Page 1

Revista da Associação Sul Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Aquecimento e Ventilação – Maio/Agosto 2016 | Ano V

nº19

MERCOFRIO 2016: INSERÇÃO DE NOVA TENDÊNCIA NO SETOR

ENTREVISTA Heitor José Müller, presidente da FIERGS, acredita na recuperação do setor em 2017

ENTIDADE Arnaldo Basile assume presidência da ABRAVA


foto de capa: divulgação/revista asbrav

expediente e editorial

SEDE PORTO ALEGRE RS Rua Arabutan, 324 Bairro Navegantes Porto Alegre/RS CEP 90240-470 Fone/Fax (51) 3342-2964 / 3342-9467 Celular (51) 9151-4103 / 9151-4104 E-mail: asbrav@asbrav.org.br Site: www.asbrav.org.br ESCRITÓRIO REGIONAL DE SANTA CATARINA E-mail: asbrav.sc@gmail.com ESCRITÓRIO REGIONAL DO PARANÁ E-mail: asbrav.pr@gmail.com DIRETORIA EXECUTIVA Gestão 2015/2016 Presidente: Hani Lori Kleber 1º Vice-Presidente: Eduardo Hugo Müller 2º Vice-Presidente: Luiz Afonso Dias 3º Vice-Presidente: Paulo Fernando Presotto Diretor Secretário: Luiz Alberto Hansen Diretor Tesoureiro: Adão Webber Lumertz Diretor Adm. Financeiro: Luiz Afonso Dias Diretor de Patrimônio: Adão Webber Lumertz Diretor Associativo: João Henrique S. Santos Diretor Relações Institucionais/Congresso Mercofrio: Mário Alexandre Möller Ferreira Diretor de Representação Local SP: Luiz Carlos Petry Diretora da Qualidade, Gestão Empresarial e Inovação: Madeleine Schein Diretor de Ensino e Treinamento: Paulo Otto Beyer Diretor Técnico: Ricardo Vaz de Souza Diretora Social: Janaína Costa Diretor Setorial Ar Condicionado: João Carlos Antoniolli Diretor Setorial Refrigeração: Marcelo Marx Diretor Integração Regional: Sérgio Helfensteller Diretor Regional SC: Arivan Sampaio Zanluca Diretor Regional PR: Alexandre Fernandes Santos CONSELHO DELIBERATIVO Gestão 2015/2016 Presidente: Gilmar Luiz Pacheco Roth Secretário: Telmo Antonio de Brito Conselheiros Titulares: Carlos Lima, Carlos Rodrigues, Cesar Augusto Jardim De Santi, Márcio José Pereira Hoffchneider, Marcos Kologeski, Ricardo Albert e Rodolfo Rogerio Testoni Conselheira Suplente: Marcela Marzullo Schneider CONSELHO EDITORIAL REVISTA ASBRAV Almir Freitas (editor) Cristiane Paim Cesar de Santi Eliane de Oliveira Silva Guilherme Chiarelli Gonçalves Hani Lori Kleber Luiz Afonso Dias Márcio José Pereira Hoffchneider Mario Antonio Reis de Oliveira Rafael Leal Guimarães Ricardo Vaz de Souza Telma Rosa COMITÊ SETORIAL ASBRAV NO PGQP Presidente: Luiz Alberto Hansen Coord. Geral: Bruna Lazzarotto Coord. de Capacitação: Roberta Vieira Coord. de Avaliação: André Helfensteller Secretária Executiva: Cristiane Paim

MISSÃO congregar, representar e apoiar os associados, proporcionando o desenvolvimento técnico e de gestão, atuando de forma proativa, ética e moral.

4

VISÃO ser reconhecida pela sociedade como entidade referência dos setores que representa.

Vem aí o Mercofrio

O

grande evento do ano se aproxima para todos nós do segmento HVAC-R: o congresso Mercofrio. Trata-se do maior evento da região Sul, envolvendo profissionais da área. O Mercofrio acontecerá entre os dias 13 e 15 de setembro na FIERGS, em Porto Alegre, e contará com palestrantes renomados que trarão seus conhecimentos para atualização profissional e enriquecimento de todos os participantes. Este é o momento para entrar em contato no que há de novo no segmento. A novidade deste ano é o Seminário de Refrigeração, que contecerá no primeiro dia do congresso, em paralelo às apresentações acadêmicas, com o objetivo de apresentar palestras específicas sobre efrigeração, trazidas por fabricantes conhecidos mundialmente, que ão apresentar produtos e aplicações com foco em inovação, eficiência energética, boas práticas, fluidos refrigerantes, entre outros. O Seminário de Refrigeração tem como objetivo trazer para o congresso profissionais, técnicos e usuários de sistemas de refrigeração, principalmente da área supermercadista, e para isso teremos o apoio da AGAS (Associação de Supermercados do Rio Grande do Sul). Essa parceria é uma busca de longa data que se concretizou neste seminário e que é o grande diferencial desse projeto. O congresso Mercofrio tem voltado suas palestras para o setor de climatização, e a ASBRAV tem trabalhado para aumentar sua representatividade junto ao setor de refrigeração, criando benefícios aos associados, aumentando o quadro associativo visando defender os interesses desses associados. O seminário de refrigeração para supermercados é um novo produto que vem ao encontro dos principais objetivos da associação. Para esta primeira edição do seminário de refrigeração, estamos preparando um dia inteiro de palestras e debates qualificados e já projetamos estender os dias para o seminário, numa próxima edição. Esperamos por todos vocês! Mais informações em nosso site www.asbrav.org.br.

Hani Lori Kleber

Presidente da ASBRAV Uffizi Consultoria em Comunicação

Diretor Executivo: Almir Freitas (MTb/RS 5.412) Redatores: Airan Albino, Almir Freitas e Nicolle Timm Editoração: Airan Albino e Nicolle Timm Revisão: Franciane de Freitas Rua Vicente da Fontoura - 2199/302 - Porto Alegre - CEP 90640-003 - Tel +55 51 3330-6636 Comercial: almir@uffizi.com.br Revista ASBRAV - ANO 5 - Edição nº 19 - Maio/Agosto de 2016 Impressão: Odisséia Gráfica e Editora Distribuição: 15 mil endereços eletrônicos cadastrados Tiragem: 1 mil exemplares impressos com remessa dirigida E-mail de contato: almir@uffizi.com.br Os artigos aqui reproduzidos são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da ASBRAV e da Uffizi Consultoria em Comunicação.


sumário

6

entrevista

9

mercado

10

divulgação gbc/revista asbrav

Presidente da FIERGS, Heitor José Müller, acredita que a partir do segundo trimestre de 2017 o setor industrial pode começar a se recuperar

A vantagem para o setor de ar-condicionado neste ano é a mudança do perfil do consumidor

notas e lançamentos Manoel Gameiro assume diretoria da Samsung na divisão de Ar-Condicionado

12

entidade

13

refrigeração

artigo convidado Maíra Macedo, do GBC Brasil, fala sobre saúde e bem-estar

Arnaldo Basile assume presidência da ABRAVA e relata projetos para a sua gestão

Escola Técnica Profissional do Paraná investe em novos laboratórios de automação, refrigeração, câmara frigorífica e rede hidráulica

divulgação/revista asbrav

matéria de capa

18

14

Inspirado em edições antetiores, Mercofrio 2016 busca inserir nova tendência no setor

20

ensino

22

artigo técnico

25

coluna

28

eventos

29

lista de associados

Senai-PR oferece novos cursos e prevê ações para o segundo semestre do ano

Chillers em série, de José Elias Orth, engenheiro mecânico da APS Soluções em Energia

A empresária e palestrante Madeleine Schein explica a importância do planejamento no processo de Sucessão Familiar

Apresentação de case de sucesso da Fruki marcou comemoração dos 21 anos da ASBRAV

Saiba quem está associado à entidade

5


entrevista

“Este ano é de sobreviver com o mínimo de sequelas possível” Presidente da FIERGS acredita que a partir do segundo trimestre de 2017 o setor industrial pode começar a se recuperar divulgação fiergs/revista asbrav

E

le tem o rosto do avô que toda família visita, que carrega os netos no colo. Mas por trás do industrial de descendência germânica está um líder empresarial que acumula a experiência de conduzir uma entidade com sindicatos associados. Heitor José Müller, presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS), percebe o Rio Grande do Sul como o segundo estado que mais sofre com a desindustrialização, logo atrás de São Paulo. Ele tomou posse em julho de 2014 e seu mandato se estende até 2017. Em entrevista à Revista ASBRAV, Müller conta como vê o atual cenário da indústria gaúcha, os projetos para a FIERGS e faz um balanço do ano de 2016. E não se esquiva de responder sobre a aproximação com os governos petistas, o processo de impeachment da Presidente da República afastada Dilma Rousseff e suas expectativas para o próximo ano. ASBRAV – Qual é o cenário que o senhor identifica hoje na indústria gaúcha? Müller – O Rio Grande do Sul é muito conhecido pela sua indústria de transformação na base metal-mecânica. Hoje, no Brasil, esse setor é o que mais está sofrendo. Somos o segundo estado com maior número de setores industriais implantados no Brasil. O primeiro é o estado de São Paulo. Somos o segundo estado que mais está sofrendo com a desindustrialização. Nossa participação na área de transformação industrial no estado é mais contundente na diminuição no PIB, porque aqui a indústria de transformação é mais importante do que em outros estados, com exceção de São Paulo.

6

Heitor José Müller, presidente da FIERGS

ASBRAV – Como o senhor enxerga hoje a capacidade da indústria, especificamente, de inovar e se reinventar? Müller – Infelizmente temos alguns problemas, mas eles também podem ser uma solução para o futuro. Temos indústrias interessadas em tecnologia mais moderna. No SENAI, estamos implantando escolas na área de robótica, mecatrônica, autotrônica, agricultura de precisão e equipamentos. Estamos voltados à chamada indústria


4.0, a revolução digital na indústria. Já temos várias indústrias com robôs implantados. Muitos aproveitaram esse tempo de menor produção e vendas para se reinventar e se reinstalar. Temos algumas indústrias muito modernas no Rio Grande do Sul, e todos sabemos que ou nos reinventamos e acompanhamos a tecnologia que está avançando cada vez mais rapidamente ao redor do mundo ou ficamos fora do mercado internacional e com muita dificuldade no mercado interno por causa da alta competitividade. ASBRAV – Como é a capacidade utilizada da indústria gaúcha hoje? Müller – Depende muito do tipo de produção. Do tipo de fábrica. Mas temos estruturas que não estão produzindo nem a metade do que poderiam, algumas utilizam 40% ou 50% da capacidade. Outras chegam a 70%, e tem aquelas que estão produzindo 100%. O setor alimentício é o que foi menos atingido. Assim como tem outros setores, por exemplo, o de celulose, de papel, que cresceram mais de 100% nos últimos dois anos. Esse é um setor que casualmente evoluiu fantasticamente. ASBRAV – Que alternativas a FIERGS está oferecendo para o setor se reinventar? Müller – Temos o Sistema FIERGS, que envolve o SENAI, o SESI e o IEL. Estamos recebendo no SENAI alunos mal preparados e perdemos bastante tempo tentando ensinar para eles aquilo que já deveria ter sido ensinado. Em 2014 implantamos ensino fundamental e médio no SESI, com um currículo exigente. No primeiro ano o aluno frequenta o turno completo, mais voltado para Ciências, Matemática, Física, Química, Informática e Inglês. No segundo ano, ele frequenta um turno na escola do SESI, onde é o ensino médio, e no outro turno vai para a escola do SENAI começar a lidar com equipamentos. Se o aluno quiser fazer vestibular, ele está absolutamente preparado e registrado no Ministério da Educação e Cultura (MEC). Mas, preferencialmente, que fique dentro das fábricas, porque precisamos de uma equipe melhorada para acompanhar a evolução nas indústrias. ASBRAV – As escolas são abertas à comunidade? Quantas são? Müller– O SESI é mais voltado para filhos de empregados, mas, se não há o número de candidatos suficiente, completamos com alunos da comunidade. A mesma coisa vale para o ensino médio. Os que vieram do ensino

Somos o segundo estado com maior número de setores industriais implantados no Brasil. O primeiro é o estado de São Paulo. Somos o segundo estado que mais está sofrendo com a desindustrialização.

fundamental têm preferência para o ensino médio. Fizemos uma escola piloto em 2014 para ver como funcionaria, e em dezembro de 2015, ou seja, em dois anos de funcionamento, recebemos uma Menção Honrosa por parte do MEC, certificando ser um modelo a ser copiado. Os alunos estudam em grupo, um ajudando o outro. É o que precisamos hoje nas fábricas, porque é tudo em cadeia, não adianta um fazer bem e o outro não saber fazer. Fizemos uma escola em Pelotas, que recebeu uma Menção Honrosa do MEC como uma escola inovadora que deveria servir de cópia ao Brasil inteiro. Inauguramos outra em Sapucaia do Sul e, este ano, temos duas escolas em construção que estão ficando prontas no fim do ano para receber as matrículas para 2017. Uma em Gravataí e outra em Montenegro. Em 2017 teremos uma em São Leopoldo e outra em Caxias do Sul. ASBRAV – O senhor acredita que 2017 pode ser um ano de começo de recuperação? Müller – Imaginando a hipótese de continuar o Michel Temer na Presidência da República, dependendo de algumas atitudes, deve haver uma melhoria de expectativa. Acredito que o primeiro trimestre do ano que vem ainda vai ser muito duro, mas acho que a partir daí possamos começar mas não muito rápido. ASBRAV – O que o senhor está projetando para a economia em 2016? Müller – Precisaríamos ver primeiro os antecedentes. O ano de 2014 foi um boom, pois foi ano de eleições e é normal isso acontecer. No ano de 2015 foi apresentada a verdadeira face da economia brasileira, e as indústrias cresceram, investiram em maquinário. Este ano é de sobreviver, com o mínimo de sequelas possível. É um ano perdido. Não vejo como o Brasil possa reagir ago-

7


divulgação fiergs/revista asbrav

Imaginando a hipótese de continuar o Michel Temer na Presidência da República, dependendo de algumas atitudes, deve haver uma melhoria de expectativa. Acredito que o primeiro trimestre do ano que vem ainda vai ser muito duro, mas acho que a partir daí possamos começar mas não muito rápido. ra porque não vai acontecer nada antes do desfecho da votação final da questão do impeachment, na primeira quinzena de agosto. Se confirmar o impeachment e o presidente interino se tornar efetivo, Michel Temer e equipe talvez possam começar a fazer o que ele quer. ASBRAV – Num passado recente, a FIERGS esteve muito próxima do governo petista. Nessa transformação, o senhor acha que o setor perdeu com o processo de impeachment? Müller – Nosso estatuto reza que temos que trabalhar em colaboração com o governo. Eu sou um político industrial. Não sou necessariamente político partidário, e a questão empresarial é muito heterogênea. Tenho mais de 40 mil indústrias no Rio Grande do Sul. E sempre temos que nos relacionar com o governo. Mas existem várias maneiras de convívio. Você pode concordar com o líder, com a pessoa e pode não concordar com as ideias dela. Ou você pode não concordar com as ideias da pessoa e não necessariamente seguir o líder. Então sempre respeitamos e digo que quem está no governo foi eleito e tem que ser respeitado.

8

ASBRAV – E o Rio Grande do Sul? A situação parece ser bem pior que o Brasil ou não? Müller – Talvez seja igual à do Brasil, que tem uma dívida interna de R$ 3 trilhões. Nosso endividamento no estado é alto demais. Em 44 anos só tivemos 7 anos com equilíbrio orçamentário. Em 37 anos tivemos déficits, o que implica em financiamento. Se o Brasil fala que vamos ter R$ 170 bilhões de déficit esse ano, quem é que vai pagar? É a sociedade por meio de imposto. Isso é insustentável. Não temos que ter Estado máximo ou mínimo. Temos que ter Estado possível de ser sustentado pela sociedade. Precisamos produzir mais, ter mais empresas, mais agricultura para pagar mais ou o governo tem que encolher. Tem que privatizar. Por que o governo tem que administrar tudo? O pior administrador é o governo. Temos que mudar a sociedade.

Müller aposta na melhora do panorama em 2017


mercado

Alta eficiência energética registra aumento A grande vantagem para o setor neste ano é a mudança do perfil do consumidor

O

otimismo contra a crise. Essa é a forma com que Gerson Robaina, diretor de Marketing da Daikin-McQuay Ar Condicionado Ltda, empresa líder mundial no segmento, encara o cenário de negócios mesmo que isso entre em contradição com a projeção de vendas de 2015 e 2016: enquanto ele aposta no crescimento das vendas e procura por produtos de alta eficiência energética, mesmo com o cenário de crise do país, foi registrada uma queda de 24% na projeção total. As expectativas de Robaina têm sido apresentadas em Market Meetings, ciclo de palestras no Brasil, com base em um estudo feito desde 2010 sobre o mercado brasileiro de ar-condicionado. O diretor de Marketing da Daikin-McQuay lembra que o objetivo é compartilhar a visão do mercado e o cenário no qual o setor está inserido. O evento já foi sediado em Curitiba, Florianópolis, Porto Alegre, Salvador, Recife, Fortaleza e três vezes em São Paulo. O Market Meeting tem a finalidade de auxiliar os diretores de empresas a tomarem decisões baseadas em fatos do setor. Conforme o estudo, o mercado residencial registra em torno de 90% do consumo de ar-condicionado de conforto no Brasil. Uma das tendências apontadas por Robaina é o crescimento das vendas e a procura por produtos eficientes. Esse aumento contrapõe-se com a projeção total das vendas do setor, que estima uma queda de aproximadamente 24% em relação ao ano passado. Entre os anos de 2014 e 2015, o percentual de queda foi o mesmo. “São duas quedas que colocam o mercado no cenário de 2007, pela crise e pelos problemas que estamos passando no Brasil”, afirma. A vantagem destacada pelo diretor é a mudança de perfil do consumidor residencial e corporativo, que está disposto a comprar os produtos de alta eficiência energética. O cenário do setor do ar-condicionado está em crise, segundo o diretor de Marketing, mas as vendas de splits Inverter estão proporcionalmente aumentando. Além disso, ele percebe clientes fazendo contas de payback para decidir sobre a aquisição de produtos e escolha de sistemas eficientes para obras maiores. A sociedade, conforme o estudo apresentado pela Daikin, está pressionando o INMETRO por itens cada vez mais eficientes e há um

divulgação daikin/revista asbrav

Gerson Robaina, diretor de Marketing da Daikin aumento de procura por Certificação LEED, que tem o intuito de incentivar a transformação dos projetos, obras e operação das edificações e tem foco na sustentabilidade de suas atuações. Outro fator é o crescimento do VRF sobre os demais produtos de engenharia (Package e Chiller). Pequenas empresas, segundo o estudo, têm solicitado aos fabricantes treinamento e capacitação técnica para a instalação de VRF, na busca por diferenciação. A Daikin foi fundada no Japão, em 1924. Hoje, conta com mais de 56 mil colaboradores no mundo e tem divisões de negócios, além do ar-condicionado, nas áreas de óleo hidráulico, sistemas de defesa, fluidos refrigerantes e fluorpolímeros. Seu faturamento anual contabiliza mais de US$ 19 bilhões. A empresa tem mais de 209 subsidiárias ao redor do mundo e está presente no ranking da Forbes Global.

9


notas e lançamentos TROX do Brasil completa 40 anos No mês de julho, a TROX completa 40 anos de atividade no Brasil. Para comemorar a data, está sendo elaborada uma campanha comemorativa interna e externa, a partir do desenvolvimento de uma nova identidade visual que faz referência aos 40 anos. Essa é a primeira etapa de uma série de ações que serão re-

alizadas para celebrar a data. O projeto Roadshow TROX Brasil 2016, que contemplará eventos técnico-comerciais nas principais cidades do país, também integra as comemorações. O propósito é estreitar o relacionamento da TROX com os clientes e garantir a manutenção do compromisso de qualidade e inovação.

Sistema de Gerenciamento Remoto A matriz do Instituto de Oncologia do Vale (IOV), localizada em São José dos Campos (SP), preveniu mais de uma situação em que teriam prejuízos caso não tivessem

instalado um sistema de gerenciamento remoto para controle das geladeiras de armazenamento exclusivo de medicamentos. E a solução encontrada foi o software Sitrad,

desenvolvido pela Full Gauge Controls, adotado em 2010 pelo IOV, e tem que sido fundamental para o funcionamento da matriz e de outras duas unidades em Taubaté.

Manoel Gameiro assume diretoria da Samsung A Samsung, líder global em tecnologia, apresentou o novo diretor da divisão de Ar-Condicionado, conhecida como System Air-Conditioning - SAC. Manoel Gameiro passa a coordenar todas as ativida-

des da marca na América Central e na América do Sul. Gameiro é formado em Engenharia Mecânica pela Faculdade de Engenharia Industrial – FEI (Brasil) e tem mais de 30 anos de experiência.

Cinquentenário da Frigelar A Frigelar comemora 50 anos de atividade. A empresa iniciou suas atividades em Porto Alegre (RS), no ano de 1966, como prestadora de serviços de assistência técnica da marca Frigidaire. Alguns anos mais tarde passou a comercializar peças, componentes e equipamentos para refrigeração e

condicionadores de ar. Somente em 1983, o crescimento dos negócios levou a Frigelar a se dedicar exclusivamente à revenda de peças, câmaras frigoríficas e condicionadores de ar. Em 2003, iniciou a divisão meioambiente. Com uma fábrica de câmaras frigoríficas e 26 pontos de venda

e distribuição, localizados em São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraíba, Minas Gerais, Pernambuco, Ceará e Goiás, a empresa tem seis centros de distribuição localizados em Osasco/SP, Cachoeirinha/ RS, João Pessoa/PB, Curitiba/PR, Maracanaú/CE e Serra/ES.

Trane participa de seminário

10

A Trane, líder global no fornecimento de soluções e serviços de conforto interior e uma marca da IngersollRand, participou do seminário sobre Sistemas de Água Gelada, em São Paulo. Matthew Chmie-

lewski, líder de aplicação e apoio a projetistas da Trane, apresentou possíveis aplicações, benefícios e o papel dos chillers nesse tipo de climatização. Além disso, mostrou trêscases que utilizam o sistema de

resfriamento dedicado de ar externo. O seminário, que reuniu engenheiros, professores e técnicos, foi organizado pela ASBRAV e pelo Programa Brasileiro de Eliminação dos HCFCs (PBH).


11


ENTIDADE

Arnaldo Basile assume presidência da ABRAVA Com mais de 31 anos de experiência, dirigente relata projetos para sua gestão na entidade

F

12

oco no treinamento e na capacitação de profissionais. Esse é um dos projetos da nova diretoria da Associação Brasileira de Refrigeração, Ar-Condicionado, Ventilação e Aquecimento (ABRAVA), que tomou posse no dia 23 de junho para a gestão 2016-2019. A posse ocorreu no salão nobre da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), às 18h30min, na capital paulista. O engenheiro mecânico Arnaldo Basile Júnior assumiu a presidência da associação, que representa 400 associados – que empregam mais de 230 mil profissionais – que juntos faturam R$ 32 bilhões. O histórico de mais de 50 anos da ABRAVA é um fator importante para o novo presidente. “Temos 16 departamentos nacionais que são a base da entidade. É onde as empresas associadas se identificam”, afirma. Preservar e atuar neles é um dos projetos que integram seu planejamento para o período de gestão. Além disso, Basile pretende incentivar a atividade dos departamentos nacionais que estão em ritmo de desenvolvimento mais lento. Para os demais, ele planeja fortalecer e continuar prestigiando suas atividades. O momento pelo qual o Brasil passa também será um critério levado em conta nos projetos da gestão do novo presidente. Fazer treinamentos e capacitações é um dos planos para revitalizar e investir na formação de profissionais. Basile deseja aproveitar melhor a extensão do país expandindo ainda mais a atuação da entidade. “Pretendo usar recursos de comunicação para que as empresas tenham acesso a tudo o que a ABRAVA oferece.” As relações com ministérios já fazem parte do planejamento da associação, fazendo com que a nova gestão tenha o objetivo de manter e fortalecer as relações ministeriais no âmbito federal e estadual. As relações com associações serão mantidas e intensificadas, segundo Basile. “Queremos ser reconhecidos como uma entidade que ajuda”, diz. Mesmo com esses vínculos, sua gestão vai preservar os valores e questões éticas da ABRAVA. “Nem sempre os interesses de todas as empresas são compartilhados. Temos que trabalhar de maneira muito atenta para que haja harmonia entre os interesses”, explica. Nesse campo, a gestão ainda não tem um plano definido devido ao cená-

divulgação abrava/revista asbrav

Arnaldo Basile, presidente da ABRAVA rio instável, como define o presidente, pelo qual a política e a economia do Brasil estão passando. Basile esclarece que os projetos, como o de treinamento e capacitação de profissionais, são desenvolvidos dentro dos departamentos nacionais. “A ideia é fazer cursos on-line de diversos departamentos”, conta. A parceria existente entre a ABRAVA e a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), onde há desenvolvimento e atualização de normas, é definida como importante pelo presidente que pretende mantê-la. Entre seus planos, está a criação de mais equipes de trabalho para fazer a adequação e tradução de normas internacionais que possam ser aplicadas para o Brasil quando necessário. O presidente tem mais de 31 anos de experiência com foco em gestão, vendas, marketing e estratégia de negócios nas áreas de ar-condicionado, refrigeração e isolamento térmico. Basile é diretor- gerente e partner da ALFA Soluções Térmicas desde 2014.


REFRIGERAÇÃO

ETP do Paraná investe em novos laboratórios Estruturas têm áreas de automação, refrigeração, câmara frigorífica e rede hidráulica

E

spaços para capacitar o aluno e permitir uma melhor colocação no mercado de trabalho. É com esse objetivo que o diretor da Escola Técnica Profissional (ETP), Alexandre Santos, localizada em Curitiba (PR) comemora a abertura de quatro novos laboratórios desde dezembro de 2015. Em operação atendem, simultaneamente, 150 alunos e oferecem uma nova perspectiva para os estudantes do setor no estado do Paraná. O laboratório de rede hidráulica e de dutos é a instalação mais recente, inaugurado em maio deste ano. Nele, são feitas simulações de perdas e cargas, pressão estática disponível e termodinâmicas em vários níveis. Entre os equipamentos que compõem a estrutura estão trocadores de placas, válvulas de balanço e controle, energy valve da Belimo, sistema de ventilação HVLS da marca Elefant, equipamento de rodas dessecantes da Munters e bancada de simulações termo psicrométricas, importada da Inglaterra. Dentro desta instalação está integrado o primeiro laboratório geotérmico do Brasil, onde são feitas simulações de temperatura da Terra em todas as estações do ano e onde é analisado o impacto da temperatura no rendimento termodinâmico. Segundo o diretor da escola, os sistemas de expansão indireta, que possibilitam aos estudantes a simulação, inclusive, de shopping centers em uma bancada didática, vão aumentar. Há seis meses foram inaugurados os laboratórios de automação e de refrigeração. O primeiro é utilizado para aulas que necessitam de softwares que fazem simulações, como Coolpack e Bitzer, da Danfoss. A estrutura tem espaço para 50 computadores simultâneos, mesas em pintura epóxi, ar-condicionado e caixas de ventilação com filtro grosso e fino. No laboratório de refrigeração, há equipamentos preparados para fazer balanceamentos frigoríficos, com manômetros digitais e kits de split inverter. O laboratório de câmara frigorífica, em parceria com a Danfoss, foi a primeira das quatro instalações a ser inaugurada, em dezembro de 2015. O laboratório tem inversores de frequência, quadro de automação com saída serial e válvula de expansão eletrônica, simulando diversas temperaturas de resfriado e congelado.

divulgação/revista asbrav

Quatro novos laboratórios integram a escola técnica Os resultados do investimento nos laboratórios já são perceptíveis. Segundo o diretor da Escola Técnica Profissional, os estudantes estão ansiosos com a possibilidade de aplicar o conhecimento. “Alunos de outras instituições têm pedido apoio para utilizarem nossos laboratórios. Está sendo um benefício para outras instituições de ensino também”, afirma. Cinco artigos desenvolvidos por alunos a partir de estudos feitos nos laboratórios estão sob análise para serem apresentados na Mercofrio 2016, em setembro. Entre eles, um sobre o desempenho do HVLS e outro sobre a simulação de datacenter. A Escola Técnica Profissional oferece cursos na área de refrigeração e ar-condicionado e realiza projetos na área de refrigeração e climatização, serviços de consultoria na área de engenharia térmica e prestações de consultoria na área de manutenção.

13


MERCOFRIO 2016: INSERÇÃO DE NOVA TENDÊNCIA NO SETOR Evento conta com o apoio das principais entidades do setor de HVAC & R do Brasil e do exterior

Simulando, Construindo, Verificando. Esse é o tema central do Mercofrio 2016 neste ano, que ocorre nos dias 13, 14 e 15 de setembro no Centro de Eventos da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (FIERGS). O evento receberá professores, pesquisadores, engenheiros, arquitetos, projetistas, consultores, técnicos e acadêmicos, além de profissionais e empresas que atuam diretamente no projeto, comissionamento, instalação e manutenção de sistemas HVAC & R. Realizado pela Associação Sul Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Aquecimento e Ventilação (ASBRAV), o MERCOFRIO 2016 está em sua décima edição e busca integrar pesquisa, indústria e mercado. O evento tem o patrocínio da Armstrong, Daikin, Danfoss, Frigelar, Heatex, Johnson Controls, Midea-Carrier, SulGás e Trane.

14


foto pg 14: divulgação/revista asbrav

matéria de capa

P

ara o coordenador-geral da Comissão Organizadora Executiva, Mário Alexandre Ferreira, o tema enfatizado neste ano é uma das tendências que devem ser aplicadas no Brasil. São três passos que devem ser seguidos em projetos mais elaborados: simular, construir e verificar. Segundo ele, atualmente pode-se utilizar sistemas computacionais para simular situações e, depois, construir o projeto mais adequado com base nos resultados. Além disso, a etapa de verificação, que ocorre por último, pode corrigir gastos de energia desnecessários. Isso auxilia o processo de retrocomissionamento da obra para adequar à realidade da operação. “Tem que se criar uma cultura de fazer isso. Anteriormente não existiam, por exemplo, sistemas de automação. Isso é fruto de tecnologias que se têm hoje. No Brasil, já se desenvolveu bastante, mas ainda tem muito a se fazer”, diz Ferreira ao se referir à tendência. A programação completa aborda os temas de Eficiência Energética em Sistemas de Climatização e Refrigeração; Energias Renováveis; Boas Práticas na Utilização e Fluidos Refrigerantes; Refrigerantes Alternativos; Qualidade do Ambiente (EAQ); Refrigeração de Alimentos; Tecnologia em Compressão; Tecnologias de Ventilação no Conforto Térmico e Acústico; Efeitos da Norma ABNT 16.401; Arquivos Climáticos; PMOC – Manutenção/ Instalação e Operação de Sistemas de HVAC-R; Cogeração; Ar-condicionado Movido a Gás Natural; Certificação Energética de Edificações e Equipamentos;

Comissionamento e Retrocomissionamento; Testes, Ajustes e Balanceamento; Automação e Controles; Fluxo de Refrigerante Variável; Otimização de Sistemas e Administração de Obras; Simulação Energética e Prédio NZEBs(com Autodesempenho Energético ou Consumo de Energia Líquida Zero). O primeiro dia do evento conta com minicursos e é dedicado às apresentações de recentes pesquisas desenvolvidas em centros acadêmicos nacionais e internacionais. Os trabalhos também concorrem ao Prêmio ANPRAC, que valoriza contribuições para o avanço técnico-científico do setor de Aquecimento, Ventilação, Ar Condicionado e Refrigeração (AVAC-R) considerando aspectos ambientais, interesses industriais e socioeconômicos. As conferências ocorrem no segundo e no terceiro dia, apresentadas por palestrantes considerados referências em suas áreas de atuação. Três assuntos que são recorrentes nas edições do Mercofrio, conforme o coordenador-geral, são a qualidade do ar interior, o consumo energético e os fluidos refrigerantes. Para Ferreira, esses são temas que se integram, de certa forma, e estão sempre vinculados à sociedade e à sustentabilidade. Ele ressalta que os sistemas mais bem projetados visam um ciclo de vida mais econômico e que o retorno desse investimento, além da consciência ecológica, deve ser levado em consideração pelos consumidores. “O Mercofrio é um congresso técnico, que visa ter ferramentas e disseminar o conhecimento de algumas alternativas para que se tenham melhores performances e resultados.”

divulgação/revista asbrav

Evento reúne professores, pesquisadores, engenheiros, arquitetos, projetistas, consultores, técnicos, profissionais e empresas

15


16

17


matéria de capa

O MERCOFRIO 2016 conta com a primeira edição do Seminário de Refrigeração para Supermercados, que ocorre no dia 13 de setembro. As palestras específicas para o setor, que é um dos principais usuários na área de refrigeração, serão realizadas por fabricantes conhecidos mundialmente, com apresentações de produtos e aplicações. Ao todo, a previsãgrade de programação conta com nove palestras divididas nos módulos Energia, Flui-

dos Refrigerantes e Tecnologias. O evento reunirá fabricantes, instaladores e usuários de sistemas de refrigeração, principalmente da área supermercadista, e conta com o apoio da Associação Gaúcha de Supermercados (Agas). Os patrocinadores do Seminário de Refrigeração para Supermercados são Emerson Climate Technologies, Deltafrio, Forane, Frigelar e Ziehl-Abegg. Para Marcelo Marx, um dos coordenadores do seminário, o Congresso Mercofrio é um evento consolidado e de grande sucesso, mas que tem o conteúdo com foco no setor de climatização. “A Asbrav tem por intuito principal aumentar sua representatividade junto ao setor de refrigeração, criando benefícios aos associados e verdadeiramente defender os interesses deles. O Seminário de Refrigeração é um dos novos produtos lançados e que vem ao encontro deste objetivo macro de associação”, afirma. O coordenador destaca que o evento busca gerar aproximação entre fabricantes e usuários para o mesmo fórum de debate e ressalta a parceria desenvolvida com a Agas. “Além do trabalho desenvolvido pela Asbrav, contamos com o engajamento da associação do setor para divulgação e atração do público-alvo, ou seja, por um lado estamos com a Asbrav trabalhando para reunir fabricantes e instaladores e por outro lado estamos com a Agas para trazer usuários”. Marx acredita a grade de programação do Mercofrio 2016 também será de interesse ao setor supermercadista. “Sabe-se que a conta de energia elétrica é hoje o segundo maior item de custo fixo do supermercado, perdendo unicamente para o item ‘folha de pagamentos’, sendo que nesta conta de energia o ar condicionado e a refrigeração representam uma porcentagem significativa do consumo. Conforme o especialista, as duas contas juntas representam metade da conta de energia elétrica do supermercado. Somado a isto o setor ainda é um grande interessado no que se refere ao futuro dos fluidos refrigerantes e novas tecnologias disponíveis.

Palestras sobre fluidos refrigerantes

Encontro avalia sistemas de movimentação de ar

A ASBRAV promoveu, em 26 de abril, a palestra R427A: a melhor opção para retrofit do R22, em parceria com a Arkema. O conteúdo envolveu fluidos refrigerantes, com foco no R427A, e demonstrações práticas do Retrofit com foco voltado para os profissionais da área de ar condicionado e refrigeração, empresários do setor e estudantes.

Com o apoio da ASBRAV, a empresa alemã Ziehl-Abegg promoveu o evento Manhã Tecnológica, tendo como tema central a economia de energia em sistemas de movimentação de ar. O encontro aconteceu no dia 02 de junho no Auditório Escola Técnica Profissional, localizado em Curitiba, no Paraná.

“O Mercofrio é um congresso técnico, que visa ter ferramentas e disseminar o conhecimento de algumas alternativas para que se tenham melhores performances e resultados.”

ASHRAE Além das instituições e entidades nacionais, o evento conta com o habitual apoio da ASHRAE American Society of Heating, Refrigerating and air-Conditioning Engineers (ASHRAE). Nesta edição do Mercofrio, o palestrante convidado é Terry Townsend, DL-Distinguiched Lecture ASHRAE.Ele vai realizar duas apresentações, sendo que em uma delas abordará tópicos a serem alcançados com o objetivo de um melhor desempenho em prédios existentes. Em outra apresentação, Townsend mostrará tendências em relação à sustentabilidade e prédios autossuficientes na próxima década. SEMINÁRIO DE REFRIGERAÇÃO PARA SUPERMERCADOS

17


artigo convidado

Saúde e bem-estar: o hot topic das construções sustentáveis Maíra Macedo* reprodução gbc/revista asbrav

Maíra Macedo, do GBC Brasil

U 18

m dos dados levantados por estudo desenvolvido recentemente pelo WGBC (World Green Building Council) comprova que despesas com funcionários, incluindo salários e benefícios, representam 90% dos custos operacionais de uma empresa. Diante desse cenário os executivos têm priorizado buscar resposta à pergunta: como o meu prédio afeta as minhas pessoas? Considerando a grande relevância do tema, o Green Building Council Brasil (GBC Brasil) está desenvolvendo uma pesquisa, que conta com a parceria do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas), que tem como objetivo principal a análise de estudos de casos nacionais a fim de verificar, por meio de métricas perceptivas e físicas, como o ambiente sustentável nos escritórios brasileiros influencia a saúde e o bem-estar dos colaboradores. Para a obtenção da métrica perceptiva foi aplicado um questionário aos ocupantes de edificações que foram certificadas pela ferramenta internacional LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) na categoria CI (Commercial Interiors) e atualmente o questionário está sendo aplicado aos edifícios não certificados. Esta etapa

O GBC Brasil está desenvolvendo uma pesquisa que tem como objetivo principal a análise de estudos de casos nacionais a fim de verificar, por meio de métricas perceptivas e físicas, como o ambiente sustentável nos escritórios brasileiros influencia a saúde e o bemestar dos colaboradores.

consiste em coletar de forma anônima por meio de questionário on-line, respostas sobre os fatores: qualidade do ar e ventilação, conforto térmico, iluminação, qualidade acústica, ocupação de espaços e ergonomia, áreas verdes e vistas, aspecto e percepções, localização e transporte e facilidades e conveniências. Este primeiro projeto de pesquisa compreendeu a coleta de respostas de mais de 270 ocupantes de escritórios certificados LEED CI, totalizando quatro diferentes empresas. Como resultado, foi fornecido ao edifício ou escritório um relatório completo, por meio do qual a empresa será capaz de identificar oportunidades de melhorias em seu ambiente. Ainda há possibilidade de participação do segundo projeto de pesquisa (edifícios não certificados). Os interessados devem entrar em contato com o GBC Brasil pelo e-mail mairamacedo@gbcbrasil.org.br. A métrica física será realizada pelo IPT em algumas das empresas participantes. EsSa métrica será alcançada por medições, como a iluminância no posto de trabalho, nível de ruído externo interno, medições de temperatura, umidade e velocidade do ar e radiante média. A equipe de pesquisa está realizando as análises, e a partir dos dados recolhidos, uma prova importante da relação entre o bem-estar subjetivo e aspectos físicos foi apresentada de maneira inovadora e lançada durante a Green Building Brasil Conferência Internacional e Expo, no mês de agosto.

* Coordenadora de Relações Institucionais e Governamentais do GBC Brasil


19


ensino

Senai-PR investe em educação profissional Instituição oferece novos cursos e prevê ações para o segundo semestre do ano

A

20

partir do segundo semestre de 2016, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) no Paraná investe em mais projetos e ações e se prepara para lidar com o cenário atual do país. Conforme o diretor regional da instituição Marco Antonio Areias Secco, um dos projetos é concluir o Instituto Senai de Tecnologia em Alimentos e Refrigeração, localizado na cidade de Toledo, além de inovações nos segmentos de Educação Profissional e Tecnológica e de Tecnologia e Inovação. Na área de Serviços Tecnológicos e Inovação estão previstas ações voltadas para a garantia da qualidade, para o aumento da produtividade e inovação, com soluções tecnológicas integradas, planejadas conforme as demandas das indústrias. A finalização das obras do instituto, além de equipe técnica qualificada, contará com laboratórios físico-químico, de microbiologia e de análise sensorial para prestação de serviços. Nos projetos para o setor de refrigeração, há soluções integradas à rede do Senai no Paraná. Elas são direcionadas para o desenvolvimento de produtos, para a geração e compensação de energia, segurança em refrigeração industrial por fluído amônia e desenvolvimento de câmara para estudo de vida de prateleira em alimentos. Serviços de diagnósticos e projetos de eficiência e energética em sistemas de climatização e refrigeração também são disponibilizados. Além disso, está em fase de estudos a possibilidade da instalação de um Laboratório de Vazão e Pressão para os equipamentos de refrigeração, climatização e eficiência energética em condicionadores de ar. O investimento em Educação Profissional e Tecnológica de 2016 é outro fator de destaque da instituição. O diretor do Senai no Paraná ressalta o fortalecimento da prática pedagógica, com a elaboração de projetos voltados para a inovação e o empreendedorismo, e a inserção de tecnologias educacionais, por meio do investimento no desenvolvimento de aplicativos destinados aos alunos. “A Educação Profissional e Tecnológica ampliou seu portfólio em algumas unidades”, afirma Secco. Como exemplos, podem ser citados a oferta dos cursos Técnico em Eletrônica no Senai Apucarana, Técnico em Eletromecânica e Técnico em Qualidade

reprodução senai-rs/revista asbrav

Marco Antonio Areias Secco, diretor do Senai-PR no Senai Araucária, Técnico em Eletrotécnica em São Mateus do Sul, Técnico em Meio Ambiente no Senai Toledo, Pós-graduação Latu Sensu em Gerenciamento de Obras na Faculdade da Indústria Senai Curitiba e Pós-graduação Latu Sensu em Robótica com ênfase em Tecnologia da Educação na Faculdade da Indústria Senai CIC (Cidade Industrial de Curitiba). O cenário atual do país já é uma das preocupações do Senai no Paraná, que efetuou mudanças para auxiliar as indústrias. A instituição modificou a forma de precificação de suas consultorias, projetos de inovação e serviços laboratoriais, facilitando a contratação. Dessa forma, auxilia as empresas na manutenção ou no acréscimo dos investimentos em tecnologia e inovação. “A partir do segundo semestre, as empresas poderão, mediante a contratação de um plano de mensalidade, acessar a infraestrutura laboratorial do Senai no Paraná e nosso corpo de especialistas. Esses planos serão orientados para resolver os principais desafios da indústria brasileira”, explica Secco.


21


artigo técnico

Chillers em Série Centrais de Água Gelada com menor custo e maior eficiência José Elias Orth*

22

Quando um projeto energeticamente eficiente é rejeitadodevido à contenção de gastos – algo comum em tempos de recessão econômica – cabe ao projetista ser criativo para entregar mais por menos. Períodos de economia desfavorável naturalmente motivam empresas e profissionais a reinventar, aprender e buscar novas formas de desenvolver seus projetos. Sistemas de água gelada compõem uma parcela sig-

nificativa do custo de implantação e operação em indústrias, comércio e varejo. Logicamente, espera-se um potencial muito grande para a redução de custos operacionais por meio da eficiência energética. O que muitos não esperam é que um projeto eficiente pode reduzir até mesmo os custos iniciais de instalação, gerando economia e benefícios visíveis desde o primeiro momento.

CONSUMO DE ENERGIA E CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE A adoção de valores típicos do AHRI Standard, tidos como Regras de Ouro, como o T de 5.5°C nos trocadores e a Saída de água gelada a 6.7°C, podem induzir ao desperdício. Ao iniciar os cálculos para um novo projeto de Central de Água Gelada (CAG) que visa o conforto térmico, convém adotar valores diferentes como ponto de partida, mais adequados a um projeto moderno, simples e eficiente. A partir de tais valores, apresentados na Tabela 1, busca-se a combinação ideal.

Com boas práticas de projeto e conceitos atualizados é possível reduzir em até 10% os custos iniciais e ainda aumentar a eficiência do sistema – até certo ponto. A partir disso, passa a ser necessário adquirir equipamentos e controles de melhor desempenho e maior custo. A Figura 1 apresenta uma curva que ilustra investimento correlacionadoa eficiências globais típicas de CAG, em kW /TR. Quanto menor o consumo específico e menor o investimento, melhor.

O principal é adotar diferenciais de temperatura maiores: com o aumento do T, reduz-se drasticamente a vazão de água e a potência de bombeamento. Adicionalmente, há uma redução dos custos iniciais: menor diâmetro da tubulação e isolamento, tamanho das motobombas, torres de resfriamento, infraestrutura, entre outros. Da mesma forma, um equívoco muito comum em projetos de toda natureza é selecionar cada equipamento com base apenas em seu ponto ótimo ou em indicadores únicos, como sua eficiência em carga total (COP) ou parcial (IPLV). O projetista precisa estar ciente do consumo de energia global do sistema como um todo, e a análise deve levar em consideração as condições climáticas e o regime de operação.

Figura 1 - Correlação Investimento x Eficiência Global de uma CAG. É neste ponto que uma análise do TCO (Total Cost of Ownership, ou Custo Total de Propriedade) se faz necessária para determinar até que ponto faz sentido aumentar os investimentos. “O TCO é o indicador mais significativo para o cliente, pois informa qual terá sido o custo total do sistema ao final de um período específico”, explica Diogo Angelo Stradioto, gestor executivo de projetos de eficiência energética da EDP. O indicador considera custos de aquisição, manutenção, operação, financeiros, entre outros. A figura abaixo ilustra o caso real de uma CAG de 1200TRs de um shopping Center, evidenciando o custo


inicial da instalação tradicional versus uma eficiente, com custos acumulados de energia ao longo de 15 anos. Obteve-se uma redução de 4% no investimento inicial e 15% no consumo de energia. É uma economia de R$19.5M que, convertido em valor presente, representaria metade do investimento inicial.

refrigeração (53% do total), ou seja, o chiller B terá menor carga e ambos ganham eficiência.

Figura 2 - Correlação Investimento x Eficiência Global de uma CAG.

Figura 3 – Arranjo Paralelo (esq.) e em Série (dir.). Cortesia: Trane.

ARRANJO HIDRÁULICO EM SÉRIE A mera utilização de um maior T na água gelada, além dos benefícios citados, cria outras oportunidades, das quais uma se destaca por elevar a eficiência e minimizar a penalidade de utilizar água em menor temperatura: chillers em série. No ciclo de refrigeração o compressor tem de elevar o gás refrigerante da baixa à alta pressão. Quanto maior a diferença de pressão (lift) entre sucção e recalque, maior a energia necessária para efetuar esse trabalho. O lift diretamente proporcional à diferença de temperatura do refrigerante no condensador e evaporador. Saída de água mais baixa no evaporador e mais alta no condensador, por exemplo, aumenta o lift. Buscando reduzir esse esforçodos compressores, entra o arranjo de chillersem série, com a água gelada passando por dois chillers, um após o outro. Um dos circuitos de refrigeração é beneficiado com um Liftreduzido, pois a água gelada é apenas pré-resfriada no chiller a montante, com seu resfriamento concluído no chiller a jusante. Dado um circuito de água gelada de 5 a 15°C, com chiller A e B em série: 1) Água entra no chillerA a 15°C; 2) Sai do A, entra no B a 9.7°C; 3) Sai do B a 5.0°C; O chiller A nessa condição é capaz de produzir mais

Compressores centrífugos se beneficiam muito de reduções no lift, aumentando significativamente sua capacidade e eficiência – por vezes, é possível até mesmo reduzir o tamanho do equipamento. O arranjo pode ser feito com chillers a ar, com compressores parafuso ou até mesmo com três equipamentos. Porém não é recomendável sua aplicação em sistemas de vazão constante, com baixo T, ou ainda em chillers que controlam sua capacidade por meio do número de compressores. Outros cuidados simples precisam ser tomados, como criar um by-pass de manutenção entre cada chiller, permitindo a operação individual. SÉRIE-CONTRAFLUXO A evolução do conceito é ter condensadores a água em série também, porém com sentido de água de condensação contrário ao de água gelada. Tal arranjo é chamado de série-contrafluxo (SCF) e reduz o lift em ambos os chillers, pois o chiller "B" terá menor temperatura na saída do condensador. É importante ressaltar que as temperaturas devem ser determinadas com cuidado, sobretudo em regiões de TBU elevada. Figura 4 – Arranjo em Série-Contrafluxo

23


artigo técnico

NaTabela 2, há um comparativo simples, considerando os seguintes casos: chillers em paralelo com valores padronizados, com valores recomendados, com evaporadores em série e, por último, em série-contrafluxo. O exemplo considerou uma CAG de 1500 TRs de condensação a água e trocadores de 1 passe, mas o mesmo pode ser feito de forma economicamente viável em sistemas menores. A primeira opção, além de ter maior consumo, tem maior custo inicial devido a bombas e torres maiores. As demais têm custos semelhantes: o arranjo SCF tem menor custo nos equipamentos, mas requer uma automação mais robusta.

24

SINERGIA Por disponibilizar água gelada a diferentes temperaturas e operar com um retorno de água gelada mais quente, háforte sinergia com outras ações de eficiência utilizadas em projetos térmicos avançados, como: - Série com 3 chillers, fornecendo água gelada a, por exemplo: - 4°C para um sistema dedicado de ar externo / desumidificação; - 10°C para serpentinas de conforto térmico; - 18°C para vigas frias, piso e teto radiante. Em regiões de clima frio, é possível substituir a operação do chiller a montante por trocadores de calor e torres de resfriamento, obtendo Free Cooling; Da mesma forma, a instalação de Variador de Velocidade em um dos chillers deve ser estudada; É possível subdividir ainda mais o liftutilizando chillers com dois circuitos de refrigeração, postos em série internamente; Recuperação de calor para fornecimento de água quente, aproveitando-se das temperaturas mais elevadas no condensador do chiller à jusante. Primário Variável: não só recomendado, é fundamental. Reduz-se a vazãomantendo o T entre chillers, reduzindo drasticamente a potência de bombeamento.

Com a lógica de controle adequada, é possível trabalhar de forma ainda mais eficiente com tanques de termoacumulação e controle de demanda elétrica. CONCLUSÃO Dispor trocadores em série, tanto evaporador como condensador, traz diversos benefícios: maior capacidade, maior eficiência, menor custo inicial e operacional. Mas, antes de tudo, é recomendável se aprofundar no assunto. O arranjo em série aumenta a complexidade do projeto, especialmente no que tange ao controle e automação. Os benefícios nas etapas posteriores, no entanto, mais do que compensam a dificuldade no projeto. E na opinião de Francisco Redondo, diretor da Arclima Engenharia, não há o que discutir: “Nossa primeira instalação de chiller em série tem 20 anos e hoje não tenho uma obra sequer em shoppings que não seja assim. Não é economicamente viável fazer de outro jeito.”

Projetista Sênior; Eng° Mecânico APS Soluções em Energia – Grupo EDP jose.orth@apsengenharia.com.br


coluna

Sucessão Familiar precisa ser planejada Madeleine Schein*

A

sucessão sugere a substituição do fundador do empreendimento, para dar prosseguimento à obra criada e gerida pelo mesmo, porém com estilos de liderança e formação diferenciados. A falta de planejamento e orientação adequada para enfrentar a sucessão está entre a maioria das evidências para o fracasso de grupos familiares. Estudos afirmam que apenas 30% das empresas familiares sobrevivem após a primeira transição entre gerações, e esse número cai para 5% na passagem para terceira geração. Conforme dados do Sebrae e do IBGE, aproximadamente 90% dos negócios no Brasil têm esse perfil, sendo que grande parte delas é de micro e pequeno porte. Geralmente marcado por conflitos, devido à falta de normas e regras já estabelecidas entre os familiares, trata-se de um momento bastante delicado para empresa, pois é fundamental para a sua perpetuação. Os gestores não têm segurança na delegação do poder e os sucessores consideram-se plenamente aptos em assumir a responsabilidade Ressaltando que quanto mais fechada, autoritária e inflexível for a família, maior será o conflito vivenciado. Um dos erros mais comuns que empresários e seus herdeiros cometem é encaminhar a sucessão apenas levando em conta a substituição naquilo que envolve a gestão dos negócios. Fatores como o perfil comportamental do can-

didato, experiência e maturidade, são fundamentais para cargos de liderança na sucessão familiar. Ter clareza e traçar o futuro do negócio a médio e longo prazo facilita esse processo e evita danos familiares e financeiros. O planejamento estratégico aliado ao planejamento de sucessão familiar torna-se um fator determinante para o sucesso e perpetuação dessas empresas. Essa atividade requer tempo, envolvimento e comprometimento. Assim a avaliação detalhada de perfil permite a elaboração de um plano de ação para a construção sustentável da sucessão. Nesse processo, pode ocorrer a necessidade de uma gestão profissional, pois nem sempre o planejamento de vida dos herdeiros envolve uma sucessão familiar. Alguns optam por outras atividades profissionais. Portanto, empresário reúna a sua família, contrate uma consultoria especializada e promova uma sucessão familiar sustentável. O Brasil precisa de você!

* Empresária, palestrante, coaching, consultora especializada em Inteligência Competitiva, Mestre em Administração e Negócios, além de MBA em Marketing e Comércio Exterior. Site: www.schein.srv.br

*Advogado, OAB/SP 24.876, membro de comissões técnicas da OAB/SP, especialista em IAQ | e-mail: sidaosp@terra.com.br

25


26


27


eventos/associados

Uma lição de inovação para enfrentar a crise

A

Case da Fruki marcou a comemoração do aniversário da entidade

ASBRAV - Associação Sul Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Aquecimento e Ventilação comemorou os seus 21 anos com um evento sobre o Case Fruki – Gestão, Inovação e Qualidade. A diretora administrativa e de recursos humanos da Bebidas Fruki, Aline Eggers Bagatini conta que desde 2002, quando começou a implantação do programa de qualidade, houve um salto grande na gestão. Nesse período a empresa passou a investir em melhoria contínua. Tornou-se uma prática buscar melhores referenciais, e o resultado foram saltos em número de clientes, faturamento e market share. “Nosso pessoal é sempre desafiado a fazer hoje melhor do que fez ontem. A criatividade está muito presente em ideias que são muito bem discutidas e aceitas. Além disso, há um consenso de buscar em consultorias o suporte para tudo que não sabemos fazer”, explica a diretora administrativa e de RH da Fruki, Aline Eggers Bagatini. Um dos fatores de sucesso é o investimento em planejamento estratégico, que é desenvolvido e discutido anualmente. “Se não fossem todos os investimentos em gestão, acredito que a empresa talvez não estivesse mais aqui pelo mercado competitivo em que atuamos. Nossos concorren-

tes são excelentes em gestão e nos obrigam a melhorar a cada dia”, completou Aline. Durante a palestra a convidada também destacou a importância de cada profissional saber administrar a vida pessoal e profissional. divulgação/revista asbrav

Palestra comemorou 21 anos da ASBRAV

Seminário debate cozinhas profissionais

28

A ASBRAV promoveu, no dia 05 de maio, o seminário Soluções e Inovações para Cozinhas Profissionais abordando temas como as mudanças nos sistemas de ventilação para cozinhas, com a revisão da NBR 14.518, e as inovações em sistemas de exaustão, tais como captura e contenção, filtragem de gordura, eficiência energética e sistema de combate a incêndio. O evento foi realizado em parceria com a Halton Refrin, empresa especializada em soluções para exaustão e climatização de cozinhas profissionais. O diretor comercial da empresa, Marcelo do Vale, ressaltou que o sistema de

exaustão e ventilação para cozinhas profissionais tem como objetivo promover a remoção e o tratamento dos vapores e gases decorrentes do processo de cocção dos alimentos, mantendo o ambiente da cozinha livre de fumaça e odores. O diretor comercial da Halton Refrin lembrou que entre os produtos disponibilizados pela empresa estão as coifas com sistema Capture Jet (KVE), que proporcionam até 30% de economia de energia por meio da utilização de uma menor vazão de ar de exaustão, e as coifas com sistema de filtragem UV e o sistema de ventilação que é controlado por demanda (DCV), o M.A.R.V.E.L.


Evento sobre economia de energia elétrica A economia de energia elétrica foi o tema apresentado na palestra promovida pela ASBRAV sobre Sistema de Volume de Ar Variável, também conhecido como VAV, e abril. O sistema faz a modulação do volume de ar nos ambientes que estão sendo atendidos, tornando possível regular a velocidade do ventilador que vai efetuar a distribuição do ar. "Sabemos que a cada 20% de redução na velocidade do ventilador de um ar condicionado, é possível reduzir pela metade o consumo de energia elétrica. Por isso é algo que traz muitos benefícios", afirma o responsável pelo suporte técnico da empresa Mercato, Anderson Neder, um dos palestrantes.

Engenheiro da Daikin fala em tecnologias de climatização A ASBRAV, em parceria com a Daikin e apoio da Escola Técnica Profissional, promoveu a palestra Novas Soluções e Tecnologias Aplicadas em Equipamentos de Expansão Direta do Tipo VRV, no dia 19 de maio. O tema central do encontro envolveu a exposição sobre novas tecnologias de motor de ultra-alta eficiência de seis pólos, de resfriamento isotérmico por líquido para placas eletrônicas e VRT (Variable Refrigerant Temperature). Voltado para engenheiros, projetistas, estudantes, técnicos de instalação e manutenção de sistemas de climatização, o evento teve como palestrante o engenheiro de aplicação da Daikin, Fernando Pozza.

lista de associados

Dados atualizados agosto 2016

ACEL AR CONDICIONADO ECOLÓGICO

(51)

3211-4530

CARAVAGGIO REFRIG E SERVIÇOS

(55)

3421-1941

ACJ ENERGIA E CLIMATIZAÇÃO

(51)

3041-4845

CARLOS ALBERTO BRIGEIR DA SILVEIRA

(51)

3443-4560

ACMASUL SISTEMAS DE VENTILAÇÃO

(51)

3013-4289

CARLOS ERNESTO OSTERKAMP

(51)

3036-6060

ACÚSTIKA SUL ENGENHARIA

(51)

3344-1188

CASC COM INST AR CONDICIONADO

(51)

3273-0525

ADEMIR SILVA

(51)

3347-7079

CARLOS ALBERTO BRIG DA SILVEIRA

(51)

3443-4560

AERODUTO AR CONDICIONADO

(51)

3343-4983

CENNTRAL-SUL AR CONDICIONADO

(51)

3286-1366

AGRAZ REFRIGERAÇÃO

(51)

3751-2691

CERT ENGENHARIA

(51)

3711-7889

AGST CONTROLES E AUTOMAÇÃO

(51)

3343-8875

CLEMAR ENGENHARIA

(48)

3331-3000

AIR CLEAN - M C PEREIRA & CIA

(51)

3426-1676

CLIMA SHOP QUALIDADE AR INTERIOR

(48)

3028-2825

AIR COOL MANUTENÇÃO E INSTALAÇÃO

(51)

3478-4323

CLOVIS FERNANDO VASQUEZ AMARO

(51)

9164-8667

AIR DATUM ENGENHARIA

(51)

3326-1933

COLD FRIGOR - RER SISTEMAS TÉRMICOS

(51)

3074-9997

AIR SHOP EQUIP CONFORTO TÉRMICO

(51)

3094-2888

COLDAR ENGENHARIA E COMÉRCIO

(51)

3343-3315

AIRSIDE IND COM PROD CLIMATIZAÇÃO

(51)

3473-6258

COLDBRAS

(51)

3303-2222

ALBERT ENGENHARIA

(51)

3342-3905

CONCEITO TÉCNICO PROJ PLAN ASSES

(51)

3221-2137

ALCIDES CAMINHA LEITE

(55)

9105-0612

CONFORTARE AR CONDICIONADO

(51)

3311-0000

ALEXANDRE TOCCHETTO

(51)

3357-2225

CONSTARCO ENGENHARIA E COMÉRCIO

(11)

3933-5000

AMANDA LAMIM DOS SANTOS EPP

(47)

3323-3277

CURTIS CONSULTORIA

(51)

3028-2945

AMBIENTALIS ANÁLISES DE AMBIENTES

(48)

3028-3069

DAIKIN MCQUAY AR COND DO BRASIL

(51)

3237-3050

AMILLPASSOS REFRIGERAÇÃO INDL

(51)

35815-456

DAMIANI CLIMATIZAÇÃO

(41)

3074-1144

ANDERSON RODRIGUES

(51)

3212-3490

DANNENGE SOLUÇÕES DE ENGENHARIA

(48)

3333-3002

ANNEMOS TECNOLOGIA DE RESFRIAMENTO

(51)

3319-1944

DÁRIO DA ROSA CRUZ

(51)

3741-7929

ARCONET

(41)

3032-4390

DEIVI TEIXEIRA HOMEM

(51)

9274-3000

ARMACELL BRASIL

(12)

3648-6900

DELEON DOS REIS VITH

(51)

3529-5062

ARMANT AR CONDICIONADO

(51)

3085-8050

DELTAFRIO IND DE REFRIGERAÇÃO

(51)

3536-1551

ARMAX AR CONDICIONADO COM SERV

(51)

3339-2931

DI RIENZO COMUNICAÇÃO E EVENTOS

(11)

3542-0202

ARNOLDO CARLOS GONÇALVES BESKOW

(51)

3222-8966

DIEGO MENDES DA ROSA

(51)

9540-9653

ARSA CONSULTORIA COM REPRES

(51)

3332-1820

DIEGO RAFAEL DAMAZIO

(47)

3276-7935

ARSELF AR CONDICIONADO

(51)

3337-3434

ECCOSYSTEMS SOLUÇÕES AMBIENTAIS

(51)

3307-6597

ARTECH CLIMATIZAÇÃO

(51)

3033-2912

EDUARDO AZEREDO DA LUZ

(51)

3242-2771

ARTETEC ARQUITETURA E ENGENHARIA

(51)

3341-4934

EDUARDO GUS BROFMAN

(51)

3331-6615

BARELLA ENGENHARIA

(54)

3314-8755

EGON WERNER BECKER

(51)

3259-1695

BDS AR CONDICIONADO

(51)

3337-3355

EJR ENGENHARIA

(51)

3346-1205

BELTERM CLIMATIZAÇÃO

(51)

9115-1572

ELETRO AR SUL

(51)

3340-1247

BERDES SERVIÇOS

(51)

3279-1283

ELETROCON RS INSTAL E MANUTENÇÃO

(51)

3034-6434

BERLINERLUFT DO BRASIL

(51)

3589-3912

ENCLIMAR ENGENHARIA CLIMATIZAÇÃO

(44)

3371-2841

BRY-AIR BRASIL CLIMATIZAÇÃO

(41)

3698-2222

ENGE REPRESENTAÇÕES TÉCNICAS

(51)

3737-7751

29


lista de associados

30

ENGEMESTRA ENG MEC E SEG TRAB

(51)

3061-3935

PERTILE AR CONDICIONADO

(51)

3464-1201

ENGENHAR CLIMATIZAÇÃO

(51)

3594-7830

PETINELLI

(41)

3029-2289

ENGETÉRMICA AR CONDICIONADO

(51)

3342-5433

PLANIDUTO AR CONDICIONADO

(51)

3336-2633

EPEX IND COM DE PLÁSTICOS

(47)

3334-3100

PRODEPRED AUTOMAÇÃO

(51)

3477-1302

ERA DO GELO CLIMATIZAÇÃO

(51)

3557-6001

PROJELMEC VENTILAÇÃO INDUSTRIAL

(51)

3451-5100

ESCOLA TÉCNICA PROFISSIONAL

(41)

3332-7025

PROJETOS AVANÇADOS ENGENHARIA

(51)

3330-6400

EUROCABLE BRASIL IMP EXP

(51)

3375-8200

PROTÉRMICA CLIMATIZAÇÃO

(48)

3015-4659

FÁTIMA ROSALI SILVEIRA ALFONSIN

(51)

3672-1091

QUAD CLIMA – QUADRANTE SOLUÇÕES

(51)

3086-4312

FERNANDO DE ANDRADE MANIQUE NETO

(51)

3496-9838

QUIMITEC QUÍMICA INDUSTRIAL

(41)

3668-2055

FLÁVIO RIBEIRO TEIXEIRA

(51)

8424-3645

R7 SERVIÇOS DE CLIMATIZAÇÃO

(47)

3328-2808

FRIGELAR COMÉRCIO E INDÚSTRIA

(51)

3314-8919

RAMIRES SERVIÇOS INDUSTRIAIS

(51)

3078-3920

FRIO DO VALE

(51)

9606-6209

RECOM RECUP DE COMPRESSORES

(51)

3343-9254

FRIZA COM MAT ELET HIDRÁULICOS

(51)

3462-1519

RECOMSERVICE SUL

(51)

3065-6701

FULL GAUGE CONTROLS

(51)

3475-3308

REFRIGERAÇÃO CAPITAL

(51)

3326-2366

GBF IND COM EQUIP INDUSTRIAIS

(51)

3352-0333

REFRIGERAÇÃO DE CONTO

(51)

3336-1920

GLAUCO MORGANTI DA COSTA FERREIRA

(41)

7817-8411

REFRIGERAÇAO DUFRIO COM IMP

(51)

3778-7555

GLOBUS SISTEMAS ELETRÔNICOS

(51)

3205-0555

REFRIGERAÇÃO ELÉTRICA D’LUX

(51)

3476-5786

GM AR CONDICIONADO

(51)

3451-1600

REFRIGERAÇÃO PEZZOL

(51)

3386-1060

GOOD SERVIÇOS DE CLIMATIZAÇÃO

(41)

3667-2010

REFRIGERAÇÃO TUDO FRIO

(51)

3443-8845

HEATEX BRASIL TROCADORES DE CALOR

(47)

3366-2733

REFRIMAK PEÇAS E SERVIÇOS

(51)

3473-6388

HEITOR MACHADO VICARI JÚNIOR

(51)

3472-8732

RICARDO MARQUES SANTIAGO

(51)

3338-1755

HITACHI AR CONDICIONADO DO BRASIL

(51)

3012-3842

RIMA ENGENHARIA

(51)

3337-8989

IGOR DIAS BARBOSA

(51)

3671-7640

RODOLFO THOZESKI KRAMM

(51)

3423-4280

IMARCON PRESTADORA DE SERVIÇOS

(51)

3446-2597

ROGER MERG SARAIVA

(51)

8131-9604

INSTATEC INDÚSTRIA METALÚRGICA

(51)

3061-3968

RONALDO MULLER

(51)

3047-3323

ISOTERM INSTALAÇÕES

(51)

3465-5530

RONI DE LIMA SANTOS

(51)

3319-7275

JOÃO CARLOS BIDEGAIN SCHMITT

(51)

3209-4342

S & P BRASIL VENTILAÇÃO - OTAM

(51)

3349-6363

JOAPE IND EQUIPAMENTOS AMBIENTAIS

(51)

3205-2555

SÃO CARLOS AR CONDICIONADO

(51)

3473-9417

JOHNSON CONTROLS BE DO BRASIL

(51)

2102-6200

SCHEIN GESTÃO EMPRESARIAL

(51)

3337-1118

JONATAS ASSIS DE AZEVEDO

(51)

3496-6416

SERRAFF IND TROCADORES DE CALOR

(51)

3716-1448

JORGE ISNARDO

(51)

9978-1008

SICTELL IND COM PROD ELET METAL

(47)

3452-3003

JOSÉ HAROLDO CARVALHO SALENGUE

(51)

2121-9114

SILVIO DE MACEDO MARQUES

(51)

3391-6502

JOSÉ RADZIUK

(51)

3341-7548

SISTAVAC SISTEMAS HVAC-R DO BRASIL

(51)

3344-8122

JOSÉ RENÊ FREITAS GASSEN

(51)

3731-1111

SÓ FRIO IND COM DE REFRIGERAÇÃO

(51)

3261-9282

JULIANO NOETZOLD

(51)

9225-8009

SOCLAM AR CONDICIONADO

(51)

3217-1948

JÚLIO CÉSAR SILVA DA SILVA

(51)

3367-1059

SPM ENGENHARIA

(51)

3332-1188

JULIO ZIMMERMANN

(51)

3712-2941

SPRINGER CARRIER

(11)

5585-2199

KLEBER REPRESENTAÇÕES

(51)

3341-9171

SR REFRIGERAÇÃO E MANUTENÇÃO

(51)

3261-4874

KLIFT SERVIÇOS DE CLIMATIZAÇÃO

(51)

2117-7855

SR SERVIÇOS DE CLIMATIZAÇÃO

(51)

2111-7980

KLIMA ENGENHARIA

(47)

3206-6772

SUL CLIMA ENGENHARIA

(51)

3032-1129

KLIMASUL – JB & MP COM REPRES

(51)

4103-0525

SUL FRIO REFRIGERAÇÃO

(55)

3026-2170

KOMECO – KOMLOG IMPORTAÇÃO

(48)

3027-4600

SULCESAR REPRESENTAÇÕES

(51)

3337-1857

LC PETRY COM IMP EXP

(51)

3470-0505

SUPERMERCADOS GUANABARA

(51)

3230-1200

LF WOLMANN

(51)

3414-5460

TEC AR COM DE AR CONDICIONADO

(51)

3032-5452

LG ELETRONICS DA AMAZONIA

(51)

3206-0210

TECNOENGE AR CONDICIONADO

(51)

3347-6328

LIMP AR SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ME

(47)

3355-5002

TECNOLÓGICA CONFORTO AMBIENTAL

(48)

3240-0505

LINDOMAR VIEIRA DA COSTA SILVA

(51)

3673-1570

TELCO EQUIP DE REFRIGERAÇÃO

(51)

3354-6797

LUCIANO LOPES SIMÕES

(51)

3086-4035

TELEINFORMÁTICA SUL

(51)

3084-0620

LUZITANA AR CONDICIONADO

(51)

3343-2099

TEMPCONFORT ENG DE CLIMATIZAÇÃO

(51)

3362-6427

M. CESA COMP AR COND REFRIG

(51)

3338-7439

TERMOPROL ZANOTTI DO BRASIL

(51)

3341-4805

MAGNUS RECUP DE COMPRESSORES

(51)

3473-3540

TESTO DO BRASIL INSTRUMENTOS MEDIÇÃO

(19)

3731-5800

MARCELO FOSCHIEIRA CHRISTINI

(51)

3237-5209

TESTONI IND E COM – GTA DO SUL

(51)

3341-4411

MARCELO MACIEL DE SANTA HELENA

(51)

3279-7563

TIAGO JOSÉ BULLA

(51)

3231-2144

MARCHIORI COMÉRCIO DE SERVIÇOS

(41)

3045-5825

TIMÓTEO FERNANDES DE SOUZA

(51)

8122-0623

MARCIO ELAUTÉRIO DE FREITAS

(51)

9976-7960

TOQUE & CLIMA - DENTECK AR COND

(51)

3762-4010

MARCUS VINÍCIUS SIMIONI

(51)

3208-2958

TOSI INDÚSTRIA E COMÉRCIO

(11)

4529-8900

MAURO CÉSAR RABUSKI GARCIA

(51)

3022-1493

TOTALINE - PEÇAS EQUIP REFRIG AR COND

(51)

3337-4466

MAURO ULLMANN CLIMAT REFRIG

(51)

3013-5141

TRANE INGERSOLL RAND

(51)

3337-1188

MEDEIROS ENGENHARIA DE CLIMATIZAÇÃO

(51)

3012-7644

TROMPOWSKY REPRES COMERCIAIS

(48)

9185-9494

MERCATO AUTOMAÇÃO - SMART SOLUÇÕES

(51)

3032-1777

UDO ADOLF

(51)

9985-3254

MICHEL MACHADO SEVERO

(51)

3635-4591

URANUS AR CONDICIONADO

(51)

3222-8654

MONOFRIO - HBSR REFRIG DE LÍQUIDOS

(51)

3458-1222

VALAYR WOSIACK (SÓCIO HONORÁRIO)

MONTÉRMICA REFRIG E AR CONDICIONADO

(51)

3435-4007

VERTICON SERVIÇOS E COMÉRCIO

(51)

3118-0173

MP AUTOMAÇÃO

(51)

3551-0737

VIDALAR PROJETOS INSTALAÇÕES AR COND

(49)

3319-9300

MRI ENGENHARIA

(51)

3471-5532

VITOR REFRIGERAÇÃO

(51)

3561-2534

MULTITÉCNICA ENGENHARIA

(51)

3336-4669

VOLTYS SOLUÇÕES EM CLIMATIZAÇÃO

(54)

3435-1279

NEOCLIMA AR CONDICIONADO

(51)

3061-5040

VRF ENGENHARIA DE CLIMATIZAÇÃO

(41)

3073-5701

NILTON LUIS BATISTA CALEGARI

(51)

3344-5334

YBEMAC AR CONDICIONADO

(51)

3337-7390

NOVUS PRODUTOS ELETRÔNICOS

(51)

3323-3600

OCTO REFRIGERAÇÃO E ELÉTRICA

(51)

3428-7065

PAULA FONSECA WERLANG GRANZOTTO

(51)

3024-3235

PAULO DE TARSO FONTOURA DA SILVA

(51)

3221-6766

PAULO OTTO BEYER

(51)

3308-3928

PAULO RENATO DOS REIS

(51)

3028-1460

PAULO RENATO PEREZ DOS SANTOS

(51)

3320-3584

PAULO VELLINHO (SÓCIO HONORÁRIO)

BOAS VINDAS AOS NOVOS ASSOCIADOS DA ASBRAV Cezar Augusto B Raimundo

51

3223 8697

Dimensionar Eduardo Siriano Fabio Vargas da Silva Girelli Gustavo Argentini

51 11 51 41 51

3929 7075 4202 2555 3401 2477 3349 2964 9192 2658

Intertech Consult Luciano Santos da Silva Luiz Antonio Piccoli Junior Marcelo Gomes Caju Marco André Ribeiro Horbach

21 51 51 51 51

2426 3044 9826 1339 3208 1316 3062 0193 3473 1340


Cursos GBC Brasil O GBC Brasil é uma ONG que fomenta a Indústria da Construção Sustentável no Brasil. Parte de um movimento mundial com mais de 100 GBCs, somos os responsáveis pela certificação Internacional LEED, que é utilizada em 157 países, sendo que o Brasil esta entre os TOP 4. "Temos certeza que a continuidade desta parceria com a ASBRAV, instituição consolidada no mercado nacional, contribuirá para que o GBC Brasil atinja seu objetivo estratégico de criar uma forte rede colaborativa, atuante na transformação do mercado da construção civil e cultura da sociadade, em direção a sustentabilidade." Felipe Faria - Diretor Executivo do GBC Brasil

Cursos com parceria:

Data: 28 e 29/10 O Curso: Apresentará de uma forma clara e didática todas as ações

LEED NC e CS

Novas Construções e Envoltória

necessárias para a obtenção desta certificação junto ao USGBC, com a discussão de todos os pré-requisitos, créditos e pontuações que levarão a construção a obter o certificado Internacional LEED NC v3 ou v4 para novas construções em grandes reformas, bem como apresentar o sistema LEED CS v3 ou v4 de certificação direcionada a edifícios comerciais, sua aplicação e as vantagens mercadológicas da pré-certificação.

Local: Rua Arabutan, 324 - Navegantes - Porto Alegre, RS Investimento: R$ 660,00 para membros GBC Brasil e ASBRAV Data: 09 e 10/12

Como se tornar um LEED GA (Green Associate)

O Curso: O curso oferece um panorâma geral sobre a Indústria da Construção Sustentável no Brasil e prepara o profissional para realizar a prova de LEED Green Associate, certificado reconhecido internacionalmente.

Local: Rua Arabutan, 324 - Navegantes - Porto Alegre, RS Investimento: R$ 660,00 para membros GBC Brasil e ASBRAV

Todas as inscrições devem ser realizadas pelo website: gbcbrasil.org.br

Construindo um futuro sustentável

31


32

Revista ASBRAV N°19  

Uffizi Consultoria em Comunicação Publicação de maio/agosto de 2016

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you