Page 1

Jornal Oficial de Campo | Edição nº 3 | 28 de Julho 2011

editorial

Hyalo! Sbagata! Ola! Bem vinda(o) a Calcutá!

Propriedade Corpo Nacional de Escutas Escutismo Católico Português Junta de Núcleo de Guimarães

O comboio da nossa viagem, da nossa vida, acabou de chegar! Finalmente! Eis-nos em Calcutá ou Kalikata, a cidade da deusa Kali! Na entrada foi necessário mostrar a identificação mas já nos aguardavam... Que bom! Chegar e já nos conhecem! Estamos entre amigos e durante 4 longos dias (mais precisamente 80 horas) vamos viver os nossos imaginários. Da carrinha da magia ao mundo encantado de Nárnia e de Aslan... Da Alice, da rainha de copas e do chapeleiro louco aos guardyões da Palavra! A nossa Agnes chegou ao cenário e ponto de encontro que mudou para sempre a sua vida. “Faz tudo o que Ele te pedir...” sussurra-lhe o vento. Este ponto chama-se Calcutá ou Kalikata ou Calecute ou Kolkota ou a Cidade da Alegria! Tantos nomes quantas diferentes línguas e

diferentes religiões... Estamos num centro de convergência de línguas, culturas, raças, ideias! Estamos num centro de contrastes, da nata financeira e dos muitos que vivem em barracas! Estamos no centro do mundo! Foi aqui, ontem como hoje, que Agnes/Madre Teresa encontrou o desenho para a sua vida. Com um sari debruado a azul, símbolo de Nossa Senhora de Lourdes, um par de sandálias e um balde, ela deixou a sua marca no mundo, sim, deixou o mundo um pouco melhor do que o encontrou! Calcutá, cidade das crianças, cidade da alegria!... A cidade nova, a nossa cidade!...A cidade da tua viagem, da tua vida! Uma vida, uma viagem! A tua! “A lenda de um amor, que liga a terra ao céu...” E foi assim que tudo começou...


Jornal Oficial de Campo || Edição 3 || Página 2

Entrevista Miguel Araújo - Responsável pela Logística do VII ACANUC

O PCEG irá receber o melhor ACANUC de sempre Acha importante existir um centro escutista em Guimarães? Quais as valências do PCEG? O Penha-Centro Escutista de Guimarães pretende ser um espaço polivalente que permitirá, quer acolher pequenos grupos em acantonamento, quer, sobretudo, acolher pequenos e grandes grupos em acampamento, permitindo ainda acolher grupos indiferenciados para acções pontuais. Localizado no cimo da montanha da Penha beneficia dos recursos naturais disponiveís, da sua localização central relativamente à geografia do Núcleo e das boas acessibilidades. A concretização do Centro Escutista constitui ainda, a consumação de um sonho antigo dos escuteiros do nosso núcleo e desta equipa em particular.

nação a logística administrativa e financeira, reconheço, que nestas áreas, sofremos algumas dificuldades, motivadas sobretudo, por indisponibilidade de tempo dos seus responsáveis directos, justificada por razões profissionais e outras. A logística da alimentação também está sob a minha área de coordenação, tendo a minha colaboração, nesta importante área, ficado, talvez, um pouco aquém do exigido; tenho Está tudo preparado para receber no entanto confiança na gestão tantos participantes? O Centro Escutista vai servir para desta área pelo seu responsável O Acanuc foi agendado há sensivelestreitar laços entre os escuteiros directo, o dirigente Luís Cunha. mente 1 ano atrás, para esta data, e do núcleo de Guimarães? Tenho ainda trabalho em parceria para este local. Esta equipa tem feito Penso que se tivermos a sabedoria um esforço tremendo no sentido de com a equipa de desenvolvimento e de motivar, de ouvir, de envolver, dotar o PCEG de condições mínimas, imagem. Naturalmente que, tal como cada escuteiro, no sentido, de toda a restante equipa, temos trasobretudo infra-estruturais, para o apresentar como um projecto balhado incessantemente na regulaacolher o Acanuc. Apesar de todos evolutivo, em que é importante o mentação, projecção e preparação os desafios e obstáculos, pensamos contributo de cada um, incutindo do VII ACANUC. que o PCEG estará preparado para um sentido de pertença e ligação acolher o maior e, porque não, o ao PCEG, no qual todos devemos Que mensagem quer deixar aos esmelhor Acanuc de sempre! participar... este será um veículo de cuteiros que participam no Acampaaproximação entre escuteiros. mento de Núcleo? De que forma é que sendo secreQue cada escuteiro possa vivê-lo tário para a gestão, trabalhou para Como foi preparar o Centro Esem todas as suas vertentes, que seja cutista com o tempo que dispunha? o ACANUC? espaço de partilha, de aprendizagem A minha colaboração no projecto Houve bastante adesão ao repto e de festa do escutismo.Um desejo Acanuc, caminhou a par com o lançado para ajudar a construir o muito particular vai no sentido de projecto PCEG, tendo dificuldade, PCEG? que cada um dos participantes ao em certas áreas, de distinguir onde O processo negocial da cedência ser acolhido no PCEG, possa senti-lo acaba uma e começa outra. As do espaço foi consumado apenas como “o meu campo”. Gostaria em Abril último; apesar da equipa já minhas principais preocupações também de assinalar que este escentraram-se na coordenação da estar a trabalhar à alguns meses a paço, em muito se deve à generosa esta parte.O esforço tem sido maior logística do Acanuc em geral, mas cedência da Fábrica da Igreja de Nª particularmente na logística infrapelo facto de termos assumido que Sª da Oliveira e consequentemente estrutural; tendo, neste campo, poos trabalhos a realizar seriam deda Arquidiocese, mas todo este profinitivos assim, temos estado a lutar dido contar com a equipa do PCEG jecto só foi possível pela abertura, e particularmente com a presença contra o tempo, uma vez que apenas visão e confiança, desde a primeira permanente dos dirigentes Alexan“fomos para o terreno” em Abril. hora demonstradas, pelo Mons. dre Novais e Horácio Moreira, este O desafio foi lançado através das José Maria Carvalho; demos pois último, o principal responsável pela várias intervenções nos últimos congraças por tanta generosidade! selhos e reuniões, quer, sobretudo, o execução em campo. Bom ACANUC! Estando na minha área de coordedesafio lançado através das jornadas de trabalho intituladas “Constrói! Vem dar a tua mão!”, criou oportunidades “pedagógicas” no sentido de co-responsabilização na construção do Centro Escutista e, por outro, também beneficiou de “muitas mãos” voluntariamente cedidas pelos nossos escuteiros e pelos nossos amigos da FNA em muitas tarefas.


Jornal Oficial de Campo || Edição 3 || Página 3

Alcateia A Coragem de entrar Olá Lobitos!!! A Equipe Lobo Mágico dá-vos as boas vindas… Esperamos que estejam prontos para a grande viagem … Tentaremos conduzir, através da Carinha Mágica, parte das actividades no sentido de conquistar o sorriso de todos, tentando aos poucos, transformar o mundo em que estamos. Queremos contribuir com o mesmo “Uivo” “a construção de um mundo melhor e mais feliz. Esperamos que este novo desafio vos permita o encontro de muitas aventuras entre todos nós e também com os amigos de Maugli! Maugli e todos os seus amigos já se encontram na selva, para que juntos possamos ouvir as histórias fantásticas que o Aquêlá tem para nos contar. As aldeias, junto à selva de Seoni, estão desertas, mas com a vossa presença iremos enchelas de vida e luz. Com a vossa alegria, boa dis-

Coragem

posição e “Da Melhor Vontade” todas as caçadas serão uma grande animação! Vivemos numa época que aceita como um dado adquirido que os valores estão em crise, mas …. COM A NOSSA CARRINHA, COM A AJUDA DE MAUGLI E SEUS AMIGOS … VAMOS resgatar os valores que ora se perdem na nossa sociedade, como o respeito, a solidariedade, a gratidão, a honestidade, a Coragem, a União, a Alegria, o Conhecimento, o Amor… A grande aposta do Escutismo, nos dias de hoje é o preservar os valores de ontem presentes na vida de hoje, adaptando-os a uma nova realidade de vida. É urgente melhorar o nível dos nossos futuros cidadãos…. LOBITOS, especialmente no que diz respeito ao carácter e à saúde; substituir o egoísmo pelo serviço, tornar os jovens individualmente capazes, moral e fisicamente, com o fim de

aproveitar essa capacidade para servir os seus semelhantes. É necessário dar a reconhecer aos nossos lobitos o prazer em procurar a paz, a segurança e o diálogo tão esquecido nos dias de hoje e a partir daí, levá-los a perceber os valores básicos para um relacionamento equilibrado. Esperamos que os momentos criados no ACANUC sejam propícios e inspiradores para desenvolver estes valores… De certeza que estão ansiosos por descobrirem novas experiências e de aprenderem muito mais. Nós estamos muito contentes por vos receber e muito ansiosos por vos conhecer melhor! Confiamos no vosso empenho e dedicação protegendo o espaço que é de todos e para todos. Assim, juntos, podemos construir um mundo melhor.

…Maugli quer entrar na carrinha… quer descobrir novos mundos… mas o medo invade o coração deste pequeno rapaz… mas… Balu e Baguirá… vão ajudar a enfrentar esse medo… a coragem agora sobrepõe-se ao MEDO.


Jornal Oficial de Campo || Edição 3 || Página 4

Expedição À Descoberta de Nárnia - Ora, aqui estamos todos – anunciou o Sr. Castor. - Os Filhos de Adão e as Filhas de Eva. Sabem porque estão cá? Têm de se encontrar com Aslam. - Quem é Aslam? – perguntou Susan. - Aslam? – repetiu o Sr. Castor. – É o Rei. É o Senhor de todo o Bosque. Neste momento está em Nárnia. - E a Feiticeira não o irá transformar em pedra? – perguntou Edmund. - Que grande disparate, Filho de Adão – respondeu o Sr. Castor. – Vão entender quando o virem. Ele vai fazer justiça. Existe um poema antigo que diz: O bem irá reinar quando Aslam chegar. Quando ele rugir, a tristeza vai partir. Quando ele rosnar, o Inverno vai acabar. E, se a juba agitar, a Primavera vai chegar. - Ele é… é um homem? – perguntou Lucy.

- Aslam um homem! – exclamou o Sr. Castor muito sério. – Claro que não. É o Rei dos bosques e o filho do grande Imperador de Além-Mar. Aslam é um leão, o Leão, o grande Leão. - Estou desejoso de o ver – disse Peter. Isso é que é falar, Filho de Adão – encorajou o Sr. Castor – É isso que te vai acontecer. Ouvi dizer que vocês têm de se encontrar com ele, amanhã, na Mesa de Pedra. Só vocês e Aslam juntos podem fazer alguma coisa, pois: Quando a carne e o sangue de Adão. Ocuparem o trono em Cair Paravel, Os tempos de desdita acabarão. - Não há mais humanos em Nárnia? – perguntou Susan. - Não, claro que não – retorquiu o Sr. Castor – Sigam o meu conselho: descubram Nárnia e as suas maravilhas, construam um campo bastante seguro

CORAGEM

Este sítio onde estamos é o reino de Nárnia. Tudo o que fica entre o candeeiro e o grande castelo de Cair Paravel, à beira do mar oriental. Tens coragem para descobrir o País de Aslam?

para descansarem e vão tomar chá com o Sr. Tumnus. Mas lembrem-se, mantenham os olhos bem abertos, pois a Feiticeira está sempre alerta, à procura de humanos em Nárnia. Há muito tempo que vos espera e, se soubesse que eram quatro, ainda se tornava mais perigosa. - Mas porquê? – perguntou Peter. - Por causa de outra profecia – respondeu o Sr. Castor – Em Cair Paravel há quatro tronos; e há um ditado muito antigo em Nárnia segundo o qual, quando dois Filhos de Adão e duas Filhas de Eva ocuparem esses tronos, será o fim do reinado da Feiticeira Branca. Agora vão, mãos à obra!

Por Nárnia e por Aslam!


Jornal Oficial de Campo || Edição 3 || Página 5

Comunidade Um País a Descobrir Ela começou a seguir o coelho branco até chegar à casa dele. Tantas coisas estranhas tinham acontecido ultimamente que Alice começara a pensar que muito poucas coisas eram na verdade realmente impossíveis. Quem é você?”, perguntou a Lagarta. Não era uma maneira encorajadora de iniciar uma conversa. Alice retrucou, bastante timidamente: “Eu — eu não sei muito bem, Senhora, no presente momento — pelo menos eu sei quem eu era quando levantei esta manhã, mas acho que tenho mudado muitas vezes desde então. “O que você quer dizer com isso?”, perguntou a Lagarta severamente. “Explique-se!” “Eu não posso explicar-me, eu receio, Senhora”, respondeu Alice, “porque eu não sou eu mesma, vê?”

CONSTRUIR PARA SER

Quem és tu?

Olá pioneiro/a, Chegaste ao ponto alto desta viagem. Esperamos que tenhas trazido tudo o que foi pedido. Ao entrares no País das Maravilhas, lembra-te que deves estar sempre consciente que ao encarares os desafios, as adversidades que se atravessarem no teu caminho, servirão para te fortalecer e ajudar-te-ão na construção do teu ser. Neste país seremos uma Comunidade unida que deverá ter a Coragem necessária para levar a cabo uma Missão. Missão essa onde terás de alcançar alguns objectivos nomeadamente o resgate do Chapeleiro maluco. Terás de ter também sempre presente a Alegria que um “dia fabuloso” merece, e o Amor de contribuir para o próximo, pois “A Comunidade somos nós”. No final desta viagem serás

recompensado/a pelo teu esforço, pois certamente na tua Comunidade “...terás perguntas a que terás de responder...e coisas que terás de fazer”.

Boa viagem Alice!

Cada pioneiro é chamado a estar, a entregar-se ao desconhecido nesta viagem e construir o seu País das Maravilhas!


Jornal Oficial de Campo || Edição 3 || Página 6

Clã

Guardyões da Palavra a caminho do Oeste Irmão Caminheiro! Vejo com entusiasmo que chegas-te ao ponto mais alto da viagem; e aqui estás tu pronto para tudo, essencialmente para receber. Espero que encontres com entusiasmo o que procuras, nós faremos tudo para que te sintas bem, espero contribuir para a tua felicidade. O jogo está montado! Terá altos e baixos, como tudo na vida! Os baixos que não te quebrem antes pelo contrário que te elevem, nos momentos altos não te excedas, sê prudente. Somos uma Comunidade, dividida em três CLANS: ELI, SOLARA e o CLAUDIA. Com a força que te é reconhecida ajudarás na reconstrução do nosso Campo criando condições dignas para a nossa estadia.

O Caminho Contudo não podemos esquecer os actos da Beata Teresa de Calcutá a mulher magnífica, que mudou a vida de muitos moribundos com as suas Mãos o seu Sorriso e o seu Rosto Solidário; levando-lhes consolo aos seus corações. Nas acções que vais prestar aos mais necessitados:

A CORAGEM DE SER

Marca cada um de nós nesse sentido, o de o SER! O conhecer-se a si próprio; ter força para reconstruir, criar todas as condições de acolhimento para vivermos em segurança no Albergue.

As Mãos Solidárias, o serviço com as tuas mãos, levando carinho, aos que vivem à margem da sociedade. O Rosto Solidário, não virar o nosso rosto aos seres que porventura se sintam diminuídos. O Sorriso Solidário, a expressão que muitos não vêm por motivos de pressões, seres o primeiro a esboçar o sorriso é um acto de coragem e amizade.

com as comunidades de: Stª Estefânia, S. João; Stº António e S. Tomé, No escutismo é através do jogo que aprendemos. O Código de Honra do GuardYão: cumprir a Lei com tenacidade, ser responsável pelos seus atos, julgar-se para depois julgar, proteger os mais fracos, pronto a servir. Leva a Felicidade aos outros, no final verás que a tua redobra. BOM ACAMPAMENTO O Chefe do Campo GUARDYÕES DA PALAVRA Porfírio Mendes

Vais viver em partilha


Jornal Oficial de Campo || Edição 3 || Página 7

Luís Cunha Quais são as suas funções? Sou o responsável pela alimentação do ACANUC. O que te motiva neste grande projecto? A vontade de servir, o gosto em ajudar. Também o facto de ser Chefe de Círculo levou-me a considerar que não podia ficar de fora, tinha de ajudar e dar o exemplo. Tem noção de quantas horas já dedicou a este projecto? É difícil efectuar esse cálculo. São muitas horas, em chamadas, em trabalho que retiramos à nossa vida pessoal e profissional. Muitas vezes com custos que suportamos por conta própria, mas no final tudo compensa. Até agora foram cumpridos os seus objectivos? Sim. É a primeira vez que sou responsável numa actividade deste género. Apesar de sentirmos algumas dificuldades, estamos convictos de que está tudo encaminhado e achamos que não vai haver problemas. Alguns números… 20000 Pães 12 a 13 mil peças de fruta 1500 Garrafões de água

Alexandre Novais Quais são as suas funções? Faço parte da equipa do PCEG e no que diz respeito ao ACANUC sou responsável pelo STASH (Segurança, Transporte, Alimentação, Saúde e Higiene). Quais as motivações para contribuir num projecto desta envergadura? A vontade de servir e ajudar. A essência do nosso movimento está sempre presente e o grande acampamento de núcleo não é excepção. Tem ideia de quantas horas dedicou ao ACANUC? Não dá para contar… desde Abril até ao momento, tenho trabalho todos os dias no Campo, especialmente, na construção de infra-estruturas. São muitas horas dedicadas a este projecto. Os objectivos estão a ser atingidos? Os objectivos estão a ser alcançados e a superar as expectativas. Alguns números … 72 chuveiros ao ar livre 18 casas de banho portáteis 75 olhos de bois (para indicar o caminho à noite) 30 projectores de diferente voltagem

Hilário Matos Quais são as suas funções? Sou o Secretário Administrativo do Núcleo e responsável pelas inscrições para o ACANUC. Quais são as causas motivacionais que o levaram a trabalhar no ACANUC? O Escutismo só por si é uma causa. Ser escuteiro é o motivo mais forte para estar neste projecto. Quanto tempo é que depreendeu para o projecto? Não tenho ideia, não andamos propriamente com um cronómetro a controlar o tempo que empregamos, mas foram muitas horas que dediquei ao ACANUC. Até ao momento, tem cumprido os objectivos propostos? Neste momento, as inscrições já deveriam estar totalmente organizadas. Mas, existem algumas alterações que ainda temos de efectuar. No geral, podemos dizer que está tudo pronto e que os objectivos foram alcançados e dentro daquilo que estava estipulado. O que espera do ACANUC? Só posso esperar que seja o melhor ACANUC de sempre.


Jornal Oficial de Campo || Edição 3 || Página 8

Espaço Maidan Era uma vez uma cidade. Era uma vez Calcuta, a cidade onde Agnes se tornou Madre Teresa! Calcuta, cidade gigante, no delta do rio Ganges, o rio sagrado dos indianos... Quem vai a Calcuta tem que passar no Maidan, os pulmoes da cidade, onde as ideias e o ar se renovam. Ai, na confluencia de todos os teus caminhos, encontras o pulsar da cidade. O Maidan, na nova Calcuta, e’ o mercado, centro nevrálgico onde tudo se sabe e onde muito acontece. Quer seja para abastecer a despensa, quer seja para aprender mais sobre a cultura da Índia, quer seja para umas oportunidades educativas ou quer seja apenas para passar um bom bocado, o espaço Maidan espera pela tua visita de quinta a sábado entre as 18h e as 21h.

Alguns dos espaços que estarão a teu ao dispor Religiões Indianas O Om ou Aum é, além do símbolo do Hinduísmo, o principal mantra do Hinduísmo. No Siquismo o principal símbolo é o Khanda. Esse símbolo está presente na bandeira dos sikhs, a Nishan Sahib, hasteada em todos os templos sikhs, os gurdwaras. O símbolo é a fusão de quatro armas, cada uma com seu significado. O Budaismo têm como símboloa Roda Dharmica ou Dharmacakra. O Jainismo é uma religião que recebeu muita influência do Budismo, que por sua vez recebeu muita influência do Hinduísmo. Descobre mais sobre estas religiões. Gastronomia Indiana A gastronomia hindu está tão marcada pela exibição aromática como pelo peso das correntes religiosas que convivem naquele território: hindus, budistas, cristãos, muçulmanos,judeus e jaini-

stas criam uma dinâmica em que se estabelece uma estreita relação entre espiritualidade e comida. Na Índia, cultiva-se todo tipo de malaguetas, de tamanhos, cores e sabores diferentes, que vão desde a malagueta dhane , de sabor ácido, própria de Mizoram e de algumas zonas de Manipur, até a muito picante Sangli sanam, da zona de Maharashta, passando por variedades da Caxemira, como a Madras pari.

chá na Índia é o “chai“: primeiro prepara-se o chá própriamente dito, a seguir adiciona-se leite frio adoçado com açúcar, derramando-o à distância para que forme muita espuma. Serigrafia Serigrafia é um processo de impressão no qual a tinta é espalhada, pela pressão de um rodo, através de uma tela preparada, normalmente de seda ou nailon. O processo pode ser utilizado para impressão em variados tipos de materiais (papel, plástico, borracha, madeira, vidro, tecido, etc.), superfícies (cilíndrica, esférica, irregular, clara, escura, opaca, brilhante, etc.), espessuras ou tamanhos, com diversos tipos de tintas ou cores.

Chás Indianos O chá mais bebido pelo maior produtor mundial de chá preto é… o chá preto (Assam). O chá preto é a única variedade de erva de chá que pode ser fervida, a fervura não amarga o chá nem altera seu sabor: a bebida tornase mais concentrada, adquirindo Encontrarás mais informações uma coloração vermelho escura. sobre o espaço maidan no caA maneira mais popular de beber pitulo 4 do teu guião de campo.

DIRECÇÃO J. N. Guimarães COORDENAÇÃO Secretaria de Desenvolvimento EDIÇÃO Vítor Oliveira REDACÇÃO João M. Fernandes Rui Gomes FOTOGRAFIA Adriana Faria C.N.E. - Junta de Núcleo de Guimarães MORADA Rua da Marcha Gualteriana, 666 C/V - 4810-264 Guimarães TLF/FAX 253511046 WEB www.guimaraes.braga.cne-escutismo.pt E-MAIL geral@guimaraes.braga.cne-escutismo.pt O VII ACANUC pode ser acompanhado através da página oficial da actividade: www.acanuc2011.guimaraes.braga.cne-escutismo.pt

Orissa Sambad - Edição 3  

Orissa Sambad - Edição 3 do jornal de campo