Page 1

Linhas

Revista eletrônica da Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos | Ano 2 | N º 17

Os 40 anos da EMTU

Responsável por gerenciar o transporte público metropolitano em 133 cidades, ao longo deste período a empresa passou também a implantar infraestruturas como corredores, terminais de ônibus e Veículo Leve sobre Trilhos (VLT)


2

Linhas |||| NĂşmero 17


Opinião

Compromisso com o transporte metropolitano É

com orgulho, mas princi-

sobre Trilhos (VLT) da Baixada San-

palmente senso de respon-

tista, o primeiro do país.

sabilidade e de dever cum-

A empresa está expandindo os

prido, que celebramos neste mês

empreendimentos

os 40 anos de fundação da Empresa

ção da rede metropolitana com a

Metropolitana

de

de

estrutura-

Transportes

implantação de mais corredores de

Urbanos (EMTU/SP). A trajetória da

ônibus e BRTs em regiões como Alto

empresa é marcada pela busca con-

Tietê, Cajamar, Campinas, Guaru-

tínua em oferecer aos usuários dos

lhos, Osasco, Vale do Paraíba. Está

ônibus metropolitanos conforto e

em projeto ainda a ampliação do

agilidade em seus deslocamentos.

VLT da Baixada Santista, com mais

São mais de 54 milhões de pas-

7,5 km de extensão no trecho Bar-

mensal-

reiros–Samaritá, em São Vicente,

Clodoaldo Pelissioni

mente em 133 cidades de cinco regi-

além da construção do BRT Litoral

Secretário de Estado dos Transportes

ões do Estado. Para suprir tamanha

em Praia Grande.

Metropolitanos de São Paulo

sageiros

transportados

demanda, ao longo dessas quatro

Claro que ainda há muito a ser

décadas a empresa passou, além

feito, mas sem dúvida o trabalho da

de gerenciar o transporte público

EMTU tem sido fundamental para

metropolitano, também a implantar

melhorar a mobilidade nas regiões

infraestruturas como corredores e

metropolitanas e, consequentemente,

terminais de ônibus e o Veículo Leve

a qualidade de vida da população.

Linhas |||| Número 17

3


O que vai pelas linhas

Lima e Paulista Estações São Bento e Tiradentes Faria mostras recebem exposições de presépios têm fotográficas até 7 de janeiro

Na estação São Bento obra em origami está em exibição até 31 de dezembro. Em Tiradentes 21 presépios ficam em cartaz até 7 de janeiro

Festas populares do Brasil e cenas cotidianas de quilombo no Maranhão são temas das exposições de duas fotógrafas

F

ica em cartaz até 7 de janeiro na estação Faria Lima, da linha

4-Amarela, administrada pela concessionária ViaQuatro, a exposição “Festas Populares”, assinada pela fotógrafa Andrea Goldschmidt, que deu início ao projeto em 2014 e já registrou 32 celebrações populares, em mais de 30 cidades brasileiras. Entre elas estão a Festa da Batata, na Aldeia Krahô, no Tocantins, a Festa do Bumba Meu Boi, no Maranhão, a Procissão das Almas, em Minas Gerais e, a Festa de Iemanjá, em São Paulo. Também até 7 de janeiro, os passageiros da linha 4 podem apreciar na estação Paulista uma mostra

Presépio de origami está exposto na vitrine da estação São Bento até 31 de dezembro

E

que registrou cenas cotidianas do m clima de Natal, a progra-

são feitos de materiais diversos

quilombo de Frechal, localizado no

mação deste mês da Linha da

como argila, barro, juta, madeira,

Maranhão. A exposição é uma parce-

Cultura conta com exposições de

metal e palha. A mostra “Os Arte-

ria entre a ViaQuatro e o Consulado

presépios nas estações São Bento

sãos e seus Presépios”, com obras

Geral da Bélgica.

e Tiradentes, da linha 1-Azul. Na

de 14 artistas de São Paulo, fica em

vitrine da estação São Bento é pos-

cartaz até 7 de janeiro.

sível ver até 31 dezembro um grande

O presépio foi retratado pela pri-

presépio de origami, uma milenar

meira vez em argila na Idade Média,

técnica japonesa. Em “O Presépio

por São Francisco de Assis. Desde

em Dobraduras de Papel”, o artesão

então é um dos símbolos cristãos

Paulo Roberto Palma representa por

mais usados em comemoração ao

meio de 50 peças figuras, animais e

nascimento de Jesus.

pessoas que encenam o nascimento de Jesus.

4

da fotógrafa belga Christine Leidge

||||

Para acompanhar a programação completa da Linha da Cultura,

Já os 21 presépios em exposição

acesse o site: http://www.metro.

na Sala do Museu de Arte Sacra, no

sp.gov.br/cultura/linha-cultura/

mezanino da estação Tiradentes,

programacao.aspx. Linhas |||| Número 17

||||

Mostra sobre o quilombo de Frechal fica na estação Paulista até 7 de janeiro


O que vai pelas linhas

Curtas Muro da estação Lapa ganha novas cores com grafite

Metrô amplia horário de atendimento nas estações Alto da Boa Vista, Borba Gato e Brooklin

A partir de agora quem passar

o muro de cerca de 20 m². A parte

pela estação Lapa, na linha 8-Dia-

interna da passagem subterrânea,

mante

Prestes–Itapevi),

conhecida como Toca da Onça,

poderá conferir um novo grafite

também ganhou grafites. A ação

Desde o último dia 27 de

no muro local. Feita por seis artis-

tem apoio da CPTM e da Subpre-

novembro, as estações Alto

tas, a pintura pretende renovar o

feitura da Lapa e faz parte do pro-

da Boa Vista, Borba Gato e

espaço e a vista de quem passa por

jeto “Galeria de Arte a Céu Aberto

Brooklin,

ali diariamente. De personagens a

– nos Muros da CPTM”, focado na

setembro na linha 5-Lilás,

artes em 3D, os grafiteiros utiliza-

arte urbana como grafite, mosaico,

operam

ram diversas formas para colorir

xilogravura, entre outros.

horário integral, das 4h40

(Júlio

inauguradas diariamente

em em

até meia-noite, e cobrança de tarifa, assim como as demais estações da rede. Desse modo, agora os usuários podem utilizar o trecho entre Capão Redondo

e

Brooklin,

com

um total de dez estações e 13 quilômetros, todos os dias no horário padrão.

ViaQuatro é eleita a Concessionária do Ano pelo PPP Awards & Conference Brazil A

ViaQuatro,

responsável

pela operação e manutenção da linha 4-Amarela de metrô de São Paulo, foi reconhecida a melhor Concessionária do Ano, no PPP Awards & Conference Brazil, evento, realizado no dia 21 de novembro, que prestigiou os trabalhos de Parcerias Público-Privadas desenvolvidos no Brasil para inspirar o desenvolvimento das boas práticas nesse mercado.

EMTU abre principais informações para consulta do público

disponíveis no site da empresa, www. emtu.sp.gov.br, e podem ser con-

Os principais dados da Empre-

sultadas, distribuídas, reutilizadas e

sa Metropolitana de Transportes

compartilhadas por qualquer pessoa.

Urbanos (EMTU/SP) agora estão

O sistema oferece possibilidade de

abertos à sociedade dentro do con-

cruzamento de dados e permite aces-

ceito internacional “open data”.

so fácil a desenvolvedores, pesquisa-

As primeiras informações já estão

dores, estudantes e cidadãos em geral.

Linhas |||| Número 17

5


Capa

EMTU/SP completa 40 anos de contribuição à mobilidade urbana

Empresa é responsável por estruturar e gerenciar o transporte intermunicipal em 133 cidades do Estado 6

Linhas |||| Número 17


Capa

N

este mês, a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU/SP) completa 40 anos de existência. Criada em 1977, a empresa

iniciou suas atividades no ano seguinte, em 1978, quando as linhas intermunicipais, até então autorizadas pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER) em regime de permissões, começaram a ser transferidas para a EMTU/SP. Além de gerenciar o transporte público entre as cidades nas regiões metropolitanas, neste período a empresa incorporou diversas atribuições, como implantar infraestruturas para aprimorar o serviço à população, com a construção de corredores de ônibus, e inovar com o emprego de modernas tecnologias para a estruturação dos sistemas, a exemplo da construção do primeiro trecho do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) da Baixada Santista, o primeiro do país. O ineditismo, aliás, é parte da história da EMTU/ SP. A concessão do Corredor Metropolitano ABD (São Mateus–Jabaquara), em maio de 1997, foi a primeira no setor no Brasil em área metropolitana. O Consórcio Metra assumiu a operação desse sistema, atualmente o mais bem avaliado pelos usuários da Grande São Paulo segundo pesquisa da Associação Nacional dos Transportes Públicos (ANTP) e que serve de referência para outros modais construídos em diversas cidades brasileiras. A política de inovação da empresa foi destaque neste ano no UITP Awards 2017, prêmio da União Internacional de Transporte Público. A modelagem financeira adotada na Parceria Público-Privada (PPP) para implantação do VLT na Baixada Santista foi premiada na categoria Modelos de Negócio e de Financiamento Inovadores. Além do VLT, nela foi incluída a concessão da operação das linhas intermunicipais e o fornecimento de sistemas e veículos para os nove municípios que compõem a região. “Ao longo dessas quatro décadas, a EMTU/SP tem tido o significativo papel de gerenciar, expandir e modernizar o sistema de transporte metropolitano sobre pneus a fim de contribuir para a necessária mudança da matriz de deslocamentos urbanos do transporte individual para o coletivo”, aponta o secretário dos Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni. Para Joaquim Lopes, presidente da EMTU/SP, a atuação da empresa é fundamental para o desenvolvimento social e econômico das cidades paulistas. “O trabalho da EMTU/SP serve de referência para os que buscam a melhora da mobilidade urbana e, sobretudo, para os que lutam por melhor qualidade de vida aos cidadãos”, afirma.

Linhas |||| Número 17

7


Capa

Plano Nacional de Viação deu origem à companhia

Os primeiros ônibus do serviço metropolitano gerenciado pela EMTU começaram a circular nos anos 1980

A

EMTU/SP teve origem em 1973,

ferroviárias suburbanas, balsas e

metropolitano sobre pneus, tirando

quando foi elaborado o Plano

Companhia Municipal de Transpor-

da Emplasa essa responsabilidade.

Nacional de Viação, que abrangia sis-

tes Coletivos (CMTC), proposta que

temas metropolitanos e municipais

acabou não se concretizando.

de transportes sobre trilhos e pneus, aquaviário e de pedestre.

8

Naquele

período

inicial

Em 1987, a Emplasa foi dividida e a EMTU/SP, reconstituída. A

uma

empresa renasceu subordinada à

importante ação da EMTU/SP foi a

Secretaria dos Negócios Metropoli-

A empresa foi fundada legal-

substituição do serviço rodoviário

tanos e, depois, à atual Secretaria dos

mente em 13 de dezembro de 1977

(gerenciado pelo DER) pelo seletivo.

Transportes Metropolitanos (STM),

em meio à criação de instituições

Assim, o usuário da região metropo-

criada em 1991. O foco agora era o

voltadas para a estruturação do

litana passou a ter a possibilidade de

transporte coletivo sobre pneus de

transporte público no município de

viajar no conforto de um ônibus com

baixa e média capacidade, deixando

São Paulo na segunda metade da

padrão rodoviário sem ser obrigado a

para o Metrô apenas o controle dos

década de 1970, como a Secreta-

iniciar a viagem em terminais rodo-

ria de Negócios Metropolitanos, a

viários.

Empresa Paulista de Planejamento

Em 1980 a empresa foi desati-

Metropolitano S.A. (Emplasa) e o

vada e incorporada pela Emplasa,

Conselho Deliberativo da Grande

sob a tutela da então Secretaria de

São Paulo (Codegran).

Estado de Negócios Metropolitanos.

Ficou a cargo da EMTU/SP o

Naquele ano a Emplasa absorveu o

planejamento e a coordenação da

pessoal técnico da área de trans-

execução dos projetos e da operação

portes da EMTU/SP que, poste-

do transporte urbano, integrando

riormente, foi transferido para o

diversos modais. Pelo projeto origi-

Metrô, quando foi montada, em

nal, a empresa ficaria responsável

1983, a Diretoria de Planejamento de

por todo o sistema de transportes

Transporte Metropolitano para cui-

O antigo bilhete magnético evoluiu para

públicos, inclusive Metrô, linhas

dar especificamente do transporte

o cartão eletrônico

Linhas |||| Número 17


Capa 1977

transportes sobre trilhos.

Criação da EMTU/SP

Em 2013, um importante passo na

modernização

tecnológica

da

1980

gestão do transporte metropolitano

Desativação da empresa

ocorreu com a implantação do Centro de Gestão e Supervisão (CGS) da

1987

EMTU/SP na unidade de São Bernardo

Recriação da EMTU/SP

do Campo. Lá a frota de veículos das regiões metropolitanas do Estado de

1988

São Paulo é monitorada em tempo

Inauguração do Corredor Metropolitano ABD

real por meio de software e equipamentos instalados nos ônibus, per-

1991

mitindo ações imediatas para a nor-

Vinculação da EMTU/SP à Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos

malização da operação do sistema.

O trólebus na metrópole

1996

Durante a segunda metade da

Concessão do Corredor ABD

década de 1970, na esteira da crise do petróleo e também com o objetivo de

1997

reduzir a poluição urbana, foi criado

Criação da Região Metropolitana da Baixada Santista

o Programa Trólebus no Estado de São Paulo. A proposta era utilizar ônibus elétricos que rodariam em corredores

específicos,

2001

formando

Criação da Região Metropolitana de Campinas

um anel viário. A operação deles seria a primeira missão da EMTU/SP,

2006

recém-reconstituída. Foi neste con-

Concessão de quatro áreas da RMSP

texto que surgiu o pioneiro Corredor Metropolitano ABD, construído entre

2008

1985 a 1987 e inaugurado em 1988,

Inauguração do Corredor Metropolitano Biléo Soares, na RMC

que inicialmente operava exclusivamente com trólebus. Ligava as regiões leste e sul da capital, passando

2010

por quatro municípios do ABC (Dia-

Primeiro veículo a hidrogênio entra em operação

dema, São Bernardo, Santo André e Mauá) e se integrando ao Metrô na

2011

estação Jabaquara. A extensão desse

Criação da Superintendência de Engenharia e Obras

corredor, ligando Diadema ao bairro do Brooklin, na capital, foi concluída em 2010.

2012

A regularização do transporte

Criação da Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte

clandestino sobre pneus na Grande São Paulo também teve relevante participação da EMTU. Em 1998,

2013

os perueiros foram cadastrados na

Inauguração do Centro de Gerenciamento e Supervisão (CGS)

empresa para que pudessem prestar serviços de maneira regular e segura aos usuários. Foi criado o sistema

2017

Orca-RTO (Reserva Técnica Opera-

Conclusão do primeiro trecho do VLT da Baixada Santista, entre Santos e São Vicente

cional), que complementou o serviço das linhas regulares e reduziu a clandestinidade de modo significativo. Linhas |||| Número 17

9


Capa

Empresa investe em combustíveis alternativos

Corredor ABD serve de laboratório para novas tecnologias ambientais, como o ônibus elétrico híbrido

10

EMTU/SP tem como uma de

A

2015. Atualmente, a EMTU/SP busca

nica com a ANTP, com a supervisão

suas diretrizes o cuidado com o

novos parceiros para possibilitar a

técnica dos projetos que foram rece-

meio ambiente. A empresa incentiva

continuidade da operação desse tipo

bidos sob a forma de doação. Desde o

o desenvolvimento de tecnologias

de ônibus.

início de 2016, técnicos da empresa

e combustíveis alternativos a fim

Além disso, em 2013, em con-

tem visitado as garagens das ope-

de reduzir os índices de emissão de

junto com a Mitsubishi Heavy Indus-

radoras do sistema metropolitano

poluentes. Já em 1979, dois anos

tries (MHI), concessionária Metra e

para coletar informações técnicas e

após sua criação, a empresa foi pio-

Eletra, a empresa iniciou testes com

operacionais e verificar o desempe-

neira ao testar o etanol em quatro

um ônibus elétrico movido a bate-

nho ambiental de cada unidade. A

ônibus de uma de suas linhas.

ria (e-Bus). Foi o primeiro veículo

ação indica práticas que poderão ser

O Corredor Metropolitano ABD

articulado produzido no Brasil a ser

adotadas pelas empresas com vistas

vem servindo de laboratório para

testado com tração elétrica, movido

a melhorar os índices ambientais.

testar combustíveis limpos como

totalmente por um sistema de bate-

Vale destacar ainda que em

ocorreu entre 2008 e 2010 com o

rias, no trecho Diadema–Brooklin

fevereiro deste ano a EMTU/SP fir-

ônibus movido a etanol, o veículo

do Corredor ABD. Em fevereiro de

mou convênio com o Instituto de

elétrico híbrido e os ônibus brasi-

2014, o veículo começou a operar

Astronomia, Geofísica e Ciências

leiros movidos a célula combustí-

com passageiros e apresentou resul-

Atmosféricas (IAG) da Universidade

vel a hidrogênio, resultado de uma

tados positivos. Em 2015, os testes

de São Paulo (USP) a fim de verifi-

parceria como Ministério de Minas

foram concluídos com sucesso. O

car as concentrações de poluentes

e Energia (MME) e com o Programa

prosseguimento do projeto está em

na

das Nações Unidas para o Desenvol-

discussão junto à iniciativa privada.

público metropolitano. Os equipa-

infraestrutura

do

transporte

vimento (Pnud), entre outros. O pri-

A EMTU/SP participa também

mentos de medição foram instala-

meiro protótipo entrou em operação

do Programa Internacional STAQ –

dos nos terminais metropolitanos

regular em 2010 e mais três veícu-

Transporte Sustentável e Qualidade

de Campinas, Guarulhos (Cecap) e

los foram incluídos no sistema em

do Ar por meio de cooperação téc-

de Santo André.

Linhas |||| Número 17


Capa

EMTU/SP atua em 133 cidades de cinco regiões A

lém da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), a EMTU/SP

atua nas regiões metropolitanas da Baixada Santista, de Campinas, de Sorocaba e do Vale do Paraíba e Litoral Norte. Essas regiões somam, ao todo, 133 municípios. E mais recentemente foi instituída a Região Metropolitana de Ribeirão Preto, próxima área que terá o transporte metropolitano gerenciado pela EMTU/SP, em 34 cidades. A articulação e amplo diálogo com as prefeituras das cidades que compõem as regiões metropolitanas têm sido fundamentais para a viabilização das ações e realizações da EMTU/SP. É a empresa que administra as questões de interesse da região nas atividades de transporte, adotando regras comuns a todos de acordo a legislação. Rodoterminal de Santa Bárbara d’Oeste, obra da EMTU no Corredor Biléo Soares

EMTU em números

133 municípios de cinco regiões

••Atuação em metropolitanas

54 milhões de passageiros transportados

••Mais de por mês

1,5 milhão de viagens

••Cerca de realizadas mensalmente, mais de 54 mil por dia

35 milhões de quilômetros

•• rodados mensalmente, mais de 1 milhão por dia

940 linhas em operação

••

25 mil veículos cadastrados (sistema

••Mais de regular + fretamento)

21 terminais em operação

••

6 unidades administrativas no Estado de São Paulo

••

3 corredores metropolitanos em operação

••

1 linha completa em operação do VLT

••

Linhas |||| Número 17

11


Capa

Mais projetos em andamento

Expansão do VLT da Baixada Santista está em estudo

A

12

EMTU/SP trabalha não apenas

complementares, com estações de

contará com faixas exclusivas para

para melhorar o presente, mas

transferências e paradas em pontos

ônibus com ultrapassagem nas 17

também para preparar as cidades

estratégicos do sistema para mobili-

estações de embarque e desembar-

para o futuro. Por isso, investe no

dade, conforto e segurança dos usu-

que, oito passarelas e integração com

desenvolvimento

ários em ambos os trechos.

a CPTM na futura estação de transfe-

de

tecnologias

e estruturas que possibilitem a

No Vale do Paraíba e Litoral

rência Dom Bosco. O BRT Metropoli-

racionalização das linhas de ônibus

Norte está em projeto a construção

tano Cajamar–Santana de Parnaíba–

intermunicipais.

empreen-

do Trivale e os estudos estão con-

Barueri, por sua vez, terá 28,3 km de

dimentos como corredores e BRTs

centrados prioritariamente no BRT

extensão nos quais deverão ser cons-

metropolitanos

passageiros

Metropolitano Jacareí–São José dos

truídos três terminais de integração

ganham tempo, conforto e segu-

Campos, com 24 km de extensão,

em cada um dos três municípios.

rança no transporte público.

com dois terminais em São José

Na Baixada Santista, está em

Com os

Na RMSP estão em construção

dos Campos e Jacareí e mais quatro

projeto mais 8 km de VLT no trecho

16 km de viário do Corredor Itapevi

equipamentos, sendo um terminal

de Conselheiro Nébias a Valongo, em

– São Paulo e mais 7,6 km estão

em Pindamonhangaba e as esta-

Santos. Atualmente, o VLT da Bai-

em projeto. Na região de Guaru-

ções de transferência de Caçapava,

xada Santista liga São Vicente a San-

lhos, estão em projeto mais 4,5 km,

Taubaté e Tremembé.

tos ao longo de 11 km de via férrea,

entre Guarulhos e São Paulo (Metrô

Estão em andamento ainda os

Tucuruvi), e 4,09 km entre Tiqua-

BRTs perimetrais Alto Tietê, Leste

tira e São Paulo (Penha). Na Região

e Cajamar–Santana de Parnaíba–

Além disso, está em estudo a

Metropolitana de Campinas estão

Barueri. O BRT Perimetral Alto Tietê

implantação do VLT em outros tre-

em implantação mais 24,3 km no

terá 20,2 km de extensão ligando

chos, como Barreiros–Samaritá, em

Corredor Vereador Biléo Soares que

Arujá a Ferraz de Vasconcelos, pas-

São Vicente, com 7,5 km de extensão,

serão somados aos 19 km já em ope-

sando por Itaquaquecetuba e Poá.

mais a construção do BRT Litoral

ração. Está em andamento também

Com 26,7 km de extensão, o BRT

Praia Grande (Caiçara) – estação São

a construção de mais 4,9 km de vias

Perimetral

Vicente do VLT.

Leste

(Jacu

Linhas |||| Número 17

Pêssego),

onde foram construídas 15 estações de embarque e desembarque.

||||


Capa

Linhas |||| NĂşmero 17

13


Estrada de ferro

Programa leva 738 alunos à ferrovia Projeto Trilhos Pedagógicos: História e Cidadania é desenvolvido pela EFCJ em parceria com a Secretaria de Educação de Pindamonhangaba

A

Estrada de Ferro Campos de

que segue até o Parque Reino das

os estudantes produziram textos

Jordão (EFCJ), em parceria

Águas Claras, em um percurso de 17

sobre a ida à ferrovia, que foram

com a Secretaria Municipal

km feito em aproximadamente 45

publicados em um painel da sala de

de Educação e Cultura de Pindamo-

minutos. No parque eles podem ver

aula.

nhangaba, deu início neste segundo

diversas esculturas dos personagens

“Gostei muito do passeio, prin-

semestre ao programa Trilhos Peda-

de Monteiro Lobato, desfrutar do

cipalmente quando explicaram como

gógicos: História e Cidadania. O pro-

contato com a natureza e conhecer as

funcionam os trens e ferramentas

jeto educacional visa levar o conhe-

histórias da ferrovia e seu valor para

utilizadas pela ferrovia”, afirma o

cimento sobre a história da EFCJ e

a cidade. A atividade dura no total

estudante Ryan Fillipi, 10 anos.

sua influência regional aos alunos

cerca de 2h30.

do 5º ano do ensino fundamental da rede municipal.

A expectativa é de que o projeto

A professora Maria Isabel de

se estenda em 2018 a fim de benefi-

Moraes, da escola Odete Corrêa

ciar mais alunos da rede municipal.

Desde 13 de setembro, ao todo,

Madureira, que acompanhou uma

“Além de contribuir para a melhor

738 estudantes, de 21 escolas da rede

das visitas, ressalta a importância

formação de crianças e adolescen-

municipal

Pindamonhangaba,

dessa parceria para o desenvolvi-

tes, essa iniciativa visa aproximar

visitaram a ferrovia. O último passeio

mento e aprendizagem dos alunos.

a Estrada de Ferro das futuras gera-

deste ano ocorreu no dia 1º deste mês

“Eles puderam conhecer um lugar

ções da região para que elas possam

com a participação de 41 alunos.

de

que a maioria desconhecia, ficaram

dar o devido valor e importância à

Os alunos embarcam na esta-

impressionados e já querem retor-

história da ferrovia”, pontua Ayrton

ção Pindamonhangaba em um trem

nar.” Além disso, segundo a docente,

Camargo, diretor da EFCJ.

Estudantes da rede municipal de ensino de Pindamonhangaba na parada Parque Reino das Águas Claras

14

Linhas |||| Número 17

||||


Estrada de ferro

Reformada subestação de S. Antônio do Pinhal Terceiro transformador do local acaba de ser modernizado

C

om a recuperação e instalação do terceiro transformador, a Estrada de Ferro Campos do

Jordão (EFCJ) acaba de concluir os serviços básicos de manutenção corretiva da subestação de Santo Antônio do Pinhal. Entre as intervenções realizadas no transformador estão a instalação de instrumentos modernos como o Relé de Buchholz (um dispositivo de proteção própria contra falta de óleo, acumulação de gases e falhas graves dentro do equipamento), sistema de remoção de umidade em sílica-gel, itens de segurança como termômetro de temperatura de óleo, dispositivo de alívio de pressão e indicador de nível do reservatório. Foi feita ainda a verificação do núcleo da parte elétrica, como testes de relação de transformação, resistência ôhmica dos enrolamentos, tensão aplicada e físico-químico, além de análise cromatográfica do óleo isolante. Agora, os três transformadores do local estão operacionais após pas-

Após reforma, terceiro transformador ficou mais moderno e seguro

sarem por manutenções, sendo que antes das intervenções dois deles

e adequação do sistema com recursos

melhorias na subestação continu-

encontravam-se

A

provenientes das receitas da ferrovia

arão. No início de 2018 está pre-

subestação utiliza dois transforma-

e do tesouro do Estado, sendo realiza-

vista a troca do pórtico de entrada,

dores operando ao mesmo tempo e

das, além das já citadas recuperações

equipamento que faz a conexão dos

o terceiro é utilizado como backup.

nos transformadores, manutenção

fios elétricos da subestação com

Esse sistema é de vital importância

dos painéis de operação do sistema,

as linhas aéreas da ferrovia, bem

para a EFCJ, pois ele é o responsável

manutenção dos conjuntos de reti-

como a renovação do sistema SPDA,

pela alimentação elétrica em cor-

ficação que estavam inoperantes e

de proteção a descargas elétricas

rente contínua que supre toda sua

serviços estruturais no prédio como

atmosféricas.

frota de automotrizes e bondes.

inoperantes.

troca de todo telhado, restauração

Segundo Ewerton de Oliveira,

No início da atual gestão, em

das esquadrias de madeira e acaba-

diretor do Centro de Sistemas e

2012, a subestação encontrava-se

mento e pintura das paredes internas

Materiais Rodantes, “essas melho-

com grandes problemas no prédio e

e externas do edifício.

rias trazem eficiência e confiabili-

nos equipamentos. Desde então, ini-

Após a finalização dos serviços

ciou-se um processo de recuperação

de manutenção básicos as ações de Linhas |||| Número 17

dade para a operação e aumentam a segurança do sistema.”

||||

15


MetrĂ´

16

Linhas |||| NĂşmero 17


CPTM

CPTM implanta últimas vigas da linha 13-Jade Próxima etapa é concluir concretagem na área onde será implantada a via férrea

A

s obras da linha 13-Jade, da

extensão e pesa 96,8 toneladas, o

de março do ano que vem. Com um

CPTM, que ligará São Paulo ao

equivalente a 121 carros populares

investimento de R$ 2,3 bilhões,

Aeroporto Internacional de

com peso médio de 800 kg cada

a linha 13-Jade representou um

Guarulhos, estão em ritmo acelerado

um. Para atender a essa demanda,

grande desafio para a engenharia

e acaba ter uma das mais importan-

uma fábrica foi montada em um

civil. São seis transposições, das

tes etapas finalizada. No início deste

dos canteiros, onde são produzidas

quais uma realizada por meio de

mês foram lançadas as últimas 20

a maioria das peças pré-moldadas

um viaduto estaiado e cinco pelo

vigas pré-moldadas, do total de 764,

previstas no projeto, facilitando a

método balanço sucessivo, técnica

utilizadas para dar sustentação ao

logística de distribuição do material

indicada para vencer vãos em áreas

trecho em elevado da linha. Graças

em vários pontos da obra. Após o

onde há dificuldade para montagem

a essas vigas, os trens percorrerão

lançamento das vigas, serão feitos

de escoramentos, como rios e vias de

o trajeto de 7,9 quilômetros sobre

os serviços de concretagem da área

tráfego intenso. A principal trans-

importantes rodovias como a Ayrton

onde será implantada a via férrea.

posição em balanço sucessivo fica na

Senna e a Hélio Smidt, sem impacto no trânsito de veículos. Cada viga mede 31 metros de

No total, há 2.300 trabalhadores

rodovia Presidente Dutra e tem um

envolvidos na obra para que a nova

vão livre de 120 metros. Já o viaduto

linha entre em operação a partir

estaiado tem dois mastros com cerca de 70 metros de altura e o maior vão a ser vencido é de 180 metros no entroncamento entre as rodovias Ayrton Senna e Hélio Smidt.

A linha 13-Jade No total, estão sendo implantados 12,2 km de linha, saindo da estação Engenheiro Goulart, na linha 12-Safira

(Brás-Calmon

Viana),

em direção a Guarulhos, com duas novas estações: Guarulhos-Cecap e Aeroporto-Guarulhos. A estação Engenheiro Goulart foi reconstruída e entrou em operação na linha 12-Safira em agosto deste ano e a partir do ano que vem será o ponto de integração entre as duas linhas. Também haverá integração com o Terminal Rodoviário de Guarulhos e o Terminal Metropolitano da EMTU na estação Aeroporto. A demanda inicial prevista é de 130 mil usuários por dia. Com arquitetura arrojada, as estações têm estruturas leves e envidraçadas, com bastante iluminação natural e amplos mezaninos, sendo projetadas para atender com conVigas pré-moldadas são utilizadas para dar sustentação a trechos elevados em via Linhas |||| Número 17

forto aos passageiros.

||||

17


CPTM

Estação Suzano ganha mural de 125m² na área externa Artista Ruy Guanaes assina a intervenção de arte urbana feita na parte externa da estação

contou com o apoio da Prefeitura de Suzano e da CPTM. O mural foi instalado, entre os dias 5 e 21 de novembro, na parte externa da estação Suzano, na parede ao lado do bicicletário, no acesso Sul. A obra faz parte do projeto “Galeria de arte a céu aberto – nos muros da CPTM”, voltado a intervenções de arte urbana como grafite, mosaico, xilogravura, entre outros.

Arte urbana na CPTM A CPTM apoia a arte urbana para Obra faz parte do projeto “Galeria de arte a céu aberto – nos muros da CPTM”

A

estação

se aproximar do público jovem e incentivar a conservação e renovação

linha

a reflexão sobre a importância da

dos seus espaços, além de promover

11-Coral, acaba de ganhar um

Suzano,

na

boa convivência e dos valores cen-

a valorização do grafite. Ao longo dos

mural com 125m², assinado

trais que estão perdendo espaço para

últimos anos, estações e muros da

pelo artista Ruy Guanaes. Intitulada

as novas tecnologias e modelos de

ferrovia vêm se transformando em

“Ordem e caos”, a obra tem como

vida”, afirma Guanaes.

grandes galerias de arte urbana. Para

protagonistas duas figuras de uma

A sugestão de expor a obra em

a realização dos projetos de grafite,

mesma linha ideológica e filosófica,

um local público surgiu durante uma

a CPTM mantém inúmeras parcerias

mas que possuem pensamentos dife-

roda de conversas com amigos. Foi

com artistas independentes. Além

rentes: os personagens bíblicos Paulo

quando Guanaes, que estava há 10

das

e João, que difundiram o cristianismo

anos sem grafitar espaços públi-

ações de grafite contam com o apoio

na Antiguidade. “A ideia é estimular

cos, resolveu levar a ideia adiante e

de empresas, ONGs e prefeituras. ||||

comunidades

convidadas,

as

CPTM instala 426 entradas USB em 48 estações Os pontos para recarga de celulares podem ser usados nos bancos das plataformas s usuários de 48 estações da CPTM

O

vencida pela empresa Eletromídia.

já podem carregar seus celula-

• Linha 7-Rubi: Água Branca, Balta-

res e utilizar aparelhos eletrônicos

zar Fidélis, Botujuru, Caieiras, Campo

enquanto aguardam o embarque no

Limpo Paulista, Francisco Morato,

trem. Foram instaladas 426 entradas

Franco da Rocha, Jaraguá, Lapa 7,

USB nos bancos das plataformas das

Perus, Piqueri, Pirituba, Várzea Pau-

Julieta, Hebraica-Rebouças, Juruba-

linhas 7-Rubi, 8-Diamante, 9-Esme-

lista e Vila Clarice.

tuba, Morumbi, Osasco, Pinheiros,

ralda, 11-Coral e 12-Safira.

• Linha 8-Diamante: Antonio João,

Presidente Altino, Primavera-Inter-

A previsão é aumentar para 649

Domingos de Moraes, Imperatriz

lagos, Socorro e Vila Olímpia.

pontos nas seis linhas até o início do

Leopoldina, Jardim Belval, Jardim

• Linha 11-Coral: Dom Bosco, Ferraz

ano que vem, beneficiando também

Silveira, Lapa B, Palmeiras-Barra

de Vasconcelos, Guaianazes, Ita-

os passageiros da linha 10-Turquesa.

Funda, Quitaúna, Sagrado Coração e

quera, José Bonifácio e Poá.

Santa Terezinha.

• Linha 12-Safira: Aracaré, Enge-

de exploração comercial dos bancos e

• Linha 9-Esmeralda: Autódromo,

nheiro Manoel Feio, São Miguel Pau-

painéis das estações, cuja licitação foi

Berrini, Cidade Jardim, Grajaú, Granja

lista e Tatuapé.

O serviço faz parte do contrato

18

Pontos de recarga estão em 48 estações

Linhas |||| Número 17

||||


#GentilezaGeraGentileza Evite permanecer parado na área das portas. Facilite a circulação dentro dos ônibus.

X

Linhas |||| Número 17

19


METRÔ

Linha 17-Ouro já tem 429 vigas instaladas Já foram implantadas 80% das vigas-guia do trecho prioritário, entre as futuras estações Jardim Aeroporto, Congonhas e Chucri Zaidan

Cada uma das vigas-guia pesa, em média, 90 toneladas e tem 30 metros de comprimento

A

20

té este mês de dezembro o

trens da linha 17.

Pinheiros, entre as estações Chucri

Metrô já lançou 429 vigas-

A complexidade desses traba-

Zaidan e Morumbi (CPTM). Parale-

guia nas obras da linha

lhos exigiu a interdição das avenidas

lamente, os mais de 1.100 colabora-

17-Ouro, chegando a quase 80% da

durante a madrugada para o trans-

dores da obra trabalham também na

implantação das vias que vão ligar

porte e instalação das vigas. São

conclusão das estações Congonhas,

o aeroporto de Congonhas à rede

dois guindastes utilizados simulta-

Jardim Aeroporto, Brooklin Paulista,

metroferroviária. Todas as vigas

neamente com capacidade para 220

Vereador José Diniz, Campo Belo, Vila

entre as futuras estações Jardim

toneladas cada um, permitindo o

Cordeiro e Chucri Zaidan. A estação

Aeroporto, Congonhas e Chucri Zai-

levantamento das peças de concreto.

Morumbi, a última deste trecho, terá

dan, que abrangem os trechos pro-

As vigas-guia são peças pré-

jetados para a circulação dos trens

moldadas de concreto que inter-

nas

Roberto

ligam os pilares e têm a função de

17-Ouro,

Marinho e Washington Luís, já

dar suporte e guiar os futuros trens

entrega em 2019, ligará o aeroporto

estão instaladas.

da linha 17-Ouro. Cada uma dessas

de Congonhas à estação Morumbi da

avenidas

Jornalista

suas obras iniciadas em 2018. O trecho prioritário da linha que

tem

previsão

de

Os trabalhos foram intensifi-

peças pesa, em média, 90 toneladas,

CPTM, com 7,7 km e oito estações. A

cados nos dois últimos meses com

mede 30 metros de comprimento

linha será uma importante ligação

a colocação das vigas curvas nas

e são lançadas a uma altura de 15

entre o aeroporto de Congonhas e a

avenidas Washington Luís, próximo

metros.

malha metroferroviária, permitindo

ao aeroporto, e Jornalista Roberto

Os próximos passos para con-

a conexão direta ao Metrô, na esta-

Marinho, perto do piscinão da Água

cluir a implantação dos mais de 7 km

ção Campo Belo da linha 5-Lilás, e à

Espraiada, que receberá o pátio de

de vias compreendem a colocação

CPTM, através da estação Morumbi

manutenção e estacionamento de

das vigas-guia no trecho da Marginal

da linha 9-Esmeralda.

Linhas |||| Número 17

||||


METRÔ

Metrô entrega nova galeria Borba Gato Foram investidos R$ 4,2 milhões na reconstrução do centro comercial

de R$ 4,2 milhões.

cara Klabin; e 17-Ouro, na estação

Iniciada em 2016, a recomposi-

Campo Belo. A linha, que já fun-

ção da Galeria Borba Gato fez parte

cionava de Capão Redondo ao Largo

de um acordo entre a Companhia do

Treze, ganhou em setembro deste

Metrô e os comerciantes locais para

ano, as modernas estações Alto da

recente-

amenizar os impactos das obras de

Boa Vista, Borba Gato e Brooklin,

mente aos comerciantes de

expansão da linha 5 entre as estações

além de Adolfo Pinheiro, que fun-

Santo Amaro a nova Galeria

Adolfo Pinheiro e Chácara Klabin.

ciona desde 2014.

Borba Gato. Construído original-

Para a montagem do canteiro e cons-

A meta é concluir o trecho com as

mente em 1961, o centro comercial

trução da estação Adolfo Pinheiro foi

estações Eucaliptos, Moema, AACD-

passou recentemente por um pro-

necessário desapropriar uma área de

Servidor, Hospital São Paulo, Santa

cesso de reconstrução para per-

40 mil m², que incluiu a demolição

Cruz e Chácara Klabin nos próximos

mitir a realização dos trabalhos de

parcial desse espaço de compras e

meses. A estação Campo Belo, no

ampliação da linha 5-Lilás.

o remanejamento do comércio para

meio da linha, está prevista para

um prédio próximo.

dezembro de 2018. Conhecida como

O

Metrô

entregou

Além da reconstituição de 744 m² do espaço e sua devolução para os 24 comerciantes ali instalados,

Expansão da linha 5-Lilás

a Linha da Saúde, quando completa a linha 5 proporcionará o acesso a

o Metrô também realizou as obras

As obras de ampliação da linha

importantes complexos hospitalares

de acabamento e paisagismo no

5-Lilás, com 11,5 km e novas 11

em seus 20 quilômetros de extensão

terreno desapropriado ao lado da

estações vão interligar o ramal às

total e 17 estações, do Capão Redondo

estação Adolfo Pinheiro, em frente

linhas 1-Azul, na estação Santa

à Chácara Klabin, beneficiando cerca

à galeria. O investimento total foi

Cruz; 2-Verde, na estação Chá-

de 800 mil passageiros por dia.

||||

Comerciantes durante a inauguração do novo espaço, que teve seus 744 m² reconstituídos Linhas |||| Número 17

21


ViaQuatro

ViaQuatro alerta para prevenção de acidentes Campanha desenvolvida pela concessionária se deve ao crescente número de ocorrências nas estações da linha 4-Amarela

Q

uem já não esbarrou em

“Com base nos registros, iden-

prudência, pois o piso molhado fica

alguém por estar digitando

tificamos que as principais causas

escorregadio. Sempre andar de mãos

no

de acidentes são ocasionadas por

dadas com crianças nos trens e esta-

em uma estação de metrô? Ou viu

hábitos

inofensi-

ções, usar o corrimão nas esteiras e

alguém correndo nas escadas rolan-

vos como ler ou digitar no celular

escadas fixas e rolantes e, no interior

tes e tropeçar? Situações como essas

enquanto caminha e correr nas

dos trens, sempre segurar nas bar-

são observadas com mais frequên-

escadas. Quando olham para o tele-

ras de apoio para evitar acidentes na

cia, a cada dia, nas estações da linha

fone ou livro, as pessoas se distraem

aceleração e frenagem dos trens.

4-Amarela de metrô em São Paulo.

e acabam esbarrando e tropeçando.

Para que as mensagens da cam-

celular

ao

caminhar

considerados

Com o objetivo de prevenir aci-

Entendemos que mudar uma única

panha alcancem maior número de

dentes, a ViaQuatro, concessionária

atitude pode agregar muito para

pessoas, pela primeira vez, a ViaQua-

que opera a linha 4-Amarela, está

gerar maior segurança aos nossos

tro adesivou as principais escadas

fazendo uma campanha para orien-

passageiros. É uma campanha de

rolantes das estações Pinheiros e Luz

tar passageiros a adotar pequenas

caráter preventivo, que estimula os

em toda a extensão. No total, a linha

mudanças em hábitos do dia a dia

usuários a observar o caminho por

possui 100 escadas rolantes e todas

que resultam em um ambiente mais

onde passa e a evitar acidentes”,

receberam algum tipo de adesivação

seguro para todos.

informa José Luiz Bastos, gestor de

com mensagens de orientação.

O número de casos de acidentes

Atendimento da ViaQuatro. Entre as dicas abordadas na ação

painéis e cartazes instalados em

nos últimos três anos. Neste ano,

estão evitar olhar e digitar no celular

todas as estações e área interna dos

a média mensal de ocorrências está

ao caminhar e ficar atento ao sinal

carros dos trens, com vídeos infor-

em 23,9, contra 20,8 registradas

sonoro de abertura e fechamento

mativos veiculados nos monitores,

pela concessionária em 2016 e 16,3

das portas ao embarcar e desembar-

localizados

em 2015.

car dos trens. Em dias de chuva, ter

embarque e nos trens.

A concessionária adesivou as 100 escadas rolantes da linha 4-Amarela

22

A campanha contempla ainda

tem evoluído de forma gradativa

Linhas |||| Número 17

nas

plataformas

de ||||


ViaQuatro

Linha 4-Amarela celebra 6 anos de operação Linha é campeã de satisfação entre os usuários com índices de aprovação acima de 90%

A

ViaQuatro,

concessionária

responsável

pela

opera-

ção e manutenção da linha

4-Amarela de metrô e considerada um case bem-sucedido em PPP (Par-

Linha 4 foi a primeira da América Latina a adotar trens sem condutor

ceria Público Privada), completou seis anos de operação no mês de outubro.

Queremos continuar acreditando e

de mecânica, elétrica e eletrônica,

mostram

investindo no poder da cultura como

biblioteca e área de convivência. Mais

que a linha 4-Amarela é campeã

instrumento de educação e transfor-

de 70 treinamentos técnicos e com-

de satisfação entre os usuários

mação social”, finaliza Zwetkoff.

portamentais, com conteúdo teórico,

Pesquisas

recentes

com índices de aprovação acima de

Desde o início da operação comer-

90%. Considerada referência para

cial, a concessionária atua unindo

o transporte público e uma impor-

capacitação profissional a inovações

Outras inovações podem ser per-

tante conquista no que se refere a

tecnológicas que resultam em pres-

cebidas pelos passageiros nos telões

eficiência e sustentabilidade, a Via-

tação de serviço com qualidade aos

das plataformas, que contam com

Quatro celebra seu desenvolvimento

usuários. Além de ser a primeira linha

indicadores importantes como a dis-

e boas práticas como um legado para

de metrô da América Latina a adotar

ponibilidade de espaço nos carros do

a mobilidade urbana.

trens com o sistema driverless (sem

próximo trem e quanto tempo falta

interativo e prático já foram desenvolvidos e aplicados.

“Ao longo desses seis anos evo-

condutor), a linha 4-Amarela foi pio-

para a chegada da composição. As fer-

luímos na operação, disponibilizando

neira também ao entrar em funcio-

ramentas foram desenvolvidas pela

transporte público sobre trilhos com

namento com portas de plataforma,

ViaQuatro e o indicador de lotação do

qualidade e segurança para os usuá-

contribuindo de maneira expressiva

trem é inédito em metrôs no mundo.

rios e não nos acomodamos, fomos

para a redução de acidentes e inter-

além e nos empenhamos para ofe-

rupções no fluxo diário do transporte

recer também atividades educativas,

metroviário de São Paulo.

História A linha 4-Amarela começou a

culturais e sociais aos passageiros”,

Outro ineditismo é o simulador

operar plenamente em outubro de

afirma Harald Zwetkoff, presidente

virtual, criado com exclusividade

2011 com seis estações (Butantã,

da concessionária.

para a ViaQuatro para treinamento

Pinheiros,

Faria

Lima,

Paulista,

Exposições sobre os mais varia-

permanente dos agentes de aten-

República e Luz), que integram a pri-

dos temas, intervenções artísticas,

dimento na operação manual dos

meira fase de operação. A segunda

apresentações musicais e ativida-

trens. O equipamento possibilita

fase foi iniciada com a entrega da

des educativas são exemplos das

manter os colaboradores aptos para

estação Fradique Coutinho, em 15 de

diversas ações que passaram pelas

atuação imediata em diferentes situ-

novembro de 2014. Seguem em cons-

estações da linha 4-Amarela neste

ações. Além do ganho em segurança,

trução quatro novas estações: Higie-

período, sempre com o objetivo de

há economia de energia elétrica e

nópolis-Mackenzie, que deve ser

promover a cultura para os passa-

eliminação do desgaste da composi-

aberta ainda neste ano; Oscar Freire;

geiros e para as comunidades do

ção, que poderiam ocorrer no treina-

São Paulo-Morumbi e Vila Sônia.

entorno das estações.

mento in loco.

Quando concluída essa fase, a linha

foram

O simulador integra o Centro de

4 terá 12,8 quilômetros de extensão e

impactadas com essas iniciativas,

Treinamento Saber +, localizado no

11 estações, ligando a região da Luz,

desenvolvidas pela ViaQuatro e seus

Pátio Vila Sônia, que dispõe de salas

no centro da cidade, ao bairro de Vila

parceiros ao longo de sua trajetória.

de capacitação, laboratório para aulas

Sônia, na zona oeste.

“Milhares

de

pessoas

Linhas |||| Número 17

||||

23

Linhas - Secretaria dos Transportes Metropolitanos  
Linhas - Secretaria dos Transportes Metropolitanos  
Advertisement