Issuu on Google+


Capítulo Capítulo 1 Muitas pessoas gostariam de estar em um abrigo subterrâneo em uma noite assustadora de tempestade. Não eu. Coisas que eu poderia explicar e definir logicamente não me assustavam. Esse era o motivo de eu ter ficado silenciosamente recitando os fatos para mim mesma conforme descia cada vez mais até o nível da rua. O abrigo foi uma relíquia da Guerra Fria, construída como proteção num tempo onde as pessoas pensavam que haviam mísseis nucleares em cada esquina. A parte de cima do prédio abrigava uma ótica. Essa era a frente. Nada assustador. E a tempestade? Simplesmente um fenômeno natural. Sinceramente, se você ficar preocupado em se machucar em uma tempestade, então seria mais inteligente ir para o subsolo. Então, não. Essa jornada aparentemente sinistra não me assustaria em nada. Tudo era construído em fatos racionais e lógicos. Eu poderia lidar com isso. Era com o resto do meu trabalho que eu tinha problemas. Sinceramente, talvez esse fosse o motivo para uma viagem com tempestade não me pertubar. Quando você passou a maior parte dos seus dias entre vampiros e meio-vampiros, os transportando para conseguir sangue, e manter sua existência em segredo para o resto do mundo... bem, isso lhe dá uma perspectiva única sobre a vida. Eu testemunhei batalhas de vampiros e vi proezas máginas que desafiaria as leis da física que conheci. Minha vida era uma batalha constante em controlar meu horror ao inexplicável e encontrar desesperadamente uma forma de explicar isso. "Veja onde pisa", meu guia me disse conforme ainda descíamos outros lances da escada de concreto. Tudo que vi até agora foi concreto - as paredes, o chão e o teto. O cinza da superfície áspera absorveu a luz fluorescente que tentava iluminar nosso caminho. Era deprimente e frio, misterioso na sua quietude. O guia pareceu adivinhar meus pensamentos. "Fizemos modificações e expansões desde a construção original. Você verá assim que chegarmos na seção principal.


Certamente. As escadas finalmente se abriram para um corredcor com diversas portas fechadas alinhando-se lado a lado. A decoração ainda era concreto mas todas as portas eram modernas com fechaduras eletrônicas monstrando luzes verdes ou vermelhas. Ele me levou ao segundo andar a direita, um com luz verde, e me encontrei entrando numa sala de estar perfeitamente normal, como uma sala de espera que você encontra em escritórios modernos. Carpete verde cobria o chão numa tentativa melancólica de imitar grama, e as paredes eram de um castanho amarelado dando um ar de aconchego. Um sofá estilo puffy e duas cadeiras colocadas em lados opostos da sala, junto a uma mesa com revistas. O melhor de tudo, a sala tinha um balcão com uma pia - e uma máquina de café. "Fique a vontade," meu guia falou. Eu suspeitava que ele tinha a minha idade, dezoito, mas sua tentativa de deixar crescer uma barba desigual o fazia parecer mais jovem. " Eles lhe atenderão em breve." Meus olhos não deixavam a máquina de café. " Posso fazer um café?" "Claro", ele disse. "Qualquer coisa que quiser." Ele saiu, e eu praticamente corri até o balcão. O café era pré-moído e parecia tão compacto que ele bem que poderia estar ali desde a Guerra Fria. Desde de que tivesse cafeína, para mim estava bom. Peguei um vôo cansativo da Califórnia, e mesmo com parte do dia para me recuperar ainda me sentia sonolenta e com olhos embassados. Deixei a máquina funcionando e então andei de um lado para outro na sala. As revistas estavam todas bagunçadas, então as arrumei em pilhas.Eu não suportava desordem. Sentei no sofá e esperei pelo café, pensando novamente sobre o que seria essa reunião. Gastei boa parte da minha tarde aqui na Virgínia me reportando para um par de oficiais alquimistas sobre o andamento da minha missão atual. Estava vivendo em Palm Springs, fingindo ser mais experiente numa escola particular para manter meus olhos em Jill Mastrano Dragomir, uma princesa vampira forçada a se esconder. Mantê-la viva significava manter seu povo fora de uma guerra civil - algo que definitivamente mantinham os humanos fora do mundo sobrenatural que espreitava sob a superfície da vida moderna. Era uma missão


vital para os alquimistas, então não estava totalmente surpresa por eles quererem ficar a par. O que me surpreendeu foi que eles não puderam fazer isso por telefone. Não conseguia entender a razão de terem me trazido até aqui. O café ficou pronto. Eu programei para fazer apenas três copos, o que seria provavelmente o bastante para me manter durante a noite. Tinha acabado de encher meu copinho de isopor quando as portas se abriram. Um homem entrou e eu quase derrubei o café. "Sr. Darnell, " eu disse colocando o copo de volta. Minhas mãos tremeram. "É - é muito bom vê-lo novamente, senhor." "Você também, Sydney," ele disse, forçando um sorriso. "Você com certeza cresceu." "Obrigada, senhor," disse sem saber se aquilo era um elogio. Tom Darnell tinha a idade de meu pai e cabelos castanhos já grisalhos. Tinham mais linhas em seu rosto desde a última vez que o vi, e seus olhos azuis tinham uma aparência inquieta que eu normalmente não associava a ele. Tom Darnell era um alto oficial entre os alquimistas e ganhou sua posição através de ações decisivas e intensa ética de trabalho. Ele sempre pareceu heróico quando eu era mais nova, intensamente confiante e inspirador. Agora, ele parecia ter medo de mim, o que não fazia sentido. Ele não estava bravo? Afinal, eu era uma das responsáveis por seu filho ter sido preso pelos Alquimistas. "Gostei de você ter vindo até aqui," ele adicionou, depois que alguns momentos de desconfortável silêncio se passaram. "Eu sei, essa é uma longa viagem especialmente num fim de semana. " "Isso de forma alguma é um problema, senhor," disse esperando soar confiante. " Estou feliz por ajudar com... qualquer coisa que precise." Eu continuo perguntando o que exatamente isso poderia ser. Ele me estudou por alguns segundos e deu um breve aceno de cabeça. "Você é muito dedicada, " ele disse. "Como seu pai." Não respondi. Sabia que aquele comentário tinha a intenção de ser um elogio, mas eu não via dessa forma.


Tom limpou sua garganta. "Bem, então. Vamos deixar isso de lado. Eu realmente não quero te incomodar além do necessário." Novamente, eu capturei aquela vibração nervosa e diferente. Por que ele estaria tão consciencioso dos meus sentimentos? Depois do que eu tinha feito a seu filho, Keith, eu teria esperado por fúria e acusações. Tom me abriu a porta e fez um gesto para eu seguir adiante. "Posso trazer meu café, senhor?" "Claro." Ele me levou de volta ao corredor de concreto, através de mais algumas portas fechadas. Segurei meu café com força o cobrindo com a mão, muito mais assustada do que estava quando entrei a primeira vez nesse lugar. Tom deu uma parada algumas portas para baixo, na frente de uma com luz vermelha, mas hesitou antes de abrí-la. "Preciso que você saiba... aquilo que você fez foi incrivelmente corajoso, " ele disse, não encontrando meus olhos. "Eu sei que você e Keith eram - são amigos, e não deve ter sido fácil entregá-lo. Isso mostra o quão você é comprometida com seu trabalho - algo que não é fácil quando sentimentos pessoais estão envolvidos." Keith e eu não éramos amigos agora ou naquela época, mas eu imaginava que poderia entender o engano de Tom. Keith viveu com minha família por um verão, e mais tarde, eu e ele trabalhamos juntos em Palm Springs. Entregá-lo por seus crimes de forma alguma foi difícil para mim. Na verdade até gostei. Vendo a aflição no rosto de Tom, mesmo assim, eu sabia que não poderia dizer nada parecido com aquilo. Eu engoli. "Bem. Nosso trabalho é importante,senhor." Ele me deu um sorriso triste. "Sim. Com certeza é." A porta tinha um teclado de segurança. Tom digitou uma série de dez dígitos, e a fechadura clicou em aceitação. Ele empurrou a porta aberta, e eu o segui para dentro. A desolada sala era fracamente iluminada e tinha três pessoas dentro, inicialmente não me dei conta o que a sala continha. Eu soube imediamente que os outros eram Alquimistas. Caso contrário, não teria nenhuma outra razão para


eles estaram naquele lugar. E, é claro, eles possuiam sinais que os denunciavam e que poderiam ser identificados por mim mesmo numa rua lotada. Trajes de negócios em cores não definidas. As tatuagens de lírio dourado brilhando em suas bochechas esquerda. Essa era a uniformidade que nós dividíamos. Éramos um exército secreto, a espreita nas sombras de nossos companheiros humanos. Três deles estavam segurando pranchetas e olhando para uma das paredes. Foi quando percebi o propósito desta sala. A janela na parede dava para outro quarto, um muito mais iluminado do que esse. E Keith Darnell estava naquela sala. Ele se atirou no vidro que nos separava e começou espancá-lo. Meu coração acelerou, e dei alguns passos assustados para trás, certa de que ele viria atrás de mim. Levei um momento para perceber que ele não poderia realmente me ver. Relaxei um pouco. Bem pouco. O vidro era espelho somente de um lado. Ele presionou suas mãos no vidro, olhando freneticamente de lá pra cá nas faces que ele sabia estarem ali mas que não podia ver. "Por favor, por favor", ele chorava. "Deixe-me sair. Por favor deixe-me sair daqui." Keith parecia mais barbudo desde a última vez que o vi. Seu cabelo estava despenteado e parecia não ter sido cortado em nosso mês separados. Ele vestia um macacão cinza sem estampas, do tipo que você via em prisioneiros ou pacientes mentais, que me lembrava o concreto da entrada. O mais evidente de tudo era o desespero, terror em seus olhos – ou melhor, olho. Keith tinha perdido um de seus olhos em um ataque de vampiros que ajudei secretamente a orquestrar. Nenhum dos Alquimistas sabia disso, assim como nenhum deles sabiam sobre como Keith violentou minha irmã mais velha Carly. Duvidei que Tom Darnell teria me elogiado pela minha “dedicação” se ele ficasse sabendo sobre meu ato de vigança. Vendo o estado que Keith estava agora, me senti um pouco mal por ele – e especialmente mal por Tom, cujo o rosto estava preenchido com uma dor profunda. Contudo, eu continuava não me sentindo mal pelo que fiz à Keith. Não pela detenção e nem pelo olho. Colocando as coisas de maneira simples, Keith Darnell era uma pessoa má.


“Tenho certeza que reconheceu Keith, “ disse uma das Alquimistas com prancheta. Seu cabelo grisalho estava enrolado em um apertado e arrumado coque. “Sim senhora, “ eu disse. Eu estava salva de qualquer outra resposta quando Keith bateu no vidro com fúria renovada. “Por favor! Estou falando sério! Qualquer coisa que queiram. Eu farei tudo. Eu direi tudo. Eu acredito em tudo. Por favor, só não me mande de volta para lá!” Ambos, Tom e eu recuamos, mas os outros Alquimistas olharam com imparcialidade clínica e rabiscavam algumas notas em suas pranchetas. A mulher de coque olhou novamente para mim como se não tivesse sido interrompida. “O jovem senhor Darnell tem passado algum tempo em um de nossos Centros de Reeducação. Uma medida infeliz – mas necessária. Seu tráfico ilícito de mercadoria foi com certeza ruim, mas sua coloboração com os vampiros é imperdoável. Embora ele reinvindique não ter ligações com eles... bem, nós não podemos ter certeza. Mesmo que ele esteja dizendo a verdade, ainda existe a possiblidade que essa transgressão possa expandir para algo mais – não só a colocaboração com o Moroi, mas também Strigoi. Fazendo o que temos feito o mantém longe desse terreno escorregadio.” “Isso é realmente para o bem dele,” disse o terceiro Alquimista com a prancheta em mãos. “Estamos fazendo um favor a ele.” A sensação de horror me percorreu. O foco principal dos Alquimistas era manter a existência dos vampiros em segredo dos humanos. Nós acreditávamos que os vampiros eram criaturas anormais que não tinham nada a ver com seres humanos como nós. Uma preocupação particular eram os Strigoi – maus, assassino de vampiros – que poderiam atrair humanos a escravidão com promessas de imortalidade. Mesmo os pacíficos Moroi e seus equivalentes meiohumanos, os dhampiros, foram vistos com desconfiança. Nós começamos a trabalhar muito com esses dois últimos grupos, e mesmo se estivéssemos sendo ensinados a olhá-los com desdém, era inevitável que alguns Alquimistas não só


crescessem perto dos Moroi e Dhampiros... mas na verdade começassem a gostar deles. O louco era – apesar de seu crime de venda de sangue vampiro – Keith era uma das últimas pessoas que eu poderia pensar quando se tornou tão amigável com os vampiros. Ele deixou seu aversão por eles perfeitamente obvia para mim várias vezes. Sério, se alguém merecia ser acusado por apego aos vampiros... … bem, seria eu. Um dos outros Alquimistas, um homem com óculos de sol espelhados pendurados artisticamente fora de seu colarinho, assumiu a palavra. “Você, Srta Sage, tem sido um exemplo notável de alguém capaz de trabalhar bastante com eles e manter sua objetividade. Sua dedicação não passou despercebida por nossos superiores.” “Obrigada, senhor,” disse incomodada, imaginando quantas vezes mais teria de ouvir “dedicação” mencionada essa noite. Isso não chega nem perto do que aconteceu meses atrás, quando fiquei em apuros por ajudar uma fugitiva dhampira a escapar. Mais tarde sua inocência foi provada, e meu envolvimento foi descrito como “ambição de carreira.” “E,” continou Sunglasses, “considerando sua experiência com o Sr. Darnell, nós pensamos que você poderia ser a pessoa excelente em nos dar uma declaração.” Voltei minha atenção novamente para Keith. Ele vinha sendo espancado e repreendido praticamente sem parar todo esse tempo. Os outros conseguiram ignorá-lo, então eu tentei também. “Uma declaração sobre o que, sr?” “Estamos pensando se devemos ou não devolvê-lo a Reeducação,” explicou Gray Bun. “Ele fez um excelente progresso lá, mas alguns acham que isso é o mellhor para ficar a salvo e nos certificarmos que qualquer possibilidade de apego aos vampiros está erradicada.” Se o comportamento atual de Keith era um “excelente progresso,” eu não poderia imaginar como um progresso inferior pareceria.


Sunglasses recolocou sua caneta sobre sua prancheta. “Baseado no que testemunhou em Palm Springs, Srta Sage, qual sua opinião sobre o estado mental do Sr Darnell quando refere-se a vampiros? Essa ligação que você testemunhou foi suficientemente grave para justificar mais medidas de precaução?” Enquanto Keith continou a falar ou fazer perguntas de forma rápida e agressiva, todos os olhos naquela sala estavam em mim. O Alquimista com a prancheta parecia pensativo e curioso. Tom Darnell estava visivelmente suando, me olhando com medo e antecipação. Supuz que isso era compreensível. Eu retinha o destino de seu filho nas minhas mãos. Emoções contraditórias guerreavam dentro de mim enquanto considerava Keith. Eu não apenas não gostava dele, eu o odiava. E eu não odeio muita gente. Mas eu não podia esquecer o que ele tinha feito para Carly. Da mesma forma, as memórias do que ele tinha feito para os outros e para mim em Palm Springs ainda estavam frescas na minha mente. Ele me caluniou e fez a minha vida miserável no esforço para encobrir o seu golpe de sangue. Ele também tratou de forma horrível os vampiros e dhampiros que estávamos encarregados de cuidar. Isso me fez questionar quem eram os verdadeiros monstros. Eu não sabia exatamente o que acontecia nos centro de reedução. Julgando pela reação de Keith, era provavelmente muito ruim. Um parte de mim teria adorado falar para os Alquimistas mandá-lo de volta para lá por anos e nunca mais deixá-lo ver a luz do dia. Seus crimes mereciam uma punição severa – e, ainda assim, não tinha certeza de que merecia este castigo em particular. "Eu acho. . . Eu acho que Keith Darnell é corrupto ", disse finalmente. "Ele é egoísta e imoral. Ele não tem nenhuma preocupação com os outros e fere as pessoas para atingir seus próprios fins. Ele está disposto a mentir, enganar e roubar para conseguir o que quer. "Hesitei antes de continuar. "Mas. . . Eu não acho que ele está cego para o que os vampiros são. Eu não acho que esteja tão próximo a eles, ou em perigo de se juntar eles no futuro. Dito isto, eu também não acho que ele deva ser autorizado a fazer o trabalho Alchemista num futuro. Se isso significaria deixá-lo preso ou simplesmente colocá-lo em liberdade condicional


isso é com vocês. Suas ações passadas mostram que ele não leva a sério nossas missões, mas isso é por causa do egoísmo. Não por causa de um apego natural a eles. Ele. . . bem, para ser franco, é apenas uma pessoa má. " O silêncio me encontrou, salvo pelo rabiscar frenético de canetas enquanto os Alquimistas fazim notas em suas pranchetas. Me arrisquei a dar uma olhada para Tom, com medo do que veria depois de ter destruído completamente seu filho. Para meu espanto, Tom olhou. . . aliviado. E grato. Na verdade, ele parecia à beira das lágrimas. Capturando meu olhar, ele murmurou, Obrigado. Incrível. Eu tinha acabado de anunciar que Keith era um ser humano horrível em todas as formas possíveis. Mas nada disso importava para seu pai, enquanto eu não acusasse Keith de estar ligado aos vampiros. Eu poderia ter chamado Keith de assassino, e Tom provavelmente continuaria agradecido se isso significasse que Keith não era íntimo do inimigo. Isso me incomodou e novamente me fez pensar quem eram os verdadeiros monstros nisso tudo. O grupo que eu tinha deixado em Palm Springs era cem vezes mais moral do que Keith. "Obrigada, Srta Sage", disse Gray Bun, terminando suas notas. "Você foi extremamente útil, e nós vamos levar isso em consideração quando tomarmos nossa decisão. Você pode ir agora. Se você for até o corredor, encontrará Zeke esperando para levá-la para fora. " Foi uma dispensa abrupta, mas isso era típico dos Alquimistas. Eficiente. Direto ao ponto. Eu dei um aceno cortês de despedida e uma última olhada para Keith antes de abrir a porta. Assim que se fechou atrás de mim, encontrei o corredor misericordiosamente em silêncio. Eu não podia mais ouvir Keith. Zeke, como se apresentou, foi o Alquimista que originalmente levou-me para dentro."Tudo pronto?", questionou. "É o que parece," eu disse, ainda um pouco atordoada com o que acabara de acontecer. Agora sabia que o meu interrogatório anterior sobre a situação em Palm Springs tinha sido simplesmente uma conveniência para os Alquimistas. Eu estive na área, então porque não ter uma reunião em pessoa? Isso não tinha sido


essencial. Isso - de ver Keith - tinha sido o verdadeiro propósito da minha viagem cruzando o país. Enquanto caminhávamos de volta pelo corredor, algo chamou minha atenção que eu não tinha notado antes. Uma das portas tinham uma quantidade razoável de seguranças - mais do que o quarto que estive. Junto com as luzes e o teclado, havia também um leitor de cartão. Na parte superior da porta havia uma fechadura que trancava pelo lado de fora. Nada extravagante, mas foi claramente a intenção de manter o que estava atrás da porta, dentro. Eu parei, mesmo julgando errado, e estudei a porta por alguns instantes. Então, continuei andando, analisando melhor ao invés de dizer alguma coisa. Bons Alquimistas não faziam perguntas. Zeke, vendo o meu olhar, diminuiu o passo e parou. Ele olhou para mim, então para a porta, e então de volta para mim. "Você quer. . . você quer ver o que está lá dentro? "Seus olhos correram rapidamente para a porta da qual saimos. Sua patente era baixa, eu sabia, e claramente temia ficar em apuros com os outros. Ao mesmo tempo, havia uma ânsia que sugeria que ele estava empolgado com os segredos que guardava, segredos que não podia compartilhar com os outros. Eu era uma saída segura. "Eu acho que isso depende do que está lá dentro", eu disse. "É a razão para o que fazemos", disse ele misteriosamente. "Dê uma olhada, e você vai entender por que os nossos objectivos são tão importantes." Decidido a arriscar, ele passou rapidamente o cartão sobre o leitor e depois digitou outro código longo. Uma luz na porta ficou verde, e ele abriu a trava. Eu meio que esperava outra sala escura, mas a luz lá dentro era tão brilhante, que quase feriu meus olhos. Eu coloquei uma mão na minha testa para proteger-me. "É um tipo de terapia de luz", explicou Zeke se desculpando. "Você sabe porque pessoas em regiões nublados têm lâmpadas solares? Mesmo tipo de raio. A esperança disso é poder fazer com que pessoas como ele se torne um pouco mais humano novamente, ou pelo menos, desencorajá-los a pensar que são Strigoi. "


No início, eu estava muito deslumbrada para entender o que ele queria dizer. Então, através da sala vazia, eu vi uma cela de prisão. Barras de metal grandes cobriam entrada, que estava trancada por um outro leitor de cartão e teclado. Parecia um exagero quando avistei o homem dentro. Ele era mais velho que eu, vinte e poucos anos, eu chutaria, e tinha uma aparência desgrenhada que fez Keith parecer arrumado. O homem estava abatido e encolhido em um canto, os braços cruzados na frente dos olhos evitando a luz. Ele usava algemas nas mãos e nos pés e claramente não ia a lugar nenhum. Na nossa entrada, ele ousou uma olhada em nós e, em seguida, descobriu mais de seu rosto. Um calafrio me percorreu. O homem era humano, mas sua expressão era tão frio e maligna, como a de qualquer Strigoi que eu já vi. Seus olhos cinzentos eram predatórios. Desprovido de emoção, assim como os assassinos que não tinham senso de empatia por outras pessoas. "Você me trouxe o jantar?", Ele perguntou com uma voz rouca falsa. "Posso ver que é uma menina jovem e bonita. Mais magra do que eu gostaria, mas tenho certeza que seu sangue ainda é suculento. " "Liam", disse Zeke, com uma paciência cansada. "Você sabe onde está seu jantar." Ele apontou para uma bandeja cheia de comida na cela que parecia fria há muito tempo. Nuggets de frango, feijão verde, e um bolinho doce polvilhado com açúcar. "Ele quase nunca come ", Zeke me explicou. "É por isso que é tão magro. Continua insistindo em sangue. " "O que. . . que é ele? "Eu perguntei, sem conseguir tirar os olhos de Liam. Era uma pergunta boba, é claro. Liam era claramente um humano, mesmo assim. . . havia algo nele que não estava certo. "Uma alma corrupta que quer ser Strigoi", disse Zeke. "Alguns guardas o encontrou servindo esses monstros e entregou-o para nós. Tentamos reabilitá-lo, mas sem sorte. Ele continua insistindo em falar o quão incríveis os Strigoi são e como um dia ele voltará a eles e nos fará pagar por isso. Nesse meio tempo, ele faz o possível para fingir que é um deles. " "Oh", disse Liam, com um sorriso malicioso: "Eu vou ser um deles. Eles irão recompensar minha lealdade e sofrimento. Eles vão me despertar, e eu me


tornarei poderoso além de seus minúsculos sonhos mortais. Eu vou viver para sempre e voltarei por você – para todos vocês. Farei um banquete com seu sangue e vou saborear cada gota. Vocês Alquimistas puxam suas cordas e acham que controlam tudo. Você se iludem. Vocês não controlam nada. Vocês não são nada. " "Vê?" disse Zeke, balançando a cabeça. "Patético. É isso o que poderia acontecer se não fizessemos o trabalho que fazemos. Outros seres humanos poderiam ser como ele, vendendo suas almas pela promessa vazia da imortalidade. "Ele fez o sinal Alchemista contra o mal, uma pequena cruz em seu no ombro, e me encontrei repetindo o gesto. "Eu não gosto de estar aqui, mas às vezes. . . às vezes é um bom lembrete de por que temos que manter os Moroi e os outros nas sombras. De por que nós não podemos nos deixar levar por eles. " Eu sabia no fundo da minha mente que havia uma diferença enorme na maneira que Moroi e Strigoi interagiam com os humanos. Ainda assim, eu não poderia formular quaisquer argumentos, enquanto estivesse na frente de Liam. Ele me deixou temporariamente muda com o choque - e com medo. Era fácil acreditar em cada palavra que os Alquimistas diziam. Era contra isso que lutávamos. Era esse o pesadelo que não podíamos permitir que acontecesse. Eu não sabia o que dizer, mas Zeke não parecia esperar muito. "Venha. Vamos embora." Para Liam, ele acrescentou:" E é melhor você comer esse alimento porque você não receberá mais até de manhã. Eu não me importo o quão frio e duro isso está. " Os olhos de Liam olhos estreitaram. "Por que me importar com comida humana, quando em breve beberei o néctar dos deuses? Seu sangue será quente em meus lábios, o seu e o da sua linda garota. "Ele então começou a gargalhar, um som muito mais perturbardor do que qualquer um dos gritos de Keith. Aquela gargalhada continuou enquanto Zeke me levava para fora da sala. A porta se fechou atrás de nós, e eu me vi de pé no corredor, anestesiada. Zeke me olhava com preocupação. "Sinto muito. . . Eu provavelmente não deveria ter mostrado isso. "


Eu balancei minha cabeça lentamente. "Não. . . você estava certo. É bom para nós vermos. Para entender o que estamos fazendo. Eu sempre soube. . . mas eu não esperava nada parecido. " Tentei mudar o meu pensamento de volta para coisas cotidianas e limpar aquele horror da minha mente. Olhei para o meu café. Estava intocado e morno. Eu fiz uma careta. "Posso pegar mais café antes de ir?" Eu precisava de algo normal. Algo humano. "Claro." Zeke me levou de volta para o salão. O copo que eu tinha feito ainda estava quente. Joguei fora o meu café velho e despejei um pouco do novo. Conforme fiz, a porta se abriu de repente, e um perturbado Tom Darnell entrou, parecia surpreso ao ver alguém aqui e passou por nós, sentando no sofá e enterrando o rosto nas mãos. Zeke e eu trocamos olhares incertos. "Mr. Darnell, "eu comecei. "Você está bem?" Ele não me respondeu imediatamente. Ele manteve o rosto coberto, seu corpo tremendo com soluços silenciosos. Eu estava prestes a sair quando ele olhou para mim, embora eu tivesse a sensação de que ele não estava realmente me vendo. "Eles decidiram", disse ele. "Eles decidiram sobre Keith." "Já?" Eu perguntei, assustada. Zeke e eu só tinhamos gasto cerca de cinco minutos com Liam. Tom assentiu melancolicamente com a cabeça. "Eles o estão enviando de volta. . . de volta para a Re-educação. " Eu não podia acreditar. "Mas eu. . . mas eu disse a eles! Eu disse a eles que ele não tem ligação com os vampiros. Ele acredita que. . . o resto de nós acreditamos. Suas escolhas que tinham sido ruins. " "Eu sei. Mas eles disseram que não podemos correr o risco. Mesmo que Keith pareça não se importar com eles - mesmo que acreditem que ele não esteja - o fato é que ele fez um acordo com um. Eles estão preocupados que a vontade de entrar nesse tipo de parceria possa subconscientemente influenciá-lo. Melhor


cuidar das coisas agora. Eles estão. . . provavelmente eles estão certos. Isso é o melhor. " Aquela imagem de Keith batendo no vidro e implorando para não voltar passou pela minha mente. "Me desculpe, Sr. Darnell." O olhar perturbado de Tom concentrou-se em mim um pouco mais. "Não se desculpe, Sydney. Você já fez tanto. . . tanto por Keith. Por causa do que você disse a eles, eles vão reduzir seu tempo na Re-educação. Isso significa muito para mim. Obrigado. " Meu estômago revirou. Por minha causa, Keith tinha perdido um olho. Por minha causa, Keith tinha ido para a Re-educação pela primeira vez. Mais uma vez, o sentimento veio a mim: ele merecia sofrer de alguma forma, mas ele não merecia isso. "Eles estavam certos sobre você", Tom acrescentou. Ele estava tentando sorrir, mas falhou. "Que exemplo brilhante você é. Tão dedicada. Seu pai deve estar orgulhoso. Eu não sei como você vive com aquelas criaturas, todos os dias e ainda manter sua cabeça no lugar. Outros Alquimistas poderiam aprender muito com você. Você entende o que é responsabilidade e dever. " Desde ontem, que tinha saído de Palm Springs, eu realmente estive pensando muito sobre o grupo que eu havia deixado para trás - quando os Alquimistas não estavam me distraindo com os presos, é claro. Jill, Adrian, Eddie, e até mesmo Angeline. . . frustrante às vezes, mas no final, eles eram pessoas que tive de conhecer e me preocupar. Apesar das correrias que me fizeram fazer, tinha perdido aquele grupo diversificado no mesmo momento que saí da Califórnia. Algo dentro de mim parecia vazio quando eles não estavam por perto. Agora, me sentindo dessa forma, fiquei confusa. Estava atenuando as linhas entre a amizade e o dever? Se Keith tinha ficado em apuros por uma pequena associação com um vampiro, quanto pior eu era? E o quão próximos qualquer um de nós estávamos de tornar-nos como Liam? As palavras de Zeke soaram dentro da minha cabeça: Nós não podemos nos deixar levar por eles.


E o que Tom tinha acabado de dizer: Você entende o que é responsabilidade e dever. Ele me olhava com expectativa, e eu consegui um sorriso enquanto diminuia todos os meus medos. "Obrigado, senhor", eu disse. "Eu faço o que posso."


Capítulo Capítulo 2 Eu não dormi aquela noite. Parte disso era apenas o mudança de horário. O meu vôo de volta a Palm Springs foi agendado para as seis horas da manhã – o que era três horas da madrugada no fuso-horário que meu corpo ainda pensava que estava. Dormir parecia sem sentido. E, é claro, havia o pequeno fato de que era meio difícil de relaxar depois de tudo que testemunhei no abrigo dos Alquimistas. Se eu não estivesse visualizando os aterrorizantes olhos de Liam, então eu estava repassando os constantes avisos que ouvi sobre aqueles que chegaram muito perto de vampiros. Não ajudava em nada eu ter uma Caixa de Entrada cheia de mensagens do grupo de Palm Springs. Normalmente, eu checava meu e-mail automaticamente pelo meu telefone enquanto estava para cima e para baixo. Agora, no meu quarto de hotel, encarando várias mensagens, eu me enchia de dúvidas. Isso era verdadeiramente profissional? Eles eram muito amigáveis? Eles obscureceram as linhas do protocolo Alquimista? Depois de ver o que aconteceu com Keith, era mais do que óbvio que não precisava de muito para entrar em apuro s com minha Organização. Uma mensagem era de Jill, escrito na linha de assunto: “Angeline... suspiro.” Isso não era surpresa para mim, e eu não me incomodaria com isso ainda. Angeline Dawes, uma dhampira recrutada para ser a colega de quarto de Jill e lhe fornecer uma camada-extra de segurança, tem tido um pequeno problema em se encaixar em Amberwood. Ela sempre estava encrencada pro algo, e eu sabia que independente do que era dessa vez, não havia nada que eu pudesse fazer sobre isso agora. Outra mensagem era da própria Angeline. Eu também não li. O assunto era: “LEIA ISSO! TÃO ENGRAÇADO!” Angeline havia descoberto recentemente o email. Mas ela não havia, aparentemente, descoberto como desligar o Caps Lock. Ela também não tinha discernimento quando se tratava se piadas para se encaminhar, esquemas de fraudes e advertências de vírus. E falando sobre o


último... nós tivemos que, finalmente, instalar um programa de proteção infantil no seu laptop, para bloquear certos sites e propagandas. Isso depois de ela baixar acidentalmente quatro vírus diferentes. Foi o último e-mail de minha Caixa de Entrada que me fez parar. Era de Adrian Ivashkov, a única pessoa do nosso grupo que não estava posando de estudante na Academia Preparatória de Amberwood. Adrian era um Moroi de vinte e um anos, então seria um tipo de estiramento passá-lo no high school. Adrian estava conosco porque ele e Jill compartilhavam um laço psíquico que havia sido inadvertidamente criado quando ele usou magia para salvar sua vida. Todos os Moroi manejavam algum tipo de elemento mágico, e o dele era o Espírito – um misterioso elemento ligado á vida e cura. O laço permitia que Jill visse os pensamentos e emoções de Adrian, o que era embaraçoso para ambos. Ele perto dela ajudou-lhes a trabalharem juntos em um jeito de driblar o laço. Também, ele não tinha nada melhor para fazer. O assunto de sua mensagem era: “MANDE AJUDA IMEDIATAMENTE”. Diferente de Angeline, Adrian sabia das regras de capitalização e estava simplesmente optando por um efeito dramático. Eu também sabia que se tivesse qualquer dúvida sobre qual das mensagens era relacionada ao meu trabalho, essa era de longe a menos profissional. Adrian não era minha responsabilidade. Ainda, eu cliquei na mensagem de qualquer jeito. “Dia 24. A situação está piorando. Meus captores continuam achando novos e horríveis jeitos de me torturar. Quando não está trabalhando, Agente Escarlet passa seus dias examinando amostras de tecidos para vestidos de madrinha e devaneando sobre o quanto ela está apaixonada. Isso usualmente leva o Agente Borscht* Tedioso a nos entreter com histórias sobre os casamentos russos, que são ainda mais tediosos que os usuais. Minhas tentativas de fuga vêm sendo frustradas até agora. Também, estou sem fumar. Qualquer assistência ou produtos de tabaco que você puder mandar serão imensamente apreciados. -- Prisioneiro 24601.” * Borscht é uma sopa adocicada consistindo de beterraba fatiada ou ralada cozida em caldo de galinha, originaria da Ucrânia.


Eu comecei a sorrir, apesar de mim mesma. Adrian me mandava mensagens como essa quase todos os dias. Nesse verão, nós havíamos descoberto que aqueles que foram forçadamente transformados em Strigoi poderiam voltar com o uso do Espírito. Foi um ardiloso, complicado processo... mais ainda pelo fato de que há poucos usuários de Espírito. Os fatos mais recentes sugeriam que os que haviam sido restaurados de ser um Strigoi, nunca poderiam se tornar um novamente. Isso eletrizou tanto Alquimistas como Moroi. Se houvesse algum jeito de prevenir a conversão à Strigoi, loucos como Liam não seriam mais um problema. Aí era aonde Sonya Karp e Dimitri Belikov entravam – ou, como Adrian os chamava em palavras cheias de angústia, “Agente Scarlet” e “Agente Borscht Tedioso.” Sonya era uma Moroi; Dimitri era um dhampiro. Ambos haviam vindo até Palm Springs no último mês para trabalhar com Adrian em uma usina de idéias* para descobrir o que poderia proteger contra transformação em Strigoi. Era uma tarefa extremamente importante, que poderia ter vários desdobramentos se bemsucedida. Sonya e Dimitri eram uma das pessoas mais trabalhadoras que eu conhecia – o que nem sempre engrenava com o estilo de Adrian. *Usinas de Ideias são organizações que produzem pesquisas, análises e conselhos.

Muito do trabalho deles envolvia experimentos cuidadosos e lentos, - muitos envolvendo Eddie Castile, um dampiro que estava igualmente disfarçado em Amberwood. Ele estava servindo de controle regulamentar já que, ao contrário de Dimitri, Eddie era um dampiro intocado pelo Espírito ou uma história de Strigoi. Não havia muito que eu poderia fazer para ajudar Adrian com sua frustração sobre o seu grupo de pesquisas – e ele sabia disso. Ele só gostava de descarregar o drama e direcioná-lo para mim. Consciente do que era e o que não era essencial no mundo dos Alquimistas, eu estava prestes a deletar a mensagem, mas... Algo me fez hesitar. Adrian assinou seu e-mail com uma referência a Os Miseráveis, de Vitor Hugo. Esse era um livro sobre a Revolução Francesa que era tão grosso que poderia ser facilmente usado como uma arma. Eu havia lido-o em francês e inglês. Considerando que Adrian uma vez ficou entediado enquanto lia


um cardápio particularmente longo, eu tinha dificuldades de imaginar que ele leria um livro de Hugo em qualquer linguagem. Então como ele sabia da referência? Isso não importa, Sydney, uma voz inflexível Alquimista disse em minha cabeça. Apague isso. É irrelevante. O conhecimento literário de Adrian (ou a falta dele) não é sua preocupação. Mas eu não podia fazer isso. Eu precisava saber. Esse era o tipo de detalhe que poderia me levar a loucura. Eu escrevi de volta uma rápida mensagem: “Como você sabia sobre 24601? Eu me recuso a acreditar que você leu o livro. Você viu o musical, certo?” Eu apertei “enviar” e recebi uma resposta dele quase que imediatamente: “SparkNotes”* * Sparknotes é um site originado por alunos de Harvard, oferece guias de estudos sobre vários assuntos para alunos e etc.

Típico. Eu gargalhei e imediatamente me senti culpada. Não deveria ter respondido. Essa era minha conta pessoal de e-mail, mas se os Al quimistas em algum momento sentissem necessidade de me investigar, eles não teriam escrúpulos em fazê-lo. Esse tipo de coisa era prejudicial, e eu deletei a troca de emails – não que importasse. Nenhum dado era verdadeiramente perdido, sempre. Quando aterrissei em Palm Springs ás sete horas da manhã seguinte, era dolorosamente óbvio que eu transpassei o limite de cafeína do meu corpo. Eu estava muito exausta. Nenhuma quantia de café poderia me ajudar mais. Eu quase caí no sono no meio-fio do aeroporto, esperando pela minha carona. Quando ela chegou, eu não notei até ouvir meu nome sendo chamado. Dimitri Belikov pulou para fora de um carro azul alugado e ficou em frente a mim, agarrando minha mala antes de eu poder proferir uma palavra. Algumas mulheres ao redor pararam de falar para encará-lo com admiração. Eu me recuperei. “Você não tem que fazer isso”, eu disse, mesmo que ele já estivesse carregando minha mala no porta-malas. “É claro que eu tenho”, ele disse com suas palavras levemente tocadas por um sotaque russo. Ele me deu um pequeno sorriso. “Você pareceu sonolenta.”


“Eu devo ser tão sortuda,” eu disse, entrando no banco do passageiro. Mesmo que eu estivesse bem acordada, eu sabia que Dimitri teria pegado minha mala de qualquer jeito. Assim era ele, um resquício perdido de cavalheirismo no mundo moderno, sempre pronto para ajudar os outros. Essa era uma das muitas coisas impactantes sobre Dimitri. Só seus olhares eram certamente suficientes para paralisar alguém. Ele tinha cabelo castanhoescuro puxado para trás em um curto rabo de cavalo, com correspondentes olhos castanhos que pareciam misteriosos e sedutores. Ele era alto, algo como dois metros de altura, rivalizando até com alguns Moroi. Dampiros eram indistinguíveis de humanos para mim, então eu até poderia admitir que ele marcava um placar bem alto na escala de atração. Também havia uma energia ao redor dele que não havia como você não ser afetado. Ele estava sempre alerta, sempre preparado para o inesperado. Eu nunca havia o visto com a guarda baixa. Ele estava constantemente pronto para atacar. Ele era perigoso, sem dúvidas, e eu estava confortada por ele estar no nosso lado. Eu sempre me senti segura perto dele – e um pouco cautelosa. “Obrigada pela carona,” eu adicionei. “Eu poderia ter chamado um táxi.” Mesmo que eu falasse, eu sabia que minhas palavras eram tão inúteis como quando eu lhe disse que não precisava ajudar com minha bolsa. “Sem problemas,” ele me assegurou, dirigindo adentro do subúrbio de Palm Springs. Ele limpou suor de sua testa e de algum jeito fez isso parecer atrativo. Mesmo tão cedo na manhã, o calor estava começando a aparecer. “Sonya insistiu. Ainda mais, sem experimentos hoje.” Eu franzi a testa para isso. Esses experimentos e o grande potencial que representavam para prevenir a criação de mais Strigoi eram vastamente importantes. Dimitri e Sonya sabiam disso e eram muito dedicados a causa – especialmente nos fins de semana, quando Adrian e Eddie não tinham aulas – o que fez essa notícia tão confusa. Minha própria ética de trabalho tinha dificuldades em entender o porquê de não haver pesquisa acontecendo no domingo. “Adrian?” eu adivinhei. Talvez ele não estivesse “no clima” para pesquisas hoje.


“Parcialmente,”

disse

Dimitri.

“Nós

também

estamos

sem

controle

regulamentar. Eddie disse que tinha alguns problemas e não poderia vir.” Meu franzido se aprofundou. “Qual poderia ser o problema de Eddie?” Eddie era intensamente dedicado também. Adrian as vezes o chamava de mini-Dimitri. Embora Eddie estivesse indo para o ensino médio e completando tarefas assim como eu, eu sabia que ele largaria qualquer tarefa de casa em um instante para ajudar com o bem maior. Eu poderia achar apenas uma coisa que seria mais importante do que achar uma “cura” para transformação em Strigoi. Meu coração de repente acelerou. “Jill está bem?” ela tinha que estar. Alguém teria me dito, certo? O principal propósito de Eddie – e o meu também – em Palm Springs era mantê-la e salvo. Se ela estivesse em perigo, isso alardearia todo o resto. “Ela está bem,” disse Dimitri. “Eu falei com ela essa manhã. Não tenho certeza do que está acontecendo, mas Eddie não estaria longe sem um bom motivo.” “Espero

que

não,”

eu

murmurei

ainda

desconcertada.

“Você se preocupa tanto quanto eu,” Dimitri provocou. “Não achei que isso fosse possível.” “É meu trabalho se preocupar. Eu sempre me certifico de que todos estão bem” “Algumas vezes não é algo ruim se certificar de que você está bem também. Talvez você descubra que isso, na verdade, ajuda os outros.” Eu zombei. “Rose sempre fez piadas sobre sua ‘Filosofia de Mestre Zen.’ Estou tento um gosto disso? Porque, se sim, eu consigo entender o motivo de ela não ter chances contra o seus charmes.” Isso me ganhou uma das risadas raras e genuínas de Dimitri. “Eu acho que sim. Se você perguntar a ela, ela irá dizer que foi o empalamento e as decapitações. Mas eu tenho certeza de que foi a Filosofia Zen que a ganhou no final.”


Meu sorriso de resposta imediatamente se transformou em uma bocejo. Era incrível que eu podia brincar com um dampiro. Eu costumava ter ataques de pânico só de estar no mesmo cômodo que eles ou os Moroi. Lentamente, nos últimos seis meses, minha ansiedade começou a se dissolver. Eu nunca deixei o sentimento de “diferença” que tinha sobre eles, mas já havia percorrido um longo caminho. Parte de mim sabia que era uma coisa boa que eu ainda desenhava uma linha entre eles e humanos, mas também era bom ser flexível e fazer do meu trabalho mais fácil. “Não tão flexível”, aquela voz Alquimista interior me avisou. “Aqui estamos nós,” Dimitri disse, parando em frente ao meu dormitório no Preparatório Amberwood. Se ele percebeu minha mudança de humor, não havia dito. “ Você deveria descansar.” “Eu vou tentar,” eu disse. “Mas eu preciso descobrir o que está acontecendo com Eddie antes.” O rosto de Dimitri se transformou em puro trabalho. “Se você encontrá-lo, deveria trazê-lo hoje a noite, e nós podemos tentar deixar um pouco de trabalho pronto. Sonya adoraria isso. Ela tem algumas novas ideias.” Eu assenti, me lembrando que esse era o tipo de nível que precisávamos atingir. Trabalho, trabalho e trabalho. Nós devíamos nos lembrar de nossas metas mais altas. “Vou ver o que posso fazer.” Eu o agradeci novamente e então adentrei, cheia de determinação em continuar minha missão. Então, foi um pouco decepcionante quando minha mais elevada meta foi estilhaçada tão rapidamente. “Senhorita Melrose?” Eu me virei imediatamente ao som do sobrenome que assumi aqui em Amberwood. Sra. Weathers, nossa gorducha e idosa diretora de dormitório, estava se apressando até mim. Sua face estava revestida de preocupação, o que não era um bom presságio. “Estou feliz que você está de volta,” ela disse. “Creio que teve uma boa visita a sua família?” “Sim senhora.” Se com ‘boa’ ela quis dizer ‘assustadora e perturbadora’.


Sra. Weathers acenou sobre sua mesa. “Eu preciso falar com você sobre sua prima.” Eu impedi uma careta enquanto me lembrava do e-mail de Jill. Prima Angeline. Todos nós estávamos em Amberwood sob a fachada de familiares. Jill e Eddie eram meus irmãos. Angeline era nossa prima. Isso ajudava explicar o porquê de estarmos sempre juntos e nos envolvermos nos assuntos uns dos outros. Eu sentei com a Sra. Weathers e pensei exageradamente na minha cama. “O que aconteceu?” Eu perguntei. Sra. Weathers suspirou. “Sua prima está tendo problemas com nosso código de vestuário.” Isso não era uma surpresa. “Mas nós temos uniformes, senhora.” “É claro,” ela disse. “Mas não fora das aulas.” Isso era verdade. Eu estava usando uma calça cáqui formal e uma camisa verde de mangas curtas, juntamente com a pequena cruz dourada que sempre usei. Eu fiz um resumo mental do guarda roupa de Angeline, tentando lembrar se eu havia quanto a isso. Provavelmente a parte mais assombrosa era quanto a qualidade. Angeline havia vindo dos Keepers, uma comunidade mista de humanos, Moroi e Dampiros que viviam nas Montanhas Appalachian. Juntamente com a carência de eletricidade e encanamento, os Keepers decidiam fazer muitas das suas roupas ou ao menos as usarem em caminhadas. “Sexta-feira à noite, eu a vi usando o short jeans mais assombroso,” continuou Sra. Weathers com um calafrio. “Eu imediatamente a castiguei, e ela me disse que usando o short seria a única maneira de ficar confortável com o calor que fazia lá fora. Eu dei a ela um aviso e a alertei para procurar um traje mais apropriado. Sábado, ela apareceu usando o mesmo short e uma regata totalmente indecente. Isso foi quando eu a suspendi para o dormitório pelo resto do final de semana.” “Sinto muito, senhora.” Eu disse. Realmente, eu não tinha ideia do que mais poderia dizer. Eu passei o fim de semana presa em uma batalha épica para salvar a humanidade, e agora... shorts jeans?


Sra. Weathers tornou-se hesitante. “Eu sei... bem, eu sei que isso não é realmente algo que você deveria estar envolvida. É uma questão parental. Mas, vendo como você é responsável e cuida do resto de sua família...” Eu suspirei. “Sim, senhora. Eu vou cuidar disso. Obrigada por não aplicá-la uma punição mais severa.” Eu subi as escadas, minha pequena mala ficando mais pesada a cada passo. Quando alcancei o segundo andar eu parei, incerta do que fazer. Um andar acima me levaria ao meu quarto. Esse andar me levaria a “Prima Angeline”. Relutantemente, eu me virei ao salão do segundo andar, sabendo que o quanto mais cedo lidar com isso, melhor. “Sydney!” Jill Mastrano abriu a porta do dormitório, seus olhos verdes-claros brilhando com alegria. “Você voltou.” “Parece que sim,” eu disse, a seguindo para dentro. Angeline também estava lá, se espreguiçando na sua cama com um livro didático. Eu tinha plena certeza que essa era a primeira vez que a via estudando, mas o castigo provavelmente limitou suas opções de recreação. “O que os Alquimistas queriam?” Jill perguntou. Ela disse de pernas cruzadas em sua própria cama e começando a distraidamente brincar com as mechas do seu cabelo castanho-claro cacheado. Eu encolhi os ombros. “Papelada. Coisas chatas. Parece que as coisas estavam um pouco mais animadas por aqui.” Isso foi pronunciado com um olhar em direção a Angeline. A garota dampira pulou de sua cama, com a face furiosa e os olhos azuis piscando. “Não foi minha culpa! Aquela mulher, Weathers, estava completamente fora dos limites!” ela exclamou, um leve arrastar sulista em suas palavras. Uma rápida analise em Angeline não mostrou nada muito preocupante. Os jeans azuis eram gastos, porém decentes, assim como sua camiseta. Até mesmo seu cabelo loiro-morango de esfregão estava domesticado, amarrado atrás em um rabo-de-cavalo. “O que na Terra você vestiu para deixá-la tão chateada então?” Eu perguntei.


Com uma carranca, Angeline foi até seu guarda-roupa e mostrou o par de shorts jeans com a bainha mais rasgada que eu já havia visto. Eu pensei que eles fossem desfiar diante dos meus olhos. Eles eram também tão curtos que eu me surpreenderia se a sua roupa íntima fosse mostrada enquanto ela os usasse. “Onde conseguiu isso?” Angeline quase pareceu orgulhosa. “Eu os fiz.” “Com o que, uma serra?” “Eu tinha dois pares de jeans,” ela disse pragmaticamente. “Estava tão quente, imaginei que seria bom transformar um em um shorts.” “Ela usou uma faca da cafeteria,” Jill disse utilmente. “Eu não achava a tesoura.” Explicou Angeline. Minha cama. Aonde era minha cama? “Sra. Weathers mencionou algo sobre uma camiseta indecente também,” eu disse. “Oh,” disse Jill. “Essa era minha.” Eu senti minhas sobrancelhas se elevarem. “O que? Eu sei que você não possui nada indecente.” Antes de Angeline chegar, há um mês, Jill e eu havíamos sido colegas de quarto. “E não é.” Jill concordou. “Exceto que não é do tamanho de Angeline.” Eu alternei olhares entre as duas garotas e entendi. Jill era alta e magra, como a maioria dos Moroi, com um visual muito cobiçado entre os humanos designers de moda, um visual que eu mataria para ter. Jill tinha feito trabalhos como modelo. Com aquele visual veio o peito modesto. O peito de Angeline... não era tão modesto. Se ela usasse uma regata do tamanho de Jill, eu imaginei que a integridade estrutural da camiseta seria certamente esticada a limites indecentes. “Jill usa aquela regata o tempo todo e não se mete em problemas,” Angeline disse defensivamente. “Eu imaginei que não haveria problema se eu pegasse emprestada.” Minha cabeça estava começando a doer. Ainda, eu supus que isso era melhor do que quando Angeline foi pega namorando um cara no banheiro


masculino. “Bem. Isso foi facilmente concertado. Nós podemos ir – bem, eu posso ir já que você está presa aqui –, e arranjar roupas do seu tamanho essa noite.” “Oh,” Angeline disse, de repente parecendo mais bem-humorada, “você não precisa. Eddie está lidando com isso”. Se Jill não estivesse acenando junto, eu pensaria que isso era uma piada. “Eddie? Eddie está comprando roupas para você?” Angeline suspirou contente. “Isso não é legal da parte dele?” Legal? Não, mas eu entendia por que Eddie faria isso. Comprar roupas decentes para Angeline era provavelmente a última coisa que ele gostaria de fazer, mas ele o faria. Como eu, ele entendia o dever. E agora eu poderia adivinhar por que Eddie havia cancelado os experimentos – e havia sido vago sobre sua razão de fazê-lo. Eu imediatamente peguei meu celular e liguei para ele. Ele atendeu imediatamente, como sempre. Eu estava certa de que ele nunca estava a mais do que três pés de distância do seu telefone o tempo todo. “Olá, Sydney. Estou feliz que está de volta.” Ele fez uma pausa. “Você está de volta, certo?” “Sim, estou com Jill e Angeline. Eu entendo que você vem fazendo algumas compras.” Ele gemeu. “Não comece. Eu acabei de entrar no meu quarto.” “Você gostaria de requebrar até aqui com suas aquisições? Eu preciso do carro de volta, de qualquer jeito.” Teve um momento de hesitação. “Você se importaria de vir aqui? No entanto que Jill estiver bem. Ela está bem, certo? Ela não precisa de mim? Por que se ela precisar—“ “Ela está bem.” O dormitório dele não era longe, mas eu estava esperando tirar um rápido cochilo. Apesar disso, eu concordei, como sempre fiz. “Ok, te encontro no saguão em cerca de quinze minutos?” “Soa bem. Obrigada, Sydney.” Tão logo quanto eu desliguei, Angeline perguntou animadamente, “Eddie está vindo?”. “Eu estou indo até ele,” eu disse.


Sua cara desabou. “Oh. Bem, acho que isso não importa já que tenho que ficar aqui de qualquer jeito. Eu não posso esperar até estar livre novamente para treinar. Eu gostaria de ter mais algum tempo um-a-um com ele.” Eu não havia me dado conta do quanto focada no seu treinamento Angeline era. Na verdade, ela parecia realmente animada com essa perspectiva. Eu deixei o quarto e fiquei surpresa em encontrar Jill bem atrás de mim quando a porta fechou. Seus olhos eram grandes e ansiosos. “Sydney... Sinto muito.” Eu a examinei curiosamente, imaginando se agora ela havia feito algo. “Pelo o que?” Ela gesticulou para a porta. “Por Angeline. Eu deveria ter sido melhor em mantê-la fora de encrencas.” Eu quase sorri. “Esse não é o seu trabalho.” “Sim, eu sei...” Ela olhou para baixo, deixando um pouco do seu longo cabelo cair adiante. “Mas ainda sim. Eu sei que deveria ser mais como você. Ao invés disso, eu só venho... você sabe, me divertindo.” “Você está autorizada a fazer isso.” Eu disse, tentando ignorar o sutil comentário sobre mim. “Eu deveria ser mais responsável,” ela argumentou. “Você é responsável” eu a assegurei. “Especialmente comparada a Angeline.” Minha família em Utah tinha um gato, e eu tinha bastante certeza de que ele era mais responsável que Angeline. A face de Jill se iluminou, e eu a deixei para que eu pudesse retornar a mala ao meu quarto. A chegada de Angeline e meu trabalho em ferrar Keith me deram meu próprio quarto no dormitório, algo que eu estimava. Dentro dele, tudo era quieto e ordenado. Meu mundo perfeito. O único lugar que o caos da minha vida não alcançava. A cama perfeitamente arrumada pedia por alguém para dormir. Começando, realmente. Em breve, eu prometi. Eu espero. O preparatório Amberwood era dividido em três campus, Leste (onde as garotas eram acomodadas), Oeste (onde os garotos estavam), e Central (que


continha todos os prédios acadêmicos). Um ônibus passava entre eles em uma programação, ou almas corajosas poderia caminhar entre eles no calor. Eu usualmente não me importava com as temperaturas, mas caminhar parecia muito trabalhoso hoje. Então, eu peguei o ônibus para o Campus Oeste e tentei ficar acordada. O saguão dormitório dos meninos era bem parecido com o meu próprio, pessoas indo e vindo para tanto quanto fazer trabalhos escolares quanto para simplesmente aproveitar o domingo de folga. Eu relanceei em volta do saguão, mas Eddie não estava lá ainda. “Ei, Melbourne.” Eu me virei e vi Trey Juarez se aproximando, um sorriso em seu rosto bronzeado. Ele era um sênior como eu e havia pegado o apelido “Melbourne” depois de nossos professores se provarem incapazes de lembrar de Melrose. Honestamente, com todos esses nomes, eu estava admirada que eu ainda soubesse quem eu era. “Ei, Trey,” eu disse. Trey era um genuíno astro de futebol americano – mas ainda inteligente, não importava o quanto ele tentasse esconder. Nós nos demos bem, e minha ajuda em restaurar seu status atlético no último mês tinha sido um longo caminho para aumentar-me aos seus olhos. Uma mochila estava pendurada em um de seus ombros. “Você está finalmente terminando aquela resenha do laboratório de química?” “Sim,” ele disse. “Eu e a metade do esquadrão das líderes de torcida. Quer se juntar a nós?” Eu rolei meus olhos. “De alguma maneira eu duvido que vai ter muito trabalho acontecendo. Além do mais, vou encontrar Eddie.” Trey encolheu os ombros e penteou seu cabelo negro e desobediente para fora dos olhos. “Sua perda. Te vejo amanhã.” Ele tomou dois passos e depois me deu uma olhada novamente. “Ei, você está saindo com alguém?” Eu imediatamente comecei a dizer “não”, e então um pensamento cheio de pânico me ocorreu. Eu tinha a tendência de levar as coisas muito literalmente. Minhas amigas, Kristin e Julia, veem tendo tentado me ensinar as sutilezas da


vida social do high school. Uma de suas principais lições era que o que as pessoas dizem não era sempre o que queriam dizer – particularmente em questões românticas. “Você está... está me chamando para sair?” eu perguntei, pega de surpresa. Essa era a última coisa que eu precisava agora. Como eu deveria responder? Eu deveria dizer que sim? Deveria dizer que não? Eu não tinha ideia de que o ajudar com a tarefa de química seria tão sedutor. Eu deveria ter o feito fazê-la ele próprio. Trey parecia tão surpreso pelo pensamento quanto eu. “O que? Não. É claro que não.” “Graças a Deus,” eu disse. Eu gostava de Trey, mas não tinha interesse em sair com ele – ou descobrir como o jeito certo de dizer “não” seria. Ele me deu um olhar sarcástico. “Você não precisa parecer tão aliviada.” “Desculpe,” eu disse, tentando mascarar minha vergonha. “Por que perguntou?” “Por que eu conheço o cara perfeito para você. Tenho certeza que ele é sua alma gêmea.” Nós estávamos de volta em um território familiar agora: lógica versus falta de lógica. “Eu não acredito em almas gêmeas,” eu disse. “É estatisticamente insensato que há apenas uma pessoa ideal para mim no mundo.” E ainda, por meio momento, eu desejei que isso fosse meio que possível. Seria legal ter alguém que entendesse alguma das coisas que passassem pela minha cabeça. Trey rolou os olhos. “Ok. Não uma alma gêmea. Que tal só alguém que você poderia sair de vez em quando e ter um bom tempo?” Eu balancei minha cabeça. “Não tenho tempo para nada como isso.” E eu não tinha. Deixando tudo em ordem com o grupo e fingindo ser uma estudante era um trabalho integral como isso era. “Estou te dizendo, você vai gostar dele. Ele vai à escola pública e acabou de começar no Spencer’s.” Spencer’s era uma loja de café que Trey trabalhava, um arranjo me que me fornecia descontos. “No outro dia, ele estava discutindo sobre


respiração aeróbica versus aneróbica, e eu estava pensando, ‘Você sabe como isso soa? Melbourne. ’”. “É respiração anaeróbica,” eu corrigi. “E isso ainda não significa que tenho tempo. Desculpa.” Eu tinha que admitir, eu estava imensamente curiosa sobre como o tópico surgiu entre baristas, mas imaginei que não era melhor encorajar Trey. “Ok,” ele disse. “Não diga que nunca tentei te ajudar.” “Não sonharia com isso,” eu o assegurei. “Ei, lá está o Eddie.” “Minha deixa para ir, então. Vejo vocês.” Trey fez uma saudação zombada a mim e Eddie. “Não esqueça da minha oferta se quiser um encontro quente, Melbourne.” Trey saiu, e Eddie me lançou um olhar espantado. “O Trey acabou de te chamar para sair?” “Não. Ele só tem algum colega com quem quer me juntar.” “Talvez não seja uma má ideia.” “É uma ideia terrível. Vamos lá para fora.” O calor desértico não parecia ligar se era outubro, e eu nos guiei até um assento nas paredes estuques do dormitório. Uma sombra parcial das palmeiras próximas oferecia um parco alívio. As pessoas juravam que a temperatura iria diminuir em breve, mas não havia sinais de mudança. Eddie me deu minhas chaves do carro e uma sacola de compras de uma loja local. “Eu tive que adivinhar o tamanho,” ele me disse. “Na dúvida, optei pelo grande. Achei que seria mais seguro desse jeito.” “Provavelmente.” Eu sentei no banco e empilhei suas aquisições. Jeans, cáquis, algumas camisetas coloridas. Elas eram muito práticas, muito mais do que um cara sem essas noções como Eddie pegaria. Eu aprovei. “O tamanho, na verdade, está certo. Bom olho. Nós temos que te mandar as compras com mais frequência.” “Se isso é o que tenho que fazer,” ele disse seriamente. Eu não pude evitar a risada surpresa.


“Eu estava brincando.” Eu pus as camisetas de volta na mala. “Eu sei que isso não foi engraçado.” A cara de Eddie não mudou. “Oh, qual é. Está tudo bem. Você não precisa ficar estoico comigo. Eu sei que você não se divertiu.” “Estou aqui para trabalhar. Não importa se eu me divirto ou não.” Eu comecei a protestar mas então eu pensei melhor. Afinal, essa não era minha filosofia também? Sacrificar minhas vontades para o objetivo maior? Eddie era intensamente dedicado a sua missão. Ele nunca desistia. Eu não esperava nada menos dele do que um foco enorme. “Então, isso significa que você está disponível para alguns experimentos hoje a noite?” eu perguntei. “É clar—“ ele parou e reconsiderou. “Jill e Angeline estão vindo?” “Não. Angeline está em prisão domiciliar.” “Graças a Deus.” Ele disse com alívio visível. A reação dele era, provavelmente, a coisa mais surpreendente para acontecer hoje. Eu não poderia imaginar o porquê de Eddie parecer tão aliviado. Fora sua lealdade de guardião à Jill, ele também era louco por ela. Ele teria feito qualquer coisa por ela, mesmo que não fosse seu trabalho, mas ele se recusava a compartilhar seus sentimentos com ela. Ele pensava que era indigno de uma princesa. Um pensamento inquieto me ocorreu. “Você está... está evitando Jill por causa dela e de Micah?” Micah era o colega de quarto de Eddie, um cara legal que causava a Eddie todos os tipos de terapia de trauma por que era muito similar ao melhor amigo morto de Eddie, Mason. Micah também tinha um estranho pseudo-relacionamento com Jill. Nenhum de nós estava feliz com isso, já que (exceto para os Keepers) humanos namorando Moroi ou dampiros era estritamente um tabu. Nós tínhamos finalmente decidido que seria impossível manter Jill de uma vida social, e ela jurou que nada sério ou físico iria acontecer entre ela e Micah. Eles só passavam muito tempo juntos. E flertavam incessantemente. Ele não sabia a verdade sobre ela, mas eu imaginava em que ponto ele iria querer mais do relacionamento. Eddie continuava insistindo que seria melhor para Jill ter um relacionamento casual com


um humano do que um com um dampiro “indigno” como ele, mas eu sabia que isso devia ser tortura. “É claro que não,” disse Eddie nitidamente. “Não é Jill que quero evitar. É Angeline.” “Angeline? O que ela fez agora?” Eddie correu a mão pelo cabelo em frustração. O dele era de cor loiro-areia, não muito longe do meu, que era de um dourado-escuro. A similaridade nos fez facilmente passar como gêmeos. “Ela não me deixa em paz! Ela está sempre deixando esses comentários sugestivos quando estou por perto... e ela não vai parar de me encarar. Como, você não pensaria que isso é aterrorizante, mas é. Ela está sempre assistindo. E eu não posso evitá-la por que ela está com Jill o tempo inteiro, e eu tenho que manter Jill a salvo.” Eu repensei nas interações recentes. “Você tem certeza de que está entendendo isso certo? Eu nunca notei nada antes.” “Isso é porque você não nota esse tipo de coisa,” ele disse. “Você não pode imaginar quantas desculpas ela encontra para se esfregar em mim.” Depois de ver o short feito em casa dela, eu poderia realmente imaginar. “Uh, bem. Talvez eu possa falar com ela.” Em um átimo, Eddie se posicionou novamente em modo de negócios. “Não. É um problema meu. Minha vida pessoal. Eu vou lidar com isso.” “Você tem certeza? Porque eu posso—“ “Sydney,” ele disse gentilmente. ”Você é a pessoa mais responsável que eu conheço, mas você não está aqui para fazer isso. Você não tem que cuidar de tudo e de todos.” “Eu não me importo,” eu disse automaticamente. “É para isso que estou aqui.” Mas mesmo quando eu disse, eu imaginei se era verdade. Um pouco da ansiedade que senti no abrigo subterrâneo retornou, me fazendo questionar se o que eu fiz era verdadeiramente responsabilidade dos Alquimistas ou desejo de ajudar aqueles que – contra o protocolo – tinham se tornado meus amigos.


“Vê? Agora você soa como eu soei mais cedo.” Ele ficou de pé e me lançou um sorriso. “Você quer vir comigo até o Adrian? Ser responsáveis juntos?” As suas palavras tinham a intenção de elogiar, mas elas ecoaram muito como o que os Alquimistas tinham me dito. E Sra. Weathers. E Jill. Todos pensavam que eu era incrível, tão responsável e controlada. Mas se eu era tão incrível, então por que eu era sempre tão insegura de que estava fazendo a coisa certa?


Capítulo Capítulo 3 Mesmo que Eddie tenha me dito para não me preocupar com Angeline, a parte curiosa de mim não podia ajudar, mas incitei ele sobre isso á caminho do apartamento de Adrian. "Como você vai lidar com isso?" Eu perguntei. "Tendo um coração partido?" Ele balançou a cabeça. "Eu ia simplesmente evitá-la, a menos que fosse absolutamente necessário. Esperemos que ela perca o interesse.” "Bem. Eu acho que é um método. Mas, quero dizer, você é uma pessoa muito direta.” Se fosse diante de uma sala cheia de Strigois, ele teria orientado sem hesitação. "Talvez você devesse tentar esse tipo de abordagem, ao invés de evitá-la. Apenas confrontá-la e dizer-lhe honestamente que você não está interessado.” "Isso é fácil na teoria", disse ele. "Não tanto em pessoa." "Parece fácil para mim." Eddie parecia cético. "Isso é porque você nunca teve de fazê-lo." Ir para o apartamento de Adrian foi muito mais fácil do que uma vez tinha sido para mim. Seu apartamento pertencia a Keith e também foi o local onde um Moroi chamado Lee e dois Strigoi haviam morrido. Aquelas eram memórias difíceis de apagar. Os Alquimistas tinham oferecido o apartamento para mim, desde que eu também assumi total responsabilidade por Palm Springs, mas eu o cedi a Adrian. Eu não tinha certeza de que queria viver ali, e ele estava bastante desesperado para arrumar o seu próprio lugar. Quando eu vi o quão feliz o apartamento o fez, eu sabia que tinha feito a escolha certa. Adrian abriu a porta antes que nós tivéssemos a chance de bater."A cavalaria! Graças a Deus.” Eu escondi um sorriso, assim como Eddie, e entrei. A primeira coisa que sempre me atingia sobre esse lugar foi a pintura amarela ensolarada que Adrian tinha colocado nas paredes. Ele estava convencido de que ajudou o ambiente e nos avisou para não questionar suas "sensibilidades artísticas." O fato de que o


amarelo chocava terrivelmente com seus móveis de segunda mão, era aparentemente irrelevante. Ou talvez eu apenas não fui o suficiente "artística" para apreciá-lo. No entanto, eu realmente achei o estilo errático reconfortante. Ele tinha pouca semelhança com a decoração feita por Keith, tornando um pouco mais fácil de apagar os eventos daquela noite terrível. Às vezes, quando eu olhava ao redor da sala, minha respiração mostrava o quanto as visões do cruel ataque Strigoi e a morte de Lee me assombravam. A marca de Adrian no apartamento era como a luz afastando as sombras horríveis do passado. Às vezes, quando eu estava para baixo, a personalidade de Adrian tinha um efeito semelhante. "Blusa legal, Sage," ele me disse, impassível. "Isso realmente realça o cáqui em suas calças." Deixando seu sarcasmo de lado, ele parecia extremamente feliz de nos ver. Ele tinha a alta e magra estrutura que a maioria dos caras Moroi tinha, junto com sua pele tipicamente pálida (embora não um Strigoi-pálido). Eu odiava a admitir, mas ele era mais bonito o que ele tinha o direito de ser. Usava o cabelo castanho escuro elegantemente bagunçado e tinha olhos que às vezes pareciam muito verdes para serem reais. Adrian tinha em uma dessas camisas abotoadas que estavam na moda entre os caras ultimamente, com um padrão de azul que eu gostava. Ele cheirava como se tivesse ido fumar recentemente, o que eu não gostei. Dimitri e Sonya estavam sentados na mesa da cozinha que estava cheia de um monte de papéis com notas escritas à mão sobre eles. Os documentos estavam espalhados ao acaso, o que me fez pensar quanto trabalho poderia realmente ser realizar. Eu teria feito essas páginas ficarem ordenadamente empilhadas e organizadas por assunto. "Que bom que você está de volta, Sydney", disse Sonya. "Eu precisava de um pouco de apoio feminino aqui." A beleza em seu cabelo vermelho e maçãs do rosto altas foram estragadas pelo fato de que ela mostrou suas presas quando sorriu. A maioria dos Moroi foi ensinada cedo á não fazer isso, para impedir que os humanos desconfiassem de algo. Sonya não tinha escrúpulos para fazê-lo apenas


em privado. Isso ainda me incomodava. Dimitri sorriu para mim. Isso fez com que seu rosto já bonito, ficasse ainda mais belo, e eu sabia que a "sabedoria de mestre zen" não foi a razão de Rose ter se apaixonado por ele. "Eu estou supondo que você não veio para tirar um cochilo." "É muita coisa para fazer", disse. Sonya deu a Eddie um olhar curioso. "Nós estávamos querendo saber onde você estava." "Ocupado em Amberwood", disse Eddie vagamente. Ele havia mencionado no carro que poderia ser melhor se a indiscrição de Angeline e suas compras forçadas não fossem mencionadas. "Vocês sabe, manter um olho em Jill e Angeline. Além disso, eu estava esperando até Sydney voltar, já que ela queria ver o que estávamos fazendo.” Eu deixei a pequena mentira passar. "Como está Angeline?", perguntou Dimitri. "Ela está melhorando?" Eddie e eu trocamos olhares. Tanta coisa para evitar suas indiscrições. "Melhorar como exatamente?" Eu perguntei. "Em combate, seguindo o código de vestimenta, ou em manter suas mãos para si mesma?" "Ou em desativar o caps-lock?", Acrescentou Eddie. "Você notou isso também?" Eu perguntei. "Difícil não notar", disse ele. Dimitri olhou surpreso, o que não era uma coisa comum. Ele não era pego de surpresa muitas vezes, mas, então, ninguém podia realmente se preparar para o que Angeline poderia fazer. "Eu não sabia que eu precisava ser mais específico", disse Dimitri, depois de uma pausa. "Eu quis dizer sobre a luta”. Eddie deu de ombros. "Há uma pequena melhora, mas é duro chegar até ela. Digo, ela é um conjunto absolutamente inoperante na proteção de Jill, mas ela também está convencida de que ela já sabe como fazer isso. Ela tem anos de um treinamento malfeita perfurada dentro dela. É difícil quebrar isso. Além disso, ela é... Facilmente distraída.” Eu tive que engolir uma risada. Dimitri ainda parecia perturbado. "Ela não tem tempo para distração. Talvez


eu deva falar com ela.” "Não", disse Eddie firmemente, em uma rara demonstração de contradizer Dimitri. "Você tem muito que fazer aqui. É minha responsabilidade treiná-la. Não se preocupe.” Adrian puxou uma cadeira, virando-a para trás para que pudesse descansar seu queixo em seu encosto. "E você, Sage? Eu sei que não tenho que me preocupar com você violar o código de vestimenta. Será que você se divertiu em seu spa Alquimista neste fim de semana?” Pousei minha bolsa e fui até a geladeira. "Se por spa, você quer dizer abrigo subterrâneo. E era apenas um negócio.” Eu fiz uma careta quando eu olhei para dentro. "Você prometeu que haveria refrigerante aqui" "Eu prometi isso”, disse Adrian, sem remorso. "Mas então eu li algum artigo que disse que os adoçantes artificiais não são bons para você. Então, eu percebi que eu estou cuidando da sua saúde.” Ele fez uma pausa. "De nada”. Dimitri disse que o que todos nós estávamos pensando. "Se você quer começar a ter hábitos saudáveis, eu poderia sugerir alguns." Se Eddie ou eu tivesse dito isso, teria saído direto para fora de Adrian - particularmente desde que era completamente válido. Mas vindo de Dimitri? Isso era diferente. Havia uma enorme quantidade de tensão entre os dois homens, a tensão que vinha crescendo por um longo tempo. Namorada de Dimitri, uma dhampir notória chamada Rose Hathaway, tinha brevemente saído com Adrian. Ela não tinha a intenção de machucá-lo, mas ela era apaixonada por Dimitri, o tempo todo. Então, não havia nenhuma maneira que a situação poderia ter terminado bem. Adrian ainda carregava um monte de cicatrizes disso e foi especialmente amargo com Dimitri. "Não gostaria de causar danos", disse Adrian, um pouco friamente. "Além disso, quando não estiver trabalhando duro com essa pesquisa, eu estou realmente conduzindo um experimento sobre como cigarros e gin aumentam o carisma. Como você pode imaginar, os resultados parecem muito promissores.” Dimitri arqueou uma sobrancelha. "Espere, voltar. Você disse trabalhando duro?” O tom de Dimitri era leve e brincalhão, e de novo, fiquei impressionado com


o duplo padrão aqui. Se eu tivesse feito esse comentário, a resposta de Adriano teria sido algo como: "Absolutamente, Sage. Eu provavelmente vou ganhar o Prêmio Nobel por isso." Mas para Adrian, as palavras de Dimitri eram como se fossem uma chamada para batalha. Eu vi um lampejo de alguma coisa dura nos olhos de Adrian, uma agitação de algumas dores antigas, e isso me incomodou. Isso não era seu jeito. Ele sempre tinha um sorriso e uma piada irônica, mesmo que fossem freqüentemente pertinentes ou inapropriadas. Eu tinha me acostumado a isso. Eu meio que gostava. Eu olhei para Adrian, com um sorriso que eu esperava parecer genuíno, mais como uma tentativa desesperada de proporcionar distração. "A pesquisa, hein? Eu pensei que você era um homem de jogo." Levou alguns momentos para Adrian arrastar seu olhar de Dimitri e fixá-lo em mim. "Eu sou conhecido por lançar os dados de vez em quando", ele disse cautelosamente. "Por quê?" Eu dei de ombros. "Nenhuma razão. Apenas querendo saber se você gostaria colocar o seu carisma de pesquisa retido e incrementar com um desafio. Se você passar 24 horas sem cigarros, Eu bebo uma lata de refrigerante. Refrigerante regular. Todo o possível”. Vi o vislumbre do sorriso de Adrian antes dele voltar. "Você não faria isso." "Eu totalmente o faria." "Metade um pode iria colocá-la em coma." Sonya franziu a testa. "Você é diabética?" Ela me perguntou. "Não", disse Adrian ", mas Sage mas está convencido de que algumas calorias irrelevantes farão com que ela vá de super magro para apenas magro regular. Que tragédia”. "Hey," eu disse. "Você acha que seria uma tragédia ficar por uma hora sem um cigarro." "Não questione minha determinação de aço, Sage. Fiquei sem um por duas horas hoje.” "Mostre-me 24, e então eu vou ficar impressionada." Ele me deu um olhar de fingida surpresa.


"Você quer dizer que você não é já? E aqui eu pensei que você estava deslumbrada a partir do momento que você me conheceu.” Sonya balançou a cabeça com indulgência para ambos, como se fôssemos crianças adoráveis. "Você está perdendo, Sydney", comentou, batendo o refrigerante aberto à sua frente. "Eu preciso de cerca de três delas por dia para ficar focada em todo este trabalho. Sem efeitos prejudiciais até agora.” Sem efeitos prejudiciais até agora? Claro que não. Moroi nunca tinham. Sonya, Jill... Eles poderiam comer tudo o que quisessem e ainda manter esses corpos incríveis. Enquanto isso, eu trabalhava sobre cada caloria e ainda não conseguia chegar a esse nível de perfeição. Caber em quatro tamanhos de calça cáqui havia sido uma vitória nesta manhã. Agora, olhando para a estrutura delgada de Sonya sentia-me enorme, por comparação. De repente, lamentei o meu comentário sobre beber uma lata de refrigerante, mesmo que tivesse conseguido distrair Adrian. Eu acho que eu poderia ficar tranquila, sabendo que ele ficar sem cigarros durante um dia era impossível. Eu nunca seria chamado a pagar minha açucarada aposta. "Nós provavelmente deveríamos começar a trabalhar. Estamos perdendo tempo." Isso foi Dimitri, levando-nos de volta ao caminho certo. "Certo", disse Adrian. "Isso são valiosos cinco minutos de pesquisa desperdiçado. Até para o mais divertido, Castile? Eu sei o quanto você gosta de estar por perto”. Como eles estavam tentando achar algo especial em Dimitri, Sonya e Adrian costumavam se sentar ambos os lado a lado dos dhampirs e estudar as suas auras em grande detalhe. Sua esperança era de que a conversão Strigoi de Dimitri havia deixado algum sinal de que poderia ajudar a explicar a imunidade a ser transformado novamente. Era uma ideia válida, embora não uma coisa que alguém tão ativo como Eddie apreciava. Ele não reclamou, é claro. Eddie usava um olhar tão duro e determinado quanto o de Dimitri. "Diga-me o que você precisa." "Nós queremos fazer outro estudo nas auras", disse Sonya. Parecia que o


pobre Eddie estaria fazendo um pouco mais ficando ao redor. "A última vez nos concentramos em qualquer sinal de espírito. Desta vez, nós queremos mostrar algumas fotografias e ver se desencadeará quaisquer alterações de cores em suas auras." Eu balancei a cabeça em aprovação. Um monte de experimentos psicológicos tentou técnicas semelhantes, embora geralmente monitoradas respostas fisiológicas em vez de auras místicas. "Eu continuo a dizer que é um desperdício", disse Adrian. "Ambos são dhampir, mas isso não significa que podemos assumir quaisquer diferentes reações, porque Belikov era um Strigoi. Todo mundo é único. Todo mundo vai responder de forma diferente a imagens de gatinhos ou aranhas. Meu velho? Ele odeia gatinhos." "Quem poderia odiar gatinhos?" Perguntou Eddie. Adrian fez uma careta. "Ele é alérgico". "Adrian", disse Sonya. "Nós já passamos por isso. Eu respeito sua opinião, mas ainda acho que podemos aprender muito.” Eu estava realmente impressionado que Adrian tinha uma opinião.Tipo até agora, sentia como se ele estava apenas indo juntamente com tudo que Sonya e Dimitri mandavam fazer e que ele não deu á essas experiências tanta atenção . E embora eu não esteja familiarizado com as auras que rodeavam todas as criaturas vivas, eu poderia entender seu ponto de vista que as diferenças individuais lançariam fora de sua pesquisa. "Todos os dados são uteis neste caso", disse Dimitri. "Especialmente porque não encontramos nada até agora. Nós sabemos que há algo diferente sobre os Strigois anteriores. Não podemos excluir qualquer chance de observamos” Os lábios de Adrian apertaram, e ele não fez nenhum outro protesto. Talvez fosse porque ele se sentia rejeitado, mas eu tinha a sensação de que era porque ele não queria se envolver com Dimitri. Com a atenção de cima de mim, me acomodei na sala de estar com um livro e tentei ficar acordada. Eles não precisavam de mim. Eu simplesmente vinha para fazer companhia a Eddie. Ocasionalmente, eu verificava o progresso dos outros. Dimitri e Eddie


observaram enquanto Sonya folheava diferentes imagens em seu laptop. Por sua vez, Adrian e Sonya observavam os dhampirs de perto e tomavam notas em papel. Eu quase desejei que eu pudesse ver as bandas de cor e luz e me perguntei se havia realmente quaisquer diferenças perceptíveis. Estudando Eddie e Dimitri, às vezes eu notava uma mudança na expressão facial quando imagens particularmente incríveis ou terríveis apareciam na tela, mas a maioria parte do seu trabalho permaneceu um mistério pra mim. Curiosa, eu caminhei até Sonya quando eles estavam na metade. "O que você vê?" Eu perguntei em voz baixa. "Cores", disse ela. "Brilhando em torno de todas as coisas vivas. Eddie e Dimitri têm cores diferentes, mas têm as mesmas reações." Ela mudou a imagem da tela para uma de uma fábrica de derramando fumaça negra em um céu diferentemente claro. "Nenhum deles gostou dessa. Suas auras escurecem e ficam conturbadas." Ela virou para a imagem seguinte com um sorriso nos lábios. Três gatinhos apareceram na tela. "E agora eles se aqueceram. Afeto é muito fácil de detectar, em uma aura. Até agora, eles reagem de maneiras normais. Não há nenhum sinal na aura de Dimitri de que ele é diferente de Eddie." Eu voltei para o sofá. Depois de um par de horas, Sonya parou. "Eu acho que nós já vimos o que precisávamos. Obrigado, Eddie.” "Fico feliz em ajudar", disse ele, levantando-se da cadeira e se alongando. Ele pareceu aliviado, tanto de que ele tinha acabado e que havia se envolvido algo ligeiramente mais interessante que olhar para o nada. Ele era ativo e enérgico, e não gostava cativeiro. "Embora... Temos algumas outras ideias", acrescentou. "Você acham que possam processar um pouco mais?" Naturalmente, ela pediu tal como eu bocejava. Eddie me olhou com simpatia. "Eu vou ficar, mas você não precisa. Vá dormir. Vou pegar uma carona para casa.” "Não, não", disse eu, reprimindo um segundo. "Eu não me importo. Quais são suas outras ideias?” "Eu estava esperando para fazer algo semelhante com Eddie e Dimitri",


explicou ela. "Só que desta vez, a gente usa sons em vez de imagens. Então eu gostaria de ver como eles respondem ao contato direto com o espírito.” "Eu acho que é uma boa ideia", eu disse, não muito certo do que essa última implicaria. "Vá em frente. Eu vou esperar." Sonya olhou em volta e pareceu perceber que eu não era o único que parecia cansado. “Talvez devêssemos conseguir alguma comida, em primeiro lugar." Eddie iluminou-se com isso. "Eu vou," eu ofereci. Era um sinal do meu progresso que os vampiros falando sobre "alimentos" já não me fazia hiperventilar. Eu sabia que ela não queria sangue, não se o dhampirs e eu estávamos sendo envolvidos. Além disso, não havia alimentador redor. Alimentadores foram seres humanos que voluntariamente davam sangue para Morois pela sensação que isso produzia. Todo mundo aqui sabia melhor do que até mesmo brincar com isso ao redor de mim "Há um lugar de comida tailandesa á poucos quarteirões de distância." "Eu ajudo", disse Adrian ansiosamente. "Eu vou ajudar", disse Sonya. "A última vez que você executou uma missão, você se foi por duas horas." Adrian fez uma careta, mas não negam a acusação. "Nossas observações aura foram idênticas, de qualquer maneira. Você pode começar com os sons sem mim." Sonya e eu levamos pedidos de todos. Eu realmente não sentia como se eu precisasse de ajuda, mas supus que carregar comida para cinco pessoas - até mesmo por algumas quadras - poderia ser pesado. Logo aprendi que ela tinha outros motivos para vir junto, no entanto. "É bom para sair e esticar as pernas", disse ela. Era início da noite, com sol e calor significativamente amenos, uma condição que a Moroi amou. Caminhamos ao longo de uma rua lateral que levava em direção ao centro, forrada com apartamentos bonitos e pequenas empresas. Tudo ao nosso redor, enormes palmeiras surgiram, proporcionando um contraste interessante com a definição eclética urbana. "Eu fiquei enfiado o dia todo." Eu sorri para ela."E eu que pensava que Adrian era o único que ficou sufocado em casa pelo trabalho que vocês estão fazendo." "Ele só reclama mais", explicou ela. "O que é engraçado desde que ele


provavelmente também sai mais, entre suas aulas e os intervalos do cigarro.” Eu quase esqueci sobre as duas aulas de arte que Adrian estava tendo em uma faculdade local. Ele geralmente mantinha seus últimos projetos em exposição, mas não tinha nenhum na sala de estar recentemente. Eu não tinha percebido até aquele momento o quanto eu sentia falta deles. Eu poderia lhe dar um tempo difícil, mas às vezes esses relances artísticos sobre o modo que ele pensava eram fascinantes. Sonya me deu um breve resumo de seus planos de casamento enquanto caminhávamos

a

pequena

distância

até

o

restaurante

tailandês.

Seu

relacionamento com o dhampir Mikhail Tanner era épico em muitos níveis, eu supunha. Primeiro, dhampirs e Moroi em geral não se envolvem em relacionamentos sérios. Normalmente, eles eram apenas negócios casuais que resultavam na reprodução de mais dhampirs. Além do escândalo de estarem envolvidos, Mikhail realmente queria caçar Sonya quando ela era uma Strigoi para libertá-la daquele estado retorcido. Rose tinha tentado o mesmo com Dimitri, acreditando que a morte era melhor do que ser um Strigoi. Mikhail tinha falhado, mas o seu amor tinha permanecido firme o suficiente pela prova , que quando ela desafiou as chances e foi restaurada, eles imediatamente voltaram juntos. Eu não podia sequer começar a imaginar um amor assim. "Nós ainda estamos decidindo sobre as flores", continuou ela. "Hortênsias ou lírios. Eu estou supondo que eu sei para qual é o seu voto”. "Na verdade, eu diria que hortênsias. Estou perto demais de lírios já." Ela riu e, de repente ajoelhou-se perto de um canteiro de flores arquivado com gladíolos. "Mais do que você sabe. Existem os lírios para dormir na cama.” "Eles estão fora de época", eu apontei. "Nada é fora de época." Sonya olhou em volta secretamente e depois descansou os dedos na terra. Momentos depois, brotos verdes escuros apareceram, o crescimento mais alto e mais alto, até que um trompete lírio vermelho estava aberto no topo. "Ah. Vermelho. Os alquimistas são brancos - oh, você está bem?”


Eu tinha apoiado até agora na calçada que eu quase entrei na rua. "Você... Você não deveria fazer isso. Alguém pode ver.” "Ninguém viu", disse ela, ficando de pé. Seu rosto suavizou. "Eu sinto muito. Eu esqueço às vezes, como você se sente sobre isso. Foi errado de mim.” "Está tudo bem", eu disse, não tenho certeza de que estava. A magia vampira sempre fazia minha pele se arrepiar. Vampiros, criaturas que precisavam de sangue, eram ruins o suficiente. Mas ser capaz de manipular o mundo com a magia? Ainda pior. Esse lírio, que apesar de bonito, assumiu uma margem sinistra agora. Ele não deveria existir esta época do ano. Nada mais foi dito sobre a magia, e logo chegamos ao centro faixa principal, onde o restaurante tailandês estava. Nós colocamos um pedido gigante e foi dito que levaria cerca de 15 minutos. Sonya e eu permanecíamos de fora, admirando o centro de Palm Springs no crepúsculo. De última hora compradores saíram antes das lojas fechadas, e ai os restaurantes estavam pulando com aqueles que vêm e que vão. Muitos deles tinham mesas ao ar livre na calçada, e conversas amigáveis zumbiam em torno de nós. Uma grande fonte, com azulejos de cores vivas, crianças e turistas fascinados inspiradas para parar para tirar fotos.Sonya foi facilmente distraídos por várias plantas e árvores que a cidade utilizava para embelezar as ruas. Mesmo sem capacidade espírito de afetar os seres vivos, ela era ainda muito o jardineiro. "Ei, você! Elder Melrose!” Eu me virei e estremeci quando vi Lia DiStefano caminhando até mim. Lia era um designer de moda com uma loja aqui no centro de Palm Springs. Eu não tinha percebido que estávamos parados em frente a sua loja. Se eu tivesse, eu teria esperado dentro do restaurante. Lia é baixa, mas teve uma presença esmagadora, reforçada pelo estilo cigano extravagante que ela frequentemente escolhia para seu vestuário pessoal. "Eu venho te chamando por semanas", disse ela, uma vez que ela chegou a nosso lado da rua. "Por que você não responde?" "Eu tenho estado muito ocupado", eu disse sem emoção.


"Uh-huh". Lia pôs as mãos nos quadris e tentou olhar fixamente para o chão, que era meio espantoso desde já que eu era mais alta. "Quando é que você vai deixar sua irmã modelar para mim novamente?" "Miss DiStefano", disse eu, pacientemente, "Eu já lhe disse antes. Ela não pode mais fazer isso. Nossos pais não gostam. Nossa religião não permite rostos serem fotografados " No mês passado, a estrutura de passarela perfeita de Jill e suas incríveis, etéreas características chamaram a atenção de Lia. Vendo como ter sua foto tirada em massa era uma espécie de má maneira de permanecer na clandestinidade, nós concordamos em deixar Jill desfilar no show de moda de Lia, porque ai os modelos usavam máscaras venezianas. Lia tinha sido estado comigo desde então para deixar Jill modelar novamente. Foi difícil porque eu sabia que Jill queria, mas ela entendeu tão bem quanto eu que a segurança dela vinha em primeiro lugar. Afirmamos que fazíamos parte de alguma religião obscura, e isso com frequência explicava nossos comportamentos estranhos para os outros, mas então eu achei que iria me livrar de Lia. Mas não tinha. "Eu nunca ouvir deste país de vocês", disse Lia. "Eu vi sua família. Eu vejo como é. Você é a autoridade.Você é o que eu tenho que passar. Tenho a chance de fazer uma grande divulgação da revista para os meus cachecóis e chapéus, e Jill nasceu para fazê-lo. O que posso fazer para chegar a ela? Você quer um corte do pagamento?” Eu suspirei. "Não é sobre o dinheiro. Nós não podemos mostrar o rosto. Se você quiser colocá-la em uma máscara veneziana de novo, então fique a vontade." Lia fez uma careta. "Eu não posso fazer isso." "Então, estamos em um impasse." "Deve haver alguma coisa. Todo mundo tem um preço.” "Sinto muito." Não havia preço no mundo que ela poderia oferecer para me fazer fugir do meu dever de Jill e com os Alquimistas. Um funcionário do restaurante enfiou a cabeça para fora e falou que o nosso pedido estava pronto, felizmente libertando-nos da Lia. Sonya riu enquanto nós


carregamos os pedidos em nossas bolsas e voltou pela rua para fazer a caminhada para o apartamento de Adrian. O céu ainda estava roxo com a última luz do dia, e as lâmpadas de rua faziam padrões extravagantes na calçada enquanto elas lançavam sua luz através das folhas das palmeiras. "Alguma vez você imaginar o seu trabalho aqui envolveria esquivando estilistas agressivos?" Sonya perguntou. "Não", eu admiti. "Honestamente, eu nunca previ metade das coisas que acontece nesse trabalho" "Sonya?" Um jovem homem apareceu aparentemente do nada, bloqueando nosso caminho. Ele não era um que eu conhecia e parecia ser um pouco mais velho do que eu. Usava o cabelo preto em um corte raspado e estava olhando com curiosidade para Sonya. Ela parou e franziu a testa. "Eu te conheço?" Ele iluminou. "Claro. Jeff Eubanks. Lembra-se?” "Não", disse ela educadamente, após alguns momentos de estudo. "Você deve ter me confundido com outra pessoa. Sinto muito.” "Não, não", disse ele. "Eu sei que é você. Sonya Karp, certo? Nós nos conhecemos em Kentucky no ano passado.” Sonya enrijeceu. Ela morava em uma casa em Kentucky enquanto ela era um Strigoi. Eu sabia que aqueles não poderiam ser memórias agradáveis. "Eu sinto muito", ela repetiu, a voz tensa. "Eu não sei do que você está falando." O cara não se intimidou, ainda sorrindo, como se fossem melhores amigos. "Você percorreu um longo caminho de Kentucky. O que te traz aqui? Eu fui transferido pelo o trabalho.” "Há algum engano", disse-lhe com firmeza, empurrando Sonya frente. Eu não sei o que esse erro poderia ser exatamente, mas a atitude de Sonya foi tudo eu precisava. "Nós temos que ir." O cara não nos seguiu, mas Sonya permaneceu em silêncio durante a maior parte da caminhada para casa. "Deve ser difícil", eu disse, me sentindo como se eu devesse dizer


algo."Conhecer pessoas de seu passado." Ela balançou a cabeça. "Ele não é. Estou certa disso. Eu nunca o conheci.” Eu percebi que ela apenas queria evitar todas as associações com ser uma Strigoi. "Você tem certeza? Ele não era apenas um amigo casual?” Ela me lançou um olhar irônico. "Strigois não têm amizades casuais com os humanos. Eles os têm para o jantar. Esse cara não deve saber quem eu era.” "Ele era humano? Não dhampir?" Eu não poderia dizer a diferença, mas um Moroi podia. "Definitivamente". Sonya havia parado de novo e foi olhar para trás para a figura recuando do cara. Eu segui seu olhar. "Deve haver algum motivo que o fez reconhecer você. Ele parece bastante inofensivo." Isso me fez ganhar outro sorriso. "Venha agora, Sydney. Eu achei que você estivesse ao nosso redor o suficiente para saber.” "Saber o que?" "Nada é tão inofensiva quanto parece."


Capítulo 4 Sonya não disse nada sobre o misterioso encontro com o resto da gangue no apartamento de Adrian, então eu respeitava seu silêncio. Todo mundo estava muito preocupado com o jantar e as experiências para notar muito mais. E uma vez que começou a segunda onda de experiências, eu me distraí bastante para dar muita atenção para o cara na rua. Sonya havia dito que queria ver como Eddie e Dimitri respondiam ao espírito. Isto foi realizado por ela e Adrian concentrando sua magia em um dhampir de cada vez. “É mais ou menos como o que faríamos se estivéssemos tentando curá-los ou fazer algo crescer.” explicou Sonya para mim. ‘Não se preocupe. Isso não vai fazer-lhes mal ou algo assim. É mais como se estivéssemos revestindo-os com a magia do espírito. Se Dimitri tem alguma marca duradoura de quando ele foi curado, eu imagino que reagiria com a nossa magia. “ Ela e Adrian coordenaram seu tempo e começaram com Eddie. Inicialmente, não havia nada para ver, apenas os dois usuários do espírito olhando para Eddie. Ele parecia desconfortável sob o olhar dos dois. Então, eu vi um brilho prateado deslizar sobre seu corpo. Recuei, espantada e nervosa, ao ver uma manifestação física de espírito. Repetiram o processo em Dimitri, com os mesmos resultados. Aparentemente, em um nível não visto, as coisas eram as mesmas também. Não havia nada de notável sobre a resposta de Dimitri. Todos eles reagiram a isso com calma, como parte do processo científico, mas vendo como a magia havia abraçado os dois tinha me assustado. Quando Eddie e eu voltamos para Amberwood naquela noite, encontrei-me sentada tão longe dele quanto eu podia no carro, como se a magia residual poderia vazar mais e me tocar. Ele conversou comigo no nosso caminho, sempre amigável, e eu tive que trabalhar duro para esconder meus sentimentos. Fazer isso me fez sentir culpada. Este era Eddie afinal de contas. Meu amigo. A magia, mesmo se pudesse me machucar, havia desaparecido a muito tempo. Uma boa noite de sono foi boa o bastante para tirar de mim a ansiedade e


culpa, deixando apenas uma recordação distante quando eu acordei e me preparei para as aulas na manhã seguinte. Apesar de estar em Amberwood ser uma atribuição, eu adorava a escola de elite. Eu estava estudando em casa antes disso, e enquanto meu pai tinha me ensinado um currículo certamente difícil, ele nunca tinha ido além do que ele sentia que era necessário. Aqui, mesmo que eu já soubesse as coisas que estava aprendendo nas aulas, haviam muitos professores prontos para me incentivar a ir mais longe. Não tinha tido a oportunidade de ir para uma faculdade, mas o colégio estava sendo um bom substituto. Antes que eu pudesse chegar a aula, eu tive que assistir uma sessão de treinamento com Eddie e Angeline. Mesmo que ele quisesse evitá-la, ele não poderia por a segurança de Jill em jogo. Angeline era parte da defesa de Jill. Me acomodei na grama com uma xícara de café, ainda me perguntando se ele não estava apenas imaginando o interesse de Angeline. Eu recentemente adquiri uma máquina de café e uma xícara para meu quarto, e mesmo que não podia comparar a uma cafeteria, tinha me ajudado a sobreviver a um grande número de manhãs difíceis. Um bocejo sufocou minha saudação quando Jill sentou-se ao meu lado. “Eddie nunca treina comigo.” disse ela melancolicamente, enquanto observávamos o espetáculo. Eddie estava tentando explicar pacientemente a Angeline que o golpe com a cabeça que era adequado numa briga de bar nem sempre era a melhor tática contra um Strigoi. “Eu tenho certeza que ele conseguirá mais tempo.” eu disse, mas eu não tinha certeza realmente. Agora que ele podia admitir seus sentimentos por Jill para si mesmo, ele estava nervoso sobre tocá-la muito. Isso, e uma parte cavalheiresca dele não queria arriscar Jill de qualquer maneira. Era irônico, porque a ferocidade de Jill em querer aprender auto-defesa (raro em um Moroi) foi o que o atraiu para ela. “Angeline foi recrutada como proteção. Ele tem que ter certeza que ela pode lidar com isso.” “Eu sei. Eu sinto como se todo mundo estivesse tentando me mimar.” Ela franziu o cenho. “Em PE, Micah não me deixa fazer nada. Depois que eu tive


todos esses problemas começando, agora ele é paranóico que eu vá me machucar. Eu disse a ele que eu estou bem, que era apenas o sol... mas mesmo assim, ele continua em cima...É doce...mas me deixa louca às vezes. “Eu notei isso” admiti. Eu estava na mesma classe de educação física. “Eu não acho que é por isso que Eddie não vai te treinar, no entanto. Ele sabe que você pode fazê-lo. Ele está orgulhoso que você pode... ele só acha que se ele está fazendo o seu trabalho, você não deve ter que aprender. Tipo uma lógica estranha. “Não, eu entendo.” Seu desânimo anterior mudou para aprovação quando ela se virou para a sessão de treinamento. “Ele é tão dedicado... e, bem, bom no que ele faz. “ “O joelho é uma maneira fácil de inabilitar alguém.” Eddie disse para Angeline. “Especialmente se você for pego sem uma arma e tem que...” “Quando você vai me ensinar a estacar ou decapitar?” Ela interrompeu, com as mãos nos quadris. “Todo o tempo é bate aqui, esquiva disso e, blá, blá, blá. Eu preciso praticar como matar um Strigoi. “ “Não, você não precisa.” Eddie era a imagem da paciência e do modo determinado, como eu conhecia tão bem. “Você não está aqui para matar Strigoi. Talvez nós possamos praticar, em um momento posterior, mas, agora, a sua prioridade é manter assassinos mortais longe de Jill. Que tem precedência sobre qualquer outra coisa, até mesmo nossas vidas.” Ele olhou para Jill para dar ênfase, e houve um flash de admiração em seus olhos quando ele olhou para ela. “Parece que a decapitação poderia matar um Moroi da mesma forma.” Angeline resmungou. “E além disso, você tinha um problema com Strigoi mês passado.” Jill se mexeu inquieta ao meu lado, e até mesmo Eddie fez uma pausa. Era verdade, ele teve que matar dois Strigoi recentemente, quando o apartamento de Adrian tinha sido de Keith. Lee Donahue levou os Strigoi para nós. Ele era um Moroi que tinha sido uma vez Strigoi. Depois que ele foi devolvido ao seu estado natural, Lee queria desesperadamente se tornar um Strigoi novamente. Ele foi o motivo que tinha aprendido que aqueles restaurados pelo espírito pareciam ter


alguma resistência Strigoi. Os dois Strigoi que ele tinha chamado para ajudá-lo tentaram convertê-lo, mas isso acabou matando-o em vez de transformá-lo, o que foi um destino melhor do que ser morto-vivo, na minha opinião. Os Strigoi tinham então se virado para o resto de nós e, inadvertidamente, revelou algo inesperado e alarmante (se não a eles, então para mim). Meu sangue não era comestível. Eles tentaram beber de mim e foram incapazes de fazê-lo. Com a confusão daquela noite, ninguém entre os Alquimistas ou Moroi havia prestado muita atenção a esse pequeno detalhe e eu estava agradecida. Eu estava com medo de que um dia destes alguém pensaria em me colocar sob um microscópio. “Isso foi um golpe de sorte.”disse Eddie finalmente. “Nem é provável que aconteça de novo. Agora observe a forma como se move a minha perna, e lembre-se que um Moroi provavelmente será mais alto do que você” Ele fez uma demonstração, e dei um rápido olhar para Jill. Seu rosto estava ilegível. Ela nunca falou sobre Lee, com quem ela havia namorado brevemente. Micah tinha tido um longo caminho para distraí-la, mas saber que o seu último namorado queria se tornar um sanguinário monstro não poderia ser uma coisa fácil de superar. Eu tinha a sensação de que ela ainda sentia a dor, mesmo que ela faça um ótimo trabalho escondendo isso. “Você é muito rígida “ disse Eddie para Angeline, depois de várias tentativas. Ela relaxou completamente seu corpo, quase como uma marionete. “Então, o que? Assim? Ele suspirou. “Não. Você precisa de alguma tensão.” Eddie moveu atrás dela e tentou guiá-la para a posição, mostrando-lhe como dobrar seus joelhos e manter os braços. Angeline aproveitou a oportunidade para se inclinar para trás para ele e roçar seu corpo sugestivamente contra o dele. Meus olhos se arregalaram. Okay. Talvez ele não estivesse imaginando coisas. “Hey!” Ele saltou para trás, um olhar de horror em seu rosto. “Preste atenção! Você precisa aprender isso.” Sua expressão era de pura inocência angelical.


“Eu estou. Eu só estou tentando usar o seu corpo para aprender o que fazer com o meu.” Ela piscou os cílios como se dissesse então me ajude. Eddie se afastou um pouco mais. Eu percebi que provavelmente deveria intervir, não importa o que Eddie tinha dito sobre a manipulação de seus próprios problemas. Um salvador ainda melhor veio quando o sinal da escola tocou. Eu pulei. “Hei, nós devemos ir, se quisermos chegar para o café da manhã a tempo. Agora mesmo. Angeline deu-me um olhar desconfiado. “Você normalmente não pula o café da manhã? “Sim, mas não sou eu que estou tendo uma manhã de trabalho duro. Além disso, você ainda precisa mudar de roupa e... espera, você está em seu uniforme? Eu nem tinha notado. Sempre que Eddie e Jill estão treinando eles usam roupas mais casuais como a que Eddie está usando agora. Angeline tinha saído hoje em um uniforme da Amberwood, saia e blusa, que foram mostrando o desgaste da batalha da manhã. “Sim, e daí?” Ela ajeitou a blusa do lado que estava manchado de sujeira. “Você deve mudar “ eu disse. “Não. Isso é bom. Eu não tinha tanta certeza, mas pelo menos era melhor que o shorts jeans. Eddie deixou-nos para colocar seu uniforme e nunca mais voltou para o café da manhã. Eu sabia que ele gostava de ter seu café, e desde que ele era um cara, ele poderia mudar suas roupas muito rapidamente. Meu palpite foi que ele estava sacrificando comida para ficar longe de Angeline. Eu ouvi meu nome ser chamado quando entramos na cafeteria e avistei Kristin Sawyer e Julia Cavendish acenando para mim. Além de Trey, elas foram as duas melhores amigas que eu tinha feito em Amberwood. Eu ainda tinha quilômetros para percorrer e ser uma pessoa social esclarecida, mas as duas me ajudaram muito. E com toda a intriga sobrenatural que o meu trabalho envolvia, havia algo de reconfortante estar perto de pessoas que eram normais... e, bem, humano. Mesmo que eu não poderia ser totalmente honesta com eles.


“Sydney, temos uma questão de moda para você.” disse Julia. Ela jogou o cabelo loiro sobre um ombro, seu sinal habitual que o que ela estava prestes a dizer era de extrema importância. “Uma questão de moda para mim?” Eu estava quase pronta para olhar para trás e ver se talvez houvesse outra Sydney atrás de mim. “Eu não acho que alguém já perguntou isso.” “Você tem roupas realmente bonitas.” Kristin insistiu. Ela tinha a pele e os cabelos escuros, como também um ar atlético que contrastava com a natureza mais feminina de Julia. “Muito bom, realmente. Se minha mãe fosse dez anos mais jovem, divertida, e tivesse muito mais dinheiro, ela se vestiria como você.” Eu não sei se isso foi um elogio ou não, mas Julia não me deu a oportunidade de refletir. “Diga, Kris. “Lembra do aconselhamento de estágio que eu queria no próximo semestre? Marquei uma entrevista.” explicou Kristin. “Eu estou tentando decidir se eu deveria usar calças e blazer ou um vestido.” Ah, isso explicava por que elas estavam vindo para mim. Uma entrevista. Qualquer outra coisa poderiam ter visto numa revista de moda. E enquanto eu podia admitir que eu provavelmente fosse a autoridade em tais assuntos práticos... Bem, eu estava um pouco desapontada que era o que eu estava convocada para fazer. “De que cor são? “O blazer é vermelho, e o vestido é azul marinho. Eu estudei Kristin, vendo suas características. Em seu pulso tinha uma cicatriz, o remanescente de uma tatuagem insidiosa que eu tinha ajudado a remover de volta quando a tatuagem que Keith começou a sair do controle. “Use o vestido. Espere...é um vestido que você usaria para a igreja ou para uma boate? “ “Igreja.” disse ela, não parecendo feliz com isso. “Vestido, com certeza.” eu disse. Kristin lançou um olhar triunfante para Júlia.


“Vê? Eu disse que isso é o que ela iria dizer. “ Julia parecia em dúvida. “O blazer é mais divertido. É vermelho brilhante. “ “Sim, mas diversão não é o que você quer retratar em uma entrevista.” eu apontei. Era difícil manter uma cara séria com suas brincadeiras. “Pelo menos não para este tipo de trabalho.” Julia ainda não parecia convencida, mas ela também não tentou dissuadir Kristin sobre os meus conselhos de moda. Alguns momentos mais tarde, Julia se animou. “Hei, é verdade que Trey quer apresentá-la a um cara? “Eu...o quê? Não. Onde você ouviu isso?” Como se eu tivesse que perguntar. Ela, sem dúvida, ouviu de Trey. “Trey disse que falou com você sobre isso.” disse Kristin. “Como esse cara é perfeito para você.” “É uma ótima idéia, Syd.” disse Julia, o rosto tão grave como se estivéssemos discutindo uma questão de vida ou morte. “Vai ser bom para você. Quero dizer, desde que a escola começou, eu tenho saído com... “ Ela fez uma pausa e, silenciosamente, contou nomes em seus dedos. “Quatro caras. Você sabe com quantos você saiu?” Ela ergueu um punho. “Essa quantidade.” “Eu não preciso sair com ninguém.” argumentei. “Eu já tenho bastante complicações. Eu tenho certeza que isso acrescentará mais.” “Que complicações?” Riu Kristin. “Suas notas incríveis, seu corpo de matar e cabelos perfeitos? Quer dizer, tudo bem, a sua família é um pouco convencional, mas todo mundo tem tempo para um encontro de vez em quando, ou muitos no caso de Julia.” “Hey.” disse Julia, embora ela não negasse a acusação. Kristin continuou fazendo-me pensar que ela era mais adequada para um estágio legal do que um aconselhamento. - Faça isso uma vez. Dê uma oportunidade para esse cara pelo menos uma vez e podemos todos sair juntos algum dia. Seria divertido. Eu dei a elas um sorriso forçado e murmurei algo não comprometedor. Todo mundo tem um tempo para um encontro agora ou depois. Todo mundo, menos eu,


é claro. Senti uma pontada surpreendente de saudade, não de um encontro, mas apenas de uma interação social. Kristin e Julia tem um grupo maior de amigos e interesses amorosos e muitas vezes me convidaram para seus passeios. Eles pensavam que minha reticência era por causa da lição de casa, ou, talvez, nenhum homem adequado para ir comigo. Eu queria que fosse simples assim, e de repente, foi como embora houvesse um enorme abismo separando-me de Kristin e Julia eu era amiga delas, e elas tinham me acolhido em suas vidas. Enquanto isso, eu estava cheia de segredos e meias verdades. Parte de mim queria que eu pudesse ser aberta com elas e capaz de confiar as desgraças da minha vida Alquimista. Parte de mim queria que eu realmente pudesse ir em um desses passeios e deixar meus deveres por uma noite. Nunca iria funcionar, é claro. Nós estaríamos fora para um filme, e eu provavelmente receberia uma mensagem para encobrir um assassinato Strigoi. Este estado de espírito não era incomum para mim, e começou a clarear quando comecei o meu dia na escola. Eu entrei no ritmo da minha agenda, confortável em sua familiaridade. Os professores sempre atribuíam mais trabalho nos fins de semana, e estava agradecida que pude terminar tudo no fim de semana, na viagem de avião. Infelizmente, a minha última aula do dia descarrilou todo o progresso do meu humor. Na verdade aula não era a palavra certa. Foi um estudo independente que eu tinha com a minha professora de história, a Sra. Terwilliger. Sra. Terwilliger tinha recentemente se revelado ser uma usuária mágica, uma espécie de bruxa ou o que as pessoas se referiram como bruxa. Alquimistas tinham ouvido rumores sobre eles, mas não era nada que tinha muita experiência ou fatos. Para nosso conhecimento, só Moroi exercia magia. Nós utilizávamos em nossa tatuagem de lírio (que tinha bastante quantidade de sangue vampiro), mas o pensamento dos seres humanos produzirem da mesma forma era louco e retorcido. Foi por isso que foi uma surpresa quando a Sra. Terwilliger não só revelouse a mim no mês passado, mas também acabou por me enganar me fazendo usar um feitiço. Ele me deixou chocada e me sentindo suja. Magia não era para os


seres humanos usarem. Nós não tínhamos o direito de manipular o mundo assim, que era cem vezes pior do que o que Sonya havia feito com o lírio vermelho na rua. Sra. Terwilliger insistiu que eu tinha uma afinidade natural para a magia e se ofereceu para me treinar. Por que ela queria isso, exatamente, eu não tinha certeza. Ela tinha falado sobre o potencial que eu tinha, mas eu mal podia acreditar que ela gostaria de me treinar sem uma razão própria. Eu não tinha entendido o que poderia ser, mas isso não importava. Eu recusei a oferta. Então, ela encontrou uma forma de contornar. “Srta. Melbourne, quanto tempo você acha que ainda estará trabalhando no livro de Kimbal?” ela perguntou de sua mesa. Trey tinha pego "Melbourne" dela, mas ao contrário dele, ela parecia constantemente esquecer que não era o meu nome real. Ela estava na casa dos quarenta anos, com cabelos castanhos e um perpétuo brilho de astúcia em seus olhos. Olhei para cima do meu trabalho, forçando polidez. ‘Dois dias mais. Três no máximo. “ “Certifique-se de traduzir os três feitiços do sono.” disse ela. “Cada um tem suas nuances próprias.” “Há quatro feitiços de sono neste livro.” eu corrigi. “Sério? “ ela perguntou inocentemente. “Estou contente de ver que eles estão fazendo uma boa impressão.” Escondi uma carranca. Voltei a traduzir os feitiços do livro para a pesquisa da forma como ela havia me ensinado. Eu não poderia ajudar, mas eu aprendia os textos que eu lia. Eu odiava que eu tinha sido enganada, mas já era tarde demais no ano letivo para transferir de aula. Além disso, eu mal podia me queixar à administração que eu era forçada a aprender magia. Então, eu copiava os feitiços do livro e falava o mínimo possível durante o nosso tempo juntas. Enquanto isso, eu fervia com ressentimento. Ela era bem ciente do meu desconforto, mas não fez nenhuma tentativa de aliviar a tensão, deixando-nos em um impasse. Só uma coisa animou as sessões. “Olhe para isso. Tem sido quase duas horas desde o meu último cappuccino. É uma maravilha que pode funcionar. Você seria gentil o suficiente para correr


para Spencer? Que deve terminar com o nosso dia.” O último sinal tinha tocado há quinze minutos, mas eu estava fazendo algumas horas extras. Eu já estava fechando o livro de feitiços antes que ela terminasse de falar. Quando eu tinha começado como sua assistente, eu ressentia com os recados constantes. Agora, eu ansiava por um escape. Sem mencionar minha própria dose de cafeína. Quando cheguei ao café, encontrei Trey que estava apenas começando seu turno, o que era bom, e não apenas porque ele era um cara amigável, mas porque significava descontos. Ele começou a fazer o meu pedido antes mesmo de eu pedir uma vez que ele sabia de cor. Outro barista se ofereceu para ajudar, e Trey lhe deu instruções minuciosas sobre o que fazer. “Leite com baunilha magro.” disse Trey, agarrando o caramelo para o Cappuccino da Sra. Terwilliger. “Isso é sem açúcar e xarope de adoçar. Não mexa. Ela pode farejar açúcar e leite de 2% de uma milha de distância.” Eu reprimi um sorriso. Talvez eu não pudesse revelar segredos dos alquimistas aos meus amigos, mas foi bom saber que pelo menos sabia minhas preferências de café de trás para frente. O outro barista, que parecia ter a nossa idade, deu uma olhada para Trey. “Estou bem ciente do que significa magro.” “Bom, atenção aos detalhes. “ Eu provoquei Trey. “Eu não sabia que você se importava.” “Hei, eu vivo para servir.” disse ele. “Além disso, eu preciso da sua ajuda esta noite com o trabalho escrito do laboratório de química. Você sempre encontra coisas que eu perco. “ “Isso é para amanhã.” eu disse. “Você teve duas semanas. Eu estou supondo que você não fez muito em sua sessão de chefe de torcidas.” “Sim, sim. Vai me ajudar? Irei para o seu campus.” “Estará tarde para um grupo de estudos...um de verdade.” Pessoas do sexo oposto são proibidas em nosso dormitório depois de uma determinada hora. “Eu


poderia encontrá-lo no Campus Central depois, se quiser.” “Quantos campus tem na sua escola?” perguntou ao outro barista, que está colocando o café em frente a mim. “Três. “ Estiquei a mão ansiosa para pegar o café. “Como Gália.” “Como o quê? “ Perguntou Trey. “Desculpe.” eu disse. “Piada Latina. “Omnia Galia em contraditório tres divisa est.” disse o barista. Eu levantei minha cabeça. Não havia muito que podia me distrair de meu café, mas ouvir citarem Julio César na Spencer certamente faria. “Você sabe latim?” Eu perguntei. “Claro.” ele disse. “Quem não sabe?” Trey revirou seus olhos. “Só o resto do mundo. “ele murmurou. “Especialmente latim clássico.” continuou o barista. “Quero dizer, é muito corretivas em relação ao latim medieval.” “Obviamente.” eu disse. “Todo mundo sabe disso. Todas as regras tornaramse caóticas na descentralização pós-Império.” Ele assentiu com a cabeça. “Embora, se você compará-la com as línguas românicas, as regras começam a fazer sentido quando você lê-los como parte de um amplo quadro da evolução da linguagem. “ “Isso.” interrompeu Trey. “ é a coisa mais confusa que eu já vi. E o mais bonito. Sydney, este é Brayden. Brayden, Sydney.” Trey raramente usou o meu nome em primeiro lugar, de modo que foi estranho, mas não tão estranho quanto a piscadela exagerada que ele me deu. Apertei a mão do Brayden. “Prazer em conhecê-lo. “Você também.” disse ele. “Você é uma fã de clássicos, hein?” Ele fez uma pausa, dando-me um olhar longo, considerando. “Você viu a produção do Grupo de Teatro do Parque de Antônio e Cleópatra neste verão? “ “N��o. Nem sabia que tinha.” De repente, me senti um pouco tonta por não ter ficado sabendo disso, como se eu deveria estar por cima de todos os eventos


artísticos e culturais da região de Palm Springs. Eu acrescentei à guisa de explicação: “Eu só mudei para cá há um mês.” “Creio que ainda tenha algumas apresentações da temporada.” Brayden hesitou mais uma vez. “Eu veria novamente, se você quiser ir. Embora deva avisá-la. É uma daquelas produções reinterpretadas de Shakespeare. Roupas modernas.” “Eu não me importo. Esse tipo de reinterpretação é o que faz Shakespeare atemporal.” As palavras rolaram automaticamente fora de meus lábios. Como eles fizeram, de repente eu tive um daqueles momentos de epifania onde eu percebi que havia mais coisas do que eu pensava inicialmente. Eu repassei as palavras de Brayden. Entre isso e o sorriso enorme de Trey, eu logo tive uma realização surpreendente. Este é o cara que Trey havia me falado. Minha "alma gêmea." E ele estava me convidando para sair. “Esta é uma grande ideia.” disse Trey. “Vocês, crianças, devem totalmente ir ver essa obra. Será um grande dia. Saiam para jantar ou ir a uma biblioteca ou qualquer coisa que os faça se divertir.” Brayden encontrou meus olhos. Eles eram castanhos, quase como Eddie, mas com um pouco de verde. Não tão verde como o de Adrian, é claro. Ninguém teria os olhos tão surpreendentemente verdes. O cabelo castanho de Brayden ocasionalmente pegava reflexos de ouro na luz e foi cortado de uma forma sem sentido que mostrava os ângulos de suas maçãs do rosto. Eu tinha que admitir, ele era muito bonito. “Eles apresentam de quinta-feira a domingo.” disse ele.

“Eu tenho um

torneio de debate no fim de semana... poderíamos fazer isso na noite de quintafeira?” “Eu ...” Eu poderia? Não havia nada planejado, até onde eu sabia. Cerca de duas vezes por semana, eu levava Jill para a casa de Clarence Donahue, um Moroi de idade que tinha um alimentador. Quinta-feira não era uma noite de alimentação programada, e tecnicamente eu não era obrigada a ir para as noites de experiência. “É claro que ela está livre.” Trey disse antes que eu pudesse responder. “Certo, Sydney?”


“Sim” eu disse, atirando-lhe um olhar. “Eu estou livre.” Brayden sorriu. Eu sorri de volta. Um nervoso silêncio se instalou. Ele parecia tão inseguro quanto eu era sobre como prosseguir. Eu teria pensado que era bonito, se eu não estivesse tão preocupada que eu parecia ridícula. Trey lhe deu uma cotovelada bruscamente. “Esta é a parte onde você pede o seu número.” Brayden assentiu, embora ele não parecia ter apreciado a cotovelada. “Certo, certo.” Ele puxou um telefone celular do seu bolso. “É Sydney com um y ou com i? Trey revirou seus olhos. “O quê? Eu estou supondo que é o primeiro, mas como convenções de nomenclatura se tornam cada vez mais não-tradicional, você nunca sabe. Eu só quero saber a verdade no meu telefone. “Eu teria feito a mesma coisa.” eu concordei. Eu então disse a ele meu número de telefone. Ele olhou para cima e sorriu para mim. “Ótimo. Eu estou esperando por isso. “Eu também.” eu disse, séria. Deixei Spencer nas nuvens. Eu tinha um encontro. Como na terra que eu tinha um encontro? Trey correu para mim alguns momentos mais tarde, pegando-me quando eu estava abrindo meu carro. Ele usava seu avental barista. “Bem.” ele perguntou. “Eu estava certo, ou eu estava certo? “Sobre o quê?” Eu perguntei, mas eu tinha a sensação de que eu sabia o que estava por vir. “Sobre Brayden ser sua alma gêmea. “Eu te disse... “Eu sei, eu sei. Você não acredita em almas gêmeas. Ainda.” ele sorriu. “Se o cara não é perfeito para você, então eu não sei quem é. “ “Bem, veremos.” coloquei o copo da Sra. Terwilliger em cima do carro, para que eu pudesse beber do meu. “É claro que ele não gostar da apresentação


moderna de Shakespeare pode ser um ponto contra.” Trey me olhou com incredulidade. “Sério?” “Não. “ eu disse, dando-lhe um olhar. “Eu estou brincando. Bem, talvez.” O café que Brayden me fez estava muito bom, então eu estava dando-lhe o benefício da dúvida sobre a coisa de Shakespeare. “Por que você se importa tanto sobre a minha vida romântica de qualquer maneira?” Trey encolheu os ombros e enfiou as mãos nos bolsos. Já, as gotas de suor se formando em sua pele bronzeada do sol da tarde. “Eu não sei. Eu acho que eu sinto como se eu devo a você por tudo o que você fez sobre as tatuagens. Isso e com toda a sua ajuda na lição de casa. “ “Você realmente não precisa da minha ajuda com isso. E as tatuagens...” Eu fiz uma careta, como uma imagem de Keith batendo no vidro passou pela minha mente. Keith e o sangue de vampiro que resultou em alta indução de tatuagens que tinha causado estragos em Amberwood. Trey, é claro, não sabia sobre o meu interesse pessoal no assunto. Ele só sabia que eu tinha me livrado daqueles que estavam usando as tatuagens de vantagem injusta no esporte. - Eu fiz isso porque era a coisa certa a fazer. Isso o fez sorrir. “É claro. Ainda me salvou de um monte de tristeza com o meu pai.” “Espero que sim. Você não tem nenhuma concorrência na equipe agora. O que mais poderia querer o seu pai? “ “Oh, sempre há outra coisa que ele acha que eu poderia ser o melhor. Não é apenas o futebol.” Trey tinha sugerido antes. “Eu sei o que é isso.” disse eu, pensando em meu próprio pai. Um momento de silêncio caiu entre nós. “Não ajuda que o meu primo perfeito está vindo para a cidade em breve.” disse ele finalmente. “Faz tudo o que faço parecer completamente idiota. Você tem um primo assim?” “Er, não realmente.” A maioria dos meus primos estavam do lado da minha mãe, e meu pai tende a se afastar de sua família.


“Você provavelmente é o primo perfeito.” Trey resmungou. “De qualquer forma, sim, lá está sempre essas expectativas na família... sempre estes testes. Futebol me deu alguma respeitabilidade agora.” Ele piscou para mim. “Isso e minha nota incrível em química.” Esse último comentário não pude deixar passar. “Tudo bem. Te mandarei uma mensagem quando eu voltar hoje à noite. Vamos fazer isso acontecer. “ “Obrigado. E eu vou ter uma conversa com Brayden para que ele não tente nada na quinta-feira. “ Minha mente estava ainda em Shakespeare. “Tentar o que? “ Trey balançou a cabeça. “Honestamente, Melbourne, eu não sei como você sobreviveu tanto tempo no mundo sem mim. “ “Oh.” eu disse, corando. “Isso.” Grande. Agora eu tinha algo a mais para me preocupar. Trey zombou. “Entre você e eu, Brayden é provavelmente o último cara no mundo que você tem que se preocupar. Eu acho que ele é tão ignorante quanto você. Sua virtude não me preocupa tanto, eu provavelmente vou lhe dar uma palestra sobre como tentar alguma coisa. “Bem, obrigado por manter meus melhores interesses no coração.” eu disse secamente. “Eu sempre quis ter um irmão para cuidar de mim.” Ele me estudou com curiosidade. “Você não tem, tipo, três irmãos?” Oh, não. “Er, eu quis dizer no sentido figurado.” Eu tentei não entrar em pânico. Eu raramente escorrego na nossa história. Eddie, Adrian, e Keith tinham se passado como meus irmãos em algum ponto. “Nenhum deles realmente se preocupa com a minha vida amorosa. O que eu estou preocupada, no entanto, é entrar num lugar com ar condicionado.” Eu abri a porta do carro, e uma onda de calor saiu para


fora. “Vou falar com você hoje à noite e ajudá-lo com o laboratório. Trey balançou a cabeça, parecendo que ele queria voltar para dentro. “Vou ajudá-la se você tiver mais perguntas sobre o namoro.” Eu esperava que meu olhar mordaz dissesse a ele a minha opinião sobre isso, mas uma vez que ele foi embora e eu estava explodindo com o condicionamento de ar do carro, minha arrogância se foi. A ansiedade tomou seu lugar. A pergunta que eu me perguntei anteriormente repetida na minha cabeça. Como na terra eu iria sair viva deste encontro?


Capítulo 5 O assunto sobre meu encontro se espalhou rapidamente. Eu só podia presumir queTrey contou para Kristin e Julia, que havia por sua vez dito para Jill e Eddie e só Deus sabia para quem mais... Então, eu não deveria ter ficado surpresa quando recebi uma ligação de Adrian logo após o jantar. Ele começou a falar antes que eu pudesse dizer olá. “Sério, Sage? Um encontro?” Eu suspirei. “Sim, Adrian. Um encontro.” “Um encontro real. Não, tipo, fazendo lição de casa juntos.” acrescentou. “Eu quero dizer, como onde você sai para um filme ou algo assim. E um filme que não faz parte de um trabalho escolar. Ou sobre algo chato.” “Um encontro real.” Eu percebi que eu não daria a ele os detalhes sobre a peça de Shakespeare. “Qual o nome do sortudo?” “Brayden.” Houve uma pausa. “Brayden? Esse é o seu verdadeiro nome? “Por que você está perguntando se tudo é verdade? Você acha que eu ia inventar isso tudo?” “Não, não.” Adrian me assegurou. “Isso é o que é tão incrível sobre isso. Ele é bonito? “ Olhei para o relógio. Era hora de eu cumprir o meu grupo de estudo. “Puxa, talvez eu deveria apenas enviar uma foto?” “Sim, por favor. E uma verificação completa de sua vida.” “Eu tenho que ir. Por que você se importa tanto assim?” Eu finalmente perguntei, exasperada. Sua resposta levou um longo tempo, o que era incomum. Adrian usualmente estava pronto com uma dúzia de gracejos espirituosos.


Talvez ele não poderia decidir qual usar. Quando ele finalmente respondeu, na sua usual maneira sarcástica, soou um pouco forçada. “Porque é uma daquelas coisas que eu nunca esperava ver na minha vida.” ele me disse. “Como um cometa. Ou a paz mundial. Só pensei em você como alguém solteira.” Por alguma razão, isso me incomodou. “O que, você não acha que qualquer cara jamais seria interessado em mim?” “De fato.” disse Adrian, soando extremamente sério "eu posso imaginar muitos caras sendo interessados em você." Eu estava certa de que ele estava me provocando e eu não tinha tempo para suas piadas. Eu disse adeus e fui para o meu grupo de estudo, que agradecidamente, foi muito dedicado e tinha um monte de trabalho. Mas quando eu me encontrei com Trey na biblioteca mais tarde, ele estava menos concentrado. Ele não conseguia parar de falar de como ele era brilhante sobre eu e Brayden juntos. "Este encontro ainda nem aconteceu, e eu já estou cansada disso." eu disse. Eu abri os papéis de Trey sobre a mesa em nossa frente. Os números e fórmulas eram muito mais concretos e ordenados do que os mistérios da interação social. "Preste atenção. Não temos muito tempo." Ele deu de ombros fora de minhas preocupações. "Você não pode simplesmente acabar?" "Não! Eu deixei tempo suficiente para que você possa fazê-lo sozinho. Eu ajudo, mas é isso." Trey foi inteligente o suficiente para descobrir a maior parte por conta própria. Pedir minha ajuda era apenas mais uma forma para ele se esquivar de parecer inteligente. Ele deixou o encontro passar e focou no trabalho. Eu pensei que estava livre do interrogatório sobre Brayden até que assim que estávamos acabando Jill e Micah vieram. Eles estavam com um grupo de outras pessoas, o que não me surpreende.


Micah estava descontraído e popular, e Jill tinha herdado um grande círculo de amigos por sair com ele. Seus olhos brilhavam de felicidade quando alguém no grupo contou uma história engraçada que fez ela rir. Eu não poderia evitar sorrir para mim mesma. Isso estava longe de ser como quando Jill chegara a Amberwood

e foi

tratada

como uma

pária

para

olhares

incomuns

e

comportamentos estranhos. Ela estava prosperando com este novo status social. Talvez fosse ajudá-la a abraçar o seu contexto social. Meu sorriso desapareceu quando Jill puxou Micah para longe do grupo e correu para a nossa mesa. Sua expressão ansiosa me preocupava. "É verdade", ela perguntou. "Você tem um encontro?" "Pelo amor você sabe que é verdade! E você disse ao Adrian, não é?" Eu dei-lhe um olhar penetrante. Seu vínculo psíquico não era ativo 100 por cento do tempo, mas algo me dizia que ela sabia sobre o seu telefonema mais cedo. Quando a ligação 'funcionava' ela podia ver em sua mente, observando os seus sentimentos e ações. Isso só funcionava por um lado, no entanto. Adrian não tinha tais ações. Ela virou-se envergonhada. "É ... eu não pude evitar quando Micah me disse..." "Eu ouvi de Eddie," Micah acrescentou rapidamente, como se isso pudesse tirá-lo de encrencas. Ele tinha cabelos ruivos e olhos azuis que eram sempre alegres e amigável. Ele era uma daquelas pessoas que você não conseguia deixar de gostar o que tornava difícil de desfazer o emaranhado que Jill havia feito por sair com ele. "Hei, eu não disse ao Eddie" disse Trey defensivamente. Virei o meu olhar sobre ele. "Mas você disse para outras pessoas. E eles disseram ao Eddie." Trey deu de ombros. "Eu poderia ter mencionado aqui e ali." "Inacreditável", eu disse. "O que esse cara gosta?" Perguntou Jill. "Ele é bonito?" Eu pensei sobre isso. "Muito bonito."


Ela se animou. "Bem, o que está prometendo. Onde é que ele está levando você? Em algum lugar bom? Noite na cidade? Jantar chique? Micah e eu passamos por um lugar em Salton. É tão bonito. Você pode ir lá, fazer um piquenique romântico." Suas bochechas ficaram rosa e ela parou para respirar, como se percebendo que ela estava falando demais. Divagar era um dos traços mais cativantes da Jill. "Nós estamos indo para ver Shakespeare no parque", disse eu. Isso me silenciou. "Antônio e Cleópatra. É bom." De repente, senti a necessidade de me defender. "Um clássico. Brayden e eu apreciamos Shakespeare." "Seu nome é Brayden?", perguntou Micah em descrença. "Que tipo de nome é esse?" Jill franziu a testa. "Antônio e Cleópatra... é romântico?" "Algo assim", eu disse. "Por um tempo. Então, todo mundo morre no final." A expressão horrorizada de Jill me disse que eu realmente não estava melhorando as coisas. "Bem", disse ela. "Eu espero que você, um, se divirta." Alguns momentos de estranheza se seguiram, em seguida, seus olhos se iluminaram novamente. "Oh! Lia ligou para mim esta noite ela disse que vocês duas conversaram sobre eu poder modelar para ela de novo?" "Ela o quê?" Eu exclamei. "Isso não é bem como eu iria colocá-lo. Ela perguntou se você poderia fazer alguns anúncios impressos. Eu disse que não." "Ah." O rosto de Jill caiu um pouco. "Eu entendo. Pelo que ela disse... Eu só pensei. Bem. Eu pensei que talvez houvesse uma maneira ..." Eu dei-lhe um olhar significativo. "Sinto muito, Jill. Gostaria que houvesse um jeito. Mas você sabe por que você não pode." Ela assentiu com a cabeça, tristemente. "Eu entendo. Está tudo bem." "Você não precisa de uma campanha de modelagem para ser bonita para


mim", disse Micah galantemente. Isso trouxe um sorriso de volta ao rosto de Jill que desapareceu quando viu um relógio próximo. Seu humor transitório me lembrou de Adrian, e me perguntei se era efeito do vínculo. "Ugh. Toque de recolher está vindo. É melhor ir para fora. Você vem, Sydney?" Olhei para o trabalho de Trey. Ele estava completo e, eu sabia absolutamente perfeito. "Em alguns minutos." Ela e Micah saíram. Olhando para Trey, fiquei surpresa de encontrá-lo olhando para Jill. Lhe dei uma cotovelada. "Hey. Não se esqueça de colocar seu nome nisso ou terá sido por nada." Ele levou vários segundos para arrastar o olhar. "Essa é a sua irmã, não é?" Seu tom sombrio fez soar mais como uma afirmação do que uma pergunta, como se estivesse revelando um fato lamentável. "Hum, sim. Você a viu uma centena de vezes. Ela foi para a escola por um mês." Ele franziu a testa. "Eu nunca pensei muito sobre isso... nunca dei uma boa olhada nela antes. Eu não tenho aulas com ela." "Ela estava na frente no desfile de moda." "Ela tinha uma máscara." Seus olhos escuros me estudaram. "Vocês não se parecem em nada." "Sim nós parecemos." Trey parecia perturbado, e eu não tinha idéia do motivo. "Você é inteligente para mantê-la fora da modelagem", disse ele, por fim. "Ela é muito jovem." "É uma coisa religiosa," eu disse, sabendo que Trey não ia perguntar por muitos detalhes sobre a nossa ‘fé’. "Qualquer que seja mantenha ela longe dos olhos do público." Ele rabiscou seu nome no relatório e fechou o livro. "Você não quer ela estampada em revistas


ou algo assim. Há muitas pessoas assustadoras lá fora." Agora eu era a única que havia deixado de olhar. Eu concordei com ele. Demasiada exposição significava que poderiam encontrar Jill. Mas por que Trey se sente assim também? As alegações de que ela era muito jovem eram sólidas, mas havia algo vagamente inquietante sobre isso. A maneira como ele tinha a visto ir embora foi muito estranho. Mas, então, que outro motivo além da preocupação poderia ele ter? A normalidade do próximo par de dias foi bem vinda, normalidade sendo relativa por aqui, é claro. Adrian continuou me mandando e-mails, me pedindo para resgatá-lo (enquanto também oferecia conselhos de namoro não solicitados). A Sra. Terwilliger continuou suas tentativas agressivas para me ensinar magia. Eddie continuou em sua dedicação feroz para Jill. E Angeline continuou seu avanço não tão sutil sobre Eddie. Depois de assistir a ela ‘acidentalmente’ derrubar sua garrafa de água sobre sua camiseta branca em prática com ele um dia, eu sabia que algo teria de ser feito, não importa o que Eddie tinha dito sobre sua vida pessoal. Como tantas tarefas difíceis e desagradáveis em nossa corte, eu tinha a sensação de que eu era a única que teria que fazê-lo. Imaginei que isso seria uma conversa, de coração para coração, de falar sobre a maneira correta de solicitar a atenção de alguém, mas na noite do meu encontro com Brayden, foi logo claro para mim que eu era, aparentemente, a última pessoa que deveria estar dando conselhos sobre namoro. "Você está usando isso?" Exigiu Kristin, apontando um dedo acusador para a roupa que eu perfeitamente havia colocado na minha cama. Ela e Julia tinham se encarregado de me inspecionar antes de sair. Jill e Angeline haviam aparecido sem que eu tivesse convidado, e eu não pude deixar de notar que todos pareciam muito mais animados com isso do que eu. Principalmente porque eu era um emaranhado de nervos e medo. Isso era o que se devia sentir quando ia para um teste sem ter estudado. Foi uma experiência nova para mim. "Não é um uniforme escolar", eu disse. Eu tive o bom senso de saber que usar isso seria inaceitável. "E é uma cor. Mais ou menos."


Julia levantou o top que eu tinha selecionado, uma blusa de algodão com mangas curtas e botões na altura do pescoço. A coisa toda foi um tom suave de amarela, que eu pensei que iria me marcar pontos com este grupo desde que todos me acusam de não usar cores. Eu mesma combinei com um par de jeans. Ela balançou a cabeça. "Este é o tipo de camisa que diz: Você nunca conseguirá tocar aqui. “ "Bem, por que não?" Eu exigi. Kristin, sentada de pernas cruzadas na minha cadeira, inclinou a cabeça pensativamente enquanto estudava a camisa. "Eu acho que é mais como uma camisa que diz, 'eu vou ter que acabar com esse encontro rápido para que eu possa ir preparar a minha apresentação em Power Point ". Isso as fez rir. Eu estava prestes a protestar quando notei Jill e Angeline mexendo em meu armário. "Hei! Talvez você devesse perguntar antes de fazer isso." "Todos os seus vestidos são muito sérios", disse Jill. Ela puxou um casaco de cashmere, cinza suave. "Quer dizer, pelo menos, este é sem mangas, mas ainda é demais para este tempo." "Metade do meu guarda-roupa é," eu disse. "É feito para as quatro estações. Eu realmente não tive muito tempo para mudar para as coisas de verão antes de vir para cá." "Vê?", Exclamou Angeline triunfante. "Agora você sabe o meu problema. Eu posso cortar alguns centímetros fora se você quiser." "Não!" Para meu alívio, Jill colocou o vestido longe. Alguns momentos depois, ela teve uma nova descoberta. "O que acha desse?" Ela levantou um cabide carregando um top branco longo com um decote. Kristin olhou para Angeline. "Acha que você poderia fazer o decote mais baixo?" "O decote já está suficientemente baixo. E isso não é uma camisa que você usa sozinha," eu protestei. "Era para ser usado com um blazer."


Julia se levantou da cadeira. Ela jogou o cabelo, o que era um negócio sério. "Não, não... isso pode funcionar." Ela pegou a camisa da mão de Jill e colocou junto com o jeans que eu havia escolhido. Ela estudou-o por alguns instantes e depois voltou para o meu armário, que era aparentemente entrada livre para todos. Depois de uma rápida pesquisa, ela puxou para fora um cinto de couro magro com um padrão de pele de cobra bronzeado. "Creio que me lembro de você usando isso" Ela colocou o cinto sobre a camisa branca e deu um passo atrás. Após analisar mais um pouco, ela deu-lhe um aceno de aprovação. As outras se reuniram para olhar. "Olho bom", disse Kristin. "Ei, eu encontrei a camisa", Jill lembrou. "Eu não posso vestir a camisa sozinha", eu disse. Eu esperava que meus protestos encobririam a minha ansiedade. Eu realmente tinha deixado de fora a camisa amarela? Eu estava certa de que era apropriada. Como eu estava indo para sobreviver esta noite, se eu não podia nem me vestir bem? "Se você quiser colocar um blazer por cima, pode por", disse Julia. "Mas eu não acho que você tem que se preocupar com isso mostrando demais. Este nem sequer vale um aviso da Sra. Weathers ." "Muito menos a blusa amarela," eu disse. Elas decidiram que minha roupa estava bem e então passaram para meu cabelo e maquiagem. Eu desenhei a linha lá. Eu usava maquiagem todos os dias, uma muito boa, uma maquiagem muito cara aplicada para fazer o máximo dos meus recursos de uma forma que fez parecer como se eu nem sequer tivesse maquiagem. Eu não ia mudar esse aspecto natural, não importa quão veementemente Julia jurou que a sombra rosa seria ‘quente’. Nenhuma delas falaram muito do meu cabelo. Ele estava em um corte em camadas que ia até os meus ombros. Havia exatamente uma maneira que ele podia ser utilizado, solto, ajeitado com o secador. Qualquer outro estilo parecia confuso, e, claro, eu já tinha a configuração perfeita hoje. Nada de mexer com uma coisa boa. Além disso, eu acho que elas estavam todas muito animadas que eu tinha


concordado em vestir a camiseta branca, uma vez que eu verifiquei que não era transparente. A única jóia que usei era minha cruz de ouro. Eu prendi-a ao redor do meu pescoço e disse uma oração silenciosa para passar por isso. Embora os Alquimistas utilizem muito as cruzes não eram exatamente parte de qualquer fé cristã tradicional ou prática. Tivemos nossos próprios serviços religiosos e acreditamos em Deus, que Ele era uma grande força de bondade e luz que infundiu cada pedaço do universo. Com toda essa responsabilidade, Ele provavelmente não vai se importar muito sobre uma menina que vai a um encontro, mas talvez Ele poderia poupar um segundo para se certificar de que não era muito doloroso. Todas desceram as escadas comigo quando chegou a hora de Brayden para me pegar. (Na verdade, era um pouco mais cedo do que a hora marcada, mas eu odiava ser tarde.) As meninas tinham cada uma suas razões para conhecê-lo, para Jill "É uma coisa de família" para Kristin “posso identificar um idiota em cinco segundos. " Eu não estava confiante no último, já que ela uma vez especulou que Keith podia ser um bom partido. Todas também estavam cheias de conselhos não solicitados. "Você pode dividir o custo do jantar ou a peça", disse Julia. "Não pode ser. Ele precisa pagar uma delas completamente." "É melhor se ele paga por tudo, embora," disse Kristin. "Ainda peça algo, mesmo se você não quer comê-lo", acrescentou Jill. "Se ele comprar o jantar, você não quer deixar que saia barato. Ele tem que trabalhar com você." "Onde é que vocês estão aprendendo tudo isso?" Eu perguntei. "O que importa se eu..oh, vamos lá." Nós tínhamos chegado ao saguão e encontramos Eddie e Micah sentados em um banco juntos. Eles pelo menos tiveram a decência de parecerem embaraçados. "Não, vocês também", disse. "Eu estava aqui para ver Jill", disse Micah pouco convincente.


"E eu estava aqui para, hum..." Eddie vacilou, e eu levantei a mão para detêlo. "Não se incomode. Honestamente, estou surpresa que Trey não está aqui com uma câmera ou algo assim. Eu imaginei que ele iria querer eternizar cada momento dessa derrocada de a - oh. Hei, aqui." Eu coloquei um sorriso quando Brayden apareceu nos degraus do lobby. Aparentemente eu não era a única que gostava de chegar cedo. Brayden parecia um pouco surpreso de que eu tinha uma comitiva. Eu não podia culpá-lo desde que eu tive uma espécie de surpresa também. "É bom conhecer todos vocês", disse Brayden, amigável, mesmo se um pouco confuso. Eddie, enquanto desconfortável com os avanços de Angeline, poderia se desenvolver perfeitamente em bizarras situações sociais. Ele desempenhou o papel fraterno e apertou a mão do Brayden. "Ouvi dizer que vocês estão vendo uma obra esta noite." "Sim", disse Brayden. "Embora, eu prefira o término do drama. Eu já vi essa produção antes, mas eu gostaria de vê-lo novamente com um olho para formas alternativas de análise dramática. O método padrão Freytag pode virar um clichê depois de um tempo." Isso deixou todos sem palavras. Ou talvez eles estivessem apenas tentando descobrir o que ele disse. Eddie olhou para mim depois de volta para Brayden. "Bem. Algo me diz que vocês vão ter um ótimo tempo juntos." Uma vez que fomos capazes de sair de lá Brayden disse: "Você tem muitos... familiares e amigos devotados." "Oh," eu disse. "Isso. Eles apenas, uh, aconteceu de todos estarem saindo ao mesmo tempo. Para estudar." Brayden olhou para o relógio. "Não é muito tarde para isso, eu acho. Se eu puder, eu sempre faço meu dever de casa depois da escola porque..." "Se você deixar para depois, você nunca sabe se algo inesperado pode acontecer?"


"Exatamente", disse ele. Ele sorriu para mim. Eu sorri de volta. Eu o segui para o estacionamento de visitantes, ao longo de um brilhante e prata Ford Mustang. Eu quase desmaiei. Imediatamente, eu cheguei e passei a mão ao longo da superfície lisa do carro. “Legal”, eu disse. “Marca nova, modelo do próximo ano. Estes novos nunca conseguem ter o caráter dos clássicos, mas certamente compensa na economia de combustível e segurança." Brayden olhou agradavelmente surpreendido. "Você sabe sobre carros." "É um hobby," eu admiti. "Minha mãe realmente os ama." Quando eu conheci Rose Hathaway, que eu tive a incrível experiência de dirigir um Citroen 1972. Agora eu tinha um Subaru chamado Latte. Eu adorei, mas não era exatamente glamouroso. "São obras de arte e engenharia." Percebi, então, que Brayden tinha vindo comigo para o lado do passageiro. Por meio segundo, eu pensei que ele esperava que eu fosse dirigir. Talvez porque eu gostava tanto de carros? Mas então, ele abriu a porta e eu percebi que ele estava me esperando entrar, e fiquei tentando lembrar a última vez que um cara tinha aberto a porta do carro para mim. Minha conclusão: nunca. O jantar não foi fast food, mas não foi nada de fantasia também. Gostaria de saber qual seria a opinião de Julia e Kristin sobre isso. Nós comemos em um tipo de café, que serviu sanduíches e saladas orgânicas. Cada item do menu parecia ter abacate. "Eu teria a levado a algum lugar mais agradável," ele me disse. "Mas eu não queria correr o risco de chegar atrasado. O parque está a poucos quarteirões de distância, por isso, devemos ser capazes de obter um bom lugar. Eu ... Eu espero que tudo bem?" De repente, ele parecia nervoso. Era um contraste com a confiança que ele tinha mostrado quando se falava de Shakespeare. Eu tinha que admitir, era animador. Eu me vi relaxar um pouco. "Se não é, eu encontro um lugar melhor"


"Não, isso é ótimo", eu disse a ele, olhando ao redor da sala do café de jantar iluminado. Foi um daqueles lugares onde temos pedidos em um balcão e depois trouxe um número para nossa mesa. "Eu prefiro ser precoce, de qualquer maneira." Ele tinha pagado toda a nossa comida. Eu tentei fazer como as regras de namoro que meus amigos me bombardearam. "Quanto eu lhe devo? " Eu perguntei timidamente. Brayden pareceu surpreso. "Nada. É por minha conta." Ele sorriu timidamente de volta. "Obrigada", eu disse. Então, ele estava pagando. Isso faria Kristin feliz, embora me deixasse um pouco desconfortável, não por culpa dele. Com os Alquimistas, eu estava sempre pagando as contas e manejando os documentos. Eu não estava acostumada a outra pessoa a fazê-lo. Acho que teria problemas sacudindo aquela sensação de que eu tinha que cuidar de tudo porque ninguém mais poderia fazê-lo direito. Acadêmicos sempre foi uma brisa para mim. Mas em Amberwood, aprender a sair com pessoas da minha idade de uma forma normal tinha sido uma difícil tarefa. Eu tinha melhorado, mas foi uma luta tentando descobrir as coisas certas para dizer aos meus colegas. Com Brayden, não havia nenhum destes problemas. Tivemos uma fonte infinita de temas, tanto de nós ansiosos para colocar diante tudo o que sabíamos sobre qualquer coisa. A maior parte do tempo era gasto discutindo os meandros do processo de certificação orgânica. Foi muito legal. O problema veio quando, como nós estávamos terminando, Brayden perguntou se eu queria sobremesa antes de sairmos. Eu congelei, de repente, em um dilema. Jill tinha dito para me certificar de que pedi o suficiente para não se deparar como um encontro barato. Sem nem mesmo pensar sobre isso, eu tinha pedido uma salada barata, simplesmente porque soava bem. Eu estava agora pensando se eu deveria pedir mais, pois assim parecia um alguém com quem Brayden tivesse que trabalhar? Isso valia quebrar as minhas próprias regras sobre o açúcar e sobremesa? E, honestamente, o que Jill sabe sobre etiqueta de namoro, afinal? Seu último namorado foi homicida, e seu atual


não sabia que ela era uma vampira. "Uh, não, obrigado", eu disse finalmente. "Eu prefiro ter certeza de que chegaremos ao parque a tempo." Ele acenou com a cabeça então ele se levantou da mesa e me deu outro sorriso. "Eu estava pensando a mesma coisa. A maioria das pessoas não parecem pensar que a pontualidade é importante. " "Importante? É essencial ", eu disse. "Eu estou sempre pelo menos dez minutos adiantada." O sorriso de Brayden se alargou. "Eu aponto para 15. Para dizer a verdade... eu realmente não queria sobremesa de qualquer maneira." Ele segurou a porta aberta para mim. "Eu tento evitar comer muito açúcar." Eu quase me paralisei de espanto. "Eu estou totalmente de acordo, mas meus amigos sempre discutem sobre isso." Brayden assentiu. "Há muitas razões para se evitar o açúcar. As pessoas simplesmente não entendem, no entanto." Fui até o parque, atordoada. Ninguém nunca tinha me entendido tão rapidamente e facilmente. Era como se ele tivesse lido minha mente. Palm Springs era uma cidade deserta, arquivado com longos trechos de areia e montanhas rochosas. Mas era também uma cidade que a humanidade teve vindo a moldar por um longo tempo, e muitos lugares -Amberwood, por exemplo- tinha incríveis ambientes desafiando as condições climáticas. Este parque não foi exceção. Era uma enorme extensão de gramado verde, rodeado de frondosas árvores de folha caduca, em vez dos habituais palmas. Um estádio tinha sido criado em uma extremidade, e as pessoas já estavam procurando os melhores lugares. Nós escolhemos um na sombra que tinha uma excelente vista do palco. Brayden pegou um cobertor de sua mochila para sentarmos, junto com uma


cópia gasta de Antônio e Cleópatra. Foi marcado com notas adesivas. "Você trouxe o seu próprio?", Ele me perguntou. "Não", eu disse. Eu não poderia deixar de ficar impressionada. "Eu não trouxe muitos livros de casa, quando me mudei para cá." Ele hesitou, como se não tivesse certeza que ele deveria dizer o que ele estava pensando. "Você quer ler junto com o meu?" Eu honestamente achei que seria apenas assistir a obra, mas a estudiosa em mim poderia certamente ver as vantagens de ter o texto original junto. Eu também estava curiosa sobre que tipo de notas que ele tinha feito. Foi só depois que eu disse que sim, que eu percebi porque ele estava nervoso. Ler junto com ele significava que tínhamos de sentar muito, muito próximos. "Eu não vou morder", disse ele, sorrindo, quando eu não me movi imediatamente. Isso quebrou a tensão, e conseguimos passar para posições que nós dois podíamos ler o livro juntos. Não havia forma de evitar que nossos joelhos se encostassem um no do outro, mas ambos estávamos de jeans, e não me fez sentir como se minha virtude estava em jogo. Além disso, eu não podia deixar de notar que ele cheirava a café, meu vício favorito. Isso não era uma coisa ruim. Eu estava muito consciente de estar tão perto de alguém. Eu não acho que eu estava recebendo nenhuma vibração romântica. Meu pulso não acelerou, o meu coração não acelerou. Principalmente eu estava ciente de que isso foi o mais próximo que eu tinha sentado de alguém, talvez em minha vida. Eu não estava acostumada a compartilhar o meu espaço pessoal. Eu logo esqueci disso quando a obra começou. Brayden podia não gostar de Shakespeare realizado em roupas modernas, mas eu pensei que eles fizeram um admirável trabalho. Lendo junto percebemos um monte de linhas que os atores confundiram. Nós olhamos um pro outro triunfantes, alegres que sabíamos algo que os outros não sabiam. Eu também analisei as anotações de Brayden, concordando com umas e balançando a cabeça para outras. Não podia esperar para discutirmos mais tarde.


Estávamos inclinados intensamente durante a cena da morte dramática de Cleópatra, focados em suas últimas linhas. Um pouco ao meu lado, ouvi o barulho de papel. Eu ignorei e inclinei-me ainda mais. O papel fez barulho novamente, desta vez muito mais alto. Olhando por cima, vi um grupo de rapazes que estava sentado próximo que parecia estar em idade de colégio. A maioria deles estava assistindo com desempenho, mas um estava segurando um item embrulhado em um saco de papel marrom. A bolsa era muito grande para o objeto e foi rolando para baixo várias vezes. Ele olhou nervosamente, tentando ser discreto e desenrolar o papel em pequenos pedaços. Era óbvio que teria feito menos barulho se ele tivesse desenrolado tudo de uma vez. Isso continuou por mais um minuto, e então, alguns outros próximos foram olhando para ele. Ele finalmente conseguiu abrir o saco e, em seguida, ainda em câmera lenta, cuidadosamente baixou a mão para dentro. Eu ouvi o pop de uma tampa e no rosto do cara iluminado em triunfo. Mantendo o objeto escondido, ele levantou o saco até a boca e bebeu o que era muito, obviamente, uma garrafa de cerveja ou algum outro álcool. Ele tinha sido muito evidente com a bolsa. Eu coloquei a mão sobre minha boca, em uma tentativa de abafar o riso. Ele me lembrou muito de Adrian. Eu podia ver absolutamente Adrian contrabandeando álcool para um evento como este e depois sentindo todo tipo de dores para encobrir, pensando que, se ele fizesse tudo devagar o suficiente, ninguém pegaria ele. Adrian, também, provavelmente teria o azar de abrir a garrafa no meio da cena mais tensa da peça. Eu poderia até imaginar um olhar igualmente encantado em seu rosto, aquele que diria: Ninguém sabe o que eu estou fazendo. Quando, é claro, todos sabiam. Eu não sei por que ele me fez rir, mas ele fez. Brayden estava muito concentrado na obra para perceber. "Ooh", ele sussurrou para mim. "Esta é uma parte boa, onde suas damas matam a si mesmas." Nós dois tínhamos muito para debater e analisar no caminho de volta para Amberwood. Eu estava quase desapontada quando seu carro parou em meu dormitório. Quando chegamos aqui percebi que não sabia o que fazer agora. Qual


era o procedimento correto aqui? Ele deveria me beijar? Eu deveria deixá-lo? Tinha sido o preço real da minha salada? Brayden parecia nervoso demais, e eu me preparei para o pior. Quando eu olhei para as minhas mãos no meu colo, eu percebi que elas estavam tremendo. Você pode fazer isso, eu disse a mim mesma. É um rito de passagem. Eu comecei a fechar os olhos, mas quando Brayden falou eu abri meus olhos rapidamente. Como percebi o acúmulo de Brayden de coragem não era para um beijo, mas para uma pergunta. "Será que você... gostaria de sair de novo?", Ele perguntou, dando-me um sorriso tímido. Fiquei surpresa com a mistura de emoções desencadeadas. Alívio acima de tudo é claro. Eu agora tenho tempo para pesquisar livros sobre beijo também. Ao mesmo tempo, eu estava um pouco desapontada que a arrogância e confiança que ele tinha mostrado na análise dramática não apareceu aqui. Uma parte de mim pensou que sua linha deveria ter sido mais como, ‘Bem, depois daquela noite de perfeição, eu acho que não temos escolha a não ser sair novamente.’ Imediatamente, eu me senti estúpida por tal sentimento. Eu não tinha direito de esperar que ele estivesse a vontade quando eu mesma estava sentada lá com as mãos tremendo. "Claro," eu soltei. Ele deu um suspiro de alívio. "Legal", disse ele. "Te enviarei um e-mail." "Isso seria ótimo.", Sorri. Mais um incômodo silêncio caiu entre nós, de repente, eu me perguntava se o beijo poderia estar vindo depois de tudo. "Você... você quer que eu a leve até a porta?", Perguntou. "O quê? Oh, não. Obrigada. É bem ali. Vou estar bem. Obrigada. " Eu percebi que estava à beira de soar como Jill. "Bem, então", disse Brayden. "Eu tive uma noite realmente agradável. Esperarei a próxima vez. " "Eu também." Ele estendeu a mão. Sacudi-a. Então, deixei o carro e entrei.


Eu apertei sua mão? Eu repassei o momento na minha cabeça, me sentindo mais burra e mais burra. O que há de errado comigo? Enquanto eu caminhava pelo saguão, numa espécie de atordoamento, eu peguei meu telefone para ver se eu tinha alguma mensagem. Eu desliguei hoje à noite, imaginando se alguma vez eu tinha ganhado a paz. Para minha surpresa, ninguém precisava de nada na minha ausência, embora houvesse uma mensagem de texto de Jill, enviada cerca de 15 minutos atrás: Como foi seu encontro com Brandon? Como ele é? Abri minha porta do dormitório e entrei. Seu nome é Brayden. Eu mandei uma mensagem de volta. Eu ponderei o resto de sua pergunta e levou muito tempo em tentar decidir como responder. Ele é como eu.


Capítulo 6 "Você apertou sua mão?" Adrian perguntou, incrédulo. Eu atirei um olhar acusador para Eddie e Angeline. "Nada é privado por aqui?" "Não", disse Angeline, sem rodeios, honesta como sempre. Eddie riu. Foi um raro momento de camaradagem entre eles. "Era suposto ser um segredo?", Perguntou ele. Estávamos na casa de Clarence Donahue para Jill e Adrian terem sua alimentação com sangue duas vezes por semana. A governanta humana de Clarence, Dorothy, era o alimentador. Eu poderia levar um monte de coisas Moroi com calma agora, mas beber sangue – sangue humano - continua me fazendo tremer. Meu melhor mecanismo de enfrentamento era tentar esquecer por que estávamos aqui. "Não", eu admiti. Julia e Kristin haviam me interrogado querendo detalhes do encontro uns dias atrás, então eu havia dado alguns. Eu acho que eu tinha que aceitar que uma vez que eu disse a elas qualquer coisa, seria inevitavelmente voltar para todos no mundo. Sem dúvida, minha família em Amberwood tinha então repassado para Adrian. "De verdade?" Adrian ainda falava sobre o fim do meu encontro. "A sua mão?" Suspirei e afundei em um sofá de couro elegante. A casa de Clarence sempre me lembrava de alguma mansão assombrada estereotipada do lado de fora, mas por dentro era moderna e bem-mobiliada ."Olha, passou, está bem, você sabe o que? Não importa. Isso não é da sua conta. Basta deixar isso pra lá." Mas algo na expressão de Adrian me disse que não seria, de fato, deixado de lado tão cedo.


"Com toda essa paixão incandescente, é uma maravilha que vocês possam ficar longe um do outro", disse Adrian, impassível. "Vai ter um segundo encontro? Eddie e Angeline olharam para mim com expectativa. Eu hesitei. Esta foi a informação que eu não tinha dito para Julia e Kristin, em grande parte porque ele tinha acabado de ser arranjado. "Sim", eu disse finalmente. "Estamos indo em uma, hum, visita a um moinho de vento essa semana " Se eu quisesse calá-los, eu definitivamente consegui. Eles pareciam atordoados Adrian falou primeiro. "Eu vou assumir que isso significa que ele está voando para Amsterdã em seu jato particular. Se assim for, eu gostaria de ir junto. Mas não para os moinhos de vento." "Há uma enorme fazenda de moinhos de vento ao norte de Palm Springs," eu expliquei. "É um dos únicos no mundo que faz passeios públicos." Mais olhares em branco. "A energia eólica é um poderoso recurso renovável que pode ter um grande impacto sobre o futuro do nosso país", eu disse, exasperada. "Isso é uma coisa legal.” "'Genial", disse Adrian. “Eólico. Eu vejo o que você fez lá, Sage. Muito inteligente." "Não era para ser um..." As portas da sala de estar de vitrais franceses se abriu, e Dimitri e Sonya entraram com o nosso anfitrião Clarence. Eu não o tinha visto desde que cheguei e dei-lhe um sorriso educado, feliz pela distração da minha vida amorosa. "Olá, Sr. Donahue," eu disse. "É bom ver você de novo." "Eh?" O homem Moroi idoso olhou em minha direção, e depois de alguns momentos, o reconhecimento iluminou-o. Ele tinha cabelos brancos e sempre vestido como se ele estava em um jantar formal de cerca de 50 anos atrás. "Aí está você. Ainda bem que você pode vir, minha querida. O que te traz de novo? "


"Alimentação de Jill, senhor." Nós fazemos isso duas vezes por semana, mas a mente de Clarence não era bem o que costumava ser. Ele tinha sido muito disperso desde que nos conhecemos, mas a morte de seu filho, Lee, parecia empurrar o velho ainda mais ao longo da borda - especialmente porque ele parecia não acreditar. Nós lhe dissemos suavemente, um número de vezes que Lee tinha morrido, deixando de fora a parte Strigoi. Cada vez que fizemos, Clarence insistia que Lee estava apenas fora e estaria de volta. Espalhados ou não, Clarence era sempre gentil e relativamente inofensivo para um vampiro, claro. "Ah, sim, naturalmente." Ele se acomodou em sua poltrona enorme e então olhou de volta para Dimitri e Sonya. "Então você é capaz de corrigir as travas nas janelas?" Não tinha aparentemente havido alguma discussão acontecendo antes que eles se juntassem a nós. Dimitri parecia estar tentando encontrar uma boa maneira de responder. Ele estava tão incrível como sempre, vestido de jeans e uma camiseta, com um casaco de couro longo sobre ele. Como alguém poderia sobreviver vestindo um casaco como aquele em Palm Springs foi além de mim, mas se alguém pudesse, esse seria ele. Normalmente ele só ficava dentro, mas as vezes eu o vi do lado de fora também. Eu tinha mencionado esta escolha de roupa estranha para Adrian um par de semanas atrás "Não é um Dimitri sexy?" a resposta de Adrian não tinha sido totalmente inesperada. "Bem, sim, de acordo com a maioria das mulheres, pelo menos." O rosto de Dimitri era a imagem da polidez como ele respondeu as preocupações de Clarence. "Eu não acredito que haja qualquer coisa de errado com o que você tem ", disse Dimitri. "Tudo é selado até muito bem." "Então, parece", disse Clarence ameaçadoramente. "Mas você não sabe como eles são engenhosos. Eu não estou para trás nos tempos, você sabe. Eu sei


que existem todo tipo de tecnologias lá fora que você pode colocar dentro. Como lasers que dizem se alguém está entrando aqui dentro." Dimitri arqueou uma sobrancelha. "Você quer dizer um sistema de segurança?" “Sim, exatamente", disse Clarence. "Para manter os caçadores fora." Essa virada na conversa não foi exatamente uma surpresa para mim. A paranóia de Clarence também aumentou recentemente. Ele vivia em constante medo de que ele dizia que existiam eram caçadores de vampiros, seres humanos que, bem, caçavam vampiros. Durante muito tempo, ele afirmou que eles foram responsáveis pela morte de sua sobrinha e que relatos de ela ser morta por um Strigoi estão incorretos. Acontece que ele não estava totalmente errado. Sua morte não tinha sido o resultado de um ataque Strigoi, tinha sido causada por Lee, em uma tentativa desesperada de mudar de volta de um Moroi para um Strigoi. Clarence, no entanto, recusou-se a aceitar, e persistira em suas crenças sobre os caçadores. Minhas garantias de que os Alquimistas não tinham registros de nenhum grupo como esse existentes desde a Idade Média não tinha ido muito longe. Consequentemente, Clarence estava sempre fazendo as pessoas fazerem "verificações de segurança" de sua casa desde que Sonya e Dimitri foram ficar com ele durante toda a experimentação, que muitas vezes era uma tarefa tediosa para eles. "Eu não estou realmente qualificado a instalar um sistema de segurança", disse Dimitri. "De verdade? Há algo que você não pode fazer? " A voz de Adrian era tão suave que eu mal podia ouvi-lo, e ele estava sentado ao meu lado. Eu duvidava até mesmo os outros, com a sua audição superior, poderia ter ouvido suas palavras. Por que ele ainda deixa Dimitri chegar até ele? Eu me perguntava. "Você teria que ligar para profissionais", Dimitri continuou a Clarence. "Eu estou supondo que você não gostaria de um bando de estranhos entrando e saindo de sua casa."


Clarence franziu a testa. "Isso é verdade. Seria muito fácil para os caçadores para se infiltrar." Dimitri era a imagem da paciência. "Vou fazer verificações diárias de todas as portas e janelas enquanto eu estou aqui, só para ter certeza.” "Isso seria maravilhoso", disse Clarence, um pouco de sua tensão aliviada. "Evidentemente, eu não sou realmente o tipo dos caçadores de costume. Não sou perigoso o suficiente. Não mais." Ele riu de si mesmo. "Ainda..você nunca sabe o que pode acontecer. Melhor estar seguro. " Sonya lhe deu um sorriso gentil. "Tenho certeza de que tudo vai ficar bem. Você não tem nada para se preocupar." Clarence encontrou seus olhos, e depois de alguns segundos, um sorriso lentamente se espalhou sobre o rosto. Sua postura rígida diminuiu. "Sim, sim. Você está certa. Nada para se preocupar." Eu tremi. Eu tinha estado em torno de Moroi o suficiente para saber o que tinha acontecido. Sonya tinha acabado de usar compulsão apenas com um sussurro dela para acalmar Clarence. Compulsão, a capacidade de forçar sua vontade sobre os outros, era uma habilidade que todos os Moroi possuíam em graus variados. Usuários de Espírito eram os mais fortes, rivalizando com os Strigoi. Usar compulsão em outros era tabu entre os Moroi, e houve sérias conseqüências para aqueles que abusaram dela. Eu estava pensando se as autoridades Moroi passariam por alto neste caso por estar acalmando um homem nervoso de idade, mas o ato me perturbou. Compulsão em particular sempre me pareceu um dos poderes dos Moroi mais insidiosos. Será que era realmente necessário Sonya usá-lo? Ela já era tão amável e calmante. Isso não seria suficiente para Clarence? Às vezes eu me perguntava se eles apenas usavam magia para o bem de o fazer. Às vezes eu me perguntava se ele estava sendo usado em torno de mim ... sem que eu soubesse.


Clarence falar de caçadores de vampiros sempre desencadeada uma mistura de diversão e mal-estar em torno de todos. Com ele pacificado (mesmo se eu não gostava do meio), fomos todos capazes de relaxar um pouco. Sonya encostou-se ao sofá, bebendo alguma bebida frutada que parecia perfeito em um dia quente como este. De suas roupas sujas e penteado casual, eu estava apostando que ela tinha saído para fora, não que ela não estivesse linda. Moroi evitam este tipo de sol intenso, mas seu amor por plantas era tão grande que ela havia se arriscando a trabalhar em algumas das flores no jardim de Clarence. Protetor solar pesado poderia fazer maravilhas. "Eu não vou estar aqui por muito mais tempo", disse-nos. "Mais algumas semanas, no máximo. Eu preciso voltar e trabalhar em alguns planos de casamento com Mikhail." "De novo, quando é o grande dia?" Adrian perguntou. Ela sorriu. "É em dezembro." Isso me surpreendeu até ela acrescentar "Há uma estufa enorme,

tropical,

perto

do

Tribunal,

que

vamos

usar.

É

lindo,

não

que importa. Mikhail e eu poderíamos nos casar em qualquer lugar. Tudo que conta é que estamos juntos. Claro que, se formos capazes de escolher, então por que não fazer bem?" Mesmo eu sorri. Deixe isso para Sonya para encontrar um local de verde no meio de um inverno da Pensilvânia. "Dimitri pode ficar", ela continuou. "Mas seria ótimo se pudéssemos fazer algum tipo de progresso antes de eu ir. Os testes da aura até agora têm sido... " "Inútil?", Sugeriu Adrian. Eu ia dizer inconclusivos", ela respondeu. Adrian balançou a cabeça. "Então, todo o tempo que passamos foi desperdiçado?" Sonya não respondeu e, em vez disso tomou outro gole de sua bebida. Eu estava apostando que era não-alcoólica, ela não se auto-medica como Adrian faz, e Dorothy poderia me fazer um, se eu quisesse. No entanto, eu também estava


apostando que seria terrível para mim. Eu ia ver se havia alguma Diet Coke na cozinha. Sonya se inclinou para a frente, um brilho ansioso em seus olhos. "Dimitri e eu estávamos conversando e percebi que há algo óbvio que estamos em falta. Na verdade, eu deveria dizer, evitando, mas não persegui-lo seria um desperdício." "O que é isso?", Perguntou Adrian. "Sangue", disse Dimitri. Eu estremeci. Eu não gostei quando o tema veio à tona. Isso me lembrava exatamente o tipo de pessoas com quem eu estava. “Obviamente, há algo sobre restauração Strigoi que nos protege", disse ele. "Nós olhamos para os sinais mágicos, mas a resposta pode ser mais físico. E a partir do relatório que eu li, os Strigoi tinha problemas de beber o sangue de L...seu sangue.” Dimitri tinha estado a ponto de dizer Lee, mas alterou a sua escolha por respeito a Clarence. O olhar do velho, feliz, atordoado, tornava difícil de dizer se ele entendia o que estávamos discutindo. "Eles reclamaram sobre isso", eu concordei. "Mas isso não parece impedi-los de beber." Strigoi poderia ser criado se forçosamente um Strigoi drena o sangue de uma vítima e então alimenta-o de volta com o sangue Strigoi para ele ou ela. Lee pediu para um Strigoi fazer isso por ele, mas depois de toda adrenagem ele tinha conseguido a morte. "Gostaríamos de ter uma amostra de sangue de Dimitri e depois compará-lo com o seu, Eddie", disse Sonya. "O sangue pode conter tipos de propriedades mágicas, que poderia evidenciar como lutar contra Strigoi." Eu mantive meu rosto o mais vazio possível, rezando para ninguém me notar. Sangue pode conter todos os tipos de propriedades mágicas. Tinha esperanças que em toda essa conversa, ninguém lembrasse do mistério de por que o meu sangue era inexplicavelmente revoltante para Strigoi. E realmente, por


que deveriam? Eu nunca tinha sido restaurada. Eu não era uma vampira. Não havia nenhuma razão em eles quererem me ter nestas experiências. E, no entanto, se isso fosse verdade, por que eu estava suando de repente? "Nós podemos enviá-lo para um laboratório para a parte química e tentar ler as propriedades mágicas fora dele também", Sonya continuou. Ela parecia pedir desculpas, mas Eddie não se importou. "Não há problema", disse ele. "Tudo o que você precisar." Ele quis dizer isso também, eu sabia. Perdendo sangue era um milhão de vezes mais fácil para ele do que estar inativo. Além disso, ele provavelmente perdeu mais sangue na prática diária do que ele mesmo precisa dar para esta experiência. "Se você precisa de outro dhampir", disse Angeline. "Você pode me usar também. Eu e Eddie poderia ajudá-la. Nós seríamos uma equipe. Sydney não teria que vir toda hora especialmente agora que ela tem um namorado." Há tantas coisas erradas com isso, eu não sabia por onde começar. A confiança que Eddie tinha mostrado sobre doação de sangue desapareceu no ‘nós seríamos uma equipe.’ "Vou considerar", disse Sonya. Havia um brilho nos olhos, e me lembrei dela dizendo que ela podia ver carinho em auras. Ela poderia detectar a queda de Angeline? "Por enquanto, eu prefiro não levá-la longe de sua escola. É menos importante para Eddie já que ele já se formou, mas você deve manter-se na escola." Angeline parecia infeliz com isso. Ela teve uma série de dificuldades com suas aulas, para não mencionar alguns embaraços definitivos - como quando ela foi convidada para criar um mapa da América Central e mostrou-se com um de Nebraska e Kansas. Ela colocou um semblante arrogante, mas eu sabia que ela às vezes se sentia oprimida em Amberwood. Jill se juntou a nós, olhar brilhante e revigorado. O ideal era que eles bebessem sangue Moroi a cada dia. Eles poderiam sobreviver no cronograma de duas vezes por semana, mas eu tinha percebido que Jill parecia mais cansada e deteriorada quanto mais ela demorava para vir se alimentar.


"Sua vez, Adrian", disse ela. Ele estava bocejando e olhou assustado em ser notado. Eu não acho que ele realmente se interesse nas experiências de Sonya com sangue. Quando ele se levantou, ele olhou para mim. "Você pode andar comigo um segundo, Sage?" Antes que eu pudesse apresentar o meu protesto, disse ele, "Não se preocupe, não vou levá-la para a alimentação. Eu só quero te fazer uma pergunta rápida." Eu concordei e saí da sala. Assim que fomos longe dos outros, eu disse. "Eu não quero ouvir qualquer comentário mais 'inteligente' sobre Brayden." "Hilariante meu comentário, não espirituoso. Mas não é isso que eu queria falar." Ele chegou a um impasse na entrada, do lado de fora do que eu suspeitava era o quarto de Dorothy. "Assim, parece que o meu velho está vindo para San Diego no fim de semana seguinte." Debruçei-me contra a parede e cruzei os braços, já com um mal pressentimento sobre isso. "Ele não sabe por que estou aqui, é claro, ou que eu estou com Jill. Ele não sabe nem em que cidade eu estou. Ele só acha que eu estou festejando na Califórnia." Eu não estava surpresa que o Sr. Ivashkov não sabe a verdadeira razão para Adrian estar aqui. A ‘Ressurreição’ de Jill era secreta, assim como seu paradeiro. Nós não podiamos arriscar qualquer outra pessoa saber onde ela estava. O que me surpreendeu foi que Adrian estava trabalhando tão duro para agir como se ele não se importava com o que o pai pensava, mas ele obviamente se importava. O rosto de Adrian era convincente, mas havia uma nota de amargura em sua voz que lhe deu distância. "De qualquer forma," Adrian continuou, "ele disse que ia me encontrar para o almoço se eu quisesse. Normalmente, eu o rechacaria... mas eu gostaria de saber o que está acontecendo com minha mãe, eles nunca me dizem quando eu ligo ou mando e-mail."


Mais uma vez, eu peguei mistas emoções nele. A mãe de Adrian estava cumprindo pena em uma prisão Moroi por crimes de intriga. Você não sabe com sua atitude arrogante e senso de humor, mas deve ter sido difícil para ele. "Deixe-me adivinhar," eu disse. "Você quer emprestar o meu carro." Eu simpatizava com aqueles com pais difíceis, mesmo Adrian. Mas a minha compaixão só foi tão longe e não se estendeu para Latte. Eu não podia arriscar. Além disso, a ideia de ser preso, sem qualquer forma de contornar me assustou, especialmente quando os vampiros estavam envolvidos. "De jeito nenhum", disse ele. "Eu pensei melhor do que isso." Ele fez? "Então o que você quer?" Eu perguntei, surpresa. "Eu estava esperando você me levar." Eu gemi. "Adrian, leva duas horas para chegar lá." "É praticamente um tiro direto para a rodovia", ressaltou. "E eu achei que você ia dirigir um de quatro horas de ida e volta, antes de dar o seu carro para outra pessoa." Eu olhei para ele. "Isso é verdade." Ele deu um passo mais perto, uma expressão desconcertantemente sincero em seu rosto. "Por favor, Sage. Eu sei que é pedir muito, então eu nem vou fingir que você se beneficiará. Eu...Quer dizer, você pode passar o dia em San Diego e fazer o que quiser. Não é o mesmo que ir para ver os painéis solares ou qualquer outra coisa com Brady, mas eu lhe devo - literalmente e figurativamente. Irei pagar o dinheiro da gasolina." "É Brayden, e onde no mundo você conseguiu dinheiro para gasolina?" Adrian vivia de um pequeno subsidio que seu pai lhe dava. Era parte da razão pela qual Adrian estava tomando aulas na faculdade, na esperança de que ele possa obter ajuda financeira no próximo semestre e ter um pouco mais de uma


renda. Eu admirava que, embora estivéssemos atualmente em Palm Springs, em janeiro, eu diria que os Moroi tinham sérios problemas políticos. "Eu ... eu vou cortar em coisas que virão com o dinheiro extra", disse ele depois de alguns momentos de hesitação. Eu não me incomodei escondendo minha surpresa. ‘Coisas’ provavelmente significava álcool e cigarros, que era onde seu subsídio normalmente era gasto. "De verdade?" Eu perguntei. "Você abriria mão de beber para ir ver o seu pai?" "Bem, não permanentemente", disse ele. "Isso seria ridículo. Mas talvez eu possa mudar para algo um pouco mais barato por um tempo. Como ... raspadinhas. Você sabe o quanto eu amo esses? Cereja, especialmente.” "Hum, não," eu disse. Adrian foi facilmente distraído por temas estranhos e objetos brilhantes. "Eles são puro açúcar." "Delícia pura, você quer dizer. Eu não tive um em tempos." "Você está ficando fora do tópico," eu apontei. "Ah. certo. Bem, se eu tenho que ir em uma dieta baseada em semiliquidos ou o que quer, obterei o seu dinheiro. E essa é a outra razão ... Eu sou o tipo de esperança de que o velho pode concordar com a minha renda. Você provavelmente não acredita, mas eu odeio sempre estar pedindo para você. É fácil para o meu pai se esquivar de telefonemas, mas cara-a-cara? Ele não pode escapar. Além disso, ele acha que é mais ‘Viril’ e ‘respeitável’ para pedir algo diretamente. Clássica honra de Nathan Ivashkov." Mais uma vez, a amargura. Talvez um pouco de raiva. Estudei Adrian por um longo tempo enquanto eu pensava sobre a minha resposta seguinte. A sala estava na penumbra, dando-lhe a vantagem. Ele provavelmente poderia ver-me perfeitamente enquanto alguns detalhes eram mais difíceis para mim. Aqueles olhos verdes, tão verdes, que eu tantas vezes admirei apesar de mim mesma, simplesmente via-os escuros agora. A dor em seu rosto, no entanto, foi evidente demais. Ele ainda não tinha aprendido a esconder seus sentimentos de Jill e do vínculo, mas eu sabia que ele mantinha essa atitude solta, a atitude negligente para o resto do mundo, para todos exceto para mim ultimamente. Esta


não era a primeira vez que eu tinha visto-o vulnerável, e parecia estranho para mim que eu, de todas as pessoas, era a que ele manteve expondo suas emoções. Ou era errado? Talvez isso foi apenas minha inépcia social, confundindo-me novamente. De todo modo isso apertou alguma coisa dentro de mim. "Isso é realmente do que se trata? O dinheiro.", eu perguntei, colocando minhas outras perguntas de lado. "Você não gosta dele. Tem que haver algo mais aqui." "O dinheiro é uma grande parte. Mas eu quis dizer o que eu disse anteriormente... sobre a minha mãe. Eu preciso saber como ela está, e ele não vai me contar sobre ela. Honestamente, eu acho que ele só quer fingir que nunca aconteceu, ou para a sua reputação ou talvez ... talvez porque fere ele. Eu não sei, mas como eu disse, ele não pode se esquivar, se eu estou ali. Mais ..." Adrian desviou o olhar um momento antes de reunir a coragem para olhar em meus olhos novamente. "Eu não sei. É estúpido. Mas eu pensei que...Bem, talvez ele ficaria impressionado que eu estava em uma faculdade neste momento. Provavelmente não, contudo." Meu coração doeu por ele, e eu suspeito que a última parte - ganhando a aprovação de seu pai - era maior do que Adrian estava deixando ver. Eu sabia como era ter um pai que continuava julgando, para quem nada era bom o suficiente. Entendi, bem assim as emoções em conflito...como um dia você poderia dizer que não se importava, ainda assim ansiar pela aprovação. E eu certamente compreendo o apego maternal. Uma das partes mais difíceis de estar em Palm Springs foi a distância da minha mãe e irmãs. "Por que eu?" Eu soltei. Eu não tinha a intenção de tocar nas questões anteriores, mas de repente eu não pude evitar. Havia muita tensão aqui, muita emoção. "Você poderia ter perguntado a Sonya ou Dimitri para conduzi-lo. Eles provavelmente já teriam até mesmo deixado você emprestar seu carro de aluguel." O fantasma de um sorriso passou pelo rosto de Adrian.


"Eu não sei nada sobre isso. E eu acho que você sabe por que eu não quero correr o risco de ser preso em um carro com o nosso russo amigo. Quanto ao resto ... eu não sei, Sage. Há algo sobre você ... você não julga como os outros. Quero dizer, você faz. Você é mais crítica do que qualquer um em alguns aspectos. Mas há uma honestidade em você. Sinto-me..." O sorriso deixou seu rosto enquanto ele vacilou por palavras. "Confortável em torno de você, eu acho." Não havia nenhuma maneira que eu poderia ficar contra isso, apesar de eu achar que ele foi irônico quando alegou ficar mais confortável em torno de mim, quando eu tive ataques de pânico por causa de Moroi metade do tempo. Você não tem que ajudar, uma voz interior me avisou. Você não deve nada a ele. Você não deve qualquer coisa Moroi que não é absolutamente necessário. Esqueceu-se de Keith? Esta não é uma parte de seu trabalho. O obstáculo voltou para mim, e eu relembrei do negócio de vampiro que tinha colocado Keith em Re-educação. Quanto pior eu estava? Interação social era uma parte inevitável, mas eu estava misturando as linhas em torno de tudo novamente. "Tudo bem", eu disse. "Vou levá-lo. Me mande um e-mail falando quando você quer ir." Foi quando veio a parte mais engraçada. Ele parecia totalmente atordoado. "Mesmo?" Eu não pude deixar de rir. "Você me disse esse monte de coisa o tempo inteiro e achou que eu não ia concordar, não é?" "Não", ele admitiu, claramente espantado. "Eu não posso sempre ler você. Eu me engano com as pessoas, você sabe. Quer dizer, eu sou bom em leitura de rostos, mas eu pego um monte de auras e ajo como se eu tivesse tendo uma visão incrível. Eu não aprendi a compreender totalmente os seres humanos, no entanto. Você tem as mesmas cores, mas uma sensação diferente." Auras não me é estranho tanto quanto mágica de vampiro, mas eu ainda não estava totalmente confortável com eles.


"Que cor é a minha? " "Amarelo, é claro." "É claro?" "Inteligentes, pessoas inteligentes tem amarelo. Você tem um pouco de roxo aqui e ali." Mesmo na penumbra, eu podia ver uma faísca travessa em seus olhos. "Isso é o que a faz interessante." "O que o roxo quer dizer?" Adrian colocou a mão na porta. "Tenho que ir, Sage. Não quero ficar esperando Dorothy ". "Vamos lá. Diga-me o que é o roxo." Eu estava tão curiosa, eu quase agarrei seu braço. Ele girou a maçaneta. "Eu direi se você quiser se juntar a nós." "Adrian." Rindo, ele desapareceu dentro do quarto e fechou a porta. Com um aceno de cabeça, comecei a voltar para os outros e, em seguida, decidi procurar minha Diet Coke. Demorei-me com ela na cozinha por um tempo, inclinando-me contra as bancadas em granito e olhando distraidamente para as panelas de cobre brilhantes penduradas no teto. Por que eu tinha concordado em dirigir para Adrian? O que há sobre ele que conseguiu quebrar o decoro e toda a lógica que eu construí na minha vida? Eu entendi porque muitas vezes eu tinha um fraquinho por Jill. Ela me lembrou da minha irmã mais nova, Zoe. Mas Adrian? Ele não era como ninguém que eu conhecia. Na verdade, eu tinha quase certeza de que não havia um em todo o mundo completamente como Adrian Ivashkov. Demorei tanto tempo que quando voltei para a sala de estar, Adrian estava em seu caminho de volta também. Sentei-me no sofá, tomando o último gole da minha Diet Coke. Os olhos de Sonya brilharam ao ver-me. "Sydney, nós apenas tivemos uma ideia maravilhosa." Talvez eu nem sempre fui a mais rápida em pegar dicas sociais, mas eu percebi que essa ideia maravilhosa foi dirigida a mim, e não Adrian e eu.


"Nós estávamos falando sobre os relatórios da noite do incidente..." Ela deu um olhar significativo para Clarence, e eu balancei a cabeça em compreensão. "Tanto o Moroi e os Alquimistas, disseram que o Strigoi teve problemas com o seu sangue também, correto?" Eu endureci, não gostando dessa conversa. Foi uma conversa que eu vivia com medo de ter. O Strigoi que tinha matado Lee não tinha acabado de ter ‘problemas’ com meu sangue. Lee tinha achado estranho. Meu sangue tinha sido nojento. O que tinha tentado beber de mim não tinha sido capaz de tolerar. Ela até cuspiu. "Sim..." Eu disse cuidadosamente. "Obviamente, você não é um Strigoi restaurado", disse Sonya. "Mas nós gostaríamos de dar uma olhada em seu sangue também. Talvez haja alguma coisa que poderia nos ajudar. Uma pequena amostra deve ser suficiente.” Todos os olhos estavam em mim, mesmo de Clarence. A sala começou a fechar-se como um pânico familiarizado arquivado em mim. Eu tinha pensado muito sobre por que o Strigoi não tinha gostado do meu sangue e atualmente, eu tentei evitar pensar nisso. Eu não queria acreditar que havia algo de especial sobre mim. Não podia ser. Eu não queria atrair a atenção de ninguém. Uma coisa era facilitar a pesquisa, outra era se tornar o sujeito dela. Se eles me queriam para um teste, eles poderiam querer-me para outra coisa. E então algo mais. Eu ia acabar trancada, picada e incitada. Havia também o fato de que eu não queria dar o meu sangue. Não importava que eu gostava de Sonya e Dimitri. Não importava que o sangue seria tirado com uma agulha, e não dentes.O conceito básico ainda estava lá, um tabu decorrente da mais rudimentar das crenças Alquimista: doar sangue para os vampiros estava errado. Era o meu sangue. Meu. Ninguém, especialmente vampiros tinha qualquer negócio com ele. Eu engoli, esperando que eu não parecesse que queria fugir. "Foi apenas uma opinião Strigoi. E você sabe que não gosto de seres humanos, bem assim como... vocês."


Isso foi parte da razão pela qual o Moroi viviam em medo e tinha visto os seus números reduzidos ao longo do tempo. Eles foram o crème de la crème de cozinha Strigoi. "Isso é provavelmente tudo que era." "Talvez", disse Sonya. "Mas não há nenhum dano feito em verificar." Seu rosto estava iluminado com essa nova ideia. Eu odiava transformá-la para baixo... mas meus princípios sobre isso eram muito fortes. Era tudo o que eu tinha sido criadapara acreditar. "Eu acho que é um desperdício de tempo", eu disse. "Nós sabemos que o espírito tem de ser envolvido, e eu não tenho nenhuma ligação com isso." "Eu acho que seria útil", disse ela. "Por favor". Útil? Do seu ponto de vista, sim. Ela queria descartar todas as possibilidades. Mas meu sangue não tinha nada a ver com conversões Strigoi. Ele não podia. "Eu..eu prefiro não." Uma resposta mansa, considerando as emoções que agitavam dentro de mim. Meu coração estava começando a corrida, e as paredes se fechando em mim. Meu aumento de ansiedade foi visitado por um velho sentimento, a realização horrível que eu estava em minoria aqui em Clarence. Que era eu e uma sala cheia de vampiros e dhampirs. Criaturas não-naturais. Criaturas artificiais que queriam o meu sangue... Dimitri me estudou com curiosidade. "Não vai doer, se é isso que você tem medo. Nós não precisamos de mais do que um médico iria tomar." Eu balancei a cabeça com firmeza. "Não." "Tanto a Sonya quanto eu somos treinados neste tipo de coisa", acrescentou ele, tentando me tranqüilizar. "Você não tem que se preocupar..." "Ela disse que não, ok?" Todos os olhos que estavam em cima de mim, de repente se viraram para Adrian. Ele se inclinou para a frente, fixando o seu olhar sobre Sonya e Dimitri, e


eu vi algo naqueles olhos bonitos que eu nunca tinha visto antes: a raiva. Eles eram como fogo esmeralda. "Quantas vezes é que ela tem que recusar?" Adrian exigia. "Se ela não quer, então isso é tudo que existe para ela. Isto não tem nada a ver com ela. Este é o nosso projeto de ciência. Ela está aqui para proteger Jill e tem muito o que fazer lá. Então pare de assediá-la já!" “Assédio é uma espécie de palavra forte," disse Dimitri, calma diante da explosão de Adrian. "Não quando você continua empurrando alguém que quer ser deixado em paz", respondeu Adrian. Ele me lançou um olhar preocupado antes de fixar a sua ira para trás em Sonya e Dimitri. "Parem de forçar ela.” Sonya olhou hesitante entre nós. Ela olhou legitimamente ferida. Tão astuta como era, eu não acho que ela percebeu o quanto isso me incomodou. "Adrian...Sydney...não estamos tentando perturbar ninguém. Nós apenas queremos realmente chegar ao fundo disto. Pensei que todos vocês também. Sydney sempre foi tão favorável." "Isso não importa", grunhiu Adrian. "Tome o sangue de Eddie. Tome o sangue de Belikov. Leve seu próprio sangue eu não me importo. Mas se ela não quer dar o dela, então isso é tudo que existe para ela. Ela disse que não. Essa conversa está acabada." Alguma parte distante de mim percebeu que esta era a primeira vez que eu tinha visto Adrian levantar-se para Dimitri. Usualmente, Adrian simplesmente tentava ignorar o outro homem e esperava ser ignorado em troca. "Mas" começou Sonya. "Deixa para lá", disse Dimitri. Sua expressão era sempre difícil de ler, mas não havia uma suavidade na voz. "Direito de Adrian." Sem surpresa, o quarto foi um pouco tenso depois disso. Houve algumas tentativas parando a conversa que eu quase não notei. Meu coração estava na prorrogação, minha respiração vindo rápido. Eu trabalhei duro para acalmar, tranquilizando-me que a conversa tinha terminado, que Sonya e Dimitri não estavam indo para me interrogar ou forçosamente drenar meu sangue.


Eu ousei uma espiada no Adrian. Ele já não parecia zangado, mas havia uma ferocidade lá. Foi quase...de proteção. Uma sensação estranha e quente rodou no meu peito, e por um breve momento, quando eu olhei para ele, eu vi...segurança. Esse não foi o primeiro sentimento que eu tinha em torno dele. Eu atirei-lhe o que eu esperava que era um olhar agradecido. Ele me deu um aceno de cabeça de volta. Ele sabe, eu percebi. Ele sabe como me sinto sobre vampiros. Claro, todo mundo sabia.


Capítulo 7 Passei a maior parte do dia seguinte lutando com a minha recusa em ajudar a Sonya, ruminando sobre a decisão quando eu fui de aula em aula. Havia uma parte de mim que se sentia mal por não doar sangue para os experimentos. Após tudo o que aconteceu, eu sabia que o que eles estavam fazendo era útil. Se houvesse uma maneira de proteger os Moroi de tornarem-se Strigoi, então teoricamente, isso poderia ser aplicado para os seres humanos. Isso poderia revolucionar a forma como os Alquimistas tem operado. Pessoas assustadoras como Liam sendo realizada no bunker não seria mais uma ameaça. Ele poderia ser "esterilizado" e liberado, sem medo de ele cair preso sobre a corrupção dos Strigoi. Eu também sabia que Sonya e os outros estavam correndo contra as paredes com sua pesquisa. Eles não conseguiram encontrar qualquer razão para o que tinha feito Lee impermeável para se transformar em Strigoi. Ao mesmo tempo, apesar do mérito da causa, eu ainda sentia firme oposição a desistir do meu próprio sangue. Eu realmente estava com medo que isso iria sujeitar-me a experiências cada vez mais. E eu não poderia enfrentar isso. Não há nada especial sobre mim. Eu não tinha sofrido uma grande transformação através de espírito. Lee e eu não tivemos nada em comum. Eu era igual a qualquer outro ser humano, qualquer outro Alquimista. Eu só aparentemente tinha sangue de mau gosto, o que era bom para mim. "Diga-me sobre o feitiço de encanto", disse Terwiliger uma tarde. Foi poucos dias depois de Clarence, e eu ainda estava em reflexão sobre os acontecimentos, mesmo quando aparentemente estava fazendo o trabalho em meu estudo independente. Eu olhei para cima a partir do livro na minha frente. "Qual variante? O carisma ou a uma meta? " Ela estava sentada à sua mesa e sorriu para mim.


"Para alguém tão contra tudo isso, você certamente aprendeu muito bem. A da meta." Isso tinha sido um feitiço recente que eu tive que aprender. Estava fresco em minha mente, mas tive a certeza de suspirar pesadamente e deixar que ela soubesse de forma passiva agressiva como inconveniente era para mim. "Permite que o lançador tenha controle a curto prazo de uma pessoa. O lançador tem que criar um amuleto físico que ele ou ela use ... " Eu fiz uma careta enquanto eu considerava uma parte do feitiço."E depois recitar um encantamento curto sobre a pessoa que está sendo controlada. " Ms. Terwiliger empurrou os óculos no nariz. "Por que a hesitação?" Ela notou a cada deslize. Eu não queria me envolver nisso, mas era minha professora, e isso era parte do meu trabalho enquanto eu estava presa nesta sessão miserável. "Isso não faz sentido.Bem, nada disso faz sentido, é claro. Mas logicamente, eu acho que você precisa de algo tangível para usar na viti - sujeito. Talvez eles teriam que usar um amuleto. Ou beber alguma coisa. É difícil para mim acreditar que o lançador é o único que precisa de aprimoramento.Eu sinto que eles precisam se conectar com o assunto." "Você tocou na palavra chave", disse ela. "Melhoria ". O amuleto aumenta o feitiço do lançador, quando faz o encantamento. Se foi feito corretamente e o lançador é avançado e forte o suficiente, ele pode empurrar o poder de comando sobre o sujeito. Talvez não parece palpável, mas a mente é uma ferramenta poderosa. "O poder de comando," eu murmurei. Sem pensar nisso, eu fiz o sinal Alquimista contra o mal. "Isso não parece certo." "É diferente do tipo de compulsão que seus amigos vampiros fazem?" Eu congelei. Ms. Terwiliger há muito já admitiu saber sobre o mundo dos Moroi e Strigoi, mas foi um tópico que eu evitava falar com ela. A mágica na minha tatuagem não me impede de discutir o mundo dos vampiros com aqueles que sabiam sobre


isso, mas eu não queria acidentalmente revelar quaisquer detalhes sobre a minha missão específica com Jil. No entanto, suas palavras foram surpreendentes. Este feitiço foi muito parecido com compulsão, muito parecido com o que eu tinha visto Sonya fazer para acalmar Clarence. Vampiros poderiam simplesmente manejá-la sem ajuda. Este feitiço exige um componente físico, mas a Sra.Terwiliger tinha me dito que era normal para os seres humanos. Ela disse que a magia era inato para Moroi, mas que tínhamos que arranca-lo do mundo. Para mim isso parecia ser apenas mais uma razão porque os humanos não tinham nada que se meter em tais assuntos. "O que eles fazem não é certo também", disse, em um raro reconhecimento de Moroi com ela. Eu não gostava que as habilidades que eu encontrei e que eram tão erradas estavam dentro do alcance humano também. "Ninguém deveria ter esse tipo de poder sobre o outro." Seus lábios se curvaram. "Você é muito arrogante sobre algo com o qual você não tem experiência". "Você nem sempre precisa de experiência. Eu nunca matei ninguém, mas eu sei que o assassinato é errado. " "Não descarte estes feitiços. Eles poderiam ser uma defesa útil ", disse ela com um encolher de ombros. "Talvez isso depende de quem o está usando. Muito parecido com um revólver ou outra arma. " Eu fiz uma careta. "Eu realmente não gosto de armas também." "Então você pode encontrar meios mágicos para ser uma opção melhor." Ela fez um movimento pequeno e gracioso com as mãos, e uma panela de barro sobre a mesa explodiu de repente. Fragmentos afiados do caldeirão caíram ao chão. Eu pulei da minha mesa e me afastei poucos metros. Isso foi algo que ela tinha sido capaz de fazer o tempo todo? Parecia sem esforço. Que tipo de danos que ela poderia fazer se ela realmente tentasse? Ela sorriu. "Vê? Muito eficiente." Eficiente

e

simples,

tão

fácil

como

um

vampiro

empunhando

magia elementar com um pensamento. Depois todos os feitiços meticulosos que


eu vi nesses livros, fiquei chocada ao ver tal magia "fácil". Levei o que a Sra.Terwiliger tinha estado defendendo a um novo e perigoso nível. Meu corpo todo ficou tenso enquanto esperava por algum outro ato horrível, mas a julgar pelo olhar sereno em seu rosto, esse era o único show do poder que ela tinha em mente por enquanto. Sentindo-me um pouco tola com a minha reação, eu sentei. Eu respirei fundo e escolhi as minhas palavras cuidadosamente, mantendo a minha raiva e medo, empurrados para dentro. Não teria uma explosão na frente de um professor. "Senhora, por que você continua fazendo isso?" Ms. Terwiliger inclinou a cabeça, como um pássaro. "Fazer o que, querida?" "Isso." Indicava o livro na minha frente. "Por que você continua me fazendo trabalhar nisto contra a minha vontade? Eu odeio isso, e você sabe disso. Eu não quero ter nada a ver com isso! Por que você quer que eu aprenda tudo? O que você ganha com isso? Existe algum clube de bruxa onde você começa a taxa de corretagem se você levar algum novo recruta? " Aquele sorriso peculiar dela voltou. "Nós preferimos o termo clá ao invés de clube bruxo. Apesar de que tem um belo anel. Mas, para responder à sua pergunta, eu não entendo nada fora dele, pelo menos, não da maneira que você está pensando. Meu clã pode sempre usar os membros fortes, e você tem o potencial de grandeza. É maior do que isso,no entanto. Seu argumento é que é errado para os seres humanos ter esse tipo de poder, certo? " "Certo", eu disse entre dentes. Eu tinha feito esse argumento milhões de vezes. "Bem, isso é absolutamente verdadeiro para alguns seres humanos. Você se preocupa que abusem desse poder? Você está certa. Acontece o tempo todo, é por isso que precisamos de gente boa e com moral, pessoas que podem contrariar aqueles que usam a magia por razões egoístas e nefastas ". O sinal tocou, me libertando. Levantei-me e juntei minhas coisas .


"Desculpe, Sra. Terwiliger. Estou lisonjeada que você acha que eu sou uma pessoa tão íntegra, mas eu já estou em uma batalha épica do bem contra o mal. Eu não preciso de outra." Deixei nossa sessão me sentindo incomodada e irritada e esperançosa de que os dois últimos meses do semestre passassem rapidamente. Se esta missão Alquimista

continuasse

no

ano

seguinte,

então,

escrita

criativa

ou

alguma outra matéria seria uma escolha muito viável para a minha agenda. Era uma pena também, porque eu realmente gostava da Sra.Terwiliger quando eu a conheci. Ela era brilhante e sabia que sua área (história, não magia) havia me incentivado. Se ela tivesse mostrado o mesmo entusiamo por me ensinar história como ela fez com a mágica, não teria terminado nessa confusão. Meus jantares eram normalmente gastos com Julia e Kristin ou "a família." Esta noite foi uma noite de família. Encontrei Eddie e Angeline já em uma mesa quando entrei na Cafetaria Oriente, e, como de costume, ele parecia grato por minha presença. "Bem, por que não?" Angeline estava dizendo quando me sentei com a minha bandeja. Era noite de comida chinesa, e ela segurava pauzinhos, o que parecia uma má idéia. Eu tentei ensinar-lhe como usá-los uma vez, sem sorte. Ela se irritou e apunhalou tão forte o rolinho primavera que os pauzinhos tinham se quebrado. "Eu só ... Bem, não é a minha coisa," Eddie disse, claramente tateando em busca de uma resposta para a pergunta dela. "Eu não estou indo. Com ninguém." "Jil vau estar lá com Micah", destacou Angeline maliciosamente."Você não tem que ir para ficar de olho nelajá que não é na escola?" A resposta de Eddie era um olhar triste. "Do que você está falando?" Eu finalmente perguntei. "A Dança do Haloween", disse Angeline. Isso era novidade para mim. "Há uma dança de Haloween?" Eddie arrastou-se de sua miséria para me dar um olhar surpreso.


"Como você não sabe?Há sinais em toda parte." Remexi nos legumes em meu prato. "Eles não devem estar em qualquer lugar que eu fui." Eddie fez um gesto com o garfo para algo atrás de mim. Voltando, eu olhei de volta para a linha de alimentos eu tinha acabado de entrar. Ali, pendurado acima dele na parede, tinha uma enorme faixa que dizia DANÇA DAS BRUXAS. A faixa listava a data e a hora e foi decorado com abóboras mal desenhadas. "Huh," eu disse. "Como você pode decorar livros inteiros, mas perder algo como isso", perguntou Angeline. "Porque o cérebro de Sydney só registra informações ”úteis "," Eddie disse com um sorriso. Eu não nego. "Você não acha que Eddie deveria ir?" perguntou Angeline. "Ele precisa tomar cuidado com Jil. E se ele for, podemos, bem, irmos juntos." Eddie me lançou um olhar desesperado, e eu tentei encontrar uma forma de sair desta. "Bem, sim, claro... especialmente se é fora do local."O banner mencionou algum local que eu nunca tinha ouvido falar. Nós não tínhamos visto nenhum sinal dos Moroi que estavam atrás de Jil, mas um lugar desconhecido apresentou novos perigos. Inspiração me atingiu. "Mas essa é a coisa. Ele estará de plantão. Ele gastará o tempo todo verificando o lugar, olhando para as pessoas misteriosas. Seria um desperdício para ele, uh, ir com você. Você provavelmente não iria se divertir muito. Melhor ir com outra pessoa. " "Mas eu deveria estar protegendo Jil também", argumentou. "Não é por isso que estou aqui? Eu preciso aprender o que fazer. " "Bem, sim", disse ele, obviamente preso por sua lógica. “Você tem que ir comigo, para cuidar dela." Angeline iluminou. “Verdade? Então podemos ir juntos?” O olhar de dor de Eddie voltou "Não. Vamos juntos.Não em conjunto."


Angeline não parecia ter ficado perturbada."Eu nunca fui a um baile", ela admitiu. "Bem, eu quero dizer, em casa, nós os temos todo o tempo. Mas eu não acho que eles são como os daqui."Eu concordei com isso. Eu tinha visto os tipos de eventos sociais que os Guardiões tinham. Eles envolviam música estridente e dança em volta de fogueiras, junto com algum tipo de álcool caseiro tóxico que, provavelmente, nem Adrian tocaria.Os Guardiões também não achavam que um evento social era um sucesso, se pelo menos uma luta não saisse. Eu deveria me sentir aliviada pelas trangressões de Angeline terem ficado apenas em códigos de vestimenta e respostas mal-educadas para os professores. "Provavelmente não", eu disse neutra. "Eu não sei. Eu nunca fui a um baile também. " "Você está indo para este, não é?" Perguntou Eddie. "Com Brody?" "Brayden. E eu não sei. Nós nem sequer tivemos nosso segundo encontro. Eu não quero que as coisas se movam muito rápido ". "Certo," disse Eddie. "Porque não há maior sinal de compromisso do que uma festa de Haloween".Eu estava prestes a levá-lo de volta, sugerindo talvez que ele e Angeline deveriam ir juntos depois de tudo quando Jil e Micah se juntaram a nós. Ambos estavam rindo e tiveram dificuldade em explicar o que era tão engraçado." Janna Hal terminou um terno de homens no clube de cistura desta noite", disse Jil entre risos. Mais uma vez, eu senti uma onda de alegria ao vê-la tão feliz. "Miss Yamani disse que é aúnica roupa de um cara que ela viu lá em cinco anos. Claro, Janna precisava de um modelo, e só há um cara lá... " Micah tentou um olhar atormentado, mas estava rapidamente sorrindo novamente. "Sim, sim. Eu fiz a coisa viril. E a roupa era horrível."


"Ah", disse Jil. "Não foi tão terrível. Tudo bem, era sim. Janna não tentou fazer por nenhuma orientação de tamanho, então as calças eram enormes. Como, tendas. E uma vez que ela não fez nenhum botão, ele teve que segurá-la com um cinto. " "Que eu mal conseguia segurar quando me fizeram fazer um desfile.” disse Micah, balançando a cabeça. Jil deu-lhe uma cotovelada brincalhona. "Todo mundo provavelmente teria amado se não tivesse que ter segurado." "Lembre-me de nunca mais me inscrever para um clube de garotas novamente", disse Micah. "No próximo semestre, vou levar algo como comrpa ou karatê." "Você não vai fazer isso de novo? Nem mesmo pormim? "Jil fez um olhar que foi surpreendentemente sedutor. Isso, eu percebi, foi mais eficaz do que qualquer feitiço de charme ou compulsão. Micah gemeu. "Eu estou impotente." Eu não me considero particularmente sentimental e ainda desaprovo seu tímido romance, mas mesmo eu sorri para suas travessuras. Pelo menos, eu fiz até que avistei o rosto de Eddie. Ele não estava traindo-se muito, para ser justa. Talvez Dimitri havia fornecido algumas dicas sobre o poker face de um guardião. Mas Eddie não era Dimitriainda, e eu podia ver os mais tênues sinais de dor e saudade. Por que ele faz isso para si mesmo? Ele se recusou a dizer a Jil como ele se sentia. Ele tomou a atitude nobre de que ele era seu protetor e nada mais. Uma parte de mim poderia entender isso. O que eu não conseguia entender era por que continuava torturando-se por endossar a sair com seu companheiro de quarto, de todas as pessoas. Mesmo com o contra tempo Micah e Mason, Eddie estava obrigando-se a vigiar constantemente a garota que ele queria, com outra pessoa. Eu não tinha experiência relacionáveis, mas tinha que ser angustiante.Chamei a atenção de Eddie e ele me deu um pequeno aceno de cabeça. Deixe pra lá, ele parecia estar dizendo. Não se preocupe comigo. Eu vou ficar bem.


Angeline logo começou com mais conversa sobre a festa, interrogando Jil e Micah sobre se eles estariam indo. Ela também trouxe seus planos de ir "com" Eddie, para tirá-lo de seu humor melancólico, e, embora eu soubesse que ele se incomodava, eu me perguntei se isso era melhor do que continuar sendo atormentado por Jill e sua relação com Micah. É claro, a conversa chegou a um impasse, como um problema para Eddie quando Micah franziu o cenho e apontou o que o resto de nós tinha perdido. "Por que vocês vão para a festa juntos? Vocês não são primos?" Eddie, Jil, e eu congelamos. Eu não podia acreditar que isso já tinha deslizado por mim duas vezes. Eu deveria ter mencionado isso, logo que Angeline trouxe o tema da festa. Aos olhos da escola, nós éramos parentes. "Então", disse Angeline, perdendo o ponto. Eddie limpou a garganta. "Hum, primos de terceiro grau. Mas ainda assim. Nós não estamos realmente indo juntos. É mais uma piada." Isso efetivamente acabou com o tema, e ele não poderia impedir de sorrir triunfante. Brayden me pegou imediatamente após a escola no dia seguinte, para que pudéssemos fazer o passeio ao moinho de vento a tempo. Ms.Terwiliger

tinha

até

me

deixar

sair

alguns

minutos

mais

cedo, depois de prometer que eu levaria para ela um cappuccino em nosso caminho de volta para Amberwood. Eu estava animada para ver Brayden e sair para o tour, mas quando eu entrei em seu carro, senti uma breve pontada de dúvida. Será que tinha algum problema eu estar fazendo uma atividade divertida e pessoal? Especialmente agora que a história tinha deslizado um par de vezes. Talvez eu estivesse gastando muito tempo comigo e não o suficiente sobre a missão. Brayden tinha muito para me contar sobre a competição que ele participou no fim de semana. Analisamos alguns dos temas mais difíceis que ele encontrou e ria das mais fáceis que tinha deixado perplexo a equipe adversária. Eu temia namoro a anos, mas estava agradavelmente surpresa em como era fácil falar com


ele. Era muito parecido com o passeio de Shakespeare: uma fonte inesgotável de temas que ambos sabiam muito. Foi o resto da experiência que me deixou inquietoa sobre a “nomeação” das coisas. Os livros de namoro que eu tinha lido desde a nossa última excursão principalmente aconselhavam sobre quando ter sexo, que era completamente inútil já que nós não havíamos nem pego um na mão do outro ainda. Os moinhos de vento gigantes foram bastante impressionantes. Eles não têm a beleza elegante de carros que eu amava, mas eu senti a mesma admiração na engenharia que representavam.Alguns dos moinhos tinham mais de trinta metros de altura, com lâminas de metade do tamanho de um campo de futebol. Momentos como esses me fazem admirar a engenharia humana. Quem precisava de magia, quando poderíamos criar esses tipos de maravilhas? Nosso guia era uma menina alegre em seus vinte e poucos anos que claramente amava seu trabalho e toda a energia eólica representada. Ela sabia todo tipo de curiosidade sobre isso, mas não o suficiente para satisfazer Brayden. "Como você aborda a ineficiência energética proveniente das turbinas que precisam de velocidades do vento que entram em uma faixa tão estreita?" Em seguida: "Qual é a sua resposta a estudos que mostram que simplesmente melhorar os filtros na conversão de combustíveis fósseis resultaria em menos emissões de dióxido de carbono do que este tipo de produção de energia? " E mais adiante: "Pode a energia eólica realmente ser tratada como uma opção viável quando, depois de considerar o custo de construção e manutenção os consumidores outro acabam pagando mais do que pagariam para formas mais tradicionais de eletricidade?" Eu

não

podia

ter

certeza,

mas

eu

acho

que

o

nosso

guia

encerrou a turnê mais cedo. Ela incentivou alguns dos outros turistas para voltar a qualquer momento, mas não disse nada enquanto Brayden e eu passavamos por ela.


"Essa mulher infelizmente estava desinformada", ele me disse, uma vez que estávamos de volta na estrada. "Ela sabia muito sobre os moinhos e suas instalações," eu apontei. "Eu estou supondo que as últimas controvérsias apenas não sãomuito discutidas nesses tours.Ou," Eu fiz uma pausa, sorrindo, "como lidar com, hum, turistas fortes." "Eu era forte", ele perguntou, parecendo legitimamente surpreso. Ele tinha ficado tão preso em suas idéias, que ele nem sequer percebeu isso. Foi cativante. Eu tentei não rir. "Você é forte, isso é tudo. Eu não acho que eles foram preparados para alguém como você. " "Eles deveriam ser. Em seu momento, a energia eólica prometia, mas agora, existem todos tipos de despesas e problemas de eficiência que precisam ser abordadas. É inútil de outra forma." Eu sentei lá por vários momentos, tentando decidir a melhor forma que eu deveria responder. Nenhum dos conselhos que eu tinha começado a partir dos livros ou meus amigos realmente me prepararam em como lidar com as discussões sobre fontes alternativas de energia. Um dos livros - que eu tinha decidido não terminar - tinha uma visão decididamente masculina – dizendeo que as mulheres devem sempre fazer os homens se sentirem importantes em encontros. Eu suspeitava que o conselho de Kristin e Julia agora teria sido rir e jogar o meu cabelo e não deixar que a discussão continuasse. Mas eu simplesmente não podia fazer isso. "Você está errado", disse eu. Brayden, que era um grande defensor de dirigir seguramente tirou os olhos da estrada por alguns segundos e olhou para mim. "O que você disse?" Além de aprender que ele tinha um vasto estoque de conhecimento aleatório, como eu, também havia percebido algo mais central na personalidade do Brayden. Ele não gostava de estar errado. Isso não foi surpresa. Eu também não, e nós tivemos muito em comum por essa parte. E, do jeito que ele discutiu na escola sua


competição no debate, eu também deduzia que as pessoas nunca lhe dissessem que ele estava errado, mesmo se por acaso ele estava. Talvez não fosse tarde demais para fazer a coisa do arremesso de cabelo. Em vez disso, eu só disse. "Você está errado. Talvez o vento não é tão eficiente quanto poderia ser, mas o fato de que ainda está em desenvolvimento é uma grande melhoria sobre as fontes de energia obsoletas e arcaicas que nossa sociedade tem sido dependente. Esperar que seja tão eficiente em termos de custo como algo que tem estado por aí a muito tempo, é ingênuo. " "Mas" "Não podemos negar que o custo vale a pena os benefícios. A mudança climática está se tornando um problema, e as emissões de vento de dióxido de carbono pode ter um impacto significativo. Além disso, e mais importante, a energia eólica é renovável. Não importa se outras fontes são baratas se eles vão acabar com nós" "Mas" "Nós precisamos ser progressivos e olhar para o que vai nos salvar depois. Focar estritamente no que é rentável agora, ignorando as consequências, é como ser míope eo que nos conduzirá à decaída da raça humana. Aqueles que pensam o contrário estão apenas perpetuando o problema, a menos que possam chegar a outras soluções. A maioria não. Eles só reclamam. É por isso que você está errado." Fiz uma pausa para recuperar o fôlego e depois me atrevi a olhar para Brayden. Ele estava observando a estrada, mas seus olhos eram incrivelmente grandes. Eu não acho que ele poderia ter estado mais chocado se eu tivesse o esbofeteado. Imediatamente, eu me repreendi pelo que eu tinha dito. Sydney, por que você apenas não bateu seus cílios? "Brayden?" Eu perguntei timidamente quando quase um minuto se passou sem resposta. Esse silêncio atordoado me surpreendeu. De repente, sem aviso, ele parou bruscamente o carro para fora da estrada e para o acostamento. Poeira e cascalho levantou em torno de nós. Naquele


momento, eu estava absolutamente certa de que ele iria exigir que eu saísse do carro e voltasse para Palm Springs. E nós estávamos a milhas da cidade. Em vez disso, ele agarrou minhas mãos e inclinou-se para mim. "Você", ele disse sem fôlego. "É incrível. Absolutamente, positivamente, requintadamente incrível." E então ele me beijou. Eu estava tão surpresa, eu não conseguia nem me mexer. Meu coração disparou, mas foi mais de ansiedade do que qualquer outra coisa. Eu estava fazendo a coisa certa? Tentei relaxar no beijo, deixando meus lábios se separarem ligeiramente, mas meu corpo ficou rígido. Brayden não se afastou em repulsa, de modo que era um bom sinal. Eu nunca tinha beijado ninguém antes e havia me preocupado muito sobre como seria. A mecânica não pareceu ser tão difícil. Quando ele foi finalmente para longe, ele estava sorrindo. Um bom sinal, eu imaginei. Eu sorri de volta provisoriamente porque eu sabia que era esperado. Sinceramente, uma parte secreta de mim estava um pouco decepcionada. Era isso? Isso é o que foi o grande negócio? Não tinha sido terrível, mas não tinha me enviado subindo às alturas também. Ele foi exatamente o que parecia, lábios nos lábios. Com um grande suspiro de felicidade, ele se virou e começou a dirigir novamente. Eu só podia vê-lo com admiração e confusão, incapaz de formar qualquer resposta. O que tinha acontecido? Esse foi o meu primeiro beijo? "Spencer, certo?" Brayden perguntou quando saímos para o centro logo depois. Eu estava ainda tão perplexa com o beijo que me levou um momento para lembrar que eu tinha prometido a Sra. Terwiliger um cappuccino. "Certo." Pouco antes de virar a esquina em direção a rua onde ficava a Spencer, Brayden de repente fez uma parada inesperada em uma floricultura. "Volto já", disse ele. Eu balancei a cabeça sem dizer nada, e cinco minutos depois, ele voltou e me deu um grande buquê de delicadas rosas pálidas. "Obrigada?", eu disse, parecendo mais uma pergunta. Agora, além do beijo e declaração de "incrível", eu de alguma forma havia ganhado flores também.


"Elas não são adequadas", admitiu. "No simbolismo floral tradicional, laranja ou vermelho teria sido mais apropriado. Mas tinham estas e umas de lavanda, e você simplesmente não parece ser uma pessoa de roxo." "Obrigada”, disse eu, com mais firmeza neste momento. Eu respirava o doce odor das rosas a caminho de Spencer, e percebi que ninguém nunca tinha me dado flores antes. Chegamos ao café logo depois. Eu saí do carro, e em um flash, Brayden estava ao meu lado para que ele pudesse fechar a porta para mim. Nós fomos para dentro, e eu estava quase aliviada ao ver Trey trabalhando. Sua provocação seria um bom retorno à normalidade, já que a minha vida tinha acabado de ser desviada para a Terra da loucura. Trey nem percebeu-nos em primeiro lugar. Ele estava falando atentamente para alguém do outro lado do balcão, um rapaz um pouco mais velho do que nós. Pele bronzeada, cabelo preto, e semelhantes características faciais me deu a dica muito rapidamente que ele e Trey eram relacionados. Brayden e eu esperamos discretamente atrás do cara, e Trey finalmente olhou para cima, com uma expressão surpreendentemente sombria em seu rosto que estava fora de lugar. Ele olhou surpreso quando ele nos viu, mas depois pareceu relaxar um pouco. "Melbourne, Cartwright. Vieram em busca de um pouco de cafeína depois do moinho? " "Você sabe que eu nunca bebo cafeína após as quatro", disse Brayden. "Mas Sydney precisa de algo para sua professora." "Ah", disse Trey. "O de sempre para você e Sra. T?" "Sim, mas quero o meu gelado dessa vez." Trey me deu um olhar astuto. "É preciso esfriar um pouco, né?" Eu revirei os meus olhos. O cara a nossa frente estava quieto, e Trey acenou em direção a ele enquanto agarrava dois copos. "Este é o meu primo Chris. Chris, estes são Sydney e Brayden. "


Este deveria ser o primo “perfeito” de Trey. Num relance, vi pouco que o marcou como melhor do que Trey, exceto, talvez, a sua altura. Chris era bastante alto. Não tão alto quanro Dimitri, mas ainda assim alto. Ambos tinham boa aparência e um corpo atlético semelhante. Chris ainda tinha alguns dos mesmos hematomas e arranhões que Trey muitas vezes ostentava, fazendo-me pensar se havia uma ligação familiar ao esporte, também. Independentemente disso, Chris não parecia com alguém que Trey deveria se deixar intimidar, mas eu estava afetada pela nossa amizade. "De onde você é?", eu perguntei. "São Francisco", disse Chris. "Há quanto tempo você está na cidade?", Perguntou Brayden. Chris deu a Brayden um olhar desconfiado. "Por que você quer saber?" Brayden pareceu surpreso, e eu não o culpo. Antes que qualquer um de nós poderia imaginar o próximo passo na conversa, Trey foi mais rápido. "Relaxe, C. Eles estão apenas sendo gentil. Não é como se eles trabalhassem para uma agência de espionagem." Desculpe", disse Chris, não realmente parecendo que sentia muito. Essa era a diferença entre os primos, eu percebi. Trey teria reconhecido seu erro. Ele na verdade nunca teria cometido esse erro. Havia definitivamente níveis diferentes de simpatia nesta família."Algumas semanas". Nem Brayden nem eu ousamos dizer nada depois disso, e graças a Deus, Chris escolheu essa oportunidade para sair, com a promessa de ligar para Trey mais tarde. Quando ele se foi, Trey sacudiu a cabeça como se pedisse desculpe e colocou os cafés no balcão. Peguei minha carteira, mas Brayden fez um gesto para que deixasse que ele pagava. "A agenda da próxima semana já está pronta." "É mesmo?" Brayden olhou para mim. "Se importa se eu entrar no quarto de volta por um segundo? Figurativamente, é claro. " "Vá em frente", disse eu. Assim que ele se foi, eu me virei para Trey.


"Eu preciso de sua ajuda". As sobrancelhas de Trey se levantaram. "As palavras que eu nunca pensei que eu iria ouvir de você." Éramos dois, mas eu estava perdida e Trey era minha única fonte de ajuda agora. "Brayden me deu flores", declarei. Eu não ia falar do beijo. "E?" "E, por que ele fez isso?" "Porque ele gosta de você, Melbourne. Isso é o que fazemos. Nós pagamos o jantar e compramos presentes, e nós esperamos que vocês retornem...um, gostem de nós. " "Mas eu discuticom ele," Eu assobiei, olhando ansiosamente para a porta por onde Brayden passou. "Como, pouco antes de ele me dar as flores, eu lhe dei esta palestra grande sobre como ele estava errado sobre fontes alternativas de energia. " "Espere, espere", disse Trey. "Você disse ... você disse a Brayden Cartwright que ele estava errado?" Eu balancei a cabeça. "Então por que ele reagiu daquele jeito?" Trey riu, uma risada tão grande que eu achei que ele ia atrair Brayden de volta. "As pessoas não dizem que ele está errado." "Sim, eu percebi." "E as meninas especialmente não dizem que ele está errado. Você é provavelmente a única menina que já tenha feito isso. Você é provavelmente a única menina inteligente o suficiente para fazê-lo. " Eu estava ficando impaciente. "Eu entendo isso. Então, por que as flores? Por que os elogios? " Trey balançou a cabeça e parecia que ele estava prestes a começar a rir de novo. "Melbourne, se você não sabe, então eu não vou falar pra você".


Eu estava muito preocupada com Brayden voltar e comentar sobre o inútil conselho de Trey. Em vez disso, eu disse: "Esse Chris é o primo perfeito do qual você estava falando?” O sorriso de Trey desapareceu. "Esse é o único. Qualquer coisa que eu possa fazer, ele pode fazer melhor." Eu imediatamente me arrependi de perguntar. Trey, assim como Adrian, era uma dessas pessoas que eu não gostava de ver perturbada. "Bem. Ele não parecia tão perfeito para mim. Provavelmente eu sou imparcial por estar próxima de você o tempo todo. Você define o padrão para a perfeição." Isso trouxe o sorriso de Trey de volta. "Desculpe por sua atitude. Ele sempre foi assim. Não é o ramo mais charmoso da árvore da família Juarez. Esse sou eu, é claro. " "É claro", eu concordei. Ele estava sorrindo quando Brayden voltou, mas quando eu lancei um olhar para trás quando estava saindo do café, a expressão de Trey tinha escurecido novamente. Seus pensamentos estavam voltados para dentro, e eu desejei que eu soubesse como ajudar. No caminho de volta para Amberwood, Brayden disse timidamente: "Bem. Agora eu sei que a agenda para as próximas duas semanas. " "Isso é ... bom," eu disse. Ele hesitou. "Então ... eu sei quando eu posso sair de novo. Se, isto é, quero dizer. Se você quiser sair outra vez. "Isso teria me surpreendido, se eu já não estivesse perplexa por tudo o que tinha acontecido hoje. Brayden queria sair comigo de novo? Por quê? Meninas, especialmente, não dizem a ele que ele está errado. Você é provavelmente a única menina que já tenha feito isso. Você é provavelmente a única menina inteligente o suficiente para fazê-lo. Mais importante, eu queria sair com ele de novo? Olhei para ele e depois para as rosas. Eu pensei em seus olhos quando ele olhou para mim com o carro parado. Percebi, então, as chances de eu nunca encontrar um cara que pensava que Shakespeare e o moinho de vento eram divertidos.


"Tudo bem", eu disse. Estreitou os olhos, pensativo. "Não há algum tipo de festa na sua escola? Você quer? As pessoas vão nisso, né?" "É isso que eu continuo ouvindo. Como você sabe sobre isso? " "O cartaz", disse ele. Então, como se fosse o momento certo ele chegou a calçada em frente ao meu dormitório. Pendurado sobre a porta principal tinha um cartaz decorado com teias de aranha e morcegos. RECEBA SEU SUSTO NA FESTA DE HALLOWEEN. "Oh," eu disse. "Esse cartaz." Eddie estava certo. Eu realmente tinha um armazenamento de dados seletivo. "Eu acho que nós podemos ir. Se você quiser." "Claro. Quer dizer, se você quiser." Silêncio. Nós rimos. "Bem, então", eu disse. "Eu acho que nós estamos indo." Brayden se inclinou para mim, e eu entrei em pânico, até que eu vi que ele estava tentando obter um melhor olhar do cartaz.. "Uma semana e meia de distância." "Tempo suficiente para adquirir as roupas, eu suponho." "Eu suponho. Embora ... " E foi aí que a próxima coisa louca aconteceu. Ele segurou minha mão. Eu admito, eu não estava esperando muito, especialmente depois da minha reação para o beijo na estrada. Ainda, como ele colocou a mão sobre a minha, fiquei surpresa ao sentir que era novamente como ... Bem, como tocar a mão de alguém. Eu, pelo menos, pensei que poderia haver pele arrepiada ou um pequeno vibrar do coração. Minha maior reação emocional foipreocupação sobre o que fazer com a minha mão.Enganchar meus dedos? Apertar a sua mão? "Eu gostaria de sair mais cedo", disse ele. A hesitação voltou. "Se você quiser". Eu olhei para as mãos e tentei descobrir como me sentia. Ele tinha mãos bonitas. Suave, quente. Eu poderia me acostumar a segurar as suas mãos. E, claro, ele cheirava como o café. Isso era o suficiente para construir o amor? Mais uma vez, essa incerteza me incomodava. Que direito tinha eu para isto? Eu não estava em Palm Springs para meu próprio divertimento. Não


havia nenhum “eu”na Alquimia. Bem, foneticamente havia, mas esse não era o ponto.. Eu sabia que meus superiores não aprovariam nada disso.E, no entanto, quando é que eu teria essa chance novamente? Quando que eu iria receber flores? Quando é que alguém iria olhar para mim com esse tipo de fervor? Eu decidi ir em frente. "Claro", eu disse. "Vamos sair de novo."


Capítulo 8 Sair novamente não aconteceu até o fim de semana. Brayden e eu tínhamos atitudes suficientemente parecidas sobre sair nas noites durante a semana e fazer a lição de casa, mas nenhum de nós gostava de fazê-lo, se pudesse evitar. Além disso, minhas noites normalmente tinham algum outro conflito com o grupo, seja indo para a alimentação ou para os experimentos. Eddie tinha dado o seu sangue esta semana, e eu tinha feito um ponto de não estar por perto quando isso aconteceu, para que Sonya não tocasse no assunto novamente. Brayden queria sair sábado, mas esse era o dia em que eu tinha prometido dirigir para Adrian até San Diego. Me comprometi com Brayden para o café da manhã, ele me pegou antes de eu sair para a estrada, e fomos a um restaurante ao lado de um dos muitos campos de golfe de Palm Springs. Embora eu tivesse me oferecido muito para ajuda com a conta, Brayden continuou pagando tudo e fazendo toda a condução. Quando ele me deixou em frente ao meu dormitório eu vi uma surpreendente e não inteiramente bem-vinda visita me esperando: Adrian sentado em um banco do lado de fora, olhando entediado. "Oh Jesus," eu disse. "O que", perguntou Brayden. "Esse é o meu irmão." Eu sabia que não havia como evitar isso. O inevitável aconteceu. Adrian provavelmente pularia no para choques do carro de Brayden, até que ele fosse apresentado. "Vamos lá, você pode conhecê-lo." Brayden deixou o carro em marcha lenta e saiu, lançando um olhar ansioso para o cartaz de NÃO ESTACIONE. Adrian saltou de sua cadeira, um olhar de satisfação suprema em seu rosto. "Não era eu que deveria buscá-lo?", eu perguntei. "Sonya tinha algumas coisas para fazer e se ofereceu para me deixar aqui enquanto ela estava fora", explicou. "Pensei que iria poupar alguns problemas." Adrian sabia o que eu estava fazendo esta manhã, então eu não tinha certeza de que seus motivos tinham sido totalmente altruístas.


"Este é Brayden:" Eu disse a ele. "Brayden, Adrian." Adrian apertou sua mão. "Eu ouvi muito sobre você." Eu não tinha dúvidas, mas me perguntei de quem ele tinha ouvido exatamente. Brayden deu um sorriso amigável. "Na verdade eu nunca ouvi falar de você. Eu nem sabia que Sydney tinha outro irmão. " "Você nunca falou de mim?" Adrian me lançou um olhar de mágoa fingida. "A ocasião nunca veio", disse eu. "Você ainda está na escola preparatória, certo?", Perguntou Adrian. Ele acenou com a cabeça em direção ao Mustang. "Você precisa ter um trabalho para fazer os pagamentos do carro. A menos que você é um daqueles preguiçosos que obtém dinheiro com os pais." Brayden parecia indignado. "Claro que não. Eu trabalho quase todos os dias em uma loja de café. " "Um café", repetiu Adrian, conseguindo transmitir um milhão de tons de desaprovação. "Eu vejo." Ele olhou para mim. "Eu suponho que poderia ser pior." "Adrian." "Bem, não é como como se eu fosse trabalhar lá para sempre", protestou Brayden. "Eu já fui aceito na USC, Stanford, e Dartmouth." Adrian assentiu pensativamente. "Eu acho que é respeitável. Embora, eu sempre pensei em Dartmouth como a faculdade que as pessoas vão quando não podem entrar em Yale ou Harv" "Nós realmente precisamos ir," eu interrompi, agarrando o braço de Adrian. Tentei puxá-lo em direção ao estacionamento dos estudantes e não consegui. "Nós não queremos pegar trânsito." Brayden olhou para o telefone celular. "Os padrões de tráfego devem ser relativamente leve indo para o oeste a esta hora do dia, mas sendo um fim de semana, você nunca sabe como turistas podem alterar as coisas, especialmente com as várias atrações em San Diego. Se você olhar para os modelos de tráfego da aplicação da Teoria do Caos "


"Exatamente," eu disse. "É melhor prevenir do que remediar. Te mandarei uma mensagem de texto quando eu voltar, ok? Bom, o resto desta semana." Pela

primeira

vez,

eu

não

tive

que

me

preocupar

sobre

dar um aperto de mão, ou beijar ou algo assim. Eu estava muito fixada em arrastar Adrian antes que ele pudesse abrir a boca e dizer algo inflamatório. Brayden, alguém apaixonado por temas acadêmicos e eu que ainda assim discordei dele, tendia a ser bem-educado. Ele não tinha exatamente sido perturbado agora, mas que foi certamente o mais agitado que eu já o vi até agora. Adrian conseguia alterar até mesmo as pessoas mais descontraídas. "De verdade?" Eu perguntei, uma vez que estávamos em segurança dentro do Latte. "Você não poderia ter dito 'bom conhecer você", e deixá-lo ir?" Adrian

empurrou

para

trás

o

banco

do

passageiro,

deixando na posição mais confortável possível enquanto seguia colocando o cinto de segurança. "Só estou cuidando de você, irmãzinha. Não quero que você termine com algum aproveitador. Acredite em mim, eu sou um especialista nesse tipo de coisa." "Bem, eu aprecio o seu conhecimento interno, mas eu posso fazer isso sozinha, obrigada mesmo assim.” "Vamos lá, um barista? Por que não um estagiário de negócios?" "Eu gosto que ele seja um barista. Ele sempre cheira como café." Adrian abaixou a janela, deixando a brisa arrepiar o cabelo. "Estou surpreso por você deixá-lo dirigir em torno de você, especialmente considerando a maneira que você enlouquece se alguém toca nos controles do seu carro." "Como a janela?" Eu perguntei incisivamente. "Quando o ar condicionado é ligado?" Adrian entendeu o recado e levantou a janela de volta. "Ele queria dirigir. Então eu deixei. Além disso, eu gosto do carro ". "É um bom carro", admitiu Adrian. "Apesar de eu nunca te considerar do tipo que vai atrás de um símbolo de status."


"Eu não. Eu gosto dele porque é um carro interessante, com uma longa história.” "Tradução: símbolo de status." "Adrian." Eu suspirei. "Esta vai ser uma longa viagem." Na verdade, fizemos um bom tempo. Apesar das especulações de Brayden, o tráfego se moveu facilmente, o suficiente para que eu sentisse que merecia um coffee break no caminho. Adrian comprou um mocha "Você pode identificar o odor deste, Sage?" E manteve seu estilo habitual de conversa alegre durante a maior parte da viagem. Eu não pude deixar de notar, quando foram cerca de 30 minutos, ele pareceu mais retraído e pensativo. Sua brincadeira caiu fora, e ele passou muito tempo olhando pela janela. Eu só poderia assumir que a realidade de ver o seu pai estava dentro de sua cabeça. Foi certamente algo que eu poderia relacionar. Eu seria tão ansiosa se eu estivesse prestes a ver o meu. Eu realmente não acho que Adrian gostaria de receber uma sessão de psicoterapia compartilhada, embora, então eu tateei por um tópico mais seguro para tirá-lo de seu mau humor. "Vocês já aprenderam alguma coisa com o sangue de Eddie e de Dimitri?” Eu perguntei. Adrian me olhou com surpresa. "Não esperava que você traria esse tema." "Ei, eu sou curiosa sobre a ciência dela. Eu só não queria participar." Ele aceitou isso. "Não há muito o que dizer tão cedo. Eles enviaram as amostras a um laboratório - um de seus laboratórios - eu acho, para ver se há alguma coisa diferente entre os dois. Sonya e eu pegamos um ... oh, eu não sei como descrever isso. Como, um "zumbido" de espírito no sangue de Belikov. Não que ele tenha sangue mágico deve surpreender ninguém. A maioria das pessoas parecem pensar que tudo que ele faz é mágico." "Oh, por favor", eu disse. "Isso é injusto." "É? Você já viu a maneira como Castille o adora. Ele quer ser como Belikov quando crescer. E apesar de Sonya ser usualmente o porta-voz para a nossa investigação, ela não vai respirar sem verificar com ele de antemão. 'O que você


acha, Dimitri?" 'Esta é uma boa ideia, Dimitri?" Por favor, nos dê a sua benção para que possamos adorar você, Dimitri." Eu balancei a cabeça, exasperada. "Mais uma vez, injusto. Eles são parceiros de pesquisa. É claro que ela vai consultá-lo. " "Ela consulta a ele mais do que eu." Provavelmente porque Adrian sempre parecia entediado durante a sua pesquisa, mas achei que não iria ajudar trazer isso à tona. "Os dois foram Strigoi. Eles tipo tem uma visão única para isso." Ele não respondeu por alguns momentos. "Tudo bem. Darei pontos por isso. Mas você não pode argumentar que havia alguma competição entre mim e ele, quando ele veio para Rose. Você viu eles juntos. Eu nunca tive uma chance. Eu não posso comparar." "Bem, por que você precisa?" Parte de mim também queria perguntar o que Rose tinha a ver com isso, mas Jil tinha me dito inúmeras vezes que, para Adrian, tudo voltava a Rose. "Porque eu queria," disse Adrian. "Você ainda quer?" Nenhuma resposta. Rose era um tema perigoso, que eu desejava que não estivessemos discutindo tão estranhamente. "Olha", eu disse. "Você e Dimitri são duas pessoas diferentes. Você não deve se comparar a ele. Você não deve tentar ser como ele. Quer dizer, eu não vou sentar aqui e cortá-lo em pedaços ou nada. Eu gosto de Dimitri. Ele é inteligente e dedicado, loucamente bravo e feroz. Bom em uma luta. E ele é apenas um cara legal." Adrian zombou. "Você deixou de fora sonhador e absolutamente bonito." "Ei, você é agradável sobre os olhos também," eu provoquei, citando uma coisa que ele me disse há um tempo atrás. Ele não sorriu.


"E não subestime a si mesmo. Você é inteligente também, e você pode falar de e para qualquer coisa. Você não precisa mesmo de um carisma mágico ". "Até agora eu não estou vendo muita diferença entre mim e um carnaval vigarista". "Oh, pare", eu disse. Ele poderia me fazer rir, mesmo com o mais sério dos tópicos. "Você sabe o que eu quero dizer. E você também é uma das pessoas mais ferozmente leais que eu conheço, e preocupado, não importa o quanto você fingi o contrário. Eu vejo o jeito que você olha para Jil. Muitas pessoas não teriam viajado por todo o país para ajudá-la. E quase ninguém teria feito o que fez para salvar sua vida." Mais uma vez, Adrian levou um tempo para responder. "Mas o que vale realmente a lealdade e preocupação?” "Para mim? Tudo." Não houve hesitação na minha resposta. Eu já tinha visto muita traição e cálculo na minha vida. Meu próprio pai não julgava as pessoas por quem eles eram, mas pelo que eles poderiam fazer por ele. Adrian se importava apaixonadamente sobre os outros debaixo de toda sua bravura e irreverência. Eu tinha visto ele arriscar sua vida para provar isso. Considerando que eu tinha mandado cortar os olhos de alguém para vingar a minha irmã ... bem. A devoção era algo que eu definitivamente poderia apreciar. Adrian não disse mais nada durante o resto da viagem, mas pelo menos eu não tive a impressão de que ele estava pensando mais. Bom ele parecia pensativo, mas não parecia que era tão preocupante. O que fez de mim um pouco constrangida foi que eu muitas vezes o vi me estudando com minha visão periferia. Eu repassei o que eu disse mais e mais em minha mente, tentando descobrir se tinha havido qualquer coisa para justificar tal atenção. O pai de Adrian estava hospedado em um hotel em San Diego alastrando com uma vibe semelhante ao local onde Brayden e eu tinhamos tomado nosso café da manhã. Empresários de terno misturavam-se com os que procuravam lazer em estampas tropicais e sandálias. Eu quase havia usado meus jeans desgastado para o café da manhã e estava feliz agora para a minha escolha de


uma saia cinza e blusa de manga curta com um deseho azul e cinza. Ele tinha uma pequena guarnição de babados, e a saia tinha um padrão de espinha de peixe muito, muito fraco. Normalmente, eu não teria usado como contraste de texturas juntos, mas eu gostei da ousadia do look. Eu mostrei para Jil antes de deixar o dormitório para o café da manhã. Ela tinha levado um tempo para encontrar o mesmo contraste nas texturas, e quando o fez, ela revirou seus olhos. "Sim, Sydney. Você é uma rebelde real". Enquanto isso, Adrian estava em um de seus trajes típicos de verão, calça jeans e uma camisa de botão, embora, claro, a camisa estava para fora da calça, com as mangas dobradas e alguns botões de cima da camisa desabotoados. Ele se vestia daquele jeito o tempo todo, e apesar de sua fachada casual, muitas vezes ele parecia vistoso e elegante. Não é de hoje, no entanto. Estes foram os mais desgastados jeans que eu já o vi usar até hoje. Os joelhos estavam à beira de ter buracos. A camisa verde escuro, enquanto a qualidade agradável e uma combinação perfeita com seus olhos, estava franzida a níveis inexplicáveis. Mesmo dormir com ela ou jogá-la no chão não a deixaria naquele estado. Eu tinha certeza de que alguém teria que amassa-la em ums bola e sentar em cima dela para que ela parecesse dessa forma. Se eu tivesse notado isso em Amberwood (se eu não testivesse tão distraída em afastá-lo de Brayden), eu teria insistido em passar a camisa antes de sairmos. Ele ainda parecia bem, claro. Ele sempre parecia bem, não importa a condição de sua roupa e cabelo. Era uma das coisas mais irritantes sobre ele.Este aspecto desalinhado fazia com que ele parecesse um pensativo modelo europeu. Estudei-o quando pegou o elevador para o saguão do segundo andar, e decidi que não poderia ser uma coincidência que a roupa mais amarratoda que eu já vi Adrian usar tinha sido no dia em que ele teria uma conversa de pai e filho. A pergunta era: por quê? Ele reclamou que seu pai sempre encontrava falhas nele. Vestindo-se desta forma parecia que Adrian estava apenas fornecendo mais uma razão.


O elevador se abriu, e eu estava ofegante quando saímos dele. A parede de trás do lobby foi quase totalmente coberto com janelas que ofereciam uma visão dramática do Pacífico. Adrian riu da minha reação e tirou o telefone celular. "Dê uma olhada enquanto eu ligo para o velho." Ele não teve que me dizer duas vezes. Fui até uma das paredes de vidro, admirando a vasta expansão de azul-acinzentado. Eu imaginava que em dias nublados, seria difícil de ver onde acabava o céu e começava o oceano. O clima estava exuberante hoje, cheios de sol, e um céu azul claro. No lado direito do lobby, um conjunto de portas abertas para uma varanda estilo Mediterrâneo, onde clientes foram saborear almoço no sol. Olhando para baixo ao nível do solo, avistei uma espumante piscina tão azul como o céu, rodeada de palmeiras e banhistas. Eu não tinha o mesmo desejo de água que um usuário mágico como Jil possuía, mas eu estava vivendo no deserto por quase dois meses. Isso foi incrível. Eu estava tão fascinada com a beleza exterior que eu não percebi o retorno de Adrian. Na verdade, eu nem percebi que ele estava de pé ao meu lado até que uma mãe chamando sua filha – que também se chamava Sydney me fez olhar para o lado. Lá, vi Adrian a poucos centímetros de mim, me olhando com diversão. Eu vacilei e recuei um pouco. "Que tal um aviso da próxima vez?" Ele sorriu. "Eu não queria interromper. Você parecia feliz para variar." "Para variar? Estou feliz em muitas ocasiões." Eu conhecia Adrian o suficiente para saber quando um comentário sarcástico estava para vir. No último segundo, ele mudou de ideia, sua expressão se transformando, sério. "Esse cara...esse Brendan" "Brayden." "Esse cara Brayden faz você feliz?" Eu olhei para Adrian surpresa. Esses tipos de perguntas eram quase sempre uma configuração dele, mas seu rosto neutro fazia com que fosse difícil de adivinhar seus motivos neste momento.


"Eu acho", disse no final. "Sim. Quero dizer, ele não me faz infeliz." Isso trouxe o sorriso de Adrian de volta. "Uma resposta vermelho vivo, se alguma vez houve uma. O que você gosta nele? Além do carro? E de que ele cheira como o café? " "Eu gosto que ele é inteligente," eu disse. "Eu gosto que eu não tenho que mudar em torno dele." Agora Adrian franziu a testa." “Você faz muito com as pessoas?" Fiquei surpresa com a amargura em minha risada própria. “Um monte?" Tente o tempo todo. Provavelmente a coisa mais importante que aprendi em Amberwood é que as pessoas não gostam de saber o quanto você sabe. Com Brayden, não há censura para nenhum de nós. Quer dizer, basta olhar para esta manhã. Um minuto estávamos falando de trajes de Halloween e no próximo estávamos discutindo as antigas origens atenienses da democracia.” "Eu não vou afirmar ser um gênio, mas como que você fez esse salto?" "Oh," eu disse. "Nossas fantasias de Haloween. Vamos nos vestir como gregos. Desde a era ateniense. " "É claro", disse ele. E desta vez, eu poderia dizer que o sarcasmo estava prestes a voltar. "Sem trajes sexy de gata para você. Apenas as vestimentas feminista mais digna é adequada. Eu balancei a cabeça. "Feminista? Oh, não. Não, as mulheres atenienses. Elas estão tão longe de serem feministas, como você pode...bem, esqueça. Não é realmente importante." Adrian fez um gesto de surporesa. "É isso, não é?" Ele se inclinou para mim e eu quase me afastei... mas algo me segurou onde eu estava, algo sobre a intensidade em seus olhos. "O que?" Eu perguntei. Ele apontou para mim. "Você se deteve justo agora. Você apenas se calou para mim. "


Hesitei apenas um momento. "Sim, eu meio que fiz." "Por quê?" "Porque você realmente não quer ouvir falar de Atena antiga, mais do que você queria ouvir Brayden falar sobre a Teoria do Caos". "Isso é diferente", disse Adrian. Ele não havia se afastado e realmente estava de pé tão... tão perto de mim. Parecia que deveria ter me incomodado, mas isso não aconteceu. "Ele é chato. Você faz a aprendizagem divertida. Como um livro infantil ou um programa educativo para crianças na televisão. Me diga sobre seus... hum, as mulheres atenienses." Eu tentei não sorrir. Eu admirava suas intenções aqui, mas sabia que ele realmente não estava a fim de uma aula de história. Mais uma vez, eu me perguntava o que

estava acontecendo. Por que ele estava fingindo estar

interessado? Tentei compor uma resposta que levaria menos de sessenta segundos. "A maioria das mulheres atenienses não foram educadas. A maioria delas ficavam dentro de casa e apenas esperavam para ter filhos e cuidar da casa. As mulheres mais progressistas foram os heteras. Elas eram como artistas e prostitutas de alta classe. Elas foram educados e um pouco mais chamativas. Homens poderosos mantiveram suas esposas em casa para criar os filhos e depois saiam com heteras para se divertir. " Fiz uma pausa, sem saber se ele havia entendido algo disso "Como eu disse, não é realmente importante. " "Eu não sei", disse Adrian pensativamente "Acho prostitutas muito importantes." "Bem...Como é animador ver que as coisas não mudaram ", uma nova voz cortou-nos. Nós dois estremecemos e olhamos para o homem carrancudo que tinha acabado de se juntou a nós. O pai de Adrian tinha chegado.


Capítulo 9 Aqueles de nós que sabiam o que procurar para poder detectar instantaneamente um Moroi era por sua pele pálida e figura alta. Para olhos mais humanos, esses recursos se sobressaiam, mas não era um claro indício de vampiro. Os seres humanos só notam as características tão marcantes e incomuns, assim como Lia havia considerado Jil como a forma perfeita para a passarela. Eu não queria julgar por estereótipos, mas depois de uma rápida avaliação da palidez Moroi, do rosto longo, olhar severo, e cabelos cor de prata, do Sr. Ivashkov eu meio que me perguntei se ele não era confundido com um vampiro com mais freqüência. Não, vampiro não era realmente o termo correto, eu decidi. Mais como agente funerário. "Pai," disse Adrian rigidamente. "É sempre um prazer." "Para alguns de nós." Seu pai me estudou, e eu vi seus olhos pararem na minha bochecha. Ele estendeu a mão. Eu a peguei, orgulhosa de que apertar a mão de um Moroi não foi um evento para mim agora. "Nathan Ivashkov." "Sydney Sage," eu respondi. "É muito bom conhecê-lo, senhor." "Eu conheci Sage, enquanto eu estava por aqui", explicou Adrian. "Ela era boa o suficiente para me dar uma carona de LA hoje, já que eu não tenho um carro." Nathan me olhou com espanto. "Isso é uma longa viagem." Não é tão longa como a unidade de Palm Springs, mas nós imaginamos que seria mais seguro e mais crível deixá-lo pensar que Adrian estava em Los Angeles. "Eu não me importo, senhor", eu disse. Eu olhei para Adrian. "Vou fazer algum trabalho. Você quer me mandar uma mensagem de e texto quando você estiver pronto para ir?" "Trabalho", questionou em desgosto. "Vamos lá, Sage. Vai comprar um biquíni e desfrutar da piscina enquanto você está por perto."


Nathan olhou entre nós, incrédulo. "Você a fez trazê-lo aqui, e agora você vai fazê-la esperar por aí por sua conveniência?" "De verdade," eu disse. "Eu não" "Ela é uma alquimista", continuou Nathan. "Não é um motorista.Há uma grande diferença ". Na realidade, haviam dias em Amberwood que eu duvidei disso. "Vem, Miss Sage. Se você perdeu o seu dia dirigindo para meu filho até aqui, o mínimo que euposso fazer é comprar-lhe o almoço. "Lancei um olhar de pânico para Adrian. Eu não estava em pânico porque estava com medo de estar com um Moroi. Eu há muito tempo havia me acostumado a esses tipos de situações. O que eu estava insegura era se Adrian realmente me queria em torno de sua reunião de família. Isso não fazia parte do plano. Além disso, eu não tinha certeza de que eu realmente queria estar por perto para essa reunião. "Pai" Adrian tentou. "Eu insisto", disse Nathan com firmeza. "Preste atenção e aprenda a cortesia comum." Ele se virou e começou a se afastar, assumindo que estávamos seguindo-o. Fizemos. "Devo encontrar um motivo para sair?", Sussurrei para Adrian. "Não quando ele usa sua voz de ‘eu insisto’” foi a resposta murmurada. Por um momento, capturando a vista maravilhosa do restaurante e sua vista para o mar ensolarado, eu pensei que eu poderia lidar com os Ivashkovs. Sentada lá fora, vendo o calor e a beleza valeria a pena o drama. Então, Nathan passou direto pelas portas da varanda e nos levou até o elevador. Nós o seguimos obedientemente. Ele nos levou para baixo ao piso do hotel, a um bar chamado O Corkscrew. O lugar era escuro e sem janelas, com vigas de madeira penduradas e cabines de couro preto. Barricadas de carvalho alinhadas nas paredes, e a luz que havia era filtrada através de lâmpadas de vidro vermelhas. Além de um barman solitário, o bar estava vazio, o que não inteiramente me surpreende a esta hora do dia.


O que me surpreendeu foi que Nathan tinha-nos trazido aqui ao invés do restaurante ao ar livre. O cara estava vestido com um terno caro que parecia que tinha vindo direto de uma sala de reuniões de Manhattan. Por que ignoraria um elegante restaurante de elite para o almoço para escolher um lugar mal ventilado, escuro... Eu quase gemi. É claro que o terraço não era uma opção, e não para um Moroi. A tarde ensolarada que fez tais condições encantadoras para mim, teria resultado em um almoço bastante infeliz para o Sr. Ivashkovs... não que algum deles parecia que planejava desfrutar deste local de qualquer maneira. "Sr. Ivashkov ", disse obarman. "É bom ver você de volta." "Posso pegar comida entregue por aqui de novo?", Perguntou Nathan. "É claro." Novamente. Esta toca subterrânea provavelmente tinha sido o lugar onde Nathan pegava suas refeições desde que havia chegado a San Diego. Me permiti um último e nostálgico pensamento sobre o terraço e depois segui Nathan e Adrian ao interior. Nathan escolheu uma mesa de canto destinada para oito pessoas. Talvez ele gostava de seu espaço. Ou talvez ele gostava de fingir que estava presidindo uma reunião corporativa. O barman deu-nos menus e levou os pedidos de bebidas. Eu pedi café. Adrian pediu um martini, ganhando olhares de desaprovação de seu pai e de mim. "É quase meio-dia", disse Nathan. "Eu sei", disse Adrian. "Estou surpreso que eu tenha aguentado por muito tempo também." Nathan ignorou o comentário e se virou para mim. "Você é muito jovem. Você deve ter começado a pouco tempo com os Alquimistas". "Todos começamos jovens," eu concordei. "Eu tenho trabalhado sozinha por um pouco mais de um ano.” "Eu admiro isso. Mostra uma grande dose de responsabilidade e iniciativa." Ele acenou com a cabeça agradecendo ao barman por ter trazido a garrafa de água com gás. "Não é nenhum segredo como os Alquimistas se sentem sobre


nós, mas ao mesmo tempo, seu grupo nos faz muito bem. Sua eficiência é particularmente notável. Pena que o meu povo não dá mais atenção a esse exemplo. " "Como estão as coisas com os Moroi?" Eu perguntei. "Com a rainha?" Nathan quase sorriu. "Você está dizendo que você não sabe?" Eu sabia, pelo menos eu sabia o que os Alquimistas sabiam. "É sempre diferente ouvir uma perspectiva privilegiada, senhor." Ele riu. Foi um duro som, como se o riso não era algo que Nathan Ivashkov tinha muita prática. "A situação é melhor do que era. Não é grande, no entanto. Essa menina é inteligente, considero isso." Eu presumi que a ‘menina’ era Vasilisa Dragomir, rainha adolescente do Moroi e melhor amiga de Rose. "Tenho certeza que ela preferia aprovar a lei dos dhampirs e a hereditária, mas ela sabe que isso só vai enraivecer seus oponentes. Então, ela está encontrando maneiras dse comprometer em outras questões e ganhou mais alguns inimigos." As leis hereditárias. Aqueles eram de interesse para mim. Havia 12 linhas reais entre os Moroi, e Vasilisa e Jil eram, as únicas que sobraram da delas. A Lei Moroi dizia que um monarca tinha de ter pelo menos um outro membro da família, que foi como Jill se tornou uma peça do jogo político. Mesmo assassinos graves teriam um tempo difícil tentando pegar uma rainha bem guardada. Eliminar a meia-irmã iria fornecer os mesmos resultados, no entanto, e invalidar o mandato de Vasilisa. Foi por isso que Jil acabou se escondendo. Os pensamentos de Nathan seguiram as mesmas linhas. "Ela também é inteligente para esconder a irmã bastarda dela." Eu sabia que ele queria dizer "bastardo", no sentido de uma criança ilegitima, e não como um insulto, mas eu ainda estremeci."Há rumores de que seu povo sabe algo sobre isso. Não suponha que você ia me dar uma perspectiva privilegiada sobre ele?" Eu balancei a cabeça e tentei manter o meu tom amigável. "Desculpe, senhor. Meu conhecimento tem limites. " Depois de alguns instantes de silêncio, Nathan limpou a garganta."Bem, Adrian. O que é que você queria? "


Adrian tomou um gole de seu martini. "Oh, você acabou de perceber que eu estava aqui? Eu pensei que você tinha vindo para ver a Sydney." Eu afundei em minha cadeira um pouco. Este foi exatamente o tipo de situação que eu queria evitar. "Por que todas as perguntas tende a tirar uma resposta difícil com você", perguntou Nathan, cansado. "Talvez seja o tipo de perguntas que você faz, pai." Este bar não ia ser grande o suficiente para conter a tensão que aumentava rapidamente. Cada instinto me dizia para ficar invisível, mas eu encontrei-me falando de qualquer maneira. "Adrian está na universidade", eu disse. "Tendo aulas de arte. Ele é muito talentoso." Adrian me lançou um olhar questionador, mas divertido, a olhar para isso. Algumas de suas peças eram bastante boas. Outras, especialmente quando ele tinha estado bebendo pareciam que tinham acidentalmente derramado tinta sobre a tela. Eu disse isso a ele amavelmente em um monte de ocasiões. Nathan olhou impressionado. "Sim. Ele já fez isso antes. Não durou." "Tempo diferente, lugar diferente", eu disse. "As coisas podem mudar.As pessoas podem mudar." "Mas, muitas vezes, eles não fazem", declarou Nathan. O garçom voltou a receber ordens do almoço, embora nenhum de nós tinha sequer olhado para os menus ainda. “Simplesmente pedirei para todos nós. Está bem?" Nathan abriu o menu e examinou-o rapidamente. "Traga-nos um prato de cogumelos com manteiga de alho, o fondue de queijo de cabra, vieiras enrolados em bacon, e salada Cesar de ostras fritas. A salada suficiente para três, obviamente."O barman fez um par de notas rápidas e foi embora antes que eu pudesse mesmo dizer uma palavra. "Mão muito pesada, pai?", Perguntou Adrian. "Você nem mesmo se importou em perguntar nó nos importavamos de que você fizesse os pedidos." Nathan olhou despreocupado. "Eu comi aqui antes. Eu sei o que é bom. Confie em mim, você gostará."


"Sage não vai comer nada disso." Isso realmente seria mais fácil, eu decidi, se tivessem ambos fingindo que não existe.. "Por que não?", Perguntou Nathan, olhando-me com curiosidade. "Você é alérgica a frutos do mar?" "Ela só come coisas saudáveis", disse Adrian. "Tudo o que você acabou de pedir pinga gordura." "Um pouco de manteiga não vai machucá-la. Ambos verão que eu estou certo. Tudo é bom. Demais." Nathan acrescentou, fazendo uma pausa para saborear a sua água. "Eu pedi uma salada para a mesa. O alface é saudável." Eu nem sequer tentei ressaltar que nenhuma quantidade de salada romana iria compensar ostras fritas ou molho Caesar. Eu não tive a chance de falar, porque Adrian já havia bebido e notei com surpresa que ele já estava na metade de seu Martini. "Você vê?", Disse ele em desgosto. "Isso é exatamente como você opera. Você assumi que você sabe o que é melhor para todos. É só ir em frente e tomar essas decisões, não se preocupando em consultar ninguém, porque você está tão certo de que você está certo. " "Na minha vasta experiência", disse Nathan friamente, "Eu sou usualmengte estou certo. Quando você também possuir esse tipo de experiência... quando você puder presumir ser uma autoridade em...bem...qualquer coisa, então você também pode ser confiável com decisões importantes." "Este é o almoço", argumentou Adrian de volta. "Não é uma decisão de vida ou morte. Tudo o que eu estou dizendo é que você poderia ter feito algum esforço para incluir os outros. Obviamente, a sua "Vasta experiência" não se aplica a cortesias normais. " Nathan olhou para mim. "Estou sendo qualquer coisa a não ser cortês com você, Miss Sage?" Minha cadeira, para minha grande consternação, não me escondeu. Adrian terminou seu martini de um só gole e levantou o vidro para chamar a atenção do garçom.


"Deixe-a de fora", disse Adrian para seu pai. "Não tente manipulá-la para provar seu ponto. " "Dificilmente preciso manipular alguém para mostrar meu ponto", disse Nathan. "Creio que está feito.” "O almoço estará bem," eu soltei, ciente de que esta briga entre pai e filho realmente não tinha nada a ver com os meus hábitos alimentares. "Eu preciso experimentar coisas novas de qualquer maneira." "Não ceda a ele, Sydney", avisou Adrian. "É assim que ele consegue continuar caminhando sobre as pessoas...principalmente mulheres. Ele faz isso com a minha mãe há anos." O garçom apareceu silenciosamente e substituiu a taça de martini vazia por uma cheia. "Por favor", disse Nathan, com um profundo suspiro. "Vamos deixar a sua mãe fora disso." "Deve ser fácil", disse Adrian. Eu podia ver as linhas de tensão no seu rosto. Sua mãe era um tema delicado. "Vendo como você sempre faz. Eu venho tentando obter uma resposta de você por semanas sobre como ela está! Inferno, eu só estava tentando descobrir onde ela está. É tão difícil para você desistir? Ela não pode estar em segurança máxima. Eles devem deixar que ela receba cartas." "É melhor que você não tenha contato com ela enquanto ela está presa.” disse Nathan. Até eu fiquei espantada com a frieza que ele falou sobre sua esposa. Adrian zombou e tomou um gole de martini de novo. "Ai estamos outra vez: você sabe o que é melhor para todos. Você sabe, eu realmente, realmente gosto de pensar que você mantém esta atitude evasiva com ela, porque dói muito. Eu sei que se a mulher que eu amava estivesse trancada, eu estaria fazendo de tudo em meu poder para alcançá-la. Para você? Talvez seja muito difícil. Talvez a única maneira que você pode viver sem ela é bloquea-la e mantendo-me longe demais. Eu quase poderia entender isso. " "Adrian" Nathan começou. "Mas não é isso, não é? Você não quer que eu tenha contato e você provavelmente não está tendo contato, porque você está envergonhado". Adrian


estava realmente se exaltando agora. "Você quer afastar-nos e fingir que isso não existe. Você quer fingir que ela não existe. Ela arruinou a reputação da família." Nathan fixou seu filho com um olhar de aço. "Considerando a sua própria reputação, eu acho que você poderia ver a sabedoria em não se associar com alguém que tenha feito o que ela fez. " "O que, estragar tudo?" Adrian exigia. "Nós todos estragamos. Todo mundo comete erros. Isso é o que ela fez. Foi um mau julgamento, isso é tudo. Você não corta as pessoas que você ama por erros como esse. " "Ela fez isso por causa de você", disse Nathan. Seu tom não deixou nenhuma pergunta sobre o que ele achava da decisão. "Porque você não pode deixar sozinho essa garota vampira. Você teve que exibir o seu relacionamento com ela, quase obtendo-se em tantos problemas quanto ela no assassinato de sua tia. É por isso que sua mãe fez o que ela fez, para protegê-lo. Por causa de sua irresponsabilidade, ela está na prisão agora. Tudo isso é culpa sua." Adrian

ficou

pálido,

mais

do

que

de

costume

e

parecia

muito

chocado para dar qualquer resposta. Ele pegou o martini de novo, e eu estava quase certa que eu podia ver suas mãos tremendo. Foi então nese instante que dois graçons apareceram com a nossa comida. Olhamos em silêncio enquanto eles definiam nosso lugar e colocavam artisticamente os pratos de comida. Olhando todos os alimentos me senti enjoada, e não tinha nada a ver com o teor de óleo e sal. "Sr. Ivashkov, "eu comecei, apesar de toda voz razoável na minha cabeça gritando para eu calar a boca. "É injusto culpar Adrian por suas escolhas, especialmente quando ele nem sequer percebia o que ela estava fazendo. Eu sei que ele faria qualquer coisa por ela. Se ele tivesse sido capaz de parar isto ou tomar o seu lugar, ele teria." "Está certa disso, hein?" Nathan estava acumulando seu prato com alimentos e parecia bastante animado sobre ele. Nem Adrian e nem eu tinhamos apetite. "Bem, Miss Sage, desculpe acabar com suas ilusões, mas parece que você, assim como muitas outras mulheres jovens têm sido enganadas pelas maneiras de persuasão do meu filho. Posso assegurar-lhe, ele nunca fez nada


que não servisse aos seus próprios interesses em primeiro lugar. Ele não tem iniciativa, sem ambição, sem terminar o que começa. Desde uma idade muito precoce, ele estava constantemente quebrando as regras, nunca ouvia o que os outros tinham a dizer, se não convenia ao que ele queria. Eu não estou realmente surpreso que suas tentativas de universidade falharam e garanto-lhe esta vai falhar também. Porque ele quase não conseguiu sair da escola. Não era nem mesmo sobre a bebida, as meninas, e as acrobacias que ele fazia ... ele simplesmente não se importava. Ele ignorou o seu trabalho. Foi somente através de nossa influência e talão de cheques que ele conseguiu se formar. Desde então, tem sido uma constante espiral para baixo." Adrian parecia que tinha levado um tapa. Eu queria chegar e confortá-lo, mas mesmo eu ainda estava em choque com as palavras de Nathan. Adrian claramente também estava. Era uma coisa ir e falar sobre como você pensou que seu pai estava decepcionado com você. Outra totalmente diferente era ouvir seu pai explicar em detalhes excruciantes. Eu sabia porque eu tinha estado em ambas as situações. "Honestamente, eu não me importo de ele beber tanto, desde que o nocauteie e mantenha-o quieto", continuou Nathan, através de uma boca cheia de queijo de cabra. "Você acha que sua mãe sofre agora? Eu lhe asseguro, ela está muito melhor. Ela ficou incontáveis noites, chorando sobre qualquer problema que ele tinha se metido. Mantê-lo longe dela agora não é sobre mim ou sobre ele. É por ela. Pelo menos agora, ela não tem de ouvir sobre suas últimas travessuras ou se preocupar com ele. A ignorância é uma bênção. Ela está em um lugar melhor sem ter contato com ele, e eu pretendo mantê-lo assim." Ele ofereceu as vieiras para mim, como se não tivesse acabado de entregar um enorme castigo sem respirar. "Você realmente deve tentar isso. Proteína é bom para você, você sabe." Eu balancei minha cabeça, incapaz de encontrar as palavras. Adrian respirou fundo. "Realmente, pai? Venho até aqui para vê-lo, para pedir-lhe para me dar alguma forma de contato com ela ... e isso é tudo que eu recebo? Que ela é melhor se não está falando comigo?" Olhando para ele, eu tinha a sensação de que ele estava trabalhando muito duro para manter a calma e


a razão. Responder de forma sarcástica não ia fazer com que ele ganhasse terreno e ele sabia disso. Nathan olhou assustado. "É a única razão que você veio aqui?" Ficou claro desde o tom que ele pensou que era um motivo tolo. Adrian mordeu o lábio, provavelmente mais

para segurar

seus

verdadeiros

sentimentos. Fiquei

impressionada com o seu controle. "Eu também pensei ... Bem, que talvez você gostaria de saber como eu estava fazendo. Achei que poderia ficar feliz em saber que eu estava fazendo algo útil. "Engoli em seco.Por um momento, seu pai simplesmente olhou. Então, sua confusão derreteu em um desses risos desajeitados. "Ah. Você está brincando. Fiquei intrigado por um momento. " "Eu terminei com isso ", disse Adrian. Em um flash, ele terminou seu martini e estava fora de seu assento, indo em direção a porta. Nathan continuou a comer sem perturbações, mas eu estava de pé. Foi somente quando eu estava do outro lado do bar, tentando acompanhar Adrian, que Nathan se preocupou em dizer algo mais. "Miss Sage?" Cada parte de mim queria correr atrás de Adrian, mas parei para olhar para trás para o pai dele. Nathan tinha tirado seu carteira e estava folheando uma pilha de dinheiro. "Aqui. Permita-me pagar por sua gasolina e seu tempo." Ele segurou o dinheiro para fora, e eu quase ri. Adrian tinha se obrigado a vir aqui por várias razões, dinheiro era uma delas. Ele nunca tinha tido a chance de perguntar para ele, mas aqui estava seu pai, oferecendo-me. Eu não me mexi. "Eu não quero nada de você", eu disse. "A menos que seja um pedido de desculpas a Adrian." Nathan me deu um outro olhar em branco. Ele parecia sinceramente confuso. "Porque eu tenho que me desculpar?" Eu sai. Adrian tinha subido as escadas ou imediatamente pego um elevador, porque não havia sinal dele fora do bar. Eu voltei para o lobby e olhei em volta ansiosamente. Um barman passava e eu dei sinal para que se detivessem. "Desculpe-me. Onde é o lugar mais próximo que você pode fumar?"


Ele acenou com a cabeça em direção à porta da frente."Lado Mais Distante do acionamento do círculo". Agradeci e praticamente corri para fora. Com imaginei na área específica para fumantes, Adrian estava encostado em uma cerca ornamentado à sombra de uma laranja, iluminando-o. Corri para ele. "Adrian", exclamei. "Você está bem?" Ele deu uma longa tragada em seu cigarro. "É realmente uma pergunta que você gostaria de fazer, Sage?" "Ele estava fora de linha", eu disse com firmeza. "Ele não tinha nenhuma razão para dizer nada daquilo para você." Adrian inalou o cigarro novamente e então ele deixou cair na calçada. Ele apagou o cigarro com a ponta do sapato. "Vamos voltar para Palm Springs." Eu olhei de volta para o hotel. "Nós devemos pegar um pouco de água ou algo assim. Você virou aquela vodka muito rápido." Ele quase sorriu. Quase. "Precisa muito mais do que isso para me fazer mal. Eu não vou vomitar no seu carro. Eu prometo. Eu só não quero ficar por aqui e correr o risco de vê-lo novamente." Assenti e em pouco tempo, estávamos de volta na estrada. Havíamos passado menos tempo em San Diego do que tinha levado de carro até lá. Adrian ficou em silêncio e, desta vez, eu não tentei persuadi-lo ou distraí-lo com conversa. Nenhuma palavra minha poderia ajudar. Eu duvidava que as palavras de ninguém iria ajudar. Eu não culpei Adrian pelo seu humor. Eu me sentiria da mesma forma se meu pai tivesse me exposto dessa forma em público. Ainda assim, eu desejava que houvesse algo que eu pudesse fazer para aliviar a dor de Adrian. Algum pequeno conforto para dar-lhe um momento de paz. Minha chance veio quando eu vi um posto de gasolina pequeno fora de Escondido com um cartaz que se lia: AS MELHORES RASPADINHAS DO SUL DA CALIFÓRNIA ESTÁ AQUI NO JUMBO JIM! Lembrei-me de sua piada sobre a mudança para uma dieta baseada em lama. Virei o carro para fora da estrada, mesmo que eu soubesse que


era errado. O que era uma lama em comparação com o desastre que tinha acabado

de

deixar

para

trás?

Eu

tinha

que

fazer

algo

para Adrian se sentir melhor. Ele nem pareceu notar que havia parado lá até que eu estava saindo do carro. "O que foi?", Ele perguntou, conseguindo arrastar-se para fora de seus pensamentos sombrios. O olhar em seu rosto me rasgou em pedaços. "Você tem metade de um tanque." "Volto já", eu disse. Voltei cinco minutos mais tarde, um copo em cada mão, e consegui bater em sua janela. Ele saiu do carro, realmente intrigado agora. "O que está acontecendo?" "Raspadinha", eu disse. "Cereja para você. Você tem que beber aqui, no entanto. Eu não vou arriscar o carro." Adrian piscou um par de vezes, como se talvez eu era uma miragem provocada por muito sol. "O que é isso? Uma festa de pena de mim? Porque eu sou tão patético?" "Não é sempre sobre você", repreendi. "Eu vi o cartaz e queria uma raspadinha. Achei que você iria querer uma também. Se você não quiser isso, é só jogar fora e eu vou beber o meu.” Eu só dei um passo antes de ele me parar e pegar a raspadinha vermelha brilhante. Nós encostamos no carro juntos e bebemos sem falar por um tempo. "Cara", ele finalmente disse, quando estávamos na metade. Havia um olhar de admiração em seus olhos."Eu tinha esquecido o quão bom isso é. De que tipo você pediu?" "Framboesa azul". Ele balançou a cabeça e sorveu ruidosamente a sua. Ainda via aquele humor negro em torno dele, e eu sabia que uma bebida de infância não estava indo para desfazer o que seu pai tinha feito. O melhor que eu podia esperar era de alguns momentos de paz para ele. Nós terminamos pouco depois e jogamos os copos no lixo.Quando chegamos de volta no Latte, Adrian suspirou e esfregou os olhos.


"Deus, são impressionantes. Eu acho que eu precisava disso. A vodka pode ter me pegado mais forte do que eu pensava. Fico feliz que você tenha decidido parar por algo que não seja café." "Ei, se eles tivessem sabor café, você sabe que eu teria escolhido." "Isso é nojento", disse ele. "Não há açúcar suficiente no mundo para fazer que seja remotamente..." Ele parou e me deu um olhar assustado. Na verdade, ele parecia tão chocado que eu parei de dar marcha a ré e estacionei o carro em volta do parque. "O que há de errado?" Eu perguntei. "A raspadinha. Essa coisa como 99 por cento de açúcar. Você bebeu um, Sage. "Ele parecia interpretar meu silêncio como se talvez eu não tivesse entendido. "Você só bebeu açúcar líquido." "Talvez você bebeu açúcar líquido", eu disse. "O meu era livre de açúcar." Eu esperava que eu tivesse soado convincente. "Ah." Eu não poderia dizer se ele estava aliviado ou decepcionado. "Você me assustou por um minuto." "Você deveria ter conhecido melhor." "É. Acho que sim. "Ele disse, de volta em seu mau humor, a raspadinha apenas uma distração temporária. "Você sabe qual é a pior parte de tudo?" Eu sabia que estávamos de volta a seu pai, não a raspadinhas. "O que?" "Você acha que seria porque eu não recebi o dinheiro ou que ele simplesmente rasgou minha vida à parte, ou que ele não tem fé em mim na universidade. Mas tudo bem. Estou acostumado com isso vindo dele. O que realmente me incomoda é que eu realmente arruinei a vida da minha mãe." "Eu não posso imaginar que você tenha feito isso", eu disse, chocada com suas palavras. "Como você disse, nós amamos as pessoas que cometem erros. Tenho certeza que ela também te ama. Enfim, isso é algo que você precisa discutir com ela, não ele." Ele acenou com a cabeça. "A outra coisa que me incomodou ... Bem, ele disse tudo isso na sua frente." Isso foi um choque também. Eu estava me sentindo


um pouco perturbada que ele pensava na minha opinião. Por que ele deveria se importar? "Não se preocupe comigo. Eu estive com pessoas muito mais mordazez do que ele. " "Não, não ... quer dizer ..." Adrian olhou para mim e então rapidamente desviou os olhos. "Depois do que ele disse sobre mim, eu não posso suportar a ideia de que você pode pensar menos de mim." Eu estava tão surpresa que eu não poderia dar uma resposta de imediato. Quando eu fiz, eu só deixei escapar a primeira coisa que me veio à mente. "É claro que não." Ele ainda não olhava para mim, aparentemente, não acreditando nas minhas palavras. "Adrian." Eu coloquei minha mão sobre a dele e senti uma faísca quente de conexão. Ele levantou a cabeça na minha direção com espanto. "Nada do que ele dissesse poderia mudar o que eu penso de você. Eu tive a minha opinião formada sobre você por um longo tempo...e tudo é bom." Adrian olhou para longe de mim até onde minha mão cobriu a sua. Corei e retirei-a. "Sinto muito." Eu provavelmente tinha o assustado. Ele olhou de volta para mim. "É a melhor coisa que me aconteceu o dia todo. Vamos pegar a estrada." Voltamos para a estrada, e eu encontrei-me distraída por duas coisas. Primeiro foi a minha mão. Ela ainda formigava e estava quente de onde eu havia tocado a sua, o que era engraçado. As pessoas sempre pensavam que os vampiros eram frios, mas eles não eram. Certamente não Adrian. A sensação foi desaparecendo quanto mais eu dirigia, mas eu meio que queria que ficasse. A outra coisa que me manteve distraída foi o açúcar que acabara de consumir. Eu continuei passando minha língua sobre os dentes. Minha boca inteira foi revestida em doentia doçura. Eu queria escovar os dentes e depois beber uma garrafa de enchague bucal. Açúcar líquido. Sim, isso era exatamente o que

tinha

sido.

Eu

não

queria

beber

um,

mas

eu sabia que se eu só trouxesse um para Adrian, ele realmente teria visto como


piedade e teria recusado. Eu tinha que agir como se eu queria um também, com ele como uma reflexão tardia. Ele parecia ter acreditado na minha mentira sobre o conteúdo da bebida de açúcar, apesar de uma rápida viagem para a estação de gasolina teria rapidamente alertado para o fato de que Jumbo Jim certamente não faz raspadinha sem açúcar. Eu perguntei a eles. Eles riram. Omitir o almoço não iria compensar as calorias, pensei com tristeza. E eu não ia conseguir que o gosto doce da minha boca saísse tão cedo. Com tão rapidamente Adrian tinha afundado de volta para sua depressão, de repente me senti estúpida até mesmo para tentar essa artimanha. A raspadinha não poderia mudar o que seu pai tinha dito, e eu estaria pensando um quilo a mais amanhã. Isso provavelmente não tinha valido a pena. Então, eu pensei de volta para aquele breve momento no carro, o olhar fugaz de Adrian de contentamento, seguido mais tarde por: Deus, são impressionantes. Eu acho que ele precisava disso.Um breve momento de paz em meio a seu desespero escuro. Isso era o que eu queria, e que eu tinha conseguido. Valeu a pena? Esfreguei meus dedos juntos, ainda sentindo o calor. Sim, eu decidi. Sim, valeu a pena.


Capítulo 10 A viagem para San Diego continuou a me incomodar, mesmo que eu sabia que eu deveria deixá-lo ir. Como muitas vezes eu me lembrei, Adrian não era minha preocupação, não como Jil e os outros. No entanto, eu não conseguia parar de pensar no confronto terrível com ele e Nathan ou o rosto de Adrian depois. Eu me senti ainda pior quando um Eddie preocupado veio falar comigo sobre Jil durante o café da manhã na segunda-feira seguinte. "Algo está errado com ela", ele me disse. Imediatamente, eu olhei para a fila do restaurante, onde Jil estava esperando com sua bandeja. Havia um olhar vago em seu rosto, como se ela fosse apenas consciente do ambiente. Mesmo sem talento mágico para auras, eu podia ver a miséria irradiando dela. "Micah notou também", Eddie acrescentou. "Mas não sabemos nada que pudesse ter perturbado tanto ela. É por causa da Lia? Ou ela está sendo assediada novamente?" Naquele momento, eu não tinha certeza de por quem eu senti pior para: Adrian, Jil ou Eddie. Houve tanta dor no Eddie como havia em Jil. Oh, Eddie, pensei. Por que você continua fazendo isso para si mesmo? Ele estava claramente preocupado com ela, mas não ousa se aproximar dela ou oferecer conforto. "Não há nada de errado com Jil. É Adrian, e ela está sentindo isso através do vínculo. Ele está passando por um momento difícil. "Eu não ofereci mais detalhes sobre a situação de Adrian. Não era a minha história para contar. O rosto de Eddie escureceu um pouco. "Não é justo que ela tem de suportar seu humor." "Eu não sei", eu disse. "Parece que pode ser justo por ela estar viva." Adrian usou espírito para trazer Jill de volta dos mortos e isso era uma questão preocupante para mim. Cada pedaço de treinamento Alquimista que eu tinha tido falava ue este tipo de magia estava errado, muito pior do que qualquer outra magia que eu


testemunhei. Podia até argumentar que o que ele tinha feito estava apenas a alguns passos de distância da imortalidade dos mortos-vivos, dos Strigoi. Ao mesmo tempo, sempre que eu via Jil brilhante e viva, eu estava convencida de que Adrian feito uma coisa boa. Eu quis dizer isso quando eu disse isso a ele em San Diego. "Eu acho", disse Eddie. "Eu gostaria que houvesse uma maneira que ela pudesse bloqueá-lo para fora. Ou pelo menos uma forma de torná-lo um pouco menos mal-humorado." Eu balancei a cabeça. "Pelo que eu ouvi, Adrian era assim muito antes de Jil ser beijada pelas sombras." Essa conversa ficou comigo, e eu passava o dia pedindo a mim mesma: o que eu poderia fazer para tornar Adrian mais feliz? Um novo pai, obviamente, não era possível. Eu tentaria isso em mim mesma anos atrás, se eu pudesse. Raspadinhas estavam também fora de cogitação porque só ofereceu 10 minutos de conforto e porque eu ainda estava me recuperando da última. Uma ideia finalmente veio a mim mas não era uma que eu poderia facilmente implementar. Na verdade, eu sabia que meus superiores diriam que não era nada que eu deveria fazer uma tentativa, e é por isso que eu decidi fazê-lo de uma forma que não iria deixar um e-mail ou trilha de papel. Eu não poderia fazê-lo hoje, no entanto, então fiz uma nota mental para lidar com isso mais tarde. Além disso, quem poderia dizer? Talvez Adrian iria sacudir os efeitos de seu encontro paternal por conta própria. Essas esperanças foram reforçadas quando eu vi Jil no dia seguinte a uma reunião escolar. Assembléias como esta eram um conceito novo para mim, e nós tivemos exatamente dois desde que a escola começou. Um tinha sido um encontro de boas-vindas durante a primeira semana. O outro tinha sido uma injeção de ânimo para animar a equipe de futebol antes do regresso a casa. Hoje foi sobre "Estilos de Vida Saudáveis." Eu não conseguia descobrir o que era ou por que era importante o suficiente para interromper a minha aula de química. Nós se sentamos nos degraus do ginásio da escola, colocando Jil e eu em seções separadas das arquibancadas. Esticando o pescoço para obter um vislumbre dela, eu a vi sentada para baixo perto da frente com Angeline e vários amigos que ela


havia feito através de Micah. Eles a acolheram facilmente, uma vez que tinham-na conhecido, o que não foi uma surpresa com a forma como ela era legal. Mesmo Laurel, uma garota que tinha atormentado Jill uma vez, agora deu-lhe um olhar amigável. Angeline disse algo que fez Jil rir e, no geral era definitivamente uma melhora na atitude de Jil. Uma melhoria muito grande, a julgar o quanto ela estava rindo. Meu ânimo aumentou. Talvez Adrian realmente tinha se recuperado. "Pode alguém me dizer do que se trata?" Eu perguntei. Eu tinha Eddie e Micah em um lado de mim, Trey, de outro. "É este grupo que vem para a escola e faz apresentações sobre coisas como drogas e sexo seguro", explicou Micah. Ele era muito ativo no corpo estudantilo, de modo que eu não estava surpresa que ele sabia sobre a agenda de hoje. "Esses são o tipo de grandes temas", disse eu. "Não deveria ser só uma hora? Não parece que eles podem realmente oferecer cobertura completa dessas questões." "Eu acho que é suposto ser apenas uma visão geral", disse Trey. "Não que eles estão tentando fazer um seminário ou qualquer coisa." "Bem," eu declarei. "Eles deveriam." "Perdemos alguma coisa?" Julia e Kristin abriram caminho através dos outros e apertaram-se entre Trey e eu. Trey não pareceu se importar. "Nós estamos tentando explicar o ponto de vista para Sydney", disse Trey. "Eu pensei que o objetivo era sair da classe", disse Julia. Kristin revirou seus olhos. "Isso vai te mostrar o que faltava por ter sido educada em casa, Sydney." Nada poderia ter me preparado para o espetáculo que se seguiu. Principalmente porque nunca em meus mais loucos sonhos que eu tinha imaginado que pesadas questões sociais seriam abordadas em números musicais. O grupo realizando o espetáculo para nós se chamava Koolin ‘Around e o uso inadequado do K foi quase o suficiente para me fazer sair dali. Antes de cada música, eles dão uma informação rápida e totalmente vaga sobre o tema ou ainda pior, uma sátira. Estas pequenas palestras sempre começavam com.. "Ei, crianças!"


A primeira música se chamava "DSTs não são para mim." Foi quando eu tirei meu dever de matemática. "Vamos," Eddie disse-me, rindo. "Não é tão ruim assim. E as pessoas deveriam saber sobre essas coisas." "Exatamente," eu disse, não olhando para cima de minha tarefa. "Na tentativa de ser" hip "e" compreensível ", eles banalizam questões que precisam ser levadas mais a sério." A única vez que eu estive sintonizada novamente foi quando Koolin 'Around tinha se mudado para os males do álcool. Uma das letras de sua música foi particularmente atroz, "Não ouça o que seus amigos dizem / Bourbon totalmente arruinará seu dia." "Ugh. É isso, "eu murmurei. Procurei Jil novamente. Ela estava assistindo com uma espécie de descrença atordoada, mas, assim como antes, não havia nada de desespero ou melancolia. Algum instinto me disse por que ela teve a mudança de humor. Adrian não saiu de sua melancolia. O mais provável é que ele estava bebendo para superar. Às vezes, Jil iria pegar alguns dos efeitos colaterais de intoxicação, como quando eu a observei rindo anteriormente, mas eventualmente o álcool adormece o vínculo espiritual. O lado bom de sua indulgência era que poupava sua depressão. O lado negativo era que ela poderia sofrer os efeitos físicos de uma ressaca mais tarde. Koolin'Around chegou na sua última música, um número grande para celebrar as alegrias de se sentir bem e vivendo um estilo de vida saudável e feliz. Eles puxaram para cima membros do corpo discente para dançar com eles, ganhando uma variedade de reações. Alguns alunos apenas estava ali congelados e envergonhados, com expressões que diziam que estavam contando os segundos até que isso acabasse. Outros – basicamente aqueles que buscam atenção na sala - fizeram o maior espetáculo, o mais estranho que poderiam por si mesmos. "Sydney". A nota de advertência na voz de Eddie parou-me quando eu estava prestes a voltar para a minha tarefa. Esse tipo de preocupação só poderia ser reservada para Jil, e eu imediatamente olhei para ela de novo. Ela não era a


questão. Angeline era. Um dos estava tentando persuadi-la e até mesmo agarrou a mão dela. Angeline negou com a cabeça enfaticamente, mas o cara parecia alheio. Angeline pode estar bem em torno de danças selvagens no Sertão de West Virginia, mas esta não era uma situação que era confortável. Para ser justa, o que aconteceu a seguir não era inteiramente culpa sua. Ele realmente deveria ter deixado ela sozinha quando ela disse que não, mas eu acho que ele estava muito preso em seu humor para prestar atenção. Ele conseguiu arrastar aos pés dela, e é aí que Angeline deixou sua desaprovação perfeitamente clara. Ela lhe deu um soco. Foi muito impressionante já que o cara tinha quase uma cabeça de diferença na altura. Eu supunho que veio da formação de Eddie de como derrubar um Moroi mais alto. O cara cambaleou para trás e caiu, atingindo o chão duro. Houve um suspiro da maioria dos estudantes sentados próximos, embora apenas um dos membros da banda-guitarrista percebeu. O resto continuou cantando e dançando. O guitarrista apressou-se até o colega caído e deve ter ameaçado o espaço pessoal de Angeline, porque Angeline socou ele também. "Eddie, faça alguma coisa!", Eu disse. Ele se virou para mim com espanto. "Como o quê? Eu nunca chegaria a tempo." Era verdade. Estávamos a dois terços do caminho para cima na arquibancada, rodeado por outros. Eu só podia assistir impotente enquanto o resto do espetáculo se desenrolava. A banda logo percebeu que algo estava terrivelmente errado, e sua música vacilou, finalmente chegando ao silêncio. Enquanto isso, um grupo de professores havia corrido no chão, tentando manter Angeline longe do guitarrista do Koolin. Havia um olhar frenético em seus olhos, como um animal preso que tinha ido além da razão e só queria escapar. Os professores finalmente conseguiram contê-la, mas não antes que ela tinha jogado um alto-falante no vocalista (ela errou) e socado o maestro da companhia de dança. Trey se inclinou para frente, a boca escancarada. "Essa é sua prima?Uau. "


Eu não me incomodei mesmo responder. Atudo o que eu podia pensar era como no mundo que eu ia fazer o controle de danos neste momento. Lutar era uma ofensa grave em si. Eu não podia sequer imaginar o que atacar um grupo musical motivacional iria provocar. "Ela derrubou, como, três pessoas duas vezes o tamanho dela!" Kristin exclamou."E eu quero dizer que derrubou. Bateu e jogou para o chão ". "Sim, eu sei", disse finalmente. "Eu estou bem aqui. Eu vi tudo." "Como ela era mesmo capaz de fazer isso", perguntou Julia. "Eu lhe ensinei alguns movimentos", comentou Eddie em descrença. Sem surpresa, ninguém sequer se preocupou enviando isto para a Sra. Weathers. Angeline foi encaminhada diretamente para o diretor e vice-diretor. Depois de sua exibição, talvez eles sentiram que não havia segurança nos números. Pode ter sido a recomendação da Sra. Weathers, ou simplesmente o fato de que nossos pais fictícios (e "primo" de Angeline) eram notoriamente difícil de conseguir, mas me pediram para acompanhá-la quando ela se reuniu com a administração. Minha pré-reunião com Angeline foi curta e direto ao ponto. "Você agirá arrependida e contrita," eu disse a ela como quando nos sentamos em frente ao escritório do diretor. "O que é contrito?" "Arrependida". "Então por que você apenas disse" "E", eu continuei. "Se te pressionarem para saber as razões, você vai dizer que você estava sobrecarregada e em pânico. Você vai dizer que não sabe o que deu em você." "Mas eu não" "E você não mencionará o quão estúpido eles eram ou dizer qualquer coisa negativa que seja." "Mas eles são" "Na verdade, não fale nada a menos que te perguntem algo diretamente. Se você me deixar lidar com isso, será mais rápido."


Angeline aparentemente levou isso a sério porque ela cruzou os braços na altira do peito e olhou para mim, recusando-se a dizer mais nada. Quando fomos levadas para o escritório, o diretor e vice-diretor - Sra. Welch e Sr. Redding - respectivamente, estavam ambos sentados sobre o mesmo lado de uma mesa de trabalho. Eles estavam lado a lado, apresentando uma frente unida, que mais uma vez fez-me pensar que temia por suas vidas. "Srta. McCormick," começou a Sra. Welch. "Eu espero que você saiba que o que você fez foi completamente fora da linha". McCormick era o nome falso de Angeline por aqui. "Violência e combate de qualquer tipo não são tolerados em Amberwood", disse Redding. "Nós temos padrões altos, normas destinadas a garantir a segurança de todos na escola e esperamos que os nossos alunos possam aderir a eles. Nenhuma de suas outras violações das regras da escola chegou perto do que você fez hoje." "Mesmo se não tivéssemos essas outras transgressões em arquivo, não pode haver nenhuma questão aqui", disse a Sra. Welch. "Não há lugar para você em Amberwood". Meu estômago afundou. Expulsão. Embora os Guardiões não foram inteiramente ignorantes, sua formação acadêmica mal tinha sido até aquela da escola média do mundo moderno. Ela estava em um monte de aulas de reforço, e trazê-la para Amberwood tinha sido uma façanha. A expulsão não foi tão ruim como alguém investigando como uma menina pequena como ela poderia fazer muito dano, mas ainda não era um resultado que eu queria. Eu já podia imaginar um dos meus superiores perguntando, por que você não percebe o quão volátil ela estava na escola? Para que eu teria que responder: porque eu tenho estado muito ocupada indo em encontros e ajudando os vampiros que não são minha preocupação. "Você tem alguma coisa a dizer, antes de avisar seus pais", perguntou a Sra. Welch.


Eles olharam para Angeline em expectativa. Eu me preparei para um discurso irracional. Em vez disso, Angeline conseguiu produzir algumas lágrimas que, eu tinha que admitir, certamente parecia contrito. "Eu...eu entrei em pânico", ela disse. "Eu não sei o que deu em mim. Tanta coisa aconteceu de uma vez, e aquele cara era tão assustador, e eu me apavorei. Eu me senti ameaçada. Eu queria que todos ficassem longe de mim..." Eu estava quase convencida, provavelmente porque foi semeada com a verdade. Angeline tinha tido uma série de momentos afobados em Amberwood, não importa a sua bravata. Haviam mais pessoas na escola do que tinha estado em sua comunidade na montanha, e ela foi tão oprimida em sua primeira semana que tinha que se revezar escoltando ela para a classe. Eu realmente deveria ter prestado mais atenção nela. Sr. Redding parecia um pouquinho simpático, mas não o suficiente para mudar sua mente. "Tenho certeza de que deve ter sido difícil, mas não era motivo para você agir dessa maneira. Ferindo três pessoas e danificando equipamentos de áudio visual que eram caros, de modo algum respostas adequadas ". Eufemismo. Eu estava cansada das formalidades, era necessário consertar as coisas antes que elas piorassem. Inclinei-me em minha cadeira. "Sabe o que mais não é adequada? Um cara de trinta anos - porque é assim que ele era, não importa quão jovem e fresco que eles estavam tentando ser agarrando uma menina de 15 anos de idade. Já era ruim o suficiente que ele fez isso quando ela claramente não queria ir com ele. O ponto é que ele nunca deveria ter tocado ela em primeiro lugar. Ela é menor de idade. Se um professor fizer isso, ele estaria demitido. Eu li o livro que é dado aos professores no departamento de RH." Foi uma tentativa de ver se a Sra. Terwiliger estava abusando de mim. "Emergências médicas e separar uma luta são as únicas vezes que os professores podem colocar as mãos sobre os alunos. Agora, você pode argumentar que o cara não era um professor ou empregado pela escola, mas seu grupo foi convidado aqui pela escola, que é obrigada a manter seus alunos


seguros.

É

uma

escola

particular,

mas

estou

certa

de

que

o

Departamento de Educação da Califórnia teria algumas coisas a dizer sobre o que aconteceu aqui hoje, como o pai de Angeline vai, que é advogado."Ele era o líder de um bando de vampiros da montanha e teve várias esposas, mas isso não tinha nada a ver com o ponto. Olhei para trás e para frente entre a Sra. Welch e o Sr. Redding. "Agora. Deveriam renegociar a sua posição?" Angeline estava assombrada depois que deixou a sala e voltou para o nosso dormitório. "Suspensão", exclamou ela, muita alegria em sua voz para o meu gosto. "Eu realmente só vou ficar sem aulas? Isso soa mais como uma recompensa." "Você tem que se manter em dia com o seu dever de casa", eu avisei."E você não pode deixar o dormitório. Não pense mesmo sobre você esgueirando-se por que isso vai fazer com que te expulsem e eu não vou ser capaz de salvá-la de novo." "Ainda assim", disse ela, praticamente pulando, "foi tudo muito fácil." Eu parei em frente a ela, obrigando-a a me encarar. "Não foi fácil. Você começou com um detalhe técnico.Você continua resististindo aos esforços para seguir as regras por aqui, e hoje bem, que estava fora dos gráficos. Você não vai voltar para casa. A única vez que você deve sequer pensar em lutar aqui é se Jil for atacada. É por isso que você está aqui. Não para fazer o que quiser. Você disse que estava aí para o desafio de protegê-la. Se você se for expulsa - é um milagre que não ainda não foi - ela está em risco. Assim que entrar em linha ou começar a arrumar a casa. E pelo amor de Deus, deixe Eddie sozinho." Seu rosto estava cheio de raiva enquanto eu falava, mas que duraram pouco quando a peguei desprevenida. "O que você quer dizer?" "Quero dizer, que você está constantemente se jogarndopara ele." Ela cheirou. "É assim que você mostra para um cara que você gosta dele." "Talvez entre os incivilizados! Aqui você precisa recuar e começar a agir como um ser humano responsável...er, dhampir. Qualquer que seja. Você está fazendo-o miserável! Além disso, vocês deveriam ser primos. Você está estragando o nosso disfarce."


A mandíbula de Angeline caiu. "Eu ... eu estou fazendo-o infeliz?" Eu quase me senti mal por ela. O olhar de choque no rosto dela era tão grande que era óbvio que ela realmente não sabia que o que estava fazendo para Eddie era errado. Eu estava muitoexausta até para sentir muita simpatia nesse momento. Jil tinha exteriorizado o que sentia quando nós chegamos a princípio, e tinha sido tão frustrante. Eu havia chregado a desfrutar da nossa paz, e agora Angeline estava ameaçando tudo isso. Ao contrário de Jil, ela parecia não perceber isso, e eu não sei se isso tornava as coisas melhores ou piores. Deixei uma Angeline chateada e frustrada do lado de fora do seu quarto do dormitório e também verifiquei com Jil que Adrian tinha estado de fato a beber. E que minha agitação era mais do que suficiente para me fazer querer sair do campus, mesmo que apenas para fugir. Brayden tinha perguntado antes se eu queria sair, mas eu não queria isso. Enviei um texto rápido: Não é possível sair hoje à noite. Coisas de família. Então eu fui para Clarence. Eu havia ligado antes para garantir que Dimitri e Sonya estavam lá desde que eu não tinha interesse em ter uma visita de um-para-um com o antigo Moroi. Ele não estava por perto quando eu cheguei. Eu encontrei Dimitri e Sonya debruçados sobre alguns cartões com manchas de sangue seco, especulando sobre como proceder. "Seria interessante ter sangue Strigoi e ver se alguma coisa aconteceu quando eu apliquei espírito", ela estava dizendo. "Você acha que poderia controlar isso?" "Com prazer", disse Dimitri. Eles me notaram. Assim que ela olhou para cima, Sonya perguntou: "O que há de errado?" Eu não me incomodei mesmo a perguntar como ela sabia. Meu rosto provavelmente disse mais do que minha aura fez. "Angeline entrou em uma briga com um grupo motivacional na escola."


Dimitri e Sonya trocaram olhares. "Talvez devêssemos ir jantar", disse ele. Ele pegou um jogo de chaves da mesa. "Vamos para o centro." Eu nunca poderia imaginar que estaria saindo com um Moroi e um dhampir. Foi mais um sinal de quão longe eu havia avançado ou regredido, por Padrões Alquimistas. Em comparação com a maioria das outras pessoas em minha vida, Dimitri e Sonya foram centrados e estáveis. Foi refrescante. Eu dei-lhes um resumo do comportamento de Angeline,, bem assim como a minha ameaça velada legal. Essa parte pareceu divertir Sonya. "Lista", disse ela, girando o espaguete em um garfo. "Talvez você devesse estar na escola de direito, em vez de com os Alquimistas." Dimitri achou menos engraçado." Angeline veio aqui para fazer um trabalho. Ela queria sair dos Guardiões e jurou que ela dedicaria cada minuto de vigília para proteger Jil ". "Tem havido um pouco de choque cultural", eu admiti, sem saber por que eu estava defendendo Angeline. "E esses caras hoje ... Quer dizer, se eles tentassem me juntar para cantar com eles eu provavelmente teria os golpeado também.” "Inaceitável", disse Dimitri. Ele costumava ser um instrutor de combate, e eu pude entender o porquê. "Ela está aqui em uma missão. O que ela fez foi imprudente e irresponsável ". Sonya lhe deu um sorriso malicioso. "E eu que pensava que tinha um fraquinho por meninas imprudentes." "Rose nunca teria feito nada como isso", ele respondeu. Ele fez uma pausa para reconsiderar, e eu podia jurar que havia a sugestão de um sorriso ali. "Bem, pelo menos não em tal contexto público". Uma vez que o tema Angeline foi posto para descansar, eu trouxe a razão que eu vim aqui. "Então ... não tem experimentos hoje?" Mesmo a natureza boa de Sonya vacilou. "Ah. Não, não exatamente. Nós revisamos algumas de nossas notas, mas Adrian não tem estado... ele não tem estado muito disponível para a pesquisa esta semana. Ou até ir para a aula." Dimitri assentiu. "Eu estava lá antes. Ele mal conseguia abrir a porta. Não faço ideia do que ele tinha bebido, mas o que quer que fosse, ele tinha um monte."


Considerando seu relacionamento rochoso, eu teria esperado desdém em discutir os vícios de Adrian. Em vez disso, Dimitri parecia desapontado, como se esperasse melhor. "É isso que eu queria falar com você", eu disse. Eu tinha comido pouco do meu jantar e foi nervosamente rasgando um rolo em pedaços. "O humor atual de Adrian não é inteiramente culpa dele. Quero dizer, é, mas eu posso compreendêlo. Você sabe que ele viu seu pai neste fim de semana, certo? Bem ... aquilo não foi bem." Havia um brilho nos olhos escuros de Dimitri. "Eu não estou surpreso. Nathan Ivashkov não é o melhor homem para se dar bem. " "Ele meio que derrubou tudo que Adrian está tentando fazer. Eu tentei fazer um caso de Adrian, mas o Sr. Ivashkov não quis ouvir. É por isso que eu queria saber se vocês poderiam ajudar." Sonya não conseguiu esconder sua surpresa. "Eu ficaria feliz em ajudar Adrian, mas algo me diz que Nathan não vai realmente dar muita atenção no que temos a dizer." "Isso não é o que eu estava pensando." Eu desisti do pão e deixei cair os pedaços no meu prato."Vocês estão ambos perto da rainha. Talvez você poderia levá-la a falar com o pai de Adrian ... Eu não sei. O quão ativo que ele tem sido. Quanto ele está ajudando. Obviamente, ela não conseguia explicar exatamente o que ele está fazendo, mas qualquer coisa pode ajudar. Sr. Ivashkov não vai ouvir Adrian ou qualquer outra pessoa, mas ele tem que tomar uma comenda da rainha a sério. Se ela o faria." Dimitri parecia pensativo. "Oh, ela o faria. Ela sempre teve um fraquinho por ele. Todo mundo parece ter". "Não", eu disse teimosamente. "Nem todos. Há uma divisão. A metade o condena e o julga inútil como seu pai. A outra metade apenas encolhe os ombros, o mimam e dizem 'Bem, este é Adrian." Sonya me estudou cuidadosamente, um rastro de diversão voltando. "E você?"


"Eu não acho que ele deveria ser mimado ou desconsiderado. Se você espera que ele faça grandes coisas, ele vai ". Sonya não disse nada de imediato, e eu mexi desconfortavelmente sob seu escrutínio. Eu não gosto quando ela olha para mim desse jeito. Tratava-se das auras. Era como se ela pudesse ver o meu coração e alma. "Eu vou falar com Lissa," ela disse, finalmente. "E eu tenho certeza que Dimitri vai também. Enquanto isso, vamos esperar que se siga o seu conselho e esperar que Adrian fique sóbrio logo." Nós tínhamos acabado de pagar quando o telefone de Dimitri tocou. "Alô?", Respondeu ele. E assim, seu rosto se transformou. A ferocidade que eu tão associava a ele suavizou, e ele praticamente brilhava. "Não, não. É sempre uma boa hora para ligar, Roza." Qualquer que seja a resposta do outro lado fez ele sorrir. "Rosa", disse Sonya para mim. Ela se levantou." Vamos dar-lhes um pouco de privacidade. Você quer dar uma volta? " "Claro," eu disse, levantando-me também. Fora, o crepúsculo caia. "Há uma loja de roupas poucos quarteirões de distância que eu queria ver se eles ainda estiverem aberto" Sonya olhou para Dimitri. "Encontre-nos lá?", Ela sussurrou. Ele deu um aceno rápido. Uma vez que estávamos fora, no ar quente da noite, ela riu. "Ah, aqueles dois. Em uma luta, eles são letais. Em torno de si, eles derretem." "É assim que você e Mikhail são?" Eu perguntei, pensando que não havia fusão muito com Brayden e eu, não importa o quanto eu gostava de passar tempo com ele. Ela riu de novo e olhou para o céu, pintado em tons de laranja e azul. "Não exatamente. Cada relacionamento é diferente. Todo mundo ama de forma diferente.” Foi uma longa pausa, quando ela escolheu suas palavras seguintes. "Isso foi uma coisa boa que você escolheu fazer para Adrian." "Não houve nenhuma escolha a ser feita", retruquei. Atravessamos para o mais agitado lado da

rua, cheios de lojas brilhantemente iluminadas com


atomizadores de água que foram feitos para refrescar os compradores quentes. Estremeci com o que estava fazendo com meu cabelo. "Eu tinha que ajudar. Ele não merecia esse tipo de tratamento. Eu não posso imaginar como Adrian suportou isso por toda a vida. E você acredita que o que preocupava mais o Adrian era que eupoderia pensar menos dele?" "De fato", disse Sonya baixinho, "Eu posso muito acreditar nisso." A loja de roupa ainda estava aberta, graças a horas prolongadas do Haloween, mas só por mais dez minutos. Sonya vagava pelos corredores sem objetivo real, mas eu fui imediatamente para a seção histórica. Eles tinham exatamente a esquerda vestidos em estilo grego, um branco liso com um cinto de plástico ouro. Ajoelhei-me para dar uma olhada melhor. Abri o pacote, senti o tecido. Ele foi barato, provavelmente inflamável. O vestido era também um XL, e eu me perguntava se Jil tinha aprendido o suficiente em costura para arrumá-lo para mim.

Com menos de uma semana até a dança, minhas opções eram

limitadas. "De verdade?" Uma voz ao meu lado disse. "Você não me insultou o suficiente, sem recorrer a esse lixo?" Acima de mim estava Lia DiStefano. Seu cabelo encaracolado era ligado com um lenço vermelho brilhante, e uma blusa camponesa volumosa fez seu corpo pequeno parecer que tinha asas. Ela olhou para mim com desaprovação. "Você está me seguindo?" Eu perguntei, chegando a meus pés. "Toda vez que estou no centro, você está aqui." "Se eu estivesse seguindo você, eu nunca teria deixado você colocar os pés aqui em primeiro lugar" Ela apontou para o traje. "O que é isso?" "Minha roupa para Haloween", eu disse. "Eu vou de grego." "Não é mesmo o tamanho certo." "Vou arrumar." Ela produziu um zunido desaprovador com a língua "Estou tão consternada eu nem sei por onde começar. Você quer um vestido grego? Eu vou fazer um. Um bom. Não esta monstruosidade. Meu Deus. As pessoas sabem que você me conhece. Se você for vista nisso iria arruinar a minha carreira."


"Sim, porque o que eu uso para uma festa de escola realmente vai quebrar você." "Quando é a sua dança", ela perguntou. "Sábado". "Fácil", declarou ela. Ela me olhou de cima a baixo e assentiu com satisfação. "Medidas fáceis também. Sua irmã também se vestirá tão mal? "Não tenho certeza", eu admiti. "Ela falou sobre como fazer um vestido de fada no clube de costura. Um azul, eu acho." Lia empalideceu. "Pior ainda. Vou fazer o dela também. Eu já tenho suas medidas." Eu suspirei. "Lia, eu sei o que você está tentando fazer, e isso não vai funcionar. Jil absolutamente não pode modelar para você novamente. Não importa o quanto você tenta o suborno ". Lia tentou um olhar inocente que não era de forma nenhuma convincente. "Quem disse alguma coisa sobre o suborno? Estou fazendo isso por caridade. Seria uma vergonha deixar vocês duas sairem com nada menos do que o melhor." "Lia" "Não compre isso", alertou, apontando para o traje. "É um desperdício. Você pode definir como vai jogar seu dinheiro no fogo, embora, provavelmente não iria iluminar tão rápido quanto o vestido.

Te deixarei saber quando seus trajes

estiverem prontos."Com isso, ela se virou em seus altos saltos de madeira e foi embora, deixando-me olhando. "Você conseguiu um traje?" Sonya perguntou-me mais tarde, uma vez que a loja de fechamento nos obrigou a sair. "Estranhamente, sim", eu disse. "Mas não de lá." Dimitri aparentemente não tinha terminado sua ligação uma vez que ele não tinha se juntado a nós ainda. Nós andamos devagar de volta para a restaurante, querendo dar-lhe mais tempo com Rose. Outras lojas estavam fechando, e os turistas estavam começando a sair. Expliquei o encontro com Lia. Sonya achou mais divertido do que eu.


"Bem, não os toque", disse ela. "Se um designer quer fazer alguma coisa, você não é obrigada a dar-lhe qualquer outra coisa. Talvez ela pudesse me ajudar com vestidos de dama de honra. " Atravessamos uma rua menos movimentada e cortamos através de uma rua estreita com um edifício de tijolos de um lado e um gramado da igreja, do outro. Eu admirava a igreja no meio do caminho, mas agora, em pouco tempo, a noite tinha arquivado com sombras e lhe deu um mau presságio. Eu estava feliz, eu não estava andando por aqui sozinha. Era estranho ser tranquilizada pela presença de um vampiro. "Lia faz coisas incríveis", eu admiti. "Mas eu não sei se devemos encorajá-la. "Muito bem", disse Sonya. "Talvez um dia destes, você me ajuda a procurar vestidos. Você tem uma sensação realmente boa" De repente, ela virou-se em direção ao lado escuro da igreja. Havia uma expressão de medo em seu rosto, mas eu não vi nada alarmante em primeiro lugar. Segundos depois, quatro figuras em preto saltaram de trás das árvores. Um deles me jogou contra a parede de tijolos enquanto os outros três prenderam Sonya contra o solo. Eu empurrei de volta contra o meu captor, mas um braço musculoso me segurou firmemente. Na luz fraca, eu vi um vislumbre de algo que eu nunca esperava ver nas ruas de Palm Springs: uma espada. A figura escura colocou a espada sobre o pescoço de Sonya. "Hora de voltar para o inferno”, disse ele.


Capítulo 11 Eu não sou uma pessoa física. Sou decente no volei, e Eddie, uma vez me ensinou a dar um soco. Mas eu não faço nenhuma reivindicação para ter o tipo de treinamento que os guardiões tem. Eu certamente não tenho seus reflexos. Portanto, nesta situação, incapaz de me libertar de restrições, eu praticamente fiz a única coisa que podia. Eu gritei. "Socorro! Alguém me ajude!" Minha esperança era que isso iria atrasar os captores de Sonya de decapitála ose é o que eles pensavam em fazer. Eu também esperava que iria, bem, conseguir ajuda. Tinhamos nos afastado das estradas principais do centro, mas estávamos perto o suficiente para que alguém pudesse nos ouvir, sobretudo porque havia um monte de pessoas por ali mais cedo. Um dos atacantes de Sonya se encolheu, então eu acho que eu tinha tido um êxito parcial. Meu próprio captor fechou a mão sobre minha boca e me empurrou com mais força contra a parede de tijolo. Então, uma coisa estranha aconteceu. Ele - porque ele tinha a correta altura para ser homem - mesmo que eu não poderia ver seu rosto, congelou. Ele ainda estava me segurando, mas seu corpo tinha ficado rígido. Era quase como se ele estivesse chocado ou surpreso. Eu não tinha certeza do porquê. Certamente alguém gritando por ajuda quando agredido não era estranho. Eu não acho que eu poderia dominá-lo mas ainda assim esperava que eu pudesse tirar vantagem de seu atordoado Estado. Eu empurrei para frente de novo, tentando sair de seu aperto. Eu só consegui mover alguns centímetros antes de ele me apertar de volta no lugar. "Nós precisamos ir", exclamou um dos captores de Sonya. Outro cara. Pelo que eu podia ver, todos eram. "Alguém virá." "Isso vai levar apenas um segundo", resmungou o que estava segurando a espada. "Precisamos livrar o mundo desse mal." Eu assisti com terror, meu coração batendo com apreensão em meu peito. Eu tinha medo por mim, mas eu


estava com medo especialmente para Sonya. Eu nunca tinha visto uma decapitação. Eu não queria começar agora. Meio segundo depois, de repente me vi livre. Alguém novo se juntou a nossa briga, alguém que arrancou meu captor longe e atirou-lhe facilmente para o pavimento. Isso parecia doloroso, e o cara caiu com um grunhido. Mesmo nesta má iluminação, a altura e casaco me deu a revelação de meu salvador. Era Dimitri. Eu tinha visto ele lutar antes, mas nunca deixava de ser estranho. Ele foi cativante. Ele nunca parou de se mover. Toda ação era graciosa e letal. Ele era um dançarino da morte. Ignorando o cara que ele tinha apenas jogado, Dimitri subiu em direção aos outros. Ele foi imediatamente para o cara com a espada. Um chute de Dimitri enviou o assaltante a voar para trás. Ele deixou cair a espada e mal conseguiu agarrar-se a em uma das árvores do cemitério. Enquanto isso, um dos homens que detêm Sonya simplesmente deu as costas e correu em direção ao centro. Dimitri não prosseguiu. Sua atenção agora estava no último cara, que foi estupidamente tentar se defender. Este libertou Sonya, no entanto, e ela não perdeu tempo a chegar a seus pés e correr para o meu lado. Eu não era raramente melosa com ninguém, certamente não Moroi, mas eu me agarrei a ela, sem sequer pensar duas vezes. Ela fez o mesmo, e eu podia sentir seu tremor. Uma vez que, como Strigoi, ela tinha sido uma força a ser contada. Como uma Moroi, uma que tinha acabado de ter uma espada em sua garganta, as coisas eram compreensivelmente diferentes. O cara que enfrentou Dimitri conseguiu se esquivar algumas vezes. Seu erro foi quando ele tentou bater em Dimitri. Ele abriu a guarda, e assim, Dimitri deu um soco forte no rosto. O cara que tinha atingido a árvore mais cedo tentou um ataque, mas ele era um idiota se ele achava que Dimitri estava distraído. Dimitri despachou-o facilmente, e ele caiu perto do cara que Dimitri tinha acabado de dar um soco. O cara pulou para seus pés e parecia que ele queria atacar novamente. Seu amigo agarrou-o e tirou ele de lá. Depois de um momento


de luta entre eles, os dois finalmente sairam correndo. Dimitri não foi atrás. Sua atenção estava toda em Sonya e eu. "Você está bem?", Perguntou ele, caminhando rapidamente para nós. Eu consegui dar um aceno de cabeça fraca, embora eu estava tremendo incontrolavelmente. "Vamos sair daqui", disse Dimitri. Ele colocou uma mão em cada um dos nossos ombros e começou a dirigir-nos para longe. "Espere", eu disse, movendo-me em direção ao cemitério. "Devemos levar a espada." Eu fiz a varredura na minha frente, mas era ainda mais escuro do que antes. Dimitri encontrou a espada de imediato com a sua visão superior. Ele colocou-a sob seu sobretudo, e nós três rapidamente saimos de lá. Caminhamos para o apartamento de Adrian, já que era muito mais perto do que a propriedade de Clarence fora da cidade. Mesmo assim, a breve viagem pareceu durar uma eternidade. Eu continuei sentindo como se pudéssemos ser atacados novamente a qualquer momento, mas Dimitri continuou dando-nos garantias, enquanto ainda nos empurrava em um bom ritmo. Adrian ficou surpreso ao ver-nos em sua porta. Ele também parecia muito bêbado, mas eu não me importava. Tudo que eu queria era a segurança de suas quatro paredes. "O que ... o que está acontecendo?", Perguntou ele, quando Dimitri pediu que Sonya e eu entrassemos. Os olhos de Adrian olhou para cada um de nós, o mais longo detendo-se em mim. "Você está bem? O que aconteceu?" Dimitri fez com que Sonya e eu entrassemos, duplo controlo de lesões apesar dos nossos protestos. Ele estendeu a mão e gentilmente segurou meu queixo, virando minha bocheca, no lado da tatuagem em direção a ele. "Um pouco arranhado", disse ele. "Não é sério, mas você deve limpá-lo." Eu toquei o local indicado e fiquei surpresa ao ver sangue em meus dedos. Eu não me lembro de me machucar, mas supus que tinha vindo da parede de tijolo. Sonya não tinha marcas físicas, mas admitiu ter uma dor de cabeça muito ruim de onde ela caiu no chão.


"O que aconteceu?" Adrian perguntou novamente. Dimitri levantou a espada que ele tinha recuperado da cena. "Algo um pouco mais grave do que um assalto, eu acho." "Eu diria que sim", disse Sonya, sentada no sofá. Sua atitude foi surpreendentemente calma para o que tinha acabado de suportar. Ela tocou a parte de trás de sua cabeça e fez uma careta."Até porque eles me chamaram de uma criatura do mal antes de você aparecer." Dimitri arqueou uma sobrancelha. "Eles fizeram?" Eu não tinha me movido nenhuma vez desde que eu tinha chegado à sala de estar. Eu simplesmente fiquei lá com os meus braços em volta de mim, sentindose entorpecida. Movimentar parecia muito difícil. Pensar parecia muito difícil. Como Dimitri examinou a espada, no entanto, algo me chamou a atenção e fez meu cérebro lento lentamente começam a funcionar novamente. Vendo meu interesse, ele segurou a espada para mim. Peguei-a, tomando cuidado com a lâmina, e examinei o punho. Ela estava coberta com gravuras. "Isso significa algo para você?", Perguntou ele. Minha mente estava nublada, ainda com medo e adrenalina, mas eu ignorei e tentei desenterrar alguns fatos. "Estes são símbolos velhos de alquimia", eu disse. "Da Idade Média, da época em que nosso grupo era apenas um bando de cientistas medievais tentando transformar chumbo em ouro ". Isso era tudo o que os livros de história sabiam sobre a minha sociedade. Isso, e que nós havíamos desistido do ouro. A organização tinha encontrado mais tarde compostos mais sofisticados, incluindo sangue de vampiro. Interagir com os vampiros tinham eventualmente evoluido para a nossa causa atual, quando os antigos alquimistas perceberam o quão terríveis e escuras tentações os vampiros representavam. Nossa causa se tornou um santo. A química e fórmulas que a minha sociedade já havia trabalhado para obter ganhos pessoais tornaram-se as ferramentas necessárias para esconder a existência de vampiros, ferramentas agora complementadas com a tecnologia. Bati o maior símbolo, um círculo com um ponto no centro.


"Este é o símbolo para ouro. Este outro é prata. Estas quatro coisas triangulares são os elementos básicos -terra, ar, água e fogo - e estes...Marte e Júpiter, que se vinculam a ferro e estanho. Talvez a composição da espada?" Eu fiz uma careta e estudei o resto do metal. "Sem ouro ou prata nele, no entanto. Seus símbolos também pode se referir ao sol e a lua. Talvez não se trata de física em absoluto. Eu não sei." Eu entreguei a espada de volta para Dimitri. Sonya tomou dele, estudando o que eu apontei. "Então, você está dizendo que esta é uma arma Alquimista? " Eu balancei a cabeça. "Os alquimistas nunca iriam usar algo como isto. Armas são mais fáceis. E os símbolos são arcaicos. Usamos a tabela periódica agora. Mais fácil de escrever 'Au' para o ouro em vez de desenhar esse símbolo do sol." "Há alguma razão para que estes símbolos estejam em uma espada? Maior simbolismo ou significado."Dimitri perguntou. "Bem, mais uma vez, se você voltar, o sol e o ouro foram os mais importantes para os antigos alquimistas. Ele girava em torno de toda essa idéia de luz e clareza." Eu toquei minha bochecha. "Essas coisas são ainda importante em alguns aspectos, é por isso que usamos esta tinta de ouro. Além dos benefícios, o ouro nos marca como ... puros. Santificados. Parte de uma causa santa. Mas em uma espada ... eu não sei. Se quem fez isso estava usando o mesmo simbolismo, então talvez a espada é santificada." Eu pensei em voltar às palavras dos agressores, sobre o retorno ao inferno. Eu fiz uma careta. "Ou talvez seus proprietários sentem que estão servindo a uma espécie de dever sagrado." "Quem eram esses caras, afinal?", Perguntou Adrian. "Você acha que Jil está em risco?” "Eles sabiam sobre vampiros. Mas eles eram humanos ", disse Dimitri. "Mesmo que eu pudesse dizer", eu concordei. "Um era bem alto, mas ele não era um Moroi." Admitir que nossos assaltantes haviam sido humanos foi difícil e frustrante para mim. Eu sempre acreditei que os Strigoi eram maus. Isso foi fácil.


Mesmo Moroi não poderia ser sempre confiável, que foi por isso que o pensamento de assassinos Moroi atrás de Jil não parece rebuscado. Mas os seres humanos ... as pessoas que eu deveria estar protegendo? Isso foi difícil. Eu tinha sido atacada por minha própria espécie, os caras bons, não os demônios de presas que eu tinha sido ensinada a temer. Foi um choque para minha visão de mundo. O rosto de Dimitri cresceu ainda mais sombrio. "Eu nunca ouvi falar de nada parecido, principalmente porque a maioria dos humanos não sabem sobre Moroi. Além dos Alquimistas." Eu dei-lhe um olhar penetrante. "Isso não teve nada a ver com a gente. Eu te disse, espadas não são o nosso estilo. Nem são ataques ". Sonya deixou a espada em cima da mesa de café. "Não estamos fazendo acusações sobre ninguém. Eu suponho que é uma questão que ambos queremos trazer para seus grupos. "Dimitri e eu assentimos. "Embora, eu acho que nós estamos com vista para um ponto-chave aqui. Eles estavam me tratando como um Strigoi. A espada não é a maneira mais fácil de matar alguém. Teria que haver uma razão. "É a única maneira que um ser humano poderia matar um Strigoi, também," eu murmurei. "Os seres humanos não podem encantar uma estaca de prata. Suponho que poderia definir o fogo, mas isso não é prático.” O silêncio caiu enquanto pensavamos sobre isso. Por último, Sonya suspirou. "Eu não acho que nós vamos chegar a lugar nenhum esta noite, não sem falar com os outros. Você quer que eu cure isso?" Levei um momento para perceber que ela estava falando para mim. Eu toquei minha bochecha. "Não, vai curar rapidamente por conta própria." Esse foi um dos efeitos colaterais do sangue de vampiro em nossas tatuagens de lírio. "Vou limpá-lo antes de ir." Fui até o banheiro, com a maior confiança que eu pude. Quando cheguei lá e vi meu reflexo no espelho, eu a perdi. O machucado não era ruim, não em todo. Principalmente, o que me chateou foi o que ela representava. Sonya tinha a lâmina na garganta, mas minha vida estava em perigo também. Eu tinha sido


atacada, e eu estava indefesa. Molhei uma toalha e tentei trazê-la para o meu rosto, mas minhas mãos tremiam muito. "Sage?” Adrian apareceu na porta, e eu rapidamente tentei afastar as lágrimas que tinham começado a aparecer em meus olhos. "Sim?" "Você está bem?" "Você não pode dizer pela minha aura?" Ele não respondeu, mas em vez disso tomou o pano de mim antes que eu deixasse cair. "Vire", ele ordenou. Eu virei e ele limpou o machucado com ele. Com ele em pé, muito perto de mim, eu podia ver que seus olhos estavam vermelhos. Eu também poderia sentir o álcool sobre ele. No entanto, sua mão estava mais segura do que a minha. Mais uma vez, ele perguntou: "Você está bem?" "Eu não sou a única que tinha uma espada na minha garganta." "Essa não é a pergunta que fiz. Você se machucou em outro lugar? " "Não", eu disse, olhando para baixo. "Só talvez ... talvez meu orgulho." "O seu orgulho?" Ele fez uma pausa para lavar a toalha. "O que isso tem a ver com alguma coisa?" Eu olhei para cima mas ainda assim não encontrei seus olhos. "Eu posso fazer um monte de coisas, Adrian. E - correndo o risco de soar egoísta - quero dizer, bem, eu posso fazer um monte de coisas que a maioria das pessoas não pode." Havia diversão em sua voz. "Não me diga. Você pode mudar um pneu em 10 minutos, enquanto fala grego. " "Cinco minutos", eu disse. "Mas quando minha vida está na linha, quando a vida dos outros estão na linha..para que eu sirvo? Eu não posso lutar. Eu estava completamente desamparada lá fora. Justo como quando os Strigoi nos atacaram e Lee. Eu só posso ficar e assistir e esperar pelas pessoas como Rose e Dimitri para me salvar. Eu ... Eu sou como uma donzela dos livros de histórias."


Ele terminou de limpar meu rosto e abaixou a toalha. Ele segurou meu rosto em suas mãos. "A única coisa verdadeira sobre o que você acabou de dizer foi a parte sobre a donzela das histórias e isso é só porque você é bonita o suficiente para ser uma. Não a parte de estar em apuros. Tudo o resto que disse foi ridículo. Você não está desamparada." Eu finalmente olhei para cima. Em nossas conversas, Adrian não estava usualmente a acusar-me de ser ridícula. "Oh? Então, eu sou como Rose e Dimitri? " "Não. Não mais do que eu sou. E, se não me falha a memória, alguém me disse recentemente que era inútil tentar ser como as outras pessoas. Que você só deve tentar ser você mesmo." Fiz uma careta por ter as minhas palavras jogadas de volta para mim. "Isso não é a mesma situação. Eu estou falando sobre como cuidar de mim mesma, não impressionar alguém. " "Bem, há o seu outro problema, Sage. ‘Cuidar de si mesma.’ Estes encontros que você teve com Strigoi; malucos com espadas. Aqueles que não são exatamente normal. Eu não acho que você deve subestimar a si mesma por não ser capaz de lutar contra esses tipos de ataques. A maioria das pessoas não pode. " "Eu deveria ser capaz de," eu murmurei. Seus olhos eram simpáticos. "Então aprenda. Essa mesma pessoa que gosta de me dar conselho uma vez me disse para não ser uma vítima. Portanto, não seja. Você aprendeu como fazer um milhão de outras coisas. Aprenda esta. Tome umas aulas de auto-defesa. Consiga uma arma. Você não pode ser um guardião, mas essa não é a única maneira de se proteger." Um conjunto de emoções ferveu dentro de mim. Raiva. Constrangimento. Reafirmação. "Você tem muito o que dizer para um cara bêbado.” "Oh, Sage. Eu tenho muito a dizer, bêbado ou sóbrio. "Ele me soltou e se afastou. Eu me senti estranhamente vulnerável sem ele perto. "O que a maioria


das pessoas não entendem é que eu sou mais coerente assim. Menos chance do espírito me deixar louco." Ele bateu na lateral de sua cabeça e revirou seus olhos. "Falando nisso ... Eu não vou dar nenhuma palestras sobre isso", eu disse, feliz por mudar o tópico de mim. "Almoço com seu pai foi horrível. Eu entendi. Se você quiser se afogar nisso, tudo bem. Mas, por favor, mantenha em mente Jil. Você sabe o que isso faz para ela, não agora, talvez, mas mais tarde. " O fantasma de um sorriso cintilou em seus lábios. "Você é sempre a voz da razão. Apenas tente ouvir a si mesma de vez em quando." As palavras eram familiares. Dimitri havia dito algo semelhante, que eu não poderia cuidar dos outros sem cuidar de mim mesma em primeiro lugar. Se duas pessoas tão completamente diferentes como Adrian e Dimitri tiveram a mesma opinião, então talvez houvesse alguma razão.. Ele me deu um monte no que pensar quando voltei para Amberwood mais tarde. Uma das coisas boas sobre a intoxicação de Adrian era que Jil não tinha sido capaz de testemunhar a nossa conversa. Então, no dia seguinte, durante o almoço, quando eu dei a Jil, Eddie, e Angeline uma recapitulação do que tinha acontecido, eu era capaz de editar a história e deixar de fora o meu próprio colapso. As reações de Jil e Angeline foram o que eu esperava. Jil estava preocupada e ficava perguntando mais e mais se Sonya e eu estava bem. Angeline regalou-nos com contos de todas as coisas que ela teria feito para os atacantes e como, ao contrário de Dimitri, ela teria os perseguido pelas ruas. Eddie foi tranqüilo e não disse muito até que as outras duas tinham saido, Angeline de volta para seu quarto e Jil para se preparar para a aula. "Eu pensei que algo estava errado com você hoje", disse ele. "Especialmente no café da manhã, quando Angeline disse que um tomate era um vegetal e você não a corrigiu." Eu consegui um meio sorriso de sua piada. "É. Bem, é o tipo de coisa que fica com você. Quer dizer, talvez não para vocês. Ataques de espada aleatórios em lugares escuros são normais para você, certo?"


Ele balançou a cabeça, o rosto sério. "Você não pode nunca ter qualquer ataque no tranco. As pessoas que fazem chegam descuidadas. Você não tem que se sentir mal." Eu estava mexendo no purê de batatas e finalmente desisti. "Eu não gosto de estar despreparada. Para qualquer coisa. Não me interprete mal. Eu estive lá quando você e Rose lutaram contra Strigoi. Eu estava indefesa também ... mas isso é diferente. Eles são maiores do que a vida ... além de um ser humano. Eu realmente não esperava ser capaz de lutar. Mas o que aconteceu ontem à noite, mesmo com a espada, foi apenas a um passo de um assalto. Mundano. E eles eram humanos, como eu. Eu não deveria ter sido tão ineficaz ". "Você quer que eu lhe ensine alguns truques", ele perguntou gentilmente. Isso trouxe meu sorriso de volta. "O que você faz é um pouco maior do que a vida também. Talvez seja melhor fazer algo um pouco mais adequado ao meu nível. Adrian disse que eu deveria conseguir uma arma ou ter uma aula de autodefesa. " "É um bom conselho." "Eu sei. Assustador, não? Os Alquimistas fazer treinamento com armas, mas eu não sou uma fã. Eu vou muito bem nas aulas e teoria, no entanto." Ele riu. "É verdade. Bem, se você mudar de idéia, me avise. Depois de trabalhar com Angeline, eu estou pronto para qualquer coisa. Embora ... para ser justo, ela recuou um pouco." Lembrei-me de minha última conversa real com ela. Sua luta e suspensão tinha sido apenas ontem, mas senti como se fosse anos atrás. "Ah. Eu meio que tive uma conversa com ela. " "Que tipo de conversa", ele perguntou, surpreso. "Eu lhe disse para não se preocupar com a minha vida pessoal. O problema é meu. " "Eu sei, eu sei. Mas simplesmente aconteceu. Eu disse a ela que seu comportamento estava fora de linha e que ela precisava parar. Ela estava muito brava comigo, embora, por isso não tinha certeza se tinha feito efeito. " "Huh. Eu acho que fez. "As próximas palavras eram obviamente uma grande concessão. "Talvez ela não é tão ruim quanto eu pensava."


"Talvez", eu concordei. "E olhando por este caminho. Pelo menos sua suspensão significa que você não tem que se preocupar com ela no baile." A partir do modo como seu rosto se iluminou, ficou claro que ele não tinha percebido isso ainda. Alguns momentos depois, ele endureceu novamente. "Se há ataques acontecendo assim, eu vou ter que ser mais cauteloso com Jill na festa." Eu não tinha pensado que havia alguma maneira de que Eddie poderia ser mais cauteloso, mas provavelmente ele me provou que estava errada." Eu meio que desejava que Angeline estivesse indo." A maioria das minhas aulas foram me distraindo o suficiente para me impedir de pensar muito sobre ontem à noite, mas a Sra. Terwiliger de estudo independente foi diferente. Ela era muito quieta, muito discreta. Ela me deu um monte de tempo em minha própria cabeça, trazendo de volta todo o medo e insegurança que eu estava tentando ignorar. Pela primeira vez, eu copiei e anotei os feitiços sem realmente memorizá-los. Usualmente, eu não poderia evitar. Hoje, a minha mente não estava lá. Estávamos quase a meio do período, quando eu finalmente sintonizei o suficiente para realmente processar o que eu estava trabalhando. Era um feitiço da Antiguidade Tardia que supostamente fez a vítima pensar que escorpiões estavam rastejando sobre ele ou ela. Como tantos livros de feitiços da Sra.Terwiliger, a fórmula foi complicada e demorada. "Ms. Terwiliger? "Eu odiava pedir algo a ela, mas os acontecimentos recentes pesavam demais em mim. Ela olhou com surpresa de sua papelada. Depois da guerra fria que tinhamos entrado ela havia se acostumado de que eu não falava a não ser que ela falasse comigo. "Sim?” Toquei no livro. "Que bem fazem esses, assim chamados, feitiços inofensivos? Como você nunca usá-los em uma briga quando eles exigem misturas que levam dias para preparar? Se você for atacado, não há tempo para nada disso. Quase não há tempo para pensar."


"Qual você está olhando?", Ela perguntou. "O do escorpião." Ela assentiu com a cabeça. "Ah, sim. Bem, isso é mais como um premeditado. Se você tem alguém que você não gosta, você trabalha sobre este e lançá-o. Bastante eficaz para ex-namorados, eu poderia acrescentar." Seu rosto ficou distraído, e então ela se concentrou em mim de novo.. "Há certamente os que seriam mais úteis no tipo de situação que você está descrevendo. O feitiço do fogo, se você se lembrar, tinha um monte de trabalho de preparação, mas poderia ser usado muito rapidamente. Há outros que podem ser convertidos em aviso extremamente curto, com poucos componentes, mas alguns, como eu disse no passado, esses tipos exigem considerável habilidade. Quanto mais avançado o você é, menos você precisa de ingredientes. Você precisa de muito mais experiência antes que você está em um nível para aprender qualquer coisa assim. " "Eu nunca disse que queria aprender qualquer coisa assim", eu atirei. "Eu só estou ... fazendo um inquérito." "Oh? Meu erro. Quase soava como se você estivesse, ouso dizer, interessada. " "Não!" Eu estava grata que a magia de cura em minha tatuagem tinha desaparecido a maioria das contusões no rosto da noite passada. Eu não queria que ela suspeitasse que eu poderia ter motivação séria para proteção. "Veja, é por isso que eu nunca digo nada aqui. Você lê muito do que eu digo e apenas usa para promover sua agenda para me atormentar. " "Tormento? Você lê livros e bebe café aqui, exatamente o que você estaria fazendo se não estivesse aqui? " "Só que eu sou infeliz", disse a ela. "Eu odeio cada minuto disso. Estou quase pronta para parar de vir e arriscar o fracasso acadêmico. Isso é doente e retorcido... " O último sinal do dia me cortou antes que eu dissesse algo que eu ia me arrepender.

Quase

imediatamente,

Trey

apareceu

na

porta.

Senhorita


Terwiliger começou a guardar as coisas e olhou para ele com um sorriso, como se tudo aqui estivesse perfeitamente normal. "Ora, o Sr. Juarez. Que bom que você se mostrou agora, vendo como você não poderia fazê-lo para minha classe esta manhã. "Olhando para trás, eu percebi que ela estava certa. Trey não tinha estado em sua aula de história ou a nossa aula de química. "Desculpe", disse ele. "Eu tinha algumas coisas da família para cuidar." "Assuntos familiares " foi uma desculpa que eu usava a todo momento, embora eu duvidava de que o de Trey envolvia tomar conta de vampiros em uma corrida alimentar de sangue. "Você pode, uh, me dizer o que eu perdi?", Perguntou. Ms. Terwiliger pendurou sua bolsa por cima do ombro. "Eu tenho um compromisso. Pergunte a senhorita Melbourne, ela provavelmente pode explicar mais profundamente do que eu posso. A porta fechará atrás de vocês quando vocês se forem. " Trey sentou em uma mesa próxima e puxou-a para perto da minha enquanto eu pegava nossa tarefa de história e química, uma vez que eu pensei que ele ia precisar deste último. Eu apontei para a mochila que tinha no chão ao lado dele. "Em treinamento?" Ele se inclinou para copiar as atribuições, seu cabelo escuro caindo em torno dos lados de seu rosto. "Não perderia", disse ele, sem olhar para cima como ele escreveu. "Certo. Você só faltou às aulas. " "Não julgue", disse ele. "Eu estaria lá, se eu pudesse." Eu deixei ir. Eu certamente tive meu quinhão de estranhas complicações pessoais. Enquanto ele escrevia, liguei meu telefone celular e descobri que eu tinha uma mensagem de texto de Brayden. Foi uma palavra, um recorde para ele: Jantar? Eu hesitei. Eu estava ainda trabalhando durante a noite passada e, embora Brayden fosse divertido, ele não era o conforto que eu precisava agora. Eu mandei


uma mensagem de volta: Não tenho certeza. Eu tenho alguns trabalhos a fazer esta noite. Eu queria olhar para algumas opções de auto-defesa. Essa foi a garantia de que eu precisava. Fatos. Opções. Brayden respondeu rápido: jantar tarde? Em Stone Grill as 8? Eu considerei isso e então mandei uma mensagem de volta que eu estaria lá.Eu tinha acabado de abaixar meu telefone quando outra mensagem de texto chegou. Inesperadamente, era de Adrian. Como tá se sentindo dps da noite passada? Adrian era articulado nos e-mails mas ele recorria a abreviaturas nas mensagens de texto algo que eu nunca tive coragem de fazer. Mesmo lendo era como ouvir unhas em um quadro-negro para mim, mas algo me tocou sobre sua preocupação, que ele estava preocupado com o meu bem-estar. Foi reconfortante. Eu escrevi de volta: Melhor. Eu vou encontrar uma aula de auto-defesa. Seu tempo de resposta foi quase tão rápido quanto Brayden: Deixe-me saber o que você encontrar. Talvez eu tb tome 1. Eu pisquei surpresa. Eu certamente não havia visto isso. Havia apenas uma coisa que eu poderia enviar de volta: Por quê? "Nossa", disse Trey, fechando o seu notebook. "a Srta. Popularidade. "Coisas de família", disse eu. Ele zombou e empurrou o notebook em sua mochila. "Obrigado por estes. E por falar em coisas de família ... sua prima. É verdade que ela foi expulsa? " "Suspensa por duas semanas." "Verdade?" Ele se levantou. "É isso? Eu pensei que seria muito pior. " "É. Quase foi. Eu os persuadi para que pegassem leve com ela. " Trey riu abertamente para isso. "Eu só posso imaginar. Bem, eu acho que eu posso esperar duas semanas então. " Eu fiz uma careta. "Para quê?" "Para chamar ela para sair."


Eu fiquei sem palavras por alguns segundos. "Angeline", eu perguntei, apenas no caso de que ele achava que eu tinha outra prima. "Você quer chamar para sair a ... Angeline?" "Claro", ele disse. "Ela é uma gracinha. Ela derrubando três rapazes e um professor? Bem ... eu não vou mentir. Isso foi muito quente." "Consigo pensar em um monte de palavras para descrever o que ela fez. 'Quente' não é uma delas." Ele deu de ombros e foi para a porta. "Ei, você tem o que te atrai, eu tenho o meu. Moinhos para você, brigas para mim. " "Inacreditável", eu disse. No entanto, eu me perguntava se realmente era. Supondo que todos nós tenhamos o que nos atraia. O estilo de vida de Trey é certamente diferente do meu. Ele era dedicado ao esporte e sempre tinha hematomas sobre ele a partir da prática, mesmo agora. Eles foram mais severos do que o habitual. Eu não conseguia entender suas paixões mais do que ele pudesse entender o meu amor pelo conhecimento. Meu telefone soou novamente. "É melhor voltar para o seu fã clube", disse Trey. Ele saiu, e um pensamento estranho me ocorreu. As contusões recentes de Trey realmente eram de esportes? Ele continuou fazendo um monte de referências à sua família, e de repente eu me perguntei se algo muito mais insidioso do que eu suspeitava mantinha-o

assim.

Era

uma

ideia

preocupante,

que

eu

não tinha muita experiência. Outro burburinho do telefone me tirou das minhas preocupações. Eu chequei o telefone e encontrei uma outra mensagem de texto de Adrian, uma longa que durou duas mensagens. Foi uma resposta à minha pergunta sobre ele fazer aulas de auto-defesa. Me dará 1 razão para evitar S&D. Além disso vc não é a única q poderia precisar de proteção. Esses caras eram humanos e sabiam que S era vampiro. Talvez os caçadores de vampiros sejam reais. Já pensou q Clarence pode estar dizendo a verdade?


Olhei para o telefone em descrença, processando as palavras de Adrian e as implicações do ataque de ontem à noite. Já pensou que Clarence pode estar dizendo a verdade? Não. Até aquele momento, eu não tinha.


Capítulo 12 Quando eu apareci para o meu jantar, Brayden estava sentado em uma cabine com um laptop. "Eu cheguei aqui cedo", explicou. "Imaginei que poderia trabalhar um pouco. Fez o seu?" "Na verdade, sim. Eu estava pesquisando aulas de auto-defesa. Você não vai acreditar o que eu encontrei. " Sentei-me a seu lado na cabine para que eu pudesse usar o seu laptop. Como de costume, ele cheirava como café. Eu nunca me canso disso, eu decidi. Eu dirigi-lo a um site. Eu tinha encontrado um pouco antes de vir aqui. O local parecia que eu poderia ter feito cerca de dez anos atrás e tinha um monte de imagens animadas nele. Escola de Defesa - Malachi Wolfe, instrutor. "Jura?" Brayden perguntou. "Malachi Wolfe?" "Não posso fazer nada a respeito do nome", disse. "E olha...ele ganhou uma série de prêmios e elogios." Alguns dos prêmios foram ainda mais recentes. A maior parte eram de pelo menos alguns anos atrás. "Aqui está a melhor parte." Eu cliquei em um link intitulado "aulas futuras." Malachi Wolfe tinha uma agenda muito ocupada, mas havia uma parte promissora. Ele ia oferecer um curso de a partir de amanhã, que se reunia uma vez por semana. "Isso não é exatamente o tipo de instrutor que eu tinha em mente," eu admiti, "mas ele começa imediatamente." "Não um curso muito longo", acrescentou Brayden. "Mas isso lhe daria uma boa introdução. Por que o interesse? " Uma imagem do beco piscou de volta em minha mente, as figuras no escuro e o sentimento de desamparo quando eu fui empurrada contra a parede. Minha respiração começou a aumentar, e eu tinha que me lembrar que eu não estava mais lá.

Eu estava em um restaurante bem iluminado, com um menino que

gostava de mim. Eu estava segura.


"Assim, uh, algo que eu sinto que é importante para uma mulher aprender", eu disse. "Apesar de ... ser aberto a homens e mulheres." "Tentando me inscrever?" No começo eu pensei que ele estava falando sério, mas quando eu olhei, ele estava sorrindo. Eu sorri. "Se você quiser. Eu estava pensando em meu irmão. Ele quer fazer isso também." "Provavelmente é melhor se eu não fazer. Embora, eu ia levar as artes marciais como um colégio eletivo". Brayden desligaou o seu laptop, e se moveu para o outro lado da cabine. "De qualquer forma, você tem uma família muito unida. Não tenho certeza se eu deveria me esforçar para isso." "Provavelmente é uma idéia inteligente", eu concordei, pensando que ele não sabia da missa a metade. O jantar foi bom, como foi a nossa conversa posterior sobre termodinâmica. Apesar do tópico fascinante, no entanto, eu encontrei a minha mente vagando muito. Eu tinha que me concentrar de volta para o que Brayden estava dizendo. O ataque e comentário improvisado de Adrian sobre caçadores de vampiros tinha me dado muito o que pensar. Ainda assim, ficamos muito tempo no restaurante. Tanto que, quando saimos, eu vi que estava completamente escuro. Eu não tinha estacionado muito longe e nem mesmo em um local remoto, mas, de repente, a antecipação de uma caminhada sozinha no escuro me fez congelar. Brayden estava dizendo algo sobre me ver na festa e então percebeu minha reação. "O que há de errado?", Perguntou. "Eu ..." Olhei pela rua. Dois quarteirões. É o tanto que meu carro estava perto. Havia pessoas. E, no entanto, eu estava sufocando. "Será que você me acompanharia até o carro?” "Claro", ele disse. Ele nem sequer pensou duas vezes sobre isso, mas eu estava mortificada todo o caminho. Como eu disse a Eddie e Adrian, eu usualmente não precisava da ajuda de outros. E precisra por algo como isso era realmente humilhante. Rose não precisaria de um acompanhante, pensei. Mesmo


Angeline não precisaria. Ela provavelmente bateria em alguns pedestres no caminho, apenas para ficar em prática. "Aqui estamos nós", disse Brayden, quando chegamos ao Latte. Eu me perguntei se ele pensava menos de mim para a necessidade de um acompanhante. "Obrigada. Vou vê-lo no sábado? " Ele acenou com a cabeça. "Você tem certeza que quer se encontrar lá? Eu posso buscá-la. " "Eu sei. E eu não me importaria de ir em seu carro. Sem ofensa, Latte. "Eu dei ao lado do carro um tapinha reconfortante. "Mas tenho que dirigir para meu irmão e irmã. É mais fácil assim." "Tudo bem", disse ele. O sorriso que ele me deu foi quase tímido, contrastando com a sua confiança com temas acadêmicos. "Mal posso esperar para ver seu traje. Eu tenho a minha de uma companhia teatral. Não é uma reprodução de um ideal de trajes ateniense, é claro, mas é o melhor que eu poderia encontrar. " Eu quase esqueci que eu tinha deixado minha roupa nas mãos de Lia. Brayden não era o único interessado em ver o que eu estaria vestindo. "Espero vê-lo ansiosamente", eu disse. Depois de alguns momentos, eu me perguntava por que ele não estava indo. Entretanto ele tinha essa timidez e insegurança, como se ele estivesse tentando criar coragem para dizer algo. Só que, como me dei conta, falar não era o que ele queria fazer. Com um grande show de coragem, ele se aproximou e me beijou. Foi bom, apesar de mais uma vez um pouco satisfatório. A partir do olhar no rosto de Brayden, no entanto, poderia ter sido enviado a novas alturas. Por que eu não tenho a mesma reação? Talvez eu tivesse feito algo errado, depois de tudo. Ou talvez eu era defeituosa? "Vejo você no sábado", disse ele. Eu fiz uma nota mental para adicionar beijar a minha lista de tópicos de pesquisa.


Voltei para Amberwood e envie uma mensagem de texto para Adrian enquanto entrava no dormitório. Há uma classe de defesa, que começa amanhã à noite. R$ 75. Apesar de seu interesse noite passada, eu estava um pouco cética se ele saiu de sua depressão o suficiente para fazer algo como isto. Eu não tinha certeza se ele estava indo para suas aulas de arte mais. Um minuto depois, recebi a resposta: Vou estar lá. Seguida de outra mensagem: pode me adiantar o dinheiro? Jil estava caminhando para o dormitório, assim como eu, nós duas entrando antes do toque de recolher. Ela nem sequer me notou e, em vez parecia incomodada e pensativa. "Hey," eu disse. "Jil?" Ela parou no meio do pátio e piscou surpresa ao me ver. "Oh, hey. Você estava com seu namorado? " Eu estremeci. "Não tenho certeza que devo chamá-lo assim ainda.” "Quantas vezes vocês saíram?" "Quatro". "Ele está levando você para a festa?" "Vou me encontrar com ele lá."Ela encolheu os ombros. "Soa como um namorado para mim." "Parece que você está citando alguma coisa do guia de namoro de Kristin e Julia. Isso trouxe um sorriso fugaz, mas não durou muito. "Eu acho que é apenas o senso comum." Estudei ela, tentando ter uma idéia de seu humor. "Você está bem? Você olhou como se algo estivesse te incomodando. É ... é Adrian? Será que ele está chateado?" Por um momento, eu estava mais preocupada por Adrian do que por ela. "Não", ela disse. "Eu quero dizer, bem, sim. Mas ele está um pouco melhor. Ele está animado sobre a aprendizagem de auto-defesa com você. "O laço nunca deixa de me surpreender. Eu só me comuniquei com Adrian um minuto atrás.


"'Animado?'" Eu perguntei. Que parecia uma reação surpreendentemente forte. "É uma distração. E uma distração é a melhor coisa para ele nestes humores ", explicou ela. "Ele está chateado ainda, no entanto. Ele ainda está deprimido com o seu pai. " "Eu não deveria tê-lo levado a San Diego", murmurei, mais para mim do que ela. "Se eu tivesse recusado, ele não teria sido capaz de chegar lá. Jil parecia cética. "Eu não sei. Eu acho que ele teria encontrado uma maneira, com ou sem você. O que aconteceu entre eles estava para acontecer eventualmente "Ela soou incrivelmente sábia. "Eu me sinto terrível vendo Adrian assim", disse. "Esses humores vêm e vão para ele. Sempre acha um jeito. "Jil tinha um olhar distante em seus olhos. "Ele tem deixado a bebida um pouco...por minha causa. Mas, então, apenas abre-se para ... Bem, é difícil de explicar. Você sabe como o espírito leva as pessoas a ficarem insanas? Quando ele está assim deprimido e sóbrio, ele torna-se mais vulnerável. " "Você está dizendo que Adrian está ficando louco?" Essa não era uma complicação que eu estava preparada. "Não, não exatamente." Ela apertou os lábios como ela pensava. "Ele só fica um

pouco

disperso

...

estranho.

Você

saberá

quando

você

ver.

Ele meio que faz sentido, mas as vezes não. Se torna sonhador e divaga. Mas não da maneira que eu faço. Tem uma, não sei, sensação mística. Mas não é realmente mágico. É só ele ... se perdendo temporariamente. Nunca dura e, como eu disse, você saberá quando ver. " "Eu acho que eu já vi ..." Uma memória inesperada piscou de volta para mim, pouco antes de Sonya e Dimitri terem chegado. Eu tinha ido até Adrian, e ele olhou para mim estranhamente, como se ele estivesse apenas observando-me pela primeira vez. Pensar nisso, todavia, dava calafrios em mim. Meu Deus, Sage. Seus olhos. Como é que eu nunca percebi eles? A cor ... como ouro derretido. Eu poderia pinta-los ...


"Meninas" Sra.Weathers estava em sua mesa, fechando as coisas para a noite. "Vocês precisam ir para seus quartos." Nós assentimos obedientemente e subimos as escadas. Quando chegamos ao andar de Jill a parei antes que ela pudesse sair. "Ei, se Adrian não é o problema, então o que estava incomodando você quando você chegou? Está tudo bem? " "Hein? Ah, isso. "Ela corou de uma forma bonita. "É. Eu acho. Eu não sei. Micah... hum, bem, ele me beijou esta noite. Pela primeira vez. E eu acho que eu estava meio surpresa com a forma como eu me sentia sobre isso. Fiquei surpresa que eles não tinham se beijado antes e acho que eu deveria ser grata. Suas palavras me marcaram. "O que você quer dizer? Você se sentiu muito menos emocionante do que você esperava? Como se você estivesse apenas tocando os lábios de alguém? Como se você estivesse beijando um parente? " Ela me deu um olhar perplexo. "Não. Isso é loucura. Por que você acha isso?" "Hum, só adivinhando." De repente, me senti tola. Por que havia sido assim para mim? "Foi ótimo, na verdade." Um olhar distante veio sobre ela. "Bem, quase. Eu não conseguia chegar a ele, tanto quanto eu queria, porque eu estava preocupada com minhas presas.. É fácil escondê-los conversando e sorrindo. Mas não, enquanto se beijam. E o que eu pensava era: "O que eu vou fazer se ele perceber?" E então eu comecei a pensar sobre o que você e todos os outros, disseram. Sobre como essa coisa com Micah não é uma boa ideia e como eu não posso manter as coisas sem contato físico para sempre. Eu gosto dele. Eu gosto muito dele. Mas não o suficiente para arriscar expor os Moroi ... ou colocar em perigo Lissa. " "Essa é uma atitude nobre."


"Eu acho. Eu não quero terminar as coisas ainda, embora. Micah é tão bom ... e eu amo todos os amigos que fiz por estar com ele. Acho que vou ver o que acontece... mas é difícil. É uma chamada de ligação."Ela parecia tão triste quando ela entrou em seu quarto. Continuando para meu quarto, eu me senti mal por Jil ... mas, ao mesmo tempo, eu estava aliviada. Eu salientei sobre seu namoro casual com Micah, preocupada se estaríamos enfrentando algo dramático, umasituação romântica, onde ela se recusava a deixá-lo, porque o amor deles era muito grande e transcendeu suas corridas. Em vez disso, eu deveria ter tido mais fé nela. Ela não era tão imatura quanto às vezes eu pensava. Jil ia perceber a verdade e resolver isso sozinha. Suas palavras sobre Adrian também ficaram presas comigo, principalmente quando eu peguei ele na noite seguinte para a nossa aula de auto-defesa em primeiro lugar. Ele entrou no meu carro com uma atitude alegre, parecendo nem deprimido nem louco. Ele estava, eu notei, muito bem vestido, com roupas que teria sido uma excelente escolha para a visita a seu pai. Ele percebeu minha roupa, também. "Uau. Eu não acho que eu já vi você em qualquer coisa assim ... casual." Eu vestia calça de yoga verde oliva e camiseta da Amberwood. "A descrição da aula dizia para vestir roupas de treino confortáveis... como eu te disse na mensagem que mandei mais cedo." Eu dei a camisa de seda crua um olhar significativo. "Isso é muito confortável", ele me assegurou. "Além disso, eu não possuo nenhuma roupa de treino." Quando eu coloquei o carro em movimento, avistei a mão esquerda de Adrian. No início, eu pensei que ele estava sangrando. Então, eu percebi que era tinta vermelha. "Você está pintando de novo", eu disse em deleite. "Achei que você tinha parado."


"Sim, bem. Você não pode ter aulas de pintura e não pintar, Sage ". "Achei que você tinha parado." Ele me deu um olhar de soslaio. "Quase fiz. Mas depois lembrei-me que eu tinha convencido uma garota que se ela me deu uma chance e me meteu nessas aulas, eu continuaria.. Isso me ensinará. " Eu sorri e sai para o trânsito. Eu tinha ido um pouco cedo para que Adrian e eu tivessemos tempo para cuidar do nosso registro. Quando eu liguei para a Escola de Defesa Wolfe hoje cedo, um homem agitado me disse que eu tinha apenas que estar com o dinheiro, uma vez que era de último minuto. O endereço estava fora da cidade, em uma residência que ficava numa área de grande crescimento que não fazia nenhuma tentativa de de ser ecológica e frustrar o clima. O deserto todavia liderava aqui, dando à casa um olhar sombrio e desolado. Se não fosse por WOLFE impresso na caixa de correio, eu teria pensado que estavamos no lugar errado. Estacionei na entrada – não haviam outros carros lá – e ficamos olhando. "Este é o tipo de lugar que você vê nos filmes", disse Adrian. "Onde as pessoas descuidadas se encontram com assassinos em série. "Pelo menos, tem luz", eu disse. Desde o abeco, a escuridão tinha se tornado uma ameaça totalmente nova para mim. "Não pode ser tão ruim assim. Adrian abriu a porta do carro. "Vamos descobrir." Tocamos a campanhia e imediatamente ouvimos os sons de latidos e pés correndo. Eu recuei inquieta. "Eu odeio cães mal treinados", eu murmurei para Adrian. "Eles precisam se comportar e serem mantidos na linha." "Assim como as pessoas em sua vida, hein?", Perguntou Adrian. A porta se abriu, e fomos recebidos por um homem de mais ou menos uns cinquenta anos com uma barba loira. Ele estava vestindo bermuda e uma camiseta Lynyrd Skynyrd . Além disso, ele tinha um tapa-olho. "Isso é incrível", eu ouvi o murmúrio de Adrian. "Além de meus sonhos."


Fiquei surpresa. O tapa-olho me fez pensar no olho de vidro de Keith, que por sua vez me fez pensar em meu papel nele. Não era uma memória que eu gostava de ser lembrada, e eu me perguntava as chances de me encontrar com um outro homem de um olho só. Esse cara cutucou a manada de cães de lado, que parecia ser algum tipo de mistura de Chihuahua e mal conseguiu sair sem eles saírem antes que ele fechasse a porta. "Sim", ele perguntou. "Estamos, uh, aqui para a aula. A classe de auto-defesa."Eu senti a necessidade de esclarecer, no caso de ele também ensinar sobre criação de cães ou andar em alto mar. "SouSydney, este é Adrian. Eu liguei esta manhã? "Ah, certo, certo." Ele coçou a barba. "Você tem o dinheiro? Somente em dinheiro." Eu peguei 150 dolares e entreguei a ele. Por força do hábito, eu quase pedi um recibo, mas depois pensei melhor. Ele enfiou o dinheiro no bolso de sua bermuda. "Tudo bem", disse ele. "Você está dentro. Vá em frente e espere na garagem até que os outros apareçam. A porta está aberta." Ele fez um gesto em direção a uma grande construção que parecia industrial – duas vezes o tamanho da casa do outro lado do estacionamento. Sem esperar para ver se nós cumprimos, ele escorregou para dentro, para os cães latindo. O interior da garagem, fiquei aliviada de ver, foi a primeira coisa aqui que parecia que tinha alguma aparência de legitimidade. Havia tapetes limpos no chão e espelhos em algumas das paredes. Um aparelho de TV e VHS estavam colocadas em um canto junto com algumas fitas relacionadas com a defesa cobertas de poeira. Um pouco mais desconcertante era uma parte da decoração, como um par de Nunchaku penduradas na parede. "Não toque aqueles!" Eu avisei, vendo Adrian ir em direção a eles. "Isso não é o tipo de cara cujo coisas você quer mexer."


Adrian manteve suas mãos longe "Você acha que aprenderemos a usar isso?" "As armas não estavam na descrição da aula. É sobre a base de auto-defesa e mão-a-mão". "Por que se preocupar, então?" Adrian passou ao longo de uma caixa de vidro exibindo vários tipos de soqueiras. "Esse é o tipo de coisa que Castille faz todo dia. Ele poderia ter nos mostrado." "Eu queria alguém um pouco mais acessível", eu expliquei. "O que, como o capitão McShorts Tropical lá atrás? Onde demônios você o encontrou, afinal? " "Só fiz uma pesquisa na Internet." Sentindo a necessidade de defender a minha pesquisa, eu acrescentei: "Ele é altamente recomendado." "Por quem? Long John Silver? "Apesar de tudo, eu ri. Durante a meia hora seguinte, o resto de nossa classe chegava. Uma era uma mulher que parecia ter uns 70. Outra foi uma mãe que tinha acabado de ter seu quarto filho e decidiu que ela precisava "aprender a protegê-los." As duas últimas mulheres da classe estavam em seus vinte e poucos anos e usavam camisetas com frases de poder feminino. Adrian e eu éramos os mais jovem do grupo. Ele era o único homem, sem contar com o nosso instrutor, que pediu que nós simplesmente nos referissemos a ele como Wolfe. Eu estava começando a ter um mau pressentimento sobre tudo isso, particularmente quando a aula começou. Os seis de nós sentamos no chão, enquanto Wolfe inclinou-se contra um dos espelhos e olhou para cima de nós. "Se você está aqui," ele começou. "Você provavelmente quer aprender a usar aqueles imediatamente." Ele apontou para os Nunchaku. Eu peguei a visão do rosto de Adrian no espelho. Sua expressão disse: Sim, isso é exatamente o que eu quero aprender. "Bem, muito ruim", disse Wolfe. "Vocês não vão usá-los. Não nesta classe, de qualquer maneira. Ah, eles têm seus usos, acredite. Me salvou mais de uma vez quando eu estava caçando com arco no Alasca, há alguns anos. Mas se você prestar atenção no que eu vou ensinar a você, você não vai precisar escolher


aqueles acima, já que não temos um problema de alce raivoso aqui em Palm Springs." A nova mamãe levantou a mão. "Você usou Nunchaku em um alce? Wolfe tinha um olhar assombrado em seus olhos. "Eu usei todo tipo de coisas com esse bastardo. Mas isso não é nem aqui nem agora. Porque essa é a coisa. Com um pouco de senso comum, você não vai precisar de armas. Ou punhos. Você." Para minha surpresa, Wolfe apontou para mim e me encarou com um olhar de aço, o olhar de um olho só. "O que eu disse para você fazer quando você chegou?" Engoli em seco. "Dar-lhe o dinheiro, senhor." "E depois?" "Você nos disse para esperar aqui fora." Ele acenou com a cabeça em satisfação, de forma que aparentemente minha resposta do óbvio tinha ido bem. "Nós estamos a duas milhas de quaisquer outras casas e cerca de um quilômetro da rodovia. Você não me conhece, e vamos encarar, este lugar se parece com algo saído de um filme de serial killer." Com o canto do meu olho, vi Adrian me lançar um olhar triunfante. "Eu enviei vocês a um edifício remoto, sem janelas. Você entrou. Você olhou ao redor quando entrou aqui?? Será que você analisou o ambiente antes de entrar? Será que você verificou todas as saídas?" "Eu..." "Não, claro que não", ele interrompeu. "Ninguém nunca faz. E essa é a primeira regra de auto-defesa. Não assuma nada. Você não tem que viver sua vida em medo, mas saiba o que está ao seu redor. Seja esperto. Não vá cegamente em becos escuros ou estacionamentos. " E assim, eu estava viciada. Wolfe foi surpreendentemente bem preparado. Ele tinha um monte de histórias e exemplos de ataques, aqueles que mantiveram a lembrar-me: os seres humanos são algumas das criaturas mais cruéis lá fora, não vampiros. Ele nos mostrou fotos e diagramas de vários locais inseguros, apontando vulnerabilidades


e fornecendo conselhos muito prático que deveriam ser óbvio para a maioria das pessoas, mas não era. Quanto mais ele falava, mais tola eu me senti sobre o que tinha acontecido com Sonya. Se esses caras queriam atacar Sonya com suficiente intensidade, eles teriam encontrado uma maneira de alguma forma. Mas havia algumas coisas que eu poderia ter feito para ser mais cautelosa e, possivelmente, evitar o confronto que aconteceu aquela noite. Essa ideia acabou por ser uma grande parte da filosofia de Wolfe: evitar perigo em primeiro lugar. Mesmo quando ele finalmente mudou-se para discutir alguns movimentos básicos, a ênfase foi em usá-los para fugir, não para machucar e derrubar seu adversário no chão. Ele deixou-nos praticar alguns destes movimentos na última meia hora da aula, colocou-nos para trabalhar com os colegas e um manequim já que não queríamos ferir uns aos outros. "Graças a Deus", disse Adrian, quando eclodiu a prática. Ele e eu éramos parceiros. "Eu pensei que eu ia chegar a uma aula de luta para aprender a não lutar." "Mas ele está certo", disse eu. "Se você pode evitar a luta, tanto melhor." "Mas e se você não pode?", Perguntou Adrian. "Como com seus amigos espadachins? O que você faz quando você está em apuros? " Eu dei um golpe no rosto do nosso manequim sem expressão.. "É para isso que isso é". O principal movimento que Wolfe ensinou hoje era sobre a forma de se livrar de alguém se fossemos agarrados por trás. Ele tinha um par de técnicas que não eram muito mais complexo do que golpes de cabeça ou batendo nos pés. Adrian e eu revezamos sendo o atacante enquanto a vítima praticava manobras em movimento lento e com quase nenhum contato com os nossos parceiros. Isso era o que os bonecos eram. Eu era uns treze centímetros menor do que Adrian e parecia bastante improvável como um atacante, o que nos fez rir cada vez que eu fiz um movimento. Wolfe castigou-nos por não ser sérios o suficiente, mas nos deu notas altas por aprender as técnicas.


Isso me fez sentir um pouco arrogante, o suficiente para que, quando Adrian se virou de costas para pegar uma garrafa de água, eu fui sorrateiramente por trás e atirei meus braços em volta dele, imobilizando os seus. Wolfe havia mostrado como quebrar esse tipo de agarro, e eu sinceramente pensei que Adrian tinha me visto chegar o suficiente para escapar antes mesmo de eu o tocar. Aparentemente não. Ele congelou, e por um momento, ficamos presos

no

tempo.

Eu

podia

sentir

a

seda

de

sua

camisa

contra

minha pele e do calor de seu corpo. O cheiro persistente da cara colônia que ele usava flutuou em torno de mim. Não havia cheiro de fumaça. Eu sempre lhe disse que a colônia não poderia valer a pena o que ele gastava, mas, de repente, eu reconsiderei. Foi incrível. Eu estava tão repleta de sobrecarga sensorial que fui apanhada completamente inconsciente quando ele me afastou. "O que você está fazendo?", Exclamou. Eu pensei que ele ficaria impressionado com o meu ataque furtivo, mas não havia nem aprovação nem humor em seu rosto. Meu próprio sorriso desapareceu. "Testando se você poderia lidar com um ataque surpresa." Meu tom foi hesitante. Eu não sabia o que eu tinha feito de errado. Ele parecia desconfortável. Quase chateado. "O que foi? " "Nada", ele disse rispidamente. Por um momento, os olhos fixos em mim com uma intensidade que me deixou sem fôlego. Então, ele desviou o olhar, como se ele não poderia suportar me olhar. Eu me senti mais confusa do que nunca. "Nunca pensei que veria o dia em que você jogaria seus braços em torno de um vam-alguém como eu." Eu mal notei seu descuido público. Suas palavras me deixaram surpresa. Ele estava certo. Eu havia o tocado sem nem pensar nisso e não apenas um aperto de mão Moroi formal, como de costume. Claro, foi no contexto de nossa aula, mas eu sabia que eu nunca poderia ter feito isso há alguns meses. Tocá-lo agora parecia perfeitamente natural. Era por isso que ele estava chateado? Ele estava preocupado pelos Alquimistas e por mim?


Wolfe passou por nós. "Bom trabalho, garota." Ele deu um tapa atrás de Adrian que fez seus dentes rangerem. "Você estava totalmente despreparado para ela." Isto parecia angustiar Adrian ainda mais, e eu poderia jurar que o ouvi murmurar: “Isso é certeza." Algo da arrogância de Adrian volotu quando estávamos no carro, mas ele se manteve quieto e pensativo. Eu novamente tentei descobrir sua mudança de humor. “Você precisa parar no Clarence para sangue? "Talvez a aula tivesse esgotado ele. "Não", disse ele. "Não quero que você chegue tarde. Mas talvez ... talvez você pode vir por este fim de semana, e podemos fazer uma viagem em grupo ali?" "Eu tenho a festa no sábado", disse desculpando-me. "E eu acho que Sonya vai levar Jill ao Clarence amanhã depois da escola. Provavelmente ela pode pegar você também ". "Eu acho", disse ele. Ele parecia desapontado, mas um dia não era muito tempo para esperar por sangue. Talvez ele estivesse com medo de Sonya recrutálo para experimentos de novo. O que não seria uma coisa ruim, pensei. De repente, ele se levantou de seu desleixo. "Falando de Sonya ... Eu estava pensando em algo mais cedo. Algo que Wolfe disse. " "Por que, Adrian. Você estava prestando atenção depois de tudo? " "Não comece, Sage", alertou. "Wolfe é louco, e você sabe disso. Mas quando ele estava dando suas palavras de sabedoria, ele mencionou coisas sobre não dar informações pessoais a estranhos e como as vítimas são muitas vezes demarcadas com antecedência. Lembra-se? " "Sim, eu estava lá", eu disse. "Tipo a uma hora atrás."


"Certo, então. Esses caras que atacaram você e Sonya pareciam saber que ela era uma vampira, o tipo errado, mas ainda assim. O fato de que eles apareceram com uma espada implica que eles fizeram alguma pesquisa. Quer dizer, é possível que eles só notaram ela na rua um dia e foi como, 'Oh, vampiro.’ Mas talvez eles estão vigiando ela por um tempo. " Notado ela na rua ... Engoli em seco quando um milhão de peças vieram em minha mente de uma só vez. "Adrian, você é um gênio." Ele estremeceu de surpresa. "Espere. O que? " "A semana antes do ataque. Sonya e eu tinhamos ido buscar o jantar, e fomos parados por um cara aleatório que alegou que ele a conhecia de Kentucky. Ela estava muito assustada porque ela era um Strigoi todo o tempo que ela estava lá, e, obviamente, ela não saia com os seres humanos naquela época. Adrian teve alguns momentos para pensar no que eu disse. "Então ... você está dizendo que eles estão vigiando ela por um tempo." "Na verdade, você está dizendo isso." "Certo. Porque eu sou um gênio. " Mais silêncio enquanto ambos consideravamos as implicações da situação de Sonya. Quando Adrian falou de novo, seu tom não era tão claro. "Sage ... a noite passada. Você nunca reconheceu meu comentário sobre caçadores de vampiros. " "Os alquimistas não têm registros de caçadores de vampiros modernos", eu disse automaticamente. "Meu pai disse uma vez que ocasionalmente, algum ser humano aleatório descobre a verdade. Eu imaginei que o ataque era algo como que não algum grupo organizado ou grande conspiração.” "É remotamente possível que de alguma forma, em algum lugar, os Alquimistas possam ter perdido alguma coisa? E o que você quer dizer com 'moderno', exatamente? " A História Alquimista havia sido instruída quase tanto como as filosofias que presidiram nossas ações. "Há muito tempo atrás, como, na Idade Média - quando


os Alquimistas estavam se formando - um monte de facções tinham ideias diferentes sobre como lidar com vampiros. Ninguém pensou que os seres humanos deveriam associar-se com eles. Aqueles que eventualmente formaram meu grupo decidiram que a melhor maneira era trabalhar com Moroi apenas o suficiente para mantê-los separados dos humanos. Mas havia outros que não gostavam dessa abordagem. Eles pensaram que a melhor maneira de manter os seres humanos livre era erradicar os vampiros, através de qualquer meio." Eu estava contando com fatos novamente, minha armadura de idade. Se eu afastasse esse argumento, então eu não teria que reconhecer o que significaria que houvessem pessoas ativamente caçando Moroi. "Soa como caçadores de vampiros para mim", Adrian apontou. "Sim, mas não tiveram sucesso. Havia apenas vampiros demais, Moroi e Strigoi, para um grupo como este. Os últimos registros que temos deles são de, oh, eu diria que a Renascença. Esses caçadores eventualmente desapareceram." Mesmo eu ouvi a incerteza na minha voz. "Você disse que a espada tinha símbolos de alquimia sobre ela." "Antigos" "Velho o suficiente para ser a partir do momento que o grupo dissidente foi rompido?" Eu suspirei. "Sim. Aquele velho. " Eu queria fechar meus olhos e afundar no meu lugar.. Rachaduras estavam aparecendo na minha armadura. Eu não estava inteiramente certa de que poderia aceitar a idéia de caçadores de vampiros, mas eu já não podia descartar a possibilidade. Eu podia ver Adrian me estudando com o canto do meu olho. “Por que o suspiro?" "Porque essas são coisas que eu deveria ter compreendido mais cedo.” Ele parecia muito satisfeito com o reconhecimento. "Bem, você não acredita em caçadores de vampiros. Torna realmente difícil considerá-los uma ameaça real quando você opera em um mundo de fatos e dados, hein? Mas então ... como é que eles ficaram sob seu radar por tanto tempo? "


Agora que Adrian me deu as sementes, minha mente já estava trabalhando a ideia. "Porque eles matam apenas Strigoi, see estes caçadores realmente existem. Se algum grupo estivesse matando Moroi, seu povo notaria. O Strigoi não estão organizados da mesma maneira, e mesmo se eles perceberam, não é como se eles estivessem indo denunciar a matança para nós. Além disso, Strigoi são assassinados por Moroi e dhampirs todo tempo. Uns poucos mortos seriam apenas associados a vocês, se alguém os encontrou. Atire um Strigoi no sol, e você nunca saberá que ele estivera ali. " Alívio passava por mim na minha conclusão. Se um grupo como este existisse, eles não poderiam estar matando Moroi. No entanto, caçar Strigoi continuava sendo perigoso. Somente Alquimistas poderiam ser confiáveis para lidar com a morte desses demônios e mantê-los em segredo de seres humanos. "Você poderia perguntar sobre outros caçadores para os Alquimistas?" Adrian perguntou. "Não, ainda não. Eu poderia ser capaz de cavar através de alguns registros, mas eu nunca poderia trazer isso oficialmente. Eles iam ficar com a teoria do meu pai... teoria de que era apenas um raro e aleatório grupo de humanos. Em seguida, eles iriam rir de mim. " "Você sabe quem não iria rir de você?" "Clarence", ambos disseram em uníssono. "Não é uma conversa que eu ansio ter," eu disse, cansada. "Mas ele pode realmente saber alguma coisa depois de tudo. Toda sua paranóia poderia ser útil. Toda a segurança em casa? Se esse grupo realmente está atrás de Sonya, então ela pode estar em perigo ainda maior do que imaginávamos. " "Precisamos dizer a Belikov. Ele se destaca na coisa de proteção. Ele não vai dormir se convencê-lo de que ela está em apuros, que parece provável após o ataque de espada." Eu percebi que esta era a primeira vez que Adrian já tinha falado sobre imitri sem amargura. Na verdade, as palavras de Adrian soou como um legítimo elogio. Ele acreditava na habilidade de Dimitri. Eu não disse nada sobre a minha


observação, no entanto. Se Adrian estava indo para superar seu ódio de Dimitri, que precisava vir gradativamente e sem qualquer ‘ajuda’ de fora. Deixei Adrian com planos para falar mais tarde. Quando voltei para Amberwood, fui imediatamente sinalizada para baixo pela Sra. Weathers. E agora? Eu estava pronta para ouvir que Angeline tinha botado fogo em alguma coisa. Em vez disso, o rosto da Sra.Weathers parecia calmo, agradável, mesmo e me atrevi a esperar o melhor. "Algumas coisas vieram para você, querida", disse ela. A partir de um escritório pequeno atrás de sua mesa, ela tirou dois cabides com sacos plásticos zipados sobre eles. "Uma pequena e energética mulher deixou isso. " "Lia". Levei os cabides, perguntando o que eu iria encontrar dentro. "Obrigada." Eu comecei a me afastar, mas a Sra. Weathers falou de novo. "Só mais uma coisa. Ms. Terwiliger deixou algo para você também." Eu tentei manter meu rosto neutro. Eu já estava afogada nas mais recentes atribuições da Sra. Terwiliger. E agora? Sra.Weathers me entregou um envelope grande que parecia que tinha um livro nela. Rabiscado no lado exterior estava: Isto não é trabalho de classe. Talvez você não odeie isso. Agradeci a Sra.Weathers novamente e peguei meu curso para o meu quarto. Depois de depositar os figurinos minha cama, eu prontamente rasguei o envelope. Algo sobre sua nota me fez sentir desconfortável. Eu não estava completamente surpresa ao ver que era um outro livro de feitiços. O que me surpreendeu foi que ao contrário dos outros que havia lido para ela, este era novo. Moderno. Não havia editor listado nele, então provavelmente era algum projeto de casa, mas tinha sido claramente impresso e encadernado dentro dos últimos anos. Isso foi surpreendente. Eu nunca perguntei a Sra. Terwiliger incisivamente sobre seus amigos e seu estilo de vida, mas sempre tinha assumido que eles estavam lendo os velhos volumes empoeirados que ela tinha me feito traduzir e copiar. Que eles possam estar trabalhando a partir de seus próprios livros novos e atualizados ainda não tinha passado pela minha cabeça, embora deveria ter.


Eu não tinha tempo para me castigar, mas não, uma vez que eu dei um olhar para o título do livro. A Adaga Invisível: Magias práticas para ataque e defesa. Passando as páginas, vi que os feitiços eram exatamente como o título sugeria, mas escrito de uma forma mais moderna do que eu estava acostumada. Suas origens foram citados, tempos e lugares. Aqueles variavam muito, mas o que não era diferente, era a eficiência. Todos eram tipos de feitiços que poderiam ser lançados em muito pouco tempo ou aqueles que poderiam ser feitos com antecedência para efeitos destrutivos, como aquele do fogo. Esses eram exatamente os tipos de feitiços que eu estava pedindo a Sra.Terwiliger. Irritada, eu coloquei o livro de novo no envelope. Como ela ousa tentar seduzir-me com isso? Será que ela acha que isso iria compensar tudo o que ela me fez passar? A Sra.Weathers todavia estaria lá embaixo, e eu tinha a ideia de devolver o livro e dizer que tinha sido enviado para mim por engano. Ou eu poderia simplesmente deixá-lo na mesa da Sra. Terwiliger no início da manhã. Agora desejava não tê-lo aberto. “Retornando ao remetente" fechado teria feito uma declaração poderosa, que ela não ia me enganar em seu anel mágico por encontrar um tema de interesse para mim. A Sra. Weathers sabia sobre a minha ligação com a Sra. Terwiliger, porém, e simplesmente me disse para devolvê-lo amanhã, quando eu tentei lhe devolver esta noite. Então, eu tenho que ficar com isto até amanhã. Eu me consolava por ter um pouco de fita. Eu não poderia desfazer a abertura do envelope, mas não seria algo psicologicamente calmante sobre selar ele. No entanto, como eu comecei a desenrolar a fita, minha mente girou de volta para minha noite com Adrian e Wolfe. Wolfe me acalmou um pouco em suas lembranças constantes de que a maioria dos ataques eram aleatórios e veio de descuido por parte da vítima. Sabendo o que procurar me fez sentir poderosa. Ele havia mencionado ataques de natureza mais premeditado ou pessoal, mas aqueles que claramente não eram seu foco. No entanto, eles me trouxeram de volta à minha conversa com Adrian. E se era verdade as histórias de Clarence? E se caçadores de vampiros eram reais? Nós sabíamo que o ataque a Sonya não foi aleatório, mas se ela realmente estava lidando com alguma facção que existia


desde a Idade Média ... Bem, então. Meus medos e de Adrian estavam corretos. Eles provavelmente viriam para ela novamente. Nenhuma quantidade de evitar pontos de estacionamento isolados ou caminhar confiantemente iriadetê-los. Eu olhei para o envelope e decidi não selá-lo ainda.


Capítulo 13 Dia do baile, eu considerei seriamente voltar para a loja de roupa e comprar o traje branco. O vestido de Lia era...um pouco mais do que eu esperava. Ela tinha feito um bom trabalho de copiar o estilo de túnica usada na Grécia antiga, eu daria isso a ela. O vestido era sem mangas, presa em meus ombros e descia pela linha baixa de meu colo em um decote menor do que eu estava confortável. O vestido foi até o chão, e ela de alguma forma havia feito da minha altura perfeitamente sem medir em mim. Que foi onde o histórico de semelhança terminava. O material era algum tipo de tecido, seda fluindo em torno de mim e mostrou minha figura melhor do que você esperaria de um vestido assim para mim. Seja qual for o material era...não era nada que os gregos poderiam ter produzido, e era...vermelho. Eu não conseguia me lembrar da última vez que eu tinha usado vermelho. Talvez quando eu era criança. Claro, as variações dos uniformes da Amberwood às vezes tinha Borgonha neles, mas era um tom suave. Este era brilhante, flamejante, escarlate. Eu nunca usei cores tão intensas. Eu não gostava da atenção que atraiu. Ampliando foi a quantidade de ouro que ela tinha trabalhado para o vestido. Fio de ouro dançava ao longo da borda do tecido vermelho brilhante à luz. A correia era dourada demais e não o plástico barato de costume. Os pinos que prendem o vestido eram de ouro (ou, pelo menos, um metal de alta qualidade, que parecia ouro), mais os acessórios que ela tinha fornecido: um colar e brincos feitos de moedas pequenas. Ela até me deu um pente de ouro com pequenos cristais vermelhos sobre ele. Eu provei no meu quarto do dormitório olhando para o vestido vermelho brilhante, que era. "Não", eu disse em voz alta. Alguém bateu na minha porta, e eu fiz uma careta. Levaria uma eternidade para mudar o vestido elaborado, então eu não tinha escolha a não ser atender no


traje. Felizmente, era Jil. Ela abriu a boca para falar e então ficou em silêncio quando ela me viu. "Eu sei", eu disse. "Isso é ridículo." Ela se recuperou alguns segundos mais tarde. "Não ... não! É incrível. Oh, meu Deus". Corri para o quarto dela antes que nossos colegas podiam me ver. Ela também estava vestida para o baile, em uma confecção de fadas de material transparente azul pálido que parecia perfeito em seu corpo Moroi. "É vermelho," eu disse a ela. No caso de que não era óbvio, acrescentei: "Eu nunca uso vermelho." "Eu sei", disse ela, com os olhos arregalados. "Mas você deve. Parece incrível em você. Você deve queimar toda a sua roupa cinza e marrom." Eu balancei a cabeça. "Eu não posso usar isso. Se sairmos agora, há tempo para ir até a loja de roupa e pegar uma outra coisa." Jil saiu de seu estado reverente e assumiu um olhar inflexível e feroz que parecia um pouco extremo para a situação. "Não. Absolutamente não. Você está usando isso. Vai explodir o seu namorado a distância. E você deve colocar um pouco mais de maquiagem, eu sei, eu sei. Você não gosta de nada louco, mas apenas escurecer o delineador e colocar um pouco de batom. Só um pouco. Você tem que combinar com a intensidade do vestido." "Você vê? Esta cor já está causando problemas." Ela não recuaria. "Vai levar um minuto. E é tudo que temos. Se não sair logo, vamos nos atrasar. Seu namorado sempre chega cedo, né?" Eu não respondi imediatamente. Ela tinha-me lá. Brayden sempre chegava cedo, e, tanto quanto o traje me doeu, eu não podia suportar a ideia de fazê-lo esperar, especialmente já que ele não seria capaz de entrar na dança sem um estudante de Amberwood. "Tudo bem", eu disse, com um suspiro. "Vamos". Jil sorriu triunfante. "Mas primeiro a maquiagem."


Eu concedi a maquiagem e então, no último minuto, acrescentei meu colar de cruz. Ele não combinava com o tema e foi imediatamente tragado pela jóia de ouro mais extravagante, mas isso me fez sentir melhor. Era um pouco de normalidade. Quando finalmente saimos, encontramos Eddie nos esperando no lobby. Ele estava vestido com roupas normais, seu único assessório de Haloween era uma máscara branca que me fez lembar de O Fantasma da Ópera. Eu estava meio tentada a perguntar se ele tinha um segundo para que eu pudesse fazer uma mudança de guarda-roupa rápido e ir só com uma máscara. Ele saltou da sua cadeira, seu rosto sonhador quando viu Jil em sua glória, azul etérea. Honestamente, como ninguém mais poderia ver como ele era louco por ela? Era tão dolorosamente óbvio. Ele bebeu-a com os olhos, olhando como se ele poderia desmaiar ali mesmo. Então, ele jogou seu olhar para mim e me olhou de cima a baixo. Sua expressão não estava apaixonado tanto quanto confuso. "Eu sei, eu sei." Eu já podia ver o padrão de hoje à noite se formando. "É vermelho. Eu nunca uso vermelho. " "Você deveria", disse ele, ecoando Jil. Ele olhou entre mim e ela e balançou a cabeça. "Pena que estamos aparentados. Senão eu pediria a vocês para dançar. Vendo como a minha prima já quer sair comigo, porém, acho que não devemos começar mais rumores." "Pobre Angeline", disse Jil, enquanto caminhávamos para o meu carro. "Ela realmente queria ir." "Vendo como deve ter alto falantes lá, é provavelmente melhor que ela não vai", eu disse. Eddie parou quando chegamos Latte. "Posso dirigir? Eu sinto que eu deveria ser o motorista da noite. Vocês parecem da realeza." Ele sorriu para Jil. "Bem, você sempre é da realeza. " Ele abriu uma das portas traseiras e fez uma reverência. "Depois de você, milady. Estou aqui para servir." O prático e estóico Eddie raramente dava esses espetáculos dramáticos, e eu podia dizer que pegou Jil desprevenida.


"Ob-obrigada",

disse

ela,

ficando

no

banco

de

trás.

Ele

ajudou

ela a colocar a saia para dentro e ela olhou para ele com admiração, como se ela nunca tivesse notado ele antes. Depois disso, eu não poderia negar o seu pedido e dei-lhe as chaves. O baile de Haloween estava sendo realizado em um hal muito bonito ao lado de alguns jardins botânicos. Eddie e eu verificamos esta semana para que ele pudesse determinar a sua segurança. Micah encontraria Jill ali, embora por razões diferentes de Brayden. Os ônibus estavam sendo supervisionados já que a maioria dos alunos da escola estava indo para o baile dessa forma. Veteranos como Eddie e eu fomos tinhamos permissão para ir com nosso próprio meio de transporte, juntamente com a família, como Jil. Nada podia, tecnicamente saber se Micah a levaria de volta mais tarde, mas, por enquanto, ela só podia sair do campus com a família. "Espero que eu esteja pronta para isso", eu murmurei, como se puxada para dentro do estacionamento. O vestido tinha me distraído tanto que eu não tinha tido tempo para refletir sobre minha outra preocupação: ir a um baile. Todos os meus velhos anseios sociais retornaram. O que fazer? O que era normal aqui? Eu não tinha tido a coragem de perguntar a qualquer um dos meus amigos. "Vai ficar bem", disse Eddie. "Seu namorado e Micah ficarão sem palavras." Eu desprendi o cinto de segurança. "Essa é a terceira vez que eu ouvi 'Seu namorado. "O que está acontecendo com isso? Por que ninguém diz o nome do Brayden?" Nenhum deles respondeu imediatamente. Finalmente, Jil disse timidamente: "Porque nenhum de nós pode se lembrar." "Oh, vamos lá! Eu esperaria isso de Adrian, mas não de vocês. Não é um nome raro." "Não", admitiu Eddie. "Mas há apenas uma coisa assim ... Eu não sei. Memorável sobre ele. Fico feliz que ele te faz feliz, mas eu simplesmente saio de sintonia sempre que ele começa a falar." "Eu não posso acreditar nisso", eu disse.


Brayden estava esperando na frente para nós, sem dúvida, deveria estar lá por pelo menos dez minutos. Meu estômago vibrou como ele me olhou dos pés à cabeça. Ele não fez nenhum comentário, embora seus olhos se arregalaram um pouco. Foi bom ou ruim? Eu mostrei minha carteira de estudante para tirá-lo na porta, e Jil quase imediatamente juntou-se a Micah. A breve chama romântica de Eddie se foi e ele entrou em modo de negócios. Um breve olhar de dor cruzou seu rosto, desaparecendo tão depressa como tinha aparecido. Eu toquei seu braço. "Você vai ficar bem?" Eu perguntei em voz baixa. Ele sorriu de volta. "Vou estar bem. Apenas vou me divertir." Ele foi embora, logo se perdendo na multidão de estudantes. Isso me deixou sozinha com Brayden. Silêncio caiu entre nós, o que não era incomum. Às vezes, nos levava alguns minutos para aquecer e começar a conversa. "Então", disse ele, enquanto caminhávamos mais para dentro. "Você tem um DJ. Gostaria de saber se seria isso ou uma banda ao vivo." "Nossa escola só tinha uma experiência ruim com uma banda ao vivo," eu disse, pensando em Angeline. Brayden não pressionou para obter mais detalhes e, em vez disso olhou em volta para a decoração. Teias de aranha falsas e luzes cintilantes estavam espalhados perto do teto. Esqueletos de papel e bruxas penduradas nas paredes. Em uma mesa distante, os alunos estavam se servindo de ponche num caldeirão gigante de plástico. "Incrível, não é?", Disse Brayden. "Como um feriado pagão celta se tornou um evento comercial." Eu balancei a cabeça." E um muito secular. Bem, além de tentar combinar com o Dia de Todos os Santos." Ele sorriu para mim. Eu sorri de volta. Estávamos em segurança no território acadêmico familiar. "Você quer provar o ponche?", eu perguntei. Alguma canção rápida e pesada estava tocando, atraindo um monte de gente para a pista de dança. Dança rápida


não era realmente meu estilo. Eu não sabia se Brayden gostava e eu tinha medo que ele quisesse que nos juntássemos a eles. "Claro", ele disse, parecendo aliviado de ter um propósito. Algo me disse que ele tinha tido tantas danças quanto eu tinha: nenhuma. O ponche nos forneceu uma razão para discutir sobre açúcar vs adoçantes artificiais, mas meu coração não estava nele. Eu estava muito preocupada com outra coisa. Brayden não havia dito uma palavra sobre o meu vestido, e isso me deixava ansiosa. Ele havia ficado tão chocado quanto eu? Estava ele educadamente segurando seus verdadeiros pensamentos? Eu não podia esperar elogios se eu não estava dando a ele, então eu decidi dar o passo. "Seu figurino é ótimo", eu disse. "Isso é da companhia de teatro, certo?" "Sim." Ele olhou para baixo e alisou as dobras de sua túnica. "Não é inteiramente preciso, é claro, mas deu pra fazer." A túnica era na altura do joelho, preso em um ombro, e feita de uma leve lã esbranquiçada. Ele tinha uma capa de lã sobre ele tingido de um marrom escuro que era preciso para o período. Mesmo com a capa, uma quantia justa de seus braços e peito estavam expostos, mostrando o corpo de um corredor com uma ligeira musculatura. Eu sempre achei que ele era bonito, mas não foi até o momento que eu percebi que ele poderia ser quente. Eu esperava que isso provocasse um sentimento mais forte em mim, mas isso não aconteceu. Ele estava esperando que eu dissesse alguma coisa. "O meu não é inteiramente, um, preciso também." Brayden estudou o vestido vermelho de uma forma muito clínica. "Não", ele concordou. "Não de todo. Bem, o corte não é muito longe, eu suponho." Ele pensou por alguns instantes mais. "Mas eu ainda acho que é muito bonito em você." Eu relaxei um pouco. Vindo dele, "muito bonito" foi um grande elogio. Embora muitas vezes ele tinha muito a dizer sobre cada tópico ele era econômico com as palavras quando se tratava de emoções. Eu não deveria ter esperado algo mais do que uma simples declaração de fatos, de modo que este foi um grande negócio.


"Whoa, Melbourne. Onde você estava se escondendo? "Trey veio até nós e começou a encher generosamente um copo com o ponche verde fluorescente. "Você parece bem e quente." Ele atirou a Brayden um olhar de desculpas. "Não tome isso da maneira errada. Apenas estou dizendo como é." “Entendido", disse Brayden. Não pude deixar de sorrir. Trey tinha se comportado estranhamente em torno de mim nos últimos dias ou algo assim, e foi bom vê-lo de volta ao normal. Trey me deu um outro olhar de admiração e, em seguida, virou-se para Brayden. "Hey, veja. Nós dois temos togas. Os romanos mandam! "Ele levantou a mão para chocar com a de Brayden, mas não recebeu. "Esta é uma túnica grega," Brayden explicou pacientemente. Ele estudou a toga caseira de Trey, que olhou desconfiado como se tivesse sido feita a partir de uma folha de cama. "Isso é, hum, não." "Grega, romana." Trey encolheu os ombros. "Qual é a diferença?" Brayden abriu a boca, e eu sabia que ele estava prestes a explicar exatamente qual era a diferença. Eu rapidamente interferi "Fica bem em você", disse a Trey. "Parece que todas aquelas horas de musculação renderam e eu finalmente começo a ver a tatuagem." Como Brayden, a túnica de Trey foi estendida sobre um ombro, dando um vislumbre de sua parte inferior das costas. Trey, como metade da escola, tinha uma tatuagem. Mas ao contrário do resto, a sua não tinha sido parte da alta de indução, os vampiros sinistros de sangue que tinham varrido o corpo discente. A de Trey era um sol com raios altamente estilizados. Ela havia sido feita com tinta normal, azul-escuro. Eddie tinha me falado sobre isso, mas eu nunca tinha conseguido dar uma olhada antes, visto que Trey não realmente ficava sem camisa perto de mim. Um pouco do entusiasmo de Trey esmaeceu, e ele virou-se ligeiramente, mantendo as costas para longe de nós. "Bem, é bem suave comparado ao seu. Foi bom te ver de novo, certo." Eu distraidamente toquei minha bochecha. Eu usualmente cobria o lírio dourado com maquiagem na escola, mas eu percebi aqui no baile, que eu poderia


reivindicá-lo como parte do traje se algum professor me perguntasse sobre o código de vestimenta. Outra música rápida veio, e Trey estava vibrante novamente. "É hora de mostrar meus movimentos. Vocês vem? Ou vão ficar supervisionando o ponche a noite toda?" "Eu realmente não sei dançar rápido", disse Brayden. Eu quase cai de alívio. "Eu também não", eu disse. Trey nos deu um sorriso triste, antes de sair. "Me surpreendeu." Brayden e eu passamos uma boa parte da noite perto do ponche, continuando nossa discussão das origens Halloween e maior subjugação das festas pagãs. Minhas amigas vieram ocasionalmente, e Kristin e Julia em particular, não conseguiam parar de falar sobre o meu vestido. De vez em quando, eu também pegava um vislumbre de Eddie patrulhando as multidões, silenciosa e dissimuladamente. Talvez ele deveria ter sido um fantasma. Ele estava quase sempre à vista de Jil e Micah, mas entrando eu seu modo guardião parecia tê-lo salvo de ficar ansiando por Jill. Ambos, Brayden e eu paramos de falar quando uma música lenta finalmente veio. Nós ficamos tensos e, em seguida, olhares trocados, sabendo o que estava por vir. "Tudo bem", disse ele. "Não podemos evitar isso por tanto tempo." Eu quase começei a rir, e ele respondeu com um sorriso pequeno. Ele também era consciente de nossa inépcia social. De alguma forma, isso era reconfortante. "É agora ou nunca", eu disse. Caminhamos sobre a pista de dança, vendo outros casais se olhando envergonhados. Comparando com o que a maioria deles estava fazendo a ‘dança’ era uma espécie de estiramento. A maioria estava apenas se balançando e rigidamente girando ao redor. Alguns estavam simplesmente aproveitando a oportunidade de gesso para ficar sobre o outro e se exibir. E eram rapidamente separados pelos chaperones. Peguei uma das mãos Brayden, e ele pousou a outra no meu quadril. Além do beijo, este foi provavelmente o mais íntimo contato que tivemos até agora.


Haviam alguns centímetros entre nós, mas eu não podia deixar de ser oprimida com a mudança para os meus limites normais de espaço pessoal. Lembrei-me de que eu gostava de Brayden e que não havia nada de estranho nisso. Como de costume, eu não me sentia cercada de corações ou arco-íris, mas eu não me sentia ameaçada também. Tentando

mudar meus pensamentos de nossa

proximidade, eu escutei a música e começou imediatamente uma sensação para a sua contagem. Cerca de um minuto para a canção, Brayden percebeu o que eu estava fazendo. "Você ... você pode dançar", disse ele com espanto. Eu olhei para ele com surpresa. "É claro." Eu quase estava varrendo o chão em algum salão de baile, mas todos os meus movimentos foram cronometrados para a batida da canção. Eu não poderia realmente imaginar de que outro jeito você poderia dançar. Brayden, entretanto, estava apenas um passo dos movimentos rígidos da maioria dos outros casais. "Não é difícil", acrescentei. "É apenas uma espécie de matemática." Uma vez que eu coloquei em tais termos, Brayden subiu a bordo. Ele estava rapidamente estudando e contando as batidas comigo. Em pouco tempo, parecia que nós estávamos tendo aulas de dança sempre. Ainda mais surpreendente, olhei para ele uma vez, esperando vê-lo se concentrar e contando. Em vez disso, ele estava me olhando com uma expressão suave...um olhar afetuoso, mesmo. Eu desviei o olhar. Surpreendentemente, o cheiro de café se agarrou a ele, mesmo que ele não tenha trabalhado hoje. Talvez nenhuma quantidade de banho poderia se livrar desse cheiro. No entanto, tanto quanto eu adorei o café, eu me peguei pensando na colônia de Adrian, que ele havia usado em Wolfe. Quando a próxima música rápida veio, Brayden e eu fizemos uma pausa, e ele pediu licença para ir conversar com o DJ. Quando ele voltou, ele se recusou a explicar sua misteriosa missão, mas ele parecia extremamente satisfeito consigo mesmo. Outra música lenta logo começou e voltamos para a pista de dança. E pela primeira vez, a conversa entre nós se aquietou.. Foi o suficiente para apenas dançar por um tempo. Isto é o que se sente em levar uma vida simples, pensei.


Isto é o que as pessoas da minha idade fazem. Sem grande maquinações ou luta entre o bem e o"Sydney?" Jil estava de pé ao lado de nós, uma expressão preocupada no rosto. Meus alarmes internos foram imediatamente ligados, querendo saber o que havia causado uma mudança tão repentina de sua atitude, feliz e despreocupada de antes. "O que há de errado?" Eu perguntei. Meu medo primeiro foi para Adrian, que ela tivesse sentido algo pelo vínculo. Eu afastei o pensamento. Eu precisava me preocupar com assassinos Moroi, não com seu bem-estar. Jil não disse nada, mas simplesmente assentiu com a cabeça em direção à mesa de ponche, quase exatamente onde Brayden e eu tinhamos estado antes. Trey estava de volta, conversando animadamente com uma menina em uma Máscara veneziana. A máscara foi um belo azul gelado, decorado com folhas de prata e flores. A máscara também era familiar. Jil tinha usado no desfile de Lia.. Igualmente familiar era a roupa dessa garota mascarada, uma camisa esfarrapada e jeans curtos. "Não", eu disse, reconhecendo o longo cabelo loiro morango. "Angeline. Como ela chegou aqui? Não importa. "Havia muitas pessoas com as quais ela poderia ter se infiltrado aqui. Os chaperones provavelmente não a tinham notado no ônibus. "Nós temos que tirá-la daqui. Se ela não for cautelosa, ela será expulsa com certeza." "A máscara esconde suas características", Jil apontou. "Talvez ninguém perceba. "A Sra. Weathers vai ", eu disse, suspirando. "Essa mulher tem um sexto sentido para...oh. tarde demais." A Sra. Weathers estava vigiando o outro lado do salão, mas seus olhos de águia não perdiam nada. Olhando por cima da pista de dança lotada, eu a vi começar a fazer seu caminho para o ponche. Eu não acho que ela fez uma


identificação

positiva

em

Angeline

ainda,

mas

suas

suspeitas

foram

definitivamente levantadas. "O que há de errado?", Perguntou Brayden, olhando entre Jil e eu. Sem dúvida que usavamos expressões espelhadas de consternação. "Nossa prima está prestes a entrar em algum problema sério", eu disse. "Nós temos que fazer alguma coisa." Os olhos de Jil estavam arregalados e ansiosos. "Nós temos que tirá-la daqui." "Como?" Eu exclamei. A Sra. Weathers tinha alcançado a mesa de refrescos, assim como Trey e Angeline começaram a caminhar para a pista de dança. Eu a vi começar a ir atrás deles, mas ela não foi muito longe porque a tigela de ponche de repente explodiu. Bem, não o próprio recipiente. O ponche dentro explodiu, espalhando em um chuveiro espetacular de líquido verde brilhante. Houve gritos quando várias pessoas próximas foram salpicadas mas era a Sra.Weathers que tomara o pior de tudo. Eu ouvi uma ingestão aguda de respiração de Brayden. "Como no mundo que isso aconteceu? Isso deve ter...Sydney? Eu gritei e me afastei alguns metros de distância, sabendo exatamente o que tinha feito a tigela explodir. Brayden assumiu que minha reação foi o medo de lesões. "Está tudo bem", ele disse. "Estamos muito longe para qualquer vidro chegue aqui." Imediatamente, eu olhei para Jil. Ela me deu um pequeno e indefeso encolher de ombros que disse: Bem, o que mais eu poderia fazer? Minha reação usual para magia Moroi era desgosto e medo. Choque hoje à noite, e consternação estavam lá também. Nós não precisamos de atenção voltada para nós. É verdade, ninguém sabia ou sequer acho que Jil havia usado magia vampira de água para criar a distração do ponche, mas isso não importa. Eu não queria nenhuma palavra de estranhos e inexplicáveis fenômenos vazassem em Amberwood. Precisávamos permanecer sob o radar.


"Você

está

bem?"

Eddie

apareceu

de

repente

ao

nosso

lado,

especificamente do lado de Jil. "O que aconteceu?" Ele não estava nem olhando para o ponche. Seu foco era em Jil, e, assim como antes, ela pareceu notar. Brayden foi o único que respondeu, com os olhos brilhando de curiosidade intelectual, enquanto observava os professores correrem e tentarem limpar a bagunça. "Algum tipo de reação química, se eu tivesse de adivinhar. Poderia ser tão simples como a utilização de bicarbonato de sódio. Ou talvez algum tipo de dispositivo mecânico?" Eu dei a Eddie um olhar penetrante. "Foi uma brincadeira", eu disse. "Qualquer um poderia ter feito isso." Eddie olhou para mim, então olhou para Jil. Ele deu um aceno lento. "Eu vejo. Devemos tirar você daqui ", disse a ela. "Você nunca sabe o que..." "Não, não", eu disse. "Tire Angeline daqui." "Angeline?" O rosto de Eddie registrado com descrença. "Mas como ...?" Eu dirigi-lo para onde ela estava com Trey na pista de dança. Eles, como muitos outros, estavam olhando para o rescaldo da explosão de ponche com admiração. "Eu não sei como ela chegou aqui", eu disse. "É irrelevante. Ela precisa sair. Sra. Weathers quase a pegou. " Um brilho conhecedor apareceu nos olhos de Eddie. "Mas o ponche distraiu?" "Sim". Sua atenção voltou para Jil, e ele sorriu. "Timing conveniente." Ela sorriu de volta. "Eu acho que nós tivemos sorte desta vez." Seus olhares se encontraram, e foi quase uma vergonha interromper. "Vá", disse aEddie. "Pegue Angeline". Ele lançou um último olhar para Jil e depois saltou para a ação. Eu não podia ouvir a conversa enquanto falava com Angeline e Trey, mas o olhar no seu rosto não aceitaria argumentos. Eu podia ver Trey ceder à autoridade da família, e depois de alguns argumentos mais, Angeline aceitou. Eddie rapidamente escoltou


ela para fora, e para meu alívio, nem a Sra.Weathers nem ninguém mais pareceu notar. "Jil", eu disse. "Poderia ser melhor se você e Micah fossem mais cedo. Você não tem que ir neste segundo ... mas em breve ". Jil balançou a cabeça, o rosto triste. "Eu entendo." Mesmo que ninguém iria ligar ela a isso, o melhor era que ela não estivesse por perto. Já, eu podia ver pessoas reunidas à mesa e, como Brayden, tentando descobrir o que poderia ter causado tal fenômeno. Ela desapareceu no meio da multidão. Brayden finalmente desviou o olhar do espetáculo. Ele começou a dizer algo para mim e de repente virou a cabeça para o DJ. "Oh, não", disse ele, seu rosto cabisbaixo. "O que?" Eu perguntei, meio que esperando a mesa do DJ entrar em colapso ou de um alto-falante pegar fogo. "Esta canção. Eu pedi para você ... mas já está quase acabando." Inclinei a cabeça para escutar. Eu não sabia que canção era, mas era lenta e romântica e me fez me sentir...bem,um pouco de culpa. Era um gesto sentimental de Brayden, arruinado pela minhs "Família" de malucos. Eu peguei a mão dele. "Bem, não acabou ainda. Vamos." Fomos capazes de dançar por pelo menos um minuto, mas era claro que Brayden estava decepcionado. Eu queria fazer as pazes com ele de alguma forma e, apesar de tudo que tinha acontecido, ainda teria a experiência de dança normal de alta escola que eu queria. "A noite é uma criança," eu provoquei. "Vou fazer um pedido para você, e então você pode tentar adivinhar quando começa. Considerando que eu não escutava o rádio, provavelmente não seria tão difícil de adivinhar. Eu fiz o pedido e, em seguida, juntei-me a Brayden para outra canção lenta. Eu estava um pouco ansioso sobre o que tinha acontecido anteriormente, mas disse a mim mesma que tudo estava bem agora. Jil tinha ido. Eddie tinha cuidado de Angeline. Só o que eu tinha que fazer era relaxar e... Uma vibração me assustou enquanto eu dançava. Eu estava usando uma pequena bolsa sobre o vestido vermelho por cima do meu ombro. Foi perdido nas dobras do meu vestido, mas o zumbido do meu telefone celular foi inconfundível.


Desculpando-me com Brayden, eu parei de dançar para verificar a mensagem. Era de Adrian: Precisamos conversar. Ótimo, eu pensei e meu coração se afundou. Poderia esta noite ser mais de um desastre?Eu mandei uma mensagem de volta: estou ocupada. Sua resposta: Eu vou ser rápido. Eu estou por perto. Um sentimento de medo se apoderou de mim: quão perto? A resposta foi quase tão ruim quanto eu poderia esperar: O estacionamento.


Capítulo 14 "Oh, Senhor", eu disse. "O que há de errado?", Perguntou Brayden. "Está tudo bem?" "É difícil dizer." Eu coloquei o telefone de volta na minha bolsa. "Eu odeio fazer isso, mas eu tenho que ir cuidar de algo lá fora. Vou estar de volta o mais rápido que eu puder." "Você quer que eu vá com você?"Eu hesitei. "Não, está tudo bem." Eu não tinha idéia do que esperar lá fora. Era melhor se Brayden não fosse submetido ao mesmo. "Será rápido." "Sydney, espera." Brayden agarrou meu braço. "Esta ... esta é a canção que você pediu, não é?" O que estávamos dançando havia terminado, e uma nova estava ou, bem, uma antigo. Ela tinha cerca de trinta anos de idade. Eu suspirei. "Sim. É. Serei rápida, eu prometo." A

temperatura

exterior

era

agradável,

aconchegante,

mas

não

opressivamente assim. Estávamos supostamente esperando uma inesperada e rara chuva. Enquanto eu caminhava para o estacionamento algumas das lições de Wolfe voltou para mim. Verifique a sua volta. Preste atenção as pessoas à espreita perto dos carros. Fique na luz. Certifique-se de... "Adrian!" Os pensamentos razoáveis desapareceram da minha cabeça. Adrian estava deitado no meu carro. Eu corri para Latte tão rápido quanto o vestido permitiu. "O que você está fazendo?" Eu exigi. "Saia daí!" Eu automaticamente busquei manchas e riscos. Adicionando insulto à injúria, Adrian estava fumando enquanto ele estava deitado sobre o capô e olhando para o céu. Nuvens estavam se movendo, mas uma meia lua podia se ver ocasionalmente.


"Relaxe, Sage. Eu não vou deixar um arranhão. Realmente, isso é surpreendentemente confortável para um carro familiar. Eu teria esperado... Ele virou a cabeça para mim e congelou. Eu nunca o tinha visto tão tranqüilo e tão calado. Seu choque foi tão profundo e intenso que caiu seu cigarro. "Ahh," Eu chorei, saltando para a frente, para que o cigarro aceso não fizesse dano no carro. Ele pousou sem causar danos no asfalto, e eu rapidamente disse. “Pela última vez. Você vai sair daí?" Adrian sentou-se lentamente, os olhos arregalados. Ele deslizou para fora do capô e parecia não deixar nenhuma marca. Obviamente, eu teria que verificar isso mais tarde. "Sage", disse ele. "O que você vestindo? " Eu suspirei e olhei para o vestido. "Eu sei. É vermelho. Não comece. Estou cansada de ouvir sobre isso. "Engraçado", disse ele. "Eu não acho que eu poderia me cansar de olhar para ele." Aquelas palavras me pararam e uma onda de calor passou por mim. O que ele quis dizer? Eu estava tão estranha de aparência que ele não podia parar de olhar para o espetáculo de loucura? Certamente ... certamente ele não estava querendo dizer que eu era bonita... Eu prontamente voltei a realidade, lembrando-me que eu precisava pensar sobre o cara dentro do salão e não o que estava aqui fora. "Adrian, eu estou em um encontro. Por que você está aqui? No meu carro?" "Desculpe interromper, Sage. Eu não estaria em seu carro se tivessem me deixado entrar no baile.", disse ele. Um pouco de sua admiração se desvaneceu, e ele relaxou em uma postura mais típica de Adrian, encostado no Latte. Pelo menos ele estava de pé e menos propenso a causar danos. "É. Geralmente eles desaprovam deixar um cara de vinte e poucos anos entrar num baile de ensino médio. O que você quer?" "Falar com você." Esperei por ele para elaborar, mas a única resposta que recebi foi um breve flash de raios acima. Era sábado, e eu tinha estado em torno do campus todo o


dia, durante o qual ele podia ter facilmente chamado. Ele sabia que a festa era a noite. Então, inalando o cheiro de álcool que pairava no ar em torno dele, eu sabia que nada do que ele fizesse essa noite deveria me surpreender. "Por que não poderia ter sido amanhã?" Eu perguntei. "Você realmente tem que vir aqui hoje à noite e..." Eu fiz uma careta e olhei em volta. "Como você veio aqui?" "Peguei o ônibus", disse ele, quase com orgulho. "Muito mais fácil chegar aqui do que em Carlton." Colégio Carlton era onde ele estava tendo aulas de arte, e sem o seu próprio transporte, ele viria a depender fortemente de transporte de massa, algo que nunca tinha feito antes em sua vida. Eu esperava que Sonya ou Dimitri tivessem o trazido porque significaria que eles o levariam de volta. Mas é claro que isso não aconteceria. Nenhum deles trariam um Adrian bêbado aqui. "Então, eu acho que tenho que levar você pra casa ", eu disse. "Ei, eu cheguei aqui sozinho. Eu mesmo vou chegar em casa. "Ele começou a tirar um cigarro, e eu dei-lhe uma severa negação com a cabeça. "Não", eu disse rapidamente. Com um encolher de ombros, ele guardou o pacote de cigarro. "E eu tenho que levá-lo para casa. Vai chover em breve. Eu não vou fazer você andar na chuva." Outro relâmpago enfatizou minhas palavras, e uma fraca brisa agitou o tecido do meu vestido. "Hey," ele disse, "Eu não quero ser um incom..." "Sydney?" Brayden veio caminhando pelo estacionamento. "Tudo bem?" Não, não realmente. "Eu vou ter que sair um pouco", disse. "Eu tenho que dar a meu irmão uma carona para casa. Você vai ficar bem me esperando? Não deve ser por muito tempo." Me senti ruim sugerindo isso. Brayden realmente não conhecia ninguém na minha escola. "Talvez você possa encontrar Trey?" "Claro", disse Brayden incerto. "Ou eu posso ir com você." "Não", eu disse rapidamente, não querendo ter ele com um Adrian embriagado no carro. "Basta voltar e se divertir."


"Toga legal", disse Adrian a Brayden. "É uma túnica", disse Brayden. "É grego." "Certo. Esqueci que era o tema de hoje à noite." Adrian deu a Brayden um olhar avaliador, olhou para mim, e então se virou para Brayden. "Então. O que você acha do traje de nossa menina essa noite? Incrível, não é? Como Cinderela. Ou talvez uma Cinderela grega." "Não há realmente muito sobre isso que é verdadeiramente grego", disse Brayden. Eu estremeci. Eu sabia que ele não tinha a intenção de ser insensível, mas suas palavras me picaram um pouco. "O vestido é historicamente impreciso. Quero dizer, é um vestido muito bonito, mas as jóias são anacrônicas, e o tecido não é nada que as mulheres da Grécia de antigamente usariam. A cor tampouco, certamente". "E aquelas outras mulheres gregas", perguntou Adrian. "As mais chamativas e astutas." Sua testa enrugada, como se estivesse tomando cada grama de seu cérebro para vir com a palavra que ele queria. E, para meu espanto, ele fez. "As heteras." Eu sinceramente não acreditava que ele tinha mantido qualquer coisa de nossa conversa, em San Diego. Eu tentei não sorrir. "As heteras?" Brayden foi ainda mais surpreso do que eu. Ele me deu um olhar

examinando.

"Sim

... sim.

Acho que, se tais

materiais

fossem

hipoteticamente possíveis na época, isso é algo que você esperaria encontrar em uma hetera em vez da matrona média grega." "E elas eram prostitutas, certo?", Perguntou Adrian. "Estas heteras?" "Algumas eram", concordou Brayden. "Não todas. Eu acho que o termo usual é cortesã." Adrian estava completamente inexpressivo. "Então. Você está dizendo que minha irmã está vestida como uma prostituta." Brayden olhou meu vestido. "Bem, sim, se estamos falando hipoteticamente..."


"Você sabe o quê?" Eu interrompi. "Nós precisamos ir. Vai chover a qualquer minuto. Vou levar Adrian para casa e nos encontramos aqui. Está bem? "Eu me recusei a deixar Adrian continuar a jogar sejá lá qual jogo fosse que ele estava fazendo para atormentar Brayden e, por extensão, a mim. "Mando uma mensagem de texto pra você quando eu estiver no meu caminho de volta." "Claro", disse Brayden, não estando muito seguro, na realidade. Ele saiu, e eu comecei a entrar no carro até que eu notei Adrian tentando, e falhando, abrir a porta do lado do passageiro. Com um suspiro, eu me aproximei e abri a porta para ele. "Você está mais bêbado do que eu pensei," eu disse. "E eu pensei que você estava muito bêbado." Ele conseguiu colocar seu corpo no banco, e eu voltei para o meu próprio lado quando gotas de chuva caíram no meu pára-brisa. "Muito bêbado para Jailbait sentir", disse ele. "O vínculo é dormente. Ela pode ter uma noite livre de Adrian". "Isso foi muito gentil de sua parte", disse eu. "Ainda que eu estou supondo que não é a verdadeira razão para você beber. Ou por que você veio aqui. Tanto quanto eu posso dizer, tudo o que você fez foi mexer com Brayden." "Ele te chamou de prostituta." "Ele não fez! Você o levou a dizer isso." Adrian passou a mão pelo cabelo e encostou-se à janela, olhando a tempestade rapidamente se desdobramento lá fora. "Não importa. Eu decidi que eu não gosto dele." "Porque ele é muito inteligente?", Eu disse. Lembrei dos comentários de Jill e Eddie anteriormente. "E memorável?" "Nah. Eu só acho que você pode fazer melhor." "Como?" Adrian não tinha resposta, e eu tinha de ignorá-lo por um tempo quando a minha atenção se voltou para a estrada. Tempestades, enquanto pouco frequentes, poderiam chegar rápidas e furiosas em Palm Springs. Enchentes não eram incomuns, e a chuva estava caindo em folhas, tornando a visibilidade difícil.


Felizmente, Adrian não vive muito longe. Essa foi uma dupla bênção, porque, quando estávamos a poucas quadras de seu apartamento, ele disse: "Eu não me sinto tão bem assim." "Não", eu gemia. "Por favor, por favor, não fique doente no meu carro. Estamos quase lá." Um minuto mais tarde, eu estacionei no meio-fio do seu edifício. "Fora. Agora". Ele obedeceu, e eu o segui com um guarda-chuvas. Olhando para mim como nós caminhamos para o prédio, ele perguntou: "Nós vivemos em um deserto, e você mantêm um guarda-chuvas em seu carro?" "Claro que sim. Por que não?" Ele deixou cair as chaves, e eu as peguei, imaginando que eu teria um tempo mais fácil de abrir a porta. Acendi o interruptor de luz e nada aconteceu. Nós ficamos lá por um momento, juntos na escuridão, nenhum de nós se movendo. "Eu tenho velas na cozinha", disse Adrian, finalmente dando alguns passos cambaleantes nesse sentido. "Vou acender uma." "Não", eu pedi, tendo visões de todo o prédio caindo em chamas. "Deite-se no sofá. Ou vomite no banheiro. Eu vou cuidar das velas." Ele optou pelo sofá, aparentemente não tão doente quanto ele temia. Enquanto isso, eu encontrei as velas atrozmente refrescando o ar que cheirava a pinho falso. No entanto, elas iluminaram e eu trouxe uma acendida para ele, juntamente com um copo de água. "Aqui. Beba isso." Ele pegou o copo e conseguiu sentar-se tempo suficiente para obter alguns goles. Em seguida, ele entregou o copo de volta e se chocou contra o sofá, colocando um braço sobre seus olhos. Eu peguei uma cadeira próxima e me sentei. As velas de pinheiro eram fracas, uma luz bruxuleante entre nós. "Obrigado, Sage." "Você vai ficar bem se eu sair?" Eu perguntei. "Tenho certeza que a luz voltará pela manhã."


Ele não respondeu a minha pergunta. Em vez disso, ele disse, "Você sabe, eu não apenas bebi para ficar bêbado. Quer dizer, isso é parte dela, sim. Uma grande parte dela. Mas, às vezes, o álcool é tudo que me mantém lúcido." "Isso não faz sentido. Aqui, "eu solicitei, entregando a água de volta para ele. Como eu fiz, eu lancei um rápido olhar para o relógio no meu telefone celular, ansiosa sobre Brayden. "Beba um pouco mais." Adrian cumpriu e continuou falando, com os braços de volta a seus olhos. "Você sabe o que é se sentir como se algo estivesse consumindo sua mente." Eu estava prestes a dizer a ele que precisava ir embora, mas suas palavras me deixaram fria. Lembrei-me de Jill dizer algo semelhante quando estava contando algo sobre ele e o espírito. "Não", eu disse honestamente. "Eu não sei o que é ... mas, para mim, bem, é praticamente uma das coisas mais terríveis que eu posso imaginar. Minha mente,...é quem eu sou. Eu acho que eu prefiro sofrer qualquer outra lesão no mundo do que ter minha mente adulterada." Eu não poderia deixar Adrian agora. Eu simplesmente não conseguia. Eu mandei uma mensagem para Brayden: Vai ser um pouco mais longo do que eu pensava. "É terrível", disse Adrian. "E estranho, por falta de uma palavra melhor. E parte de você sabe ... Bem, parte de você sabe que algo não está certo. Que o seu pensamento não está certo. Mas o que fazer sobre isso? Tudo o que podemos seguir é o que pensamos, a forma como vemos o mundo. Se você não pode confiar em sua própria mente, no que você pode confiar? No que te dizem as outras pessoas?" "Eu não sei", disse eu, por falta de uma resposta melhor. Suas palavras me impressionaram, e eu pensei o quanto da minha vida tinha sido orientada pelos outros. "Rose me disse uma vez sobre este poema que ela leu. Houve essa linha:


"Se seus olhos não estivessem abertos, você não saberia a diferença entre sonhar e acordar. Você sabe o que eu estou com medo? Que um dia, mesmo com os olhos abertos, eu ainda não sei." "Oh, Adrian, não." Eu senti meu coração quebrar e sentei-me no chão perto do sofá. "Isso não vai acontecer." Ele suspirou. "Pelo menos com o álcool...ele acalma o espírito e então eu sei que se as coisas parecerem estranhas, provavelmente é porque eu estou bêbado. Não é um grande motivo, mas é uma razão, sabe? Pelo menos você tem uma razão ao invés de não confiar em si mesmo.” Brayden mandou uma mensagem de volta: Quanto tempo mais? Irritada, eu respondi de volta: Quinze minutos. Eu olhei de volta para Adrian. Seu rosto estava coberto ainda, embora a luz da vela fazia um bom trabalho iluminando as linhas limpas do seu perfil. "É por isso...é por isso que bebeu esta noite? É o espírito te incomodando? Quero dizer ... você parecia estar fazendo isso tão bem no outro dia ... " Ele suspirou profundamente. "Não. O espírito está bem ... na medida do possível. Eu bebi esta noite por que ... bem, foi a única maneira que eu me atrevi a falar com você." "Falamos todo o tempo." "Eu preciso saber de uma coisa, Sage." Ele descobriu o rosto para olhar para mim, e de repente eu percebi o quão perto eu estava sentada. Por um momento, eu quase não prestei atenção às suas palavras. A dança cintilante de sombra e luz deu a sua boa aparência uma beleza assombrosa. "Você pediu que Lissa falasse com meu pai?" "O quê? Oh. Isso... Espere um segundo" Pegando meu telefone celular, eu mandei uma mensagem para Brayden novamente: Melhor 30 minutos. "Eu sei que alguém fez isso", Adrian continuou. "Quero dizer, Lissa gosta de mim, mas tem muita coisa acontecendo. Ela não teria apenas pensado um dia,


'Oh, hey. Eu deveria ligar para Nathan Ivashkov e dizer a ele como seu filho é incrível. "Você pediu que ela o fizesse?” "Eu nunca falei com ela," eu disse. Eu não me arrependo de minhas ações de todo, mas me senti estranha por falar sobre elas. "Mas eu, uh, poderia ter pedido a Sonya e Dimitri falarem com ela em seu nome." "E então ela falou para o meu pai." "Eu sabia", disse ele. Eu não poderia avaliar seu tom, se ele estava chateado ou aliviado. "Eu sabia que alguém tinha que ter soliciatdo a ela, e de alguma forma eu sabia que era você. Ninguém mais teria feito isso por mim. Não sei o que Lissa disse a ele, mas o homem, ela deve ter realmente o conquistado. Estava loucamente impressionado. Ele está me mandando dinheiro para um carro. E levantou minha ‘ajuda de custo’ a níveis razoáveis." "Isso é uma coisa boa", eu disse. "Não é?" Meu telefone brilhou com outro texto de Brayden. A festa vai quase ter terminado então. "Mas por quê?" Adrian perguntou. Ele sentou-se no chão ao meu lado. Havia um olhar quase desesperado nele. Ele se inclinou para mim e depois pareceu chocado quando ele percebeu o que ele estava fazendo. Ele inclinou-se um pouco para trás, mas só um pouco. "Por que você faria isso? Por que você faria isso por mim?" Antes que eu pudesse responder, outra mensagem de texto veio. Você vai mesmo estar de volta a tempo? Eu não podia deixar de ficar irritada que ele não era mais compreensivo. Sem pensar, eu digitei de volta: Talvez você devesse sair agora. Eu te ligo amanhã. Desculpe. Eu virei o telefone para não ver nenhuma outra mensagem. Eu olhei para Adrian, que estava me observando atentamente. "Eu fiz isso porque ele não foi justo com você. Porque você merece o crédito pelo que você fez. Porque ele precisa perceber que você não é a pessoa que ele sempre pensou que você era. Ele precisa ver você por quem você realmente é, e não todas essas ideias pre-concebidas que ele tem sobre você."O poder no olhar


de Adrian era tão forte que eucontinuei falando. Eu estava nervosa sobre o olhar intenso e silencioso que ele me dava. Além disso, parte de mim estava com medo de que se eu ponderasse as minhas próprias palavras, eu descobriria que elas eram sobre o meu próprio pai e eu como de Adrian e seu. "Deveria ter sido o suficiente para você dizer a ele quem você é. Para mostrar a ele quem você é, mas ele não quis ouvir. Eu não gosto da ideia de usar os outros a fazer coisas que podemos fazer nós mesmos, mas esta parecia ser a única opção." "Bem," Adrian disse por fim. "Eu acho que funcionou. Obrigado." "Será que ele vai dizer como entrar em contato com sua mãe?" "Não. Seu orgulho em mim, aparentemente, não vai tão longe." "Eu provavelmente posso descobrir onde ela está", eu disse. "Ou ... ou Dimitri poderia, eu tenho certeza. Como você disse antes, eles devem deixar entrar cartas." Ele quase sorriu. "Lá vai você de novo. Por quê? Por que você continua me ajudando?" Havia um monte de respostas nos meus lábios, tudo desde: ‘É a coisa certa a fazer’ até ‘eu não sei.’ Em vez disso, eu disse: "Porque eu quero". Desta vez, eu tive um sorriso verdadeiro dele, mas havia algo de sombrio e introspectivo sobre isso. Ele se aproximou de mim novamente. "Porque você se sente mal por este cara louco?” "Você não vai ficar louco", eu disse com firmeza. "Você é mais forte do que você pensa. A próxima vez que você se sentir assim, encontre algo para se concentrar, para lembrá-lo de quem você é." "Como o quê? Tem algum objeto mágico em mente?" "Não tem que ser mágico", eu disse. Quebrei a cabeça. "Aqui." Eu abri o colar com a cruz de ouro. "Este sempre foi bom para mim. Talvez possa ajudá-lo." Eu coloquei em sua mão, mas ele agarrou a minha antes de que eu poderia puxar de volta.


"O que é isso?", Perguntou ele. Ele olhou mais de perto. "Espere ... Já vi isso. Você usa o tempo todo." "Comprei-o há muito tempo atrás, na Alemanha." Ele estava segurando a minha mão ainda como ele estudou a cruz. "Não tem enfeites. Não floresce. Não tem símbolos secretos gravados ". "É por isso que eu gosto", eu disse "Ele não precisa de enfeite. Um monte de velhas crenças Alquimistas focadas em pureza e simplicidade. Isso é o que é. Talvez possa ajudar você a ter clareza de espírito." Ele estava olhando para a cruz, mas agora ele levantou seu olhar para encontrar o meu. Alguma emoção que eu não conseguia ler jogada sobre suas feições. Era quase como se ele tivesse acabado de descobrir algo, algo preocupante para ele. Ele respirou fundo e, sua mão ainda segurando a minha, me atraiu para ele. Seus olhos verdes estavam escuros à luz das velas, mas de alguma forma, simplesmente apaixonantes. Seus dedos apertaram nos meus, e eu senti uma propagação de calor em todo meu ser. "Sage..." A energia voltou de repente, inundando a sala com a luz. Aparentemente, sem nenhuma preocupação com com a conta de luz ele deixou todas as luzes acesas quando ele saiu mais cedo. O feitiço foi quebrado, e nós dois estremeceumos com o brilho repentino. Adrian saltou para trás de mim, deixando a cruz na minha mão. "Você não tem um baile ou um toque de recolher ou algo assim?", Ele perguntou abruptamente, sem olhar para mim. "Eu não quero mantê-la. Maldição, eu não deveria ter te incomodado. Desculpe. Presumo que foi Aiden quem te mandou as mensagens de texto." "Brayden," eu disse, levantando. "E está tudo bem. Ele saiu, e eu só vou voltar a Amberwood agora.” "Desculpe", ele repetiu, movendo-se em direção à porta comigo. "Desculpe eu arruinei sua noite."


"Isto?" Eu quase riu, pensando em todas as coisas malucas que aconteciam com a minha vida. "Não. Levaria muito mais para arruinar minha noite do que isso." Eu comecei a dar alguns passos e então parei. "Adrian?" Ele finalmente olhou diretamente para mim, mais uma vez, quase derrubando-me com seu olhar. "Sim?" "Da próxima vez...próxima vez que você quiser falar comigo sobre algo...qualquer coisa, você não tem que beber para ter coragem. Apenas me diga." "É mais fácil falar do que fazer." "Não realmente." Eu tratei de ir para a porta de novo e, desta vez, ele me parou, descansando a mão no meu ombro. "Sage?" Eu me virei. "Sim?" "Você sabe por que eu não gosto dele? Brayden?" Eu estava tão atônita que ele tinha conseguido dizer o nome certo que eu não poderia expressar quaisquer respostas, embora várias me vieram à mente. "Por causa do que ele disse." "Que parte?" Vendo como Brayden havia dito muitas coisas, em grande parte, não era totalmente claro a qual Adrian estava se referindo. "'Historicamente impreciso." Adrian fez um gesto para mim com a outra mão, a que não estava no meu ombro. "Quem diabos olharia para você e diria: 'historicamente inexato'?" "Bem", eu disse. "Tecnicamente é." "Ele não deveria ter dito isso." Eu me movi, sabendo que eu deveria se afastar ... mas não o fiz. "Olha, é só como ele é.” "Ele não deveria ter dito isso", repetiu Adrian, estranhamente sério. Ele inclinou seu rosto para o meu.


"Eu não me importo se ele não é o tipo emocional ou o tipo de cortesia ou o quê. Ninguém pode olhar para você neste vestido, em todo esse fogo e ouro, e começar a falar sobre anacronismos. Se eu fosse ele, eu teria dito: "Você é a criatura mais linda que eu já vi andando nesta terra.'" Minha respiração falhou, tanto com as palavras quanto com a maneira como ele as disse. Eu me senti estranha por dentro. Eu não sabia o que pensar, só que eu precisava sair de lá, longe de Adrian, longe do que eu não entendia. Eu me separei dele e fiquei surpresa ao me encontrar tremendo. "Você ainda está bêbado", eu disse, colocando a mão na maçaneta da porta. Ele inclinou a cabeça para o lado,todavia me olhando dessa forma desconcertante. "Algumas coisas são verdadeiras, bêbado ou sóbrio. Devereia saber disso. Você lida com os fatos todo o tempo." "Sim, mas isso não é..." Eu não podia discutir com ele enquanto ele me olhava assim. "Eu tenho que ir. Espera ... você não pegou a cruz."Eu segurei-a para ele. Ele balançou a cabeça. "Mantenha-o. Eu acho que eu trnho algo que vai me ajudar a tomar o centro da minha vida.”


Capítulo 15 Eu me senti tão mal por Brayden no dia seguinte que eu liguei para ele, ao contrário de nosso costume de enviar mensagens de texto e e-mails. "Eu sinto muito", eu disse. "Sair correndo assim ... não é o meu estilo habitual. Em absoluto. Eu não teria deixado se não fosse uma emergência familiar." Talvez isso era forçá-lo ao máximo, talvez não. "Está tudo bem", disse ele. Sem ver o seu rosto, eu não poderia dizer se ele realmente estava bem. "Acho que as coisas foram sinuosas de qualquer maneira." Eu

me

perguntava

o

que

eram

as

"coisas"

que

ele

quis

dizer.

Ele quis dizer a dança em si? Ou ele estava falando de nós? "Deixe-me levá-lo para sair para compensar isso", eu disse. "Você sempre faz tudo. Vou me encarregar. O jantar será por minha conta e eu vou te buscar. " "No Subaru?" Eu ignorei a julgamento em seu tom. "Você está dentro ou não?" Ele estava dentro. Fizemos as medidas necessárias, e eu fiquei me sentindo melhor sobre tudo. Brayden não estava furioso. A

visita de Adrian não tinha

arruinado minha relação incipiente. As coisas estavam de volta ao normal, pelo menos para mim. Eu tinha guardado para mim mesma o dia após o baile, querendo pegar no trabalho e não o estresse sobre as questões sociais. Segunda-feira começou a semana da escola de novo, de volta aos negócios de sempre. Eddie entrou no refeitório quando eu fiz, e esperamos juntos no faixa de alimentação. Ele queria saber sobre a visita de Adrian no baile, e eu dei uma versão resumida da noite, simplesmente

dizendo

que

Adrian

tinha

ficado

bêbado

e

precisava de uma carona para casa. Eu não mencionei o meu papel na obtenção da rainha para agir em seu nome ou de eu ser "a mais bela criatura caminhando


nesta terra." Eu certamente não mencionara a forma como eu me sentira quando Adrian tinha me tocado. Eddie e eu caminhamos até uma mesa e encontramos a visão incomum de Angeline tentando animar Jil. Normalmente, eu teria castigado Angeline pelo que ela tinha feito no baile mas não tinha havido nenhum dano feito ... desta vez. Além disso, eu estava muito distraída por Jil. Era impossível para mim ve-la imediatamente, sem assumir que havia algo de errado com Adrian. Eddie falou antes que eu pudesse, percebendo que eu não tinha. "Sem Micah?", Perguntou. "Ele foi para a porta antes de mim. Eu imaginei que ele teria me vencido para chegar aqui." "Você tinha que perguntar, não é?" Angeline fez uma careta. "Eles tiveram uma briga." Eu juro, Eddie olhou mais chateado com isso do que Jil. "O quê? Ele não disse nada. O que aconteceu? Vocês pareciam estar tendo um ótimo tempo no sábado." Jil assentiu sombriamente, mas não olhou para cima de sua bandeja de alimentos. Eu quase pude avistar lágrimas em seus olhos. "Nós fizemos. Tão bom que ele falou comigo ontem e perguntou ... Bem, ele perguntou se eu queria passar a Ação de Graças com sua família. Eles são de Pasadena. Ele pensou que poderia obter a permissão ou da escola ou falar com vocês. " "Isso não soa tão ruim", disse Eddie com cautela. "Ação de Graças com sua família é sério! É uma coisa para nós sairmos juntos aqui, mas se começarmos a expandir... se tornando um casal fora da escola..." Ela suspirou. "Ele vai ir muito rápido. Quanto tempo eu seria capaz de esconder o que eu sou? E mesmo se isso não era um problema, que não é seguro de

qualquer

maneira.

Todo

o

ponto

de

eu

estar

aqui

é

que é um ambiente seguro e controlado. Eu não posso simplesmente sair para conhecer outras pessoas."


Foi mais um passo de progresso para ela aceitar as dificuldades de um ‘casual relacionamento com Micah’.Eu ofereci um comentário neutro. "Parece que você já pensou muito sobre isso." Jil olhou para cima bruscamente, quase como se ela não tinha percebido que eu estava lá. "É. Eu acho que eu tenho." Ela me examinou por alguns segundos, e estranhamente, sua expressão perturbada suavizou. Ela sorriu. "Você está realmente bonita hoje, Sydney. A forma como a luz bate em você ... é meio surpreendente." "Hum, obrigada", eu disse, incerta quanto ao que havia causado o comentário. Eu tinha certeza que não havia nada de extraordinário sobre mim hoje. Meu cabelo e maquiagem eram os mesmos de sempre, e eu tinha escolhido uma camisa branca e saia xadrez do uniforme. Eu tinha que compensar o alarde de cor do final de semana. "E os efeitos de borgonha em sua saia realmente ressaltam o âmbar em seus olhos", Jil continuou. "Não é tão bom quanto o vermelho brilhante, mas ainda assim parece ótimo. Naturalmente, cada cor fica bem em você, mesmo os apagados.” Eddie estava centrado em Micah. "Como a briga surgiu?" Jil arrastou seu olhar de mim, para meu alívio. "Ah. Bem. Eu lhe disse que não sabia se eu poderia ir para a Ação de Graças. Provavelmente se eu tivesse acabado de lhe dar uma razão, teria sido bom. Mas eu comecei a pirar, pensando em todos os problemas, e a divagar dizendo que poderia voltar para Dakota do Sul ou talvez a família viria aqui ou talvez você não me deixou ... ou, bem, um monte de outras coisas. Acho que era óbvio que eu estava inventando tudo e francamente me perguntou se eu não queria estar com ele. Então eu disse que eu queria, mas que era complicado. Ele perguntou o que eu queria dizer, mas é claro que eu não poderia explicar tudo, e aí..." Ela levantou as mãos. "Tudo explodiu a partir daí.”


Eu nunca pensei muito sobre Ação de Graças ou uma reunião de família como um rito de passagem em namoro. A família de Brayden vivia no sul da Califórnia também ... eu teria a esperança de conhecê-los um dia? "Micah não é do tipo que guarda rancor", disse Eddie. "Ele também é bastante razoável. Apenas diga a ele a verdade. " "O quê, que eu sou um dos últimos de uma linha de realeza vampira e o trono da minha irmã dependente de que eu fique escondida e sobrevivendo?" Jil perguntou incrédula. Diversão cintilou nos olhos de Eddie, embora eu pudessedizer que ele estava tentando ficar sério por causa dela. "Essa é uma maneira, eu suponho. Mas não ... eu quis dizer, apenas dar-lhe a versão simplificada. Você não quer ficar muito sério. Você gosta dele, mas só quer ver o quão rápido as coisas estão indo. Não é razoável, você sabe. Você tem quinze anos e tem estado saindo a apenas um mês." Ela ponderou suas palavras. "Você não acha que ele estaria enojado?" "Não, se ele realmente se importa com você", disse Eddie com veemência. "Se ele realmente se importa, vai entender e respeitar os seus desejos e ser feliz em apenas qualquer chance de gastar tempo com você. " Eu quis saber se Eddie estava se referindo a Micah ou a si mesmo, mas era um pensamento melhor mantido em silêncio. O rosto de Jil se iluminou. "Obrigada", disse a Eddie. "Eu não tinha pensado nisso dessa forma. Você está tão certo. Se ele não pode aceitar os meus sentimentos, então não há nenhum ponto de qualquer coisa."Ela olhou para um relógio de parede e saltou para seus pés. "Eu acho que eu vou tentar encontrá-lo agora, antes da aula." Com isso, ela tinha ido embora. Bom trabalho, Eddie, pensei. É possível que tenha ajudado a garota dos seus sonhos a voltar com o namorado. Quando Eddie chamou minha atenção, o olhar em seu rosto me disse que ele estava pensando exatamente a mesma coisa.


Angeline assistiu Jill sair rapidamente para fora da lanchonete, seus olhos azuis estreitaram em pensamento. "Mesmo que eles façam, eu não acho que vai durar. Com a sua situação ... não pode funcionar." "Eu pensei que você fosse de mente aberta sobre vampiros e relações humanas", disse eu. "Ah, com certeza. Em casa, não há problema. Mesmo fora do seu mundo, não há problema. Mas Jil é um caso especial. Ela tem que ficar fora de vista e ficar segura se ela vai ajudar sua família. Namorando ele não vai fazer isso, e ela sabe disso,

não

importa

o

quanto

ela

deseje

que

não

fosse

verdade.

Ela vai fazer a coisa certa no final. Este é o dever. É maior do que desejos pessoais. Jil sabe disso."Angeline declarou então que ela precisava voltar para seu quarto para pegar sua lição de casa. Eddie e eu ficamos olhando. Ele balançou a cabeça com espanto. "Eu não acho que eu já vi Angeline assim..." "...Subjugada?",Sugeri. "Eu estava pensando...coerente."Eu ri. "Vamos lá, ela é bastante coerente as vezes." "Você sabe o que quero dizer", argumentou. "O que ela disse? Foi totalmente verdadeiro. Foi...sábio. Ela entende Jil e esta situação." "Eu acho que ela entende mais do lhe damos crédito," eu disse, lembrando o muito que ela havia melhorado desde a Assembléia, tirando a noite do baile. "Ela só levou tempo para se adaptar, o que faz sentido, considerando que esta é uma mudança. Se você tivesse visto de onde ela vem, você entenderia." "Eu posso tê-la julgado mal," Eddie admitiu. Ele pareceu surpreso com suas próprias palavras. Parte de mim esperava ser castigada por Trey por ter deixado Brayden sozinho no baile. Em vez disso, descobri que Trey havia faltado de novo essa manhã. Eu quase fiquei preocupada, mas depois me lembrei de que seu primo aindaa estava na cidade, possivelmente atrapalhando Trey em "coisas de família". Trey era competente. O que estivesse acontecendo, ele poderia lidar com isso. Então, por que todas as contusões? Eu me perguntava.


Quando cheguei ao estudo independente Ms. Terwiliger, ela estava esperando ansiosamente por mim, e eu tomei como um mau sinal. Usualmente, ela já estava trabalhando duro em sua própria mesa e só me dava um aceno de reconhecimento

quando

eu

pegava

meus

livros.

Hoje,

ela

estava

em pé na frente de sua mesa, de braços cruzados, olhando para a porta. "Miss Melbourne. Eu confio que você teve um agradável fim de semana? Você foi, certamente, a rainha no baile de Haloween". "Você me viu?" Eu perguntei. Por um momento, eu esperava que ela dissesse que ela estava assistindo o baile todo através de uma bola cristal ou algo assim. "Bem, certamente. Eu estava lá como uma dama de companhia. Meu posto estava perto do DJ, por isso não estou surpresa que você não me viu. Isso, e que eu dificilmente me destacava como você. Devo dizer que foi uma reprodução neoGreco requintado que estava vestindo." "Obrigada." Eu estava recebendo elogios de todos os lados hoje, mas os dela era muito menos assustador do que o de Jil. "Agora, então", disse Terwiliger, toda negócios novamente. "Eu pensei que poderia ser útil para nós discutir alguns dos feitiços que você está pesquisando para o meu projeto. Anotá-los é uma coisa. Compreendê-los é outra." Meu estômago afundou. Eu cresci confortável em minha fuga dela e de natureza repetitiva, quase irracional de anotar e traduzir feitiços. Enquanto nós não tinhamos que nos aprofundar , me sentia segura de que eu não estava fazendo nada de real com magia. Eu temia o que ela tinha em mente, mas sabia que havia pouco o que eu poderia fazer protestando, sempre e quando isto estava redigido

nos

termos

do

meu

estudo

e

não

envolvia

prejudicar a mim ou aos outros. "Você seria gentil o suficiente para fechar a porta", ela perguntou. Eu fiz, e minha sensação de desconforto aumentou. "Agora. Eu queria examinar aquele livro complementário que lhe dei, um dos feitiços protetores".


"Eu não tenho comigo, minha senhora", eu disse, aliviada. "Mas se você quiser, eu posso ir buscá-lo no meu quarto do dormitório e trazê-lo de volta." Se eu cronometasse o serviço do ônibus certo, o que significava, errado, eu provavelmente poderia usar uma grande parte da nossa hora na ida e volta. "Não tem problema. Obtive essa cópia para seu uso pessoal." Ela levantou um livro da sua mesa. "Eu tenho o meu próprio. Vamos dar uma olhada, sim? " Eu não poderia esconder o meu desânimo. Ficamos sentados em mesas de estudantes adjacentes, e ela começou simplesmente a repassar a tabela de conteúdos comigo. O livro foi dividido em três seções: Defesa, ataques planejados e ataques instantâneos. Cada uma dessas subsecções foi dividido em níveis de dificuldade. "Defesa inclui uma série de feitiços protetores e feitiços de evasão", ela me disse. "Por que você acha que eles vem em primeiro lugar no livro?" "Porque a melhor maneira de ganhar uma luta é evitar uma", eu disse imediatamente. "Faz o resto supérfluo." Ela olhou assustada que eu tinha vindo com isso. "Sim ... precisamente". "Isso é o que Wolfe disse," eu expliquei. "Ele é o instrutor de uma classe de auto-defesa eu estou tendo." "Bem, ele está certo. A maioria dos feitiços nesta seção fazem exatamente isso. Este..." Ela virou algumas páginas no livro. "Esse é muito básico, mas extremamente útil. É um feitiço de ocultação. Muitos componentes físicos - que você esperaria de um feitiço de principiante - mas vale a pena. Você cria um amuleto e mantém um ingrediente particular - gesso desintegrado –nas mãos. Quando estiver pronto para ativá-lo, adicione o gesso, e o amuleto vem à vida. Ele torna quase impossível alguém te ver. Você pode deixar um espaço ou área em segurança, sem serem detectados, antes da magia desaparecer. " O texto não passou despercebido por mim, e apesar da minha resistência interna, eu não poderia deixar de perguntar: “Quase impossível?”


"Isso não vai funcionar se realmente sabem que está ali", explicou ela. "Você não pode simplesmente lançá-lo e tornar-se invisível, embora haja feitiços mais avançados para isso. Mas se alguém não está ativamente à espera de te ver ... Bem, eles não vão." Ela me mostrou os outros, muitos dos quais eram básicos e amuletos base, exigindo um meio semelhante de ativação. Um que ela apelidou intermediário tinha um processo de ativação inversa.

O lançador usava um amuleto que

protegia quando lançava o resto do feitiço, um que fazia as pessoas - dentro de um

determinado

raio

temporariamente

cegas.

Apenas

o

lançador

continuava vendo. Ouvindo, eu ainda me contorcia com a ideia de usar a magia para afetar diretamente outra pessoa. Esconder-se era uma coisa. Mas cegar alguém? Tornando-os tontos? Forçando-os a dormir? Isso cruzava a linha, usando meios errados e não naturais de fazer coisas que os humanos não tinham porque fazer. E no entanto ... no fundo, uma parte de mim podia ver a utilidade. O ataque tinha me feito repensar todo tipo de coisas. Tanto quanto doía-me admitir isso, eu poderia até mesmo ver como doar sangue para Sonya poderia não ser tão ruim. Talvez. Eu não estava pronta para fazê-lo ainda por qualquer meio. Escutei pacientemente enquanto ela passava as páginas, todo o tempo me perguntando qual era seu jogo aqui. Finalmente, quando estavamos a cinco minutos do término da aula, ela me disse, "Para próxima segunda-feira, eu gostaria que você recriasse um desses, assim como você fez com o amuleto de fogo e escreva um artigo sobre isso." "Ms.Terwiliger..." eu comecei. "Sim, sim", ela disse, fechando o livro e ficando em pé. "Estou bem assim consciente de seus argumentos e objeções, como os seres humanos não são destinadas a exercer o poder e todo esse absurdo. Eu respeito o seu direito de se sentir assim. Ninguém está fazendo você usar nada disso. Eu só quero que você continue recebendo uma ideia para a construção." "Eu não posso", eu disse com firmeza. "Eu não vou."


"Não é diferente do que dissecar um sapo na biologia", argumentou ela." Mãos a obra para entender o material." "Eu acho ..." Eu cedi, melancolicamente. "Qual você quer que eu faça, senhora?" "Qualquer que seja o que você gosta." Algo sobre isso me incomodava ainda mais. "Eu prefiro que você escolha.” "Não seja tonta", disse ela. "Você tem a liberdade no seu trabalho e a liberdade neste. Eu não me importo o que você faz, desde que a atribuição seja completa. Faça com o que lhe interessa." E esse era o problema. Fazer com que eu escolhesse, ela estava me fazendo investir na magia. Era fácil para mim afirmar que não participava e apontar que tudo o que fiz por ela era sob coação. Mesmo que esta atribuição foi tecnicamente ditada por ela, essa pequena escolha que ela me

forçava a fazer,

fazia com que eu fosse pró-ativa. Então, aplaquei a decisão, o que era quase inédito para mim, quando se tratava de uma tarefa. Uma parte de mim pensou que talvez se eu ignorasse a atribuição, que desapareceria ou ela mudaria de ideia. Além disso, eu teria uma semana. Nenhum motivo para se estressar com isso ainda. Embora eu sabia que não tinha obrigação com Lia por ter nos dado o figurino, eu ainda sentia que a coisa apropriada a fazer era devolvê-los a ela, apenas para que não houvesse dúvidas de minhas intenções. Uma vez que a Sra. Terwiliger me liberou, eu coloquei o meu traje e o de Jill em seus sacos de roupas e fui para o centro. Jil ficou triste, mas admitiu que era a coisa certa a fazer. Lia, no entanto, sentiu-se ao contrário. "O que eu vou fazer com isso?", Ela perguntou quando eu apareci em sua loja. Brincos de argola de strass grandes fazia

ela

parecer

deslumbrante.

"Eles

estavam

sob

encomenda

feito para você." "Eu tenho certeza que você pode alterá-los. E tenho certeza que eles não estão longe de seus tamanhos de amostra de qualquer maneira."


Eu segurei os cabides, e ela obstinadamente cruzou os braços. "Olha, eles ão geniais. Nós realmente apreciamos o que você fez. Mas não podemos mantê-los ". "Você vai mantê-los", afirmou. "Se você não pegar, simplesmente vou deixar no balcão," eu avisei. "E eu vou enviar de volta ao seu dormitório." Eu gemi. "Por que isso é tão importante para você? Porque você não pode aceitar um não como resposta? Há muitas meninas bonitas em Palm Springs. Você não precisa de Jil." "É exatamente isso", disse Lia. "Muitas meninas bonitas que se misturam entre si.Jil é especial. Ela é natural e não sabe.

Ela pode ser grande

algum dia." "Algum dia", repeti. "Mas não agora." Lia tentou outra abordagem. "A campanha é para lenços e chapéus. Eu não posso fazer máscaras de novo, mas eu posso colocá-la em óculos de sol. Especialmente se fizermos fora. Diga-me que você concorda com esse plano " "Lia, por favor. Não se incomode" "Basta ouvir", ela insistiu. "Eu vou fazer uma sessão de fotos. Depois, você pode passar por todas as imagens e jogar fora os que não atendem a seus estranhos critérios religiosos. " "Sem exceções", eu insisti. "E eu estou deixando os vestidos." Eu coloquei em um balcão e sai, ignorando os protestos de Lia sobre todas as coisas incríveis que ela poderia fazer para Jil. Talvez um dia, eu pensei. Algum dia, quando todos os problemas de Jill tiverem acabada. Algo me disse que este dia estava muito longe, no entanto. Embora a minha lealdade a Spencer era firme, um pequeno café francês chamou minha atenção enquanto eu caminhava de volta para o meu carro. Ou melhor, o aroma de seu café me chamou a atenção.. Eu não tinha obrigações na escola e parei para tomar um copo. Eu tinha um livro para a aula de Inglês comigo e decidi fazer algumas leituras em uma das mesas pequenas do café. Metade desse tempo foi gasto em mensagens de texto, de ida e volta com Brayden. Ele


queria saber o que eu estava lendo, e nós estávamos trocando nossas citações favoritas de Wiliams Tennessee. Eu mal tinha estado lá por 10 minutos quando as sombras caíra, sobre mim, bloqueando o sol da tarde. Dois caras estavam lá, nenhum deles eu conhecia. Eles eram um pouco mais velhos do que eu, um loiro e de olhos azuis, enquanto o outro era moreno e muito bronzeado. Suas expressões não eram hostis, mas eles não eram amigáveis também. Ambos estavam muito bem constituídos, como aqueles que treinavam regularmente. E então, depois de voltar a observá-los, eu percebi que reconhecia um deles. O cara de cabelo escuro foi o que se aproximou de Sonya e eu há um tempo atrás, alegando conhecê-la de Kentucky. Imediatamente, todo o pânico que eu estava tentando suprimir esta semana passada voltou para mim, a sensação de estar presa e indefesa. Foi apenas a percepção de que eu estava em um lugar público, cercada por pessoas, que me permitiu considerar estes dois com calma surpreendente. "Sim", eu perguntei. "Nós precisamos falar com você, Alquimista", disse o loiro. Eu não contrai um músculo na minha cara. "Eu acho que você tem me confundido com outra pessoa." "Ninguém aqui tem uma tatuagem de lírio", disse o outro cara. Ele disse que seu nome era Jeff, mas eu me perguntei se ele estava dizendo a verdade. "Seria ótimo se você pudesse dar uma volta com a gente." Minha tatuagem estava coberta hoje, mas algo me disse que esses caras estavam me seguindo por um tempo e não precisavam ver o lírio para saber que estava lá. "Absolutamente não", eu disse. Eu nem sequer precisava de lembretes de Wolfe para saber que era uma péssima ideia. Eu estava aqui na segurança da multidão. "Se vocês quiserem conversar, é melhor sentarem. Caso contrário, vão embora." Eu olhei de volta para o meu livro, como se não tivesse uma só preocupação no mundo. Enquanto isso, meu coração estava batendo, e levou cada grama de controle que eu tinha para manter minhas mãos sem tremer. Alguns momentos


depois, ouvi o som de raspagem de metal no concreto, e os dois rapazes se sentaram à minha frente. Eu olhei de volta para seus rostos impassíveis. "Você tem que ir para dentro, se vocês quiserem café", comentei. "Eles não têm serviço aqui fora." "Nós não estamos aqui para falar sobre o café", disse Jeff. "Nós estamos aqui para falar sobre vampiros." "Por quê? Você está filmando um filme ou algo assim? "Eu perguntei. "Nós sabemos que você sai com eles", disse o loiro. "Incluindo a Strigoi, Sonya Karp." Parte da magia da minha tatuagem era prevenir Alquimistas de revelar informações sobre o mundo dos vampiros para os forasteiros. Nós literalmente não poderíamos fazê-lo. A magia entraria em jogo e evitaria que tentássemos. Uma vez que esses caras pareciam já saber sobre vampiros, a tatuagem não iria censurar as minhas palavras. Em vez disso, eu escolhi me censurar de meu próprio livre arbítrio. Algo me dizia que a ignorância era a melhor tática aqui. "Os vampiros não são reais", eu disse. "Olha, se isso é algum tipo de piada..." "Nós sabemos o que você faz", continuou Cabelo Louro. "Você não gosta mais

deles

do

que

nós.

Então,

por

que

você

está

ajudando?

Como poderia o seu grupo ter conseguido tão confusa e perdida visão do nosso objetivo original? Séculos atrás, éramos um grupo unido, determinado a ver todos os vampiros eliminados da face da terra, em nome da luz. Seus irmãos traíram esse objetivo." Eu tinha um outro protesto pronto, e então percebi um brilho de ouro na orelha de Jeff. Ele estava usando um brinco pequeno, uma esfera pequena, dourada, com um ponto preto no meio. Não pude me conter. "O brinco", eu disse. "É o símbolo do sol...o símbolo para o ouro." E, eu percebi, era exatamente o mesmo símbolo que estava sobre o punho da espada que tinhamos recuperado no beco.


Ele tocou seu brinco e acenou com a cabeça. "Nós não esquecemos a missão ou o nosso propósito original. Nós servimos a luz. Não a escuridão que esconde os vampiros." Eu ainda me recusei a reconhecer tudo o que disse sobre vampiros. "Vocês são os que atacaram a minha amiga e eu no beco na semana passada." Nem um negou. "A sua ‘amiga’ é uma criatura das trevas", disse Cabelo Louro. "Eu não sei como ela conseguiu essa corrente de encantamento fazendo parecer com um dos outros vampiros, mas você não pode ser enganada. Ela é má. Ela matará você e inúmeros outros." "Vocês são loucos", eu disse. "Nada disso faz sentido." "Só nos diga onde seu covil principal é", disse Jeff. "Nós sabemos que não é o apartamento do outro lado da cidade. Nós estamos vigiando e ela não voltou desde nossa última tentativa de destruí-la. Se você não vai ajudar ativamente, essa informação é tudo que precisamos para livrar o mundo de seu mal." Nós estamos vigiando. O apartamento de Adrian. Calafrios me atravessaram. A quanto tempo estavam espionando seu apartamento? E em que medida? Haviam sentado no carro do lado de fora, simplesmente vigiando? Será que eles possuem equipamentos de alta tecnologia de vigilância? Wolfe tinha advertido contra a ser perseguida em estacionamentos, não em casas. O pequeno conforto que eu tinha aqui era que eles obviamente não sabiam sobre Clarence. Sua vigilância não poderia ter sido completa que se ninguém tinha seguido ainda. Mas se tivessem seguindo a mim? Será que eles sabiam que ia a escola? E com as suas próprias palavras, eles foram confirmando a terrível realidade que eu não ousava especular. Era uma realidade que significava que havia forças em movimento invisível por debaixo dos 'Alquimistas aparentemente oniscientes da visão, as forças trabalhando contra os nossos objetivos. Caçadores de vampiros eram reais.


Com essa constatação veio uma centena de perguntas mais aterrorizantes. O que isso significa para os Moroi? Jill estava em perigo? Estava Adrian? "A única coisa que eu vou fazer é ligar para a polícia", disse eu. "Eu não sei quem vocês são ou por que vocês estão obcecados com minha amiga, mas nenhum de nós fez

nada para vocês. Você é ainda mais louco do que eu

pensava, se você acha que eu vou dizer onde ela está para que você possa perseguir ela." Então, pela mais pura sorte, eu vi um policial patrulhando a pé pela rua. Os dois caras seguiram meu olhar e puderam, sem dúvida, adivinhar meus pensamentos. Seria muito fácil chamar. Nós não apresentamos nenhum relatório sobre o ataque, mas acusando esses caras de uma agressão recente certamente deteria-os. Em sincronia, ambos levantaram. "Você está cometendo um erro terrível", disse Jeff. "Nós poderíamos ter tido esse problema erradicado a anos atrás, se os nossos grupos trabalhassem juntos. Primeiro o Strigoi, em seguida, o Moroi. Sua equivocada descida em sua corrupção quase colocou tudo a perder. Felizmente, nós trilhamos o caminho verdadeiro."O fato de que ele tinha apenas o nome dos dois grupos foi particularmente alarmante. Esses caras eram assustadores, certamente, mas nem tanto se estávamos falando sobre vampiros em termos sombrios e vagos. Usando "Moroi" e "Strigoi" indicava amplo conhecimento. Cabelo Louro pegou um panfleto pequeno, caseiro. "Leia isto, e talvez você verá a luz. Entraremos em contato." "Eu não faria isso se eu fosse você", eu disse. "Meta-se comigo novamente, e eu vou fazer muito mais do que apenas ter uma conversa agradável." Minhas palavras saíram mais fortes do que eu esperava. Talvez Dimitri e Wolfe estavam me contagiando. Jeff riu quando os dois começaram a se afastar. "Pena que você ficou tão atolada em livros", disse ele. "Você tem o espírito de um caçador."


Capítulo 16 16 Eu não perdi tempo em juntar todo o grupo. Este foi grande. Eu ainda não sabia o nível de perigo que estavamos enfrentando, mas recusei-me a arriscar. Escolhi a casa de Clarence como um ponto de encontro, visto que os caçadores não sabiam sobre isso ainda. Todavia, ainda me deixava nervosa. Eu teria ficado nervosa mesmo que tvessemos nos reunido em um bunker Alquimista. E, aparentemente, "caçadores" não era mesmo o termo certo. De acordo com seu panfleto de baixa qualidade, eles intitulavam-se "Os guerreiros da luz." Eu não tinha certeza de que merecia o título de fantasia, especialmente já que em sua declaração de missão, eles escreveram "Avismoo", ao invés de "Abismo." O panfleto foi realmente muito escasso, simplesmente afirmando que houve uma caminhada do mal entre a humanidade e que os guerreiros eram a força para destruí-lo. Eles instavam a seus seguidores a estarem prontos e permanecerem puros. Nenhum dos vampiros foram mencionados por nome, o que eu agradecia. O panfleto também não mencionou muito sobre qualquer da história compartilhada que eles alegaram ter com os Alquimistas. Antes de irmos para Clarence, Eddie vasculhou o Latte para qualquer tipo de dispositivo de rastreamento. A ideia me assustou muito, da mesma forma que eles estavam vigiando Adrian. Havia uma sensação de violação nisso. Foi apenas a minha falta de fé em sua tecnologia que fez com que me sentisse um pouco melhor. "Parece improvável que eles sejam tão avançados", disse a Eddie, quando ele mexeu debaixo do carro. "Quero dizer, o panfleto parecia que tinha sido feito em uma máquina de escrever de 1980 . Eu não sei se é porque eles tem esse panfletos por muito tempo ou se eles realmente usam esse tipo de máquina...mas independentemente disso, eles não parecem usar alta tecnologia para mim."


"Talvez", ele concordou, a voz um pouco abafada. "Mas não podemos correr nenhum risco. Nós não sabemos do que eles são capazes. E pelo que sabemos, eles estão tentando ficar a par com os Alquimistas para se colocar por dentro dos acontecimentos." Senti calafrios. Era um pensamento absurdo: que os Alquimistas e esse grupo marginal violento poderiam estar relacionados. Tinha sido uma loucura quando Adrian e eu tinhamos especulado sobre isso e era difícil de aceitar, mesmo em face de evidências. Pelo menos agora eu tinha informação suficiente para falar com os meus superiores sem ser ridicularizada. Mesmo que eu nunca tinha ouvido falar de caçadores como este, que parecia plausível que em algum lugar, em algum momento, eles tentaram se conectar com a minha organização. Esperançosamente alguém nos Alquimistas poderia ajudar. Eddie saiu de debaixo de Latte. "Está limpo. Vamos." Jil e Angeline estavam esperando nas proximidades, ambas tensas e ansiosas. Jil deu a Eddie um sorriso de admiração. "Eu não sabia que você sabia fazer nada disso. Eu nunca teria pensado sobre isso."Ele limpou o suor da testa. "Você pensou que o treinamento guardião era tudo sobre bater e chutar?" Ela corou. "Sim. Algo assim." “Você pode dizer-me sobre algumas dessas coisas em algum momento", perguntou Angeline. "Parece que eu deveria saber." "Claro", disse Eddie, soando como se ele quisesse dizer isso. Ela sorriu. Ele estava mais amável co ela agora, desde que a sua atitude tornou-se mais séria e contida. Acho que algo desse bom comportamento tinha sido por eu ter conseguido uma permissão para ela se juntar a nós esta noite. Ela tecnicamente ainda estava em suspensão, mas eu consegui uma isenção especial em razão da religião da nossa família. Eu tinha usado uma desculpa semelhante quando Jil havia sido suspens no mês passado, a fim de levá-la para a alimentação.


Mesmo assim, estávamos em ordens muito rígidas com Angeline esta noite. Ela não podia ficar de fora por mais de duas horas, e o preço foi a adição de um dia extra de suspensão a sua sentença. Fizemos uma rota alternada para a casa de Clarence, e Eddie vigiou atrás de nós cuidadosamente, à procura de qualquer sinal de perseguição. Ele tentou explicar algumas das coisas que eu precisava estar atenta quando eu estivesse sozinha. Eu estava tão nervosa, que eu quase não ouvi. Depois de uma viagem tensa, nós fizemos com segurança para Clarence. Lá, encontramos Adrian já a espera por nós. Dimitri aparentemente havia estado pela cidade mais cedo e pegou Adrian em seu apartamento, sem dúvida tomando todas as mesmas precauções que Eddie tinha tomado conosco. Eu tinha dado a Eddie e Dimitri algumas das informações sobre os caçadores, mas todos os outros exigiram uma explicação mais detalhada. Reunimo-nos em nosso lugar de sempre, a formal sala de estar, e Dimitri andava pela sala, se preparando para um ataque a qualquer momento. andava ao redor da sala, se preparando para um ataque a qualquer momento. Clarence olhava de sua cadeira com aquele olhar típico distraído. Quando eu levantei o panfleto, porém, ele voltou à vida. "São eles!", Ele gritou. Eu pensei que ele poderia saltar da cadeira e rasgar o panfleto de minhas mãos. "Esses são os seus símbolos!" Mais do mesmo símbolo alquímico que estavam na espada foram espalhados na frente do panfleto."Esse círculo. Lembro-me desse círculo." "O símbolo de ouro", eu confirmei. "Ou, eu acho que no seu caso, o símbolo do sol, uma vez que está tão obcecado com a luz e a escuridão." Clarence olhou ao redor freneticamente. "Eles estão de volta! Temos que sair daqui. Eu vim para esta cidade para escapar deles, mas eles me acharam. Nós não temos tempo. Onde está Dorothy? Onde está Lee? Devo embalar! " "Sr. Donahue, "eu disse, com o tom mais suave que consegui", eles não sabem que você está aqui. Você está seguro. "


"Se o que você está dizendo é verdade", disse Sonya, "Eu sou a única que está em perigo." Ela parecia muito mais calma do que eu poderia estar nessa situação. "Eles não vão machucar você também", disse Dimitri bruscamente "Especialmente se você não deixar esta casa." "A pesquisa..." ela começou. "Não é nada em comparação com a sua segurança", concluiu. Havia um olhar em seus olhos que disse que ele não toleraria mais discussões sobre esse assunto. "Você precisa voltar ao Tribunal. Você estava planejando isso de qualquer maneira. Basta fazer a viagem mais cedo." Sonya não parecia feliz com isso. "Então, eu deixo o resto de vocês em perigo?" "Talvez nós não estamos", disse Eddie, embora a tensão em seu corpo, disse o contrário. "Pelo que disse Sydney – em seu pequeno manifesto ‘ seu foco parece ser Strigoi, não Moroi."Ele olhou para Jil. "Não é que nós podemos baixar a guarda. Se eles confundiram Sonya com um Strigoi, quem sabe que outras loucuras podem fazer? Não se preocupe. Eu não vou deixá-los perto de você". Jil parecia prestes a desmaiar. "Essa é uma boa idéia", eu disse. "Eles ainda acham que Moroi são uma ameaça, mas não tanto quanto os Strigoi." "Assim como os Alquimistas", disse Adrian. Ele estava sentado em uma poltrona de canto e tinha ficado quieto o tempo todo. Eu não o tinha visto desde a noite do baile ou tive qualquer comunicação com ele, o que era estranho. Mesmo quando ele não estava me mandando patéticos e-mails sobre os experimentos, ele quase sempre tinha alguma piada espirituosa para passar adiante. "É verdade," eu admiti, com um sorriso. "Mas nós não estamos tentando matar nenhum de vocês. Nem mesmo Strigoi." "E há o problema", disse Dimitri. "Estes guerreiros estão convencidos de que Sonya

é

um

Strigoi

e

está

usando

algum

truque

para

disfarçar."

"

"Talvez eles tenham algum controle ou sistema de inventário", Sonya refletiu.


"Eles mantém esse controle sobre vários Strigoi no país e, em seguida, tentam caçá-los." "E eles ainda não sabem sobre você," eu apontei para Dimitri. Seu rosto manteve-se neutro, mas eu sabia que era difícil para ele se lembrar de seus dias de Strigoi. "E pelo que eu sei ... você foi muito mais uma, hum, figura notável do que Sonya." Ele tinha sido essencialmente um mafioso Strigoi. "Então, se você estiver fora de seu radar, eles provavelmente não tem uma presença internacional...ou pelo menos não um russo." Angeline se inclinou para frente, de mãos dadas, e considerando Clarence com um sorriso doce o suficiente para justificar o seu nome. "Como você os encontrou?" No começo, ele parecia com muito medo de responder, mas eu acho que a atitude dela gentilmente acalmou ele. "Bem, eles mataram minha sobrinha, é claro." Nós todos sabiamos que Lee tinha matado a sobrinha de Clarence, mas o velho não acreditava mais niddo do que ele acreditava que Lee estava morto. "Você os viu fazer isso", perguntou Angeline. "Você os viu?" "Não quando Tamara morreu, não", admitiu. Seus olhos tinha um olhar distante, como se estivesse olhando para o passado. "Mas eu sabia quais sinais procurar. Eu os havia encontrado antes disso. De volta quando eu estava morando em Santa Cruz. Eles gostam da Califórnia, você sabe. E a Sudoeste. Vai de acordo com sua fixação com o sol." "O que aconteceu em Santa Cruz", perguntou Dimitri. "Um grupo dos jovens começou a me perseguir. Tentando me matar." O resto de nós trocamos olhares. "Então, eles vão atrás dos Moroi", disse Eddie. Ele se aproximou de Jil. Clarence balançou a cabeça. "Não geralmente. Pelo que me disse Marcus, eles preferem Strigoi. Estes eram jovens, membros indisciplinados fazendo por sua própria conta, sem o conhecimento de seus superiores. Presumo que foi o mesmo tipo que matou Tamara."


"Quem é Marcus?" Eu perguntei. "Marcus Finch. Ele me salvou deles, há alguns anos. Defendeu-me durante um ataque e mais tarde entrou em contato com a sua ordem de manter os bandidos longe de mim." Clarence estremeceu com a lembrança. "Não fiquei por ali depois disso. Peguei Lee e sai. Foi quando me mudei para Los Angeles por um tempo. " “Este Marcus” disse “era um guardião?” “Um humano. Tinha a sua idade aproximadamente. Sabia tudo sobre os caçadores.” "Eu suponho que sabia se ele

entrou em contato com eles", Dimitri

especulou." Mas se ele te ajudou, ele deve ser amigável com os Moroi?" "Oh, sim", disse Clarence. "Sim, muito." Dimitri olhou para mim. "Você acha..." "Sim", eu disse, adivinhando sua pergunta. "Vou ver se podemos encontrar esse cara Marcus. Seria bom ter uma fonte de informação que não é um desses guerreiros loucos. Eu também vou reportar tudo isso, na realidade." "Eu também", disse Dimitri. Apesar de Clarence não ser especialista em caçadores como este misterioso Marcus era, o velho Moroi ainda tinha uma quantidade surpreendente de informações – informações que nenhum de nós quis escutar antes. Ele verificou o que já tinhamos deduzido, sobre a "devoção à luz dos caçadores." O foco do grupo era Strigoi (por agora), e todas as suas caçadas foram cuidadosamente planejadas e organizadas. Eles tinham um conjunto de comportamentos ritualizados, particularmente em relação aos seus membros mais jovens, pelo qual o grupo que tinha atacado Clarence foi detido. Pelo que Clarence disse, o grupo era bastante duro com os seus novos recrutas, enfatizando a disciplina e excelência. Com o relógio correndo com a suspensão de Angeline, precisavamos terminar tudo rapidamente. Eu também era encarregada de levar Adrian para casa, já que achamos que seria melhor eliminar qualquer chance de Dimitri ser


seguido de volta para Clarence. Além disso, eu poderia dizer que Dimitri estava ansioso para começar a colocar algumas coisas em movimento. Ele queria finalizar a partida de Sonya e também conversar com os guardiões, no caso necessário de ter que remover Jill. Seu rosto refletia o que eu senti sobre esse resultado possível. Nós duas nos apegamos a Amberwood. Enquanto ele estava dando algumas instruções de última hora para Eddie, eu puxei Sonya de lado por uma palavra calma. "Eu ... eu estive pensando em algo", disse a ela. Ela me estudou cuidadosamente, provavelmente lendo minha aura e linguagem corporal. "O que é?", Perguntou ela. "Se você quiser ... se você realmente quiser, você pode ter um pouco do meu sangue". Foi uma admissão enorme, enorme. Foi algo que eu queria fazer? Não. Absolutamente não. Eu ainda tinha os mesmos medos instintivos sobre dar meu sangue para Moroi, mesmo para fins científicos. E ainda, os eventos de ontem e até o ataque no beco tinha começado a fazer-me re-analisar a minha visão de mundo. Os vampiros não eram os únicos monstros aqui. Dificilmente eram mosntros, ainda mais ao lado desses caçadores. Como eu poderia julgar o inimigo por sua raça? Eu estava sendo lembrada cada vez mais que os seres humanos eram apenas tão capazes quanto os vampiros do mal e que os vampiros eram capazes de fazer o bem. Eram ações que importava, e Sonya e Dimitri eram nobres. Eles estavam lutando para destruir o mal supremo, e apesar de como eu me sentia sobre dar o meu sangue, eu sabia que era a coisa certa para ajudá-los. Sonya sabia que isso era um sacrifício para mim. Seu rosto se manteve tranquilo – sem nenhum sinal de alegria - e ela balançou a cabeça solenemente. "Eu tenho meu kit de coleção aqui. Eu posso ter uma amostra antes de sair, se você está certa."


Tão cedo? Bem, por que não. Era melhor acabar logo com isso, especialmente se Sonya teria que deixar a cidade logo de qualquer maneira. Nós fizemos isso na cozinha, que parecia um pouco mais higiênico do que a sala de estar. Sonya não era médicoa mas seja qual for a formação que ela teve, foi bem em linha com o que eu tinha observado quando fazia exames médicos. Antiséptico, luvas, uma nova seringa. Todos os procedimentos corretos foram seguidos, e depois de um puxão rápido da agulha, ela teve minha amostra de sangue. "Obrigada, Sydney," ela disse, entregando-me um curativo de plástico. "Eu sei o quão difícil deve ter sido para você. Acredite em mim, isso poderia realmente ajudar-nos." "Eu quero ajudar", disse a ela. "Eu realmente quero." Ela sorriu. "Eu sei. E de toda a ajuda que pudemos obter. Depois de ser um deles ... "Seu sorriso desapareceu. "Bem, eu acredito mais do que nunca que sua maldade deve acabar. Você pode ser a chave." Por um segundo, suas palavras me inspiraram, que eu possa de alguma forma ter um papel maior na luta contra o mal e, possivelmente, até mesmo impedi-la. Imediatamente, esse pensamento foi substituído por meu pânico. Não. Não. Eu não era especial. Eu não queria ser. Gostaria de fazer um esforço de boa fé para ajudar, mas certamente nada viria dele. Voltei para buscar os outros. Adrian e Jil estavam tendo uma conversa séria, no canto. Eddie e Angeline estavam também conversando, e ouvi-la dizer: "Estarei mais com Jilj na escola, apenas por segurança. Nós não podemos permitir que ela seja parte de um acidente ou erro de identidade." Eddie assentiu com a cabeça e olhou impressionado para o que ela sugeriu. "Concordo." Surpreendente, pensei. Saí logo com o pessoal para o carro e segui para o centro da cidade, para deixar Adrian. Quando eu parei na frente de seu prédio, vi algo que fez o meu queixo cair. Admiração e descrença rolou através de mim. No que foi provavelmente o trabalho de estacionamento mais deselegante que eu já fiz na minha vida, eu trouxe Latte a uma parada brusca e fui para fora do carro


no segundo que tirei as minhas chaves da ignição. Os outros saíram momentos depois. "O que", eu respirei. "É isso?" "Oh," disse Adrian casualmente. "Esse é o meu carro novo." Eu dei alguns passos para a frente e depois parei, com medo de abordá-lo da forma como alguém abordava a realeza. "É um Ford Mustang conversível 1967," eu disse, sabendo que meus olhos estavam saltando para fora. Eu comecei a andar em torno dele. "O ano em que fizeram uma grande reforma e aumentaram o tamanho para acompanhar a concorrência das grandes potências. Veja? É o primeiro modelo com as luzes traseiras côncavas, mas o último a ter as letras da Ford na frente até 1974." "O que diabos é essa cor?", perguntou Eddie, não parecendo impressionado. "Amarelo primavera", Adrian e eu dissemos em uníssono. "Eu teria imaginado Lemon Chiffon," disse Eddie. "Talvez você possa conseguir que o pintem." "Não!" Eu exclamei. Joguei minha bolsa em cima

da grama e

cuidadosamente toquei o lado do carro. O mustang novo de Brayden de repente parecia tão comum. "Foram retocadas, obviamente, mas esta é uma cor clássica. Qual código de motor é este? C, certo? " "Hum...não tenho certeza", disse Adrian. "Eu sei que ele tem um motor V-8." "Claro que sim", eu disse. Foi difícil não revirar meus olhos. "Um 289. Eu quero saber a potência." "Está provavelmente na papelada", disse Adrian sem convicção. Foi nesse momento que eu realmente processei as palavras anteriores de Adrian. Eu olhei para ele, sabendo que a minha cara deveria aparentar descrença. "Este é realmente o seu carro?" "Sim", disse ele. "Eu disse a você. O velho me enviou dinheiro para um." "E você comprou este?" Eu olhei pela janela. "Legal. Interior preto, transmissão manual." "Sim," disse Adrian, uma nota de desconforto em sua voz. "Esse é o problema."


Olhei para trás. "O que é? O preto é genial. E a condição do couro é fantástico. Assim como o resto do carro." "Não, não o interior. A transmissão. Eu não posso dirigir com uma marcha." Eu congelei. "Você não sabe dirigir com marcha?" "Nem eu", disse Jil. "Você não tem uma licença", eu lembrei ela. Embora, minha mãe me ensinou a dirigir antes que eu tivesse uma licença, tanto transmissão automática e manual. Eu sabia que não deveria estar surpresa, a marcha era uma arte perdida, tão selvagem como essa falta de conhecimento parecia. Isso empalidecia, naturalmente, em comparação com o outro problema óbvio. "Por que você compraria um carro como este, se você não sabe dirigí-lo? Há dezenas de carros novos que têm transmissão automática. Seria mil vezes mais fácil.” Adrian encolheu os ombros. "Eu gosto da cor. Ele coincide com minha sala de estar." Eddie bufou. "Mas você não pode dirigi-lo," eu apontei. "Eu acho que não pode ser tão difícil." Adrian soou incrivelmente despreocupado com o que eu encontrei blasfêmia. "Vou apenas praticar dando voltas ao redor do prédio algumas vezes e aprenderei." Eu não podia acreditar no que estava ouvindo. "O quê? Você está louco? Vou vai arruiná-lo se você não sabe o que você está fazendo!" "O que mais eu poderia fazer?", Perguntou. "Você vai me ensinar?" Virei-me para o Mustang bonito.


"Sim", eu disse com firmeza. "Se isso é o que é preciso para salvá-lo de você." "Eu posso mostrar-lhe também", disse Eddie. Adrian ignorou e se concentrou em mim. "Quando podemos começar?" Eu corri com o meu horário escolar, sabendo que falar com os Alquimistas sobre os Guerreiros da Luz era a minha prioridade. Então, o óbvio me bateu. "Ah. Quando formos para Wolfe esta semana. Vamos levar ele pra fora." "É realmente para me ajudar", perguntou Adrian. "Ou você só quer dirigir o carro?" "Ambos," eu disse, sem vergonha de admitir isso. O tempo de Angeline estava correndo e nós tinhamos que ir. Eu havia dirigido três quarteirões de distância quando eu percebi que eu tinha deixado a minha bolsa na grama. Com um gemido, eu dei a volta e retornei ao seu prédio. Minha bolsa estava lá, mas o Mustang se fora. "Onde está o carro?" Eu perguntei, em pânico. "Ninguém poderia ter roubado tão rápido." "Oh", disse Jil do banco de trás, parecendo um pouco nervosa. "Eu vi através do vínculo. Ele, um, moveu." Era útil ter o laço como uma fonte de informação, mas suas palavras me fizeram entrar em pânico mais do que se o carro tivesse sido roubado. "Ele o quê?" "Não muito", disse ela rapidamente. "Logo atrás do edifício. Esta rua tem estranhas regras de estacionamento durante a noite." Eu fiz uma careta. "Bem,

eu

estou

contente

que

não

vai

ser

rebocado,

mas

ele

deveria ter me falado para tirá-lo daí! Mesmo se não for agora, ele poderia arruinar a transmissão." "Eu tenho certeza que ele está bem", disse Jil. Havia uma nota estranha em sua voz. Eu não respondi. Jill não era especialista em carro. Nenhum deles era.


"É como deixar uma criança solta em uma sala cheia de porcelana Chinesa," eu murmurei. "O que ele estava pensando? Sobre isto?" Ninguém tinha uma resposta para isso. Eu nos levei de volta para Amberwood a tempo para o toque de recolher de Angeline e retirou-me para a sanidade e calma do meu quarto. Assim que eu estava satisfeita que meus amigos estavam a salvo e seguros para a noite, eu mandei um e-mail para

Donna

Stanton - uma alquimista de alto patamar com quem eu inexplicavelmente desenvolvi um bom relacionamento - sobre os caçadores e aquilo que tinha aprendido. Eu mesma tirei fotos do panfleto e enviei também. Uma vez que isso foi feito, eu me sentei e tentei pensar se havia algo mais que eu poderia fornecer para ajudar. Foi só quando eu tinha esgotado todas as opções

(e atualizado minha caixa de entrada algumas vezes para ver se ela

respondeu) que finalmente pude fazer minha tarefa. Como de costume, fui muito bem apanhada em cada atribuição exceto uma... A da Sra.Terwiliger Esse estúpido livro estava em minha mesa, olhando para mim, me desafiando a abrir. Eu ainda tinha um número de dias antes de fazer o feitiço, tempo durante o qual eu pudesse continuar a adiar. Eu estava começando a aceitar, no entanto, que esta atribuição não ia desaparecer. Considerando o tempo de preparação que isto levava, talvez seria melhor aceitar a realidade e fazê-lo. Resolvido, eu trouxe o livro para a minha cama e abri na tabela de conteúdos, revisando alguns dos feitiços que ela havia estudado comigo. Meu estômago revirou para a maioria deles, cada instinto me dizendo como era errado até mesmo estar tentando estes. A magia é para os vampiros, e não seres humanos. Eu acreditava que isso era verdade, mas a parte analítica da minha mente não podia deixar de aplicar alguns feitiços defensivas para várias situações. Bem como a minha decisão de dar sangue, os acontecimentos recentes me fizeram olhar o mundo de forma diferente. Era a magia errado? Sim. Mas esse feitiço de cegueira teria certamente sido útil no beco. Outro feitiço, um que deixava as pessoas temporariamente


imobilizados, poderia ter sido utilizado, se eu quisesse fugir dos caçadores no café.

Claro,

isso

durava

apenas

trinta

segundos,

mas

era mais do que tempo suficiente para eu ter escapado. Continuei revisando a lista. Eles eram tão errados e ainda assim tão...tão úteis. Se eu não tivesse visto o encantamento do fogo que eu tinha feito acender uma Strigoi, eu não teria acreditado que qualquer um destes eram possíveis. Mas afinal de contas, eles eram. Tanto poder...a capacidade de proteger-me... Imediatamente, eu me repreendi por tal pensamento. Eu não tinha necessidade de poder. Esse tipo de pensamento foi o que levou aberrações como Liam a querer ser Strigoi. Embora...era realmente o mesmo? Eu não queria a imortalidade. Eu não queria machucar os outros. Eu só queria proteger a mim e aqueles que me preocupava. Wolfe tinha muito a me ensinar, mas suas técnicas preventivas não ajudaria se caçadores de vampiros determinados encurralassem Sonya e eu novamente. Conforme o tempo passava, tornava-se claro que os caçadores eram muito determinados Voltei para a tabela de conteúdos, encontrando vários que seriam úteis e bem assim dentro de minhas capacidades para fazer. De acordo com a Sra. Terwiliger, alguém como eu tinha potencial excelente para a magia por causa do talento inato (que eu não acredito totalmente) e do treinamento rigoroso Alquimista em medição e atenção aos detalhes. Não era difícil descobrir quanto tempo levaria para produzir qualquer um desses prováveis candidatos. A questão era que feitiço eu faria? Que eu tinha tempo para fazer? A resposta foi assustadoramente simples. Eu teria tempo para fazer todos eles.


Capítulo 17 O carro de Adrian dirigia como um sonho. Quando cheguei ao volante, eu quase esqueci de verificar se havia qualquer perseguição. Na verdade, eu quase esqueci que eu deveria estar nos levando para Wolfe e mostrando a Adrian como utilizar as marchas. Em vez disso, eu estava presa na forma como o motor cantarolava ao nosso redor e no cheiro do couro. Deixando seu bairro, eu tive que me conter nas ruas apinhadas do centro de Palm Springs. Este era um carro gritando para ser solto em estrada aberta. Eu admirava o Mustang de Brayden, mas eu adorava este. "Eu sinto como se eu tivesse acabado de me intrometer no encontro de alguém", comentou Adrian, uma vez que estávamos na estrada. Ninguém tinha nos

seguido

para

fora

do

centro

da

cidade,

fazendo-me

sentir

muito mais segura. "Como eu estou me intrometendo entre vocês dois. Se você quiser me deixar em algum lugar, Eu vou entender." "Hein?" Eu estava prestando muita atenção à forma como o carro chegava até velocidades mais elevadas, tanto através de som e sentir. O Mustang era de fato impressionante. As pessoas muitas vezes têm a ideia de que carros clássicos são caros. Eles são, se eles estão em boas condições. A maioria não é. Quando algo passa por anos sem cuidado, inevitavelmente cai aos pedaços, que é por isso que muitos carros mais velhos precisam de reparação. Não o de Adrian. Este tinha sido mantido e restaurado ao longo dos anos e provavelmente nunca saiu do estado da Califórnia, o que significa que não tinha enfrentado invernos rigorosos. Tudo isso somado a uma etiqueta de alto preço, tornando-o muito mais ridículo que Adrian tinha comprado algo que não podia dirigir. Eu gemi. "Eu sinto muito ... Eu não sei o que eu estava pensando."


Bem, eu meio que sabia. Eu estava pensando em quais eram as probabilidades de que eu recebesse uma multa se rompesse os limites de velocidade para ver o quão rápido podemos ir. "Eu estar praticando com você logo que eu liguei o carro. Eu prometo que vou

quando

sairmos

do

Wolfe,

todas

as

etapas.

Por

agora,

eu

acho que podemos recapitular o básico. Esta é a embreagem..." Adrian não parecia incomodado com a minha negligência. Se qualquer coisa, ele parecia estar se divertindo e simplesmente ouviu minhas explicações com um sorriso pequeno e calmo em seu rosto. Wolfe parecia tão vergonhoso como ele estava na última vez, completando com o tapa-olho que eu suspeitava que haviam sido a bermuda que ele usava antes. Eu esperava que ele tivesse se lavado desde então. Apesar de sua aparência, ele estava pronto para ir quando nossa classe estava lá e ele era competente nesse assunto. Embora ele tenha nos lembrado novamente sobre a importância de evitar conflitos e estar ciente de seu meio envolvente, ele rapidamente passou por esses pontos e focou em formas mais físicas de se proteger. Considerando o quanto Adrian reclamou da última vez sobre a conversa de segurança "chato", eu imaginei que ele estaria animadoque estávamos passando para alguma ação. Em vez disso, aquele olhar divertido do carro desapareceu, ele ficou cada vez mais tenso quando Wolfe explicou o que ele queria que nós fizessemos em nossas sessões de treinos em parceria. Quando o tempo de praticar veio, Adrian olhou descaradamente infeliz. "Qual é o problema?" Eu perguntei. De repente me lembrei da última vez, quando Adrian tinha assustado sobre meu "ataque." Talvez ele não tivesse realmente esperado que ele teria que trabalhar aqui. "Vamos lá, elas são simples. Você não vai ficar sujo." Mesmo quando ensinar ações mais combativos, Wolfe foi um defensor de manter as coisas simples e rápida. Nós não estávamos tentando aprender a bater em alguém. Estas manobras eram meios eficazes de distrair um assaltante para que pudéssemos escapar. A maioria foi feita com os manequins, já que


dificilmente poderia tentar furar os dedos nos olhos um do outro. Adrian passou por esses movimentos de forma diligente, se silenciosamente. Era trabalhando diretamente comigo que ele parecia ter um problema. Wolfe notou também quando ele fez a sua ronda. "Vamos lá, garoto! Ela não pode tentar escapar, se você não tentar segurá-la. Ela não vai te machucar, e você não vai machucá-la. " A manobra em questão era uma que teria sido útil a noite que eu estava no beco. Então, eu estava ansiosa para praticá-lo e frustrada que Adrian manteve apenas ajudando um pouco.. Ele deveria colocar um braço em volta do meu tronco na tentativa de cobrir minha boca. Infelizmente, seus esforços foram tão fraco e seu segurar tão solto que eu não precisava de técnicas especiais para escapar. Eu poderia ter simplesmente caminhado para fora de seus braços. Com Wolfe lá, Adrian fez uma exibição um pouco melhor como um assaltante, mas imediatamente recorreu a seus métodos, uma vez que estavamos sozinhos. "Vamos mudar", disse no fim, quase querendo arrancar meus cabelos "Você tenta escapar de mim. Faça pela última vez. " Eu não podia acreditar que a atitude lenta de Adrian se voltou a ser o problema aqui. Eu esperava que seria eu não querer tocar num vampiro, mas não me incomodava em nada. Eu não estava pensando nele como um vampiro. Ele era Adrian, e meu parceiro nesta classe. Eu precisava dele para aprender o movimento.

Foi

tudomuito

pragmático.

Se

eu

não

soubesse

melhor,

eu quase diria que Adrian estava com medo de tocar em mim, o que não fazia sentido. Moroi não tinham esse complexos. Havia algo de errado comigo? Por que Adrian não queria me tocar? "O que está acontecendo?" Eu exigi, uma vez que estavamos no carro e voltando para a cidade. "Eu sei que você não é um atleta, mas o que aconteceu lá dentro?" Adrian se recusou a encontrar meus olhos e, em vez olhou incisivamente para fora da janela.


"Eu não acho que isso é realmente minha coisa. Eu estava todo jogando sobre ser um herói de ação antes, mas agora ... eu não sei. Esta é uma má ideia. É mais trabalho do que eu pensava." Havia um tom irreverente de desprezo em sua voz que eu não ouvia há algum tempo. "O que aconteceu com você terminar as coisas que você começou?" Eu perguntei."Você me disse que havia mudado." "Isso foi para a arte", disse Adrian rapidamente. "Ainda estou nessas classes, não é? Eu não pulei do barco. Eu só não quero mais fazer isso. Não se preocupe. Agora que eu tenho mais dinheiro, vou pagar de volta a taxa da aula. Você não vai ficar fora." "Isso não importa", argumentei. "É um desperdício! Especialmente desde que Wolfe mostrou que não é realmente difícil. Nós não estamos rasgando-nos em pedaços como Eddie e Angeline fariam. Por que é tão difícil para você ficar e aprender? "Minha dúvida anterior voltou. "Simplesmente não quer trabahar comigo? Há...há algo de errado comigo?" "Não! Claro que não. Absolutamente não ", disse Adrian. Na minha periferia, eu vi ele finalmente olhar para mim. "Talvez eu só possa aprender uma coisa de cada vez. Eu quero dizer... Eu tenho que também aprender a dirigir com uma marcha. Não é que eu vejo isso acontecendo. " Eu queria dar um tapa-me na testa. Na minha frustração com a aula, eu tinha completamente esquecido novamente sobre mostrar a Adrian como dirigir. Eu me senti como uma idiota, mesmo que eu ainda estava brava com ele por desistir de Wolfe. Eu chequei o tempo. Eu tinha coisas para fazer hoje à noite em Amberwood mas senti obrigada a me redimir pelo meu ensino de má qualidade. "Praticaremos uma vez que estivermos de volta no seu bairro", eu prometi. "Bem, começamos devagar, e vou mostrar tudo o que você precisa fazer. Eu poderia até mesmo deixar você tentar dirigir em torno do quarteirão se esta noite você parecer que você está prestando atenção à aula. "


A transformação em Adrian foi notável. Ele passou de ranzinza e desconfortável para alegre e enérgico. Eu não conseguia entender. Claro, eu achava carros e dirigir fascinante, mas tecnicamente falando, houve um detalhe muito mais a aprender sobre transmissão manual do que havia em técnicas evasivas de Wolfe. Por que aqueles era difícil para ele, mas a embreagem era fácil? Coloquei em torno de uma hora quando voltamos. Para seu crédito, Adrian prestava atenção a cada palavra que eu dizia, embora seus resultados eram inconsistentes sempre que eu interrogava-o ou deixava que ele tentasse algo. Às vezes ele respondia como um profissional. Outras vezes, ele parecia totalmente perdido

em

coisas

que

eu

poderia

jurar

que

ele

tinha

pego.

Até o final da hora, eu me senti segura o suficiente com ele dirigindo o carro em velocidades baixas em ruas vazias. Ele foi um longo caminho desde a autoestrada o parar-e-ir do tráfego de uma movimentada cidade. "Parece que temos mais aulas em nosso futuro", disse ele quando terminou. Eu tinha estacionado o carro atrás de seu prédio, e estávamos andando de volta para a entrada principal para o Latte. "Não pegue o carro por mais de meio quilômetro Eu verifiquei o odômetro. Eu vou saber." "Notável", disse ele, com um sorriso manhoso. "Quando é a próxima aula? Você quer voltar amanhã à noite?" "Não é possível", disse eu. "Eu vou sair com Brayden." Fiquei surpresa com o quanto eu estava olhando para a frente. Não só eu queria fazer as coisas para ele após o baile, mas eu também só queria uma dose de normalidade, bem, pelo menos o tipo de normalidade que Brayden e eu temos juntos. Além disso, as coisas com Adrian estavam realmente estranhas... "Oh". O sorriso de Adrian caiu. "Bem...Eu entendo. Quer dizer, me refiro ao amor e romance e tudo isso". "Nós estamos indo para o museu têxtil", eu disse. "É legal, mas eu não tenho certeza de quanto amor e romances realmente terá lá.” Adrian quase chegou a um impasse.


"Há um museu têxtil aqui? O que as pessoas fazem lá?" "Bem, eles olham ... um, têxteis. Há uma exposição grande em..." Eu parei quando chegamos à frente do edifício. Há, por trás de Latte, era um carro familiar, o alugado que Sonya e Dimitri estavam usando. Olhei interrogativamente para Adrian. "Você estava esperando por eles esta noite?" "Não", disse ele, retomando sua caminhada até a porta. "Eles têm uma chave, embora, por isso suponho que podem se sentir em casa a qualquer hora. Eles fazem muito isso, na verdade. Eles comem a minha comida, e ela usa minhas coisas de cabelo." Eu segui ele. "Espero que seja só Dimitri." Depois de nossas revelações recentes sobre os caçadores, Sonya estava praticamente sob prisão domiciliar. Ou assim pensava eu. Quando entrei no apartamento, ela estava sentada no sofá. Dimitri não estava a vista. Ela olhou para nós de seu laptop. "Graças a Deus que você está aqui", disse ela, dirigindo suas palavras para mim. "Jil disse que estava fora e tinha a esperança de te alcançar.” Algo me disse que não podia sair nada bom desse ‘te alcançar’, mas eu tinha maiores preocupações. "O que você está fazendo aqui?" Eu perguntei, meio que esperando que caçadores entrariam pela porta. "Você deveria estar em Clarence até você sair da cidade." "Depois de amanhã", ela confirmou. Ela se levantou; olhos iluminados com o que a levou aqui. "Mas eu precisava falar com você agora, cara-a-cara." "Eu viria para você", eu protestei. "Não é seguro para você estar fora." "Eu estou bem", disse ela. "Tenho a certeza que não fui seguida. Isso era muito importante." Ela estava sem fôlego e animada. Mais importante do que ser pego por aspirantes a caçadores de vampiros? Discutível. Adrian cruzou os braços e parecia surpreendentemente em desaprovação.


"Bem, é tarde demais agora. O que está acontecendo?" "Temos os resultados do exame de sangue de Sydney", explicou Sonya. Meu coração parou. Não, eu pensei. Não, não, não. "Assim como com o sangue de Dimitri, nada fisiológico mostrou-se", disse ela. "Nada de anormal com proteínas, anticorpos, ou qualquer coisa assim." Alívio passou por mim. Eu estava certa. Nada de especial sobre mim, não há propriedades inexplicáveis. E ainda...ao mesmo tempo, senti uma pontada de arrependimento pequena. Eu não era aquela que deveria consertar tudo. "Desta vez nós enviamos para um laboratório Moroi, não um alquimista", Sonya continuou. "Um dos pesquisadores, um usuário de terra sentiu um zumbido magia terrestre. Assim como Adrian e eu sentimos o espírito no sangue de Dimitri. O técnico teve mais outros usuários de magia examinando seu sangue e quatro elementos básicos foram detectados." O pânico voltou. Ela tinha-me em uma montanha russa emocional, uma que me deixou enjoada. "Mágica ... no meu sangue?" Um momento depois, eu entendi. "Claro que há..." eu disse lentamente. Eu toquei minha bochecha. "A tatuagem tem sangue de vampiro e magia. Isso é o que é. Existem diferentes graus de encantos a partir de diferentes usuários. Isso mostraria no meu sangue." Eu tremi. Mesmo com uma explicação lógica, era uma coisa assustadora aceitar que havia magia no meu sangue. Os feitiços da Sra.Terwiliger eram um anatema para mim, mas pelo menos havia algum conforto em saber que extraíam a magia para fora de mim. Mas sabendo que eu tinha algo interno? Isso foi assustador. E, no entanto, eu não poderia ser surpreendida com este achado, não com a tatuagem. Sonya assentiu. "Sim, é claro. Mas deve haver algo sobre a combinação que é repulsivo para Strigoi. Ele pode ser a chave para todo o nosso trabalho!" Para minha surpresa, Adrian deu alguns passos em direção a mim, e havia uma tensão em sua postura que foi ferozmente protetora.


"Então você sabe que o sangue Alquimista tem mágica nele", disse ele. "Isso não é surpresa. Caso encerrado. O que você quer dela agora?" "Outra amostra para começar", disse Sonya ansiosamente. "Não sobrou nada no frasco original que eu peguei, uma vez que todo o teste foi feito. Eu sei que isso soa estranho, mas também seria útil se um Moroi pudesse...bem, provar seu sangue e ver se ele tem a mesma qualidade repulsiva que tem para os Strigoi. O sangue fresco seria o ideal, mas mesmo eu não estou suficientemente louca para pedir-lhe para se submeter a uma alimentação. Devemos simplesmente ser capaz de usar sua amostra e..." "Não", eu disse. Eu tropecei para trás, horrorizada. "Absolutamente não. Se é de um pescoço ou um frasco, não há nenhuma maneira que eu estou dando meu sangue para qualquer um provar. Você sabe como isso é errado? Eu sei que você faz isso o tempo com os alimentadores, mas eu não sou um deles. Eu nunca deveria ter lhe dado a primeira amostra. Você não precisa de mim para nada disso. Espírito é a chave. Lee é a prova de que os ex-Strigoi são os que você precisa para examinar." Sonya não estava intimidado pela minha explosão. Ela empurrou para a frente, apesar de seu tom de voz era suave. "Eu

entendo

o

seu

medo,

mas

acho

que

as

aplicações!

Se

algo em seu sangue torna resistente a Strigoi, então você pode salvar inúmeras vidas." "Os alquimistas não são resistentes", eu disse. "Essa tatuagem não está nos protegendo, se é onde você quer chegar. Você acha que em toda nossa história, não houve Alquimistas que foram transformados em Strigoi?" "Bem, é claro", disse ela. Suas palavras eram hesitantes, me incentivando. "Então, a magia que sentia em mim é irrelevante. É apenas a tatuagem. Todos os Alquimistas tem. Talvez o nosso gosto é ruim, mas o sangue Alquimista não tem nada a ver com a conversão de um Strigoi. Ainda que nos aconteça." Eu estava divagando, mas não importa. Sonya ficou perplexa, sua mente correndo pelas implicações desta notícia.


"Mas todos os Alquimistas tem gosto ruim? Se sim, como um Strigoi pode ser capaz de drená-los?" "Talvez isso varia por pessoa," eu disse. "Ou talvez alguns Strigoi são mais difíceis do que outros. Eu não sei. Independentemente disso, nós não somos os únicos a se concentrar." "A menos que há algo de especial em você", ponderou Sonya. Não. Eu não queria isso. Eu não queria ser examinada, trancada atrás do vidro como Keith. Eu não poderia suportar. Roguei para que ela não veria como eu estava com medo. "Há muito que é especial sobre ela", disse Adrian secamente. "Mas seu sangue não é para disputa. Por que você está pressionando isso de novo depois da última vez?" Sonya olhou para Adrian. "Eu não estou fazendo isso por razões egoístas, você sabe disso! Eu quero salvar o nosso povo. Eu quero salvar todos os nossos povos. Eu não quero ver nenhum novo Strigoi adicionado ao mundo. Ninguém deve viver assim." Um olhar assombrado brilhou em seus olhos, como uma memória tivesse agarrado-a. "Esse tipo de sede de sangue e falta completa de empatia para qualquer vivente criatura...ninguém pode imaginar o que é. Você é vazio. Um pesadelo andante, e ainda...você simplesmente não se importa..." "Atitude

engraçada",

disse

Adrian,

"vendo

como

você

escolheu

propositadamente se tornar um". Sonya empalideceu, e eu me senti mortificada. Apreciei a defesa Adrian, mas também me compadeci de Sonya. Ela explicou-me um dia sobre como a instabilidade – a instabilidade que Adrian temia - a levou a se tornar um Strigoi. Olhando para trás, em sua decisão, ela se arrependeu mais do que qualquer outra coisa em sua vida. Ela teria se submetido para uma punição, mas nenhum tribunal sabia como lidar com a situação. "Fazer isso foi um erro", disse ela friamente. "Um que eu aprendi como é, por isso que estou tão ansiosa para salvar outros desse destino." "Bem, então, encontre uma maneira de fazê-lo sem arrastar Sydney para ele! Você sabe como ela se sente sobre nós..." Adrian vacilou quando ele olhou para


mim, e fiquei surpresa ao detectar quase amargura em sua voz. "Você sabe como os Alquimistas se sentem. Mantenha a envolvendo e a deixará com problemas com eles. E se você está tão convencida de que temos as respostas, peça a eles voluntários e faça as experiências dessa maneira." "Eu ajudaria com isso", eu ofereci. “Conseguiria pessoas autorizadas para você. Eu falaria com os meus superiores. Eles gostariam de ver o fim dos Strigoi tanto quanto você." Quando Sonya não respondeu de imediato, Adrian adivinhou o motivo. "Ela sabe que eles vão dizer que não, Sage. É por isso que ela está apelando diretamente para você e por que não enviou o seu sangue para um laboratório Alquimista." "Porque você não pode ver o tanto que isso é importante", perguntou Sonya, uma ânsia desesperada de fazer o bem em seus olhos. Isso me fez sentir culpada e conflituosa. "Eu vejo", disse Adrian. "Você acha que eu não quero ver cada um dos Strigoi bastardos varridos da face da terra? Eu quero! Mas não à custa de forçar as pessoas a fazer coisas que eles não querem." Sonya lhe deu um olhar longo. "Eu acho que você está deixando seus sentimentos pessoais interferirem nisso. Suas emoções vão arruinar nossa pesquisa." Ele sorriu. "Bem, então. Alegre-se que você se verá livre de mim em dois dias." Sonya olhou entre nós dois, parecia que ela estava prestes a protestar, e depois pensou melhor. Sem outra palavra ela saiu, seu rosto derrotado. Mais uma vez, eu me senti mortificada. Em teoria, eu sabia que ela estava certa...mas meu instinto simplesmente não podia concordar. "Eu não queria aborrecê-la", disse. O rosto de Adrian não mostrava simpatia. "Ela não deveria ter perturbado você. Ela sabe como você se sente." Eu ainda me senti um pouco mal, mas eu não conseguia afastar a sensação de que se eu desse isso, eu ia ser convidada a dar mais e mais. I lembrava do dia


em que Eddie e Dimitri tinham sido revestidos em magia do espírito. De jeito nenhum eu poderia arriscar me envolver a esse nível. Eu já estava empurrando os meus limites muito longe. "Eu sei...mas é difícil", disse eu. "Eu gosto de Sonya. Dei-lhe o primeiro frasco, por isso posso ver por que ela achava que o segundo seria fácil." "Não importa", disse ele. "Não é não". "Eu realmente vou mencionar para os Alquimistas", eu disse. "Eu quero quero ajudar." Eu não acho que eu ia ficar muito em apuros pelo primeiro frasco. Os Alquimistas endossaram os experimentos iniciais depois de tudo, e eu provavelmente obteria pontos por me manter firme sobre a pressão de um vampiro para uma outra amostra. Ele deu de ombros. "Se eles fizerem isso, ótimo. Se não, não é de sua responsabilidade." "Bem, obrigada por galantemente ter vindo em minha defesa de novo",eu disse "Talvez se sentiria melhor no treinamento de Wolfe se você tem que proteger alguém, em vez de si mesmo? " O sorriso anterior voltou. "Eu só não gosto de ver as pessoas intimidadas, é só isso." "Mas você deve voltar para Wolfe comigo", insisti. "Você precisa de uma chance para tentar me superar." Assim, ele estava sério de novo. Ele olhou para longe. "Eu não sei, Sage. Vamos ver. Por agora, vou me concentrar apenas na condução. Quando você puder ficar longe de seu namorado, é claro." Eu saí logo depois disso, ainda confusa sobre seu comportamento estranho. Será que era alguns dos efeitos loucos do espírito sobre a mente? Um minuto, ele foi corajoso e defensivo. No seguinte, ele estava para baixo e obstinado. Talvez houvesse um padrão ou algum tipo de raciocínio por trás dele, mas foi além das minhas habilidades analíticas. De volta a Amberwood, eu imediatamente fui para a biblioteca para pegar um livro para minha aula de Inglês. Sra. Terwiliger tinha aliviado no meu trabalho habitual, de modo que eu pudesse "Dedicar mais tempo" para a elaboração de


seus feitiços. Desde que estudo independente era para ser minha escolha optativa acabava levando mais tempo do que as minhas outras classes, era refrescante poder concentrar em outra coisa para variar. Quando eu estava saindo da seção britânica, avistei Jil e Eddie estudando juntos a uma mesa. O que não era estranho, exatamente. O que era estranho era que Micah não estava com eles. "Ei, pessoal," eu disse, deslizando em um assento. "Tarefas difíceis?" "Você sabe o quão estranho é estar repetindo meu último ano", perguntou Eddie. "Eu não posso sequer pular também. Eu tenho que tirar notas decentes para ficar aqui." Eu sorri. "Ei, todo o conhecimento vale a pena ter." Ele bateu os papéis na frente dele. "Sim? Você tem algum conhecimento sobre a primeira mulher a ganhar o Prêmio Pulitzer na ficção?" "Edith Wharton," eu disse automaticamente. Ele rabiscou algo em seu papel, e eu virei para Jil. "Como estão as coisas com você? Onde está Micah?" Jil tinha o queixo apoiado na mão e estava olhando para mim com uma estranha aparência. Foi quase ... sonhadora. Levou alguns momentos para tirá-la de seu torpor e responder. O olhar sonhador transformou-se em constrangido e consternado. Ela olhou para o seu livro. "Desculpe. Eu estava pensando o quão bom a cor marrom fica em você. O que você perguntou?" "Micah?" Eu disse. "Ah. Certo.. Ele tem...coisas para fazer." Eu tinha certeza de que era a menor explicação que ela já tinha me dado. Eu tentei me lembrar o último que tinha ouvido de seu relacionamento. "Vocês resolveram as coisas, né?" "É. Eu acho. Ele entendeu sobre Ação de Graças. "Ela iluminou. "Ei, Eddie e eu estávamos conversando sobre isso. Você acha que poderiamos ter uma Ação de Graças como uma grande família no Clarence? Você acha que ele se importaria? Poderíamos todos ajudar, e seria muito divertido. Quer dizer, além das


aparências, nós realmente somos como uma família. Eddie disse que ele pode fazer o peru." "Eu acho que Clarence adoraria isso", eu disse, feliz por vê-la alegre novamente. Então, eu repassava suas palavras. Eu me virei para Eddie, incrédula. "Você sabe como fazer um peru? Como você aprendeu isso? "Pelo que eu sabia, a maioria dos dhampirs ficou quase o ano inteiro em suas escolas a partir de uma idade precoce. Não passam muito tempo com culinária. "Hey", disse ele, sério. "Todo conhecimento vale a pena ter." Jil riu. "Tão pouco disse para mim." "Você sabe, Angeline afirma que ela pode cozinhar", disse Eddie. "Nós estávamos falando sobre isso no café da manhã. Ela diz que sabe sobre o cozimento

do

peru

também,

então

se

seguirmos

seus

passos,

podemos ter êxito. Claro, provavelmente ela quer caçar e matar por conta própria." "Provavelmente", eu disse. Era incrível que ele estava falando sobre como trabalhar com ela em algo. Foi mesmo surpreendente que ele poderia falar sobre ela com carinho, sem uma careta. Eu estava começando a pensar mais e mais de que sua exposição na reunião tinha sido uma coisa boa. Nós não precisamos de animosidade neste grupo. "Bem, eu tenho o que eu vim buscar, então eu vou voltar. Vejo você de manhã." "Nos vemos," disse Eddie. Jil não disse nada, e quando eu olhei, eu vi que ela estava olhando para mim novamente com aquele olhar estranho, encantado. Ela suspirou feliz. "Adrian teve um ótimo momento com você em sua aula hoje à noite, você sabe." Eu quase revirei meus olhos. "O vínculo não deixa segredos. Ele não parece sempre ter um bom tempo.” "Não, ele realmente teve", ela me assegurou. Um sorriso bobo cruzou suas características. "Ele adora que você ama o carro mais do que ele faz e pensa que é incrível que você está indo tão bem nas aulas de defesa pessoal. Não que isso seja uma surpresa. Você é sempre tão boa em tudo, e você nem percebe. Você


não percebe metade das coisas que você fez, como você presta atenção aos demais e nunca sequer pensar em si mesma." Mesmo Eddie parecia um pouco surpreso com isso. Ele e eu trocamos olhares intrigados. "Bem", eu disse sem jeito, realmente não sabia como lidar com esse festival de amor por Sydney Decidi que escapar era minha melhor opção. "Obrigada. Te verei mais tarde. Onde você conseguiu isso?" "Hein?", Ela perguntou, piscando para fora de sua névoa extasiada. Jill usava um lenço de seda pintado em tons de jóias ricas, quase me lembrando da cauda de um pavão. Ele também me lembrou de outra coisa, mas eu não conseguia colocar o meu dedo sobre ele. "O lenço. Eu já vi isso antes". "Ah." Ela correu os dedos sobre o material liso. "Lia me deu." "O quê? Quando foi que você a viu?" "Ela parou no dormitório ontem para dar os vestidos de volta. Eu não disse a você, porque eu sabia que você gostaria de devolvê-los." "Exato", eu disse com firmeza. Jil suspirou. "Vamos, vamos mantê-los. Eles são tão bonitos. E você sabe que ela apenas vai trazê-los de volta de qualquer maneira." "Trataremos disso mais tarde. Diga-me sobre o lenço." "Não é grande coisa. Ela estava tentando fazer com que eu fosse nessa coleção de lenço." "Sim, sim, ela me disse também. Como ela poderia fazer isso para que ninguém reconhecesse você." Eu balancei a cabeça, sentindo uma quantidade surpreendente de raiva. Não havia mais nada sob o meu controle? "Eu não posso acreditar que ela passou por mim! Por favor, me diga que você não passou despercebido com ela para fazer uma sessão de fotos." "Não, não", disse Jill rapidamente. "Claro que não. Mas você não acha que ... Quer dizer, você não acha que há alguma maneira que eu poderia fazer? Esconde-me?" Eu tentei manter meu tom suave. Após tudo eu estava com raiva de Lia, não Jil.


"Talvez. Talvez não. Você sabe que não pode correr o risco. " Jill balançou a cabeça, o rosto triste. "Sim". Saí me sentindo aborrecida e estava tão distraída que quase tropecei em Trey. Quando ele não respondeu a minha saudação, eu percebi que ele estava ainda mais distraído do que eu. Havia um olhar assombrado em seus olhos, e ele parecia exausto. "Você está bem?" Eu perguntei. Ele conseguiu um sorriso fraco. "Sim, sim. Apenas sentindo a pressão de tudo. Nada que eu não possa lidar. E você? Será que não saem deste lugar? Ou você finalmente está cansada de estar aqui por oito horas?" "Eu só precisava de um livro", eu disse. "E eu estava aqui por apenas 10 minutos. Estive fora a maior parte da noite." O sorriso caiu, substituído por uma carranca. "Saiu com Brayden?" "Isso é amanhã. Eu tinha, um, coisas de família hoje à noite. " A carranca se aprofundou. "Você sai muito, Melbourne. Você tem um monte de amigos fora da escola. " "Não é para tanto", eu disse. "Eu não estou vivendo um estilo de vida festeiro, se é onde você quer chegar." "Sim, bem. Tenha cuidado. Ouvi falar de algumas coisas assustador acontecendo lá fora." Lembrei-me dele estar preocupado para Jil também. Eu normalmente estava a par de todas as notícias locais e não tinha ouvido nada alarmante recentemente. "O que, há uma rede de crime em Palm Springs que eu deveria saber?" "Basta ter cuidado", disse ele. Começamos a nos separar, e então eu disse para ele "Trey? Eu sei que é o seu próprio negócio, mas o que está acontecendo...se você quiser conversar, eu estou aqui." Foi uma enorme concessão para mim, já que eu não era sempre a pessoa mais socialmente adepta. Trey me deu um sorriso melancólico. "Notável". Eu estava meio cambaleando quando eu voltei para o meu dormitório. Adrian, Jil, Trey. Acho que se contasse que Eddie e Angeline estavam se dando


bem, todos em minha vida estavam se comportando estranhamente. Tudo parte do trabalho, eu pensei. Assim que eu estava de volta no meu quarto, eu ligeui para Donna Stanton e os Alquimistas. Eu nunca poderia ter certeza de qual fuso horário que ela estava, então eu não estava muito preocupada com a hora tardia. Ela respondeu de imediato e não soava cansada, que eu tomei como um bom sinal. Ela não havia respondido

ao

meu

e-mail

sobre

os

guerreiros,

e

eu

estava

ansiosa por notícias. Eles eram uma grande ameaça para nós para ser ignorado. "Srta. Sage," ela disse. "Eu estava pensando em te ligar em breve. Eu confio que tudo está bem com a garota Dragomir?" "Jil? Sim, ela está bem. Eu queria verificar algumas outras coisas. Você tem a informação que eu lhe enviei sobre os Guerreiros da Luz?" Stanton suspirou. "Isso é o que eu estava para falar com você. Você já teve mais algum problema?" "Não. E eles não parecem ter sido seguidos mais. Talvez eles desistiram." "Improvável". Suas próximas palavras levou muito tempo para sair. "Não é os que temos observado no passado." Eu congelei, momentaneamente sem fala. "No passado? Quer dizer ... que já se encontraram antes? Eu estava esperando que eles eram apenas alguns ... Eu não sei. Um grupo de loucos, localizado". "Infelizmente,

não.

Encontramos

antes.

Esporadicamente.

Mas

eles

aparecem em todos os lugares." Eu estava em descrença. "Mas sempre me ensinaram que todos os caçadores tinham desaparecido séculos atrás. Por que nunca falaram disto?" "Honestamente", perguntou Stanton. "A maioria dos Alquimistas não sabem. Queremos dirigir uma organização eficiente, que lida com o problema de vampiros de uma forma organizada e pacífica. Há algumas pessoas em nosso grupo que poderiam querer tomar medidas mais extremas. É melhor, então, se a existência do nosso ramo radical é mantida em segredo. Eu não teria sequer que lhe dizer, mas com todo o contato que você teve, você precisa estar preparada."


"Radicais...então eles estão relacionados com os Alquimistas!" Fiquei enojada. "Não por muito tempo." Ela parecia igualmente enojada. "Não há quase nenhuma semelhança mais. Eles são irresponsáveis e selvagens. A única razão para deixá-los é porque eles usualmente vão atrás

apenas de Strigoi. Esta

situação com Sonya Karp é mais difícil. Ela não teve mais ameaças?" "Não. Eu só a vi hoje ... que traz a outra razão que eu liguei..." Eu dei a Stanton um resumo das experiências de sangue diversos, incluindo a minha doação própria. Eu pintei-a em termos muito científicas, como ela parecia útil como dados extras. Eu, então, fiz questão de soar corretamente consternada pelo segundo pedido, que não foi tão difícil. "Absolutamente não", disse Stanton. Sem hesitação. Muitas vezes, as decisões Alquimistas passavam por cadeias de comando, mesmo com alguém tão alto quanto ela. Era um sinal de o quanto isso ia contra as crenças Alquimista que ela nem sequer tinha que consultar ninguém. "Controle de sangue humano é uma coisa. O resto que ela está sugerindo está fora de questão. Não permitiremos que os seres humanos sejam usados nestas experiências, especialmente quando a evidência mostra claramente quem um antigo Strigoi precisa ser o foco, não nós. Além disso, pelo que sabemos, esta é uma manobra por parte Moroi para obter mais do nosso sangue por motivos pessoais." Eu não acreditava nessa última parte e tentei encontrar uma maneira delicada de dizer isso. "Sonya parece acreditar sinceramente que isso ajudaria a proteger contra Strigoi. Ela só não parece entender como nos sentimos sobre isso." "É claro que ela não iria", disse Stanton com desdém. "Nenhum deles faz." Ela e eu voltamos nosso foco para os caçadores de vampiros. Os Alquimistas estavam fazendo alguma investigação sobre quaisquer avistamentos na área. Ela não quer que eu faça qualquer investigação por mim mesma, mas eu deveria informar imediatamente se tivesse qualquer outra informação em meu


caminho. Ela estava assumindo que os Guerreiros da Luz estavam operando nas proximidades, e uma vez que ela descobrisse onde, os Alquimistas iriam "Lidar com eles." Eu não estava inteiramente certa do que isso significava, mas seu tom de voz me fez estremecer. Como ela apontou anteriormente, não eramos um grupo particularmente agressivo...mas éramos excelentes em nos livrarmos de problemas. "Oh," eu disse, quando estávamos encerrando. "Alguma vez você descobriu qualquer coisa sobre Marcus Finch?" Eu tinha tentado localizar o humano misterioso de Clarence, que tinha ajudado contra os caçadores, mas não encontrei nada. Eu esperava que Stanton poderia ter mais conexões. "Não. Mas seguiremos procurando. "Uma pequena pausa. "Srta. Sage... Eu não posso enfatizar o suficiente o quão satisfeito estamos com o trabalho que você está fazendo. Você correu em algumas maiores complicações do que qualquer um de nós esperava, mas você lidou com eles de forma eficiente e adequada. Mesmo com a sua conduta Moroi, é excelente. Uma pessoa mais fraca poderia ter cedido ao pedido de Karp. Você se recusou e entrou em contato comigo. Estou tão orgulhosa que dei a chance a você." Eu senti um aperto no meu peito. Tão orgulhosa. Eu não conseguia me lembrar da última vez que alguém tinha dito que eles estavam orgulhosos de mim. Bem, minha mãe fez muito, mas ninguém ligado ao meu trabalho entre os Alquimistas fez. A maior parte da minha vida, eu esperava que meu pai diria que ele estava orgulhoso. Eu finalmente desisti de esperar isso. Stanton era dificilmente uma figura paterna, mas suas palavras desencadeava uma felicidade em meu interior que eu não tinha conhecido que estava esperando para sair. "Obrigada, senhora", eu disse, quando eu pude finalmente falar. "Continue assim", disse ela. "Quando eu puder, Ieu vou tirar você desse lugar e colocar em uma posição que não envolve muito contato com eles." E assim, o meu mundo desabou. De repente, senti culpa. Ela realmente tinha me dado uma chance, e agora eu estava enganando. Eu era quase como Liam,


pronta a dar minha alma para o Strigoi, mas eu tão pouco estava me mantendo objetiva anti minhas responsabilidades. Aulas de condução. Ação de Graças. O que Stanton diria se ela soubesse sobre isso? Eu era uma farsa, colhendo glória que eu não merecia. Se eu fosse realmente uma Alquimista dedicada, eu mudaria a minha vida aqui. Eu pararia com as atividades estranhas com Jil e os outros. Eu nem frequentaria Amberwood. Eu teria aceito a oferta da acomodação. Era só vir aqui e ver a turma quando fosse absolutamente obrigatório. Se eu pudesse fazer essas coisas, então eu realmente seria uma boa alquimista. E, eu percebi, que eu estava terrivelmente só. "Obrigada, senhora", eu disse. Foi a única resposta que eu poderia dar.


Capítulo 18 Jill não me deu nenhum olhar sonhador no café da manhã na manhã seguinte, o que era uma espécie de alívio. Micah tinha aparecido de novo, e enquanto eles não eram tão galantes como tinham sido no passado, os dois estavam conversando animadamente sobre um projeto de ciências que tinham. Igualmente Eddie e Angeline estavam absortos em uma conversa, fazendo planos para quando ela estivesse livre de sua suspensão. Seus olhos azuis se iluminaram com a felicidade quando falava, e eu percebi que ela tinha sentimentos legítimos por ele. Ela não estava se atirando pra ele apenas pela conquista. Eu me perguntei se ele sabia. Teria sido fácil sentir como uma quinta roda aqui, mas em vez disso, eu estava feliz e contente de ver meu grupo se dando tão bem assim. A conversa com Stanton me deixou em conflito, mas não havia nada de errado com apreciar a paz por aqui. Eu teria sido mais feliz se o comportamento de Trey também tivesse normalizado, mas quando cheguei na minha aula de história mais tarde, ele estava ausente mais uma vez. Eu não tinha dúvidas de que ele afirmaria que ele tinha coisas de família, mas as minhas suspeitas anteriores estavam retornando, sobre se sua família pode ser responsável por seus ferimentos. Devo relatar minhas preocupações com alguém? Quem? Eu não queria tirar conclusões precipitadas ou, o que me deixou em uma situação difícil. Eddie e eu sempre sentavamos perto um do outro na mesma classe, e eu me inclinei para ele antes do sinal tocar, lançando minha voz baixa para enfrentar outra preocupação. "Ei, vocêtem notado que Jil tem agido estranhamente em torno de mim?" "Ela tem muita coisa acontecendo", disse ele, sempre rápido para defendêla.


"Sim, eu sei, mas você tinha que ter notado sua última noite. Na biblioteca? Quero dizer mantendo em mente que eu sou terrível em descobrir essas coisas, era como se ela tivesse uma queda em mim ou algo assim." Ele riu. "Em parte estava exagerando, mas eu não acho que você tem que se preocupar com alguma complicação romântica. Ela só te admira muito, só isso. Uma parte dela ainda quer ser uma valente lutadora que sai correndo sem medo..." Ele fez uma pausa enquanto saboreava essa ideia, uma mistura de orgulho e êxtase em seu rosto antes que ele sintonizou de volta para mim. "Mas, ao mesmo tempo, você está começando a mostrar que há várias maneiras de ser poderoso." "Obrigada", eu disse. "Eu acho. Mas, falando de ser um lutador corajoso..." Eu estudei com curiosidade. "Por que você não a treinou mais? Você não quer que ela aprimore suas habilidades?" "Oh, sim. Isso. Bem ... há algumas razões para isso. Uma é preciso se concentrar em Angeline. Outra é que eu só não quero Jil preocupada com isso. Eu me encarrego da proteção. "Aqueles eram exatamente as razões que eu tinha adivinhado. O próximo não era. "E eu acho que ... a outra coisa é que eu não me sinto bem de estar em contato com ela assim. Quer dizer, eu sei que isso não significa nada para ela...mas isso significa algo para mim." Mais uma vez, minhas habilidades sociais levaram um momento para encaixar as peças "Você quer dizer, você não gosta que você tem que tocá-la?" Eddie corou. "Isso não me incomoda, o que é o problema. Melhor para nós passarmos o tempo juntos sem intervenção". Eu não esperava isso, mas eu conseguia entender. Deixando Eddie com seus próprios demônios internos, logo fui pega no dia e perguntando o que tinha acontecido com Trey. Eu esperava que ele tinha vindo para a aula final, mas ele não o fez. Na verdade, ele não veio o resto do dia, nem mesmo quando eu estava


terminando meu estudo independente. Eu tinha pensado que ele poderia vir para a tarefa. "Você está com problemas", disse Terwiliger, observando-me arrumar quando o sinal tocou. "Preocupada com a obtenção de seu projeto na hora?" "Não." Eu tinha acabado dois dos encantos, mas eu certamente não ia dizer a ela. "Estou preocupada com Trey. Ele tem faltando a escola. Você sabe por que ele está fora? Quer dizer, se você puder me dizer?" "O escritório informa-nos se um estudante vai faltar, mas eles não nos contam o motivo. Se isso faz você se sentir melhor, o Sr. Ausência Juarez foi chamado nesta manhã. Ele não desapareceu." Eu quase mencionei meus medos sobre a sua casa, mas fiquei quieta. Eu ainda precisava de mais provas. Entre me preocupar com Trey, o trabalho da Sra. Terwiliger, os Guerreiros, Brayden, e o resto de minhasx outras complicações, eu sabia que não podia perder o meu tempo livre. No entanto, eu fui para Adrian depois da escola em uma missão que eu não podia recusar. No caminho para a aula de Wolfe no início desta semana, Adrian tinha mencionado que ele não tinha levado o Mustang para um mecânico antes de comprá-lo. Embora a minha própria avaliação de novata não tinha encontrado nada de errado com o carro, eu pressionei Adrian para levar o carro para examinação, naturalmente, significava que eu tinha que procurar um especialista e fazer a nomeação. Foi pouco antes do meu encontro no museu têxtil, mas eu tinha certeza que eu tinha tempo para fazer o trabalho. "O cara que de quem eu comprei pareceu muito confiável", Adrian me disse, depois que tinha deixado o carro com o mecânico. Ele nos disse que iria olhar de imediato e que poderiamos ficar ao redor e esperar. Sua loja foi nos limites de uma área suburbana, então Adrian sugeriu irmos para uma caminhada pelos bairros. "E funcionou muito bem quando eu fiz o test drive, então eu percebi que estava tudo bem." "Isso não significa que não existam problemas que você não pode ver. É melhor estar seguro ", eu disse, sabendo que eu parecia enfadonha. "Já é mal o suficiente, você ter um carro que você não pode dirigir." Olhando por cima, vi um meio sorriso pequeno em seu rosto.


"Com a sua ajuda, vou ser um profissional a qualquer momento. Claro, se você não quer ajudar mais, eu apenas vou improvisar e descobrir isso por conta própria." Eu gemi. "Você já sabe o que eu diria sobre...uau." O bairro nós estávamos era muito exuberante. Na verdade, eu diria que as casas que nos rodeava eram mansões. Paramos em frente a uma que parecia um cruzamento entre uma fazenda e uma plantação do sul, grande e em expansão com uma varanda revestimento rosa. O jardim da frente era uma mistura de grama verde com palmeiras que revesteíam o caminho para a casa. As árvores eram como sentinelas tropicais. "Lindo", eu disse. "Eu amo arquitetura. Em outra vida, eu teria estudado isso... não produtos químicos e vampiros." Como nós continuamos, vimos mais do mesmo, cada casa tentando superar as outras.. todas tinham altas cercas e sebes bloqueando seus quintais. "Eu me pergunto o que está lá atrás. Piscinas, provavelmente." Adrian parou na frente de outra. Era amarela como seu carro e mostrou outra mistura de estilos, como uma versão ao sudoeste de um castelo medieval, completo com torres. "Legal justaposição", comentou. Virei-me, sabendo que meus olhos estavam arregalados enquanto eu olhava para ele. "Você acabou de usar justaposição em uma frase?" "Sim, Sage", disse ele pacientemente. "Utilizamos todo o tempo com a arte, quando estamos misturando diferentes componentes. Isso, e eu sei como usar um dicionário." Ele virou-se para longe de mim e observou a casa, com os olhos descansando em um jardineiro que estava aparando algumas coberturas. Um sorriso malicioso atravessou os lábios de Adrian. "Você quer ver a parte de trás? Vamos." "O que você está..." Antes que eu pudesse dizer outra palavra, Adrian caminhou até a via de granito e cortou através de todo o gramado para onde o


cara estava trabalhando. Eu não queria ter nada a ver com isso, mas a parte responsável de mim não poderia deixar Adrian entrar em apuros. Corri atrás dele. "São proprietários da casa?" Adrian perguntou. O jardineiro havia parado seu recorte e olhou para Adrian. "Não." "Quando eles vão estar de volta?" "Depois das seis." Fiquei surpresa que o cara estava respondendo a estas perguntas. Se fosse comigo, eu teria assumido que alguém estava organizando um assalto. Então, eu vi o olhar vidrado nos olhos do jardineiro e percebi o que estava acontecendo. "Adrian" Os olhos de Adrian nunca deixaram o rosto do outro homem. "Leve-nos para o quintal." "É claro." O jardineiro deixou os cortadores no chão e dirigiu-se para uma porta na lateral da casa. Tentei chamar a atenção de Adrian para acabar com isso, mas ele tinha me deixado para trás. Nosso guia parou no portão, digitou um código de segurança, e levou-nos para a parte de trás. Meus protestos morreram em meus lábios enquanto eu olhava ao redor. Este imóvel era quase três vezes o tamanho da frente. Havia mais palmeiras de toque do quintal, junto com um jardim com terraço de plantas, nativas e não-nativas. Uma piscina em forma oval enorme dominou o espaço, sua cor turquesa surpreendente contra o cinzento do granito que a cercava. De um lado da piscina, apeas alguns passos, levava para a piscina quadrada. Só cabia poucas pessoas e uma cascata vertia fora dela para a piscina grande. . Tochas e mesas ao redor das piscinas concluiam a configuração exuberante. "Obrigado", disse Adrian ao jardineiro. "Volte para o seu trabalho. Não importa se estamos aqui. Nos encarregaremos de tudo." "É claro", respondeu o homem. Ele caminhou de volta do jeito que tinha vindo.


Eu caí de volta à realidade. "Adrian! Você usou compulsão nesse cara. Que...eu quero dizer, é..." "Incrível?" Adrian caminhou até os degraus que levavam até a piscina superior. "Sim, eu sei." "É errado! Tudo isso. Invasão de domicílio, e compulsão..."Eu tremia, apesar do calor sufocante. "É imoral. Controlando a mente de outra pessoa. Você sabe! Seu povo e o meu, ambos concordam." "Eh, nenhum dano feito." Ele subiu para o topo da piscina e ficou em sua borda, examinando seu reino. O sol trouxe reflexos cobres em seu cabelo castanho. "Acredite em mim, esse cara era fácil de controlar. Pouca força de votade. Eu mal tive que usar compulsão." "Adrian" "Vamos lá, Sage. Não é como se estivessemos causando dano a algo. Venha ver esta vista." Eu estava quase com medo de ir até lá. Era tão raro para qualquer um dos Moroi aqui para usar sua magia que foi fácil para eu fingir que não existia. Vendo Adrian usá-lo - o tipo mais insidioso – fazia minha pele arrepiar. Como eu disse a Sra. Terwiliger em nossa discussão sobre feitiços, ninguém deve ser capaz de controlar o outro assim. "Vamos," Adrian repetiu. "Você não está preocupada que eu vou obrigar você até aqui, está?" "Claro que não", eu disse. E eu quis dizer isso. Eu não sei por que, mas uma parte de mim sabia que Adrian nunca, nunca iria me prejudicar. Relutantemente, eu fui para me juntar a ele, esperando que iria encorajá-lo a sair. Quando cheguei ao topo, meu queixo caiu. A piscina íntima não parecia tão alta, mas isso nos deu uma vista deslumbrante sobre as montanhas ao longe, robusta e majestosa contra o azul do céu. A maior piscina brilhava abaixo de nós, e a cascata fez parecer que tinha entrado algum oásis místico. "Legal, né?", Perguntou ele. Adrian sentou-se à beira da piscina pequena, enrolou seus jeans, e tirou os meias e sapatos. "Agora, o que você está fazendo?" Eu perguntei


"Aproveitando ao máximo isso." Ele colocou os pés na água. "Vamos lá. Faça algo mal para variar. Não que seja realmente tão ruim assim. Não estamos destruindo este lugar nemnada. " Eu hesitei, mas a água era inebriante, como se ela também pudesse exercer compulsão. Me sentando, copiei Adrian e mergulhei os pés descalços na água. Sua frieza foi surpreendente e maravilhoso, neste calor intenso. "Eu poderia me acostumar com isso", admiti. "Mas e se os proprietários voltarem para casa mais cedo?" Ele deu de ombros. "Posso fazer com que mudem de opinião, não se preocupe." Isso não foi exatamente animador. Eu me virei para a vista deslumbrante e propriedade exuberante. Eu não era sempre a pessoa mais imaginativa, mas eu pensei de volta para o que eu disse sobre viver uma outra vida. O que seria ter uma

casa

como

esta?

Para

ficar

em

um

lugar?

Para

gastar

dia à beira da piscina, imersão no sol, e não se preocupar com o destino da humanidade? Eu cai em devaneios e estava tão envolvida que eu perdi a noção do tempo. "Nós temos que voltar para a loja", exclamei. Olhando por cima, fiquei surpresa ao ver Adrian me olhando, um olhar de contentamento em seu rosto. Seus olhos pareciam estudar cada uma de minhas feições. Vendo-me observá-lo, ele imediatamente desviou o olhar. Sua expressão usual substituiu o sonhador. "O mecânico pode esperar", disse ele. "Sim, mas eu tenho que ver Brayden em breve. Eu vou..." Foi então que dei uma boa olhada em Adrian. "O que você fez? Olhe para você! Você não deveria estar aqui." "Não é tão ruim assim." Ele estava mentindo, e ambos sabiamos disso. Era fim de tarde, o sol estava impiedoso. Eu certamente senti que, embora o frescor da água ajudou a me distrair. Isso, e eu era humana. Claro a insolação e as queimaduras eram


alarmantes, mas eu adorava o sol e tinha uma alta tolerância para ele. Os vampiros não. O suor escorria de Adrian, empapando sua camisa e cabelo. Manchas rosas cobriam seu rosto. Isso me era familiar. Eu tinha visto em Jill de volta quando ela tinha sido forçada a fazer esportes ao ar livre em PE. Se nada for feito, eles se transformam em queimaduras. Eu pulei para os meus pés. "Vamos, temos que sair daqui antes de piorar. O que você estava pensando?" Sua expressão era surpreendentemente indiferente para alguém que parecia que ia desmaiar. "Valeu a pena. Você estava...feliz." "Isso é loucura", disse eu. "Não é a coisa mais louca que eu já fiz." Ele sorriu quandoele olhou para mim. Seus olhos ficaram um pouco fora de foco, como se estivessem vendo mais do que apenas eu. "O que há de mal em um pouco de loucura aqui e ali? Eu deveria estar fazendo experimentos...por que não ver o que é mais brilhante? Sua aura ou o sol." A maneira como ele olhou para mim e falou enervou-me, e me lembrei do que tinha dito Jil, como o espírito levava pouco a pouco seus usuários à loucura. Adrian

parecia

louco,

mas

não

era

certamente

algo

assombroso

sobre ele, uma mudança definitiva de sua sagacidade habitual afiada. Era como se algo mais tinha tomado conta dele. Lembrei-me da linha poema do poema, de sonhar e acordar. "Vamos," eu repeti. Eu estendi minha mão. "Você não deveria ter usado espírito. Precisamos tirá-lo daqui. "Ele pegou minha mão e cambaleou. Uma onda de calor e eletricidade passou por mim, assim como aconteceu a última vez que nos tocamos, e nossos olhos se encontraram. Por um momento, tudo que eu podia pensar eram em suas palavras anteriores: Você parecia feliz... Afastei tais sentimentos de lado e rapidamente tirei-o de lá, só para descobrir que o mecânico não tinha terminado. Pelo menos em sua loja, fomos capazes de obter para Adrian um pouco de água e ar condicionado. Enquanto esperávamos


eu mandei uma mensagem para Brayden. Uma hora atrasada, com coisas de família. Desculpe. Vou estar lá assim que eu puder. Meu telefone soou de volta cerca de trinta segundos depois: Isso só deixa uma hora para o museu têxtil. "Isso não é tempo suficiente", disse Adrian inexpressivo. Eu não tinha percebido que estava lendo por cima do meu ombro. Mudei o telefone longe e sugeri a Brayden que nos encontrássemos para um jantar. Ele concordou. "Eu sou um desastre", eu murmurei, verificando-me num espelho. O calor definitivamente tinha tomado a sua totalidade, e eu estava suada e cansada. "Não se preocupe com isso", me disse Adrian. "Se ele não percebeu o quão incrível você estava de vestido vermelho, ele provavelmente não vai notar nada agora." Ele hesitou. "Não que não há mesmo nada a reparar. Você está tão bonita como de costume." Eu estava prestes a lhe dar uma cotovelada por bricar comigo, mas quando eu olhei, seu rosto tinha uma seriedade mortal. O que quer que eu poderia retrucar morreu em meus lábios, e eu rapidamente me levantei para verificar o nosso estado, a fim de esconder o quão confusa eu me senti. O mecânico finalmente terminou, não foram encontrados problemas e Adrian e eu fomos no centro. Eu continuei olhando para ele ansiosamente, com medo que ele fosse desmaiar. "Pare de se preocupar, Sage. Eu estou bem ", disse ele. "Embora ... eu ficaria melhor com um sorvete ou gelato. Mesmo você tem que admitir que seria bom agora." Seria, mas eu não lhe daria a satisfação. "O que há com você e sobremesas congeladas? Por que você sempre os quer?" "Porque nós vivemos em um deserto." Eu não podia discutir com esse raciocínio. Chegamos a seu apartamento, e eu troquei de carro. Antes que ele entrasse, eu o inundei com conselhos sobre ele receber água e descansar. Então, eu disse as palavras que estavam queimando dentro de mim.


"Obrigada pelo passeio junto a piscina", disse eu. "Deixando de lado sua quase insolação, foi bastante impressionante." Ele me deu um arrogante sorriso. "Talvez você vá se acostumar a magia de vampiro depois de tudo." "Não", eu disse automaticamente. "Nunca vou me acostumar com isso." Seu sorriso imediatamente desapareceu. "Claro que não", ele murmurou. "Vejo você por aí." Eu finalmente cheguei ao jantar. Eu tinha escolhido um restaurante italiano, arquivado com os aromas de alho e queijo. Brayden se sentou em uma mesa de canto, bebendo

água

e ganhando olhares

da garçonete,

que

estava,

provavelmente, impaciente pela demora. Sentei-me em frente a ele, largando minha bolsa ao meu lado. "Eu sinto muito," eu disse a ele. "Eu tive que fazer isso com o meu irmão, uh..." Se Brayden estava bravo, ele não demonstrou. Essa era a sua maneira. Ele, no entanto, me examinava com o olhar. "Foi algo atlético? Parece que você fez uma maratona." Não era um insulto, de nenhuma maneira, mas me pegou de guarda baixa; sobretudo porque estava pensando no comentário de Adrian. Brayden não tinha quase nada a dizer sobre o meu traje de Haloween, mas ele percebeu isso? "Nós estávamos em Santa Sofia, coseguindo com que revisassem seu carro." "Bonita área. Continue indo para cima da estrada, e você pode chegar ao Parque Nacional Joshua Tree. Já esteve lá?" "Não, mas li sobre isso." "Um lugar icônico. A geologia é fascinante. "A garçonete veio, e eu pedi um café gelado. Brayden estava mais do que feliz em dizer-me sobre a geologia do parque, e logo cai em nosso ritmo confortável de discussão intelectual. Eu não sabia nada específico do parque, mas eu sabia mais do que o suficiente sobre geologia em geral, para manter-me. Na verdade, eu era capaz de falar em piloto automático


enquanto minha mente vagava de volta para Adrian. Eu recordei novamente o que ele disse sobre o vestido vermelho. Eu também não poderia abalar o comentário sobre eu estar feliz, e como que valeu a pena o sofrimento. "O que você acha?" "Hum?" Eu percebi que tinha perdido o fio da nossa conversa. "Eu perguntei que tipo de deserto você acha mais surpreendente", Brayden explicou. "A região de Mojave recebe toda a pompa, mas eu prefiro o Deserto do Colorado." "Ah." Eu escorreguei de volta para o fluxo. "Hum, Mojave. Eu gosto das formações rochosas." Isso provocou um debate das regiões, enquanto comíamos, e Brayden parecia mais feliz. Ele realmente gostava de ter alguém que pudesse manter o ritmo, eu me dei conta. Nenhum dos meus livros tinha dito nada sobre o caminho para o coração de um homem estar através de debates acadêmicos. Eu não me importava, no entanto. Eu gostei da conversa, mas não exatamente enviava emoções através de mim. Eu tinha que me lembrar que ainda era o início do nosso relacionamento, se eu pudesse até mesmo chamá-lo assim. Sem dúvida, a parte de estar profundamente apaixonados viria em breve. Conversamos por um longo tempo após a refeição. A garçonete trouxe-nos um cardápio de sobremesas não solicitado quando terminamos, e eu me surpreendi, dizendo: "Uau... Eu não posso acreditar o quanto eu quero sorvete agora. Isso nunca acontece." Talvez o suor e calor tinha abaixado meus nutrientes ... ou talvez eu ainda tinha Adrian na cabeça. "Eu nunca ouvi você pedir sobremesa", disse Brayden, deslizando seu menu a distância. "Não é muito açúcar?" Era outra dessas declarações estranhas dele que poderiam ser interpretadas de uma série de maneiras diferentes. Ele estava me julgando? Será que ele acha que eu não deveria ter qualquer açúcar? Eu não sei, mas foi o suficiente para eu fechar o menu e colocá-lo em cima do dele.


Sem outras formas de entretenimento programadas para a noite, decidimos ir apenas para uma caminhada depois do jantar. A temperatura caiu para níveis moderados, e tinha luz suficiente para que eu não ficasse tão preocupada com os Guerreiros da Luz saltar dos cantos. Isso não significa que eu ignorei os ensinamentos de Wolfe, no entanto. Eu mantive um olho ao meu redor, olhando para o nada, suspeita. Chegamos a um pequeno parque que só tomou um quarteirão da cidade e encontramos um banco no canto. Sentamo-nos sobre ele, observando as crianças brincarem no lado oposto do gramado enquanto continuamos a discussão sobre observação de aves no Mojave. Brayden colocou o braço em volta de mim enquanto conversávamos, e eventualmente, esgotamos o assunto e simplesmente sentamos em um silêncio confortável. "Sydney..." Virei o olhar das crianças, surpresa com o tom incerto de Brayden, o que era muito diferente da que ele tinha acabado de usar para defender a superioridade do pássaro azul da montanha sobre o pássaro azul ocidental. Não havia suavidade em seus olhos agora quando ele olhou para mim. A luz da noite fez seus olhos cor de avelã assumisse um tom dourado um pouco mais do que o habitual, mas completamente escondeu o verde. Muito ruim. Antes que eu pudesse dizer qualquer coisa, ele se inclinou e beijou-me. Ele foi mais intenso do que da última vez, embora tinha ainda um longo caminho desde os épicos beijos que eu tinha visto em filmes. Ele não descansou a mão no meu ombro desta vez, gentilmente me puxou um pouco mais. O beijo também durou mais do que os anteriores, e, tentei novamente deixar-me ir e me perder na sensação dos lábios de outro alguém. Ele foi quem terminou, um pouco mais abruptamente do que eu teria esperado. "Eu...eu sinto muito", disse ele, olhando para longe. "Eu não deveria ter feito isso."


"Por que não?" Eu perguntei. Não era tanto que eu tinha ansiado pelo beijo como era que isso parecia exatamente o tipo de lugar que você gostaria de beijar: um parque romântico ao pôr do sol. "Nós estamos em público. É uma espécie de... vulgar, eu suponho. " Vulgar? Eu não tinha certeza se estávamos realmente muito em público, já que não havia ninguém por perto de nós e nós estávamos à sombra de algumas árvores. Brayden suspirou com desânimo. "Eu acho que eu perdi o controle. Isso não vai acontecer de novo." "Está tudo bem", eu disse. Não tinha parecia muito uma perda de controle, mas o que eu sabia? E eu me perguntava se talvez a perda de um pequeno controle não era uma coisa tão ruim. Não era esse o tipo de base da paixão? Eu não sabia. A única coisa que eu sabia com certeza era que esse beijo tinha sido muito parecido com o último. Bom, mas nada que me impactou. Meu coração se afundou. Havia algo de errado comigo.

Todo

mundo

estava

sempre

falando

sobre

como

socialmente inapta eu era. Será que se estendia ao romance também? Eu era tão fria que eu passaria a minha vida sem sentir alguma coisa? Acho que Brayden descaracterizou a minha consternação e assumiu que eu estava chateada com ele. Ele se levantou e estendeu a mão. "Ei,

vamos

caminhar

para

uma

loja

de

chá

a

uma

quadra.

Eles têm a arte deste pintor local em exposição que eu acho que você gostará. Além disso, sem calorias no chá, certo? Melhor do que a sobremesa. " "Certo", eu disse. Pensando no gelato não me animaria. O lugar italiano tinha romã, que soou como a melhor coisa do mundo. Quando me levantei, meu telefone celular tocou e surpreendeu a nós dois. "Alô?" "Sage? Sou eu." Eu não tinha razão para estar com raiva de Adrian, não depois do que ele fez por mim, mas de alguma forma eu me sentia irritada com a interrupção. Eu estava tentando fazer o máximo desta noite com Brayden, e Adrian desestabilizava tudo. "O que está acontecendo?" Eu perguntei.


"Você ainda está no centro da cidade? Você precisa vir agora." "Você sabe que eu estou fora com Brayden", eu disse. Este foi insistente, até mesmo para Adrian. "Eu não posso simplesmente largar tudo e entretê-lo." "Não é sobre mim." Foi então que percebi o quão difícil e grave sua voz estava. Alguma coisa apertou no meu peito. "É sobre Sonya. Ela desapareceu.”


Capítulo 19 "Ela ia deixar a cidade" Eu lembrei a ele. "Não até amanhã." Ele estava certo, eu percebi. Quando nós tinhamos falado com Sonya a noite passada, ela tinha dito dois dias. "Tem certeza de que ela está realmente desaparecida?" Eu perguntei. "Talvez ela só está...fora." "Belikov está aqui, e ele está assustado. Ele diz que ela nunca voltou para casa a noite passada." Eu quase deixei cair o telefone. Ontem à noite? Sonya estava fora a tanto tempo? Isso foi quase vinte e quatro horas atrás. "Como ninguém se deu conta até agora?" Eu exigi. "Eu não sei,", disse Adrian. "Você pode vir? Por favor, Sydney?" Eu era impotente quando ele usou o meu primeiro nome. Ele sempre levou tudo para um nível extra de seriedade - não que nesta situação fosse necessário qualquer ajuda particular. Sonya. Desaparecida durante vinte e quatro horas. Por tudo que nós sabíamos, ela não estaria mais viva se aqueles fanáticos armados com espadas a tiverem levado. O rosto de Brayden era uma mistura de incredulidade e desapontamento quando eu disse a ele que eu teria que sair. "Mas você acabou de...eu quero dizer..." Foi um raro momento de mudez para ele. "Eu sei, desculpe," eu disse fervorosamente. "Especialmente depois de ter chegado tarde e arruinando o museu. Mas é uma emergência de família." "Sua família tem um lote terrível de emergências." Você não tem idéia, eu pensei. Em vez de dizer isso, eu simplesmente pedi desculpas novamente.


"Eu realmente sinto. Eu..."Eu quase disse que ia fazer as pazes com ele, mas era o que eu havia dito depois do baile de Halloween. Hoje à noite era suposto para ter sido o encontro da reconciliação. "Eu sinto muito, desculpe." O apartamento de Adrian estava perto o suficiente que eu poderia ter razoavelmente caminhado, mas Brayden insistiu em dirigir para mim, desde que o anoitecer foi caindo. Eu não tinha nenhum problema aceitando. "Whoa,", disse Brayden, quando nós paramos no edifício. "Mustang legal." "É. É um C-Code de 1967...", eu disse automaticamente. "Grande motor. É do mei irmão. Ele o moveu de ovo! Eu espero que ele não estava fora dirigindo em qualquer lugar ele não estava suposto para... whoa. O que é isso? " Brayden olhou para onde eu estava olhando fixamente. "Um Jaguar?" "Obviamente." O carro, preto lustroso estava estacionado apenas na frente do Mustang de Adrian. "De onde veio?" Brayden não tinha resposta, é claro. Depois de mais pedidos de desculpas e uma promessa de que telefonaria, eu o deixei. Não houve nenhuma pretensão de um beijo, não quando ele estava tão decepcionado com a noite e eu demasiado ansiosa sobre Sonya. De fato eu me esqueci de Brayden enquanto eu caminhava para o edifício. Eu tinha preocupações maiores. "É de Clarence,", disse Adrian, tão logo ele atendeu a porta. "Que?" Eu perguntei. "o Jaguar. Eu imaginei que você iria querer de saber. Ele deixou que Belikov dirigisse já que Sonya sumiu com o de aluguel." Ele deu um passo de lado quando entrou e sacudiu a cabeça em consternação. “Você pode acreditar que ele matinha o carro em sua garagem o tempo todo que eu vivi com ele? Ele disse que ele esqueceu que ele tinha! E lá estava eu, preso com o ônibus." Eu já teria rido sob quase quaisquer outras circunstâncias. Mas quando eu viu o rosto de Dimitri, todo o humor me deixou. Ele estava passeando pela sala de estar como um animal aprisionado, irradiando frustração e preocupação. "Eu sou um idiota,", ele murmurou. O que não estava claro era se ele estava falando para si mesmo ou para nós. "Eu não percebi que ela tinha saído a noite


passada, e então eu passei metade do dia pensando que ela estava do lado de fora, na jardinagem!" "Tentou ligar em seu celular?" Eu sabia que era uma pergunta tola, mas eu tinha que começar, logicamente. "Sim," Dimitri disse. "Não teve resposta. Em seguida, eu verifiquei duas vezes se o vôo não tinha mudado, e em seguida, eu conversei com Mikhail para ver se ele sabia de algo. Ele não sabia. Tudo em que eu tive êxito foi em deixá-lo preocupado." "Ele

deveria,"

Eu

murmurei,

sentada

na

beira

do

sofá.

Nada de bom poderia vir disso. Nós sabiamos que as guerreiros eram obcecados com Sonya, e agora ela tinha desaparecido depois de sair sozinha. "Eu só imaginei agora que ela poderia ter vindo ver vocês dois", acrescentou Dimitri. Ele parou de andar e olhou de relance entre nós. "Será que ela disse qualquer coisa sobre onde ela estava indo?" "Não", eu disse. "As coisas não foram exatamente...bem entre nós." Dimitri acenou com a cabeça. "Adrian insinuou a mesma coisa." Eu olhei para Adrian e poderia dizer que ele não queria chegar aquele assunto mais do que eu. "Nós tivemos uma discussão," ele admitiu. "Ela estava tentando empurrar Sydney em alguns experimentos, e Sydney se recusou. Eu respondi quando ela continuou pressionando Sydney e ela se foi. Nunca disse nada sobre onde ela estava indo." O rosto de Dimitri cresceu mais escuro. "Então, qualquer coisa poderia ter acontecido. Ela poderia ter sido pega do lado de fora, na rua. Ou ela poderia ter ido em algum lugar e sido levada de lá." Ou ela poderia estar morta. Dimitri estava falando em termos de que ela ainda estivesse viva, mas eu não tinha tanta certeza. Os caçadores que haviam atacado no beco tinham bastante intenção de matar Sonya. Se ela não havia ido para casa a noite passada, as probabilidades pareciam, bem, que eles a tivessem encontrado. Vinte e quatro horas era um tempo particularmente longo para manter uma "criatura das trevas" viva.


Estudando o rosto de Dimitri de novo, eu sabia que ele estava ciente de tudo isto. Ele estava simplesmente operando na esperança de que nós tinhámos uma chance para fazer algo, que nós não éramos impotentes. Resolvido, Dimitri andou a passos largos para a porta. "Eu tenho que ir falar com a polícia." "Um reletório de pessoas desaparecidas?” Perguntou Adrian. "Isso, e mais importante, para conseguir uma pesquisa sobre o carro.Se ela foi levada ..." Ele hesitou, dirigindo para casa o medo que se escondia em todos nós. "Bem. Se ela está escondida, afastada em algum lugar, será muito difícil de localizar. Mas é muito mais difícil ocultar um carro do que uma mulher. Se a polícia pode obter a sua descrição por aí, nós podemos conseguir uma dica se ela aparecer." Ele começou a abrir a porta e em seguida, olhou de volta para nós. "Você tem certeza que você não se lembra de qualquer outra coisa que ela disse e que poderia ajudar?" Adrian e eu reiteramos que nós não sabíamos. Dimitri se foi, dando-nos instruções desnecessárias para alerta-lo imediatamente se nós lembrassemos de qualquer coisa ou se - por um milagre –Sonya aparecesse. Eu gemi uma vez que ele tinha ido embora. "Isso é minha culpa," eu disse. Adrian olhou para mim em surpresa. "Por que na terra você diria isso?" "Sonya veio aqui, e ela se foi quando viu que eu não ajudaria, por causa de mim. Por causa do meu sangue. Quem sabe o que teria acontecido se eu não tivesse recusado? Talvez uma diferença de minutos e os caçadores não estariam ao redor. Ou talvez se ela não tivesse saído tão chateada, ela teria sido capaz de se defender mais." Um monte de memórias despencaram através da minha cabeça. Sonya fazendo crescer um lírio pra mim. Sonya falando com a rainha em nome de Adrian. Sonya mostrando-me fotos de vestidos de dama de honra. Sonya trabalhando diligentemente para parar a ameaça Strigoi e redimir a si mesma. Tudo o que poderia ser perdido agora.


"Talvez, talvez, talvez." Adrian sentou-se perto de mim no sofá. "Você não pode pensar dessa forma, e é certo como o inferno que você não pode culpar a si mesma, pelas ações de um grupo louco de marginais e paranóicos." Eu sabia que ele estava certo, mas não fez com que eu me sentisse melhor. "Eu deveria ligar para os Alquimistas. Nós temos vínculos para a aplicação da lei também. " "Provavelmente uma boa idéia,", ele disse, apesar de suas palavras soarem um pouco com indiferença. "Eu tenho apenas um mau pressentimento sobre esses caras. Mesmo se ... bem, até mesmo se ela está viva, I realmente não sei como nós estamos indo encontrá-la. Há falta de uma solução milagrosa e mágica." Eu congelei. "Oh, meu Deus". "O que é?" Ele perguntou, olhando para mim com preocupação. "Será que você lembrou de algo?" "Sim ... não mas o que você está pensando." Eu fechei meus olhos e tomei uma respiração profunda. Não, não, não. O pensamento na minha cabeça era louco. Eu não tinha nada que fazer, muito menos considerar. Dimitri teve a idéia certa. Nós precisávamos nos concentrar em métodos normais, concretos para a localização de Sonya. "Sage?" Adrian tocou ligeiramente meu braço, e eu pulei ante a sensação de seus dedos contra a minha pele. "Você está bem?" "Eu não sei," Eu disse suavemente. "Eu apenas pensei em algo louco." "Bem-vindo ao meu mundo." Eu olhei para longe, em conflito sobre a decisão em mim. O que eu estava contemplando ... bem, alguns podem argumentar que não

era

tão

diferente

do

que

o

que

eu

tinha

feito

antes.

E

ainda, tudo se reduzia à delgada linha entre fazer algo por vontade própria e fazer algo por que tinha que fazê-lo, Não havia nenhuma questão aqui. Esta seria uma opção. Um exercício de livre arbítrio. "Adrian...e se eu tivesse uma forma de encontrar Sonya, mas fosse contra tudo o que eu acredito?" Ele tomou vários momentos para responder.


"Você acredita que conseguirá com que Sonya volte? Se assim for, você não estaria indo contra tudo que você acredita." Era uma estranha lógica, mas ele me deu o empurrão que eu precisava. Eu peguei

meu

celular

e

disquei

um

número

que

eu

raramente

ligava,

embora eu certamente recebia mensagens de texto e ligações o tempo todo. A resposta veio depois de dois toques "Ms. Terwiliger? Este é Sydney. " "Miss Melbourne. O que eu posso fazer por você?" "Eu preciso ver você. É uma espécie de urg...não, não 'espécie de'. É urgente. Você está na escola?" "Não. Tão chocante como isso é, eu vou para casa de vez em quando." Ela fez uma pausa por um momento. "No entanto ... certamente você é bem-vinda para vir a minha casa." Eu não sei por que isso me deixou inquieta. Depois de tudo, eu passei um monte de tempo no Clarence. Certamente a propriedade de um vampiro era muito pior do que a casa de um professor. É claro, essa professora era também uma bruxa, assim eu não estava certa se eu poderia esperar uma casa suburbana chata ou uma casa feita de doces. Eu engoli em seco. "Você guarda em sua casa uma grande qualtidade de livros de feitiço como você guarda na escola?" Adrian arqueou uma sobrancelha quando eu disse feitiço. Ms. Terwiliger hesitou por muito mais tempo desta vez. "Sim", ela disse. "E mais." Ela me deu seu endereço e antes que eu pudesse até mesmo pendurar, Adrian disse, "Eu estou indo com você." "Você nem sabe onde eu estou indo." "Verdade", disse ele. "Mas a falta de informação nunca me deteu. Além disso, eu sei que tem algo a ver com Sonya, o que é bom suficiente para mim. Isso, e você parecia assustada como a morte. Não há nenhuma maneira que eu posso deixar você ir sozinha." Eu cruzei meus braços.


"Eu já enfrentei coisas mais assustadoras, e na última vez que eu chequei, não estava na posição de me deixar fazer nada. "Havia preocupação em seu rosto, no entanto, que eu sabia que não seria capaz de recusar... especialmente porque eu estava um pouco assustada. "Você tem que prometer não dizer a ninguém o que nós estamos indo fazer. Ou falar sobre o que você ver." "Droga. O que estpa acontecendo, Sage? ", Ele perguntou. "Será que estamos falando sobre sacrifício animal ou algo assim?" "Adrian," Eu disse calmamente. Ele se colocou sério de novo. "Eu prometo. Nem uma palavra, a menos que você disser o contrário." Eu não tinha que estuda-lo para saber que eu poderia confiar nele. "Ok, então. Mas antes de nós irmos, eu preciso de sua escova de cabelo... " Ms. Terwiliger vivia em Vista Azul, o mesmo subúrbio onde ficava Amberwood. Para minha surpresa, a casa realmente parecia bastante ordinária. Era pequena, mas por outro lado bem misturados num bairro mais antigo. O sol havia se posto a um tempo quando chegamos e eu estava consciente do toque de recolher se aproximando da escola. Quando ela nos deixou entrar em sua casa, eu encontrei o interior um pouco mais em linha do que eu estava esperando. Claro, tinha uma TV e méveis modernos, mas a uma decoração também contou com um monte de velas e estátuas de vários deuses e deusas. O aroma de Nag Champa pairava no ar. Eu contei pelo menos três gatos nos primeiros cinco minutos e não duvidava que houvessem mais. "Miss Melbourne, bem-vinda." Ms. Terwiliger olhou para Adrian com interesse. "E bem-vindo para o seu amigo." "Meu irmão", eu disse intencionalmente. "Adrian." Ms. Terwiliger – consciente dos Moroi no mundo - sorriu. "Sim. Claro. Você vai a Carlton, correto?" "Yeah,", disse Adrian. "Você é a que me ajudou, certo? Obrigado por isso." "Bem,", disse a Sra. Terwiliger, com um encolher de ombros, "Eu estou sempre feliz para ajudar os alunos estrela - especialmente aqueles que são tão


diligente sobre me manter com café. Agora, então, o que é este assunto urgente que traz você para fora a noite?" Meus olhos já estavam em uma estante de livros grande em sua sala de estar. As prateleiras estavam cheias de livros antigos, encadernados em couro, exatamente os mesmos tipos de livros que ela sempre me fez trabalhar. "Você

tem...você

tem

um

feitiço

que

iria

ajudar

a

localizar

alguém?" Eu perguntei. Cada palavra causou-me dor. "Quero dizer, eu sei que eles estão por aí. Me encontrei com eles em meu trabalho um par de vezes. Mas eu estava me perguntando se não havia talvez um que gostaria de recomendar." Ms. Terwiliger riu suavemente, e eu olhei para longe. "Bem, bem. Esta é, sem dúvida, uma valiosa visita noturna." Nós estávamos em sua sala de jantar, e ela puxou para fora uma cadeira ornamentada de madeira para sentar-se para baixo. Um dos gatos enroscou-se em sua perna. "Há uma série de feitiços de localização, embora nenhum seja do seu nível. E por seu nível eu quero dizer a seu constante recusa de praticar ou de melhorar a si mesma." Eu fiz uma carranca. "Existe um que você poderia fazer?" Ela balançou a cabeça. "Não. Este é o seu problema. Você vai fazê-lo. É você que precisa." "Bem, não se é além de mim!" Eu protestei. "Por favor. Esta é uma questão de vida e morte." Isso, e eu não queria manchar a mim mesma com a sua magia. Já era mal o suficiente que eu a estava incentivando. "Fique tranquila. Eu não iria fazer você fazê-lo se você não pudesse lidar.” ela disse. "Para fazê-lo funcionar, no entanto, é imperativo que nós tenhamos algo que possa nos conectar com a pessoa que estamos procurando. Existem feitiços que isso não é necessário, mas aqueles são, definitivamente, fora de sua liga." Eu peguei a escova de Adrian de dentro de minha bolsa. "Algo como um fio de cabelo?" "Algo exatamente igual a isso” ela disse, claramente impressionada. Eu me lembrava da queixa de Adrian sobre Sonya estar usando alguns de seus itens pessoais. Embora ele, aparentemente, limpava a escova regularmente


– e, de verdade, eu não esperaria nada menos vindo de alguém que passa tanto tempo com seu cabelo - e ainda haviam algumas mechas vermelhas persistentes. Cuidadosamente eu arranquei o mais longo das e o levantei. "O que eu preciso fazer?" Eu perguntei. Eu estava tentando ser forte, mas minhas mãos tremiam. "Vamos encontrar." Ela se levantou e caminhou pela sala de estar, estudando as prateleiras. Adrian virou-se para mim. "Ela é de verdade?" Ele fez uma pausa e reconsiderou. "É você de verdade? Feitiços? Mágica? Eu quero dizer, não entenda errado. Eu bebo sangue e controlo a mente das pessoas. Mas eu nunca ouvi falar de qualquer coisa como isso." "Nem eu sabia até um mês atrás.” Eu suspirei. "E, infelizmente, é real. Pior, ela pensa que eu tenho um dom para isso. Você se lembra quando um dos Strigoi no seu apartamento pegou fogo?" "Vagamente, mas sim. É o tipo de coisa que eu deixei de lado e eu nunca pensei muito sobre isso." Ele franziu a testa, incomodado com a memória. "E estava fora de mim por causa da mordida.” "Bem, não era um estranho acidente. Era...magia." Eu gesticulei em direção a Ms. Terwiliger. "E eu fiz isso acontecer." Seus olhos se arregalaram. "Você é alguma espécie de humano mutante? Como um usuário de fogo? E eu uso mutante como um elogio, você sabe. Eu não iria pensar menos de você." "Não é como magia de vampiro," eu disse. Alguma parte de mim supunha estar satisfeito que Adrian ainda seria ‘amigável’ com um ‘mutante.’ "Não se trata de algum tipo de conexão interna dos elementos. De acordo com ela, alguns seres humanos podem trabalhar a magia tirando-a do mundo. Que parece loucura, mas...bem. Incendiei um Strigoi." Eu podia ver Adrian percebendo tudo isso quando a Ms. Terwiliger voltou para nós.. Ela trouxe um livro com uma capa de couro vermelho e capotou através das páginas antes de encontrar o que ela queria. Olhamos para ela.


"Isso não é Inglês,", disse Adrian amavelmente. "É apenas grego," eu disse, olhando a lista de ingredientes. "E não parece exigir muito." "Isso é porque uma parte enorme é o foco mental," explicou explicou Ms. Terwiliger. "É mais complicado do que parece. Isto tomará um par de horas, pelo menos..." Olhei a hora num ornamentado relógio na parede. "Eu não tenho algumas horas. Muito perto do toque de recolher." "Facilmente remediado,", disse a Sra. Terwiliger. Ela pegou o telefone dela e discou um número de memória. "Olá, Desiree? É Jaclyn. Sim, bem. Obrigada. Eu tenho Sydney Melrose aqui agora, ajudando-me em um projeto muito crucial." Eu quase revirei meus olhos. Ela estava perfeitamente ciente do meu último nome quando ela precisava, aparentemente. "Eu temo que ela poderia estar fora depois do toque de recolher do dormitório, e eu estava me perguntando se você podia ser gentil o suficiente para fazer uma extensão. Sim...sim, eu sei. Mas é muito importante para o meu trabalho, e eu penso que nós podemos concordar que com sua trajetória exemplar, ela é dificilmente o tipo que precisamos nos preocupar com ela abusar de tais privilégios. Ela é certamente um dos alunos mais dignos de confiança que eu conheço." Isso conseguiu um pequeno sorriso de Adrian. Trinta segundos mais, e eu estava livre do toque de recolher. "Quem é Desiree?" Eu perguntei a Ms. Terwiliger quando ela desligou. "A do seu dormitório. Sra. Weathers." "Verdade?" Eu pensei na maternal Sra. Weathers. Eu nunca teria adivinhado que o primeiro nome dela é Desiree. É o tipo de nome que eu associaria a alguém sensual e sedutora. Talvez ela tinha alguma vida escandalosa fora da escola e nós não sabíamos sobre. "Então, eu tenho um passe para toda a noite?” "Não tenho certeza se gostaria de empurrar muito isso” disse a Sra. Terwiliger. "Mas nós certamente temos tempo o suficiente para este feitiço. Eu não posso


fazer para você, mas eu posso ajudar você

com os ingredientes e

suprimentos." Toquei o livro, esquecendo sobre o meu medo enquanto fazia uma varredura da lista. Detalhes como estes me colocaram de volta em minha zona de conforto. "Você tem tudo isso?" "É claro. "Ms. Terwiliger levou-nos para baixo em um hall que se rseparava da cozinha, onde eu esperava encontrar quartos. Um quarto, de fato, nos deu um vislumbre de uma cama, mas nosso destino final era completamente distinto: uma oficina. Era uma espécie de lugar que você encontraria se misturasse a casa de um mago com um laboratório de um cientista louco. O quarto tinha equipamento muito moderno: béqueres, uma pia, queimadores, etc. O resto era de outra época, os frascos de óleos e ervas secas, junto com os pergaminhos e caldeirões de – honestamente – boa qualidade. Plantas e ervas se alinhavam em uma saliência de uma janela escura. Haviam mais dois gatos aqui, e eu tinha certeza de que não eram os mesmos que eu havia visto na sala de estar. "Parece caótico,", disse a Sra. Terwiliger. "Mas eu ouso dizer que ele está organizado o suficiente, até mesmo para você." Em uma inspeção mais perto, eu vi que ela estava certa. Todas as plantas e os frascos estavam organizados em ordem alfabética. Todas as ferramentas estavam etiquetas, enumeradas por tamanho e material. No centro da sala tinha uma grande mesa de pedra lisa, e eu coloquei o livro para baixo sobre ele, cuidando em deixar aberto na página necessária. "Agora o que?" Eu perguntei. "Agora, você construa", disse ela. "Quanto mais você fazer por si própria, mais conexão com o feitiço você terá. Certamente você deve começar vendo se tem problemas com os ingredientes ou conexões. Por isso, o mais concentrada que você estiver em fazer certo, melhor será o resultado." "Onde você vai?" perguntei, surpreendida. Apesar de eu não gostar do pensamento de trabalhar com ela em um laboratório misterioso, eu não gostava do pensamento de estar sozinha aqui.


Ela apontou para o lugar por onde havíamos vindo. "Oh, apenas lá fora...Eu vou entreter o seu 'irmão' já que você tem que fazer isso sozinha." A minha ansiedade aumentou. Eu tinha protestado do pedido original de Adrian para vir aqui, mas agora eu queria ele ao redor. "Posso pelo menos obter um pouco de café?" Ela riu. "Normalmente, eu diria que sim - especialmente se você está trabalhando para fazer um amuleto ou uma poção. Já que estará usando a sua mente a magia funcionará muito melhor se seus pensamentos estiver livre de qualquer substância que afete seu estado mental.” "Cara, isso soa familiar," murmurou Adrian. "Ok, então...” eu disse, resolvendo ser forte. "Eu preciso começar. Sonya está esperando." Supondo que ela ainda está viva. A Sra. Terwilliger se foi, dizendo-me para chamá-la quando estivesse na etapa final do feitiço. Adrian se atrasou um momento para falar comigo. “ Está segura de que está bem com tudo isso? Quero dizer, pelo que sei de você e dos Alquimistas...bem, parece que, na realidade, não estaria muito de acordo com isso. “Eu não estou” concordei “Como disse isso vai contra tudo em que eu acredito, contra tudo o que me foi ensinado. Esta é a razão porque você não pode dizer nada. Você ouviu o comentário passivo-agressivo sobre eu não estar praticando? Ela tem insistido por um tempo para que eu desabroche minhas ‘habilidades mágicas’ e eu sigo negando, porque isso é errado. Assim, tem me feito buscar livros de feitiços para meu estudo independente, esperando que eu aprenda por osmose.” "Isso está mal" ele disse, sacudindo a cabeça. "Você não tem que fazer isso. Você não tem que fazer algo que você não queira." Eu dei a ele um sorriso pequeno. "Bem, eu quero encontrar a Sonya. Então tenho que fazer isso.”


Ele não me deu nenhum sorriso em retorno. "Tudo bem. Simplesmente vou estar aqui fora, tendo uma festa de chá com seus gatos ou o que seja que ela tenha em mente. Você precisa de mim? Você grita. Você quer ir embora? Nós vamos. Tirarei você daqui, não importa o que.” Algo se apertou em meu peito e, por um momento, todo o mundo se reduziu ao verde de seus olhos. “Obrigada.” Adrian se foi e eu estava sozinha. Bem, quase. Um dos gatos tinha ficado, um de pelo preto brilhante com olhos amarelos. Estava encostado em uma estante alta, me olhando, curioso, como se perguntasse se eu podia levar isso adiante. Éramos dois. Por um momento, não pude me mover. Estava a ponto de trabalhar com magia voluntariamente. Todos os protestos e razões qe havia dado a Sra. Terwilliger eram como cinzas ao vento agora. Comecei a tremer e me senti sem fôlego. Então, pensei em Sonya. A amável e valente Sonya. Ela havia dedicado tanto tempo e energia para fazer o correto. Como eu poderia fazer menos do que isso? Como me disse a Sra. Terwillinger, o feitiço era aparentemente simples. Não requeria nem a metade dos passos que requeria o amuleto do fogo. Tive que manter água a fogo baixo em um caldeirão de cobre e adicionar diferentes ingredientes, a maioria eram óleos transparentes que deviam ser medidos com exatidão. O ar logo cresceu pesado com o cheiro da bergamota, a vanila, e o heliotrópio. Alguns dos passos tinha o mesmo ritual redundante que eu tinha feito antes. Por exemplo, eu tinha que arrancar treze folhas frescas de hortelã de suas plantas, deixando-as cair uma por uma enquanto contava em grego. Logo, quando haviam cozinhado por treze minutos, teria que removê-las com uma colher de pau rosa. Antes de sair, a Sra. Terwilliger tinha dito que me mantivesse concentrada e pensasse em ambos os passos do feitiço e no que queria encontrar no final. Portanto, dirigi meus pensamentos para Sonya e em encontrá-la, rezando para


que estivesse bem. Quando finalmente terminei esses passos iniciais, vi que havia se passado quase uma hora. Eu mal tinha notado que a hora passou. Passei uma mão por minha testa, surpresa em como os vapores haviam me deito suar. Saí para encontrar a Sra. Terwilliger e Adrian, sem estar segura em que atividade estranha os encontraria. Na verdade, a situação era bastante normal: estavam vendo televisão. Ambos me olharam quando cheguei. “Pronto?” perguntou ela. Assenti com a cabeça. “Cheira como chá aqui.” Disse Adrian enquanto me seguiam para a sala de trabalho. A Sra. Terwilliger examinou o pequeno caldeirão e assentiu com a cabeça em aprovação. “Está excelente.” Não sabia como ela podia dizer isso em apenas uma olhada, mas pensei em acreditar em sua palavra. “Agora. A adivinhação efetiva implica uma bandeja de prata, certo?” Observou suas estantes e separou algo. “Aqui. Usa isso.” Peguei uma bandeja perfeitamente redonda de uns trinta centímetros de diâmetro. Era suave, sem adornos, havia sido polida e estava tão brilhante, que refletia quase tão bem quanto um espelho. Eu provavelmente poderia ter ficado sem essa parte, vendo como meu cabelo e maquiagem estavam mostrando o desgaste do dia. Se nada estivesse ao redor, não teria me importado. Coloquei o prato na mesa de trabalho e derramei uma xícara da água do caldeirão na superfícies de prata. Todos os ingredientes que não eram líquidos haviam sido removidos e a água era perfeitamente clara. Uma vez que deixou de emitir ondas, o efeito do espelho regressou. A Sra. Terwilliger me entregou uma pequena tijela de incenso de gálbano, que, segundo o livro, deveria ser queimado nesta etapa. Eu acendi a resina com uma vela e um odor amargo levantou, constratando com a doçura do líquido. “Você tem o cabelo?” perguntou a Sra. Terwilliger.


“Claro” coloquei sobre a superfície da água. Parte de mim queria que algo acontecesse, faíscas ou fumaça, mas havia lido as instruções e sabia o que aconteceria. Peguei um banquinho debaixo da mesa e sentei nele, permitindo-me olhar para baixo na bacia de água. “Agora olho?” “Agora olha” confirmou ela “Sua mente precisa estar concentrada e aberta. Precisa pensar nos componetes do feitiço e na magia que contém, assim como também eu seu desejo de encontrar a pessoa do feitiço. Ao mesmo tempo, precisa manter claridade mental e manter um enfoque fixo e claro na sua tarefa. Olhei para o meu reflexo na bacia e tentei fazer todas as coisas que ela acabara de descrever. Nada aconteceu. “Não vejo nada.” “É claro que não” disse ela “só se passou um minuto. Te disse que esse era um feitiço avançado. Pode levar um tempo para que reúna toda a força e poder que precisa. Continue tentando. Nós esperaremos. Ambos se foram. Olhei fixamente para a bacia de água, perguntando-me quanto tempo significava “um tempo”. Habia ficado emocionada quando o feitiço, no começo, parecia tão simples. Agora, desejava que houvesse mais ingredientes para misturar, mais encantamentos para recitar. Essa magia de alto nível, que dependia da vontade e da força mental, era muito mais difícil, em sua maioria porque era intangível. Eu gostava do concreto. Eu gostava de saber exatamente o que necessitava fazer para que algo acontecesse. Causa e efeito. Mas, isto? Isto era sobre olhar e olhar, desejando permanecer focada e com um enfoque fixo e claro. Como ia saber se estava fazendo? Mesmo se eu conseguisse, poderia demorar um pouco para manifestar o que eu precisava. Eu tentei não pensar nisso. Sonya. Sonya era tudo o que importava agora. Toda a minha vontade e energia deveriam estar em salvá-la. Segui peretindo isso enquanto os minutos se passavam. Cada vez que estava segura de que deveria parar e perguntar a Sra. Terwilliger o que fazer, forçava a mim mesma a seguir olhando para a água. Sonya. Sonya. Pensa em


Sonya. E ainda assim, nada acontecia. Finalmente, quando uma dor fez com que continuar sentada fosse insuportável, levantei para me endireitar. O resto dos meus músculos estavam começando a dar cãimbras. Caminhei para a sala de estar, quase havia se passado uma hora e meia desde a última vez que havia estado aqui. “Nada?” perguntou a Sra. Terwilliger. “Não” disse “ Devo estar fazendo algo errado.” “Está se esforçando?” Pensando nela? Em encontrá-la? Estava realmente cansada de escutar a palvara “esforçar”. Frustração estava substituindo minha ansiedade anterior com a magia. “Sim, sim e sim” disse “Mas mesmo assim não funciona. “É por isso que temos uma extensão do toque de recolher. Tente de novo.” Adrian me deu um olhar de simpatia e começou a dizer algo, mas logo ele pensou melhor. Estava a ponto de ir, mas um pensamento que me incomodava me deteve. “O que acontece se ela não está viva?” perguntei “Poderia ser essa a razão do porque não está funcionando? A Sra. Terwilliger negou com a cabeça. “Não. Ainda assim veria algo se não estivesse. E, bem...você saberia. Regressei para a sala de trablaho e tentei de novo, com resultados parecidos. Na vez seguinte que fui falar com a Sra. Terwilliger, vi que nem sequer havia se passado uma hora. “Estou fazendo algo errado” insisti “É isso ou eu arruinei o feitiço desde o começo. Ou isto realmente está além da minha capacidade. “Esse feitiço está impecável.” Disse ela “E não, não está além de suas capacidades, mas só você tem o poder para fazer com que aconteça. Estava cansada demais para analisar sua filosofia esotérica. Dei a volta sem dizer uma palavra e caminhei para a sala de trabalho. Quando a alcancei, descobri que haviam me seguido. Olhei para Adrian e suspirei.


“Sem distrações, lembra? Disse. “Não vou ficar” disse ele “só queria me assegurar de que você está bem.” “Sim...quero dizer, eu não sei. Estou tão bem como pode estar alguém com tudo isso.” Indiquei com a cabeça a bandeja de prata. “Talvez eu preciso que me tire daqui. Ele considerou por um momento e negou com a cabeça. “Não acredito que seja uma boa ideia.” O olhei, desconcertada. “O que aconteceu com o você não tem que fazer nada que não queira? E que me defenderia nobremente? Um de seus pequenos sorrisos conhecedores apareceu em seus lábios. “Bom. Isso era quando não queria fazer isso porque desafiava todas as suas crenças. Agora que já cruzou essa linha, o seu problema parece ser que você é pessimista e que não acredita que pode fazer. E, honestamente, isso é uma merda.” “Pessimista?” exclamei. “Adrian, eu estou olhando para uma bandeja com água por quase duas horas. É quase uma e meia. Estou esgotada, quero beber café e cada músculo do meu corpo dói. Oh, e eu estou a ponto de vomitar graças a esse incenso. “Essas coisas sugam” ele concordou “ mas me lembro de você dando sermões sobre suportar penúrias para fazer algo certo. E está dizendo que não pode fazer isso para ajudar Sonya? “Faria qualquer coisa para ajudá-la! Qualquer coisa que está em meu poder, isso é tudo. E não creio que isso seja. “Eu não sei” especulou ele “Eu tive muito tempo para conversar com Jackie, deixe-me dizer, sabe...eu aprendi muito sobre a magia humana. Há muito que se pode fazer com ela. “É errada” murmurei. “E ainda assim aqui está, com a habilidade de encontrar Sonya” Adrian hesitou e depois, tomando uma decisão, deu um passo adiante e colocou as mãos em meus ombros. “Jackie me disse que é uma das pessoas que ela encontrou


que tem o maior talento matural para este tipo de coisa. Disse que, com um pouco de prática, um feitiço com esse será fácil para você e tem razão de que pode fazer agora. E eu acredito nela. Não porque talvez tenha talentos mágicos, mas porque já vi como gerencia todo o resto. Não falhará com isso. Não falha em nada. Estava tão exausta que pensei que podia chorar. Queria me inclinar nele e pedir que me tirasse daqui, como havia prometido antes. “Esse é o problema. Não falho, mas temo que agora falharei. Não sei como é. E isso me aterroriza.” Especialmente porque a vida de Sonya depende de mim. Adrian estendeu sua mão e tocou o lírio em minha bochecha. “Não tente averiguar como se sente essa noite porque não vai falhar. Você pode fazer isso. E eu estarei aqui com você, tome o tempo que for, está bem?” Inalei profundamente e tentei me acalmar. “Está bem.” Voltei para meu banquinho depois que ele se foi e tentei ignorar a fadiga do meu corpo e da minha mente. Pensei no que havia dito, que não falharia. Pensei sobre sua fé em mim. E, mais importante, pensei em Sonya. Pensei em quão desesperadamente queria ajudá-la. Todas essas coisas agitando-se dentro de mim enquanto olhava a água, o cristal claro exceto pelo cabelo flutuando nela. Uma linha vermelha contra toda essa prata. Era como uma faísca de fogo, uma faísca que ficava cada vez mais brilhante ante meus olhos, até que formou uma forma definida, um círculo com linhas saindo dele. Um sol, me dei conta. Alguém havia pintado um sol alaranjado sobre um pedaço de madeira e pendurou em uma cerca de arame. Mesmo com a tela de má qualidade, o artista tinha tido uma série de cuidados na pintura do sol, estilizando os raios e assegurando que os comprimentos eram consistentes com o outro. A cerca era feia e industrial, e avistei o que parecia uma caixa de alta voltagem pendurado nela. A paisagem era escuro e árido, mas as montanhas ao longe me diziam que estava dentro da zona de Palm Springs. Esta era uma espécie de área onde vivia Wolfe, fora da cidade e longe da vegetação bonita. Através da cerca, além do sinal, avistei um grande, imenso edifício...


“Ai” A visão desapareceu quando minha cabeça bateu no chão. Eu tinha caído do banco. Consegui sentar, mas sso foi tudo o que consegui fazer. O mundo estava girando e meu estômago vazio e enjoado. Depois do que poderia ter sido três segundos ou três horas, ouvi vozes e passos. Braços fortes me pegaram e Adrian ajudou-me a ficar de pé. Agarrei-me à mesa, enquanto ele pegou o banquinho e ajudou a me sentar. A Sra. Terwiliger empurrou a bandeja de prata de lado e substituiu-o com um prato de cozinha comum com queijo e biscoitos. Um copo de suco de laranja logo se juntou a ele. "Aqui," ela disse. "Coma isso. Vai se sentir melhor." Eu estava tão desorientada e fraca que nem hesitei. Eu comi e bebi como se eu não tivesse comido em uma semana, enquanto Adrian e a Sra. Terwiliger esperavam pacientemente. Foi só quando eu praticamente lambi o prato deixando-o vazio que me dei conta do que havia acabado de comer. "Queijo Havarti e suco de laranja?" Eu gemi. "Isso é muita gordura e açúcar para esta hora da noite." Adrian zombou. "Fico feliz em ver que não há danos permanentes." "Acostume-se a isso, se você está indo usar muita magia" disse a Sra. Terwiliger. "Feitiços podem esgotar você. Não é incomum que seu nível de açúcar baixe. Suco de laranja se converterá em seu melhor amigo." "Nuncaa vou me acostumar, já que eu não vou..." Engoli em seco, como as imagens que eu tinha visto na bandeja de prata veio caindo de volta para mim. "Sonya! Eu acho que vi onde ela está. "Eu descrevi o que eu tinha visto, embora nenhum de nós tinha qualquer pista sobre onde poderia estar este lugar ou o que era.


“Você tem certeza que era como um sol comum? Com raios ", perguntou Adrian. "Porque eu achei que os caçadores usavam esse antigo símbolo dos Alquimistas: círculo e ponto." "Eles fazem, mas este era definitivamente...oh Deus." Eu olhei para Adrian. "Nós temos que voltar para Amberwood. Agora." "Não depois disso", disse a Sra. Terwiliger. Ela estava usando sua voz de professora. "Isso tomou mais de você do que eu esperava. Dorme aqui, e eu vou me assegurar de que tudo está bem na escola com Desiree.” "Não." Eu me levantei e senti minhas pernas começarem a ceder, mas no final, me sustentaram. Adrian colocou um braço de apoio em torno de mim, claramente

não

acreditando

na

recuperação

do

meu

corpo.

"Eu

tenho que voltar lá. Eu acho que sei como podemos descobrir onde é esse lugar." Adrian estava certo ao dizer que o sol que eu acabei de descrever não era o desenho que estava na espada e no folheto. Ambos haviam usado o símbolo antigo. O de minha visão era mais uma adaptação moderna e esta não era a primeira vez que eu via isso. O sol na minha visão era uma cópia exata da tatuagem de Trey.


Capítulo 20 Chegar a Trey era mais fácil falar do que fazer. Que uma garota entrasse no dormitório dos garotos em horários normais já era difícil, mas depois do toque de recolher? No meio da noite? Quase impossível. Tive que recorrer a opções mais criativas e chamei Eddie enquanto levava Adrian para casa. Uma das coisas pela qual eu nunca deveria me sentir culpada era por chamar Eddie a qualquer hora. Mantinha seu telefone ligado (para deleite de Micah, sem dúvida) e suspeitava que dormia com o telefone ao lado de seu travesseiro. - Sim? - a voz de Eddie estava desperta e preparada, como se nem estivesse dormindo. Assim era como ele era. - Preciso que vá ver se pode acordar o Trey - eu disse. - Sequestraram Sonya e eles a tem retida em um recinto que tem um logo como a tatuagem de Trey. Preciso averiguar o que ele sabe. Esta era a primeira vez que Eddie ouvia sobre o sequestro de Sonya, mas não pediu mais informações, nem tampouco como eu sabia a sua localização. Sabia que ela tinha estado em perigo recentemente e essa rápida mensagem foi o suficiente para fazê-lo atuar. Não sabia o que aconteceria quando Eddie encontrasse Trey, vendo que não havia maneira de que eu mesma falasse com Trey a não ser pela manhã. Ainda assim, tinhamos que começar por alguma parte. - De acordo - disse Eddie. - Estou nisso. Já te chamo. Desliguei e contive um bocejo. - Bom, aqui vamos. Esperemos que Eddie possa averiguar alguma coisa. - Preferivelmente sem golpear Trey no processo. - disse Adrian. Se enrolou no assento do passageiro, o único sinal de que também estava se sentindo cansado por nossa noite. Ele tinha a um tempo se convertido do horário noturno de um vampiro. “É suposto que isso limitaria o que podemos averiguar. Fiz cara feia.


- Se Trey está metido nisso de alguma forma, não acredito que queira ser suave com ele. E ainda assim...não posso acreditar que ele esteja. - As pessoas se enganam o tempo todo. Olhe você. Você crê que Trey sabe que é parte de uma sociedade secreta que ajuda a manter os vampiros ocultos desse mundo? - Sinceramente...sim. - Me detive em uma luz vermelha e pensei no estranho comportamento de Trey. - Ele sabe que Jill é uma Moroi, estou segura. Não se deu conta no início, mas quando fez, seguiu me dizendo para que a escondesse. Logo depois que Sonya foi atacada, disse que me cuidasse. - Um horrível descobrimento passou a surgir em meu interior. - Ele sabia. Ele sabia que eu era amiga de Sonya. Provavelmente sabia do ataque e não disse nada! - Não é surpreendente se o grupo dele está trabalhando contra o seu. - O tom de Adrian abrandou. - Se te faz sentir melhor, parece como se de certo modo ele tem estado em conflito sobre tentar te advertir. - Não sei se ele fez. Oh Adrian. - Parei na frente de seu edifício e vi o Mustang amarelo iluminado pela luz pública. - Deixou o carro fora, tem sorte que não foi rebocado. - Eu vou tirá-lo. - Disse. - E não me olhe assim. Está em torno de um perímetro de meio quilômetro. Não estou rompendo as regras. - Só tenha cuidado. - murmurei. Abriu a porta do Latte e olhou para mim. - Tem certeza que quer voltar ao colégio? Estará presa ali até de manhã. - De todas as formas não terá muito que eu posso fazer até então. Quero estar ali no instante em que eu puder ter acesso a Trey. Confiarei em Eddie por agora. Adrian parecia relutante em me deixar, mas finalmente assentiu. - Ligue se precisar de algo. Vou continuar tentando ver se posso encontrar Sonya em seus sonhos. Não tive muita sorte antes. Um dos mais desconcertantes poderes do espírito era a habilidade de entrar no sonho de outras pessoas.


- É porque ela não está dormindo? - Isso, ou ela está drogada. Nenhuma das opções fazia com que me sentisse melhor. Me deu uma última e persistente olhada antes de ir. Voltei a Amberwood onde um guia sonolento de estudantes me disse que seguisse, sem comentários. Havia muito que a Sra. Weathers havia ido para casa, e seu substituto noturno não parecia se importar com minhas idas e vindas. Enquanto subia as escadas meu telefone tocou. Eddie. - Bom, levou uma eternidade, mas finalmente acordei seu companheiro de quarto. - me disse. - E? - Não está aqui. Creio que tampouco esteve aqui pela noite. Algo sobre uma emergência familiar.” - Não sabe quando ele volta? - Estava começando a pensar que todos os “assuntos familiares” de Trey eram mais insidiosos do que havia suposto. Também estava tentada a apostar que ele não era o único com a tatuagem do sol. - Não. Fiquei acordando a todo instante durante a noite. Meu corpo estava exausto devido a magia, mas também estava ao limite por causa de Sonya para sucumbir ante a fadiga. Fiquei levantando e verificando meu celular, temendo perder alguma chamada, sem importar se estava no volume máximo. Finalmente me rendi e saí da cama horas antes de começar o café da manhã do colégio. Depois de ter tomado um banho e me vestido – e colocado minha cafeteira no máximo – estava de volta nas horas liberadas do campus. Não é que me fizesse muito bem. Fiz duas chamadas depois disso, primeira para Spencer para ver se Trey estava trabalhando. Não esperava que estivesse, mas era uma boa desculpa para saber se ele havia estado por ali nos últimos dias. Não havia estado. Minha próxima chamada foi para Stanton, reportando o desaparecimento de Sonya. Disse a ela que tinhamos uma pista que conectava um de meus companheiros com os caçadores de vampiros e que Sonya provavelmente estava sendo retida em um recinto fora da cidade. Não mencionei como eu sabia e Stanton estava suficientemente distraída com o sequestro para perguntar algo.


No café da manhã, encontrei minha “família” com Micah na cafeteria. Os rostos preocupados de Eddie, Angeline e Jill me dizia que todos sabiam do sequestro de Sonya. Micah falava feliz sobre algo, e tinha o pressentimento de que sua presença estava impedindo os outros de discutir sobre o que realmente queriam. Micah perguntou algo a Eddie e eu me inclinei e murmurei para Jill. - Tire-o daqui. - Digo a ele para ir?” sussurrou ela. - Se for necessário. Ou vá com ele. - Mas quero... Mordeu o lábio quando Micah voltou sua atenção para ela. Ela estava infeliz pelo que teria que fazer, mas em seguida colocou sua expressão de segurança que tanto havia visto esses dias. Apontou para o prato de Micah. - Já terminou? Preciso perguntar algo para a Srta. Yamani. Vem comigo? Micah se iluminou. - Claro. Uma vez que os dois se foram virei para Eddie e Angeline. - Algum sinal de Trey? - perguntei - Não. - disse Eddie - Conferi essa manhã. Seu companheiro de quarto está começando a me odiar. Não posso culpá-lo. - Isso está me enlouquecendo! - disse, sentindo que podia golpear minha cabeça contra a parede. - Estamos tão perto, e ainda impotente. Cada minuto que passa é um minuto que Sonya perde. Ele fez uma careta. - Estamos seguros de que ela está viva? - Ela estava a noite. - disse. Eddie e Angeline me olharam surpreendidos. - Como sabe? - perguntou ela. - Hum, bom, eu...não pode ser! - Minha boca se abriu enquanto olhava para trás de Eddie. - É Trey!


Certamente um sonolento Trey acabara de entrar na cafeteria. Seu cabelo úmido indicava que havia se lavado recentemente, mas tinha hematomas e arranhões que não podia atribuir ao futebol. Eddie já estava em ação antes que eu pudesse dizer outra palavra, e Angeline e eu o seguimos rapidamente. Quase esperava que Eddie fosse derrubar Trey ali mesmo. Em vez disso, Eddie caminhou para a frente de Trey o impedindo de entrar na fila da comida. Cheguei a tempo de escutar Eddie dizer. - Não tem café da manhã hoje. Você vem conosco. Trey começou a protestar e depois viu eu e Angeline. Jill apareceu de repente também, aparentemente tinha dado um perdido em Micah. Um olhar triste cruzou as feições de Trey, quase derrotado, e assentiu, cansado. - Vamos lá fora. No momento em que saímos pela porta Eddie agarrou Trey e o empurrou contra a parede. - Onde está Sonya Karp? - disse Eddie. Trey parecia compreensivelmente surpreendido. Eddie era magro e musculoso, mas muitos subestimavam o quão forte ele era. - Eddie, afaste! - eu disse, olhando preocupada ao nosso redor. Tinha urgência, claro, mas nosso interrogatório não daria frutos se um professor visse e acreditasse que estávamos molestando um estudante. Eddie soltou Trey e deu um passo para trás, mas ainda havia um brilho perigoso em seus olhos. - Onde está o lugar em que a tem? Isso pareceu despertar Trey de seu estado de inatividade. - Como sabem isso? - Nós fazemos as perguntas. - disse Eddie. Não voltou a tocar em Trey de novo, mas sua proximidade e sua postura deixavam claro que ele chegaria aos extremos se fosse necessário. - Sonya está viva?” Trey titubeou, quase esperava que negasse seu conhecimento. - S..sim, por agora.


Eddie explodiu outra vez. Agarrou a camisa de Trey e o puxou. - Te juro que, se você e seu transtornado grupo colocarem uma mão em cima dela... - Eddie. – eu adverti. Por um momento Eddie não se moveu. Logo, devagar, soltou a camisa de Trey, mas ficando onde estava. - Trey. – disse, usando o mesmo tom razoável que acabara de usar com Eddie. Apesar de tudo Trey e eu éramos amigos, certo? – tem que nos ajudar. Por favor nos ajude a encontrar Sonya. Ele negou com a cabeça. - Não posso Sydney. É para o seu próprio bem. Ela é malvada. Não sei que truque ela aplicou com vocês ou como tem mantido essa ilusão que esconde sua verdadeira identidade, mas não podem confiar nela. Se voltará contra vocês. Deixe-nos...deixe-nos fazer o que temos que fazer. As palavras eram todas corretas, junto com a linha da propaganda dos Guerreiros. Mas, havia algo na maneira em que Trey falava, algo sobre sua postura...não podia dizer que era o que me fazia duvidar dele. As pessoas me incomodavam por causa da minha falta de habilidade em questões sociais, mas estava quase certa de que ele não estava totalmente de acordo com o que esse grupo queria que ele fizesse. - Esse não é você Trey – disse – Te conheço bem para saber. Não mataria uma mulher inocente. - Ela não é inocente. – Aí estava outra vez, essa mescla de emoções. Dúvida. – É um monstro. Você sabe sobre eles. Sabe o que podem fazer. Não são como ela. – assentiu em direção a Jill. – São como os outros. Os mortos. - Você vê Sonya como uma morta? – perguntou Eddie. – Você viu os olhos vermelhos? - Não. – admitiu Trey – mas temos outras provas. Testemunhas que a viram em Kentucky. Reportes de suas vítimas.


Foi difícil manter a calma depois disso. Havia visto Sonya quando era uma Strigoi. Ela era aterrorizante e se tivesse tido a oportunidade, teria matado a mim e a meus companheiros. Era difícil aceitar isso quando um era convertido em Strigoi, não estavam no controle de seus sentidos e de sua alma. Perdiam a conexão com sua humanidade, ou o que tinham os Moroi, e não eram os mesmos que haviam sido antes. Sonya havia feito coisas terríveis, espantosas, mas já não era essa criatura. - Sonya mudou – disse. – ela não é um deles. - Os olhos de Trey se estreitaram. - Isso é impossível. Estão sendo enganados. Há algum tipo de...não sei...magia obscura em tudo isso. - Isso não está nos levando a nada – grunhiu Eddie – chame Dimitri, nós dois seremos capazes de fazer ele dizer onde é o local. Já invadi uma prisão antes. Posso fazer de novo. - Oh, você acha isso? - Um sorriso sem graça cruzou as características de Trey. - Esse lugar é cercado com uma cerca elétrica e cheio de homens armados. Além disso, ela está fortemente guardada. Você não pode simplesmente entrar lá. - Por que ela ainda está viva? - perguntou Angeline. Ela pareceu perceber o quão estranho que soou e foi rápida para elaborar. - Isso é...Quer dizer, eu estou feliz que ela está. Mas se você acha que ela é tão mal, por que não acabar com ela? - Ela olhou para os meus amigos e eu. - Sinto muito. - É uma boa pergunta - Eddie disse a ela. Trey levou um longo tempo para responder. Eu tinha uma sensação de que ele estava dividido entre manter segredos do grupo e querendo justificar suas ações para nós. - Porque todos nós estamos sendo testados - disse ele finalmente. - Para ver quem é digno de matá-la. - Oh, meu Deus - disse Jill. - Por isso todas as suas contusões recentemente - eu disse. Meus temores de violência doméstica não estavam longe, realmente. - Você está competindo para matar uma mulher que não tem feito nada para você.


- Pare de dizer isso! - Trey gritou, realmente olhando distraído. - Ela não é inocente. - Mas você não está tão certo - disse eu. – Ou sim? Seus olhos não estão dizendo o mesmo que dizem seus amigos caçadores. Ele fugiu da acusação. - Minha família espera isso de mim. Principalmente depois de arruinar o ataque no beco. Perdemos nossa autorização para matar ela, então, é por isso que o conselho ordenou essas provas para nos redimirmos e provarmos que somos capazes. Ter “autorização” para matar alguém era repulsivo, mas foi o resto do que havia dito que me fez pensar duas vezes. - Você estava lá – disse incrédula – no beco, e...era você! Foi você que me agarrrou! - Tudo voltou a mim novamente, a surpresa e a dúvida de meu atacante. O rosto de Trey me confirmou. - Sabia que era amiga deles. Pude dizer só de olhar, ainda que não soubesse que eram vocês de imediato. – Isso tinha sido dirigido para Eddie e Angeline. Trey se dirigiu a mim outra vez. – Reconheci sua tatuagem na primeira vez que nos vimos. Ignorei porque não pensei que estava envolvida no que eu estava. Pensei que só andasse com vampiros inofensivos, assim não esperava que estivesse ali naquela noite. Não queria que se machucasse. Continuo não querendo, e é por isso que precisa deixar isso passar. - Cansei disso – disse Eddie. Era uma maravilha que tinha sido paciente todo esse tempo. – Precisamos derrubar a porta desse lugar e... - Espera, espera – uma ideia estava se formando em minha cabeça...e era outra ideia louca. – Trey, disse que Eddie não pode entrar nesse lugar, mas eu poderia? - Do que está falando? – perguntou Trey, tinha uma mescla de surpresa e confusão em seu rosto. - Sabe quem sou. Sabe o que faço. – Trey assentiu. – Nossos dois grupos podiam ser unidos. Aqueles caras que me detiveram no café disseram que


pensavam que devíamos trabalhar juntos. Os guerreiros querem os recursos dos Alquimistas. - Você que...quer um intercambio? – perguntou Trey, franzindo o cenho. - Não. Só quero falar com o seu conselho. Quero explicar porque Sonya não é...eh, porque ela não é mais como era antes. Tem um Moroi que usa um certo tipo de magia que pode enclusive te mostrar... - Não. – disse Trey imediatamente. – Nenhum deles teria permissão de entrar. A vocês, híbridos, tampouco seriam permitidos. – De novo se dirigia a Eddie e Angeline. Nunca havia escutado o termo “ híbrido” ser usado, mas seu significado era claro. - De acordo. – disse – Só humanos. Eu sou humana. Seu grupo quer trabalhar com o meu grupo. Deixe-me ir com você. Desarmada. Falarei com seus líderes e... - Sydney não – protestou Eddie – Não pode ir lá sozinha! Vão decapitar a Sonya, Santo Deus. E você lembra do que disse Clarence dos radicais que o pegaram? - Não ferimos humanos – disse Trey com firmeza – Estará segura. - Acredito – eu disse – e também estou segura de que não deixará que algo de mal me aconteça. Olha, não sente curiosidade sobre porque Sonya é como é? Pode pensar que sua gente está comentendo um erro? Disse que tolerava os Moroi. Ela é um deles. Me deixe explicar. Não estou pedindo nada mais do que uma oportunidade para falar. - E uma garantia de segurança – disse Angeline, que parecia tão ofendida quanto Eddie. Ele assentiu ante suas palavras – Importa muito a honra certo? Tem que prometer que ela estará bem. - A honra é o que nos faz fazer o que fazemos – disse Trey – Se prometemos que ela vai estar bem, ela estará. - Então peça, por favor? Não faria isso por mim? Como meu amigo? Um olhar de dor cruzou as feições de Trey ante isso. Havia feito alusão a que me devia algo por tê-lo ajudado a encerrar o caso das tatuagens ilícitas. Isso obrigaria qualquer amigo, sobretudo a um que haviam lhe inculcado um rígido


sentido de honra. Supus então, que algo mais do que honra estava em jogo aqui. Trey e eu éramos amigos, com mais coisas em comum do que eu havia dado conta. Ambos éramos parte de grupos que queriam controlar nossa vida, de maneiras que não gostávamos. Também tínhamos pai dominante. Se Trey e eu não tivéssemos metas tão opostas, poderíamos rir sobre isso. - Eu perguntarei. – disse Trey. Algo me dizia que ele também estava pensando em nossas similiaridades. – Porque é você. Mas não posso prometer nada. - Então pergunte agora. – grunhiu Eddie. – Não temos tempo a perder. E imagino que Sonya tampouco. Trey não negou. De repente estava perguntando-me se esta era uma decisão inteligente. O que aconteceria se deixássemos que Trey saísse de nossas vistas? Seria melhor se levássemos ele para Dimitri? E Sonya...quanto tempo lhe restava? - Agora – reiterei a Trey – Tem que contatá-los agora, não vai para a aula. Era provavelmente a primeira e última vez que diria essas palavras. - Eu juro – disse Trey – Vou ligar agora. O sinal tocou, terminando nossa reunião. Ainda, se tivéssemos tido a oportunidade de salvar Sonya justo agora, estava segura de que todos os meus amigos saíram do campus nesse momento. Deixamos que Trey se fosse e ele se dirigiu a seu dormitório, não para as aulas. Angeline, recentemente liberada de sua suspensão, partiu com Jill enquanto Eddie e eu seguimos para a aula de história. - Isso foi um erro – disse, com o rosto sombrio quando olhou por onde Trey havia ido – Por tudo que sabemos ele pode desaparecer e teremos perdido toda a oportunidade de recuperar Sonya. - Não creio que ele faça – disse eu – Conheço Trey. É uma boa pessoa, e me dei conta de que ainda que creia que os Strigoi precisam ser exterminados, não está cem por cento seguro sobre Sonya. Fará o que pode. Acredito que se sente dividido agora mesmo, atrapalhado entre o que lhe disseram por toda a sua vida e no que está começando a ver com seus olhos.


Parece com alguém que você conhece? Me perguntou uma voz interna. Havia esperado que Trey me desse uma resposta em seguida...digamos que na aula de química. Mas ele não estava ali e nem em nenhum lugar do colégio. Supus que essas coisas levassem tempo, e minha paciência e fé se viram recompensadas no final do dia com uma mensagem de sua parte: Ainda estou verificando. Alguns estão dispostos a falar. Outros precisam ser convencidos. Eddie não levou a mensagem de Trey como uma prova concreta quando enviei, mas não acredito que Trey tivesse dito algo se tivesse saído da cidade. Eddie queria se reunir com Dimitri e discutir estratégias tendo em conta este novo acontecimento. Assim, decidimos fazer uma viagem grupal ao centro da cidade. Eu enviei mensagens a nossa família para nos reunirmos fora do dormitório em meia hora. Jill foi a primeira a chegar e se deteve em seco quando me viu. - Sydney...seu cabelo. Levantei o olhar de onde estava respondendo uma mensagem de Brayden, dizendo que não podia sair esse fim de semana. - O que tem ele? - A maneira com que você arrumou as camadas. Fazem um complemento perfeito em seu rosto. Estava me olhando daquela forma estranha outra vez. - Bom, sim – disse, esperando mudar o tema – É um, humm, bom corte de cabelo. Lamento que teve que se livrar de Micah. Levou alguns segundos, mas minha distração a tirou de seu transe induzido por meu cabelo. - Ah, não. Está bem, as coisas estão se tornando raras entre nós de toda forma. - Ah, verdade? – Micah parecia tão animado como sempre da última vez que eu o vi. – Ainda tem problemas? - Bom...acredito que sim. Eu gosto dele, de verdade. Eu gosto de sair com ele e seus amigos. Mas eu só fico recordando que nada pode acontecer entre nós. Como esta manhã. Há um mundo inteiro que ele não pode fazer parte. E eu não


suporto pensar em mentir ou excluí-lo de minha vida. Talvez tenha que fazer...de verdade. Terminar as coisas. Sei que disse isso antes, mas agora é sério. - Estamos aqui para você se fizer. - Tecnicamente estava sendo sincera, mas se Jill viesse chorando para mim, não saberia o que fazer. Talvez poderia encontrar um livro de técnicas sobre uma boa ruptura antes dela fazer. Um sorriso cansado se estendeu em seu rosto. - Sabe o que é bobo? Quero dizer, não quero ir saltando de um garoto para outro, e me importo com Micah, mas estou começando a me dar conta de que Eddie é um bom garoto. - Ele é um grande garoto. – eu confirmei. - Casais de Moroi e dhampirs são mal vistos, mas agora...quero dizer, há uns que fizeram casais em St. Vladimir – riu angustiada – Eu sei, eu sei...sei que não deveria estar pensando assim. Um garoto de cada vez. Mas mesmo assim...quando vejo Eddie; é tão valente e tão seguro. Faria qualquer coisa por nós, sabe? É como um herói em quadrinhos da vida real. Mas é tão dedicado que provavelmente nunca se interessaria por alguém como eu. Não tem tempo para garotas. - Na realidade – disse – acredito que se interessaria muito por você. Seus olhos se abriram. - Sério? Queria contar tudo. Em vez disso, escolhi minhas palavras cuidadosamente, pouco disposta a revelar seus segredos depois que ele tinha falado para mim deixar que ele cuidasse de seus próprios assuntos pessoais. - Todo o tempo fala de como inteligente e competente você é. Acredito que definitivamente estaria aberto para algo. – Também disse que não merecia seu amor, mas esse pensamento poderia desaparecer se Jill se interessasse por ele. Ela se perdeu em seus pensamentos e não disse mais nada do tema quando Eddie e Angeline chegaram. Fomos até a cidade e deixei Jill e os dhampirs na casa de Adrian, enquanto eu fazia alguns recados. Esperar Trey era agonizante e eu precisava de uma distração. E me faziam falta umas coisas de Alquimista e


queria me assegurar de fazer tudo antes de entrar no acampamento dos Guerreiros. Meu telefone tocou quando estava empacotando. Era Trey, e saí da loja de ervas em que estava, para atender a chamada. - Tudo bem – disse ele – Está tudo pronto. Vão se reunir com você à noite...só você. Emoção e ansiedade passaram por meu corpo. Esta noite. Parecia surpreendentemente pronto, ainda que isso era exatamente o que queria. Precisávamos tirar Sonya dali. - Vou te levar lá as sete em ponto – disse Trey – E...bom, eu sinto...mas terá que ir com os olhos vendados. E estará certa de que nada nos siga. Se fizerem, tudo acaba. - Entendo. – disse, ainda que ir vendada fazia com que isso forre aterrorizante. – Estarei pronta, obrigada Trey. - E tem mais – continuou – queremos que nos devolvam a espada. Fiz os arranjos para que ele me pegasse no Adrian, eu sabia que Eddie e Dimitri teriam várias coisas para me dizer. Então, liguei para eles tão logo acabei de falar com Trey, para avisá-los. Também liguei para Stanton, para atualizá-la. Me ocorreu que deveria ter ligado antes, mas primeiro queria uma resposta definitiva por parte de Trey. - Não gosto da ideia de que vá sozinha. – me disse – Mas é pouco provável que façam algo contra você. De verdade parece que se mantém longe dos humanos, nós em particular. E se há uma oportunidade de tirar Karp de lá...bom. Isso nos salvaria de muitos problemas com os Moroi. – O tom de Stanton me disse que ainda que ela acreditasse que eu estaria bem, não era muito otimista a respeito de Sonya. – Tenha cuidado, senhorita Sage. O apartamento de Adrian estava cheio de tensão quando cheguei. Dimitri, Eddie e Angeline estavam claramente inquietos, provavelmente porque eles estavam sendo deixados de fora da ação. Adrian, surpreendentemente, também parecia irritado, ainda que eu não soubesse o porque. Jill o olhava preocupada e se mantiveram, olhando um para o outro, seguramente passando mensagens


entre si, através do laço. Por fim, através de apenas um olhar, era como se tivessem terminado uma conversa. Jill suspirou e se dirigiu à cozinha com os outros. Comecei a falar com Adrian, mas Eddie me chamou. - Estamos debatendo se devemos te dar uma arma ou não. – disse. - Bom, a resposta é não – disse imediatamente – Vamos, eles vão me vendar. Não acreditam que vão me revistar também? - Deve haver uma maneira – disse Dimitri. Como estávamos com o ar condicionado ligado ele tinha colocado seu sobretudo. – Não posso deixar que vá para lá indefesa. - Não estou em perigo – disse, sentindo que havia repetido o mesmo todo o dia. – Pode ser que estejam loucos, mas Trey disse que se dão sua palavra, a cumprem. - Sonya não tem essa garantia. – disse Dimitri. - Nenhuma arma vai me ajudar a salvá-la. – disse – Exceto por meu raciocínio. E estou preparada com isso o melhor que posso. Os dhampirs não estavam felizes. Seguiram discutindo entre eles e eu os deixei para pegar água. Adrian gritou da sala. - Tem refrigerante dietético aí dentro. Abri a geladeira, e certamente estava vendo todo o tipo de refrigerante. E tinha mais comida do que jamais tinha visto. Outro benefício da generosidade de Nathan Ivashkov. Peguei uma lata de Coca Cola dietética e me reuní a Adrian no sofá. - Obrigada – disse, abrindo a lata – Esta é a segunda melhor coisa que pode ter depois do sorvete. Ele levantou uma sobrancelha. - Sorvete? Soa como uma sobremesa, Sage. - E é – admiti. O tema mundano era reconfortante entre toda a tensão. – É em parte sua culpa por trazer a tona ontem. Agora não posso deixar de pensar nisso. Queria um pouco no jantar, e Brayden me convenceu de não comê-lo, o


que é provavelmente o porque eu estou tão obcecada com isso. Alguma vez aconteceu com você? Alguma vez não poder ter algo e o querer ainda mais. - Sim – disse amargamente – Acontece todo o tempo. - Porque está tão desanimado? Também pensa que eu deveria levar uma arma? – Com Adrian era realmente difícil saber onde levaria seu estado de ânimo. - Não, entendo seu ponto, e penso que está correta. – disse. – Ainda que eu não goste da ideia de você ir lá. - Tenho que ajudar a Sonya. – disse. - Sei que tem que fazer. Desejaria poder ir com você. - Ah, verdade? Vai me proteger e me tirar de lá como fez a noite? – o provoquei. - Sim, se é o que precisa. Você e Sonya. Colocaria uma em cada ombro. Muito viril, certo? - Muito – disse, feliz de vê-lo brincando de novo. Sua diversão desapareceu e voltou a ficar sério. - Deixe eu perguntar algo. O que é mais assustador: entrar em um covil de humanos loucos assassinos ou estar segura, ainda que de certo modo selvagem, com vampiros e meio vampiros? Sei do temor que você e os Alquimistas tem da gente, mas..é a lealdade a sua própria raça tão forte que...não sei...que as pessoas em si não importam? Era uma pergunta surpreendentemente profunda para Adrian. Também fazia alusão a minha viagem ao centro de reeducação dos Alquimistas para visitar Keith. Me lembrei como o pai de Keith não havia se importado com os valores morais de seu filho sempre e quando significava que Keith não tivesse boas relações com os vampiros. Também me levou a pensar no café e em como os Guerreiros não queriam escutar outra verdade que não fosse a sua. E finalmente, olhei para os dhampirs discutindo na cozinha, pensando em maneiras encobertas de manter eu e Sonya seguras sem importar os riscos. Olhei para Adrian.


- Eu fico com os vampiros. Minha lealdade a minha própria raça vai até certo ponto. Algo no rosto de Adrian se transformou, mas não prestei muita atenção. Estava muito impactada dando-me conta que as palavras que acabava de dizer podiam ser consideradas como alta traição entre os Alquimistas. Eddie e Angeline foram buscar o jantar e os deixei pegar meu carro, desde que Eddie dirigisse. Enquanto eles estavam fora, Dimitri me ensinou algumas técnicas de auto defesa, mas era difícil aprender muito em tão pouco tempo. Continuava pensando no que Wolfe havia dito de evitarmos lugares perigosos. O que diria de mim se soubesse que iria entrar no esconderijo de caçadores de vampiros? Eddie e Angeline estiveram fora por um bom tempo e lregressaram, desanimados por todo o tempo que o restaurante havia demorado. Não pensei que chegaríamos a tempo – disse Eddie – Tinha medo que não teria tempo de comer antes da sua missão. - Nem sequer sei se posso comer – admiti. Apesar de minhas palavras valentes de antes, estava começando a ficar nervosa. – Oh, pode ficar com essas no caso de precisar do carro. Ele havia caminhado até minha bolsa com as chaves e as havia deixado ali de todas as formas. - Tem certeza? - Tenho. Ele encolheu os ombros e pegou as chaves outra vez. Adrian, para minha surpresa, o olhou com os olhos semicerrados e parecia incomodado com algo. Não podia suportar suas mudanças de humor hoje. Se levantou e caminhou até Eddie. Depois de uns momentos, se afastaram mais e pareciam estar tendo uma discussão em voz baixa, uma que incluía umas olhadas para mim. Todo mundo parecia incomodado e começaram a falar de qualquer coisa que vinha a mente. Só podia olhar de um lado a outro, sentindo que havia perdido algo importante. Trey me chamou as sete em ponto, dizendo que estava me esperando lá fora. Me levantei e peguei a espada, respirando profundamente.


- Desejem-me sorte. - Te acompanho lá fora. – disse Adrian. - Adrian. – o advertiu Dimitri. Adrian revirou os olhos. - Eu sei, eu sei. Não se preocupe. Eu prometi. Prometeu o que? Nada havia sido explicado. Não havia muito o que caminhar já que ele vivia no primeiro andar, mas quando saímos, me reteve com suas mãos em meus braços. Um tremor me bateu, tanto pelo contato como pelo inesperado gesto. Suas únicas demostrações de ternura eram com Jill. - Sage – disse – É sério, tome cuidado. Não seja uma heroína, temos muito disso aqui. E...não importa o que aconteça, quero que saiba que nunca duvidei do que vai fazer. É inteligente, e é valente. - Fala como se já tivesse acontecido e falhado. – disse - Não, não. Eu só...bom, quero que saiba que eu confio em você. - De acordo – disse me sentindo um pouco confusa. Outra vez sentia que não estavam me dizendo algo. – Espero que meu plano funcione. Precisava me afastar, me soltar do agarro de Adrian, mas não podia fazer. Tinha dúvidas, por alguma razão. Havia segurança e comodidade aqui. Uma vez fora, realmente estaria caminhando para a jaula do leão. Fiquei uns momentos mais, segura no círculo que havíamos feito, e logo, de má vontade, me afastei. - Por favor tenha cuidado – repetiu – Volte a salvo. - Eu terei. – Por impulso tirei meu crucifixo e coloquei em sua mão – Desta vez, guarde-o, é serio. Guarde até que eu volte. Se você se preocupar muito, olhe e pense que terei que voltar para buscá-lo. Ele realmente cai bem com calça caqui e cores neutras. Me preocupava que ele me devolveria, mas simplesmente assentiu e apertou a cruz. Me afastei, sentindo um pouco vulnerável sem o crucifixo, mas esperava que lhe desse confiança. Meu incômodo de repente parecia algo pequeno, queria que Adrian estivesse bem.


Sentei no banco do passageiro no carro de Trey e imediatamente dei a espada. Ele parecia tão miserável quanto antes. - Tem certeza de que quer fazer isso? Porque todo mundo continuava me perguntando isso? - Sim. Absolutamente. - Me dê seu celular. Eu entreguei e ele o desligou. Me devolveu, junto com uma venda. - Vou confiar em você para que coloque isso. - Obrigada. Comecei a colocar a venda e logo, impulsivamente voltei a olhar o edifício uma última vez. Adrian ainda estava ali de pé, com as mãos nos bolsos, e o rosto preocupado. Vendo que o olhava, logo sorriu e levantou uma mão em...que? Despedida? Benção? Eu não sabia, mas me fez sentir melhor. A última coisa que eu vi foi o reflexo da cruz na luz do sol justo antes de cobrir os olhos com a venda. Sumi na obscuridade.


Capítulo 21

Já havia visto filmes onde pessoas que tinham os olhos vendados eram capazes de dizer onde iam, com base em seu talento inato de detectar o movimento e a direção. Eu não. Depois de umas tantas voltas, não podia dizer em que parte de Palm Springs estavamos, sobretudo porque suspeitava que Trey estava dirigindo em círculos com o fim de se assegurar de que não tinha nada o seguindo. A única coisa de que estava segura foi quando chegamos a I-10, simplesmente pela sensação da estrada. Não sabia em que direção íamos, e não tinha forma de dizer quanto tempo havíamos viajado. Trey não ofereceu muito sobre conversação, dava respostas curtas toda vez que fazia perguntas. - Quando se uniu aos caçadores de vampiros? - Guerreiros da Luz – corrigiu – E nasci sendo um. - É por isso que estava sempre falando da pressão familiar e porque esperam tanto de você, não? É por isso que seu pai está tão preocupado com seu rendimento esportivo? Tomei o silêncio de Trey como uma afirmação e segui adiante, precisando obter tanta informação quanto fosse possível. - Com que frequência tem suas, hum, reuniões? Está sempre tendo essas provas brutas? – Até muito pouco, não havia sabido nada que sugeria que a vida de Trey fora muito diferente da de qualquer outro atleta na secundária que mantinha boas notas, um trabalho e uma vida social ativa. Na verdade, pensando em todas as coisas que Trey costumava fazer, era difícil imaginá-lo tendo algum tempo em absoluto com os Guerreiros.


- Não temos reuniões periódicas. – disse – Bom, não alguém a meu nível. Esperamos que nos chamem, geralmente devida a uma causa que esteja em marcha. As vezes chegamos a fazer competições, com o fim de por a prova nossa força. Nossos líderes viajam pelos arredores e logo os Guerreiros se reúnem de todos os lugares com o fim de estarmos preparados. - Preparados para que? - Para o dia em que podemos acabar com os vampiros por completo. - E realmente acredita que essa é a maneira de fazer? Que é o correto a se fazer? - Alguma vez os viu? – perguntou –Os vampiros maus, os mortos? - Tenho visto um bom número deles. - E não acredita que devem ser destruídos? - Isso não é o que estava dizendo. Não tenho nenhum apreço pelos Strigoi, acredite. Meu ponto é que Sonya não é um deles. Mais silêncio. Com o tempo, senti que saíamos da estrada. Conduzimos durante um tempo mais até que o carro desacelerou e parou em um caminho de cascalho. Chegamos a uma parada e Trey abaixou a janela. - Esta é ela? – perguntou um homem desconhecido. - Sim. – disse Trey. - Desligou seu telefone celular? - Sim. - Leve-a para dentro então. Eles se encarregarão do resto da busca. Ouvi o abrir de uma porta e logo continuamos no caminho de cascalho que depois parecia ter mudado para terra. Trey diminuiu o carro e parou. Abriu sua porta ao mesmo tempo que alguém de fora abria a minha. Uma mão em meu ombro me impulsionou para sair. - Vamos. Saia. - Tenha cuidado com ela. – advertiu Trey. Me levaram do carro a um edifício. Não foi até que uma porta se fechasse que a venda dos meus olhos foi finalmente retirada. Estava em uma habitação


austera com paredes de gesso sem terminar e lâmpadas penduradas no teto. Outras quatro pessoas estavam de pé ao redor de Trey e eu, três homens e uma mulher. Todos eles pareciam estar em seus vinte anos e dois eram os que haviam me detido no café. Além disso, todos eles estavam armados. - Esvazie sua bolsa. – Era Jeff, o sujeito com o cabelo escuro, tinha um pingente de ouro do antigo símbolo do sol. Assenti, virando o conteúdo da minha bolsa e colocando sobre uma mesa improvisada composta de um conjunto de madeira compensada colocada na parte superior de alguns blocos de cimento. Eles se revesavam entre as coisas, a mulher me revistou em busca de objetos. Tinha um cabelo com um péssimo descolorimento e um rosnado em seu rosto, pelo menos era profissional e eficiente. - O que é isso? O cara de cabelo loiro do café levantou uma pequena bolsa de plástico cheia de ervas e flores secas. – Você não me parece consumir drogas. - É potpourri – disse rapidamente. - Guarda potpourri no bolso? – perguntou com incredulidade. Encolhi os ombros. - Mantemos todo tipo de coisas. Sem enrolação, tirei todos os ácidos e substâncias químicas antes de vir aqui. Descartou o potpourri como inofensivo e o colocou em um monte com outros elementos descartados, como minha carteira, sabonete para as mãos e uma pulseira de madeira plana. Me dei conta então de que a pilha também incluía um par de brincos. Era uns discos redondos de ouro, cobertos de redemoinhos e pedras pequenas. Eram belos, mas nunca os havia visto antes. Embora, não iria chamar a atenção sobre nenhuma coisa, especialmente quando a mulher pegou meu celular. - Deveríamos destruir isso. - Eu desliguei. – disse Trey. - Ela poderia ligá-lo de novo. Pode ser rastreado. - Não faria – argumentou Trey – E isso é um pouco paranóico, não? Nada tem esse tipo de tecnologia na vida real.


- Se surpreenderia. – disse ela. Ele estendeu a mão. - Me dá. Vou mantê-lo guardado. Ela está aqui de boa fé. A mulher vacilou e Jeff assentiu com a cabeça. Trey deslizou o celular para seu bolso e eu o agradeci. Havia um monte de números gravados que seria doloroso perder. Uma vez que minha bolsa foi considerada segura, me permitiram devolver as coisas dentro e levar comigo. - Está bem. – disse cabelo loiro – Vamos para a arena. Arena? Tive um momento difícil imaginando o que isso implicava num lugar como esse. Minha visão da placa de prata não havia me mostrado grande parte do edifício, só que se tratava de um único piso e tinha um aspecto irregular. Esta habitação parecia ser do mesmo jeito. Se os folhetos antiquados eram uma prova do estilo dos Guerreiros, esperava que esta “arena” estivesse na garagem de alguém. Estava equivocada. Qualquer que fosse as faltas que os Guerreiros da Luz tiveram em outras áreas de operação, eles haviam usado na arena...ou como me disseram era seu nome oficial: A Arena do Esplendor Divino do Ouro Santo. A arena havia sido construída em um lugar rodeado de vários edifícios. Não iria tão longe para chamar de pátio. Era maior e no chão estava a mesma terra arenosa por onde háviamos entrado. Esta disposição estava longe de ser a fina tecnologia, enquanto observava tudo não conseguia deixar de pensar em Trey dizendo que os Guerreiros haviam chegado a cidade esta semana. Já que eles haviam arrumado isso tudo tão rápido...bem, era de certo modo impressionante. E aterrorizante. Dois conjuntos de arquibancadas de madeira haviam sido construídas em lados opostos do espaço. Um conjunto albergava em volta de cinquenta espectadores, em sua maioria homens, de diferentes idades. Seus olhos com receio e hostis, estavam sobre mim a medida que fui guiada a continuar. Praticamente podia sentir seus olhares em minha tatuagem. Todos eles sabiam sobre os Alquimistas e nossa história? Todos estavam vestidos com roupa normal, mas aqui e ali, vi flashes de ouro. Muitos deles levavam algum tipo de


adorno – um pino, um pingente, etc – ou com um símbolo do sol antigo ou moderno. As outras arquibancadas estavam quase vazios. Três homens – mais velhos, mais ou menos da idade do meu pai – estavam sentados juntos. Vestiam túnicas amarelas, cobertas com bordados de ouro que brilhavam na luz alaranjada do pôr do sol. Capacetes de ouro cobriam suas cabeças e estavam gravados com o símbolo antigo do sol, o círculo com o ponto. Eles também me observavam, mantive minha cabeça erguida, com a esperança de poder ocultar o tremor de minhas mãos. Não poderia apresentar um caso convincente para Sonya se parecia intimidade. Ao redor da arquibancada, em volta dos postes, tinham banners de todas as formas e tamanhos. Estavam cheios de telas esquisitas e pesadas, o qual me rcordou dos tapetes medievais. Obviamente, estes não eram tão velhos, mas davam ao lugar um toque de luxo e sentido cerimonial. Os desenhos dos banners variavam consideravelmente. Alguns realmente se via tirados da história, mostrando estilizados cavalheiros lutando contra os vampiros. Ao vê-los me deu calafrios. Realmente havia retrocedido no tempo, na dobra de um grupo com uma história tão antiga quanto a dos Alquimistas. Outros eram mais abstratos, retratando os símbolos alquimistas antigos. Ainda assim, outros eram modernos, representando o sol nas costas de Trey. Me perguntei se essa interpretação recente do sol era com a intenção de atrair os jovens de hoje em dia. Todo o tempo, me peguei pensando, menos de uma semana. Armaram tudo isso em menos de uma semana. Viajaram ao redor com tudo isso, pronto para colocá-lo a qualquer momento, com o fim de levar a cabo estas competências e execuções. Talvez sejam primitivos, mas isso não os fazem menos perigosos. Apesar da grande multidão de espectadores terem um olhar áspero e frenético, como uma espécie de milícia rústica, era um alívio que não pareciam armados. Só minha escolta estava. Uma dúzia de armas seguiam sendo muito para meu gosto, mas faria o que podia, e com a esperança de que a maioria guardara as armas para o espetáculo. Chegamos a parte inferior das arquibancadas vazias, e Trey parou perto de mim.


- Este é o alto conselho dos Guerreiros da Luz – disse Trey Mostrou cada um de uma vez. - Mestre Jameson, Mestre Angeletti e Mestre Ortega. Esta é Sydney Sage. - É muito bem vinda aqui, pequena irmã – disse o Mestre Angeletti com uma voz grave. Tinha uma barba longa e desordenada. – O momento para a união de nossos dois grupos chegou a muito tempo. Seremos muito mais fortes uma vez que deixemos de lado nossas diferenças e nos unamos como um só. Mostrei a ele o sorriso cortês que pude processar, e decidi não assinalar que era pouco provável que os Alquimistas dariam boas vindas a fanáticos armados até os dentes em nossas linhas. - É um prazer conhecê-los, senhores. Obrigada por permitirem que eu viesse. Eu gostaria de falar com os senhores sobre... O Mestre Jameson levantou uma mão para me deter. Seus olhos pareciam demasiado pequenos para seu rosto. - Tudo a seu tempo. Em primeiro lugar, nós gostaríamos de mostrar a você quão diligentemente formamos nossos jovens para lutar na grande cruzada. Assim como formamos a excelência e disciplina da mente, de igual modo, também formamos no corpo. Através de algum sinal tático, a porta pela qual havia acabado de chegar se abriu. Um cara familiar caminhou para o centro da arena: Chris, o primo de Trey. Estava com calças de treinamento e sem camisa, dando uma visão clara do radiante sol tatuado em suas costas. Tinha um olhar feroz em seu rosto e veio para ficar ao centro da clareira. - Acredito que já conheceu Chris Juarez – disse o Mestre Jameson – É um dos finalistas nesta última rodada de combate. O outro, por suposto, também conhece. É muita a ironia de que primos devem estar frente a frente, mas não há outra forma já que os dois falharam no ataque inicial contra o demônio. Virei para Trey, minha boca aberta. - Você? É um dos concorrentes...para matar Sonya? – apenas pude pronunciar as palavras. Voltei ao conselho alarmada. – Me disseram que teria a oportunidade de advogar pelo caso de Sonya.


- Você terá. – disse o Mestre Ortega, em um tom que implicava que seria um esforço inútil. – Mas em primeiro lugar, devemos determinar nosso campeão. Competidores, tomem seus lugares. Me dei conta agora de que Trey també estava em calças de treinamento parecendo como se pudesse estar indo para a prática de futebol. Tirou a camisa também, e na falta do que fazer com ela, me entregou. A peguei e fiquei olhando ele, ainda incapaz de acreditar no que estava acontecendo. Ele se encontrou com o meu olhar brevemente, mas não pude mantê-lo. Ele caminhou para se reunir a seu primo e o Mestre Jameson me convidou a sentar. Trey e Chris se olhavam de frente um para o outro. Me senti um pouco envergonhada de estar estudando dois garotos sem camisa, mas não era como se algo demasiado sórdido estivesse passando. Minhas impressões de Chris desde a primeira vez que o vi não haviam mudado. Tanto ele como Trey se encontravam em boa forma física, musculosos e fortes, com as aulas de corpo que constantemente eram trabalhados e treinados. A única vantagem que Chris tinha, se havia uma, era sua altura; a qual também havia notado antes. Sua altura. Com uma sacudida, as lembranças do ataque no beco voltaram a mim. Havia muito pouco para ver de nossos atacantes, mas o que empunhava a espada era alto. Chris deve ter sigo o originalmente designado para matar Sonya. Outro homem de túnica apareceu pela porta. Sua túnica estava cortada de forma ligeiramente diferente da do conselho e de alguma maneira levava mais bordados de ouro. No lugar de um capacete, usava algo parecido com o que um sacerdote usaria. De fato, isso era o que parecia ser quando Chris e Trey ajoelharam-se ante ele. O sacerdote marcou suas frentes com óleo e disse uma espécie de benção que não pude ouvir. Então, para minha surpresa, ele fez o sinal contra o mal em seu ombro: o sinal dos Alquimistas contra o mal. Acredito que isso -mais do que qualquer assunto sobre vampiros maus- o uso compartilhado de símbolos antigos, era o que realmente deixava mais óbvio que nossos dois grupos haviam sido relacionados. O sinal contra o mal era uma pequena cruz desenhada no ombro com a mão direita. Havia sobrevivido com os


Alquimistas desde os tempos antigos. Um calafrio percorreu meu corpo. Realmente havíamos sido um e iguais. Quando o sacerdote terminou, outro homem chegou e entregou a cada um dos primos um cacetete curto de madeira: algo assim como o que a polícia utilizava as vezes no controle de multidões. Trey e Chris se voltaram em relação aos outros, parados em poses agressivas, sustentando os cacetetes em posição de ataque. Um murmúrio de excitação passou pela multidão a medida em que ficavam cada vez mais ávidos por violência. A brisa da noite jogou poeira ao redor dos primos, mas nenhum deles estremeceu. Olhei para o conselho com incredulidade. - Vão se atacar com esses cacetetes? – perguntei. – Podem se matar! - Ah, não – disse o Mestre Ortega, com demasiada calma. – Não tivemos uma morte por anos. Vão ter lesões, isso é certo, mas isso só endurece nossos guerreiros. A todos os nossos jovenzinhos se ensina a suportar a dor e seguir lutando. - Jovenzinhos – repeti. Meu olhar foi para a garota descolorida que havia me trazido até aqui. Ela estava de pé perto das arquibancadas, sustentando sua arma a seu lado. – O que faz com suas mulheres? - Nossas mulheres também são fortes – disse o mestre Ortega – e certamente valiosas. Mas nunca sonhamos em deixá-las lutar nas arenas ou caçar vampiros ativamente. Parte da razão porque fazemos é para mantê-las a salvo. Estamos lutando contra este mal por seu bem e o futuro dos nossos filhos. O homem que havia entregado os cacetetes também anunciou as regras em voz alta, uma voz ressonante que preencheu a arena. Para meu alívio, os primos Juarez não estariam combatendo entre si sem sentido. Havia um sistema para o combate que eles estavam a ponto de entrar. Só podiam golpear entre si em certos lugares. Golpear outro lugar daria lugar a sanções. Um ataque com êxito daria um ponto. A primeira pessoa com cinco pontos era o ganhador. Sem demora, tão pronto quando começou, estava claro que isso não ia ser tão civilizado como esperava. Chris conseguiu êxito de imediato, golpeando Trey


com tanta força no ombro que me fez tremer. Gritos selvagens e vivas ressoaram entre a multidão sedenta por sangue, fazendo eco de consternação com os simpatizantes de Trey. Trey nem sequer reagiu e só seguiu tratando de golpear Chris, mas sabia que haveria um desagradável hematoma ali mais tarde. Ambos eram bastante rápidos e estavam alertas, capazes de esquivar da maioria dos golpes. Moveram-se ao redor, tratando de conseguir golpear através da defesa do outro. Mais terra subiu, grudando em suas peles suadas. Encontrei-me inclinando mais para frente, com os punhos fechados em nervosismo. Sentia a boca seca e não podia emitir nenhum som. De certa forma, recordava um pouco a maneira em que Eddie e Angeline treinavam. Certamente, também ficavam com lesões. Em sua situação, no entanto, estavam jogando a guardião e Strigoi. Havia uma diferença entre isso e dois garotos esforçando-se para infligir o maior dano possível ao outro. Olhando Chris e Trey, senti meu estômago revirar. Eu não gostava de violência, sobretudo esse desenvolvimento bárbaro. Era como se tivesse sido transportada para a época dos gladiadores. O fervor da multidão seguiu aumentando. Estavam de pé dando vivas violentamente e instando os primos. Suas vozes ressoavam na noite do deserto. Apesar de ter sido golpeado primeiro, Trey claramente podia sustentar a si mesmo. Vi que dava golpes atrás de golpes em Chris e não estava certa do que me deixava mais mal: ver meu amigo sendo ferido ou vê-lo ferir alguém. - Isso é terrível – disse, quando por fim pude encontrar minha voz. - Esta é a excelência em ação – disse o Mestre Angeletti – Não é nenhuma surpresa, já que seus pais também são guerreiros excepcionais. Também se enfrentaram um pouco em sua juventude. São aqueles, na primeira fila. Olhei onde ele indicou e vi dois homens de idade mediana, lado a lado, com olhares alegres em seus rostos enquanto davam gritos de alento aos primos. Nem precisava de um guia do Mestre Angeletti para adivinhar que estavam relacionados. O selo da família Juarez era forte nos homens e seus filhos. Os pais aplaudiam tão avidamente como a multidão, nem sequer pestanejando quando


Trey e Chris se machucavam. Era como meu pai e o de Keith. Nada importava exceto o orgulho familiar e respeitar as regras do grupo. Eu havia perdido a quantidade de pontos quando Mestre Jameson disse: - Ah, isso vai ser bom. O próximo ponto determina o ganhador. Sempre fico orgulhoso quando os competidores estão igualados. Me deixa saber que estamos fazendo certo. Não havia nenhuma razão nisso. As lágrimas apareceram em meus olhos, mas se era pelo ar seco e poeirento ou simplesmente minha ansiedade, não podia dizer. O suor respaldava em Trey e Chris agora, seus peitos subindo e descendo com o esforço da batalha. Ambos estavam cobertos de arranhões e hematomas, parecendo os antigos dias do passado. A tensão na arena era palpável, todos esperavam para ver quem daria o golpe final. Os primos se detiveram ligeiramente, medindo-se entre si quando se deram conta de que esse era o momento da verdade. Esse era o golpe que contava. Chris, com o rosto emocionado e iluminado, atacou primeiro, se adiantando para conseguir dar um golpe no torso de Trey. Dei um grito afogado, saltando em meus pés em alarme como a maior parte da multidão. O som foi ensurdecedor. Ficou claro na expressão de Chris que podia saborear a vitória, e me perguntava se já estava imaginando o ataque com o qual mataria Sonya. O sol banhava seu rosto em luz sangrenta. Talvez foi porque havia visto o suficiente de Eddie para aprender alguns dos fundamentos, mas de repente me dei conta de algo. O movimento de Chris foi demasiado temeroso e descuidado. Efetivamente, Trey era capaz de evitar o ataque e deixei escapar um suspiro de alívio. Me deixei cair de volta em meu assento. Aqueles que estavam seguros de que ele estava a ponto de ser acertado rugiram de indignação. Isso deixou a Trey uma brecha para acabar com Chris. Minha tensão voltou. Isso era realmente o melhor? Trey “ganhando” o direito de levar uma vida? O ponto era discutível. Trey não pegaria a oportunidade. Franzi o cenho enquanto olhava. Ele não titubeava precisamente, mas havia algo que não parecia certo. Há um ritmo na luta, onde as respostas instintivas e automáticas tomavam o relevo.


Era quase como se Trey estivesse lutando intencionalmente contra seu seguinte movimento instintivo, o que dizia ataca agora

e ao fazê-lo Trey permaneceu

aberto. Deu um golpe em Chris, mas este o derrubou contra o solo. Apoiei uma mão em meu próprio peito, como se eu também tivesse sentido o golpe. As pessoas pareciam loucas. Inclusive os Mestres saltaram de seus assentos, gritando sua aprovação e consternação. Tive que continuar sentada a força. Cada parte de mim queria correr ali e me assegurar de que Trey estava bem, mas tive a sensação de que os membros armados de minha guarda atirariam ou me golpeariam antes que eu desse dois passos. Minha preocupação desapareceu um pouco quando vi Trey se levantar. Chris deu uma palmadinha em Trey, sorrindo de orelha a orelha enquanto os presentes gritavam seu nome. Trey prontamente se retirou indo para os terraços abarrotados, dando lugar ao vencedor. Seu pai logo o recebeu com um olhar de desaprovação, mas não disse nada. O homens que havia dado os cacetetes parou perto de Chris com a espada que eu havia devolvido. Chris a ergueu sobre sua cabeça, ganhando mais aplausos. Ao meu redor, Mestre Jameson se levou e gritou: - Tragam a criatura. Criatura era dificilmente como eu descreveria Sonya Karp quando quatro guerreros fortemente armados a arrastaram por toda a arena poeirenta. Suas pernas apenas pareciam funcionar, e apesar da distância, me dei conta de que estava drogada. Por isso Adrian não podia alcançá-la em seu sonho. Também explicava porque ela não havia utilizado nenhum tipo de magia para tentar escapar. Seu cabelo estava um desastre, e estava com a mesma roupa que a havia visto naquela noite no apartamento de Adrian. Estava desalinhada, mas pelo menos não parecia ter sinais de abuso físico. Desta vez, não pude evitar de ficar em pé. A garota loira imediatamente colocou uma mão no meu ombro, me obrigando a sentar. Olhei para Sonya, querendo desesperadamente ajudá-la, mas sabia que estava impotente. Escondendo de novo o medo e a raiva, pouco a pouco me sentei e virei na direção do conselho.


- Vocês me disseram que teria a oportunidade de falar. – Recorri a seu sentido de honra. – Deram sua palavra. Isso não significa nada? - Nossa palavra significa tudo. – disse o mestre Ortega, parecendo ofendido. – Vai ter sua oportunidade. Atrás da guarda de Sonya chegaram dois homens transportando um enorme bloco de madeira com restrições de braço. Parecia que havia saído de um estúdio de filme medieval, e meu estômago se retorceu, quando me dei conta para o que era: decapitação. As sombras haviam se incrementado, obrigando os homens a pegar tochas que projetavam sinistros flashes de luz ao redor da arena. Era impossível acreditar que estava no século 21 na Califórnia. Me senti como se tivesse sido transportada a algum castelo bárbaro. E realmente, estes caçadores eram bárbaros. Um dos guardas de Sonya a empurrou por trás, forçando sua cabeça sobre a superfície do bloco enquanto atava suas mãos com os correias de couro. Em seu estado aturdido, não requeria quase nenhum nível de força que o homem usou. Não podia acreditar que pudessem ser tão hipócritas quando estavam a ponto de acabar com a vida de uma mulher que não podia oferecer nenhuma resistência e que muito menos sabia que estava aqui. Todo mundo gritava por seu sangue, e senti que eu ia ficar doente. O Mestre Angeletti se levantou, e um silêncio caiu sobre a arena. - Estamos reunidos aqui de todas as partes do país para uma grande coisa. É um dia raro e bendito quando realmente temos um Strigoi em cativeiro – Porque não é um Strigoi, pensei com raiva. Nunca seriam capazes de capturar um vivo – Eles infectam seres humanos decentes como nós, mas hoje vamos enviar uma de volta ao inferno, uma que é particularmente insidiosa devido a sua capacidade de ocultar sua verdadeira natureza e finge ser um dos demônios mais benignos, os Moroi, com quem também lidaremos um dia. – Murmúrios de aprovação passou pela multid��o – Sem enrolação, antes de começar, uma de nossas irmãs Alquimista gostaria de falar em nome dessa criatura.


A aprovação desapareceu, substituída por enojados e evidentes murmúrios. Me perguntava inquieta se os guardiões manteriam suas armas apontadas para mim se eu fosse atacada. O Mestre Angeletti levantou as mãos e os silenciou. - Mostrarão respeito a nossa pequena irmã – disse - Os Alquimistas são familiares, e uma vez, fomos um. Seria um acontecimento transcedental se pudéssemos uma vez mais unir forças. Com isso, se sentou e me fez um gesto. Nada mais foi oferecido e assumi que isto significava que a palavra era minha. Não estava de todo segura do que se supunha que deveria expor de meu caso nem onde. O conselho tomava as decisões, mas isso parecia algo que todos deveriam escutar. Me coloquei de pé e esperei que a garota com a arma fosse me impedir de novo. Ela não fez. Pouco a pouco, com cuidado, fiz meu caminho para baixo dos terraços e parei na arena, consciente de não chegar muito perto de Sonya. Não acreditava que seria melhor. Mantive meu corpo em ângulo para o conselho mas voltei minha cabeça de uma maneira que esperava chegar aos demais. Havia dado reportes e apresentações antes, mas sempre em uma sala de conferências. Nunca havia abordado uma multidão furiosa, e muito menos falado com um grupo tão grande sobre assuntos de vampiros. A maioria dos rostos ali estavam encobertas pelas sombras, mas eu podia imaginar todos esses olhos enojados e sedentos de sangue fixos em mim. Sentia minha boca seca, e, o que foi um fenômeno raro, minha mente estava em branco. Um momento depois, fui capaz de empurrar através de meu medo – o que certamente não desapareceu – e recordei o que queria dizer. - Estão cometendo um erro – comecei. Minha voz era pequena e clareei a garganta, obrigando-me a projetar e soar mais forte – Sonya Karp não é um Strigoi. - Temos registros dela em Kentucky – interrompeu o Mestre Jameson – Testemunhas que a viram matar. - Isso porque ela era um Strigoi aquela época. Mas ela já não é mais. – Não deixava de pensar que a tatuagem me impediria de falar, mas este grupo já estava muito consciente do mundo vampírico. – No último ano, os Alquimistas tem


aprendido muito sobre os vampiros. Vocês devem saber que os Moroi, vocês os chamam de “demônios benignos”, praticam magia elementar. Recentemente descobrimos que há um novo e raro tipo de magia, uma que está ligada aos poderes psíquicos e a cura. Esse poder tem a capacidade de restaurar Strigoi de novo a sua forma original, seja ele humano, dhampir ou Moroi. Uns poucos raivosos se levantaram rapidamente em um frenesí. A mentalidade da multidão em ação. O Mestre Jameson tomou isso como para acalmá-los de novo. - Isso – disse simplesmente – é impossível. - Temos documentado o caso de três, não, quarto pessoas que aconteceu isso. Três Moroi e um dhampir que uma vez foram Strigoi e agora estão em posição de seus seres originais e almas. – Falar sobre Lee no tempo presente não era de todo exato, mas não havia necessidade de esclarecer. E descrever um antigo Strigoi que queria se converter em Strigoi outra vez provavelmente não ajudaria no meu caso – Olhem-na. Ela parece Strigoi? Ela está fora, no sol. – Não havia muito sol, mas esses fugazes raios de sol matariam a um Strigoi. Com a maneira com que eu suava de medo, bem poderia ter estado em um ardente sol de meio de tarde – Seguem dizendo que isso é obra de uma magia retorcida, mas alguma vez, apenas uma vez, a viram em forma de Strigoi aqui em Palm Springs? Ninguém reconheceu isso de imediato. Finalmemte, o Mestre Angeletti, disse. - Ela derrotou nossas forças na rua. Obviamente voltou a sua forma verdadeira. - Ela não fez isso. Dimitri Belikov fez, um dos melhores guerreiros dhampirs aí fora. Não se ofenda, mas apesar de todo o treinamento, seus soldados foram superados irremediavelmente. – Vi os olhares mais agressivos. Me dei conta de que provavelmente não era a melhor coisa que pudesse ter dito. - Você foi enganada. – disso o Mestre Angeletti – Não é de estranhar já que sua gente a tempos se enreda atrás das cenas com os Moroi. Não são como nós, nas trincheiras. Vocês não enfrentam cara a cara os Strigoi. São criaturas malvadas, sedentas de sangue que devem ser destruídas.


- Estou de acordo com isso. Mas Sonya não é um deles. Olhem-na. – Eu estava ganhando valor, minha voz cada vez mais forte e mais clara na noite do deserto. – Seguem presumindo a captura de um monstro terrível, mas tudo o que vejo é uma mulher drogada e comedida. Bom trabalho. Na verdade um inimigo digno. Ninguém do conselho parecia quase tão tolerante como haviam estado antes. - Nós simplesmente a submetemos – disse o Mestre Ortega – É um sinal de nossa destreza que fomos capazes de fazê-lo. - Submeteram uma mulher inocente e indefesa. – Não sabia se enfatizando este ponto poderia ajudar, mas pensei que não seria mal se tinham pontos de vista retorcidos e cavalheirescos das mulheres – E sei que tem cometido erros antes. Sei sobre Santa Cruz – Não tinha ideia se este havia sido o mesmo grupo cujos homens haviam ido atrás de Clarence, mas estava apostando que pelo menos o conselho sabia. – Alguns de seus membros mais entusiastas foram atrás de um Moroi inocente. Vocês viram os erros de seus métodos quando Marcus Finch disse a verdade. Tampouco é demasiado tarde para corrigir este erro. Para minha surpresa o mestre Ortega sorriu. - Marcus Finch? Você o está colocando como uma espécie de herói? Não exatamente, não. Nem sequer conheço o tipo. Mas se ele era um ser humano que falava em tom condescendente com estes loucos, então deve ter algum tipo de integridade. - Porque não haveria de colocar? – perguntei – Ele foi capaz de diferenciar o bem do mal. O Mestre Angeletti começou a rir agora. - Nunca tinha esperado um alquimista falar do sentido de “bem e mal”. Pensei que seus próprios pontos de vista disso eram irremovíveis. - Do que está falando? – Não pretendia descarrilar, mas estes comentários eram muito desconcertantes.


- Marcus Finch traiu os alquimistas – explicou o mestre Angeletti – Não sabia? Supus que um alquimista renegado seria a última pessoa que usaria para advogar por seu caso. Estava momentaneamente sem fala. Estava dizendo...estava dizendo que Marcus Finch era um alquimista? Não. Não pode ser. Se ele tivesse sido, então Stanton sabia quem ele era. A menos que ela mentiu sobre não ter nenhum registro dele, uma voz em minha cabeça advertiu. O Mestre Jameson aparentemente ouviu o bastante de mim. - Nós apreciamos que tenha vindo aqui e respeitamos sua intenção de defender o que acredita ser verdade. Assim mesmo, nos alegra que foi capaz de ver o quão fortes estamos convertidos. Espero que leve esta notícia quando voltar a seu grupo. Em todo caso, suas intenções aqui demonstraram o que sabemos por muito tempo: os grupos precisam se juntar. Claramente, os alquimistas tem recolhido uma grande quantidade de conhecimentos ao longo dos anos que poderiam ser úteis para nós, assim como nossa força pode ser útil para vocês. Sem mais...- Olhou para Sonya e franziu o cenho – o ponto segue sendo que agora, qualquer que sejam suas intenções, realmente foi enganada. Inclusive há uma pequena possibilidade impossível de que tenha razão, que ela realmente seja uma Moroi...não podemos tomar a possibilidade de que talvez esteja corrompida. E se ela acredita que foi restaurada, poderia ser influenciada subconscientemente. Uma vez mais fiquei sem palavras, mas não porque parecia ter perdido meu caso. As palavras do Mestre Jameson foram quase idênticas a que o pai de Keith havia dito, quando me disse que Keith teria que voltar para a re-educação. O Sr. Darnell havia feito eco deste sentimento, que não poderia correr o risco de que um pouco de influência sutil afetara Keith. Ações extremas haviam sido requeridas. Somos o mesmo, pensei. Os alquimistas e os guerreiros. Os anos nos tinha dividido, mas viemos do mesmo lugar, tanto em nossos objetivos quanto em nossas atitudes cegas. Então o Mestre Jameson disse o mais impactante de tudo.


- Inclusive se é só um Moroi, não é uma grande perda. Iremos buscar eles eventualmente de todos os modos, uma vez que tivemos derrotado os Strigoi Fiquei gelada ante essas palavras. A garota loira me cercou e de novo me obrigou a sentar na primeira fila. Não ofereci resistência, muito surpreendida pelo que acabara de ouvir. O que quiseram dizer com buscar os Moroi? Sonya podia ser só o início e logo o resto dos meus amigos, e logo Adrian... O Mestre Angeletti me trouxe de volta para o presente. Fez um grande gesto para Chris enquanto falava. Chris pegou a espada, com um brilho fanático em seus olhos. Uma sentelha feliz, inclusive. Ele queria fazer isso. Queria matar. Dimitri e Rose haviam matado muitas e muitas vezes, mas ambos haviam dito que não havia alegria nisso. Estavam contentes de fazer o certo e defender os demais, mas não desfrutavam trazendo a morte. Havia aprendido que a existência de vampiros era incorreta e torcida, mas o que estava a ponto de presenciar era a verdadeira atrocidade. Estes eram os monstros. Queria gritar, chorar ou me jogar na frente de Sonya. Estávamos a um passo da morte de uma pessoa brilhante e afetuosa. Então, sem aviso prévio, o silêncio da arena foi preenchido com armas de fogo. Chris se deteve e levantou a cabeça com surpresa. Estremeci e olhei imediatamente para a escolta armada, perguntando-me se tomariam sobre si mesmo para se converter em um pelotão de fusilamento. Pareciam tão surpreendidos quanto eu, bom, a maioria deles. Dois deles não mostraram muita emoção, porque despencaram no solo. E foi então quando Dimitri e Eddie irremperam pela arena.


Capítulo Capítulo 22

Se ouvia disparos na arena, derrubando vários Guerreiros armados. Compreendi que Dimitri e Eddie não estavam sozinhos, porque nenhum deles tinha uma arma. Os disparos vinham dos edifícios que rodeavam a arena. Desatou o caos quando os espectadores reunidos se colocaram de pé para participar da briga. Minha respiração parou quando me dei conta de que muitos deles também tinham suas próprias armas. Me surpreendi ao notar que o Guerreiro caído ao solo junto a mim não sangrava. Um pequeno dardo estava em seu ombro. As “balas” dos franco atiradores deviam ser tranquilizantes. Quem eram? Olhei para a entrada e vi que alguns outros com aspecto de guardiões haviam entrado na arena e estavam lutando com alguns dos Guerreiros, incluindo Chris. Isso dava a Dimitri e Eddie a cobertura para libertar Sonya. Um flash de cabelo vermelho chamou minha atenção perto deles e reconheci a ágil figura de Angeline. Dimitri cortou eficientemente as correias de Sonya e logo ajudou a levantá-la com Eddie. Um Guerreiro entusiasta chegou a eles, e Angeline rapidamente o nocauteou, como se tratasse de um orador motivacional. Ao meu lado, um dos Mestres gritou. - Peguem a garota Alquimista! Peguem-na como refém! Negociarão por ela! A garota Alquimista. Correto. Essa seria eu. No calor da batalha, quase ninguém o ouviu, exceto um. A garota loira descolorida tinha conseguido escapar dos tranquilizantes. Saltou para mim. Minha adrenalina entrou em ação e de pronto eu não tive medo. Com reflexos que não sabia que tinha, coloquei a mão na bolsa e peguei o potpourri. Abri e o lancei ao redor de mim, gritando uma conjuração em latim que traduzia basicamente como “não veja mais”.


Comparado com o feitiço da bola de cristal, este era surpreendentemente fácil. Requeria vontade de minha parte, certamente, mas a maior parte da magia estava ligada aos componentes físicos e não necessitava das horas de concentração que o outro demandava. O poder se elevou dentro de mim quase instantaneamente, dando-me uma emoção que não havia antecipado. A garota gritou e deixou cair sua arma, coçando os olhos. Os gritos de consternação dos mestres sentados juntos a mim demostrava que eles também haviam sido infectados. Havia lançado um feitiço de cegueira, que afetaria os que estavam perto de mim por uns trinta segundos. Uma parte de mim sabia que usar magia era mal, mas o resto de mim se sentia triunfante ao deter alguns destes fanáticos, mesmo que temporariamente. Não desperdicei nada do precioso tempo. Me levantei de onde estava sentada em um salto e atravessei a arena correndo, longe dos combates perto da entrada. - Sydney! Não sei como consegui escutar meu nome por cima de todo esse ruído. Olhando para trás de mim, vi Eddie e Angeline levando Sonya porta a fora. Fizeram uma pausa, e uma expressão de dor cruzou o rosto de Eddie quando olhava ao redor, avaliando a situação. Podia adivinhar seus pensamentos. Queria que fosse com eles. A maioria dos Guerreiros reunidos haviam corrido para o centro da arena, tentando deter o resgate de Sonya. Me superavam por muito, criando um muro entre eu e meus amigos. Ainda quando não tivera que brigar com ninguém, parecia impossível que pudesse passar despercebida, sobretudo porque as pessoas gritavam “a garota alquimista”. Sacudindo a cabeça redundantemente, fiz sinal para Eddie para que se fosse sem mim. A indecisão apareceu em seu rosto e esperava que não tentasse passar através da multidão para chegar a mim. Fiz sinal para a porta uma vez mais instando-o a ir para fora. Sonya era a que estava incapacitada. Eu teria que encontrar minha própria saída. Sem esperar para ver o que ele faria, dei a volta e continuei pelo caminho que estava seguindo. Havia muito espaço aberto para correr, menos Guerreiros para me deter.


Vários edifícios rodeavam a arena, alguns com portas e janelas. Fui até eles, ainda que não tivesse nada com que quebrar os vidros. Duas das portas tinham cadeados. Isso deixava duas sem cadeado. A primeira que tentei abrir tinha um bloqueio invisível e não se abria. Frenética, corri para a segunda e ouvi um grito atrás de mim. A garota loira descolorida tinha recuperado a visão e vinha atrás de mim. Desesperadamente, girei a fechadura da porta. Nada aconteceu. Colocando a mão em minha bolsa tirei o que os Guerreiros tinham confundido com sabonete para as mãos. Eu peguei, derramando ácido sobre o metal. Derreteu ante meus olhos. Tinha a esperança de que isso rompesse a fechadura. Golpeei a porta com meu ombro e cedeu. Então me atrevi a olhar para trás. Minha perseguidora estava no chão, outra vítima dos tranquilizantes. Dei um suspiro de alívio e empurrei a porta. Havia esperado entrar em outra garagem como a primeira que havia sido levada, mas em seu lugar me encontrei em algum tipo de edifício residencial. Os corredores vazios giravam em uma e outra direção e me senti desorientada. Todos estavam imersos na atividade da arena. Passei por dormitórios improvisados, cheios de berços e maletas e mochilas parcialmente desarrumadas. Quando vi o que parecia uma oficina, vacilei na porta. Papéis cobriam uma grande mesa dobrável no interior, e me perguntei se algum conteria informações úteis sobre os Guerreiros. Morria de vontade de entrar e investigar. Esses Guerreiros eram um mistério para os Alquimistas. Quem sabia que informações continham estes documentos? E se houvessem informações que podiam proteger os Moroi? Duvidei por um espaço de umas poucas batidas de coração, logo, segui meu caminho. Os guardiões estavam usando tranquilizantes, mas os Guerreiros tinham armas autênticas...armas que não teriam medo de usar em mim. Melhor sair dali com a informação que tinha, do que não sair com vida. Finalmente cheguei ao outro lado do edifício e olhei por uma janela do dormitório. O exterior estava tão escuro que apenas podia ver algo. Já não tinha o benefício das tochas. O único que podia dizer com certeza era que já não estava mais na arena. Isso era suficientemente bom para mim, ainda que tivesse sido melhor se tivesse uma porta de saída. Teria que fazer a minha. Pegando uma


cadeira, golpeei a janela e me surpreendi completamente quando o vidro se rompeu facilmente. Alguns fragmentos caíram em mim, mas nada grande o suficiente para causar dano. De pé sobre a cadeira, me segurei para sair pela janela sem ferir minhas mãos. Fui recebida por uma noite cálida e escura. Não havia luzes elétricas visíveis mais adiante, só o terreno aberto e escuro. Supus que isso significava que estava no lado oposto do recinto por onde Trey havia me trazido. Não havia ruas, nenhum som da estrada pela qual havíamos viajado. Tampouco havia sinais de vida em algum lugar, o que tomei como um bom sinal. Com sorte todos os guardas Guerreiros que normalmente patrulhavam os terrenos estariam lutando contra os guardiões. Se Sonya já havia saído, minha esperança era que os guardiões começassem a se retirar...e me levasse com eles. Se não fizessem, eu não estava certa de caminhar para a I-10 e fazer uma paragem automática. O recinto era extenso e confuso, e enquanto caminhava ao redor, não via sinais da estrada, comecei a ficar inquieta. Quão longe haviam me levado? Só tinha uma quantidade de tempo para sair da propriedade dos Guerreiros. Podiam estar me caçando agora mesmo. Também tinha o desconcertante problema de que quando chegasse ao portão, teria que passar pela cerca elétrica. Ainda assim, poderia ser melhor esquecer a busca da auto estrada e simplesmente ir pelo campo do acampamento dos Guerreiros para que pudesse... Uma mão tocou meu ombro e eu gritei. - Calma, Sage. Não sou nenhum louco pistoleiro. Louco, sim. Mas não o resto. Olhei incrédula, não que realmente pudesse distinguir muito a alta e escura figura de pé junto a mim. - Adrian? – A altura estava correta, também a textura. Conforme olhava, me senti mais e mais segura. Suas mãos estabilizaram meu tremor. Estava tão feliz de ver um rosto conhecido...de ver ele...que quase me afundei em seus braços de alívio. - É você? Como me encontrou?


- É o único ser humano aqui fora com uma aura amarela e roxa. – disse – Faz com que seja fácil te identificar. - Não, quero dizer. Como me encontrou aqui. Neste recinto? - Segui os outros. Me disseram para não fazer, mas...bom – Debaixo da débil luz da lua apenas pude ver seu encolher de ombros – Não sigo bem as instruções. Quando Castille saiu com Sonya e começou a balbuciar sobre como havia saído por alguma porta, pensei em dar uma volta rápida ao redor. Não acredito que supunha que fizesse isso tampouco, mas os guardiões estavam ocupados. - Está louco – disse, apesar de feliz por saber que não havia sido abandonada neste miserável lugar – Os Guerreiros estão tão loucos que provavelmente matariam um Moroi a primeira vista que tivessem. Ele puxou minha mão para a frente. Mesmo através de sua brincadeira, tinha um tom duro em suas palavras. Ele estava consciente do perigo que enfrentávamos. - Então é melhor sairmos daqui. Adrian me levou de volta na direção que eu tinha vindo, em seguida, deu a volta ao lado oposto do prédio. Eu não vi as luzes da auto-estrada ainda, mas ele logo se virou e começou a correr em direção a borda mais distante da propriedade, longe do edifício. Eu corri ao lado dele, ainda segurando sua mão. - Onde vamos? – perguntei. - Os Guardiões se reuniram na parte posterior, para não serem vistos. Essa parte da cerca foi desativada...você pode escalá-la. - Claro que posso escalá-la. Sou praticamente um prodígio na Educação Física. – assinalei – a pergunta é, você pode senhor fumante? A cerca começou a tomar forma a medida que ela bloqueava algumas estrelas. - Essa é a seção. Atrás do arbusto de aspecto selvagem. – disse Adrian. Não podia ver nenhum arbusto mas confiava em seus olhos – Iremos um pouco mais além dela, há uma rota rural que os guardiões utilizaram como um ponto de parada. Estou estacionado ali.


Nos detivemos em frente a cerca, ambos um pouco sem alento. Olhei para cima. - Tem certeza de que está desligada? - Estava quando entramos – disse Adrian, mas pude ouvir um pouco de incerteza em sua voz – Você acha que esses caras teriam começado a agir em conjunto o suficiente para já ter arrumado? - Não – admiti – Mas ainda assim eu gostaria de ter certeza. Quero dizer, a maioria das cercas elétricas comerciais não ferem alguém significativamente, mas eu gostaria de saber. Ele olhou ao redor. - Podemos jogar um pedaço de pau? - A madeira não é condutora – revirei minha bolsa e encontrei o que queria: uma caneta de metal com cabo de espuma – Com sorte, a espuma bloqueará a pior parte se a cerca estiver realmente ligada. Tentando não fazer uma careta, me estiquei e toquei a cerca com a ponta da caneta, esperando que uma intensa descarga me enviaria voando para trás. Não aconteceu nada. Lentamente deslizei a caneta pela cerca, já que a maioria dos objetos eletrificados tinham um pulso intermitente. Esse contato seria necessário. - Parece limpo – disse, exalando com alívio e voltando para Adrian – Acredito que podemos...ahh! Uma forte luz brilhou em meus olhos, cegando-me e acabando com qualquer visão noturna que tinha adquirido aqui fora. Ouvi Adrian gritar também de surpresa. - É a garota! – exclamou uma voz masculina – E...e um deles! A lanterna foi retirada de meu rosto e alguns pontos seguiam dançando na minha visão, pude distinguir duas figuras descomunais que nos cercavam rapidamente. Estavam armados? Minha mente se acelerou. Se estivessem ou não, continuavam sendo uma ameaça evidente já que ao parecer, os Guerreiros gostavam de praticar batendo um no outro em seu tempo livre e eu e Adrian não.


- Não se movam – disse um deles. Uma folha clareou pelo brilho da lanterna que havia caído. Não tão mal quanto uma pistola, mas tampouco genial. – Ambos venham conosco, de volta para dentro. Desafortunadamente para eles, eu tinha alguns truques na manga. Rapidamente coloquei a caneta em meu bolso e peguei outra das tarefas da Srta. Terwilliger: um bracelete fino e redondo de madeira. Antes de que qualquer dos Guerreiros pudesse fazer algo, rompi o círculo de madeira em quatro partes e lançei ao chão, invocando outro encantamento em latim. Uma vez mais, senti a emoção do poder e seu júbilo. Os homens gritaram, havia lançado um feitiço de desorientação, um que arruinava o equilíbrio e deixava sua visão borrada e surrealista. Funcionava muito parecido com o feitiço da cegueira, afetando os que me rodeavam. Me lancei pra frente e empurrei um dos nossos agressores para baixo. Caiu facilmente, muito incapacitado pelo feitiço para resistir. O outro tipo estava tão alterado que havia deixado cair a lanterna e estava praticamente no chão já que seus intentos para se equilibrar fracassaram. Sem demorar, dei um bom chute no processo. Não precisava necessariamente da visão noturna de Adrian, mas estes dois estariam indefesos na escuridão enquanto o feitiço se desfazia. - Sage! Que demônios você fez comigo? Me virando, vi Adrian agarrado a cerca, utilizando-a para sustentar a si mesmo. Em minha busca por deter os Guerreiros, esqueci que o feitiço afetava a todos que estavam ao meu redor. - Oh – disse – sinto muito. - Você sente? Minhas pernas não funcionam! - É seu ouvido interno, na realidade. Vamos. Segure a cerca e suba. Uma mão depois da outra. Me segurei à cerca também e o incentivei a subir. Não era a cerca mais fácil de subir, não estava eletrificada e não tinha picos e tê-la de apoio diminuía um pouco a desorientação de Adrian. Não obstante, ainda assim foi um processo lento, mas fazíamos nosso caminho para cima. Esse feitiço durava um pouco mais


do que o da cegueira, mas eu estava dolorosamente consciente que assim como quando Adrian estivesse livre do feitiço, os Guerreiros também estariam. Contra todo o prognóstico, chegamos a parte superior da cerca. Passar por cima, para o outro lado, foi muito mais difícil, e tive que fazer uma boa quantidade de acrobacias para ajudar Adrian a fazer a transição enquanto eu permanecia estável. Finalmente consegui colocá-lo na posição correta para descer. - Bem – disse – agora só tem que reverter o que você fez antes, com uma mão na frente da... Algo escapou, ou sua mão ou seu pé, e Adrian desabou no chão. Não era uma caída longa, e sua estatura ajudou um pouco...não é que ele estivesse em condições de usar suas pernas e aterrizar de pé. Fez uma careta. - Ou simplesmente pode tomar o caminho mais curto para baixo – disse. Rapidamente desci até ele e o ajudei a se colocar de pé. A não ser a debilitação pelo feitiço, ele não parecia ter sofrido nenhum dano. Deslizando um braço ao redor dele e desejando que apoiasse seu peso em mim, tentei correr pelo caminho que ele havia mencionado, agora ligeiramente visível. “Correr” era difícil. Era difícil manter Adrian de pé e eu dava tombos continuamente. Saimos lentamente do lugar, que era quase tanto quanto poderíamos esperar. O estado de Adrian o deixava torpe e pesado, e sua altura era um verdadeiro inconveniente. Então, sem prévio aviso, o feitiço se desvaneceu, e Adrian se recuperou num instante. Suas pernas fortaleceram e seu passo, difícil de manejar, se indireitou. De repente, foi como se ele me levasse e nós praticamente tropeçamos em nós mesmo tentando nos adaptar. - Está bem? – perguntei, deixando-o ir. - Eu estou agora. Que demônios foi isso? - Não é importante. O importante é que eles também se recuperaram. Talvez tenha os golpeado o suficiente para reduzir sua velocidade. – Isso parecia algo improvável. – Mas de todo modo é melhor corrermos. Corremos, e sem dúvida ele tinha o sistema respiratório de um fumante inveterado, suas pernas longas compensavam. Podia me deixar para trás facilmente, mas desacelerou de maneira que permanecessemos juntos. Quando


começou a se adiantar, pegou minha mão de novo. Gritos soaram atrás de nós e apaguei a lanterna para ser mais difícil de nos detectar. - Ali – disse Adrian – vê os carros? Lentamente, saindo da escuridão, duas caminhonetes se materializaram, junto com um Mustang de cor amarela muito mais visível. - Muito discreto. – murmurei. - A maioria dos guardiões se foram – disse Adrian – mas não todos. Antes de que pudesse responder alguém me pegou por trás. Em uma manobra que teria deixado Wolfe orgulhoso, consegui dar um chute para trás que tanto havia se esforçado para nos ensinar. Peguei meu atacante com surpresa e me soltou, só para que seu companheiro me empurrasse para o chão. Três figuras correram dos carros e se lançaram sobre nossos atacantes. Graças a seu característico sobretudo, supus que Dimitri comandava o grupo. - Saiam daqui – exclamou para Adrian e para mim – Sabe onde nos encontrar. Te cubriremos. Conduza rápido, provavelmente estão no caminho. Adrian me ajudou a levantar, e uma vez mais corremos juntos. Havia lesionado o tornozelo quando caí, assim me movia devagar, mas Adrian me ajudou e permitiu que me apoiasse nele. Todo o tempo meu coração ameaçava sair do meu peito, mesmo quando chegamos a segurança do Mustang. Ele me guiou para o lado do passageiro. - Pode entrar bem? - Estou bem – disse, delizando para dentro e pouco disposta a admitir que a dor estava aumentando. Rezava para que não tivessemos demorado muito. Não podia suportar a ideia de ser a responsável pela captura de Adrian. Satisfeito, Adrian correu para o lado do condutor e arrancou o carro. O motor rugiu com vida e ele seguiu as ordens de Dimitri ao pé da letra, alcançou uma velocidade que me causou inveja. Nesta rota rural, parecia improvável que houvesse alguma polícia. Olhei para trás várias vezes, mas quando chegamos a I10, era óbvio que nada havia nos seguido. Suspirei agradecida e apoiei a cabeça contra o assento, mesmo estando muito longe de estar tranquila. Todavia não podia dar por certo que estávamos a salvo.


- Ok. – disse. - Como diabos me encontraram? Adrian não respondeu de imediato. E quando ele fez, me dei conta de que era de muita má vontade. - Eddie colocou um dispositivo de rastreio em sua bolsa, quando estavamos em minha casa. - Que? Não pode ser! Eles me revistaram. - Bem, estou certo de que não parecia como um. Eu não sei o que ele acabou fazendo. Na verdade, ele conseguiu do seu pessoal. Tão pronto quando Trey confirmou a reunião desta noite, Belikov estava ao telefone com cada guardião em um raio de duas horas, tentando recrutar ajuda. Também chamou os Alquimistas e os convenceu de compartilhar algo de tecnologia. Havia tantas loucuras no que ele havia acabado de dizer, que não sabia por onde começar a analisar. Todos os tipos de acontecimento tinha ocorrido sem o meu conhecimento. E ainda assim quando tudo havia sido resolvido, ninguém havia me falado sobre ele. Além do mais, os Alquimistas haviam participado? Ajudando os guardiões a me rastrear? - Os brincos – disse – De lá que veio. O rastreador deve estar em um deles. Nunca teria imaginado. - Não me surpreende, conhecendo a maneira como vocês trabalham. O resto da realidade da noite começou a assentar. O último dos meus medos desapareceu, só para ser substituido por ira. - Mentiram para mim! Todos vocês! Deveriam ter me dito o que estavam fazendo...que estavam me seguindo e que planejavam uma incursão. Como pôde me esconder isso? Ele suspirou. - Eu não queria, acredite. Disse a eles uma e outra vez que era necessário deixá-la informada. Mas todos temiam que você se negasse a levar o dispositivo se soubesse. O que, de alguma maneira, você pudesse ter um deslize e revelasse o plano para esses malucos. Eu não acreditava nisso, contudo.


- E ainda assim, não se incomodou em me dizer você mesmo – espetei, indignada. - Não podia! Me fizeram prometer que não diria. De alguma maneira sua traição doía mais do que a dos outros. Havia chegado a confiar nele implicitamente. Como podia fazer isso comigo? - Ninguém acreditava que eu fosse capaz de persuadir os Guerreiros, assim todos fizeram seus planos de emergência sem mim. – Não importava que eu não tinha sido capaz de persuadí-los. – Alguém deveria ter me contado. Você deveria ter me contado. - Estou te dizendo, queria te contar. Mas estava preso. Você mais do que ninguém sabe o que é estar preso entre grupos, Sage. Além disso, não se lembra o que te disse antes de entrar no carro de Trey? Sim eu lembrava. Quase palavra por palavra. Aconteça o que acontecer, quero que saiba que nunca duvidei do que vai fazer. É inteligente e valente. Me encolhi mais no assento e me senti como se estivesse a ponto de chorar. Adrian estava certo. Sim, sabia o que era ter sua lealdade estendida entre diferentes grupos. Entendia a posição em que ele estava. Era só uma parte egoísta de mim que desejava que sua lealdade comigo tivesse sido mais forte do que com os outros. Ele tentou, disse uma voz interior. Ele tentou dizer. O ponto de encontro ao qual Dimitri tinha dito a Adrian resultou na casa de Clarence. O lugar estava cheio de guardiões, alguns dos quais estavam remendando as lesões do outro. Ninguém havia sido assassinado em nenhum dos grupos, algo que os guardiões haviam sido muito cautelosos. Os Guerreiros da Luz já pensavam que os vampiros eram retorcidos e corruptos. Não precisavam de mais combustível para botar fogo. Não que o ataque desta noite fosse ajudar no assunto. Não tinha nem ideia de como iam reagir os Guerreiros, ou se poderia haver alguma represália preparada. Supunha que os guardiões e os Alquimistas haviam levado isso em consideração. Me perguntei amargamente se alguns deles compartilhariam suas opiniões comigo.


- Sei que não devo me oferecer para te ajudar a curar – me disse Adrian, a medida que passavamos junto a um grupo de guardiões – sente na sala de estar e trarei um pouco de gelo. Comecei a dizer que podia conseguir por mim mesma, mas meu tornozelo doía cada vez mais. Com um assentimento, o deixei e fui para a sala de estar. Um par de guardiões desconhecidos estavam ali, junto com um radiante Clarence. Para minha surpresa, Eddie e Angeline também estavam ali, sentados juntos e...de mãos dadas? - Sydney! – exclamou ele. Imediatamente soltou a mão de Angeline e correu para mim, assombrando-me com um abraço. – Graças a Deus que está bem. Odiei ter que te deixar lá. Isso não era parte do plano. Supunhamos que trariamos você junto com Sonya. - Sim, bom, quem sabe na próxima vez, alguém possa me informar sobre o plano – disse con intenção. Eddie fez uma careta. - Eu sinto por isso. Realmente sinto. Nós simplesmente... - Eu sei, eu sei. Não pensaram que aceitaria, temiam que algo saísse mal, etc, etc. - Sinto muito. Não o perdoei completamente, mas estava cansada demais para pressionar muito mais. - Simplesmente me diga isso – disse, baixando a voz – estava segurando a mão de Angeline? - Er. Sim. Só estávamos...conversando. Quero dizaer, isso é...acredito que poderíamos sair em algum momento. Não na escola, claro, porque todo mundo pensa que somos parentes. E provavelmente não seria nada sério. Quero dizer, ela está, todavia, um pouco fora de controle, mas não é tão mal quanto eu pensava. E esteve realmente genial nesta batalha. Sinto que devo tirar da minha cabeça essa fantasia com Jill e provar algumas coisas normais. Você me empresta seu carro.


Tive que recolher minha mandíbula do chão. - Claro. – disse – Está longe de minha intenção deter um incipiente romance. – Deveria dizer a ele que Jill poderia não ser uma fantasia, depois de tudo? Não queria me intrometer. Eddie merecia ser feliz, mas não podia evitar de me sentir um pouco mal por ter dito para Jill que ele podia estar interessado. Esperava não ter feito as coisas mais complicadas. Adrian voltou com uma bolsa de gelo. Sentei em uma cadeira e ele me ajudou a colocar o gelo no tornozelo depois de ter apoiado em um banco. Relaxei a medida que o gelo começou a adormecer a dor, com esperança de que tivesse quebrado nada. - Não é emocionante? – me perguntou Clarence – Finalmente puderam ver os caçadores de vampiros vocês mesmos! Não estava segura de descrever a noite com tanto entusiasmo, mas tinha que lhe conceder um ponto. - Tem razão – disse – Sinto por não acreditar antes. Ele me ofereceu um sorriso amável. - Está bem querida. Provavelmente eu tampouco teria acreditado em um velho louco. Devolvi o sorriso e logo pensei em algo que me ocorreu antes. - Senhor Donahue...você disse que quando se encontrou com os caçadores antes, este humano chamado Marcus Finch interveio em seu nome. Clarence assentiu ansiosamente. - Sim, sim. Bom jovem, esse Marcus. Certamente espero encontrá-lo de novo algum dia. - Era um alquimista? – eu perguntei. Vendo o olhar perplexo de Clarence, toquei a bochecha. – Tinha uma tatuagem como a minha? - Igual a sua? Não, não. Era diferente. É dificil de explicar. Me inclinei mais a frente. - Mas ele tinha uma tatuagem na bochecha? - Sim. Não viu na foto? - Que foto?


O olhar de Clarence se voltou pensativo. - Podia jurar que te mostrei algumas das fotos de minhas viagens, da época em que Lee e Tamara eram jovens...ah, que bons dias esses. Trabalhei duro para manter a paciência. Os momentos coerentes de Clarence as vezes era difícil de conseguir. - E Marcus? Tem uma foto dele também? - Claro. Uma encantadora de nós dois juntos. Procurarei um dia e te mostrarei. Queria pedir que me mostrasse agora, mas com sua casa tão cheia de gente, não parecia o momento adequado. Dimitri chegou pouco depois, junto com os últimos guardiões que tinham estado lá. Dimitri de imediato perguntou por Sonya, que eu sabia que estava descansando em seu quarto. Adrian havia se oferecido para curá-la, mas Sonya tinha suficiente claridade mental para recusar, dizendo que só queria sangue, descanso e uma oportunidade para que os medicamentos desaparecessem de forma natural. Uma vez que Dimitri conseguiu essa informação e pode se tranquilizar quanto a Sonya, veio diretamente a mim, olhando para baixo de sua elevada altura para onde estava sentada com o gelo. - Sinto muito – disse – Sei que a essa altura já deve saber o que aconteceu. - Que fui enviada a uma situação perigosa com só a metade da informação que precisava? – perguntei – Sim, sei tudo sobre isso. - Não sou um fanático por mentiras e as meias verdades – disse – desejaria que tivesse tido outra maneira. Tivemos tão pouco tempo, e esta parecia a melhor opção. Ninguém duvidava da sua capacidade para a razão e apresentar um caso convincente. Era da habilidade dos guerreiros para escutar e racionalizar que duvidávamos. - Pude ver porque vocês não me confiaram o plano – em volta de mim vi Adrian estremecer pela forma que havia dito vocês. Não queria dizer nada intencionalmente com isso, mas agora me dava conta de que soava muito condescendente e alquimista; tão eles contra nós. – Mas não posso acreditar que


os alquimistas permitiram...toleraram que me mantivessem fora de qualquer informação. Não havia mais cadeiras livres, então Dimitri apenas se sentou com as pernas cruzadas. - Não há muito que possa dizer sobre isso. Como te disse, havia pouco tempo, e quando falei com Donna Stanton, sentiu que seria mais seguro que não soubesse o que aconteceria. Se te faz sentir melhor, fui muito firme sobre que te mantivessem a salvo uma vez que estivessemos ali. - Talvez – disse – Seria melhor se ela tivesse pensado em como poderia me sentir quando me inteirasse de que não era de confiança no que se refere a informação vital. - Sim, pensou – disse Dimitri, parecendo ligeiramente incomodado. – Disse que não se importaria porque entende a importância de não questionar as decisões de seus superiores e que sabe que o que fazem é o melhor. Disse que é uma alquimista exemplar. Não questionar. Eles sabem o que é melhor. Não podemos correr nenhum risco. - É claro que disse. – eu disse. Eu nunca questiono nada.


Capítulo 23 Sonya levou alguns dias para se recuperar, o que atrasou a sua volta para a Pensylvânia. Quando estava bem para ir ao aeroporto, me ofereci para levá-la. O carro alugado havia sido encontrado, mas Dimitri estava usando para limpar depois da missão. Em menos de vinte e quatro horas, os Guerreiros haviam desocupado o lugar, que era na verdade um centro de viagens geralmente usado para retiros. Quase não haviam deixado rastros de sua presença, mas isso não deteve os guardiões de limpar cada centímetro do acampamento abandonado. - Obrigada de novo – disse Sonya – Sei como ocupada você deve estar. - Não tem problema. É fim de semana, e de qualquer maneira é para isso que estou aqui...para ajudar. Ela riu suavemente para si mesma. Sua recuperação nos últimos dias havia sido notável, e agora parecia tão charmosa e brilhante como sempre. Hoje estava com seu cabelo solto, deixando-o cair em ondas selvagens ao redor das linhas delicadas de seu rosto. - Certo, mas parece que começa a ter que ir mais além de sua descrição de trabalho. - Simplesmente estou feliz de que está bem – disse formalmente. Havia crescido em volta de Sonya e estava triste de vê-la ir. – Lá na arena...bom, foi um pouco assustador. Algo de sua diversão se desvaneceu. - Foi. Estive fora a maior parte do tempo e realmente não fui capaz de processar o que estava se passando ao meu redor. Mas me lembro das suas palavras. Estava muito surpreendente, para não mencionar valente, enfrentando a multidão e me defendendo. Sei o quão difícil deve ter sido estar do lado oposto daqueles da sua própria classe.


- Essas pessoas não são da minha classe – disse firmemente. Uma parte de mim perguntou exatamente quem era de minha classe. – O que vai acontecer com sua investigação agora? - Oh, continuarei com ela. Dimitri também voltará em breve, e há outros investigadores que podem nos ajudar na Corte. Ter um usuário de espírito objetivo como Adrian foi extremamente útil, e conseguimos bastante informação para ficarmos ocupados agora, graças as amostras de sangue e as observações da aura. Permitiremos que Adrian continue com sua arte e ele se colocou a disposição para mais adiante se precisarmos dele outra vez. - Sonya, sobre meu sangue... - Não se preocupe com isso – interrompeu – Tinha razão sobre estar sendo agressiva e também sobre necessitarmos nos focar em Dimitri primeiro. Além do mais, poderíamos estar fazendo algum avanço em conseguir a ajuda dos Alquimistas. - De verdade? – Stanton havia parecido muito contra isso quando conversamos – Disseram que sim? - Não, mas disseram que entrariam em contato. Ri. - Com eles, essa é uma resposta muito positiva. Fiquei em silêncio por um momento, perguntando-me se isso significava que todos esqueceriam do meu sangue. Entre os Guerreiros e a potencial ajuda Alquimista, seguramente meu sangue já não era importante. Depois de tudo, o estudo inicial não havia encontrado nada de especial. Ninguém tinha razão para se preocupar com o meu sangue. Exceto que o assunto era que...eu estava um pouco preocupada. Porque não importava o muito que eu temia ser usada como experimento, essa pergunta persistente não me deixaria em paz. Porque o Strigoi não havia sido capaz de beber meu sangue? A menção anterior de auras me lembrou outra pergunta que me corroia. - Sonya? O que significa a cor roxa na aura de alguém? Adrian disse que ele viu na minha, mas não me disse o que era.


- Típico – disse com uma risada entre dentes – A cor roxa...bom, vamos ver. Pelo que tenho observado, é uma cor complexa. É uma cor espiritual, mas apaixonado, está ligado aqueles que amam profundamente e também buscam uma vocação mais elevada. É interessante já que tem muita profundidade. A cor branca e ouro tende a ser cores associados com poderes mais superiores e matafísicos, assim como o roxo e o laranja estão ligados ao amor e instintos mais baixos. O roxo tem o melhor de tudo isso. Desejaria poder explicá-lo mais claramente. - Não, isso tem sentido – disse, estacionando no caminho circular de entrada do aeroporto – Mais ou menos. Ainda não soa exatamente como eu. - Bem, dificilmente é uma ciência exata. E ele tem razão...está em você.O assunto é... – Havíamos nos detido e a vi me estudando cuidadosamente – Eu tinha notado antes. Quero dizer, estou segura de que sempre tem estado aí, mas cada vez que te via, simplesmente via o amarelo da maioria dos intelectos. Adrian não é tão esperto em ler auras como eu sou, assim que estou surpreendida que ele notou algo que eu não notei. Não era a única. Espiritual, apaixonada...eu de verdade era essas coisas? Adrian acreditava que eu era essas coisas? A ideia fez eu me sentir quente em todas as partes. Exaltada...e confusa. Sonya parecia estar a ponto de dizer algo mais sobre o assunto e logo mudou de opinião. Clareou a garganta. - Bem, então. Aqui estamos. Obrigada pelo passeio. - Não tem problema. – disse, minha mente no entanto navegava em visões roxas – Tenha uma boa viagem. Abriu a porta do carro e se deteve. - Ah, tenho algo para você. Clarence me pediu que te desse. - Clarence? Sonya procurou em seu bolso e encontrou. - Aqui está. Foi bastante firme que você tivesse...já sabe como ele é quando se trata de algo.


- Eu sei. Obrigada. Sonya se foi e a curiosidade me fez abrir o envelope antes de ir. Dentro havia uma fotografia, mostrando Clarence e um cara jovem, quase da minha idade, que parecia humano. Os dois tinham seus braços ao redor do outro e estavam sorrindo para a câmera. O garoto desconhecido tinha cabelo loiro liso que apenas chegava a seu queixo e olhos azuis impressionantes que destacavam contra sua característica bronzeada. Era extremamente bonito, e seus olhos refletiam seu sorriso, que também tinha um pouco de tristeza. Estava tão focada na sua boa aparência que não notei sua tatuagem imediatamente. Estava sobre sua bochecha esquerda, um desenho abstrato feito de meias luas agrupadas de vários tamanhos e orientações, que estavam juntas de modo que quase pareciam como uma videira. Era exótico e charmoso; a tinta índigo forte quase coincidia com seus olhos. Estudando mais o desenho, notei algo familiar em sua forma e jurei que podia ver um brilho tênue de dourado bordando as linhas azuis. Quase deixei cair a foto de surpresa. As meias luas haviam sido tatuadas sobre o lírio Alquimista. Voltei a olhar para a foto. Uma palavra estava gravada sobre esta: Marcus. Marcus Finch, quem os guerreiros haviam clamado que era um exAlquimista. Marcus Finch, quem os alquimistas haviam clamado que não existia. A coisa louca era, a menos que alguém fosse trancado como Keith contou, não haviam "ex-Alquimistas." Você estava nisso para a vida toda. Você não pode ir embora. No entanto, o lírio obscurecido falava por si. A menos que Marcus tinha uma mudança de nome que de alguma forma iludiu os Alquimistas, Stanton e os outros estavam mentindo para mim sobre saber quem ele era. Mas por quê? Houve algum racha? Há uma semana, teria dito que era impossível que Stanton não tivesse me dito a verdade sobre ele, mas agora, sabendo como a informação era dividida cuidadosamente em parcelas...teria que perguntar. Olhei fixamente a foto uns momentos mais, presa nesses olhos azuis assombrosos. Logo a guardei e voltei para Amberwood, resolvi manter a fotografia secreta. Se os alquimistas queria me negar a existência de Marcus Finch, iria continuar deixando que eles fizessem isso até eu descobrir o porque. Isso


significava que minha única pista era Clarence e os guerreiros ausentes. Ainda assim, era um começo. De alguma maneira, alguma vez, iria encontrar Marcus Finch e obteria minhas respostas. Estava surpreendida de ver Jill sentada fora do nosso dormitório quando entrei. Estava na sombra, e era capaz de desfrutar do agradável clima sem a força completa do sol. Por fim, havíamos passado para uma espécie de outono por aqui, não era que vinte e seis graus podia ser associado ao clima de outono. O rosto de Jill estava pensativo, mas brilhou um pouco quando me viu. - Olá, Sydney. Tinha a esperança de te encontrar. Já não posso te encontrar sem seu telefone. Fiz uma careta. - Sim, preciso substituí-lo. Foi uma grande pena. Ela assentiu em compaixão. - Levou Sonya? - Está a caminho de voltar a Corte e a Mikhail...e espero que a uma vida muito mais pacífica. - Isso está bem – disse Jill. Desviou o olhar e mordeu o lábio inferior. Eu a conhecia o suficientemente bem agora para reconhecer sinais quando estava se preparando para me dizer algo. Também sabia que não devia pressionar, assim esperei pacientemente. - Eu disse – disse ela afinal – Eu disse a Micah que está terminado... verdadeiramente terminado. O alívio fluiu através de mim. Uma coisa a menos para me preocupar. - Sinto muito – disse – Sei que deve ter sido difícil. Tirou o cabelo de seu rosto enquanto considerava. - Sim. Eu não. Eu gosto. Eu gostaria de seguir passando um tempo com ele, como amigos, se ele quiser. Mas não sei. Ele não gostou muito...e nossos amigos em comum? Bem...não estão muito felizes comigo agora. – Tratei de não gemer. Jill havia avançado tanto em seu status aqui, e agora isso podia se destruir. – Mas é melhor. Micah e eu vivemos em mundos diferentes, tenho estado pensando


muito em amor...como, o amor épico... – levantou o olhar para mim por um momento, seus olhos se suavizando – E isso não era o que tinhamos. Acredito que se estou com alguém, é isso que deveria sentir. Acreditava que o amor épico era uma espécie de extensão para alguém de sua idade, mas não disse. - Vai ficar bem? Ela voltou para a realidade. - Sim, vou. – Um pequeno sorriso apareceu em seus lábios. – E uma vez que isso tiver passado, talvez Eddie queira sair alguma vez...fora do campus, claro. Vendo como estamos “relacionados.” Suas palavras eram quase uma repetição do que havia escutado na outra noite na casa de Clarence, e a olhei surpreendida quando a compreensão me bateu. - Não sabe...acreditei que sabia já que Angeline é sua companheira de quarto... Jill franziu o cenho. - Do que está falando? O que eu não sei? Oh Deus. Porque, porque, tinha que ser eu a entregar a notícia? Porque não podia estar trancada no meu quarto ou na biblioteca fazendo algo agradável, como uma tarefa? - Eddie, humm, convidou Angeline para sair. Não sei quando vai ser, mas ele decidiu dar uma oportunidade para ela. – Não havia pego meu carro emprestado, assim que provavelmente ainda não haviam saído. Jill parecia afligida. - O que? Eddie e Angeline? Mas...ele não suportava ela... - Algo mudou – disse sem convicção – Não estou certa do que. Não é como... é, amor épico, mas eles tem se acertado na última semana. Sinto muito. Jill parecia mais devastada por isso do que por terminar com Micah. Desviou o olhar e piscou para espantar as lágrimas. - Está bem. Quero dizer, nunca o encorajei. Provavelmente acredita que estou saindo com Micah. Porque deveria ter esperado? Deveria ter alguém.


- Jill... - Está bem. Estarei bem. – Parecia tão triste e logo, surpreendentemente, seu rosto ficou mais escuro. – Oh Sydney. Vai ficar zangada comigo. Estava pensando em Micah e me senti totalmente confundida pela mudança do tema. - Porque? Ela colocou a mão no bolso e tirou uma revista. Era alguma revista de turismo do sul da Califórnia, com artigos e anúncios onde se expunha as áreas. Uma das páginas estava marcada e abri ela. Era um anúncio de página completa para Lia DiStefano, uma colagem de fotos de seus vários desenhos. E uma das fotos era de Jill. Levei um momento para percebê-la. A foto era de perfil, com Jill com óculos de sol e um chapéu de feltro, também com um cachecol colorido como um pavão real que Lia tinha dado. O cabelo ondulado de Jill fluía atrás dela e os ângulos de seu rosto estavam charmosos. Se não conhecesse Jill nunca a teria identificado como essa modelo, ainda que certamente seria óbvio que era uma Moroi para qualquer um que soubesse o que buscar. - Como? – exigi – Como aconteceu isso? Jill deu uma respiração profunda, pronta para aceitar sua culpa. - Quando deixou as roupas e me deu o cachecol, perguntou se deixaria tirar uma foto para ver como seriam fotografadas as cores. Tinha outros acessórios no carro e também coloquei. Queria me provar que com a cobertura correta, poderia esconder minha identidade. Mas nunca pensei...quero dizer, não disse que as usaria. Deus, me sinto tão estúpida. Talvez não estúpida, mas inocente. Quase destruí a revista. Estava furiosa com Lia. Parte de mim queria processá-la por usar uma foto de uma menor sem autorização, mas tinhamos problemas maiores. Quão extensa era a circulação dessa revista? Se Lia havia colocado a foto de Jill só para ser mostrada na Califórnia, talvez ninguém a reconheceria. Ainda assim, uma modelo Moroi poderia surpreender as pessoas.Quem sabe que problemas causaríamos agora?


- Sydney, sinto muito – disse Jill – Que posso fazer para remediar? - Nada – disse – exceto se manter longe de Lia. – Me senti doente. – Me encarregarei disso. – Só não sabia como. Só podia rezar para que ninguém notasse a foto. - Farei o que você precisar se pensar em algo. Eu... – Seus olhos se arregalaram por algo atrás de mim. – Talvez devessemos conversar mais tarde. Olhei para trás. Trey estava caminhando em nossa direção. Outro problema com o qual lidar. - Provavelmente é uma boa ideia. – disse. A pena de Jill e a publicidade teriam que ficar em segundo plano. Ela se foi quando Trey chegou e parou ao meu lado. - Melbourne – disse, testando um de seus velhos sorrisos. Este titubeou um pouco. - Não sabia que estava por aqui – disse – Acreditei que havia ido com os outros. – Os guerreiros haviam se dispersado como o vento. Trey havia dito antes que eles viajavam pelas suas “casas” e o Mestre Angeletti também havia mencionado encontros em diversos lugares do país. Provavelmente, todos haviam regressado ao lugar de onde tinham vindo. Havia acreditado que Trey simplesmente desapareceria também. - Nope – disse – Aqui é onde vou a escola, onde meu pai quer que eu permaneça. Além do mais, os outros Guerreiros nunca tiveram uma base permanente em Palm Springs. Se movem onde quer... Não pode terminar, assim eu disse. - Aonde quer que recebam dicas sobre monstros que possam executar brutalmente? - Não foi assim – disse – Acreditávamos que ela era uma dos Strigoi. Ainda acreditamos. Analisei seu rosto, esse garoto que eu havia acreditado que era meu amigo. Estava bastante segura de que era. - Você não. Por isso perdeu a luta de propósito.


- Não fiz. – protestou - Você fez. O vi vacilar quando podia ter eliminado Chris. Não queria ganhar. Não queria matar Sonya porque não estava certo de verdade se ela era um Strigoi. Ele não negou. - Mas acredito que todos eles devem ser destruídos. - Eu também. – reconsiderei. – Bem, a menos que haja uma maneira de salvar todos, mas isso é incerto. – Apesar do muito que havia dito enquanto defendia Sonya, não estava muito cômoda em revelar segredos e experimentos. – Se os guerreiros viajam ao redor do mundo, o que acontecerá a proxima vez que estiverem aqui na área? Inclusive em Los Angeles? Se unirá a eles outra vez? Viajará para a seguinte casa? - Não. – a resposta foi dura. Franca, inclusive. A esperança surgiu em mim. - Decidiu se separar deles? As emoções no rosto de Trey eram difíceis de ler, mas não pareciam emoções felizes. - Não. Eles decidiram nos isolar...meu pai e a mim. Fomos marginalizados. Olhei fixamente por uns momentos, perdida nas palavras. Não gostava dos guerreiros e da participação de Trey, mas isso não era o que estava tentando alcançar. - Por minha culpa? - Não. Sim. Não sei. – encolheu os ombros. – Indiretamente, suponho. Não te culpam pessoalmente nem os Alquimistas. Todavia querem formar uma equipe com os Alquimistas. Imaginaram que você simplesmente se comportou a sua maneira tipicamente equivocada. Mas eu? Fui eu que te coloquei lá, quem jurou que tudo estaria bem. Por isso me culpam pelo lapso de juízo e as consequências disso. Os outros também estão aceitando a culpa, o conselho está de acordo, porque a segurança não deteu o ataque, mas isso não me faz me sentir melhor. Papai e eu somos os únicos exilados.


- Eu..eu sinto muito. Nunca acreditei que algo como isso aconteceria. - Não tinha o porque – disse pragmático, apesar de seu tom de voz ainda estar triste – Até certo ponto, tem razão. Fui eu que te meti lá. É minha culpa e estão castigando meu pai pelo que eu fiz. Essa foi a pior parte. – Trey estava tentando parecer relaxado, mas podia ver a verdade. Havia trabalhado tão duro para impressionar seu pai e acabou causando-lhe a pior humilhação. As seguintes palavras de Trey confirmaram. – Os guerreiros tem sido toda a vida do meu pai. Ser expulso é como...bem, ele está levando muito mal. Tenho que encontrar uma maneira de voltar a entrar...por ele. Suponho que não saiba onde tem um Strigoi fácil de matar, verdade? - Não – disse – Especialmente já que nenhum deles são fáceis de matar. – Estava insegura de como proceder – Trey, o que significa isso para nós? Entendo que já não podemos ser amigos...vendo como eu, uh, arruinei o trabalho da sua vida. Um indício de seu antigo sorriso voltou. - Nada está arruinado para sempre. Eu te disse, voltarei a entrar. E se não é por matar um Strigoi, quem sabe? Talvez se aprender mais de vocês, posso achar uma brecha entre nossos grupos e fazer com que todos trabalhemos juntos. Isso me daria alguns pontos. - É bem vindo para tentar – disse diplomaticamente. Na realidade não acreditava que isso aconteceria, e podia dizer. - Bom, descobrirei algo então, algum movimento grande para chamar a atenção dos guerreiros e pedir que meu pai e eu voltemos a estar com eles. Tenho que fazer. – Seu rosto começou a escurecer outra vez, mas então tive um breve regresso de seu sorriso...um cheio de tristeza – Sabe o que é pior? Agora não posso convidar Angeline para sair. Passar tempo com você é uma coisa, ainda mais se sou um marginalizado, mas não posso arriscar ser amistoso com um Moroi nem com um dhampir. Especialmente não posso sair com uma. Quero dizer, eu percebi o que ela era a um tempo atrás, mas poderia ter jogado de tolo. Esse ataque à arena meio que destruiu qualquer oportunidade disso. Os guerreiros tampouco gostam dos dhampirs, você sabe. Dhampirs e Moroi.


Também os encantaria vê-los derrotados...eles simplesmente acreditam que é muito difícil e não é uma prioridade agora. Algo nessas palavras me fez tremer, sobretudo porque me lembrou do comentário casual dos guerreiros sobre eliminar eventualmente os Moroi. Os Alquimistas certamente não tinham carinho pelos dhampirs e pelos Moroi, mas estavam muito longe de querer acabar com eles. - Eu tenho que ir – Trey alcançou seu bolso e me entregou algo que eu estava agradecida de ver. Meu telefone. – Imaginei que estava querendo isso. - Sim. – O peguei com entusiasmo e liguei. Não sabia se o recuperaria e estava a ponto de comprar um novo. Esse tinha três meses e praticamente era antiquado de todos os modos. – Obrigada por salvá-lo. Oh. Veja – Li a tela – Há um monte de mensagens de Brayden. – Não havíamos nos falado desde a noite do desaparecimento de Sonya. O sorriso malicioso de Trey que eu tanto gostava voltou. - Melhor você ficar com esse então. O amor verdadeiro não espera por nada. - Amor verdadeiro, huh? – Sacudi minha cabeça em exasperação. – É bom ter você de volta. Isso me valeu um sorriso franco. - Te vejo por aí. Tão logo quando estava só, escrevi uma mensagem a Brayden: Sinto por não responder. Perdi meu telefone durante três dias. Sua resposta foi quase imediata: Estou no trabalho, tenho um descanso logo. Você vem? Pensei nele. Vendo que não tinha que salvar vidas agora, este era um bom momento quanto qualquer outro. Respondi que estava saindo de Amberwood agora. Brayden tinha meu café favorito pronto para mim quando cheguei a Spencer. - Baseado em quando saiu de lá, calculei quando necessitaria fazê-lo para que estivesse quente quando chegasse. - Obrigada. – disse, tomando-o. Me senti um pouco culpada por ter uma reação emocional maior por ver o café do que por ver ele. Me disse que o outro barista estava em seu descanso e logo me levou para uma mesa longe.


- Isso não levará muito tempo – disse Brayden – Sei que provavelmente tem muitas coisas para fazer essa semana. - Na verdade as coisas estão começando a se acalmar – disse Tomou uma respiração profunda, demonstrando a mesma ansiedade e determinação que havia tido quando me pediu para sair. - Sydney – disse, sua voz formal – Creio que não deveríamos nos ver mais. Me detive a meio gole. - Espera...o que? - Sei o quão devastador que provavelmente isso é para você – adicionou – Eu admito, também é difícil para mim. Mas frente a luz dos acontecimentos recentes, está bastante claro que não está pronta para uma relação. - Acontecimentos recentes? Assentiu solenemente. - Sua família. Você quebrou vários de nossos compromissos sociais para estar com eles. Ainda que essa devoção familiar seja admirável, simplesmente não posso estar em uma relação volátil. - Volátil? – Continuei repetindo suas palavras e finalmente me obriguei a tomar o controle – Então...deixe-me ver se entendi bem. Está terminando comigo. Ele meditou. - Sim. Sim, eu estou fazendo. Esperei, em busca de uma reação interna. Uma torrente de dor. A sensação de que meu coração estava se rompendo. Alguma emoção, na realidade. Mas em sua maioria, tudo o que senti foi uma espécie de surpresa, perplexidade. - Uh – disse Isso aparentemente foi o suficiente de uma reação perturbadora para Brayden. - Por favor não faça isso mais difícil. Te admiro muito. É absolutamente a garota mais inteligente que já conheci. Mas simplesmente não posso me envolver com alguém tão irresponsável como você. O olhei. - Irresponsável.


Brayden assentiu de novo. - Sim. Não sei onde começou, em algum lugar em meu estômago ou meu peito, talvez. Mas de repente, fui consumida por uma risada incontrolável. Não pude me deter. Tive que baixar meu café, para que não derramasse. Ai tive que enterrar meu rosto em minhas mãos para limpar as lágrimas. - Sydney? – perguntou Brayden cautelosamente – Esta é um tipo de reação de dor histérica? Levou quase outro minuto para que me acalmasse o suficiente para contestar. - Oh, Brayden. Fez meu dia melhor. Me deu algo que nunca pensei que receberia. Obrigada. – Peguei meu café e levantei. Me olhou completamente perdido. - Uhm, de nada? Deixei a cafeteria, rindo como uma tonta. Durante todo o último mês, tudo em minha vida havia sido uma ou outra vez sobre como responsável eu era, diligente, exemplar. Havia sido chamada de um montão de coisas. Mas nunca, jamais, havia sido chamada de irresponsável. E eu gostava um pouco disso.


Capítulo 24

Devido ao fato de que este dia não poderia ser mais estranho, decidi parar no apartamento de Adrian. Havia algo que estava morrendo por saber, mas não tinha tido oportunidade de perguntar. Ele abriu a porta quando toquei a campainha, um pincel na mão. - Oh – disse – Inesperado. - Estou interrompendo algo? - Só o trabalho. – Se afastou para me deixar entrar – Não se preocupe. Não é uma crise para mim como seria para você. Entrei na sala de estar e estava feliz de vê-la com telas e cavaletes de novo. - Recuperou seu estúdio de arte. - Sim. – Deixou o pincel e limpou as mãos num trapo. – Agora que este lugar não é mais uma central de investigação, pode voltar a seu estado artístico normal. Se inclinou contra a parte posterior do sofá xadrez e me observou enquanto eu passeava de tela em tela. Uma delas me deteve. - O que é isso? Parece com um lírio. - E é – disse – Não se ofenda, mas este lírio é um pouco mais rude que o´seu. Se os Alquimistas quiserem comprar os direitos deste e começar a usá-lo estou disposto a negociar. - Tomarei nota – disse. Todavia estava sorrindo por causa do término com Brayden e isso só aumentava meu bom humor. Ainda que, certamente, a pintura havia me desorientado um pouco, como o caráter abstrato da sua arte usualmente fazia. O lírio, apesar de ser mais estilizado e “rude” do que o da minha bochecha, era claramente identificável. Inclusive estava feito em uma pintura dourada. Pinceladas de pintura roxa sem forma rodeavam, e ao redor do roxo havia padrão quase cristalino de azul céu. Era surpreendente, mas se havia algum significado mais profundo, estava além do meu entendimento.


- Está com um humor terrivelmente bom – disse – Teve redução caqui para tudo? Renunciei minha interpretação artística e me virei para ele. - Nope. Brayden terminou comigo. O sorriso de Adrian sumiu. - Ah. Merda. Sinto muito. Está...quero dizer, precisa de uma bebida? Precisa, uh, chorar ou algo assim? Eu ri. - Não. Estranhamente estou bem. Na verdade não me incomoda em absoluto. Mas deveria, não é? Talvez haja algo errado comigo. Os olhos verdes de Adrian me analisaram. - Não creio. Não são todas as rupturas que são uma tragédia. Ainda assim...poderia precisar de um pouco de consolo. Se endireitou e caminhou até a cozinha. Perplexa observei enquanto ele pegava algo do congelador e de sua gaveta de talheres. Voltou para a sala e me entregou um litro de sorvete de romã e uma colher. - Para que é isso? - Perguntei, aceitando o oferecimento com uma careta de surpresa. - Para você, obviamente. Queria romã, certo? Lembrei da noite no restaurante italiano. - Bem, sim, mas não precisava fazer isso... - Bem, eu queria – disse razoavelmente – Isso, e um trato é um trato. - Que trato? - Se lembra quando disseste que tomaria uma lata de refrigerante com açúcar se eu não fumasse por um dia? Bom, calculei as calorias, e isso é o mesmo que uma porção disso. Você pode acreditar que tem quatro porções nessa coisa. Quase deixei cair o sorvete. - Você...passou um dia sem fumar? - Quase uma semana, na realidade – disse – Assim você pode comer tudo se quiser.


- Porque raios faria isso? – perguntei. Ele encolheu os ombros. - Olha, você propôs o desafio. Além do mais, fumar é um hábito pouco saudável, certo? - Certo... – Todavia estava aturdida. - Come. Vai derreter. Devolvi o sorvete. - Não posso. Não com você observando. É muito estranho. Posso comê-lo mais tarde? - Claro – disse, colocando o sorvete no congelador – Se realmente você comer. Sei como você é. Cruzei os braços enquanto ele permanecia de pé em frente a mim. - Oh? Me olhou de uma forma desconcertantemente dura. - Talvez todos os demais acreditam que sua aversão por comida �� lindo, mas eu não. Te vejo observar Jill. Aqui vai um pouco de amor duro: nunca, jamais terá o corpo de Jill. Jamais. É impossível. Ela é Moroi. Você é humana. Isso é biologia. Tem um corpo grandioso, um que a maioria das humanas matariam...e você ficaria melhor se ganhasse um pouco de peso. Cinco quilos seria um bom começo. Esconder as costelas. Obter um tamanho maior de sutiã. - Adrian! – estava atônita. – Está...está louco? Não tem o direito de me dizer isso. Para nada. Ele franziu o cenho. - Tenho todo o direito, Sage. Sou teu amigo e ninguém mais vai dizer. E, sou o rei dos hábitos pouco saudáveis. Acredita que não reconheço um quando vejo? Não sei de onde veio isso, de sua família, de muitos Moroi, ou só a sua própria natureza obssessivo-compulsivo, mas eu te digo, não tem que fazer. - Suponho que esse é um tipo de intervenção. - Essa é a verdade – disse – De alguém que se preocupa e quer que seu corpo seja tão saudável e surpreendente quanto sua mente.


- Não vou escutar isso – disse, dando a volta. Uma mescla de emoções se agitou. Ira. Indignação. E estranhamente, um pouco de alívio. – Vou embora, não deveria ter vindo. Sua mão sobre meu ombro me deteve. - Espera...me escuta – De má vontade me virei. Sua expressão era severa, mas sua voz havia se suavizado. – Não estou tratando de ser mal. É a última pessoa que quero ferir...mas tampouco quero que fira a você mesma. Pode ignorar tudo o que acabei de dizer, mas eu tive que dizer, ok? Não mencionarei de novo. É a que tem o controle da sua vida. Olhei para longe e pisquei para afastar as lágrimas. - Obrigada. – disse. Deveria estar feliz de que ele voltou atrás. Em seu lugar, havia uma dor em meu interior, como se tivesse rasgado algo que estava tentando ignorar e manter escondido. Uma verdade terrível que eu não queria admitir para mim mesma, que sabia que era hipócrita para alguém que dizia lidar com fatos e dados. E quisesse estar de acordo com ele ou não, eu sabia, sem dúvida, que tinha razão sobre algo: ninguém mais teria dito o que ele acabara de me dizer. - Porque você veio de toda forma? – perguntou. – Tem certeza de que não quer que minha impressionante pintura seja o novo logo dos Alquimistas? Não pude evitar um pequeno sorriso. Voltei a olhar para ele, disposta a ajudá-lo com a abrupta mudança de assunto. - Não. Algo muito mais sério. Pareceu aliviado ante meu sorriso e me deu um de seus sorrisos de volta. - Deve ser verdadeiramente sério. - A noite no complexo. Como sabia como conduzir o Mustang? Seu sorriso desapareceu. - Porque você fez – disse. - Conduziu sem nenhuma vacilação. Tão bem quanto eu podia fazer. Mas imagino que mesmo se tivesse tomado aula todos os dias desde que comprou o carro, não poderia dirigir daquele jeito. Você dirigiu como se estivesse dirigindo de forma natural por toda sua vida. Adrian se virou abruptamente e caminhou para o lado oposto da sala. - Talvez seja instintivo. – disse, sem se virar.


Era engraçado quão rápido haviam mudado os papéis. Há um minuto havia me encurralado em uma esquina, obrigando-me a enfrentar problemas que não queria. Agora era minha vez. O segui até a janela e o fiz encontrar meu olhar. - Tenho razão certo? - O pressionei – Tem estado dirigindo por toda sua vida. - Nem sequer os Moroi dão licença para recém-nascidos, Sage. – disse com ironia. - Não fuja disso. Sabe o que quero dizer. Sabe dirigir com marcha durante anos. Seu silêncio respondeu por ele, dizendo-me que tinha razão, mesmo se seu rosto era difícil de ler. - Porque? – exigi. Estava quase implorando. Todos diziam que eu era tão excepcionalmente inteligente, que podia conectar coisas ao azar e chegar a conclusões notáveis. Mas isso estava além da minha compreensão, e não podia manusear algo que tinha tão pouco sentido. – Porque faria isso? Porque atuaria como se não soubesse dirigir? Um monte de pensamentos pareceram cruzar sua mente, nenhum dos quais ele queria compartilhar. No final, sacudiu a cabeça com exasperação. - Não é óbvio Sage? Não, claro que não é. Fiz porque assim teria uma razão para ficar perto de você...uma que sabia que você não poderia recusar. Estava mais confusa ainda. - Mas..porque? Porque queria fazer isso? - Porque? – perguntou – Era o mais perto que podia chegar para fazer isso. Se esticou e me puxou para ele, uma mão na minha cintura e a outra no meu pescoço. Inclinou minha cabeça para cima e baixou seus lábios nos meus. Fechei meus olhos e me derreti enquanto meu corpo inteiro era consumido pelo beijo. Eu não era nada. Eu era tudo. Calafrios circulavam pela minha pele, envolvi meus braços ao redor de seu pescoço. Seus lábios eram mais quentes e mais suaves do que eu pudera imaginar e ainda assim feroz e poderosos ao mesmo tempo. Os meus responderam avidamente e me agarrei a ele. Seus dedos deslizaram pela


parte posterior do meu pescoço, seguindo sua forma, e cada lugar que tocava era eletrizado. Mas, talvez, a melhor parte de tudo isso era que eu Sydney Katherine Sage, culpada de analisar constantemente o mundo ao meu redor, bom, eu parei de pensar. E isso foi glorioso. Ao menos foi até que eu voltei a pensar de novo. Minha mente e todas as suas preocupações e considerações repentinamente tomaram o controle. Me afastei de Adrian, apesar dos protestos de meu corpo. Retrocedi, sabendo que meus olhos estavam aterrorizados e muito abertos. - O que...o que está fazendo? - Eu não sei – disse com um sorriso. Deu um passo para mim. – Mas estou bastante seguro de que estava fazendo também. - Não. Não. Não chegue mais perto! Não pode fazer isso outra vez. Entende? Não podemos...Não deveríamos fazer...oh Meu Deus. Não. Nunca mais. Isso está mal. – Coloquei meus dedos sobre meus lábios, como se fosse limpar o que acabava de acontecer, mas sobretudo foi para recordar outra vez a doçura e o calor de sua boca contra a minha. Rapidamente deixei cair minha mão. - Mal? Eu não sei, Sage. Honestamente, isso foi o mais correto que já me aconteceu durante um tempo. Contudo, mantive distância. Sacudi minha cabeça freneticamente. - Como pode dizer isso? Sabe como são as coisas! Não há...bom, já sabe. Os humanos e os vampiros não podem...não. Não pode haver algo entre eles. Entre nós. - Bem, teve que ser assim em algum momento. – disse, tentando um tom razoável. – Ou não haveriam dhampirs hoje. Além do mais, o que me diz dos Vigilantes? - Os Vigilantes? – Quase ri, mas nada disso era divertido. – Os Vigilantes vivem em cavernas e iniciam batalhas ao redor de fogueiras por um ensopado de gambá. Se quer viver essa vida, é mais do que bem vindo a fazer. Se quer viver


no mundo civilizado com o resto de nós, então não me toque de novo. E Rose? Não estava loucamente apaixonado por ela? Adrian parecia muito calmo para a situação. - Talvez eu estive uma vez. Mas foi a...o que, cerca de três meses? E honestamente, não tenho pensado muito nela há um tempo. Sim, estou ferido e me sinto um pouco usado, mas...na realidade, ela já não é em quem sempre estou pensando. Não vejo seu rosto quando vou dormir. Não me pergunto sobre... - Não. – retrocedi para mais longe. – Não quero escutar isso. Não vou escutar isso. Com uns quantos passos rápidos, Adrian parou na minha frente outra vez. A parede estava a alguns centímetros atrás de mim, e não tinha aonde ir. Não fez movimentos ameaçadores, mas apertou minhas mãos e as colocou contra seu peito enquanto se inclinava para mim. - Não, escutará. Por uma vez, vai escutar algo que não encaixa no seu mundo ordenado, organizado em compartimentos de ordem, lógica e razão. Porque isso não é razoável. Se está assustada, acredite...isso também me assusta como o inferno. Perguntou por Rose? Tentei ser uma pessoa melhor por ela, mas isso foi para impressioná-la, para fazer com que me quisesse. Mas quando estou perto de você, quero ser melhor porque...bom, porque parece certo. Porque quero fazer. Me faz querer ser uma pessoa melhor do que eu mesmo. Me inspira em cada ato, cada palavra, cada olhar. Te olho, e é como...como a luz feita de carne e osso. Eu disse no Halloween e quis dizer cada palavra: é a criatura mais bonita que alguma vez já vi caminhar neste mundo. E nem sequer sabe. Não tem ideia do quão bonita que é, o quão brilhante é sua chama. Sabia que tinha que me separar, retirar minhas mãos das suas. Mas não pude. - Adrian... - Eu sei, Sage – continuou, seus olhos cheios de fogo – Sei como vocês se sentem sobre nós. Não sou estúpido, acredite, tenho tentado te tirar da minha cabeça. Mas não há suficiente licor ou arte ou qualquer outra distração no mundo que faça. Tive que deixar de ir as aulas de Wolfe porque era muito difícil ficar perto


de você, mesmo que fosse simplesmente fingir lutar. Não podia suportar o contato. Estava agonizando porque significava algo para mim, porque sabia que não significava nada para você. Me dizia que devia me manter afastado por completo e então encontrava desculpas...como o carro...ou qualquer coisa para estar perto de você de novo. Hayden era um imbecil, mas pelo menos enquanto estava com ele, tive uma razão para manter distância. Adrian segurava minhas mãos, seu rosto ansioso, assustado e desesperado enquanto derramava seu coração para mim. Meu próprio coração estava batendo descontrolavelmente, e qualquer quantidade de emoções poderia ser o culpado. Tinha esse olhar distraído, extasiado...o que teve quando o espírito se apoderou dele e o fez divagar. Rezei para que se tratasse disso, algum ataque de loucura induzido por espírito. Tinha que ser. Verdade? - Seu nome é Brayden – disso afinal. Lentamente, fui capaz de acalmar minha ansiedade e ganhar algum controle – E mesmo sem ele, tem um monte de razões para manter a distância. Disse que sabe como nos sentimos. Mas é assim? De verdade, é assim? – Retirei minhas mãos da sua e apontei para minha bochecha. – Sabe o que o lírio dourado significa verdadeiramente? É uma promessa, um voto de um estilo de vida e um sistema de crenças. Não pode deixar algo como isso. Isso não me deixará, mesmo se eu quiser fazer. E verdadeiramente, não quero fazer. Creio no que fazemos. Adrian me olhou desapaixonadamente. Não tentou pegar minhas mãos outra vez, mas tampouco retrocedeu. Minhas mãos se sentiam dolorosamente vazias sem as suas. - Esse “estilo de vida” e “sistema de crenças” que está defendendo te usou e segue te usando. Te tratam como a peça de uma máquina, uma que não tem permissão para pensar...e você é muito melhor do que isso. - Algumas partes do sistema são defeituosas – admiti – Mas os princípios são sólidos e eu acredito neles. Há uma brecha entre humanos e vampiros, entre você e eu, que nunca pode ser infrigida. Somos muito diferentes. Não estamos destinados a estar...desta maneira. De nenhuma maneira.


- Nenhum de nós está destinado a ser ou a fazer algo – disse – Decidimos o que vamos ser. Me disse uma vez que não há vítimas aqui, que todos temos o poder de escolher o que queremos. - Não use minhas próprias palavras contra mim. – adverti. - Porque? – perguntou, um sorriso ligeiro em seus lábios. – São malditamente boas. Não é uma vítima. Não é uma prisioneira desse lírio. Pode escolher o que quiser. - Tem razão – Afastei, não encontrando resistência de sua parte. – E eu não te escolho. Isso é o que você está perdendo em tudo isso. Adrian ficou em silêncio. Seu sorriso desapareceu. - Não acredito em você. Franzi o cenho. - Deixe-me adivinhar. Porque correspondi ao beijo? – Esse beijo havia me feito sentir mais viva do que havia estado em semanas, e tinha a sensação de que ele sabia disso. Sacudiu sua cabeça. - Não. Porque não há ninguém lá fora que te entenda como eu entendo. Esperei por mais. - Isso é tudo? Não vai elaborar o significado disso? Aqueles olhos verdes me detiveram. - Não acredito que precise fazer. Tive que desviar o olhar, ainda que não estava certa do porque. - Se me conhece tão bem, então entenderá porque eu vou embora. - Sydney... Fui rapidamente em direção a porta. - Adeus, Adrian. Me apressei para a porta, um pouco assustada de que ele tentasse me deter outra vez. Se ele fizesse, não estava segura de que poderia ir. Mas não chegou nenhum toque. Nenhum esforço para me deter. Não foi até que estava a meio caminho do lado de fora, na grama em frente a seu edifício que me atrevi a olhar para trás. Adrian estava parado ali, inclinado contra a porta, observando-me com o


seu coração em seus olhos. Em meu peito, meu próprio coração estava se rompendo. Sobre minha bochecha, o lírio me lembrava de quem eu era. Virei as costas e fui embora, me negando a olhar para trás.

Fim


The golden lily 02