Issuu on Google+

Ano - 1 | 2ª Edição - Junho de 2010 Jornal Laboratório dos alunos de Comunicação Social do Centro Universitário Módulo DISTRIBUIÇÃO GRATUITA NAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS DO LITORAL NORTE SP

Conectando a galera

AS PULSEIRINHAS do

SEX

As pulseirinhas, que de inocentes só tem a aparência, voltam a virar moda e fazem a cabeça de crianças e adolescentes em todo o país. A mania pode induzir ao ato mais adulto de todos. Polêmica - Pág. 3

L

eitor-repórter

SEU FUTURO

Um guia prático para você escolher a carreira certa.

2 4 6 Pág. 2

Pág. 4

MEIO AMBIENTE Veja porque o nosso país é Campeão em acúmulo de lixo eletrônico

Pág. 6

Módulo e Global Informática oferecem curso de férias O Centro Universitário Módulo, em parceria com a Global Informática, oferece um curso de férias na área de informática. O curso ensinará o funcionamento do computador, como navegar em segurança na internet, instalação de programas importantes, criação de emails, prática de programas básicos e como solucionar problemas comuns na utilização. As aulas acontecerão no campus centro e começarão no dia 5 de julho. A previsão de término está prevista para o dia 30 de julho. O curso possui duas opções de horário: tarde ou noite, três vezes por semana. Os interessados deverão comparecer a Central de Atendimento do campus centro do Módulo. O valor de investimento é R$118,00 (R$59,00 para a matrícula e R$59,00 referente à parcela única). Para mais informações entre em contato através do telefone (12) 3883- 3475


L

EITOR-REPÓRTER

Qualificação, a chave para o mercado de trabalho

Zilda Caroline da Costa – 2º. C Escola Estadual Alcides de Castro Galvão

G

rande parte dos jovens que concluem o ensino médio ficam indecisos em relação à sua vida profissional, o que podem esperar do lugar em que se encontram e até mesmo de si próprio. O Litoral Norte de São Paulo é uma região que se pode esperar muito, a tendência é um grande desenvolvimento que vai gerar novos empregos mas, sabemos que o mercado de trabalho está sendo muito competitivo, por isso temos que nos qualificar para que façamos jus a uma sociedade que busca cada vez mais qualidade junto ao mercado de trabalho. Em razão do mesmo é necessário que nós jovens comecemos desde já, a se aprimorar nos estudo buscando após sair do ensino

médio um curso técnico ou uma Por isso temos que nos qualificar para faculdade. Os que não possuem renda suficiente para prosseguir que façamos jus a uma sociedade com estudos pode optar por um que busca cada vez mais qualidade vestibular e adquirir uma bolsa integral ou parcial, e até mesmo junto ao mercado de trabalho.” usufruir dos planos do governo atentos a uma política pública que que facilitam a inserção de jovens no ensino dê condições necessárias e seguras superior. respeitando este jovem recém chegado ao O desenvolvimento do Litoral mercado de trabalho. Norte será uma grande oportunidade Para tanto, faz-se necessário para os jovens, sendo que aprimorar estarmos sempre atentos a estes nossos conhecimentos e capacidade fatores que de uma forma ou de virá ao encontro de um grande desafio outra influenciam o momento vivido futuro dos quais apresentarão benefícios e definirá um futuro próximo, por e malefícios como por exemplo: meio tanto escolhas são feitas, desta forma ambiente, violência e infra-estrutura façamos a melhor. • de um modo geral. Precisaremos estar

Perspectivas frente ao mercado de trabalho no Litoral Norte Anaise Luiz Batista - 2º C

Uma escolarização com tempo mais longo é uma exigência das atividades melhores remuneradas.”

com tempo mais longo é uma exigência das atividades melhores remuneradas. Com isso, no Litoral, os jovens ficam presos a empregos que não são necessariamente seus atrativos. Há também a falta de interesse dos empresários em investirem, e isso acaba prejudicando muitos profissionais, como por exemplo, os da TI (Tecnologia da Informação), que aplicam seus conhecimentos em grandes infraestruturas e abandonam o Litoral para trabalharem em grandes cidades. As expectativas em relação ao mercado de trabalho no Litoral Norte dependem de grandes planejamentos e

ATENÇÃO, LEITOR! Se você é aluno da rede pública estadual e gostaria de publicar em nosso jornal uma matéria, ou uma crônica, fale com o seu diretor a respeito. Ou mande-nos sua matéria por e-mail, com nome e telefone, e nós iremos analisar o seu texto. Os melhores textos serão publicados em nossas próximas edições.

jornalantenado@modulo.edu.br

investimentos, para ampliar o trabalho em diversas áreas do conhecimento, buscando sempre melhor qualidade de vida, proporcionando conforto para os moradores e visitantes e assim empregos diversos aos jovens. •

Expediente

D

iante do lugar onde moramos e também do que conhecemos, dá para se fazer uma análise em se tratando de emprego. Todos sabem que trabalhar é algo necessário e quanto mais se estuda, mais chances há de ingressar em um bom emprego, pois hoje, o exigente mercado de trabalho já não se contenta com a escola fundamental. Uma escolarização

E.E.Walkir Vergani

Jornalista Responsável: Profa. Ms. Soraya M. Reis MTB- 29.357 Editor-chefe: Ían Fori Varalo Diagramação: Paulo Henrique Ferraz Publicidade: Agência Icone Soluções Criativas Colaboradores: Alunos do Curso de Comunicação do Centro Universitário Módulo

jornalantenado@modulo.edu.br www.modulo.edu.br


e e

o ,

o m

O perigoso jogo das pulseirinhas do sexo

POLÊMICA

Soraya M. Reis

D

esde o final do ano passado, um e-mail com uma reportagem do tablóide inglês The Sun, começou a circular pela internet informando sobre uma nova moda entre os adolescentes europeus: as pulseirinhas coloridas de silicone, que, na verdade representam o código de um jogo, o “snap”. A regra é simples: as diferentes cores das inocentes pulseirinhas significam atos físicos, que vão desde o abraço até o sexo. As meninas usam o acessório de várias cores no braço, mostrando até que ponto estão dispostas a chegar, o jovem que consegue arrebentar uma das pulseirinhas ganha o “prêmio” correspondente à sua cor. Por exemplo: a amarela significa um abraço; a laranja, uma mordida; a roxa, beijo de língua; a verde dá direito a chupões no pescoço; a preta corresponde ao sexo e não pára por aí, ainda tem dourada, listrada, azul... Não demorou muito para que tal onda chegasse ao Brasil. As pulseirinhas, que agora são conhecidas como “pulseirinha do sexo” são vendidas em pacotes com até 20 unidades de diversas cores, custam não mais que R$ 5,00 e são facilmente encontradas. Em Londrina, no Paraná, no último mês a polícia recebeu a queixa crime da mãe de uma garota de 13 anos que foi estuprada por pelo menos três rapazes, no mês de março. De acordo com a Polícia, o crime teria sido motivado pelo uso da pulseirinha do sexo. Segundo foi divulgado na imprensa a menina afirmou que foi abordada por um grupo de rapazes e um deles arrebentou uma pulseirinha preta que estava em seu braço, depois disso ela teria acompanhado os jovens até uma casa onde ocorreu o estupro. Um dos jovens é maior de 18 anos e, por isso, irá responder em liberdade pelo crime de estupro vulnerável, que independe do consentimento da vítima. Os outros envolvidos também já identificados seriam menores de idade. O perigo de jogos como o “snap”, fez com que algumas escolas tomassem providências para alertar os pais enviando comunicados informando a existência desse problema. O assunto também passou a ser abordado em sala de aula pelos professores a fim de conscientizar os alunos sobre a situação e as conseqüências de tal “brincadeira”. Algumas jovens, mesmo sabendo da existência do “snap” afirmam que não querem jogar, mas usam tais pulseirinhas só por as acharem bonitas. O problema, neste caso, é a interpretação que se tem a respeito desse uso. De acordo com a estudante M.A.S. de 14 anos, o problema não está no uso das pulseirinhas, mas na postura de quem as está usando.

1.bp.blogspot.com

Jovens simulando a brincadeira: pulseira preta induz sexo explícito

Algumas jovens, mesmo sabendo da existência do “snap” afirmam que não querem jogar, mas usam tais pulseirinhas só por as acharem bonitas.”

“Eu uso porque acho que são bonitinhas e não estou nem aí com que os outros vão pensar. Importa é o que penso. Se alguém tentar arrebentar uma delas, eu não vou deixar”, explicou. Já para o técnico em informática Virgílio Xavier, de 18 anos, o uso dessas pulseirinhas depõe contra a conduta da pessoa. “A menina

que usa isso não se dá ao respeito. Eu não namoraria uma menina dessas”. Segundo o assistente de direção da ETEC de São Sebastião os adolescentes estão informados sobre o assunto e, por isso têm certa cautela com relação ao snap. “No Ensino Médio temos cerca de 200 alunos e nunca vi nenhuma menina usando tais pulseiras. Acredito que a ocorrência desses casos seja maior no Fundamental II, porque eles são mais novos, não tem a personalidade formada ainda e usam para seguir a moda, sem sequer saber o significado”, explicou. •

OPINIÃO

V

Pulseira do sexo na mamãe, invertendo os papéis

irou modismo entre as adolescentes uma pulseira de silicone com conotação sexual. A pulseira é um tipo de linguagem, códigos (jogo de regras diferentes) sobre a intimidade das meninas revelando através das cores das tais pulseiras o que a garota já fez ou o que ela aceita fazer com os garotos, no sentido sexual. Minha indagação é a respeito de como essas meninas que usam as pulseiras deste jogo, veriam se suas mães começassem a utilizar a pulseira ou um adereço qualquer indicando como andam suas vidas sexuais, ou como foi a noite passada, mesmo com uma linguagem que só os membros da casa soubessem o significado do adereço. Seria confortável? A pergunta é objetiva e sem juízo de valores. O que realmente preocupa é o fato de fazer só porque estão fazendo, isso além de revelar uma falta de auto-estima, põe em risco a saúde física e mental, pois pode deixar seqüelas graves em quem pratica esse jogo por moda e sem cuidados básicos, como o uso de camisinha. É claro que conversar sobre sexo com os pais, tias, ou amigas mais velhas, no caso das meninas, é imprescindível, principalmente na adolescência, onde os hormônios estão à flor da pele. E queiramos ou não, meninas são, infelizmente, mais vulneráveis. Portanto, seria legal tentar ver a situação outro lado. O lado em que se invertem os papéis, na realidade não só nesse modismo da pulseirinha, e sim no cotidiano e na vida! Cleyton Domingos da Silva


SEU FUTURO

Escolha Vocacional: Como fazer a escolha

Evelyn Graziele

E

stá cada vez mais complicado para o jovem escolher ou até mesmo perceber a sua vocação profissional. Insegurança, a falta de informações e medos são fatores que interferem nesta escolha. Muitos alunos entram na faculdade sem saber o que realmente querem. Para uma decisão sensata e segura, primeiramente a informação deve ser um requisito primordial, pois hoje há muitas profissões que estão ganhando espaço e destaque no mercado. Conhecer as profissões é uma forma de se alto identificar. Estamos vivendo num momento onde novas profissões estão surgindo a cada ano, então o jovem precisa estar atualizado no conhecimento e perceber as aptidões e interesses.

Atualmente conta-se com um grande aliado, a tecnologia. Com ela fica muito mais fácil saber detalhes de cada profissão. Quanto mais dados em mãos, mais fácil a escolha se torna, afinal quanto mais dados o jovem tiver sobre as profissões desejadas, mais fácil ficará a sua decisão, quanto menos informação, mais difícil ficará, conforme explica a psicóloga e professora do Centro Universitário Módulo, Laucidéia Agostinho Ribas Sampaio. Mais do que conhecer as profissões, o jovem também deve entrar num processo de orientação vocacional, que hoje mudou muito. O trabalho de escolha vocacional está muito modificado. Hoje, nesse processo (orientação vocacional) são descobertos seus interesses e o que te

Para uma decisão sensata e segura, primeiramente a informação deve ser um requisito primordial, pois hoje há muitas profissões que estão ganhando espaço e destaque no mercado.”

incentiva mais. Essa orientação é feita com profissionais capacitados, geralmente é um psicólogo que se especializa nessa área, alguém que orienta o jovem em relação a essa escolha. Todos esses recursos são válidos na hora de optar por um curso, afinal, é com a área escolhida que o jovem irá conviver o resto de sua vida. Vale à pena ponderar com calma para evitar arrependimentos futuros. •

ESCOLHA IDEAL

Ciências Biológicas no Centro Universitário Módulo: Licenciatura X Bacharelado O Grau de Licenciado O licenciado em Ciências Biológicas recebe habilitação para atuar na área de educação (magistério), com ênfase nas seguintes subáreas: consultoria educacional, desenvolvimento de materiais pedagógicos, educação ambiental, ensino básico (Ciências e Biologia), educação para a saúde e extensão educacional.

O Grau de Bacharel O bacharel em Ciências Biológicas pode exercer a profissão de Biologia, desde que seja portador de registro nos CRBios (Conselho Regional de Biologia), e que esteja em dia com suas obrigações perante ao Conselho. O exercício da profissão permite ao biólogo formular e elaborar estudos, projetos ou pesquisas; orientar, dirigir, assessorar e prestar consultoria a empresas, fundações, poder público, entre outras. Realizar perícia, emitir e assinar laudos técnicos e pareceres. AS áreas de atuação do biólogo são: meio ambiente, biotecnologia e produção, saúde e educação. A Contribuição A licenciatura é uma permissão (licença) que você adquire para dar aulas de Ciências Biológicas e Biologia, e, por isso, precisa ter uma preparação pedagógica, cursando as matérias de Didática, Política Organizacional do Ensino Brasileiro, Psicologia da Educação, Introdução aos Estudos da Educação e Metodologia

de Ensino da sua disciplina. Você precisa fazer um estágio nas escolas para se licenciar, o que envolve desde entrevistas com professores e orientadores até assistir e dar aulas, preparar cursos, assistir reuniões de pais e mestres etc. Os biólogos têm como papel fundamental contribuir para elucidar desafios e promover avanços científicos e tecnológicos indispensáveis para o crescimento do País, tendo como premissa a sustentabilidade, o respeito e a valorização da vida em todas as suas formas e manifestações. Centro Universitário Módulo No Centro Universitário Módulo oferecemos aos alunos toda a formação acima citada, pois ao término dos três primeiros anos você sai com a licenciatura e no quarto ano termina o bacharel em Biologia. O bacharelado o prepara para a carreira acadêmica e ou mercado de trabalho. Em agosto de 2010 estamos iniciando uma turma de bacharelado e convidamos você, licenciado em biologia, a fazer parte dela. •


m

a o

á à r

a -

e -

-

-

-

o o

-

a


MEIO AMBIENTE

Brasil, o maior produtor de lixo eletrônico do mundo. Mayara Peixoto

D

e acordo com o primeiro relatório sobre Lixo Eletrônico, lançado pela ONU (Organização das Nações Unidas), o Brasil é o país emergente que mais abandona toneladas de geladeiras a cada ano e um dos líderes em descartar celulares, TVs e impressoras além de descartar, por ano, cerca de 96,8 mil toneladas de computadores. Existe no Brasil a Lei 13.576/09, que institui que as fabricantes de eletrônicos são responsáveis pela reciclagem, gerenciamento e destinação final do lixo tecnológico. Enquanto a lei não funciona efetivamente, a população ainda encontra muita dificuldade em encontrar soluções para seu lixo eletrônico. Em Caraguatatuba, as lojas de consertos ainda são reféns da falta de infraestrutura. Na Loja de consertos Elétrica Sumaré, o proprietário Divaldo Soares, relatou que costuma guardar e entregar seu lixo eletrônico a um catador. “Ele sempre passa por aqui e leva nosso lixo eletrônico, provavelmente deve ir para algum desmanche, mas se não for assim então acaba indo para o lixo comum, não temos alternativa”, disse Soares. Na Elétrica Osni eles aproveitam

algumas peças das geladeiras, televisores e outros eletro-eletrônicos que podem ser utilizadas para consertar outros equipamentos, mas aquilo que não serve acaba indo para o lixo comum por não existir nenhum local para onde ele possa encaminhar. “De tudo o que tenho aqui, 80% acaba virando sucata”, declarou Osni, proprietário da Elétrica. A falta de informação quanto aos perigos do descarte em local inadequado deste tipo de lixo, a ausência de políticas adequadas de reciclagem e a rapidez com que os equipamentos eletrônicos de tornam obsoletos, são fatores que agravam essa problemática que cresce dia após dia. Informar o consumidor e os comerciantes sobre os riscos ambientais deste lixo e os locais corretos de descarte é a medida

mais urgente que deve ser tomada. Uma ferramenta que já está realizando este trabalho é o E-LIXO MAPS, um serviço web gratuito onde as pessoas podem localizar pontos de coleta de resíduos eletrônicos. Apesar de algumas medidas estarem sendo tomadas, ainda há muita coisa por se fazer, para diminuir e administrar a quantidade de lixo eletrônico produzido no Brasil. •

I Fórum Regional de Educação Ambiental do Litoral Norte Paulista Conscientização e Debates Sobre o Meio Ambiente Soraya M. Reis

O

I Fórum Regional de Educação Ambiental do Litoral Norte Paulista que aconteceu nos dias 27, no Teatro Mário Covas e 28/29 no Centro Universitário Módulo (Centro), em Caraguatatuba, contou com programações como projeções de vídeos, exposições fotográficas, palestras e oficinas, entre outras atividades culturais. O evento teve como propósito integrar e fortalecer as ações, programas e projetos de educação ambiental, objetivando a melhoria da qualidade de vida e qualidade ambiental dos municípios da região. O Fórum fez parte de um conjunto de eventos sobre Educação Ambiental: I Fórum Regional de Educação Ambiental, II Encontro Regional de Educação Ambiental e Recursos Hídricos e Seminário de Educação Ambiental para a Sustentabilidade, que foram realizados no mesmo período. Durante o evento aconteceu também o Fórum da Juventude cujo objetivo foi promover um encontro entre jovens envolvidos com as questões socioambientais dos quatro municípios que compõe o Litoral Norte paulista, e criar o Coletivo Jovem desta região, como exercício de cidadania democracia e liberdade. A proposta surgiu a partir do diálogo de um conjunto de instituições e de profissionais que atuam na área, coordenados pelo Comitê de Bacias do Litoral Norte através do GTEA – Grupo

de Trabalho de Educação Ambiental do Comitê de Bacias do Litoral Norte de São Paulo; pelo Centro de Experimentação para o Desenvolvimento Sustentável/CEDS, por meio do colegiado Realnorte, a Petrobrás e a Universidade Católica de Santos (UNISANTOS), e pela Agenda 21 do Litoral Norte. O Fórum contou com a participação de estudantes, profissionais interessados na temática e também a comunidade em geral que puderam trocar informações, discutir sobre o assunto com especialistas da área, e, além disso, assistir apresentações de trabalhos de escolas, ONGS, órgãos públicos e privados entre outros. E para aqueles amantes da fotografia, o Fórum Regional de Educação Ambiental abriu o concurso “Biodiversidade: Caminhos da Vida”, a fim de estimular o olhar do estudante sobre as especificidades da biodiversidade existente na região. O concurso foi aberto a todas as escolas do Litoral Norte Paulista que possuem Ensino Infantil, Ensino Fundamental I, Ensino Fundamental II, Educação Especial, Ensino Médio Regular e Educação de Jovens e Adultos e Ensino Técnico. O evento teve a participação maciça das escolas, instituições e ONGs. Só no primeiro dia, no Teatro Mário Covas, foram mais de 50 instituições que apresentaram trabalhos. Nos dias seguintes, sexta e sábado, no Centro Universitá-

rio Módulo, aconteceram mesas redondas com participações de inúmeros especialistas, inclusive de outras regiões do Brasil, dentre as quais da Paraíba e do Rio Grande do Sul. Simultaneamente, na quadra da faculdade, aconteceu o Fórum da Juventude com a participação de mais de 80 jovens. De acordo com a coordenadora do grupo de trabalho de Educação Ambiental do Comitê das Bacias Hidrográficas do Litoral Norte, Débora Olivato, o evento superou as expectativas da organização. “Foi excepcional, um acontecimento que envolveu quatro eventos simultâneos, todos muito bem aproveitados. Conseguimos, inclusive, discutir o Plano Regional de Educação Ambiental, que agora ganhou diretrizes e metas. Foi bem bacana. Nós da organização ficamos muito satisfeitos”, declarou. A professora do Vale do Paraíba, Maria Lúcia Miranda Antunes, que estava de passagem pela cidade aproveitou sua estadia para prestigiar o evento. “Eu fico num prédio aqui perto. Vi as faixas no Módulo e resolvi entrar um pouco. Trata-se de uma importante iniciativa não só pelo assunto central, o meio ambiente, mas também porque cria uma forma de integração da comunidade educacional – professores e alunos de faculdades e escolas– com a sociedade em geral”, declarou. •


a

m 0

o

, o

. ,

a

a i

INFORME PUBLICITÁRIO

CURSINHO PRÉ-VESTIBULAR: UM TRUNFO A MAIS PARA QUEM QUER ENTRAR EM UMA BOA FACULDADE.

C

om vestibulares cada vez mais concorridos, alunos muito bem preparados, provas mais difíceis, os estudantes que pretendem entrar nas principais faculdades do país devem se preparar bem para enfrentar todas as adversidades. Para isso, um bom curso pré-vestibular é essencial. Esse tipo de curso é especifico para os vestibulandos, pois trabalha os principais conteúdos que as provas mais concorridas exigem, além de muitos exercícios para aumentar a agilidade de raciocínio e velocidade na resolução das questões. O diferencial do cursinho para, por exemplo, um aluno que acaba de sair do ensino médio, é o preparo especifico. No pré-vestibular existe toda uma preocupação em desenvolver um conteúdo e programação de aulas voltados para quem tem como objetivo entrar em uma faculdade. Segundo Leo Reis, responsável pelo setor de Marketing do Colégio Anglo-Módulo, além de toda a base dentro de sala de aula, o sistema Anglo ajuda no “treinamento” para as provas, proporcionando dois grandes eventos nos quais os alunos podem testar seus conhecimentos em ambiente que simula o dos grandes vestibulares. - O Sistema Anglo de Ensino proporciona dois grandes eventos abertos aos alunos das escolas públicas e particulares: a Maratona ENEM e o Simulado Aberto Nacional. O primeiro é aplicado tanto para alunos do 8°e 9°

ano do ensino fundamental – servindo como teste aos futuros alunos do ensino médio –, como para os do ensino médio; a prova consiste em um simulado aos moldes do novo ENEM, dividido em dois dias de prova. Já o segundo, é um simulado especifico para alunos do ensino médio, treineiros (alunos de 2°ano que ainda não podem ingressar na faculdade) e de terceiro ano, além dos alunos dos cursos pré-vestibulares. Consiste em provas divididas por área e faculdade de interesse e, como o nome diz, é uma prova aplicada em âmbito nacional e o aluno que a presta pode comparar seus resultados com outros alunos que esco-

“Um fator que faz a diferença é o sistema de ensino. Quem quer fazer bonito no vestibular deve procurar um sistema de ensino que ajude a encontrar o caminho certo para a tão sonhada vaga na faculdade”. lheram a mesma área e faculdade – explica Leo Reis. O sistema de ensino Um fator que faz a diferença é o sistema de ensino. Quem quer fazer bonito no vestibular deve procu-

rar um sistema de ensino que ajude a encontrar o caminho certo para a tão sonhada vaga na faculdade. Boas opções fornecem apostilas, aulas para tirar dúvidas, muitos exercícios e mais que isso, apoio ao estudante. ”Para enfrentar a grande competição é necessário garra e persistência.  O sistema Anglo apoia o aluno para enfrentar este desafio”, afirmou Reis. Enem O Exame nacional do ensino médio era, originalmente, uma maneira de avaliar os conhecimentos de alunos que cursavam 1° , 2°e 3°ano do segundo grau. Mas, de tempos para cá, foi se transformando em algo que auxilia o acesso ao ensino superior. Em uma segunda fase, a prova passou a ajudar, juntamente com o ProUni – Programa Universidade Para Todos – na acessibilidade à faculdades particulares. Hoje, a tendência é que a avaliação se torne critério de seleção para as faculdades públicas. Segundo Carlos Focesi, diretor do Colégio Anglo-Módulo, o Enem pode mudar a cara do ensino médio, pois faz um tipo de prova diferente, onde desenvolve questões que trabalham as habilidades e competências. ”Se antes a capacidade de memorização era o que fazia a diferença, hoje isso se dá pelo poder de aplicar o conhecimento nas necessidades do dia a dia”, comenta Focesi sobre a diferença entre as provas tradicionais e a do Enem.



Jornal Antenado #2