simultaneamente, valorizando duplamente seu investimento.

Karina Braga e Roberta de Oliveira: coaches com mais de duas décadas de experiência EM REVISTA

43


meio ambiente 44

Por EugĂŞnio Bezerra

Busque a sustentabilidade no dia-a-dia Salvando o meio ambiente sem sair de casa

EM REVISTA


Segundo o Ministério do Meio Ambiente, embora o clima tenha apresentado mudanças ao longo da história da Terra, em todas as escalas de tempo, percebe-se que a mudança atual apresenta alguns aspectos distintos. Por exemplo, a concentração de dióxido de carbono na atmosfera que vem aumentando ano a ano. Outro aspecto distinto da mudança atual do clima é a sua origem: ao passo que as mudanças do clima no passado decorreram de fenômenos naturais, a maior parte da atual mudança do clima, particularmente nos últimos 50 anos, é atribuída às atividades humanas. A principal evidência dessa mudança atual do clima é o aquecimento global, que foi detectado no aumento da temperatura média global do ar e dos oceanos, no derretimento generalizado da neve e do gelo, e na elevação do nível do mar, não podendo mais ser negado. Atualmente, as temperaturas médias globais de superfície são as maiores dos últimos cinco séculos, pelo menos. A temperatura média global de superfície aumentou cerca de 0,74ºC, nos últimos cem anos. Essas informações não são novidade para ninguém; nos acostumamos a ver, ler ou presenciar inúmeras opiniões de especialistas citando o quanto nosso planeta vem sofrendo ao longo do tempo. É comum também, na atualidade, nos depararmos com tragédias climáticas e ecológicas, reações do meio ambiente à ação humana, que por muito tempo retirou da natureza sem se preocupar em repor. Mas o que eu e você temos a ver com isso? Quando o assunto é preservar o meio ambiente, é difícil saber como ajudar. O primeiro passo pode ser mudar a postura em relação

45 ao consumo. O carinho e o respeito ao meio ambiente começam com as pequenas ações. Não são somente os outros que precisam respeitar e preservar. Por isso, saia do discurso fácil. Essa é e deve ser sempre uma ação que merece a atenção de todos e de forma individual, a partir do “nosso mundo”, seja ele o nosso quarto, a nossa cozinha, ou o nosso ambiente cotidiano. Faça a pergunta pra você mesmo. Eu tenho como evitar a poluição dos rios? Diretamente, talvez não. Mas você pode muito bem tomar um banho menos demorado, não lavar o carro com mangueira e sim com um balde, e assim evitar o desperdício de água. Imagina você que gosta de cantar no chuveiro. Cante, mas economize no repertório; na hora de passar o xampu e o sabonete, desligue o chuveiro. Um banho de 15 minutos consome 60 litros de água. Eu posso evitar o desmatamento na Amazônia? A resposta segue a mesma linha. Não. Mas você pode, por exemplo, comprar móveis feitos de madeira certificada, de reflores-

tamento ou ainda, na hora de imprimir aquele trabalho da escola, usar os dois lados da folha. E o aquecimento global? Eu tenho como combater? Também não, diretamente. Mas você pode comprar roupas de marcas produzidas na sua região que, além de mais baratas, não usam tanto transporte (combustível fóssil) para chegar às lojas da sua cidade. São atitudes simples e que buscam a sustentabilidade no dia-a-dia. Cada um de nós é responsável pelo cuidado e pela preservação de tudo que contribui para a vida, sobretudo onde vivemos. Meio ambiente, ao contrário do que muita gente pensa, não é só a natureza. Além das árvores, dos rios, das praias, do mar, do ar que a gente respira, o meio ambiente também é a nossa rua, nossa casa, nosso corpo, as relações que temos com as pessoas, nosso lixo. Lixo?! Isso mesmo. A administração consciente do lixo doméstico também é um item que promove o bem-estar de todos, de todo o Meio Ambiente. EM REVISTA


“Uma tonelada de papel reciclado poupa 22 árvores, 75% de energia elétrica e polui o ar 74% menos do que a produção da mesma quantidade de papel com matéria-prima virgem...” Ajalmar Maia, biólogo

46

Quando o lixo vira luxo E o lixo vira luxo quando criamos uma consciência socioambiental. Responsabilidade de todos nós. Disso depende nosso presente e nosso futuro próximo. Alguns podem estar pensando: “Mas, o que eu ganho com isso?”. Saiba que ambientar-se e criar sustentabilidade é uma atitude universal. Afinal de contas, ninguém quer viver num mundo insuportável. Segundo o IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, por dia é descartado no Brasil 230 mil toneladas de detritos, sendo que mais da metade disso corresponde a lixo doméstico. Apenas 2% do total proEM REVISTA

duzido nas casas é destinado à coleta seletiva. Aqui, no Rio Grande do Norte, esse percentual não chega a 1%; sendo assim, o restante vai parar em lixões a céu aberto. Em cidades litorâneas como a nossa, acaba nos nossos mangues, ou pior se espalha pelas ruas contaminando o meio ambiente, entupindo bueiros e provocando alagamentos. Para a maioria é fácil dizer que a responsabilidade pelo lixo é do poder público, mas não é bem assim. Cada um é responsável pelo lixo que produz e suas consequências. O professor da rede estadual de ensino, Rogério Câmara, fundador e coordenador da ONG SOS Mangue, começou a lutar pelo meio ambiente em 1998 quando fundou a entidade. Para ele, as pessoas têm boa vontade em colaborar, mais são pouco instruídas. “Falta educação de uma maneira

geral”, diz Rogério. Desde 98 a ONG vem trabalhando com a população do RN, procurando conscientizar e educar a sociedade nas questões relacionadas ao meio ambiente. Eles viajam o RN dando palestras, cursos e oficinas gratuitas, em um trabalho que ele próprio julga, feito de coração. E apesar de todas as dificuldades que encontra, o coordenador da SOS Mangue relata que já conseguiu bons resultados. Rogério acredita que se houvesse um maior investimento na escola, a sociedade lucraria bastante e o meio ambiente agradeceria. Atualmente a ONG SOS Mangue desempenha um trabalho de reflorestamento na Escola Estadual Luiz Soares, que fica na Avenida 9, no bairro do Alecrim, em Natal. O coordenador do projeto explica que lá existem mudas de plantas e que os interessados precisam apenas


procurá-las na escola. O movimento também organiza palestras e oficinas nas comunidades e tem feito um trabalho reconhecido na fabricação de sabão a partir de óleo comestível. Rogério Câmara diz ainda que o trabalho é pensado a longo prazo e que o estado encontra-se muito aquém em termos de educação. Para ele, a questão ambiental é um problema sério vinculado a este setor, pois até os professores desperdiçam água e energia em sala de aula. Assim, eles não têm capacidade nem subsídios para além de dar o exemplo, educar seus alunos com ações ecológicas. O coordenador ainda ressalta a importância da mídia nesse panorama, ele acredita que a imprensa é um canal muito importante na educação e conscientização da sociedade. Ele termina dizendo que investimentos

precisam ser feitos, pois acha que o poder público deve agir com mais atitude nas escolas públicas do estado. Tiago Pinheiro é professor de Gestão Ambiental da UNP e leva as lições que ensina aos seus alunos para casa. Separar o lixo orgânico do que pode ser reciclado. É uma ação simples: “Basta ter duas lixeiras e o compromisso de todos em casa fazerem a separação”’. Até o filho, de apenas 3 anos, ajuda. O pequeno Joaquim é atento aos detalhes. “Na mesa ele não deixa escapar nada. Cai um guardanapo ele vai lá e apanha para colocar no lixo”, conta o pai orgulhoso.

“Basta ter duas lixeiras e o compromisso de todos em casa fazerem a separação” Tiago Pinheiro, professor

O QUE VOCÊ PODE FAZER? áGuA Escovando os dentes - desligue a água enquanto faz a escovação. lavando a louça - desligue a água enquanto ensaboa pratos, copos, talheres e panelas. Tomando banho - nada de banhos muito longos e quando estiver se ensaboando, desligue a torneira. EnERGIA Desligue as luzes - ao sair do seu quarto, sala ou cozinha não esqueça de apagar as luzes. Desligue aparelhos eletrônicos não deixe a televisão, rádio ou computador ligado caso não esteja sendo utilizado. Ar-condicionado - utilize com moderação!

lavando roupa suja - dedique dias da semana para lavar a roupa. Assim você utiliza a máquina de lavar em sua capacidade máxima, economizando energia e água ao mesmo tempo. Passando roupa - também dedique dias da semana para passar roupa. Evitando assim, o liga e desliga. lIXo Coleta seletiva - tenha uma atitude bacana. Programe a coleta seletiva na sua casa. É muito fácil, basta separar os lixos em: material orgânico, papel, metal, vidro e plástico. Desta forma, você estará fazendo uma grande contribuição à Mãe Natureza, já que este material será reciclado, ou seja, será reaproveitado para a fabricação de novos produtos.

TRAnsPoRTEs As emissões de gases pelos transportes são muito nocivas para a nossa atmosfera. Mas podemos tomar algumas atitudes para contribuir na diminuição da emissão de gases. A caminho da escola ou trabalho - Utilizar os transportes coletivos é sempre mais saudável para o planeta. Por isto, quanto mais gente utilizar um mesmo veículo melhor. Se você vai de carro para a escola ou trabalho, que tal combinar um rodízio com os colegas que moram perto? Agora, se a sua escola ou trabalho é perto de casa, larga de preguiça e vá a pé ou de bicicleta! Assim, você estará cuidando da saúde do nosso planeta e da sua saúde também!

EM REVISTA

47


psicologia 48

Emagreça

Por Dênia Cruz

Aprendendo a lidar com as emoções que engordam e comprometem sua saúde Fazer terapia é buscar autoconhecimento e equilíbrio das emoções e dos desejos. E quando o trabalho psicoterápico é usado para dar suporte afetivo e motivacional, pode promover mudanças importantes no modo de encarar a vida. É com base nessa premissa que o projeto Viver Leve se fundamenta, e se dispõe a ajudar pessoas que querem aprender a lidar com as emoções, que promovem desequilíbrios psicológicos e as fazem engordar. O projeto desenvolve um trabalho de reeducação alimentar e de mudanças comportamentais. Viver Leve foi idealizado pelo psicólogo Ronnie Soares, quando ele fazia um trabalho voluntário no Hospital Onofre Lopes. O psicólogo percebeu que muitos dos funcionários do hospital estavam acima do peso e identificou que as causas da obesidade daquelas pessoas eram emocionais e psicológicas. “Criei um grupo terapêutico e nele desenvolvi um trabalho fazendo relaxamento hipnótico, e começamos a identificar as causas da obesidade e da ansiedade alimentar dos funcionários. Sem medicação, sem orientação nutricional, sem psicoterapia até aquele momento, apenas com o uso da hipnose, em seis meses alguns pacientes perderam até doze quilos”, revela o especialista. A experiência com os funcionários do hospital serviu de base para EM REVISTA

o projeto que iria aliar as técnicas modernas de hipnose e a psicoterapia. “o Viver Leve nasceu para ser um instrumento de compreensão dos relacionamentos interpessoais e dos processos emocionais que estão na origem dos sentimentos, pensamentos e comportamentos. Conseguindo compreender esses processos, podemos auxiliar o paciente a também se compreender e assim se ajudar. Muitas coisas que acontecem na vida da gente, somos nós que criamos inconscientemente”, explica Ronnie. Ele ainda acrescenta que, no processo de emagrecimento, as pessoas querem emagrecer pensando da mesma forma que pensavam antes, e o emagrecimento só acontece de verdade se houver mudança de hábitos. Ronnie Soares ressalta que a proposta do Viver Leve é fazer um tratamento individualizado: “Queremos proporcionar ao paciente qualidade de vida, para que ele tenha uma relação de prazer e bem-estar com a comida, seu corpo e suas emoções”, revela o psicólogo. No tratamento do Viver Leve o paciente começa investindo tempo no conhecimento do seu corpo, aprende a perceber sua respiração e suas sensações. Em seguida chega o momento de perceber o alimento, reconhecendo a função de cada um no organismo. Esse processo promove um emagrecimento consciente.

“Queremos proporcionar ao paciente qualidade de vida, para que ele tenha uma relação de prazer e bem estar com a comida, seu corpo e suas emoções” Dr. Ronnie Soares, psicólogo


equilíbrio 50

Por Élcia Luz

Uma viagem em busca da verdade

“Minha maior motivação hoje é ver a harmonia e a beleza da vida”

Japamala, uma espécie de rosário de flores naturais, abençoadas pelo avatar Sri Bhagavan EM REVISTA

Índia Um mestre iluminado disse certa vez que a India não é somente geografia ou história. Não é só uma nação, um país, um mero pedaço de terra. Ela é algo mais: é uma metáfora, uma poesia, algo invisível, mas bem tangível, vibrando com certos campos de energia que nenhum outro país pode reivindicar. É o único lugar em todo o mundo que devotou o seu talento num esforço concentrado por uma única busca: a busca da verdade. Não é por outro motivo que todos os mestres iluminados de que temos notícias no ocidente, ou nasceram ou pisaram em solo indiano em algum momento de suas vidas. Jesus, Buda e muitos outros de quem nunca ouvimos falar deixaram seu perfume por lá. Para chegar a esse espaço especial, alguns pré-requisitos são bastante apreciados, como paciência e amor. Primeiro porque não é como chegar a Paris, onde você sabe de antemão que

um encantamento o aguarda, do começo ao fim. Não se trata de um roteiro turístico, a despeito dos muitos atrativos que a Índia oferece. São muitos contrastes que podem resultar em um certo choque cultural para os desavisados. Mas aqui o convite é outro: saída da zona de conforto, na proporção e medidas exatas para acontecer a maior desconexão possível com o pré-estabelecido, com os condicionamentos, com as crenças limitantes. A via direta com sua essência, sem interferências externas. Para isso não há “script” pronto. É a sua percepção; é o que você vai sentir. Único e intransferível. Sem garantias prévias, porque nada acontece fora. É completamente dentro. Os mestres a quem devoto profundo respeito conheci através das páginas silenciosas dos livros. Tive algumas tentativas frustradas de se-


guir gurus vivos, por total incapacidade de ter disciplina. Assim, as religiões passaram por mim, ou eu por elas, deixando as mensagens com as quais me identifiquei e outras tantas que descartei. Havia uma inquietação permanente de que a verdade ainda não havia sido dita pelas religiões. Meu espírito livre queria voar sozinho. Meu raciocínio era de que se nascemos e morremos sós, então esse caminho espiritual também teria que ser individual. Somos seres muito diversos, que necessitamos de abrigos diferenciados. Assim cheguei ao casal de gurus Sri Amma e Sri Bhagavan, que vieram ao planeta com a nobre e intrincada missão de contribuir para a iluminação coletiva da humanidade. Para tanto canalizaram a Diksha, que com uma rápida imposição das mãos sobre a cabeça das pessoas, reorganiza a qualidade da energia em partes do cérebro, promovendo paz interior, auto-aceitação e, consequentemente, uma grande alegria de viver. Desalojar as dores do passado e dar um sonoro “obrigada e adeus” a todas as máscaras adotadas por mim ou impostas pela sociedade, e poder finalmente ver quem eu era sem lançar mão de quaisquer artifícios ou efeitos especiais... Que caminho nada

Uma das nossas mestras

Relaxamento em um dos campus da Oneness University

fácil de percorrer, mas imensamente facilitado pela Diksha, que conduz todos os processos emocionais na medida em que se pode suportar, com a firmeza amorosa de que se precisa para deixar o que passou e abrir lugar para o novo. Com os espaços internos em constante renovação, o que ficou nítido é a ausência de ilusões, a desidentificação com aspectos que nada tinham a ver comigo, o despojamento daquilo que não sou nem nunca fui, mas acreditava piamente que era. Esses espaços foram preenchidos com muito amor por mim mesma e pelas pessoas, mais foco naquilo que quero fazer, e incrivelmente descobri talentos que não sabia que tinha. Não brigo com as emoções mais densas, quando elas resolvem dar as caras. A cada vez que uma dor se apresenta, ela vem mais e mais suave. Muitas já se foram de vez. Experimento hoje um silêncio que sempre foi completamente parte de mim e que nunca havia feito contato antes. Meus momentos de quietude tem uma qualidade que jamais acessei antes, trazendo uma liberdade que

51

minha velha alma sempre me acenou como sendo a única saída possível para a felicidade. Minha maior motivação hoje é ver a harmonia e a beleza da vida, e exercitar os conhecimentos com as pessoas que anseiam por uma vida de inteireza, de completude. De alguma maneira, sempre acreditei que nossas maiores riquezas estão dentro de nós, e não medi esforços para descobrir essa pessoa incrivelmente excepcional e singular que sou eu mesma. Valeu cada passo desse caminho por vezes escuro, por vezes intensamente iluminado, de alegrias, de tristezas, de profundos mergulhos onde criador e criatura se fundem em um só ser. Unidade. Somos todos um e não mais palavras soltas ao vento. São experiências reais, concretas. Gratidão ao Divino, que conectou todas as pessoas perfeitas para o entendimento mais perfeito que tenho de mim. Namastê! (O mestre que habita em mim saúda o mestre que habita em você). ÉLCIA LUZ amalaluz@gmail.com EM REVISTA


equilíbrio 52

Terapia comunitária Por Dênia Cruz

A palavra é o remédio para quem fala e para quem ouve

Imagine um grupo de pessoas reunido para partilhar angústias, trocar experiências de vida e encontrar soluções para as dificuldades enfrentadas no dia-a-dia. É assim, numa roda de conversa, que acontece a terapia comunitária. A prática vem sendo desenvolvida em comunidades de todo país e os resultados do trabalho demonstram eficácia na promoção da saúde e qualidade de vida dos participantes. Segundo uma pesquisa realizada pela Universidade Federal do Ceará, em 12 estados brasileiros, em 2006 e 2007, foi evidenciado que 88,5% das pessoas que frequentaram as rodas de

Terapia Comunitária tiveram resolutividade dos seus problemas e apenas 11,5 % necessitaram de encaminhamento para os serviços de saúde. Aqui em Natal, há dois anos, a Terapia Comunitária vem sendo desenvolvida pelo pediatra Dr Rui Medeiros em dois espaços distintos: o grupo comunitário na Paróquia de Neópolis e o projeto Mãe Canguru, desenvolvido na maternidade Januário Cicco, com mães de bebês prematuros. “É uma ação cidadã que transcende classes sociais, profissão, raças e credos. Quanto mais heterogêneo for o grupo melhor, pois o repertório de experiências e soluções será maior”, coloca

“Quanto mais heterogêneo for o grupo melhor, pois o repertório de experiências e soluções será maior” Dr. Rui Medeiros, pediatra EM REVISTA


Dr. Rui Medeiros. Acompanhamos uma sessão da Terapia Comunitária com as mulheres do projeto Mãe Canguru. A conversa tem em média 2 horas de duração e é divida em 3 etapas. A primeira delas é o acolhimento, em que o facilitador da terapia passa as regras básicas para a condução do trabalho. Na segunda fase acontece a partilha. As pessoas se abrem, falam sobre suas angústias e problemas. A partir daí acontece a troca de experiências e são levantadas as possíveis soluções. A terceira fase é a hora dos agradecimentos. “Quando falam e ouvem os relatos as mães terminam mais aliviadas. Isso faz bem para elas e para os bebês. Quando estão mais relaxadas, as mulheres produzem mais leite e isso é importante demais para o desenvolvimento dos prematuros”, comemora Dr. Rui.

ORIGEM A Terapia Comunitária nasceu há 25 anos pelas mãos do psiquiatra e antropólogo Adalberto Barreto, quando o médico desenvolvia um Projeto de Extensão da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará. “Tenho um irmão advogado que fazia um trabalho numa comunidade em Fortaleza. Comecei também a atender as pessoas de lá e percebi que os problemas delas eram da existência. Resolvi criar uma terapia comunitária onde elas pudessem partilhar juntas suas dificuldades” explica o psiquiatra. O especialista destaca que usando a Terapia Comunitária as pessoas podem alcançar qualidade de vida, “A Organização Mundial

da Saúde nos diz que o estresse é uma fonte de ansiedade que interfere no enfrentamento dos problemas, aumentando a degradação da saúde. Na Terapia Comunitária a palavra é o remédio para quem fala e para quem ouve”, esclarece o psiquiatra. O trabalho é dirigido por facilitadores, devidamente treinados, sem nenhuma exigência de formação acadêmica anterior. Já foram formados mais de 26 mil terapeutas comunitários nos 25 anos de existência do projeto. A Associação Brasileira de Terapia Comunitária congrega cerca de 40 pólos formadores em todos os estados brasileiros: www.abratecom.org.br.

53


maturidade 54

Por Dênia Cruz

Movimente-se! Na terceira idade a prática de exercícios físicos se torna ainda mais importante para quem quer aproveitar ao máximo essa fase da vida

EM REVISTA

Qualidade de vida é uma máxima buscada por todos, independente da idade. E é claro que na terceira idade essa condição se torna mais necessária. Segundo pesquisas, a prática de exercícios físicos regulamente ajuda a quem já passou dos 50 anos a ter um dia-a-dia mais saudável. Essa prática pode trazer além de benefícios físicos, também sociais e psicológicos, contribuindo para um estilo de vida que permite mais longevidade. Para o geriatra Gustavo Rego atividade física na terceira idade é recomendada, porque é muito importan-

te como parte da promoção de um envelhecimento ativo: “Os exercícios podem melhorar a força, o equilíbrio, reduzindo quedas, aumentando a resistência e melhorando a aptidão cardiorrespiratória para o dia-a-dia do idoso”, afirma o especialista. Contudo Dr. Gustavo esclarece que é fundamental diferenciar atividade física de exercício físico para uma condução correta da prática. “Atividade física por definição é qualquer movimento corporal muscular que resulte em gasto calórico, maior que os níveis basais de gasto calórico


no repouso. O exercício físico é qualquer esforço físico feito com regularidade, com orientação profissional, com objetivos de atingir metas especificas como perda de peso, melhoria da aptidão cardiopulmonar ou ganho de massa muscular”, revela o geriatra. Complementando a colocação do geriatra, a professora de educação física Edna de Oliveira revela que cada atividade tem sua função e age diferente no corpo de cada pessoa. Segundo a educadora física a avaliação médica, que deve ser feita antes do início de qualquer prática, é o que

determina que tipo de atividade física o idoso pode realizar. “Nossa maior preocupação é com a condição física de cada aluno. O objetivo é alcançar qualidade de vida, e isso só é possível se desenvolvermos um trabalho direcionado ao que cada um pode fazer”, coloca a professora. As modalidades escolhidas podem ser as mais variadas. As mais comuns são a caminhada, hidroginástica, pilates, dança e musculação. Mas, as artes maciais como o karate, aikidô, kung fu e até o boxe vêm atraindo alunos da melhor idade.

“O objetivo é alcançar qualidade de vida, e isso só é possível se desenvolvermos um trabalho direcionado ao que cada um pode fazer” Edna de Oliveira, educadora física

55

Um programa para a Melhor Idade O Programa da Melhor idade que funciona no IFRN já soma 11 anos de existência, atendendo pessoas a partir dos 46 anos de idade, oferecendo várias atividades físicas, sociais e recreativas: natação, ginástica, karate e alongamento. O programa foi iniciado pela professora de educação física Edna de Oliveira, que já desenvolvia trabalho semelhante em Belém, na Universidade Federal do Pará. “Quando cheguei em Natal percebi que não existia um trabalho para a terceira idade voltado a prática de exercícios físicos. O programa começou com duas turmas de 30 pessoas, hoje tem cerca de 200 pessoas atendidas em mais de 6 atividades. Falamos hoje em prevenção, não precisa chegar aos 60 para começar a se preocupar em envelhecer com saúde, tem que começar antes”, explica a professora. Quem deseja fazer parte do programa pode se matricular a qualquer época do ano; a matricula é rotativa. O aluno só precisa trazer exame mé-

dico e começae a participar. Não há idade máxima para entrar no programa; é a condição física que determina. Todo mundo pode fazer, mas cada um tem seu limite, tem seu ritmo. “Temos resultados muito positivos. Avaliações dos médicos que os pacientes diminuíram as idas aos consultórios, por causa da rotina de atividades físicas”, revela Edna Oliveira. A professora ressalta ainda que é importante também a participação da família no processo, como incentivo. A aposentada Maria José Pereira Gomes, 80, participa do programa há 9 anos e só tem elogios. Ela pratica hidroginástica e natação. “Eu sentia muitas dores; depois que comecei a fazer esses exercícios melhorei muito. Ainda sinto dores, mas agora bem menos. Gosto muito de tudo aqui, o entrosamento com a professora, com os colegas, as festas, os eventos. Eu diria que eu melhorei 80%. Nunca fiz atividade física, mas agora adoro fazer parte do programa,” revela a aposentada.

“Eu sentia muitas dores; depois que comecei a fazer esses exercícios melhorei muito” Maria José Pereira Gomes, aposentada EM REVISTA


Já para o administrador Adauto Carneiro de Andrade, 53, a entrada no programa foi uma medida emergencial de saúde. “Há 3 anos, sofri um infarto, tive uma trombose venosa e passei um período internado. Eu tinha uma vida toda errada, 14 horas de trabalho, alimentação erra-

da. O programa foi o lugar que me deu um apoio muito grande, e consegui mudar meu estilo de vida. E a maior vantagem você sente a noite quando chega em casa. Estou mais leve e até o stress do dia-a-dia fica mais fácil de administrar”, conta o administrador.

“Estou mais leve e está mais fácil administrar o estresse do dia a dia” Adauto Andrade, 53 anos

56

Passos para uma atividade física segura • Seja ativo: 30 minutos de caminhadas 3 vezes por semana poderá lhe trazer benefícios; • Cuide de sua coluna: ao agachar, flexione os joelhos; ao sentar, apoie a região glútea; mantenha seu pescoço e ombros alinhados e relaxados; • Prefira atividades em locais planos, ventilados e com pisos regulares; • Em locais abertos, use protetor solar, boné e ócu-

EM REVISTA

los escuros; • Atenção com a hidratação antes, durante e depois da atividade; • Planeje seus exercícios em horários confortáveis, nunca em jejum, nem após refeições copiosas; • Procure um médico antes de iniciar exercícios de moderada intensidade (corrida, natação, bicicleta e esportes) ou caso sinta cansaço, dor no peito, tontura, visão escura, câimbras, dores musculares, articulares e na coluna, durante alguma atividade física; • O melhor exercício é aquele que lhe trará satisfação e bem estar.

VANTAGENS • Auxilia no controle da pressão arterial sistêmica; • Redução da incidência de demências em pacientes que praticam atividade física; • Maior sociabilidade (interação social), melhorando o humor e reduzindo o risco de depressão; • Melhoria do colesterol bom (HDL), diminuição do colesterol ruim (LDL) e do triglicerídeos; • Melhoria do controle glicêmico, que pode prevenir o aparecimento de diabetes e ajuda no seu tratamento; • Melhoria na aptidão cardiovascular, massa óssea e redução da quantidade de gordura; • Minimiza alterações cardíacas próprias do envelhecimento; • Diminui o risco de quedas, por aumento da força muscular e do equilíbrio; • Melhoria nas defesas do organismo (imunidade), diminuindo a incidência de infecções e neo-plasias.


guia viver bem

alimentação saudável

Guia Viver Bem A partir de agora a Viver Bem em Revista disponibiliza, no final de cada edição, um guia de empresas, profissionais e serviços que atuam na área de saúde, beleza e bem estar.

57

www.guiaviverbem.com.br

beleza

REVENDEDOR AUTORIZADO

COSMÉTICA PROFISSIONAL

cosméticos científicos

EM REVISTA


TERAPIAs ComPlEmEnTAREs

ÉRICOTADEU

ATENDIMENTOS COM HORA MARCADA

EXPERIMENTE UMA NOVA FORMA DE VER A VIDA

PSICOTERAPIA HOLÍSTICA FLORAIS DE SAINT GERMAIN

NUMEROL0GIA: CONSCIÊNCIA LIVRE

Fones: 3234.0661 / 8751.5821 adabarretonumerologia@gmail.com

Rua Ametista , 36 - Potilandia - Natal-RN / CEP: 59 076-300

THE , TVP PNL

MASTER

TERAPEUTA HOLÍSTICO

COACHING CROMOTERAPIA ALIMENTOTERAPIA REIKI SEICHIM

ericoterapeutaholistico@gmail.com Blog: ericoterapeutaholistico.blogspot.com (84) 9616 .5478 / (84) 8727.3461

AssInATuRA

Viver Bem em Revista, agora você pode receber na sua casa Periodicidade trimestral Tiragem de 10.000 exemplares Distribuição em shoppings, academias, agências de publicidade, clínicas e consultórios.

Assine agora

84 3213.8592 www.guiaviverbem.com.br

EM REVISTA AANO N O 22| EDIÇÃO | E D I 06 Ç Ã|ODEZ0 2010/JAN/FEV 5 | D E Z 2 02011 10/JAN/FEV 2011

ENTREVISTA Fred Alecrim fala sobre inovação e planejamento ALIMENTAÇÃO Com a chegada do calor, conheça os sucos que curam QUALIDADE DE VIDA Nessa estação, mergulhe nos esportes de praia

O verão chegou Faça as pazes com seu corpo



viver_bem_08_WEB