Page 1

revistanegocios.com.br | 1


editorial

Claiton Mendes Ramos

Editor-Chefe editor@revistanegocios.com.br

Sustentabilidade dos negócios Garantir sustentabilidade no mercado, independente do setor de atuação, tem sido o grande desafio dos empresários nos últimos anos. O conceito que começou a ser pensado no início da década de 1970, só agora, praticamente após 40 anos, é que passa a ganhar mais espaço e ações práticas dentro de empresas, também chamadas de responsáveis: socialmente; ecologicamente; e, principalmente, financeiramente. O desafio já não é somente de grandes corporações mas, sim, de todas as compa-

Ano 14 · nº 87 | | 2010

nhias que respeitam seus consumidores, colaboradores, fornecedores, comunidades, entre outros públicos, neste contexto chamados de stakeholders. Não importa mais o tamanho da empresa, mas sim, a sua proposta de responsabilidade que, cada vez mais, caminha no sentido dos bons resultados pautados por boas práticas, condição valorizada principalmente pelo consumidor direto, mas que todos os stakeholders já fazem questão de exigir. A edição também apresenta, com ex-

clusividade, o Caderno Construção Civil, que será publicado anualmente pela revista Negócios Minas. Comportamento do mercado; inovações tecnológicas; novos conceitos; lançamentos imobiliários; entre outras informações ilustram 80 páginas de conteúdo sobre o tema. Desejamos bons negócios e que o balanço de 2010 seja positivo para todos e que as perspectivas para o próximo ano possam ser ainda mais desafiadoras e realizáveis. Boas Festas!

Diretor-Executivo / Editor-Chefe: Claiton Mendes Ramos | Dep. Comercial: Marcio Costa e Marcelo Peixoto | Dep. Administrativo-Financeiro: Cinara Fernanda | Reportagens: Alexandre David | Paginação: Wilson Vilela Gonçalves | Produção de Anúncios: Lissandro R. Ijanc | Dep. Jurídico: Igor P. de Freitas - OAB/MG 86.273 / Fernanda V. Nunes - OAB/MG 85.939 Impressão / CTP: Gráfica 3 Pinti | Tiragem: 5 mil exemplares | Circulação Regional: Triângulo Mineiro, Alto Paranaíba, Noroeste de Minas, Sul e Centro-Oeste de Goiás

Reprints editoriais: solicite reimpressões das melhores reportagens da Negócios Minas com a capa da edição (mínimo de 500 exemplares). “Os artigos assinados não emitem, necessariamente, a opinião da Negócios Minas. Os direitos autorais das imagens veiculadas são de seus autores.”

negociosminas@editoracinco.com.br (34) 3229-7779

Rua Barão de Camargos, 149 | Sala 7 | Centro | 38400-160 | Uberlândia/MG | www.editoracinco.com.br

Scorpions

camisetas PERSONALIDADE

(34) 3231-0903 | 9149-6895

scorpionscamisetas@hotmail.com

é o que oferecemos para sua empresa.


revistanegocios.com.br | 5


Soluções

ao seu alcance.

CONSULTORIA

BUSINESS APROACCH

HOLDING FAMILIAR

Nosso trabalho baseia-se de tornar mais fácil o desempenho, e consequentemente otimizar os resultados, tanto das empresas, como das pessoas que as compõem, prestando acessoria e levando até ambas soluções práticas para suas necessidades. Nesse âmbito, nosso objetivo é ajudar nossos clientes a transformar em resultados tangíveis os objetivos da sua atual gestão, ultrapassando a fronteira do aconselhamento e tornando-nos participantes das suas metas. A nossa consultoria é realizada através de métodos modernos, conduzida por consultores capacitados, equipados com tecnologias integradoras adapatados à:

Comunicação Integrada | Empresarial | Vendas | Financeira

55 34

9977 5975

revistanegocios.com.br | 7

www.rrlifeconsultoria.com.br


o r r A c m u e u g % u l 0 5 A m o c s A d l i i n c u á f É , o d i p á r É : m e t stível v ocê

s e biocombu o Brasil A d i n nA u m todo marca to e ulti n m e a m i t d o aten • Fr e d s o t on • 107 p

Re e d l a r t • C en t ên c i a is • A s s va s O er s e R •


A n ro sconto. e d de . ê c o v A r A p É , l 4h

s2 a v r e s e 24h On l in e

az r T s e o v a i v s e u l L c s ex v iço o i r c e icas í f d S í e r n u j • e b e cas as e i i s r í e f c s r a a •P esso p a r a p o • Válid rl s Ub e Unida

ândia

0 0 8 0 6 2 2 3 ) (34 979 1500 (34) 9

porto o aero a o s s e ace - via d or t o 6 8 , i a e rop ron e x h o c b a iceto M av. an

0 0 2 0 6 2 2 3 ) 4 (3 1 2 1 1 2 1 0 0 8 0 /nº ntos, s a s s es do : sé alv o J a as 24h ç v r e pra s e re

ld entra C e U lig

br . m o c s. e: a d i aCess n www.u


m at é r i a d e c a pa

Empresas investem em programas e ações e contribuem com um mundo melhor para esta e as futuras gerações O conceito já ganha espaço no segmento empresarial, mas ainda é cedo para afirmar que as ações e projetos colocados em prática sejam o suficiente para se ter um mundo melhor no futuro; é preciso mais conscientização, de todos, em busca de uma proposta de vida mais equilibrada

Sustentabilidade Social

equilíbrio de balanço de pagamento, aces-

Melhoria da qualidade de vida da popula-

so à ciência e tecnologia;

ção, eqüidade na distribuição de renda e de diminuição das diferenças sociais, com

Sustentabilidade Ecológica

participação e organização popular;

O uso dos recursos naturais deve minimizar danos aos sistemas de sustentação

10

| revistanegocios.com.br

Sustentabilidade Econômica

da vida: redução dos resíduos tóxicos e da

Públicos e privados, regularização do flu-

poluição, reciclagem de materiais e ener-

xo desses investimentos, compatibilidade

gia, conservação, tecnologias limpas e de

entre padrões de produção e consumo,

maior eficiência e regras para uma ade-


Por Claiton M. Ramos, editor-chefe

O

conceito sustentabilidade passou a ser pensado e desenvolvido a partir da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente Humano (United Nations Conference on the Human Environment – UNCHE), ocorrida em 1972, em Estocolmo, na Suécia. E esta é considerada a primeira conferência das Nações Unidas para discutir ações sobre preservação do meio ambiente e que também se tornou a primeira e grande reunião internacional para discutir atividades humanas relacionadas ao meio ambiente. Foram pensadas e planejadas bases de ações de preservação para o mundo, chamando atenção internacional para questões como a degradação ambiental e a poluição que já não se limitava às fronteiras políticas de um povo, região ou país. Três décadas depois, em 2002, a Cimeira (Cúpula) da Terra sobre Desenvolvimento Sustentável, desta vez em Joanesburgo, na Africa do Sul, reafirmou os compromissos com a Agenda 21, que é considerada a maior integração de três importantes dimensões do desenvolvimento sustentável: a economia; os aspectos sociais; e ambientais. Ações passaram a ser planejadas com programas e políticas centradas em questões sociais, em especial, em sistemas de proteção social. Para Luiz Fernando da Silva Pinto (LF), professor da Fundação Getúlio Va r g a s

quada proteção ambiental;

metrópoles, adoção de práticas agrícolas

autonomia dos governos locais e descen-

mais inteligentes e não agressivas à saúde

tralização da gestão de recursos;

Sustentabilidade Cultural

e ao ambiente, manejo sustentado das flo-

Respeito aos diferentes valores entre os

restas e industrialização descentralizada;

povos e incentivo a processos de mudan-

Sustentabilidade Ambiental Conservação geográfica, equilíbrio de

Sustentabilidade Política

ecossistemas, erradicação da pobreza e

No caso do Brasil, a evolução da demo-

da exclusão, respeito aos direitos huma-

Sustentabilidade Espacial

cracia representativa para sistemas des-

nos e integração social. Abarca todas as

Equilíbrio entre o rural e o urbano, equi-

centralizados e participativos, construção

dimensões anteriores através de proces-

líbrio de migrações, desconcentração das

de espaços públicos comunitários, maior

sos complexos.

ça que acolham as especificidades locais;

revistanegocios.com.br | 11


m at é r i a d e c a pa

(FGV), é fundamental desenvolver sustentabilidade em diversas áreas, mas é imprescindível nas questões sociais e ambientais, além da sustentabilidade financeira, que se tornou mais emergente nesta última década, principalmente após significativas quedas de gigantes da economia mundial, a exemplo da crise americana vivenciada nos últimos anos. É fato que o processo de desenvolvimento econômico, seja de uma região ou país, não consegue resolver ou equacionar todos os projetos e desafios da sociedade, principalmente os sociais, ou mesmo os que estão diretamente ligados à qualidade de vida humana. Mesmo muitos destes estarem evoluindo para modelos mais con-

cretos do Estado Mínimo, ainda é visivel a condição de que, individualmente, o Estado terá imensa dificuldade para solucionar diversas situações ou mesmo fomentar alternativas. Para o professor da FGV, é neste momento que a Sociedade Organizada, por intermédio de voluntários, instituições filantrópicas e beneficentes, organizações não Governamentais e, principalmente, o segmento empresarial vêm enfatizando que, para fazer face a estes desafios, principalmente os sociais, torna-se imprenscindível a conscientização e expansão de ações complementares. “E estes desafios estão no contexto da sustentabilidade, ou seja, é fundamental desenvolver um

conjunto de procedimentos que busque garantir o melhor hoje, o melhor amanhã e um resgate inteligente do passado.” Que para o professor, o conceito também pode também ser apresentado no formato de uma equação: S = MH + MA + RIP. A seguir, conheça mais sobre as diversas maneiras de se desenvolver sustentabilidade na sua empresa, além de cases da Souza Cruz, Cemig, Sercal, Recycleaner e Nacional Expresso. Na região do Triângulo Mineiro Mineiro diversas empresas desenvolvem ações sustentáveis, seja de meio ambiente, econômica e, principalmente, sustentabilidade social, que será tema de reportagem em nossa próxima edição, no início de 2011.

Case | Souza Cruz Uberlândia

Otimização na gestão de resíduos sólidos da fábrica de Uberlândia

Durante os últimos anos a unidade implementou diversas ações visando racionalizar o uso da matéria prima, identificando nos diversos processos industriais a oportunidade de evitar perdas, bem como aprimorar a manutenção e operação dos equipamentos. Estas ações resultaram em economia, respeito ao meio ambiente, além do reconhecimento, com a 8ª posição no Benchmarking Ambiental Brasileiro, prêmio recebido no segundo semestre de 2010. Para que todo o processo fosse desenvolvido, foi trabalhado junto aos colaboradores o conceito de reutilizar tudo que fosse possível nos processos produtivos ou de apoio e, caso não fosse possível, os resíduos seriam enviados para a reciclagem 12

| revistanegocios.com.br

Edson Dorigon é gerente de Engenharia Industrial e Júnior Antônio de Souza é coordenador de Meio Ambiente da Souza Cruz Uberlândia


ou compostagem com o auxílio de empresas especializadas e licenciadas para esta atividade. Das 7500 toneladas de resíduos geradas em meados de 2000, em 2009, apenas 30 toneladas eram enviadas ao aterro sanitário de Uberlândia. E este resíduo era composto por papel higiênico, papel toalha e resíduos alimentares, apenas 0,4% do que era gerado pela unidade. O restante, equivalente a 99,6%, foi reutilizado internamente, como composto orgânico por meio de compostagem ou reciclados, incluindo os resíduos perigosos Classe I, conforme estabelecido na NBR 10004. É sabido que as indústrias devem ter como meta contribuir para a manutenção de um meio ambiente adequado, procurando desenvolver novas tecnologias para racionalizar, reaproveitar, reciclar e tratar todos os seus resíduos gerados durante o processo produtivo. A gestão adequada destes envolve ações como prevenção, minimização, conscientização, racionalização, reutilização, reciclagem, busca de tecnologias mais limpas, além de substituição de matéria prima por outras menos poluentes e, se possível, a utilização de resíduos como fonte energética. Segundo a Abetre (Associação Brasileira de Empresas de Tratamento de Resíduos) até o ano de 2007 a disposição dos resíduos industriais em aterros compreendia, em média, 76% dos resíduos gerados, ou seja, mesmo com uma melhora significativa na destinação final dos resíduos nos últimos anos, ainda há um longo caminho a percorrer para se chegar a uma gestão adequada dos resíduos sólidos gerados no Brasil. O projeto Souza Cruz Uberlândia demonstra a busca constante da empresa em alcançar o desenvolvimento econômico aliada as necessidades sócioambientais da sociedade, resultando em um índice de 99,6% de destinação adequada dos resíduos gerados em sua unidade.

A implantação Desde a implantação, a Fábrica de Uberlândia desenvolve atividades que visa a preservação do Meio Ambiente, contemplando em suas ações a realização de estudos, projetos e implantações que atendem a requisitos técnicos, legais e da própria política da empresa, que busca concretizar melhores resultados para o desenvolvimento de suas atividades nesta importante área de preservação do Meio Ambiente, interno e externo. Das 7500 toneladas de resíduos sólidos gerados em 2000, 40% deste total era destinado ao aterro sanitário de Uberlândia, ou seja, 3000 toneladas por ano eram destinadas ao Aterro Municipal, que é considerado doméstico e não industrial. Buscando alternativas, a empresa desenvolveu parceria com empresa especializada em Compostagem que, a partir de 2001, começou a receber parte dos resíduos de pó de fumo, casca de lenha, cinza das caldeiras e lodo da Estação de Tratamento de Efluentes. Em 2005 iniciou-se utilização do resíduo do pó de fumo como matriz energética nas caldeiras, projeto desenvolvido em parceria com a Fundação Estadual do Meio Ambiente (FEAM), sendo finalizado em 2007. Neste mesmo ano foi iniciado o Projeto de Destinação de Pó de Fumo para a Fazenda Buriti da Prata, onde o mesmo foi destinado como composto orgânico em complementação a adubação tradicional. No ano de 2008 foi realizado o investimento para a implementação da área de segregação de resíduos da unidade, uma área de aproximadamente 500 m2, onde os resíduos são pesados e destinados nas respectivas caçambas de coleta. Nesta área é realizado o monitoramento e o inventário mensal de resíduos enviados para o órgão ambiental. Para aumentar a confiabilidade das informações geradas foi adquirida, também em 2008, uma balança rodoviária que foi instalada próxima à saída da fábrica. Em 2009 foi adquirido o equipa-

mento para a realização do tratamento de emissões atmosféricas através de filtros de manga, cujo objetivo final é retirar a maior quantidade possível de material particulado, possibilitando a destinação correta de cinzas geradas neste processo. A sincronia, abrangência e motivação Desenvolvido com uma visão multidisciplinar, o projeto sempre esteve focado na cooperação e participação de várias áreas e unidades da companhia, principalmente com o envolvimento de diversos profissionais. O processo de implementação e monitoramento das ações envolveram diretamente 48 colaboradores das áreas citadas a seguir, além de contar com mais 15 colaboradores de empresas parceiras no desenvolvimento dos projetos. É importante mencionar que a execução destas atividades possibilitou o desenvolvimento individual de todos os envolvidos, através dos treinamentos e discussões realizados em todas as etapas dos projetos, que contou com a participação das seguintes áreas: Engenharia Industrial: Área responsável por coordenar todas as ações de meio ambiente da fábrica de Uberlândia e potencializar seus resultados. Desenvolveu e implementou os projeto de queima de briquete; a destinação do pó de fumo para a Fazenda Buriti da Prata; a área de segregação de resíduos; além do monitoramento do inventário e instalação da balança de pesagem. Centro de Pesquisa e Desenvolvimento: Envolvimento direto de pesquisadores do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da empresa que acompanhou e contribuiu para a implementação das ações do projeto de queima do resíduo de pó de fumo na forma de briquete. Segurança do Trabalho: Esteve presente em todas as etapas revistanegocios.com.br | 13


m at é r i a d e c a pa

do projeto avaliando e orientando todas as ações a fim de minimizar eventuais riscos de acidentes nas operações tanto na área industrial quanto na Fazenda Buriti da Prata. Segurança Patrimonial: Esteve presente em todas as etapas do projeto avaliando e orientando todas as ações a fim de minimizar eventuais riscos ao patrimônio da empresa. Setor de comunicação corporativa e treinamento: Auxilio em todas a etapas que houve a necessidade de comunicação interna e externa, além de realizar algumas etapas de treinamento para o desenvolvimento do projeto. Equipe multidisciplinar Uma equipe de consultores e de profissionais da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), multidisciplinar e especializada em planejamento ambiental com vasto conhecimento técnico referente ao manejo florestal e caracterização dos resíduos gerados, foi responsável pelo monitoramento das ações implementadas na destinação do pó de fumo na Fazenda Buriti da Prata. A política ambiental da empresa possui a premissa de que a empresa adotará práticas, produtos e serviços que atendam a legislação ambiental e a de segurança e saúde ocupacional vigente no país, além dos requisitos da BAT (Bristish American Tobacco), minimizando adequadamente os impactos da sua atividade ao meio ambiente. Durante esses últimos anos a unidade implementou diversas ações visando racionalizar o uso de matéria prima, identificando nos diversos processos industriais a oportunidade de evitar perdas, bem como aprimorar a manutenção e operação dos nossos equipamentos. Em 2003 foi instituída pela prefeitura municipal de Uberlândia uma taxa de entrada de resíduos no aterro municipal 14

| revistanegocios.com.br

de Uberlândia, cobrado por tonelada, neste cenário se nada tivesse sido feito entre o ano de 2000 e 2003, a unidade teria encaminhado por ano, aproximadamente, 3.000 toneladas (40% dos resíduos gerados na unidade) com um custo aproximado de R$ 225 mil/ano. Com as ações, este gasto foi evitado. Em 2005 começou o estudo sobre a utilização do resíduo de pó de fumo como matriz energética, propiciando a utilização média de 60 toneladas de pó de fumo nas caldeiras reduzindo o consumo de lenha de eucalipto. Em 2007 foi investido R$ 120 mil para a adequação e implementação da área de segregação de resíduos, sendo que todos os resíduos recolhidos nos setores da unidade passaram a ser pesados e direcionados para empresas especializadas em reutilização e reciclagem de resíduos. O ponto forte foi identificar, por área, a origem de todos os resíduos da unidade, permitindo o desenvolvimento de projetos de conscientização direcionados para cada setor da unidade. O IEF/FEAM autorizou a quantidade de três ton/hectare para os projetos adultos e 1 ton/hectare para os projetos em plantio. Foi investido R$ 60 mil para a implementação deste projeto, que é a utilização de pó de fumo como complementação a adubação química, realizada na Fazenda Buriti da Prata. Em 2009 foi investido R$ 2,3 milhões no sistema de emissões atmosféricas através de filtros de manga. Resultados Desde do inicio da implementação das etapas do projeto Otimização na Gestão de Resíduos Sólidos da Fábrica de Uberlândia, a empresa obteve diversos ganhos ambientais e econômicos, pois evoluiu de uma forma consistente o conceito de sustentabilidade na geração de resíduos sólidos. No quesito econômico a unidade deixou de gastar aproximadamente R$

225 mil/ano com a destinação adequada dos resíduos orgânicos (cinza de caldeiras, lodo da ETE, casca de lenha e resíduo de pó de fumo) que são enviados, atualmente, para a compostagem. Antes, era enviado para o aterro municipal. Foi feita ainda a otimização da destinação de resíduos em caçambas de maior porte, com capacidade de 24m3, reduzindo de 3000 caçambas para 950 por ano, uma redução de custo de R$ 80 mil/ano. Na questão ambiental inovou-se com a criação de alternativas sustentáveis para o negócio, como a utilização de 720 toneladas/ano de resíduo de pó de fumo como matriz energética (Projeto Briquete). A utilização de 530 toneladas/ ano de pó de fumo enviados para a Fazenda Buriti da Prata para ser incorporado diretamente no solo como complemento para a adubação química. Com a implementação da área de segregação, a unidade ganhou em eficiência no monitoramento e na acuracidade de todos os resíduos gerados, possibilitando o acompanhamento de sua geração por área e, também, o desenvolvimento de projetos de conscientização focado para a realidade de cada setor na unidade. Um ganho expressivo para a organização é a possibilidade de conhecer de forma bem abrangente seus processos industriais, avaliando e analisando o grau de controle estabelecido dentro de cada um deles, mapeando a geração dos resíduos em cada etapa, disponibilizando um inventário desses resíduos com toda a clareza e confiabilidade dos dados, mensurando a sua geração e estipulando indicadores ambientais para acompanhar a sua eficiência garantindo a correta destinação final de todos os seus resíduos. Este projeto é de extrema importância para a organização pois demonstra cada vez mais sua preocupação com o desenvolvimento sustentável, reforçando sua política de gestão integrada voltada para a busca constante da melhoria continua.


Case | Cemig

Ações da Cemig para conservação da biodiversidade A Cemig promove ações de proteção aos ecossistemas e conservação da biodiversidade, dentre as quais merecem destaque o investimento em projetos de Pesquisa e Desenvolvimento, a manutenção de Estações Ambientais e unidades de conservação e o desenvolvimento de programas para a ictiofauna, com destaque para o Programa Peixe Vivo. As estações ambientais da Cemig são áreas utilizadas para a realização de estudos sobre a fauna e a flora, atividades de educação ambiental e visitas programadas. Essas estações possuem mais de 4.000 hectares de áreas protegidas, distribuídas nas Reservas Ambientais de Galheiro e Jacob (ambas Reservas Particulares do Pa-


www.souzacruz.com.br

99,6% de resíduos

reciclados na Unidade de Uberlândia

3 parques ambientais somando 290 hectares

85%

de emissões de carbono neutras e o restante compensado por florestas mantidas pela Companhia

PARA A SOUZA CRUZ, TÃO IMPORTANTE QUANTO CONTRIBUIR PARA A A Souza Cruz foi umas das vencedoras do 8º Prêmio Benchmarking Ambiental Brasileiro com dois cases, sendo um deles o de Gestão de Resíduos Sólidos, da Unidade Uberlândia-MG, que conquistou o 4º lugar no Ranking dos Melhores da Gestão Socioambiental Brasileira. O ranking é formado por empresas que, comprovadamente, apresentam excelência em suas práticas e compromisso com os princípios da sustentabilidade, selecionadas por


SLM

60%

de uso de energia renovável, gerada nas 3 áreas próprias dedicadas ao reflorestamento

100% de reutilização de

água na fábrica de Uberlândia

59%

do consumo de água da fábrica de Cachoeirinha proveniente da captação da chuva

SUSTENTABILIDADE, É INSPIRAR OUTRAS EMPRESAS A FAZEREM O MESMO. uma respeitada comissão de especialistas do Brasil e de outros países. Um reconhecimento que mostra como a Souza Cruz conduz seus negócios de forma responsável também com o meio ambiente, não apenas nas Unidades da Empresa, mas em toda a sua cadeia produtiva, da lavoura ao ponto de venda. Porque, além de fazer a nossa parte, queremos servir de inspiração para que outras empresas também pratiquem a sustentabilidade.


m at é r i a d e c a pa

trimônio Natural – RPPNs), Volta Grande, Peti, Itutinga e Machado Mineiro. A Unidade de Conservação Galheiro localiza-se no município de Perdizes, região do Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba e, nessa Estação, a Cemig desenvolveu o Projeto de Monitoramento do LoboGuará, visando à preservação do maior canídeo da América Latina. Iniciado em 2004 por meio de convênio entre a Cemig e a Fundação Zoobotânica, esse projeto encontra-se em fase final, e envolveu pesquisa sobre a ecologia do lobo-guará utilizando tecnologia de telemetria via satélite na Estação Ambiental. A Estação Ambiental de Jacob situase no município de Nova Ponte, nas margens do reservatório da UHE de Miranda e é constituída por formações florestais secundárias e cerrado, característicos da área de influência do reservatório. Os principais objetivos dessa estação são a proteção da fauna e flora, desenvolvimento de estudos científicos, educação ambiental e integração com a comunidade do seu entorno. A Estação Ambiental de Volta Grande está localizada nos municípios de Conceição das Alagoas/MG e Miguelópolis/SP, próximo a Uberaba, em área do ecossistema Cerrado. A estação foi criada com o principal objetivo de garantir a preservação da biodiversidade das espécies de peixes e monitoramento da qualidade da água, bem como o desenvolvimento de estudos e pesquisas da fauna e flora e programa de educação ambiental. Hoje, a Estação Ambiental Volta Grande passa por um projeto de adequações, principalmente na infraestrutura, para ser transformada em Centro de Excelência em Ictiologia, com envolvimento da Cemig. órgãos ambientais e universidades, tendo como principal objetivo o desenvolvimento de pesquisas sobre peixes. Programa Peixe Vivo Dentre os programas que desenvolve para a ictiofauna (peixes), a Cemig desta18

| revistanegocios.com.br

ca o Programa Peixe Vivo, que em 2009 completou dois anos de existência. O programa desenvolve diversas atividades voltadas para o incremento das ações de conservação da ictiofauna em Minas Gerais. O ano marcou o início da execução de quatro projetos de pesquisa em parceria com importantes centros de pesquisa do estado, na busca de soluções que integrem a geração de energia hidrelétrica com a conservação da ictiofauna. Também em 2009 houve avanços significativos no projeto de criação de um dos maiores centros de pesquisa em ictiofauna do Brasil, com o início das obras de reforma dos prédios e tanques de piscicultura da Estação Ambiental de Volta Grande, que se tornará futuramente o Centro de Excelência em Ictiologia de Volta Grande. O programa também teve resultados importantes na integração com as demais áreas da Empresa e de setores da sociedade. Em 2009 foram realizados diversos seminários, fóruns e encontros que tiveram como objetivo a disponibilização, para a sociedade, de informações sobre as ações da Cemig para a conservação da ictiofauna. O programa recebeu o 4º Prêmio Brasil de Meio Ambiente (prêmio promovido pelo Jornal do Brasil) como melhor trabalho de Fauna e Flora em 2009. A Cemig possui dois viveiros florestais localizados nas estações ambientais de Itutinga e de Volta Grande e um laboratório de sementes. Esses viveiros existem para suprir a demanda dos programas ambientais desenvolvidos pela Companhia. A produção de mudas é programada em função da demanda própria e de prefeituras, ONGs, órgãos públicos e instituições de meio ambiente, para utilização em programas de proteção ao meio ambiente. Programa A16% O Programa AI6% - Formando Cidadãos surgiu em 2000. O objetivo geral é ampliar a parceria com os Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), procurando

apontar oportunidades de melhoria no relacionamento entre os Conselhos, as Organizações e a Companhia. Isso possibilita a otimização do impacto social das empresas do grupo nas comunidades do entorno, possibilitando a execução de programas e serviços de promoção e defesa dos direitos de crianças e adolescentes em situação de risco social. Dessa forma, a Companhia promove e incentiva a participação voluntária dos empregados da Cemig e Associação Intergerencial da Cemig (AIC) em práticas sociais, estimulando-os também a contribuir por meio do repasse de parte de seu Imposto de Renda devido às CMDCAs. Os resultados alcançados ano após ano vêem se superando. Em 2009, a meta de arrecadação de valores absolutos não foi atingida, mesmo tendo sido 1,87% superior ao montante de 2008. A campanha de 2009 possibilitou a ampliação do número de instituições beneficiadas passando de 147 para 193. As organizações beneficiadas pelo Programa atuam em educação, capacitação para o trabalho, geração de renda, abrigos e casa lar. 38% das organizações têm como objetivo o apoio a portadores de necessidades especiais, que assim representam o maior grupo beneficiado. Elas estão localizadas em municípios com população variando de 3,8 mil a 2,2 milhões de habitantes; das 193 organizações, 41 situam-se em municípios com menos de 20.000 habitantes, das quais 21 em municípios abaixo dos parâmetros considerados ideais para o desenvolvimento segundo os indicadores do Índice de Desenvolvimento Humano – IDH, 2000, Índice de Exclusão Social – IES e Índice de Desenvolvimento Infantil – IDI, 2004. A avaliação de impactos decorrentes da aplicação dos recursos cabe aos Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente. Já a Cemig avalia a aplicação dos recursos. www.cemig.com.br Acesse o relatório de Sustentabilidade da empresa


Case | Sercal

Agregando valor com

boas ideias A Sercal, empresa de Monte Carmelo, identificou a oportunidade de produzir adubo a partir das cascas da madeira que é manuseada em seu pátio; além de contribuir com o meio ambiente, a empresa agregará mais valor aos seus funcionários com novos benefícios criados com esta oportunidade Para mudar uma realidade, segundo diversos especialistas, basta ter atitude. E foi o que aconteceu com a Sercal – Serraria Carmelitana, empresa que está no mercado há pouco mais de seis anos e sediada em Monte Carmelo/MG, que fica a pouco mais de 110 km de Uberlândia. No ramo de beneficiamento de pinos e eucaliptos, a Sercal chega a movimentar, diariamente, algo em torno de nove carretas de madeira, ou seja, 2,3 mil carretas/ano ou algo em torno de 84 mil metros cúbicos de toras manuseadas no pátio, que chegam das florestas, são armazenadas, depois levadas para as serras. Com o processo de manuseio no pátio, a casca da madeira vai ficando pelo caminho e, que, no final de cada mês acaba resultando em um significativo volume. Para garantir eficiência aos caminhões e outras máquinas que trafegam pelo pátio, é preciso retirar as cascas de tempo em tempo. “E este era um dos problemas: afinal, o que fazer com este entulho”, comenta o empresário Glênio Pena Naves de Oliveira que é sócio diretor da Serraria. Num primeiro momento as cascas passaram a ser retiradas do pátio, que é no chão batido, um processo que começou a produzir uma mistura de terra com cascas. Mas não existia um destino final e tudo era amontoada num canto do pátio da empresa. Além de “entulho”, naquele momento, diz Glênio, “estávamos gerando uma fragilidade

para o nosso negócio, principalmente com a possibilidade de incêndios”. É que a casca, quando bem seca, se torna um material de fácil combustão. Por estar às margens do pátio e ao lado de pastagens, já ocorreu princípios de incêndios, de transferência do fogo, com facilidade, do capim para as cascas. “Começamos a entender que tínhamos um problema para resolver, primeiro com relação a segurança e, depois, com relação a quantidade de cascas (montanhas) que estamos juntando no pátio”, explica o empresário. A atitude “Bastou uma simples atitude para mudarmos, completamente, a maneira de administrar a situação, que deixou de ser um ‘problema’ e se transformou em uma ‘oportunidade’ de mercado”, comenta o empresário. Foi com o apoio do consultor Roberto Rodrigues, da RR Life, que identificou-se que toda aquela ‘montanha’ cascas poderia ser transformada em adubo, praticamente orgânico. E foi o que aconteceu. A empresa encomendou uma análise técnica e ficou comprovado. “Todo o entulho que tínhamos, na verdade, se tratava de uma rica matéria-prima que poderá ser processada e vendida no mercado como adubo”, diz Glênio. Além do setor de jardinagem, o produto final, após finalizados os testes, poderá ter diversas outras aplicações, inclusive no reflorestamento. A oportunidade Para o consultor Roberto Rodrigues, o adubo nem teve produção iniciada, mas já tem comprador garantido no mercado. “Foi só informarmos que tínhamos a oportunidade de produzir adubo a partir das casas

Glênio Naves é diretor da Sercal, em Monte Carmelo que recebemos solicitações, principalmente do setor de jardinagem, que consome uma boa quantidade em projetos e na venda ao varejo, em embalagens econômicas”, explica o consultor. Para Glénio, a oportunidade será agora revertida, principalmente, em benefícios aos funcionários. “Boa parte dos nossos funcionários vieram de lavouras do município. Aqui, além da garantia do salário mensal, passaremos a oferecer importantes benefícios, a exemplo da cesta básica e até mesmo plano de saúde. E foi com a oportunidade encontrada que já estamos planejando o retorno da receita com a venda do adubo provido da casca da madeira em benefícios aos nossos funcionários”, diz. Com a proposta a Sercal agrega valor na relação com seu funcionário e, acima de tudo, assume compromisso maior com o meio ambiente, se tornando ainda mais responsável ambientalmente, contribuindo com a sustentabilidade do seu negócio. Para o consultor, é possível mostrar à comunidade que, por meio de ações simples, mas com significativa relevância, é possível transformar realidades e contribuir com um meio ambiente muito mais saudável. “Antes tínhamos um custo para tirar as cascas do nosso pátio. Agora passaremos a ter receita com o processo”, enfatiza Glênio. E complementa: “Não precisamos jogar lixo/entulho no meio ambiente. Com consciência e atitude, temos como garantir efetividade na nossa proposta de negócio sustentável”. revistanegocios.com.br | 19


m at é r i a d e c a pa

O negócio Sercal A empresa mantém florestas próprias e processa madeira de outros fornecedores. Seu negócio está diretamente ligado à produção de caixas (embalagens) para produtores de verduras e legumes da região de São Gotardo/MG e para indústrias de metalurgia (fabricantes de peças para motores). A Sercal ainda prepara madeira para ser utilizada na construção civil (a exemplo de

tábuas e pontaletes) e é produtora de cavacos para o setor de biomassa (utilização em caldeiras para geração de vapor). Neste segmento, o principal cliente é a Cargill, unidade Uberlândia. Já esta em fase de testes o fornecimento de eucalipto tratado. Entre outros produtos, também fabrica forro paulista. A empresa já processa algo em torno de sete mil metros cúbicos de toras de ma-

deira/mês. Toda a madeira é produzida na região de Monte Carmelo. A região sedia outras empresas do mesmo setor, o amplia a possibilidade de agregar mais valor ao processo da fabricação do adubo, por considerar o volume do manuseio somado às demais serrarias instaladas na região. A Sercal se reafirma com tecnologia de ponta e com constantes investimentos nessa área. Parte do seu processo já é automatizado.

A r t i g o | S us t e n t a b i l idade

Quando o subproduto vira “super produto” Que o mundo está se transformando rapidamente, todos nós sabemos. Que as pessoas estão mais conscientes quanto a estas transformações também não é nenhuma novidade. Talvez possa ser surpresa para alguns, o fato de certas empresas estarem mais preocupadas e atentas às leis ambientais, às responsabilidades sociais e ao impacto causado pelas suas atividades produtivas. Há uma tendência visivelmente positiva quanto a isso, mas ainda é muito cedo para comemorarmos. Sempre que inicio algum projeto de consultoria, preocupo-me em olhar para todos os setores da empresa, bem como para as ações que ela desenvolve. Procuro fazer tudo o que é preciso ser feito, mas também procuro sempre por aquilo que as empresas não fazem questão de olhar, sendo assim, não valorizam, não querem, não olham e, consequentemente, descartam. Explico melhor. Existem varias empresas que, ao produzirem, geram vários tipos de resíduos e descartes que geralmente tem um destino apropriado, no entanto, nem sempre é o mais correto. Pior que isso, existem situações em que estes resíduos são encaminhados para locais não apropriados e que, com isso, causam danos ao meio ambiente e aos cofres públicos. Quem acaba pagando a conta somos nós, é claro. O fato lamentável, além do que citei ante-

20

| revistanegocios.com.br

riormente é que, tais resíduos poderiam ser revertidos em benefícios a estas empresas e muitas nem se dão conta. Recentemente me deparei com uma situação bastante interessante. Aliás, duas situações. A primeira foi quando, ao caminhar pelo pátio industrial de uma empresa que buscava empregar meus préstimos de consultoria, notei que havia uma enorme quantidade de materiais orgânicos sobre o chão e alguns amontoados no entorno da fabrica. Tais resíduos são oriundos da madeira (pinus e eucalipto), expelidos no momento do corte das toras, cujo produto fim é a fabricação de tabuas para construções civis, vigas e caixas para armazenagem de frutas e verduras. Misturados a esses resíduos estavam casca, serragem e pó de madeira, além de terra. Essa mistura se transforma em uma maravilhosa e fértil composição, que pode ser utilizada em vários meios, a exemplo da jardinagem; cultivo de mudas; substrato para hortaliças; etc. Como esta empresa contratara-me para verificar as áreas financeira, organizacional, comercial e comportamental, fiquei pensando se tais resíduos não poderiam ser aproveitados, comercializados e transformados em benefícios para seus colaboradores. Dito efeito. A empresa já programa a aplicabilidade dos recursos financeiros oriundos dessa “descoberta” à implementação de programas de capacitação; benefícios básicos, como cesta básica e plano de saúde; além de outros feitos.

Imaginamos que, com isso, a efetividade, o comprometimento, a auto-estima, além de outros aspectos importantes ligados as pessoas que integram o trabalho da empresa, como pro-atividade fatalmente apontará melhoras, repercutindo na melhoria da qualidade da mão de obra e na diminuição do turnover. Com isso, a qualidade de vida será melhorada. A segunda situação é que o risco de incêndio e a proliferação de insetos e roedores vai diminuir ou ser totalmente eliminado. Imaginamos que daí para frente os benefícios só tendem a aumentar. Em suma, precisamos olhar para o que produzimos; como produzimos; para quem produzimos; por meio de que, e de quem produzimos e, principalmente, o que deixamos de produzir. É preciso aproveitar, sempre, as oportunidades que surgem mas, também, saber e preocupar-se em criá-las quando elas não estão claras. É preciso pensar em sustentabilidade empresarial do início “aos fins”.

Roberto Rodrigues é professor e consultor da R. R. Life Consulting www.rrlifeconsultoria.com.br


O NOSSO ALVO É A SUSTENTABILIDADE A nossa missão é a destinação sustentável de resíduos industriais buscando assim, a integração das atividades econômicas com o meio ambiente. Serviços que prestamos: Rastreabilidade Gestão ambiental Logística completa (da coleta até a destinação final)

Recycleaner Logística integrada de resíduos

Rua Nivaldo Guerreiro Nunes, 891 | Distrito Industrial | Uberlândia/MG | (34) r3211-2353 e v i s t a n e g o c i o3222-0571 s.com.br | 21

www.recy.com.br


N a c i o n a l E x p r e ss o

Estação de tratamento de água para reuso da Nacional Expresso

Vantagem competitiva por meio de Ações Sustentáveis O conceito de sustentabilidade está intimamente relacionado com o de Responsabilidade Ambiental da Nacional Expresso. Esta idéia adquire vantagem competitiva, pois está integrada como estratégia única da empresa.

22

| revistanegocios.com.br

O conceito de sustentabilidade está intimamente relacionado com o de Responsabilidade Ambiental da Nacional Expresso. Esta idéia adquire vantagem competitiva, pois está integrada como estratégia única da empresa. Abordada a questão de cuidar e melhorar do meio ambiente para as atuais e futuras gerações, a Nacional Expresso está de olho

nas necessidades e conceitos desta Responsabilidade. Dentre as medidas aplicadas, três podem ser destacadas: a utilização do combustível diesel, a reutilização da água e manutenção preventiva dos ônibus. Combustível Diesel A empresa trabalha com o biodiesel desde 2007, uma boa


alternativa por se tratar de uma fonte de energia renovável. Nas garagens de São Paulo e Curitiba, a Nacional Expresso utiliza o óleo diesel “BS -500” denominado metropolitano, que emite 500 partes por milhão (ppm) de presença de enxofre. Nas demais garagens, a empresa utiliza o óleo BS -1800 – conhecido como diesel do interior ou tradicional. Emite 1800 ppm. Reutilização da água A Nacional Expresso iniciou a pri-

meira estação de tratamento de água para reuso na cidade de Goiânia, a fim de reaproveitá-la na lavagem dos veículos, peças e motores. Através deste processo, além de ajudar a preservar o meio ambiente, reduz drasticamente em até 90% os custos com água. Manutenção Preventiva No momento estabelecido, os veículos passam por inspeção nos bicos injetores, troca de filtros, nos componentes do

sistema de alimentação e ajuste na bomba. Estes procedimentos permitem que, além da queima de combustível ser completa, reduz o consumo de óleo diesel e, por conseguinte, a emissão de poluentes. A partir de iniciativas como estas, a Nacional Expresso mantêm o esforço de proporcionar benefícios à comunidade e valorizar o ambiente em que faz parte, contribuindo para que as gerações futuras tenham uma qualidade de vida melhor.

www.nacionalexpresso.com.br revistanegocios.com.br | 23


L o g í s t ica de Res í du o s

Respeitar o meio ambiente e gerar soluções para garantir Instalada em Uberlândia, a Recycleaner desenvolve conceitos de logística e gestão de resíduos para reutilização e destinação final de produtos recicláveis, retornáveis e perigosos

A empresa Recycleaner, criada em 2002 e sediada em Uberlândia, desenvolve conceitos, cria modelos de gestão de resíduos e contribui com a melhoria dos processos para destinação adequada de resíduos dentro de indústrias, empresas comerciais e outras. Com dinamismo, a empresa atende uma das mais rigorosas tendências do mercado, que é a responsabilidade ambiental de cada negócio. Legal e ambientalmente adequada, a empresa se apresenta no mercado como uma das mais estratégicas parcerias de sucesso para diversos outros negócios. Está preparada para atender as reais necessidades do mercado quanto às melhores práticas de gestão e destinação de resíduos industriais sólidos e orgânicos (veja lista) obedecendo a padrões estabelecidos por órgãos ambientais e regulamentadores, como exemplos as Resoluções do CONAMA, as Deliberações normativas do COPAM, a ISO 14001, as NBRs 10.004, 7.500 e etc. “Desenvolvemos práticas e Carlos Castro é diretor da Recycleaner

24

| revistanegocios.com.br

conceitos ambientais, processos que são de extrema importância para o funcionamento ambientalmente correto de diversas empresas. Buscamos as melhores alternativas para auxiliar nossos clientes na destinação final resíduos de maneira adequada, sem interferir no meio ambiente”, explica Carlos Castro, diretor da Recycleaner. Além dos resíduos recicláveis, a empresa desenvolve logística integrada de resíduos retornáveis, orgânicos e, também, perigosos. E todos estes processos são desenvolvidos com o auxílio de parceiros, por exemplo, a Ecoblending, que cuida da destinação final para resíduos perigosos e contaminantes. “Recolhemos estes resíduos juntos aos nossos clientes, armazenamos e encaminhamos para destinação correta, seja para a reciclagem ou para o descarte final”, informa o empresário. A Recycleaner desenvolveu um formato de negócio que atende seus clientes dentro de um padrão profissionalizado, atenden-


do exigências ambientais de qualquer negócio. Para desenvolver esta logística integrada de resíduos, a empresa é dotada de caminhões com monitoramento via satélite acompanhado desde a coleta até o destino final do resíduo, oferecendo assim, segurança no processo. Além dos caminhões, as caçambas também são monitoradas e com o auxilio desta tecnologia, podese acompanhar passo a passo todas as etapas do processo. “Dentre algumas inovações, teremos em breve como disponibilizar ao nosso cliente, uma ferramenta 24h para que ele possa acompanhar a rastreabilidade do resíduo gerado pelos processos produtivos de sua empresa. Ou seja, o cliente saberá, inclusive, qual a destinação do resíduo gerado no seu empreendimento. Nossa proposta é que o cliente seja informado do momento da coleta ate o destino final do resíduo”, explica Carlos Castro.

Lixo x resíduos O que antes era chamado de lixo, atualmente, é considerado resíduo e são classificados enquanto recicláveis e retornáveis ou que necessitam de tratamento final antes de serem descartados (que geralmente são resíduos contaminados). “Mas, a grande vantagem é que praticamente quase tudo tem possibilidade de reaproveitamento. Assim, o que não é reutilizado ou reciclado, requer tratamento”, explica o empresário. Neste contexto, a Recycleaner desenvolve soluções na medida certa para o segmento produtivo, seja uma pequena, média ou grande indústria, assim como o comércio (principalmente com resíduos recicláveis). É importante destacar que a Recycleaner não assume papel de empresa recicladora, ela é uma solução para o segmento produtivo, principalmente a indústria que requer certificados de segurança am-

O que são materiais recicláveis  Plástico  Papel  Embalagens diversas  Bombonas (recipiente)

revistanegocios.com.br | 25


L o g í s t ica de Res í du o s

biental em seus processos. “Este é o nosso negócio. Oferecemos tudo o que uma empresa necessita para desenvolver seus processos atendendo a legislação nacional”, informa. Segundo o empresário, a Recycleaner é uma empresa preparada para atender todas as necessidades do cliente e ate capaz de desenvolver um formato exclusivo de atendimento, tudo de acordo com as exigências legais e do próprio cliente. A empresa atende Uberlândia e a região, num raio de até 300 km, a exemplo de empresas instaladas em Catalão/GO; Uberaba; Araxá e outras cidades do entorno de Uberlândia. Dentre os projetos futuros, está a proposta de fechar o ciclo da reutilização, ou seja, materiais recicláveis que são recolhidos, com o auxílio de parceiros no processo, a Recycleaner pretende retornar estes materiais reciclados aos mesmos clientes. No exemplo do plástico, após reciclagem, o mesmo pode ser retornado ao mercado no formato de mangueiras, e outros produtos. No caso da madeira, a mesma passa será disponibilizada para a geração de energia. Cabe aqui a aplicação da logística reversa.

26

| revistanegocios.com.br

A empresa já faz a gestão logística de algo em torno de 700 a 900 t/mês, mas esse volume, segundo Carlos Castro, representa menos de 10% de tudo que é movimentado só em Uberlândia. “Estamos trabalhando para agregar soluções aos nossos clientes”, enfatiza. Para o empresário, a administração de resíduos é algo básico e que todas as empresas, principalmente as ambientalmente responsáveis e que trabalham com o foco na sustentabilidade. “Essa premissa é valida aos cidadãos e, principalmente, às empresas”, reforça. O processo desenvolvido pela Recycleaner garante sustentabilidade aos clientes atendidos, além de gerar emprego com a gestão de resíduos e contribuir, diretamente, com um mundo melhor. Inovação A empresa é pioneira na utilização do Bulb Eater, um sistema eficiente e ecologicamente correto de destruição e descontaminação de lâmpadas fluorescentes. Este sistema foi testado e aprovado pelo Instituto de Pesquisa e Tecnologia da USP. A empresa inova um pouco mais com a coleta de resíduos orgânicos (exceto ali-

mentos). Neste caso, destina-se, de forma ambientalmente correta, todos os resíduos recicláveis, retornáveis e principalmente os resíduos orgânicos após a sua inoculação (introdução). A Recycleaner também fornece equipamentos de coleta, acondicionamento e transporte adequado para cada categoria de resíduo. A empresa possui equipamentos para a descaracterização, enfardamento e outros que possam ser necessários para a melhor destinação dos resíduos. O processo da Recycleaner A Recycleaner faz mapeamento ambiental dos processos produtivos; identifica e analisa os resíduos recicláveis e retornáveis; elabora projeto de logística e destinação final de resíduos identificados; coleta, faz triagem, prepara e envia os resíduos para empresas recicladoras e outras licenciadas por órgãos ambientais. A empresa elabora e entrega relatórios de rastreabilidade dos resíduos coletados e destinados. A destinação pode ser reciclagem, reutilização, coprocessamento, incineração ou a inertização.


mercado imobiliário arquitetura automação móveis planejados decoração paisagismo

construção civil comportamento e crescimento deste mercado em Uberlândia

revistanegocios.com.br | 27


xxxx

28

| revistanegocios.com.br


revistanegocios.com.br | 29


Condomínio Gávea, região Sul de Uberlândia

condomínios 30

| revistanegocios.com.br

Pioneiri

em Uberl â


ismo

Cada vez mais crescem o número de condomínios horizontais nas cidades brasileiras, afinal, as pessoas atualmente buscam mais segurança, privacidade e conforto, tudo o que essa nova forma de moradia possibilita.

E

m Uberlândia, a Gávea Empreendimentos é pioneira neste setor. Conhecida pelos condomínios de alto padrão, a empresa vai além, e não só ditou uma nova tendência no mercado, como agregou valor a uma região que atualmente é tida como a mais valorizada de Uberlândia. A Gávea é uma das grandes responsáveis pelos loteamentos de vários bairros da região Sul de Uberlândia, como parte do bairro Altamira e os bairros Morada da Colina e Gavea Sul. Também em terrenos da Gávea, foram instalados o Centro Universitário do Triangulo (Unitri) e o Uberlândia Shopping, novo empreendimento da cidade, que será inaugurado em 2011.

História A história da Gávea Empreendimentos começou de forma simples, com uma família que tinha uma fazenda no perímetro urbano, e criou uma incorporimobiliária para fazer a gestão desta terra. Um dos principais responsáveis e idealizador desta empresa, foi Nilton Andrade Cunha Chaves, que com arrojo e bastante empreendedorismo, iniciou a ocupação das áreas com lotes de dimensões superiores aos usualmente feito na cidade, elevando o padrão da região e, logo em seguida, buscou parceria com grandes incorporadoras e teve inicio a nova fase da Gavea Empreendimentos nos seguimentos de condomínio.

ândia

revistanegocios.com.br | 31


Condomínios A Gávea Empreendimento após quinze anos de dedicação somente aos loteamentos, se lançou no mercado com a criação de condomínios fechados. Assim surgiram o Gávea Hill 1 e 2 e o Gávea Paradiso, todos situados na região sul. Portaria Condomínio Gávea 1

Portaria Condomínio Gávea 2

Gávea Hill O Projeto Gavea Hill foi o primeiro condomínio executado em Uberlândia para ser comercializado e, executado em parceria com duas grandes incorporados paulistas, teve como grande propósito, transformar e criar um novo nicho de mercado para áreas que a Gávea ainda tinha para empreender. “Criamos um conceito inovador de moradia que ainda não existia em Uberlandia e, em função das restrições urbanísticas municipais, tivemos que executar o projeto em duas etapas: Gavea Hill I e Gavea Hill II, que são hoje dois condomínios ‘vitrine’ para Uberlandia e região”, explica Adilson Albino, da divisão de vendas da Gavea Empreendimentos. A conf iguração dos condomínios são as mesmas e conta com quadras de tênis e poliespor tiva, quiosque de convivência, pay graund e por taria com segurança 24h.

Gávea Paradiso

Portaria Condomínio Gávea Paradiso 32

| revistanegocios.com.br

O Gávea Paradiso é o condomínio mais completo da zona sul da cidade, com uma estrutura exclusiva, com toda a modernidade, conforto e segurança. O espaço conta com campo de mini golfe, f itness center, campo de futebol society, quadras de peteca, tênis e quadra poliesportiva, além de sauna, salão de festas, ciclovia, squash, cinturão de segurança, irrigação automatizada e muitas outras estruturas que garantem a qualidade de vida de seus moradores.


Parque Gávea Respeitando o meio ambiente a Gavea empreendimentos recuperou toda a mata às margens do córrego dos Bicudos além de demais áreas verdes destinadas ao condomínio, transformando esta região em um Parque Municipal. “As obras já estão a todo vapor e deverão ser entregues até o f inal deste ano. São mais de 230 mil m2 de área verde, uma espaço que será melhor apresentado na próxima edição da revista Negócios Minas”, reforça Adilson Albino.

Nova sede da Gávea Empreendimento, na Av. Rio Branco revistanegocios.com.br | 33


Suste

ândia Shopping Construção do Uberl

37 anos de mercado e mais de 8 milhões de m³ de concreto. Participação em diversos projetos de engenharia: Agroindústrias Industriais Rodoviarias

Edificações Viadutos e Pontes PCH (Hidroelétricas)

Camargo Correa e Brasmix, a parceria que deu certo! A Brasmix foi selecionada entre mais de 18 mil fornecedores e foi a única do setor convidada para participar da Agenda Climática Camargo Correa, trabalho de compromisso com a sustentabilidade e inovação.

Bombeamento | Controle Tecnológic


entabilidade

e inovação Viaduto da Av. João Naves

g

Expansão do Center Shopping

Usinagem de concreto Brasmix

co | Cartas de Traço | Controle de Qualidade de Materiais | Acompanhamento de Obra | Consultoria Técnica

34

3291 3344

Rua Eça de Queiroz, 400 | B. Tubalina | Uberlândia/MG

www.brasmix.com.br


Perspectivas do Setor

Mudança de perfil dos tomadores e fomento do Governo Federal aquecem mercado da construção civil em Uberlândia

Renato Rezende é diretor da Villela Rezende

O

Mercado da construção civil nunca esteve tão em alta. Em Uberlândia, assim como no restante do país, a tendência é que a atividade cresça cada vez mais. De acordo com empresários do setor, um dos fatores que mais estimula o mercado tem sido o fomento de capital disponibilizado pelo Governo Federal, através da Caixa Econômica (CEF), que só em Uberlândia, respondeu pela construção de mais de 8.500 unidades, um investimento na ordem de R$ 215 milhões. Segundo o Superintendente Regional da CEF, José Geraldo Sales, a demanda tem aumentado por uma mudança no perfil dos tomadores. “A cada ano, mais jovens buscam o financiamento, principalmente casais novos, na faixa de 25 a 35 anos. Acredito que seja em função do aumento da renda, e também em função da educação, pois os jovens estão se formando mais cedo e conseguem se inserir no mercado de trabalho também mais cedo”, explicou. Para aqueles que temem uma nova queda no mercado da construção civil com a possibilidade do fim do crédito da CEF, não há com o que se preocupar. É o que afirma José Sales. “É importante entender que, quanto mais empregos gerarmos na construção civil, mais trabalhadores com carteira assinada surgem no país, e isso gera também maior arrecadação do FGTS”. Outro fator que contribuiu para o aquecimento da construção civil foi a mudança da dinâmica familiar. De acordo com o IBGE, em 2007 a média era de 3 pessoas por residência. A projeção é que em 2017, seja 2,8 e, em 2030, 2,4, número que em um cenário futuro, aumenta a necessidade de novas moradias.

36

| revistanegocios.com.br

Rúbens de Freitas é diretor da RFreitas

Ordeval Júnior é Engenheiro da Gávea Empreendimentos


Segundo Renato Rezende, da Incorporadora Villela Rezende, em Uberlândia, o mercado esta acima da média de outras cidades, mas a alta da demanda faz com que se esgotem os profissionais da construção civil. “Recursos humanos não existem mais. Isso se deve também ao tipo de construção feita no país, que ainda é muito tradicional. Apesar disso, existe algo positivo, que é a formalização do emprego. E acho que o país inteiro vai passar por essa formalização e a construção civil vai alavancar muito isso”, comentou. Ordeval R. Bueno Júnior, engenheiro da Gávea Empreendimentos, associa o momento de falta de mão-de-obra com o longo período de paralisação da construção civil no país. “Muitos profissionais, a exemplo de engenheiros, serventes, carpinteiros, pedreiros, entre outros, mudaram de profissão, migraram para outros locais, empresas maiores, até mesmo para o setor administrativo. Até as faculdades de engenharia eram pouco concorridas, um desestímulo para a área. Com os investimentos, aumentou a procura de mão-de-obra, e as pessoas tentaram voltar para o mercado. Atualmente temos recursos humanos deficitários. Para se formar um engenheiro, são necessários cinco anos de teoria e mais dois anos de experiência para exercer bem a função. Então, até formar o profissional para poder começar, teremos um momento complicado”.

Leonardo Pafume é gerente Administrativo e Juliana Hofman é gerente Comercial da Cima Construtora

Novos conceitos...

Edificações comerciais, industriais e residenciais. São mais de 25 anos de mercado desenvolvendo os mais modernos conceitos da engenharia civil em Uberlândia.

Rua Bernardino Fonseca, 61 | B. General Osório | Uberlândia/MG | 34 r e v3236-8753 istanegocios.com.br | 37 panayotes@contershop.com.br


Perspectivas do Setor

Luiz Machado é Engenheiro da Mor Construtora

38

| revistanegocios.com.br

Para o engenheiro Luiz Acyr Machado, da Mor Construtora Brasileira, este é um momento para se ter responsabilidade na construção. “Hoje todos são construtores. Todos que ganham um capital partem para construção civil. Até um bom mestre de obras prefere acertar com a empresa que trabalha e partir rumo ao mercado, como construtor. Todos lidam com esse mercado, uns com mais experiência, outros com menos experiência e, também, com mais e menos responsabilidade”, complementou. O empresário Rubens de Freitas, da RFreitas Empreendimentos, acredita que o crescimento do país gerou maior número de empregos, fator que contribui com o aumento da renda da população e fortalece o setor da construção civil. “Essa era uma área represada. Com essa liberação da “água” num primeiro momento houve uma inundação da construção. Devemos cair em uma normalidade, ainda com preços altos, mas sem a euforia do primeiro momento, já com um mercado mais amadurecido. As pessoas que não são do ramo, sairão do mercado”, analisou. Na visão da Cima Construtora, para continuar a atender o mercado futuro, a empresa deve focar-se no que o cliente quer. “Os clientes discutem mais, detalham mais os contratos. Tratávamos todos da mesma forma. Hoje, eles sentam conosco e querem entender. Não existe mais aquela ideia engessada do processo. Trabalhamos com a visão do mercado, para atender esses consumidores”, expôs a gerente comercial, Juliana Bernardeli Hofman.


revistanegocios.com.br | 39


xxxx

A FAMÍLIA JARDINS ESTÁ CRESC

40

| revistanegocios.com.br


JARDINS GÊNOVA. O MAIS NOVO LANÇAMENTO DA FGR URBANISMO EM UBERLÂNDIA. Tudo será especial no Jardins Gênova, começando pela localização, na Zona Sul, a de maior desenvolvimento e valorização da cidade, próximo ao futuro Uberlândia Shopping e vizinho dos já consagrados Jardins Barcelona e Jardins Roma. Junto aos dois outros empreendimentos, o Jardins Gênova estará localizado em frente a uma verdadeira reserva florestal, formada pela área de preservação ambiental permanente do rio Uberabinha.Tão especial quanto a localização privilegiada é o projeto do condomínio, que além do complexo esportivo e de lazer mais que completo, contará com mais de 97 mil m2 de áreas verdes no seu interior que, unidos aos primorosos projetos urbanístico e paisagístico, certamente farão do Jardins Gênova um dos nossos mais belos empreendimentos.

LAZER, CONFORTO E SEGURANÇA PARA TODA A FAMÍLIA Projeto com previsão de:

 03 Quadras de Tênis;  01 Quadra Poliesportiva;  02 Campos de Futebol Society;  03 Quadras de Peteca;  01 Sala de Ginástica (Fitness);  01 Piscina Esportiva;

 01 Pista de Cooper;  02 Estações de Ginástica;  05 Parques Infantis;  01 Pergolado em madeira;  Equipe de segurança equipada.

EM BREVE VOCÊ VAI CONHECER MAIS ESSE GRANDE SUCESSO DA FGR URBANISMO.

INFORMAÇÕES (34) 3224-1112

www.fgr.com.br

FGR URBANISMO S.A.CRECI JURÍDICO 8016.IMAGENS MERAMENTE ILUSTRATIVAS. O LOTEAMENTO JARDINS GÊNOVA ESTÁ APROVADO JUNTO À PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA, ATRAVÉS DO TERMO DE APROVAÇÃO DE LOTEAMENTO Nº 007649/2010 E ALVARÁ DE LICENÇA DE MESMO Nº NO CARTÓRIO DE PRIMEIRO OFÍCIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DE UBERLÂNDIA, COM PROTOCOLO DE ENTRADA SOB Nº 353273. A MATRÍCULA DO IMÓVEL É Nº 119.319.

ENDO

revistanegocios.com.br | 41


xxxx Q ua l idade de uma O b r a

Fatores Chave do Sucesso de uma Obra De acordo com os especialistas

entrevistados, um dos pontos chaves para que tudo ocorra bem em uma obra é o planejamento Cássia Martins é Engenheira da PDCA

P

Murilo Capanema é Engenheiro da Villela Rezende 42

| revistanegocios.com.br

ara aqueles que desejam construir um imóvel, é importante a atenção para fatores que podem comprometer a qualidade e sucesso da obra. De acordo com os especialistas entrevistados, um dos pontos chaves para que tudo ocorra bem em uma obra é o planejamento. “É preciso ter a compatibilização de projetos, bem elaborados e detalhados, por profissionais capacitados de acordo com o tipo de obra. Também é importante o acompanhamento da construção pelos profissionais que desenvolveram o projeto”, disse o engenheiro Alessandro Rende. Além disso, é preciso ficar atento quanto a utilização de materiais de qualidade. “É possível fazer tudo certo em uma obra, mas se os materiais utilizados não atenderem às normas de qualidade, o cliente pode ter problemas futuros”, complementou Alessandro. De acordo com a engenheira Cássia Regina Martins, da PDCA, o planejamento é sim a chave des-

te sucesso. “Alguns eventos tem afetado o mercado, por isso precisamos ter planejamento e controle. A primeira coisa que ocorre é a intensificação da competitividade do mercado. O diferencial da empresa é se organizar para estar na frente de qualquer processo. Também temos que estar atentos a globalização do mercado para isso e, também para a novas tecnologias, métodos construtivos que podem diferenciar o controle e a agilidade do processo. Temos que nos preparar cada vez mais para o mercado”, explicou Uma das alternativas encontradas pela empresa foi a qualificação profissional em todos os níveis. “Temos que garantir o processo gerencial. Fazemos reuniões com a equipe, acompanhamento na obra, projeto, treinamento, e procuramos detectar desvios de foco. Para garantir a continuidade é preciso um processo de melhoria continua. Hoje utilizamos planilhas de orçamen-


to, cronograma com as fases e relatórios, onde definimos todas as metas”, revelou Cássia. Para a engenheira, outro fator que mostra a importância da preocupação com a qualidade na construção é o aumento de exigência dos clientes. “As pessoas têm mais conhecimento, se informam mais. Temos que levar em consideração a disponibilidade financeira para o empreendimento para ter um bom resultado, fazer com que isso aconteça, com um custo menor e um prazo menor, com uma escala e resultado satisfatório”, comentou. Segundo o engenheiro Murilo Capanema, da Incorporadora Villela Rezende, outro fator que influí muito na obra é a qualidade da mão-de-obra que, são os recursos humanos. “Algumas empresas visam tanto a lucratividade que não colocam uma boa equipe na obra. Isso não dá qualidade, não há um acompanhamento técnico. Se tiver uma boa equipe consegue o resultado esperado”, ressaltou. Ainda de acordo com o engenheiro, é possível atingir a qualidade em qualquer padrão de obra, mesmo que o retorno seja menor, o importante deve ser a satisfação do cliente. “Se a obra for de má qualidade, quem paga a conta é o cliente”, alertou Murilo.

Alessandro Rende é diretor da Rende Arquitetura e Urbanismo

Venha morar na Av. Francisco Galassi 1016. Você e sua família merecem este privilégio.

96,16m2, varanda, 3 quartos sendo 1 suíte.

Conheça 3 exclusivas coberturas Tipo 2

Tipo 1

Vendas

34 3230-8400 portaldoaltamira.com.br

Incorporação e Construção

ELGLOBAL

Financiamento

revistanegocios.com.br | 43 CONSTRUTORA


xxxx

Tranqüilidade antes, durante e depois da obra. 34 3212 6565 Av. João Naves de Ávila | 4955 | B. Santa Mônica

Sta. Mônica

34 3216 6866 Rua Ordália Carneiro Olive

34 3257 3131 Av. Indaiá | 901 | Bairro Planalto

Planalto

44

| revistanegocios.com.br

Roosevelt


Aqui você encontra a mais completa linha de acabamento: Tintas, pisos, revestimentos, esquadrias, telhas, caixas d’ água, tubos PVC, cimentos, louças e muito mais.Tudo isso a preços imbatíveis e com as menores taxas de financiamento do mercado. Consulte nossa linha de crédito

34 3227 4200 Av. Dom Pedro II | 1471 | B. Alto Umuarama

eira | 275 | B. Roosevelt Umuarama

r e v i s t aMATERIAIS n e g o c i o PARA s . c o CONSTRUÇÃO m.br | 45


x xexrxc a d o c o m p r a e v e n d a m

O comportamento de

Compra e Venda

de imóveis em Uberlândia O Mesmo com a nova tendência do setor

da construção civil de

investimentos em habitações populares, os imóveis de maior valor agregado não perderam espaço; segmento apresenta carência de habitações com valor entre R$ 150 mil e R$ 300 mil 46

| revistanegocios.com.br

utro mercado que acompanha a crescente demanda da construção civil é o de imóveis. De acordo com empresários do setor, nos últimos cinco anos, o mercado partiu de um período de crise para uma rápida aceleração. Segundo Ronaldo Fernandes, da Rotina Imobiliária, uma das situações que impulsionou o mercado, foi o advento do Programa Minha Casa Minha Vida, da Caixa Econômica Federal. “Esse fator reflete, diretamente, no comportamento das construtoras. Muitas delas migraram para a construção de menor valor agregado para atender a esta demanda”, disse. Ainda segun-

do o empresário, não houve mudança no perfil de compradores, mas sim, de comportamento das famílias. Mesmo com a nova tendência do setor da construção civil de investimentos em habitações populares, os imóveis de maior padrão não perderam espaço, porém, já se apresenta uma carência de habitações com valor entre R$ 150 mil e R$ 300 mil. E não só para venda que se apresenta a carência, no setor de locação o déficit também existe. Para o empresário Iraildes Antônio de Andrade (Vitinho), da Negócios Imobiliários Vitinho, este é um setor que exige experiência e profissionalismo.


A segurança que

sua família merece.

Avaliação de Imóveis

Assessoria e Consultoria na aquisição de Imóveis

Vitinho Imóveis, está atuando no mercado imobiliário de Uberlândia desde 1998, realizando negócios de total confiabilidade junto aos seus clientes. Com sede no Bairro Carajás, tem como características principais a agilidade a segurança, solidez e a transparência; somos uma empresa que prima pelo atendimento personalizado junto a seus clientes. Se você procura qualidade no atendimento, ótimas oportunidades, confiabilidade e segurança, entre em contato conosco, sua satisfação é o nosso negócio, para você e sua família.

Comercialização de Imóveis Residenciais, Comerciais e Rurais

Atendimento ao cliente

34 3227 5770 Vitinho Imóveis Ltda. Av. Pampulha, 135 | Bairro Carajás | Uberlândia/MG revistanegocios.com.br | 47

www.vitinhoimoveis.com.br


mercado compra e venda

Iraildes Andrade é diretor da Negócios Imobiliários Vitinho “Identificamos quem quer comprar e quem quer vender e fazemos a aproximação destas pessoas. Nosso foco está no mercado de alto valor agregado, onde é exigido pelo cliente maior preparação e competência”. Para o empresário, a economia estável do País tem impactado diretamente o setor da construção civil, principalmente com a liberação de crédito pelo governo federal. “Mas o déficit de moradia ainda é grande e este comportamento tem provocado especulações e o aumento de preços de áreas e do custo da mão-de-obra”. Segundo Vitinho é fundamental avaliar, criteriosamente, a qualidade do imóvel no momento da compra. “A tendência é de estabilização do setor, principalmente com a acomodação dos preços. Mas, enquanto isso não acontece, consulte sempre um especialista antes de comprar ou vender um imóvel”, reforça. Para a empresária Eduarla Ribeiro Cáceres, da Pro-tops Empreendimentos, o momento é de investir. “A compra é um ótimo negocio, desde que seja feita no local correto e pelo valor justo. Os imóveis estão se valorizando e este comportamento significa geração de lucro”, diz. Em relação aos aluguéis, segunda a empresária, a tendência é que diminua cada vez mais, pois a facilidade de obter crédito tem feito com que famílias migrem para o setor da casa própria. “Com essa tendência, a procura por imóveis residenciais (principalmente os de valor médio de mercado) deve soRonaldo Fernandes é diretor da Rotina Imobiliária 48

| revistanegocios.com.br

frer queda, mas não significa que deva desaparecer”, finaliza.


revistanegocios.com.br | 49


xxxx

50

| revistanegocios.com.br


revistanegocios.com.br | 51


A u t o ma ç ã o Reside n cia l

Casas A modernas já são, também, inteligentes Já é possível operar até mesmo à distância funções simples, como o acendimento de uma lâmpada, abertura de portões ou outras mais complexas, como controlar a temperatura ambiente, falar no interfone, acionar alarme, controlar câmeras, tudo com um aparelho sem fio ou mesmo pela internet 52

| revistanegocios.com.br

modernidade e a tecnologia criaram novos conceitos também na construção civil. Já se foram os tempos em que uma residência era feita apenas de uma arquitetura bem planejada e decorada com mobiliários de bom gosto. Hoje, está em alta a funcionalidade que os meios tecnológicos oferecem com a automação residencial. Com o que existe no mercado já é possível operar até mesmo à distância funções simples, como o acendimento de uma lâmpada, abertura de portões ou outras mais complexas, como controlar a temperatura ambiente, falar no interfone, acionar alarme, controlar câmeras, tudo com um aparelho sem fio ou mesmo pela internet. De acordo com o proprietário da empresa de automação, Registronic, Richard Bruno, apesar de ainda não ser um mercado de massa, o processo de automatizar residências é irreversível. “Podemos comparar isso à revolução da internet, que em um primei-

ro momento foi criado para ser utilizado academicamente, no segundo momento começou a ser utilizado comercialmente e no terceiro momento se tornou de massa. A tendência no mercado de automação é essa”, explicou. Segundo o empresário, a preocupação ainda é com quem vai usar a tecnologia. “É como um telefone que tem muitos recursos, mas o cliente não tem o conhecimento para utilizá-los. Então quando falamos de automação residencial , temos que analisar o quanto o cliente vai usar realmente, porque o grande problema quando falamos de tecnologia é que a pessoa que desenvolve fica tão encantada, que esquece que o cliente pode ser um pouco leigo”, alertou. Ainda de acordo com Richard, o processo de automação já começou há algum tempo, com pequenas mudanças nos hábitos da população. “Por exemplo, o controle remoto da TV, já é uma automação, programar um rá-


revistanegocios.com.br | 53


A u t o ma ç ã o Reside n cia l

dio relógio para despertar, também já é um automação. As pessoas esperam que automatização seja aquilo que encha os olhos, mas o futuro da automação não é esse, o futuro é pegar processos manuais e automatizar, com um custo que cabe no bolso, e uma tecnologia que consigam usar”, disse. Para Adriano Birnfeld, diretor da NewHome Automação, hoje uma das principais novidades no mercado é a figura do integrador de sistemas residenciais, profissional habilitado para elaborar um projeto de integração prévio, definindo todo o cabeamento, infraestrutura, plataformas de automação e relação de equipamentos necessários. Entre as características de um bom projeto de automação residencial, tão importante quanto o bom funcionamento do sistema é a previsão de expansão futura. "Hoje, motorizar uma persiana pode ultrapassar o orçamento de um cliente. Mas quem sabe dentro de seis meses? O custo da infraestrutura é tão pequeno em comparação com o projeto e os esforços para uma outra reforma, que pode ser absorvido”, ressaltou. Ainda Segundo Adriano, além de analisar a expansão, é importante levar em conta as características que são importantes para o cliente. “Para alguns, controlar a iluminação é dispensável, e seu foco está nos equipamentos de áudio e vídeo. Para outros, a iluminação é essencial”, exemplificou.

54

| revistanegocios.com.br

O que pode ser automatizado em uma casa ou apartamento  Irrigação de jardim (horários programados e sensores de umidade)  Cabeamento estruturado (dados, voz e imagem)  Circuito fechado de TV  Controle de acesso (biometria, cartões de proximidade, tags para veículos)  Controle de iluminação  Controle de utilidades (caixas de água, bombas, filtros, piscinas, saunas)  Controle e monitoramento de elevadores  Controle e monitoramento de medições (gás, água e eletricidade)  Controle e monitoramento do sistema de climatização  Entretenimento (imagens, TV a cabo, som ambiente)  Rede de dados condominial  Sistema de detecção e alarme de incêndio  Sistema de segurança


revistanegocios.com.br | 55


N o v o s C o nc e i t o s

Novos conceitos e materiais aplicados a construção civil Assim como em diversos segmentos do mercado, a construção civil evoluiu, principalmente no que diz respeito aos materiais utilizados. Para se construir uma edificação, antes as paredes recebiam tijolos e apenas algumas opções de tintas. Até mesmo os acabamentos eram restritos. Hoje, o que se vê é uma variedade imensa de materiais, que unem tecnologia e sustentabilidade na obra.

Cássia Martins é Engenheira e Wagner Oliveira é diretor e da PDCA

A

ssim como em diversos segmentos do mercado, a construção civil evoluiu, principalmente no que diz respeito aos materiais utilizados. Para se construir uma edificação, antes as paredes recebiam tijolos e apenas algumas opções de tintas. Até mesmo os acabamentos eram restritos. Atualmente, o que se vê é uma variedade imensa de materiais, que unem tecnologia e sustentabilidade na obra. De acordo com Geraldo Cesta, diretor da Rodobens, a tecnologia sempre existiu no Brasil, o que não se tinha era a demanda. “Víamos a tecnologia no exterior, mas não conseguíamos aplicar aqui, pois não era a realidade do país, não era 56

| revistanegocios.com.br

Geraldo Cesta é diretor da Rodobens


revistanegocios.com.br | 57


N o v o s c o nc e i t o s

viável”, contou. Para Geraldo, uma das grandes evoluções no mercado atual da construção civil, foram as paredes de concreto, comuns nas construções habitacionais feitas pela Rodobens. A incorporadora utiliza a tecnologia que consiste na execução de fundações tipo radier e execução de paredes em concreto aerado auto-adensável executadas em processo construtivo de alta velocidade, qualidade e ausência total de desperdício ou agressão ao meio ambiente, garantindo os desempenhos térmico e acústico da edificação. “Diferente da parede normal, esta permite transformar o sistema em uma linha de montagem e garantir um padrão construtivo em qualquer lugar

do país”, disse Cesta. A economia de custos na parede de concreto pode chegar a até 10% em relação à alvenaria convencional. Outra vantagem é a padronização. No método tradicional, um mesmo projeto pode ter diferenças dependendo de fatores regionais, como a qualidade dos tijolos e a qualificação da mão de obra. “Quando eu uso molde, elimino o fator mão-deobra e diferenças de material”, afirmou Geraldo. Segundo Wagner Oliveira, diretor da da PDCA, algumas das inovações de hoje, já eram utilizadas nas décadas de 70 e 80, quando também se tinha uma maior demanda na construção civil. “Hoje com essa grande demanda, vol-

tou o processo industrializado. Algumas empresas foram buscar o sistema construtivo no México e no Chile, mas isso já havia aqui no Brasil”, revelou. Ainda de acordo com Wagner, o brasileiro é muito conservador quanto ao sistema de construção, o que impede que o sistema industrializado seja mais utilizado. “O pré-moldado não é de baixa qualidade, tem até mais qualidade que o método convencional, que é praticamente artesanal. Além disso, o sistema industrializado traz economia de material, por minimizar o desperdício, reduz custo de mão-de-obra e o produto final se torna melhor qualidade do que se fosse feito de tijolo sobre tijolo, que já se fazia no século passado”, analisou.


revistanegocios.com.br | 59


Ges t ã o de P ess o as

Recursos Humanos x Gestão de Pessoas

A

área de Recursos Humanos deixou de ser um mero departamento de pessoal para se

tornar o personagem principal de transformação dentro da empresa. Há pouco tempo atrás, o departamento de Recursos Humanos atuava de forma mecanicista, onde a visão do empregado prevalecia à obediência e a execução da tarefa, e ao chefe, o controle centralizado. Hoje o cenário é diferente: os empregados são chamados de colaboradores e os chefes de gestores. Pode-se afirmar que gerir pessoas não é mais um fator de uma visão mecanicista, sistemática, metódica, ou mesmo sinônimo de controle, tarefa e obediência. E sim discutir e entender o disparate entre as técnicas tidas como obsoletas e tradicionais com as modernas, juntamente com a gestão da participação e do conhecimento. A gestão de pessoas visa à valorização dos profissionais e do ser humano, diferentemente do setor de Recursos Humanos que visava a técnica e o mecani60

| revistanegocios.com.br

Oberdan Veras Tostes PDCA ENGENHARIA


cismo do profissional. Vivemos na sociedade do conhecimento, onde o talento humano e suas capacidades são vistos como fatores competitivos no mercado de trabalho globalizado. Porem esse talento e essa capacidade tem que ser vista com outros olhos, olhos de colaboradores e não de concorrentes. Necessitamos assim resgatar o papel do ser humano na organização, a fim de torná-los competentes para atuar em suas atividades como colaboradores. É com este cenário que as empresas devem ter a visão de que o Capital Humano será seu grande diferencial. Assim surge um novo conceito em gestão de pessoas. Os avanços observados nas últimas décadas têm levado as organizações a buscarem novas formas de gestão com o intuito de melhorar o desempenho, alcançar resultados e atingir metas para o pleno atendimento das necessidades dos clientes e parceiros. Nota-se também que o sucesso das

empresas modernas depende, e muito, do investimento nas pessoas, com a identificação, aproveitamento e desenvolvimento do capital intelectual. Observa-se que existe um grande esforço no sentido de mudar do antigo modelo burocrático para um modelo de gestão gerencial que, em muitos casos, grandes avanços aconteceram, como por exemplo, a introdução de novas técnicas orçamentárias, descentralização administrativa de alguns setores, redução de hierarquias, implementação de programa de avaliação de desempenho na empresa. A real vantagem competitiva no mercado não está somente representada no financeiro ou nos altos investimentos em tecnologia, entre outros exemplos que poderíamos citar, mas sim nas pessoas que compõem a sua equipe, que movimentam tudo isto no cotidiano. Nos últimos anos as profundas mudanças nos cenários nacional e Internacional, como a globalização, tiveram a necessidade urgente de buscar novos

paradigmas de gestão, assim precisamos quebrar os velhos paradigmas para entender o novo conceito de gestão. Se analisarmos, perceberemos que o papel do colaborador é mais participativo, ele tem maior autonomia em suas atividades, cooperação nas decisões com seus gestores, facilidade na interação, aprendizagem, procuram conhecer a empresa e participam mais. Porém, o discurso tem que ser unido com a prática, ou seja, a gestão de pessoas tem que efetivamente acontecer na prática. Entretanto, algumas questões cruciais permanecem pendentes e precisam ser enfrentadas. Um dos caminhos que poderão ser percorridos é o aprimoramento da gestão de pessoas, tendo como premissas a valorização do capital humano e a modernização do processo produtivo. O setor de Recursos Humanos era um mero departamento mecanicista que cuidava da folha de pagamento e da contratação do profissional que exigia desse profissional apenas experiência e técnica. Não havia um programa de capacitarevistanegocios.com.br | 61


Ges t ã o de P ess o as

ção continuada do profissional. A Gestão de Pessoas é caracterizada pela participação, capacitação, envolvimento e desenvolvimento do bem mais precioso de uma organização que é o Capital Humano que nada mais são que pessoas que a compõe. Cabe a área de Gestão de Pessoas a nobre função de humanizar as empresas. Gestão de Pessoas é um assunto tão atual na área de Administração, mas que ainda é um discurso para muitas empresas, ou pelo menos não se tornou uma ação prática. Compete ao Departamento de Recursos Humanos promover, planejar, coordenar e controlar as atividades desenvolvidas relacionadas à seleção, orientação, avaliação de desempenho funcional e comportamental, capacitação, qualificação, acompanhamento do pessoal da instituição num todo, assim como as atividades relativas à preservação da saúde e da segurança no ambiente de trabalho da Instituição. O setor de gestão de pessoas tem uma grande responsabilidade na formação do profissional que a empresa deseja, objetivando o desenvolvimento e crescimento da empresa como o do próprio colaborador, tido como colaborador para adquirir os resultados esperados. Para isso a gestão de pessoas procura conscientizar esse colaborador de que suas ações devem ser respaldadas nos seguintes princípios: • Desenvolvimento responsável e ético de suas atividades; • Capacidade de atuação baseada nos princípios da gestão empreendedora; • Capacidade de trabalhar com foco no resultado e qualidade; • Capacidade de trabalhar em equipe; • Capacidade de atuar de forma flexível; • Conhecimento da missão e dos objetivos institucionais das empresas em que atuam. Para desenvolver essas ações o 62

| revistanegocios.com.br

gestor também deve ter: • Visão sistêmica; • Trabalho em equipe; • Relacionamento inter-pessoal; • Planejamento com foco no Resultado e qualidade; • Capacidade empreendedora; • Capacidade de adaptação e flexibilidade; • Cultura da Qualidade, Criatividade e Resultado; • Liderança, Iniciativa e dinamismo. O desenvolvimento dessas habilidades e competências são importantes, tanto para o gestor como para o colaborador, pois envolvem elementos da personalidade das pessoas aplicados à sua práxis profissional. Representando então um processo de integração entre as características individuais e as qualidades requeridas para missões profissionais específicas. A Instituição atualmente deve se preocupar, construir e manter permanentemente um ambiente e clima de trabalho propício ao bem-estar, à motivação e à satisfação de todos os colaboradores. Existem algumas premissas básicas para um bom ambiente de trabalho que devem ser fomentadas pela gestão de pessoas e desenvolvidas por todos na instituição: • Reconhecer o potencial humano como o recurso estratégico mais importante para o desenvolvimento e sucesso da empresa; • Envolver e comprometer todos os colaboradores no trabalho de melhoria contínua, com ênfase na participação dos mesmos no processo de gestão; • Reconhecer que é necessário capacitar e profissionalizar o colaborador para que desenvolva e utilize seu pleno potencial de modo coerente e convergente com os objetivos estratégicos da empresa; • Criar e manter uma cultura organizacional que conduza a excelência

do desempenho a ao crescimento profissional e empresarial. O treinamento dos colaboradores é fundamental para melhoria contínua, só assim poderemos ter excelência em nossos resultados, visando à qualidade dos serviços, otimização de custos e cumprimento dos prazos contratuais. Na chamada Era do Conhecimento, o treinamento é apresentado como o mais importante fator crítico de sucesso. Para isso acontecer é necessário: Formular e coordenar a execução de um plano de capacitação anual voltado para o desenvolvimento do colaborador, compatível com as necessidades da empresa e com os recursos disponíveis; • Desenvolver ações no sentido da formação de gerentes com postura participativa, capacitando-os para o exercício do papel de orientador e estimulador do desenvolvimento e desempenho dos colaboradores; • Possuir um programa de avaliação da satisfação dos colaboradores e indicadores organizacionais, bem como ações para identificação, análise e solução de problemas e melhoria dos serviços. A gestão de pessoas em geral, ainda está muito vinculada ao paradigma mecanicista, tendo absorvido pouco do paradigma holístico, que abrange muito mais profundamente as áreas de atuação humana. Com vistas à melhoria contínua do processo de Gestão de Pessoas que vem sendo desenvolvido por varias empresas, por meio do Pensamento sistêmico. •

Sugerem-se algumas ações, que dentro da visão holística, todos são interativamente responsáveis pelos seus resultados. São elas: • Promover maior integração entre os colaboradores; • Criar nas equipes de trabalho uma consciência profissional, proporcionando meios para o resgate da autoestima;


• •

Intensificar os treinamentos; Investir no desenvolvimento profissional e pessoal não só por intermédio de cursos, mas também de inovações no sistema de trabalho; Permitir que o colaborador busque o seu próprio crescimento profissional; Reconhecer por meio de prêmios, bonificações ou simplesmente por

intermédio de elogio, oferecer feedback quanto ao desempenho; • Levar o colaborador a interagir com a comunidade, enfatizar a responsabilidade social da organização e do trabalho de cada pessoa; • Criar ambientes físicos de trabalho seguros e agradáveis; • Avaliar constantemente o bem-estar e a satisfação pessoal dos colaboradores; • Divulgação dos propósitos e objetivos da empresa. O setor de recursos humanos podem em muito contribuir para o crescimento da empresa de diversas formas, a mais importante considera-se a responsabilidade em ser técnico, especialista na área que se propõe, ou seja, profissional naquilo que faz, porém ser apenas profissional não basta tem que ser humano também, ou seja os valores humanos contribuem significativamente para o crescimento e sucesso da empresa, bem como ser parte integrante do planejamento estratégico da organização bem como incentivar o alcance dos objetivos individuais e da empresa. Desenvolver a qualidade de vida vem sendo um dos grandes desafios da atualidade em várias empresas e também nas próprias pessoas, visando não só a produtividade e a motivação da pessoa humana, mas também o próprio bem estar social que esta pessoa merece, ou seja, dignidade humana e reconhecimento não só salarial, mas nas próprias ações sociais e benefícios que a empresa desenvolve. O gestor deve ter sempre um espírito

crítico, uma opinião própria e uma grande capacidade de flexibilização, tendo em vista as grandes e rápidas transformações sociais que ocorre no mundo, como a globalização. Assim as soluções e procedimentos de problemas e conflitos é algo presente na realidade da empresa e faz necessários encaminhamentos imediatos a fim de que não tragam novos problemas. O próprio filosofo Maquiavel faz referência a este fato. Segundo Maquiavel, O príncipe, isto é, o governante, o gestor deve ter capacidade de prever os fatos e encaminhar soluções para que tal fato não ocorra e se ocorrer a solução deve ser rápida se não o fato pode ir aumentando de tal forma que não haja mais solução. Não podemos esquecer que a mão de obra são os seres humanos e não simplesmente objetos de mais valia, são as pessoas que fazem as empresas desenvolverem, esses seres humanos é o que dinamiza a empresa, o que impulsiona, sendo assim devem ser sempre tratadas com respeito, afeto, tolerância, solidariedade, formando um profissional humano e não apenas técnico. Um dos grandes obstáculos para o crescimento corporativo e conseqüentemente da empresa é a falta de pessoas eficientes, a perda de entusiasmo, a falta de motivação, que a meu ver em muitos casos pequenas ações de valorização do quadro pessoal já seria significativo. Não podemos esquecer que estamos trabalhando com pessoas e não com instrumentos ou máquinas. Os colaboradores não são apenas técnicos ou recursos, são seres humanos dotados de uma série de fatores, inteligência, razão, emoção, sentimentos, que precisam ser mais valorizados no seu todo, ou seja de forma integral, holística. Esses colaboradores se visto como parceiros, co-responsável pela empresa, assim terão maior produtividade e desenvolvimento, estarão preocupados e envolvidos com as metas, com os resultados, com os clientes, com a empresa, com os colegas de trabalho, enfim com o próprio bem estar social. revistanegocios.com.br | 63


D ec o r a ç ã o

Assim como a moda, a decoração também segue tendências. Uma delas é a mistura de culturas que podem traduzir um estilo próprio, conferindo personalidade a um determinado ambiente

C

om o aquecimento do mercado da construção civil no país, outro profissional que ganhou considerável espaço, foi o designer de interiores, mais conhecido como decorador. De acordo com a presidente da Associação de Decoradores do Triângulo Mineiro (Adet), Estela Basso, a procura aumentou pelo fato de hoje, as pessoas priorizarem o conforto e aconchego que a casa pode oferecer. “É uma classe profissional muito requisitada ultimamente, porque o resultado do trabalho é satisfatório. O profissional otimiza o tempo do cliente, que não tem que sair procurando o que quer, o decorador tem o conhecimento do mercado e já direciona para o que o cliente precisa”, disse. Tido anteriormente como um fator de luxo da construção, o projeto de decoração agora, é utilizado em todos os níveis, e tornou-se peça importante para o sucesso de uma obra de qualidade. “Atualmente, maioria das pessoas que constroem querem o acompanhamento de um profissional. Direcionamos o cliente para o tipo de mobiliário certo, mão-de-obra, tudo dentro da disponibilidade de cada um. Quem

64

| revistanegocios.com.br

Márcia Paiva é decoradora em Uberlândia

contrata o serviço logo no início de uma obra consegue excelente economia no custo geral, mas isso não significa que em uma construção pronta não seja possível desenvolver um bom projeto”, explicou a decoradora Márcia Paiva. A opinião é reforçada pelas decoradoras Thamara e Lina Tannus. “O ideal é que o projeto de decoração seja pensado juntamente com o projeto arquitetônico, mas, raramente isto acontece. Portanto, quanto mais cedo o projeto de decoração for elaborado, menores serão os custos e maior a probabilidade do cliente ficar satisfeito com os resultados”, disse Thamara. Além da redução de custos e correta aplicação do dinheiro na obra, o projeto de decoração pode trazer outros benefícios. “Um ambiente bem decorado melhora o bem estar das pessoas. Além da questão estética, a decoração visa adequar os espaços à funcionalidade dos mesmos, assim como às necessidades de seus ocupantes”, ressaltou Lina Tannus. Outro importante benefício da decoração é a melhoria do conforto acústico e térmico dos ambientes por meio do uso de


Av. Rondon Pacheco, 4719 | Cazeca | Uberlândia | 34 3222 3500

CUB | Luminária de piso ou parede para áreas externas | Design R. Mafra | Foto C. Mafra | www.iluminar.com.br

Luz à flor da pele

revistanegocios.com.br | 65


dec o r a ç ã o

recursos como cortinas, tapetes, plantas e materiais apropriados para minimizar a reverberação de som, acúmulo de poeira ou de outros poluentes, assim como a incidência excessiva de raios solares em edificações com problemas pré-existentes devidos à sua implantação ou à sua situação. Tendências Assim como a moda, a decoração também segue tendências. Uma delas é a mistura de culturas que podem traduzir um estilo próprio, conferindo personalidade a um determinado ambiente. Outra tendência é a decoração de ambientes limpos, funcionais e sem objetos supérfluos. A sustentabilidade é outro fator que atualmente tem influído também na decoração. A utilização de materiais reciclados, madeira certificada, materiais de demolição, de plantas naturais e artificiais dentro de casa, dentro da loja ou dentro do escritório tem ganhado cada vez mais espaço. 66

| revistanegocios.com.br

Também existem pesquisas com relação a cores, materiais, tecnologias e lançamento de produtos voltados as necessidade dos clientes. As tendências são praticamente regionais. Em São Paulo, por exemplo, os espaços são climatizados, e não é necessário um cuidado tão grande com revestimento. Em uma cidade como Uberlândia, onde a temperatura oscila entre o quente e o frio, além da poeira, é importante controlar esses revestimentos. Mesmo com tantas opções no mercado da decoração, o gosto do cliente é o principal fator a ser levado em consideração. “Embora existam as diversas tendências nas formas atuais de morar e de trabalhar, o importante é que profissional de decoração consiga traduzir a personalidade e as aspirações de cada cliente e incorporá-los em cada projeto. Um bom projeto de decoração deve ser atemporal, livre de modismos e de tendências; evitando assim, que fique datado ou mesmo que envelheça”, contou a decoradora Lina Tannus.


A natureza é a nossa inspiração e a nossa preocupação Av. Rondon Pacheco, 4701 | Cazeca | Uberlândia/MG | 34 3213 8858

www.portobello.com.br

revistanegocios.com.br | 67


ma t e r ia l de aca b ame n t o

Acabamento correto agrega valor ao imóvel A dica para quem não quer errar é procurar profissionais para orientação, como o arquiteto e o decorador

P

ara finalizar a obra é importante ficar atento a um dos detalhes que mais agregam valor ao imóvel, o acabamento. Por isso deve-se haver muito cuidado na hora da escolha pelo material correto. A dica para quem não quer errar é procurar profissionais para orientação, como o arquiteto e o decorador. São eles quem auxiliam de acordo com a necessidade do cliente, na viabilidade e na compra dos melhores materiais para a edificação. “O material de acabamento é o que a pessoa mais verá dentro da casa, por isso é indispensável, e tem que ser um material de qualidade, assentado com qualidade, por um profissional capacitado. Mas não adianta comprar o melhor material e não ter uma pessoa especializada para executar o trabalho”, ressalta a empresária Daniela Costa Porto, da Casa Grande Materiais para Construção. De acordo do Rodolfo Borges, gerente de vendas da Detalhes Boutique de Acabamento, uma casa com acabamento bem feito proporciona prazer aos moradores. “Para isso, não é preciso gastar muito. Basta procurar uma loja que já está há um tempo no mercado, com bons profissionais para orientar. É importante trabalhar detalhes no piso e nas paredes, fator que deixará o ambiente bonito e não carregado, além de valorizar o imóvel”, explica. Ainda de acordo com Rodolfo, no setor de acabamento também existem algumas tendências. “Hoje se fala muito em pastilhas de vidro, que podem ser colocadas em piscina, lavabo, banheiro, sauna, cozinha, fachada, artefatos em mosaico e outros locais. Usam-se muito também materiais que não cansam muito, como o madeirado, que deixa o ambiente mais luxuoso. Além destes, existem vários produtos artesanais disponíveis no mercado, que deixam o ambiente boni68

| revistanegocios.com.br


to e não carregado. Para pisos, o porcelanato está muito em evidência”, complementa. Mas para qual espaço deve-se dar maior atenção na hora do acabamento? Para os profissionais do setor, a atenção deve ser igual para o interior e exterior, mas é preciso observar a necessidade do cliente. No ambiente em que a pessoa mais fica, pode se dar maior atenção. Um local da casa que requer bastante cuidado por parte dos moradores é o banheiro. Espaço e conforto neste ambiente são fundamentais. Segundo Clarinda Rodrigues de Oliveira, designer de interior e proprietária da Banho e Metal, atualmente, as pessoas investem muito no espaço com toalheiros, secador de toalhas elétrico e outros produtos bem diferenciados e inovadores para facilitar a vida das pessoas. “Os banheiros são maiores, principalmente para casais. Usam duas cubas e duas duchas. Outra nova tendência é o uso de louças em tom mais claros, metais quadrados e retos”, finaliza.

revistanegocios.com.br | 69


Pa i s a g i s m o

Paisagismo Quando elaborar um projeto? Tido antes como opção para construções de alto padrão, o projeto paisagístico

atualmente tornou-se indispensável e o profissional mais valorizado, além da utilização de novos conceitos e materiais

Geraldo Novaes é diretor da Flora Novaes 70

| revistanegocios.com.br

C

riar um ambiente acolhedor, mais humano, onde os moradores estejam em contato constante com a natureza, contribuindo para uma sensação de bem estar e tranquilidade. Esta é a importância de um projeto de paisagismo para uma residência. Cada dia mais pessoas procuram adaptar em suas casas um espaço para se contemplar o verde, e para que o resultado seja satisfatório, o profissional de paisagismo se torna indispensável. Mas quando elaborar um projeto de paisagismo? De acordo com o paisagista Geraldo Novaes, da Flora Novaes, é importante que o projeto paisagístico seja desenvolvido logo após a definição do projeto arquitetônico do imóvel. “Dessa forma o paisagista tem recursos e prazos para interagir com o cliente e com o arquiteto, podendo somar ideias

como paginação externa de piso; revisão de áreas que devem ser reservadas para os jardins; e implantação de acessórios paisagísticos, a exemplo de ‘estares’, espelho d´água, pergolados, entre outros”, explica. Ainda de acordo com Geraldo Novaes, em uma cidade de clima quente, a exemplo da região do Triângulo, a tendência para as casas, é serem cada vez mais abertas e arejadas. Com esta característica, os jardins estão cada vez mais em evidências, além de contribuírem com o equilíbrio da temperatura do ambiente da casa. “A percepção que temos é que cada vez mais os jardins estão dentro de casa. Já nas áreas externas, os jardins contribuem com a privacidade entre os imóveis – principalmente em condomínios fechados –, além de interagir com a valorização das fachadas dos imóveis”, explica o


PRÊMIO PAISAGISTA DO ANO

20

10

Projetos em condomínios (verticais ou horizontais); residencial unifamiliar; áreas comerciais e industriais; piscinas; spas e áreas de lazer; além de projetos especiais, a exemplo de lagos, cascatas;

e paisagismo rural: haras, fazendas e sítios. Com assinatura do paisagista Geraldo Novaes, a Flora Novaes também desenvolve projetos de praças públicas e parques urbanos.

revistanegocios.com.br Av. Rondon Pacheco, 400 | (34) 3214-1380 | 9937-7666 | Uberlândia/MG www.geraldonovaes.com.br | gerado@floranovaes.net

| 71


Pa i s a g i s m o

Geovana Peres é especialista em plantas ornamentais... empresário. Segundo a engenheira Agrônoma, especialista em plantas ornamentais e paisagismo do Viveiro Beira Rio, Geovana Peres, o projeto de paisagismo agrega um valor de cerca de 15% no preço de um imóvel. “É bastante interessante, porque não é só a questão estética, o imóvel fica sim mais valorizado”, afirmou. Tido antes como opção para construções de alto padrão, o projeto paisagístico tornou-se mais difundido, e o profissional valorizado. “Houve uma mudança no perfil dos clientes. Existe uma consciência maior.

72

| revistanegocios.com.br

Endrik Enner é especialista em jardinagem (ambos) da Udi Garden

A partir do momento de aquecimento do mercado, com lançamento de mídias sobre plantas, as pessoas começaram a perceber que aquele jardim que fazia em casa não estava tão bonito como seria se tivessem contratado um profissional. Começou-se a notar a diferença de um jardim planejado por um paisagista e um não planejado”, disse Endrik Enner, biólogo e especialista em jardinagem da Udi Garden. Segundo a paisagista, as pessoas cometem alguns erros quando sozinhas buscam elaborar um jardim. “Pelo fato de gostar de várias plantas, as pessoas ten-

dem a misturar muito, o que não fica harmônico nem natural. Colocam plantas de sombra com plantas de sol, ou uma planta que crescerá demais, em local inadequado, plantas de raízes profundas próximas à piscinas. Uma série de coisas que devem ser pensadas e se não executadas da forma correta, podem trazer problemas. Jardim não é só estética, tem que ter funcionalidade”, ressaltou. Outro fator importante a ser levado em consideração para aqueles que optarem em investir em paisagismo, é a manutenção do jardim. Segundo Da-


O seu jardim com muito bom gosto e com a nossa criatividade A Udi Garden e o Viveiro Beira Rio se uniram para atender com mais eficiência o segmento de paisagismo, com plantas naturais, em Uberlândia e outras regiões do País. As empresas são especializadas na prestação de serviço e na venda de plantas, participando da elaboração à execução de projetos de paisagismo. Com a união, as empresas inovam e investem na qualificação de profissionais, cada vez mais qualificados, para atender o mercado regional.

A Udi Garden e o Viveiro Beiro Rio são especializadas em projetos de paisagismo de condomínios, residências e de empresas: Projetos Paisagísticos (Externo e Interno) | Tratamento de Pragas e Doenças Adubação Química e Orgânica | Remoção e Transplante de Árvores Elaboração de projetos paisagísticos | Implementação e execução dos projetos | Reforma e manutenção de jardins | Fornecimento de plantas ornamentais | Plantio de gramados | Consultoria técnica.

34 3210 4010 Av. Rondon Pacheco, 505 | Tabajaras r e vUberlândia/MG istanegocios.com.br | 73


Pa i s a g i s m o

niela Perret Botrel, do Garden Manacá, no início, todas as plantas precisam de um cuidado especial, e algumas precisam de atenção sempre, o que faz com que as pessoas busquem plantas que exigem menos cuidados. “Ultimamente as pessoas procuram plantas mais fáceis de cuidar, até mesmo as

dado, algumas complementações são necessárias. “O projeto de paisagismo não é o único da obra. Também deve ser feito um projeto de irrigação de jardim, que deve ser instalado onde estão localizadas as plantas. A iluminação também é importante, e deve ser elaborada depois do projeto de paisagismo. Sabendo

mulheres, que hoje saem mais de casa, tem mais compromissos, e possuem pouco tempo para se dedicar ao jardim”, comentou.

onde estão os volumes de verde no projeto de paisagismo, a iluminação vem a valorizar diversas partes do jardim, dando prioridade ao que deve ser destacado. Existem no mercado várias opções de iluminação para destaque, sendo uma das últimas novidades, que vem para ficar, são os leds para jardins e piscinas”, finaliza Geraldo Novaes.

Irrigação e Iluminação de Jardim Não é só de plantas que é feito um bom jardim. Para que fique sempre bem visto e cui-

74

| revistanegocios.com.br


revistanegocios.com.br | 75


M ó veis P l a n ejad o s

Construção e instalações dos móveis no Hospital Municipal de Uberlândia

Os móveis do Hospital Municipal fo

Empresa inova, investe em tecnologia e cria conceito no segmento de móveis planejados em Uberlândia

I

novar para atender bem o cliente e oferecer produtos cada vez mais sintonizados com as novas tendências do setor de móveis planejados no mercado. Estas são algumas das diretrizes de trabalho da Atrattiva Móveis Planejados, empresa sediada em Uberlândia e que completa, em 2010, 14 anos de atendimento. Especializada na elaboração e execução de projetos especiais, a empresa atende de maneira customizada, oferecendo diferenciais de mercado no momento de desenvolver armários e outros móveis para qualquer ambiente residencial ou comercial. Para atestar sua capacidade de atendimento, seja na execução de pequenos projetos residenciais ou comer-

76

| revistanegocios.com.br

ciais, a empresa foi a vencedora da carta de licitação para mobiliar um dos maiores Hospitais Municipais de Minas, que é a obra do Hospital e Maternidade de Uberlândia, inaugurado em novembro, com mobiliário moderno e de alta qualidade produzidos pela Atrattiva. Criada em 1996, a Atrattiva surgiu com o nome RN Móveis, uma homenagem aos primeiros sócios da empresa. Desde os primeiros passos, Nilton Mendes Martins, fundador da empresa, diz que os investimentos em maquinários, treinamento de pessoal e parceria com Arquitetas e Decoradoras sempre fizeram parte da proposta de mercado da empresa. Em 2005, identificada a necessidade de expansão dos negócios, sua

esposa Waldirene Lima Martins, criou a marca Atrattiva e, também, um show room, instalado na Av. João Naves de Ávila, Nº 1730 Loja 01, na rotatória com a Av. Segismundo Pereira. Dava-se início a uma nova fase de crescimento e desenvolvimento, tudo alicerçado na proposta de sempre atender com qualidade e de maneira customizada, colocando em prática as ideias e projetos dos clientes, sem limitações. Com a nova estrutura, além dos móveis planejados para cozinhas, quartos, salas, banheiros e outros ambientes residenciais, a empresa passou a ofertar mesas de jantar, cadeiras, persianas, fogões, cooktops, coifas, depuradores, adornos entre outros produtos utilizados para a


foram produzidos pela Atrattiva... aqui, o prefeito Odelmo Leão, durante vistoria da obra, ao lado de Waldirene Martins, da Atrattiva decoração de ambientes. Uma proposta inovadora que tem conquistado clientes em Uberlândia e outros centros, a exemplo de cidades de Goiás e até do Distrito Federal. Além de projetos residenciais urbanos, a Atrattiva é uma das poucas empresas a desenvolver projetos residenciais rurais, da elaboração à execução dos mesmos, além de atendimento diferenciado à construtoras que optam em entregar apartamentos

já mobiliados, com armários na cozinha, quartos e banheiros. Essa é uma parceria estratégica para a nossa empresa, pois buscamos, cada vez mais, oferecer soluções à incorporadoras e construtoras no mercado da construção civil. Proposta inovadora Em 2010 os empresários Nilton Mendes Martins e Waldirene Lima Martins convidaram Saul Borges Junqueira,

Projeto elaborado pela Atrattiva e atende necessidades do cliente que, com um único móvel, pode assistir TV em duas salas, em ângulos diferentes revistanegocios.com.br | 77


M ó veis P l a n ejad o s

Projetos residenciais executados pela Atrattiva que se tornou sócio do negócio e parte da equipe Atrattiva, agregando conhecimentos nas áreas administrativofinanceira e gestão de produção. Foi com esta nova visão de mercado que a empresa venceu a licitação para atender a obra do Hospital Municipal de Uberlândia, entre outros importantes e grandes projetos da Atrattiva neste ano. “Deixamos o cliente à vontade para definir o direcionamento do seu projeto. Com o auxílio de profissionais especializados, a exemplo de decoradores e executores do projeto, a Atrattiva se coloca na posição de ‘simplesmente’ elaborar e executar a ideia e o bom gosto de cada 78

| revistanegocios.com.br

cliente de maneira customizada”, reforça o empresário Saul Borges. A Atrattiva não se limita a um processo de fabricação. Nossa proposta é atender o cliente da maneira que ele preferir, ou seja, se ele quer o canto arredondado, a gente produz, mas caso ele prefira o canto com quina, a gente também executa o seu projeto. E toda essa customização é realizada dentro dos mais altos padrões de produção, com materiais de primeira linha, a exemplo de MDFs Duratex, além de pessoal treinado e qualificado por fabricantes de equipamentos, o que garante ainda mais a qualidade dos móveis fabricados e a satisfação final do cliente.

Indústria preparada para as inovações No início de 2010 a Atrattiva, que sempre colocou em prática sua a visão de vanguarda no mercado de móveis planejados em Uberlândia, reinvestiu na sua fábrica, instalando equipamentos automatizados para corte e acabamento. E em 2011 terá um novo show room, que será instalado na Av. Getulio Vargas, 4709. Estes investimentos foram necessários para sustentarem o propósito maior da empresa, que é atender, com a máxima qualidade e agilidade, qualquer projeto no mercado de móveis planejados residenciais ou comerciais, explica Saul,


explicando que esta é uma das principais propostas dos sócios. Para os empresários, desenvolver projeto de móvel planejado, atualmente, não se restringe somente às classes A ou B. Com a criação de linhas de crédito, a exemplo do BB Contrução ou do Construcard, um projeto pode ser financiado para ser adequado Projetos residenciais executados pela Atrattiva

Seccionadora Vertical, operada pelos colaboradores Michael e Guilherme

Show room Atrattiva na Av. João Naves

Empresa inova e amplia fábrica

à renda de uma família classe C, D ou E. “Aqui na Atrattiva atendemos em todas essas linhas, inclusive com o empenho de nossa decoradora para auxiliar o cliente na definição e conclusão de cada projeto”, explica. Com vocação iniciada na fabricação de cozinhas e armários Embutidos, a Atrattiva se torna, atualmente, uma empresa especializada para desenvolver projetos de móveis planejados residenciais (em todos os ambientes) e comerciais, seja um hospital, clínicas médicas, salão de beleza, loja de varejo, restaurantes, lanchonetes, setor hoteleiro, entre outros. Como complementação, o mercado de móveis planejados já oferece diversidade de materiais de acabamento, a exemplo de texturas e cores. “Com o avanço da tecnologia, dos antigos quatro formatos de acabamento que tínhamos (branco, preto, marfim e mogno) passamos a oferecer mais de 30 perfis de acabamento. Como toda a madeira utilizada é de ref lorestamento, já é possível, também, reproduzir no acabamento texturas fiéis de madeiras nobres. Toda essa diversidade possibilita uma infinidade de combinações para a diferenciação de móveis, sempre com a característica final de cada cliente”, finalizam. revistanegocios.com.br | 79


L A E n g e n ha r ia

Empresa com tecnologia para acabamentos construtivos A LA Engenharia utiliza novas tecnologias para acabamentos construtivos e inova o mercado da construção civil em Uberlândia. Dentre os seus diferenciais estão valores como ética, transparência e qualidade na execução. A seguir, leia entrevista com o engenheiro Lúcio Amaral Menezes, diretor da empresa, que apresenta tendências do segmento, além da necessidade de buscar alternativas para atender o crescimento do mercado

80

| revistanegocios.com.br

Quais os benefícios de contratar a LA Engenharia utilizando tecnologias com máquinas para acabamento? Com a escassez da mão de obra a mecanização proporciona uma redução direta de funcionários, aumentando a produção e padronizando do resultado final. As máquinas possibilitam à empresa maior otimização no controle e padronização dos serviços gerando maior rendimento em menor tempo, consequentemente, reduzindo os custos. A qualidade dos serviços de acabamentos utilizando a nova tecnologia é superior aos realizados manualmente. Este processo é altamente eficaz para empresas que possuem um volume grande de obras, como casas populares e prédios residenciais de médio e alto padrão. Dessa forma, a empresa reduzirá mão de obra e passará a oferecer um produto final de melhor qualidade ao cliente. Um dos focos da LA Engenharia é a construção de casas em condomínios. Por que? A segmentação auxilia na identificação de lacunas no mercado, através de segmentos não atendidos ou sub-atendidos. Minha escolha em atuar nesta área específica (casas residenciais em condomínios), além de ser uma grande tendência, devido a segurança e qualidade de vida que os condomínios proporcionam, foi justamente para preencher esta lacuna no mercado da construção civil. a especialização é aplicada em diversas áreas, a exemplo da medicina, em prédios comerciais, instituições financeiras e coloca o prestador de serviço em posição de diferenciação no mercado, tudo para atender um cliente também diferenciado. Quando você foca em um determinado segmento, especializa-se nele, se torna um profissional mais completo e capacitado, com uma aptidão maior para entender e atender um público cada vez mais exigente e consciente. Também fez parte desta escolha uma de minhas especializações e da minha empresa, que é o meio


ambiente. Os condomínios fechados possuem grandes áreas verdes preservadas e possibilitam a construção de casas sem muros, em terrenos espaçosos que se integram com a natureza. Quais são as principais etapas da construção de uma casa de alto padrão? O que é fundamental definir antes mesmo do início das obras? É fundamental responder a seguinte pergunta: Quanto pretendo/posso investir nesta obra? Esta pergunta se faz necessária para evitar frustrações e decepções durante o desenvolvimento da mesma, além do comprometimento com o produto final. Não menos importante, é fundamental escolher bem os profissionais que projetarão, administrarão e executarão a obra. Para a escolha destes profissionais deve-se levar em conta as referências de outros clientes atendidos, assim como uma entrevista com o mesmo (onde é importante saber mais sobre a qualificação profissional, o portfólio das obras executadas, as referências de clientes, etc). Nesta fase é muito importante a empatia entre o cliente e o contratado, afinal, terão um contato estreito durante o período da concretização da obra. Quanto às etapas, começa com o profissional de arquitetura, que após entrevista(as) com o cliente(s), e fazer a coleta de dados fornecidos durante estas entrevista(s), viabilizará o projeto, atendendo as necessidades e expectativas do cliente. Depois do projeto arquitetônico aprovado, passamos para a elaboração dos projetos complementares, a exemplo do estrutural, hidráulico e elétrico. Voltamos para o profissional de

Lucio Amaral é diretor da LA Engenharia e Meio Ambiente revistanegocios.com.br | 81


L A E n g e n ha r ia

arquitetura e, também, o de decoração, conjuntamente com o cliente, para a definição dos materiais de acabamento. E esta é uma fase de grande importância pois, a partir daí, será elaborado o memorial descritivo da obra e o fechamento do orçamento com o engenheiro. Acertados os passos anteriores, elabora-se o cronograma de construção e data de início e término da mesma. Iniciada a obra, acrescentamos novas etapas, como fundação, execução da estrutura, alvenaria, tubulações (elétricas e hidráulicas), impermeabilizações (baldrames, sacadas, lages expostas, entre outras), telhado, revestimentos (interno, externo), gesso, pisos externo e interno e pintura. As etapas citadas são as principais, mas como cada casa é única, podem surgir necessidades diferentes e que utilizarão novas tecnologias e materiais. Como a LA Engenharia se posiciona neste mercado e desde quando oferece serviços aos clientes? A LA Engenharia está consolidada neste segmento de mercado e atua há mais

82

| revistanegocios.com.br

de oito anos neste segmento. Consolidado mas nunca estagnado. Estamos sempre atentos a novidades do mercado, como novas tecnologias, materiais e equipamentos. Procuramos superar as expectativas dos clientes com serviços de qualidade, que é um fator indiscutível, além do preço justo. Faz parte dos objetivos da empresa proporcionar ao cliente uma construção confortável, sem estresse, assumindo toda a responsabilidade geral da gestão da obra, como projetos, mão de obra e a gestão financeira da mesma. Gerenciamos a compatibilização dos projetos estruturais, hidráulicos, elétricos e arquitetônicos, além da contratação da mão de obra qualificada e especializada. Quais são as vantagens da contratação de uma empresa especializada na gestão da construção de casas em condomínios fechados? Contratando uma empresa especializada, você conta com a comodidade de não se preocupar com problemas referentes à obra. A empresa fica responsável por levar soluções ao cliente, uma vez que ela será

responsável pela gestão total da obra. É sabido que a construção dentro de condomínios fechados possui normas próprias e restritivas, a exemplo de horários e datas de funcionamento da obra; uniformes; crachás; certidão negativa criminal dos funcionários que trabalharão na obra; confecção de canteiro estruturado; autorização de entrada e permanência de máquinas; entre outras exigências. Assim, é necessário ter conhecimento sobre a construção dentro destes condomínios para não impactar no andamento da obra e não gerar desperdícios de tempo e dinheiro. É importante não trazer transtornos e desgastes para o futuro morador. Contratando uma empresa especializada o cliente terá à disposição toda a estrutura e soluções prontas. Os problemas que eventualmente acontecerem serão solucionados de maneira tranquila, visto que as soluções já foram testadas em outras obras. E com a gestão geral da obra, o cliente tem mais tempo para se dedicar a escolha dos materiais e até mesmo curtir mais sua casa durante a execução.


Uma empresa com tecnologia para acabamentos construtivos

A LA Engenharia e Meio Ambiente atua na construção civil e seu crescimento é reflexo do acompanhamento das exigências do mercado e da satisfação dos clientes. Sua solidez, impulsionada por uma ampla visão de futuro, consolida presença no mercado de edificações industriais, comerciais e, em especial, na gestão de obras residenciais de alto padrão em condomínios fechados, utilizando modernos métodos construtivos, que são eficientes e ecologicamente corretos. Com equipe qualificada, dispõe de profissionais em arquitetura, e decoração para acompanhamento das obras. A partir de 2010, passou a oferecer serviços de acabamento com o auxílio de modernas máquinas de

L A ENGENHARIA M E I O A M B I E N T E Uma empresa credenciada

projeção Nicover de reboco, gesso, massa corrida, textura, grafiato e pintura.

By Nicover

Uberlândia/MG | (34) 3223-5326 | (34) 8857-4180 www.laengenharia.com.br

revistanegocios.com.br | 83


xxxx

84

| revistanegocios.com.br


revistanegocios.com.br | 85


M ó veis P l a n ejad o s

Móveis planejados com excelência que combinam com você

Catiguá Móveis A

Catiguá Móveis está no mercado de planejados desde 1991 e contribui, ano a ano, com o crescimento do setor em Uberlândia. Com o acompanhamento das tendências do setor, a empresa sempre valorizou inovações e a aplicação de novos conceitos na fabricação de móveis com qualidade, se tornando assim, uma das principais referências do setor na cidade e região. Para se manter atualizada, a empresa

86

| revistanegocios.com.br

investe continuamente em equipamentos modernos que garantem mais competitividade no mercado e novas tecnologias. Com o objetivo de oferecer ainda mais serviços aos clientes, a Catiguá criou show room e opera dentro dos mais rígidos controles de qualidade, da elaboração de um projeto, por meio do seu departamento de criação, à produção dos móveis, prazos de entrega e instalação dos mesmos. Para a Catiguá, oferecer qualidade

não basta somente equipar a fábrica com as melhores máquinas mas, sim, preparar as pessoas, do atendimento à execução de cada projeto, para que tudo seja desenvolvido dentro dos mais rígidos padrões de controle. A empresa que tem a visão de se destacar entre as melhores indústrias no segmento de móveis planejados de Uberlândia, busca o reconhecimento e a expansão no seu mercado de atuação. Pautada em valores como a satisfação


dos clientes; a qualidade e inovação dos produtos; valorização e respeito aos seres humanos; ética nas relações comerciais; e na busca por excelência, a Catiguá ainda assume a missão de fabricar e o fornecer produtos com qualidade, segurança e conforto para residências e escritórios. Especializada na fabricação de móveis para cozinhas, dormitórios, home theaters, banheiros, escritórios, consultórios e lojas, a empresa se posiciona no mercado para fabricar móveis com excelência. Para o empresário Carlos Antônio, a principal revolução ocorrida no setor de móveis planejados, nos últimos 19 anos de mercado da Catiguá, tem sido a inserção da tecnologia, inclusive no chão de fábrica. “Atualmente, da elaboração de um projeto a execução do mesmo, tudo já é desenvolvido dentro do mais alto grau de tecnologia em nossa empresa, o que possibilita uma garantia de qualidade ao cliente, além das adequações às novas tendências, padrões e propostas de móveis”, reforça o empresário. Inovação e automatização Na Catiguá, o primeiro setor a ser au-

tomatizado foi o de desenho dos móveis, serviço que é oferecido aos clientes. Nos tempos atuais, a fábrica é quem mais recebe investimentos em novas tecnologias, principalmente em equipamentos. Com know how para desenvolver pequenos e grandes projetos, a Catiguá se posiciona no mercado como uma empresa especializada que desenvolve todos os ambientes de uma casa. Sua proposta inclusive é mais focada em residências, com atendimento que vai além de Uberlândia e Minas Gerais, a exemplo de clientes no Nordeste, em Belo Horizonte e Brasília. Para Carlos, a distância não interfere no atendimento. “Aqui na Catiguá, se o cliente nos escolher, teremos o maior prazer de atendê-lo em qualquer região do País”. Na avaliação do empresário, oferecer o que há de melhor no mercado, seja em material utilizado na fabricação dos móveis ou, principalmente, no atendimento, são fatores que garantem o sucesso no segmento. “E tudo isso tem que estar aliado a tecnologia de ponta, tendências do setor, além da oferta das melhores condições para que nossos profissionais desenvolvam suas funções”, explica.

O mercado de móveis planejados Com a mudança de comportamento dos clientes, alterou-se, também, o comportamento do mercado. “O cliente esta muito mais exigente e quando vem até a nossa fábrica ele já sabe, perfeitamente, o que quer. O que fazemos é apenas uma adequação de sua ideia, quando necessário, para então executarmos o projeto. Para que isso ocorra de maneira tranqüila, a empresa precisa investir, constantemente, em treinamentos e novas tecnológicas”, reforça. A Catiguá atende decoradores e clientes diretos na própria fábrica de maneira personalizada. “Nossa proposta sempre foi a de oferecer o que há de melhor no mercado aos nossos clientes. Mas, acima de tudo, sempre iremos atender as necessidades do nosso cliente, dentro dos padrões e necessidades que ele identificar”, explica Carlos. E neste contexto, avalia o empresário, a grande revolução do segmento foi provocada pela tecnologia e a melhoria no atendimento. A Catiguá, instalada em sede própria, prima por todos estes fatores, principalmente o bom atendimento no mercado.


casa G r a n de M a t e r ia l de C o n s t r u ç ã o

Equipe Casa Grande, loja Santa Mônica

Uma rede especializada no

bom atendimento

A Casa Grande Material de Construção, com quatro lojas em Uberlândia, oferece produtos do básico aos mais refinados materiais de acabamento; a empresa completa 26 anos de mercado em 2010

A

Casa Grande Material de Construção completa 26 anos de mercado e fortalece sua tradição no setor da construção civil de Uberlândia. Com quatro lojas, a empresa valoriza e investe no bom relacionamento com o cliente e, principalmente, com fornecedores, tudo para oferecer ainda mais vantagens ao mercado. A Casa Grande oferecer do material básico ao acabamento de uma obra, seja ela de pequeno ou grande porte. 88

| revistanegocios.com.br

E a credibilidade é um dos valores que a empresa não abre mão juntos aos seus clientes. “Trabalhamos para levar, além das melhores vantagens ao mercado, produtos de fornecedores que nos garantem qualidade em tudo que é comercializado”, explica Daniela Felipe Costa, que responde pela loja mais nova da rede, instalada na Av. João Naves de Ávila. A primeira loja da rede foi inaugurada no bairro Planalto e as demais estão instaladas, uma no Roosevelt

e outra no Umuarama. Para a empresária, fortalecer a parceria com fornecedores é garantir mais benefícios aos clientes, pois todas as vantagens, principalmente de preço, são sempre repassadas aos produtos nas lojas, beneficiando, diretamente, o consumidor final. “E esta prática tem contribuído, e muito, com a fidelização de nossos clientes”, reforça. Para Daniela Costa, Uberlândia vive um momento especial no setor da constru-


Equipe Casa Grande, loja Roosevelt ção civil. “Se avaliarmos a primeira década do nosso negócio com o cenário que vivemos atualmente, antes vendia-se menos e ganhava-se mais. Hoje vende-se mais e ganha-se menos. Ou seja, é preciso capilaridade no mercado e volume. E o mercado de Uberlândia está se comportando dessa maneira, fator este que nos levou a inaugurar, em fevereiro de 2010, nossa quarta loja”, diz. Mudanças de comportamento de consumo Dentre as principais mudanças no setor da construção civil nestas últimas duas décadas, explica Daniela Costa, o segmento de material de acabamento foi um dos que mais cresceu. “Todos os itens básicos de uma construção não alteraram, mas a indústria de acabamento se diversificou e passou a oferecer muito mais opções. E tudo isso tem uma justificativa: os consumidores estão mais exigentes e muito mais clientes querem suas residências, por exemplo, com porcelanato, granito, peças em metal e diversos outros produtos”. Para a empresária o que vem provocando um

Equipe Casa Grande, loja Umuarama maior consumo neste segmento tem sido as facilidades ao crédito. “Considerando as facilidades de financiamentos, as pessoas passaram a comprar mais e a exigir mais qualidade das indústrias”, explica. Para atender esta e outras mudanças de comportamento no setor, diversas indústrias se adequaram. Não é difícil encontrar produtos de uma mesma linha e do mesmo fabricante, com variação de preços de até 80%. “Este é um dos segmentos que mais cresceu no mercado, principalmente na oferta de metais, louças e porcelanatos”. Show Room inovador Na loja da Av. João Naves, além do show room interno, onde é dedicado um maior espaço aos produtos de acabamento, a loja inovou e criou uma proposta externa para apresentação de produtos da linha básica de construção. “Este formato de show room beneficia e muito o nosso cliente que, mesmo com a loja fechada, consegue visu-

alizar qualquer produto que precisa em sua construção ou reforma”, diz Daniela Costa. Casa Grande oferece mais de 5 mil itens A rede comercializa do mais básico material de construção aos mais refinados produtos para acabamento, seja de uma pequena ou grande obra, a exemplo de tijolos, cimento, louças, pisos, esquadrias, passando por uma completa linha de texturas e tintas. Para atender o mercado, a empresa mantém um rígido padrão de atendimento ao cliente. “Nossos vendedores são conhecedores dos materiais que são vendidos aos clientes. Esta condição faz com que, além de venderes, se tornem consultores dos nossos clientes no momento da compra”, diz. Além de todas essas vantagens, a maioria dos vendedores estão na loja há diversos anos, já conhecendo e criando vínculo com cada cliente. “Temos funcionários com mais de 14 anos de casa, fator que nos enche de orgulho”, finaliza a empresária.

Equipe Casa Grande, loja Planalto revistanegocios.com.br | 89


x x x xS us t e n t a b i l idade

O grupo Lafarge desenvolve hĂĄ 15 anos um amplo trabalho de pesquisa e desenvolvimento de produtos para viabilizar mĂŠtodos construtivos que consumam menos energia e preservem os recursos naturais

90

| revistanegocios.com.br


A

s construções respondem por aproximadamente 40% da energia utilizada na maior parte dos países, e esse consumo aumenta consideravelmente em países com um crescimento imobiliário intenso como o Brasil. A Lafarge tem como prioridade o desenvolvimento de métodos construtivos sustentáveis e de produtos inovadores, contribuindo para um setor de construção civil mais responsável. Essas iniciativas trazem ganhos para o meio ambiente pois economizam recursos, diminuem o tempo de execução das obras e aumentam a resistência e durabilidade das construções. A linha de concretos arquitetônicos Artevia®, por exemplo, foi desenvolvida para servir como acabamento final de pisos, dispensando revestimentos como madeira, pedras naturais e cerâmica. O concreto é considerado o mais importante material de construção de todas as épocas da civilização humana e também um dos mais eficientes. Sua taxa de emissão de carbono é baixa, com 100 kg por tonelada, enquanto tijolos chegam a apresentar 200 kg de CO2 por tonelada, e o aço, 1.200 kg. A produção de concreto também é econômica em termos de consumo de energia, com apenas 1 MJ/kg - essa relação é de 3MJ/ kg para o tijolo e 43 MJ/kg para o aço. Por ser um produto fabricado com a transformação de materiais locais e misturado sempre próximo ao local de aplicação, ainda evita as emissões de gases do efeito estufa provenientes de transporte. As qualidades do concreto contribuem para uma construção eficiente, com resistência a vento e água, garantindo uma estrutura de alta durabilidade, e inércia térmica, que possibilita economia no uso de condicionadores e aquecedores de ar – uma vez que ele armazena calor durante o dia e libera à noite. Este ano, a divisão Concreto & Agregados da Lafarge no Brasil iniciou o programa “Perda Zero”, assumindo a meta de redução em 10% o consumo de água. A empresa passou a controlar a medição de todas as fontes de água utilizadas nos 45

municípios em que atua com suas centrais de concreto e minerações. A campanha de conscientização envolve empregados, contratados e suas famílias, sensibilizando também clientes e comunidades. Além de material informativo, são feitas palestras em parceria com a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) e com o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM), que apoiam a campanha. Buscando tornar suas atividades mais sustentáveis, a Lafarge adota uma série de práticas com foco no meio ambiente. Todas as unidades fixas de concreto possuem um sistema que permite a armazenagem, filtragem e reaproveitamento da água utilizada no processo produtivo. Além disso, um eficiente sistema de coleta de água da chuva permite seu armazenamento e utilização na produção de concreto. Há seis anos, a Lafarge adotou caminhões betoneira com tanque reduzido de 700L para 250L, evitando o uso indevido de água nas obras. A frota, que recebe lavagem a seco, é formada em sua maioria por veículos de quatro eixos, que distribuem melhor o peso da carga e, por isso, conservam melhor as vias públicas. Inovação na Lafarge O Grupo Lafarge desenvolve há 15 anos um amplo trabalho de pesquisa e desenvolvimento de produtos para viabilizar métodos construtivos que consumam menos energia e preservem os recursos naturais. A empresa possui o maior centro de pesquisa do setor na França e diversos outros espalhados pelos cinco continentes, mobilizando mais de mil profissionais. O lançamento de produtos inovadores como o Artevia só é possível graças aos investimentos em conhecimento científico sobre o desempenho do concreto em todas as etapas de produção, implementação e durante sua vida útil. A Lafarge desenvolveu uma metodologia exclusiva de formulação de concreto que garante aos produtos regularidade e qualidade impecável, sempre usando as matériasprimas alternativas disponíveis em cada

localidade. A linha de concretos Artevia possui uma tecnologia inédita no Brasil que combina a durabilidade do concreto com um acabamento estético para pisos de áreas internas e externas. “O grande diferencial da linha de concretos decorativos Artevia é que ela foi desenvolvida para ser usada como solução estrutural, sem a necessidade do uso de revestimentos, e pode ser aplicada com mais de 30 tipos diferentes de agregados, possibilitando uma variedade incrível de cores, padronagens e texturas”, destaca Luiz Augusto Castanheira, gerente de marketing e desenvolvimento de produtos da Lafarge Concreto. Além das vantagens estéticas, de resistência e de durabilidade, o Artevia também proporciona mais economia e agilidade na execução da obra, pelo fato de se basear em um processo de produção industrial. Sobre a Lafarge O Grupo Lafarge, criado na França há 175 anos, está presente em 78 países e é líder mundial em materiais de construção, com posições de destaque em todas as suas atividades: Cimento, Concreto & Agregados e Gypsum (Gesso). O Grupo investe continuamente em ecologia industrial e busca agir em três áreas: melhoria da eficiência energética, utilização de fontes de energia alternativas e desenvolvimento de produtos que reaproveitam subprodutos de outras indústrias. Mais de 10% do total de energia consumida pelo Grupo vem de combustíveis alternativos que substituem os combustíveis fósseis. No Brasil esse percentual beira os 20%. Além da redução de CO2, outros compromissos da Lafarge são a recuperação das jazidas minerais, manutenção da biodiversidade local e a criação de indicadores ambientais para avaliar a performance da empresa em diversas áreas, como consumo de água, consumo energético, investimentos em meio ambiente e treinamento ambiental. revistanegocios.com.br | 91


Projeto Corazza executado para a residência de Dr. Marco Aurélio e Dra. Cintia

É fundamental ser UBERLÂNDIA

contemporâneo

A

Corazza completa 30 anos de sucesso em Uberlândia. Isso se deve a um motivo simples: “o respeito ao consumidor”. Especializada em uma diversificada linha de estofados, poltronas e reclináveis com estilos que atendem uma procura personalizada para cada cliente, aliando a isso conforto e desing. O designer italiano Luigi Marelli é o responsável pela criação dos modelos que são lançados nas maiores feiras internacionais tendo também grande preocupação

92

| revistanegocios.com.br

com o conforto. A loja também oferece uma ampla linha de complementos, como móveis para sala de estar, racks, home cinemas, dormitórios, entre outros. Para garantir a satisfação dos clientes, da elaboração de projetos ao pós venda a Corazza busca parceiros no mercado com o mesmo compromisso, tornando-se referência em qualidade e atendimento. A Corazza entende que, ser contemporâneo é estar sempre na moda. O posicionamento da marca segue os novos rumos do

mercado que atualmente aceita mais a “mistura” de estilos, cores e texturas diferentes, tudo com acompanhamento de uma técnica e, acima de tudo, com bom gosto. Embora seja uma empresa comercial, a Corazza tem como premissa, não só vender produtos, mas oferecer satisfação aos clientes. Isso só é possível porque conta com uma equipe competente, atualizada e formada por pessoas que gostam do que fazem. E este é o segredo do sucesso que conquistamos nestes 30 anos em Uberlândia.


revistanegocios.com.br | 93


C r ia r e U b e r l â n dia

decoração Inovação: “Novo Show Room” com as últimas tendências e conceitos de Móveis Planejados... 96

| revistanegocios.com.br

Inovação O

ferecer novos conceitos, opções e tendências no mercado de móveis planejados. Estes são fatores que colocam as linhas produzidas pela Criare entre as mais requisitadas do país, alinhando profissionalismo, suporte técnico e estrutura de uma eficiente logística, atendendo sempre os prazos negociados. Além do mais, a Criare também soma com diferenciais no momento da negociação, ofertando melhores condições comerciais e know how de um dos maiores grupos fabricantes e exportadores de móveis planejados brasileiro, o grupo Carraro, instalado no Rio Grande do Sul. Para atender o Triângulo Mineiro, a marca inaugurou loja no ano passado em Uberlândia, e passou a ofertar qualidade, condições comerciais e muita inovação no contexto móveis planejados. Com a inauguração em Uberlândia, cidade referência para o atendimento de diversas outras regiões, os resultados superaram as expectativas da rede. Para celebrar este bom desempenho, na promoção nacional realizada no segundo semestre de 2009, foram de Uberlândia os ganhadores de um apartamento totalmente mobiliado pela Criare no valor de R$30.000,00 (Trinta mil reais). Com pouco mais de um ano de funcionamento, a loja Uberlândia já foi reconhecida, com premiação interna no grupo Carraro, a exemplo


e eficiência do título de Excelência pelos bons resultados obtidos no primeiro semestre de 2010, bons resultados atingidos nas regiões de Minas Gerais, Goiás, Distrito Federal, Tocantins e Sul do Maranhão. E essa expansão no atendimento também servirá para ampliar os negócios da loja de Uberlândia. Até o final deste ano será inaugurado um Show room na cidade de Catalão/GO. E já está programada para o início de 2011, a inauguração da sua primeira filial da loja de Uberlândia, em Brasília/DF, no Setor de Indústria e Abastecimento (SIA). Além de uma das principais cidades do país, Brasília também é referência e vitrine para o setor da construção civil e, evidentemente, para o segmento de móveis planejados. Inovação O direcionamento da Criare Uberlândia para este ano de 2010 é e sempre será fundamentado na inovação. Para este último trimestre do ano, a empresa está reformulando seu show room, transformando-o em um dos mais inovadores e completos do segmento de móveis planejados da região. O novo show room tem como objetivo principal otimizar e va-

Eficiência: Premiada pela Indústria Criare com o título “Excelência” pelos bons resultados atingidos no 1º semestre de 2010. revistanegocios.com.br | 97


C r ia r e U b e r l â n dia

lorizar os espaços como, cozinha, salas, home theater, home Office, banheiros, brinquedotecas e demais espaços de uma casa ou apartamento. A Criare também é especialista no desenvolvimento de projetos comerciais, a exemplo da montagem de mobiliário para escritórios. Ainda no conceito de inovação, a Criare Uberlândia passará a oferecer espaço de atendimento reservado para arquitetos e decoradores. Com o requinte de um “cafezinho”, computador e suporte técnico disponível, a Criare Uberlândia inova e passa a oferecer muito mais serviço ao mercado regional. Além dos móveis, a empresa também oferece soluções em fornos elétricos, cook tops, coifas, entre outros produtos e serviços. Diferenciação No momento da escolha por um projeto de móveis planejados, conheça e avalie, principalmente, a capacidade de atendimento do fornecedor. O que a Criare Uberlândia oferece vai além da capacidade da concorrência, seja em condições de negociação, qualidade e prazos de entrega. Para complementar, a Criare conta com uma equipe de profissionais especializados composta por projetistas e designers de interiores; montadores capacitados e, recentemente, contratou uma empresa de Consultoria para gerir os novos negócios, marketing e a força de vendas, objetivando a excelência no atendimento ao cliente, priorizando todas as etapas do processo, desde o início do projeto até a sua conclusão e montagem. 98

| revistanegocios.com.br


Próxim

Venha escolher o seu apartamento com: 2 Quartos e 1 suíte ou Cobertura Duplex com 3 quartos sendo 1 suíte

va e v o n Ge . t S l pita s o h o ao

Grande oportunidade de investimento! Plantão de vendas no local:

(34)3223.0101 Av. Fernando Vilela, 1410 - Martins - Uberlândia - MG

revistanegocios.com.br | 99

Societá

Pré lançamento! O seu projeto de vida agora tem nome:


Arquitetura

A simplicidade como conceito e a sĂ­ntese como proposta. Cada elemento cumpre sua finalidade.

Regina Bernardes & Arquitetas Associadas Rua BarĂŁo de Camargos, 149 | Sala 8 | (34) 3236-3838 arqreginabernardes@yahoo.com.br


Arquitetas Maria Regina Guedes Bernardes Roberta Cardoso Alves Taciana Bernardes

Parceiros Atrattiva M贸veis Planejados | Casa Vie | Moda Ambiente | Flora Valentini | Fiorucci Engenharia


Um toque de bom gosto

CASA VIE Especializada em adornos, plantas artificiais, telas, lustres e muito mais para a decoração de casas, apartamentos e espaços comerciais. Casa Vie, reflexo do seu bom gosto.

arte e decoração 34 3217-2661

Rua Barão de Camargos, 149 | Sala 01 casaviedecoracao.blogspot.com


revistanegocios.com.br | 103


Cortes & Cores

Chapas de aço são transformadas em borboletas, árvores... Tecnologia CNC auxilia produção de peças exclusivas para a decoração de ambientes; produção já é vendida em Uberlândia e outras importantes lojas do segmento no País

104

| revistanegocios.com.br

E

specialistas apontam que as melhores oportunidades, na maioria dos exemplos, são encontradas onde poucos conseguem enxergá-las. E foi o que aconteceu com o empresário Breno Medeiros Marques, que atualmente comanda a Cortes & Cores, empresa sediada em Uberlândia e que já atende o mercado nacional com peças decorativas extraídas de chapas de aço, placas de MDF, de acrílicos, entre outros materiais. Formado em arquitetura, Breno é de uma família que há anos trabalha no segmento de desmanches e revenda de materiais encontrados em demolições. Com o passar dos anos, o empreendedor passou a agregar valor em todo este processo com o auxílio da tecnologia. O que antes era apenas recuperado para ser, novamente, vendido na loja de desmanches, atualmente é trans-

formado em novas peças com o auxílio de modernas maquinas para então ganhar a vitrine de importantes lojas de decoração no Brasil. “Trabalhamos com peças decorativas em aço e madeira, principalmente, quase todas encontradas em demolições. Usamos recursos modernos, a exemplo de máquinas CNC e pinturas especiais, além de cortes a laser e plasma”, explica Breno Medeiros. Segundo o empresário, a formação em arquitetura sempre o auxiliou na busca de novos materiais e objetos diferentes para serem aplicados na decoração de ambientes. No início era somente uma loja de materiais usados, mas foi o suficiente para motivar o empreendedor a buscar novas alternativas e, lógico, a criar novos mercados. “Foi no depósito de usados que encontramos as primeiras peças e ideias para


e madeiras. “Nossas máquinas são o que há de mais moderno em tecnologia CNC, sigla em inglês que, em português, significa Controle Numérico Computadorizado”, explica Breno. A Cortes & Cores possui equipamentos como uma plasma para cortes de metais; router frezadora universal; além de corte a laser para acrílicos e MDF. “Nosso acabamento inclui área específica para pintura eletrostática, além de flocagem (em pequenos e grandes formatos)”, diz Breno. Mercado nacional

Breno Medeiros é diretor da Cortes & Cores compor o nosso atual negócio”, enfatiza. Como complementação da proposta, a família montou uma loja de móveis rústicos, que também funciona como show room das produções atuais. Além das peças produzidas a partir de cortes a laser, a loja também oferece móveis rústicos, trabalhados a partir de demolições e transformados em uma marcenaria própria. A família mantém os quatro negócios atualmente, ou seja, a loja de usados, a de materiais rústicos, a marcenaria e a fábrica de peças cortadas a laser e plasma. São mais de 9,5 mil m2 de área, destes, 3 mil são destinados exclusivamente à fábrica, que envolve beneficiamento de aço

Por meio de feiras segmentadas, a empresa já chegou no mercado nacional, que também é atendido por representantes diretos. Os produtos são encontrados em Uberlândia, em loja própria, e em diversas outras do País, de médio e alto padrão. “Produzimos peças com design nacional e que utilizam-se de tecnologia de ponta na fabricação. Nossa proposta é atender lojas que trabalham com peças decorativas e gardens, passando por lojas de móveis que vendem produtos ecologicamente corretos, além de inovadores e diferentes”, explica o empresário. A coleção, que soma mais de 200 itens, tem desde mini cabideiros, bancos e armários com recortes a laser; mandalas e portavasos (dos mais variados estilos). “Além destas produções, também atendemos, com exclusividade, projetos de artistas plásticos que especificam nossa tecnologia em suas criações”, diz. A primeira empresa da família, a de revenda de materiais usados, foi criada 1994. A fábrica entrou em operação em 2008. revistanegocios.com.br | 105


C e r â mica S a n t o r i n i

Inovação, Sustentabilidade e Responsabilidade Social Cerâmica Santorini reduz impacto ambiental e gera mais resultados com o “sistema verde” de industrialização

A

Monoel Augusto é diretor da Santorini, em Ituiutaba

106

| revistanegocios.com.br

o longo da sua existência, a Cerâmica Santorini sempre foi pioneira em vários processos de excelência, além de realizar seus processos focando, sempre, a qualidade final de seus produtos. Em 2006 inovou na qualidade com a certificação do INMETRO, em todos os seus produtos. No mesmo ano, por contribuir com a modernização e a qualificação do setor no Brasil, foi homenageada pela ANICER com o Prêmio Destaque João de Barro. Em 2008 a empresa foi agraciada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) com o Prêmio Mérito Lojista na categoria de Materiais de Construção e Revestimento, segmento Cobertura de Cerâmica. Em 2008 a Cerâmica Santorini inicia medidas importantes

para dar sustentabilidade ambiental à sua produção, optando por usar biomassas renováveis como serragem e cavaco de madeira no processo de industrialização. Padronizou e investiu 280 mil reais para a redução da emissão de gases causadores do efeito estufa. De abril de 2008 a julho de 2009 reduziu a emissão de gás carbônico em 19 mil, 545 toneladas. O reconhecimento às práticas de responsabilidade ambiental veio em 2009 com o recebimento dos certificados de Substituição de Combustível Biomassa não Renovável por Biomassa Renovável, pela BRTÜ, e ISO 9001, que certifica os processos de qualidade. Assim, a Santorini, uma das maiores empresas do setor cerâmico do Triângulo Mi-


revistanegocios.com.br | 107


C e r â mica S a n t o r i n i

neiro, alcança objetivos e faz a sua parte para um mundo melhor. Responsabilidade Social Em 2010, a Santorini expande sua atuação de empresa responsável para o setor social. A empresa valoriza o jovem, porque é preocupada com o futuro do nosso País. Por isso é uma das cinco apoiadoras do Projeto Tênis de Futuro, em parceria com o Ituiutaba Clube e com o professor Neidson Natal de Freitas Filho. O projeto atende cinquenta crianças carentes de 8 a 12 anos, matriculadas em escolas públicas, de bom comportamento e notas boas. As crianças vão ter duas horas semanais de aulas de tênis durante um ano. Compromisso com o futuro Nós, da equipe Santorini, sempre nos orgulhamos de ser uma empresa genuinamente mineira. E é com esse espírito de mineirice que, muito devagarinho, mas sempre, fomos buscando inovações tecnológicas, sustenta108

| revistanegocios.com.br

bilidade em nosso processo fabril e agora responsabilidade social. Nós, empresários, temos que nos conscientizar de que já não dá mais para produzir sem olhar à frente e refletir sobre nosso planeta. E nada melhor para simbolizar o futuro que as nossas crianças. Tais reflexões tenderão necessariamente a se tornar realidade, no nosso chão de fábrica e de tantas outras. Sem esse novo modelo de produção mais sustentável o nosso planeta irá colapsar em questão de poucas décadas. Paralelamente, e não menos importante, está a nossa responsabilidade para com uma melhor educação para as nossas crianças, que são as nossas sementes que deixamos plantadas. O consumo consciente está aí, já é uma realidade para as empresas, e um desafio para todos os empresários. Nossas crianças já nos cobram mais atitudes nesse sentido, por isso conclamo àqueles que querem que seus negócios se perpetuem, que pensem nisso.


revistanegocios.com.br | 109


xxxx

110

| revistanegocios.com.br


revistanegocios.com.br | 111


xxxx

112

| revistanegocios.com.br


revistanegocios.com.br | 113


E specia l U b e r l â n dia

Expo Xangai 2010 apresentou

Fotografias retratam o pioneirismo, o dinamismo e a representatividade do município de Uberlândia frente aos problemas enfrentados e vencidos; exposição somou mais de 70 milhões de visitantes

E

ntre os dias 4 e 10 de outubro, Uberlândia foi destaque em dois pavilhões da maior exposição do mundo, a Expo Xangai 2010 – “Cidade Melhor, Vida Melhor”, na China. No pavilhão da ONU-HABITAT, um estande expôs 30 fotografias sobre Uberlândia produzidas pelo fotógrafo italiano da ONU, Alessandro Scotti, em janeiro de 2010. Durante duas semanas, o fotógrafo visitou diversos bairros e conheceu todos os setores desenvolvidos pelo município, como Habitação, Saúde, Transporte, Planejamento, Acessibilidade, Projetos Sociais, dentre outros para montar a exposição. Para a campanha fotográfica, foram selecionadas cinco cidades em diferentes países e continentes: Johor Bahru (Malásia), Tetouan (Marrocos), Hunchun (China), Onitsha (Nigéria) e para o Brasil, por indicação do Ministério das Cidades, Uberlândia foi escolhida como representante da América, por ser considerada uma das cidades de porte médio que está se desenvolvendo

114

| revistanegocios.com.br

com harmonia e qualidade de vida nos países emergentes. Os critérios utilizados na escolha foram: número de habitantes, dinamismo, localização entre grandes cidades, taxas de crescimento e tamanho do município. O projeto vai exibir fotos que retratam o futuro do urbanismo, como o crescimento acelerado, conglomerados urbanos de tamanho médio e redes de intercâmbio entre fronteiras. De acordo com o prefeito Odelmo Leão, o fotógrafo italiano ficou admirado pela forma equilibrada que Uberlândia cresce. “O Alessandro Scotti visitou e registrou a cidade inteira e todo o seu trabalho também foi destacado no 5º Fórum Urbano Mundial, realizado em março, no Rio de Janeiro, ressaltando desenvolvimento nas áreas de educação, saúde e infraestrutura”, afirmou. Segundo o fotógrafo, em Uberlândia é feito um trabalho para que toda a cidade cresça integrada. “Esse é o grande diferencial: em todas as regiões é possível ver o desenvolvimento”, disse.

A Expo Xangai 2010 “Cidade Melhor, Vida Melhor” teve início em 1º de maio e encerrou-se em 31 de outubro e somou mais de 70 milhões de visitantes. A exposição teve a participação de 192 países e 50 organizações institucionais (como a ONU, Cruz Vermelha, DEVNET e União Europeia). Foram mais de cinco quilômetros quadrados de área. A Negócios Minas convidou representatividades locais para falarem sobre a cidade e, principalmente, a escolha e o reconhecimento da ONU sobre o desenvolvimento urbano de Uberlândia. Personalidades como Alair Martins, do grupo Martins, professor Alfredo Júlio, reitor da Universidade Federal de Uberlândia e o próprio prefeito Odelmo Leão dividem elogios e opiniões sobre qual o “presente” que Uberlândia é merecedora neste momento. Leia depoimentos a seguir. Faça um passeio virtual pela exposição: (http://en.expo2010.cn/). (Fonte: Secom Uberlândia)


“Cidades e empresas são feitas por pessoas”

Alair Martins | Presidente do grupo Martins

“Uberlândia, para mim, é um símbolo

so eterno Ministro Rondon Pacheco, que

as, sem se esquecer das relações amistosas

de trabalho, porque foi aqui que iniciamos

Uberlândia pode descobrir sua vocação e

que devemos ter com o meio ambiente.

nossa caminhada e pudemos transformar

tornar-se a referência que é hoje. A vinda

nosso sonho em realidade, oferecendo

de grandes empreendimentos industriais

oportunidades para as pessoas, distribuin-

viabilizou o desenvolvimento e o progres-

do bens de consumo em todos os cantos do

so. O Distrito Industrial foi um passo gi-

Brasil e demonstrando nossa capacidade

gantesco no sentido do futuro.

de realizar. Cada vez que um caminhão de

Para garantir melhorias daqui para

nossa frota se desloca em qualquer rodovia

frente, acho que os homens públicos de-

do país leva o nome de nossa cidade.

veriam atentar para a vocação desenvolvi-

Qual o presente que Uberlândia é merecedora? A partir do momento em que desenvolvemos um trabalho sério, com respeito às pessoas, geração de riquezas e responsabilidade social já estamos presenteando a cidade. Mas se fosse oferecer um presente

Como acho que a cidade é um sím-

mentista de Uberlândia e prover a cidade

bolo de trabalho, considero que conquista

da infraestrutura necessária para que os

do Distrito Industrial tenha sido mais que

empreendedores possam continuar de-

brasse, também, maior segurança, paz e

um marco, foi um divisor de águas entre o

monstrando sua pujança e força no cenário

tranqüilidade para sua população, pois são

passado e o futuro. Foi a partir da iniciativa

brasileiro e internacional. E fazer isso sem

as pessoas que fazem as empresas e as ci-

de grandes homens, onde destaco o nos-

descuidar da qualidade de vida das pesso-

dades.”

diferente gostaria que Uberlândia cele-

Somar esforços para ampliar o desenvolvimento de Uberlândia Rodrigo Mendonça | Gerente Geral da Fábrica Souza Cruz Uberlândia revistanegocios.com.br | 115


E specia l U b e r l â n dia

“Eu nasci em Uberlândia e passei meus primeiros 20 anos de vida nesta cidade que, mesmo assumindo um porte médio, ainda preserva o estilo interiorano. Tem clubes fantásticos, clima agradável e, principalmente, tem uma gente maravilhosa, que gosta da terra. Uberlândia significa tranquilidade e qualidade de vida para mim. E tenho muito orgulho de ser o primeiro Gerente Geral da Unidade Souza Cruz Uberlândia, que nasceu e estudou aqui. Uberlândia, na minha opinião, já viveu vários momentos importantes, mas acredito que alguns foram decisivos para que se tornasse uma das maiores cidades do interior do Brasil. Destaco a relevância para a construção de Brasília; a implantação do 36º Batalhão de Infantaria; a federalização da Universidade; e a consolidação de Uberlândia como pólo

logístico nacional. Estes fatos atraíram investimentos; importância regional; além de pessoas com espírito empreendedor. No contexto de melhorias, a Souza Cruz tem contribui de diversas maneiras para que Uberlândia fique cada dia melhor. De projetos sociais, culturais e educacionais às obras do teatro municipal, por meio da Lei Rouanet. A empresa contribui, também, com a arrecadação de tributos para o município. A Unidade é a maior da América Latina e figura entre as 10 maiores do mundo. Só em Uberlândia são mais de R$ 50 milhões em salários e despesas anuais, montante que é diretamente investido no mercado local. A Souza Cruz renova a cada dia essa parceria com a cidade que a acolhe há 32 anos. E nosso objetivo é que essa parceria seja permanente.

Qual o presente que Uberlândia é merecedora? Nosso maior presente para Uberlândia é somar esforços diariamente para ampliar o desenvolvimento da cidade. É a satisfação, o orgulho e, principalmente, a confiança que os mais de mil colaboradores da nossa fábrica, juntamente com a direção da empresa, depositam na nossa gente e nas lideranças políticas de Uberlândia. Essa confiança permitiu que, em 2010, fizéssemos R$ 70 milhões em investimentos na Fábrica. Adquirimos máquinas importadas de última geração, além da criação de uma escola interna para a formação de mão-de-obra técnica (inauguração em dezembro deste ano) e a finalização da construção de uma nova área que abrigará entre 80 e 150 novos trabalhadores na Unidade (de acordo com demanda do mercado).”

“Uberlândia representa o local escolhido para viver no sentido mais amplo da palavra. Pode parecer uma atitude simplista, visto que nasci aqui,

Priorizar ações com a participação efetiva da população

Alessandro Rende | Arquiteto premiado com obras e restaurações em Uberlândia 116

| revistanegocios.com.br

mas no mundo globalizado de hoje, esta situação não é mais uma imposição, mas uma real opção de vida. Entenda-se então como o local eleito para se construir um trabalho com seriedade e satisfação; constituir uma família que terá suporte nas áreas de saúde, educacional e cultural; além de usufruir do convívio social de pessoas que têm como meta o bom relacionamento entre si.


revistanegocios.com.br | 117


E specia l U b e r l â n dia

Dentre os principais ‘marcos’ vivenciados por Uberlândia, destaco, sem dúvida, a construção de Brasília, que colocou a cidade em situação privilegiada devido sua posição geográfica, o que acabou contribuindo para que Uberlândia se tornasse um pólo econômico regional. Para garantir desenvolvimento daqui para frente, é fundamental priorizar ações em que a população participe efetivamente da riqueza gerada pela cidade, a exemplo da utilização

de mão-de-obra local em todos os setores e o fomento de cursos para o desenvolvimento de profissionais nas mais diversas áreas. Enfim, atividades que a população não somente sinta que mora em uma terra fértil, mas que também usufrua deste potencial. Qual o presente que Uberlândia é merecedora? Gostaria de devolver à cidade os pré-

É com honra e orgulho que sou prefeito de Uberlândia “Como cidadão, chefe de família e morador, Uberlândia é a terra que adotei definitivamente para viver, é a minha casa, a cidade que eu amo, meu porto seguro, o lugar onde quero morrer. Como prefeito e homem público, Uberlândia é a depositária de meus ideais, o centro de minhas ações, o lugar onde quero desenvolver meu trabalho e construir minha obra, ela é o meu Estado e o meu País. O desenvolvimento de Uberlândia se deu por etapas, por isso são vários os seus marcos históricos, desde sua fundação, caracterizada pela presença de cidadãos valorosos, pioneiros e visionários. Marcos poderiam ser considerados, por exemplo, a chegada da ferrovia, no início do século passado; a abertura das primeiras rodovias; obra de homens audaciosos, que transformaram a cidade em centro da região; a transferência da capital federal para Brasília, que consolidou a posição estratégica do Município e definiu sua condição de pólo logístico; a industrialização; a implantação da Universidade, para citar alguns fatos inseparáveis da história e da grandeza de Uberlândia. Para garantir melhorias, a receita é a mesma Odelmo Leão, prefeito de Uberlândia 118

| revistanegocios.com.br

dios históricos que foram demolidos e que deixaram uma lacuna inestimável na memória dos Uberlandenses. As próximas gerações serão os verdadeiros herdeiros do futuro, já que nossas edificações, e parte da nossa memória, só são encontrados em poucos documentos e raras fotografias. Há de se ensinar aos jovens que história é parte viva de uma comunidade. O convívio desta comunidade com o desenvolvimento é possível e salutar.”


que a própria história de Uberlândia nos ensinou: união entre os poderes constituídos e a iniciativa privada, com a população e todos em torno dos mesmos objetivos. Possibilitar a continuidade do desenvolvimento econômico e social com sustentabilidade, além da busca permanente do bem estar coletivo; geração de constantes oportunidades de renda e trabalho; progressiva melhoria na qualidade de vida, que inclui indispensavelmente, a

saúde, a educação, a segurança, a habitação, o transporte, a cultura, o esporte e o lazer. É assim, com esse esforço consciente e decidido de todo um povo, que Uberlândia continuará sendo uma cidade cada vez melhor. Qual o presente que Uberlândia é merecedora? Uma chave mágica, que pudesse desvendar para toda a nossa gente a grandeza

do nosso passado, a realidade fulgurante do nosso presente, a afirmação segura do nosso futuro, para que pudéssemos brindar, irmanados em um grande abraço, toda a glória que, através dos tempos, fez desta cidade um exemplo de trabalho, determinação, pujança, fé e progresso. E lhe entrego mais, Uberlândia, com a honra e o orgulho de ser o seu prefeito; o meu amor, a minha dedicação, o meu corpo, o meu espírito.”

É fundamental direcionar a vocação da cidade para as pessoas “É difícil a gente resumir em poucas palavras o que Uberlândia significa para nós. Mas eu digo que esta cidade significa o inconformismo, a paixão, desenvolvimento, acolhimento e uma síntese de Brasil que acha acredita que dê certo. Há mais de 35 anos de medicina, já vivenciei várias situações marcantes em minha vida aqui em Uberlândia, e uma delas foi ter servido junto a Secretaria Municipal de Saúde durante 12 anos, o que me proporcionou conhecer, bem de perto, a vida das pessoas, principalmente as mais simples e que necessitam mais da assistência médica pública. Foi neste período que conseguimos implantar o SUS, processo de municipalização da saúde, além de planejar, construir e fazer funcionar as UAIs, projeto genuinamente uberlandense. Tudo foi pensado há mais de 20 anos e, hoje, fico feliz em ver o Governo Federal fomentando projetos como o UPA, que pode ser comparada a uma UAI miniaturizada. Tudo isso

Dr. Paulo Roberto Salomão | Diretor do Hospital Santa Catarina significa que Uberlândia saiu na frente com o planejamento da saúde pública. Eu considero que o espírito de diversos prefeitos, em especial o de Virgílio Galassi, sempre provocou o dinamismo em Uberlândia, preparando as pessoas para estes desafios. Digo que o Sr. Virgílio foi, em seu tempo, a tradução mais fiel de vanguarda para a nossa cidade. Mas não só na saúde, Uberlândia se desenvolve em todas as áreas e faço minhas homenagens ao Prefeito do Século – quatro vezes eleito – que foi Virgílio Galassi, um homem simples e entusiasta, otimista com a vida. O Santa Catarina, inaugurado em 1958, foi o primeiro da cidade a se construído com planta específica para hospital. Ano a ano se moderniza e passa a oferecer trata-

mentos inovadores, de vanguarda, com o mais alto grau de complexidade, sendo o hospital que mais realizada cirurgias cardíacas da cidade e transplantes renais, além de uma importante participação com a captação de órgãos para transplantes. Qual o presente que Uberlândia é merecedora? Uberlândia é uma cidade muito bem servida, em diversas áreas, e digo que este é o momento de pensarmos mais nas pessoas, na humanização das ações. É preciso colocar os cidadãos no centro das atenções e direcionar a vocação da cidade para as pessoas, para as artes, a cultura, o ensino, entre outras áreas, para que tenhamos, cada vez mais, bons exemplos nacionais.” revistanegocios.com.br | 119


E specia l U b e r l â n dia

É fundamental equilibrar o meio ambiente com a qualidade de vida das pessoas “Uberlândia representa minha cidade, onde nasci, na Vila Operária (atualmente bairro Aparecida), que me dá muito orgulho. Foi aqui que constitui família e onde me permitiu fazer minha carreira, minha formação. Me ausentei somente no período de uma pós graduação (por não ser oferecida na época, mas que agora já existe). Essa é uma cidade que tenho planos de sair somente para passear de férias. É difícil falar de um grande marco. Essa é uma cidade muito especial, seja pela força de sua sociedade, a determinação dessa gente em fazer uma cidade com qualidade de vida, mas destaco a inauguração da represa de Sicupira (capitação e tratamento de água), quando o atual prefeito Renato de Freitas abriu as comportas e jogou água na avenida. Este foi um momento marcante, pois eu ainda era jovem e já falavam de capacidade de abastecimento de água para uma cidade de até 500 mil habitantes. Depois foi a criação da Universidade, agrupando todas as faculdades para acontecer a federalização. Eu já era estudantes de odontologia. Essa é uma cidade que se orgulha da sua gente da sua classe política. São pessoas que sempre procuram fazer melhor que o outro. Além destes fatos, a criação do Distrito Industrial, marcos que provocaram o desenvolvimento, ainda maior, para Uberlândia. A partir do momento que a cidade se tornou pólo, muitos profissionais vieram da região, atraídas pelo desenvolvimento e aqui ficaram. Costumo dizer que devemos, sim, para a região, por este apoio ao desenvolvimento. E é justamente essa somatória que faz Uberlândia ser essa cidade de hoje. 120

| revistanegocios.com.br

Professor Alfredo Júlio Fernandes Neto | Reitor da Universidade Federal de Uberlândia Sou muito otimista com Uberlândia. E acredito que, para garantir continuidade e melhorias, é fundamental equilibrar o meio ambiente com a qualidade de vida das pessoas. O poder público demonstra responsabilidade ambiental e, em especial aqui na Universidade, diversos projetos são estudados com o objetivo de melhorar as condições de desenvolvimento com sustentabilidade. É preciso cuidar do meio ambiente e da saúde das pessoas para se ter uma cidade melhor. E cuidar da saúde é oferecer estrutura para uma vida de qualidade. E a nossa cidade já desenvolve este conceito. Me orgulho de ser uberlandense pois sempre queremos o melhor. Talvez o Sr. Virgílio Galassi (ex-prefeito) tenha nos ensinado a sonhar dessa maneira, sonhos que em muitos

exemplos já foram até superados. Qual o presente que Uberlândia é merecedora? O nosso trabalho, a nossa dedicação para que as pessoas tenham uma vida melhor. É fundamental acompanhar o plano diretor da cidade e pensar, sempre, como fazer melhor para as pessoas. E a Universidade faz parte desta história. Atualmente, em nossos três campi, já somos mais de 25 mil. Já estamos em andamento com a transformação de um novo campus, na Fazenda do Glória, com cerca de 60 alqueires. Dentre as novidades, engenharia aeronáutica e outros cursos, como veterinária, zootecnia, engenharia ambiental, fisioterapia e outros. Este será outro presente para Uberlândia.”


revistanegocios.com.br | 121


T e cn o l o g i a Ess i l o r

Empresa investe em inovação Varilux é a lente com maior percepção dos consumidores no Brasil

Luiz Sisconetto é diretor da rede Ótica Moderna, em Uberaba 122

| revistanegocios.com.br

A tecnologia digital tem provocado diversas mudanças na comunicação, principalmente na maneira de ver o mundo e tudo que esta em nossa volta. Dentre os exemplos, estão as mídias de alta definição (MP3s, CDs, blu-ray, mídias em HD – High Definition) que são sistemas de projeção de imagens e sons com resolução muito superior à dos formatos tradicionais. Para as lentes oftálmicas, as tecnologias digitais também abrem novas possibilidades para garantir alto desempenho visual ao usuário de óculos. DDV (Dual Digital Vision) é uma categoria de lentes que utiliza processo que permite a produção de superfícies ópticas complexas em ambas as faces da lente. O resultado é um nível de nitidez e precisão visual que ultrapassam todas as outras lentes. A Essilor, líder mundial, já oferece lentes digitais com superfície complexa na face externa e uma face interna tridimensional, produzidas digitalmente para uma perfeita combinação. Este formato permite que os cientistas da Essilor melhorem as características de acordo com uma determinada prescrição, a exemplo do tamanho específico de armação ou hábito visual do usuário. Além destes fatores, a própria superfície pode ser aprimorada a fim de controlar certas características ópticas, como as distorções laterais. Com a proposta de aproximar estas e outras novidades ao mercado, a Essilor realiza eventos técnicos anualmente, a exemplo do Road Show, promovido no segundo semestre de 2010 e que teve como público alvo médicos oftalmologistas e profissionais

de atendimento em laboratórios e óticas. Para os diretores da Imagem Ótica, de Uberlândia, Ricardo Machado e Alcione Fonseca Bernardes Machado, a proposta dos eventos da Essilor, em feiras nacionais ou a exemplo do Road Show, regionalmente, enriquece a proposta da marca no mercado, além de contribuir com a formação e melhor preparação dos profissionais. “Dentre as principais vantagens, é o consumidor quem mais ganha, pois encontros como estes preparam, ainda mais, todos os Especialistas Varilux para o atendimento”, reforça Alcione. O título de Especialista Varilux é concedido anualmente às óticas que cumprem padrões de atendimento, de qualidade e outras atribuições exigidas pela Essilor. São lojas credenciadas junto ao fabricante e que oferecem os produtos mais inovadores do segmento no País. “A Essilor é um sinônimos de inovação no mundo, seja em equipamentos para o setor ótico ou em lentes. É fundamental que o consumidor busque, sempre, profissionais competentes e produtos de qualidade para garantir mais saúde”, diz. A Imagem Ótica é uma referência no mercado de Uberlândia e, além das lentes Varilux, representa outras marcas. A empresa está no mercado há 14 anos e já prepara novidades para o setor em 2011. O empresário Luiz Antônio Sisconetto atua no mercado ótico há mais de 28 anos em Uberaba e, atualmente, comanda a rede Ótica Moderna, que possui cinco lojas. Na sua avaliação, a Essilor sempre foi uma importante parceira. “A marca sempre inova no mercado com produtos


revistanegocios.com.br | 123


T e cn o l o g i a Ess i l o r

Apresentação de equipamento Essilor durante Road Show realizado em Uberlândia

de alta tecnologia, sem perder a perfeição”, diz. E esta excelência, reforça Luizinho, é reconhecida pelos próprios consumidores que já chegam às lojas exigindo lentes Varilux. “E as palestras realizadas pela Essilor auxiliam bastante na formação de nossas equipes, principalmente aqui em nossa empresa. Queremos, sempre, levar novidades e inovações da marca aos nossos clientes”, reforça o empresário. Luis Fernando Grellet, representante da Essilor para a região do Triângulo, explica que um evento como Road Show, a exemplo deste ano, chegou em 40 cidades e atendeu mais de 20 mil profissionais. “O evento já foi considerado o maior do segmento no País”, explica Grellet. Para o representante, entre os principais objetivos, esta a captação de equipes; apresentação de novas tecnologias; além de proporcionar relacionamento entre os profissionais da área. Para identificar uma loja Especialista Varilux, acesse o site (www.varilux.com.br) DDV é a última geração de lentes digitais da Essilor A categoria superior de lentes digitais da Essilor oferecem características ópticas complexas nas duas faces; processos controlados e equipamentos de precisão patenteados para fornecer benefícios visuais que vão além das outras lentes multifocais. O olho é uma maravilha humana, focalizando objetos a qualquer distância. Mas, depois dos 40 anos, ele passa a ficar menos eficiente e, em diversas situações, muitas pessoas precisam esticar os bra-

124

| revistanegocios.com.br

ços para poder ler de perto. Em 1959, Bernard Maitenaz inventou as lentes multifocais Varilux, a maior revolução óptica do século. Nas últimas cinco décadas a Essilor International investiu continuamente em pesquisa e desenvolvimento, criando novas gerações de lentes multifocais com diferentes e aperfeiçoadas tecnologias. Tudo para que as lentes Varilux proporcionem visão natural e perfeita aos usuários de óculos. “São confortáveis, de fácil adaptação e dispõem de uma linha completa para atender a qualquer necessidade visual, estilo de vida, orçamento ou tipo de armação. São mais de 300 milhões de usuários no mundo felizes em usar as lentes Varilux!”, diz nota do fabricante. Quais são os benefícios? Perfeição entre as duas faces - Com a combinação de 2 faces ópticas complexas, as características das lentes DDV® podem reduzir ou anular as aberrações e distorções percebidas em lentes multifocais com apenas 1 face complexa. Novo conceito em criação de superfície óptica - As lentes DDV representam o máximo da experiência da Essilor em cálculo de superfície de lentes. A complexidade da superfície não está mais restrita a apenas uma face. As lentes Varilux 360° e Varilux Ipseo New Edition pertencem a esta categoria de lentes multifocais. Mais parâmetros de personalização podem ser levados em conta em uma lente DDV, para oferecer o melhor para cada usuário, sem comprometer o nível global de performance visual.


Comercio Exterior

Comercio exterior é opção para crescimento e estabilidade de empresas De acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comercio Exterior, no primeiro semestre de 2010, o comercio exterior brasileiro registrou corrente de comércio de US$ 170,5 bilhões, com ampliação de 35,3% sobre o mesmo período de 2009, quando atingiu US$ 126,0 bilhões

A

pos a crise econômica global de 2009 e a retomada da economia nacional em 2010, muitos empresários buscam novos mercados e produtos para investimentos. Uma das opções que mais chamam atenção para maiores ganhos é o comercio exterior, com as ativi-

dades de exportação e importação. De acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comercio Exterior, no primeiro semestre de 2010, o comercio exterior brasileiro registrou corrente de comércio de US$ 170,5 bilhões, com ampliação de 35,3% sobre o

mesmo período de 2009, quando atingiu US$ 126,0 bilhões. Em relação a 2009, as exportações apresentaram crescimento de 27,5% e as importações, de 45,1%. O crescimento significativo indica a retomada das vendas externas brasileiras e a recuperação da economia nacional. revistanegocios.com.br | 125


Comercio Exterior

Mas como buscar um mercado ainda desconhecido para muitos? Segundo Marcos de Toledo, da ByPiza, é importante planejar todos os passos. “Fazemos uma planilhação demonstrando a viabilidade econômica da importação do produto. Taxas, tarifas, tudo o que vai ocorrer no processo de importação. Como fazer com que o produto saia da origem e chegue ao destino”, explicou. Ainda segundo Marcos, é muito mais fácil importar, por causa das questões documentais e burocraciata, e também com a própria internet e informatização. “Mas para isso, é preciso ter um cuidado muito grande, buscar uma empresa séria no mercado. Na comparação com 2009, os produtos básicos cresceram 31,6%, e os semimanufaturados e os manufaturados se ampliaram em, respectivamente, 40,0% e 19,3%. O grupo de produtos industrializados respondeu por mais da metade (54,4%) do total exportado pelo Brasil entre os meses de janeiro e junho de 2010. Para o especialista em comércio exterior, Samuel de Paiva Neves Mamede, Minas Gerais, hoje, é um estado que tem se desenvolvido, e produtos como o minério, puxam a balança para um saldo positivo. De acordo com ele, as pequenas e médias

André Ribeiro e Juergen Engelbreth são diretores da Bell Importação e Exportação empresas também possuem um grande potencial exportador. “Falta orientação, direcionamento para fazer seus produtos chegarem lá fora. Por exemplo, na Europa eles gostam muito de móveis rústicos artesanais, com uma madeira mais elaborada. Então se pegarmos uma empresa aqui de Uberlândia, por exemplo, que fabrica o produto, se exportarmos, é dinheiro certo”, disse. Para Samuel, o comércio exterior tem que ser visto como filosofia da empresa, pois requer investimento. “Se existir uma

demanda interna latente, que possa absorver seu produto, foque isso no primeiro momento. Tem q ser um processo trabalhado e planejado. O comércio exterior é baseado em planejamento”, orientou. Do lado da importação, as compras de matérias-primas e intermediários representaram 46,8% da pauta total, e as de bens de capital, 21,8%, demonstrando que a pauta brasileira de importação é fortemente vinculada a bens direcionados à atividade produtiva. As importações de bens de consumo representaram 17,0% e as de combustíveis e

Vantagens da Exportação Diversificação de Mercados

Aumento da Produtividade

A estratégia de destinar uma parcela de sua produção para o mercado interno e outra para o mercado externo permite que a empresa amplie sua base/carteira de clientes, o que significa correr menos riscos, pois, quanto maior o número de mercados ela atingir, menos dependente ela será. A diversificação de mercado permite, ainda, que a sazonalidade do produto seja eliminada, isto é, uma empresa que fabrica produtos voltados para o clima frio, poderá produzi-los o ano inteiro, porque terá diferentes mercados onde vendê-los, e não dependerá somente das estações nacionais.

Quando uma empresa começa a exportar, sua produção aumenta numérica e qualitativamente. Isso ocorre devido a redução da capacidade ociosa existente, que é obtida por meio da revisão dos processos produtivos. Com o aumento da produção, naturalmente, aumenta também a capacidade de negociação para a compra de matéria-prima. Com isso, o custo da fabricação das mercadorias tende a diminuir, tornando-as mais competitivas e aumentando a margem de lucro.

IPI - Os produtos exportados não sofrem incidência do Imposto Sobre Produtos Industrializados; ICMS - O Imposto Sobre circulação de Mercadorias e Serviços não incide sobre operações de exportações; COFINS - As receitas da exportação, na determinação da base de cálculo da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social são excluídas;

126

| revistanegocios.com.br


lubrificantes, 14,4%. Sobre 2009, a categoria de combustíveis e lubrificantes foi a que registrou maior crescimento, de 66,3%, seguida de bens de consumo (+50,6%), matériasprimas e intermediários (+47,0%) e bens de capital (+27,1%). De acordo com Juergen Engelbreht, da Bell Importação e Exportação, a moeda forte, facilita a importação. ”Principalmente as importações de produtos da chi-

produto chega ao ciclo alto da produção. Uma das empresas responsáveis por um grande volume de exportações no país, é a Cooxupé, que atende mercados da Alemanha, Bélgica, Itália, Japão e Estados Unidos e também compradores portugueses, espanhóis, suíços, chineses. Segundo o Superintendente do Mercado Externo da Cooxupé, Joaquim Libânio, desde o começo a empresa se

produto, com as especificações e documentação correta formou o que é hoje a cooperativa”, revelou. Ainda de acordo com o superintendente, a empresa não atingiria o mesmo nível sem as exportações. “ O setor forte passa a ter dois mercado. O mercado interno, de exportadores e de industriais brasileiro, e o mercado externo de traders e industriais do exterior. O preço pago

na, que são mais baratos. Quando é mais barato é bom importar. Todos comentam que o real está muito valorizado, o que ajuda muito a importação”, disse.

dedicou a produzir café de alta qualidade e com padrões consistentes e de qualidade. “Foi trabalho de conquista. É como a reputação da gente, demora muito tempo para criar, e destrói do dia para noite se falsear. A manutenção da qualidade a seriedade com que tratamos o assunto e também a venda para os nossos compradores finais, entregando o mesmo

aqui e lá é diferente todo dia. O fato de ter duas avenidas e poder escolher quem esta pagando mais, faz a diferença. Dá a possibilidade de ter liquidez diária. Se você é um exportador e o mercado esta subindo muito, se alguém quiser comprar você vende, mas não compra no exterior, porque o mercado interno também está subindo”, explicou.

Cooxupé Um dos principais produtos exportados pelo Brasil é o café. Após um ano de baixa produção em 2009, neste ano, o

Vantagens da Importação  A modernização dos parques industriais e a ampliação do leque de alternativas de compras de insumos vieram reduzir o tempo e o custo de produção.  Melhor qualidade e, conseqüentemente, maior competitividade no mercado internacional, criando, em contrapartida, condições mais favoráveis à exportação de produ-

tos e serviços.  A criação de novos negócios, a abertura de novas empresas, o estabelecimento de representantes ou distribuidores de empresas estrangeiras, gerando novos empregos.  O lançamento de produtos diferentes, de melhor qualidade e com preços competitivos  Tempo de importação, ser menor do que o

tempo de fabricação nacional.  Baixa agregação de mão de obra, em razão de se importar o produto acabado e concluído.  Prazos de pagamento mais dilatados e financiados pelos bancos federais. - Variação cambial favorável a importação, por ser estável.

Melhora da Qualidade do Produto

Melhoria da Empresa

Outra vantagem bastante perceptível é a melhoria da qualidade do produto. Esta também tende a aumentar, pois a empresa tem que adaptá-lo às exigências do mercado ao qual se destina, o que a obriga a aperfeiçoá-lo. As empresas que exportam podem utilizar mecanismos que contribuem para uma diminuição dos tributos que normalmente são devidos nas operações no mercado interno, são chamados de Incentivos Fiscais.

Geralmente, quando uma empresa passa a exportar ela obtém melhoras significativas, tanto dentro da empresa (novos padrões gerenciais, novas tecnologias, novas formas de gestão, qualificação da mão de obra, agregação de valor à marca) quanto fora (melhoria da imagem: frente a clientes, fornecedores e concorrentes). Ao tornar-se uma empresa exportadora, a sua imagem muda. O seu nome e a sua marca passam a ser uma referência em relação à concorrência, e ela passa a ser vista como uma empresa de produtos de qualidade.

PIS - As receitas decorrentes da exportação são isentas da contribuição para o Programa de Integração Social; IOF - As operações de câmbio vinculadas à exportação (serve também para outros bens e serviços) têm alíquota zero no Imposto sobre Operações Financeiras;

revistanegocios.com.br | 127


Comercio Exterior

C a s e s P e d a l At i v o

Do quarto para o Mundo

U

m negócio que começou com a compra de uma ou outra peça de bicicleta a pedido de amigos, hoje já é a maneira que o empresário Gabriel Maia, 24 (foto), encontrou de disseminar no Brasil o que há de melhor qualidade ao que se refere ao mundo ciclístico. Com a Pedal Ativo há 4 anos, o jovem empresário, de seu quarto, importa equipamentos para bicicletas e os distribui para diversos pontos do País. “Hoje eu faço de 50 a 100 pedidos de uma vez só. E eu tenho clientes na Bahia, Rio Grande do Sul, Acre, tudo isso graças principalmente à propaganda de boca-a-boca. E a minha ideia é ampliar ainda mais”, aponta. Há mais de 4 anos, Gabriel pedalava por trilhas ao redor de Uberlândia e seus amigos tinham curiosidade sobre as peças modernas que integravam a sua bicicleta. “Eles começaram a pedir que eu comprasse alguns equipamentos e depois de um tempo eu pensei que essa poderia ser uma maneira de abrir um negócio”, explica. Aos poucos o jovem fazia pedidos através de sites como Mercado Livre e E-bay. Depois passou a importar pela ferramenta virtual Importa Fácil, o que já fora um avanço, porém muitos entraves em questões postais de prazo prejudicavam seu negócio: “A partir do dia que eu fazia o pedido, a demora era de 40 a 60 dias para que

C ase I n d ú s t r ia A l um í n i o B o a V is t a

De ambulante a importador

F

ábio Guedes, 51, proprietário da Indústria Alumínio Boa Vista, também é um dos que aderiram à importação de produtos chineses. Mas até chegar onde chegou, Fábio trabalhou muito como ambulante nas ruas de Uberlândia. Casou-se e depois de muito suor abriu a primeira loja do ramo de R$ 1,99 na cidade, que é propriedade de sua mulher. Conforme relata, “o sucesso da loja foi tão grande que levamos adiante este tipo de negócio”. Todos os dias Fábio acorda às 6h da manhã, sai de casa para trabalhar e só volta às 22h. É um trabalhador que respira seu negócio. Há 2 anos entrou no ramo de importação de produtos chineses, muito por incentivo de seu filho que na época tinha 18 anos. “Meu filho havia resolvido estudar manda-

128

| revistanegocios.com.br

rin e viajar para a China. A partir daí que começamos a pensar mais sobre a facilidade de preço para importação. E hoje estamos trazendo produtos de plástico, inox, talheres e vidros, principalmente”. Seu filho o ajuda do outro lado do planeta com pesquisa de novos produtos e basta um clique no computador de Fábio para que eles iniciem uma conversação. “No início não é fácil importar. Desde que você compre uma mercadoria até ela chegar à sua porta pode demorar 3 meses. Além disso a gente fica receoso nas primeiras transações.”, afirma Guedes e completa: “Por isso mesmo que é necessário você conhecer alguém da área de despachante

aduaneiro, como é o caso da Conceito Service. Sem um profissional que entenda de importação você não faz nada. A burocracia é muito grande, mas a transação é segura.” O industrial é apenas um dos diversos brasileiros que surfam nas ondas favoráveis do comércio exterior. Com o real em alta, atualmente por volta de R$ 1,70 e R$ 1,80 em relação ao dólar, a tendência de importação é crescente. Mas Fábio está montando um plano B para as possíveis variações do mercado: “Estou pesquisando produtos nossos para exportação. Quando se importa e exporta o negócio fica mais seguro. Mas ainda é um objetivo”, conclui.


o equipamento chegasse em minha mão. E 2 meses não é prazo para ninguém.” Devido à insatisfação, Gabriel procurou alguém que pudesse fazer uma assessoria de comércio exterior, para que a transação fosse mais rápida e continuasse segura. “É difícil achar alguém especializado. É uma área que carece de profissionais em Uberlândia. E só depois de muita busca eu encontrei o Fábio e a Conceito Service que me ofereceram o apoio que precisava. Agora que temos alguém que resolva a transação na China, o negócio parece que vai longe”, explica otimista. Gabriel é um jovem ambicioso. Hoje cada pedido chega a ele numa caixa de 1m cúbico cheia de produtos através de avião, mas seu objetivo é fechar um container no navio. Conforme percebe, “o mercado em Uberlândia vai explodir, isso se já não explodiu. E poucas pessoas sabem o potencial que nós temos e que teremos aqui”. Ainda no quarto, o jovem empresário, que é formado em Marketing, já está providenciando um escritório comercial para a consecução de seu próximo objetivo: participar de feiras nacionais de bicicletas. Diariamente 500 pessoas visitam o site da Pedal Ativo (www.pedalativo. com.br) para comprarem produtos, informarem-se sobre as próximas trilhas, assistirem o vídeos das últimas viagens e obterem dicas sobre o mundo das duas rodas.

Flexibilidade, Agilidade e Competência

IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO

34

3237 7550

Rua Silva Jardim, 227 | Centro | Uberlândia/MG

revistanegocios.com.br | 129

www.bellcomercio.com.br


artigo

A consolidação do Comércio Exterior no Brasil T rataremos neste artigo, sobre a consolidação da posição do Brasil no comercio exterior, notadamente ela está ligada ao grau de maturidade política e empresarial, pela qual passa o Brasil com fundamental importância no desenvolvimento de esforços dos empresários no sentindo de aumentar, significadamente, a participação das exportações brasileiras no mercado mundial. O Brasil está contido em um novo cenário, no qual a estratégia de mercado e a assessória técnica são ferramentas primordiais para o desenvolvimento, na sustentabilidade econômica. Após a 2ª guerra mundial com as instalações de grupos internacionais no território brasileiro, trouxeram o aparelhamento para o parque industrial nacional, quando buscando facilidade legais, fiscais e estruturais, para a conquista de novos, dando início a 2ª abertura do Brasil para o mercado internacional, pós império. As multinacionais se instalaram rapidamente tanto nas zonas francas como nos centros industriais. Estas empresas praticamente não existiam na primeira metade do Século XX, só depois da 2ª Guerra Mundial, de fato no mundo iniciou-se a globalização das corporações. As companhias que aqui vieram se instalar respondiam, responsáveis dois terços do comércio mundial, no Brasil, respondiam pela metade de tudo que era vendido ou negociado nas nossas exportações. A globalização é uma tendência irreversível, vista do ângulo industrial, sem dúvida, é a ‘mola mestra’ das multinacionais, que através das legislações mais favoráveis abrem suas redes de sucursais buscando facilidades no comercio e a negociação internacional, para sua produção. O Brasil do Século XXI, estará se preparando para ser um país mais aberto e preparado para a globalizado, mas ainda, esbarra nas condições estruturais (modais de logística), e na estruturação profissio-

130

| revistanegocios.com.br

nal administrativa, de parte de alguns dos empresários, (planejamento empresarial, fiscal, contábil, logístico de marketing e jurídico). A formação destes profissionais especializados em assessoria, ainda, é deficitária, pois, que os empreendedores, desacreditam e não investem no planejamento e reestruturação de seus negócios. Neste sentido, o poder público têm procurado divulgar, através, da mídia e de alguns órgãos especializados as técnicas de fomento negocial, para a modernização das empresas e a maturação dos novos empreendedores. Está é uma política correta, amadurecida e forte, para começar a pensar em comercio internacional. O empresário tem o dever de iniciar o planejamento desde o início, consolidando a sociedade. O comércio exterior não admiti semi-profissionais, pede e exige profissionais atualizados e dedicados. Neste sentido, mesmo que a duras penas, às indústrias exportadoras brasileiras que enfrentaram, nos últimos anos, adversidades econômicas externas e internas; infra-estruturais, legislações incoerentes, mas, demonstram sua obstinação e combatividade. Atualmente a política fiscal adotada pelo governo, em resposta ao FMI, de rigidez ortodoxia que visa impede a liberação de crédito e concentração monetária no domínio do Banco Central (superávit fiscal), vem provocando a valorização da moeda nacional, frente ao dólar, que se somando a crise monetária e creditícia internacional, provoca o desequilíbrio na balança comercial. Neste momento surge a chamada, guerra cambial, entre a China e USA, que parece ser mais uma barreira a ser superada pelos exportadores brasileiros. Mas, devemos ressalvar que as crises provocam a criatividade do empresário. Os países estão buscando altos níveis de estocagem, para derrubar a dependência do exterior. No Brasil, em particular a lo-

gística é a nova ferramenta, na busca da fluidez de capital, a fim de evitar a capitalização mercantil (estoques altos), em razão da responsabilidade fiscal. O Brasil tem muito a fazer, e tudo depende tanto dos governantes como dos empresários, para clarear a afirmativa é notória a precariedade de nossas estradas; da falta de dimensionamento dos portos e aeroportos, falta de segurança. Todos estes fatores que agravam e elevam os custos de frete e seguros nas nossas exportações e importações. Com a Lei Complementar de n. 87, Lei Kandir, que dispõe sobre a tributação sobre os transportes, em conjunto ao recrudescimento do protecionismo comercial. e com o avanço e modernização da econômica asiática (preponderantemente Chinês) a disputa em mercados tradicionalmente atendidos pela indústria brasileira estão sendo invadidos até mesmo

Fábio Guimarães e Melo é consultor em comércio exterior; CEO da Conceito International Business; representante das empresas South Atlantic Assessoria em Comércio Exterior e PCG-China (consultorias para brasileiros que queiram realizar negócios com a China). Graduado em administração, marketing e comunicação empresarial internacional; atuação em importantes escritórios internacionais, com participação em feiras mundiais; especializações internacionais; desenvolvimento de projetos de viabilidade de importação e exportação com foco nos mercados Americano, Europeu e Asiático.


revistanegocios.com.br | 131


artigo

pelo nossos produtos, como no caso do café brasileiro através da Alemanha, o que vem dificultado o crescimento e inclusão das exportações brasileiras em outras nações. Contudo, ainda, vieram as incertezas associadas à criação das Zonas de Processamento de Exportação (ZPEs) e a complexidade de novos processos de certificação, a exemplo do Registration, Evaluation and Authorization of Chemicals (conhecido pela sigla REACH – classificação de produtos químicos adotada pela União Europeia). Para exemplificar o quanto a questão logística é importante, o Banco Mundial publicou os resultados da pesquisa Connecting to Compete 2010: Trade Logistics in the Global Economy, em que avalia a qualidade da logística do comércio internacional de 155 países apresentando ranking de desempenho em logística comercial, a partir de indicadores para seis fatores que influenciam a qualidade da logística, que são: a eficiência alfandegária; a qualidade da infraestrutura de transporte; a facilidade e custo de embarques; competência e qualidade da indústria logística local; capacidade de rastrear carregamentos; e a pontualidade. Interessante ressaltar que no do Triângulo Mineiro - Minas Gerais, em nossa região, estamos vivenciando neste ano de 2010, alguns exemplos reais de que, tanto as nossas bases políticas como empresária, se encontram atentas e unidas para atender a crescente demanda do comércio interno e internacional. È público e notório que a região do

132

| revistanegocios.com.br

Triângulo concentra um dos mais importantes, Pólo Logístico do país, por sediar os três dos maiores grupos de atacadistas do Brasil. Uberlândia além de estar entre os três mais movimentados Aeroportos do Estado de Minas, conta com previsão de inauguração em breve de um terminal aéreo de carga, para atender o porto seco da cidade, portanto Uberlândia possui dois dos quatro modais de transporte existentes, consolidando o terceiro modal, que será o aéreo. Toda esta infra-estrutura está centralizada a uma forte e moderna malha rodoviária (que recebeu neste ultimo ano novos investimentos). A malha rodoviária virou um verdadeiro canteiro de obra, que se identifica com a vocação da região, que há anos é conhecida como ‘pólo logístico nacional’. Agora com a entrada em operações do Entreposto da Zona Franca de Manaus, em conjunto com os profissionais da logística que o Triângulo possui em especial Uberlândia, a região se tornará em breve numa grande feira de importação e exportação. É fundamental, considerar que o empresário brasileiro mais maduro se estruture, se apoiando e obtendo assessoria de profissionais preparados no conceito do mercado internacional e ligados para tendências da economia mundial. Neste conceito, empresário irá derrubar os paradigmas do “complexo de inferioridade e infantilidade comercial” e com uma nova postura empresarial lá fora. Estamos nos adequando à nova economia mundial que esta surgindo e que está impulsionada pela

internacionalização dos mercados. Com a nova ordem econômica mesmo que abaladas as economias tradicionais. Os países emergentes terão com a distribuição de suas riquezas novas classes que demandaram por produtos, bens e serviços. A Consolidação do Brasil no Comercio Exterior é irreversível e essencial por dois motivos: primeiro porque as empresas brasileiras terão se profissionalizar, para atenderem seus clientes, seja no mercado interno ou externo, globalização veio para estar ai por um bom tempo; e, segundo, porque ninguém e nenhum País é completamente auto-suficiente e as demandas de exportações serão crescentes. Não é profecia “o mundo antigo” não possui mais reservas e nem condições de se manterem. Este é o novo cenário que se materializa. O empresário deve estar preparado e estruturado com suporte de profissionais para prospectar nesta nova demanda. É perceptível, há algum tempo desenvolvo trabalhos de assessoria, prestando serviços, junto à alguns empresários da região do Triangulo Mineiro e demais regiões de Minas e Goiás, na seara do comércio exterior (EUA, Europa e Ásia. Unindo). Neste período identificamos o potencial que os empresários brasileiros, de pequeno e médio porte possui, para exportação e importação, mas, que não viabilizou devido à falta de assessoria, planejamento e conhecimento do mercado, este profissional estão se agrupando em um novo ‘Conceito’ para desenvolver projetos voltados ao comércio exterior.


O futuro das empresas pós incubadas no Brasil Diante do atual contexto econômico brasileiro, estabeleceu-se uma política de incentivos à inovação e às práticas empreendedoras com o objetivo de desenvolver novos negócios e estimular a economia como um todo, gerando renda, emprego e consequentemente aumentando a arrecadação de impostos. O foco dos investimentos em inovação e empreendedorismo concentra-se nas entidades de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) acadêmicas e principalmente incubadoras de empresas de base tecnológica, estas por sua vez prometem retornos maiores e mais rápidos sobre os negócios gerados. De acordo com a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores, Anprotec (2010), os primeiros movimentos de incubadoras no Brasil são datados da década de 1980, por iniciativa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), inspirado no modelo norte americano de empreendedorismo do Vale do Silício nos EUA. Embora essa estratégia empreendedora pareça coerente com o futuro das novas empresas brasileiras, a realidade frente aos resultados ainda está distante do ideal se compararmos as dimensões nacionais com outros países. No Estado de Minas Gerais, essa realidade insatisfatória se confirmou frente a um recente estudo realizado pela Universidade Federal de Uberlândia sobre a perenidade e competitividade de empresas de base tecnológica que passaram por um processo de incubação tradicional. De acordo com o estudo,

apenas 50% das empresas mineiras graduadas permanecem no mercado após cinco anos contra uma taxa de 80% de sobrevivência encontrada em países como França e Canada. O que acontece na verdade é que o processo de incubação no Brasil, não garante inteiramente a longevidade e a competitividade das empresas graduadas. Embora elas recebam incentivos financeiros e orientações técnicas e comerciais, algumas questões fundamentais para a longevidade empresarial como parcerias estratégicas e práticas de gestão de longo prazo não são abordadas no processo tradicional de incubação. Isso faz com que as empresas graduadas estejam despreparadas perante o ambiente competitivo, resistentes às mudanças, fechadas a novas parcerias e consequentemente estáticas quando deveriam buscar crescimento com a gestão de longo prazo. Contrapondo as características nacio-

nais do processo de pós incubação, as empresas de base tecnológica de países como França, Canadá e Estados Unidos, procuram estabelecer rapidamente parcerias estratégicas para se tornar mais competitivas perante o mercado conforme demonstram estudos da Agência Paris Développement na França. Além disso, investem continuamente em programas de capacitação e planejamento de longo prazo voltando suas pesquisas em novos produtos para as tendências do mercado. Infelizmente no Brasil o número de empresas que conseguem passar do estágio inicial de criação e disponibilizar seus produtos e serviços no mercado não é tão expressivo quanto deseja seus idealizadores. Essa realidade pode estar relacionada diretamente com a situação vivenciada pelas empresas incubadas, ou seja, no início ela se apoia na própria incubadora e, num segundo momento, se vê em voltas com a competitividade do mercado. Essa revistanegocios.com.br | 133


Fag e n U F U

visão equivocada, focada nas condições estáticas do mercado, se origina das orientações das próprias incubadoras que são limitadas ao curto prazo, preparando as empresas sim, mas de forma insuficiente, baseada em condições circunstanciais de um cenário muito imprevisível, o que é incoerente com o setor tecnológico aonde as mudanças são constantes e inevitáveis. Para o SEBRAE, uma incubadora é uma forma de incentivar a criação de micro e pequenas empresas, nas mais diversas áreas, além de estimular e agilizar os processos de inovação tecnológica nestas empresas. A incubadora oferece vários elementos para facilitar a gestão, dentre eles, apoio gerencial, técnico e capacitação ao empreendedor. O principal problema encontrado no estudo das empresas mineiras aponta que aquelas que se destacaram investem em atividades contínuas de gestão, abrangendo desde planejamentos financeiros, táticas de marketing e pesquisa em novos produtos; e

aquelas que não apresentaram crescimento tem o foco estratégico muito imediatista concentrando seus esforços na produção e nas vendas, além de não agregar novos produtos no mercado. Outro fator negativo diz respeito às parcerias estratégicas. Das 60 empresas de base tecnológica estudadas, apenas uma afirmou adotar essa estratégia, por conveniência a mesma que apresentou maior crescimento e competitividade dentre as demais. Contudo destaca-se a crescente participação das empresas brasileiras nos programas de incubação e pode-se afirmar que, em geral, os resultados são positivos em curto prazo. A grande questão não é e nem poderia ser o alcance do processo de incubação atual, pois este sempre será limitado ao período inicial da empresa, por outro lado, deve-se dar maior importância ao futuro das empresas graduadas. A longevidade e a competitividade das empresas pós incubadas exige atenção não só dos próprios empreendedores, mas principalmente dos

incentivadores da inovação e empreendedorismo no Brasil que foram pertinentemente lembrados no início desta discussão. Andréa Van Herk andreaherk@gmail.com Henrique Penatti Pinese hppinese@yahoo.com.br Paulo Henrique Martins Desidério phenrik@gmail.com Prof. Dr. João Bento de Oliveira Filho jbento@ufu.br Universidade Federal de Uberlândia - Programa de Pós-Graduação em Administração Comentário dos autores: O texto é parte de um artigo em construção para o IFBAE 2011 – Instituto Franco Brasileiro de Administração de Empresas . http://www.ifbae.com.br/ O trabalho foi baseado em uma recente pesquisa com mais de 60 empresas graduadas em incubadoras de base tecnológica de Minas Gerais.

Venha morar na Av. Francisco Galassi 1016. Você e sua família merecem este privilégio.

96,16m2, varanda, 3 quartos sendo 1 suíte.

Conheça 3 exclusivas coberturas Tipo 2

Tipo 1

Vendas

134

| revistanegocios.com.br

34 3230-8400 portaldoaltamira.com.br

Incorporação e Construção

ELGLOBAL CONSTRUTORA

Financiamento


revistanegocios.com.br | 135


para revista

para jornal

para revista

para revista

F I L A D É L F I A

F I L A D É L F I A

F I L A D É L F I A

Versatilidade, economia e resistência para obras de todos os portes.

F I L A D É L F I A

Concretos Lafarge.

Foto Centro Administrativo - Ignus Gerber

Das grandes obras às pequenas reformas, a Lafarge sempre tem o concreto perfeito para o seu projeto. São soluções inovadoras para as mais diferentes especificidades de sua obra, com tecnologia, durabilidade, resistência e a melhor relação custo-benefício.

Uberlândia 34 3213-1193 e Uberaba 34 3313-9002 SAC 800 704 6555

www.lafarge.com.br


Revista Negócios  

Revista Negócios - Uberlândia

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you