Page 1

Secretaria dos Transportes Metropolitanos Revista Revista eletrônica eletrônica da da Secretaria Secretaria Estadual Estadual dos dos Transportes Transportes Metropolitanos Metropolitanos ano 1 ­ nº 3 | março de 2016

TRILHOS DA MANTIQUEIRA Revitalização da ferrovia beneficia população rural e a procura aumenta 142% PÁGINA 8


OPINIÃO

Salto de qualidade

F

oi no Governo de Geraldo Alckmin que a EFCJ – Estrada de Ferro Campos do Jordão recebeu investimentos de quase R$ 25 milhões, otimizando sua oferta para a população de Pindamonhangaba e para os turistas que sobem a Serra da Mantiqueira de trem, em direção a Campos do Jordão. A partir de 2011 , os recursos foram aplicados ao longo dos 47 km de linhas, em obras de infraestrutura e renovação das instalações, da via permanente e do material rodante, além da aquisição de máquinas e equipamentos para manter a qualidade dos serviços. Fruto da credibilidade conquistada com o aporte dispendido à modernização integral do sistema, a demanda geral da EFCJ saltou 58,67%, de 31 4.953 para 499.303 usuários no período entre os anos de 2011 e 201 5. Em relação ao Trem de Subúrbio - item de nossa reflexão neste momento - o fluxo de passageiros cresceu 1 42 %, exatos 1 5.882 embarcados em 2011 para mais que o dobro, 38.559, em 201 5. Agora, o Trem de Subúrbio dispõe de quatro novos horários de operação, um total de 1 0 por dia útil. Também possui tarifa mais barata que os ônibus, ao preço atual de R$ 3,00 - os ônibus custam R$ 3,20 - e ganhou regularidade nos 20 km percorridos em direção aos locais da zona rural de difícil acesso para a população, da estação central de Pindamonhangaba à Piracuama. A aceitação foi tão expressiva que ano a ano a EFCJ vem registrando recordes mensais de passageiros, mesmo durante o período de obras. Junte-se a tudo isso um novo modelo

de gestão, que prioriza o planejamento e o esmero no trato com o cidadão, a cordialidade e a pontualidade entre outros predicados. A Estrada de Ferro Campos do Jordão repensou não só o atendimento à população de Pinda e entorno mas também sua vocação turística. Olhando para o futuro, busca aperfeiçoar a equação ideal pela qualidade dos serviços existentes, novos atrativos e preços competitivos capazes de fomentar um importante complexo administrativo que reúne serviço, lazer e cultura na região. Com esse aporte ganharam todas as sete modalidades de trem oferecidas, incluindo: o Trem de Subúrbio, o Trem Turístico de Piracuama, o Trem do Mirante, o Bonde Turístico Urbano, a Maria Fumaça e o Trem de Serra, que atendem as cidades de Pinda, Santo Antonio do Pinhal e Campos do Jordão. Vale ainda citar os serviços do teleférico, pedalinho e parques sob a responsabilidade da EFCJ. Clodoaldo Pelissioni Secretário Estadual dos Transportes Metropolitanos de São Paulo

| Março 2016

3


O QUE VAI PELAS LINHAS CENTRO DE MEMÓRIA

Criado em 2004 e aberto à consulta, o Centro de Memória do Metrô de São Paulo reúne acervo com mais de 175 mil itens, com registros que remontam ao início do século passado, bem antes da criação da Companhia, em 1968. Cerca de 100 mil itens são de natureza iconográfica (negativos, diapositivos, cromos, ampliações fotográficas, mapas e aquarelas), 1500 documentos textuais (matérias jornalísticas, folders, cartazes), 1000 horas de material audiovisual (películas, VHs, UMatic), mais de 100 horas de material sonoro (depoimentos de funcionários e discursos) e objetos tridimensionais (miniaturas, prêmios e moldes). Ampliações fotográficas com imagens da avenida Paulista e do centro da capital paulista entre 1910 e 1920 são os itens mais antigos. Chamam muito a atenção as miniaturas de trens e obras de arte, além de 200 filmes (em película) das décadas de 60 e 70, sobre o surgimento e a construção do Metrô. O atendimento a pesquisadores e interessados ocorre de segunda a sexta-feira, na Rua Augusta, 1626, Edifício Metro 1, térreo.

Carregadores DE celular na CPTM

Novidade para os usuários da Estação Pinheiros, que atende a Linha 9-Esmeralda (Osasco– Grajaú), da CPTM: a Companhia implantou o primeiro ponto para carregadores de celular, com seis tomadas e uma bancada de apoio para anotações rápidas.

O ponto foi instalado na parede detrás da caixa do elevador que dá acesso às duas plataformas de embarque e desembarque. Pela Estação Pinheiros circulam mais de 200 mil pes-soas, diariamente, devido à integração com a estação homônima de metrô.

dia da Mulher

Mulheres Poderosas

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, o Metrô mantém até 31 de março, na Estação Sé, a exposição “Mulheres Poderosas”. A mostra reúne caricaturas de desenhistas brasileiros, retratando artistas e personagens envolvidas nas causas femininas. Confira detalhes diretamente pelo link: http://www.metro.sp.gov.br/cultura/linha­cultura/programacao.aspx Arte milinar japonesa na Estação Liberdade

Ainda em alusão ao dia 8 de março, usuários tiveram oportunidade de conhecer um pouco mais sobre a história do Ikebana, arte milenar japonesa que consiste em técnicas de elaboração e construção de arranjos florais. Admiradores desse trabalho artesanal e curiosos puderam participar de uma oficina gratuita na Estação Liberdade, da Linha 1Azul, e levar para casa os arranjos que eles próprios produziram.

Março 2016 Foto: Ohara Ryu


Os terminais da EMTU contemCinco dos nove terminais de plados são os de Diadema, com ônibus do Corredor Metropolita- um elevador; o de Ferrazópolis, no ABD estão com obras de aces- com dois; o Terminal Piraporinha sibilidade, visando aumentar a receberá um; no de Santo Andre/ segurança e o conforto dos Oeste haverá um equipamento; usuários, principalmente aqueles e em São Matheus serão com mobilidade reduzida. instalados um elevador e uma ACESSIBILIDADE

GRAFITE NO BRÁS A utilização da arte do grafite tem sido uma estratégia importante para valorizar espaços da CPTM. A técnica é utilizada em vários locais ao longo dos 520 km de extensão de trilhos, considerando o percurso de ida e volta. No Espaço Cultural da Estação Brás, um imenso painel de cores e traços fortes, no tamanho de um outdoor, marca mais uma obra confeccionada

pelo grupo OPNI , formado por jovens do bairro de São Mateus, da periferia de São Paulo. Os artistas que assinam esse painel são Valdemir Pereira Cardoso, mais conhecido como Val, Carlos Moreira dos Santos, o Toddy, e William Oliveira da Silva. O grupo OPNI já formou diversos grafiteiros e participou de exposições internacionais, como o Manifesto Canadá, em 2008, e nacionais, marcando presença na 1ª Bienal Internacional Graffiti Fine Arte, no

plataforma elevatória. O Terminal Metropolitano Taboão, instalado no corredor Guarulhos, também vai receber obras de adequação de acessibilidade. Os espaços já contam com rampas, escadas, corrimão e banheiros adaptados.

MuBE/SP - Museu Brasileiro da Escultura, em 2010. A CPTM trabalha em parceria com artistas independentes visando revitalizar áreas degradadas, além de promover a valorização da arte urbana. Por meio do projeto "Galeria de Arte a Céu Aberto – nos muros da CPTM", tem transformado estações e muros ao longo dos últimos anos, graças a parcerias com comunidades, artistas e ao apoio de empresas, ONGs e prefeituras.

| Março 2016

5


Marรงo 2016


CURIOSIDADE

Preparando o Subterrâneo

C

Os anéis de concreto (aduelas) revestem os túneis por onde circulará o Metrô

om obras em andamento desde o ano passado, a Linha 6 - Laranja, primeira linha de metrô no Brasil a ser construída e operada em regime pleno de PPP (Parceria PúblicoPrivada), montou uma fábrica de aduelas que o governador Geraldo Alckmin visitou em fevereiro. Tratam-se de anéis de concreto utilizados para revestimento estrutural dos túneis por onde os trens circularão. Sustentável, a fábrica possui uma estação de tratamento de água que envolve todo o processo de

produção - e uma para esgoto, além de um reservatório para água de reúso e aproveitamento de água da chuva. Mais de 300 postos de trabalho já foram criados com a iniciativa. A linha de produção de um anel de concreto é composta por dez etapas, desde a limpeza das fôrmas até a desforma. Depois de estocados por 28 dias tempo ideal para garantir a cura do concreto -, as peças podem ser colocadas dentro da tuneladora Shield, que escava e constrói o túnel.

Após a escavação, elas são montadas pelo equipamento, formando os anéis de concreto que vão revestir os 13 km de túnel. A Concessionária Move São Paulo é a empresa responsável pela construção, operação e manutenção da Linha 6, que ligará a região noroeste da cidade ao Centro (Brasilândia - São Joaquim). Com 15 estações e 15,3 km, a nova linha vai transportar mais de 633 mil pessoas por dia.

Governador Alckmin e o secretário Clodoaldo Pelissioni, da STM (3ºe 5º, respectivamente, da esq. p/ dir.), conhecendo a fábrica de aduelas. À direita, detalhe da Linha de Produção

| Março 2016

7


centenĂĄria

Trem do Subúrbio em Pindamonha recorde no movimento de passageiro Março 2016


revigorada

angaba registra 142% de aumento os, fruto da revitalização do sistema | Março 2016

9


CAPA

E

em nome do Governo do Estado de São Paulo, a STM - Secretaria dos Transportes Metropolitanos vem zelando pelas necessidades da população em todo o processo de modernização da Estrada de Ferro Campos do Jordão, à ela vinculada. Sua missão: revigorar a centenária ferrovia para o turismo e, sobretudo, para os moradores do entorno dela. Cidadãos de Pindamonhangaba que buscavam mais qualidade no transporte para o trabalho, as compras e o lazer, os deslocamentos para a escola. Sistematicamente, uma equipe da EFCJ realiza pesquisas para aferição de embarque e desembarque de usuários, ou para levantar outros temas de interesse. A partir de uma dessas enquetes, a população opinou sobre quais paradas seriam modernizadas e o local para construção de uma nova no percurso de 20 km. A atual administração implantou quatro novos horários de operação do subúrbio, totalizando 10 viagens por dia útil, entre a estação central de Pinda e Piracuama, na zona rural. Ao preço de R$ 3,00, também possui tarifa mais barata, do que a dos ônibus (R$ 3,20), trabalha com pontualidade e regularidade. Como resultado, desde que a Estrada de Ferro Campos do Jordão iniciou investimentos em toda a sua malha ferroviária, contemplando também o Trem de Subúrbio, o serviço tem registrado recordes sucessivos de passageiros transportados. O aumento foi de 142% de 2011 10 Março 2016

Trem de Subúrbio ganha passageiros com quatro novos horários e tarifa mais mai

a 2015, 15.882 e 38.559 embarcados, respectivamente. Do total dos recursos aplicados, cerca de R$ 25 milhões, quase R$ 9 milhões foram dirigidos à modernização da via permanente, contabilizando a troca de quase 20 quilômetros lineares de trilhos e de cerca de 14 mil unidades de dormentes, a construção de 4 mil metros de canaletas de drenagem e de mais de 2.300 m³ de contenção de encostas, entre outros. Também foram investidos cerca de R$ 3.7 milhões na modernização de sete paradas do subúrbio, dotadas de acessibilidade, e na implantação de acessibilidade em três estações. Trem turístico

Paralelamente, iniciava-se a modernização do sistema para

atender todos os serviços operados pela Estrada de Ferro Campos do Jordão, como o Trem de Serra e o Trem de Piracuama, ambos voltados para o segmento turístico. Também graças ao processo de revitalização, foi possível restaurar a Automotriz A1 responsável pela operação do Trem de Serra -, e retomar as já tradicionais viagens entre Pindamonhangaba e Campos do Jordão, a partir de julho de 2015. A Automotriz dispõe hoje de caixa-preta, que registra todos os acontecimentos operacionais no trajeto; o GPS limitador de velocidade; e um dispositivo que exige a presença de operador no comando do veículo.


Parada Agente Hely: adaptação para acessibilidade

iss barata que os ônibus

A carroçaria, a parte interna, mecânica e elétrica foram igualmente modernizados com o acompanhamento dos engenheiros da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos - CPTM nas fases de implantação e testes.

Parada Cerâmica: recomposição do telhado, da estrutura e do piso

Revitalização da via férrea

Hoje, são dez viagens diárias entre o centro de Pinda e a zona rural

| Março 2016

11


INVESTIMENTO

ma equipe especializada, formada por engenheiros, maquinistas e o pessoal da manutenção, realiza uma rigorosa bateria de testes em oito novos trens adquiridos pela Companhia Paulista de Trens Metropolitanos. As composições fazem parte do lote de 65 que atenderão as seis linhas da empresa, de acordo com a necessidade operacional. As avaliações visam comprovar o funcionamento de todos os sistemas que compõem o trem e validar suas funções, entre elas, a tração, freio, sinalização e controle de bordo. As composições são testadas nas vias durante a madrugada, após o fim da operação comercial. Circulam vazias e também carregadas com sacos de areia, simulando o trem com usuários. Além de testar todos os itens dos equipamentos, os maquinistas que irão operar as novas composições também passam por treinamento. Isso porque pode haver diferenças tecnológicas

Fernandes Dias Pereira/Agência IO

U

frota em ampliação

De 65 composições, 8 seguem em testes

entre os modelos mais antigos e o recém-chegado. Para tanto, o software do simulador dos trens é atualizado. As 65 composições são dispõem de oito carros, com 170 metros de extensão, e capacidade para transportar cerca de 2 mil pessoas. São equipadas com tecnologia de ponta, ar-condicionado, câmeras de vigilância e contam com todos os equipamentos de sinalização de bordo. Como diferencial, possuem salão contínuo de passa-

Trens são equipados com tecnologia de ponta

12 Março 2016

geiros, permitindo a migração livre dos usuários entre os vagões. Contam com acessibilidade para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida e dispositivos para orientar usuários com deficiências auditiva (mapa dinâmico) e visual (áudio). Há também espaço reservado para cadeirantes. Renovação e ampliação da frota

Desde 2006, o Governo do Estado adquiriu 105 novos trens para a CPTM, que estão em operação em diversas linhas. Os nove trens do Expresso Leste, fabricados pela Alstom, completaram esse total. No segundo semestre de 2013, a empresa encomendou mais 65 novas composições para serem incorporadas à frota e atender o aumento da demanda e a futura configuração das linhas, que estão em expansão e em processo de modernização, sendo preparadas para reduzir os intervalos nos horários de pico.


A segunda etapa da construção da Linha 5 vai de Aldolfo Pinheiro até Chácara Klabin

90% dos túneis escavados

O

governador Geraldo Alckmin acompanhou em fevereiro, a chegada da tuneladora "Lina" ao poço de serviço Bandeirantes, da Linha 5-Lilás do Metrô. Com o término das escavações, este será o segundo túnel de 4,9 km do prolongamento dessa linha concluído entre as estações Adolfo Pinheiro (em operação desde agosto de 2014) e Campo Belo (em obras).

Com roda de corte de 6,90m de diâmetro e 108m de comprimento, “Lina” é uma supermáquina que pesa 720t, operada por cerca de 112 pessoas. Ganhou o apelido em homenagem a arquiteta modernista Lina Bo Bardi e começou a escavar um dos túneis da Linha 5 em dezembro de 2013, passando, ao longo de seu trajeto, sob as avenidas Vereador José Diniz e Santo Amaro. Já a

tuneladora "Tarsila" - homenagem à Tarsila do Amaral – fez o mesmo trajeto em paralelo e concluiu as escavações em novembro de 2015. No poço Bandeirantes as duas tuneladoras encerrarão suas atividades. Deste local partiu o Megatatuzão, que constrói o túnel até o final do prolongamento da Linha 5, na Chácara Klabin, onde já está chegando.

Linha 5 gera 5.500 empregos Além de fôlego para atender uma demanda estimada de 771 mil passageiro diários, a conclusão do trecho Adolfo Pinheiro - Chácara Klabin, da Linha 5 – Lilás do Metrô, já impulsiona o desenvolvimento das regiões ao longo do seu trajeto. Movimentando um mercado de quase 5.500 empregos diretos, ela permitirá o acesso de toda a população aos serviços oferecidos em centros empresariais importantes localizados no Largo Treze, avenidas Santo Amaro, Vereador José Diniz, Roque Petroni Júnior, Morumbi, Marginal Pinheiros e os centros comerciais de Moema, Ibirapuera, Vila Clementino e Vila Mariana. Também ficará mais fácil alcançar complexos hospitalares como a Santa Casa de Santo Amaro, Maternidade Santa Marta, Servidor Público Estadual, Hospital São Paulo, Sepaco, Santa Cruz, Alvorada, Edmundo Vasconcelos, Evaldo Foz, Maternidade do Amparo Maternal e núcleos especializados em tratamentos, como AACD, APAE e o Lar e Escola São Francisco.

| Março 2016

13


SAÚDE

NO FRONT CONTRA O AEDES

Muito antes do mosquito Aedes aegypti se transformar num dos maiores vilões da atualidade brasileira, como transmissor da dengue, a zika e a chicungunya, o Metrô já realizava um rigoroso controle de pragas urbanas. O serviço começou em 1975, pouco depois do início da sua operação, quando ratos comeram um cabo elétrico paralisando o sistema durante horas.

aegypti), pernilongos, aranhas e também cupim. No decorrer de um ano, são usados cerca de 60 mil litros de inseticidas líquidos e 2 mil peças em gel. Já a desratização inclui raticidas granulados e em pó, para uso em tocas. Nos dois processos existe o cuidado de revezar os produtos, alterando seu princípio ativo, para que insetos e ratos não criem imunidade.

Metrô: rigoroso controle de pragas urbanas

A partir de então, uma equipe especializada executa os trabalhos de desinsetização e a desratização durante todas as madrugadas, de 2ª a 6ª feira, em uma área de 30 milhões de m², o equivalente a 4 mil campos de futebol. Na desinsetização são aplicados produtos químicos, em líquido e gel, para o combate de baratas, escorpiões, pulgas, moscas (incluindo o mosquito Aedes 14 Março 2016

Informação, arma poderosa

Na luta contra a dengue, o Metrô e as demais empresas vinculadas à Secretaria dos Transportes Metropolitanos se utilizam também de sucessivas campanhas de conscientização e informação como arma para erradicar a doença. Nessa briga, as parcerias são constantes, como a mais recente, firmada entre a CPTM e o Sesc-

EMTU: Exército Brasileiro ajuda na m

A rotina desenvolvida pelo Metrô para cada atividade, além de englobar todas as suas instalações avança ainda para o exterior, o chamado “anel sanitário”, constituído por ruas e avenidas num raio de 50m do eixo das linhas do Metrô. A aplicação é feita em bocasde-lobo, canaletas de água pluvial e vias de acesso ao esgoto, para garantir o bloqueio dos indesejáveis ratos e insetos.

SP , que levou o projeto teatral “O Fim da Picada” à estações da Linha 9- Esmeralda, no final de fevereiro. De forma lúdica e interativa, a performance sensibilizou o público sobre a importância de acabar com os focos do mosquito, além de passar dados dos sintomas de cada doença por ele transmitida. Apesar de vedada, a faixa de 520 km da CPTM - considerando ida e volta - sofre com o descarte de


lixo, jogado por cima dos muros, a exemplo de muitos pontos em ruas e calçadas encontrados nos municípios da Região Metropolitana de São Paulo. Ainda em relação a parcerias, a EMTU/SP fecha ações frequentes com a SUVIS – Supervisão de Vigilância em Saúde, alertando passageiros e funcionários nos terminais metropolitanos sobre os riscos, principais sintomas e prevenção. No começo de março, oficiais do Exército Brasileiro, da 8ª Região Militar, vistoriaram o terminal da EMTU no Jabaquara verificando eventuais focos e criadouros do mosquito transmissor.

Concessionárias na batalha

Os usuários da Linha 4 – Amarela certamente já assistiram a alguns dos vídeos de orien- CPTM: parceria com o SESC/SP tação contra a dengue, exibidos pelo serviço de ções, poços de ventilação, túneis e no Pátio de Vila Sônia. TV, no interior dos trens. Com 15 segundos, os filmetes enfaJá a Concessionária Move São tizam desde os sintomas da Paulo, responsável pela construdoença ao "bê-á-bá" da preven- ção da Linha 6, adotou o fumacê ção, como evitar o acúmulo (aplicação de servicida para de água parada em vasos, pneus evitar a proliferação do Aedes), e caixas d'agua, etc. como procedimento nas frentes de trabalho, a cada 15 dias. Os A exemplo do Metrô de São Paulo, a concessionária atua com funcionários dos canteiros de regularidade nos subterrâneos da obras e da fábrica de aduelas já participaram de treinamento para linha controlando insetos e combate ao mosquito. pragas urbanas, nos trens, esta-

Prontidão pela saúde

Junto aos usuários e a seus funcionários, as as empresas vinculadas à Secretaria do Transporte Metropolitano - EFCJ, EMTU, CPTM e Metrô – mobilização repetem todos os anos, um extenso calendário de ações voltadas à cidadania e à saúde. Entre tantas outras iniciativas, a CPTM já fechou nova parceria com o Instituto São Paulo de Ação Voluntária, mais um Mutirão de Cirurgia da Catarata -2016. O projeto completará 14 anos, com mais de 25 mil cirurgias realizadas gratuitamente, sendo que a companhia empresta sua solidariedade e responsabilidade social há mais de uma década. A exemplo de anos anteriores, a

CPTM cederá espaço para a enti- demais empresas ligadas à Secretaria realizam constantes dade instalar um posto de préinscrição, de 25 de abril até 25 de parcerias com temas relativos maio, para a campanha que será à qualidade de vida: prevenção à aids, inclusive com a distribuição concretizada em 5 de junho de de camisinha, medição de pres2016. Gratuita, é aberta para pessoas com mais de 50 anos e que são arterial e alerta sobre suas tenham dificuldades para enxer- consequências, a medição do gar. Após avaliação nesta triagem, diabetes, prevenção ao câncer de aqueles que apresentarem neces- mama e combate aos focos do sidade de cirurgia serão encami- mosquito Aedes aegypti. nhados para consulta com um especialista, cuja data e local serão informados aos previamente inscritos. Interessados devem ficar atentos aos cartazes com dados do evento que serão fixados em estações da empresa. Como a CPTM, todas as Ação para exames de acuidade visual

| Março 2016

15


16 Marรงo 2016

Linhas - Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos de São Paulo  

3ª edição

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you