Issuu on Google+

Linguagem Visuais

e seus Fundamentos


Elementos Basicos da Linguagem Visual O Ponto -

Para que possamos observar o simbolismo de uma estrutura gráfica é necessário começar pelo elemento mais simples que compõe a matéria, o PONTO. O ponto é a unidade de comunicação visual mais simples e irredutivelmente mínima. Qualquer ponto possui um grande poder de atração visual sobre o olho, exista ele naturalmente ou tenha sido colocado pelo homem em resposta a um objetivo qualquer.

Como Elemento Conceitual, um ponto indica posição. Não tem comprimento nem largura. Pode representar o início e o fim de uma linha e está onde duas linhas se cruzam. Como Elemento Visual, o ponto possui formato, cor, tamanho e textura. Suas características principais são: Tamanho - devendo ser comparativamente pequeno, e o Formato devendo ser razoavelmente simples. Quando um conjunto de pontos é organizado de forma seqüencial, esses pontos se ligam, sendo, portanto, capazes de dirigir o olhar. Em grande número e justapostos, os pontos criam a ilusão de tom.


A Linha Quando em uma seqüência de pontos, eles estão muito próximos entre si de maneira que se torna impossível identifica-los como Unidade de Forma, isto é, individualmente, aumenta a sensação de direção, e a cadeia de pontos se transforma em outro elemento visual distintivo, a linha.

Como elemento conceitual, poderíamos definir a linha como um ponto em movimento, ou como a memória do deslocamento de um ponto, isto é, sua trajetória. Como elemento visual, não só tem comprimento como largura. Sua cor e textura são determinadas pelos elementos que são utilizados para representá-la e pela maneira como é criada.

A Linha Curva -

Quando duas forças exercem pressão simultânea sobre um ponto, sendo uma delas contínua e predominante, surge a LINHA CURVA. As linhas curvas dominam o território dos sentimentos, da suavidade, da flexibilidade e do feminino. O redondo, o curvilíneo, o ondulante, encontram-se em oposição ao caráter racionalizante da linha reta e angulosa, que focaliza a vontade e o controle. Quanto maior é essa pressão lateral e contínua exercida sobre a linha, esta se desvia cada vez mais até fechar-se em si mesma, formando um círculo. Essa pressão lateral contínua faz com que ela não quebre, se transformando em ARCO. Para a linha reta, impulsiva, não há começo nem fim, é um caminho eterno, em uma única direção e sem retorno. Para a linha curva, flexível, há a possibilidade de encontrar-se com o seu começo, gerando um círculo, que é a representação do todo.


Quadrado Do mesmo modo como o ângulo reto é o ângulo mais objetivo, o quadrado é também a forma geométrica mais simples e objetiva. Formado por duas linhas horizontais e duas verticais, que se encontram em quatro ângulos retos, o quadrado representa o símbolo da terra – do universo criado e da matéria. Associado ao número quatro, o quadrado também é o símbolo do mundo estabilizado. Daí sua identificação com o poder e o domínio, o controle e a força. Muitos espaços repousam sobre a forma quadrada: Templos, cidades, indústrias, presídios, campos militares etc. É a forma da inteligência, da razão e da capacidade de definir, dissecar, digitalizar. Representa ainda a fixação e a permanência.

Círculo -

Assim como já vimos, no caso da linha curva, que é resultado de duas forças que exercem pressão lateral e simultânea sobre o ponto, sendo uma delas contínua e preponderante. Quanto maior for essa pressão lateral, a linha se arqueia cada vez mais até o ponto limite de fechar-se sobre si mesma gerando o círculo. Quando isso ocorre, fim e começo se fundem, com toda sua efemeridade e solidez. É neste sentido que o traço curvo realiza-se em si mesmo. Enquanto a linha reta expressa uma tendência desejada e consciente em direção a uma meta, o que a faz também, exacerbada, sair de si.

Formas Negativas e Positivas -

A forma é geralmente apresentada como que ocupando o espaço, mas também pode ser vista como um espaço vazio circundado por espaço ocupado Quando é preenchida como ocupando um espaço, a chamamos forma positiva. Quando é preenchida como um espaço vazio, circundado por espaço ocupado, a chamamos de forma negativa. No design em branco e preto, tendemos a considerar o preto como forma positiva (ocupada) e o branco como negativa (não ocupada). Porém, tais conceitos não são sempre verdadeiros.


Tonalidade permite distinguir as cores entre si, já que cada cor corresponde a um determinado comprimento de onda A utilização do preto e branco definir-se-ia objetivamente como ausência de cor (o preto e o branco não são cores, como sabemos). Com a fotografia digital esta particularidade tornou-se mais evidente, já que basta suprimir a cor numa imagem para obter uma fotografia a preto e branco sem necessidade de empregar uma emulsão fotoquímica específica. O valor tonal é uma outra maneira de descrevera luz. Graças a ele é que enxergamos.

Luz e Sombra Num desenho em duas dimensões, a luz e a sombra são elementos que definem e caracterizam o volume do objeto. Em outras palavras, são os elementos que transformam as linhas expressadas em duas dimensões, num desenho com efeito tridimensional. O volume é em conjunto com a forma outro dos aspectos que distingue os objetos que nos rodeiam. Este depende da luz que recebe, e por consequência das sombras que este produz. A definição correta do volume num objeto se consegue através da valorização exata das intensidades das suas sombras.

Cor A cor tem a ver com os olhos, com a retina e com a informação presente no cérebro. É a impressão produzida na retina do olho pela luz depois de esta ser emitida, difundida ou refletida pelos objetos. Por isso, dizemos que os objetos não tem cor, pois a cor corresponde a uma sensação interna que é provocada por estímulos físicos da natureza.

Cores Quentes e Frias -

As cores quentes são aquelas que transmitem uma sensação de calor, como o vermelho e o laranja, que dão também uma sensação de proximidade. Por outro lado, as cores frias como o azul e violeta dão uma impressão de profundidade.

Significado das cores São atribuídos vários significados às diferentes cores. Por exemplo, flores de diferentes cores costumam ser oferecidas em ocasiões distintas para transmitir mensagens específicas. Deste modo, o vermelho está relacionado com o amor e paixão, o amarelo corresponde à inveja e o azul é associado à fidelidade.


Cores primárias, secundárias e terciárias Cor Primária São tipos de cores que não podem ser feitas com as misturas de outras cores, sendo assim são as únicas cores que misturando outras não se obtém elas. porem elas são as bases para a formação de outras cores, elas sendo misturadas dão vida para outras cores surgirem.

Cores Secundárias: Elas são originadas das cores primárias como dito anterior , sendo assim elas só podem ser criadas através das misturas entres elas.

Cores terciárias são todas as outras cores.As cores neutras tem pouco reflexo, elas são mais usadas como complemento de outra cor. Entre as neutras temos os tons cinza e os marrons que nos tons mais claros são chamados de bege.

Matiz - É a característica que define e distingue uma cor. Vermelho, verde ou azul, pôr exemplo, são matizes. Para se mudar o matiz de uma é só por uma matiz em outra. Saturação - A saturação é a intensidade da cor. Uma saturação maior faz uma imagem mais vívida, enquanto que uma saturação menor torna as cores acinzentadas, assim quando aproximada do cinza perde sua saturação. Brilho - É constituída pela quantidade do claro e escuro que estão nas cores. Sua variação abrange as tonalidades dos mais escuros até o mais claro que pode.


Cores Complementares e suas Associações São as cores diametralmente opostas no círculo cromático. Associações materiais: Uso da cor relacionada por semelhança de matiz de um objeto, ou do material que o constitui. Ex: O verde com a natureza, o vermelho com o sangue. Associações sensoriais: Usamos os sentidos para realizarmos. Cores frias, cores quentes, cores ácidas... Associações culturais ou convencionais: Sãoconvenções de uma sociedade, de um setor deprestação de serviço ou até de uma tribo social. Ex: O luto é preto no Brasil e branco no Japão... Rosa é de menina e azul de menino... Vermelho é balança negativa...

Textura Textura é o aspecto de uma superfície ou seja, a "pele" de uma forma, que permite identificá-la e distingui-la de outras formas. Quando tocamos ou olhamos para um objeto ou superfície s entimos se a sua pele é lisa, rugosa, macia, áspera ou ondulada. A textura é, por isso, uma sensação visual ou táctil.

Escala -

Textura Gráfica :Quanto à execução gráfica para obter texturas artificiais, pode-se utilizar os seguintes processos: fricção, impressão, decalque e construção.

A relativização da sensação de tamanho de um elemento de acordo com o contexto/ composição em que está inserido.

Dimensão -

A dimensão existe no mundo real, não só podemos senti-la,mas também vê-la com o auxílio de nossa visão. As representações da dimensão em formatos visuais podem ser bidimensionais (comprimento e largura definem conjuntamente uma superfície plana) e tridimensionais ( comprimento, largura e altura). No desenho, pintura, fotografia, cinema, televisão, a dimensão é ilusória, apenas implícita, o principal artifício para simulá-la é a perspectiva.


Movimento -

Simbolo Faz parte da construção social do indivíduo. Funcionam como códigos de acesso a uma continuidade da representação que ultrapassa o visível. Um símbolo forte e que atinge a um grande número de pessoas, é comunitário e “ensinado sociamente”. É de fácil memorização e permanece através do tempo.

Como no caso da dimensão, o elemento visual do movimento se encontra mais frequentemente implícito do que explícito no modo visual. O movimento como conhecemos não se encontra no meio decomunicação, mas no olho do espectador, através da “persistência davisão”, fenômeno no qual uma série de imagens imóveis com ligeiras modificações vistas pelo homem a intervalos de tempo apropriados, fundem-se mediante um fator remanescente da visão, criando a sensação de movimento.

Conceito de Simbolo -

Sinais Simbólicos : Representa religiões, ideologias, conceitos. Sintetiza e dá concretude ao que não se pode ver na realidade.É a definição de SÍMBOLO associada ao uso da convenção e da simplificação. O conceito de SÍMBOLO usado nas marcas das Identidades Visuais: Dizemos que uma marca pode ser só tipográfica (logotipo) ou mista,com logotipo e símbolo.

Observamos que nestes casos, o símbolo também tem como objetivo sintetizar a comunicação de conceitos e valores ou somente particularizar a Identidade Visual, trazendo estímulos que remetam aos serviços prestados por aquela empresa, ou profissional liberal. A costrução da forma deste símbolo também visa: - Que este seja de fácil memorização. Só se procura o que se conhece.Observamos que as tentativas de falsificação usam soluções visuais similares para confundir o consumidor, ou fazer referência a forma conhecida.


Transparência -

Exatidão e Distorção -

é uma técnica utilizada para conseguir se explora e ter a possibilidade de se ver através de algo ou objeto que estiver na frente.

Exatidão : Nossa experiência visual e natural das coisas.O modelo do realismo nas artes visuais. Segue um padrão de câmera com os certos padrões de nossos olhos, fazendo com que seja feita nossa própria experiencia visual reprodução de muitos efeitos.

Opacidade Quando se é projetado uma composição para conseguir passar informação visual de um bloqueio relativamente total de um objeto que esteja por trás de outro objeto.

Distorção : Tem como certo objetivo de modificar a figura remodelando ela , com uma forma regular. Transformando em algo bem estranho da figura quebrando a visualidade que se é esperada.


Planura e Profundidade -

Rotundidade e Angularidade Rotundidade : Uso na composição do predomínio de linha e formas curvas

Planura : Uso da ausência da perspectiva. Planificação, como sugere o nome ou a eliminação de aspectos da tridimencionalidade Profundidade : Uso da perspectiva. Imitação dos efeitos de luz e sombra intensificando a representação de volume.

Singularidade e Justaposição Singularidade : Técnica de usar a estratégia de apresentar um só tema indepentente. Uso de enfoques isolados. Justaposição : Técnica que favorece a comparação. As informações a serem comparadas assumem características comuns para a oposição ou a proximidade existentes ficarem mais claras.

Angularidade : Uso na composição do predomínio de linha e formas angulosas.


Interseção e Paralelismo -

Contraste -

Intersecção : Uso na composição de formas tão próximas que compartilham suas áreas.

O entendimento da diferença de sabores e de quantidade vem, neste caso do contraste de cor. Os matizes se contrapõem na mesma associação sensorial: Quente e frio. E são matizes complementares no espectro cromático, em oposição de posicionamento.

Paralelismo : Formas afastadas. Sem compartilhar as suas áreas. O entendimento de leve ou pesado pode depender do contraste de dimensão. A geometria e a organicidade são usadas no contraste de formas. Quando existe a ambiguidade, um modo de dar ênfase ao que é principal é o uso do contraste. Cabe ao projetista não deixar dúvidas em relação ao que é o principal, dentro de muitas informações parecidas a serem transmitidas.


Resumo Linguagem

Visual Victor Araujo


Revista