Page 1

çã i Ed

o

de

a ç n La

m

to n e

Semana do Aprendiz

APRENDIZAGEM

em

oco f


Ao leitor Nesta edição ... Uma nova descoberta nas mãos dos administradores Nem policial nem chefe de estado, a criadora de uma nova idéia na luta contra as drogas é uma mulher, Melissa Dell. O grito pelo computador A sociedade descobre um novo palco pela luta de seus direitos: a nossa nem tão velha conhecida INTERNET Muriaé, pólo da moda Nossa cidade vem se superando a cada ano que passo e se impunha como um importante pólo de moda da região.

Agradecimento... Ao grande arquiteto do universo “DEUS” Aaos protagonista desta grande obra, os ALUNOS, pela dedicação, comprometimento e empenho para conclusão deste projeto. À Cínthia Justi, André Pimentel e José Junior, gestores da unidade, pelo apoio ao projeto. E em especial os alunos coordenadores do projeto: Marina Miranda, Ludmilla Assis, Amanda Dias, Raquel Soares Felipe Soares João Roberto Jullian Braga Realização: Turma do curso de Aprendizagem Industrial de Instalação e Manutenção de Microcomputadores e redes locais


ADM Arriba Economia Forense, arriba ! Desenvolvida por uma mexicana, a Economia Forense promete ser uma das protagonista na luta contra as drogas. Digna de um roteiro de novela mexicana, a “guerra ao terror” contra o tráfico ganhou um novo e genial capítulo, desenvolvido não por um cineasta, mas por uma economista e pesquisadora do MIT (Massachusetts Institute of Technology), Melissa Dell. Aplicando no tráfico os métodos empresariais que regem um negocio Dell não somente conseguiu determinar as mais prováveis rotas utilizadas pelos traficantes, como se tornou uma aliada do mais novo ramo de trabalho da polícia científica: a economia forense, onde as regras financeiras básicas são usadas para prever como os contrabandistas operam seus lucros. Usando a lógica, esses traficantes administram seus interesses, utilizando as rotas menos vigiadas para transportarem as drogas, visando sempre o sucesso e protegendo seu “negócio” como todo bom empresário faz. E é no meio desse percurso que surge Dell. Ela mapeou todos esses possíveis caminhos com a ajuda de um algoritmo (criado nos anos 50 para calcular a menor rota entre dois pontos numa rede de estradas), determinando outros caminhos possíveis pelos quais os traficantes passariam. Seguindo afirma Dell, de “A ideia de que traficantes são atores econômicos que maximizam seus lucros vale tanto para o México quanto, para o Brasil”, a economia forense ajudaria a evitar, por exemplo, que um novo grupo de milicianos ou traficantes controlassem o contrabando em uma favela. Como em uma grande empresa, onde a cooperatividade e utilização de grandes ideias gera lucros positivos, a economia forense não deve apenas ser protagonista na guerra mexicana,ela merece muito mais que uma mera participação especial na luta brasileira contra essa batalha. Que os traficantes liguem o sinal de alerta, porque os administradores viraram protagonistas desse novo capítulo. // Adaptado Marina Miranda da Revista Galileu, edição fevereiro/2012 – Pág. 12 por Salvador Nogueira.


5 Melhores sites de orientação Profissional

guiadoestudante

vestibular.brasilescola

guiadacarreira escolhasuaprofissao

mundovestibular


C&C Muriaé é um município famoso por suas confecções

A Indústria da Moda de Muriaé e Região é motivo de orgulho para os muriaeenses, devido à representatividade do setor para a economia local, sua importância na geração de emprego e renda, geração de riqueza para a cidade. A moda de Muriaé veste o Brasil. Porém a construção de um Arranjo Produtivo Local é uma árdua tarefa, parece nunca chegar ao fim, às instituições parcerias (CONDESC, SINDVEST, PREFEITURA, FIEMG, IEL, SENAI, SEBRAE, GOVERNO DO ESTADO DE MINAS, CDL-MURIAÉ), sempre têm algo a construir em parceria com o empresariado local. Em 2005, foi elaborado o primeiro Diagnóstico do Polo da Moda de Muriaé, fruto da parceria da Prefeitura Municipal, SEBRAE e IEL e todos os outros parceiros. Desde então muita coisa mudou, caminhamos na oferta de mão-de-obra qualificada através da construção do CD-Moda, pela Prefeitura Municipal de Muriaé.

//fonte: Diagnóstico da Indústria do Vestuário de Muriaé e Região 2010


A indústria de confecção do vestuário possui uma importância especial para os municípios de Muriaé, Eugenópolis, Laranjal, Miraí, Patrocínio do Muriaé e Recreio, tendo em vista a utilização das mesmas para o planejamento e implementação de melhorias no setor.

Trabalho elaborado pela turma de aprendizagem industrial em Corte e Costura Industrial // Por Janaina Cardoso, Tatiane de Souza, Daniela Soares, Olívia Souza.


TI

“Avaliada em mais de US$ 120 bilhões, o site de pesquisas mais utilizado do mundo é muito mais do que rápidos resultados para suas buscas online, ela conta com mais de 40 aplicativos, que vão desde agendas online ao armazenamento do seu computador nas “nuvens.”


A Rede Revolucionária Novo palco das revoluções, a internet levanta sua bandeira na luta por um novo mundo, onde as redes sociais viraram “os caras pintadas” e as ditaduras ficaram offline. Início de uma década, ano de destaque das novas revoluções, 2011 mostrou o que muita gente já desacreditava: a capacidade da luta por um ideal, seja ele qual for, desde político, social ou ambiental. Como um tsunami que se alastrou pelos quatro cantos do mundo, os movimentos sociais encontraram uma grande aliada na busca por seus idéias: a internet. E foi através dela, que protestos como a “Primavera árabe”, “Occupy Wall Street”, Espanha e até alguns mais tímidos, como ocorridos em algumas capitais nacionais, passaram a sua mensagem, principalmente através das redes sociais, com destaque para o micro blog twitter, o canal de vídeos youtube e a pagina de relacionamentos facebook. Mas, como nenhum dedo da mão é semelhante ao outro, nem toda pessoa que participa de algum movimento necessariamente está envolvido na causa “Quem vai ao evento, em geral, não tem metas revolucionárias. Muitos só querem pedalar, conversar, fazer amigos, ver gente” diz a ciclista Aline Cavalcante, uma das participantes do “Bicicletada”, que reúne na última sexta de cada mês na avenida Paulista, um grupo de pessoas que saem protestando em forma de pedalada. Muitas pessoas preferem a superficialidade de simplesmente dizer que fazem parte de uma causa, mas sem nunca terem arregaçado as mangas “Não dá pra ser só guerrilheiro de teclados” diz Marcelo Marquesini, da Escola de Ativismo, em São Paulo, onde se ensina a organizar manifestações. Seja Trends Topics no twitter, eventos marcados pelo facebook ou vários acessos no youtube, se a sociedade realmente deseja derrubar tabus e ir atrás do que lhe é direito, o mundo não pode ficar somente online e de fato, se alastrar ainda muito mais na realidade. // Adaptado Marina Miranda da Revista Galileu, edição fevereiro/2012 – Págs36 à 43 por Rafael Tonon.


TI verde O porquê de ser verde...

A preocupação com economia de energia e corte de gastos sempre existiu dentro das empresas. No caso da TI, a preocupação é ainda maior, já que os data centers costumam ser os maiores sugadores da energia elétrica de uma companhia. Só para se ter uma idéia, num banco, por exemplo, a energia que a TI utiliza pode chegar a quase metade de todo consumo da instituição. As questões ambientais e o aquecimento global entraram na pauta do mundo corporativo. E a necessidade de reduzir o consumo energético da TI ganhou nova embalagem e recebeu o nome de TI Verde. Uma pesquisa do site americano CIO Insight com 147 executivos, apontou as principais razões que motivam os profissionais e suas empresas a lançarem iniciativas verdes. Para 74% deles a razão número um para ser verde é a consciência ambiental. Em seguida aparece a necessidade de cortar custos, citada por 73% dos profissionais. Em seguida apareceram os benefícios para a imagem da empresa (64%), as determinações legais (25%) e a pressão dos acionistas e da opinião pública (14%). Novidade ou não, o que se vê é que a onda verde que tem invadido o mundo S/A é muito bemvinda e, não só deve, como está sendo aproveitada por quem dá as cartas da tecnologia das empresas.

Vale saber! O Brasil ocupa o 3º lugar no ranking de países que utilizam TI verde para a redução das emissões de CO². (pensandogrande.com.br)

//Postado por Silvia Balieiro - 15/08/2008 - 10:30 – Retirada de info.abril.com.br/corporate/blog/conexao-cio/20080815_listar.shtml


Casos de sucesso com TI Verde: Vinod Khosla Vinod Khosla, fundador do grupo Khosla Ventures, tem boa parte de sua fortuna vinda da empresa de biocombustível Kior e da de biotecnologia Amyris. Somados com startups que surgem aqui e ali, esses empreendimentos respondem por um patrimônio líquido de US$1,3 bilhãoprojetos de educação e jardinagem orgânica.

Rubens Ometto O segundo homem mais rico em negócios verdes é o brasileiro Rubens Ometto Silveira Mello, o “único bilionário do etanol”. O executivo é dono da Cosan, a maior exportadora mundial de açúcar e etanol e detentora da marca Esso no Brasil. Seu partimônio “verde” líquido, diz a Forbes, chega a US$1.9 bilhão.

Christy Walton A mulher mais rica do mundo recebe quase todo seu patrimônio líquido de sua participação no Wal-Mart. Seu falecido marido, foi um dos primeiros investidores em painel solar na empresa fisrt solar. Ano passado, a participação de Christy Walton Solar valia US$ 4,2 bilhões. Filantropa, a empresária apoia museus, projetos de educação e jardinagem orgânica.

Aloys Wobben Alemão, dono da Enercon , uma gigante do setor de construção de geradores eólicos, é o maior bilionário verde do mundo, com um patrimônio líquido de cerca de US$ 2,3 bilhões.

Vinod Khosla http://info.abril.com.br/noticias/carreira/7-multimilionarios-dos-negocios-verdes.shtml?id=7#glr


TI


Aprendizagem em Foco  

Trabalho dos alunos da turma de instalação e manutenção de micros e redes locais do SENAI CFP-CABB

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you