Page 133

Marx & Engels David Riazanov

pelo desejo de obter um êxito positivo imediatamente, não como doutrinário, mas como um “político realista”, Lassalle usava argumentos que o comprometiam diante do partido governante e julgava favoravelmente a aqueles a quem tentava persuadir para que não colaborassem com a Áustria. As injúrias contra este Estado, a atitude conciliatória ante o governo prussiano e russo, poderiam assim ser atribuídos ao jornalista, sem prejuízo para o partido. Porém, a tática preconizada para que este intervisse praticamente na luta, como se viu depois pela ação de Lassalle, oferecia múltiplos perigos. A guerra entre França e Áustria terminou de um modo inesperado para ambas as partes. No começo, Áustria, sem outro inimigo senão os italianos, obteve vitórias, porém logo foi derrotada pela coalização das tropas francesas e italianas. Todavia, quando a guerra começou a se popularizar e Napoleão compreendeu que toda Itália realizaria a unidade revolucionária, e que com ela se reuniriam os estados pontifícios, voltou atrás, e aproveitou a mediação de Rússia para encerrar o conflito. A Sardenha teve de contentar-se com a Lombardia; a Veneza ficou nas mãos da Áustria. Para compensar suas perdas de homens e dinheiro, Napoleão se apropriou de toda Saboia, pátria dos reis da Sardenha, e sem dúvidas, para demonstrar a Garibaldi que dali para frente devia desconfiar das promessas dos monarcas, anexou a cidade natal do célebre revolucionário italiano, Niza, juntamente com o território em suas cercanias. E assim como defendeu Napoleão o direito da Itália, respondendo aos louvores dos liberais imbecis e revolucionários caricatos, e o próprio Lassalle teve que se convencer que nenhuma vantagem havia nos austríacos, a Itália permaneceu tão dividida como anteriormente; somente a Sardenha saiu vitoriosa. Se produziu então um fenômeno “singular

Profile for União Reconstrução Comunista

[RIAZANOV] Marx & Engels  

www.novacultura.info

[RIAZANOV] Marx & Engels  

www.novacultura.info

Advertisement