Page 1

PORTFOLIO DE ARQUITETURA

[2019]

VITOR MARTINS compilação de projetos acadêmicos e de concursos realizados no período de 2016-2018 FAU-USP [2014] I. parque das estufas II. praça do som III. pavilhão do Brasil IV. casa de cultura V. infopoint copacabana VI. oficina -canteiro-escola VII. kaira looro VIII. comunicação/ publicações


Vitor Martins Cunha São Paulo, Brasil - 23 anos vitor.martinscunha@gmail.com http://issuu.com/ issuu.com/vitormartins92

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

FORMAÇÃO _Graduação

[início em 2014]

Arquitetura e Urbanismo FAU USP 10º semestre _Ensino básico [2012] Escola Nossa Senhora das Graças EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL _23 SUL arquitetura estágio

[2018 - 2019]

_Estúdio BG estágio

[2017 - 2018]

_Monitoria FAU USP [2018] Arquitetura e Cinema Profs. Marta Bogéa e Marcos Acayaba Departamento de Projeto (AUP) _LERO [2016 - 2018] grupo de extensão da FAU USP direção de arte e organização CURSOS _Revit aulas com professora particular _Estúdio Registro curso avançado de Illustrator e técnicas de vetorização _CURA curso de representação gráfica com foco em Sketchup, VRay, Photoshop e Indesign


SOFTWARES _Desenho e modelagem • Revit • Autocad • Sketchup _Renderização • VRay _Adobe • Illustrator • Indesign • Photoshop _Pacote office • Completo IDIOMAS _Inglês - fluente _Espanhol - básico

CONCURSOS _11º CBCA [2018] centro brasileiro da construção em aço _Kaira Looro Sacred Architecture [2017] kaira looro competition _Marzabotto Green Academy [2016] young architects competition _Infopoint Copacabana [2016] projetar.org _Pavilhão do Brasil em Veneza [2016] projetar.org PREMIAÇÕES _11º CBCA 2º lugar _Pavilhão do Brasil na Bienal de Veneza 3º lugar


ARQUITETURA 01 - 23

DESIGN GRÁFICO 29 - 33


PARQUE DAS ESTUFAS

PRAÇA DO SOM

PAVILHÃO DO BRASIL

CASA DE CULTURA

INFOPOINT COPACABANA

OFICINA-CANTEIRO-ESCOLA

KAIRA LOORO

COMUNICAÇÃO / PUBLICAÇÕES

concurso nacional - 2018 PRÊMIO DE 2ºLUGAR

pg. 01

projeto FAUUSP - 2018 pg. 09

concurso nacional - 2016 PRÊMIO DE 3ºLUGAR

pg. 15

projeto FAUUSP - 2016 pg. 19

concurso nacional - 2016 pg. 25

projeto FAUUSP - 2017 pg. 27

concurso internacional - 2017 pg. 29

2017 pg. 35


ARQUITETURA


PARQUE DAS ESTUFAS

PRÊMIO DE 2ºLUGAR

Entregue em agosto de 2018 Concurso nacional organizado pelo CBCA - Centro Brasileiro da Construção em Aço Grupo: Americo Fajardo, Lucca Maia, Matheus Soares | Orientador: Fábio Mariz (FAUUSP) concurso “O tema de um Pavilhão com Estufa para Parque Botânico aparece como resposta à necessidade de propor equipamento que, com ações bem planejadas, permita conservar a biodiversidade, investigar e dar apoio à educação, humanizar, ser lugar para a recreação do espírito e o ócio, assegurando o acesso da população a este bem público.” (do edital) projeto Localizado no pé do Morro do Japuí, entre o bairro homônimo e o Parque-Estadual-Xixová-Japuí, na Região Metropolitana da Baixada Santista, é que se propõe a implantação do complexo que configura este Parque Botânico. A decisão se justifica, por um lado, pelo propósito de encerrar a frente de urbanização do bairro em direção aos limites do Parque ao mesmo tempo em que qualifica a sua entrada e contribui para a rede de equipamentos públicos da região, atualmente carente neste aspecto, e, por outro pela intenção de trazer maior visibilidade a este importante fragmento de mata nativa. Levando em consideração os potenciais pedagógicos da própria Mata Atlântica com as questões de matriz social e urbana da região, associados com o programa de natureza científica e de lazer designados pelo termo de referência, o primeiro gesto do projeto se estabelece como uma extensão das estufas, exóticas, em direção à Mata Atlântica, nativa. De tal sorte, a técnologia das estufas, capaz de reproduzir condições climáticas ideais é reservada somente aos biomas exóticos à região da Baixada, enquanto o bioma nativo é lido e interpretado em toda a sua extensão pelo próprio Parque Estadual: a estufa de bioma nativo toma como estrutura a mata em suas condições originárias e, portanto, ideais. Neste raciocínio a noção de conhecimento pelo percurso se estabelece como diretriz.

implantação 1

0

250

500

1000


vistas da passarela 2


A C

B

planta do tĂŠrreo 3

0

5

10


C

A

B

4


em ordem: corte AA, corte BB e corte CC 5

0

5

10


6


vista externa do conjunto 7


MESA DE FLEXÃO DA PRESILHA SOLDADA NA VIGA

PRESILHA METÁLICA PARA FIXAÇÃO DO VIDRO ENTRE PASTILHAS DE NEOPRENE

.04

VIDRO LAMINADO 10 mm

.15

FURO PARA ESCOAMENTO DA ÁGUA PLUVIAL NA CALHA PRINCIPAL NA VIGA LONGITUDINAL

.36

.55

VIGA TRANSVERSAL METÁLICA EM PERFIL DOBRADO V COM MESA ENRIJECEDORA

.27

.27 .53

detalhamento da viga e da fixação dos caixilhos

2.72 GUARDA CORPO H = 92cm REVESTIDO POR CHAPA METÁLICA COM PINTURA ELETROSTÁTICA BRANCA

1.36 .31 .10

1.36 2.52

.10 .31

TRELIÇA METÁLICA FIXADA POR ANEL SOLDADO NO PERFIL TUBULAR

.82

.10 .20 .92

MÃO FRANCESA FIXADA NA TRELIÇA PARA ENRIJECIMENTO DO GUARDA CORPO

1.20

PERFIL TUBULAR DE AÇO

.30

PEÇA METÁLICA SOLDADA NO PERFIL TUBULAR PARA FIXAÇÃO DOS TIRANTES

.92

PISO EM CHAPA METÁLICA EXPANDIDA

RÓTULA DA TRELIÇA

PERFIL METÁLICO TUBULAR D = 22cm

em ordem: detalhamento da viga e ampliação da passarela 8


PRAÇA DO SOM Entregue em Novembro de 2018 Projeto desenvolvido para a disciplina de Arquitetura e Cinema da FAUUSP Trabalho individual O Céu de Lisboa - Wim Wenders, 1994 cena 1: 22’00” Quando questionado pelas crianças sobre a natureza de sua profissão, o sonoplasta alemão Philip Winter se coloca atrás da parede para produzir sons com seus insrumentos de trabalho. Do outro lado, inquietas, as crianças se divertem ao traduzir os sons em narrativa. cena 2: 42’30” Winter caminha sobre um promontório dirigindo seu olhar ao Tejo. Às suas costas, a banda Madredeus toca um fado: “Gosta?” “Do que? Do rio ou da vossa canção?” “Dos dois. Fazem parte um do outro”. O bairro da Alfama foi talvez o primeiro bairro de Lisboa. Dizem que nele nasceu o Fado. projeto Reconhecendo a beleza da praça existente, disposta em dois níveis, o programa se instala na espessura do chão. No platô superior, o piso, cobertura das salas de ensaio, se rompe e emerge como uma grande caixa acústica contínua, contaminando a praça com os sons dos músicos em ensaio.

corte longitudinal 9

0

2

4


localização do projeto em Lisboa

10


vista externa, da praรงa inferior 11


.70

4.40

.40 .15

1.00

PORTAS DE CONTROLE DA ABERTURA SONORA

2.40

.15 .28

.90

TECIDO ORTOFÔNICO

.34

.28

SISTEMA DE REVERBERAÇÃO ACÚSTICA COM MOLAS

2.00 1.30

PORTA COM ISOLAMENTO ACÚSTICO

2.10

2.50

MECANISMO DE CONTROLE DA ABERTURA SONORA

+3,50

corte ampliado das salas de ensaio 12


planta da praรงa superior e inferior 13

0

5

10


planta da praรงa superior e vista externa, da praรงa superior 14


PAVILHÃO DO BRASIL

PRÊMIO DE 3ºLUGAR

Entregue em Março de 2016 - prêmio de 3º lugar Concurso nacional organizado pela Projetar.org Grupo: Alessandra Musto, Lucas Cunha concurso Localizado nos jardins da Bienal, em Veneza, o pavilhão brasileiro foi projeto por Henrique Mindlin e Giancarlo Palanti em 1963. Foi proposto pelo concurso a reconstrução deste edifício, de forma que ainda carregasse marcas da arquitetura brasileira, ainda que diferentes daquelas propostas pelo projeto original. projeto Reconhecendo a geometria simétrica dos elementos construídos no entorno, procuramos mante-lo no projeto do novo edifício. Além de uma questão formal, a implantação simétrica carrega a intenção de potencializar o eixo existente entre a ponte que atravessa o Rio del Giardini e o Padiglione Venezia. O primeiro gesto do projeto foi a construção do vazio central que atravessa o pavilhão e desenha o eixo citado. As paredes estruturais nas faces norte e sul garantem a desobstrução do térreo para criar um espaço único e contínuo de exposição, assegurando a flexibilidade deste lugar que, por essência, é palco das mais diversas formas de apropriação artística.

vista externa 15


implantação

16


17


em ordem: corte longitudinal, vista interna e corte transversal 0 2,5

10 18


CASA DE CULTURA Entregue em novembro de 2016 Projeto de equipamento de cultura desenvolvido para a disciplina de projeto da FAUUSP Trabalho individual projeto Localizado na esquina da rua Nestor Pestana em frente à praça Roosevelt, este equipamento público se consolida como mediador entre a cidade e a cultura. Pensando nessa natureza ancorada em toda simultaneidade das manifestações urbanas, propõe-se um edifício no qual os vazios internos são pensados de forma a criar conexões entre as atividades que abriga, ainda que respeitando as singularidades de cada elemento do programa. Espaços da cidade são transpostos para o edifício: passarelas-ruas conduzem à blocos-prédios ou à patamares-praças. No subsolo, a área expositiva toma os limites do viaduto da Radial Leste como pano de fundo de seu espaço: Motoristas veem a exposição que vê os motoristas.

corte longitudinal 19

0

5

10


20


admnistração

oficinas

oficinas coletivas + midiateca

21


plantas tipo 0

5

10

22


imagem externa, da Rua Nestor Pestana 23


vista interna, do piso do mezanino 24


INFOPOINT COPACABANA Entregue em Junho de 2016 Concurso nacional organizado pela Projetar.org Grupo: Bruno Stephan, Giuliana Ermini, Isabel de Vivo, Marina Eisenhauer concurso Como parte integrante da infraestrutura do Rio de Janeiro para receber os jogos olímpicos de 2016, o projeto de um centro de infomações, localizado no terreno em frente ao MIS, na praia de Copacabana, aponta para um projeto de rápida montagem e desmontagem, com baixo impacto ambiental e que responda tanto como espaço de permanência como de transição. proposta Para atender ao caráter temporário e de reduzido impacto do projeto, o sistema construtivo se tornou um aspecto central no partido. Adotou-se um sistema de estruturas modulares de madeira conformando vãos de 15 metros e varandas de 2,5 metros para ambos os lados. Vigas vagonadas com montantes de aço exercem uma contraflecha no grande balanço, permitindo o uso primário da madeira na flexão. Sua montagem aconteceria no solo e, posteriormente, seriam erguidas por gruas e posicionadas em sapatas de concreto que utilizariam pneus como forma. As paredes que dividem os espaços seriam construídas com painéis de woodframe revestidos de placas cimentícias.

vista interna 25


em ordem: corte transversal, planta e corte longitudinal 0 5 10 26


OFICINA-CANTEIRO-ESCOLA Entregue em junho de 2017 Projeto de oficina itinerante desenvolvido para a disciplina de arquitetura e indústria da FAUUSP Grupo: Gabriela Gennari, Hugo Guedes, Luis Azevedo projeto O projeto constitui-se de um galpão itinerante para formação de marceneiros, serralheiros e pedreiros em comunidades carentes. Partindo do entendimento dos potenciais didáticos e de formação de importantes construções coletivas que carrega uma obra, a montagem do galpão pelos alunos se estabelece como a primeira das aulas a dar sequência ao plano de ensino vinculado ao programa desta oficina-canteiro-escola. Buscando dar consonância entre o plano pedagógico da obra e a utilizacão de materiais simples, os elementos construtivos são concebidos a partir de componentes comuns às obras de menor escala, cuja capacitação dos alunos é tema central do programa de ensino proposto.

corte transversal 0 1 27

3


SEÇÃO 1

1

2

SEÇÃO 2

3

SEÇÃO 3

SEÇÃO 4

4

em ordem: seções típicas da viga, elevacão da viga e diagrama de montagem 28


KAIRA LOORO Entregue em abril de 2017 Concurso internacional organizado pela associação Balouo Salo em parceria com o escritório Kengo Kuma and Associates Grupo: Beatriz Sombra, Matheus Soares, Nathalia Lima e Pedro Fernandes concurso Banhado pelo Rio Casamansa, a região admnistrativa de Sedhiou, sul do Senegal, tinha grande parte de sua sustentação econômica ancorada na produção de arroz das inúmeras vilas que compõe a região. No entanto, o efeito das guerras (de 1980 a 2005) somado à seca que atinge o deserto de Sahel desde a década de 1960 e ao processo de salinização que sofre todo o vale do Casamansa em decorrência da intrusão da água do mar, devastou em grande parte a rizicultura dos povoados. De frente a este cenário, o concurso propunha a construção, na vila de Tanaf, de uma arquitetura sagrada e simbólica, capaz de unir a plural matriz étnica e religiosa do povoado e se afirmar enquanto centralidade cultural. proposta A construção de um centro ecumênico, envolvia a mobilização de valores estéticos da arquitetura sagrada que se reportassem à pluralidade das arquiteturas religiosas sem eleger uma como principal. Ao mesmo tempo, a construção deveria se adequar a realidade da reigão, o que vale dizer que os métodos construtivos deveriam estar alinhados às competências da mão de obra local e às matérias primas locais. Procurando estabelecer uma diretriz de “pegada zero”, ao mesmo tempo em que se recorre aos valores simbólicos da terra, o centro é edificado sobre a própria escavação do seu sítio, equilibrando o volume de corte com a produção dos blocos de laterite responsáveis pela vedação do volume. A planta circular desenha um espaço de múltiplas apropriações possíveis e cancela qualquer tipo de alinhamento principal entre orador e platéia que poderiam ser pressupostos pela forma. Na cota térrea, se organizam as áreas de apoio do centro e, na cota rebaixada, a área sagrada. Esta dinâmica dual é reforçada pela adoção de paredes de maciças de laterite nas áreas “não-sagradas” e de gabiões metálicos preenchidos com laterite fragmentado nas áreas sagradas. Nestas últimas paredes, os blocos são quebrados de forma a criar frestas que dissolveriam o maciço do conjunto, de terra, em um espaço de luzes.

vista externa 29


Tanaf

Rio Casamansa

vilas e aglomeraçþes

vista interna 30


vista externa 31


0 1

5

em ordem: planta e corte transversal 0 1 5 32


DESIGN GRÁFICO


PUBLICAÇÕES ESTÚDIO BG Segundo semestre de 2017 Compilação de materiais gráficos desenvolvidos para publicações referentes à obras do escritório de arquitetura Estúdio BG. Trabalhos desenvolvidos em paralelo ao desenho executivo dos mesmos projetos.

35


36


37


38


COMUNICAÇÃO VISUAL ESTÚDIO BG Segundo semestre de 2017 Parte do projeto de comunicação visual desenvolvido para o novo escritório do Estúdio BG, no Itaim. Compilação de adesivos para identificação de áreas comuns do prédio e áreas de trabalho. Fotos: Pedro Vannucchi.

ALARME DE INCÊNDIO

Abrir Explorar Esvaziar depois de cheio Criar atalho Deletar Renomear Propriedades

39


40


Profile for Vitor Martins

PORTFOLIO ARQUITETURA 2019  

PORTFOLIO ARQUITETURA 2019  

Advertisement