Page 1

A Revista de Lauro de Freitas e Região

Capa Setembro.indd 1

Ano 18 Edição 212 | Setembro de 2016 32.000 exemplares

30/08/2016 12:11:19


Diretora técnica responsável: Dra Lídia Salles CRM BA 16..602

71 3235-1010 | 99228-3209 /clinicasanlazzaro clinicasanlazzaro.com.br Av. Santos Dumont, km 1,5 da Estrada do Coco BA-099, Lauro de Freitas. Espaço empresarial, nº 1883, Loja 2.

exitomkt

Com a Clínica Sanlazzaro por perto a sua beleza vai mais longe! Nova unidade em Lauro de Freitas. Agende seu atendimento.


exitomkt

Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 3


cena da cidade

Mande sua foto registrando algum flagrante inusitado da cidade, com breve descrição, para redacao@vilasmagazine.com.br

nazaré araújo

O Cine Teatro de Lauro de Freitas, que fez aniversário de 33 anos, ganhou no final de agosto um painel original de Hilda Salomão, feito para o projeto Mural Aberto da Bienal da Bahia e que agora decora a sua fachada. Na foto, da esquerda para a direita: Sandro Magalhães, superintendente de desenvolvimento territorial da Cultura/ Secult Bahia, Duzinho Nery, ator diretor e produtor do FIT Bahia, Gleide coordenadora do CTLF, Hilda Salomão, ceramista, curadora e doadora do painel e Maria Marighella diretora de Espaços Culturais/Secult Bahia.

www.vilasmagazine.com.br Publicação mensal de propriedade da EDITAR - Editora Accioli Ramos Ltda. Rua Praia do Quebra Coco, 33. Vilas do Atlântico. Lauro de Freitas. Bahia. CEP 42700-000. Tels.: 0xx71/3379-2439 / 3379-2206 / 3379-4377. Diretor-Editor: Carlos Accioli Ramos (accioliramos@vilasmagazine.com.br) Dire­to­ra: Tânia Ga­zi­neo Accioli Ramos Gerente de Negócios: Álvaro Accioli Ramos (alvaro@vilasmagazine.com.br) Assistentes: Leandra da Cruz Almeida e Vanessa dos Santos e Silva Contatos: comercial@vilasmagazine.com.br Gerente de Produção: Thiago Accioli Ramos. Assistente: Bruno Bizarri Adm./Financeiro: Miriã Morais Gazineo (financeiro@vilasmagazine.com.br) Assistente: Leda Beatriz Gazineo (comercial@vilasmagazine.com.br) Distribuição: Álvaro Cézar Gazineo (responsável) Tratamento de imagens e CTP: Diego Machado Redação: Rogério Borges (coordenador) Colaboradores: Jaime Ferreira (articulista), Thiara Reges (repórter freelancer) PARA ANUNCIAR: comercial@vilasmagazine.com.br Tels.: 0xx71 3379-2439 / 3379-2206 / 3379-4377 CONTATO COM A REDAÇÃO: redacao@vilasmagazine.com.br Tiragem desta edição: 32 MIL EXEMPLARES Im­pressa na Gráfica Log & Print (Vinhedo/SP).

4 | Vilas Magazine | Setembro de 2016

Revista mensal de serviços e facilidades, distribuída gra­tuitamente em todos os domicílios de Vilas do Atlântico e condomínios residenciais de Lauro de Freitas, Es­trada do Coco e região (Busca Vida, Abran­tes, Ja­uá, Ja­cuí­pe, Gua­ra­juba, Stella Maris, Pra­ia do Flamengo e parte de Itapuã). Disponível também em pontos de distribuição criteriosamente selecionados na região. As opiniões expressas nos artigos publicados são de responsabilidade de seus autores e não refletem, necessariamente, as da Edi­ tora. É proibida a reprodução total ou parcial de matérias, gráficos e fotos publi­cadas nesta edição, por qualquer me­io, sem autorização expressa, por escrito da Editora, de acordo com o que dispõe a Lei Nº 9.610, de 19/2/1998, sobre Di­reitos Autorais. A revista Vilas Magazine não tem qualquer responsabilidade pelos serviços e produtos das empresas anunciados em suas edições, nem assegura que promessas divulgadas como publicidade serão cumpridas. Cabe ao leitor avaliar e buscar informações sobre os produtos e serviços anunciados, que estão sujeitos às normas do mercado, do Código de Defesa do Consumidor e do CO­NAR – Conselho Nacional de Auto-regulamentação Publicitária. A revista não se enquadra no conceito de fornecedor, nos termos do art. 3º do Código de Defesa do Consumidor e não pode ser responsabilizada pelos produtos e serviços oferecidos pelos anunciantes, pela impossibilidade de se deduzir qualquer ilegalidade no ato da leitura de um anúncio. No entanto, com o objetivo de zelar pela integridade e cre­di­bilidade das mensagens publicitárias publicadas em suas edições, a Editora se reserva o direito de recusar ou suspender a vei­culação de anúncios que se mostrem enganosos ou abusivos, por constrangimentos causados ao consumidor ou empresas. A revista Vilas Magazine u­ti­liza conteúdo edi­to­ri­al fornecido pela Agência Fo­lhapress (SP). Os títulos Vilas Ma­­gazine e Boa Dica – Facilidades e Serviços, constantes desta edição, são marcas regis­tradas no INPI, de propriedade da EDITAR – Editora Accioli Ramos Ltda.


EDITORIAL

Eleição de pé no chão Para o bem e para o mal, vamos viver ao longo deste mês, a campanha eleitoral mais atípica de todos os tempos. Muita gente nem percebeu ainda que há uma campanha em curso. Claro, o início da propaganda na televisão vai alertar quase todos, mas nas ruas não se percebe qualquer diferença em relação a dias normais. A tendência é que as pessoas tomem um susto na véspera do dia da votação, que acontece a dois de outubro. Esse novo contexto vem para o bem na medida em que ficam minimizados fatores artificiais na eleição. Vender os candidatos como se fossem margarina em prateleira de supermercado nunca fez qualquer sentido, mas as campanhas eleitorais foram se aproximando cada vez mais disso. A onipresença dos “marqueteiros” denunciou sobejamente a abordagem comercial que se faz das eleições. Com menos tempo e menos dinheiro disponível para vender frivolidades como jingles criativos, retratos retocados, layouts bem produzidos ou sorrisos plastificados, os candidatos ficam reduzidos à realidade da implantação social, da conexão às comunidades. Mas o menor tempo de campanha e a verba reduzida vem também prejudicar a apresentação de novos candidatos, com potencial para prestar serviços relevantes, muitas vezes ligados a comunidades, mas sem espaço adequado para ampliar o eleitorado. Esse esforço terá que ser empreendido, de agora em diante, durante os quatro anos anteriores à eleição, com pé no chão e representação legítima dos interesses da população.

Intenções

Carlos Accioli Ramos Diretor-editor

Não que faça alguma diferença em relação a anos anteriores, mas a cidade está vivendo um semestre de compasso de espera. Já se sabe que o atual governo não passa de 31 de dezembro, mas ainda não se sabe quem assumirá os serviços públicos daí em diante. Surpresas não haverá, é certo. As alternativas que estão postas são apenas mais do mesmo, com discursos diversos. Mas a esta altura do campeonato, o mais do mesmo, desde que feito com um mínimo de dedicação, já será um grande avanço. Não é o nome deste ou desta, aquele ou aquela que vai fazer uma diferença. O roteiro da gestão municipal não admite grandes inovações, especialmente em tempos de cofre vazio. O que pode variar são as intenções com que determinado nome chega ao Executivo ou ao Legislativo municipal.

Caderno especial de eleições Circulará em 23 de setembro um caderno especial da Vilas Magazine sobre as eleições deste ano, com orientações para os eleitores a respeito da legislação vigente e outros assuntos pertinentes. Serão 20 mil exemplares, impressos no parque gráfico do jornal O Estado de São Paulo, com a rigorosa e qualificada distribuição que é a marca da eficiência da Vilas Magazine. Além do conteúdo editorial, o caderno especial vai trazer o material de divulgação publicitária dos candidatos locais à prefeitura e à Câmara Municipal. Aguardem.

Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 5


REGISTROS & NOTAS

Dando as costas para a ‘crise’, os empresários Julius Camera e Reinaldo Pinto inauguraram uma blindadora automotiva e residencial em Lauro de Freitas. Bom exemplo.

Confraternização Numa tarde de sábado de agosto, o Sr, Rafful foi palco de uma ruidosa e animada confraternização de integrantes da família Habib´s, reunindo parentes de Salvador, Brasília, Rio Grande do Sul e Paraguai, que se deliciaram não apenas com os sabores da casa mas também com a roda de chorinho que anima os clientes todas as tardes de sábado. O cantor Tuca Fernandes, morador de Vilas, estava por lá e aprovou.

Academia empossa nova presidente A educadora Valéria Vaz Almeida tomou posse como presidente do Conselho Diretor da Academia de Letras e Artes de Lauro de Freitas - ALALF, para a gestão 2016-18, em solenidade realizada em 19 de agosto, no auditório do Centro Educacional Paraíso. Valéria (esq.) dá continuidade ao trabalho de Janeide Borges (dir.), que presidiu a entidade desde 2014.

Em 7 de agosto, o grupo Villas Beach Tênnis part i c i p o u co m 1 0 atletas no torneio em comemoração aos 100 anos do Clube Bahiano de Tênis, sagrando-se campeão na categoria A, top do torneio, com a dupla Percílio e Rodolfo (acima) e terceiro lugar com a dupla Cleber e Pedro. O Clube Bahiano de Tênis é presidido atualmente por Gyan Biglia. Fizeram parte do grupo do Villas Beach Tênnis (abai-

xo, a partir da esq.), Rodolfo, Cleber, J. Pedro Regis, Pedro, Érico,

Percilio, Djalma, J. Pedro Almeida, Fernando e Júnior.

MUTIRÃO SOCIAL A Associação Baiana de Mediação e Arbitragem – ASBAMA, está promovendo em Lauro de Freitas mutirão do projeto social Mediação e Conciliação Extrajudicial Comunitário, oferecendo serviços extrajudiciais gratuitos, com o objetivo de unir forças com comunidades carentes e associações comunitárias em prol da pacificação social, buscando difundir a cultura do não litígio e ajudar nos desacúmulos processuais. Mais informações sobre o projeto pelos tels.: 71 3379-1956 e 98612-8554.

6 | Vilas Magazine | Setembro de 2016

O empresário Iuri Brandão exibe uma abóbora gigante colhida da horta orgânica da loja Viva o Grão de Vilas do Atlântico


Orquestra Neojiba em turnê na Europa, exibe jovens talentos da Bahia A excelência musical praticada pelo Programa Neojiba está sendo prestigiada em algumas das principais salas de concerto da Europa. Sob a regência do maestro Ricardo Castro, 104 jovens, com idade entre 14 e 29 anos, participam de turnê internacional, de 26 de agosto a 13 de setembro, com passagem pela Suíça, França e Itália. A Turnê Europa 2016 é a sexta viagem ao exterior da Orquestra Juvenil da Bahia (Osba), principal formação do programa, em nove anos de existência, e a segunda com todas as despesas pagas por promotores estrangeiros. “Vamos nos apresentar como orquestra regente. Isso significa que vamos nos apresentar no mesmo local mais de um dia e não poderemos repetir as apresentações, cada dia será algo novo”, declarou o maestro Ricardo Castro (dir.), diretor artístico do Neojiba. Ao todo, serão apresentados 11 concertos, tendo no repertório obras como os Choros nº 6, de Heitor Villa-Lobos, o Concerto para Violino, de Beethoven,

o Concerto para Piano e Trompete nº 1, de Shostakovich, a Sinfonia nº4, de Tchaikovsky, entre outros. Para os jovens alunos e multiplicadores responsáveis pela disseminação do modelo social e pedagógico do Neojiba, a turnê é uma forma de valorização do trabalho. “A turnê é muito mais do que simplesmente chegar e tocar. Para nós, é uma experiência fantástica. Estamos representando a juventude da Bahia no exterior. Depois que o Neojiba foi lançado, o estado passou a ser visto de uma maneira diferente lá fora”, destaca o trompista Uriel Borges, 19 anos. Do Nordeste de Amaralina para o mundo. Esta será a primeira viagem ao exterior do violoncelista Caio Soares, 16. Há três anos, antes de entrar no programa, Caio não acreditava que era possível ganhar a vida com música clássica. “Sem dúvida, é a realização de um sonho. A gente, que vem de bairros mais humildes, acaba achando que esse tipo de coisa é uma realidade distante. Estou

muito feliz de ter a oportunidade de ir para a Europa”. O Neojiba é um programa social que tem mudado a vida de muitos baianos a cada partitura ensinada. Instrumentos de corda, sopro e percussão dão o tom do futuro de seus integrantes. O programa, vinculado à Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS), desenvolve trabalho social nos seus dez núcleos de prática orquestral e coral, além de apoiar projetos musicais comunitários em mais de 30 cidades da Bahia. Através da arte, a iniciativa tem transformado contextos e ampliado a esperança de jovens baianos. Fotos: Carla Ornelas/GOVBA

Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 7


REGISTROS & NOTAS

Festival de Verão 2016 será realizado em dezembro, na Arena Fonte Nova Durante 17 anos, o Festival de Verão, evento realizado pela Rede Bahia e produzido pela Icontent, proporcionou momentos inusitados e inesquecíveis com inovações que fizeram o evento se destacar a tal ponto que chegou a alcançar o status de maior festival de música do país. Alcançando a maioridade, o Festival 2016 reformula toda sua produção trazendo um conceito totalmente inusitado com mudanças no projeto que passeiam do local, ao formato, dias e horário de realização. Com o mote “Nada Será Como Antes”, o consagrado evento, traz diversas novidades com o objetivo de proporcionar uma nova experiência ao público consumidor. Em 2016, o evento será realizado na Arena Fonte Nova e acontecerá nos dias 10 e 11 de dezembro. O novo espaço, que ganhará um arrojado projeto arquitetônico, oferecerá melhor acessibilidade, conforto e segurança para o público. Com a melhor avaliação dentre os estádios da Copa 2014, a Arena Fonte Nova possui uma infraestrutura que também possibilitará ganhos maiores nos serviços médicos, alimentos, bebidas e qualidade de sanitários. A grade de atrações para o evento, que nesta edição beneficiará o Hospital Martagão Gesteira, ainda está em negociação.

VISITA Patrícia Almeida, gestora da Unidade de Relações com a Imprensa e Diego Fortunato, técnico comercial, da Coelba, visitaram a Vilas Magazine, sendo recebidos pelo diretor-editor Carlos Accioli Ramos, quando apresentaram ações da empresa voltadas para Lauro de Freitas.

Laboratório Sabin é premiado em congresso internacional de medicina laboratorial O Laboratório Sabin conquistou, na Pennsylvania, Estados Unidos, três prêmios no maior congresso de medicina laboratorial do mundo, reconhecido como o lugar onde as inovações em testes clínicos e assistência ao paciente são apresentadas em primeira mão, promovido pela American Association for Clinical Chemistry (AACC). Um dos prêmios 8 | Vilas Magazine | Setembro de 2016

Home Center oferece vagas gratuitas em capacitações Profissionais que atuam na área de construção civil e reformas podem contar, este mês, com 11 opções de palestras, cursos e oficinas gratuitas para aprender novas técnicas e renovar o conhecimento. As oportunidades integram a agenda do Clube do Profissional Ferreira Costa e somam mais de 400 vagas em capacitações. Há turmas voltadas para áreas diversas, como “Sistema de tubulações: Linha para jardins”, “Arquitetura de fios e cabos para instalações elétricas”, “Técnicas de recuperação estrutural”, entre outras. As capacitações são oferecidas nos turnos da manhã e da tarde, em parceria com os fornecedores Vedacit, Amanco, Plavitec, Brasilit, Prysmian, Abracopel, Deca, Sika e Weber. O Clube do Profissional Ferreira Costa permite que os profissionais troquem experiências diretamente com o fabricante, capacitando-os ainda mais para o mercado de trabalho. O calendário de capacitações está disponível no site www.ferreiracosta.com na aba Serviços. As inscrições podem ser feitas na loja, na Av. Paralela e os interessados devem apresentar CPF e RG para fazer o cadastro. Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail clubedoprofissional.sal@ferreiracosta.com.br O Clube do Profissional foi criado em 2005, com o intuito de capacitar profissionais do setor de reforma e construção, promovendo palestras, oficinas e treinamentos sobre as novidades e tendências do mercado.

recebidos foi uma medalha da National Academy of Clinical Chemistry (NACB) concedida ao coordenador de Pesquisa do Laboratório Sabin, Gustavo Barra, que com sua equipe desenvolveu um exame para a detecção molecular de três vírus - dengue, zika e chikungunya - em uma mesma reação. Entre os 1.024 trabalhos selecionados, a NABC escolheu 29 para serem premiados entre os melhores. O único representante da América Latina entre este seleto grupo foi o Laboratório Sabin.


CAIXA Cultural Salvador celebra novos artistas em exposição itinerante A CAIXA Cultural Salvador apresenta a Mostra Bienal CAIXA de Novos Artistas, reunindo 36 trabalhos de 24 artistas iniciantes. A exposição está aberta desde o dia 30 de agosto e pode ser visitada até o dia 16 de outubro, de terça-feira a domingo, das 9h às 18h, com acesso gratuito e para todas as idades. Resultado da seleção de obras de artistas iniciantes de todo o Brasil, a Mostra Bienal Caixa de Novos Artistas apresenta obras em diversos formatos: fotografia, escultura, pintura, gravura, desenho, objeto, instalação, videoinstalação, intervenção e novas tecnologias. A seleção das obras passou pelo crivo dos curadores Fernando Oliva e Rosemeire Odahara Graça. A exposição é resultado do projeto de apoio à cultura, promovido pela CAIXA, que recebeu a inscrição de 1.977 obras de 860 artistas. Os critérios de escolha foram originalidade, experimentação, inovação, conceito, qualidade artística e contemporaneidade. Outro critério adotado foi o de escolher apenas os artistas que ainda não tinham exibido trabalhos em exposição individual. A mostra chega à Salvador depois de passar por Fortaleza, Brasília, Curitiba, Recife e São Paulo. De 1º de novembro a 31 de dezembro, De cima para baixo: Re­trato a Mostra encerra seu passeio em Silêncio, autor Ro­berto pelo Brasil, na CAIXA Cultural Martins de Ulhoa Cavalcanti (SP); De Raiz, autora Nubia Rio de Janeiro. Abe (SP); Estran­g eiro em Mim, autora Clau­dia Dias Elias (RJ).

Local: CAIXA Cultural Salvador. Rua Carlos Gomes, 57, Centro. Salvador. Inf.: (71) 3421-4200. Entrada franca.

Festa de São João Evangelista Paróquia São João Evangelista de Vilas do Atlântico Pároco: Padre João Abel. Diáconos: Luiz e Gilson, irmãs e animadores da comunidade Programação: Dias 12 e 13, 2ª e 3ª-feiras: Terço Bíblico nas residências, às 19h. Dia: 14, 4ª-feira: Missa às 19h e pregação: “Como discípulos missionários, somos impulsionados a sair em missão, testemunhando a misecórdia do Pai”. Animação da noite: Grupos bíblicos, Apostolado da Oração, Terço dos Homens, Oficina de Oração, Mãe Rainha. Pregador: Pe. Firmino Ferreira Oliveira. Homenageados: Comunidades da Praia de Ipitanga e Pitangueiras, Salva e Rotary Clube Lauro de Freitas. Dia 15, 5ª-feira: Missa às 19h e pregação: “A misericórdia de Deus nos leva a viver a caridade”. Animação da noite: Catequese e Infância Missionária. Pregadora: Irmã Carol Oliveira. Homenageados: Pais da catequese e professores da comunidade. Dia 16, 6ª-feira: Missa às 19h e pregação: “A prática da misericórdia constitui um programa de vida concreto e exigente que se traduz em obras”. Animação da noite: Movimento Escalada, Crisma, Pastoral da Juventude, Pastoral do Dízimo e Pastoral Social. Pregador: Pe. Juraci Gomes de Oliveira, pároco da Paróquia Santo Amaro de Ipitanga. Homenageados: Comunidades de Buraquinho e Miragem e Oblatos(as) da Fraternidade das Missionárias do Evangelho. Dia 17, sábado: Missa às 8h30 para os idosos e enfermos. Animação: Ministros e Ministras Extraordinários da Sagrada Comunhão Eucarísticas. Às 18h30, missa e pregação: “A vivência do amor como manifestação da misericórdia de Deus na Igreja, na família e na sociedade”. Animação da noite: Pastoral Familiar, Encontro de Casais com Cristo e Encontro Matrimonial. Pregador: Pe. Manoel Filho, delegado episcopal da área pastoral Ascenção do Senhor (CAB). Homenageados: todas as famílias da comunidade. Obs.: Confraternizações após a missa de cada dia e no sábado, quermesse beneficente. Dia 18, domingo: Dia da Festa. Missa às 7h30; 9h, Celebração das Crianças; 10h, Batizados; 16h, Carreata de São João Evangelista pelas ruas de Vilas do Atlântico; 18h, Missa Solene do Padroeiro, presidida por d. Marco Eugênio, Bispo Auxiliar da Arquidiocese de São Salvador da Bahia. Animação da noite: Ministros e ministras extraordinários da Sagrada Comunhão.

Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 9


cidade

Zoneamento postal aguarda equipe que viria de Brasília Edmar de Paulo

Placa nova na Estrada do Coco, também conhecida como Av. Santos Dumont: à espera do CEP

10 | Vilas Magazine | Setembro de 2016

A

prefeitura de Lauro de Freitas vem substituindo placas de identificação das ruas, adotando o padrão mais comum nas cidades brasileiras, com letras brancas sobre fundo azul. Mais de 130 placas do novo modelo já estão instaladas em pontos variados de Lauro de Freitas, mas o espaço destinado ao Código de Endereçamento Postal (CEP) continua em branco, à espera da conclusão do trabalho de zoneamento postal, que depende dos Correios. De acordo com Ailton Borges, que coordenou o trabalho na secretaria de Governo, os Correios “já estão atribuindo os quadrantes dentro do mapa e já existe uma faixa destinada a Lauro de Freitas”. O que falta agora é “vir uma equipe de Brasília para atribuir o CEP a cada rua”, explica. A prefeitura apresentou a versão final da “Divisão de Bairros e Base Oficial de Logradouros” da cidade em janeiro último, entregando a base de dados aos Correios. Com a restruturação o município passou a ter oficialmente 19 bairros – Ipitanga, Vila Praiana, Vilas do Atlântico, Aracuí, Pitangueiras, Buraquinho, Centro, Recreio Ipitanga, Itinga, Portão, Caixa D’Água, Caji, Vida Nova, Quingoma, Parque São Paulo, Capelão, Jambeiro, Areia Branca e Barro Duro – abrangendo 1.510 logradouros. Foram três anos e meio em visitas técnicas a diversos logradouros, execução de topografia e levantamentos em bases cartográficas do município, entre outras atividades. “O trabalho desenvolvido foi extremante técnico”, disse Borges. Caso raro de cidade com mais de 150 mil habitantes sem zoneamento postal, Lauro de Freitas sofre desde sempre com o improviso na distribuição de correspondência, principalmente nos bairros mais distantes do Centro, onde ainda existem centros comunitários de distribuição de cartas e encomendas. Os moradores precisam dirigir-se a esses locais para receber correspondência.


Metrô: novo viaduto na Estrada do Coco dará acesso à cidade

A

CCR Metrô Bahia apresentou à prefeitura de Lauro de Freitas, em agosto, o novo projeto das obras ligadas à estação aeroporto da linha 2 do metrô e à estação de transbordo de ônibus. As intervenções incluem a construção de novo viaduto no Km 0 da Estrada do Coco, no sentido Salvador-Lauro de Freitas. A pista que atualmente é usada para esse tráfego passará a ser de saída da cidade. A pista que hoje dá acesso a Salvador deixará de existir, integrando-se ao espaço do canteiro central. Tudo isso visa liberar área útil no atual canteiro central para a estação de ônibus sem remover o marco de entrada da cidade – como queria o prefeito Márcio Paiva (PP). A Linha 2, que está com 55% das obras concluídas, agora deve ficar pronta no final de 2017, incluído o terminal de integração no Km 0 da Estrada do Coco. A integração com estações de transbordo de ônibus é fundamental para a viabilização do sistema metroviário e para o crescimento do volume de passageiros –

Novo projeto das intervenções no Km 0: viaduto dará acesso a Lauro de Freitas que atingindo determinado pico levará à extensão da linha 2 até o Km 3,5 da Estrada do Coco, a estação Lauro de Freitas. Daí a importância do transbordo no Km 0 da Estrada do Coco. Diariamente, 45 mil pessoas utilizam o metrô em Salvador. O número é 120% maior do que o registrado antes da integração com as linhas de ônibus, em junho, quando o registro era de cerca de 20 mil pessoas. A capacidade do sistema é para 200 mil pessoas por dia, apenas na Linha 1. A integração vale para 170 linhas urbanas que apresentam o símbolo “Integração Metrô”. No período de duas horas, os usuários não precisam pagar outra passagem para pegar o metrô e vice-versa. Enquanto Lauro de Freitas espera o metrô para o final do ano que vem, ainda este ano serão inauguradas as estações Detran, Rodoviária e Acesso Norte. A licitação para ampliação de Pirajá até Águas Claras e Cajazeiras já foi lançada.

Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 11


cidade

A

União rejeita projeto apenas comercial para a orla de Vilas do Atlântico

União quer ver um projeto para a orla de Vilas do Atlântico que contemple equipamentos comunitários e não apenas os quiosques que vão substituir as barracas de praia. “A posição da gente é que não pode apresentar algo simplificado, querendo apenas a implementação de um estabelecimento comercial – não é o ideal”, disse à Vilas Magazine o engenheiro Arthur dos Santos Pereira Neto, da Superintendência de Patrimônio da União (SPU). “Não é que a SPU queira um projeto global lá”, explicou. Pereira Neto esteve em Vilas do Atlântico, em agosto, para ver de perto os locais em que a prefeitura propõe instalar os novos quiosques. De acordo com Eliana Marback, secretária de Planejamento de Lauro de Freitas, a prefeitura quer apenas a autorização da Superintendência de Patrimônio da União (SPU) para instalar os quiosques nos canteiros de acesso às alamedas e não vai propor projeto que inclua áreas públicas atualmente ocupadas pelas residências da orla. Projeto nesse sentido chegou a ser elaborado há alguns anos pela prefeitura, mas descartado logo depois, diante de reações negativas. De acordo com Eliana Marback, a prefeitura não pretende recuperar o projeto inicial, mas apenas adequar o

12 | Vilas Magazine | Setembro de 2016

atual às demandas da SPU. “O projeto deve ter opções de que a população possa usufruir”, defendeu Pereira Neto. Para Marback, os quiosques “não deixam de ter cunho social, utilidade pública” por gerar em­pregos e oferecer segurança. Mas a prefeitura vai adicionar elementos de uso público ao projeto dos quiosques, a construir em áreas públicas atualmente desocupadas na orla de Vilas do Atlântico. Seriam equipamentos de ginástica e parques infantis, por exemplo. “A gente quer um projeto que seja viável, que seja rápido”, para atender os comerciantes e a tempo de apresentar o projeto aprovado pela SPU na próxima audiência pública da Justiça Federal sobre o assunto – marcada para este mês. Mesmo que a União dê o seu “de acordo” ao novo projeto para Vilas do Atlântico, a palavra final será do juiz federal Carlos d’Ávila Teixeira – que vem ouvindo todas as partes em audiências públicas. A ideia de ocupar residências da orla para instalar barracas, que chegou a ser discutida, foi anteriormente descartada pela prefeitura porque a área é de uso residencial. Já os jardins na frente das residências, de acordo com posicionamento emitido na última audiência de conciliação da Justiça Federal, devem

ser recuperados pelo poder público federal – o que ainda pode levar anos. Por isso os barraqueiros projetaram as novas estruturas para a área do calçadão e não para a área pública hoje ocupada. Buraquinho e Ipitanga O projeto da prefeitura para Buraquinho também terá que sofrer adaptações. De acordo com Arthur Pereira Neto, “o principal ponto em relação a Buraquinho foi o adensamento que eles estavam propondo para as barracas, módulos comerciais”. Eliana Marback afirma que a prefeitura vai insistir na quantidade de quiosques que possa atender todos os atuais barraqueiros, sem redução do adensamento. Há também “alguns pontos que não estavam de acordo com normas”, em relação ao projeto dos quiosques e da própria urbanização, disse Pereira Neto. Em Ipitanga a parte de urbanização já tinha sido aprovada pela SPU. De acordo com o engenheiro, “só estava faltando a parte dos módulos comerciais, que precisa de adequações às normas vigentes”.


Arthur Pereira Neto (centro) visita áreas do calçadão onde a prefeitura propõe instalar quiosques: projeto não pode ser meramente comercial, sendo necessário contemplar opções de lazer ou serviços para os usuários da área pública que é o calçadão da praia

Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 13


cidade

ma cena linda, de amor pleno e muita saúde. Assim deveria ser visto o ato da amamentação, mas lamentavelmente ainda existem muitos obstáculos e até preconceitos. Com objetivo de levar informação para as futuras mamães, as puérperas e sociedade em geral, o grupo Gestar Luz realizou, em 12 de agosto, o “Mamaço Lauro de Freitas”, enquadrando a cidade na Semana Mundial do Aleitamento Materno. Durante o evento, que aconteceu no Shopping Estrada do Coco, todos puderam ouvir informações sobre a importância da amamentação, além de participar de atividades de integração, como a dança materna. Promovida anualmente pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2016 a Semana Mundial do Aleitamento

14 | Vilas Magazine | Setembro de 2016

Materno esteve presente em 170 países e tem como objetivo estimular a amamentação que além de fortalecer os laços entre mãe e filho, é a melhor fonte de nutrição infantil, garantindo melhorias na saúde de crianças ao redor de todo o mundo. “O Mamaço representa a amamentação coletiva em público, e nesse evento aproveitamos para ressaltar a importância de amamentar sem tabus, preconceitos, a liberdade de dar o peito ao seu filho em qualquer momento, e onde for, incentivando e informando que a amamentação é um ato não só fisiológico, como um ato de amor”, completa a doula Aline Calmon, organizadora do evento. Com a temática “Amamentar faz bem à saúde da mãe, do bebê e também do planeta”, a campanha desse ano teve

Cris Silva

U

Lauro de Freitas participou da Semana Mundial de Aleitamento Materno

ainda o papel de chamar a atenção das pessoas para os problemas socioambientais vividos pelo planeta e resgatar os cuidados com as metas de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Onde mora o preconceito Apesar do Brasil ser referência mundial quando se trata de amamentação, com taxa superior a 40%, ficando a frente de países como Estados Unidos, Reino Unido e China, e ampliando o tempo médio de amamentação exclusivo, de seis meses, recomendado pelo OMS, para 14 meses, ainda são grandes os tabus quando as mães precisam amamentar em público. Para Thaís Nathale, 25 anos, mãe da pequena Maria Clara de 9 meses, a discriminação acontece por vários fatores, “dentre eles o machismo, o olhar para o corpo da mulher apenas como objeto sexual, mas também a falta de informação por parte das próprias mulheres”, destaca. Mesmo sendo um direito garantido por lei para os bebês e para as mulheres, os casos de discriminação com puérperas durante a amamentação levaram alguns governantes a criar leis mais severas,


como no Rio Grande do Sul, que sancionou uma lei que proíbe qualquer tipo de constrangimento às mulheres que amamentem na rua ou em outros ambientes com circulação de pessoas. No caso de Porto Alegre, a lei prevê multa que inicia em R$ 500 e pode ultrapassar os R$ 900, em casos de reincidência. Carla Grace Melo, 29 anos, mãe Enzo, 5 anos, e Noah, 9 meses, destaca Cris Silva

que por mais que estivesse munida de informações, por vezes o processo de amamentação é um pouco dolorido no início, o que não a impediu de dar o peito a Enzo até que ele completasse 1 ano e 4 meses, e com Noah ela pretende manter o aleitamento até que seja confortável para a criança e para ela. Sobre os momentos que precisa amamentar em público, Grace destaca que muitas vezes o preconceito parte das mulheres. “Os homens agem de forma mais natural que as mulheres. Elas costumam puxar o assunto destacando que não amamentariam em público e até delimitando uma idade para a criança mamar. Eu percebo como algo

cultural, uma visão do corpo da mulher como objetivo de desejo”. Durante todo ano o grupo Gestar Luz realiza atividades de conscientização para futuras mamães e puérperas sobre parto humanizado, direito das gestantes, aleitamento materno, sempre munindo-as de informação e frisando a importância de tornar a gestação um momento de alegria e amor. Thiara Reges

Carla Grace (esq.) com o pequeno Noah e Thaís Nathale (dir.) e a filha Maria, participaram do Mamaço de Lauro de Freitas Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 15


cidade

Coelba amplia em 33% capacidade de atendimento a Lauro de Freitas

A

Coelba inaugurou em agosto uma nova subestação de energia, em Itinga, com 25MVA (megavolt ampére), com o objetivo de oferecer dupla alimentação exclusiva ao aeroporto internacional e à Base Aérea da Aeronáutica, além de proporcionar maior qualidade de energia à região de Lauro de Freitas. Fruto de um investimento da ordem de R$ 20 milhões, a nova subestação e obras associadas beneficiam diretamente aos bairros de Itinga e Vilas do Atlântico, além de São Cristóvão e Mussurunga, em Salvador. A potência instalada ampliou em 33% a capacidade de atendimento a Lauro de Freitas. O equipamento integra o sistema elétrico composto pelas subestações Lauro de Freitas, São Cristóvão e CIA 3. Para abastecer a subestação, foi cons-

truída, também, a Linha de Distribuição em Alta Tensão Entroncamento CIA 3/Lauro de Freitas - Itinga, em 69.000 Volts, com 2,2 km. Tendo em vista a localização estratégica para o desenvolvimento da Região Metropolitana de Salvador, a subestação conta com cinco circuitos alimentadores conectados por 25 chaves telecomandadas, o que se traduz em maior flexibilidade de manobra e maior rapidez no retorno da energia, em caso de defeito. Além disso, a subestação foi projetada para uma ampliação futura, podendo receber mais cinco circuitos alimentadores e mais um transformador, ou seja, ter a sua capacidade duplicada. Construída com tecnologia de ponta, a subestação Itinga tem formato compacto, ocupando 50% menos espaço em relação a equi-

pamentos semelhantes, e é totalmente digitalizada, o que permite que a sua operação seja realizada remotamente, direto do Centro de Operações da Coelba, localizado no edifício-sede da empresa, em Narandiba, Salvador. Os equipamentos de última geração utilizados identificam problemas na rede e fazem intervenções online, enviam informações via radiofrequência, além de oferecer alta precisão na captura de sinais por relés digitais. Grafite A subestação Itinga foi entregue à comunidade com um diferencial: o grafite assinado pelos artistas Nuno Art Core e Daniel Hirs. O objetivo da ação é, através da arte, das cores, chamar a atenção das pessoas que moram ou transitam pelo local para as questões de segurança em relação à rede elétrica e à subestação, um local destinado ao rebaixamento da voltagem da energia elétrica para que ela possa chegar com segurança e qualidade

Fachada da subestação Itinga: grafites alertam para questões de segurança

16 | Vilas Magazine | Setembro de 2016


Viviane Sales

às unidades consumidoras – lares, comércios, indústrias, etc. No grafite, estão destacados alertas relacionados a temas como poda de árvores, brincadeiras com pipas, gato de energia e a proibição de acesso às subestações. O investimento faz parte de um planejamento que vem doperíodo da Copa do Mundo, quando a Coelba investiu cerca de R$ 44,4 milhões na construção da subestação Fonte Nova, duas linhas de alta tensão e alimentadores para aquela instalação. Agora, especificamente para os Jogos Olímpicos, a empresa investiu outros R$ 30,3 milhões na construção da subestação Itinga e de uma terceira linha subterrânea para a Arena. A subestação da Fonte Nova, com 50 MVA de potência instalada, está abrigada dentro do estádio e traz uma inovação importante: é a primeira no mundo a contar com dois transformadores de força (de 25 MVA de potência cada), isolados a seco, que operam sem o uso de óleo mineral isolante, favorecendo o meio ambiente e evitando o risco de incêndio. Esta subestação possui 10 circuitos alimentadores, sendo um deles exclusivo para atendimento ao estádio. Para aumentar a confiabilidade no fornecimento, o estádio conta também com uma segunda opção de atendimento proveniente da subestação Federação. Assim como a subestação de Itinga não atende apenas o aeroporto e a Base Aérea, beneficiando também Lauro de Freitas, a subestação da Fonte Nova atende ainda os bairros vizinhos. A Arena Fonte Nova, de acordo com a Coelba, tem uma demanda de apenas 3 MVA de potência. A energia excedente (47 MVA) é utilizada para oferecer maior qualidade no suprimento de energia para a população da Nazaré, Tororó, Vasco da Gama e parte de Brotas. A oferta de energia implantada com a subestação da Fonte Nova pode ser comparada à demanda da cidade de Juazeiro, que possui cerca de 155 mil habitantes. A Coelba realizou ainda outras ações de manutenção preventiva visando garantir a qualidade do fornecimento de energia: substituição de isoladores, eliminação dos pontos quentes, poda de vegetação, retirada de pipas, substituição de ferragens, verificação de relés de proteção e verificação de telecomando dos equipamentos.

Estudantes da rede municipal de ensino participam de atividade na “Ecoteca” da Coelba

A

Empresa promoveu ação de relacionamento com o público em Lauro de Freitas

“Ecoteca – A Biblioteca Ecológica”, projeto cultural promovido pela Coelba, esteve em agosto no Centro de Lauro de Freitas com acervo literário, atividades lúdicas e orientações sobre uso seguro e eficiente da energia elétrica. Direcionada a crianças de seis a doze anos, a Ecoteca contou com uma programação especial e arte educadores que recepcionaram os estudantes e visitantes com atividades lúdicas, oficinas de pintura e jogos voltados para o uso seguro e eficiente da energia. Também foi distribuída a cartilha “É Hora de Se Ligar”, publicação que traz dicas importantes de segurança para o público infanto-juvenil, e o jogo “Energia Amiga” que, além de ser entregue às crianças, será utilizado como dinâmica para fixação do conteúdo apresentado. Ao final da ação, a biblioteca foi doada à Escola Municipal Vida Nova. A Ecoteca da Coelba é uma biblioteca totalmente ecológica, fabricada em uma estrutura revestida com placas de resíduos de caixinhas de leite e suco e tubos laminados de creme dental. O acervo disponível na praça, durante o evento, contou com 300 livros de literatura infantil, infanto-juvenil e livros-brinquedos das mais importantes e conceituadas editoras brasileiras. Além de proporcionar o acesso a livros pela comunidade, sua estrutura também oferece espaço para manifestações artísticas, apresentação de teatro de fantoches, saraus musicais e literários e encenações infantis. A ação é um patrocínio da Coelba por meio do Fazcultura, desenvolvida pela Rede Educare - organização que, desde 2007, cria, desenvolve e implementa projetos educacionais, culturais e socioambientais – com o apoio da Secretaria de Educação do município. Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 17


ELEIÇÕES 2016

Disputa pela prefeitura de Lauro de Freitas é estratégica para a eleição de governador

A

disputa eleitoral pela prefeitura de Lauro de Freitas deu largada no mês passado – antes mesmo do início oficial das campanhas – durante as convenções partidárias de PT, PSDB e DEM. Se na primeira não houve qualquer surpresa, com a confirmação de Moema Gramacho como candidata da legenda, nas outras o suspense foi mantido até o último instante. A grande novidade deste ano é a candidatura do vereador Mateus Reis (PSDB) a prefeito, com Gustavo Ferraz (PMDB) para vice. Durante a convenção do partido no ginásio de esportes de Itinga, lotado àquela altura, foi exibido um vídeo em que o prefeito ACM Neto (DEM), de Salvador, declarava apoio formal ao tucano. Dirigindo-se aos eleitores de Lauro de Freitas, ACM Neto diz no vídeo que vem comunicar o seu apoio e o apoio do Democratas a Mateus “como nosso candidato a prefeito”. De acordo com ele, Mateus Reis foi escolhido candidato pelo “sentimento

Mateus Reis (PSDB) e ACM Neto (DEM) no vídeo em que o prefeito de Salvador declara apoio ao candidato tucano: esperança de “produzir um afunilamento”

18 | Vilas Magazine | Setembro de 2016

majoritário desse conjunto de partidos” que acabaram reunidos na chapa PSDB-PMDB e inclui outros oito partidos, entre os quais se destaca o PRB, bom de voto nas legislativas. “Contem comigo”, diz Neto no vídeo. “Nós agora vamos discutir Salvador e Lauro de Freitas no mesmo compasso, pensando no futuro das duas cidades”, concluiu, chamando Mateus Reis de “futuro prefeito de Lauro de Freitas”. Logo em seguida, no Centro, contudo, a convenção do DEM homologaria a candidatura de Chico Franco a prefeito, com Pedro Melo (PSC) a vice – numa coligação sem outros partidos e que se repete na eleição para o Legislativo. Um grande painel atrás da mesa do evento exibia as imagens do candidato – e de ACM Neto, líder maior da legenda na Bahia. Dias depois Chico Franco divulgaria um vídeo gravado pelo prefeito de Salvador, também dirigido aos eleitores de Lauro de Freitas, em que ele manda o seu “abraço especial a Chico Franco, o candidato do nosso partido, o Democratas, a prefeito de Lauro de Freitas”. Neto diz saber “o quanto Chico trabalhou para viabilizar a sua candidatura” e deseja ao Democratas de Lauro de Freitas “muita sorte nessa caminhada”. De acordo com Mateus Reis (PSDB), o apoio do prefeito de Salvador ao seu nome decorre de uma pesquisa de intenção de voto que teria mostrado maior potencial para a sua candidatura entre os nomes à disposição. Aos 35 anos, é vereador de Lauro de Freitas desde 2013 e está na disputa pela prefeitura pregando a adesão “ao novo” que ele representa no cenário político. Governo da Bahia Ao contrário do que ocorreu em eleições anteriores, desta vez Lauro de Freitas desempenha papel estratégico para a eleição do próximo governador, em 2018. O aguardado duelo entre o governador Rui Costa (PT) e o prefeito de Salvador ACM Neto (DEM) vai se dar fundamentalmente nos municípios da região metropolitana. A avaliação de analistas é que a capital vai pender para o DEM enquanto o interior ficaria com o PT. Lauro de Freitas, Camaçari e vizinhanças definiriam o vencedor. Daí a importância de garantir o palanque desde já. A estratégia era unificar os votos contrários a Moema Gramacho e ao PT em um só candidato com o apoio de ACM Neto. Mas Chico Franco reivindica precedência nessa escolha, tanto por estar atualmente filiado ao DEM como por ter anterior implantação no meio político da cidade. Aos 48 anos, Chico Franco é um dos personagens políticos


ELEIÇÕES 2016

VALOR DA VEICULAÇÃO: R$ 1.400,00

Convenção do PT, em Vilas do Atlântico: Moema Gramacho e a “recuperação da cidade”

VALOR DA VEICULAÇÃO: R$ 1.400,00 / NF Nº 0000000

VALOR DA VEICULAÇÃO: R$ 1.400,00

mais conhecidos da cidade, tendo disputado a prefeitura como candidato a vice na chapa do PT em 2012. Membro de uma família tradicional de Lauro de Freitas, costuma destacar ser “filho da terra” num cenário em que quase todos vieram de fora. Uma composição foi tentada até o último instante no próprio dia das convenções, mas o acordo não saiu. Em declarações posteriores à imprensa de Salvador, ACM Neto teria dito que ainda espera que “no curso do processo a gente tente produzir um afunilamento desses dois projetos” para ter um único nome disputando contra o PT. Nada alheia ao protagonismo de ACM Neto na eleição local, Moema Gramacho apontou o dedo para a interferência u

Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 19


ELEIÇÕES 2016 logo no dia da convenção do PT – realizada na quadra esportiva do Colégio Mendel, em Vilas do Atlântico. Em coligação com o PSD de Mirela Macedo, candidata a vice, o PT vem fazendo uma campanha fortemente baseada nas redes sociais, em vídeos bem produzidos, alguns deles transmitidos ao vivo, que apelam ao recall do nome da candidata e às realizações dos oito anos de governo da petista – em contraposição aos quatro anos da gestão de Márcio Paiva (PP). Estão na coligação PT-PSD outros 12 partidos, entre eles o PCdoB, PSB e PRP, usualmente bem votados nas eleições proporcionais. Márcio Paiva O atual prefeito, que decidiu não disputar a reeleição, tornou-se o saco de pancadas preferido dos candidatos. Todos, em algum momento, utilizam exemplos negativos dos últimos quatro anos de gestão municipal para se contrapor ao que consideram ser uma imagem depreciada, embora evitem ataques diretos – até porque Márcio Paiva não é

mais um adversário. Mateus Reis, por exemplo, critica a falta de médicos nos postos de saúde. “Tem que botar para funcionar aquilo que existe”, diz o candidato. À instalação de escolas municipais em imóveis de terceiros Mateus Reis chamou de “farra dos aluguéis” e criticou as “salas de aula pequenas, abafadas”. O candidato do PSDB acusa ainda o prefeito de ter entregue secretarias “para grandes amigos” que “destruíram a gestão dele”. Para Chico Franco, o modelo de gestão do PP nos últimos quatro anos é uma continuação dos oito anos do PT, um “desmando” que “fechou o único hospital municipal” que a cidade tinha, uma entre várias outras críticas. As afirmações foram feitas durante um programa de rádio que entrevistava o tucano, com entrada ao vivo do candidato do DEM. Já Moema Gramacho, numa crítica explícita à atual gestão, faz referências à “recuperação da cidade”. Ao condenar o encerramento do Hospital Municipal Jorge Novis, em um vídeo recente transmitido ao vivo por uma rede social, a petista aproveitou para lembrar que a ideia não era fechar o hospital depois de concluída a UPA de Itinga.

Convenção do DEM, no Centro: Chico Franco reivindica legitimidade como natural da terra

Aos 59 anos, Moema Gramacho disputa a prefeitura de Lauro de Freitas pela terceira vez, tendo exercido o cargo entre 2005 e 2012. Eleita deputada federal pelo santinho 7 x 8cm CHICO FRANCO-finalizado.pdf

C

M

MY

CY

CMY

K

APOIO ACM NETO

CHICO FRANCO PREFEITO | 25

DR. PEDRO MELO VICE

UMA CORRENTE PARA SALVAR O JOANES

20 | Vilas Magazine | Setembro de 2016

CNPJ: 25.766.381/0001-45 CNPJ: xxxxxxxxxxx Tiragem: xxxxxxxxxxx

CNPJ: 25776082/0001-91

Y

CM

VALOR DA VEICULAÇÃO: R$ 600,00

VALOR DA VEICULAÇÃO: R$ 600,00

R V E R E A D O

1

8/18/16

4:5


ELEIÇÕES 2016 PT em 2014, destacou-se na Câmara federal durante as discussões do processo de impeachment, sempre no estilo combativo que a caracteriza. Câmara Municipal Até o final de agosto o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) registrava 342 candidatos a vereador aptos a concorrer à eleição deste ano, disputando 17 cadeiras. As mulheres ainda são expressiva minoria, apesar de haver este ano uma chapa exclusivamente feminina. Menos de um terço dos candidatos tem curso superior. Cada um deles poderá gastar pouco mais de R$ 140 mil numa campanha de escassos 45 dias sem direito a cavaletes de propaganda no meio da rua – agora proibidos pela legislação. Os candidatos a prefeito poderão aplicar cerca de R$ 935 mil. Com regras mais restritivas do que nunca, sem as doações de empresas e limites de gastos, o atual período de campanha mostra-se completamente diferente dos anteriores, favorecendo claramente quem já tem algum tipo de implantação na comunidade – os candidatos naturais. Os que são mais dependentes de uma campanha publicitária propriamente dita, baseada em jingles de sucesso e “santinhos” em profusão, têm agora menos tempo, menos dinheiro e menos meios u para atingir o objetivo.

INCLUA SUA PROPAGANDA ELEITORAL NO

Suplemento Especial

Eleições 2016

Distribuição: a partir do dia 23 de setembro, em todos os domicílios de Vilas do Atlântico, vias públicas e pontos de grande circulação de pessoas. Tiragem: 20 mil exemplares. Capas: papel off set e miolo papel jornal. Refilado e grampeado. Confirmação de propaganda política e pagamento: até 15/9. Envio de arte: até 12h de 17/9. Módulo 1...... Formato: 6 cm x 8 cm................R$300,00 Módulo 2...... Formato: 8 cm x 11 cm..............R$ 550,OO Módulo 3...... Formato: 12 cm x 15 cm............R$ 800,OO Outros formatos: sujeito à consulta. Contato: Vilas Magazine, das 8 às 18h, de segunda a sexta-feira e 8 às 11h, sábados, pelos tels.: 3379-2439 / 3379-2206 / 3379-4377 ou e-mail comercial@vilasmagazine.com.br

A candidata de Vilas presente em toda a cidade!

VALOR DA VEICULAÇÃO: R$ 600,00 | CNPJ 25.587.738/0001-28

VALOR DA VEICULAÇÃO: R$ 560,00 | CNPJ 25.939.946/0001-49

VALOR DA VEICULAÇÃO: R$ 560,00

Vereadora

Inclusão social e acessibilidade

10101

Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 21


ELEIÇÕES 2016

Q

Que tipo de eleitor você é?

ue tipo de eleitor você é? O doutorando em administração, mestre em Gestão de Negócios, especialista em Marketing e professor universitário, Saul Sastre, em seu livro “Marketing para um vereador vitorioso”, onde traça um caminho para um candidato buscar sua eleição, dando um enfoque empreendedor, lista três tipos. Apresentando o perfil de cada tipo, ele dá dicas das melhores estratégias para

por achar que ela não faz parte da sua vida. Para esse tipo de pessoa não existe diferença entre um bandido e um político, pois para ele tudo faz parte da mesma “corja”. Geralmente fica furioso quando algúem se aproxima para pedir o voto ou apoio. Para conquistar esse eleitor, faz-se necessário usar amigos que tenham alguma influência sobre ele, que até pode abrir uma exceção e votar em alguém, mas geralmente anula ou vota em branco.

troca do voto. Muitos candidatos que fazem “politi­ cagem” na base do clientelismo usam da coação para ganhar o voto, anotando o número da urna e do título de eleitor e ameaçam cortar o benefício ou buscar de volta o que deu, se o voto não estiver lá na hora do escrutínio, como se assim tivesse o poder de conferir. Infelizmente tem muito candidato que se elege em cima da ignorância dessas pessoas. Como “pagou” antes, não tem obrigação nenhuma de atendê-lo depois de eleito. Eleitor médio O eleitor médio atribui baixa prioridade à política, dentre seus principais interesses. Para essa grande maioria de pessoas, a política torna-se relevante quando algum fato interfere diretamente na sua família, trabalho, saúde ou lazer. No mais, ele segue sua vida normalmente sem entender o quanto a política tem o poder de interferir positiva ou negativamente na sua vida. Não se deve substimar a inteligência deste eleitor. Ao fim da campanha, ele chegará a uma decisão pessoal de voto, processando as informações que lhe disponibilizaram e que ele próprio reuniu.

conquistar os votos. Saul não deixa de criticar a postura adotada pelos eleitores classificados como alienados. Estes são divididos em dois grupos, sendo o segundo aquele composto por pessoas que transformam o voto em moeda de troca. Eleitor alienado Existem dois tipos de eleitor alienado: aquele que não se interessa pela política 22 | Vilas Magazine | Setembro de 2016

O segundo tipo de eleitor alienado é aquele que faz do seu voto uma moeda de troca. Utiliza dos períodos eleitoais como uma forma de ganhar algo para si. Existem várias histórias de candidatos que se comprometem de dar uma “jeitinho”com as contas de luz ou água atrasadas, imposto predial e territorial urbano (IPTU), compras de alimentos, distribuição de remédios, materiais de construção e muitas outras coisas, em

Eleitor politizado Por último, temos o eleitor politizado, aquele que vive a política no dia a dia e sabe o poder que ela tem de interferir no seu resultado particular. Não existe outra alternativa para conquistar o seu voto, que não seja através de um cabedal de propostas convincentes apresentado por um candidato que demonstre preparação para executá-las.


ELEIÇÕES 2016

Tudo passa pela política

Q

lucupletassem com cargos públicos e o pior é que não falar e não acreditar na política é o mesmo que ter uma doença e não ter a esperança de ficar curado. O futuro do Brasil está exatamente nas mãos da política e dos bons políticos”, ressalta. O político é o extrato de qualquer população, frisa Saul. “Por isso é muito sábio o dito popular ‘todo o povo tem o político que merece’. No Brasil, temos muito a evoluir. O jogador Pelé, homem público de renome internacional, já disse que o brasileiro ainda não sabe votar”. A pouca preocupação do cidadão com algumas questões que impactam em suas vidas é ilustrada por Saul citando o caso de uma cervejaria e uma loja de grifes famosas cujos diretores foram condenados por sonegação fiscal. As vendas das empresas se mantiveram inabaladas durante o período das denúncias e prisões. “Vivemos uma crise ética. O que deveria ter acontecido é um boicote geral às empresas que sonegaram impostos, pois eles nada mais são que valores pecuniários que devem ser convertidos em melhorias para todos, como um bom atendimento à saúde, estradas melhores, segurança pública, escolas equipadas, professores mais bem preparados e tantas outras necessidades que nosso país precisa”, diz. Ele vai além: “Vivemos um cenário de mentira nacional, em um círculo vicioso de empreendedores desonestos de um lado sonegando impostos, falcatruas de

outro lado, alijando a sociedade com seus desserviços e a população endossando tudo, comprando de empresas sonegadoras e ainda reelegendo políticos corruptos. Onde vamos parar?” questiona. Para ele, a grande saída para mudar tudo o que está errado está na política, cabendo ao eleitor fazer a análise aprofundada dos candidatos e propostas e aos eleitos a adoção de uma gestão pública mais adequada aos preceitos administrativos. Saul salienta que não existe mais espaço na sociedade para o político sem conhecimento de gestão. Os partidos, destaca, precisam se dar conta disso e começar a investir em gestores para assim se perpetuar. “É preciso formação para que uma empresa pública consiga trazer o devido retorno para seu cliente, o que se traduz em ações de segurança, saúde, trabalho, educação, cultura, lazer e insfraestrutura, dignas do imposto pago”.

VALOR DA VEICULAÇÃO: R$ 840,00

uem não gosta de política ou não se preocupa com as consequências de ideias e projetos de gestores públicos não imagina que suas vidas sejam impactada diretamente pelo que é decidido em gabinetes dos legislativos e executivos. O doutorando em administração, mestre em Gestão de Negócios, especialista em Marketing e professor universitário Saul Sastre (foto), em seu livro “Marketing para um vereador vitorioso”, mostra seu inconformismo com o posicionamento médio do brasileiro diante de casos de sonegação fiscal por parte de empresas e más gestões públicas. Segundo ele aponta em sua obra, que está na terceira edição, se o eleitor observar a história encontrará vários personagens com o poder de transformar para melhor tudo aquilo em que colocavam a mão. “Aristóteles escreveu que a política é a ciência que se preocupa com a felicidade das pessoas. O mau político entendeu isso de forma errada e transformou a política em um instrumento de benefício próprio, pois se preocupar com a felicidade das pessoas quer dizer da coletividade e não só de sua família.” Saul transfere para o eleitor a culpa pelo que acontece no Brasil, com escândalos pipocando por todos os lados. “Plantamos e colhemos esse descrédito por nossas atitudes ao permitir que pessoas de má índole se aproximassem e se

Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 23


artesanato

Cores e texturas de Lauro de Freitas

Associação de artesãos comemora 10 anos de criação Thiara Reges

declarou Nelcy Piaggio.

Freelancer para a Vilas Magazine

C

riar, cortar, colar, costurar. Esse é o ritmo que dita a vida dos artesãos da Associação dos Artesãos de Lauro de Freitas - AALF. Fundada em 2006, o grupo busca a valorização da identidade cultural de sua terra e nos 10 anos de história firmaram público cativo, além de conquistar a profissionalização através de grandes parcerias. A Vilas Magazine conversou com algumas artesãs da associação, que contaram com satisfação um pouco dessa década de conquistas. “Nosso grupo começou a se formar em 1994. Fazíamos feiras em praças e participávamos de pequenas exposições. Ficamos um tempo na praça de Vilas do Atlântico, depois conseguimos uma concessão para ocupar um estacionamento em Portão. Foram várias intervenções até conquistarmos a nossa sede”, declarou Izabel Barros, que presidiu a associação de 2010 a 2014. Situada no loteamento Varandas Tropicais, no acesso da passarela em frente ao hospital Menandro de Faria (ao lado da TendTudo - antiga Dismel), a sede é uma verdadeira vitrine que encanta os olhos: bordados, tecidos, fuxico e crochê, cerâmicas, biscuit, madeira, esculturas e pinturas. Muitas são as texturas e cores, que dão forma à criatividade dos 31 associados. Mesmo com a sede pronta, o grupo sentia que faltava um elemento que os destacasse, e nasce aí as parcerias com o Instituto de Artesanato Visconde de Mauá, o Sebrae e o CESOL - Centro Público de Economia Solidária. “A formalização possibilitou muito mais que a conquista da nossa sede. O nosso trabalho adquiriu o status profissional, e passamos a ser referência em artesanato para a cidade”, 24 | Vilas Magazine | Setembro de 2016

Terapia O encontro com a reportagem da Vilas Magazine durou cerca de 1h30, tempo suficiente para se perceber a energia positiva de cada uma das artesãs. Sorrisos do início ao fim, e mesmo os momentos mais difíceis desses 10 anos foram relatados com uma pitada de esperança e a certeza da superação. Para a empresária e artesã Tânia Accioli Ramos, “o artesanato tem um cunho terapêutico para algumas pessoas, muitas delas nos procuram depois de uma indicação médica; para outras tem um sentido mais social. Mas o mais relevante é que você percebe que começa a entrar em um outro processo, aumenta a expectativa de vida”. O cunho terapêutico das artes é discutido no Brasil desde meados dos anos 1940, quando a psiquiatra alagoana Nise da Silveira, iniciou suas atividades no setor de terapia ocupacional do Centro Psiquiátrico Pedro 2º, no Rio de Janeiro. Ajudada pelo estagiário Almir Mavignier, que posteriormente viria a se tornar um dos primeiros pintores abstratos do Brasil, Nise

MERCADO DO ARTESANATO DE LAURO DE FREITAS. TEL.: 3379-4018


criou o ateliê de pintura e modelagem para que os doentes pudessem se expressar e retomar os vínculos com a realidade. O trabalho de Nise se tornou mundialmente conhecido através de suas teses e exposições. “Eu queria cursar artes plásticas, mas no meu tempo não tínhamos oportunidade para ser artista, porque a família não considerava como uma profissão, não dava dinheiro. Hoje, com minha família formada, aposentada, resolvi resgatar essa atividade que me trazia tanta alegria no passado”, declarou Bárbara Virgínia Oliveira. Mas o processo terapêutico está também na ajuda ao próximo. Oficinas e cursos de formação de novos artesãos para famílias de baixa renda são organizados pelo grupo. Cada turma é formada por cinco ou seis alunos, e os capacitadores são os próprios associados. “Além de ser uma forma de agradecer a cidade por ter abraçado a nossa associação, é uma forma de aprender cada vez mais. Sempre temos algo novo para aprender”, disse Nelcy Piaggio. Empreendedorismo Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE cerca de 8,5 milhões de brasileiros fazem do artesanato o seu negócio e movimentam mais de R$ 50 bilhões por ano. Mas de artesão a empreendedor existe um grande salto, e a associação sentiu isso na pele por anos. “Nós artesãos temos dificuldade em colocar o valor das mercadorias. É muito difícil mensurar o valor de algo que você faz com o coração. Mas quando você se propõe ser um profissional, você precisa aprender a ser empreendedor”, disse Izabel Barros. A busca por parcerias foi fundamental nesse

momento. O Instituto Mauá é um balizador para que os produtos mantenham sempre um padrão de qualidade. O Sebrae forneceu a qualificação necessária para a devida valorização dos produtos e administração da sede. Já o CESOL, através de parcerias com governo federal e estadual, abriu portas para a associação expor em novos espaços. Uma das grandes conquistas da associação é a recente parceria com o Salvador Norte Shopping, viabilizada através do CESOL. No centro comercial os produtos são expostos e vendidos, ampliando o leque de clientes e encomendas. “O fluxo de pessoas no shopping é maior que aqui na loja, até pelas facilidades de estacionamento. Além disso contamos com a própria rotina do ambiente, onde pessoas vão para ver as novidades, e acabam entrando em nossa loja e comprando. Nos sentimos privilegiados e agradecidos por esta parceria”. Não diferenciando dos demais empreendimentos, a associação também sentiu os impactos da crise política e econômica que afeta o Brasil desde o final de 2015. As vendas estão abaixo da média para o período, em comparação aos anos anteriores, e é a loja no shopping Salvador Norte que tem permitido que a associação mantenha a sede em dia. Além disso, cresceu o número de artesãos de temporada, pessoas que procuram a associação com o objetivo exclusivo de ajudar na renda familiar de forma imediatista, sem ainda ter compreendido o sentido maior de ser um artesão. “Para a maioria de nossos associados o artesanato entra como segunda profissão, para melhoria de renda, mas principalmente para qualidade de vida. Somos, quase todos, aposentados e o artesanato é algo que está na nossa formação desde os tempos de meninas. Éramos preparadas para sermos prendadas, costurar, cozinhar, cuidar da casa. O artesanato faz parte de nossa história”, desabafou Lourdes Britto, presidente atual da associação. Para os próximos anos a associação já tem novas metas: renovar a parceria com o governo municipal e aumentar a sede, com a possibilidade de oferecer estacionamento aos visitantes. Determinação e vontade não faltam ao grupo. Participaram da entrevista as artesãs Maria de Lourdes Britto, presidente da associação, Bárbara Virginia Oliveira, Nelcy Piaggio, Maria Izabel Barros e Tânia Accioli Ramos. Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 25


lazer

Opções de lazer em espaço público são tendência em Lauro de Freitas

Cláudio Cruz levou sabores do Casarão das Pizzas para a praça

“E

u Você e a Praça” é o nome do evento que acontece a cada segundo fim de semana do mês na praça da rua Dr. Barreto, Jardim Aeroporto, em Lauro de Freitas – até o carnaval. A iniciativa segue uma tendência recente do comércio e reúne barracas de itens como vestuário e artesanato, ao lado de tendas de alimentação e food-trucks para oferecer uma opção de lazer à população. Evento similar vem sendo realizado, também periodicamente, na área do Vilas Tenis Clube, em Vilas do Atlântico. Organizada por Ney Gomes, produtor cultural que foi diretor de Turismo da prefeitura de Lauro de Freitas até o fim de julho passado, e por Giovanna Badaró, a iniciativa aposta em diferenciais como a promoção de desfiles de cachorros fantasiados, palhaços, mágicos e acrobatas para animar o público. Na área de alimentação, Cláudio Cruz, do Casarão das Pizzas, era um dos mais animados com a novidade. “O movimento é muito bom”, disse. Exceto pelos food-trucks, as opções de alimentação na praça eram oferecidas por estabelecimentos que têm loja fixa. A edição mais recente, a terceira da série, contou com uma apresentação musical no estilo acústico, mais de acordo com o clima da “feirinha”, conforme elogiou Maria Augusta Oliveira, 52 anos. Dona de casa, ela levou a neta para aproveitar a tarde

Rita Menezes deu oficina de argila na terceira edição do evento de domingo na praça. “Tudo de bom isto aqui, devia ter todo final de semana”, disse. Outra das atrações foi uma oficina de argila, promovida por um dos participantes do evento que montou barraca na praça. A artista e professora era Rita Menezes, do Bazar das Artes, que mantém atelier permanente no loteamento Miragem, onde também oferece cursos.

Corredor de bar­­racas ofere­cendo itens de ves­tuário e ar­te­sanato: sempre presente

26 | Vilas Magazine | Setembro de 2016


cultura

Wellington Rosário em cena de Orum Aye: técnicas diversas para contar o mito

Uarlen Becker

O

mito da criação segundo a cultura yorubá é o tema do espetáculo que Wellington Rosário, da Orumaye Espetáculos, traz ao Cine Teatro de Lauro de Freitas (CTLF) em setembro. Professor de teatro licenciado pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), arte-educador e ator, Rosário trabalha com teatro de bonecos, teatro de rua e performances com perna de pau. O espetáculo utiliza diferentes técnicas e estéticas do teatro de formas animadas, máscaras, bonecos, objetos e sombras para narrar o mito da criação segundo os yorubás, apropriando-se de diversos contos para narrar a história. Olorum, senhor do universo, criou o mundo a partir de uma grande cabaça, dividindo-a em duas partes: Orum, o céu, local das divindades e das coisas espirituais e Ayê, a terra, lugar dos homens e das coisas materiais. Nesse grande “big bang” da criação yorubana, Oniomô, filho de Olorum, solicita a seu pai desbravar a nova terra criada por ele. Olorum concede o desejo a seu filho, mas faz um alerta: um dia ele deverá retornar ao mundo dos deuses, o Orum. Nesta grande aventura narrada, surgem personagens-máscaras e bonecos, objetos que são apresentados em

Espetáculo traz mito da criação segundo a cultura yorubá cena à medida que o ator desenrola a narrativa. O trabalho poético é desenvolvido colaborativamente e os artistas reconfiguram a narrativa, criando imagens e atmosferas, aproximando-se da realidade onírica, em que uma profusão de açõesimagéticas surgem como retalhos a ser costurados pelo expectador. O ator-narrador por sua vez, desenrola a cena dentro de um estado per-

formativo, brincando com as diversas possibilidades de animação- manipulação dos objetos em cena. O espetáculo pode ser visto no CTLF dos dias dois, sexta-feira e oito de setembro, quinta-feira, sempre às 19h, sendo este último para escolas. A entrada, na sexta-feira, custa R$ 20, com meia entrada disponível. A programação do CTLF pode ser conferida em http://ctlaurodefreitas.wordpress.com

memória O babalorixá Augusto César Lacerda, filho de Logun Edé, morreu dia 6 de agosto, aos 68 anos, de um AVC seguido de parada cardíaca. Augusto César comandava o terreiro Ilê Omorodé Axé Orixá N´Lá, que significa Casa dos Filhos de Oxossi, Força do Orixá dos Altos, que funciona há 30 anos em Portão, em Lauro de Freitas, onde recebia artistas famosos. O babalorixá, filho de Logun Edé, deu nome ao bloco Araketu, fundado por Vera Lacerda, para quem “ele deixa um legado fantástico, uma pessoa muito inteligente, um artista plástico, que depois de um tempo se dedicou mesmo ao candomblé. Mais do que um parente, ele era um grande amigo. Vai deixar muita saudade”. Augusto César deixa os irmãos Marcelo, Maria de Nazaré, Claudionor Filho, José Márcio e Maria de Fátima, o filho Jorge Augusto, os netos Gabriel e Francisco e mais de 200 filhos de santo. O corpo foi sepultado no Cemitério Jardim da Saudade, em Salvador.

Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 27


seus direitos

Novo Código de Processo Civil agiliza cobrança de inadimplentes Câmaras privadas de mediação surgem como alternativa para negociar débitos e facilitar o entendimento entre condomínios e moradores devedores

O

novo Código de Processo Civil (CPC) traz uma boa e uma má notícia para quem atrasa o pagamento da taxa de condomínio. Aparte ruim, bem ruim, é que três dias após a notificação para quitação do débito o imóvel pode sofrer penhora online. O lado bom que o novo código traz é que a negociação pode ser feita por meio de câmaras privadas de mediação, que permitem maior celeridade ao processo. “No caso da inadimplência em condomínios, o código é um manual de procedimentos sobre instrumentos que já estavam em vigor. A maior mudança é a rapidez, pois o processo passa a ser extrajudicial”, avalia o advogado Matheus Chetto, especialista em direito imobiliário. As punições em caso de inadimplência são rigorosamente as mesmas que já estavam em vigor. A diferença é que até 18 de março, quando o CPC entrou em vigor, quando o devedor era notificado, existia a “fase de conhecimento”, que era o tempo que o juiz levava para analisar o processo e decidir se a dívida era pertinente ou não. Pelas novas regras, assim que houver a notificação de débito o morador conta com um prazo de três dias para quitar esse compromisso ou recorrer a uma Câmara Privada de Mediação, Arbitra-

gem e Conciliação (Caprimac), instituto regulamentado pelo novo código. “Não é uma instituição de estado, mas conta com o respaldo do estado para fazer a mediação”, explica Chetto. O advogado, professor universitário e sócio de uma Caprimac, Renato Dantas considera que a nova solução apresentada pelo CPC traz, além da celeridade, a possibilidade de maior compreensão da situação do devedor. “O juiz vai proferir uma decisão objetiva, independentemente dascondições de quem está devendo. Nas câmaras, é possível que as partes conversem e cheguem a um acordo que contemple as duas partes”, avalia Dantas. Chetto, por sua vez, não acredita que extrajudicialização do processo vá, por si, alterar a dinâmica de julgamento. “Acredito no Judiciário e acho que há uma sensibilidade a esses temas por parte dos juízes. A única diferença é que a resposta vai sair mais rapidamente”, declara. Nos edifícios residenciais e comerciais, a novidade começa a ser discutida. Responsável pela administração de cinco condomínios, o síndico profissional Dayson Santos Pereira tem duas assembleias de moradores agendadas para os próximos dias, mas não acha que esse vá ser um tema central na pauta. “Possivelmente falaremos sobre isso, mas ainda

estamos estudando o código”, afirma Pereira, que atua na administração de condomínios desde 2008, mas passou a adotar a designação de síndico profissional há três anos. Mas ele concorda que as novas regras devem ajudar a baixar a inadimplência, que atualmente ronda os 15% nos condomínios que administra. “Havia muita demora nos processos de cobrança, e imagino que agora vai ficar mais rápido”, declara o síndico, que afirma nunca ter necessitado chegar ao ponto de recorrer à penhora de um imóvel para conseguir a quitação de um débito. “De qualquer forma, já comecei a divulgar a alteração na semana passada”, disse Pereira, que vê mais opções para negociação das dívidas a partir de agora.

n CÂMARAS PRIVADAS DE MEDIAÇÃO Entidades estabelecidas a partir da Lei 13.105/15, que criou o Código de Processo Civil (CPC). Os objetivos são evitar a judicialização dos conflitos e buscar uma solução mais rápida. Em Lauro de Freitas a ASBAMA - Associação Baiana de Mediação e Arbitragem auxilia na solução desses problemas

(Shopping Paseo Norte, piso L3, sala 204. tels.: 3379-1956 e 98612-8554) n MEDIAÇÃO Atividade técnica, exercida por um terceiro imparcial, o mediador, que aproxima as partes e facilita o diálogo. O mediador não tem o poder de decisão sobre a causa em questão n CONCILIAÇÃO Na conciliação, as próprias

partes constroem a melhor solução. O conciliador tem, aqui, uma postura mais ativa para sugerir o acordo entre as partes, apresentar propostas e ideias de solução n ARBITRAGEM As pessoas elegem uma terceira pessoa, o árbitro, que age como um juiz no caso: ele julga, decide e sentencia. Esse modelo

28 | Vilas Magazine | Setembro de 2016


A alienação parental no seio familiar

Buscar a Justiça é o último recurso indicado para resolver pendência

E

specialistas em direito imobiliário afirmam que, com o novo CPC, os conflitos envolvendo inadimplência das taxas de condomínio não devem ser judicializados. “O código como um todo foi pensado de forma a retirar processos da Justiça”, explica o advogado Renato Dantas, que é professor na Unifacs, Uneb, Ufba e Ucsal. “A cobrança por meio de ação judicial deve ser o último recurso utilizado pelo condomínio. Antes, deve ser tentado um acordo amigável, muito mais vantajoso para ambas as partes”, afirmou, por meio de sua assessoria de comunicação, o vice-presidente de administração imobiliária e condomínios do Sindicato da Habitação de São Paulo (SecoviSP), Hubert Gebara. A instituição avalia que pode ser uma medida de compensação ao aumento na inadimplência desde que a multa por atraso caiu de 20% para 2%. O Secovi-SP avalia que o atraso no pagamento do rateio condominial causa insatisfação em condôminos que são pontuais, além de poder levar o condomínio a uma situação de extrema dificuldade financeira. “Muitos condôminos preferiam quitar compromissos que impõem encargos maiores, deixando para pagar o condomínio somente no limite do acordo amigável oumesmo ao final de um longo processo de cobrança judicial”, analisa Gebara. O Secovi-SP recomenda que os condomínios tomem precauções em caso de execução. Uma delas é que o título executivo extrajudicial esteja revestido dos requisitos legais previstos no CPC. Para isso, o síndico deve providenciar comprovação documental (com previsão em convenção ou assembleia) para demonstrar o valor preciso exigível, conforme artigo 803 do novo CPC. Gilson Jorge / Agência ATarde.

chamado de adversarial é recomendado em litígios complexos A partir de agora, com o novo CPC, a dívida condominial foi elevada a título executivo extrajudicial n 3 dias é o prazo que o morador tem para quitar o débito tão logo receba a notificação. A gravidade da sanção aplicada depende da norma de cada condomínio e pode chegar ao penhor

Camila Garcia

A

alienação parental é um problema social cada vez mais presente no âmbito familiar. Devido a sua importância vê-se a necessidade de analisar suas causas e prevenções. Um problema a ser enfrentado é o desconhecimento sobre a questão abordada, tendo em vista que os pais, ou quem detém a guarda do menor, cometem atos caracterizados como alienantes, algumas vezes até sem saber da sua gravidade e o seu impacto na criança. Geralmente, os casos de alienação parental ocorrem durante o processo de separação dos cônjuges, e perduram mesmo após a sua consumação. O detentor da guarda usa a criança ou adolescente como meio de vingarse do(a) ex-companheiro(a). Neste sentido, o alienante começa um processo de violência psicológica na criança/adolescente, com o intuito de distorcer a imagem do outro genitor, dificultando a convivência, omitindo informações médicas, escolares ou quaisquer informações relevantes referentes ao desenvolvimento da criança. Nesse cenário, o menor não tem assegurado o direito de ter uma convivência familiar saudável com ambos os genitores e a sua família. Durante o Direito Romano, era o chefe de família quem detinha poderes absolutos sobre os seus filhos, tratava-se do “pátrio poder”, sendo a mulher irrelevante na educação e zelo de sua prole. Hoje, o poder familiar é exercido por ambos os pais, não havendo distinção nos deveres do homem e da mulher em relação aos seus filhos. A paridade entre homens e mulheres está assegurada na Constituição Federal, ao prever que todos são iguais perante a lei, não mais fazendo distinção entre ambos. O poder familiar é, portanto, o dever que os genitores têm igualmente de garantir a proteção integral dos seus filhos menores, sendo este poder irrenunciável, intransferível e inalienável. A Lei da Alienação Parental foi criada em 2010 para assegurar à criança o direito a ter uma convivência familiar saudável, e inibir e punir as práticas caracterizadas alienantes, podendo ser considerada um avanço para a proteção do menor, com o intuito de preservar seu estado psicológico, e ter uma relação familiar com ambos os genitores. Assim, ainda que os pais não mantenham contato entre si, deve-se respeitar o direito do menor em ter contato com seus genitores, bem como constitui dever do detentor da guarda da criança ou adolescente compartilhar com o outro genitor informações importantes referentes ao menor. Atos que importem em dificultar o exercício da autoridade parental, ou impossibilitem ao genitor o exercício do direito regulamentado de convivência familiar, constituem alienação parental, violando o princípio do melhor interesse da criança, princípio da dignidade humana e princípio da paternidade responsável, além de poder vir a configurar abuso de direito e gerar responsabilidade civil. Por fim, com o intuito de prevenir casos de alienação parental, é de suma importância a informação, a fim de conscientizar os pais das implicações no âmbito jurídico do abuso de direito da guarda acarretando alienação parental em face do outro cônjuge. Camila Garcia é advogada militante em Direito de Família (OAB/BA 44.526).

Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 29


comportamento

AUTOESTIMA DEMAIS Distribuir elogios às crianças virou praxe nas últimas décadas, mas o excesso deles pode acabar criando pequenos narcisistas e dificultar o enfrentamento de críticas e frustrações

A

construção da autoestima ganhou tanta ênfase na educação das crianças nas últimas décadas que pais e educadores saíram distribuindo elogios a torto e a direito. A ideia de que a criança que acredita em seu potencial não encontra limites para suas realizações é sedutora, mas estudos – e a experiência de quem lida com o universo infantil – vêm mostrando que o excesso de elogios foi mais um golpe na autoestima dos pequenos. Uma das pesquisas, publicada no ano passado no periódico “Proceedings of the National Academy of Sciences”, concluiu que a maioria dos filhos muito elogiados pelos pais obteve uma pontuação mais alta em testes de narcisismo – em outras palavras, eles se consideram melhores que os demais. O exagero começou quando os filhos passaram a ser considerados o grande bem dos pais, afirma a psicanalista Miriam Debieux Rosa, professora da PUC-SP e da USP. “Hoje a criança não pode ter frustrações nem ser confrontada com a realidade e com suas limitações, o que não é educativo”, diz. A pesquisadora Adriana Baralle, 35, mãe de Anita, 7, e Maria, 2, diz que se considera um “mau exemplo” nesse quesito porque sempre ouviu – e acreditou – que era importante elogiar muito as crianças. Resultado: a filha mais velha não aceita ser ensinada ou corrigida. “Quando aparece um conceito ou uma palavra nova, ela não pergunta o que significa, ela inventa a resposta”, afirma a mãe. “Exagerei demais. Agora está caindo a ficha e estou tentando balancear melhor. A autoestima é importante, mas tem que ter senso crítico também.” 30 | Vilas Magazine | Setembro de 2016

Adriana conta um episódio, na primeira apresentação de dança da filha, que a levou a essa reflexão. “Quando acabou, eu lhe dei os parabéns e ela me disse: ‘Ai, dancei superbem, né?’ É tão comum para ela ouvir os meus elogios que ela já assume como verdade. Falta uma dose de humildade.”

A diretora de marketing Juliana Machado, 37, mãe de José, 4, prefere enfatizar sempre o empenho do menino. “Para mim, o que mais faz sentido é o elogio do esforço e de alguma coisa que seja relevante do ponto de vista da dedicação dele”, afirma. Para o neuropediatra Rudimar Riesgo, da Sociedade Brasileira de Pediatria, a preocupação excessiva com a autoestima vem levando os pais, em geral, a negligenciar um aspecto essencial da educação: o preparo para lidar com a frustração. “Se a autoestima da criança for inflada de forma artificial, ela sucumbe logo adiante, geralmente quando observa


outras crianças”, diz. Riesgo ensina que o mais sensato é elogiar “a conta gotas”, em busca de um meio termo. “As crianças com muita autoestima têm dificuldade de lidar com as frustrações, assim como aquelas com pouca autoestima. Os pais devem elogiar quando possível, sem deixar de criticar quando for necessário.” A psicóloga da PUC-SP Ceneide Cerveny lembra que as crianças são sensíveis e espertas, e percebem como falsidade elogios não sinceros e em demasia. A advogada Fernanda Levy, 36, mãe de Ana Beatriz, 5, e Gabriela, de dois e nove meses, se preocupa em não fazer elogios à toa para que as meninas sintam

satisfação com as próprias conquistas. “Como elas são pequenas, eu as estimulo a se vestirem, comerem sozinhas, e dou apoio só quando pedem ou vejo que minha intervenção é necessária”. Para o pediatra Henrique Klajner, a autoestima não pode ser construída, mas sim conquistada por esforço próprio. O médico aconselha os pais a expressarem satisfação quando aprovam um comportamento ou realização do filho, porque a atitude faz com que a criança se sinta “incluída” no modelo dela. “Mas o elogio é uma barreira à continuação das conquistas. Se a criança acha que chegou ao topo, ela para de tentar.” A administradora Érica Monteiro,

39, mãe de Lorenzo, 6, e de Rafaela, 3, segue as orientações de Klajner e diz que o mais difícil é lidar com as “influências externas”, de parentes e amigos. “Desde bebês eu coloquei limites, e eles foram conquistando a autoestima sozinhos.” Ceneide Cerveny ressalta, no entanto, que a autoestima das crianças não depende apenas das atitudes de pais e mestres. “Há fatores internos e externos, da história de vida, do convívio, de como você significa suas experiências”, afirma. E conclui: “Se crianças forem elogiadas na medida certa, com sinceridade, elas provavelmente se sentirão mais confiantes.” Rachel Botelho / Folhapress. Avener Prado / Folhapress

Fernanda Levy, 36, mãe de Ana Beatriz, 5, e Gabriela, de 2, se preocupa em não elogiar demais as filhas

Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 31


comportamento

A

s notícias recentes sobre estupros coletivos de adolescentes e crianças colocaram lenha na fogueira das preocupações de muitos pais e mães, que se perguntam como (e se) abordar o assunto para ensinar os pequenos a identificarem e se defenderem de um possível assédio ou abuso sexual. O temor faz sentido, já que mais de 500 mil estupros ocorrem a cada ano no Brasil, segundo estimativa do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). Da pequena parcela que é denunciada, mais de 70% das vítimas são crianças e adolescentes. Para especialistas ouvidos pela reportagem, apesar de ser um tema difícil para muitos pais, o assunto não deve ser tabu, já que o conhecimento ajuda a criança a se proteger. Também não há um único modo nem uma idade mínima para falar da importância de se preservar o corpo e a intimidade, segundo eles, desde que o grau de desenvolvimento da criança seja respeitado e a conversa flua com naturalidade, em linguagem adaptada para cada fase. “O problema não é falar da sexualidade infantil, o problema é quando há uma invasão do universo adulto no da criança. É importante conversar porque o conhecimento deixa a criança menos vulnerável ao abuso e menos propensa a esconder dos pais se algo acontecer”, diz Juliana Wierman, coordenadora da psicoterapia infantil do Programa de Atendimento e Pesquisa em Violência da Unifesp. Para a psicanalista Ilana Katz, doutora em psicologia e educação pela Faculdade de Educação da USP, a tentativa de prevenção pode ser mais eficaz se os pais conseguirem transmitir a ideia de que o corpo é próprio. “Trata-se mais do que transmitimos com nossos atos e modos de lidar do que daquilo que podemos falar e explicar para as crianças – embora também seja importante que se fale, explique e ensine”, afirma. Assim, quando a mãe ou o pai ajuda o filho a gerir o próprio corpo, como na hora de trocar a roupa, é preciso estar atento aos limites do toque. “Há uma diferença importante entre cuidado e invasão.” A psicanalista Julia Milman, que acaba de lançar o livro “A Vida com Crianças” (Editora Zahar, 32 | Vilas Magazine | Setembro de 2016

COMO FALAR SOBRE ASSÉDIO INFANTIL Casos como o do estupro coletivo no Rio podem deixar pais com uma pulga atrás da orelha: afinal, devo abordar o assunto ‘assédio’ com meu filho para protegê-lo? Especialistas dão dicas sobre como fazê-lo 184 págs.), diz que é mais importante propiciar a construção constante de autonomia em um ambiente de confiança, que permita à criança ter consciência gradativa do controle sobre o próprio corpo e da noção de intimidade, do que falar diretamente sobre abuso. “E que ela consiga perceber a sutileza do que é uma invasão dessa privacidade, que muitas vezes não se dá apenas pelo contato físico, mas com palavras ou imagens”, diz Julia. Como a criança, em geral, não faz perguntas diretas sobre assédio, mas traz curiosidades sobre a sexualidade ou questiona a origem dos bebês, eles podem aproveitar a ocasião para falar do tema. Ilana Katz também recomenda que os adultos conheçam os assuntos em pauta nos ambientes dos filhos, que, assim como os casos recentes de estupro, se impõem como temas de conversa em casa. “Vale sempre perguntar o que a criança ou o adolescente entendeu do que se passou, e a partir disso trazer esclarecimentos”, diz.


COMO AJUDAR A PROTEGER A CRIANÇA DE UM ASSÉDIO INTIMIDADE É Importante também dizer que os órgãos genitais são um lugar de intimidade, que só ela pode tocar DANDO NOMES Ao limpar e vestir o bebê, os pais naturalmente nomeiam as partes do corpo, o que ajuda a criança a se apropriar delas CRIAR VÍNCULOS Desde cedo é importante criar um vínculo de confiança com a criança e abrir espaço para conversas sobre temas que a angustiam CURIOSIDADE Aproveite a curiosidade da criança sobre a origem dos bebês, por exemplo, para abordar o tema AMBIENTE PRIVADO Quando chegar o estágio em que a criança começa a explorar o corpo e a brincar, informe que não nos tocamos em público BRIGA SEM CULPA Se algum limite com o coleguinha for ultrapassado, cuidado para não brigar de forma a associar o ato com culpa NA HORA CERTA Cuidado para não antecipar notícias sobre erotismo ou violência, o que pode ser excessivo para a criança TODO OUVIDOS Escute o que seu filho entendeu de acontecimentos como os estupros coletivos recentes e esclareça as dúvidas que tiver BEBÊS A transmissão dos cuidados com o corpo começa nos primeiros meses de vida, quando os pais nomeiam as partes do corpo ao limpar e vestir o bebê. “Essa nomeação favorece que a criança se aproprie do próprio corpo, e o mesmo vale para os órgãos sexuais. É importante nomeá-los e dizer que são um lugar de intimidade”, diz Julia. Mais tarde, vem o estágio em que a criança explora todo o corpo e faz brincadeiras com esse fim. “Esse é o momento de informar que não fazemos isso em público e que ninguém pode tocar neles”, completa. O assunto pode e deve ser retomado ao longo do crescimento da criança, quando ela expande seu universo e começa a frequentar a casa dos amigos, por exemplo. Foi o que fez a dona de casa Flávia (nome trocado a pedido), 43, mãe de duas adolescentes, de 14 e 12 anos. “Quando a mais velha tinha uns seis anos, eu disse que se ela achasse que havia algo de errado nas atitudes de um adulto era para

SINAL DE ALERTA Todos damos sinais de mal-estar, mas eles são particulares. Um mesmo ocorrido pode deixar uma criança agitada e outra retraída MUDANÇA O importante é se perguntar: o que causaria uma mudança signifivativa no jeito da criança? acreditar no que estava sentindo, sair do lugar e me contar”, diz. Já a administradora Cristiane, 42, mãe de meninas de três e quatro anos de idade, sentiu que era hora de falar sobre privacidade com as filhas a partir de um comportamento do sobrinho de oito anos. “Ele queria ver as meninas tomando banho e deitar em cima delas como via na novela, e isso começou a me incomodar. Eu não queria tratar a sexualidade como algo anormal, mas a criança brinca com tudo e pode achar que não tem problema brincarem com a ‘pepeca’ dela”, diz. Em casos como esse, Julia recomenda que os pais sejam cuidadosos ao nomear o ocorrido, para que a criança não associe prazer e culpa. Por fim, é bom lembrar que, embora os pais tenham papel primordial nos cuidados com os filhos, a sociedade e o poder público vêm falhando na oferta de uma rede de proteção à criança. Rachel Botelho / Folhapress.

Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 33


vida saudável

Cuidados ajudam a controlar oleosidade nos cabelos

Q

uem tem cabelo oleoso precisa ficar atento aos cuidados para que a oleosidade não atrapalhe o visual. Em quantidades normais, o sebo expelido pelas glândulas sebáceas, presentes no couro cabeludo, até ajuda a proteger os fios da poluição e da quebra. Mas quando há excesso, pode contribuir para a formação de caspa e até para a queda dos fios. Segundo a dermatologista Suzy Rabello, a oleosidade em excesso ocorre devido ao hiperfuncionamento da glândula sebácea. “É uma tendência genética que algumas pessoas têm. Quando isso ocorre, não atinge somente os fios do cabelo, mas também o rosto, o colo e as

34 | Vilas Magazine | Setembro de 2016

costas”, afirmou. Um dos primeiros cuidados é usar produtos adequados ao tipo de cabelo para controlar a oleosidade. O xampu, por exemplo, deve ser para cabelos oleosos. “Xampu é feito para lavar cabelo e a raiz. Condicionador nunca é para ser usado na raiz. É da orelha para baixo, para passar no fio. Se mal utilizado, pode aumentar da oleosidade capilar”, disse o dermatologista Claudio Wulkan, integrante da Sociedade Brasileira e Americana de Dermatologia. E para melhorar a aparência dos fios, os especialistas recomendam lavar a cabeça todos os dias.

Outros cuidados devem ser tomados para não piorar a oleosidade. Tomar banho com água quente ou secar os cabelos com temperatura alta também podem ressecar o couro cabeludo e estimular as glândulas sebáceas a produzirem mais oleosidade. Por isso, os especialistas recomendam lavar os cabelos com água morna a fria e usar o secador a uma distância de 15 centímetros dos fios, e com a temperatura baixa. Fatores externos também podem contribuir para o aumento da oleosidade e devem ser evitados, como ambientes úmidos, quentes e poluídos. Regiane Soares / Folhapress.


n Beber bastante água n Evitar consumo excessivo de açúcar, álcool, fruturas e alimentos gordurosos n Consumir alimentos com: Ferro - carne vermelha, espinafre e feijão Zinco - grãos integrais Magnésio - nozes e frutos do mar Vitamina C - acerola e laranja Vitamina E - peixe e gema de ovo Cálcio - leite e derivados Ômega 3 - linhaça e sardinha

Quem tem cabelo oleoso precisa lavar a cabeça todos os dias com xampu específico e evitar água quente

Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 35


vida saudável

Sal em excesso é uma das principais causas da pressão alta

36 | Vilas Magazine | Setembro de 2016

Evite os alimentos industrializados, que contêm muito sódio, e não acrescente sal à comida já pronta


N

unca é demais falar que o sal em excesso é um dos vilões da saúde, mas também é preciso reconhecer que ele desempenha funções importantes para o equilíbrio do organismo. Por isso, a principal recomendação dos especialistas é nunca acrescentar sal à comida já pronta e ter cuidado na hora de preparar os pratos, sempre dando preferência a alimentos não industrializados (porque eles contêm sódio, principal componente do sal). “O sódio presente nos alimentos é um dos 22 minerais considerados essenciais na alimentação e tem papel fundamental para a contração muscular e transmissão dos impulsos nervosos, além de contribuir na manutenção do equilíbrio e distribuição dos líquidos corporais [dentro e fora das células]”, diz a nutricionista Camila Leonel. Só que isso se perde quando se come além da conta. “Quando consumido em excesso, ele pode desequilibrar todas essas funções e, a longo prazo, pode causar hipertensão, doenças cardíacas, renais e até oculares”, diz a nutricionista Karla Vilaça. Por ano, cerca de 300 mil brasileiros morrem em decorrência de doenças cardiovasculares resultantes da chamada pressão alta. Para quem exagerou na dose, a nutricionista Mirian Martinez recomenda beber mais água. “Ela estimula a eliminação do excesso de líquidos retidos no corpo e, por sua vez, auxilia na via de excreção do sódio, eliminando-o através da urina”, diz. Pode não parecer fácil no começo, mas as especialistas ressaltam a necessidade de mudar os hábitos alimentares para frear o abuso do sal. “O ideal é começar a buscar outras alternativas para realçar o sabor dos alimentos”, afirma Mirian. Alho, mostarda, limão, pimenta, alecrim, curry, salsa, orégano e alecrim são alternativas para substituir ou reduzir o volume de sal acrescentado nos pratos.

Olhar rótulos é dica para não exagerar Uma dica da nutricionista Camila Leonel para você não perder a conta na hora de consumir alimento industrializado é olhar na coluna do “% de Valores Diários (VD)” dos rótulos. A conta é simples: consuma menos de 2.400 mg de sódio por dia, que é o valor recomendado. Não se esqueça de olhar o rótulo de todos os alimentos, inclusive doces e refrigerantes, que têm altos índices de sódio. Bárbara Souza / Folhapress.

Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 37


moda & beleza

É TEMPO DE SECADOR Secar o cabelo no inverno evita resfriados e a proliferação de bactérias; veja dicas para fazer isso sem agredir os fios

A

té mesmo quem não tem o costume de secar o cabelo deve optar por usar o secador em tempos mais frios, para evitar doenças como gripe e ainda prezar pela saúde do couro cabeludo. “Com o clima mais frio, os fios demoram a secar. E o ambiente úmido é propício para a proliferação de fungos e bactérias”, explica o visagista Eduardo Cosmo. No entanto, os especialistas ressaltam que é preciso cuidado ao secar os fios, para não danificá-los. “O secador pode ser usado todos os dias, desde que a temperatura do jato não seja muito alta e desde que seja usado um protetor térmico antes da secagem”, indica o “hair stylist” Ulisses MSJ. Segundo os especialistas, não é preciRonny Santos / Folhapress

38 | Vilas Magazine | Setembro de 2016

so ficar horas no aparelho. A pessoa pode só dar uma secada geral, principalmente na raiz, e tirar o excesso de umidade das pontas. É o que faz a empresária Tayná Fersa, 24 anos, que reforça o uso do secador nos dias frios. “No inverno, seco o cabelo toda vez que lavo. Mas só uso a escova para dar textura diferente quando tenho uma festa. No dia a dia, dou uma secada para não sair com ele molhado.” Na hora de escolher a temperatura, os cabeleireiros explicam que, quanto mais potente o vento e maior a temperatura, mais rapidamente os fios vão secar. Mas é preciso resistir à vontade de encostar o aparelho nos fios, para agilizar o processo. O ideal é respeitar a distância entre 15cm e 30cm.“Além de desidratar o cabelo, pode causar queimaduras e até


SEM MEDO DE BRILHAR As sombras metalizadas voltaram com tudo para quem quer usar; a moda também está em roupas e esmaltes

D

epois do sucesso das sombras e dos batons matte com o efeito opaco e fosco, que ditaram as regras de maquiagem nas últimas estações, agora é o brilho que volta com tudo. “É até uma contradição, porque,no inverno, normalmente, o que mais aparece nas ruas são tons sóbrios e fechados. Mas também não podemos esquecer que muitas tendências que fazem sucesso no Brasil são inspiradas no que está sendo usado nos Estados Unidos e na Europa, que se preparam para entrar no verão”, explica a designer de moda Sara de Godoy. Para a maquiadora, a moda atual deve ser usada com moderação. “É difícil pensarem uma maquiagem toda cheia de brilho que fique bem no dia a dia. Então, deixe para usá-la em uma ocasião especial.” Quem quer adotar a tendência, mas não tem muita experiência com maquiagens, deve ficar atento a algumas dicas que podem ajudar. “Escolha onde vai o brilho, na boca ou no olho. Deixar os dois em evidência pode gerar uma produção exagerada”, ensina a maquiadora Ana Clara Corsato. Especializada em noivas, ela explica que a maioria delas tem medo de ousar, mas mesmo no dia do sim é possível fugir do básico. “Casamentos à noite, em que os noivos pretendem ir para a pista de dança e curtir até o sol raiar junto dos convidados, pedem uma sombra mais glamorosa.” Nesse caso, o ideal é uma maquiagem leve para a cerimônia religiosa, mas que na hora da festa será trocada por algo mais impactante. Thayane explica que um erro muito comum de quem se maquia em casa é preparar primeiro a pele, passando o corretivo, a base e o pó. “Se a mulher for carregar na sombra e no lápis, é mais indicado que ela faça primeiro o olho, para evitar que ele borre o resto do rosto, que já estará pronto.” Segundo ela, isso precisa ser feito apenas quando o cosmético for muito pigmentado, pois será inevitável que ele se espalhe um pouco na hora em que for aplicado. Além das maquiagens, a busca por produtos metalizados chegou às unhas, e diversas marcas têm investido em opções com brilho. “Nas roupas, essa tendência também tem aparecido. Só cuidado para não usar tudo o que está disponível ao mesmo tempo. Se a maquiagem já estiver superpoderosa, a roupa e as joias não precisam nem devem brilhar tanto”, defende Sara. Ana Clara lembra também que tudo o que envolve beleza e moda é cíclico. “Aproveitem para abusar da tendência enquanto não aparece outra.”

danos mais graves”, emenda Ulisses SJ. Secadores portáteis são mais fracos e servem para dar aquela secadinha básica, enquanto que os com turmalina, cerâmica ou íons proporcionam mais brilho às madeixas. “Se a intenção for apenas tirar a umidade, pode escolher a temperatura morna. Já para modelar ou escovar, opte pelo vento quente. E o jato frio serve para fechar a cutícula, dar brilho e proporcionar maior fixação à forma. Então, é sempre bom finalizar a secagem com ele”, indica o cabeleireiro Marcelo Brito. O ideal é secar o cabelo no sentido da raiz para o comprimento, a fim de manter o direcionamento das cutículas. E lembre-se: sem exagerar na proximidade do couro cabeludo, área sujeita à dermatite e descamação. Laís Oliveira / Folhapress.

FOTOS: Luis Blanco / Folhapress

Julia Couto / Folhapress.

Setembro de 2016 | Vilas Magazine | 39


Jaime de Moura Ferreira Ad­mi­nistrador, consultor organizacional, professor universitário, escritor, sócio fundador do Rotary Club Lauro de Freitas. E-mail: jamoufer@atarde.com.br

Crise

C

rise! Crise! Crise! Palavra que mais se ouve no momento, no nosso País. Segundo o dicionário, “é uma conjuntura difícil e perigosa; situação anormal e grave; e sérias dificuldades para manter o poder”. Via de regra, são quatro as crises mais identificadas: econômica, política, social e moral. A crise começa quando não se acompanha, nem se faz reflexão sobre o histórico do segmento, não importando qual seja. Então se detecta um vazio, negação generalizada e a irrelevância para o que se faz e produz. Muitas críticas se fazem notórias e o pensamento negativo se espalha, promovendo o suicídio da fé e da esperança. Sem dúvidas, essas graves situações modificarão a sociedade. A crise surge quando o ser humano ou grupo de interesses, qualquer que seja, busca sua valorização pessoal, ao invés de pensar no coletivo. Dessa forma, surge o corporativismo negativo, forma a vassalagem humana, desequilibra os valores, destrói o positivo e gera relações pouco eficazes e mentalidades negativas. Muitas vezes a crise é utilizada como ferramenta de cobertura de erros e deseducação. Também, muito contribui para o surgimento da corrupção. A crise geralmente é causada pela própria pessoa que tenta a autonomia e independência de suas ações, não lhe importando sua condição de interdependência, quer seja para os que estão ao seu lado, para a organização que dirige, ou para a gestão que lhe 40 | Vilas Magazine | Setembro de 2016

foi confiada. Essa pessoa indisciplinada, egoísta, sem noção do mundo em que vive, com visão distorcida do ambiente, vai gerando a crise individual e, por consequência, atingindo a todos os semelhantes. Ainda causa profundos danos na população, deixando de absorver que é necessário se aprender todo o tempo, para não desaparecer. Sem dúvidas, nessa situação destrutiva, a maioria das pessoas irá pagar pelos ganhos indevidos de outras, levando suas famílias a perderem a reputação e dignidade. O lamentável é que os sofredores se acomodam à situação negativa existente e aos desequilíbrios provocados, ao invés de tomarem providências antecipadas, para mudar esse estado moral e social, lastimando-se quando o problema lhes chega.

Porém, ao invés de lamentações, deveria colocar em funcionamento a engrenagem propulsora da produção, material e espiritual, desprezada pela crise, reformulando valores e projetos, enxergando muito além da situação presente. Para tanto, se inicia com o planejamento e orientação acessíveis, fazendo-se circular o conhecimento positivo. Em seguida, promove-se a consciência e vontade para o trabalho árduo, baseadas em educação e

conhecimentos acumulados. Busca-se a cooperação de pessoas experientes, colaboração do avanço tecnológico, fé e religião, solidariedade dos componentes do processo, para se chegar ao diagnóstico abrangente e preciso e, repensando os princípios éticos, com inteligência evoluída, encontrar-se a solução para o problema. Essa regra se aplica ao ser humano individual, às organizações e às gestões públicas, nos seus diversos níveis. Quando a crise verdadeira se instala surge a estagnação da economia, custo social crescente, aumento do desemprego, país incapaz de controlar os fatores e a expansão generalizada do desalento, disseminando o pânico na população. Sair da crise, pelos meios comuns, levará muito tempo para que isso aconteça. Em uma organização ou gestão pública, torna-se necessário a união de todos os segmentos, com objetivo comum, seriedade nos princípios atuantes, combate aos deslizes e processos inadequados e a mudança de visão para o coletivo. Deve-se evitar instituições que querem controlar o mundo. Nos indivíduos, identificação do seu “Eu”, redirecionamento dos valores, mudanças de hábitos, novas aprendizagens e o cultivo da fé e da determinação. Assim, deixa-se de falar em crise e busca-se a evolução para o fazer acontecer, agora observando-se novos modelos de comportamento, ação e resultados. Portanto, a crise é uma situação existente dentro de cada ser humano que, na sua condição de agregado, transfere para outros e contamina toda uma sociedade.

Vilas Magazine | Ed 212 | Setembro de 2016 | 32 mil exemplares  

Vilas Magazine | Ed 212 | Setembro de 2016 | 32 mil exemplares

Vilas Magazine | Ed 212 | Setembro de 2016 | 32 mil exemplares  

Vilas Magazine | Ed 212 | Setembro de 2016 | 32 mil exemplares

Advertisement