Issuu on Google+

vi st a Re Publicação da Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa Edição 26 Ano 03 Março 2010

Grip e Gov A erno lanç Fede a r Influ campan al inves enza ha d te em e pr even vacina e ção cont ACIPG ra o vírus

Conv e Depo niência is da p o contin nuar lêmica, far m v prim e i eir ira ne ndendo ácias podem cessid idade produtos de

CAPA

ELEIÇÕES Associados, d Associados diretores iretores e sociedade aguardam pleito e boas perspectivas com a nova administração


Editorial A Revista ACIPG tem como principal objetivo informar seus associados de tudo que acontece dentro da entidade. Como não poderia deixar de ser, o assunto mais falado dentro e fora da associação é a eleição que ocorre no dia 05 de abril de 2010. O pleito é esperado e a nova administração vem com novidades. Uma delas é a criação de quatro novas pastas que tem como objetivo acompanhar a evolução do mercado e do desenvolvimento econômico na região. Antes de conhecermos o nome do novo presidente e dos novos vice-presidentes é preciso que o processo eleitoral seja concretizado. Para que isso ocorra normalmente a entidade já divulgou o cronograma das datas e horários para inscrições das possíveis chapas e a prestação de contas da gestão que encerra as atividades no mês de abril. Devido a esta importância que a eleição tem para os associados é que o nosso assunto de capa traz todas essas informações sobre o pleito. Outra questão abordada nesta edição é o anúncio com o calendário de

vacinação da gripe A, disponibilizado pelo Governo Federal e a campanha de prevenção lançada pela ACIPG e parceiros alertando a sociedade, o comércio e o empresariado a participar para que o vírus que assolou o mundo não volte a assustar a população e muito menos afastá-los do comercio como aconteceu na época em que a gripe foi descoberta. Continuando nossa linha de homenagear empresas antigas e aquelas com destaque na cidade chegamos ao ramo do associativismo. Não seria justo abordar o tema cooperativismo e não falar da Unimed. A singular de Ponta Grossa completa 32 anos e em pouco tempo, comparado à empresas já citadas no especial, tem grande participação no desenvolvimento social, na questão de saúde e mais do que isso, na parceria que sempre manteve com a entidade. A coluna de turismo já é uma identidade criada dentro da revista e nesta publicação trazemos a novidade da nomeação do prato típico de Ponta Grossa. Asse-

gurado por meio de Lei, a Alcatra no Espeto foi escolhida como iguaria oficial da cidade. A decisão é uma vitória que pretende atrair turistas, fomentar o setor na cidade. Como forma de prestação de serviços, a revista ainda traz uma matéria informando como anda a polêmica da proibição da venda de produtos de conveniências nas farmácias e drogarias. Além de ficar por dentro da situação o leitor saberá os efeitos que tal medida traz para o setor e também para consumidor. Uma revista tem como obrigação diversificar seus temas para que o leitor possa ter prazer em seu conteúdo. Nossa equipe trabalha para que isso aconteça e espera que nosso principal público, você leitor, aprecie o que é oferecido em nossas páginas. Boa leitura! Thirson Silva Jornalista

Expediente

Erramos Na última edição informamos no Editorial um texto que homenagearia o professor Sérgio Escorsim, falecido em 18 de janeiro de 2010. Por um erro de edição a matéria não saiu e por este motivo demos um destaque para o texto que conta um pouco da vida, do trabalho e dos amigos de alguém que tanto contribuiu para o desenvolvimento social, acadêmico e tecnológico na cidade. Também pelo mesmo motivo a coluna literária informou a sinopse errada de uma indicação de livros, colocamos o texto correto e pode ser conferido nesta edição.

VICE-PRESIDENTE DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PRESIDENTE

Railda Alba Francisca Schiffer

Gustavo Souza Netto Mandalozzo

VICE-PRESIDENTE DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS

VICE-PRESIDENTE DE FOMENTO SOCIOECONÔMICO

Márcio Pauliki

VICE-PRESIDENTE SECRETÁRIO

Adriano Krzyuy

Amarildo Pramio

VICE-PRESIDENTE DE PROMOÇÕES E EVENTOS

VICE-PRESIDENTE DE NOVOS PRODUTOS E TECNOLOGIAS

VICE-PRESIDENTE COMERCIAL

José Carlos Loureiro Neto

Luiz Eduardo Pilatti Rosas

VICE-PRESIDENTE DE FINANÇAS E PATRIMÔNIO

PRESIDENTE DO CONSELHO EMPRESARIAL DOS NOVOS EXECUTIVOS

Carlos Mubaia Chain Jabur

VICE-PRESIDENTE DE ASSUNTOS ECONÔMICOS

Cezar Eduardo Abud Limas

VICE-PRESIDENTE DO COMÉRCIO

Rosmari Della Santa

VICE-PRESIDENTE DA INDÚSTRIA

Luiz Gustavo Batista de Carvalho VICE-PRESIDENTE DA AGROPECUÁRIA

Adilson Berger

VICE-PRESIDENTE DE TURISMO

Daniel Wagner

VICE-PRESIDENTE DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

Luciano Gulin

VICE-PRESIDENTE DE COMÉRCIO EXTERIOR

Sérgio Leopoldo

Gilmar Denck

Fabiano Stadler

REPRESENTANTE DO CENE JUNTO À DIRETORIA

Miller José Oliveira

PRESIDENTE DO CONSELHO EMPRESARIAL DA MULHER EXECUTIVA

Elda Godoy Moraes

REPRESENTANTE DO CEME JUNTO À DIRETORIA

Maria Donizete Teixeira Alves CONSELHO DE REPRESENTANTES EFETIVOS

EFETIVOS : 2006 - 2010 Douglas Fanchin Taques Fonseca Mario Nami Filho Edemilson Jose dos Santos Silvio Cybulski

Fale com a Diretoria: adm@acipg.org.br

Nilton Antonio Fior CONSELHO DE REPRESENTANTES EFETIVOS : 2008 - 2012 Jordão Bahls de Almeida Neto David Pilatti Montes Ana Elizabeth O. Bueno Alexandre A. Devicchi Yazid Sallum SUPLENTES : 2006 – 2010 Ernesto José Moro Martins Djanuzi Fontini Reis José Álvaro Góes Filho Milani Aparecida Fadel Barbur SUPLENTES : 2008 – 2012 Hudson da Cunha Zanoni Douglas Francisco Costa Aguinaldo Mocelim José Darcio Glapinski CONSELHO SUPERIOR Ovídio Gasparetto Leodgar Pedro Correa Edílson Luiz Carneiro Baggio Helvio Frederico Hess David Pilatti Montes Alcy Antonio Marochi Calixto Abrão Miguel Ajuz Renato Gomes Nápoli Douglas F.T. Fonseca Jordão B. de Almeida

Coordenação ACIPG Rua Coronel Dulcídio, 975 (42) 3220 7200 www.acipg.org.br Jornalista Thirson Silva - DRT 6913/PR imprensa@viacriativa.net.br Capa Foto: Leandro Daniel Tratamento: Diogo Pereira Glovatski Projeto gráfico Via Criativa Comunicação Diretor de Arte e Diagramação Diogo Pereira Glovatski Designer Gráfico Robson Antonio Gulhinski Revisão Karine Carvalho Impressão Gráfica Inpag Tiragem 2.300 exemplares Fale com a Redação Fone (42) 3028-6188 Sugestões, comentários e envio de releases e informações imprensa@viacriativa.net.br Publicidade Via Criativa Comunicação www.viacriativa.net.br Rua 1° de Maio, 151 CEP 84070-050 Ponta Grossa/PR Fone (42) 3028-6188 Produção e Direção Luís Leme luisleme@viacriativa.net.br Departamento Comercial comercial@viacriativa.net.br

ACIPG ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL E EMPRESARIAL DE PONTA GROSSA

É permitida a reprodução parcial ou total do conteúdo das matérias desta Revista, desde que obedecidos os créditos. Conceitos emitidos nos artigos assinados não refletem necessariamente a opinião da Revista ACIPG.


Revista ACIPG Março 2010

Re

vi st a

SUMÁRIO

Publicação da Associação Comercial Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa Edição 26 Ano 03 Março 2010

Palavra da Presidente

Especial p

ACIPG RENOVADA

HISTÓRICO UNIMED

Educação ç

CONVENIÊNCIAS CONTINUAM CONVENIENTES EM PONTA GROSSA

PROERD INICIA AS ATIVIDADES DE 2010 NAS ESCOLAS DE PONTA GROSSA

Polêmica

Homenagem g

Prevenção

PREVENIR AINDA É MELHOR O REMÉDIO

CAPA

ACIPG ANUNCIA PROCESSO ELEITORAL PARA GESTÃO 2010-2012

A UNANIMIDADE ESCORSIM Turismo

PRATO TÍPICO DE PONTA GROSSA

SCPC/Cursos

INDICADORES E CALENDÁRIO DE CURSOS PARA

OS PRÓXIMOS MESES

5


6

Revista ACIPG Março 2010

RAILDA SCHIFFER Palavra da Presidente

ACIPG Renovada Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa vive um período de mudanças. Mudança de fachada, da ogomarca, da estrutura física. Transformações que visam atender uma demanda de modernização e padronização dos serviços das associações comerciais de todo o país. A alteração da logomarca, aprovada em assembleia em novembro no ano passado, atende a uma proposta da Confederação das Associações Comerciais do Brasil (CACB) que desejar facilitar a identificação das entidades em todo o território nacional. A ACIPG também inicia os trâmites do processo eleitoral que elegerá nova Diretoria no dia 5 de abril. Para o próximo mandato, a Diretoria será composta por 20 vice-presidências e não mais 16. A inclusão de quatro novas pastas nas áreas de responsabilidade social, capacitação profissional, shopping center e desenvolvimento dos bairros vão preencher algumas lacunas sentidas ao longo dos anos. São áreas que demandam atenção especial e não podem mais ficar agregadas a outras atividades devido ao volume de trabalho que geram. O vice-presidente de desenvolvimento dos bairros, por exemplo, já tem um trabalho em andamento quando assumir. A ACIPG, através do Programa Empreender, está trabalhando na implantação de um núcleo multissetorial na região de

Oficinas, com intuito de atender a demanda dos empresários e desenvolver a região. É um trabalho que está caminhando e deve ser expandido a outras localidades onde há concentração de empresários. O vice-presidente de responsabilidade social tem a incumbência de, entre outras atividades, zelar pela realização de ações como Campanha do Agasalho e Natal sem Fome para que famílias de baixa renda da nossa cidade recebam assistência e possam melhorar sua qualidade de vida. Também serão desenvolvidas ações em parcerias com clubes de serviço, empresários e outras entidades, proporcionando a interação entre a Associação e a comunidade. Capacitação profissional é indispensável para desenvolver uma cidade. Pólo de confecções, Parque Tecnológico - o segundo maior distrito industrial do interior do Estado - e tantas outras iniciativas muitas vezes precisam trazer mãode-obra de fora da cidade por falta de qualificação de nossos profissionais. Ponta Grossa possui muitos postos de trabalho esperando por profissionais qualificados. Cabe ao vice-presidente deste segmento buscar parcerias para a promoção de capacitações, cursos e treinamentos visando atender a necessidade das empresas da região. Além de lutar pelos direitos da classe empresarial, a ACIPG também promoverá ações de desenvolvimento para toda a comunidade. Nosso desejo é construir uma cidade melhor a cada dia para todas as pessoas que vivem aqui. A missão da Associação Comer-

cial é alavancar o crescimento de Ponta Grossa através do associativismo, pois é através de parcerias, da união de todos os segmentos que somamos forças e conseguimos chegar mais longe. Railda Schiffer – Presidente da ACIPG

LEITURA E NEGÓCIOS O SÍMBOLO PERDIDO DEPOIS DE TER SOBREVIVIDO A UMA EXPLOSÃO NO VATICANO E A UMA CAÇADA HUMANA EM PARIS, ROBERT LANGDON ESTÁ DE VOLTA COM SEUS CONHECIMENTOS DE SIMBOLOGIA E SUA

HABILIDADE PARA SOLUCIONAR PROBLEMAS.

EM ‘O SÍMBOLO PERDIDO’, O PROFESSOR DE HARVARD É CONVIDADO ÀS PRESSAS POR SEU AMIGO E MENTOR PETER SOLOMON EMINENTE MAÇOM E FILANTROPO - A DAR UMA PALESTRA NO CAPITÓLIO DOS ESTADOS UNIDOS. AO CHEGAR LÁ, DESCOBRE QUE CAIU NUMA ARMADILHA. NÃO HÁ PALESTRA NENHUMA, SOLOMON ESTÁ DESAPARECIDO E, AO QUE TUDO INDICA, CORRENDO GRANDE PERIGO. MAL’AKH, O SEQUESTRADOR, ACREDITA QUE OS FUNDADORES DE WASHINGTON, A MAIORIA DELES MESTRES MAÇONS, ESCONDERAM NA CIDADE UM TESOURO CAPAZ DE DAR PODERES SOBRE-HUMANOS A QUEM O ENCONTRASSE. E ESTÁ CONVENCIDO DE QUE LANGDON É A ÚNICA PESSOA QUE PODE LOCALIZÁ-LO. VENDO QUE ESSA É SUA ÚNICA CHANCE DE SALVAR SOLOMON, O SIMBOLOGISTA SE LANÇA NUMA CORRIDA ALUCINADA PELOS PRINCIPAIS PONTOS DA CAPITAL AMERICANA - O CAPITÓLIO, A BIBLIOTECA DO CONGRESSO, A CATEDRAL NACIONAL E O CENTRO DE APOIO DOS MUSEUS SMITHSONIAN. NESTE LABIRINTO DE VERDADES OCULTAS, CÓDIGOS MAÇÔNICOS E SÍMBOLOS ESCONDIDOS, LANGDON CONTA COM A AJUDA DE KATHERINE, IRMÃ DE PETER E RENOMADA CIENTISTA QUE INVESTIGA O PODER QUE A MENTE HUMANA TEM DE INFLUENCIAR O MUNDO FÍSICO. O TEMPO ESTÁ CONTRA ELES. E MUITAS OUTRAS PESSOAS PARECEM ENVOLVIDAS NESTA TRAMA QUE AMEAÇA A SEGURANÇA NACIONAL, ENTRE ELAS INOUE SATO, AUTORIDADE MÁXIMA DO ESCRITÓRIO DE SEGURANÇA DA CIA, E WARREN BELLAMY, RESPONSÁVEL PELA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITÓLIO. COMO LANGDON JÁ APRENDEU EM SUAS OUTRAS AVENTURAS, QUANDO SE TRATA DE SEGREDOS E PODER, NUNCA SE PODE DIZER AO CERTO DE QUE LADO CADA UM ESTÁ. AUTOR: BROWN, DAN EDITORA: SEXTANTE


8

Revista ACIPG Março 2010

EDUCAÇÃO

Arquivo PROERD

PROERD inicia as atividades de 2010 nas escolas de Ponta Grossa

Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (PROERD), desenvolvido pela Polícia Militar, iniciou suas atividades de 2010 em Ponta Grossa no dia 22 de fevereiro. As atividades do 1° ciclo serão desenvolvidas até maio, onde o programa atenderá 40 escolas municipais e cinco particulares, totalizando aproximadamente 1.600 alunos. No ano passado, 4.650 alunos de escolas municipais e particulares da cidade foram certificados pelo programa, atingindo 80% das escolas municipais. Os objetivos do programa são prevenir o uso indevido de drogas, bem como desenvolver a prática da não violência entre os estudantes. O programa ensina ao aluno a tomar

decisões saudáveis, refletindo sobre as consequências de seu comportamento e ajuda-o a reconhecer e resistir às pressões. Por meio de atividades educativas em sala de aula, mostrando a necessidade de desenvolverem suas potencialidades, o PROERD ajuda a preparar os alunos para formar uma geração de jovens conscientes do exercício de sua cidadania. O programa visa também resgatar a autoridade dos professores sem impor o autoritarismo, abordando a questão da violência, a valorização da vida e os malefícios trazidos pelo consumo de drogas lícitas e ilícitas. Assim, o principal objetivo é proporcionar o crescimento e desenvolvimento global das crianças, tornando-os cidadãos críticos capazes de resistirem às pressões para usarem drogas, colaborando para o tão sonhado processo

de construção de um país melhor. O PROERD foi desenvolvido com base no programa norteamericano denominado DARE (Drug Abuse Resistence Education), criado na cidade de Los Angeles, EUA, em 1983. No Brasil, o programa foi implantado em 1992 e no Paraná é desenvolvido desde 2000, em 145 municípios. Em Ponta Grossa, foi implantado em 2001, quando o então Comandante do 1ºBPM, Coronel Ildemar Formatura de 2009 Margraf, viabilizou a sua implantação no município utilizando 2 policiais instrutores, soldado Salete Moreira Sachs e Soldado José Renato Grachinski, sob a orientação da Aspirante Sharon Chris Wszolek, desde então já foram formados 25.000 alunos da rede pública e particular de ensino. Desenvolvido pela Polícia Militar, o PROERD envolve professores, alunos, pais e policiais interagindo no processo de ensino e aprendizagem, em trabalho extracurricular para formatação de uma rede de proteção, viabilizando a potencialização de grupos sociais sadios. O programa é mais um fator para a valorização da vida, contribuindo, assim, para o fortalecimento da cultura da paz e a construção de uma sociedade mais saudável e feliz. Maria Fernanda Cordeiro


Revista ACIPG Março 2010

PREVENÇÃO

é o melhor remédio

Campanhas de vacinação contra a gripe A são anunciaddas pelo governo Federal. Associação Comercial também promove ações de incentivos para a prevenção da doençaa vai fazer um ano que o vírus Influenza H1N1 surgiu e assustou o mundo devido ao seu poder de propagação no organismo e a peculiaridade do alvo atingido. Chamada popularmente de Gripe Suína - um erro de divulgação na época porque muitas pessoas até hoje acreditam que a ingestão de carne de porco é que transmite o vírus - a doença costuma atacar adultos, jovens e sadios. A faixa etária entre 20 e 39 anos foi a que mais apresentou casos de óbito no ano passado. A verdade é que os genes do vírus eram semelhantes aos encontrados nos porcos da América do Norte. Mais tarde estudos apontaram que nem mesmo semelhanças existiam naqueles que circulam nesses animais. As maiores preocupações quando o vírus começou a se propagar foram: a falta de conhecimento, informações desencontradas e nenhuma vacina que contivesse a epidemia. Vacina Assim que o problema se agravou, cientis-

tas conseguiram pro oduzir uma vacina eficaz contra o vírus ví e, a partir disso, desencadeou-se se uma corrida dos países por lotes b bilionários de imunização que render eram alta nas ações da indústria faarmacêutica. Depois de toda essa corrreria mundial, a epidemia parece ce ter sido estabilizada, mas nem por isso foi e nem deve ser esqueecida. De acordo com boletim diivulgado em fevereiro pela Secreta taria da Saúde do Paraná, desde o início da epidemia haviam sido cconfirmados mais de 63 mil caso os da doença e ao todo foram 294 mortes no estado em decorrrência de complicações gerad das pela gripe. Dados do mesm mo boletim divulgado em janeiro o apontam 290 mortes, ou seja, em um mês, quatro pessoas morreram com a nova gripe e isso mostra que a Influenza (H1N1) continuou a fazer vítimas, mesmo no verão. De olho no inverno que se aproxima, época em que os ambientes costumam ficar fechados propiciando a transmissão do vírus, o governo brasileiro iniciou campanhas, estipulou datas e aumentou as faixas estarias para receber a nova vacina neste ano. Para a compra das doses o governo brasileiro, por meio de medida provisória destinou R$ 300 milhões. A expectativa é imunizar 91 milhões de pessoas contra a doença. Parte das 113 milhões de doses será reservada para o caso de haver alterações

sxc.hu

10

epidemiológicas ao longo do inverno no país. Felizmente Ponta Grossa não entra nas regiões com maior número de casos. Segundo o setor de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde, que monitora os casos suspeitos da gripe A na cidade, na terceira semana de março 89 pessoas eram monitoradas por apresentarem sintomas típicos da doença, 111 pessoas haviam sido contaminadas pelo vírus e no total seis pessoas foram a óbito devido a complicações da doença. As regiões com maiores número de casos confirmados em relatórios divulgados em fevereiro são: Curitiba e região (15.577) Londrina (9.689), Maringá (7.848), Cascavel (4.575), Cornélio Procópio (3.699), Pato Branco (3.553) e Francisco Beltrão (3.457). Apesar dos números favorecerem a região dos Campos Gerais a preocupação continua e os cuidados d divulgados desde o início da epidemia co continuam valendo. A higienização daas mãos com água e sabão ou álcool em gel, além de evitar tocar com as mãos m olhos, bocas e o nariz sem os devid idos cuidados de limpeza. De todos estes e números divulgados pelos órgãoss de saúde, tanto local, quanto estadua ual, 55% dos casos foram percebidos em m pessoas do sexo feminino. O Fosfato de Oseltamivir, nome do remédio que combate o vírus da Influen nza A (H1N1), estará disponível na rrede própria do programa Farmácia Po opular do Brasil e será dis-

Cuidados para se prevenir da doença Alguns cuidados básicos de higiene podem ser tomados, como: lavar bem as mãos frequentemente com água e sabão, evitar tocar os olhos, boca e nariz após contato com superfícies, não compartilhar objetos de uso pessoal e cobrir a boca e o nariz com lenço descartável ao tossir ou espirrar. Fonte: Ministério da Saúde


Revista ACIPG Março 2010

tribuído gratuitamente com a apresentação e retenção da receita médica. Campanha A Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa busca divulgar o calendário de vacinação fornecido pelo Governo Federal e alerta os associados aos cuidados e, principalmente, observarem os sintomas e os hábitos para que novos casos de gripe não sejam registrados. No dia 10 de março, a entidade, em parceria com a FIEP, o Sindilojas, o CDL e a 3ª Regional de Saúde, reuniu empresários e lideranças para lançar a Campanha de Prevenção da Gripe. A medida, que partiu dos próprios empresários, tem como objetivo diminuir o risco entre as pessoas para

PREVENÇÃO

que não haja um novo surto da doença na cidade. “A Gripe A não deixou de existir. Ainda vivemos um período de pandemia, que exige os máximos cuidados. É importante que as pessoas voltem a seguir as orientações de lavar sempre as mãos, evitar aglomerações,

Calendário de vacinação

Profissionais de saúde e indígenas - 8 à 19 de março. Gestantes, doentes crônicos e crianças de 6 meses a dois anos - 22 de março a 2 de abril. Jovens de 20 a 29 anos - 5 a 23 de abril Idosos (mais de 60 anos) com doenças crônicas - 24 de abril a 7 de maio Pessoas de 30 a 39 anos - 10 a 21 de maio Fonte: Ministério da Saúde

utilizar álcool gel, manter os ambientes arejados. Cuidados simples que diminuem o risco de contaminação e evita problemas como o ocorrido no ano passado”, explica Vânia Martins, Chefe da Secção da Vigilância em Saúde da 3ª Regional de Saúde. Luiz Eduardo Pilatti, vicepresidente comercial da ACIPG e coordenador da ação, explica que as entidades estão se mobilizando para fazer uma panfletagem no centro da cidade para lembrar a população dos cuidados com o vírus H1N1. “Este ano, o clima está mais propício à proliferação do vírus devido à alta umidade do ar. Precisamos nos adiantar para evitar a propagação da doença”, fala. Outras ações educativas deverão ser definidas nos próximos dias.

11


12

Revista ACIPG Março 2010

SELO SOCIAL

CAPA

ACIPG anuncia processo eleitoral

Prazo para inscrições termina no dia 26 de março e além da indicação dos nomes escolhidos para as vice-presidências, estão as quatro novas pastas criadas em assembleia realizada no final de fevereiro

sx hu sxc. sxc h

m 05 de abril de 2010 será conhecido o novo presidente da Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa (ACIPG). Apesar das especulações ainda não se sabe nome e muito menos se haverá bate chapa para o pleito deste ano. Até aí nada de anormal anormal, visto que, como em outras eleições da entidade o possível candidato ou os possíveis aguardam o último dia de inscrições para mostrar suas metas. Caso não ocorra bate chapa o processo eleitoral deverá acontecer com normalidade. É o que afirma o Presidente da Comissão Eleitoral e do Conselho de Representan-

tes Agnaldo Mocelin. “Nós devemos ter uma atenção se houver bate chapa, aí temos que alterar o que vinha sendo feito anteriormente”, afirma. Porém, segundo ele, isso só poderá ser pensado depois do dia 26 de Março, data limite para as inscrições dos candidatos. Para que um candidato possa concorrer ao pleito alguns pontos devem ser observados. Para participar, é preciso ser associado à ACIPG há mais de 180 dias, não ter vvínculo empregatício com empresas estaatais ou de economia mista e nem ocu par cargo eletivo, comissionado ou fun nção pública, com exceção do magistério o. Novas Diretorias No final do mês de fevereiro, a atual administraçãão convocou uma assembleia para defin nir alguns pontos que seriam importan ntes para o novo presidente e seus vicees. Uma delas, que já vinha sendo estud dada pela entidade, era a criação de mais quatro vicepresidências que tinh ham como objetivo acompanhar o desen nvolvimento de alguns setores na região. r Na reunião então foram criadas com consenso dos representaantes legais da ACIPG. As novas pastas serão reesponsáveis pelas áreas de d responsabilidade sociaal, de capacitação profissio onal, de shopping center e de desenvolvimento do os bairros. “Temos muitas açções nestas áreas, mas não tínhamos um representan nte na Diretoria. São áreas importantes para o desenvo olvimento da cidade que d demandam maior atenção e dedicação”, explica Railda Schiffer, S presidente da ACIP PG. C om m a definição das novas direttorias, a entidade pa ssa de 16 6 para 20 vice-pre-

sidências e os novos representantes das pastas criadas deverão ser indicados e seus nomes entregues junto com o restante da documentação exigida para a concorrência da nova administração. É importante frisar que para inscrição, é necessário o requerimento de inscrição da chapa atendendo ao número de cargos de Diretoria, que são 20, e do Conselho de Representantes, que são 10, com nome completo dos candidatos e seus respectivos documentos pessoais, além da descrição da razão social e CNPJ da empresa associada. Também é necessário apresentar uma declaração individual de aceitação das condições do pleito e a declaração individual expedida pelo Departamento Financeiro da ACIPG que comprova que o candidato está em dia com as obrigações financeiras na entidade. Os interessados têm até o dia 26 de Março para entregar a documentação na Secretaria da entidade, que atende de segunda a sexta-feira, das 9 às 18 horas. “Se o candidato não estiver no exercício do cargo na empresa, pode se inscrever apresentando, juntamente com o documento de inscrição da chapa, uma carta de indicação da pessoa jurídica associada, subscrita pelo administrador indicado no contrato social da empresa, com firma reconhecida e acompanhada da cópia do contrato social”, explica Bruno Garofani, assessor jurídico da entidade. Os cargos eletivos referem-se aos cargos de presidente, vice-presidentes, conselheiros e suplentes. O mandato para os membros da Diretoria é de dois anos de duração. Para o Conselho são quatro anos, com a renovação de 50% dos membros efetivos e suplentes de dois em dois anos. Conforme o Artigo 19 do Estatuto, não poderá tomar parte da diretoria mais de dois (02) diretores de uma mesma empresa. “E só poderão concorrer os candidatos que tenham sido registra-


Revista ACIPG Março 2010

CAPA

para gestão 2010-2012 dos em chapas completas com antecedência mínima de dez dias da data da eleição”, ressalta Garofani. É permitida a reeleição ilimitada para todos os cargos de Diretoria, com exceção do Presidente ou quem venha a substituí-lo no curso do mandato que poderão ser reeleitos para um único mandato subsequente. A divulgação das chapas concorrentes à gestão 2010-2012 será feita no dia 27 de março, nos veículos de comunicação da cidade, conforme prevê o regulamento das eleições.

Edital de convocação De Assembléia Geral Ordinária

– Eleições Sociais – Nos termos dos artigos 21, XI, 66, 78 e seguintes do Estatuto Social da Associação Comercial, Industrial e Empresarial p de Ponta Grossa,, CONVOCO os associados para a ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA a ser realizada na sede da ACIPG,, no DIA 5 DE ABRIL DE 2010, DAS 15:00 ÀS 21:00 HORAS, para apreciação e deliberação dos seguintes temas constantes da “Ordem do Dia”.

poderão ter acesso presencial aos balancetes sociais e manifestar contrariedade ao parecer, sob pena de não o fazendo considerar-se como válido o parecer emitido. Determino, outrossim, com fulcro no art. 81, I, do Estatuto Social, a publicação do presente edital em, no mínimo, 2 (dois) jornais locais de circulação diária, por 2 (dois) dias, com a antecedência mínima de 20 (vinte) dias, devendo, ainda, ser afixado no átrio da ACIPG para conhecimento público. “Ordem do Dia: Os interessados em concorrer às eleições 1. Análise das contas 2009/2010; deverão inscrever suas chapas até o dia 26 de março, 2. Eleições 2010/2012, visando o preenchimento dos sendo que o Cronograma e o Regulamento eleitocargos de Diretoria e renovação de 50% dos cargos rais estarão disponíveis na Secretaria da ACIPG, a do Conselho de Representantes.” qual prestará atendimento durante o período eleitoral somente nos dias úteis, de segunda a sexta-feira A análise do parecer de contas do Con- e das 9 às 18 horas. selho de Representantes se dará às 15 horas, em 1ª convocação, com a presença mínima de metade Ponta Grossa, 12 de março de 2010. mais um dos associados, e às 15:30 horas, em 2ª convocação, com a presença de qualquer número RAILDA ALBA FRANCISCA SCHIFFER de associados, momentos nos quais os interessados PRESIDENTE DA ACIPG

13


14

Revista ACIPG Março 2010

ESPECIAL

Fot Fo Foto otos Ar Arqui quiv qu uiv u ivo U Un niime med ed e d

asssa sado ado d s 10 0 ano nos da da pri r me meir iraa ir expe expe ex p ri riên ênciia co ên oop oper erat er a ivvis at i ta ta méédi m dica ca do do Br Bras assill, oc o or o ri r da n ccid na id dad adee de d S San a to an os/SP s//S SP P, u um m grup gr upo up po de p pon on ntaagros gros gr osse sens se nses ns ses es see u une ne par ne araa p prrom omov o er ov e a defesa fe saa do caamp m o de ttra r baalh ra lho ho da claasssse m méédi dica ca e o com ca mpr prom omis om i so is o em of ofeerecceer se re rece serv rviç rv io iç oss de ssaaúd údee co om qu q al a id idad ad de pa para ara a po p pu p la l çã ção. o. Bas asea eada ea da na me mesm sm ma fi filo loso lo sso ofi fa dee uni nião ão,, iiggua ão uald ld ldad dad ade, e, dem emoc occraaci c a e as asso soci so ciaci ativi ti vviism smo, o, já pr o, preg egad eg ado ad oss em aan nti tiga g s so ga oci cied edad ed ad des e, ssu urgia rgia rg i eem m 7 de jun nho ho de 19 1978 7 uma ent 78 ntid id dad adee qu q ue,, além ue, léém de ofe fere rece re ceer ma maio io or acces e so à saú aúde d , de ssee des e ta taca caari riaa co como m emp mo mpre reesa resa s que cum umpr prre inúm in inúm ú er eros os pap os apéi éiis so oci c aaiis na reg egiã ião iã o on onde de atu ua. a. V nt Vi nte oi oito ito méd édic dic icos cos o esttru rutu tu ura rrara raam a te terc rcceiira Unim Un im med do E taado do Es Para Pa P raná ra ná,, qu ná quee aaos po p uc ucos o os foii gaanh ffo nhan aan ndo d espa ees p ço pa o e se con cco nsol ns o iid dan a do co ccomo omo m a maiior o operadora de saú de aúde dee não ap pen enas as de Po ontaa G Gro ross ro ssa, ss a mas a, dee ttod odaa re od r gi gião ão ão. o Atéé o iiní n ci ní cio o da déc écad ad da dee 80,, a Un 80 Unim im med d P n Po ntaa G nt Grros o sa viiveeu um vive u a ffaase s Primeira fachada da cooperativa de est de stru rutu ru tura tu raçã ra çãão c mab co bu usc usc s a de m mai aior ai or nú úm meerro de pro ofi fiss ssssio i naais dis n ispo spo p sttoss a divid ivid iv dir a exp xper eriê er iênc iê nccia d dee um u a coop co o er op erat ativ ativ i a. a. Foii um pe p rííod do de agr greg egaç eg a ão aç ão de c nh co heccim men e to o sob o re coo oope pera pe raati t vi vism sm mo e o ob bteen n-çãão de de doc ocum um mento en nto t s paara r a sua u reg regul eggullar arid idad id ad de e lega le ggaaliidade dad da dee. Ap pós ós eess ssssa époc ép pocca, a as pr preo eeo ocu upa paçõ ções çõ ess ficcaaraam ceent fica fi ntra rd ra daas na exp paan nsão sãão da car car arte teir te iraa de ir bene be neefici n fici fi ciário ário ár i s. s Em me m io o à reecces essã s o e ass turrbu sã b lênc lê ênc n ias iaas eccon onôm ôm miccas a quee o paí aíss en enfr frren e taava v ,o desa de safi fio er fi era en enor orrme o m , po poréém, m n naq aque aq ueele u l tempo em mpo po,, um u ma das daas “p pal a av avra rass de ra d ord dem m” já já era r a detter errmn mi naaçã ç o, o, e, fo foii as ass ssi sim qu sim ue um tra r baalh ho in i s sten si sten st ente tee de rela reela laci co ci on nam amen nto t e pro r sp s eccçã ç o fo foii angaari anga an rian ian a do do nov ovas as par as a ce c ri r as e a iima mage ma gem ge m da d

Unim Un i ed im d com omeç eçou ou ua se d des esspo pont ntar ntar nt a no ce ce-náári rio o lo l ca cal.l. A com ompr prra da sed ede p prróp ó ri riaa em m 1986 fo 19 oii um do doss pa pass sssos impo im p rt po rtan a tees pa an para ra tor or-narr a Un na U im med mai aiss só sólili-da peerran ntee seu us be bene neefi fici ci-ci árrio os e co coop oper op erad er ados ad os.. Co os C m o de d se senvvol olvi vime vi ment me nto nt o da d ccoo ol a atua o erat op ativ tiva iva ch heg egav avam av am m tam m- Fachad b m a tecn bé teecn nol olog ogia og ia,, a co ia comp mpra mp ra d prime do rime ri m ir iro o c mput co mp put u ad ador o e a imp or m la lant ntaç nt ação aç ã dos ssis ão i tema is teem s de inf nfor ormá máti ttiica ca.. As A si sim, m,, os os in inve vest ve s im st i en nto toss em e p ssoaas, eequ pe quip qu ip pam amen e to en tos, s, aate s, tend te nd dim men ento to e gee r nc re n ia i ment meent nto o fo fora raam se apr apr p im imor oran or ando an do cad a a ve vezz maaiss e a coo mais oope pera pe raati tiva va aapr pres pr e en es nta tava va-s va -see en -s entã tão o c mo co o emp mpre resa re sa m mod oder od e na e din er inâm âmic âm ica, ic a, ccap apaz ap a az dee res espo pond po nder nd er ààss exxpe p ct ctat ativ at ivvas d daa po p pu ula laçã ção çã o, co om au aume ment me nto nt o co ons n id ider eráv er ável áv el na paart rtic i ip ic i açção ã dee mer erca cado ca do.. do Com o oss an anos os 90 veeio o a amp pliaç liiaçção d sed da ede, e, o aum aum umen e to no qu en quad ad dro o de coop co oop oper per eraa ados, do s, inv nves esti es time ti ment me ntos nt os no co c rp po de col olab abor ab oraor a do orees e us uso o caada d vezz mai aior o da teecn or cnol olog ol ogia og i , ffaato tore ress qu re q e see tra radu d ziira du ram m em cre resc scim sc imen im en nto o e re r su sult ltad lt ados ad os.. O fi os fina naal da déc écad ad da fo foii ma m rc rcad ado ad o peela exp p xpan ansã an sãão daa áre reaa de de açã ção o da Uni nime med me de peela cri riaç ação aç ão da AN ANS S (A (Agê gêênc ncia ia Nac a io iona n l de na Saúd Sa úd de Su S pl plem emen em en nta tar) r , qu r) que pa pass ssou ss ou a reggul u ameent ntar ar o sset ettor de saaúd údee su supl plem pl emen em en nta tar. r Gr r. G aças à no ça nova va llei ei par araa os plaano os d dee saú aúdee, fo aúde fora ram ra m m de mo dern rniz rn izad iz ad dos o o oss es esta tatu ta tuto tu toss e re regr gras gr as iint ntter erna nas na p ra pa ra tor o na narr a ad dmiini nist sttra raçã çãão daa Uni n me m d ma m iss ágiill e pad ág dro oni niza zada za da à ANS S. Co Com m a crria iaçã ção çã ão do c rt ca rtão o mag a né néti t co ti o, ou ouvi v do vi dori riia, a des e ce c nt ntra raaliizazaaç o de çã de ateend n im imen ento en to e progr ro ogr g am amas as de sa s ttiissati s façã fa ção çã o do doss us usuá uááriios os,, a op o er e ad ador oraa fo or oi ca cami mi-nh han ndo o par a a co orrres espo pond po nder nd er cad adaa ve vezz ma m is mais à exp às xpec ecta tatiiva vass do d s be bene nefi ne fici fi ciár ci ário ár ios. io s. Parra o no novo vo m mililiên nio as m meetaas prop pr prop o os osta tass er e am maiis ou ousa sada sa d s, da s, com pri rioriida dade d s pa de para ra a edu uca caçã caçã ç o co c nttin inua uada ua da doss m dico mé diico os, s, cri cri r aç ação ã de um ão u vveí eícu c lo cu o de in info forfo m çãão in ma inte tern te rn no ao os co coop op per erad ados os,, el elei eiçã ei çãão d dir de iret etor et orress rreg ores eggio onaais i , im mpl p an anta taçã çãão de d po olílíti t ca ti cass de res e po pons nsabilid ab b id dad adee so soci cial al e, prrin p nci cip palm palm pa men ente tee, a co cons nstr ns truç tr ução uç ão de um ma novva no va e com mplex plexxa es pl e tr trut utura urra paara aate ten n n-

der d de forma diferenciada seuss clientes. A iinauguração do Hospittal Geral Unimed em m 2007 foi uma das maiores m conquistas da singular de Ponta d Grossa. A estrutura G foi um novo conceito em atendimento hosp ho spit ital a aar com tecnologias e re r cursos proje jjeta tado dos para pac d a ientes particulares e beneefi fici ciár á ios que recebem atendimento huma mani niza zado e de alta qualidade. Segu uindo a cri r aç ação ão do hospital veio o início das atividades do CD C U – Centro de Diagnóstico Unim med d ((ce cent n ro de imagem) e da U A – Unimed UC ed C Cui uida dados Avançados (terap a intensiva). A ex pi expe p ct pe c ativa de todos é que o aumento da com ompl plex exid idade avance cada vez mais, sempre com m ffoc oco o em manter os princíp os do cooperativ pi ivis ismo mo aliados à profissionalização o das ativvidad ades es e ao acom mpanhamento da evo v lução das te tecn cnol olog ogia i s di disp s oníveis para c id cu idar a cada vez ma mais iss d daa sa s úde. Assim, a in inst stituiçãão criada para v abiliizar vi ar a ativida dade de eeco c nômica dos seus sócios consolido ou um umaa posição de destaque c mo operadoraa d co de pl plan anos o de saúde, exerceendo os papéis dee eemp mpregadora, prestadora d servi de v ços e agen nte ssoc ocial na comunidade. Co om os olhos voltaado doss pa p ra o futuro da med cinaa e da saúde, di e, a U Uni n med Ponta Grossa cont co n inua sua misssãão co com m a certeza de que co on nttin nuará cumprin indo do relevantes serviços econômicos e soc ocia i is à região. região

Tex Tex exto: to o Th o: T alilitaa Val V ent en ntim (As Asses ses sse e sor s ria riaa de com omuni om muni u caç un ação ação) ão ão)

Hospital Gera

l Unimed (HGU

)


16

Revista ACIPG Março 2010

POLÊMICA

Conveniências continuam convenientes Município foi o primeiro a assegurar por meio de lei municipal a continuar comercializando produtos fora do alcance da saúde nas “drustores” nquanto outros estados ainda brigam por meio de liminares para continuar vendendo produtos de conveniências nas farmácias e drogarias, estabelecimentos locais nem chegaram a se intimidar com a intervenção proposta pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Tudo porque, antes mesmo da fiscalização começar no comércio de medicamentos, a Câmara dos Vereadores aprovou em 15 de dezembro uma lei que permite a venda de produtos de primeira necessidade em farmácias e drogarias. De acordo com o autor da lei, o vereador Alessandro Lozza de Moraes, que é também farmacêutico e bioquímico, a mesma assegura o direito do consumidor de comprar os produtos em qualquer horário, visto que, cada um sabe da sua demanda, evita que os estabelecimentos tenham que se readequar à nova lei mexendo na estrutura e no contrato social e impede demissões em massa no segmento. Segundo o Diretor Executivo da rede de Farmácias Fleming, Fernando Rodrigo Schimilouski, a proibição é um erro proposto pela Anvisa e não traria qualquer melhoramento para as empresas, pelo contrário, seria uma sucessão de prejuízos, tanto para o

comércio ligado a saúde, funcionários e consumidores. “De imediato, eu teria que fazer uma redução de 50 pessoas”, afirma Schimilouski. Isso porque, ainda de acordo com o diretor executivo, são pessoas contratadas especialmente para cuidar desses produtos. Outro ponto importante é a perda do investimento feito quando as farmácias foram liberadas para vender tais produtos. Além do equipamento adquirido como geladeiras e outros materiais ainda tem a questão do espaço físico que seria inutilizado. “Se hoje uso um espaço de 260 m² com a norma diminuiria para 100 ou 120 m² e perderia no aluguel e na variedade”, completa. Lei Existe uma lei maior que assegura o direito de cada estado ou município legislar esse segmento de forma particular. A Anvisa entrou com uma Resolução de Diretoria Colegiada (RDC) 44/09 com o intuito de proibir a prática. A lei aprovada pela Câmara dos Vereadores de Ponta Grossa em dezembro libera os estabelecimentos, mas pode ser contestada. Mesmo sendo rebatida, ainda assim as farmácias têm a liminar que, segundo Moraes, esta sendo discutida, garante a venda dos produtos e pode se estender por muito tempo. Segundo o farmacêutico, o projeto da Anvisa é um retrocesso

Projeto de Lei n. 322/2009 Art. 1º - Fica permitida às farmácias e drogarias instaladas no âmbito do Município de Ponta Grossa, a comercialização de artigos de conveniência. Parágrafo único - Consideram-se artigos de conveniência, para fins desta Lei os seguintes produtos: I – leite em pó e farináceos; II – cartões telefônicos e recarga para celular; III – meias elásticas; IV – pilhas, carregadores, filmes fotográficos, cartão de memória para máquina digital, câmeras digitais, filmadora, colas rápidas; V – mel e derivados, desde que industrializados e devidamente registrados; VI – bebidas não alcoólicas como: refrigerantes, sucos industrializados, água mineral, iogurtes, energéticos, chás, lácteos e refrigerantes orais, em suas embalagens originais; VII – sorvetes, doces e picolés, nas suas embalagens originais; VIII – produtos dietéticos e light; IX – repelentes elétricos; X – cereais tais como: barras, farinha Láctea, flocos e fibras em qualquer apresentação; XI – biscoitos, bolachas e pães, todos em embalagem originais; XII – produtos e acessórios ortopédicos; XIII – artigos para higienização de ambientes; XIV – suplementos alimentares destinados a despor-

tistas e atletas; XV - eletrônicos condicionados a cosméticos, tais como: secadores, prancha, escovas elétricas e assemelhadas; XVI – brinquedos educativos; XVII – serviço de foto copiadora. Art. 2º - Fica permitida a instalação de caixa de autoatendimento bancário nas dependências das farmácias e drogarias. Art. 3º - Fica permitida a prestação de serviços de utilidade pública, como recebimento de contas de água, luz, telefone, boletos bancários, bem como venda de recarga de telefonia e bilhetes de transportes públicos. Art. 4º - As farmácias e drogarias ficam obrigadas a dispor, adequadamente, os artigos de conveniência em prateleiras, estantes ou balcões separados dos utilizados para o comércio e armazenagem de medicamentos. Art. 5º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. Fonte: Emprefar

que pretende isolar os medicamentos e a comercialização é um benefício adquirido para a comunidade. “A prestação de serviços é incontestável”, finaliza. O Projeto de Lei n. 322/2009 foi assinado pelo prefeito municipal Pedro Wosgrau Filho e pela Secretária Municipal de Administração e Negócios Jurídicos, Adelângela de Arruda Moura Steudel e teve vigência desde o dia da sua aprovação. Outros municípios como Londrina e cidades menores também buscam se proteger com a mesma norma aprovada em Ponta Grossa. Histórico Polêmico Desde 1995 as farmácias e drogarias vendiam medicamentos e dispunham de produtos de primeira utilidade e limpeza em suas gôndolas. Uma facilidade que o consumidor mais apressado aprovou e depois de um tempo já não era nem um pouco estranho encontrar até mesmo rações para cachorro nas farmácias. O decreto, que permitia a venda de produtos dessa natureza deu-se a partir da Lei número 9.069/95 e desde então as lojas de conveniências se tornaram normais dentro das drogarias. Na época em que a lei foi instituída as drustores, como são chamadas, tiveram que se adequar a algumas regras. Os estabelecimentos poderiam vender produtos de primeira necessidade como material de limpeza e higiene desde que obedecessem as normas publicas na lei. Ou seja, tudo aquilo que não se entende ou que não tem origem e finalidade à defesa e proteção da saúde. Para isso foram feitas as devidas alterações no contrato social e na estrutura das farmácias como a divisão dos produtos com paredes de vidro, a mais usada pelas redes, paredes internas que pudessem ser lavadas para o controle sanitário e um responsável técnico em período integral. Isso foi uma tendência que se estendeu até o ano passado. A Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a venda de conveniências em estabelecimentos ligados a saúde. Pela nova regra do órgão fiscalizador de saúde, remédios que podem ser vendidos sem receita médica não poderiam mais


Revista ACIPG Março 2010

POLÊMICA

17

em Ponta Grossa ficar à disposição, somente atrás do balcão do farmacêutico. Proibição Em 2009 a Anvisa entendeu que a venda de conveniências incentivava consumidores a comprar remédios sem receita médica com mais facilidade e de lá pra cá se abriu uma polêmica em torno do assunto. A explicação para a proibição é de que a venda de produtos dessa natureza descaracteriza o estabelecimento e por alegarem que as farmácias não têm um responsável técnico disponível para atender o público. Grandes redes de farmácias recorreram da decisão e conseguiram, por meio de liminares, continuar comercializando tais produtos por um prazo de 30 dias. Prazo este, que venceria no final do mês de fevereiro. Segundo o advogado do Sindicato Patronal, Dr. Marco Antonio Guimarães, a

justificava alegada pelo órgão que realmente não procede porque as farmácias dispõem sim de um profissional em período integral e em nenhum momento as pessoas são induzidas a consumir medicamentos. “Não muda nada”, diz Guimarães. Depois de muita discussão o Superior Tribunal Federal (STF) negou o pedido da Anvisa e os estabelecimentos foram liberados para continuar trabalhando como antes. Desta forma, as farmácias e drogarias não precisam mais seguir o padrão que a Anvisa determinou e continuarão a vender produtos de conveniência como refrigerantes, chocolates, pães, leite, higiene e limpeza e até mesmo disponibilizar serviços de recargas de celular e pagamento de contas. Também segue liberado o acesso dos consumidores a medicamentos vendidos sem necessidade de receita médica. A princípio a decisão se limita a Brasília, onde o TRF

Lei garante que conveniências continuem sendo vendidas

e a Anvisa atuam, fazendo com que o restante dos estados fique sem a tutela da lei e proibidas de comercializar produtos de conveniência. Representantes da Associação Brasileira de Farmácias dizem que vão recorrer e pedir reconsideração no artigo que restringe apenas ao Distrito Federal.


Revista ACIPG Março 2010

HOMENAGEM

A unanimidade Escorsim

Dedicado em todos os trabalhos que desenvolvia, Sérgio Escorsim deixou uma cidade inteira órfã no dia 18 de janeiro de 2010

ários setores da cidade lamentaram a morte do vice-presidente de promoção de eventos da Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa, Sérgio Escorsim. O professor, como era mais conhecido, sempre esteve envolvido em diversos trabalhos, dentro e fora da ACIPG. Quem conhecia Escorsim sabia da importância que ele tinha para a cidade. Dentro da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) o professor não se contentava apenas em passar seu conhecimento dentro da sala de aula. Isso se estendia para fora e há 23 anos partia dele a iniciativa de realizar o Congresso Internacional de Administração (ADMPG), evento que desde então se tornou referência para alunos, professores, profissionais da área e a sociedade em geral. Sempre atuante na organização do ADMPG, que em 2009 teve sua 22º edição, o professor não media esforços para que o evento trouxesse mais informação e discussão com pessoas de sucesso e experiências que acrescentassem conhecimento aos pontagrossenses, legítimos ou não. Além do empenho que fortaleceu o setor acadêmico, Escorsim tinha um compromisso firmado com o setor de tecnologia da cidade. Estava à frente do Grupo Gestor que busca a implantação do Parque Tecnológico na região. Consolidar a cidade com um complexo desta magnitude era um sonho que começa a tomar forma. “Ele sempre acreditou no projeto e não poupou esforços para vê-lo sair do papel”, comenta Railda, presidente da ACIPG. Em 2009, a equipe de Escorsim conseguiu a doação da área próxima à Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), onde será construído o complexo. Depois de definir a área, trabalhava na elaboração do projeto e captação de recursos.

participava ativamente dentro da entidade. “Conheço o professor desde a juventude, sempre foi amigo e batalhador. Uma pessoa com um profissionalismo muito grande e muito dedicado, não era só um colega era um amigo. Era muito competente, gostava da ACIPG”, relembra Railda. A habilidade, inteligência e simpatia eram marcas registradas do professor, que tinha facilidade em negociar. Este respeito se dava pela seriedade nos trabalhos que realizava. Renato Gomes Napoli foi presidente da ACIPG na gestão 9395/02-04 e comenta a atuação de Escorsim na época. “Era dedicado, consciente, inteligente e gostava de trabalhar em conjunto. Não era individualista, olhava a entidade com honestidade, foi um grande colaborador”. Na primeira gestão de Napoli, Escorsim lecionava administração na Universidade e ocupava o cargo de vice-presidente secretário. Em mais de 20 anos de atuação dentro da associação, o incansável Escorsim passou por vários setores, entre eles a área de fomento socioeconômico. Foi responsável pelo ciclo de palestras, centro da indústria, finanças e coordenou o programa pontagrossense de qualidade e produtividade. Além dos trabalhos dentro da ACIPG, na Intecponta e professor da UEPG, Escorsim também era Conselheiro da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP). Toda a diretoria da Associação, colaboradores e amigos são unânimes quando definem o professor: “Era dedicado em tudo que fazia”. Todos acreditam que o legado e a dedicação deixada por ele serão incentivos para que seu sonho de ver o Parque Tecnológico funcionando se torne uma realidade. Sérgio Escorsim tinha 64 anos e deixou a mulher, Sueli e os filhos Marcos, Sérgio Junior, Bárbara e Michele. Aquivo ACIPG

20

Mesmo antes do projeto do Parque, já incentivava pesquisas no ramo com a coordenação Operacional da Incubadora Tecnológica de Ponta Grossa (INTECPONTA). A empresa apoia, dá suporte e busca subsídios para boas ideias. Recentemente a empresa Nanoita, vinculada à Incubadora, conquistou o primeiro lugar na competição “Idea to Product”, com a produção de cerâmicas de revestimento que utilizam tecnologias inovadoras a partir de nano estruturas. “Foi meu orientador, estava sempre disposto a fazer e incentivava os alunos a participarem do ADM, não só como ouvintes. Acreditava no potencial tecnológico de Ponta Grossa e tinha como projeto fazer um dossiê do Parque. Queria sempre divulgar o projeto para a cidade”, diz Andréia Antunes da Luz, apoio técnico da Intecponta. ACIPG Atualmente Escorsim ocupava o cargo de vice-presidente de eventos e


Revista ACIPG Março 2010

TURISMO

TURISMO

Prato Típico de Ponta Grossa

Acervo do SHRBS

uito se ouve falar sobre pratos típicos das cidades e regiões do Brasil, onde a gastronomia faz a diferença no turismo. Um dos motivos de se viajar para a Bahia, por exemplo, é o de comer o Acarajé, ir para o Rio Grande do Norte e experimentar a Tapioca com manteiga de garrafa ou conhecer a Amazônia e comer os bombons de Cupuaçu. Não precisamos ir tão longe, aqui mesmo nos Campos Gerais, em Castro tem o Castropeiro. Palmeira, o Carneiro, que é delicioso. São Mateus do Sul, o Charque a Vapor. E poderíamos ainda falar de mui-

tos outros lugares com suas deliciosas receitas de pratos típicos. Em Ponta Grossa não é diferente, nossas receitas e costumes também são muito apreciados. Porém não existia o prato típico propriamente dito, ou pelo menos alguém que pesquisasse algumas das nossas iguarias, para que se tornasse um dos atrativos no segmento de turismo gastronômico. O prato típico sempre existiu, faltava apenas ser nomeado. E agora foi. A Alcatra no Espeto não foi escolhida por acaso, a maneira de servir ainda no espeto, colocado em pé à mesa, em uma pedra, lembra muito as festas do interior e das igrejas, onde se usavam espetos feitos de galhos de árvores e os mesmos eram fincados entre as tábuas que serviam de mesa, considerados os melhores churrascos do ano. A maneira de como a carne é assada, no fogo, isso mesmo, nas labaredas e não na brasa, também é uma característica somente nossa e as churrascarias que servem esse prato seguem à risca esse costume. Afinal não se mexe no que esta dando certo há mais de 50 anos. Sem falar no corte da carne que leva picanha, alcatra, mignon, maminha, todos na mesma peça. O Sindicato de Hotéis e Restaurantes sentia, juntamente com os seus Alcatra no espeto e seus acompanhamentos associados, à falta de um prato típico

que servisse de atrativo para Ponta Grossa, inclusive como incremento no setor turístico, visando a Copa do Mundo de 2014. Evento que, com certeza, trará uma boa parte dos turistas a visitarem nossa região. Aqueles que saem dos seus países de origem e chegam aqui com a intenção de experimentar coisas novas, e não comer aquilo que já estão acostumados. E a Alcatra no Espeto serve como um ‘suculento’ chamariz para esses turistas, ajudando a divulgação de nossa cidade. Foram feitas campanhas e pesquisas perguntando para os cidadãos, a opinião sobre o prato, e como já era esperada, a grande maioria apoia a ideia. Depois de muito trabalho do sindicato, juntamente com as churrascarias que servem hoje esse tradicional prato, a Alcatra no Espeto foi escolhida como símbolo da culinária pontagrossense. O lançamento da Alcatra no Espeto foi realizado em novembro de 2009 como Prato Típico oficial da Cidade de Ponta Grossa, com direito a Lei Municipal, protegendo os padrões específicos da iguaria, como corte da carne, modo assar e servir e acompanhamentos que são: arroz branco, feijão preto cozido ou salada, saladas de tomate, cebola roxa e maionese, polenta frita, farinha de mandioca e pão.

Serviço

Onde encontrar o prato típico: Churrascaria Expedicionário, Espeto na Pedra, Churrascaria Zancanaro e Empório Avenida.

21


Revista ACIPG Março 2010

SCPC/CURSOS Indicador SCPC

Videocheque

O SCPC registrou 57.041 consultas em fevereiro/2010 ante 41.766 de fevereiro/2009 As consultas tiveram aumento de 36,57 % 19,21% das consultas de fevereiro/2010 apresentaram restrições para a concessão de crédito

O Vídeocheque registrou 37.959 consultas em fevereiro/2010 ante 19.030 de fevereiro/2009 As consultas tiveram aumento de 99,46% 18,10% das consultas de fevereiro/2010 apresentaram restrições para a aceitação de cheques

Exclusões e inclusões - SCPC e Videocheque

Saldo de exclusões e inclusões SCPC - Videocheque

O volume de inclusões de registros em fevereiro/2010 foi de 9.102 ante 11.880 de fevereiro/2009. As inclusões tiveram queda de -23,38 % O volume de exclusões de registro em fevereiro/2010 foi de 5.643 ante 5.648 de fevereiro/2009. As exclusões tiveram queda de -0,09 %

O saldo de exclusões e inclusões em fevereiro/2010 foi de R$286.180 ante R$521.997 de fevereiro/2009. O saldo de exclusões e inclusões teve queda de -45,17 %

Fevereiro Dezembro Dezembr

INDICADORES

(*) Taxa de Inadimplência Líquida – Relação entre a quantidade de novos registros incluídos no SCPC, menos os registros cancelados no mesmo período, dividido pelo número de consultas ao SCPC dos últimos 90 dias.

Cursos Maio

Abril Técnica de vendas com foco no cliente

Administração de tempo

Palestrante: Norberto Rotter Período: 12 a 15 de Abril Horário: início 19h00m - término 22h00m

Palestrante: Luiz Carlos de Souza Período: 24 a 27 de Maio Horário: início 19h00m - término 22h00m

Enquetes A Assembléia Legislativa do Paraná votará no dia 01 de fevereiro a proposta do Executivo de aumentar o piso salarial regional paranaense em percentuais que variam de 11,9% até 21,5%, podendo chegar ao valor de R$765,00. Sobre o tema, você: Resultado Final É totalmente a favor do aumento. 23% É a favor do aumento, desde que sejam realizados estudos técnicos de viabilidade. 14%

O Projeto de Lei de Iniciativa Popular 518/09, popularmente conhecido como “Ficha Limpa”, está em processo de análise por um grupo de trabalho da Câmara dos Deputados. O Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE) promove a defesa do projeto em todo o Brasil. O comitê do MCCE em Ponta Grossa também realiza ações para cobrar dos parlamentares a aprovação da proposta. Sobre o assunto, você: Resultado Final Acredita que a proposta será aprovada pelo Congresso Nacional. 2%

É totalmente contra o aumento. 24%

Acredita que a proposta não será aprovada pelo Congresso Nacional, pois os deputados e senadores não votarão a favor de um projeto que poderá prejudicar suas possíveis candidaturas e/ou de seus aliados. 19%

Acredita que esta proposta seja mais “eleitoreira” que técnica. 38%

Acredita que há a necessidade de maior pressão popular para que a proposta seja aprovada. 79%

É indiferente ao assunto. 1%

É indiferente ao assunto. 0%

Janeiro

22



Revista ACIPG ed.26