Issuu on Google+

Ano - 1 |1ª Edição - Abril de 2010 | Jornal Laboratório dos alunos de Comunição Social do Centro Universitário Módulo

Alerta com a Dengue

Degue não é "febre de verão" e veio para ficar, por isso os cuidados com a prevenção são fundamentais e todos devem fazer sua parte. Veja matéria na página 4

Crise Climática Veja a que os especialistas atribuem o calor intenso e as fortes chuvas que vêm ocorrendo nos últimos meses

Meio Ambiente

Rio Juqueriquerê pede socorro! Veja matéria na página 6

Poupança Universitária

A garantia de seu ingresso na faculdade. Leia na página 3


Editorial

Um texto, um jornal, inúmeras transformações

O ser humano se esmerou, ao longo do tempo, em buscar mecanismos eficientes para estabelecer comunicação com o outro para, de certa forma, perpetuar-se, permitindo que seus pensamentos pudessem ultrapassar o limite de seu tempo de vida e viabilizassem a continuidade, aprofundamento, concordância e discordâncias sobre seus saberes em construção. Infelizmente, nos últimos tempos, não temos observado nossos jovens e crianças dedicando-se à leitura e à descoberta dos inúmeros saberes humanos acumulados e disponíveis para o seu crescimento técnico, humano, socialmente responsável. A busca deste envolvimento com o mundo das letras, do intercâmbio e da socialização de saberes, está presentena formação de qualquer cidadão, especialmente entre aqueles que conquistam atingir o nível daeducação superior em nosso país, diga-se de passagem, ainda uma

minoria. Assim é que, ao imaginarmos o desenvolvimento deste jornal, ainda de forma muito restrita enquanto abrangência e disseminação do hábito da leitura, não tínhamos como meta chegar a este ponto tão breve quanto o foi. Estão e estarão em constante envolvimento com sua produção os alunos do ensino médio das cidades do Litoral Norte Paulista, uma vez que a senhora Diretora Regional de Ensino de pronto abraçou o projeto e deu-lhe a máxima atenção e ação concreta para sua implementação. Em igual intensidade e força teremos a participação dos docentes das escolas envolvidas. Estão garantidos os espaços para a manifestação dos saberes destes atores sociais A construção do material final, torná-lo concreto, estará sob a responsabilidade dos alunos do cursoramento do contexto educacional, um texto, uma leitura e inúmeras transformações. de Comunicação Social do Módulo que

transformarão os desejos, saberes e interesses de todos os envolvidos em textos e imagens para serem sorvidos pelos 15.000 alunos do ensino médio da região. Há, também, o envolvimento de parceiros que viabilizarão este sonho que são as instituições, empresas ou empresários que contribuirão arcando com os custos da produção final dos 15000 exemplares mensais. São pessoas que acreditam na força do texto e na possibilidade de apresentarem seus negócios ou serviços de forma diversa e muito mais socialmente responsável que um simples anúncio. Por fim, o parceiro que fará a multiplicação destes textos e os levará para o seio das famílias de todos os alunos será o Jornal Imprensa Livre, que compreendeu a importância e relevância do projeto. Oferecemos um texto, que é um pretexto para contribuir com o aprimo Dr. Daniel Carreira Reitor do Centro Universitário Módulo

Antenado: Mais uma oportunidade de aprendizado O jornal Antenado vem fortalecer a parceria da Diretoria de Ensino – Região Caraguatatuba com o Centro Universitário Módulo, com o propósito de formar alunos leitores e escritores em pleno exercício da cidadania. O currículo proposto pela Secretaria Estadual de Educação de São Paulo prioriza a competência de leitura e escrita a partir do contato de diversas mídias e textos, como também, fomenta a vida cultural na escola, articulado ao mundo do trabalho. Neste sentido, o Jornal é mais uma oportunidade na qual os alunos possam apreender, consolidar e aperfeiçoar o uso da Língua Portuguesa e das Linguagens e Códigos por meio de uma gama

de temas e recursos propostos, tais como: textos informativos, artigos de opinião ( cartas do leitor etc.), gráficos, esquemas, diagramas, infográficos, fotografias e desenhos (charges), pertinente a essa mídia. É importante destacar que o domínio das Linguagens representa um elemento primordial para a conquista da autonomia e para a leitura crítica do mundo, sendo chave também para o aluno poder se expressar com mais segurança, compartilhar novas idéias, galgar novos horizontes e ter um bom desempenho no mundo do trabalho. Ler e escrever, hoje, são competências fundamentais a qualquer profissão. 35 Com isso, o projeto do Jornal Antenado, pretende atingir as Escolas

Expediente Jornalista Responsável: Profa. Ms. Soraya M. Reis MTB- 29.357 Editoria: Artur Bruzos Diagramação: Fernando Matos e Silva Publicidade: Agência Icone Soluções Criativas

2

Estaduais de nossa região, levando informações pertinentes aos alunos do Ensino Médio, como também, abre espaços para que os alunos do 3os. Anos contribuam com textos opinativos, e os demais com sugestões de pauta e divulgação de eventos na escola e na comunidade, pelo menos num primeiro momento. Sendo assim, esperamos que o projeto se concretize e que colabore para a melhoria da qualidade da apren-dizagem de nossos alunos, com estímulo a vida cultural da escola, e que seja apreciado por todos vocês (alunos e professores, e demais integrantes da comunidade escolar). Edina Paula Roma Teixeira Dirigente Regional de Ensino


Diversidade e Intolerância

A despeito do princípio de igualdade previsto nas constituições dos estados democráticos e na “Declaração dos Direitos Universais do Homem”, os seres humanos não são iguais. Carregam em si as suas individualidades assim como os países se diferem por suas diversas culturas. Diferenciamo-nos em nossas raças, nacionalidades, línguas, hábitos, costumes, comportamentos, crenças e valores. Mas, ainda assim, vivemos em conjunto. Daí a importância do conhecimento das diferenças e da tolerância a partir do ato de respeitar o próximo. A complexidade da natureza humana vem da sua diversidade. O estabelecimento de uma sociedade não suprime o indivíduo e suas carências, apenas aumenta a necessidade de um bem estar no convívio com os outros. A busca por aceitação toma boa parte do tempo da vida de uma pessoa. Se os homens fossem e pensassem todos iguais, talvez não tivessem saído do lugar. A diversidade de pensamento e cultura nos trouxe o progresso e, mais do que isso, o desenvolvimento. Mas como a História da humanidade foi construída a partir de vários conflitos e guerras em que populações sofreram com perseguições e, ou se renderam aos mais fortes, ou foram dizimadas, não se pode afirmar

que se houve sempre a idéia do respeito à diversidade dos povos e culturas. Muito pelo contrário, foi a intolerância que nos trouxe até os dias de hoje por esses meios de violação da condição humana. Um ato de intolerância isolado pode, certamente, desgraçar a vida de um homem. A propagação da intolerância degrada todo o gênero. E, assim, sumiram os povos maias nos conflitos com os espanhóis e sofreram os índios com o faroeste promovido pelos americanos. O ódio de povos por outros povos sempre prejudicou o gênero humano, nos reduzindo várias vezes às cinzas. O escritor e filósofo francês Albert Camus escreveu em um de seus romances que “nunca alguém será livre enquanto houver flagelos”. Por flagelos pode -se entender tudo aquilo que faz o homem sofrer. Sendo assim, a intolerância deve ser erradicada do coração de todos. Não somos iguais. Nesse ponto, não há como nos enganarmos. Mas não somos auto-suficientes também, necessitamos uns dos outros. A vida em sociedade só será uma coisa agradável quando entendermos que o comportamento humano é diverso, e muito maior do que podemos compreender. Felipe dos Santos

O sonho de cursar uma faculdade é algo marcante na mente de um jovem estudante. Porém, por muitas vezes, é visto pelo aluno como algo distante. Estimativas mostram que somente cerca de 10% da população brasileira encontra-se no ensino superior e um número ainda menor corresponde aos que conseguem completar o curso. Um dos motivos apontados para tal situação é a dificuldade em conciliar gestão financeira pessoal com as despesas ao ingressar numa faculdade. Apesar da temida estatística, o caminho para se conseguir um diploma pode estar mais próximo do que as pesquisas demonstram. Diante da necessidade de mão de obra especializada, num mercado cada vez mais competitivo,novos

projetos têm surgido para se ampliar as possibilidades do jovem conseguir se manter num curso superior. Um exemplo disso é o programa Poupança Universidade, do Centro Universitário Módulo, que busca facilitar o acesso de jovens estudantes do ensino médio ao ensino superior. Ao fazer parte deste programa, o aluno pode escolher mensalidade entre R$ 25,00, R$ 50,00 e R$ 75,00, que devem ser mantidas por um semestre. A cada R$ 1,00 pago, o bônus pode variar entre R$1,00 e R$ 2,00, dependendo da série cursada pelo aluno. Ao ingressar no ensino superior, no ato da matrícula, o estudante resgatará o valor total pago durante o programa, mais o bônus. Este valor será

Poupança Universitária

abatidodo total docurso em que foi aprovado. Alunos de escolas públicas um termo de adesão na sede do Centro Universitário Módulo, mediante apresentação de RG e cópia simples, CPF, comprovante de endereço recente, documento comprobatório de matrícula e atestado de frequência no ensino médio. No caso do aluno ser menor de 18 anos, deverá apresentar RG e CPF do pai, mãe ou responsável legal. Para informações adicionais, ligar no telefone (12) 3897-2000 ou comparecer na unidade do Módulo no centro de Caraguatatuba. e particulares que cursam o ensino médio em todo o Litoral Norte de São Paulo podem participar. Basta assinar Artur Bruzos

3


HPV: A Informação é a base da prevenção Hoje navegar,não é mais sinônimo de mares, mas, de ”surfar” nas ondas vertiginosas da Internet. Sem saber o que realmente buscar o adolescente se perde no emaranhado  tortuoso da informação. Em relação aos aspectos da saúde que envolvem a esfera sexual as coisas se complicam ainda mais. O adolescente na sua explosão hormonal se investe intuitivamente de poderes sobrenaturais e invencíveis, característicos do imaginário e porque não reais heróis da infância? . O Vírus, a gravidez e a morte assustam o jovem, mas, não o afasta da aventura de viver e enfrentar o desconhecido na certeza de que a sua invencibilidade o tornará sempre imortal. É baseado neste princípio, que a informação tem que ser direta sem nuances, ou sombra de dúvidas. Uma das grandes preocupações nesta área atualmente é o vírus HPV - o Papiloma Vírus Humano - de

alta infectibilidade e contagiosidade, possui uma variedade enorme de tipos, sendo que os tipos 6-1116-18 são precursores de lesões cancerosas de colo de útero. Os sinais de infecção pelo HPV; independente do tipo, são muito mais freqüente em adolescentes femininas com idade inferior a 20 anos, que fazem uso de anticoncepcional, podendo chegar em algumas pesquisas a 6% das jovens. O uso de preservativo masculino diminui sensivelmente, porém não zera a contagiosidade, porque o contato entre a pele das regiões púbicas e genitais   favorecem   a transmissão do vírus. A infecção pelo HPV pode se dar sem que o paciente ou a paciente apresente lesões   pelo exame de Papanicolaou ou colposcopia (do colo do útero), ou presença de outros tipos de lesões, como as verrugas na região vaginal ou pênis. Neste caso, não há perigo de contágio,

chamamos a isto de infecção latente e o diagnóstico é feito pelo método da biologia molecular (hibridização molecular e captura híbrida). Não há tratamento específico para a infecção pelo HPV; é o próprio organismo que se incube de eliminar  o vírus num período que vai de 08 a 24 meses aproximadamente.   No caso da infecção aparente não há riscos de transmissão de uma pessoa para a outra. O que se trata são as lesões cancerígenas ou não do colo de útero, com cauterização das verrugas ou com a   aplicação de substâncias   menos tipos mais cancerígenos ainda é a vacinação, indicada para as meninas e adolescentes de 09 a 26 anos. A vacinação preventiva consta de 03 doses, com intervalos de 02 e 06 meses a partir da primeira. Consideramos a vacinação ainda de pouco alcance social em virtude do alto custo por dose que pode chegar a   R$ 400,00. Dr. Pedro Norberto Médico Pediatra e Professor do Centro Universitário Módulo

Dengue: Alerta no verão A atuação dos Agentes Comunitários da saúde (ACS) contribui muito para o controle da Dengue, mas só isso não basta, a população tem que agir também. A Dengue é uma doença infecciosa causada por um vírus chamado flavivirus, transmitida principalmente pelo mosquito Aedes aegypti. Presente em muitos países. Os primeiros casos de dengue foram registrados na ilha de Java, no Sudoeste Asiático e na Filadélfia, Estados Unidos, isso no fim do século 18, mas foi só no século 20 que a Dengue foi reconhecida como doença, segundo o site do Ministério da Saúde. No verão o número de casos tende a crescer. O calor é intenso, e chove muito. Aumentam os lugares com água. Se no lugar já tiver ovos, eles voltam a ficar ativos e podem durar até 450 dias sem água. A temperatura elevada acelera o ciclo “Aqui no litoral só foram registrado o tipo 2 e 3”, declarou a agente do Controle da Dengue. Segundo ela, se alguém contrair dengue mais de

4

uma vez, tem grandes chances de desenvolver denguehemorrágica. Os sintomas da dengue são febre de 39° a 40°, dor de cabeça, dor nos olhos, fraqueza, náuseas dolorosas, imunomoduladoras que aumentam   a defesa do organismo contra o vírus, porém de alto custo. As lesões verrugosas são normalmente recorrentes, antiestéticas, e necessitam várias

sessões de cauterização. A indicação, hoje, mais segura para a prevenção contra as infecções pelos, vômitos e manchas vermelhas na pele. Já as hemorrágicas, além desses sintomas podem ainda aparecer sangramento na gengiva e narinas, fezes escuras, manchas roxas, dor abdominal, tonteira, diminuição na urina e dificuldade para respirar. Para dengue não há um tratamento. O paciente deve beber muita água. As medicações utilizadas (com orientação medica) são analgésicos e antitérmicos. Remédios à base de ácido acetil salicílico aumentam o risco de hemorragiaPara se ter um controle é preciso da ajuda de todos. Manter limpa sua própria casa e quintal é um grande passo. Verificar terrenos baldios, casas desocupadas e denunciar. Ter um destino adequado ao seu lixo e manter-se informado quanto à doença é fundamental. Estamos falando de vida, da sua e de seus familiares. Vamos nos cuidar! Lena Culy


Cursinho pré-vestibular: O caminho para uma boa faculdade Com vestibulares cada vez mais concorridos, alunos muito bem preparados, provas mais difíceis, os estudantes que pretendem entrar nas principais faculdades do país devem se preparar bem para enfrentar todas as adversidades. Para isso, um bom curso prévestibular é essencial. Esse tipo de curso é especifico para os vestibulandos, pois trabalha os principais conteúdos que as provas mais concorridas exigem, além de muitos exercícios para aumentar a agilidade de raciocínio e velocidade na resolução das questões. O diferencial do cursinho para, por exemplo, um aluno que acaba de sair do ensino médio, é o preparo especifico. No pré-vestibular existe toda uma preocupação em desenvolver um conteúdo e programação de aulas voltados para quem tem como objetivo entrar em uma faculdade. Segundo Leo Reis, responsável pelo setor de Marketing do Colégio AngloMódulo, além de toda a base dentro de sala de aula, o sistema Anglo ajuda no “treinamento” para as provas, proporcionando dois grandes eventos nos quais os alunos podem testar seus conhecimentos em ambiente quesimula o dos grandes vestibulares.-

O sistema Anglo de ensino proporcionadois grandes eventos abertos aos alunos das escolas públicas e particulares: a Maratona ENEM e o Simulado Aberto Nacional. O primeiro é aplicado tanto para alunos do 8° e 9° ano do ensino fundamental – servindo como teste aos futuros alunos do ensino médio –, como para os do ensino médio; a prova consiste em um simulado aos moldes do novo ENEM, dividido em dois dias de prova. Já o segundo, é um simulado especifico comparar seus resultados com outros alunos que escolheram a mesma áreae faculdade. – explica Leo Reis competição é necessário garra e persistência. O sistema Anglo apoia o aluno para enfrentar este desafio. - afirmou Reis. O sistema de ensino para alunos do ensino médio, treineiros (alunos de 2° ano que ainda não podem ingressar na faculdade) e de terceiro ano, além dos alunos dos cursos pré-vestibulares. Consiste em provas divididas por área e faculdade de interesse e, como o nome diz, é uma prova aplicada em âmbito nacional e o aluno que a presta pode Um fator que faz a diferença é o sistema de ensino. Quem quer fazer bonito no vestibular deve procurar um sistema de ensino que ajude a encontrar o caminho



             

certo para a tão sonhada vaga na faculda de. Boas opções fornecem apostilas, aulas para tirar dúvidas, muitos exercícios e mais que isso, apoio ao estudante. - Para enfrentar a grande Enem O Exame nacional do ensino médio era, originalmente, uma maneira de avaliar os conhecimentos de alunos que cursavam 1°, 2° e 3° ano do segundo grau. Mas, de tempos para cá, foi se transformando em algo que auxilia o acesso ao ensino superior. Em uma segunda fase, a prova passou a ajudar, juntamente com o ProUni – Programa Universidade Para Todos – na acessibilidade à faculdades particulares. Hoje, a tendência é que a avaliação se torne critério de seleção para as faculdades públicas. Segundo Carlos Focesi, diretor do Colégio Anglo-Módulo, o Enem pode mudar a cara do ensino médio, pois faz um tipo de prova diferente, onde desenvolve questões que trabalham as habilidades e competências. Se antes a capacidade de memorização era o que fazia a diferença, hoje isso se dá pelo poder de aplicar o conhecimento nas necessidades do dia a dia. comenta Focesi sobre a diferença entre as provastradicionais e a do Enem.

Ian Varalo Fori



             



             

5


Meio Ambiente

Calor intenso atinge litoral norte de São Paulo As pessoas que moram ou visitaram o litoral nesses últimos meses sofreram com o calor intenso e sol forte, principalmente idosos e crianças, pois como são fisiologicamente mais frágeis, têm maior suscetividade a doenças ocasionadas pelo intenso calor e sol forte. Pesquisas mostraram que as temperaturas, na região, durante o mês de janeiro ficaram em torno de 35 graus, já durante a semana do carnaval as médias eram de 29 graus. Apesar dessas temperaturas reais, a percepção (sensação térmica), chegou aos 42 graus no litoral, o que gerou maior desconforto entre a população. Como se prevenir do calor e sol forte? Esse tipo de problema pode ser evitado ingerindo muita água (por dia deve ser ingerido mais de 2 litros) ou

outros líquidos e comendo alimentos mais leves, também colocar bacias com água espalhadas pela casa para umedecer o ar, pode ajudar a respiração. Segundo dermatologistas centenas de novos casos de câncer de pele deverão aparecer neste ano em decorrência não só dos raios ultravioletas, mas também do abuso de pessoas que se esquecem de passar protetor solar e usar barracas de sol na praia. Após a exposição ao sol deve – se usar hidratantes no corpo todo a fim de evitar ou suavizar queimaduras. Deve –se evitar também, expor – se ao sol entre 10 da manhã e 4 da tarde, pois nesse período os raios UV incidem com maior intensidade. É correto afirmar que durante esses dias deve-se usar roupas bem leves e claras para auxiliar

na transpiração. E, neste verão, nunca deixar de usar chapéus e protetores solar ao se expor ao sol, retocando-o. Por que isso ocorre? Especialistas meteorológicos atribuem tal calor ao fenômeno El Niño, que anualmente se forma no oceano Pacífico e eleva a massa de ar quente no Brasil e países vizinhos. Segundo o site do CPTEC – INPE o El niño continuará atuando sobre o Brasil até o final de março e, por consequência, elevará as temperaturas em 2°C. Além desse fenômeno, o aquecimento global está afetando todo o clima terrestre e trazendo uma enorme dimensão aos problemas humanitários já conhecidos por todos, fazendo surgir novas doenças e mudanças climáticas no planeta.

Laís Gurgel de Oliveira

Rio Juqueriquerê, em Caraguatatuba, enfrenta sérios problemas ambientais.

Foto: Milena Cherion

6

Um lugar pouco conhecido dos turistas, o rio Juqueriquerê é um dos mais importantes da região e que tem a maior área navegável. Mas, por cruzar vários bairros de Caraguatatuba, ele sofre com problemas ambientais, principalmente o lançamento de esgoto. O Juqueriquerê já foi considerado um dos mais belos patrimônios da cidade e da região . “O rio está parecendo um mangue, mas ele era muito lindo, é o coração do Morro do Algodão”, lembra o comerciante Ari Cabral, que tem esperanças de ainda ver o rio recuperado, em entrevista à TV Vanguarda. O trecho que o rio cruza no bairro do Morro do Algodão traz muitos problemas relatados pela população. A água quase não pode ser vista, pois a vegetação aquática já tomou tudo, e saídas de tubulações de esgoto e entulhos são jogados no rio sem nenhuma preocupação. Em várias partes do curso do Juqueriquerê a impressão é de estar abandonado. Da Serra do Mar, onde nasce, até a praia do Porto Novo são 13 quilômetros

cortando a planície de Caraguatatuba. No trajeto ele passa por alguns dos bairros mais populosos da cidade. A sujeira e a poluição nem sempre são visíveis. E, portanto, há ainda quem pesque no rio Juqueriquerê. Mas a maioria da população do bairro do Morro do Algodão tem muitas dúvidas sobre a qualidade das águas. A Sabesp não sabe informar quanto de esgoto é lançado no rio. A rede para coleta e tratamento nos bairros Morro do Algodão, Porto Novo e Barranco Alto deve ser finalizada até o final de março. Por enquanto, a situação do Juqueriquerê é uma grande dúvida. Por isso, a Cetesb, pela primeira vez, está analisando a água do rio. São oito pontos, próximos às áreas de maior risco para a qualidade da água. O problema pede a ajuda de todos: governo, entidades civis e a população. A prefeitura de Caraguatatuba informou que está em fase final de aprovação de uma verba estadual para recuperação de áreas degradadas do Juqueriquerê. Milena Cherion


Projeto Pedalando e Aprendendo

Capacita adolescente para o mercado de trabalho

O Fundo Social e o SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) realizam em conjunto o “Projeto Pedalando e Aprendendo”. O projeto tem o intuito de capacitar os alunos da rede pública na montagem e manutenção de bicicletas. O objetivo central é fazer com que os alunos tenham um certificado de curso profissionalizante. Em 2009, Caraguatatuba foi contemplada, com três escolas participantes: EE. Ismael Iglesias, EE. Avelino Ferreira e EE. Prof º Ângelo Barros de Araújo. As escolas foram escolhidas por possuírem um grande número de alunos que usam a bicicleta como meio de locomoção. Os alunos participantesganharão transporte, alimentação e a camiseta do projeto, oferecidos pelo Fundo

Social do Município. Devido ao surto de gripe suína, os cursos em Caraguatatuba foram adiados em 2009, tendo seu início somente em Novembro e término em Dezembro. Dos 26 participantes, 18 concluíram, explica umas das responsáveis do projeto aqui em Caraguatatuba, Sandra Regina Pontes Cavalhães, professora responsável pelo projeto (PCOP). A 1 ª dama do Estado de São Paulo, Mônica Serra, junto com o Fundo Social, sorteou uma bicicleta para cada secretaria no dia da formatura entre os alunos. O aluno sorteado em Caraguatatuba foi o aluno de 16 anos, Heubert Gomes de Oliveira, da escola estadual EE Ângelo Barros de Araujo. A divulgação do projeto ocorre nas próprias escolas.

Há a apresentação do que vem a ser o projeto, seus objetivos, seus parceiros e o público alvo. Logo depois é deixada a ficha de inscrição, para diretores, coordenadores e professores selecionarem os alunos participantes, que deverão ter os seguintes requisitos: cursar o Ensino Médio, ter boas notas nas disciplinas exatas (matemática, física) e ser de baixa renda (renda familiar menor que dois salários mínimos). Para 2010, ainda não há previsão de quando começará o curso, pois está sendo aguardada uma resposta da secretaria da Educação, mas as informações serão levadas ao conhecimento dos alunos assim que for dada a largada para o projeto neste ano. Vale à pena conferir!

Recuperação Paralela aos alunos. Mayara Peixoto.

Conforme a Resolução SE 93 de 08 de dezembro de 2009, a Recuperação Paralela acontece em todas as escolas com turmas de 2º ciclo de Ensino Fundamental e Ensino Médio e visa garantir aos alunos a oportunidade de superação das dificuldades encontradas ao longo de seu processo de escolarização. Na Recuperação Paralela, após indicação dos professores, o aluno recebe um material específico de apoio em matemática e língua portuguesa. As aulas normalmente acontecem no contra turno ou após o período de aula normal. Ao final de cada bimestre os professores avaliam o desempenho do aluno e decidem se ele permanece ou não na recuperação. Segundo Ida Dias, Professora Coordenadora

de Oficina Pedagógica da Diretoria Regional de Ensino, responsável pela Recuperação Paralela, os alunos são indicados pelos professores para participar da recuperação, que pode ter duração de um bimestre ou mais, de acordo com a necessidade de cada estudante. É importante destacar a diferença entre a Recuperação Paralela e o projeto de Recuperação Contínua, que funciona durante as aulas, onde o professor trabalha algumas atividades extras com alunos que têm pouca dificuldade, ou seja, aquele que não necessita entrar em processo de Recuperação Paralela. A nova resolução do projeto garante que as aulas possam acontecer até mesmo com uma quantidade mínima de alunos. Com isso, o professor

consegue trabalhar com mais facilidade as dificuldades individuais e acelera o processo de aprendizagem de cada um. A fim de reforçar a didática das aulas, a Diretoria de Ensino promove quinzenalmente um encontro entre os professores que participam do projeto, quando eles podem trabalhar assuntos relacionados à recuperação, discutir metodologias, elaborar suas aulas e trocar experiências com outros professores. “Alguns alunos acham que a Recuperação Paralela é um castigo, mas não é assim. Eles têm um material específico e professores que auxiliam nas dificuldades, é como uma aula particular. Acredito que essa nova forma de trabalhar a recuperação vai ser muito boa para todo aluno que participar”, destacou a coordenadora.

Atenção: Alunos do 3º ano do E.M, aqui existe um espaço reservado para vocês, dêem suas idéias, mandem seus textos. Estamos esperando! 7



Jornal Antenado #1