Issuu on Google+

Ano 1 • Edição 06 • Out / Nov 08 • Distribuição gratuita

20.000 exemplares. Tiragem comprovada!

1


2


SUMÁRIO

06 Nosso Bairro 22 Beleza Casa da Cultura do Butantã

Dia da noiva

24 Decoração Quarto infantil

08 Educação Curso Superior Tecnológico

10 Games 26 Gastronomia Lego Batman

Cozinha italiana

12 Pet 27 Vinhos Guarda responsável

28 Meio Ambiente 16 Turismo

Construções sustentáveis

Bélgica

29 Veículos 18 Entrevista

Ferrari

Camila Morgado

30 Mix Cultural 37 Perfil Sidney Rodrigues

Foto: Divulgação


EDITORIAL

Expediente

DESENVOLVIMENTO E SUPERAÇÃO

Diretor Edgar M. Kage Jornalista Responsável Marcos Garbelini – MTB 50.991 marcos.belini@terra.com.br Diagramação Marcelo Brandt Matsumoto Revisão Rosária Maria Martins

O mês de setembro foi muito importante para os moradores de nossa região: no Auditório Museu Biológico do Instituto Butantã, ocorreu o Primeiro Fórum de Desenvolvimento em Butantã e Região. Estavam presentes vários empresários em busca de ações para inovação e aumento da competitividade no mercado de micros e pequenas empresas. A equipe da Versátil Magazine manifestou-se disponível para divulgar ações de desenvolvimentos reais em nosso bairro. Nossa revista tem apresentado, aos leitores, muitas opções de serviços e lazer da região, contribuindo para o desenvolvimento e valorização do comércio local. Na seção “Nosso Bairro”, há divulgação de atividades culturais da redondeza, seguindo o modelo da Casa de Cultura do Butantã, que tem trazido ao público espetáculos e ciclos de palestras de excelente qualidade. E melhor, gratuitos! A entrevista exclusiva desta edição foi realizada com a atriz Camila Morgado, atuando atualmente na peça Doce Deleite, sob direção de Marília Pêra. Camila, cujo talento é indiscutível no teatro, TV e cinema, nos conta um pouco sobre sua trajetória artística e a arte de interpretar. A todos os atletas olímpicos e paraolímpicos, nossa equipe externa os votos de profundo respeito e admiração pelo desempenho! Aos primeiros, pela luta, não apenas pelas medalhas; aos últimos, um agradecimento pelos momentos de beleza, que talvez nem tenham sido compartilhados com muitos expectadores, pois a mesma mídia, que divulga constantemente situações negativas ou sensacionalistas, não realizou uma cobertura digna das paraolimpíadas. Parabéns a todos os atletas brasileiros, exemplos de constante superação. E atenção, eleitores: não poderíamos deixar de lembrar que esta é a oportunidade que temos para transformação, se pensarmos em ações em prol da coletividade! Manifestem-se! Os editores.

Comercial comercial@revistaversatil.com.br Colaboradores Adelino Varella, Carlos Alexandre Nascimento, Célia Villas Bôas, César A. Dinóla, Danilo Valeta, Eder Vendramel, Eduardo Assunção, João Valério, Juliana Jamilles, Lourdes Ap. R. Penteado, Paola P. Picalomini e Samuel Haddad. Agradecimento Especial Camila Morgado, Julia Rezende e Vinicius Aguiar Foto da Capa Fabio Heizenreder Beleza Evandro Angelo Pré-Impressão, Impressão e Acabamento IBEP Gráfica Assessoria Jurídica MM Advogados Tel.: (11) 3294-0800 Distribuição nas regiões do Butantã, Vl. Indiana, Jd. Rizzo, Vl. Gomes, Jd. Bonfiglioli, Morumbi, Vl. Sônia, Jd. Guedala, Vl. São Francisco e Pq. dos Príncipes. Tiragem 20.000 exemplares Auditoria de Tiragem ASPR Auditores Independentes Tel.: 4437-6000 Certificado à disposição dos interessados. Versátil Magazine é uma publicação bimestral, distribuída gratuitamente e não se responsabiliza por eventuais mudanças na programação fornecida, bem como pelas opiniões emitidas nesta edição. Todos os preços e informações apresentados em anúncios publicitários são de total responsabilidade de seus respectivos anunciantes, e estão sujeitos a alterações sem prévio aviso. É proibida a reprodução parcial ou total de textos e imagens publicados sem prévia autorização.

Para Anunciar: (11) 3798.8135 comercial@revistaversatil.com.br www.revistaversatil.com.br Nota: O nome completo da diretora do Colégio Pentágono, publicado na edição anterior é Gracia Klein.

4


NOSSO BAIRRO

Por Marcos Garbelini Fotos: Divulgação

DIVERSIDADE CULTURAL A Casa de Cultura do Butantã pratica inserção sócio-cultural através de atividades direcionadas para diversas classes sociais. A iniciativa nasceu de uma reivindicação da comunidade cultural do bairro no final da década de 80. No início, os artistas não tinham um local específico para suas atividades até a realização de uma parceria com a Associação dos Amigos do Bairro. Durante este período, houve uma tentativa do exprefeito Jânio Quadros de construir mercadinhos populares no local, mas foi no governo de Luiza Erundina que, em maio de 1992, foi inaugurada a Casa da Cultura do Butantã. Coordenada, desde abril de 2006, pelo dramaturgo Guilherme Bonfim, é considerada a principal referência cultural do Butantã. No momento, a Casa da Cultura conta com 22 oficinas que funcionam de terça a sábado. Uma das mais procuradas é a de iniciação teatral para crianças e jovens. “Resolvemos o problema da ausência de público com parcerias com a rede de educação”, revela o coordenador. Geralmente, é realizada uma média de sete eventos mensais aos domingos, como é o caso dos artistas circenses que se apresentam na casa todos os primeiros domingos de cada mês.

O local conta, ainda, com a participação de voluntários para ministrar ciclo de leituras teatrais, dança de salão, capoeira, aulas de violão e canto coral, sendo esse último direcionado para a melhor idade. “Quando precisamos de profissionais para ministrar algum curso, não costumamos pedir para ninguém. As pessoas ficam sabendo, de alguma forma, e se oferecem para trabalhar voluntariamente”, declara Guilherme. Recentemente, foi criado o cineclube. Ao idealizar o projeto, Guilherme decidiu homenagear o ator, produtor e cineasta, Anselmo Duarte, realizando um pequeno ciclo de suas obras. “Eu conheci o Anselmo há um ano e fiquei aguardando o momento exato para trazê-lo aqui. Ele e o filho ficaram emocionados com a homenagem,” lembra Guilherme. Há aproximadamente três anos, foi criado também o Fórum de Cultura do Butantã, com o objetivo de organizar a comunidade cultural da região, que hoje conta com 350 profissionais envolvidos. Desse projeto surgiu a 1ª Mostra de Cultura do Butantã, em 2005, e atualmente, atrai um público de mais de 20.000 pessoas.

Ballet Afro O grupo afro Koteban realiza apresentações sobre o Roda Djambé (expressão africana que representa uma espécie de sarau) todo último sábado de cada mês. O evento pretende agregar músicos, dançarinos, pesquisadores, praticantes e adeptos da cultura. Casa da Cultura do Butantã Rua Junta Mizumoto, 13 - Jd. Peri-Peri Informações: 3742-6218 / 3744-4369

6


EDUCAÇÃO

Por Marcos Garbelini Foto: Divulgação

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA

C

ada vez mais presentes nas universidades, os cursos para tecnólogos visam à formação de profissionais para atender aos diversos campos específicos do mercado de trabalho. A Versátil entrevistou o Engenheiro, Mestre e Gestor do Curso Superior de Tecnólogos da UMC, Antônio Jorge Martins, que possui ampla experiência em empresas e instituições. Antonio Jorge atuou na BNDESPAR, foi Diretor de Planejamento e de Informática da Trafo/ Nativa, Diretor Administrativo Financeiro da Autel Telecomunicações, Diretor Executivo da ACEL- Associação das Operadoras de Telefonia Celular, Diretor Executivo da Sellers, VP Executivo da Mobile Science e Consultor Empresarial nas áreas de Planejamento Estratégico e Finanças. Sem dúvida, alguém com propriedade para tratar de um assunto tão atual e sério em relação à educação brasileira. Versátil Magazine – Como surgiram os cursos superiores de tecnologia? Antônio Jorge – Os cursos para tecnólogos surgiram, em nosso país no final dos anos 60, devido a uma grande carência de mão-deobra especializada, que necessitava cada vez mais de profissionais que pudessem atender, rapidamente, a essas demandas específicas. Eles contribuíram para a formação de diversos profissionais, que já ocupavam cargos de direção em empresas e que necessitavam de um diploma de nível superior. Foi, também, uma forma de reforçar a inserção de empresas no processo de globalização. VM – Qual é a base do curso? AJ – A base principal é a formação de gestores nas mais diversas modalidades, sendo que nos 2 primeiros semestres, os alunos adqui-

8

rem a visão indispensável a qualquer gestor, para que, nos terceiros e quartos semestres, eles possam mergulhar diretamente no seu objetivo. Ele pode ser, por exemplo, um gestor ambiental, mas deve ter conhecimentos de Planejamento Estratégico e de Cenários Econômicos para fazer frente aos desafios de uma adequada Gestão Empresarial. É necessário, também, ter conhecimento de ética e responsabilidade social para que possam adquirir uma conduta adequada na profissão. VM – Quais são as diretrizes curriculares? AJ – As diretrizes curriculares, independentemente de serem de tecnólogos, de cursos de graduação ou ainda de pós-graduação, são fornecidas pelo Ministério da Educação (MEC) e nas quais devemos nos adequar. VM – Qual é a vantagem deste tipo de curso para os alunos no mercado de trabalho? AJ – A principal vantagem dos cursos para tecnólogos é o fato de terem uma duração curricular de dois anos, menor do que os cursos de bacharelado, que geralmente possuem quatro anos. O perfil do tecnólogo atende um nicho de mercado situado entre técnicos de nível médio e os profissionais com graduação em 4/5 anos, mas com maior facilidade de aperfeiçoamento profissional. Em nível de mercado, é uma vantagem competitiva muito interessante porque, hoje, as coisas mudam rapidamente. VM – Qual é o papel da realização prática dentro dos cursos superiores de tecnologia? AJ – A parte prática é fundamental dentro dos cursos. Mesmo que o aluno já tenha convivência profissional, o curso superior tecnológico amplia a visão desse gestor.

VM – É possível realizar uma pós-graduação após concluir um curso superior de tecnologia? AJ – Não existe nenhum impedimento de um tecnólogo cursar uma pós-graduação. Eventualmente, podem existir indeferimentos por parte de algumas universidades, pois tudo o que é novo para as pessoas leva um determinado tempo para adquirir credibilidade. Na minha opinião, é só uma questão de tempo para que algumas universidades tenham mais flexibilidade com os tecnólogos, já que se tratam de cursos em nível superior. VM – Os profissionais tecnólogos podem se inscrever em concursos públicos? AJ – Não existem impedimentos legais para tal. Cada edital estabelece suas próprias regras, dependendo do perfil do profissional, objeto de interesse do Órgão Governamental. VM – O que estes cursos representam no processo de globalização? AJ – Nos EUA, há uma média de 350 cursos para tecnólogos. Existe uma amplitude muito grande por ser um dos países mais competitivos dentro do processo de globalização. Na Europa, em particular na França, os tecnólogos estão entre as profissões mais demandadas, em termos de mercado profissional, sendo muito bem remunerados. A tendência é que, cada vez mais, estes profissionais sejam reconhecidos e regimentados, inserindo-se neste contexto de globalização e competitividade, através de uma contínua atualização profissional.


GAMES

Por Danilo Valeta Foto: Divulgação

LEGO BATMAN Santa pecinha de plástico, Batman!

O

Homem-morcego arrasou este ano nos gibis, nos cinemas e agora nos videogames. Lego Batman mistura dois grandes ícones da infância de muita gente – o vigilante mascarado e o brinquedo de montar Lego – para criar uma aventura cheia de ação e gargalhadas. Segundo a tradição dos jogos de videogame com a marca Lego, Star Wars e Indiana Jones, são duas franquias da telona que ganharam sua versão digital com a mesma marca recentemente. Lego Batman é um jogo de aventura, estilo plataforma, com toques de ação e quebra-cabeças. Batman e seu fiel parceiro Robin (que pode ser controlado pelo computador ou por um segundo jogador), vão saltar de telhado em telhado, usar bat-apetrechos, esmurrar capangas, e enfrentar os grandes mestres do crime que assolam as ruas de Gotham City – incluindo Coringa, Charada, Duas-Caras, Pingüim e Mulher-Gato, todos devidamente recriados com o estilão dos bonequinhos Lego. E melhor: durante o jogo, é possível jogar com os vilões também! Cada boneco tem seu próprio conjunto de armas e habilidades, e as missões seguem um estilo bastante variado. Além de descer a mão na bandidagem, escalar paredes e se pendurar em bat-cordas, o jogador também precisa resolver uma série de quebra-cabeças – e eventualmente montar alguma estrutura com as peças de Lego – de forma a progredir pelas fases. Depois de terminar uma determinada fase, você tem a chance de jogá-la, quantas vezes quiser, com personagens diferentes. Dessa forma, pode utilizar as diferentes habilidades para encontrar áreas secretas e desbloquear itens e personagens escondidos. O número gigantesco de fases já é suficiente para garantir horas e mais horas de jogo, sozinho ou com um amigo. A produção do jogo, também, não deixa a desejar, com cenários impressionantes, personagens pra lá de expressivos (para um monte de bonequinhos Lego) e riqueza de efeitos sonoros – o mesmo tipo de produção caprichada que os jogos anteriores da franquia Lego já traziam. Lego Batman chegou às lojas, no mês de setembro, e, com certeza, a sua plataforma preferida vai ganhar uma versão – o jogo está disponível para Xbox 360, PlayStation 3, PC, Nintendo Wii, Nintendo DS, e PSP.

10


Na natureza, nada se perde... ...tudo se aproveita.

Foto:

Praia do Lรกzaro e Domingas Dias - Ubatuba


PET

Foto: Divulgação

GUARDA RESPONSÁVEL DE ANIMAIS Às vésperas do fechamento da edição, no Segundo a UIPA, “muitas entidades de tação nesta negociação, não há preocupanosso bairro aconteceram duas situações que proteção animal valem-se da expressão ‘pos- ção por parte da empresa se esta pessoa tem consideramos muito graves. Um caso foi o se responsável’ para designar um conjunto condições para cuidar do animal. Daí, uma abandono de dois gatos, após o falecimento de regras que devem nortear o tratamento constante: compra, insatisfação e abandode seus protetores. A casa foi vendida pelos que se dispensa aos animais com que convi- no do animal ou encaminhamento às ONGs, familiares e os animais deixados na rua, sem vemos. Entende a UIPA, entretanto, que ‘pos- que se encontram saturadas e, muitas vezes, alimento ou água. Graças à solidariedade da se’ é termo que se usa para coisas, e não para sem condições de atender à demanda. vizinhança, os animais têm sido cuidados. animais, razão pela qual adota o termo ‘guarPara solucionar este problema, os órgãos Situações semelhantes foram o abandono da responsável’, pois de um animal detém-se públicos deveriam promover não só campade um gato, ainda filhote e uma cachorra na a guarda, e não a posse.” nhas de castração e vacinação, mas sobremesma rua. De comportamento muitudo de conscientização do público. to dócil, os animais davam evidências se deve permitir a reprodução A UIPA (União Internacional Protetora Não de conviver com pessoas. de animais, cujas crias sejam indeAssim, nos sentimos impelidos dos Animais) é a associação civil mais sejadas. Na maioria das vezes, não a relatar esses fatos no intuito de antiga do Brasil, e que instituiu o Mo- há destinação para tais animais, que alertar as pessoas quanto à responsendo doados, e descartavimento de Proteção Animal no século acabam sabilidade que assumem ao adotar dos diante do primeiro problema um animal, uma vez que a partir do XIX. Desde o ano 2000, passou a enviar causado. Com a castração dos animomento da adoção, esta deve es- representações ao Ministério Público, mais, já se resolvem, também, protar ciente de que se trata de um ser de zoonoses que aumentam visando coibir a eutanásia de animais blemas vivo que requer cuidados e proteção, com o crescimento populacional de não podendo ser descartado quando saudáveis, capturados pelas Prefeituras animais de rua não vacinados. bem lhe convier. Portanto, o ato de Municipais, e obrigá-las a promoverem Em 1973, a OMS editou um inforadoção deve ser muito bem pensado me técnico, que recomendava a capcampanhas educativas sobre o tema. antes de efetuado. tura seguida de eutanásia dos aniDra. Vanice Orlandi, presidente da mais apreendidos, conduta essa já UIPA (União Internacional Protetora dos AniQuando alguém decide adotar um animal condenada pela mesma OMS (Organização mais), alerta para o fato de que o adotante na UIPA, há uma verdadeira investigação das Mundial da Saúde) que, desde 1992, precodeve estar ciente de que o animal viverá por condições emocionais, físicas e financeiras do niza a esterilização dos animais e a educação quinze anos ou mais, e que o compromisso as- candidato. Também, se indica o animal que da comunidade para guarda responsável. sumido com o animal perdura, apesar de todas melhor se adéqua à realidade do adotante. A Este ano, foi aprovada lei estadual proibitiva as mudanças que sofrem a vida das pessoas um idoso, por exemplo, não se recomendam da eliminação de animais saudáveis. O produrante esse longo período. Deve ainda estar filhotes, dada à energia que estes requerem do jeto, apresentado pelo Deputado Feliciano preparado para arcar com gastos relativos à cuidador. Da mesma forma, para uma crianci- Filho, foi redigido pela UIPA. Vale ressaltar assistência veterinária, vacinação, compra de nha pequena, o filhote também não é adequa- que, como cidadãos, devemos agir de forma alimento, e outras despesas que o animal gera. do devido à frágil estrutura física do animal. responsável e não permitir que os animais É importante que todos da família estejam de Por outro lado, quando alguém compra passem por situações de abandono ou de acordo com a adoção do animal. um animal, além do fato de não existir tribu- maus tratos. Pensem nisso!

Serviço: a Seção de São Paulo da UIPA, União Internacional Protetora dos Animais, é uma entidade sem fins lucrativos, fundada em 1895, que instituiu o Movimento de Proteção Animal no país, lutando contra a crueldade e o abandono, que vitimam os animais em nome da diversão humana, da impostura científica, dos arcaicos métodos de ensino e da ultrapassada política de saúde pública. Além do trabalho jurídico e político, que realiza na área de proteção animal, a UIPA abriga cerca de mil e quinhentos animais abandonados, muitos dos quais foram resgatados pela própria entidade por terem sofrido maus-tratos. UIPA - União Internacional Protetora dos Animais Av. Presidente Castelo Branco, nº 3200 - Canindé São Paulo/SP - CEP 03036-000 Telefone / fax: (11) 3313-1475 / 3228-1462

12


SAÚDE

Foto: Divulgação

O QUE 30 MINUTOS DE EXERCÍCIOS PODEM FAZER POR VOCÊ?

A

ssim como andar de bicicleta, caminhar ou correr todos os dias contribuem para maior longevidade e melhorias na qualidade de vida, surgem como novidade os exercícios de 30 minutos. Leia o que o Personal Trainer, Master Trainer “Cycling Indoor”, professor dos Cruzeiros Fitness da Costa Cruzeiros e da GAP Academia em São Paulo, Roberto Toscano fala sobre o assunto. Para a prática de exercícios de 30 minutos há necessidade de uma avaliação física? Se houver, poderia esclarecer como deve ser realizada a avaliação? Para toda prática de atividade física é recomendada uma avaliação médica, que poderá ir de uma simples consulta até um check up completo, com exames clínicos, laboratoriais e de esforço.

Os exercícios de 30 minutos, em sua maioria, são classificados como aeróbicos? Os exercícios físicos não referenciam seu metabolismo de comando (aeróbio/ no limiar/anaeróbio) pelo tempo de duração, mas sim pela intensidade em que são executados. Inicialmente, o organismo vale-se da creatina fosfato, como fonte de energia. Porém, esse sistema tem duração curta e se apresenta mais claramente em exercícios neuromusculares (feitos com pesos ou em aparelhos - musculação), onde executamos uma série de movimentos com duração aproximada de 20 a 40 segundos de execução, seguidos de um intervalo de recuperação de aproximadamente 50 segundos. Logo em seguida, o sistema que assumirá o comando do exercício será determinado pela intensidade de execução do mesmo, ou seja: se nos exercitarmos até aproximadamente 75% da frequência cardíaca máxima (220 - idade = frequência cardíaca máxima), a preferência será do metabolismo aeróbio, onde existe maior presença de oxigênio e maior solicitação das gorduras como fonte de energia. Se nos exercitarmos acima de 85% da frequência cardíaca máxima (220 - idade = frequência cardíaca máxima), a preferência será do metabolismo anaeróbio, onde existe pouca ou nenhuma presença de oxigênio e maior solicitação dos carboidratos como fonte de energia. Há alguma contra-indicação em programas de exercícios de 30 minutos? Em geral, não existem contra-indicações para essa prática, com exceção de casos especiais em indivíduos com patologias detectadas nos possíveis exames a serem feitos antes do início da prática de atividades físicas. Poderia citar benefícios já comprovados cientificamente associados a esta prática? São inúmeros os benefícios causados pela prática de atividades físicas. Dentre eles, podemos citar o aumento do colesterol HDL (bom colesterol) e a redução dos triglicérides (que têm uma ligação

14

direta com as gorduras) e do colesterol LDL (colesterol ruim). Além disso, podemos afirmar que o exercício aprimora a aptidão física e previne doenças de sistema cardiorrespiratório, e também sugere uma redução significativa no percentual de gordura na composição corporal. Em média, quanto tempo uma pessoa que passa a se exercitar nesses programas poderá observar benefícios? Em geral, as respostas começam a aparecer em 2 ou 3 semanas, mas as adaptações mais importantes serão notadas em torno de 8 semanas (considerando-se uma prática regular 3 vezes por semana). Em relação à alimentação, há sugestões para melhorar a performance? Quais são os alimentos a serem consumidos? Uma dieta balanceada (que conta com a presença de carboidratos, proteínas e gorduras) é o mais recomendado para a manutenção da saúde. Porém, se o objetivo do praticante for a redução do percentual de gordura na composição corporal, o mais indicado é procurar fazer uma avaliação física para detectar o consumo metabólico basal (quantidade de calorias gastas pelo indivíduo diariamente) e, através de uma consulta com um nutricionista, determinar um valor aproximadamente inferior ao do gasto metabólico a ser ingerido diariamente. Comparado a uma balança, o consumo calórico deverá ser superior à ingestão de calorias diárias, levando o organismo a um déficit e, assim, reduzir o percentual de gordura no organismo. Para uma mulher jovem e sedentária, seria uma boa opção exercícios de 30 minutos ou o senhor recomenda outra prática no início? Acredito que essa prática pode ser recomendada. Apenas, será importante considerar, inicialmente, as intensidades em que serão executadas essas atividades. Roberto Toscano é graduado em Educação física pela PUC Campinas, pós-graduado em Fisiologia do Exercício pela UNIFESP e em Treinamento desportivo pela Universidade Gama Filho. Especialista em Cycling Indoor pelos programas JGSpinning, Precision Cycling, Cycle Reebok, Keiser Power Pace e Schwinn Cycling.


TURISMO

Por: Cláudia Liba e Éder Vendramel Fotos: Éder Vendramel/ Divulgação

O

país tem 10.5 milhões de habitantes que desfrutam de excelente qualidade de vida em meio a uma verdadeira “Torre de Babel”: das 23 línguas oficiais da União Européia, na Bélgica fala-se flamenco, neerlandês, francês e também alemão em uma pequena comunidade. Mas não é apenas o idioma que é tão diversificado. Caminhando pelas ruas, pode-se notar como o clima e a história deixaram suas marcas na construção cultural de cada região. Sua história está muito próxima à da Holanda, que formava, até 1.830, o mesmo país. Influências espanhola, francesa e do império austrohúngaro estão presentes até hoje na cultura da sociedade belga. No coração da Bélgica, está Bruxelas, conhecida como a “capital da Europa”, por abrigar sedes de muitas organizações internacionais, como a OTAN. No famoso Edifício Carlos Magno, uma bela aula de democracia num país que vigora o regime da Monarquia Constitucional, onde as sessões do Parlamento são abertas aos visitantes. Bruxelas é uma cidade plena de contrastes e paradoxos. Capital de Flandres, onde originalmente a língua era o neerlandês, ao longo do tempo, foi substituída pela língua francesa. Na cidade, ainda se conserva um comportamento caloroso entre as pessoas. Capital do estilo arquitetônico Art Nouveau, Bruxelas é rica em monumentos e museus importantes. Há 14 museus que mantêm verdadeiras preciosidades. O Museu Real de Belas Artes possui obras como A Queda de Ícaro de Jan Bruegel, retratos e painéis

16


E se houver tempo para sair da capital, as cidades de Bruges, Liège, Gent, Namur ou Antuérpia, também, valem o passeio, com destaque para a pequena e charmosa Bruges no norte do país. Considerada a Veneza do norte, Bruges é cortada por lindos canais e possui incrível beleza medieval. Patrimônio da UNESCO, é também conhecida pela qualidade de seu artesanato local e por suas festas celebradas em datas importantes da história da região, especialmente caracterizadas como na Idade Média. A cidade que foi, nos séculos XVI e XVII, uma das mais significativas do norte da Europa. Devido a sua proximidade estratégica com o mar do norte e importantes acessos, oferece hoje para o turista, muitas atrações, como passeios de barco pelos canais, belos museus e igrejas repletas de originais exemplares de pinturas e esculturas da antiguidade, além de bares, cafés e restaurantes de alta qualidade com receitas regionais sofisticadas. E para saber um pouquinho da gastronomia, o país oferece excelentes opções de cervejas em seus restaurantes e bares. São consumidos, pelos adultos, cerca de 150 litros da bebida por pessoa por ano! Taxa muito alta comparada ao Brasil, que nem chega à metade deste consumo. E para acompanhar as cervejas, que tal batata frita? Pois é, assim como nós, os belgas também comem muitas batatas fritas, que têm uma particularidade: a casquinha é crocante e dentro é muito macia. Uma delícia!

Anúncio

de Rubens e, também, dos grandes mestres Rembrandt e Antoine van Dyck. Para quem aprecia obras mais modernas, há a coleção de René Magritte doada ao museu, em 1967, após sua morte. Além disso, é imperdível a tradicional coleção de tapeçaria belga do século XVI no Museu Real de Arte e História. Aos mais chegados à música, o La Monnaie, é nada menos que uma das mais importantes casas de ópera da Europa, inaugurada em 1700. Um dos pontos altos da visita a Bruxelas é, sem dúvida, a Grand Place. O deslumbrante conjunto arquitetônico conta com 34 prédios medievais, renascentistas ou do século XVIII e destaque especial para a Casa do Rei, a Casa dos Duques de Brabante e a Prefeitura, que data de 1402. A Grand Place é considerada patrimônio da humanidade pela UNESCO.


Foto: Marcelo Krasicilc

ENTREVISTA

18

Por Marcos Garbelini


A

versátil atriz Camila Morgado está sempre à procura de novos desafios e não mede esforços para colocá-los em prática. Projetada para o grande público na minissérie “A Casa das Sete Mulheres”, passou pelo cinema onde interpretou, de forma magistral Olga Benário, no filme “Olga”, e agora, está em cartaz no Teatro Raul Cortez com a peça “Doce Deleite”, dirigida pela magnífica Marília Pêra. Considerada por uma famosa joalheria como uma mulher que transmite o luxo de maneira simples, a Versátil Magazine foi procurar saber quem é e o que pensa Camila Morgado. Versáti Magazine – Quando decidiu estudar para ser atriz? Camila Morgado – Sou natural de Petrópolis (RJ) e fiz um curso com a Monah Delacy (mãe de Christiane Torloni) na própria cidade. Desde muito cedo, tive essa vontade de ser atriz. VM – Como surgiu a oportunidade de trabalhar com o diretor teatral Gerald Thomas? CM – Eu e o Gerald nos conhecemos na Casa das Artes de Laranjeiras (CAL) em 1996. Ele participou da minha formatura dirigindo a peça “Graal – retrato de um Fausto quando jovem”. Depois quando já estava em São Paulo, ele me chamou para integrar a sua Companhia, onde fiquei, por mais ou menos quatro anos, e fiz espetáculos como “Nowhere Man” e “Ventriloquist”. VM – Conte como foi a sua experiência com o grande diretor Antunes Filho. CM – Quando terminei a CAL, estava decidida a procurar o Antunes para continuar o meu estudo teatral, então fiz um teste e passei para o CPT (Centro de Pesquisa Teatral). O Antunes e o Gerald me ensinaram a entender melhor a minha profissão, tanto tecnicamente quanto a enxergar a arte de forma mais apurada. Eles foram meus tutores culturais.

“O Antunes e o Gerald me ensinaram a entender melhor a minha profissão, tanto tecnicamente quanto a enxergar a arte de forma mais apurada”.

19


ENTREVISTA

Foto: Divulgação

“Eu tive que aprender a representar para a câmera. No começo, foi difícil. Mas aos poucos, fui me adaptando”.

VM – A minissérie “A Casa das Sete Mulheres” foi seu primeiro trabalho na televisão. Como foi lidar com este novo veículo? CM – O Jaime Monjardim me viu em uma peça e me convidou para fazer a minissérie. Tive que aprender a representar para a câmera. No começo, foi difícil. Mas aos poucos, fui me adaptando. VM – Em uma entrevista para a imprensa, o Jaime disse que te escolheu para ser também a narradora da minissérie por você ter um tom de voz mais grave. Você fez algum curso para desenvolver esse timbre?

CM – Não. O meu timbre vocal sempre foi esse. VM – No filme “Olga” você teve que emagrecer, raspar os cabelos e ter disciplina militar. Qual é a responsabilidade de representar uma personagem verídica do nosso cenário político? CM – Quando o personagem já existiu é importante que se tenha uma boa pesquisa e cuidados para não perder a fidelidade dos fatos. A responsabilidade aumentou porque gerou uma cobrança maior para que eu correspondesse à altura daquela personagem.

VM – Você aprendeu a falar alemão para obter mais veracidade nas cenas. Qual a sua opinião sobre a necessidade de fazer laboratórios para compor um personagem? CM – Tudo o que seja relacionado à época, ao personagem e aos costumes, vai te ajudar a ficar mais próximo e a entender um pouco mais sobre aquela pessoa. VM – Como está sendo a preparação para o papel de uma soropositiva no filme “Flyer” do roteirista e diretor Fábio Mendes? CM – Tudo o que posso dizer é que é um filme de baixo orçamento que está em processo de captação. VM – Como surgiu o convite para fazer a peça “Doce Deleite”? CM – O convite partiu da Marília Pêra – que dirige o espetáculo - e é impossível negar uma oportunidade dessas.

Foto: Divulgação

VM – A maioria das pessoas conhece o trabalho da Marília como atriz. Como ela é no papel de diretora?

20

CM – A Marília é uma pessoa maravilhosa, exige muita disciplina, determinação e está sempre aberta a tudo que o ator propõe. Entende muito da engrenagem teatral e do exercício do ator. Eu sempre me senti muito exposta, porque ela tem um olhar de raios x.


Foto: Marcelo Krasicilc

VM – O texto de Alcione Araújo oferece aos atores boas oportunidades de fazer humor. Você sentiu alguma dificuldade em relação ao texto? CM – Não, porque o texto é justamente isso: uma porta aberta para o humor. VM – Qual foi sua reação ao saber, através da Marília, que você teria que cantar no espetáculo? CM – Entrei em pânico no primeiro momento porque nunca havia tido uma experiência como esta. Depois ela me falou: “É fácil, você tem que tentar”. Para a Marília nada é impossível. Comecei a fazer aula de canto – que faço até hoje – e todo esse novo conhecimento me acrescenta muito a melhorar a minha técnica vocal. VM – Na comédia, qual é o limite entre a técnica e a diversão? CM – Quando você está em cena, a técnica nunca pode aparecer. É bom não deixar que o público a perceba. O importante é emocionar, seja na comédia ou no drama. A técnica é pra se esconder e não para se mostrar. VM – Como foi a preparação para a peça? CM – Eu e Gianechinni fomos privilegiados, pois tivemos oito meses de preparação. Fizemos balé clássico e aula de canto antes dos ensaios começarem. VM – Uma platéia é igual à outra? CM – Não, e é essa uma das questões que ajuda a trazer frescor ao espetáculo. VM – Após tantas lágrimas no cinema e na televisão, o público se surpreende com a versatilidade de Camila Morgado fazendo comédia? CM – Acho que sim. É esse o meu objetivo: surpreender a platéia. VM – Onde você busca referências para os seus personagens? CM – Nos lugares mais diversos possíveis. Busco em fotos, filmes, músicas, nas pessoas, enfim, tudo o que possa referenciar o personagem.

“A Marilia é uma pessoa maravilhosa, exige muita disciplina, determinação e está sempre aberta a tudo que o ator propõe”.

DOCE DELEITE Sob a direção de Marília Pêra, Camila Morgado e Reynaldo Gianecchini cantam e dançam no espetáculo. Os atores interpretam diversos personagens, valendose de um figurino rico e criativo no próprio palco, para contar as histórias dos bastidores do meio teatral. Teatro Raul Cortez Rua Dr. Plínio Barreto, 285 – Bela Vista Informações: 3254-1637 – Até 09/11

21


BELEZA

Por Marcos Garbelini Fotos: Eduardo Federice

O DIA DA NOIVA Casamento aos sábados já não é mais unanimidade na escolha de um casal. Em tempos modernos, as cerimônias são realizadas em qualquer dia da semana com noivas bem preparadas para a ocasião.

A

ntigamente, as noivas se preparavam em casa com a presença de cabeleireiro, estilista, manicure e pedicure, além da mãe emocionada, do pai nervoso e de toda a família envolvida. “Era uma neurose coletiva. Todos ficavam ansiosos e deixavam a noiva mais ainda”, conta dona Anésia Campozani, consultora de noivas do Salão Ducharm. Lembra também que o primeiro dia da noiva surgiu em São Paulo no atelier Black Tie. Este dia foi criado para facilitar a vida das noivas que, geralmente, trabalham sem cessar nos preparativos até a véspera do casamento. Dentre as vantagens de se entregar aos cuidados de profissionais estão a tranqüilidade e a segurança do local. Elas são acompanhadas pelas chamadas “babás” que as conduzem na realização de todas as etapas. “O mais importante para nós é que a noiva se ame. Ela pode até preferir um estilo que está fora de moda, mas o que importa é que goste do resultado”, revela dona Anésia. Os salões, também, costumam indicar locais para aluguel de carros, fotógrafos, filmagem e, principalmente, as lojas de vestidos de noiva que, normalmente, vestem os familiares e as madrinhas. O tratamento no salão pode ser realizado em um dia inteiro, meio dia ou somente como produção, de acordo com a preferência da cliente. O mais comum é ficar o dia inteiro. Os

22

salões oferecem vários pacotes com valores que variam de 600 a 1800 reais. Uma boa dica é que as noivas procurem pelos salões com oito meses de antecedência, aproximadamente, para que possam aproveitar de promoções e parcelamentos maiores, tendo em vista que o mercado tenta favorecer todas as camadas da sociedade. Os preparativos começam com 15 dias de antecedência, iniciando pela limpeza de pele, assim como os testes para o tipo de penteado, cor dos cabelos, arranjos e maquiagem. “Eu digo que é o dia que a noiva pode experimentar tudo, mas sempre com a orientação dos profissionais”, diz a consultora. No dia do casamento, são realizadas sessões de pedicure, manicure, massagem relaxante, hidromassagem, depilação, além do almoço e do chá da tarde. A leve refeição preparada por nutricionistas consiste em saladas com mussarela de búfala, tomates secos, torta de frango, quiche de queijo e sobremesas como sorvetes e salada de frutas. Para o chá da tarde são reservados lanches, geléias, biscoitos e sucos naturais. Algumas horas antes, são arrumados os cabelos, o véu, a grinalda, o arranjo e, no último minuto, o vestido. Depois de tudo pronto, é aguardar o momento mágico da cerimônia e do tão esperado “sim” no altar.

Onde encontrar: Ducharm Rua Diogo Moreira, 226 Informações: 3034-1989 / 3034-0527


DECORAÇÃO

Por Marcos Garbelini Fotos: Divulgação

DECORAÇÃO INFANTIL Um quarto infantil deve ser um ambiente tranqüilo e terno. A decoração deve estar de forma harmoniosa, conjugando conforto e higiene.

A

espera por um bebê proporciona momentos de intensa magia para os futuros papais, que logo têm a idéia de comprar tudo do bom e do melhor. Portanto, alguns cuidados na hora da escolha da qualidade dos materiais decorativos devem ser tomados, assim como a quantidade de objetos que serão colocados no interior do quarto deve ser analisada. “Até os adultos se sentem confusos num ambiente com muita informação”, conta a decoradora Maria Isabel Athayde, do AtelieBell. O berço merece atenção especial, uma vez que é dentro dele que a criança deverá passar a maior parte do tempo. Barras com espaçamentos de seis a sete centímetros e lençóis presos no colchão são recomendados para segurança do recém-nascido. “O ideal é trabalhar com tecidos de algodão e fáceis de lavar. Persianas e tapetes de sisal são aconselháveis para não juntar pó e ácaro”, diz Maria Isabel. Revela também que, em relação aos enfeites, os pais devem procurar sempre produtos que possam ser limpos com um pano úmido para fácil remoção da poeira. Um alerta para evitar doenças respiratórias é a substituição dos bichos de pelúcia pelos de pano que são fáceis de lavar. A disposição dos móveis (sem quinas) deve ser ampla para facilitar a locomoção dos pais no momento em que a criança necessite de atenção. “A iluminação deve ser sempre suave, combinando com um clima

24

tranqüilo”, conta a decoradora. Lembre-se que o quarto deve ser arejado e receber a luz solar para que a criança tenha noção do dia e da noite. “Geralmente, a decoração mais procurada para meninas são temas ligados a jardim e bonecas; para os meninos, os motivos são os brinquedos e bichos. No geral, o tema Zoológico é o mais procurado pelos pais”, revela Maria Isabel. Deve-se lembrar que o quarto deverá ter uma cômoda espaçosa para colocar as roupas do bebê e, ainda, uma poltrona em que a mãe possa ficar confortável durante a amamentação, evitando riscos para a coluna. As cores exercem uma função muito importante na vida das crianças. Os tons pastéis de azul, verde, lilás, rosa e branco, são os mais recomendados para estimular um ambiente tranqüilo. Cores como o vermelho e o laranja, por sua vez, estimulam a hiperatividade dos pequeninos. Em contrapartida, para uma criança acima de três anos, as cores vibrantes são as mais indicadas, por que auxiliam no estímulo para as descobertas visuais, táteis e palatinas. Agora que os pais já conhecem algumas das melhores maneiras de decoração para o quarto do seu bebê, vale ressaltar que preparar um ambiente acolhedor para essa nova vida também é uma demonstração de amor.


GASTRONOMIA

Por Cláudia Liba Fotos: Divulgação

COZINHA ITALIANA

A

casa se abre e, aos poucos, vão chegando os convidados para a degustação de vinhos. É um ritual que acontece, às 20h30min de todas as terçasfeiras, no Matterello. Afinal, não apenas um modismo, o crescente consumo de vinho pelos brasileiros tem despertado o interesse dos consumidores. Para este assunto, Vitor Amaral Lotufo, proprietário da casa, se revela um ótimo palestrante. Matterello, no idioma italiano, é o conhecido e temido pau de macarrão. O atendimento é excelente e todas as massas são preparadas na casa, com direito a fogão à lenha! Para agradar diferentes paladares, o Fettuccine al Burro, com um molho de tomate simples ou bolognesa é uma boa pedida. Se você quiser provar algo sofisticado, opte pelo levíssimo Bocconcini di Parma, preparado com massa de panqueca, bem fininha, e enrolada com recheio de ricota e parmesão. O molho é uma combinação de champignon, funghi e contrafilé, que contrasta com a massa, obtendo-se um resultado impecável.

Para sobremesas, boas sugestões são: Panna cotta, doce à base de nata, a deliciosa torta de amêndoas ou a Pastiera di grano, doce típico napolitano feito com trigo em grão e ricota, com limão e canela. A adega do restaurante conta com mais de 700 rótulos, provenientes de diferentes países. Vitor esclarece, também, que os vinhos italianos para acompanhar massas são muito bons e têm preços acessíveis, semelhantes aos bons Chianti ou Dolcetto. E não hesite: leve a sua família para uma deliciosa refeição. O salão, localizado no interior do restaurante, onde acontecem palestras e degustação de vinhos, transforma-se em um espaço para brincar com as crianças no final de semana. Você poderá provar as delícias por lá, ou arriscar seu lado chef, pois as receitas do restaurante estão à disposição dos clientes.

Bocconcini di Parma Panquecas enroladas com recheio de ricota e parmesão, com molho de champignon, funghi e filetinhos de contrafilé.

Modo de fazer: Recheio: Amassar com um garfo a ricota e acrescentar as gemas, o ovo inteiro, o parmesão, a manteiga e os temperos. Deixar descansando na geladeira por meia hora. Espalhar o recheio em metade da panqueca e enrole a partir da parte recheada, apare as pontinhas e corte o rolinho em quatro partes iguais. Colocar em pé numa assadeira untada com manteiga ou no prato em que vai ser servido e levar ao forno médio por aproximadamente 20 minutos.

Recheio: 900 gramas de ricota 4 gemas de ovos grandes 1 ovo inteiro grande 1 xícara rasa de queijo parmesão ralado 4 colheres de sopa de manteiga sal, pimenta do reino e noz moscada Molho: 400 gramas de pedacinhos de carne (iscas compridinhas de contrafilé ou filé mignon) 80 ml de cognac 1 xícara de creme de leite 250 gramas de champignon 6 colheres de sopa de manteiga 30 gramas de funghi porcini seco 10 ramos de salsinha 1 dente de alho sal e pimenta do reino

26

Matterello Rua Fidalga, 120 • Vila Madalena Reservas: 3813.0452

Molho: Lavar muito bem o funghi, picar em pedaços e deixar hidratar e amolecer mergulhado em duas xícaras de água morna por algumas horas. Retirar e coar em peneira bem fina a água para ser usada depois. Cortar o champignon em fatias e picar a salsinha e o alho. Fritar os pedacinhos de carne com duas co-

lheres de manteiga, despejar o cognac. Assim que desaparecer o cheiro do álcool, colocar o dente de alho picado, salgar e apimentar. Acrescentar o restante da manteiga, dar uma salteada nos cogumelos e despejar a água do funghi, deixando ferver por 10 minutos para reduzir um pouco. Acrescentar o creme de leite, ferver em fogo bem baixo até que fique bem incorporado ao molho. Ao retirar do fogo, misture a salsinha picada. Sirva 8 pedaços de panqueca recheada com um pouco do molho (duas panquecas cortadas em 4 pedaços).


VINHOS

Por Eduardo Assunção Fotos: Divulgação

VINHOS PORTUGUESES

N

o dia 10 de setembro aconteceu a Grande Prova Anual de Vinhos de Portugal, o maior evento de vinhos portugueses no Brasil, com apoio do AICEP, Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal e ViniPortugal, entidades públicas e privadas que divulgam o vinho português no mundo. O evento é uma degustação de 380 vinhos portugueses, com a presença de 66 produtores, no salão do Jockey Club de São Paulo, para profissionais do setor. Os portugueses estão apostando no potencial de crescimento do consumo de vinhos pelos brasileiros que, atualmente, é de apenas 2 litros por pessoa anualmente (incluindo nacionais e importados). Os portugueses têm um consumo per capita de 45 litros e já foi maior no passado. Em 2007, a venda de vinhos portugueses para o Brasil aumentou 25% em valor e 13% em volume em comparação com 2006. Portugal está em terceiro lugar dentre os países que mais exportam vinhos para o Brasil, com 15% de participação de mercado, atrás apenas de Chile (30%) e Argentina (22%). Portugal é um país produtor de vinhos com muita tradição e regionalismos, tem mais de 352 uvas viníferas, 55 DOC (Denominação de Origem Controlada) e vinhos exclusivos como o Porto, o Verde, o Madeira, etc. A primeira DOC do mundo foi estabelecida em Portugal em setembro de 1756 na região do Douro. Em 2007, o Brasil importou 6,6 milhões de litros de vinhos portugueses, totalizando US$23,5 milhões.

NOVIDADE Espumante português da região do Minho, elaborado pelo método tradicional - Brut e Demi-sec. Vendas 11 3719-1504 www.vilavinhos.com.br


MEIO AMBIENTE

Por Marcos Garbelini Foto: Divulgação

CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS Os novos empreendimentos imobiliários contribuem para a sustentabilidade do meio ambiente e para a melhoria de vida dos usuários.

C

onstrução sustentável é um conceito empresarial que investe cada vez mais nos green buildings e promove a sustentabilidade dos materiais utilizados e do meio ambiente. Ela também é a responsável por compensar o desperdício de matérias primas e da grande quantidade de entulho e lixo que são produzidos pela construção civil. “Para ser considerada uma construção sustentável, utilizam-se recursos naturais do início da obra até o uso final da edificação, como materiais recicláveis, luz natural e o controle dos lixos gerados”, revela o arquiteto Edney Aruzo, da CMS Engenharia. Para este tipo de empreendimento, são utilizados os chamados ecomateriais, que possuem menor impacto sobre o meio ambiente. “A sustentabilidade da obra necessita de um material que seja ideal para uma determinada função, incluindo a análise de durabilidade e de variedade”, revela o engenheiro Vanderley M. John da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP). Existem no mercado brasileiro materiais como cimento, alumínio, tintas e aço de maior e menor impacto ambiental, assim como os recicláveis ou naturais representados pela argila e pelas madeiras de reflorestamentos. O termo surgiu no Brasil na década de 70. Devido à crise do petróleo e se solidificou nos anos 90, após a Conferência Mundial de

28

Meio Ambiente (ECO-92), que resultou no surgimento de diversas ONGS ambientais, as quais, juntamente com alguns governos, instituíram o selo verde. São oferecidas duas metodologias estrangeiras para o selo no mercado brasileiro: a norte-americana LEED (Leadership in Environmental and Energy Design) e a francesa HQE (Haute Qualité Environnementale). “O selo possui a função de informar os clientes de que o edifício atende aos requisitos de uma metodologia”, informa John. No mundo inteiro, a quantidade de edifícios certificados é pequena. Um dos maiores benefícios das construções sustentáveis é o aproveitamento da luz e da ventilação naturais. “O sistema à gás é o mais utilizado em condomínios e apresen-

ta uma economia de até 60%, em relação à energia convencional”, revela Aruzo. Através do processo de filtragem e de cloração, a água de ar-condicionado, de chuva e de outros bens domésticos (com exceção da água dos vasos sanitários e de cozinhas), podem ser reutilizadas. O arquiteto revela, ainda, que o investimento é alto, mas a economia atrai mais que o engajamento ambiental. A peneiragem, os aditivos químicos, os filtros de carvão e biológicos, são as opções encontradas para o tratamento de água. Em condomínios, o tratamento biológico do esgoto, que é seguido da aplicação de ozônio, garante desinfecção e ainda possui a vantagem de não gerar subprodutos nocivos à saúde. Após este processo, a água poderá ser reutilizada na lavagem de pisos e irrigação.


VEÍCULOS

Por Marcos Garbelini Fotos: Divulgação

O SONHO DE CONSUMO A linha de carros esportivos F430 é a grande responsável por 75% da produção comercial da marca Ferrari.

C

onhecido por sua determinação, o italiano Enzo Ferrari sabia como ninguém criar carros e torná-los o sonho de consumo de muitos homens. Após 20 anos da morte de seu criador, a empresa continua crescendo e figurando no mundo automobilístico como sinônimo de excelência, inovação e exclusividade. A maior prova disso é o lançamento realizado no Brasil em julho deste ano. Após ser divulgada no 62º Salão Internacional de Frankfurt no ano passado, com a presença do campeão mundial Michael Schumacher, a Ferrari F430 Scuderia chegou ao país na expectativa de que sejam vendidas 40 unidades, até o final do ano, ao lado de outros modelos como a F430, F430 Spider, F599 GTB Fiorano e F612 Scaglietti.

A Scuderia apresenta motor V8 de 4.3 litros com potência de 510 cavalos a 8.500 rpm. Com velocidade máxima de 320 km/h o modelo atinge o desempenho de 0-100 km/h em apenas 3,6 segundos. Para tanto, o veículo foi fabricado 200kg mais leve em relação à F430. Os pneus dianteiro e o traseiro medem 19 polegadas de diâmetro, com 235 e 285 milímetros de largura, respectivamente, fornecendo a estabilidade necessária aos 1.250kg do veículo. Com a tecnologia herdada da Fórmula 1, o modelo conta também com o F1 Superfast, software que controla e reduz o tempo da troca de marchas para apenas 60 milésimos de segundo. As inovações não param por aí, tendo em vista que a Ferrari mostra evolução ao associar, pela primeira vez, o E-Diff (diferencial

autobloqueante com comando eletrônico) ao controle de tração e estabilidade F1-Trac. O destaque do interior do veículo fica por conta dos bancos esportivos e do conta-giros em amarelo no centro dos instrumentos. A parte externa, por sua vez, apresenta defletores nas extremidades do pára-choque dianteiro e faixas longitudinais, que percorrem toda a parte superior do veículo, detalhe que somente uma grande marca poderia assegurar. Projetado para ser o sucessor do Challenge Stradale, o veículo possui o potente desempenho como prioridade, podendo circular tanto nas ruas como nas estradas. Ele chegou no Brasil logo após a forte demanda pelo modelo na Europa e na América do Norte. O valor do sonho de consumo é estimado em R$1,6 milhão.

29


MIX CULTURAL

Por Cláudia Liba, Edgar Kage e Marcos Garbelini Fotos: Divulgação

MÚSICA THE COSMOS ROCKS

BLACK ICE

CATADÔ DE BROMÉLIAS

Há dois anos em parceria com a banda Queen e dezessete anos após a morte de Freddie Mercury, o cantor Paul Rodgers assume o vocal no novo álbum “The Cosmos Rocks”, o que cria uma expectativa em relação à durabilidade da nova parceria. Apostando na canção “C-lebrity”, a coletânea traz 14 músicas que são acompanhadas pelo guitarrista Brian May e pelo baterista Roger Taylor.

No mercado desde o início da década de 70, a banda australiana AC/DC lança “Black Ice”, sucessor de “Stiff Upper Lip, lançado em 2000. A nova produção de Brendan O’Brien reúne 15 faixas, dentre elas “Rock’n’Roll Train”, primeiro single a ser executado pela banda nos Estado Unidos. O novo álbum será colocado à venda somente nas redes de supermercados Wal-Mart e Sam’s Club ou ainda pelo site oficial da banda: www.acdc.com

O cantor e compositor Zé Geraldo lançou seu novo disco dia 04 de outubro, sábado, no Teatro Paulo Autran do SESC Pinheiros. O 16º de sua carreira conta com dez faixas inéditas como “Na Barra do seu Vestido”, parceria com Zeca Baleiro e “Última Reza”, de sua filha Nô Stopa, que é também cantora e compositora. Além de trazer uma versão de um clássico de Bob Dylan, um dos grandes ídolos de Zé, “Mr. Tambourine Man”.

O CORAÇÃO DO HOMEM-BOMBA VOLUME UM

BUENA VISTA SOCIAL CLUB

EVAPORAR

Onze anos após o lançamento do célebre disco “Buena Vista Social Club”, a gravadora MCD relança uma edição de luxo do álbum com livreto de 48 páginas em português. O título faz referência a um tradicional clube de música, dança e atividades sociais de Havana, freqüentado por grandes nomes como Ibrahim Ferrer e Omara Portuondo, na década de 40. Clássicos como “Dos Gardênias”, “Veinte Años” e “Pueblo Nuevo” figuram entre as 14 canções deste trabalho impecável. Imperdível.

O belíssimo lançamento de Tetê Spindola, que completa 15 discos, traz parcerias com músicos campo-grandenses, com Antônio Porto no baixo acústico, Adriano Magoo nos teclados e sanfona, Wlajones Carvalho no percussão, Sandro Moreno na bateria e Tetê na craviola. A produção é do seu selo LuzAzul e a distribuição da Tratore. Tetê também faz parcerias com Chico César, Humberto Espíndola e Arnaldo Black e outros de excelente nível. Sem dúvida, mais uma ode à Natureza.

O cantor e compositor maranhense Zeca Baleiro recicla-se mais uma vez ao desmembrar seu novo disco em duas partes. Lançado pela MZA Music, “O Coração do Homem-Bomba - Volume Um” traz oito canções inéditas e três vinhetas assinadas pelo artista, além das releituras “Alma Não Tem Cor”, do grupo Karnak e “Bola Dividida”, samba composto por Luiz Ayrão em 74. A outra metade da obra deverá chegar nas lojas em novembro.

CINEMA 007  QUANTUM OF SOLACE Dando continuidade aos eventos de ‘’Cassino Royale’’, essa 22º aventura do agente James Bond tem como inspiração o conto ‘’Risico’’, por su a vez presente no livro ‘’Somente para os seus Olhos’’, de Ian Fleming. O filme teve um investimento de 230.000.000 de dólares e marca a segunda participação de Daniel Craig como 007. OS MOSCONAUTAS NO MUNDO DA LUA Em 1969, Nat, I.Q. e Scooter, três jovens e curiosas mosquinhas, estão em busca de novas aventuras e acabam entrando para a história quando embarcam na lendária viagem da nave Apollo 11 para a Lua. Uma animação em 3D, que promete conectar uma nova geração de crianças e seus pais por meio da exploração espacial, através de efeitos especiais de última geração. JOGOS MORTAIS V Dirigido por David Hackl, uma das mais bem-sucedidas e inteligentes franquias de terror chega ao Brasil no final de outubro. Na nova história, Hoffman (Costas Mandylor) é um médico, especializado em medicina forense, que carrega o legado deixado pelo notório assassino em série Jigsaw (Tobin Bell). O filme promete novas armadilhas que deverão empolgar os fãs do gênero. BABY LOVE Do título francês Comme les Autres, o autor Vincent Garenq amplia a discussão de um assunto ainda carregado de preconceitos que é a adoção de crianças por casais homossexuais. O filme conta a vida do pediatra Emmanuel (Lambert Wilson) e seu companheiro advogado Phillipe (Pascal Helbé) que se encontram em crise.

30


31


MIX CULTURAL

LIVROS SIRI Mais uma obra de Rachel Cohl, autora de Princesa Pop. O livro trata da vida de Cyd Charisse que, depois de ter aprontado em Nova York e conhecido seu pai biológico e irmãos, volta a São Francisco, aposenta sua boneca predileta, faz novas amigas e se esforça na escola. Mas, como sempre, Cyd está disposta a deixar isso de lado só para reconquistar Siri, seu grande amor. Editora Record ANJO DE QUATRO PATAS Walcyr Carrasco, autor de novelas e crônicas, aborda o companheirismo com o fiel Uno, um husky siberiano. Misturando ficção com realidade e apurando o estilo irônico de seus textos, é emotivo e divertido e relembra as aventuras e alegrias com o animal de estimação, que ganhou fama ao ser tema de sua coluna, em novembro de 2006. Editora Gente MAIS UMA VEZ De volta a Londres após uma breve e fatídica viagem a Hong Kong, Alfie Budd presencia diversos problemas familiares e profissionais. Alfie, felizmente, encontra duas pessoas que lhe dão novo ânimo: um ancião chinês, praticante de Tai chi chuan, e uma mãe solteira que quer sua ajuda para terminar os estudos. O autor do romance é Tony Parsons, conhecido pelo público leitor brasileiro e já vendeu mais de um milhão de exemplares em 25 países. Editora Record TOKYOGAGUI  UM JAPÃO IMAGINADO A publicação mostra fragmentos da exposição Tokyogaqui, realizada no SESC Avenida Paulista, composta por exposição cenográfica e atividades culturais diversificadas, enfatizando o contraste entre o Japão tradicional e o Japão pop. Organizado por Christine Greiner e Ricardo Muniz Fernandes, inicia com uma série fotográfica de autoria do arquiteto Hideki Matsuka do bairro paulistano da Liberdade. Edições SESC SP QUERIDO MENINO Este lançamento da Editora Globo é um relato em primeira pessoa da angústia de um pai que cuida de seu filho dependente de drogas. O autor e jornalista David Sheff apresenta ao leitor sua vida familiar com sofrimento de Nic que, aos poucos, entrou no mundo das drogas. Editora Globo

32

O INCONSCIENTE NA SUA VIDA PROFISSIO NAL O autor, Luiz Fernando Garcia, administrador com especialização em Mercadologia e empresário, mostra como questões psíquicas originadas de traumas e conflitos vivenciados no passado repercutem na vida pessoal e profissional. O autor aborda a importância da aplicação da psicodinâmica, no dia-a-dia e nos negócios, como meio de melhorar a qualidade dos resultados. Editora Gente AMY WINEHOUSE  DO ANONIMATO À FAMA CAÓTICA A obra é a biografia de uma das mais polêmicas intérpretes da atualidade: com 25 anos de idade vendeu milhões de discos no mundo todo e fascinou intelectuais da mídia especializada. Contudo, a cantora tem passado problemas, como abuso de drogas e depressão. Editora Globo A MELHOR HORA PRA VOCÊ Jennifer Ackerman escreve para importantes veículos, como The New York Times, National Geographic e outros. Sua experiência com divulgação científica rendeu a obra que aborda o tema dos ciclos biológicos, que regem variação de força, memória e saúde, em função do tempo. Editora Gente 80 ANOS DE POESIA MARIO QUINTANA O livro abrange os 80 anos de atividade poética do autor, portanto, seus principais livros, publicados entre 1940 e 1985. A seleção, a cronologia e a bibliografia ficaram a cargo da organizadora da coleção; a fixação de texto, de Lúcia Rebello e Suzana Kanter; e a apresentação, de Maria do Carmo Campos. Editora Globo O ÔNUS DA PROVA Ao chegar de uma viagem de negócios, o advogado Alejandro “Sandy” Stern se depara com a esposa morta na garagem. Atordoado, não consegue encontrar motivos para o suicídio de Clara. Um thriller psicológico, cuja investigação leva o leitor a devorar as páginas para descobrir por que uma mulher equilibrada e com uma vida aparentemente perfeita resolve se matar. Editora Record SUPERDICAS PARA MOTIVAR SUA VIDA E VENCER DESAFIOS César Romão é advogado com pós-graduação em Administração, MBA em Marketing e Mestrado em Psicologia Organizacional. Tem auxiliado empresas e organizações a implantar transformações em projetos estratégicos com pouco investimento. Editora Saraiva.


DVDS

AGENTE 86 Maxwell Smart (Steve Carell), o Agente 86, recebe a missão de impedir que a organização criminosa secreta Kaos coloque em prática seu mais novo plano para dominar o mundo. O quartel-general da agência é atacado e a identidade de seus agentes fica comprometida. O Chefe (Alan Arkin), então, não tem outra saída a não ser promover Maxwell Smart.

HORTON E O MUNDO DOS QUEM! Nesta aventura cativante, Horton é um elefante que adora se divertir. Num belo dia, ele ouve um grito de socorro vindo de uma partícula de poeira flutuando no ar, que descobre se tratar do lar da Quemlândia, uma cidade habitada por pessoas minúsculas em perigo.

JOGO DE AMOR EM LAS VEGAS Joy (Cameron Diaz) é dispensada pelo noivo em Las Vegas. Enquanto isso, Jack (Ashton Kutcher) é demitido pelo próprio pai. Decidem afogar suas mágoas em Las Vegas. No dia seguinte, acordam casados e ganham US$ 3 milhões num cassino, dinheiro que só podem aproveitar caso permaneçam numa relação estável por seis meses.

A OUTRA Uma fascinante e sensual história de intriga, romance e traição, sobre as irmãs Anne (Natalie Portman) e Mary (Scarlett Johansson). Conduzidas pela ambição da família, na busca pelo poder e status, se envolvem em um jogo que tem como objetivo o amor e a atenção do rei da Inglaterra.

OS PADRINHOS MÁGICOS – ESCOLA, ESTOU FORA! – O MUSICAL O verão deve ser as melhores oito semanas do ano, mas não quando seus pais o mandam para o Acampamento Aprendiz de Flappy Bob! Descubra o que acontece quando Timmy deseja que os garotos dêem todas as deixas nesta vibrante viagem musical!

NOEL, POETA DA VILA Noel Rosa toca numa banda regional. Branco de classe média, prefere a amizade de negros, músicos, operários e mulheres de vida fácil. Noel compõe, partindo de paródia do Hino Nacional, ‘’Com que roupa?’’, sucesso bombástico. Suas composições mudaram o rumo da música popular, mas a tuberculose complica sua vida.

AS MUITAS MULHERES DA MINHA VIDA

ASYLUM – NÃO ESTAMOS SOZINHOS

Um homem tem a sua vida completamente transformada quando recebe um e-mail misterioso. Em busca da mulher perfeita Blank (Simon Baker) passa por várias situações até conhecer Gillian (Winona Ryder), uma mulher extremamente sensual que dedica a sua vida a capturar homens culpados de crimes sexuais.

Madison McBride é uma adolescente traumatizada que, aos 11 anos, testemunhou o suicídio do pai. Agora, aos 18, Madison muda-se para a residência da universidade onde seu irmão, também, cometeu suicídio. No decorrer do filme, ela começa a duvidar de sua própria sanidade.

33


MIX CULTURAL

TEATRO, EXPOSIÇÕES, ETC. A FESTA DE ABIGAIU Produzida, pela primeira vez no Brasil, esta comédia de humor negro mostra o encontro do casal Beverly e Lawrence com seus vizinhos revelando os conflitos e angústias da classe média britânica. Mike Leigh escreveu esta peça em 1977 utilizando diálogos ácidos e melancólicos. A direção é de Mauro Baptista Vedia. Teatro Augusta Rua Augusta, 943 - Consolação Informações: 3151- 4141 - Até 26/10 SIGA-ME! (4ª TEMPORADA) A ação desenrola-se na virada dos anos 60 para os 70 e mostra a história de cinco casais que participam de um fictício Programa de TV do momento - “Sigame!”. Os 13 atores do Grupo Cafonas & Bokomokos e cerca de 80 figurinos da época desfilam pelo palco num ritmo alucinante. Direção de Guilherme Vidal. Teatro Plínio Marcos Rua Clélia, 33 - Shopping Pompéia Nobre - 2º Piso Informações: 3864-3129 - Até 25/10

COMEÇAR A TERMINAR Aos 76 anos Antônio Abujamra interpreta o texto de sua autoria, inspirado em obras de Beckett. No palco estão Miguel Hernandez e Nathália Corrêa ao lado de Abujamra, que dirige o espetáculo com Hugo Rodas Teatro João Caetano Rua Borges Lagoa, 650 - Vila Mariana, Informações: 5573-3744 e 5549-1744 - Até 23/11.

MACHADO DE ASSIS: “MAS ESTE CAPÍTULO NÃO É SÉRIO” Inspirada no romance “Memórias Póstumas de Brás Cubas” a montagem, que é dividida em capítulos, presta uma homenagem ao centenário da morte de Machado de Assis de forma cronológica. A intenção da mostra é fazer com que o expectador sinta-se como se estivesse dentro de um livro do autor (1839-1908). Museu da Língua Portuguesa Praça da Luz, s/n° - Estação da Luz Informações: 3326-0775 - Até 26/10

TESOUROS DA TERRA SANTA - DO REI DAVID AO CRISTIANISMO Os organizadores do evento trouxeram 150 objetos do Museu de Israel. O ponto de partida da exposição é a abordagem dos aspectos políticos e religiosos do reinado de David. A exposição traça um paralelo entre o Judaísmo e o Cristianismo no período Bizantino. MASP Av. Paulista, 1578 - Metrô Trianon-Masp Informações: 3251-5644 - Até 02/11

34

COCORICÓ EM UMA AVENTURA NO TEATRO Das melhores séries de TV para crianças, a trama se passa a partir da notícia de que um estranho objeto está voando sobre a cidade. A direção é de Fernando Gomes, que também manipula bonecos. E como a peça é recomendada para crianças a partir de dois anos, vá com a família toda! Teatro Shopping Frei Caneca Rua Frei Caneca, 569 - Bela Vista Informações 3472 2229

DIÁRIO DE UMA MINHOCA E DIÁRIO DE UMA ARANHA De Doreen Cronin e Harry Bliss, o primeiro texto é engraçado e conta a vida de uma aranha e de uma minhoca que são (!) amigas... Já o Diário de uma Aranha desvenda o dia a dia da aranha para os pequenos. Editora Companhia das Letrinhas

A MENINA, A GAIOLA E A BICICLETA/CÉU DE PASSARINHOS De Rubem Alves e Carlos Brandão o livro é altamente recomendável pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil. Na primeira história, um menino e uma menina saem para passear de bicicleta e descobrem maravilhados o que pode acontecer quando um passarinho foge da gaiola. Na segunda, uma árvore conversa com todo o mundo que encontra na natureza e acaba virando, ela mesma, um grande salão de festas. (Prêmio Jabuti 1998 de Melhor Ilustração Infanto-Juvenil) Editora Companhia das Letrinhas

A PIPA E A FLOR De Rubem Alves. Em um texto delicado e em meio a ilustrações lindíssimas, a difícil arte de amar com liberdade para as crianças. E para os adultos, por que não? Editora Loyola


PERFIL

COM VOCÊS, UM POUCO DO BOM HUMOR DE SIDNEY RODRIGUES!

P

oucas personalidades do mundo artístico ou político escapam do deboche e da irreverência desse ator no espetáculo “Deboshow”, onde já satirizou centenas delas. Completando cinco anos de existência, o “Deboshow” rendeu a Sidney Rodrigues, Aramyz e Zeca Moreira, seus parceiros em cena, o contato direto com o humor. Recentemente finalista do programa “Domingão do Faustão”, no quadro “Quem Chega Lá”, o ator e diretor fala sobre carreira, humor e deboche, claro!

to, que hoje faz o Christian Pior, do “Pânico na TV”. O primeiro convidado do espetáculo que eu trouxe foi o Zeca, que tem uma imensa criatividade para fazer personagens e continua conosco até hoje. Ele fez o Geraldo Geraldino e a Colaquinha. Logo que entrei, criamos algumas novidades como o concurso chamado “A nova loira do Deboshow”. A vencedora foi a Dani Calabresa, que hoje faz o “Quinta Categoria”. Nós debochávamos de uma personalidade do mundo artístico toda semana na abertura do espetáculo. Uma vez, debochamos dos Novos Baianos e eu fiz o Gil Bethanio Veloso da Costa, um personagem criado somente para a abertura que ficou até hoje. O “Quinta dos Infernos” surgiu pelo convite do Marcelo Médici e o “Risoterapia” através do Hércules Moreno. Participei também de “Os Cretinos” e do “TPM”. Essas participações eram muito bacanas porque eu saía do meu mundo e conhecia outras platéias.

Versátil Magazine – Como começou sua carreira de ator? Sidney Rodrigues – Comecei encenando peças em colégios e igrejas de Jaguariúna, interior de São Paulo. O meu irmão, que já era ator, montava espetáculos e eu participava. Eu queria estudar teatro. Entre 90 e 91 prestei vestibular para artes cênicas na UNICAMP (Universidade Estadual de Campinas), mas não passei. Então, fiz alguns cursos paralelos em Campinas (SP) no Conservatório Carlos Gomes. Vim para São Paulo, há 16 anos, para fazer teatro e conhecer pessoas que faziam parte desse universo. Fiz o teste da Escola de Teatro Célia Helena, passei e comecei a ter contato com as pessoas. A Célia Helena sempre dizia que a grande maneira de aprender a fazer teatro é, acima de tudo, observar as pessoas que fazem essa arte. Cheguei a assistir uma mesma peça nove vezes. [risos]

VM – Você participou de alguns espetáculos como o “Terça Insana”, o “Quinta dos Infernos” e o “Risoterapia”. Como foram essas experiências? SR – Após um ano morando em São Paulo, fiz um espetáculo chamado “O Legítimo Inspetor Perdigueiro” com direção da Eliana Fonseca no TBC (Teatro Brasileiro de Comédia). Eu fazia um morto e ficava uma hora e meia em cena sem ver a platéia. Nesse período, conheci a Grace Gianoukas e fiquei muito amigo dela. Quando ela fez o “Terça Insana”, fui a quase todas as apresentações do primeiro ano. E saía de lá com o texto de todos os atores na cabeça. Um dia, falei para a Grace que eu gostaria de participar do espetáculo e ela me disse que eu deveria inventar um personagem. Fui conversar com meu amigo Zeca Moreira, que me deu a idéia de fazer o Aztrogyldoh Estar, um guru picareta, que ele tinha criado. Aceitei fazer o personagem, mas mudei o texto. Resultado: eu consegui fazer várias participações no “Terça Insana” e o Zeca ficou dois meses sem falar comigo. [risos]

VM – Por que debochar dos famosos gera tanto riso? SR – Nós vivemos em um país onde todo dia surge uma celebridade nova. O “Big Brother Brasil” é um prato cheio para vários bordões novos. O Brasil tem muita gente bacana que permanece fazendo sucesso, outras pessoas que surgem e acontecem apenas em um verão e depois desaparecem. E todo mundo fala que não, mas lê revista e assiste a programas de fofoca porque quer saber da vida das celebridades...

VM – Como surgiu o “Deboshow”? SR - O Darwin Demarch me viu no “Terça Insana” e convidou para dirigir o “Deboshow”. Eu disse que toparia se pudesse fazer alguns personagens também. O espetáculo foi uma idéia inicial do Darwin, do Aramyz e do Evandro San-

37


PERFIL

“Eu particularmente não sou muito adepto de piadas sobre políticos, porque nos últimos anos eles têm sido muito mais humoristas do que nós.”.

VM – A corrupção da política brasileira está sempre presente nas piadas dos humoristas. O que leva as pessoas a rirem tanto das desgraças do país?

pessoas dizem que não gostam e não falam de política, mas hoje ela está muito mais dentro do nosso cotidiano do que antigamente.

SR – Brasileiro é brasileiro e não desiste nunca [risos]. Eu particularmente não sou muito adepto de piadas sobre políticos, porque nos últimos anos eles têm sido muito mais humoristas do que nós. É um monte de CPI’s que sempre dão em nada, é a deputada que está revoltada porque o Clodovil a chamou de feia. É muito engraçado assistir aqueles programas da TV Senado onde os políticos se xingam da seguinte forma: “O excelentíssimo senhor é um grandessíssimo de um banana”. As

VM – Para você o que é fundamental para se tornar um comediante? SR – É ter rapidez de pensamento. Às vezes, no “Deboshow”, a piada surge na sua frente em segundos. É preciso ficar atento à platéia. Além disso, algumas pessoas não gostam de determinados tipos de música ou programas de TV. Para fazer humor, não há esse tipo de preconceito, é preciso mente aberta para observar de onde você pode tirar um sorriso!!

Sidney Rodrigues dirige e atua neste espetáculo que lembra o estilo americano de show de entretenimento, considerado um dos espetáculos de comédia mais aplaudidos em São Paulo. Bar Beverly Hills Rua Jurucê, 1001 – Indianópolis Informações: 5054-3815

O espetáculo estréia em novembro e será apresentado todo domingo às 20h no Teatro Montécnica em Salto, SP, até 7 de Dezembro. Reúne quatro personagens que o ator criou para o “Deboshow”. Supervisão artística por Marcela Leal do Clube da Comédia em São Paulo e direção de produção por Thonny Piassa, da GT Produções Artísticas. Previsão de estréia no início de 2009 em São Paulo. Informações: www.carecaderir.com.br.

38


39



Versátil Magazine 06