Page 20

materiacapa_69:Layout 1 20/1/2011 17:21 Page 18

Capa

Cidade, pra que te quero? Mobilidade urbana exige ideias

s

criativas e mudança de hábito

Alessandro Muniz, Daísa Alves, Philipe Barros, Bruna Lopes e Nadjara Martins, do Virajovem Natal (RN)*, Michele Torinelli, do Virajovem Curitiba (PR), e Sâmia Pereira, do Virajovem São Paulo (SP)

C

orreria, trânsito, sinais fechados, engarrafamento. Feche a janela para abafar o barulho e a fumaça e manter o ar condicionado e a segurança. Afinal, nunca se sabe, se são flanelinhas ou... Acelera, costura para chegar mais rápido. O que é que tem na rua mesmo? Nem vi, estou com pressa! Aonde quero chegar? Não sei, só sei que quero ir rápido! Não vivo na cidade. Passo por ela. A atualidade exige cada vez mais rapidez. As novas tecnologias aceleram a vida cotidiana e ninguém consegue brecar. O automóvel, além de ser símbolo de status social, é visto como uma das poucas soluções para o caos do transporte coletivo no Brasil. Essa ideia tem a ver com o projeto de industrialização na década de 1960, de acordo com Aureliano Biancarelli e Roberto Pellin, em artigo publicado no livro Apocalipse Motorizado: A tirania do automóvel em um planeta poluído (Editora Conrad, 2004). Nossas práticas de consumo estão sendo cada vez menos aprovadas pela natureza e pela nossa própria sociedade.

20 Revista Viração • Ano 8 • Edição 69

De dezembro de 2009 até agosto de 2010, o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) contabilizou 1 milhão, 652 mil, 838 novos carros nas ruas. São 4.528 novos carros diariamente em todo o País. Um carro é capaz de levar até cinco pessoas. Mas no dia-a-dia, geralmente é ocupado por apenas um motorista e ocupa a metade do espaço de um ônibus, que leva uma média de 40 pessoas. Esse aumento assombroso deixa dúvidas: por onde trafegarão todos esses carros novos? Como sustentar o sonho de todo adolescente ou usuário de transporte coletivo de comprar seu próprio carro? Em que estacionamentos os veículos ficarão? Deverão ocupar casas, praças e o lugar de árvores? O veículo privado transforma nosso relacionamento com o ambiente. Uma rua é um espaço público, mas no momento em que está engarrafada, o carro se torna um loteamento ambulante. As ruas tomadas de carros estacionados é igualmente um lugar invadido pelos sem espaço! Não tendo onde jogar sua tonelada de metal, os motoristas roubam o espaço coletivo e fazem dele ponto de parada.

Revista Viração - Edição 69 - Fevereiro/2011  
Revista Viração - Edição 69 - Fevereiro/2011  

Vá de busão... ou de bicicleta. Ache seu jeito de melhorar a sua vida e o trânsito da sua cidade.

Advertisement