Issuu on Google+

[1]


All Kinds of Tied Down Marshals #1 Mary Calmes

[2]


Re L Tradução: Rebecca Revisão: Luciene Lucca Leitura Final: Fanny Lançamento: 02/2017

rosase-book2.blogspot.com.br

[3]


Sinopse O Delegado dos Estados Unidos, Miro Jones, tem a reputação de ser calmo e controlado sob o fogo. Esses traços servem-lhe bem com seu parceiro figurão, Ian Doyle, o tipo de cara que pode começar uma briga em uma sala vazia. Nos últimos três anos de seu trabalho de vida ou morte, eles passaram de estranhos para colegas de trabalho profissionais a companheiros de equipe dedicados e melhores amigos. Miro cultivou a fé cega no homem que tinha suas costas ... fé e algo mais. Como um Delegado e um soldado, Ian era esperado para liderar. Mas o poder e o controle que traz o sucesso e realização de Ian no campo não está funcionando em qualquer outro lugar. Ian sempre resistiu a todos os tipos de amarras, mas não ter casa - e ninguém para voltar para casa - estava lentamente comendo-o por dentro. Com o tempo, Ian aceitou de má vontade que ir a qualquer lugar sem seu parceiro simplesmente não funcionava. Agora Miro só tinha que convencê-lo que ficar enroscado em sentimentos não é estar amarrado afinal.

[4]


Para Lynn. Nada aconteceria sem você. Lisa, obrigada por ler e responder perguntas e contornar o fluxo de preocupações. Cardeno, obrigada por me verificar e ficar até tarde e para o apoio infinito. Jessie, obrigada por ser meu ponto brilhante.

[5]


Capítulo 1 CORRENDO. Todas as nossas interações com suspeitos terminaram da mesma maneira. Eu diria, hey, vamos esperar por reforços ou um mandado. Eu mencionaria que não tínhamos uma causa provável, e às vezes até chegaria a ponto de apontar que não estávamos armados porque era nosso dia de folga! Não que ele alguma vez tivesse escutado. A perseguição sempre acontecia segundos depois que eu falei. O fato de que ele mesmo parou para me ouvir antes de agir surpreendeu a maioria das pessoas que nos conheciam. "Por favor," eu imploraria. "Só desta vez." E então eu conseguia um balançar de cabeça ou o encolher de ombros ou o sorriso que enrugou seus olhos azuis pálidos ao meio antes de ele explodir em ação, a velocidade do movimento totalmente impressionante. Observá-lo correr era um deleite; eu só queria que eu não estivesse sempre o seguindo no caminho de balas zunindo, carros em alta velocidade ou punhos voando. Desde que eu me tornei seu parceiro, o número de cicatrizes no meu corpo tinha dobrado. Eu considerava uma vitória se eu tivesse Ian Doyle colocando um colete de Kevlar antes que ele chutasse para baixo uma porta ou mergulhasse de cabeça no desconhecido. Vi os olhares que recebemos dos outros oficiais de polícia quando voltamos com suspeitos sangrando, criminosos recapturados ou testemunhas seguras, e ao longo dos anos eles mudaram de respeito por Ian para simpatia por mim. Quando eu fui pareado com ele pela primeira vez, alguns dos outros oficiais estavam confusos sobre isso. Por que o novo [6]


cara - eu - estava sendo colocado em parceria com o ex-soldado das Forças Especiais, os Boina Verde? Como isso faz sentido? Acho que eles pensavam que eu tinha uma vantagem injusta e que recebê-lo como parceiro era como ganhar na loteria. Eu era o mais novo oficial, homem baixo no polo, então como eu avaliei à Capitão América? O que todos não compreendiam era que Ian não veio de um ambiente policial como a maioria de nós. Ele veio dos militares e não era perito no procedimento policial adequado ou adesão literal da lei. Como o mais novo oficial da equipe, eu era o único que tinha o livro memorizado melhor, então o delegado de supervisão, meu chefe, me atribuiu a ele. Na verdade, fazia sentido. Sorte minha. Doyle era um pesadelo. E enquanto eu não era um escoteiro, em comparação com o meu ‘atirar primeiro, perguntar depois’ parceiro, eu saí como calmo e racional. Depois dos primeiros seis meses, todos pararam de olhar para mim com inveja e trocaram para pena. Agora, passados três anos, os oficias no meu escritório de campo iriam me trazer um pacote de gelo, passar-me qualquer produto farmacêutico que tinham em suas mesas, e até mesmo ocasionalmente oferecer conselhos. Era sempre o mesmo. "Pelo amor de Deus, Jones, você precisa falar com o chefe sobre ele." Meu chefe, o Supervisor Sam Kage, recentemente me chamou em seu escritório e me perguntou se havia alguma verdade nos rumores que ele estava ouvindo. Eu queria uma mudança de parceiro? O olhar vazio que eu lhe dei esperançosamente transmitiu minha confusão. Portanto, não era culpa de ninguém, mas a minha própria que eu estava correndo na neve derretida no bloco 40-700 da Rua Noventa e Cinco em Oak Lawn às dez da manhã de uma fria terça-feira em meados de janeiro. [7]


Tateando a arma, Glock 20 na minha mão, eu vi Ian movimentando-se para a esquerda, então eu virei e saltei uma lata de lixo virada enquanto eu fui para um beco. Eu deveria ter sido o único na rua; meu parceiro era melhor correndo e saltando paredes como um ninja. Mesmo que eu fosse cinco anos mais jovem do que seus trinta e seis, e com 83 quilos, ele estava em muito melhor forma do que eu. Enquanto ele era todo magro, músculos esculpidos com um pacote de oito e braços que faziam as mulheres coçando para tocar, eu era construído mais pesado, com músculos volumosos e ombros largos, mais touro do que pantera. Ian tinha uma maneira elegante e fluida sobre ele; eu era todo ângulos fortes e movimentos bruscos. Nós éramos tão diferentes quanto poderíamos ser, embora as pessoas frequentemente comentassem que nós tínhamos um jeito irritante realmente similar de mover-se quando juntos, um andar inconfundível. Mas eu saberia se estivesse fazendo isso, se eu estivesse sem fôlego enquanto eu andava ao lado do meu parceiro. De jeito nenhum eu me pavoneava e não reparava. Na segunda vez que saí do beco cheio de lixo, fui atingido por um trem de carga de 250 quilos de forma de homem e cai na calçada debaixo dele. "Oh!" Eu ouvi meu parceiro gritar quando minha espinha lascou e cada suspiro de ar em meu corpo bateu fora do meu sistema. "Belo bloqueio, M!" O fugitivo tentou lançar-se em cima de mim, mas Ian estava lá, puxando-o de lado, levando-o para baixo na calçada ao meu lado com uma bota em sua clavícula. Eu teria dito a ele para não ir com tanta rudeza — eu tomei sobre mim alertálo contra todos os tipos de infrações durante o curso de um dia normal — mas eu não tinha ar, voz, nada. Tudo que eu podia fazer era deitar-me no cimento frio e úmido e me perguntar quantas das minhas costelas estavam quebradas. "Você está se levantando?" Ian perguntou maliciosamente quando ele rolou Eddie Madrid para seu [8]


estômago, puxou seus braços atrás de suas costas, e algemouo rapidamente antes de se mover para agachar ao meu lado. “Ou você está descansando?” Tudo que eu podia fazer era olhar para ele, observando que ele estava carrancudo, como de costume. Essa carranca estava gravada permanentemente em seu rosto, e mesmo quando ele sorria, os vincos acima e entre suas sobrancelhas nunca suavizavam todo o caminho. Ele estava tenso, só um pouco, em todos os momentos. "Se eu não soubesse que você era duro, eu começaria a me preocupar", disse ele bruscamente. O fato de que nem eu nem Eddie estava se movendo devia ter dado a dica. "M?" Eu tentei me mover e dor atirou através do meu pulso esquerdo. O que foi interessante foi que no segundo que eu estremeci, seus olhos claros escureceram com preocupação. “Você quebrou o pulso?” Como se eu fosse responsável por meus próprios ossos quebrando. "Eu não quebrei nada," eu gemi, um pouco de ar finalmente inflando meus pulmões, o suficiente para me dar uma voz rouca e quebradiça. "Mas eu acho que seu amigo aqui fez." “Talvez seja melhor irmos para o hospital.” "Eu vou sozinho," eu lamentei. “Você leva Madrid.” Ele abriu a boca para discutir. "Apenas faça o que eu digo," eu ordenei, irritado que eu estava quebrado. Mais uma vez. "Eu vou ligar para você se eu não puder pegar Stubbs da prisão." Sua carranca se aprofundou quando ele pegou minha mão boa e me puxou para meus pés. Eu fui me mover ao redor dele, mas ele se inclinou para a frente e sua barba espinhosa [9]


e marrom escura roçou meu ouvido, a sensação me fazendo sacudir involuntariamente. "Eu vou com você," ele disse com voz rouca. "Não seja um idiota." Eu o estudei, o rosto que eu conhecia, tão bem quanto o meu próprio - talvez melhor depois de olhar para ele nos últimos três anos, de frente ou de perfil enquanto ele dirigia. Seu olhar no chão, de repente levantando-se, colidindo com o meu, me assustou com sua intensidade. Ele estava totalmente focado; eu tinha cada gota de sua atenção. "Desculpe." Eu estava atordoado, e deve ter mostrado em meu rosto porque as sobrancelhas franzidas, e o olhar zangado, foram instantâneos. "Puta merda," eu brinquei. "É um pouco cedo para a primavera descongelar." "Você é um idiota," ele explodiu, virando-se. Depois de agarrar seu ombro, eu puxei com força, manobrando minha mão no parapeito que ele estava, me aproximando. "Não, eu estou feliz - na verdade, muito feliz. Vamos. Relaxe." Ele rosnou para mim. "Leve-me para a sala de emergência." Eu ri, segurandoo. Seu grunhido me fez sorrir, e quando eu apertei seu ombro, eu vi o quão satisfeito ele parecia estar. "Vamos." Ele ergueu Madrid de pé - o que era interessante, já que nosso fugitivo o superava em uns vinte sete quilos - o jogou contra o carro, abriu a porta e o empurrou para dentro. Demorou apenas alguns instantes, e então voltou a me encarar, avançando em meu espaço, tão perto que eu podia sentir o calor rolando fora dele.

[10]


"Você nunca deve questionar que eu vou com você. É para isso que servem os parceiros.” “Sim, mas..." "Diga ok." Ele nunca exigiu coisas de mim. Normalmente, havia brincadeiras, provocação, zombarias - mas não preocupação. Era estranho. "Sim, ok." Assentindo rapidamente, ele andou ao redor do lado do Cadillac deVille 1969 que estávamos dirigindo. Tudo o que foi apreendido durante os ataques de drogas ou outras atividades criminosas foi o que conseguimos. O último carro tinha sido um Ford Mustang 2000 que eu era louco para dirigir - o que eu quase nunca fiz - ou andei. Foi um dia triste quando ele se tornou vítima de fogo pesado de metralhadora. A granada lançada pela janela tinha sido a última gota d’agua. Ian continuou dizendo que poderia ser consertado até aquele ponto. O carro que estávamos agora tinha todos os pneus pretos e brancos e pintura metálica verde, era um pouco demais para os federais. Mas nós éramos supostos viajar incógnitos, e cruzar através das piores partes de Chicago, ninguém nos deu um segundo olhar. "Entre", ele latiu. "Sim senhor." E como de costume, nós estávamos fora como um foguete, se fundido ao tráfego não muito gentilmente. Ian sempre dirigia como se estivesse fugindo de um assalto a banco e eu tinha aprendido a simplesmente a colocar o cinto de segurança. "Que porra," Eddie Madrid gritou do banco de trás, tendo se movido para a frente e depois foi arremessado de volta em uma manobra de chicote. "Alguém me coloque o cinto."

[11]


Comecei a rir quando me virei para meu parceiro, que estava xingando as pessoas que compartilhavam a estrada com ele. "Até nosso prisioneiro teme por sua vida." "Foda-se," ele rosnou, tomando um canto como se ele fosse um motorista dublê que se preparava para saltar. Eddie bateu na janela do lado do passageiro do sedan. “Jesus Cristo, homem!” Eu apenas me preparei para o impacto, esperando que eu chegasse ao hospital inteiro.

"DEIXA eu ver se entendi direito", Ian disse naquela tarde quando ele levou James ‘O Açougueiro’ Pellegrino para o nosso carro. "Você tem um pulso quebrado, e você está reclamando sobre seus sapatos?" Normalmente, os médicos não juntavam ossos quebrados até alguns dias mais tarde, devido ao inchaço. Mas porque eu não tinha nenhuma intenção de montar minha mesa até que ele remendasse, e porque era uma ruptura limpa, o médico do plantão tinha feito uma exceção. Ele disse que se o molde ficasse muito solto, eu poderia ter que voltar e colocar outro. Eu não me importava; O importante era que eu pudesse seguir Ian de volta para o campo. "Sim," eu gemi, examinando o molde de gesso em meu pulso e, em seguida, mais importante, minha agora arranhada bota John Varvatos. Pellegrino olhou para mim de pé, na porta, quando subiu do porão e se afastou. Tínhamos respondido a uma dica anônima e o encontramos na casa de seu primo em La Grange. Para mantê-lo de fugir pela porta traseira, eu mergulhei nele. Nós acabamos rolando sobre concreto antes de Ian chegar voando ao redor do lado da casa e cair em todo o cara. “Eles eram novos na semana passada." "E eles iriam ser destruídos por agora de qualquer maneira", comentou Ian. “Não há como contornar a neve.” [12]


Eu olhei para ele. "É por isso que eu queria me mudar para Miami com Brent. A neve seria uma lembrança distante.” Ele soltou uma risada. "Esse cara não era tão digno de se mudar." Eu arqueei uma sobrancelha. "E além disso," ele disse bruscamente, "você não ia me deixar de qualquer maneira." "Eu te deixaria em um segundo, amigo. Não se engane.” Ele zombou. "Okay, certo." Aparentemente, ele sabia melhor do que acreditar numa mentira tão sincera. "Vocês querem que eu os deixe sozinhos?", Perguntou Pellegrino maliciosamente. Ian o jogou contra o carro, e Pellegrino gritou porque ele caiu sobre seu peito, no mesmo lugar que tinha estado recentemente em contato com tijolos expostos. "Cale-se." "Isso é violência policial." "Sorte que não somos a polícia", Ian lembrou-lhe, batendo-lhe na parte de trás da cabeça antes de seu olhar azul claro pousar em mim. "E por que você usa suas coisas boas para trabalhar? Nunca entendi isso.” "Porque", eu respondi, gesticulando para ele, "Dockers1, uma camisa de botão e uma gravata feia não é o que eu quero ser visto todos os dias." "Bem, isso é ótimo, mas você arruína uma tonelada de merda e depois é uma cadela sobre isso." "Botas de caminhar não gritam estilo."

1

Dockers é um tipo de calça. [13]


"Sim, mas o seu John - qualquer que seja já estão fodidas, e os meus ainda são bons." “Eles se parecem com merdas,” assegurei-lhe. "Mas ainda assim funcional," ele brincou, e o torcer do seu lábio fez coisas para o meu estômago. Era ruim. Muito, muito ruim. Ian Doyle era meu melhor amigo e parceiro totalmente hétero. Eu não tinha o direito de sequer notar como o casaco moldava seus ombros; as veias rompendo em seus antebraços; ou a maneira como ele me tocava quando ele falava comigo, sentava ao meu lado, ou chegou a qualquer lugar na minha vizinhança geral. Como ele estava sempre no meu espaço pessoal, como se eu não tivesse nenhum, não era algo que ele estivesse mesmo ciente, tão verdadeiramente, não era certo para mim perceber. Mas tentar fingir que não estava me comendo vivo. Era a verdadeira razão pela qual eu deveria ter pedido uma mudança de parceiro, porque eu sonhava em estar na cama com o meu atual. “Nenhum retorno sarcástico?” Eu tossi. "Não." Ele apertou os olhos. "Por quê?" "Você tem um ponto, eu acho. Eu não deveria usar sapatos para o trabalho que vai ficar arruinado." "Eu posso te arranjar um novo par," o Açougueiro ofereceu rapidamente antes que Ian pudesse dar uma resposta. "Por favor." Ian bateu nele na parte de trás da cabeça novamente, abriu a porta do carro, empurrou meu assento para a frente, e empurrou Pellegrino dentro. “Você é um idiota, Doyle!” Gritou Pellegrino antes que Ian fechasse a porta. "Não o machuque," eu adverti como sempre. "Por que diabos não?" [14]


Eu gemi. "E para o registro," Ian bufou, arredondando em mim. "Você não entra sozinho em edifícios. O que dissemos sobre isso depois de Felix Ledesma?” Eu murmurei algo porque meu iPhone tinha tocado com um texto e eu estava lendo. “Miro!” "Eu ouvi você." "Olhe para mim." Minha cabeça levantou-se. "Sim, tudo bem, está bem, cala a boca." “Não está bem. Nada bem. Toda vez que você tira sua camisa e eu vejo a cicatriz bem acima do seu coração, eu..." "Eu sei," eu acalmei, me aproximando para bater seu ombro com o meu. Ele rosnou. "Oh," eu disse, notando o tempo. "Você precisa desfazerse de mim e do Açougueiro para que você possa ir ao seu encontro com Emma." A maneira como seu rosto se apertava não era um bom sinal, mas longe de mim dizer-lhe que sua namorada, embora maravilhosa, não era para ele. Teria sido muito mais fácil se ela fosse tóxica e eu a odiasse. A verdade era que ela era uma espécie de perfeita. Apenas não para ele. “O que você vai fazer?” "Quando?" Eu estava confuso. "Vou tratar nosso prisioneiro para que você possa estar na hora por uma vez." Ele parecia desconfortável. “E depois?” "Oh, eu deveria estar jogando bilhar hoje à noite com alguns caras da minha academia." [15]


Seu rosto se iluminou. "Não." Eu ri. "Ruim. Sua namorada não quer jogar bilhar com estranhos.” Seu olhar era ridiculamente quente. "Como você sabe?" "Isso não é um encontro, Ian." "Bem, você também não deveria ir." Perguntei-me vagamente se ele tinha alguma ideia de como ele parecia petulante. "Eu quebrei meu pulso esquerdo, não o direito. Eu posso segurar um taco muito bem." "Você deveria ir para casa e ir para a cama", disse Ian, olhando furioso enquanto caminhava ao redor do carro até a porta do motorista. "Não, cara, eu tenho que trabalhar com a dor," eu brinquei antes de eu entrar. "O que você está falando?" Ele perguntou irritado depois que ele bateu a porta e se virou para mim. "Você quebrou a porra do seu pulso." "Mas não é esse o seu mantra ou alguma merda? O código do boina verde e tudo? Dominar a dor?" "Jogar bilhar não é trabalho. Você não precisa fazer isso.” Uma tosse no assento traseiro. "Você sabe, vocês poderiam simplesmente me deixar aqui," o Açougueiro sugeriu alegremente. "Então ninguém tem que fazer papelada em tudo, e talvez vocês poderiam ter um encontro duplo." Ian se contorceu no assento. "Tenho uma ideia melhor. Por que você não fecha a porra dessa boca antes de te tirar do carro, tirar as algemas e fazer você correr para que eu possa atirar em você.” "Talvez você perca." Ian zombou. [16]


“Vou aceitar esse negócio. O que você está carregando, uma nove milímetros?” "Novamente, não policiais. Federais” explicou Ian. “Você já foi baleado com um calibre de quarenta?” Eu não podia conter minha risada em como arrependido o Açougueiro pareceu. "Talvez eu só fique parado." "E cale a boca", Ian latiu. "Sim, tudo bem." Ele se virou e agarrou o volante, e eu percebi quão tenso ele estava. "Atirar nas pessoas é ruim", eu falei brincando, cutucando o bíceps de Ian. Eu consegui um som zombeteiro de volta, mas que rapidamente, ele parecia melhor, a tensão se foi. “Mova essa caixa. Preciso que esse cara seja tratado rápido, porque eu realmente tenho que me trocar." "Pelo menos seus sapatos, hein?" Ian provocou, a ponta de sua cabeça e as sobrancelhas mexendo realmente irritantemente. Eu fiz o meu melhor para ignorá-lo.

[17]


Capítulo 2 GRANGER'S era o pub mais antigo do centro, perto do The Loop. Eu tinha me apaixonado por ele muitas vezes que Ian me arrastou lá. Tinha uma boa cerveja barata, grandes cachorros-quentes, e um layout casual que serpenteava de sala em sala, que se sentia maior do que realmente era. Ian e eu normalmente demarcávamos um lugar entre as mesas de bilhar e as placas de dardos onde ainda podíamos ver qualquer jogo na TV acima do bar, bem como a porta. Verificar quem chegava era sempre importante para os tipos de aplicação da lei e era algo que não podia ser desligado. Então eu não fiquei emocionado que a mesa onde meus colegas de academia se reuniram na parte de trás, mas eu fiz meu caminho através da multidão para eles de qualquer maneira depois de parar no bar para obter uma cerveja que eu gostava. "Miro você fez isso", Eric Graff, meu parceiro de raquetebol ocasional e um amigo de merda, cumprimentou-me quando eu os alcancei. Os outros homens e mulheres também ficaram contentes em me ver, exceto o novo namorado de Eric, Kyle, que, eu estava imaginando, não amava o braço de Eric ao redor de meus ombros. Eu nunca voltei para trás durante os segundos, a menos que minha mente seja desafiada ou que houvesse fogos de artifício na cama. Nenhum tinha sido o caso com Eric. Dando ao seu braço um tapinha rápido, me libertei e passei pelo grupo até alcançar Thad Horton, que era mais do que um conhecido, mas não bem um amigo. [18]


"Ei", eu cumprimentei o homem bonito que eu tinha nadado por muito tempo. Ele era bronzeado, pinçado, twink depilado, sempre rápido com um sorriso e uma palavra amável. "Miro," ele quase gritou quando me viu, o que alertou o gorila que estava ao seu lado. "Baby?" Ele perguntou, olhando para Thad antes de concentrar sua atenção em mim. "Quem é você?" "Só um amigo do ginásio," eu disse rapidamente. "Você deve ser Matt. Thad fala sobre você o tempo todo.” Ele pegou minha mão, claramente aliviado, sacudindo rapidamente. “Matt Ruben.” "Prazer." "Oh, você é o agente do FBI?" "Federal", eu corrigi ele, observando Thad fazer uma careta atrás dele e pronunciar a palavra "Desculpe." Sacudi rapidamente minha cabeça para que ele soubesse que não era grande coisa. "Está certo. Federal,” continuou Matt. "Thad ficou muito impressionado." "Parece muito mais glamoroso do que é." "Duvidoso", Matt disse gentilmente. "Você quer dar uma pausa, cara? Estamos apenas começando um novo jogo." "Sim claro." Estava bem, e todo mundo era bom o suficiente, mas eu tinha decidido sair quando o jogo acabou. Eu estava entediado, como era o habitual comigo, a menos que Ian ou um dos meus melhores amigos estivesse lá. Eu realmente era ruim em interações casuais. Quando meu telefone tocou alguns minutos depois, eu encostei contra a parede de tijolos para responder. "Você está em um encontro", comentei. [19]


"É realmente uma coisa de grupo, e estamos tendo bolinhos." Eu bufei uma risada. Bolinhos não encheriam Ian. Ele adorava comida chinesa tanto quanto eu - mas macarrão, frango e carne de porco em grandes porções, não pequenos pedaços em cestas de vapor. "Foda-se, venha me encontrar." "Encontrar você? É um encontro. Ela quer que você se sinta confortável com seus amigos.” "Eu não me importo. Tenho vontade de bater uma bola." Sempre que ele estava entediado, ele pensava em ir para as gaiolas de batedura. "Fechado até março, amigo", eu o lembrei. "É como menos seis graus lá fora agora, mais neve." “E o boliche?” "E quanto a isso?" Eu ri. Silêncio. Deus, eu era ridículo, mesmo considerando ir. "Onde você está?" Minha fome pela companhia de Ian Doyle tinha ido de apreciação e amizade casual a um desejo pelo próprio homem que estava sentado como uma pedra fria e dura no abismo do meu estômago. Não que alguém soubesse; Até mesmo o objeto do meu desejo nunca seria permitido ver como eu estava faminto por seu toque na minha pele, seu cheiro em meus lençóis, sua respiração em meu ouvido. Escondia bem o desejo. “No Torque em North River.” "Esse não é um restaurante chinês." “Como se eu não soubesse isso.” “Então o que você...” "Eu lhe disse, é estúpido." [20]


“Tem certeza de que está tudo bem?” "Sim, tenho certeza, vamos lá." "Tudo bem", eu murmurei, me afastando da parede, "Me diga como..." "Espere, onde você está?" “Estou no Granger.” "Oh, eu vou lá em vez disso." "Ian, amigo, você está em um encontro", eu enfatizei. "Você não deve sair." "Eu vou apenas dizer a eles..." “Basta ficar parado. Eu estarei lá." Um suspiro e então ele se foi. Eu fiz minhas desculpas para o grupo, esvaziando minha cerveja, entreguei meu taco de bilhar, e estava no meu caminho para a porta quando me mudei para passar ao redor de uma mulher e ela se virou. "Jill," eu disse, sorrindo rápido. "Miro." Ela sorriu por um segundo e depois hesitou. "Oh, Ian está com você?" Seu rosto inteiro caiu, como se não houvesse nada pior que ela pudesse pensar do que ver meu parceiro, era meio triste. "Não ele não está. Na verdade, vou encontrá-lo agora.” "Bom," ela suspirou, claramente aliviada, e então ela visivelmente percebeu o que ela tinha dito. "Oh, não, eu não quis dizer isso como..." "Está bem." Ela exalou bruscamente. "Eu sinto muito. Eu sei que ele é seu parceiro, mas honestamente, a única boa qualidade que o homem tem é ter você como melhor amigo."

[21]


Eu sorri. "Você não acha isso um pouco duro?" "Não, eu realmente não. Você deve ter um Anúncio de Serviço Público feito, Miro. Algo como: Mesmo que Ian Doyle é lindo de morrer, basta ir embora, porque namorar com ele será curto e decepcionante, por que ele está claramente esperando por outra pessoa.” Eu assenti, se movendo para sair. "Então você já pensou nisso, eu entendo." "Eu desperdicei um mês de minha vida pensando que um federal dos EUA seria uma coisa divertida de se ter", disse ela, encolhendo os ombros. "Posso ser uma idiota, mas ele é o culpado de propaganda enganosa." "Bem eu acho..." “E ele é terrível na cama.” Era a minha sugestão para correr; era muito ruim que eu não pudesse. A multidão era muito grossa para eu fugir, então eu coloquei um sorriso e empurrei. Ela pegou minha mão rapidamente, apertando forte, deixando-me saber que ainda estávamos bem, antes de me afastar e ela ser engolida. Lá fora, me mudei para o meio-fio para chamar um táxi, e meu telefone tocou. "O que?" "Estamos indo para o Velvet Lounge. Me encontre lá." Eu ri no telefone. "Ian, amigo, eu não estou vestido para o Velvet Lounge." "Nem eu." "Você está vestindo um terno, não é?" "Não. Por quê?" Senhor. “Deixe-me falar com Emma.” Houve um barulho abafado e depois: “Miro?” [22]


"Ei, Em", eu disse suavemente. "Vocês estão indo para The Velvet Lounge?" "Sim, nós estamos, logo depois de conduzir Ian para seu lugar para que ele possa mudar." Eu tossi suavemente. "Em?" "Sim?" "O Velvet Lounge foi uma decisão de grupo de última hora?" "Bem, sim. Eu estou fazendo algum trabalho de Relações Públicas para o proprietário, e ele só ligou para dizer que ele me colocou na lista para esta noite. Quão incrível é isso?" "Tão grande", concordei fracamente. "Mas estaria tudo bem se eu pegasse emprestado Ian? Meus planos acabaram, e eu não sei se ele lhe disse que eu quebrei meu pulso hoje, mas...” "Não, ele... oh, eu sinto muito", ela disse com simpatia. “Mas, meu Deus, sim. Posso lhe pedir que vá para você?” Sua voz caiu em um sussurro. "Juro por Deus, ele está tão entediado e ele está trazendo todo mundo para baixo." Eu tinha certeza de que ele estava. Ian não sofreu em silêncio. "Sim, por favor. Peça-o.” "Eu lhe devo muito. Obrigada." Se ela soubesse o quão permanente eu queria tirá-lo de suas mãos. "Sem problemas." Mais uma vez houve o ruído abafado de um telefone sendo passado ao redor. "Ei?" "Vou pegar sanduíches no Bruno & Meade. Você vem, traga Chickie, e vamos levá-lo para uma corrida depois de comer, certo?" "Sim?" Ele parecia tão esperançoso. [23]


"Sim, vamos lá. Sua mulher disse que pode vir brincar comigo.” "Eu não preciso de permissão", disse ele, imediatamente na defensiva. "Sim, mas você não queria magoar seus sentimentos, o que era legal", eu pacifiquei. "Mas ela está bem, pronta para ter uma noite divertida, e você está trazendo todos os hipsters2 para baixo." "Como se eu desse um..." “Você prefere estar lá?” Sem resposta. “Encontro você em casa.” “Não, na minha casa, não na sua.” "Foi o que eu disse." Não foi o que ele disse a menos que…Porém pensamentos como esse não me faziam nenhum bem. "OK." "Sim, então, tudo bem." Que foi a sua versão de obrigado e eu sinto muito por ser um pau e tudo mais. Ele teve muita sorte de eu tê-lo lembrado. "Não se esqueça de trazer a pá, porque eu não estou pegando a porcaria do seu cão." Ele estava rindo quando eu desliguei.

QUANDO cheguei em casa, as luzes estavam acesas na minha pequena varanda, então eu sabia que Ian já estava lá dentro. Eu tentei realmente não gostar da ideia dele estar lá

2

Hipsters: pessoas atualizadas

[24]


quando eu andei através da porta, porque querer algo que eu não poderia ter era uma receita para a amargura. Eu adorava ter Ian como um parceiro, que se encaixa perfeitamente, cada um jogando fora os pontos fortes do outro, e eu não queria que essa sensação mudasse. Então eu esmaguei o estômago revirando sobre vê-lo na minha cozinha, bebendo um copo de água enquanto ele se apoiava contra o balcão. "Basta entrar, por que você não fez?," eu resmunguei. Do lado do sofá veio a criatura de Ian. Facilmente uma centena de quilos de músculo poderoso, Chickie parecia ainda maior do que ele era com todos os longos cabelos preto e branco. Eu não tinha certeza de que tipo de cachorro ele era, e Ian também não sabia. Eu tinha dito muitas vezes talvez Lobo-canadense-oriental. "O que você está fazendo na minha casa?", perguntei ao cão, que não quebrou o passo até que ele me alcançou, empurrou seu nariz molhado na minha palma e dançou para mim, tão feliz por ser incluído. "Obrigado, M", disse Ian enquanto esvaziava seu copo e sentava. "Você é o único que ele não enlouquece." "É porque eu sei que ele realmente não come pessoas", eu disse, coçando atrás das orelhas de Chickie e debaixo do queixo enquanto ele se contorcia e depois me seguiu quando eu me juntei a Ian na cozinha. "Talvez devêssemos leva-lo para correr agora, antes de comermos. Ele parece um pouco tenso.” "Sim, isso seria bom", ele concordou. "Deixe eu me trocar", eu disse, colocando o saco de comida na frente de Ian. Ele estava de moletom com capuz, então eu precisava estar vestindo o mesmo. "Jogue isto na geladeira e veja se eu tenho alguns copos de cerveja na geladeira."

[25]


"O que há de errado em beber da garrafa, princesa?" Ele sorriu para mim. “Idiota.” Ele começou a assobiar quando eu peguei as escadas para o loft onde minha cama, armário, e segundo banheiro eram. Não era um segundo nível inteiro, o que eu gostei sobre o layout. Uma vez eu estava em moletons que tinham ‘US Marshal’ escrito do lado, voltei para baixo e me dirigi para a porta da frente. "Por que você usa isso?" Eu me perdi. "O que?" "O moletom do trabalho." "Eu não entendi a pergunta. Usamos estes quando treinamos.” "Sim, eu sei, então por que diabos você usaria quando você está fora?" “São moletons Ian. Quem diabos se importa?" "Eles são chamativos." Minhas sobrancelhas se ergueram involuntariamente. "Eles são chamativos?" Ele virou, apertando a coleira de Chickie e se aproximando da porta. "Eles são chamativos," eu repeti. "As pessoas vão querer ver se você é um verdadeiro federal, e se eles foderem com você?" "Sim, isso é verdade, porque, você sabe, o cão não vai impedir ninguém em absoluto."

[26]


Mais uma vez eu estava em movimento antes de nós três sairmos pela porta da frente. Fechando-a atrás de mim, eu saltei do degrau superior do pequeno encosto. "Um, dois, três...vai!" Eu gritei, e eu afastei-me de Ian, correndo pela calçada como um louco pela rua sem olhar, sabendo que no meu bairro Lincoln Park a única coisa que eu estava em perigo de ser atingido seria um limpa-neve. Estava escuro, mas as luzes da rua estavam acesas, e o céu era um belo azul profundo com manchas de índigo que logo se iluminariam com estrelas, embora eu pudesse ou não der capaz de vê-las com a poluição luminosa. Eu amava essa hora da noite quando as pessoas estavam sentadas para jantar e eu poderia ver em suas casas por apenas um momento enquanto eu corria. As casas ficaram borradas no momento, enquanto eu corria em direção ao parque com Ian e Chickie atrás. “Miro!” Eu não parei, e ouvi a maldição de Ian antes que Chickie estivesse subitamente correndo ao meu lado. Ian permitiu que ele corresse livre da coleira. Virando à direita, eu corri por um dos postes que mantinham carros fora do caminho de cascalho entre o campo onde as crianças jogavam futebol e o playground com os trepatrepa. Chickie me alcançou de novo, e quando eu peguei um caminho diferente para baixo em direção a pista de cooper, Ian estava lá, a mão de repente em punhos na parte de trás do meu casaco, segurando. Eu diminuí a velocidade, rindo, e ele me puxou para ele, batendo; seu peito pressionado nas minhas costas. Estávamos ambos ainda em movimento, então ele perdeu o equilíbrio quando nós colidimos e teria ido para baixo se ele não tivesse envolvido um braço em volta do meu pescoço para se equilibrar.

[27]


Sua respiração quente, seus lábios acidentalmente roçando minha nuca, provocou um arrepio que eu não consegui conter. "Por que você correu?" Ele perguntou, ainda me segurando, sua outra mão apertando a frente da minha jaqueta, seu braço sobre meu ombro, em meu peito. "Só para ter certeza que Chickie se divertiu." Eu disse, sentindo o quão duro meu coração estava batendo e sabendo que não tinha nada a ver com a corrida que eu tinha acabado de levar. "Sim, mas você está com frio," Ian disse, abrindo uma mão, pressionando-a sobre meu coração por um momento antes que ele se afastasse de mim. Eu estava congelando no segundo em que ele se moveu. "Sim, eu estou," eu concordei rapidamente, acariciando Chickie, que estava roçando no meu lado. "Vamos correr de volta, fazer o sangue bombear. Assim nos aqueceremos.” Ian concordou, e nós corremos juntos ao longo do caminho, Chickie voando para a frente, só para voltar galopando, certificando-se de que Ian estava onde ele podia vêlo. Fizemos uma curva gigante a direita de volta para casa logo antes que ambos se transformassem em picolés. Desde que eu não tinha visto Chickie aliviar-se, eu disse a Ian que deveria provavelmente leva-lo ao redor do bloco mais uma vez. "Mas eu estou com fome," ele gemeu. "Bem, eu não sei o que dizer a você. Seu cachorro não deu uma merda, e ele precisa.” Ian girou para olhar para seu cão. "Chickie!", Ele gritou. Chickie deu uma olhada em seu mestre e agachou-se bem ali, sobre o gramado ao lado do meio-fio. A expressão de desgosto e descrença de Ian me enviou em histeria. [28]


"Você assustou a merda fora do cachorro!" "Isso não é engraçado." Eu não podia nem respirar, era tão engraçado. Enquanto Ian tirava os sacos de plástico do bolso, eu dobrei e Chickie veio subindo os degraus acima dele direto para mim e lambeu meu rosto, muito satisfeito consigo mesmo. "Cão estúpido," ele murmurou enquanto eu continuava a uivar. "Parceiro estúpido." O homem foi amaldiçoado com nós dois.

IAN tirou o moletom e puxou um cardigã meu com zíper antes de ele entrar na cozinha e me observar montar nossos sanduíches. Eu tinha comprado do Bruno & Meade, uma delicatessen que eu amava, e o que eu gostava sobre ele foi que eles não montavam os pedidos. Eles davam-lhe tudo o que vinha no sanduíche, todos os ingredientes, mas o pão era selado separadamente, então ele não chegava duro ou mole, dependendo do tipo que você pediu - e tudo o mais veio em sacos ziploc ou pequenos recipientes de plástico. "Você percebe que este é o auge da preguiça, certo?" Ian comentou enquanto colocava pedaços de pão e picles em sua boca. "Quero dizer, sério, você poderia comprar toda essa porcaria na loja e fazer isso sozinho." "Oh sim? A maionese, o salame, e queijo você gosta? Realmente?" Eu perguntei, deslizando o prato para ele. "Você acha que eu poderia entrar em um prêmio para isso?" Ele franziu o cenho para mim. “O pão é assado todos os dias?” Ele murmurou algo sob sua respiração. "Eu tenho o queijo que você gosta, e as azeitonas marinadas também." [29]


“Você ainda está falando?” "Sim, sim." Eu sorri. "Eu estou." "Cale-se", ele murmurou, pegando uma garrafa de sua cerveja favorita — Three Floyds Gumballhead, que eu tinha certeza de que estava sempre lá — da geladeira antes de virar para a sala de estar. "E tomates roma são o seu favorito, por isso eu tive a certeza de que eu pedi..." "Sim, tudo bem, você é um maldito santo e eu sou uma bunda ingrata." Eu gargalhei quando ele se jogou no sofá e ligou a TV. Os sons do futebol encheram o quarto. Depois de um momento ele se virou e olhou para mim. "O que? Precisa de um guardanapo?” "Não, eu tenho... você não vai argumentar?" “Por que eu argumentaria?” "Imbecil," ele murmurou, voltando para o jogo. Eu me juntei a ele no sofá, sentando perto como eu sempre fiz, e ele tirou algumas batatas do meu prato. "Vá buscar o seu próprio," eu disse, batendo na mão dele. Ele empurrou-me com seu ombro e eu quase derrubei meu prato. "O que você está fazendo?" "Não seja estúpido," ele retorquiu, cutucando meu joelho suavemente com o dele e depois deixando sua perna pressionada contra a minha. “Desde quando não posso comer do seu prato?” Ele estava certo. Eu deixava Ian fazer o que quisesse, sempre que quisesse. Eu era seu para tomar - como eram minhas batatas fritas.

[30]


Capítulo 3 Ian saiu por cerca de uma da manhã e tinha prometido voltar às sete para me pegar para o café da manhã. Quando ele não estava lá quatro horas depois, eu liguei para ele, mas foi direto para o correio de voz. Desde que eu não queria chegar tarde e a caminhada para o metro levaria muito tempo, eu decidi conduzir o meu caminhão. Eu raramente dirigia o Toyota Tacoma, eu tinha pensado em inúmeras ocasiões vendê-lo. Mas, inevitavelmente, alguém precisava de ajuda para se mover no momento em que eu começava a considerar seriamente a ideia. E hoje fiquei feliz por ainda tê-lo quando me dirigi para o trabalho. Eu estava a meio caminho quando recebi um telefonema de Ian. "Onde diabos você está?" Eu disse, irritado, com fome e sem café. “Eu poderia dizer o mesmo.” "Estou morrendo de fome idiota, você deveria me alimentar." “Você já leu seus textos?” "Eu não tenho um texto seu." "Sim, você... oh merda." "Oh merda, o quê?" "Eu te mandei um e-mail, e não enviei um texto para você. Porra." "Apenas me diga onde você está."

[31]


"Oh droga, Kage está me chamando na outra linha. Aguente." "Ian..." "Espere", ele latiu, e depois silencio. Eu não tinha ideia de para onde eu deveria estar dirigindo, mas não saber onde Ian estava me deixava louco mais rápido do que qualquer coisa. Sabendo que ele estava em algum lugar que eu deveria ter ido também, para apoiá-lo e mantê-lo seguro, iria desvendar minha fachada bem construída. Eu precisava encontrá-lo. A linha foi desligada, e então meu telefone tocou logo depois de um número que não estava no meu identificador de chamadas. Preocupado que poderia ser meu chefe, eu comecei a caçar em torno de meu fone de ouvido. Soou cinco vezes antes de desistir e responder. “Jones.” "Qual é a regra?" A voz profunda e grave de meu chefe, o Delegado Adjunto do US Marchals Sam Kage, ressoou no meu ouvido. "Terceiro toque", eu respondi automaticamente. “Qual é a sua desculpa, então?” “Eu estava conversando com Ian.” "Não, eu estava conversando com Doyle, então tente novamente." "Bem, eu estava falando com ele antes de você." “Por que você não está com ele?” "Essa é uma pergunta muito boa." "Perdoe-me?" Porra.

[32]


"Mais uma vez eu pergunto: por que você não pegou o telefone?" Mentir para ele, sobre qualquer coisa, grande ou pequeno, era um erro. "Eu não consigo encontrar meu fone de ouvido." "Me desculpe?" Dupla foda. “Onde ele está?” Grunhiu Kage. “Está aqui em algum lugar.” "Então, já que eu não estou no viva-voz, posso assumir que você está segurando o seu telefone?" Nenhum café e Kage na primeira coisa. FML3. "Sim senhor." “Pare o carro e encontre o fone de ouvido, Jones.” O procedimento tinha de ser seguido. Depois de encostar antes de eu entrar na via expressa, eu peguei o fone de ouvido do fundo do porta-luvas, coloquei, liguei meu telefone e disse a Kage que ele poderia ir em frente e começar a falar. "Me desculpe?" Ele perguntou irritado. Era como jogar gasolina no fogo. Quando bati a testa no volante, orei para me dizer o que ele queria que eu soubesse. "Preciso de você para atender os detetives da área de Washington Park para assumir a custódia de Kemen Bentley, uma testemunha desaparecida que deveria testemunhar contra Taylor Ledesma, seu ex-amante, antes que ele escapasse da custódia da polícia. Ele foi pego em uma forçatarefa dirigida pelo vice4, pelo FBI e pela polícia estadual. Eles estavam retendo meninas e meninos menores de idade que

3

FML - Fuck My Life ou Foda-se minha vida.

4

Vice - departamento policial que trata de atentados ao pudor e prostituição. [33]


trabalhavam como acompanhantes, e ele estava lá em um dos hotéis que invadiram." "Sim senhor." "Doyle está no local." "Entendido." "Certifique-se de que ele mande textos ou chame de agora em diante." Ele desligou sem outra palavra, como era o seu modo. Eu liguei para Ian. "Merda." "Isso foi divertido", eu disse, certificando-me de que ele não poderia perder o sarcasmo. "Eu fiz besteira." "Sim, você fez." "Eu estava cansado." "Ele só te chamou porque Doyle está antes de Jones em seu telefone." "Eu sei." "Use seu telefone corretamente." "Porra. Sim, ótimo. Eu vou." Eu me senti melhor. "OK." "Eu não tomei café da manhã, você sabe," ele reclamou. "Ou café." “De quem é a culpa?” “Pare de ficar louco.” "Eu não estou louco, estou apenas chateado. E eu odeio não saber onde você está. É como quando você vai em suas missões e... mas você sabe disso." [34]


"Eu sei," ele disse. "Sim, então," eu comecei percebendo o quão miserável eu soava. "Quando você está realmente aqui e você desaparece, isso é fodido, Ian." Suspirando. "Não vai acontecer novamente." "Eu sou seu parceiro. Eu sempre deveria saber onde você está." "Sim." "Ok." Eu sorri para o telefone. "Agora, sobre comida. Pegaremos um pouco depois que tivermos a custódia da testemunha.” "Então você não vai ficar puto o dia todo?" "Quem se importa se eu ficarei? Você não tem que ir comigo.” "O que? Não. Quando voltarmos ao escritório, seu carro fica lá.” "Talvez eu queira dirigir hoje." "Não." Ele não gostava de mim no telefone no carro, mesmo no meu fone de ouvido, porque ele não achava que eu era um bom motorista. Ter-me mesmo um pouco distraído irritava o inferno fora dele. "Você não pode simplesmente dizer não, Ian. Sua palavra não é lei." "Não é?" Ele estava me provocando. “Foda-se.” Ele riu. "Você quer pizza para o jantar? Eu realmente quero pizza." “Ainda não tomamos café da manhã.” "Sim, mas eu gosto de planejar, você sabe disso."

[35]


Eu sabia disso. “Talvez Emma queira sair.” "Mas não pizza de prato," ele disse, alegremente ignorando-me. "Eu quero pizza de mão." "Ninguém come isso em Chicago." "Eu faço." “Você não conta.” "Eu também conto." Sim ele fez. Ele contava mais do que ninguém para mim. "Eu sou seu parceiro; você tem que cuidar de mim." Todas as palavras que saíram de sua boca ele realmente não chegou a ouvir? Elas eram surpreendentes. "Cerveja ou vinho?" Perguntei, tentando restaurar a normalidade no meu fim. "Oh pelo amor de merda," ele reclamou. "Vinho? Com pizza?” Tanto desdém em sua voz. "Tudo bem, será cerveja." “Quão longe você está?” “Uns vinte minutos, se eu não estiver prestes a estar no tráfego da manhã.” "Ok," ele suspirou. "Eu vou ficar com os caras do vice." Eu bufei uma risada. "Quantos anos você tem?" "Sem café", eu lembrei. "Sim," ele concordou, quase com tristeza. “Por que esse tom?” "Nada."

[36]


"Alguma coisa é", eu disse confiante, porque eu o conhecia muito bem, cada nuance de sua voz categorizada e memorizada. Ele não podia me esconder nada. "É tarde demais para repensar o seu destino, M. Você está preso comigo." “De onde vem isso?” "Só, você sabe ... Eu não sou fácil." "Oh amigo, eu sei." "Cale-se." "E eu não sonharia em conseguir um novo parceiro." "Ok," ele disse com voz rouca, e depois desligou. A viagem deveria ter levado talvez vinte e cinco minutos, mas este era o trânsito matinal na I-90 Leste em direção ao Washington Park. Eu teria sorte de estar lá antes do Natal. Até o momento em que cheguei onde o ataque tinha ocorrido, eu estava mais do que pronto para esticar as pernas. Saindo do caminhão, fui até o baú do deVille e o abri. Como era um carro de trabalho, nós dois carregamos as chaves para ele. Tirei minha jaqueta, coloquei meu colete, e olhei para capa impermeável. O procedimento dizia que tinha que colocar, mas estava congelando, e meu casaco com "US Marshal" nas costas estava em casa. Mas eu poderia imaginar ser baleado porque ninguém sabia quem eu era e o que Kage diria, e pior de tudo, o que ele faria comigo e qual seria minha nova descrição de trabalho. Ele não devia ser confundido. Depois de colocar minha jaqueta de volta, eu puxei a capa sobre isso, em seguida, removi o meu emblema da corrente ao redor do meu pescoço que eu tinha usado quando sai da minha casa e o movi para o meu cinto. “Miro!”

[37]


Olhando ao redor, eu encontrei Ian vestido com uma camiseta de mangas compridas com "US Marshal" gravada no braço, seu colete, calças de carga cáqui e um boné de beisebol. "Vestiu-se bem hoje, federal,” eu brinquei, fechando. Ele encolheu os ombros. "Sim, bem, nós dois éramos supostos, mas desde que eu deixei cair a bola, eu acho que vou fazer todo o trabalho pesado hoje." “Pobre coitado.” “É isso que estou dizendo.” "Pelo menos eu devo ficar limpo hoje," eu brinco, alcançando seu lado, mas não ficando muito perto. Tudo que eu queria era agarrá-lo, então eu mantive minha distância de propósito. Exceto... movendo-se rapidamente com aquele jeito fluido que ele tinha, ele entrou direto no meu espaço pessoal. “Você disse que não estava louco.” "Eu não estou," eu disse, minha voz grossa. "Então aja como tal." "Ok", eu disse ao mesmo tempo que um homem veio voando pela entrada da frente e começou a correr pelo estacionamento. Aconteceu tão rápido. Eu vi os homens perseguindo-o, as letras "FBI" em suas jaquetas mesmo à distância, e descolaram, correndo em torno dos carros para interceptar quem eu percebi era um suspeito em fuga. Corri um longo percurso, contornando os outros perseguidores, e saí à direita dele. Lançando-se em seu caminho, eu segurei-o no ombro e nós descemos juntos, rolando, deslizando sobre a neve e cascalho até que um carro parou nosso impulso. Sem fôlego, ofegante, eu engasguei quando o homem me empurrou e tentou fugir, rastejando sobre as mãos e joelhos.

[38]


“Parado, idiota” Ian gritou, correndo até nós, seu Glock apontado na cabeça do homem. "Não porra se mexa!" Eu suspirei enquanto o homem era cercado, empurrado para baixo no asfalto, e revistado por armas. Verificando meu pulso, certificando-me de que o gesso ainda estava intacto, eu percebi a partir da pontada de dor que disparou através dele que eu precisava pegar leva com a luta até que eu estivesse de volta a cem por cento. "Ponham as mãos para cima", gritou um dos agentes, vindo ao redor da parte de trás do Toyota Camry que tínhamos enrolado contra, sua arma apontada para mim. “Que porra você disse!” Ian gritou antes de voltar-se ao homem, levantando-o dos pés e empilhando-o sobre o tronco com um antebraço na garganta do sujeito. "Esse é um maldito Delegado norte-americano que você está apontando sua maldita arma!" Grande quantidade de movimento, e eu fui levado aos meus pés enquanto quatro policiais estaduais puxavam Ian fora do agente e se aglomeraram em torno dele até que ele guardou a arma. "Que tal um obrigado por pegar seu suspeito," Ian rosnou. Empurrei a multidão, agarrei seu colete e empurrei-o para trás até que estivéssemos livres, só nós dois fora da multidão de guardas. "Ei", eu disse suavemente, minhas mãos em seus lados, deslizando para seus quadris sem pensar. "Foda-se!", Ele gritou para todos eles. "Você não puxa uma arma a menos que você saiba em que porra você deveria estar atirando!" Ele estava furioso, e era só porque eu podia levantar mais do que ele poderia, tendo músculos sobre ele onde ele tinha altura em mim, que eu pude mantê-lo imóvel. [39]


"Ei," eu disse de novo. Seus olhos azuis se moveram para o lado e encontraram os meus. "Obrigado por ter minhas costas." "Sempre," ele resmungou. "Você sabe disso." E eu sabia. “Você está sangrando.” Eu dei de ombros. "Toda vez, você sabe disso." "Seu pulso está bem?" Ele perguntou, segurando-o, virando-o em suas mãos, checando mesmo antes que eu pudesse dar uma resposta. "Está bem." "Pare de fazer merda assim", ele disse irritado, soltando, aparentemente tranquilizado que o gesso estava segurando junto. "Espere por mim." "Eu vou." “Miro!” "Eu prometo," eu respondi, rindo. "Não exagere." Era sempre estranho entrar na investigação de outra pessoa, mas desde que os federais estavam no comando, não era tão mau como era apenas lidar com departamento de polícia de Chicago ou guardas estaduais. Às vezes havia um monte de posturas, e eu sempre quis dizer a todos para chicotearem para fora e eu pegar a minha régua e proclamar um vencedor. Grotesco. O agente especial responsável, aquele que estava executando a força tarefa, pediu desculpas por seu homem puxando uma arma para mim e depois esperou que Ian retornasse o sentimento. "O quê?" Meu parceiro perguntou irritado. [40]


Ele balançou a cabeça e nos acompanhou até o quarto do hotel, onde a testemunha desaparecida estava empoleirada no balcão do banheiro, com os pés na pia, parecendo entediada. "Sr. Bentley," eu o cumprimentei. "Querido, você sabe que você está sangrando?" Eu dei de ombros, entrando na sala antes de Ian. "Onde você esteve, Kemen?" Ele me mostrou um belo sorriso, todos perfeitos dentes brancos e covinhas. O garoto, de dezenove anos, era impressionante, uma pele morena e enormes olhos verdes. Eu entendi por que ele tinha sido mantido, mas eu lamentei pela perda de sua infância. Lembrei-me do arquivo dele. Ele tinha sido vendido por sua mãe em troca de drogas, quando ele tinha apenas dez anos, depois mudou de mãos várias vezes até que Taylor Ledesma o viu dançando em um clube e o levou do cara que estava vendendo seu traseiro por trezentos por noite. Kemen tornou-se a única propriedade de Ledesma e bem mais valioso. A parte boa era que nunca mais ele foi estuprado, ou passado ao redor. A parte ruim era, ele não tinha liberdade. Ele não era permitido sair do apartamento de cobertura beira-mar. “Não vou testemunhar” disse ele secamente. "Taylor Ledesma foi decente comigo. Eu expliquei isso para a polícia e estou dizendo para vocês. Eu não vou." "Isso foi inteligente, o que você fez", eu comentei casualmente. Quando seu foco mudou para mim, eu poderia dizer que eu tinha despertado seu interesse. "Porque Ledesma conduziu todos os seus negócios em espanhol, você decidiu aprender a língua para que você soubesse o que diabos estava acontecendo."

[41]


"Sim, claro, fazia sentido, certo?" "Sim," eu concordei. "E Ledesma nunca te fez sair do quarto quando conduziu os negócios, por quê?" Kemen girou para me encarar, esticando todos os músculos apertados. "Ele gostava de me mostrar para homens que nunca me teriam. Ele desceu sobre isto." "Faz sentido. Então o que aconteceu?” "Houve um ataque em sua casa. O FBI apareceu, e eles me levaram em custódia, mas depois me entregaram ao departamento de polícia de Chicago quando eles pensaram que eu era menor de idade." “E depois que descobriram que tinham dezoito anos, eles o colocaram sob custódia protetora depois que você concordou em testemunhar.” De repente, seus pés eram de extrema importância, tanto foco que ele estava dando-lhes. "Eu mudei de ideia." Coloquei uma mão sob o queixo e inclinei a cabeça para recuperar a atenção. "E você deu aos detetives uma fuga." "Sim." Ele inalou, esfregando sua bochecha na minha palma como um gato. “Mas eu não fugiria de você, Delegado. Absolutamente não." Deixei minha mão cair. "Você está em fuga há seis meses. Você está pronto para parar?" “Ainda não vou testemunhar.” "O homem quer você morto", eu o informei. “Então você diz.” "Então todo mundo diz," Ian prometeu. "Nós vamos leválo ao nosso escritório para que você possa ouvir as escutas. Agora desça e vire-se." "Oh, querido, o que você disser."

[42]


Ian zombou quando Kemen deslizou para fora do balcão, cada movimento gracioso e fluido, girou como um dançarino, e colocou as mãos atrás das costas. Músculos longos e magros cobriam seu quadro compacto, e realmente, bonito não lhe fazia justiça. Mas onde eu diferia dos outros foi que eu vi uma criança, e eles viram um pedaço de carne. "Cara, você abruptamente.

parece

uma

merda",

Ian

disse

Olhei para ele e ele gesticulou para o espelho. Eu olhei. Foi uma surpresa: minha bochecha esquerda arranhada, contusões escurecendo ao longo de minha mandíbula, e meu lábio dividido. Mas a pior parte era minha jaqueta de couro estava rasgado sob a capa impermeável agora esfarrapada. "Aww merda", eu murmurei. "Você está mais chateado com a jaqueta do que com o seu rosto, não é, querido?" Kemen simpatizou, olhando para mim como se eu fosse lamentável. "Eu sei. Foi bonito esta manhã, hein?" "Foi," eu suspirei. "Você está falando sério?" Ian perguntou, seu olhar se lançando entre mim e nossa testemunha. "Você está?" Kemen exigiu. "Essa jaqueta é quente." "Foi quente, aparentemente", Ian riu. “Rude” pronunciou Kemen. "Vamos", eu resmunguei. Ian o algemou e eu abri a porta. Tiros no corredor me pararam, e vários guardas do estado correram para frente, com armas em punho. Eles estavam preparados para sair, mas para mim, a varanda que eu tinha vislumbrado quando chegamos era a melhor opção. [43]


"O quê?" Ian perguntou. Inclinei minha cabeça em direção à porta de vidro. "Não." "Sim." Eu balancei a cabeça. "Vamos." "Porra, tudo bem. Estou bem atrás de você.” Movendo-se rápido, estávamos na porta de vidro deslizante quando os tiros foram disparados novamente e eu ouvi gritos atrás de nós. "Isso não é..." Kemen ofegou. "para mim, é?" "É", Ian e eu dissemos ao mesmo tempo. "Os cafetões normalmente não vêm atrás de seus bilhetes de refeição com metralhadoras semiautomáticas", eu continuei deslizando a porta aberta e espiando por cima do lado. "E?" Ian perguntou. "Nós podemos nos pendurar e descer a partir deste andar para o terceiro, há um monte de espaço fora. Não podemos perder isso.” "Ok", ele concordou, inclinando a cabeça para mim. "Você vai e eu vou baixa-lo." Eu o conhecia melhor do que isso. Eu chegaria lá, ele desceria Kemen, e então ele fugiria para o tiroteio sem mim. "Não, você primeiro, eu vou cobrir você." Ele se esticou para uma briga. "Ouça, Miroslav, você deve ir primeiro por causa de seu pulso." "Não, deveria ser você por causa do meu pulso", eu corri. "Você é mais forte agora. Eu não quero deixá-lo cair." O tiroteio ficou mais alto e os gritos ficaram mais altos. "Agora," eu lati, interrompendo qualquer outro protesto.

[44]


Empurrando Kemen para mim, Ian caminhou para a beira da varanda, verificou a distância, subiu a grade, franziu o cenho para mim, e então abaixou-se. Apenas suas mãos foram visíveis por um momento, e então eu o ouvi bater na varanda abaixo de nós. "Você está bem?" "Sim, é apenas como talvez dois metros de onde você está pendurado. Apenas um descer rápido. ” "Fácil", eu disse para Kemen. "Você em seguida." "Não-não-não", ele disse, entrando em pânico de repente. "Eu não posso sair de uma varanda." "Por favor, este não é um grande negócio", eu disse, pegando o homem menor e lançando-o sobre o meu ombro esquerdo, como se ele não pesasse nada. "Você não está mesmo me algemando?", Ele rangeu. "Não." Eu ri, caminhando para a borda, inclinando, e deixando-o escorregar. Ele gritou por um segundo e meio antes de estar nos braços de Ian. "Vocês dois são loucos!", Ele gritou enquanto eu virava sobre a grade, segurando por um momento com a minha única mão boa, e depois soltei. Ian me apoiou quando eu aterrissei, as mãos nos meus quadris novamente, como na noite anterior, seu peito pressionado nas minhas costas. "Obrigado", distância.

eu

disse,

sorrindo

a

centímetros

de

"Suas ideias são péssimas", disse ele, irritado. Mas o filho da puta era afetuoso, e eu consegui isso antes de ele empurrar seu rosto para baixo em meu ombro. Ele precisava apenas de um segundo. [45]


"Tudo melhor," eu provoquei. "Imbecil", ele proclamou antes de girar-me ao redor para enfrentar a porta trancada da varanda. Mais tiros ecoavam acima de nós, e porque eu não gostava da ideia de chamar a atenção ao disparar na fechadura ou no vidro, eu peguei minha carteira. "O que você está fazendo?" Ian sussurrou. "Essas portas são baratas", eu disse, deslizando meu visto entre ele e a estrutura. "O bom deslizamento em um encaixe para que você tenha isolação e mais segurança. Os mais baratos como este se encontram niveladas, e há apenas uma pequena captura na" Eu ouvi o clique. "na fechadura." "Onde diabos você aprendeu a fazer isso?" Ian olhou para mim. "Adolescência desperdiçada", eu disse, endireitando e abrindo a porta. “Você sabia disso.” "Eu sei de algumas coisas, mas claramente não é suficiente." "Isso foi quente," Kemen disse, flertando comigo. Puxando minha arma, entrei primeiro, verificando sob as camas, banheiro e no armário antes de os fazer entrar. Ian empurrou Kemen à frente dele e trancou a porta da varanda atrás deles. Ele sentou Kemen em uma das duas camas de casal quando eu fui para a porta, onde eu virei a trava de segurança e esperei enquanto ele chamava reforços. Eu tomei minha primeira respiração quando eu ouvi sirenes. Kemen e eu olhamos para cima quando ouvimos passos sobre nossas cabeças, seguidos por breves rajadas de tiros. Ele se virou lentamente para mim. "O que aconteceu?" [46]


“Alguém o reconheceu. Talvez uma das meninas, talvez um dos cafetões, ou talvez até um policial, mas quem quer que fosse, eles sabiam quem você era e ligaram para Ledesma.” Ele começou a tremer. “Você afundar?"

está

entendendo?

Isso

está

começando

a

Silenciosamente, ele acenou com a cabeça. "Se você vai parar de ser um idiota, ficar conosco e confiar em nós, vamos tirar as algemas." Ele balbuciou a palavra sim, sem fazer nenhum som. Ian os tirou, e no segundo que ele fez, Kemen envolveu ambos os braços ao redor do meu lado esquerdo, segurandose apertado. "Você vai ficar bem." Ele ficou quieto e não se mexeu. Minutos depois, houve uma batida na porta. Movendo-se de lado para que eu não estivesse na frente dele no caso de balas chegarem, eu levantei minha arma. Ian estava do outro lado espelhando-me. “Delegado federal” gritou Ching do lado de fora. "Hey," eu gritei de volta, o que não era protocolo em todo. “É Miro e Ian.” O gemido de Ching veio do outro lado alto e claro. "O que você deveria dizer, cuzão?" "Eu esqueci," eu provoquei quando Ian riu. "Foda-se Jones", Ching resmungou, mas eu podia ouvir o divertimento em sua voz baixa. “Becker, Sharpe, eu e Kohn estamos aqui. Este piso está seguro, mas nada mais, então vocês ficam aqui." "Sim senhor," eu disse, rindo. [47]


“A varanda, Jones?” "Eu acho que é a melhor maneira de sair de um quarto", eu o informei. “Não é?” Naquela hora eu podia ouvir mais do que apenas ele rindo.

QUANDO finalmente conseguimos tudo limpo, colocamos um colete de Kevlar em Kemen, colocamos uma jaqueta sobre ele, e com todos nós vestindo o mesmo, todos com a mesma jaqueta, saímos do hotel. Kage ficou na frente de pelo menos uma dúzia de repórteres empurrando microfones em seu rosto enquanto caminhávamos. Eu não percebi até que estávamos nos movendo através da multidão quantos policiais, equipes de notícias e espectadores se reuniram em torno do hotel. Era um zoológico. Era uma boa multidão para picada policial. Havia um déficit real de lugares que os adolescentes poderiam ser enviados se não estivessem ruins o suficiente para ir a um centro de detenção juvenil, e em casa não era uma opção. Precisávamos de mais programas para recuperá-los e tirá-los da rua. Eu não sabia quais eram as estatísticas, mas eu sabia que muitas das meninas e meninos que saíram de uma vida de prostituição foram sugados para dentro. E muitos deles, como Kemen, estavam confusos e confundiam abrigo por um cafetão oferecendo amor. Ele relatou pedaços de sua história de vida para nós no passeio para nosso escritório do hotel. Eu sabia a maioria dos fatos, mas ouvir-lhe dizer os detalhes foi difícil. Até Ian se contorceu um pouco. Quando chegamos ao escritório, colocamos Kemen em uma cela e voltamos para nossas mesas para iniciar o árduo processo de escrever um relatório. Ian começou a fazer as chamadas para o vice para que eles soubessem que poderiam pegar Taylor Ledesma. O processo para acusá-lo estava pronto para a segunda rodada. [48]


Eu tirei a jaqueta, estremecendo com os arranhões nela, e coloquei na parte de trás da minha cadeira. Ian estava certo; eu precisava investir em algumas roupas de baixa qualidade para o trabalho. "Café," Ian gemeu quando ele caiu na cadeira em sua mesa ao lado da minha. "Eu disse ao garoto que nós levaríamos algo." "Ok." Eu ri. "Vamos." Colocamos nossos emblemas de volta nos suportes de correntes que usávamos quando não estávamos no campo e andamos os dois quarteirões para o nosso pequeno restaurante favorito, discutindo todo o caminho sobre o e-mail que Ian tinha me enviado mais cedo pela manhã. Ele finalmente me passou seu telefone e disse-me para fazê-lo para que quando Kage o chamasse, eu receberia um alerta também. Eu não pensei que poderia ser feito do telefone de Ian - eu pensei que somente nosso chefe poderia fazê-lo - mas eu brincava com ele apenas no caso. Quando ele recebeu uma mensagem de texto de Emma dizendo-lhe que tinha feito planos de jantar com amigos para eles, eu passei de volta para ele. "Nenhuma pizza para empurrando-o com meu ombro.

você,

amigo",

eu

disse,

"O que?" Eu pedi três especiais e falei com Rosa, a minha garçonete favorita, quando Ian enviou um texto para Emma. Eu peguei para Kemen um enorme suco de laranja, e Ian e eu maiores cafés com duas doses de café expresso em cada um. Ficaríamos definitivamente acordados depois de beber isso. "O que é Bastille?" Ian perguntou quando tínhamos nossa comida e tomávamos café no caminho de volta para o escritório. "Eu sei o que é Dia de Bastille", eu joguei fora. [49]


"Não, é um restaurante no Rush." "Eu não faço ideia. Por quê?" "É aí que Emma nos levará hoje à noite." "Oh, legal", eu disse, tomando outro gole do elixir dos deuses. "Droga, isso é bom." "Eu só quero pizza." "Pare de choramingar, vai ser divertido." "Eu não gosto de comida francesa." "Você nunca teve comida francesa, então como você sabe?" "Eu só sei." "Maneira de ser de mente aberta." "Eu não quero ir," ele murmurou. “Basta esquecer isso.” Mas ele não o fez. Em vez disso, ele reclamou na caminhada de volta, no caminho até o elevador, pelo corredor até a cela de espera para pegar Kemen, e finalmente para a sala de conferência onde nós três sentamos e comemos. "Bastille é legal", Kemen ofereceu enquanto tomava um gole do suco de laranja antes de começar seu omelete mexicana. Passei-lhe o guacamole e salsa, e Ian bifurcou sobre o creme azedo quando ele tinha o que queria. "Eu estive lá uma tonelada de vezes." "Lá, você vê", eu disse entre mordidas, "Kemen diz que é legal." Ian fez um movimento de punheta. "Você não apenas fez isso." Kemen soou horrorizado. "Isso é engraçado."

[50]


"O que testemunha.

é?",

perguntei

a

Ian,

ignorando

nossa

Ele encolheu os ombros. "É só que, sempre que uma testemunha é mais nova do que você, ou uma mulher, você usa seu primeiro nome. Mais velho do que você e um cara, você usa seu último. Você percebe que faz isso?" Eu nunca tinha realmente pensado nisso, mas era muito legal que Ian tinha. Que as coisas que eu disse foram notadas. “Eles servem a fusão vietnamita-francês”. Disse Kemen de repente. Nós dois nos voltamos para ele. “Na Bastille” retorquiu, irritado conosco. “Chama-se conversa. Estávamos tendo uma. Olá." Ian fez um ruído vômito na parte de trás de sua garganta. “Oh, meu Deus, não volte a fazer isso quando estiver prestes a comer” disse Kemen dramaticamente, com os olhos arregalados. “Porcaria, ele é nojento.” "Coma sua comida." Eu disse, tentando não rir. "E este omelete é ridículo", ele julgou. "Quem come tanto esse alimento de uma só vez? É do tamanho de um bolo de libra.” Ian disse algo de volta, mas ele estava mastigando. Kemen me pediu para traduzir. "Ele disse que é o especial da manhã de quarta-feira." "Vocês não deveriam comer assim," ele avisou. “Ninguém deveria.” "Você vai comê-lo." "Não, querido, eu vou deixar isso para ele. Eu não vou comer tudo. Quem come assim e não tem um ataque [51]


cardíaco?", Ele perguntou, fazendo uma careta enquanto observava Ian engolindo. “Oh, meu Deus!” Sua expressão horrorizada foi a melhor parte da minha manhã.

NAQUELA NOITE enquanto eu limpava depois do jantar, colocando as restantes cinco fatias de pizza de espinafre no meu refrigerador, eu revi uma conversa que tive com um homem muito bonito que tinha me encurralado depois do meu banho no ginásio. Ele tinha sido muito claro quando se inclinou para o meu espaço que ele adoraria jantar comigo, mas o mais importante é que ele gostaria de me levar para casa. "Poderíamos nos divertir muito." Eu não tinha dúvida, mas eu não poderia ter sido menos interessado. Não tinha havido ninguém desde o meu ex, e não era que eu estava definhando sobre ele - era simplesmente que quem quer que eu namorei eu tinha que apresentar a Ian. E se eu não estava indo apresentá-los a Ian porque era apenas uma noite, qual era o ponto? Além disso, ninguém me ligou o suficiente para querer saltar para a sua cama, exceto meu parceiro muito hétero, muito indisponível. A coisa toda era uma bagunça. Eu precisava me deitar. Assim que eu conhecesse alguém que eu não poderia manter minhas mãos fora, acabaria toda essa obsessão insana com Ian. Meu telefone tocou com um texto me assustando, eu estava tão perdido em pensamentos. Eu não fiquei surpreso ao encontrar Ian querendo saber onde eu estava. Era uma grande parte do problema para mim, sua atenção constante, mesmo que eu apostaria minha vida que ele não percebia o que ele estava fazendo. O fato da questão era, porém, que Ian era tão

[52]


possessivo de mim, do meu tempo e com minhas coisas. Era muito ruim que não significasse absolutamente nada. Ignorando o texto, eu terminei de limpar e deixei o prato e copo de vinho que eu tinha usado na prateleira de prato de madeira para secar ao ar. Quando o telefone tocou minutos depois, eu respondi. “Seus dedos estão quebrados junto com seu pulso?” "Você está em um encontro, idiota", eu informei ele. "Concentre-se nas pessoas na sua frente e pare de tentar falar comigo. Tente fazer uma boa impressão.” "Eu não posso." "Você não pode o quê? Concentrar-se?" "Sim." "E porque não?" "Porque agora estamos indo para a casa de Ethan para tomar um drink e talvez jogar jogos de tabuleiro." Eu tive que processar isso. "O que?" Ele grunhiu. "Você não gosta de jogos de tabuleiro. Você gosta de vídeo games." "Sim, eu sei." "Diga a eles que você gosta de atirar coisas." "Estou morrendo de fome." Eu reprimi um riso. "O que você comeu?" "Não sei." "Você não sabe o que você comeu?" "Não. Todo o menu estava em francês."

[53]


"Você não comeu doces, não é, porque eu acho que é o cérebro." “Não, acho que foi peixe.” “Você odeia peixe.” "Sim, eu sei disso também." Eu tossi. "Você percebe que Emma está se esforçando para integrar você e seus amigos porque ela se preocupa com você? E você está sendo um idiota por causa da coisa toda?” "Talvez ela devesse se preocupar menos com coisas de grupo e mais sobre ela e coisas para mim." "Mas ela sabe que vocês trabalham quando estão sozinhos, e agora ela precisa ver como você se encaixa em sua vida com seus amigos e família." "Sim, ok, o que você está fazendo?" Ele não desligando.”

deveria

ter

se

importado.

"Ian?

Estou

"Não mesmo. O que você está fazendo?" Ele era como um cão com um osso. "Limpando." “Limpando o quê?” "Pratos do jantar." Silêncio. “Ian?” "Você tinha pizza, não é, seu merda?" Eu ri. "Bem, sim, mas eu tinha o prato profundo que você odeia." "Eu não odeio." "Sim, mas você não ama." [54]


"Eu amo mais do que comida francesa." "Porque você tem um paladar subdesenvolvido", eu critiquei. "Quem se importa?" Ele disse com dureza. "Eu amo pizza." "Eu sei." "E Chickie." Vamos conversar sobre o cachorro agora? "Desligue o telefone." “Vá leva-lo.” "Me desculpe?" "Chickie. Eu pensei que eu estaria em casa agora para levá-lo para fora, mas eu não estou, então - vá leva-lo para passear." "Dane-se. Eu não sou o caminhante do cão." “Ele vai fazer xixi no meu apartamento.” "Como se você fosse notar." “Que diabos isso quer dizer?” Eu bufei. "Eu não vou ser atraído para lutar com você no telefone. Estou desligando.” "Você está contratualmente obrigado a andar com o cachorro." "Eu realmente estou desligando agora." “Você prometeu cuidar de Chickie.” "Quando você está implantado, sim." "Ele é sua responsabilidade também." Eu apertei o botão desligar e ele se foi.

[55]


Desliguei as luzes e caí no sofá, dolorido pelos acontecimentos do dia. Meu telefone tocou e eu deixei ele ir para o correio de voz três vezes antes de eu responder. “Ah, porra, o quê?” “E se fosse uma emergência?” "A única emergência é que você está entediado fora de sua mente." "Por que você não quer andar com o cachorro?" Eu suspirei profundamente. "O que?" "Aquele cara que eu bati hoje e meu pulso homem — eu estou ferido." "Oh," ele disse, sua voz suave, resmungando. “Por que você não me contou?” "Não é grande coisa. Vou ficar deitado aqui e assistir TV até ficar com sono." "OK." "Então tente e divirta-se." "Sim, eu... você está bem, certo?" "Claro." "Você tem certeza?" "Absolutamente." "Ok," ele disse e desligou. Eu nunca sai do sofá.

[56]


Capítulo 4 Quando saí do chuveiro na manhã seguinte, ouvi movimento na minha cozinha, então me mudei para a grade no final da minha cama - havia apenas espaço suficiente para eu caminhar - e gritei que eu estava armado. "Sim? E?” Voltou a resposta sarcástica. "Você poderia tocar a campainha como uma pessoa normal", eu mencionei, sorrindo apesar de mim mesmo quando Ian saiu da cozinha diretamente abaixo de mim para a sala de estar onde eu poderia vê-lo. "Mas eu tenho uma chave," ele respondeu. "A qual você só deve usar quando eu não estou aqui." "Você nunca está aqui." Suspirei. "Que se você pensar, é realmente triste. Preciso de umas férias para algum paraíso tropical para que eu possa ficar com alguém.” Ele olhou para mim. "Por que simplesmente ficar com alguém aqui?"

você

não

pode

A pergunta, feita tão inocentemente enquanto ele estava no meio da minha casa, era como um soco no estômago. Porque eu poderia fazer sexo, ali mesmo, no sofá... inclinado sobre o sofá, no chão, ou melhor ainda, na minha cama. Eu poderia ficar com alguém em qualquer lugar da minha casa... se Ian fosse gay. Eu poderia. Mas eu não faria, porque ele não era. Cristo. "Bem?" [57]


“Preciso de férias” resmunguei, afastando-me desde que estava em uma toalha e nada mais. "E por que você está vestido como um lenhador?" Eu gritei, querendo me certificar de que minha voz fosse ouvida. "Por que você está gritando? Posso te ouvir bem.” Não havia vencedor. "Apenas me diga por que você está vestido desse jeito," eu cutuquei. "Segurança Interna naquela casa de recuperação de jovens em Schaumburg. Nós temos uma pista sobre aquela garota, qual era o nome dela?” Parei a meio caminho do meu armário, tendo que fazer escolhas de roupas novas. “É Lucy, não é?” "Sim, está certo. Lucy Kensington. Ela pulou fora antes que pudesse ser levada em custódia por Delegados em Lubbock," ele disse enquanto subia as escadas. Para um Boina Verde, Ian andava muito lento. "Eu pensei que você era suposto ser furtivo." "Eu estou lhe trazendo o café, não seja um idiota." Eu ri quando agarrei um par de cuecas do meu armário, meus jeans baixos, uma camiseta e um par de meias. "Ela é a que deveria estar testemunhando contra algum líder de culto lá, não é?" "Sim," Ian respondeu, alcançando o topo das escadas e caminhando até mim, uma caneca em cada mão. Instantaneamente ele fez uma careta. "O quê?" Eu perguntei quando peguei o que ele me ofereceu. "Você tem hematomas por toda parte," ele comentou antes de tomar um gole de café. "E entre isso e o gesso em seu pulso, você é uma bagunça, cara." [58]


Eu dei de ombros. "Eu bati num alce ontem, você me viu." "Eu acho", ele disse irritado, franzindo a testa, estendendo a mão para tocar meu ombro. "Bruto, por que você está viscoso?" "É loção, ignorante. Você tem que cuidar de sua pele, use creme hidratante em seu rosto, ou você vai olhar como uma sela quando você envelhecer." "Uh-huh," ele disse, obviamente me apaziguando. "Seu pulso está melhor hoje? Parecia que doía ontem à noite." "Sim, mas está tudo bem agora. Vá embora enquanto eu me troco." O café estava bom, ele usou o Kona que eu guardava na geladeira em vez do assado francês que eu tinha na despensa. Ele apontou para as roupas na minha mão. "Você não pode usar essas calças jeans para uma invasão." "O quê?" Eu perguntei, bebendo mais café quente. Ele era bom sobre como adicionar a quantidade certa de creme então eu ainda poderia sentir o gosto, mas beber rápido. "Eu vi os jeans, e eles são muito apertados. Você não pode correr neles. Isto não é Starsky e Hutch5.” Eu olhei para ele até que ele suspirou, murmurou em voz baixa, e voltou lá para baixo. Mas ele estava certo, tudo que eu precisava fazer era arruinar um par de jeans de duzentos dólares deslizando sobre o asfalto. Voltando ao meu armário, drenando a bebida enquanto fazia, eu os dobrei e peguei outra coisa para vestir. Uma vez que eu tinha mudado, eu escovei meus dentes e comecei então pôr o produto em meu cabelo.

5

Starsky and Hutch é uma série de TV americana exibida em 1970.

[59]


"Pronto, princesa?" Ele perguntou quando entrou no banheiro. Eu olhei para ele do espelho. "Você acha que eu acabei de sair da cama e meu cabelo parecerá tão bom? Isto é arte." "Parece que você acordou e passou a mão por ele." "Eu sei, e isso leva tempo. Cada fio tem que ficar em um ângulo diferente ou não funciona", expliquei ao meu parceiro ignorante. "Todas as peças têm que estar no lugar certo." "Ou o que?" "Ou não é sexy." "Você é muito sexy", ele bocejou, pegando minha xícara vazia do balcão antes de sair. "Agora, nós podemos ir antes que nós estejamos velhos demais para fazer nosso trabalho?" Ele foi tão bom como foi indo para obter. Eu desliguei a luz e caminhei para minha cama para que eu pudesse sentar e colocar minhas botas de couro. "Calças de veludo?" Ele disse como se estivesse com dor. "Você não percebeu no banheiro?" "Eu não olhei no banheiro," ele disse secamente. "Bem, sinto muito, mas eu não tenho um par de Wranglers56 como você", eu o informei. "Ou Levi6 para esse assunto." "Não há nada mais quente do que calças de botão, meu amigo." Ele tinha um ponto. "Mas realmente, seu jeans de foda-me não teria ido bem."

6

Wranglers e Levi são marcas de calças.

[60]


Eu o ignorei, e quando eu me levantei, ele fez uma careta. "E agora?" “Quanto é que essas botas custam?” Levantei meu pé para verificar o fundo. “Não sei, trezentos, quatrocentos. ” "Por favor, tire-as. Eu sei que minhas botas de combate de couro preto estão em seu armário em algum lugar, apenas use aqueles. Eu te imploro.” “Estas são botas.” "Não, elas não são," ele bajulou. "Vamos lá." "Eu tenho um par de botas Antonio Maurizi que eu poderia..." "Eu não sei o que são esses, mas eu não posso imaginar que eles são melhores do que o que você tem em seus pés agora. Apenas mude-as.” "Eu tenho as botas de motoqueiro que..." "Não, eu tenho suas botas de motoqueiro daquele sábado, fomos para o mercado dos fazendeiros." "Oh." Engraçado que eu não tinha sentido falta delas. "Você tem as botas de motoqueiro de couro Dolce & Gabbana ou..." "Eu não tenho ideia do que tenho. Eles são macios, isso é tudo que eu sei." Eu tinha que pensar. “Miro!” "Sim, ok", eu murmurei, sentando-me de volta e tirando as botas enquanto ele espreitava para meu armário, remexeu e voltou com seu par de combate militar. Eles estavam desgastados, mas ainda em grande forma, e acima de tudo, por [61]


mais estúpido que fosse, eles eram de Ian e então eu adorava usá-los. E eles se encaixam como uma luva. "Deus, eu deveria me trocar", ele resmungou, inconsciente enquanto eu parei de respirar. As coisas que saíram da boca desse homem seriam a morte minha morte. "Imagine o quanto mais rápido isso seria na parte da manhã, se você não tivesse que pensar: devo usar o Antonio - seja quem for que a calça seja, em vez do..." “Antonio Maurizi” gritei enquanto subia as escadas. “Como se eu me importasse!” Segui-o alguns minutos mais tarde, e quando fui ao armário do corredor e puxei o casaco, ele me parou. "Pegue sua jaqueta do uniforme e vamos embora." “Sim, mas..." Ele rosnou, então eu agarrei o que ele queria, certificando-se de que eu tinha o meu crachá, arma, ID, carteira, chaves e telefone, e depois sai à frente dele. Depois que ele trancou minha porta da frente, ele balançou a cabeça como se eu fosse cansativo e avançou pela varanda da frente. “Por que você está bravo comigo?” "Você tem alguma ideia de quanto tempo leva-me para me preparar pela manhã?" Eu sorri largamente. "Isso é porque você é naturalmente lindo. Eu tenho que trabalhar nisso. Conseguir este nível atraente não é fácil." “Entre no carro!” Eu ainda estava rindo quando cheguei e disse-lhe que eu precisava de mais café. "Se você não levasse tanto tempo no banheiro, você poderia ter tomado mais cafeína." [62]


"Sim, bem, novamente. Preciso de tempo para ficar bem.” Ele afastou-se do meio-fio como se estivesse dirigindo o carro da fuga em um assalto ao banco, e imediatamente eu tive que me segurar. “Jesus, Ian.” O sorriso perverso não foi perdido por mim.

LUCY KENSINGTON parecia que pertencia à capa de um romance em que a heroína é uma das ingênuas virgens doces que o herói se apaixona perdidamente. Na realidade, ela praguejou como um marinheiro e foi atrás de Ian com uma faca, tentando cavar seu coração o mais rápido possível. Eu estava supondo que ela era normalmente tratada com mais delicadeza, porque ela gritou de indignação quando ele a desarmou, colocou de bruços no concreto, e algemou ela. Ela chamou ele de um monte de nomes sujos que eu tinha ouvido e alguns que eu não tinha - uma verdadeira conquista - até que o tiroteio começou. Uma vez que todos nós estávamos sob fogo - A Segurança Interna, polícia local e nós presos no pátio da casa de recuperação - ela se calou, enrolou em uma bola atrás de Ian, e pediu desculpas a nós dois repetidamente. "Eu sinto muito," ela soluçou, o rosto contra as costas largas musculosas de Ian. "Mas eu não teria chegado tão longe se eu não fosse uma cadela total." "Bem, estamos aqui para cuidar de você", Ian disse, tentando acalmá-la enquanto o rat-a-tat-tat de um AK-47 ecoou no espaço pequeno. Se eu vivesse por mil anos, eu nunca entenderia a mentalidade das pessoas que disparavam na polícia quando eles entravam em seu prédio. Sim, estávamos presos agora, mas reforços viriam cercar o edifício, e então não haveria lugar algum para eles irem, tampouco. Não havia saída. Mesmo se [63]


eles tomassem reféns, tudo acabaria por terminar mal. Não havia nenhum cenário em que eles ganhariam. Tudo o que tinham de fazer era pensar logicamente, só por um momento. “E Javier.” "Me desculpe?" Eu estava distraído por um momento, mas seu comentário chamou minha atenção. “Meu namorado, Javier-Javi,” explicou ela. “Abel Hardy está atrás dele também. Ele é o cara que estávamos fugindo. É por isso que deixamos o Texas.” "E onde está Javier?" Eu perguntei, realmente não querendo saber. "Ele estava em nosso quarto no terceiro andar." Claro que ele estava. Estávamos no pátio no primeiro andar, em frente ao prédio. Só fazia sentido que Javier estivesse dentro, todo o caminho até o terceiro. Lei de Murphy e tudo isso. “Já disse aos oficiais em Lubbock” começou ela pacientemente. “Que se Javi e eu não fôssemos juntos, que eu não ia testemunhar. É por isso que fugimos, porque eles não queriam ouvir. Mas você vai, certo? Você é diferente dos Delegados do Texas." Eu olhei por cima do meu ombro para ela. Ela estava olhando para nós com seus grandes olhos azuis como se fossemos anjos vindo direto do céu. "Então você e Javier estavam juntos quando..." Eu procurei na minha memória. "houve a apreensão das drogas." “E vimos o Sr. Hardy atirar em todas aquelas pessoas. Sim." "Quantos?" "Cinco. Havia três homens e duas mulheres. Eram aqueles turistas que desapareceram. Foi tudo sobre as notícias em Lubbock." Eu balancei a cabeça. [64]


"Você e Javier estavam lá?" Ian queria ter certeza. "Uh-huh," ela respondeu inocentemente. "Ele me disse para ficar em silêncio, mas eu estava tão assustada, tipo como agora, mas pelo menos vocês têm armas. Nós não tínhamos nada. Eu tinha certeza de que o Sr. Hardy ia nos matar também, mas a polícia veio, e depois os oficiais.” “E você e Javier se separaram?” "Sim senhor, nós fizemos." Eu podia ver como isso aconteceu, como foi relatado que Lucy viu tudo sem menção de seu namorado. "Então você vai pegá-lo, certo?" Porra. "Certo?" Ela apertou. "Javier o quê?" “Valencia” ela suspirou. “Não é bonito?” Ambos acenamos com a cabeça antes que Ian se voltasse para o agente da Segurança Interna que estava agachado ao nosso lado o tempo todo. “Quem é você?” Perguntei. “Agente Gerald Spivey.” "Ok, Agente Spivey." Ian suspirou. "Oficial Jones e eu estamos entrando por outra testemunha, por isso precisamos que você proteja esta. Você entende?" "Sim senhor." "Ótimo." Ian soprou um suspiro antes de virar-se para mim. "Não seja baleado na cabeça." "Idem." Os soldados nos cobriram enquanto corríamos para o prédio, e então Ian contou e eu estava de costas enquanto ele [65]


chutava a porta e entravamos. Isso foi o que conseguimos. Aparentemente a SWAT tinha entrado pela parte de trás e eles estavam lá, já havendo quebrado o interior, avançado ao longo do corredor, todos eles encerrados em armadura. "Delegados", cumprimentou.

o

comandante

da

SWAT

nos

“Tenente” Ian voltou. "Esse nível é seguro?" "Afirmativo, todas as ameaças foram neutralizadas." Eu nem queria saber quantas pessoas haviam morrido. "Estamos indo para o terceiro andar agora. Há uma testemunha aqui para proteger?” "Sim senhor." Ian assentiu. “Acompanhe-nos.” "Você já tem atiradores no local?", Perguntei. "Negativo. Não temos terreno mais elevado. Como esta é uma área residencial, nosso objetivo é a contenção. Ninguém deixa os motivos que podem ser considerados uma ameaça para os cidadãos." Tradução: qualquer pessoa que fugisse da casa de recuperação que estava armado seria morto a tiros. Ele tinha vinte homens com ele, e mesmo que eu pudesse dizer a Ian que eu queria estar no meio da equipe, eu agarrei seu antebraço e o segurei enquanto eles passavam. "O que você está fazendo?" “Eles vão primeiro, depois nós.” "Você acha que eu não sei isso?" "Então pare de ficar tenso como se estivesse pronto para correr. Apenas espere." Eu terminei de falar e deixei ele ir. "Eu estou esperando", ele retrucou, claramente irritado.

[66]


Eu me movi atrás dele, minha boca em seu ouvido. "Não desapareça, fique onde posso vê-lo.” Ele se inclinou o suficiente para que ele pudesse me sentir lá, às suas costas. "Eu sempre faço." “Você nunca faz.” "OK." A retaguarda correu, e Ian fugiu atrás dele comigo seguindo de perto. Quando os oficiais de polícia procuraram, nós gritamos, anunciando a nós mesmos, ladrando ordens como "parado," "fique em seus joelhos," e "ponha suas mãos onde nós podemos as ver." Uma equipe da SWAT se moveu. Conosco, se você atirasse, você ainda tinha uma chance. Nós chamávamos o que nós éramos, "Delegados federais, abaixem suas armas!" Com SWAT, se você fosse estúpido o suficiente para atirar neles, eles disparavam de volta e era isso. Fiquei satisfeito que não houve tiroteio na escada quando fizemos a nossa subida, ninguém no segundo andar que procuramos para se certificar de que a testemunha não tinha corrido, e ninguém quando a equipe SWAT começou a avançar para o terceiro. Ian e eu seguindo atrás, enviando para baixo um monte de outros civis assustados depois de passar um rádio à frente que estávamos enviando-os para fora da casa de recuperação. Eles também precisariam de proteção. No momento em que chegamos ao terceiro andar, SWAT já o havia varrido, hipereficiente, deixando dois homens para vigiarem a escada, enquanto o resto deles rompia a porta do telhado. Metade deles já estava lá fora, e eu podia ouvir tiros sendo trocados. Mais crianças se amontoavam no corredor e olhavam para fora dos quartos. "Javier Valencia!" Ian gritou. A partir da última porta à direita, um garoto saiu com as mãos levantadas acima de sua cabeça. "Por favor, não atire!" [67]


“Delegado” gritei. "Eu preciso levá-lo para Lucy." "Lucy?" Ele perguntou esperançoso, dando um passo em frente. Outro garoto agarrou seu braço para detê-lo, sussurrou algo, e Javier congelou. "Como eu sei que você é um Delegado?" Voltando-me lentamente, eu me abaixei e levantei meu casaco para que ele pudesse ver o crachá no meu cinto. "Sinto muito, os Delegados do Texas não ouviram você e sua namorada." Ele correu pelo corredor até nós e não parou até que eu levantei uma mão para retardar sua aproximação. Fiquei surpreso que ele diminuiu a velocidade, mas caminhou até a minha mão aberta. "Está tudo bem, garoto." Eu disse gentilmente, colocando minha mão em seu ombro quando ele começou a tremer. Seu rosto enrugou como se estivesse pronto para chorar, e eu entendi naquele momento que tanto ele como a garota que ele amava eram mais jovens do que pareciam. “Ela está bem?” "Ela está bem. Vamos vê-la.” “Todos vocês” gritou Ian, certificando-se de que a voz dele era ouvida. "Vamos." Vendo Javier confiar em nós foi o que todo o resto deles precisava. Eles saíram dos quartos carregando bolsas, mochilas e bolsas de mensageiro. Ian foi primeiro, passou os dois caras da SWAT parados no topo da escada, seguido pelas crianças, trinta contando Javier, e eu fiquei na retaguarda. Mesmo se movendo tão rápido como estávamos, a história saiu, as crianças explicando em rajadas ininterruptas de informações. Os atiradores eram amigos do cara que dirigia a casa. Eles deviam estar supostos de passagem, mas isso foi há um mês. Eles estavam fazendo bombas caseiras, traficando [68]


drogas para financiar a operação e armazenando de armas. Ninguém sabia o que eles queriam, mas tinham se denominado extremistas ambientais. "Mas eles venderam drogas, cara", uma das crianças disse. "Isso não está certo. Certo?" Ele parecia honestamente confuso. "Não, não é", eu concordei, lembrando-os de ficar juntos, permanecer na formação e se apressar. Nós fizemos um bom tempo e fomos encontrados na parte inferior por uma multidão de uniformes. Esperamos com todos os outros para SWAT subjugar os atiradores no telhado. Nenhuma das áreas comuns eram seguras até que eles fizessem, o que significava que entrar no pátio ou sair estava fora dos limites. Havia fumaça no telhado e minutos mais tarde foi nos dado tudo limpo. O departamento de polícia de Chicago cercou as crianças e os colocaram em um ônibus enquanto Ian andou com Javier de volta ao agente Spivey e Lucy. Ela gritou quando o viu; Ele correu para a frente, e lá no meio de tudo, eles estavam apaixonadamente reunidos. Eu duvidava que qualquer um deles pudesse respirar com o quão apertado os lábios estavam. Uma vez que Ian os separou, Javier olhou ao redor e disse distraidamente: "Eu não me lembro desse cara." Ian e eu o vimos ao mesmo tempo, uma das crianças que trouxemos do terceiro andar - e ele estava carregando uma arma. Antes que eu pudesse gritar uma advertência para o oficial carregando o segundo ônibus cheio de crianças, Ian guardou sua arma, voou para frente, e atacou o cara de lado, batendo-o duro, fazendo um buraco no meio da linha. Ian desembarcou sobre ele, lutando com ele no chão, enquanto vários policiais uniformizados corriam para frente, armas em [69]


punho, gritando ordens para Ian parar e colocar as mãos em cima da cabeça. "Delegado federal!" Eu gritei, correndo em direção ao meu parceiro, aterrorizado por um segundo que eles iriam atirar em Ian, mesmo quando eles começaram a baixar suas armas depois dever a parte de trás da sua jaqueta. Quando me virei para verificá-los, Lucy e Javier estavam sorrindo para mim. "Você vê," Lucy disse brilhantemente, "Nós já estamos ajudando." Eu coloquei os dois no carro, comecei a subir e liguei o aquecedor para que eles pudessem se aconchegar no banco de trás e ficar quentes enquanto eu saía novamente para esperar por Ian. Ian saiu de cima do atirador e juntou-se a mim no carro onde eu estava encostado no teto. "O quê?" Ele fungou, olhando para mim. “Qual é o procedimento, Ian?” "Quando?" "Você vê um cara com uma arma: o que você deveria fazer?" "Oh, pelo amor de Deus." "O quê", eu repeti com firmeza, "você é suposto porra fazer?" "Você grita 'arma' e puxa a sua." Ele estava irritado e eu podia ouvir em sua voz. "Uh-huh," eu concordei. "E o que você fez lá?" "Ele ficou na linha das outras crianças, Miro," ele se defendeu. "Você sabe o que teria acontecido. Ele teria agarrado o garoto na frente dele, e então teríamos tido uma situação de reféns ou pior. E se ele pusesse uma arma na cabeça de um [70]


garoto e depois subisse no ônibus com os outros?" Sua voz começou a aumentar, quanto mais agitado ficou. "Então o que?" "Então o que? Eu não sei. Você é o psíquico," eu devolvo. “Por que você está sendo estúpido?” "Então agora eu sou estúpido, mas você é o único que não seguiu o protocolo." "Você está falando sério?" "Sim, estou a falando sério. O que há de errado com você?" Eu insisti, sentindo meu rosto ficar quente. "Tudo o que ele tinha que fazer era olhar para cima e ver você correndo, e ele poderia ter atirado em sua cabeça." “Eu tenho meu colete.” "O que não faz nada para sua cabeça, seu idiota estúpido!" Eu rugi, batendo meu punho duro no teto do carro. “O que você disse antes de entrar no estúpido prédio?” "Ouça... " "Não! Foda-se! O que você disse?” "Eu disse 'não leve um tiro na cabeça'", ele respondeu secamente. "Isso mesmo! Não leve um tiro na cabeça! E então o que você faz? Hã? Você porra quase deixou isso acontecer com você!" Meu coração batia forte, eu tremia, e todo o meu corpo estava congelando mesmo quando meu rosto estava em chamas. Eu não conseguia parar de imaginar o cara virando e disparando e Ian indo para baixo. Se repetia continuamente no meu cérebro. “Miro.”

[71]


Eu precisava de distância, e agora. Eu me virei, investindo para o lado do prédio, e me inclinei, as mãos nos meus joelhos, tentando respirar, para não hiperventilar. Ele estava lá em segundos, a mão na parte de trás do meu pescoço, apertando suavemente. "Desculpa. Eu realmente sinto muito. Perdoe-me, eu nem pensei.” Eu tinha que me concentrar em conseguir o ar dentro e fora de meus pulmões. Seus dedos deslizaram até a minha nuca em meu cabelo, e o acariciou lento e acalmou-me enquanto se inclinou ao meu lado. "Da próxima vez que nós dois corrermos, vou ter você perto o suficiente para me cobrir. Porque eu não quero que algum criminoso agarre ninguém, mas a abordagem teria ido bem se você estivesse perto o suficiente para atirar nele se ele puxasse a arma para mim." Eu balancei a cabeça. "Então, sim, isso foi ruim, e se você pudesse deixar isso fora do seu relatório para que Kage não mastigue meu traseiro, isso seria bom." Eu levantei devagar, finalmente revestimento de prata em meu dia.

encontrando

o

"Aww, vamos lá", ele implorou quando eu sorri para ele antes de voltar para o carro. "Você realmente vai fazer isso comigo?" Fiquei em silêncio quando entrei no carro, embora, não, eu nunca iria entregar meu parceiro. Mas havia uma diferença entre a verdade e o que eu o deixaria pensar que eu faria. Quando ele se juntou a mim, deslizando no banco do motorista, inclinou a testa no volante e gemeu. “Podemos por favor ir agora, Delegado Doyle?” Perguntei. “Eu disse que estava arrependido.” “Sim. Sim, você fez." [72]


Ele ligou o carro; eu me inclinei para trás e fiquei confortável, colocando meu cinto de segurança e fechando os olhos. “Vou comprar o café da manhã.” "Não estou com fome", suspirei profundamente. “Estou com fome” disse Lucy do banco de trás. “Eu posso comer” disse Javier. "Foda-se," Ian disse miseravelmente. Serviu-lhe bem. "Eu odeio ter medo", eu murmurei. "Sim, eu sei disso, não é?" Sim, ele fez. "Vamos comer?" Lucy continuou. "Vocês estão comprando?" Javier queria saber. "Ele está", eu disse, oferecendo Ian e sua carteira em cima de uma bandeja de prata.

MUITAS vezes pensei que a razão pela qual alguns membros da polícia se tornavam desonestos era por causa da enorme quantidade de documentos que tinham de fazer, para serem legítimos. Era cansativo. Mas mesmo que fosse mais trabalho, eu escrevi um relatório completo sobre o que Ian fez nos momentos depois que conseguimos nossas testemunhas, salvei, enviei para ele, em seguida refiz antes de eu enviar para Kage. Foi divertido ver Ian ficar pálido ao ler. "Oh foda-me," ele gemeu. O que foi mais perfeito ainda foi quando, momentos depois, Kage abriu a porta e chamou Ian e eu para nos dar a notícia sobre a dispensa de nossos dois fugitivos. Ian escorregou atrás de mim, ficou na frente da mesa do nosso chefe comigo, e ouviu como ele explicou que Lucy e Javier [73]


seriam transferidos para Oregon desde que Chicago já que não era seguro para eles. Os Delegados do escritório de campo de Portland estariam lá no fim do dia para levar os dois em custódia. Quando ele terminou e nos dispensou, Ian ficou onde estava. “Algo mais?” Perguntou ele bruscamente. Eu cobri ele. "Nós só queríamos ter certeza de que os dois vão juntos. Nós queríamos deixar Lucy e Javier saber com certeza." Um olhar furioso surgiu do meu chefe. "Você os trouxe como uma unidade, Jones, então essa decisão já foi tomada no campo. Eles estarão absolutamente entrando no programa juntos." "Obrigado, senhor." Eu disse alegremente, virando-me para sair. “Você também está liberado Doyle.” Certifiquei-me de que me movia rápido, já que Ian sabia que eu havia falsificado o relatório, e estava na metade da sala quando eu girei para trás e vi Ian fechar a porta atrás dele. Com a mandíbula apertada, ele veio atrás de mim. Eu corri para o corredor e apertei o botão do elevador, debatendo sobre se deveria voltar para conversar com Lucy e Javier. Eu já havia prometido a eles que eles estavam indo para a proteção de testemunhas juntos, e eles tinham acreditado em mim, mas uma garantia mais não poderia machucar. Eu tinha explicado que, assim como meu chefe disse, a entrada era baseada em decisões de campo. "Você, foda!" O elevador apitou ao mesmo tempo e eu mergulhei dentro com quinze ou mais outras pessoas, virando-me para

[74]


sorrir para ele enquanto ele avançava. As portas se fecharam bem antes dele me alcançar. Tenho certeza que todos ouviram o grito quando o elevador começou a descer. "Eu não sei o que há com esse cara." Eu dei de ombros e tive muitos sorrisos e algumas risadas da parte de trás. Lá embaixo, eu saí, nosso escritório estava no vigésimo quarto andar, então nunca foi um passeio rápido para cima ou para baixo. Na Dearborn Street, olhei para os edifícios de concreto de aço e vidro e decidi que uma vez que estava tão perto do almoço, eu andaria até os caminhões de comida e pegaria um sanduíche do vietnamita que eu amava. Atravessando a rua, eu fui para baixo, percebendo que eu tinha tido tanta pressa para ficar longe de Ian que esqueci minha jaqueta e eu estava tremendo. Eu debati voltar, mas fez mais sentido para pegar o almoço primeiro, embora eu estaria sofrendo de hipotermia pelo tempo em que chegasse lá. "Você é um idiota!" Eu tive tempo suficiente para olhar por cima do meu ombro antes de eu ser agarrado por trás. "Me solta!" Eu ri, o protesto cobrindo o suspiro de prazer de ter o braço de Ian jogado sobre meu ombro enquanto ele me puxava de volta para ele. Ele estava tão quente, o calor do seu corpo pressionando contra o meu, apertado, a sensação de seu peito e abdômen indescritivelmente bom, assim como sua respiração em meu ouvido enquanto sussurrava a ameaça contra minha vida. "Eu não tenho medo de você", eu disse, bebendo em cada roçar de contato. "Por que você faria isso?" Ele persistiu, ainda me puxando, apertando seu braço, mal me deixando andar.

[75]


"Para ensinar você a não me assustar", eu disse suavemente, deslizando minhas mãos debaixo da sua jaqueta aberta, deslizando-os pelos lados. "Sim? Você se sente como se tivesse me ensinado uma lição?" Ele brincou, chocando-se comigo enquanto caminhávamos desajeitadamente, nossos quadris e peitos roçando, cada um de nós entrando no espaço do outro, tentando não vacilar, tropeçar ou ser derrubado enquanto caminhávamos. Eu abaixei a cabeça para tentar girar e me afastar, mas ele respondeu, e eu acabei com ele grudado nas minhas costas, seu braço esquerdo em volta do meu pescoço, sua mão direita no meu abdômen. “Miro?” Eu estremeci. Eu não poderia ter parado a sensação de rolar através de mim, se eu tentasse. Era demais; eu estava superestimulado de tanto contato. “Você está com frio?” Oh, meu Deus, sim, vá com isso. "Sim, estou porra congelando." Instantaneamente, ele me soltou e começou a tirar a jaqueta. "Oh não, então você estará congelando", eu me afastei, andando para trás alguns passos antes de girar ao redor e caminhar pela rua. "Vamos rápido!" Ele me pegou facilmente, fechando a mão em meu bíceps, puxando-me para uma parada. "Eu tenho um suéter, tudo que você tem é essa coisa de malha. Apenas pegue a jaqueta.” "É uma Henley," eu o informei enquanto empurrava o casaco que ele já tinha tirado em mim.

[76]


“Seja o que for ” Ele riu, balançando a cabeça enquanto olhava para mim. “Apenas coloque. Vamos buscar comida e voltar e terminar a montanha de papelada.” A jaqueta estava quente, e o melhor de tudo, cheirava a Ian. Quando eu empurrei a mão no bolso direito, encontrei um par de luvas que tinha desaparecido desde novembro. "Olá?" "O quê?" Ele perguntou enquanto caminhávamos. "Estes são meus." “Você me deu essas coisas.” "Eu não." "Bem, dei-me aqui, porque eu estou congelando." "Ah, pelo amor de Deus," eu disse, desabotoando a jaqueta. Seu sorriso era pura maldade concentrada enquanto ele me parou. "Bom." "Espero que estejamos apenas caminhando até os caminhões de comida, no entanto." "Nós estamos." "Ok, bom, porque sério, é como menos treze graus aqui." "É mais como menos três", eu o corrigi. “E o vento vindo do lago?” Talvez ele estivesse certo. Uma vez que estávamos de volta em nosso prédio, subindo no elevador, nós fomos empurrados todo o caminho para o canto. Eu estava na frente dele e fiquei surpreso quando ele segurou meu quadril e me inclinou de volta para ele. "Estou congelando."

[77]


"Desculpe", eu suspirei, a sensação de sua virilha pressionado no meu traseiro me deixando tonto. "Está tudo bem," ele murmurou contra a parte de trás do meu pescoço antes de eu sentir sua testa lá. “Eu estou me aquecendo um pouco.” Porra Ian. Eu estava indo para obter uma ereção no elevador, porque ele estava muito perto de mim. Eu realmente precisava sair e encontrar alguém para transar. Talvez eu voltasse para a academia depois do trabalho e encontrasse aquele cara que eu tinha descartado na noite anterior e... "Você está ouvindo?" "O quê?" Eu fixei em sua mão direita sob a jaqueta em meu quadril, a sensação de seu queixo mal barbeado roçando na minha orelha, e sua respiração em minha bochecha. Todo o resto foi perdido. "Eu disse, lembre-se que nós temos que sair na hora certa hoje." "Por quê?" "Porque nós temos que ir para a casa de Emma." "Do que você está falando?" Eu perguntei, olhando por cima do meu ombro para ele. "A festa de aniversário do seu irmão?" Ele tentou ativar minha memória. "Não," eu disse simplesmente. "Você não pode dizer não", ele me disse. “É o irmão da minha namorada.” "Que é exatamente por isso que eu não tenho que ir," eu disse. "Ela é sua namorada." "E você é meu parceiro e meu amigo. É coisa de amigos." "Pacto?"

[78]


"Sim." "Não, não é." "Eu acho que você não leu as letras miúdas." "Eu acho que você está delirando se você pensa que eu estou passando uma noite inteira com..." "Se eu tenho que ir, você também vai", ele insistiu, como se tudo tivesse sido decidido. “Não é verdade, realmente.” Mas ele sorriu para mim, todo arrogante com as linhas de riso enrugando e o lábio ondulando e quando sua cabeça caiu em meu ombro, eu desisti. "Nós devemos estar lá por volta das sete." Eu nunca ficaria estabelecido.

[79]


Capítulo 5 A porta estava aberta quando cheguei ao loft de Emma Finch no distrito de Gold Coast no início daquela noite, e isso foi uma sorte porque sobre a música e a conversa, ninguém me deixaria entrar. Movendo-se pela multidão no espaço enorme, com seu vasto piso plano aberto, eu achei a anfitriã na cozinha. "Miro!" Ela anunciou feliz, tomando a garrafa de pinot noir e saco de café Kona de mim antes de me abraçar apertado. "Por que você parece aliviada?" Eu ri. "O café é para mim?" Ela parecia esperançosa. "Sim senhora." "Veja", ela disse para as mulheres aglomeradas ao seu redor. "Ele é um investigador." "E muito bonito." Uma das mulheres se inclinou sobre o balcão para encontrar meu olhar. "Que tipo de nome é Miro, porque eu estou pensando em grego, mas você tem traços europeus muito orientais." "O que isso quer dizer?", Perguntou Emma a sua amiga. "Ele tem as grandes maçãs do rosto eslavo e o nariz comprido." Eu ri. "Sou checo, na verdade. Miro é a abreviação de Miroslav.” As sobrancelhas de Emma levantaram-se. “Miroslav? Sério?" Meu grunhido a fez sorrir. “Mas Jones?” [80]


"Longa história", eu a informava, olhando em volta pelo meu parceiro. "Bem, eu estou tão feliz que você está aqui." Ela suspirou, chamando minha atenção de volta antes de me entregar duas garrafas de Newcastle. “Vá encontrá-lo, por favor. A última que eu ouvi, ele estava jogando Call of Duty e matando todos, e então Dennis apareceu há dez minutos e disse que mudou o jogo porque sua namorada queria jogar Grand Theft Auto ou algo assim." "Está tudo bem no beco dele", eu disse, tomando um gole de cerveja. "Você sabe disso." "Ele precisa aprender a não ser tão competitivo." "Sim, ok." Eu ri. "Você está certa nisso." Ela me virou e me empurrou para frente. “Vá jogar.” Algumas pessoas estavam dançando, mais de pé ao redor, mas eu não conhecia ninguém então eu me mudei para a parte de trás do loft onde eu sabia que o sistema de jogo era. Eu estive no lugar de Emma algumas vezes, não muitas vezes, mas o suficiente para conhecer o layout. Na tela de plasma de cinquenta e cinco polegadas, dois carros estavam correndo. As expressões nos rostos das pessoas sentadas ao redor da área coberta de concreto, tapetes, sofás e namoradeiras não eram divertidas. Ninguém estava tendo um bom tempo. Ian tinha um controlador sem fio e o irmão de Emma, de cabelos loiros, de olhos azuis e franzino, Dennis, tinha o outro. Você podia sentir a tensão na sala; O concurso de pau grande ligado. Eu me movi para o espaço, acenando para alguns que sorriram para mim antes de chegar a Ian e de pé ao lado de sua cadeira. "O que você não sabe," eu disse a Dennis, "é que ele dirige assim na vida real todo o maldito tempo." "Finalmente," Ian murmurou, soando irritado, deixando sua cabeça cair para que ele pudesse olhar para mim. "Onde você esteve?" [81]


"Tinha que ficar bonito,” eu provoquei, sorrindo. Ele me examinou. "O que?" "Você parece o mesmo." “São as roupas, idiota.” "Eu acho." Eu não teria a conversa de moda com ele novamente. Ele tinha duas distinções em seu próprio guarda-roupa: limpo ou sujo. "Miro." Dennis respirou meu nome antes que ele parasse o jogo e se levantasse para apertar minha mão. "Você conseguiu." "Ei, cara, feliz aniversário. Sua irmã roubou seu presente", eu disse, arrastando para fora, passando a Ian sua cerveja enquanto ele se levantava ao meu lado. "Então, ela foi para o vinho." "Tudo bem," ele disse, apertando minha mão com mais força. "Eu só esperava que você iria aparecer." "Eu sei por que." Eu gargalhei, estendendo atrás de mim e dando Ian um golpe rápido no abdômen. "Você quer que eu colocasse a coleira no meu cão." “Não, eu...” "Foda-se, M", Ian disse quando ele me empurrou de lado e jogou o controlador para um dos caras sentados no sofá. "Oh, você acabou?" Dennis perguntou inocentemente, como se isso não fosse o que ele queria o tempo todo. "Sim, cara," Ian disse, sua voz caindo baixo para um rosnado rouco que acontecia às vezes. "Assim feito." Eu sorri para Dennis enquanto Ian segurou meu bíceps e me puxou atrás dele. [82]


"Por que você mudou de minhas botas?" "Não elegante o suficiente para este equipamento", eu informei. "Entendi." Eu bufei para fora um riso. "Você não tem ideia de por que eu mudei, não é?" "Não." Eu balancei a cabeça. "Eu realmente tenho que levá-lo as compras. Você tem uma mulher para impressionar agora." "Eu não acho que as roupas vão consertar isso." “Consertar o quê?” "Nada," ele disse, colocando um braço sobre meu ombro. "Vamos." Voltamos para a cozinha, onde Emma ainda estava segurando a corte. "Você deu a vez a alguém, querido?" "Claro", ele respondeu bruscamente, apertando os olhos para ela. Agarrei seu suéter e puxei até ele ficar ao meu lado, ombro a ombro. "Seja legal." "Eu sou sempre agradável," ele resmungou sob sua respiração. "É um desequilíbrio álcool-sangue", eu instruí Emma enquanto ela sorria para mim. "Quando há mais cerveja nele do que sangue, você notará uma melhora no tom e no humor." Enquanto ela ria, um cara que eu não conhecia se moveu ao meu lado. "Ei, Em", ele cumprimentou suavemente.

[83]


"Oh, Phil, você conseguiu", ela disse rapidamente, sua voz presa. "Claro," ele respondeu, sua atenção aterrissando em Ian e então voltando para ela.

rapidamente

Algo estava acontecendo, mas quando eu virei minha cabeça para verificar se meu parceiro percebeu, eu encontrei seu foco em outro lugar. Ele estava muito mais interessado no homem que acabara de entrar na porta da frente. "O quê?" Eu perguntei, inclinando-me perto dele. Ele baixou a cabeça, o rosto no meu cabelo enquanto ele murmurava no meu ouvido. "É aquele cara traficando lá?" Inclinando-me para trás, encontrei o homem em questão, passando pequenos sacos de presentes para os convidados de Dennis. "Você está brincando comigo?" "Oh Miro," Emma disse de repente, soando irritada, nervosa. “Eu queria perguntar quando você entrou... como está o seu pulso?” "Roland!" Uma das mulheres que estava ao lado de Emma gritou e então deslizou ao redor da anfitriã para ir até o homem. "Ele está bem," Ian respondeu para mim distraidamente, seus olhos nunca deixando o estranho que tinha passado ao amigo de Emma o que parecia ser algo envolto em papel alumínio. "Isso é LSD ou Ecstasy, foda-se." “Você está armado?” "Claro." Nós dois viramos para nos apoiar no balcão, e examinei o quarto, tomando nota da porta da frente. "Ian." Emma choramingou atrás de mim. "Por favor. Esta é a festa de Dennis. Sou eu quem insistiu em te convidar."

[84]


"Realmente," ele disse, levantando seu pé e levantando sua calça jeans para que ele pudesse chegar para baixo na bota de motociclista que ele estava usando. "Então seu irmão nem me queria aqui." “Não, Dennis só... estava tudo bem assim que lhe disse que Miro viria.” Ele riu quando ele levantou o que eu chamava de seu SIG Sauer P2287 semiautomático e ele disse que era uma M11, ao nível do ombro. Qualquer que fosse o nome que usasse, manejado por Ian Doyle, era mortalmente preciso. Chegando em meu bolso traseiro, onde o emblema normalmente preso ao meu cinto estava, eu puxei meu ID e levantei alto. O que foi interessante era que eu, e não meu parceiro com a arma, que o homem viu. "Senhor," eu dirigi. "Eu preciso que você coloque seus dedos sobre sua cabeça." Ele finalmente viu Ian e deu um passo para trás. “E ajoelhe-se!” Ele olhou de Ian para mim. "Agora", eu comandei, mesmo quando eu o via decidir. Virando-se, ele se afastou. "Foda-se", eu jurei, percebendo que porque eu não estava carregando - era uma festa, pelo amor de Deus - eu tinha que fazer a corrida e combate. Eu não poderia ser bom apoio; Ian tinha que ser o meu. A porta da frente estava cheia de convidados da festa chegando, o que explicava sua corrida em direção à varanda. Talvez. A escolha realmente não fazia muito sentido. Mas quando ele disparou, eu empurrei meu ID em Ian e então

7

[85]


estava bem ali nos calcanhares de Roland. As pessoas começaram a gritar, e eu vi o homem loiro cruzar seus pulsos sobre seu rosto antes de ir direto pela porta de vidro do pátio. Eu nem sequer pensei em abrandar. Seguindo rápido, usei-o como um escudo contra o vidro voando em minha direção, peguei minha mão na parte de trás do seu casaco e fiquei preso quando ele bateu na grade e passou por cima. Voltando para trás, vi tudo em um arco de câmera lenta: a noite escura, a neve caindo suavemente através dela, as luzes de outros edifícios e lâmpadas de rua, e finalmente, felizmente, a escada de incêndio. Quando fomos para o lado, nós mudamos de lugar, assim eu estava caindo em primeiro lugar, impulsionando através do ar gelado. Agarrando-me a qualquer coisa com a minha mão boa unida ao braço de trabalho, eu estendi a mão e peguei a escada enquanto Roland bateu na grade e depois caiu sobre a plataforma, sem fôlego e ofegante para respirar. O jeito que eu estava pendurado era ruim: todo o meu peso era mantido apenas pela minha mão direita, mas era por isso que praticávamos aqueles malditos levantamentos mortos. Puxando-me para cima, coloquei um pé no parapeito, empurrei, torci, soltei a escada, e me joguei para a frente em um Roland subindo lentamente. Não havia nenhum ar deixado em seu corpo depois que eu caí em cima dele, dirigindo-o para baixo sob mim. Era barulhento e forte, tudo agitou e sacudiu, e se eu não acordasse as pessoas no apartamento que eu enfrentei, bem como aquelas diretamente abaixo, eu teria ficado surpreso. Como se fosse um sinal, uma luz acendeu no apartamento e eu tinha uma espingarda apontada para a minha cabeça através do vidro. "Delegado federal," eu gritei, ambas as mãos erguidas, o peito arfando. [86]


O homem ergueu a cabeça, o que era um bom sinal porque significava que ele não estava apontando mais, não que ele precisasse, tão perto quanto estava com a arma em sua posse. "Mostre-me seu distintivo." "Eu posso fazer com que meu parceiro o traga," eu ofereci. Ele apertou os olhos e depois se inclinou para perto da janela e olhou para o homem inconsciente sob meus joelhos. “Esse é Roland Morris.” “Acabei de prendê-lo por posse de drogas” expliquei. O homem estudou meu rosto quando eu comecei a tremer de frio e a minha adrenalina rapidamente diminuindo. "Você tem um pulso quebrado." E eu tinha, mas era um tempo estranho para perceber. "Sim." “Você está armado?” "Não senhor." Ele me examinou repentinamente.

um

segundo

antes

de

partir

Quando meu telefone tocou um segundo depois, eu respondi. "Ei," eu disse antes de tossir. “Está tudo bem aí em cima?” "A merda eu deveria saber, eu estou no elevador!" “Por que você está louco?” “Por que estou louco? ” Ele gritou. “Você pulou de um maldito prédio!” "Ian" "Que merda?!" "Vamos lá, qual é o problema? Você pulou de uma varanda no outro dia.” [87]


"Isso foi diferente e você estava bem atrás de mim!" Ele estava indignado e realmente barulhento. "Tecnicamente..." "Cale-se! Cala a boca!" Ele estava furioso, e eu estava começando a se preocupar. Normalmente eu poderia tira-lo fora de qualquer humor. “Ian, é...” “Jesus Cristo, Miro!” "Ouça, se eu tivesse minha arma, eu teria deixado você fazer o salto." "Eu não teria feito isso!", Ele latiu. "O inferno que você diz," eu retorqui. "Você teria feito isso em um piscar de olhos." "Foda-se, Miro. Eu não sou tão imprudente!" Eu zombei. "Me desculpe, nós nos conhecemos?" A linha foi morta quando uma abertura de janela chamou minha atenção. O homem da espingarda estava de volta, mas desta vez ele tinha a arma debaixo do braço e ele estava segurando um cobertor para mim. Ele então abriu um crachá e eu vi um escudo do departamento da polícia de Chicago. Peguei o cobertor e o envolvi em torno de mim aliviado. “Miro Jones, Delegado dos EUA.” “Henry Bridger, narcóticos.” "Oh," eu suspirei, rindo. “Posso interessa-lo em um traficante de drogas, detetive, e toda a papelada que vem com ele?” "Sim," ele disse, sorrindo para mim. "Você certamente pode." “Vou para a delegacia com você.” [88]


"Deixe-me trocar." "OK." “Seu parceiro também tem seu casaco, ou quer emprestado um dos meus?” "Ele vai traze-lo com ele." “Onde diabos você estava?” Eu apontei para cima. "Eu pensei que os Delegados só colocavam as pessoas em custódia protetora ou perseguiam fugitivos." "Oh, não, detetive, nós somos o serviço completo." "Eu gostaria que você entrasse, mas..." "Ele poderia acordar, eu sei," eu concordei, pegando o Glock que ele passou por mim. "Eu levo uma 20 carregada calibre 40, mas esta 34 é doce." "O anexo do GTL 228 é bom, certo?" Eu assenti, levantando-o, testando o peso. "Eu deveria ter uma luz para a minha também." "Você tem que ter um coldre especial, no entanto." "Verdade", eu disse, um pouco instável quando eu me levantei. "Se o meu parceiro exigir...” "Vou acalmá-lo." "Obrigado. Qual é o número?" "Estou no 801." Apartamento no 8º andar. Deus, eu realmente não precisava mesmo de meu chefe para obter um cheiro disto. Eu só podia imaginar os comentários dos outros, de White e

8

[89]


Sharpe — o substituto de Sanchez — Dorsey ou Kowalski — todos eles viviam para me dar porcaria. Mas pior de tudo seria a explicação: por que, sim senhor, eu saltei de uma varanda. A ideia era tão atraente quanto uma extração dentária. “Jones!” O grito veio do beco abaixo. Inclinando-me, olhei para baixo para o US Marshal Ian Doyle e acenei. "Você, porra!" Eu o silenciei. Seus ombros caíram e sua cabeça inclinou quando ele olhou para mim. "801", eu chamei. "Venha me ajudar." Ele correu, derrubando o beco, e desapareceu em torno do lado do edifício. Sentei-me no banco ao meu lado e olhei para Morris para me certificar de que ainda estava respirando. Minutos depois, ainda tremendo no ar da noite, ouvi o grupo de salvamento de um homem na janela. "Hey", eu cumprimentei meu parceiro enquanto ele descia a escada de incêndio. “Dez malditos anos de minha vida,” ele rosnou, agachando-se diante de mim, tomando meu rosto em suas mãos firmes e calejadas. "Não morto", confirmei. Ele me examinou mais ou menos, respirando fundo enquanto ele virava minha cabeça para a direita e para a esquerda, finalmente levantando-a antes de deslizar suas mãos sobre minha garganta, peito, pelos meus lados e pelo meu abdômen. “Alguma coisa está doendo?” "Tudo," eu admiti, esperando que minha confissão escondesse o assobio de prazer por ter sido tratado tão assim. [90]


"Tem certeza que está bem?" Ele estava claramente assustado e a emoção aprofundou sua voz, seu olhar preocupado quando ele segurou o meu. "Você está todo corado." Eu limpei minha garganta, afastando de suas mãos me agarrando. "Sim, estou bem." "O que eu posso... " "Depois de prender esse cara, podemos comer?" O sorriso de Ian, a forma como seus olhos se aqueceram e seu olhar se deteve, enviou meu estômago em uma queda familiar. O olhar de propriedade flagrante nunca deixou de enviar o sangue correndo direto para o meu pau. E o homem não tinha ideia. Eu tinha pensado que quando éramos novos, nós como parceiros, eu estava lendo muito na maneira que eu olhava para cima e caía em seu sorriso, pegá-lo olhando em minha direção, ou sentir o peso de seu olhar nas minhas costas. Nenhum outro homem que não quisesse me foder tinha reagido dessa maneira, olharia de volta para mim, inabalável, antes de amolecer - feliz, ao que parecia, simplesmente por estar no meu espaço. Mas ele fez. Ian fazia. E era uma fonte constante de desconforto e orgulho.

DEMOROU um par de horas, a papelada. Nós nos sentamos na mesa de Bridger e ele digitou no computador enquanto Ian escreveu o que ele viu e eu gravei o que eu tinha testemunhado. Outras pessoas na festa ainda estavam sendo questionadas, e como Bridger fez mais anotações, eu me virei para que eu pudesse examinar meu parceiro. "O que?" "Você tem um plano para fazer as pazes com Emma?"

[91]


O olhar penetrante era outro dos meus favoritos, usado quando o olhar ameaçador não era suficiente. “Fazer as pazes com ela, por quê?” “Você prendeu o irmão dela.” Ele olhou para Bridger, que assentiu, antes de voltar sua atenção para mim. “Não fui eu quem convidou um traficante para minha casa.” "Sim, mas você poderia ter dado a ela, e aos outros, justa advertência sobre o que você estava fazendo. Você poderia têlos tirado antes que eles fossem cercados por policiais.” “Sim” concordou Bridger. "Cara, é melhor você o fazer rastejar." "Eu estava fazendo meu trabalho", defendeu-se. Eu balancei a cabeça. “Ele está brincando?” "Infelizmente, não," eu disse ao detetive. Bridger assobiou baixinho e voltou a digitar. "O que mais?" Ian cutucou a contragosto. "Eu acho que estou aleijado," eu me queixei, meu corpo começando a dar cãibra por estar sentado tanto tempo. "Isso é o que acontece quando você pula de edifícios", uma nova voz rosnou. Porra. Eu estremeci e levantei a cabeça lentamente, o que não fez nada para diminuir a presença intimidante do homem que eu não queria enfrentar. Com 1,93, coberto de músculos duros e possuindo o par mais frio de olhos azuis de aço que eu já tinha visto, meu chefe, Sam Kage, não era o tipo de homem com quem você se metia. E não era só eu que andava em casca de ovo em volta dele. Ian era um Boina Verde fodão, um capitão do Exército, mas ele não mexia com o nosso chefe também. [92]


Havia algo nele: uma ferocidade, uma tenacidade, de modo que você sabia que ele iria leva-lo, machucá-lo, fazer você pagar. E enquanto eu só tinha testemunhado essa resolução aplicada aos criminosos, eu não queria tentar o destino. "Eu não tinha uma arma", eu apressadamente expliquei. "Estávamos em uma festa." Todos os homens da minha vida me olhavam como se eu fosse um idiota. "Então eu fui atrás do suspeito para enfrentá-lo", eu perambulei. "Onde você estava?", perguntou a Ian. “Protegendo a cena, senhor.” Kage se aproximou de mim. "Você faz isso de novo, Jones, e eu vou arrebentar seu traseiro para o dever judicial até você morrer." Eu tossi. "Sim senhor." “Vá para o hospital e obtenha um check-up.” “Sim, mas... " "Antes de amanhã ou seu traseiro está sentado em casa", ele latiu. "Até novo aviso." Merda. "Sim senhor." Sua atenção voltou para Ian. "Você continua deixando ele se machucar, e eu vou começar a questionar sua decisão de ser um Delegado, Doyle. Talvez este trabalho seja muito manso para você. Não pode manter sua cabeça no jogo sem a ameaça de morte iminente?" “Não, senhor” disse Ian bruscamente. "Desculpe?" “Eu disse, não senhor.”

[93]


Kage grunhiu. "Quando o adicionei à minha equipe original de cinco homens, com Ching, Becker, e depois você, Kohn e, finalmente, Jones, achei que você estaria comigo um bom tempo." Ian ficou em silêncio. "Mas se o seu plano é não prestar atenção para o seu parceiro, eu posso encontrar alguém que vai." Os músculos da mandíbula de Ian apertaram-se. "Somos uma equipe, Doyle." Ele limpou a garganta. "Sim senhor." Kage virou-se para Bridger. "Deixe-me saber o que mais você precisa de meu escritório, detetive." Bridger assentiu com a cabeça, pegando o cartão de Kage com uma inspiração afiada. Fazia sentido; O homem era realmente assustador. Sua altura, a construção poderosa, o olhar gelado: tudo isso lhe deu a impressão de que se você fodesse, você estaria fora. Eu certamente nunca quis estar em uma posição para testá-lo. “Em que andar está homicídios?” “Quinto” respondeu Bridger perguntar por quê, delegado?”

rapidamente.

“Posso

"Eu preciso falar com um dos detetives que eu deveria estar me encontrando aqui." "Qual? Eu posso chamar por você; verificar se ele está aqui tão tarde.” "Ele está, porque, novamente, marcamos uma reunião. E é Duncan Stiel.” Depois de um momento, Bridger riu. "Oh, você quer dizer o namorado do bilionário?" Grande. Erro. Ian desejou que ele pudesse franzir o cenho com tanto desprezo gelado. Bridger realmente engoliu. [94]


"Não," Kage disse sem rodeios. “Quero dizer, o detetive de homicídios altamente condecorado.” Bridger tossiu. “No quinto andar, você disse.” "Sim." “Posso encontrá-lo pessoalmente.” Bridger permaneceu em silêncio. Seu olhar pousou em mim. "Hospital." Como se eu ignorasse uma ordem direta do homem. "Sim senhor." Kage olhou para Ian e depois se virou e saiu da sala. As pessoas fugiram de seu caminho enquanto ele se movia pelo corredor de onde podíamos ver pelas janelas de vidro do outro lado da sala. "Ele é meio intenso", comentou Bridger. "Isso deve ser muito divertido." “É verdade” concordou Ian. “Mas, deixe-me dizer, quando você está preso em algum lugar, não há ninguém que prefira ter ou vir para você ou insista em que alguém saia de sua bunda e monte seu resgate.” "Sim," eu disse, rindo. "O termo 'movendo céu e terra', foi feito para ele." "Foi," Ian concordou. Ele olhou para Bridger. "Ele terminou? Porque temos que fazer nossa segunda viagem ao hospital em tantos dias." "Quando você quebrou isso?" Bridger perguntou, inclinando a cabeça para o gesso em meu pulso. "Dois dias atrás." "Puta merda. Como?"

[95]


Eu repeti o seu movimento, mas inclinei a minha para Ian. "Oh." "Foda-se, M. Vamos." Comecei a rir e Bridger arregalou os olhos. "Então, todos assustadores."

vocês,

Delegados,

são

um

pouco

"Inferno sim," eu disse enquanto Ian me puxava para os meus pés. "E todos vocês têm que ter o mesmo corte de cabelo? Até o seu chefe?” O corte de Kage era basicamente militar, acima da gola nas costas e ao redor das orelhas. Ian era mais curto, já que ele ainda servia na Reserva do Exército. Meu cabelo era mais longo e mais espesso e eu colocava produtos nele para tornálo confuso e levanta-lo. Mas nós tínhamos um código de vestimenta que nosso chefe imaculadamente vigilante aplicava. "Temos que parecer todos iguais para que os bandidos não possam nos distinguir." "Uh-huh," Bridger disse, balançando a cabeça como se eu estivesse louco. No elevador, descobri que estava um pouco tonto. "Segure-se em mim." Colocando uma mão no ombro de Ian, segui-o para fora da delegacia. “Não salte mais de janelas abertas” ordenou quando tropecei. “Cansado de ficar com problemas com o chefe?”

[96]


“Continue empurrando. Acho que seria uma decisão sábia.” Eu estava sendo um idiota. "Eu sinto Muito. Eu prometo." "Vamos", ele bufou, colocando um braço ao redor de minha cintura enquanto ele me acompanhava até o carro. No hospital, eu percebi que era depois das nove e eu não estava com pouca fome, mas muita. Havia um restaurante vinte e quatro horas em frente, e depois de alguns minutos implorando, mendigando, e lamentando-se, Ian relutantemente levantou-se e saiu para obter alguns alimentos. A enfermeira que me viu enquanto ele estava fora, Arlene, era legal. Ela verificou se minhas pupilas não estavam dilatadas, mudou-se para os meus reflexos, e estava preocupada com os cortes e contusões. Eu expliquei que aqueles eram velhos. "Velhos?" “A partir de mais cedo.” Arlene estava confusa até eu explicar que eu tinha estado lá há dois dias. Uma vez que ela tinha meu gráfico, ela verificou o gesso no meu pulso esquerdo enquanto eu expliquei como eu era realmente o Homem-Aranha. “Sabe, a maioria das pessoas que quebram os ossos ficam calmos por alguns dias depois, Delegado.” "Sim, eu sei." "Você tem certeza?" "Você acha que eu tenho uma concussão?" "Entre outras coisas." "Por que você diz isso assim?"

[97]


“Porque há obviamente algo profundamente errado com você” Arlene estalou. “É o cérebro dele ” disse Ian enquanto entrava com uma bandeja de shakes, hambúrgueres, anéis de cebola, batatas fritas e garrafas de água. "O restaurante deixou você trazer isso?" "A comida?" Ele estava confuso. "A bandeja, idiota." “Como se alguém dissesse merda para mim. ” Arlene imediatamente o repreendeu. "Você não pode ter isso aqui." Ele empurrou o casaco de volta para que ela pudesse ver o distintivo no cinto. ‘Isso não significa nada para mim” disse Arlene sem rodeios. "Eu vou te dar o meu shake se você deixar ir." Os shakes eram enormes, por isso funcionou bem. Ele e eu bebemos o de chocolate e ela teve o de morango. Ela tirou sangue, ouviu meu coração, e tomou minha pressão arterial, e quando fui levado de volta da radiologia depois de ser radiografado, Ian estava deitado na minha cama, assistindo a um jogo de basquete e terminando as batatas fritas. "Nós devemos ir buscar a sobremesa depois disto," ele disse antes de arrotar. "Você ligou para Emma?" Eu perguntei, acenando para que ele pudesse se afastar para eu entrar. "Não precisou," ele disse, segurando seu iPhone para mim, sem tirar os olhos do jogo.

[98]


Colocando no viva-voz, Arlene e eu ouvimos Emma Finch romper com o meu parceiro. Ela estava magoada, zangada, e mesmo que se descobriu que nem ela nem seu irmão iriam para a cadeia, provavelmente haveria uma quantidade ridícula de serviço comunitário realizado. "É assim que ela rompe com ele?" Eu fiz uma careta. "Eu provavelmente posso corrigi-lo", eu informei a Arlene. “Não faça isso” disse Ian, e tanto a enfermeira quanto eu nos viramos para ele. "Está tudo bem." "Você está sofrendo por dentro," Arlene ofereceu. "E você está em choque," eu adicionei. "Não," ele grunhiu. "Mas eu poderia ter uma cerveja." Virei-me para Arlene. "Você não deveria ter nenhuma cerveja," ela disse, voz firme. "Tenho que mijar", Ian anunciou antes de se levantar e sair da sala. "Ele é formidável," Arlene disse sarcasticamente. Eu ainda estava rindo quando o médico finalmente apareceu quinze minutos depois. Depois de três longas horas, eu fui dispensado depois da meia-noite com um projeto de lei para testes e procedimentos que me fez arfar se eu não trabalhasse para o governo federal. O valor impressionante foi completamente coberto desde que tinha sido incorrido durante o desempenho das minhas funções. "Lembre-me de nunca me machucar quando não estiver no trabalho." Ian não estava ouvindo; A única parte que ele se importava era que eu estava autorizado a voltar ao trabalho no

[99]


dia seguinte. Eu acabei não ficando na pior por ter saltado através do ar sem um trapézio ou uma rede. "Eu posso tomar uma cerveja." Eu ri. Ele jogou um braço em volta do meu pescoço e me puxou para perto. "Você assustou a merda fora de mim." "Eu sei." “Não faça isso. ” "OK." "Você é a parte sólida disto." De nós, ele quis dizer - eu era a parte sólida de nós. E eu sabia disso também. "Você tem que ser você, e eu serei eu." "Concordo", eu disse, sorrindo enquanto entramos no elevador. "E assim estamos claros," ele falou, virando-se para encontrar meu olhar. "Ela está transando com Phil." Eu olhei para ele, porque eu obviamente tinha perdido alguma coisa. "O que?" “Emma” disse ele com um ligeiro sorriso. "Ela está fodendo aquele cara Phil que estava lá esta noite. Esta é apenas uma boa desculpa para me chutar para o meio-fio.” "Não." Ele assentiu. "Eu não acredito em você." "Porque eu mentiria? Isso me deixa mal visto, porque obviamente eu não era o suficiente para ela." "Espere", eu resmunguei, puxando seu ombro, fazendo ele se virar para me encarar. "Como você sabe disso?" Ele encolheu os ombros. "Eu sei." [100]


"Isso é besteira. Você não sabe.” Ele me passou o telefone. Eu peguei quando saímos do elevador e fomos em direção à porta da frente. Em seu rolo de câmera estavam várias fotos de Emma em um jantar com o homem que eu me lembrava de ver na festa, no entanto brevemente. Aproximaram-se, tomaram as mãos e deixaram o restaurante Bravo juntos. As fotos seguintes eles estavam em um táxi, então fora de seu Greystone, e finalmente através de uma janela, pegando-os agarrados junto. Nenhum salto intuitivo necessário. "Nunca dissemos que era exclusivo", ele me informou quando chegamos à rua e ele se aproximou de mim. "Ela tecnicamente não está me traindo, mas eu não quero dormir com alguém que está dormindo com outra pessoa." "Claro que não." Ele encolheu os ombros. "É o que é." “Mas ela poderia apenas ser honesta.” Ele respirou fundo. "Estou bem." “Quem tirou isso?” "Eu fiz." "Você perseguiu sua própria namorada?" Eu perguntei, segurando ele. "Eu estava reunindo informações", ele defendeu entrando mais perto, assim meu braço passou de ser esticado para dobrado contra mim, minha mão plana em seu torso. "Para mostrar a quem?" Eu consegui sair, minuciosamente consciente do abdômen ondulando sob o algodão macio, lutando para não enrolar meus dedos no material. "Você", ele disse, sorrindo, se aglomerando em mim enquanto as pessoas saíam do prédio empurrado por nós. [101]


Antes de pensar no que eu estava fazendo, eu deslizei minha mão para cima do sólido peito musculoso, a dose de Demerol me fazendo mais corajoso do que o normal. “Vamos tomar uma bebida.” "Não", ele bocejou, inclinando-se para baixo e pressionando sua testa em meu ombro por um segundo antes de se libertar. “Vamos pegar uma torta.” Torta soou melhor. "OK." “Nós vamos busca-la e comer em seu sofá.” "Você realmente gosta do meu sofá", eu suspirei, porque eu adorava que ele gostasse de estar na minha casa. "Eu faço," ele admitiu. "É um bom sofá. Eu nunca tive um pesadelo nele." Foi uma coisa muito boa.

[102]


Capítulo 6 Paramos no caminho de volta para o meu lugar, pegando uma torta de abóbora para mim e creme de chocolate para ele e depois roupas para ele para a manhã. Ele adormeceu na metade de Duro de Matar, e eu o cobri. Quando o filme terminou, levantei-me para lavar pratos, e ele estava completamente esticado quando eu voltei, almofada debaixo da cabeça, morto para o mundo. Surpreendente como vulnerável ele parecia quando ele estava dormindo. Eu me perguntava como Emma poderia suportar ser separar dele. Levei seu telefone comigo quando subi. Era uma casa pequena com um loft acima do piso principal no topo das escadas, onde minha cama estava junto com um criado-mudo e uma lâmpada industrial vintage. Eu tinha encontrado aquela lâmpada em um prédio abandonado quando eu tinha quinze anos e mantive-o comigo desde então. Mesmo movendo-se entre casas adotivas, eu consegui não o perder, certo de que algum dia eu e isto teríamos um lar. Do outro lado das escadas estava meu banheiro e meu armário, e foi isso. Todo o resto estava no primeiro andar. O que era bom era que eu poderia deitar no final da minha cama e olhar para baixo em minha sala de estar. Em 70 metros quadrados, o Greystone era minúsculo, mas eu não precisava de muito espaço. Era meu - e eu o possuía - do chão de madeira de celeiro regenerado na sala de estar para a geladeira Philco e concreto polido na cozinha até o chuveiro Kohler no meu banheiro. Eu fiz disso o meu santuário. Todos as paredes tinham fotografias em preto e branco minhas, de amigos e lugares que eu tinha ido, coloridas obras de arte pendurada em cada parede disponível, e a escada de madeira em um canto [103]


que eu coloquei plantas e mais quadros. Eu tinha estantes abertas na cozinha para exibir louças que meus amigos colecionavam na faculdade que eu originalmente odiava, mas agora amava. Era compacto, como viver em um bangalô, e eu gostava da sensação. Eu tinha optado por uma mesa de piquenique em vez de uma tradicional, por isso nunca tive de se preocupar com cadeiras e sempre fiquei surpreendido como muitas pessoas adoraram a ideia de estar em um banco para compartilhar uma refeição. Era um lugar quente e de manutenção completamente baixa ao mesmo tempo. Comparado com o lugar de pisos escuros e paredes cinzas de branco-aparado do armazém convertido em casa que Ian morava, o meu era acolhedor. Ele sempre disse isso. Esticando-se na minha cama, peguei as fotos de Emma e Phil no telefone de Ian e comecei a excluí-las uma por uma. Quando seu telefone tocou e eu vi seu número, eu respondi. "Oi", eu cumprimentei solenemente. “Miro?” "Sim." "Você está bem? Liguei a noite toda e Ian não atendeu." "Estou bem." "Eu... ok, bem, Ian está com você, porque..." "Ele está dormindo. Ele teve uma noite difícil." "Você não teve isso para trás? Foi você que pulou da minha varanda.” "Ele sabe que você está dormindo com Phil, Emma." "Desculpa, o que?" "Eu estou apagando a evidência fora de seu telefone agora. Não é saudável para ele.” Uma longa pausa. "Eu nunca o notei," ela finalmente disse. [104]


“Bem, ele é treinado para não ser detectado, então isso faz sentido.” "Eu acho." Eu tossi suavemente. “Havia alguma outra coisa que você quisesse dizer a ele?” "Sim. Não.” Ela suspirou. "Eu não sei. Eu não deveria ter deixado o correio de voz.” "Ele disse para mim." "Claro que sim. Eu teria sabido que você estava mentindo se dissesse que não." "Desculpa?" “Por favor, Miro, ele te conta tudo. Você é a outra metade dele.” "Eu não iria..." "E realmente, uma vez que estamos sendo honestos, eu mal podia suportá-lo quando você não estava por perto." "Do que você está falando?" "O que eu estou... você está falando sério?" Ela riu asperamente. "Ele fala quando você está lá, Miro. Ele ri, ele interage." "Eu..." "E quando você não está, ele se fecha. Winnie e Val não tinham ideia de que ele pudesse rir ou sorrir até o momento você nos encontrou na pista de boliche.” "E então o que, você decidiu mantê-lo, mas tem Phil ao lado?" Eu perguntei, tentando não parecer acusatório. "Nunca foi exclusivo entre Ian e eu." Se eu tivesse a sorte de ter Ian Doyle na minha cama, eu teria a certeza que ele sabia que ele era o único que eu queria lá. Ele nunca iria fugir uma vez que o tivesse. [105]


"E ele é um amante de merda, Miro. Você deve avisar qualquer garota que se aproxime dele", ela disse com raiva, sua voz gotejando com desdém. "Ele é completamente egoísta." Eu a ignorei. “Há alguma coisa dele na sua casa e viceversa?” "Você deveria ter me avisado que seu trabalho é sua prioridade número um, que ele iria sair no meio da noite, sem um telefonema para ir em alguma missão, e ficar fora por um mês." "Eu lhe fiz uma pergunta." "E depois mostrar-se de volta e esperar ter relações sexuais." Parecia gostar de Ian. “Emma?” "Não! Não tenho nada dele na minha casa, e ele sempre vasculhou seu apartamento quando eu saí para me certificar de que não esquecera nada." Ela estava furiosa, e eu podia ouvir a dor em sua voz. "Não há nada que não seja dele em seu lugar. Ele nunca permitiria isso.” Mas isso não era verdade. Eu tinha perdido a conta da quantidade de minhas camisetas que ele tinha tomado. Meu boné da Universidade de Chicago tinha se apropriado, assim como meu cachecol de caxemira vermelha e, aparentemente, as botas que eu tinha esquecido. Mas eu nunca tinha pensado duas vezes. Trocamos coisas; é o que os parceiros fizeram. Eu tinha um suéter dele de West Point e sua pele de cachecol de lã Burberry que eu tinha pedido emprestado há oito meses e nunca mais devolvi. Eu também tinha uma jaqueta militar que ele tinha deixado em minha casa a última vez que ele chegou em casa nas primeiras horas da manhã. Eu me lembrei da batida na porta às 1:00 da manhã, me desculpando com o cara todo sobre mim no sofá - Wayne alguma coisa - e abrindo a minha

[106]


porta para encontrar o meu parceiro machucado e instável diante de mim. "Oh merda," eu ofeguei, não tinha certeza onde eu poderia tocar e não o machucar. "Eu tenho uma concussão," ele anunciou. "Você tem que cuidar de mim." Estendi os braços para ele. "Claro." Ele cambaleou para frente e me deu seu peso, cabeça para baixo no meu ombro, braços me envolvendo com força. "Isso é uma insígnia Airborne9", o cara que eu já não mais queria fodidamente engasgou. "Puta merda, cara." Tudo que eu sabia era que meu parceiro era das Forças Especiais. Eu nunca perguntei, não era o meu lugar. "Você pode ir", eu disse rapidamente, mais contente por ter o homem que eu queria inclinado sobre mim, quase adormecido em seus pés, sua respiração soprando sobre o lado do meu pescoço, do que o cara que eu conheci por um par de horas que eu queria fazer sexo. "Seja o que for, cara, foda-se." O bater da porta sacudiu Ian, e ele agarrou-me. "Está bem. Vamos lá para cima. Você pode ter minha cama." "Não," ele gemeu, "o sofá. Sonhei com o sofá.” Era um sofá seccionado em microfibra de duas peças. Não havia nada de remotamente interessante nisso, mas ele começou a se despir enquanto caminhava - boné, jaqueta, cinto - e então se jogou sobre ele, tirou as botas de combate pesadas desatadas e tirou as calças, seguido rapidamente pelas meias. Empurrou um dos muitos travesseiros que cobriam o sofá sob sua cabeça, suspirou profundamente, e 9

É um emblema militar das Forças Armadas dos Estados Unidos concedidas aos membros do Exército dos Estados Unidos, da Força Aérea, Corpo de Fuzileiros Navais e da Marinha. [107]


parou de se mover. Depois de alguns momentos de admiração, o corpo longo e musculoso esticado diante de mim, eu o cobri com um cobertor de malha. Eu recolhi depois, coloquei todas as roupas dele na lavadora, e sentei para ler. Depois de vinte minutos ou mais, ele acordou, se moveu, colocou o travesseiro no meu colo, e se deitou de volta. “Supostamente para me ver” murmurou antes de adormecer de novo. E eu me perguntei naquele momento por que ele estava na minha casa em vez de com Emma, mas isso não me incomodou o suficiente para questioná-lo, não basta chamá-la e fazê-la vir e pegá-lo. Eu queria que ele estivesse exatamente onde estava, sólido e de uma só peça. “Miro?” "Desculpe", eu disse rapidamente, envergonhado que minha mente estava vagando, sua voz me trazendo de volta ao presente. "E eu sinto muito que as coisas terminaram assim." "Está tudo bem, já passei por isso." Eu esperava que fosse verdade. “Tchau, Emma.” “Adeus, Miro. Você realmente foi minha parte favorita de conhecer Ian Doyle." Era triste, e eu ainda estava pensando nisso quando eu olhei para cima e encontrei ele de pé no topo da escada. "Falando no diabo." Ele grunhiu. "O que você está fazendo?" "Apagando fotos do seu telefone", eu o informei. “Você apagou todas?” "Eu fiz, sim." "Isso é bom." Ele bocejou suavemente. "Saudável."

[108]


"Como se você soubesse sobre ser saudável", eu resmunguei. "Ei, eu esqueci de pegar alguma coisa para dormir. Preciso de pijamas ou shorts ou qualquer outra coisa." "Verifique meu armário", eu ordenei, colocando o telefone na minha mesa de cabeceira. "Gaveta superior do armário. Faça sua escolha." Ele estava sem camisa, então eu tenho uma bela vista do tanquinho, peito musculoso, e os oblíquos mostrados pelo jeans desgastado quando ele se moveu ao redor da cama. Eu também podia ver várias cicatrizes de facas, balas e - meu favorito - um chicote. Um senhor corrupto em alguma pequena fossa do mundo tinha realmente o açoitado. Fiquei horrorizado quando ele explicou as evidências deixadas para trás em sua pele, mas Ian sendo Ian apenas deu de ombros. Eu tentei não deixar minha mente vagar para os horrores visitados sobre ele quando eu não tinha estado lá mantendo vigília. Tanto quanto eu poderia dizer, as pessoas que deveriam ter suas costas não tinham sido muito boas em protegê-lo ou... o oposto era verdade e eles eram fantásticos e as cicatrizes de chicote eram simplesmente a ponta do iceberg do que poderia ter acontecido. Não que ele falasse sobre isso. Eu só sabia sobre o incidente com o chicote porque ele tinha confessado para mim uma noite, quando ele estava muito bêbado. Eu queria tocá-lo então, e eu queria tocá-lo agora. O desejo de deslizar minhas mãos sobre seu duro corpo muscular, de ter aqueles grossos braços envoltos ao meu redor, e de lamber cada centímetro de sua elegante pele verde-oliva era um desejo constante. Eu estava pronto para prová-lo, tê-lo, e mantê-lo no segundo que ele desse a palavra. "Eca, cara, há tangas aqui dentro", ele gritou do outro lado da parede. Merda.

[109]


Ele estava remexendo em minhas coisas e que foi o meu erro. Nada matou o tesão como comentários sobre sua roupa de baixo fodida. "Só pegue alguma coisa e saia," eu gritei, sentando, precisando mudar de roupa. "Não seja tão merda sensível." Ele riu, mantendo o diálogo em execução. "Tenho certeza de que os caras adoram quando você usa merda de frufru assim." "Eu tenho uma arma", eu avisei em vez de gritar. Eu precisava de umas férias longe dele. "Isto é couro?" Ele riu maliciosamente. "Indo para a arma de fogo!" Ele estava de volta, andando na minha direção em shorts de dormir que abraçava sua virilha enquanto caminhava, delineando o longo pau que eu tinha visto muitas vezes. Ele não era modesto ao meu redor - academia, casa, quartos de hotel quando estávamos em vigilância - ele não se importava. Ficar nu na minha frente não era um problema para ele. "Não atire," ele brincou enquanto ele passava pela minha cama para chegar às escadas, despenteando meu cabelo no processo. "Eu só quero dormir." "Pegue seu telefone", eu resmunguei, odiando o toque brincalhão, jogando seu telefone para ele. "Ei." Ele parou na escada que leva para baixo, então tudo o que eu podia vislumbrar dele era do peito para cima. “Obrigado por não morrer.” "Vá para a cama." Ele bufou. "Indo."

[110]


Momentos depois as luzes se apagaram no primeiro andar quando eu estava no meu caminho para o banheiro. Uma vez que eu estava pronto para a cama - dentes escovados e vestido o pijama e uma camiseta, caminhei de volta para me deitar. Quando eu desliguei a lâmpada na minha mesa de cabeceira, toda a moradia mergulhou em semiescuridão. A luz do luar que entrava pela claraboia, assim como pela janela, fazia com que todos os vários tons de azul profundo, rico. Isso me lembrou os olhos do meu parceiro, que, naturalmente, não me ajudou a dormir. Quando me virei na minha cama e rastejei até o fundo, eu podia vê-lo esparramado abaixo de mim. Foi bom que um de nós estava descansando um pouco.

[111]


Capítulo 7 A porta me acordou mais cedo do que o meu alarme foi definido para, então eu me levantei, tropecei pelas escadas, passei Ian quando ele ia para o loft, e cruzou em direção à fonte da campainha, turvo, apenas meio acordado, sentido o cheiro do café e imaginando como isso era possível. Eu abri a porta da frente antes da razão filtrar através do meu cérebro. "Ei." Tudo doía, e ter Brent Ivers na minha varanda não estava ajudando. Meu ex tinha me deixado há seis meses para um emprego e uma nova vida em Miami. No melhor dos tempos, o sexo tinha sido divertido e nós rimos muitas vezes embora, a seu pedido, nunca tivesse sido exclusivo. No pior dos momentos, no final, aparecer em seu lugar e encontrar outros homens lá quando éramos supostos estar jantando ou indo visitar sua família tinha sido doloroso. Quando ele saiu, nunca tinha pensado em me pedir para ir, para transferir, e nunca me ocorreu dizer nada além de adeus. Chicago foi o primeiro lugar que eu já me senti seguro, o único lugar onde nada de ruim tinha acontecido, e meu trabalho e meu parceiro estavam lá. Eu não estava indo a lugar algum. “Está congelando aqui, querido. Posso entrar?" Brent perguntou, trazendo minha atenção de volta para ele. Eu apertei os olhos. "O que você está fazendo aqui?" "Senti sua falta." "Merda," eu disse, chamando-o em sua porcaria. “Qual é o problema?” "Sério," ele choramingou, "Deixe-me." [112]


Pisando de lado, já que não parecia que ele estava saindo, eu fechei a porta atrás dele enquanto ele se virava para me encarar. "Droga, você está bem," ele disse roucamente, me aglomerando. Afastei-me, colocando espaço entre nós. "O que está acontecendo?" Ele estalou irritado. "Desde quando não posso te tocar?" "O que diabos você está fazendo aqui?" Eu respondi. "Estou na cidade a negócios e pensei que iria ficar com você enquanto estivesse aqui." "M!" Ian saltou do corrimão ao lado do meu armário. "Eu preciso de uma cueca!" "Você sabe onde está!" Eu gritei de volta. "Você estava lá ontem à noite!" "O que diabos ele está fazendo aqui?" Brent rosnou, visivelmente sobressaltado pela voz alta do meu parceiro. “Ele dormiu aqui?” "O que diabos ele está fazendo aqui?" Ian trovejou, seu volume aparentemente definido em sirene de ar. Era muito barulho para antes mesmo que eu tivesse café. Eu resmunguei e passei por Brent, andando no chão de madeira para minha cozinha. "Miro?" Brent gritou, seguindo depois de mim quando eu ouvi Ian descendo as escadas. "O que diabos está acontecendo? O que Ian está fazendo aqui precisando de cuecas?" Parecia suspeito, mas isso não deveria ter importado. Não para Brent. "A questão mais importante é por que no mundo você pensaria que poderia aparecer aqui sem nenhuma boa razão", eu disse bruscamente, puxando uma caneca de um [113]


dos ganchos sobre a minha pia antes de ir fazer meu café. Cheirava celestial. "Eu pensei que nós éramos bons", ele explicou, entrando perto de mim enquanto eu servia. "Você quer algum?" "Quando você já me viu recusar seu café?" Passei-lhe a caneca fumegante, avisei que o creme estava onde sempre estava, e fui pegar outra caneca enquanto Ian entrava na cozinha. "Derrame-me algum também", ele ordenou em vez de perguntar, andando a passos largos para parar ao meu lado em calças desabotoadas que mostravam um par de minhas cuecas brancas. "Não há creme de avelã aqui", comentou Brent enquanto procurava na minha geladeira. "Isso é porque você é o único que bebia essa merda," Ian disse sarcasticamente. "Tudo o que há lá é leite, é pegar ou largar." "Por que você está aqui?" "Por que você está?" Ian devolveu. "Miro?" Brent estalou, batendo a porta da geladeira antiga antes de me encarar. "O que diabos está acontecendo?" “Ouça, eu...” Mas Ian deslizou na minha frente, cortando minhas palavras enquanto avançava sobre Brent. “Você voltou?” “Não, só estou... ” "Então você pensou o quê," ele disse, alcançando Brent, sua carranca escura enquanto ele perfurou dois dedos na clavícula de Brent.

[114]


"Owww," ele reclamou, tentando olhar em torno de Ian. “Miro, faça-o...” "Você pensou que poderia vir aqui como se nada tivesse acontecido? Como se você não tivesse porra saído? Apenas ficar aqui enquanto você estava na cidade, salvo de um quarto de hotel, e ficar com alguém no processo?" Ian rosnou. "É isso que você pensou?" “Afaste-se” advertiu Brent. "Isso é besteira," Ian informou, a voz levantando, corpo tencionando para uma luta. "Então você precisa sair daqui antes de colocar meu pé no seu rabo." "Miro!" Brent fervendo, girando em torno de Ian e cobrando para mim. "Que diabos?" "Vá já. Não é uma boa ideia para você estar aqui.” “Mas minha mãe quer que você a visite” protestou Brent. "Isso é baixo mesmo para você, idiota," Ian disse, batendo-me enquanto ele se aproximava, seu calor corporal me fazendo perceber como a casa estava fria. "Eu te vejo por aí, Brent," eu menti, dando um passo ao redor dele para chegar à minha geladeira, precisando do leite, não gostando do sabor do café preto do jeito que Ian fez. “Você se cuide.” “Meu Deus, Miro, sinto muito por te ter magoado. Eu não tinha ideia de que você estava danificado." “Saia” ordenou Ian. "Você o viu, você pode usar isso mais tarde para bater uma, mas isso é tudo que você vai conseguir." "Eu deveria chutar a merda fora de você", Brent rosnou para o meu parceiro. Eu zombei enquanto eu despejava, então abri uma gaveta para uma colher. “Tchau, Brent.”

[115]


Ele foi embora momentos depois, e Ian bateu a porta atrás dele. “O que eu lhe falei sobre abrir sua porta para estranhos?” Eu ri quando ele se juntou a mim na cozinha e se apoiou contra o balcão, enquanto ele começava a beber seu café. "Você está certo. Prometo ser mais vigilante.” "E não foda esse cara, não importa o quê." "Sim, tudo bem." “Não, olhe para mim. ” Eu dei-lhe toda a minha atenção. "Estou falando sério. Ele não merece o seu tempo.” "Obrigado." Ele segurou meu olhar, e nós ficamos em silêncio até que ele murmurou algo sob sua respiração. "O que é que foi isso?" "Eu disse, você precisa me ouvir." Eu estava prestes a dizer algo mais quando seu telefone tocou da mesa de café na sala de estar. Ele foi buscá-lo, respondeu no quinto toque. Enquanto eu observava sua linguagem corporal, ele se ergueu em uma posição rígida como se estivesse esperando para ouvir alguma coisa, como se estivesse esperando ordens. E porque eu podia ligar os pontos, eu sabia o que estava acontecendo antes mesmo de ele desligar o telefone e caminhar de volta para mim. Ele limpou a garganta. "Não vou poder ir com você como serviço de transporte esta manhã. Eu tenho que sair." "O que você quer dizer com sair?" “Quero dizer, como licença, ferias.”

[116]


"O que?" Ele se aproximou e colocou a mão no balcão ao meu lado. "Diga-me agora." Depois de limpar a garganta, ele disse: "Eu tenho que ir." "Ir aonde?" “Não posso dizer.” "Não pode ou não vai?" Eu pressionei. "Não posso," ele moeu fora. Eu respirei rapidamente. "Ok, então você está saindo para Deus sabe onde fazer Deus sabe o quê." "Sim." Era sempre uma possibilidade. Porque Ian estava na Reserva Individual enquanto trabalhava como um Delegado dos EUA, tudo o que o Exército tinha que fazer era chamá-lo e dizer "precisamos de você para esta missão, pegue o seu equipamento", e ele se ia. Oficiais servidos pelo prazer do presidente em todos os momentos, para que o exército não tivesse que se preocupar com um contrato para trazer Ian de volta. Basicamente, eles fizeram um chamado aos Delegados e disseram que "estamos levando ele, vamos mandá-lo de volta mais tarde", explicavam - se eles poderiam ser incomodados – o que a duração da missão era, além dos trinta dias para reuniões de informações e tempo de licença. O que tudo se resumiu era, quando eles chamavam, ele ia. “Você vai poder me ligar?” “Vou tentar ” ele respondeu com sinceridade. "Seria bom, então eu não me preocupo, sim?" Os músculos de sua mandíbula se apertaram. [117]


"Você acha que vou pegar Becker enquanto você estiver fora, ou Kohn?" "Talvez Kohn," ele ofereceu, e quando eu gemi, seu sorriso veio rápido, as linhas de riso pesado em torno de seus olhos enrugando. "Seja gentil com ele." "Talvez ele não vai se matar desta vez." “Foi um ricochete.” "Ainda assim... sua bala, sua arma," eu o lembrei. Ele ergueu as sobrancelhas como, sim, talvez. "Então você vai chamar Kage da estrada ou você quer que eu diga a ele?" “Posso ir com você e conversar com ele.” "Não. Seria melhor se você fosse embora, não acha?" Seria mais fácil para nós dois dessa forma. Normalmente ficávamos em pé sem dizer nada, ele apoiado em algo - parede, escrivaninha, janela - precisando ir, mas não saindo, e eu cruzava os braços e bebia, memorizando cada detalhe, imprimindo seu rosto e corpo em minha mente. "Sim, ok," ele concordou asperamente. “De onde você está voando?” “Scott Air Force Base, que está perto de Belleville.” "E como você vai chegar lá? Isso é como uma viagem de cinco horas." "Eu tenho um voo de O'Hare." "OK." Seus olhos estavam trancados nos meus. “Ligue-me quando chegar aonde quer que vá e, em seguida, quando estiver a caminho de casa.” "Vou tentar." [118]


"Lembre-se, armadura é seu amigo." "Absolutamente." "Ok," eu murmurei. "Você deve me deixar seu conjunto de chaves para o carro, também, no caso de ele ser vendido em leilão enquanto você estiver fora." O serviço vendia os carros e outros itens apreendidos durante as batidas de drogas, e aqueles que estão sendo usados no campo estavam todos disponíveis a partir de um catálogo. “Aqui” respondeu ele, tirando-as do bolso e colocando no balcão. "Obrigado por não oferecer para me levar para o aeroporto." Isso tinha sido um desastre a última vez, comigo sentado no carro agarrando o volante e ele brincando com o conteúdo de sua mochila. "Certo. Tenho o conjunto de reposição para o seu lugar, então pego seu e-mail e pego Chickie." "Obrigado." "Claro. Seu lobo está em boas mãos comigo." "Ele é um husky." "Cruzamento com um lobo e um mamute, sim, eu sei." Eu brinquei com ele, pensando o tempo todo, Deus, ele é lindo. Caminhando até mim, ele me abraçou apertado, ele me segurou, só por um momento. Mas quando ele foi se afastar, eu o segurei por um segundo, virando a cabeça para que eu pudesse inalar o cheiro de sua pele e aninhar meu rosto em seu cabelo. Ele estremeceu, e como eu não queria assustá-lo, eu deixei ir. "Ok, amigo", eu disse, sorrindo. "Esteja a salvo." Seus olhos procuraram os meus. "Você também." "Eu só tenho que prestar atenção a ricochetes," eu provoquei. [119]


"Não vá em edifícios sem apoio ou saltar de qualquer varanda." “Não vou.” "Ok," ele falou. "Ok", eu ecoei e acariciei seu ombro uma última vez. "Tchau." Ele me deu um vestígio de um sorriso antes de virar e sair, indo para a sala de estar para coletar o resto de suas coisas. Fiz-me ocupado mesmo quando senti meu peito apertar e minha garganta se secar. Carregar a máquina de lavar louça tornou-se muito importante. "Vejo você em breve", ele chamou da porta da frente. "Vá soltar Chickie antes de ir. Você sabe que meu pai o leva durante o dia." "Sim senhor", eu disse, seguindo-o quando ele bateu na porta da frente, sorriu calorosamente, e depois foi embora. Dizendo a mim mesmo que ele estaria bem, ele sempre foi, eu subi para me preparar para o meu dia. E primeiro eu tive que parar e pegar o seu lobisomem.

O APARTAMENTO de Ian era um poço. Era pequeno, tinha persianas em cada janela, e as paredes eram feitas de cimento. Era como viver em um bloco de concreto gigante. Ele tinha sorte que não havia carpet em todo o local, caso contrário seu lobo teria rasgado. Quando eu abri a porta da frente, ele veio até mim, rosnando, grunhindo, todas as orelhas achatadas e mandíbulas estalando. Eu sabia o porquê, é claro. Eu estava entrando em seu território em vez de ele entrar no meu.

[120]


"Pare com isso", eu me queixei, franzindo o cenho enquanto ele abateu em mim antes de eu sorriu e cantarolar, "Chickie Baby." O gemido de felicidade quando ele percebeu que era eu antes da dança começar era muito bonito. Ele não era mais um predador sanguinário; Ele era um filhote de cachorro grande e peludo. "Cão estúpido", eu o cumprimentei, sem sequer ter que se curvar para acariciar sua cabeça maciça. Suas costas chegavam ao meu quadril. "Quem mais seria estúpido o suficiente para entrar aqui?" Ele se contorceu ao meu lado, finalmente pegando minha mão gentilmente em suas mandíbulas para me fazer prestar mais atenção a ele. De cócoras, eu arranhei atrás de suas orelhas enquanto ele lambeu meu queixo e empurrou seu nariz no lado do meu pescoço. “Vamos, estupido. Vamos levá-lo para fora antes de entrar no carro.” Agarrei a coleira de onde ela pendia ao lado da moto de Ian em um gancho na parede. O apartamento era um apartamento de solteiro, com coisas como uma tábua pendurada nos suportes na entrada. A luz extra pendurada ao lado de sua cama pertencia a um canteiro de obras, o tipo de utilitário resistente a quebra de um longo cabo com um gancho no topo. Foi uma sorte que o homem fosse lindo, porque de outra forma ele nunca conseguiria que uma mulher gastasse mais do que alguns minutos ali. Eu dirigi a partir de seu lugar na Hyde Park para Marynook onde seu pai vivia e parei na frente da pequena residência de um subúrbio pós-guerra com a grande janela frontal. Enquanto eu caminhava até o portão e abria, o pai de Ian saiu para a varanda e levantou uma mão em saudação. "Miro", ele gritou enquanto eu deixava a coleira ir e Chickie correu para o homem mais velho. [121]


Colin Doyle foi para baixo em um joelho, e eu assisti o cão retardar para que ele não avançasse e derrubasse-o. “Eu estava esperando meu filho” disse Colin enquanto subia as escadas. "Eu sei." Eu sorri. “Mas ele foi chamado, senhor.” "Oh," ele suspirou, seus olhos se encontrando com os meus. "Quando?" “Esta manhã.” “Ele não me ligou.” "Tenho certeza que ele vai", eu menti. Eu era o único que Ian sequer consideraria fazer uma chamada. Ele zombou. "Eu não sei sobre isso. A única razão pela qual ele me vê é por causa desse cachorro.” Abri a boca para discutir. “E você, Miro.” "Isso não é verdade, e eu não..." “Foi você quem sugeriu isso. Você é o único que disse, talvez deixe seu pai cuidar do cão em vez de contratar alguém para ir ao seu lugar e andar com ele. ” "Sim, bem." Eu dei de ombros. “Isso pode não ter sido eu fazendo-lhe um favor, uma vez que ele come o seu peso na comida todos os dias.” Ele riu. "Você me fez um grande favor, Miro, e eu sempre serei grato." “Ele não deveria ter lhe contado.” "Teria sido bom se ele não tivesse. Eu poderia ter fingido que ele veio com tudo por conta própria." "Eu sinto muito." "Você não tem nada para se desculpar." [122]


"Não foi grande coisa." Ele trancou-me no lugar com seu olhar azul gelo, tão semelhante ao de seu filho, a diferença era falta de linhas de riso pesado nos cantos. Seu pai não as tinha. “Significou muito para mim, Miro.” Eu balancei a cabeça. Eu conhecia a história entre os dois homens apenas vagamente. O pouco que eu fiz centrou-se em torno de um divórcio, era que nem o filho nem a mãe ouviu falar de Colin Doyle novamente. Ele tinha mostrado para seu funeral, porém, vinte anos mais tarde, que era a última vez que Ian tinha visto seu pai antes que nós o encontrássemos no centro. Ian e eu tínhamos sido parceiros por dois anos naquele momento. Eu tinha parado quando seu nome foi chamado, mas Ian não tinha. "Vamos," Ian tinha rosnado, sua mão apertada no meu bíceps, tentando me mover. "Aquele homem chamou seu nome, idiota", eu disse, esperando enquanto ele nos alcançava, seu sorriso largo, a mão estendida para mim. "Olá", ele bufou quando eu peguei sua mão. “Colin Doyle, prazer em conhecê-lo.” Eu estava tentando descobrir quem era o homem. Primo? Tio? "E você senhor." “Sou o pai de Ian.” "Oh", eu respondi, atordoado, sem ter a menor ideia de que meu parceiro de dois anos tinha família em Chicago. Voltando-me para Ian, esperei uma explicação. Braços cruzados, os músculos em sua mandíbula apertando, meu parceiro era uma pedra silenciosa. "Como você está, garoto?" Colin perguntou suavemente. Eu dei uma cotovelada em Ian no braço. [123]


"Tudo bem," ele murmurou. "É maravilhoso conhecê-lo," eu disse suavemente, cobrindo a mão do seu pai com a minha outra. "Você gostaria de se juntar a nós para o almoço, senhor?" "Eu adoraria isso," ele murmurou, e eu vi a esperança tremendo em seu rosto. Ele era, naquele momento, quebrável. “Se tudo estiver bem com Ian, claro.” Olhei para o meu parceiro, desafiando-o a dizer uma palavra. "Está tudo bem," ele murmurou. O restaurante era um dos nossos favoritos, um lugar grego perto de Centennial Park. Tínhamos uma cabine na parte de trás, e eu estava indo para sentar em frente a Ian e seu pai, mas Ian empurrou-me para a cabine em primeiro lugar e depois deslizou ao meu lado. Seu joelho bateu o meu sob a mesa, mas em vez de se afastar, ele ficou perto. "Então Miro," Colin começou tendo aprendido meu nome na caminhada. “O que você faz?” “Eu sou um Delegado dos EUA, senhor, como o seu filho.” "Você é um Delegado?" Colin perguntou Ian. E ele respondeu de má vontade, assim como todas as perguntas depois disso. Mas cada um teve que ser arrastado para fora, até que Colin se levantou para usar o banheiro e eu me virei para o meu parceiro e o empurrei para fora da cabine. “Que porra é essa?” Eu estava em meus pés na frente dele em segundos, cutucando-o no peito, que era como tentar picar um pedaço de granito. “Como se atreve a tratar seu pai dessa maneira?” "Não é da sua maldita conta, Miro," ele insistiu, seu tom gelado. “E depois do que ele fez com minha mãe, você...” [124]


“O que ele fez?” "Eu não vou..." “Ele a espancou?” "Não," ele estalou. "Bebia?" "Eu não quero entrar em..." "Jogava? Traia ela?” “Miro, você...” “Ele batia em você?” “Não, ele...” “Abusou de você?” "O que você está tentando..." “Eu quero saber o que ele fez.” "Ele porra nos abandonou!" Ele sussurrou duramente em vez de gritar, inclinando-se para que só eu pudesse ouvi-lo claramente. "Um minuto ele estava lá, o próximo ele estava... você nem sabe." Eu o estudei. “O quê?” Perguntou ele com raiva. "Ele deixou vocês." "Sim." Eu olhei para ele. "Ela nunca foi a mesma. Ela nunca mais riu.” Nem mesmo para seu filho? Parecia infinitamente egoísta para mim. Não era um dos pais ter feito o trabalho de dois? Não era assim que funcionava? Não que eu tivesse qualquer experiência com qualquer tipo de família, mas esse era o meu entendimento. [125]


"Certo," eu disse, balançando a cabeça, sentando-me de volta e deslizando para dentro da cabine. Depois de um momento, ele se juntou a mim, cuidando pela segunda vez para não me tocar. "Aposto que ele está arrependido", eu disse devagar, "se você perguntar a ele. Aposto que ele está. Ele parece triste.” "Eu não me importo se ele está..." "Você está de volta", eu disse jovialmente, saudando Colin, cortando Ian fora. "O que é bom, porque estou morrendo de fome e eu queria pedir salada de tabouli, mas eu não tinha certeza se você gostava." "Vou tentar qualquer coisa," ele disse alegremente, e eu vi o olhar furtivamente para Ian. Entre isso e a maneira como ele mexia com seu guardanapo e mordeu seu lábio inferior, eu poderia dizer que Colin estava terrivelmente nervoso. "Então, perguntou.

onde

você

mora

agora?"

Ian

finalmente

“Em Marynook ” respondeu ele. “Fica em Avalon Park.” A conversa do almoço inteiro foi lenta e dolorosa e afetada, mas nós passamos, e quando Ian se levantou para atender um telefonema, Colin inclinou-se sobre a mesa e acariciou meu rosto. "Obrigado, filho", ele disse, e como era o mais próximo que eu já tive de algo paternal, eu sorri de volta. Quando Ian voltou, ele se aproximou de mim, não mais se apoiando no pequeno pedaço de banco estofado para que ele não tivesse que me tocar. Nós estávamos rebocados juntos de ombro a joelho. Seu pai se levantou para fazer uma chamada sua, e assim que ele se afastou, eu me virei para Ian. "Você está bem?"

[126]


Ele fez um barulho antes de deixar sua cabeça cair para a frente, um movimento que repetia muitas vezes, a única maneira que ele tinha de dizer que queria ser tocado. Deslizei meus dedos pela nuca e empurrei suavemente o cabelo curto e grosso. "Você está indo muito bem." Ele resmungou antes de pousar a testa nos braços dobrados. Dei ao seu pescoço um último aperto e soltei. "Não o convide para o jogo com a gente", ele ordenou. Eu ri. "Ok." Aquele dia tinha sido um quebra-gelo, e eles não estavam próximos, mas pelo menos eles haviam conversado depois disso, ocasionalmente. Em seguida, quando tivemos uma grande batida de narcotráfico que também envolveu em brigas de cães e do lobo/mamute possivelmente husky híbrido, tinha sido descoberto em uma das baias, Ian tinha tomado um olhar para o predador e viu uma alma gêmea. O problema do que fazer com Chickie Baby, como Ian o chamava, todos os dias tinha sido respondido por mim. Seu pai estava aposentado, tinha um quintal enorme, sua esposa trabalhava os dias em um escritório de advocacia, e as crianças estavam todas fora de casa. Quando eu sugeri, seu pai pulou para a chance de fazer algo, qualquer coisa, para Ian. E descobriu-se que Chickie era um filhote grande que só queria amor e atenção. A menos que você estivesse tentando subir rapidamente em Ian ou quebrar em seu lugar. Estremeci ao imaginar as consequências dessas duas ações. “Miro?” "Desculpe", eu disse rapidamente, chicoteado de volta para o presente. "Ok, então eu estarei aqui perto das seis como eu posso estar, senhor." "Você tem meu número. Se alguma coisa acontecer e você não conseguir, me ligue.” [127]


"Eu vou", eu prometi, virando e saindo da varanda. Chickie me pegou no portão, andando na minha frente, o gemido muito doce. "Eu voltarei, amigo", eu disse, acariciandoo antes de ele voltasse para a varanda quando Colin o chamou. Eu acenei do carro.

NO ESCRITÓRIO, eu tinha acabado de chegar à minha mesa quando Kage caminhou ao lado dele, se aproximando por cima de mim. "Bom dia", eu o cumprimentei. “Ian ligou para você?” "Seu CO me chamou assim que eu descobri que tinha ido por uma quantidade de tempo indeterminado." Eu acenei com a cabeça mesmo que aquela notícia fez meu estômago dar cambalhotas. "E você," ele disse. “Onde está o seu atestado médico?” “Na sua caixa de entrada, senhor” informei-o. "Eu fui, eu juro." Ele inclinou a cabeça em meu braço. “E o pulso está bom?” "O gesso deve sair em seis semanas, mas está bem, realmente. Quero dizer, eu pulei de uma varanda ontem à noite, então sabemos que eu...” “Talvez a única lembrando-me disso.”

coisa

inteligente

pode

ser

não

Certamente pode. "Sim senhor." Quando ele saiu, eu finalmente respirei. Já sentia falta de Ian.

[128]


Capítulo 8 Às vezes você procura uma coisa e encontra outra. Por exemplo, enquanto meu parceiro - o homem para quem eu estava secretamente ansiando - estava em uma missão para o Exército dos EUA, uma das muitas coisas que eu estava fazendo era transporte fugitivo com meus colegas Delegados. Naquela terça-feira, seis semanas depois, eu estava atrás de Mike Ryan e Jack Dorsey quando eles, com todo um contingente de polícias estaduais e locais, levaram Casey Dunn para Northbrook, onde era o seu local que os corpos eram despejados. Dunn era um limpador para um traficante de armas ucraniano, cuidava de todos os inimigos do homem e os colocava no chão sob um jardim. Como uma condição do acordo antes de ele entrar em proteção de testemunhas para denunciar seu chefe, ele tinha que mostrar às autoridades onde todos os corpos estavam. Eles não estavam apenas interessados no corpo que o irmão de Dunn, que testemunhou contra ele, o tinha visto enterrar a noite que ele o seguiu de sua casa familiar em Schaumburg. Precisavam de muitos assassinatos para prender Ivan Tesler; nada na casa de um dígito faria. A coisa era, quando chegamos em que Dunn disse que era a penúltima das sepulturas, de repente, ele começou a gritar. "Eu não mato mulheres!" Ele gritou, e a maneira que moveu, rapidamente atrás de mim, tremendo duramente como se sua pele estava rastejando com formigas, eu comecei a ideia que ele estava seriamente apavorado. Ele não esperava encontrar a mulher ali.

[129]


Demorou três dias depois para exonerar Dunn, e durante esse tempo, eles examinaram o corpo, bem como, descobrindo semelhanças surpreendentes com outros crimes cometidos por um assaltante conhecido. O problema era duplo. Em primeiro lugar, crimes - como no plural, e isso nunca era bom. Em segundo lugar, o problema de acrescentar a mais recente matança à lista de vítimas de Craig Hartley foi que o próprio homem estava preso e tinha estado nos últimos quatro anos. O processo de pensamento era previsível; havia três cenários possíveis: Hartley tinha um parceiro, havia um imitador, ou ele próprio estava se comunicando com alguém do lado de fora. Não era minha tarefa fazer qualquer trabalho de detetive. Mas desde que eu era o único que este assassino em série particular falaria, eu estava emprestado ao FBI e encontrei-os no centro de saúde mental de Elgin. Conheci os agentes especiais Eric Thompson e Debra Rohl lá, junto com a equipe local de agentes que eu já conhecia dirigida por um homem que eu estava trabalhando muito para não ver - Cillian Wojno. Era o que eu tinha dormido por aí. De vez em quando, você se encontrava em situações desconfortáveis com pessoas que você usava para transar. Fizemos o possível para ignorar um ao outro; nós não apertamos as mãos, apenas consegui uma inclinação de cabeça em reconhecimento antes que ele seguiu os outros para a sala de interrogatório e eu esperei do outro lado do espelho de dois sentidos. Eles queriam ver se Hartley iria falar com a nova equipe sem mim, que faria seu trabalho muito mais fácil. Eu esperava que ele iria, mas eu não estava otimista. Eu era, afinal de contas, aquele que tinha salvado sua vida mesmo que ele tinha empurrado uma faca de chef muito cara no meu lado. A única razão que eu vivi foi que a ponta tinha deslizado fora de uma das minhas costelas no caminho e abrandou a entrada. Eu tinha quase sangrado até a morte em sua cozinha, mas mesmo assim tive a presença de espírito para ficar na [130]


frente dele para que o meu ex-parceiro do departamento de Chicago Norris Cochran não atirasse. Eu queria que Hartley pagasse pelo que ele fez a todas as mulheres e suas famílias, e não morresse com um tiro na cabeça. Tratou-se de um grande processo de algemas e de pernas quando Hartley finalmente foi trazido para dentro. Seria considerado um exagero, mas entre seu QI de gênio, força superior e o fato de ele ter sido um dos principais cirurgiões cardiotorácicos do país cinco anos antes, eles não estavam tomando quaisquer chances. Como sempre, eu assisti como as pessoas na sala reagiram a ele. Ele não parecia um monstro. Na verdade, aos sessenta e dois anos, com um bronzeado dourado que era sua cor de pele natural, um físico esculpido e olhos verdes brilhantes, você primeiro pensou no garoto da porta ao lado, não assassino em série, frio e calculista. Isso tinha sido o erro de todos, e dezenove mulheres pagaram com suas vidas. Quando ele se sentou, examinou a sala, os olhos passando por cima de todos antes de se acomodarem no rosto de Rohl. “Bom dia, Dr. Hartley.” Ele ergueu a sobrancelha direita, mas não falou, e eu o vi dobrar as mãos. “Pode falar conosco?” Nada além de uma leve carranca e um franzir de seus lábios evidenciou seu desapontamento. Ele estava esperando para me ver e eu não estava lá. Rohl limpou a garganta. "Como eu sei que você tem acesso a uma televisão e jornais, você está sem dúvida consciente de que um corpo foi encontrado em Northbrook e que o ataque espelhou um dos seus de várias maneiras." Nenhuma reação. Além da frieza em seu olhar, teria sido difícil para qualquer um dizer que ele estava mesmo ouvindo. [131]


"Nós estávamos pensando se você tinha alguma ideia sobre quem poderia ter cometido o crime." Silêncio. “Estamos preparados para lhe oferecer algumas concessões, privilégios, se você puder nos dar sua visão, Dr. Hartley” disse Rohl, sorrindo para ele. Eu tinha sido um detetive da polícia totalmente novo quando encontrei o homem que agora estava tão composto no lado oposto da mesa dos agentes. Era estranho vê-lo tão frio. Em nenhum momento, mesmo antes de eu suspeitar dele, eu tinha sido tratado dessa maneira. "Doutor?" Ele sorriu, mas isso não atingiu seus olhos, e ele se virou para olhar por cima do ombro dele para o guarda de pé estoicamente atrás dele. "Estou pronto para voltar ao meu celular." Thompson virou-se para Wojno, que por sua vez deu um aceno para seu parceiro de pé ao lado do espelho. Ele bateu nele, e eu saí da sala de visualização para me juntar a guarda deste lado da porta. "Eu estou de pé," eu disse a ele. "Desculpe por isso", ele se lamentou. "Obrigado", eu disse. Ele destrancou a porta, e eu escorreguei para dentro, esperando lá para que Rohl ou Thompson me reconhecessem. “Miro” Hartley me cumprimentou, seu sorriso largo, seus olhos brilhando enquanto ele estava de pé. O guarda avançou rapidamente, a mão no ombro de Hartley, o bastão para fora, pronto para fazê-lo retomar seu assento. "Está tudo bem", Rohl resmungou, visivelmente lutando contra seu medo de ter o homem se aproximando por cima [132]


dela. Sua resposta instintiva tinha que ter sido correr. Thompson ficou tão assustado que, quando se levantou de um salto, bateu na cadeira. Craig Hartley era um homem assustador, ainda mais por causa da calma tão facilmente quebrada com movimento feroz, decisivo. O guarda recuou cautelosamente, não guardando o bastão, mantendo-o pronto. Thompson não retomou seu assento, apenas ficou ali olhando Hartley enquanto ele me olhava como se eu fosse a segunda vinda10. "Eu estava esperando que você estivesse aqui em algum lugar," ele suspirou, gesticulando para que eu me aproximasse como se fosse uma mesa em algum restaurante em algum lugar e não uma sala de interrogatório de segurança máxima em uma prisão para criminosos insanos. “Não te vejo há quase dois anos.” "Sim, não desde que você ajudou com o assassinato Lambert", eu disse de onde eu estava. "Você estava satisfeito com minhas observações", ele me lembrou, cerrando os olhos, mudando de um pé para o outro. "Eu li que o assassino de Christina Lambert morreu na prisão. Ele foi estuprado primeiro?" Eu limpei minha garganta. "Eu não faço ideia." “Teria sido apenas sobremesa. Não há desculpa para estupro, é isso que a aliciação é.” Hartley tinha matado primeiro e depois mutilado suas vítimas, transformando-os em o que ele descreveu como arte. Tinha sido difícil para mim ver qualquer coisa além do sangue e tecido exposto, músculo e osso. O que estava claro era que Hartley nunca tinha causado um momento de dor a suas vítimas. As mulheres foram para suas camas dormir até a morte. Foi como Norris e eu finalmente o pegamos. A descrição 10

Referência a segunda vinda de Jesus. Ou seja, como se ele tivesse visto Jesus. [133]


recorrente que obtivemos das pessoas foi que eles tinham visto um belo homem loiro, um homem lindo, o Príncipe Encantado em carne. Uma vez que começamos a fazer referência cruzada de datas, horários e lugares, surgiu um padrão, e fizemos visitas diárias a ele, cutucando, tentando, tropeçando com ele. Sua arrogância o permitira, tão certo de que nem Norris nem eu éramos tão espertos quanto ele. Mas ele permitiu-nos na última noite, dando a Norris permissão para olhar ao redor enquanto eu assistia Hartley cozinhar na cozinha. Foi minha culpa; eu tinha virado minhas costas para ele e vi o anel de pérolas de Taitiano com os diamantes colocados em um prato na borda acima da pia da cozinha. Era como ser atingido por um raio - aquele momento em que fiz a conexão com o porquê desse anel parecia familiar e onde eu tinha visto antes. Eu conhecia aquela determinada peça de joia, tinha visto uma centena de vezes, e sempre tinha pensado que a bugiganga cara parecia adorável no dedo anelar de Kira Lancaster. Ele tinha estado em exibição proeminente na foto que nos foi dada quando ela desapareceu. O símbolo de afeto tinha sido um presente de aniversário de seu marido, e Hartley tinha tomado como um troféu depois que ele dormiu com ela e a matou. Ele tinha dado o anel para sua irmã, e saiu mais tarde que ela tinha saído durante a noite anterior. Como ela estava lavando pratos, ela tinha deslizado o anel fora, colocouo no prato, e depois esqueceu lá. O simples ato tinha desmascarado seu irmão para o monstro que era. Eu vi o anel, e quando eu me virei e olhei por cima do meu ombro, ele correu para a frente e puxou a faca do bloco ao lado da pia. Seu braço foi ao redor do meu pescoço e eu não poderia puxar a minha arma a partir desse ângulo. Meu grito trouxe Norris, arma levantada, gritando com Hartley para tirar suas mãos de mim. Duas coisas aconteceram naquele dia: eu salvei um assassino e perdi um parceiro. Norris não queria andar com um homem que não tinha nenhuma preocupação [134]


com sua própria vida, e eu decidi que havia melhores maneiras para eu servir e proteger além de ser um detetive de homicídios. “Miro?” Olhei para Hartley, trazido de minhas lembranças pelo uso do meu nome, o que permiti, para grande desgosto de quase todo mundo. "Desculpe." Ele ficou encantado, e foi evidente por seu sorriso. "Não há nada para se lamentar." “Mas eu deveria prestar mais atenção.” "Quase matei você e você salvou minha vida de qualquer maneira. Eu nunca serei capaz de fazer as coisas bem entre nós até que eu saia." Eu acenei com a cabeça e sorri para ele. “Então nunca, então.” Ele respirou fundo. "Sim?" "Nunca é muito tempo", ele disse suavemente, seu olhar se movendo de mim para Rohl. O que era assustador era a rapidez com que o calor escorria de seus olhos uma vez que eles estavam fora de mim. "Você se importaria de levantar para eu poder falar com o Delegado Jones?" Ela se levantou rapidamente, e eu me movi para frente, tomando o assento na frente dele. Imediatamente ele se sentou e se inclinou para perto, olhando para mim, finalmente encontrando meu olhar. “Você parece cansado, Miro. Não está dormindo bem?" "Estou bem," eu murmurei, brincando com a pasta de papel pardo que Rohl tinha deixado na minha frente. “Podemos conversar sobre a situação em Northbrook? ” " Tudo o que você quer falar é bom para mim." [135]


“Mas são seus pensamentos que nos interessam.” Ele tossiu suavemente. "Você recebeu o cartão de Natal que eu enviei?" "Eu recebi, obrigado." Ele parecia satisfeito, seus olhos se suavizavam, seu sorriso se alargava. "Vá em frente e pergunte-me qualquer coisa." Afrouxei a gravata, que o tinha gravado. "Então nós dois sabemos que você é muito inteligente para ter um cúmplice." "Não parece provável, não é?" "Não," eu disse com um sorriso afetado. “E a coisa do copiador?” Ele bufou. "Diga-me, você tem minhas linhas limpas?" "Não, de jeito nenhum." Eu rolei meus ombros, tentando desalojar a familiar tensão lá. Visitar um homem que tinha empurrado uma faca em mim trazia uma determinada quantidade de stress. “Mas isso me leva à nossa última pergunta, doutor.” “Claro, mas primeiro posso perguntar sobre detetive Cochran? Como ele está?" "Eu não sei", respondi honestamente. “Não falei com ele há muito tempo.” “Por minha causa ” ele quase ronronou. Eu inclinei minha cabeça para frente e para trás. "Mais ou menos." "Você me escolheu sobre ele, é por isso." "Isso é um pouco simplista, doutor." "É isso?" "Eu acho que sim", eu disse, cansado de repente. "Mas diga-me, você tem um admirador lá fora?" [136]


Ele me estudou um momento. "Eu gostaria muito de ver você mais do que apenas quando você precisa de uma resposta sobre alguma coisa." Eu me inclinei para trás na minha cadeira. “Estamos negociando?” "Sim," ele disse sem rodeios. “Delegado” advertiu Rohl atrás de mim. "Ele está falando para mim agora", Hartley lembrou friamente antes de seu olhar voltar para o meu. "Então?" "O que você quer?" "O que você está oferecendo?" suavemente, sedutoramente.

Ele

perguntou

Pensei no que eu poderia realmente fazer e não precisar dar-me uma chuveirada quando eu chegasse em casa e adicionei a isso. "Uma vez por ano." “A cada seis meses ” respondeu ele. "Feito", eu disse, porque esse era, de fato, o meu limite. O máximo de tempo que a prisão permitia era de trinta minutos em segurança máxima. Eu poderia ir lá duas vezes por ano, para um total de uma hora. Eu poderia. "Agora me fale sobre seu admirador." “Vou dizer quem, mas não como.” "OK." “E você deve mudar minha irmã e sua família, Miro.” Eu encontrei seu olhar fixo. "Por que isso?" Ele encolheu os ombros. "Eu tenho mais de um seguidor, e muitos deles a culpam por minha prisão." "Ela é sua irmã", eu o lembrei. "Ela deixou o anel para você encontrar, Miro."

[137]


"Foi um acidente; nós dois sabemos que foi." "Não importa", ele suspirou, mapeando meu rosto, o estudo quase enervante. Eu me virei no meu lugar, mas Thompson já estava no telefone. "Nós estamos nisso", ele estalou. Eu girei de volta para Hartley. "O nome?" "O que as pessoas vão pensar?" "Que eu vim aqui com essas pessoas e vi você e então encontramos esse cara." "E eu vou ser um delator?" "Eu peguei você, Resulta-se que eu o pegaria. Não acha?” "Mas então você terá um olho de boi em suas costas", ele disse bruscamente. "Eu não posso ter isso." "Bem, porém você fala com todos eles, certifique-se de que eu estou bem." "Contanto que você mantenha sua palavra." "Eu pensei que você estava em meu débito." Parecia que eu o tinha atingido. “Não é?” Ele assentiu rapidamente. Eu inspirei rapidamente. "Eu vou aparecer. Eu prometo.” Ele era um assassino em série, e normalmente eles não faziam bem em cativeiro. Alguém sempre tinha uma pergunta para ele - eles precisavam de introspecção, respostas - e eu era a cenoura que eles penduravam para fazê-lo jogar bola. Alguém sempre estaria lá para me lembrar do meu compromisso com a lei e, portanto, para ver Hartley.

[138]


Ele engoliu em seco. “Clark Viana tem uma casa em Highland Park.” “O que ele faz? ” Perguntou Rohl. “Ele é um corretor.” “E como saberemos que ele é nosso homem, doutor?” “Ele guarda troféus em sua adega.” "Certo," Rohl bufou, e de repente o quarto inteiro estava em um telefone, já não se importando comigo ou com o bom médico. Uma vez que todos estavam ocupados conversando, ninguém notou quando Hartley estendeu a mão e segurou minha gravata. O guarda, de onde estava atrás de Hartley, não podia ver o que estava acontecendo, mas estava tudo bem. Eu não estava com medo. Na verdade, eu nunca tinha ficado com medo dele, e isso havia se tornado a base de nosso relacionamento contínuo. Isso e o fato de ele ter tentado me matar e falhar. "Vou descobrir como você está recebendo mensagens", eu prometi. Seu aperto na minha gravida azul com círculos vermelhos era leve; se eu me recostasse, teria deslizado sobre seus dedos enrolados. "Algum dia, Miro Jones, eu o possuirei, e você será minha maior obra." Eu balancei a cabeça. "Você pode não acreditar em mim agora, mas você vai." "Eu tenho certeza", eu disse enquanto ele lentamente abriu a mão. "Chegará uma manhã em que você abrirá seus olhos e eu estarei lá com você," Hartley sussurrou, o dedo médio de sua mão direita a polegadas de meu rosto.

[139]


“Não é porra provável", eu resmunguei, inclinando-me para trás, a gravata correndo pela sua mão como água antes de me levantar. “Salvaremos sua irmã e sua família.” Seu sorriso fez seus olhos brilharem. "As coisas que você acha que eu me importo, Miro." Eu me movi através da multidão de agentes para a porta. “Cuide de si mesmo” acrescentou Hartley. Bati na porta de aço pesada. "Vejo você em julho, quando está quente." "Sim, você vai", eu concordei quando a porta se abriu e eu escorreguei. Olhando para trás na sala, eu assisti Hartley quando mais perguntas foram disparadas para ele, mas ele ficou em silêncio, enfrentando-os com olhos mortos até que finalmente o guarda anunciou que era hora de ele ser devolvido à sua cela. De repente, fiquei ridiculamente grato por ter vindo dirigindo e não ter que esperar os agentes do FBI para poder sair. Pensei na última vez que fiz a viagem para Elgin. Naquele dia eu senti a bile subir na minha garganta e sai correndo pelo corredor quando eu puxei meu telefone do bolso do peito do paletó. Havia apenas uma pessoa com quem eu queria conversar. "Ei," veio a voz grave na linha. “Você já terminou lá dentro?” "Por quê? Onde está você?" "Do lado de fora." Ele estava lá. Tudo o que eu tinha que fazer era alcançálo. "Você voltou?" Eu perguntei quando fui passando pela porta interna e depois pela externa, seguindo pelo corredor que separava a população isolada da população em geral. [140]


"Sim. Achei que você precisava de apoio.” "Eu faço," eu concordei, acelerando, querendo, precisando sair. "Eu vou estar com fome depois, eu sempre estou." "Por quê?" "Porque eu vou vomitar." "Eu também estaria." "Ok", eu disse, minha voz embargada quando eu fui permitido passar por outras três portas. Cada uma tinha de abrir e fechar antes da próxima possível. E enquanto as medidas de segurança eram impressionantes, eu mal podia respirar. "Eu estou quase lá." “Miro?” Eu arrastei em uma respiração. "Sim. Estou aqui." A linha estava silenciosa enquanto eu passava por outras duas portas. Eu não vi o diretor, o que foi bom. Ele provavelmente estava esperando para dizer adeus aos federais. Eu era apenas um Delegado; Ele nos via o tempo todo. Terminando a ligação, peguei minha arma, crachá e chaves no outro lado do detector de metais e corri para a porta da frente. Batendo a barra de pânico, eu estava fora nos degraus momentos mais tarde. Não parando, corri pelas escadas e vomitei na lata de lixo. Momentos mais tarde me foi passado uma garrafa de água e guardanapos e uma mão pressionada entre as minhas omoplatas. "Você está bem?" Eu assenti, ainda curvado, tremendo. Ian esfregou círculos suaves nas minhas costas e então, porque eu estava suando, empurrou meus cabelos para fora do meu rosto enquanto eu me endireitava. "Você vai ficar bem. Enxágue sua boca e eu vou pegar algumas panquecas. Um pequeno almoço cura tudo." [141]


Mas não era ovos ou torradas ou fritas que eu precisava, era Ian. Eu precisava de Ian. Isso tinha sido há quase dois anos. E hoje, quando atravessei a última porta para o exterior e desci a mesma escada e soltei minha indisposição, ele não estava lá. Nenhum toque calmante, nenhuma carícia áspera. Nenhuma voz retumbante. Nenhum sorriso arrogante que disse que ele podia sentir como se meu peito estivesse cheio de pinos cada vez que eu respirava. E em dias ainda pior, eu tive que falar com um serial killer porque eu era o único que ele gostava bem o suficiente para conversar. Meu café da manhã e almoço foram todos em um único lance, meu estômago apertando conforme eu tinha certeza que estava feito antes de me mover. "Que merda, cara", um cara que passou por mim gemeu. “Isso é uma merda.” "Cala a boca", uma mulher bateu nele, fechando em mim com uma caixa de lenços de bebê em uma mão e uma criança em seu quadril. "Aqui para você, limpe-se." Foi legal. Eu a agradeci profusamente, e quando eu alcancei meu carro, eu cheirava a lavanda fresca. Eu tinha deixado uma garrafa de água no banco da frente, o que era bom, porque eu precisava enxaguar minha boca. Gargarejo. Eu brinquei com a ideia de correr para casa ou para o escritório para entrar no meu armário. Em qualquer lugar havia uma escova de dentes e pasta de dentes. Enquanto eu contemplava onde eu estava indo, meu telefone tocou, e eu vi o nome de Kohn aparecer na exposição. "Ei, eu..." "Onde diabos você está?" [142]


Eu limpei minha garganta. “Estou saindo de Elgin.” "Isso foi esta manhã?" "Sim, porquê?" "Você está comigo hoje e estamos no transporte. Apresse-se e informe para o escritório para que possamos obter a nossa missão." "Estou a caminho." "Bom," ele disse e desligou.

TINHA sido uma roleta de parceiros desde que Ian estava ausente, e hoje eu me autoproclamei metrossexual quando vi Eli Kohn sentado na mesa de Ian quando cheguei ao escritório. "Ei, Jonesy", ele me cumprimentou alegremente. Eu virei. "Tão mal-humorado esta manhã. Precisa de café?” Eu precisava de meu parceiro de volta. Isso é o que estava faltando e me fazendo falta. “Você está comigo?” "Sempre, querido." Eu balancei minha cabeça enquanto ele cacarejava. Kage encheu a entrada de seu escritório e nos notificou que estávamos no transporte esta manhã e recuperação na parte da tarde. Kohn se aproximou e pegou o pedaço de papel que Kage segurava. "Lembre-se, cavalheiros, não obter atualizações me deixa mal-humorado." Eu sabia disso em primeira mão. Kage gostava de saber onde estávamos todos. Não fazer o check-in tinha você enviado para casa sem remuneração. "Sim senhor." “Jones.” [143]


Parei de me mover e dei-lhe toda a minha atenção. "Os federais disseram que você foi inestimável para sua investigação, embora eles sentiram que seus métodos beirava a má conduta." Eu tossi. "Eles disseram que você flertou com o Dr. Hartley e que ele extraiu uma promessa para você vê-lo duas vezes por ano." "Acho que tudo o que ouviram ou não, não tem relação com o caso deles." “Concordo.” Ele cortou a palavra. "Você fez um bom trabalho hoje." “Obrigado, senhor.” "Como é a sensação de ter o gesso fora?" Eu flexionei minha mão para ele. "Você não tem ideia." Ele assentiu rapidamente, recuando para seu escritório, mas deixando a porta aberta como sempre. Eu encontrei com Kohn no corredor. "Você sabe, você e Doyle fazem o resto de nós parecerem bons." Eu perdi Ian demais para tomar qualquer merda sobre ele. Eu estava no modo de defesa. "Do que você está falando?" "Vocês pulam de varandas." "Isso foi apenas uma vez", eu disse sarcasticamente, enfiando meu cachecol em minha jaqueta preta acolchoada, esperando que não ficasse muito mais frio. Ele agarrou meu bíceps direito, parando-me para que ele pudesse pisar na minha frente. "Eu estava lá para o primeiro, mas eu ouvi que pela segunda vez, você voou." “Não é assim que me lembro. ” “Diga-me como você se lembra disso, então.” [144]


Afrouxando meu braço livre, eu expliquei sobre saltar da varanda de Emma depois do traficante de drogas enquanto caminhávamos. Quando chegamos ao elevador, ele estava olhando para mim como se eu fosse louco. "O que?" "Você está brincando?" Ele disse secamente. “Você não segue as pessoas pela varanda, Jones.” Eu zombei, puxando meu telefone do bolso do casaco quando ele começou a tocar. "Você não é um boina verde, você sabe. Seu parceiro é.” "Sim, ok", eu aplaquei ele, agarrando o casaco de lã e cachemira e estendendo meu telefone para que ele pudesse ver o texto do detetive de homicídios de Chicago com o qual nosso escritório estava trabalhando. "Rybin diz que ele e Cassel vão nos encontrar na casa segura em Brookfield para que possamos tomar a custódia da nossa testemunha para transportá-la ao tribunal para seu depoimento." "Por que você está recebendo um texto de um detetive e não alguém da nossa equipe?" "Você sabe que White dá nosso número para os detetives com quem ele está trabalhando." Ele balançou sua cabeça. “Isso não é protocolo.” Eu zombei. "Cale-se." "Sr. Eu tirei o tempo de meu último trabalho de segurança para ficar com alguma garota antes de pegar o jantar." "Um tempo!" Eu fiz a minha melhor personificação Sam Kage. "Talvez você precise de umas férias prolongadas, Sr. Kohn, assim você pode obter toda a porra do seu sistema."

[145]


"Merda," ele gemeu. "Você teria pensado que Ching teria me avisado que ele estava saindo da casa segura." Eu ri. "Ching vive para essa merda, você sabe disso." "Eu sei disso agora", disse ele, exasperado. Eu não pude deixar de rir. "E essa imitação de Kage é meio assustadora." Nós entramos no elevador e descemos em silêncio e quando as portas se abriram, Chris Becker ficou lá com seu parceiro, Wes Ching. Eles faziam um par interessante, Becker, o exlinebacker11 da Universidade de Kentucky, e Ching, seu parceiro menor embora decididamente mais agressivo. Becker era um daqueles homens que as mulheres assistiam quando ele andava pela rua, um passo confiante e um sorriso fácil. Ching era mais calmo e, pensavam as pessoas, o mais saudável dos dois, até que ele chutasse uma porta completamente. Depois de um ataque, era sempre "Esse cara negro e o cara asiático, que porra estava com eles?" Claro que isso era só se Kage não estivesse por perto. Se ele estivesse, você poderia apostar que ninguém dizia uma palavra sobre qualquer membro de sua equipe. Não era saudável. Quando Becker nos viu, o sorriso arrogante apareceu instantaneamente. "Bom dia, senhoras," ele brincou, balançando suas grossas sobrancelhas castanhas. Kohn largou-o. "O que há de errado com você, você está tendo seu período?" Ching perguntou em voz alta. Eu sorri para todas as mulheres no corredor entrando no elevador. "Certifique-se de que todas vocês relatem essa besteira ao Supervisor Kage lá em cima."

11

Um Linebacker (LB) é uma posição do futebol americano. [146]


"Foda-se, Jones!" Kohn apontou para Becker antes de se virar para me seguir pelo corredor. "Estupido", ele resmungou. "Sim," eu concordei. "Mas quando Becker está entrando pela porta depois de sua bunda, você gosta dele, certo?" Ele grunhiu. Isso foi um sim. No carro, Kohn começou a reclamar. "Vamos pegar o meu. Isso é como voltar no tempo." "É vintage." "É uma merda", ele confirmou. "Por amor de merda, Jones, não há nem airbags nisto." Eu mudei de assunto, porque eu tinha que dirigir. Eu tinha uma coisa sobre outras pessoas dirigindo, foi apenas porque Ian era um ditador sobre isso que eu deixava ele. “Então, que testemunha estamos transportando?” “Nina Tolliver” disse ele, sorrindo. "E eu ouvi que você gosta dela, então isso é bom, certo?" "Eu não faço julgamentos," eu menti, completamente, porque naturalmente eu fiz. Eu era humano, afinal. "E eu não gosto dela como eu quisesse escolher pratos de porcelana com ela. Eu só acho que ela é uma boa pessoa que venceu totalmente uma grande vitória no departamento de 'Eu me casei com um psicótico assassino'." Drew Tolliver tinha começado como músculo na família de crime Corza e trabalhou o seu caminho até que ele era um jogador importante na prostituição, drogas, agiotagem, proteção e armas, e sua mais recente adição antes que o federais prendessem ele por assassinato. Sua esposa tinha sido cega para tudo isso. O que ela viu, o dia em que ele parou de bater só nela e começou em seus meninos gêmeos, de sete anos e meio, era que ele era um homem mau. [147]


“Não consigo imaginar ser um prisioneiro na minha própria casa” disse Kohn pensativo. "Foi inteligente mandar seus filhos para o internato. Quer dizer, é uma merda para ela não os ver, mas pelo menos eles estavam seguros." "Sim," eu concordei. "E deu-lhe tempo para obter um novo hobby." A quantidade de provas incriminadoras que Nina Tolliver tinha recolhido de todos os que chegavam a sua casa era surpreendente. Por simplesmente deixar seu laptop na sala de estar quando os homens chegavam para ver seu marido e ligar uma webcam que ninguém nunca notou, ela tem horas de filmagens condenatórias. Os assassinatos foram planejados, as pessoas foram nomeadas, e cada rosto foi capturado, assim não podia haver dúvida de quem estava falando, quem estava dando ordens e quem estava executando-os. Então, para fugir, ela implorou-lhe para levá-la em uma viagem a Atlantic City, e ele cedeu. "Ela é realmente corajosa," eu interrompi, porque tinha que ser dito. "E foi brilhante para ficar fora de si no avião com um Delegado no ar. Eles a tiraram de algemas.” "Sim. Brilhante." "E agora ela consegue finalmente estar com seus filhos em um lugar seguro e protegido." "Assim que ela testemunhar", ele me lembrou. "O qual é a primeira parte de sua deposição." "O que ela realizará hoje." Eu suspirei. "Então vamos buscá-la para que ela possa afastar seu marido para a vida toda. Quanto mais rápido ela inicia esse processo, mais rápido ele rola, e os caras ainda mais altos na cadeia alimentar podem ser colocados de lado." "Você sabe que seu marido não merece entrar no programa."

[148]


"O departamento não julga, isso depende do que ele viu", eu disse sabiamente. "Sim, eu sei. É uma merda."

A CASA segura em Brookfield não era federal, mas uma propriedade do departamento de Chicago, e como tal, faltava muitas das amenidades que costumava vir com a gente. Era um pequeno rancho estilo casa de subúrbio com um enorme porão. Era mais velho, tinha apenas radiadores para o calor, e basicamente me lembrou de um dos meus lares adotivos menos favoritos, até o azulejo rosa e vidro fosco das portas de correr no banheiro. Havia algumas telhas de teto faltando na cozinha, então se você estivesse cozinhando, você poderia olhar para cima e observar teias de aranha acima de você. Todo o lugar me deu arrepios. Ele cheirava como pinho-sol e mofo. Eu estava feliz que o turno de proteção só vinha ao redor a cada três ou quatro meses. Às vezes os Delegados faziam transporte, às vezes proteção, às vezes recolocação. Eles nos mudaram por isso ficamos afiado. Era também suposto para tornar impossível para qualquer um alguma vez ser capaz de dizer com qualquer tipo de certeza qual Delegado iria mostrarse para o dever. Foi por isso que Topher Cassel, Joshua Rybin, Ted Koons e Keith Wallace, os quatro detetives da polícia de Chicago estavam lá quando Kohn e eu nos apresentamos, não tinham ideia de quem iria passar pela porta. Eles provavelmente não esperavam que Eli Kohn se assemelhasse a um modelo. Entre a roupa, o corte de cabelo de trezentos dólares, e sua construção magra e musculosa, provavelmente pensavam que alguém estava de sacanagem com eles. "Ei," Kohn cumprimentou, tirando o distintivo do bolso de seu casaco. “Deixe-me ver os seus, cavalheiros.” Eles trouxeram distintivos com eles, que era basicamente excessivo desde que estávamos lá apenas porque [149]


tínhamos autorização para estar. Depois que todos nós apertamos as mãos, eu me virei para conversar com a nossa testemunha. Nina Tolliver era uma mulher pequena. Foi a primeira coisa que pensei. Seus longos cabelos castanhos encaracolados caiam no meio das costas e ela o mantinha afastado de seu rosto com um clipe - o que eu reconheci porque eu tinha companheiros de quarto na faculdade, quatro deles, todas mulheres, e o banheiro estava cheio de tudo, desde elásticos até pauzinhos lacados. Nenhum dos meus queridos amigos irritantes tinham cabelo quanto Nina, entretanto. Então, para dizer algo quando eu andei até ela, mão para fora, eu comentei sobre isso. "Droga, mulher, você tem muitos cabelos." E tão rápido, em vez da apreensão óbvia que ela tinha para os detetives da polícia, eu tinha um sorriso caloroso. Ela parecia boa em seu terno Ann Taylor da Marinha. “Sou Nina Tolliver” disse ela, como se eu não soubesse. Como se estivéssemos tendo uma conversa normal. "E você é?" “Miro Jones” respondi, sorrindo de volta. Ela inclinou a cabeça. “Miro?” "É abreviação para Miroslav", eu expliquei como sempre fiz. “É checo.” "Eu gosto", disse ela, e eu reconheci que, além do interesse que eu estava recebendo, a autenticidade, eu também estava vendo preocupação. "Você está com medo?" Ela balançou a cabeça. "Então o que?" “Vocês dois vieram sozinhos?”

[150]


"Não. Há dois outros Delegados aqui em algum lugar. Talvez você ainda não os tenha visto.” “Acho que não.” "Tem que estar", eu zombei. "Eu prometo, nós sempre transportamos em quatro, não em dois." Suas sobrancelhas franziram. "Você está errado. Você é o único Delegado que eu vi hoje.” Foi instantâneo - o rolar do meu estômago, o arrepio do pavor, porque eu sabia, naquele momento, que era eu e Kohn e Nina, e isso era tudo. Olhei para Kohn e ele me deu um rápido aceno de cabeça, entendendo o que estava acontecendo tanto quanto eu. "Oh, Senhor, eu preciso fazer xixi", ele anunciou em voz alta, e os quatro detetives riram quando ele saiu do quarto. "Eu gosto de tênis de corrida", eu disse, apontando para eles. "Eles realmente realçam a roupa." Ela encolheu os ombros. "Eu imaginei que eu levaria meus saltos comigo para o testemunho, mas eu estou provavelmente enfeitada demais de qualquer maneira. Hoje não é no tribunal, ainda não." "Certo," eu concordei, percebendo que agora seria o momento perfeito para matá-la, diante das luzes brilhantes do circo da mídia. A calma antes da tempestade, apenas um promotor federal e o advogado de defesa escutando o que ela tinha a dizer. "Então, temos algum tempo. Quer um pouco de chá?” "Isso seria ótimo," ela respondeu suavemente. "Eu vou fazer um chá para você," eu gritei depois de Kohn antes de girar para enfrentar Nina novamente. “Leve-me para a cozinha, por favor, madame.”

[151]


Ela me agraciou com um sorriso, e eu estava prestes a segui-la no curto corredor, mas eu me lembrei que eu estava atuando e tinha que ter certeza de que tudo parecia real. "Vocês querem alguma coisa?" Eu ofereci os detetives. “Não, cara, estamos bem” Cassel respondeu. Pegando o braço de Nina, passei-a diretamente através da sala de estar, para a cozinha, e parei na porta dos fundos, onde esperei. "Ei", um dos detetives gritou para Kohn. “Você está bem aí?” Obviamente era para avaliar onde Kohn estava, e naquele instante, ouvi o chiar de um sensor. "Foda-se!" Veio o grito quando ouvi os pés batendo no chão. "Verifique a cozinha para o outro!" Abrindo a porta de correr de vidro, puxei minha arma e empurrei Nina. "Mantenha-se comigo enquanto eu corro," eu pedi em voz alta. “Sim” foi tudo o que ela disse. Escorregamos pelas escadas traseiras, atravessamos o pátio, e eu pulei a pequena cerca que separava uma propriedade da outra, e então ajudei Nina levantando-a facilmente. Fiquei surpreso que eu não tinha que incitá-la, para me seguir, mas ela estava muito focada na sobrevivência. Ela queria viver, continuou entoando, me dizendo enquanto corremos. "Eu tenho meninos", ela repetiu enquanto subia a saia. “Eles precisam de mim.” Através da pista de obstáculos do vizinho - um terrier Jack Russell que veio saindo pela porta do cachorrinho para nos receber, balanço, mobília - corremos enquanto puxava [152]


meu telefone do meu bolso e chamava meu chefe em sua linha privada. “Jones?” Ele murmurou. "Eu estou fugindo da casa segura em Brookfield com Nina Tolliver. Não tenho certeza se Kohn saiu ou não. Ele estava criando uma distração para mim e para a testemunha ao sair pela janela do banheiro. Tenho dois detetives em perseguição. Eu acho que White e Sharpe estão em algum lugar no terreno. Estou indo para o restaurante de George, a duas quadras de distância, porque é o único lugar que conheço por aqui. Envie reforços agora." "Entendido. Estamos a caminho. Estarei no local em vinte, Jones.” Ele estava basicamente a vinte quilômetros de distância, o que poderia levar até vinte minutos ou uma hora. Tudo dependia do tráfego, mesmo com uma luz azul piscando em cima de seu carro. A Interestadual I-55 - nunca nos referimos a isso como a Stevenson Expressway - era o caminho mais rápido. "OK." “Não morra.” "Sim senhor." E ele foi embora quando Nina e eu saímos correndo. Com sua saia em torno de sua bunda e seus tênis de corrida, ela estava voando. Com minhas pernas mais longas, eu ainda era muito mais rápido, então eu desacelerei para manter o ritmo com ela, mas nós dois estávamos correndo por nossas vidas. Um carro fechou atrás de nós, e uma bala bateu em uma lata de lixo ao meu lado. Empurrei Nina para o chão, virei, vi a ameaça, e disparei. Cassel, que viera ao redor do carro para atirar em mim, caiu quando eu coloquei uma bala em seu ombro. Mas Rybin, usando o carro como um escudo, disparou sobre o capuz e me pegou no meu ombro direito, apenas fora da borda do colete que eu usava debaixo da minha camisa. Eu [153]


absorvi o choque, sentindo pressão e dor. O grito de Nina me assustou enquanto eu disparava de volta, colocando tiros no capuz e quebrando o para-brisa, o suficiente para fazer Rybin mergulhar para se proteger. "Vamos!" Eu gritei para ela. As sirenes me aterrorizaram, porque os homens que nos perseguiam também podiam pedir ajuda. Eu poderia ter sido um Delegado desonesto que atraiu sobre eles. Eu poderia estar tentando sequestrar Nina. Os cenários eram infinitos, e por isso, eu não parei para acenar para um carro da polícia. Corremos em direção à avenida Ogden, arma em uma mão, a outra pressionada em meu ombro. Não que estivesse ajudando, havia sangue escorrendo pelos meus dedos. Um carro veio rápido ao nosso lado, e meu primeiro pensamento quando Nina gritou foi que ela tinha sido atingida. Mas o fato de que ela foi capaz de correr por mim, seguido por escaldante, sufocando dor no meu peito, deixou-me saber que fui eu quem pegou a bala. Estava no interior da articulação do ombro e acima da abertura do maldito colete, no lado esquerdo desta vez. O tempo desacelerou e fiquei assustado por um segundo, preocupado por não poder protegê-la, sabendo que estava ferido. Era estranho, aquela clareza no meio de toda a adrenalina. "Você está..." Sua voz, o tremor nela, me empurrou de volta no momento. "Não pare! Corra!" Eu passei por ela e ela me seguiu, nós dois correndo atrás de um lugar de iogurtes congelados, em seguida entre dois prédios. Nós os perdemos porque o beco era muito estreito para um carro e eles tiveram que circular de volta. Agarrando a mão de Nina, eu corri de cabeça para a rua, buzinas saudando-nos enquanto carros pararam guinchando para evitar nos bater. [154]


Sempre parecia tão fácil em filmes ou na TV. As pessoas evitavam carros como se não fosse nada. Foi por isso que eu normalmente acabei gritando na tela. Ian não iria mais comigo para os filmes; em vez disso, ele me obrigou a vê-los em seu lugar. Ele disse que eu ficava muito envolvido na ação e precisava aprender a me distanciar emocionalmente. Eu estava trabalhando nisso. Nina foi incrível. Se eu tivesse que escolher manualmente um civil para fugir de um atirador armado, eu não poderia ter escolhido melhor. Ela ouviu melhor do que qualquer pessoa que eu já conheci. Seguro na calçada oposta, eu tropecei para a frente, minha visão embaçada por um momento. Eu estava perdendo muito sangue muito rápido e tive que fazer uma mudança. "Siga-me", eu lati para ela depois de ver um homem parado na porta de uma oficina. Correndo para ele, Nina comigo, eu gritei por ajuda. As pessoas sempre me surpreendiam. Em vez de se virar, correndo para dentro e fechando as grandes portas da baía para baixo do teto, ele acenou para nos apressarmos. Quando chegamos perto, ele se afastou para que eu pudesse passar por ele, Nina logo atrás de mim. Eu perdi meu equilíbrio, caí de joelhos, mas virei de lado, empurrando Nina atrás de mim, protegendo-a entre meu corpo e um carro estacionado, minhas costas grudando em sua frente. Eu ouvi ela ofegar. "Eu preciso ver quão ruim você foi atingido", ela ordenou. "Tire isso para que eu possa verificar." “Só depois de avaliar todas as ameaças.” "Sim, ok", ela disse, sua respiração presa, "mas talvez você poderia segurar a arma com uma mão e me deixar tirar o casaco e depois mudar de mãos?"

[155]


"O quê?" Eu estava tendo dificuldade em segui-la entre a tontura, visão escurecida e dor aguda e latejante. Eu realmente precisava permanecer consciente. "Apenas me deixe..." Era difícil manter meu foco quando ela chegou em torno do meu peito, abriu o meu casaco e puxou com força, tirandome da minha roupa arruinada. "Oh, Deus," ela gemeu, seu rosto enrugando-se. "Você está realmente sangrando. Este camisa está embebida e-eu pensei que este colete era suposto fodidamente fazer algo!" Ele fez, mas não tudo. Não era uma armadura. “Mova seu braço. Eu preciso verificar e ver se ela saiu do outro lado." Acabei por transferir a arma entre as mãos como ela havia sugerido. "Oh Jesus," ela gritou, o que me deu uma ideia ainda melhor da quantidade de sangue que ela estava olhando. "Miro, sua clavícula está... e seu ombro, eu... você está perdendo muito sangue!" O homem e outros cinco mecânicos se aglomeraram em torno de nós mesmo enquanto eu segurava minha arma neles. "Tudo bem", o homem que nos deixou entrar, levantando as mãos, virando a cabeça para a direita e depois para a esquerda, sacudindo-a para cima ambas as vezes, claramente sinalizando para os homens. Os outros se afastaram antes de dar um passo à frente. "Você está fugindo da polícia?" "Sim," Nina chorou, seu lábio inferior tremendo. "E eles atiraram nele! Duas vezes!" "Sim, eu vejo," ele murmurou antes que ele alcançou atrás dele, puxou uma toalha de seu bolso traseiro, e amassou. "Eu vou jogá-lo para sua menina, ok? Não atire em mim.”

[156]


"Ele não vai atirar em você!" Nina gritou, sua voz aumentando rapidamente. "Ele é um Delegado dos EUA, pelo amor de Deus! Ele está tentando salvar minha vida!" Ele se assustou quando senti uma pulsação atravessar meu peito, me fazendo estremecer com o esforço necessário para segurar a arma. Eu estava começando a me preocupar que eu ia desmaiar e não seria capaz de proteger Nina. Se fosse apenas o meu ombro, eu não teria preocupado. A bala tinha ido na parte de trás do meu ombro direito e saiu na frente. De ponta a ponta era bom, o sangue escorrendo pelo meu bíceps para o cotovelo do meu cotovelo para o meu antebraço não foi tão grande, mas ainda provavelmente não fatal. A do meu peito era outra história. Eu não tinha certeza sobre o dano lá e era enervante. Se eu ia morrer, eu queria falar com Ian primeiro. “Você é um Delegado?” Merda. Tinha que me concentrar. "Sim," eu disse, inclinando-me de lado para que ele pudesse ver o crachá no meu cinto. “Deixe-me ir até você, Delegado.” Eu abaixei a arma porque eu rapidamente a capacidade de segurá-la.

estava

perdendo

Ele se moveu rápido, correndo para a frente e empurrando a toalha contra o meu ombro, perto da minha garganta. "Porra." "Lado!" Ele berrou. "Traga-me toalhas limpas da parte de trás e ligue para 911!" "Não", eu disse, virando a cabeça para olhar para Nina, mas não conseguia captar seus olhos quando ela estava em movimento. Ela havia se levantado e se movido em torno de mim, tirou sua jaqueta do terno, e amassou-a para que ela pudesse empurrá-lo contra o outro buraco no meu ombro. "Nina, pegue meu telefone e ligue para meu chefe." [157]


"Como eu sei quem..." "Diz chefe", eu disse, tendo problemas para focar antes de eu encontrar o olhar do homem que assumiu para ela, agora segurando tanto a sua toalha e a jaqueta de paletó arruinado para ambos os lados do meu ombro. "Isso parece mais glamoroso nos filmes", ele me informou, sorrindo suavemente. "Certo?" Eu tossi, rindo. "Desculpe, cara, eu pensei que talvez você tivesse sequestrado ela ou os dois estivessem fugindo da polícia." “Nós estamos” eu disse, rindo e gemendo ao mesmo tempo. "Dói, hein?" "Sim." O telefone estava de repente contra meu ouvido, Nina pressionando-o suavemente. "Olá?" "Onde diabos você está, Jones?" Kage rosnou irritado. Olhei para o homem que me impediu de sangrar até a morte. "Onde estou?" "Você está perto de Ogden e Maple na Restauração Chaney e Sons." "Ok," eu disse, deixando minha cabeça cair para a frente. “Você ouviu isso?” "Sim, mas Brookfield é como a capital da loja de carros do mundo, eu preciso de um marco." "Ponto de referência?" Eu perguntei. "O Flower Pot Garden Center está ao lado."

[158]


"Chefe?" Eu perguntei, porque falar estava rapidamente se tornando uma verdadeira tarefa. “Eu o ouvi. Estaremos aqui. Onde estão os detetives que estavam te perseguindo?” "Não sei. Se Deus quiser, não fora se preparando para entrarem, com as armas em punho." "Isso não é engraçado, Jones." "Eu..." As sirenes enviaram uma onda de medo através de mim em vez de inspirar o alívio que normalmente faziam. “Você ouviu isso?” "Sim. Este sou eu." Eu quase desmaiei. "OK. Vou esperar aqui e sangrar, Ok?" "Apenas não morra. Eu não perdi ninguém ainda hoje, não vamos começar com você. " "Sim senhor," eu disse e desliguei exatamente quando meu telefone tocou. "Vai ficar tudo bem", jurei ao tipo Samaritano e Nina. "Eu prometo." “O quê? ” Perguntou Kohn do outro lado da linha. "Oh, graças a Deus, hey, amigo", eu estremeci. "Agora eu sou seu amigo? Desde quando?" "Onde diabos você está?" “Estou num galpão em uma casa civil na avenida Vernon.” "Você está bem?" "Eu fui jogado para fora da janela, mas eu vou viver. Eu realmente não quero atirar no guaxinim que está aqui comigo, mas se ele atacar, eu vou. Quer dizer, ele poderia ter raiva.” Eu estremeci porque doía rir. "Por favor cale a boca. Ligue para o chefe agora, ele está quase em mim." [159]


"Eu já fiz," ele disse rapidamente. “Você parece estranho. O que está errado?" "Tiro." Silêncio. “Eli?” "Não me chame de Eli, você não vai morrer." "Ok", eu disse enquanto minha visão começava a ficar mais escura. “Vejo você daqui a um minuto” disse ele com voz rouca, e ouvi as palavras "Delegado federal" em seu fim antes que a linha fosse morta. Ele estava seguro, eu estava aliviado. "Oh merda, Miro, sente-se," Nina comandou até mesmo enquanto eu descia para o chão de concreto frio. "O chão vai sugar todo o seu calor. Você tem que se sentar e se apoiar em mim." Mas não havia jeito. Eu queria descansar. Nina segura por minha causa, e Kohn estava seguro porque em um galpão ou em um barracão de ferramentas caçado por uma criatura raivosa da floresta. A ideia me

estava estava sendo fez rir.

"Jesus, Miro, você está tão frio." Mas eu não era mais nada. “Delegados federais!” Eu fiz um barulho de alívio quando houve sons de tiros perto, como lá fora. Vários tiros seguidos por mais dois. Era importante avisar Nina, para se abaixar, mas quando eu tentei falar não havia nada. "Jones", ouvi Kage dizer em seu rosnado gutural ao mesmo tempo que eu tinha uma grande mão no meu peito. Incrível a quantidade de calor na palma da mão do meu chefe, eu só podia imaginar o que seria está envolvido em seus braços. “Não morra.” [160]


Senhor, eu realmente estava fora disso. Eu gostava do meu chefe, mas eu só estava carregando uma grande tocha acesa para um homem. E Jesus, isso o irritaria quando descobrisse. "Chefe?" Eu consegui engasgar. "Não fale, Jones," ele rosnou, e então eu o ouvi gritar. "Aqui!" “Kohn está em um galpão.” "Ele estava. Dorsey e Ryan o pegaram.” “Diga a Ian que eu... ” "Você pode conversar com Doyle, você mesmo. Segure e cale a boca.” Eu ia discutir, mas eu desmaiei em vez disso.

[161]


Capítulo 9 Eu acordei com um tubo IV alimentando-me, um bombeando-me cheio de antibióticos, um mantendo-me hidratado, e o último me mantendo confortável. Naquela mesma manhã, as drogas e o cateter se foram. Eu estava feliz por me livrar de ambos. Eu nunca tinha sido um fã de ser incapacitado ou drogado e tonto. Eu gosto de estar cem por cento no controle em todos os momentos. Eu tinha muitas más lembranças de estar à mercê de outra pessoa. Foram dois dias mais tarde. Uma vez eu estava acordado, os caras do inquérito apareceram: os federais, os policias de Chicago, meu chefe, seu chefe e o chefe dos quatro detetives que tentaram me matar e Kohn e Nina Tolliver. O chefe da polícia também estava lá, e o advogado do estado, seu assistente e um escrivão. Eram muitas pessoas, mas meu quarto era grande. Aparentemente, eles já tinham questionado Kohn e Nina e estavam esperando que eu acordasse e confirmasse as histórias dos outros. "Como você sabia que estava em apuros?", perguntou o investigador federal. "Assim que Nina Tolliver disse que Kohn e eu éramos os únicos Delegados que ela tinha visto, eu sabia que havia um problema." Eu olhei para meu chefe. "Sharpe e White estão mortos?" Um rápido movimento de sua cabeça, mesmo quando os músculos de sua mandíbula se apertaram. "Não?" [162]


“White está em coma a duas portas de você, e Sharpe foi para casa ontem.” “Qual é o prognóstico do White?” "Ele simplesmente precisa acordar", ele me assegurou. Eu assenti, e o investigador iria falar novamente, mas eu perguntei a meu chefe uma outra pergunta. “Cassel e Rybin estão mortos?” "Não. Ambos estão sob custódia federal. Você feriu Cassel, e pegamos Rybin no aeroporto tentando fugir do país." “E Koons e Wallace? Eles estão mortos?” "Sim," ele disse sem rodeios. "E eles não deveriam estar," seu chefe estalou. "Eles foram baleados." "Disseram-lhes que largassem as armas e caíssem no chão," Kage informou o homem friamente. "Eles retornaram fogo." “Só temos a palavra do seu homem para isso.” argumentou ele. "Sim", ele concordou, e eu estava feliz que eu não estava no outro lado da hostilidade no olhar. "Becker e Ching são Delegados altamente condecorados, e eles foram limpos tanto pelo meu departamento como pelo seu." "Sim," o investigador admitiu antes de devolver sua atenção de volta para mim. “Agora, Delegado, o que aconteceu depois que você e a senhora Tolliver saíram da casa?” Eu passei peça por peça para eles, não deixando nada de fora, incluindo a bondade do proprietário da oficina, Kohn me chamando do galpão, e como eu ouvi vários tiros disparados e, em seguida, o fogo de retorno. "Isso tinha que ser aqueles dois polícias disparando em Kowalski e Ching," eu terminei. [163]

sujos


“Não sabemos se eles estavam sujos” repetiu o capitão. "Verdade", eu disse francamente. "Talvez Tolliver tivesse alguém em suas famílias sequestrado. Talvez tenham sido coagidos.” Ele abriu a boca para rebater. "A menos que você já tenha verificado suas finanças e não há dinheiro se movendo em torno de lá", eu raciocinei. "E se assim for, então sujo é a palavra apropriada, senhor." "É", disse Kage secamente, seu tom gelado. "O histórico de depósitos mostra anos de subornos. Seu departamento está cheio de corrupção, como de costume.” “Você está esquecendo que você mesmo era um detetive da polícia, Delegado Kage?” "Não," ele respondeu, sua voz cheia de cascalho. "Eu tinha um parceiro sujo, mas meu capitão sabia, assim como a IAD12. Parece que você não tinha ideia do que diabos estava acontecendo em sua própria maldita casa.” Ele não era um medidor de palavras, meu chefe, e quando os argumentos explodiram, eu realmente não fiquei surpreso. A realidade era, no entanto, que o chefe do meu chefe, Tom Kenwood, era o homem com mais influência na sala, e quando ele falou, todos se calaram. Kenwood atravessou a sala para ficar à minha cabeceira. "Você fez bem, Jones. Descanse e volte para nós assim que você estiver bem. Você salvou uma testemunha de alto nível com registros abrangentes detalhando as atividades ilegais da família Corza. Sem suas ações heroicas naquele dia, teríamos voltado à estaca zero em nosso caso e duas crianças teriam perdido sua mãe. Suas ações são um crédito para o serviço, bem como para o seu supervisor e equipe."

12

The internal affairs (Os assuntos internos). Refere-se a uma divisão de uma agência policial que investiga incidentes e possíveis suspeitas de lei-quebra e má conduta profissional atribuídas a oficiais na força. [164]


“Obrigado, senhor.” Kenwood levantou a cabeça e encontrou o olhar do chefe da polícia. "Estamos lançando um inquérito federal formal sobre esses dois homens e todo o departamento", anunciou. "O procurador-geral está informando o prefeito esta manhã e um investigador especial será nomeado." Ninguém disse uma palavra. Ele se virou para Kage. “Quero ver White e falar com sua esposa, e depois Sharpe.” "Sim senhor." Todo mundo saiu, exceto Kage. Notei que o Chefe Adjunto Kenwood o esperava no corredor. Inclinando-se, ele pôs uma mão em meu ombro sem ferimentos. "Quando você estiver preparado, precisa ligar para o pai de Doyle. Algo sobre um lobo?” Eu sorri. "Sim senhor." “Falarei com você daqui a uma semana, Jones.” "Não antes? Eu poderia morrer de tédio." "Assista Netflix," ele aconselhou. Eu balancei a cabeça. Ele se afastou, e no corredor, caiu em um passo ao lado de seu chefe antes de desaparecerem. Olhando ao redor, eu encontrei meu telefone na mesa rolante ao lado da minha cama, conectado a uma tomada. Ele listou seis mensagens perdidas do pai de Ian e uma do próprio Ian, o que eu desejava estar acordado. "Jesus Cristo, Maria, e filho da puta José!" Eu sacudi quando Catherine Benton invadiu meu quarto, tanto seu volume como seu perfume. Seguindo ela, Janet Powell gritou ainda mais alto. "O que diabos você fez para si mesmo?" [165]


"Eu disse que ele estava realmente ferido", Aruna Duffy gritou, apressando-se por ambas as mulheres para chegar a mim, agarrando minha mão, e se deixando cair desajeitadamente na cama ao meu lado. Ela nunca tinha sido uma flor doce e delicada, embora com cinquenta e seis quilos ela costumava se assemelhar a uma. Agora, aos sete meses de gravidez, comendo tudo à vista, maior do que nunca, ela não estava mais certa de sua própria força. "Achei que você usava uma armadura corporal?" Min Kwon, completando as quatro, perguntou enquanto ela corria ao redor para meu outro lado. "Como você foi baleado, chagiya13?" "É como um preservativo, Min, buracos acontecem", eu disse, erguendo meu queixo para que ela se inclinasse para que eu pudesse beijá-la. Pelo uso do carinho, eu sabia que ela estava realmente preocupada. Ela bufou quando beijei sua bochecha antes de virar a cabeça e beijar a minha. Aruna era a próxima, e depois Janet. Catherine tinha o fichário que estava sentado em uma prateleira ao lado da minha cama aberta. Eu não tinha ideia do que era até que eu a vi folheando, mas compreendi quando eu a vi virar páginas que era o meu gráfico. “Largue isso.” Seu pedido de silencio era afiado. "Você não deveria estar bisbilhotando", eu repreendi. "Uh-huh", ela disse, ainda lendo, beijando-me distraidamente antes de se endireitar. Quando a cabeça dela se ergueu e ela me pregou com seu olhar castanho escuro, eu quase encolhi. “Seu pulso está quebrado também?” "Isso foi antes", eu defendi. “Está tudo curado agora.” 13

Querido. [166]


Ela resmungou e manteve passando, o enorme diamante de cinco quilates no anel de platina na mão esquerda capturando a luz quando ela virava as páginas. "Aperte o botão de chamada", ela ordenou a Min. “Preciso falar com a enfermeira.” "O que vocês estão fazendo aqui?" Eu perguntei às mulheres que tinham sido minha família desde o meu primeiro ano na Universidade de Chicago. “Aruna é seu contato de emergência” Min explicou gentilmente, como era seu modo. Ela era gentil e lógica e o coração de nosso pequeno grupo. Ela também era uma brigona que você realmente não queria sentar em frente em uma sala de audiências. Observei-a no tribunal a última vez que a visitei, e ela foi malditamente assustadora. "E então, depois que a deixaram saber o que estava acontecendo, ela nos chamou." Eu virei minha cabeça para olhar para Aruna. "O que? Eu não deveria chamá-las?" "Você assustou todo mundo sem nenhuma razão." "Nenhuma razão, minha bunda," Catherine acendeu, mostrando o peso da pasta de três polegadas com ambas as mãos. “Isso é sério, Miroslav.” Meu Deus, ela usou o meu nome. “Chegamos aqui o mais rápido que pudemos” explicou Janet. Aruna era a única que ficou em Chicago, a única que eu via regularmente. Catherine estava em Manhattan, Janet em Washington DC, e Min em Los Angeles. Mas eu ainda conversava com todas elas uma vez por semana. Todos nós sabíamos exatamente o que estava acontecendo um com o outro. Então, embora eu não visse fisicamente Catherine em seis meses, Janet em oito, e Min em quatro, não me sentia assim porque elas ainda eram uma parte tão grande da minha vida. [167]


“Estive aqui ontem” explicou Aruna, acariciando minha mão, seus olhos de verde-ouro quentes enquanto ela me olhava. "É por isso que você está nesta sala." Eu olhei para ela. “Em que quarto eu estava?” "Um pequeno", ela me esclareceu, lançando seu longo e castanho cabelo sobre seu ombro. "E o que você fez?" "Eu perguntei a eles se eles queriam estar no noticiário amanhã." "Você trabalha para 20/20", eu lembrei a ela. "Você não faz as notícias locais aqui em Chicago." "Como se eles não iriam morrer para que eu fizesse uma exposição sobre como os hospitais tratam heróis feridos." "Eu não sou um herói." "Você salvou aquela mulher, sua testemunha," ela disse rapidamente. “Seu chefe me contou.” "Oh, pelo amor de Deus," eu gritei. "Cale-se. Eles te mudaram, não foi?” “Porque você os ameaçou.” "Isso mesmo que eu porra fiz," ela bufou, e eu vi seus olhos brilhar com raiva. "Me dê um tempo difícil—fodam-se eles!" "Aruna... " “Como se lidar com ela não fosse preferível a lidar comigo” Catherine zombou. "Por favor." Eu balancei a cabeça. "Vocês não podem entrar aqui e empurrar..." "Eles querem ser auditados?", Perguntou Janet. "Eu acho que não."

[168]


Minha amiga agradável e despretensiosa, um dos principais auditores da divisão de Impostos e Entidades Fiscais (TE/GE) do IRS14, era na verdade a pessoa mais assustadora na sala. As pessoas pensavam que ela era bonita e fofa com seu curto cabelo vermelho, sardas e grandes olhos azuis até que ela se lançou sobre você e você percebeu que ela era aterrorizante. "Eu..." "Sr. Jones? ” Disse uma enfermeira quando entrou no quarto. "O que você... eu sinto muito, mas você não deveria ter tantas vis..." “Ele pode ter tantas pessoas aqui quanto quiser” instruiu Min. "E se você chamar segurança, eu vou ter o seu trabalho." "Pare," eu implorei. "Esta mulher coloca agulhas em mim." “Preciso falar com o médico do Sr. Jones” disse Catherine à enfermeira antes mesmo de ter uma chance de responder a Min. "Por favor, informe-lhe que a Dra. Catherine Benton está aqui." "Eu não..." “Doutora... Catherine... Benton” disse ela lentamente, friamente. "Faça isso agora." A enfermeira olhou ao redor da sala e saiu rapidamente. "Ele não saberá quem você é", eu disse a minha amiga convencida. "Você está muito cheia de você mesmo agora." Ela grunhiu, caminhou até mim, e me bateu no meio da minha testa. "Bruxa," eu resmunguei, mas eu não pude deixar de rir.

14

O Internal Revenue Service (IRS) é um serviço de receita do Governo Federal dos Estados Unidos. [169]


"Eu tenho preocupações", ela respondeu. "E eu preciso saber o que seu médico fez, porque não está em suas anotações e isso é preocupante. Se ele não fez o que eu penso, eu vou ter que o colocar em cirurgia em cerca de uma hora. " Min ofegou. "Eu realmente não quero que você me corte", eu disse enfaticamente. "Você deve ter tanta sorte", disse meu médico, o Dr. Sean Cooper, que parecia que ele pertencia a uma capa de revista, em vez de andar pelos corredores de um hospital, enquanto entrava na sala. "Dra. Benton é um dos principais neurocirurgiões do país." "Sim," ela apoiou, arqueando uma sobrancelha para mim. “Vi que Miro sofria de hipóxia associada à ferida de bala na clavícula, e minha preocupação é...” "Paralisia de Erb", ele terminou. "Sim." "E," ela estalou. "Quanto tempo ele estava..." "Eu não atualizei o arquivo, mas ande comigo e eu vou te mostrar a ressonância magnética que fizemos." "Excelente", ela disse secamente, virando-se para seguilo. " Sente-se, eu estarei de volta," ela disse por cima do ombro. Quando ela se foi, Aruna balançou as sobrancelhas para mim. "Vocês caras são todos valentões." Eu estava bastante certo de que a equipe do hospital ficaria muito feliz quando eu saísse.

EU tinha sido, em todos os casos, bem no meu caminho para uma vida de crime, crescendo em Pacoima, Califórnia. Havia roubos de lojas - sempre comida, porque eu sempre estava com fome - evasão escolar, e fazendo a coisa de [170]


mensageiro. Caras disseram, hey garoto, eu vou te dar vinte dólares para levar isso lá, e eu fiz. Eu nunca perguntei o que estava dentro; eu não me importei. Mas eu tenho uma reputação de ser confiável, e que levou a ser convidado para as transações de negócios em brigas de galo, jogos de azar nos bastidores, e observando como eles bebiam, fumavam, e faziam linhas. Pouco tempo depois, eu era o único a ser oferecido um pedaço de cocaína ou uma bebida. Eu estava dentro e fora de mais de duas dúzias de lares adotivos quando eu fiz quinze anos. O suficiente, com o problema que eu mexi, eu tinha sido pego em situações quando a polícia veio andando pela porta da frente. O que inevitavelmente aconteceu foi o maior, homens mais fortes na sala acabou me levando para fora e ficou comigo até o serviço de proteção a crianças aparecerem. Estes foram os únicos homens na minha vida que realmente me viram, falaram comigo, ou pareciam se importar se eu estava vivo ou morto. A coisa do salvador, a coisa do chapéu branco, a coisa do herói: tudo isso imprimiu no meu cérebro. Então, em vez de odiar a aplicação da lei, eu fui para o outro lado. Na verdade, eu decidi que eu nunca quis ser o cara a ficar preso; eu queria ser o cara prendendo. Os policiais eram gentis, sólidos, poderosos e — conforme eu crescia — malditamente quentes. Eu tive sorte. Eu obtive melhor do que um monte de filhos adotivos que eu conhecia. Eu não fui estuprado, mimado ou molestado. Meus pais adotivos simplesmente não se importavam. Eu tive que arranjar minhas próprias refeições e roupas. Era como se eu fosse invisível. A última vez que fui removido de uma casa porque as pessoas com quem eu morava tinham um laboratório de metanfetamina no porão - o detetive que me conduziu para fora da casa parou na frente do meu tutor e deu-lhe um soco no rosto. Quando o homem olhou para ele do chão, o detetive puxou as roupas que penduravam no meu corpo magro. Eu estava gravemente desnutrido, e dessa vez, [171]


fui para o hospital. Foi então que me foi atribuído um novo assistente social — meu anjo da guarda, que acabou sendo — Sra. Perez. Ela era minha sexta assistente social. A Sra. Benita Pérez mudou meu sobrenome de Chukovskaya para Jones, que era o que alguém pensava que meu sobrenome era - eles nunca estavam certos, era simplesmente no único papel que eu tinha, com Miroslav. Ela fez isso com sua caneta em um formulário e, em seguida, armazenou-o no computador. E com essa pequena mudança, ela me deu um recomeço. "Eu não gosto de Smith, então vamos com o outro fácil, sim?" Ela disse, sorrindo para mim. "Agora que você é Jones, filho, vamos ver o que mais você pode fazer além de estragar tudo." Não deveria ter significado ou feito nada, mas eu fui de se concentrar em ser filho de ninguém a ser um homem que estava pronto para crescer e fazer algo com sua vida. Uma semana depois, ela mudara minha escola e me colocou em uma casa em Redondo Beach. Dez de nós moramos lá, e era mais como um quartel do que uma casa, mas que estava bem comigo. Ouvir Sr. Hutchins gritar "Jones" quando chegou a hora de eu vir para a mesa de jantar foi como música para os meus ouvidos. O capelão do Exército aposentado era como os outros, porque ele não se importava se eu estava lá, mas pelo menos ele realmente usou o dinheiro que conseguiu por cuidar de mim para colocar comida na mesa e roupas nas minhas costas. Eu descrevi-o como uma vitória. Quando eu fiz dezesseis anos, consegui dois empregos, um depois da escola em um supermercado armazenando prateleiras e o outro em um posto de gasolina de vinte e quatro horas. Eu tive o turno da noite e um monte de tempo para dormir e estudar, trancado na gaiola de vidro à prova de bala. Ninguém verificava quantos anos eu tinha, ninguém se importava. Todos, menos a Sra. Pérez, ficaram surpresos quando eu fui aceito na Universidade de Chicago, e o que ajuda [172]


financeira não cuidou, as bolsas de estudo que ela me ajudou a aplicar fizeram. O ano em que me formei foi o ano em que ela se aposentou. Eu ainda lhe enviava cartões de Natal em Portland. Até que eu me mudei para Chicago, eu nunca tinha tido uma casa, nada permanente. Os dormitórios eram uma revelação - a liberdade - e o trabalho que eu consegui no restaurante a dois quarteirões do campus era bom. Pela primeira vez, eu era o mesmo que todos os outros, como qualquer outro calouro universitário. Ninguém me olhou, me julgou ou me tratou de maneira diferente. Eu poderia me recriar, e eu fiz. Tendo descoberto há muito tempo que eu era gay, fui estar dormindo com qualquer cara que olhasse na minha direção. Foi assim que conheci Janet Woollard, mais tarde Powell. Ela veio andando do dormitório do seu namorado às seis da manhã e encontrou-me nu em sua cama. Ela gritou. Eu gemi. Seu namorado, Todd algo, correu para o banheiro e se trancou. "Tire seu traseiro daí!" Ela rugiu para ele através da porta. Eu estava pulando para cima e para baixo em um pé, puxando minhas calças. "Oh Jan", Monica Byers estalou da porta, duas outras meninas com ela, todos em roupas de dormir, eu pensei que elas fossem modelos da Victoria's Secret. "Acho que Todd ficou tão doente de você, ele é gay." O rosto de Janet, o olhar de absoluta agonia nele, eu não podia suportar.

[173]


"Cara, eu não sou gay", eu disse com desdém, desprezando Monica, cadela convencida de que ela era. Ela tinha a coisa total Queen Bee acontecendo. Se você não beijar sua bunda, ela era um pesadelo total. "E Todd só está chateado porque ele entrou aqui e Janet e eu estávamos em sua cama. O cara vai ficar traumatizado para a vida.” Ela ficou atônita. O clã com ela estava atordoado. E com minha mentira, eu mantive o segredo de Todd e transformei Janet na garota má que ela sempre quis ser. Eu agarrei sua mão e puxei-a atrás de mim para fora da porta e desci as escadas traseiras. No piso térreo, na área comum, eu a deixei ir. Ela correu em torno de mim barrando minha saída. "O que?" “Todd é gay?” Todd estava curioso. "Você é o ativo?" Eu sorri. "Baby, eu sempre sou o ativo." Qual foi a primeira verdade daquele dia. Ela pôs as mãos nos quadris e olhou para o meu rosto. "Por que você mentiu para mim?" "Porque Monica Byers é a palavra c", eu expliquei, "e eu só não uso a palavra em deferência para você. As meninas odeiam, certo?” “Sim, sim.” “E também, você não merece o que ela estava prestes a fazer.” Seus olhos se suavizaram quando estendeu a mão. "Eu sou Janet Woollard." “Miro Jones.”

[174]


"Você quer vir ao meu quarto? Acabei de voltar de casa e minha mãe me carregou com comida congelada." "Você tem hot pockets?" "Eu tenho, além de bagels e rolos de pizza." “Que tal waffles? São apenas seis e meia.” "Eu até tenho calda e um refrigerante de soda." "Vendido." Nós festejamos em seu quarto, em sua cama, fazendo viagens de ida e volta para o micro-ondas. Sua companheira de quarto, Aruna Rao, que encontraria um grande bombeiro irlandês chamado Liam Duffy e se apaixonou loucamente e completamente por ele, impedindo-a de retornar a Dallas, no Texas, duas horas depois. "Olá", ela me cumprimentou. Dei um tapinha no espaço ao meu lado na cama de Janet. "Junte-se a nós." E enquanto Janet e Aruna tinham sido amigáveis, elas não eram amigas até aquele dia em que todos nós nos embebedamos com vinho. Nós estávamos inseparáveis depois disso. Quando eu peguei notas emprestadas de Catherine Mindel na minha segunda aula de Biologia e a convidei para comer no restaurante que eu trabalhei, colocando-a em uma mesa com Janet e Aruna, elas a odiaram no início, e depois a amaram um mês depois quando nós todos fomos para Detroit para o casamento de sua prima. Nós ligamos, e quando nós voltamos e Min Song era a nova companheira de quarto de Catherine porque sua primeira tinha-se afastado aparentemente Catherine tinha TOC — nós a adotamos. Min foi gentil até que alguém veio atrás de uma de suas amigas. Então Deus te ajude. Ela tinha realmente desmontado o nosso professor de Filosofia que menosprezava Janet na frente da classe. Ele tirou três dias de folga após a bronca que sofreu. Janet a abraçara tão apertado. [175]


Era eu e as meninas, e mesmo que todos tentássemos fazer outros amigos, ninguém emperrou. Então, no ano seguinte, nos mudamos para uma casa de dois quartos e um banheiro, fora do campus. Eu tinha o sofá-cama na sala de estar e fiquei muito bom em ter sexo em carros desde que eu não tinha porta para bloquear olhos curiosos. Não que isso realmente importasse; ter uma casa onde eu morava com minhas amigas fez. E elas nunca me deixaram. Uma delas me levava para casa para férias de inverno todos os anos. Um ano, Aruna decidiu ficar para que pudesse estar com Liam e sua família para o Natal; eu fiquei com ela e visitei também. Eram pessoas adoráveis, e seu primo Kerry era quente e disposto a me deixar fazer o que eu quisesse para ele. Não durou, mas fez o Ano Novo e Dia dos Namorados mais divertido do que o habitual naquele ano. Quando quatro anos se passaram e todos saíram para a escola de pós-graduação, escola de direito ou escola de medicina - e eu para a academia de polícia - pensei que talvez fosse isso e minha família me deixasse. Mas Liam reforçou e colocou um anel no dedo de Aruna, então eu consegui mantêla perto. E as outras não estavam prestes a desaparecer. Eu era a inveja de todos os tipos heterossexuais que eu conhecia: eu tinha quatro mulheres inteligentes, lindas e talentosas, todas fascinadas por mim a qualquer momento. "Como você faz isso?" Eu era perguntado de vez em quando. Eu dei de ombros e disse que amava cada uma incondicionalmente. E era verdade. Se alguma delas me chamasse no meio da noite e me pedisse para trazer uma pá e lixívia e para se certificar de que o carro tinha gás, eu estaria lá sem dúvida. Catherine estava certa de que eu teria que me livrar de sua sogra em algum momento, mas ainda não escondemos nenhum corpo.

[176]


"EU ESTOU de volta", Janet anunciou quando ela chegou na porta da frente, Chickie cambaleando atrás dela. "Você levou o cão para fora?" Eu perguntei de onde eu estava esticado. Chickie trotou, lambeu meu queixo, e então dirigiu-se para a cozinha para sua vasilha de água e, ainda mais importante, Aruna, para quem ele tinha um carinho especial. Aruna nunca gostou de cachorros, mas em sua primeira reunião, ela e Chickie tinham se ligado. A única pessoa que ele gostava, assim como ela e Ian era o marido de Aruna, Liam. "Ah, ele está aqui", ela cantou para o lobisomem. "Se não é o meu anjo. Eu senti falta dele, sim, eu fiz. Oh sim eu fiz." Ele estava choramingando de felicidade; eu podia ouvilo do sofá. "Olhe o que a mamãe tem para você!" "Aruna, pare de alimentar esse cachorro com comida de pessoas", eu adverti. "Isso é bife, sim, é", ela disse para Chickie, ignorandome completamente. Senhor. "Não dê esse bife ao cachorro!" "Nós não vamos ouvir ele, vamos? Não, não vamos. Ele é um imbecil, sim, ele é." Eu desisti porque ela ia fazer o que quisesse de qualquer maneira. "Olá," Janet estalou para mim. "O que?" "Eu estava tentando dizer-lhe que não há nenhuma maneira de levar esse cão para fora, mas aposto que eu fiquei mais perto do que seu parceiro já tem." Eu zombei. "Ele é muito assustador, você não tem ideia."

[177]


"Ele pode correr rápido, mas eu corro muito", ela brincou. "Meu marido mal consegue acompanhar-me." "Falando de seu marido, não é hora de você ir para casa?" "Cala a boca," ela murmurou, andando por mim, indo para a cozinha onde Aruna estava cozinhando algo que cheirava celestial. "Dê água ao cachorro", eu ordenei. "Ele tem água", Aruna me informou. "E bife." Eu gemia e lancei em torno por apoio. Catherine estava no sótão, ao telefone com o marido, e de vez em quando eu a ouvia rir daquela maneira profunda e gutural dela. "Então," Min disse docilmente, sentando-se ao lado de minhas pernas no sofá, enrolando-se sob ela. "Como você está se sentindo?" Eu a conhecia melhor do que acreditar que a docilidade era real. Ela estava me preparando; Era a mesma maneira que começou no tribunal, todo doce como se ela fosse um coelho em vez de um tigre. "Muito melhor." Seu sorriso era terrível. "Oh, por amor de Deus, cuspa fora." "Bem. O que está acontecendo com sua vida amorosa?" Silêncio. "Eu te ligo de volta", ouvi Catherine dizer ao marido, e ela estava lá embaixo segundos mais tarde, quando Janet e Aruna apareceram na porta da cozinha. Elas pairavam como abutres. Jesus.

[178]


Eu puxei uma das almofadas que eu estava usando para apoiar-me por trás das costas e cobri meu rosto. Depois de alguns momentos, levantei-o e encontrei minhas quatro amigas sentadas ao meu redor. Três sentadas na mesa de café, olhando, e Min não se mexeu. "Diga," Janet pescou. "Vocês são todas tão bonitas," eu disse, apenas para dizer algo, mesmo que fosse verdade. Catherine franziu o cenho, enfiando uma longa mecha de cabelo preto atrás da orelha. Tinha se soltado do coque francês. Como cirurgiã, ela estava acostumada a usá-lo assim, para cima e longe de seu rosto. “Responda à maldita pergunta.” “Você xinga muito.” "Então você gosta de me lembrar," ela disse com condescendência. “Agora fale.” "Sim, fale," Janet disse docemente. “Eu amo bocados suculentos... ” "Comece com aqueles," Min cutucou. "Eu amo os bocados suculentos." "O que você faz..." "Você sabe quem era quente?" Aruna suspirou. "O chefe dele." "Oh, eu não o vi." Janet parecia triste. "Conte-me." "Tão gostoso, seu chefe," Aruna disse, olhando para mim. "Ele é casado, você sabe. Você não viu o anel?" Eu respondi. "O que impede o fator gostoso?", Perguntou Min. "Desde quando?"

[179]


"Mas não importa, eu discordo. É tão óbvio que você está apaixonado pelo seu parceiro” disse Aruna com grave certeza. "Então, onde você está em sua conquista?" "Ele é hétero," eu anunciei, "como ele sempre foi e sempre será. Nada magicamente vai mudar. " Aruna fez um barulho irônico, como se eu estivesse confuso. "Eu o conheci, inferno, todos nós o conhecemos, mas eu realmente estive na mesma sala quando ele estava aqui, e a maneira que ele o acompanha com os olhos.... Miro, querido, ele não é hétero.” "Ele..." “Ou talvez ele seja, mas ele só quer você,” Janet respondeu. "Porra, isso é quente", Catherine sussurrou. Todas estavam me deixando louco. "Sabe, já que você está se recuperando, alguém não deveria ir ao lugar de Ian e regar suas plantas e verificar seu correio?" Min ofereceu brilhantemente. "Sim," Janet concordou. "Quero dizer, você tem seu cachorro, mas deve haver coisas que ele precisa fazer." "Para onde isso vai?" Eu perguntei, suspeito. "Bem, estamos apenas dizendo que seu lugar provavelmente precisa ser limpo ou algo assim, e como você não pode fazer isso... nós iremos". "Não." "Por que não?" Min parecia interessado em minha resposta. "Seu correio provavelmente está se acumulando em sua caixa. Alguém deveria cuidar disso.” "Porque eu não quero que vocês fiquem bisbilhotando lá dentro." "Miro Jones, nós nunca faríamos isso!" [180]


Janet cruzou seu coração enquanto Aruna gargalhava. Elas estavam me matando. "Estou falando sério. Vocês..." "E dessa forma poderíamos verificar e ver se Ian está vendo alguém." "Ele não está." Todas as quatro estavam olhando para mim com expressões confusas. "Não, eu não quero dizer, ele não está vendo mais ninguém, quero dizer, ele não está vendo ninguém em tudo. Sua namorada terminou com ele." “Que maravilha” disse Catherine maliciosamente. “Você não está me ouvindo.” "Eu estou," ela bufou. "Mas agora estou entediada. Quero falar agora, e como Ian não está aqui e não sabemos quando ele vai voltar, o que mais você pode fazer... ou quem..." "Oh sim", começou Aruna sugestivamente, "precisamos de alguém novo e interessante." "O que você..." "Como qualquer outro cara quente," Janet disse, balançando as sobrancelhas. "Espera..." "E você sabe quem era apenas 'comestível", disse Min, movendo-se ao longo do sofá para parar ao lado do meu quadril. “Seu médico.15” “Obrigada” provocou Catherine. "Eu sou, não sou?" Janet golpeou-a com um travesseiro enquanto ela se dissolvia em riso rouco.

15

Em inglês: Your doctor, pode se referir como médica ou médico. [181]


“Você deveria convidá-lo para sair” insistiu Aruna. "Ele era muito bonito." “Ah, sim, sim” concordou Min. “Vou ligar para o hospital” ofereceu Janet. "Talvez ele venha aqui e jogue de médico e paciente com você." "Ele pode nem mesmo ser gay", eu protestei em desespero. Silêncio mortal. Eu fiz um barulho sufocante na parte de trás da minha garganta. "Cara, seu gaydar é tão merda", Catherine me assegurou. "Jesus Cristo, Miro, como você está perdendo tudo isso?" "Não é hora de vocês irem para casa?" Min passou o julgamento: "Você precisa se deitar." "Eu..." "Você pode obter um back-up", Janet destacou, antes de se virar para Catherine. "Os homens podem ficar doentes por causa disso, não podem? É o que Ned diz.” "Seu marido diria qualquer coisa para se certificar de que ele transasse." "Meu marido transa muito", disse ela, me dando mais informações do que eu precisava. “Mas você, Miro, há quanto tempo? Você conseguiu alguma desde que Brent foi embora?" "Querido Deus, pare," eu implorei, rolando sobre meu estômago. “Oh, meu Deus, não é de admirar que ele não esteja transando, olhe para aqueles pijamas.” Min estava horrorizada. "Eu só vi os pijamas mais bonitos quando eu estava online antes da minha corrida", Janet disse, levantando-se

[182]


para pegar seu iPad da mesa final. "Você sabe o que devemos fazer..." "Compras!" Catherine gritou, e ela deu um grito de guerra para boa medida. "Eu não posso ir, estou me recuperando", eu lembrei a todos. “Você precisa ir,” disse Aruna indignada. "Quando você foi?" "Por favor, não jogue fora qualquer coisa que eu possuo agora", eu implorei. “Não, claro que não” prometeu Min, estendendo as mãos, tranquilizadora. Aruna colocou um copo de água em um e uma pílula no outro. "Não," eu disse, balançando a cabeça. "Vocês não podem me drogar. Já dormi o suficiente.” “Ouça o seu médico” disse Catherine, dando-me um grande sorriso cheesy. “Mas estou com fome” gemi. "Você pode comer primeiro, querido", prometeu Aruna. Eu desisti, tomei a pílula para dor que iria me bater na bunda, e dei um tapinha em Chickie, que caminhou ao meu lado e se deitou. Sentei-me e peguei o prato de frango tandoori, masala dosa, e salada korma, ela tinha feito especialmente porque era o meu favorito. "Obrigado", eu disse sinceramente, e Aruna inclinou-se e beijou o topo da minha cabeça. “Onde está o meu?” Quis saber Janet. "O resto de vocês podem pegar seus próprios malditos pratos."

[183]


"Você está ficando tão hormonal", Min apertou Aruna. “Só vai piorar” explicou Catherine com sua voz de médico, como se estivéssemos todos fazendo uma consulta. A comida estava incrível; eu tive em segundos, bebi muito mais água, e depois deitei de volta. "Eu amo vocês," eu disse quando senti meu corpo ficar pesado. "Nós sabemos."

sabemos,

querido,"

Aruna

suspirou.

"Nós

Eu adormeci ouvindo minhas amigas falar enquanto elas se sentaram em torno de mim na mesa de café e comeram. Isso me lembrou como era antes de eu ter um emprego onde eu poderia morrer e um parceiro que eu queria mal o suficiente que, francamente, nenhum outro homem faria.

[184]


Capítulo 10 Duas semanas mais tarde, eu fui com Ethan Sharpe e Jer Kowalski - Jer era escasso para algo que eu não tinha qualquer esperança de algum dia aprender - para visitar o parceiro de Sharpe, Chandler White. Estávamos ridiculamente felizes em vê-lo limpando sua arma de apoio, uma subcompacto inoxidável Kimber Ultra Raptor16, na mesa de café em sua sala de estar. "Por que ele não pode ir com vocês agora?" Sua esposa, Pam, gemeu quando ela chegou em casa do trabalho. Originalmente ela tinha tido tempo de licença famíliar, mas ela voltou cedo para escapar dele. Que ela era professora de inglês do ensino médio e ainda preferia lidar com adolescentes hormonais do que seu marido disse muito sobre como ele se tornara irritante. "Na próxima segunda-feira," Sharpe disse, pegando o controlador do jogo PS4 quando White agarrou o outro. "Eu vou pega-lo bem cedo." Como era apenas quinta-feira à tarde, ela choramingou antes de ir para a cozinha. Eles pareciam bons no sofá, juntos, White de olhos castanhos, de cabelos castanhos, e seu parceiro de olhos azuis mais alto, mais escuro e elegante. Sharpe me contou, em algum momento, que seus pais se conheceram quando seu pai estava no exterior em Paris; sua mãe havia acabado de se mudar de Delhi, então, sendo ambos novos na cidade, tinham caído em amizade e amor rápido.

16

[185]


"Você nunca sabe quando vai se apaixonar, Jones", Sharpe me disse. "A garota para mim poderia estar ao virar da esquina." Eu havia argumentado que talvez ele precisasse diminuir a audição das mulheres para o papel principal em sua vida. Entre ele e Kohn, eles estavam correndo pelas lindas senhoras de Chicago rapidamente. “Temos que ir” anunciou Kowalski, levantando-se da cadeira de asas coberta de linho em que estivera sentado. “Sharpe, você vem?” Não, ele iria ficar e almoçar com seu parceiro - eu entendia o desejo, eu queria poder repartir o pão com o meu então Kowalski teve que ir comigo de volta ao escritório. "Fale-me sobre o lobo novamente", ele perguntou quando entrou no Nissan Xterra preto que eu estava dirigindo no momento. O Jungle Boogie tinha sido vendido recentemente em leilão, então eu tive o próximo veículo apreendido em uma apreensão de drogas. "O pai de Ian saiu da cidade ontem à noite, então eu não tinha lugar para despejá-lo esta manhã." "Uh-huh." "Mas minha amiga Aruna, ela me ligou ontem à noite e disse que ela e seu marido poderiam levá-lo neste fim de semana, já que eles estão indo para Wisconsin para uma reunião de família." "OK." "Acho que é em algum chalé onde ele terá um lugar para correr e fazer o que for." "Você não tem medo que alguém o confunda com um lobo real e atire em seu traseiro peludo?" “Com um grande colar verde limão?”

[186]


Kowalski encolheu os ombros. "Eu acho. Pelo menos ele não tem uma daquelas badanas duvidosas.” Eu ri. "Então foi por isso que você estava atrasado quando chegou aqui, porque você tinha que deixar o cachorro." "Certo." “O lobo de Doyle está com você há dois meses?” "Sim." "Caramba, Jones, eu queria ter um namorado legal como você também." Eu bati com os freios, o que fez seu cinto de segurança apertar rápido, pegando-o afiado e apertado no peito. "Porra!" "Os cintos de segurança funcionam", eu disse de maneira engraçada, rolando minha cabeça para olhar para ele. "O problema com você é que você é muito sensível." Eu esperei. "Tudo bem, desculpe, seja o que for, podemos ir?" Eu dei-lhe o tratamento silencioso enquanto nós estamos no tráfego. "Eu sei que você sente falta dele," Kowalski disse de repente. "Do que você está falando?" “Doyle” explicou ele. "Você sente falta do seu parceiro. Eu sentiria falta do Kohn, se ele também partisse. Só o seu parceiro realmente conhece você.” Desde que homens crescidos não choramingavam com necessidade reprimida, eu simplesmente limpei minha

[187]


garganta e concordei com ele. Quando meu telefone tocou, eu ia responder, mas Kowalski bateu na minha mão. “Onde está seu fone de ouvido?” "Provavelmente no outro carro", respondi, respondendo no segundo toque. "Ei," Aruna disse na outra extremidade. "Os cães não podem ter chocolate, podem?" "Não." “Que tal o iogurte?” "Ouça-me: não alimente o cão com comida humana. Já te disse isso antes.” O tsk do desagrado não foi perdido em mim. “Deixe-me falar com seu marido.” Rapidamente e depois, "Ei." O barítono de Liam Duffy girou sobre a linha. "E aí?" "Eu só queria agradecer novamente por fazer isso por mim." "Você está brincando?", Ele disse feliz. "Ele é sempre tão bom quando você o traz, e agora tenho alguém para correr enquanto estou lá em cima, e para ajudar a olhar para Aruna." Era verdade. Chickie tinha um instinto protetor quando se tratava de mulheres e uma coisa estranha de pastoreio que ele fazia com as crianças. Ele estava sempre tentando encurralar Aruna e colocar-se entre ela e outras pessoas. Ela o elogiou por isso, e ele se retorceu de alegria. "Eu acho que você me deixou comida de cachorro demais, no entanto." "É engraçado que você acha que um saco de quinze quilos vai durar." "Realmente?" Ele soou surpreso. "Por três dias?" [188]


Eu gargalhei antes de desligar. “Sério, Jones” disse Kowalski rapidamente. “Onde está seu fone de ouvido?” Ele era tão ‘seguir o livro’, o que fazia sentido, porque Kohn era muito semelhante a ele. Ian não era um defensor para as regras e tinha me desgastado em algumas áreas para que eu, também, desconsiderasse. "Então, como é, tentando manter as mulheres de Kohn em linha reta?" "Como é ter todos os seus ossos quebrados em torno do Capitão América?" "Eu realmente quebrei as coisas e levei um tiro tudo sozinho agora." Não teve nenhum retorno espirituoso. Estávamos em silêncio para o resto da viagem, e eu fiz certo para puxar em frente do nosso edifício para que ele pudesse sair e não ter que ir para a garagem comigo. "O que?" "Você pode sair, eu..." "Não, homem, estacione fodidamente sensível.”

o

carro.

Não

seja

tão

Virando-se para ele, a montanha de músculos no banco do passageiro ao meu lado - seus bíceps eram maiores que minhas coxas, seu pescoço inexistente - eu esperei. "Sim, ok," ele rosnou. "Eu não deveria lhe dar nenhuma dor sobre Doyle desde que você está sonhando sobre ele e tudo." Minhas sobrancelhas se ergueram e ele jurou em voz baixa. "Somente—por que não vamos à Starbucks e obter algum café frutado que você gosta." [189]


Eu bufei uma risada, porque só estava ficando pior. "Foda-se, Jones!" Deixando-o fora do gancho, eu tirei para fora, o que ele gostou, e dirigi para o estacionamento. Enquanto caminhávamos juntos depois que eu estacionava, eu parei e chequei minhas botas. "O que?" "Nada. Eu só não quero ficar molhado. Os fundos são de couro.” Ele revirou os olhos. "Jesus. Você e Kohn, por que você usa sua boa merda para trabalhar?" Foi uma pergunta muito boa.

EU ESTAVA na minha mesa mais tarde terminando a papelada para fechar o caso Tolliver, quando o meu telefone tocou. Eu peguei-o sem verificar a tela, preocupado com a procura do meu mouse, em uma perda de onde poderia estar. Eu comecei vasculhando através de minhas gavetas da mesa. "M?" Eu congelei. "Ian?" Depois de quase dois meses, ele soou muito bem. "Sim." "Ei, amigo", eu disse, sorrindo estupidamente, eu tinha certeza. Deus, eu estava tão feliz de ouvir dele. “Você está a salvo?” "Sim." “Tudo em uma única peça?” "Eu estou." "É bom ouvir você." Era como se eu pudesse respirar de repente, a partir do lugar de afogamento profundo onde eu [190]


estava lutando por ar desde que ele tinha saído. "De volta à civilização, hein?" "Quase. Estou em Honolulu e estou no próximo voo para Chicago em meia hora. Eu estarei lá em algum momento da manhã, então eu vou te ver amanhã." "Você deveria dormir, descansar." Eu suspirei. "Eu e Becker voaremos para Tennessee amanhã para conduzir um prisioneiro de volta." "Oh, então você está trabalhando neste fim de semana." "Sim, e porque seu velho homem está fora da cidade, mandei seu cão para as montanhas com algumas amigas minhas." "Bem, ele vai adorar isso. Quem o pegou?” "Minha amiga Aruna e seu marido. Você os encontrou muitas vezes." "Sim, claro, eles são muito legais." Algo estava errado. "Você soa estranho. Você está bem?" "É, não, apenas cansado." "Ok", eu disse, aliviado, exalando minha preocupação. "Bem, estou chateado, não vou conseguir vê-lo mais cedo, mas isso vai lhe dar tempo para afundar de volta em sua vida um pouco. Posso dar-lhe o número de Aruna se quiser ir buscar Chickie antes de eu ter—" "Não, tudo bem. Você pode trazê-lo na segunda-feira." "Ok, bom." Eu não conseguia parar de sorrir. "Estou tão feliz que você voltou." "Você sentiu minha falta, hein," ele disse, como, é claro que eu tinha. Ele era tão arrogante. "Eu senti", confessei, porque esse era o meu lugar na parceria. Eu disse isso para que ele não precisasse. Era como trabalhávamos. "Eu realmente senti." Era tão bom ouvir sua [191]


voz, poder falar com ele sempre que eu queria. "Você acha que vai ter que ir de novo?" "Espero que não." Não havia garantias com Ian. "OK." Ele limpou a garganta. "Então, você fez algo mais excitante do que saltar de varandas enquanto eu estava fora?" "Na verdade," eu disse brincando, "Eu estou guardando isso para você. Podemos fazer isso novamente quando você chegar em casa." Silêncio. "Eu perdi você?" Ele estava no Havaí, afinal de contas, talvez alguma garota gostosa em um biquíni tinha andado por ele e ele abandonou-me. "Desculpa, o que?" "O que?" “Você disse que está guardando isso para mim?” Oh, ele estava ouvindo. "Para nós, sim. Acho que deve ser a nossa coisa agora. Tenho certeza de que o chefe ficará encantado.” "É, não. Isso não deve ser nossa coisa", disse ele, todo sério. "Ei, então você sabe, o White também está bem." "Perdão?" “Bem, porque ele estava em coma.” “Ele estava...o quê?” "Eu, no entanto, não estava em coma, apenas dormindo. Não deixe ninguém lhe dizer diferente." "Eu...você estava...o quê?"

[192]


“O que você está fazendo?", Perguntou Kowalski enquanto ele rolava sua cadeira para mim. "Você precisa fazer isso para que possamos ir buscar nossa testemunha." "Não consigo encontrar o meu mouse." "Com quem você está falando?" "Kowalski," eu respondi Ian. "Quem é?" “Doyle” respondi a Kowalski. Kowalski fez um gesto para que eu lhe desse o telefone, e entreguei-o quando chequei minha cesta de lixo. Por que o mouse estava lá, sentado no topo do papel, eu não tinha ideia. "Quem é que continua de brincadeira na minha mesa?" Eu gritei para a sala. As recusas vieram rápidas e furiosas. Uma sala inteira de pessoas que nunca se sentaram na minha cadeira. Certo. “Tiro” disse Kowalski com brusquidão. "Duas vezes. Sim, ele e White. Ching também, mas você conhece Wes. Você teria que, como, executá-lo ou algo assim. Ele estava fora do hospital enquanto seu menino e White ainda estavam em cirurgia." Eu peguei a página que eu precisava aberta e comecei a digitar enquanto Kowalski continuava falando com Ian. "Ele perdeu uma porrada de sangue, mas ele salvou a testemunha. Acho que todos os quatro... o quê? Ah, sim, Kohn, também, ele era bom com a distração, deu a Jones tempo para obter a testemunha fora." "Qual era o nome da loja de carros em que Nina e eu nos escondemos?", perguntei a Kowalski. “Como eu saberia. Procurá-lo.” Silêncio.

[193]


"O quê?" Ele ainda estava conversando com Ian. "Sim, ele está bem, tudo em um único pedaço, exceto por suas botas, aparentemente. Juro por Deus, Kohn é a mesma porra. Como você lida com todos os lamentos sobre as roupas?" Eu ri quando ele me passou o telefone e rolou para longe. "Ei, então..." "Tiro?" Ele soou como se ele fosse hiperventilar. “Você foi baleado? Mais uma vez?" "Sim eu..." “Você estava vestindo seu colete?” Eu quase engasguei. "Eu? É claro que eu estava...” "Por que alguém não me ligou?" "Uhm", eu comecei rindo, "como eles deveriam fazer isso, Sr. Boina Verde, senhor?" "Porra!" "Tudo bem, estou bem, tudo está bem com o mundo, exceto, você sabe, eu estava preso em casa por uma semana e depois montando minha mesa no próximo, mas em todo esse tempo, eu ainda não terminei essa papelada. Não seja baleado, é um pesadelo." “Miro...” "E antes disso eu tive que sair para Elgin e..." "Você tinha que ir ver Hartley?" "Sim." "Quando foi isso?" “Antes que eu fosse baleado” repeti. "Você está me ouvindo?" "Sim, eu... alguém foi com você?" Ele parecia triste. "Não." [194]


"Merda." "Está bem." "Não está." "Ian—" "Você perdeu a porra da sua mente?" Eu estava tão confuso. "Desculpe?" "Você precisa ou não precisava de mim lá?" Eu não podia vê-lo, ele não podia me ver, e então não havia a possibilidade de que estivéssemos falando de duas coisas completamente diferentes. Como se eu estivesse tentando fazer com que ele se sentisse melhor por não estar lá, e tudo o que ele queria ouvir era que eu sentia falta dele e queria que ele estivesse em casa. Sem olhar para seus belos olhos, era difícil adivinhar. "Sim," eu falei, deixando a onda de necessidade dolorosa, devoradora infundir minha voz por um momento. "Preciso de você aqui." Ele inspirou profundamente. "Ok, então eu tenho que ir pegar o avião, mas, uhm, te vejo de manhã, tudo bem?" “Ian, não faça...” "Eu quero te ver!" Demorou um pouco para que suas palavras afundassem dentro. Ele queria me ver? "OK? Está tudo bem?" Ele estalou irritado. Foi muito mais do que bem. "Sim, isso é bom." Estávamos ambos quietos um momento. "Foi estranho." "O que foi?" Eu cutuquei, querendo ouvir o que ele estava pensando. Sempre que ele se abria sobre qualquer coisa, eu queria saber.

[195]


"Eu continuei olhando para os caras que estavam comigo e pensando: se Miro estivesse aqui, ele teria feito isso ou dito isso ou o que fosse." "Oh sim? Eu sou fácil de antecipar, sou?" Eu ri baixinho. "Sim. Sim, você é." "O que posso dizer, eu sou um cara simples." "Eu acho." "Ei," eu disse alegremente. "Meu gesso está fora, para que eu possa jogá-lo ao redor." "O quê?" Ele ofegou. "Quando nos esquivamos durante a prática," eu brinquei. "Você teve a vantagem quando você saiu, cara, mas eu posso te segurar novamente." Sua respiração engatou, e eu ouvi até mesmo por cima da linha telefônica. "I?" Eu disse, encurtando seu nome para sua primeira sílaba, o que eu quase nunca fiz, mas ele estava me assustando de repente. "Você não se machucou ou algo assim, não é?" “Não, eu...” "Lembre-se daquele tempo que você ficou paralisado e eles não tinham certeza de quanto tempo ia durar e você..." “Isso foi há dois anos, Miro. Eu mal conhecia você." "Você se lembra ou não?" Eu exigi, minha voz aumentando. "É claro que eu me lembro - por que você sempre tem que trazer isso de volta?" "Porque você mentiu para mim," eu indiquei. "E eu me desculpei!"

[196]


"Bem, é como daquela vez ou não?" Eu perguntei, minha voz aumentando. "Não!", Ele latiu. “Não é nada disso.” "Ok, isso é tudo que você tinha a dizer." Ele havia mentido sobre onde ele estava, e eu o segui para um hospital de veteranos em Providence, Rhode Island. Eu estava tão zangado com ele por me afastar, pensando que tinha que ficar sozinho até que ele melhorasse ou não. Eu estava lívido que ele pensou que ele tinha que lidar com tudo sozinho. Ele era meu parceiro e eu merecia ser pensado melhor. Ele deveria ter sabido que fosse o que fosse, eu estaria lá. Sempre tive suas costas. Nunca devia ter dúvidas em sua mente. "M?" Eu tossi. "Desculpe, eu estava pensando na última vez que você estava no hospital." "Bem, eu sinto muito que eu não estava lá quando os papéis foram invertidos." "Está tudo bem," eu disse com desdém. "Mas você tem certeza que está bem?" "Sim, eu juro, estou em muito melhor forma do que você." "Eu estou em grande forma", eu me defendi. "Exceto por seus sapatos," Kowalski respondeu com uma risada. "O que há de errado com seus sapatos?" Ian queria saber. "Eles estão ficando molhados da neve." Ele suspirou pesadamente. “O que eu lhe falei sobre isso?”

[197]


"Sim, eu sei, eu e Kohn ambos não deveríamos estar vestindo nossas coisas boas para o trabalho." Ele estava quieto. "Você ainda está aí?" "Sim." "Ok, então..." “Miro?” "Eu estou bem, eu prometo." "Onde você foi baleado?" "Uma vez no ombro direito e outro na clavícula esquerda", relatei. "Mas nada grave ou ameaçador foi atingido em qualquer momento. Havia apenas um monte de sangue.” "Você tem certeza?" "Escute," eu disse gentilmente. "Eu estou bem, I. Cruzando meu coração. Traga seu traseiro para casa e você pode verificar por si mesmo, tudo bem?" Ele limpou a garganta. "Sim, tudo bem." "Então eu vou te ver quando eu chegar em casa da escolta de... " Eu tive que verificar a papelada na minha mesa. "Drake Ford." "Ele soa como um ator ou algo assim, hein?" "Sim, ele faz." Eu ri. "Ok, bem, eu tenho que ir." "Tudo bem, esteja seguro." "Sempre," ele grunhiu e a linha ficou morta. "Acho que foi a maioria das palavras que já dissemos um ao outro", comentou Kowalski, olhando para mim. "Bem, isso é Ian, Capitão Comunicação." [198]


Aparentemente, isso era muito engraçado. Kowalski engasgou com o cafÊ.

[199]


Capítulo 11 Brent Ivers havia mentido. Ele tinha dito que estava em uma viagem de negócios e apenas visitando a Windy City na Flórida. Mas descobriu-se que o novo trabalho foi um fracasso, então ele tinha voltado. Tudo isso estava em uma mensagem que ele me deixou quando, como ele explicou, "aquele clã seu não me deixaria entrar para vê-lo depois que você foi baleado." Aparentemente ele tinha chamado quando eu estava no hospital, e depois que Aruna informou que eu tinha sido ferido no cumprimento do dever, ela passou a esclarecer que em nenhuma circunstância ele foi autorizado a me ver. Ela o ameaçou com dano físico, e ele relatou tudo na sua segunda mensagem. Ele ainda estava gritando sobre o quarto que ele tinha deixado. "Ele parece louco", disse Kowalski enquanto distribuía as cartas. Eu estava explicando isso para a mesa no nosso jogo de cartas da quinta-feira, na semana, na casa de Becker. Originalmente tínhamos realizado o jogo às sextas-feiras, mas eu, Ian, Kohn e Ryan estávamos todos solteiros, e a sexta-feira era a noite em que normalmente estávamos fora transando. "Talvez você precise de uma ordem de restrição," Kohn sugeriu antes de tomar um longo gole de sua cerveja. "Eu posso conseguir um amanhã desde que você estará em um avião com Becker." "Você não precisa de um TRO17 para o seu ex", Mike Ryan - alto, escuro, e construído como o nadador que ele tinha

17

Em inglês temporary restraining order (ordem de restrição). [200]


sido na faculdade - explicou-me. “Me dê seu endereço e eu e Sharpe vamos até lá e conversamos com ele. Ele não vai te incomodar depois disso." "Sim", Sharpe concordou de onde ele se sentou diante de mim. Eu ri. "Eu posso lutar minhas próprias batalhas, obrigado, cavalheiros. E não é assim, só engraçado, é tudo.” "Sim, é um distúrbio," Jack Dorsey disse enquanto voltava para a sala da cozinha e passava para Becker a Corona. "Mas se você o vê saindo, polindo uma faca, você nos deixe saber." Eu zombei. pergunta.”

"Absolutamente.

Jack,

tenho

uma

"O que?" "Eu estava querendo perguntar, o que aconteceu com seu irmão e seu parceiro? Eu não vi nenhum deles aqui em meses. Sinto falta de tomar dinheiro dos agentes da ATF." Ele grunhiu. "O parceiro de Elliot mudou-se para esta pequena fodida cidade em Kentucky com seu namorado e... " "O quê?" Eu disse com surpresa. "O quê?" Ele repetiu. "Esse cara que eu conheci, Pete...ele é gay?" Santa merda, talvez as meninas tinham razão em me dar uma merda por ser alheio. Tudo o que eu tinha visto quando conheci o agente Peter Lomax e seu parceiro, o pequeno irmão de Jack Dorsey, Elliot, eram dois tipos muito alfa. Ambos saíram como idiotas arrogantes da melhor maneira possível. Tinha sido óbvio que Jack tinha um bom relacionamento com seu irmão, e por extensão, Pete. Mas eu não tinha ideia de que Pete era gay; Ele não tinha acionado meu gaydar sequer uma vez. "Eu pensei que todos vocês, gays, se conheciam", disse ele seriamente. [201]


"Você não acabou de dizer isso," Sharpe comentou secamente. "O que?" "Conclua sua maldita história", ordenou Ching. "Bem, tanto faz. Ele é gay, então ele se mudou para ficar com seu parceiro, e dois meses depois, quando outra vaga surgiu em Louisville, meu irmão e sua esposa também se mudaram para lá." "Sem merda." Kohn soou surpreso também. "Sim, quero dizer, eu pensei que com certeza sua esposa Felícia ficaria chateada com isso, mas sua família não está aqui, eles estão em Cincinnati. Então, é realmente mais perto para ela ver seu lado." "Isso suga que seu irmão não está mais aqui." Eu disse simpaticamente. "Sim, mas ele vai visitar no verão, e eu e Sandi estamos indo para lá em uma semana em torno do Dia do Trabalho", disse Dorsey, e ele parecia bem com isso. "E então ele está voltando para casa para o Dia de Ação de Graças. Então não vai ser como foi, mas está tudo bem. Quer dizer, eu entendo, certo? Eu amo minha família, mas eu passo mais tempo com Ryan do que com minha esposa." Sharpe assentiu com a cabeça. "Sim, quero dizer, se seu parceiro se muda, você deveria fazer... o quê? Apenas pegue um novo? Como isso funcionaria?" Olhei ao redor da sala. Eu não podia imaginar Ryan sem Dorsey, Ching sem Becker, Kowalski sem Kohn, ou Sharpe sem White. Ou eu sem o Ian. Era estranho até mesmo contemplar. E quando um de nós estava ausente - ou dois como era agora, com Ian ido e White ainda fora do trabalho todos trocamos ao redor. Mesmo que cada um de nós tomasse uma bala para qualquer um dos outros, o seu parceiro era aquele que sempre tinha as costas, que montava para o [202]


hospital na ambulância se, Deus me livre, algo acontecesse, e ele era o cara que sempre pensava quanto melhor seria o dever se você estivesse lá. Pelo menos foi assim que funcionou para mim. “Que porra é essa?” Ryan reclamou alto da cozinha. Olhando para ele, eu o vi segurando um pedaço de carne cortada em fatias finas. "É prosciutto," Kohn chamou. "O que é isso?" "É como o presunto salgado cortado super fino," Kohn continuou. “Por que tem outro nome?” Kohn suspirou. "Por que você está me perguntando? Eu sou judeu, eu nem como essa porcaria." "Apenas coma," Kowalski ordenou Ryan. Ryan rosnou, e eu teria dito algo, mas Dorsey se juntou a ele na cozinha para experimentá-lo. "É bom o que quer que seja," Ryan disse, encolhendo os ombros. “Quero um sanduíche” Eu anunciei. "Bem, foda-se e faça-o", Ching instruí-o. Eu bufei uma risada, dobrei meu 2 e 7 fora do terno, e levantei. "Oh, oh!" Becker disse, seu telefone em uma mão. "O chefe disse que eu não vou fazer a viagem para o Tennessee." "Então quem vai comigo?" Eu perguntei, olhando de volta para a mesa de pôquer. Todos verificaram seus telefones e ninguém mais tinha um texto. [203]


"Oh homem," Ching gemeu. "Diga-me que não temos um novato." Kohn gargalhou. "Aposto que temos ajuda desde que White e Doyle ainda estão fora." "Sim, mas White deveria estar de volta na próxima semana, e Doyle estará de volta... quando?" Becker perguntou, olhando para mim. "Segunda-feira." "Sim, veja?" Ele disse, olhando para os outros. “Não há lugar na sala. Nós temos todo mundo que precisamos." “Não seja um porco elitista ” advertiu Ryan. "Se a equipe nunca crescesse além dos primeiros indivíduos, seria somente eu, White, Sharpe, Dorsey, e Kowalski. Você nem estaria aqui. A mudança pode ser boa.” Todos nós atirávamos comida para ele. "Imbecis!" Era bom rir com todos eles, mas realmente. Babá para uma condução de doze horas não era minha ideia de diversão. Eu prefiro ir sozinho.

DESDE que eu estava voando, eu tinha sido inteligente e parei de beber logo após a meia-noite, bebi água, e tomei tylenol antes de ir para a cama. Portanto, quando 6:30 chegou ao redor era tempo de ir para o aeroporto, eu estava em boa forma. No portão, eu estava sorvendo café e bebendo de uma garrafa de água ao mesmo tempo. “Você conseguiu água para mim?” Ian Doyle estava de pé diante de mim, vestido casualmente com sua mochila militar pendurada sobre um ombro.

[204]


Nós não deveríamos nos destacar de qualquer maneira; não éramos Delegados transportando uma testemunha, em vez disso, éramos apenas dois caras de férias. Mas não havia maneira de se misturar. Mesmo nas calças junker e botas militares, a camiseta branca sob o suéter de lã pesada, e o casaco que eu tinha comprado para seu último aniversário, ele parecia incrível. Nada sobre ele se juntar a mim, e, no entanto, o sorriso fez com que esse fato não tivesse sentido. Eu estava leve de felicidade. "Oh, merda." Eu solucei sem querer, pisei em meus pés, e agarrei-o apertado. Porque ele era um pouco mais alto, sempre que ele me abraçava, ele se inclinava pesadamente, me dando mais do seu peso do que ele provavelmente estava ciente. Eu adorei porque significava que, a cada vez, nós ficávamos mais juntos do que eu fiz com ninguém além de um amante. "Você pensou que eu faria você ter que suportar um dia inteiro em um carro com Becker?" Ele cheirava tão bem, como o sabonete cítrico em seu banheiro e a loção pós-barba que comprou em um pequeno lugar em Chinatown. Supostamente ele usava porque cuidava da queimadura da lâmina, mas eu não me importava. Eu gostei da forma como cheirava. Era como hortelã com um traço de limão, musgo e fumaça ao mesmo tempo. Ele riu. "Você sentiu minha falta?" "Sim," eu sussurrei, percebendo que, por uma vez, ele estava me abraçando tão forte quanto eu estava abraçando-o. "Isso é bom." Ele já tinha olhos azuis claros e covinhas, um sorriso tão incrível que uma vez que você viu, você faria qualquer coisa para vê-lo novamente, e um corpo longo e magro poderosamente musculoso. Era ridículo, realmente, que ele também cheirava a céu. Para ser justo com o resto de nós, algo [205]


parecia estar errado com ele. Várias mulheres em sua vida queixaram-se de tudo, desde questões de intimidade a ele ser egoísta na cama, mas eu realmente não comprei que ele não era perfeito. Um idiota, absolutamente, mas não mais do que qualquer outro cara que eu conhecia. Eu puxei para trás, porque mais e o abraço poderia ter sido estranho para ele. Eu não queria deixá-lo desconfortável. "Então," eu disse, sorrindo como um idiota, eu tinha certeza. "Você está bem, sem buracos ou nada." Suas sobrancelhas franziram. "O que está errado?" "Ombro direito e clavícula esquerda?" "O que?" "Onde você foi baleado?" "Oh. Sim." Eu coloquei minha mão em meu ombro direito. "Ambas atravessaram, então não foi grande coisa. Eu tive muita sorte." Os músculos de sua mandíbula apertaram, e eu deslizei minha mão em volta de sua garganta, esfregando sobre sua mandíbula com meu polegar. "Está tudo bem." Seu olhar permaneceu trancado com o meu, e então eu notei a sensação da barba de Ian sob meu pulso caloso e percebi o que diabos eu estava fazendo. Tossindo, movi minha mão. “Vou buscar um pouco de água” anunciei. Não esperei que ele falasse algo, afastando-me em vez disso. Quando voltei ao portão, ele tirou o casaco, jogou-o no assento ao lado dele, e se inclinou, procurando algo na mochila. Enquanto eu observava, ele tirou o suéter, levantando a camiseta, revelando a extensão nua da pele de suas poderosas costas. [206]


Eu fui bruscamente batido por trás e virei para ver uma mulher olhando para mim, boca aberta, antes que ela fechasse. "Você esbarrou em mim," eu brinquei. Ela mordeu o lábio. "Porque você estava olhando para o homem bonito." Um aceno de cabeça. "Eu também", confessei, e ela sorriu para mim antes que ela saísse correndo. Depois de tomar uma respiração firme, caminhei até ele ao mesmo tempo que ele puxou uma camiseta azul escura Henley sobre sua cabeça e colocou-o no lugar. "O que havia de errado com o suéter?" Eu resmunguei quando eu caí na minha cadeira e segurei a garrafa de água até ele. "Eu estou com calor. Está quente aqui." "Você poderia não ficar nu na frente de todos?" Ele olhou para mim. "Eu não estou nu. Estou tirando a minha camiseta.” Eu fingi estar absorvido em verificar meu telefone para qualquer mudança de status até que a chamada veio para o embarque. "O que há de errado com você?" Ele perguntou enquanto nós estávamos na fila, sua mochila pendurada sobre um ombro. "Nada", eu disse, porque isso iria passar - o sentimento que eu sempre tenho quando ele volta para casa. A onda de possessividade quase me sufocava o tempo todo. Era como se eu precisasse dele marcado ou algo assim, eu não sabia como, ou... eu só precisava que as pessoas soubessem que ele

[207]


pertencia a alguém e que eles não deveriam pensar que ele era atingível. "Você sempre fica assim quando eu volto." Eu ignorei o comentário mesmo que ele estivesse certo. Imediatamente após o desejo vicioso de mantê-lo - o amarrar dissipado, fui atingido com o cansaço de ter que refazer todo o meu trabalho. Conseguir que Ian estivesse confortável comigo, fazendo-o confiar em mim, era como treinar um gato feroz. Seu tempo afastado sempre apagou tudo o que tinha sido construído e eu estava de volta à estaca zero. Ele voltaria ao nosso mundo e sua formação seria montá-lo, procurando ameaças de todos os cantos, e isso incluiu-me. Era tão cansativo, a batalha árdua de retornar ao círculo de confiança de Ian Doyle. "Talvez você tivesse gostado de Becker com você", ele murmurou em voz baixa. "Becker mantém suas roupas no meio dos aeroportos", eu disse petulantemente, a única coisa que eu poderia pensar em dizer, sorrindo para o agente do portão que digitalizou meu cartão de embarque. “Tenha um bom voo, Sr. Jones.” "Obrigado", eu disse secamente, avançando rapidamente, colocando uma pequena distância entre mim e meu parceiro. Ele me pegou rapidamente na porta, sua mão no meu ombro esquerdo, seus dedos cavando no músculo lá. “Por que você...?” Ele não terminou e nem moveu sua mão, e depois de um momento eu registrei que ele estava usando muita pressão para me segurar imóvel. Eu podia sentir o calor de sua mão através do casaco de cashmere com zíper e camiseta, e um pulsar de necessidade estimulado pela áspera carícia foi direto para minha virilha. [208]


Eu nunca sobreviveria de dez a doze horas em um carro com ele se eu não me controlasse. Eu deveria ter dormido com alguém, qualquer um, mesmo Brent, enquanto ele estava fora. Como era, a amizade e a luxúria me rodeavam ao mesmo tempo. Era uma má combinação. "Você está tenso por toda parte, M", Ian disse suavemente, escovando contra mim quando nós avançamos. "Eu aposto que você poderia..." Eu esperei, mas ele não disse mais. “Poderia o quê?” Ele encolheu os ombros. “Não, vamos lá. Poderia o quê?” Silenciosamente, ele limpou a garganta. "Eu sempre me pergunto como você pode se mover tão rápido e levar caras para baixo e ir fundo quando jogamos bola, sendo tão volumoso como você é." Tinha sido uma escolha consciente. Quando eu era criança, eu era pequeno, e as pessoas tiravam coisas de mim. Eles tomaram abrigo, comida e dinheiro, tudo o que era meu, porque eu era fraco. Agora que eu era mais velho, entre a força em meu corpo e a arma que eu carregava, eu nunca seria a vítima de ninguém novamente. "É porque eu sou todo poder, companheiro", eu brinquei, batendo-lhe gentilmente, querendo que voltássemos a como estávamos antes de ele sair, tão desesperadamente, mas sabendo que seria semanas antes que estivéssemos bem. "Você sabe disso." "Eu..." Quando me virei, ele prendeu sua respiração, e por um segundo, eu baixei a guarda e dei-lhe minha total atenção. Eu sempre fui tão cuidadoso: eu me lembrei de não ficar muito perto, não virar a cabeça para que os meus lábios acidentalmente roçassem sua orelha ou mandíbula ou bochecha quando me inclinava para me dizer algo. Não o [209]


toquei muito, abracei-o apenas quando ele saiu ou voltou para casa ou quando um de nós quase morreu. Não estudei os claros olhos azuis nem notei as manchas de prata neles, nem admirei o quanto eles escureciam quando estavam preocupados, excitados ou zangados. Quando jogávamos futebol, eu sempre jogava na mesma equipe, então eu nunca teria razão para enfrentá-lo. E acima de tudo, eu nunca, nunca, o tateei. Eu sabia que se eu colocasse minhas mãos nele, nunca as tiraria. Mas a sua aguda inspiração, o som dela, não era como medo, mas como vulnerabilidade e necessidade, como submissão... minha mão se moveu antes de meu cérebro apanhar. Eu agarrei seu bíceps e puxei-o de lado contra mim. Eu imediatamente vi a confusão em seu rosto, mas o mais importante ainda, eu notei as pupilas fundidas, os lábios entreabertos, o rubor que manchou seu pescoço e o tremor que correu através dele. E por uma vez não pensei no que significaria se fosse alguém, menos Ian, e pensei no que faria se o belo homem ao meu lado fosse um estranho. Respire... Minha visão ficou turva por um segundo, como se a batida do meu coração fosse um pulso eletromagnético, e tudo parasse. Eu estava congelado, preso, consciente de nada e ninguém além de Ian Doyle. ...Expire A corrida de movimento e cor e som foi rápido, tão rápido, mas era suficiente. Eu não teria que começar de novo com ele desta vez, mas apenas se eu mudasse tudo. Eu tinha uma decisão a fazer: fingir que eu nunca tinha vislumbrado qualquer desejo no homem ou dar o salto da fé. Tudo isso me atingiu dentro de segundos de reconhecer o que eu estava perdendo quando eu estava com ele. "Miro?"

[210]


Talvez tenha sido um erro, mas eu tinha que saber. Porque se houvesse a menor chance de que Ian fosse meu - eu tinha que levá-lo. As pessoas na frente de nós se moveram e ele fez que ia seguir, mas eu segurei meu aperto e não o soltei. Recebi uma exalação rápida seguida por outra ingestão aguda de ar. Deus, quão cego eu tinha sido? "M?" "Desculpe," eu disse rapidamente, deixando ele ir. Era quase assustador perceber que se eu estivesse lendo direito, se Ian queria o que parecia que ele poderia, então esta seria a última vez que eu não seria capaz de tocá-lo sempre que eu queria. Tudo mudaria, porque Ian Doyle pertenceria a mim.

A CLASSE EXECUTIVA estava a poucos passos, portanto, teve mais espaço para as pernas, mais assentos, e felizmente, apenas dois lugares ao lado do corredor. "Você deve sentar perto da janela", eu ordenei. "Você vai desmaiar assim que nós decolarmos, e dessa maneira eu não terei que passar por cima de você." "Ok", ele concordou, entrando depois que eu empurrei nossos casacos no compartimento de bagagens. Nós tivemos que manter nossas bagagens de mãos em nossos pés desde que tínhamos nossos distintivos e armas neles. Uma vez que estávamos instalados, ouvindo quando o capitão nos acolheu a bordo, explicou que nós estaríamos decolando em pouco tempo, e nos dirigiu a dar a nossa atenção para os comissários de bordo, eu respirei fundo, levantei o braço entre nós e me encostei nele com todo o meu corpo. Ao longo de um lado, ombro, quadril, coxa, joelho, estávamos nos [211]


tocando. Esperei - boca seca, coração parado, mão esquerda fechada em um punho - para ver o que ele faria. "Eu perdi muitas noites de poker ou vocês caras não jogaram?" Virei o queixo para poder olhar para ele. Ele estava esperando. “Eu... o quê?” Minha voz soou como se tivesse sido sufocado até a morte. Eu precisava de um pouco de água. "Vocês jogaram cartas ou não?" Pensamento estranho: talvez ele não percebesse que eu o espreitava. "Sim, jogamos, exceto pela semana em que meu clã estava aqui. Na noite passada eu levei para casa oitenta dólares." "Impressionante," ele disse, e tentou sorrir, mas parecia estranho, tenso. "E isso é bom que suas amigas vieram te ver." "Sim, foi." "Mas elas não teriam necessidade se eu estivesse aqui." "Não. Você teria cuidado de mim.” "Sim," ele concordou, estudando-me. "Você deve beber um pouco de água, sua voz soa rouca." Essa foi a minha sugestão, então eu me inclinei para frente, tirei a minha garrafa de água do bolso do banco onde estava o saco de vômito, tomei vários goles profundos e, quando me sentei de volta, dei-lhe espaço. Fiquei tão aliviado que ele não estava chateado por um segundo que eu não registrei o que ele estava fazendo. "Eu juro que estou cozinhando," ele resmungou, estendendo a mão para ligar o ar. Ele brincou com ele, e quando ele se sentou de volta, ele pressionou contra mim, exatamente como tínhamos estado momentos antes. "Você não está com calor?" [212]


Eu estava com calor? "Nunca há ar suficiente nos aviões." Eu estava congelando. "E manter-se hidratado é importante." Minha garganta estava seca, beber algo era uma boa ideia. "Você está bem?" Eu não estava. Eu estava apavorado. Mas eu estava pronto. De uma forma ou de outra, eu descobriria o que eu poderia ter. Eu coloquei meu cinto de segurança, em seguida, logo antes que os comissários de bordo verificassem. Eu nunca coloquei isso até que era absolutamente necessário. "M?" "Não, eu estou bem," eu disse suavemente. Eu soltei uma respiração profunda, sentindo a calma se espalhar sobre mim enquanto eu fechava os olhos e escutava tudo acontecendo ao meu redor. Eu registrei pessoas falando, campainhas tocando, a sensação de elevação quando nós decolamos. Acima de tudo, eu saboreava a proximidade que o homem sentado ao meu lado estava permitindo. Eu tinha fantasias, é claro. Eles sempre começaram rápido e quente. Ele atravessaria uma sala, me jogaria contra uma parede e me levaria ali, áspero e sujo. Ou estaríamos presos em algum lugar, em algum pequeno buraco na parede, como uma cidade fronteiriça no Texas ou... os cenários eram sempre os mesmos, com ele pulando em mim. Ele era um super soldado; Ele jogou em torno de caras duas vezes seu tamanho. Eu o tinha visto fazer coisas incríveis com seu corpo, sua força era assustadora, e no treinamento de combate, ele tinha tomado dez homens ao mesmo tempo. Seu chute alto era realmente algo de se ver. Nunca me preocupei quando ele estava comigo, nunca. Mesmo que, por alguma [213]


razão, estivéssemos sempre desarmados e encurralados por pessoas que estavam, mesmo assim, não me preocuparia. Talvez isso não fosse realista, mas ele era um boina verde. Eles o jogaram atrás de linhas inimigas para recuperar outros e foi o que ele fez. Assim, porque eu conhecia tão bem o tipo de homem que ele era, nunca houve um momento em que eu pensei que seria a pessoa segurando-o para baixo. Mas ele estava esperando por mim para fazer... algo. Era tão óbvio. A respiração engatada, tomando direção, querendo estar próximo.... Eu estava perdendo todas as dicas. Eu era normalmente muito melhor do que isso, e era provavelmente porque tudo com mim estava fora, por isso que perdi quando os caras estavam batendo em mim, alheio aos sinais e à insinuação. Ian Doyle tinha totalmente me empanturrado. Eu sempre pensei que se ele alguma vez considerasse dormir comigo, seria ele quem ficaria em cima - quando aparentemente a verdade da questão era que seria eu. "M?" Eu o encontrei sorrindo para mim. “A simpática senhora quer saber se quer algo para beber.” A aeromoça estava esperando por mim. Eu tinha perdido tempo, totalmente fora, absorvido como eu estava com Ian. "Desculpe, uhm, apenas um suco de maçã, se você tiver." "Claro," ela respondeu, sorrindo para mim e depois olhando para Ian. "Uma Coca-Cola seria bom." Nós dois tínhamos copos de plástico com gelo e as latas, juntamente com sacos de pretzels. “Em que você está pensando?” Eu balancei a cabeça. "Você deve ler sobre Drake Ford."

[214]


Ele assentiu. "Me dê seu laptop. O meu não está atualizado, porque não o sincronizei com a central em dois meses." Inclinando-me, eu levantei minha bolsa até meu colo e puxei-o entregando a ele. “Obrigado” disse ele, sorrindo. "Então, isso está bem, certo? Você não tem medo que eu encontre pornô ou qualquer coisa?" Eu zombei. "Toda a minha pornografia está no meu desktop em casa." "Entendo. Mais memória.” "Isso mesmo." Ele riu quando ele colocou a mesa da bandeja e abriu o laptop. "Ei, M, seu e-mail ainda está aberto." "Vá em frente e feche isso. De qualquer forma, está congelado.” "Oh, olhe quem é," ele murmurou. “Brent.” "Você não pode excluí-lo, eu não estou conectado. Mas o material que você precisa ler está na área...” "Eu estou lendo, cala a boca." Gemendo, eu bati seu joelho com o meu. "Eu estou me esquivando ele e ele está ficando irritado, eu acho." “Você acha? Você leu isto? Ele parece um pouco fora." "Ele vai ficar bem." “Ele... oh, isso é meio... explícito." "Sim? Deixe-me ver,” eu provoquei, estendendo a mão para a tela. Ele me bateu com o ombro, e eu ri enquanto me acomodava no meu assento.

[215]


Depois de mais um minuto de leitura, ele limpou a garganta. "O que?" "Eu quero perguntar alguma coisa, mas talvez seja muito pessoal." "Nada disso", eu assegurei, me aproximando para que ele pudesse sussurrar se ele precisasse. "Conte-me." "Brent, ele... parece que ele... como...” Ian estava nervoso. Quanta hesitação, bloqueando em palavras que ele não podia dizer, e inquietação incansável precisava ser empilhada antes de eu fazer alguma coisa? Antes de eu agir? “O quê... quero dizer, você...? Espere." "Eu o que? Quero Brent?” Ele assentiu com a cabeça, claramente desconfortável. "Não. Não quero Brent.” E assim rápido, ele estava melhor. Era um alívio? Há quanto tempo eu estava perdendo tudo isso? "Mas ele claramente ainda me quer, ou pelo menos quer o que eu costumava fazer com ele." Eu virei minha cabeça para que meus lábios roçassem sua orelha quando eu falei. "Brent gostava de mim no topo. Eu gosto disso, mas eu posso fazer qualquer um." Respiração afiada. "Eu gosto do controle. Eu gosto de fazer alguém me levar. Eu gozo com isso." Ele não se arrepiou, não era tão gentil ou controlado. Ele tremeu. "Ian," eu disse, me virando para ele, deslizando minha mão debaixo da mesa da bandeja e subindo pela sua coxa, para [216]


que ele pudesse me parar sempre que quisesse, até chegar a sua virilha. Seus olhos estavam pesados, o suor brilhava na testa, e o rubor estava de volta, espalhando-se sobre sua garganta. "Quando você regressa, leva semanas para se acalmar e ficar bem comigo de novo." "Oh sim?" “Você sabe que faz isso?” "Não é tão fácil simplesmente voltar para minha..." “Há algo que eu possa fazer para te mostrar que você está em casa e a seguro?” Silêncio. “Ian?” Mas ele não podia dizer. Ele não podia me dizer. Eu deveria saber. Cedendo à tentação, cavei através de sua calça, sentindo o longo e duro comprimento sob minha mão. Seu gemido hesitante era todo agonia. "Eu vou pensar que posso pegar o que quero, se você não dizer nada", eu sussurrei. Agora havia uma razão para ele ficar quieto. "Ian, isso é como aço, amigo", eu disse roucamente, minha voz profunda e baixa enquanto eu acariciava o pau que eu tinha visto tantas vezes, mas nunca toquei. Ele balançou, querendo minha mão, precisando do atrito, seu gemido suave e baixo era a coisa mais sexy que eu já tinha ouvido na minha vida. "Se eu não estivesse num maldito avião, eu tomaria isso na parte de trás da minha garganta para você e sugaria cada gota." Ele sacudiu, e eu me preocupei por um segundo que eu tinha empurrado muito longe, assustado ele, sido estúpido, desfiando três anos de amizade em uma onda de desejo. Mas [217]


em vez disso, ele respirou fundo e exalou lentamente antes de se virar para mim. "Não seja uma porra provocação, está bem?", disse ele bruscamente. "Faça o que você diz." Eu balancei a cabeça. “E você não pode... eu já vi como você é, com caras. Você fode e esquece ou escolhe os errados, como com Brent." "Sim," eu falei. "Mas você não pode fazer isso comigo. Você tem que dizer isso.” "Ok." "Não pode ser apenas qualquer coisa. Eu me valorizo mais do que isso." Eu tinha sido um prostituto antes de Brent? "Claro." Ele respirou fundo. "Eu acho que há uma razão pela qual eu sou merda na cama." Senti-me franzindo a testa, infeliz com ele correndo para baixo. "Qual é?" "Eu acho que é porque eu nunca estive na cama com você."

[218]


Capítulo 12 Foram as mais longas três horas e trinta minutos da minha vida. Tivemos uma parada, mas onde, eu não poderia dizer. Ninguém mais no voo para Blountville, Tennessee, rosnou quando o capitão anunciou que haveria um ligeiro atraso com o pouso. "Eu gosto desse barulho", ele brincou, acariciando minha perna e em seguida deixando sua mão lá, lentamente deslizando-a pelo lado interno da minha coxa. Eu contei até cinquenta. Em alemão. Uma vez que desembarcamos e estávamos fora de nossos assentos, eu mapeei seu corpo quando ele andou na minha frente, como eu nunca tinha antes. A arrogância de sua caminhada, a bunda redonda e apertada, as veias em seus pulsos e antebraços, e o sorriso piscando que só tinha sido sempre para mim... tudo isso eu apreciei e queria para mim. Eu tinha uma agenda singular. Cavando um caminho através do aeroporto de Tri-Cities, eu disse desculpa-me várias vezes e as pessoas se moveram para mim, e não o contrário. "Por que estamos correndo?" Ele perguntou enquanto eu agarrava seu braço e o arrastava atrás de mim. "Eu vou te matar se você não se manter comigo." "Como se eu não pudesse acompanhar você", ele zombou. No balcão de aluguel de carros ao lado da esteira de bagagem, as filas eram longas e eu não poderia tomá-lo. Eu puxei meu distintivo - o que eu nunca fiz - anunciei que eu era um Delegado federal, e saltei para a cabeça da fila. [219]


“Tecnicamente,” Ian informou a mulher que preparava a papelada. "Ele é um vice Delegado dos EUA. Só dizemos Delegado federal durante um ataque ou algo assim.” "Uh-huh," ela disse, acenando com a cabeça. "E isso foi um movimento de pau", ele me repreendeu, mas realmente, eu não poderia ter me importado menos. Uma vez que eu tinha o contrato de aluguel na mão, eu o levei para fora das portas para os carros de aluguel estacionados em longas filas. “Onde conseguimos a chave?” Eu não podia nem falar mais, estava muito além de mim. Meu batimento cardíaco era tão alto em meus ouvidos, eu fiquei surpreso que ele não podia ouvir. Apresentando o contrato para a garota esperando sob a tenda, eu tentei o meu melhor para sorrir, esperando não assustá-la. Deve ter funcionado, porque em vez de fugir, ela nos dirigiu para a esquerda. “Qualquer um dos veículos na última fila em direção à estrutura de estacionamento, cavalheiros. As chaves estão nelas, mas lembre-se que você tem que dirigir de volta desta forma para sair." O carro em si não importava, apenas a distância entre a entrada do lote e onde estava estacionado. "Onde você está indo?" Ele perguntou enquanto eu me apressava, andando rápido. "Eu não deveria ser o único a escolher, já que sou eu quem..." Eu não podia esperar nem um segundo mais. Estávamos tão longe quanto eu poderia controlar. Aproximando-me dele, apertei minhas mãos em seu casaco e o arrastei entre dois gabinetes, em seguida, em todo o lado, agradecido que enquanto as divisórias entre cada dois carros eram lonas, as paredes e o quadro eram de metal. [220]


Depois de bater Ian de volta contra ela, eu peguei seu rosto em minhas mãos, puxando-o para frente, ao mesmo tempo que me inclinava. Eu moí minha boca sobre a dele, forçando minha língua entre seus lábios, desejando seu gosto, seu calor, tudo isso, tudo o que ele tinha para dar. Eu sofri uma fração de segundo de terror que talvez terme em cima dele seria demais, mas ele afundou no beijo, derreteu contra mim. Seu gemido era decadente, rico com submissão e desejo. A necessidade de reivindicá-lo e marcá-lo era absolutamente primordial, e eu agressivamente ataquei sua boca, chupando, mordendo e tomando o que eu tinha que ter. Suas mãos mexeram na minha jaqueta, querendo, desabotoando, separando, levantando meu suéter, puxando a camiseta livre. Suas mãos na minha pele tinham-me gemendo em sua boca, e quando ele pressionou sua virilha contra a minha, moendo, empurrando, eu percebi através da névoa de desejo dolorido, desamparado que eu estava tão duro quanto ele estava. Ele tirou sua boca da minha por um segundo, para um gole rápido de ar, e então ele era o agressor, me beijando quente e molhado, inclinando minha cabeça para trás para empurrar sua língua na minha garganta antes de lamber o céu da minha boca, o interior da minha bochecha, não perdendo nada. Eu gemi quando ele se afastou e então estremeci ao som da risada baixa antes que seus dentes afundassem no local onde meu pescoço se encontrava com meu ombro. Eu gemi seu nome. Ele deve ter gostado, porque ele girou e me levou de volta para a mesma parede que eu tinha segurado ele contra momentos antes. "Merda", ele ofegou, e eu tive um segundo para admirar o que a paixão fazia com ele: lábios inchados, bochechas coradas, pupilas dilatadas e cabelo espetado com suor. Foi [221]


incrível. “Eu não te machuquei, não é? Às vezes eu sou muito áspero e..." Eu me empurrei para ele, recuperando sua boca, meus lábios cobrindo os dele, beijando até que senti o medo partir e só necessidade permanecer. Ele estava desossado em meus braços, flexível e disposto, e foi então que eu o puxei de lado, trocando de lugar, então era Ian, mais uma vez, de costas para a parede. "M", ele gemeu baixinho. Ouvir um som de saudade do homem me fez cair de joelhos. “Eu... você não pode.” Rapidamente, habilmente, eu tinha seu cinto solto, calças desabotoadas, zíper para baixo, e um lindo pênis erguido vazando em minha mão. Ele balançou para frente e "Eu...Miro...eu nem sequer consegui..."

sua

voz

rachou.

"Conseguir o que?", eu perguntei antes de lamber a coroa inchada, então belisquei e chupei sua virilha. "Duro", ele engasgou. Eu sorri para ele. "Eu não acho que isso é um problema." Meu nome derramado fora dele foi como o mel de espessura suave de um frasco. Abrindo minha boca, eu rolei para frente e peguei o homem na parte de trás da minha garganta em um longo e sensual suave movimento. Suas mãos imediatamente apertaram meu cabelo, e eu gostei disso, sua perda de controle. Sua respiração pesada, a maneira que gaguejava a cada instante, como ele não conseguia impedir que seus quadris se movessem para frente, eu saboreava cada uma de suas reações, mas sobretudo a sensação dele na minha boca, o peso na minha língua, seu gosto, seu cheiro almiscarado e amadeirado. Tudo isso, dele: eu poderia ficar viciado tão [222]


rápido. Quando eu envolvi minha mão em torno da base de seu pênis e fiz a sucção forte, lambendo e chupando, ele parou de formar palavras, só fazendo ruídos guturais profundos. Eu provei pré-sêmen salgado. Ele tentou me mover, mas eu puxei mais forte em vez disso. Ele estremeceu e eu, propositadamente, raspei meus dentes ao longo de seu eixo espesso. O rosnado carnal do meu nome era doce. “Você não pode... M!” Ele jorrou quente na parte de trás da minha garganta, e eu engoli rapidamente, tomando tudo, amando o modo como seus lábios se separaram e sua cabeça caiu para trás contra a parede. Eu não deixei seu pau escapar por entre meus lábios até que não houvesse nada mais e eu tinha lambido todos os vestígios. Ele era a imagem de luxúria saciada, completamente arrebatado enquanto ele estava ali ofegante, os olhos estreitados em fendas de azul, se abrindo, camisa levantada, queimadura de barba em sua pélvis, bem como marcas de mordida e chupões de onde eu tinha sugado em sua pele. Quando me levantei, estávamos olho no olho, já que ele estava encostado na parede, ainda não se movendo. Ele estava me preocupando um pouco. Mesmo sabendo que ele gostou quando eu estava chupando-o, eu não tinha tanta certeza de como ele se sentia agora. "Você deveria colocar isso dentro, amigo", eu disse suavemente, pisando perto dele, erguendo suas cuecas sobre seu pau agora flácido, enfiando-o dentro. "Eu não quero que o mundo inteiro te veja." “Você não se importava com isso segundos atrás.” Eu encontrei seu olhar. "Ninguém viu o seu pau desde que estava enterrado na minha garganta, para não mencionar que não há ninguém aqui neste frio, só nós."

[223]


Ele inalou bruscamente, endireitou-se e tomou meu rosto em suas mãos, então deslizou seus polegares suavemente sobre minhas bochechas, debaixo dos meus olhos quando ele avançou e selou nossos lábios juntos. Seus lábios eram macios, o beijo era terno e profundo enquanto deslizava sua língua sobre a minha. Uma mão empurrou meu cabelo curto, seus dedos traçando a curva do meu crânio, finalmente colocando na parte de trás da minha cabeça, segurando-me ainda. Comparado com o frenético boquete que eu lhe tinha dado, seu movimento era sensual e deliberado. Ele poderia me beijar para sempre se ele quisesse. A lânguida atenção fez-me sentir drogado enquanto ele festejava e sugava, lambeu e mordiscou meus lábios. Eu sucumbi facilmente, e quando ele me virou, me empurrou de volta contra a parede, eu me deixei ser movido, batendo suavemente no concreto quando ele aprofundou o beijo, não me deixando respirar, apenas tendo. Suas mãos deslizaram para baixo dos lados do meu pescoço até meus ombros, então meu peito, agarrando, me tocando. Eu estava arqueado contra ele, dolorosamente duro e precisando ser acariciado, quando a explosão de uma buzina nos assustou. Alguém passou pelo outro lado do muro, obviamente, tendo seguido o caminho errado para sair. Notei então que as calças de Ian ainda estavam empurradas para seus joelhos não admira que ele tivesse arrastado os pés quando ele me trouxe de volta para a parede - então eu me inclinei e puxei-os em torno de seus quadris. "Agora você está preocupado com alguém me vendo?" Ele riu, baixo e sedutor. Eu fechei o zíper, ainda não encontrando seu olhar, e deslizei meus dedos em suas calças para abotoá-los. Ele balançou e eu enquadrei seus quadris com minhas mãos, [224]


amando o fato de que ele estava me deixando tocá-lo assim, tão intimamente. "Como é que você não estava antes?", Ele sussurrou, inclinando-se para frente, as respirações ofegantes no meu ouvido e a sensação do restolho em sua bochecha contra a pele arranhada no meu rosto me fazendo tremer. Eu estava apavorado que eu estivesse sonhando. “Eu não estava pensando antes.” "Sim?" Depois que eu afivelei o cinto, ele se aproximou, empurrou sua coxa entre as minhas, separando minhas pernas, encostando-se contra mim. "Olhe para mim." Levantei meu olhar para ele e vi a apreensão lá. “Não fique todo em silêncio.” Ele estava parado na minha frente, as roupas amarrotadas e o cabelo despenteado, e eu mal conseguia respirar. "Certo?" Ele murmurou. "Sim." Suas mãos deslizaram pelos meus lados. "Você tem que falar um pouco." Havia tanta coisa para dizer, para pedir, e eu tinha medo de esperar demais. “Você vai entrar no carro?” "Claro," eu respondi quando ele se afastou. Era ridículo, mas eu já sentia falta de suas mãos em mim. “Que tal o prata?” "Tanto faz."

[225]


Era um Dodge Avenger, e quando chegamos, ele se certificou de que eu estava confortável, verificando se eu gostava do interior antes que ele levou o carro fora da tenda de estacionamento. Tivemos de parar no portão para que o atendente pudesse verificar se tínhamos um contrato, pedirnos para confirmar a quilometragem no seu computador, e certificar-se que tinha um tanque cheio de gasolina. Uma vez que foi feito e nós estávamos na rua, eu peguei meu telefone para verificar o GPS e ver onde estávamos em relação a Elizabethton. “Parece que está a apenas setenta e dois quilômetros de distância.” Ele grunhiu. "Então, é como uma hora e meia daqui. Tenho certeza que podemos estar lá em uma hora, fácil." "Uh-huh." Ian não estava me ouvindo. "Diga-me quando estiver pronto para eu navegar." "Sim." Sentei-me e fiquei confortável. "Devemos parar e pegar água." Outro som de concessão para reconhecer que ele estava ouvindo. Mais ou menos. Desistindo, olhei pela janela na tarde cinza de março, me perguntando como estava frio lá fora. O tempo tinha sido tão estranho, e em janeiro, com a onda fria, tinha sido louco. Estava provavelmente menos um agora, nevando um pouco. Ian parou em um Walgreens18, correndo para dentro, saiu com uma sacola e jogou uma garrafa de água em mim assim que voltou para dentro do carro.

18

O Walgreens é uma mistura de farmácia, mini mercado e loja de conveniências. [226]


"Salgadinhos? Água, outros petiscos? O que você é, um comunista?” Ele bufou uma risada, mas conseguiu o carro em movimento e puxou para fora do estacionamento rápido sem sequer colocar seu cinto de segurança. “O que está no saco?” "Nada." "O que está errado?" Mas ele não respondeu, e eu notei que ele não estava voltando para a estrada. “Ian?”

O STARLIGHT Motel tinha um daqueles antigos sinais de néon que parecia que pertencia a Las Vegas, não no centro de Blountville. Eram três andares de lilás e rosa, e quando ele entrou na garagem, estacionado ao lado do escritório, debaixo deum telhado, eu não tinha certeza do que estava acontecendo. Mas ele saiu, levando dinheiro, pegou uma das chaves plásticas numeradas que eu tinha visto em um filme e voltou para o carro comigo. “O que estamos fazendo aqui?” Eu não tive nada dele. Ele moveu o carro e estacionou novamente, pegou sua mochila, e ordenou-me para sair e pegar minha mochila. "Ian," eu comecei, fazendo como ele pediu, fechando minha porta enquanto ele fazia o som de alarme. "Precisamos ir e pegar nosso..." "Cale-se", ele estalou, começando a subir um lance de escadas que tinha um corrimão de pintura branca que eu não confiaria meu peso. Parecia mais decorativo do que qualquer outra coisa. [227]


No topo, ele caminhou rápido e alcançou a porta que queria, 15A, abriu-a, e desapareceu dentro antes que eu alcançasse. "Puta merda", gemi, seguindo-o, espantado com o tapete cor-de-rosa, as cortinas de estampas florais e a colcha lilás de poliéster. "Isso é como o hotel em que ficamos em Fort Lauderdale, você se lembra?" "Sim," ele disse roucamente, batendo a porta e deslizando o bloqueio da corrente antes de se virar para mim. Estava escuro por dentro, mas uma luz fraca e leve se filtrava pelas cortinas esticadas da janela dianteira para que eu o visse olhando para mim - seus olhos brilhando - seguindo meu movimento, me ouvindo respirar. Como se eu fosse a presa. Às vezes eu não prestava atenção quando eu realmente deveria. "O que estamos fazendo aqui?" Eu perguntei, minha voz baixa e áspera. Ele deixou escapar um suspiro enquanto eu dava um passo para frente, fechando sobre ele. “Ian?” Ele passou os dedos pelos cabelos e depois entrelaçou os dedos na parte de trás da cabeça. Era novo, a incerteza nele, e eu o achei cativante. “O que está no saco?” ���Lubrificante.” Eu quase engoli minha língua em surpresa. "O que? Precisamos disso, certo?” "Se nós... sim," eu gaguejei. "Eu espero que você tenha o tipo certo." "Eu também." [228]


"Você poderia ter me enviado." "Eu realmente não estava pensando." Eu gostei de ouvir isso. "Pode não... acontecer, sim?" "Certo." "E eu talvez não seja capaz de... tudo isso." "Eu sei." "Mas nós ainda estaremos... tudo bem." Era tanto uma questão e uma declaração. "Sim," eu disse com absoluta certeza. "OK." "Você tem certeza?" Ele lambeu os lábios, balançando a cabeça lentamente. Eu deslizei uma mão em volta da nuca dele e puxei-o para mim. Seus olhos se fecharam quando eu deslizei minha língua na costura de seus lábios. Seu gemido era suave e doce quando ele os separou para mim, me beijando de volta, suas mãos em meus quadris. “Ian.” Ele grunhiu, não parando o beijo, me movendo de volta para a cama. "Você vai me deixar leva-lo?" Por favor, Deus, diga sim. Ele fez um barulho que soou como um acordo, mas eu não tinha certeza, e eu tinha que ter. Quebrando o beijo, eu pisei de lado para que eu não caísse de costas na cama. “Ian?” Ele estava me olhando atentamente, esperando. [229]


Eu tinha que lhe dizer o que fazer, eu instintivamente entendi isso. Não era de admirar que ele tivesse sido ruim na cama com Emma e as outras, ele deveria ser o líder e ele não foi feito dessa maneira. Eu podia ver tudo sobre ele, o tremor que envolveu o homem musculoso. Parecia que ele deveria ser o único a jogar-me para baixo, levando o que queria, mas em vez disso, ele estava à espera de instrução. O tempo para mais perguntas tinha acabado. Eu não podia perguntar o que ele queria, eu sabia disso. Se eu pedisse permissão, eu perdia o controle, e Ian desejava minha dominância. Ele sempre tinha notado o meu corpo, a força física inata nele, mas ele nunca tinha adivinhado o poder laçado dentro. Mas eu entendi que uma parte dele queria ser pressionada, queria ser submetida, e intuitivamente, ele sabia que eu poderia fazer isso por ele. Era assustador. Se eu errasse, eu não só arruinaria uma amizade, mas uma parceria também. Se eu o tivesse interpretado mal, o que ele precisava ou queria, eu não me recuperaria. Se eu estivesse de alguma forma errado... mas como eu não poderia ter a chance de ter tudo? Não saber, isso era pior. Eu era um monte de coisas, mas um covarde não era um deles. Tudo isso correu pela minha cabeça enquanto Ian permanecia congelado, esperando e vigilante. "Venha aqui", eu ordenei. Ele se moveu rápido e eu inalei fortemente. “Tire tudo.” Instantaneamente ele tirou o casaco, deixou-o cair, em seguida alcançou atrás de suas costas, entre suas omoplatas, e puxou seu suéter Henley, e a camisa por baixo, para frente, para cima, e fora. Vê-lo se despir para mim enviou sangue correndo para o meu pau, e eu percebi que estar no controle de Ian poderia ser mais do que eu poderia lidar.

[230]


"Você não vai tirar suas roupas também?" Eu limpei minha garganta. "Não se preocupe comigo. Tire os sapatos.” Ele os tirou, sentou-se e tirou as meias, uma a uma, antes de ficar de pé rapidamente para puxar as calças e a cueca. Depois de pisar rudemente neles, ele esperou, com as mãos nos quadris, para o que viria a seguir. "Puxe as cobertas para baixo e fique na cama, no meio, em suas mãos e joelhos." Moveu-se sem questionar e, admirando-o - o jogo de músculos sob sua pele lisa, a bunda redonda apertada, as linhas poderosas dele, suas costas, coxas e pernas - fizeram minha boca seca. Cada parte do homem era esculpida e bonita e cheia de cicatrizes. Ele era uma confusão de tecido prata pesada em alguns lugares, teia-de-aranha-de linhas finas de feridas, facada e balas, e, claro, o padrão cruzado em suas costas onde ele tinha sido açoitado por semanas. O tecido da cicatriz era uma coisa engraçada; sob a pele tornou-se como um sistema de raiz, ramificando-se de um lugar e ondulando para fora. Em cima da pele, tornou-se padrões, quase arte, às vezes levantada com o peso que estava embaixo. Doía pensar em Ian sendo brutalizado, mas cada marca o tinha feito quem ele era agora. Eu planejava rastrear cada um com meus dedos e língua. "Onde está a bolsa?" Eu perguntei em voz baixa, tentando manter o desejo feroz em cheque. Ele apontou para o criado-mudo, sem se mover, sem vergonha ou me dizendo para me apressar. Eu deslizei em torno da cama rápido e olhei para ele quando eu fiz. Seu pênis longo e lindo estava curvando-se em direção a seu estômago e vazando pré-sêmen. A coisa toda, minhas ordens dadas, o transformaram em grande momento.

[231]


Atrás dele, eu tirei meu casaco, meu pesado suéter, e a camiseta de baixo, e quando desabotoei meu cinto, ele estremeceu. Eu vi. "Você é lindo," eu sussurrei, inclinando-me para a frente para passar uma mão por seu flanco. “Você sabe disso, certo?” Ele prendeu a respiração, e eu sorri enquanto outro tremor o atravessava. Inclinando-me para trás, tirei minhas calças, deixei minhas meias e subi na cama atrás dele. Quando eu beijei suas costas, puxando o papel fora do tubo ao mesmo tempo, ele soltou um gemido de necessidade. "Eu vou te dizer o que estou fazendo tudo bem?" Ele assentiu. "Primeiro vou abrir este tubo de lubrificante que você tem." O pop da tampa soou alto na sala silenciosa com apenas a respiração de Ian quebrando o silêncio. "Eu teria gostado de um mais grosso para sua primeira vez, então eu vou ser gentil." "Eu não... apenas não lento." "Por que não?" Eu perguntei, curvando-me sobre ele, serpenteando meu braço sob ele para segurar seu pau pesado e acariciá-lo das bolas até a cabeça. "Miro!" Ele gritou, batendo para a frente em meu punho. "Por favor." O pedido ilegível no burburinho rouco de Ian era algo que eu só esperava ouvir. "Eu tenho que..." Ele ofegou enquanto eu deslizava um dedo liso entre suas bochechas, seu corpo inteiro apertando imediatamente. "Você tem que…" Eu apertei seu pênis e ele respirou fundo, relaxando ao mesmo tempo que eu deslizei minha mão para cima e para baixo do seu eixo, acariciei suas bolas, e deslizei meu polegar ao longo da fenda de sua grande cabeça alargada. [232]


"Você está pronto?" “Sim” ele murmurou, se contorcendo debaixo de mim. "Ian," eu disse roucamente, perfurando meu dedo médio mais fundo, pressionando contra a entrada esponjosa, circulando e pressionando firmemente dentro. "Eu quero que você se sinta bem." "Eu faço. Apenas se apresse." Sua demanda terminou em um gemido profundo quando eu angulei meu dedo para a frente, roçando sua próstata, fazendo ele empurrar em meus braços. "Oh, porra!" Foi um som muito bom. "Alguém já fez isso?" "Não." “Ian, você já? Diga-me." "Miro," ele choramingou, "Eu não sabia que eu..." "O quê?" Eu perguntei, acariciando dentro de seu corpo, implacável com a minha atenção. "Você não sabia que o quê?" "Quero isso," ele murmurou, inclinando-se para frente e depois empurrando para trás, sacudindo quando ele fez isso, esfregando sobre o local que, a partir de sua reação, ninguém mais tinha tocado. Eu movia para dentro e para fora, mais e mais, acrescentando um segundo dedo, trabalhando-o suavemente, lentamente, relaxando seus músculos em estágios cuidadosos. Sua coroa estava inchada na minha outra mão, vazando constantemente, aumentando o deslizamento da minha mão sobre ele. Ele estava suando e tremendo, e quando eu adicionei a língua aos meus dedos, ele gritou meu nome. "Você está indo bem", eu elogiei suavemente, mordiscando seu traseiro, lambendo e, finalmente, tomando uma mordida suave. [233]


"Eu... eu sinto que vou quebrar se você não se apressar." Endireitando-me, eu gentilmente retirei meus dedos e soltei seu pau. "Venha, então, podemos fazer isso quando você..." "Não, não como..." Ele soltou um suspiro, quase chorando no final, e eu poderia dizer de quão rígido ele tinha ido que eu não entender era frustrante. Eu estava deixando ele pronto, abrindo-o, mas também agora matando-o com a minha hesitação. "Você precisa ficar quieto enquanto eu coloco o preservativo." “Que preservativo?” Foi a minha vez de sacudir. "Ian, eu imaginei que quando você comprou lubrificante você comprou preservativos." "Você os viu no saco?" Na verdade, eu não tinha. "É, mas você sabe que eu dormi com uma tonelada de caras." Ele olhou por cima de seu ombro, em meu rosto. "Eu também. Bem." Ele encolheu os ombros. "Mulheres, mas somos testados a cada seis meses, e eu nunca fiz sexo sem camisinha." "Não," eu disse, tossindo. "Nem eu." Ele deixou cair a cabeça. "Sim, então, nós somos bons e eu confio em você e você já é meu melhor amigo, então... nada, ok? Só nós." Eu estava indo para entrar no meu melhor amigo, o homem que eu queria mais do que qualquer coisa. Querido Deus, eu queria mantê-lo. “Você está pensando demais.” Eu estava. [234]


Enquanto passava uma quantidade generosa de lubrificante no meu pau, eu pressionei dedos de volta dentro de seu buraco liso, tesourando-os, mais e mais, firme, mas gentil. "Você precisa empurrar para fora quando eu empurro, você entende?" "Sim." "Pegue seu pau, Ian. Dê prazer a si mesmo.” "Não é necessário..." Ele ofegou. "...faça qualquer coisa." "Ok," disse roucamente quando eu alinhei minha cabeça em seu buraco enrugado rosa. "Pare de pensar", ele implorou. Como se eu pudesse manter um pensamento na minha cabeça que não era Ian. Avançando para a frente, eu empurrei lentamente para dentro, então parei, esperando, deixando seu corpo se acostumar com a invasão, sentindo seus músculos apertando ao meu redor. Ian caiu sobre o colchão, os braços não capazes de segurá-lo, apenas seu traseiro levantado quando eu o violava, o observava pegar meu pênis polegada por polegada. Ele era tão apertado, tão quente, e entrada foi fácil apesar dos músculos ondulando ao redor do meu comprimento. "Miro", ele derramou, e o som dele estava aniquilando. Ele se enrijeceu contra mim, mas meu ângulo, a força de meu peso, era demais. Eu dirigi profundamente com um impulso feroz, enterrado completamente. "Oh merda," Ian gemeu, e sua voz quebrou, rachando, e eu ouvi quando ele mudou para um grito.

[235]


Eu estava prestes a puxar para trás, mas seu braço levantou-se rapidamente, sua mão em torno da minha coxa, segurando-me ainda, mantendo-me lá. "Espere." Claro que eu faria. Eu faria qualquer coisa que ele quisesse. Eu estava em bolas profundas no único homem no mundo que eu queria que minha vida inteira estivesse. O que ele quisesse, precisava, eu daria. “Miro.” Mas eu não estava no controle, e isso era ruim. Inclinando-me para perto, ordenei que ele se erguesse, minha voz baixa em seu ouvido. Quando ele se levantou, eu envolvi um braço sobre seu ombro e seu peito, agarrando seu peitoral esquerdo como eu nos abraçava com meu braço esquerdo. Sua cabeça caiu de encontro ao meu ombro, e eu carimbei beijos vorazes no comprimento de sua garganta quando o meu peito grudou em suas costas. "Miro", ele bufou, contorcendo-se debaixo de mim enquanto eu arrastava meus quadris para a frente, batendo nele profundamente e com força. “Não pare.” Não. Sem parar. "Você tem que empurrar para fora", eu ordenei enquanto eu chupei, lambi e beijei a mandíbula, a garganta e o lado do pescoço até o ombro dele. Ele tinha gosto de sal e suor e cheirava a ele, como Ian, e eu queria tudo dele na minha língua. “Eu não— você me tem.” "Sim", eu resmunguei, movendo minha boca, precisando alcançar suas costas, provar lá, lamber lá. "Eu tenho você, eu não vou deixar ir." [236]


As palavras eram necessárias e eu entendi isso. Eu recuei, coloquei Ian em suas mãos, agarrei seus quadris, e então martelei de volta para dentro. Ele gritou meu nome. Eu o fazia mais e mais, querendo ir mais profundo, a necessidade desesperada, para estar enraizado nele, para que ele nunca pudesse esquecer que eu tinha ele, mesmo que ele tentasse. Lambendo sua espinha, senti seus músculos apertando em torno do meu eixo, apertando rápido, segurando-me. Eu alcancei debaixo dele e agarrei seu pau áspero, puxando e apertando, e quando eu senti o primeiro fluxo em meus dedos, eu soltei. "Eu não posso segurar... Miro!" "Apenas venha", eu exigi. Ele ofegou com sua liberação, quando eu o fodi através de seu orgasmo, amando a sensação de suas sedosas paredes internas ordenhando meu pau. Ele estremeceu quando eu vim, pulsando dentro de seu corpo, o sêmen enchendo seu canal espasmódico. "É quente," ele disse enquanto eu desmoronava sobre suas costas. Sua respiração era irregular, e eu pensei que talvez eu devesse me mover, mas meu clímax tinha tomado tudo e eu precisava de um segundo para redirecionar o fluxo sanguíneo. "Não se mova, ok?" Ian murmurou. Ele não tinha que pedir duas vezes.

[237]


Capítulo 13 Eu era cuidadoso quando eu deslizei livre, movendo cautelosamente e, em seguida, mudando-o de lado para que ele não caísse em seu próprio esperma agrupado nos lençóis. Saí da cama, fui ao banheiro e encontrei um pano e uma toalha. Eu me limpei, e então me assegurei que o pano fosse o equilíbrio perfeito de não-demasiado-molhado e nãodemasiado-torcido-para fora, e me movi rapidamente de volta onde Ian estava deitado em colapso. Gentilmente, separei suas bochechas e o limpei, beijei a parte debaixo de suas costas antes de eu voltar para o banheiro e pendurar ambas as toalhas. Quando eu saí, eu fui pego em seus profundos olhos cobalto profundo e parei onde eu estava. Ele não disse nada, seu olhar simplesmente se moveu sobre mim, para cima e para baixo e para trás, e então bloqueado com o meu. Eu limpei minha garganta. "Eu machuquei você?" Uma leve sacudida da cabeça. "Ok." Seus olhos estavam tão escuros no momento. Eu nunca tinha notado suas grossas e longas pestanas antes. O rubor em todo o corpo dele era lindo, mas ainda mais as marcas que eu coloquei sobre ele se destacando contra sua pele verdeoliva. "Posso ir até aí?", Perguntei. "Por favor."

[238]


Eu me apressei, mas desviei no último momento para chegar ao termostato. Eu liguei o calor até 22 e então mergulhei na cama. Ele virou a cabeça para olhar para mim, e quando o fez, eu vi o sorriso perverso e fácil. Foi o suficiente. Atirando ele em suas costas, eu afundei sobre ele, tomando sua boca em um beijo longo, lento e profundo, provando-o novamente, não o deixa-o ir até que eu senti seu pênis engrossar entre nós. "Droga, Doyle, seu tempo de recuperação é incrível." "Normalmente não", ele murmurou enquanto eu deslizava um braço para baixo entre nós, segurando-o, manchando o pré-sêmen vazando sobre sua coroa. "Você quer colocar isso dentro de mim?" Ele apertou os olhos. "É isso que você quer? Porque você continua perguntando.” Eu nunca o adivinhei. Não era algo que ocorria no nosso relacionamento. Eu nunca verifiquei uma vez que ele disse algo, mas aqui, eu estava fazendo exatamente isso. Minhas perguntas estavam matando-o, instilando dúvidas, e eu tinha que lembrar como ele estava ‘fora da cama’ e não atrapalhar. Normalmente, eu perguntava uma vez. Eu tinha um sim ou não e nunca revisitava qualquer tópico que tinha sido discutido. Eu precisava tratar esta situação da mesma forma, conforme nós estávamos ali pele com pele. "Se você quer algo, me diga." "Eu sempre faço." "Ok." "E você? O que você quer?" "Eu quero estar de volta dentro de você, mas eu acho que preciso diminuir a velocidade. Que tal conversarmos um pouco?”

[239]


Ele assentiu, rolando de lado, apoiando-se em seu cotovelo, olhando para mim. "Eu fui a um desses clubes, você sabe." "Do que você está falando?" "Você sabe," ele disse bruscamente. Eu me aproximei, e ele colocou uma mão no meu quadril. "Não, eu realmente não sei." “Um clube de sexo.” "O que?" "Um clube de BDSM, para ser exato." Choque rasgou através de mim, mas eu engoli para baixo para mantê-lo fora da minha voz. "Você fez?" "Sim." "E?" Manobrando mais perto, ele segurou minha coxa e levantou-a sobre seu quadril para que meu eixo endurecido deslizasse ao longo do seu. Tendo a súbita vontade de segurálo, eu não o antecipei e levei-o para meus braços, enfiei o seu rosto na curva do meu pescoço e o abracei com força. Sua boca se abriu contra minha garganta. Eu não estava orgulhoso do barulho que eu fiz. "Por que você nunca fez isso antes?" Ele perguntou calmamente. "Porque eu nunca pensei que você me deixaria." Ele se livrou dos meus braços. "Você deveria saber melhor." E ele estava certo. Eu deveria ter, e teria, se eu tivesse prestado atenção em tudo. Como era, eu estava tão envolvido em meus sentimentos que eu tinha perdido completamente o dele. [240]


Pequenas coisas, como a maneira como ele deu a todos espaço exceto a mim, como ele era proprietário de todas as minhas coisas — de copos de café no escritório para os livros que emprestei — e como ele nunca, nunca, perdeu a chance de ir a qualquer lugar comigo que ele pudesse. Ian era minha sombra, e eu nunca tinha visto isso pelo que realmente era. "Eu queria te tocar," ele disse com voz rouca. "Você não tem ideia sobre querer", eu respondi, minha voz áspera. Seu lábio se curvou em um leve sorriso quando ele olhou para o comprimento do meu corpo e viu sua mão se mover sobre meu peito, meu abdômen, e finalmente mais baixo para meu pênis inchado. "Parecia diferente." "O que?" "Você." "O que você quer dizer?" "Sua pele, suas mãos... ninguém me segurou para baixo antes." Grande pergunta. “E foi bom?” "Sim, foi bom," ele gemeu fracamente, movendo-se sobre mim, colocando a cabeça no meu peito, e envolvendo seus braços debaixo de mim. Deus. Eu estava tão feito. Se a minha vida acabasse naquele momento, eu estava bem. "Você faz os melhores ruídos." "Perdoe-me?" Eu não estava ouvindo. "Você faz. Talvez você não ache que faz, mas você faz. "Não estou seguindo.”

[241]


"Eu posso dizer que você está satisfeito agora por causa do barulho que você fez." “Que foi o quê?” "Como ronronar." Eu zombei, mas ele apertou seus braços e eu gostei disso. "Fale-me sobre este clube que você foi. Quero ouvir a história.” "Bem, havia uma mulher no primeiro que eu fui, uma dominatrix, sim?" "E?" "Eu deixei ela me acorrentar, e ela tinha todos esses remos e chicotes e outras coisas." "Ian, você foi atingido o suficiente em sua vida, torturado quando esteve em missões, e você não deveria..." “Quem está contando essa história?” Eu me calei, mas passei minha mão sobre as cicatrizes elevadas em suas costas. "Eu disse a ela que eu mudei de ideia, e ela foi legal sobre isso quando eu saí." “Por que você foi embora?” "Porque eu sabia que ela não poderia realmente me manter lá se eu quisesse sair, e não é dor que faz isso por mim", ele disse, afastando-se do meu abraço e levantando enquanto eu me movia um pouco, olhando para o meu rosto. "Quero dizer, eu nunca me saí bem quando alguém estava me torturando ou batendo a merda fora de mim." Concordei rapidamente, engolindo minha compaixão. “Não gosto de ser machucado, não quero ser.” "Certo."

[242]


Ele lambeu os lábios nervosamente. "Está tudo bem se eu tocar em você?" Era tudo o que eu sempre quis, então sim, ele poderia me tocar, me lamber, me beijar, me morder, me segurar, aconchegar-se no meu ombro, qualquer coisa. Qualquer coisa. Eu estava desesperadamente pronto para aceitar tudo o que ele oferecia. Mas a emoção e o anseio que rugia através de mim iria assustá-lo até morte se manifestado. Então eu sussurrei. "Você pode fazer o que você quiser." Ele traçou um dedo ao longo do meu pau antes de se aproximar para me examinar. "Isso é impressionante, Miro. Não só longo, mas grosso. Não admira que você queria ter certeza de que eu estava pronto, hein?" "Eu o preparei porque nunca o trataria de outra maneira", repreendi. "E você gostou de fazer isso", ele disse, seu olhar se encaixando no meu, me desafiando a mentir. Como se houvesse alguma dúvida. "Sim." "Eu provei bom quando você me chupou?" "Sim." "Eu quero tentar," ele resmungou, curvando-se sobre mim, sua língua balançando sobre a cabeça do meu pau. "Espere," eu disse asperamente, minha respiração gaguejando. "Por quê?" "Coloque sua mão ao meu redor para que você não engasgue." Ele tomou a liderança e lambeu e chupou, lambendo-me com a língua, engolindo o pré-sêmen que saia através da cabeça. "É grosso e salgado, mas não tem gosto ruim." [243]


"Todos os caras provam diferente", eu consegui dizer. Ele fez uma careta. “Como se eu soubesse.” "Você quer?" O meio sorriso virou meu estômago enquanto ele se sentava, montando minhas coxas. "Eu fui a um clube gay porque eu achei que talvez fosse o que eu precisava." A respiração era superestimada, e eu podia aguentar até ouvir o que ele tinha a dizer. "E eu percebi quando eu estava lá que isso me excitou." "O que? Os homens?" Ele balançou sua cabeça. “A submissão” concluí. "Sim." “Mas não para uma mulher.” "Não." “Porque uma mulher na verdade nunca seria forte o suficiente para fazer você fazer qualquer coisa.” “Não sem uma arma ou algo assim.” "Mas não é disso que estamos falando." "Não." "A ilusão de poder não vai funcionar para você." "Não. Tem que ser real. " "Ok, vá em frente." "Então, esse cara, ele começou a mexer comigo e me empurrou para a frente como se ele estivesse me segurando na cruz de Santo André, e eu ficava pensando, sim, ele terá que ter todos aqueles fivelas e merda para me impedir de se mover. E tinha provavelmente uns que eu realmente não poderia sair. [244]


Mas eu podia ver que não era preso, então eu poderia puxar os pregos fácil, virar, fazer alguma coisa. Isso não me seguraria.” Isso era o que Ian fazia, ele analisava tudo. "Mas eu comecei a pensar: levaria tempo para eu sair uma vez que ele tiver me nele, e ele pode fazer o que quiser nesse meio tempo." "Sim." "E essa é a parte que eu não posso ter. Nenhum estranho põe suas mãos em mim, isso está impregnado muito profundo." "Você leva as mulheres para casa de bares, Ian. Elas são estranhas e você transa com elas." "Sim, mas eu sei nomes, e nenhuma delas poderia me machucar", explicou. "Além disso, eu nunca durmo com nenhuma delas. Eu as levo para casa logo depois. " “Emma dormiu.” "Porque isso durou mais de uma noite. E ela odiava dormir lá porque tinha medo de Chickie.” Eu sorri e ele sorriu de volta. “Fale-me sobre o Dom.” "Bem, então eu lhe deixei ir em frente para me machucar se ele precisasse, tudo o que ele tinha que fazer era me incapacitar, certo? Ele deveria me fazer submeter.” Oh Deus. Fiquei aterrorizado ao imaginar o que Ian tinha feito. Ele não era conhecido por sua paciência. "Você não o matou acidentalmente, não é?" Ele se inclinou, as mãos em ambos os lados da minha cabeça no colchão. "Eu o coloquei em uma chave de braço e ele desmaiou." Eu estendi a mão e coloquei minhas mãos em cada lado de seu pescoço. "Você não deveria machucar seu Dom, Ian." [245]


“Eu não o machuquei” disse ele com voz rouca, engolindo em seco enquanto eu alisava minhas mãos pelo peito até seu estômago, acariciando suavemente até alcançar seu eixo duro arqueado. “E paguei por seu tempo.” “Pensei que havia uma palavra segura.” "Sim, eu sei, mas eu esqueci." "Como você esquece a palavra de segurança?" Ele encolheu os ombros. "Você não pensou que você precisaria dela, é por isso." "Provavelmente." Apenas Ian. "Então," eu disse, derrubando-o, empurrando-o de costas, agarrando o lubrificante ao meu lado. "Diga-me o que você aprendeu com tudo isso?" Eu encostei contra ele, meu pau deslizando sobre seu vinco. "Ian?" Eu perguntei quando eu virei a tampa e espremi lubrificante sobre seu pênis. "O que você..." "Diga-me," eu insisti, cobrindo seu pau e meus dedos ao mesmo tempo antes de fechar o tubo e jogá-lo fora do nosso caminho. “A que conclusão você chegou?” Ele dirigiu-se em meu punho escorregadio, boca aberta, olhos fechados, deixando sua cabeça inclinada para o lado. Ele pressionou sua têmpora contra minha testa quando eu me inclinei para baixo. "Ian," eu o persuadi gentilmente, chupando o lóbulo da orelha em minha boca. "Não é.... Miro,” ele implorou, “Eu sei que você sabe.” "Mas você não pode poupar as palavras desta vez, você tem que dizer isso."

[246]


Ele inalou bruscamente. "Eu quero ser preso por alguém que poderia realmente me machucar..." "E?" Eu pedi, precisando de mais dele porque era importante, porque isso iria aterrar nós dois. "...mas nunca o faria." Era eu, só eu, e ambos sabíamos disso. A única pessoa no mundo com quem ele estava completamente, em quem ele confiava implicitamente, era aquele que estava na cama com ele. "Eu nunca machucaria você", eu prometi, colocando a mão dele em seu pau antes de me afastar o suficiente para que eu pudesse espalhar o excesso de lubrificação no meu. "E você sabe disso." "Eu sei." Ele estava seguro comigo, e ninguém mais podia fazer com que se sentisse dessa maneira, porque eu havia alimentado esse relacionamento nos últimos três anos, assim como ele. "Você tem que ser honesto." "Sim." "Ok", eu disse, pressionando dois dedos lisos na sua entrada. “Diga-me se você está dolorido.” "Eu estou bem." Entrando lentamente, eu torci e empurrei, esfregando círculos até que seus músculos se suavizaram e cederam, beijando o lado de seu pescoço. "Você não está dando ao seu pau qualquer atenção", eu o lembrei. “O que você vai fazer?” "Se isso não te machucar, eu quero foder você assim." Um profundo suspiro dele. "Sim, faça isso." Deslizando meus dedos livres, eu encostei contra sua entrada e então deslizei firmemente para frente. [247]


"Miro." Meu nome em seu sussurro rouco enviou calor penetrante através de mim, e eu esqueci o cuidadoso e lento e empurrei dentro em um deslizamento longo e suave. O barulho que ele fez foi um gemido e um grito embrulhado em conjunto. Isso me aterrorizou. “Ian?” "Sente-se assim todas as vezes?" A reverência em sua voz reiniciou meu coração. "Sim," eu respondi, deslizando para fora apenas para bater de volta, certificando-me de que ele sentia cada movimento do meu pênis moendo sobre sua glândula. "Porra!" Eu bombeava dentro e fora, levantando sua perna e segurando sua coxa trêmula em minha mão. "Beije-me." Eu estalei o comando, e ele se esforçou para sentar-se o suficiente para que eu pudesse devorar sua boca. Ele quebrou o beijo para respirar, e quando ele fez, eu puxei para fora. Seu grito me surpreendeu, e quando me mudei para a borda da cama, ele me atacou, cruzando meus pulsos sobre minha cabeça e me segurando com uma mão, a outra no meu peito. “Por que você parou?” "Coloque um pé no chão", eu ordenei, "e então abaixe-se sobre mim. Você é forte o suficiente, você pode fazer isso. " Ele assentiu, fazendo o que eu disse, apoiou-se sobre mim, uma mão enterrada no meu cabelo, a outra ao meu lado enquanto ele me segurava lá antes de eu empurrar para dentro dele. “Meu Deus, Miro, estou tão cheio.” "É diferente com este ângulo", eu disse, as mãos em suas coxas, segurando-o apertado quando eu deslizei para fora e então entrei nele. [248]


Sua boca se abriu e não houve som, apenas ele obviamente sentindo, ofegante, as sensações esmagadoras quando eu fiz isso uma e outra vez, sem parar, querendo apenas estar dentro dele. Eu estava perdido na ação, nada mais importava. “Miro!” Ele jorrou sobre meu peito e abdômen, e eu o puxei para baixo, empalando-o em meu pau quando eu vim profundamente dentro de seu corpo segundos depois. Eu apaguei por longos minutos, o branco que explodiu atrás de meus olhos não foi fácil simplesmente sair. Como sempre, no entanto, uma vez que eu me tornei consciente de onde eu estava, senti o peso de seu olhar. O profundo, azul escuro era realmente algo para ver. "Você está bem?" Eu perguntei. "Sim," ele disse quando percebi que, a menos que ele se movesse, eu não poderia. “Preciso limpar você.” "Vamos tomar um banho, mudar, e ir buscar nossa testemunha." "Sem cochilo?" Eu gemi sem querer. "Sem cochilo", disse ele, curvando-se sobre mim. "Mas eu vou alimentar você." Novamente ele levantou meus braços acima da minha cabeça, desta vez cada pulso preso ao colchão enquanto ele pairava perto. "Você está com fome?" "Morrendo de fome." "Você está bem?" "Sim," eu disse, incapaz de controlar meu sorriso. "Nós vamos ter que conversar em algum momento." "Sobre?" Eu perguntei, quase ofegante enquanto os músculos de sua bunda se flexionaram, enviando uma [249]


pontada de dor ao longo das minhas terminações nervosas sensibilizadas. Amolecido dentro dele parecia quente, mas na verdade era realmente desconfortável. “Isso, obviamente.” Eu olhei para ele e notei seus lábios vermelhos, inchados, olhos encapuzados e as marcas por toda parte. Não havia como perder que ele tinha sido devastado. "Como o quê?" "Como," ele respondeu, apertando suas mãos em meus pulsos, suas coxas ao redor de meus quadris. "Será que vamos fazer isso quando chegarmos em casa?" Ele fez a pergunta, ao mesmo tempo testando se eu o deixaria me segurar. Em resposta, eu puxei meu braço direito para fora de seu aperto, e antes que ele pudesse me agarrar novamente, eu deixei meu pé esquerdo no chão e chutei, dando-me bastante impulso e alavancagem para rolar ele para suas costas e prendê-lo debaixo de mim. Toda a manobra foi rápida, brusca e, acima de tudo, vigorosa. Eu não perdi sua inalação aguda. "Eu quero", eu respondi antes de cair ao lado dele e puxando-o para mim, deslizando sua perna sobre o meu quadril para que estivéssemos juntos, unidos em todos os lugares. "Mas não precisamos falar sobre isso neste exato momento." “Acho que sim.” Oh. "Você? Quer?" "Onde estaríamos?", perguntou casualmente, em vez de responder, mesmo que seus olhos o traísse, piscando com preocupação, procurando os meus. Eu conhecia suas expressões. Ele estava esperando por qualquer hesitação minha. Eu movimentei-me para a frente em vez disso. "Você pode ficar comigo em meu lugar sempre que você quiser, e trazer Chickie. Você já tem uma chave.”

[250]


"Sim," ele concordou pensativo. "E eu poderia dormir em seu lugar uma vez que eu tenho o meu traje hazmat de volta da lavanderia." Suas sobrancelhas franziram. "O que isso deveria significar?" Eu sorri lentamente. Eu tinha restaurado com sucesso a normalidade e equilíbrio. "Não é tão ruim assim." "Janet e Catherine foram até lá para verificar seu e-mail, e Cat disse que não voltaria sem ter certeza de que suas jogadas estavam em dia." “Sim, mas... " "Janet disse que se eu a deixasse pegar minha arma, ela voltaria." "Pare com isso." Ele riu, deixando sua cabeça cair para trás quando eu bati seu queixo com meu nariz. Ian estava mais relaxado do que eu o tinha visto, vulnerável enquanto ele estava em meus braços. Apertei um beijo em sua garganta. "Você ficaria lá, certo?" Eu dormiria onde ele quisesse, durante o tempo que ele me deixasse. "Sim." Eu só queria estar em sua cama. Ele rastreou as duas cicatrizes mais recentes em meu corpo. “Não faça isso de novo.” "Eu vou tentar." “Tente mais difícil.” "Sim senhor."

[251]


PARAMOS para um almoço tardio em um lugar de panqueca, distintivos fora até o fim da viagem. Eu comi como se fosse a minha última refeição. Eu estava com tanta fome e entre o café, suco de laranja e água, a garçonete não tinha certeza de que outros líquidos eu poderia possivelmente precisar. Ian teve café e água e me observou aspirar panquecas e salsicha, ovos, batatas fritas, e aveia enquanto ele devorava bife e ovos. Eu paguei como sempre fazia nas sextas-feiras, como tínhamos todos os dias da semana contabilizado e era a única maneira das refeições não se transformarem em argumentos. Costumava ser nós tentando cuidar do outro, que acabou ficando velho rápido. Nosso sistema funcionava melhor. Depois de ir no banheiro, eu encontrei Ian no saguão, e enquanto eu bocejava, empurrando meu casaco para ele enquanto eu colocava meu boné, dois soldados estaduais pisaram na nossa frente. Um terceiro estava pendurado para trás. "Podemos ajuda-lo?" Ian perguntou. O soldado inclinou a cabeça para a pistola enfiada no coldre no meu cinto. "Oh, desculpe", eu disse, sorrindo, levantando meu suéter para que ele pudesse ver a estrela do outro lado. "Nós somos Delegados. Minha identificação está no meu casaco ali mesmo.” Ele soltou um suspiro, e seu sorriso foi instantâneo quando os dois outros se juntaram a nós. "Sua garçonete viu as armas quando vocês estavam se levantando." "Claro", eu disse com um encolher de ombros. "Você tem que verificar." Ele me deu um aceno simpático antes que Ian agarrasse meu bíceps, resmungasse um adeus, e me puxasse atrás dele. [252]


"O que há de errado com você?" Eu provoquei uma vez que estávamos lá fora. Eu puxei meu casaco. Estava congelando. "Você tem que ser legal com a polícia local." "Por quê?" “No caso de precisarmos deles.” O olhar em seu rosto me mostrou exatamente o que ele pensava sobre isso, e não era muito. "Isso nem é onde precisamos estar, M." “Sim, mas..." “Apenas venha.” Uma vez no carro, coloquei meu punho acima da minha mão no sinal internacional para pedra papel e tesoura. "Eu sempre dirijo", ele me informou. "Sim, mas," eu comecei, incapaz de não sorrir, "pode ser mais fácil para você ficar confortável se..." "Entre no carro", ele latiu. Eu tentei sufocar meu riso. "Agora," ele rosnou, entrando e batendo a porta. Uma vez lá dentro, me virei para ele. "Navegue já, está bem?" Puxei meu telefone do bolso do meu casaco. “Não é o casaco que você me fez comprar?” "Sim." "Então é meu, mas você está vestindo." "Sim," eu resmunguei, checando as instruções. "Ok, então você vai sair aqui e seguir para o sul. Você está seguindo para 394...o quê?” Ele estava esperando. [253]


“Ian?” Agarrando o casaco de cashmere, ele me puxou para perto. "Este é o azul mais estranho, você sabe." "Parecia bom em você", eu disse suavemente enquanto puxava o gorro da minha cabeça. "Você está tentando deixar o frio me pegar?" "No carro com o aquecedor?" Ele riu, puxando-me para a frente até que seus lábios estavam um milímetro do meu. "Eu acho que você vai viver." Eu suspirei, tão satisfeito que ele não podia manter suas mãos ou boca fora de mim. "Você precisa nos obter na estrada." "Sim," ele admitiu, me beijando rapidamente, mordendo meu lábio inferior, puxando-o com os dentes por um segundo, inalando profundamente, antes que ele me soltasse e voltasse toda sua atenção para nos tirar do estacionamento. "Isso não é justo," eu reclamei, meu corpo vibrando com súbita necessidade. E não era mesmo sexo, embora isso fosse sempre bem-vindo. Era mais do que isso. Eu só queria estar nu na cama com ele. "Vai se estabilizar." "O que é isso?" "A fome." "Nós só comemos", eu lembrei. "Não estou falando de comida e você sabe disso." Eu sabia, mas eu queria ouvi-lo dizer isso. "Se você está fazendo a coisa certa, não deveria." Ele balançou sua cabeça. "Não há nenhuma maneira de conter esse nível de desejo por..." Sua respiração engatou quando eu agarrei sua coxa e apertei.

[254]


"Escute," eu disse seriamente, encontrando seu olhar. "Não fale tão autoritariamente sobre coisas sobre as quais você não sabe nada." Sua atenção se concentrou completamente em mim. "Nenhum de nós já esteve neste lugar exato antes." Ele me deu um rápido aceno de cabeça. "Então, pare com isso." Ele não concordou, mas também não discutiu, o que eu tomei como uma vitória. Momentos depois, ele voltou sua atenção de mim para dirigir o carro. "Nível de desejo, hein?" "Cale-se." Eu sorri. "Apresse-se e nos tire do estacionamento, Doyle. Estou mandando um e-mail para o chefe com status." Ele não disse nada, apenas tomou a esquerda para fora na rua, fundiu-se muito rapidamente, e se dirigiu para Bristol Highway pela 394. “Quanto falta?” "Como oito distraidamente.

quilômetros

e

meio",

eu

disse

Eu o guiei para outras rodovias até que finalmente estávamos em 19E indo para Elizabethton. "Há um monte de viveiros para árvore de Natal aqui", comentou Ian enquanto nos dirigíamos para o escritório do Xerife do condado de Carter. "Sim, árvores e metanfetamina são grandes negócios aqui." Ele riu suavemente. "Ei, me faça um favor. Quando chegarmos lá, deixe-me falar com eles.” [255]


"O que?" Eu fiz uma careta. "Você sempre acaba irritando os caras locais." "Eu não", ele argumentou. "Você faz. E pare de ficar tão na defensiva.” "Isso é insano." Mas meia hora mais tarde, quando chegámos ao nosso destino e, em seguida, começamos a correr ao redor, ele estava gritando. "O que diabos?" Ian ladrou para o delegado na frente de nós. "Como você liberta uma maldita testemunha federal?" O xerife não estava lá, mas o delegado-chefe Greg Walker estava. Eram nós dois e nove outros homens no escritório. Ian estava tentando obter uma história de Walker enquanto eu estava no telefone com Kage. “O que quer dizer com que não têm testemunha?” "Aparentemente ele foi liberado para o Departamento de Polícia de Bowman ontem à tarde", respondi. "Por quê?" "Ele não foi codificado para ser lançado em custódia federal, mas em custódia policial." "Como?" Kage perguntou irritado. "Há mesmo departamentos policiais locais lá? Eu pensei que havia apenas um departamento de xerife localizado centralmente e depois a polícia estadual." "Eu não tenho ideia, mas a cidade está na Virgínia, não no Tennessee." "Virgínia?" "Sim, então ele está em Bowman, que está em Lee County, Virginia. Talvez haja um departamento de polícia.” [256]


“Qual o tamanho de Bowman?” "Não tenho certeza", eu respondi, pesquisando no meu telefone, ao mesmo tempo que eu conversei com ele uma vez que eu o coloquei no viva-voz. "Mas é ao longo da US 58 logo após Ewing." “Quanto tempo é a partir de onde você está?” “Quase duas horas.” "Que horas são lá agora, como quatro ou algo assim?" ”Quatro e meia, sim.” "Tudo bem, então vá para Bowman, faça contato e pegue um quarto para a noite. Eu preciso do status mais duas vezes hoje." "Sim senhor." “Como está Doyle?” "Senhor?" "Ele acabou de voltar, e eu entendo que esta última operação foi ruim." Tinha? Isso era novidade. Eu não costumava perguntar como as missões de Ian foram, porque ele não deveria falar sobre elas. Mas fiquei surpreso que ele não tivesse dito uma palavra sobre isso neste caso. “Ah, não sei.” “Mas ele está bem?” "Ele está." "Tudo certo. Dê-me o status quando você alcançar Bowman." "Sim senhor." Kage terminou a ligação, e eu olhei para cima a tempo para ver Walker pegar um telefone. "Você está fora de linha, Delegado, e eu vou ter seu distintivo!"

[257]


Claro. Durante minha conversa de minuto e meio com Kage, Ian conseguiu irritar todos na sala. “Você terá a sorte de sair disto com o seu.” Disse Ian. "Seu traseiro é meu!" Tecnicamente, seu traseiro já estava comprometido. Ian inclinou a cabeça e deu-lhe um sorriso. "Dê o seu melhor." Todos estavam tensos, ninguém se movia, e eu fiquei parado e esperei enquanto Walker ligava para o xerife. “Senhor, tenho o Delegado Doyle na frente—” Walker parou e escutou. “Vice Supervisor?” Uh-oh. "Eu não sei o que ele..." Novamente Walker foi interrompido. "Ele não estava listado como um federal—" Eu me mudei para o lado de Ian. “São duas horas.” "Sim," ele resmungou, sem tirar os olhos do delegado ao telefone na frente dele. “O que não é nada, mas ainda assim, isso é estúpido.” Eu tossi. "Então, nosso chefe diz que você teve uma operação ruim esta última vez fora." "Eles são todos iguais." "O que você fez?" Eu perguntei suavemente. "Extração." “Todos voltaram para casa?” Ele tossiu. "Não." "Eu sinto muito." "Salvamos nosso alvo. Nós realizamos nosso objetivo," ele disse automaticamente, mas os músculos em sua bochecha

[258]


direita estavam fazendo a coisa que tiquetaqueava quando ele estava tenso, e suas sobrancelhas franzidas. "O que aconteceu?" Eu bisbilhotei gentilmente. "A informação era ruim, e nós caímos em algo maior do que esperávamos." Eu coloquei uma mão em suas costas. "Será que o cara que entregou informações ruins entrou em apuros?" "Esse cara está morto." Jesus. “Ian?” Ele balançou a cabeça ligeiramente para me calar quando ele deu um passo adiante. Walker tinha desligado o telefone. "O xerife diz que podemos colocar você e seu parceiro aqui, no departamento, enquanto recuperamos o Sr. Ford do Departamento de Polícia de Bowman". "Não, obrigado," Ian disse sarcástico. "Nós vamos recuperá-lo nós mesmos. Deus sabe quanto tempo levaria se esperarmos você.” Os músculos da mandíbula de Walker apertaram-se, assim como os de seu pescoço. Ele queria atropelar Ian com seu carro. A animosidade era transparente. "Nós iremos", eu disse suavemente. "Estamos à sua disposição, se precisar de nós", disse Walker, obviamente tendo sido ordenado para repetir a declaração. Ian zombou, virando-se para sair. "Sim, como se isso fosse acontecer. Eu estaria melhor com polícias e guardas de segurança.” Quando eu fechei a porta, ouvi algo quebrar contra a parede. "Suas habilidades interpessoais são fantásticas", eu [259]


mencionei talvez pela centésima vez em nossa parceria. Ele poderia ter transformado Gandhi em um psicopata empunhando machados. Ele grunhiu, e quando estávamos no carro, ele olhou para mim. "O que?" "Foi uma má operação, mas eu tenho sido ainda mais fodido que terminou muito pior." "Ok." "Mas o que eu odeio agora é, no final, quando está feito, eu não posso imediatamente voltar para casa." "Você tem que ser interrogado, certo?" “Quero dizer, depois disso.” "Você não pode simplesmente entrar em um avião?" "Não, temos que esperar para que as ordens passem." “E você não gosta disso, a espera.” "Não. Eu não." "Por quê?" "Isso deve ser óbvio", disse ele bruscamente, ligando o carro. "Conte-me." "Porque você acha?" "Eu prefiro não adivinhar." "Minha casa," ele disse secamente, "o trabalho, coisas assim." "Chickie", eu ofereci brincando. "E outros." "Outros?" [260]


"Sim," ele disse sarcasticamente, "outras pessoas irritantes que sabem melhor do que pescar, mas fazê-lo de qualquer maneira." Eu estava muito satisfeito com ele e ri enquanto verificava meu telefone.

NÓS DIRIGIMOS em silêncio, exceto para a música no meu telefone. Ele nunca se importou com o que eu colocava que foi sorte desde que o meu gosto poderia muito bem ser chamado de eclético. "US 23 Norte para Virgínia", eu disse, ficando sonolento. Estava quente no carro, uma vez que estava apenas -2 graus fora. "Nós devemos parar e obter algum Mountain Dew19 ou algo assim." "Tire o seu casaco." Foi uma boa ideia. Depois que o meu estava fora, eu o ajudei com o dele. "Então me diga por que Drake Ford está entrando na proteção a testemunhas," Ian disse abruptamente. “Porque ele viu Christopher Fisher tentar incendiar Safiro Olivera em um prédio abandonado em Gatlinburg há seis meses.” "Ok." "Aparentemente Ford e seu namorado, Cabot Jenner, estavam fugindo de casa no momento do incidente, e quando Ford saiu para conseguir algo para eles comerem, ele viu um homem carregando o que ele pensava que era um outro homem sobre seu ombro, em um edifício." Ele olhou para mim. "Você está falando sério?"

19

É um refrigerante não-alcoólico, de característica cor verde-limão, fabricada pela Pepsi nos Estados Unidos. [261]


"Eu não consigo fazer essa merda." "Ok, então Ford, vê algo estranho, segue esse cara Fisher, que está no meio de cometer um assassinato." "Limpando", eu corri. "Fisher estava eliminando, não matando. Mas sim, muito bonito." "Que idiota." "Quem? Fisher ou Ford? "Ambos, mas Ford mais." Eu ri. “E o que ele viu, exatamente?” "Ele viu Fisher esparramar o corpo de Safiro Olivera, encharca-lo com o que ele pensou que era gasolina, e depois ir embora." "Ir embora?" "Sim, Fisher estava montando detonadores em toda a casa com vestígios de C420." “Como é que teve um incêndio, então, e não uma explosão” "É assim que eles sabem que esse cara é um incendiário, é a sua assinatura. Primeiro, há uma pequena explosão dentro do prédio, e isso acaba provocando um incêndio de quatro alarmes." "Ok. Então ele sai, e nosso garoto fica ao telefone e chama a polícia." "Certo." "E eles chegam e pegam esse cara no ato antes que ele realmente tenha a chance de começar o fogo?" "Você é muito bom neste jogo." 20

O C-4 ou "Composition C-4" é uma variedade comum de explosivo plástico de uso bélico. [262]


"Cala a boca", ele resmungou e apontou para o lado da estrada. "E o que diabos há com todas as gigantescas cruzes de burro ao longo da estrada?" "Este é o Sul?" Eu ofereci, não tinha certeza que outro motivo poderia haver. “Na verdade, não." “Que parte do Tennessee não é o Sul?” "E daí? Há cruzes por toda parte?" "É propaganda religiosa na estrada", eu o informei. "Arrependas-te agora." "É assustador, é o que é." "Siga em frente." “Tudo bem. Então Ford chama a polícia. Os polícias pegam quem, exatamente?" "Christopher Fisher, serial incendiário e rapaz de limpeza para a família criminal de Malloy fora de Richmond." “Nunca ouvi falar deles.” "Eles movem metanfetamina e OxyContin, são envolvidos na prostituição e no jogo de azar. Comparado ao que estamos acostumados, eles não são um grande negócio, mas eles tinham Fisher na folha de pagamento." "Que agora vai rolar sobre eles?" "Sim." "É por isso que Drake Ford está entrando na proteção a testemunhas." "Sim." “Mas não o namorado.” "Não."

[263]


"Mas Ford acabou de ser transferido de volta para Bowman, onde está o namorado dele?" "Sim." “Isso soa complicado para você?” “Isso faz, sim.” “O jovem Jenner poderia providenciar que seu namorado fosse trazido de volta para a cidade?” "Duvidoso." "Mas alguém poderia." "Sim." “Mas por que razão?” "Não sei. Quantos anos tem Ford?" "Dezoito." “E o namorado?” "Mesmo, acabou de fazer." "Eles já se formaram na escola?" “Não até maio.” Ian estava trabalhando em sua cabeça. "Ok, então o que sabemos sobre Ford e Jenner? Os dois grupos de pessoas estavam bem com isso?" “Na verdade, não. O pai de Jenner teve Ford acusado de tudo, desde invasão até roubo de carro e sequestro.” “Sequestro?” "Sim." “Como um menor rapta outro menor?” “Bem, Ford acabou de completar dezoito anos, como eu lhe disse, e havia um período de dois meses em que Cabot Jenner ainda tinha dezessete anos.” [264]


"Isso é ridículo." "Eu não estou discutindo com você." "Ok, então é seguro dizer que Sr. Jenner quer que Ford se vá." "Sim." "Puta merda," Ian latiu. “Você sabe o que aconteceu.” "Eu faço agora," eu suspirei. “O Departamento de Polícia de Bowman enviou alguém para levar Ford de volta.” "E eles não têm ideia de quem está realmente vindo para ele, não tem ideia com quem eles estão lidando." "Não." “Ford está em perigo quando a família Malloy o encontrar, assim como todos os outros também.” “Porque quanto mais cedo Ford estiver morto...” "Quanto mais cedo Fisher for libertado da custódia federal ninguém estará preocupado com ele derramando tudo o que ele sabe." "Sim." "Você já deixou o nosso chefe saber disso?" Eu balancei minhas sobrancelhas. "Então, você está o que, me pegando?" "Sim." "Imbecil." Eu ri enquanto seu foco retornava à estrada. “Para onde vou agora?” "Você tem mais sessenta e quatro quilômetros aqui, então sente-se firmemente. A próxima coisa que você estará fazendo é procurar a US 58, também conhecido como [265]


Wilderness Road, e você não vai ficar fora dessa. Ele vai para a direita através do centro da cidade.” “A cidade é dividida por uma rodovia?” "Sim." "Então, o que nosso chefe quer que façamos sobre o Departamento de Polícia de Bowman? Avisá-los de que estamos chegando, ou não?” "Ele diz que não, porque não temos certeza do que está acontecendo. Ele tem a polícia estadual em alerta para nos dar qualquer reforço, se e quando precisamos, e ele me avisou que estamos em uma janela de duas horas de check-in.” “Como se eu não pudesse me cuidar.” "É comigo que ele está preocupado, Capitão América", eu disse sarcasticamente. “Eu tenho suas costas.” "Eu sei." Ele ficou em silêncio por alguns minutos. “Então precisamos de um lugar para ficar está noite.” "Eu vou encontrar um", eu disse, olhando para cima do meu telefone e da conversa por e-mail que eu estava tendo com Kage para o perfil de Ian. "Depois de descobrirmos qual é o problema com Ford." "Ok." Estávamos ambos quietos por um tempo. “Quem é Safiro Olivera?” Eu gargalhei "Estou cansado, tenho uma desculpa. Mas eu cheguei a ele depois de alguns minutos." "Sim, você fez."

[266]


"Conte-me." "Safiro Olivera é irmão de Leandro Olivera." Demorou um momento, mas então o atingiu. "Você está brincando?" Ele perguntou secamente. "Não. Christopher Fisher estava tentando se desfazer do corpo do sobrinho de Lior Cardoso, que é o número três do Cartel Nava, um dos mais violentos cartéis de drogas do México, que apenas acontece de ser baseado fora de Tijuana. "Porra." “Foi o que o FBI disse.” "Por que Ford ainda é importante? Fisher está morto sem custodia protetora.” "Mas ele não sabe disso. Ele não tem ideia de quem era Safiro Olivera, nem Orson Malloy. " "Quem?" "Família de crime Malloy." Eu ri. "Você está me ouvindo?" “Na verdade, não." Pelo menos ele era honesto. "Eu não quero mais falar sobre isso." "Bom." "Novo tópico." " Estamos a ir para o novo tópico", eu disse, bocejando. "Por que você não dormiu com ninguém desde Brent?" "O quê?" Eu perguntei, nervoso. Cristo, os lugares onde a mente de Ian ia. "Você me ouviu. Por que não fodeu desde Brent?”

[267]


Era uma coisa complicada para confessar, e mais importante, era a coisa certa a fazer? Era inteligente dizer a ele? Eu iria assusta-lo? “Eu não tinha interesse.” "Em qualquer um." Ele fez uma declaração. "Sim." “Ninguém na academia.” "Não." "Ninguém na liga de futebol em que você joga?" "Eu fui baleado, no caso de eu esqueci de lhe dizer. Eu estava muito ocupado me recuperando." "Entendo." “O que você está tentando perguntar?” "Eu não estou perguntando. Eu só acho que você está cheio de merda." "Oh sim?" Ele não empurrou. Ele ficou quieto, enquanto dirigia.

[268]


Capítulo 14 Nós tomamos um desvio em Wilderness Road e dirigimos direto até as colinas. A cidade de Bowman era situada perto de Parque Histórico Nacional Cumberland Gap, mas não perto suficiente para colher todos os benefícios dos turistas. Avalanches e deslizamentos de terra eram predominantes, e aparentemente a cidade poderia ficar isolada às vezes por causa desses tipos de desastres. Atualmente, ela estava coberta por uma camada de neve branca macia. Atravessando a cidade, passamos por enormes extensões de terra privada. Curiosamente, de um lado da estrada de quatro pistas havia muitas casas, do outro lado, colinas ondulantes, lagoas, riachos correndo ao fundo de barrancos e casas enormes. Eu indiquei o clube de campo quando passamos por sua longa entrada. "É claro que é arado, mas não todas as ruas laterais." Ian riu. "Os ricos vivem aqui à direita", eu disse brincando, "e os pobres estão todos agrupados à esquerda." "Sim. Não é o lado errado das faixas nesta cidade, é o lado errado da estrada." Eu bufei uma risada. "Ok, subindo à sua esquerda grande surpresa - é Willow, e esse é o caminho que leva até a delegacia de polícia." Demorou apenas alguns minutos para alcançá-lo, e então nós dois saímos, esticando-se no ar congelante, puxando nossos casacos antes de entrarmos no prédio. Encontramos

[269]


um balcão de carvalho polido longo e dois homens sentados em mesas do outro lado. "Boa tarde", eu chamei, chegando ao balcão e sorrindo. “Posso falar com o oficial responsável, por favor?” Um dos homens, o maior dos dois, levantou-se e caminhou até o balcão. Ele não se moveu particularmente rápido, mas tampouco estava sendo deliberadamente lento. Eu odiava quando tudo era um concurso de mijar e esperava que não fosse o que meu dia iria se transformar. "Posso ajudá-lo?" "Espero que sim", eu disse quando ele colocou as mãos sobre o balcão. Puxei meu ID do bolso do meu casaco e abri para ele. “Sou o Vice Delegado, Miro Jones, e este é meu parceiro, o Vice Delegado, Ian Doyle. Nós temos um mandado federal para Drake Ford e precisamos dele agora para que possamos levá-lo sob custódia." Ele parecia atordoado. O outro oficial se levantou e juntou-se a nós no balcão. “O que o faz pensar que ele está aqui, Delegado?” Eu li seu nome na tag. “Porque, oficial Breen, o vice chefe condado de Carter, explicou que ele foi liberado para o seu departamento na tarde de ontem,” eu disse sem rodeios. "Traga minha testemunha ou eu notificarei a polícia estadual e meu chefe chamará seu governador." Ian olhou furioso, o que estava fazendo o segundo cara, Gilman, nervoso. Tentei não parecer entediado. Eu precisava de algo para beber e, honestamente, um cochilo. "Você pode esperar aqui, por favor." "Você tem dez minutos", eu o informei. Ambos os homens caminharam para o outro lado da sala para uma porta de vidro com o nome do Delegado marcado nela, e Gilman bateu quando Breen esperou. Momentos [270]


depois, a ordem acentuadamente gritada para entrar era audível mesmo de onde eu estava. Ambos os policiais entraram enquanto Ian se aproximava de mim. “Você trouxe a sua reserva, também, ou apenas a sua principal?” “Pela centésima vez” disse eu, virando-me para ele. "Eu não possuo uma arma secundária. Eu só tenho uma arma, nenhuma reposição." Suas sobrancelhas franziram. “Como você não pode se lembrar disso? Não é tão difícil." "Você precisa de outra arma, o Sr. Glock tem essa nova 42. Talvez possamos pegar um desses." "Você embala poder de fogo suficiente para nós dois." "Eu—" “Boa tarde, cavalheiros.” O Delegado, Edward Holley - disse isso à sua porta cumprimentou-nos enquanto andava através do assoalho. Se eu tivesse que adivinhar, eu o teria pensado em sua meiaidade. Ele era alto, com cabelo castanho acinzentando nas têmporas. Ele era muito bonito, com profundas linhas de riso nos cantos dos olhos verdes e vincos em sua testa que provavelmente veio de tanto zangado quanto sorrindo. Ele tinha um calor sobre ele que veio através quando ele parou na frente de nós, o enrolar de seus lábios me desafiando a deslumbrá-lo. “Delegados?” Eu assenti, passando-lhe minha carteira para que ele pudesse verificar tanto a ID e as credenciais embaixo. "O emblema está no meu cinto." Holley inclinou a cabeça para mim. "Vamos ver."

[271]


Virando um pouco, eu levantei meu suéter e a camiseta embaixo. "Miroslav Jones?" Ele perguntou, claramente divertido, sorrindo para mim. "Longa história." “Já que você e seu parceiro não vão sair daqui hoje à noite, eu o ouvirei durante o jantar.” “Na verdade,” interveio Ian, aproximando-se do balcão e tirando minha identificação da mão do homem. "Nós planejamos estar na estrada assim que você transferir a custódia. Onde está nossa testemunha?” Holley apertou os olhos para nós. "Eu não entendo. Eu pensei que você estava colocando alguém em nossa prisão para a noite." “Não,” disse Ian secamente. "Precisamos que você entregue Drake Ford." O Dirigente parecia aborrecido. "Drake Ford está no escritório do xerife do condado de Carter aguardando os federais... e isso é você e... merda." Ele gemeu de repente, virando-se para Gilman e Breen. "Obtenha Lautner aqui agora, descubra onde Colby e Fann estão, e nós sabemos, Kershaw está se preparando para ensinar a aula de autodefesa na escola?" “Sim, Chefe” disse Breen, estremecendo. “Bem, traga seu traseiro aqui. Você, eu e Breen precisamos ir ao lugar de Jenner com os Delegados e buscar Drake Ford.” Os oficiais se moveram rapidamente, e Holley passou os dedos pelo seu cabelo grosso enquanto olhava para mim e para Ian. "Cavalheiros..." “Ian e Miro.” Eu corrigi. [272]


Ele sorriu para mim enquanto suspirava profundamente. "Três meses atrás, eu despedi Dalton Abernathy deste departamento porque ele realmente não trabalhava para mim. Ele trabalhava para Franklin Jenner, que por acaso é o homem mais rico nesta cidade, assim como nos três condados. Você provavelmente viu sua terra quando entrou: era tudo o que corria ao longo das colinas à sua direita." "Nós vimos." "Bem, descobriu-se que era trabalho de Dalton manter Drake Ford longe do filho de Franklin, Cabot Jenner." "Oh," eu resmunguei. "Então você acha que talvez seu oficial despedido Abernathy ainda tenha seu uniforme e ele foi com alguns dos homens de Jenner e conseguiu que eles liberassem Ford para eles." "Eu faço." "E então o que?" Ian perguntou irritado. "Ford está na terra de Jenner, tendo a merda batida fora dele?" “Espero que sim” disse Holley com uma careta. "Espero que eles não apenas atiraram nele." Meu queixo caiu. Eu fiquei horrorizado e eu sabia que tudo estava em meu rosto. "Franklin Jenner possui uma grande quantidade de terra, e sua empresa de hipoteca, Derby Securities, possui os apontamentos em muitas das casas nesta cidade. Ninguém o convenceria de nada.” "Mas você não tem medo dele?" Ian perguntou com um sorriso. “Estou culpando tudo a vocês dois,” respondeu Holley antes que outro homem entrasse no prédio e atravessasse o assoalho.

[273]


Cinco minutos depois, estávamos no Dodge Durango de Holley, seguido por dois carros de patrulha, seguindo pelo caminho que chegamos, atravessando a rodovia e subindo a colina até a propriedade Jenner, dirigindo em direção à casa. "Por que o Sr. Jenner simplesmente não foi para a família de Drake Ford e disse-lhes para manter seu filho longe do dele?" "Drake Ford vive com sua mãe, mas ela quase nunca está na cidade e muito menos em casa. Eles têm um reboque para baixo em direção à rodovia que ele paga o aluguel trabalhando no supermercado como um verificador todos os dias depois da escola." "Ele parece um bom garoto, independente", Ian ofereceu. "Ele é uma bagunça e uma dor na bunda, mas o único problema que ele conseguiu entrar de repente começou quando Cabot chegou em casa do internato no ano passado." "E o que aconteceu?" "Eles se conheceram e foi isso. Cabot me disse na última vez que eu estava colocando Drake nas algemas, executandoo fora propriedade do seu pai, que nada iria mantê-lo longe de Drake, nem mesmo o fantoche do pai.” "Oh, você é um fantoche", eu brinquei. "Aparentemente sim," Holley resmungou. "Vamos esquecer o fato de que a merda foi invasão de propriedade e que a última vez que eles roubaram um dos carros do Sr. Jenner, e o tempo antes ele os pegou fumando maconha nos estábulos." "Isso é fantástico", eu disse, rindo. "Oh, eles deveriam estar em pôsteres de 'o que não deixar seus filhos fazer.'" "Mas? Eu ouvi um mas?"

[274]


Ele riu suavemente. "Os pais estão ambos ausentes em tudo isso. Drake Ford não tem ninguém, e Cabot Jenner tem um pai mais interessado em sua carteira de investimentos do que em seu próprio filho." “Onde está a mãe de Cabot?” "Reabilitação. Mais uma vez." "Ok, você ganhou. É fodido.” Ele virou a cabeça para sorrir para mim. “Quantos anos você tem, Delegado?” "Perdão?" O sorriso de Holley era perverso, e eu gostei um pouco. “Você parece um pouco jovem para ser um Delegado.” "Sim?" "Eu estou supondo o que, vinte e cinco?" "Ele tem trinta e um", Ian interrompeu, sua mão serpenteando em torno do lado direito do assento dianteiro onde eu estava sentado para apertar meu ombro. "Preste atenção." O que? Eu girei no meu assento para olhar para ele. "Você está bem?" "Eu nunca teria adivinhado isso," Holley suavemente, voltando minha atenção para ele.

disse

Depois de passar pelo portão externo, continuamos até a longa garagem coberta de neve, passando uma meia milha de cerca de madeira baixa antes que se transformou em estrada pavimentada que foi recém-arada. Vindo sobre uma baixa colina, vimos a casa, quadras de tênis, estábulos, e um monte de caros carros brilhantes salpicados em branco. Parecia que Jenner tinha companhia.

[275]


Deixamos apenas o oficial Lautner na estação - Kershaw o encontraria lá - o que significava que Holley, Gilman, Breen, Colby e Fann acompanharam-me e Ian até a casa de Jenner. Não que eu estivesse preocupado. Ian e eu podíamos ter ido sozinhos, mas Holley tinha medo de haver problemas. Tentei dizer-lhe que Ian comia problemas, mas não queria ouvir. Assim que estacionamos e saímos do carro, seis homens saíram pela porta da frente da enorme cabana de madeira de dois andares com uma varanda envolvente. Eles se alinharam na varanda quando o último homem saiu e desceu as escadas em nossa direção. Ninguém se moveu senão ele. “Chefe,” disse-lhe ele. "Algo que você precisa?" “Preciso de Drake Ford, Sr. Jenner” disse Holley rapidamente. "Agora." "Ele não está aqui", Jenner disse, olhando para mim e Ian e depois de volta para Holley. "Bem, precisamos dar uma olhada para confirmar isso." "Você não tem um mandado para fazer isso," Jenner disse, parando na frente de Ian e eu. "Eu faço." Eu interrompi a troca, dando um passo à frente, tirando minha identificação para o homem. "Eu sou um Delegado dos EUA. Drake Ford é uma testemunha federal e, como tal, tenho a autoridade para procurar na sua casa por ele.” "Você..." “Há circunstâncias urgentes aqui, senhor, já que não tenho ideia de que forma minha testemunha está. Sugiro que você se afaste e me deixe realizar a minha busca.” "Eu preciso ver emblemas!" Eu me virei e levantei meu suéter, e Ian moveu seu casaco para que o homem pudesse detectar as estrelas de prata em nós dois. "Seria melhor se você simplesmente o [276]


trouxesse aqui para nós, porque está ficando tarde e estou me sentindo hesitante em fazer isso sozinho." "O que significa", Ian explicou, assumindo o meu lugar, "que você vai sentar aqui, de joelhos em algemas até que a polícia estadual ou Delegados do escritório de campo em West Virginia respondem, quem fizer isso aqui primeiro.” Jenner tinha a cara de uma raposa, as características traiçoeiras tornadas ainda mais visíveis pelo pico de uma viúva e pelos olhos pequenos. Se seu filho era muito bonito, devia isso à sua mãe. Virando-se, chamou um de seus homens para trazer Drake. "Para cima?" Ian perguntou. “Da adega.” Não poderia ter sido bom. "Eu preciso ver seu filho também," eu adicionei. "Oh não", Jenner latiu, girando para me encarar, fechando a distância entre nós rápido e empurrando-me para trás. Ou, mais precisamente, tentando me empurrar para trás. Eu não movi um centímetro. "Você não conseguirá ver meu filho!" Jenner gritou em meu rosto. “Eu conheço os meus direitos!” "Se você conhece", eu disse casualmente, agarrando seu pulso, torcendo-o para cima agudamente fazendo ele engasgar em surpresa e dor quando eu coloquei-o no chão em seus joelhos. “Você não teria agredido um Delegado federal.” "O quê?" Jenner engasgou quando Ian arrancou seu outro braço atrás dele, então pegou o que eu segurei e o algemou. "Você não pode fazer isso!"

[277]


"Oh, eu posso", eu o informei, observando que nenhum dos homens que saíram da casa com Jenner correu para ajudar seu chefe. Foi provavelmente a coisa do Delegado dos EUA que os manteve sob controle. "E eu vou." "Tragam os dois meninos para fora agora!" Ian gritou em direção à casa. “Ou todos vocês serão presos por obstrução.” Ninguém se moveu. "É isso mesmo", Ian disse sem rodeios, olhando para mim. "Chame nosso chefe e diga a ele que precisamos da polícia estadual aqui ou mais Delegados, quem quer que seja." Puxei meu telefone e segurei-o no meu ouvido. “Franklin” Holley proferiu para o homem mais rico da cidade pelo primeiro nome. "Tragam os dois meninos para fora!" Jenner gritou para seus homens. Eles se moveram, então eu terminei a chamada, o que eu estava grato. Era uma dor na bunda quando a polícia do Estado se envolvia. Reunir gatos era mais fácil do que coordenar um grande número de soldados que não tinham certeza de quem eles deveriam estar ouvindo. Kage era bom nisso, mas Ian tinha um fusível muito curto, e eu preferiria fazer tudo sozinho. Eu sempre pensei que orientar as pessoas era fácil, que estar no comando era apenas uma oportunidade de ser preguiçoso, até que eu realmente tomei uma facada por supervisionar a equipe de beisebol do nosso departamento. Eu tinha tentado ser amigo de todos, ser compreensivo de horários e tempos, e a prática acabou sendo às dez da noite em uma quinta-feira porque aquele era o momento mais conveniente para todos. Era ridículo. Ser responsável significava que você não era amado, mas temido, um pouco, e respeitado muito. Era assim que Kage era. Ele não era minha pessoa favorita. Eu nunca poderia me ver sentado em seu sofá com sua família. Mas ele nos ajudaria, e [278]


quando ele chegasse, e ele chegaria, trazendo o inferno com ele, todo mundo se sentiria muito triste que eles questionaram a autoridade de Ian ou minha autoridade. "Oh merda," Ian gemeu. Eu levantei minha cabeça, e lá, sendo ajudado a descer as escadas, estava Drake Ford. Eu sabia que era ele sem perguntar. Ele estava sorrindo mesmo que seu olho esquerdo estava inchado porque Cabot Jenner tinha o braço em volta dele, levando-o. Assim, embora o sangue manchasse o colarinho de sua camiseta, vários cortes e contusões cobriam o rosto, e ele estava segurando seu lado como se estivesse sofrendo, ele estava no céu. Ele sorriu para o menino menor, que era esbelto, gracioso e simplesmente radiante. Eles eram noite e dia, e eu entendi a atração naquele momento. Drake era todos os músculos apertados no quadro de um nadador. Era bonito, mas não havia nada de extraordinário nos cabelos e olhos castanhos, a menos que você contava o modo como ele olhava com grande desejo para Cabot Jenner. Vestido em jeans e uma camisa de flanela e a camiseta sangrenta, ele poderia ter sido qualquer menino em qualquer cidade pequena. Seu namorado era outra história. Cabot era todo movimento sensual desossado, com cabelo louro claro e grandes olhos verdes enquadrados em longos e grossos cílios de ouro. Sua pele era impecável. Ele tinha características delicadas, afiadas, com um nariz arrebitado e pequenos lábios de arco. Se eu tivesse dezoito anos, ele teria sido tudo o que eu queria também. "Venha aqui", eu disse, gesticulando para eles. Eles se moveram o mais rápido que puderam, chegaram a mim e esperaram. Coloquei minhas mãos em Drake, examinando-o. “Quem bateu em você?” Ele não respondeu.

[279]


"Meu pai e seus homens", Cabot sussurrou para ele, e quando seus olhos olharam para os meus, eu vi as lágrimas neles. "Eu preciso que você vá lá em cima e arrume uma mala", eu ordenei. "Tudo que você quer tomar que você não pode viver sem. Nenhum eletrônico vai conosco, então desligue seu telefone, laptop e qualquer outra coisa. Você está saindo da sua vida neste momento." "O quê?" Jenner ofegou de onde ele se ajoelhou no chão. “Espere, agora” disse Holley, movendo-se ao meu lado, agarrando Jenner pelo bíceps e puxando-o para seus pés. "Você não tem nenhuma chamada para remover Cabot de seu pai..." “Ele estava com o Sr. Ford na noite em que encontrou Christopher Fisher. Até que o Sr. Jenner seja questionado, não tenho nenhuma maneira de determinar o que precisamente foi dito ou inferido a ele pelo Sr. Ford. Não posso, em boa consciência, deixar Cabot Jenner aqui, pois ele também é uma potencial testemunha", expliquei logicamente. “Além disso, se eu deixasse o jovem Sr. Jenner aqui, e se os homens que procuravam o Sr. Ford aparecerem e se apropriarem dele, ele poderia ser usado para coagir o Sr. Ford.” “Você...” começou Jenner. “Portanto,” prosseguiu Ian “não temos escolha senão incluí-lo na provisão para o Sr. Ford.” “O quê?” Gritou Jenner. “Vamos levar o seu filho” traduziu Ian, concentrando-se em Cabot, enquanto tomava o bíceps de Drake, aliviando-o do aperto de seu namorado. "Vá pegar sua merda, garoto. Apenas um saco. Faça isso agora." Ele correu.

[280]


"Uau." Drake sorriu para mim com seu lábio partido, seu olho esquerdo fechado e direito cheio de sangue. "Eu nunca o vi se mover tão rápido." “Suspeito que ele queira ir com você” Ian supôs. “Vou trazer meu filho de volta” Jenner prometeu severamente. Pisando em frente a ele, eu encontrei seu olhar. “Esta será a última vez que você verá seu filho, senhor, a menos que a ameaça contra ele e o Sr. Ford seja eliminada. Eu não acho que você compreenda completamente o que você fez aqui, mas remover uma testemunha federal é um crime muito sério." Tanto Jenner como Holley me olharam confusos. "Você não ouviu falar da família de crime Malloy?" Ian perguntou. Recebi um alerta por e-mail e me afastei para que Ian pudesse falar enquanto eu checava meu telefone. A mensagem era de Kage, e ele explicou que esperaria o status em mais duas horas quando nós relataríamos em passando a noite em Bowman ou saindo com Ford. Depois que eu respondi, ele emitiu um de volta, concordando com minha decisão para remover Cabot também. Ele teria a ordem de proteção federal alterada. Eu tentei enviei-lhe de volta um rápido obrigado, mas o meu texto não enviou. Eu tentei e-mail também, mas de repente eu não tinha nenhuma conexão. "Ei," eu disse para Ian. "Você tem Internet no seu telefone?" Puxando-o para fora, ele olhou para ele um segundo. “Não, não tenho nada. ” “Dirigente?” Perguntei. "Sim?" "Você tem quaisquer barras no telefone?"

[281]


Holley verificou, e quando ele levantou a cabeça, ele estava carrancudo. "Eu nem tenho serviço de emergência. Meu telefone está morto.” O telefone de Jenner, quando o tiramos do bolso, estava na mesma condição. "Delegado!" Nós todos nós viramos para a casa onde um dos homens de Jenner estava descendo as escadas, movendo-se rapidamente. Quando ele chegou até nós, era como se seu chefe não estivesse lá: todo seu foco em Ian. "Não há eletricidade na casa ou em qualquer lugar na propriedade. Tudo o que temos é o gerador de reserva. " "Isso não é possível", Jenner estalou rapidamente. "A linha terrestre também se foi, e parece que temos uma zona morta com serviço celular." "Dentro!" Ian gritou a ordem. "Agora!" Golpeei o braço de Drake. "Corra até o quarto do seu namorado, garoto, e leve-o para o primeiro andar." Ele se afastou, e eu virei e coloquei meus punhos na frente do suéter de Ian. "Logo atrás de você", ele prometeu, dando-me um traço de um sorriso antes de eu o deixar ir e correr em direção à casa. "Todo mundo dentro!" Ian gritou. "Protejam-se agora!" Gilman foi arremessado para trás enquanto eu corria por ele, morto antes de atingir o chão. Quanto mais claro Ian deveria ser? Breen morreu ao lado de seu carro, Fann morreu na frente dele. Ambos disparos na cabeça. Gritei para Colby correr, mas ele estava congelado onde ele estava. Ele morreu segundos depois. [282]


O homem de Jenner que tinha vindo da casa estava correndo ao meu lado, mas caiu, atingido pelas costas. O calibre nas balas tinha que ser enorme, o spray de sangue era grande. Depois de mergulhar em direção às escadas com Ian ao meu lado, subimos na varanda. “Se houver alguma arma aqui” Ian gritou para os homens que se protegiam na varanda. "Você precisa pegá-las!" Um homem abriu a boca para dizer algo, mas caiu no chão, deslizando pela parede de madeira exposta deixando um rastro de sangue em todas as juntas arredondadas. "Merda," Ian rugiu, empurrando-me dentro da porta da frente aberta e para o chão de madeira polida. Eu estava preso sob ele, seus lábios contra a minha orelha. "Não se levante. Vou buscar os meninos e trazê-los aqui. Temos que sair dessa casa.” “Mas estamos seguros em casa” argumentei. "Nós não estamos seguros na casa, M", ele me assegurou. “Vai ser incendiada.” Eu não o questionei, apenas fiquei onde eu estava quando ele se levantou e se moveu em uma corrida agachada em direção à cozinha. Do lado de fora, as pessoas estavam gritando, e de repente Holley e Jenner voaram pela porta da frente. "Eu preciso dessas algemas fora dele!" Holley gritou para mim. Escalando para eles, eu usei a chave de reposição de Ian que eu tinha no cinto com a minha e tirei as algemas. Outro homem foi atingido fora da porta, e um spray de sangue salpicou a janela quando ele foi baleado na garganta. "O que diabos está acontecendo?" Jenner gritou, aterrorizado e transtornado.

[283]


"Você removeu uma testemunha federal", eu respondi sem rodeios enquanto ele e Holley se juntaram a mim no chão. "Quando você fez, você fez o que era invisível, visível. Orson Malloy enviou um atirador e Deus sabe quem mais para matar Drake Ford. Isso é tudo em você." Holley se virou para mim, seus olhos frenéticos de medo. "Eles nos encurralaram, não podemos chamar ajuda desde que eles estão usando algum tipo de bloqueador de sinal, estamos muito longe da estrada para alguém notar algo de errado, e eles já cortaram a energia e o telefone fixo.” Olhei para Jenner. “Você tem armas aqui? ” "Eu tenho um par de rifles de caça e uma espingarda, mas nada de alta potência ou semi-automático." "Ok", eu disse enquanto Ian e os meninos correram para o quarto e mergulharam para baixo no chão ao nosso lado quando uma explosão balançou a casa. “Que diabos foi isso?” Gritou Jenner. "Isso foi um RPG21", Ian respondeu, rolando em suas costas para que ele pudesse falar. “Você tem sua bolsa, Cabot?” "Sim senhor." "Ok. Agora eu preciso que você pegue mais três bolsas de caminhada, se você tiver algum, mas se não, qualquer coisa. Preciso de água engarrafada, corda, uma caixa de fósforos, quaisquer pares de botas de neve na casa, os casacos e as luvas mais pesadas que você e seu pai tiver, a faca mais afiada que você tiver, um machado, uma lona ou uma tenda e muitas lanternas, quantas você puder encontrar." "Nós temos uma arma de fogo."

21

[284]


"Eu vou tomar isso, assim como os artifícios de sinalização de estrada, os rifles, e toda a munição que você tem." "Ok," ele disse, mas não se moveu, olhando para Drake. "Drake, ajude-o e faça o mais rápido que puder." "Sim senhor. Vamos," Drake chamou Cabot. Eles se arrastaram rapidamente da sala grande para a cozinha e, quando chegaram lá, levantaram-se e correram. "O que você está fazendo?" Holley perguntou a Ian. Ele olhou diretamente para Holley, com a voz baixa. "Eles virão em breve, a partir da estrada porque esse é o ponto de origem de todo o fogo que estamos levando, e quando o fizerem, estamos mortos. Então, nós seis estamos saindo pela parte de trás e subindo e descendo a colina.” "Você está louco!", Gritou Jenner alto, parecendo horrorizado com a sugestão. "É uma subida muito mais áspera do que parece, Delegado. Esses morros estão cobertos de espessos pinheiros e rochas soltas e riachos e vai ser escuro em outra meia hora, então..." “É melhor do que está sendo atingido por uma granada lançada por um foguete” Holley informou-o. “Esses homens estão tentando nos matar, Jenner!” “Por que não entregamos Ford?” "Porque neste momento, Malloy não vai deixar ninguém viver, mesmo que alguma vez considerássemos isso," Ian disse sem rodeios, segurando meu ombro. "Eu estava pensando em levar os cavalos, tentando a estrada, mas acho que é muito arriscado." "Concordo. O atirador, ele é bom, certo?" "Ele bateu em tudo o que ele apontou", Ian disse, encontrando meu olhar. "E ele está usando uma grande arma [285]


com rodadas de API22. O buraco deixado no carro tinha uma polegada de largura.” "Então você acha que temos militares lá fora?" "Não sei. Até agora só há um atirador, mas de qualquer forma, estamos presos." "Ok, então, por trás, como você disse." "Sim. Pelo menos dessa maneira, a casa nos dará alguma cobertura. O atirador está lá fora, é o que a trajetória me diz, e não somos atingidos na floresta. Temos um pequeno salto sobre eles no que diz respeito ao tempo, mas é isso. Precisamos nos mover.” Eu balancei a cabeça. Ele me puxou para ele. “Precisamos, no entanto, tirar nossas mochilas do carro do chefe. Tenho munição lá dentro.” "Nós acabamos de falar sobre a exatidão mortal do homem ou da mulher, atirando em nós," eu disse sem rodeios. “Nenhum de nós está saindo.” "Miro," ele começou suavemente. “Precisamos das balas.” "Temos os rifles de Jenner e nossas armas, mas conseguir mais munição para o Glock, o que não fará merda contra o maldito atirador, é estúpido." "Nós precisamos—" "Não," eu rosnei, olhando em seus pálidos olhos azuis. Engraçado que eles tinham iluminado durante a nossa viagem, e mesmo esta morte iminente, não estava escurecendo-os. Sexo tinha, mas não isso. "Eu não vou permitir que você vá lá fora. Você entende?" Ele encolheu os ombros, desistindo quando os meninos chamaram da cozinha. 22

É um tipo de munição. [286]


"Delegado, nós temos a maioria das coisas." "Estaremos todos em cinco," Ian dirigiu. Eu acenei com a cabeça antes que ele se afastasse. Erguendo os cotovelos, eu me concentrei nos dois homens que estavam perto de mim. Lá fora, eu podia ouvir os homens na varanda retornando fogo. "Dirigente? Sr. Jenner? Vocês vêm conosco ou ficam aqui?" "Eu estou com você", Holley disse, agarrando meu ombro. “Mas você tem certeza de que esse é o melhor caminho?” "Eles têm um lançador de granadas. Talvez o foguete seja o próximo. Podem incendiar a casa e em seguida vamos fritar. Precisamos nos mover.” Ouvi um grito do lado de fora e depois o vidro quebrando, então observei Ian correr pela sala, se inclinar para porta da frente por um segundo, e então escorregar de volta para onde os meninos se amontoaram juntos. "Eu não acho que você tenha alguma ideia sobre o terreno que você está indo," Jenner disse, sua voz rachando. “É muito perigoso.” "Nós vamos ficar bem", eu o assegurei. "Você está vindo ou não?" "Sim," ele estalou. Nós todos corremos pela sala depois de Ian, e quando estávamos no corredor ao lado da cozinha, eu notei que eu não podia ouvir mais tiros. "Porque todo mundo lá fora está morto, pelo menos pelo que eu podia ver." Ian disse francamente, empurrando um casaco pesado para mim. “Coloque isso." Era muito grande, todos os casacos de Jenner eram, mas todos nós pegamos um, junto com gorros de malha, cachecóis e luvas. Ian manteve suas botas militares, eu [287]


mantive minhas botas de caminhada, Holley também estava bem, mas Jenner e Drake mudaram. Cabot tinha botas de frio, mas eles iriam ter que servir. Ele também tinha um casaco forrado de pele. Eu era um bom no tiro com o minha Glock, mas eu não era tão bom um atirador com um rifle. Olhando os dois rifles de caça sobre a mesa, tomei uma decisão. "Como você se sente sobre carregar o segundo rifle, Dirigente?" Eu perguntei, olhando para Holley. Ele concordou, e eu peguei a arma e passei para ele, bem como as duas caixas de balas. Ian tinha o outro dos dois Remingtons, ambos os modelos 70023. Empurrando a mochila, Ian encheu duas caixas de cartuchos em outro saco antes de colocar o rifle debaixo do braço. “Vamos” ordenou ele. Eu coloquei minha mochila, e Drake também. Jenner arrancou o que Cabot iria levar das mãos de seu filho. "É muito pesado", ele latiu, e eu vi Cabot estremecer e encolher. Difícil perder que ele tinha sido abusado, provavelmente por anos. O retrocesso encolhido era uma dádiva inoperante. "Siga-o", eu ordenei Cabot, gesticulando para Ian, e quando Jenner tentou ir atrás de seu filho, eu agarrei seu braço, segurando apertado, e pedi a Drake para vigiar Cabot. "Eu vou," Drake disse, sorrindo para mim e depois indo atrás de Cabot. Jenner arrancou o braço livre, mas caiu na fila, com Holley em seguida.

23

[288]


Nós nos movemos silenciosamente pela casa, Ian conduzindo, eu trazendo a parte traseira, e uma vez que nós estávamos todos fora, Ian mandou todo mundo esperar enquanto ele correu de volta para mim. "Sim?" "Não me perca," ele ordenou. "O que quer que você faça." “Não vou.” Ele agarrou a parte de trás do meu pescoço e respirou fundo. "Vai ficar tudo bem," eu acalmei. "Sim, eu sei, apenas fique perto." "Por favor, companheiro, eu tenho suas costas." Ele balançou a cabeça rapidamente e então correu para a frente e nos levou para descer as escadas traseiras do convés e longe da casa. Era o crepúsculo, o momento perfeito para tentar escapar, e eu realmente esperava que tivéssemos sorte. Eu não estava pronto para perder Ian ou tê-lo sem mim. Minha vida estava apenas começando, ter o fim não estava em meus planos.

NÓS CORREMOS até chegamos à linha de árvores e, em seguida, porque havia uma encosta de dois metros, abrandamos enquanto escalávamos a encosta coberta de neve. Drake segurou a mão de Cabot, caminhando na frente dele, certificando-se de que ele não caísse, e dizendo-lhe, repetidas vezes, o quão grande ele estava fazendo. "Sr. Jenner!” Todos nós viramos para ver um de seus homens, que tinha conseguido viver depois de tudo, vindo correndo atrás de nós, rifle na mão. "Precisamos entregar Drake!"

[289]


Eu tirei minha arma e apontei para ele. “Abernathy” resmungou Holley. "Isso é tudo..." “Agora, Jenner!” Ordenou o ex-agente, erguendo a arma. "Largue!" Eu exigi. Era como se ele estivesse tão concentrado em Jenner que ele não me ouviu, mesmo de tão perto. “Largue sua arma!” Gritei novamente quando Abernathy não obedeceu. O segundo andar da cabana de Jenner explodiu de repente em madeira voando e vidro e aço, e só o fato de que estávamos a uma boa centena de metros de distância nos salvou de ser atingido por estilhaços. Foi um grande sim sobre o lançador de foguetes. A explosão assustou Dalton Abernathy, e em sua confusão, eu avancei, agarrei o cano de sua arma, arranqueio de suas mãos, e usei a coronha do rifle para bater nele na cara. Ele caiu de volta na neve, fria. O rifle de baixa qualidade que Abernathy estava usando tinha uma alça anexada, então eu coloquei isso por cima do meu ombro. Corri por Holley parando no topo da encosta e esperei por ele e Jenner para descer à minha frente. Uma vez que eles estavam seguros, eu guardei minha Glock e verifiquei em volta, não querendo virar as costas para mais homens. Ian estava abaixo de nós em um barranco, em uma árvore caída no meio de um riacho raso. "Apresse-se porra!" Ele gritou, e eu podia ouvir a frustração e raiva em sua voz. "Vá!" Eu gritei. Ele se virou e correu com Cabot seguindo, depois Drake, Jenner, Holley, e finalmente eu. Uma sucessão de explosões se espalhou pelo bosque enquanto caminhávamos sobre rochas soltas, terra e gelo, para subir o aterro. Quando saímos do barranco, o terreno mudou. Não havia inclinação gradual e [290]


nenhum lugar para ficar de pé. O chão debaixo de mim era sólido, sem dar nada, e quando eu perfurava o solo congelado, minhas botas continuavam escorregando. Foi lento quando nós andamos através da neve que chegava até a panturrilha, sem espaço aberto, apenas pinheiros crescendo um em cima do outro. "Por que a porra de seu parceiro não me perguntou se havia algum caminho para veículos ou..." "Porque não queremos nada que eles possam se mover rapidamente", eu tomei o tempo para explicar. "Precisamos fazer com que seja difícil para eles chegarem até nós." Ficamos em silencio depois disso, ziguezagueando nosso caminho até o lado da colina íngreme, caminhando pesadamente, os homens entre Ian e eu grunhindo e ofegando com esforço. Eu estava em melhor forma, mas meu jeans estava molhado e não fazendo nada para o frio. O sol se pôs, e entre isso e a elevação da altitude, a temperatura caia ainda mais. Quando a chuva gelada começou, Ian parou e fez com que todos se amontoassem enquanto subia uma das árvores para olhar para a casa a partir de nosso novo ponto de vista. “Quando a senhora começará a sentir sua falta, Dirigente?” Perguntei a Holley. Ele balançou sua cabeça. “Divorciado.” "Desculpe," eu murmurei. “E as esposas ou namoradas do seu pessoal lá em baixo?” "Estão Kershaw e Lautner de volta à base", ele me disse. "Vão começar a se perguntar onde estamos em outra hora." "Ok," eu disse gentilmente, segurando seu ombro. “Sinto muito por seus homens.” Ele cobriu minha mão com a dele. "Obrigado." "Não havia nada que você poderia ter feito." [291]


"M!" Ian disse bruscamente. Movendo-se diretamente sob ele, eu espiei através dos ramos. "Há um monte de luzes se movendo por lá." Significando homens com lanternas. "Merda." Ele olhou para mim. "Nós temos, o que, outros quarenta minutos ou assim antes de nossas duas horas acabar e nós deveríamos fazer o check-in?" Kage. "Sim." "Ok, então, uma vez que não o chamarmos e ele não conseguir nos encontrar em qualquer um de nossos telefones, teremos soldados estaduais aqui em outra hora." "Digamos dois para ser seguro." Eu me afastei quando ele saltou, pousando na minha frente. "E então quantos virão? Como quantos carros?” "Eu não sei", ele bufou, e eu não podia perder a preocupação sobre ele, as sobrancelhas enrugadas, os lábios franzidos, os músculos tensos no pescoço falavam de sua preocupação com nossa situação atual. "Mais do que um, porque ele será relatado como uma emergência." "Tudo bem, dois pelo menos, talvez até quatro." "E então vai demorar mais algumas horas para obter apoio aqui, helicóptero de busca e tudo mais." "Temos a noite inteira aqui em cima", eu supus. "Precisamos encontrar abrigo." "A menos que eles tenham óculos de visão noturna e cães, estamos bem, desde que não usamos nenhuma luz e fiquemos quietos." "Nós temos que usar as lanternas ou vamos caminhar para o lado da colina." "Não, nós—" [292]


“Senhorita Frain...” disse Jenner de repente. Eu me virei para ele. "Desculpe?" “Senhorita Frain” repetiu. "Sua família tem uma cabana no outro lado. É direto sobre Kingman Creek que atravessa as colinas." “Quão longe fica?” "Até o topo desta colina e para baixo do outro lado", Jenner respondeu. "Três horas facilmente, embora eu não possa garantir o estado da cabana. Faz anos que estive lá.” “É um plano tão bom quanto qualquer outro” concordou Ian. “Cabot, você trouxesse a corda?” "Sim." "Me dê isso." Então, todos nós tínhamos água, Ian e Holley verificaram os rifles, eu não me incomodei com o que eu estava carregando, e então todos amarrados juntos, com o meu parceiro liderando, nós continuamos a escalar o lado do morro quando a chuva leve se tornou um dilúvio. Nunca tinha estado com tanto frio, e quando eu percebi o barulho clicando que eu estava ouvindo era realmente meus dentes, eu comecei a rir como uma pessoa louca. “Delegado?” Perguntou Holley. "Desculpe," eu disse alegremente, quase batendo em uma árvore, ramos aranhando meu rosto. "Eu não consigo mais sentir meus pés, e essa chuva, eu sinto que devemos estar procurando por uma arca." Eu consegui um rápido tapa de encorajamento quando nós seguimos adiante. Felizmente, a cabana nem era tão longe como fomos levados a acreditar, e realmente, descendente era muito mais fácil do que ascendente, e eu não poderia parar de sorrir. A [293]


chuva caia, mudando de um aguaceiro torrencial para uma garoa e, finalmente, para uma neve suave que era realmente muito bonito no céu quando a lua saiu por trás das nuvens. Ian foi incrível. Entre a luz da lua e mantendo o feixe da lanterna a seus pés, ele ainda era capaz de nos levar sem incidentes para a pequena clareira onde estava a cabana Frain. Ou, mais corretamente, para a cena do que parecia que provavelmente tinha sido um incêndio. Descobriu-se que Jenner tinha sido muito generoso com o uso da palavra "cabana". Desde que as quatro paredes não estavam mais intactas, a cabana não se qualificava mais como uma estrutura, mas como a maior parte do telhado ainda estava ligada, ele manteria a chuva e a neve fora de nós. Ian desamarrou todos, um a um, e quando ele me alcançou, ele se aproximou, inclinando-se para o meu espaço. "Você está bem?" “Você não está com frio?” "Vamos fazer uma fogueira", Ele prometeu. "Como?" "Nós só precisávamos ficar longe daqueles caras, e havia apenas um caminho a percorrer." "Sim, eu sei," eu disse, tossindo. "Quero dizer, nós não tínhamos armas suficientes para repelir números reais, e não sabíamos quantos tinham e desde que nossa primeira prioridade era garantir nossa testemunha..." "Nós tivemos que subir, eu entendi." Ele se aproximou, os lábios contra o meu ouvido, os sopros quentes de ar para o lado do meu pescoço me fazendo tremer. "Mas até agora, provavelmente há soldados no local, e [294]


eu não vi nenhuma evidência de alguém vindo atrás de nós. Não houve nenhuma luz no lado da colina, então eu tenho certeza que estamos livres." Eu abri a minha boca para dizer algo, mas ele segurou a mão dele no meu casaco. "Se eu estiver errado e houver caras com equipamento de tempo frio subindo atrás de nós com óculos de visão noturna e metralhadoras, eu vou lidar com isso. Mas eu vou construir uma fogueira para que você não congele até a morte." Eu sorri. “Que gentil de sua parte.” Seu sorriso era largo e sua mão deslizou ao redor do meu pescoço. "Fique..." "...seguro por você", eu terminei para ele. "Sim." Ele cortou a palavra antes de se virar. "Isso é tão a-ssustador", Cabot gaguejou, tendo dificuldade em andar, tão molhado e frio quanto ele estava. "Posso ter uma arma também?" Drake o pegou, atiro-o por cima do ombro, e caminhou em direção ao que restava da cabana em ruínas. Ian foi primeiro, testando a força das tabuas podres, e uma vez que ele estava confiante de que o chão não iria ceder, todos nós o seguimos pelos quatro degraus para o que havia sido uma grande sala. A lareira de pedra era tudo o que restava de um lado, com a chaminé de pedra e grandes pedaços do que fora um telhado. “Aposto que esta foi uma grande cabana” disse Ian, juntando pedaços de madeira em uma pilha. Levantei-me para ajudar, mas uma cãibra na minha perna direita me fez sentar para baixo com força. Ian estava lá ao meu lado, rápido. "O quê?" Ele perguntou. "Meus músculos estão dando cãibras. Eu estou bem."

[295]


Ele latiu para Holley e Drake para ajudá-lo e, em seguida, puxou os fósforos de sua mochila. Curvando-se, ele soprou, colocando suas mãos em torno da chama e tentou conseguir alguma coisa, mas a madeira estava muito molhada. “Talvez haja um pouco de madeira seca sob as pilhas dos restos” sugeriu Drake. “Não com a chuva” assegurou Holley. "Estou com tanto frio," Cabot sussurrou. "Drake, você precisa tirar o casaco dele e colocá-lo no seu com você." "Eu posso fazer isso," Jenner latiu para Ian. "Não," ele respondeu de volta. "Eu quero eles enrolados um ao outro. A temperatura está caindo rapidamente, e mesmo que não caia muito abaixo de três graus, estamos todos molhados e está ventando e todos nós poderíamos ter hipotermia." Notei que Cabot estava apenas assistindo Drake. "Oh merda," Ian resmungou, levantando-se e indo para Cabot. Tirou-o do casaco e empurrou-o para Drake, que agarrou Cabot e o colocou contra o peito, envolvendo os braços e a jaqueta ao redor dele. "Agarre-se a ele," Ian ordenou, agarrando ambos os lados do casaco e fechando-os junto. “Mantenha-o o mais quente possível.” "Ok," Drake prometeu, inclinando sua cabeça em cima de Cabot. "Isso é nojento," Jenner cuspiu. "Como você pode deixar meu menino ser tocado por esse pervertido?" "Eu vejo duas crianças apaixonadas, seu idiota homofóbico", Ian rosnou. "E se você não quiser olhar, vá para o outro lado da cabana. Espero que você não porra congele até a morte." [296]


"Eu vou ter seu..." “Miro ” disse Ian de repente, virando-se para mim. “Os fósforos estão em sua mochila?” "Sim, eu acho que sim." ‘Tire-os” ele ordenou. Ele se virou para Holley. "Eu preciso de lenha, ramos pequenos das árvores, puxe-os, como se estivesse fazendo uma guirlanda de Natal." "Sim," Holley disse, deixando Ian saber que ele estava ouvindo. "Fique atento", Ian me disse antes de subir as escadas e sair. Encontrei os fósforos na minha mochila e esperei, ouvindo o gemido de Cabot, observando o olhar de Jenner para os dois homens mais jovens e vigiando. Quando Ian retornou, ele acendeu dois dos quatro fósforos e empilhou os ramos e as peças menores com as agulhas em cima deles. Parecia que demorou uma eternidade, mas na realidade, provavelmente foram apenas trinta minutos, mais ou menos. Uma vez que os ramos embaixo pegaram fogo, os galhos acenderam, e as chamas ficaram maiores, crescendo quando Ian adicionava mais e mais madeira. "Caminhando para queimar", eu disse, batendo nas costas dele. "Esqueci meu treinamento por um segundo," ele resmungou, sua voz frágil quando seus olhos dispararam para os meus. "O que é muito humano." Eu suspirei, inclinando-me contra ele, o calor do fogo quase orgástico. "Puta merda, está ficando maior." Ele riu suavemente quando Drake e Cabot chegaram perto, agradecendo-o repetidamente. Eles foram capazes de abrir o casaco, e Cabot sentou-se entre as pernas de Drake [297]


quando eles enfrentaram o fogo. Ian levantou-se e ele e Holley foram buscar mais galhos, desta vez pegando o machado que Drake tinha carregado em sua mochila. Fiquei surpreso com a rapidez com que meus jeans secaram enquanto eu estava sentado com as pernas cruzadas ao lado do fogo, e entre isso e a água, eu me sentia bem. Morrendo de fome, mas eu viveria. Quando Ian voltou, suas luvas cobertas de seiva e cheirando a pinho, tirei o gorro dele e o coloquei no chão ao meu lado antes de tirar o meu e enfiálo em sua cabeça. "O que você está fazendo?" "Esse está molhado e coberto de lixo. Use o meu até que você se aqueça. Eu vou cortar os ramos da próxima vez." "Você cortará sua mão fora, eu sei disso." Eu arqueei uma sobrancelha. "Sua fé em mim é reconfortante." "Cale-se." Foi bom. O fogo estava muito quente e, depois de algum tempo, Cabot virou-se, enrolando-se nos braços de Drake, e adormeceu depois de agradecer a Ian pelo fogo novamente. Drake não estava muito atrás. Jenner disse que só iria descansar, mas ele também estava dormindo, minutos depois. "Eu posso alimentar o fogo", eu insisti. "Por que você não tenta dormir um pouco. Se eu precisar de você, eu vou te acordar." “Certo” Ian concordou, deitado com a cabeça no meu colo. Ele estava dormindo em segundos. "Então," Holley disse, me sacudindo, o que foi bom porque eu estava cochilando. “Fale-me sobre ser um Delegado.” “Diga-me por que está divorciado?” Ele sorriu. "Eu acho que você pode descobrir isso." [298]


Eu o estudei. "Eu realmente queria leva-lo para jantar." "Estou muito lisonjeado, Dirigente, obrigado." Ele grunhiu. "Embora eu não tivesse sequer cogitado o pensamento se eu soubesse que você estava envolvido com seu parceiro." Não me ocorreu negar, negar Ian. “É tão óbvio?” "Não foi no início", ele pensou, olhando para Ian com a cabeça no meu colo e meu braço em seu ombro. "Mas uma vez que chegamos aqui, como ele é protetor, quão gentil você é com ele, tornou-se evidente. E," ele disse com uma risada, "francamente ele está um pouco confortável demais em seu espaço pessoal." Ele sempre foi. “Você está muito bem.” "Obrigado", eu disse honestamente, porque eu tomaria essa observação o dia todo. "Você deveria tentar dormir também." “Obrigado por salvar minha vida, Delegado.” "Desculpe ter arrastado você e seus homens para a nossa bagunça." “É a confusão do Sr. Jenner, Delegado, e todos saberão isso na manhã seguinte.” Quando Holley também estava dormindo, coloquei um pouco mais lenha na fogueira para ter certeza de que todos ficássemos quentes e confortáveis durante a noite fria e escura. Eu tentei não me acostumar a ter meu parceiro dormindo em mim, mas eu tinha uma suspeita de que o dano já estava feito.

[299]


Capítulo 15 O som do trovão me acordou na manhã seguinte e, quando me levantei, percebi que estava dormindo nos braços de Ian. Tínhamos trocado de lugar nas primeiras horas da manhã, e eu tinha ficado ao lado dele, próximo ao fogo. Mas quando meus olhos se abriram para o dia cinzento, eu vi que eu tinha usado seu peito como um travesseiro. Não houve tempo para dizer qualquer coisa, no entanto. O que eu tinha pensado que era um trovão era na realidade um helicóptero que pousou na clareira a cem metros de distância. O primeiro a descer foi Kage, e Ian e eu ficamos em pé para cumprimentá-lo. "Quem é esse?" Cabot perguntou enquanto ele e Drake se moviam ao meu lado. "Nosso chefe", eu respondi, observando Kage caminhar em nossa direção. "Ele é grande", ele comentou. "E meio assustador", Drake continuou. "Sim," eu concordei, sorrindo de repente. "Estou muito feliz em vê-lo." "Eu também", Cabot suspirou. Sam Kage chegou às escadas e subiu, parando na nossa frente. “Senhor, eu...” “Bom trabalho, Delegados,” ele disse, virando-se para levantar um walkie-talkie e dizer aos outros que trouxessem um extintor de incêndio. [300]


Ele se virou então e fez um gesto para todos nós irmos em direção ao helicóptero. No interior, mesmo a pequena mudança de temperatura era reconfortante. "Você é seu chefe?" Jenner grunhiu para Kage, a noite não o tinha suavizado nem um pouco. "Eu sou," Kage respondeu sem rodeios, franzindo o cenho. "Bem, eu quero os dois na prisão por sequestrar meu filho e..." “Na verdade, é você quem está indo para lá, senhor.” Kage voltou com a voz cerrada. "Suas ações causaram à morte de dez homens, você sequestrou Drake Ford da custódia federal, colocou seu próprio filho em perigo, bem como um oficial da lei - Dirigente Holley - e dois dos meus Delegados. Você terá sorte de estar de volta lá fora. Em algum tempo." "Não, você—" "Eu tomaria um momento e respiraria o ar fresco." Holley, Drake e Cabot todos olharam para mim com os olhos arregalados. Bem, sim, meu chefe era todo tipo de assustador.

FOI um borrão. Fomos primeiro de helicóptero para o carro do chefe e recolhemos nossas malas, depois para o trailer de Drake, onde ele e Cabot empacotaram apressadamente um saco de roupas e os bens mais valiosos de Drake, incluindo um esboço que Cabot tinha feito dele. E então fomos levados para o Hospital Wellmont Hancock County. Todos nós sofríamos de um pouco de hipotermia, mas uma vez que tivemos fluidos e glicose, estávamos prontos para comer. Kage descartou o pacote, colocando Jenner sob custódia federal, entregando-o aos agentes do FBI. Eles levavam sequestro muito a sério. Foi triste que mesmo assim, [301]


Jenner tinha que cuspir mais algum veneno em seu filho, chamando-o de uma decepção e uma abominação. Drake envolveu seu namorado em seus braços enquanto os agentes, mais do que um pouco enojados com a acidez de Jenner, se os olhares em seus rostos eram qualquer indicação, levou seu pai embora. Nós dissemos adeus a Holley, que agradeceu a Ian e a mim por salvar sua vida e abraçou Drake e Cabot e desejoulhes bem. Dois grandes Chevy Suburbans estavam estacionados na entrada do hospital, e Kage deu um conjunto de chaves para Ian e quatro bilhetes de avião para mim. “Vocês estão voltando para a Chicago amanhã.” “E você?” Perguntou Ian. "Eu tenho que voar para Arlington para acusar o Sr. Jenner. Preciso de seus relatórios completos o mais tardar às 06:00 da manhã de amanhã. Eu fui claro?” "Sim senhor." eu disse. “Sim senhor,” ecoou Ian. “E o carro alugado que você dirigiu até a delegacia de Bowman está sendo devolvido enquanto falamos.” Grande ou pequeno, meu chefe nunca perdeu nada. “Obrigado, senhor.” Kage me deu um tapinha no braço. “Bom trabalho, senhores.” Os agentes do FBI o acompanharam, e um manteve a porta aberta para que ele pudesse entrar no SUV. Eles dirigiram rapidamente através da neve levemente caindo. "Quem quer comida?" Ian perguntou. Eu levantei minha mão, seguindo por Drake e Cabot. "Quando é que acontece um banho?" Cabot quis saber. "Você quer isso primeiro?" [302]


"Não," ele disse, balançando a cabeça ao mesmo tempo que seu estômago rosnava. "Comida é definitivamente o número um na minha lista." Foi o mesmo para todos nós. “Depois de comermos,” disse Ian, apontando para o carro. “Todos vamos ter chuveiros quentes.” Parecia celestial. Eu chamei as bebidas, e todo mundo pensou que era engraçado, porque realmente, que mais teria sido com Ian dirigindo? “Devemos comer no caminho,” sugeriu Drake. "É como uma hora e meia para o aeroporto Tri-Cities. Isso é Blountville, certo? Tennessee?" "Sim," Ian disse, inquieto, como se ele não estivesse confortável em seu assento. “Você quer que eu dirija?” "Não," ele retrucou. De repente eu tive a compulsão mais estranha de segurar sua mão, mas como eu não tinha certeza de como ele iria tomar isso, eu simplesmente olhei pela janela em vez disso. "O que vocês querem comer?", perguntei a Drake e Cabot. “Sim,” disse Cabot, rindo. Significado tudo e qualquer coisa. "Ok," eu disse brincando, dando tapinhas na perna de Ian. "Dirija." Ele pegou minha mão e segurou-a contra sua coxa, respirando ao mesmo tempo. "Quem quer um bife? Eu me sinto como bife." Cabot choramingou. [303]


"E bacons esperançosamente.

em

geral?"

Drake

perguntou

"Você entendeu, camarada." Eu me virei para olhar para Ian, e depois de um minuto, ele soltou minha mão e colocou a sua sobre o volante. "Você está bem?" "Tudo bem," ele respondeu suavemente. "Então obtenha-nos bife, cara." Movendo minha mão, chequei meu e-mail no meu telefone, e quando eu coloquei meu telefone para baixo, inclinei-me de lado e segurei a parte de trás do seu pescoço. De vez em quando, de repente, Ian sorria, e eu podia olhar para ele e ver o menino que ele devia ter sido. Era tudo sol e felicidade e vulnerabilidade comovente. O sorriso me aniquilou e também me fez quase mortalmente protetor. Então, quando ele virou a cabeça e me deu um sorriso, eu sorri estupidamente de volta. Porra Ian. Nós paramos uma hora mais tarde em um lugar que disse que era bom, e às três da tarde, uma vez que era a apenas nós e dois casais mais velhos, nos foi garantido uma atenção especial no serviço. Yelp24

A quantidade de comida que pedimos foi ridícula, e a nossa garçonete, Jill, era engraçada e doce e entusiasmada com cada novo item de menu solicitado. Cabot comeu seu filé raro e envolto em cogumelos, Drake teve uma bisteca eu não pensei que uma matilha de lobos poderia ter terminado, Ian tinha uma bisteca em forma de T chamado o "corte de cowboy", e eu tinha um bife. Nós compartilhamos os lados - pedimos oito - e em seguida pedimos sobremesa. 24

Aplicativo. [304]


"Algum dia, quando Drake e eu tivermos fora da proteção de testemunhas, vocês beberão conosco?", Perguntou Cabot esperançoso. “Absolutamente.” Prometi. "E nós vamos ficar em Chicago, certo?" Drake queria saber. “Quero dizer...você e o Delegado Doyle estão...” "Nos chame de Ian e Miro," Ian corrigiu. "Depois de tudo, acho que terminamos com os títulos, sim?" Drake sorriu largamente, e eu vi Cabot olhando para nós avidamente também. Ambos estavam carentes por amizade de autoridade e figura masculina. "Sim," ele concordou alegremente. "Então," Cabot cercou, "nós estaremos em Chicago, e vocês vão nos verificar e coisas assim?" “Sim,” Ian prometeu. Foi bom ver o alívio cair sobre ambos, Cabot ainda mais, e eu entendi por que. Sua vida inteira havia mudado em um período de vinte e quatro horas. "Vocês dois têm que ir para a faculdade", Ian os informou. Havia muitos assentimentos, e eu ouvi rir Ian sob sua respiração. Assim que estávamos na estrada novamente, nossas duas testemunhas desmaiaram na parte de trás. "Normalmente, os Delegados de transporte não fazem check-in", ele me lembrou. "Sim, mas eu acho que isso é uma circunstância especial." "Concordo", ele retumbou grosseiramente, torcendo a cabeça para frente e para trás. "O que você tem?" [305]


"Eu não sei," ele disse muito rápido. OK. “O que você acha?” Ele balançou sua cabeça. Eu teria que descobrir isso mais tarde. "O chefe tem-nos uma reserva no La Quinta Inn & Suites perto do aeroporto." "Tudo certo. Vou dirigir até lá.” "Vamos conseguir uma suíte, certo? Não apenas um quarto com duas camas de casal e duas de solteiro." "Por que você faria os meninos dormirem separados?" Eu joguei a isca, para o qual não houve resposta. Nada. “Ian?” “Para onde eu vou?” "Você vai ficar na US 23 indo para o sul. Vai se transformar em I-2625. Você estará nela por mais dezesseis quilometro.” Ele grunhiu. Algo estava errado. "Eu estava pensando que eu poderia começar a escrever o nosso relatório sobre o incidente, desde que eu não fique enjoado." "Boa ideia", disse ele enquanto verificava os espelhos. Era como puxar os dentes. O homem estava de volta ao seu eu normal e lacônico. "Você está chateado comigo?" Nenhuma resposta, que basicamente me deixou saber que ele estava, de fato, com raiva. Como eu não tinha nenhuma esperança de descobrir o que eu tinha feito, desisti e peguei meu laptop. 25

Estrada nos Estados Unidos. [306]


Os trinta minutos de condução passaram rapidamente enquanto eu escrevia o relatório, certificando-me de incluir as notas que eu tinha enviado por e-mail a Kage e os que eu fiz em meu telefone. Eu conversei com Aruna quando ela ligou para me informar que Chickie estava se divertindo muito brincando com as crianças, assim como Liam. Comuniquei a notícia a Ian, que apenas assentiu. "Você é bastante conversador", eu o informei. Ele fez um barulho no fundo de sua garganta. "Você está sendo um idiota." Seu olhar encontrou o meu e depois voltou para a estrada. Meu telefone tocou. Uma mensagem de texto de Kage. “O que é?” Perguntou Ian. "Aparentemente, doze membros da família Malloy foram assassinados ontem à noite. Orson Malloy está encobrindo." "Ok, então o que isso significa para Drake?" "Nada. Enquanto ele estiver sob custódia, Fisher está falando, e acontece que ele não só faz limpeza para Malloy, mas também para várias famílias diferentes. Ele parou de falar porque disse que tinha a sensação de que Drake não estaria ao redor por muito mais tempo.” "O que a mensagem diz sobre isso?" “Para ter cuidado com Drake e Cabot até pegarmos o avião. Quando estivermos de volta a Chicago, ninguém saberá quem são.” "Certo. Ele diz quem ele acha que pode vir atrás deles?" "Não." "Ok", ele disse em uma exalação. Então, depois de alguns momentos de silêncio "Você estava preocupado ontem à noite?" [307]


"O quê?" Eu perguntei, virando-me para olhar para ele, ignorando meu laptop. "Noite passada? Na floresta? Você estava com medo?" “Não.” Eu bocejei. "Você estava lá." "O que isto quer dizer?" "Não, eu não quero dizer, como, você estava lá, então você viu que eu não estava assustado. Quero dizer, você estava lá, você estava comigo, então eu estava bem." "Oh." “Se eu e você estivermos juntos eu não me preocupo.” Ele resmungou e eu voltei ao meu relatório. Ian encontrou uma farmácia onde paramos para comprar artigos de higiene para os caras antes de ir para o hotel. Na recepção, tivemos que esperar um pouco quando houve uma reunião de família acontecendo e um monte de pessoas estavam a fazer o check-in. Quando foi a minha vez, eu avisei ao funcionário que eu precisava de um layout específico para a nossa suíte e eu os tinha verificado Internet. No quarto, Cabot estava confuso. "Há apenas um quarto." "Certo", eu concordei. “Agora ande comigo.” Passamos por um curto corredor e vimos um banheiro à esquerda que levava a um quarto. Mas se você andasse pelo banheiro, havia um sofá que se transformava em uma cama, e do outro lado da parede do quarto, uma mesa de jantar e cadeiras. "Vocês vão estar lá", eu indiquei. "Você fecha a porta do quarto aqui, e aquela que leva ao banheiro, e você está completamente fechado. Ian e eu estamos aqui fora, e qualquer um que entra tem que passar por nós primeiro."

[308]


"Você tem um trabalho horrível," Drake disse sem rodeios. "Quero dizer, vocês só nos protegem porque você tem que." "Normalmente, sim." Eu concordei com sua soma dos fatos. "Mas eu os protegeria mesmo se eu não tivesse que, neste momento. Estou interessado em ver o que acontece. ” "Somos como um experimento", disse Cabot, sorrindo para mim. "Sim," eu concordei, dando-lhe um sorriso. "Eu estou tomando um banho primeiro," Ian resmungou, andando para o banheiro com sua mochila. "Alguém ligue para a recepção e peça mais toalhas." Ele bateu a porta atrás de si, e Drake levou a sua bolsa e a de Cabot para o quarto enquanto Cabot ligava a televisão. Claro, a primeira coisa que ele viu foi a sua antiga casa no noticiário. "Jesus Cristo, parece pior do que estava essa manhã quando voamos sobre ela." A casa foi basicamente destruída. Entre as granadas e as balas, a remodelação teria que ser extensa. Mas o interior também tinha sido explodido. Fiquei feliz por ter insistido para Cabot tomar qualquer coisa de valor quando ele saiu conosco, porque seu quarto tinha sido completamente destruído. "Sinto muito que você não vai se despedir de sua mãe", eu disse gentilmente. Cabot sacudiu a cabeça. "Não seja. Ela nunca deu a mínima para mim. Pelo menos meu pai sabia que eu estava vivo. Toda vez que ele me bateu, pelo menos ele me viu." Eu não pude evitar. Ele era tão jovem, tão triste, e naquele momento, ele precisava de mim. Pisando na frente dele, eu o puxei para seus pés e em meus braços. "Você acha que eu sou fraco porque sou gay, e..." [309]


"Eu sou gay, idiota," eu disse a ele, apertando mais forte até que ele quebrou, indo desossado contra mim. "Gay não tem nada a ver com qualquer coisa, e nunca deixe ninguém lhe dizer diferente." Ele prendeu a respiração quando ele começou a chorar, seus braços envolvendo minha cintura enquanto ele enterrava seu rosto em meu peito. "Você pode se casar em Chicago, se quiser. Junho seria perfeito, já que você já terá se formado do ensino médio até lá. As pessoas vão achar que você está gravido.” A barragem rompeu, e o fungar e o riso se transformaram em soluços feios em segundos. Ele tinha apenas dezoito anos. Ele ainda era tão jovem, tinha passado por uma provação, e agora era basicamente um órfão com ninguém, mas meu parceiro e eu não daríamos uma porcaria sobre ele e seu namorado. "Você vai ficar bem," eu prometi. "Você verá." Ele se agarrou com tanta força, e eu o balancei e acalmando-o, esfregando círculos em suas costas. Quando Ian entrou no quarto, Drake falou. "Cab", ele disse suavemente. "Baby, você quer tomar um banho ao lado ou..." Cabot tentou se apinhar mais, e eu fiz um gesto para que Drake prosseguisse. "Você pediu por toalhas?" Ian perguntou. "Não, nós não chegamos tão longe", eu disse, sorrindo, apoiando minha bochecha no topo da cabeça de Cabot. "Ok," ele murmurou, atravessando a sala para o telefone. Eu fiquei com Cabot, e eventualmente ele se acalmou. O choro tornou-se ofegante, respirações gaguejantes e,

[310]


finalmente, soluços. Eu o fiz beber água rapidamente, e quando Drake saiu do banheiro, ele sorriu, grande. "Ah, não é o meu bebê," Drake suspirou enquanto Cabot o atacava. Envolvendo menino menor em seus braços, Drake olhou para mim e sorriu. “Entre no chuveiro, Cabot. Drake vai trazer suas toalhas quando as pegarmos,” eu disse. Ele fez como lhe foi dito, e eu puxei o meu laptop, tendome situado na mesa, e ligando-o. Tínhamos de utilizar os nossos telefones para conectar o Wi-Fi devido a todos os dados confidenciais que transmitíamos, e uma vez eu o tinha funcionando, voltei a digitar o relatório. As toalhas chegaram, e quando Cabot saiu olhando melhor, definitivamente cheirando melhor, e sorrindo para mim, eu disse a ele e Drake para pedir serviço de quarto se eles quisessem qualquer coisa. "Leia o relatório", eu disse a Ian em seguida. "Adicione qualquer coisa que eu estou perdendo, ok?" "Claro," ele murmurou, não olhando para mim enquanto ele se sentava na frente do meu laptop. Algo tinha rastejado até seu traseiro, mas por minha vida, eu não tinha ideia do que. Mas eu precisava de um banho mais do que eu precisava para ser gentil com ele, então eu o deixei - de mau humor ou fazendo beicinho, eu não tinha certeza de qual - e desapareci no banheiro. Água quente nunca tinha sentido tão bom. Eu estava debaixo do spray muito mais tempo do que eu precisava, e quando eu finalmente terminei, a sobremesa que eles tinham acabado pedindo estava lá. Eu tinha esquecido o quanto rapazes de dezoito anos podiam comer. Eu mudei para uma calça de moletom que as garotas tinham me comprado e saí para a sala de estar, ainda secando meu cabelo com a toalha. [311]


"Você é realmente —oh." Olhando para cima, vi Drake de pé sobre Cabot, mas olhando para mim. "Eu sou realmente o quê?" “Gay,” Cabot guinchou. "Sim," eu disse, sorrindo. "Por quê?" Drake balançou a cabeça como se não tivesse certeza. Cabot engoliu nervosamente, seus olhos fixos em mim. Ambos estavam meio sobrecarregados, e entendi o porquê. Eu era provavelmente o primeiro homem gay que eles encontraram. "Deixe-me pendurar isso, e eu vou falar com vocês, ok?" Eles concordaram em uníssono. Voltando ao banheiro, eu pendurei a toalha e, em seguida, verifiquei as fechaduras na porta da suíte. Quando me virei para caminhar de volta, Ian estava bem ali, tendo se movido silenciosamente atrás de mim. "Eu não ouvi você." Eu ri, passando por ele. Ele me parou com uma mão no meu bíceps. "O que?" Seus olhos não deixaram os meus, mas ele não disse nada. Eu limpei minha garganta. "Você tem uma camiseta extra em sua bolsa?" "Por que? Porque agora você terminou de andar seminu?" "Desculpa, o que?" "Ambos os meninos quase engoliram suas línguas quando você saiu do banheiro," ele resmungou, empurrandome para trás. "Que porra você estava pensando?"

[312]


Eu estava perdido. "E aquelas calças poderiam ser mais apertadas?" "Pare com isso", eu disse brincando, pensando que ele estava provocando. "Vocês estão voltando para conversar ou o quê?" Drake perguntou, virando a esquina. "Nós estaremos lá!" Ian gritou por cima do ombro dele. Os olhos de Drake se arregalaram de surpresa e ele retrocedeu rapidamente. “Por que você está gritando com ele?” "Eu não estou!" “Você está ouvindo a si mesmo?” "Ei, pessoal, vamos assistir TV no quarto!" Cabot anunciou em voz alta antes que eu ouvisse a porta bater rapidamente. "Isso é perfeito," eu lamentei. “Agora você os assustou.” "Eu não assustei ninguém", ele retrucou, claramente exasperado. "Sim, você fez. Eles são apenas crianças, Ian.” "Eu não porra me importo." Ele parecia irritado, agressivo e mau. "Você sabe, você foi um idiota mal-humorado o dia todo. O que diabos está errado com você?" "Você!" "Eu?" Fiquei surpreso. "Você está me irritando." "Por quê? O que eu fiz? ” "Você não devia..." Ele parou de falar e deu um passo para frente, para mim, prendendo-me contra a porta, sua coxa [313]


entre as minhas, espalhando minhas pernas, as mãos em meus quadris. Senti uma vibração, um pulsar de desejo que se espalhou pela minha espinha e me ruborizou em ânsia. Foi, por uma fração de segundo, como se afogar. "Deixe-me ir," eu pedi. "Por quê?" "Porque você está perigosamente perto de ser jogado contra a parede." Sua respiração engatou. "Sim, ok, faça isso." Meu olhar encontrou o dele. "Faça", ele desafiou, lambendo seus lábios. "Ian?" Eu murmurei, com as mãos em seu rosto, trazendo-o perto. "O que está acontecendo?" Suas sobrancelhas franziram. "O que você quer?" Ainda nada. "Eu não posso adivinhar desta vez. Você tem que me dizer." Ele tossiu suavemente. "Por favor." Os músculos em sua mandíbula tensos. "Ontem, quando nós... quando você..." Ele engoliu em seco. "Eu senti como se pertencesse a você." Eu o tinha tratado assim, porque na cama, eu não podia esconder meus sentimentos. Meu desejo de possuí-lo, de torná-lo meu, era óbvio. Eu me preocupei com isso e trabalhei para manter as coisas casual e leve entre nós fora da cama. Mas parecia que talvez não fosse isso que ele queria - ou mais importante, precisava. [314]


O jeito que ele estava olhando para mim... a luz se acendeu. Toda sua frustração, sua raiva, era sobre posse. Tudo de repente fez sentido, seu desconforto no carro, a inquietação como sua pele de repente era muito constrangida, agindo como se quisesse fugir de mim. Ele precisava de uma base. Ele precisava saber aonde ele pertencia e a quem. "E é isso que você quer?" Eu perguntei enquanto ele alisava suas mãos pelos meus lados, sua cabeça inclinada para frente para que seus lábios roçassem minha clavícula. "Para ser meu?" O tremor foi toda a resposta que eu precisava, mesmo que ele mentisse. “Ian?” Ele balançou a cabeça, seus lábios se separando, seus dentes raspando suavemente sobre minha pele. “Todo esse tempo,” disse ele, com a voz grossa e cheia de cascalho. "bem aqui, o tempo todo... você esteve aqui." Meu todo meu corpo ficou tenso, enquanto eu esperava para o que poderia acontecer, e pelo que eu poderia perder. "Eu não... eu quero dizer..." Ele inalou bruscamente. "Eu estou..." "Está tudo bem," eu disse suavemente. "Merda", Ian murmurou baixinho, pressionando seu rosto em meu ombro, as mãos traçando sobre os músculos nas minhas costas. "Diga-me," eu insisti, acariciando sua têmpora, beijando gentilmente, ternamente, movendo meus lábios ao longo de sua mandíbula. “Que porra é essa calça?”

[315]


Não era o que eu esperava ouvir, mas eu podia trabalhar com isto, com o fato de que ele gostava do que via. Segurando suas mãos, eu as movi debaixo da cintura elástica e para trás sobre minha bunda antes de apertar firmemente. "Elas estão saindo", eu sussurrei asperamente em seu ouvido. "Miro", ele engasgou, levantando a cabeça, seus lábios pairando sobre os meus enquanto ele apoiava seu pau rígido contra minha coxa. "Eu preciso de mais." "Mais o que? Mais beijos? Mais sexo?” "Foda-se, sim, tudo isso", ele disse, levantando as mãos de onde elas estavam na parte de trás da minha calça, uma deslizando para cima sobre o meu quadril, o outra deslizando para frente e envolvendo em torno do meu pau. Eu empurrei para a frente em seu punho, e ele gemeu antes que ele pressionasse um beijo no lado do meu pescoço. "E?" "Eu estou preso", ele disse, acariciando meu pau, tirando-o de dentro da minha calça. "É como se eu fosse tudo o que eu posso ser, como se fosse isso, a menos que..." O toque preguiçoso estava me deixando louco. Eu precisava de sua boca em mim ou ele tinha que ser mais áspero, puxar meu pau até que eu viesse. "A menos que," eu rosnei. "Você fique comigo." Levei um segundo para analisar suas palavras porque todo meu foco estava em seu corpo, sua proximidade, seu hálito quente, seus olhos encapuzados e suas mãos exigentes. "Fique com você?" Meu coração doeu, escutando-o escavar seus sentimentos do fundo, mas eu tinha que saber o que estava enterrado nele, em seu coração. "Merda", ele gemeu e tentou me soltar, mas eu empurrei meu pau duro e vazando em sua mão e ele me agarrou automaticamente. [316]


"Me sinto bem?" "Oh merda, sim," ele grunhiu, pressionando perto de empurrar seu próprio pau, esticando contra a frente de seu moletom sobre o meu. “Talvez você deva ficar comigo em vez disso.” "Ok." “Devo pedir-lhe para morar comigo?” "Por favor," ele disse, aparentemente sem pensamento ou hesitação. "Porque então você saberá, se estamos em um carro juntos transportando testemunhas ou se você está sozinho do outro lado do mundo, que você tem um lar comigo." "Sim." "E quando você sabe que você pertence a mim, comigo, então não ser capaz de me tocar no carro não vai fazer você se sentir como se estivesse rastejando fora de sua própria pele." Seu olhar encontrou o meu. "Porque quando chegarmos em casa, por trás das portas fechadas, eu posso fazer o que diabos eu quero para você." "Sim," ele respondeu asperamente, afastando seu moletom o suficiente para permitir que seu pênis saltasse livre. Eu agarrei os dois juntos, apertado, e ele gemeu como se ele estivesse com dor. "Deus, por que não temos feito isso desde...? Jesus, Miro, você é o único inteligente.” Eu era? Agarrei-lhe o pescoço com força, segurando-o ainda enquanto eu deslizava minha mão para cima e para baixo dos nossos paus, empurrando-nos ambos, amando a sensação de sua pele pressionada contra a minha. [317]


"É mais do que apenas..." Ele estremeceu. "... isto." "Eu sei," eu acalmei, então me movi rápido, empurrando-o de frente para a porta, prendendo-o lá com meu corpo mais volumoso, meu peito contra suas costas. “Não se mova.” Ele parou em silêncio, respirando para dentro e para fora, e eu puxei minhas calças e o deixei em uma corrida, chegando à minha bolsa, encontrando o lubrificante, e notando a porta fechada que levava da sala principal para o quarto, e então, quando passei pela a que levava do banheiro até o quarto estava igualmente fechada. Conforme o profissionalismo passou, o nosso foi pela janela. Mas Drake Ford e Cabot Jenner iriam ser nossas responsabilidades em Chicago, e desde que nós primeiro os salvamos emocionalmente, e então fisicamente, eu não estava muito preocupado com eles dizendo uma palavra depreciativa sobre Ian ou eu. Mas mesmo que eles fizessem, eu poderia ter me importado menos. Ian precisava de mim. Voltando, encontrando-o congelado onde eu o tinha deixado, eu empurrei minhas calças para meus tornozelos, e depois a dele, antes de beijar entre suas omoplatas. Saindo da minha, eu as chutei antes de abrir a tampa do lubrificante. "Eu quero ir para casa com você," ele disse roucamente. "Eu quero que você me segure em sua cama." Como eu deveria agarra-lo quando desnudando sua alma estava além de mim.

ele

estava

"Eu menti, você sabe", ele confessou quando eu alcancei em torno dele para segurar seu pau vazando e acariciando das bolas para a cabeça. "Sobre o quê?" Eu perguntei, deslizando meu dedo médio entre suas bochechas.

[318]


Ele ofegou e arqueou suas costas, empurrando de volta para mim, enterrando meu dedo até a junta. "Ian? Sobre o que você mentiu?" "E-eu nunca sonhei com seu sofá, M", ele grunhiu. "Eu sonhei sobre sua cama e estar com você nela." A honestidade ia me matar. Jesus. "Quanto tempo", eu exigi, soltando seu pau e segurando o meu próprio, lubrificando-me fortemente, não querendo nunca o machucar, mas incapaz de fazer mais por ele. “Desde a primeira vez que dormi.” Em vez de bater nele, eu deixei cair o lubrificante ao meu lado no tapete e me inclinei para a frente, minha boca em seu ouvido. “Por que você não subiu para a cama comigo?” "Eu estava com medo", ele admitiu, as mãos espalhadas na parede, levantando o pé direito de seu moletom para que ele pudesse ampliar sua posição. Envolvendo minha mão esquerda em volta de sua garganta, eu inclinei sua cabeça para trás em meu ombro enquanto eu beijava ao longo de sua mandíbula. “Miro,” Ele moeu fora. “Eu gostei quando você veio dentro.” Ele estava tentando me matar. "Oh, sim?" Eu perguntei, forçando-me a permanecer calmo, sem pressa. "Quando você... quando seu sêmen estava pingando fora de mim, e eu podia sentir isso em minha bunda e em minhas coxas... Quer dizer, eu sei que isso aconteceu, sim? Estamos conectados.” "Sim." "Faça isso agora."

[319]


"Você vai me levar, você entende?" Ele assentiu. Inclinando-me para trás, eu segurei a base do meu pau, alinhei minha cabeça em sua entrada, e empurrei. "Porra!" Seus músculos apertaram contra meu pau, mas eu estava muito liso, rompendo ele, enchendo-o, observando seu buraco engolir meu pau até que minhas bolas estavam pressionadas contra sua bunda. "Masturbe-se", eu ordenei, as mãos em seus quadris, quando eu puxei para fora até a metade, moendo meu eixo sobre suas terminações nervosas sobre a retirada e, em seguida, empurrando de volta, estalando meus quadris, sacudindo-o. "Não pare," ele implorou. Suas mãos apertaram contra a parede enquanto eu repetia o meu movimento, batendo dentro dele, bombeando ritmicamente, sem traço de gentileza, apenas batendo, movimentando. Suas paredes interiores lisas, a forma como os músculos ondulavam e se agarravam em torno de mim - ele se sentia indescritivelmente bom, todo o calor apertado e liso. "Me perdoe." Como se houvesse qualquer outra coisa para fazer. "Sim." "Fique comigo." "Sim", eu prometi, sentindo o lento rolo do meu orgasmo construindo quando minhas bolas apertaram e eu comecei a transpirar. "Agarre seu pau. Venha, porque eu vou vir.” "Miro—" Sua voz entrou e saiu, rachando. "Eu preciso disso mais duro. Por favor, Miro. Faça doer.” [320]


"Se dói eu estou fazendo errado", eu rosnei, agarrando a parte de trás de seu pescoço e empurrando-o para o tapete em suas mãos e joelhos, seguindo-o para baixo. “Não porra se mexa.” Ele gritou, voz desesperada, enquanto eu batia em sua glândula, mãos sobre seus ombros, segurando ele ainda enquanto eu o fodi. Ele ficou tenso debaixo de mim, e eu vim dentro dele quando ele jorrou sobre o tapete debaixo dele. Seus tremores apertaram meu pau demasiado apertado, e eu queria sair, mas uma única palavra me parou. "Fique." Então eu desabei sobre ele em vez disso, renunciando a todo meu peso, meu rosto pressionado na parte de trás de seu pescoço, ofegando em sua pele suada. "E se você acabar me odiando e eu perder não só meu amante, mas meu parceiro e meu melhor amigo?" "Eu sei tudo sobre você", eu disse, rolando minha cabeça para lamber e chupar sua pele. “O que há para odiar?” "Todas as outras mulheres que eu..." "Eu não sou uma mulher." "Sim, eu posso dizer isso desde que seu pênis enorme está enterrado em minha bunda." "Deixe-me pegar...” "Não," ele sussurrou, voltando para segurar minha coxa e me manter imóvel. "Espere." Então eu fiquei lá, dentro, tomando cada respiração com ele. "Isso é bom." Era muito mais do que simplesmente isso.

[321]


Capítulo 16 Quando eu o ajudei a ficar de pé, fiquei surpreso ao ver sangue em sua boca. "Que diabos?" Eu o questionei preocupado, limpando o seu lábio com meu polegar. "Eu não queria gritar", confessou, olhando para mim como se estivesse bêbado. "Você ainda pode me beijar, não faz mal." "Ian—" "Beije-me." Inclinei-me, pressionando meus lábios contra os dele com ternura, e ele se derreteu contra mim, os braços envoltos ao redor do meu pescoço, moldando seu corpo ao meu. Eu tinha perdido a carência nele, e agora ele estava finalmente confiante o suficiente para me deixar vê-lo. "Não pare," ele implorou quando eu me afastei, precisando de ar. "Venha comigo." Ele não queria tomar banho, mas eu o empurrei de qualquer jeito, rapidamente lavando o suor e o sêmen seco, e então o despejei no sofá-cama onde ele estava dormindo momentos depois. Voltei ao meu computador e terminei o relatório para Kage, certificando-me de que era tão completo quanto eu poderia fazer isso antes de salvá-lo e fechar. Então eu arrumei nossos pertences, peguei o computador de Ian de sua mochila, entrei como ele, reabri o documento compartilhado e o li novamente, me colocando no lugar do meu parceiro e pensando no que acrescentar. Quando a porta do

[322]


quarto se abriu, olhei para cima e encontrei Drake e Cabot olhando para mim. "É seguro." Eu ri. "Desculpe o ataque antes, mas é novo com a gente e ainda um pouco volátil." Ambos correram para a frente e sentaram-se à mesa, olhando para mim com expectativa. "Sim?" Cabot pigarreou. "Eu... nós..." Seus olhos se moveram para Drake e depois para mim. "...temos perguntas, se está tudo bem." Eu parei de escrever e encostei-me na cadeira, cruzando os braços sobre meu peito nu. "Está tudo bem, mande." Drake limpou a garganta. “Você é ativo?” "Sim." "Mas ele é tão..." Cabot tossiu, olhando para Ian e depois de volta para mim. "... assustador." "Será que o fato de eu transei com ele o torna menos assustador?" "Oh inferno, não", Drake respondeu rapidamente. Olhei para Cabot. "Se você gosta de Drake no topo, isso é ótimo. Mas se você quiser tentar, você precisa dizer a ele.” Ele parecia assustado, quando seus olhos se arregalaram e quão rapidamente sua boca se abriu. "E você," eu disse, dando a minha atenção para Drake. "Se você quer ele no topo, pergunte a ele. Isso não faz de você menos de um homem se você o deixar.” "Ok." "A única razão para não trocar de lugar é se ele não quer e você não quer. Mas se ele quer a sua bunda, e você acha que isso soa quente, então vá para ele. É a sua cama. Ninguém mais tem uma palavra a dizer sobre o que se passa nela." [323]


Eles balançaram a cabeça em uníssono, como focas treinadas. "Como você..." Cabot começou aproximando-se mais perto de mim, "obtém alguém como ele para confiar em você o suficiente para deixá-lo fazer isso com ele?" Eu pensei por um momento. "Nós éramos amigos em primeiro lugar, e isso é importante." "Como vocês conseguiram ser amigos?" Eu sorri largamente. “Você já alimentou um gato de rua?” "Sim", Cabot disse, sorrindo para mim. "Você coloca a comida todos os dias. Mesmo lugar, na mesma hora. Você tem que ser persistente. " "Sim. Você nunca para, mesmo que o gato sibila para você e talvez até mesmo arranhe você, e há sempre a postura, como, ‘Eu não preciso desta comida. Eu estou perfeitamente bem aqui fora sozinho no escuro.’" Drake olhou para Ian, esparramado na cama, com as costas largas e musculosas, com as cicatrizes que o cobriam. "Eu nunca teria imaginado que ele era gay." "Por quê?" Eu perguntei intencionalmente. "Como uma pessoa gay se parece?" Ele se virou para mim. "Não como você ou ele, isso é certo." “Como eu,” Cabot ofereceu. "Eu olho gay." “Você é lindo,” assegurei-lhe. "Mas isso não significa automaticamente que você é gay. Quando vocês chegarem a Chicago, verão. Gays e héteros vem em todas as variedades que se possa imaginar." Eles estavam ansiosos para falar comigo, era tudo sobre eles. [324]


"Diga-me como vocês se conheceram?", Perguntei. Drake limpou a garganta e se inclinou para frente enquanto Cabot colocava os dois cotovelos sobre a mesa e olhava para ele com tanta adoração que quase fazia meus dentes doerem com quão doce era. “Fui contratado este último verão antes da escola começar, pelo Sr. Jenner,” explicou Drake. “Eu devia cuidar dos cavalos de Cabot. Ele faz adestramento.” "Vocês nunca se conheceram antes?" "Não. Cabot estava ausente no internato durante todo esse tempo, mas ele foi expulso." "Drogas?" Eu perguntei. "Adulteração de nota", Cabot me informou. "Hacker nascido, o que posso dizer?" "Não é muito bom, se você foi pego." “Não, eu estou bem,” ele se defendeu. "O cara que estava me fodendo no momento, ele estragou tudo e eu cobri para ele." "Por quê? Você ama ele?" De repente, Drake ficou muito interessado na resposta. "Não. Eu queria deixar alcançando a mesa para Drake.

Praga",

ele

respondeu,

Tomando a pequena mão de ossos finos dele, Drake segurou-a firmemente. "E no primeiro dia em que o vi, cavalgando em direção à parte de trás da propriedade...Eu sabia que era gay." Eu ri baixinho. "Legal." "Ele era a coisa mais linda que eu já vi," Cabot falou, seus olhos por todo Drake. "Eu queria escalá-lo como uma árvore." "Ok, obrigado por isso," eu disse, rindo enquanto eu voltava para o meu relatório. [325]


"Ele me seduziu", Drake disse, batendo na minha perna para chamar minha atenção. "No estábulo?" Eu perguntei. "Sim." "Você tinha lubrificante e preservativos lá?" Nada. Nenhum som. Levantando meu olhar para cima da tela do meu computador, eu peguei os olhares curiosos. "Vocês são testados?" Cabot balançou a cabeça e Drake deu de ombros. "Oh por amor de merda," eu resmunguei. "Assim que pousarmos em Chicago, vocês vão ser testados, mas enquanto isso, precisam de lubrificação." "Nós usamos cuspi." "Oh Deus, não", eu disse colocando um fim sobre isso, levantando-me e indo para a minha mochila. Retirando o lubrificante que eu tinha usado mais cedo, e joguei para Drake. "Quando chegarmos a Chicago, iremos para o lugar onde eu compro o que eu gosto, mas enquanto isso, use isso." “Nós experimentamos um,” disse Cabot, fazendo uma careta. "Mas era espesso e grosseiro." "Bem, esse é realmente liso e não tão grosso como eu teria gostado. Tente com isso.” Eles ficaram surpresos. "Agora? Apenas entrar e fazer sexo?" Senhor. "Certo. Preciso colocar um pouco de Sade para colocá-los de bom humor?” Ambos apertaram os olhos. "Saiam de perto de mim," eu disse com desgosto. [326]


Cabot começou a rir, e Drake se aproximou e deu um tapinha no meu ombro. "Nós dois estamos tão felizes que conseguimos que você e Ian nos vigiassem." Eu suspirei pesadamente. "Vocês precisam realmente ter certeza de que, juntos, é o que vocês querem." “Será que vamos nos matricular na escola?” "Sim, e nós vamos levar vocês dois para a faculdade, também, se é isso que vocês querem." “Isso é o que queremos,” disse Drake. "Faremos tudo isso quando chegarmos a Chicago." "E ir as compras para lubrificante", Cabot me lembrou. Bom Deus, o que eu tinha feito. "Sim." Drake mordeu o lábio inferior. "Posso... está tudo bem?" Eu estava cometendo um grande erro, mas eu abri meus braços para ele. Correndo para a frente, Drake me abraçou apertado, sua cabeça em meu ombro. Cabot estava lá rapidamente, esperando. "Vai ficar tudo bem", eu prometi. Drake inalou profundamente, acalmando-se antes de eu o ouvir fungando. Assim que ele deu um passo para trás, Cabot empurrou seu caminho entre nós, envolvendo seus braços em torno de minha cintura, pressionando seu rosto no meu peito e agarrando-se mesmo quando ele deixou escapar uma respiração profunda. Eu os fiz se sentir seguros, e por isso fiquei satisfeito. Quando Cabot estava pronto, ele recuou, e Drake pegou sua mão, levou-o de volta para seu quarto e fechou a porta atrás deles. [327]


Eles tinham pegado o lubrificante. De volta à mesa, adicionando ao relatório, peguei um grito estrangulado do quarto que eu tentei ignorar, e então o enviei. Quando eu estava feito, eu percebi que não estava cansado, embora fosse oito horas e tivemos um par de dias difíceis. Eu estava realmente com fome novamente, meu relógio interno todo fora de sintonia. Eu liguei a TV, colocandoa no mudo, e mudei os canais da poltrona ao lado do sofácama. Normalmente, para não comer, se eu não estivesse cansado, eu saía para uma corrida, mas Ian estava morto para o mundo, então eu tive que ficar lá e proteger todos. “Por que você está acordado?” Virando, encontrei Ian, um olho aberto, um fechado, franzindo o cenho para mim. "Não consigo dormir." "Por que não?" "Eu estou com fome." "Ordene o serviço de quarto." "É tarde demais e os meninos comeram toda a sobremesa que pediram." "Você não come nada além de torta de qualquer maneira." Era verdade. "Se você está realmente com fome, vá buscar algo ou pedir pizza." “Isto não é Chicago.” “Oh, eu estou ciente.” "Esnobe da cidade", eu brinquei. "Cale-se." "Volta a dormir." “Por que você está na cadeira?” [328]


“Não quero incomoda-lo.” "Pelo amor de Deus, M", ele murmurou, movendo o lençol no sofá-cama que ia deixar ambos paralisados pela manhã. "Incomode-me, é tudo sobre mim." Eu sorri. “Venha aqui,” ordenou Ian. Eu desliguei a TV, coloquei o controle remoto debaixo da lâmpada antes de ligar o interruptor e me arrastar na cama ao lado dele. "Oh wow," eu disse, bufando uma risada. "Você pode sentir cada mola nisto, não pode." Ele riu, deslizando uma mão em volta da minha nuca, puxando-me para baixo ao lado dele, em seus braços esperando. Eu estabeleci-me sobre ele, separando suas pernas e deitado entre elas, minha cabeça sobre seu coração. Seus dedos arrastando por meu cabelo era tão calmante, meus olhos fecharam em segundos. "De agora em diante, apenas suponha que eu quero você bem ao meu lado." "Ok." "Bom", ele sussurrou, passando um braço em minhas costas, segurando firme enquanto ele continuava me acariciando. Eu sorri enquanto eu exalava o último de meu dia, mais satisfeito do que eu jamais me lembrava ser.

[329]


Capítulo 17 Nosso voo era às nove e quinze da manhã. Eu garanti que todos tomassem banho cedo para que pudéssemos pegar o café-da-manhã. Depois de deixar o carro, nós andamos através do terminal e ficamos na fila da segurança. Eles verificaram nossas identidades, bilhetes, nossos mandados, e então nossas armas de fogo. Eu só tinha um, Ian dois, e então estávamos no nosso caminho. Na área de embarque, saí para ir ao banheiro, deixando Ian com os meninos. Quando eu estava lavando minhas mãos, eu dei uma olhada em mim no espelho, e isso me assustou. Eu estava sorrindo como um idiota, e agora eu entendi porque todos, desde garçonete no Cracker Barrel e o agente do TSA26 tinha sido tão amáveis. Todos eles pensavam que eu era lobotomizado. Eu parecia estar bêbado. Ian. Era tudo culpa dele. Ele estava tendo um efeito ridículo em mim, fazendo-me sentir como eu devesse assobiar enquanto eu andava. Deus, o que eu faria se ele dissesse que me amava? "Droga," Eu gemei, segurando a pia, quase pegando o rosto do Rolex Daytona que Catherine tinha me dado no Natal passado. "Você está bem?"

26

TSA - Administração de Segurança de Transporte.

[330]


Erguendo a cabeça, olhei para o espelho e vi um homem com um terno de três peças atrás de mim. “Parece que você vai desmaiar.” Girando devagar, eu o encarei. “Não, estou bem, obrigado.” Ele deu um passo para o lado. Não mais perto, mas não longe também. Foi um movimento circular que eu não era louco sobre. "Eu aprecio a preocupação." "É claro", ele disse suavemente quando um zelador entrou no banheiro empurrando um carrinho de suprimentos e segurando uma arma Heckler & Koch P30 com um supressor anexado. “Não se mova, Delegado.” Porra. O primeiro homem deu um passo adiante, e eu agarrei a coronha da minha arma. "Não porra se mova", disse o zelador, levantando a arma, com as duas mãos, apontando-a em mim. "É melhor você atirar em mim", eu avisei, não tirando minha arma do coldre, mas pronta para. “Porque eu não estou dando minha arma.” "Delegado." Virei-me do homem na minha frente, de volta ao homem do terno, que puxou uma Beretta 92FS de um coldre dentro de seu paletó e apontou para mim. "Eu sou Rahm Daoud", disse ele. "E eu só preciso confirmar algo rapidamente, Delegado, e então eu vou embora." “Essas não são minhas ordens,” disse o zelador. "O plano é matar um dos Delegados e deixar o outro vivo." [331]


Daoud ficou em silêncio enquanto se aproximava lentamente. "Sim, mas como eu aconselhei seu patrão, matando policiais, Delegados, FBI... traz problemas que ninguém precisa." “Leandro disse que...” A ação de Daoud foi um rápido e assustador movimento de serpente. Um segundo a arma do zelador estava apontado para mim, no seguinte foi arrancada violentamente de lado antes que o zelador fosse forçado a atirar em seu próprio peito. Corri para a frente, mas fui parado rapidamente pela Beretta apontada para o meu rosto. “Fique onde está, Delegado.” Parando, eu assisti enquanto Daoud deixava o homem afundar no chão antes que ele soltasse sua mão, dobrando-a suavemente em seu peito. Como ele estava usando luvas de condução, suas impressões não estariam em lugar algum na arma do crime. “Este homem trabalhava para Leandro Olivera,” explicou Daoud, com os lábios enrolados num sorriso astuto e sexy. Honestamente, se ele não estivesse prestes a me matar, eu teria sido um admirador. Ele era impressionante, com seus olhos escuros piscando, covinhas, cabelo preto brilhante e pele bronzeada escura. Ele parecia um daqueles jogadores de futebol portugueses quentes, e ele se movia com a mesma graça fluida. "E para quem você trabalha?" Eu perguntei, meus olhos nunca deixando ele. “Lior Cardoso,” respondeu ele, e a maneira como o nome rolou de sua língua soava muito bonito. “Você conhece o nome?” "Eu sei."

[332]


"Então você entende o interesse dele em ter certeza de que os homens que mataram seu sobrinho e depois tentaram encobri-lo foram punidos." "Claro." "Mas Leandro é um cabeça quente. Assim, temos esta confusão, em vez de simplesmente você e eu termos uma rápida conversa no banheiro dos homens." Eu esperei. “E talvez mais.” Eu zombei. “Eu pareço fácil, não é?” O sorriso malicioso de Daoud teria feito coisas com meu interior se uma versão mais tímida, mais doce e mais raramente vista de Ian não já me tivesse escravizado. "Você parece bem." Flertando levou o fator medo fora da equação. "O que Lior Cardoso quer saber?" Ele abaixou a Beretta e a colocou no coldre debaixo do casaco. "O garoto, Drake Ford. Ele vai testemunhar que Christopher Fisher estava prestes a queimar o corpo de Safiro Olivera?” "Sim." “Não há dúvida de identidade?” "Não." "Bom", disse ele alegremente, "então isso é tudo que eu preciso, Delegado." "Então, o quê?", perguntei, dando um passo na direção dele. “Cardoso estava esperando para saber se era verdade antes de se mover contra Malloy?” "Ele já fez um movimento para Malloy, como você sabe muito bem."

[333]


Eu fiz, então eu fiz o próximo salto intuitivo. “Lior Cardoso tem Orson Malloy.” “Sim ” disse Daoud, movendo-se em direção à porta. "Mas ele estava esperando para fazer tudo até que ele tivesse confirmação." "Sim." “Será que Fisher trabalhou para ambos Malloy e Cardoso?” "Sim." “Isso é perigoso.” "Mortal, na verdade, pelo menos para Christopher Fisher", disse Daoud, colocando mais espaço entre nós. “Então posso esperar que você pague uma visita a Fisher?” “Talvez,” disse ele com voz rouca, afastando-se mais depressa. “Encontraremos algum pedaço de Orson Malloy?” “É duvidoso.” “E Drake Ford?” “Drake Ford está sob custódia protetora.” “O mesmo acontece com Christopher Fisher, e eu sei que você sabe disso,” eu disse, dando um passo em sua direção. "Nós não temos nenhum problema com Drake Ford", ele me informou. "E logo Drake Ford será capaz de voltar para sua vida conforme nós vamos matar cada Malloy que quer ele morto." "Você—"

[334]


“Gostei de conhece-lo, Miro Jones,” disse Daoud, suavemente. "Vamos fingir que tivemos um interlúdio e você espere alguns minutos antes de emergir após eu sair." "Você sabe que eu não posso fazer isso." “Então eu vou matar você.” "Você pode tentar." Ele grunhiu. "Tão arrogante. Eu realmente gostaria que pudéssemos ter nos encontrado em outras circunstâncias. Acho que teríamos nos dado bem.” "Nós ainda podemos, Daoud, apenas me dê sua arma." "Infelizmente, como você, eu não posso me separar dela." Eu assisti seus olhos, e no segundo eu vi seu olhar mudar, eu peguei minha arma. Ele correu em torno da esquina enquanto eu gritava a ordem para ele parar. Voando atrás dele, atingindo a entrada, eu corri para a direita o suficiente para que a bala que ele atirava em mim roçasse meu bíceps esquerdo em vez de se encaixar em meu coração. Sua expressão, o respeito relutante emparelhado com a ponta cabeça antes de virar e correr, foi irritante. Ele rasgou o terminal, arma na mão, e eu segui, braços e pernas bombeando, ganhando terreno, quando nós voamos passado a área de embarque onde Ian e os meninos esperavam. Eu não abrandei para dizer nada, sabendo que ele iria ficar e protegê-los. Segurança do aeroporto juntou-se à perseguição; eles nos ordenaram que parássemos, o que, naturalmente, não causou nenhum de nós para retardar nem um pouco. Eu estava muito perto atrás Daoud para ele parar, virar e disparar uma segunda vez, e atirando por cima do ombro para mim iria atrasar seu impulso. Se ele hesitasse até um pouco, eu o teria, e ele sabia disso tão bem quanto eu. Ele [335]


gritou para as pessoas saíssem do seu caminho, e eles fizeram um buraco que ele e eu investimos através. Não era um grande aeroporto, e quando passamos pela segurança, gritei "Fogo!" Para chamar a atenção e levantei minha arma, o que causou a esperada erupção de gritos. Mais pessoas começaram a nos perseguir enquanto Daoud atravessava as portas automáticas, e eu estava segundos atrás dele, correndo direto para o meio da rua e quase sendo atingido por um carro, pneus freando, buzinas soando enquanto pessoas batiam em seus freios para não nos atropelarem, eu corri à toda velocidade atrás dele antes de parar de repente e bater o pavimento quando uma rajada de balas bombardeou a estrada. Eu o vi entrar no banco do passageiro de um SUV que arrancou, mas não antes que Daoud acenasse. "Droga!" Eu rugi, ficando de joelhos, não perdendo o fato de que não havia nenhuma placa no carro. Sirenes, homens e mulheres armados, todos se dirigiram para mim, e me ordenaram para largar minha arma e colocar minhas mãos atrás da minha cabeça. Colocando minha arma para baixo suavemente, eu atei meus dedos sobre o topo da minha cabeça e esperei. O primeiro cara que me alcançou quase pôs o pé na minha arma para chutá-la para longe de mim. “Você toca na arma, e você vai me comprar uma nova.” Ele parou - todos pararam - e então alguém notou o emblema no meu cinto. "Oh merda." Meu sentimento também. Quinze minutos depois, eu estava conversando com o chefe de segurança do aeroporto e com pessoas do

[336]


departamento do xerife, e recebendo meu braço enfaixado por dois paramédicos. "Quanto tempo faz que você teve uma vacina contra tétano, Delegado?" "Como há um mês atrás", eu a informei. "Leva muitos tiros, não é?" “Praticamente,” eu disse, estremecendo enquanto ela limpava a ferida “Miro! ” Eu gemi, me inclinando ao redor dela para ver Ian andando através do terminal, Drake e Cabot a reboque. Desde que eu tinha sido tratado, o duro conjunto de sua mandíbula, e o apertado grupo de seus punhos, eu tive a ideia que eu estava em apuros. Empurrando através dos espectadores, ele me alcançou e caiu em um joelho ao lado do banco em que eu estava sentado. “Que porra é essa?” "Havia um assassino do Cartel Nava no banheiro." "O que?" "Eu..." "Há um homem morto lá agora", alguém entrou na conversa. Seus olhos se moveram para meu braço. "Jesus." “É um arranhão.” "É do mesmo lado do seu coração." Eu fiz uma careta. "Novamente!" “Sim, mas..." “Miro!” [337]


"Eu tenho um nome", eu disse rapidamente, na esperança que ele mudasse de assunto. "Você tem o nome de quem? O assassino?” "Sim." "Como?" O que eu deveria dizer? "Ele estava meio que flertando." "Flertando", ele repetiu sem rodeios, e eu assisti, totalmente fixado, enquanto seus olhos passavam de seu normal azul pálido gelado para cobalto profundo e escuro. "Uau," eu disse, sorrindo sem querer. "Você está meio mal, sabe?" Seus olhos se estreitaram. Porcaria. Ele se moveu para se levantar, mas eu agarrei seu pulso e segurei firme. “Não me deixe.” "Oh, eu não vou deixar você até eu te matar", ele prometeu, sorrindo. "Agora eu vou ligar para o nosso chefe. Espero que você viva." Isso não era bom.

PORQUE ERA o meu dia, Kage estava voando para o aeroporto de Tri-Cities para nos encontrar e voar de volta a Chicago conosco. Nós, naturalmente, perdemos o nosso avião, e com o mais recente acontecimento, ele queria estar no local. Ele teria deixado Arlington hoje de qualquer maneira, mas agora ele estava voltando para nos ajudar a transportar nossas testemunhas para casa porque eu estava, tecnicamente, fora de combate. Mesmo que eu lhe dissesse que estava bem, ele estava vindo porque ele também queria ouvir o que eu tinha a dizer ao departamento do xerife, ao FBI, à Segurança Interna e à segurança do aeroporto. A imprensa se espalhava por toda [338]


parte, e a polícia nos prendeu no salão, já que ninguém deveria ver nossas testemunhas. Ian alternava entre estar em seu telefone com o trabalho em seu computador, enquanto Cabot e Drake assistam televisão até Cabot adormecer em seu namorado. "Então soou como, pelo que você disse", Drake começou quando eu atravessei a sala para verifica-lo, "que as pessoas do cartel não querem me machucar." "Sim," eu entendimento."

suspirei.

"Isso

também

foi

o

meu

“Por que você acha?” "Acho que se você não tivesse visto Safiro Olivera naquela noite, ele teria sido queimado e ninguém jamais teria sabido o que aconteceu com ele." "Então agora sua família sabe o que realmente aconteceu com ele." “E assim eles podem ficar de luto.” "Bem, isso é importante." Fizemos silêncio um momento enquanto eu o estudava. Ele tinha um rosto tão bom, forte e amável. "Então sua vida provavelmente vai voltar ao normal mais rápido do que você pensa. Talvez você e Cabot possam voltar para Bowman e...” “Não senhor,” disse ele implacavelmente. "Cabot e eu, vamos começar nossa vida juntos longe de tudo isso." "Você é muito jovem, Drake. Você percebe que isso - você e Cabot - pode não terminar em um conto de fadas. Vocês podem não durar.” Ele pensou por um momento, seu olhar navegando na sala antes de aterrissar em mim. "Talvez. Quero dizer, eu não sou estúpido. Eu sei que somos muito jovens, nós dois acabamos de completar dezoito anos, e não vai ser fácil. Nós [339]


vamos ter que ir para a escola, e mesmo que a escola seja cuidada, vamos ingerir, certo?" "Sim." "E Cabot, quero dizer, ele nunca trabalhou um dia em sua vida. Ele não sabe nada, então essa parte é meio assustadora.” "Certo." "Mas eu o amo como louco, você sabe? E quando você ama alguém como um louco, você deve ficar em torno com medo de que algo não funcione, ou você faz algo sobre isso e arrisca?" Ele estava certo. E porque ele era tão jovem, ele podia olhar para a sua situação e vê-lo pelo que realmente era - o tempo para dar um salto de fé. Eu tinha que fazer o mesmo. Inclinando-me para a frente, dei um tapinha em seu joelho. "Você está certo. Basta fazer o melhor que puder.” Seu rosto se iluminou. “Obrigado, Miro.” Levantei-me e fui até Ian, que estava de volta em seu telefone. Quando eu estava perto o suficiente, eu o ouvi dizer "Emma", e assim eu hesitei. "Não", ele suspirou, passando os dedos pelo cabelo dele antes de se virar para me procurar. Eu podia dizer porque seu olhar varreu a sala, e então ele ficou tenso antes que ele percebesse que eu estava bem ali. Eu o vi respirar fundo e acalmar, e bateu-me, como se eu tivesse levado um tiro. Ele precisava de mim para aterrá-lo, para prendê-lo, então ele não flutuaria. Eu faria o melhor trabalho uma vez que chegássemos em casa. Teríamos que conversar no avião. Havia tanta coisa para dizer. "Eu não posso," Ian disse bruscamente em seu telefone. "Parece que eu vou estar amarrado para o futuro previsível." E ele estava. Comigo. [340]


Capítulo 18 Na segunda etapa da viagem para casa, havia seis lugares para nós, dois na primeira classe e quatro na econômica. Nós nos sentamos em grupos de dois, Kage e White - que estava de volta da licença - primeira classe, e depois Cabot e Drake, e eu e Ian. Fiquei muito feliz em ver Chandler White andando até mim ao lado de Kage, parecendo todo sério e caloroso. "O que você disse?" Ele brincou. "Eu estou sendo todo brega porque eu estou tão feliz em vê-lo de volta ao trabalho." Ele me deu uma tapinha suave no ombro. "Você é um fluido vital, Jones." E eu era, mas ter a equipe de volta juntos significou muito para mim. Como as quatro mulheres na minha vida que me amavam, eram minha família. Jogamos dança da cadeira com o assento porque meu chefe queria falar com todos. Pensei que Cabot sairia de sua pele quando foi sua vez de ir sentar-se com Kage. "Ele só vai fazer algumas perguntas", eu prometi quando ele voltou para mim em vez de para a frente para sentar-se com Kage na última fila da primeira classe, onde eles deviam ter sacudido vidros de sal e pimenta. Ele balançou a cabeça, inalou rapidamente, andou para frente e sentou-se. "O que ele está perguntando a ele?" Drake quis saber, inclinando-se sobre o assento.

[341]


"Ele está olhando para obter o que aconteceu na casa de seu pai", eu expliquei. "Eu escrevi um relatório, meu chefe só está confirmando isso." "Sim, ok," ele disse preocupado. "Mas ele não vai nos tirar de você e Ian, certo?" White fez uma lenta varredura para mim de onde ele estava sentado ao lado de Drake. "Cale-se," eu bati em White antes de retornar minha atenção para Drake, que aparecia aterrorizado. "Vai ficar tudo bem." "Minha mãe nunca se importou comigo e nunca conheci meu pai. Os pais de Cabot eram o mesmo. Então você e ele," Drake disse, inclinando a cabeça para Ian, "estão tão perto de pessoas que deram a mínima para nós." Eu ouviria isso de White mais tarde; O sorriso me disse isso. "Sim, garoto, eu sei. Não se preocupe com isso. Vai ficar tudo bem.” Ian inclinou-se para a frente e colocou a mão por cima da cadeira de Drake, e Drake imediatamente agarrou-a, apertou, e depois soltou. "Respire," Ian ordenou. "Ok," ele disse, então virou-se em sua cadeira e ficou confortável. Eu nunca tinha colocado o apoio de braços para baixo entre Ian e eu, então, uma vez que Drake e White estavam virados para frente, Ian deslizou sua mão pela minha coxa. Virando-me para ele, eu vi a carranca. "O que?" “Você foi baleado de novo.” "Sim, bem," eu resmunguei, percebendo que eu tinha que ter uma conversa muito séria com ele. "Isso vai continuar acontecendo desde que eu sou um agente federal." [342]


Suas sobrancelhas franzidas e a carranca mudaram para seu olhar furioso normal. "Pare", eu pedi, deslizando meus dedos por minha coxa, agarrando sua mão, segurando apertada contra mim. "Ouça." Todo seu foco estava em mim, e ele esperou, acalmando simplesmente porque eu o estava tocando. Quem diria que, todas aquelas vezes em que Ian estava saltando fora das paredes, tudo o que ele precisava era eu estender a mão e segurar a sua? "Você vai morar comigo, sim?" Boom. Tão rápido, seus olhos escureceram com o calor. “Você disse que eu podia.” "Bem, então eu tenho que dizer ao homem sentado na primeira classe." Eu não sei o que eu esperava, mas Ian pensando um momento e depois acenando com a cabeça não era isso. “Ian?” "Sim," ele disse roucamente. "Bom. De modo que ele vai parar de perguntar se você quer um novo parceiro e deixá-lo sozinho." “Você sabia disso?” "Claro," ele disse enquanto eu movia minha mão, deixando-o ir. "Por que você nunca disse nada?" "Porque você sempre fala por nós dois." "Você sabe que se eu não te amasse, eu te mataria", eu resmunguei, levantando depois de ver Kage ter terminado com Cabot.

[343]


Eu passei o homem mais jovem, deu-lhe um tapinha rápido nas costas, e estava quase ao lado do assento de Kage quando me bateu. Fiquei quase tonto com a compreensão do que eu disse a Ian Doyle. Puta merda. “Jones?” Olhando para Kage em vez de voltar para meu parceiro, eu caí no assento ao lado dele. "Na verdade, eu queria a Ford em seguida, não você." Meu olhar encontrou o dele, e eu notei, como sempre, que encontrar seu olhar não era tão fácil. Ele era um homem intenso, e ter todo seu foco era ligeiramente enervante. “Jones?” Eu tomei uma respiração e pulei. "Eu sou gay." Nada. "Chefe?" “Sim, Jones,” disse ele, parecendo muito entediado. “Você me ouviu, certo?” "Eu fiz," ele disse pacientemente. Eu limpei minha garganta. “Ian, ele...ele vai morar comigo.” Ele apertou os olhos. "E?" "Eu... nós... pensamos que você deveria saber." "Porque?" "Bem, eu quero dizer, você tem que estar pensando, se estamos em um relacionamento e ele der errado, o que isso faz para sua parceria?" "Por que isso me preocupa? Deve preocupar você.” [344]


"Eu—" "Se as coisas não darem certo, são vocês que têm que lidar com o fato de que vocês são parceiros e estão presos juntos. Eu não estou recebendo porque esse é o meu problema?" Foi tudo tão... calmo. Kage estava agindo como se não fosse grande coisa, como se as pessoas saíssem para ele no trabalho todos os dias. Tudo perfeitamente normal. "Então você está bem com..." “Há mais alguma coisa, Jones?” Eu tossi. "Não senhor." “Posso falar com o Sr. Ford agora?” "Sim senhor." "Excelente", ele disse sarcasticamente enquanto eu me levantava lentamente. Eu não conseguia parar de olhar para ele. “Estou envelhecendo aqui, Jones.” "Sim senhor," eu murmurei, virando e saindo, fazendo o meu caminho para onde Cabot estava sentado ao lado de Drake. "Ei, Drake, meu chefe gostaria de uma palavra." Ele estava com medo. Estava lá em seu rosto. "Não é grande coisa, eu juro." Ele levantou-se, White tomou seu lugar, e eu caí ao lado de Ian. Imediatamente, sua mão estava em minha coxa, agarrando firmemente. "Então?" Ian cutucou. “Nosso chefe poderia se importa menos.” Seu sorriso veio lentamente enquanto eu balançava a cabeça. "Eu sabia." [345]


“Você sabia o quê?” “Que Sam Kage não era o tipo de homem que se preocupava com nós fora do trabalho.” "O que?" "Você sabe o que eu quero dizer." "Ele se preocupa com o tipo de trabalho que fazemos, não sobre o que fazemos fora dele." "Sim," ele disse, sorrindo enquanto ele deixava sua cabeça bater contra a parte de trás de seu assento. "Então," eu disse, limpando minha garganta. “O que Emma queria?” Ele se virou para me olhar sem entender. "O que?" "Eu ouvi você dizer 'Emma' quando você estava no telefone no aeroporto." "Oh, não, não foi Emma. Era Jocelyn, uma amiga sua.” "E? Não me faça cavar ” "Ela, uhm", ele começou, sua voz baixa e áspera, "queria jantar para ter certeza de que eu estava bem." "Que doce", eu disse secamente. Ele pegou minha mão na dele, entrelaçando os dedos com os meus. “Mas não posso jantar com ela. Estou comprometido, certo?” "De agora em diante, sim." Ele apertou minha mão por um segundo. “Você gosta que eu diga isso.” "Eu faço," ele rosnou, e o som deslizou através de mim para meu pau. "Jesus," eu murmurei, me deslocando no assento, meus jeans de repente muito apertados. [346]


"Ligue para Aruna quando aterrissarmos e veja se ela e Liam podem manter Chickie mais uma noite." "Ok," eu concordei, meu corpo esquentando rápido. Ele se inclinou para mim, sua boca em meu ouvido. "Eu quero mover todas as minhas coisas nesta noite, mas vamos apenas ir para o meu lugar e buscar roupas para amanhã." "Soa como um plano." "Tudo que eu quero fazer é dormir em sua cama." Ele teria sorte em fazer qualquer coisa disso. "Eu quero estar lá, tipo, agora." "Você não tem ideia do que você está me metendo." "Sim, eu sei," ele disse suavemente. "Eu sou seu." Eram palavras mágicas.

UMA VEZ que desembarcamos em Chicago, caminhamos por um dos muitos enormes terminais para os portões de segurança, em seguida, para baixo para retirada de bagagem, onde poderíamos pegar um táxi de volta ao escritório de campo para encaminhar Drake e Cabot. "Papai!" Todos nós olhamos para cima quando uma linda garotinha de cabelos e olhos escuros veio correndo em nossa direção. Fiquei me perguntando onde estava seu pai quando vi Kage cair de joelhos e estender os braços. Ela se jogou neles, abraçando-o apertado, seu sorriso enorme. Sua filha? Cristo. Mataria o homem para ter fotos em sua mesa? E eu entendi, éramos Delegados, e você não queria que pessoas assustadoras folheassem fotos de seus filhos, mas ainda [347]


assim. Era muita coisa para admirar, Sam Kage como pai. Ele a deixou ir e pegou sua mão, não se virou para apresentá-la a nós, nada. Eles caminharam juntos, ele olhando para baixo, ela olhando para cima, enquanto ela conversava com ele sobre o seu gato que estava agora cor de rosa, algo sobre coloração de alimento e um experimento deu errado e cupcakes. Quando as portas se abriram e nós caminhamos para fora, ela acenou loucamente, e um menino, mais velho, talvez nove ou dez anos, correu e parou, envolvendo seus braços em torno da cintura de Kage, inclinando-se por um segundo quando o homem assustador que conduzia nossa equipe curvou-se e beijou o topo de sua cabeça. Eu me perguntava qual criança foi adotada quando as duas crianças o deixaram, seu filho com sua mochila, sua filha com sua bolsa de laptop, correndo para o meio-fio onde uma van parou. A porta lateral deslizou para o lado, e então, da janela do lado do motorista, surgiu uma cabeça. E você poderia ter me derrubado com uma pena. Nenhuma mulher. Sam Kage não tinha uma esposa. As crianças subiram na parte de trás, e a porta se fechou quando Kage alcançou o homem louro impressionante sorrindo para ele. Ele colocou o rosto em suas mãos, inclinouse e beijou-o. Foi rápido, mas terno e uma revelação para testemunhar, porque santa porcaria, quem sabia que Kage tinha isso nele? Quando o outro homem voltou para dentro, Kage abriu a porta do lado do passageiro e entrou. No entanto, eles não saíram. O homem colocou a cabeça para fora novamente, olhou diretamente para nós e acenou. "Fico feliz em vê-lo novamente, agente White." Meu companheiro de equipe acenou de volta, Kage levantou a mão, e a van desapareceu segundos depois. Eu girei em branco. "Você fodido!"

[348]


"O que?" "Como é que você nunca me disse que nosso chefe era gay?" Ele se eriçou. "O que isso importa?" "Porque eu sou gay, idiota", eu lati. "Oh sim," ele bufou, relaxando de sua postura combativa. "Eu esqueci." E isso era bom, que para White não importava de uma forma ou de outra com quem eu dormia - eu era simplesmente outro membro de sua equipe. Mas ainda assim! Kage era gay? “Todo mundo sabia menos eu?” “Acho que ninguém sabe além de mim, Sharpe, e agora você e Doyle.” “Como Sharpe sabe?” Ele olhou para mim. "Tudo o que eu sei, meu parceiro sabe." "Certo. Claro." Processando. “Ele é gay?” "Sim." "Como você descobriu?" "Eu tive que levar algumas fotos de vigilância para sua casa há três anos atrás. Foi logo antes de você começar na verdade.” “Então, por quanto tempo?” "Quanto tempo o quê? Há quanto tempo ele é gay? Como diabos eu sou suposto...” "Não. Há quanto tempo ele está com o marido?” "Oh, ele está em uma união civil com o Sr. Harcourt como quinze anos ou algo assim, mas em junho eles vão ter uma grande festa." [349]


"Sério?" "Sim." "E você sabe disso?" "Eu estava com ele quando ele estava conversando com aquele amigo seu, você sabe, o detetive de homicídios que tem esse namorado bilionário - qual é o nome dele?" “Eu não me lembro.” "Bem, é assim que eu sei." Eu tive que absorver. "Sam Kage é gay." “Eu também, supere isso,” disse Ian, andando em volta de mim na direção da calçada para pegar um táxi. "Veja, agora, eu percebi que Doyle era gay também", White bocejou enquanto procurava o carro de sua esposa no mar de veículos. "O quê?" Eu consegui dizer, certo de que estava tendo um ataque cardíaco. Ele encolheu os ombros. "Quero dizer, como ele olha para você o tempo todo? Você deveria ser cego para perder essa merda, certo?" Oh Meu Deus! "E como você está sempre no seu espaço e você é o único que ele permite fazer isso - quero dizer, eu tinha certeza que vocês estavam... juntos." Eu precisava me sentar antes de desmaiar. Inclinandome, coloquei minhas mãos em minhas coxas e tomei respirações constantes dentro e fora antes de hiperventilar. “Que porra há com você?” “Nada,” eu resmunguei. “Oh, ali está minha esposa, disse White, sorrindo enquanto acenava. "Vocês querem carona ou—” [350]


"Não, estamos bem," eu murmurei, minha boca seca. "E você não deve querer Ford e Jenner perto de sua esposa de qualquer maneira. São testemunhas, ou você esqueceu?” "Não, espertinho, eu não esqueci." "Bem, tecnicamente eles também não deveriam ter visto a família de Kage, qualquer um." "Sim, mas há graus de testemunhas", ele me lembrou. "E seus meninos são classificados como amigáveis e de longo prazo. Você sabe disso." Eu sabia disso. "Então," ele perguntou novamente. "Carona ou não?" “Não, estamos bem. Vá para casa. Vejo você amanhã.” "Tudo bem, eu vou te ver", ele disse, rindo, me dando tapinhas no ombro antes de ele correr para o meio-fio. Uma mão gentil tocou minhas costas, e eu me virei para encontrar Cabot lá, parecendo preocupado, Drake com ele, segurando as duas bolsas. "Você está bem, Miro?" Cabot quis saber. "Sim, amigo, eu estarei." Seu sorriso era ofuscante. "Caras!" Ian gritou do meio-fio. Todos nós apressamos.

[351]


Capítulo 19 No escritório de campo, sentamos com Ryan e Dorsey enquanto eles realizavam a papelada de admissão, passando por cima do enorme documento que fez Cabot Jenner e Drake Ford membros formais de WITSEC27. Eles passaram por onde os meninos ficariam até que um apartamento fosse adquirido, como eles estavam oficialmente agora formados na escola, e quando eles iriam comigo para a Universidade de Chicago para conseguir que ambos se matriculassem para o trimestre de outono. "Ele foi para lá", disse Dorsey, indicando-me com um aceno de sua mão. "Então ele é o melhor para levá-los." Demorou horas, como sempre - Ian e eu fizemos isso por outros - e quando eu me levantei para ir ao banheiro e pegar bebidas para todos os envolvidos, Kohn me pegou no corredor. "O que?" "White disse que você e Doyle estão, tipo, juntos?" Eu gemi. "Não, cara", disse ele, sorrindo, me batendo com o ombro. "Ninguém se importa." "Talvez não você e White e..." "Sharpe," ele brincou. Claro que Sharpe já sabia. White provavelmente o chamou do carro. “Becker se importará, Ching também.”

27

Witness Security Program - Programa Federal de Proteção de Testemunhas dos Estados Unidos. [352]


"Não," Kohn me assegurou, balançando a cabeça. "Você e Doyle, somos família, certo? Todos nós temos suas costas. Você sabe disso." Eu olhei para ele. "Não seja um pau, Jones," ele disse irritado, afastandose. "Nunca nos importamos quando todos sabíamos que era só você." Deus, poderia ser tão fácil assim? Em nosso pequeno grupo reservado, ninguém se importava? E não era como se Ian e eu fôssemos fazer um anúncio geral, mas se os caras de nossa unidade estivessem bem conosco, o que mais precisávamos realmente? "Ei, você tem que voltar. Ryan está discordando e nós poderíamos estar aqui todos... o que está errado?" Ian perguntou, andando na minha frente. "Todo mundo sabe." Ele encolheu os ombros. "Bem, sim, eu disse ao White que eu era gay no aeroporto. Notícias viajam rápido com ele. Você sabe disso." "White nunca deixou escapar sobre nosso chefe." "Isso é porque ele é nosso chefe. Mas você e eu somos um jogo justo.” "Então, Ryan e Dorsey sabem?" "Uh, sim," ele disse, rindo. "Dorsey apenas disse a Drake e Cabot que eles têm sorte que eles têm Delegados gays cuidando deles, então nós podemos levá-los até Halstead." "Ele não fez." Ian sorriu maliciosamente. "Idiota." “E você está surpreso, por quê?”

[353]


“Ian.” Ele grunhiu. "Tem certeza que você está bem com tudo isso?" "Eu vou dormir com você, certo?" "Sim." "Bem, então, eu estou bem." Respirei, e ele tirou as latas de Pepsi das minhas mãos e voltou para a sala. Meu plano era segui-lo, mas meu telefone tocou, e vendo que era Liam, eu respondi. "Ei," eu o cumprimentei. "Está tudo bem se..." “Miro,” disse Liam. "Sim. Quem mais séria?” “Aruna ligou para você?” "Não," eu disse, e então uma onda de medo percorreume. “Ela está bem?” "Sim, nós dois estamos, mas estamos aqui conversando com a polícia." "O que? Por quê?" "Cara, nós tivemos o carro roubado." Uma das minhas mais queridas amigas tinha a vida ameaçada? "Puta merda," eu engasguei, saindo da sala, no caminho para o elevador. "Onde vocês estão? Eu posso estar lá em—" "Não é..." “Aruna está bem?” Perguntei, correndo pelo corredor. "Você está bem? Você fez—" “Não, escute. Cale a boca e pare de se mexer. Não faça nada além de ouvir.” Eu congelei onde eu estava. [354]


"Eu quis dizer, nós tivemos nosso carro quase roubado." E isso fez toda a diferença no mundo. “Talvez você deva começar com isso da próxima vez, idiota.” Ele grunhiu em vez de se desculpar e depois me deu o resumo. A maneira como ele explicou, ele e Aruna tinham parado em um semáforo em seu caminho para casa. Liam baixou a janela do lado do motorista para dar dinheiro a um sujeito desabrigado na rua, e quando aquele cara se afastou do carro, outro empurrou uma arma no rosto de Liam. Aruna gritou, e antes que uma demanda pudesse ser feita, Chickie empurrou entre seus assentos, passou por cima do colo de Liam, e lançou-se para a janela com uma fúria de rosnados ferozes e mordidas. "Miro, ele assustou a porra desse sujeito. Ele largou a arma e correu.” Eu respirei. "Vocês dois estão bem." "Sim," ele disse hesitante. "Chamamos a polícia e eles vieram pegar a arma. Eles estão esperando que as impressões ou número de série ou algo vai levá-los para o cara." "Bem, isso é bom." "Sim é." "Então você precisa de mim lá ou não?" “Não, estamos bem.” "Então, o que está acontecendo, porque você soa estranho. Você está surtando?" "Os policiais estão aqui tomando nossa declaração, e todos estão tratando Chickie como se ele fosse a segunda vinda, sabe?" "Claro," eu disse, tentando descobrir por que ele parecia tão estranho. "O que está errado?"'

[355]


Ele limpou a garganta. "Aruna... ela... ela realmente não quer dar Chickie de volta." "Desculpa, o que?" Liam tossiu. "Aruna. Ela quer manter Chickie, e eu tenho que te dizer, como ele é protetor dela, o quanto ele amou todas as crianças este fim de semana, e meu tio, que é um veterinário, ele diz que Chickie não é realmente um lobo em tudo. Ele acha que ele é mamute e caucasiano Ovcharka.” "Eu não tenho ideia do que é isso." "Bem, ele acha que é por isso que ele é tão grande, adicionado a ele ter um temperamento realmente uniforme." Eu ri no telefone. "Liam, Ian não vai dar a vocês, seu cachorro." "Quem melhor que uma família para tê-lo?" "Liam..." “Preciso ir, falo com você mais tarde,” ele disse e depois desligou. Liguei para Aruna, mas só consegui o correio de voz dela. Mandando um texto, eu deixei ela saber que ela não poderia manter algo que não lhe pertencia. Ela devolveu uma palavra. Hah. Eu tentei de novo. "O quê?" Ela disse irritada, finalmente atendendo. "Você não pode manter o cachorro de Ian, mas vou deixá-lo ficar até que eu saia amanhã à noite", eu disse a ela. “Eu poderia me mudar.” "Eu sou um Delegado dos EUA, eu vou te encontrar." "Mas Miro," ela gemeu. "Não." [356]


"Ele me ama." "Você vai ter um bebê. Você vai estar muito ocupada para cuidar de um lobisomem.” Outro gemido. Eu ri. "Vejo você amanhã à noite." "Tudo bem," ela disse e desligou. Eu fiquei lá um segundo e, em seguida, caminhei de volta para o escritório e para sala para ouvir mais da papelada de admissão. Cabot acenava com a cabeça. Drake tinha o queixo na mão, olhando fixamente para Ryan, que estava lendo com uma voz monótona enquanto Dorsey e Ian tinham os braços cruzados, as cabeças para trás, descansando seus olhos. "Você parece estranho," Ian interrompeu, o que acordou todos. "Bem, isso é porque Liam e Aruna estão tentando manter seu cachorro." Seu sorriso era rápido. "Sim, eu imaginei que estava por vir." "O que? Você fez?" "Sim, quero dizer, quem se oferece para levar o cão de outra pessoa para as montanhas? Vamos." "Você não vai dar a Chickie, não é?" “Eu não sei,” disse ele, pensativo. "Eu tenho que pensar sobre o que é melhor para ele." "Sério?" "Com certeza. Por exemplo, para onde iria todos os dias?” Eu nem precisava pensar, já sabia. "Ele ficaria em casa com Aruna ou iria para estação de bombeiros com Liam." [357]


"E quando na casa de Liam, ele o levaria com ele onde quer que ele fosse, certo? Além disso, quando Aruna ter o bebê, quando ela sair, quem melhor para protegê-la e ao bebê que o cachorro demônio?" “Mas ele é seu.” "Do que estamos falando?" Ryan queria saber. “O lobo de Doyle,” informou Dorsey. "Oh, tudo bem." "Você tem um lobo?" Cabot perguntou. "Ele é um cachorro", eu disse, esclarecendo tudo. O telefone de Ian tocou, e depois de verificar a identificador de chamadas, ele se levantou e saiu, atendendo a chamada fora da sala. Eu queria saber quem ligou, mas mais do que isso, eu queria estar pronto. "Peça para eles começarem a assinar", disse a Ryan. "Vamos dar-lhes os seus pacotes de documentos e obter este show na estrada já. Estamos todos exterminados. Por favor." "Precisamos de comida", implorou Cabot. "Apenas me dê uma caneta," Drake suplicou também. “Vou assinar o que quiser.” "Aposto que isso é uma forma de tortura em alguns países", insistiu Cabot. "Mas vocês precisam ser informados de..." “Miro e Ian vão cuidar de nós,” Drake explicou. "Nós ficaremos bem." Ryan e Dorsey olharam para mim. "Deixe-o", eu reclamei. "Awww, você maliciosamente.

e

Doyle

[358]

são

pais",

disse

Dorsey


Ryan sorriu. "Boa sorte." "Vocês são tão idiotas,” eu resmunguei. Mas as grandes bolsas plásticas de documentos deslizaram pela mesa, assim como duas pastas. "Obtenha a assinatura", indicou Dorsey. Quando Ian voltou uma hora depois, estávamos terminados. Havia tanta coisa para fazer nos primeiros dias e semanas de nova relocação de testemunhas. Os cartões de Seguro Social já estavam nos pacotes junto com as certidões de nascimento, mas Drake e Cabot tiveram de obter carteira de motorista, se matricular na escola e ser colocados em empregos. Todas as coisas que caíram sob a criação de uma nova vida, Ian e eu teríamos certeza de que foram feitas. Estaríamos com eles durante todo o caminho, desde encontrar um apartamento mobilado até comprar suprimentos para sua nova residência, comprar roupas e livros escolares e todos os outros itens essenciais. Teríamos de configurá-los e, em seguida, manter o controle. Ian e eu tínhamos feito admissões muitas vezes. Era a parte do trabalho que eu amava, ajudando as pessoas a pegar os pedaços de suas vidas para começar de novo. Eu estava ansioso para ver mais Cabot e Drake. Quando os quatro de nós caminhamos para o elevador, eu perguntei a Ian quem estava no telefone. "Meu pai," ele disse, batendo no botão para descer. "E?" Ele tossiu. “Ele estava chateado por não ter conseguido chama-lo.” "E?" Eu cutuquei. Era como puxar os dentes. "Ele quer que venhamos para jantar no próximo domingo", disse ele, levando-nos todos para o elevador. "Eu disse que iria verificar com você e voltar para ele." [359]


Dentro, ele apertou o botão Lobby antes de segurar o braço dele. "Olhe para mim." Ele obedeceu instantaneamente. "Você contou para o seu pai o quê?" “Que você também estaria lá.” "E?" Ele deu de ombros. "Ele disse que era bom, desde que eu sou melhor quando você está por perto." "Ele fez?" "Ele sabe que eu não me importo com o que ele pensa de qualquer maneira, mas ele está bem com a gente." "Nós?" "Ele disse que sempre achava que éramos uma coisa." Eu estava perdido. “Acho que é o que as pessoas pensam quando nos veem.” "Sim?" "Sim. Parece que estamos casados.” Eu tive que me encostar na parede para apoio.

NÓS colocamos os recém-feitos Drake Palmer e Cabot Kincaid em uma das casas de segurança federal em um centro de alta segurança. Havia um porteiro que nos deixou entrar e um guarda na recepção, uma chave tinha que ser inserida para empurrar o botão do elevador e, em seguida, novamente dentro para habilitar os botões. Em cada andar você digitava um código para entrar no condomínio e desativar um alarme dentro com outro código. Era um processo que tinha que ser seguido inteiramente, porque para sair, todos os mesmos passos tinham que ser repetidos. [360]


“Eu já estou confuso,” gemeu Drake. "Eu tenho isso", disse Cabot, pegando o papel que Dorsey tinha dado com os números que ele tinha preenchido que foram inseridos especificamente para os nossos dois novos convidados. Ian pensou que poderia fazer uma pausa para ele, sem estar sendo abraçado, mas ele não podia. Eles eram loucos por ele. Nós os deixamos com sua cota de dinheiro para a noite, disse-lhes que eles eram livres para ir onde queriam, mas que ficar pelo centro pode ser melhor. Eu sugeri Navy Pier, e eles estavam animados para ir e conhece-lo. "Vocês dois vão estar de volta na parte da manhã?" Cabot perguntou enquanto ele me abraçava. "Nós iremos", eu prometi e lhe passei seu novo telefone com números meu e de Ian programados. Ele ficou muito satisfeito.

ENQUANTO NÓS dirigíamos para a casa de Ian, ele mencionou novamente o quanto ele não estava amando o Nissan Xterra. Ele tinha dito isso antes quando eu o levei para o carro estacionado na garagem no trabalho. "Isto é uma descida após o carro Jungle Boogie." Eu ri. "Sim, eu sei." "Ei." Eu olhei de relance. "Você vai contar para as meninas sobre nós?" "Claro." Eu suspirei. "E elas vão ser ridículas sobre isso." "O que você quer dizer?"

[361]


"Quando eu estava me recuperando em casa, elas queriam saber o que eu estava fazendo para conseguir o que eu queria." “E você queria o quê?” "Isso deve ser bastante óbvio." "Diga-me." "Seu idiota. Eu queria você." Seu sorriso era ridiculamente sexy cada vez. "Sim?" Eu não ia alimentar o seu ego mais e em vez verifiquei meu e-mail quando ele estacionou fora de seu prédio. Quando terminei, peguei seu telefone, que ele tinha deixado em um dos porta-copos, e verifiquei seu e-mail. Fiquei surpreso ao encontrar uma carta de um advogado em que Brent Ivers, meu ex, era a linha de assunto. O porta-malas abriu antes de eu terminar, e Ian jogou um saco de roupa e uma grande mochila. Eu segurei seu telefone para que ele não pudesse perder o que eu estava fazendo. "Por que você está recebendo ameaças de um advogado?" Ele bateu o porta-malas, e deu a volta ao lado do SUV e entrou. Ele segurou o volante e apertou firmemente. “Você ameaçou Brent?” "Não." “Ele diz que você fez.” "Tudo o que eu transmiti ao homem", ele disse, sorrindo maldosamente, "era que se ele chegasse a menos de quinhentos metros de você, eu porra o mataria". Oh por amor de merda. "Você está de brincadeira?" "Não fique tão chateado", ele resmungou, ligando o carro, atirando para a rua, como de costume. "Eu disse a ele [362]


para não ligar ou enviar mensagens de texto ou enviar e-mail, também." “Ou o mesmo castigo lhe aconteceria? Tiros?” Ele estreitou os olhos como ele estava pensando. "Você não pode fazer isso. O advogado apresentou uma ordem de restrição contra você. Isso não parece bom.” "Eu dou uma merda." "Ian..." "Eu vou acabar com ele se ele chegar perto de você novamente", ele disse sem rodeios. "Não se engane." "Eu posso cuidar de mim, sim?" Ele apontou para meu braço onde a bala tinha roçado em mim. "Eu peço desculpa, mas não concordo." "Isso é diferente e você sabe disso." “E eu?” Estendi a mão e deslizei em torno da sua nuca. "É bom que você se importe." "É mais do que isso." "Eu sei." "Ok." "Podemos parar e pegar hambúrgueres no Shorty's? Eles ainda estão abertos. São apenas onze horas.” Ele fez um barulho no fundo de sua garganta. "Você está salivando?" "Sim, eu acho que acabei de engolir minha própria saliva." Por que isso era tão histérico eu não tinha ideia, e ouvirme rir, com lágrimas escorrendo pelo meu rosto, o que o fez [363]


sorrir como ele quase nunca fazia, todo o seu rosto rachando, covinhas aparecendo, e um profundo suspiro de contentamento surgiu. "Porra, eu adoro quando você está feliz." Qual foi a melhor coisa que alguém já me disse. No Shorty’s, um mergulho fora da Avenida Harlem, que era apenas uma cabana com um fogão, o caixa sendo a mesma pessoa que passava a sua comida, eu pedi enquanto Ian estava atrás de mim. Duas mesas de piquenique eram a extensão de seus assentos, mas isso dificilmente importava, pois, a maioria das pessoas levavam a sua comida para viagem. Todo mundo pegava seu hambúrguer lá depois de estar em um clube durante toda a noite, e na sexta-feira e sábado, era divertido ver o cruzamento de carros, estilo e pessoas todas em pé na fila. Como era um domingo à noite, era nós e algumas prostitutas, alguns jovens da faculdade, e quatro mulheres. Depois que pedimos, nós esperamos, inclinando-se contra o lado do edifício. "Você sabe o que não sai da minha cabeça?", Ian perguntou, inclinando-se perto de mim, sua voz no meu ouvido. "O que seria?" "Você com seus lábios enrolados em torno de meu pau." Instantaneamente meu corpo corou com calor, mas minhas palavras foram calmas. “Gosta disso, não é?” "Sim," ele disse roucamente, inclinando-se pressionar um beijo rápido ao lado do meu pescoço.

para

Eu a cobri com a minha mão, sentindo-me estranhamente como se tivesse sido marcado, e o assisti andar arrogante até a janela para pegar nossa comida. Ele sorriu

[364]


para as mulheres na mesa, e eu vi todas elas checá-lo, seguindo cada movimento fluido até que ele me alcançou. "Você sabe que cada uma dessas garotas quer levá-lo para casa, Delegado", eu o informei. "Sim, bem, eu só vou para casa com você." Eu tossi. "O que há com você sendo todo doce de repente?" Ele encolheu os ombros, agarrou minha mão e puxoume atrás dele. Os olhares que tivemos, primeiro surpresa, então sorrisos, foram bons. Mas quando ele me levou para o carro, eu entendi. Eu tinha dito onde ele estaria - eu o tinha reclamado - e por causa disso, ele se sentia seguro. Ele precisava de mim para dizer o que podia e não podia fazer. Era como ele sabia que era amado. Eu não poderia dizer o momento exato em que me apaixonei por Ian Doyle, mas em algum momento, ter toda sua atenção tornou-se o que eu tinha que ter. E mesmo que ele decidisse amanhã que não me queria mais, o curto tempo em que eu era tudo o que ele via seria suficiente. "O que você está pensando?" Ele perguntou enquanto fazia uma inversão de marcha no meio da rua, quase nos matando antes de nos colocar na pista correta. "Nada." "É alguma coisa, você ficou todo quieto." "Eu só espero que isso funcione para você por um longo tempo." "O que é isso?" Ele estava brincando? "Nós", eu disse simplesmente. "Você me extraviou." "Eu quero isso, você e eu, para funcionar."

[365]


"Não há dúvida sobre isso", ele disse, fazendo uma careta como se eu fosse ridículo. “Você é o único que eu sempre quis.” Só Ian fazia meu coração parar e iniciar com tanta frequência. "Você fez o que eu precisava." Eu não poderia ter dito uma palavra se minha vida dependesse disso. "Então é para você dizer se você quer que eu vá embora. Estou dentro." Ele era tão natural. Estou dentro. Não haveria mais perguntas para ele, nem dúvidas, nem hesitação. "Você sabe que eu te amo. O que mais você precisa?" Para ele, era óbvio. Ele sabia onde ele estava. Eu limpei minha garganta. "Nada. Não preciso de nada.” "Então nós estamos bem?" "Sim," eu disse com voz rouca. "Estamos bem." Ele resmungou e virou na minha rua, em seguida estacionou o carro a um quarteirão da minha casa. Ele poderia ter estacionado no meu espaço designado, mas meu caminhão estava lá. Eu levava sua mochila, ele seu saco de roupas, e eu mantive os hambúrgueres dentro do meu casaco para tentar mantê-los quentes. Dentro do meu apartamento, nós dois penduramos nossos casacos no armário da entrada, e então Ian cruzou rapidamente para as escadas e subiu para o meu quarto. Eu acionei o termostato para vinte e um graus e deixei os hambúrgueres na mesa de café e minha bolsa e a dele em

[366]


uma extremidade do sofá antes de eu ir para a cozinha obter um par de cervejas. Quando ele voltou para baixo, eu tinha nossos hambúrgueres divididos como sempre fizemos, assim eu tinha metade do seu quente-como-inferno hambúrguer Quatro Cavaleiros e ele tinha metade do meu To Thai For hambúrguer. Batatas fritas e anéis de cebola foram divididos também. "Oh obrigado." Ele quase chorou, e eu ri quando ele veio ao redor do sofá e se jogou ao meu lado, inclinando-se de lado e me beijando. Foi rápido, e então ele tinha as mãos cheias, devorando sua comida. Eu olhei para ele por um momento, atingido por uma súbita onda de normalidade. Nós dois comendo juntos. A TV ligada enquanto nós conferíamos as partidas de basquete. Ele empurrando batatas fritas em sua boca, tomando uma cerveja, agarrando um guardanapo, e batendo-me com seu joelho. Era assim que seria todas as noites. No trabalho, nada mudaria, mas aqui em minha casa atrás das portas fechadas ou fora com amigos, seria assim. Ian Doyle estaria no meu espaço, comigo, vivendo, respirando, construindo uma vida. “Coma,” ordenou com a boca cheia. Eu engoli minha alegria para que eu pudesse. Eu limpei depois, enquanto ele carregava nossas malas para o andar de cima, e jogava coisas na lavanderia, nossas coisas juntas, enquanto ele pendurava seu terno no meu armário. "Cristo, estou tão feliz por estar em casa", disse feliz, sentando na minha cama, desamarrando minhas botas e deixando-as cair no chão. "Eu juro que eu nunca...Ian?" Ele estava parado ao lado do corrimão, olhando para mim, mas não se movendo. [367]


"Venha aqui", eu sugeri, batendo no espaço ao meu lado na cama. Atravessando o pequeno quarto, ele me empurrou para baixo, subiu e montando em meus quadris, segurando-me. “Algo que você quer, Delegado?” “Miro,” grunhiu ele. “Essa cama é... oh.” Eu me contorci sob ele, agarrando suas coxas e pressionando meu pau rapidamente endurecendo contra seu vinco. "Esta cama é sua, também, de agora em diante. Você entendeu?" "Sim," ele bufou, arqueando as costas quando seus olhos se fecharam e sua boca se abriu. "Eu sou seu também." Seus cílios se abriram e seu olhar se fixou no meu. "Jure," ele disse, sua voz rouca e cheia de cascalho. "Você e eu." "Eu juro", eu prometi, alcançando seu rosto. Ele se curvou em minhas mãos, deixando-me puxa-lo para baixo, seus lábios se separando no momento em que eles tocaram os meus. "Miro," ele respirou em minha boca. Ele tinha gosto de cerveja e sal e Ian, e quando eu rolei ele para suas costas, eu aprofundei o beijo, maltratando sua boca quando ele envolveu suas pernas longas em torno de meus quadris e se aterrou contra mim. Deus. Ian, na minha cama. "Jesus," eu gemi, empurrando longe dele antes que eu gozasse em meus jeans só de pensar sobre isso.

[368]


Ele sorriu enquanto ofegava debaixo de mim. "Você gosta de me ter aqui." Eu não podia falar, em vez disso rolei fora da cama tirando a roupa rapidamente. Ele se sentou e fez o mesmo, tão áspero quanto eu era, arrancando suas roupas. Pegando o lubrificante da minha mesa de cabeceira, virei-me e o encontrei estendido, esperando. "Eu quero ver seu rosto quando fazemos isso." Ele assentiu e estendeu a mão para mim. Eu me lancei sobre ele, tomando sua boca, separando suas coxas para que eu pudesse me mover entre elas, erguendo seus joelhos para que seus pés estivessem nas costas de minhas panturrilhas. Seu pênis estava pressionado entre nós enquanto eu o devorava, sem perder nada, dando-lhe beijos de hematomas até que ele tivesse que virar a cabeça para tomar ar. "Beije-me de novo", ele implorou. Sentei-me, abri a tampa do lubrificante e, enquanto eu alisava meu pau, seus olhos se estreitaram em fendas de azul escuro febril. “Miro.” "Eu preciso te preparar." “Não,” Ele insistiu. "Eu não posso esperar, não quero." Atirando o lubrificante de lado, pressionando contra sua entrada, ele curvou-se para fora da cama, me querendo. “Passe-me um travesseiro.” Ele entregou-me o meu e eu empurrei debaixo dele, mudando o ângulo enquanto eu empurrava suavemente para a frente, deslizando para dentro. Ele segurou meus bíceps, deslizou suas pernas pelas minhas coxas e as trancou ao redor de meus quadris. [369]


"Eu vou ir devagar e..." "Você sabe, às vezes eu observo você andando ao meu lado, e eu fico tão orgulhoso." Eu inclinei minha cabeça para a frente, precisando estar enterrado nele, mas me segurando, mantendo minha entrada lenta, firme, sentindo seus músculos ondularem ao meu redor. "E agora... será mais, porque eu sei que você é meu." “Ian,” disse eu. "Eu preciso... Miro... vamos, cara, só pegue o que quiser." Empurrei duro, o mais fundo que pude, e ele gritou meu nome antes de enrolar seus braços ao meu redor. Eu estava embrulhado nele. "Você tem que se mover." "Então você tem que me deixar ir." "Não," ele murmurou, levantando para a minha boca. Jesus. Ele não queria me soltar? “Miro,” disse ele, grosso e escuro. "Mostre-me..." Que eu o amava? Que queria ele? Precisava dele? O que ele tinha para ver? Sentir? Provar? Ouvir? "...seu coração." Mas eu tinha. Durante três anos, todos os dias, eu tinha mostrado Ian Doyle a profundidade do meu amor. Desenrolando seus braços ao redor do meu pescoço, entrelacei meus dedos nos dele, casando nossas palmas, pressionando ambas as mãos no colchão.

[370]


"Eu te amo, Ian", eu disse, minha voz áspera com sentimento quando eu olhei em seus olhos. “Nunca duvide do meu coração.” Ele apertou os olhos rapidamente, mas não funcionou, uma lágrima perdida vazou e correu pela sua têmpora. Eu peguei com um beijo antes que eu o levasse, desesperado para fazê-lo sentir meu amor. "Você acredita em mim?" "Sim," ele disse, soando quebrado, rachando. "Sempre." Nossas mãos se fundiram, nós dois segurando o mais forte que pudemos, ele levantando, encontrando cada estocada, e eu tentando ancorá-lo, seus joelhos espalhados, minha boca inclinada sobre a dele, reivindicando cada pedaço de Ian. Coração, mente, corpo, alma, tudo meu. Eu me joguei nele, o movimento lento e sensual, e ele me levou, seus músculos segurando-me apertado enquanto eu empurrava e empurrava mais fundo, tomando o que ele deu, até ele ficar rígido debaixo de mim em sua libertação, lançando sêmen quente e liso entre nós. "Miro," ele ofegou, querendo-as em mim.

tentando

liberar

suas

mãos,

Seu orgasmo torceu seus músculos em torno de meu pênis, e o calor entre nós, o ritmo e o atrito, tudo isso rasgou o clímax de mim. Ele estremeceu quando eu o enchi, e então com mais força quando eu o beijei, esfregando minha língua sobre a dele. Demorou longos minutos para que pudéssemos falar, muito menos mover. "Você está bem?" Eu perguntei quando eu finalmente separei nossos lábios. "Oh sim," ele murmurou.

[371]


Quando me soltei, eu estava indo para o banheiro pegar um pano e uma toalha, mas ele me envolveu em seus braços, me abraçando apertado. "Nós devemos tomar um banho." Eu ri em seu cabelo suado, aconchegando-me, beijando sua têmpora, sua bochecha, apertando meu domínio sobre ele, em vez de deixálo ir. "Sim," ele concordou, não se movendo, deslizando sua perna entre as minhas. "Você sabe, acho que posso estar pronto para te amarrar." Eu sorri, amando a sensação de toda sua pele sobre a minha. "Oh sim?" "Sim," ele rosnou, e Deus era sexy. “Qualquer coisa que você quiser.” "Qualquer coisa?" "Eu pertenço a você, certo?" "Sim, você faz," ele disse, e a confiança em sua voz emitiu um zumbido quente através de mim. "Ok, então." "Como você se sente sobre a corda?" O riso borbulhou de mim. Eu não poderia me lembrar de estar mais feliz. "Eu prometo desamarrar você", ele jurou, beijando minha garganta, suas mãos começando a vagar. "Talvez." Como se eu me importasse. Entre nós estava a confiança, a amizade, a coisa toda. E agora, o mais importante, o amor. "Eu tenho você", ele sussurrou em meu ouvido. Era nos dois sentidos.

[372]


Prรณximos:

[373]


All kinds of tied down (r&l)_Marshalls 01_Mary Calms