Issuu on Google+

ABRIL / 2011

FONE: 0800-2808989

Derrotar o arrocho salarial do governo e dos patrões Fortalecer novas lideranças na base O ano começou com a greve nos canteiros de obra do PAC (Programa de Aceleração de Crescimento), principal vitrine da Presidenta Dilma. A rebelião no Rio Madeira, Rondônia, estimulou greves em Pernambuco, Ceará, Bahia, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro e São Paulo envolvendo mais de 170 mil operários. Ninguém agüentava mais salários de fome e péssimas condições de trabalho. A situação se parece a semi-escravidão da Foxconn, fábrica de eletrônicos e palco do suicídio de trabalhadores em 2010 na China. Empresa que Dilma quer instalar no Brasil. Em outro canteiro, o de Belo Monte, violações dos direitos humanos levaram à condenação do Brasil na Organização dos Estados Americanos. A decisão paralisou temporariamente a obra, o que é reivindicado pelo movimento Xingu Vivo. O governo reprimiu a greve no Rio Madeira enviando a Força de Segurança Nacional para defender as empreiteiras, o principal financiador das campanhas do PT. A Camargo Correa, que lidera o consórcio de Jirau, recebe rios de dinheiro público e está envolvida em esquemas que alimentam contas bancárias de empresários e políticos corruptos, como Jáder Barbalho. O mesmo que foi presenteado por Dilma com a derrubada da Lei do Ficha Limpa. Com a visita de Obama, Dilma aumentou a dependência do Brasil em relação aos Estados Unidos (EUA). Os acordos assinados

O que é isso companheiro?

sobre o Pré-Sal entregam nosso petróleo aos norte-americanos. Os EUA querem lucrar com obras da copa do mundo e das olimpíadas, que serão superfaturadas, desrespeitando direitos trabalhistas e destruindo o meio ambiente. A subserviência é vista no corte de R$ 53 bilhões das áreas sociais, nos constantes aumentos de juros e no pagamento diário de R$ 2 bilhões da dívida interna e externa aos banqueiros. Para barrar esses abusos devemos fazer como os operários da construção civil que enfrentaram a patronal, a Força de Segurança Nacional, a justiça e até mesmo seus sindicatos. A União da categoria tornou possível as vitórias e as conquistas econômicas.

Viva a revolução árabe!

Todo apoio à revolução! Fora OTAN! Armas e mantimentos aos rebeldes Líbios para derrubar Kadaffi.

Apoio aos comitês populares, organizações juvenis e sindicatos independes!

Seguir o exemplo do povo árabe pra enfrentar a corrupção e a crise econômica!

Não às demissões em Jirau Nenhuma confiança nas centrais sindicais que traíram os trabalhadores! Quando o conflito explodiu, a CUT declarou que os operários eram vândalos. A Força Sindical também negou apoio. Dias depois foram negociar em nome dos trabalhadores. O governo inventou uma Comissão Tripartite, entre centrais sindicais, empresas e governo. Após ceder às reivindicações dos trabalhadores autorizou a demissão de 6 mil trabalhadores. O ministro Gilberto Carvalho disse que “Demissões são naturais”. As centrais falam que foi “um avanço porque as demissões serão negociadas”. O que eles acham “normal” e “um avanço” é a demissão de 30% do efetivo da obra, retirando do quadro as lideranças da manifestação. Isso é uma traição contra os trabalhadores!

A CSP-Conlutas e o Pstu, que sempre foram contra "Comissões Tripartites" rapidamente entraram nessa. Parece que a pressa para legalizar sua central falou mais alto. Direito a participar? Claro que tinham. Mas ficar calados sem denunciar a armadilha foi muito grave! Não fazer um estardalhaço com milhares de panfletos e propaganda na televisão foi um descaso com os trabalhadores. Legitimaram o fórum anti-operário e ajudaram a iludir os trabalhadores. Isso é o que dá confiar nas negociações com o governo. A CSP-Conlutas não alertou sobre as demissões! Não exigiu que as comissões de base participassem nas negociações desrespeitado a democracia operária. A comissão tripartite legalizou a demissão dos peões de Jirau, sendo inadmissível que a CSP-CONLUTAS continue nesse espaço.

A luta continua! A crise não está resolvida e o descontentamento é grande. Nenhuma confiança nos sindicatos governistas e nas centrais sindicais pelegas! Os trabalhadores devem se organizar de maneira independente, pela base! Nenhum trabalhador deve ser demitido! Toda a solidariedade aos trabalhadores da construção civil.


Chega de Corrupção na

ALEPA!

Nos últimos dias a Assembléia Legislativa é palco de um dos maiores escândalos da história do Pará. Supersalários, funcionários fantasmas, laranjas e gratificações ilegais desviando cerca de R$ 1 milhão ao mês. A falcatrua veio à tona na gestão de Domingos Juvenil, do PMDB de Jader, mas envolve praticamente todos os partidos que passaram pela ALEPA nos últimos anos, como o PSDB de Sergio Duboc, atual diretor do Detran. Um dos motivos

que, até agora, impede Jatene de apoiar a CPI. Fica novamente claro que as intuições ficha suja da república dos ricos só funcionam a base de propinas e falcatruas. O deputado Edmilson Rodrigues, do PSOL, tem sido incansável na denúncia dessa fraude e propõe uma CPI, que deve ser apoiada. Os sindicatos, associações e entidades estudantis devem tomar as ruas e exigir a punição dos envolvidos e devolução de todos os valores aos cofres públi-

Rodoviários de Ananindeua e Marituba

A EDUCAÇÃO NO PARÁ EXIGE RESPEITO

Se não negociar, Vamos parar! Durante o mês de abril ocorreram reuniões entre as empresas e o Sindicato dos Rodoviários de Ananindeua e Marituba. A patronal enrolou a categoria e nada negociou. Para piorar, queriam retirar cláusulas da nossa proposta, como precondição pra qualquer conversa. Nós já falamos que não abrimos mão dos direitos dos rodoviários. Estamos com muitas perdas no salário e no ticket. A geladeira fica vazia rápido, enquanto os patrões colocam os filhos pra estudar culinária em Portugal. No dia 28/04, protestamos de farol acesso demonstrando a união da categoria e, ao mesmo tempo, alertando a população que vai ter greve se não tiver negociação.

Barrar de vez o aumento da passagem de ônibus! Lotar a audiência de 29/04, na prefeitura de Belém Não há motivo para aumentar a passagem em 16% (R$ 2,15). No ano passado, os empresários tiveram perdão de dívida de R$ 84 milhões e o lucro oficial das empresas supera os R$ 40 milhões ao ano, fora o caixa 2. Sendo que nada é investido na renovação da frota, por isso os ônibus são de péssima qualidade. Até agora a passagem de ônibus não aumentou. Essa vitória só foi possível pelos atos organizados por diversas entidades e movimentos sociais. O atual congelamento da passagem vigora até a audiência pública no auditório da prefeitura em 29/04. Por isso, é fundamental a participação de todos. Será um dia, que irá determinar o ano todo.

Servidores públicos vão parar no dia 11/05 No dia 13/04, milhares de servidores federais encheram as ruas de Brasília na 2º marcha nacional de 2011. A pressão da luta unificada fez Dilma ceder e autorizar a ministra Mirian Belchior a receber as entidades. No entanto, na audiência nada da pauta foi negociado. Na reunião o governo apontou para a divisão das negociações, fracionando as entidades para enfraquecer a campanha salarial. As entidades reafirmaram a unidade das negociações. Um dos objetivos é a derrubada do PL 549 que visa congelar os investimentos nos serviços públicos pelos próximos 10 anos. Nas próximas semanas o SINTSEP-PA e os delegados sindicais de base realizarão assembléias nos locais de trabalho como preparação da paralisação do dia 11/05.

Participe da paralisação nacional dos servidores federais - 11 de maio!


unidos