Page 1


Centro Universitário UNA

FERNANDA DE PAULA FIGUEIREDO

GERAÇÃO BABY BOOMERS: Moda e Mudanças Sociais

Trabalho de conclusão de curso apresentado à disciplina de Projeto experimental como requisito para obtenção do bacharel de moda Orientador: Aldo Clécius Área: Produção de moda Revista Institucional

Belo Horizonte 2015/1


DEDICATĂ“RIA Dedico este trabalho ao meu pai e a minha mĂŁe. Por tudo que me ensinaram, por tudo que lutaram e por serem os melhores pais que eu poderia pedir.


CITAÇÃO

AGRADECIMENTOS Agradeço primeiro ao meu pai Cornélio por ser o melhor pai do mundo e por tudo que sempre fez por mim e que se não fosse pelo seu esforço eu não estaria aqui hoje, à minha mãe Valéria por ser minha melhor amiga e sempre me apoiar em qualquer situação e por ter me ensinado que tudo é possível e nunca desistir dos meus sonhos. As minhas avós por sempre estarem do meu lado, apoiando minhas decisões e me ajudando. Ao meu irmão Daniel que me deu como exemplo nunca desistir por mais difíceis que sejam as situações, por ser meu anjo da guarda e me iluminar todos os dias, à minha irmã Bruna por estar ao meu lado e dividir experiências e conhecimentos. As minhas melhores amigas e amigo Mayra, Marianna, Iza Clara, Milena e Philip por agüentarem minhas loucuras, estarem sempre do meu lado, pelas horas gastas me ajudando com os trabalhos e pelas idéias sensacionais. Ao meu namorado José por sempre deixar os meus dias mais em paz, pelo carinho, atenção e compreensão, pelas idéias e horas gastas me ajudando em todo processo e por estar sempre comigo. Ao meu professor orientador Aldo pela ajuda em todo o processo deste trabalho.

“Fashion is about dreaming and making other people dream.” Donatella Versace


SUMÁRIO RESUMO Este portfólio tem como intenção apresentar o projeto de conclusão de curso da aluna Fernanda Figueiredo com o tema Geração Baby Boomers: Moda e Mudanças sociais, mostrando a empresa de produção Ferus, criada pela aluna e seu produto final, uma revista institucional para a marca A.cult mesclando o tema de inspiração em acessórios confeccionados e o estilo da empresa. Palavras-chave:

Moda,

Baby

Boomers,

Produção

de

moda.

3Briefing de negócios

ABSTRACT This portfolio is intended to show the project of conclusion of course of student Fernanda Figueiredo with the theme Baby Boomers Generation: Fashion and Social Changes, showing her company of fashion production Ferus, created by the student and it’s final product, a institutional magazine for the label A.Cult, mixing the theme of inspiration in accessories designed by the student and the company’s style. Key-Words:

Fashion,

Baby

Boomers,

Fashion

2Currículo

Production.

10Público- Alvo

12 Manual de identidade visual


21 Briefing de Plano de

comunicação

41Projeto Gráfico 25 Projeto de imagem de moda 57Referências


FERNANDA FIGUEIREDO Fernanda Figueiredo, 23 anos, nascida e criada em Belo Horizonte. Sempre gostei de tudo que prende meu olhar e com a moda não foi diferente, gosto da diversidade que a moda traz e do campo amplo que podemos descobrir dentro dela.

- Bacharelado em moda no Centro Universitário UNA (Conclusão em julho/2015) - Curso de inglês – Escola de idiomas Wizard - Estratégias de gestão de marcas (Minicurso – UNA) Experiências Profissionais - Scouter / François Models (2011) - Auxiliar Administrativo / DCE-UFMG (2011) - Assistente de Backstage e Coordenadora de camarim - Minas Trend / Deia Lansky Produção Executiva (2012 à 2015) - Assistente de produção, Miss Minas Gerais / Deia Lansky Produção Executiva (2013 e 2014) - Assistente de produção - Miss Brasil / Deia Lansky Produção Executiva (2013) - Assistente - UK Universities / British Council (2014) Pretensões e Objetivos - Continuar trabalhando com produção de moda, styling e eventos de moda. - Trabalhar e obter experiência em uma confecção, como assistente de estilo. - Continuar me qualificando academicamente. - No futuro pretendo trabalhar em revistas de moda, ou até mesmo abrir uma marca de consultoria e assessoria de moda.

2

BRIEFING DE NEGÓCIOS

Formação Acadêmica e Profissional

3


DESCRIÇÃO GERAL DA MARCA

CONCORRENTES

Mariana Sucupira nasceu no Rio de Janeiro e é produtora e stylist em Belo Horizonte, já trabalhou para a Vogue Brasil e produziu editoriais para a revista L’officiel Brasil e Dossier Journal. Em Belo Horizonte produz para marcas como Apartamento 03, Mabel Magalhães, Bárbara Bela, Coven e outras.

A Ferus é uma empresa de assessoria de moda, criada em 2015 pela proprietária Fernanda Figueiredo com a intenção modificar o cenário de imagem de moda de Minas Gerais, contando com serviços como produção de moda, styling, visual merchandising, assessoria e consultoria para marcas e empresas de interesse, buscando trazer diversidade, inovação e um ar moderno e alternativo as imagens de moda atual. A diferença da Ferus com os demais concorrentes é possuir um local físico em Belo Horizonte para reuniões e encontros, pacotes de serviços e preços, promover encontros para marcas e trazer um diferencial para o cenário de produção e assessoria de moda de Minas Gerais.

4

João Paulo Durão formou em 2009 em Design de Moda na FUMEC, já compôs a equipe de estilo da GIG e Tidda. Já colaborou em editoriais para a revista Vogue, parcerias como o projeto Moda em movimento e my paper sunglasses, produz para marcas mineiras como Aramez, Fátima Scofield, Patogê, Cosh e outras.

Rodrigo Cezário é produtor, consultor, diretor criativo e stylist. Atuando a mais de 15 anos no mercado da moda em diversas áreas, hoje possui a empresa RCMKTE (Rodrigo Cezário Marketing e Estilo) oferecendo serviços como produção de moda, direção de desfiles, styling, consultoria em marketing de moda, direção criativa de produto, consultoria de imagem e estilo, produção executiva e palestras.

5


DESCRIÇÃO DE SERVIÇOS A Ferus trabalhará com serviços de produção de moda para campanhas publicitárias, revistas e afins, styling para desfiles, editoriais, showroom e catálogos, visual merchandising, assessorial e consultoria. Tudo de acordo com a marca/empresa atendida, sendo possíveis pacotes com vários tipos de serviços.

A tabela de preços dos serviços será baseada nos tipos de produtos citados abaixo, considerando que a empresa é iniciante no mercado. TIPO DE SERVIÇO Produção de editoriais/vídeos (interno) Produção de editoriais/videos (externo) Produção de lookbooks/catálogos Produção publicitária Visual merchandising (Vitrine de lojas e showroom) Styling de desfile Assessoria e consultoria para empresas 6

PREÇOS 1.100,00 1.300,00 800,00 750,00 100,00/ hora 1.500,00 100,00/ hora

PÚBLICO - ALVO

TABELA DE PREÇOS

7


PÚBLICO-ALVO FERUS

As empresas atendidas pela Ferus, são jovens, casuais, modernas e com uma imagem de moda forte no mercado brasileiro e até mesmo estrangeiro, apreciam ousadias nas produções para se marcarem no público jovem e jovem adulto.

8

9


PÚBLICO-ALVO A.CULT

O público alvo da A.Cult é composto por jovens e jovens adultas de 15 à 25 anos que apreciam a mesma qualidade de tecidos e modelagem do segmento principal que é a marca Alphorria. Elas gostam de viajar e conhecer o mundo, estudam e/ou trabalham, gostam de sair tanto para lugares mais badalados como boates e pubs ou bares e restaurantes mais calmos. Gostam de ler, estudar, seguem tendências e procuram informações de moda. São modernas, ousadas porem sem perder o lado clássico.

10

11


MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

LOGOMARCA

12

Ferus significa selvagem em latim, é tudo aquilo que é livre e inusitado dentro do próprio universo. O nome vem em uma fonte básica em maiúsculo e na cor preta trazendo um ar alternativo e confiante. O cabide em desenho moderno, na cor roxa, significa clareza de idéias, comunicação e idealização, trazendo criatividade e ousadia para um símbolo tão comum representado na moda.

13


MONOCROMIA P&B ESCALA DE CORES EM PANTONE E CMYK

TIPOGRAFIA BASIC TITTLE FONT ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVXZ 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 14

15


ÁREA DE PROTEÇÃO E REDUÇÃO MÍNIMA Área de proteção 1cm

USOS INDEVIDOS

3cm

Redução mínima

2,5cm

MALHA DE AMPLIAÇÃO

16

10 9 8 7 6 5 4 3 2 1

17


APLICAÇÃO EM PAPELARIA Papel Timbrado 21,59x27,94cm, papel offset, gramatura 90g.

Envelope 23x28cm, papel apergaminhado, gramatura 120g.

18

Cartão de visita 9,0x5,0cm, papel couché fosco, 240g.

Adesivo 5,5x6,5cm, papel adesivo glossy.

19


Brindes

Caneca porcelana Impressão digital

EcoBag 30x20cm

Mousepad 15x20cm 20

BRIEFING DO PLANO DE COMUNICAÇÃO

TAGS 6x3cm, papel couché fosco, 120g

21


PLANO DE COMUNICAÇÃO

Instagram @ferusassessoria

Os meios de comunicação foram pensados no público da empresa, que são marcas jovens e modernas que querem inovar em imagem de moda. Criamos quatro mídias, sendo elas, instagram, facebook, site, tumblr e um totem de shopping ou rua. As formas de publicidade visam apresentar imagens e inspirações para o público da moda, transportar sentimentos e apresentar os trabalhos produzidos pela empresa.

Facebook Facebook.com/ferusassessoria Site fernanda-figueired.wix.com/ferusassessoria

22

23


Totem

24

PROJETO DE IMAGEM DE MODA

Tumblr ferusassessoria.tumblr.com

25


Esses jovens saíram às ruas com ansiedade de mudanças políticas e culturais, queriam criar valores e ideias novas. Eram contestadores políticos e nos Estados Unidos, por exemplo, lutaram contra a Guerra do Vietnã, quando o governo americano enviou cerca de 1,6 milhões de soldados para enfrentar guerrilheiros comunistas liderados por Ho Chi Minh, contra a Guerra Fria e o racionalismo. Os jovens que lideravam esses protestos eram conhecidos pelo movimento hippie, muito influenciados pela “contracultura”. (SOSSMEIER, 2013)

MEMORIAL DESCRITIVO GERAÇÃO BABY BOOMERS: Moda e mudanças sociais 2. Geração Baby Boomers

APRESENTAÇÃO Este memorial descritivo tem como objetivo explorar e apresentar o universo da famosa geração “Baby Boomers”, mostrando e divulgando quais eram suas principais influências na época como música, artistas e moda, quais foram as principais mudanças e revelações da moda na década de 60 e 70 e como se posicionavam em uma época de mudança social, cultural, política. A pesquisa foi baseada em artigos, publicações e livros da geração e acontecimentos de tal utilizando fatos históricos das décadas servindo de base para uma pesquisa teórica e uma prática que será dois editoriais produzidos para uma revista com uma coleção de acessórios bas ada nos elementos icônicos dos anos 60 e 70.

26

2.1 Contexto Histórico e Mudanças Sociais Após o final da Segunda Guerra Mundial, muitas pessoas estavam ansiosas para criarem famílias estáveis e terem filhos, pois acreditavam que o futuro seria próspero e certo. As empresas estavam crescendo, prometiam salários e benefícios para seus empregados e os bens de consumo estavam se tornando cada vez mais acessíveis. Foi quando nasceram os “Baby Boomers” ou na tradução “explosão de bebês”. (HISTORY.COM STAFF, 2010) Baby Boomers foi a geração nascida no final da Segunda Guerra Mundial, entre os anos de 1946 e 1964. Eram, então, as crianças e jovens adultos da década de 1960 e 1970. Anos marcados por inúmeras mudanças, essas que partiram de quem tinha entre 13 e 30 anos de idade.( SCHROER, s/d) Existiam dois tipos de jovens nessa geração, os disciplinados que aceitavam as regras impostas pelos pais e se preocupavam com um comportamento “correto” e queriam constituir famílias e possuir grandes cargos em empresas de renome e os rebeldes que buscavam romper todas as regras da sociedade, lutavam pela liberdade política: Jovem era o significante para tudo o que até então vivia nos porões da civilização. Jovem era a inteligência quando se aventurava a pensar para além dos cânones universitários. Jovem era a rebeldia contra os padrões estabelecidos, contra a moral hipócrita que sacrificava os prazeres do corpo em nome de uma dignidade vazia. Jovem era a adesão a utopias políticas que propunham um futuro melhor (KEHL, 2008)

Segundo Sossmeier (2013), a contracultura foi um movimento surgido no final da década de 1950 e começo dos anos 60 e assim como a geração da época, a contracultura procurava ir contra o sistema que alienava e engrandecia o consumo e a postura individualista, servindo de base para o movimento hippie. O movimento hippie defendia o amor livre e tinham como lema a frase “paz e amor”, saíram de suas casas para viverem em comunidades hippies, praticavam atos sexuais ao ar livre, dividiam comida, criticavam o consumo exagerado da época, consumiam drogas como maconha e LSD e tinham o objetivo de libertar a mente. Estudos indicam que na mesma década surgiu a revolução do movimento contemporâneo feminista, que buscava a “libertação” da mulher, provando novos valores auxiliando a relações sociais. O movimento feminista da década de 1960 representou uma luta pela igualdade, seja ela política, econômica ou social. (SOSSMEIER, 2013) Desse modo, o movimento feminista contemporâneo atua com base numa perspectiva de superação das relações conflituosas entre os gêneros masculino e feminino, recusando, portanto, o estigma ou noção de “inferioridade” (ou desigualdade natural). (CANCIAN, 2008) Característica importante do movimento feminista contemporâneo foi a evidencia de lideres do sexo feminino, causado pelo espelho das mudanças sociais ocorridas nessa época, nomes importantes como Simone Beuvoir, escritora francesa autora do livro “O segundo sexo”, Betty Friedan, escritora americana, ativista e feminista tendo como obra mais importante o livro “ Mística feminina” e Kate Millet, autora do livro “Política Social” também ativista e feminista. (CANCIAN, 2008) No Brasil, a década de 60 foi conhecida como “anos de chumbo”, os jovens foram para as ruas e lutaram contra a ditadura militar, na época o Brasil vivia pelo regime autoritário dos generais mas em 1968 os jovens brasileiros foram às ruas com uma contestação política, eram jovens universitários e de classe média, liderados pelo PCB (Partido Comunista Brasileiro) que levava a ideia de uma cultura “nacional-popular” se desligando dos consumos estrangeiro dos EUA. A ditadura militar no Brasil foi marcada por muitas mortes de artistas, intelectuais e ativistas que lutavam na defesa da classe trabalhadora, por condições de vidas melhores, e pelo fim de qualquer tipo de censura. (SANTOS, 2011) Segundo Cara (s/d), ainda estudando essa geração, os ingleses fizeram estudos paralelos focando na realidade dos jovens na Inglaterra e foram encontrados exemplos de subculturas juvenis como os Mods, Punks, Rastafaris, Teddy Boys e outros. Autores afirmam que essas subculturas são formas dos jovens construir um espaço simbólico entre os “pais” ou a cultura da classe dominante. Os Baby Boomers são conhecidos como a geração que prezava qualidade de vida, inconformismo, autonomia e lealdade a si mesmo e ao seu trabalho,tinham o que chamavam de “American Dream” ou “Sonho Americano” o que gerou uma grande revolução ao mercado de trabalho. Hoje em dia os Baby Boomers são os que ocupam cargos altos nas empresas como presidentes e diretores. As mulheres dessa geração não queriam ser as “donas de casa perfeitas”,

27


elas desejavam estudar, estar na rua e ter os mesmo direitos que os homens, era uma mulher que queria ter controle absoluto sobre o corpo e decidida sobre seu futuro, se torna independente para fazer escolhas, as mulheres mais influentes da época foram Jackie Kannedy, Audrey Hepburn, Brigitte Bardot, Ava Gardner e a modelo britânica Twiggy. (APPLE, 2010) 2.2. Influências musicais e artísticas nos anos 60 e 70 A música foi um importante movimento e influência nessa geração, as letras se tornavam hinos. Nos Estados Unidos o rock n’ roll deu lugar ao Folk como Bob Dylan tornando-se um hino dos direitos civis. Na Inglaterra Os Beatles criaram um estilo próprio, formada em Liverpool em 1960 por John Lennon, Ringo Starr, Paul McCartney, George Harrison, em 1962 assinaram um contrato com o empresário Briam Epstein, trocando o vestuário da banda por roupas formais, a partir de 1963 a banda decolou ficando nas primeiras paradas britânicas, fazendo shows nos Estados Unidos e se tornando a maior banda da década de 1960. Outras bandas influentes desta geração foram The Who, The Rolling Stones, The Monkees e The Doors. (ALVEZ, 2003) Em 1967 aconteceu o Woodstock Music & Art Fair em uma fazenda em Bathel nos EUA, um dos maiores festivais de música durando três dias e reunindo todas as bandas e cantores importantes da época como: Janis Joplin e Kozmic Blues Band, Jimi Hendrix, The Who, Tim Hardin, John Sebastian, Creedence Clearwater, Revival e outros. (ALVEZ, 2003) Ambígua ou não, a música tem um papel fundamental: ela agrega, mobiliza grandes contingentes de pessoas, além de associar dialeticamente o sagrado e o profano, na experiência coletiva de um show, por exemplo. Com efeito, a música funcionava como o pretexto para os grandes festivais, como Woodstock, entre outros, configurando-se, assim, como uma manifestação do tribalismo evocado por Maffesoli, bem como um ritual. Um certo estilo musical nasce paralelamente à contracultura, da qual é porta-voz. (CIDREIRA, 2008 P. 38)

A arte e seus movimentos foram também um ponto influenciável para o crescimento das décadas de 1960 e 1970. O Pop Art¹ é um movimento artístico que nasceu após a segunda guerra mundial na Inglaterra, porém alcançou destaque somente nos anos 60 e 70 se popularizando nos Estados Unidos pelo Independent Group². (FIUZA, 2009) Os artistas de destaque da Pop Art foram, Andy Warhol (1927-1987) que levava ao público retratos de ídolos ou produtos de consumo de massa como Elvis Presley, Marylin Monroe, produtos como garrafas de Coca-Cola, latas de soap Campbell, automóveis e dinheiro. Warhol utilizava uma concepção mecânica da imagem, usava a técnica da serigrafia, colagens e o uso de materiais descartáveis. (MARTINS, 2011) Roy Lichtenstein (1923-1997) se destacou na Pop Art com seu interesse pelas historias em quadrinhos, seus quadros eram feitos à óleo e tinta acrílica e apontou a técnica de pontilhos para simular os pontos retilíneos das historias. Seus trabalhos eram conhecidos por cores vibrantes, planas e poucas, delineadas por um traço preto o que provocava impacto ao público trazendo uma imagem combinada de arte comercial e abstração. (MARTINS, 2011) O movimento artístico influenciou o comercio dos Estados Unidos, que incentivava o consumismo exagerado exagerado e aumento no campo da publicidade de produtos a serem comprados pelo publico feminino e masculino.

28

A pop art trouxe de volta às realidade materiais do dia-a-dia, à cultura popular, na qual as pessoas comum extraíam da TV, das revistas ou das histórias em quadrinhos a maior parte de sua satisfação visual.(FIUZA, 2009)

A Pop-Art influenciou a década de 60 e 70 e transformaram a forma de olhar produtos que consumiam diariamente acelerando o consumo desenfreado e criticas da sociedade. 2.3. A moda nas décadas de 1960 e 1970 e Influência na geração Baby Boomers Acompanhando as mudanças sociais e os movimentos revolucionários, a moda também estava mudando e procurava novidades. No final da década de 1950 as confecções de moda se tornavam democráticas e começaram a fazer parte da vida cotidiana, se formando como mercado para os jovens da década de 1960 que seria o grande e maior consumidor de moda. No começo da década de 1960, a moda ainda permanece com traços dos anos 1950, com vestidos acinturados, porém com bainhas menores, decotes maiores e cores mais vibrantes. Segundo Fogg (2013), na década de 1960 a característica de experiência da compra foi mudada quando Mary Quant, Biba, Granny Takes a trip e Bus stop abriram suas butiques em Londres, numa época quando a geração baby boom estava no seu auge da adolescência. Antes da abertura de tais butiques, as pessoas compravam roupas em lojas de departamento no centro da cidade, lojas que vendiam de tudo, de panela à roupas. A primeira butique a ser nacionalmente reconhecida foi a Bazaar em Markham House, King’s Roads, Londres. Foi aberta por Mary Quant (1934) em 1955 numa época em que a resignação estoica as privações britânicas da guerra vinha dando lugar às primeiras manifestações do desejo de cores, vida e mudança. (FOGG, 2013)

Mary Quant foi uma das principais estilistas da decada de 1960, sua etiqueta simbolizava o “chelsea look”, uma silhueta diferente que propunha liberdade de movimento inpirados de roupas infantis, ao estilo dos estudantes de arte e dos beats americanos. As garotas que usavam Mary Quant eram chamadas de “Dolly birds” (FOGG, 2013). Segundo Fogg (2013) a Butique Biba foi a primeira a pensar na consciência popular e suas roupas e variedades de acessórios revolucionaram a forma de vestir das garotas. Em meados da década de 1960 o conceito de butique chega aos Estados Unidos, jornalistas, editores e presidentes de lojas de moda tiveram receio para caracterizar a vanguarda e irreverência, a mudança só foi notável quando o marido de Mary Quant vendeu figurinos para as mulheres influencias de estilo dos EUA. Tipos de vestidos foram marcas registradas para a mudança de estilo da década de 1960, John Bates lançou o vestido ‘Casbah’ com a mudança de postura, barra da barriga e saia linha A e eram usadas com botas Mary janes baixas. (FOGG,2013) Outro vestido icônico da década de 1960 foi o ‘Mondrian’ de Yves Saint Laurent, homenagem a pintura neoplasticistas de Piet Mondrian, da década de 1930 (FOGG, 2013). É destacado as linhas verticais, os blocos de cor e o modelo shift, reto e sem mangas. Os minivestidos se tornaram grande sensação na década de 1960, contemplando desenhos da tendência contemporânea dos movimentos op art e pop arte Além da mudança nas modelagens dos vestidos, que passaram de acinturados para cortes retos,.

29


houve a explosão do ‘Little Black dress’ e da calça cigarrete como símbolo da libertação das mulheres. Um elemento muito usado no vestuário da década de 1960 foi o futurismo, com elementos de visão utópica, placas metálicas, novos materiais como: plástico, acrílico, transparências inspirados nos avanços tecnológicos. (BOAVIDA, 2014) Os jovens passam a se vestir de maneira bastante fora do comum. Entretanto, ao mesmo tempo que as mulheres reivindicam a igualdade entre os sexos, espelhada, inclusive, na adoção das indumentárias, muitas delas apostam num visual romântico, cuja representatividade transparece na escolha de tecidos finos de algodão com estampas florais, motivos campestres de Laura Ashley, os chifons estampados de Zandra Rhodes, anáguas rendadas, chapéus de palha adornados com flores do campo e penteados levemente ondulados ou com cachos ‘pré-rafaelitas’. (CIDREIRA, 2008)

No final da década de 1960 e começo de 1970 a moda se ajustou aos movimentos sociais, principalmente ao ‘hippie’ que adotava um vestuário de roupas largadas, jeans despojados e surrados e pantalonas bordadas, saias longas, estampas indianas, floridas e com toques coloridos e psicodélicos. Com o aparecimento e expansão da moda hippie tudo começou a mudar: primeiro a redução das diferenças no vestuário de homens e mulheres; depois a adoção de todo um estilo informal de portar-se e vestir-se, com a perda da posição central do terno, sem mencionar a mudança nos cortes de cabelos masculinos, antes curtos, passando a cair sobre os ombros, em desalinho, entre outras alterações. (CIDREIRA, 2008) Os jovens dessa geração eram impacientes, queriam mudar o mundo e rejeitavam a vida dos pais, desprezavam a sociedade de consumo que viviam, repugnavam os burgueses, adotando assim uma aparência das classes mais baixas como calças jeans, roupas sem gravatas e jaquetas de couro. Essa se tornou a roupa oficial dos estudantes americanos de ambos os sexos. (SENAC, 2005) Segundo Senac (2005), de principio esse tipo de roupa era uma caracteristica dos estudantes americanos e ainda de um grupo pequeno, mas rapidamente se espalhou para outros continentes. Em 1968 nos protestos estudantis, na França, era impossivel identificar a classe social dos jovens, pois todos se vestiam praticamente iguais. Os jovens do movimento hippie eram o lado extremo dessa geração, rejeitavam e se rebelaram contra o estilo de vida dos pais. Viviam em comunidades simples, próximos à natureza e expressavam sua revolta usando roupas de variados periodos e países, cabelos longos sem tratamento, jeans bordados ou com aplicação de flores, calças de algodão boca-de-sino, camisas com estampas indianas, saias compridas e flores no cabelo. (SENAC, 2005)

Nos anos 60, então, a moda refletia as aspirações da juventude. do da costura, tendências completamente diferentes das que moda tornara-se democrática, liberada e unissex, respondendo a to crítica em relação ao presente recente e à sociedade de

Isso determinava, no munreinavam anteriormente. A uma filosofia de vida muiconsumo. (SENAC, 2005)

A juventude Baby Boomer americana e inglesa quiseram demonstrar que eram o centro do mundo e tinham intenção de dar a ele uma nova aparência. Nos primeiros anos, os jovens queriam uma moda que lhes proporcionasse frescor, charme, simplicidade e conforto. As mulheres mais liberadas adotaram uma moda mais extravagante e agressiva,

30

apostando em blusas transparentes e até mesmo top-less. A moda assim assumiu várias direções, conjuntos pesados mas com linhas sobrias, com a falta de uso de chapeu, o cabelo torna-se um acessório, usado curto, armado ou longo. (SENAC, 2005) Uma dessas direções era o estilo inocente, baby-doll com saias curtas, mangas bufantes, rendas e franzidos ou um estilo excêntrico com influência da Op Art com circulos, espirais e quadrados dispostos criando uma ilusão de óptica , a Pop Art com objetos de consumo ou figuras famosas como base de estampa. Também era usada estampas baseadas em telas geométricas do pintor Mondrian e roupas psicodelicas com cores vivas e foras do padrão habitual. (SENAC, 2005) A geração baby boomer acompanhou mudanças históricas no vestuário, o que influenciou na escolha de estilo de cada tribo, cada qual passando sua mensagem não só através de movimentos e mudanças sociais, mas também através da roupa. 2.4. Baby Boomers na atualidade: Comportamento social e moda Os Baby Boomers foram a primeira geração a ser estudada em questão de comportamento. Os jovens vividos durante essa geração são influência em diversas aéreas de trabalho e movimentos sociais nos dias de hoje. Uma parte da geração Baby Boomers vivia e estudava para conseguir empregos em empresas de renomes, viviam o “american dream”, queriam grandes posições, estabilidade de emprego, consumiam inúmeros de novos produtos da época, foram a primeira geração a ter contato com a mídia televisiva e sua influência, tinham famílias estruturadas, prezavam uma vida de qualidade. Nos dias de hoje, essa parte da geração representa os diretores e presidentes de grandes empresas. é uma geração de consumidores: “Se há algo que une os Boomers de todos os tipos é o consumismo”. Desde o princípio, os publicitários reconheceram as possibilidades apresentadas pelas peculiaridades desta grande geração. Em todas as fases da vida que vivenciaram, os Baby Boomers foram o maior público a ser atingido e os publicitários os analisaram com cuidado. (NEILSEN,2007)

Entretanto, a outra parte da geração Baby Boomers, foram os revolucionários, os jovens que participaram de movimentos sociais, lutas e protestos, como os protestos contra guerra do Vietnã nos Estados Unidos e contra ditadura militar no Brasil, são os jovens que lutaram pela liberdade de expressão e libertação de novos valores como feminismo, contracultura significando ir contra o sistema e a postura individualista e consumista da época. Essa geração deu impulso e servindo de inspiração para grande parte dos jovens dos dias de hoje que se interessa por esses tipos de lutas. As gerações seguintes aos Baby Boomers, foram a geração X, nascidos entre 1965 e 1977, apreciavam uma informalidade no trabalho e equilibravam a vida pessoal e profissional e a geração geração Y ou geração milênio, jovens criados em uma década com valorização à infância, com introdução aos meios de comunicações e educação mais intensa. São jovens com grandes aspirações na vida e no trabalho, vivem em um mundo conectado e planejam construir suas próprias empresas. Os baby boomers influenciaram essas gerações seguintes à seguirem carreira de sucesso, lutar por questões políticas e sociais, entre outros. (BRITO, 2013) A música foi um fatos influenciável na geração baby boomers, o rock foi agregado aos americanos, com as bandas The Who, The Beatles, Janis Joplin,

31


Bob Dylan, Jimi Hendrix e outros com letras ideológicas inspiradas nos movimentos sociais e socioculturais da época influenciando assim, as bandas das décadas seguintes à tocar e compor musicas sobre a sociedade e os acordes do rock, gerando vertentes do estilo nos dias de hoje. De acordo com as mudanças socioculturais e políticas de tais décadas, a geração sentiu necessidade e se posicionaram na moda de acordo com suas ideologias e mudanças, as mulheres abandonaram os vestidos rodados e cinturas marcadas, por modelagens retas e calças, os homens vestiam calças jeans e jaquetas de couro e as roupas coloridas e psicodélicas preenchiam o guarda roupa dessa geração. Os estilistas da época criaram modelos que são inspirações para as novas coleções até hoje, roupas emblemáticas, novos tipos de modelagem para as roupas. Nos dias de hoje estilistas sentem sempre a necessidade de relembrar a década de 60 e 70 em suas coleções, mesclando com outros temas da atualidade ou a moda de rua dos dias de hoje, alguns exemplos são: Fausto Puglisi na coleção de primavera-verão 2015 que misturou os elementos da Roma antiga, anos 60 e cenário punk, a Bobstore que apresentou em São Paulo uma coleção inspirada nos anos 70 com saias fluidas, estampas da época, dando um ar “hippie” à coleção, a estilista Anna Sui apresentou a nova coleção primavera-verão 2015 inspirada no final dos anos 60 com referências do guarda roupa de Keith Richards e Anitta Pallenberg com elementos hippies e rocker. A estilista Hedi Slimane da marca Saint Laurent propôs para a temporada de primavera-verão 2015 uma coleção inspirada no final dos anos 60 e começo dos anos 70 onde os elementos militares mesclam com a boemia, relembrando época pós-guerra do Vietnã. Tommy Hilfiger trouxe na coleção um lado rock inspirado no festival Woodstock trazendo tricôs, couro, camurça, listras e alfaiataria militar. Na coleção de outono-inverno 2014, a estilista Gloria Coelho apostou apenas nos cortes retos dos anos 60 fazendo um mix com as paisagens do instagram e os valores geométricos da obra d pintora Sônia Delaunay e o Bóson de Higgs. Na coleção de Maria Garcia, ela mistura as formas estruturadas dos anos 60, com ares de Courrèges e Pierre cardin e uma pincelada dos estilo hippie da década de 70, trazendo a passarela um mix de shapes dos anos 60 com cores e estampas florais dos anos 70.

32

DESCRITIVO DO PROCESSO Este memorial descritivo a partir de uma pesquisa teórica com referencias em livros, artigos e sites sobre a geração baby boomers, procurando informações que se juntassem e trouxessem embasamento para a criação de acessórios com elementos da década de 60 e 70 tais como flower Power, protestos, estampas gráficas, linhas retas e futurismo com toque moderno como acrílico e correntes longas. O processo se encontra em pesquisa teórica, pesquisa prática e confecção do produto final, sendo este uma revista institucional em conjunto com a marca A.Cult apresentando a coleção de acessórios mesclados com a moda contemporânea e casual. Na revista estará presente dois editoriais, um externo feito nas ruas de belo horizonte, relembrando os protestos da décadas de 60 e 70 com elementos do flower power e protestos, uma modelo e um modelo de background. Um interno, em estúdio, em fundo infinito com acessórios inspirados nas estampas gráficas, linhas retas e futurismo com uma modelo. A revista também contará com entrevistas com o marketing da A.Cult sobre estilo, história da marca e pensamentos sobre novos profissionais formados no mercado. Pensando nisso o conjunto de imagem de moda apresentado neste material corresponde à tais elementos citados acima. CONCLUSÃO Os Baby Boomers influenciaram e tiveram destaque na atualidade pelos seus ideais que promoveram mudanças, mudando assim o curso da sociedade atual. Cada geração é fruto de um contexto histórico refletindo em momentos culturais, políticos e históricos e os baby boomers são lembrados por estes contextos. Este memorial se conclui com a apresentação de dois editoriais com uma coleção de 10 acessórios inspirados nos elementos dos anos 60 70, como as estampas gráficas, linhas retas, pop, flower Power, protestos e a luta pela liberdade mesclando com a modernidade atual e o streetstyle.

33


PAINEL DE INSPIRAÇÃO

34

35


36

37


PAINEL DE MACROTENDÊNCIA As macrotendências foram escolhidas de acordo com o público alvo do cliente, pensando nas atitudes dos jovens e jovens adultos na sociedade contemporânea Data divination mostra um mundo caminhando para um futuro de dados e intuição, necessidade de histórias humanas ligadas aos números, equilibrando tecnologia, contemplação, mente e coração. As pessoas sentem necessidade de criar funções biológicas extras, com um excesso de informação equilibrado. Social superheroes é a tendência que manifesta o desejo da população de viver e não apenas sobreviver contribuindo para o mundo, quebrando um ciclo de autismo social e individualismo, trazendo heróis sociais que transformam as frustrações em engajamento social. 38

39


PAINEL DE TENDÊNCA

PROJETO GRÁFICO

A coleção de acessórios desenvolvida teve como base a inspiração e tais tendências citadas abaixo, sendo alteradas de acordo com a linha de desenvolvimento e necessidade da coleção. Chokers, flores de diferentes tamanhos e tipos e franjas.

40

41


ROTEIRO 01 Título: 60’s nowadays Texto de abertura: Acessórios trazem elementos nos anos 60 introduzidos no estilo moderno e alternativo.

PLANO DE BELEZA Cabelos soltos ou presos, lisos com uma leve textura, unhas com nailart estampada, pretas ou cinzas. Maquiagens com deliniador forte, cílios grandes e boca clara.

Conceito da campanha: Nesse editorial, as roupas casuais e os acessórios confeccionados irão apresentar um contraponto entre a moda atual, casual e streetstyle e os elementos dos anos 60. Os acessórios são fashion e comerciais, inspirados nas formas gráficas, estampas icônicas e modelagem reta presentes na moda dos anos 60. Dados técnicos Recursos técnicos e matériais necessários Locação: Estúdio UNA Casting: Izabella Ferreira Cenografia: Sem objetos de cenografia Equipe: Maquiadora: Renata Trajano Fotografo: Matheus Novy Modelo: Izabella Ferreira Produção e Styling: Fernanda Figueiredo Assistentes: Mayra Goulart, Monnique Ferreira, Milena Coelho Formato e layout da peça: Revista Custos: Maquiadora: Patrocinio - Modelo 100,00 - Fotografo 175,00 Alimentação 50,00

42

43


ROTEIRO 02 Título: Relembrando Liberdade Texto de abertura: Flower Power, protestos, mudança social, liberdade e música dos anos 60/70 encontram o urbano e moderno estilo atual.

PLANO DE BELEZA Cabelos com tranças, ondulados e textura, unhas claras ou escuras. Maquiagem com batons marcantes, rosto marcado e possivel desenho.

Conceito da campanha: O estilo urbano e moderno atual se junta com os acessórios com elementos dos anos 60 e 70 como flower Power, protestos, mudanças sociais, música e liberdade desenvolvidos em um editorial conceitual, nas ruas de belo horizonte, relembrando a liberdade de poder se expressar em lugares inusitados. Dados técnicos Recursos técnicos e matériais necessários Locação: Externo (Ruas de Belo Horizonte, passarelas, escadarias, entre outros) Casting: Camila Kern e Leonardo Van Huysse Cenografia: : Placas de protesto, flores, garrafas ks Equipe: Maquiadora: Iza Clara Pantuso Fotografo: Matheus Novy Modelos: Camila Kern e Leonardo Van Huysse Produção e Styling: Fernanda Figueiredo Assistentes: Mayra Goulart, Iza Clara Pantuso Formato e layout da peça: Revista Custos: Maquiadora: Patrocinio - Modelo 200,00 - Fotografo 175,00 Alimentação 50,00 44

45


CROQUIS DE ACESSÓRIOS

Move Over

My Generation

46

A coleção de acessórios foi dividida em 4 familias de 4 peças. A primeira família é inspirada nos protestos, nas mudanças sociais e na luta por uma sociedade sem guerra durante as decadas de 60 e 70

A segunda família foi inspirada no movimento flower power, e na necessidade dos jovens de 60 e 70 de serem livres. 47


Pictures of Lily

Aterceira familia foi inspirada nas estampas das decadas, como as gráficas e sobreposição de formas.

48

Light my fire

A quarta família foi inspirada nas linhas retas que surgiram na moda dos anos 60 e o futurismo.

49


CARTELA DE MATERIAIS

Adesivo vinil transparente Hipergraphic

Acrilico AcrilMinas

50

51


FICHA TÉCNICA

52

53


54

55


56

57


58

59


60

61


CASTING ROMANEIO DE PEÇAS Marca/Loja: Alphorria – A.Cult Contatos: Aline (Marketing) atendimento@alphorria.com.br Cheque Calção não ( ) sim (x) Data de Empréstimo: 22/05/2015 Previsão de Devolução: 25/05/2015 Referência

Quantidade

7142X630 71542C01

1 1

72235A04 72245516

1 1

7251MP30

1

7335MP30 73550230

1 1

7359X630

1

7522-T20

1

7525X630

1

75290230 7652LM30

1 1

7670TN30

1

7782G123 7783G120

1 1

7833Q130

1

7841TM30

1

78476P30

1

78626122

1

7970LM30 -

1 -

Peça (Descrição) Bl. manga 3/4 Bl. recorte couro Calça recorte Short cintura alta Macacão estampa Tubo s/manga Vest. manga única Vest. Cruzado decote Saia Godê Recorte Saia Assimetrica Saia Midi Top Recorte decote Jaqueta Estampada Calça curta Short c/amarração Vestido decote v Vestido vies recorte Vestido rec. lateral Vestido couro manha Saia Recortes -

Cor

Preço Unitário

Preço Total

Estampa preto

122,70 189,70

122,70 189,70

Marrom Azul

244,70 199,90

244,70 199,90

Preto/branco

309,40

309,40

Preto/Branco Estampa

209,40 297,70

209,40 297,70

Estampa

259,80

259,80

Estampa

249,90

249,90

Estampa

147,90

147,90

Estampa Estampa

204,70 149,90

204,70 149,90

Estampa

338,70

338,70

Marrom Branco

199,90 169,90

199,90 169,90

Estampa

299,90

299,90

Estampa

273,90

273,90

Estampa

319,90

319,90

Laranja

298,90

298,90

Estampa -

219,90 -

219,90 4.706,70

Izabella Ferreira Altura 1,77 / Busto 84 / Quadril 88 Cintura 65 / sapato 37 Olhos castanhos / Cabelo castanho

Camila Kern Altura 1,76 / Busto 88 / Quadril 92 Cintura 67 / Sapato 38 Cabelos loiros / Olhos verdes

Leonardo Van Huysse

Belo Horizonte 22 de maio de 2015

62

Fernanda Figueiredo - Produtora de Moda Responsável Alphorria: Aline (marketing)

63


TABELA DE CUSTOS Produto/Serviço

Preço 350,00 100,00 200,00 70,00 503,50 368,00 200,00 Patrocínio Patrocínio Patrocínio

Fotográfo Modelo 1 Modelo 2 Modelo 3 Acessórios Impressão Revista + Portfolio Alimentação/transporte Maquiadora dia 1 e 2 Diagramação Montagem e solda dos acessórios Total

1791

CRONOGRAMA Atividade Apresentação de marca, público alvo e identidade visual / Fechar com marca parceira / Definir tipo de acessório Apresentação da primeira versão do portfólio / Fechar com modelos e fotográfo / Comprar materiais para montagem dos acessórios e começar a produzir Banca Acadêmica / Finalizar Portfólio / Fotografar editorial / Iniciar diagramação da revista Diagramação da revista / Impressão e entrega do portfólio e da revista 64

Mês Março

PROJETO GRÁFICO DA REVISTA - CAPA: Foto escolhida de um dos dois editoriais - Públicidade: Alphorria (página dupla) - Índice, colaboradores e editorial: Indicação de páginas com números, colaboradores da revista ( fotográfo, assistentes e produção do editorial) e carta da editora. (página dupla) - Matéria Alphorria 30 anos: Fotos com legenda e texto contando sobre os 30 anos da marca. (página dupla) - Entrevista: Entrevista com o marketing da alphorria contando um pouco do estilo da marca, estratégias de marketing e etc... com foto. (página dupla) - Alphorria e A.cult pelo Brasil - Matéria: Tema de inspiração dos acessórios desenvolvidos com fotos ilustrativas. (página dupla) - Descrição dos acessórios: Foto dos acessórios com legenda

Abril

- Editorial: 16 páginas com editorial externo, feito com dois modelos (um homem e uma mulher) nas ruas de Belo Horizonte. - Editorial: 14 páginas com editorial interno feito em estúdio com uma modelo.

Maio Junho

- Expediente e publicidade: Uma página de expediente com endereços e telefones de peças e marcas usadas e publicidade Melissa Revista com 48 páginas Fechamento com grampo Papel couché liso Capa 170g / miolo 115g Fontes: Basic Tittle, Arial narrow, minion pro. 65


BONECA DA REVISTA

66

67


68 69

Fotos para ilustrar estudo de pose e cena*

Fotos para ilustrar estudo de pose e cena*


70 71

Fotos para ilustrar estudo de pose e cena*

Fotos para ilustrar estudo de pose e cena*


72 73

Fotos para ilustrar estudo de pose e cena*


REFERÊNCIAS APPLE, Michael w. Sociologia na educação: Analise Internacional. 2010. Disponível em <http://books.google.com.br/books?id=2q_YAwAAQBAJ&pg=PA218&lpg=PA218&dq=mods+subculture+inglaterra+contexto&source=bl&ots=ZJIv9wu7jN&sig=8Xq4S_zNSBWkVSjpqv3YOM2Bwlw&hl=en&sa=X&ei=wagTVOOJHIKxyASa_4GoDA&ved=0CCgQ6AEwAQ#v=onepage&q=mods%20subculture%20inglaterra%20contexto&f=false> Acesso em 13 de set às 14:09:33 BOAVIDA, Margarida. A moda dos anos 60. 2014. Disponível em <http://prezi.com/reldo6if9dro/copy-of-a-moda-nos-anos-60/> Acesso em 08 de set 2014 às 23:09:11 BRITO, Marco Paulo. AS GERAÇÕES BOOMER, BABY BOOMER, X, Y, Z.Disponível em: <http://advivo.com.br/blog/marco-paulo-valeriano-de-brito/as-geracoes-boomer-baby-boomer-x-y-z> Acesso em 19 de out de 2013 às 22:44:23 CIDREIRA, Renata. A moda dos anos 60 e 70. Disponível em: < http://www.ufrb.edu.br/reconcavos/edicoes/n02/pdf/Renata. pdf> Acesso 09 de set às 22:38:08 CANCIAN, Renato. Feminismo: Movimento surgiu na Revolução Francesa. Disponível em <http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm> Acesso em 12 de set de 2014 às 14:32:44 CARA. Marina. Gerações Juvenis e a moda: Subculturas à materialização da imagem virtual. 2008 Disponível em <http://www. ceart.udesc.br/modapalavra/files/geracoes_juvenis-mariane_cara.pdf> Acesso em 08 de set de 2014 às 15:33:03

SANTOS, Cristiane; ARIENTE, Marina; CARDOSO, Marcos Vinicius; DOVIGO, Aline. Disponível em : <http://www.ead.fea.usp.br/ semead/14semead/resultado/trabalhosPDF/221.pdf>Acesso em 10 de set de 2014 às 18:00:05 SENAC. DN. A Moda no século XX / Maria Rita Moutiniho; Máslova Teixera Valença. 2005. Rio de Janeiro: Ed. Senac Nacional. SCHROER, William. Generations X,Y, Z and the Others. (s/d). Disponível em: < http://www.socialmarketing.org/newsletter/features/ generation1.htm> Acesso em 11 de set de 2014 às 14:33:34 SOSSMEIER, Luana. Anos 60, O avanço da contracultura e a influência do rock no movimento hippie. 2013. Disponível em: <http://www.congressodorock.com.br/evento/anais/2013/artigos/5/artigo_simposio_6_390_luana.sossmeier@hotmail.com.pdf> Acesso em 09 de set de 2014 às 17:33:09 VALE, Bianca. A voz dos anos rebeldes: O rock’n roll. Disponível em <http://obviousmag.org/archives/2012/01/a_voz_dos_anos_ rebeldes_o_rockn_roll_1.html> Acesso em 09 de set de 2014 às 21:19:00 Imagens https://www.pinterest.com/search/pins/?rs=ac&len=2&q=60s+fashion&term_meta%5B%5D=60s%7Cautocomplete%7C0&term_ meta%5B%5D=fashion%7Cautocomplete%7C0 https://www.pinterest.com/search/pins/?rs=ac&len=2&q=fashion+editorial&term_meta%5B%5D=fashion%7Cautocomplete%7C0&term_meta%5B%5D=editorial%7Cautocomplete%7C0&remove_refine=60s%7Cautocomplete%7C0 https://www.pinterest.com/search/pins/?rs=ac&len=2&q=60s+style&term_meta%5B%5D=60s%7Cautocomplete%7C4&term_meta%5B%5D=style%7Cautocomplete%7C4&remove_refine=editorial%7Cautocomplete%7C0

FOGG, Marnie. Tudo sobre moda. Rio de Janeiro: Sextante, 2013. 576 p. ISBN 9788575429563.

https://www.pinterest.com/search/pins/?q=fashion%20editorial%20with%20guy&rs=rs&term_meta%5B%5D=fashion+editorial+with+guy%7Crecentsearch%7C2&remove_refine=60s%7Cautocomplete%7C4

FIUZA, DANIELA. POP ART. 2009. Disponivel em: <http://pt.slideshare.net/danifiuza/pop-art-histria-do-design-fesurv> Acesso em 22 de set de 2014 às 00:54:01

https://www.pinterest.com/

HEBDIGE, Dick. Subcultue: The Meaning of Style. London: Routledge, 1979. HISTORY.COM STAFF. Baby Boomers. Disponível em: <http://www.history.com/topics/baby-boomers> Acesso em 08 de set de 2014 às 20:00:43. KEHL, Maria. R. A juventude como sintoma da cultura. in NOVAES, Regina; VANNUCHI. MARTINS, SIMONE R. POP-ART. 2011. Disponivel em: <http://www.historiadaarte.com.br/linha/pop.html> Acesso em 22 de nov de 2014 ás 01:38:08 NEILSEN, David. How baby boomers work. 2007. Disponível em: < http://www.howstuffworks.com/lifestages/aging/baby-boomers.htm> Acesso em de 20 nov de 2014 às 15:21:02 Paulo (org). Juventude e Sociedade: Trabalho, educação e participação. São Paulo:Editora Fundação Perseu Abramo, 2004. PAULISTA, Maria Ines. Os movimentos sociais como fonte de transformação na educação: possibilidades e realizações. Disponível em <http://www.uninove.br/PDFs/Mestrados/Educa%C3%A7%C3%A3o/eventos/MES%202.pdf Acesso em 10 de set de 2014 às 13:34:39 SANTOS, Jordana. O Papel dos movimentos socioculturais nos “anos de chumbo”. 2011. Disponível em <http://www.marilia. unesp.br/Home/RevistasEletronicas/BaleianaRede/Edicao06/6c_o_papel_dos_movimentos_culturais.pdf> Acesso em 10 de set de 2014 às 17:53:22

74

75


Backstage Editorial

76

APÃ&#x160;NDICE

77


78

79


ANEXO Harperâ&#x20AC;&#x2122;s Bazaar 1965 https://www.pinterest.com/ pin/309270699386843447/

Estampa floral (60â&#x20AC;&#x2122;s wild psychedelic floral vintage) https://www.pinterest.com/pin/236579786649337050/

Twiggy Vogue 1967 https://www.pinterest.com/ pin/535506211916126328/

Protesto direito das mulheres 1970 https://www.pinterest.com/ pin/42925002672499686/ SF Magazine by Juco https://www.pinterest.com/ pin/469289223643617040/ 80

81


82

83

FERUS - Fernanda Figueiredo  
FERUS - Fernanda Figueiredo  
Advertisement