Issuu on Google+

www.rronline.com.br editorial@metodista.br

Rudge Ramos

4CULTURA Colecionadores têm opções para compra de LPs na região Págs. 12 e 13

JORNAL

São Bernardo do Campo 4

DA CIDADE

de

25 de Abril a 8 de Maio de 2014 4 Ano 334 Nº 1.018

Campanha de Vacinação

DIVULGAÇÃO

4SAÚDE

PAULA MAIQUEZ/RRJ

No sábado (26), as 32 UBSs de São Bernardo abrem exclusivamente para o combate a gripe. Pág.3

Preocupação excessiva com alimentação saudável pode se tornar uma doença Págs. 6 e 7

4COMISSÃO DA VERDADE

LEONARDO VANTINI/RRJ

Diadema é o município que mais teve depoentes no ABC. Pág.4

4HANDEBOL

CAIO DOS REIS/RRJ

Metodista busca 3ª vitória no Paulista neste sábado (26). Pág.15


2

POLÍTICA

- Rudge Ramos Jornal

De 25 de Abril a 8 de Maio de 2014

6DE OLHO NA CÂMARA

Processo eleitoral já compromete votações na Câmara Municipal LEONARDO VANTINI LETÍCIA GOMES

q O presidente da Câmara Municipal de São Bernardo, Tião Mateus (PT), afirmou nesta quarta-feira (23) que as disputas eleitorais já comprometem a tramitação de importantes projetos de interesse da população. Segundo ele, quanto mais a eleição se aproxima, pior a relação e os debates entre os próprios vereadores. “Temos que separar. Uma coisa é a disputa partidária. Outra é a relação de respeito que temos que ter com os colegas”, declarou o petista. Mateus exemplificou essa situação com a indisposição de a maioria dos parlamentares da Câmara em discutir a crise do abastecimento de água em São Paulo. O governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou que pretende captar água do sistema Rio Grande, que fica na região do ABC. Nesta quarta-feira (23), o Rio Grande estava com 95,6% de sua capacidade, enquanto o sistema Cantareira registrava 11,7%, outro recorde negativo. “Não existe interesse dos vereadores para discutir essa pauta. Propus a convocação do diretor regional da Sabesp para termos conhecimento do que será feito no distrito do Rio Grande”, afirmou o presidente da Câmara. “Temos água para abastecer São Bernardo, e não a capital inteira.” Tião Mateus afirmou que vai convocar os líderes dos 13 partidos que compõem a Câmara Municipal para que as sessões

voltem a ser efetivas, com votações de requerimentos, acordos e projetos que estão em pauta. A reportagem apurou que, dos 28 vereadores da Casa, 7 são pré-candidatos a algum cargo na esfera do legislativo. O vereador e líder da oposição na Câmara, Júlio Fuzari (PPS), acredita que as discussões envolvendo questões políticas continuarão. “Esses debates, às vezes desnecessários, são inevitáveis, irão acontecer pela proximidade das eleições”, falou. Três projetos em caráter de urgência do Executivo deixaram de ser votados pelos vereadores. O primeiro é a proposta de isenção do ITBI (Imposto sobre Transmissão “Intervivos” de Bens Imóveis), com potencial para beneficiar 53 mil pessoas que vivem em moradias irregulares. O objetivo é incentivar a regularização da documentação imobiliária dos imóveis no município, concedendo isenção total para a primeira transferência. Atualmente, os custos equivalem, em média, a 3% do valor do imóvel. O segundo visa à regularização da construção de imóveis em áreas de manancial, e o terceiro é a proposta de aumento no tempo de contrato de seis meses para um ano para os funcionários de projetos conveniados como o Tempo de Escola, da prefeitura, e o segundo tempo, do governo federal. RACISMO E CARRO OFICIAL Como os projetos do Executivo não foram debatidos nem

4 CONSELHO DIRETOR - Stanley da Silva Moraes - Presidente, Nelson Custódio Fér – Vice - Presidente, Rev. Osvaldo Elias de Almeida - Secretário, Jonas Adolfo Sala, Aureo Lidio Moreira Ribeiro, Kátia de Mello Santos, Augusto Campos de Rezende, Marcos Vinicius Sptizer, Aires Ademir Leal Clavel, Oscar Francisco Alves Junior, Regina Magna Bonifácio de Araújo - Suplente, Valdecir Barreros - Suplente. 4REITORIA - Reitor - Marcio de Moraes, Pró-Reitora de Graduação - Vera Lúcia G. Stivaletti, Pró-Reitor de Pós-Grad. e Pesquisa - Fábio Botelho Josgrilberg 4DIRETORES - Sérgio Roschel (Diretor de

LEONARDO VANTINI/RRJ

Três projetos de urgência do Executivo deixaram de ser votados votados, os vereadores optaram por fazer requerimento de apoio ao jogador Marino, do São Bernardo Futebol Clube, que sofreu ofensas racistas no dia 10 de abril, em partida contra o Paraná, válida pela Copa do Brasil. “Estamos fazendo o papel dos vereadores, que é demonstrar para a população que não estamos de acordo com o que ocorreu no Paraná”, disse o autor do requerimento e líder da base governista, José Ferreira (PT). O projeto foi aprovado por todos os vereadores, mas a base oposicionista aproveitou o debate para criticar a presidente Dilma Rousseff e o governo federal. Solicitações como a do vereador Antônio Cabrera (PSB), que pleiteia instalar uma câmera de segurança na rua MMDC, no bairro Pauliceia, na divisa com Diadema, foram levadas ao plenário. Mas, quando discutido

Finanças e Controladoria), Daví Nelson Betts (Diretor de Tecnologia e Informação), Paulo Roberto Salles Garcia (Diretor de Comunicação e Marketing), Débora Castanha (Diretora do Ensino Básico), Carlos Eduardo Santi (Faculdade de Exatas e Tecnologia), Jung Mo Sung (Faculdade de Humanidades e Direito), Fulvio Cristofoli (Faculdade de Gestão e Serviços), Luiz Silvério Silva (Faculdade de Administração e Economia), Paulo Rogério Tarsitano (Faculdade de Comunicação), Rogério Gentil Bellot (Faculdade de Saúde) e Paulo Roberto Garcia (Faculdade de Teologia).

4COMUNICAÇÃO - Paulo Salles (Diretor).

pelo os vereadores, o assunto virou um longo debate político, com acusações de parlamentares da situação ao governo estadual pela falta de segurança pública no bairro e que prontamente foram rebatidas pelos vereadores oposicionistas, que acusavam a gestão municipal pelo problema.

A sessão dos vereadores terminou com o requerimento de Júlio Fuzari (PPS) que solicitava a suspensão dos trabalhos por 40 minutos. Quando faltavam 5 minutos para o fim da Ordem do Dia, impedindo a votação dos projetos do executivo, foi aceito. Nenhum dos 40 projetos do Legislativo que poderiam ser votados foi apreciado. Fuzari credita à falta de votações dos projetos na Câmara a passividade da base aliada do governo na cidade. “Tinham três projetos do Executivo para serem votados e por meio de manobra regimental, consegui com que nenhum dos projetos fosse votado. Fiz porque eles são maioria, mas mesmo assim não conseguem emplacar resultados na Câmara”, afirmou. O vereador e presidente do PPS, Marcelo Lima, apresentou cópias de um ofício que pede o esclarecimento do prefeito Luiz Marinho (PT) quanto ao suposto uso do carro oficial do petista no feriado de Tiradentes em São Paulo, quando não havia agenda de trabalho. O documento foi assinado por nove parlamentares, incluindo o vereador Índio (PR), que é aliado da base governista. Procurada pela reportagem, a prefeitura, por meio da assessoria de imprensa, não quis se pronunciar a respeito. g

ERRAMOS

JORNAL

Rudge Ramos

editorial@metodista.br

Diferentemente do que foi informado na edição anterior a foto ao lado é do engenheiro automotivo Rafael Sea. Erramos 2 A matéria “Município recebe prêmio por ação contra tuberculose” é de Alysson Rodrigues.

Rua do Sacramento, 230 Ed. Delta - Sala 141 Tel.: 4366-5871 - Rudge Ramos São Bernardo - CEP: 09640-000

RUDGE RAMOS JORNAL - PUBLICAÇÃO DO CURSO DE JORNALISMO DA FAC

DIRETOR - Paulo Rogério Tarsitano COORDENADOR DO CURSO DE JORNALISMO - Rodolfo Carlos Martino. REDAÇÃO MULTIMÍDIA - Editor-chefe - Júlio Veríssimo (MTb 16.706); EDITORA-EXECUTIVA E EDITORA DO RRJ - Margarete Vieira (MTb16.707); EDITOR DE ARTE - José Reis Filho (MTb 12.357); Assistente de Fotografia - Maristela Caretta (MTb 64.183)

4Equipe de Redação: Alysson Rodrigues, Amanda Souza, Bruno Madrid, Bruno Yonezawa, Caio dos Reis, Fernanda Cordeiro, Italo Campos, Leonardo Vantini, Letícia Gomes, Lucas Alencar, Oscar Brandtneris, Sergio Neto, Thais Souza, Vinícius Requena, Yago Delbuoni e alunos do 5º e 6º semestres de Jornalismo. 4Produção de Fotolito e Impressão: Diário do Grande ABC


CIDADE

De 25 de Abril a 8 de Maio de 2014

Dia D de vacinação contra a gripe é neste sábado (26) PAULA MAIQUEZ/RRJ

FERNANDA CORDEIRO

q Neste sábado, acontece o Dia D da Campanha de Vacinação Contra a Gripe, que começou no dia 22 de abril. Neste dia, as 32 UBSs (Unidades Básicas de Saúde) da cidade estarão abertas das 8h às 17h exclusivamente para a vacinação. A campanha de imunização termina no dia 9 de maio. Além da vacinação contra a gripe comum, os munícipes também serão imunizados contra a influenza A/H1N1. A meta estipulada pelo Ministério da Saúde é vacinar 80% do grupo de risco, formado por quem tem mais de 60 anos, gestantes, profissionais da saúde e portadores de doenças crônicas, além de crianças de seis meses a cinco anos incompletos.

Devem tomar a vacina pessoas com mais de 60 anos, gestantes e crianças de até 5 anos

Rudge Ramos Jornal - 3

Caso seja a primeira vez em que a criança esteja recebendo a medicação é preciso que ela tome duas doses da vacina para a ativação do sistema imunológico e para que ela responda mais efetivamente ao medicamento. Nos anos seguintes, a criança passa a tomar apenas uma dose. A vacina não possui nenhuma contra indicação. Mas, segundo a chefe da Divisão Epidemiológica de São Bernardo, Candida Kirschbaun, “algumas vezes nós precisamos adiar a aplicação da vacina, não podemos vacinar uma pessoa que esteja com febre”. Para receber a medicação na UBS é preciso levar a carteira de vacinação. Já os profissionais da área de saúde precisam levar algum documento que indique o local em que trabalham. De acordo com Candida, o portador de doença crônica que faz tratamento na UBS onde vai receber a medicação não precisa levar relatório médico. “Mas, se ele fizer tratamento em uma rede particular, é preciso levar um relatório dizendo qual sua doença e a razão pela qual precisa tomar a medicação.” g

Reuniões do Orçamento Participativo começam dia 5 BRUNO YONEZAWA

q As reuniões da administração municipal com os moradores dos bairros de São Bernardo para discutir o OP (Orçamento Participativo) de 2015-2016 começam no dia 5 de maio próximo. Esses encontros são chamados de plenárias deliberativas. Até o dia 30, a população poderá comparecer aos locais definidos em cada bairro para ver a previsão de despesas do governo municipal, que é definida pela priorização de ações. Cada bairro pode eleger três prioridades durante as plenárias e uma demanda do município como um todo. Essas demandas podem ser obras ou projetos. A ação participativa começou em 2009 com 29 plenárias que resultaram na elaboração do PPA (Plano Plurianual Participativo) 2010-2013. Veja a seguir as datas e locais das plenárias. g

PLENÁRIAS DELIBERATIVAS-MAIO 2014 F 05/05 Segunda-feira - 19h - EMEB Aldino Pinotti - Rua Dos Vianas, 2.399 - Jardim Farina D 06/05 Terça-feira - 19h - EMEB Aluísio de Azevedo - Rua Cabral da Câmara, 57 – Jardim Calux H 07/05 Quarta-feira - 19h - Centro Cultural Jácomo Guazzelli - Rua Rosa Pacheco, 201- Ferrazópolis G 08/05 Quinta-feira - 19h - EMEB Prefeito Aldino Pinotti - Rua Antonio Simionato, 103 - Santa Terezinha. K 09/05 Sexta-feira - 19h - EMEB Profº Florestan Fernandes - Rua Operário Luiz Pedro Magalhães, 330 – Vila Ferreira L 12/05 Segunda-feira - 19h - Ginásio Poliesportivo Jose Vicente Lopes “Tozinho” – Rua Ministro Nelson Hungria, 450 – Jd. do Lago

B 13/05 Terça-feira - 19h00 - EMEB Viriato Correia - Rua Brasil, 430 Rudge Ramos

C 22/05 Quinta-feira - 19h - EMEB Escritor Júlio Atlas - Rua Francisco Alves, 1.301 - Paulicéia.

S 14/05 Quarta-feira - 19h - Ginásio Riacho Grande João Soares Brasa – Rua Marcilio Conrado, 500 - Riacho Grande

P 24/05 Sábado - 9h30 - EMEB Isidoro Battistini - Estrada Galvão Bueno, 5.085 – Batistini

Q 15/05 Quinta-feira - 19h - EMEB Benedito José de Morais - Rua Flora Bulcão - Leandro Vertemate, 110 - Silvina

N 26/05 Segunda-feira - 19h - Ginásio Poliesportivo Eder Simões Barbosa - Estrada Poney Club, 148 - Jardim das Orquídeas.

T 17/05 Sábado - 9h30 - EMEB José Ibiapino Franklin - Rua Edmundo dos Santos, 14 - Santa Cruz.

O 27/05 Terça-feira - 19h00 - EMEB Alfredo Scarpelli - Estrada dos Alvarengas, 4090 - Parque Hawaí.

J 19/05 Segunda-feira - 19h - EMEB Estudante Flamínio Araújo de Castro Rangel Rua Assunção, 176 - Vila Marchi

A 28/05 Quarta-feira - 19h - EMEB PROF. Ramiro Gonçalez Fernandes – Rua Nigéria, 80 - Taboão.

R 20/05 Terça-feira - 19h - Centro de Educação Unificado (CEU) Regina Rocco Casa - Rua Tiradentes, 1.845 - Vila do Tanque.

I 29/05 Quinta-feira - 19h - EMEB José Cataldi - Rua João Gerbelli, 330 Jardim Andreia Demarchi

E 21/05 Quarta-feira - 19h - CRI (Centro de Referência do Idoso) – Avenida Redenção, 271, Centro.

M 30/05 Sexta-feira - 19h - EMEB Arlindo Miguel Teixeira - Estrada dos Alvarenga – 7500 – Jardim Laura

Confira no rronline.com.br

A relação das UBSs de São Bernardo que participam da campanha de vacinação. http://migre.me/iUCK3


4-

POLÍTICA

Rudge Ramos Jornal

De 25 de Abril a 8 de Maio de 2014

LEONARDO VANTINI

q Diadema foi a primeira cidade da região a implantar a Comissão da Verdade e já ouviu 31 depoentes desde o início de suas atividades, em novembro de 2013. Esse número é três vezes mais do que todos os depoimentos das comissões de Santo André (4), São Bernardo (1) e Mauá (3) somados. Segundo Derly José de Carvalho, que também representa o Centro de Memória Sindical no ABC, o motivo de a comissão de Diadema estar mais adiantada em relação às demais é que a cidade é a única que tem a participação da sociedade civil organizada em sua composição. As outras três comissões são formadas por políticos, cada um representando o seu partido. “Isso atrapalha os trabalhos, porque entendemos que a verdade não tem propriedade, ela não pertence aos partidos ou ao poder público”, disse o sindicalista, que está instalado na comissão de Diadema, mas também participa da de São Bernardo. A Comissão Nacional da Verdade foi criada em 16 de maio de 2012 e tem como objetivo aprofundar a análise de violações aos direitos humanos ocorridos no período do regime militar (1964-1985), que em 2014 completa 50 anos. O Poder Legislativo de vários municípios e dos Estados brasileiros formou suas próprias comissões. No ABC, as câmaras municipais de Santo André, São Bernardo, Diadema e Mauá já contam com seus próprios grupos de trabalho, todos presididos por vereadores petistas. As comissões são independentes, os relatórios dos depoimentos realizados são apresentados para a comissão estadual e depois são reapresentados para a Comissão Nacional da Verdade, em nível federal. A AMAA (Associação dos Metalúrgicos Anistiados do ABC), Centro de Memória Sindical, OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e Defensoria Pública têm assento permanente na comissão de Diadema. “Os indicados para representar estes grupos vivenciaram o período. Isso nos dá mais riqueza porque nos ajudam a apontar quais são os possíveis envolvidos”, declarou Lílian Cabrera (PT), presidente da comissão da cidade. Lilian afirmou que, apesar de toda a apuração da comissão da cidade ser feita de forma

OUTRAS CIDADES

MAUÁ

3

SÃO BERNARDO

1

SANTO ANDRÉ

4

Comissão da Verdade de Diadema já ouviu um total de 31 depoentes LEONARDO VANTINI/RRJ

Participação da sociedade civil organizada é um dos motivos da comissão de Diadema ser a mais avançada da região

exemplo, teve sua primeira sessão realizada no dia 12 de março e, no dia 30 de abril, será realizado o segundo depoimento, com o ex-prefeito Mauricio Soares.

cronológica, foram apontados outros nomes. “A cada depoimento, alguém levanta um novo nome, e acreditamos que temos a necessidade de prorrogar o período de depoimento por mais seis meses.” A Câmara de Diadema tem sessões da comissão praticamente todas as sextas-feiras, enquanto que nas demais cidades da região os relatos levam mais de um mês para serem agendados. São Bernardo, por

DEPOIMENTOS COLETIVOS Os relatos das comissões de Santo André e Mauá são realizados de maneira coletiva. No dia 16 de abril, o grupo andreense ouviu quatro pessoas, entre elas o secretário de Finanças da cidade, Antonio Carlos Granado, e o sociólogo e metalúrgico aposentado Elias Stain, ambos presos e torturados por agentes do DOI-Codi (Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa Interna).

“Vamos nos reunir com os parlamentares que compõem a comissão para decidirmos em que dia será a próxima sessão e quais serão os depoentes”, afirmou José Montoro Filho (PT), presidente da comissão. Já em Mauá, estava previsto para esta sexta-feira (25) a audiência com três pessoas ligadas ao período, como o professor Olivier Negri Filho, que chegou a ser preso pelo Dops (Departamento de Ordem Política e Social). A cidade é conhecida pela resistência que promoveu por meio de ações de militantes ligados à AP (Ação Popular), grupo que era formado por estudantes e operários ligados à Igreja Católica.

O grupo mauaense terá três meses para concluir os trabalhos. O presidente da comissão, vereador Wagner Rubinelli (PT), disse que, assim como Diadema, a cidade também pretende realizar a publicação de um livro. Ribeirão Pires também pretende instalar uma comissão da verdade, mas o projeto ainda esta sendo analisado juridicamente pelos vereadores. O autor do projeto, vereador Renato Foresto (PT), afirmou que a ainda não identificaram alguém que tenha sofrido tortura ou perseguição no período do regime militar pelo fato do município ser uma cidade dormitório. g


Rudge Ramos Jornal - 5

ESPECIAL

De 25 de Abril a 8 de Maio de 2014

Livros ajudam a entender período da ditadura militar

LUCAS ALENCAR

q “A Ditadura Envergonhada”, “Brasil: De Castelo a Tancredo” e “1968: O Ano Que Não Terminou” são alguns dos livros que ajudam a entender um dos períodos mais sombrios da história brasileira. Há 50 anos, em 1964, os militares derrubaram o então presidente João Goulart (1919-1976) e instalaram um regime militar, que terminou somente em 1985. A reportagem entrevistou professores para descobrir quais as melhores obras para entender o golpe militar e o período da ditadura, que durou 21 anos, e saber qual a importância do ensino sobre esse assunto nas escolas e universidade (veja nesta página alguns desses livros).

De acordo com a professora de Ciências Sociais da Universidade Metodista de São Paulo Lucieneida Praun, estudar sobre o período é importante para não permitir que um governo semelhante se instale novamente no país. “Um povo só luta contra algo que conhece e manter viva a memória sobre o totalitarismo e a ditadura é o caminho para impedir que esses regimes desumanos voltem a ficar no poder”, disse. Obras como “Brasil Nunca Mais” e “No Coração das Trevas” jogam luz sobre os casos de tortura, opressão e assassinato cometidos pelos órgãos de repressão do governo militar, desmontando a versão oficial que o então regime dava para os crimes que cometia.

METODISTA PROMOVE SEMINÁRIO SOBRE O REGIME MILITAR

Já Ana Maria Dietrich, professora de história da UFABC (Universidade Federal do ABC), ressalta que é essencial ensinar sobre esse período da história nacional ainda no ensino médio, quando os alunos já têm idade para votar e precisam entender sobre os processos políticos. “Entender os períodos em que as luzes democráticas apagaram e os direitos fundamentais do cidadão foram suprimidos é importante para valorizar e entender o processo de conquistas da democracia, liberdades de expressão e direito a voto”, afirmou a professora Ana Maria. Neste ano, está previsto o lançamento de mais de 15 obras sobre o período. g

O Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Metodista de São Paulo promove nesta segunda-feira (28) mais um seminário para discutir sobre o período do regime militar (1964-1985). Desta vez, o tema do seminário será “Discurso e Iconografia da Conspiração Conservadora de 64”, quando o professor doutor Adolfo Queiroz fala sobre comunicação e o período da ditadura. O evento é aberto a todos os alunos da Universidade e será transmitido por meio do link: http://migre.me/iUpNr.

LIVROS E SINOPSES 1968: O Ano Que Não Terminou, de Zuenir Ventura – 312 páginas, Editora Objetiva O jornalista Zuenir Ventura conta em seu livro a história e os acontecimentos que culminaram na criação do AI-5, no ano de 1968, em que o governo militar legitimou a cassação de mandatos políticos e a repressão a manifestações de cunho político.

Brasil: De Castelo a Tancredo, de Thomas Skidmore – 607 páginas, Editora Paz e Terra

No Coração das Trevas – O DEOPS/SP Visto Por Dentro, organizado por Maria Aparecida de Aquino e Marco Aurélio Vannucchi Leme de Matos – 208 páginas, Editora Imprensa Oficial

O livro do historiador norte-americano Thomas Skidmore detalha o período de 1964 a 1985, descrevendo o governo militar e como se deu a abertura democrática do fim do regime, traçando um panorama sobre o futuro do país.

O objetivo da obra é jogar luz sobre os arquivos obscuros e os métodos repressivos aplicados pelo Dops, um dos órgãos repressivos mais atuantes durante o regime militar brasileiro, esclarecendo se houve ou não torturas e abusos no período, baseado em documentos do próprio departamento.

Brasil Nunca Mais, de Paulo Evaristo Arns – 312 páginas, Editora Vozes

A Ditadura Envergonhada, de Elio Gaspari – 464 páginas, Editora Intrínseca

Dom Paulo Evaristo Arns organizou os textos e documentos apurados em mais de oito anos por um grupo que se dedicou a reunir mais de 700 documentos e processos políticos da Justiça Militar entre 1964 e 1979 para esclarecer os abusos do regime ditatorial.

O livro é o primeiro de uma coleção de quatro volumes, oriundos de uma pesquisa de três décadas do jornalista Elio Gaspari, que tem o objetivo de mostrar como o regime militar relutava em se assumir como uma ditadura e elucidar os fatos que levaram o governo a instituir o AI-5.

Confira no rronline.com.br

Minidocumentário “Marcas da Ditadura” retrata a vida de ex-militantes da região http://migre.me/iUHx3


6 - Rudge Ramos Jornal

SAÚDE

De 25 de Abril a 8 de Maio de 2014 CAIO DOS REIS/RRJ

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL em excesso pode ser doença OUTROS DISTÚRBIOS Além da ortorexia, há outros transtornos alimentares. O Brasil não possui dados epidemiológicos específicos, mas a incidência mundial desses transtornos atinge até 0,8% da população, dos quais 5% são jovens entre 14 e 18 anos e, aproximadamente, 90% são do sexo feminino. A anorexia é um desses distúrbios. Ocorre quando a pessoa que tem uma visão distorcida do próprio corpo. Já a bulimia é caracterizada por uma alimentação em excesso e além das necessidades, seguido por um sentimento de culpa. A pessoa que sofre da bulimia ainda provoca o vômito ou usa remédios para se livrar dos alimentos e do remorso. g

ORTOREXIA O QUE É? Consiste na obsessão por alimentação saudável. O termo foi criado pelo médico americano Steven Bratman, que escreveu o livro “Health Food Junkies” (Viciados em comida saudável).

SINTOMAS 8Deixa de se alimentar em grupo. 8 Não come nada que não

seja preparado por ele próprio.

8 Perda de peso. 8 Examina todos os nutrientes de todos os alimentos.

O QUE FAZER? A ajuda deve ser feita por mais de um profissional. Nutricionista, psquiatra e psicólogo são essencias. A terapia em grupo pode colaborar com a recuperação do paciente ortoréxico.

O

que vai proporcionar aos participantes a identificação com o outro e a ajuda mútua em busca da saúde alimentar e mental”, contou Luciana.

LGAÇ Ã

q Contar calorias e controlar a alimentação. Essa é uma maneira saudável de viver bem e com saúde. Mas a partir do momento em que a preocupação se torna excessiva é um problema, que inclusive já tem nome: ortorexia, ou seja, a obsessão por alimentação saudável. Apesar de ainda não ser considerado um distúrbio alimentar pelos estudiosos, o nome já é utilizado pelos médicos para classificar esse grupo. “Esse transtorno aparece quando a pessoa se torna obsessiva em relação à qualidade e procedência dos alimentos que consome”, afirmou a psicóloga especialista em transtornos alimentares Luciana Kotaka, que respondeu às questões por e-mail. A psicóloga ainda explicou que com o tempo a pessoa passa a ser mais rigorosa, chegando até mesmo a não consumir nenhum alimento que não seja preparado por ela. Quem tem

ortorexia se diferencia de quem faz alimentação saudável por alguns motivos. Apesar de manter uma alimentação balanceada, quem se alimenta corretamente come com regularidade e se permite comer algo fora do saudável sem culpa, esporadicamente. Já o ortoréxico só consome o que passa pela própria seleção, o que impede em alguns casos até mesmo o convívio social. O tratamento para esse tipo de transtorno alimentar deve ser feito por mais de um profissional. O primeiro passo é consultar um nutricionista, para ser feita uma reeducação alimentar. O psicólogo entra na parte emocional, cuidando dos transtornos de imagem corporal, ansiedade, depressão e autoestima. O psiquiatra não é necessário em todos os casos, mas esse profissional entra com algum tipo de medicação, caso o psicólogo julgue necessário. “Outro tratamento que pode ajudar é a terapia em grupo,

DIVU

CAIO DOS REIS


Dieta precisa ter orientação médica

BRUNA TOLEDO

q Adotar uma dieta alimentar para manter o corpo saudável é importante. Porém quem parte para um esquema de comer só verduras, legumes, frutas e cereais, por ter o desejo de se tornar vegetariano, mas sem orientação profissional, pode ter problemas de saúde. Essa é a avaliação da nutricionista Aline Duarte, que aponta como um dos perigos a diminuição de proteínas, que têm um valor indispensável para o bom funcionamento do organismo. “Sem um acompanhamento, é difícil saber como substituir esse nutriente no corpo. Uma pessoa que adere a essa dieta sozinho pode não saber, por exemplo, que é preciso comer muito mais leguminosas e grãos para suprir essa falta”, disse Aline. Segundo nutricionistas ouvidas pela reportagem, a dieta vegetariana possui baixas calorias, pouca gordura e colesterol, muita fibras e

vitaminas. Além de favorecer a perda de peso, também previne contra doenças cardiovasculares e renais. Por outro lado, excluir a carne da alimentação por conta própria, sem o acompanhamento de um nutricionista, por exemplo, não é a melhor decisão. Foi o que aconteceu com a professora Inês Kundiew Bortolotto, 43, e sua filha, Marcella. Elas se consideram vegetarianas, mas tiveram de reinserir em sua dieta as carnes vermelhas. “Fomos ao nutricionista e ele nos disse que estava faltando proteína em nosso corpo. Agora, comemos carne moída de vez em quando, para não fugir muito do natural”, declarou Inês, enquanto comia um prato de salada acompanhado de carne de soja. Outro fator prejudicial para quem adota uma dieta radical é a falta de ferro no organismo. Mesmo que o nutriente possa ser encontrado em verduras de cor verde-escura e no feijão, o ferro proveniente de origem

vegetal não é tão bem absorvido pelo corpo quanto o ferro de origem animal. “Já tive um paciente que, mesmo triplicando as porções de feijão, o corpo não conseguia absorver esse ferro. Ele foi ficando anêmico e teve de desistir da dieta, contra sua vontade”, contou Aline. A vitamina B12 também é uma preocupação na dieta vegetariana. Este é um nutriente que faz a síntese de glóbulos

TIPOS DE VEGETARIANO ONÍVORO SEMIVEGETARIANO

vermelhos, e atua na prevenção de anemia. Assim como o ferro, esta vitamina pode ser encontrada em alimentos de origem vegetal, mas não tem o mesmo efeito que o presente na carne. A vitamina é responsável pelo desenvolvimento neurológico, e sua ausência pode causar tremores e falta de equilíbrio. Segundo a nutricionista, é possível equilibrar a dieta com suplementos que evitam esses tipos de deficiências. g CARNE VERMELHA

P

FRANGO

P P

q Quem segue uma dieta vegan não pensa apenas na própria saúde, mas também no bem-estar dos animais. Por isso o adepto não consome qualquer tipo de carne nem derivado de animais (leite, ovos, queijos, mel). Também não comprar roupa feita com matéria-prima animal (couro, seda, lã) nem produtos que tenham sido testados em bichos. Adepto do veganismo desde 2007, Bruno Müller declarou que é possível buscar substitutos para qualquer alimento. Bife de glúten ou de soja, leites vegetais e tofu são os mais conhecidos. Segundo o historiador, no primeiro mês como vegano não sentiu falta das carnes porque já havia pesquisado muitas receitas para substituí-las sem depender de comida pronta. “Comer fora também não é fácil, nossa sociedade ainda não está preparada para o veganismo”, declarou o historiador e doutor em relações in-

ternacionais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, em entrevista por e-mail. Müller é membro fundador da sociedade vegana. O vegan carioca nunca teve acompanhamento de uma nutricionista e disse nunca ter tido problemas de saúde relacionados com a alimentação. Mas recomenda buscar auxílio profissional para quem queira começar a dieta. “No começo seria bom fazer exames de sangue e planejar a dieta com um profissional de nutrição, para facilitar a transição de uma dieta para a outra.” Um dos problemas pode ser a falta de vitaminas. Eliseth também disse que os nutrientes principais de uma alimentação saudável (cálcio, ferro e zinco) também são encontrados na dieta vegana, nos chamados alimentos funcionais (grãos como feijão, castanha e linhaça). Segundo a nutricionista, é um mercado que está crescendo e começa a ficar mais fácil de encontrar produtos desse

É muito importante diferenciar a ideologia vegana da dieta vegetariana. Veganismo não é dieta. É um conjunto de práticas focadas nos direitos animais que, por consequência, adota uma alimentação estritamente vegetariana.” Catia Medeiros, nutricionista

FRUTOS DO MAR

OVOS

P P

P P P

OVOLACTOVEGETARIANO LACTOVEGETARIANO

P

OVOVEGETARIANO VEGAN

Veganismo se torna estilo de vida

BRENNO SOUZA

Rudge Ramos Jornal - 7

SAÚDE

De 25 de Abril a 8 de Maio de 2014

LEITE DERIVADOS

GRÃOS VEGETAIS

P P P P P P P P P P CAIO DOS REIS/RRJ

tipo. “Com o acompanhamento de um profissional qualificado não é difícil montar uma dieta para quem quer ser vegan”, declarou. A nutricionista ainda citou que o vegan pode se sentir mais leve após a refeição, por não comer alimentos pesados e, consequentemente, ter uma digestão mais rápida. A dieta ainda pode prevenir doenças cardiovasculares, pois não se consome gordura animal, melhorando a circulação sanguínea. ONDE COMER NO ABC O empresário Marcus Sartori e sua mulher, Graciela, proprietários do restaurante Natural Jardim, em Santo André, sempre seguiram uma dieta vegetariana e decidiram abrir o estabelecimento em julho de 2013. “Percebemos que não é fácil encontrar lugares especializados nessa alimentação saudável. Ficamos um mês na Europa para aprender mais sobre o tema antes de inaugurar

Cida e Roberto fazem seus pratos em restaurante vegetariano o nosso restaurante”, declarou Sartori. O restaurante serve em média de 120 a 150 almoços por dia. “Temos planos para ampliar nossos horários. Abrimos de segunda a sábado na hora do almoço, mas a ideia é começar a oferecer jantares e lanches”, declarou o proprietário. O casal de idosos Roberto e

Cida Cabral, assíduos frequentadores do restaurante, começaram a dieta vegetariana há mais de 20 anos. “Não somos vegetarianos radicais, valorizamos a alimentação saudável com alimentos integrais, mas às vezes consumimos peixe”, declarou Roberto. O restaurante Natural Jardim fica na rua das Monções, 480, Jardim, em Santo André.g


8 - Rudge Ramos Jornal

REGIÃO

De 25 de Abril a 8 de Maio de 2014

Região tem cerca de 13 mil restaurantes

LETÍCIA JUSTINO

q O ABC nunca teve tantas opções gastronômicas como hoje. Quem mora em São Bernardo, Santo André, São Caetano ou nas proximidades, não precisa mais se locomover até a capital paulista. O crescimento populacional nos municípios fez com que estabelecimentos abrissem e trouxessem filiais de redes de restaurantes. De acordo com o Sehal (Sindicato das Empresas de Hospedagem e Alimentação do Grande ABC), podemos encontrar cerca de 13 mil diferentes estabelecimentos espalhados pelas sete cidades que são responsáveis pela movimentação de R$ 150 milhões por ano no setor e mais de 100 mil pessoas empregadas. Apesar disso, a Associação Nacional de Restaurantes aponta que a concentração de público consumidor é maior em Santo André, São Bernardo e São Caetano, que oferecem estabeleci-

mentos com preços compatíveis com os da capital. O professor de ciências econômicas da Fundação Santo André, Vladimir Camillo, 48, cita que de acordo com a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), que obtêm informações gerais sobre domicílios, famílias e pessoas, hábitos de consumo, é possível notar um aumento do total de gastos das famílias brasileiras ao consumir alimentos fora de casa. Camillo considera esse crescimento como um possível reflexo do aumento da renda real das faixas salariais. Aumenta a demanda de consumidores, cresce o número de estabelecimentos. DIVERSIDADE Quando o assunto é diversidade, os moradores do ABC encontram desde os tradicionais restaurantes inspirados nas grandes escolas gastronômicas mun-

LETÍCIA JUSTINO/RRJ

Rua das Figueiras, em Santo André, traz restaurantes tradicionais e variedade gastronômicas

diais, até as casas que oferecem cachorro-quente nos mais variados sabores e tamanhos, além dos lanches no autêntico estilo norte-americano e até pizzarias com receitas trazidas da Itália. Três bairros concentram boa parte dos restaurantes mais movimentados do ABC: bairro Jardim, em Santo André; Santa Paula, em São Caetano, e Jardim do Mar, em São Bernardo. A publicitária, Graziela Medeiros, 33, mora em Santo André e na hora de escolher onde comer, sempre opta por restaurantes no ABC. O bairro Jardim tem uma das vias mais agitadas da região, a rua das Fi-

gueiras, que ficou conhecida por conta dos bares, casas noturnas e opções gastronômicas que vão de comida japonesa à italiana. “Considero a rua das Figueiras o point do ABC, por seus lugares super bem frequentados e de fácil acesso”, afirmou Graziela. Em São Caetano, a avenida Goiás concentra grande parte dos restaurantes do município. A analista de recursos humanos, Daniele Cavalcante, 30, mora em Santo André, mas sempre trabalhou em São Caetano e afirma que na hora de decidir onde comer, os restaurantes da cidade são quase sempre os escolhidos. “Lá você pode encon-

trar ótimos bares, churrascarias e se preferir, ‘barraquinhas’ que estão espalhadas por toda a Goiás vendendo deliciosos cachorros quentes”. Já em São Bernardo, o Jardim do Mar é um dos principais bairros e tem variedade em opções gastronômicas. A estudante de arquitetura Naiara Alves, 23, que mora em Mauá, mas estuda em São Bernardo, conhece o bairro e as suas principais atrações. “O mais legal é que além de ter ótimos restaurantes, ele sempre está cheio de estudantes e acaba virando um ponto de encontro”, disse. g


Rudge Ramos Jornal - 9

REGIÃO

De 25 de Abril a 8 de Maio de 2014

Cidades do ABC têm opções internacionais

FOTOS: DIVULGAÇÃO

JOYCE SILVA

q Japonês, chinês, italiano, árabe, tailandês, alemão. Dentro desse mundo de diversidade, os moradores têm três especialidades que estão em maioria, dos 100 restaurantes pesquisados pela reportagem, 23 deles são voltados a quem gosta da culinária japonesa, 16 são italianos e as pizzarias somam 14, deixando para trás até mesmos as populares churrascarias, que são sete. A febre da gastronomia japonesa invadiu o país nos últimos anos e não foi diferente com o ABC. Um dos vários motivos que reforçam a popularidade dos locais é a dieta saudável. A nutricionista Thais Romano Crivelaro explica que nem todos os ingredientes são recomendáveis. “A culinária japonesa é uma boa pedida para quem está de dieta, porém, não podemos extrapolar e devemos ficar muito atentos às escolhas”. Em Santo André está o Kariyushi, o restaurante foi o primeiro de comida japonesa aberto na região, em 1986. Kazuo Iwane, 54, cunhado dos primeiros donos, é também um dos cozinheiros do local. O chef conta que após um longo período trabalhando em feiras com comidas típicas, os antigos donos resolveram montar o restaurante. Um dos diferenciais era o fato de não haver outros no local, porém em pouco tempo novos restaurantes foram se instalando. O Kariushi “antigo” contava também com um karaokê que hoje não existe mais. O estabelecimento foi vendido no final do ano passado, agora está sob a gerência da família Garbato, que mistura descendências, italiana, espanhola e japonesa. Danilo Garbato, 22, filho do dono e sushiman do local, afirma que

JOYCE SILVA/RRJ

JOYCE SILVA/RRJ

Foto do forno de pizza da Grazie Napoli (acima à esq.); Marcelo Godoy, proprietário da La Cantina. Acima buffet do Kariyushi e Kazuo Lawane, cozinheiro do local (à esq.)

a família resolveu investir no estabelecimento por causa de seu pai, que é um apaixonado pela culinária oriental. O público do restaurante já conta com 80% de brasileiros como frenquentadores, afirmou o proprietário. Para ir do Japão até a Itália os moradores de Santo André só precisam andar duas ruas. Diferente da comida japonesa que levou mais tempo para cair no gosto popular, a italiana há muito tempo tem um lugar especial no prato dos brasileiros. A La Cantina, em Santo André, fundada em 1983, foi

vendida em 1990 para Marcelo Godoy, que a manteve como uma típica cantina italiana. O restaurante tem culinária inspirada no sul da Itália. Godoy, 51, explica que os motivos que o levaram a adquirir o restaurante foram “gostar da área de vendas, do relacionamento com o cliente, e também da cozinha em si”. Hoje, grande parte do público do La Cantina é composto por famílias, nos dias da semana é também uma opção para os clientes coorporativos. Já as pizzarias estão em

Confira no rronline.com.br

terceiro lugar na preferência dos moradores do ABC. O preço, na maioria das vezes, é mais barato que o dos demais restaurantes, o que se torna mais um atrativo. A Grazie Napoli é outro restaurante que aproxima a Itália dos brasileiros, só que o cardápio é voltado para as pizzas.

O subgerente, Antonio Benedito Cavalieri Junior, explica que o local surgiu após “os donos viajaram para a Itália com a intenção de procurar ideias para um estabelecimento diferente”. Em Nápoles a inspiração apareceu, “então eles trouxeram a massa da pizza napolitana para cá”. Cavalieri explica que o diferencial do local é justamente a forma de fazer e servir a pizza. “Na nossa massa a mussarela está embaixo dá para ver todos os ingredientes”. Outra diferença é que a pizza é para uma pessoa. g

Restaurante em São Bernardo faz a mistura de cinema com gastronomia http://migre.me/iUH6m


10 - Rudge Ramos Jornal

REGIÃO

Esmalterias no ABC inovam para atrair mais clientes FOTOS: ERIKA PESELLI/RRJ

ERIKA PESELLI q Que tal pintar as unhas e, de quebra, participar de um happy hour? Algumas esmalterias inovaram e estão oferecendo chás, cafés, vinhos, cervejas e até espumantes para as clientes que frequentam o estabelecimento. Nas esmalterias estilo ‘Nail Bar’ (nail, unha em inglês), isso pode acontecer. São salões especializados nos cuidados com as mãos e os pés que também oferecem serviço de Quick Massage, festa infantil, encontro entre amigas e atendimento em empresas. Uma das franquias da Esmalteria Nacional, em São Caetano, representa essa união entre a beleza e diversão. Logo na entrada uma imensa TV com poltronas e mesinhas dá um visual aconchegante no estilo retrô. “Muitas vezes os maridos e namorados acompanham nossas clientes, e aqui eles podem assistir esportes enquanto saboreiam petiscos e bebidas”, afirmou a gerente Eliane Savadini de Azevedo, 55. Outro diferencial das esmalterias é o preço. Com alta qualidade de produtos e uma variedade imensa de tons de esmaltes, tanto nacionais e importados, os preços costumam ser mais caros que os salões tradicionais, enquanto

fazer as mãos e os pés custa em média R$ 35, na esmalteria o preço não sai por menos de R$ 42. Para fazer a unha em gel é preciso desembolsar R$ 160, sem contar a manutenção R$ 130 e a remoção R$ 80.

Espaço Happy Hour da Esmalteria Nacional; à direita opções de esmaltes da 50 Tons

CHRISTINA VOLPE/RRJ

Aplicação das unhas em gel leva cerca de 2 horas

Apesar do custo, tudo indica que esse tipo de investimento vale a pena. Depois de anos trabalhando como supervisora financeira, Fernanda Moraes, 30, resolveu inaugurar uma unidade da 50 Tons Esmalteria, em Santo André, e não se arrependeu da mudança. “Após seis meses da abertura da loja eu já posso dizer que tenho um retorno financeiro positivo.” Uma das razões para que os interessados migrem para as esmalterias é o fato de não possuir o serviço de cabelo. “Minhas clientes elogiam o fato de não ter o barulho do secador, o cheiro forte da progressiva e da tintura, o que torna o ambiente mais agradável”, declarou Fernanda.

De 25 de Abril a 8 de Maio de 2014

Muitas vezes os maridos e namorados acompanham nossas clientes, e aqui eles podem assistir esportes enquanto saboreiam petiscos e bebidas. ELIANE SAVADINI

Uma das clientes que aprovou a mudança é a artesã Ana Paula Cipriano, 50. Cansada da troca constante de manicures e da falta de horários no salão tradicional que frequentava, resolveu conhecer uma esmalteria, gostou do ambiente e há um ano e meio tem um horário fixo todos os sábados. “Logo que eu entrei no local elas me mostraram como o material é esterilizado. Além da limpeza, gostei do visual, do conforto e tudo é muito rápido e prático. Enquanto uma manicure faz minha mão a outra já faz o pé e não tem aquela ‘fofocaiada’ dos salões”, disse Ana Paula.g

Estilos modernos e criativos encantam o público feminino CHRISTINA VOLPE q A cada ida ao salão de beleza, as mulheres descobrem uma novidade. Ombrê, Espanhola, Filha Única, Plush Nails e Caviar são alguns nomes que podem ser pedidos na hora de pintar as unhas. São tipos de esmaltes que vão surgindo para atender às exigências femininas. A ombrê, por exemplo, é uma pintura feita na unha, usando um spray e que vai deixando com tom degradê. A cor é a mesma, só vai mudando o tom na superfície da unha.

Também pode mesclar cores. Já na “Espanhola”, são utilizadas duas cores que dividem a unha ao meio. E na “Filha Única”, o dedo anelar recebe uma cor e um desenho diferentes dos demais dedos. E quem disse que a unha não pode ficar felpuda? No estilo Plush Nails, sim. É aplicada uma espécie de pó sobre a pintura que deixa a unha com uma cara de aveludada. Por último, a Caviar, onde são aplicados pontos minúsculos sobre o esmalte, passando a impressão de que a unha está


com bolinhas. Claro que, dependendo do estilo, o preço também varia. Mesmo assim, sempre há adeptos. É o caso da representante de vendas Marcella Barazal, 37. Ela coleciona esmaltes há cinco anos e sempre inova nas cores. Suas favoritas são a rosa e laranja. “Tenho cerca de 90 esmaltes, mas já cheguei a 130”, contou Marcella. E a internet ajuda a espalhar as novas modas. As novidades começam a aparecer nos sites internacionais. Há até sites para falar do assunto. Como o Unha Bonita, da blogueira Daniele Honorato. Daniele dá uma dica: “O glitter voltou a ser ousado e fashionista”, disse Daniele, em entrevista por e-mail, ao dizer que esse produto retornou como moda. No salão Fiocharme, de São Bernardo, a cor mais pedida é a vermelha, tanto nas mulheres mais ousadas quanto nas mais básicas, de acordo com a manicure Luciene Gregório. Nem as famosas unhas decoradas superam a intensidade da paixão pela cor, como contou a representante de vendas Fernanda Neves, que costuma pintar a as unhas nessa tonalidade. Mas que, no dia da entrevista, optou por rosa.

Rudge Ramos Jornal - 11

REGIÃO

De 25 de Abril a 8 de Maio de 2014

DENISE DUARTE/RRJ

Fazer as unhas exige cuidados

Hábito de levar o próprio kit de manicure ao salão contribui na prevenção de infecções como fungos e bactérias

O GLITTER VOLTOU A SER OUSADO E FASHIONISTA. DANIELE HONORATO

Mas a principal novidade no mercado são as unhas de gel. Elas substituem as postiças, e com a vantagem de dispensar uma espécie de cola usada na aplicação. O salão Absolute Studio, de São Bernardo, oferece esse serviço há cerca de quatro anos, com profissionais especializadas. A aplicação do gel dura cerca de duas horas. A proprietária do Absolute, Natana Queiróz, afirmou que a durabilidade do gel é maior do que o da unha postiça. Porém, há todo um processo de preparação para a colocação da unha. O preço também é mais “salgado”: cerca de R$ 160 a aplicação. Já a unha postiça sai por R$ 60. “A procura ainda é pequena. Mas, pelo modismo e para estarmos dentro do mercado, oferecemos o produto aqui no salão”, contou a proprietária. g

DENISE DUARTE q Você costuma ir ao salão de beleza para fazer as unhas? Ou prefere fazê-las em casa? Esse hábito é comum entre as mulheres e até mesmo para alguns homens. Porém, quem é adepto dessa prática deve estar sempre atento. Segundo o infectologista Cesar Barros, da Universidade de São Paulo, a transmissão de doenças infecciosas pode ocorrer das seguintes maneiras: por meio de uma ferida decorrente da manipulação da unha e da pele, através do contato pele a pele, e ainda pelo contato da pele com a superfície. O cuidado com as unhas vai além da questão estética e alguns sinais podem indicar problemas de saúde. “Unha com alteração de cor, grossa e descolada pode ser micose. No caso de hepatites virais, a infecção na maioria das vezes é silenciosa, podendo levar anos para manifestação de sintomas”, explicou Barros. Foi o caso da enfermeira

Silvia Ferreira, 30, que contraiu micose na unha do pé, logo após ter ido ao salão. “Descobri porque a unha ficou amarela e começou a quebrar, fui ao médico e ele passou uma pomada e um esmalte para o tratamento.” Demorou aproximadamente um mês para se curar.

A dermatologista Isabella Rezende, membro da Sociedade Brasileira de Medicina Estética, explicou por e-mail a importância de cuidar de alergias ou feridas nas unhas. “Essas lesões podem ser porta de diversos tipos de infecção, como fungos e bactérias. Se não tratadas, essas podem

“EU SEMPRE USO MEU MATERIAL. A ÚNICA COISA QUE EU USO DO SALÃO É O ESMALTE, MAS EU AINDA TENHO UM POUCO DE RECEIO.” DANIELE HARUMI

levar a distrofias e alterações permanentes das unhas.” Para prevenir qualquer tipo de doença, os materiais utilizados no salão devem ser devidamente limpos e esterilizados. Também é importante que a manicure e pedicure tomem regularmente as vacinas contra tétano e hepatite B. A educadora física Daniele Harumi, 31, faz as unhas no salão uma vez por semana. “Eu sempre uso meu material. A única coisa que utilizo do salão é o esmalte, mas ainda tenho um pouco de receio. Procuro ver a manicure que tem mais cuidado, que usa luva também, e se tem limpeza, se vejo que a mesa é limpinha”. Outra opção é fazer como a aposentada Zilei Mori, 65, que faz as unhas em casa semanalmente. “Tomo cuidado em primeiro lugar para não cortar, não sangrar. Segundo lugar, esterilizo minhas ferramentas com produtos que tenho em casa. Tem o álcool a 70 graus, tem a água sanitária, que é à base de cloro, acho que é o mais viável”, falou Zilei. g


12 - Rudge Ramos Jornal

CULTURA

v

De 25 de Abril a 8 de Maio de 2014 FOTOS: VINÍCIUS CASTELLI/RRJ

José Gentil Paro é responsável por abastecer a banca Ipiranguinha Discos

aà olt

VINÍCIUS CASTELLI

s pratel

q Garimpar discos de vinil e se deparar com um título da banda norte-americana Slayer, o britânico Iron Maiden ou ‘dar de cara’ com álbuns do Taiguara, Chico Buarque ou Paulo Vanzolini é um atrativo aos amantes da boa e velha bolacha.

ei r a s 6 SERVIÇO Ipiranguinha Discos – Rua Gertrudes de Lima, s/n. Centro. Chalaça Discos – Avenida Portugal, altura do nº 50. Banca da Praça – Praça IV Centenário, s/n. Centro Metal Music – Rua Dona Elisa Fláquer, 184. Centro. Banca do Parque – Praça Waldemar Soares, s/n. Parque das Nações, Santo André.

Na Metal Music, de Jean Gantinis, é possível encontrar raridades

Em Santo André, há boas opções para quem quiser vasculhar caixas e mais caixas repletas de discos com todos os gêneros, mas com foco no rock. Basta caminhar pelas ruas do centro. Há 17 anos instalado na rua Dona Gertrudes de Lima, José Gentil Paro, 74, cuida de manter abastecida a banca Ipiranguinha Discos. Há um pouco de tudo entre as cerca de mil unidades, como as duas edições de Use Your Illusion, do Guns N’Roses, Kiss, Beatles e Chico Buarque. Ele disse que rock é o mais procurado por gente de todas as idades em busca de raridades. “Música popular brasileira também, mas no momento o que mais vende é disco do Nirvana. Outro bom de mercado é o gótico Joy Division, por ser difícil de encontrar.” O desafio da banca é renovar o estoque. Gentil Paro afirmou que, quando começou, em 1996, as pessoas estavam trocando o vinil por CDs. “Tinha gente jogando fora. Hoje, tenho de buscar lotes, falar com as pessoas para descobrir quem tem algo para vender.”

Próximo dali, existe a Metal Music, outro espaço de raridades. Prestes a completar três décadas de existência, a loja de Jean Gantinis é especializada em rock. Entre os títulos estão Metallica, Sepultura, Black Sabbath e até Asterix, banda dos anos 70. Segundo Gantinis, 54, na metade da década de 1990 a venda de vinil despencou. “O Brasil parou de fabricar LP em 1995. No ano 2000, achei que esse formato fosse desaparecer.” Mas a bolacha voltou a ganhar espaço e atrair mais interessados. Gantinis contou que o CD ainda vende mais, mas as vendas de LP estão subindo. “Hoje, 30% do meu material é de vinil.” Gantinis apontou também que, para os jovens, ouvir música na vitrola, com disco de vinil, é uma novidade. Assim, os mais velhos têm um mercado para vender suas coleções. E o rock segue na preferência. Para atender aos clientes, ele sai em busca de coleções e também recebe ofertas. “Muita gente me procura querendo vender material.” Na rua Monte Casseros, próxima da Gertrudes de Lima, há a livraria Poesia e Arte, que também adotou a bolacha de vinil. O estoque conta com cerca de 2.000 unidades, entre música brasileira, rock, blues, e até a italiana Rita Pavone. Para Eduardo Manzano, 41, vendedor da loja, o mercado de LPs está aquecido. “Tem muita coisa que não foi lançada em CD, apenas em vinil, e tem público para esse mercado.” Ele diz que o público que vai à loja ‘caçar’ discos se mistura entre adolescentes, colecionadores mais velhos e até revendedores. “Rock é o melhor mercado. Se eu colocar Iron Maiden e Black Sabbath vendo na hora.” g


Rudge Ramos Jornal - 13

CULTURA

De 25 de Abril a 8 de Maio de 2014 VINÍCIUS CASTELLI/RRJ

Paixão por LP’s sobrevive ao tempo STHÉPHANIE THOMAZINI

Estudante andreense Jimi garimpa discos da década de 70

q Reconquistando espaço. Esse é o cenário dos vinis. Eles não são mais objetos ligados ao passado. Mesmo com o desenvolvimento da tecnologia, inclusive na indústria fonográfica, eles estão voltando. Para muitos, as famosas “bolachas” nunca saíram da moda. Trata-se de uma paixão, que leva pessoas de diferentes faixas etárias a colecionarem vinis de variados ritmos e épocas. Mais que um gosto pela música, a paixão pelos ‘long plays’ também é uma tradição de família. Para o andreense Jimi Gantinis, 21, o pai e o padrinho foram os responsáveis por transmitir o amor pelo vinil. “Quando eu era criança, meu pai e meu padrinho sempre me mostravam as capas dos álbuns e colocavam as músicas para ouvirmos juntos”, disse o estudante. As principais razões que levam os admiradores da música a se apaixonarem pelo vinil são a qualidade sonora e as capas, que muitas vezes podem

ser consideradas verdadeiras obras de arte. Além disso, Jimi aponta outro motivo como intensificador para colecionar. “As bandas que eu mais gosto começaram no vinil: Led Zeppelin, Black Sabbath, Captain Beyond e Jimi Hendrix”. Já para Carlos Szabo, 58, dono de uma coleção com mais de 6.000 vinis, o ritual que o LP proporciona é incomparável. “O CD, rádio e mp3 são mais superficiais. Já quando você coloca o vinil, o tempo é dedicado exclusivamente para ele. Não basta ouvir, tem que curtir aquele momento.” Por mais que pareça contraditório, a tecnologia, principalmente a Internet, facilitou a relação entre os discos e os colecionadores. Hoje, é possível encontrar sites especializados na venda desses objetos além dos já conhecidos mercados virtuais e das feirinhas especializadas. Segundo Szabo, antigamente existiam poucas lojas em São Paulo, além do Museu do Disco. O Rio de Janeiro era onde tinha uma maior varie-

Artistas da região lançam disco de estreia em vinil YASMIN AYACHE

q Depois de quase duas décadas de predomínio do CD como formato de mídia, a indústria musical observa fenômenos curiosos de alguns anos para cá: a venda de discos de vinil tem aumentado consideravelmente e cada vez mais novos artistas e bandas lançam seus trabalhos nesse formato. Segundo a IFPI (Federação Internacional da Indústria Fonográfica), as vendas crescem mais de 5% ao ano em todo o mundo. Desde o surgimento do CD na década de 1990, os discos foram perdendo espaço e sua comercialização tornou-se cada vez mais restrita e para um público específico. Certamente, a banda andreense Giallos contribuiu para o aumento de discos prensados. O trio roqueiro Cláudio Cox (vocal), Flávio

Lazzarin (baterista) e Luiz Galvão (guitarrista) optou por lançar o primeiro álbum de forma inusitada: em vinil. “¡CONTRA!” é um trabalho independente e chega ao mercado ilustrado por 11 composições. Segundo Clox, características como a originalidade da gravação, capas cuidadosamente projetadas e definição superior de áudio são diferenciais que justificam a procura dos artistas para lançarem seus trabalhos em vinil. A fim de diminuir custos, “¡CONTRA!” foi prensando em Portugal. “Sai mais barato. Só temos uma fábrica, mas a carga tributária encarece tanto que o preço dói”, afirmou Cox. A prensagem do disco foi financiada por meio do Fundo de Cultura de Santo André. A capa do trabalho foi feita pelo artista plástico e zineiro Flavio Grão. Outra banda que aderiu ao vinil foi a Statues on Fire, tam-

dade de discos e quantidade de lojas. “Se você tivesse um emprego, conseguia ir para o Rio para comprar algo diferente. Ou então ficava restrito aos discos americanos que o museu trazia”, disse o colecionador. Os discos de vinil de ‘Hard Rock’ principalmente da década de 1970 são um dos principais xodós dos colecionadores. “O meu preferido é o Captain Beyond, de 1972, com a capa holográfica”, declarou Jimi. Já Szabo não consegue escolher um álbum específico. “Tudo na praia do hard rock dos anos 70, que é da minha época mesmo, como por exemplo, Jimi Hendrix e Black Sabbath.” A paixão do andreense Szabo começou em 1965 quando ele ouviu pela primeira vez ‘Help’, dos The Beatles. “A partir daí comecei a ir atrás dos compactos.” Porém até hoje ele conserva o fascínio pelos LP’s. “Muitos amigos já desistiram do vinil dizendo que já curtiram o rock. Mas quem gostou do vinil e do rock, nunca deixa de gostar, pode passar o tempo que for.” g FOTOS: REPRODUÇÃO

bém de Santo André. A banda composta pelo contrabaixista Lalo, pelo guitarrista André Curci, e o baterista Alex prepara o lançamento de “Phoenix”, o primeiro disco do grupo. Para março estava previsto o lançamento, na Alemanha, pela gravadora Rookie Records. O guitarrista Curci, que já lançou 12 trabalhos em CD anteriormente, avalia que, principalmente no circuito punk rock na Europa, não se vende mais nesse formato. “O

Bandas independentes Statues on Fire e Giallos, do ABC, lançam primeiro disco oficial dono da gravadora na Alemanha nos fez essa proposta (de gravar em vinil).” A capa do disco remete ao nome da principal música, que virou título do álbum, uma Phoenix. O desenho foi ilustrado por Marcus Zerma e, segun-

do Curci, a letra é inspirada em Mark Farner, guitarrista e vocalista da banda Grand Funk Railroad. O contrabaixista Lalo também vê o mercado de vinil como promissor. “A ‘arte grandona’ é a coisa mais linda.” Artistas brasileiros famosos como Maria Rita, Criolo, Cachorro Grande, Fernanda Takai, Nação Zumbi e Pitty também lançaram seus mais recentes trabalhos no formato LP. g


14 -

CULTURA

Rudge Ramos Jornal

“Os Procurados” é atração no Teatro Lauro Gomes

SERGIO NETO

q A Cia. de Teatro Bebosal chega a São Bernardo com a peça “Os Procurados”. A apresentação é no Teatro Lauro Gomes neste domingo (27), às 20h. A peça conta a história de três detentos que dividem a mesma cela. Confinados e insatisfeitos, planejam fugir. Para isso, elaboram um plano que começa a dar rumos diferentes às suas vidas. Um dos atores da peça, Adriano Bonazio contou como começou o projeto. “A ideia da peça se deu no mesmo momento de criação do grupo. Pensamos em alguns temas e decidimos abordar de uma forma sátira e bem humorada um

FOTOS: DIVULGAÇÃO

grande problema da sociedade que são as cadeias brasileiras”. A companhia teve seu início no grupo de teatro Basta, na Universidade Metodista. “Como ainda não tínhamos feito uma comédia, decidimos dar início

Grupo formado por Marcos Antonio Sal, Alberto di Santo e Adriano Bonazio se apresenta em São Bernardo dia 27

a esse projeto”, disse Bonazio. Os outros atores do elenco são Marcos Antonio Sal e Alberto di Santo. A peça tem duração estimada de 60 minutos e classificação etária de 16 anos. Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria no dia da apresentação e os valores são de R$ 20 a entrada inteira e R$ 10 a meia entrada para estudantes e quem tem mais de 60 anos de idade.g

Salvador Arena tem shows gratuitos neste domingo (27) OSCAR BRANDTNERIS

q O Parque Salvador Arena, de São Bernardo, recebe neste domingo mais uma edição do projeto da Secretaria de Cultura que realiza shows gratuitos no espaço. Neste dia, 27 de abril, as bandas de rock Vespas Mandarinas e E.T. Macaco fazem apresentações. Nas últimas edições do projeto, o parque recebeu cerca de mil pessoas por exibição. O principal objetivo é dar oportunidade para que os moradores da região conheçam bandas do circuito alternativo e independente. A atração principal é a Vespas Mandarinas. O grupo foi formado em 2009 e lançou no ano passado o seu último álbum, “Animal Nacional”, que inclusive foi indicado ao Grammy Latino na categoria de melhor disco de rock. A banda vai apresentar no show do Salvador Arena uma nova música, que já foi tocada no último Lollapalooza, um festival de música que aconteceu no último dia 5, em São Paulo.

De 25 de Abril a 8 de Maio de 2014

6ROTEIRO TEATRO Horácio O monólogo criado por Heinner Muller e encenado pelo ator Celso Frateschi tem como pano de fundo o conflito entre as cidades de Roma e Alba que são ameaçadas pelos Etruscos. Os líderes de Roma e Alba decidem escolher apenas um guerreiro para representa-los. Após vencer a luta, Horácio se descontrola e acaba matando a própria irmã. Fazendo a plateia se questionar se Horácio é um assassino ou um herói? - Grátis. Classificação 14 anos. Terça (29), às 20h, no Centro Cultural Lázaro Pinto de Azevedo: rua Alfredo Bernardo Leite, 1.205 – Bairro Taboão – São Bernardo. Até que o Casamento nos Separe

MÚSICA

Otávio e Maria Eduarda estão juntos há 20 anos e agora decidem formalizar sua união em um casamento tradicional. Nesse período a harmonia do casal é ameaçada durante os preparativos para a cerimônia. Classificação 12 anos. Sábado (26), às 21h, no Teatro Municipal de Mauá: rua Gabriel Marques, 353 – Centro – Mauá. Ingressos: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia entrada para estudantes, funcionários da rede pública e maiores de 60 anos).

Beto Guedes

Com 18 discos lançados o artista mineiro Beto Guedes apresenta clássicos de sua autoria como “Sol de primavera” e “O sal da terra” em São Caetano na sexta feira (25), às 21h, no Teatro Paulo Machado de Carvalho: rua Alameda Conde de Porto Alegre, 840 – Santa Maria – São Caetano. A classificação é livre. O show tem duração de 90 minutos e a classificação é livre. Ingressos: R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia).

INFANTIL Simbad

Primeiro álbum da banda Animal Nacional foi lançado no ano passado pela gravadora Deckdisc

em 2010 pelos irmãos Felipe e Wagner Gigante, que se mudaram do Rio de Janeiro para São Bernardo.

O grupo musical que faz o show de abertura no Salvador Arena, neste domingo, é a banda E. T. Macaco, criada

SERVIÇO Parque Salvador Arena – Av. Caminho do Mar, 2.980 – Rudge Ramos / São Bernardo – Dia: 27/04 (domingo), às 16h - Entrada Franca. g

O espetáculo infantil conta as aventuras do navegador Simbad pelos mares. Um mar de bexigas azuis são espalhadas pelo palco. A peça teatral transforma objetos do dia a dia como funil, máscara em personagens do espetáculo. Livre. Sábado (26), às 16h, no Teatro Santos Dumont: av. Goiás, 1111 – Santo Antônio – São Caetano. Ingressos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia entrada para maiores de 60 anos, professores e estudantes da rede pública, usuário do Sesc e dependentes). DANÇA Uma aventura ao redor do mundo

Quando três crianças saem da aula de geografia e continuam discutindo sobre ela. Ao chegar em casa, dormem e sonham que estão em um

balão viajando pelo mundo e encenam as danças típicas de cada país que passam. Livre. Domingo (27), às 18h, no Teatro Municipal de Mauá: rua Gabriel Marques, 353 – Centro – Mauá. Ingressos: R$ 25 (preço único). g FERNANDA CORDEIRO


ESPORTE

De 25 de Abril a 8 de Maio de 2014

Metodista/São Bernardo enfrenta Taubaté pelo Paulista de handebol CAIO DOS REIS/RRJ

CAIO DOS REIS VINICIUS REQUENA

q Após duas vitórias em duas rodadas, a equipe masculina de handebol da Metodista/São Bernardo tem o primeiro grande desafio da temporada. Neste sábado, a equipe comandada por SB enfrenta o Taubaté, equipe que possui seis ex-atletas do time do ABC, às 16h, fora de casa. A equipe do Vale do Paraíba já fez quatro jogos na competição estadual. Foram duas vitórias - contra Piracicaba e Hortolândia - e dois empates - frente ao Pinheiros e São José. Foram 132 gols marcados e 87 sofridos, com um saldo de 45 gols. Já a equipe do ABC fez apenas duas partidas na competição. A primeira foi fora de casa, contra o Ribeirão Preto, vencendo por 33 a 30, e a segunda foi contra o Piracicaba, por 30 a 25, no Ginásio do Baetão.

Equipe da região venceu os dois primeiros jogos do campeonato estadual de handebol A equipe do Taubaté tem seis atletas que estavam na Metodista/SBC no ano passado: o goleiro Rick, os centrais Diogo, Japa e Henrique, o ponta Wesley e o pivô Duplex.

Melhor jogador na vitória da Metodista contra o Piracicaba, Acácio espera um desafio complicado contra o Taubaté. “É pedreira. Eles têm praticamente o time que tivemos no

ano passado”, disse o central, que não está confirmado para o jogo. Já o técnico SB espera uma partida muito difícil. “Eles têm um plantel muito

Dez jogadores deixam a equipe do Tigre BRUNO MADRID

q O São Bernardo FC teve seu elenco reduzido depois da disputa do Campeonato Paulista e da Copa do Brasil 2014 e promoveu dois jogadores de base para compor o elenco. Dos 11 jogadores considerados titulares, sete já deixaram o clube. O goleiro Wilson Júnior, os laterais Rafael Cruz e Eduardo, o volante Edson, o meia Bady e os atacantes Gil e Careca não fazem mais parte da equipe. Além deles, os reservas Erick Flores, Márcio Diogo e Elionar Bombinha também estão fora. No total, até agora, dez atletas saíram do clube. Capitão do time na última temporada, Wilson Júnior não teve seu contrato renovado. “Vou seguir para outro clube e espero um dia voltar

e encerrar a carreira no São Bernardo. Mas, por enquanto, é um ciclo que se encerra”, declarou. Outro titular dispensado é Rafael Cruz que, no ano passado, disputou a Série B pelo Atlético Goianiense. Careca e Edson foram vendidos ao Náutico (PE) e Fluminense (RJ), respectivamente. O primeiro saiu no fim da campanha do São Bernardo no Estadual e vai jogar a Série B pelo clube pernambucano, e o segundo chegou a ser cogitado no Corinthians, mas com a vinda de Elias ao alvinegro, acertou na terça-feira (22) seu contrato com o tricolor carioca. Já Bady, negociado com o Atlético Paranaense, tinha contrato com o Tigre até 2016 e foi o artilheiro do time no Paulistão, com sete gols. “Foi um ano muito bom, nossa equipe fez um excelente campeonato. Foram só bons momentos aqui.”

BRUNO MADRID/RRJ

Time continua treinando para torneios do 2º semestre Em uma futura venda do meia, o São Bernardo ficará com 50% do valor do passe do atleta. Dispensados, o meia Erick Flores e os atacantes Márcio Diogo e Elionar Bombinha ainda estão com seus futuros indefinidos. Nenhum dos três conseguiu uma sequência no

time titular durante o ano. Agora, procuram outros clubes. Com os desfalques, o Tigre, atual campeão da Copa Paulista, vai contar com os jovens que subiram das categorias de base do clube para a disputa da competição, única da equipe até 2015. O lateral Kaíque, 21,

Rudge Ramos Jornal - 15

bom, trocam muito o time e isso complica o jogo. São muitos atletas de seleção adulta contra atletas juvenis”, contou. O comandante ainda lamentou a contusão do central Acácio, único central do elenco. “Ele é novo e tem muita qualidade. Caso a lesão no dedo se confirme, será uma grande perda para o jogo contra o Taubaté”, disse. PROMESSA Já tradicionalmente conhecida como grande revelador de atletas, a Metodista/ SBC decidiu apostar na base na temporada de 2014. Uma delas é o central Acácio, 20. Melhor jogador e artilheiro do último jogo contra o Piracicaba, o central tem chamado a atenção pela presença em quadra. “O SB e o Hélio, auxiliar técnico, me cobram muito para eu aparecer mais, já que a minha posição demanda chamar a responsabilidade e a jogada todo o momento”, explicou Acácio. O pivô Jefferson, que chegou à Metodista/SBC neste ano, falou sobre a tradição da equipe em revelar jogadores. “Vejo a atitude dele chamar o jogo como muito boa, e essa tradição de revelar grandes atletas. g

que atuou como titular do torneio no ano passado, é um dos mais cotados para substituir Rafael Cruz na lateral direita. Outro que pode ganhar espaço é Romário, 20. O atacante deve preencher na equipe o espaço deixado por Careca. O técnico da equipe, Edson Boaro, afirmou que os juvenis estão preparados para atender as necessidades do clube. “Temos condições de fazer uma boa Copa Paulista. Nosso planejamento é trabalhar bastante com os jogadores que estão crescendo no clube, isso é muito importante, é um trabalho a longo prazo”, disse. O elenco do São Bernardo está de férias desde a metade de abril e se reapresenta no dia 16 de maio. A Copa Paulista começa no segundo semestre e ainda não tem datas e grupos definidos. O campeão do torneio garante vaga na Copa do Brasil 2015. g


16 - Rudge Ramos Jornal

De 25 de Abril a 8 de Maio de 2014


RROnline - Edição 1.018