Page 1

Inovações em irrigação facilitam tomada de decisão do produtor! Veículo: Agrishow - Localidade: Não disponível - ND - - 01/05/2018 Editoria: Notícias Página: On-Line Centimetragem: 30 cm - Retorno de mídia: R$ 1320,00 Link: http://digital.agrishow.com.br/inovacoes-em-irrigacao-facilitam-tomada-de-decisao-do-produtor/ A irrigação tem se mostrado uma importante ferramenta para a boa produtividade do agronegócio brasileiro e, consequentemente, uma preocupação do produtor que está sempre em busca de inovações. Quem visita a Agrishow 2018 pode encontrar diversas soluções expostas em diversos stands da feira, além de um pavilhão exclusivo para empresas de pequeno porte e startups apresentarem seus produtos e tecnologias destinados à irrigação. De acordo com o presidente da CSEI/ABIMAQ (Câmara Setorial de Equipamentos de Irrigação da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos), Marcus Tessler, a principal razão pelo qual criamos o pavilhão foi abrir uma oportunidade às pequenas empresas, consultores, universidades, órgãos de pesquisa e startups, que já atuam, estão iniciando ou gostariam de atuar na área de irrigação. "Nosso objetivo é difundir ainda mais as novas tecnologias e atrair um número maior de profissionais para fomentar o desenvolvimento de nosso mercado". Dentre as inovações há desde tubo de fibra de vidro com alta resistência mecânica e vida útil de até 50 anos, além de soluções como a tecnologia Digital Farming, desenvolvida pela Netafim, que permite acompanhar em tempo real do planejamento de irrigação, nutrirrigação, rastreamento do crescimento das plantas e condições de solo. Há ainda a tecnologia Manna Irrigation que realiza uma varredura via satélite de toda a área plantada e transmite ao responsável pela irrigação, informações sobre em qual situação está a lavoura, pois reúne dados - clima, condição de solo, tipo de cultura, entre outros - para auxiliar na tomada de decisão sobre o gerenciamento da fertirrigação, aumentando a precisão no processo e diminuindo custos. O post Inovações em irrigação facilitam tomada de decisão do produtor! apareceu primeiro em Agrishow.


Inovações em irrigação facilitam tomada de decisão do produtor! Veículo: Agrishow - Localidade: Não disponível - ND - - 01/05/2018 Editoria: Notícias Página: On-Line Centimetragem: 30 cm - Retorno de mídia: R$ 1320,00 Link: http://digital.agrishow.com.br/inovacoes-em-irrigacao-facilitam-tomada-de-decisao-do-produtor/


Burguesia industrial brasileira: o cadáver insepulto Veículo: MAKAVELI : teorizando - Localidade: Não disponível - ND - - 02/05/2018 Editoria: Notícias Página: On-Line Centimetragem: 67 cm - Retorno de mídia: R$ 2948,00 Link: http://makaveliteorizando.blogspot.com/2018/05/burguesia-industrial-brasileira-o.html No último dia 4 de abril, o Ministério da Fazenda anunciou que pretende reduzir a alíquota das importações de bens de capital de 14% para 4% e a de produtos de informática e de telecomunicações de entre 6% e 16% para a média internacional. A medida segue a mesma perspectiva econômica da iniciativa do governo, em 2016, de reduzir o custo de importação de 275 máquinas e equipamentos: iniciativa tomada com apoio do empresariado nacional, alegando que essas máquinas não eram produzidas no Brasil. A nova disposição do Ministério da Fazenda não é criticada pela concepção de projeto, mas pela "radicalidade" da medida e ausência de diálogo. A Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), um dos principais órgãos de classe da fração industrial da elite, reclama da medida com tons de indignação moral e paralisia política. O setor industrial brasileiro, desde os anos 90, tem seu tamanho reduzido ano após anos vivenciando um acelerado processo de fechamento de indústrias, desnacionalização de setores produtivos e substituição de máquinas, equipamentos e componentes intermediários nacionais por estrangeiros. Se nos anos 90 os principais beneficiários desse processo foram as indústrias do EUA e União Europeia, hoje, basicamente, a China é quem está melhor posicionada para aproveitar esse momento. Em 2014 os negócios entre China e Brasil atingiram quase US$ 80 bilhões: nós exportamos, basicamente, soja, minério de ferro e petróleo bruto e importamos peças e componentes de eletroeletrônicos, de informática e de outras máquinas. gráfico para sustentar o argumento Rui Hotta, diretor-executivo do grupo Refrex (grupo econômico que atua na produção de eletroeletrônicos) afirma que o Brasil, atualmente, na produção eletroeletrônica, é basicamente uma "maquiladora de produtos", não produzindo peças e componentes intermediários nacionalmente. Segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o coeficiente do uso de insumos importados (traduzindo = peças importantes na produção de uma mercadoria, como placas de rede de um celular) é em média geral de 30%, subindo para 40% em produção de veículos, 80% em informática e eletrônicos e ficando em 25% em máquinas e material elétrico (ainda é necessário considerar que, por exemplo, o setor de produção de veículos é basicamente todo formado por monopólios estrangeiros e essa situação em outros setores da economia se repete). Os dados não mentem: a burguesia industrial brasileira é um cadáver insepulto, um doente agonizante, que assume em proporções crescentes a função de montadora e revendedora de mercadorias industrias onde os componentes chaves são produzidos na China, EUA, Japão, União Europeia etc. Em breve, teremos que para apreender cientificamente a realidade, não chamar esse setor da classe dominante de "burguesia industrial", mas de "burguesia comercial especializada na revenda de mercadorias de produção industrial"! Frente à essa realidade, uma pergunta deve ser feita: por que esse setor da classe dominante é tão fraco politicamente? Nenhuma grande cadeia de TV, Jornal ou Rádio vincula um programa de interesse desse setor com sistematicidade (o mesmo não pode ser dito do latifúndio [agronegócio], capital estrangeiro, fração financeira nacional e internacional e bancos), aparentemente nenhum dos principais partidos da ordem tradicionais - PSDB, PMDB, PP, DEM etc.- representa, organicamente, esse setor e sua rede de intelectuais, em instituições públicas e privadas, demonstra uma capacidade hegemônica baixíssima. Uma olhada superficial - tema que demanda maiores pesquisas - mostra que é um certo setor da esquerda, chamado de "campo progressista", que atua como principal aparelho político-ideológico desse setor da classe dominante propagando ideias de "reindustrialização" do país. A Federação das Indústrias de São Paulos (Fiesp) promoveu um seminário chamado "Reindustrialização do Brasil: chave para um projeto nacional de desenvolvimento" e entre os participantes do evento, vários nomes do "campo progressista" como Guido Mantega, Luiz Gonzaga Belluzzo e Ricardo Bielschowsky (para não falar do programa eleitoral apresentado por Ciro Gomes e Manuela d'Ávila). Essa confluência entre um setor da esquerda - a "esquerda do capital" - e essa fração da classe dominante pode, talvez, explicar a ausência de maiores aparatos hegemônicos ao seu dispor e ao mesmo tempo, seu sucesso relativo nos anos de neodesenvolvimentismo, contudo, uma coisa é certa: essa fração da burguesia, no bloco no poder, é cada vez mais marginal frente ao capital estrangeiro, fração rentista nacional e estrangeira e o latifúndio. Caso essa leitura seja correta, a burguesia industrial deveria


defender Lula e o PT como forma de buscar melhores posições no bloco no poder, mas como está totalmente comprometida com a agenda de contrarreformas (especialmente as trabalhistas), defende com entusiasmo a campanha pela prisão de Lula. Na busca de intensificar as condições de exploração da classe, a burguesia industrial ajuda a matar seu principal instrumento de luta política na presença de outras frações do capital, condenando-se, ao que parece, à impotência política e conseguir, no máximo, mitificar alguns efeitos do programa de desnacionalização acelerada da economia. Em resumo: é uma fração de classe sem futuro e capacidade de disputar a direção político-ideológica do capitalismo brasileiro. O mais curioso nisso tudo é setores da esquerda, fundamentada em uma análise errada de conjuntura, dinâmica de classe e das relações de produção capitalistas, se agarrar a esse cadáver insepulto. Irá ao túmulo junto com o morto? Se conformará com a morte? Veremos nos próximos anos. Algumas matérias de onde retiramos os dados: https://epocanegocios.globo.com/Informacao/Dilemas/noticia/2015/06/setores-da-industria-brasileira-viram-embaladores -de-produtos-chineses.html http://www.fiesp.com.br/imprensa/fiesp-reindustrializacao-e-o-unico-caminho-para-crescimento-do-brasil-2/ http://www.brasil.gov.br/economia-e-emprego/2016/04/governo-reduz-custo-de-importacao-de-275-maquinas-e-equipa mentos-sem-producao-no-brasil https://www.cartacapital.com.br/revista/999/leva-que-e-de-graca


Burguesia industrial brasileira: o cadáver insepulto Veículo: MAKAVELI : teorizando - Localidade: Não disponível - ND - - 02/05/2018 Editoria: Notícias Página: On-Line Centimetragem: 67 cm - Retorno de mídia: R$ 2948,00 Link: http://makaveliteorizando.blogspot.com/2018/05/burguesia-industrial-brasileira-o.html


Feimec 2018 - Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos Veículo: Mmt - Localidade: Não disponível - ND - - 02/05/2018 Editoria: Notícias Página: On-Line Centimetragem: 61 cm - Retorno de mídia: R$ 2684,00 Link: https://comercioexteriorimportacaoexportacao.blogspot.com/2018/05/feimec-2018-feira-internacional-de.html Contando com mais de 460 expositores na edição deste ano, realizou-se na SP Expo mais uma edição da FEIMEC (Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos). Com o exponencial crescimento de diversos setores da economia, destacando os setores automobilístico como um todo e setores industriais variados, as aquisições desse tipo de equipamento cresceu de forma destacada em relação à 2015 e 2016. Contando também com empresas estrangeiras, o evento buscou fomentar as trocas de tecnologia entre os produtores desses equipamentos, sendo que cada vez mais o Brasil tem melhorado seus produtos nesse seguimento e apesar disso, ainda diversos desses componentes são importados. As exportações de máquinas brasileiras completas para o exterior tem crescido também. A MMT COMEX LTDA esteve la e conferimos tudo isso de perto. https://www.feimec.com.br/pt/HOME.html A FEIMEC - Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos - é o evento oficial do setor. É uma iniciativa da ABIMAQ - Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos -, Informa Exhibitions e mais de 30 entidades setoriais. Trata-se de uma feira para atender às demandas do setor e, através de sua primeira edição - realizada de 3 a 7 de Maio de 2016 -, se mostrou um evento de sucesso acima do esperado e confirmou sua força e relevância no cenário macroeconômico. Em 1959, a ABIMAQ, contando com o incentivo das suas associadas, apoiou o lançamento pioneiro e a realização da primeira feira do setor metal mecânico no Brasil. Era uma época na qual o setor de máquinas e equipamentos estava em formação e o país iniciava o grande ciclo da industrialização. A associação, sempre contando com o apoio de suas empresas associadas, participou ativamente de todas as edições realizadas da feira do setor metal mecânico. Durante este período, a indústria deste setor evoluiu e se expandiu de forma exponencial. A segunda edição da feira acontece de 24 a 28 de Abril no São Paulo Expo, o maior e mais moderno pavilhão da América Latina. Serão cerca de 900 marcas expositoras apresentando lançamentos e novas tendências do mercado, além de uma programação com conteúdo relevante e exclusivo que agrega conhecimento e qualificação profissional. Atenciosamente Cesar Magnus Torchia Monteiro Terra Av. Doutor Cardoso de Melo, 1470 - Cj. 304 - V. Olímpia 04548-005 - São Paulo - SP Tel : (55 11) 3842-1847 , 3842-1257 Fax: (55 11) 3842-1262 E-mail: cesar@mmt.com.br visite nosso site: www.mmt.com.br


Feimec 2018 - Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos Veículo: Mmt - Localidade: Não disponível - ND - - 02/05/2018 Editoria: Notícias Página: On-Line Centimetragem: 61 cm - Retorno de mídia: R$ 2684,00 Link: https://comercioexteriorimportacaoexportacao.blogspot.com/2018/05/feimec-2018-feira-internacional-de.html


ABIMAQ RS debate alternativas em prol do agronegócio gaúcho Veículo: Meu Dia a Dia - Localidade: Não disponível - ND - - 02/05/2018 Editoria: Notícias Página: On-Line Centimetragem: 14 cm - Retorno de mídia: R$ 616,00 Link: http://brandaomarcia.blogspot.com/2018/05/abimaq-rs-debate-alternativas-em-prol.html Com a intenção de apresentar medidas para aumentar a competitividade do setor de máquinas, equipamentos e implementos agrícolas no estado do Rio Grande do Sul, Hernane Cauduro, vice-presidente da ABIMAQ RS, participou de audiência com Fábio Branco, Casa Civil, Evandro Fontana, Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (SDECT), Mário Luis Wunderlich, Secretaria de Estado da Fazenda (SEFAZ) e Claudio Bier, Sindicato das Indústrias de Máquinas e Implementos Agrícolas no Rio Grande do Sul (SIMERS). Na ocasião, foi pleiteado a adoção do regime de suspensão do ICMS na entrada de matérias-primas e produtos intermediários no sentido de proporcionar isonomia competitiva ao segmento do agronegócio gaúcho. Na audiência ficou definido a criação de um grupo de trabalho para dar andamento ao assunto junto a SEFAZ. PRESENÇA A diretoria da ABIMAQ RS também foi representada por Walter Rauen, Leonardo Message, Newton Bakes e Marco Brito.


ABIMAQ RS debate alternativas em prol do agronegócio gaúcho Veículo: Meu Dia a Dia - Localidade: Não disponível - ND - - 02/05/2018 Editoria: Notícias Página: On-Line Centimetragem: 14 cm - Retorno de mídia: R$ 616,00 Link: http://brandaomarcia.blogspot.com/2018/05/abimaq-rs-debate-alternativas-em-prol.html


AGRISHOW 2018: Demonstrações de campo em arena apresentam novidades tecnológicas Veículo: Internet e Empreendedorismo - Localidade: Não disponível - ND - - 02/05/2018 Editoria: Notícias Página: On-Line Centimetragem: 18 cm - Retorno de mídia: R$ 792,00 Link: http://interneteempreendedorismo.blogspot.com/2018/05/agrishow-2018-demonstracoes-de-campo-em.html Uma das atrações da Agrishow 2018, a arena contará com demonstrações em tempo real, em dois horários Apresentar os resultados na práticas das novidades tecnológicas. Este é o atrato da Arena de Demonstrações de Campo da Agrishow 2018. A 25ª Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação teve início na segunda-feira (30), em Ribeirão Preto (SP). Com curadoria da Coopercitrus, o espaço terá duas apresentações diárias (às 10h e às 14h), tendo programação do 1° à sexta-feira (4). Em uma arquibancada coberta, os agricultores poderão acompanhar em tempo real, em transmissão ao vivo em telões de alta definição, como as tecnologias funcionam dentro das máquinas, além de apresentações de vídeos didáticos sobre seus benefícios. A Arena de Demonstrações de Campo da Agrishow apresentará tecnologias, como o Geofert, serviço de amostragem de solo georreferenciada, em que são coletadas informações com o apoio de um quadriciclo.Ainda na Arena, os produtores rurais poderão conhecer a plantadora Precision Planting, com controlador de sementes V Drive, que posiciona a semente em espaçamentos regulares Na abertura do evento, o presidente da Agrishow, Francisco Matturro, enfatizou que o momento brasileiro exige a atitude de somar forças, pois o homem do campo depende do morador da cidade. O executivo destacou a presença no evento do ministro da Fazenda, Eduardo Guardia. A feira é uma iniciativa da Abag - Associação Brasileira do Agronegócio, Abimaq - Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, Anda - Associação Nacional para Difusão de Adubos, Faesp - Federação da Agricultura e da Pecuária do Estado de São Paulo e SRB - Sociedade Rural Brasileira.


Marchesan é mantido na Abimaq/Sindmaq no período de 2018-2022 Veículo: Blog do Pco - Localidade: São Paulo - SP - - 16/04/2018 Editoria: Notícias Página: On-Line Centimetragem: 17 cm - Retorno de mídia: R$ 612,00 Link: http://blogdopco.com.br/marchesan-e-mantido-na-abimaqsindmaq-no-periodo-de-2018-2022/ O empresário João Carlos Marchesan foi reeleito presidente do Conselho de Administração da Abimaq/Sindimaq Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos/ Sindicato Nacional da Indústria de Máquinas, no período de 2018 a 2022. De acordo com Marchesan, "para que a indústria brasileira tenha um ambiente macroeconômico favorável ao investimento produtivo ou, ao menos, de um ambiente que não lhe seja hostil, é necessário termos políticas com foco no desenvolvimento tecnológico, na inovação, na produtividade e uma maior competitividade no setor". O sistema Abimaq/Sindimaq completou no ano passado 80 anos de atividade ininterrupta na defesa do setor de bens de capital mecânicos e tem atualmente, 1.500 associados. A entidade, que é um dos termômetros da economia brasileira, pretende, segundo Marchesan (foto), insistir nas reformas que devem ter o respaldo, mais do que de deputados e senadores, da grande maioria da sociedade brasileira. Publicidade comentários


Previsão de alta nas vendas no 2° semestre deve provocar falta de máquinas agrícolas no país, diz Abimaq Veículo: Técnico de Agronegócio - Localidade: NOVA ANDRADINA - MS - - 02/05/2018 Editoria: Notícias Página: On-Line Centimetragem: 67 cm - Retorno de mídia: R$ 2948,00 Link: http://tecnicodeagronegocio.blogspot.com/2018/05/previsao-de-alta-nas-vendas-no-2.html Previsão de alta nas vendas no 2° semestre deve provocar falta de máquinas agrícolas no país, diz Abimaq Foto: Ilustração/Internet Para o presidente da Câmara Setorial, esperar pela possível queda de juros do Plano Safra para fazer investimentos não é boa opção. Indústria estima aumento de 5% a 8% nas vendas em 2018. Por Igor Savenhago Fonte: G1 Ribeirão e Franca SP Se optarem por investir em máquinas e implementos agrícolas no segundo semestre, os agricultores brasileiros correm o risco de não ter os equipamentos a pronta entrega. O alerta é de Pedro Estevão Bastos, presidente da Câmara Setorial de Máquinas da Associação Brasileira da Indústria do setor (Abimaq), uma das organizadoras da Agrishow, que começa nesta segunda-feira (30) em Ribeirão Preto (SP). Segundo Bastos, o motivo é o bom momento do agronegócio brasileiro. Além de o país estar colhendo a segunda maior safra de grãos da história, e com bons preços, os fabricantes tiveram aumento de vendas nas feiras anteriores à Agrishow e não conseguiriam se adaptar rapidamente a um grande volume de pedidos, caso eles se concentrem a partir do início de julho, mês em que é divulgado o Plano Safra pelo governo federal. Bastos afirma que se chegou a especular, entre grupos de agricultores, a possibilidade de aguardar uma redução da taxa de juros, prevista pelo plano em função da queda da taxa Selic. Para ele, não é uma boa opção. "Primeiro, porque não sabemos quanto os juros vão cair, se vai ser 1%, 2%. Segundo, porque, se esperar, realmente pode faltar máquina para a safra de verão", afirma. A Câmara Setorial reúne 360 empresas. Em 2017, elas tiveram um aumento de 7% nas vendas em relação a 2016. Para este ano, o crescimento esperado varia entre 5% e 8%, o mesmo percentual da organização da feira. "Na verdade, estamos vendo uma recuperação do mercado, porque as vendas caíram muito em 2015. Mas, estamos bastante otimistas por causa da conjunção favorável de fatores, e a Agrishow reflete o que está acontecendo no mercado", diz. Independente da decisão de esperar ou não para comprar, Bastos diz não acreditar que os negócios na feira serão prejudicados. O motivo, na visão dele, é que os bancos oferecem, durante a Agrishow, condições únicas de financiamento, que não se repetem em outros momentos do ano. A opinião é compartilhada por João Adrien, diretor executivo da Sociedade Rural Brasileira (SRB), outra organizadora da feira. O economista explica que a expectativa de bons negócios na Agrishow é baseada no fato de o produtor brasileiro estar capitalizado. Como o principal mercado no setor de máquinas é soja e o produto vive um dos melhores momentos da história, o otimismo se justifica. "Podemos observar, ainda, que existe um investimento represado. Nos últimos anos, o agricultor não investiu. Acreditamos, também, que o crédito será facilitado porque há disposição dos bancos em emprestar", afirma Adrien. "Outro fator é que a Agrishow é um lugar de redução de preços e oportunidades que não são encontradas a toda hora", completa. Safra Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o país deverá fechar a colheita de grãos este ano com 229,5 milhões de toneladas, número que faz da safra a segunda maior da história, mas 3,4% menor que a do ano passado, quando a produção foi de 237,7 milhões. Não bastasse essa previsão, instabilidades climáticas em outros países da América do Sul comprometeram a produção de soja na Argentina, o que mudou os patamares de preços da oleaginosa no Brasil, cujos valores estão entre os mais altos dos últimos 12 meses. Atentos aos movimentos do mercado, muitos agricultores atrasaram a safra, visando uma melhora ainda maior das condições de venda. Com isso, se comenta nos bastidores da organização da Agrishow que os negócios podem até superar o aumento inicialmente previsto. As primeiras feiras realizadas no ano, em estados como Paraná, Rio Grande do Sul e Goiás, tiveram média de crescimento de 25%. "Os investimentos de longo prazo podem até esperar um pouco, mas os de curto prazo, não, por causa das culturas de inverno. Uma situação que tem se tornado muito comum também é fazer a encomenda durante a Agrishow, com o crédito aprovado, e aguardar as novas taxas de juros do Plano de Safra para poder comprar. Isso tem acontecido muito", conclui Adrien. Por Igor Savenhago Fonte: G1 Ribeirão e Franca SP


Maior Feira de Tecnologia Agrícola do Maranhão Proporcionará uma Oportunidade Ímpar para Realização de Negócios e de Novas Parcerias e Relacionamentos no Mu Veículo: Blog Cidades e Noticias - Localidade: SAO LUIS - MA - - 03/05/2018 Editoria: Notícias Página: On-Line Centimetragem: 82 cm - Retorno de mídia: R$ 3608,00 Link: http://blogcidadesenoticias.com.br/2018/05/03/maior-feira-de-tecnologia-agricola-do-maranhao-proporcionara-uma-opor tunidade-impar-para-realizacao-de-negocios-e-de-novas-parcerias-e-relacionamentos-no-mundo-agro/ Os lançamentos e soluções para todas as atividades que englobam o agronegócio estarão no AGROBALSAS 2018 uma das maiores feiras tecnológica do país, onde será apresentada uma vasta vitrine de tecnologia agrícola em ação, a ser promovida entre os dias 15 a 19 de maio, em Balsas , sul do Maranhão. Considerada a mais completa feira de agronegócio do Maranhão e uma das maiores do Brasil, o AGROBALSAS reunirá mais de 800 marcas do Brasil e do exterior, nos seguintes segmentos: máquinas, equipamentos e implementos agrícolas, agricultura de precisão, irrigação, armazenagem, pecuária, sementes, corretivos, fertilizantes, defensivos agrícolas, insumos diversos, sacarias, embalagens, tecnologia em software e hardware, agricultura familiar, financiamento, seguro, peças, autopeças, pneus, válvulas, bombas, motores e transportes. Os principais e maiores bancos direcionados ao agronegócio também confirmaram sua participação, sendo o principal deles que já é um fortíssimo patrocinador do evento: o Banco do Nordeste. Para esta edição, são esperados mais de 75 mil visitantes das cinco regiões brasileiras e do exterior, um público altamente qualificado, formado por pequenos, médios e grandes produtores rurais, empresários e profissionais do setor, pesquisadores, acadêmicos, consultores e representantes de instituições governamentais e setoriais e imprensa, sendo a equipe oficial da afiliada da Rede Globo de Televisão. "Em Todas as edições, os visitantes estavam ávidos em conhecer soluções que pudessem atender as demandas e o dia a dia do campo, desde inovações que trouxessem produtividade e eficiência até tecnologias para sustentabilidade, integração e otimização de recursos, sempre resultando em rentabilidade e competitividade para o produtor", afirma Marcelo Introvine, Diretor da Comissão Organizadora do AGROBALSAS. Neste ano, a feira alcança, a comemoração de 16 edições. "A AGROBALSAS apresentou todas as tecnologias que são vistas no segmento ao longo desses dezesseis anos. Ela antecipou tendências e foi palco de muitos lançamentos", destaca Marcelo Introvini. Um marco da feira foi inaugurar no estado maranhão e no país o conceito de Feira Agrícola Multe Tecnológica, com demonstrações de máquinas, equipamentos e implementos, atualmente, apresentadas na Arena de Demonstrações de Campo. Segundo Danghesi, para esta edição histórica, estão sendo preparadas diversas novidades, além de melhorias na acessibilidade e conectividade. A Arena do Conhecimento - sucesso em 2017 - está entre as atrações confirmadas. O evento é uma iniciativa das principais entidades do agronegócio no país: Abag - Associação Brasileira do Agronegócio, Abimaq - Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, Anda - Associação Nacional para Difusão de Adubos, Faesp - Federação da Agricultura e da Pecuária do Estado de São Paulo e SRB - Sociedade Rural Brasileira, e é organizado pela Informa Exhibitions, integrante do Grupo Informa, um dos maiores promotores de feiras, conferências e treinamento do mundo com capital aberto. Fonte: Fapcen Share


ABIMAQ defende modernização da economia brasileira em palestra na AGRISHOW Veículo: Diário de Canindé - Localidade: CANINDE - CE - - 03/05/2018 Editoria: Notícias Página: On-Line Centimetragem: 20 cm - Retorno de mídia: R$ 880,00 Link: http://diariodecaninde.blogspot.com.br/p/giro-de-noticias.html?title=abimaq-defende-modernizacao-da-economia-brasilei ra-em-palestra-na-agrishow&releaseId=130732&partnerid=70 "Precisamos de uma política industrial que contribua para modernização da indústria brasileira e assim aumentar a produtividade da economia do País. O Brasil necessita do aumento do consumo de bens de capital, de máquinas. Sabemos que o aumento da produtividade vem das máquinas", assim José Velloso, presidente executivo da ABIMAQ Associação Brasileira da Indústria de Máquinas iniciou sua palestra ontem durante a realização da AGRISHOW, maior feira a céu aberto do mundo. Segundo Velloso, o Brasil precisa de financiamentos competitivos que sejam compatíveis com o retorno das empresas. É necessária uma reforma monetária que permita a substituição da taxa Selic por uma taxa de juros de curto prazo fixada com valor próximo ou pouco acima da inflação projetada, acrescida do risco País. "Essa taxa - argumentou - deve remunerar os depósitos voluntários e compulsórios dos bancos. Precisamos ainda de uma taxa de longo prazo sendo definida pelo mercado. Continuou sugerindo que os resquícios de indexação de preços e contratos fossem eliminados". Para ele, o País precisa de investimentos. "O investimento de hoje é o crescimento de amanhã. Precisamos de programas de extensão tecnológica, investimento na engenharia brasileira e inserção do Brasil nas cadeias globais. Precisamos reindustrializar o País e precisamos de políticas que priorizem a competitividade e o aumento da participação da indústria de transformação no PIB. O país precisa de uma abertura comercial. NO entanto, esta abertura não pode ser feita de forma ingênua. Para podermos nos inserir nas cadeias globais, antes, necessitamos eliminar os efeitos do "Custo Brasil? na nossa competitividade", conclui. MÁQUINAS AGRÍCOLAS Na sequência, Pedro Estevão, presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas da ABIMAQ falou das mesmas necessidades na área agrícola, enfatizando a necessidade de financiamentos compatíveis com o retorno das empresas.


IVECO EXPÕE SOLUÇÃO PARA O AGRONEGÓCIO NA AGRISHOW 2018. Veículo: O Brasil Sobre Rodas - Localidade: Não disponível - ND - - 03/05/2018 Editoria: Notícias Página: On-Line Centimetragem: 63 cm - Retorno de mídia: R$ 2772,00 Link: http://obrasilsobrerodas.blogspot.com/2018/05/iveco-expoe-solucao-para-o-agronegocio.html Hi-Way, edição especial 20 anos, é o representante da marca em uma das maiores feiras do segmento no Brasil. A IVECO participa até esta sexta-feira (4), em conjunto com a New Holland Agriculture, de uma das maiores feiras de tecnologia agrícola do mundo, a Agrishow 2018, que acontece em Ribeirão Preto (SP). "Os visitantes do evento têm a oportunidade de conhecer o extrapesado Hi-Way, na versão comemorativa de 20 anos da marca, que se destaca pela exclusividade e alta tecnologia", afirma Jesiel Tasso, gerente de Marketing da IVECO. A linha Hi-Way foi projetada para proporcionar desempenho e baixo consumo de combustível com versões de motorização que vão desde 440 até 560 cavalos. Destaque ainda para o Intarder, sistema utilizado como auxiliar ao freio de serviço e ao freio motor, que eleva a potência total de frenagem para 978 cv, uma das maiores do mercado. Para o executivo, o setor agrícola tem um papel fundamental na economia brasileira. "O desempenho da agricultura em 2017 foi positivo, atingindo níveis recordes de safra, com um crescimento de 30% , se comparado a 2016. O mercado de caminhões, acima de 16 toneladas de PBT, representa cerca de 30% da demanda do setor agrícola, sendo que nos pesados esse percentual chega até 40%." Para atender ao agronegócio, e outros segmentos do transporte, a montadora está investindo 120 milhões de dólares no desenvolvimento de novos produtos, até o primeiro semestre de 2019. "Esse aporte fortalece, ainda mais, a presença da marca no Brasil", finaliza Jesiel. A Agrishow é considerada a mais completa feira de agronegócio da América Latina. Para a 25ª edição, são esperados mais de 150 mil visitantes nacionais e internacionais. O evento é uma iniciativa de entidades como Abag - Associação Brasileira do Agronegócio, Abimaq - Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, Anda - Associação Nacional para Difusão de Adubos, Faesp Federação da Agricultura e da Pecuária do Estado de São Paulo e SRB - Sociedade Rural Brasileira. IVECO HI-WAY 20 ANOS O modelo especial na cor prata ganhou pintura diferenciada em preto fosco e detalhes em azul metálico, grade central cromada, faróis com DRL (Day Running Light), defletor de ar e rodas em alumínio de alto brilho. Se por fora o Hi-Way chama a atencão, o interior foi projetado para promover o luxo e a sofisticação. Pintura de detalhes do interior em Black Piano, detalhe na porta em azul, couro de alta qualidade na forração do volante e no bancos com design feito por costura a mão. O conforto fica a cargo da cortina, em alto padrão de acabamento, e o par de tapetes customizados. A unidade multimídia, com TV digital de led, conectividade bluetooth e espelhamento para Android e IOS, o kit de som de alta potência e a TV de 19 polegadas completam o pacote. As versões comemorativas estão à disposição na versão teto alto. Na compra do modelo especial o cliente ganha de presente da IVECO um kit com mala em couro, nécessaire, toalha, jaqueta e boné customizado. Visite www.iveco.com.br. www.cnhindustrial.com. Página 1 Comunicação. Leia> Coisas de Agora.

Gerar varios pdf php blog  
Gerar varios pdf php blog  
Advertisement