Issuu on Google+


APRESENTAÇÃO Início de semestre, reinício de aula. Esta é uma combinação permanente de continuidade e renovação de expectativas. É momento de confirmação e renovação de projetos e caminhos a serem percorridos. Em nosso caso, um reinício de semestre potencializa suas características. Afinal, estamos reiniciando o semestre em uma Universidade que inicia sua experiência, enraizadas em uma forte mobilização comunitária. O Recôncavo se mobilizou e possibilitou a criação de sua Universidade, nossa UFRB. Esta conquista, além da importância de ser a segunda Instituição Federal do Ensino Superior, na Bahia, depois de 60 anos, representa ainda outra qualidade para a nossa comunidade e a região. Saímos da visão fragmentária e municipalista dos que pensavam o Recôncavo a partir de cada um de seus municípios. Nosso desafio é potencializar a identidade do berço da nação brasileira, fortalecendo sua densidade histórico-cultural. Foi vitoriosa a comunidade que se mobilizou e garantiu um projeto de toda a região, superando localismos. Destaco este aspecto para que os alunos que reiniciam e os que se incorporam à nossa comunidade, a partir deste semestre, tenham a dimensão de nossa responsabilidade. Estamos construindo uma Universidade Pública Federal referenciada na comunidade e responsabilizada em potencializar a universalidade e a pluralidade da produção de conhecimento. Aos que chegam, queremos que não peçam licença, já esperávamos por vocês. Ocupem suas posições nesta caminhada e, imediatamente, comecem a garantir junto conosco a eficiência do caminhar. Aos que retornam, de energias repostas, continuaremos conjuntamente a compartilhar os desafios e as vitórias. Sejam bem vindos, lutemos por nossa Universidade e nossos sonhos.

Um abraço fraterno de Paulo Gabriel Soledade Nacif Reitor da UFRB


1 PERFIL INSTITUCIONAL 1.1 Breve Histórico da UFRB A Universidade Federal do Recôncavo da Bahia – UFRB é uma Autarquia, criada pela Lei 11.151 de 29 de julho de 2005, por desmembramento da Escola de Agronomia da Universidade Federal da Bahia, com sede e foro na Cidade de Cruz das Almas, no Estado da Bahia, e unidades instaladas nos Municípios de Santo Antônio de Jesus, Amargosa e Cachoeira. É uma Autarquia com autonomia administrativa, patrimonial, financeira e didático-pedagógica. A UFRB possui um modelo multicampi que tem como objetivo principal explorar o potencial sócio-ambiental de cada espaço do Recôncavo bem como servir de pólo integrador, tendo como base de sustentação os seguintes princípios: 9 Cooperação

com

o

desenvolvimento

socioeconômico,

científico,

tecnológico, cultural e artístico do Estado e do País e compromisso com o desenvolvimento regional; 9 Criação de marcos de reconhecimento social, oriundos dos serviços especiais prestados no atendimento da população; 9 Gestão participativa; 9 Uso de novas tecnologias de comunicação e de informação; 9 Equidade nas relações entre os campi; 9 Desenvolvimento de um ambiente capaz de viabilizar a educação à distância; 9 Processo de avaliação institucional permanente; 9 Adoção de políticas afirmativas de inclusão social.

1.1.1 A estrutura Multicampi A UFRB foi concebida numa estrutura Multicampi nas cidades de Cruz das Almas, Amargosa, Cachoeira e Santo Antônio de Jesus. Esta estrutura tem uma relação direta com a região do Recôncavo que constitui-se num território cuja construção histórica, social, econômica e cultural data do início da colonização brasileira, tendo uma delimitação regional bem definida. Os subespaços sócio6


ambientais desta região apresentam importantes especificidades. Por exemplo, neste território, na área denominada do Recôncavo Sul, numa extensão não superior a 2.000 km2 e distâncias não superiores a 150 km, encontram-se núcleos significativos em termos históricos e culturais como Cachoeira, São Félix, Santo Amaro, Nazaré das Farinhas e São Francisco do Conde; e, múltiplos ambientes como o vale do rio Paraguaçu e o lago artificial de Pedra do Cavalo (186,2 km2), a área dos ecossistemas costeiros de Maragogipe, Nazaré, Jaguaribe e Valença, a área norte do Corredor Ecológico Central da Mata Atlântica, a Serra da Jibóia na região de Amargosa, a Baía de Todos os Santos e suas ilhas e o ambiente semiárido. Tais aspectos permitiram a estruturação de uma universidade multicampi, baseada nas especificidades desses subespaços, com centros de estudos nas diversas áreas do conhecimento, que exploram as culturas locais, os aspectos específicos e essenciais da sua organização social e do meio ambiente. Deste modo, a universidade estará buscando elementos que a introduza, regionalmente, como uma relevante fonte de saber que ligará o Recôncavo aos processos socioeconômicos e culturais em curso em todo o mundo.

1.1.2 Os Centros A UFRB tem sua estrutura definida por Centro de Ciências, nucleando-se as áreas temáticas, reconhecidas pela comunidade acadêmica. Esses Centros foram criados com base numa visão administrativa sempre integrativa, multifuncional e multidisciplinar, as quais desenvolvem as atividades de ensino, pesquisa e extensão, tendo como princípios: a) a organicidade das ações; b) o cultivo das áreas temáticas fundamentais dos conhecimentos humanos, estudados em si mesmos ou em função de ulteriores aplicações c) a integração temática entre os Centros; e d) o enfoque em estudos

que

aprendizagem.

abordam,

preferencialmente,

o

Recôncavo

como

região

de

Os Centros de Ciências para o desenvolvimento das suas

atividades-fins são estruturados em colegiados e núcleos de pesquisa e extensão. A estrutura da UFRB conta com os seguintes Centros: Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas; Centro de Humanidades, Artes e Letras; Centro de Formação de Professores; Centro de Ciências Tecnológicas e Exatas e Centro de Ciências da Saúde.

7


2 CORPO ADMINISTRATIVO Reitor Paulo Gabriel Soledade Nacif Vice-Reitor Silvio Luiz de Oliveira Soglia Pró-Reitorias: Pró-Reitor de Administração Francisco Adriano de Carvalho Pereira Pró-Reitora de Gestão de Pessoas Maria Inês Almeida de Oliveira Pinto Pró-Reitor de Planejamento Warli Anjos de Souza Pró-Reitora de Graduação Dinalva Melo do Nascimento Pró-Reitor de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação Carlos Alfredo Lopes de Carvalho Pró-Reitor de Extensão Aelson Silva de Almeida

Pró-Reitoria de Políticas Afirmativas e Assuntos Estudantis Rita de Cássia Dias Pereira de Jesus

8


3 MISSÃO DA UFRB Exercer de forma integrada e com qualidade as atividades de ensino, pesquisa e extensão, buscando promover o desenvolvimento das ciências, letras e artes e a formação de cidadãos com visão técnica, científica e humanística, propiciando valorizar as referências das culturas locais e dos aspectos específicos e essenciais do ambiente físico e antrópico.

4 FINALIDADES As finalidades da UFRB estão inseridas no Capítulo III, Artigo 3º do Estatuto da Universidade, sendo as seguintes: I - gerar e disseminar conhecimentos nos campos das ciências, da cultura e das tecnologias; II - formar, diplomar e propiciar a formação continuada nas diferentes áreas de conhecimento, visando o exercício de atividades profissionais e a participação no desenvolvimento da sociedade; III - contribuir para o processo de desenvolvimento do Recôncavo da Bahia, do Estado e do País, realizando o estudo sistemático de seus problemas e a formação de quadros científicos e técnicos em nível de suas necessidades; IV - promover a extensão, aberta à participação da população, visando a difusão das conquistas e benefícios resultantes da criação cultural e da pesquisa científica e tecnológica; V - educar para o desenvolvimento sustentável; VI - implementar e cultivar os princípios éticos na consecução de seus objetivos; VII - manter amplo e diversificado intercâmbio de conhecimentos com a sociedade; e VIII - contribuir para a melhoria do ensino em todos os níveis e modalidades, por meio de programas de formação inicial e continuada. Parágrafo Único. A Universidade, ao lado das funções de caráter específico, poderá exercer outras atividades no interesse da comunidade. 9


5 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL A estrutura organizacional da Universidade compreende: I. Órgãos de Administração Superior; II. Órgãos de Administração Setorial; e III. Órgãos Complementares.

5.1 Da Administração Superior A Administração Superior da UFRB é exercida pelos seguintes órgãos: I. O Conselho Universitário: é a instância máxima da UFRB como órgão doutrinário, consultivo, normativo e deliberativo, com composição e competências definidas no artigo 21 e 23 do Estatuto da Universidade. II. O Conselho Acadêmico: é o órgão consultivo e deliberativo que define a organização e o funcionamento da área acadêmica nos aspectos técnicos, didáticos e científicos nas áreas de ensino, pesquisa e extensão. III. O Conselho Curador: é o órgão de fiscalização econômico-financeira da Universidade, com atribuições definidas no artigo 28 Estatuto da UFRB. IV. A Reitoria: é o órgão executivo que administra, coordena, fiscaliza e superintende todas as atividades da Universidade.

5.2 Da Administração Setorial São Órgãos de Administração Setorial: I. Os Conselhos de Centro: é o órgão máximo deliberativo em matéria acadêmica ou acadêmico-administrativa do Centro. È composto por representantes do corpo diretivo do Centro, dos docentes, dos funcionários e dos alunos. II. O Centro: é à base da estrutura da Universidade para todos os efeitos de organização administrativa e didático-científica, compreendendo as disciplinas afins a ele vinculadas e onde se encontram lotados os docentes.

10


III. O Colegiado de Curso: é o órgão da administração setorial de deliberação coletiva, supervisão e coordenação didático-pedagógica de cada curso e integra a estrutura da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

5.3 Os Órgãos Complementares Os Centros poderão criar Órgãos Complementares a eles vinculados, para colaborar no ensino, na pesquisa, na extensão e na preservação de bens culturais. Parágrafo Único – Esses órgãos não serão unidades de lotação de pessoal docente, técnico-administrativo ou de lotação orçamentária.

11


6 ESTRUTURA MULTICAMPI Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas – Cruz das Almas Diretor Pró-Tempore: Alexandre Almassy Jr. Vice-Diretora Pró-Tempore: Paula Angela Umbelino Guedes Alcoforado Gerente Técnico: Márcia Regina Santos da Silva Gestor de Ensino: Léa Carvalho Núcleo de Apoio Acadêmico: Manoel de Oliveira Cardoso Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas – Cruz das Almas Diretor: Celso Luiz Borges de Oliveira Assessor da Direção: Ruth Exalta da Silva Gerente Técnico: Neide Cardoso Lima de Matos Gestor de Ensino: Maria Amélia de Pinho Barbosa Núcleo de Apoio Acadêmico: Edmaria de Oliveira Silva Centro de Artes, Humanidades e Letras - Cachoeira Diretor: Xavier Gilles Vatin Assessor da Direção: André Luis Mota Itaparica Gerente Técnico: Deivisson Leão Gestor de Ensino: Henry Luydy Abraham Núcleo de Apoio Acadêmico: Kelly Graziely da Silva Siqueira Centro de Ciências da Saúde – Santo Antônio de Jesus Diretor: Luiz Antonio Favero Filho Vice-Diretor: Fábio Santos de Oliveira Gerente Técnico: Milena Maria Lobo Oliveira Gestor de Ensino: Ana Lúcia Moreno Amor Núcleo de Apoio Acadêmico: Jandira Oliveira Santos Centro de Formação de Professores – Amargosa Diretor: Djeissom Silva Ribeiro Assessor da Direção: Luís Flávio Reis Godinho Gerente Técnico: Suraya Brito Chagas Gestor de Ensino: Adriana Lourenço Lopes Núcleo de Apoio Acadêmico: Jomara Silva dos Santos 12


7 INFORMAÇÕES SOBRE NOSSOS CURSOS 7.1 Campus: Cruz das Almas(BA) Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas - CCAAB AGRONOMIA Currículo: 2008.1 Área: Ciências Agrárias Titulação: Engenheiro Agrônomo Integralização: 10 semestres Carga horária mínima: 4.537h Turno de Oferta: Diurno Vagas Autorizadas: 80 Perfil do Egresso: O(a) Engenheiro(a) Agrônomo(a) deverá ser um(a) profissional com formação generalista, técnico-científica, com visão crítica e reflexiva. Deverá ser capaz de se adaptar, de modo flexível, crítico e criativo, às novas situações e propor a resolução de problemas, considerando seus aspectos tecnológicos, políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais. Deverá ter condições de reconhecer as especificidades regionais e locais, relacionadas à sua área de atuação, contextualizá-las e correlacioná-las ao contexto nacional e mundial da produção de alimentos, atuando como agente de mudança na gerência de sistemas produtivos, de forma inovadora e pautada nos princípios da justiça e da ética profissional. Campos de Atuação: O profissional encontra demandas em diversos espaços, como na empresa privada, empresas públicas, empresas de assistência técnica e extensão rural, associativismo e cooperativismo, além da formação e alimentação de banco de dados agrícolas. Coordenação do Colegiado do Curso: Prof. Dr. Elvis Vieira Lima. E-mail do colegiado do Curso: agronomia@ufrb.edu.br

13


BIOLOGIA - BACHARELADO Currículo: 2008.1 Área: Ciências Biológicas Titulação: Bacharel em Ciências Biológicas Integralização: 08 semestres Carga horária mínima: 3.350h Turno de Oferta: Diurno Vagas Autorizadas: 40 Perfil do Egresso: Ao final do curso o profissional terá a capacidade de: atuar como professor do ensino fundamental, no ensino de Ciências Naturais e médio, no ensino de Biologia de forma plena; utilizar os recursos didáticos de forma eficiente visando facilitar o processo ensino-aprendizagem; elaborar um plano de curso comprometido com a realidade dos alunos aos quais leciona e que permita uma maior interação entre o conhecimento formal e o informal, manifestados pelas tradições culturais presentes na vida dos alunos; atuar em projetos de educação ambiental; orientar a elaboração e execução de projetos de educação ambiental e outros que visem a melhoria da qualidade de vida e preservação do meio ambiente; interagir com a comunidade na qual está inserido visando detectar necessidades e carências relacionadas a problemas ambientais, sanitários e nutricionais, propondo ações que possam reduzi-los ou eliminá-los, tanto no ambiente escolar quanto extra-escolar. Campos de Atuação: O bacharel em Ciências Biológicas trabalha em diversas funções inerentes à profissão do biólogo, como execução de projetos, pesquisa científica, e inserção em instituições governamentais, privadas ou em organizações não-governamentais. Coordenação do Colegiado do Curso: Prof. MSc. Fabiano Machado Martins E-mail do Colegiado do Curso: bio@ufrb.edu.br

14


BIOLOGIA - LICENCIATURA Currículo: 2008.2 Área: Ciências Biológicas Titulação: Licenciado em Ciências Biológicas Integralização: 08 semestres Turnos de Oferta: Noturno Carga horária mínima: 2.818h Vagas Autorizadas: 40 Perfil do Egresso: Ao final do curso o profissional terá a capacidade de: atuar como professor do ensino fundamental, no ensino de Ciências Naturais, e médio, no ensino de Biologia de forma plena; utilizar os recursos didáticos de forma eficiente visando facilitar o processo ensino-aprendizagem; elaborar um plano de curso comprometido com a realidade dos alunos aos quais leciona e que permita uma maior interação entre o conhecimento formal e o informal, manifestados pelas tradições culturais presentes na vida dos alunos; atuar em projetos de educação ambiental; orientar a elaboração e execução de projetos de educação ambiental e outros que visem a melhoria da qualidade de vida e preservação do meio ambiente; interagir com a comunidade na qual está inserido visando detectar necessidades e carências relacionadas a problemas ambientais, sanitários e nutricionais, propondo ações que possam reduzi-los ou eliminá-los, tanto no ambiente escolar quanto extraescolar. Campos de Atuação: O profissional pode exercer a atividade docente no Ensino Fundamental e Médio, em empresas privadas ou públicas, além de também poder atuar no Ensino Superior. Coordenação do Colegiado do Curso: Prof. MSc. Fabiano Machado Martins E-mail do Colegiado do Curso: bio@ufrb.edu.br

15


ENGENHARIA DE PESCA Currículo: 2008.1 Área: Ciências Agrárias Titulação: Engenheiro de Pesca Integralização: 10 semestres Carga horária mínima: 3.985 h Turno de Oferta: Diurno Vagas Autorizadas: 40 Perfil do Egresso: O Profissional formado em Engenharia de Pesca deve ter uma formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, apto a compreender e traduzir as necessidades de indivíduos, grupos sociais e comunidades, com relação às atividades inerentes ao exercício profissional, nos campos específicos de atuação, quanto ao aproveitamento e manejo dos recursos naturais aquáticos; ao cultivo e utilização sustentável da riqueza biológica dos mares, ambientes estuarinos e águas interiores; a pesca e ao beneficiamento do pescado; a ecologia e sustentabilidade ambiental. Campos de Atuação: O profissional poderá atuar em Indústrias Pesqueiras, Empresa de Tecnologia de Pesca e de Pescados, Universidades, permitindo o desenvolvimento de atividades de ensino e de pesquisa e, ainda, em empresas privadas prestando serviço de consultoria em projetos pesqueiro. Coordenação do Colegiado do Curso: Prof. Dr. Clovis Matheus Pereira E-mail do Colegiado do Curso: pesca@ufrb.edu.br

ENGENHARIA FLORESTAL Currículo: 2008.1 Área: Ciências Agrárias Titulação: Engenheiro Florestal Integralização: 10 semestres Carga horária mínima: 4.199h 16


Turno de Oferta: Diurno Vagas Autorizadas: 40 Perfil do Egresso: O Engenheiro Florestal da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia deverá possuir formação científica, tecnológica, filosófica, ética, social e intelectual que o habilite a diagnosticar problemas e propor soluções em sua área de competência, bem como ser capaz de criar, gerenciar e executar empreendimentos relacionados aos ecossistemas florestais nativos e implantados, com compromissos no âmbito sócio-econômico e ambiental. Campos de Atuação: O campo de atuação do Engenheiro Florestal é amplo, atuando em empresas privadas, órgãos públicos (municipais, estaduais e federais) e também como consultor de empresas ambientais. Coordenação do Colegiado do Curso: Valfredo da Silva Pereira E-mail do Colegiado do Curso: florestal@ufrb.edu.br

ZOOTECNIA Currículo: 2008.1 Área: Ciências Agrárias Titulação: Zootecnista Integralização: 10 semestres Carga horária mínima: 4.223 h Turno de Oferta: Diurno Vagas Autorizadas: 40 Perfil do Egresso: O Zootecnista graduado pela UFRB deverá ser um profissional com formação sólida de conhecimentos científicos dotados de consciência ética, política, humanística, econômica e cultural e ambiental da região onde atua, incluindo o Brasil e o mundo. Este profissional atua principalmente nas áreas de nutrição, alimentação, manejo reprodutivo e produtivo, melhoramento genético, planejamento, bioclimatologia, supervisão de exposições de animais e estações experimentais, registro genealógico e julgamento, além de promover e aplicar

17


medidas de fomento à produção desses animais e ao destino de seus produtos e subprodutos. Campos de Atuação: O profissional Zootecnista poderá atuar no mercado agropecuário, processamento e qualidade de produtos de origem animal, bem como, planejamento, administração e assessoria técnico-financeira de empresas públicas e privadas. Coordenação do Colegiado do Curso: Profª. Maria Vanderley A. da Silva E-mail do Colegiado do Curso: zootecnia@ufrb.edu.br

MEDICINA VETERINÁRIA Currículo: 2008.2 Área: Ciências Agrárias Titulação: Médico Veterinário Integralização mínima: 10 semestres Carga horária mínima: 4.722 horas Turno de Oferta: Diurno Vagas Autorizadas: 40 Perfil do Egresso: O Médico Veterinário formado pela UFRB deverá ser um profissional com formação generalista e reconhecida capacidade de raciocínio lógico, de observação, de interpretação e de análise de dados e informações. Deverá conhecer os aspectos essenciais da Medicina Veterinária, para identificação e resolução de problemas, considerando seus aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais. Campos de Atuação: O profissional poderá prestar serviços como autônomo, em clínicas, fazendas, cooperativas, centrais de reprodução, laboratórios, indústria de produtos de origem animal de entidades particulares e estatais no controle sanitário de alimentos, indústrias farmacêuticas, de nutrição e alimentos para animais e de produtos e subprodutos de origem animal. Coordenação do Colegiado do Curso: E-mail do Colegiado do Curso: 18


TECNOLOGIA EM GESTÃO DE COOPERATIVAS Currículo: 2008.2 Área: Tecnologias Titulação: Tecnólogo em Gestão de Cooperativas Integralização mínima: 03 anos Carga horária mínima: 1.991h Turno de Oferta: Noturno Vagas Autorizadas: 60 Perfil do Egresso: O(a) Tecnólogo(a) em Gestão de Cooperativas deverá ser um(a) profissional com formação humanística, pró-ativo(a) com visão estratégica e sistêmica, e com espírito empreendedor. Deverá ser capaz de interagir nas especificidades regionais e locais, enfatizando empreendimentos com características rurais, em conexão ao contexto mundial, atuando como agente de mudança na gerência de sistemas organizacionais cooperativados, de forma inovadora e pautada nos princípios de justiça e ética profissional. Campos de Atuação: O Tecnólogo em Gestão de Cooperativas poderá atuar como gestor em entidades cooperativas nos diversos ramos de atividades dessas Instituições, tendo competência e habilidade para ocupar cargos de presidência, gerência nos diversos setores, podendo ser responsável pelas funções de planejamento, operação, controle e avaliação dos processos societário, contábil, tributário e fiscal nessas instituições. Coordenação do Colegiado do Curso: E-mail do Colegiado do Curso:

19


Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas - CETEC BACHARELADO EM CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Currículo: 2008.2 Área: Ciências Exatas e da Terra Titulação: Bacharel em Ciências Exatas e Tecnológicas Integralização mínima: 04 anos Carga horária mínima: 2.395h Turnos de Oferta: Diurno e Noturno Vagas Autorizadas: 160 (80 e 80) Perfil do Egresso: O Bacharel egresso possuirá uma formação básica sólida e generalista, com capacidade, se caso desejar, complementar sua área de profissionalização no campo das engenharias, ou bacharelado em matemática ou bacharelado em física, ou ingressar em cursos de especialização ou mestrado, que saiba trabalhar de forma independente e também em equipe, que detenha amplos conhecimentos e familiaridade com ferramentas básicas de cálculo e de informática, e com os fenômenos físicos envolvidos na área de Ciências Exatas e Tecnológicas. Campos de Atuação: O profissional pode ministrar as disciplinas de Matemática, Física e Química no Ensino Médio. As práticas pedagógicas desenvolvidas no Curso estimulam nos alunos o desenvolvimento de habilidades importantes para sua atividade, tais como: a produção de equipamentos, o uso de recursos computacionais e audiovisuais no ensino, entre outras. Coordenação do Colegiado do Curso: Denis Rinaldi Petrucci E-mail do Colegiado do Curso:

ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL Currículo: 2008.1 Área: Engenharias Titulação: Engenheiro Sanitarista e Ambiental Integralização mínima: 10 semestres 20


Carga horária mínima: 4.622h Turno de Oferta: Diurno Vagas Autorizadas: 40 Perfil do Egresso: O engenheiro sanitarista e ambiental egresso deve possuir uma formação básica sólida e generalista, com capacidade para se especializar em qualquer área do campo da engenharia sanitária e ambiental, que saiba trabalhar de forma independente e também em equipe, que detenha amplos conhecimentos e familiaridade com ferramentas básicas de cálculo e de informática, e com os fenômenos físicos envolvidos na sua área de atuação e com um olhar clínico para a região de influência da UFRB. Campos de Atuação: O Engenheiro Sanitarista e Ambiental poderá exercer suas atividades em órgãos públicos (municipais, estaduais e federais), indústrias e empresas de consultoria sanitária e ambiental. Coordenação do Colegiado do Curso: Jorge Luiz Rabelo E-mail do Colegiado do Curso:

7.2 Campus – Santo Antônio de Jesus (BA) Centro de Ciências da Saúde - CCS ENFERMAGEM Currículo: 2008.1 Área: Ciências da Saúde Titulação: Bacharel em Enfermagem Integralização mínima: 10 semestres Carga horária mínima: 4.386h Turno de Oferta: Diurno Vagas Autorizadas: 80 (40 e 40) Perfil do Egresso: O perfil do enfermeiro graduado na UFRB será de um profissional generalista, com conhecimento técnico-científico, além da ênfase no compromisso ético-político com aspectos relacionados à valorização e defesa da 21


vida, além da prestação de serviços de saúde resolutivos voltados para as necessidades de saúde da população. O enfermeiro pode atuar no planejamento, na execução e na avaliação de ações de saúde envolvendo pesquisa, ensino e a assistência tanto no Âmbito hospitalar quanto na saúde coletiva. Campos de Atuação: O Enfermeiro pode interagir em todos os níveis de atenção à saúde, exercendo funções de cuidado ao paciente, educação para a saúde, serviço de saúde ou gerenciamento de equipes de enfermagem. Possui atuação em hospitais gerais e especializados, serviços de saúde pública; unidades básicas de saúde e ambulatórios, creches, centros de convivência e centros e educação infantil, Organizações Não Governamentais, Serviço de Atendimento Domiciliar, bem como atividades de consultoria, assessoria e auditoria pertinentes aos assuntos de Enfermagem e da Saúde em Geral. Coordenação do Colegiado do Curso: E-mail do Colegiado do Curso:

NUTRIÇÃO Currículo: 2008.1 Área: Ciências da Saúde Titulação: Bacharel em Nutrição Integralização mínima: 09 semestres Carga horária mínima: 3.599 h Turno de Oferta: Diurno Vagas Autorizadas: 80 (40 e 40) Perfil do Egresso: Nutricionista, com formação generalista, humanista e crítica, capacitado a atuar, visando a segurança alimentar e a atenção dietética, em todas as áreas do conhecimento em que alimentação e nutrição se apresentem fundamentais para a promoção, manutenção e recuperação da saúde e para a prevenção de doenças de indivíduos ou grupos populacionais, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida, pautado em princípios éticos, com reflexão sobre a realidade econômica, política, social, cultural nacional e regional.

22


Campos de Atuação: O Nutricionista pode atuar em hospitais, consultórios, ambulatórios, escolas, restaurantes, padarias, confeitarias, indústrias de alimentos e empresas em geral. Como empreendedor, o bacharel em Nutrição poderá abrir o próprio consultório. Coordenação do Colegiado do Curso: E-mail do Colegiado do Curso:

PSICOLOGIA Currículo: 2008.1 (UFBA) Área: Ciências Humanas Titulação: Bacharel em Psicologia Integralização mínima: 10 semestres Carga horária mínima: 4.650 h Turno de Oferta: Diurno Vagas Autorizadas: 80 (40 e 40) Perfil do Egresso: Os profissionais de Psicologia estudam a estrutura e os mecanismos de comportamento dos seres humanos; desempenham tarefas relacionadas a problemas de pessoal, como processos de recrutamento, seleção, orientação profissional e outros similares, problemática educacional e a estudos clínicos individuais e coletivos. Graduação delimitada por um núcleo comum de formação, obrigatório a todos os graduandos, e por três perfis: formação do psicólogo; bacharel em Psicologia, terminalidade opcional, que habilita ao exercício da atividade de pesquisa em Psicologia e Professor em Psicologia, terminalidade opcional, que habilita para a atuação no ensino de Psicologia. Campos de Atuação: O profissional tem um campo de atuação amplo em diversos setores da sociedade, tais como: consultórios clínicos, escolas, creches, empresas, hospitais, unidades básicas de saúde, ambulatórios, fóruns, em psicologia do trânsito, associações profissionais, esportivas e comunitárias. Coordenação do Colegiado do Curso: Profª. Drª. Evenice Santos Chaves E-mail do Colegiado do Curso: 23


7.3 Campus – Cachoeira(BA) Centro de Artes, Humanidades e Letras - CAHL COMUNICAÇÃO SOCIAL – HABILITAÇÃO EM JORNALISMO Currículo: 2008.1 Área: Ciências Humanas Titulação: Bacharel em Comunicação Social Integralização mínima: 08 semestres Carga horária mínima: 3.298 h Turno de Oferta: Diurno Vagas Autorizadas: 40 Perfil do Egresso: O jornalista é o profissional que trabalha com a produção de bens simbólicos (notícias; reportagens; etc.) e que, através do domínio de linguagens e técnicas específicas; elabora interpretações da realidade; atuando tanto nos meios de comunicação de massa convencionais (rádio; jornal e TV); quanto nos mercados emergentes no campo da comunicação institucional. Campos de Atuação: O profissional formado em jornalismo poderá exercer as funções

de

repórter

em

televisão,

rádio,

revistas,

jornais

e

internet.

A formação voltada para a gestão permite ao profissional planejar o fluxo de informações e executar planos de comunicação estratégica na função de assessor de imprensa ou assessor de comunicação de organizações públicas, privadas e nãogovernamentais. Coordenação do Colegiado do Curso: Prof. Dr. Robério Marcelo Ribeiro E-mail do Colegiado do Curso:

HISTÓRIA Currículo: 2008.1 Área: Ciências Humanas

24


Titulação: Licenciado em História e Bacharel em História1 Integralização mínima: 08 semestres Carga horária mínima: 3.200 h Turnos de Oferta: Matutino e vespertino Vagas Autorizadas: 40 Perfil do Egresso: Ao historiador compete o estudo das sociedades humanas, sua organização e mudança. O profissional da História busca não apenas preencher pela pesquisa as lacunas na informação básica sobre as sociedades humanas, como também encontrar explicações generalizadas para os grandes processos de transformação histórica. Campos de Atuação: O licenciado em História poderá atuar no Ensino Fundamental e Médio; em institutos de pesquisa que não desenvolvem atividades de ensino; realizando pesquisas ligadas a questões vinculadas ao patrimônio artístico e cultural, à cultura material (associação Arqueologia/História, atuação em museus) ou a serviço dos meios de comunicação de massa (imprensa, televisão, etc.); funcionando em assessorias culturais e políticas também; trabalhando na constituição e gestão de bancos de dados, na organização de arquivos e em outras áreas de um modo geral ligadas à reunião e preservação da informação, junto a movimentos sociais, sindicatos e associações de moradores, escolas, empresas, etc. Já o bacharel em História poderá atuar em instituições públicas e privadas que trabalham em atividades vinculadas à História, tais como: em institutos de pesquisa, centros de documentação, instituições de preservação do patrimônio histórico, cultural e artístico (museus, arquivos, bibliotecas e centros de documentação). Coordenação do Colegiado do Curso: Prof. MSc. Fabrício Lyrio Santos E-mail do Colegiado do Curso:

MUSEOLOGIA Currículo: 2008.1 Área: Ciências Socialmente Aplicáveis 1

O aluno terá a opção de após concluir a licenciatura obter o título de Bacharel.

25


Titulação: Bacharel em Museologia Integralização mínima: 08 semestres Carga horária mínima: 2.741h Turnos de Oferta: Diurno Vagas Autorizadas: 40 Perfil do Egresso: O Bacharel egresso do curso de Graduação em Museologia atuará como um profissional cidadão, com capacidade para agir criticamente diante das questões sociais, principalmente às questões relacionadas à preservação do patrimônio tangível e intangível das comunidades, em todas as especificidades que a área comporta, tais como a pesquisa museológica, as técnicas de conservação e de documentação de acervos e a utilização do patrimônio preservado como objeto para a educação. Campos de Atuação: O profissional Museólogo atua em diversos tipos de instituições que se voltem, direta ou indiretamente, à proteção, documentação, conservação,

preservação,

pesquisa

e

difusão

do

patrimônio

integral

da

humanidade, tais como museus, centros culturais, institutos de pesquisa, centros de documentação e informação, universidades e escolas, além de prestar serviços técnicos

e

de

consultoria

especializada

na

área.

Coordenação do Colegiado do Curso: Profª. MSc. Ana Audebert de Oliveira E-mail do Colegiado do Curso:

CIÊNCIAS SOCIAIS Currículo: 2008.2 Área: Ciências Humanas Titulação: Bacharel em Ciências Sociais – Integralização mínima: 08 semestres Carga horária mínima: 2.788h Turno de Oferta: Diurno Vagas Autorizadas: 40 26


Perfil do Egresso: O curso de Graduação em Ciências Sociais da UFRB pretende formar um Cientista Social dupla e plenamente consciente da realidade sociológica, antropológica e política da Região do Recôncavo da Bahia como também dos inúmeros desafios levantados pela globalização a nível nacional e internacional. Um profissional capaz de refletir a partir de uma situação local determinada e específica, articulando a sua compreensão com os aportes do contexto global. Um ator social consciente também da realidade sócio-antropológica da população brasileira e do seu papel na construção de uma sociedade menos desigual e mais justa. Um profissional formado e informado, em conexão constante com as realidades múltiplas e complexas que caracterizam o mundo contemporâneo. Campos de Atuação: O Bacharel em Ciências Sociais poderá atuar nas áreas de planejamento, formação, consultoria e assessoria junto as empresas públicas, privadas, organizações não-governamentais e atividades similares. Coordenação do Colegiado do Curso: E-mail do Colegiado do Curso:

SERVIÇO SOCIAL Currículo: 2008.2 Área: Ciências Socialmente Aplicáveis Titulação: Bacharel em Serviço Social Integralização mínima: 08 semestres Carga horária mínima: 3.002h Turnos de Oferta: Diurno e Noturno Vagas Autorizadas: 40 Perfil do Egresso: O curso de graduação em Serviço Social deverá formar Assistentes Sociais capazes de compreender as diversas formas que assume a questão social, articulando sua dimensão local e global. Um profissional apto a formular,

implementar

e

desenvolver

propostas

de

intervenção

para

seu

enfrentamento, com capacidade de promover o exercício pleno da cidadania e a inserção criativa e propositiva dos usuários de políticas públicas no conjunto das relações sociais e no mercado de trabalho. 27


Campos de Atuação: O profissional poderá atuar nas instituições públicas e privadas, organizações não-governamentais (ONGs), empresas de consultoria, os sistemas judiciário e presidiário, os sistemas de saúde e previdenciário, sindicatos e centros comunitários. Coordenação do Colegiado do Curso: E-mail do Colegiado do Curso:

CINEMA E AUDIOVISUAL Currículo: 2008.2 Área: Ciências Socialmente Aplicáveis Titulação: Bacharel em Cinema e Audiovisual Integralização: 08 semestres Carga horária mínima: 3.332h Regime Letivo: Semestral Turno de Oferta: Diurno Vagas Autorizadas: 40 Perfil do Egresso: O curso de Cinema e Audiovisual com ênfase em Documentário formará um profissional com domínio das linguagens e ampla visão do campo estético e técnico do cinema e audiovisual, em particular, do documentário. O campo de atuação desse profissional compreende as áreas de produção, roteirização, direção, fotografia, edição/montagem, cenografia, figurino, animação, infografia e sonorização de produtos audiovisuais de diferentes gêneros e formatos, com destaque para o registro de narrativas documentais. Campos de Atuação: O profissional poderá trabalhar nas produtoras de vídeo e redes de TV às novas mídias (como telefonia celular e TV interativa), em mídia impressa especializada ou em instituições de ensino, além do mercado cinematográfico. Coordenação do Colegiado do Curso: E-mail do Colegiado do Curso:

28


7.4 Campus – Amargosa (BA) Centro de Formação de Professores – CFP FÍSICA Currículo: 2008.1 Área: Ciências Exatas e da Terra Titulação: Licenciado em Física Integralização: 08 semestres Carga horária mínima: 3.196 h Turnos de Oferta: Diurno e Noturno Vagas Autorizadas: 80 Perfil do Egresso: O licenciado em física dedica-se preferencialmente à formação e à disseminação do saber científico em diferentes instâncias sociais, seja através da atuação no ensino escolar formal, seja através de novas formas de educação científica, como vídeos, “softwares”, ou outros meios de comunicação. Campos de Atuação: O Licenciado em Física poderá atuar como professor no Ensino Médio, cursos supletivos e pré-vestibulares, aulas particulares. Também poderá atuar junto a empresas que desenvolvem materiais didáticos para o ensino de Física. Coordenação do Colegiado do Curso: E-mail do Colegiado do Curso:

MATEMÁTICA Currículo: 2008.1 Área: Ciências Exatas e da Terra Titulação: Licenciado em Matemática Integralização: 08 semestres Carga horária mínima: 3.226 h Turnos de Oferta: Diurno e Noturno

29


Vagas Autorizadas: 80 Perfil do Egresso: O Matemático estuda as teorias fundamentais da álgebra, geometria, teoria dos números, da logística e outros ramos da Matemática com o fim de aumentar os conhecimentos; realiza experiências para encontrar novas aplicações dos princípios e técnicas, ou para desenvolver e melhorar a metodologia matemática com vistas a sua utilização na investigação científica, nos trabalhos de engenharia, desenvolvimento, produção logística, eletrônica, energia nuclear, ciência espacial e organização industrial. O matemático licenciado ensina a alunos do ensino fundamental e médio. Assessora outros especialistas sobre aplicações dos métodos em seus campos particulares. Campos de Atuação: O profissional poderá exercer atividade docente em instituições de ensino público e particular de ensino fundamental e médio inserir-se em outras áreas que exijam conhecimentos matemáticos e raciocínio lógico matemático. Coordenação do Colegiado do Curso: E-mail do Colegiado do Curso:

PEDAGOGIA Currículo: 2008.1 Área: Ciências Humanas Titulação: Licenciado em Pedagogia Integralização: 08 semestres Carga horária mínima: 3.500h Turnos de Oferta: Diurno e Noturno Vagas Autorizadas: 80 (40 e 40) Perfil do Egresso: O novo Pedagogo é um profissional capaz de desempenhar funções

de

docência,

administração,

gerência,

supervisão,

coordenação

pedagógica, assessoramento, consultoria, pesquisa, inspeção, planejamento, avaliação em sistemas educacionais, redes escolares, unidades escolares públicas e privadas, empresas, programas, projetos e quaisquer outras instituições ou 30


situações onde se realizem atividades pedagógicas sejam elas formais ou não. O novo conceito de espaços de aprendizagem se ampliou, ultrapassou os limites das instituições escolares formais, passou a incluir um largo espectro de instituições nãoescolares (empresas, sindicatos, meios de comunicação, etc) e também os movimentos sociais organizados. Campos de Atuação: O Pedagogo poderá atuar em creches, no magistério de classes de educação infantil e séries iniciais do ensino fundamental, em escolas públicas e privadas, em organizações governamentais e não-governamentais, sempre promovendo a educação como um fenômeno sócio-histórico e políticocultural e a democratização do saber. Coordenação do Colegiado do Curso: E-mail do Colegiado do Curso:

FILOSOFIA Currículo: 2008.2 Área: Ciências Humanas Titulação: Licenciado em Filosofia Integralização: 08 semestres Carga horária mínima: 3.158h Turnos de Oferta: Noturno Vagas Autorizadas: 60 Perfil do Egresso: O Licenciado em Filosofia é capacitado para a compreensão e a transmissão dos principais temas, problemas, sistemas filosóficos, busca da sabedoria e da verdade, assim como para análise e reflexão crítica da realidade social em que se insere. É um profissional que desempenha funções de docência no ensino médio. Campos de Atuação: O profissional poderá atuar no exercício do magistério em Filosofia e Sociologia no Ensino Médio. Coordenação do Colegiado do Curso: E-mail do Colegiado: 31


8 INFORMAÇÕES ACADÊMICAS Nesse momento em que você está ingressando em uma nova etapa acadêmica, é fundamental que você tenha conhecimento de alguns procedimentos acadêmicos. Nesse manual abordaremos de forma resumida alguns itens de maior relevância. Para maiores informações consulte o Regulamento de Ensino de Graduação (REG) ou procure a CRA – Coordenadoria de Registros Acadêmicos.

8.1 PROGRAD – Pro-Reitoria de Graduação É o órgão da administração central e a instância responsável pelo diagnóstico dos problemas e proposição de políticas relacionadas à graduação. A PROGRAD tem como missão criar condições para a formação de indivíduos inseridos na realidade cultural, social, política e econômica regional e nacional, possibilitando o exercício do pensamento crítico e produção de conhecimentos, à intervenção ética e à busca da cidadania dos futuros profissionais na sociedade. Compete a PROGRAD como órgão da administração central da UFRB as seguintes atribuições essenciais: • Propor políticas do ensino de graduação; • Coordenar as atividades dos órgãos executores dessas políticas sob sua responsabilidade.

8.1.1 COORDENADORIA DE REGISTROS ACADÊMICOS (C.R.A) A CRA é um setor da UFRB sob a responsabilidade e orientação administrativa da PROGRAD que tem a responsabilidade em gerenciar e efetivar as ações acadêmicas dos discentes quanto à criação de processos, encaminhamentos de documentos para os órgãos competentes para análise e decisão, efetivação de registros e cadastramentos das determinações, além de proceder à matrícula dos alunos da Instituição, efetivar e disponibilizar o planejamento acadêmico e cadastrar docentes nos respectivos setores de atividades. Além disso, fazer semestralmente as avaliações dos alunos da UFRB e dos formandos, com a responsabilidade de confeccionar os diplomas e proceder aos respectivos registros. Soma-se ainda, o dever em atender ao público externo, em especial às Faculdades de Ensino Particular, principalmente para registrar os diplomas dessas Instituições. 32


Esta Coordenadoria está organizada em três Núcleos:

a) Gestão e Expedição de Documentação; b) Gestão de Registros e; c) Gestão de Arquivo e Atendimento.

Compete ainda à CRA a admissão do estudante na UFRB, ou seja, pela matrícula dos calouros, pelos registros escolares da graduação e pós-graduação e emissão de documentos da vida acadêmica dos alunos, tais como: histórico escolar, certificado de conclusão de curso, diplomas, entre outros; além das seguintes atribuições: intermediar as solicitações dos alunos, dos Colegiados dos Cursos, dos Centros e outros órgãos deliberativos e administrativos da UFRB; intermediar as solicitações do público externo à UFRB, encaminhando-as aos órgãos competentes; organizar e sistematizar os procedimentos necessários aos registros escolares e emissão de documentos da vida acadêmica dos alunos da UFRB, adequando-os à legislação vigente.

33


9 INFORMAÇÕES DO REGIME ACADÊMICO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

9.1 As formas de ingresso O processo seletivo para ingresso nos cursos de graduação, definido pelo Conselho Acadêmico (CONAC) da UFRB, será realizado por órgão específico.

9.1.1 Do Processo Seletivo O processo seletivo para ingresso nos cursos de graduação da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) consiste na avaliação do candidato, com vistas a obter um perfil adequado para o estudo em nível superior, somente terão acessos aos cursos de graduação os candidatos que tenham concluído o Ensino Médio ou equivalente e tenham sido selecionados no Vestibular, respeitando o número de vagas oferecidas para cada curso.

9.1.2 Por transferência É o ato de matrícula de um aluno em curso e/ou instituição diferente daquele (a) em que foi originariamente admitido. A transferência pode ocorrer conforme as modalidades abaixo: 9 Matrícula de graduados entendida como ingresso de alunos portadores de diploma de nível superior com intenção de obter novo título. Esta modalidade está sendo regulamentada pelo Conselho Acadêmico; 9 Reopção - entendida como possibilidade do aluno mudar de curso na mesma área após processo seletivo. Esta modalidade está sendo regulamentada pelo Conselho Acadêmico; 9 Rematrícula - entendida como reingresso de aluno que abandonou a UFRB por falta de desempenho ou por outros motivos. Esta modalidade está sendo regulamentada pelo Conselho Acadêmico; 9 Transferência externa entendida como ingresso de alunos oriundos de outras IES submetidos a processo seletivo.

34


9.1.3 Por Aluno Transferido Ex-Officio A matrícula obrigatória de aluno decorrente de transferência de servidores públicos ou seus dependentes, em razão de mudança do local de trabalho, no interesse da administração pública, dar-se-á na forma da legislação em vigor.

9.2 Matrícula A matrícula, bem como sua renovação nos cursos de graduação, será efetivada pelos Colegiados de Curso conforme as normas da Pró-Reitoria de Graduação, nos prazos fixados no Calendário Acadêmico. Anualmente o Conselho Acadêmico, ouvido o Conselho Diretor do Centro e a Pró-Reitoria de Graduação, determinará o número de vagas em cada curso de graduação para matrícula inicial dos alunos que ingressaram na Universidade via processo seletivo.

9.2.1. Concessão de Matrícula A matrícula será concedida uma única vez, nas seguintes situações: 9 Ao candidato classificado no processo seletivo no período letivo para o qual obteve classificação; 9 Ao estudante credenciado por convênio com instituições nacionais ou estrangeiras ou por convênio, intercâmbio ou acordo cultural entre o Brasil e outros países; 9 Ao estudante admitido como aluno especial e ao estudante transferido exofficio.

9.2.2 Efetivação da Matrícula A matrícula será efetivada em local e período fixados previamente e através da apresentação de documentos próprios, previstos no Regulamento de Ensino de Graduação.

35


9.2.3 Inscrição Semestral em Componentes Curriculares Ao aluno regularmente matriculado na Universidade é reservada a inscrição em componentes curriculares, comprovada a sua identidade ou do seu procurador, será realizada com base no fluxograma do seu curso. Esta inscrição ocorre em duas fases: I.

Primeira fase, obrigatória, constituída de inscrição em componentes

curriculares, passível de confirmação ou ajuste; II. Segunda fase, para os alunos que necessitarem de ajuste na inscrição em componentes curriculares.

9.3 Formas de Interrupções do Curso 9.3.1 Cancelamento de Matrícula A matrícula será encerrada quando o aluno tiver integralizado o currículo pleno do seu curso. Além disso, poderá ser cancelada nas seguintes situações: I. O aluno deixe de realizar inscrição semestral em componentes curriculares do seu curso por 02 (dois) semestres consecutivos ou não; II. O aluno venha a ser reprovado em todos os componentes curriculares em que esteja inscrito em 02 (dois) semestres consecutivos ou não; III. O aluno não tenha sido reprovado no mesmo componente curricular em 04 (quatro) semestres consecutivos ou não; IV. O aluno não tenha concluído o curso de graduação no prazo máximo fixado para a integralização do respectivo currículo; V. O aluno não tenha concluído a nova modalidade/habilitação/opção no prazo definido pelo Colegiado do Curso, no caso de reingresso para cursar nova modalidade/habilitação/opção; VI. Caso seja comprovada a irregularidade da matrícula.

36


9.3.2 Trancamento de Matrícula O trancamento de matrícula ou o trancamento total ou parcial de inscrição em componentes curriculares será concedido ao aluno regular, que deve requerer dentro do período estabelecido no calendário acadêmico, desde que comprove: 1. Motivo de saúde, mediante apresentação de atestado médico; 2. Direito assegurado por legislação específica; 3. Motivo relevante, a critério do Colegiado do Curso. Atenção: O trancamento de matrícula somente será permitido antes de transcorrido um terço do tempo útil do ensino da disciplina, salvo motivo de força maior devidamente comprovado e aceito pelo Colegiado de Curso. No caso de trancamento parcial ou total em componentes curriculares, fica limitado, ao aluno, a possibilidade deste trancamento em até vinte por cento (20%) da carga horária total do curso, ao longo de todo o curso. O tempo de trancamento de matrícula não poderá ultrapassar a cinqüenta por cento (50%) do número de anos do fluxograma mais atualizado do curso, exceto nos casos do inciso I e II do Artigo 65.

9.4 Aproveitamento de Estudos Poderão ser aproveitados estudos/atividades realizados na UFRB ou em outra instituição de ensino superior desde que requerido pelo interessado e instruído com a apresentação dos seguintes documentos: I. Histórico escolar atualizado, constando carga horária dos componentes curriculares cursados com aprovação, descrição dos símbolos dos conceitos com os valores correspondentes e períodos em que forma cumpridos os componentes curriculares; II. Programas dos componentes curriculares cursados com aprovação em outras instituições de ensino superior e que são objeto do pedido de aproveitamento; III. Base legal que regulamenta o curso de origem, quanto à autorização para funcionamento ou reconhecimento pela autoridade competente.

37


Atenção: Documentos provenientes de Instituições estrangeiras deverão ser acompanhados das respectivas traduções oficiais e devidamente autenticados pela autoridade consular brasileira no país de origem. O estudo de equivalência de componentes curriculares será efetuado pelo Conselho do Curso, ouvidos os membros dos Centros competentes, considerada a análise comparativa dos conteúdos programáticos e das cargas horárias cursadas. Os componentes curriculares serão considerados equivalentes quando o conteúdo for igual ao do componente oferecido pela UFRB, com uma carga horária igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) do mesmo.

9.5 Avaliação da Aprendizagem A avaliação da aprendizagem é o processo de apreciação e julgamento do rendimento acadêmico dos alunos, com o objetivo de acompanhamento, diagnóstico e melhoria do processo de aprendizagem, bem como a finalidade de habilitação do aluno em cada componente curricular. A avaliação será feita por período letivo, semestral com a apuração das freqüências às aulas, das atividades e dos trabalhos escolares. As notas serão atribuídas aos alunos em avaliações parciais através de trabalhos escolares e no exame final quando for o caso. Quem define a metodologia de avaliação da aprendizagem é o professor ou grupo de professores de cada componente curricular no respectivo plano de curso, aprovado pelo plenário do centro e encaminhado aos(s) Colegiado(s) do(s) Curso(s) para conhecimento. O professor tem até o final da segunda semana letiva, para divulgar a metodologia de avaliação da aprendizagem aos alunos em sala de aula.

9.6 Notas As avaliações de aprendizagem através de trabalhos escolares e do exame final serão expressas sob a forma de notas numéricas, até uma casa decimal, obedecendo a uma escala de zero (0) a dez (10). Os trabalhos escolares para avaliações parciais de aprendizagem são obrigatórios, ao aluno que não os fizer será atribuída a nota zero (0). 38


Ao longo do período letivo, deverão ser atribuídas a cada aluno, com base nos trabalhos escolares, no mínimo 2 (duas) e no máximo 6 (seis) notas. Será dispensado do exame final, o aluno que, houver alcançado média mínima igual ou superior a sete (7), sem aproximação. O exame final constará de prova escrita e/ou prática e/ou oral e/ou execução de um trabalho, versando sobre assunto da matéria lecionada no período. Este exame será realizado, no mínimo, uma semana após o encerramento do curso. Será reprovado ou inabilitado o aluno que não obtiver nota igual ou superior a um vírgula sete (1,7) resultante da média das avaliações parciais de cada componente curricular ficando impedido de realizar o exame final; bem como, o aluno que não obtiver nota final igual ou superior a 5 (cinco), sem aproximação, resultante da média das avaliações parciais e do exame final de cada componente curricular.

9.7 Segunda Chamada O aluno que faltar ou não executar trabalho escolar, ao qual será atribuída nota para fins de aprovação ou reprovação, terá direito à segunda chamada, se a requerer ao professor responsável pela disciplina, até dois dias úteis após a sua realização, comprovando-se uma das seguintes situações: I. Direito assegurado por legislação específica; II. Motivo de saúde comprovado por atestado médico; III. Razão de força maior, a critério do professor responsável pela disciplina. Atenção: A falta à segunda chamada implicará na manutenção automática e definitiva da nota zero (0). A avaliação da aprendizagem em segunda chamada será feita pelo próprio professor da turma, em horário por este designado, com, pelo menos, três (3) dias de antecedência, consistindo na execução de trabalhos similares àqueles aplicados na primeira chamada.

39


9.8 Freqüência O aluno que não obtiver a freqüência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) às aulas e às demais atividades escolares de cada componente curricular, será considerado inabilitado ou reprovado. Caso o aluno tenha faltado mais de 25% da carga horária do componente curricular será proibida a realização das avaliações subseqüentes.

9.9 Dos Estágios Os Centros de Ensino buscarão assegurar o desenvolvimento de programas de estágios curriculares para seus discentes, mediante oferta própria ou a formalização de instrumentos de cooperação com instituições públicas e privadas.

40


10 DIREITOS E DEVERES DO CORPO DISCENTE Constituem direitos e deveres dos membros do corpo discente, conforme o Art. 149 do Regimento Geral: 9 Zelar pelos interesses dos estudantes e pela qualidade do ensino que lhes é ministrado; 9 Utilizar os serviços que lhes são oferecidos pela Universidade; 9 Participar dos conselhos, das associações estudantis e exercer o direito de voto para a escolha de seus representantes; 9 Recorrer de decisões dos órgãos executivos e deliberativos, obedecidas as instâncias de decisão e os prazos estabelecidos; 9 Zelar pelo patrimônio da Universidade destinado ao uso comum e às atividades acadêmicas; e 9 Cumprir as normas institucionais em vigor.

41


11 BOLSAS PARA ALUNOS Além das aulas, você poderá participar de atividades de ensino, pesquisas e de extensão, auxiliar as atividades do professor, fazer estágios e treinamentos especiais. Muitas dessas atividades podem disponibilizar bolsas. Para tanto, deve submeter-se à seleção que é a realizada periodicamente, com divulgação prévia dos requisitos exigidos. Fique atento!

12 PROJETOS E PROGRAMAS 12.1 PROJETO MONITORIA ACADÊMICA (MA) O Projeto de Monitoria é uma iniciativa de cunho acadêmico voltada para o treinamento de graduandos dos cursos da UFRB em atividades de ensino e pesquisa. Seu papel institucional é relevante, pois além da capacitação do monitor para o ensino, o exercício da monitoria tem reflexos positivos na relação professor aluno e no aprendizado dos conteúdos das disciplinas e na capacitação em atividade de pesquisa. A UFRB possui um grupo PET, vinculado ao curso de graduação em Agronomia, implantado em 1988, composto por 12 bolsistas e um tutor doutor. O Programa de Educação Tutorial (PET) objetiva envolver os estudantes num processo de formação integral, propiciando-lhes uma compreensão abrangente e aprofundada de sua área de estudo. Durante o ano de 2007 a PROGRAD designou a Chefe do Núcleo de Projetos Especiais como representante institucional, para servir como elo de comunicação junto ao MEC/SeSU e coordenar todas as ações relativas ao programa na UFRB.

42


12.4 PROGRAMA DE PERMANÊNCIA (PP) Uma das ações constituintes do conjunto de políticas que têm o propósito de articular, formular e implementar políticas e práticas de democratização relativas ao ingresso, permanência e pós-permanência estudantil no ensino superior, de forma dialógica e articulada com os vários segmentos contemplados por estas políticas, põe em prática uma ação de co-responsabilidade e mutualidade no trato com as demandas da comunidade acadêmica. O Programa de Permanência (PP) tem como principal objetivo garantir a permanência dos estudantes dos cursos de graduação da UFRB, ao assegurar a formação

acadêmica

dos

beneficiários

do

Programa.

Através

de

seu

aprofundamento teórico por meio de participação em projetos de extensão, atividades de iniciação científica vinculada aos projetos de pesquisa existentes nos Centros, atividades de ensino/acadêmica relacionadas à sua área de formação e ao desenvolvimento regional. O PP é composto por diferentes políticas de atenção às demandas acadêmicas, entre elas destacamos as Modalidades de bolsas disponíveis: 9 Bolsa Moradia: assegura a moradia dos estudantes beneficiários nas Residências Universitárias; 9 Bolsa Alimentação: assegura a oferta de refeições no Restaurante Universitário; 9 Bolsas Pecuniárias: associadas a projetos vinculados à Extensão, Pesquisa e Graduação (monitorias). Temos dois projetos em Curso: Projeto MEC/SESU e Projeto “Conexões de Saberes” MEC/SECAD. O PP promove chamadas públicas através de editais para o processo seletivo em todas as modalidades de bolsas. Qualquer dúvida contatar a Pró–Reitoria de Políticas e Assuntos Estudantis: Pró-Reitora – Profª. Rita de Cássia Dias Coordenação de Políticas Afirmativas (CPA) – Cláudio Orlando Nascimento Coordenação de Assuntos Estudantis (CAE) – Júlio César dos Santos Telefone: (75) 3621-9630

43


13 DIRETÓRIOS ESTUDANTIS Ó Diretório Acadêmico – D.A. é um órgão representativo dos estudantes de um determinado curso. Na UFRB já possui diretórios constituídos os cursos de Engenharia de Pesca, Engenharia Florestal, Agronomia, Zootecnia, Biologia, Engenharia Sanitária e Ambiental, Enfermagem, Nutrição, Psicologia, Física, Matemática, Pedagogia, Comunicação Social, História e Museologia. Os diretórios Acadêmicos dos demais cursos ainda se encontram em fase de estruturação. Não deixem de participar das reuniões bem como das estruturações dos mesmos. O Diretório Central dos Estudantes – DCE é a entidade máxima de representação estudantil dos alunos e tem como principal objetivo representar os Diretórios Acadêmicos – DA’s – agindo nos seus interesses e na defesa dos seus direitos na Universidade. O DCE encontra-se na fase de estruturação, funcionando com uma diretoria temporária.

44


14 ATENDIMENTO AO ALUNO O relacionamento da Universidade com o aluno para solicitações dos serviços acadêmicos deverá ser feito através dos Centros. CCAAB Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas Campus Universitário de Cruz das Almas, s/nº, Cruz das Almas – Ba - Cep: 44.380-000 Tel.: (75)3621-9751 CETEC Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Campus Universitário de Cruz das Almas, s/nº, Cruz das Almas – Ba - Cep: 44.380-000 Tel.: (75)3621-9362 CCS Centro de Ciências da Saúde Bairro do Cajueiro/Campo do Governo Campus Universitário de Santo Antônio de Jesus - Cep: 44.570-000 Tel.: (75)3632-4598 CFP Centro de Formação de Professores Loteamento Parque dos Pássaros, s/nº, Katyara, Amargosa – Ba - Cep: 45.300-000 Tel.: (75)3634-3508 CAHL Centro de Artes, Humanidades e Letras Praça Ariston Mascarenhas, s/nº, Centro Cachoeira – Ba - Cep: 44.300-000 Tel.: (75)3425-2138

45


14.1 Biblioteca A UFRB dispõe de uma biblioteca central localizada no campus de Cruz das Almas e 03 bibliotecas setoriais nos campi de Amargosa, Cachoeira e Santo Antônio de Jesus. Todas as bibliotecas estão em fase de estruturação física (espaço das bibliotecas) e estruturação do acervo. Quanto ao acesso do aluno, ele pode cadastrar-se, apresentando comprovante de matrícula, identidade e uma foto. Estão disponibilizados, no momento, os seguintes dados referentes à biblioteca central: - Livros: 26.698 exemplares - Periódicos: 879 títulos - Multimeios: 92 - Acesso: parcial - E-mail para contato: bibliotecacentral@ufrb.edu.br

14.2 Laboratório de Informática A UFRB dispõe de diversos laboratórios de informática distribuídos nos cinco (5) Centros. Com a participação no REUNI, a Universidade tem previsão de implantação de novos laboratórios, dando o devido suporte ao desenvolvimento de aulas práticas e de pesquisas com qualidade.

46


15 GLOSSÁRIO DE TERMOS ACADÊMICOS Aluno regular (aluno ativo): indivíduo que está regularmente matriculado em um curso da Instituição. Aluno convênio: aluno admitido em decorrência de Convênio, Intercâmbio ou Acordo Cultural. Aluno desistente: aluno que pede o cancelamento da sua matrícula no curso. Aluno desligado: aluno que, por iniciativa da Instituição e tendo em vista seu Estatuto, Regimento ou suas normas acadêmicas, teve a matrícula no curso cancelada. Aluno matriculado: diz-se do aluno que realiza sua inscrição formal em um curso superior, após a apresentação de toda a documentação e cumprimento das formalidades exigidas. No caso de aluno novo, é obrigatório que tenha sido aprovado em processo seletivo. Aluno em Intercâmbio: aluno regular que afasta-se temporariamente para participar de curso/atividade em outra Instituição de Ensino Superior, desde que devidamente aprovado pelo Colegiado do Curso. Aluno especial: aluno admitido para cursar um número limitado de componentes curriculares de um curso superior. Aluno novo: aluno que, após se submeter a processo seletivo, ingressa, pela primeira vez, em curso superior. Aluno portador de necessidades especiais: aluno que apresenta limitações de ordem física (auditiva, visual, mental, motora), psicológica ou emocional, relativamente à sua faixa etária e aos padrões vigentes. Aproveitamento de estudos: dispensa de componente curricular concedida pelo Colegiado do Curso ao aluno que tenha realizado estudos/atividades na UFBA ou em outra Instituição de Ensino Superior devidamente credenciada. Bacharelado: modalidade de oferta de curso de graduação que conduz ao grau de bacharel. Esse grau confere, ao diplomado, habilidades e competências num determinado campo do saber para o exercício da atividade profissional. Campi: é o plural de Campus, que é a terminologia usada para identificas uma cidade universitária. Carga horária: número de horas de atividades de cada componente curricular do currículo do curso. 47


Carga horária mínima estabelecida pela IES para o curso: mínimo de horas a ser cursado pelo aluno para concluir todas as exigências curriculares (componentes curriculares teóricas e práticas, estágios, trabalho de conclusão de curso, entre outros) do curso em que está matriculado, respeitadas as Diretrizes Curriculares Nacionais. Centro: estrutura administrativa e didática – científica que reúne cursos de áreas afins. Colegiado: unidade responsável pela excussão administrativa e acadêmica de cada curso. Componente Curricular: disciplinas cursadas nos respectivos cursos. Curso: combinação de componentes curriculares e atividades organizadas, em campos gerais ou específicos do conhecimento, para atender objetivos educacionais definidos pela Instituição, segundo diretrizes curriculares aprovadas pelo CNE. Na educação superior, os cursos podem ser: seqüenciais, de graduação, de pósgraduação e de extensão. Curso de graduação: conjunto de componentes curriculares e atividades organizadas em áreas do conhecimento, voltadas para a formação de estudantes, que confere grau acadêmico comprovado por meio de diploma e aberto a candidatos que tenham concluído o ensino médio, ou equivalente, e que tenham sido classificados em processo seletivo. Podem ser ministrados nas modalidades bacharelado, licenciatura ou formação profissional (específico da profissão). Um curso de graduação pode oferecer uma ou mais habilitações. Curso reconhecido: é aquele cujos diplomas expedidos, quando registrados, têm validade acadêmica em todo o território nacional (artigo 48 da LDB e Portaria MEC 877, de 30.07.97). Diploma de graduação: documento legal que confere grau acadêmico ao aluno que completou, com sucesso, um determinado programa de estudos (curso de graduação ou pós-graduação). Disciplina: é o conjunto de estudos de um setor de conhecimento, correspondente a um programa a ser desenvolvido em um período letivo. Disciplinas Obrigatórias: são as disciplinas que constituem a parte fixa do currículo. 48


Disciplinas Optativas: são disciplinas complementares, necessárias para a integralização de carga horária curricular, ficando a critério de o estudante optar entre as oferecidas para o curso. Ementa: resumo do conhecimento de que trata um componente curricular informando,

sinteticamente,

o

assunto

que

será

trabalhado

no

conteúdo

programático do componente curricular. Estágio Curricular: atividade integrante da quase totalidade dos currículos de graduação e que tem como função proporcionar ao aluno a possibilidade de relacionar conteúdos teóricos com a prática profissional, ao tempo em que garante maior vinculação do curso com o mercado de trabalho. O acesso ao estágio curricular se faz por inscrição como nos demais componentes curriculares embora independentes do Calendário Acadêmico. Graduado: aquele que se graduou ou se diplomou em algum curso de graduação, recebendo um grau acadêmico. Grau

acadêmico:

conferido

por

uma

Instituição

de

Educação

Superior

(universidade, centro universitário, faculdades integradas, faculdade, escola ou instituto superior, centro de educação tecnológica) como reconhecimento oficial por ter o aluno concluído, com sucesso, todos os requisitos exigidos pelo curso. Grau de bacharel: é o grau acadêmico conferido ao aluno que concluiu curso que oferta a modalidade bacharelado. Grau de licenciado: é o grau acadêmico conferido ao aluno que concluiu curso que oferta a modalidade licenciatura. Habilitação: programa instrucional com requisitos específicos, como componentes curriculares,

estágios,

trabalhos

de

conclusão,

dentre

outros,

vinculado

obrigatoriamente a um Curso de Graduação, visando capacitar o aluno para exercer uma atividade específica dentro da área de conhecimento do seu curso. Histórico escolar: documento que registra o desempenho do aluno durante um curso realizado, considerando os componentes curriculares cursados e respectivas cargas horárias, as notas e/ou resultados finais obtidos nos componentes curriculares em que se inscreveu em todos os períodos letivos, o ano e a forma de ingresso na Universidade, o coeficiente de rendimento, os trancamentos de

49


matrícula e de inscrição em componentes curriculares, entre outros dados pessoais e de natureza acadêmica. Iniciação Científica: programa de bolsa de pesquisa, remunerado ou voluntário, voltado para o aperfeiçoamento acadêmico do aluno de Graduação. Ingressante: aluno que efetiva matrícula em curso superior, em uma das seguintes condições: aluno novo; aluno que mudou de curso dentro da mesma instituição; aluno que foi transferido de outra instituição; aluno que foi transferido ex-officio; aluno portador de diploma de curso superior; aluno de instituição de ensino superior de outro país que mantém intercâmbio ou acordo cultural com o Brasil, etc. Ingresso: ato formal de entrada de um aluno num curso, desde que cumpridas as condições legais exigidas para tal. Integralização Curricular: cumprimento de toda a carga horária e de todos os componentes curriculares exigidos no currículo de um Curso. Licenciatura: habilitação concedida ao graduado em cursos de formação para o magistério em nível superior, para atuar em ensino fundamental e médio. Matrícula: Vínculo formal do aluno com o seu curso ou registro formal num componente curricular ou atividade de um curso. MEC (Ministério da Educação): é o órgão máximo da educação no país. Modalidade: Na educação superior, os cursos de graduação podem ser oferecidos nas seguintes modalidades: bacharelado, licenciatura, tecnológico, específico referente à profissão. Monitoria: programa pedagógico, remunerado ou voluntário, com a finalidade de assegurar e intensificar a cooperação entre estudantes e professores nas atividades básicas de ensino, pesquisa e extensão. Mudança de curso: transferência de um aluno, de um curso para outro, dentro da mesma instituição (transferência interna). Número de matrícula: identifica o aluno durante sua trajetória na Universidade, indicando o ano e o semestre de ingresso. Pré-Requisito: disciplina que deve ser cursada, obrigatoriamente, para que o estudante possa matricular-se numa disciplina subseqüente.

50


Processo seletivo: condição exigida pela Lei No 9.394/96 para ingresso na educação superior constitui-se numa avaliação a que deverá se submeter o aluno que tenha concluído o ensino médio ou equivalente. Regime letivo: período de tempo definido pela IES para a distribuição das atividades e componentes curriculares do um curso (anual, semestral, trimestral, quadrimestral) e para a realização das avaliações do aproveitamento e da freqüência. Regulamento do Ensino de Graduação (REG): é o documento que contém as normas que guiam a vida acadêmica do estudante de graduação da UFRB. Regimento Geral: é o documento que disciplina a organização e o funcionamento da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, bem como estabelece a dinâmica das atividades acadêmicas e administrativas e das relações entre os órgãos da Instituição. Tempo de Integralização: é o tempo fixado pelo CNE para cumprimento do currículo de um curso, podendo ser integralizado em tempos mínimo e máximo, considerando o tempo necessário à integralização, em ritmo que assegure um aproveitamento satisfatório.

51


Manual do Aluno UFRB