Page 1

CR!ARTS anual 2010 | N.01

Caldas Late Night Comunicar Design

MĂŠrito para a ESAD Futuro para os Estudantes


Design e paginação Ana Tomás Inês Traquina Vânia Rocha Direcção e Coordenação Joana Nina Patrícia Cativo Fotografia Ana Tomás António Costa Pedro Cá Vânia Rocha Agradecimentos Anabela Monteiro António Costa Pedro Cá Victor Galvão Tiragem 01 exemplar Impressão Obigraf

Pedro Cá

CR.ARTS, publicação anual Edição n.º1, Dezembro 2010


esad

cursos

opinião

eventos

09 Mérito para a ESAD Futuro para os estudantes

18 Artes Plásticas 20 Design de Ambientes 22 Design de Cerâmica e Vidro 24 Design Gráfico e Multimédia 26 Design Indústrial 28 Som e Imagem 30 Teatro

34 Os Cortinados do IPL

36 Food Landscapes 60 Caldas Late Night 62 Comunicar Design

15 Alunos da ESAD.CR reconhecidos em França


notícia

oficinas

percurso

38 Mandalas 68 Nova directora ESAD

42 Audiovisuais 44 Cerâmica, Gesso e Vidro 46 Digital 48 Fotografia 50 Gravura e Serigrafia 52 Madeiras 54 Metais 56 Prototipagem 58 Teatro

70 Os corredores da ESAD


Editorial Este revista têm como objectivo divulgar e apresentar a Escola Superior de Artes e Design. Surgiu com o intuito de divulgar trabalhos de alunos, informação sobre a escola e cursos que oferece.

Ana Tomás

Os trabalhos foram seleccionados após uma pesquisa de forma a que a divulgação de trabalhos e cursos fique explicita e clara, não identificando imagens a pessoas de forma a que não haja privilegiados.


ESCOLA SUPERIOR ARTES E DESIGN ESAD, fundada em 1990 na antiga cidade Termal, ĂŠ uma das escolas mais conhecidas da ĂĄrea das artes. Situada no distrito de Leiria, Caldas da Rainha, cidade onde as artes predominam.


Ana Tomás

esad 7

A Escola Superior de Artes e Design é uma Escola do Instituto Politécnico de Leiria fundada em 1990 na antiga cidade termal das Caldas Rainha situada no centro litoral atlântico de Portugal. A tradição de cerâmica artística nas Caldas foi um factor determinante na localização desta Escola Superior do ensino público; esta é, por excelência, uma cidade de artes, com vasto património artístico e cultural, sobretudo nos domínios da pintura, da escultura e da produção cerâmica. A escola iniciou a actividade lectiva em 1990 com três cursos de bacharelato aptos a colmatar a falta de competitividade da indústria cerâmica e a ausência de técnicos superiores qualificados nos domínios das Artes e Design. Ao longo dos últimos anos a ESAD.CR tem desenvolvido inúmeras acções pedagógicas integradas no contexto curricular dos seus cursos, constituindo uma referência no panorama do ensino superior nacional e conquistando progressivamente um lugar ao lado das melhores instituições europeias. Instalada num Campus situado entre pinheiros a pouca distância do centro das Caldas, a ESAD.CR possui diversos edifícios, entre os quais o complexo original que ganhou o prestigiado prémio SECIL de arquitectura. A escola possui também uma ampla capacidade técnica que, para além das inúmeras salas-atelier, inclui oficinas tradicionais e multimédia, auditórios e anfiteatros, cantina e outros espaços colectivos dirigidos à comunidade académica.

Actualmente a escola possui, em pleno funcionamento curricular, cursos superiores na área das artes: Artes Plásticas, Design de Ambientes, Design Industrial, Design de Cerâmica e Vidro, Design Gráfico e Multimédia, Teatro, Som e Imagem. Desde o ano de 2008 alguns destes cursos são leccionados em regime pós-laboral. As qualidades patentes na produção resultante destes cursos são já reconhecidas, quer na qualidade das propostas apresentadas no âmbito dos estágios curriculares, quer na participação dos seus alunos e professores em concursos nacionais e internacionais, nos quais é frequente distinguirem-se com reconhecido sucesso.

Alunos talentosos O grupo de breakdance C4Effect, da Escola Superior de Artes e Design do IPL, venceu o 1º Concurso de Talentos do IPL, arrecadando mil euros como prémio. O grupo de breakdance C4Effect, composto por Ricardo Sousa, do 2º ano do curso de licenciatura em Som e Imagem, da Escola Superior de Artes e Design (ESAD.CR) do Instituto Politécnico de Leiria (IPL), e por Walter Noronha e Jonathan Vieira, venceu o 1º Concurso de Talentos do IPL, organizado pelo 2º ano do curso de licenciatura em Gestão Turística e Hoteleira, da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar (ESTM), arrecadando mil euros como prémio.


Concurso de talentos IPL

Esta 1ª edição do Concurso de Talentos IPL, que decorreu a 26 de Maio na ESTM, teve como principal objectivo estimular o aparecimento de novos talentos no domínio cultural e artístico, e contribuir para o estreitamento de laços culturais entre as Escolas do IPL e a comunidade local, tendo conseguido atrair um elevado número de visitantes, com a lotação do auditório da ESTM esgotada.

Classificados:

Depois de um casting a 18 concorrentes foram apurados para o concurso 13, nas áreas da Música (canto e instrumentos musicais); Dança (danças de salão, dança contemporânea e breakdance); Interpretação (Teatro) e Malabarismo, dos quais 11 pertenciam à ESTM, um à ESAD.CR e um à Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG).

2.º Lugar

Do júri fizeram parte Valdemar Martins, doutorando na área de Teatro e Cinema e que lecciona, na ESTM, Espanhol e Expressão Dramática Aplicada à Animação; Ivo Francisco, que possui o 8º grau em Formação Musical; e Joana Carlos, licenciada em Dança, com especialização em Espectáculos, no Instituto Superior de Dança de Lisboa. Além dos concorrentes, o espectáculo contou, ainda, com o grupo musical “Os Mareados”, composto por cinco docentes da ESTM (Roberto Gamboa, Pedro Gonçalves, Rui Martins, Carlos Alves e Daniel Pinto), e com a “Mar Tuna”, Tuna Académica daquela Escola. • Vânia Rocha

1.º Lugar C4Effect (breakdance) composto por Ricardo Sousa, do 2.º ano do curso de licenciatura em Som e Imagem, da ESAD. CR, e por Walter Noronha e Jonathan Vieira;

Daniel Rodrigues (violino e percussão), do 2.º ano do curso de licenciatura em Biologia Marinha e Biotecnologia da ESTM;

3.º Lugar Banda “Os Incógnitos”, composta por Cláudio Reis, João Reis, Rui e João, da ESTM.


esad 9

Mérito para a ESAD Futuro para os Estudantes

Duas ex-alunas da ESAD das Caldas da Rainha venceram concurso nacional de Design Ana Isabel Morais, de 22 anos e Ana Cabete de 24 anos são duas ex-alunas da ESAD que foram as vencedoras dos primeiros prémios do Concurso Nacional de Design. A primeira foi distinguida com várias propostas que fez para os CTT e a segunda foi distinguida na área da cerâmica tendo criado, para a Revigrés, um novo revestimento. Cada uma ganhou três mil euros que vão aplicar no prosseguimento de estudos. A cerimónia de entrega dos prémio decorreu em Dezembro e as duas jovens autoras, formadas respectivamente, em Design Industrial e em Design de Cerâmica na escola de artes caldense, receberam o prémio das mãos do Presidente da República, Cavaco Silva. Ana Isabel Morais, de 22 anos, é da Parede (Cascais) e terminou a formação nas Caldas da Rainha em Design Industrial em 2008. Foi com o projecto final da cadeira de Design Digital que projectou o interior de uma loja dos CTT. Entregou o trabalho em Junho de 2008 e foi seleccionada em Julho para a segunda fase do concurso nacional de Design. Esta autora sempre teve interesse pelo eco-design e pelo design de embalagem e foi com agrado que desenvolveu “uma nova, flexível e mais ecológica embalagem para aquela empresa”. Esta é feita em cartão canelado, impresso nas duas faces, “o que permite uma reutilização da própria caixa”. Ana Isabel Morais também propõe um harmónio em cartão que permite ser reajustável ao objecto a transportar. Propôs ainda uma fita-cola especial que, além de selar a embalagem, permite escrever os dados do remetente e do destinatário sem esquecer a colocação do selo.

“Ana Morais ficou muito satisfeita por ter recebido esta distinção e diz que vai usar o dinheiro do prémio para dar continuidade à sua formação” Ana Isabel Morais fez o estágio profissional numa empresa em cartonagem de embalagens em S. João da Madeira e prossegue agora estudos com uma especialização em Design Gráfico.

A ex-aluna ficou muito satisfeita por ter recebido esta distinção e diz que vai usar o dinheiro do prémio para dar continuidade à sua formação. Ana Carina Cabete, de 24 anos, terminou a sua formação em Design de Cerâmica na ESAD também em 2008. “É frustrante não conseguir emprego nem sequer estágio profissional nesta área”, contou a jovem que não baixou os braços e está agora a apostar numa segunda licenciatura. Está por isso a estudar Arquitectura na Universidade de Évora. Foi a vencedora, na área da Cerâmica, do Concurso Nacional de Design, com o revestimento “que permite produzir vários padrões e que possui também várias conjugações de cores”, disse a designer. Este seu padrão de revestimento já faz parte do catálogo colecção de autores 2009, da Revigrés. Esta jovem designer que também considera a formação “essencial” e vai aplicar os três mil euros, que lhe valeu a distinção, no prosseguimento dos seus estudos. • Vânia Rocha

Alunas recebem prémio do Concurso Nacional de Design


10 esad

Hugo Rosado e Bruno Carnide, vencedores nacionais do Concurso “Artes e Breves”. Dois alunos de Som e Imagem, da ESAD.CR, vencem concurso nacional nas categorias de “Graf & Breve” e de “AnimBreve”. Hugo Rosado distinguiu-se com um trabalho de animação de vídeo, e Bruno Carnide com um filme de animação. Um dos novos cursos já se está a fazer singrar a nível nacional, como forma produtiva e imaginativa, e já com resultados esplendorosos e equiparados aos alunos de Design e Artes Plásticas. Uma bela forma de mostrar o Curso, como possível e de rentável futuro, dando graça e enfatizando os feitos dos aprendizes, com resultados tão bons que até merecem prémios. A animação gráfica de 24 segundos, bastou para apelar e despertar os sentidos do júri. E foi o tempo necessário para animar o logótipo do IPL (Instituto Politécnico de Leiria).

O aluno afirma: “Combinei a desconstrução do símbolo com a ideia de pixel e criei uma animação”, explicou o autor de apenas 19 anos de idade, aluno do 2º ano do Curso de Som e Imagem. Quando recebeu a notícia, que tinha sido vencedor, Hugo disse: fiquei surpreso e nem queria acreditar. O objectivo de ambos era: realizar um bom trabalho para adicionar ao seu portfolio, e diz que se não fosse o apoio de Joaquim Duarte, era quase impossível criar a sua animação sob um símbolo gráfico. Os alunos, aproveitaram um projecto de uma das cadeiras, “Projecto Televisivo”, onde usaram o programa “Motion”, agarraram nos princípios base e transportaram a animação para o regulamento do concurso com o resultado do sucesso obtido pelo prémio ganho. Hugo Rosado, irá receber um troféu de €100,00 num vale desconto FNAC, e diz que o vai guardar para futuramente investir em equipamento fotográfico. E de futuro, gostaria de trabalhar na área da animação gráfica ou edição de vídeo. Hugo, afirma também, que viver no bom ambiente da residência de estudantes da ESAD, e com o leque de culturas e educação que existe, é mais fácil a ajuda mútua.

Esboço da desconstrução do símbolo

“Combinei a desconstrução do símbolo com a ideia de pixel e criei uma animação” Bruno Carnide, jovem de 22 anos também é aluno do 2º ano do Curso de Som e Imagem. Venceu a categoria de “AnimBreve” com a titulação “Os teus últimos dias como criança”, uma curta-metragem de animação. Bruno já é um aluno batido em concursos, mostra isso na forma dinâmica ao olhar o horizonte, na pesquisa incessante pela sua sorte. Dá especial destaque e dedicação aos filmes na área da ficção e até já fala em novos trabalhos. Mas o que lhe deu mérito, foi esta curta, criada em 2008, baseado e executado com técnicas de animação 3D de um minuto e meio. Com uma história carregada de emoção e simbolismo, o tempo curto transporta-nos para um longo tempo de reflexão. O idioma francês, começou a ser um exercício de modelação, que Bruno decidiu incrementar juntando uma tradução original e música, tendo contado com a ajuda de dois amigos. O prémio, é o mesmo que o de Hugo Rosado, e vai ser destinado a acrescentar mais filmes à sua colecção. Bruno Carnide, gosta de animação, no entanto é na ficção que sente o seu verdadeiro valor. Pensa mesmo em prosseguir estudos no estrangeiro, mais propriamente no Reino Unido, dedicando-se à realização. Natural de Leiria, começou por estudar Engenharia Informática na ESTG, mas foi na ESAD que descobriu a sua verdadeira dedicação e afirma que: a ESAD possui instalações inferiores à ESTG, no entanto o ambiente aluno/professor é muito melhor. • Ana Tomás


Jorge Feijão venceu Prémio Amadeo de Souza-Cardoso O ex-aluno e ex-professor da ESAD, Jorge Feijão, radicado nas Caldas há vários anos, foi um dos vencedores da sexta edição dos Prémios Amadeo de Souza-Cardoso, que foram entregues em Amarante a 27 de Outubro. Jorge Feijão venceu o prémio de aquisição da Taminvest SGPS, no valor de cinco mil euros, pelos dois desenhos a carvão, acrílico e tinta plástica, que apresentou a concurso. De periodicidade bi-anual, o Prémio Amadeo foi reinstituído pela Câmara de Amarante em 1997, no âmbito das comemorações do cinquentenário da fundação do Museu Amadeo de Souza-Cardoso, que fica naquela localidade, e havia sido atribuído pela última vez em 1987 pela Casa de Serralves. O prémio tem duas modalidades de distinção, através de concurso e consagração de carreira. Na sua sexta edição concorreram 403 artistas com 648 obras.

Bibliografia Jorge Feijão nasceu em 1971, em França, tenho sido docente da disciplina de Desenho na ESAD, escola onde obteve a licenciatura de Artes Plásticas, de 2003 a 2005. Em 2004 venceu o “Prémio Celpa/Vieira da Silva, Artes Plásticas Revelação”, do Museu da Fundação Arpad Szenes – Vieira da Silva. Em 2005 foi também o artista seleccionado do Prémio EDP Novos Artistas. O artista plástico participou em diversas exposições individuais e colectivas por todo o país, tendo obras suas em várias colecções particulares.

Ângelo de Sousa venceu o prémio de carreira e Susanne Themlitz foi premiada pelo seu vídeo “Invertebrate/territory”. Foram ainda distinguidos Avelino Sá e Ana Cardoso. Até 9 de Dezembro vai estar patente no museu, em Amarante, a exposição resultante dos prémios, constituída por 81 trabalhos de 57 artistas. Em Lisboa, para preparar a sua participação na Feira de Arte Contemporânea, que decorre até 12 de Novembro na FIL, Jorge Feijão manifestou ao telefone o seu regozijo por ter ganho um prémio que tem o nome de Amadeo de Souza-Cardoso. Outra razão para estar contente é o facto deste ano ter sido também distinguido Ângelo de Sousa, “que me marco muito no início da minha carreira”. O artista plástico terá, entretanto, viajado para o Funchal, onde irá ter trabalhos seus expostos numa exposição colectiva no Museu de Arte Contemporânea, no qual estarão também representadas obras de outros ex-alunos da ESAD. • Ana Tomás

João Feijão


esad 13

Paulo Seco distingue-se no Indi, Concurso emValência Paulo Seco, aluno de Design Cerâmica e Vidro, cria BioWave, uma solução de protecção de fachadas e distingue-se no Indi, concurso de Valência; A solução de fachadas de edifícios, BioWave, dá segundo prémio no referido concurso, destinado a revestimentos cerâmicos. O projecto, visa a diminuição da energia utilizada na climatização dos edifícios. O material, permite a plantação de plantas de folha caduca, e o grés, pode ser instalado nas fachadas. As folhas funcionam, de forma simples e inteligente, como forma de filtro solar e durante os meses mais quentes, permitem a penetração dos raios solares durante o Inverno, fazendo com que haja uma diminuição de custos e de energia eléctrica. O trabalho foi desenvolvido, no âmbito da unidade curricular de Projecto do curso de Design de Cerâmica e Vidro da ESAD.CR – Instituto Politécnico de Leiria, teve a participação de todos os estudantes da cadeira. Para Paulo, o segundo lugar é um reconhecimento do esforço e trabalho, e um óptimo ponto de partida para uma carreira profissional. • Inês Traquina

Paulo Seco, aluno de Design Cerâmica e Vidro da ESAD de Caldas da Rainha, criou “BioWave”, uma solução de protecção de fachadas de edifícios premiada no Concurso Indi, em Valência.

Paulo Seco

Protecção de fachadas


Docente da ESAD.CR vence prémio internacional João Garcia Miguel, docente e coordenador do curso de Teatro da Escola Superior de Artes e Design (ESAD.CR/IPL), em Caldas da Rainha, foi recentemente distinguido pelo espectáculo Burgher King Lear, com o “Prémio Foment de las Artes i del Disseny (FAD) - Sebastián Gash 2008”.João Garcia Miguel foi ainda reconhecido pelo Ministério da Cultura português. A cerimónia de entrega do Prémio tem lugar no próximo dia 22 de Dezembro, em Barcelona, onde vão marcar presença o encenador premiado (João Garcia Miguel) e o actor Miguel Borges. Os prémios FAD são atribuídos em colaboração directa com a Generalitat da Catalunya, Institut da Cultura Y Ayuntament de Barcelona e representam, desde há 30 anos, a distinção mais importante no circuito das Artes Performativas da Catalunha (Espanha), tendo sido premiados em edições anteriores, artistas como Fura dels Baús, Tricicle, Els Comediants e Carles Santos.

Doutorando em “Teoria, história y Prática del Teatro”, pela Universidade de Alcalá de Henares, João Garcia Miguel, o docente da ESAD.CR, já foi reconhecido com diversos prémios. Actualmente, além de ser membro fundador de algumas associações teatrais, organiza o “Festival X” (evento multidisciplinar) desde 1994, inicialmente como Director Artístico do grupo de teatro “Olho”, e actualmente, em nome individual. Também já criou e encenou, em nome próprio, Especial Nada/Special Nothing, a partir dos Diários de Andy Warhol, e ainda: Um conjunto de quadros feitos com base nas personagens da peça para o Teatro Bruto, apresentado no TeCA, Porto, em parceria com Luís Vieira Ruínas; Parto, com os alunos finalistas de 2005 da Escola Superior Música e das Artes do Espectáculo; A Entrega, a partir de textos de August Strindberg; A História de um Mentiroso, a partir de Peer Gynt de Henrik Ibsen. • Vânia Rocha

Peça de Teatro de João Miguel


esad 15

Alunos da ESAD.CR reconhecidos em França

Nos últimos cinco anos são mais de três dezenas as distinções recebidas pelos alunos da Escola Superior de Artes e Design (ESAD) das Caldas da Rainha.Segundo a ESAD, este ano foram distinguidos sete alunos, em diversos certames no país e no estrangeiro.

No ano passado, Filipe Pais, aluno do 2º ano de Som e Imagem, ganhou o 2º prémio Atmosferas com o trabalho Synesthesia Machine. Eduarda Abrantes, licenciada em Design Multimédia, foi seleccionada no Concurso Jovens Criadores, promovido pelo Clube de Artes e Ideias.

O projecto de Diogo Mangas, “Rampa Xy”, desenvolvido no âmbito da disciplina de Projecto 4 do curso de Design Industrial, foi distinguido com o 1º prémio do certame internacional “2005 ET Design Competition”, em Chicago, nos Estados Unidos.

Hugo Guerra, licenciado em Artes Plásticas, conhecido por ser o realizador do filme “O Ninja das Caldas”, transmitido na Sic Radical, foi novamente premiado, tendo ganho o Prémio Especial do Júri do Festival Ovarvídeo com o filme “O Nono Andar” e recebido uma menção honrosa no Festival Nacional do Vídeo, VideoCor, realizado em Corroios.

Em 2002 a ESAD foi distinguida como “Melhor Escola de Design” na Bienal de Saint Étienne, em França.

João Cabaço, Andreia Páscoa e Daniel Silva, licenciados em Artes Plásticas, ganharam o Prémio de Melhor Filme de Animação no Ovarvídeo 2004 e receberam uma menção honrosa no Festival Nacional do Vídeo com a animação “Um dia com o senhor Raposo”. O filme foi exibido nos festivais de Hiroshima e de Zagreb e ainda na mostra de Jovens autores da Fundação Serralves.

Hugo Lopes, Marco Silva e Ricardo Brito foram distinguidos com menções honrosas no Concurso Nacional de Escultura – Parque Expo. Marco Rodrigues, licenciado em 2004 no curso de Artes Plásticas na ESAD, recebeu o 1º Prémio da IV Bienal de Artes Plásticas da Nazaré. Nuno Vicente e Rute Ventura, alunos do 4º ano de Artes Plásticas, foram seleccionados para participar Bienal.

Em 2002 a ESAD foi distinguida como “Melhor Escola de Design” na Bienal de Saint Étienne, em França. Ricardo Ramalho, Rui Fonseca, Telma Veríssimo, Wilma Makêba e o professor Luís Pessanha foram seleccionados entre os 15 melhores projectos, com “Compostor Aire”, no Concurso Internacional de Ecodesign, na Bienal de Saint Étienne. • Vânia Rocha


CURSOS


cursos 19

ARTES PLÁSTICAS Regime Diurno

OBJECTIVOS DO CURSO

SAÍDAS PROFISSIONAIS

Formar profissionais no campo da criação artística nas suas várias dimensões (tanto nos media tradicionais como nos novos media), dotando os diplomados de uma capacidade de problematização, crítica e experimentação, no âmbito da definição de um projecto artístico individual.

- Artistas plásticos; - Actores intervenientes no campo das artes plásticas; - Agentes com capacidade de inovar no campo das artes plásticas e protagonizar novas maneiras de entender as práticas artísticas;


cursos 21

DESIGN DE AMBIENTES Regime Diurno

OBJECTIVOS DO CURSO

SAÍDAS PROFISSIONAIS

Dotar os diplomados de competências para poder mediar e facilitar a interacção entre pessoas e bens utilitários, sejam estes objectos ou espaços, possibilitando aos designers de ambientes intervir nos seguintes domínios: Design de Serviços; Media e Indústria do Entretenimento; Comunicação Gráfica e Sinalética; Design de Interacções; Domótica; Cenografia e Design de Espaços Efémeros; Design Inclusivo; criação de espaços virtuais e interactivos, entre outros.

Desenvolvimento de projectos de design para diferentes espaços: públicos, para actividades culturais, efémeros, comerciais, de serviços.


cursos 23

DESIGN DE CERÂMICA E VIDRO Regime Diurno

OBJECTIVOS DO CURSO

SAÍDAS PROFISSIONAIS

Assegurar ao profissional competências gerais e específicas nos vários domínios, incluindo o da formação da sua própria empresa de produção de objectos, permitindo contactar e formular projectos tanto na cerâmica, como no vidro, nos metais, no têxtil e nos polímeros. Pretende ainda, acompanhar as novas oportunidades que para o design e os designers representam a produção de objectos e a intervenção do design nos programas de inovação para o artesanato.

- Gabinetes de design; - Equipas de projecto multidisciplinar (arquitectura, urbanismo, paisagismo e património); - Administração Pública - projecto de equipamentos, serviços ou espaços; - Coordenação de equipas multidisciplinares de desenvolvimento de produtos e ambientes; - Investigação e desenvolvimento de programas de Sustentabilidade; - Industria criativa - área do artesanato ou design de autor; - Profissional na área da curadoria e administração de serviços artísticos em museus e galerias; - Gestor de comércio de produtos de design e de “craft”; - Ensino;


cursos 25

DESIGN GRÁFICO E MULTIMÉDIA

Regime Diurno / Regime Pós-Laboral

OBJECTIVOS DO CURSO

SAÍDAS PROFISSIONAIS

Capacitar o diplomado para conhecer as diferentes condições (técnicas, materiais e humanas) da resolução de um problema de design e habilitá-lo a integrá-las, de um modo autónomo, empreendedor e esclarecido num projecto, quer de modo directo, ou cooperativo.

Ramo: Design Gráfico - Identificar e resolver problemas na competência de design de comunicação, nomeadamente: design gráfico, publicidade, packaging, direcção de arte, televisão e new media.

RAMOS - Design Gráfico - Design Multimédia

Ramo: Design Multimédia - Identificar e resolver problemas na competência de design multimédia, nomeadamente na área de: design de interfaces, design para HCI (Human-computer Interaction), televisão e design para écran e time-based media.


cursos 27

DESIGN INDUSTRIAL

Regime Diurno

OBJECTIVOS DO CURSO

SAÍDAS PROFISSIONAIS

Formar profissionais com elevado sentido ético e de responsabilidade social, no domínio específico do design industrial, com capacidades para exercerem a actividade inseridos em diferentes cenários de produção, procurando sempre optimizar a eficácia e sustentabilidade dos produtos desenvolvidos.

- Desenvolvimento de produtos industriais; - Designer industrial; - Equipas de projecto multidisciplinar (arquitectura, urbanismo, património artístico e cultural); - Administração Pública - projecto de equipamentos, serviços ou espaços; - Coordenação de equipas multidisciplinares de desenvolvimento de produtos industriais; - Consultoria especializada de apoio em projecto de equipamentos, serviços ou espaços;


cursos 29

SOM E IMAGEM Regime Diurno / Regime Pós-Laboral

OBJECTIVOS DO CURSO

SAÍDAS PROFISSIONAIS

Fornecer aos diplomados conhecimentos técnicos, artísticos e teóricos na área do audiovisual, desenvolvendo simultaneamente capacidades criativas que lhes permitam produzir um projecto de raiz. Os estudantes podem optar entre outras, por perfis relacionados com som, vídeo e produção cinematográfica ou produção multimédia e animação.

- Assistente de produção; - Produtor artístico; - Director técnico/criativo; - Editor de som e imagem; - Programador artístico; - Técnico de audiovisuais;

RAMOS - Som - Imagem


cursos 31

TEATRO Regime Diurno

OBJECTIVOS DO CURSO

SAÍDAS PROFISSIONAIS

Proporcionar aos estudantes a realização de múltiplos projectos teatrais, com diferentes influências e proveniências, promovendo a confrontação com renovados modelos de abordagem artística. Os diferentes projectos impulsionam a manipulação conceptual e técnica, tanto teórica como prática, questionando e desenvolvendo metodologias de resposta. Fornece ainda, competências artísticas técnicas e de planeamento que capacitam os estudantes de forma a contribuírem activamente no panorama da produção teatral contemporânea.

- Actor/Performer; - Director artístico; - Encenador; - Produtor de eventos teatrais; - Programador de artes do espectáculo; - Técnico teatral.


“Graf & Breve”

“Toma Lá Arte”

Hugo Rosado, aluno de Som e Imagem da ESAD.CR, venceu o concurso nacional “Artes e Breves” na categoria “Graf & Breve”, com um trabalho desenvolvido no âmbito da disciplina de Projecto Televisivo.

Decorrerá a segunda edição do “Toma Lá Arte”, entre os dias 6 e 9 de Dezembro, tendo como objectivo dinamizar a cidade das Caldas da Rainha, juntando vários tipos de públicos e de artistas.

“AnimBreve”

“Curtas”

Bruno Carnide, aluno de Som e Imagem da ESAD.CR, venceu o concurso nacional “Artes e Breves” na categoria “AnimBreve”, com o trabalho “Os teus últimos dias como criança”.

O filme SMOLIK do ex-aluno da ESAD. CR Cristiano Mourato foi galardoado com o prémio melhor filme de escola na 18ª edição do festival de CURTAS de Vila do Conde.

“ESAD.CR”

“Prémio Distinção”

A ESAD.CR, é actualmente, a melhor escola de Design a nível nacional, e uma das melhores a nível Europeu, coleccionando já um vasto currículo de prémios e distinções de forma singular.

Tiago Margaça, actual aluno do curso de Artes Plásticas, foi o principal vencedor (Prémio Distinção), 350 concorrentes, do Prémio Ariane de Rothschild, por decisão do júri internacional composto por personalidades de reconhecido prestígio, qualificação e notoriedade na área da arte contemporânea.

“International Expanded painting Prize”

“Prémio EDP Novos Artistas”

Samuel Rama, docente e ex-aluno de Artes Plásticas da ESAD.CR, encontra-se entre os 12 finalistas – de um conjunto de cerca de 1000 artistas concorrentes de todo o mundo – do IV INTERNATIONAL EXPANDED PAINTING PRIZE IN CASTELLÓN que se realizará no Museo de Bellas Artes de Castellón (Espanha).

O maior prémio português de arte para jovens – Prémio EDP Novos Artistas – volta a ter alunos e ex-alunos da ESAD. CR entre os candidatos finalistas. De entre 400 candidatos de todo o país, foram nomeados oito artistas e um colectivo de artistas (composto por 4 exalunas da ESAD.CR)


antónio costa IPL RECORRE A AGÊNCIA AMADORA PARA UM NOVO LOGO

Os cortinados

do Instituto Politécnico de Leiria É frequentemente reconhecida a fraca qualidade dos gestores públicos portugueses, para quem a definição de cultura visual se limita a conceitos fotocopiados e debitados por formadores acéfalos em momentos de palestras forçadas, que garantem as estes mesmos gestores encaixar verbas de um qualquer quadro comunitário de apoio, e quase sempre dependência, às empresas e identidades que estes representam.

existe cada vez mais esta ideia de marcar território à semelhança de alguns mamíferos de quatro patas.

Esta não é uma realidade distinta da que se pode observar no vasto tecido empresarial, industrial, institucional da região de Leiria, de onde faz parte o enraízado Instituto Politécnico. Para Luciano de Almeida, ex-presidente deste instituto, os mesmos conceitos de comunicação visual, criação de estratégias de posicionamento, etc., são também eles universos longínquos. E na impossibilidade deste em compreendê-los assiste-se a um esboço de bom senso no momento em que este delega num prestador de serviços na área da comunicação, supostamente competente, a tarefa de renovar a identidade visual do IPL. Nem que seja porque

Esperar-se-ia que esta escolha tivesse recaído sobre uma das unidades orgânicas do instituto, a ESAD.CR, escola de onde fazem parte um corpo docente habilitado, e alunos frequentemente assinalados na sua competência através de inúmeros prémios atribuídos.

“Presidente decide gastar 75 mil euros do nosso dinheiro numa solução pobre”

Assim não aconteceu tendo sido contractualizados serviços de comunicação com uma agência amadora, que respondeu com uma solução medíocre, e em boa medida na mesma frequência da incompetência demonstradas pelo ex-presidente neste domínio da comunicação visual.


opinião 35

Que presidente ignora em absoluto a existência de uma escola de créditos firmados, descredibilizando desse modo os recursos existentes no seu próprio instituto? Como é que esta escola é considerada pelas restantes escolas do instituto quando o seu presidente decide ignorar a sua existência? Que presidente decide gastar 75 mil euros do nosso dinheiro numa solução pobre, quando nem seria absolutamente necessária a mudança?

É como a escolha dos cortinados para as janelas da casa de fim de semana A ausência de um plano estratégico de comunicação ou de coisa semelhante foi evidente no discurso inócuo deste presidente quando ensaiou uma explicação para a opção tomada, claramente merecedora de constar num qualquer manual escolar do ensino básico. É assim comum encontrar decisores que promovem um projecto de identidade visual como se participassem na escolha dos cortinados para as janelas da casa de fim de semana. Ou até, e somente, porque sim. Dir-se-ia que são estes os gestores vítimas do nosso sistema de ensino, que insiste em erradicar as diversas expressões artísticas dos currículos logo nos primeiros anos de ensino. Aumentam a obesidade intelectual e muscular.

A identidade visual do IPL é assim desprovida de qualidade formal, quer ao nível do símbolo quer ao nível da tipografia utilizada, e ao ainda ao nível do vasto universo de suportes de comunicação que o constituem. A ausência de qualquer traço distintivo – aspecto nuclear na afirmação de qualquer marca visual, é confrangedora. É antes uma solução básica, universal, genérica, que não foi suficientemente desenvolvida e que facilmente encontramos noutras identidades, umas na própria região e outras um pouco mais longe. O resultado visual plano reflecte uma organização vincadamente tecnológica, quando assim não o é na realidade. Relembro que as áreas de ensino ministradas são vastas e transversais; remete para a representação visual do botão de termostáto, ou de um regulador de uma qualquer espécie de intensidade gasosa, líquida ou outra; remete ainda para um elemento geométrico contentor fechado, que não previligia a representação da esperada interacção com o plano exterior; ilustra uma instituição fechada sobre si própria, isolada, aséptica, controlada. Poderá assim não ser, mas assim comunica. Poder-se-ia ter analizado com maior profundidade a natureza das diversas unidades de ensino do instituto, as suas características únicas, capacidades exclusivas, valores profundos e relacionais, considerando ainda a possibilidade de se representarem através de marcas autónomas mas validadas com o endosso institucional e sério do IPL.•


Food Landscapes Food Design foi apresentado em Julho na exposição de finalistas da ESAD.CR e pretende propor uma reflexão sobre a percepção dos produtos alimentares, isto é, aplicação de comida em propostas contemporâneas recheadas de criatividade, tradição e até ironia. O projecto Food Landscapes, desenvolvido pelos alunos finalistas da licenciatura em Design Industrial, foi realizado em parceria com a Ecole Supérieure d’Art et de Design de Reims e será apresentado, numa exposição conjunta das duas escolas, em Outubro de 2010, na mais importante feira mundial de produtos alimentares, a SIAL, a decorrer em Paris. A ESAD Reims é uma escola com larga experiência no ensino do design culinário, com quem a ESAD.CR tem vindo a estreitar relações no sentido da criação de uma pós graduação internacional em Food Design. A pertinência do Design no campo dos produtos alimentares prende-se com a crescente industrialização deste tipo de produtos. Hoje em dia, os alimentos são produzidos de forma global e massificada, tratados como qualquer outra matéria prima industrial, transformados em estruturas fabris em tudo semelhantes às que produzem produtos de vidro, cerâmica ou plástico. O projecto Food Landscapes, parte do conceito de paisagem para propor uma reflexão sobre a percepção dos produtos alimentares. Os trabalhos apresentados relacionam referências culturais e territoriais com a recuperação de uma estética alimentar ligada ao natural e ao efémero. Procuraram-se formas de reforçar a identidade cultural dos produtos alimentares reaproximando-os dos seus territórios de origem e recorrendo à presença de elementos de memória colectiva como a lava, as nuvens, a floresta ou os terrenos agrícolas. • Ana Tomás


evento 37

Pedro Cรก

Projectos de Food Design


Mandalas Exposição de Vítor Galvão

Vítor Galvão recebe-nos com a sua exposição de Mandalas no Déjàvu café a partir do início de Dezembro. Apresentanos assim um trabalho inovador que surge com base na azulejaria portuguesa e dos padrões que esta faz, difere das mandalas já existentes na técnica, no significado, e na forma. As Mandalas são uma representação geométrica, uma exposição digital e visual do retorno á unidade pela delimitação de um espaço de experimentação. Toda essa experimentação teve início devido à necessidade de explorar formas a nível gráfico, de um modo mais abstracto. Vítor Galvão encontra-se a concluir o curso de Design Gráfico na Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha, pretendendo continuar a explorar estas formas tão complexas e ao mesmo tempo envolventes. Pretende no início de Janeiro publicar um livro com o seu trabalho. Um convite ao passado das Mandalas com um toque de modernismo, a não perder no seu café de convívio. • Inês Traquina

Pretende publicar um livro com o seu trabalho


notĂ­cia 39

Mandalas


OFICINAS


oficinas 43

Esta oficina está equipada com o material necessário para a realização de projectos audiovisuais. Câmaras, tripés, microfones, gravadores portáteis, material de iluminação, projectores de vídeo, de transparências, opacos e slides, televisores e leitores (VHS, DVD, MiniDV, DVCam), assim como 10 estações de edição equipadas com o hardware e software essenciais para a realização de projectos em ambiente compatível com a posterior integração do aluno no mercado Professional (Premiere, Final Cut, DVDLab Pro, Photoshop, Pyramix, Pro Tools).

Audiovisuais

Dada a transversalidade dos cursos leccionados na instituição, as valências da oficina de audiovisuais vão além da gestão de equipamento, passando pelo apoio técnico e logístico das estruturas e eventos relacionados com a mesma, pela mobilização de recursos para a criação de condições para o bom funcionamento destes (Exposições de Finalistas, First, Comunicar Design, conferências no auditório da escola, FITEC, assim como a elaboração dos suportes de divulgação promocional, tanto de eventos como de trabalhos dos alunos (DVD’s promocionais, compilações para concursos, etc).


oficinas 45

Divide-se por áreas de trabalho, nomeadamente um pequeno laboratório, uma zona de enchimento de moldes, duas zonas de mesas de trabalho, uma área de olaria, uma zona de gesso, uma área para trabalhar o vidro a frio e fornos de cerâmica e um de vidro. Como complemento possui ainda uma série de equipamento de apoio, desde ferramentas de modelação, ferramentas para vidro, laminadora, fieira, estufa de secagem, balança, torno de mesa, roda de oleiro eléctrica e uma artesanal, tornos de gesso, cabines de vidragem, fornos eléctricos, agitadores, entre outros.

Cerâmica, Gesso e Vidro

A oficina tem a particularidade de ser iluminada, ampla, com um portão de acesso a um espaço verde e onde é muito agradável trabalhar, tornando-se até inspirador. É aqui que a porcelana, o grés, a faiança, o barro vermelho, o refractário e o vidro se materializam em forma de cor.


oficinas 47

A Oficina Digital presta apoio a todos os cursos de ESAD, com especial incidência para as áreas do Design Gráfico/ Multimédia.

Nesta oficina também é possível passar do “papel” para o Digital através de um scanner de opacos A3, ou então passar da película para o Digital com alta qualidade através de um scanner de negativos.

Digital

Para além de computadores equipados com software especializado para as artes gráficas, tem Impressoras de provas/impressão rápida, impressoras de desenho técnico, impressoras de qualidade fotográfica e uma plotter de corte de vinil, para elaboração de maquetas de produtos gráficos existe guilhotinas, x-actos de picotados, encadernadoras, plastificadoras, mesas de luz, assim como materiais de apoio à composição gráfica (catálogos de pantones, espectro fotómetro color pantone, calibrador, de impressão e monitores).


oficinas 49

Os laboratórios de fotografia são constituídos por duas salas: 41 e 42 e por um laboratório individual. Estes espaços são apropriados para revelação de rolos fotográficos e ampliação para papel a preto e branco. São constituídos por 33 ampliadores. Dentro dos quais 7 são também para ampliações a cores. Existem 4 computadores com leitores de cartões para transferir imagens digitais e/ou tratá-las com a ferramenta Adobe Photoshop, 2 dos quais têm um scanner para digitalizar película (desde o formato 35mm até a transparências da dimensão A4).

Fotografia

O estúdio de fotografia é um local apropriado para fazer fotografias e vídeo com luzes/ambiente artificiais. Este espaço, de um modo geral, tem ao dispor luzes de flash e de tungsténio, cenários de parede com cores básicas como branco, cinza, preto, assim como blue screen para vídeo, uma mesa ciclograma, uma mesa de reprodução, máquinas analógicas e digitais tais como compactas ou reflex, de pequeno, médio e grande formato, reflectores, holofotes, tripés, filtros de correcção de cor, de criação de cor assim como filtros difusores.


A oficina de serigrafia é um espaço específico para trabalhar manualmente a técnica de impressão plana, tem uma câmara escura onde são trabalhados ecrãs de tecido que são impermeabilizados através de emulsões fotográficas, de modo a tornarem imagem em negativo. A estampagem propriamente dita é a imagem em positivo, que tem a capacidade de ser aplicada em suportes variados, tais como: tecido, napas, vidro, acrílico, plástico, papel e madeira. Na área de serigrafia, o principal material afecto é o seguinte: 5 máquinas de impressão manuais, 2 secadores de grade, 1 compressor de lavagem, 1 mesa de sensibilização¸1 máquina de lavar à pressão, 132 ecrãs de alumínio (sedas) em vários formatos. Este espaço tem 5 prensas para as 5 respectivas técnicas: Litografia (pedra), Calcogravura (metal), Xilogravura (madeira), Linoleogravura (linóleo) e encadernação (livros de artista).

Gravura e Serigrafia

oficinas 51


oficinas 53

O equipamento de que a oficina está dotada divide-se em 3 grupos: ferramentas manuais, máquinas eléctricas portáteis e máquinas eléctricas estáticas (de grande porte). Para além deste equipamento a oficina a oficina está provida de quatro bancadas de trabalho e dispõe, aos seus utilizadores, de todo o equipamento de protecção e segurança individual inerentes às condições de trabalho que a oficina potencia. Pode trabalhar-se com diversos tipos de material, desde madeira natural e os seus derivados, com MDF, Aglomerado de Partículas, “Platex” (aglomerado de fibra duro), OBS, contraplacado, Lamelados entre outros.

Madeiras

Trata-se de uma oficina que tem como objectivo primordial o apoio ao desenvolvimento de projectos no âmbito dos cursos ministrados na escola, trabalhando numa estreita ligação com os mesmos, mas também, em segundo plano, como apoio logístico da própria instituição, como por exemplo, na execução de instalações, estruturas e mobiliário específico de apoio inerente às actividades lectivas presentes na escola.


oficinas 55

Possui uma série de equipamentos que possibilitam realizar projectos com ligas metálicas ferrosas e não ferrosas de todos os formatos por processos convencionais de metalomecânica e serralharia que permitem as possibilidades de corte, soldadura, maquinação, quinar, dobrar, forjar, rectificar, etc.

Metais

A oficina de metais, é presentemente uma das melhores equipadas do país no ensino artístico nacional e internacional. As suas capacidades logísticas têm vindo a permitir ao longo dos anos a realização de centenas de projectos com êxito nas áreas de artes plásticas, em diversos trabalhos de escultura e instalação e nos diferentes cursos ligados às áreas de design na concepção de protótipos e projectos individuais e colectivos.


O projecto da ESAD.CR denominado ICRP – Interface para Concepção Rápida de Protótipos, integrado na OTIC, centra parte dos seus objectivos na transferência do conhecimento produzido pelos alunos de design materializando em produtos inovadores baseados em conceitos de qualidade e metodologia de produção coerentes com regras ambientais e ergonómicas que induzirão, naturalmente, eventuais vantagens concorrenciais às empresas que apostassem na sua produção. O Laboratório de Prototipagem Digital funciona como complemento às tecnologias de projecto 3D por computador. Está equipado com uma impressora 3D Z450 da ZCORP indicada para a realização de protótipos para avaliação formal que funciona com materiais à base de gesso.

Prototipagem

oficinas 57


oficinas 59

Existem vários tipos de salas. Uma especialmente vocacionada para a dança e o trabalho do corpo, outra para a leitura e ensaios, outras como apoio que servem como arrecadação, oficina, gabinetes. Aqui também podemos encontrar vários tipos diferentes de projectores de luz, mesas de luz, estrados, cabos diversos, bem como adereços e cenografia.

Teatro

A oficina de Teatro é um espaço multidisciplinar, composto por vários espaços com vocações distintas. Salas 16 e 17 – local por excelência para apresentação de espectáculos, realização de ensaios, filmagens, etc. Estes espaços oferecem uma variedade de soluções técnicas com: teia fixa totalmente electrificada e com circuito de DMX, armário de dimmer’s, quadro de patch, panejamento nas paredes “impermeabilizando” a sala de fontes exteriores de luz.


Caldas

Late

Night O Caldas Late Night é um evento cultural e artístico realizado na cidade de Caldas da Rainha essencialmente por alunos da Escola Superior de Artes e Design (ESAD.CR). Nasceu em 1997, da necessidade dos alunos criarem e exporem trabalhos fora dos limites da escola. Começou por um grupo de alunos da então ESTGAD, decidiu fazer um conjunto de exposições e instalações em vários locais da cidade, desde lojas onde cruzam comércio e arte, ruas, locais públicos abandonados mas principalmente nas suas próprias residências.

Movimento “underground”

Começou por ser um movimento “underground”, embora sempre aberto ao público em geral, tornou-se num evento que anualmente atrai cada vez mais as atenções dos caldenses e não só. Desde a sua primeira edição, o CLN consiste numa mostra de trabalhos de livre escolha, aberto a todos os interessados, não submetendo os participantes a qualquer tipo de selecção, sendo os criadores os responsáveis pelas suas obras. As obras a expor podem ser dos mais variados meios artísticos, instrumentais, teatrais, gráficos, de instalação, performativas, entre outros. Os trabalhos podem ser apresentados em espaços públicos, em casas particulares ou noutro espaço previamente deliberado. De 1997 a 2003 o CLN foi um evento de apenas uma noite, passando a uma semana inteira desde 2004 devido à crescente afluência de propostas e de público, quer da cidade quer visitante, pela importância que conquistou no panorama artístico nacional e a ressonância internacional que também já se faz sentir. • Vânia Rocha


evento 61

Trabalhos do evento


evento 63

Comunicar Design “A proximidade criada entre os alunos e os convidados é fundamental no sucesso do Comunicar Design»

Pela sétima vez, a Escola Superior de Artes e Design de Caldas da Rainha organizou a iniciativa “Comunicar Design”. O Comunicar Design define-se pela partilha de ideias e vontades, de todos os participantes, em fazer do design de comunicação uma área criativa que pode e deve contribuir, cada vez mais, para o desenvolvimento e melhoria da qualidade de vida, quer seja a nível social, económico e político. Este evento é organizado pelos finalistas de Design Gráfico e Multimédia e por docentes. Na edição anterior fizeram parte conferências e workshops com o intuito de estimular a criatividade, o debate e a partilha de experiências entre discentes, profissionais e docentes. Os estudantes puderam participar em workshops e conferências. Esta oferta também passou pela ilustração, food-design, stencil, entre outros. • Vânia Rocha


Cristiana Pena 1. Quem é a Cristiana Pena? 2. O que é o Comunicar Design? Quando e como Surgiu?

1. Professora na ESAD.CR desde 2001. Mestre em Cultura Visual e Estudos sobre as Mulheres. Investigadora do Grupo de Estudos sobre as Mulheres da Universidade Aberta e membro da direcção da APEM – Associação Portuguesa de Estudos sobre as Mulheres. 2. O Comunicar Design nasce no ano lectivo 2003/2004 e, até agora, tem sido um projecto concebido, programado e produzido pelos discentes finalistas do curso Design Gráfico e Multimédia. Eu tenho orientado e coordenado o projecto ao longo de 7 edições com o apoio de muitos docentes e amigos porque as unidades curriculares permitem integrar este tipo de eventos nas actividades curriculares e extra-curriculares.


entrevista 65

“A ideia do evento surgiu durante uma aula com uma turma de alunos bastante interessados em dinamizar a reflexão sobre a prática do design” A ideia do evento surgiu durante uma aula com uma turma de alunos bastante interessados em dinamizar a reflexão sobre a prática do design mas também surge de um enorme desejo em participar activamente na vida académica. Existiu igualmente a consciência por parte desta turma de que era necessário aumentar a visibilidade e o conhecimento sobre o pensar/fazer design de comunicação, junto da comunidade escolar e das diversas instituições regionais. Portanto, decidimos pensar numa semana preenchida com conferências, workshops, exposições e feira de fanzines que servisse principalmente os interesses do curso de DGM mas também construísse ligações com os outros cursos que a ESAD.CR oferece. Para além disso, concordámos que este

evento teria sempre a preocupação de debater a (ir)responsabilidade social inerente á prática do design. Ao longo de todas as edições convidámos vários designers portugueses, uns conceituados como o Henrique Cayatte ou o Jorge Silva e outros desconhecidos, como é o caso do Invisible Design ou Hortelã Magenta, dois ateliês de antigos alunos do curso. Em algumas edições contámos com designers estrangeiros como Gérad Paris-Clavel ou Robert L. Peters que trouxeram ao evento novas formas de olhar a criatividade e a função social do design de comunicação.Penso que a diversidade de convidados e actividades tem sido também uma característica bastante enriquecedora do evento. Pontos de venda do Comunicar Desgin


66 entrevista

3. Que ligação tem o evento à escola, e os efeitos práticos a posteriori? 4. Que benefícios trás o evento à escola? 5. O evento é conhecido no exterior? 6. Existe alguma articulação directa com as disciplinas que lecciona? 7. De que modo o seu percurso profissional contribuiu para o evento? 3. A ligação à escola é total. Sem o apoio, quer do IPL quer das diferentes direcções da ESAD.CR, este evento não seria possível. Para além disso, este é um evento feito por alunos para toda a comunidade académica. Os eventos práticos são muitos: serve de estímulo aos alunos que frequentam a escola, ajuda a turma organizadora a desenvolver algumas competências ao nível de organização, produção e trabalho de equipa. Posso dizer que também contribui para estabelecer canais de ligação entre estudantes e profissionais. 4. Só a escola poderá responder mas penso que são alguns. Dinamização de actividades, formação extra-curricular dos estudantes, estabelecimento de relações entre estudantes e profissionais da área, criação de espaços de criatividade e troca de conhecimentos, etc. 5. Penso que sim, que é relativamente conhecido e reconhecido junto da comunidade académica e da comunidade de profissionais da área do design de comunicação. Tem sido amplamente divulgado pela imprensa regional e recebido o apoio da Gazeta das Caldas com a qual algumas vezes colaborámos. Já contou com algum interesse da imprensa nacional principalmente quando recebemos convidados de outros países, como é o caso do Robert L. Peters. 6. Sim. Antes do processo de Bolonha estava integrado na disciplina de História e Critica do Design. Após Bolonha, tivemos que alterar um pouco o formato e o funcionamento, mas está integrado na unidade curricular de Prática e Ética Profissional. 7. O meu percurso contribui na medida em que trabalhei na produção da ExperimentaDesign 2001, trabalhei também como freelancer no departamento de arte e na produção de filmes publicitários e videoclips. Anteriormente, passei pelo Teatro O Bando onde fiz assistência do departamento de comunicação e vim a desempenhar a mesma função no Teatro Extremo, onde também colaborei na organização do festival Sementes (teatro infantil). •


68 notícia

Nova directora ESAD.CR Pretende estreitar ligação à comunidade e apostar na internacionalização

No dia 17 de Maio, Susana Rodrigues tomou posse na nova direccção da Escola Superior de Artes e Design em Caldas da Rainha.

Ainda se propões a apoiar a continuação da qualificação do corpo docente com o grau de doutor e à obtenção do título de especialista. A nova directora diz que está “pronta para escutar, conhecer as diferenças, reflectir e decidir”.

A nova directora chega numa altura em que a escola sofre uma grande intervenção no edifício que causou alguma polémica entre arquitectos, artistas e docentes, mas que agora está sanada, esperando-se que possam estar concluídas até ao final de 2010.

Dirigindo-se aos alunos diz-se disponível para “ouvir e colaborar, para trabalharmos em conjunto”. A docente enalteceu docentes e discentes que têm conquistado prémios e com isso “projectado esta escola como uma escola de referência no mundo artístico”.

“Entendi o convite para a direcção da ESAD como um desafio”, disse Susana Rodrigues, a nova directora daquela escola, na cerimónia da tomada de posse. A nova responsável da escola quer “estreitar o relacionamento entre a escola e comunidade, com o tecido empresarial e com os meios culturais e artísticos”. Pretende fazê-lo através do desenvolvimento de projectos, da oferta de acções de formação, da realização de eventuais prestações de serviços, e do envolvimento da escola em determinados eventos locais ou de âmbito mais geral.

Antes Cidália Macedo, a directora que termina o seu mandato e que dirigiu a escola desde Fevereiro de 2007 fez um discurso curto de despedida deixando votos de um futuro risonho para a escola. • Ana Tomás


Pedro Cรก


Os corredores da ESAD

EDIFÍCIO PE DAGÓGICO 1

EDIFÍCIO PE DAGÓGICO 1

Bloco de Professores

Bloco A Piso 0

03

05

07

WC

09

EP WC

11

13

17

15

01 02

04

06

08

10

12

WC

14

16

EDIFÍCIO PE DAGÓGICO 1 Bloco B Piso 0

21

WC

22

WC

20

23

24 25 26 27 28

WC

EDIFÍCIO PE DAGÓGICO 1 Bloco C

01

EDIFÍCIO PE DAGÓGICO 1

EDIFÍCIO PE DAGÓGICO 1

Bloco de Professores

Bloco A Piso 1

29

31

33

30

32

34

WC

36

35

37

39 WC

38

40

EDIFÍCIO PE DAGÓGICO 1 Bloco B Piso 1

41

42 WC

43 44 45

46

47

48

49

WC

50 51 52 53 54 55

02

18


percurso 71

EDIFÍCIO PE DAGÓGICO 2

WC 09 08 06 07 04 05

11

13 12 10 WC

02

28 WC

27

01

24 25

26

22 23

03

21

15

18

20

14

19

16

17

WC

Piso 0

03

01

02

03

03/05 Oficina de Serigrafia e Gravura 09 Sala de Desenho Nú 11 Oficina de Cerâmica 13 Armazém de Ferramentas 14 Oficina de Madeiras 16 Oficina de Metais 19 Auditório 21 Oficina de Audiovisuias

29 Serviços Informáticos 41/42 Laboratório de Fotografia 43 Laboratório Digital 45 Atelier Gráfico 46 Oficina Digital 47 Estúdio de Fotografia

01 Serviços de Acção Social 02 Auditório 03/20/21 Salas de Teatro


Revista CR'ARTS - ESAD.CR  

Trabalho desenvolvido no âmbito académico que consistiu na criação de uma revista sobre a instituição ESAD.CR com o objectivo de percorrer t...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you