Issuu on Google+


50 anos alĂŠm das porteiras

Apoio cultural

Porto Alegre 2013


Expediente Coordenação: Juliana Brunelli de Moraes

Largo Visconde do Cairu 12 - Sala 901 - CEP 90030 - 110 Centro - Porto Alegre/RS - Fone: (51) 3328 9122 www.angus.org.br - angus@angus.org.br

Edição: Visual Agência | Comunicação e Design e Cartola - Agência de Conteúdo Edição: Márcia Schuler (MTb 16.266) e Sebastião Ribeiro (MTb 11.009) Pesquisa e redação: Márcia Schuler Revisão: Simone Diefenbach Borges Projeto gráfico: Ulisses Romano Diagramação: Taiguara Castro e Ulisses Romano Capa: Arthur Kolbetz e Vini Albernaz Fotos: Eduardo Rocha e Fagner Almeida

(51) 3223 4177 www.visualagencia.com.br

(51) 3377 5341 www.cartolaconteudo.com.br


Foto: Eduardo Rocha/Ponderosa

Apresentação Nas páginas a seguir, estão registrados 50 anos de conquistas. São décadas de desenvolvimento de uma raça fomentada pela luta de homens e mulheres que viram o potencial da Aberdeen Angus no Brasil. Fertilidade, longevidade, precocidade, rusticidade, habilidade materna e qualidade da carne foram algumas das características que, já na primeira metade do século XX, chamaram a atenção dos criadores brasileiros e, em 1963, culminaram na fundação da Associação Brasileira de Angus. A paixão despertada pela raça foi o pontapé inicial para o surgimento da entidade, mas sua produtividade e eficiência como negócio são o que a mantêm e fazem com que o crescimento seja constante - e o futuro, promissor. Em 2013, a Associação Brasileira de Angus comemora seu cinquentenário, e parte de suas memórias está aqui registrada. As histórias são contadas a partir das lembranças dos presidentes que estiveram à frente da Associação em cada período, ou por seus familiares, que acompanharam de perto as atividades da Angus Brasil. Documentos históricos, como as atas de assembleias e reuniões, bem como jornais da época, também compuseram a pesquisa e ajudaram a reconstruir um pouco do que aconteceu neste meio século de existência e a prever o sucesso dos anos que virão.


Introdução

A origem

I II III IV V VI VII VIII IX

P. 10

1963-1965 A Fundação

P. 18

1965-1969 Embaixadores do Angus

P. 28

1969-1972 Controle para crescer

P. 40

1972-1974 A força política da Angus

P. 50

1974-1978 Cruzamento e seleção

P. 62

1978-1980 A Associação tem que crescer

P. 74

1980-1982 Integração em nome da pecuária

1982-1984 Integração e intecâmbio

P. 92

1984-1988 Juventude e inovação

P. 102

P. 84


Foto: Eduardo Rocha/Scalzilli Agropastoril

X XI XII XIII XIV XV XVI XVII XVIII

1988-1992 Consolidação da raça

P. 112

1992-1994 Cruzando fronteiras

P. 122

1994-1996 De olho na marca

P. 132

1996-1998 Transição e crescimento

P. 140

1998-2002 Estruturar a Angus Brasil

P. 148

2002-2004 Foco na carne

P. 158

2004-2008 Coragem para mudar

P. 166

2008-2010 A Angus encontra seu lugar

P. 176

2010-2014 Consolidação do caráter nacional

P. 186


1963

1966

1969

1972

1974

No dia 20 de setembro,

Em maio, é realizada a

Os animais Puros de Pedigree

Neste ano, a exposição

Ano em que se oficializa

criadores se reúnem para

1ª Exposição de Rústicos

(hoje Puros de Origem,

de Esteio se torna inter-

o serviço de controle de

uma assembleia no Hotel

Aberdeen Angus, no

PO) nascidos a partir de 1º

nacional, e a Angus já

gado puro por cruza

Glória, em Uruguaiana

Sindicato Rural de

de novembro de 1969 são

estava presente, reali-

(RS). É o começo oficial

Uruguaiana (RS)

submetidos ao Controle de

zando a primeira assem-

da Associação Brasileira

Performance – era o início do

bleia em seu estande no

de Aberdeen Angus

serviço que se transformaria no

parque

Controle de Desenvolvimento

Foto: Arquivo/Cabanha São Bibiano

Ponderal

O escocês Bob Adam era considerado o papa da genética Angus. Convidado pela Associação Brasileira de Angus, o especialista veio ao Brasil para ser jurado na exposição do Menino Deus

6

Associação Brasileira de Angus


Foto: Eduardo Rocha

É criado o primeiro

Investimento total nas

núcleo da Associação,

exposições regionais: a

o Núcleo Regional do

1ª Feira de Rústicos em

Centro-Sul de Criadores

Guaíba (RS) acontece

de Aberdeen Angus, pre-

nesse ano

sidido por Carla Sandra Staiger Schneider

Foto: Arquivo/Cabanha Santa Bárbara

1983

1989 Foto: Arquivo/CIA Azul Agropecuária

1979

1994

1995

A Angus chega com força

A Associação obtém o

ao Paraná: pela primeira

registro do nome “Angus, a

vez, a raça participa da

raça completa” no Instituto

Exposição de Londrina

Nacional da Propriedade Industrial (INPI)

Em junho, o 1º Congresso de Aberdeen-Angus reúne em Porto Alegre mais de 300 criadores do Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo e Mato Grosso

50 Anos

7


1997

1999

2000

2003

2005

A Angus Brasil transfe-

A Angus participa pela

Acontece o lançamento

A diretoria determina

sai de Uruguaiana e

re sua sede para Porto

primeira vez de um julga-

oficial do Programa Carne

que os animais sejam

passa a funcionar no

Alegre, temporariamen-

mento de classificação na

Angus Certificada, inicia-

tosados antes de entrar

estande da entidade no

te para um casarão na

Feicorte, em São Paulo

tiva que integra a cadeia

em pista, para evitar

Parque de Exposições

rua Luciana de Abreu.

produtiva da carne

que eventuais defeitos

de Esteio (RS)

Em seguida, se muda para uma sala na avenida Carlos Gomes

8

Associação Brasileira de Angus

Foto: Divulgação/Angus Brasil

A sede da Associação

sejam “camuflados” pela pelagem


Foto: Eduardo Rocha/Scalzilli Agropastoril

2006

2008

2010

2012

2013

É lançada a primeira

Em outubro, é realizada

A Associação compra

O Congresso Brasileiro

Entre as muitas conquistas

edição do Anuário da

a 1ª Exposição Nacional

uma sede própria em

de Angus reúne pales-

deste ano, está o fato de que

Associação Brasileira

de Rústicos Angus,

Porto Alegre, no Largo

trantes internacionais e

o Fazenda Barbanegra, em

de Angus

paralelamente à Exposição

Visconde do Cairu

criadores de todo o país

Porto Alegre (RS), se tornar

para discutir os rumos

o primeiro restaurante 100%

da raça

Angus do Brasil

Agropecuária de Alegrete (RS)

50 Anos

9


A origem No início da década de 1960, jovens criadores gaúchos se reuniam para dar início à Associação Brasileira de Angus

A

história da Aberdeen An-

Como bem aponta a ANC,

portadas da Inglaterra, e ainda em

em 1888 e 1879, respectivamente.

gus começou a ser escrita

responsável pelo Serviço de Regis-

1914 o primeiro produto nacional,

Características como precocidade,

na Escócia, em 1862,

tro Genealógico (SRG), também

“São Paulo” HBB 9, foi comprado

fertilidade, rusticidade, facilidade

quando o primeiro bovino da raça

houve inscrições em outro serviço,

no ventre pelo Visconde Ribeiro

de parto, habilidade materna e,

foi registrado. A linhagem, porém,

criado pelo governo do Rio Grande

de Magalhães. Mas foi em 1937

mais tarde, qualidade da carne

se definira anos antes, com a cru-

do Sul poucos meses depois do

que o número de registros deu um

aumentaram o interesse dos brasi-

za de um gado mocho do condado

Herd-Book Collares. Nesse, o pri-

salto, chegando a 306, uma marca

leiros e fomentaram a paixão que

escocês de Aberdeen com outro,

meiro inscrito foi o touro Locksley,

expressiva em comparação aos 13

se tornaria a criação de Angus.

também sem aspas, do condado

nascido em 31 de julho de 1905,

do ano anterior. Coincidindo com a

Foi nesse contexto que, no co-

de Angus. De lá, a genética se

também importado do Uruguai,

fundação da Angus Brasil, o ano de

meço da década de 1960, um gru-

espalhou pelo mundo. Em seguida,

mas não há mais detalhes sobre

1963 registrou o maior número de

po de pecuaristas de Uruguaiana,

países como Nova Zelândia, Cana-

sua procedência. O reprodutor foi

bovinos da raça até então: 1.362.

município do pampa gaúcho deli-

dá e Estados Unidos já contavam

inscrito no livro dos Polled Angus,

com exemplares da raça, que logo

denominação usada para a raça na

mento da Aberdeen Angus e são

começou a se articular para reunir

chegaria também ao Brasil.

época – o que faz com que, ainda

proporcionais ao interesse que a

os admiradores da Aberdeen An-

hoje, seja conhecida como “polian-

raça vinha despertando nos cria-

gus. Era o embrião da Associação

go” em algumas regiões.

dores. As qualidades da genética já

Brasileira de Angus (Angus Brasil).

chamavam a atenção de pecuaris-

O grupo tinha uma missão:

Aqui, o começo oficial da trajetória da Aberdeen Angus foi marcado por um nome: Menelik, o

12

A raça começou engatinhan-

Os números mostram o cresci-

mitado por Argentina e Uruguai,

primeiro reprodutor da raça regis-

do, e em 1906 Menelik foi o único

tas brasileiros, especialmente da-

cativar criadores e fazê-los com-

trado pela Associação Nacional

animal Puro de Origem registrado

queles cujas propriedades ficavam

preender a importância de se

de Criadores Herd-Book Collares

no Herd-Book brasileiro. Depois,

na fronteira do país, suscetíveis à

unirem em prol da raça. Antonio

(ANC), em 1906. Criado por Felix

só houve inscritos em 1913 – um

influência dos vizinhos Uruguai e

Martins Bastos Filho, um dos

Buxareo y Oribe, o animal foi im-

macho e uma fêmea. No ano se-

Argentina, onde a criação da raça

fundadores, que mais tarde se

portado do Uruguai por Leonardo

guinte, quando sete animais foram

já estava difundida – os primeiros

tornaria presidente da entidade,

Collares Sobrinho, de Bagé (RS).

inscritos, cinco matrizes foram im-

registros nessas nações ocorreram

recorda as inúmeras discussões

Associação Brasileira de Angus


Foto: Mรกrcia Schuler

No Brasil, o primeiro reprodutor Angus, Menelik, foi registrado em 1906

50 Anos

13


Fotos: Arquivo/Cabanha São Bibiano

entre os jovens Flavio Bastos Tellechea, Luís Flodoardo Silva Pinto e Carlos Marsiaj, que se reuniam para organizar a estrutura da Associação. Antoninho, como é conhecido, identifica um ponto em comum entre os quatro: eram representantes da nova geração de famílias tradicionais na agropecuária rio-grandense e assumiam os negócios que eram de seus pais – estavam em busca de novas ideias. Os encontros preliminares foram, muitas vezes, sediados no escritório de remates Trajano Silva e Hermes Pinto, na esquina das ruas 7 de Setembro e Santana, em Uruguaiana (RS). As articulações, no entanto, não se deram apenas nas reuniões oficiais. Situações informais, jantares, almoços, remates, eventos nas cidades vizinhas, em tudo se via oportunidade para falar de Angus. O trabalho árduo deu frutos e segue fomentando a raça que hoje se situa entre as maiores do Brasil. A fundação da Associação Brasileira de Angus, em 1963, foi um marco para a raça no país. Na representatividade que a entidade tem atualmente, com mais de 534.440 bovinos inscritos no SRG, está refletida uma trajetória de 50 anos de luta, superação e paixão. A história da Angus Brasil é, primordialmente, uma história de pessoas que acreditaram no potencial de uma raça e se dedicaram para fazê-la crescer. Essa dedicação se concretiza nesse meio século de conquistas, contado nas páginas a seguir. 14

Associação Brasileira de Angus

Angus campeões da Exposição do Menino Deus de 1959 (na foto de cima, com Antonio Martins Bastos Filho) e de 1960


Foto: Arquivo/Associação Americana de Angus

Os Estados Unidos foram um dos países onde a Aberdeen Angus se difundiu rapidamente. Na foto, um rebanho da raça em março de 1958

50 Anos

15


Foto: Eduardo Rocha


1963

1965 Comecei minha cabanha de Angus aos 12 anos – com

Diretoria

uma vaca vermelha, porque eu era colorada fanática

Presidente: Flavio Bastos Tellechea Vice-presidente: Antônio Augusto Silva 1º secretário: Antonio Martins Bastos Filho 2º secretário: Wilson Pombo Dornelles 1º tesoureiro: Luís Flodoardo Silva Pinto 2º tesoureiro: José Fagundes

– em um remate na Paineiras que caiu no dia do meu aniversário. A presença da raça foi constante na nossa vida, e é por isso que eu tenho certeza: a Angus vai fazer parte da família por muitas gerações. Mariana Tellechea

Biografia do presidente

U

m dia, Alfeu Fleck, pe-

zootecnia na Argentina, Flavio

característica da

cuarista de Alegrete, no

tar a genética é uma das carac-

assume a empresa rural em 1953.

qual os filhos,

interior do Rio Grande

terísticas mais marcantes da bio-

Em 1955, casa-se com Lila Franco,

especialmente,

do Sul, se deparou com um cami-

grafia e das gestões de Flavio na

com quem terá quatro filhos que

se lembram com

nhão cheio de novilhas Aberdeen

Associação e, por isso, para contar

perpetuarão a tradição do campo

carinho. Muitas

Angus prenhas em frente à sua

a história da raça e da entidade,

na família: Flavio Antonio Franco

vezes, ao chega-

propriedade. Era um presente do

é preciso conhecer a trajetória do

Tellechea – o Neco, que também

rem de carro na

veterinário Flavio Bastos Telle-

uruguaianense e da Paineiras.

passaria pela presidência da Asso-

cabanha, Flavio

ciação –, Maria da Glória, Maria

avistava de longe

Izabel e Mariana.

uma vaca e dizia seu nome. Os

chea, que não admitia que um

20

Essa determinação em fomen-

O pai do pecuarista, João

criador daquele porte se focasse

Francisco Tellechea, adquiriu a

em outras raças, sem conhecer as

propriedade com porteira fechada

vantagens da Angus.

em 1942 de Baldomero Barbará,

de fazer comida para os animais.

memória do pai e saíam correndo

A vontade de ver a raça crescer

já com um plantel de Aberdeen

O preparo começava ainda de ma-

para conferir. Se impressionavam:

no Brasil e a paixão com que fazia

Angus que o antigo proprietário

drugada, por volta das 4 horas, em

ele sempre acertava.

isso eram tão grandes que situ-

formara em 1915, sendo um dos

tonéis que cozinhavam em fogo de

ações como essa não eram raras

primeiros do país. A Paineiras

chão. Mas a mistura fazia com que

rinário e a sua memória seguem

para Flavio. Se criava um bom

também foi pioneira na seleção

os touros inchassem, e os cabanhei-

vivos na casa, onde tudo é prêmio

reprodutor, dava o sêmen para que

de Red Angus no Brasil, quando,

ros, sob a luz da lanterna de Flavio,

e remete à raça – a xícara em que o

outros pecuaristas incrementassem

no início da década de 1960, co-

levavam latas de azeite para dar aos

café é servido, a bandeja que a car-

seus plantéis. Na Cabanha Pai-

meçou a selecionar animais da

animais e fazer o inchaço diminuir.

rega, os utensílios que enfeitam as

neiras, da qual foi administrador,

linhagem.Formado em veterinária

sempre se preocupou em vender os melhores animais.

Associação Brasileira de Angus

Nessa época, se tinha o costume

filhos não acreditavam na boa

Os anos de dedicação do vete-

Participar ativamente da roti-

estantes. A trilha de distinções leva

na Universidade Federal do Rio

na da propriedade fez com que o

ao verdadeiro templo: a sala dos já

Grande do Sul e especializado em

veterinário desenvolvesse outra

incontáveis troféus da cabanha.

Foto: Arquivo/Angus Brasil

Flavio Bastos Tellechea


Foto: Eduardo Rocha/Cabanha Dos Tapes


A fundação Uma assembleia no tradicional Hotel Glória, em Uruguaiana,

O

clima era de festa naquele

primeira diretoria da Associação,

20 de setembro de 1963,

que teve como presidente o veteri-

quando o Rio Grande do

nário Flavio Bastos Tellechea, um

Sul, mais uma vez, comemorava

dos principais articuladores para a

sua Revolução Farroupilha. Em

formação da entidade.

Uruguaiana, não era diferente.

Já pensando no futuro da

Mas nesse dia, além das festivida-

raça, Luís Flodoardo Silva Pinto

des habituais na cidade da fron-

sugeriu que a entidade se cha-

teira oeste do estado, uma nova

masse Associação Brasileira de

tradição tomava forma. Na esqui-

Aberdeen-Angus, para lhe atri-

na das ruas Domingos de Almeida

buir, desde o início, um caráter

e Santana, no Hotel Glória, cerca

nacional, ainda que a maior parte

de 50 pecuaristas começavam a

dos criadores de Angus na época

construir a trajetória de uma raça

se encontrasse no Rio Grande do

até então pouco conhecida no

Sul. Na assembleia, os pecuaris-

Os filhos de Flavio Tellechea, dedicação passada por gerações: Flavio

país. Criava-se a Associação Bra-

tas também discutiram qual seria

Antonio, o Neco, Mariana, Maria da Glória e Maria Izabel, na Paineiras

sileira de Aberdeen-Angus, hoje

o local ideal para sediar a Asso-

Associação Brasileira de Angus.

ciação. Optaram por Uruguaiana,

da rua 7 de Setembro, o contador

de setembro, quando um grupo se

município que concentrava o

do escritório, Benedito Ferrareli,

reuniu em Porto Alegre para estru-

maior número de criadores.

também fazia as vezes de funcio-

turar o que seria apresentado na

nário da Angus, sendo responsável

assembleia de fundação. Os asso-

Os homens passaram pela porta de vidro, atravessaram o hall e subiram o lance de escadas para

22

Foto: Arquivo/Cabanha Paineiras

oficializou a criação da Associação no dia 20 de setembro de 1963

Foi aí que a Angus Brasil pas-

chegar ao restaurante do hotel,

sou a funcionar em uma sala no

pelas atas e por toda a estrutura

ciados decidiram que aqueles que

improvisado como auditório para a

escritório da Cabanha São Bibia-

administrativa da Associação.

solicitassem ingresso antes da 1ª

ocasião. Lá, encontraram as cadei-

no, do também fundador Antoni-

ras enfileiradas, viradas para uma

nho. Na sala de aproximadamente

tidade tinha sido estabelecida

se realizaria no ano seguinte, na

mesa grande onde se sentaria a

5 m² localizada no número 1851

algumas semanas antes, no dia 1º

27ª Exposição Estadual de Ani-

Associação Brasileira de Angus

A prévia do estatuto da en-

Assembleia Geral Ordinária, que


Foto: Arquivo/Agência RBS


Foto: Eduardo Rocha


Foto: Arquivo/Agência RBS Foto: Arquivo/Cabanha Paineiras

Visão geral da Exposição do Menino Deus em 1960 mais e Produtos Derivados, seriam

levava o dia todo, os passageiros

considerados sócios-fundadores.

dormiam em cabines nos vagões.

José Collares, da ANC, foi nomea-

A semana de Exposição era como

do sócio honorário pelos serviços

férias para os filhos dos criadores,

prestados em prol da raça – antes

e o estande da entidade no parque

de a Angus Brasil ser fundada, o

ainda era pequeno, descrito por

próprio Collares muitas vezes fez o

muitos como “um quadradinho”,

trabalho de campo para realizar os

mas já funcionava como ponto de

registros dos animais.

encontro dos criadores – não ape-

Como previsto, ainda que com público reduzido, a Assembleia se

nas de Angus – no final da tarde. A primeira gestão de Flavio

realizou no ano seguinte na Expo-

terminou em 21 de outubro de

sição, que na época acontecia no

1965, quando Antoninho foi eleito

Parque Menino Deus, no bairro de

presidente. É importante destacar

mesmo nome na capital gaúcha, e

que, nos primeiros anos da entida-

Na Exposição do Menino Deus de 1965, Jemore 29 de Paineiras foi o Grande

era o principal acontecimento do

de, independentemente do cargo,

Campeão. Na foto, Carlos Staiger, João Tellechea, Carla Staiger, compradora

ano para a Associação e para os

as atividades muitas vezes eram

do touro, Carlos Guerreiro, Lila e Flavio Tellechea

criadores. Muitas famílias se des-

feitas em conjunto pelos membros

locavam de trem de Uruguaiana

da diretoria – de representações

a Porto Alegre. Como a viagem

em eventos a negociações.

50 Anos

25


Foto: Eduardo Rocha/Cabanha Dos Tapes


1965

1969

Diretoria Presidente: Antonio Martins Bastos Filho Vice-presidente: Luís Flodoardo Silva Pinto Secretário: Carlos Eugênio Marsiaj 2º secretário: Sany Fontoura Silva Tesoureiro: Flavio Bastos Tellechea 2ª tesoureira: Carla Sandra Staiger

Minha vida toda foi no campo, e vou morrer assim.

Biografia do presidente

Antonio Martins Bastos Filho

A

30

ntonio Martins Bastos

cio, unindo as terras das duas fa-

Argentina –, viajou

Filho, o Antoninho, é his-

mílias. Com vocação de cabanheiro

o mundo para di-

tória viva quando o tema

e fã de gado de registro, o criador

fundir a Aberdeen

é Associação Brasileira de Angus.

frequentava as exposições de ani-

Angus e, sempre

Um dos principais articuladores,

mais em Montevidéu e Palermo e

que possível, exalta

fundador e participante ativo de

já acompanhava o crescimento da

as qualidades da

todas as gestões, o criador natural

Aberdeen Angus na região.

genética. Quando

de Uruguaiana confunde sua pró-

O ex-presidente da Angus Brasil

alguém quer saber

pria trajetória com a da entidade.

seguiu naturalmente os passos do

sobre a raça ou sobre a associação,

E não é à toa – sua cabanha, a São

pai, assumindo a administração

os criadores não têm dúvidas: “O

Bibiano, tem 70 anos de tradição

do estabelecimento em 1960, logo

Antoninho pode contar essa histó-

de Angus. O pai, Antonio Martins

após se formar em veterinária.

ria” é a frase recorrente. A paixão

Bastos, adquiriu os primeiros exem-

Desde lá, a criação da raça britâ-

pela vida rural, a exemplo da dedi-

plares da raça em 1943. Ele havia

nica era uma paixão. Antoninho

cação à Aberdeen Angus, também

fundado a São Bibiano em 1926,

foi jurado em julgamentos interna-

está no sangue, e cinco gerações de

quando se casou com Leonor Bení-

cionais – Escócia, Estados Unidos,

campo antecederam Antoninho.

Associação Brasileira de Angus


Fotos: Fagner Almeida


Embaixadores do Angus

Nos primeiros anos da Associação, o contato constante com criadores de outros países impulsionou o desenvolvimento da raça

N

do jornal Correio do Povo de 13 de

em expor animais de boa qualida-

de 1960, o intercâm-

maio daquele mesmo ano diz que

de e, consequentemente, com que

criação das exposições de rústicos

bio entre os diferentes

a característica mais importante do

novos criadores, ou mesmo caba-

não se limitou à América Latina.

países com criação de Angus era

evento foi o predomínio numérico

nheiros antigos interessados em

A Escócia, na época, era conside-

intenso. Os membros da diretoria

de ventres a machos. “Depois da

melhorar sua seleção genética, se

rada o centro da raça no mundo. E

da Associação viajavam o mundo

terrível seca que assolou a nossa

aproximassem do evento. Em 1967,

foi lá o primeiro contato com Bob

trocando experiências com outros

fronteira, a procura por bons ven-

a Exposição aconteceu no dia 15

Adam, em uma visita dos brasilei-

pecuaristas. Antoninho descreve

tres é uma constante em todo mer-

de abril e contou com uma novida-

ros ao país britânico. Proprietário

a atuação da Associação na época

cado gadeiro”, afirma a publicação.

de: o 1º Concurso de Jurados.

da Cabanha Newhouse of Glamis,

como de “embaixadora do Angus

Graças ao número e à excelente

brasileiro”. E foi dessa troca que

qualidade dos animais inscritos, o

nética Angus e difundi-la se con-

jurados em julgamentos da raça e

surgiu a ideia de realizar uma

jornal também previa “um grande

cretizou também na 1ª Exposição

referência internacional em Angus.

exposição de outono da raça. Na

sucesso para esse certame”, o que,

Regional de Rústicos, realizada em

Argentina, isso já era rotina, e os

de fato, se confirmou.

março de 1969 em Tupanciretã.

a grandiosa Exposição de Perth, na

E, já pensando na nacionalização

Escócia, a diretoria da Associação

mou uma medida que seria essen-

da raça, a Associação também fez

convidou o escocês para ser jurado

cial para a difusão da raça: todos

questão de se fazer presente nas

da Angus em setembro no Menino

8 de maio de 1966, na 1ª Exposi-

os animais expostos tinham de ser

exposições de Araçatuba, em São

Deus, e assim aconteceu. Depois

ção de Rústicos Aberdeen Angus,

comercializados. Abrir uma con-

Paulo, em novembro de 1968, e

disso, a relação abandonou as

realizada no Sindicato Rural de

corrência fazia com que os criado-

em Campo Grande, Mato Grosso

formalidades e Adam passou a ser

Uruguaiana. O Suplemento Rural

res se preocupassem ainda mais

do Sul, em abril de 1969.

presença constante nas exposições

resultados obtidos eram bastante satisfatórios. Essa experiência culminou, em

32

O intercâmbio que inspirou a

a metade da década

Associação Brasileira de Angus

Foi nesse certame que se fir-

O objetivo de mostrar a ge-

Adam era um dos mais renomados

Em fevereiro de 1969, durante


Foto: Arquivo/Cabanha Santa Bárbara

Com um fenótipo escocês típico da época, Érica foi a Grande Campeã Fêmea da edição do ano 1968 da Exposição Estadual de Animais de Porto Alegre, no parque de

Foto: Arquivo/Cabanha São Bibiano

exposições do Menino Deus

Em 1966 foi realizada a 1ª Exposição de Rústicos Aberdeen Angus, no parque do Sindicato Rural de Uruguaiana

50 Anos

33


Fotos: Arquivo/Cabanha São Bibiano

brasileiras, assim como já era nos demais certames da América do Sul. O britânico evitava ao máximo viajar de avião, e chegou a enfrentar estrada de chão para ir a Uruguaiana – na época, chegar à cidade pelos ares era mais fácil do que por terra. Além das relações de amizade que o britânico firmou com os brasileiros, a qualidade dos animais vistos no certame de 1969 também foi um incentivo para Adam seguir frequentando o Brasil. Na época, após visitar algumas estâncias gaúchas, o criador disse ao Suplemento Rural do jornal Correio do Povo que a raça Aberdeen Angus estava em excelentes mãos no Brasil. Sobre os animais expostos, afirmou que “o standard zootéc-

O escocês Bob Adam (E), considerado papa da genética Angus, foi jurado na exposição do Menino Deus de 1969. Na

nico é muito mais elevado do que

foto, ele aparece com José Barcellos, Clint Thomson, Antoninho, Juan Puig, Juan Gonzáles e Flavio Tellechea

esperava quando saiu de casa. Os melhores animais são de alto nível qualificativo e teriam feito marcar sua presença em qualquer pista de julgamento do mundo”. Na exposição do Menino Deus de 1969, os convidados estrangeiros foram o grande des-

34

taque. Além de Adam, o america-

Em 1969, um Grande

no Milt Miller também chamou a

Campeão de Perth

atenção do público, e o Correio

chegou ao Brasil: Easel

do Povo chegou a classificá-lo

of Buchaam, adquirido

como uma das presenças mais

numa parceria entre

simpáticas do evento. O secretário

São Bibiano e Granja

da Associação Americana de An-

Santa Rita. Na foto,

gus (AAA) já havia visitado o Rio

estão Antoninho, José

Grande do Sul, mas foi em 1969

Chaves Barcellos, Luís

sua primeira vez em Porto Alegre.

Fernando Cirne Lima,

Designado pela entidade para os

o escocês Alex Ogg e

assuntos relativos à América do

Miriam Cirne Lima

Associação Brasileira de Angus


Foto: Eduardo Rocha/Cabanha Dos Tapes


Foto: Eduardo Rocha/Cabanha Dos Tapes


do Sul. Lá, era possível se rela-

uma relação próxima com os cria-

cionar com os mais importantes

dores gaúchos.

criadores do mundo.

Às famílias dos membros da

Fotos: Arquivo/Cabanha São Bibiano

Sul, Miller também desenvolveu

Foi ainda na gestão de Anto-

diretoria cabia recepcionar os

ninho que começou a se construir

convidados internacionais. Aco-

o Controle de Performance – em-

lhidos com jantares regados a

brião do Controle de Desenvol-

vinho e carnes nobres, muitos se

vimento Ponderal, exigido atual-

tornaram amigos e passaram a

mente para todas as raças – para

frequentar as casas dos criadores.

os Aberdeen Angus que fossem

Além da Escócia, Estados

concorrer às exposições de Porto

Unidos e Argentina também eram

Alegre. Em 1969, foi publicado em

pontos centrais no mapa da An-

ata o anteprojeto do regulamento

gus no mundo. Palermo, em Bue-

do serviço, que era realizado por

nos Aires, era a grande festa da

técnicos credenciados pela Asso-

raça para os criadores da América

ciação Brasileira de Angus.

Exposição do Menino Deus, 1969. Luís Fernando Cirne Lima, Horacio Gutiérrez, Juan Ezcurra Sauze e Antoninho

Luís Flodoardo, Carlos Marsiaj, Antoninho, Flavio Tellechea e um criador argentino na exposição de Palermo, Argentina, em 1969

50 Anos

37


Foto: Fagner Almeida


1969

1972

Diretoria Presidente: Flavio Bastos Tellechea Vice-presidente: Carlos Marsiaj 2º vice-presidente: Luís Flodoardo Silva Pinto Secretário: Enrique Piegas 2º secretário: João Vieira de Macedo Neto Tesoureiro: Hermes Silva Pinto 2ª tesoureira: Carla Sandra Staiger

Controle para crescer No fim da década de 1960 têm início os serviços que ainda hoje garantem a qualidade do gado Angus

F 42

lavio Bastos Tellechea voltou

Puros de Pedigree (hoje Puros de

à presidência no dia 19 de

Origem) nascidos a partir de 1º

cou a importância da medida com

outubro de 1969, em mais

de novembro de 1969. Na época,

o seguinte argumento: “A difusão

uma assembleia da Associação

também foram iniciados os estu-

da raça é grande e, no futuro,

Brasileira de Angus no Hotel

dos para os serviços de controle

faltarão touros, fato este que ain-

Glória. No ano seguinte, Flavio

de gado puro por cruza da raça

da vai justificar o serviço”. Nesse

anunciou o início do Controle de

Aberdeen Angus. E foi aí que o

mesmo sentido, uma parceria com

Performance – que já havia tido o

presidente confirmou ser o que

a Associação do Registro Genea-

estatuto publicado durante a ges-

muitos dizem para descrevê-lo:

lógico Rio-Grandense, detentora

tão de Antoninho – para animais

um visionário.

do controle de performance e

Associação Brasileira de Angus

Já naquele tempo, ele desta-


Foto: Fagner Almeida


a segunda gestão de Flavio, tendo

fundida, mas, na época, pioneira.

foi iniciada em um estudo para a

sido realizada em 1970, quando

Nesse ano, durante a 34ª Exposi-

realização do serviço de controle

finalizada a construção do Parque

ção, o jurado convidado foi o ar-

de gado de corte na fronteira do

Estadual de Exposições. Na assem-

gentino Horacio Gutiérrez, que se

Rio Grande do Sul.

bleia de 1971, decide-se estudar a

tornara amigo de Flavio e passara

possibilidade de que a Associação

a frequentar os eventos brasileiros

de Animais do Menino Deus para

instale um estande na Exposição

de Aberdeen Angus. O intercâmbio

a cidade de Esteio coincidiu com

Estadual – hoje, uma prática di-

era recíproco. Da mesma forma

A transferência da Exposição

que jurados renomados vinham ao Foto: Arquivo/Cabanha São Bibiano

Brasil, os mestres do Angus brasileiro também iam prestar serviços em outras terras. Durante uma reunião em 1971, o associado e futuro presidente da entidade João Vieira de Macedo Neto aproveitou para destacar a “excepcional atuação do presidente como jurado da Exposição de Dallas-Texas (EUA), a convite da American Angus Association”, mais um fato importante para a divulgação do Angus brasileiro. Em 1972, a Associação já contava com um estande no Parque de Exposições de Esteio, adquirido junto à Trajano Silva Remates, onde estava prevista a realização da assembleia e da votação daquele ano. Os criadores da época lembram com carinho das exposições no Parque de Esteio, que se transformavam praticamente em reuniões de família. O barulho das crianças brincando e correndo pelo estande era marca da época – assim como o frio e a chuva que assolavam a exposição. Nos julgamentos, a competição era amenizada pela combinação entre os

44

Antoninho e Flavio Bastos atuaram como jurados em diversas exposições

criadores: quem ganhava o Grande

internacionais. Nesta foto, tirada entre os anos 1970 e 1980, os criadores

Campeonato ficava incumbido de

estavam julgando Angus na Argentina

pagar o jantar para os demais.

Associação Brasileira de Angus

Foto: Eduardo Rocha/Cabanha Dos Tapes

desenvolvimento ponderal (CDP),


50 Anos

45


Foto: Arquivo/Cabanha Paineiras Foto: Arquivo/Cabanha Santa Bárbara

Na década de 1970, o fenótipo da Aberdeen Angus já havia mudado, conforme mostra a foto ao lado, em comparação a um exemplar do começo da década de 1960, como o da imagem de cima. O anúncio ao lado dela foi publicado em 1968 no Catálogo da 31ª Exposição Estadual de Animais 46

Associação Brasileira de Angus


Foto: Eduardo Rocha


Foto: Eduardo Rocha/Cabanha Dos Tapes


1972

1974

Diretoria Presidente: Lauro Dornelles de Macedo 1º vice-presidente: Luís Flodoardo Silva Pinto 2º vice-presidente: Enrique Viegas Secretário: Antonio Martins Bastos Filho 2º secretário: Theodoro de Mascarenhas Tesoureiro: Hermes Silva Pinto 2ª tesoureira: Carla Sandra Staiger Schneider

O tio Lauro era um visionário e buscou as melhores tecnologias. O foco sempre foi o que havia de melhor em genética no mundo. Susana Salvador

Biografia do presidente

U

ma vida dedicada à ge-

cipal ponto que

nética Angus fez de Lau-

coincidiu com a fundação da An-

buscou transmitir

ro Dornelles de Macedo

gus Brasil, em 1963. À frente da

a seus pares foi a

um exímio produtor de plantéis,

cabanha desde a década de 1930,

necessidade de se

e obter animais de qualidade era

Lauro buscou reprodutores para

investir em novas

seu objetivo máximo. O talento e

melhorar os rebanhos do estabe-

fontes de genética,

a paixão pelo campo vieram de

lecimento. As viagens ao exterior

como Canadá e

família. Lauro sucedeu o pai, o

eram comuns, e o pecuarista che-

Estados Unidos.

médico João Vieira de Macedo,

gou a viajar mais de uma vez para

Ele também defen-

que iniciou em 1907 a Cabanha

Estados Unidos e Inglaterra para

dia o investimento em animais que

Azul, em Quaraí, Rio Grande do

selecionar animais.

pudessem produzir carcaças maio-

Sul. A Aberdeen Angus entrou na

52

O primeiro remate da Azul

É natural que cada presidente

res e mais pesadas, para atender às

propriedade na década de 1940,

tenha levado para a Angus Bra-

demandas da indústria – o que se

com animais importados do Uru-

sil um pouco de sua experiência

concretizaria ainda na década de

guai e da Argentina.

pessoal. No caso de Lauro, o prin-

1970 na genética do New Type.

Associação Brasileira de Angus

Foto: Arquivo/Angus Brasil

Lauro Dornelles de Macedo


Foto: Eduardo Rocha


54

Associação Brasileira de Angus


50 Anos

55

Fotos: Eduardo Rocha


A força política da Angus Com a exposição de Esteio ganhando caráter internacional, o estande da Angus no parque virou um ponto de encontro para figuras de destaque


Fotos: Arquivo/CIA Azul Agropecuária

Em 1973, Lauro Dornelles de Macedo levou o presidente Geisel e o governador Triches ao estande da Angus em Esteio. Na foto, ao centro e em primeiro plano, estão Lauro (E) e o governador

L

auro Dornelles de Macedo

no estande da Angus. Por isso,

se aproximar da sociedade e cativar

teio. Documentos, livros de atas e

tomou posse em agosto

uma das primeiras preocupações

novos criadores para a raça. O local

folhetos para a inscrição de novos

de 1972, na primeira

do ex-presidente foi a reforma e a

também foi uma referência política,

associados eram levados de Uru-

ampliação do local.

como comprova a passagem, em

guaiana até o local. O preparo do

1973, do então governador do Rio

estande – desde a decoração até

assembleia realizada no estande da Associação em Esteio, quando

Um dos principais objetivos do

a exposição adquiriu caráter inter-

presidente com a melhora do es-

Grande do Sul, Euclides Triches,

a contratação de funcionários de

nacional. Nesse ano, dando início

paço era dar condições de que este

e do presidente Ernesto Geisel ao

limpeza – ficava a cargo, geralmen-

a uma “tradição” que se repetiria

se tornasse um “ponto de reunião

estande da Angus.

te, da esposa do presidente e outros

por diversas vezes na Expointer,

obrigatório dos criadores de Aber-

A Expointer era o evento mais

a chuva castigou o evento, trans-

deen Angus participantes da expo-

esperado do ano para os criadores

formando as pistas de julgamento

sição”, conforme foi registrado em

brasileiros. Na semana da feira,

durante as exposições, eram esco-

em pântanos e causando estragos

ata. Com isso, criava um meio de

a Associação se mudava para Es-

lhidos os jurados para a prova do

familiares dos associados. Nas assembleias realizadas

50 Anos

57


em xeque mais tarde, já que, ainda

Arquivo/ANC

ano seguinte. A prática seria posta que o sentimento fosse mais de colaboração do que de competição, era difícil fazer uma escolha racional e justa com as emoções afloradas logo após os julgamentos. As discussões eram memoráveis: o criador vencedor do Grande Campeonato sempre queria que o jurado fosse o mesmo no ano seguinte, enquanto os demais criticavam, não raro de forma veemente, o trabalho do encarregado. A escolha dos jurados sempre foi um momento-chave nas assembleias. Para além das discussões, Lauro, durante sua gestão, buscou privilegiar os profissionais estrangeiros. As novidades em termos de genética se encontravam no exterior, e o contato com esses profissionais alavancava o crescimento do Aberdeen Angus brasileiro. Para a Exposição Estadual de Animais de 1973, o escolhido

Anúncio no Catálogo

foi o técnico argentino Ignácio

da 2ª Expointer

Expointer, em 1974 – ano em que as esferas que hoje são símbolo do evento de Esteio foram envia-

Arquivo/ANC

Corti Maderna. Na 2ª edição da

das como presente pelo governo da Alemanha Ocidental –, a Associação participou com a indicação do jurado argentino Juan Ezcurra Sauze. Esses dois jurados marcariam presença por diversas vezes nos julgamentos de Angus no Brasil nos anos seguintes, e, a exemplo de outros visitantes

58

estrangeiros, estabeleceram laços

Capa do primeiro relatório de

fortes com os criadores brasileiros.

resultados do CDP, em 1973

Associação Brasileira de Angus


Foto: Eduardo Rocha


Foto: Eduardo Rocha/Cabanha Dos Tapes


1974

1978

Diretoria Presidente: Antonio Martins Bastos Filho 1º vice-presidente: João Vieira de Macedo Neto 2º vice-presidente: Hermes Silva Pinto Secretário: Flavio Bastos Tellechea 2º secretário: Theodoro Mascarenhas Tesoureiro: Eduardo Linhares 2ª tesoureira: Carla Sandra Staiger

Cruzamento e seleção O controle de reprodutores puros por cruza estimulou o uso comercial do Angus

A 64

ntoninho voltou a ser

de gado puro por cruza. Foi então

escolhido presidente da

apresentado o anteprojeto da se-

Associação Brasileira de

leção, que “buscava assegurar o

Angus em agosto de 1974, des-

melhoramento da sua produtivi-

ta vez no estande de Esteio. Em

dade”, estabelecendo um controle

maio do ano seguinte, aconteceu

de reprodutores puros por cruza,

uma assembleia geral extraordi-

em razão da grande difusão da

nária, de volta ao Hotel Glória,

Aberdeen Angus. A medida pio-

em Uruguaiana, que abrigara os

neira permitiria que os plantéis

primeiros encontros da entidade.

puros por cruza tivessem gado

A reunião procurou organizar e

para uso comercial e garantiria a

oficializar o serviço de controle

qualidade do rebanho.

Associação Brasileira de Angus


Foto: Eduardo Rocha/Scalzilli Agropastoril


Foto: Eduardo Rocha/Cabanha Dos Tapes


A tradição em trazer jurados

a novidade, e o tamanho dos ani-

leira de Angus. Na ocasião, já tinha

o surgimento oficial do Programa

internacionais segue forte na As-

mais brasileiros também começou

sido revisado um total de 2.451

de Melhoramento de Bovinos de

sociação, e a aproximação com os

a aumentar. Quando o porte da

fêmeas e 182 machos. A iniciativa

Carne (Promebo). Os estudos foram

Estados Unidos facilita essa rela-

raça começou a crescer demais,

animou os associados, que reelege-

iniciados um ano antes pelo zootec-

ção. A 38ª Exposição Estadual de

colocando em risco alguns atribu-

ram a diretoria e o conselho con-

nista Luiz Alberto Fries durante seu

Animais, em 1975, contou com a

tos de produtividade, buscou-se

sultivo por mais um biênio. Nessa

mestrado na Faculdade de Agrono-

participação do jurado americano

reduzir o frame novamente.

gestão de Antoninho, iniciou-se

mia da Universidade Federal do Rio

também o serviço de seleção An-

Grande do Sul. O serviço passou

Herman Purdy, um dos maiores

Na reunião de agosto de 1976, Antoninho anunciou o início oficial

gus Definido (AD), marca dada às

então a ser gerido pela ANC, sob

um dos primeiros a falar do New

do Serviço de Seleção Puro por

fêmeas portadoras de característi-

coordenação do zootecnista. A ini-

Type, que se popularizava no país

Cruza (PPC). Para isso, foi necessá-

cas raciais comprovadas através de

ciativa dinamizou a seleção genéti-

do norte. Era um animal maior,

ria a contratação de dois técnicos:

avaliação fenotípica.

ca de animais e facilitou a escolha

que contrastava com o padrão

Mauro Lopez e Vicente Jaques, os

inicial da raça. O Brasil absorveu

dois primeiros da Associação Brasi-

Fotos: Arquivo/Associação Americana de Angus

especialistas em genética Angus e

Em 1974, um marco para a raça e para a seleção genética no Brasil:

técnica de reprodutores para inseminação artificial.

O jurado americano Herman Purdy (à esquerda, de branco) julgou a 38ª Exposição Estadual de Animais, a convite da Associação Brasileira de Angus. Purdy foi um dos primeiros a falar no Angus New Type. Na foto abaixo, à direita, Milt Miller, secretário da Associação Americana de Angus

50 Anos

67


68

Associação Brasileira de Angus


50 Anos

69

Fotos: Eduardo Rocha


Os anos 1970 foram a febre do New Type. Era o modernismo da época, e a gente também seguiu. Naquele momento, os Estados Unidos eram a meca do Angus.

Foto: Arquivo/Cabanha Santa Bárbara

Antonio Martins Bastos Filho

O touro da fotografia é Ankonian Centenial, importado em 1976 dos Estados Unidos pela Cabanha Santa Bárbara, de São Jerônimo (RS). Ele foi um dos primeiros representantes do New Type no Brasil 70

Associação Brasileira de Angus


Foto: Arquivo/Cabanha São Bibiano

Esta imagem da década de 1970 também mostra um

Foto: Arquivo/Cabanha Santa Bárbara

Foto: Arquivo/Cabanha Santa Bárbara

exemplar Angus New Type

O touro Chaparral recebe a roseta de Synval Guazzelli, então governador do

Nesta foto de 1976, estão José A. Collares, diretor da ANC, Horacio Gutiérrez,

RS. À direita está Carla Sandra Staiger Schneider, proprietária do animal

da Cabanha Três Marias, e Juan Ezcurra Sauze, da Cabanha El Meridiano

50 Anos

71


Foto: Eduardo Rocha


1978

1980

Diretoria Presidente: Hermes Silva Pinto 1º vice-presidente: Flavio Bastos Tellechea 2º vice-presidente: João Vieira de Macedo Neto Secretário: Jorge Martins Bastos 2º secretário: Carlos César de Albuquerque Tesoureiro: Antonio Martins Bastos Filho 2ª tesoureira: Carla Sandra Staiger Schneider

Biografia do presidente

H

76

ermes Silva Pinto foi

ária, o que lhe

eleito presidente da

deu uma visão

Associação Brasileira de

mais ampla so-

Angus em agosto de 1978. Nasci-

bre o setor. Ele

do em Uruguaiana, o pecuarista

buscou levar essa

ingressou naturalmente na enti-

experiência para

dade, uma vez que o pai, Hermes

a Associação

Pinto, e o irmão Luís Flodoardo

e teve grande

estiveram presentes desde a fun-

preocupação em

dação. Hermes tocou os negócios

dar continuidade

da família e esteve à frente da

e incentivar aquilo que já havia

Cabanha São Luiz.

sido feito pelas gestões anteriores,

Antes de presidir a Angus Brasil,

como os serviços de controle e as

o uruguaianense também integrou

exposições de rústicos, sempre

outras entidades ligadas à pecu-

com vistas ao fomento da raça.

Associação Brasileira de Angus

Foto: Arquivo/Angus Brasil

Hermes Silva Pinto


Foto: Fagner Almeida


A Associação tem que crescer A criação do primeiro núcleo regional da Angus Brasil foi

E

Foto: Arquivo/Cabanha Santa Bárbara

um sinal de que a entidade estava em plena expansão

ntre as décadas de 1970 e 1980, o crescimento da Aberdeen Angus no Rio Grande

do Sul e no Brasil era evidente, e as demandas dos criadores acompanhavam esse cenário. Isso fez com que a Associação buscasse mecanismos para acompanhar as exigências dos associados. Em 1979, Hermes pôs em votação a criação de núcleos regionais, medida que seria crucial para a expansão da raça. A proposta foi aprovada por unanimidade, dando origem ao Núcleo Regional do Centro-Sul de Criadores de Aberdeen Angus. A primeira diretora foi Carla Sandra Staiger Schneider, da Cabanha Santa Bárbara, em São Jerônimo (RS). Carla Sandra Staiger Schneider foi a primeira presidente do Núcleo Centro-Sul. Nesta imagem da época, Carla Sandra aparece com o então governador do RS, Synval Guazzelli

78

Associação Brasileira de Angus


Foto: Eduardo Rocha/Cabanha Dos Tapes


Foto: Eduardo Rocha

Essa história, iniciada há mais de 30 anos, resultou na criação dos mais de 20 núcleos com os quais a Associação conta hoje em dia. Atualmente, são os seguintes:

Núcleo de Criadores de Angus de Santana do Livramento (RS)

Núcleo de Criadores de Aberdeen Angus de Alegrete (RS)

Núcleo Regional de Criadores de Aberdeen Angus de Bagé (RS)

Núcleo Centro Angus (Cachoeira do Sul, RS)

Núcleo de Criadores de Aberdeen Angus de Dom Pedrito (RS)

Núcleo Itaquiense de Criadores de Angus (Itaqui, RS)

Núcleo Sudeste de Criadores de Angus (Pelotas, RS)

Núcleo Centro-Litorâneo dos Criadores de Aberdeen Angus (Porto Alegre, RS)

Núcleo de Criadores de Angus de Quaraí (RS)

Núcleo Central de Angus (Santa Maria, RS)

Núcleo Centro-Oeste de Criadores de Angus do Rio Grande do Sul (Santiago, RS)

Núcleo de Criadores de Aberdeen Angus de São Borja (RS)

Núcleo de Criadores de Angus do Planalto Médio do RS (Tupanciretã, RS)

Núcleo Serrano de Criadores de Angus em Vacaria (RS)

Núcleo Angus Três Fronteiras (Uruguaiana, RS)

Núcleo de Criadores de Angus do Oeste do Paraná (Cascavel, PR)

Núcleo Paranaense de Criadores de Aberdeen Angus (Londrina, PR)

Núcleo de Criadores de Angus dos Campos Gerais (Ponta Grossa, PR)

Núcleo dos Criadores da Raça Angus do Sudoeste do Paraná (Pato Branco, PR)

Núcleo Catarinense de Criadores de Angus (Florianópolis, SC)

Núcleo de Criadores de Angus de São Paulo (São José do Rio Pardo, SP)


Foto: Arquivo/Cabanha Bom Retiro

O crescimento dos rebanhos de Aberdeen Angus fez com que, em 1979, a equipe de técnicos para os serviços de PPC e AD da Associação passasse a contar com mais integrantes. Naquele ano, ocorreu o ingresso de Pedro Adair dos Santos e de outros profissionais, para otimizar o serviço. Pedro Adair é o mais antigo técnico da Associação ainda em atividade. Com o aumento do número de animais revisados no PPC, tornaram-se oito os técnicos disponíveis no quadro da entidade. Para atender às normas impostas na época pelo Ministério da Exemplar campeão da exposição em Esteio em 1979

Agricultura, a Angus Brasil firmou

Foto: Arquivo/Cabanha São Bibiano

um convênio com a ANC para executar a parte burocrática dos serviços. Também em razão de uma exigência feita pelo ministério, o Conselho Técnico da entidade passou de três para seis membros durante a gestão de Hermes. Aproximar-se de outras associações de raça também foi uma prioridade para Hermes. Em 1979, a Angus Brasil, representada por João Vieira de Macedo Neto, participou de uma reunião em Pelotas (RS), no Herd-Book Collares, junto ao Ministério da Agricultura, para discutir essa questão. Mais especificamente, foi debatido o financiamento para reprodutores selecionados e registrados e a padronização das provas zootécnicas das associações Em abril de 1980, a Angus realizou um congresso em Canela (RS) para discutir o desenvolvimento da raça

de raça especializadas.

50 Anos

81


Foto: Eduardo Rocha


1980

1982

Diretoria Presidente: João Vieira de Macedo Neto 1ª vice-presidente: Carla Sandra Staiger Schneider 2ª vice-presidente: Maria Helena Lança Macedo Secretário: Carlos César de Albuquerque 2º secretário: Jorge Martins Bastos

Meu pai sempre foi muito inovador,

Tesoureiro: Antonio Martins Bastos Filho 2º tesoureiro: Firmino Fernandes Lima Junior

gostava de inventar, experimentar. A Central de Inseminação Artificial Azul, montada nos anos 1980 para difundir a genética, foi resultado disso. Susana Salvador

Biografia do presidente

U

ma figura agregadora,

o Promebo, a Azul foi uma das

para o agrônomo apaixonado por

Macedo era

dedicada, curiosa e com

pioneiras em sua utilização. O

genética, pois era a possibilidade

discreto, como

um interesse único por

interesse em genética e no desen-

de ver concretizado o esforço de

autêntico minei-

genética. É essa a lembrança que

volvimento das raças de bovinos

um ano inteiro.

ro - nascido em

Susana Macedo Salvador, filha de

de corte herdado do avô e do tio

João Vieira de Macedo Neto, tem

fez com que Macedo fosse funda-

jetivo de Macedo sempre foi

te, retornou às

do pai, falecido em 2011. Neto de

mental nessa empreitada, atuan-

eliminar as dificuldades geradas

raízes gaúchas

João Vieira de Macedo e sobrinho

do ao lado de Fries no desenvol-

por diferenças ambientais, fazen-

ainda criança.

de Lauro Dornelles de Macedo,

vimento do programa.

do com que os bovinos tivessem

A capacidade

possibilidade de expressar seu

de trabalhar em

também ex-presidente da Asso-

Belo Horizon-

ciação, Macedinho, como ficou

o pecuarista era responsável pe-

potencial pleno e pudessem ser

silêncio, sem holofotes, era uma

conhecido, se interessou natural-

los animais que participavam de

comparados a qualquer animal,

de suas principais características.

mente pela Aberdeen Angus. For-

exposições, e a isso se dedicava

de qualquer parte do mundo.

O perfil metódico e organizado,

mado em agronomia, ele começou

incansavelmente, desde a seleção

Viajava muito e conhecia o gado

buscando o bem comum, era ou-

a trabalhar com o tio ainda em

dos reprodutores até o resultado

de corte de outros países, de onde

tro ponto forte do criador, o que

1957 na Cabanha Azul .

final. E não é à toa que vêm da

sempre buscava trazer novidades,

o levou à presidência de outras

Expointer as lembranças mais

especialmente das cabanhas que

entidades, como da ANC, parceira

nista Luiz Alberto Fries iniciou

vívidas que Susana tem do pai. O

desenvolviam genéticas reconhe-

da Angus Brasil em diversos mo-

os estudos para o que se tornaria

evento era a festividade máxima

cidas internacionalmente.

mentos ao longo de sua história.

Em 1973, quando o zootec-

86

Dentro do negócio familiar,

No trabalho, o principal ob-

Associação Brasileira de Angus

Foto: Arquivo/CIA Azul Agropecuária

João Vieira de Macedo Neto


Foto: Fagner Almeida


Integração

em nome da pecuária A aproximação entre as entidades garantiu um maior

E

leito em setembro de 1980,

laçadas e os controles de peso e os

de Hereford, para participar da

Macedo buscou trazer sua

serviços de seleção caminhassem

assembleia da Angus Brasil, bus-

experiência agregadora para

no sentido do crescimento da raça

cando aproximar as entidades e

e do bem comum.

tendo em vista um crescimento da

dentro da Associação Brasileira de Angus. O agrônomo teve grande

pecuária de corte no país. Em 1981, o jurado trazido foi

participação em outras associa-

nuação daquele iniciado em 1979,

ções, como a ANC, da qual foi

durante a gestão de Hermes Pinto,

o americano Gary Minish, nome

presidente por duas vezes. A sua

quando Macedo representou a

lembrado com frequência entre

luta constante pela modernização

Associação nas negociações para

os criadores brasileiros por sua

do arquivo genealógico das raças,

o financiamento de reprodutores

atuação nos julgamentos e no

bastante marcante no Herd-Book

selecionados e registrados e ga-

desenvolvimento genético da raça.

Collares, se tornaria também evi-

rantiu a isenção de pagamento de

Em 1982, buscou-se priorizar os

dente na Angus Brasil.

impostos em transações interesta-

jurados nacionais, mas na escolha

duais de produtos. E, ainda após

para o ano seguinte voltou-se a

garantir a aproximação entre ins-

sua gestão, a integração seguiu

dar ênfase aos estrangeiros, e os

1981 para julgar a Exposição

tituições durante sua gestão. Ele

uma meta. Em 1983, o pecuarista

argentinos Juan Ignácio Ezcurra

Estadual de Animais. O

conseguiu fazer com que ambas as

convidou Geraldo Estrázulas Perei-

Sauze e Horacio Gutiérrez também

entidades, ANC e Associação Bra-

ra de Souza, então presidente da

foram indicados como opções. Es-

em diversos eventos a convite da

sileira de Angus, andassem entre-

Associação Brasileira de Criadores

ses nomes voltam a se repetir por

Associação Brasileira de Angus

O pecuarista se esforçou para

88

Esse trabalho foi uma conti-

Foto: Arquivo/Associação Americana de Angus

desenvolvimento das raças no Brasil

Associação Brasileira de Angus

Gary Minish veio ao Brasil em

americano atuou como jurado


Foto: Arquivo/CIA Azul Agropecuária

Reynaldo Salvador (à direita), Macedo e a equipe da Cabanha diversas vezes durante a história

mais moderno sobre Aberdeen

de 1.667 produtos - 17 machos

da Associação, e não é por acaso:

Angus vinha do exterior, e trazer

CA, 390 fêmeas CA e 1.277 fême-

além de profissionais renomados,

profissionais de fora, com conhe-

as AD. Em 1981, o número de ani-

especialistas em Aberdeen Angus,

cimento e experiência no assunto,

mais tatuados já chega a 7.249.

os jurados também se tornaram

era uma forma de incrementar a

amigos dos criadores brasileiros.

raça e alavancá-la.

Em 1981 e 1982, pela primeira vez desde a sua criação, a

O fomento dos serviços de

Associação opta por não realizar

dos vindos de fora do Brasil se

seleção PPC e AD - desse último,

a Exposição de Rústicos de Uru-

explica por uma das principais

especialmente - também vai nesse

guaiana. A decisão foi uma forma

preocupações de Macedo: a ge-

sentido. De agosto de 1980 a agos-

de se focar em outras atividades

nética. Na época, o que havia de

to de 1981, foi tatuado um total

para o fomento da raça.

Essa predominância de jura-

Azul na Expointer de 1990

50 Anos

89


Foto: Fagner Almeida


1982

1984

Diretoria Presidente: Carlos César Silva de Albuquerque 1º vice-presidente: Eduardo de Macedo Linhares 2ª vice-presidente: Carla Sandra Staiger Schneider

O clima nas exposições não era de disputa. Éramos todos muito próximos, criávamos

1º secretário: Flavio Antonio Franco Tellechea 2º secretário: Nelson Bastos Pinto

nossos filhos juntos, no mesmo espaço.

1º tesoureiro: Antonio Martins Bastos Filho 2ª tesoureira: Maria Helena Lança Macedo

Nara Degrazia de Albuquerque

Biografia do presidente

N

passou a participar de exposi-

os resultados e decisões do jura-

buquerque tinha muito

ções. Os primeiros ventres foram

do - o que podia tanto despertar

áreas, agropecu-

ciúme do marido, Car-

comprados em 1970, e o primeiro

discussões acaloradas, quanto

ária ou médica,

los César Silva de Albuquerque.

touro, em 1972. A estreia em Es-

gargalhadas, em meio a críticas

Albuquerque

Não era porque o médico passava

teio aconteceu dois anos depois.

bem-humoradas.

sempre exerceu

incontáveis horas dentro de um

No início, o próprio médico fazia

hospital, mas sim por um grande

questão de preparar e tosar os

e com a entidade cresceu, e a

rança. O filho

amor que o gaúcho, natural de

animais para entrar em pista. Se-

atuação de Carlos César dentro

Rafael Degrazia

Barra do Ribeiro, não se preocu-

guidor das tendências americanas,

da Associação também se inten-

atribui ao caris-

pava em esconder: o campo. A

o médico começou com o New

sificou, até chegar à presidência.

ma e às habili-

paixão se explica pela família tra-

Type em sua cabanha, a Pavão,

O médico fazia o possível - e era

dades social e política do pai a

dicional de fazendeiros, em cujas

nos anos 1980.

bem-sucedido - em conciliar seus

facilidade com que ele circulava

muitos compromissos. Além de

nesses diferentes meios e lembra

exposições de Palermo, que não

clinicar, entre outras funções, o

que, assim como ao construir

apenas eram uma aula sobre

gaúcho foi diretor da Irmandade

uma trajetória sólida dentro da

mente a atividade rural. Assinava

Aberdeen Angus, mas também

da Santa Casa de Misericórdia de

Associação Brasileira de Angus,

revistas americanas e queria estar

um momento de grande integra-

Porto Alegre, presidente do Hos-

essas mesmas características o

sempre informado sobre o que

ção para os criadores. Quando

pital das Clínicas, professor na

levaram a se tornar, em 1996, mi-

havia de mais moderno em termos

algum membro da Angus Brasil

Universidade Federal do Rio Gran-

nistro da Saúde de Fernando Hen-

de genética e criação. E foi assim

era convidado a julgar em Pa-

de do Sul - muitas vezes desem-

rique Cardoso, cargo que ocupou

que, na década de 1970, começou

lermo, era costume que depois,

penhando mais de uma atividade

até 1998. O médico e pecuarista

o plantel de Aberdeen Angus e

durante o jantar, se comentassem

ao mesmo tempo.

faleceu em 2005.

ara Degrazia de Al-

propriedades o médico passou grande parte da infância. Albuquerque estudava ardua-

94

Associação Brasileira de Angus

Nara lembra com carinho das

O envolvimento com a raça

Em todas as

papéis de lide-

Foto: Arquivo/Família Albuquerque

Carlos César Silva de Albuquerque


Foto: Eduardo Rocha/Cabanha Dos Tapes


Integração e

intercâmbio A troca de informações entre entidades de raça e criadores de diferentes países fortaleceu a genética Angus

O

96

carisma e a habilidade

entre as entidades de raça. Duran-

Como já ocorrera na gestão

em 1983, quando foi realizada a

política de Carlos César

te sua presidência, fez questão

anterior, também não se realiza-

Feira de Rústicos em Guaíba (RS),

foram marcantes desde o

de manter contato e intercâmbio

ram exposições de rústicos duran-

um modo de agregar mais criado-

início de sua gestão na Associa-

constantes com outras associações,

te a presidência de Carlos César.

res da região e trazê-los para den-

ção Brasileira de Angus. Logo no

além de participar de todas as

No lugar delas, optou-se por or-

tro da Associação.

discurso de posse, após a eleição

reuniões da comissão permanente

ganizar uma feira de ventres com

A discussão se as exposições

na assembleia de setembro de

de exposições do Ministério da

exemplares da raça Ibagé - atual-

de rústicos em Uruguaiana e Re-

1982, em Esteio, o médico fez

Agricultura no Rio Grande do Sul.

mente denominada Brangus. Na

gião Metropolitana de Porto Alegre

questão de agradecer e destacar a

Ainda seguindo a tendência que

primeira edição, em 1983, foram

seguiriam acontecendo ou seriam

recepção desde o primeiro conta-

vinha desde o início da Associação

vendidos 740 animais, alcançan-

definitivamente substituídas por

to com a entidade. “Fui recebido

de manter proximidade com pecua-

do Cr$ 37.000.000 (equivalentes

feiras de ventres também foi mar-

como um amigo”, afirmou, com-

ristas de fora do Brasil, Carlos César

a R$ 1.094.054).

cante nessa época. Depois de mui-

prometendo-se a retribuir à altura

promoveu a visita de uma comissão

a confiança dos associados.

Ainda com foco nas exposi-

to debate, decidiu-se que feiras de

de criadores norte-americanos ao

ções, o presidente articulava desde

ambos os tipos seriam fomentadas

A exemplo de João Vieira de

Brasil, buscando mostrar o estágio

1982 a organização de uma feira

e, sempre que possível, seriam

Macedo Neto, o médico também se

de desenvolvimento e o nível zoo-

na Região Metropolitana de Porto

realizadas em outras regiões do

esforçou em fomentar a integração

técnico da Aberdeen Angus no país.

Alegre. O projeto se concretizou

Rio Grande do Sul, especialmente

Associação Brasileira de Angus


Foto: Arquivo/Família Albuquerque

Foto: Divulgação/Agrop. Roncador

na Grande Porto Alegre. À época,

algumas discussões. Os associa-

diversos associados - especialmen-

dos afirmavam que os critérios de

te o futuro presidente Flavio Anto-

quem poderia ou não votar ainda

nio Franco Tellechea - insistiam na

eram, de certa forma, nebulosos.

necessidade de se promover uma

Decidiu-se, então, que poderiam

política agressiva de vendas, e

participar da escolha os exposi-

Carlos César se comprometeu com

tores que tivessem apresentado

na capa do suplemento de

essa causa durante sua gestão.

animais em Esteio em ao menos

agropecuária do Jornal do

um dos últimos três anos.

Comércio, de Porto Alegre, em

A questão da escolha de jurados para exposições, assim como

Ainda no que diz respeito a

A Aberdeen Angus foi destaque

março de 1983, apontada como

todos os temas que envolviam

Esteio, na gestão de Carlos César

uma opção para qualificar os

julgamentos, também foi alvo de

o estande no parque de exposições

cruzamentos industriais

50 Anos

97


Fotos: Arquivo/Cabanha São Bibiano

Mesmo quando era administrador hospitalar, a paixão do Carlos sempre foi o campo. Nara Degrazia de Albuquerque

passou por mais uma remodelação, sob o comando de Nara de Albuquerque e Maria Helena Macedo. Por seus serviços prestados à

A Expointer era um dos momentos mais esperados pelos criadores. Na imagem, o Grande Campeão do certame de 1983

Associação, essas mulheres foram agradecidas publicamente por diversas vezes, e isso chegou a ser registrado nas atas da entidade. A habilidade política de Carlos César aparece uma vez mais no final de sua gestão. Em sintonia com o momento histórico que o Brasil vivia então - após 20 anos de ditadura militar, o país vislumbrava a abertura política -, o então presidente da Angus decidiu que a diretoria não apresentaria nenhuma chapa na eleição para o biênio de setembro de 1984 a agosto de 1986, uma vez que o país estava “vivendo momentos de abertura e eleições livres”, conforme consta na ata em que o médico, pecuarista, gestor e político encerra sua presidência na Associação Brasileira de Angus. 98

Associação Brasileira de Angus

Gilda Bastos e o então presidente da Associação, Carlos César, durante a Expointer de 1984


Foto: Eduardo Rocha


Foto: Fagner Almeida


1984

1988

Diretoria 1984 1986

1986

Presidente: Flavio Antonio Franco Tellechea

Presidente: Flavio Antonio Franco Tellechea

Vice-presidente: Eduardo Macedo Linhares

Vice-presidente: Reynaldo Titoff Salvador

2ª vice-presidente: Carla Sandra Staiger Schneider

2ª vice-presidente: Carla Sandra Staiger Schneider

Secretário: Nelson Bastos Pinto

Secretário: Tito Rubens Mondadori

2º secretário: Tito Rubens Mondadori

2ª secretária: Paulo Leonardo Mascarenhas Linhares

Tesoureiro: Antonio Martins Bastos Filho

Tesoureiro: Antonio Martins Bastos Neto

2ª tesoureira: Maria Helena Lança de Macedo

2º tesoureiro: Pedro Ribeiro Tellechea

1988

Mesmo em tão pouco tempo de vida, Neco conseguiu transmitir aos filhos a paixão pelo campo e pela Angus. Claudia Indarte

Flavio Antonio Franco Tellechea

Q

uando Flavio Antonio Fran-

muitos dos fundadores, se confunde

co Tellechea assumiu a pre-

com o desenvolvimento da raça e

dedicação são características que

Expointer de que

sidência da Associação Bra-

da Angus Brasil. Na Paineiras, ainda

os amigos e familiares de Neco

participou, em

sileira de Angus, a entidade nunca

pequeno acompanhava Flavio Bas-

não esquecem. A vontade de que

1988, percebeu

havia tido um gestor tão jovem

tos Tellechea nas lides da cabanha

todos conhecessem as vantagens

que não era pos-

à sua frente. Aos 24 anos, Flavio

e nas exposições. Montar a cavalo,

da genética também era um aspec-

sível fazer tudo.

Antonio, o Neco, já tinha vivência

levar o gado, participar de leilões e

to marcante da personalidade do

Como presidente,

de criador experiente. Filho de

julgamentos eram práticas cotidia-

jovem criador.

também tinha que recepcionar o

Flavio e Lila Tellechea, ele cresceu

nas para o menino, que seguiria os

Se ia a uma exposição, não

jurado, os criadores, enfim, aten-

e aprendeu no campo. As opiniões

passos do pai e se tornaria veteriná-

interessava o cargo que ocupasse,

der a outras exigências do cargo.

firmes e a atuação constante nos

rio. Do pai, Neco herdou o interesse

participava da preparação dos

assuntos da Angus lhe renderam

pela Aberdeen Angus. Ele passou

bovinos, lavava, soprava, fazia

falava em um sonho: ele queria

a confiança dos pecuaristas mais

a paixão adiante para os filhos,

seu melhor para ver um animal

“pretear o Brasil”, ou seja, que a

velhos e tornaram natural sua

Martin e Ignacio, que com a mãe,

campeão - e gostava de participar

raça se espalhasse do Rio Grande

entrada na entidade.

Claudia, deram continuidade ao

até o fim. Puxar os animais, por

do Sul para o resto do país - o que,

trabalho após sua morte, em 1989.

exemplo, era um costume difícil de

hoje, já é realidade.

Sua trajetória, assim como a de 104

Associação Brasileira de Angus

O carisma, o bom humor e a

largar. Na última

Já na década de 1980, Neco

Foto: Arquivo/Rincon del Sarandy

Biografia do presidente


Foto: Eduardo Rocha/Scalzilli Agropastoril


Juventude e inovação

Nessa época, o sonho de “pretear o Brasil” já dava sinais

N

eco tinha 24 anos e mui-

que se começa a falar mais so-

tas ideias para o fomento

bre o cruzamento industrial com

da Aberdeen Angus no

Aberdeen Angus. A raça passa

país. Na primeira assembleia sob

a ser visada por suas muitas

a sua presidência, a presença de

características melhoradoras,

José Mário Junqueira Netto, cria-

especialmente qualidade da carne

dor em São Paulo, já dava a en-

e precocidade, ideais para incre-

tender que o sonho do gaúcho de

mentar outras raças de bovinos e

“pretear o Brasil” não estava tão

aumentar o rendimento e a pro-

distante e que a raça já desperta-

dutividade de um rebanho.

va interesse nos estados do cen-

diretoria de Neco retomou uma

palavra e falou sobre os trabalhos

mostra importante: a Exposição

de cruzamento realizados em sua

de Rústicos voltou a ser realiza-

terra para obter melhor produção

da em Uruguaiana, em junho de

de carne. O criador fez questão

1985. Em seu retorno, o evento

de destacar: a Aberdeen Angus

comercializou um total de Cr$

era a raça que vinha apresentan-

144.680.000 (R$ 367.034). Nas

do os melhores resultados nesses

reuniões, era comum que o pecu-

procedimentos.

arista insistisse para que os cria-

no começo da década de 1980, 106

No primeiro ano de gestão, a

tro do Brasil. O paulista pediu a

É justamente nessa época,

Associação Brasileira de Angus

Foto: Arquivo/Cabanha Paineiras

de estar mais perto da realidade

dores valorizassem e participas-

Três gerações de campo: João Francisco, Flavio e Neco Tellechea

sem das exposições de rústicos,

no local de remates da Cabanha Paineiras


Foto: Arquivo/Rincon del Sarandy

Neco Tellechea, à esquerda, na Expointer de 1984

como forma de fortalecer a raça,

Defendia, ainda, que fossem

se ocupavam da organização do

de que 1% das vendas de touros

e naquele ano não foi diferente. O

realizados estudos para que hou-

espaço para o evento.

fosse destinado à entidade, para

chamamento deu resultados, e no

vesse uma maior representação

ano seguinte o certame aumentou

de fêmeas na mostra.

de tamanho e contou com 443

Como forma de profissionali-

Em Esteio, na época, a loja

que se pudesse promover um

da Angus era a única mantida

programa de mídia, também foi

por uma associação de raça, e

feita nessa gestão, com o objeti-

animais, vendidos pelo total de

zar e melhorar o atendimento aos

permitia que a entidade divul-

vo de fomentar essa área, assim

Cz$ 1.172.100 (R$ 1.006.090).

associados durante a exposição,

gasse informações e obtivesse re-

como a criação do cargo de as-

em 1986, decidiu-se criar uma

cursos significativos com a ven-

sessor de imprensa.

em fortalecer a raça também a

comissão para a manutenção do

da de itens exclusivos, que iam

partir dos eventos, Neco concla-

estande da Associação em Es-

de canecos a talheres. Ainda no

Neco se encerrava, a Associação

mou os criadores a participarem

teio. Até então, o local ficava sob

sentido de consolidar a imagem

completava 25 anos de existência,

mais efetivamente da Expointer,

responsabilidade do presidente

da raça, a Associação decidiu

já com um caráter mais profissio-

lembrando da importância da

e, informalmente, de sua famí-

formar uma comissão de divul-

nal, indo ao encontro do cresci-

exposição como vitrine da raça.

lia - as esposas, especialmente,

gação e propaganda. A decisão

mento da raça no país.

Coerente com sua obstinação

Em 1988, quando a gestão de

50 Anos

107


108 Associação Brasileira de Angus

Foto: Eduardo Rocha/Scalzilli Agropastoril


50 Anos

109

Foto: Eduardo Rocha


Foto: Eduardo Rocha/Espinilho Agricultura & Pecuรกria


1988

1992

Diretoria Presidente: Reynaldo Titoff Salvador 1º vice-presidente: Pedro Ribeiro Tellechea 2º vice-presidente: Francisco Giaffoni Jr. Secretário: Milton Lança Macedo 2º secretário: Carlos César de Albuquerque Tesoureiro: Antonio Martins Bastos Neto 2º tesoureiro: João Paulo Schneider da Silva

Quando assumi, eu já começava a olhar o Angus como produto final ‘carne de qualidade’.

Biografia do presidente

Reynaldo Titoff Salvador

F

azia sete anos que Rey-

Angus. O estabelecimento também

te entre 1982 e 1984, perguntou

Angus Beef, que

naldo Salvador se gra-

trabalhava com outras duas raças,

a Salvador se poderia indicá-lo

inspiraria o pro-

duara em agronomia na

o que possibilitou que Salvador

para suceder Neco. Na época, em

grama no Brasil.

Universidade Federal do Rio Gran-

pudesse compará-las. Logo, per-

um rodeio de touros experientes

Em 1984, ingres-

de do Sul quando assumiu a pre-

cebeu que, entre as três, a que

como era a maioria dos associa-

sou na Cabanha

sidência da Associação Brasileira

melhor se adaptava e mostrava

dos, poderia chocar. Nesse ponto,

Azul para atuar

de Angus, aos 30 anos. O primeiro

melhores índices zootécnicos era

vir depois de Neco, o mais jovem

com o sogro, João

contato dele com a raça fora em

a Angus. Viu, então, que a pecu-

a ser eleito presidente da entidade,

Vieira de Macedo

1977, estagiando em propriedades

ária de corte ainda tinha muito

era uma vantagem.

Neto. Hoje, Salva-

no sul do Brasil e no Uruguai. Em

para crescer no Brasil, e decidiu se

Ainda durante as andanças

dor é diretor comercial na Cia Azul

1981, começou a trabalhar em um

dedicar e fazer parte dessa história.

pela América do Norte, participou

Agropecuária e diretor do Programa

A experiência breve, mas inten-

em 1982 da Nacional de Denver ,

Carne Angus Certificada. Entre as

rancho de Montana, nos Estados

114

Unidos, em uma das propriedades

sa, deu credibilidade a Salvador,

no Colorado, onde conheceu Dick

vantagens da raça, aliás, a qualida-

que mais investia em genética

e os já calejados criadores não

Spader, então diretor executivo da

de da carne foi determinante para

bovina no país. Não demorou para

hesitaram em escolhê-lo como

American Angus Association. Foi lá

que Salvador tivesse certeza do

o jovem perceber o potencial da

presidente. Carlos César, presiden-

o primeiro contato com o Certified

crescimento da Angus no país.

Associação Brasileira de Angus


Fotos: Fagner Almeida


Consolidação da raça

A situação econômica instável que marcou o final da década de 1980 no Brasil não impediu a Angus de crescer

S

alvador iniciou sua gestão

da marca e da raça. Lá, associações

oficialmente, quando ainda eram

o que mais diz a respeito de sua

com uma ideia clara: con-

de todo o mundo se reuniram para

dados os primeiros passos. O acor-

trajetória dentro da Associação. O

solidar a Aberdeen Angus

discutir linhas de registros gene-

do foi firmado com o Frigorífico

então presidente previa as vanta-

como raça nacional. Caminhando

alógicos, intercâmbio de material

Rio Pel, de Pelotas (RS), e chegou

gens do programa para os criadores

nessa direção, menos de um ano

genético e marketing da carne.

a culminar na exportação de carne

de novilhos, que teriam uma valori-

depois de tomar posse, realizou

Por conversas e debates, ficou

Angus brasileira para a Alemanha.

zação maior para seus animais.

o I Congresso Brasileiro de Aber-

definido que, entre os países, seria

Na época, contudo, a colaboração

Para que a colaboração entre

deen-Angus, em junho de 1989,

exigido pedigree de cinco gerações

não foi suficiente para fazer o pro-

a Angus e os frigoríficos pudesse

contando com cerca de 300 par-

para que houvesse intercâmbio de

grama da carne deslanchar, pois

acontecer de fato, era preciso que

ticipantes, entre criadores do Rio

sêmen e de reprodutores. Salvador

ainda faltavam animais para abate.

Angus virasse uma marca ligada

Grande do Sul, Paraná, São Paulo

teve oportunidade de apresentar

Ainda assim, o Programa de

à Associação, e esse processo de

e Mato Grosso.

um painel falando sobre o Angus

Carne Certificada Angus foi apre-

registro no INPI foi iniciado ainda

brasileiro e mostrou o desenvolvi-

sentado por Salvador em 1991 – a

no mandato do gaúcho, em 1990.

mento da raça aos estrangeiros.

criação oficial da iniciativa, no

Naquele mesmo ano foi preparada

Ainda em 1989, se articulava a

entanto, se daria apenas em 2003.

uma ação direta para a consolida-

1989, na Argentina, também foi

parceria pioneira da carne Angus -

A carne foi o ponto central da ges-

ção da marca Angus na Expointer.

um passo adiante na consolidação

antes mesmo de o programa existir

tão de Salvador e, provavelmente,

No estande da Associação, era

A representação da entidade no Fórum Mundial de Angus (World Angus Forum, WAF), em

116

Associação Brasileira de Angus


Foto: Eduardo Rocha


Fotos: Arquivo/CIA Azul Agropecuária

Estampa da caixa em que a carne Angus certificada no Rio Pel era exportada para a Alemanha: “A carne provém do sul do Brasil, próximo à Argentina, e é produzida de novilhos Aberdeen Angus dos pampas gaúchos, de 2 a 3 anos de idade, sem hormônios e substâncias químicas” Em 1989, a Angus Brasil firma parceria com o Frigorífico Rio Pel, de Pelotas. Esteve presente o então ministro da Agricultura, Antônio Cabrera Mano Filho, que aparece na fotos com Salvador. O presidente da Farsul na época, Hugo Giudice Paz (D), também esteve presente para inaugurar a nova sede da Angus no parque de Esteio

tal qual o resto do Brasil, passou

de Terneiros, iniciado no estabe-

no conhecido slogan da entidade:

por dificuldades. Ainda assim, foi

lecimento do Condomínio Irmãos

da Associação já se voltavam para

“Angus: a raça completa” estam-

possível concretizar a maior parte

Mondadori, em Itaqui (RS).

a Exposição de Londrina, no Para-

pado em um fôlder com informa-

dos projetos traçados no ano ante-

ções sobre os animais.

rior. O Remate das Britânicas, si-

ros aprendessem com os vizinhos

o presidente alertou os associados

multâneo à Expointer, assim como

do Prata, em maio de 1992 a Asso-

de que a cidade devia ser vista

cada que se iniciava, a Associação

o Remate Ouro Negro, em Guaíba,

ciação levou criadores à Argentina

como “porta de entrada para cru-

não ficou alheia à situação econô-

Rio Grande do Sul, saíram do papel

para visitar as cabanhas referência

zamentos industriais no Brasil

mica do país. Com os índices de

e foram realizados ainda em 1989.

em Angus. A medida era uma for-

Central” - o que, mais tarde, se

inflação nas alturas e os entraves

Pouco depois, já em 1990, o Re-

ma de mostrar o processo daquelas

concretizaria. A ida do Angus para

impostos pelos planos do governo

mate Angus PO, em Santa Maria,

propriedades que se destacavam

a mostra, contudo, só seria levada

para conter a disparada, a entidade,

encerrava o 1º Teste de Avaliação

nas mostras internacionais.

a efeito na gestão seguinte.

Na transição para a nova dé-

118

Durante essa gestão, os olhos

possível ler o que se transformaria

Associação Brasileira de Angus

Com a ideia de que os brasilei-

ná. Quando encerrava sua gestão,


Primeiro ano de gestão de Salvador, em 1988. O então presidente está ao lado de João Vieira de Macedo Neto, Bud Snidow (representante da Associação Americana de Angus), Hilton Jacques e equipe da Cabanha Azul, na Expointer

I Congresso Brasileiro de Aberdeen-Angus, realizado em 1989

50 Anos

119


Foto: Fagner Almeida


1992

1994

Diretoria Presidente: Angelo Bastos Tellechea Vice-presidente: Ruben Ilgenfritz da Silva Secretário: Mauro Dante Aymone Lopez 2ª secretária: Claudia Silva Tellechea Tesoureiro: Antonio Martins Bastos Neto 2º tesoureiro: João Paulo Schneider da Silva

Sozinho ninguém faz nada. Trabalho bom é em equipe.

Biografia do presidente

Angelo Bastos Tellechea

F

ilho mais jovem de João

atividades de executivo - ou de

Francisco Tellechea, An-

executado, como costuma dizer.

gou a hora de

gelo Bastos Tellechea tem

O desafio de se readaptar à vida

voltar e o uru-

suas raízes no campo. Porém,

no campo foi encarado com tran-

guaianense retor-

diferentemente do irmão Flavio,

quilidade pelo gaúcho. Para ele,

nou ao campo,

um dos fundadores da Angus Bra-

foi quando começou a viver. As

foi como o ingres-

sil, acabou alçando voos distantes

diferenças eram muitas. Na indús-

so em um novo

das terras da família em Uru-

tria, todo produto sai igual. Em

negócio. Apesar

guaiana. Formado em engenharia

um rebanho, contudo, padronizar

da tradição, a

industrial, Angelo construiu uma

as gerações dentro da raça é um

familiaridade com o meio ficara

trajetória na indústria e na gestão

trabalho árduo que só é possível

difusa no tempo, e era preciso re-

de grandes empresas - experiên-

quando se atinge um nível de mui-

aprender algumas coisas enquanto

cia que seria fundamental na sua

ta consistência genética.

presidente de entidade de raça. O

atuação na Angus Brasil.

engenheiro ainda tinha poucos

familiar, tocou a Angelo adminis-

contatos na área, por isso se em-

tado do meio agropecuário há

trar a Cabanha Umbu. O contato

penhou para estar em todos os

quase 30 anos quando retornou

com a Angus, naturalmente, se

remates e exposições da Aberdeen

às origens em 1987, momento em

deu quando ainda era pequeno, na

Angus que lhe fossem possíveis -

que começava a se libertar de suas

Cabanha Paineiras.

queria conhecer e ser conhecido.

O uruguaianense estava afas-

124

Na divisão do patrimônio

Quando che-

Associação Brasileira de Angus


Fotos: Fagner Almeida


Cruzando

fronteiras Em 1994, o Angus entra no Paraná. Pela primeira vez, a raça participa da Exposição de Londrina

Q

uando assumiu a presidência

era possível aprimorá-lo – o docu-

funcionário da entidade havia ido

O evento deveria ser rotativo, e

da Associação, Angelo sabia

mento era praticamente o mesmo

realizar uma atividade externa –

um dos pontos de encontro seria,

do desafio que tinha pela

desde a fundação, por isso, uma

quando o telefone tocou. Angelo

eventualmente, o Paraná. O estado,

frente. Seu discurso de posse, em

atualização era bem-vinda naquele

atendeu, e era um criador do

porém, já contava com um evento

setembro de 1992, já tinha esse

momento de crescimento da An-

Ceará, que disse ter lido sobre a

de porte, e a Associação percebeu

tom. Ele assinalava que o trabalho

gus. Entre as principais mudanças,

Angus na DBO. O anúncio foi uma

que deveria aproveitar esse espaço.

seria árduo, mas que buscaria

estiveram a normatização para

sugestão de Jovelino Mineiro, cria-

acompanhar o estágio de desen-

criação dos núcleos regionais e a

dor que já trabalhava com Angus

passos na articulação para fazer

volvimento que a entidade e a

definição de objetivos mais claros

e havia realizado um investimento

a Aberdeen Angus rumar para o

raça atingiam naquele momento.

para a Angus Brasil.

significativo na região de São Pau-

norte. Para isso, a Associação con-

lo para a difusão da raça.

tou com o apoio de criadores que

“Sozinho ninguém faz nada”, é a frase que o engenheiro costu-

namente também era uma meta,

ma repetir quando pensa em sua

que se evidenciava nos anúncios

jeção da raça para fora do Rio

mento, percebendo seu potencial

gestão – como bom empresário,

publicados na tradicional revista

Grande do Sul foi, sem dúvidas,

melhorador de rebanhos. Primeiro,

escolheu com cuidado a equipe

agropecuária DBO. Os textos fa-

a primeira participação da Angus

entrou em contato com o então

que lhe cercava.

lavam sobre a raça, explicavam

na Exposição de Londrina, em

presidente da Sociedade Rural do

A primeira grande mudança

suas características e assinalavam

1994. A expansão da Angus para

Paraná, na época, o paulista José

levada a cabo por Angelo, como

suas vantagens. A iniciativa aten-

o Paraná, já sonhada em gestões

Carlos Tibúrcio. Angelo telefonou

poderia se esperar de alguém com

deu às expectativas de tornar a

anteriores, teve seu princípio em

para ele, apresentou-se e com-

sua experiência, foi no sentido de

Angus conhecida dentro e fora do

outra ideia de integração. Havia

binou uma visita a Londrina no

melhorar a gestão da Associação.

Rio Grande do Sul.

certo tempo se pensava em reali-

verão. Mais tarde, as relações com

zar uma feira que congregasse os

Tibúrcio, assim como com outros

criadores de Angus do Mercosul.

criadores locais, se aprofundaram,

Como presidente, ao olhar o estatuto da entidade, considerou que 126

Projetar a Associação exter-

Associação Brasileira de Angus

Um dia, Angelo estava sozinho na sede da Associação – o único

A principal medida de pro-

Deram-se, então, os primeiros

já utilizavam a raça para cruza-


Foto: Fagner Almeida


Foto: Arquivo/Sociedade Rural do Paraná

Foto: Arquivo/Cabanha Umbu

A primeira edição do Jornal do Angus circulou em agosto de 1992, destacando a qualidade da Angus e seu potencial

o que facilitou ainda mais a entra-

rado o núcleo de Londrina, ainda

“Queremos colocar o preto no

ção simultânea, dos animais que

da do gado na região.

nesta gestão.

branco”, referindo-se à forte pre-

se destacaram na mostra, como

sença de Charolês na região.

uma forma de fazer com que os

Foi, em seguida, em busca

128

Animais durante a primeira participação da Angus na ExpoLondrina, em 1994

A Associação seguia firme

dos criadores que já tinham con-

em sua resolução de nacionali-

Na Expointer, que seguia

julgamentos fossem também um

tato com a raça, sempre com a

zar, cada vez mais, a Aberdeen

sendo o evento máximo da raça

momento de aprendizado para os

ajuda oferecida pelo presidente da

Angus, mas não se esquecia de

no Brasil, as conquistas também

criadores e para o público.

Sociedade, que deixou seu pessoal

fomentar o crescimento também

foram relevantes. Em 1993, a

à disposição. Assim, o então pre-

no Rio Grande do Sul. No Remate

Associação passou a servir carne

durante sua presidência, ele do-

sidente da Angus Brasil conseguiu

Angus de 1992, em Santa Maria

Angus no restaurante do estande

brou o número de funcionários da

cativar pecuaristas e viabilizar a

(RS), apesar de algumas adver-

no local, como forma de mostrar,

Associação: de um, passou para

participação da Angus na Exposi-

sidades no que dizia respeito à

concretamente, a qualidade su-

dois. O aumento pode parecer

ção. Mesmo com toda a agitação

divulgação, oferta e participação

perior do produto. Nessa edição,

pouco expressivo, mas agilizou

da estreia da raça em Londrina,

de touros jovens testados, atingiu-

a Angus foi uma das raças que

os processos da Angus Brasil e

a Associação conseguiu realizar

-se um resultado que confirmou o

experimentou um dos maiores

buscou, na medida do possível,

ainda um Dia de Campo em uma

aumento do interesse pela raça na

aumentos na participação. Nas

acompanhar as novas demandas

fazenda da região, na qual se fa-

região. Na ocasião, um repórter

duas Expointer realizadas durante

impostas pelo constante cresci-

lou sobre o cruzamento industrial

perguntou a Angelo o porquê de

a presidência de Angelo, o jurado

mento da raça e do quadro social

da raça britânica com zebu. Com

se realizar o evento comercial em

foi o americano Gary Minish, que

da entidade – que também cres-

o sucesso da mostra e o interesse

Santa Maria, a que o então pre-

marcou o início de uma prática de

ceu a partir da ideia de que cada

na Aberdeen Angus, foi inaugu-

sidente respondeu, prontamente:

avaliação comentada, com tradu-

associado trouxesse mais outro.

Associação Brasileira de Angus

Angelo gosta de dizer que,


Foto: Eduardo Rocha/Scalzilli Agropastoril


Foto: Eduardo Rocha/Scalzilli Agropastoril


1994

1996

Diretoria Presidente: Antonio Martins Bastos Filho Vice-presidente: Fernando Bonotto Diretor administrativo: Tito Rubens Mondadori 2ª secretária: Claudia Silva Tellechea Diretor financeiro: Antonio Martins Bastos Neto Diretoras sem designação: Claudia Silva Tellechea e Heloísa Linhares Fitchner da Silva

De olho na marca A Associação registra o slogan “Angus, a raça completa”

E

m setembro de 1994, Antoni-

para discutir esse segundo ponto

nho se tornava pela terceira

- pertinente ao fortalecimento do

vez presidente da Associação

uso da raça em cruzamentos - já

Brasileira de Angus. Logo de iní-

na terceira sede da Angus Brasil

cio, o uruguaianense coloca em

em Uruguaiana.

discussão dois pontos importantes:

134

O uso do nome Angus como

a reformulação dos objetivos per-

uma forma de alavancar os ser-

manentes da entidade e a consoli-

viços e produtos oferecidos pela

dação dos critérios para o serviço

associação, discutido desde o co-

PPC. Em 1995, chega a convocar

meço da década, segue em pauta

uma assembleia extraordinária

na presidência de Antoninho. Para

Associação Brasileira de Angus


Foto: Eduardo Rocha/Scalzilli Agropastoril


consolidar esse objetivo, foi con-

presentes representantes da Ar-

tratada uma empresa com o fim

gentina, Brasil, Uruguai e Chile.

de construir um plano de mídia, no qual foi incluída a publica-

ticipou pela primeira vez da Expo-

ção de um encarte de 16 páginas

leite, feira de outono realizada em

sobre a raça em uma revista de

Esteio (RS), levando um total de

grande circulação no meio rural

81 animais, entre exemplares de

e a elaboração de um fôlder com

argola e rústicos. Naquele mesmo

apresentação do novo logotipo

ano, a diretoria realizou uma pes-

da entidade - no qual a cabeça

quisa para compreender o perfil

de um touro Angus é o elemento

dos criadores de Angus no Brasil.

fundamental, como ainda é hoje -

É interessante observar alguns dos

e das qualidades da raça.

resultados na época.

A caminhada para o regis-

136

Em maio de 1996, a raça par-

Dos 49 associados, represen-

tro da marca, iniciada em 1990,

tando 25% do total:

continua. Em 1995, a Associação

• 71% são também agricultores;

obtém o registro no INPI do nome

• 79% possuem variedade de An-

“Angus, a raça completa”. Ainda

gus vermelha;

em 1995, começou a se discutir

• 79% são, além de criadores,

a criação de um certificado único

recriadores;

de exportação para o Mercosul e

• fertilidade e prolificidade são as

Chile, a exigência de tipificação

características mais marcantes da

sanguínea para o intercâmbio

Aberdeen Angus;

entre os países e o reconhecimen-

• 92% registram seus animais;

to dos registros PPC. A decisão foi

• 79% fizeram cruzamentos;

tomada durante a Reunião Angus

• consideram que a integridade do

no Mercosul, durante a Exposição

criador é o fator mais importante

de Palermo, na qual estiveram

na aquisição de reprodutores.

Associação Brasileira de Angus


50 Anos

137

Foto: Eduardo Rocha


Foto: Eduardo Rocha/Scalzilli Agropastoril


1996

1998

Diretoria Diretor-presidente: Fernando Bonotto Diretor vice-presidente: José Paulo Dornelles Cairoli Diretor administrativo: Reynaldo Titoff Salvador Diretor financeiro: Antonio Martins Bastos Neto Diretores sem designação específica: Lauro Moura Jardim e Claudia Indarte Silva

Na minha propriedade, escolhemos a Aberdeen Angus pelo que vimos na prática.

Biografia do presidente

A

história da família de

propriedade não foi registrado até

vidade conquis-

Fernando Bonotto com a

o começo da década de 1980. Em

tou a família.

Aberdeen Angus começa

1982, Fernando assumiu a cabanha

no início da década de 1970, quando o pai, Antônio Bonotto Neto,

142

de Angus da ABN Agropecuária. A vontade de criar a raça veio

Por características como esta, Bonotto

importa exemplares da raça da

de uma análise simples e prática

manteve o le-

Argentina, junto com outros dois

dos animais. Dentro da proprieda-

gado do pai e

criadores da região de Santiago,

de dos Bonotto, os primeiros diag-

seguiu investin-

no Rio Grande do Sul. Os animais

nósticos de gestação apartavam as

do na raça. Ele

chegaram de trem, e um jovem era

vacas prenhes das vazias. No final

decidiu fazer

responsável por percorrer os va-

do serviço, ao observar a manguei-

parte da história da Angus no

gões para garantir que eles desces-

ra das vacas prenhes, ela estava

Brasil, integrando a Associação,

sem em segurança. Apesar da tradi-

repleta de fêmeas mochas, pretas

da qual chegou à presidência em

ção na criação, o Angus criado na

ou vermelhas. Ou seja, a produti-

agosto de 1996.

Associação Brasileira de Angus

Foto: Arquivo/Angus Brasil

Fernando Bonotto


Foto: Eduardo Rocha/Espinilho Agricultura & Pecuรกria


Transição e crescimento

Para crescer, a Associação saiu de Uruguaiana e se mudou para seu estande no Parque de Exposições de Esteio

B

onotto não tem dificulda-

que vinha procurando a entida-

registro, que já vinha de outras

des em resumir sua ges-

de. A criação do encarte Jornal

gestões, avança alguns passos e

guiu se destacando. Na Expointer

tão de dois anos frente à

do Angus, que circulava junto ao

garante à Associação o uso da

de 1997, a participação do público

Associação Brasileira de Angus

Jornal dos Criadores, também foi

marca em outras vertentes além

no julgamento da raça chamou a

com uma palavra: transição. A

uma estratégia para buscar um

das já permitidas anteriormente.

atenção dos participantes e de-

mudança da sede da Associa-

maior entrosamento com associa-

ção de Uruguaiana, local de sua

dos e técnicos.

fundação, para o estande em

Em 1997, surgiu uma nova

monstrou o envolvimento e a in-

forma de comercializar os ani-

tegração que a Angus vinha des-

mais resultantes do Teste de

pertando. Nessa edição da mostra,

Esteio, é oficializada em 1997,

hoje é amplamente acessado por

Avaliação de Terneiros, já na 8ª

o jurado foi Antoninho, que, após

e representa uma das mudanças

criadores, associados e admira-

edição: o 1º Leilão Conjunto

36 anos de presença consecutiva

mais expressivas na estrutura da

dores da raça, teve sua origem

de Touros Avaliados, Testados e

de sua cabanha na principal feira

entidade, que busca se aproximar

na gestão de Bonotto. Na época,

Aprovados em Testes de Avalia-

pecuária do país, abriu mão de

dos associados de outros estados

o presidente justificava: “Como a

ção, realizado em setembro de

expor seus animais para julgar os

do país. A raça crescia exponen-

internet é acessada diariamente

1997. No ano seguinte, o teste

dos demais associados.

cialmente, e esperava-se que

por milhões de pessoas no mundo

passou por uma reformulação,

a entidade que a representava

todo, a diretoria vê a criação de

elaborando uma projeção de

Industrial de Londrina de 1998, a

crescesse no mesmo ritmo.

uma home page como mais uma

ganho de peso. A Associação fez

participação da Associação Bra-

oportunidade de firmar a imagem

questão de participar da prova

sileira de Angus se consolidou

a mexer na estrutura administra-

da raça e proporcionar bons negó-

de ganho de peso de 1997 execu-

com a criação de um estande da

tiva da Associação, contratando

cios a todos os criadores”.

tada pela Estação Experimental

entidade. Na época, foi necessá-

de Zootecnia de Sertãozinho, em

rio dividir o espaço com outra

A diretoria também começava

um diretor executivo e um secre-

144

Também o site da Angus, que

Nas exposições, a Angus se-

O monitoramento da marca

Na Exposição Agropecuária e

tário, para garantir atendimento

Angus também foi forte na presi-

São Paulo, visando ao mercado

associação de raça, que expunha

ao grande número de criadores

dência de Bonotto. O processo de

promissor do Brasil Central.

no turno inverso à Angus.

Associação Brasileira de Angus


Foto: Eduardo Rocha


Foto: Robispierre Giuliani Arquivo/ANC

Arquivo/ANC

Arquivo/Genuíno Ferreira/Fazenda Calafate

Os remates e leilões estiveram presentes desde o início da Associação, como mostram os anúncios ao lado. Mas em 1997 houve um marco: um evento comercial de elite, o 1° Remate Golden Angus. Na foto acima, outro exemplo de leilão de elite, o Red Concert Catanduva, realizado em maio de 2009

146

Associação Brasileira de Angus


Foto: Eduardo Rocha/Scalzilli Agropastoril


1998

2002

Diretoria 1998 2000

2000

Diretor-presidente: José Roberto Pires Weber

Diretor-presidente: José Roberto Pires Weber

Diretor vice-presidente: Fábio Gomes

Diretor vice-presidente: Fábio Gomes (de setembro de 1998 a novembro

Diretor administrativo: Alexandre Chanan

de 2001) e Lauro

Diretor financeiro: Reynaldo Titoff Salvador

Diretor administrativo: Claudia Indarte Silva

Diretores sem designação específica:

Diretor financeiro: Reynaldo Titoff Salvador

Sérgio Bastos Tellechea e

Diretor de marketing: Carlos Eduardo Lima

Antônio Carlos Vicente e Silva

Diretor de núcleo: Antonino Souza Dornelles

2002

Moura Jardim (de novembro de 2001 a agosto de 2002)

Diretor: Antônio Carlos Torres Vicente Silva

Cada gestor fez o que era possível a seu tempo. Já fui presidente de outras entidades e posso afirmar que na Angus ocorre algo raro: sempre se caminha para frente, e a cada gestão a Associação cresce.

Biografia do presidente

F 150

passou a usar

ilho de médico, José Ro-

tância Santa Thereza, propriedade

Na propriedade familiar,

berto Pires Weber nasceu

da família em Dom Pedrito (RS). O

utilizava-se cruzamentos na ex-

exclusivamente

e foi criado em Porto Ale-

gaúcho abandonou a advocacia e a

ploração bovina, e ao assumir a

sêmen Angus. Foi

gre. O pai tinha uma vida urbana,

condição de professor universitário

administração, Weber progressi-

a consolidação da

assim como ele próprio, formado

para se dedicar à agropecuária. A

vamente foi substituindo o gado

admiração pela

em direito na Universidade Federal

esposa, também advogada, aceitou

existente por Aberdeen Angus.

raça britânica,

do Rio Grande do Sul e advogado

a mudança, e o casal trocou a vida

Quando conta essa história, faz

cuja fagulha já

por convicção. Por outro lado, sua

na cidade grande pela tranquilida-

questão de ressaltar: há muitas

havia sido acesa

mãe, de família de ruralistas, foi

de do interior. Para Weber, foi um

raças “do momento”, mas a An-

nas diversas exposições de que

responsável pela sua relação com

retorno às raízes maternas, que

gus é a “definitiva”.

participou, nas quais teve contato

o campo que, mais tarde, se torna-

remontavam ao tataravô, o Barão

Os primeiros touros da raça

com o Aberdeen Angus. E foi essa

ria uma das suas grandes paixões.

do Upacaraí, fazendeiro que hoje

foram adquiridos no começo da

história que o levou, em setembro

Em janeiro de 1984, ele deixou a

dá nome a uma das principais ruas

década de 1990. Em seguida,

de 1998, à presidência da Associa-

capital gaúcha para morar na Es-

de Dom Pedrito.

investiu também em ventres e

ção Brasileira de Angus.

Associação Brasileira de Angus

Foto: Arquivo pessoal

José Roberto Pires Weber


Foto: Fagner Almeida


Estruturar a Angus brasil

A mudança da sede para Porto Alegre e o incremento no quadro de funcionários ajudaram a profissionalizar a Associação

W

eber assumia a liderança

casarão antigo na rua Luciana de

paço físico da entidade, pelo qua-

entidade. Também houve o regis-

da Associação Brasileira

Abreu, número 266, em uma zona

dro de funcionários, que Weber se

tro do domínio angus.org.br e a

de Angus em uma fase

nobre da capital gaúcha. Nem bem

preocupou em expandir e profis-

reformulação do site.

crucial. Na gestão anterior, a sede

a mudança fora oficializada em

sionalizar. A nova fase da entidade

Nessa mesma direção, foi ela-

da entidade havia sido transferida

setembro de 1999, e a Associação

também passava pela consolidação

borado o Manual do Criador, hoje

de Uruguaiana para o estande da

já mudava de endereço novamente

da marca perante os criadores e

na terceira edição, que objetivou

Associação no Parque de Expo-

em janeiro do ano seguinte, desta

a sociedade em geral e, dentro

oferecer ao produtor uma ferra-

sições Assis Brasil, em Esteio,

vez para a avenida Carlos Gomes,

desta ideia, foram encaminhados

menta de apoio que lhe facilitasse

e a única funcionária na época,

141, no conjunto 501 - transfe-

registros relacionados ao uso da

o entendimento e o acesso direto

Helena Assis Brasil, organizava a

rência que, segundo Weber, só

expressão Angus e suas variações

aos procedimentos de registros

transição do setor administrativo.

foi possível com o apoio do então

junto ao Instituto Nacional da Pro-

dos animais e outras informações

De Esteio para Porto Alegre, a

vice-presidente, Fábio Gomes. He-

priedade Industrial, e foi lançada

práticas sobre a raça.

distância era curta, e o presidente

lena também foi responsável pela

a Revista Angus, com uma tiragem

aproveitou a oportunidade para

organização dessa mudança.

de 10 mil exemplares e duas edi-

Angus também foi o objetivo da

ções anuais. Logo depois, durante

mudança no estatuto social da

levar, enfim, a sede para a capital gaúcha, medida que há muito era

que, para uma raça do porte da

a ExpoLondrina de 2000, também

entidade, em Assembleia Extraor-

discutida entre os associados.

Aberdeen Angus, era preciso uma

foi lançado o jornal Angus@News,

dinária realizada em novembro de

associação forte que a acompa-

ainda hoje um dos mais importan-

1999, quando a entidade até então

nhasse. E isso passava, além do es-

tes veículos de comunicação da

denominada Associação Brasilei-

A Angus Brasil passou a funcionar, então, na garagem de um 152

Weber insistia com veemência

O fortalecimento da marca

Associação Brasileira de Angus


Foto: Eduardo Rocha/Espinilho Agricultura & Pecuรกria


O selo de certificação do Programa Carne Angus Certificada foi criado antes mesmo da existência do programa, no ano 2000, para dar apoio ao projeto de produção de carne Angus da Red Angus Beef MC

regulamento único para todas as

Expocorte. A Angus Brasil tam-

se chamar Associação Brasileira

exposições e feiras nacionais. Tam-

bém participou da Agrishow, em

de Angus. “Angus” era um nome

bém foi criado o Ranking Oficial

Ribeirão Preto, em parceria com

mais fácil de utilizar comercial-

dos Expositores da Raça Angus,

o Núcleo de Criadores de Angus

mente, o que contribuiria para a

que teve início na Exposição de

da região, e enviou técnicos às

difusão da marca – o que, de fato,

Londrina de 2000 e serviu como

exposições de Brasília, Umuarama

aconteceu. Hoje, os nomes Angus,

estímulo a uma maior participação

e Araçatuba. Mais uma vez em

Aberdeen, Aberdeen Angus e Red

dos criadores nas exposições ofi-

parceria com o núcleo paulista da

Angus pertencem à Associação.

ciais da raça. No ano seguinte, foi

entidade, realizou entre novembro

elaborado o padrão racial definido

e dezembro de 2001 a I Exposi-

nome na história como a primeira

para a Angus, adequado aos cri-

ção Nacional da Raça Angus, na

raça europeia a superar as raças

térios internacionais. Além disso,

cidade de Avaré, em São Paulo. A

zebuínas em venda de sêmen: o

ocorreu na época a oficialização do

segunda edição do evento aconte-

relatório da Associação Brasileira

programa Cruzamento sob Con-

ceu no ano seguinte, em São José

Primeira edição do jornal

de Inseminação Artificial referente

trole Genealógico (CCG Angus).

do Rio Preto.

Angus@News, lançado em 2000

ao ano anterior anuncia a comer-

Em razão da implementação de

cialização de 943.129 doses de

tantas iniciativas desta ordem é que

Weber deu um passo adiante para

sêmen Angus. Em 2001, uma nova

Weber, sempre que fala das suas

a criação definitiva do Programa

reforma estatutária buscou forta-

gestões, enfatiza a importância e o

Carne Angus, com a oficialização

lecer a estrutura da Angus Brasil.

apoio do Conselho Técnico.

do contrato entre a Associação e o

O número de vice-presidentes

154

Acompanhando a expansão

Ainda na região de São Paulo,

Arquivo/Angus Brasil

Em 2000, a Angus escreve seu

Arquivo/CIA Azul Agropecuária

ra de Aberdeen Angus passou a

criador Eloy Tuffi. A parceria au-

aumentou para quatro, visando

da raça, a Associação aumentou

torizava que o criador fizesse uso

a atender aos diversos compro-

sua presença em exposições fora

da marca Angus em suas butiques

missos e objetivos da entidade.

do Rio Grande do Sul. Em 2000,

de carne. Também houve, na

A modificação passaria a valer a

a raça Aberdeen Angus teve seu

mesma época, uma aproximação

partir do mandato seguinte.

primeiro julgamento de classifica-

entre a Associação e o Frigorífi-

Foi também na gestão de We-

ção na Feicorte, embora já tivesse

co Mercosul, cujo presidente era

ber que algumas decisões técnicas

participado da mesma no começo

Mauro Pilz, para a realização de

importantes foram levadas a efeito.

da década de 1990, quando a feira

uma parceria visando a promoção

Anúncio da I Exposição Nacional

O Conselho Técnico elaborou um

se chamava Expande e, depois,

e crescimento da carne Angus.

da Raça Angus, realizada em 2001

Associação Brasileira de Angus


Foto: Eduardo Rocha/Espinilho Agricultura & Pecuรกria


Foto: Eduardo Rocha/Scalzilli Agropastoril


2002

2004

Diretoria Diretor-presidente: Reynaldo Titoff Salvador Diretor 1º vice-presidente: José Paulo Dornelles Cairoli Diretores vice-presidentes: Fábio Gomes, Valdomiro Poliseli Júnior e Nilton Carlesso Diretor financeiro: João Francisco Bade Wolf Diretor de marketing: Marco Bochi Diretora administrativa: Claudia Indarte Silva Diretor de núcleos: Antonino Souza Dorneles Diretor sem designação específica: Fernando Osório

Foco na carne Depois de anos de construção, chega a hora do Programa Carne Angus

E 160

m agosto de 2002, Salvador

nos frigoríficos do Rio Grande do

Para começo de conversa, era

voltava à presidência da

Sul - especialmente no Frigorífico

necessário que os criadores forne-

Angus determinado a fazer

Mercosul, primeiro parceiro da

cessem animais adequados e os

o Programa Carne Angus deco-

iniciativa. O começo oficial do

abates fossem direcionados a uma

lar. Era a hora de o projeto de

Programa Carne Angus, que se

planta específica. Inicialmente, 30

integrar a cadeia produtiva da

desenhava desde 2001, acontece

pecuaristas gaúchos entregaram

carne sair do papel. Para isso,

finalmente em 2003. Logo depois

novilhos que atendiam às exigên-

foi realizado um levantamento

do início do projeto, a Angus

cias do programa, e os primeiros

dos volumes e da qualidade da

Brasil e o Mercosul desenvolve-

abates ocorreram em março de

carcaças Angus e de cruzamentos

ram em conjunto a marca Angus

2003. Naquele momento, 200 ani-

com a raça de animais abatidos

Reiter Premium.

mais eram abatidos mensalmente.

Associação Brasileira de Angus


Foto: Eduardo Rocha


Foto: Eduardo Rocha

promoveu em 2003 a Gira Angus

valorizadas como vitrine para a

mil carcaças Angus mensais pa-

mesmo ano, Salvador consolidou

Mercosul, em parceria com Argen-

raça. Naquele ano, a participação

dronizadas, Salvador foi conversar

o programa Angus Plus, uma fer-

tina e Uruguai. O foco na carne, po-

da Angus em Londrina passou a se

com a direção da rede de super-

ramenta de difusão genética, e em

rém, não diminuiu a atenção dada

enquadrar como exposição de nível

mercados Zaffari para propor uma

2004 formatou a parceria entre

às exposições, que seguem sendo

A no ranking da Associação.

parceria. Foi quando se conseguiu

ANC, Promebo e Gensys para apri-

organizar os três elos da cadeia

morar o Sumário de Touros.

da pecuária de corte: produtores,

da carne Angus e no fomento da

de ter uma marca de carne Angus

pecuária de corte, a Associação

forte e de qualidade. Enfim, a As-

realizou o I Seminário: Avaliação

sociação conseguia oferecer uma

Funcional de Bovinos de Corte

produção regularizada, que aten-

e Formação de Jurados da Raça

dia às demandas do cliente final.

Angus, em dezembro de 2004,

Concurso de Carcaças, na ocasião

162

Ainda com foco na divulgação

indústria e varejo, com o objetivo

Ainda em 2003, aconteceu o I

Fotos: Divulgação/Angus Brasil

terra do Frigorífico Mercosul. No

Quando atingiu a marca de 2

ministrado pelos americanos Roger E. Hunsley e Gary Minish.

chamado de FestCarne, para divul-

Para proporcionar a troca de

gar a Carne Angus Reiter Premium.

experiências entre criadores de dife-

A carne Angus chega ao supermercado em 2004. Na foto, Fernando Osório,

O evento aconteceu em Bagé (RS),

rentes nacionalidades, a Associação

na época diretor do Programa Carne Angus, Reynaldo Salvador e João Wolf

Associação Brasileira de Angus


Foto: Eduardo Rocha/Cabanha Dos Tapes


Foto: Eduardo Rocha/Scalzilli Agropastoril


2004

2008

Diretoria 2004 2007

2007

Diretor-presidente: José Paulo Dornelles Cairoli

Diretor-presidente: José Paulo Dornelles Cairoli

1º vice-presidente: Luiz Anselmo Cassol

Diretor 1º vice-presidente: Luiz Anselmo Cassol

Vice-presidentes: Valdomiro Poliselli Júnior,

Diretores vice-presidentes: Joaquim Assumpção Mello,

Afonso Antunes da Motta e Paulo de Castro Marques

Renato Zancanaro e Paulo de Castro Marques

Diretor financeiro: João Francisco Bade Wolf

Diretor financeiro: Fábio Gomes

Diretor de marketing: Luiz Eduardo Batalha

Diretor administrativo: João Francisco Bade Wolf

Diretor administrativo: Ângelo Antônio Martins Bastos

Diretor de marketing: Luiz Eduardo Batalha

2008

Diretor de núcleos: Flávio Montenegro Alves Diretora sem designação específica: Vivian Diesel Pötter

A evolução de uma cabanha está em produzir sempre um animal

Biografia do presidente

melhor do que no ano anterior.

José Paulo Dornelles Cairoli

Q

uem conversa com José

obra que não termina nunca, e

a usar sangue Angus em 1974 e

ainda mais com-

Paulo Dornelles Cairoli

que precisa ser aperfeiçoada ano

em 1983 firma uma parceria com

petentes, uma

na cidade e, em seguida,

após ano - e é essa mentalidade,

o cunhado, Neco Tellechea, para

vez que, quando

encontra-o no campo, não tem

de melhoria constante, que Cairoli

a criação de Angus PC em outras

todos podem ter

dificuldade em perceber onde o

buscou levar para a Associação

propriedades. Como consequência,

uma determinada

empresário e pecuarista se sente

Brasileira de Angus.

no final da década de 1980 passa

genética, a dife-

a criar Angus PO, e dá início a

rença se faz no cuidado.

mais à vontade. Como muitos

168

Em 1969, alguns anos após a

criadores, o ex-presidente da

morte do avô de Cairoli, a família

sua cabanha inspirado no modelo

Associação Brasileira de Angus

recebeu parte da Fazenda Recon-

argentino, com animais a campo.

se divide entre os dois meios e as

quista, em Alegrete (RS). Aos pou-

duas atividades, mas não esconde

cos, o clã foi trabalhando a terra,

anos 1990, a genética era desen-

PO. Já em 1991, começou a parti-

onde prefere estar. Escorado em

onde a criação predominante até

volvida quase exclusivamente

cipar de exposições. Comprou 100

uma cerca, vestindo bota, bomba-

então era de gado cruzado. Casado

dentro das cabanhas, e compara

prenhezes da Cabanha Três Marias

cha e chapéu, o gaúcho observa

com Maria da Glória Tellechea,

com a forma como a seleção é

e, a partir daí, firmou como obje-

seu rebanho de Angus com o or-

quando assume a propriedade no

feita hoje, com grande intercâmbio

tivo máximo investir em carne de

gulho de quem vê uma obra cons-

começo da década de 1970 Cai-

genético pela compra de embri-

qualidade e passou a defender a

truída por décadas de trabalho.

roli conhece o Brangus por meio

ões. Para o fazendeiro, isso exigiu

raça Aberdeen Angus como negó-

Um plantel, no entanto, é uma

do sogro, Flavio. Assim, começa

que os cabanheiros se tornassem

cio - o que sustenta ainda hoje.

Associação Brasileira de Angus

Cairoli recorda que, antes dos

O fazendeiro começou comprando quatro vacas


Fotos: Eduardo Rocha


Coragem para mudar

A exigência de que os animais fossem tosados para participar dos julgamentos de seleção da raça foi polêmica

U

Na ocasião, a Angus comercializou

trazer profissionais da Argentina e

das tomadas por Cairoli

dos Estados Unidos para arrumar

outra medida trouxe mudanças

22 lotes, o que gerou uma renda

no período em que esteve

os animais - às vezes, se usava até

para as exposições da raça: a

significativa voltada para as ações

à frente da Associação Brasileira

laquê para consertar alguma falha.

exigência de tipagem sanguínea

de marketing da Associação.

de Angus causou polêmica entre

A tosa baixa acabou marcando

de todos os animais campeões

O leilão Futurity também sur-

os criadores. O presidente, junto

a gestão de Cairoli como um dos

de cada categoria. O objetivo era

giu, em 2005, como uma forma de

ao Conselho Técnico da entidade,

grandes diferenciais da raça na-

reduzir o contrabando de animais,

dar aos associados mais oportuni-

determinou que os animais fossem

quele momento, permitindo que

e o procedimento evoluiu para a

dades de comercialização de seus

tosados para participar dos julga-

o corpo dos competidores fosse

catalogação do DNA.

rebanhos. Realizado paralelamen-

mentos de classificação. A inicia-

visto sem artificialismos. Além

tiva foi implementada já nas ex-

disso, a medida fez com que os

trava em um novo momento, a

evento seguiu uma fórmula con-

posições ranqueadas de 2005, um

criadores passassem a selecionar

Associação realizou em dezembro

sagrada em países como Canadá e

ano após o anúncio da decisão,

animais com pelo mais curto,

de 2004 o I Leilão Nova Era, que

Estados Unidos, mas ainda inédita

sendo aplicada pela primeira vez

o que é mais adequado para o

também comemorou a posse da

no Brasil: consistia na realização

na ExpoLondrina daquele ano.

centro do país, um dos mercados

nova diretoria na época. Em de-

de um leilão e, depois, de uma

para onde a Angus se expandia

zembro daquele ano, o Iate Clube

exposição e julgamento de classi-

tos fenotipicamente superiores,

rapidamente. A decisão, que

da Ilha, na Ilha da Flores, Grande

ficação dos animais, que precisa-

reduzindo as possibilidades de

incomodou alguns criadores na

Porto Alegre (RS), recebeu cria-

vam ser estreantes em pistas de

encobrir defeitos estruturais com

época, é mantida até hoje, e re-

dores, técnicos e aficionados pela

julgamento. Somente fêmeas PO

maquiagem e penteados. Desde o

presentou uma mudança no pa-

raça para assistir ao evento coman-

da categoria Terneira Menor po-

início das exposições, era costume

drão racial da Aberdeen Angus.

dado pelo leiloeiro Fábio Crespo.

diam integrar a promoção.

A ideia era valorizar os produ-

170

Já no fim da gestão de Cairoli,

ma das primeiras medi-

Associação Brasileira de Angus

Para mostrar que a Angus en-

te à Exposição de Londrina, o


Foto: Eduardo Rocha/Espinilho Agricultura & Pecuรกria


Angus, lançado em 2006, além da

Expointer, a Angus Brasil organi-

promoção da raça, também tinha

zou um mecanismo para facilitar

como objetivo catalogar os vence-

a participação nas exposições de

dores das exposições e os aconte-

categoria A com animais de argo-

cimentos da Associação ao longo

la: era lançada a Copa Incentivo, o

do ano, para criar um documento

“début dos criadores nas pistas de

histórico da entidade.

julgamento”. Além de estimular os

Como é recorrente em toda a

criadores a participarem dos even-

trajetória da Associação, a coope-

tos da Angus, a divulgação da raça

ração e integração internacionais

também foi um ponto marcante do

continuaram durante a gestão

mandato de Cairoli.

de Cairoli. No grande evento da

Em parceria com o Canal Ru-

Foto: Divulgação/Luiz Ávila/Farsul

Ainda em 2005, durante a

raça em 2005, o Fórum Mundial Angus África do Sul, a entidade

um programa para ser veiculado

se fez presente. No evento, reali-

para um público mais direciona-

zado em março, foi arquitetada a

do, buscando levar informações

Aliança de Angus do Hemisfério

sobre a criação de Aberdeen para

Sul, consolidada meses depois. Em

o segmento rural. O Anuário da

agosto do mesmo ano, os criadores,

Em maio de 2007, foi realizada a 1ª Feira de Terneiros e Ventres Angus Foto: Divulgação/Angus Brasil

ral, a Associação desenvolveu

A Cabanha La Cornélia, de Tapes (RS) foi a grande vencedora do julgamento de classificação de fêmeas na 1ª Copa Incentivo, realizada em 2005 172

Associação Brasileira de Angus


Foto: Arquivo/Cabanha Catanduva

reunidos mais uma vez para a Exposição de Palermo, dão início à Associação Sul-Americana de Angus, que substituiu a Federação de Angus do Mercosul, na qual a Angus Brasil já estava representada. Também constavam no grupo Argentina, Uruguai, Paraguai, Chile e Colômbia. Durante a feira de Esteio de 2005, foi realizado o I Workshop Internacional da Carne Angus - Cone Sul, com o apoio da Associação Sul-Americana de Angus e do Frigorífico Mercosul. Ainda investindo no fomento ao Programa da Carne, foi assinado em junho de 2005 o contrato com a empresa australiana de certificação Aus-Qual para o reconhecimento internacional da carne

No Fórum Mundial de Angus de 2006 no Canadá, a Cabanha Catanduva foi a única representante brasileira. Na foto, o proprietário, Fábio Gomes, aparece com a filha Fabiana ao lado do animal vendido no evento, WAF 337U Brazil Fotos: Divulgação/Angus Brasil

Angus. A criação do site da carne, em setembro do ano seguinte, é mais um passo em direção ao crescimento do projeto. Em novembro de 2006, foi firmado o contrato de certificação com o Frigorífico Marfrig, em São Paulo. Naquele ano a Aberdeen Angus comemorava 100 anos de registro no Brasil, e a raça e a entidade colhiam os frutos de um século de dedicação e trabalho de criadores e selecionadores. No ano seguinte, a carne Angus continuou em alta, e a Associação se aliou à empresa VPJ. Nessa época, a carne Angus chega à mesa do consumidor pelo tradicional restaurante Barranco, em Porto Alegre (RS), e em 2008, mais uma parceria é fechada, dessa vez com o Frigorífico Nossa Senhora da Gruta, em Herval (RS).

Criadores e expositores junto à primeira Grande Campeã do I Futurity, Espinilho 4007 Zeta

50 Anos

173


Foto: Eduardo Rocha/Scalzilli Agropastoril


2008

2010

Diretoria Diretor-presidente: Joaquim Francisco Bordagorry de Assumpção Mello Diretor 1º vice-presidente: Fábio Gomes Diretores vice-presidentes: Mariana Franco Tellechea, José Roberto Pires Weber e Paulo de Castro Marques Diretor financeiro: Marco Antônio Gomes Costa Diretor administrativo: Angelo Bastos Tellechea

Selecionar a raça

Diretor de marketing: João Francisco Bade Wolf Diretor de núcleos: Ignacio Silva Tellechea Diretor sem designação específica: Ronaldo Zechinski de Oliveira

é importante porque você está transformando pasto em carne.

Biografia do presidente

E

ntrar na Estância Santa Eulá-

cia na criação de Angus no Rio

1969, assumiu a totalidade da

chove, a água

lia é um mergulho no tempo.

Grande do Sul. A trajetória da

propriedade, que vinha arrendada

se acumula por

A casa, uma construção de

Associação Brasileira de Angus,

por 36 anos. Começou com a pe-

todos os cantos

1888, foi comprada em 1919 pela

assim como a da raça, também

cuária tradicional, mas em 1972

da propriedade.

família Bordagorry para “curar

passa por lá. A sala da Santa Eu-

iniciou uma exploração integrada

Ainda assim, os

uma gripe”, como brincam ainda

lália, que ainda conserva móveis

de agricultura de arroz e soja,

Angus conse-

hoje os familiares. A tataravó de

da época da tataravó de Joaquim,

implantando pastagens artificiais.

guiam andar pela

Joaquim Francisco Bordagorry

hoje guarda também uma pare-

de Assumpção Mello começou

de repleta de troféus obtidos em

çara a criar Angus em 1900 no

pastos onde ou-

a adoecer, e o marido, temendo

exposições de Aberdeen Angus.

Uruguai, mas, para ele, a história

tros bovinos não chegavam, o que

que o mal-estar descambasse para

Esses prêmios dividem espaço

foi um pouco diferente e não veio

fazia com que ganhassem peso

uma tuberculose, decidiu comprar

com distinções recebidas pela cria-

apenas por tradição. Na década

com mais facilidade.

a terra em Pelotas, no Rio Grande

ção de cavalo crioulo e, destoando

de 1980, o engenheiro-agrônomo

Foi aí que Joaquim resolveu

do Sul, próxima a um local cha-

um pouco do restante, medalhas

ainda trabalhava com cruzamento

definitivamente se dedicar à raça,

mado Cascata, onde muitas pesso-

de campeonatos de golfe.

em sua propriedade. Aos poucos,

e, em 1983, começou a montar seu

começou a notar que aqueles

plantel. A produtividade e adapta-

as iam se tratar da enfermidade.

178

Joaquim iniciou seus traba-

A família do pelotense come-

terra e alcançar

Essa e outras histórias estão

lhos na Santa Eulália em 1964,

animais cruzados com Aberdeen

bilidade da raça tornaram a Angus

guardadas na estância que hoje

quando ainda era estudante de

Angus acabavam sendo mais pro-

uma paixão e um bom negócio que

pertence a Joaquim e é referên-

agronomia. Ao se formar, em

dutivos. Na Santa Eulália, quando

o pelotense cultiva até hoje.

Associação Brasileira de Angus

Foto: Fagner Almeida

Joaquim Francisco Bordagorry de Assumpção Mello


Foto: Eduardo Rocha


A Angus encontra

seu lugar Com esforço e determinação, a Associação adquire uma sede própria em Porto Alegre

E

m dezembro de 2008, Joa-

lotense ativou os contatos tramados

essas, o ex-presidente faz questão

do, em termos de criação, nesses

quim se tornou presidente da

em mais de 50 anos de pecuária e

de destacar a importância do apoio

locais. Uma das conclusões foi

Associação Brasileira de An-

conseguiu que criadores doassem

da diretoria que lhe acompanhou.

que o crescimento do cruzamento também gerava o aumento das

animais de boa qualidade para

passou pela cabeça do pelotense

serem leiloados. Mas também era

foram fundamentais para a As-

plantas que usavam carne Angus,

foi o mesmo que muitos antes dele

preciso que os convidados acredi-

sociação em outros momentos.

o que era importante para outro

tiveram: a expansão da raça e o

tassem no projeto e se dispusessem

Joaquim negociou a expansão da

projeto que também esteve entre

crescimento da entidade pediam

a participar do evento. Alguns ami-

certificação no Frigorífico Marfrig

as prioridades de Joaquim: o for-

um espaço físico condizente com a

gos recrutados pelo pelotense que

diretamente com o CEO da em-

talecimento do Programa Carne

sua importância. Começou, então,

sequer criavam Angus comparece-

presa, James Cruden, bonificando

Angus, cuja diretoria ele assumiu

a busca pelo local ideal para abri-

ram para comprar, e até mesmo um

todas as categorias da raça Angus.

simultaneamente à presidência.

gar a Angus Brasil.

desembargador aposentado saiu de

Foi também com Cruden que o pe-

lá dono de uma vaca. O esforço deu

lotense percorreu o Brasil Central

participação decisiva na história

recursos para que a entidade pu-

resultados, e em 2010 foi possível

para se aprofundar na expansão

da Associação. Na gestão de Joa-

desse adquirir a própria sede. Jo-

comprar a nova casa da Associação

do cruzamento de Angus na re-

quim, iniciavam na Argentina as

aquim anunciou em dezembro de

Brasileira de Angus, no número

gião. Em um só dia, estiveram em

negociações junto à rede de fast-

2009 que a arrecadação do Leilão

12 do largo Visconde do Cairu,

São Paulo, Mato Grosso e Goiás.

-food McDonald’s para firmar uma

Nova Era seria depositada em uma

conjunto 901, no centro de Porto

Com essa viagem, foi possível ter

nova parceria. Em uma reunião no

conta exclusiva para esse fim. O pe-

Alegre (RS). Em empreitadas como

uma ideia do que se estava fazen-

país vizinho, com a mediação da

Antes disso, era preciso obter

180

As boas relações também

gus. O primeiro pensamento que

Associação Brasileira de Angus

Cruden teve ainda mais uma


Foto: Eduardo Rocha/Espinilho Agricultura & Pecuรกria


Foto: Eduardo Rocha/Espinilho Agricultura & Pecuรกria


Foto: Divulgação/Angus Brasil

Associação Argentina de Angus, discutiu-se essa possibilidade e já começou a se articular uma nova conversa. Nessa ocasião, Cruden sugeriu que o próximo encontro fosse sediado no Marfrig, em São Paulo. Assim, trazia o McDonald’s para dentro do frigorífico que forneceria os hambúrgueres, respondendo positivamente à grande pergunta da rede: haveria carne Angus no Brasil para abastecer as lanchonetes? A certificação da carne Angus no Frigorífico Silva, em 2009, consolidou o programa na região central do Rio Grande do Sul, no mesmo ano em que o fornecimento de produtos para a Cia Zaffari foi incrementado. A ida ao Congresso Brasileiro de Gastronomia, em São Paulo, em parceria com a VPJ, também marcou a gestão de Joaquim: Joaquim Mello amplia certificação no Marfrig. Na foto, ele está com James Cruden (ao centro), CEO da instituição, e

participou de um evento dessa área.

o empresário Marcos Molina, um dos fundadores do frigorífico

Fotos: Arquivo/Cabanha da Maya

foi a primeira vez que a entidade

Em abril de 2010 nascia o primeiro clone Angus no Brasil, cópia da fêmea Catanduva Impala (à esquerda). O clone, propriedade de Zuleika Torrealba, dona da Cabanha da Maya, em Bagé (RS) foi registrado como Maya Impala Stryker 4128 0 TE68-02-TN e recebeu o número 138337 no Herd-Book Collares

50 Anos

183


Foto: Eduardo Rocha/Scalzilli Agropastoril


2010

2014

Diretoria 2010 2012

2013

Diretor-presidente: Paulo de Castro Marques

Diretor-presidente: Paulo de Castro Marques

1º vice-presidente: José Roberto Pires Weber

Diretor 1º vice-presidente: José Roberto Pires Weber

Vice-presidentes: Mariana Franco Tellechea, Eduardo

Diretores vice-presidentes: Marco Antônio Costa,

Linhares e Valdomiro Poliselli Jr.

Wilson Brochmann e Rogério Francisco Stein

Diretor financeiro: Reynaldo Titoff Salvador

Diretor financeiro: Maurício Lampert Weiand

Diretor administrativo: Marco Antônio Gomes da Costa

Diretor administrativo: Sérgio Colaço da Silva

Diretor de marketing: Luiz Felipe de Moura Pinto

Diretor de marketing: Gustavo Goulart

2014

Diretor de núcleos: Sérgio Colaço da Silva

O produtor que trabalha com a nossa genética e faz animal de rebanho, que não participa de pista, mas usa cruzamento para a indústria deve ser valorizado.

Biografia do presidente

Paulo de Castro Marques

M

ineiro de Belo Horizonte,

maneceu até os 14 anos, quando a

Marques retornou ao campo que-

em que oferece-

Paulo de Castro Marques

família se mudou para São Paulo.

rendo realizar um trabalho dife-

riam material ge-

divide-se em dois. Pecua-

E foi assim, dividido entre a vida

rente, e entrou para a pecuária

nético para quem

rista, está à frente da Casa Branca

urbana e rural, que o presidente da

de corte. Por meio de pesquisas,

quisesse produzir

Agropastoril, em Fama, Minas Ge-

Angus passou parte da vida.

o pecuarista percebeu que o mer-

essa qualidade.

rais. Empresário, atua na indústria

Décadas mais tarde, Marques

cado da carne vivia um momento

Analisando as

farmacêutica Biolab, com sede em

e a família compraram terras no

especial no Brasil, com grande ex-

mesmas pesqui-

São Paulo. “Sou pecuarista, estou

sul de Minas e decidiram investir

pectativa de crescimento. Ao mes-

sas, concluíram

empresário”, ressalta, sempre que

novamente na pecuária de leite. O

mo tempo, detectou que o valor

que a Angus era

tem oportunidade. A duplicidade

mineiro comandou o estabeleci-

da carne brasileira estava abaixo

a raça ideal para isso. Iniciaram a

está em sua origem. O pai, João,

mento por cerca de dez anos, quan-

do cobrado pelos principais expor-

criação na Casa Branca Agropasto-

saiu do interior de Minas para ga-

do retornou a São Paulo e passou

tadores, que tinham uma margem

ril, buscando os melhores indiví-

nhar a vida na cidade, mas sempre

a se dedicar à indústria química e

de lucro maior, especialmente em

duos para as condições de Sudeste

reclamou de saudades do campo.

farmacêutica, enquanto um irmão

razão da qualidade superior.

e Centro-Oeste. O Aberdeen Angus

Assim que possível, comprou uma

assumia a propriedade rural.

fazenda leiteira, onde Marques per188

Associação Brasileira de Angus

Após alguns anos afastado,

Por isso, ele e o filho Paulo decidiram desenvolver um projeto

entrou na propriedade em 1999 e não saiu desde então.


Fotos: Eduardo Rocha


Consolidação do caráter nacional A eleição de um criador de fora da Região Sul provou que a raça e a Associação conquistaram o Brasil

P

190

aulo de Castro Marques

nesse momento específico da

uma entidade de criadores, não

compromissos de representante

foi eleito no final de 2010

trajetória da Associação, mostra

contemplando apenas os exposi-

de uma das maiores entidades de

presidente da Associação

que o objetivo de nacionalizar a

tores que fazem trabalho de se-

raça do Brasil. Para concretizar

Brasileira de Angus. Se absolu-

raça e a entidade, que já vinha de

leção genética, e que ambos são

o objetivo de fomentar a difusão

tamente mais nada acontecesse

tanto tempo, foi concretizado.

essenciais para o funcionamento

de informação sobre a Angus, o

da Associação e para a difusão da

mineiro buscou participar, sempre

durante seu mandato – o que

A ideia que alguns criadores

passa bem longe da realidade

ainda tinham de que a Aberdeen

raça. Para isso, a entidade incen-

que possível, de eventos que lhe

–, apenas a sua eleição já seria

Angus era uma raça gaúcha foi

tiva o fomento e a divulgação de

dessem a oportunidade de divul-

suficientemente expressiva na

definitivamente extinta pela elei-

informações com objetivo de le-

gar a Associação.

história da entidade. Foi a primei-

ção de Marques. Mas, além desse,

var conhecimento, especialmente,

ra vez que um criador de fora do

outros fatos tornam histórico o

aos pecuaristas do Brasil Central.

Rio Grande do Sul ocupou esse

momento que a Associação vive

cargo na Angus. Marques nasceu

atualmente. A gestão do mineiro

em movimento desde que assu-

está dando certo. O 1º Congresso

em Minas Gerais, parte da região

teve desde o início uma grande

miu a presidência da Associação.

Brasileiro da Raça Angus, no final

que foi alvo máximo da expansão

preocupação em deixar claro que

As incontáveis viagens de empre-

de 2012, reuniu especialistas reno-

da genética no Brasil. Esse fato,

a Angus Brasil é, principalmente,

sário e criador se somaram aos

mados dos Estados Unidos à Nova

Associação Brasileira de Angus

Não é à toa que Marques vive

Em 2012, o auditório lotado em pleno dezembro no Hotel Sheraton mostrou que a estratégia


Foto: Eduardo Rocha


Foto: Divulgação/Angus Brasil

O Congresso Brasileiro de Angus encerrou 2012 da mesma forma que o ano começou: com sucesso e perspectiva de crescimento para a Aberdeen Angus. O evento reuniu criadores de todo o país e contou com a presença de convidados internacionais para discutir os rumos da raça no Brasil e no mundo

Zelândia para debater o tema Se-

News, inicialmente transmitido

bros da diretoria da Associação

ao estado. O programa comemo-

lecionando e Produzindo o melhor

pela televisão, e hoje veiculado

foram ao escritório da rede de res-

rava a sua 14ª planta frigorífica

Angus para o Brasil. A qualidade

pela internet; o portal da Angus,

taurantes em Alphaville (SP) para

certificada no país. A cidade para-

e a especialização das palestras,

que compila informações sobre a

acertar os últimos detalhes para a

naense também foi escolhida para

aliadas à participação ativa dos

entidade e o programa da carne; e

criação da Linha Angus Premium.

receber o primeiro estabelecimento

criadores, tornaram o evento um

a publicação do portfólio Angus,

Alguns meses depois, a carne de

100% carne Angus, o La Bode-

sucesso e fizeram com que ele

que mostra a raça ao público,

qualidade já estava ao alcance de

ga, que passou a comercializar

entrasse para a história da raça.

também fortalecem a marca da As-

todos: as unidades da rede nas

produtos da linha Aliança Angus

O encontro encerrou o primeiro

sociação e difundem informações

cidades de Brasília e São Paulo

Premium. Ainda em 2012, mais um

período da gestão de Marques na

importantes para a raça.

passaram a vender os lanches com

reflexo do crescimento do Progra-

a marca Angus, hoje disponíveis

ma Carne Angus, que passou a

em todo o Brasil.

contar com gerência própria.

Associação, cumprindo a meta de agregar valor e levar conhecimento

das gestões anteriores, o Programa

aos criadores.

Carne Angus continua crescendo

No ano seguinte, a Angus

exponencialmente. Já em 2011 os

aproveitou a ExpoLondrina 2012

motivos para comemorar. Além de

sionalismo e do objetivo da Asso-

resultados são impressionantes.

para selar a parceria com a Coope-

marcar o cinquentenário da Asso-

ciação diante de outras entidades

Em novembro, as articulações ini-

rativa de Carnes Nobres do Vale do

ciação, o Programa Carne Angus

também é algo primordial para

ciadas na gestão de Joaquim Mello

Jordão (CooperAliança), sediada

segue crescendo e conquistando

esta gestão. O lançamento de ma-

com o McDonald’s se concretizam

em Guarapuava, no Paraná, mar-

novos mercados. Logo no início do

teriais como o programa Angus

em um acordo comercial. Mem-

cando a chegada da carne Angus

ano, Marques e Germano Dowich,

O reconhecimento do profis-

192

No mesmo ritmo acelerado

Associação Brasileira de Angus

Em 2013 também não faltam


a raça, foi importante ter um presidente de fora do RS. Existia a ideia de que Angus era raça de gaúcho, e isso não é verdade, ainda que ela exista forte no Brasil graças ao trabalho que foi realizado no Sul. Paulo Marques

presidente da Cotripal, de Panambi (RS), acertaram a participação do frigorífico no programa, e já em julho a cooperativa passou a oferecer cortes nobres certificados sob a marca Angus Supreme. No mesmo ano, outro fato seguiu em direção à disseminação da carne Angus para o grande público: o Fazenda Barbanegra, em Porto Alegre, se tornou o primeiro restaurante 100% Angus no Brasil. A carne Angus também movimentou o estande da Associação na edição desse ano da Feicorte. A parceria com o Frigorífico Verdi, de Pouso Redondo, marcou a entrada do programa em Santa Catarina. O programa continuou

Foto: Eduardo Rocha/Cabanha Dos Tapes

Acredito que, para


rumando para o norte e chegou

que chega a consumidores do

de certificação foi a valorização da

participação da Angus no mer-

em Lençóis Paulista, em São Pau-

mundo todo. A produção de carne

carcaça de qualidade no mercado.

cado, que cresce rapidamente. O

lo, por meio do acordo firmado

certificada deve ser destinada a

A Associação conseguiu separar a

mineiro garante que dar continui-

com o Frigol.

churrascarias, restaurantes, varejo

carne da carne, mostrando que é

dade e aumentar a participação da

e mesmo ao McDonald’s. O acordo

preciso desvincular o produto de

entidade na pesquisa de genoma

Carne Angus foi a parceria com

significou um alcance maior da

maior valor agregado da commodi-

também está entre as prioridades

a JBS. Em setembro de 2013, a

Associação em regiões que, apesar

ty, permitindo a melhor remunera-

da Angus Brasil, que busca se

gigante mundial de carnes passou

de já contarem com gado da raça,

ção do criador.

aproximar cada vez mais de uni-

a fazer parte do programa, como

ainda não possuíam certificação.

A conquista mais recente do

forma de impulsionar a venda de carne da Friboi, marca da JBS 194

Associação Brasileira de Angus

No futuro da entidade, o atual

Um dos grandes méritos que a

presidente prevê o aumento da

Angus teve por meio do programa

certificação para acompanhar a

versidades e centros de pesquisa. Agora, após 50 anos, a Associação Brasileira de Angus não colhe


Foto: Eduardo Rocha/Scalzilli Agropastoril

apenas os resultados de uma vida

tes de entidades de classe e insti-

talgia das muitas vezes em que os

de trabalho, mas também recebe

tuições, além de ex-presidentes e

criadores, ao longo das 36 edi-

o reconhecimento de setores im-

membros da Angus Brasil.

ções da exposição, enfrentaram

portantes da sociedade. Exemplo

As comemorações oficiais da

água, frio e lama. A pista, como

disso foi a homenagem prestada

Associação, entretanto, tiveram

já aconteceu em tantos outros

pela Assembleia Legislativa do Rio

início na Expointer, entre agosto

certames, virou um lamaçal e

Grande do Sul ao cinquentenário

e setembro de 2013. A ocasião

desafiou a habilidade de todos os

da entidade. O Grande Expediente

não poderia ser mais adequada. A

profissionais – jurado, apresenta-

foi proposto pelo deputado estadual

feira agropecuária seguiu a tra-

dores, assistentes – empenhados

Lucas Redecker, contando com a

dição e foi realizada debaixo de

em fazer seu melhor e mostrar

presença de parceiros, representan-

chuva constante, trazendo a nos-

todo o potencial dos animais.

Em qualquer lugar do mundo em que se chega e pede para comer carne de qualidade, oferecem Angus. Paulo Marques

50 Anos

195


Foto: Divulgação/Assembleia Legislativa do RS

A Angus Brasil foi homenageada na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul pelo seu cinquentenário

A disposição era tanta que o

perna a que havia se submetido

dos julgamentos foram entregues

cionavam ao ver as fotos antigas

frio e a chuva – que acabaram

pouco antes, recebeu botas de

em um jantar realizado no Res-

da Associação que passavam no

com o estoque de galochas e re-

borracha com o cano cerrado pela

taurante Internacional do parque

telão. Os convidados lembraram

duziram drasticamente o número

metade para se aventurar a entrar

de Esteio, marcando o início das

tempos antigos, falaram do início

de ponchos disponíveis no par-

na pista. E valeu a pena. O ameri-

celebrações do cinquentenário e

da Angus Brasil e olharam para o

que – não chegaram a atrapalhar

cano se impressionava a cada lote

festejando o sucesso da raça e da

presente e para o futuro da raça.

o evento. O jurado, Jim Williams,

e se desdobrava em elogios: “Os

entidade. A história de meio sécu-

A entidade que ontem foi movida

não se importou em improvisar:

criadores brasileiros podem ficar

lo de paixão e dedicação pela raça

pela paixão hoje segue crescendo

não podendo usar calçados lon-

orgulhosos”, repetia.

estava escrita no rosto de cada

e conquistando o Brasil pela pro-

um dos convidados, que se emo-

dutividade e eficiência.

gos em razão de uma cirurgia na 196

Associação Brasileira de Angus

Os prêmios dos vencedores


Foto: Eduardo Rocha


Foto: Eduardo Rocha


50 anos além das porteiras

200

Associação Brasileira de Angus



Associação Brasileira de Angus - 50 anos além das porteiras