Page 85

Os olhos de minha mãe ficaram sem foco. — Talvez em seus sonhos, se o conselho permitisse. Eu respirei fundo, e uma dor pior do que qualquer coisa que Cronus poderia jogar em mim enterrou no meu peito. Ela teria me deixado. Minha própria mãe teria de bom grado me abandonado, se eu não tivesse passado. Então o quê? Eu teria vivido o resto da minha vida mortal pensando que eu estava completamente sozinha. Eu teria estado, também, porque sonhar com a minha mãe - se o conselho me permitisse - não era o mesmo que tê-la comigo. Ela sabia o que eu passei, cuidando dela e observando-a desaparecer lentamente todos aqueles anos. Ela sabia que eu teria feito qualquer coisa para dar-lhe mais tempo para ficar comigo. E ela teria me abandonado assim mesmo. Eu levantei, minhas pernas instáveis. — Eu preciso ir. — Onde? — Disse minha mãe, levantou comigo, mas dei um passo para trás. Confusão e mágoa brilharam em seus olhos, e eu desviei o olhar. Ela era a minha rocha. Minha constante. Tinha jurado que ela me teve porque ela queria, e eu acreditei nela. Eu não era uma substituição de Persephone - mas só porque eu tinha passado nesses testes. Se eu não tivesse, eu teria sido nada mais que uma decepção, também, e ela teria me deixado exatamente como ela tinha deixado Persephone. Como Persephone tinha a deixado. Eu precisava do amor e apoio da minha mãe mais do que nunca, mas pela primeira vez na minha vida, eu duvidei dela. E isso me matou. — Eu estou indo obter Milo de volta, — eu disse. — Alguém por aqui merece ter pais que o amam mais do que tudo, incluindo a sua própria imortalidade. Eu fui em direção à porta, as lágrimas ardendo nos meus olhos. Silenciosamente eu orava que ela me dissesse para parar, que ela iria me abraçar e insistir que ela teria desafiado o conselho se ou não eles tivessem permitido que ela me visse. Que ela teria estado lá para mim, não importa o quê. — Kate. Meu coração ficou preso na minha garganta. — Sinto muito. Eu te amo. Pisquei rapidamente. Não o suficiente para ter ficado comigo para o comprimento da minha mísera vida mortal, apesar de tudo. Não se significava desobedecer o conselho. — Eu também te amo, — eu murmurei, e sem dizer mais uma palavra, eu saí do quarto e fechei a porta atrás de mim. Um leve zumbido encheu o berçário pôr do sol quando cheguei. Eu tinha ensaiado mais e mais o que eu queria dizer a Cronus, o meu último esforço contra a guerra iminente. Rhea poderia ter se recusado a nos ajudar, mas isso não significava que a batalha era inevitável, e eu tinha que tentar. Quando a minha visão ajustou à escuridão, no entanto, deixei escapar um suspiro estrangulado, todas as minhas frases cuidadosamente formadas foram esquecidas. Calliope andava através do berçário, segurando Milo ao peito. Corri para ela, mas como sempre, passei direto através dela e caí a quinze centímetros de distância de Cronus. Pela primeira vez desde que eu tinha 85

Profile for Valentina

Aimee carter goddess 03  

Aimee carter goddess 03  

Advertisement