Page 1


SUSSURROS AO LUAR


C. C. Hunter

SUSSURROS AO LUAR OS SOBRENATURAIS


À minha editora, Rose Hilliard, e à minha agente, Kim Lionetti, por me ajudarem a atingir meus objetivos como escritora. Ao meu marido, por cozinhar, lavar a louça e se encarregar da roupa suja, para que eu pudesse ter tempo de cumprir os prazos da editora e tornar os meus sonhos realidade.


Agradecimentos Tantas vezes nesta vida perdemos tempo apontando os erros dos outros, desde a garçonete do restaurante até o empacotador do supermercado. Mas nós nos esquecemos de dizer às pessoas quando elas acertam. Então eu gostaria de tirar o meu chapéu para uma organização e um grupo de pessoas que estão fazendo a coisa certa. Ao Romance Writers of America, pela criação de uma organização que me proporcionou o conhecimento necessário para ascender nesta carreira. À Rosa Brand, pelos seus vídeos incríveis e pela amizade. À Faye Hughes e Kathleen Adey, por me ajudarem a dar conta de tudo. Obrigada por tudo o que vocês duas fazem por mim. A todos os meus amigos escritores, cujo apoio é essencial para transformar essa carreira quase sempre solitária no convívio com um grupo de pessoas que ri e chora junto, e que mantém viva a inspiração uns dos outros. Um agradecimento especial a outra amiga escritora, Susan Muller, pela hora de caminhada, pelas conversas e pelas risadas que damos todos os dias. Aos meus pais, Pete Hunt e Ginger Curtis. Vocês devem ter acertado, porque eu não me saí tão mal assim. Bem, eu não sou perfeita, mas, no geral, vocês devem ter me criado da maneira certa. Aos meus filhos, que também não se saíram tão mal assim. Eu estou orgulhosa de vocês dois. E como, enquanto escrevo estas linhas, é quase Dia dos Pais, obrigada a Jason, meu genro, por ser um pai campeão para a minha preciosa neta. Um grande agradecimento aos fãs que recomendaram a minha série aos amigos. E minha gratidão àqueles fãs que me escreveram e-mails e disseram que os meus livros os tocaram de alguma forma. Esses e-mails ajudam a manter viva a minha alegria de escrever e me incentivam, mesmo quando estou lutando contra prazos apertados. Obrigada a cada um de vocês por fazerem a coisa certa.


Capítulo Um Kylie Galen estava na varanda fora do escritório do Shadow Falls, o pânico esfaqueando a sua sanidade. Uma rajada de vento de final de agosto, ainda gelado pelo espírito partido de seu pai, pegou seus longos fios de cabelos loiros e os espalhou em seu rosto. Ela não os escovou fora. Ela não respirava. Ela só ficou lá, o ar preso nos pulmões, enquanto ela olhava através dos fios de cabelo para as árvores que balançam na brisa. Por que a minha vida tem que ser tão difícil? A questão rolou em torno de sua cabeça como uma bola de pingue-pongue selvagem. A resposta girou de volta tão rápido. Porque você não é totalmente humana. Nos últimos meses, ela esforçou-se para identificar o tipo de sangue não humano que corria em suas veias. Agora ela sabia. De acordo com seu velho querido pai, ela era... Um camaleão. Como um lagarto, assim como os que ela tinha visto tomando sol em seu quintal. Ok então, talvez não exatamente como aqueles, mas perto o suficiente. E aqui estava ela preocupada em ser um vampiro ou um lobisomem, porque seria um pouco difícil de se ajustar a beber sangue ou de mudar de forma em luas cheias. Mas isso... Isso foi... Insondável. Seu pai tinha que estar errado. Seu coração batia contra o peito como se estivesse procurando escapar. Ela finalmente respirou. E, em seguida suspirou. Seus pensamentos atiraram longe a questão lagarto para as outras coisas ruins. Sim. Nos últimos cinco minutos ela tinha sido golpeada com não uma, não duas, nem três, mas com quatro oh-porcaria-de-revelações-esclarecedoras. Bem, uma coisa — a confissão de que Derek a amava — não poderia ser completamente chamada de ruim. Mas é certo como o inferno não poderia ser chamada de boa. Agora não. Não quando ela considerou essa história. Não quando ela tinha passado as últimas semanas tentando convencer-se de que eles eram apenas amigos. Sua mente fazia malabarismo com todas as quatro revelações. Ela não sabia no que se concentrar primeiro. Ou talvez sua mente soubesse. Eu sou um maldito lagarto! "Sério?", Ela falou em voz alta. O vento do Texas arrebatado suas palavras. Ela esperava que ele os levasse todo o caminho até o pai dela—onde os mortos que não tinham completamente passado para esperar. (?) "Sério, pai?" Claro, Papai não respondia. Após dois meses lidando com um espírito ou qualquer outro fantasma - sussurrando presentes e suas limitações ainda conseguiam irritá-la. "Maldição!"


Ela deu um passo em direção à porta principal do escritório para descarregar no Holiday Brandon, o líder do acampamento, então parou. Burnett James, o outro líder do acampamento, e frio ao toque mas quente para um vampiro, estava com Holiday. Uma vez que Kylie não podia ouvi-los discutindo mais, ela descobriu que significava que eles poderiam estar fazendo outra coisa — como chupar a face, trocar saliva, fazendo um tango de língua. Todas as frases de ruim-atitude que sua colega vampira Della usaria. O que provavelmente significava que Kylie estava de mau humor. Mas ela não merecia um pouco de atitude depois de tudo que tinha acontecido? Cerrando os punhos, ela olhou para a porta da frente do escritório. Ela tinha inadvertidamente interrompido seu primeiro beijo e ela não queria fazer o mesmo com o segundo. Especialmente quando Burnett tinha ameaçado demitir-se do Shadow Falls. Certamente Holiday poderia mudar sua mente. Não poderia? Além disso, talvez Kylie precisasse se acalmar. Para pensar sobre as coisas antes que ela corresse para Holiday em uma ruim-atitude histérica. Seus pensamentos deslocaram-se para sua última questão fantasma. Como poderia um fantasma de alguém que estava vivo aparecer para Kylie? Um truque, certo? Tinha que ser um truque. Ela olhou ao redor para se certificar de que o fantasma tinha realmente ido embora. O frio havia desaparecido. Virando-se, desceu os degraus da varanda e se dirigiu para a parte traseira do gabinete. Ela começou a correr, querendo experimentar a sensação de liberdade que ela tinha quando ela corria, quando ela corria rápido, corria rápido não humanamente. O vento levantou o vestido preto que usara para o funeral de Ellie e deixou a bainha dançando contra suas coxas. Seus pés se moviam no ritmo, apenas faltando os Reeboks que ela normalmente usava, mas quando ela chegou à beira da floresta, ela fez uma parada abrupta — tão abrupta que os saltos em seus sapatos pretos cortaram trilhos profundos na terra. Ela não podia ir para a floresta. Ela não tinha uma sombra — a pessoa obrigatória com ela para ajudar a afastar o malvado Mario e seus amigos desonestos se decidisse atacar. Atacar novamente. Até agora, as tentativas do velho de pôr fim a sua vida tinham se provado fúteis, mas dois desses momentos resultaram na morte de alguém. Culpa vibrou através de seu peito já apertado. Medo seguiu. Mario tinha provado o quão longe ele iria para chegar até ela, quão malvado era quando ele


tinha tirado a vida do seu próprio neto na frente dela. Como alguém poderia ser tão mau? Ela olhou para as árvores e viu como suas folhas dançavam com a brisa. Era uma fatia completamente normal de um cenário que deveria deixá-la em paz. Mas ela não sentia nenhuma paz. Os bosques, ou melhor, algo que escondiam, atreviam ela a entrar. Provocado ao se mover para a linha grossa de árvores. Confusa com a estranha sensação, ela tentou afastá-la, mas o sentimento se intensificou. Ela inalou o cheiro verde da floresta, e ela sabia. Sabia com clareza. Sabia com certeza. Mario não iria desistir. Mais cedo ou mais tarde ela iria enfrentá-lo novamente. E não seria sereno, tranquilo, ou pacífico. Apenas um deles ficaria de pé. Você não vai estar sozinha. As palavras ecoaram profundamente dentro dela, como se a oferecer-lhe a paz. Nenhuma paz veio. As sombras entre as árvores dançaram no chão. Chamando-a, acenando para ela. Para fazer o quê, ela não sabia. Apreensão deu outra volta em torno do peito. Ela cravou os saltos de seus sapatos mais profundamente na terra batida. O salto do sapato direito rachou — um pequeno som sinistro que parecia pontuar o silêncio. "Merda!" Ela olhou para seus pés. A única palavra parecia arrancada do ar, deixando nada além de um zumbido de sirenes. E foi aí que ela ouviu. Alguém respirou roucamente. Embora o som só veio em um sussurro, ela sabia que o proprietário desta respiração estava atrás dela. Estava perto. E uma vez que nenhum calafrio de morte a cercou, ela sabia que não era do mundo espiritual. O som voltou. Alguém enchendo de ar seus pulmões. Estranho como ela agora temia mais os vivos do que ela temia os mortos. Seu coração batia a uma parada. Muito parecido com as marcas deixadas na terra por seus saltos de três polegadas, o medo crescente deixou buracos em sua coragem. Ela não estava pronta. Se fosse Mario, ela não estava pronta. Fosse o que fosse que ela precisava fazer, qualquer plano ou destino que ela estava destinada a seguir, ela precisava de mais tempo.


Capítulo Dois "Você está... bem?" A voz. Não Mario. A voz de Derek. Seu tom familiar teve seu pânico inicial se enfraquecendo, mas só por um segundo. Eu estou apaixonado por você, Kylie. As palavras que ele tinha falado menos de quinze minutos atrás fluíram por sua cabeça, trazendo com elas outra tempestade emocional que fez sua mente e coração girarem. Derek a amava. Mas o que ela sentia? Ela se mexeu um pouco, e o salto de seu sapato direito caiu, fazendo com que ficasse fora de equilíbrio. É assim que a sua vida se sentia — como se tivesse perdido um salto, e sua única opção era a de mancar junto. "O que há de errado?" Sua voz soou com preocupação. Eu estou bem. As palavras se empoleiraram na ponta da língua, mas ela as engoliu. Derek, meio fae, podia ler. Mentir para ele sobre seu estado emocional era inútil. Então ela se virou e olhou para ele. "O que você está fazendo aqui, sem uma sombra?", perguntou Derek. "Você sabe que não deveria estar sem uma sombra no caso de os desonestos bizarros retornarem". (?) Encontrando o olhar de Derek, ela viu o pânico iluminando seus olhos. Ela sabia que o pânico que ela viu refletia o dela própria. Quando ela se machucava emocionalmente, ele se machucava. Quando ela experimentava a alegria, ele a vivia, também. Quando ela temia alguma coisa, ele temia por ela. Considerando seu estado emocional nos últimos minutos, ele devia estar no inferno. Seu peito expandiu por trás da empoeirada T-shirt verde equipada. Ele segurou a mão sobre o estômago forte como ele sugou o ar para seus pulmões. Seu cabelo castanho escuro parecia soprado pelo vento, e sua franja agarrouse a sua testa. Uma gota de suor escorria pelo seu rosto. Por um segundo, tudo o que podia pensar era cair nele, deixando seu toque calmante afastar a apreensão dentro dela. "É... o que eu disse?", ele perguntou. "Se for isso, eu vou... retirar. Eu não lhe disse isso para despedaçar você por dentro.” Não se pode retirar uma confissão de amor, ela pensou. Não, se ele realmente quis dizer isso. Mas ela não disse isso. "Não é o que você disse." Então ela percebeu que também era uma mentira. Sua confissão desempenhou estragos em suas emoções. "Bem, isso é outra coisa, também."


"Que coisa?" Suas palavras saíram sem fôlego. Seus olhos procuraram os dela e ela viu as manchas de ouro em suas íris clarear. "Eu sinto que você está com medo e confusa, e—" "Mas eu estou bem." Ela notou novamente o seu estado sem fôlego, como se tivesse acabado de correr uma milha para chegar até ela. Tinha? "Onde você estava?" Ele tomou outro gole profundo de oxigênio. "Minha cabine." Ao longo de um quilômetro. "Você sentiu minhas emoções tão longe?" "Sim." Ele franziu a testa como se ele esperava que ela não o culpasse. Ela não gostava que suas emoções fossem um livro aberto para ele ler, mas ela não o culpava. Ele disse uma vez que se ele pudesse parar de lê-la, ele o faria. Ela acreditou nele. "Eu pensei que você disse que estava diminuindo", disse ela. "Será que ainda te deixa louco?" Seu ombro esquerdo deslocou para cima um par de centímetros. "Ainda é forte, mas não é esmagadora como antes. Eu posso lidar com isso, agora que eu...” Agora que ele tinha aceitado que a amava. Isso é o que ele disse a ela. É por isso que a sua ligação tinha crescido tão forte. Seu peito ficou pesado com a indecisão de novo. Era uma coisa boa que um deles podia lidar com isso. Porque ela não tinha certeza se podia. Não com ele a amando. Não com qualquer uma das revelações que a ela tinham sido dadas. Pelo menos agora. "O que há de errado?" Ele chegou mais perto. Tão perto que ela podia sentir o cheiro de sua pele — cheiro de terra, honesto, real. A tentação de entrar em seus braços caiu sobre ela. Ela queria sentir o movimento para cima e para baixo de seu peito enquanto ele respirava, para que o que estava no passado, fosse o que estaria no futuro. Fechando as mãos em punhos apertados, ela mancou por ele com seu salto quebrado, foi para uma árvore, e abaixou-se para o chão. A terra se sentia mais fria do que o calor no ar. As lâminas de grama faziam cócegas nas costas de suas pernas, mas ela ignorou. Sem esperar por um convite, ele abaixou-se ao lado dela. Não perto o suficiente para que se tocassem, mas perto o suficiente para que ela pensasse em tocar. "Então, é mais do que uma coisa?", ele perguntou. Ela assentiu com a cabeça, e a decisão de confiar nele parecia já feita. "Meu pai apareceu para mim." Ela mordeu o lábio. "Ele me disse o que eu sou." Derek olhou intrigado. "Eu pensei que você queria saber."


"Sim, mas... Ele disse que eu sou um camaleão. Como um lagarto”. Suas sobrancelhas comprimiram e então ele riu. Ela não gostou de sua sinceridade. O pânico voltou três vezes mais forte. Ela queria saber o que era, assim os outros iriam aceitá-la, para que ela se encaixasse, mas e se ela acabou sendo algo que, honestamente, fez dela uma aberração? "Eu odeio lagartos", ela deixou escapar. "Eles estão lá em cima com cobras— malvadas pequenas criaturas de olhos esbugalhados correndo pelo chão e comendo assustadoras coisas rastejantes." Ela olhou para a floresta novamente, imaginando uma brigada de lagartos olhando para ela. "Eu vi um programa uma vez que mostrou uma longa língua de lagarto comendo uma aranha em câmera lenta. Era nojento!” Derek sacudiu a cabeça, todos os traços de humor desaparecendo de seus olhos. "Eu nunca ouvi falar de lagartos sobrenaturais. Você tem certeza?” "Eu não tenho certeza de nada. Isso é que é tão assustador. Não saber." Ela estremeceu. "Sério, devorar sangue é preferível a ter uma daquelas línguas longas e refeições de insetos." "Talvez ele tenha entendido errado. Você disse que fantasmas têm dificuldade em se comunicar.” "No começo, sim, mas agora meu pai faz todo o sentido." Derek não parecia convencido. "Mas o que você acha que um camaleão sobrenatural é, ou não? Tudo o que eu acho que eles poderiam fazer é mudar as cores.” Kylie deixou suas palavras rodarem em torno de seu cérebro por um segundo. "Talvez seja só isso?" "Você pode mudar de cores?" Dúvida mostrou em seu rosto. "Não. Mas talvez eu possa mudar o meu padrão. Gosto de como meu avô e tia pareciam humanos. E como eu pareço humana agora”. "Ou... talvez seu pai esteja tendo uma recaída e ele está apenas confuso. Porque eu nunca ouvi falar de nenhum sobrenatural que poderia mudar seus padrões cerebrais.” "E eu?", Ela perguntou. "E o meu avô e tia?" Ele deu de ombros. "Holiday disse que era, provavelmente, um feiticeiro que lançou um feitiço para seu avô e tia." "Ele o lançou em mim, também?", perguntou Kylie.


"Não, mas... Ok, eu não tenho a resposta." Ele franziu a testa. "E eu sei que frustra. Mas não me disse que o seu avô de verdade estava chegando para te visitar? Tenho certeza que ele vai esclarecer isso.” "Sim." Ela mordeu o lábio inferior. Derek a estudou. "Há outra coisa errada também?" Ela suspirou. "Quando eu perguntei ao meu pai o que ele quis dizer sobre ser um camaleão, ele disse que ia descobrir isso juntos." "E isso é ruim por que...?" Kylie declarou o óbvio. "Ele está morto, e ele está limitado a visitas terrenas, então isso significa que eu vou morrer em breve?" "Não, ele não quis dizer isso." O tom de Derek se aprofundou com convicção. Ela começou a dizer que ele não podia dizer isso com certeza, mas porque ela queria acreditar nele, ela engoliu as palavras. Respirando, ela olhou para a grama e tentou encontrar paz em saber que seu avô ia vir em um par de dias. Tentou encontrar a paz em ter derramado seus problemas. E ela se sentia um pouco melhor. "Você já perguntou a Holiday?" Ele se inclinou e bateu seu ombro no dela, seu calor, seu toque suave afastando um pouco de sua angústia. Ela balançou a cabeça. "Ainda não. Ela ainda está no escritório com Burnett." E Kylie ainda não havia refletido sobre toda a questão fantasma. Se o fantasma de alguém te apareceu quando ele não estava morto, o que isso significava? As possíveis respostas fizeram seu coração tremer. "Eu acho que isso é meio importante", disse ele. "Eu sei, mas...” "Há algo mais, não é?" Ela olhou para cima. Ele estava lendo suas emoções ou sua mente? "Os problemas de fantasma", disse ela. "Que tipo de problemas?" De todos os campistas, Derek era o único que não fugia com a menção de fantasmas. "Esta pessoa não está morta." "Portanto, não é um fantasma." Derek parecia confuso. Kylie mordeu o lábio. "Sim... Quer dizer, no primeiro espírito tinha toda essa coisa de zumbi acontecendo—carne pendurada, e vermes—mas depois mudou. E quando o fez, o cara se transformou em alguém que eu conheço.” "Como pode ser isso?", Ele perguntou. Ela fez uma pausa. "Eu não sei. Talvez seja um truque.” "Ou não", disse Derek. "Você não acha que alguém vai morrer?" Não qualquer outra pessoa, ela queria gritar.


"Eu não sei." Ela puxou algumas folhas de grama do chão. "Quem é?", Ele perguntou. "Não alguém daqui, não é?" O peito de Kylie apertou. Ela não queria dizer isso—com medo de que se ela dissesse isso em voz alta, o deixaria assim. "Eu só preciso pensar sobre isso." Derek empalideceu. "Oh, merda! Sou eu?” "Não." Ela jogou as folhas de grama e as observou girar no vento em sua descida. Quando ela olhou para trás, ela podia senti-lo lendo suas emoções, decifrando o seu significado. "Vocês se preocupa muito com essa pessoa." Suas sobrancelhas comprimido. "Lucas?" Ela ouviu a dor em sua voz apenas por dizer o nome. "Não", ela disse. "Podemos mudar de assunto? Eu não quero falar sobre isso. Por favor.” "Por isso, é o Lucas?", perguntou Derek. "O que é o Lucas?" Uma voz profunda, irada, de repente falou. Kylie olhou para cima e viu Lucas sair das árvores. Seus olhos eram de uma cor laranja com raiva. Ela se encolheu com a culpa por um apenas um segundo, em seguida, lutou de volta. Ela não estava fazendo nada de errado. "Nada", Derek mordeu quando Kylie não falou. Ele se levantou e deu um passo em direção ao escritório. Parando, ele olhou para ela, e, em seguida, olhou para Lucas. "Nós estávamos apenas conversando. Nem tudo é sobre ela.” Lucas rosnou. Derek afastou-se, parecendo afetado pela ira de Lucas. Kylie pegou outro punhado de grama e arrancou-a do chão. "Eu não gosto disso." Lucas olhou para ela. "Nós estávamos apenas conversando", disse ela. "Sobre mim". "Eu estava dizendo a ele sobre um espírito e que... parecia alguém que me importava, e ele perguntou se era você. Você devia sentir-se bem que ele sabe que me importo com você.” A carranca de Lucas se aprofundou. Foi por causa de Derek ou porque ela tinha mencionado fantasmas? A incapacidade de Lucas de aceitar o seu trabalho com os espíritos feria. "Ele tem sentimentos por você", respondeu Lucas.


Eu sei. "Nós estávamos apenas conversando." "Isso me deixa louco." Seus olhos brilhavam uma cor laranja queimado profundo. "O que te deixa louco? Eu falar com Derek, ou eu falar sobre fantasmas?” "Ambos." Sua voz soou com tanta honestidade que ela achou difícil condená-lo por isso. "Mas, principalmente, é o pensamento de você passar o tempo com essa fada." Ela se encolheu em seu insulto para Derek. Então, sem saber o que dizer, ela se levantou. Esquecendo seu salto faltando, ela quase tropeçou. Ele a pegou pelo cotovelo. Ela encontrou seu olhar, ainda marcado pela sua raiva. Mas seu toque era terno e carinhoso, sem nenhum indício da ira que ela viu em seus olhos. Lembrou-se de que algumas de suas reações eram instintivas, o que significava que ele não devia ser responsabilizado. Outra parte dela sabia que instintivo ou não, ele não fazia isso direito. Ela suspirou. "Nós já conversamos sobre isso." "Falamos sobre o quê?", Perguntou ele. "As duas coisas. Eu ajudo espíritos, Lucas. Isso, provavelmente, nunca vai mudar.” "Sim, mas eles assustam a merda fora de você. Eles assustam a merda fora de mim." Kylie tencionou. "Você acha que sua transformação em um lobo não me assusta?" "Isso não é o mesmo. Eles são fantasmas, Kylie. Isso não é... não é natural." "Mas se transformar em um lobo é completamente natural", disse ela com sarcasmo. Ele exalou. "Ok, vindo de alguém que viveu sua vida como um ser humano, eu posso ver o seu ponto. E enquanto eu tenho certeza que eu nunca vou amar a sua parte fantasma que sussurra, eu estou trabalhando em aceitá-la." Seu tom disse a ela o quão difícil era para ele. "Mas aceitar que você está gastando tempo com Derek não é fácil quando eu sei que se fosse dada a oportunidade, ele te roubaria em um piscar de olhos." Ela engoliu a crua emoção e tocou-lhe o peito. Seu calor encharcando sua camisa e sua mão. "Eu sei como isso se sente. Porque eu me sinto da mesma forma quando eu vejo você com Fredericka. E essa é a razão pela qual eu sei que não posso dizer-lhe para ficar longe de Fredericka.” Ele colocou sua mão sobre a mão dela e uma articulação suave encheu seu olhar. "Isso é diferente. Fredericka faz parte doa minha matilha." Ela balançou a cabeça. "E Derek é um amigo."


"Exatamente. Isso é o que o torna diferente. Um amigo não é o mesmo que um membro da matilha.” "É para mim." Ela balançou a cabeça. "Pense sobre isso. Você é leal para os membros matilha. Você iria defendê-los. Você se preocupa com eles. É o mesmo que eu sinto por meus amigos.” "Isso é porque você não é uma loba*. Ou pelo menos não ainda." Ele serpenteou a mão livre ao redor da cintura dela e puxou-a um pouco mais. "Esperamos que, em breve, tudo isso faça sentido para você." Eu nunca vou ser uma era. Ela olhou para ele. A evidência de sua raiva havia desaparecido de seus olhos e ela viu afeto em suas profundezas azul escuro. Ele se preocupava com ela. Ela sabia disso com certeza. E talvez por essa razão, ela hesitou em contar o que sabia. Instantaneamente, chocou-lhe que ela não hesitou em dizer a Derek. Por que ela podia confiar em Derek e Lucas não? Incomodada com o pensamento, obrigou-se a dizer: "Eu não sou uma era." "Você não sabe isso", disse ele. "O fato de que você se desenvolveu mais antes de uma lua cheia e teve mudanças de humor tem que significar alguma coisa." Ela balançou a cabeça. "Eu não sou. Eu sei o que eu sou.” Seus olhos se apertaram em confusão. "Você... Como você sabe?" "Meu pai me apareceu novamente. Ele disse que eu era um camaleão." Perplexidade encheu seu olhar. Ela franziu a testa. "Eu não sei exatamente o que isso significa." "Isso não faz sentido." Ele soltou. "Não há tal coisa. Só porque algum fantasma disse—" "Não era apenas 'um fantasma'. Foi o meu pai." "E seu pai é um fantasma." Se ele quis dizer isso ou não, soou como um insulto. Suas palavras e sua atitude doeram. Ela puxou a mão de seu peito quente. Todo o caos emocional do início girou dentro dela. "Eu sei que ele é um fantasma", disse Kylie. "E eu gostaria que ele não estivesse morto. Eu gostaria de saber o que ele queria dizer. Eu gostaria que você pudesse me aceitar como sou. Mas eu não posso mudar o fato de que meu pai morreu antes de eu nascer. Eu não posso ajudar que eu não entenda o que ele quis dizer. Aliás, eu não entendo um décimo do que está acontecendo na minha vida agora. E tenho a sensação de que você nunca vai ser capaz de me aceitar como sou.” *Na frase original estava were, que significa ser no passado, mas entendi como uma abreviação para werewolf, que significa lobisomem, acho que ficou melhor assim...


"Isso não é verdade." Sua expressão endureceu com a negação. "Sim, é." Ela se virou e mancou para longe. Ela o ouviu pedir-lhe para não ir. Ela ignorou seu pedido. Então, parando, ela se abaixou para tirar os sapatos. Como ela se endireitou, seu olhar prendeu na fileira de árvores—em como as folhas agitaram mesmo quando não havia vento soprando. Ela sentiu novamente a sensação inexplicável que estava sendo atraída para entrar. Por mais tentador que fosse, ela se afastou. Afastou-se da floresta. Afastou-se de Lucas. E ambos de alguma forma pareciam errados.

Capítulo Três Os pés descalços de Kylie moveram-se rapidamente contra a terra, enquanto ela corria. Ela ouviu a mistura de vozes vindas da sala de jantar, onde todos se reuniram depois do funeral de Ellie. Ellie, que morreu nas mãos de Mario. Outra onda de culpa tomou conta de Kylie. Ela correu mais rápido. Ela não queria se juntar à multidão. Ela queria... Precisava... Ficar sozinha. Ela quase chegou ao seu camarote quando sentiu uma lufada de ar voar por ela. Uma lufada de vampiro. Talvez um vampiro na caça. Kylie se empurrou para correr mais rápido e mentalmente se preparou para lutar. Não que ela tivesse uma chance de ganhar uma batalha com um vampiro. Qualquer que fosse sua super força ela só servira quando ela ajudava os outros. Um protetor, os outros seres sobrenaturais a chamaram. Mas como eles poderiam chamá-la disso quando ela não tinha protegido Ellie? Mesmo as habilidades de cura de Kylie tinham falhado. Como injusto era que ela pudesse salvar um pássaro, puxá-lo de volta da morte, e ainda assim não conseguiu salvar um amigo? Ela teria pagado o preço. Não teria importado o quanto de sua alma que ela tinha que dar para salvar Ellie. Sentiu aquilo novamente— esse flash de ar como algo voando passou. Desta vez, ela viu uma cortina de reta onda cabelos negros ao vento. Definitivamente um vampiro. Mas não na caça. Della apareceu ao seu lado, correndo no mesmo ritmo alucinante. Mas sendo vampira, ela moveu-se com facilidade, como se estivesse tomando um impulso de lazer. "O que há de errado?" O cabelo escuro de Della, insinuando sua linhagem asiática, voou atrás dela como uma bandeira.


"Você é que está errado." Kylie fez uma parada irregular. "Eu odeio quando você voa por mim assim e eu não posso dizer que é você. Eu me sinto ameaçada. Eu me sinto como... uma presa.” "Oh, droga," Della disse em sua voz cotidiana de má atitude. "Desculpe-me por estar em preocupada. Eu ouvi você correndo como o inferno e pensei que alguém estava atrás de você”. "Sinto muito. Ninguém está me perseguindo." O olhar de Kylie atirou de volta para a floresta. Ele está apenas me provocando para entrar na floresta e enfrentá-lo. Mas quem era ele, e por que razão? No início ela achava que era Mario, mas ela poderia ter estado errada nisso? "O que aconteceu?" Perguntou Della. Kylie puxou os olhos para longe da floresta. "Nada". Della inclinou a cabeça para o lado, como se estivesse ouvindo o coração de Kylie, para ouvir sinais de decepção. Della revirou os olhos. "Mentirosa. Mentirosa. Calças em chamas.” Kylie gemeu. "Tudo bem. Eu estou mentindo. E se eu estivesse vestindo calças, elas arderiam e queimar minha bunda”. "Uau. Você está em um lindo humor. O que levou uma mordida fora de sua atitude?” "Você fez." Kylie estremeceu ao som da sua voz afiada. Della sorriu enquanto desfrutava a ira de Kylie. Kylie começou a andar. "Quem deveria estar sombreando você?", perguntou Della. "Eu não sei." O olhar de Kylie disparou para a floresta e a sensação bateu mais forte do que nunca. Ela saiu correndo para o caminho, empurrando-se mais duro. Ela não parou até que ela chegou ao seu camarote. Seu estômago apertado da corrida. Ela caiu na borda da sua varanda. "Então o que aconteceu?" Della, nem mesmo respirando com dificuldade, se sentou ao lado de Kylie. Alguma coisa na floresta está chamando meu nome. Isso parecia louco. Kylie não poderia dizê-lo. Ela olhou para Della. Os olhos negros de sua colega de quarto ligeiramente inclinados pareciam genuinamente preocupados, e isso fez Kylie se sentir como uma puta. "Sinto muito. Estou de mau humor.” "O que é muito raro", disse Della. "Eu meio que gosto disso." Kylie revirou os olhos e empurrou para trás suas reservas. "Você já ouviu falar de camaleões?" "Sim", disse Della.


"Já? O que você sabe sobre eles?” "Eles são lagartos que mudam de cores. De acordo com Chan, não tem gosto muito ruim. No Havaí, os vampiros locais vendem seu sangue. É suposto ser tão bom como O negativo.” "Não." Kylie puxou os joelhos e os abraçou. "Não, o quê?" "Quero dizer... camaleões como um tipo de sobrenatural?" "Um sobrenatural lagarto?" Della riu. Kylie pulou. "Hey". Della apareceu ao lado dela. "O que há de errado com você?" Kylie abriu a porta da cabine e olhou para Della. "Tudo está errado." "É sobre Ellie?" A voz de Della insinuou uma emoção que a vamp manteve escondida. O coração de Kylie segurou mais apertado. "Sim, trata-se de Ellie. É sobre eu ser um lagarto. Que é tudo”. "Você é um lagarto?" A seriedade desapareceu dos olhos de Della, e ela sorriu. Kylie passou pela porta, em seguida, virou-se. "Sim, você é um vampiro, e eu sou um lagarto, por isso maldição se acostume com isso." O sorriso de Della desapareceu. "Você está fumando alguma coisa? Sério, eu acho que você é um lobisomem. Esta nova atitude sarcástica é uma oferta inoperante.” "E os vampiros não são sarcásticos?" Kylie revirou os olhos. "Não, nós somos irritado. Sarcástico e irritado são duas coisas totalmente diferentes." Della moveu-se pra dentro. A tentativa do vampiro de humor era ajudar, e não machucar. Mas Kylie não estava de bom humor. "Eu não sou um lobisomem." Encheram de lágrimas os olhos. "Se eu fosse, então Lucas seria feliz e tudo estaria bem no mundo." A boca de Della caiu aberta. "Você está falando sério. Quem te disse que você era um lagarto?” "Meu pai". Os olhos de Della se arregalaram. "Você está brincando comigo." "Nem cagando". Della caiu no sofá e seu olhar se lançou ao redor da sala. "Ele está aqui agora?" "Não." "Bom." Ela bateu as mãos nas coxas. "Talvez ele estivesse fumando alguma coisa."


Kylie revirou os olhos molhados. "Você poderia, por favor, parar de fazer piadas?" Della pegou um travesseiro do sofá e atirou em Kylie. "Veja, não é a atitude lobisomem saindo novamente." Kylie virou-se para ir para o quarto dela, mas antes que ela chegasse à porta, Della disparou em frente a ela. Era estranho o quão rápido um vampiro podia se mover. "Tudo bem", disse Della. "Eu vou tentar ser séria, mas... é uma loucura. Eu sei que você não quer acreditar, mas alguém está puxando uma brincadeira com você. Não há tal coisa como um lagarto sobrenatural. Basta perguntar a ela.” "Perguntar a quem?" A porta principal da cabine bateu quanto Miranda entrou. Seu cabelo loiro caía solto, com listras cor de rosa, verde e preto. Kylie não sabia se Miranda usou seus poderes Wiccan para colorir os cabelos ou Nice 'n Easy. Miranda fez uma careta. "Por que você me deixou?", ela perguntou a Della. Della fez uma careta. "Sinto muito. Kylie está tendo uma crise. Eu só posso ser Superamiga para uma de vocês por vez." Miranda olhou para Kylie. "Que tipo de crise?" Normalmente, Kylie compartilhava tudo com Miranda e Della, mas neste momento ela desejou ter mantido a boca fechada. Todo esse tempo ela ansiava por saber o que era, pensando que iria resolver tudo, e ainda ali estava ela, supostamente sabendo, e sentindo-se mais confusa do que nunca. "Uma crise réptil saborosa." Della riu, colocou a mão sobre a boca, e então olhou se desculpando a Kylie. "Oops". "O quê?", Perguntou Miranda. Della apoiou uma mão em seu quadril. "Diga a Kylie que não há tal coisa como lagartos sobrenaturais". "Perry pode se transformar em um lagarto." Os olhos de Miranda brilharam com orgulho. "Ontem ele mudou—" "Por favor, não outra história de Perry." Della pressionou ambas as palmas das mãos contra o estômago. "Eu juro, eu vou vomitar." "Você é uma vadia", Miranda rebateu. "Eu não sou uma vadia. Estou cansada de ouvir histórias de Perry. 'Os dedos mindinhos de Perry são tão bonitos. Perry tem a mais charmosa sarda atrás de sua orelha direita. '" "Você está com ciúmes! Porque você não tem um namorado e Kylie e eu tenho!" Teve. Kylie teve um namorado. Ela não tinha certeza do que ia


acontecer com ela e Lucas agora. Seus apelos para ela não fugir ecoaram em seu coração. "Ciúmes?" Della rugiu de volta a Miranda. "Por favor, eu vou mastigar meu próprio coração antes de me tornar doente de amor como você." Miranda ergueu a mão e balançou seu dedo mindinho—um sinal claro de que um feitiço estava prestes a derramar de seus lábios. Os olhos de Della se iluminaram e seus caninos saíram para jogar. "Parem!" Kylie olhou de um para o outro. Ela não aguentava mais. "Oh, inferno, não parem. Vocês duas têm estado ameaçando matar uma a outra desde que cheguei aqui, e isso está me deixando louca. Então, basta matar uma a outra e me colocar para fora da minha miséria.” No interior, Kylie se encolheu novamente. Ela não quis dizer isso. Nem mesmo agora, quando furiosa, mas talvez um pouco de psicologia reversa fosse corrigir estas duas. Miranda e Della olharam Kylie como se ela tivesse perdido a cabeça, e podiam estar certas, mas era parcialmente culpa delas. Sua argumentação tinha deixado ela louca. "Vamos lá. O que vocês estão esperando? Matem uma a outra. E façam isso divertido." Ela cruzou os braços sobre o peito e olhou para os dois punhais deles. Seu pé direito começou a bater, assim como a mãe dela batia quando ela estava prestes a explodir uma junta. Os olhos de Della voltaram para a cor preta e os seus caninos desapareceram sob o lábio superior. Miranda deixou cair o ameaçador mindinho. Então a psicologia reversa não funcionou. Ha. Quem diria? "O que há de errado com ela?" Miranda perguntou a Della como se Kylie fosse muito mentalmente instável de perguntar. "Nada está errado comigo", Kylie respondeu, frustrada além de seus limites. "É o que há de errado com vocês duas." Della olhou para Miranda e encolheu os ombros. "Ela pensa que é um lagarto." "Um camaleão", Kylie corrigiu. Miranda revirou os olhos. "Coitada. Ela está agindo como um lobisomem.” Della disparou a Kylie um sorriso. "Eu disse isso a ela. Mas ela me ouviu? Claro que não.” "Eu não sou um lobisomem." Não importa o que Kylie agora queria que ela fosse. "Se você for, está tudo bem", disse Miranda. "Nós prometemos te amar mesmo assim."


Kylie caiu em uma cadeira da sala de estar, enquanto suas duas melhores amigas olharam para ela com um misto de piedade e leeriness*. Elas pensavam que ela era louca. Diabos, talvez ela fosse louca. Ela pensou que os bosques estavam chamando o nome dela e ela acreditava que era um réptil. Ela inclinou-se para trás e olhou para o teto. "Eu sou um camaleão", disse ela, esperando que dizendo isso fosse trazer algum tipo de entendimento instintivo. Ela prendeu a respiração, esperando por uma epifania—um conhecimento interno que iria fazê-la bem com o mundo. Nada veio. E nada parecia certo. Não ela sendo um lagarto, não vendo um fantasma com o rosto de alguém que estava vivo, e não com o pai dela, sugerindo que iria em breve estar fazendo uma viagem para o outro mundo, e especialmente a confissão do amor de Derek. Não.. Nada parecia certo. Ela gemeu. "Leve-a a Diet Coke, Della", disse Miranda. "Talvez o açúcar lhe dê alguma inteligência." "É açúcar falso", respondeu Della. "Eu sei. Mas você nunca ouviu o provérbio é falso até que você prove o contrário?" "Ugh, esqueça o refrigerante. Eu vou para a cama." Kylie bateu-se da cadeira e foi para o seu quarto, batendo a porta com tanta força que sacudiu suas dobradiças. Por trás da porta, ela ouviu dizerem em uníssono: "Definitivamente lobisomem." *** Ela não tinha chegado a sua cama quando ouviu um barulho alto da sala de estar. Tinham Miranda e Della finalmente decidido realmente brigar? Sentindo-se culpada por encorajá-las, ela foi para detê-las, mas se acalmou quando ouviu vozes. "Onde está a Kylie?" O profundo tom de Burnett se derramou através das paredes, ao mesmo tempo em que o telefone começou a tocar. Ela puxou o telefone do bolso e empurrou a porta aberta. Burnett estava ali com a mão levantada para bater. Raiva e um fio de culpa encheram sua expressão. "Algo errado?" O toque do telefone de Kylie cantarolava em sua mão. "Você está bem?" *Não encontrei tradução.


"Por que não estaria?" Tinha outra coisa acontecido? Neste momento, nada poderia surpreendê-la.

Capítulo Quatro "Você saiu sem me dizer." A boca de Burnett se comprimiu com sua reprimenda. "Eu não." Kylie viu Della e Miranda atrás Burnett, usando expressões de preocupação. Sem dúvida, não era aconselhável discordar de Burnett. "Você estava no escritório e depois que você se foi", Burnett latiu. "Era para eu estar sombreando você." "Foi quase uma hora atrás", disse ela. E se ele tivesse só agora percebido que ela tinha ido embora? O toque de seu telefone chamou sua atenção e ela puxou-o para cima para ver quem estava chamando. O nome de Holiday apareceu na tela pequena. Em seguida, a líder do acampamento, com o telefone pressionado em sua orelha, invadiu a cabine. "Você a achou". Alívio encheu os olhos de Holiday e ela cruzou os braços sobre o estômago e respirou como se ela tivesse corrido todo o caminho até aqui. "Você não deveria ter saído sem me dizer", Burnett disse a Kylie. Holiday fechou a telefone e silenciou o celular de Kylie. Kylie olhou para a líder do acampamento, lembrando os problemas de fantasmas que precisava falar com ela. Como alguém vivo poderia aparecer como um fantasma? "Eu era responsável por você." Burnett continuou seu discurso. Kylie olhou Burnett como ela colocou o telefone em cima da mesa de extremidade. Ela provavelmente deveria manter a boca fechada, mas o seu mau humor prevaleceu. "Você não pode me culpar. Eu disse que estava indo embora. Não uma, mas duas vezes. Vocês dois estavam muito ocupados sendo irritados um com o outro para me ouvir." Quando suas próprias palavras hostis tocaram em seus ouvidos, ela se preocupou que talvez Della e Miranda falassem algo sobre ela ser lobisomem. Holiday se aproximou. "Nós não estávamos discutindo." Realmente, Kylie pensou, notando que a camisa de Holiday estava de dentro para fora. Não discutiram, né? Então, o que eles tinham feito que levou a Holiday vestir a camisa de dentro para fora? Toda a frustração de Kylie diminuiu e ela quase sorriu. Quase.


"Sim, nós estávamos discutindo", confessou Burnett, como se de repente se lembrasse. "Nós estávamos discutindo as coisas." Holiday enviou a Burnett um olhar que disse: Não discorde de mim sobre isso. "Nós estávamos discutindo acaloradamente." Burnett recebeu outro duro olhar da líder do acampamento ruiva. "Eu vou dizer:" Della articulou saindo. "Eu ouvi você por todo o caminho na sala de jantar. E eu não tenho tanta certeza de que foi a minha audição vampiro que pegou.” "Sim, foi", Miranda saltou. "Porque eu não consegui ouvir nada. Então, novamente, eu provavelmente estava conversando com Perry." Ela tinha um olhar distante em seus olhos. "Eu adoro conversar com Perry." Della gemeu. "Dito isso," Miranda continuou, "nada é tão divertido quanto um bom argumento. Então, se alguém gostaria de me preencher, eu aprecio isso." Ela esfregou as mãos. "Apenas as partes boas." Burnett exalou em frustração. "Nós estávamos apenas—" "O que estávamos fazendo não é importante," Holiday exclamou, corando. "Então você não estavam discutindo?" Miranda parecia intrigada. Kylie quase sorriu novamente. Holiday estava certa. O que eles estavam fazendo não era importante. A única coisa que importava era o que eles tinham feito. A única coisa que realmente importava era se Holiday tinha conseguido falar com Burnett sobre renunciar a sua posição. Shadow Falls precisava dele. Holiday precisava dele. Tudo dentro de Kylie disse a ela que os dois foram feitos para ficar juntos. Infelizmente, Holiday resistiu à ideia de ela e Burnett se tornarem um casal. E embora ela não tivesse completamente admitido isso, Kylie suspeitava que tinha tudo a ver com o noivo vampiro de Holiday que tinha quebrado seu coração, quando ele a deixou no altar. Kylie também sentia que havia mais dessa história do que Holiday deixava transparecer. Não que ser deixada no altar não fosse ruim, mas algo dizia a Kylie que tinha sido algo ainda mais emocionalmente prejudicial. Por que outro motivo Holiday rejeitaria o amor de Burnett? Deus sabia que não era fácil para um vampiro aguentar a rejeição. Kylie disse a ele que precisava ser paciente. Holiday não poderia continuar a aguentar. Não quando Burnett era praticamente perfeito. Alto, moreno, mal-humorado o suficiente para ser fascinante, e com um bom coração. Claro, sendo vampiro, ele não sair por aí distribuindo bom ânimo como Holiday fazia. Mas ele se importava.


Será que Holiday finalmente chegou aos seus sentidos? "Você vai ficar em Shadow Falls?" Kylie perguntou a Burnett, a respiração presa na esperança. Burnett olhou para Holiday e maldito se não quase sorriu. "Eu vou ficar." "Sim!" Miranda e Della bateram as mãos e fizeram uma pequena dança da vitória. Um senso de retidão encheu o peito de Kylie. Talvez hoje não entrasse para a história como o pior dia de sua vida, depois de tudo. Burnett, sendo um pouco pensativo consigo, não parecia compartilhar a alegria de seus companheiros de quarto, mas Kylie manchou alívio em seus olhos. "Da próxima vez que você estiver sob meu comando, não vá embora sem a minha permissão." Kylie assentiu, muito feliz em saber que ela não tinha culpa. "Mesmo se você tem que me bater na minha cabeça duas vezes para chamar a minha atenção", ele continuou, levando a maior parte da culpa em si mesmo. O sorriso de Kylie se alargou. Quão severo como Burnett poderia ser, ele não era injusto. Ela observou Burnett começar a se dirigir para a porta, e Holiday virou para ir embora com ele. Novamente, Kylie não poderia ajudar, mas se perguntou o quão longe as coisas tinham ido em seu tempo juntos. Tinham suas roupas já estado meio fora quando de repente perceberam que ela tinha ido embora? Holiday olhou para Kylie. Seus olhares se encontraram e se mantiveram. Apenas a partir do olhar rápido, Kylie sabia que Holiday, uma empática como Derek, tinha lido o enxame de emoções que jogavam de esconde-esconde em sua mente. E não eram as felizes. Kylie raramente tinha alguma coisa além da fae. Não que Kylie tentasse esconder um inferno de um lote de Holiday. O vínculo que compartilhavam havia virado uma amizade passada. Holiday era da família—não do tipo com que você nasce, mas o tipo que você teve sorte o suficiente para escolher. "Eu preciso falar com Kylie." O calor no tom de Holiday provocou um aperto no peito de Kylie e ela se perguntou o que ela faria sem a mulher em sua vida. Esperava que ela nunca tivesse que descobrir. O pensamento enviou um arrepio na espinha de Kylie. Burnett reconheceu todas elas com um olhar de despedida e, em seguida, saiu. Assim que ele saiu, Della virou-se para Holiday. "Talvez você possa colocar algum juízo em Kylie. Ela pensa que é um lagarto.” *** Cinco minutos depois, Holiday e Kylie se sentaram na beirada da varanda, suas pernas nuas balançando sobre a borda. A líder do acampamento havia mudado do vestido escuro que usara no funeral de Ellie para um par de jeans de corte e a camisa amarela que usava de dentro para fora.


O vestido preto de Kylie queimado em suas coxas, pousando logo acima dos joelhos. Se ela estendesse seus pés, os dedos dos pés roçariam a grama. Ela geralmente gostava de como a luz fazia cócegas, mas por alguma razão isso agora a lembrava de estar com Derek antes, ao lado da árvore. Empurrando esse pensamento de lado, Kylie olhou para seus pés. Holiday tinha um par de sandálias, e as unhas dos pés estavam pintadas de um rosa suave. "O que aconteceu?" Holiday perguntou, a preocupação aprofundando seu tom. "Eu não sei por onde começar", disse Kylie. "E com toda essa coisa de lagarto? O que está Della falando?" Kylie mordeu o lábio. "Antes de eu entrar em tudo isso, o que aconteceu entre você e Burnett?" Holiday desviou o olhar. "Ele vai continuar aqui." "Eu sei disso". Sorrindo, Kylie bateu seu ombro com o de Holiday. "Será que alguma coisa boa aconteceu?" Cor animou as bochechas de Holiday. "Eu não me sinto confortável falando sobre isso." "Uau. Deve ter sido bom, então." Kylie brincou. Holiday franziu a testa, o que significava que o que aconteceu não tinha mudado muito. Algumas roupas podem ter saído, mas as reservas de Holiday não tinham. "Nós não fizemos..." Holiday baixou o rosto em suas mãos. "Estou confusa, ok? Preciso de Burnett em Shadow Falls. Ele é forte em todas as áreas que eu estou faltando. E onde ele está faltando, eu sou forte. Mas...” "Mas você está com medo de admitir que você se preocupa com ele", disse Kylie, mesmo quando seu intestino disse a ela que ela precisava se afastar. "Você não entende", disse Holiday. "Isso é porque você não me contou tudo", Kylie acusou, e ela tinha essa sensação mais uma vez que havia coisas, coisas emocionais, que Holiday mantinha engarrafado dentro dela. Holiday suspirou. "Isso é algo que eu preciso trabalhar para fora sozinha. Eu sei que estamos próximas e eu amo que você se importe." Ela colocou a mão em cima de Kylie. "Eu sinto que você só está tentando ajudar, mas eu preciso ir sozinha nessa. E eu estou pedindo para você aceitar isso.” Kylie acenou com a cabeça, sabendo que tinha que respeitar os desejos de Holiday, mas não gostando. "Agora, vamos voltar para você." Ela bateu no ombro de Kylie com o dela. "Fale comigo". Respirando fundo, ela disse a Holiday sobre a visita de seu pai—tanto as coisas de camaleão e a parte sobre eles descobrirem isso juntos... Em breve.


Preocupação e confusão encheram os olhos da líder do acampamento. "Ok, sobre seu pai dizendo que vocês vão trabalhar isso juntos — eu não acho que isso significa o que você pensa. O tempo não significa a mesma coisa no mundo espiritual.” Kylie considerado o que Holiday disse. "Não é que eu não acredito em você, é só que... havia algo sobre a maneira como ele dizia" em breve. "E ele estava feliz com isso." Holiday balançou a cabeça. "Seu pai te ama. E eu acho que se ele soubesse que ia morrer muito em breve, ele estaria em pânico. E a última coisa que ele gostaria de fazer é compartilhar essa notícia com você." Doeu dizer isso em voz alta, mas ela fez isso de qualquer maneira. "Se eu vou morrer, eu deveria saber." "Isso não funciona assim. Quero dizer, há algumas pessoas que são capazes de saber de sua morte e usar o tempo com sabedoria. Mas quando você começar a planejar o fim, a maioria das pessoas instintivamente para de viver para amanhã. Viver para o hoje é lindo, muitos de nós não fazemos o suficiente, mas para viver plenamente, devemos viver para hoje e amanhã. Pense nisso, se você soubesse que ia morrer em seis meses, você poderia começar um projeto que você sabia que não poderia terminar? Querer ir para a escola para aprender a ser um médico? Será que você teria um filho, sabendo que iria deixá-lo sozinho por muito tempo? Pessoas perderiam muito se parassem de viver para o amanhã.” O pequeno discurso de Holiday enviou Kylie direto para o colo de outro problema. Seu problema fantasma. Ela tentou pensar sobre a melhor maneira de abordá-lo. "Agora, sobre a coisa toda de lagarto," Holiday disse, tirando os pensamentos de Kylie em outra direção. "Eu nunca ouvi falar de um camaleão sobrenatural. E enquanto eu estou inclinado a dizer que ele entendeu errado, eu me pergunto...” "Gostaria de saber o que?", perguntou Kylie. "Eu não sei com certeza, eu estou apenas—" "Eu sei", disse Kylie. "Você só está especulando, adivinhando, mas desde que eu estou me sentindo muito sem noção, eu gostaria de ouvi-la." "Eu ia te dizer." A expressão de Holiday Kylie disse a que precisava ser paciente. Ela cansou de ser paciente. E sim, ela sabia que na quinta-feira, seu avô Malcolm Summers estava vindo, e esperava que ele fosse fazer sentido de tudo isso para ela. Mas isso significava mais um par de dias de não saber.


"Então me diga. Por favor." Kylie suavizou o tom, porque estar impaciente pode ser compreensível, mas culpar os outros por isso não era. Holiday inalou. "Talvez ele se referisse a você como um camaleão, porque o seu padrão não amadureceu para o que realmente deveria ser. Ele ainda está mudando, como um camaleão muda de cor”. "Mas ele disse que eu era um camaleão que ele estava me dizendo que eu era um vampiro ou bruxa. É possível que haja outro tipo de raça sobrenatural que ninguém conhece?” Holiday fez uma pausa. "Meu instinto diz que não. A história de seres sobrenaturais é documentada em livros tão antigos quanto a Bíblia. Mas... Eu admito que estou perplexa. Parece que tudo o que está causando isso é provavelmente hereditário por causa de seu verdadeiro avô e a capacidade de sua tia-avó de mudar seus padrões ao ser humano. Mas, mesmo que seja completamente fora da carta sobrenatural. Eu ainda estou pensando que Wiccan estava relacionado, mas...” "Ou..." Kylie considerou as palavras de Holiday. "Talvez isso seja o que isso significa, a coisa toda de camaleão. Eu estava falando sobre isso com Derek antes. Talvez camaleões possam mudar nossa espécie. Como um camaleão pode mudar suas cores." Holiday fez uma pausa como se estivesse pensando. "Mas o DNA não funciona dessa maneira. Você não pode ter mais de uma sequência de DNA. Não é possível, porque sobrenaturais só tem o DNA do progenitor dominante." Kylie mordeu o lábio. "Então, talvez não seja a espécie que realmente muda, mas apenas o padrão. E de uma maneira que faz sentido porque um camaleão não se transforma em uma rocha, ele apenas muda suas cores para que ele se pareça com uma rocha.” Franziu a testa Holiday. "Mas..." Ela balançou a cabeça. "Mas o quê?" Kylie queria saber tudo que Holiday considerou. "Isso só não parece certo. Se essa capacidade de esconder o seu padrão realmente existe, por que nenhum outro ser sobrenatural ouviu falar sobre isso?” "Talvez a gente já ouviu falar sobre isso", disse Kylie. "Talvez seja exatamente por isso que eles testaram minha avó. Você mencionou uma vez que tinha ouvido falar sobre esses testes. Alguém disse para que os testes eram?” "Não especificamente", disse Holiday. "Algo sobre a compreensão da genética em alguns seres sobrenaturais. Mas que deu errado.” "Isso é um eufemismo," Kylie murmurou. "Eles mataram pessoas." Mataram minha avó. Kylie não conseguia entender como alguém poderia fazer isso— tirar uma vida. Por essa questão, como poderia Mario matar seu próprio neto?


Ou matar Ellie, que nunca fez nada para prejudicá-lo? Ou qualquer outra pessoa para essa questão? "Eu sei." Holiday suspirou como se sentisse a dor de Kylie. "É por isso que eu me recuso a deixá-los testar você. Eu não acho que a FRU é mau, Kylie. Eu só não confio neles para não correr muitos riscos com você para encontrar respostas. O que está acontecendo, nós vamos descobrir mais cedo ou mais tarde.” Kylie com certeza esperava que sim. Porque agora, isso não fazia um pingo de sentido para ela. Ela olhou de volta para Holiday. "É por isso que não pode confiar em Burnett? Porque ele é parte da FRU?” Holiday parecia perplexa. "Eu confio em Burnett." Kylie arqueou uma sobrancelha em descrença. "Eu confio nele com o Shadow Falls," Holiday confessou. Só não com o coração. E quão triste era isso? Kylie pensava. "Eu não iria querer ele trabalhando aqui, se eu achasse que havia uma chance de ele traí-la ou qualquer um dos meus alunos." "Eu sei", disse Kylie. "E eu confio nele, também. Quer dizer, a coisa toda FRU com a minha avó me assusta, mas eu confio em Burnett." Holiday encontrou os olhos de Kylie novamente. "Eu sei que a espera por respostas é difícil para você. Mas mantenha a esperança de que seu avô virá na quinta-feira e—" "O que quer dizer com 'manter a esperança'? Ele disse a Burnett que ele estava vindo, certo?" Vendo o flash de decepção nos olhos de Holiday, o coração de Kylie afundou. "O que aconteceu?" "Burnett tentou entrar em contato com ele novamente e... o telefone de seu avô foi desconectado. Mas isso poderia não significar nada.” "Ou isso poderia significar que ele decidiu não se comunicar comigo." Um nó cresceu na garganta de Kylie. "Não trabalhe sobre isso até que saibamos." Kylie puxou os joelhos para cima e deixou cair a cabeça sobre eles, tentando não chorar. Era a sua esperança de descobrir a verdade agora se esvaindo? Holiday descansou a mão no ombro de Kylie. A calma doce que veio com o toque, e ao mesmo tempo aliviou o pânico de Kylie, não mudou nada. Sentaram-se lá por alguns minutos, não falando, Kylie tentando não chorar e Holiday fazendo o que ela fazia de melhor—oferecer conforto emocional. A brisa suave sussurrou após e de alguma forma a mente de Kylie passou de um problema para outro. "Derek me disse que ele falou com você sobre as coisas...".


Holiday afastou uma mecha de cabelo do rosto de Kylie. "Sinto muito. Imagino que veio completamente fora de hora." Kylie assentiu. "O que é que eu vou fazer com essa informação?" "Eu não acho que você tem que fazer nada." Kylie exalou. "Faz-me sentir louca e triste, e eu comecei a questionar as coisas. E Lucas tem inveja dele e eu não o culpo por estar com ciúmes porque eu me sinto da mesma maneira sobre Fredericka. Mas...” "Mas você se preocupa com Derek," Holiday terminou por ela. "Eu faço. Eu apenas não estou certa se o que eu sinto por ele é o que eu sinto por Lucas. Será que isso faz sentido?” "Sentido perfeito," Holiday assegurou. "Você vai descobrir isso." "Será que eu vou?" Angústia subiu dentro de Kylie novamente. "Tudo na minha vida é um grande ponto de interrogação. Estou cansada de não ter certeza de nada. E então o fantasma..." Kylie deixou as palavras desaparecerem. "Você tem um problema com um fantasma?", Perguntou Holiday. "É a sua avó? Você já perguntou a ela sobre o que seu pai disse?” "Não, não é ela." Quanto Kylie deveria dizer a Holiday? "No começo, o espírito apareceu parecendo um zumbi, nem sequer tinha um rosto. Eu insisti que corrigisse isso. Mas... então a cara que ela conseguiu foi... alguém que não estava morto.” Holiday morder o lábio. "Tem certeza que ela não está morta?" "Eu tenho certeza." Extrema certeza. "Bem," Holiday continuou, "poderia ser uma dessas duas coisas. A resposta mais provável é que você tem um fantasma com uma crise de identidade.” "Sério? Fantasmas podem ter uma crise de identidade?”, perguntou Kylie. "Temo que sim. Eles podem até não saber como eles eram. Ou eles podem não ter gostado da sua aparência, então eles colocaram o rosto de alguém em seus corpos fantasmas. Na maioria das vezes, eles usam o rosto do Ghost Whisperer*. E, vendo o seu rosto em um fantasma..." Holiday estremeceu. "Não é bom." "Eu posso imaginar", Kylie disse, mas ela não queria imaginar. Ela já tinha muito em seu prato. "Qual é a outra coisa que poderia ser?"

*Quem vê o fantasma, deixei assim pois a tradução não ficou muito legal.


"É raro", disse Holiday. "Mas você já viu Um Conto de Natal?" "Sim". Kylie lembrou o enredo. "A coisa Scrooge, certo?" "E o fantasma do futuro", disse Holiday. A respiração de Kylie engatou. "Esta pessoa pode estar prestes a morrer?" Claro, o pensamento tinha atravessado sua mente, como tinha na de Derek, mas não antes de Holiday responder que sim se sentiu real. Não, Kylie se recusou a aceitá-lo. Ela já tinha visto muitas mortes. "Isso é uma das coisas que eu posso mudar", perguntou Kylie, o pânico se construindo em seu peito. "Provavelmente não." Holiday franziu a testa. "É alguém que você conhece bem?" Kylie não respondeu. Ela não podia. Ela só ficava lembrando-se que Holiday tinha dito que era raro. "É alguém de Shadow Falls?" A voz de Miranda surgiu atrás delas. Kylie se virou para ver Miranda em pé na porta atrás delas. "Desculpe", disse Miranda. "Eu não quis escutar... mas é alguém daqui?" "Não", Kylie mentiu. "Ah, bom". Miranda fez um golpe dramático em sua testa. "Seu telefone está cantando." Ela estendeu o telefone. "É a sua mãe. Esta é a terceira vez que ela chama nos últimos cinco minutos.” "Você deveria chamá-la", disse Holiday. Em seguida, o telefone da líder do acampamento tocou. Ela olhou para o número. "É Burnett." Holiday e Kylie levantaram ao mesmo tempo. Kylie pegou o telefone de Miranda como Holiday respondeu o dela. "Olá". Holiday fez uma pausa. A ruga de preocupação entre os olhos dela apareceu. "Sobre o quê?" Seu tom tinha Kylie hesitando em fazer a sua própria chamada. "Vamos falar antes de ir. Eu estou indo." Holiday desligou. "O que há de errado?", Perguntou Kylie. "Eu—eu vou falar com você quando eu souber alguma coisa." Holiday decolou, mas a resposta dela tinha Kylie suspeitando que a chamada tivesse algo a ver com ela. "Isso não soa bem", disse Miranda. Simplesmente ótimo, Kylie pensava. Quanto mais ela poderia ter?


Capítulo Cinco "Você está bem?" A voz de Holiday agitou Kylie acordada cerca de uma hora mais tarde. Depois de tentar chamar sua mãe inúmeras vezes e deixar várias mensagens, sua mente e seu coração cansaram e ela foi para a cama e tirou uma soneca. Ela olhou para Holiday situada na extremidade de sua cama. Sentando-se, Kylie bocejou e escovou o cabelo de seus olhos. "Eu já estive melhor." "A vida pode ser tão difícil às vezes." "Diga-me sobre isso." Kylie se lembrou do telefonema de Burnett. "Está tudo bem? O que aconteceu?" Holiday olhou para ela com uma expressão vazia. "Quem é Burnett?" O frio na sala enviou calafrios nas costas de Kylie. Ela piscou e focou novamente sobre as características da mulher. Não havia nenhuma dúvida sobre isso. Ela era Holiday. Raiva, medo e frustração invadiram o peito de Kylie. "Ok, deixe-me esclarecer uma coisa. Quando eu lhe disse para corrigir o seu rosto, eu queria dizer para você começar o seu próprio rosto, não pedir um de outra pessoa.” O espírito pressionou as palmas das mãos contra o rosto, e seus olhos se arregalaram. "Esta não é minha cara?" "Não, não é! É o rosto de alguém com que eu me importo muito, e, nada pessoal, mas eu não gosto de ver você usá-lo.” "Eu estou tão confuso." "Você tem uma crise de identidade?", Kylie ofereceu, querendo mais do que qualquer coisa acreditar nisso. "Uma crise de identidade", o espírito repetiu. "Sim, e você precisa descobrir quem você é e para o que é que você precisa de mim, porque eu não posso te ajudar se você não faz." "É principalmente um borrão." Ela apertou os lábios da mesma maneira que Holiday fazia quando ela estava pensando realmente duro, e nada se a semelhança não era estranha. Mesmo a cor verde dos olhos dela combinou perfeitamente. "Talvez você esteja certa", disse o espírito. "Lembro-me sempre sentir como se eu vivesse na sombra de alguém".


"Isso é bom", disse Kylie, o alívio lhe permitia respirar mais fundo. "Bom que eu morava na sombra de outra pessoa?" O fantasma fez uma careta. "Eu não vejo isso como uma coisa boa." "Não, eu... Eu quero dizer que é bom que você possa lembrar coisas." E logo em seguida, Kylie se lembrou de algo, também. Uma maneira rápida e fácil de assegurar-se de que esse espírito não era Holiday Brandon. Kylie apertou os olhos e se concentrou na testa do fantasma. O padrão lunático, como o rosto, o de Holiday correspondia a um T. Kylie se encheu de preocupação. "Você é um fae?" O espírito apoiou um joelho dobrado para cima através de sua perna, colocou o cotovelo no joelho e, em seguida, caiu-lhe o queixo na palma da sua mão. O gesto era tão Holiday que o coração de Kylie pulou uma batida. "Sim, isso é o que eu sou." Ela apertou as sobrancelhas e olhou para Kylie. "Oh, meu, o que é você?" Kylie hesitou. "Eu sou um... camaleão.” O espírito fez uma careta. "Você é um lagarto?" Kylie franziu a testa, mas sua preocupação não era sobre si mesma. "Você se lembra do seu nome?" Kylie prendeu a respiração. O espírito encontrou os olhos de Kylie e sua testa apertou em perplexidade. Então ela se levantou e caminhou até a janela de Kylie. Olhando para fora em silêncio, ela finalmente se virou. "Alguém está olhando para você." "Você se lembra do seu nome?" Kylie repetiu a pergunta. Puxando seu cabelo vermelho por cima do ombro, o espírito girou em uma corda. Exatamente da mesma maneira que Kylie tinha visto Holiday fazer apenas um pouco atrás. O fantasma olhou para trás. "Eles querem que você vá até eles." O peito de Kylie apertou um pouco. "Vamos falar sobre você agora", disse Kylie, tomando uma decisão mental para se concentrar em um problema de cada vez. "Mas você é muito mais interessante. Há todo esse mistério ao seu redor. Um monte de perguntas a serem respondidas. Eu posso sentir suas emoções, você sabe. Isso é o que os faes fazem. Nós sentimos o que as outras pessoas sentem.” "Eu sei", disse Kylie, frustrada e com medo sobre a verdadeira identidade do espírito, mas ela lutou contra a angústia de volta para que ela pudesse aprender mais. Porque se ela era Holiday, então talvez Kylie poderia fazer alguma coisa, mudar alguma coisa para evitar... "Eu costumava ser capaz de tocar as pessoas e fazê-los se sentir melhor, mas isso foi embora."


"Por que foi embora?", Perguntou Kylie. Ela franziu a testa. "Eu não estou completamente certa. Acho que fiz algo ruim." Os brilhantes olhos verdes do fantasma se encheram de lágrimas. "Eu feri as pessoas." Kylie sentiu a dor do espírito, seu remorso, mas ela não podia negar sentir um pouco de alívio da confissão. Holiday não faria nada de errado. Ela era de muito bom coração. Importava-se muito. "Talvez você não quisesse machucá-los", disse Kylie, querendo ajudar. Ela colocou os braços em torno de si como proteção contra o frio que acompanhava um ser espiritual. "Eu não sei. Eu acho que eu estava com raiva." O espírito olhou para a parede como se perdido em seus pensamentos e em seguida, ela estendeu a mão e tocou-lhe na garganta. Kylie notou os hematomas dolorosos, olhando ao redor do pescoço do fantasma. "O que aconteceu com você?", Perguntou Kylie, formando um nó na garganta ao pensar que foi sufocado até a morte. A mulher olhou para Kylie, com os olhos ainda molhados de emoção. "Eu estou morta." Kylie assentiu. "Eu sei." Ela esperou um segundo. "O que aconteceu?" O espírito sacudiu a cabeça. "É como pedaços de um pesadelo. Mas eu acho que tem algo a ver com por que estou aqui. Quer dizer, eu deveria ter saído até agora... Nós, seres sobrenaturais... não ficamos por aqui." Ela olhou para baixo e sua imagem começou a desaparecer. "Eu preciso ir para descobrir isso. Eu acho que é importante.” "Eu vou te ajudar da forma que puder", Kylie disse, lembrando-se de Holiday dizendo a mesma coisa sobre muito poucos não humanos por aí depois que eles morreram. "Se você puder me dizer o seu nome, eu poderia ser capaz de encontrar algo no computador que vai nos ajudar." O espírito mudou-se para a janela e tocou o painel de vidro. Uma camada de gelo apareceu na janela, a geada obscurecendo a vista do lado de fora. "É melhor você começar a descobrir seus próprios problemas, também." "Estou tentando", disse Kylie, mais uma vez vendo a personalidade de Holiday no espírito e não gostando. "Qual é o seu nome?" Kylie insistiu. A figura do espírito desapareceu no mesmo ritmo que o gelo na janela. Então, ela falou. "Eu acho que é Hannah ou Holly. Algo parecido com isso.” "Não", disse Kylie, sua voz pouco mais que um sussurro. Ela, então, pegou um clipe e colocou o cabelo para cima, determinada a ir ver Holiday, nem sabendo o que ela faria ou não diria a líder do acampamento. Kylie só precisava ver Holiday viva. Kylie saiu de seu quarto e encontrou a sala principal na cabine vazia. Ela foi para a porta e parou. Quem deveria ser sua sombra? Não que Kylie realmente se importasse. Ela estava indo para o escritório, mas ela já tinha ficado em


apuros uma vez com Burnett sobre o negócio da sombra, e ela não queria fazer duas vezes. "Della", ela gritou. Nenhuma resposta voltou. Havia algo de errado? "Hey". Miranda saiu de seu quarto, um segundo depois. "Della teve uma reunião com Burnett. Estou no dever de sombreamento." Ela disse com orgulho. Kylie assentiu. "Bom. Vamos para o escritório.” "Por quê?" "Porque eu quero falar com Holiday." "Sobre o quê?" "Sobre algo." "Tenho um 'tude**, não é?" Miranda fez uma cara como se tivesse apenas teve que engolir algo realmente nojento. Kylie começou a voltar inteligente, mas se conteve. Era compreensível que ela estava de mau humor, mas não lhe deu o direito de descontar em seus amigos. "Sinto muito. Eu sei que tenho sido malhumorado hoje. Mas eu só tenho um monte de porcaria no meu prato.”

**Não consegui uma tradução. :(

"Eu sei", Miranda disse em tom de desculpa. "O funeral deixou a todos nós de mau humor. Mas, então, com toda a sua crise lagarto, eu quero dizer, eu estaria com um humor extremamente ruim se alguém me dissesse que eu era um réptil. É por isso que eu não levantei meu mindinho em você uma vez.” "E eu aprecio isso", disse Kylie, e então percebeu o que Miranda havia dito. "Sobre o que Burnett queria falar com Della?" "Me bater". "Ela estava chateada?" Kylie não poderia deixar de se preocupar que ela tinha algo a ver com Holiday estar tão chateada quando ela falou com Burnett antes. E Kylie não tinha esquecido que na época ela tinha tido a impressão de que era sobre ela. "Não é verdade. Entre você e eu, acho que Della tem um fraquinho por Burnett. Ela só brilha quando Burnett pede para ela fazer alguma coisa”. "Não, ela não o faz. Ela sabe que ele está totalmente na de Holiday.” "Então por que ela não vai até Steve? Ela está com ciúmes de nós termos namorados, mas não vai atrás de Steve. E ultimamente notei a você fazendo a mesma coisa. Esse olhar metamorfo nela o tempo todo. Ele é quente para ela."


Kylie fez um gesto para a porta. "Ela não vai para Steve, porque ela ainda está apaixonada por Lee". "Sim, eu acho que pode ser isso também." Elas saíram e começaram a descer o caminho em direção ao escritório. "Você sabe, eu poderia colocar um feitiço nele." "Em Steve?", perguntou Kylie. "Não, Lee. Eu poderia facilmente dar-lhe verrugas. E eu poderia colocá-las em algum lugar que realmente assustaria o mijo fora dele. Se você sabe o que quero dizer." Kylie balançou a cabeça. "Eu não acho que Della queira que você faça isso." "Ela poderia ser pega de bom humor." "Eu não teria sequer chance de perguntar, porque se ela não está de bom humor, isso poderia realmente marca-la." "Sim, eu acho." Elas continuaram pela trilha. "Eu realmente falo sobre Perry o tempo todo?" Kylie olhou para Miranda. "Sim, mas não é tão ruim quanto Della faz parecer. Aposto que eu falo sobre Lucas o tempo todo." Ela se lembrou que se afastou dele hoje. Ele ia ficar bravo com ela? Será que ele tinha o direito de estar? "Na verdade, você não fala. Mas você costumava falar sobre Derek o tempo todo." Kylie franziu o cenho, não gostando de como isso soou. "Oh, isso me lembra, ele veio para ver você quando você estava dormindo." "Derek veio me ver?" "Não, Lucas." Envergonhada que ela tinha entendido mal, Kylie mordeu o lábio. "Por que ele não me acordou? Por que vocês não me acordaram?” "Ele disse que não para nós. Ele espiou em você e disse apenas para dizer que ele passou por aqui. Na verdade, foi meio doce. Ele estava na porta observando por alguns minutos. Ele meio que parecia triste. Ou sentimental. Como ele estava totalmente apaixonado por você. Della estava acenando com a mão debaixo de seu nariz, como se dissesse que ele estava emitindo todos os tipos de feromônios." Miranda sorriu. O coração de Kylie doía tanto que não podia sorrir de volta. Culpa espiralou através dela, tanto por não falar com ele, tanto por ela ter falado com Derek e se afastado dele antes, quando ele tentou falar com ela. Na hora, ela sentiu justificado, mas retrospectivas sempre davam a ela outro ponto de vista. Ela estava sendo muito dura com Lucas? Provavelmente, ela admitiu. Ela tinha estado ranzinza recentemente. Daí porque Miranda e Della estavam acusando-a de estar sendo. Algo que ela


precisava resolver. Ela fez a sua mente. Depois que ela falasse com Holiday, ela estava indo para encontrar Lucas e pedir desculpas por deixá-lo assim. Ela apressou o passo na trilha. As árvores dos dois lados pareciam crescer mais juntas. E Kylie sentiu-o novamente—o sentimento de alguém chamá-la. Atraindo-a para sair para a floresta. Ela parou e olhou para a linha de árvores. Eles querem que você vá até eles. Ela ouviu as palavras do espírito sussurrarem em sua cabeça. Quem estava lá fora? Seria Mario? De repente, ela não tinha tanta certeza. Isso não se sentia mal. Parecia... Ela não sabia o que parecia, honestamente, só que não era completamente ruim. No entanto, ainda assustou a ponto de que sua respiração encurtasse, e um arrepio percorreu-lhe a espinha e um formigamento na base do pescoço. "O quê?", Perguntou Miranda, uma nota de medo em sua voz. "Sua aura está ficando de todos os tipos de cores estranhas sobre mim." "Nada", Kylie mentiu. Ela virou-se e começou a correr para o escritório. Como seus pés batiam o caminho, pequenas nuvens de poeira flutuavam. Ela piscou o ar empoeirado à distância e foi quando ela viu a lua — meio cheia, mas brilhante. E parecia que ela só apareceu de repente no céu. Nascer da Lua, ela pensou. Sentiam-se novamente os sussurros ecoando em sua mente. Sussurros que ela não conseguia entender, sussurros que tanto atraiam quanto assustavam. "É um fantasma?", perguntou Miranda, seus pés batendo o caminho como seu cabelo multicolorido dançava ao vento. "É isso?" "Não", disse Kylie, capaz de falar sem bufar. "Então você pode ir mais devagar? Porque eu não sou como você e Della. Quer dizer, eu poderia lançar um feitiço e talvez eu pudesse correr mais rápido, mas isso levaria algum tempo. E a última vez que eu tentei, eu me transformei em um antílope.” "Estamos quase lá", disse Kylie, mas, lembrando-se de como ela odiava ter que trabalhar tão duro para manter-se com Della, ela abrandou o seu ritmo. De repente, uma lufada de ar explodiu por elas. O primeiro pensamento de Kylie foi que era vampiro, mas, em seguida, Perry, em sua enorme forma de pássaro pré-histórico, desembarcou na frente delas. Miranda, ainda ofegando, gritou com prazer. Perry teve sua asa direita envolvendo-se em torno da bruxinha, puxando-a em seu peito e dando-lhe um abraço de pássaro caloroso. Então ele murmurou, soando como uma pomba. Tão sentimental como era, e até mesmo em seu mau humor, o peito de Kylie apertou. E o sorriso terno que ela viu na expressão de Miranda selou o negócio. O amor era uma coisa maravilhosa. Kylie queria isso. Tudo isso. Concluiu em devoção. Todos os sentimentos, sentimentos loucos.


Imagens de ambos Derek e Lucas encheu sua cabeça. Oh, inferno, ela poderia estar apaixonada pelos dois? Isso era mesmo possível? Perry liberou Miranda e recuou. Faíscas começaram a cair em torno dele como a neve iridescente. Em segundos, um Perry humano apareceu. Seu cabelo loiro arenoso agarrou-se a sua testa como se tivesse trabalhado até suar. Seus olhos eram azuis. Azul brilhante. Ele usava uma calça jeans preta e uma camiseta que dizia, O QUE VOCÊ QUER QUE EU SEJA? "Eu estava chegando para buscá-la", disse Perry, mudando o olhar de Miranda para Kylie. "Eu?", Perguntou Kylie. "Por quê?" Ele encolheu os ombros. "Eles me disseram. Mandaram-me.” "Quem?", Perguntou Kylie. "Quem lhe disse para me pegar?" "Duh. Burnett e Holiday. Eu não recebo ordens de ninguém. Exceto, talvez, Miranda." Ele sorriu para Miranda. "Tem alguma coisa errada?", perguntou Kylie. Ele olhou para Kylie. "Eu não sei. Mas eu sei que sua mãe apareceu e está apta a ser presa. Dando o inferno Holiday.” "Minha mãe está aqui?", perguntou Kylie, sentindo-se confusa. Perry acenou com a cabeça. "Sinto muito." Kylie decolou em um ritmo aquecido. Preocupação teve seus pés batendo a sujeira e deixando uma nuvem de poeira em seu rastro.

Capítulo Seis Kylie correu diretamente para o escritório de Holiday. A mãe dela estava na frente da mesa de Holiday, fazendo alguma declaração. Holiday sentou-se atrás da mesa, ao ouvir a declaração. Burnett ficou impassível, absorvendo tudo. Kylie mal lhe deu um olhar. Ela se concentrou em sua mãe, que girou e... Kylie estava envolto em um abraço rápido, mas desesperado. Sobre o ombro de sua mãe, o olhar de questionamento Kylie disparou para Holiday, que se levantou. Sua mãe retrocedeu. Kylie continuou a olhar para Holiday. A mais breve memória do espírito puxou o coração de Kylie. Como podem ser tão idênticas e não ser a mesma pessoa? Kylie disse a si mesma para lidar com uma coisa de cada vez. Então ela reorientou para a mãe dela. O olhar em seu rosto assustou a Kylie. Era o mesmo olhar que sua mãe tinha quando sua avó havia morrido.


"O que há de errado?" A mente de Kylie procurou possibilidades e seu fôlego golpeou. "Será que o pai está bem?" Ela ainda podia estar com raiva de seu padrasto, não poderia ter perdoado por sua infidelidade com sua jovem estagiária, mas Kylie o amava. Ela nunca tinha estado mais segura desse fato de que agora. Agora, quando ela imaginou o pior imaginou sua mãe dizendolhe que tinha havido um acidente. Que Kylie nunca iria conseguir outro longo abraço do homem ou ir com ele em uma viagem de pai/filha. "Seu pai está bem. É você que não está." O olhar da mãe dela disparou sobre o ombro de Kylie e depois de volta para Kylie. "Por que você não me disse que estava doente?" "Eu não estou doente." "Você teve algumas dores de cabeça. E esses pesadelos, lembra?" Holiday falou em um certo tom que Kylie não entendeu muito bem. O olhar de sua mãe virou do rosto de Kylie sobre o ombro de novo e por algum motivo isso fez Kylie virar. Sentado no sofá estava um homem que ela não conhecia. "Eu... não entendo", disse Kylie, e olhou para a mãe dela. "Isso estava em meus registros," Holiday disse, mais uma vez em um tom que parecia significar alguma coisa. "Eu coloquei isso nos arquivos e os administradores que talvez sua mãe deva ter contatado. Para ver se talvez você precisasse de testes.” Kylie continuou a olhar para Holiday. "Eles me ligaram e perguntaram se eles tinham a minha permissão para testála. Baby, você está bem?" Testar a mim? Administradores? Oh, inferno, os pontos começaram a se juntar. Não era nenhum administrador. Era a FRU. Eles estavam tentando obter a permissão de sua mãe para testá-la. "Eu estou bem", disse Kylie. "Eu não precisa ser testada." O medo atravessou Kylie. Seu olhar saltou para Burnett. Ele olhou para ela, sem desviar o olhar. Sem culpa. E ela percebeu que ele não tinha qualquer parte nisso. Ela se lembrou do telefonema e suspeitava que isso era o que tinha sido tudo. Seu olhar saltou para o homem no sofá. Ele era da FRU? Era este o bastardo que queria usá-la como um rato de laboratório como eles tinham usado a sua avó? "Quem é você?", ela perguntou antes que ela pudesse parar a si mesma. Então ela apertou os olhos e verificou seu padrão. Ela piscou e fez isso novamente quando ele veio humano. "Este é John" sua mãe disse. "Nós estávamos jantando fora quando eu recebi a mensagem do Sr. Edwards que você estava desmaiando." "John?" Quem diabos era John? Kylie olhou para sua mãe. E maldição se a mãe dela não parecia culpada.


"Ele é o cliente com que almocei o outro dia, lembra? Eu disse a você sobre ele." Kylie se lembrou. Ele era o cara que ia estragar todas as chances de sua mãe e seu padrasto voltarem a ficar juntos. "Como eu já expliquei," Holiday continuou, "Kylie não exatamente desmaiou. Eu acho que eu poderia ter apenas feito soar um pouco pior do que eu pretendia nos meus relatórios. E quando alguém os leu, interpretou as coisas erradas”. Emoção vibrou ao redor como pássaros presos no peito de Kylie. Holiday olhou para ela e Kylie teve a sensação de que a líder do acampamento estava tentando comunicar algo para ela. Mas caramba, Kylie não conseguia ler mentes. Ela não podia nem ler emoções. "Kylie não tinha pesadelos em casa?", perguntou Holiday. Kylie de repente pensou que ela entendeu o que queria Holiday. "Sim. Eram apenas os pesadelos noturnos, mãe. Eu não desmaiei. Você se lembra de como fora disso eu fico quando eu tenho um desses. Eu não estou doente. Eu não preciso de testes. Além disso, você já tinha me testado, lembra-se?” "Mas eu não acho que você estava tendo mais deles." "Eu só tive um par. E eu estou bem. Olhe para mim, eu estou bem." Ela estendeu os braços, mentalmente procurando uma maneira de provar isso. "Eu posso tocar meus dedos dos pés, eu posso tocar a minha língua no meu nariz." Isso foi uma pequena rima que ela e sua mãe diziam quando alguém perguntava se elas estavam bem. "Mas porque é que o Sr. Edwards deseja executar testes em você?" Holiday se inclinou para frente em sua cadeira. "Oh, não dê ouvidos a ele. Ele é apenas cauteloso." Ela sorriu, fazendo o seu melhor para soar convincente. "Mas se você gostaria de agendar Kylie para alguns testes com seu próprio médico para a sua paz de espírito, eu entendo completamente. Quer dizer, nada contra os médicos aqui, mas eu espero que você tenha um bom relacionamento com o seu próprio médico.” "Você acha que eu deveria?" Sua mãe perguntou Holiday com seu olhar maternal preocupado. "Na verdade, não, eu não acho. Acho muito bem de Kylie. Com apenas duas ocorrências dos pesadelos, eu acho que ela está indo muito bem.” "Estou indo muito bem," Kylie persistiu. "Eu estou bem. Eu prometo. Por favor, mamãe. Eu não quero passar por esses testes novamente." Sua mãe passou a palma da mão sobre o rosto de Kylie. "Você sabe como eu estava com medo? Oh, Lordie." Sua mãe olhou para Holiday. "Você deve considerar ter uma conversa séria com o Sr. Edwards. Eu juro, a forma como sua mensagem soou, você pensaria que Kylie estava em sérios apuros.”


"Eu sinto muito que a assustei." Kylie olhou para John sobre o ombro de sua mãe. O homem levantou-se, mudou-se para frente e pousou a mão sobre o ombro de sua mãe. Kylie teve o desejo mais estranho de dar um tapa na mão dele e dizer que ele não tinha o direito de tocar sua mãe. "Olá, Kylie", disse John. Kylie tomou seu sorriso suave, olhos castanhos, e cabelo cor de chocolate combinando que foi desenhado à perfeição. Ela assim desejava poder encontrar algo feio sobre ele, mas não tinha. Ele não era feio. Ele não era completamente um cara velho-quente como Burnett, talvez porque ele era um pouco mais velho, mas ele não tinha toda essa coisa de aparência distinta ao olhar. "Eu desejava que o nosso primeiro encontro pudesse ter sido em circunstâncias diferentes", continuou ele, "mas eu tenho a esperança de te conhecer. Sua mãe me contou muito sobre você.” Engraçado, Kylie pensou, sua mãe não lhe tinha dito tanto sobre ele. Bem, ela lhe contou sobre o almoço e que ele disse que poderia chamá-la novamente, mas ela se esqueceu de dizer que ele tinha chamado. Provavelmente porque ela sabia que Kylie tinha sentimentos mistos sobre seu namoro. Ahh, mas agora, eles não estavam tão misturados. Kylie não gostava dele. No entanto, porque ela não tem um motivo—exceto sua intuição e talvez ela querer sua mãe e padrasto de volta juntos—ela ia ter que engoli-lo. Seja agradável. O que foi que Miranda havia dito? "Finja até que você faça isso." Ela poderia aprender a gostar desse cara? "É um prazer conhecê-lo." Kylie estampou uma expressão quente em seu rosto. Mas ela temia que ele pudesse dizer que era uma farsa. "O prazer é todo meu", disse ele. Kylie completamente certo sobre isso.

apenas sorriu. Ele

estava

*** Pela próxima meia hora, Kylie se sentou na sala de reunião no escritório e visitou com sua mãe e o bajulador John e fingiu que tudo em sua vida era apenas pêssego. Peachy e Smarmy. Frases que Nana, que tinha falecido cerca de três meses atrás, teria usado. Estranho como Kylie parecia estar canalizando-a agora. Ela adoraria se Nana aparecesse para uma visita. Você está aí, Nana? Kylie pediu em sua cabeça enquanto John a sacudiu sobre os anos que ele viveu na Inglaterra. Nana não respondeu. Mas Kylie tinha a estranha sensação de que ela estava perto. "Eu sempre quis ver a Inglaterra", sua mãe disse, segurando em cada palavra que o homem disse.


"Nós podemos consertar isso", John acrescentou com entusiasmo. "Eu tenho uma viagem programada no próximo mês. Por que não leva algum tempo fora e vem comigo?” "Sério?" Sua mãe disse. E maldição se Kylie não estava pensando a mesma coisa. Sério? O homem queria que sua mãe fosse para a Inglaterra com ele. Ela nem sequer o conhece. E ele iria esperar que sua mãe compartilhasse um quarto de hotel com ele, também? De jeito nenhum! "O horário de trabalho da mamãe é muito exigente. Ela não vai ser capaz de fazer isso”, Kylie declinou para a mãe dela, antes que ela percebesse que ela não deve ter uma palavra a dizer sobre o assunto. A boca de sua mãe caiu aberta em declaração de Kylie e ela disparou Kylie uma isso-foi-grosseiro carranca. "Bem, meu trabalho é exigente, mas eu poderia ser capaz de conseguir uns dias de folga." Ela cortou os olhos para Kylie, advertindo-lhe para não falar. "Ótimo," John disse, como se ele tivesse perdido a tensão silenciosa. "Ótimo," Kylie repetiu, seu sorriso tão duro que ela não achava que seus lábios se moviam. "Falando de horários." Sua mãe olhou para o relógio. "Deveríamos estar indo para casa. É quase uma viagem de duas horas. E eu tenho que trabalhar amanhã." Sua mãe deu um abraço nela. E para o abraço de mãe-prejudicada, foi muito bom. Quando Kylie se afastou, ela articulou a palavra desculpa. E ela estava arrependida. Ela não queria ferir os sentimentos de sua mãe, mesmo que ela não gostasse desse cara. O olhar que sua mãe lhe enviou foi um de entendimento puro. Que só fez Kylie sentir um pouco pior. Inclinandose novamente, a mãe dela sussurrou: "Te amo". "Eu também te amo." Kylie voltou para outro abraço, e desta vez ela segurou um pouco mais apertado e por um segundo a mais. Quando ela caminhou para fora e passou pelo gabinete de Burnett, ela viu seus seis-pés-a-mais de estrutura sentado em sua mesa. Ele fingiu fazer a papelada, mas, sem dúvida, seus ouvidos com super audição tinham estado sintonizados o tempo todo. E isso era bom, ela não tinha nada a esconder, mas assim como mamãe e o assustador cara saíram, era melhor que Burnett tivesse ouvido. Ele tinha um monte de explicações a dar. Ela sabia que o FRU queria testa-la, mas ela não tinha acreditado que iria tão longe como entrar em contato com sua mãe. E se eles iriam tão longe, o que viria a seguir? Será que a recusa de sua mãe para ter Kylie testada seria o fim de tudo? Por alguma razão, Kylie não acreditava que sim. *** Quando Kylie voltou alguns minutos depois, Holiday e Burnett estavam esperando na varanda da cabine.


"O que vai acontecer agora?", Perguntou Kylie. Burnett franziu a testa e levou-os para o escritório de Holiday. "Eu não sei. Estou chocado que eles fizeram isso. Eles me chamaram para entrar e falar sobre a mudança de sua mente. Eu disse a eles que já tinha recusado. Alguém disse que você não era maior de idade e sugeriu que passasse por sua mãe. Eu indiquei que sua mãe não era sobrenatural e como isso podia levar a muitas perguntas. Eu pensei que eu os convenci que não era o caminho a tomar. Mas quando eu voltei aqui, Holiday estava no telefone com sua mãe. Eles devem têla chamado na hora que eu saí do escritório.” Holiday sentou-se no sofá. Kylie se juntou a ela. Quando Holiday chegou para os cabelos e torceu-o em uma trança, Kylie se lembrou da razão pela qual ela tinha vindo para o escritório em primeiro lugar. Seu olhar foi para o pescoço de Holiday e ela se lembrou das contusões raivosas do espírito. Medo por sua amiga tomou uma volta seu coração. "Sorte para nós, sua mãe ignorou chamar de volta a FRU e veio direto para nós", disse Holiday. Ela encontrou os olhos de Kylie. "Vai ficar tudo bem", disse ela, obviamente lendo a preocupação de Kylie. "Eu espero que sim." Kylie caiu de volta contra o sofá. "Você ainda está chateada com o que aconteceu antes", disse Holiday. "O que aconteceu antes?" Burnett deu um passo mais perto. "Eu não tive a chance de te dizer..." Holiday explicou sobre o pai de Kylie dizendo que ela era um camaleão. Kylie esperou por descrença aparecer no rosto do vampiro, ou outra resposta a você é um lagarto que todos os outros lhe deram. Quando Burnett não oferecer nenhuma, a suspeita resolveu dentro. "O que você sabe?" Ela exigiu. Suas sobrancelhas comprimiram. "A palavra camaleão foi mencionada nos documentos que eu encontrei sobre o teste responsável pela morte de sua avó." "O que dizia? Será que ele explica como eu posso ter um padrão humano e ainda ser sobrenatural?”, perguntou Kylie, irritada que ele manteve qualquer coisa dela. Kylie viu a carranca de Holiday também. O olhar de Burnett passou de Kylie para Holiday e preocupação puxou sua carranca. "Eles não explicaram nada. Um dos médicos usou a palavra camaleão em suas notas. Não fazia sentido, como uma questão de fato, eu me perguntava se era um erro de digitação. Eu não tinha os documentos originais. Apenas as notas que um médico fez ao se referir aos outros documentos.” "Mas pelo menos isso prova algo", disse Kylie. "Prova o quê?", Perguntou Burnett. Kylie olhou de Burnett para Holiday.


"Isso é que é ser um camaleão. Ter um padrão que diz que você é uma coisa quando você não é. Quero dizer, sei que não sou toda humana." Ela apontou para a testa. "E, no entanto o meu padrão diz que eu sou. Claro, não me diz nada sobre o que eu realmente sou.” "Eu não acho que nós já provamos alguma coisa", disse Burnett. "Sim, eu acho que de alguma forma essas duas coisas significam a mesma coisa. Eu só não acho que nós provamos o que significam, ainda." Expressão de Holiday disse que concordou com ele. "Estive pensando", disse Holiday. "Talvez os seus problemas... de padrão estejam de alguma forma ligados a você ser um protetor. Eu não acho que já existiu uma protetora parte humana que podemos comparar a você.” "Eu não tinha pensado nisso", disse Burnett. "Poderia ser isso." "Mas o que acontece com a coisa toda camaleão?", perguntou Kylie. "Eu não sei", disse Holiday. "Eu só estou dizendo que poderia explicar os seus problemas de padrão." A mente de Kylie corria em volta tudo o que foi dito. Quanto mais pensava sobre isso, menos algo disso fazia sentido. "Eu quero ler os arquivos." "Estou certo de que agora os poucos arquivos que eu era capaz de ter acesso já foram escondidos". "Eles mataram minha avó e fugiram com isso, e agora eles estão tentando fazer a mesma coisa para mim." "As pessoas que fizeram isso ou foram soltas ou se aposentaram." Sua carranca se aprofundou. "Eu sei que é o que parece e eu concordo que você deve recusar o teste, mas eu não acredito que eles intencionalmente colocariam em risco a sua vida." "Nós não sabemos isso." A firmeza no tom de Holiday lembrou Kylie da voz de sua mãe no modo maternal. "É exatamente por isso que eu fiz o que tinha que fazer", disse ele. "Por que eu estou basicamente indo contra o meu juramento ao FRU. Eu estou do seu lado. O que mais eu posso fazer para provar isso?” "Por favor", disse Kylie. "Eu não quero que vocês dois discutam por causa de mim." "Você não tem que provar nada." Holiday corou com culpa. "Sinto muito. Eu fico tão furiosa em nome de Kylie”. "Eu sei. Eu sinto isso também." Burnett olhou para Kylie. "E nós não estávamos discutindo." Ele se virou e focou em Holiday por um segundo. "Desta vez nós realmente estávamos discutindo. Certo?”


"Certo." O menor dos sorrisos apareceu nos lábios de Holiday, quando ela encontrou seu olhar. Kylie sorriu, também, como emoção encheu o peito. Ela era tão sortuda de ter essas pessoas ao seu lado. Mas seu sorriso só demorou um segundo. "Qual será o próximo passo?" Burnett exalou. "Provavelmente, eles ainda podem tentar mudar sua mente. Convencê-la que é para um bem maior. Isso é o que eu pensei que o plano era quando eu saí.” "E isso é quando eu lhes digo que eu sei sobre a minha avó? Ameaçar expô-los se eles não recuarem?”, perguntou Kylie. Burnett tinha tomado para si a tarefa de mover o corpo da avó de Kylie apenas no caso de alguém na FRU decidir esconder a evidência do que havia acontecido. Em suas próprias palavras, isso daria a Kylie alguma influência para usar contra o FRU se eles tentassem forçá-la a fazer algo que ela não queria fazer. "Gostaria apenas de dizer que não, e, em seguida, se eles pressionarem, levantar os restos mortais de sua avó." Sua expressão apertou e preocupação brilhou em seus olhos. A mesma emoção refletida no olhar de Holiday. "O que vai acontecer se eles descobrirem que estavam por trás do movimento de seu corpo?", perguntou Kylie. "Eles não vão descobrir. Eu cobri meus rastros”, disse ele com firmeza. Talvez demasiado inflexível, como se dizem com convicção faria isso. "Eles vão suspeitar de você, porque você trabalha aqui. Porque você está perto de mim”, disse Kylie. "Eles podem, mas eles vão ter que provar isso. E eu não deixei nenhuma prova para eles descobrirem." Kylie esperava que fosse o caso. Ela olhou para Holiday de novo e lembrou-se do fantasma. Holiday esticou o braço e colocou a mão sobre Kylie. "Algo errado?" "Não. Só isso.” "Você tem certeza?" "Eu preciso de mais?" O olhar de Kylie deslocou para a janela. Ela podia ver o céu do crepúsculo ficando preto, mas ela ainda podia ver os topos das árvores balançando muito lentamente. Seu olhar disparou de volta para Holiday e de repente ela sentiu a necessidade de confessar. "Eu me sinto como se eu estivesse sendo chamada por alguma coisa." Ela apontou para a janela. "Algo está lá fora me chamando. Mas eu não tenho certeza do que.” Holiday parecia confuso. "Como ser chamado para as quedas?" "Sim", disse Kylie. Só parecia muito maior do que isso. "Então vamos fazer um plano para ir." Holiday inclinou para frente. "Você acha que amanhã é cedo o suficiente?" Kylie começou a esclarecer que ela não tinha certeza que era as cachoeiras a chamá-la, mas ela não sabia como explicar. Então, ela apenas balançou a cabeça.


"Eu vou com você", disse Burnett. "Para dentro das cachoeiras?" Holiday olhou para Burnett. "Se você acha que eu devo, eu vou." "O pensamento de ir até as cachoeiras não é seu?" Ele encolheu os ombros. "Eu estive lá antes." Holiday olhou para Kylie e depois de volta para ele. "Eu sei. E eu acho isso desconcertante. A maioria dos seres sobrenaturais não consegue se forçar a entrar.” Um pequeno sorriso apertado nos cantos dos olhos. "Como eu tenho dito a vocês, eu sou especial." Holiday suspirou. "Mas as cachoeiras—" "Não são um problema." Ele cortou e focou em Kylie. "Por que não a levo de volta para sua cabine? Della está no serviço de sombreamento. Eu lhe disse que iria vê-la de volta." O desvio de assunto de Burnett parecia ser uma manobra deliberada para evitar falar sobre as cachoeiras. O que Burnett estava escondendo? A mesma pergunta parecia iluminar os olhos de Holiday também. "Ela perdeu o jantar", disse Holiday. "Tudo que eu quero é um sanduíche e nós temos isso na cabana." Holiday deu um longo abraço com emoção quente calmante em Kylie. Os efeitos do abraço demoraram até que ela e Burnett começaram a descer a trilha escura e ele perguntou: "Você gostaria de explicar por que você mentiu para Holiday?"

Capítulo Sete "Eu não menti." Assim que essas palavras estavam fora Kylie lembrou que ela realmente mentiu quando Holiday perguntou se havia alguma coisa errada. Maldição, ela deveria ter lembrado que Burnett podia ouvir seu coração acelerado se ela mentisse. Ela continuou andando. Ele olhou com uma sobrancelha arqueada em descrença. "Tente outra vez". Kylie fez uma careta. "É uma questão de fantasma. Eu só estou tentando descobrir sozinha." De jeito nenhum ela poderia dizer a Burnett sobre o fantasma parecendo Holiday. Burnett iria enlouquecer. Então, novamente, talvez ele não o fizesse. Talvez ele não estivesse com tanto medo de fantasmas como ele fingia estar. "O que é que você está escondendo dela sobre as cachoeiras?", ela perguntou. Sua sobrancelha arqueada abaixou. "Eu não estou escondendo nada." "Você pode ir para as cachoeiras quando os outros não podem."


"Confunde-me também", disse ele. "Embora eu não exatamente me sinta confortável ali." "Você não se sente chamado para ir até lá?" Ele hesitou. "Talvez um pouco." Eles caminharam em silêncio para os próximos quatro ou cinco passos. "Por que você não contou Holiday?", perguntou Kylie. Ele cortou-lhe um olhar malicioso. "Talvez eu esteja tentando descobrir por mim mesmo." Ele usou as mesmas palavras que ela tinha usado nele. "Tudo bem." Ela revirou os olhos. Em poucos minutos, ele falou de novo. "Eu pensei que você poderia falar com Holiday sobre as questões de fantasmas." "Eu posso. Mas eu gostaria de lidar com isso por conta própria, se eu puder." Era a verdade, para que ela não se preocupasse com o que ele ouviria sob suas palavras. Ele acenou com a cabeça. Quando se aproximaram da cabine, Kylie lembrou que ela queria conversar com Lucas. "Lucas pode assumir meu sombreamento por um tempo esta noite? Eu preciso falar com ele sobre uma coisa”. Burnett parecia considerá-lo. Por um segundo, parecia que ele poderia recusar. "Ok, mas não vá para a floresta." Sua resposta a tinha se perguntando. "Será que o alarme está funcionando?" "Sim, mas em determinadas condições meteorológicas, alguém pode ser capaz de entrar na floresta sem ser pego." Ela assentiu com a cabeça. "Você já viu alguém?", ele perguntou. "Não." Ele parou. "Você tem certeza?" "Eu tenho certeza", disse ela. "Às vezes eu só... o bosque me assusta um pouco." "Então, ouça seus medos e evite-os." "Esse é o meu plano." Kylie olhou para a linha de árvores e as sombras escuras para além deles. Ela não sentiu nada. Talvez o que ela sentiu no início era apenas sua imaginação hiperativa. Kylie avistou sua cabana entre as árvores. As luzes estavam acesas e um tom dourado derramou para fora das janelas. Ela viu a sombra de Della passar, em frente à janela e se lembrou... "O que você teve na reunião com Della mais cedo?" "Apenas negócios FRU." Ele parecia propositalmente vago. "Tem alguma coisa errada?", ela perguntou. Ele balançou a cabeça. "Não." "Você está tendo a fazer algo para o FRU?"


"É possível. Por quê?" Kylie fez uma careta. "Considerando que a FRU está me causando uma dor de cabeça, eu não estou entusiasmado com você obtendo meus amigos envolvidos com eles." Ele parou, deixou cair a mão nos bolsos de suas calças jeans, e balançou a cabeça como se em frustração. "A FRU é uma organização destinada a ajudar as pessoas sobrenaturais, assim como os policiais ajudam os seres humanos. Houve policiais corruptos e até mesmo grupos de policiais que fizeram coisas ruins, mas não paramos de confiar na força como um todo.” "Eu poderia, se eles mataram minha avó", disse ela honestamente. Sua expressão se apertou. "Eu não concordo com tudo o que a FRU faz, mas sem ela, o mundo seria um caos. As raças estariam todas umas contra as outros, matando e mutilando uns aos outros. A raça humana seria vista como uma fonte de alimento." Kylie tremeu em sua descrição. "Se você não pode confiar na FRU, pelo menos confiar em mim", disse ele. "O bom da FRU supera seu mal." "Eu vou tentar vê-lo assim." Mas ela não prometeu nada. Ela não podia. *** "Você poderia ter chamado ele", disse Della, movendo-se para o caminho escuro em direção a cabine de Lucas cerca de uma hora depois de Kylie ter retornado. Kylie tinha a sensação de que Della estava um pouco irritada que Kylie queria passar a noite com Lucas em vez de sair com ela. Especialmente quando Miranda tinha fugido com Perry. Mas a culpa de Kylie sobre se afastar de Lucas antes fez vê-lo se sentir imperativo. "Eu meio que queria ser a primeira a tomar a iniciativa." Kylie notou a lua, um branco prateado brilhante, um pouco mais de metade, pendurado lá em cima. Era uma noite bonita. A temperatura desceu aos baixos dos anos oitenta, o que torna quase confortável. (?) "Por quê? O que você fez de errado?” "Eu fiquei louca e sai, mais cedo." "Foi por isso que ele estava tão sentimental de olhar, quando ele veio enquanto você estava dormindo?", Ela perguntou. "Eu acho". Kylie deu a linha de árvores um bom longo olhar e não sentiu nada, o que se sentiu muito bem. Então ela olhou para Della. "O que Burnett queria falar com você hoje?" "Nada realmente." Kylie olhou para ela. "Você sabe, quando você for amigo de alguém por um tempo, você não tem que ouvir o seu batimento cardíaco para saber que está


mentindo." Della fez uma careta. "Sim, mas eu pensei que seria mais educado do que dizer para você desligar o bicho*." Kylie fez uma careta. "Você vai fazer alguma coisa para o FRU?" "Como você sabe?"

*Acho que a frase queria dizer para ela se desestressar.

"Eles já tinham Lucas e Derek fazendo coisas. Pareceu-me lógico. Não que eu goste." Ela se lembrou de Burnett dizendo que o FRU não era de todo ruim, e tentou dar-se uma mudança de atitude, mas ela não podia deixar a si mesma confiar neles completamente. "Eu acho que seria bem legal trabalhar para eles", disse Della. "Isso me dá uma razão para chutar algumas bundas de vez em quando." "Você confia neles?", Perguntou Kylie. "Eu confio em Burnett", disse Della, e estudou Kylie. "Você não?" "É claro que eu faço." Ela não tinha dito a Miranda ou a Della sobre Burnett movendo o corpo de sua avó. Parecia que era algo que ela não deveria contar a ninguém. "Eles foram para a minha mãe para falar sobre me testar." "Oh, merda, eu me lembro de Miranda dizendo que sua mãe estava aqui, mas eu esqueci. O que sua mãe disse? Deus, eles lhe disseram que você era sobrenatural? Aposto que totalmente assustou-a”. "Não, eles disseram-lhe que estavam preocupados porque eu tinha dores de cabeça e desmaiei e eles aconselharam me testar. Holiday explicou que eram apenas os pesadelos e aconselhou contra isso”. "Oh, inferno. O que Burnett disse?” "Que não é para mim fazer o teste também." "Bom", disse Della. "Quero dizer, eu não quero que ninguém sonde ao redor da minha cabeça. Não depois de ouvir o que aconteceu com a sua avó." Della parou e olhou para Kylie. "Você não quer que eu trabalhe para eles por causa disso?" Kylie tinha a sensação de que Della realmente desistiria de sua oportunidade de trabalhar para o FRU por causa da opinião de Kylie—mesmo quando ficou claro que Della estava animada com a possibilidade. Seu apreço pela devoção de Della inchou em seu peito. "Não", disse Kylie. "Mas... Eu quero que você seja cuidadosa."


"Serei cuidadosa". Della esfregou as mãos. "Estou feliz que você descobriu. Estive morrendo de vontade de contar a alguém. Vai ser muito legal.” Chegaram à cabine de Lucas. As luzes estavam acesas. Kylie bateu na porta enquanto Della ficou para trás pelos degraus da varanda. Steve, o metamorfo que tinha uma queda por Della, veio até a porta. Com tudo acontecendo, Kylie tinha esquecido que ele dividia o quarto com Lucas. E assim tinha Della, Kylie realizou, quando ouviu a vamp sortear uma respiração rápida. "Hey," disse Steve. "Lucas está aqui?", Perguntou Kylie. Seu olhar se desviou para trás Kylie e sua expressão mudou. Kylie sabia que ele tinha visto Della. "Uh... sim. Quero dizer, não. Ele saiu há poucos minutos com Fredericka”. "Ah". Kylie tentou não deixar transparecer que a notícia a incomodava quando ela se virou para ir embora. Steve gritou para ela: "Ele provavelmente vai estar de volta em breve." Ela virou-se para trás. "Você se importa se esperarmos por um tempo?" "Não." Seus olhos brilharam quando olhou para Della. "Entre se você quiser." Della limpou a garganta em um som que disse que o inferno não. "Podemos apenas sentar-se na varanda?", perguntou Kylie. "É uma boa noite." "Sim." Ele deu um passo para fora. Seu cabelo castanho pendurado na testa. Mesmo no escuro, Kylie podia ver que seus olhos eram castanho escuro, e eles estavam cheios de interesse, eles cortaram para Della. Quando Kylie virou, Della não parecia muito feliz, mas ela caminhou para frente. "Não devemos esperar muito tempo." Ela se sentou nos degraus. "Só um pouquinho." Kylie abaixou-se ao lado de uma Della infeliz. Steve sentou-se ao lado da varanda. Ninguém disse uma palavra. "Eu ouvi que alguns dos novos professores estavam no jantar hoje à noite." Kylie jogou fora a conversa inicial, na esperança de não cair na angústia sobre Lucas passeando pelos bosques com Fredericka. "Sim", disse Steve. "A professora de Inglês, Ava Kane, parece boa. Ela é meiobruxa e meio-metamorfa.” "Por que você não admite que você gosta dela porque ela tem peitos grandes?", Disse Della. Mesmo no escuro, Kylie podia ver o rosto de Steve corar. "Eu... não vou negar que ela é bonita, mas não é isso que eu quis dizer." Kylie passou o pé e chutou Della. "Ouch!" Della olhou para Kylie. "Por que você fez isso?"


"Quando é que as aulas deveriam começar?", perguntou Kylie, e ninguém respondeu—Steve provavelmente porque ele estava com medo de ficar em apuros novamente e Della porque ela estava muito ocupada esfregando seu tornozelo chutado. Steve finalmente cedeu. "Eu acho que na próxima segundafeira." "Havia outros professores lá?" Kylie olhou Della responder. "Sim", acrescentou Della. "Um Hayden Yates. Ele é metade vampiro, metade fae. Eu acho que ele vai ensinar ciência. Ele parece bem.” "E?", perguntou Steve, seu tom mais profundo, mesmo que fosse apenas um sussurro. "E o quê?" Perguntou Della. Ele enrijeceu os ombros. Que Kylie teve de admitir eram bastante amplos. O cara era bonito. Por que Della não podia pelo menos ser agradável? "Por que você gosta Mr. Yates?", perguntou Steve. "Seu corpo sexy, ou você finge que é sua mente?" Droga, Kylie pensava. Estes dois eram tão ruins quanto Della e Miranda. Ou Burnett e Holiday. Della fez uma careta para Steve e então olhou para Kylie. "Eu estou fora daqui." Envergonhada, Kylie olhou para Steve. "Obrigado. Você pode dizer a Lucas que eu vim aqui?” "Você provavelmente poderia encontrá-lo." Steve levantou-se. "Eu acho que eles estavam indo para a clareira pelo córrego". "Oh," Kylie disse, e correu atrás Della. O peito de Kylie beliscou com ciúmes quando ela se lembrou dela e Lucas indo para o córrego. Ela estava tão obcecada em tentar não sentir a emoção verde ping-pongando em seu coração, ela não tinha percebido que elas estavam indo na direção errada. "Para onde estamos indo?", Perguntou Kylie. Della olhou para ela. "Para o córrego, idiota. E nem por um minuto finja que você não quer saber o que ele está fazendo lá com aquela loba. Se ele fosse meu namorado, eu iria agarrá-lo pelo cangote e ensinar àquele lobo uma lição que ele não iria esquecer. Ele estaria choramingando como um filhote de cachorro antes de eu deixá-lo ir.” *** Kylie continuou a seguir Della mantendo um debate fora-e-fora em sua cabeça sobre a sabedoria de continuar ou retornar. Se ela fosse para o riacho, iria Lucas achar que ela viria, porque ela estava com ciúmes? Mas se ela não fosse e Steve dissesse-lhe que ela desistiu e não tinha chegado, que ele achava que ela tinha ido para casa porque estava com ciúmes? Ok, a única coisa que saiu do debate mental foi saber que ela não queria que Lucas pensasse que ela estava com ciúmes. Mesmo que ela estivesse. Mas será que isso significa que ela estava errada? Ou seria Lucas o errado? Errado


por decolar no escuro para passar algum tempo com Fredericka pelo riacho? Estava ele agora rolando na grama com Fredericka, beijando-a do jeito que ele tinha beijado Kylie quando ele a tinha levado até o riacho? Ou era tão inocente como ela ser pega por trás do escritório com o Derek? Kylie olhou para a lua. O brilho parecia extra brilhante e ela sentiu essa picada estranha em sua pele. Assim como ela se sentia na lua cheia. Ela respirou fundo e disse a si mesma que estava imaginando coisas. "Pare de tentar deter-se de ir", disse Della. "Como você sabe que é o que eu estou fazendo?" "Porque eu posso vê-lo em seu rosto. E porque você não podia andar mais devagar se você fosse uma tartaruga de muletas”. "Eu só não quero sair como uma namorada psicopata." "Se ele está fazendo com ela—ou pior, brincando de esconder o salame—então ele merece você saindo como uma psicopata. Inferno, eu vou acompanhá-la e nós duas vamos ser psicóticas em sua bunda.” "Eu não acho que ele está fazendo isso." Como se dizendo isso a ajudasse a acreditar. "Você não quer pensar que Derek fez isso, também." Della suspirou como se ela lamentasse dizer essas palavras. "Sem desrespeito a Ellie e tudo, mas isso ainda estava errado." O peito de Kylie apertou com a menção do nome de Ellie. "Isso foi diferente." "Como é que é diferente?", perguntou Della. A parte de baixo pendurada virou para trás e Kylie pegou com o braço dela com facilidade. "Eu acho que isso se acrescenta ao fato de que todos os caras são escória. Talvez nós não devêssemos sequer acasalar com eles.” "Derek e eu não estivemos juntos." "Talvez você não tivesse dito que estavam juntos. Mas, em seu coração, vocês estavam juntos”. Kylie lembrou o que Miranda tinha dito sobre ela falar sobre Derek mais do que ela falava sobre Lucas. De repente, ela não quis falar sobre sua ferrada vida amorosa. Então por que não falar sobre a ferrada vida amorosa de Della? Parecia o desvio perfeito. "Você poderia ter sido melhor para Steve." Della virou-se, a atitude em sua postura corporal. "Eu fui legal." "Não, você não foi. Você o acusou de gostar dos peitos da nova professora." Della voltou a caminhar. "Você deveria tê-lo visto admirando ela, foi constrangedor."


"Isso meio que soa como se você estivesse com ciúmes, o que diz que você gosta do cara", Kylie apontou. Della começou a andar mais rápido, o passo correspondente a seu humor. "Eu não gosto dele. Mas vou admitir que ele tem uma boa bunda”. "E você disse que ia tentar ser mais acessível ao seu belo bumbum," Kylie lembrou. "Eu tentei. Não deu certo. Eu acho que a bunda dele não é tão boa”. Outro ramo voltou, e no instante em que Kylie o pegou na palma da mão, ela lembrou. Ela parou e olhou através das árvores para o céu. Algumas estrelas brilharam atrás como se rindo dela. "Merda," ela murmurou. "O quê?" Della olhou para trás por cima do ombro. Kylie olhou ao redor. O brilho da lua lançou um brilho prateado entre as árvores e sombras dançavam na terra. "Acabei de me lembrar." "Lembrou-se do quê?" "Eu não devo ir para a floresta." Kylie inalou o cheiro verde das árvores e da terra úmida. Então ela procurou internamente pela sensação de estar sendo atraída, acenou como tinha sido antes. Ela não estava lá. Então, talvez todos esses sentimentos eram apenas sua imaginação hiperativa. Oh, sim, ela queria acreditar. No entanto, ela tinha desobedecido às ordens de Burnett. Talvez não de propósito, mas não achava que ele gostaria de encontrar essa desculpa aceitável. "Devemos voltar." "Mas nós estamos quase lá. E você tem a mim — uma vampira malvada — com você. Nada vai acontecer. E você não quer saber se Lucas e Fredericka estão fazendo o Pokey de Hokey? (?)" Kylie apanhou outro ramo de volta dela. "Se Burnett descobrir, ele vai ficar chateado." "Então, não vamos dizer a ele. Confie em mim. Ele vai ficar bem." Contra o seu melhor juízo, Kylie continuou a dar passos com Della. Os grilos faziam a sua coisa e um pássaro ocasional gritou. No fundo, Kylie poderia até mesmo ouvir os sons dos animais selvagens do parque. Normalmente, quando a noite cantava, significava que estava tudo bem. Era no silêncio que as coisas saltavam para fora das sombras. Quando o mal geralmente apareceria. Inalando o ar da noite, ela continuou se movendo, saltando por cima de algumas manchas de arbustos espinhosos e esquivando-se sob galhos baixos. "Merda," Della assobiou, e veio a uma parada abrupta. "O que é?", Perguntou Kylie, e foi então que a floresta ficou em silêncio. Não morta como fantasma em silêncio, mas como morta em uma ameaça.


"A próxima vez que eu disser para você confiar em mim, não confie." Della olhou para trás por cima do ombro. Seus olhos eram de um verde brilhante e seus caninos estendidos. "Temos companhia".

Capítulo Oito "Nós devemos correr." A voz de Kylie foi nada mais do que um sussurro. Seu coração pulsando em seu peito parecia mais alto. "Quando as coisas correm, elas são perseguidas", respondeu Della. "Eu prefiro fazer a perseguição." "Garota esperta", uma voz profunda respondeu de volta. E só o som dela enviou calafrios à espinha de Kylie. Três figuras silenciosas saíram das sombras. A única filtragem de barulho através do emaranhado de árvores era o silvo de Della. Kylie se moveu para ficar ao lado de Della caso eles atacassem. Sua mente ainda brincava com a opção de correr. Uma boa opção. Mas primeiro ela tinha que convencer Della. O ligeiro som de galhos sendo abocanhados em passos soou às suas costas. Elas estavam cercadas. Tempo para encontrar uma nova opção. Mesmo com apenas o meia-lua iluminando o caminho, Kylie foi capaz de verificar os padrões dos três homens na frente delas: lobisomens. As bordas dos padrões estavam escuras, como se as suas intenções não fossem de boa índole. Isso só podia significar uma coisa: bandidos. O maior homem no meio se aproximou. Della assobiou mais. Kylie sentiu o sangue ferver com a necessidade de proteger a pequena vampira. Tão malvada como Della considerava-se, isso não seria justo. Não que os bandidos se importassem. "Eu, gentilmente, lhe peço para sair", Kylie disse, não tendo certeza de onde sua bravura veio, mas estava lá, e ela que se dane se ela não iria utilizá-la. "Você está invadindo. Esta é propriedade de Shadow Falls." Ela ficou com os ombros para trás, o queixo erguido. Sabendo que podia sentir o cheiro do medo, ela tentou não deixar a semente dessa emoção crescer ainda maior. Kylie viu Della, pronta para atacar, e Kylie tocou seu cotovelo, com a esperança de convencer a vamp a esperar. Talvez eles pudessem falar o seu caminho para fora deste. "Saia agora, ou eu vou rasgar sua garganta fora primeiro," Della disse ao homem de frente para ela. Aquele não era o tipo de conversa que Kylie tinha em mente.


"Nós não viemos aqui para fazer mal", o cara no meio disse a Kylie, e, em seguida, ele cortou a Della um sorriso malicioso como se estivesse zombando de sua ameaça. "Mas, se provocar, isso pode mudar." Della assobiou alto. "Então saia." O olhar de Kylie se moveu sobre ele. Ela tinha a sensação de que quem falava era o líder. Ele não parecia velho, mas coisas como o cinza em sua têmpora e as linhas finas ao redor dos olhos azuis escuros lhe disse que ele era mais velho do que ela assumiu antes. Capturada por seus olhos, sua mente tentou colocá-lo. Sentiu-o a olhando, fazendo o mesmo com ela, e então seus olhos comprimiram, enquanto lia seu padrão. Tão repentino quanto um lampejo de luz, ela sabia quem ele era. Ela sentiu que ele a reconheceu também. Esse núcleo de medo persistente em suas entranhas cresceu. Este homem não fazia o valor da vida. Ele já tinha provado isso a Kylie uma vez. Ele deu mais um passo para frente. Della tentou pular na frente dele, mas Kylie a agarrou. "Deixe-me lidar com isso." O chiado no sangue de Kylie—o cheiro que surgia quando ela tinha necessidade de proteger—ficou mais forte. "Eu não estou aqui para derramar sangue", ele insistiu. "Então saia", Kylie exigiu. "Sim, dobre o rabo entre as pernas e corra", Della mordeu fora. Um rosnado ameaçador veio de trás delas. Della se virou, puxando longe do aperto de Kylie, com os olhos brilhando mais forte. O medo tomou uma volta ao redor do coração de Kylie. Não temendo por ela mesma, mas pelo que estava prestes a acontecer. O sangue dela agora zumbia enquanto se movia em suas veias. Ela manteve seu foco em Della. Se alguém colocar a mão sobre ela, isso não iria acabar bem. "Acalme-se", o líder falou, e Kylie sentiu que ele falou com ela, bem como a seus próprios homens. "Eu só vim aqui para falar com o meu filho." "Então fale com ele." Uma nova voz soou das árvores. "Mas você e seus guardas se afastam neste minuto." A voz de Lucas, profunda e ameaçadora, veio da direita de Kylie. Quando ela se virou, viu que seus olhos brilhavam laranja queimado. Ela o viu levantar a cabeça um pouco para puxar o ar pelo nariz. Ela sabia que ela tinha perdido sua batalha tentando esconder o medo. Lucas tinha cheirado como os outros provavelmente tinham. Mas ela se perguntou se eles pegaram o fato de que ela não temia a luta. Ela temia o caos emocional que teria causado. Matar o pai de seu namorado não pode ser bom para um relacionamento. "Eu disse, saia", Lucas ordenou. Quando os três homens não retrocederam, Della falou novamente. "Você ouviram, seus idiotas. Recuem.”


Lucas de repente estava do outro lado de Kylie. Seu antebraço quente roçoulhe o ombro, não deixando nenhuma dúvida de sua lealdade para com ela, até mesmo sobre seu próprio pai. O pensamento aqueceu o seu coração, ao mesmo tempo em que batia com o pânico. Mais campistas lobisomem saíram de trás das árvores. Eles não pareciam agressivos, mas só a sua presença falava de sua lealdade para com Lucas. "Parece que eu não sou o único que trouxe seus guardas", disse Parker. "Se eu precisar deles, eles vão me apoiar", disse Lucas. Um rosnado baixo veio de um dos lobisomens do grupo do pai de Lucas. Mr. Parker olhou para ele. "Não haverá nenhum problema esta noite." Embora ainda desconfiados, e com a tensão tão grossa que fez a respiração difícil, Kylie ouviu o comando na voz do homem e sentiu seus homens não desafiá-lo. A onda de adrenalina que invadiu suas veias diminuiu. Will, outro campista e um dos amigos de Lucas, mudou-se para mais perto. Em algum lugar na parte de trás do cérebro de Kylie, a realização atingiu. Lucas não estava sozinho com Fredericka. Um fio de culpa por duvidar dele subiu em seu peito. Como se pensar na menina a trouxesse aqui, Fredericka saiu da linha de árvores e para a pequena clareira. "Mr. Parker," Fredericka disse em um tom leve, quebrando a tensão apertada. "É um prazer vê-lo novamente." A loba disparou a Kylie um ligeiro sorriso, como se quisesse que Kylie soubesse que ela era amiga do pai de Lucas. "O mesmo aqui", respondeu o homem com desinteresse. Ele prestou a Fredericka nenhuma atenção. Ele não tinha parado de estudar o padrão de Kylie. Ela se sentiu um pouco menos preocupada que estava fazendo algo estranho. "Assim, os rumores não mentem," Mr. Parker disse, parecendo perplexo. "Que rumores?", perguntou Kylie. "Eu posso ver por que meu filho está intrigado com você. Uma pena que você não é uma de nós." O peito de Kylie apertou com a insinuação. Como se o seu relacionamento com Lucas estivesse condenado. "Chega", disse Lucas. "Eu acho que—" "Você é um pássaro estranho, Kylie Galen." Mr. Parker apertou as sobrancelhas, como se para dar uma olhada mais de perto em seu padrão. Kylie ergueu o queixo acima de um entalhe. (?) Não é um pássaro, Kylie pensava. Um camaleão. E uma sensação inexplicável de orgulho encheu seu peito. Pela primeira vez, Kylie aceitou que, enquanto ela não sabia nada sobre o que significava ser um camaleão, não havia valor no pouco conhecimento que tinha. Lucas virou-se para Della. "Vocês duas devem voltar para sua cabine." Seu olhar pousou em Kylie. "Eu te vejo mais tarde."


Ressentimento por ter sido mandada embora agitou no intestino de Kylie, mas a lógica interveio e ela sentiu sua intenção veio de sua necessidade de protegêla e não para controlá-la. Então ela percebeu que se ela se ressentia de seu tom autoritário... Ela olhou para Della. "Eu prefiro ajudá-lo a enviar esses caras fora daqui" Della rosnou. Kylie falou. "Nós deveríamos ir." Della franziu a testa, mas sua expressão disse que ela cedeu. "Tudo bem. Eu não queria sair com estes cães de qualquer maneira." Ela rosnou para os intrusos. Um dos guardas do Sr. Parker deu um passo à frente na defensiva, e ambos Kylie e Lucas mudaram-se em um passo. Um passo deixou pouca dúvida de que nenhum deles permitiria ao guarda tocar em Della. Kylie não perdeu a carranca que Lucas enviou a Kylie, como se quisesse dizer que ele não queria que ela assumisse o papel de proteção. Mas isso era o que ela era. Uma protetora. Uma protetora camaleão. Della fez uma careta para os dois, como se quisesse dizer que ela não precisava de sua proteção. "Vá. Por favor”, disse Lucas. Kylie fez sinal para Della segui-la. À medida que se afastava, Kylie não pode resistir olhar para trás. Ela viu Lucas, sua postura defensiva, como se seu pai trouxesse o pior dele. Seus pensamentos foram para ambos, seu próprio pai e seu padrasto. Nenhum deles a colocava na defensiva. Sim, seu padrasto tinha cometido alguns erros ruins, e Kylie ainda podia estar trabalhando em perdoá-lo, mas no fundo ela sabia que ele a amava. E com o seu verdadeiro pai, Daniel, bem, ele se importava tão profundamente que ele não tinha deixado mesmo a sua morte separá-los. Kylie sentia que Lucas nunca tinha sentido qualquer afeto de seu pai. Seu coração doeu por ele, e seu sangue se esquentou com a necessidade de defendê-lo. Mas defendê-lo contra o quê? O que foi que trouxe o Sr. Parker para o acampamento? Algo lhe dizia que não era apenas para dar um abraço em Lucas. Havia algo errado com a avó de Lucas? Sua meia-irmã? Uma pena que você não é uma de nós. Suas palavras ecoaram em sua cabeça e coração. Ele poderia estar aqui por ela? Protestando contra o fato de que Lucas era... Intrigado com ela? "Burnett vai ficar tão chateado com isso", Della bufou, seu passo apressado combinando com seu tom irritado. Kylie mordeu o lábio com preocupação, antes de expressar seus pensamentos. "É por isso que você não vai dizer a ele." Della olhou para Kylie. Os olhos da vamp ainda brilhavam de fúria. "Eles são bandidos." "Mas ele é o pai de Lucas." E o pensamento de Lucas ter que lidar com Burnett depois de já ter que lidar com seu pai parecia injusto. "É contra os regulamentos."


"Assim como foi para Chan aparecer", Kylie lembrou. "E como Chan, Mr. Parker não fez mal a ninguém. Ele só queria falar com seu filho." Della soltou um suspiro de frustração. "Você sabe, eu realmente odeio quando você faz isso." "Fazer o quê?" Kylie se esquivou de uma vinha balançando para trás. "Usar a lógica e esfregar meu nariz no fato de que você está certa." "Eu não esfrego seu nariz nisso." "Talvez não. Mas eu ainda não gosto." Elas andaram alguns minutos sem falar. "Obrigado por não dizer", Kylie disse, sabendo que era o que queria Della dizer. Moveram-se através da densa vegetação com a única canção da noite sussurrando por entre as árvores. Finalmente, Kylie falou. "Lucas não estava sozinho com Fredericka". "Sim, eu percebi esse fora também", disse Della. "Mas..." "Mas o quê?" "Eu não sei. Quer dizer, eu meio que sinto como se eu tipo a encorajei a ficar com Lucas e talvez eu estivesse errada.” "Errada?" Kylie agarrou Della pelo braço. "Você quer dizer errado me empurrar, ou errado eu ir atrás de Lucas?" Della franziu a testa. "Ambos." "Por que você diz isso?", perguntou Kylie, doeu que Della faria tal declaração— especialmente quando seu coração já estava tão confuso. "Não é que eu não gosto de Lucas, eu faço. Mas ele é lobisomem e você não é, obviamente. Admito que pensei que você era antes. Mas hoje à noite, quando fomos cercados por lobisomens, eu poderia simplesmente dizer que você não era como eles. E depois do que sua avó disse e agora, depois do que seu pai disse, eu acho que sua família e seu bando vão ficar em seu caminho.” "Ele me disse que não se importa com o que dizem." E ela acreditava. Ela fez. Tristeza encheu os olhos de Della e Kylie sentiu a emoção ressoar dentro de si. Della exalou. "Isso é o que Lee disse também. E olha o que aconteceu com a gente.” *** Não é a mesma coisa. Enquanto Kylie esperava na varanda por Lucas aparecer, ela contemplou o que Della tinha dito e pensado sobre o seu dia de inferno. Ela tinha falado com sua mãe, que precisava de garantias de que Kylie estava bem. Ela tinha falado com Holiday, que precisava da mesma coisa. Então o telefone tocou novamente. Derek, desta vez, querendo a mesma coisa. "Hey, eu só queria checar", disse ele.


Era engraçado, na verdade, como ele a conhecia. Ele sabia o que sentia sem ela ter que dizê-lo e então ela sabia por que ele tinha chamado. Ele, obviamente, sentiu algumas de suas emoções anteriores. "Eu estou bem." "Se você precisa falar ou qualquer coisa, eu estou aqui." Ele parecia tão melancólico, ela sentiu o coração crescer mais apertado. "Eu sei", respondeu ela. "E eu aprecio isso." "Você já descobrir toda a questão fantasma?" "Ainda não", Kylie admitiu, sua voz ecoando um pouco da frustração que sentia. "Você falou com Holiday sobre isso?", ele perguntou, parecendo genuinamente preocupado. "Um pouco", disse ela. "Mas eu não estava... Eu só rocei a superfície." "Oh, merda!" "O quê?" "Isso é quem é, não é? Esse é cujo rosto o fantasma roubou. É Holiday." Kylie fechou os olhos. "Sim, mas por favor, não diga nada. Estou tentando descobrir isso antes de eu levá-lo para Holiday.” "Ela está em perigo? Isso significa... qualquer coisa?” "De uma maneira indireta, perguntei a Holiday, e ela disse que era improvável. Mas...” "Mas o quê?" "É assustador", Kylie admitiu. "Vê-la como um fantasma, quando ela não está morta." "Claro que sim, é assustador. E você não deveria ter que descobrir sozinha. Eu estou aqui para você. Eu não sei como ajudar a resolver isso, mas o que for preciso, eu vou fazer.” "Obrigado." Ela se inclinou para trás contra a parede da cabine, e logo em seguida, ela foi atingida por uma onda de frio. Frio morto. "E eu não espero nada em troca", disse ele. "Eu aceito que sejamos apenas amigos." "Obrigado." O espírito, idêntico a Holiday, estava sobre ela, olhando para baixo com uma careta no rosto. "Eu deveria ir." "Algo errado?", ele perguntou, e ela não podia ajudar, mas me perguntou se ele podia senti-la agora.


"Apenas... tenho companhia." "Lucas?" Seu tom expressou exatamente como ele se sentia sobre o lobisomem. "Não. O fantasma”. "Oh. Então, eu vou deixar você ir. Mas Kylie...” "Sim?" Ela ficou porque ela não gostava de ter o espírito olhando para ela. "Eu estou aqui se você precisar de mim." Ele parecia tão genuíno. "Eu sei", disse ela, sentindo as palavras vibrarem em seu peito. Ela desligou e encontrou o olhar verde da mulher. "Eu acho que você deve escolhê-lo", disse o espírito. "Escolher o quê?" "Entre ele e o lobisomem. Eu gosto dele. Ele é fae." Kylie conteve a frustração. "Eu acho que seria melhor eu decidir isso." "Só um pequeno conselho", disse o espírito. Kylie o estudou. "Será que você descobriu alguma coisa?" "Na verdade não, mas lembro-me algumas coisas." "Que tipo de coisas?" "Assustadoras". "Você pode me dizer sobre isso?" O espírito estudou Kylie com o mesmo tipo de olhar preocupado que Holiday sempre fez. "Eu não acho que você precisa ouvir. Você é jovem...”. Kylie revirou os olhos. "Você veio aqui para me ajudar. Eu não posso ajudar se você não me contar as coisas." Ela piscou. "Eu não sei se isso é verdade." "O que não é verdade?" "Que eu vim para você me ajudar." Ela ficou em silêncio por um longo momento. "Eu acho que eu vim a você para ajudar alguém." "Quem?" "Eu não sei exatamente. Mas eu sinto isso.” "O que você sente?" "Esse perigo que está em todo canto." Seus olhos se encheram de preocupação. "Eu posso impedir que isso aconteça?"


Ela inclinou a cabeça para um lado e considerou a questão. "Eu acho que sim. Eu acho que é por isso que eu vim. Assim, você poderá parar isso." O coração de Kylie se encheu de esperança. Certamente, se não fosse possível ajudar, o espírito saberia. Assim, mesmo se fosse Holiday, talvez Kylie pudesse salvá-la. Talvez a pessoa que o espírito deveria salvar era ela mesma, e ela simplesmente não percebia isso. "Você já descobriu o seu nome?" Ela balançou a cabeça. "Eu só continuo recebendo a mesma coisa. Eu acho que é Hannah.” "Por favor, me diga o que sabe. Pode ser importante." Ela balançou a cabeça. "Eu não estou pronta para falar sobre isso. E não é um lote inteiro. Apenas... flashes de coisas.” "Por que você não está pronta para falar sobre isso?" O espírito se virou e olhou para a floresta, como se tivesse ouvido algo. Kylie seguiu seu olhar. Ela não viu ninguém, mas, estranhamente, a sensação que sentira antes tinha retornado. Alguém estava lá fora. Chamando por ela. Quem é você? O que você quer? Ela fez a pergunta em sua mente. "Eles querem falar com você", disse o fantasma. "Quem?", Perguntou Kylie. "E você disse 'eles', então como é que você sabe que há mais de um?" "Eu acabei de alguma forma sabendo que há mais do que um. Mas se eu não sei o meu próprio nome, como eu poderia saber o deles?” "Você já viu? Você sabe o que eles querem de mim?” Ela balançou a cabeça. "Eu apenas sinto-os. Chamando você.” "Será que isso significa que vão me prejudicar?", ela perguntou. "Eu... não posso dizer com certeza. Mas eles não se sentem mal.” "Eles realmente não parecem maus para mim, também." Ou talvez ela só quisesse acreditar. Ela desceu os degraus. Ela quase alcançou a floresta quando alguém pegou o braço dela—alguém quente, alguém vivo.

Capítulo Nove Kylie virou-se, com o coração saltando de seu estômago até sua garganta. "Onde você vai?", Perguntou Lucas. "Em lugar nenhum." Ela engoliu o pânico. "Eu estava esperando por você e pensei ter ouvido alguma coisa." Isso não era completamente uma mentira, ela


tinha ouvido com o coração. Ele a puxou contra ele. "Isso é quando você entra na cabine, e não na floresta. Mesmo normais sabem disso por assistir filmes de terror.” Ela revirou os olhos. "Eu teria entrado, se eu achasse que era mal." "Mas às vezes você não sabe." Ele deslizou a mão até a cintura. Ela concordou com ele sobre esse ponto e provavelmente necessitava se lembrar disso, também. No entanto, se lembrar de algo se tornava mais difícil com ele tão perto. Tão perto que ela sentiu sua respiração. O toque suave de sua mão aqueceu sua pele sob a roupa. A ternura e calor criando um rastro de sensação de formigamento. Ele baixou a cabeça e olhou em seus olhos. "Você tem alguma ideia de como eu me sentiria se algo acontecesse com você?" "Provavelmente o mesmo que eu me sentiria se algo acontecesse com você", disse ela. "O que seu pai quer?" Ele franziu a testa. "É Clara, minha meia-irmã. Ela fugiu de novo. Ela disse que estava vindo para cá, mas ele suspeitava que ela voltou para o seu namorado.” "Sinto muito. O que você vai fazer?” "Eu não sei." Ele suspirou. "Eu já fui atrás dela duas vezes. Ela disse que queria vir para cá. Mas talvez ela mentiu. Se eu a trouxer aqui contra a sua vontade, o que vai impedi-la de fugir?” "Será que o namorado é tão ruim assim?" Ele fez uma careta. "Ele é malandro e frequentemente está em uma gangue." "E isso automaticamente o faz mal?" Ela aprendeu que nem todos os seres sobrenaturais estavam registrados, e algumas pessoas só eram desonestas, mas nem todos os seres sobrenaturais não registrados eram ruins. Della não considerou Chan mal. E Kylie escolheu acreditar que seu avô e tia-avó não eram ruins. "Todas as gangues são ruins?" Sua pergunta parecia dar-lhe uma pausa. "Não necessariamente, mas até mesmo as gangues completamente antiéticas estão geralmente em algo ilegal."

que

não

são

"Drogas", perguntou Kylie. "E outras coisas." Kylie se lembrava de como ela se sentia mal por Lucas, quando ela tinha o visto olhando tão defensiva enfrentando seu próprio pai. Lembrou-se de que ele se levantou para ela contra sua própria família. Seu coração doeu por Lucas.


"Se a sua meia-irmã é algo parecido com seu meio-irmão, ela vai fazer a coisa certa." Ela deu um passo para cima na ponta dos pés e apertou seus lábios contra os dele. Já era tarde. Estava escuro. Mas o momento parecia tão certo. O que era para ser um rápido beijo demorou e tornou-se mais. Muito mais. Ele aprofundou o beijo e ela se apoiou nele. Ela sentiu seu corpo se aproximar dela, duro em todos os lugares que ela era suave. Ela ouviu o som de um ronronar que era feito quando ele estava perto de um parceiro em potencial. Ela tornou-se quase hipnotizada—atraída pelo som, tentada e atraída por tudo o que poderia seguir. Ele tinha um gosto tão bom, se sentia tão bem. Ela queria mais. Ela queria sentir mais. Para provar mais. Para experimentar mais. Em seguida, a magia acabou quando ele se afastou. Ele passou a mão em seu rosto e, enquanto seus olhos azuis brilhavam no calor da paixão, ela podia dizer que sua mente estava mastigando algo mais. "Lamento que o meu pai assustou você." Ela lutou contra o desejo de dizer a ele para simplesmente começar a beijá-la novamente. "Está tudo bem", ela disse, e tentou não parecer desapontada. "Não, não está." Ele pegou a mão dela e mudou-se para a varanda. "Ele afirmou imediatamente que ele não estava lá para causar danos", disse ela, querendo acalmar Lucas. Querendo tornar isso mais fácil. "E você nunca deve acreditar nele", disse ele. Um sussurro de medo se estabeleceu em seu peito. Eles sentaram-se na varanda para que pudessem encostar na cabine. Ele passou o dedo sobre seus lábios. "Eu não quero que o meu pai em qualquer lugar ao seu redor." Ela olhou nos olhos sérios de Lucas. "Ele machucou você?" A necessidade de protegê-lo fez seu sangue correr mais rápido. "Não a mim. Eu sou seu filho. Mas ele considera que ninguém mais joga justo.” "Se ele é tão ruim assim, por que você foi lá? Por que ter alguma coisa a ver com ele?” "Por Clara, principalmente. Mas então... eu preciso dele agora.” "Por quê?" "Sua aprovação irá percorrer um longo caminho para me ajudar a entrar no conselho." O conselho que ele não poderia entrar no caso de se casar com ela. O pensamento disparou uma onda de apreensão por ela e ela se lembrou do que Della tinha dito sobre as coisas não dando certo entre eles por causa de


sua família e seu bando. Ela empurrou o pensamento para fora do caminho e tentou entender. "Mas se isso é que eles olham para a aprovação, então por que você iria querer estar nesse conselho?" Ele fechou os olhos por um segundo, como se estar explicando fosse difícil. "Se eu fizer isso no conselho, então eu posso mudar as coisas." Kylie se lembrou de sua avó dizendo-lhe que ele queria mudar a forma como o mundo via crianças criadas por bandidos. "Mas até lá, eu tenho que convencê-lo que eu vejo as coisas à sua maneira." "Que coisas?" Ele balançou a cabeça lentamente. "Coisas que eu ainda acho que você não precisa saber." Kylie franziu o cenho, não gostando de ser deixada de fora do seu mundo, mesmo que ela não tivesse certeza se queria pertencer a ele. Ela apostava que Fredericka sabia de tudo. "Mas eu preciso saber. Eu quero ser uma parte de sua vida. Eu não quero ser excluída." Eu não quero o seu bando ou sua família nos mantendo separados. Seus olhos apertaram. "Eu não estou excluindo-o. Eu prefiro que você saiba disso Lucas." Ela digeriu suas palavras. "Só pode haver um Lucas". "Existe apenas um. Um verdadeiro. Mas eu tenho que jogar com o meu pai e o Conselho. Tenho que convencê-lo de que estou do seu lado.” Ela balançou a cabeça. "Eu não entendo." "E eu não espero que você entenda." Ela largou a mão de seu braço. "Isso não é certo. Você gostaria de pensar que eu escondi as coisas de você?" Uma carranca puxou seus lábios. "Você esconde as coisas de mim. Coisas sobre seus fantasmas." Seus olhos brilharam com a frustração. "As coisas que você fala para Derek e não para mim. E você está certa, eu não gosto disso.” Ela considerou suas palavras e sabia que elas eram verdadeiras. "Eu só escondo as coisas de você, porque você não quer saber sobre elas. Elas deixam você maluco." Ele balançou a cabeça, e aceitação encheu seus olhos, mas ela poderia dizer que lhe custou emocionalmente. "E acredite em mim quando eu digo que as coisas que eu guardei para mim são coisas que você não gostaria de saber também." Ela olhou profundamente em seus olhos, odiando essa conversa, mas só porque ela se importava tanto com ele. "Segredos entre as pessoas não pode ser bom. Isso pode mantê-los separados. Por que não vamos apenas dizer tudo um ao outro?” "Às vezes, o que não sabemos nos protege. Não pode nos prejudicar se não o conhecemos." Ele encostou a testa na dela. "Eu posso prometer-lhe isso, Kylie


Galen. Eu vou fazer o que tenho que fazer, mas eu não vou deixar isso te machucar.” Ela franziu a testa. "O que você quer dizer com o que você tem que fazer?" "Só isso. Eu não vou deixar o que está acontecendo na minha vida bagunçada te machucar." Suas palavras a assustaram. Mas o medo era mais por ele do que por si mesma. "Eu não sou uma menina frágil. Eu não sou a mesma menina cuja janela você espiou." A diversão em seus olhos era ao mesmo tempo sexy e quente. "Oh, eu tenho notado." "Estou falando sério". "Eu sei. Mas você ainda é minha menina, e eu quero protegê-la." Ela revirou os olhos em frustração. "Eu sou a protetora. Isso é o que eu faço”, Kylie insistiu. "Eu sei. Você é incrível e pode fazer coisas incríveis. E você já salvou minha vida. Mas, como um protetor, a única coisa que você não pode fazer é se proteger. Então, por favor, não tente me impedir de fazê-lo.” *** Kylie acordou antes do sol na manhã seguinte. A única coisa que ela tinha consciência era de Socks dormindo em seu estômago, seu nariz pontudo de gambá descansando entre seus seios. Ela levantou a cabeça e olhou para o pequeno rapaz. Ele abriu um de seus olhos pequenos e depois o outro, e olhou para ela com adoração. O tipo de olhar que apenas um animal de estimação tem. O tipo que dizia amor puro e aceitação. O silêncio na sala era alto. Incerta sobre o que a tinha despertado, ela puxou o braço para fora de debaixo da capa fina para medir a temperatura. Sem frio. Não há fantasmas. E então ela ouviu isso. Ou ouviu ela. "Gatinho, gatinho," Miranda chamou da porta do quarto um pouco aberta. "Vamos lá, Socks. Você não quer ser transformado novamente em um gatinho?" Socks pôs-se de pé, pulou para o chão e correu para debaixo da cama. Kylie não tinha certeza se seu aborrecimento era com Miranda por sempre tentar mudá-lo de volta ou se ele talvez não quisesse mudar. Considerando que Kylie tinha mudado todo um inferno de muito nestes últimos meses, ela não podia culpar Socks. A mudança era assustadora. Miranda abriu a porta um pouco mais. "Vamos lá, não torne isso difícil para mim." Kylie se apoiou em seu cotovelo e bocejou. "Acho que ele está com medo." Miranda moveu-se um pouco mais. "Eu acho que eu descobri. Eu só preciso levá-lo para fora e para a primeira luz da manhã." "Hmm". Kylie se levantou, colocando os pés descalços no chão de madeira frio. Muito frio? Ela fez outra varredura visual para verificar se havia fantasmas. Não. Ela tinha uma zona de acontecimento livre de fantasmas. "Desculpe, eu


te acordei. Eu pensei que eu pudesse entrar e agarrá-lo." Miranda parecia bem acordada e de bom humor quando ela se sentou e o colchão deu um pouco de rejeição. "Não é grande coisa. Eu estava praticamente acordada de qualquer maneira," Kylie mentiu. Na verdade, tinha sido uma noite muito mal dormida. Depois que Lucas saiu, Della tinha ido para o quarto dela e Miranda não tinha voltado para casa, então Kylie tinha agarrado Socks e ido para a cama. Não para dormir. Isso teria sido muito fácil. Ela virou na cama por horas, fazendo malabarismos com seus problemas como bolas, e não teve a solução de um único deles. No entanto, ela tinha que admitir, ela se acostumou a pensar em si mesma como um camaleão. E estava emocionada que estava um dia mais perto da quinta-feira, quando o seu verdadeiro avô iria visitar. Ou pelo menos ela rezou que ele a visitasse. Relembrando sua dificuldade para cair no sono lembrou que a última vez que olhou o relógio, era em torno de três horas, Miranda ainda não tinha voltado. "Então, você vai me dar detalhes?", Perguntou Kylie. "Mais detalhes sobre o quê?" O sorriso de Miranda apertou com malícia. Kylie estudou sua amiga mais próxima. Ela usava as mesmas roupas que usara para seu encontro ontem à noite. Miranda tinha acordado ela para tentar transformar Socks de volta para um gatinho, ou ela precisa de alguém para conversar? Não que Kylie importasse. Ela havia acordado Della e Miranda muitas noites, principalmente com os sonhos ou as visões assustadoras—mas se tivesse precisando falar, ela sabia que elas estariam lá para ela. "Só que horas que você chegou em casa, mocinha?" Kylie perguntou em voz provocante. "Cedo. Eu juro." Miranda deu uma risadinha. "No início desta manhã." "Detalhes. Quero mais detalhes." Kylie esfregou as mãos, imitando Miranda. "Não fique muito animada", disse Miranda. Então ela suspirou. "Nós não... você sabe. Mas nós fizemos... bem, você sabe." Kylie deixou enigma rolar em torno de sua mente atordoada de sono e balançou a cabeça. "Eu acho que peguei o primeiro 'você sabe', mas eu estou perdida no segundo 'você sabe'." Ainda sentindo o frio na parte inferior de seus pés, ela puxou as pernas em cima do colchão. A escuridão na sala parecia aliviada apenas pela presença de Miranda. "Não fique muito animada", disse Miranda. Então ela suspirou. "Nós não... você sabe. Mas nós fizemos... bem, você sabe." Kylie deixou enigma rolar em torno de sua mente atordoada de sono e balançou a cabeça. "Eu acho que peguei o primeiro 'você sabe', mas eu estou perdida no segundo 'você sabe'." Ainda sentindo o frio na parte inferior de seus pés, ela puxou as pernas em cima do colchão. A escuridão na sala parecia aliviada apenas pela presença de Miranda.


"Nós nos beijamos, fizemos isso." O sorriso de Miranda se alargou, e então ela tinha aquele sentimental e apaixonado olhar em seu rosto. "Nós adormecemos nos braços um do outro na piscina. Ele me segurou durante toda a noite, e eu acho que estou apaixonada de verdade. É como se eu soubesse que eu pertenço aquele lugar. Em seus braços.” Kylie se lembrou das vezes em que ela tinha adormecido nos braços de Lucas. Incrível não começar a descrevê-lo. Mas ela tinha acordado sabendo com certeza que ele era o único? Ela não conseguia se lembrar de alguma vez se sentir assim. Então, percebendo que este era o momento de Miranda, ela empurrou sua autoindulgência à distância. "Bem, eu estou feliz por você." E Kylie estava. Mesmo que ela tivesse um pouquinho de inveja também. "Eu sei que você está." O sorriso de Miranda desapareceu. "Eu não acho que Della vai se sentir da mesma maneira." "Claro que ela vai", disse Kylie. "Ela só tem dificuldade em mostrar isso. Lembra-se de como ela continuava encorajando-a a fazer as pazes com Perry, quando você estava brava com ele?” "Acho que sim", disse Miranda, não parecendo convencida. "Quero dizer, eu me sinto como se eu não pudesse dizer nada sobre Perry ao seu redor agora. Entendo que ela está magoada sobre Lee e eu não quero fazê-la se sentir mal, mas eu também quero ser capaz de falar com ela sobre o que está acontecendo na minha vida. E agora o que está acontecendo na minha vida é tudo sobre Perry. Sério, eu não quero ter que pisar em ovos ao seu redor.” "E eu acho que você está apenas se preocupando muito. Acredite em mim, em um dia ou dois as coisas vão voltar ao normal e vocês vão ameaçar rasgar os membros uma da outra por um motivo que não tem nada a ver com Perry.” Miranda exalou. "Você faz parecer que discutimos o tempo todo." "Não o tempo todo", disse Kylie. "Apenas a maior parte do tempo." Miranda deu de ombros. "De qualquer forma, você acha que você pode me ajudar a prender Socks para que eu possa ver se eu tenho o feitiço certo? Perry me ouviu praticar por uma hora. Eu quero corrigir isso. "Miranda fez uma careta." Eu me sinto como uma fodida." "Você não é uma fodida." Kylie olhou para o chão. "Vem cá, Socks. Venha aqui, baby. "Miranda caiu sobre o colchão." Eu me sinto como uma, especialmente quando minhas irmãs Wiccan importunam-me sobre isso. Sou péssima sendo uma bruxa.” "Elas a provocam sobre Socks?", perguntou Kylie. "Sim, não que eu as culpe. Eu errei”. "Dane-se", disse Kylie. "Você deve descobrir como amaldiçoá-las com uma dose de dislexia e ver como elas lidam com isso."


"Elas realmente não estavam pretendendo", disse Miranda. "Mas isso te machuca." Raiva por Miranda queimou o peito de Kylie. Ela odiava valentões. Odiava as pessoas que se colocam sobre outras pessoas para que possam se sentir melhor sobre si mesmas. Miranda estalou de volta. "Mas elas estão apenas brincando." Ajoelhou-se e bateu os dedos no chão. "Aqui, gatinho, gatinho." As palavras de Miranda pareciam ser sugadas pelas sombras nos cantos do quarto. Kylie baixou o pé da cama e bateu o calcanhar contra o babado da cama. Ela esperou sentir Socks atacar seu tornozelo. A única coisa que sentia era um frio gelado vazando por baixo da saia da cama. Um frio gelado que deu a Kylie uma sensação ruim. Ela olhou para Miranda. "Por que você não vai lá fora e eu vou... Eu vou trazê-lo para você. Ele provavelmente vai sair quando você sair." Por alguma razão, a sala pareceu ficar mais escura. Kylie esperava que Socks fosse tudo o que sairia. Miranda levantou. "Eu não sei por que ele não gosta de mim", ela murmurou, e saiu. Kylie cautelosamente levantou-se e olhou para o babado cama. "Socks? Gatinho?" Nenhum pequeno gambá veio correndo de debaixo da cama. Nenhum miau suave sussurrou de baixo para deixá-la saber que ele estava bem. Respirando fundo, ela chegou em suas mãos e joelhos e olhou para o babado imóvel. Ela lutou contra a tentação de respirar sobre ele. Por alguma estranha razão, ela queria ver algo se mover, a quietude estranha do material não parecia certo. Nada parecia certo. Ela pegou o material de algodão para espreitar por baixo, rezando para tudo o que ela encontraria era um gambá assustado. Os dedos de Kylie quase tocaram o babado quando um som—um gemido ou um grito estrangulado— sussurrou debaixo da cama. Ela puxou a mão de volta. Sua respiração ficou presa. Isso não soa como Socks em tudo. Um frio gelado e natural serpenteava de debaixo da cama. Vapor subia a partir da saia da cama. Medo, feio, medo cru encheu seu peito. Ela olhou para a porta. Desejou que ela pudesse sair. Sabia que não podia. O instinto lhe dizia que Socks não estava sozinho sob a cama. Ainda sobre suas mãos e joelhos, ela tomou uma pequena mudança no joelho para trás. Quantas vezes, como uma criança que ela temia um monstro debaixo da cama? Quantas vezes sua mãe prometeu que os monstros não existem? Esse gemido soou novamente. A mãe dela estava errada. Um monstro, ou algo igualmente assustador, se escondia debaixo da cama de Kylie. Ela não podia culpar a mãe dela pela mentira. Mamãe não sabia.


Mas Kylie sim. Não que isso importasse. Recusando-se a abandonar o seu animal de estimação, tentando resolver o seu coração batendo, ela chegou novamente para a saia da cama. Logo antes de seus dois dedos pegarem o tecido de algodão, uma mão disparou. Seu próprio grito desapareceu nas sombras como uma fria, mão morta agarrou o braço de Kylie e puxou-a para frente. Ela lutou pela liberdade, arranhava os dedos, torceu-lhe o braço, qualquer coisa para deixá-la solta. Nada funcionou. "Socorro!", Ela gritou, mas ninguém respondeu. O fecho em torno de seu pulso apertou, arrastando-a mais perto. A última coisa que viu foi o babado da cama deslizando sobre seu rosto enquanto ela caiu no esquecimento escuro. Seu último pensamento antes de sua mente ficar dormente era que ela estava indo finalmente ao encontro do monstro vivendo debaixo da cama.

Capítulo Dez Kylie estava deitada de costas, envolta em trevas. Profunda, escuridão negra. Apenas uma visão. Não é real. Não é real. Algo em cada lado dela apertados contra seus antebraços. Parecia real. Ela tentou se mover, mas não conseguiu. O medo cresceu dentro dela. Ela provou a amargura disso em sua língua. Desorientada, ela tentou fazer sentido. Inalando, ela cheirou a terra. Molhada, sujeira úmida. Ela não estava debaixo da cama. Onde ela estava? A resposta veio, e ela desejou que não tivesse. Ela estava enterrada. Outro grito encheu sua garganta, mas a lógica lhe disse que isso não era real. Apenas uma visão. Mas de quem? E o quê? Holiday? O som da própria respiração de Kylie deixando os lábios soou muito alto. No mesmo instante, ela percebeu que não estava sozinha. Não era o som de alguém respirando. Ninguém respirava exceto ela. No entanto, o aperto em seu pulso não tinha afrouxado. Quem quer que tenha a arrastado aqui embaixo não a tinha deixado—alguém ainda se agarrava ao seu pulso como se a vida da pessoa dependesse muito disso. Infelizmente, Kylie sabia que era tarde demais. Só que ela estava viva. "Por que estou aqui?" Ela tentou mover-se novamente, mas sentiu alguma forma contraída. Nenhuma resposta veio.


Piscando, sua visão lentamente se ajustou à escuridão. Ela viu o padrão de madeira velha a poucos centímetros de seu rosto. Ela tentou puxar seu pulso fora do controle apertado, mas a preensão só apertou. "Oh, merda. O que vocês fizeram?" Uma voz familiar ecoou na escuridão. Holiday. "Eu estou aqui", Kylie chamou. Só que desta vez as palavras não saíram de sua boca. Ela não podia falar. "Cara M. disse que ela poderia nos ajudar a sair daqui", respondeu outra voz feminina. Soaram passos acima. O painel de madeira rangeu. Poeira e sujeira caíram no rosto de Kylie. Ela piscou a areia de seus olhos e tentou prender a respiração para que ela não sufocasse. "Ele está indo embora", alguém sussurrou. Kylie piscou, e quando ela abriu os olhos, tudo tinha mudado. Ela estava em uma velha cabana em ruínas, olhando para as tábuas de madeira que rangiam sob seus pés. Então, como se o chão desaparecesse, Kylie viu o que estava escondido abaixo. Três corpos em decomposição estavam posicionados ombro a ombro. Um grito derramou dos lábios de Kylie. Ela tentou fugir, mas seus pés pareciam congelados. Ela tentou desviar o olhar, mas não conseguiu. Um cadáver era uma mulher com o cabelo escuro, provavelmente em seus vinte e poucos anos, vestindo uma camisola. O segundo era uma loira em torno da mesma idade vestindo uma roupa de garçonete familiarizada com um crachá em que se lia CARA M. E o terceiro... Oh Deus! Holiday. As lágrimas encheram seus olhos. Kylie gritou mais alto quando ela percebeu que mais uma vez deitou em suas costas. A escuridão engoliu-a. Pânico apertou quando sentiu algo se movendo ao seu lado. A adrenalina subiu por suas veias. Ela pulou e bateu a cabeça com tanta força que sacudiu seu cérebro. Ela caiu de costas novamente. "Onde diabos você está?" A voz ecoou ao redor dela. Uma voz familiar. A voz de Della. "Mofo!" Luz de repente encheu a visão de Kylie. "O que você está fazendo aí embaixo?" Kylie engasgou, engoliu seu grito, e percebeu que ela estava no chão do quarto com um Socks tremendo rebocado para o lado dela. "Você é muito estranha maldição". Della, olhando meio chateada e meio dormindo, estava sobre Kylie segurando a cama em cima de sua cabeça. Sim, toda a cama de solteiro—estrutura e colchão. Segurando como se não fosse nada mais do que um pedaço leve de espuma.


Socks soltou um miado patético. Com medo de Della soltar a cama, Kylie pegou o pequeno gambá e se lançou aos seus pés. Seus joelhos balançaram, o gambá tremeu em seus braços. Ela olhou para baixo, rezando seria seu chão do quarto e não um túmulo. Sem túmulo. Sem garotas mortas. Sem Holiday morta. Kylie inalou. Por mais que ela quisesse empurrar a memória horrível de seu cérebro, ela não podia. Algo na visão poderia ajudá-la. Ajudá-la a descobrir então ela poderia impedir que isso acontecesse. Ajudá-la a salvar a vida de Holiday. "O que diabos está acontecendo?" Della perguntou novamente. "Ou eu não gostaria de saber?" "Sinto muito. Sonho ruim." A voz de Kylie tremeu. Della soltou a cama. Ela caiu e bateu ruidosamente no chão. "Existe um fantasma aqui?" Della olhou ao redor, obviamente não acreditando na ruim desculpa de sonho de Kylie. Kylie levou um segundo para sentir a temperatura. "Não", ela disse honestamente. Della estudou, sua expressão amolecendo. "Você está bem?" Kylie acenou com a cabeça e observou o retorno da carranca de Della. "E você não vai explicar isso?" perguntou Della. Kylie balançou a cabeça. Della realmente não ia querer saber. "Então, boa noite!" A pequena vampira disparou para fora do quarto, deixando-a mais rápido do que veio. Kylie inspirou. Expirou. Tentou acalmar o coração disparado. Ela tentou ver o lado positivo—o lado bom de estar em uma sepultura com três corpos em decomposição. Não era uma tarefa fácil. No entanto, pelo menos tinha algo para seguir. Mas iria ajudá-la? Oh, Deus, isso tinha que ajuda-la, não é? Ela puxou Socks mais perto, oferecendo conforto e tentando levar conforto na realização de algo tão assustador para ambos. Isso poderia ter funcionado se o forte golpe em sua janela não tivesse seu coração batendo contra sua caixa torácica. Kylie saltou nitidamente através do quarto. Outro grito subiu em seu peito, mas antes que ela o liberasse, viu Miranda espiando, a palma da mão pressionada contra o vidro. "Você vem?", Ela gritou. "Nós vamos perder a primeira luz." O frio encheu a sala. E assim fez o espírito. Kylie olhou para o fantasma que parecia exatamente como Holiday. "Eu sinto muito. Ela não deveria ter feito isso." Kylie tentou não imaginar Holiday, ou Deus a ajudasse, a sósia de Holiday, como ela tinha aparecido na sepultura. "Está tudo bem", disse Kylie, e ela quis


dizer isso. Ela poderia fazer isso. Se sair com pessoas mortas pouparia Holiday, ela o faria. Diabos, ela dançaria com os mortos se isso significasse salvar Holiday. "Eu preciso saber as coisas", disse Kylie. "Você precisa me mostrar as coisas para que eu possa descobrir como ajudá-la." "Mostrar o quê?", Perguntou Miranda. Kylie ignorou Miranda. O espírito sacudiu a cabeça. "Eu te disse, eu não acho que eu sou a única que você tem que ajudar." E não era que, exatamente como Holiday, Kylie pensou, também era teimoso para aceitar ajuda. Mesmo em forma de fantasma. "A única ajuda que eu preciso é você trazer Socks", Miranda chamou da janela novamente. "Você deveria ir", disse Holiday. "Esse pequeno companheiro gostaria de ser um gato de novo." Kylie olhou para Miranda e depois de volta para o espírito. "Como você sabe o que ele quer?" "É um dos meus dons, eu posso me comunicar com os animais." "Não, você não pode", disse Kylie. Ou Holiday não poderia se comunicar com os animais. Será que seres sobrenaturais que passavam alteravam os seus dons? Kylie não pensava assim. Isso significava que não era Holiday? E em caso afirmativo, quem era ela? "Tudo bem, você quer que ele fique um gambá", Miranda disse em sua voz irada. Socks escolheu esse momento para colocar a pata sobre os olhos e Kylie gemeu. *** Alguns minutos mais tarde, Kylie saiu atrás da cabine com Socks apertado em seu peito. Ainda estava escuro e silencioso, como se o mundo não tivesse acordado ainda. Ao contrário dela, o mundo não era acordado por bruxas ou visões de pessoas mortas. O ar se manteve frio de manhã cedo, um dos primeiros sinais de que o verão tinha desgastado a sua recepção e o outono esperava perto de preencher os seus sapatos. Quando ela deu mais um passo, ela sentiu. O chamado. Seu olhar saltou para a borda da floresta. Seu coração disparou e a tentação de se aproximar sussurrou seu nome como um velho amigo. Kylie deu um passo, quase respondendo ao anseio inexplicável, mas a voz de Miranda a puxou de volta. "Por que você demorou tanto?"


"Eu tive que tirá-lo de debaixo da cama", disse Kylie, não com vontade de fazer isso, mas lembrou-se da insegurança na voz de Miranda, quando tinha falado antes sobre as outras bruxas, dando-lhe um tempo difícil sobre a brincadeira. Desde que a primeira luz da manhã durasse apenas alguns minutos, seria um pequeno preço a pagar pela felicidade de Miranda. Então Kylie iria sentar e relembrar o que tinha obtido com o sonho. Algo nisso tinha de ajudá-la a fazer sentido das visões. Miranda, segurando sua pequena bolsa preta de ervas mágicas, levou Kylie de volta para trás. "Eu não tenho maltratado ele. Eu não tenho ideia por que ele não gosta de mim." "Eu sei." Mas depois de um mês de Miranda seguindo o gambá por aí tentando magias diferentes, Socks havia ficado desconfiado dela. Kylie teria ficado desconfiada dela, também. Miranda olhou para o céu do leste e viu a luz. "Está na hora." Ela fez uma pequena dança feliz. "Coloque-o para baixo." Kylie deu ao pelo preto-e-branco de Socks um golpe suave. Tão louco como parecia, ela perderia seu lado gambá. Saboreando vê-lo em forma de gambá, uma última vez, ela o colocou para baixo e recuou, dando espaço para Miranda trabalhar a sua magia. Claro, Socks começou a segui-la, não querendo ficar para trás. "Fique", Kylie disse, e fez sinal para Miranda para começar. Miranda começou a cantar. Algo sobre a luz e seu verdadeiro eu. Socks começou a avançar novamente. Miranda acenou para Kylie pegá-lo. Kylie falou suavemente para o gambá e ele parou de se mover. Então, chegando a sua bolsa, Miranda tirou uma pitada de uma estranha substância parecida a uma erva. Ela jogou-o no ar sobre Socks; alguns pedaços estouraram e chiaram como eles choveram em torno dele. Kylie prendeu a respiração, esperando para ver o seu amado animal de estimação se transformar em um felino. Mas não tinha. O pequeno animal com uma listra branca nas costas permaneceu em sua forma de gambá. Miranda fez uma careta para o céu e começou a cantar novamente. Ela jogou mais ervas no ar. Desta vez, Socks se levantou sobre as patas curtas gambá e golpeou suas patas minúsculas nos brilhos. No entanto, mesmo depois de todo o cheiro de ervas torradas, ele permaneceu o mesmo gambá preto-e-branco. Miranda olhou para o céu como se desesperada e começou outro canto. Ela ergueu sua pequena bolsa preta sobre sua cabeça e apenas balançou-a no animal. Socks viu a corda pendurado na bolsa e saltou no ar para apanhá-la.


Quando Miranda puxou-o para trás, Socks começou a sair. "Pare!" A frustração de Miranda soou alta e extremamente clara. Kylie ajoelhou-se e acenou para o rapaz de volta. Seus olhos negros redondos olharam para Kylie em confusão. Empatia por seu animal de estimação encheu seu peito. Miranda começou a cantar novamente. Socks tentou fugir novamente. Miranda insistiu que Kylie o impedisse de novo. Isso continuou por mais alguns minutos até que Kylie ergueu a mão. "Isso não vai funcionar." "Tem que funcionar", disse Miranda. "Eu só tenho mais alguns minutos do primeiro sol. Apenas o mantenha lá." Como se Socks entendesse, ele correu por entre as pernas de Miranda. "Não", disse Miranda. Kylie pegou o animal confuso. "Eu acho que ele teve o suficiente," ela ofereceu em sua voz mais simpática. "Mas ele ainda é um gambá. Coloque-o no chão. Eu posso fazer isso. Tenho que fazer. "Kylie entendia a necessidade de Miranda para provar a si mesma, mas..." Você não pode tentar novamente amanhã?" "Mais um canto. Muito rápido, por favor? Tudo o que ele tem a fazer é ficar lá." Cedendo, Kylie colocou Socks no chão e Miranda voltou a recitar algum feitiço de fantasia. Quando Miranda parou e Socks ainda era um gambá, Kylie deu a Miranda um olhar de condolências. "Está tudo bem. Vamos tentar outra vez", Kylie disse, começando a perder a paciência. "Espere. Eu me esqueci de abençoar a luz e do vento." Miranda fez uma pausa, como se recordando as palavras. Kylie estendeu a mão, mindinho primeiro, e murmurou: "Por que você não pode apenas acenar com seu dedo mindinho para ele e dizer: 'Volte a ser um gato?" Os pedaços de ervas deixadas no chão subiram no ar. Eles estalaram e apareceram ao redor do pequeno gambá e então começaram a girar em torno dele como um pequeno tornado. Socks levantou-se sobre as patas traseiras e golpeou os pedaços de erva. E então, como mágica — bem, foi mágica — Socks o gambá desapareceu e Socks o felino apareceu. Miranda ficou boquiaberta com Kylie. "Como você fez isso?" O olhar de Kylie atirou de volta para seu gatinho, ainda batendo nas ervas brilhantes flutuando em torno dele. "Eu não fiz isso!" Ela olhou para Miranda.


"Oh, meu gawd!" Miranda gritou. Alguém passou por elas em um borrão. "Que diabos é isso agora?" Della parou aos solavancos por Miranda. "Ela é uma bruxa". Miranda apontou para Kylie. "Você é uma bruxa." Kylie balançou a cabeça. Ela era um camaleão. "Eu não fiz isso. Foi você. Apenas... uma reação retardada." "Não. Você é uma bruxa. Agora mesmo, você é uma bruxa." Della revirou os olhos. "Que diabos?" "Eu estou dizendo a você, eu não fiz isso", Kylie insistiu. E ela não tinha. Ela tinha? Della olhou para Kylie. "Mofo!", Disse Della. Miranda deu um tapa na testa um par de vezes. "O padrão diz que você é uma bruxa." "O que há de errado?" Uma voz profunda veio de trás de Kylie. Kylie virou. Derek, olhando despenteado, como se ele tivesse saído da cama com pressa, veio correndo. "Ela é uma bruxa", Miranda gritou. "Não", disse Kylie. Girando em volta, ela olhou para Socks, ainda em forma de felino. Seu pai disse que ela era um camaleão. Seu pai saberia, né? Claro, ela não queria ser um lagarto no início, mas ela aceitou. Além disso, por que seu pai mentiria? Do canto de sua visão, ela viu Derek se mover à sua frente. Sua testa comprimida. "Não é verdade, não é?" Kylie esperou por Derek negá-lo. Dúvida a encheu. Daniel tinha mentido? Tinha sua avó sido apenas confusa quando ela disse ao pai de Kylie que eles eram camaleões? Mas por que Burnett tinha ouvido falar de camaleões se eles não existissem? Por que a vida tem que ser tão difícil? "Diga-me já!" Kylie insistiu. "Eu sou uma bruxa?"

Capítulo Onze Derek acenou com a cabeça. "É verdade. Seu padrão diz que você é uma bruxa."


Miranda cruzou os braços contra o peito. "Você não quer ser uma bruxa?" Ela parecia ofendida. "É claro que ela não quer ser bruxa," Della murmurou, ainda parecendo com raiva de ser acordada. "É chato como o inferno. Você não faz nada além de jogar as ervas por aí e a única maneira que você pode voar é em uma vassoura." "Não é chato! E eu não voo em uma vassoura! Eu juro, uma bruxa fez isso e agora todos nós estamos estereotipadas." Os olhos de Miranda apertaram com raiva. "Admita", disse Della. "Se você tivesse o poder de mudar a si mesma, você seria um vampiro." Miranda veementemente negou com a cabeça. "Quem quer ser uma cadela, fria sugadora de sangue com presas!" Kylie olhou para as duas verbalmente brigando, lançando insultos tão rápido que ela não podia nem mesmo acompanhar. Então, muito confusa para intervir, ela agarrou Socks, antes que ele se perdesse na floresta. Seu olhar voltou para as árvores. Os bosques ainda a chamavam. O que diabos estava acontecendo? Sua mente girava enquanto se dirigia para a cabine. Derek caiu no passo ao lado dela. Sua camisa, deixada desabotoada, se abria, expondo seu abdômen duro. Não que ela realmente notasse. Ok, então ela percebeu, mas isso não quer dizer nada. Só que ela era uma mulher e mulheres achavam caras sem camisa atraentes. "Você está se sentindo confusa", afirmou Derek. "Sim." Ela não abrandou. Ela não podia. Ela estava muito irritada por ela o achar tão atraente. Muito irritada com a floresta maldita chamando-a como um velho amigo para sair e jogar. Ela não tinha nenhum velho amigo. Não é qualquer um que aparece na floresta. "Você está se sentindo traída", disse ele. "Sim. Bem, mais ou menos." Ela continuou até a cabine e aconchegou seu gatinho em seu peito. Seu coração doía e o início de lágrimas brotou de seus olhos. "E você está com medo." "Três de três", disse ela. No entanto, tudo o que ela sentia agora era... "Frustrada". Derek terminou seu pensamento por ela. Ela parou e olhou-o mortalmente nos olhos. "Você não tem que me dizer o que eu sinto. Eu sei o que eu estou sentindo."


"E você está em um humor irritado", acrescentou com um sorriso. Quando ela não respondeu na mesma moeda, seu humor desapareceu. "Sinto muito. Eu só estou... eu quero entender." "Você sabe o que estou sentindo, o que mais você precisa para entender?" Ela invadiu os degraus da varanda com Socks enfiado debaixo de um braço e abriu a porta com tanta força que fez um som de batida alto quando ela bateu na parede. Socks vacilou. Derek a seguiu para dentro. "Conheço as suas emoções, mas eu só posso adivinhar as razões para elas." Ela caiu no sofá e segurou Socks no colo. "Olha, eu estou em um humor muito ruim agora, e eu sugiro que você possa querer sair." Derek caiu ao lado dela. Ele ignorou o que ela disse e continuou: "Por exemplo, eu sei que você está com medo, mas do que você tem medo? Você está frustrada porque você é uma bruxa, ou porque suas duas melhores amigas não podem parar de morder as cabeças uma da outra? E por quem você está se sentindo traída agora? Sou eu? É sobre..." "Não", ela disse antes que ele mencionasse Ellie e Kylie tivesse que lidar com essas emoções também. "Não é você." Ou talvez fosse um pouco, pensou, lembrando-se do comentário de Miranda sobre a forma como ela falava sobre Derek o tempo todo. "É sobre Lucas?", Ele perguntou. "Você pode me dizer se for. Eu quero te ajudar e se isso significa ouvir os seus problemas com ele, eu vou fazer isso." Ela puxou Socks mais perto. "Não é Lucas." Mas então ela se lembrou de seu encontro ontem à noite, quando Lucas tinha admitido guardar segredos dela. Uma longa pausa encheu a sala. Derek inclinou-se, tocou o ombro dela, e suas habilidades de cura emocional fluíram sobre ela como uma bem-vinda lufada de ar fresco. Kylie não tinha nenhuma dúvida de que o toque foi de propósito, que ele tinha feito para ajudá-la. Ela olhou para Socks, então para Derek, tentando abrandar a sobrecarga emocional. Tentando não ser uma cadela. "Diga-me do que você tem medo. Eu quero ajudar." Ele olhou para sua testa. "Será que ser uma bruxa te assusta?" "Eu não sou uma bruxa", disse ela antes que ela pudesse parar a si mesma. Mesmo com sua calma quente fluindo, ela sentia suas frustrações se construindo. Então, ela se lembrou da transformação mágica de Socks. Teria ela feito isso? "Pelo menos, eu não acho que eu sou. Não é que eu não quero ser uma bruxa, é... Por que meu pai me diria que eu era um camaleão se não era verdade? Eu não acho que a minha avó faria isso. E por que Burnett já ouviu falar sobre a espécie, se não existisse?"


"Burnett ouviu falar sobre isso?", perguntou Derek. Ela assentiu com a cabeça. "Não há nada de concreto, somente leu isto em alguns dos relatórios." Ela tocou a testa. O que tudo isso significa? "O meu padrão está realmente mostrando que eu sou uma bruxa?" Ele balançou a cabeça, como se tivesse medo de decepcioná-la, então, perguntou: "O que está acontecendo? Eu acordei esta manhã, depois de um terrível pesadelo. Eu não conseguia me lembrar, mas o ponto era que você estava em apuros. Quando eu estava alerta o suficiente, eu percebi que talvez você realmente estivesse com problemas e eu só sonhei o que estava lendo de você. Então eu senti todas essas outras emoções de você. Isso é sobre o fantasma? O fantasma de Holiday?" A visão que ela tinha brilhou em sua cabeça como um clipe de filme ruim. Ela fechou os olhos, tentando desligá-la, e buscando o que dizer a Derek. Dizer a ele, ou não dizer a ele? "Eu tive uma visão," ela disse finalmente, a necessidade de confiar em alguém — a necessidade de filtrar tudo o que ela aprendeu com a visão. "Havia três corpos em um túmulo." "Três? Então, é como um serial killer?" Socks passou de seu colo e enfiou o rosto na curva de seu braço, quase como se ele entendesse o que Derek tinha dito. Kylie passou a mão por seu pelo felino preto e macio. Felino. Teria ela feito isso? Teria ela o mudado de volta? "Eu acho que sim." Kylie mordeu o lábio e empurrou essas perguntas longe para se concentrar em algo mais importante. "Holiday, ou aquele que parece Holiday, era um deles." Ela lembrou todas as coisas que seu intestino insistia que poderia ser importante. "Eles estavam enterrados abaixo de algum tipo de cabine velha." Seu peito apertou. "Ver Holiday assim foi... difícil." "Eu posso imaginar", disse Derek. "Não me disse que as visões eram como quebra-cabeças para ajudá-la a descobrir as coisas?" Ela assentiu com a cabeça. "Mas não foi quem parecia Holiday que me trouxe para a visão. Foi uma das outras garotas. Eu acho que ela quer ser encontrado, para que elas possam sair do túmulo improvisado. Então, eu ainda não tenho certeza se a visão vai me ajudar. Ou talvez seja possível. Eu não sei." Seu peito apertou. "Por que eles não podem me dizer o que eles precisam?" "Talvez se você me contar sobre isso, eu posso ajudar a descobrir." Ela olhou para Derek. "Como?" "Eu trabalhei para um PI. Eu meio que sei como cavar as coisas. Eu sou bom nisso."


Kylie arranhou Socks sob seu queixo de gato enquanto tentava pensar em qualquer coisa que pudesse ajudá-los a compreender a visão. "Uma das meninas usava um uniforme de garçonete. Como de uma lanchonete ou algo assim. Por alguma razão, o uniforme parecia familiar. E ela tinha uma etiqueta com o nome em que dizia: 'Cara M.' Os outros ainda chamavam Cara M., não apenas Cara, como se eles realmente não a conhecessem, mas chamavam disso por causa de seu crachá." "Isso é bom", disse Derek. "Talvez você deva fazer uma lista de todos os restaurantes dinerlike que você esteve recentemente. Vou on-line e ver se consigo encontrar o que seu uniforme parece." Como a mente de Kylie tentou agarrar-se a quaisquer outros detalhes que pudessem ajudar, ela lembrou a visita do espírito antes que ela tivesse ido lá fora para levar Socks a Miranda. "O que está confundindo você?", Perguntou ele, sentindo suas emoções. Kylie assistiu seu gatinho—ainda achando difícil acreditar que ele não era mais um gambá—saltar para baixo do sofá. "O espírito me disse que Socks queria ser mudado novamente em um gato. Quando perguntei como ela sabia disso, ela disse que podia se comunicar com os animais." "Holiday não pode ler os animais." Os olhos de Derek se arregalaram. "Espere. Ela não pode, mas ela sabe que alguém... alguém próximo a ela, que é completamente fada e realmente tinha um pouco da capacidade de fazer isso." "Você tem certeza?", Perguntou Kylie. "Ela me disse durante uma de nossas sessões de aconselhamento." "Ela disse quem era?" "Não, mas... Eu tenho a sensação de que era alguém próximo. Eu também tenho a sensação de que era alguém que iria machucá-la, porque eu senti suas emoções quando ela falava sobre ela. E então ela mudou de assunto." Kylie assentiu. Holiday era boa em mudar de assunto quando se tratava de algo pessoal. "Então, se essa pessoa foi próxima a Holiday, seria compreensível que ela iria assumir a aparência de Holiday como um fantasma." Kylie mastigou o que pensou por um momento, sentindo algum alívio. E deu-lhe a primeira esperança real de que Holiday não estava em perigo. Kylie suspirou. O sol da manhã deve ter subido mais alto, porque ela viu quando os primeiros raios dourados derramaram pela janela e lançam sombras no chão de madeira. "Então, como vamos descobrir quem é essa pessoa?"


"Eu posso levá-la novamente em nossa próxima sessão de aconselhamento com Holiday. É esta tarde. Como eu disse, ela não queria falar sobre isso, mas talvez eu possa esgueirar isso na conversa." As palavras de Derek puxaram Kylie longe do problema na mão. "Você tem sessões de aconselhamento com Holiday?" Ele franziu a testa. "Não aconselhamento do tipo minha-cabeça-está-confusa. Nós só conversamos... como vocês fazem." "Eu não quis dizer que era uma coisa ruim. Eu só não sabia que você se encontrava com ela regularmente." "Eu tenho desde que cheguei aqui." "Eu sabia que você tinha no começo, mas eu não achava que você ainda fazia". "Eu não fiz por um tempo. Mas desde que eu estive de volta... eu a vejo agora." Antes de Kylie pudesse deter-se, a questão saiu. "Você fala sobre mim?" "Um pouco", admitiu ele, parecendo culpado. Ela quase pediu detalhes, mas o senso ganhou. Ela não precisava saber. Especialmente se fosse sobre seus sentimentos por ela. A menos que ela ouvisse, ou mesmo pensasse, sobre sua confissão de amor, o melhor para ela seria isso. Seu olhar, como se ele tivesse uma mente própria, baixou novamente para seu peito nu. Repreendendo a si mesma, ela pulou para fora do sofá. "Eu acho que eu vou falar com Holiday agora sobre todo este assunto de bruxa." "Você vai mencionar a visão?" Ela considerou a questão, mas seu coração disse que não. A mensagem veio com tanta certeza de que ela se perguntou se ela não estava recebendo alguns conselhos divinos. "Ainda não. Se eu não conseguir nada em um dia mais ou menos, eu acho que eu devo." Ele acenou com a cabeça. "Eu vou ficar ocupado mais tarde tentando descobrir o que puder." Ele se levantou. "Vamos lá." O sol derramando pela janela atingiu seu peito, fazendo com que sua pele nua parecesse ainda mais dourada. "Tudo bem", ela gaguejou. "Você não tem que... vir junto". Decepção brilhou em seus olhos verdes. "Sim, eu tenho. Eu sou a sua sombra até depois do almoço." Oh, ótimo. Seu olhar caiu para a sua camisa aberta novamente. Ela ia ter que olhar, ou tentar não olhar, em seu peito durante toda a manhã? "Então, pelo menos abotoe sua camisa." As palavras saíram antes que ela percebesse como isso soou.


A decepção em seus olhos desapareceu e um brilho sexy tomou seu lugar. O brilho trouxe as manchas de ouro em suas íris, que ela costumava admirar tanto. "Por quê?", Ele perguntou. "Isso te incomoda?" Ela olhou para ele. "Não faça isso." Então, para torná-la ainda mais claro, ela levantou seu dedo mindinho para ele. "Eu poderia ter poderes que você não quer mexer. E já que eu não sei como usá-los, eu poderia realmente bagunçar uma pessoa com isso. Por acidente, é claro." Ele ergueu as mãos em completa submissão. "Eu não vou fazer. Eu juro." Mas o sorriso sexy nos lábios permaneceu como ele começou a abotoar a camisa. Pirando muito, Kylie pensou. Ele provavelmente tinha lido suas emoções e assumiu que ela ainda o achava atraente. O que ela fez, mas não da maneira como ele pensava. Ok, isso foi na maneira como ele pensava, mas isso não queria dizer nada. Ou pelo menos ela tentou dizer isso a si mesma quando ela partiu para a porta da frente. Derek seguiu logo atrás dela. Quando passaram suas duas companheiras de quarto continuavam jogando ameaças para a outra, Kylie nem sequer olhou para trás. Se fossem realmente rasgar partes uma da outra fora do corpo, elas teriam feito isso até agora. Certo? *** "Não entre em pânico," Holiday disse depois que Kylie entrou, apontou para a testa, e explicou que ela poderia ter retirado um pouco de abracadabra e transformado Socks de volta em um gatinho. "Entrar em pânico nunca é bom." Mas ela não conseguia parar de olhar para o padrão de Kylie. Podia não ser bom, mas Kylie podia ver o pânico nos olhos de Holiday. Bem, talvez não fosse tanto pânico como era pura perplexidade. Sem dúvida, Kylie compartilhava a mesma expressão. Apesar de a sua ser provavelmente de pânico. E não é tudo porque ela se transformou em uma bruxa. Foi mais sobre ver Holiday, e as imagens da visão de que estavam surgindo como flashs de memória em sua mente. A visão que Kylie ainda sentia que ela não precisava partilhar com a líder do acampamento. "Tudo bem, exatamente o que aconteceu?", perguntou Holiday. "Só o que eu disse." Kylie se sentou na cadeira em frente à mesa. "Miranda estava tentando mudá-lo de volta com todas essas magias extravagantes, mas não tendo nenhuma sorte. Eu estava preocupada com Socks, ele não queria estar lá. Então eu apontei meu dedo mindinho para ele e deixei escapar algo


como: ‘Por que você não pode simplesmente dizer, mude de volta para um gatinho. ’ E isso aconteceu." Holiday assentiu e continuou a olhar para o padrão de Kylie, como se esperando que ele mudasse. "Eu sou realmente uma bruxa?" A testa da fae enrugou. "Sim. Mas... ontem você era um ser humano e, antes disso você era... um padrão que ninguém poderia reconhecer." "Então você acha que ele vai embora?" Holiday parecia se desculparam antes mesmo que ela falasse. "Eu não sei com certeza, mas... mais do que provavelmente, você é uma bruxa. Quero dizer, se você realmente tem poderes." "Mas os poderes poderiam ir embora também." Kylie suspirou. "Mas... se você tem poderes, então você obviamente tem DNA de bruxa. Ao contrário de um padrão, o DNA é muito permanente," Holiday disse, mas ela não parecia segura de nada. "Então, novamente, as bruxas não têm velocidade a maneira que você tem quando você corre, ou sensibilidade auditiva. A maioria não tem o tipo de dons de cura que você tem, também. E muito poucas delas têm sonhos de fuga." Agora Holiday estava pensando em voz alta, mais do que falando para Kylie. "É claro que tudo isso poderia ser relacionado a você ser uma protetora. Ou pode ser por causa da mistura híbrida. Algumas combinações híbridas têm—" "Que tal sussurros de fantasmas? As bruxas não têm isso? ", perguntou Kylie. "Algumas têm, mas não todas." Holiday tocou-lhe o queixo, como se estivesse completamente perplexa. "Mas o que é realmente estranho é que você está parecendo ser uma bruxa cem por cento agora. Mas eu acho que você ser um protetor poderia talvez... afetar isso." Ela caiu para trás em sua cadeira, como se perplexa. "Você já tentou ver se você pode fazer mais alguma coisa?" "Fazer o quê?", Perguntou Kylie. "Mágica?" "Não", disse Kylie. "E se eu estragar alguma coisa? Como Miranda faz. Eu poderia transformar alguém em um canguru ou até mesmo algo pior." "Eu duvido que você faça isso. Por que você não apenas tenta mover alguma coisa?" Holiday empurrou um peso de papel de couro, em forma de coração, cheio de areia até a borda da sua mesa. "Eu não sei." Kylie mordeu o lábio. "É totalmente estranho."


"Não é verdade. Basta tentar." Ela fez uma cara engraçada. "E estar preparada para abaixar, se for preciso." "Oh, isso me faz sentir muito melhor", disse Kylie. Holiday sorriu. "Experimente". Kylie tomou uma respiração profunda. Então, apontando seu dedo mindinho no coração vermelho, ela disse, "Mova-se". Nada aconteceu. Kylie exalou e sorriu. "Vê, eu não sou uma bruxa." Então, o peso de papel começou a balançar... Ou bater. Pelo menos é o que parecia que estava fazendo. Batendo, bombeando, como se fosse um coração real. "Merda!" Kylie disse, e ou houve um eco na sala ou Holiday falou a mesma palavra. "Será que eu o fiz viver?" Holiday não respondeu, ela estava muito ocupada assistindo o coração palpitante. Então a coisa flutuou para cima e disparou pela sala. "Pato!" Holiday gritou. Kylie caiu no chão, assim como o peso de papel passou zunindo. Infelizmente, Burnett entrou na sala. O coração foi direto para ele.

Capítulo Doze O peso de papel de coração bateu-lhe no peito. Chocado, ele tentou pegá-lo, mas errou. Ele ricocheteou em sua grande parte superior masculina do corpo, e passou zunindo fora. Ele parou no meio da sala, pairava no ar como algo cheio de hélio e, em seguida, ele disparou para frente, investindo novamente para Burnett. E como da primeira vez, não errou. Mas esse golpe foi muito... Muito pior. Direito na virilha. Ou, como diria Della, seus "meninos" tiveram um impacto direto. "Que diabos!", ele rosnou. Ele dobrou de dor. O coração voltou, e ele arrancou a cobertura de couro, areia do peso de papel encheu o ar, e apertou-a até que ela explodiu. Infelizmente, quando a areia explodida saiu de seu punho apertado, se reagrupou sob a forma de um coração e conseguiu pairar no ar.


"Miranda está aqui?" Burnett rosnou, ainda dobrado. Kylie, percebendo que a bruxa ferrada que ele buscava era ela, levantou a mão e disse: "Pare." Quando nada aconteceu, ela se lembrou de estender seu dedo mindinho. "Pare!" A areia caiu no chão e espalhou como... Bem, como areia. Holiday sentou-se em sua cadeira, olhando atordoada demais para falar. Burnett, com o punho ainda pressionou em sua coxa, levantou-se para sua altura. "Droga!" Holiday murmurou finalmente. "Droga!" Burnett ecoou. Kylie olhou de uma Holiday chocada ao vampiro machucado. Kylie pensou que sua explosão foi devido à dor, mas não tinha. Ele olhou para sua testa. "Interessante", disse Holiday. "Estranho", Burnett seguiu, sem tirar os olhos da testa de Kylie. "Simplesmente adorável!" Murmurou Kylie. Suas expressões estupefatas eram um prenúncio do que estava por vir no café da manhã. Deixe isso para quando Kylie for a aberração no show de entretenimento das refeições. "Você é uma bruxa", disse Burnett em descrença. "Parece assim," Holiday concordou. "Não. Eu sou um camaleão." E cada vez que Kylie dizia isso, ela acreditava um pouco mais. Não importava que ela pudesse reverter feitiços e transformar animais de volta em sua forma normal, ou que ela tinha enviado um coração voando pela sala e acertado um vampiro. Seu pai disse que ela era um camaleão e ela acreditava nele. "Talvez camaleão signifique outra coisa", disse Holiday. "Talvez tenha algo a ver com você ser um protetor. Por isso, todos os outros dons podem ser devido a isso também." O telefone da líder do acampamento tocou. Como se precisando de uma distração, ela olhou para o identificador de chamadas. Levantando o olhar dela, ela encontrou o olhar de Kylie com empatia. "E agora?" Kylie gritou. "É... Tom Galen, seu padrasto." Simplesmente adorável, Kylie pensou. Uma chamada tão cedo não poderia ser sobre qualquer coisa boa. Então, que novo desastre ele deseja adicionar à mistura? "Está tudo bem?" Derek disparou no interior da porta do escritório. "Eu ouvi um barulho", ele murmurou. "Não", Kylie disse pouco antes de Holiday atender a chamada. "Neste momento em particular, eu não consigo pensar em uma única coisa que está tudo bem."


*** Depois do café da manhã, Kylie e Miranda saíram do refeitório para voltar para a cabine. Della tinha algum tipo de reunião com Burnett. Kylie pedira para sair do Meet Your Campmate nessa hora devido ao seu sugante início de dia. Além disso, ela deveria ir até a cachoeira com Holiday e Burnett assim que Burnett conversasse com Della. "Eles gostam de você. Eles estão apenas surpresos", Miranda disse, desculpando-se por todo o grupo de bruxas, que tinham feito nada além de ficar boquiabertos com a testa de Kylie durante o café da manhã. "Quero dizer, todos nós pensamos que era vampiro ou lobisomem. Algumas pessoas tinham apostas de você ser um metamorfo, mas nenhum de nós nunca pensou que iria passar a ser uma de nós." "Você levou a sério apostas sobre o que eu era?", perguntou Kylie. "Um casal de bruxos que começou." Ela fez uma careta. "Sinto muito. Se isso faz você se sentir melhor, eu perdi cinco dólares." Kylie balançou a cabeça em descrença. Não que foi apenas as garotas ou garotos Wiccan reagindo. Toda a multidão de Shadow Falls do café da manhã ignorou seus ovos e bacon crus e só tinha olhos para o recém-surgido padrão cerebral de bruxa de Kylie. Ou eles tinham até Della, abençoe seu coração frio, tentar ajudar. A vampira tinha saltado no ar uns bons cinco metros, pousando com um grande baque em cima da mesa — seu tênis preto pousando metade dentro e metade fora das bandejas de comida de vários campistas. Em seguida, com preocupação por Kylie, Della anunciou que Kylie tinha acabado de sussurrar uma maldição e qualquer um boquiaberto com sua testa seria transformado em um ganso flatulento. Foi, naturalmente, uma mentira deslavada. Desde Kylie tinha enviado o peso de papel de coração zunindo em torno da sala, ela estava super-consciente sobre não mover seu dedo mindinho. Não é uma tarefa fácil nem ao tentar descascar ovos. No entanto, seus dois dedos mindinhos estavam no dando um tempo até Kylie descobrir a coisa de bruxa. Kylie parou na frente do escritório e debateu entrar e perguntar a Holiday, se ela já tinha entrado em contato com seu padrasto. Os dois estavam brincando no telefone. Kylie também queria verificar e ver se Burnett tinha ouvido falar de Malcolm Summers, seu verdadeiro avô. Ele disse a Burnett que estaria aqui amanhã, mas quais eram as chances de isso acontecer agora, quando ele teve seu telefone desligado e sumiu da face da terra? Kylie suspeitava que fosse por causa do laço de Burnett com a FRU. Então, novamente, talvez ele simplesmente não se importasse com ela. Não era como se ele tivesse mesmo conhecido seu próprio filho, seu pai.


Esse pensamento picou até que ela percebeu que não fazia sentido. Se fosse verdade, por que ele e sua tia vieram ao acampamento fingindo serem pais adotivos de seu pai? O fato de que eles vieram disfarçados de seres humanos reforçou que não confiam em alguém em Shadow Falls. E esse alguém tinha que ser Burnett por causa de suas ligações com a FRU. "Não basta você amar Della?", perguntou Miranda. "Ela é um pé no saco, mas quando se trata de nos proteger, ela pisa até em pratos, ou nos pratos." Ela riu. "Aposto que ela pisou em cerca de seis pratos de café da manhã." "Eu sei. Ela é ótima." Mesmo que o tiro tenha saído pela culatra. "Quero dizer, realmente? Um ganso flatulento? Onde é que ela conseguiu essas ideias?" "Eu não sei", Kylie murmurou. Francamente, ela não estava ainda completamente certa do que significava flatulento. No entanto, se sentindo sobrecarregada, ela decidiu listá-lo como uma experiência de aprendizagem. Não só ela tinha uma definição de palavra para procurar, mas ela aprendeu outra lição importante — que ser olhada não era pior do que quando as pessoas se recusam a olhar para você. Não, nem uma pessoa por acaso ainda lhe deu uma espiada após o aviso do Della. Flatulento devia ser muito ruim. "Isto ainda é tão legal. Você é uma bruxa como eu!" Miranda esfregou as mãos de alegria completa. Kylie desejou que ela compartilhasse o otimismo de Miranda. "Eu ainda não acredito nisso. Eu não me importo que mesmo Holiday meio acredite nisso," Kylie disse, e depois acrescentou:" Você sabe que poderia mudar, certo? Eu era humana e, agora, eu não sou." E o pai dela disse que ela era um camaleão. Ela acreditava nele. "Mas esta é a primeira vez que você mostrou um padrão sobrenatural real, então provavelmente é real." A bruxinha fez uma dança da vitória balançando a bunda. "Você não está sobre-a-lua de animada?" Pelo amor de Miranda, Kylie estampou um sorriso no rosto, mas o comentário sobre-a-lua se repetiu em sua cabeça, lembrando-a de um certo lobisomem. "Eu me pergunto por que Lucas não estava no café da manhã", disse ela em voz alta. Não que ela estivesse tão ansiosa para contar-lhe a novidade. "Eu não sei", disse Miranda, ainda usando seu sorriso de anúncio de creme dental. Então, seu sorriso desapareceu. "Você está preocupada que ele vai ficar desapontado porque você não é?" "Não", Kylie disse, não tendo certeza se foi uma fora-e-fora mentira. (?) Ela não estava preocupada que ele ficaria desapontado, ela estava preocupada que ele


ficaria arrasado. Suas cordas do coração deram-lhe um pequeno puxão emocional e um nó apertado na garganta. "Existe alguma rivalidade lendária entre lobisomens e bruxas?", perguntou Kylie. "Nada que eu saiba", disse Miranda. "Quero dizer, lobisomens normalmente não gostam de qualquer raça além da sua própria. Mas eles não deixam de gostar de bruxas tão mal como fazem os vampiros." Kylie supôs que deveria ser grata que ela não tinha se transformado em um vampiro. Então, novamente, ela teve uma sensação de que nada que não fosse se transformar em um lobisomem iria fazê-la aceitável para a família e bando de Lucas. Poderia seu relacionamento sobreviver aos preconceitos? "Você quer ir para a cabine e experimentar algumas magias?" "Oh, não! Eu não quero bagunçar nada." "Você não vai", disse Miranda. "Eu estarei com você. Eu não vou deixar você bagunçar". Certo, como se você nunca bagunçasse. As palavras dispararam do cérebro de Kylie e pousaram na ponta da língua, mas ela conseguiu engoli-las. Só porque ela estava sofrendo não lhe dava o direito de ferir os outros. "Você só está nervosa. Você tem que confiar em mim." O sorriso brilhante de Miranda aumentou ainda mais. "Nós, as bruxas temos que ficar juntas." "Desculpe", disse Kylie. "Eu já consegui bater Burnett nas bolas com um peso de papel. Estou levando um dia de folga." "Sério? Você fez isso?" Miranda bufou com o riso, fazendo carranca ao grupo de lobisomens que passou andando. Kylie manchou Will e chamou. "Will?" O adolescente de cabelos escuros e olhos castanhos se virou e parecia irritado. Foi rude chamar um nome dele? Ou era a sua expressão, devido a razões mais pessoais? Iam todos os membros do bando de Lucas começar a tratar-lhe com frieza? "Sim?" Seu tom combinava com a sua expressão. Kylie se moveu alguns metros à distância de Miranda. Ficando na frente de Will, ela tentou não deixar seu descontentamento intimidá-la. "Lucas não estava no café da manhã. Eu queria saber se você sabe onde ele está." Will olhou para a floresta, como se estagnando. Enquanto Kylie não conseguia ler mentes, era quase como se ele estivesse tentando chegar a uma mentira. Por quê? "Tem alguma coisa errada?", ela perguntou.


Ele apontou os outros lobisomens para ir em frente. Então ele esperou por eles saírem da faixa de audição antes de falar. Isso tinha que significar que algo estava errado, não é? "Lucas foi convocado pelo Conselho", Will disse finalmente. "Isso é uma coisa ruim? Ele está em apuros?" "Eu... não sei. Isso é entre ele e ao Conselho." Preocupação picou a mente de Kylie. "Você sabe quando ele estará de volta?" "Não." Ele arrastou os pés contra o caminho rochoso, em seguida, olhou para fora para a floresta mais uma vez antes de enfrentar ela. "Sinto muito", ele acrescentou, e algo sobre o tom em que ele ofereceu o pedido de desculpas, mesmo a sinceridade em seus olhos, disse a Kylie que ele quis dizer isso — mas por quê? Por que ele estava se desculpando? "O que você não me contou?", Ela perguntou. "Por favor, diga-me." "Se você tiver dúvidas, você deve perguntar a Lucas, não a mim." "Então, alguma coisa está acontecendo?" Ela se aproximou, sentindo seu coração batendo contra as costelas. Sem aviso, o seu olhar deslocou-se para a floresta, e ela sentiu-o novamente. Como se as árvores estivessem chamando seu nome. Mas com o coração preso em sua preocupação com Lucas, ela se concentrou no problema em questão, e em Will. "É sobre mim?" O descontentamento de Will cresceu mais perceptível em sua expressão carrancuda. "Eu não sei. Eu tenho que ir." Ele se afastou. Ela o viu sair, em silêncio, e teve uma sensação incômoda de que algo estava se formando. Will desapareceu no caminho. O coração de Kylie permaneceu em Lucas, mas seu olhar mudou de volta para a floresta, onde as árvores agitavam lentamente na brisa suave. Era a sensação mais estranha, como estar com muita sede e vendo um copo de água. Este sentimento, o chamado, era ainda mais forte do que o chamado para a cachoeira. O que diabos estava acontecendo? Miranda limpou a garganta, e Kylie olhou para sua companheira de quarto. "Você está bem?", Perguntou Miranda, e aproximou-se. Kylie revirou os olhos. "Por que todos fazem essa pergunta quando é óbvio que eu não estou?" "Provavelmente pensando positivo", Miranda respondeu, batendo Kylie com o ombro, e sorrindo com simpatia. "Não se preocupe. Se Lucas gosta de você o suficiente, as coisas vão funcionar. Funcionou para Perry e eu."


Kylie inspirou. Então ela expirou. Ela começou a andar de novo, conscientemente, lutando contra a tentação de dar um salto voando na floresta — para descobrir quem era e por que eles queriam a sua atenção tão desesperadamente. Elas andaram mais cinco minutos sem falar. Kylie concentrada no som ritmado de seus próprios passos, que criou uma sensação de calma. Mas o grito, um grito de puro pânico, praticamente atirou essa calma toda para o inferno. Kylie parou tão rápido que ela quase tropeçou e agarrou o cotovelo de Miranda para se firmar. O som veio do mesmo lugar que sentia atraído — a floresta. No fundo da floresta. "O que foi?", Perguntou Miranda. Kylie olhou para ela. "Você não ouviu isso?" Miranda inclinou a cabeça. "Ouvi o quê?" Kylie pisou um pé ou dois mais perto do bosque e tentou identificar a voz do gritador. O som estridente disse a Kylie que era do sexo feminino, mas não havia notas de familiaridade com ela. Nenhuma. Isso não importa. Ela o sentiu — o assobio familiar, o zumbido indicador em seu sangue que acontecia quando ela se mudava para o modo de proteção. Sua respiração ficou presa na garganta, tudo dentro dela disse que alguém precisava dela. Ela não tinha escolha a não ser responder o grito de ajuda. Ela fugiu para a floresta. "Kylie" Miranda gritou. "Não corra!" Logo antes de Kylie entrar no matagal de árvores, ela chamou de volta para Miranda para ir buscar ajuda. E rápido.


Sussurros ao luar os sobrenaturais 4 c c hunter cap 1 a 12  
Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you