Issuu on Google+

Anรกlise e Projeto de Sistemas

Professores: Vera e Ronie

1


O que é um sistema? 

Conjunto de elementos, entre os quais há alguma relação

Grupo de itens que interagem entre si ou que sejam interdependentes, formando um todo unificado.

É um todo determinado, algo que podemos visualizar em separado do resto das coisas e ao mesmo tempo interage com essas outras coisas. É formado por parte menores, igualmente distinguíveis umas das outras e que, como o próprio sistema maior, também interagem entre si. 2


Princípios gerais dos sistemas Quanto mais especializado é um sistema, menos capaz ele é de se adaptar a circunstâncias diferentes.

Quanto maior for um sistema, maior o número de seus recursos que serão destinados a manutenção diária. 3


PrincĂ­pios gerais dos sistemas Os sistemas sempre fazem parte de sistemas maiores e sempre podem ser divididos em sistemas menores. Os sistemas crescem.

4


Natureza dos Sistemas  

Naturais Artificiais  Criados pelo homem dentro ou para organizações (empresas)


Natureza dos Sistemas 

Sistemas de Informação 

Objetivos do SI: Coletar dados,  organizar dados,  controlar dados  processar dados e  prover formas de tomada de decisão 


Tipos de Sistemas 

Sistemas naturais

Sistemas feitos pelo homem

Sistemas automatizados

7


Sistemas naturais 

Características  

Não são criados por pessoas Servem aos seus próprios propósitos

Exemplos:  

Sistemas estelares: galáxias, sistema solar Sistemas geológicos: rios, cadeias de montanhas Sistemas moleculares 8


Sistemas feitos pelo homem 

Características 

São organizados e mantidos pelo homem

Exemplos:      

Sistemas sociais: leis, doutrinas, costumes Sistemas de transporte Sistemas de comunicação Sistemas financeiros Sistema de água potável Sistema de Combate à Incêndio (escadas, hidrantes, extintores) 9


Sistemas Automatizados 

Características  

Feitos pelo homem Que interagem com ou são controlados por computadores

Componentes comuns     

Hardware Software Pessoas Dados Procedimentos

10


Sistemas Automatizados Classificação  Sistemas Batch (em lotes)  Sistemas on-line  

Interage com pessoas através de terminais Resposta em segundos (01 ou 02 seg.)

Sistemas de tempo real  

Interage com pessoas e com o ambiente (estímulos) Respostas em milissegundos ou microsegundos 11


Sistemas de Informação 

São sistemas automatizados, criados pelo homem  Objetivos do SI: Coletar dados,  organizar dados,  controlar dados  processar dados e  prover formas de tomada de decisão 


Sistema de Informação 

Sistema que visa gerar e gerir as informações necessárias, corretas, em lugar e hora certos e na forma adequada para a organização. Constituído de:      

Captação de dados Codificação Gestão de base de dados Processamento Recuperação de informações Apresentação/Divulgação de resultados


Hierarquia dos sistemas Alimentado com informações internas e externas

Estratégicos

Sistemas de apoio à decisão Sistemas operacionais 14


Atua em 3 níveis: MISSÃO DA EMPRESA Níveis de decisões

ESTRATÉGICO •Planejamento a longo prazo •Intenso processamento

OBJETIVOS Necessidade de Informação

TÁTICO •Decisões gerenciais, médio prazo

METAS

•Elevado processamento

OPERACIONAL •Planejamento a curto prazo (funções diárias)

DESAFIOS

Fator Crítico de Sucesso


Problemas do desenvolvimento de sistemas 

Produtividade 

Confiabilidade 

Como produzir mais sistemas com qualidade, maior rapidez e menor custo?

Como evitar falhas nos sistemas?

Manutenibilidade 

Como reduzir as modificações nos sistemas durante seu tempo de vida?

16


Produtividade 

Demanda  Novos sistemas já aprovados  Novos sistemas identificados mas ainda não aprovados  Novos sistemas ainda não identificados Tempo para desenvolvimento  10% projetos terminam no prazo  25% nunca terminam  60% tem custo acima do esperado  O atraso médio é de um ano AA produtividade produtividade éé inversa inversa ao ao tamanho tamanho do do sistema. sistema.

17


Confiabilidade “Os sistemas produzidos por empresas em todo mundo estão cheios de erros” 

Tipos de erros 

Trivial/simples (ex. Informação não impressa no relatório) Moderado (ex. Sistema aceita dados não válidos) Sério (ex. Fazem o programa parar o processamento, com perda considerável de dinheiro ou vidas humanas) 18


Confiabilidade 

Exemplos de erros sérios documentados  O sistema de defesa aérea americano registrou 50 alertas falsos, provocando acidentalmente a decolagem de interceptores. 

Um erro no programa de vôo do F16 fazia com que o avião virasse de cabeça para baixo sempre que cruzava a linha do equador. As portas do trem do sistema São Francisco BART controlado por computador, às vezes se abrem durante longas travessias entre estações. 19


Confiabilidade 

Exemplos de erros sérios documentados 

Um alerta do sistema de defesa americano detectou a lua como um míssil que se aproximava. O índice de ações de Vancouver perdeu 574 pontos em um período de 22 meses por causa de erros de arredondamento. (ex. 3,14159 para 3,1416) Um erro no cálculo de médias do sistema acadêmico da FIB reprovou todos os alunos da disciplina análise de sistemas.26

20


Manutenibilidade 

Outras causas da manutenção 

Alteração no hardware ou no software

Melhoria no desempenho do sistema

Alterações dos requisitos pelo usuário

Erros no sistema

“Os erros respondem por aproximadamente 21% do esforço geral de manutenção” 21


Manutenibilidade “50 a 80% do trabalho realizado pela maior parte das organizações de desenvolvimento de sistemas estão associadas à revisão, modificação, conversão, aperfeiçoamento ou à depuração de um programa que alguém escreveu tempos atrás”

Bug do milênio: Quanto as empresas gastaram para corrigir o problema? 22


Outros problemas 

Eficiência (Desempenho/tempo de resposta)

Gerenciamento (Ausência de métodos e padrões definidos)

Segurança (Acessos indevidos, privacidade dos dados)

Não atendimento aos requisitos do usuário

Grande Grandeparte partedos dosproblemas problemasestão estãona nafase fasede deprojeto projetoeeprogramação, programação, porém porémuma umaboa boaespecificação/análise especificação/análiseééaabase basepara paraum umsoftware software de dequalidade. qualidade. 23


Soluções 

Programas de melhoria contínua (ISO, CMM)

Ataque ao problema da manutenção

Ferramentas automatizadas para o desenvolvimento

Melhores linguagens de programação

Envolvimento maior dos usuários nos projetos

Testes contínuos e bem planejados

Definição de um método de trabalho

Planejamento 24


Ciclo de vida dos sistemas 

O processo de desenvolvimento de sistemas pode envolver diversas fases.

Ao encadeamento das fases para a construção do sistema denominamos:

“Ciclo de vida do desenvolvimento de sistemas” 25


Ciclo de vida dos sistemas 

Porque precisamos de um ciclo de vida para o desenvolvimento de sistemas? 

Definir as atividades a serem executadas nos projetos de desenvolvimento de sistemas. Introduzir consistência entre diversos projetos de uma mesma organização. Introduzir pontos de verificação para o controle gerencial. 26


Ciclo de vida dos sistemas • Ciclo inicial (compulsório )

Análise Análise Projeto Projeto Implementação Implementação

27


Ciclo de vida dos sistemas 

Análise 

  

Definir requisitos do sistema (o que o sistema deve fazer) Interpretar e definir uma estrutura para o problema Diz respeito à eficácia do problema Não deve se preocupar com “performance”

Projeto    

Como o sistema funcionará para atender aos requisitos Modela o sistema de acordo com a tecnologia Preocupa-se com performance Modelo de implementação do usuário 28


Ciclo de vida dos sistemas 

Implementação   

Codificação Testes Integração dos módulos

29


Ciclo de vida dos sistemas Estudo Estudo

Ciclo de vida completo

Análise Análise Projeto Projeto

Implementação Implementação Instalação Instalação Operação Operação

Manutenção Manutenção

30


Ciclo de vida dos sistemas 

Na prática o desenvolvimento de sistemas não ocorre de maneira tão linear no tempo.

É possível acontecer uma certa superposição das fases. Principalmente entre as consecutivas. Ciclo conservador Ciclode devida vida XXconservador Ciclo Ciclode devida vidaradical radical 31


Metodologias de desenvolvimento de sistemas 

O desenvolvimento não pode mais ser entendido como sinônimo de codificar programas, como acontecia há 25 ou 30 anos.

Para haver sucesso no desenvolvimento de sistemas torna-se necessária a utilização de uma metodologia de trabalho. 32


Metodologias de desenvolvimento de sistemas 

Metodologia 

Dissertação sobre a maneira de se utilizar um conjunto de métodos para atingir um objetivo, de modo que se evite a subjetividade na execução do trabalho.

Método 

Procedimento (conjunto de técnicas) a ser adotado para se atingir um objetivo. 33


Metodologias de desenvolvimento de sistemas 

Técnica 

Modo apropriado de se investigar sistematicamente um determinado universo de interesse ou domínio de um problema. (faz uso de uma notação).

Notação 

Conjunto de caracteres, símbolos e sinais formando um sistema convencionado de representação. 34


Metodologias de desenvolvimento de sistemas 

Uma boa metodologia deve definir: 

     

As fases de trabalho a serem adotadas (ciclo de vida) Quem faz o quê, quando e como O papel dos técnicos, dos usuários e dos gerentes Pontos de controle e verificação Níveis de qualidade Um conjunto de padrões pré-estabelecidos Evitar o problema dos “donos do sistema”

As As técnicas técnicas éé que que devem devem ser ser estáveis, estáveis, ee não não os os técnicos. técnicos.

35


Metodologias de desenvolvimento de sistemas 

A metodologia deve definir quais as fases do trabalho

Para cada fase, quais as técnicas 

Para cada técnica, quais as ferramentas 

Análise estruturada, análise essencial, análise OO

DFD, DER, DTE, Diagrama de contexto

Para cada ferramenta, quais modelos 

Modelo funcional, modelo de dados, modelo de controle

36


Metodologias de desenvolvimento de sistemas Técnicas Análise tradicional

Modelos Funcional

Análise estruturada

Funcional Dados

Análise essencial

Funcional Dados Controle

Ferramentas Textos Fluxogramas Diagrama de fluxo de dados Diagrama de estrutura de dados Miniespecificações Normalização Dicionário de dados Tabela de eventos Diagrama de fluxo de dados Diagrama de entidade-relacionamento Diagrama de transição de estados Diagrama de estrutura de dados Normalização Miniespecificações Dicionário de dados 37


Modelagem de sistemas 

Modelo funcional 

Modelo de dados 

Perspectiva das funções do sistema

Perspectiva dos dados do sistema

Modelo de controle 

Perspectiva dos controles de estados do sistema 38


Modelagem de sistemas Classificação importância dos modelos na especificação do sistema: 

Centrado nas funções 

Centrado nos dados 

Maior preocupação nas funções Maior preocupação nos dados e seus relacionamentos

Centrado nos controles 

Maior preocupação nos controles do sistema

39


Ferramentas de modelagem Para que servem? 

Ajudar a entender o ambiente do usuário

Focalizar características importantes do sistema

Discutir alterações nos requisitos do usuário

Documentar o sistema 40


Ferramentas de modelagem Devem possuir as seguintes características:

Ser gráfica, com detalhamento textual de apoio Permitir que o sistema seja visualizado de forma subdividida (top-down)

Possuir mínima redundância

Ser transparente para o leitor

41


Aula de AP