Page 1

Nº. 4 - 27 de abril de 2012

Pelegos da chapa dos patrões pedem na justiça a demissão dos dirigentes Químicos reintegrados No dia 10 de abril, integrantes da CHAPA 2, ligada ao PSTU/ Conlutas, entraram na justiça questionando a reintegração de Cabral, Silvio, Lidia, Paulo Lourenço e Natalino, que foram demitidos pela multinacional em um ataque violento ao Sindicato. Para quem tinha dúvida do caráter patronal da outra chapa, os fatos falam por si. Em ação jurídica coordenada a partir dos Recursos Humanos da

Johnson, a chapa pelega quer demitir novamente os companheiros lutadores que não se curvam a política da empresa de retirar os nossos direitos. É lamentável e chega ser repugnante que a chapa patronal apoiada pelo PSTU/Conlutas tenha se prestado a fazer o serviço sujo da empresa, que não respeita a livre-organização dos trabalhadores. O nosso Sindicato já sofreu muitos ataques da patronal,

mas desta vez o ataque é da patronal e de sua chapa que concorre na nossa eleição. É um ataque contra a categoria química para tentar ganhar na marra as eleições da nossa entidade e rebaixar direitos. Por isso, nós não temos dúvida que nos dias 9 e 10 de maio os trabalhadores vão dar uma resposta a altura, defender a sua entidade de luta, elegendo para o triênio 2012/ 2015 a CHAPA 1, que é A CHAPA DO SINDICATO, a chapa vitoriosa!

Vamos defender nosso Sindicato! Vote CHAPA 1

Eleições 9 e 10 de Maio de 2012


JORNAL DA CHAPA 1 - PÁG. 2

A CARA-METADE DA PATRONAL Para que todos conheçam a relação da chapa do PSTU/Conlutas com a patronal, dois dias após o Fabrício da Monsanto e o Emerson da IFF apresentarem para a justiça argumentos patronais para atacar o nosso Sindicato, os patrões endossaram (copiaram) os ataques da chapa pelega, nos mesmos termos, contra os dirigentes reintegrados. Em suas argumentações junto à justiça, a chapa dos pelegos ataca a direção do Sindicato ao defender uma

lista de dirigentes com direito à estabilidade imposta pela Johnson, não a que o Sindicato apresentou. Com isso, eles querem reverter a reintegração dos cinco companheiros demitidos no dia 22 de fevereiro, ou seja, eles estão defendendo a demissão destes dirigentes para enfraquecer o Sindicato no momento em que ocorre eleição para a nossa entidade. Parece até que os ataques da chapa patronal e dos parceiros deles, os pa-

trões, foram feitos pelo mesmo advogado. É o maior ataque já sofrido por uma entidade de trabalhadores, desde a queda da ditadura militar em nosso país. Para a chapa patronal, agora é a lei do VALE TUDO para dirigir, custe o que custar, o Sindicato dos Químicos e entregar os nossos direitos com uma direção cordeira à patronal. São verdadeiros amigos dos patrões e traidores da classe trabalhadora ao defender a demissão dos nossos dirigentes reintegrados!

Veja petição em que a chapa dos pelegos antecipa os ataques da patronal às reintegrações dos dirigentes demitidos!

A FETQUIM, Federação dos Químicos do Estado de São Paulo, que agrupa importantes sindicatos de trabalhadores químicos apoia incondicionalmente a CHAPA 1


JORNAL DA CHAPA 1 - PÁG. 3

DIGA NÃO AOS CAGUETAS! O trabalhador Químico, a partir deste fato, tem agora motivos de sobra para defender o seu Sindicato combativo contra os queridinhos dos RH´s. Cuidado com os traidores da categoria e da classe trabalhadora! Eles dão tapinha nas costas e apertam sua mão pedindo voto, mas na primeira oportunidade vão estar te dedurando para agradar a empresa. Quanto ao PSTU/Conlutas, está explicado o porquê dos trabalhadores da GM os terem derrotado com mais de 60% nas últimas eleições do Sindicato dos Metalúrgicos. É gente que veste vermelho,

fala de luta, mais que de um tempo pra cá tem feito o jogo do governo e dos patrões. Foi assim no caso das greves das obras do PAC, em Jirau, e em Santo Antonio, no Estado de Rondônia, onde foram coniventes com a demissão de mais de quatro mil trabalhadores. Foi o que vimos na EMBRAER, é o que está acontecendo na GM e em muitas das empresas metalúrgicas da região. É gente que age como patrão contra o trabalhador. Quem não se lembra da forma como foram tratados os funcionários do Sindicato dos Metalúrgicos/SJC quando entraram em

greve de três dias no ano passado? Os trabalhadores foram assediados e ainda culpados por uma derrota da direção do PSTU na GM, um ataque brutal a esses companheiros. O absurdo de tudo isso é que eles ainda têm a cara de pau (sem nenhuma vergonha na cara, como se não tivessem traído os trabalhadores químicos) de entrar nos ônibus e pedir o seu voto. DIGA NÃO A ESSES SENHORES. VOTE NA CHAPA 1 – A CHAPA DO SINDICATO -, PARA DERROTAR A PATRONAL E OS PELEGOS TRAIDORES!

Veja petição em que os sindicatos patronais do ramo químico reproduzem os argumentos da chapa dos trairas para atacar as reintegrações.

Veja a patronal defendendo Fabrício e Emerson, da chapa pelega. Que vergonha!


JORNAL DA CHAPA 1 - PÁG. 4

OPOSIÇÃO ASSUME QUE ENTROU NA JUSTIÇA CONTRA AS REINTEGRAÇÕES O COMPANHEIO SILVIO PEREIRA É O PRIMEIRO A SER DEMITIDO POR CAUSA DELES! O panfleto da oposição só diz o que todo mundo já sabia. Eles são os agentes dos patrões e assumiram que entraram na justiça. Em ação combinada com a Johnson eles causaram a demissão de dirigentes sindicais, novamente. De maneira absurda a outra chapa (PSTU/ CONLUTAS) rompe os princípios mais elementares da classe trabalhadora. Eles apoiam a intervenção da justiça patronal e acatam uma regra retrógrada da CLT, contra a qual sempre lutamos. 1 - Ação da Chapa 2 é igual a da Johnson! A oposição patronal (PSTU/CONLUTAS) e a Johnson protocolaram ações com argumentos jurídicos idênticos para derrubar as reintegrações dos sindicalistas demitidos. A oposição assume pra si a regra da CLT, a jurisprudência do TST de que apenas 14 dirigentes de cada entidade possuem estabilidade. Assumiram também a proposta dos sindicatos patronais que impôs a indicação de 14 nomes, na ordem da ata de posse, dos dirigentes que passariam a ter estabilidade. O mais absurdo é que essa regra foi utilizada pela Johnson para efetuar as cinco demissões. 2- A indicação de 14 nomes é proposta do patrão Sempre lutamos contra a intervenção da Justiça, dos Governos, do Estado e dos patrões em nossas entidades. Por isso não aceitamos a medida imposta pela justiça e pela Johnson que restringia a estabilidade a apenas 14 dirigentes, pela ordem alfabética da ata de posse. Desde 2008, nos recusamos a indicar apenas 14 e deixar o restante de nossa diretoria descoberta, sem

estabilidade. Isso acarretou ao sindicato o pagamento de pesadas multas. É o preço que pagamos por defender a liberdade de organização sindical: os sindicatos devem ser livres, democráticos e independentes. 3- Os 5 demitidos necessitavam da estabilidade Somente indicamos 5 nomes, em 2011, porque tínhamos 5 dirigentes demitidos. Indicar os demitidos foi uma saída jurídica para conquistar a reintegração. Uma boa saída no marco da mais completa liberdade de organização sindical. Essa linha jurídica, juntamente com a campanha política e a pressão na fábrica, resultou arrancou a reintegração de todos os demitidos, inclusive de Natalino, que é membro da outra chapa. 4- Oposição e Johnson no tapetão Após essa vitória, no dia 10 de Abril, membros da oposição entraram na justiça. E no dia 12 de Abril os sindicatos patronais entraram na justiça com os mesmos argumentos. Na prática a oposição (PSTU/CONLUTAS) deu munição para que a patronal demitisse novamente nossos companheiros, mostrou o caminho das pedras para os advogados patronais. A Johnson entrou na justiça e os membros da chapa 2 retiraram a ação, mas o estrago estava feito, o caminho para as demissões já estava aberto. O resultado disso é que no dia 26/04/2012, o sindicalista Silvio Pereira, voltou a ser demitido pela empresa. NÃO VOTE EM DEDO DURO!!! VOTE NOS LUTADORES DA CHAPA 1

CHAPA 1 - A CHAPA DO SINDICATO

EXPEDIENTE: Publicação da Chapa 1 do Sindicato dos Químicos de São José dos Campos e Região - Impresso na Gráfica Imperial. Este jornal e todo o material de divulgação da Chapa 1 estão sendo pagos pelos Sindicatos da região e do país, que apoiam a nossa Chapa.

Vamos defender nosso sindicato  

boletim, jornal

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you