Issuu on Google+

Editor de Vida & Arte: Igor Galante / igor.galante@diarioweb.com.br / 2139-2085

DIÁRIO DA REGIÃO

Vida & Arte ção

Domingo, 10 de junho de 2012

Divulga

Divulgação

Divulgação

HOME THEATER

PROGRAMAÇÃO

SAÚDE

“A Invenção de Hugo Cabret”, de Martin Scorsese, chega às Pág. 2C locadoras

Animação “Madagascar 3” domina os cinemas Pág. 4C de Rio Preto

Manter a calma e ver o lado bom da vida faz bem para o coração, Pág. 5C diz pesquisa

“Para viver um grande amor, primeiro é preciso sagrar-se cavalheiro e ser de sua dama por inteiro - seja lá como for. Há que fazer do corpo uma morada onde clausure-se a mulher amada e postar-se de fora com uma espada - para viver um grande amor.” “Para viver um amor, na realidade, há que compenetrar-se da verdade de que não existe amor sem fidelidade — para viver um grande amor. Pois quem trai seu amor por vanidade é um desconhecedor da liberdade, dessa imensa, indizível liberdade que traz um só amor.” Trechos de “Para Viver Um Grande Amor”, de Vinicius de Moraes

“Ela disse que tolerância é apenas paciência com um pouco de antipatia. E diz que amor é também companhia e amizade. E saudade? Não, saudade não: saudade se tem das pessoas, das alegrias das coisas da mocidade, da infância dos filhos. Mas do amor? Não. Afinal, o amor não vai embora. Apenas envelhece, como a gente.” “Quem quiser lhe falar de amor venha, que ela tem uma resposta. Mas impublicável.” “O melhor é amor forte e curto, que embriaga enquanto dura e não tem tempo para se complicar.” Trechos de “O Caçador de Tatu”, de Rachel de Queiroz

Corações de papel Proximidade do Dia dos Namorados resgata tema universal e atemporal da literatura: o amor Daniela Fenti daniela.fenti@diarioweb.com.br

Considerado universal e atemporal, o amor é um dos temas preferidos por diversos gêneros editoriais, como poesia, romance, biografia e autoajuda. Basta puxar na memória clássicos como “O Morro dos Ventos Uivantes”, de Emily Brönte; “Anna Karênina”, de Liev Tolstói, e “Romeu e Julieta”, de William Shakespeare, para notar que os textos permanecem bem aceitos pelas novas gerações e dão margens a infindáveis adaptações para o teatro e o cinema. Segundo o diretor geral do Clube de Autores, Ricardo Almeida, dos cerca de 15 mil tí-

tulos já publicados de forma independente pelo site brasileiro, pelo menos a metade fala do amor, de diferentes formas. Às vésperas do Dia dos Namorados, celebrado nesta terça-feira, uma avalanche de lançamentos sobre o assunto preenche as prateleiras das livrarias. As vendas do segmento chegam a crescer em torno de 15% a 20% nesta quinzena do mês. Mas, até que ponto existe fôlego para esse tipo de produção nos dias de hoje? “Tem muita gente escrevendo e lendo sobre o assunto. É algo que sempre vai existir, pois não há uma conclusão para os asuntos do coração”, explica Almeida. Por outro lado, Yara Sarkis, professora de português e proprietária da livraria Espaço, em Rio Preto, afirma que há cerca de dez anos era comum que os homens comprassem antologias poéticas e pedissem uma “colinha” para criar dedicatórias e impressionar as namoradas. Hoje, cenas assim são raras. “Penso que o perfil do casal moderno mudoubastante. Existecerta rejeição de títulos expressamente românticos.” Umdosmotivos paraesse desligamento seria o fato de os clientes terem se tornado mais exigentes. Yara acredita que atualmentemui-

tos livros são feitos seguindo “receitas mágicas” de grandes editoras para agradar às massas, e algumas pessoas se deixam enganar por belas capas. Porém, o leitor mais atento não se contenta com o óbvio. “Diante de uma gama vasta de autores e de abordagens, as pessoas esperam mais do texto. É preciso acrescentar algo, levar à reflexão”, diz. Neste sentido, ela garante que os clássicos têm recebido um olhar interessante, especialmente por conta de reedições primorosas, com linguagem acessível. José Saramago e Mia Couto, por exemplo, estão entre os que atraem público fiel. Presente Para Yara, os livros ainda não receberam o devido tratamento como presente. Porém, podem ser ótimas sugestões para o Dia dos Namorados, pois são capazes de tocar a alma e a inteligência de quem os recebe. Ainda mais se o tema for esse tal sentimento. “O amor não pode nem deve se esgotar, pois não é fechado. Reflete mudanças e evoluções. O que muda é a roupagem.” Quem está sozinho também pode recorrer à literatura sobre o amor para exercitar a mente sem se prender a lamentações. É claro que aqueles que pensam que o sentimento só ocorre na relação íntima com

um parceiro ou vive a ilusão da perfeição vai se frustrar. Mas quem tiver uma mente livre poderá tomar consciência de que é possível namorar um amigo, um filme, um livro... “ Quem pensa bem, vive e ama melhor. Fala- se muito de amor, mas o que menos vemos é o amor florescer. Cuidar do outro, doar-se, compartilhar num tempo em que o egoísmo governa é uma prática que não sai da teoria. Estamoscada vez mais individualistas, competitivos, agressivos e desalmados. Então, falar de amor é um convite ao resgate da alma, da poética e, sobretudo, das reflexões profundas do humano”, diz a psicoterapeuta mineira Rosângela Rossi, que acaba de lançar seu sétimo livro, “A Arte de Amar”. Leia mais na página 3C


DIÁRIO DA REGIÃO

VIDA & ARTE

Domingo, 10 de junho de 2012 / 3C

■ CORAÇÕES DE PAPEL - Gabriel Chalita e Rosângela Rossi estão entre os autores que apostam no amor

horóscopo

Divulgação

OS FALSOS MORALISTAS Os falsos moralistas são exímios acusadores e invocadores do sentimento de culpa, sempre alimentado pelo medo, eficiente disseminador de controle social. Os falsos moralistas estão sempre bem vestidos e saem bem nas fotografias, considerando-se intimamente superiores ao resto da humanidade, mas são incapazes de confessar essa superioridade, o fazem através de suas acusações e da eficiente capacidade de fazer com que os outros se sintam culpados ou que reajam violentamente as suas críticas, o que na prática parece diferente, mas que dá na mesma. Os falsos moralistas odeiam o espírito livre de nossa humanidade, consideram subversivas as novas gerações e as submetem ao tratamento severo da repressão, já que a ideologia que os movimenta é a de o humano ser ruim e, por isso, precisar de repressão.

Franz Wisner, com o irmão Kurt, ao fundo: abandonado pela noiva no altar, ele foi conhecer como o mundo faz amor, justamente o título do livro que acaba de ser lançado no Brasil

Internet: www.quiroga.net

áries

touro

21/3 a 20/4

21/4 a 20/5

É imprescindível dar a devida atenção todos os dias aos pequenos assuntos, poisneste momentovocê tem aoportunidade de experimentar o que acontece quando passa tempo demais sem lhes dar a devida atenção.

Livro compartilha lições das diferentes maneiras de amar ■ Abandonado no altar, Franz Wisner foi aprender “Como o Mundo faz Amor” Daniela Fenti daniela.fenti@diarioweb.com.br

trecho do livro - Essa mulher é ma-ra-vi-lho-sa - enfatizou minha amiga Martha, em sua melhor imitação de uma agente de Hollywood. - Você disse que tomaria um café com ela, lembra? Ela é perfeita. - Todas são perfeitas. - Ela é linda. - Todas elas são lindas. - Inteligente. - Idem. - Minha amiga Libby está morando com ela. Ela veio em casa e nós duas tivemos um momento de revelação. Então me lembrei da promessa que havia feito no Rio. Eu precisava ser mais brasileiro, exceto pela sunga mínima. Eles andavam sem nada sob o sol e achavam que estava tudo bem. Diziam: “Vá. Busque o amor. Faça amor”. Mesmo que essa confiança fosse, às vezes, passageira ou forçada, eles ainda diziam sim. Estavam sempre prontos para o amor. Basta ver como eles se cumprimentam. Tudo bom? Tudo bem. - Está bem, eu vou. Como é mesmo o nome dela?

Parece história de ficção, mas ocorreu na vida real. Enquanto Julia Roberts e Richard Gere levavam multidões aos cinemas para assistir a “Noiva em Fuga”, em 1999, o norte-americano Franz Wisner foi deixado no altar. Dias antes de dizer sim, sua ex-noiva desistiu de se casar e ele ficou desempregado. Então, o abandono se transformou em profissão. Wisner resolveu aproveitar a lua-de-mel (que já estava paga, na Costa Rica) com o irmão mais no- ram entrevistados. Entre as vo, Kurt. A experiência se esten- constatações da pesquisa de camdeu por 53 nações, entre 2000 e po no Brasil, ele descobriu a im2002, e o resultado foi seu primei- portância da família e do primeiro livro, “Honeymoon with my ro beijo, o conceito de saudade e a Brother”, inédito por aqui. Dois busca por um par fiel. anos mais tarde, ele quis repetir a A partir do sexto capítulo, o dose, dando origem a “Como o leitor conhece Tracy MiddenMundo Faz dorf, sua atual muAmor”. “Foi lher, que tem espaquando eu caí de ço especial nessa amores pelo Braimprovável busca. O Brasil me sil. O País ajudou A atriz, por sinal, me apresentou foi escalada para a consertar meu coração”, explica participar do lono conceito de o autor. ga “Flores Raras”, saudade, que O livro foi lande Bruno Barreto, çado nos Estados eu amo. Estou no Brasil. Unidos em 2009 Baseada no litentando e, desde então, gavro “Flores Raras nhou traduções inseir no léxico edeBanalíssimas”, na Indonésia, AusCarmem Luamericano trália, África do cia de Oliveira, a Sul, Grã-Bretaprodução conta a nha, entre outros história de Lota países. Ao todo, fode Macedo Soaram vendidas mais de 250 mil có- res (Glória Pires), arquiteta cariopias. A versão brasileira, com o se- ca que teve um romance com a lo da Verus Editora, acaba de che- escritora norte-americana Elizagar às livrarias. beth Bishop, vivida por MiranPor meio de uma linguagem da Otto (“Senhor dos Anéis”). ao mesmo tempo bem-humorada Tracy será Mary Morse, ex-come comovente, ele levanta questões panheira de Lota, que apresenta acerca do amor e dos relaciona- as duas protagonistas. mentos em diferentes culturas. JoConfira abaixo os principais vens, velhos, ricos, pobres, ho- trechos da entrevista com Franz mossexuais e heterossexuais fo- Wisner.

Diário - Além de conhecer peculiaridades dos outros, você Diário da Região - Vemos encontrou seu próprio amor. Coque a solidão foi tratada de for- mo foi o verdadeiro casamento? ma leve em “Como o Mundo Wisner - Nós nos casamos Faz Amor”. Desde quando con- em 2005, em Napa, Califórnia. A segue rir de si mesmo? maioria dos 75 convidados eram Franz Wisner - Levei cerca as mesmas pessoas que comparede um ano até sentir que eu pode- ceram ao meu “casamento ‘Noiva ria olhar para trás em Fuga’”, em e ver, honestamen1999. Foi um dia te, o lado bom e perfeito, apesar de ruim. Tracy ter se atrasaQuando do por 15 minucomecei a Diário - Que tos. Os 15 minuaspectos do tos mais assustadoescrever, caí amor mais o imres de toda a mipressionaram nha vida. de amores nesta busca? pelo Brasil. Wisner - Eu Diário - Cobrinco que precisaO País ajudou mo é a relação va de um mundo de vocês com o a consertar de ajuda quando o Brasil? assunto é amor. E Wisner - Mimeu coração eu recebi. Saí imnha mulher, pressionado com Tracy Middenpelo menos um asdorf, é uma atriz. pecto do amor em E ela aceitou um cada País visitado. A Índia me en- papel em um filme de Bruno Barsinou a importância de se apren- reto, ao lado de Glória Pires. Eu der e de se trabalhar para amar al- e nossos dois filhos, Calvin, 12 guém. O mundo árabe me mos- anos (filho de Tracy de um relatrou a importância da fé em um cionamento anterior) e Oscar, 6, relacionamento. O Brasil me ensi- pretendemos ir para o Rio de Janou muito sobre a importância neiro no final do mês. Estou anda família e também me apresen- sioso para mostrar-lhe alguns tou o conceito de saudade, que eu dos meus lugares favoritos no amo. Estou tentando inserir a pa- tempo livre.

câncer

21/5 a 20/6

21/6 a 21/7

É verdade afirmar que nada se perde e que tudo se transforma, porém, em termos de relacionamentos humanos esse processo não é automático, pois se as pessoas não tomam atitudes a dinâmica apodrece sem transformação alguma.

Gabriel Chalita 216 páginas R$ 24,90 Editora Planeta ■ O autor mostra, em nove biografias resumidas, belas histórias de amor que vão desde a mitologia grega até os dias atuais. Entre os personagens estão Eros e Psiquê, Tristão e Isolda, Romeu e Julieta, Dante Alighieri e Beatriz Portinari, entre outros.

virgem

22/7 a 22/8

23/8 a 22/9

Dessa vez não será possível que a atitude de deixar o tempo passar conserte alguma coisa. Pelo contrário, isso só vai complicar tudo, porque transmite a idéia de que você não assume suas responsabilidades.

Nada tema, mas considere que você pode ser seu pior inimigo também quando o excesso de coragem deixa de ter um fundo de sabedoria a guiá-lo. Nada tema, mas não faça do destemor um convite à brutalidade.

libra

escorpião

23/9 a 22/10

23/10 a 21/11

O tempo que você ocupa mentalmente em discussões que nunca acontecerão é o mesmo que poderia ser destinado a resolver esses conflitos de forma criativa. Quem pensa os pensamentos? Você ou esses se pensam sozinhos?

sagitário

capricórnio

22/11 a 21/12

22/12 a 20/1

Deixar para tratar depois os assuntos difíceis não seria uma boa idéia, tudo seria mais complicado ainda. Este é o momento em que as pressões precisam ser tratadas com sabedoria, sem tentar se livrar dessas.

Teoricamente, não haveria tempo nem disposição para a banalidade. Porém, essa é a condição que as pessoas sugerem por enquanto e talvez você deva se render dessa vez, encontrando sabedoria nesse caminho.

aquário

peixes

21/1 a 19/2

20/2 a 20/3

A vida prática não precisa ser uma chatice, saia dessa! Trate tudo com o mais puro espírito infantil possível e verá que as coisas práticas se resolvem sem ser sobrecarregadas com aquele ranço severo da lógica.

“Amor: Um Sentimento Desordenado”

“A Surpreendente Arte de Amar”

Richard David Precht 336 páginas R$ 44,90 Editora Casa da Palavra

Rosângela Rossi Editora Fundamento

■ Longe de dar dicas do tipo “como salvar seu casamento”, a obra recorre à filosofia, à história e à ciência para buscar o porquê da invenção do amor e das relações conjugais, a fim de explicar os motivos de tanta complicação.

Confie na sabedoria do Universo, a Vida será sempre infinitamente maior do que sua capacidade de apreciá-la através do entendimento lógico ou sensitivo. Renda-se ao movimento, você o compreenderá futuramente.

leão

outros lançamentos para o Dia dos Namorados “O livro dos Amores: Biografias”

Inicie o processo de colaboração a despeito de não haver aindareciprocidade, pois se ninguém tomar a iniciativa nesse sentido o impasse durará mais do que o necessário e, certamente, todo mundo perderá com isso.

gêmeos

Francamente, é desnecessário conhecer com exatidão o rumo das coisas na atualidade. A quantidade e incongruência de todos os ingredientes envolvidos torna muito difícil entender com clareza o que acontece.

lavra no léxico americano.

E-mail: astro@o-quiroga.com

■ O texto se propõe a mudar o rumo do Dia dos Namorados de quem ainda está só. O objetivo é falar sobre as dificuldades das pessoas em serem arrebatadas pelo verdadeiro amor e a importância de se abrir para novas formas de amar.

Só fazer o que for necessário trará paz aoseu espírito, e mais ainda, terá defazer o necessário com absoluta perfeição para dar fim a esse assunto, já que de outro modo tudo voltaria a se repetir no futuro.


Jornal Diário da Região_Arte de amar