Page 1

N° 250, 2018 – 11 de agosto de 2018

O recuo da fronteria da Alemanha (e da Pomerânia) Ivan Seibel ivan@seibel.com.br

Deutsche Geschichte – Neue Erkenntnisse der Zeitgeschichtsforschung Helmut Kirsch hehe.kirsch@gmail. com

_____________________________________________________________

O recuo da fronteira da Alemanha (e da Pomerânia) Ivan Seibel

ivan@seibel.com.br As questões pomeranas têm sido discutidas com cada vez mais frequência nas redes sociais, sobretudo os aspectos envolvendo a sobrevivência da língua pomerana nos territórios na Europa Central que antigamente compreendiam os ducados da Pomerânia. Realmente, quem visita essas regiões observa que as suas populações a cada ano que passa utilizam menos este idioma. Mas, lógico, sempre há alguns que ainda o fazem. Em uma das minhas Fig. 1 - Partilha da província da Pomerânia entre a últimas visitas à cidade de Polônia e a República Democrática Alemã, Greifswald fiquei hospedado em1947. Fonte: em um hotel na Lange Str. 44. http://polishroots.org/Research/GenPoland/pomme rn/tabid/489/Default.aspx O meu quarto era justamente


no primeiro andar ao lado da rua. Com isto tive a oportunidade de observar as pessoas que passavam pela rua abaixo, ouvir as suas conversas e sobretudo sua maneira de falar. Identifiquei passoas se comunicando em alemão, em inglês, francês e em outras línguas, para mim incompreensívels. Afinal, Greifswald é sede de uma importante universidade e quase 20% da sua população é constituída de estudantes. Mas o que mais me chamou a atenção foi o número de pessoas que ainda falavam diferentes dialetos do baixo-alemão (Niederdeutsch). Mas, também, um significativo número de transeuntes de comunicava em pomerano.

Fig. 2 - O quadro acima mostra com muita clareza o “deslocamento” do território da Polônia no sentido ocidental. Chama a atenção a anexação de toda a sua região oriental à União Soviética. Por outro lado, a “tomada” dos territórios que durante séculos foram habitados por alemães fez com com que a Polônia mantivesse uma superfície semelhante à de 1937, quando da sua partilha entre a Alemanha e a União Sovietica. Fonte: https://de.wikipedia.org/wiki/Curzon-Linie

Mas voltemos a Pomerânia Oriental, hoje anexada à Polonia, na forma de duas províncias. O fato dos poloneses de Stettin desconhecerem a história pomerana é facilmente explicável pela limpeza étnica ocorrida em toda esta área, a partir de 1945. Praticamente toda a população da região anexada foi expulsa (perto de dois milhões de habitantes) e em seu lugar foram assentados poloneses igualmente deslocados pelo avanço dos russos sobre a Polônia Oriental. Os cerca de 50 mil pomeranos que lá permaneceram terminaram se misturando com os eslavos em um processo de miscigenação quase compulsório.Esta população remanescente foi, por assim dizer, “obrigada a esquecer” o seu passado pomerano. Na própria Mecklenburg-Vorpommern, enquanto integrante da República Democrática Alemã comunista, era proibido fazer qualquer referência aos pomeranos ou ao seu idioma. Pode-se imaginar o que isto representou para a preservação de uma cultura ao longo dos 45 anos da ditadura comunista soviético-alemã!


É por isso que, naquelas regiões, a lembrança da história e das tradições pomeranas praticamente desapareceu. Ao longo das minhas viagens para a Pomerânia, foi possível observar e documentar muito bem todos esses aspectos. Hoje já existe um movimento de resgate da cultura pomerana, ao menos documental, sobretudo pelas universidades de Greifswald, de Lübeck e de Stettin, mas também, em outras cidades como Stralsund, Rostock e Barth. Nesta última, no final do século XVI, foi editada a primeira Bíblia em língua pomerana, da qual ainda existem cerca de 60 a 80 exemplares, quase todos em mãos de colecionadores particulares. Eu mesmo consegui um Novo Testamento em língua pomerana, comprado no Centro Bíblico de Barth. Também tive oportunidade de trazer um rascunho datilografado de um dicionário de língua pomerana/língua alemã, ainda não publicado. Atualmente, na Polônia, em decorrência de uma nova onda de nacionalismo, as próprias aulas de alemão nas escolas começaram a ser proibidas.

Fig.3 - Mapa que mostra em números aproximados os números de refugiados alemães que foram obrigados e abandonar suas casas, seus bens e, não poucas vezes, seus próprios familiares. https://www.google.com.br/search?q=flucht+aus+polen


Na Europa Central, sobretudo na Alemanha, a preservação da cultura pomerana realmente sofreu um grande prejuízo, causado sobretudo pelo rolo compressor da ditadura comunista da República Democrática Alemã. Estes aspectos aumentaram em muito a responsabilidade dos núcleos brasileiros de manterem vivas as tradições pomeranas, sobretudo na sua música, na dança e, sobretudo, no seu maior patrimônio, que é a língua pomerana.

POMMERLAND IM BILD Deutsche Geschichte Neue Erkenntnisse der Zeitgeschichtsforschung Helmut Kirsch hehe.kirsch@gmail. Com

Noch immer erlebt Deutschland und die Welt die Auswirkungen eines Weltkrieges, der wie ein Orkan über die Kontinente hinwegbrauste, und der besonders das Leben der Menschen in Europa verändert hat. Wenn heute von offizieller Seite über den Zweiten Weltkrieg geprochen wird, überwiegt eine unsachliche schwarz-weiß Darstellung von Täter- und Opfervölkern. In diesem Fall: Die Deutschen waren Täter und alle anderen, Opfer. Das, was dem Krieg vorausging, wird oft nicht einmal am Rande erwähnt. Das kollektive Schuldgefühl der Deutschen wird hierbei im Zuge der Vergangenheitsbewältigung Tag für Tag bestätigt. Man trauert um die Opfer des Nationalsozialismus, aber nicht um die eigenen Familienangehörigen.

Bild 4 –Vortrag von Generalmajor Gerd Schultze-Rhonhof https://www.youtube.com/watch?v=Uvwb5QPrmc0 https://de.wikipedia.org/wiki/Gerd_Schultze-Rhonhof


Gabriele Baring schreibt in ihrem Buch“Die Deutschen und ihre verletzte Identität", daß die gestörte Identität eine verschleppte Folge des Zweiten Weltkrieges ist. Dieser Zweite Weltkrieg ging vor mehr als 73 Jahren zuende, und je größer der zeitliche Abstand ist, desto aggressiver und aufdringlicher ist das Deutsche Fernsehen bemüht, keinen Tag verstreichen zu lassen, an dem nicht wenigstens ein Sender die Sichtweise der ehemaligen Kriegsgegner über die "deutschen Barbaren" in unseren Wohnzimmern verbreitet. Es muß Schluss sein mit den selbstauferlegten Denkverboten.

Bild 2 – Publikum bei dem Vortrag von Generalmajor Gerd Schultze-Rhonhof https://www.youtube.com/watch?v=Uvwb5QPrmc0

Bild 3 und 4 – Das Buch von Generalmajor Gerd Schultze-Rhonhof, in unseren Wohnzimmern verbreitet. https://www.youtube.com/watch?v=Uvwb5QPrmc0


Die einseitigen Schuldzuweisungen lähmen und blockieren schon zu lange eine an deutschen Interessen ausgerichtete Politik. Hierzu schreibt Walter Lippmann: "Erst wenn die Kriegspropaganda der Siegermächte Einzug in die Geschichtsbücher und Lehrpläne gefunden hat und von der nachfolgenden Generation geglaubt wird, kann die Umerziehung als gelungen angesehen werden." Viele ausländische Historiker, unter ihnen die Briten A.J.P. Taylor und David Irving, und der US-Amerikaner David L. Hoggan, kamen in zentralen Fragen zu anderen Ergebnissen, als deutsche Historiker. Sie geben ihren eigenen Staatsoberhäuptern eine erhebliche Mitschuld an der Entwicklung, die in diese Katastrophe führte.

Up Pomerisch Srijwe un Leese leire Os pequenos quadros da Lilia Jonat Stein


Previsão do Tempo No Rio Grande do Sul e na Pomerânia


Links interesantes http://www.brasilalemanha.com.br/novo_site/ http://www.estacaocapixaba.com.br/ http://www.preussische-allgemeine.de/ http://www.estacaocapixaba.com.br/ http://www.montanhascapixabas.com.br/ http://www.ape.es.gov.br/index2.htm http://www.staatsarchiv-darmstadt.hessen.de http://www.rootsweb.com/~brawgw/alemanha http://www.ape.es.gov.br/cidadanias.htm http://www.citybrazil.com.br/es http://pommerland.com.br/site/ http://www.ctrpnt.com/ahnen/fmb.html http://www.seibel.com.br http://www.kolberg-koerlin.de http://www.povopomerano.com.br http://www.pommersches-landesmuseum.de/aktuelles/veranstaltungen.html http://www.pommern-z.de/Pommersche_Zeitung/index.html http://www.pommerscher-greif.de/ http://www.pommernkonvent.de http://www. pommersche-kirchengeschichte-ag.de http://www.leben-auf-dem-land.de/seite-4.htm http://www.raqueldiegoli.blogspot.com.br/ (previdenciário) http://pomerischradio.com.br/ https://www.facebook.com/Pomerisch-R%C3%A1dio-un-TV-892344537473691/ https://www.youtube.com/user/PomerischRadio http://acdiegoli.blogspot.com.br/ http://www.twitter.com/tempo_sls

Todo trabalho bem feito deve ser compartilhado para que possa ser reconhecido. Guardá-lo na gaveta de nada adianta, pois rapidamente será esquecido. Divulgue o que está sendo realizado na sua cidade. Conteúdos envolvendo assuntos da comunidade pomerana, eventos culturais, danças ou apresentações musicais são considerados de interesse coletivo e merecem ser publicados. Encaminhe aos seus amigos ou mande-nos os endereços eletrônicos de seus conhecidos para que possamos enviar-lhes gratuitamente os novos exemplares. As matérias a serem encaminhadas para publicação podem ser preparadas na forma de textos com até duas páginas A4, digitadas em espaço 1,5 fonte Arial número 12 ou na forma de pequenos textos de no máximo 5 ou 10 linhas, digitadas em espaço 1,5 fonte Arial número 12. Imagens ou fotografias sempre irão enriquecer a matéria. Sugere-se cinco ou seis imagens por texto.

Folha Pomerana 250 — 11 Agosto 2018  
Folha Pomerana 250 — 11 Agosto 2018  
Advertisement