Page 1

Informativo OFICIAL DA UNIÃO NACIONAL DE ANALISTAS TRANSACIONAIS - BRASIL

N° 82 junho DE 2015

UNAT-BRASIL 30 ANOS BODAS DE PÉROLA DA ANÁLISE TRANSACIONAL NO BRASIL

EDIÇÃO COMEMORATIVA ARTIGO ESPECIAL DE ANTÔNIO PEDREIRA SOBRE OS 30 ANOS DA UNAT-BRASIL

DEPOIMENTOS E ENTREVISTAS COM OS ASSOCIADOS QUE SÃO EXPOENTES DA AT NO BRASIL

O CONVITE DA COORDENAÇÃO E A PROGRAMAÇÃO DO CONBRAT 2015 EM CURITIBA


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 JUNHO 2015

EDITORIAL Desafio pode significar aprendizado e o propósio traz sentido para a trajetória. Essa pode ser a essência da trajetória da Análise Transacional no Brasil. Ao iniciar as comemorações de trinta anos da UNAT-BRASIL, reunimos nesta edição depoimentos e histórias que ilustram o quanto a vontade gerou o jeito, a decisão produziu soluções. O trabalho paciente e constante dos nossos pioneiros foi capaz de remover todos os obstáculos. Continuaremos a buscar as histórias que marcam nossa trajetória, essa edição é o passo inicial. Temos a intenção de reunir nossas memórias, organizando-as de modo que os Analistas Transacionais de hoje, aqueles que estão a caminho, estudantes e interessados, possam reverenciar aqueles que sonharam e trabalharam ontem para que pudéssemos nos orgulhar hoje da consistência e da coerência éticada nossa associação. E o desafio continua! Pois onde há desafio, há possibilidade de crescimento. Há crença e entusiasmo na possibilidade de, com base neste passado honroso, possamos nos abrir para o futuro e para a perenidade bem sucedida. Manter a essência e atualizar as formas de contato! Para manter a essência, podemos nos inspirar no Eric Berne, nosso

02

mestre, e, com muito respeito, parafraseá-lo: Temos na nossa associação a presunção e o desejo de ser OK/OK; Temos a força e o desejo de crescimento e autorrealização, o que nos leva a sonhar em ampliar nossas fronteiras e expandir o nosso alcance, real e virtualmente! Podemos utilizar nossa filosofia positiva de vida, para encarar o futuro como uma rica possibilidade de aprendizado e desenvolvimento. Podemos nos fortalecer mutuamente, conhecedores que somos de um código poderoso de relacionamento OK/OK. Podemos, enquanto coletividade, alcançar nossa autonomia, através do exercício natural do amor ampliado, compassivo e em rede. E vivenciar e apoiar relacionamentos de intimidade espontânea, da criar e consolidar possibilidades! Para isso, conversemos! Estamos à sua disposição, via site, email, Facebook, Linkedin e ao vivo e em cores nos nossos eventos. Em Curitiba, no CONBRAT, pode ser uma ocasião primorosa para um bate papo! Até lá! Comunicação UNAT-BRASIL

Maku Möllmann & Michelle Thomé


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 JUNHO 2015

ÍNDICE 02

Editorial

04

Fala do Presidente

08

30 anos de unat-brasil com a palavra de associados e entrevistas

05 17 33 35

ENTREVISTA Rosa Krauz artigo antônio pedreira

depoimentos

DIRETORIA DE COMUNICAÇÃO MAKU MÖLLMANN (PR) MDF comunicacao@unat.org.br SECRETÁRIA DANIELA PIAGGIO (PR) MCO unat@unat.org.br

PRESIDENTE KÁTIA RICARDI ABREU (SP) MDF presidente@unat.org.br VICE-PRESIDÊNCIA LAUCEMIR SILVEIRA (PR) MD vicepresidente@unat.org.br DIRETORIA DE DOCÊNCIA E CERTIFICAÇÃO REGINA SILVA (SP) MD docencia@unat.org.br DIRETORIA CIENTÍFICA ALBERTO JORGE CLOSE (AR) DE cientifica@unat.org.br

at pelo brasil

38

Conbrat 2015

TESOUREIRA IVANA A. ZANINIS (MG) MCO tesouraria@unat.org.br CONSELHEIROS TRIÊNIO 2013-2016 PRESIDENTE DO CONSELHO VITOR MERHY (RJ) MDFC Conselho@unat.org.br MEMBROS Vanessa Mara De Carlis (MG) MDFC Miriam Cibreiros de Souza (DF) MDFC Ercília Silva (PR) MDFO Maila Flesch (SP) MCC Andréa Lindner (PR) MDFO Andreia Cechin (PR) MCE Maria Inês Corso Silveira (PR) MCO Jeffersonn Moraes (PR) MCO

CONVITE do coordenador

livro 39 batutinha: da confusão À verdadeira emoção

at pelo mundo

DIRETORIA DE ÉTICA MARILIA S. PEREIRA (PR) MDF etica@unat.org.br

DIRETORIA TRIÊNIO 2014-2017

37

40

programação conbrat 2015

OPÇÕES Informativo da União Nacional dos Analistas Transacionais UNAT - BRASIL Av. Getúlio Vargas, 489 sala 204 PortoAlegre - RS CEP 90160-003 Fone/Fax: (51) 3233-6355 email: unat@unat.com.br www.unat.org.br CONSELHO EDITORIAL Maku Möllmann & Michelle Thomé EDIÇÃO E PRODUÇÃO Market! Comunicação Av. Carlos Gomes, 141/1202 Porto Alegre - RS - Brasil CEP 90480-003 55 XX 51 2102 0320 market@marketcomunicacao.com.br www.marketcomunicacao.com.br Os artigos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião da UNAT-BRASIL. Os artigos assinados são de responsabilidade dos autores.

COMO ASSOCIAR-SE NA UNAT-BRASIL Entre no site www.unat.org.br e clique em inscrição, preencha a ficha e faça o pagamento de forma online.


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

FALA Da PRESIDENTE Mais um evento oficial da nossa associação se aproxima – o 26º CONGRESSO BRASILEIRO DE ANÁLISE TRANSACIONAL, em Curitiba-PR, organizado pelo Analista Transacional Jefferson Moraes e equipe. Será mais uma oportunidade de encontro para reciclagem, divulgação, compartilhamento, não só de conhecimento, mas de tudo o que cada um de nós tem de bom para oferecer ao outro no relacionamento intenso que ocorrerá nestes dias de agosto. A Diretoria de Docência da UNAT-BRASIL está trabalhando para a realização das provas de Certificação, que antecedem o CONBRAT. Teremos a alegria de receber novos Membros Certificados para disseminar Análise Transacional no mundo e enriquecer nossa associação com sua contribuição participativa.

Kátia Ricardi Abreu

“Está dada a todo coração a escolha de acender ou apagar o sol. A cada um cabe iluminar ou escurecer os espaços onde a vida acontece. Essa é questão que precisamos responder todos os dias, se faremos frio ou se aqueceremos.” L. Lujan

04

A Secretaria e Tesouraria da UNAT-BRASIL estarão disponíveis para dar suporte ao evento e atualizar informações e processos junto aos associados e participantes. A Diretoria Científica está trabalhando juntamente com a Comissão do CONBRAT, assim como a Diretoria de Comunicação, para somarmos nossos talentos, habilidades e energia, abrindo canais para recebermos carinhosamente Analistas Transacionais e simpatizantes da Análise Transacional em mais um evento do calendário oficial da UNAT-BRASIL. Neste primeiro trimestre de 2015, a Diretoria da UNAT-BRASIL trabalhou para estruturar a associação com dados atualizados de seus associados, através do recadastramento realizado. Houve a inovação na Tesouraria com o pagamento da anuidade via MOIP, com opção de parcelamento pelo cartão de crédito. Com isso, eliminamos despesas operacionais do sistema antigo e oferecemos praticidade ao associado. A Secretaria realizou a contagem e reorganização das publicações em

estoque e em breve teremos promoções com vantagens para os associados. Dando continuidade às ações da diretoria anterior, está online o novo portal, facilitando a entrega de diversos e relevantes conteúdos para os associados e o novo site, com funcionalidades que facilitam a relação da tesouraria com o associado e contribui para a saúde financeira da entidade. Foi criado novo ambiente digital para os Congressos e Fóruns, com facilidade na realização de inscrições e pagamentos de forma online. A loja virtual está mais moderna e oferece as publicações de nossa entidade. E está sendo preparado - e brevemente disponibilizado – o sistema de Ensino à Distância no ambiente virtual com redução de despesas operacionais para a viabilização de cursos e treinamentos. Através da Diretoria de Comunicação, os associados estão divulgando seus cursos e trabalhos nas mídias sociais, nos canais oficiais da UNAT-BRASIL. A página da UNAT-BRASIL no Facebook está com uma abrangência de visualização de cinco mil usuários nas postagens realizadas e a Diretoria de Ética, em parceria, providenciou orientações que foram enviadas aos associados sobre a veiculação de material publicitário nestes canais. Nossas reuniões quinzenais têm sido cheias de entusiasmo e disposição. Estamos empenhados em impulsionar nossa associação para o mundo atual com o objetivo de ampliar a visibilidade da nossa associação e estamos abertos para sugestões, ideias, contribuições de todos vocês. Abraço carinhoso, Kátia Ricardi de Abreu Psicóloga CRP 06/15951-5 Analista Transacional MDF Clínico Presidente UNAT-BRASIL 2014-17


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

30 anos unat-brasil ENTREVISTA

da USP pareceu-me demasiado simplista e superficial já que aparentemente não atendia aos tradicionais requisitos acadêmicos vigentes na época.

Com Rosa Krausz Primeira Presidente da UNAT-BRASIL

Pouco tempo depois, uma amiga que morou alguns anos na Argentina, falou-me sobre a vinda ao Brasil de um psiquiatra argentino, Roberto Kertèsz, para dar um curso introdutório de Análise Transacional no IDORT, em São Paulo. Ele havia completado sua formação pela ITAA – International Transactional Analysis Association- na área Clínica e, segundo minha amiga, a tal Análise Transacional estava tendo visível aceitação na Argentina. Resolvi fazer o curso de cinco dias de duração pois, apesar das minhas restrições ao livro, a curiosidade e o interesse prevaleceram. Ao termino desta experiência, percebi o potencial de aplicação da AT na educação em saúde, área na qual atuava na USP.

Da curiosidade ao estudo aprofundado – a trajetória da primeira presidente da UNAT-BRASIL

Rosa R. Krausz

Na edição comemorativa aos 30 anos da instituição, Rosa R. Krausz conta sobre sua relação com a Análise Transacional e as contribuições desta teoria para as novas gerações. .

Quando e onde você ouviu falar, pela primeira vez, em Análise Transacional? Meu primeiro contato com a Análise Transacional deu-se através da leitura de Games People Play no início da década de setenta, quando esta obra era um best seller nos Estados Unidos e em vários países da Europa. Minha sogra, ao voltar de uma viagem, trouxe um exemplar e resolvi lê-lo por mera curiosidade. Confesso que não cheguei ao fim, pois na qualidade de professora universitária

Como primeira presidente da UNAT-BRASIL, como você projetava o futuro desta entidade? Embora eu tenha sido eleita em 1985, ano em que foi aprovada a criação da UNAT- BRASIL e aprovados seus estatutos numa assembléia de membros da UNAAT (União Nacional de Associações de AT), só tomei posse no ano seguinte, em 1986. O desafio era criar uma entidade brasileira, autônoma, que representasse os analistas transacionais brasileiros, contasse com um processo de formação próprio, com Estatutos, Procedimentos e Código de Ética inspirados nos princípios da oqueidade. Nossa missão era formar, certificar e manter uma comunidade coesa de Analistas Transacionais competentes através de um processo claro, compatível com os princípios da Análi-

05


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

se Transacional, ou seja, contratual, igualitário, ético, confiável e internacionalmente reconhecido. Foi esta primeira Diretoria que realizou em Agosto de 1988, pela primeira vez na América Latina, um Congresso Internacional com a participação conjunta da ITAA, ALAT e UNAT-BRASIL, organizado por esta última, que projetou o Brasil na comunidade transacional mundial.

* João Lang - para Membro Certificado nas áreas Organizacional e educacional (denominada na época de Special Fields) • Jerome White (1º Sponsor) • Laurie Weiss (2º Sponsor) • William Holloway (3º Sponsor) Os três para Membro Didata Organizacional e Educacional

Quais foram os Membros da primeira diretoria da UNAT-BRASIL?

“Algumas pessoas foram modelos importantes para mim ao demostrarem uma coerência notável entre discurso e ação.”

1986-1988 Presidente: Rosa R. Krausz Vice-Presidente: Marcelo Lopes Tesoureira: Vilma Novo Cortez Secretária: Mirthes Oliveira Diretor de Docência: Henrique Austregésilo Diretor Científico: Jessé Accioly Diretora de Ética: Martha Veecchio

Quais foram os seus mentores?

Tomo a liberdade de transcrever a

Quais as principais realizações de sua gestão?

Algumas pessoas foram modelos importantes para mim ao demostrarem uma coerência notável entre discurso e ação. Outras, entretanto, e neste sentido poderiam ser considerados como “mentores reversos”, ilustraram ao vivo e a cores os efeitos deletérios que a prática dos jogos psicológicos causa nas relações interpessoais. Correndo o risco de incorrer num paradoxo, entendo que ambos os modelos foram uma oportunidade ímpar de aprendizagem e desenvolvimento. Meus sponsors na formação pela ITAA:

06

Rosa R. Krausz na biblioteca

Fala da Presidência, publicada em OPÇÕES, Ano I , nº 8, 1987. “O ano de 1987 foi importante na história da UNAT-BRASIL. Várias metas foram atingidas. A aplicação de nossos Estatutos foi consolidada, foi realizado o primeiro Seminário de Endosso para candidatos a Membros Didatas em Formação, realizou-se o X CONBRAT em Itapema, SC, publicamos o Manual de Treinamento, foi lançado o primeiro número da Revista Brasileira de Análise Transacional (no prelo), teremos a primeira reunião de Membros Didatas e Membros Didatas Provisórios da UNAT-BRASIL e estamos preparando o Congresso Internacional Conjunto ITAA/ALAT/UNAT-BRASIL. Será reeditado o volume Prêmios Eric Berne com tradução revisada que incluirá os trabalhos premiados a partir de 1983 e, em breve você receberá o catálogo de membros da UNAT-BRASIL. Uma das metas desta diretoria era atingir a marca dos 1.000 membros. É com muita alegria que comunicamos que a UNAT-BRASIL já ultrapassou esta meta. Nossa associação conta hoje com 1040 membros e somos uma \


das maiores associações nacionais no mundo.É um mérito que cabe a cada e a demonstração comunidade amadurecida, cônscia de suas responsabilidades e empenhada em crescer, desenvolver-se e atingir um alto grau de excelência profissional e ética.” t

Rosa trocando conhecimentos

“Na minha percepção, a Análise Transacional tem se expandido fora das grandes capitais brasileiras, o que tem inúmeros aspectos favoráveis e alguns desfavoráveis.”

Como, nos dias de hoje, você vê a Análise Transacional no Brasil? Na minha percepção, a Análise Transacional tem se expandido fora das grandes capitais brasileiras, o que tem inúmeros aspectos favoráveis e alguns desfavoráveis. Os favoráveis referem-se a maior distribuição geográfica, levando a AT a regiões nas quais era pouco conhecida. Esta divulgação é benéfica para todos, pois torna a AT acessível a mais pessoas e a mais profissionais, um dos objetivos de Berne, seu criador. Lembro, porém, que não basta divulga-la. É preciso acompanhar seu desenvolvimento, os novos aportes teóricos, aplicar a teoria dentro de um rigor de caráter científico e ético orientado para a busca da autonomia. Preocupa-me, entretanto, o perigo do isolamento da comunidade transacional brasileira , que dificulta o contato com as novas contribuições, acréscimos e inovações que emergem nos diferentes países, que nem sempre chegam a nós atempadamente dificultando sua divulgação, absorção e aplicação, apesar da crescente virtualidade das comunicações. Ciência, conhecimento, sabedoria não possuem nacionalidade, são um patrimônio universal a ser apreciado e utilizado a favor dos seres humanos e isto só será possível através da intensa interação entre Analistas Transacionais do mundo inteiro.

filosóficos da Análise Transacional, demonstrando através de seu comportamento o real significado da Oqueidade, muito falada, mas nem sempre praticada. Em suma, alguém que integrou a Análise Transacional em sua vida o que lhe permite ser um triunfador, alguém capacitado a atingir suas metas eticamente sem impedir que outros façam o mesmo.

Como a UNAT-BRASIL pode contribuir para o desenvolvimento das pessoas e das novas gerações? 1. Dando especial atenção a excelência da formação dos Analistas Transacionais que certifica, não apenas em termos de conhecimento, mas principalmente na adequação de seu comportamento como pessoa e profissional. 2. Incentivando os que se formaram pela UNAT-BRASIL, sejam Certificados ou Didatas, a se atualizarem e desenvolverem estimulando a contínua ampliação de suas competências. 3. Acompanhando com atenção as queixas éticas que surgem para evitar que eventuais não conformidades com o Código de Ética e Normas e Procedimentos sejam toleradas.

Do seu ponto de vista, qual é o papel do Analista Transacional hoje?

4. Acompanhando a oferta dos cursos 101 e 202 para garantir que sua divulgação, conteúdo programático, duração, metodologia e apresentadores sejam compatíveis com o que estabelece o Manual de Normas e Procedimentos da UNAT-BRASIL.

Modelo de coerência entre discurso e ação. Fidelidade aos princípios

5. Manter-se fiel e cultivar os princípios que nortearam sua criação e sua trajetória nos próximos 30 anos.

07


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

30 anos unat-brasil palavra do associado Uma estrada do conhecimento trilhada com dedicação e amizade Por Jane Maria Pancinha Costa Aliou-se à AT há 38 anos e foi presidente da UNAT-BRASIL de 1992 a 1994.

Jane Costa

“Meu primeiro encontro com Eric Berne e com Análise Transacional veio em uma quarta-feira de cinzas, através de nossa saudosa Martha Vecchio e de Egídio Vecchio, em Porto Alegre, no ano de 1977. Eu estava no quarto ano da faculdade de Medicina, curiosa sobre muitos assuntos e, na faculdade, em especial, sobre Saúde Pública, Psiquiatria e Neurologia. Apesar do cansaço pós-carnaval, fui acordando cada dimensão interna e externa com a informação compartilhada naquele 101 – Curso Introdutório. A decisão de seguir aprofundando este conhecimento foi imediata. Abri Contrato para Certificação Clínica pela ITAA/ ALAT, tendo Martha como Sponsor. Naquele tempo não havia UNAT e muito

08

menos certificação brasileira. Preenchíamos um grande Caderno de Formação em inglês e outro em espanhol. Nem Internet e nem material didático. Estudávamos por apostilas, resumos, traduções caseiras dos artigos do TAJ e muito material da Escola Argentina, que nos era mais acessível, através de Francisco Franco Del Casale, que juntamente com os Vecchio, ministrou nosso 202, o primeiro em Porto Alegre. Enfim, depois de participar do III Conbrat, em maio de 1980, coordenado por Roberto Crema, em Brasília, e cujo tema era “Encontro de pessoa para pessoa”, fiz meu Exame para Certificação Clínica, em julho, no Rio de Janeiro, pela ITAA/ALAT. Minha banca foi composta por William


Holloway, Gudrum Menna Barreto e Dina Frutuoso. Era o tempo da fita cassete gravada para mostrar um segmento de facilitação. Em 1983 organizamos, em CanelaRS, o VI Conbrat, com o tema “Depois de dizer olá, juntos criamos abertura, integração, participação e ciência”, presidido por Martha. Este foi o primeiro momento não qual me envolvi diretamente com a Associação, UNA-AT, precursora de nossa UNAT-BRASIL. Fui diretora científica do Conbrat e esta foi também a primeira vez que Claude Steiner participou de um Congresso no Brasil, falando, então, de Psiquiatria Radical, Cooperação, Jogos de Poder e Fontes de Poder. Sob a supervisão de Martha coordenei meu primeiro 202 - do qual fizeram parte Márcia Bertuol e Marta Cemin, aprovadas em banca de Certificação no ano de 1986. Pude, então, fazer exame para Didata, em Poços de Caldas, no IX Conbrat, agora da UNAT-BRASIL/ ALAT, presidido por Carlos Aloisio Pinto Coelho. Carlos também estava em minha banca para

Didata, juntamente com Henrique Austregésilo, Jessé Accioly, Alberto Luiz da Rocha Tavares e Octávio Rivas Solis. Octávio validava o Exame pela ALAT. Deste Congresso, lembro das bancas para Certificação pela manhã, da minha à tarde e do quanto cantamos, muito e com muitos, na praça em frente ao hotel, “mande notícias do mundo de lá, diz quem fica...” Fui vice-presidente da UNAT na gestão 90/92, tendo como presidente meu querido parceiro Ralph Berg. Naquele momento, com todo o apoio de Ralph, fui coordenadora do Conbrat em Canela-RS, em 1991, cujo tema foi Consciente Inconsciente na AT. Trouxemos, pela primeira vez, Michelle Novellino ao Brasil. Fomos uma bela equipe de um trabalho de muitos aprendizados e gratificações. Fui presidente da UNAT na gestão 92/94 e, mais uma vez, muitas reuniões, encontros e poucos desencontros. Estive na direção da Docência com Meg (98/2000), Márcia (2004/2006) e

Ede (2008/2011). Foram vários Seminários para Endosso de Didatas, comissões, Conselho Deliberativo e Lato Sensu. Enquanto escrevo, buscando recordar as estradas trilhadas junto à UNAT, sinto uma profunda conexão com tantos amigos com os quais, por períodos, partilhei intimamente nossa trajetória. Com muitos, continuo partilhando. Outros tantos mudaram seu planos ou mudaram de Plano. Alguns planos meus também foram substituídos por outros ou abriram caminho para outros. Hoje continuo envolvida com formação, supervisão e produção científica. E, com tantas ampliações da Análise Transacional, da UNATBRASIL, o que tem permanecido é a curiosidade, a vontade de saber mais, do encontro, de criar e cocriar, juntamente com a certeza de que, a cada vez que leio Berne, descubro algo novo para refletir e compartilhar. E a alegria por me sentir co-construindo”.

09


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

30 anos unat-brasil ENTREVISTA Amorosidade, inovação e dedicação como um caminho na Análise Transacional Margarete De Boni foi presidente da UNAT-BRASIL na gestão 1998 – 2000 e deixou como legado a ampliação da entidade nos meios virtuais, a mudança de forma de votação dos associados e a expansão do foco Organizacional no Brasil. Como era o cenário na AT no Brasil durante sua gestão frente à UNAT-BRASIL?

Margarete De Boni

10

Em 1998 a AT era mais uma teoria das tantas disponíveis e com pouca percepção na sociedade. Estávamos construindo uma consistência na UNAT e nos grupos enquanto profissionais e formadores de Analistas Transacionais. Éramos muitos da área Clínica, com raros profissionais exclusivamente focados no Organizacional. Era um cenário bem diferente do que temos hoje. Durante nossa gestão, os colegas da Diretoria e eu implementamos ações de

visibilidade virtual, em relação ao site e à forma de votação entre os associados, dando a possibilidade de maior participação das pessoas. Iniciamos a informatização da UNAT com a compra do primeiro computador para nossa secretária, o que facilitou muito a nossa administração e a organização. Também foi nesta época que pensamos em um curso avançado com múltiplos profissionais - que evoluiu para o que hoje chamamos de Seminários de 303. O primeiro foi durante o III Fórum de Análise Transacional que aconteceu em Curitiba. A coordenação foi


XIX Conbrat São Paulo em 2003

minha e da Regina Silva. Eram encontros em que uma dupla de Didatas levava algo sobre seu trabalho e conhecimento para os outros colegas, era uma reunião de desenvolvimento. Fico feliz em ver hoje a riqueza do avanço do 303, tanto no aspecto de desenvolvimento pessoal quanto profissional. Muito importante pois são os Membros Didatas em Formação que farão o futuro da Formação e continuidade da Análise Transacional. Como foi o CONBRAT da sua gestão, em 1999, em Porto Alegre? As duas grande palestras (Sari Van Poelje e Alan Jacobs) foram principalmente de temas das organizações. Alan falou sobre jogos de poder em diversos ambientes. Hoje pensando a respeito vejo que este Conbrat foi um estímulo e um marco para o desenvolvimento

da área Organizacional dentro da Análise Transacional no Brasil. Também foi marcante termos tido lucro com as inscrições, mesmo trazendo dois convidados internacionais. E foi importante escolher Porto Alegre, uma capital, para o encontro. Foi uma forma de trazer a AT para o centro, com mais visibilidade para os profissionais da área. Antes disso, falando de Rio Grande do Sul, tivemos dois congressos em Canela, e um em Bento Gonçalves, depois da nossa gestão. Como era o cenário da Análise Transacional no Brasil há 30 anos na sua opinião? E como está agora? Olhando para o passado, relembro a época de UNA-AT, quando

tínhamos muitos colegas da área Clínica e da área Organizacional atuantes, o que permaneceu nos primeiros anos da UNATBRASIL. Depois, com o passar dos anos, muitos colegas da área Organizacional seguiram outras atividades e saíram da UNAT. Vejo que, como Analista Transacional Clínica, eu tinha uma percepção e realidade focadas na saúde emocional do individuo e grupos mas no aspecto relacional privado. E eu quis ampliar isso, pois eu trabalhava dentro de organizações como consultora. Então, passei a focar no meu desenvolvimento enquanto analista transacional Organizacional. Em 1986 montei em Curitiba o primeiro grupo de formação 202 Organizacional (com 21 pessoas) e convidei a Rosa para ser nossa Didata Organizacional. Depois disso, montamos mais dois grupos somente Organizacional em Curitiba e dois em Porto Alegre. Eu sempre tive convicção que havia público com este enfoque. Aconteceram ainda dois grupos em Londrina, um em Porto Alegre e outro em Curitiba. E como percebe a aceitação da AT dentro das empresas? As organizações, na minha experiência, raramente perguntam ou contratam porque o profissional é de AT ou de PNL. A organização contrata porque o profissional é competente. Vejo a filosofia da AT em muitos

11


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

XIX Conbrat São Paulo em 2003

grupos empresariais em que atuo, mas sem que seja necessário explicar o corpo teórico de AT e sim aplicar e experimentar a teoria que passa a ser viva. Comprovo que a AT tem corpo, consistência e que continua a ser para mim a melhor abordagem, tanto é que me tornei Membro Didata Organizacional. Nos últimos oito anos houve uma renovação na AT com o Bernd Schmid, Suzana Temple, Rosemary Napper, Jane Clark e alguns outros, como estes autores trazem um visão nova de aplicação de AT nas empresas e na área educacional. Aumentei minha capacitação nesta área quando fiz cursos, supervisão com estes profissionais. Rosemary e Bernd estiveram no Brasil dando seminários e formação para outros analistas transacionais e assim puderam compartilhar uma perspectiva relacional de aplicação de AT no meio organizacional e educacional. Chamamos de perspectiva sistêmica

12

-contemporânea de AT. Hoje vejo que aquelas teorias e técnicas que Eric Berne tão brilhantemente facilitou para a prática clínica têm maior aplicação nas empresas, onde muita gente passa a maior parte do seu tempo de vida. Quem foram seus inspiradores na trajetória com AT? Quando em São Paulo, no processo de formação na área Clínica, Sophia Caracushansky, uma das minhas Didatas, e Vilma Cortez, também Didata Clínica, me deram um modelo de formação maravilhoso, pela dedicação e estudo e isso reflete ainda hoje meu jeito de relação com os treinando de 202. Na etapa Organizacional, Jorge Close foi meu modelo competente e amoroso de supervisão, o que me possibilitou fazer contato com como o aprendizado pode ser estimulante,

uma descoberta através da Criança, a permissão do Pai e a consistência do Adulto. A Rosemary Napper foi uma grata surpresa mais recente, extremamente criativa, ao mesmo tempo potente e assertiva. A inteligência e criatividade do Bernd Schmid, na releitura da AT nos papéis sociais, podendo ser aplicada com coerência e eficiência no meio Organizacional. Com Rosemary e Bernd pude ter acesso à Análise Transacional mundial contemporânea e, seguindo a filosofia e os conceitos de Eric Berne, recuperando o seu aspecto relacional dentro dos grupos de formação com conteúdo aprovado pela UNAT. A convivência com eles influenciou o tema que escolhi para monografia da Pós-graduação da Fatep, em Brasília: “Coaching e necessidades relacionais desenvolvendo a liderança”. Aliás, este programa devemos graças à organização da Jane, da Ede, da Regina e do Luiz, e de outros colegas. Eles conseguiram manter a identidade da UNAT em todos os 202 pelo País e na Pós-Graduação, um baita mérito! E qual sua visão de futuro para a AT no Brasil? Nestes mais de 30 anos de relacionamento com a Análise Transacional, vejo que a AT é cada vez mais uma abordagem completa, fantástica, tanto para área Clínica, Educacional e Organizacional no nosso País. Estamos muito bem servidos de ferramentas para propulsionar o desenvolvimento individual e coletivo!


30 anos unat-brasil ENTREVISTA O forte e duplo abraço a uma causa Regina Silva é a única ex-presidente da UNAT-BRASIL por duas vezes, de 2002 a 2004 e de 2006 a 2008. O que a levou a assumir a presidência da UNAT-BRASIL por duas gestões? Fiz isso porque acredito profundamente na Análise Transacional, no grupo de analistas transacionais que fazem parte da UNAT e no papel importante que a UNAT tem. Na primeira gestão, quando assumi a presidência algumas pessoas me disseram que era loucura eu ser presidente quando a UNAT iria acabar. Justamente por isso é que eu assumi a presidência, para lutar para que a UNAT se fortalecesse, pois eu confiava em seu potencial. Regina Silva

Contratamos um consultor para fazer o planejamento estratégico que foi amplamente discutido com toda a comunidade de analistas transacionais durante o Conbrat. Nossos textos de Missão, Visão e Valores foram criados nessa época. Uma das falas que mais impactaram durante o planejamento estratégico foi uma pergunta: a UNAT quer ser um funil (onde poucos escolhidos passam) ou quer ser um grande guarda-chuva (que pode abrigar

todos aqueles que acreditam na Análise Transacional)? A partir daí, o dar voz e incentivar a participação de todos foi uma tônica. A integração das pessoas foi muito incentivada nos Congressos e Fóruns: havia reunião de Membros Didatas e Didatas em Formação, reunião de Membros Certificados e de Membros Regulares, além das Assembleias. Qual foi um desafio marcante desta primeira gestão? A regularização dos documentos da UNAT foi uma luta. Faltavam atas, o cartório se recusava a registrar atas de muitos anos atrás. Eu andava o tempo todo com o livro de atas para cima e para baixo. A sede da UNAT-BRASIL em São Paulo passou a ser no meu consultório, na Rua Cubatão, 929. E para facilitar o deslocamento e agilidade das informações, compramos um laptop para a Secretaria e Tesouraria usarem. Como o reconhecimento da UNATBRASIL pela ITAA era um anseio

13


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

Lá tive a oportunidade de conhecer a Rosemary Napper e convidá-la a vir ao Brasil. E até hoje ela vem uma vez por ano aqui e se tornou membro da UNAT.

Sentimos a necessidade de fortalecer o grupo de didatas e dos didatas em formação e o 303 foi reformulado passando a ser ministrado por todos os didatas para todos os didatas em formação. Um dos desafios foi conseguir didatas na área Organizacional para realizar as provas de certificação. Então chamamos o Jorge Close, o Marco Antonio Oliveira e a Rosemary Napper para apoiar o processo.

A gestão foi passada para a Marcia Bertuol com o número de sócios duplicado e dinheiro em caixa.

O que significa para você ter de viver os conceitos da Análise Transacional?

E a segunda gestão, como foi?

Consciência que possibilita Autonomia e Intimidade. O grande desafio para qualquer grupo é o quanto se está disposto a abrir mão do seu espaço para desfrutar da intimidade com o outro. Se exercitamos a consciência e aprendemos a evitar e confrontar jogos psicológicos gradualmente abrimos o coração, como Steiner nos diz, para a intimidade.

há muito cultivado, depois de várias conversas com o presidente da ITAA, fui à Conferência Internacional da ITAA, em São Francisco, com dinheiro do meu bolso, para que a UNAT estivesse representada no evento.

Era 2006. Nesse momento era importante a consolidação dos novos rumos da UNAT, a modernização do processo de formação, o site, a agilidade dos processos e da comunicação tanto interna quanto externamente. Os Estatutos e o Manual de Normas e Procedimentos foram atualizados. Chegou-se à conclusão que a UNATBRASIL era suficientemente forte e que ITAA, ALAT e EATA seriam parceiros interessantes - e que não precisaríamos do reconhecimento deles. Quais foram as principais ações na área acadêmica? Se falava da necessidade do diálogo com a universidade, começamos a procurar formas de reconhecimento da revista REBAT, o germe da pós-graduação estava surgindo...

14

Como a AT entrou na sua vida? Como cliente, fiz psicoterapia em AT com Antonio Carlos Giampietro enquanto fazia faculdade de Psicologia na PUC de Campinas. Depois que me formei fui bater na porta dele e trabalhamos juntos por oito anos. Neste meio tempo fiz o 202 com a Sophia Caracushansky em São Paulo. Alguns anos depois fui treinanda da Vilma Cortes na área Clínica. Entrei na UNAT e assumi vários cargos: Secretária, Diretora de Docência duas vezes, Vice-

Presidente e Presidente duas vezes. Conduzo cursos 101 e 202 tanto na área Clínica como Organizacional e também dou aulas no 303. A AT é a espinha dorsal de todo o meu trabalho na área clínica. Há dez anos fiz uma transição de carreira e passei a trabalhar em organizações, onde mesclo AT e Antroposofia. Tenho minha empresa AT Praxis e sou membro do EcoSocial, uma cooperativa de consultores. Trabalhei como coach em uma empresa de Executive Search. Foi quando o EcoSocial me convidou para trabalhar com eles pela minha formação em Biografia Humana. Também estou envolvida com o programa Germinar, de formação de lideranças no terceiro setor, onde tenho trabalhado na Bahia, Amazônia e Mato Grosso. O que vislumbra para a AT no Brasil nos próximos anos? Anseio por uma UNAT-BRASIL fortalecida e conhecida amplamente por todos que investem no capital humano. Para se fortalecer a UNAT-BRASIL precisa encarar com coragem o futuro, confrontar os jogos psicológicos e de poder e escolher com autonomia relacionamentos OK/OK/OK. A atual diretoria está investindo muito na modernização dos processos e da comunicação. Esse é um bom caminho. O resto depende de cada analista transacional. Se cada um cuidar de sua própria oqueidade, todos juntos com a UNAT-BRASIL poderão brilhar.


30 anos unat-brasil palavra do associado A paixão pelos livros e pelo estudo disponibilizado à expansão da AT no Brasil Por Ede Lanir Assumiu a presidência da UNAT-BRASIL de 2008 a 2010 e valorizou as formações profissionais e a publicação de livros. em Análise Transacional e em Gerontologia Social ao mesmo tempo. Tinha como objetivo oferecer cursos em minha cidade, divulgando o que eu havia aprendido e me apaixonado. Comecei em 2004 a realização de cursos AT-202.

Ede Lanir

“Amigos, me foi solicitado escrever um depoimento sobre minha história na UNAT-BRASIL, então seguem minhas memórias, significativas. Comecei inicialmente na AT com a leitura do livro do Steiner - Os Papéis que vivemos na vida. Isso mudou ou me colocou na trajetória de vida: era bancária prestes a me aposentar e decidi cursar Psicologia para fazer o que o Steiner dizia. Durante o curso fui a um Congresso em Belo Horizonte e tive contato com a Maria Regina para fazer a formação. Fui estudando e me formando em Psicologia,

Fui convidada pela Meg, na época presidente do Conselho Deliberativo, e Maria Regina, então presidente da UNAT, para ser presidente. Confesso que fiquei assustada com a responsabilidade de dirigir a associação a que pertenço. Mas, “arregacei as mangas” e comecei a formar a Diretoria que… surpresa! Eu não estava sozinha! Várias pessoas se dispuseram a trabalhar comigo e a compartilhar sonhos. Quero cita-los, pois minha gestão não foi realizada só, mas no conjunto de pessoas e ideias que, com paixão e muita disposição, compartilhamos sonhos nossos e dos nossos colegas. São eles: Maria Regina Silva, Jane Maria P. Costa, José Silveira, Vanda, Tania

E. Alves, Maria Clara Ramos Grochot, Regina Berard, e Luiz Ferrari (presidente do Conselho Deliberativo), e minha amiga Marcia Bertuol que, por vezes, me ajudou a rever situações difíceis. Descobri que gosto de livros e acho que publicamos muitos, republicamos o “Prêmios 1” e conseguimos com a ajuda preciosa da Miriam Cibreiros realizar Cursos de Pós-Graduação. Aumentamos significativamente os membros associados e certificados. Conseguimos, apesar de tantas publicações, ter uma quantia bastante razoável no caixa da associação. Enfrentamos momentos difíceis, mas juntos os superamos. Hoje olhando para trás - tenho saudade daquela energia boa que se espalhou entre nós, fazendo com que colegas da associação se tornassem amigos queridos e íntimos, numa relação de confiança e cooperação. Fiquei pensando que palavra poderia definir minha gestão e a encontrei: gratidão”.

15


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

30 anos unat-brasil palavra do associado Um olhar às felizes mudanças que a AT promove Por Luiz Ferrari Didata Clínico que esteve presente na Assembleia de fundação da UNAT-BRASIL.

O livro, escrito por Alberto Luis da Rocha Tavares e Dina Lourdes Fernandez Frutuoso, intitulava-se Noções Básicas de Análise Transacional e estava em sua segunda edição. A teoria, que eu ainda não conhecia, pareceu-me naquele momento bastante interessante para agregar ao material que vinha estudando para a elaboração da monografia do Mestrado. Ou seja, meu primeiro vínculo com a Análise Transacional foi relacioná-la com a Educação. Passei a procurar mais informações e pessoas que conhecessem esta teoria, até chegar em Marlise Mota, uma psicóloga da Universidade Federal Fluminense, vinculada à Sociedade de Análise Transacional do Rio de Janeiro (SANTRARJ).

Luis Ferrari

Fiquei bastante surpreso quando soube que a SANTRARJ havia sido fundada em dezembro de 1973, que havia um significativo grupo de pessoas estudando Análise Transacional, e eu não havia até então ouvido falar desta teoria.

“A constatação de que a UNATBRASIL está comemorando 30 anos de sua fundação, convidou-me para um mergulho no tempo. Lembrei de mim como um jovem médico, recémformado, cursando o Mestrado em Educação, e bastante envolvido na elaboração da monografia para o final do Curso. Estava chegando ao final o ano de 1979.

A convite de Marlise Mota, inscrevi-me no III Congresso Brasileiro de Análise Transacional, em Brasília, no mês de maio de 1980. Participei de um Curso 101 e de tudo mais em informação que o encontro poderia oferecer e percebi que estava enganado com minha primeira impressão: A Análise Transacional era muito mais do que a princípio imaginei como um modelo educacional.

Um amigo, colega de trabalho na Universidade Católica de Petrópolis, presenteou-me com um livro, descrevendo uma nova teoria de Psicologia que ele havia conhecido através de um curso chamado 101.

Na volta do Congresso estava inscrito no Curso 202, com Alberto Tavares, e toda minha vida profissional mudou. Mudou a forma de ser Médico, de ser Psiquiatra, de ser Psicoterapeuta e de ser Professor.

16

A monografia do Mestrado, onde tudo começou, mudou de tema e de rumo, e ficou em espera algum tempo até que eu conhecesse melhor a teoria que me encantava. No final, apresentou-se como um trabalho de pesquisa, objetivando verificar os resultados de um Curso 101 de Análise Transacional sobre a autonomia e a criatividade de seus participantes, sendo intitulada ‘A Análise Transacional Como Instrumento Facilitador Da Relação Ensino-Aprendizagem’. Neste mergulho no tempo, foi muito bom relembrar os antecedentes da UNAT-Brasil. Antes de 1985, os Analistas Transacionais do Brasil reuniam-se em associações regionais (como a SANTRARJ), e para congregar estas associações foi fundada em abril de 1977 a União Nacional das Associações de Análise Transacional (UNA-AT), que promovia os Congressos e as Bancas de Exames em conjunto com a ALAT (Asociación Latinoamericana de Análisis Transaccional) até ser sucedida, neste ano de 1985, pela UNAT-BRASIL. Quanta história, quanto aprendizado e quantos amigos (as)... Me orgulho de estar vinculado à UNAT-BRASIL desde a primeira Assembleia de sua fundação, e de haver participado da comissão que escreveu nosso primeiro Estatuto. Assim, eu acompanhei o nascimento da UNATBRASIL e continuo presente em seu crescimento, agora já na maturidade como Associação que nos representa a todos Analistas Transacionais brasileiros”.


ARTIGO 30 ANOS DE unat-brasil

UM OLHAR CRONOLÓGICO Por Antônio Pedreira Membro Didata Clínico - UNAT-BRASIL

No princípio era o caos!

Antônio Pedreira

A vida é movida por histórias. Os 30 anos da UNAT-BRASIL têm uma bela história multifacetada! Dependendo da óptica de quem acompanhou de perto esta trajetória a ser contada da AT no Brasil, em sua relação com a entidade mater, é uma história variegada e caleidoscópica. Solicitado a contá-la, e grato pela honrosa tarefa a mim confiada, ofereço aqui a minha visão, até porque participei de todos os Conbrats.

Começo da pré-história da Associação. Ao ingressar em 1981 na UNA-AT (União Nacional de Associações de Análise Transacional) – entidade fundada em 1977, tendo como seu 1º presidente o renomado médico Alberto da Rocha Tavares – era então presidida por Roberto Crema – Didata Clínico e Especial pela ALAT e ITAA. Crema que veio a Salvador ministrar um curso 202, em quatro módulos na CESAT (Centro de Estudos de Análise Transacional) da Bahia, cuja presidente era a dinâmica e empreendedora Eliana Dumêt. Eu era filiado a outra entidade da Bahia, Associação Baiana de Análise Transacional (ASBAT), presidida pelo saudoso Didata e co-fundador da UNA – AT, Jessé Accioly, com o qual fiz o meu primeiro 101. Repeti este curso com o mestre Jessé mais de 18 vezes, tal a minha empolgação pela AT. Também com Jessé fiz meu segundo 202. Enquanto isto, eu era Diretor Científico de ambas as associações baianas, CESAT e ASBAT. Mais adiante me tornei presidente da UBAT (União Baiana de Analistas Transacionais). O mesmo panorama que sucedia na Bahia, tenho notícia que acontecia nos demais Estados, com duas ou mais Associações de AT, não raro com algum aspecto de rivalidade.

17


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

UNAT-BRASIL | UM OLHAR CRONOLÓGICO DE ANTÔNIO PEDREIRA

Lembranças de um Catálogo da UNA-AT Na gestão de Roberto Crema, tendo o sempre lembrado Carlos Aloísio Coelho como seu Vice-Presidente, aconteceu o III CONBRAT – 23 a 27 de maio de 1980 – Brasília – com o tema: “Encontro de Pessoa para Pessoa”. A entidade chegou a congregar 500 membros, e nela foi lançada a primeira edição histórica do Catálogo de Membros Avançados e Regulares da UNA-AT, em 1982. Folheando uma vez mais, esta relíquia, me deparo com fotos de monstros sagrados da AT nacional, pessoas ainda com feições bem jovem. Muitos deles mais adiante se tornaram bem próximos a mim, tais como: a simpática e operosa Didata Dina Frutuoso – minha primeira madrinha na AT; também a consagrada Didata Martha Vecchio que presidiu a minha banca para Membro certificado com uma oqueidade impressionante; o versátil Didata Roberto Shinyashiki que deu o segundo módulo do meu 202 com uma didática notável, e que muito me incentivou a publicar meus primeiros trabalhos em AT: a “Recriançalização”, e a “A Relação Opressor-Oprimido à luz da AT”; o aclamado Didata Alberto Jorge Close, dono de um saber amplo, sem jactância e com enorme oqueidade – pude contatá-lo mais de perto nos últimos 10 anos, nos Conbrats, Conglats e eventos da ITAA, bem como na condição de um exigente e justo examinador da minha banca para Didata. Vejo ainda a foto do galã Marco Antonio Oliveira, de inúmeros serviços prestados a AT nacional, autor de artigos e livros interessantes, e com o qual convivi de perto em Salvador, inclusive participando de uma das minhas “Maratonas de Recriançalização”. Também vejo a Didata Rosa Krausz, com as mesmas feições de quando a conheci ao participar de um de seus seminários em Salvador, e que depois de prestar relevantes serviços à entidade mater nacional – como Presidente (1986-88) e membro atuante em todos

18

os mais relevantes cargos da UNATBrasil, se tornou dedicada integrante da ITAA para a área organizacional e educacional. Recentemente, para orgulho e gáudio de todos nós, Rosa foi agraciada com o prêmio Eric Berne em 2013. Continuando a perpassar o memorável Catálogo, encontro as fotos joviais de pessoas com as quais convivi em eventos regionais, nacionais – inclusive cursos 202, 303, congressos, pré-congressos, fóruns, jornadas (Carioca, Paulista, Nordestina, Baiana, de Guaratinguetá, etc.): Ana Maria Lyra, Cesar Romero, Derly Gomes de Oliveira e Manoel de Maria Teixeira (Presidente 1994-96) em cuja gestão foi publicado um novo catálogo de membros da UNAT-BRASIL; também o Didata Marcelo Lopes, além do atuante Ralph Berg (Presidente 1990-92),Wimer Botura, e a promissora e hoje consagrada Didata Jane Maria Costa (Presidente 1992-94), e ainda a eficiente e respeitada Maria Garcia, que também fez parte da banca para minha certificação em Poços de Caldas, MG, em 1986. Quero destacar quatro pessoas de incomensurável importância na minha carreira de Analista Transacional: Monica Levi – extraordinária pessoa, profissional exemplar, criativa, participativa, competente e simpática. Foi ela quem ministrou a inesquecível aula sobre Ética, no meu SED (Seminário de Endosso para Didatas); a querida Vilma Novo M. Cortez, médica e Didata de extremo saber, convivência fácil, atualizada, com franco domínio da teoria e prática, que pude apreciar de perto quando ministrou o curso 303, com o inesquecível Didata Henrique Austregésilo em SP, e depois na Bahia, ocasião em que – além de assíduo participante por 9 anos – atuei como secretário do curso 303; a Didata Noelisa Bianchini de Lima, que conheci como Diretora de Ética da UNA-AT, e

participei como tradutor do seu exame para ITAA, e sempre nos encontrando em inúmeros Conbrats e Conglats. Tive em Noelisa uma das molas mestras para a divulgação do exitoso XXVI CONGLAT, do qual fui o Presidente, realizado na Bahia em 2006. Para este evento, contei com um apoio de peso da Didata Monica Levi, como Diretora cientifica, e da honrada presença da então presidente da UNAT – a Didata Maria Regina Silva. Menção honrosa para o relevante trabalho da atual MDF Sonia Nogueira Pedreira, na função de Coordenadora do Congresso, cuja atuação foi decisiva para o bom êxito do evento. Mesmo com a limitada presença de membros da UNATBRASIL, obtivemos 312 pessoas naquele CONGLAT! Ainda neste catálogo vejo a fotografia de Eliana Dumêt, pessoa admirável como Didata, como empreendedora e que incrementou um dos maiores desenvolvimentos da AT na Bahia. Tornando-se Presidente da Bahiatursa, fez carreira organizacional brilhante em marketing político. Foi uma das maiores incentivadoras que tive no início da minha carreira! Neste particular, reservo um lugar especial para meu mestre, orientador e terapeuta Jessé Accioly. Didata excelente, com voz de barítono e espírito de cientista, renomado médico clinico, incentivador dos mais jovens e que fez escola em Salvador. Criativo, embora parcimonioso em escrever as suas relevantes descobertas, marcou época em minha vida. Dificilmente dou uma aula de AT de 101, 202 ou 303 emque seu nome deixe de ser citado

por mim inúmeras vezes!

Fecho o referido Catálogo, e retomo a minha narrativa cronológica inicial.


UNAT-BRASIL Um novo nome para a entidade Em 1984, sob a presidência do médico psiquiatra Roberto Shinyashiki – Didata Clínico da UNA-AT, ALAT e ITAA, foram efetuadas as mudanças de estatutos, e a entidade mater passou, desde então, a se chamar: UNATBRASIL. Vale ressaltar que Shinyashiki, também concomitantemente presidente da ALAT, promoveu em 1985, um Congresso Conjunto com o V CONBRAT – 26 a 30 de maio de 1982 – Salvador, BA – o qual teve como Presidente Dra. Maria José Lima Duplat, com o tema: Interação e Crescimento. Muriel James foi a grande convidada internacional e encantou a todos os presentes – nacionais e internacionais com seu saber, simpatia e capacidade didática. Todo o conteúdo ficou registrado num volumoso livro: Anais do V CONBRAT, e marcou época com cerca de 1500 pessoas presentes! Plenárias nos auditórios enormes do Othon, Mesas Redondas e Laboratórios concorridíssimos Foi a minha primeira participação em um Congresso desta natureza, pois, como médico Clínico Geral, eu estava acostumado a outro tipo de formatação de conclaves. Inolvidável! Maravilhoso! O primeiro Congresso de AT ninguém jamais esquece! (Parafraseando o clássico bordão do famoso publicitário baiano,

Duda Mendonça). Na gestão de Shinyashiki, da qual eu já fazia parte do Conselho Deliberativo da UNAT-BRASIL, constavam também pessoas de grande valor para mim e para a Entidade: Maria Aimee Frota Meherb, Luiz Paiva Ferrrari, Henrique Austregésilo, Zenon Lotufo Jr., Alberto Jorge Close, Jussimar Santos de Almeida e João Mascarenhas. Este acumulava a função de diretor de Cadastramento dos Membros e, graças a sua operosidade, foi editada em 1985 a II-EDIÇÃO do CATÁLOGO DE MEMBROS AVANÇADOS E REGULARES da UNAT-BRASIL. Folheando, agora, este Catálogo, contabilizamos: 326 Membros Associados e Regulares, que somados com 80 Membros Avançados nos levam a 406 associados. Entre eles observo a inserção de forte bancada de pessoas amigas da Bahia entre MDF, como Maria das Graças Almeida, Lia Savastano, Angelina Ataíde; e Certificados: Gervásio Araujo, e MA Luz Esperanza Barreto, Marta Leite, Sandra Gonzaga, José Barbosa O. Filho, Dolores Borges Araujo, Joedil Brasil e Antonio Pedreira - todos estes vieram a prestar relevantes serviços à UNAT-BRASIL e às suas Associações regionais.

De outros estados, constam no referido Catálogo vários amigos que tiveram destacada evolução em cargos diversos – desde componentes da Diretoria até a sua Presidência. Entre estes, nomeio: Mirtes Ferreira de Oliveira, Tieko Murakoshi, Maria Lucia Falcão, Jussimar Almeida, Maria das Graças Cunha, Mauro Pozatti, Roberto Mena Barreto, Márcia Bertuol, Petrúcia Leão Ferreira, e Maria Regina Ferreira Silva. O VI CONBRAT – 24 a 28 de maio de 1983 – Canela, RS – teve como Presidente: Martha Vecchio, com o tema: “Depois de Dizer Olá, Juntos Criamos Abertura, Participação, Integração e Ciência”. Foi também um congresso memorável, com direito ao divertido ATshow. Seguiu-se o VII CONBRAT – 13 a 19 de maio de 1984 – São Paulo – sob a presidência de Roberto Shinyashiki sob o instigante tema: “Ideias, Palavras e Ação”. Como os congressos nacionais eram anuais, ocorreu o VIII CONBRAT, em maio de 1985 - Salvador, BA – tendo como Presidente, a Didata Eliana Dumêt. Justo neste congresso acontece a Assembléia que muda os Estatutos da associação e também seu nome, passando a ser – UNATBRASIL: União Nacional de Analistas Transacionais do Brasil.

19


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

UNAT-BRASIL | UM OLHAR CRONOLÓGICO DE ANTÔNIO PEDREIRA

1985 | 1986 A partir de 1985, por conta dos novos cânones da UNAT-BRASIL, descritos nos estatutos desta entidade, aprovados pela Assembléia Geral, aconteceram os movimentos identificatórios naturais e conflitos, até a assimilação das regras vigentes. Claro que causou desagrado a alguns membros e lideranças, com os processos inerentes à dinâmica de qualquer grupo, gerando tensões internas e divergências. Todos estes movimentos serviram para demonstrar a vitalidade de UNATBRASIL, robustecendo mais e mais a coesão do grupo, superando as forças antagônicas e disruptivas. Em 1986, a UNAT Brasil presidida por Rosa Krausz, Didata Organizacional da UNAT Brasil e ITAA, que realizou uma laboriosa gestão, em que várias importantes conquistas foram realizadas, inclusive a regularização das edições da nossa revista REBAT, que passou a ser publicada anualmente, conquanto esta periodicidade anual nem sempre tivesse sido mantida como anunciada. No IX CONBRAT realizado em maio – 24 a 28 de 1986 – em Poços de Caldas, MG, sendo Presidente, o Didata Carlos Aloísio Coelho, fiz a minha certificação para Membro Clínico em exame aberto para 32 pessoas. Nesta época as Bancas Examinadoras das provas orais eram temíveis, não só pelo excesso de exigências, mas também pela conduta de alguns examinadores com postura não muito OK. Começou-se a falar em um novo modelo, que só mais adiante foi possível implantar, nos quais se busca muito mais aferir os pontos fortes e as limitações do candidato, do que o expor a truques e armadilhas para Jogos.

1987 | 1988 Um destes exemplos, eu pude assistir pessoalmente no X Congresso Nacional de AT em Itapema, SC, 27 abril 1987. Nele vi um candidato nordestino ser reprovado pela patologia de uma banca paulista, justo na parte do role play, em que o examinador parabenizou o candidato por ele ter se saído bem na facilitação, e quando ele já celebrava o feito, recebeu a censura e reprovação, alegando que quem lhe parabenizou foi o cliente e não o examinador. Fiquei indignado e, como testemunha ocular, apelei para a Diretoria de Docência, com a intercessão de Henrique – Diretor de Docência – para que fosse repetida a peça, e ele até encaminhou esta solicitação. Infelizmente, o presidente da banca negou a repetição, alegando que não foi filmada! Manteve a reprovação injusta após um bom exame geral do candidato. Indignado com tal arbitrariedade, que diferente do candidato e do seu padrinho – Dr. Jessé Accioly que também se afastou da UNAT – eu tomei ali uma decisão: quando examinador, eu jamais cometeria uma injustiça contra um examinando. E cumpri, e tenho cumprido. Hoje as coisas estão tão diferentes que chega parecer absurdo imaginar tal abuso de poder. E no supramencionado conclave, X CONBRAT 1987, cujo tema era: Renascer com respeito, coerência e amor – 27 de abril a 01/05/1987 – em Itapema, SC – sob a presidência de Vera Lúcia de Souza Abraham, tivemos o prazer de conviver com um convidado internacional de peso. Nada menos que Carlo Moiso, agraciado com o Prêmio Eric Berne, o qual nos brindou com apresentações belíssimas, de rico conteúdo, e de uma simpatia contagiante. Claro que os analistas Transacionais de “indústria nacional”, também luziram, como por exemplo, a Didata Dina Frutuoso, e a terapeuta corporal Joedil (=Jô) Brasil com a sua apreciada atividade matinal: Corpo em ação. Em outubro de 1988 foi realizado um evento regional de AT na Bahia, o 2º Seminário Baiano de Análise Transacional, o denominado SABAT-

20


1987 | 1988 II, patrocinado pela ASBAT – Associação Bahiana de Análise Transacional, em que atuei como Presidente do evento, que contou com cerca de 200 participantes. Além de palestras interessantes proferidas por analistas Transacionais baianos, capitaneados pelo Didata Jessé Accioly – presidente da ASBAT – contamos com a participação ativa do presidente da UNAT – Henrique Austregésilo – e ainda do Didata Alberto Da Rocha Tavares. Tendo como Presidente o Didata HENRIQUE MILET AUSTREGÉSILO, 1988 – 1990, houve fatos de alcance nacional e internacional. Destaque especial para o arrojado empreendimento de realizarmos no Rio de Janeiro, em agosto de 1988, o marcante XI CONBRAT, pela primeira vez na UNAT-BRASIL, conjuntamente com a CONGLAT e o X Congresso Mundial de AT da ITAA. Este memorável CONBRAT enriqueceu a todos nós, até pela ousadia de realizarmos um Congresso internacional deste porte no luxuoso Hotel Intercontinental. Nunca é demais enaltecer que, como decorrência do grande trânsito e prestígio de Henrique e outros colegas, ante a ITAA é que foi possível a realização deste memorável evento em que tivemos a oportunidade de assistir de perto às apresentações dos consagrados vultos da AT: Jack Dusay, Claude Steiner, Jim Mc Keena, Lucy Freedman, Stephen Karpman, Franco Del Casale, Ellyn Bader, Octavio Rivas Solis, Bernardo Aguillera, Morris Haimowitz, Felipe Garcia, Leonard Campos, entre muitos outros. Juntamente com Patricia Streparava, participei como tradutor sivo voluntário das conferências e workshops de muitos destes famosos teóricos da AT.

1989 | 1990 Em 1989, de 25 a 27 de agosto, aconteceu um encontro no Rio de Janeiro, a III Jornada de AT, divulgada em conjunto com o XII CONBRAT. Nele, um dos teóricos de mais prestigiados da ITAA na época, William Holloway, fez interessante Conferência, cuja íntegra foi recentemente publicada na REBAT nº 1 Junho 2009/2010. Posteriormente, este encontro não foi considerado um congresso nacional e a numeração foi repetida. Assim, entre 20 a 24 de agosto de 1991, se deu no Rio Grande do Sul, na cidade de Canela o XII CONBRAT. Foi muito bem organizado pela Presidente Jane Maria Costa, com o tema: Consciente/Inconsciente na AT. Tivemos outro transacionalista italiano de prestígio, como o convidado internacional: Michelle Novelino. A meu ver, tão competente quanto seu compatriota Moiso, e recém laureado com o prêmio Eric Berne, por suas contribuições na implantação da Auto-análise da Contratransferência na AT. Aliás, convém lembrar, de passagem, que Moiso e Novelino foram os principais implementadores do movimento conhecido como: a Escola Psicanalítica da AT. Uma vez mais, os colegas e amigos gaúchos deram um show de hospitalidade neste CONBRAT, como sói acontecer até hoje. Eleito Presidente para o período 1990/1992, a gestão do Didata RALPH BERG foi prejudicada pela conjuntura do país, em meio a uma inflação galopante, que afetou o poder aquisitivo dos Associados a muito da realização dos seus planos presidenciais.

Na vigência do mandato presidencial de Henrique Austregésilo, deu-se continuidade ao processo de consolidação da nova ordem – em que a entidade mater nacional mudou o paradigma de uma União de Associações de AT (UNA-AT) para uma congregação de pessoas – Analistas Transacionais (UNAT-BRASIL).

21


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

UNAT-BRASIL | UM OLHAR CRONOLÓGICO DE ANTÔNIO PEDREIRA

1991| 1992 Nos anos 1991/1992, em que tivemos Ralph como presidente, ele se mostrou laborioso, austero, e conduziu bem os destinos da nossa organização, ajudando a consolidar – juntamente com toda a sua competente diretoria – os novos paradigmas. No mandato de Ralph, atuando como membro do Conselho Deliberativo da UNAT-BRASIL, testemunhei uma dificuldade enorme da presidência da nossa Associação para programar projetos e convertê-los em ações concretas, inclusive pelo “confisco” das poupanças, contas correntes e outros ativos financeiros – determinados pelos Planos Collor 1 e 2 que afetaram as finanças da UNAT-BRASIL. Só para lembrar, o governo, além de não levar adiante o plano, viu a inflação chegar, ao final do ano de 1991, em um patamar de 472% com a economia em recessão!!. Em junho 1992 a revista REBAT Ano III voltou a ser reeditada, e a explicação do Editor, dizia: “Depois de um intervalo involuntário, ocasionado pela retenção dos fundos necessário para a continuidade da nossa Revista, retomamos a nossa periodicidade que, esperamos, não seja perturbada pelas surpresas dos planos governamentais.”

1993 | 1994 O mandato da Presidente JANE MARIA COSTA – biênio 1992 – 1994 se caracterizou pelo dinamismo, estilo democrático e liderança firme. Foi na gestão de Jane Costa, a partir de 1993, que ficou estabelecido que os Conbrats passassem a ser de 2 em 2 anos, justificados como sendo encontros maiores e convidados internacionais e nacionais, e com divulgação ampla. Também ficou acordado que, a partir de 2000, os Fóruns de AT seriam eventos menores voltados para o público interno da UNAT-BRASIL, e nos anos em que não ocorrem os Congressos. Os Fóruns foram definidos, portanto, como sendo: encontros de menor porte, com divulgação interna e regionalizado, com a proposta de criar um espaço para os analistas pensarem e discutirem a teoria e a práxis com AT. O XIII CONBRAT – 24 a 28 de agosto de 1992 – Belo Horizonte, MG, teve como Presidente: Maria das Graças Cunha, e o tema: “AT- Uma Abordagem Integrativa”. Em razão da conjuntura econômicofinanceira do país foi um dos Congressos nacionais com menor número de participantes, não obstante o empenho da presidente e do palpitante tema e programação interessante. Por sua vez, o Congresso Brasileiro de AT do ano seguinte, o XIV CONBRAT realizado em Vitória (ES) no Hotel Porto do Sol, de 24 a 28 de agosto 1993, com o tema – Crise: Consciência e Mudança, contou com grande afluência. Foi sem dúvida, um memorável evento, tendo como seu presidente o dinâmico Didata Jussimar Santos Almeida. Em 1993 ocorreu também o XXIII CONGLAT, com o tema “Resgatando Valores”, coordenado por Tieko Murakoshi no Hotel Hilton em SP, com a presença de Claude Steiner, Mary Goulding, Roberto Kertész, Cecílio Kermann, Henrique Austregésilo, Jessé Accioly, Shinyashiki entre outros expoentes da AT nacional e internacional

22


1995 | 1996 No biênio 1994 – 1996, coube ao Presidente MANOEL TEIXEIRA realizar uma gestão séria, apesar de turbulências internas, e interferências indevidas no seu modus operandi. No ponto de vista macro, ocorre o lançamento do Plano Real – iniciado com o lançamento da URV (Unidade Real de Valor) uma transição, até a adoção de nova moeda, o Real. Foi publicado outro CATÁLOGO DE MEMBROS da UNAT-BRASIL 1995. De acordo com este Catálogo Oficial, a nossa Associação contava com 253 membros, sendo: 22 Didatas, 19 MDF, 63 MC, 106 MR e 46 MA. Na REBAT em seu quinto número, edições de junho 1995 foram incluídos dois artigos estrangeiros. Em junho 1996, depois de um período de descontinuidade, foi editado o sexto número. Ainda em 1995, ocorreu o XV CONBRAT em Salvador – Bahia, no Hotel Fiesta, – presidido por Dolores Araújo – tendo Antonio Pedreira como Diretor Científico do Congresso, cujo tema foi: “Maturidade e Integridade: o Caminho da Evolução”. O convidado internacional foi o conhecido e prestigiado teórico da AT, Bill Cornell, que também ocupava cargos importantes no Board da ITAA. Tive a chance de traduzi-lo em sua Conferência Magna, além de participar de uma importante mesa redonda, em que fui um dos encarregados de formular questões instigantes sobre a teoria do Script. O despertar do corpo era a 1ªatividade do dia, com Jô Brasil.

1987 | 1988 No biênio 1996/1998, tendo como Presidente a Didata MARIA DAS GRAÇAS CUNHA, tivemos reflexos do período de implantação do Plano Real e estancamento da Inflação, e expectativas da população que refletiu na realização dos nossos eventos. Deste modo, o XVI CONBRAT – 27 a 30 de agosto de 1997 – ocorreu em Belo Horizonte, MG – presidido por Maria das Graças Gomes Cunha – com o tema: “Ser e Pertencer”, que foi pouco concorrido, apesar da impecável organização e do atraente conteúdo programático. Certamente por conta dos reflexos da nova ordem econômica. Foi publicado um novo CATÁLOGO DE MEMBROS da UNAT-BRASIL 1988, versão atualizada até dezembro de 1997. De acordo com este Catálogo Oficial, a nossa Associação contava com 183 membros, sendo: 21 Didatas, 11 MDF, 53 MC, 63 MR e 35 MA. Em comparação com o Catálogo 1995, o número de associados sofreu um decréscimo de 70 membros.

23


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

UNAT-BRASIL | UM OLHAR CRONOLÓGICO DE ANTÔNIO PEDREIRA

1999 | 2000 Na gestão presidencial da Didata CONSTÂNCIA MARGARETE ALVES DE BONI, biênio 1998 2000, tivemos um período de grandes progressos da UNAT-BRASIL. Meg deu prosseguimento ao Plano Estratégico – iniciado na gestão anterior pela então vice-presidente Maria Regina Silva – e também buscou implantar fundamentos para uma educação continuada com as freqüentes reuniões de Didatas, e bases para um 303 sob a égide da entidade mater. O XVII CONBRAT – 26 a 29 de maio de 1999 – aconteceu em Porto Alegre, RS – com a Presidente: Margarete de Boni. O tema do exitoso congresso foi: “Excelência nos Relacionamentos: ação que promove vida”. Para preencher os critérios de ser uma publicação anual contínua e registros exigidos pelo ISSN, foi necessário que a REBAT no ano 2000 trouxesse a data de 1996, bem como as subseqüentes necessitaram ser publicados com data de anos anteriores.

2001 | 2002 Com o novo Presidente, JUSSIMAR SANTOS ALMEIDA, eleito para o biênio 2000 – 2002, e tendo com Vice a Didata NOELIZA BIANCHINI DE LIMA, tivemos uma das gestões mais progressistas e renovadoras de que me lembro.Tendo o cuidado de valorizar os ex-presidentes da UNAT-BRASIL, e até reverenciá-los por tudo que fizeram em suas respectivas gestões, Jussimar mostrou muita independência em suas ações presidenciais, sem subserviência, mas sempre em prol do bem maior que é – e deverá sempre ser – o interesse prioritário pela nossa Associação. Foi revolucionário em suas propostas de modernização da UNAT-BRASIL. Entre as principais ocorrências, destaco os seguintes: Jussimar propõe remodelação do Jornal OPÇÕES, e já na edição de setembro 2000 com fotos, noticias de eventos ligados à AT e com uma maior tiragem, dando um modelo de “cara nova”, inclusive com destaque para as homenagens póstumas ao querido Alberto Rocha Tavares, com cartas e depoimentos de vários analistas Transacionais que conviveram com aquele importante Didata. Criou-se o “Conselho Editorial” para o Opções, inicialmente formado por Noelisa, Meg e Jussimar. Noelisa Bianchini, uma das mais atuantes dos Vices Presidentes da UNAT-BRASIL, entre tantas ações dela, destaco a primeira tentativa de aproximação da nossa Associação ao MEC com um memorial em que lhes apresentou: os históricos da AT e descrição do conteúdo do nosso Manual de Normas e Procedimentos. O XVIII CONBRAT – 10 a 13 de outubro de 2001 – Vitória, ES – teve como Presidente: Jussimar Almeida com o tema: “Resgatando Valores Interiores e Sociais”. O convidado internacional, Carlo Moiso deu um show de simpatia e de conhecimento. Digno de registro que no pré-congresso, a colega Márcia Bertuol é aprovada para Membro Didata Clínico. A embaixada de analistas Transacionais da Bahia se fez representar em número considerável: acima de 20 pessoas!

24


2003 | 2004 Eleita para o biênio 2002/2004, a Didata MÁRCIA BEATRIZ BERTUOL fez uma excelente gestão, bem democrática, plena de realizações e com ampla comunicação. Ajudou também a consolidar as conquistas alcançadas por seus predecessores em favor da nossa UNAT-BRASIL. Dos vários feitos relevantes da gestão da presidente Márcia Bertuol, quero enfatizar, além dos Conbrats, o fato das reuniões mensais do Conselho Deliberativo, terem se tornado freqüente, por telefone, no sistema de Teleconferências.

2005 | 2006 O Congresso brasileiro de AT, o XX CONBRAT, foi realizado entre 26 a 28 de maio 2005 em Bento Gonçalves, RGS, tendo como tema: “AT e PHYSIS: Técnica e Natureza a Serviço do Resgate da Essência do Ser Humano”, que contou com o denodo e dinamismo da Presidente do evento, a competente Rosa Maria de Almeida.

O XIX CONBRAT – 19 a 21 de junho de 2003 – foi em São Paulo, SP, tendo Presidente a Didata Maria Regina da Silva, que elegeu para tema: “AT – Novos tempos, novas soluções – o desafio da convivência”. Foi um programa bastante diversificado e interessante. O convidado internacional foi Vann Joines, que dispensa comentários. Neste CONBRAT, já como fruto do Planejamento Estratégico iniciado na gestão anterior, a Presidente Márcia Bertuol se pronunciou no sentido de uma atenção maior para a formação dos treinandos de 202 e MDF e para membros certificados que desejarem manter uma Educação Continuada. E na sua Fala da Presidência, do Boletim OPÇÕES, com nova versão 2004, já com seu visual reformulado pela competente Comissão Editorial – composta por Vera Ourique, Kátia Abreu e Maila Flesch – Márcia mostrou várias iniciativas que estavam em andamento, inclusive as do Seminário de Desenvolvimento de Didatas (SED), originalmente começado por Maria Regina Silva e Meg de Boni. Foi realizado em 2004 o 2º Seminário de Desenvolvimento de MDF em Porto Alegre, conduzido por Márcia Bertuol e Jane Costa, tendo Mônica Levi e Ralph Berg como observadores, já que seriam os próximos Didatas a ministrar o treinamento do Módulo de 303, no próximo congresso 2005 – o XX CONBRAT – em Bento Gonçalves 2005. Em 22/23 de outubro 2004, tive a oportunidade de participar do exitoso IV EGAT (Encontro Gaúcho de AT) – PoA – coordenado por Tânia, Liane, Ivete e Cândida.

25


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

UNAT-BRASIL | UM OLHAR CRONOLÓGICO DE ANTÔNIO PEDREIRA

2007 | 2008 Para o biênio 2006/2008, tivemos como Presidente eleita, a competente Didata Maria Regina Ferreira da Silva que dinamizou bastante a nossa associação. Entre os principais acontecimentos, destaco o Encontro de MD e MDF, realizado no Rio de Janeiro de 2 a 4 de novembro 2007, com as Didatas Márcia Bertuol, Maria Regina Silva e Mônica Levi. Foi muito proveitoso. A Didata Regina Silva conduziu uma dinâmica com o grupo, enfocando a missão e a visão criadas no Planejamento Estratégico da UNAT (em 2004). A ênfase foi feita para que cada um de nós pudesse detectar quanto este binômio está em sintonia com nosso desejo e motivação para estar na associação. No restante do sábado e domingo, sob orientação da Diretora de Docência e Certificação, Márcia Bertuol, nos dividimos em pequenos grupos para elaborar a atualização do 202, e para propormos alterações com base nos últimos avanços da AT, e acrescentar as bibliografias específicas para cada tema da prova escrita. Foi um trabalho de fôlego! Mas valeu à pena! De 6 a 9 de junho 2007, foi realizado o XXI CONBRAT, com o tema: “AT 2007: Bio–Psico – Social – Espiritual”, em Belo Horizonte – MG, tendo como Presidente do Congresso a Didata Graça Cunha. Foi um evento muito bem preparado por uma laboriosa comissão organizadora, composta por 20 membros, entre os quais destaco Eládio Pimentel, Marcelo Lopes, Ofir Vilhena, estes dois últimos também palestrantes. A freqüência foi, inexplicavelmente, uma das menores a que assisti em um CONBRAT. E foi um evento bem elaborado, que contou com 40 palestrantes, sendo Sari Van Poelje a convidada internacional, e contando com conferencistas nacionais de peso, para cobrir o vasto panorama proposto pelo interessante tema do Congresso. Entre os destaques nacionais, tivemos a presidente da UNAT-BRASIL – Regina

26

Silva, e outros renomados Didatas: Mônica Levi, Jane Costa, Márcia Bertuol, Ede Lanir Paiva, Meg de Boni, José Silveira, Jorge Fagim, Antonio Pedreira etc. Para a vertente espiritual do CONBRAT , tivemos a presença de Didatas renomados como: Roberto Crema, Graça Cunha e aquele que mais polarizou as atenções pela clareza, leveza e carisma pessoal: o portenho mais brasileiro – Alberto Jorge Close. Menção honrosa para a palestrante Maria da Conceição Gomes Cunha que nos brindou com uma fala consistente e bem didática. Todos nós palestrantes, além da fidalga acolhida, fomos brindados com dois belos mimos: um relógio Seculus personalizado com nosso nome, e uma linda caixa de madeira envernizada, feita à mão e estampada com o logotipo do XXI CONBRAT 2007. Grato, Graça. Parabéns! Na ata aprovada em 2007 em Assembléia Geral, no CONBRAT de BH, ficou estabelecido que é possível chamar Analistas Transacionais de associações afins – ITAA, ALAT, EATA, etc. – para completar nosso quadro de avaliadores para bancas de Certificação/ou de Didatas. A UNAT-BRASIL passou a adotar pela 1ª vez o mandato presidencial para um triênio (2008/2010) sendo eleita para Presidente, a Didata EDE LANIR FERREIRA PAIVA, que teve uma gestão amplamente democrática, sendo uma das mais proveitosas que pude constatar. Apoiada em uma diretoria muito qualificada, já no seu primeiro ano apresentou no OPÇÕES nº 70 o Programa Geral de Formação do AT202, já com toda a bibliografia oficial. Digno de louvor foi a qualidade da impressão, e seu novo layout. Além de realizar a revisão dos Contratos da UNAT, EDE promoveu a revisão do Manual de Normas e Procedimentos. Graças à sua tenacidade foi incrementado o movimento para a realização do 1º curso de Especialização em AT,


2007 | 2008 aprovado pelo MEC, em vários cursos no Brasil. Também coube a Ede e sua competente diretoria a implantação de programas de atualização de Didatas em Formação e Membros Certificados da nossa UNAT, já incluídos na programação do XXII CONBRAT, a ser realizado no Rio de Janeiro. A Didata Jane, que prestou relevantes serviços à entidade mater como Diretora de Docência, coordenou ainda a Reunião de Didatas (11/12 outubro 2008), as provas de Especialista (13 e 14), e nos dias 15 e 16 coube a Antonio Pedreira conduzir a atividade para MDF e MD, em que oferecemos uma maratona teórico-prática sobre o “Manejo psicoterápico com AT e atualização farmacológica do Tratamento dos Transtornos da Ansiedade”, ficando o Fórum Uberlândia 2008 para os dias 16/17 outubro. Vale ressaltar que, enquanto MDF, tivemos no encontro do pré-EGAT entre 29 e 30/11/2008 uma nova reunião, repetindo o esforço concentrado nosso para atualizar as questões da prova escrita de certificação para a UNAT-BRASIL, a exemplo do que fizemos no encontro de Didatas de 25 de agosto 2008, capitaneado também pela Diretora de Docência, Jane Costa. Jane ainda propôs uma reunião de MD e MDF de 1 dia, ligada ao Fórum ou ao Congresso, e outra ligada a um dos Módulos do 303. Aprovada. Nesta reunião ficou assentada a proposta final, que formata o conteúdo do 303 em 8 módulos em 4 anos, sendo 2 por ano. Em 22 de outubro 2008 se deu no Shopping Salvador o lançamento do livro da nossa autoria: Aritmética das Emoções, um convite a uma viagem inédita ao mundo das emoções, por meio da AT. Esta obra – enriquecida pelo prefácio da Presidente da UNAT-BRASIL, Ede Lanir – veio completar a trilogia da educação

das emoções deste autor, que foi iniciada com o livro COMPETÊNCIA EMOCIONAL (9ª Ed.), seguida da GRAMÁTICA DAS EMOÇÕES (3ª Ed.) ambos já com 1ª edição em espanhol. Em 2008, assisti ao Congresso Mundial de AT, na África do Sul, na condição de Presidente da ALAT e também como representante da UNAT-BRASIL, por ser também Conselheiro, na reunião de Presidentes de Associações de AT, dos vários continentes. Além de mim, da AT brasileira, presente a este Congresso da ITAA, somente esteve a minha filha, a psicóloga Tatiana Pedreira, que fez parte do Conselho Deliberativo da UNAT-BRASIL (1999-2001). Em 2008 Sonia Nogueira e Tatiana Pedreira criaram o Círculo de Estudos em AT (CIPEAT) buscando interessar psicólogos ao estudo da AT em Salvador, pois a maioria dos transacionalistas da região são médicos. Ainda em maio 2008, foi realizado em Brasília o V Fórum de AT tendo como tema: “Novos Caminhos, Unidade na Diversidade”. O Fórum foi coordenado eficazmente pela atual Didata Clínica, Miriam Cibreiros. Merece ainda ser ressaltado que, na gestão de Ede, o livro PRÊMIOS ERIC BERNE 1998 – 2007 foi disponibilizado em português para nossos membros associados. O 4º módulo do 303 foi também excelente. Ocorreu em Petrópolis 2009, em um memorável encontro dos MDF, com a presença de dois excelentes Didatas: Luiz Paiva Ferrari e Jane Costa. Considerei um dos mais proveitosos módulos a que assisti.

27


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

UNAT-BRASIL | UM OLHAR CRONOLÓGICO DE ANTÔNIO PEDREIRA

2009 | 2010 Propus à UNAT-BRASIL em 2009 que se celebrasse a cada 10 maio, (data do nascimento de Eric Berne) o Dia da Análise Transacional, de modo análogo ao que adotamos desde 2008 na Associação Latino Americana de AT, coincidente com o início da minha gestão como Presidente da ALAT. A proposta foi aceita pela Assembléia. Em outubro, 30/31 de 2009 aconteceu um evento regional especial que até parecia um Congresso. Foi o ENCONTRO PARANAENSE DE ANÁLISE TRANSACIONAL – o RelacionAT, em Curitiba, com 90 participantes. Um sucesso! A mesa de abertura foi composta pelos presidentes da UNAT-BRASIL – Ede Lanir, e da ALAT – Antonio Pedreira, que abordaram o posicionamento da AT no Brasil e em outros países. Neste evento, entre vários tópicos interessantes apresentados por colegas de todo país, pude compartilhar o tema “A Alternativa Transacional ao Tratamento do Transtorno de Déficit de Atenção – Hiperatividade (TDA – H)”. Em 2009, foi aprovado e começou já a ser ministrado pela Dra. Maria Garcia, MDF na área Jurídica, o curso de Análise Transacional Aplicada ao Direito, disciplina do curso de Pósgraduação em Direito pela PUC de São Paulo. No Rio de Janeiro, precedido pelo Encontro de Didatas 26/27 de maio 2009, aconteceu o XXII CONBRAT – 28 a 30 de maio de 2009 – que teve como tema: “ Diálogos: Caminhos para a Integração”. A convidada internacional foi a recém laureada, com o prêmio Eric Berne, Glória Noriega, com seu tema inédito: “Scripts Transgeracionais”. Foi uma exitosa presença! Neste CONBRAT se deu a minha prova para Didata, perante as três bancas de examinadores – isentos e competentes. De parabéns a UNATBRASIL pela qualidade do exame. Neste mesmo dia José Silveira também, foi aprovado para

28

membro Didata. O XXIX CONGLAT, conjunto ALAT/ ITAA, foi realizado em Lima, Peru 2009, de 5 a 7 de agosto, coroando a minha gestão Presidencial na ALAT. Desta feita, a presença de muitos membros da UNAT-BRASIL foi marcante com muitos dos nossos MDF, MC e DIDATAS tendo vez e voz, ao lado de destacados membros da ALAT e da ITAA. Como reflexo de uma gestão reconhecida como profícua e avaliada como exitosa, recebi insistentes pedidos para que aceitasse a reeleição, que recusei por uma questão de princípios: sou contra o continuísmo no poder em qualquer associação. Com surpresa, recebi também a indicação do meu nome para Presidente da ITAA, o que muito me orgulha, como membro da UNAT-BRASIL, até por ter sido, até hoje, o único brasileiro indicado para a presidência da associação fundada por Eric Berne. O mesmo gáudio que teria se fosse qualquer um dos nossos associados. Posteriormente, recusei os convites para assumir o cargo, logo após a renúncia da Presidente eleita, Rosemary Napper. O VI FÓRUM de AT realizado em Porto Alegre, RS, foi coordenado pela apreciada Didata Meg, tendo como tema: “Estratégia de Gestão de Vida”. Foi mais um evento Transacional de sucesso da movimentada gestão da 1ª Presidente trienal, Ede Lanir. Nos dias 3 e 4 de julho 2010, em Uberlândia, apresentou-se, perante uma banca de exigentes examinadores, a 1ª turma de candidatos a obtenção do título de Especialistas em AT pela FATEP – DF – certificação reconhecida pelo MEC. Nela MD e MDF apresentaram seus respectivos artigos (TCC). Valeu o empenho de Ede Lanir, Miriam Cibreiros, Luiz Ferrari, e


2009 | 2010

2011 | 2012

também Jane Costa, além de demais membros da comissão encarregada para este fim. Foi a realização de um sonho anelado por todos associados da UNAT-BRASIL. O saldo positivo ainda foi a produção científica e a possibilidade de compartilhar as novidades com os Analistas Transacionais brasileiros e com a comunidade científica. Com o empenho do Diretor Científico, José Silveira e com a inestimável cooperação dos competentes colaboradores Ana Lucia Ribeiro de Oliveira e Fernando Antônio Leite de Oliveira, este rico acervo de artigos inéditos converteuse no conteúdo da famosa REBAT branca, ano XXI – Nº 1 – Abril 2011. Vale à pena conferir. Parabéns a Diretoria da UNAT-BRASIL (20082011) tendo como Presidente Ede Lanir e como Diretor Científico José Silveira, o qual foi – entre outras realizações – o Editor desta importante REBAT. Como aparece no seu Editorial, há que se ressaltar o apoio e o trabalho das duas últimas Diretorias, tendo como Presidentes Maria Regina Silva e Márcia Bertuol, que foram construindo a possibilidade da AT alcançar o devido reconhecimento da Academia.

A gestão presidencial do Didata JOSÉ SILVEIRA PASSOS no triênio 2011/2014 foi um sucesso, de ponta a ponta. Muitas realizações de peso e a consolidação da nossa associação. Logo em agosto 2011, ocorreu entre18 a 20, o XXIII CONBRAT em Curitiba, com o tema: “O poder da Consciência nas Conexões Humanas”.

Ademais entre 20 e 27 outubro de 2010, no final da gestão de EDE foi efetuada a primeira Eleição com votos online pelo site da UNAT-BRASIL, pelos membros em dia, presentes no Fórum de AT em Porto Alegre. É digno de registro, entre os legados do mandato de Ede, o enorme número atingido de membros associados, além de ter se tornado recordista em aprovações de seus treinandos em bancas da UNAT-BRASIL.

Na reunião de Diretoria – Gestão de José Silveira (2011-2014) – realizada em 15/11/2011 fomos oficialmente informados que a Associação contava com 349 associados, assim computados: MA = 164, MR = 88, MC = 60, MDF = 19, MD = 18. Nesta reunião Kátia Abreu já apresentou o orçamento do VII Fórum de AT, a ser realizado em São José do Rio Preto em agosto 2012, evento em que será a Presidente.

Além de formatar e padronizar as Normas e Procedimentos sobre o 303, inclusive para quem estiver fazendo exames para mais de uma área de certificação simultaneamente, e estabelecer a sua ampla divulgação – inclusive sob a forma de Contrato para os 13 novos MDF que acordaram sua participação no 1º ciclo. Isto deveria ser feito, antes do próximo módulo dos 303, em abril 2012, a ser conduzido pelo Didata Luiz Ferrari. Houve proposta da UNAT-BRASIL oferecer cursos de educação continuada aos membros Didatas (MD e MDF) e aos MC, como forma de reaquecer a participação de membros que estão afastados, e promover crescimento e desenvolvimento da nossa comunidade de AT. Esperamos que isto esteja já nas prioridades da nova Diretoria.

O RelacionAT teve como sede Curitiba, em agosto 2011. O tema Resultados Organizacionais – Saúde Emocional – Educação ensejou uma considerável presença de membros associados da área organizacional e da educacional, em número equivalente aos da área clínica. O Didata Antonio Pedreira ponderou que a entidade costuma dar

29


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

UNAT-BRASIL | UM OLHAR CRONOLÓGICO DE ANTÔNIO PEDREIRA

2011 | 2012 menos do que recebe dos seus associados e, para começar a mudar este paradigma, ofertou o seu livro mais recente: “Análise Etimológica Transacional” para ser distribuído pela UNATBRASIL a todos seus associados como uma cortesia. Para facilitar esta doação – algo pouco comum de ocorrer em nossa entidade – Pedreira ainda se prontificou a arcar com 50% dos custos gráficos, para facilitar esta mudança de paradigma – barateando significativamente o preço final com uma tiragem maior – e, em contrapartida, ficaria com metade dos livros impressos para o autor. O Presidente da UNAT-BRASIL, Didata José Silveira se encarregou de conduzir a reunião de Planejamento Estratégico (PE), no Rio de Janeiro, dias 10 e 11 de março, 2012 apoiado nos Planejamentos Estratégicos anteriores, os quais Regina Berard e Maria Clara Grochot se incumbiram de providenciar o material do PE que Regina Silva apresentara antes. Coube a Maila Flesh levar o material que foi apresentado e oferecido pelo irmão de Jane Costa, em um encontro realizado e Porto Alegre. Entre os principais acontecimentos da gestão de Silveira, salienta-se XXIII CONBRAT , realizado de 18 a 20 de agosto 2011, cujo tema foi: “O Poder da Consciência nas Conexões Humanas”, que teve como coordenadora geral a Didata Laucemir Silveira, contando com o importante auxílio de Carmem Maria Sant’Anna Roseti. Foi exitoso. o. Teve além da convidada internacional, Anne Mountain, a presença da ex-presidente da ITAA, Rosemary Napper, agora fazendo parte também da nossa Associação. Propus dois trabalhos ao XXIII CONBRAT que receberam parecer positivo da Comissão

30

Avaliadora e da Comissão Científica do Conbrat. Todavia, o tema de minha pesquisa e assunto da monografia apresentada para a obtenção do título de Especialista em AT, reconhecido pelo MEC: “Uma Proposta de uma Nova Entidade Mórbida: A Síndrome do Estresse Pré-Traumático (SEPT)”, infelizmente não teve espaço para ser apresentado. Todavia, o trabalho que fora apresentado no Congresso de Bilbao na Espanha, e publicado na Revista Española de Psicología Humanista y Análisis Transaccional, intitulado: “Impacto dos Jogos Psicológicos nas Distintas Etapas da Dinâmica Amorosa” foi selecionado para uma mesa redonda. Apesar do tempo restrito (45 minutos!), logramos ótimo feedback: Curiosamente, no recente Congresso Mundial da ITAA em S.Francisco 2014, tivemos tempo bastante (1:30h) para a apresentação deste mesmo tema, fruto de uma pesquisa de anos e anos com 6500 clientes. para a exposição que recebeu excelente feedback, de acordo com a presidente do evento, Lucy Freedman. Neste congresso da ITAA houve apenas 3 membros da UNAT-BRASIL: André Willie, Sonia Nogueira Pedreira e o MD palestrante e Diretor de Ética, Pedreira. Sem lugar a dúvidas, a gestão (2012/2014) do Presidente SILVEIRA, tendo como Diretor de Docência e Certificação o eficiente LUIZ PAIVA FERRARI foi um período de consolidação dos avanços crescentes, desde os quatro últimos presidentes da UNAT. Em 2012 foi realizado o VII FORUM de AT com o tema: “Caminhos para o Equilíbrio nas Relações Humanas”, em São José do Rio Preto, nos dias 3 e 4 de agosto, tendo como Coordenadora do Fórum a MDF Kátia Abreu – um sucesso incrível! Por iniciativa de Kátia e com aprovação de


2011 | 2012 Silveira, de modo inédito, fui convidado para apresentar a PALESTRA DE ABERTURA, no dia 1º de Agosto, exclusiva para patrocinadores, imprensa e convidados especiais, em retribuição ao apoio recebido. O tema: “Competência Emocional na Vida Pessoal e Profissional”. Na programação científica do Fórum, tive ainda a oportunidade de participar da mesa redonda, com o tópico: “Permissão para o Crescimento das Relações”. No tocante aos exames, um destaque especial para a brilhante aprovação da Didata Meg de Boni, também para a Área Organizacional, em que houve a presença do consagrado Didata Organizacional Marco Antonio Oliveira. De parabéns a UNAT-BRASIL! Na reunião realizada no dia 02/08/12 durante o VII FÓRUM de AT, foram confirmados os cinco próximos Cursos 303, atendendo ao apelo dos MD e MDF, na última reunião ocorrida em Uberlândia, já com as datas, local, Didata e Temas. O último módulo de 2012 ficaria para 26 a 28 de outubro, em SP, conduzido por Mônica Levi sobre: Definição de AT, Contratos, Estrutura e funcionamento da personalidade. A parte lúdica foi também muito interessante, com destaque para momentos de integração e diversão, como o PASSEIO NO TREM DA ALEGRIA. O jantar de confraternização teve musica ao vivo, e cardápio especial de comida de buteko.

2013 | 2014 Para 2013 os dois módulos previstos seriam dados de 21 a 23 de fevereiro, Porto Alegre, por Jane Costa sobre: Estruturação do tempo, Emoções e Disfarces, e o 2º módulo de 25 a 27 de outubro por Antônio Pedreira em Salvador, sobre: Síndrome de Passividade e Simbiose, Fomes e Carícias. Foi confirmada a proposta de Pedreira, para que, para nas publicações, todos os termos específicos da AT sejam doravante grafados com iniciais maiúsculas, bem como os termos sem tradução para a língua portuguesa sejam grafados em itálico. O II ENCONTRO PARANAENSE DE AT foi realizado em Curitiba em 18 de outubro 2012– PR - o RELACIONAT. Sucesso absoluto! De parabéns a laboriosa e competente comissão organizadora. Realizado em Uberlândia, MG, em 22 a 24 de agosto 2013, o XXIV CONBRAT que teve como tema: “Valorizando a Singularidade e a Diversidade do Ser Humano”, abrangendo os eixos temáticos nos aspectos clínicos, organizacionais, saúde e grupos. – tendo na Coordenação geral a competente e carismática Didata Ede, de incontáveis serviços prestados à nossa UNAT-BRASIL. Reuniões mensais de Conselho Deliberativo através da Skype sobre o projeto de implantação de EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA (EAD) da UNATBRASIL, com a participação ativa da Presidente Eleita, Kátia Abreu, cuja Plataforma Moodle já está implantada desde a gestão de Silveira, o que possibilitará à UNAT realizar cursos on line à distância. A Comissão de Implantação formada por Membros Certificados, MDF e MD, acompanhada pela Diretoria da UNAT-BRASIL, além de papeis diferenciados no projeto EAD, incluem os Conteudistas e os Tutores. No VIII FORUM BRASILEIRO DE ANÁLISE TRANSACIONAL, realizado nos dias 16, 17 e 18 de outubro 2014, tendo como tema “Conectando e Inspirando Pessoas”, ocorreu em Foz do Iguaçu. A

31


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

UNAT-BRASIL | UM OLHAR CRONOLÓGICO DE ANTÔNIO PEDREIRA

2013 | 2014 equipe coordenada pela MDF Andrea Lindner deu um show de eficiência e organização. Parabéns! Após a bela conferência magna, dada pela Didata Márcia Bertuol, seguiu-se o coquetel de congraçamento dos participantes do concorrido Pré-Fórum e do Fórum. Nos dias subseqüentes, uma programação muito bem selecionada brindou aos presentes com temas diversos, com aspectos que enlaçam AT com uma variedade de tópicos interessantes, inclusive a importante Reunião do Conselho Deliberativo, em que se consolidou a votação online para presidência da nossa associação, elegendo a colega Kátia Ricardi Abreu para conduzir os destinos da nossa associação no próximo triênio. Assim, ao completar 30 anos da UNAT-BRASIL, vivemos a boa expectativa da gestão da Presidente: KATIA ABREU, triênio 2014 – 2016, pelo quanto já fez e faz pela Análise Transacional, tanto em âmbito regional, quanto estadual e nacional. Confiamos na competente, versátil e realizadora colega Kátia. Neste ano de 2015, prosseguem os preparativos para o XXV CONBRAT, que se dará em agosto, em Curitiba, PR, com o tema: “Diálogos Construtivos – Pontes entre o Simples e o Complexo”. Já podemos acessar o novo portal da UNAT-BRASIL para sentir que estamos em bom caminho.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Catálogo de Membros Avançados e Regulares (1982) – UNA-AT: União Nacional das Associações de Análise Transacional. 1ªEdição; Catálogo de Membros Avançados e Regulares (1985) – UNAT-BRASIL: União Nacional das Analistas Transacionais. 2ªEdição Teixeira, M.& Almeida, M.: Catálogo de Membros (1995) – Órgão Oficial da UNATBRASIL. Cunha, M. das G.;Catálogo de Membros (1998) – Órgão Oficial da UNATBRASIL(Atualizado até 1997) Oliveira, M.A.(1988)Um Argumento das Associações de Análise Transacional. Rebat; AnoI – nº1 – Jun1988 – Pag.85-108.

32

Krausz, R.R. (2004). Após Quatro Décadas, Haverá um Futuro para a Análise Transacional no Brasil? REBAT nº1, junho 2003, pag. 109-119 regional, quanto estadual e nacional. Co novo

portal da UNAT-BRASIL para sentir que estamos em bom caminho.


galeria de fotos ARQUIVO PESSOAL DE ANTテ年IO PEDREIRA

XV Conbrat em Salvador no ano de 1995

II Jorbat em Salvador no ano de 1994

XV Conbrat em Salvador no ano de 1995

Conglat em 2009

XXIII Conbrat em 2009

XXIII Conbrat em 2009

33


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

at pelo mundo Cartas aos Analistas Transacionais Brasileiros

Amigos brasileiros, confiram os eventos principais da Conferência EATA 2015

Você está convidado a para a Conferência ITAA/FTAA

Horário: 09 de julho - 9:00-18:00, em seguida, Rome Tour | 10 de julho - 9:00-18:00, em seguida, Jantar de Gala | 11 de julho - 9:00-17:30

em Sydney!

Venha explorar, aprender e brincar com a gente na Conferência ITAA/FTAA 2015 em Sydney. Situada em uma das mais belas cidades portuárias do mundo, a comunidade de Sydney é representante de muitos e diversos “grupos” de pessoas que a escolhem como indivíduos, famílias, casais e grupos de viagem ou migração à procura de um novo senso de identidade na Austrália. Esta conferência tem a chance de ser uma lembrança viva da importância dos grupos e a capacidade e o desejo das pessoas para sobreviver, ter sucesso, ou apenas existirem em grupos.

Todos os dias teremos sessões paralelas com apresentações e oficinas para todos os campos.

O tema da conferência é “Grupos” e evoca muitas perspectivas diferentes - indivíduo integração / assimilação / identificação em relação a grupos e as dinâmicas relacionais resultantes, através da evolução e desenvolvimento dos indivíduos em ambientes educacionais e organizacionais.

Mesa-redonda liderada por Maria Teresa Tosi “Criando uma rede: Análise Transacional em Universidades”. Com Mark Widdowson, Henning Schulze, Cesare Fregola, Enrico Benelli, Carla de Nitto, Kristina Brajovic Car.

Além disso, a origem da AT é em grupos e, no espírito da imago grupal, o tema é inclusive um dos quatro campos. Culturalmente, socialmente, economicamente e espiritualmente os grupos de pessoas são essenciais para o tecido da sociedade e para a teoria da análise transacional. Em essência, o tema da conferência é uma revisitação do núcleo da análise transacional: o trabalho feito pela Berne com grupos. Como tema, os grupos são universais. Quer se trate de formação, supervisão, terapia, ensino, coaching ... os grupos e a análise da dinâmica de grupo podem ser transformadores. Venham com a gente! David Morley presidente da conferência

33

09 de julho | KS (Prof. John McLeod): validação científica da teoria da AT - Teoria e construção de reconhecimento científico dos conceitos básicos. Dissertação geral introduzindo o tema sobre a validação de uma teoria, a importância de conceitos e construções básicas, o que é necessário para torná-las testáveis. Uma meta-reflexão sobre as construções teóricas e da falta de validação empírica dos conceitos básicos.

10 de julho | KS (Prof. Omar Gelo): validação científica da teoria da AT - Como podem conceitos básicos de AT ser empiricamente validados para alcançar reconhecimento científico? O trabalho de investigação para apoiar a validação de uma teoria. Mesa-redonda liderada por William Cornell “Teoria Emergente: A evolução em curso de teoria AT”. Com Maria Luisa de Luca, Giles Barrow, Sabine Klingenberg, Sylvie Monin. 11 de julho | Susanna Ligabue leva a sessão plenária para o Comité Científico: “Tempo para compartilhar nossos resultados para os quatro campos: como Teoria e Pesquisa podem reforçar-se mutuamente” Aguardo vocês! Laura Bastianelli


Queridos amigos brasileiros, É com grande entusiasmo e dedicação que organizamos o 32º Congresso Latino-Americano de Análise Transacional, a ser realizada em Lima, Peru, de 30 setembro a 3 outubro de 2015. Acreditamos que será um lugar onde as pessoas vão aprender a implementação de novas pesquisas, as contribuições e melhores práticas certificadas dos principais Analistas Transacionais na América Latina e na Europa nos diferentes campos de aplicação da Análise Transacional: Psicoterapia, Educação, Organizações e Coaching. O tema desta conferência é “Evolução Integrativa: Análise Transacional Hoje”, em que os mais recentes desenvolvimentos da teoria da Análise Transacional serão fornecidos pelos discípulos e seguidores de Eric Berne e integrações de Análise Transacional, com algumas técnicas de outras escolas terapêuticas, tais como: Gestalt, cognitivo-comportamental Psicanálise Contemporânea, terapia PNL. Como expositores, teremos o valioso apoio de profissionais reconhecidos em Análise Transacional como: Gloria Noriega (México), Octavio Rivas (México), Julie Hay (Reino Unido), Antonio Pedreira (Brasil), Sonia Peixoto (Brasil), José Silveira (Brasil), Noeliza Lima (Brasil), Gervasio Araujo (Brasil), Francisco Masso (Espanha), Jesus Cuadra (Espanha), Agustín Devos (Espanha), Carmina Vallverdú del Olmo (Espanha), Jorge Fechar (Argentina), Juan José Tapia ( Argentina), Rolando Paredes (Guatemala), Mónico Carvajal (Venezuela), Susana Ifland

(Chile), Jean Claude Frappant (França), Angela Melgar (Peru), Rafael Junchaya (Peru), Karol Cavero (Peru), Eduardo Castillo (Peru ), Maritza Calocero (Peru), Favio Vega (Peru), Julio Silva (Peru), Socorro Flórez (Peru). Haverá pré e pós-cursos de congresso, tais como: 28 e 29 de Setembro: “Sonho dirigido e terapia de redecisão”. 30 de setembro: “Obter o máximo de supervisão” 04 de outubro: • O conhecimento desconhecido: A transmissão geracional de scripts de vida. • Introdução à Psicoterapia Integrativa Relacional. • Análise Transacional e Educação Emocional e Felicidade. É por esta razão que estendemos um convite cordial e esperamos vê-los em Lima. Para obter mais informações sobre a conferência, você pode acessar o site: www. conglatperu2015.com ou visite-nos no Facebook no link: https://m.facebook.com/CONGLAT2015. Você também pode entrar em contato conosco pelo e-mail: conglat2015@gmail.com Com amor e carinho da equipe organizadora, Karol Cavero Gutiérrez Presidente do XXXII CONGLAT 2015

34


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

depoimentos conclusão do at303 Por Ercília Silva “A Análise Transacional faz parte do meu cotidiano: na busca de estar em sintonia com seus princípios em minha vida, na aplicação e abordagem de trabalho. Estudar, aprofundar, descobrir e aprender são verbos presentes na minha caminhada de analista transacional aprendiz.

Ercília Silva

Concluir os oito módulos do Curso 303 – Programa para a Formação de Didatas da UNAT-BRASIL significa que um dos pré-requisitos para a certificação para Didata está cumprido. Sinto-me feliz e gratificada! Ao mesmo tempo, motivada para seguir a caminhada pela Análise Transacional por outras trilhas de aprendizagem. Agradeço aos Didatas e ao meu grupo de colegas Didatas em Formação pelo gostoso convívio, pelas partilhas, pela parceria. Com certeza, seguimos juntos! Meu carinho e um até breve”. Ercília Silva

35


Por Roy Abrahamian

Roy Abrahamian “Após ter completado o ciclo referente aos módulos do curso 303, desejo compartilhar com todos os colegas a minha experiência. Foram oito módulos no total, muito bem organizados e dirigidos pelos Didatas responsáveis pelos mesmos. Tive a oportunidade, juntamente com os demais participantes, de aprimorar meus conhecimentos teóricos e práticos sobre vários assuntos pertinentes à Análise Transacional, através da leitura e da discussão de artigos nacionais e estrangeiros e da revisão dos materiais teóricos contidos nos livros clássicos estudados em AT. Os artigos foram criteriosamente escolhidos pela sua relevância na teoria e na prática. Houve muitos momentos em que

pudemos atualizar conceitos e revisar teorias e métodos de psicoterapia. Os módulos proporcionaram uma rica oportunidade para trocar ideias e experiências profissionais com os demais colegas, permitindo um amadurecimento na aplicação da teoria em minha prática no trabalho. Pude aprender a preparar aulas e melhorar minha didática, especialmente na elaboração e apresentação dos slides e demais materiais de ensino, através dos modelos oferecidos pelos Didatas e demais colegas e também dos importantes comentários e feedbacks recebidos por todos os participantes. Os encontros propiciaram importantes reflexões e debates sobre aspectos éticos envolvidos na prática profissional, tanto com relação à supervisão como no atendimento aos clientes. Os módulos ofereceram várias oportunidades para aprendermos a praticar a supervisão uns com os outros e discutirmos nossas experiências. Aprendi como conduzir uma supervisão com objetividade e clareza, a partir de aulas sobre o assunto, artigos e principalmente exemplos práticos. Os módulos também me ensinaram a redigir e elaborar artigos científicos, o que é de suma importância para o desenvolvimento científico e divulgação da AT em nosso país.

Além de todos esses aspectos, posso citar o quão importante foi para mim, durante a realização dos módulos, a oportunidade de rever colegas tão queridos e formar novas amizades. Conviver, mesmo por poucos dias, com pessoas que amamos e que compartilham dos princípios filosóficos e humanistas da AT, foi um fator de grande estímulo, de ânimo e, principalmente, de crescimento pessoal. Passei a considerar todos os colegas, Didatas e Didatas em Formação, como integrantes de minha própria família. Como é bom termos com quem nos identificar e partilhar experiências de vida! Ah, e também tem mais uma coisinha... o 303 me deu a oportunidade de conhecer novos lugares, comer em restaurantes bacanas e viajar muito. Graças ao Pedreira e a Soninha, aprendi a saborear a comida baiana. Os Didatas também se revelaram como excelentes guias turísticos! Recomento fortemente o curso 303 a todos aqueles que levam a AT no coração e desejam mais uma oportunidade para crescerem pessoal e profissionalmente. A experiência vale muito a pena! Vida longa à AT!” Roy Abrahamian

36


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

at pelo brasil Oito estudantes finalizam o curso AT 202 em Curitiba Foram dois anos de aprendizado e convívio em encontros mensais em Curitiba. Sob a coordenação de Margarete De Boni, os participantes da formação AT 202, com origem em Joinville, Itajaí e Curitiba, integram sua quinta turma como Didata Organizacional. “Esse grupo tem um perfil que se adequa muito bem ao contexto da Análise Transacional no Brasil hoje: eles são sêniores em sua áreas de atuação e enriquecem com suas vivências e percepções a prática da AT. Fico encantada com a qualidade relacional que o grupo desenvolveu entre si, de convivência com autonomia e oqueidade”, declara Meg. Os professores convidados para este programa foram Regina Silva, Jorge Close, Rosemery Napper e Renato Morandi. Segundo Meg, a escolha destes colegas deveuse a terem “perfis diferentes, mas todos direcionados para uma AT com a mesma linha filosófica e de muita aplicabilidade dentro de um foco relacional. E essa foi uma característica significativa para a formatação deste curso”. Os integrantes desta turma são Aline Carvalho, Ilcilene de Oliveira, Ivonette Cardozo e Luciana Gazzoni, Michelle Thomé, Renato Kyochi Bernardes, Renato Ricardino e Simone Klobber. Para Simone, “o 202 teve o poder de descortinar uma dimensão até então desconhecida por mim: a oqueidade. Os conceitos coerentes e integradores da AT, compartilhados por profissionais tão experientes e capacitados, com diferentes visões de mundo, ampliaram minha percepção sobre as possibilidades profissionais e pessoais. Me percebo muito mais presente, autônoma e consciente, com a convicção de que de fato sou nascida para vencer!” “Com 40 anos me percebo incluindo mais um marco importante no meu desenvolvimento pessoal e

37

Da esquerda para a direita: na frente, Renato Kyochi Bernardes, Luciana Gazzoni, Aline Carvalho, Ilcilene de Oliveira e Michelle Thomé. Atrás: Simone Klobber, a Didata Margarete De Boni, Ivonette Cardozo e Renato Ricardino.

profissional: a.AT. e d.AT. Isso simboliza a diferença da vida antes da AT e depois da AT. Sou muito mais eu agora!”, conta Michelle. Segundo Luciana, “o 202 significou aumento da consistência profissional, crescimento pessoal e principalmente a possibilidade de ver o mundo e a mim mesma de uma nova forma. Hoje me sinto muito mais autônoma nas minhas decisões e protagonista da minha jornada”. Para Ivonette, “o estudo da AT conectou o melhor de mim. Quando pensei que tinha alcançado a maturidade com propriedade, o 202 aconteceu e pude saber que o melhor estava para ser apreciado e vivido. Mestres amorosos, profundos conhecedores da AT, e colegas generosos, nutritivos e ricos em criatividade foram protagonistas fundamentais para este aprendizado. Com a expansão da minha consciência, me permito, aqui e agora, qualificar e reconhecer com autonomia e potência esta jornada chamada vida”.


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

conbrat 2015 Por que ir ao CONBRAT 2015 Por Jefferson Moraes forma OK/OK uns com os outros. Cena dois: imagine este grande grupo em um coquetel de abertura, celebrando a alegria de reencontrar amigos e companheiros de jornada. E na noite seguinte, imagine-o em um jantar de confraternização regado a tango e carne argentina da mais alta qualidade, energizando suas Crianças Livres, explorando a beleza da nossa música brasileira ao cantar em uma só voz, sem receio de demonstrar sua felicidade, sua comemoração da vida, sua Oqueidade. Jeffersonn Moraes

Imagine, por um instante, quase duas centenas de pessoas reunidas, entre Analistas Transacionais e simpatizantes da AT, dedicandose aos estudos da personalidade e interação humanas e suas implicações nas mais diversas áreas Saúde, Organizacional, Educacional. Alguns destes profissionais proferindo palestras, conduzindo oficinas e seminários, apresentando seus artigos científicos. Imagineos com seus Adultos Integrados gerando aprendizagem junto a um público ávido por ampliar seus conhecimentos em AT, desafiandose a conviver e aprender juntos de

Sim, estou me referindo ao Fórum de Foz em 2014. Mas muitos não precisaram imaginar, apenas se lembrar, porque estavam lá e viveram estes momentos. Na verdade, para além do sucesso e da magia do Fórum, estou me referindo a estes anos que estamos vivendo, a este momento ímpar de vida da balzaquiana UNATBRASIL. A meu ver, um momento que expressa maturidade, que abre espaço para renovação, diálogo e profissionalização, que fortalece a comunidade de forma ATenta, que promove desenvolvimento da teoria e das pessoas que com tanta dedicação contribuem dia após dia para que esta instituição se torne uma

referência em Análise Transacional no Brasil. Trata-se de tarefa inserida em ambiente complexo. Eu poderia falar sobre os benefícios de você estar em agosto em Curitiba para o 25º Conbrat. Poderia citar os convidados nacionais e internacionais, o tema instigador que é Diálogos Construtivos: pontes entre o simples e o complexo, os diversos trabalhos inscritos que serão compartilhados, o hotel aconchegante no centro da cidade. Poderia ressaltar a dedicação da Comissão Organizadora e a construção de conhecimento que se dará. Mas preferi falar do propósito, da delícia e da razão de estarmos vivendo juntos este momento da nossa história. Preferi falar da possibilidade de, juntos, construirmos pontes para Autonomia através de diálogos construtivos. Simples assim. Esperamos você em Curitiba! Seja muito bem-vindo. Abraços, Jeffersonn Moraes Coordenador do 25º Conbrat

38


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

LIVRO Emoções autênticas são tema de livro que será lançado no CONBRAT 2015 Batutinhas Em decorrência do conhecimento adquirido, assumi a responsabilidade de não deixar tal aprendizado adormecer, com um propósito de levar às pessoas uma melhor maneira de relacionar-se com elas mesmas e com os outros.

Valéria Mendes Jorge A obra “Batutinha: da Confusão à Verdadeira Emoção”, de Valéria Mendes Jorge, será lançada durante o Congresso de Análise Transacional em Curitiba, na última semana de agosto. Leia a apresentação que a autora faz do seu trabalho: “A descoberta da AT por meio de sessões terapêuticas, despertou-me o interesse em conhecer mais dessa teoria. Então, busquei o Curso “101”, que impulsionou-me a dar sequência aos estudos pela Especialização em AT, o “202”, que está na reta final.

39

A forma escolhida para a concretização desse objetivo foi escrevendo e ilustrando uma história de forma simples e lúdica. Nesse livro de título “Batutinha: da Confusão à Verdadeira Emoção”, abordo preferencialmente as Emoções Autênticas num enredo que mostra alguns episódios da vida de Batutinha no convívio familiar e social. Esses episódios são carregados de variadas crenças, valores e conceitos que passam a ser questionados pela personagem principal, que chega a uma tomada de consciência, com a ajuda de seu amigo imaginário, o Pequeno Professor. Entende-se que ela, através de seus questionamentos, teve a oportunidade de compreender, de identificar e de expressar suas Emoções Autênticas, ainda na fase infantil. Fase esta de aprendizado imitativo: comportamentos, pensamentos e sentimentos copiados dos pais ou de figuras parentais.

As Emoções Autênticas (de acordo com a teoria da AT: medo, raiva, tristeza, amor e alegria) e as Emoções de Disfarce, que são aprendidas pela Criança Adaptada como forma de adaptação ao ambiente familiar, são abordadas no livro, assim como os Selos Emocionais, Carícias (positivas e negativas) e implicitamente, no decorrer da leitura, vários outros conceitos como Transações, Desqualificação, Compulsores, Permissões, Injuções, Estados de Ego e outros. Considero esse livro rico e útil. A abrangência do público alvo também é bastante diversificada: crianças, pais, analistas transacionais, educadores, psicólogos, enfim, qualquer pessoa de qualquer idade, mesmo tendo, a obra, uma aparência infantil. Minha expectativa com esse trabalho é a de que ele possa contribuir, de alguma forma, seja na conscientização de atos falhos, nas tomadas de decisões ou em mudanças tanto no âmbito pessoal quanto no convívio social, na esperança de um dia sermos também, “Batutas”, ou seja, pessoas capazes, sábias, perspicazes, competentes, notáveis... enfim, tudo de bom!”


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

O 25º Congresso Brasileiro de Análise Transacional é um evento da União Nacional dos Analistas Transacionais, que acontece a cada dois anos no Brasil. Neste ano, o tema escolhido é Diálogos construtivos: pontes entre o simples e o complexo. Os três eixos temáticos são: 1. O ponto de encontro entre simplicidade e complexidade: gerando opções simples diante de ambientes complexos. Que conceitos da Análise Transacional podem contribuir para compreender, operacionalizar e intervir em questões complexas? Nas redes relacionais, como gerar diálogos simples e construtivos? Quais os pontos de convergência entre a Análise Transacional e a teoria da complexidade, para as transformações sociais? 2. Contrato transacional como força propulsora das interações OK/OK/OK. Como o contrato entre partes pode impactar terceiros? Que aspectos do contrato transacional fomentam relações cooperativas? Contratos propiciam mudanças ou mudanças propiciam contratos? 3. Experiências vividas e influências culturais e biológicas como fontes de recursos empoderadores e

aplicáveis no aqui-e-agora. Como tais experiências podem se transformar em recursos empoderadores? Como os Scripts individuais, organizacionais e grupais se entrelaçam afetando o aqui-e-agora? Como a AT favorece a capacidade de auto-organização e recriação do indivíduo? Profissionais das áreas organizacional (gestores, empresários, equipes, profissionais de RH e consultoria, administradores), de saúde (psicólogos, médicos, enfermeiros, assistentes sociais e terapeutas em geral), educadores, universitários das áreas de comunicação, administração, pedagogia, psicologia e serviço social e demais interessados, de todo o Brasil e países vizinhos são o público do congresso. O objetivo do Conbrat é proporcionar pontes entre pessoas interessadas em dialogar, com o suporte da teoria da Análise Transacional, sobre o desafio diário de conviver com demandas diversas, às vezes paradoxais, que nos colocam diante do simples e da complexidade da teia relacional humana, nas diversas áreas da vida. Os participantes terão acesso a conceitos e vivências que possibilitam compreender como o indivíduo pode se conectar com sua autonomia e potência, com seu ambiente, ampliando fronteiras e permitindo transformações pessoais, grupais e sociais efetivas e duradouras. A Análise Transacional permite vislumbrar novos padrões de interação que geram clima e resultados positivos. Confira a segiuir a programação prevista para o evento.

40


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

27/08/2015 QUINTA-FEIRA | PRÉ-CONGRESSO E ABERTURA DO CONGRESSO 08:30 | 9:00 Credenciamento e entrega de materiais

CURSOS PRÉ-CONGRESSO 09:00 | 17:30 Curso 1: O que as teorias da Análise Transacional significam para minha prática psicoterapêutica? Este workshop é direcionado a ajudar os profissionais de AT a desenvolver os seus próprios quadros de referência para gerar opções terapêuticas, incluindo a opção de não intervir ativamente de nenhuma forma bem como maneiras de utilizar experiências e recursos do passado. Engloba conceitos de auto-organização e autogeração conosco mesmos, com nosso trabalho e com a própria teoria da AT. Com James R. Allen (EUA) 09:00 | 17:30 Curso 2: O simples e o complexo: AT e Coaching Executivo Empresarial A complexidade crescente das organizações tem desafiado os profissionais de RH a criarem metodologias que preparem pessoas para atuar construtivamente no mundo turbulento e imprevisível do trabalho. O ingresso de novas gerações e o choque de valores que provocam, as mudanças sem precedentes na própria natureza do trabalho, as incertezas sobre o futuro, o isolamento ocasionada pela paulatina substituição do contato entre humanos pelo contato via máquina tem provocado a inadequação dos tradicionais treinamentos e demandado novas alternativas cuja dinâmica seja compatível com as necessidades emergentes. Transfere-se o foco do ensino para o aprendizado, da informação para a formação, do hard para o soft, em busca do uso otimo do potencial humano nos seus aspectos afetivos, comportamentais, cognitivos e relacionais. Com Rosa Krausz 09:00 | 17:30 Curso 3: Quais são suas questões sobre a AT e sobre aprendizagem? O que você pensa sobre como você aprende na perspectiva da AT? Como esta consciência pode ajudá-lo em sua aprendizagem? Qual Estado de Ego está aprendendo? E como ele o faz? Qual é o impacto do grupo na sua aprendizagem? Como acontece e como gera mudança? Qual é o seu Script sobre aprendizagem? E o que é aprendizagem com Autonomia? Qual é o seu papel como aprendiz de AT? Facilitadores de AT aprendem também? Qual é o seu papel como facilitador em AT? Como você pode apoiar da melhor forma outros estudantes de AT, individualmente ou em grupos? Com Rosemary Napper (ENG) 14:00 | 17:30 Curso 4: Conceitos Essenciais da Análise Transacional Com Ivana Zanini 19:00 | 19:45 Abertura do Congresso 19:45 | 21:00 Palestra Magna. Com James R. Allen (EUA) 21:00 | 22:30 Coquetel de Abertura para os participantes do congresso

41


28/08/2015 SEXTA-FEIRA | CONGRESSO DIÁLOGOS 08:30 | 13:00 Diálogos - parte 1 Mesa Interativa: A visão do ser humano e suas interações à luz da Análise Transacional e Teoria da Complexidade. Rodadas de Conversa: conexão entre a Análise Transacional e a Teoria da Complexidade - diálogos para expansão e compreensão dos temas: - Mudança - Conflito e Cooperação - Relacionamento Interpessoal e Acordos - Gestão da Autonomia Com Jane Maria P. Costa e Káritas Ribas 13:00 | 14:30 ALMOÇO

SEMINÁRIOS 14:30 | 16:30 Seminário 1 - A colaboração nas equipes de trabalho Este estudo enfoca o processo da colaboração nas equipes de trabalho, com base em alguns conceitos da Análise Transacional e da Teoria da Complexidade. Aborda aspectos das Posições Existenciais Básicas correlacionando com padrões de comportamento e com o pensamento complexo, no contexto de trabalhos colaborativos, com ênfase na interação entre as pessoas. Com Ercilia Silva 14:30 | 16:30 Seminário 2 - Análise Transacional e Aprendizagem de Adultos Com Carmem Santanna

Oficinas 14:30 | 16:30 Oficina 1 - Conflitos e contos de fadas: manejo criativo de situações complexas O conflito, em si, não é danoso ou patológico, é uma constante da dinâmica interpessoal e revela o nível energético do sistema, com consequências: positivas, negativas, destrutivas, construtivas, pelo grau de aprofundamento, intensidade, duração, contexto, oportunidade e modo como ele é enfrentado e administrado. Como fonte de ideias novas, pode abrir diálogos que permitam a expressão e a exploração de diferentes pontos de vista, interesses e valores. Assim, é necessária a compreensão do fenômeno e suas variáveis. Dentre outras, são relevantes os papéis exercidos pelos indivíduos nos diversos cenários conflituosos e nos eventos que antecedem a eclosão da discórdia. Pode catalisar mudanças pessoais e grupais. Visase nesta oficina, propor teoria e prática que permitam o manejo criativo destas situações complexas nas organizações. Com Maku Mollmann e Sonia Nogueira

42


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

28/08/2015 SEXTA-FEIRA | CONGRESSO 14:30 | 16:30 Oficina 2 - Transferência e contra-transferência e seus efeitos na psicoterapia Nos diálogos construídos na psicoterapia existe o encontro entre o simples e o complexo. Uma dança da psicologia humana caracterizada pela Transferência e pela Contra Transferência. Percebida em diferentes contextos de relacionamento, inclusive em relação ao psicoterapeuta, a Transferência ocorre sempre que existem emoções ou reações que originalmente são oriundas de experiências passadas e fundamentam a relação presente. As diferentes categorias de transferência do cliente podem convidar o terapeuta a agir dentro das expectativas de Script do cliente. A atitude do terapeuta ao cliente pode representar uma dinâmica de transferência de material do seu passado para o cliente. A isto chamamos de Contra Transferência que em suas diversas categorias pode ser construtivo e ser utilizado a serviço da terapia. Com Regina Berard e Renata Tannus 16:30 | 17:00 Intervalo

SEMINÁRIOS 17:00 | 18:30 Seminário 3 - Mitos da área psi revistos à luz da Análise Transacional O autor pretende com este tema inédito estabelecer um espaço para reflexão com a plateia, acerca de algumas das principais falácias ou mitos, que ainda ocorrem dentro da psicologia, induzidos por influência midiática. Serão debatidos conceitos propalados no mundo psi, aceitos como verdades e que hoje são comprovados como parcial ou totalmente errôneos. Apoiado em resultados baseados na experiência prática em psicoterapia do autor, por 33 anos, usando AT como referencial teórico-prático, e em verificações científicas atuais e rigorosas, ensejará uma ampla discussão acerca de pseudoverdades que fazem parte do universo da Psicomitologia, e que servirão de estímulo para revê-las e obter informações úteis e fidedignas para a adoção de decisões importantes em sua vida prática e em sua práxis profissional. Com Antonio Pedreira 17:00 | 18:30 Seminário 4 - Acompanhamento e feedback para desempenho profissional Este estudo analisa a prática do acompanhamento e avaliação de desempenho do trabalhador nas organizações a partir de conceitos da Análise Transacional e da Teoria da Complexidade. Aborda as ações de acompanhamento, feedback, validação e redirecionamento do desempenho promovidas pelo gestor em relação ao desempenho do colaborador. Conclui que o conceito de Estados do Ego pode contribuir com o gestor para que conduza o processo de forma coerente e produtiva. Com Laucemir Silveira

OFICINAS 17:00 | 18:30 Oficina 3 - Análise Transacional aplicada na condução de grupos Pretende-se nesta oficina, discutir e analisar, como os conceitos de Estados de Ego, Posição Existencial, Reconhecimentos, Estruturação Social do Tempo e Imago Grupal podem auxiliar profissionais que atuam na coordenação de grupos a diagnosticarem como estão as relações entre seus membros, bem como suas consequências na obtenção de resultados. Com Luiz Tiradentes

43


29/08/2015 SÁBADO | CONGRESSO 08:30 | 09:30 Assembleia da UNAT-BRASIL 08:30 | 09:30 Palestra 09:30 | 10:00 Atividade em Grupo Entrega de certificados e orientações para o dia.

ARTIGOS CIENTÍFICOS 10:00 | 10:30 Artigo Científico 1 - Projeto de pesquisa-ação com o objetivo de ampliar a consciência social entre mulheres participantes de grupos de psicoterapia analítica transacional no Brasil A necessidade de ampliação da consciência sobre o poder de uma ação embasada em contato cooperativo permanece presente na atual realidade brasileira. Com base na bibliografia de Gramsci (1978, 1982) sobre a Hegemonia, de Freire (1979, 1979a), sobre Contato Cooperativo, e de Steiner (1975) sobre Psiquiatria Radical, a metodologia de pesquisa-ação foi utilizada com o propósito de ampliar a consciência social sobre a opressão culturalmente enraizada, vivenciada pela mulher, particularmente em relação ao trabalho e para facilitar o reconhecimento sobre a importância do contato cooperativo quando se pretende libertar da opressão. Desta problematização foi concebido um modelo contendo seis Níveis de Consciência da Opressão. Com Jane Maria P. Costa 10:00 | 10:30 Artigo Científico 2 - Voluntariado: um olhar a partir da Análise Transacional O artigo aborda o voluntariado à luz da Análise Transacional. Desenvolveu-se a partir de pesquisa bibliográfica e prática da autora no voluntariado, com o intuito de esclarecer sobre o tema e fomentar a ação voluntária de excelência. Fornece uma perspectiva histórica, buscando demonstrar a trajetória desta prática, do assistencialismo ao empreendedorismo social. Aborda as três premissas básicas da AT e seus fundamentos: 1. Fé na natureza humana, 2. Contratos e Comunicação e 3. Curabilidade. Traça a partir destas um paralelo com o voluntariado, indicando relação direta entre Posição Existencial OK/OK, consciência social e ação voluntária. Aborda a consciência social a partir do conceito de Desqualificação, indicando ser a qualificação e a vivência da PE OK/OK vias de inspiração e incremento da cultura do voluntariado. Com Andrea Lindner Artigo Científico 3 - Grupos disfuncionais e a interferência dos Jogos Psicológicos em sua dinâmica Este trabalho é um convite ao coordenador de grupos, para que observe-os em busca de papéis específicos, mensagens ulteriores, padrões repetitivos de interações. Possui informações que podem auxiliar na compreensão do comportamento grupal em suas fases, na leitura eficaz da dinâmica de grupos disfuncionais e a partir disto, elencar opções de estímulos úteis para ajudar o grupo a avançar em seus objetivos. Faz-se necessário considerar a complexidade de elementos que envolvem um grupo, sua teia relacional e como os aspectos intra e inter-relacionais produzem ordem, desordem e reorganização. Com Andreia Cechin

44


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

29/08/2015 SÁBADO | CONGRESSO Artigo Científico 4 - A dificuldade de aprendizagem sob a ótica da Análise Transacional O presente artigo trata-se de uma pesquisa bibliográfica que discute os fatores que permeiam as dificuldades de aprendizagem e os relaciona com a teoria psicológica da Análise Transacional. Para isso, foram abordados os conceitos de Carícias e Posição Existencial. Conclui que o vínculo afetivo e os padrões de Carícias da família podem fomentar ou bloquear a aprendizagem da criança, assim como sua Posição Existencial, a qual irá interferir em todos os aspectos da vida, incluindo a escola. Conclui ainda que crianças com dificuldade de aprendizagem apresentam, em geral, Posição Existencial depressiva (Não Ok/Ok) ou Niilista (Não Ok/Não Ok). Com Camila Ramos Emerim 10:30 | 11:00 Intervalo

SEMINÁRIOS 11:00 | 12:30 Seminário 1 - Aplicação da Análise Transacional em Saúde da Família O presente artigo descreve uma experiência desenvolvida em saúde pública com um grupo de Saúde Mental baseado nos princípios e técnicas da Análise Transacional, demonstrando o impacto desta intervenção na melhoria da qualidade de vida da população atendida. O trabalho foi desenvolvido em uma unidade do SUS (Sistema Único de Saúde), pertencente à Estratégia Saúde da Família, do município de São Paulo. Nesta unidade, reúne-se semanalmente, desde janeiro de 2007, um grupo de Saúde Mental aberto a todos os usuários, os quais discutem temas de seu interesse e aprendem a lidar com seus problemas de maneira mais construtiva. Utilizando conceitos simples e objetivos da Análise Transacional, os usuários aprendem a trabalhar seus sentimentos e relacionamentos, o que se reflete em uma melhora de sua saúde e autoestima. Com Roy Abrahamian 11:00 | 12:30 Seminário 2 - Seis estágios do coaching executivo e empresarial, Análise Transacional e Teoria da Complexidade: um estudo de caso O presente trabalho apresenta a leitura de um processo de Coaching Executivo e Empresarial sob a ótica da teoria da Análise Transacional e Teoria da Complexidade de Edgar Morin. Por meio das seis fases do Coaching Executivo propostas por Krausz (2007), o texto traça um paralelo entre as fases, a abordagem da Análise Transacional e a Teoria da Complexidade, articulando as três intervenções entre si, objetivando compreensão ampliada e maior probabilidade de efetividade do processo de Coaching. Com Meriete Mendes Pontoja Cardoso Seminário 3 - Modelos e armadilhas mentais como ferramentas de transformação pessoal e grupal O presente trabalho focaliza a relação entre conceitos associados a padrões automáticos de funcionamento cognitivo disfuncionais e a aprendizagem individual. O tema será analisado a partir de dois conceitos: circuitos de aprendizagem e Armadilhas Mentais – e associá-los a conceitos Análise Transacional. O objetivo é explorar esta relação dos modelos e Armadilhas Mentais com a aprendizagem dentro do contexto organizacional - a fim de compreender como estes conhecimentos podem ser conectados a intervenções organizacionais. Com Jussara Ramos

45


29/08/2015 SÁBADO | CONGRESSO ARTIGOS CIENTÍFICOS 11:00 | 12:30 Artigo Científico 5 - É possível conciliar os limites e as Carícias no desenvolvimento da criança? O presente artigo tem como objetivo refletir sobre a importância dos limites e das Carícias para o desenvolvimento infantil, enfatizando as fases de desenvolvimento e o que cada uma necessita. Os limites possibilitam à criança segurança e noções do que ela poderá fazer, e as Carícias trazem benefícios importantes para o bem estar, além de reconhecimento e valorização da pessoa. O texto ressalta o papel dos pais nesse processo, principalmente na forma com que eles se relacionam com os filhos, em especial, a partir do Estado de Ego condizente com o comportamento apresentado. Com Beatriz Galatto Nesi Artigo Científico 6 - Carícias no contexto da educação infantil: como professores podem contribuir para o desenvolvimento emocional das crianças Este artigo tem o objetivo de problematizar aspectos da interação entre professoras e crianças da educação infantil (na faixa de 2-3 anos), a partir do conceito de Carícias – Análise Transacional. O material de análise consiste em um recorte do corpus que constitui pesquisa de doutorado da autora (SOUZA, 2014) e consiste na descrição de um acontecimento rotineiro no contexto da escola estudada envolvendo duas crianças em conflito e a intervenção da professora. A análise aponta para a necessidade de instrumentalização das professoras para que promovam maior qualidade no desenvolvimento emocional infantil. Com Rosa Cristina Ferreira de Souza 12:30 | 14:00 Horário de Almoço

DIÁLOGOS 14:00 | 18:00 Diálogos - parte 2 Transformando sonhos, desejos e propósitos em Práticas e Resultados Rodadas de Conversa: conexão entre a Análise Transacional e a Teoria da Complexidade - diálogos que gerem Opções e Ações para transformar Relacionamentos e Práticas nas dimensões: - Educacional - Espiritual - Organizacional - Saúde - Transformação social 18:00 | 18:30 Encerramento do Conbrat 2015

46


Informativo OPÇÕES | UNAT-BRASIL N° 82 junho 2015

conbrat 2015

Comissão Organizadora

Para realizar reservas

Coordenação Geral Jeffersonn Moraes Comissão Administrativo-financeira Ana Paula Simões Ivana Zanini Kerley Fistarol Viviane Cristina Wazlawick Comissão Científica Alberto Jorge Close Andréia Cechin Ercília Silva Laucemir Silveira Maria Inês Silveira Comissão de Comunicação Andréa Figueiredo Carolina Feltrin Maria Imaculada (Maku) Mollmann Maria Helena de Souza Michelle Thomé Renata Alves Gava Therezinha Moura Jorge Atendimento Email geral conbrat@unat.org.br

Inscrições Online www.unat.org.br/conbrat2015

47

Comissão científica: conbrat.cientifica@unat.org.br

Profile for UNAT-BRASIL

OPÇÕES UNAT-BRASIL EDIÇÃO Nº 82 | JUNHO 2015  

OPÇÕES UNAT-BRASIL EDIÇÃO Nº 82 | JUNHO 2015  

Advertisement