Page 1

Canaรฃ - Graรงa Aranha Alunos: Bruna Pรกdua, Laura Perini, Luisa Orlandi, Nicolas Matos e Paola Queiroz Ano: 3ยบ JCMN


Estrutura: A

obra “Canaã” é conhecida como o primeiro romance ideológico brasileiro em que se discute o destino histórico do Brasil.


Biografia do autor: 

José Pereira da Graça Aranha nasceu em São Luís, no estado do Maranhão, no dia 21 de junho de 1868. Nascido em família abastada, mais tarde cursaria a faculdade de Direito em Recife, onde seria influenciado pelas ideias de Tobias Barreto. Graça Aranha exerceu o cargo de diplomata em Londres, com Joaquim Nabuco, e foi ministro da Noruega, Holanda e França. Sem publicar obra nenhuma, em 1897 participa da fundação da Academia Brasileira de Letras. Exerceu o cargo de juiz no Rio de Janeiro e em seguida na cidade de Porto do Cachoeiro, hoje chamada de Santa Leopoldina, no Espírito Santo. Sua passagem pelo Espírito Santo lhe rendeu o romance “Canaã”, publicado no ano de 1902. Esta foi a obra que lhe conferiu a importância que tem hoje para a Literatura Brasileira.


Enredo: 

Milkau é um alemão que cansado da falta de amor, falta de humanidade e caridade entre os homens de sua terra. Começa idealizar uma terra perfeita, onde pudesse viver entre pessoas realmente humanas sem hipocrisias, sem individualidades. Se apaixona por uma mulher, mas ela morre. Morre também seus pais, então ele se vê fora daquele mundo e incapaz de viver naquela sociedade individualista e corrompida a sua volta; pensa que a saída fosse o suicídio, mas percebe que isso seria também um ato individualista e, mesmo egoísta. Em busca da Canaã de seus sonhos abandona sua pátria, abandona seu emprego como crítico literário e vem para o brasil. Quando Chega ao Rio Doce pensa ter encontrado sua terra prometida. Ali tinha tudo que buscava, a natureza ainda não contaminada, as pessoas não corrompidas vivendo em harmonia com a natureza e com crenças puras e livres da ganância e da cobiça. Se instala em um pedaço das novas terras do Rio Doce; junto com outro emigrante alemão que conhece e do qual se torna amigo. Embora Lentz tivesse ideais contrários às de Milkau os dois convivem bem, e mesmo, há uma harmonia entre esses dois seres tão contrários.


No sexto capítulo entra em cena uma outra personagem: Maria uma mulher que Milkau conhecera numa festa no Porto do Cachoeiro. Maria era criada de uma família e com o filho dos patrões tem um pequeno romance. Os pais, tendo planos de casar o filho com a filha de uma rica família da região, manda-o para outra colônia e o afasta de Maria, mas já era tarde, pois a pobre estava grávida. Ao perceberem isso os pais do rapaz colocam Maria na rua. A partir daí começa cair as máscaras da sociedade daquela região. Maria sem lugar para ficar não encontra ajuda de ninguém, nem mesmo da igreja. Milkau um dia em negócios na cidade vê Maria, a moça com quem ele havia conversado na festa. Ela lhe conta toda a história, então ele resolve ajudá-la, mas sua alma se inquieta mais uma vez, pois começa a perceber que ali talvez não seja a terra de seus sonhos. Para complicar Maria ao dar à luz tem seu filho comido pelos porcos e é acusada de infanticídio e presa. Milkau faz de tudo para defedê-la, quando não encontrando jeito a liberta enquanto os guardas dormem e foge com ela em direção à terra de seus sonhos. Depois de andarem muito fugindo Milkau tem um impulso trágico e delirante. Tenta se atirar com Maria no abismo, mas ela em uma ânsia por viver se segura em um tronco de árvore.


O texto termina em aberto com Milkau dizendo que a Canaã de seus sonhos provavelmente ainda não existe neste mundo e conformando Maria que não adianta tentar se enganar, pois o importante é que aconteça o que acontecer eles não devem se separar e devem ir juntos mesmo que seja em direção à morte…


Personagens Principais:  Milkau:  Acredita

no progresso pela mistura de

povos.  Rejuvenescimento da civilização com a fusão das raças adiantadas com as selvagens .  Justiça perfeita sem ganâncias ou lutas.  Lei do Amor.  Universalista.


 Lentz:  Quer

ampliar sua propriedade e ter mais trabalhadores sob seu comando.  Espera pela invasão e domínio alemão sobre o Brasil.  Lei da Força.  Adepto à leis Racistas.


   

 

Maria: Triste e solitária, não chegou a conhecer o pai, pois ele morreu. Vivia com a mãe na casa de Augusto Kraus. Após a morte da mãe continua na casa de Kraus, seu único amigo. Repentinamente Kraus morre e Maria fica sob os cuidados da familia de Kraus. Tem um filho com Moritz Kraus, neto de Augusto, que é tirado de perto de Maria. Conhece Milkau em uma festa na casa de Jacob Müller


Narrador: 

A obra é narrada em terceira pessoa do singular, sendo o narrador onisciente neutro ou narrador onisciente. Narrador onisciente: Sabe de tudo a respeito das pessoas, inclusive o que elas sentem, pensam mas não dizem. Narrador onisciente neutro: Relata os fatos e descreve as personagens, mas não influencia o leitor com observações ou opiniões a respeito das personagens.


Conflito:  Lentz

defende o uso da violência e a superioridade da sua raça sobre a população local: os arianos versus "os mestiços". Já Milkau, feliz e romântico, apóia a integração entre os povos em terras brasileiras.


Clímax: 

Um dia, trabalhando, solitariamente, no cafezal, Maria começa a sentir as dores do parto. Temendo retornar à casa e ser maltratada, resiste até cair e, esvaindo-se em sangue, dá luz ao bebê. Alguns porcos, que estavam nas proximidades, correm para lambê-los, mordendo o bebê que falece. A filha dos patrões chega nesse instante e, sem nada perguntar, volta à casa, dizendo que Maria tinha matado o bebê e dado a criança aos porcos.


Cenário 

A historia se passa no Brasil, mais precisamente no estado do Espirito Santo, na cidade do Porto do Cachoeiro. Esse ambiente é muito importante para o desenvolvimento da narrativa. A descrição do espaço na obra é feita de modo a tornar a historia o mais real possível, como ocorre nas passagens em que são descritas as belezas naturais do Brasil tais como, suas paisagens, as florestas, os animais. O espaço nos permite saber também da vida econômica das personagens que viviam em comunidade, viviam com pouco e felizes com que tinham, os costumes, as tradições.


Linguagem:  Na

obra “Canaã” a linguagem utilizada é a formal.


Corrente Filosófica: 

Canaã representou a ligação entre as correntes histórias e filosóficas do final do século XIX e a revolução modernista da segunda década do século XX. Canaã apresentou ao Brasil um novo estilo de romance: o romance-tese, em que o debate de ideias filosóficas se integra à narrativa e muitas vezes a suplanta em importância. Milkau e Lentz representam duas ideologias postas em contraste: o universalismo (Milkau) e o divisionismo (Lentz), entre a “lei do amor” (Milkau) e a “lei da força” (Lentz).


ď‚›

Homenagem aos Atores do filme Vale do CanaĂŁ.


Questão: 

a) b) c)

d) e)

Embora seja uma obra de 1902, Canaã, de Graça Aranha, já apresenta certa consciência ecológica (hoje em dia bastante disseminada no mundo). Das frases abaixo, extraídas dessa obra, assinale o trecho que não expresse essa visão. “Faz pena...botar tudo isso [as árvores] abaixo.” “...preferiria um lote onde não fosse preciso esse sacrifício [das arvores].” “mas virá o dia em que o homem,... Receberá a forca orgânica da sua própria e pacifica harmonia com o ambiente,...” “Sinto dolorosamente que, atacando a Terra, ofendo a fonte da nossa própria vida,...” “...levando um murmúrio baixo, humilde, que se escapava de todas as árvores,...”


Vídeo:  https://www.youtube.com/watch?v=aoP

JD1n1iXg


Referências:     

http://www.enemsimples.info/2011/07/resum o-canaa-graca-aranha.html http://sosvoz.com.br/analise-de-romancecanaa-de-graca-aranha/ http://www.passeiweb.com/estudos/livros/ca naa http://educaterra.terra.com.br/literatura/pre modernismo/premodernismo_9.htm http://sapereaude10.blogspot.com.br/2012/0 5/analise-da-obra-canaa.html

Canaã - 3º Ano Unilavras  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you