Page 1

1


CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA INSTITUTO DE COMUNICAÇÃO E ARTES Michelle Rodrigues Machado

COLEÇÃO CAMINHO DAS ÍNDIAS

Trabalho de conclusão de curso apresentado a disciplina de Projeto Experimental para obtenção do título de bacharel em Moda. Professora Orientadora: Fabricia Figueró

BELO HORIZONTE 2015 


RESUMO Este projeto experimental com uma coleção de 45 looks inspirados na Índia destina-se a demonstrar todas as nuances culturais desde ao modo de vida indiano até as influências vestimentares da cultura desse país encantador em uma coleção de roupas femininas, além de apresentar a nova marca Camellia no mercado mineiro todas as suas interpretações do público a que se destina e todas as suas abordagens de trabalho no setor da Moda. Palavras-chave: Cultura Vestimentar. Modo de vida. Feminilidade Mineira

ABSTRACT This experimental project with a collection of 45 looks inspired in Índia intended to demonstrate all the cultural nuances from the Indian way of life to the vestimentares influences of culture this lovely country into a collection of women’s clothing , in addition to presenting the new brand Camellia in the mineiro market all their interpretations of persons for whom it is intended and all your work approaches in the Fashion industry. Keywords: Vestimentar Culture. Way of life. Femininity Mineira.


SUMÁRIO CURRÍCULO

8

BRIEFING DE NEGÓCIOS

9

PÚBLICO ALVO

14

MANUAL DE INDENTIDADE VISUAL

16

BRIEFING DE COLEÇÃO

29

COLEÇÃO CAMINHO DAS ÍNDIAS FICHAS TÉCNICAS

71 117

APÊNDICE

132

LOOKS EXECUTADOS

138


CURRÍCULO

BRIEFING DE NEGÓCIOS FORMAÇÕES Graduada em Moda pelo Centro Universitário UNA; Seis Períodos em Letras Tecnologias da Edição pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais; Cursos de desenhista de Moda pelo Senai e In design básico pelo Cefet; Intercâmbio de seis meses pelo Instituto Politécnico de Bragança em Portugal e Espanha; EXPERIÊNCIAS PROFISSIONAIS Experiência estrangeira em pesquisa criativa por Paris, Itália, Portugal, Espanha e Suiça; Estágio de seis meses no Jornal Nordeste e Rádio Brigantina de Bragança Portugal; Experiência em visual merchandisig das lojas Marisa. S.A; Vendas na loja feminina Roth; Habilidades em pintura de tecido, tingimentos e bordados em pedraria; Habilidade em ilustração de Moda.

MICHELLE RODRIGUES MACHADO 24 Anos

8

Descrição geral da marca Marca: Camellia Ao observar a mulher brasileira e principalmente a mulher mineira, percebemos o quanto essas mulheres são românticas, criativas e ocupam inúmeras funções durante todo o dia, o que as faz necessitar de conforto e praticidade na hora de se vestir sem deixar de lado a beleza, moda e criatividade. Pensando em tudo isso decidi criar uma marca que fosse sinônimo de feminilidade, conforto e criatividade. Camellia trabalha com materiais confortáveis, leves, despojados com uma pegada criativa e romântica para mulheres femininas, ativas e antenadas com a moda. Valorizar a mulher com conforto é o maior objetivo da marca. A concorrente Maria Filó é uma grande inspiração para a marca Camellia, para o painel a seguir foram selecionadas as estampas e cores que mais se aproximam do estilo da marca, além dos belos looks românticos e modernos que a marca exibe. Todo o trabalho da marca Maria Filó serve de inspiração e admiração à marca Camellia.

9


Estilo A marca Camellia possui um estilo etno, pois representa as mulheres mineiras em termos de romantismo criatividade e transmite claramente um ar de feminilidade indiscutível em cada detalhe de suas peças. O estilo dominante da marca é o romântico, no entanto a marca Camellia ainda possui dois estilos complementares o criativo e uma pegada forte moderna. Os atributos subjetivos da marca são a delicadeza, a jovialidade e a alegria transmitida pela marca. Já nos atributos objetivos podemos observar as estampas elaboradas trabalhando uma ampla combinação de cores, a minúcia nos detalhes e o conforto das peças.

Nicho de Mercado Camellia trabalha com o nicho de mercado prêt-à-porter de difusão. A marca trabalha exclusivamente com o gênero feminino. Seu segmento de mercado é o Casual Wear e moda festa.

10

11


Concorrentes

Canais de Distribuição A venda será realizada em varejo através de loja própria, onde será feito todo um trabalho de marketing para que a marca se torne conhecida, além do uso de sites e redes sociais para divulgação e vendas online dando comodidade ao cliente. Existe também a possibilidade de revenda para lojas multimarcas após o processo de marketing da marca.

FARM (INDIRETA)

MARIA FILÓ (DIRETA)

MARIA BONITA (INDIRETA)

Preço O produto mais barato da loja é uma camiseta básica que custa em torno de R$ 180,00 o que pode variar dependendo da coleção e o mais caro um vestido de festa bem elaborado que custa em torno de R$ 8,000,00.

Diferencial da Marca

12

A Farm possui uma proposta semelhante à marca Camellia, pois, dita um estilo de vida próprio que caracteriza-se pelo despojamento, romantismo com uma pegada forte hippie e formas soltas das peças transmitindo muito conforto, além de belas estampas que valorizam a natureza. Um diferencial entre ambas é uma maior minúcia nos detalhes além de elementos têxteis na criação que remetam as origens mineiras da marca Camellia.

Maria Filó é uma concorrente direta da marca Camellia, pois assim como essa trabalha com materiais com toque artesanal sempre muito bem acabados, além de trabalhar com o mesmo público alvo jovem e romântico. Um diferencial entre a marca Camellia e Maria Filó é a estamparia trabalhando uma ampla gama de cores em cortes mais esvoaçantes e confortáveis.

A marca Maria Bonita é uma marca que se aproxima do estilo da marca Camellia principalmente pelo despojamento das peças, além de trabalhos que nos remetem a alguns artesanatos mineiros. O maior diferencial da marca Camellia com relação a Maria Bonita é a pegada hippie expressa nas roupas de forma muito alegre.

Camellia aposta em mistura de materiais, estampas divertidas e românticas, conforto e praticidade da modelagem e aplicações de bordados, laços e pedrarias para criar uma identidade própria. Os acessórios são outro diferencial da marca trazendo novidades românticas com uma pegada criativa. Trabalhos manuais são outro diferencial da marca embora a peça não seja toda manual, algum detalhe de aplicação faz toda a diferença.

13


PÚBLICO ALVO Camellia é uma marca voltada para o público feminino abrangendo vestuário e acessórios. A marca abrange a faixa etária de 20 a 30 anos, mulheres românticas e criativas que estão sempre antenadas com a moda, essas mulheres se vestem confortavelmente e ressaltam a beleza e feminilidade em suas roupas. Muitas são as profissões que essa mulher pode exercer mais em sua maioria são profissões ligadas à arte como publicidade, moda, cinema e designer, que proporcionam liberdade de estilo no trabalho. Fora do trabalho essa mulher desenvolve inúmeras funções durante o dia o que a faz necessitar de uma roupa confortável. Segundo a classificação social da (ABEP) o público alvo da marca Camellia é classificado como B2 e B1 com renda familiar bruta de até R$ 4.558, lembrando que esses dados são de 2008. Essa classificação nos permite dizer que essa mulher tem uma boa condição financeira, é uma mulher que viaja preferencialmente para Paris, Londres e Nova York tendo conhecimento e repertório, além de ser uma mulher que compra muito além do produto oferecido, ela compra o serviço prestado pela marca e o bem estar proporcionado no atendimento e na qualidade da peça. É uma mulher que valoriza a companhia dos amigos e familiares, que valoriza os detalhes, além de ser uma mulher despojada que gosta de um visual que a permita sair do trabalho para um encontro romântico ou com os amigos. Ao comprar uma peça Camellia essa cliente deseja se sentir bonita, feminina e confortável, além disso, ela deseja ter a sensação que cada peça é trabalhada de forma diferenciada para ela e que não vai se deparar com pessoas usando a mesma combinação de peças, embora possa encontrar uma peça ou outra parecida. 14

15


MANUAL DE INDENTIDADE VISUAL

Este manual abrange todas as situações nas quais se faz necessária a utilização da marca Camellia, bem como as variações de cor para impressão. Qualquer utilização da marca diferente do que está previsto neste manual pode comprometer a percepção desejada, deverão ser preservadas todas as definições de cores, formas, tipos, fontes e proporções aqui estabelecidas. Portanto nenhum material gráfico ou digital deve ser produzido com a utilização da marca Camellia, sem a prévia consulta das instruções contidas neste documento. 16

17


Logotipo

Simbolo

O nome Camellia foi escolhido porque expressa delicadeza e feminilidade presente no estilo da marca. Remete a uma das flores mais exuberantes que se pode encontrar na natureza. Além disso, a consoante L repetida duas vezes faz ligação com o Nome da estilista da marca que a imaginou como sinônimo de feminilidade.

Para símbolo foi escolhido a letra inicial da marca, acompanhado do fundo floral, utilizado em tags, etiquetas, papelaria e brindes.

O logotipo possui o fundo floral simbolizando não só o nome da marca como a feminilidade, delicadeza e romantismo. 18

19


Monocromia

Escala de Cores As cores da logo foram escolhidas em tons singelos para contrastar com o fundo preto, expressando a delicadeza e feminilidade da mulher mineira.

Tipografia A fonte utilizada para a marca foi Code bold, que possui forma mais simples contrastando com o fundo romântico da marca. Como fontes complementares foram utilizadas a nexa bold e nexa light, fontes delicadas e românticas.

Pantone 426 CMYK 0/0/0/100

Pantone 703 CMYK 0/80/42/20

Pantone 496 CMYK 0/16/9/0

Pantone 450 CMYK 65/55/100/10

Pantone 487 CMYK 0/35/28/0

Pantone 449 CMYK 70/60/100/20

Pantone 1785 CMYK 0/67/50/0

Pantone P 75-1 CMYK 0/2/0/0

ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ abcdefghijklmnopqrstuvwxyz1234567890 code | Alfabeto Principal ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ abcdefghijklmnopqrstuvwxyz1234567890 Nexa bold | Alfabeto Complementar

20

ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ abcdefghijklmnopqrstuvwxyz1234567890 Nexa light | Alfabeto Complementar

21


Área de proteção

Malha de ampliação

Redução mínima

22

23


Usos indevidos

24

Aplicação em Papelaria

A marca em hipótese alguma deve sofrer alterações. Jamais o logotipo deve ser achatado, esticado ou reduzido, assim como as cores devem ser respeitadas.

Cartão de visita Papel couchê 250g Verniz localizado na logo Dimensões: 90mm x 50mm

25


Aplicação em Papelaria

Tag Papel cartão reciclado 300g Dimensões: 60mm x 40mm 26

Aplicação em Papelaria

Sacolas em papel não-revestido rosa 90g Dimensões Sacola maior: 420mm x 297mm x 160mm Sacola menor: 297mm x 210mm x 110mm

Papel de carta e envelope Papel não-revestido 90g. Dimensões Papel de carta: 210mm x 297mm Envelope: 230mm x 317mm

27


Brinde

BRIEFING DE 28

Lenço Tecido: crepe estampada Dimensões: 50x40cm

COLEÇÃO

29


INTRODUÇÃO

JUSTIFICATIVA

Quando se pensa em cores, adornos, tradições religiosas e muito ouro, rapidamente lembramos de um dos países mais populosos do planeta, a Índia. A Índia é considerada sinônimo de cultura tradicional, no entanto, a modernidade avança cada vez mais em direção ao país, o que começa a gerar diversificação na vestimenta feminina indiana, assim como em diversos setores, até mesmo na religião. Embora aja modernidade, a Índia continua a ser berço de tradições vestimentares e adornos belíssimos em ouro, material apreciadíssimo pelas indianas. Todo esse universo que gira em torno de cores vivas, muito brilho e muita religiosidade é o que será abordado nessa pesquisa em duas partes: teórica, descrevendo todo o cenário indiano desde seus temperos e tradições religiosas até a modernidade que ameaça suas tradições e prática que abordará todas as nuances indianas em uma coleção de roupas femininas trabalhadas de forma delicada e jovial. Para identificar essa cultura tradicional utilizarei livros que descrevem esse universo tão fascinante, bem como vídeos de matérias jornalísticas que contam um pouco dessa civilização. Além disso, pesquisarei toda a vestimenta e adornos femininos através de livros, matérias jornalísticas e internet, relacionando-as com tradições religiosas. A prática refletida na coleção se dará através de testes com matérias que possam expressar a temática Índia com delicadeza e feminilidade. Assim como bordados e cores em tecidos fluídos que transmitam a atmosfera indiana. Esse artigo prepõe-se a descrever os encantos das tradições milenares cultuadas até os dias atuais na Índia e como esses costumes tão preservados estão se modificando, de acordo com os avanços tecnológicos que trazem a modernidade e começam a afetar costumes milenares nesse subcontinente. Ao fazer essas relações entre tradição e modernidade, em busca de um equilíbrio, transformarei essas tradições, cores, formas e texturas em uma coleção de roupas femininas que demonstre todas essas belezas da Índia. A pergunta problema desenvolvida nesse artigo questiona como se dá a relação entre tradição e modernidade na Índia? Em seguida o seguimos a busca por desvendar parte do mistério desse continente. O objetivo geral desse artigo é pesquisar as relações entre tradição e modernidade na Índia. Especificando um pouco mais essa pesquisa entramos com os objetivos específicos desse artigo: investigar a Índia antiga suas tradições e costumes vestimentares, estudar a relação entre tradição e modernidade na Índia e aplicar a relação dessas duas Índias distintas em termos de cores, materiais e artesanato em uma coleção de roupas femininas.

Para diversos autores, como Carriére (2009) a Índia é um pais extremamente importante em termos de cultura, pesquisar a diversidade cultural existente nesse pais trás uma amplitude de conhecimento que pode ser aplicado em vários setores, assim como nesse artigo direcionado ao ramo da Moda. A Índia possui um contraste muito rico entre tradição e modernidade o que se transforma em uma imensa inspiração para a Moda. Os vestuários femininos indianos encantam o Ocidente bem como seus tecidos de tradições milenares encantam o mundo. Segundo (Melo, 2009, p.78) “O subcontinente fazia parte da antiga rota comercial, conhecida como Rota da Seda, que ia dos portões do Ocidente até o coração da Ásia Central”. Seus tecidos cheios de cores feitos de algodão ou de seda tornaram-se desejo de consumo de mulheres e até mesmo de homens por todo o mundo tradição que teve inicio a milhares de anos. Ainda de acordo com (Melo, 2009, p.78) “O Império Kushan, que governava o pais no período de 1 a 3 d. C., promoveu as maiores trocas culturais do mundo antigo com o Centro da Ásia e o Ocidente”. Essas trocas possibilitaram o primeiro contato do mundo com a cultura de sabores, cores, tradições religiosas e vestimentares da Índia.

30

31


As tradições da Índia são mundialmente conhecidas em termo de preservação cultural, no entanto, pouco se fala sobre como essas tradições estão sendo afetadas direta ou indiretamente pela modernidade que atinge o subcontinente indiano. É muito importante evidenciar essas mudanças e descrever que mesmo diante de um cenário tão “conturbado” aos olhos do Ocidente como o cenário indiano existe um equilíbrio sólido que guia a Índia e desperta encanto no Ocidente. Segundo (Carriére, 2009, p.7) Ora, a Índia é um território sem outra referência além dela mesma, o único grande império de outrora que se mantém, quase imperturbável, parecendo não depender de ninguém. Em sua história – que ela considera com um olhar muito diferente do nosso- nenhuma época eliminou a anterior. Elas integraram-se umas ás outras, inclusive a época nuclear e da informática, o que torna realmente impossível falar de um “tempo passado”, de uma “época encerrada”. A Índia tem o tempo. Os séculos não se excluem, eles se acumulam.

Transformar parte dessa cultura em uma coleção de roupas femininas pode ser um ganho muito interessante e culturalmente importante, pois evidenciam através do produto cores, texturas e formas que remetem a todo esse universo de costumes e modernidade indiano.

A RELAÇÃO ENTRE TRADIÇÃO E MODERNIDADE

pesquisam as tradições religiosas e a cultura tão bem preservada desse subcontinente. A Índia se tornou mundialmente conhecida através das grandes navegações, dando inicio a uma busca gigantesca por uma rota para as Índias que motivou desbravadores como Pedro Álvares Cabral e Cristovão Colombo. Segundo (Melo, 2009, p. 16) “O território indiano é marcado pelas constantes invasões e conflitos nas mais distintas fases da humanidade.” No entanto, percebe-se que os constantes invasores acabaram por assimilar a cultura indiana e promove-la para todo o planeta. A modernidade que absorve e transforma inúmeras nações também começa a afetar alguns costumes indianos, segundo relata (Carriére, 2009, p. 7) Parece-me às vezes, como também a outras pessoas, sobretudo nos últimos dez anos, que esta impressionante substância corre o risco de desaparecer, que ela não sobreviverá ao século que começa, que as formas mais enganadoras da modernidade – do fast food à MTV e aos blue jeans – estão levando-a embora, em detrimento da tradição multiforme.

Essas mudanças abordadas por Carriére não são consideradas por muitos pesquisadores como algo ruim, mas sim como um avanço que pode trazer muitos benefícios reduzindo um pouco das desigualdades no país. De acordo com (Melo, 2009, p.37) “A Índia representa a força dos países asiáticos que pretendem estar entre os líderes mundiais na próxima década.” Esse crescimento é notado em diversos setores como o da tecnologia,que tem avançado rapidamente pelo país. Segundo (Melo, 2009, p.43) “A Índia é o maior produtor de softwares de computador do mundo, e domina, também, boa parte desse mercado, justificando o investimento do primeiro mundo e a instalação de algumas fábricas do setor, que gera uma receita superior a US$ 17 bilhões.”

A globalização tem transformado o planeta em um misto único de culturas entrelaçadas que muitas vezes se perdem em meio à modernidade dos computadores e a facilidade da internet. No entanto, algumas culturas milenares parecem tão fortes aos olhos de sociedades capitalistas como o Brasil, que despertam curiosidade e fascínio por todo o mundo. A Índia é o segundo país mais populoso do planeta perdendo somente para a China. Estima-se que a população seja de 1,2 bilhão de habitantes segundo a ONU o que significa aproximadamente 17,5% da população mundial. Esse número tão grande de pessoas surpreende quando se 1

32

ONU: Organização das Nações Unidas

33


Por ser um dos países mais populosos do planeta a Índia dispõe de uma grande mão de obra especializada o que leva o subcontinente a avançar também em pesquisas cientificas. Um país cheio de costumes e tradições seculares, que muitas vezes parecem aos olhos de muitas pessoas como “preconceituoso”, de acordo com (Melo, 2009, p.43) “Nos últimos anos, dizendo-se “livre do preconceito histórico ocidental”, os indianos realizam pesquisas importantes e surgem como pioneiros em áreas polêmicas como a clonagem terapêutica e a utilização das células- tronco.” Essa mistura entre tradição e modernidade convivendo dentro de um sistema considerado “conturbado”, mas que tem funcionado muito bem, torna a Índia fruto de interesse mundial. O turismo vem crescendo em busca desse conhecimento que torna a Índia tão harmonioso mesmo diante de um cenário tão contrastante. Segundo (Carriére, 2009, p.6,7)

chama a atenção do Ocidente. As quatro varna 2 em teoria são a dos brâmanes, (casta dominante), xátrias (guerreiros e “cavaleiros”), vaixás (comerciantes) e os sudras (servidores). Quem não pertencesse a nenhuma casta, eram chamados intocáveis (inferioridade). Hoje são chamados de dalits. Estima-se que nos dias atuais existam pelo menos três mil tipos de castas entre os hindus. Essas novas castas se estabelecem devido ao aumento da população e diversidade das novas atividades surgidas pelo crescimento econômico e cientifico da Índia. Embora falar sobre castas com os indianos gere um desconforto para os mesmos, a diferença de comportamento com as pessoas de diferentes castas podem ser notadas e influenciam todos os costumes indianos. Em entrevista (Coura- sobrinho, 2013) 3 descreve o desconforto existente entre pessoas de diferentes castas, embora essa divisão seja negada pelo governo.

A Índia observa a si mesma, analisa a si mesma (o que chega a ser um dos exercícios favoritos dos indianos), mas ela não explica a si mesma. (...) O passado não é o passado. Aqui, ele é apenas uma das formas do presente, que o assimila e o prolonga. Isto significa, de maneira alguma, que a Índia seja um país retardatário, ou a reboque. Ela fornece profissionais de informática para o mundo inteiro e ainda vive no tempo dos milagres. (...) Uma das frases mais indianas que conheço. “Desde sempre, vivemos hoje. Cinco milênios de instantes”.

(...) O meu guia era muito reconhecido onde morava, andava de maneira distinta e era respeitado por todos de sua comunidade. Um garoto com quem fiz amizade estava me ensinando como pegar o metrô, quando o guia interveio e disse para que eu não o pagasse pela informação. Eu não o estava pagando, nesse momento percebi certa hierarquia, como se o garoto fosse inferior a ele e inferior a mim não só pela idade, como por uma provável divisão de castas. Já nas vestes não pude perceber muitas diferenças entre as mulheres todas andavam muito adornadas e em roupas lindíssimas mesmo para fazerem trabalhos como colheita de arroz. Talvez essa seja uma mudança devido a modernidade.

A religiosidade dos indianos é outro aspecto extremamente relevante do país. As crenças e o culto a vários deuses passados de geração em geração, voltam os olhos do ocidente para a Índia. A Índia é considerada uma das nações mais multi- étnicas do mundo, o que se dá pelo grande número de habitantes, bem como pelas inúmeras invasões ocorridas no país, além das diversas línguas faladas pela população. Entre as mais difundidas pelo país e procuradas por estrangeiros estão ás chamadas religiões dármicas, originárias no subcontinente o hinduísmo, jainismo, budismo e sikhismo. Essas religiões possuem algumas similaridades nas formas de adoração, credos e origem. Segundo (Melo, 2009, p.102) “A religião tem papel fundamental na construção do território indiano. Os reinos se formavam em torno de crenças comuns e, nos dias atuais, determinou a divisão de estados, além de fatores étnicos.” Entre as religiões dármicas a mais antiga e com maior número de fiéis (cerca de 905 milhões só na Índia e no Nepal) é o Hinduísmo. O Hinduísmo cultua a divisão de castas, suas divindades são adoradas em cultos utilizando manifestações corporais para o Deus supremo Brahma. De acordo com (Melo, 2009, p. 102) “Os hindus baseiam sua fé através de shruti e smiriti (“que escuta” e “que recorda” respectivamente) e são guiados pelos védicos, escritos sagrados que formam a base dos conhecimentos hinduístas”.Ainda de acordo com Melo a divisão de castas é algo que choca e 2 3

34

Varna: palavra portuguesa que significa castas, usada pelos indianos. Ver apêndice

35


De acordo com o site Brasilescola 4 Esse sistema tem como principal característica a segregação social, determinando a função das pessoas dentro da sociedade indiana. Tal segregação resulta em desigualdade social, que é explicada pelo fato de um indivíduo não poder ascender para uma casta superior. Segundo o governo indiano, o sistema de castas não existe mais no país. Apesar do governo não admitir, a verdade é que esse sistema está presente na sociedade, interferindo diretamente na qualidade de vida da população indiana.

Muitos são os contrastes indianos, mas a tradição se tornou tão enraizada que mesmo diante de avanços tecnológicos e da modernidade em geral a cultura e os costumes não são abalados de forma a caírem no esquecimento e sim mesclados com os novos avanços tornando o cenário “conturbado” da Índia em uma grande harmonia cultural.

tradicionais, enorme símbolo de identidade cultural indiana.” De acordo com o site Brasil Escola, o sári é a vestimenta mais utilizada pelas mulheres na Índia das mais diferentes castas e classe social. Até mesmo representações de divindades utilizam o sári. O sári é vestido de diversas formas variando de acordo com cada região da Índia, possui de cinco a nove metros de tecido e constitui-se de uma peça única. O sári é enrolado pelo corpo por cima de uma blusa chamada choli ou legha e de uma saia conhecida como pavada, petticoat ou shaya. O choli varia de região podendo ser com manga comprida, gola alta, entre outros. O salwar kamez, é outra vestimenta básica indiana que foi introduzida pelos invasores mulçumanos. Essa vestimenta consiste em um conjunto de camisa e calça folgada, com corte tradicional, costuma ser acompanhado de uma echarp chamada duppata, que cobre a cabeça da mulher.

TRADIÇÃO E MODERNIDADE VESTIMENTARES Há milênios, a Índia é conhecida como grande produtora de tecidos. As grandes navegações buscavam uma rota para as Índias em busca de especiarias e dos lindos tecidos de seda que se tornavam roupas das mulheres da corte européia. A tradição vestimentar da Índia está diretamente ligada aos costumes e principalmente às religiões, em uma intensa profusão de cores. Ainda segundo Melo a Índia fazia parte da antiga e conhecida Rota da Seda, que ia dos portões do Ocidente até a Ásia Central. O Império Kushan, que governou o subcontinente de 1 a 3 d. C., promovia inúmeras trocas culturais com o centro da Ásia e Ocidente, esse tornou-se o primeiro contato do mundo com as vestimentas indianas. As vestimentas indianas são feitas basicamente de algodão ou seda, no caso das famílias e castas mais altas, as cores chamam atenção pela intensidade e as formas como são usadas. Segundo (Melo, 2009, p. 78) “Embora hoje seja comum encontrar pessoas usando calças jeans, camisa e calça sociais na Índia, grande parte da população continua a utilizar as vestimentas 4

36

Disponível em www.brasilescola.com

FIGURA 1: Sári Indiano Fonte: www.souttomayor.com.br

37


Os homens indianos também possuem suas vestimentas típicas como o tradicional dhoti, considerado formal, usado principalmente por músicos, poetas e políticos. O dhoti consiste em uma peça retangular de tecido, de cerca de cinco metros, que é enrolado na cintura, entre as pernas e jogado sobre o ombro. O ícone indiano Mahatma Gandhi, sempre utilizava essa vestimenta. Assim como o sári o uso do dhoti varia de região para região.

Outra indumentária muito tradicional na Índia é o kurta, uma camisa de mangas compridas longas e folgadas, que se parece com uma bata, seu cumprimento pode chegar até os joelhos. Em algumas regiões os homens também utilizam o salwar kamez, mas em um corte mais masculino. De acordo com (Melo, 2009, pg. 119) a modernidade vem modificando os costumes indumentários não só das mulheres mas também dos homens, camisas ocidentais sociais de mangas longas está entre as roupas mais utilizadas pelos indianos. Para compor a vestimenta e caracterizar uma mulher indiana é extremamente importante ressaltar os adornos. Desde tempos antigos o uso de muitos adornos é cultuado principalmente pelas altas castas, no entanto, todas as mulheres indianas, independente das castas, ou classe social se adornam da cabeça aos pés. As pedras preciosas estão sempre presentes entre os adornos das indianas de classes mais elevadas. O fascínio dos indianos pelas pedras está representado até mesmo em grandes monumentos como o Taj Mahal, que possui incrustações de pedras preciosas e semipreciosas em todo seu interior. Com o começo do comércio com o Ocidente surge o ouro que rapidamente se tornou objeto de desejo dos indianos. Mas diferente do que se imagina não, são só as mulheres que gostam de utilizar muitos acessórios, os homens também se adornam de brincos, relógios, pulseiras e muitos anéis. Ainda de acordo com (Melo, 2009,pg.77) todos os adornos indianos são minuciosamente trabalhados, desde a lapidação adequada das pedras quanto no acabamento do ouro. Em ocasiões especiais como casamentos, as mulheres se adornam suntuosamente. A preocupação com

FIGURA 2: Mahatma Gandhi Fonte: www.tahtonka.com

38

39


os adornos é refletida até mesmo nos tecidos ricamente bordados, repletos de brocados extremamente trabalhados que já foram fonte de inspiração para muitas marcas famosas como, por exemplo, Chanel em uma linda coleção nomeada Bombaim de pré-inverno em 2011. De acordo com o site FFW 5 A apresentação foi um excesso só, partindo da cenografia que, segundo o site style.com, transformou um espaço do Grand Palais em um pedaço do Rajastão. Sedas, rendas, pérolas e bordados renderam peças ricas, como túnicas, vestidos, saias, jaquetas e calças, tudo indiscutivelmente Chanel. Com uma pitada de Índia, Lagerfeld conseguiu, mais uma vez, criar uma imagem que é ao mesmo tempo moderna e clássica.

Ainda segundo o site a maquiagem e as tatuagens de henna também são muito utilizadas pelas indianas até mesmo para se pintar o ponto vermelho na testa, considerado símbolo sagrado hindu que representa o shati, força feminina do cosmo. Considera-se que esse sinal protege as mulheres e suas famílias. Atualmente usa-se o bindi em diversos suportes como jóias coladas na testa, adornado por ouro e pedras. Os piercings no nariz, também são muito utilizados, afinal essa tradição surgiu na Índia. A modernidade vem se tornando cada vez mais natural em termos de vestuário, cidades como Bombaim, Ahmedabad e Délhi tornaram-se grandes pólos de moda da elite indiana. O público indiano vem se tornando cada vez mais acostumados a moda Ocidental. Segundo (Melo, 2009, p.81) A ideia de adaptar roupas e costumes existentes desde a antiguidade Indiana é uma das características do país que passou por tantos impérios, conquistas e dominações. Misturando sua identidade com o que vem de fora, a Índia mantém-se sempre atual, embora preserve com muito orgulho suas tradições e costumes milenares.

Segundo o site FFW entre os estilistas indianos que vem se destacando nesse mercado está Manish Arora, nascido e criado em Munbai, Arora estudava para ser comerciante quando resolveu trocar de ramo e se dedicar a Moda, formou-se no Instituto Nacional de tecnologia da Moda em Nova Dheli. No inicio de 2011 Manish Arora foi nomeado diretor criativo das coleções femininas da marca mundialmente conhecida Paco Rabanne, embora não tenha permanecido muito tempo na marca saindo em maio de 2012, Arora se tornou referência em Moda indiana e hoje possui sua própria marca além de parcerias com grandes marcas como a Rebook.

FIGURA 3: Desfile Chanel inspirado na Índia Fonte: FFW.com.br 5

40

Disponível em: FFW.com.br

41


METODOLOGIA Para desenvolvimento deste memorial, quanto aos meios, será utilizado revisão bibliográfica, segundo (Stumpf, 2010, p. 51) “Pesquisa bibliográfica num sentido restrito, é um conjunto de procedimentos que visa identificar informações bibliográficas, selecionar documentos pertinentes ao tema estudado, posteriormente utilizado na redação de um trabalho acadêmico.” Ainda para desenvolvimento desse memorial serão utilizadas fontes secundárias de pesquisas através de livros, artigos, internet, matérias de televisão. Além de pesquisas bibliográficas, será utilizado pesquisa qualitativa através de entrevista em profundidade com o educador do CEFET MG 7 Jerônimo Coura Sobrinho, que recentemente esteve em uma viaje a Índia onde observou as tradições e cultura do povo indiano. Segundo (NEVES, 1996) 8 A pesquisa qualitativa costuma ser direcionada, ao longo de seu desenvolvimento, além disso, não busca enumerar ou medir eventos e, geralmente não emprega instrumental estatístico para analise dos dados; seu foco de interesse é amplo e parte de uma perspectiva diferenciada da adotada pelos métodos quantitativos.

FIGURA 4: Coleção Manish Arora 2012. Fonte: manisharora.com

De acordo com (Duarte, 2010, p.64) “a entrevista em profundidade pode ser empregada para o tipo descritivo, em que o pesquisador busca mapear uma situação ou campo de análise, descrever e focar determinado contexto”. Para os fins desse artigo será utilizada pesquisa descritiva, onde serão descritos fatos de tradições e modernidade na Índia e relacioná-las neste texto. Ainda segundo (Duarte, 2010, p.64) “A entrevista em profundidade é extremamente útil para estudos do tipo exploratório, que tratam de conceitos, percepções ou visões para ampliar conceitos sobre a situação analisada.”

Segundo o site Manisharora 6 Manish Arora é conhecido por muitos como o John Galliano da Índia, conhecido por uma rica paleta de cores psicodélicas e motivos ktsch, com roupas que combinam ofícios tradicionais indianos, como bordados, apliques e beading com silhuetas ocidentais. Manish Arora é uma ótima representação da combinação entre tradição e modernidade aplicada a Moda indiana e ocidental. Essa combinação inusitada vem se fortalecendo na Índia de forma bem coesa e não só desperta a curiosidade do Ocidente, como se torna uma rica fonte de inspiração para vários setores, mas principalmente para o ramo da Moda. 7 6

42

Disponível em: manisharora.com

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais. CADERNO DE PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, São Paulo, V.1, Nº 3, 2º SEM./1996.

8

43


Além da pesquisa descritiva utilizada nesse artigo, para os fins desse trabalho acadêmico será utilizado estudo exploratório, onde através das pesquisas realizadas será feita uma coleção de roupas femininas utilizando cores, formas e materiais que se aproximem desse universo de tradição e modernidade indiano. Para desenvolvimento dos produtos de moda desse projeto serão feitos testes em tecidos e matérias têxteis que possibilitem expressar de forma moderna todo o conceito das tradições milenares indianas. Essas tradições serão expressas de forma delicada trazendo todo o romantismo que se esconde nas tradições vestimentares indianas para uma coleção de moda feminina contemporânea. Adornos, cores e bordados serão trabalhados meticulosamente em busca de um equilíbrio na coleção entre o publico alvo da marca Camellia e toda a exuberância contida no subcontinente indiano. Os materiais serão trabalhados em um misto de tecnologia e artesanato respeitando assim as origens indianas e as origens da marca Camellia.

CONSIDERAÇÕES FINAIS Após pesquisar mais a fundo as tradições indianas percebemos o quanto essas são enraizadas no povo indiano, passadas de pai para filho. O que gera um conforto e ao mesmo tempo um desconforto muito grande para a população. O contraste indiano sempre tão grande vai da beleza de uma cultura muito bem preservada a desigualdade que essa cultura gera no país através de tradições tão fortes como o sistema de castas. A modernidade avança, trazendo informação aos indianos de culturas completamente diferentes, isso gera progresso e até mesmo revolta entre a população que muitas vezes se vê presa a um sistema sem avanços. No entanto, a Índia preserva não só tradições, mas também orgulho de uma cultura tão bonita e religiosa que mesmo diante de mudanças permanece firme mais não indiferente. Desde os conquistadores, a Índia se apresenta, choca e acaba introduzindo-os a sua cultura. A relação entre tradição e modernidade na Índia se da de forma surpreendente convivendo muito bem com a outra, modificando muitos setores para melhor, mas mantendo sempre suas crenças que despertam interesse em todo o mundo. Tanta cultura materializada na arquitetura, nas vestimentas, na religião e no dia a dia in44

diano, só poderia resultar em uma fonte inesgotável de inspiração criativa. A moda olha cada vez mais para esse subcontinente tão contrastante e tão bonito com olhos atentos. Sabendo que inúmeros talentos e coleções certamente aparecerão através desse olhar voltado para o equilíbrio entre tradição e modernidade na Índia. Daí o desejo de transformar essa cultura em uma coleção minuciosa voltada para a mulher romântica mineira que jamais pensaria na Índia como fonte de inspiração para a delicadeza de suas roupas; e se o assunto é a mistura de modernidade e tradição porque não transformar peças masculinas indianas em lindas peças femininas e vice e versa. Toda essa pesquisa resultou em uma coleção feminina extremamente romântica harmoniosa que transmite todo o universo indiano sem o choque entre o romantismo do público alvo da marca com os contrastes da Índia. Essa coleção foi toda pensada e trabalhada trazendo formas e modelagens inspiradas nas vestimentas indianas, assim como as temáticas de cada família da coleção respeitam os temas mais decorrentes quando abordado o universo indiano. Os materiais, os bordados e as estampas foram trabalhados milimetricamente pensadas como forma de ilustrar a Índia em texturas, cores e misturas extremamente modernas de acordo com tendências da moda brasileira. A Índia sem sombra de dúvida é um país que está no auge em termos de tendências de moda, por possuir inúmeros elementos a ser trabalhados em uma coleção, foi usufruindo de toda essa inspiração que se originou a coleção Caminho das Índias por Camellia.

45


INSPIRAÇÃO

46

Ter a Índia como inspiração abre um leque de experiências inusitadas e contrastantes que se harmonizam de uma forma fascinante. O painel de inspiração traz todos os elementos trabalhados nessa coleção, a religião trabalhada através dos principais deuses indianos, os monumentos trabalhados em conjunto com a flor de lótus, os temperos maravilhosos secos e em natura como flores lindas que podem ser trabalhadas na coleção ressaltando a feminilidade das peças, além dos bordados e das estampas inspiradas nas vestimentas indianas, na vibração do povo e como não poderiam ser ressaltadas as belas mandalas indianas que nos conduzem ao bem estar e alegria.

47


MACROTENDÊNCIA DESACELERAR

48

Em um mundo onde as mulheres desempenham inúmeras funções no dia a dia, chegando ao nível mais alto de stress a proposta é Desacelerar. Diminuir o ritmo sem perder tudo o que conquistaram, mas sim revendo prioridades como família, amigos e relacionamentos sérios e duradouros. O mundo gira de forma inusitada sem interrupções e as vidas seguem o mesmo curso, o tempo se tornou algo imensamente precioso, mas não qualquer tempo, o tempo bem aproveitado onde as conquistas da sociedade moderna não são deixadas de lado, mas os relacionamentos também são valorizados sejam eles amorosos familiares ou amizades. Em uma época onde a incerteza sobre o tempo de cada coisa se tornou evidente através da destruição acelerada do planeta e da escassez de água, o valor das coisas são ressaltadas. A moda com certeza não é indiferente a esses acontecimentos, tudo que move a sociedade também move a moda. Tingimentos naturais e artesanatos na construção de um look estão em alta. Além disso, todo a valor atribuído aos pequenos momentos de relacionamentos entre as pessoas traz o romântico com tudo para as coleções sempre com muito conforto. Desacelerar para se observar o encanto da vida com muito mais conforto é a proposta do momento.

49


TENDÊNCIAS DA ESTAÇÃO

Mistura de Cores no Inverno

Bottega Veneta Milão

50

As tendências de moda invadem o inverno de 2016 em todas as passarelas do mundo, observando os desfiles duas delas chamam a atenção as cores vibrantes e suas misturas utilizadas no inverno o que é bem inusitado já que é uma estação geralmente monocromática e a cintura marcada que já está em alta a algumas temporadas, mas que sem dúvida deixam as peças femininas e elegantes. Essas tendências serão muito utilizadas na coleção Caminho das Índias, pois se assemelham muito ao estilo que a marca Camellia propõe.

Rocksanda Londres

Cintura Marcada

Jonathan Sauders Londres

Anteprima Milão

Sportmax Milão

Ermanno Servino Milão 51


CORES

Dominantes

Intermediárias

Tonalizantes As cores escolhidas contrastam entre cores frias que remetem ao romantismo e cores quentes inspiradas nos contrastes da Índia, essas cores foram trabalhadas de formas femininas sem fugir do alvo de inspiração. 52

53


TECIDOS

54

Os tecidos escolhidos para a coleção caminho das Índias foram pensados para agregarem técnicas bem trabalhadas à coleção, essas técnicas necessitam de uma mistura de tecidos mais estruturados que suportem aplicações e tecidos mais finos que provoquem o efeito esvoaçante as peças. Todas as texturas dos tecidos foram pensadas para se trabalhar tanto a linha festa quanto a linha casual. Também foram mesclados tecidos de fibras naturais com tecidos de poliéster na intenção de se criar inúmeros tipos de texturas sempre respeitando o conforto das peças.

Cetim de Seda Classic Ref: Cesed- C10 Largura: 1,40 M Composição: 100% Fornecedor: GJ Tecidos Valor: R$ 49,90

Organza Cristal Ref: ogp12 Largura: 1,40 M Composição: 100% Poliéster Fornecedor: GJ Tecidos Valor: 19,00

Crepe Amsterdã Ref: crepeamst15 Largura: 1,40 M Composição: 100% Poliéster Fornecedor: GJ Tecidos Valor: R$ 49,90

Oxford Ref: oxf50 Largura: 1,40 M Composição: 100% Poliéster Fornecedor: GJ Tecidos Valor: R$ 18,00

Chiffon Acetinado Ref: Cffa08 Largura: 1,40 M Composição: 100% Poliéster Fornecedor: GJ Tecidos Valor: R$ 19,00

Tafetá Leon Ref: tfln04 Largura: 1,40 M Composição: 100% Poliéster Fornecedor: GJ Tecidos Valor: R$ 19,80

55


56

Tule Bordado com fios soutache Ref: ha130ac2 Largura: 1,40 M Composição: 83% Viscose 17% poliamida Fornecedor: GJ Tecidos Valor: R$ 43,90

Zibeline Ref: ZBL01 Largura: 1,40M Composição: 100% poliéster Fornecedor: Visual Tecidos Valor: R$42,90

Bengaline Ref: bgl69 Largura: 1,50 M Composição: 50% Viscose 44% Poliamida 06% Elastano Fornecedor: GJ Tecidos Valor: R$ 31,00

Linho Ref: 9087 Largura: 1,50 M Composição: 100% poliéster Fornecedor: Visual Tecidos Valor: R$45,90

Musseline Ref: ms06 Largura: 1,40 M Composição: 100% Poliéster Fornecedor: GJ Tecidos Valor: R$ 18,90

57


MATÉRIAS

58

Remodelagens

Beneficiamento

Superfície

Entrelaçamentos de Fios Metálicos Prata com Entretela Solúvel;

Tingimento em Crepe com Corante Sintético Tintol, em Vermelho Bordô;

Estampa digital de mandalas corrida;

Bordado em Pedraria;

Tingimento em Cetim com Corante Natural Açafrao da Terra;

Tingimento em Cetim com Corante Natural Açafrao da Terra;

Aplicação de Tecidos Dupla Face com Papel Termo Colante;

Tay Day em Crepe com Corantes Tintol: rosa, preto e azul;

Tay Day em Crepe com Corantes Tintol: rosa, preto e azul;

59


AVIAMENTOS Os aviamentos escolhidos trabalham o dourado característico da Índia e a delicadeza dos bordados em pedraria cada botão foi pensado para atribuir valor a peça e harmonia na sua composição final.

60

Zíper Aparente REF: ZP03 Valor: R$ 2,20 Fornecedor: Ponto Certo Rendimento: Unidade

Botão Pedraria REF: BTEP Valor: R$ 0,60 Fornecedor: Ponto Certo Rendimento: Unidade

Botão Suzanne REF: BTS01 Valor: R$ 0,60 Fornecedor: Ponto Certo Rendimento: Unidade

Zíper Invisivel REF: ZP03 Valor: R$ 1,20 Fornecedor: Ponto Certo Rendimento: Unidade

Chatom Pedraria REF:BTC Valor: R$ 4,00 Fornecedor: Ponto Certo Rendimento: Pacote com 10 unidades

Botão Afajor REF: BTFJ Valor: R$ 1,00 Fornecedor: Ponto Certo Rendimento: Unidade

Rolo de Linha REF: LH001 Valor: R$ 2,60 o rolo Fornecedor: Ponto Certo Rendimento : 140 M

Botão Trinade REF: BTTN Valor: R$ 0,40 Fornecedor: Ponto Certo Rendimento: Unidade

Botão Pérola REF: BTP03 Valor: R$ 0,30 Fornecedor: Ponto Certo Rendimento: Unidade

61


PROCESSO CRIATIVO DAS FAMÍLIAS FAMÍLIA TEMPEROS ESSA FAMÍLIA FOI TODA INSPIRADA NAS MISTURAS DE TEMPEROS UTILIZADAS PELAS FAMÍLIAS INDIANAS, ESSA MISTURA CHAMADA DE “MASSALA” DEU ORIGEM AS CORES TERROSAS E FIOS ENTRELAÇADOS QUE LEMBRAM RAÍZES DOS TEMPEROS INDIANOS.

Pesquisa sobre a Índia transformada em uma coleção feminina e masculina de moda, famílias de 9 croquis. Área: Criação 62

Produto: Coleção

FAMÍLIA MANDALAS ESSA FAMÍLIA FOI TODA INSPIRADA NAS BELAS MANDALAS INDIANAS UTILIZANDO MUITA COR E EFEITO 3 D COM A APLICAÇÃO DE DUPLA FACE DE TECIDO COM PAPEL TERMO COLANTE. AS MANDALAS INDIANAS TEM RELAÇÃO DIRETA COM A YOGA E O EQUILÍBRIO MENTAL E FÍSICO. 63


FAMÍLIA RELIGIÃO ESSA FAMÍLIA FOI TODA INSPIRADA NOS DEUSES INDIANOS, COMO SÃO INÚMEROS OS DEUSES DOIS PRINCIPAIS FORAM ESCOLHIDOS PARA EXPRESSAR A IMENSA RELIGIOSIDADE DA ÍNDIA.

FAMÍLIA MONUMENTOS ESSA FAMÍLIA FOI TODA INSPIRADA NAS SOMBRAS DOS MONUMENTOS INDIANOS EM CONTRASTE COM O POR DO SOL INCONFUNDÍVEL DA ÍNDIA. ESSE EFEITO DE POR DO SOL É ALCANÇADO COM O TAY DAY NAS CORES DO POR DO SOL.

FAMÍLIA BORDADOS

64

ESSA FAMÍLIA FOI TODA INSPIRADA NOS BORDADOS EM PEDRARIA DAS ROUPAS INDIANAS, O BORDADO PASSA A SER A PARTE ESSENCIAL DA PEÇA E AS CORES FRIAS CONTRASTAM COM ESSE GLAMOUR DO BORDADO.

65


MAPA DE COLEÇÃO

Silhueta / forma

Matéria

Peças

Entrelaçamento de Fios

AeX

Entrelaçamentos de Fios; Tingimento Natural.

3 looks Conceituais; 3 looks Fashions; 3 looks Comerciais.

Crepe; Tule Bordado.

Bordados em Pedraria

AeX

Bordado; Tingimento.

2 looks Conceituais; 4 looks Fashions; 2 looks Comerciais.

Mandalas

Estampa; Lilás Mandala.

Crepe; Bengaline.

Estampa Digital; Aplicação de Papel Termo colante.

AeX

Dupla face de Tecido com Papel Termo colante.

2 looks Conceituais; 3 looks Fashions; 4 looks Comerciais.

Monumentos

Tay Day; Preto; Rosa Aurora; Laranja Pôr do Sol; Amarelo Pôr do Sol.

Tafetá; Crepe; Bengaline; Seda.

Tay Day; Estampa.

AeX

Tay Day; Estampa.

3 looks Conceituais; 3 looks Fashions; 2 looks Comerciais.

Estampa Digital

3 looks Conceituais; 4 looks Fashions; 3 looks comerciais.

Famílias

Cores

Tecidos

Temperos

Marrom Massala; Fios Dourados.

Musseline; Seda.

Bordados

Azul Flor de Açafrão; Lilás Mandala.

Religião 66

Estampa; Azul Yoga.

Oxford; Bengaline; Jacar; Crepe; Opereta.

Elemento Unificador

Estampa Digital

IeH

67


FORMAS E SILHUETAS

68

As formas escolhidas para a coleção Caminho das Índias não poderiam ser indiferentes ao romantismo da marca, portanto foram escolhidas duas silhuetas que exibem feminilidade como nenhuma outra: a silhueta X ou ampulheta foi escolhida por ressaltar e valorizar as curvas do corpo feminino, essa silhueta foi trabalhada de forma bem delicada e feminina. Também foi escolhida a silhueta A ou triângulo essa forma pode ser trabalhada de diversas formas nessa coleção ela é trabalhada de forma delicada e jovial ressaltando sempre o estilo e origem da marca Camellia.

69


COLEÇÃO OUTONO/

INVERNO 2016 CAMINHO DAS 70

ÍNDIAS

71


72

73


74

75


76

77


78

79


80

81


82

83


84

85


86

87


88

89


90

91


92

93


94

95


96

97


98

99


100

101


102

103


104

105


106

107


108

109


110

111


112

113


114

115


116

FICHAS TÉCNICAS

117


118

119


120

121


122

123


124

125


PAINEL

126

ARTÍSTICO

127


128

129


BIBLIOGRAFIA Biography Manish Arora. Disponível em HTTP://manisharora.com. Acesso em 24 de Novembro de 2013. COURA- SOBRINHO, Jerônimo, Belo Horizonte, 07 Nov. 2013. Entrevista concedida a Michelle Rodrigues Machado. FREITAS, Eduardo de. O sistema de castas na Índia. Disponível em: HTTP://www.brasilescola.com. Acesso em 20 de Novembro de 2013. Índia: os caminhos entre a fé e a modernidade, editores: Edgar Melo, Karina Améri, São Paulo: Editora Escala, 2009. Índia: um olhar amoroso. Jean- Claude Carriére: tradução: Claudia Fares. 2 ed. São Paulo: Ediouro , 2013. Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. Jorge Duarte, Antonio Barros- organizadores, 2 ed, São Paulo: Atlas, 2010. NEVES, Eduardo. Caderno de Pesquisa em Administração, São Paulo, V.1. Nº 3, 2º SEM./ 1996. Pre-Fall: Chanel faz desfile grandioso inspirado na Índia. Disponível em: HTTP:// ffw.com.br. Acesso em 24 de Novembro de 2013.

130

131


Técnica de entrelaçamentos de fios

132

APÊNDICE

133


TĂŠcnica de dupla face de tecido com papel termo colante

134

Bordados em pedraria em diferentes superfĂ­cies

135


Bordados em pedraria em diferentes superfĂ­cies

136

Bordados em pedraria em diferentes superfĂ­cies

137


Família Religião

138

LOOKS EXECUTADOS

139


Família Religião

140

Família Religião

141


Família Religião

142

Família Temperos

143


FamĂ­lia Mandalas

144

FamĂ­lia Monumentos

145


146

147


148

CAMELLIA - Michelle Rodrigues Machado  
CAMELLIA - Michelle Rodrigues Machado  
Advertisement