Page 1

Ano I

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

Prefeitura de Ananindeua abandona Guanabara

Edição 09 Preço R$ 1,00

Nação jurunense é samba na veia

O bairro que é o berço da escola de samba mais antiga de Belém, o “Rancho - não posso me amofiná”, tem o carnaval como maior movimento cultural, mas também reclama da falta de segurança que já toma conta de Belém. Página 6

Trânsito faz mais vítimas na RMB

O bairro já teve 80% de suas ruas pavimentadas, mas a falta de manutenção causou a perda do asfalto. As demais ruas que não tinham asfalto continuam abandonadas e se transformam em rios nos dias de chuva. Os moradores também mostram a precariedade da coleta do lixo. Página 7

São Raimundo campeão

O Pantera Negra fez bonito na série D e é o novo representante do Pará na série C, para orgulho da cidade de Santarém, a terra natal do time. Página 21

Luta contra as drogas

Luiz Veiga dá lição de vida na direção do Centro Nova Vida, uma das organizações paraenses que atua no tratamento da dependência química. Página 4

A imprudência e a falta de educação de motoristas, cliclistas, motociclistas e até de pedestres é apontada como um dos principais causadores dos acidentes, que tem feito cada vez mais vítimas na Região Metropolitana de Belém. Página 8

internacional

ESPORTE

Economia

POLÍTICA

celebridades

Intelectual conhecido em todo o mundo, o pai da antropologia moderna morreu aos 100 anos. A morte foi divulgada por sua editora.

Rubinho já foi para a Williams e Bruno Senna vai estrear na também estreante equipe Campos, enquanto outros pilotos ainda negociam.

O caranguejo subiu 7% em outubro. Por outro lado os derivados do produto sumiram após bloqueio ao caranguejo de São Caetano de Odivelas.

Brigas na Casa estão impedindo a votação de projetos para melhorar o abastecimento de água em Belém para 1,5 milhões de pessoas.

O “rei do pop” já é o terceiro astro que mais fatura depois de morto, superando nomes como John Lennon e até o também “rei” Elvis Presley.

Lévi-Satrauss morre aos 100 anos

15

Começa a dança dos pilotos

22

Caranguejo 7% mais caro

Água na torneira depende da Câmara

13

10

Michael Jackson continua a faturar

20

Livro sobre a história da estrada de ferro que ligou Belém a Bragança caminha para a segunda edição. Página 17.


2

Opinião

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

Editorial As sessões marcadas na Câmara Municipal de Belém (CMB) para a votação do Projeto de Lei que regulamenta a lei das concessões públicas (lei n°. 8987), e a lei das parcerias público-privadas (lei 11079), continuam sendo alvo de tumultos e acabam suspensas na CMB. É a briga de alguns, que pode impedir parcerias importantes entre o Poder Executivo Municipal e prestadoras de serviços eficientes para dar conta de um serviço que historicamente é deficiente não só em Belém, mas em todo o Pará, onde o serviço da Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), que também

atende parte de Belém, é falho e precário, e isso não é segredo para ninguém. Assim como também não é segredo as deficiências que foram encontradas no Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Belém (Saaeb), mas que obteve melhoras significativas com os investimentos feitos entre 2005 e 2009, um total de R$ 25 milhões aplicados em sistemas que levaram água para áreas periféricas de Belém, como Pratinha, Tapanã, Icoaraci, Mosqueiro e Outeiro. Mesmo com todo esse esforço, apenas 20% da população, em

torno de 300 mil pessoas, estão na cobertura do Saaeb. A água potável continua um problema para 1,5 milhão de habitantes de Belém, dos quais pelo menos 450 mil são moradores de áreas de expansão e simplesmente nem têm acesso ao serviço, enquanto outros 750 mil moradores da cidade são atendidos de forma precária pela Consanpa, que só em Belém arrecada 13 milhões mensais, sem que o belenense tenha retorno de seu investimento. Fica a pergunta: até que ponto a briga de alguns tem o direito de ferir os interesses de uma população inteira?

CARTAS Mais Segurança Aproveito o espaço do jornal Tribuna do Pará e venho expressar um dos problemas que mais afligem a população que é a segurança. Outro dia presenciei um fato desagradável em frente de minha casa, onde três “mal elementos” assaltaram meu vizinho, colocando a arma em sua cabeça e levando o seu carro. Infelizmente não é a primeira vez que criminalidade acontece na minha rua, pois de vez em quando os moradores são alvo de bandidos, por isso, peço às autoridades por mais segurança para a população. Maria José dos Passos Mattos Rua do Arame- Pedreira Calçadas esquecidas em Ananindeua Já há alguns meses que a secretaria de urbanismo de Ananindeua não deu término a duas calçadas que liga deficientes físicos à entrada e saída de ônibus. Uma calçada fica localizada numa parada em frente a um grande supermercado e outra próxima a uma praça na Cidade Nova, onde o cadeirante não tem condições de subir ou descer, pois a calçada está cheia de entulhos como restos de concreto e lixo em geral. Acho que a Prefeitura de Ananindeua deveria é ter mais consideração com os seus deficientes físicos. Jaqueline Silva Cidade Nova V – Ananindeua, Pará Academia ao ar livre Achei uma ótima idéia da Prefeitura de Belém criar na Avenida 25 de Setembro a academia ao ar livre, instalando ali vários aparelhos e incentivando as pessoas que por ali caminham todos os dias a se exercitar, até aqueles que não tem o hábito de praticar exercícios. A iniciativa está de parabéns. Denise Martins dos Santos Travessa Perebebui- Marco Conscientização contra o Diabetes. Gostaria de lembrar aos leitores do jornal ”Tribuna do Pará, que dia 14 de novembro será o Dia Mundial de Controle ao Diabetes. A enfermidade vem se expandindo a cada dia, e o governo e autoridades de saúde deveriam prestar mais atenção a essa doença, que só no Pará já atinge 600 mil pessoas contaminadas. E aquelas que são suspeitas da doença deveriam procurar o quanto antes uma assistência médica, já que é fácil de ser diagnosticada e assim seguir um tratamento adequado. Rubilar Neves Diretor da Casa do Diabético, Belém   Preocupação com alimentos Prezados da Tribuna do Pará, Sou engenheiro civil sanitarista, e tive o prazer de acessar a edição do Jornal com a matéria sobre os perigos da alimentação na rua, que me chamou atenção pois sou profissional de saúde pública. Verifiquei algumas lacunas, que são as seguintes: não foram mencionados dados exatos sobre os casos de intoxicação alimentar, causados por alimentos na rua. Outro fato é a não citação do artigo 197 da Constituição Federal, que define as ações de saúde como relevância publica, isto é, inclusive se sobrepondo aos interesses tributários. A FAO, organismo ligado a ONU, propõe que os poderes públicos regulamentem este tipo de atividade, pois se trata de uma preocupação mundial com a proteção e conservação dos alimentos, higiene pessoal e dos locais, e reserva de água, pois em grande parte são alimentos de consumo imediato. Atenciosamente, Waldemar José Sá de Azevedo Engenheiro Civil Sanitarista, Belém

Concursados do estado exigem nomeações Cerca de 30 aprovados em concursos estaduais que ainda esperam a nomeação fizeram mais um piquete na frente do Fórum Cível da capital, na tentativa de serem recebidos pelo juiz Marco Antônio Castelo Branco, que já concedeu liminar em favor deles. Segundo o presidente da Associação do Concursados do Pará, José Emílio Ribeiro, a intenção era pressionar uma decisão que exija a nomeação dos concursados. Antes de tentar audiência com o juiz, a comissão de concursados esteve com o promotor de Direitos

Constitucionais do Ministério Público Estadual, Alexandre Couto Neto, a quem denunciaram a abertura de novos concursos pelo Governo do Pará, sem que os aprovados em certames anteriores tenham sido nomeados. Outro ponto foi a realização de concurso para formação de cadastro de reserva para a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), o que soa no mínimo estranho, já que a Seduc ainda tem centenas de concursados para serem chamados e necessita dos profissionais, o que não justifica um cadastro de reserva.

Ribeiro lembrou que o prazo para cumprir a liminar e exonerar todos os temporários e nomear os concursados encerra no próximo dia 3 de dezembro. No entanto, o Estado pediu a revogação da decisão judicial. O promotor Alexandre Couto Neto informou que o MPE já deu entrada, antecipadamente, em um processo de manifestação, com réplica para o Fórum Cível e o Tribunal de Justiça do Estado (TJE) contra as contestações do Estado. Para o promotor não há mais o que discutir, a não ser o cumprimento da decisão judicial.

EXPEDIENTE Tribuna do Pará é uma publicação semanal. Editado por SGP Comunicações e Serviços Ltda. CNPJ: 10955840/0001 - 61 Diretor: Márcio Barros Endereço: Trav. Lomas Valentina, nº 1502 - Marco CEP: 66.087-440 Plantão da Redação: (91) 8703.7942 (24 horas) e 3276.2308 Mande também suas sugestões de pauta. E-mail: tribunadopara@gmail.com Twitter: @tribunadopara Orkut: Tribuna do Pará (Comunidade) Blog: www.tribunadopara.blogspot.com

Reportagens: Graziella Mendonça e Alexandre Cunha Colaboradores: Victor Hugo Salgado. Fotos: Jader Paes. Diagramação: Arthur Costa Projeto Gráfico: José Menezes Junior


Cidades

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

Sesma amplia transporte de renais Serviço já atende 350 pessoas e vai ampliar atendimento para chegar a 400 pessoas cadastradas no tratamento de hemodiálise

TRIBUNA LIVRE Sem saída O deputado federal Jader Barbalho (PMDB) parece que não tem muita alternativa. Apesar de seu partido brigar publicamente com a governadora Ana Júlia Carepa (PT) vai ter que fazer acordo com o Partido dos Trabalhadores para apóia-la, porque os processos que tramitam contra ele na Justiça brasileira vão todos chegar no prazo fatal e ele corre o risco de ser processado pela Justiça Federal do Tocantins e, assim, voltar a ser preso. Lula, o salvador de Jader Se não quiser parar no xilindró dentre em breve, Jader Barbalho terá de contar com a ajuda do presidente Lula, o único que poderá salvá-lo com os super poderes de quem está com o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Superior Tribuna de Justiça (STJ) nas mãos. E por sua vez, Jader terá de garantir sua eleição para o Senado ou Câmara Federal, apoiando Ana Júlia, bem do jeitinho que o próprio presidente mandar. Foro privilegiado A única forma de Jader Barbalho não precisar fechar acordo com o PT no Pará e abrir mão da ajuda de Lula nos processos que pesam sob suas costas é se lançar candidato ao governo do Estado. Uma vez governador, o que é muito improvável, Jader ganharia foro privilegiado, ou seja, só poderia ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal. Impunidade E todo mundo sabe que foro privilegiado significa impunidade. A Associação dos Magistrados do Brasil (AMB) acaba de fazer um levantamento que demonstra, segundo o jurista Zeno Veloso, a morte da Justiça: em 18 anos e meio, o Supremo Tribunal Federal (STF) abriu 130 processos criminais contra autoridades que têm foro privilegiado e ninguém foi condenado (130 a 0). No Superior Tribunal de Justiça (STJ), criado em 1989, foram abertas 483 ações penais, mas só cinco pessoas foram condenadas (483 a 5). Alforria Para Zeno Veloso, “o foro privilegiado é perverso, caviloso, aristocrático, tem de ser banido, em nome da igualdade, em nome da democracia”. O foro privilegiado “alforria alguns dos piores bandidos do país”.

A Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) está ampliando o transporte disponibilizado para atender os pacientes renais crônicos em tratamento na capital. O serviço atende, atualmente, cerca de 350 pessoas, mas a Sesma está finalizando a licitação para aquisição e mais um veículo do tipo Kombi, que terá capacidade para atender mais 50 pacientes, já que cada paciente é submetido ao procedimento em média duas vezes por semana, sendo que as clínicas funcionam em três turnos diários. Para utilizar o serviço é necessário que o paciente seja cadastrado no programa do município, que atende não apenas doentes renais crônicos, mas outros pacientes que precisam de locomoção para tratamentos de doenças crônicas e comprovadamente não tem condições financeiras para o transporte. A ampliação do transporte aos renais crônicos foi confirmada pelo secretário municipal de saúde, Antonio Vinagre, durante uma reunião com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), o Ministério Público e outros órgãos

responsáveis pelo atendimento aos renais crônicos no Pará. Junto com a médica Graça Soutelo, que faz parte da direção do Departamento de Regulação da Sesma, responsável pelo cadastramento dos serviços, Vinagre apresentou os planos e projetos da Sesma para a parte que cabe ao município de Belém no atendimento aos renais crônicos. Atualmente estima-se que existem cerca de 80 mil pacientes com doenças renais crônicas no Brasil, número que cresce em torno de 8% ao ano. Somente em Belém há cerca de 600 pacientes renais crônicos em tratamento, muitos deles vindos de outros municípios do Pará, como explica Graça Soutelo. “As máquinas de Belém tem capacidade de atender aos seus pacientes, mas infelizmente recebem uma carga muito grande de outros municípios, e isso acaba afetando o atendimento que pode ser feito aos pacientes da capital”, ressaltou a médica. Vinagre lembrou que as máquinas portáteis encaminhadas pelo Ministério da Saúde (MS) de forma incompleta, sem os equipamentos

de osmose reversa para tratamento da água, serão instalados após a finalização da compra desses equipamentos complementares. “Esses são equipamentos para uso em diálises de urgência, e serão instalados nas Unidades de Terapia Intensivas de nossos hospitais”, informou o secretário. Além dos dois prontos socorros, uma das máquinas de hemodiálise portáteis vai para o hospital municipal de retaguarda, que vai funcionar no antigo palacete Facciola e vai contar com 50 novos leitos, sendo 5 de UTI. O hospital está em fase de acabamento e licitação de equipamentos, e os leitos serão destinados aos pacientes de longa permanência. Esses pacientes hoje ocupam 50% dos leitos dos hospitais de prontos socorros, e 52% deles são do interior, o que contribui para a superlotação. O Pronto Socorro Mário Pinotti (14 de Março), por exemplo, deveria atender 6 mil pacientes, mas hoje atende a média de 12 mil. No Humberto Maradei (Guamá) a situação é parecida. O hospital deveria atender 6 mil pacientes, mas atende 9 mil pessoas por mês.

Dois pesos... Denúncias do Ministério Público Federal envolvem o deputado federal Jader Barbalho (PMDB) e mais 15 pessoas, em um processo pelo desvio de recursos da extinta Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). O processo contra o parlamentar está na Procuradoria Geral da União, em virtude do foro privilegiado que ele tem direito. Duas medidas... Mas os demais envolvidos já tiveram o processo encaminhado à Justiça Federal. Jader teria sido um dos mentores dos desvios que somam R$ 16,7 milhões, em recursos do Fundo de Investimentos da Amazônia, pela empresa de grãos Agroindustrial Dona Carolina. O deputado peemedebista teria cobrado propina, cujo valor variava entre 10 a 20%, das parcelas que eram repassadas pela Sudam à empresa. A prestação de contas era feita documentos falsos.

PINGA FOGO Um novo paisagismo será concluído na próxima semana em toda a extensão da avenida Doca de Souza Franco. Uma parceria inédita entre Prefeitura de Belém, através da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma), e o Boulevard Shopping.   O novo shopping entregou todo o material necessário ao paisagismo, como mudas, flores, terras, e a Semma vai entrar com a mão-deobra para deixar a avenida completamente florida.   Outras 53 empresas da Doca serão chamadas pela Semma para também contribuírem com a nova cara da avenida. Além de contribuir com as mudanças na Doca, o Boulevard Shopping deve gerar de cara 3 mil empregos diretos com a inauguração. Os lojistas vão juntar a novidade com a febre do consumo às portas do Natal.


4

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

Cidades

Combate às drogas incrementado no Pará e outros Estados O Pará e outros estados brasileiros vão ganhar um reforço no tratamento à dependência química e transtornos mentais. No último dia 3 de Novembro, o Ministério da Saúde anunciou um pacote de medidas que pretende ampliar a rede de assistência médica a usuários de álcool e drogas e a pacientes com transtornos mentais em 18 estados. Orçado em R$ 98,3 milhões anuais, o conjunto de ações prevê a abertura de 73 novos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e estabelece incentivos financeiros para internações curtas -- até 20 dias -- de pacientes em crise. Para o tratamento da dependência química, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece tratamento para dependente de álcool e outras drogas. Esse tratamento é feito nos CAPSad (Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas). Os CAPSad são serviços extra-hospitalares de atenção diária, de base comunitária e que têm equipe multiprofissional – psicólogo, psiquiatra, assistente social, terapeuta ocupacional, clínico geral, enfermeiro, entre outros. Com a liberação dos recursos, o Pará deve receber quatro novos Centros de Atenção. Em Junho deste ano, o estado havia recebido três novos CAPS, em Altamira,

Abaetetuba e Melgaço, sendo o último especializado no atendimento aos dependentes de álcool e outras drogas. Nos últimos quatro anos, a rede de assistência em saúde mental do Pará ampliou o número de centros. Em 2006, o Estado contava com 30 CAPS. Este número pulou para 42 em 2009. Porém, constam no Ministério da Saúde apenas 34 Centros, pois os demais estão aguardando liberação do próprio Ministério para também serem habilitados. Apesar disso, todos estão em funcionamento e atendendo pessoas com transtornos mentais e usuários com dependências de álcool e outras drogas. De acordo com a Coordenação Estadual de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas da Secretaria de Estado de Saúde (Sespa), existem hoje no Pará os seguintes serviços públicos que oferecem tratamento para uso abusivo de álcool e outras drogas: os CAPS-AD de Belém, Santa Izabel, Marituba e Abaetetuba; Centro de Tratamento, Prevenção e Redução de Danos ao Uso Abusivo de Álcool e Drogas (Cenpren); Clínica de Cuidados a Dependentes Químicos da Marambaia (CCDQ) e Hospital das Clínicas Gaspar Vianna (HCGV). Em junho deste ano, o Ministé-

Reforço vem do Ministério da Saúde, com investimentos de R$ 98,3 milhões nos Estados para tratamento da dependência química

rio da Saúde já havia anunciado outrosR$ 117 milhões para o Plano Emergencial de Ampliação do Acesso para Tratamento de Álcool e Drogas (PEAD). Somando os novos recursos, os investi-

mentos para o setor chegam a R$ 215,3 milhões. O coordenador-geral da área técnica de Saúde Mental do Ministério da Saúde, Pedro Gabriel Delgado, comemora os

avanços na área da saúde mental. “Passamos, em sete anos, de uma cobertura de atendimento em saúde mental de 21% da população para 60%, com o parâmetro CAPS por 100 mil habitantes”.

Centro ajuda jovens dependentes a construir uma “nova vida” Além dos centros de tratamento mantidos pelo SUS, existem hoje no estado organizações não governamentais e entidades que se dedicam à prevenção e recuperação de dependentes químicos. Uma delas é o Centro de Recuperação Nova Vida, localizado na Estrada do Aurá, em Ananindeua. Desde 1993, o Centro de Prevenção ao Alcoolismo e à Drogadição “Nova Vida” acolhe jovens em problemas com a droga ou alcoolismo. Em um espaço de mais de 16 mil metros quadrados, os rapazes participam de atividades de recuperação, através de um tratamento baseado na motivação. O fundador do Centro, Luiz Veiga, vivenciou a luta contra as drogas. Tudo começou em uma festinha do colégio, aos 13 anos. Estudioso e tímido, Luiz aceitou vinho oferecido pelos colegas, o que abriu caminho para outras bebidas e, posteriormente, para as drogas. Por 28 anos, Veiga foi dependente químico. Por causa das drogas, Luiz se transformou em mendigo. Passou a viver pelas ruas e sarjetas, dormindo no frio e tendo as drogas como companhia. “Morei na rua, fui preso, levei processos. Não fui um bom filho e nem um bom pai, não acompanhei o crescimento de meus filhos”, conta. Resgatado das ruas pelo economista Sérgio Leite, Luiz passou a desenvolver trabalhos no Pronto Socorro Municipal, onde viu a dor

A vida de Luiz Veiga é a lição que ele dá para que outros dependentes deixem as drogas

de pessoas que sofriam por causa das drogas. “Foi durante este período que aprendi a me amar e a me respeitar”, diz ele. A professora Cândida de Melo, então Presidente do Conselho de Entorpecentes do Distrito Federal, sugeriu que Luiz criasse um Centro de Tratamento. Veiga com-

prou a ideia e se lançou sobre o projeto. Em 1993, o “Nova Vida” foi constituído juridicamente. Hoje é uma ONG credenciada pelo Ministério da Saúde, Secretaria Nacional Anti-Drogas, Conselho de Entorpecentes do Pará e na Federação Brasileira de Comuni-

dade Terapêuticas, entre outros. Atualmente, Luiz Veiga diz que está aprendendo a ser “pai de estranhos”. Mais de 5 mil pessoas já passaram pelo Centro Nova Vida. “Hoje temos 28 pessoas internas”, diz ele. Quem entra no “Nova Vida” passa por três meses de internação e um mês de ressocialização, que é quando a pessoa vai para casa aos finais de semana. O Centro conta com uma equipe de dez profissionais, entre psicólogos, professores, assistentes sociais e outros, todos com formação pela Federação Brasileira de Comunidades terapêutica. Diariamente, os internos participam de atividades, como aulas de hidroginástica, informática, musculação, além das dinâmicas de grupo, leituras e do contato com a natureza. “Nosso trabalho é motivacional. O dependente tem que ter em mente que ele é a causa e a solução do seu próprio comportamento”, diz Veiga. Segundo Veiga, o poder público poderia dar mais apoio às entidades que trabalham com a prevenção e tratamento da dependência química. Atualmente, a maior parte do apoio público é da Prefeitura de Ananindeua. “Essa dificuldade de obter apoio não é só do Centro Nova Vida, mas de todas as entidades e organizações que lidam com as drogas”, diz. O Centro possui uma unidade móvel, que realiza um projeto itinerante de prevenção de dro-

gas, DST/Aids e tuberculose, realizado em parceria com a Delegacia de Repressão aos Entorpecentes (DRE). A equipe leva orientações e exposições às escolas, praças e outros espaços. De acordo com o delegado titular, Hennison Azevedo, a importância desta parceria é promover o trabalho preventivo. “Hoje em dia, a prevenção é o melhor caminho. Nosso objetivo com este trabalho é mostrar os malefícios da droga e a seriedade das doenças, para assim evitá-las”, afirma. Mesmo com a mobilização da sociedade civil, o consumo de drogas tem aumentado nos últimos anos. “Basta observar o volume de drogas que tem sido apreendido nos últimos anos para crer que este consumo tem crescido”, ressalta Veiga. “Antigamente, era difícil ver um garotinho de sete anos consumindo drogas. Hoje você já vê esta cena”. Segundo ele, é preciso haver um processo de conscientização política. “Hoje tem muito politiqueiro, que só toma providências quando a desgraça bate à porta. Mas estamos aí, fazendo um pouquinho. Somos como uma formiguinha, ou um beija-flor tentando apagar um incêndio”, compara. Serviço: O Centro Nova Vida fica na Estrada Santana do Aurá, 10ª travessa, 2, no Município de Ananindeua, Pará. Fone (91) 265.1258.


Cidades

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

5

Feira do Jurunas busca segurança e ordenamento

O esoaço tem movimento garantido para quem quer comprar frutas, farinhas, peixes, lanches e até produtos industrializados, mas a violência preocupa. São 490 boxes cadastrados pela Secretaria Municipal de Economia.

O Complexo do Jurunas oferece uma grande variedade de alimentos e produtos. São frutas, industrializados, peixes de todos os tipos, farinhas e lanches que não deixam a desejar para o consumidor. Segundo a Secretaria Municipal de Economia (Secon), são 490 espaços cadastrados, sendo que a grande maioria é formada por hortifrutigranjeiros e industrializados. O feirante Antônio Luiz trabalha com a venda de lanches na feira. “Aqui tem coxinha, lanches, cerveja, de tudo um pouco”, destaca. Pai de um filho de 18 aos, Antônio diz que o dinheiro da feira é que garante o seu sustento. “Quando o faturamento é bom, a gente sai todo alegre da feira. Geralmente isso acontece nos finais de semana, quando o movimento é maior. Mas também quando não dá, paciência. A gente vai vivendo”, conta. Temperos, legumes e verduras no Jurunas são a aposta de Maria José para garantir o pão de cada dia. A feirante já trabalha há 15 anos no local, e garante que já conseguiu bons clientes. “Eu adoro estar em contato com o povo todo dia, fazer novas amizades. Eu sei como agradar os clientes e, por isso, as vendas são muito boas”, ressalta. Mas, apesar da variedade e riqueza do Complexo, os feirantes reclamam da falta de segurança do local. Segundo eles, assaltos são comuns nos arredores e ainda mesmo dentro do próprio complexo.

Elito Rodrigues trabalha como vendedor de farinha no Complexo do Jurunas. “Aqui falta pra gente é segurança, não só na feira, mas no bairro do Jurunas como um todo. Já soubemos de muitos assaltos. Nós pagamos um vigia três vezes na semana, mas a situação está complicada”, revela. O feirante Torquato Franco está com 70 anos de idade e ainda não pensa em aposentadoria. Ele trabalha na feira do Jurunas há mais de dez anos. Assim como os demais, seu Torquato reclama da violência. “Aqui não temos segurança, até mesmo dentro do complexo tivemos assaltos. Sempre peço

a Deus que me livre da ação destes bandidos”, diz ele. A feirante Maria José já teve uma balança roubada. “Era uma balança muito boa, caríssima. Arrancaram o cadeado e levaram. É terrível esta situação. No Jurunas a violência está tomando conta”, lamenta. Posto policial funciona como apoio para rondas No estacionamento do Complexo, há um boxe da Polícia Militar. Os feirantes denunciam que o prédio foi construído com o dinheiro dos próprios trabalhadores, mas reclamam que não vêem o policiamento acontecer.

De acordo com o Major Mascarenhas, da Polícia Militar, o boxe não está desativado. O que houve, segundo ele, é uma mudança no método de policiamento. “Hoje estamos mais focados no policiamento dinâmico. O bairro do Jurunas conta com duas viaturas que realizam policiamento ostensivo nas ruas e também na feira”, diz ele. O Major garante que o boxe é utilizado pela Polícia, mas diz que o efetivo não fica estático, no mesmo lugar. “O policiamento tático atende um raio menor de pessoas em relação ao policiamento dinâmico. Mas podemos garantir que a feira está sendo policiada”, afirma.

A feira precisa de ordenamento, porque parte dos feirantes ocupa as calçadas e até o próprio leito da avenida Fernando Guilhon

Secon quer regularizar feirantes do entorno No entorno do Complexo do Jurunas, vários feirantes trabalham irregularmente nas calçadas da Fernando Guilhon e Bernardo Sayão. De acordo com a Secretaria Municipal de Economia (Secon), a intenção é cadastrar estes trabalhadores e remanejá-los para o interior do Complexo. O diretor do Departamento de Feiras, Portos e Mercados da Secon, Luís Carlos Silva, afirma que a primeira etapa desta organização já foi realizada. “No ano passado, retiramos barracas que ocupavam o estacionamento e remanejamos para dentro do Complexo”. Também em 2008, a Secon revitalizou o espaço, com a recuperação do telhado e construção dos boxes em alvenaria. Segundo ele, a próxima etapa é regularizar os trabalhadores que atuam na área externa ao complexo. “Estamos estudando a possibilidade de montar novas barracas próximo à caixa d’água para alocar os feirantes”, diz Antonio Luiz trabalha regularmente no Complexo, mas afirma que gostaria que os feirantes que atuam na Fernando Guilhon conseguissem a regularização. “A presença deles não chega a atrapalhas as nossas vendas. Porém seria muito bom se pudessem vir para o Complexo também, que é mais organizado”, diz.


6

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

Cidades

Diversidade cultural e animação da nação jurunense Festas ao ar livre, agremiações de samba, comércio e ruas movimentadas. Essa é a cara do Jurunas, bairro localizado próximo à Baia do Guajará, e um dos mais populosos de Belém, com cerca de 130 mil habitantes. A maior parte do Jurunas tem características bem populares, mas o bairro também possui uma área considerada mais elitizada, principalmente na divisa com o bairro de Batista Campos. O Jurunas tem uma história antiga e muita tradição. A maioria de suas ruas recebeu nomes de tribos indígenas, como Tupinambás, Tamoios, Mundurucus e Apinagés. O bairro já foi até tema de pesquisa da Universidade Federal do Pará (UFPA). Em janeiro deste ano, a antropóloga Carmem Izabel Rodrigues lançou o livro “Vem do Bairro do Jurunas”, que revela cotidiano da conhecida “Nação Jurunense”. Essa identidade jurunense se consolida nas festas populares. Tanto é que o bairro abriga uma das mais tradicionais escolas de samba do Pará: o Grêmio Recreativo Jurunense “Rancho Não Posso me Amofiná”, fundado há 76 anos e uma das quatro mais antigas escolas de samba do Brasil. O Rancho é a escola de samba mais antiga de Belém e costuma representar muito bem o Jurunas no sambódromo. Mas isto é fruto de um ano inteiro de esforços. Assim que termina o Carnaval, a equipe já começa a pensar na festa do próximo ano. Um dos primeiros passos é definir o samba enredo que vai guiar a escola. “Em 2010, por exemplo, já definimos que o nosso enredo vai homenagear o Hangar”, revela Jango Vidal,

O Grêmio Recreativo Rancho Não Piosso me Amofiná é um ícone da história e cultura do bairro. Além de carnaval, a entidade também faz trabalho social com jovens e crianças.

presidente e sócio benemérito da Escola. Os ensaios na quadra já começaram e fazer a alegria da população jurunense. Ano passad­o, quase duas mil pessoas

desfilaram pelo Rancho no Sambódromo. Para Jango Vidal, a população jurunense vê no Rancho um espaço aberto para manifestaçõe­s culturais e outras atividades. Além de alegrar o carnaval bele-

nense, o Rancho também oferece várias aulas e oficinas gratuitas, que tem o objetivo de integrar a comunidade e proporcionar aprendizado. O pequeno Oriã Costa, de 12 anos, participa do projeto

“Circuito das Artes”. Para ele, tocar violão está sendo um sonho realizado. “Gosto muito de vir fazer estas aulas, acho muito legal mesmo. Quero ser músico e também engenheiro”, revela.

De presídio a Pólo Joalheiro, Moradores querem redução da violência São José Liberto é ponto turístico

Prédio imponente na praça Amazonas, local abriga Museu de Gemas do Estado

Um dos pontos turísticos mais expressivos do bairro do Jurunas é o Espaço São José Liberto, que fica no prédio que abrigou, durante anos, o Presídio São José. Localizado na Praça Amazonas, o lugar abriga o Museu de Gemas do Pará, o Pólo Joalheiro e a Casa do Artesão. O prédio do antigo presídio levou quase dois anos para ser totalmente reformado, devido às inúmeras depredações realizadas pelos antigos presos. Em Março de 1998, no antigo presídio, ocorreu um dos motins mais violentos,

que durou 28 horas e deixou um saldo de quatro mortos e três feridos. Entre os mortos esteve o líder da rebelião, José Viana Davi, o Ninja, condenado por homicídio e a assalto a banco. O prédio foi recuperado e hoje o Espaço é referência para o mercado joalheiro paraense por conta das jóias em ouro e gemas produzidas pelo talento dos ourives e designers paraenses. No local, o artesanato e as cerâmicas marajoara e tapajônica também ganharam espaço e são levados para todo o Brasil e para o exterior.

Apesar de toda a alegria do jurunense, a população ainda sofre com os problemas tipicamente urbanos. O principal deles e mais preocupante continua sendo a falta de segurança pública. De acordo com os moradores, os assaltos são constantes. Benedita Alves mora na rua Carlos de Carvalho, no Jurunas, desde que nasceu. Hoje, aos 65 anos, ela diz que o bairro já foi tranquilo. “Vivemos em meio a uma verdadeira onda de assaltos no Jurunas. Estou muito preocupada com esta situação. Eu, graças a Deus, nunca fui vítima de assaltos, mas já ouvi muitos e muitos casos. Acho que falta mais atenção do poder público para com o nosso bairro”, lamenta. No entanto, Benedita ressalta os pontos positivos do bairro. “Apesar desta insegurança, conseguimos alcançar vitórias, como o asfaltamento, que antes não existia na maioria das ruas. Além disso, o Jurunas tem tudo, é movimentado, bom de se viver”, relata. Já Ione do Socorro Batista

Mendonça, de 36 anos, mora na rua Timbiras. Ela foi para o bairro com apenas 4 anos de idade, e garante que muita coisa mudou. “No geral, podemos dizer que vivemos melhor. Antes, o Jurunas era só buraco, lama, a gente nem imaginava todo este asfalto que tem hoje”, diz. Entretanto, assim como a maioria dos jurunenses, Ione reclama da violência urbana. “De vez em quando sofremos com assaltos. Meu pai já foi abordado bem em frente de casa, em plena uma da tarde”, revela. Antes podia sentar porta, hoje a gente vive sobressaltado. A gente vive preso e os ladrões vivem soltos”, lamenta. Ione enumera outros problemas do bairro. “A iluminação pública, em geral, é ruim. A água é outra dificuldade, às vezes a gente acorda sem uma gota. Mas estamos sempre lutando e esperando que melhore. Já conseguimos asfalto pra nossa rua e vamos trazer outras melhorias”. Na feira, ela nem cogita ir. “Tenho pânico de ir lá. Meu pai vai, ele adora

Moradores não se arriscam nas ruas

peixe fresco, carne fresca. Mas eu não me arrisco” Roberto Pinto trabalha em uma loja de autopeças e também tem medo de assaltos. “Está perigoso em todos os lugares, mas aqui no Jurunas a situação está pior”. Ele cita como exemplo a rua Fernando Guilhon. “Depois das 6, fica ruim andar a pé por lá”, reclama.


Cidades

Guanabara está abandonado pela Prefeitura de Ananindeua

O bairro, que já teve 80% de suas ruas asfaltadas, reclama do abandono , da falta de pavimentação e da coleta precária do lixo doméstico

O bairro da Guanabara, localizado no município de Ananindeua, já foi uma das áreas mais urbanizadas do município, com a maioria de suas ruas asfaltadas e drenadas. Também foi considerada um dos melhores bairros para se morar em Ananindeua, já que o bairro possui uma grande variedade de serviços comerciais, que vão de bancos, concessionárias de carros, residenciais fechados, supermercados 24 horas, Universidades, Hospitais, e ainda está localizado bem próximo do Shopping Castanheira, um dos grandes centros de compras na fronteira entre Belém e Ananindeua. Além disso, o bairro da Guanabara está à margem da principal via de acesso à Belém e Região Metropolitana, a BR 316. Mas todos esses atributos não tem sido suficientes para que a Guanabara receba atenção atenção da atual administração do município de Ananindeua. A reclamação dos moradores é intensa em relação à falta de coleta de lixo, que fica acumulado sobre os postes das ruas. Também não

houve qualquer manutenção ao asfaltamento feito na administração anterior à do Prefeito Helder Barbalho, lembrada pelos moradores como a gestão que mais investiu no bairro. Ao lembrar da administração anterior, seu Manoel Nascimento, 60 anos, comerciante, morador há 28 anos da Rua do Fio, no bairro da Guanabara, disse que o bairro era uma maravilha, com a maioria das ruas pavimentadas. Ele lembra com saudade da época em que a coleta de lixo era realizada com regularidade, e diz que, atualmente, a situação é muito diferente. “Só no governo do Pioneiro é que as coisas aconteceram aqui. Não existia essa ‘montanha’ de lixo e esse mal cheiro aqui nas ruas, porque o caminhão passava e levava. Agora, nenhum serviço é feito aqui, nessa parte da rua do Fio. O caminhão de lixo não passa, aí acumula todo esse lixão em cima dos portes, e ainda tem esses buracos na rua que formam essas lagoas de lama”, reclama seu Manoel. Wilker Oliveira, comerciante do

bairro, é outro morador que faz coro à reclamação. “O bairro está abandonado. Para não dizer que eles não fazem nada, só realizam obras na entrada do bairro, mas só porque é perto da BR. Mas aqui, adentrando no bairro, nada é feito. São ruas esburacadas e nem o carro para coletar o lixo aparece. Moro aqui desde que nasci, e se teve alguém que fez obras aqui foi o prefeito Pioneiro”, declara Wilker. O morador Sérgio Quadros, 54 anos, motorista da linha Guanabara – Felipe Patroni, diz que no fim da rua do Fio, onde funciona o final da linha do ônibus, os buracos são comuns e que a Prefeitura de Ananindeua nada faz para consertar a rua. “Esses buracos enormes aí são normais, e se for depender da Prefeitura, não vão ser consertados nunca. Quem ainda faz alguma coisa para solucionar esse problema é a própria empresa de ônibus, que de vez em quando manda colocar umas carradas de aterro truncado para tampar esses buracos e evitar danificar os ônibus”, revela o motorista.

Falta de segurança também ameaça os moradores Além de reclamar da situação das ruas com asfalto deteriorado e muitas já sem asfalto, a professora Regiane Sousa, que mora no bairro há 26 anos, informa ainda que a falta de segurança aumenta no bairro, já que as ruas não colaboram para ação policial e os marginais ficam à vontade para agir. “Aqui acontecem inúmeros assaltos e até tráfico de drogas. A polícia tenta fazer a sua parte até onde

é possível, mas quando se depara com essas ruas, que são só buraco e becos, fica impossível até de terminar a ronda. Aí, no final das contas, sobra para nós moradores, que ficamos na mão dos bandidos”, disse a professora. Dona Maria Ribeiro, 45 anos, dona de casa, moradora da Guanabara há 32 anos, também reclama da falta de segurança. Ela diz que é preciso torcer para

não ser assaltado, já que quando acontecem as ocorrências de roubos e assaltos, nem mesmo a delegacia do bairro atende de maneira correta suas vítimas. “A segurança aqui está uma negação. E quando acontece da gente ser assaltado aqui, a delegacia não nos atende. Eles (os policiais) nos enviam pra registrar queixa na delegacia da Marambaia. Estamos nas mãos de Deus”, revelou dona Maria.

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

MUNICIPIOS

Prefeito terá que devolver R$ 2 milhões em Breu Branco O prefeito de breu Branco, Egon Kolling, mais conhecido como “Alemão”, foi condenado a devolver a quantia de R$ 2 milhões aos cofres públicos. O valor acrescido de multa totaliza R$ 4 milhões. A sentença foi emitida pelo juiz da Comarca de Breu Branco, José Jonas Lacerda de Sousa, que ainda determinou o bloqueio dos bens e o afastamento do prefeito, com suspensão dos direitos políticos por um período de oito anos. A tutela antecipada foi requerida pelo Ministério Público Estadual (MPE), após a denúncia da Câmara Municipal, sob o argumento de ter constatado a existência de um “caixa-dois” na gestão atual do município. O prefeito também está proibido de fazer qualquer tipo de contrato com o poder público, até mesmo por meio de terceiros, por um período de dez anos. Mesmo que o prefeito recorra, a liminar não terá efeito

suspensivo. Pesa sobre o prefeito a acusação de infração a vários artigos da Lei de Improbidade Administrativa. Segundo denúncia do MPE, Alemão utilizou uma conta no Banco do Brasil, entre os anos de 1999 e 2004, para desviar a quantia de R$ 2 milhões dos cofres públicos para o “caixa dois”. Mas, apesar da conta ter sido aberta em nome da Prefeitura, não aparecia na contabilidade municipal. Também foi constatado que, ao terminar o primeiro mandato, o gestor sacou o dinheiro, deixando apenas R$ 15,89 de saldo. As investigações também apontaram o enriquecimento ilícito de Egon, que, durante o período do seu primeiro mandato, se tornou dono de propriedade rural e de duas mil cabeças de gado no município de Breu Branco, o que lhe rende um patrimônio estimado em R$ 8 milhões.

Edital de Belo Monte aumenta tensão no Xingu A semana terminou tensa nas proximidades do Rio Xingu, onde os povos indígenas prometem “acampar” no local projetado para a instalação da usina de Belo Monte. A tensão começou depois que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou audiência pública para recolher contribuições para a minuta do edital do leilão da usina hidrelétrica de Belo Monte. Os povos indígenas que se sentem ameaçados prometem acampar no local da construção da usina caso o governo brasileiro não reveja a decisão de lançar o edital de licitação. A decisão dos indígenas foi tomada no encerramento das manifestações realizadas durante uma semana na aldeia Piaraçu Kapot/Jarina, no norte de Mato Grosso. A abertura do edital coincide com o início do

segundo encontro dos Povos da Volta Grande do Rio Xingu no município Senador José Porfírio, Altamira, Pará, região que segundo estudos ambientalistas deverá ser a mais atingida pela barragem. No encontro, os caiapós conheceram as modificações ao projeto feito em 1989, incluindo riscos alguns novos problemas. Os destaques, segundo o coordenador das atividades na Terra do Meio, em Altamira, Marcelo Salazar, devem ficar por conta do desequilíbrio que a barragem pode causar na Bacia do Xingu, o aumento do desmatamento que pode ocorrer na região de Altamira e em diversos pontos da bacia que não foram apontados nos Estudos de Impacto Ambiental entregues ao Ibama, além das ameaças imediatas para as terras indígenas de Altamira.

7


8

Segurança

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

Acidentes e mortes no trânsito aumentam na RMB Que o trânsito da cidade da grande Belém está a cada dia mais complicado, não há dúvidas. Engarrafamentos, falta de estru­ tura das vias e infrações dos mo­ toristas deixam o trânsito lento e atrapalham a vida dos paraenses. Entretanto, o que mais preocu­ pa é o alto índice de acidentes, muitos deles acabando em tra­ gédias com vítimas fatais e que poderiam ser evitados com mais prudência e educação de moto­ ristas e pedestres. Segundo balanço parcial do Departamento Estadual de Trân­ sito (Detran-PA), até agosto deste ano foram registrados um total de aproximadamente 6 mil acidentes em Belém e cerca de 12.425 mil em todo o Pará. Em Belém, foram contabilizados 1.600 feridos e 55 vítimas fatais nos acidentes de trânsito. Já em nível estadual, 5. 459 pessoas saíram feridas em aci­ dentes de trânsito e cerca de 657 vítimas fatais. O caso mais recente de grandes proporções em Belém foi um aci­ dente na movimentada Avenida Augusto Montenegro, no último dia 27 de outubro. A colisão entre um ônibus e um microônibus re­ sultou na morte de um casal, que deixou órfão o filho, um bebê de apenas 28 dias. O casal estava em uma parada de ônibus na aveni­ da e foi atingido no momento do choque entre os veículos. O acidente também feriu a tia do bebê, que até o fechamento desta edição ainda permanecia interna­ da em estado crítico de saúde. A rodovia Augusto Montene­ gro é uma das que mais registra acidentes na grande Belém. So­ mente no primeiro semestre deste ano, ocorreram 391 acidentes na avenida, sendo registrado nesse período o quantitativo de 5 víti­ mas fatais. Em todo o ano de 2008, ocorreram 757 acidentes nesta via com 17 mortos no trânsito. Imprudências impulsionam os acidentes As causas da violência no trânsi­ to dividem opiniões. Para o taxista Mauro Lancellotte, a violência no

Motoclistas flagrados trafegando com imprudência perto do canteiro da avenida Augusto Montenegro, um retrato do que acontece em outras áreas críticas, como a BR-316

trânsito está diretamente ligada à educação do povo. “Falo não só da educação que o condutor recebe no cursinho da auto-escola, mas também da educação que vem da família e da escola”, afirma. “Já visitei sete estados do país e con­ statei que o paraense é o pior mo­ torista, mais mal educado. Aqui não existe uma cultura de educa­ ção”, comenta Mauro. O taxista também lembra que a estrutura física das vias da região metropolitana e interiores não contribuem para a diminuição de acidentes. “A sinalização na grande Belém é precária. As au­ toridades só consideram que é Belém do Marco para cima, nas áreas mais afastadas a situação é de abandono. As pessoas fazem o que querem no trânsito de Belém, é uma bagunça”, reclama. Se para a população, em geral, o trânsito é difícil, para os porta­ dores de necessidades especiais a situação é ainda pior. As calçadas

e vias nem sempre são estrutura­ das para quem precisa se loco­ mover em uma cadeira de rodas. Como Nilce Miranda, de 42 anos, que sofre para andar em Belém. “Ando de ônibus e às vezes sinto muita dificuldade. Se tivesse mais veículos adaptados para pessoas com necessidades especiais seria muito melhor”, afirma. Para Nilce, o caos no trânsito da região metropolitana Belém se in­ stalou porque os municípios estão sobrecarregados. “Não tem mais estrutura para comportar esta quantidade de carros. O Entron­ camento é uma loucura, o trânsito às vezes fica totalmente parado”, reclama. Diante desta situação, o resultado é um motorista estres­ sado. “A impaciência do motorista é a causa de grande parte das tra­ gédias”, aponta. Respeito entre motociclistas e motoristas é raridade Andar de moto é tarefa arriscada

Integração deve melhorar o trânsito na RMB O projeto Ação Metrópole foi elaborado há cerca de 20 anos pela Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica) e abrange a Região Metropolitana de Belém (RMB), com seus cinco municípios: Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides e Santa Bár­ bara do Pará. Com adaptações à nova realidade do trânsito, algu­ mas etapas do projeto estão em andamento para garantir maior fluidez no trânsito da RMB. O projeto é formado por duas etapas. A primeira já começou, e é composta por obras de in­ fraestrutura viária, tais como

a construção de um trevo de quatro pétalas (na interseção da Júlio César com a Pedro Ál­ vares Cabral), a revitalização da Rodovia Arthur Bernardes e o prolongamento da Avenida In­ dependência. Na segunda etapa, será instalado o sistema integrado de transporte metropolitano com corredores estruturados e ter­ minais de integração, isto é, pontos onde o usuário de ôni­ bus poderá fazer o transbordo. As obras estão avaliadas em R$ 131 milhões, financiados pelo Banco do Brasil, e serão entre-

gues em maio de 2010. Obras - Algumas obras em Belém de integração ao Ação Metrópole já foram concluídas e outras estão em andamento, como a conclusão do trecho da avenida João Paulo II até o Entroncamento, o binário das avenidas Senador Lemos e Pe­ dro Álvares Cabral e ainda o Pór­ tico Metrópole, que está sendo construído pela Prefeitura de Belém em frente ao Castanheira Shopping para eliminar o semá­ foro localizado naquele ponto, e que ainda atravanca o trânsito na saída do anel viário.

no Pará. Dados do Sistema Inte­ grado de Segurança Pública(SISP) referentes ao primeiro semestre deste ano revelam que a motoci­ cleta fica em segundo lugar no ranking dos veículos que mais se envolveram em acidentes, ficando atrás apenas dos automóveis. Até Julho deste ano, 1.154 veículos do tipo tinham se envolvido em aci­ dentes, o que corresponde a 11% do total. O número de acidentes com mo­ tos é ainda mais preocupante se considerarmos o estado do Pará. Devido ao grande volume de mo­ tos nos interiores, as motos se en­ volveram em 21% dos acidentes, quase a metade dos autos. O mototaxista Paulo Oliveira sabe bem o que é trafegar pe­ las ruas de Belém. Ele diz que os carros maiores não respeitam os veículos pequenos. Contudo, Paulo também vê o outro lado. “Tem muito motociclista que age com imprudência também”, re­

conhece. O comerciante Rui Guilherme hoje é motorista de automóvel, mas já foi motociclista. “Belém não comporta mais a quantidade veículos que nela trafegam”, diz ele. Rui conta que quando dirigia motos respeitava as leis de trânsi­ to, mas também assume que nem sempre isto acontece. “Tem ‘mo­ toqueiro’ que desafia os motoris­ tas, que não usa capacete e ‘cos­ tura’ entre os carros”, comenta. O ciclista Reinaldo Silva diz que andar de bicicleta em Belém é muito perigoso. “A cidade ne­ cessita de mais ciclovias. Os mo­ toristas parecem não estar nem aí, jogam o carro para cima do ciclista”, lamenta. Em meio à lei do “menor que se vire”, o que precisa ser estabelecido é o respeito entre todos os atores do trânsito. “Todo mundo tem seus compromissos, seus problemas, estresses, mas o respeito deve vir em primeiro lu­ gar”, finaliza.

Polêmica sobre o transporte alternativo divide a população Segundo estimativa do Sistema Integrado das Cooperativas de Transporte Público de Passage­ iros do município de Belém (Si­ cotrans), mais de 1.300 veículos fazem o transporte alternativo em Belém. Mais de metade trafe­ ga na Avenida Augusto Mon­ tenegro, incluindo aqueles que transportam passageiros dos distritos de Outeiro e Icoaraci. Os veículos usados como trans­ porte alternativo com frequência se envolvem em acidentes, o que acende a polêmica sobre uma possível regularização destes transportes. Entre Janeiro e Julho de 2009, foram constatados mais

de 220 acidentes envolvendo micro-ônibus e vans, principais veículos utilizados para fazer o transporte alternativo. Para o comerciante Rui Guilherme, se a regularização for feita, deve ser de maneira muito criteriosa, para que realmente garantam segurança para os usuários e não ocorram mais acidentes. Já Graça Araújo diz que os alternativos contribuem e muito para a violência no trânsito. “Não gosto de vã, eles não tem cuidados, andam de qualquer jeito na ânsia de pegar os passageiros. Isso pode causar acidentes graves”, ressalta.


Segurança

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

9

Fraude na Previdência faz 58 presos no Pará A maior operação de combate a fraudes na Previdência Social este ano foi desencadeada no Pará, com a prisão de 58 pessoas. A operação “Flagelo II”, da Polícia Federal, desmontou o que os investigadores chamaram de “empresa” do crime. Pelos cálculos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), a quadrilha causou um prejuízo de R$ 22 milhões, mas a estimativa que pode se confirmar ao final das investigações é de que a fraude alcance quase R$ 50 milhões, desviados por quase 2 mil falsos beneficiários. Entre os presos estão servidores públicos, falsários, corretores de financeiras e pessoas que participavam do esquema fazendo retiradas de aposentadorias falsas. Os envolvidos tiveram prisão preventiva decretada e podem ficar presos por tempo indeterminado. Para o Ministério Público Federal, se não fossem presos, a União continuaria sendo lesada indefinidamente pelos saques fraudulentos de benefícios previdenciários. Os acusados poderão ser denunciados à Justiça Federal por nove crimes diferentes. São suspeitos de praticar corrupção ativa e passiva, peculato, estelionato, formação de quadrilha, falsidade material, falsidade

ideológica e uso de documentos falsos. A quadrilha fraudava principalmente os benefícios de prestação continuada ao idoso, auxílio-doença e aposentadoria por invalidez. Eles também atuavam realizando empréstimos consignados ilegais em benefícios regulares, tirando dinheiro de beneficiários verdadeiros da Previdência. Núcleos - A quadrilha funcionava em núcleos, cada um com função definida dentro do esquema. O núcleo dos intermediários era composto pelos que convenciam pessoas a dar entrada em requerimentos de benefícios com documentos falsos. Os 21 intermediários também pagavam propina a servidores do INSS que aceitavam fazer as operações. O outro núcleo era o dos oito servidores do INSS que recebiam propina e garantiam a concessão dos benefícios forjados. O terceiro, composto por 10 falsários, incluía servidores dos Correios, do Instituto de Identificação, da Polícia Civil e de um cartório. Todos falsificavam ou expediam documentos falsos para que os pedidos de aposentadoria pudessem ser requeridos. No quarto núcleo figuram 10 funcionários de financeiras que

Fraude aos cofres públicos pode chegar a R$ 50 milhões. Os acusados devem responder por nove crimes, entre eles, corrupção ativa.

realizavam empréstimos consignados nos benefícios fraudados pela quadrilha. Eles também obtinham informações privilegiadas dos servidores do INSS e conseguiam consignar ilegalmente

Máquinas caça-níqueis apreendidas em Óbidos

Equipamentos da jogatina e R$ 2 mil em dinheiro foram recolhidos em pontos de apostas clandestinos pela Polícia Civil

Uma operação de combate aos jogos de azar e ao “jogo do bicho”, no município de Óbidos, oeste paraense, apreendeu seis máquinas conhecidas por “caça-níqueis” no último dia 1º. Além dss máquinas, três motocicletas usadas para receber a arrecadação nos pontos de apostas também foram recolhidas, junto com R$ 2.198 em dinheiro e grande quantidade de moedas. Uma mulher que seria a gerente do ponto

foi presa. A equipe da Polícia Civil também apreendeu duas caixas de talões de jogo do bicho, uma delas com talões em branco, ainda não usados, e outra com apostas concretizadas. Os equipamentos e objetos estavam em um estabelecimento comercial que funcionava como base de controle e distribuição das máquinas na cidade. Conhecido por “Banca Tapajós”, o local era um dos pontos de jo-

gos da cidade, onde outras três máquinas foram apreendidas e encaminhadas para a Delegacia local. O delegado Elinelson de Oliveira Silva contou que a apreensão ocorreu após uma denúncia feita aos policiais. Segundo o delegado, as máquinas foram encaminhadas para perícia, enquanto que a gerente foi ouvida em depoimento e indiciada com base na lei das Contravenções Penais.

benefícios previdenciários verdadeiros, lesando os aposentados. Por último, no chamado núcleo dos “soldados”, as autoridades calculam que centenas de pessoas eram recrutadas

pela quadrilha para comparecer aos bancos e fazer o saque dos benefícios fraudulentos usando documentos falsos. Oito desses “soldados” também foram presos na operação.

Bancos perdem R$ 3 milhões em assaltos registrados no Estado Só neste ano a Polícia Civil prendeu mais de 40 acusados de assaltar bancos no Pará. Os roubos renderam aos bandidos mais de R$ 3 milhões. Ao fornecer essas informações, o delegado Luís Xavier, da Delegacia de Repressão a Roubos a Bancos, vinculada à Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), informou que, nesses números, estão incluídas duas modalidades criminosas. Uma delas é o assalto em si, aquele em que assaltantes, armados, invadem a agência, fazem reféns e levam o dinheiro da unidade bancária. O outro método, conhecido como “sapatinho”, ocorre principalmente no interior, quando os bandidos sequestram o gerente da agência e sua família, obrigando-o a ir até a agência, para sacar o dinheiro. Concluído esse processo, eles libertam os parentes do bancário. Segundo o delegado Xavier, só este ano ocorreram 11 “sapatinhos”. De acordo com o delegado, três quadrilhas de assaltantes de bancos foram

desarticuladas pelos policiais da DRCO. Coordenador do Grupo de Polícia Metropolitana (GPM), o delegado Éder Mauro disse que só este ano, ele e seus policiais prenderam 15 quadrilhas de assaltantes, das quais cinco praticavam roubos a bancos, basicamente no interior do Estado. Já o delegado Luís Xavier citou três assaltos cometidos em 2009. Um foi ao posto bancário do Banco do Brasil, no prédio do Tribunal Regional do Trabalho, na Praça Brasil, em Belém, de onde os bandidos roubaram R$ 75 mil. Todos os nove participantes desse roubo foram presos. Houve, ainda, o assalto ao posto bancário do Banpará, no município de Garrafão do Norte, do qual os assaltantes levaram R$ 450 mil. Segundo o delegado, dez homens participaram dessa ação criminosa. Dois foram presos. Ele também afirmou que houve um “sapatinho” no município de Concórdia do Pará, e que todos os 11 criminosos também foram capturados.


10

Política

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

Aprovação de projeto significa água na torneira Água potável é hoje um problema para 1,5 milhão de habitantes de Belém. Pelo menos 450 mil pessoas que moram em áreas de expansão simplesmente nem têm acesso ao serviço, enquanto 750 mil moradores da cidade são atendidos com precariedade pela Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), vítimas diárias da constante falta d’água nas torneiras, de acordo com o prefeito Duciomar Costa.  Hoje, apenas 20% da população, em torno de 300 mil habitantes, é que estão na zona de cobertura do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Belém (Saaeb), informa o diretor presidente do órgão, o geólogo Raul Meireles. O drama de milhares de famílias pode estar com os dias contados. É o que garante o prefeito de Belém. Ele diz que está determinado a tomar todas as medidas necessárias, doa a quem doer, para elevar a qualidade da prestação dos serviços de abastecimento de água e esgoto sanitário no Município de Belém. Para isso, um passo decisivo a ser dado é a aprovação do Projeto de lei que regulamenta a lei das concessões públicas (lei n°. 8987) e a lei das parcerias público privadas (lei 11079) que deve ser votada já na próxima semana pela Câmara Municipal e permite ao Poder Executivo Municipal efetivar parcerias públicoprivada e delegar por meio de contratos de concessões todos os serviços públicos municipais. Somente nos quatro primeiros anos de gestão o município já

investiu R$ 25 milhões em sistemas que levaram água para áreas periféricas como Pratinha, Tapanã, Icoaraci, Mosqueiro e Outeiro. Como o Município é inquestionavelmente o Poder Concedente, por prerrogativa constitucional, o que significa dizer que detém na titularidade sobre todos os sistemas de abastecimento de água e esgoto sanitário, inclusive aqueles operados pela Cosanpa, o confronto que de estabelecerá colocará de um lado os vereadores que querem elevar qualidade da prestação desses serviços e acabar com a falta d’água diária, contra aqueles que querem manter as precárias condições hoje existentes. 

Municipalização da água em Belém está sendo tratada como privatização Para o prefeito Duciomar Costa, os vereadores que não se posicionarem favoráveis ao projeto estarão defendendo municípios do Pará cujo abastecimento de água é subsidiado a partir do lucro pela Cosanpa em Belém que é em média de R$ 2.000.000,00 mensais e deveriam ser reinvestidos na melhoria dos serviços no Município. Segundo ele, a Cosanpa arrecada R$ 13 milhões ao mês e 68% desse valor, algo em torno de 9 milhões, corresponde às contas pagas por quem mora na capital,

que ajuda a manter os sistemas deficitários nos demais municípios. Duciomar Costa garante que vai acabar com isso. A partir do momento que os sistemas forem licitados e que o Contrato de Concessão for assinado a Prefeitura disporá de um instrumento que permitira ao Poder Público, inclusive intervir na empresa se o serviço não estiver sendo prestado conforme as normas que serão estabelecidas no Contrato de Concessão.  A aprovação do projeto, disse o prefeito, nada tem a ver com privatização do serviço. Vai significar, pondera ele, a melhoria do abastecimento e conferir qualidade à água que chega ao cidadão. “Esse discurso de privatização é para influenciar a população. O município vai assumir o seu papel que é garantido pela Constituição Federal. “Eu não posso privatizar uma empresa que é do Estado, porque ela não pertence ao município. O que acontece é que hoje Belém sustenta o restante do Estado, porque a Cosanpa dá prejuízo em todos os setores. Ela é ineficiente em sua gestão, acabou ficando uma máquina pesada e sucateada”, disparou. O projeto de lei que tramita na Câmara, datado de 4 de junho deste ano, regulamenta o Artigo 175 da Constituição Federal, que é hoje a porta aberta para a exploração de serviços públicos como transporte, malha viária (pedágios), coleta e tratamento de lixo domiciliar urbano, entre outros.  

O poder de regular e cobrar metas e expansão deve ser retomado pela Prefeitura

Cosanpa explora serviço de abastecimento sem nenhuma regulamentação O diretor presidente do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Belém (Saaeb), Raul Meireles, explica que a Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa) opera ilegalmente explorando o serviço de abastecimento de água em Belém, pois não possui nenhuma delegação dada pelo Poder Público Municipal desde que foi criada, há 39 anos. Por isso, desde que entrou em vigor a Lei nº 11.445, a chamada Lei do Saneamento, em 05 de janeiro de 2007, Belém ficou obrigada a legalizar a prestação desses serviços, até o final de 2010, sob pena de não poder mais obter financiamento para execução de projetos de saneamento básico amparada ainda pela Lei nº 11.106/2005. A legislação, segundo Raul, obriga todos os municípios a definir o marco regulatório de água e esgoto. Foi por isso que o Saaeb abriu uma mesa de negociação com a Cosanpa. A proposição definiu, a princípio, que o município ficaria com a fiscalização, controle, planejamento e regulação do serviço, enquanto ao Estado caberia a exploração. Seria a gestão asso-

A líder do governo na Câmara de Belém, vereadora Tereza Coimbra, aposta no bom senso

ciada, que começou a andar e empacou. Belém, no entanto, disposta a resolver o problema, criou a Agência Reguladora Municipal de Água e Esgotamento Sanitário. Prefeitura e governo do Estado chegaram a assinar em janeiro de 2008 o convênio de cooperação federativa, que era um protocolo de intenções para selar a parceria, mas quando chegou na avaliação da viabilidade técnico e econômica dessa gestão associada entre Estado e Município, a avaliação patrimonial feita pela

Cosanpa avaliou o patrimônio do Saaeb em R$ 35 milhões, enquanto o inventário do município chegou ao dobro do valor, pouco mais de R$ 70 milhões.  Prefeitura e Estado deveriam também definir um percentual de repasse sobre o faturamento da exploração do serviço de distribuição de água em Belém, chamada de taxa de regulação. A Cosanpa propôs 1,5% em cima de R$ 13 milhões que arrecada com as contas de água no município, todos os meses. O Saaeb defendeu o percentual de 3,5%,

que vigora em outras cidades brasileiras. Esses recursos seriam destinados ao funcionamento da agência reguladora. “Temos responsabilidade com o município e vamos definir o marco regulatório de Belém até 2010, como manda a lei”, disse Meireles, que aguarda desde 12 de maio de 2008 resposta de ofício encaminhado à Cosanpa, solicitando contra proposta para os dois pontos divergentes: a avaliação do patrimônio do Saaeb e o percentual sobre o faturamento do companhia estadual. Se os vereadores aprovarem o projeto de Lei que regulamenta o Artigo 175 da Constituição Federal, os consumidores poderão encontrar, num futuro breve, a qualquer hora do dia, água nas torneiras.  Líder do governo aposta na aprovação A vereadora líder do governo na Câmara, Tereza Coimbra (PDT), garante que o debate em plenário será “acalorado”. Mas não vê problema no embate. Segundo ela, a discussão será produtiva, benéfica até para a população. “O assunto é importante,

porque estaremos discutindo a qualidade da água. Ali estarão os representantes do povo. Se prevalecer o bom senso da oposição, vamos votar com sensatez. E votar com sensatez é aprovar o projeto”, disse. Ela espera que a votação aconteça de forma tranquila e sem “armações”. A base governista já estudou o projeto, artigo por artigo, de acordo com a vereadora que ocupa a liderança do prefeito na Casa. E afirma, também, que o grupo de sustentação até está aberto a emendas. “A população de Belém tem problema com água o tempo inteiro. Esse, inclusive, foi o tema do meu primeiro discurso na Câmara. Eu fui à tribuna falar que mora há 30 anos no bairro de São Brás e neste bairro, central da cidade, todo dia falta água”, sublinhou. Depois de uma sessão especial na Câmara com o presidente da Cosanpa, Eduardo Ribeiro, Tereza Coimbra ficou ainda mais convencida de que o projeto que vai gerar qualidade e regularidade à água é o de municipalização do serviço. “O prefeito quer resolver esse problema de anos da cidade”, finalizou.


Política

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

11

Estradas do Pará no topo do ranking das piores

Um verdadeiro rally para vencer lama e buraco é feito pelos motoristas em quase três mil quilômetros de rodovias paraenses

O Pará tem 97,8% de suas estradas comprometidas com buracos, lama e sem sinalização. O Estado consegue figurar no topo do ranking com a terceira pior malha rodoviária do país, de acordo com pesquisa divulgada ontem pela Confederação Nacional do Transporte (CNT). A pesquisa avaliou o estado de conservação das estradas nacionais. Os números mostram o que é constatado pelos motoristas que trafegam diariamente pelas rodovias que cortam o território nacional - 69% da malha rodoviária do Brasil está em péssimo, ruim ou regular estado de manutenção. A análise considerou a conservação de rodovias federais e estaduais de todo país, de uma forma geral. Usou critérios como

condições de pavimento, sinalização e geometria das vias. Com apenas 9.092 quilômetros, a região Norte apresenta 93,4% da malha rodoviária entre péssimo, ruim e regular estado de conservação. Já a região Sudeste, com 25.819 quilômetros avaliados, ainda é a região que possui o maior índice de trechos em bom ou ótimo estado de trafegabilidade, com 45,7%. Dos 89.552 quilômetros avaliados no Brasil, apenas 27.713 quilômetros foram considerados em bom ou ótimo estado. Os cinco Estados com as piores condições de tráfego são exatamente os do Norte: Amazonas, Acre, Pará, Rondônia e Roraima. Péssimas Condições No Pará foram avaliados 2.863

quilômetros de rodovias estadual e federal. Entre as piores está a PA287. Seu estado geral foi avaliado como péssimo. A pavimentação e a geometria também foram consideradas péssimas. A PA-150 foi considerada ruim em seu aspecto geral, assim como as BR-153, BR246 e BR-135. Foram avaliadas em estado regular as rodovias: PA-252. PA-475, BR-010, BR-158, BR-163, BR-308 e BR-316. Tiveram as condições geométricas avaliadas como péssimas as BRs: 153, 158, 222, e 230. Entre as rodovias estaduais avaliadas PAs 150, 252, 287 e 475 nenhuma delas conseguiu avaliação regular em todos os quatro quesitos abordados pela pesquisa (avaliação geral, pavimentação, sinalização e geometria).

Senadores do Estado exigem providências do governo A divulgação do resultado da pesquisa causou reação imediata entre os senadores do Pará. O tucano Fernando Flexa Ribeiro informou que pretende fazer um levantamento junto ao governo do Estado para saber quanto é aplicado de recursos para a conservação das rodovias. “Quero saber quanto o governo estadual já tomou de empréstimo na gestão da governadora Ana Júlia. Verba e recurso ela tem. Mas, onde estão sendo aplicados? No Pará, não temos visto nada e a pesquisa comprova esse descaso em todas as áreas. Inclusive na construção e conservação das estradas, que estão em condições precárias”, disse. Outro tucano, Mário Couto também repercutiu a pesquisa. Segundo ele, o resultado apresentado pela CNT demonstra a realidade enfrentada por quem trafega pelas rodovias do Pará. “Nossa malha não tem sequer uma rodovia em condições de trafegabilidade. Essa estatística vem mostrar nossa realidade. Quando se fala do

Flexa Ribeiro quer saber quanto de recurso está sendo aplicando na conservação das vias

Pará, pensam que estamos criticando por criticar. Mas, não é. Temos respeito pelo nosso Estado, pela população. Esses números comprovam aquilo pelo qual te-

mos lutado: a melhoria do nosso Estado. Todos nós pagamos imposto, a população paga imposto também para ter estradas. E nem isso nós temos”, denunciou.


12

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

Economia

Senado Federal aprova fim da multa de 10% sobre FGTS

Seu bolso

Para compras de fim de ano, o uso inteligente do cartão O perigo dos juros altos dos cartões de crédito já é bem conhecido de muitos consumidores. Mas, para especialistas, os cartões, quando usados de forma inteligente, podem trazer vantagens, caso o cliente saiba controlar seus gastos e pague a fatura em dia, o que evita o pagamento de juros altos. Muitos cartões de crédito oferecem programas de recompensas em que o cliente ganha pontos que podem ser trocados por milhas, produtos, doações para ONGs, ou descontos em lojas, serviços e na própria anuidade do cartão. Mas os especialistas alertam que as compras no cartão só são vantajosas se a pessoa tiver um planejamento e a certeza de que vai pagar 100% da fatura na data do vencimento do cartão.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou no último dia 3 o projeto que fixa para 31 de julho de 2012 o fim da multa adicional de 10% incidente sobre o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) paga pelas empresas em caso de demissão sem justa causa. O projeto, de autoria do senador Renato Casagrande (PSB-ES), terá que ser aprovado no Plenário do Senado, de onde segue para a Câmara, segundo informações da CAE. A lei instituída em 2001 determina que, ao demitir um funcionário sem justa causa, além da multa de 40% sobre o saldo do FGTS paga ao trabalhador, as empresas são obrigadas a pagar mais 10% sobre todo o saldo do fundo a ser recebido pelo demitido. O objetivo era cobrir rombo de R$ 42 bilhões no patrimônio do FGTS aberto com a determinação da Justiça de correção

monetária de todas as contas durante os Planos Verão, no governo José Sarney, e Collor I. Em seu projeto, Renato Casagrande ressalta que balanços de 2006 já mostravam recuperação no patrimônio do FGTS, o que justificaria, na avaliação do senador, o fim da contribuição em 31 de dezembro de 2010. A Lei de 2001 não determina em qual prazo esta multa extra deveria ser extinta. “Com o objetivo já prestes a ser alcançado, não parece existir motivo para que a contribuição prevista no artigo 1º se perpetue, ainda que ela possa coibir demissões sem justa causa”, afirma o relatório favorável do senador Adelmir Santana (DEM-DF). Porém, durante a votação, o senador Eduardo Suplicy (PT-SP) pediu que o prazo fosse estendido até julho de 2012. Orientado pelo Ministério do Trabalho, Suplicy afirmou que cerca de 280

mil processos relativos a reajuste do saldo do FGTS ainda estão em aberto, o que significa um passivo potencial de R$ 22,8 bilhões. “Por isto seria um risco acabar com esta contribuição agora”, argumentou o senador petista. Apesar dos protestos da oposição, que queria a aprovação do projeto para o fim da multa ainda em 2010, o relator do projeto, Adelmir Santana, acatou a emenda do senador Suplicy e o projeto foi aprovado conforme a orientação do governo por 9 votos a 4. “Eu era a favor do fim da multa ainda no ano que vem, mas foi acordado entre o ministério e a base aliada na Câmara e no Senado que o projeto só teria viabilidade se o prazo fosse estendido para 2012. Como a lei sequer dá um prazo para o fim desta cobrança, preferi acatar a emenda. É melhor do que não ter prazo algum”, explicou Santana.

INSS pode cortar benefícios de ausentes O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) pode suspender o pagamento de até 769 aposentados e pensionistas que não foram localizados. O Ministério da Previdência publicou mais um edital do Censo Previdenciário em jornais de grande circulação de 23 estados brasileiros, mas a lista pode ser consultada no site do Ministério na internet (www. previdencia.gov.br). O edital dá aos beneficiários prazo de 30 dias para comparecerem à agência da Previdência Social que mantém seu benefício, levando CPF, um documento de identidade com foto e endereço atu-

alizado. Segundo o Ministério, durante a realização do censo, constatouse que esses beneficiários tinham dados cadastrais inconsistentes e, por isso, foi necessária a visita de um funcionário do Instituto para conferir as informações e realizar a comprovação de vida. Porém, os segurados não foram encontrados nos endereços indicados. O Ministério da Previdência ressalta que os beneficiários que não atenderem à convocação no prazo de 30 dias terão o pagamento suspenso. Após a suspensão, eles ainda terão o prazo

de 90 dias para prestar as informações e regularizar a situação, liberando os valores retidos. Ao final desse prazo e persistindo a ausência, o benefício será suspenso. Se preferir ou tiver dificuldades de locomoção, diz o Ministério, o beneficiário pode regularizar a situação por meio de seu procurador ou representante legal, desde que este esteja devidamente cadastrado no INSS. Nesse caso, será realizada uma pesquisa no novo endereço indicado e o beneficio somente será regularizado se o titular for localizado e os dados confirmados.

Vantagens e perigos dos cartões Programa de recompensas Verifique no contrato quanto é preciso gastar para o acúmulo de cada ponto. Muitos pontos de programas de recompensas expiram se não forem usados; verifique qual é o prazo e lembre-se de checar de tempos em tempos se há pontos a vencer. Alguns cartões cobram taxas quando os pontos são usados ou transformados em milhas, por exemplo. Verifique se o contrato prevê que os pontos serão perdidos ou bloqueados em caso de inadimplência e exatamente em que momentos isso pode acontecer. Comprovação das recompensas Guarde contratos, folhetos, propagandas e materiais enviados pela administradora que detalham as promoções e programas de recompensas do cartão de crédito, para ter provas em caso de problemas posteriores, como, por exemplo, na hora de resgatar pontos. Escolha do cartão Na hora de escolher um cartão de crédito com programa de recompensas, é preciso ficar atento às condições, que variam muito entre os bancos e entre os tipos de cartões. Existem cartões em que o cliente acumula milhas, por exemplo, em que US$ 1 ou R$ 1 vale um ponto, enquanto em outros cartões o mesmo dólar ou real vale 1,5 ou até 2 pontos. Normalmente, porém, a anuidade fica mais cara à medida que as vantagens do

cartão aumentam. Cartões de descontos Outro tipo de cartão de crédito que existe no mercado são os chamados cartões de descontos, concedidos aos clientes somente em uma determinada marca ou loja. Há cartões de montadoras, livrarias, farmácias, lojas online e até de seguradoras. Nesses casos, normalmente a acumulação de vantagens é mais rápida, mas mais limitada do que em programas que permitem a troca dos pontos por uma variedade de produtos e serviços. Perigos do cartão Parcelamento de dívidas Valor mínimo da fatura do cartão é o que o consumidor deve pagar à administradora para não ficar inadimplente, situação na qual há cobrança de multas, taxas e juros. Apesar de o consumidor não ficar inadimplente, a diferença entre o valor total da fatura e o pagamento mínimo é financiada e sobre esse montante incidem juros enquanto o total não for pago. Parcelamento de fatura As administradoras às vezes oferecem a opção de o cliente parcelar o valor total da fatura, com ou sem juros. Mas se o consumidor continuar gastando no mesmo cartão, é preciso estar atento para identificar se a parcela dos “atrasados” e mais os gastos futuros cabem no orçamento. Parcelamento de compras Diferentemente do parcelamento da fatura, este financiamento é para cada compra e o consumidor decide na hora do pagamento se deseja parcelar. Existem dois tipos de parcelamento, com ou sem juros, e o consumidor tem que saber qual dos dois está contratando. No caso de parcelamento com juros, é preciso estar atento, pois às vezes as próprias lojas oferecem financiamentos com juros menores no boleto ou carnê, por exemplo. Saldo devedor Valor que o consumidor deve à administradora do cartão; normalmente vem indicado na fatura. Se o consumidor parar de fazer compras no cartão ou se fizer apenas os “pagamentos mínimos”, o valor pode continuar crescendo, pois a cada mês incidem juros sobre o valor inicial da dívida.


Economia

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

13

Caranguejo mais caro em 7% na mesa do paraense O preço do caranguejo comercializado na Grande Belém sofreu reajuste de quase 7% no mês de outubro. Os derivados do produto, principalmente a massa, sumiram do mercado. A constatação foi feita pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos) em pesquisa divulgada pelo órgão. Em outubro de 2008 o preço médio do caranguejo do tipo médio comercializado em feiras livres e mercados municipais alcançou R$ 1,06, em dezembro estava custando em média R$ 1,04; iniciou 2009 sendo vendido em média a R$ 1,12; em setembro foi comercializado em média a R$ 1,05  e no mês passado o preço em média era de R$ 1,12. Com isso, o preço do crustáceo teve um reajuste de 6,67% em outubro, em relação a setembro. Nos primeiros dez meses de 2009 o reajuste chega a 7,69% e nos últimos 12 meses o reajuste já é de 5,66%. A inflação em 2009, no período de janeiro a outubro é estimada para 3,60% . De acordo com o Dieese, o resultado destes aumentos podem ser sentidos pelos consumidores não só na aquisição do caranguejo vivo nas feiras e mercados, mais também nos restaurantes que em alguns casos cobram cerca de R$ 5,00 pelo par. Derivados do caranguejo ainda estão em baixa. Os produtos derivados da massa do caranguejo como a tradicional “unhas”, salgado típico do Pará, e sopas e refogados à base de caranguejo continuam escassos no mercado paraense depois que o Ministério Público Estadual (MPE) obrigou 24 tiradores de massa de caranguejo e um dono de restaurante de São Caetano de Odivelas assinar

O Dieese-PA informou que crustáceo teve reajuste no mês passado chegou a 6,67%, embora a inflação do período tenha ficado em 3,60%

um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) com o compromisso de não comprar, vender ou utilizar como insumo ou ingrediente de refeições a massa de caranguejo.

Quem não cumprir o que ficou acertado no TAC ainda está sujeito a multa de R$ 1 mil por cada quilo de massa apreendido pela fiscalização do MPE.

A realização do mais tradicional festival do caranguejo do nordeste paraense, promovida há 30 anos em São Caetano também continua comprometida. Segun-

do os tiradores da massa, todos eles estão “fadados a morrer de fome”. Muitos dizem que estão pedindo cestas básicas na porta da Prefeitura do município. O prefeito Rubens Oliveira declarou recentemente que, antes de “impor a lei” que considera crime vender matéria-prima ou mercadoria em condições impróprias para o consumo (artigo 7º inciso IX da Lei nº 8.137/90), o MPE deveria ter se reunido com os prefeitos, tiradores, vigilância sanitária, secretarias de Saúde e agentes financeiros “para tentar resolver o problema da falta de higiene, evitando assim o desemprego”. Segundo Oliveira, muita gente vai passar fome por ser o festival do caranguejo uma tradição de mais de três décadas uma forma de economia importante no município. Para a promotora Gruchenhka Oliveira Freire, que responde pelo MP nas Comarcas de São Caetano e Colares, a assinatura do TAC teve mesmo o objetivo de forçar uma solução para o problema da paralisação da coleta de massa de caranguejo no município. Ela disse que “o Ministério Público apenas está fiscalizando o cumprimento da lei e não proibindo a catação e comercialização da massa de caranguejo”, e sugeriu, na reunião da assinatura do TAC, que os prejudicados se unissem e buscassem os políticos que atuam em São Caetano, o prefeito, deputados estaduais e federais, para que eles, por sua vez, corressem atrás de verbas para se poder construir locais adequados para a atividade, que ainda é artesanal. Só assim novo termo poderá ser assinado para liberar a comercialização do caranguejo.

Preço do litro do açaí registra queda pelo quinto mês consecutivo em Belém Em compensação, o preço do litro do açaí comercializado na Grande Belém sofreu um novo recuo em outubro. Esse foi o quinto mês consecutivo que o alimento ficou mais barato, segundo dados do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese). A explicação para as quedas, segundo o Dieese, foi justamente os aumentos ocorridos nos primeiros quatro meses do ano - período agudo da entressafra do fruto. O litro de açaí do tipo médio, por exemplo, em outubro de 2008 custava em média R$ 5,51; em dezembro foi comercializado em média a R$ 5,74; e em janeiro deste ano foi comercializado ao preço de R$ 6,40. No mês passado apresentou queda de preço, sendo comercializado em média a R$ 6,26. Com isso o litro de açaí médio apresentou um recuo de preço em outubro em relação a setembro de 3,10%. Já na analise dos dez primeiros meses de 2009 este tipo de açaí continua com

Depois de subir muito nos primeiros quatro meses do ano, na chamada entressafra do produto, agora o açaí é encontrado mais barato

os preços em alta, apresentando um reajuste de 9,06%. A inflação estimada para o período não deverá ultrapassar 3,50%. No comparativo de preços dos últimos 12 meses, a pesquisa efetuada pelo Dieese, mostra ainda aumento de preço de 13,61% na Grande Belém. Os preços são diferenciados nos vários locais de vendas, oscilando de feira para feira e entre os supermercados. Mas a média de preço encontrada para o litro do açaí do médio foi de R$ 4 nas feiras e de R$ 5,90 nos supermercados. Outro tipo de açaí bastante comercializado é o açaí grosso, que também apresentou redução de preço. Em outubro do ano passado o litro era vendido em média na Grande Belém a R$ 9,98; fechou o ano de 2008 sendo vendido em média a R$ 8,99. Em janeiro de 2009 foi comercializado em média a R$ 9,73; em setembro o litro já custava em média a R$ 9,47 e no mês passado R$ 9,27. Com isso, o recuo de preço foi de 2,11% em outubro.


14

Economia

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

Concursos abertos em novem­bro somam 24 mil boas oportunidades de emprego Pelo menos 38 concursos públicos em todo o país estão com inscrições abertas desde 3 de novembro e, junto com os que estavam com inscrições em andamento, totalizam cerca de 24 mil vagas para todos os níveis de escolaridade. Além das vagas abertas, há concursos para formação de cadastro de reserva, ou seja, os aprovados são chamados conforme a abertura de vagas durante a validade do concurso. Entre os concursos abertos, o que oferece maior salário é o do Ministério Público do Trabalho: R$ 21 mil. Já o Ministério da Saúde oferece 809 vagas em 25 cargos para nível médio e superior, sendo 5% das vagas destinadas para deficientes. No MS as oportunidades são para todos os estados, mas a maioria é para o Distrito Federal e Rio de Janeiro. Os salários variam de R$ 1.910,95 a R$ 2.643,28. São 737 vagas para nível supe-

A disputa acontece em 38 certames por todo o Brasil, que estão com vagas disponíveis para todos os níveis de escolaridade

rior e 72 para nível médio, neste caso para o cargo de técnico em contabilidade. Para nível superior as especialidades são de analista técnico

administrativo, administrador, arquiteto, arquivista, assistente social, bibliotecário, contador, economista, engenheiro civil, engenheiro elétrico, estatístico,

farmacêutico, fonoaudiólogo, médico, nutricionista, químico, técnico em assuntos educacionais e técnico em comunicação social.

Parauapebas oferta 1.267 novas vagas A Prefeitura de Parauapebas (PA) abriu inscrições para 1.267 vagas (5% reservadas a pessoas com deficiência) para cargos de nível médio e superior. Os salários vão de R$ 881,40 a R$ 5.431,10. Para nível médio os cargos são de auxiliar administrativo, agente de fiscalização, desenhista projetista, fiscal de controle ambiental, fiscal de urbanismo, fiscal de vigilância sanitária, técnico administrativo, técnico agrícola, técnico de enfermagem, técnico de laboratório, técnico em radiologia, técnico de agroindústria e topógrafo. De nível superior os cargos são de administrador, analista de sistemas, arquiteto, assistente social, biomédico­, contador, econo­mista, enfermeiro, engenheiro civil, engenhei­ro agrônomo, farmacêutico-bioquímico , fisiotera­­peu­­ta, fono­ audiólo­go­, jornalista, médico veterinário, nutricionista, odontólogo, psicólogo, sociólogo, analista ambien­tal, médico, zootecnista, tecnólo­go em saúde pública e procurador.

[Concursos] Abertos Ministério da Saúde As inscrições devem ser feitas até as 23h59 de 17 de novembro pelo site www.cespe.unb.br/concursos/msadministrativo2009. A taxa é de R$ 44 para nível superior e de R$ 38 para nível médio. Solicitações de isenção da taxa devem ser feitas no mesmo prazo e pelo mesmo site. As provas objetivas estão previstas para acontecerem no dia 20 de dezembro.   Sespa Começam dia 10 de novembro e vão até 10 de Dezembro as inscrições para o concurso da Sespa (Secretaria de Estado de Saúde). Todas as vagas são destinadas a preencher o cadastro da reserva do quadro de servidores da secretaria. O concurso vai oferecer vagas para os níveis fundamental, médio e superior, e será realizado pela Fadesp (Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa), com anuência da Universidade Federal do Pará. As provas objetivas do concurso público serão aplicadas no dia 31 de janeiro de 2010, nas cidades de Belém, Castanhal, Marabá, Santarém, Altamira, Conceição do Araguaia, Breves e Tucurui. Mais informações no site www.fadesp. org.br/. Seduc As inscrições para o concurso público da Secretaria Estadual de Educação (Seduc) estão abertas e vão até o dia 3 de Dezembro. As vagas são para nível fundamental, médio e superior, e os salários vão de R$465 a R$2,191.18. As inscrições podem ser feitas no site www.cetapnet.com.br. Prefeitura de Igarapé Miri A Prefeitura Municipal de Igarapé-Miri divulgou o edital para o preenchimento de 527 vagas (5% reservadas a pessoas com deficiência) para todos os níveis de escolaridade. Os salários variam entre R$ 465,00 e R$ 2.000,00. As inscrições serão somente via Internet por meio do site da Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (www.fadesp.org.br), até 10 de novembro. As inscrições custam R$ 60,00 para o nivel superior, R$ 50,00 (médio), R$ 40,00 (fundamental completo) e R$ 30,00 (fundamen-

tal incompleto). As provas objetivas serão aplicadas no dia 29 de novembro. Mais informações pelos fones (91) 4005-7446 ou 4005-7433. Parauapebas As inscrições para o concurso da Prefeitura Municipal de Parauapebas estão abertas. São 1.267 vagas (5% reservadas a pessoas com deficiência) para níveis médio e superior, com salários que vão de R$ 881,40 a R$ 5.431,10. Os candidatos devem acessar o site da Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (www.fadesp.org.br), ler o edital completo e se inscreverem até 18 de novembro. As taxas de inscrição custam R$ 40,00 para nível médio e R$ 70,00 para superior. As provas objetivas serão realizadas no dia 20 de dezembro. Secretaria de Desenvolvimento Social inscreve até o dia 10 Estão abertas até 10 de Novembro as inscrições para concurso público para provimento de 60 vagas na SEDES - Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social - 60 vagas. Os salários vão de R$ 465.00 até R$ 706.83. As inscrições são exclusivamente pela Internet, ela taxa de R$ 70,00. As provas serão realizadas no dia 13/12/2009, nos municípios de Belém, Santarém e Marabá. Informações: www.cetapnet.com.br Mais de 5 mil vagas para professor A Secretaria da Administração e no Maranhão Previdência Social do Maranhão abriu as inscrições para 5.320 vagas para professores. Os candidatos devem ter ensino médio ou superior. Os salários variam de R$ 776,12 a R$ 1.481,20. Para professores de ensino fundamental ou médio, há oportunidades para as áreas de língua portuguesa, língua estrangeira (inglês e espanhol), matemática, física, química, biologia, história, geografia, sociologia, filosofia, educação física e arte. As inscrições podem ser feitas até às 14h do dia 10 de novembro pelo site www.concursosfcc.com.br. A taxa é de R$ 58,37 para ensino médio e de R$ 69,37 para ensino superior. TCM O Tribunal de Contas dos Municípios continua ins­

crevendo para concurso que visa preencher 54 vagas no órgão. As vagas são para ensino médio e superior, e os salários vão de R$ 1342.49 até R$ 1464.56. As inscrições podem ser efetuadas no site www.concursosfcc.com.br, pelo valor de R$91,37. As provas serão realizadas no dia 17 de janeiro, em Belém. IBGE Estão abertas as inscrições para concurso público do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. O certame visa o preenchimento de 350 vagas em cargos de nível superior. São 278 vagas de analista de planejamento, gestão e infra-estrutura em informações geográficas e estatísticas e 72 vagas de tecnologista em informações geográficas e estatísticas. Os salários variam de R$ 5.909,63 a R$7.409,19, de acordo com a titulação dos aprovados. As provas objetivas estão previstas para 10 e janeiro de 2010 e terão duração de 4h30. Em andamento Receita Federal adia prova do concurso para 450 vagas de auditor A Receita Federal adiou a prova, que seria realizada nos dias 5 e 6 de dezembro, do concurso para 450 vagas de auditor-fiscal, para os dias 12 e 13 de dezembro. O salário é de R$ 13.067. A aplicação anterior dos exames estava marcada para os dias 5 e 6 - mesmas datas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A prova do Enem iria ocorrer nos dias 3 e 4 de outubro, mas foi adiada após vazamento do exame. O candidato deve ter nível superior em qualquer área. Segundo o edital, o candidato conhecerá a distribuição das vagas na matrícula para o programa de formação, que é a etapa final do concurso. Informações pelo site www.esaf.fazenda. gov.br Cumarú do Norte No dia 20 de Novembro acontecem as provas do concurso público da Prefeitura do município de Cumaru do Norte. O concurso visa o preenchimento de 350 vagas no órgão. Os salários vão de R$ 512,00 até R$ 6.590,00.


Internacional

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

Pai da Antropologia Moderna, Lévi-Strauss morre aos 100 anos Foi confirmada no último dia 3 a morte do antropólogo Claude Lévi-Strauss. A informação é da editora do intelectual, pela qual o falecimento teria ocorrido entre os dias 31 de outubro e 1º de novembro. Criado em Paris, ele nasceu em Bruxelas em 28 de novembro de 1908. Foi o fundador da Antropologia Estruturalista, e é considerado um dos intelectuais mais relevantes do século 20. Membro de uma família judia francesa intelectual, Lévi-Strauss estudou Direito e Filosofia na Sorbonne, em Paris. Lecionou sociologia na recém-fundada Universidade de São Paulo (USP), de 1935 a 1939, e fez várias expedições ao Brasil central. Ali passou breves períodos entre os índios bororós, nambikwaras e tupis-kawahib, experiências que o orientaram definitivamente como profissional de antropologia. Em 1955, publicou “Tristes Trópicos” – um registro dessas expedições. No livro, ele conta como a vocação de antropólogo nasceu durante as viagens ao interior do Brasil. Após retornar à França, em 1942, mudou-se para os Estados Unidos como professor visitante na New School for Social Research, de Nova York, antes de uma breve passagem pela em-

Intelectual reconhecido em todo o mundo, sua morte foi confirmada pela editora

Cobra com duas cabeças é encontrada nos Estados Unidos

baixada francesa em Washington como adido cultural. Lévi-Strauss fez parte do círculo intelectual de Jean Paul Sartre (1905-1980), e assumiu, em 1959, o departamento de Antropologia Social no College de France, onde ficou até se aposentar, em 1982. O antropólogo passou mais da metade de sua vida estudando o comportamento dos índios americanos. Jamais aceitou a visão histórica da civilização ocidental como única. Enfatizava que a mente selvagem é igual à civilizada. As contribuições mais decisivas do trabalho de Lévi-Strauss podem ser resumidas em três grandes temas: a teoria das estruturas elementares do parentesco, os processos mentais do conhecimento humano e a estrutura dos mitos. Aos 97 anos, em 2005, recebeu o 17º Prêmio Internacional Catalunha, na Espanha. Na ocasião declarou: “Fico emocionado, porque estou na idade em que não se recebem nem se dão prêmios, pois sou muito velho para fazer parte de um corpo de jurados. Meu único desejo é um pouco mais de respeito para o mundo, que começou sem o ser humano e vai terminar sem ele - isso é algo que sempre deveríamos ter presente”, disse.

Estudante come mosca para ganhar nota alta do professor

15

Preso joga fezes em advogado e jurado no tribunal

McGowan levou um saco cheio

Um norte-americano que jogou fezes no próprio advogado e nos jurados durante julgamento em um tribunal de San Diego (EUA) foi condenado a 31 anos e 4 meses de prisão na segunda-feira, de acordo com reportagem da emissora de TV “10 News”. Acusado de sequestro e assalto, Weusi McGowan, de 38 anos, também foi condenado pela agressão, ocorrida este ano. Na ocasião, McGowan havia levado um saco de fezes para o tribunal. O promotor Christopher Lawson disse que o réu estava irritado porque o juiz Jeffrey Fraser se recusou a trocar o defensor público Jeffrey Martin. Após o incidente, o juiz aumentou o valor da fiança do réu, de US$ 250 mil para US$ 1 milhão. No novo julgamento, nesta semana, o juiz Frank Brown o ordenou ainda, a pagar US$ 129 a um dos jurados, cuja pasta ficou inutilizável depois de atingida pelas fezes. 

Amante fica seminu em cima do ar condicionado

O menino Zeldag acreditou que engolindo o inseto ganharia nota alta na escola

A inofensiva cobra d’água vai virar bichinho de estimação de uma família americana

Um casal encontrou uma cobra de duas cabeças em sua propriedade em Dongola, no estado de Illinois (EUA). Jerry Williamson disse que quem viu primeiro o réptil foi sua mulher, mas ele não acreditou quando ela contou, segundo a emissora “Sky News”.

De acordo com a emissora de TV, trata-se de uma cobra d’água da América do Norte. O casal decidiu manter o réptil como animal de estimação, pois acredita que a cobra  não é  capaz de sobreviver por conta própria, sendo uma presa fácil para predadores.

O estudante Stephen Zeldag comeu uma mosca morta após um desafio lançado por seu professor de álgebra, que prometeu dar nota “A” para quem engolisse o inseto. No entanto Zeldag alega que o professor não cumpriu a promessa, segundo a emissora de TV “CBS”.  Stephen Zeldag, que estuda no colégio Oak Ridge em El Dorado Hills, no estado da Califórnia (EUA), contou que seu professor

de álgebra II matou uma mosca com as mãos durante uma aula no mês passado e desafio um de seus alunos a comê-la. “Se alguém comer essa mosca, vou lhe dar um A na prova”, teria dito o professor. Zeldag aceitou o desafio e comeu o inseto. No entanto o estudante afirmou que o professor não manteve o trato combinado. Ele recebeu a nota “F”, acertando só nove de 46 questões.

O chinês Sun Meng, de 25 anos, fugiu pela janela após ser flagrado na cama com uma mulher pelo marido traído em um apartamento  em Chengdu, na China. O jovem acabou sendo fotografado seminu em cima do ar-condicionado, segundo o jornal inglês “Daily Telegraph”.  “Minha família ficou com vergonha e nenhum dos meus vizinhos  quer falar  comigo nunca mais”, disse Meng, destacando que resolveu  ficar  empoleirado do lado de fora do apartamento, porque ficou  com medo que o marido traído quisesse matá-lo.


16

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

Internacional

Ex-paquito da Xuxa ajuda pessoas carentes em Níger O objetivo de Alexandre Canhoni era ajudar as pessoas que vivem no pior lugar do mundo. Depois de ter atuado na TV como paquito do “Xou da Xuxa” e de ter deixado a carreira musical de lado para se tornar evangélico, ele tinha se decidido a viajar para algum lugar como Iraque, Paquistão, Serra Leoa, países em conflito em que a população sofria,  e fazer trabalho humanitário. Foi quando ouviu falar do Níger, último colocado do ranking de Índice de Desenvolvimento Humano da ONU, pela primeira vez. “Perguntei o que tinha por lá, e me disseram que ‘nada’”, contou. Então, ele decidiu se mudar para Niamey, capital do país africano com a pior qualidade de vida do mundo, onde vive há oito anos. “O país não tinha realmente nada”, contou. “Só agora chegaram detectores de metais no aeroporto, a previsão é de que chegue cartão de crédito daqui a cinco anos, há apenas três restaurantes e a cultura muçulmana é bem radical. Não tem cinema, são pouquíssimas as televisões, que normalmente têm uso comunitário e o que mais passa são programas religiosos islâmicos”, disse. Na capital, segundo ele, que hoje tem 38 anos, há algumas avenidas de asfalto e dois lugares com internet, como lan houses. A energia elétrica vem da Nigéria e muitas vezes falta. “Uma vez ficamos dois dias sem energia elétrica e perdemos muita comida que tínhamos em nossa geladeira.” Localizado no oeste africa-

Um jovem de 22 anos foi condenado na Arábia Saudita à decapitação e à crucificação pelo rapto e sequestro de cinco crianças, afirmou  o jornal saudita “Okaz”. Entre as vítimas, está uma criança de três anos, encontrada morta no deserto de Hael, no sudoeste da Arábia Saudita, onde o acusado a havia deixado após tê-la violentado, acrescentou o jornal. Um Tribunal de Apelações de Riad confirmou o veredicto ditado em junho por um tribunal de primeira instância em Hael e condenou o suspeito, chamado de “estuprador de

crianças”, à decapitação e à crucificação. O homem, preso com base no testemunho de uma criança de sete anos que ele tinha tentado violentar, sequestrava suas vítimas em áreas residenciais oferecendo-se para leválas à escola, segundo a ata de acusação citada pelo Okaz. Sequestro, assassinato, apostasia, assalto à mão armada e tráfico de drogas são crimes passíveis de pena de morte na Arábia Saudita, onde o criminoso, em alguns casos, é crucificado após a sua execução. Este ano, 56 pessoas foram executadas no reino.

Depois de se converter à igreja evangélica, Alexandre foi para “pior lugar do mundo”

no, logo abaixo do deserto do Saara (parte do território fica no deserto), o Níger ficou em 182º lugar no ranking de qualidade de vida, com IDH de 0,34, pior que o do Afeganistão, palco de uma ação militar comandada pelos Estados Unidos. A população de 15,3 milhões de nigerinos tem uma expectativa de vida de apenas 52 anos, e apenas 28% deles são alfabetizados. Trata-se de um dos países mais pobres do mundo, com Produto Interno Bruto per capita anual de apenas US$ 700 (cerca de R$ 1.200) (o do Brasil é de US$ 10.200, quase R$ 17.500, segundo a mesma fonte, a CIA, agência de inteligência dos Estados Unidos). Apesar da pobreza, segundo Canhoni, há também pessoas muito ricas no país, que vivem da exploração de urânio e petróleo e que chegam a serviço de multinacionais que, segundo Canhoni, não ajudam no desenvolvimento lo-

cal. O problema é que há um abismo entre os ricos e os pobres, sem uma classe média, e o preço das coisas à venda é muito alto. “Um litro de leite nos dois únicos mercados custa o equivalente a R$ 6, um quilo de tomate pode chegar a R$ 25. Quanto mais pobre é o país, mais caras são as coisas. Não adianta levar dinheiro e a gente leva do Brasil o máximo de coisa que a gente pode. As pessoas são ou muito pobres ou muito ricas. Vivemos em um dos melhores bairros, mas em frente a nossa casa há barracos em que vivem muitas pessoas que ajudamos. É um contraste muito pior de que o tradicional de prédio de luxo e favela, que se vê no Brasil”, disse. Segundo ele, os empregos são raríssimos. As pessoas normalmente trabalham como guardas na frente da casa de estrangeiros e ganhando muito pouco, que dá no máximo para comer.

União Europeia terá Constituição e presidente próprios A Suécia, que ocupa atualmente a presidência rotativa da União Europeia, anunciou  que o Tratado de Lisboa entrará em vigor em 1º de dezembro.   Assinado na capital portuguesa em 13 de dezembro de 2007, o Tratado de Lisboa prevê criar um cargo de presidente estável, mecanismos para facilitar a tomada de decisões entre os membros do bloco e reforçar o Europarlamento.  “Depois de uma longa jornada, o Tratado de Lisboa alcançou o objetivo”, disse o governo sueco em comunicado. “Com a assinatura do presidente tcheco, todos os Estados-membros da UE já ratificaram o texto. O tratado entra em vigor em 1º de dezembro e todos os detalhes devem agora ser postos no lugar”. Em um comunicado separado, o primeiro-ministro sueco, Fredrik Reinfeldt, disse que iria pedir uma reunião de países do bloco o mais rápido possível.  O presidente tcheco, Vaclav Klaus, que

Condenado a crucificação e decapitação por estuprar crianças

Caixões tomam forma de carro, celular e garrafas na Inglaterra

Artesãos se esmeram em fazer urnas funerárias para todos os gostos

Uma  funerária  britânica especializada em caixões personalizados criou modelos em forma de  garrafas de cerveja, telefones celulares, carros e outros objetos inusitados, segundo reportagem do jornal inglês “The Sun”. O diretor da “Crazy Coffins”, David Crampton, afirmou que os caixões personalizados custam entre 2 mil libras

(R$ 5,7 mil) e 6 mil libras (R$ 17,2 mil), enquanto os tradicionais  variam entre 300 libras e 600 libras.   Com os modelos personalizados,  o  diretor  destacou que as famílias podem tornar um momento difícil em um evento mais alegre. De acordo com Crampton, muitos dos seus clientes são pessoas que  preferem  organizar o próprio enterro.

Mais de 400 índios Yanomami da Venezuela estão com a Gripe A

Presidente tcheo, Vaclav Klaus, foi último a assinar documento do grupo de países

assinou o documento, foi o último líder  ratificar o tratado. Isso significa que o bloco de quase meio bilhão de pessoas agora poderá escolher seu presidente para um mandato maior e um representante para as Relações Exteriores.     ‘Último obstáculo’  O chefe da Comissão Europeia,

José Manuel Durão Barroso, afirmou que a aprovação do Tratado pela República Tcheca implica a superação do “último obstáculo” e acrescentou confiar que o pacto da reforma será assinada ainda este mês. “Espero que agoram sejam superados todos os obstáculos e que possamos aplicar o tratado”, declarou.

O Ministério para os Povos Indígenas da Venezuela não informou o número de casos suspeitos, mas segundo a ONG brasileira Instituto Socioambiental (ISA), mais de 400 índios apresentam os sintomas da gripe. De acordo com Marcos Wesley, coordenador do projeto Isa Pró-Yanomami, os yanomamis têm baixa imunidade a doenças respiratórias, pois vivem isolados. Por isso, os casos de gripe costumam resultar em complicações mais graves.  Alta mobilidade De acordo com o ISA, as notícias sobre uma forte epidemia de gripe na região amazônica da Venezuela estão sendo re-

latadas por yanomamis a seus parentes, que vivem na área fronteiriça do Brasil. Esses povos têm alta mobilidade, o que facilitaria o contágio entre os índios venezuelanos e brasileiros. No Brasil, os yanomamis estão concentrados nos estados de Roraima e do Amazonas, junto à fronteira com o sul do país. A proximidade entre as aldeias significa que a disseminação do vírus H1N1 na Venezuela pode resultar em uma infecção dos yanomamis brasileiros. Apesar disso, o Ministério da Saúde do Brasil afirma que ainda não tem informações sobre o contágio de índios brasileiros.


Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

Variedades

Livro sobre Estrada de Ferro trilha a segunda edição O historiador e escritor Leôncio Siqueira conta a história marcou sonhos e o desenvolvimento do Estado Bragança não possui apenas o sereno rio Caeté, as palmeiras imperiais, os campos, igarapés e as praias de Ajuruteua e Ilha de Canelas com suas revoadas de guarás. Possui também casarões que refletem o apogeu do século XIX e guarda a lembrança do progresso levado pela estrada de ferro de Bragança, considerada uma das maiores e mais importantes construções do Pará. Este ano a estrada de ferro Bragança completou 101 anos desde o início de sua construção, e teve sua história contada em 238 páginas pelo historiador José Leôncio Ferreira de Siqueira, autor do livro “Trilhos: o caminho dos sonhos”, que narra desde o nascimento da estrada de ferro até o desenvolvimento que ela proporcionou ao Pará. A primeira edição do livro foi lançada há um ano, durante o centenário da estrada de ferro de Bragança, e este ano foi relançada em Bragança, no dia 3 de abril, data de aniversário da obra. Passados sete meses do lançamento em Bragança, a edição já está

esgotada e o autor José Leôncio trabalha para o lançamento da segunda edição, que depende principalmente de patrocínios para ganhar vida. O historiador explica que além das livrarias, a primeira edição foi distribuída em instituições públicas, escolas e bibliotecas, além da alguns setores da iniciativa privada da região, que adquiriram a publicação para presentear os clientes com um pouco da história que faz parte do desenvolvimento do Pará. A obra foi responsável pelo surgimento de diversos municípios entre Belém e Bragança, principalmente os da Região Metropolitana de Belém, como Ananindeua, Benevides, Santa Izabel e Castanhal. Apaixonado por este símbolo de desenvolvimento, José Leôncio lamenta que nenhum dos municípios que surgiram da ferrovia ou mesmo o Governo do Estado valorize a história e a memória de um empreendimento de tamanha relevância para a história do Pará. Ele diz que nenhuma realização significativa foi preparada para

comemorar os o centenário ou os 101anos da estrada de ferro Bragança, e o livro é uma maneira de resgatar essa memória. Ele lembra que o desenvolvimento trazido pela estrada de ferro aconteceu pela necessidade que a capital tinha de escoar a produção das colônias agrícolas da zona bragantina. “A capital vivia um momento de muitas riquezas e acabou atraindo muita gente. O problema é que não tinha alimentos suficientes. Então, criaram-se colônias agrícolas nas proximidades de Bragança e para transportar essa produção, surgiu a necessidade da estrada de ferro”, conta. Construção levou 28 anos e cirou vários municípios Por muito tempo acreditou-se que a inauguração da ferrovia de Bragança aconteceu em 3 de maio de 1908, mas documentos recuperados durante a pesquisa do historiados José Leôncio Siqueira para o livro mostraram que a data correta é 3 de abril de 1908. A

ferrovia começou a ser construída em junho de 1883, mas só foi inaugurada 28 anos depois, pelo então governador Augusto Montenegro. Em 56 anos de atividade, a estrada de ferro foi a principal via de acesso (em alguns casos a única) entre a capital, Bragança e os municípios surgidos ao longo dos trilhos, como Ananindeua, Benevides, Santa Izabel e até Castanhal. A linha férrea foi extinta pela ditadura militar em 31 de dezembro de 1964. O historiador ressalta que, apesar da demora de 28 anos para sua conclusão, a chegada da ferrovia representou uma revolução para a época. Ele conta que as estações eram consideradas, pela maioria dos municípios que margeavam a estrada de ferro, um local de lazer. José Leôncio também conta que a estrada encurtou drasticamente os caminhos, como a ida de Belém a Benevides, que antes da estrada era feita pelo rio e levada oito horas. Depois da estrada, o tempo de Belém até

Benevides caiu para uma hora e oito minutos. “Além de encurtar as distâncias, as estações faziam a alegria das populações às margens da estrada. As pessoas corriam para as estações para ver o trem chegar e partir. Era uma festa cada vez que isso acontecia”, conta o historiador. Ele lembra também que além de desenvolvimento, a estrada de ferro foi uma transportadora de conhecimentos, pois durante os 56 anos de atividade ajudou disseminar a cultura através dos trilhos, conduzindo jornais, revistas, tablóides, mestres, professores, cientistas, políticos e o povo em geral, promovendo a integração e interagindo em toda a região. É com com o objetivo de manter o resgate desta história, o escritor esta iniciando seu trabalho em busca de patrocínios para a próxima edição do livro “Trilhos: o caminho dos sonhos”. “Meu grande sonho é ver dada para este monumento a importância que ele merece na história de nosso Estado”, garante.


18

Variedades

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

Música do Pará de luto pelo mestre Verequete Com a morte de Augusto Gomes Rodrigues, o “mestre Verequete”, o Pará perdeu não apenas o mestre do carimbó de raiz, mas um divulgador de sua cultura. O homem humilde nascido no município de Quatipuru, na região Bragantina, já teve sua história contada no filme “Chama Verequete”, que também é nome de uma de suas músicas mais conhecidas. A produção foi vencedora do Kikito de Ouro na categoria curta metragem no Festival de Gramado, um dos mais reconhecidos festivais de cinema brasileiro. Em Brasília, Verequete recebeu do governo federal o título de Comendador da República. Tudo isso demorou para acontecer, mas mestre Verequete conseguiu ter sua importância para a cultura reconhecida ainda em vida, graças ao trabalho de muitos pesquisadores da cultura paraense na década de 80, sobre os dez discos gravados por Verequete, mas que tiveram pequena divulgação. Após as pesquisas e já na era do disco digital, o mestre conseguiu gravar quatro CD’s e teve sua importância na cultura do Pará e do Brasil, com a concessão do “Prêmio Mestre Humberto Maracanã”, do Ministério da Cultura. Apesar de todo esse reconhecimento e das homenagens públicas, o mestre passou toda a vida na pobreza. Por muitos anos ele sobreviveu da venda de churrasquinho em uma barraca na vila onde morava. Desde 2005 ele já passou a necessitar de cadeira de rodas para se locomover por causa da saúde frágil, abalada por vários acidentes vasculares cerebrais. Este ano, com a saúde ainda mais frágil, o mestre, também considerado o “rei dos tambores”, teve seu aniversário de 93 anos comemorado com ampla programação cultural na capital paraense. Nascido em 26 de ago-

Mestre Verequete conseguiu seu reconhecimento público em vida pela contribuição à cultura paraense e brasileira, mas ainda assim continuou vivendo na pobreza

sto de 1916, o mestre Verequete trouxe o carimbó nas veias desde a infância. Aos três anos de idade, no mesmo ano em que sua mãe mor-

reu, ele se mudou com seu pai, Antônio José Rodrigues, para o município de Ourém, onde desenvolveu os primeiros passos do ritmo do qual no futuro seria con-

siderado um mestre – o Carimbó Já o nome Verequete surgiu depois que uma jovem chamou Augusto Gomes para conhecer um batuque no bairro da Pedrei-

ra. Em meio à roda, um pai-desanto presente cantou “Chama Verequete”. A partir daí Augusto decidiu trocar de nome e surgiu o mestre Verequete.

Muitas homenagens e mensagens ao ícone da cultura popular do Estado O mestre Verequete faleceu em decorrência de uma pneumonia e insuficiência respiratória aguda, depois de seis dias de internação no Hospital Universitário João de Barros Barreto (HUJBB), um deles no Centro de Terapia Intensiva do hospital. Muitas homenagens foram prestadas ao mestre em seu velório, no Theatro da Paz. A filha caçula do músico, Lucimar Rodrigues, disse em nome da família que estavam “todos emocionados com as homenagens e mensagens de apoio recebidas durante a internação e no velório” do mestre. Entre os artistas que foram prestar a última homenagem ao mestre Verequete esteve Pinduca, que também é outro

Na sua simplicidade, o mestre do principal ritmo paraense cantou a alegria de viver

ícone do carimbó. Ele falou da importância do mestre na cultura paraense. “Foi um grande

músico do nosso ritmo maior e um grande representante da nossa cultura por onde ele pas-

sou”, declarou o cantor. Pinduca também falou da amizade com Verequete. “Muita gente pensava que não éramos amigos, pelo fato de nosso carimbó ser diferente. O mestre Verequete fazia um carimbó mais de raiz, e eu faço um carimbó mais moderno, mas nunca tivemos nenhum desentendimento. Pelo contrário, éramos amigos e eu tinha um respeito muito grande por ele e pelo trabalho que ele fazia”, afirmou Pinduca. A diretora da Escola de Música da Universidade Federal do Pará, Lúcia Uchôa, também falou da dor que representava o sentimento da classe artística paraense. “O mestre Verequete é uma referência e um símbolo

cultural da nossa raiz rítmica do Pará, que é o Carimbó. Acredito que todos os músicos do Estado tenham uma admiração enorme por ele. É uma perda irreparável”, declarou. Ela também falou da importância do mestre para todos os paraenses, e por isso sua memória não deve ser esquecida. “Eu espero que Verequete seja eternizado pelo povo do Pará, assim como foram eternizados Waldemar Henrique e o maestro Altino Pimenta. Verequete deve ser lembrado como um exemplo para todos os jovens músicos paraenses, por ter sido um homem que não só sabia valorizar e exaltar a cultura do Estado, como tinha orgulho de ser paraense”, lembrou.


Variedades

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

Tribuna Cultural

19

Artistas Nacionais Se Rasgum Nos dias 13, 14 e 15 de novembro, Belém recebe, no African Bar, o IV Festival Se Rasgum, que apresenta 40 atrações locais, nacionais e uma internacional, tendo a diversidade como proposta e apostando no tradicional, no original e no novo. O evento conta com mais de 17 atrações nacionais, como Nação Zumbi (PE), Pato Fu (MG), Velhas Virgens (SP), Matanza (RJ), DJ Dolores (PE), Digital Dubs com B Negão e Ras Bernardo (RJ), Bonde do Rolê (PR) e Cérebro Eletrônico (SP), além da uruguaia Hablan por la Espalda e de grandes nomes da música paraense e de representantes da nova safra local. Mais informações no site www.serasgum.com.br. Pará Folia Falta pouco tempo para a grande festa do axé em Belém. O Pará Folia será nos dias 27,28 e 29 de Novembro no “Cidade Folia”. As vendas já começaram: o abadá para os três dias sai a R$300. Para apenas um dia, o valor é R$140. Meia entrada para estudantes. Vendas nas Centrais: Braz, Pátio Belém e Castanheira. Informações: 3242-7766 Música Inscrições abertas para o “U Rock - concurso íbero-americano de bandas universitárias”, lançado pela Rede Universia com o objetivo de difundir e reconhecer a criatividade artística e musical de jovens universitários. Datas das inscrições: etapa internacional, até 15 de novembro. Informações: http://escucha. universia.com. br./concurso Bares, Botecos&Bandas Public Beer No Public Beer, happy hour de quarta-feira com a cantora Juliana Sinimbú seguida da banda Mocotó Elétrico. As outras noites são animadas por Renan Pinheiro (Voz e violão) e Banda Tio Nelson (quinta), Berinho Souza (Voz e violão) e André Moura (sexta), Renan Pinheiro (Voz e violão) e Markinho e Banda (sábado). No domingo a agitação fica por conta da banda De Sandália. O Public Beer fica na Rua Almirante Wandenkolk, 419 (entre Bernal do Couto e Diogo Móia). Café Tiquin Show a acústico da banda Zona Rural. Toda terça-feira, às 23h, no Café Tiquin (Municipalidade, 1757, entre Soares Carneiro e Manoel Evaristo). Informação: (91) 3233-9009. Beatles Forever Toda sexta-feira tem show da banda Beatles Forever no Beat Nik Bar Café. No repertório os sucessos da maior banda de todos os tempos. No sábado, a atração é o Dj Fábio Yamada. E nas noites de quinta-feira, tem DJ Pief. O Beat fica na Braz, próximo da Serzedelo. Jukbox Show da banda Jukbox. Terça no Trânsito Bar (Senador Lemos com a Wandenkolk), às 21h, quinta no Boêmio (Doca com Senador Lemos), às 23h30, e sexta, das 21h às 23h, no Boteco das Onze (praça Frei Caetano Brandão, Cidade Velha). Informação: (91) 8190-3110. Acordalice “Show mais exageradamente oitentista do que nunca”, da banda Acordalice. Sexta no Gibear (28 de Setembro entre Quintino e Rui Barbosa). Sábado no bar e restaurante Templários, também na 28 de Setembro. Em outubro a banda volta aos palcos do Mormaço com show do por-do-sol, sempre às 17 horas. Informações: (91) 3223-3615, 8842-5586 e no site www.acordalice.com.br Boteco São Matheus O Boteco São Matheus recebe, às quartas feiras, às 22h, o grupo Verbus, que mistura dança, teatro e música. O Boteco fica na Travessa Padre Eutíquio, 606. Informações pelo telefone: 3252-5338 Vitrola Programação de setembro do bar Vitrola (rua dos 48, 42, altos). Quarta, “Noite do você se lembra?” com Zona Rural e os sucessos da Jovem Guarda, hit´s dos anos 60, 70 e 80. Sexta, Elvis cover. Sábado, Samba de Raiz. Informação: (91) 3222-0164 e 4141-6362. Parrilla No Parrilla (Serzedelo Corrêa, 1075, com a Caripunas), às quartas e sábados tem Kaio & Marcelo e William Cézar & Cristiano. O palco das quintas-feiras é da banda Zona Rural. Na sexta, muito forró e animação. Informação: (91) 3223-8482. Acordalice “Show mais exageradamente oitentista do que nunca”, da banda

A banda Matanza, do Rio de Janeiro, será uma das atrações do IV Festival Se Rasgum nos dias 13, 14 e 15 de novembro no Áfrican Bar Acordalice. Sexta no Gibear (28 de Setembro entre Quintino em Rui Barbosa). Sábado no bar e restaurante Templários, também na 28 de Setembro. Em outubro a banda volta aos palcos do Mormaço com show do pôr-do-sol, sempre às 17 horas. Informações: (91) 3223-3615, 8842-5586 e no site www.acordalice.com.br Quintal Bar Quintal (Almirante Wandenkolk, 330, entre Senador Lemos e Jerônimo Pimentel). Toda quarta, às 22h, show de Maria Lídia (MPB, MPP e músicas autorais). Informação: http://holofotevirtual. blogspot.com Elvis Cover O rei do rock dá seu show todas às quintas-feiras de Outubro no Boteco Computer, a partir das 21h. O couvert artístico sai a R$5. O Boteco fica na Antônio Barreto, 1176. Entre 9 de Janeiro e Alcindo Cacela. Informações: 3202-1500

Informação: (91) 3247-8702 e 8866-6351. Grande Família Sede da Grande Família (Curuçá próximo a Djalma Dutra). Aos domingos, às 19h, Théo Pérola Negra & Grupo da Casa e convidados. Ingresso: R$ 2. Caldo de feijão grátis e sorteio de prêmios. Informação: (91) 8898-5302. Teatro & Espetáculos Campa Programação do projeto “Terceira campa”, do Teatro Margarida Schivasappa. Dia 17 de novembro, “Caruana”. Dia 24 de novembro, “Ópera profano”. Dia 15 de dezembro, “A última tribulação”. (91) 3202-4317.

Capital Toda quinta set de música com DJ Paulinho Fidalgo e convidados. Informação: (91) 3249-0056.

Cultura Popular Todo domingo, sempre às 17h30, apresentação de espetáculos teatrais voltados para a cultura popular e lendas amazônicas no anfiteatro do forte de São Pedro Nolasco. A programação faz parte do projeto teatro ao pôr-do-sol. A entrada é franca.

Pavan “Os embalos de sábado à noite”. Todo sábado, na Pavan Disco Club (Augusto Montenegro, km 7), DJs Sérgio Lobo, Edinaldo “Big”, Eduardo “The Master”, La Ribba e Jimmy Night. Informação: (91) 3248-1680.

Stand – Up no Hangar A divertidíssima comédia reúne elenco autor teatral, ator e diretor Fábio Porchat, Cláudio Torres Gonzaga, Paulo Carvalho e Fernando Caruso. Dias 17 e 18 de Outubro, no Hangar. Informações: www.hangarcentrodeconvencoes.com.br

Happy Hour & Dj’s

Exposições e Mostras

Acústico Bar Show do grupo Skema e convidados. Todo sábado, às 16h, no Acústico Bar (Coronel Luiz Bentes, s/n, com a Senador Lemos, Telégrafo). Entrada gratuita. Informação: (91) 3254-7114 e 81422140.

Mostra nas Onze Janelas O Museu da Casa das Onze Janelas apresenta a mostra “Ampliação da Coleção de obras de Artistas Paraenses do Museu Casa das Onze Janelas”, com a coleção de obras que foram adquiridas pelo museu em 2008 e 2009. A mostra fica até 29 de novembro, na Sala Valdir Sarubbi, no Museu. De terça a domingo de 10h às 18h. Informações: 4009-8823 /8825. 

Aquarela Estação Aquarela (Manoel Evaristo com a Curuçá). Toda sexta, às 17h, música mecânica com DJ Mr. Tony e samba de raiz com Marquinho Melodia. Sábado, às 17h, DJ Mr. Tony e Jovem Guarda com Quatro.com. Informação: (91) 9197-2889. Reggae Todo sábado, a partir das 16h, no Urubu Black Reggae (São Pedro, próximo à praça da Bandeira), set dos DJs Ras Margalho, Crys Stone e Vanderson. Informação: (91) 8144-5936. Negro Espaço Cultural Coisas de Negro (Lopo de Castro, 1081, entre quinta e sexra ruas). Todo sábado, às 20h, DJs Curipedra, Nilson Nonato e Serginho Moraes. Aos domingos, às 18h, roda de carimbó. Ingresso: R$ 3. Mulheres pagam R$ 2 no domingo.

Exposição “Fotoativa 25 Anos” A Galeria Fotoativa realiza exposição fotográfica até o dia 14 de Dezembro, em comemoração aos seus 25 anos. A mostra acontece na própria galeria, que fica na Praça Visconde do Rio Branco Praça das Mercês - 19 – Campina. A entrada é franca Informações: (91) 3225-2754.  Feira do Livro Continua aberta até o dia 15 de Novembro, no Hangar - Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, a XIII Feira Pan-Amazônica do Livro. O evento conta com a presença de grandes editoras de todo o Brasil, que oferecem uma variedade de livros e revistas de todos os gêneros. Além disso, na programação, encontros com escritores e atrações francesas. Informações: 3344-0100


20

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

Variedades

CELEBRIDADES Michael já é o 3º com maior faturamento póstumo

Só Jesus explica Mal foi enterrado, Michael Jackson, morto em Los Angeles em 25 de junho, já superou o “rei do rock”, Elvis Presley, no ranking publicado pela revista “Forbes” de celebridades que mais faturaram após a morte. Os US$ 90 milhões (equivalentes a R$ 156,8 milhões) arrecadados pelo “rei do pop” desde sua morte o colocaram uma posição acima de Elvis, que faturou US$ 55 milhões (R$ 95,8 milhões), mas só foram suficientes para deixá-lo em terceiro lugar na classificação. O estilista Yves Saint Laurent ainda lidera o ranking com boa margem de diferença, já que arrecadou US$ 350 milhões (R$ 609,8 milhões). A seguir vem a dupla criadora de musicais, Richard Rodgers e Oscar Hammerstein, com US$ 235 milhões (R$ 409,4 milhões).

Confira os 13 mortos que mais faturam pelo ranking da Forbes Astro

Depois de viajar pelo Brasil como DJ, Jesus Luz, o modelo brasileiro que também é namorado de Madonna, começa ainda em novembro sua primeira turnê no hemisfério norte. Jesus começa por Nova York, onde mora com a cantora. e passa por Miami e Toronto. Quem confirmou a notícia foi o agente de Jesus, Peterson Ibrahim. De férias no Rio até sábado, quando embarca para Nova York. Ele pretende ainda lançar uma faixa em dezembro, quando volta ao Brasil para mais uma temporada de shows. O cachê do rapaz? Cerca de US$ 20 mil. O porque, “só Jesus” pode explicar.

Faturamento (em US$)

1. Yves Saint Laurent

350 milhões

2. Rodgers & Hammerstein

235 milhões

3. Michael Jackson

90 milhões

4. Elvis Presley 2. & Hammerstein 5. Rodgers J.R.R. Tolkien 2. Rodgers & Hammerstein 6. Charles Schulz

55 milhões 81,86 50 milhões

7. John Lennon

15 milhões

2. Dr. Rodgers Hammerstein 8. Seuss&

81,86 15 milhões

9. Albert Einstein

10 milhões

81,86 35 milhões

10. Michael Crichton

9 milhões

11. Aaron Spelling

8 milhões

12. Jimi Hendrix

8 milhões

13. Andy Warhol

6 milhões

Michelle eleita mulher do ano A primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, se consolidou mais uma vez como uma das mulheres mais poderosas do mundo. Uma pesquisa feita pela revista “Glamour” comprovou a influência da esposa de Barack Obama, colocando-a no topo da lista de “Mulher do Ano”, na opinião dos leitores da publicação. Além de estampar a capa, celebrando sua eleição, Michelle também deu entrevista e falou, entre outras coisas, da importância de ser uma inspiração para jovens mulheres nos dias de hoje.

Paola de olho no carnaval 2010 No ar na pele da vilã Verônica, em “Cama de Gato”, nova novela das 18h da Rede Globo, Paola Oliveira já pensa no Carnaval 2010. A atriz será, novamente, rainha da bateria da Grande Rio. Paola diz que vai tentar surpreeender os foliões, como fez no Carnaval deste ano. Mas a bela ainda não sabe como serão as preparações, já que ela tem passado os dias gravando a trama. “A gente precisa estar magra o tempo todo, para tudo na vida. Não sei se no Carnaval do ano que vem vou conseguir entrar numa rotina de exercícios para desfilar. Vou entrar na avenida do jeito que Deus quiser”, avisa.


Esporte

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

São Raimundo é novo dono do futebol paraense

Com a conquista, o Pantera Negra passa a integrar a série C do futebol brasileiro e enche Santarém de orgulho Dessa vez nada de Remo e Paysandu. O futebol paraense tem novo dono. Trata-se do São Raimundo, mais conhecido como a Pantera negra de Santarém. O time do oeste paraense é um felino que devorou todos os adversários e obstáculos, conquistando assim o título da primeira edição do Campeonato Brasileiro da Série D e escrevendo o nome do time de vez nas páginas do futebol brasileiro. E agora, de mero coadjuvante no futebol local, o São Raimundo se torna o orgulho dos paraenses. Por conta disso, a cidade do Oeste do Pará está em festa, um verdadeiro Sairé fora de época, festa demonstrada ain-

da durante os dois jogos da decisão do campeonato, contra o Macaé (RJ). No primeiro jogo da decisão, realizado na cidade do Rio de Janeiro, derrota mocoronga pelo placar de 3 X 2, mas nada que assustasse a Pantera, que precisava apenas de uma vitória simples contra os cariocas, o que aconteceu em Santarém, no estádio Colosso do Tapajós. O melhor foi o público de 15.600 espectadores, que ajudou o São Raimundo a vencer a partida por 2 X1, sagrando o time a primeiro Campeão Brasileiro da Série D. Sobre essa conquista, os jogadores ressaltaram as dificuldades, inclusive financeiras

que o time enfrentou, quando teve de se desfazer de alguns jogadores por não ter conseguido recursos para manter salários, assim como as trocas de técnicos, quatro ao todo, mas que foi vencida pelo time.

Mesmo com dificuldades, time obteve a média de 2 gols por partida “É motivo de muito orgulho. Encontramos dificuldades, mas tudo isso vai ficar marcado pra mim, na minha carreira”, disse o meio-campo Beto. “Fizemos

papel de time grande. Encaramos nossos jogos com compromisso, seriedade e por isso alcançamos esse título. Agora, todo mundo tem que bater palma pra essa camisa”, reforçou o meio-campista Ciro. Os jogadores não esqueceram da torcida, que lotava os jogos da Pantera quando o time jogava em casa. “A torcida está de parabéns. Todo mundo teve uma parcela de colaboração. Esse titulo vai ficar marcado no coração de todo mundo”, lembrou o lateral esquerdo João Pedro. Para tirar qualquer teima quanto ao título conquistado pelo São Raimundo, os números não mentem e apontam que a

Pantera merecia sim essa conquista. Dos 16 jogos disputados durante a disputa da Série D, o São Raimundo saiu vencedor em oito, conquistou quatro empates e apenas quatro derrotas, um aproveitamento de 58%, que, por sinal, é o mesmo percentual de Palmeiras e São Paulo, respectivamente líder e vice-lider da Séria A do Campeonato Brasileiro. Para exaltar mais a campanha do time santareno, a equipe teve o ataque mais positivo da competição com 29 gols marcados, uma média de quase dois gols por partida, e ainda teve o artilheiro da competição, com o meio-campista Michel, com dez gols anotados.


22

Esporte

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

Começa a dança dos pilotos para o Mundial de 2010 A temporada 2009 de Fórmula-1 terminou marcada pelos títulos inéditos dos ingleses Jenson Button no mundial de pilotos, e da equipe Brawn GP no mundial de construtores, se tornando a primeira equipe estreante a conquistar o mundial por equipes. Já o brasileiro Rubens Barrichello ficou com o terceiro lugar, depois de perder o vice-campeonato para alemão Sebastian Vettel na última prova do ano, o GP de Abu Dabhi. Mal passou o estouro do champanhe no pódio e logo começaram as mobilizações de pilotos e equipes para o mundial de 2010. Por enquanto apenas 11 pilotos estão garantidos em equipes para o próximo ano, e entre eles três brasileiros estão confirmados. São eles Felipe Massa, que volta à equipe Ferrari, Bruno Senna, o sobrinho do tricampeão Ayrton Senna, que integra a novata Campos, e Rubens Barrichello, agora na Williams. Lucas di Grassi, Antonio Pizzonia e até Nelsinho Piquet ainda brigam por vagas, principalmente nas quatro equipes estreantes – Manor, USF1, Campos e Lótus, que puderam estrear graças à mudanças importantes no regulamento da Fórmula 1. A principal delas é o fim do abastecimento dos carros no meio da prova. Ou seja, todos os carros vão largar de tanque cheio, para durar a prova toda,

O piloto inglês Jenson Button, que comemorou o título mundial antecipadamente no Grande Prêmio do Brasil, ainda não renovou contrato com sua escuderia, a Brawn GP

permanecendo apenas a troca dos pneus. Foi essa mudança que permitiu a entrada das quatro novas equipes, o que aumenta o grid de largada de 20 para 26 carros. Com a entrada dessas novas

equipes, as negociações entre pilotos e times esquentam nos bastidores. Jenson Button, por exemplo, apesar de ter conquistado o titulo deste ano, ainda não renovou contrato com a Brawn GP,

e estuda a proposta da Mclaren para assinar para a temporada do ano que vem. Depois de conquistar seus dois títulos mundiais pela equipe Renault em 2005 e 2006, o espanhol

Fernando Alonso será o companheiro de Felipe Massa na Ferrari, já o alemão Nico Rosberg está bem próximo de assinar com a Brawn GP e assumir o lugar deixado pelo brasileiro Rubens Barrichello.

Fórmula 1 foi repleta de surpresas e escândalos na temporada 2009

Sebastian Vettel e Mark Webber

O estreante Bruno Senna, pela Campos

Para os analistas esportivos a terceira posição no mundial de 2009 ainda foi considerada um ganho para Rubinho, que até o final da temporada 2008 era dado como aposentado e o terceiro lugar significou sua volta por cima na equipe Brawn, que, por sua vez, foi a surpresa ao levar o título de campeã por equipes, com duas vitórias e 6 pódios conquistados. Mas a temporada da principal categoria do

automobilismo também foi marcada por escândalos, como a farsa envolvendo o piloto Nelsinho Piquet. Após ser demitido pela equipe Renault, ele assumiu publicamente que bateu de propósito no GP de Cingapura, em 2008, a mando do então chefe da equipe, Flávio Briatore, tornando-se o protagonista do maior escândalo da história da Fórmula 1. O mundial também foi mar-

cado por decepções como a péssima participação da Ferrari no campeonato, que ainda teve o acidente sofrido pelo brasileiro Felipe Massa no GP da Hungria, a décima etapa do mundial, deixando-o de fora durante todo o resto do campeonato. A outra decepção foi o início ruim da Mclaren, que não deu condições ao piloto Lewis Hamilton de brigar pelo bi-campeonato na temporada 2009 fo

Confira como estão as negociações para o Campeonato de 2010 Equipe RBR

Os parceiros Alonso e Felipe Massa

Colega de Barrichello, Nico Hulkenberg

O piloto Robert Kubica, da Renault

Sebastian Buemi e Jaime Alguersuari

Pilotos Sebastian Vettel e Mark Webber

Mclaren

Lewis Hamilton

Ferrari

Felipe Massa e Fernando Alonso

Williams

Rubens Barrichello e Nico Hulkenberg

Renault

Robert Kubica

STR

Sebastien Buemi e Jaime Alguersuari

Campos

Bruno Senna


Esportes

Belém, 07 a 13 de novembro de 2009

23

Copa do Mundo deve revelar novos talentos do boxe A aposentadoria de campeões mundiais e o crescimento da popularidade da luta livre preocupa o mundo do boxe há algum tempo. Para tentar contra-atacar a questão, o Conselho Mundial de Boxe (CMB) anunciou em Jeju, na Coreia do Sul, a criação de uma Copa do Mundo para buscar novos talentos dos ringues nos próximos anos. De acordo com o presidente da entidade, José Sulaimán, o CMB sempre foi uma entidade reformista. O novo campeonato fará concorrência ao da Associação Internacional de Boxe Amador (AIBA), que reúne pugilistas que ainda não ingressaram no mundo profissional. O formato da Copa do Mundo, no entanto, ainda não foi definido. O novo campeonato surge para suprir a aposentadoria de nomes como Óscar de la Hoya, Julio César Chávez e Erik Morales, ídolos na última década e que já abandonaram os ringues. Outra iniciativa foi a criação de campeonatos nacionais, como os organizados no México e na Venezuela. Segundo as primeiras ideias para a nova Copa do Mundo, cada país terá sua própria eliminatória, com finais por continentes de boxeadores que farão combates de seis e oito assaltos. Sulaimán afirmou que espera que a AIBA auxilie na nova competição, mas criticou os campeonatos amadores existentes, tanto por sua qualidade quanto por sua forma de classificação.

A intenção do Conselho Mundial da modalidade é colocar o boxe mais uma vez na crista da onda, a exemplo do que vem acontecendo com lutas livres no famoso MMA

Diego Hipólito diz que não tem confiança em si Se nas Olimpíadas de Pequim o excesso de confiança pode ter atrapalhado o desempenho de Diego Hypolito, agora é a falta dela que parece prejudicar o ginasta. Embora ocupe o primeiro lugar no ranking mundial em 2009, o resultado negativo no Mundial de Londres, mês passado, deixou o brasileiro triste e, ao mesmo tempo, determinado a encontrar o equilíbrio emocional. “Eu perdi um pouco da minha confiança. Em todas essas competições, eu tenho chegado para o Renato (Araújo, técnico) e falado que estou muito nervoso. Eu nunca fui assim. Na época das Olimpíadas, eu estava tranquilo demais, até mais do que o normal. Acho que isso pode ter me atrapalhado. Agora, é totalmente o contrário. A minha confiança está muito baixa. Eu tenho que voltar a encontrar o equilíbrio entre a autoconfiança e a insegurança”, disse Diego. No Mundial de Londres,  o ginasta brasileiro terminou apenas em nono nas eliminatórias e não se classificou para a final da competição, perdendo as chances de se tornar tricampeão este ano. Embora o resultado negativo tenha vindo logo após

Roland Garros pode deixar de ser palco do tênis mundial

Resultado negativo no Mundial de Londres deixou o ginasta brasileiro de baixo astral

Reforma atrasada no templo do tênis francês pode resultar em troca-troca

a recente recuperação de uma lesão no ombro esquerdo, Diego não esconde ter ficado abalado com a eliminação precoce. “É a primeira vez na minha carreira, contando infantil, juvenil, júnior, adulto, que eu fui para uma competição e não cheguei na final em pelo menos um aparelho. Fiquei triste por isso. Eu sempre cheguei à final, nunca passei em branco assim. Mesmo quando eu não me classificava para a final do solo, conseguia no salto”, ponderou. O ginasta, porém, ainda tem bons motivos para não desani-

A Federação Francesa de Tênis está considerando a possibilidade de  tirar o Aberto da França de Roland Garros. Caso o projeto de ampliação e  reforma do complexo parisiense não seja aprovado no prazo de um ano, há chances de que o Grand Slam francês passe a ser disputado em outro lugar. “Parece que a comitiva do prefeito tornouse mais hostil ao nosso projeto, que não era o caso antes. Acrescente-se isso a oposição dos moradores e agora somos obrigados a procurar outras

mar. Atual líder do ranking mundial, Diego está perto de garantir o inédito tetracampeonato da Super Final de Ginástica. Na noite desta terça-feira, ele embarca para a Croácia onde disputará uma etapa da Copa do Mundo de 4 a 9 de novembro. Caso vença a disputa, já garante o quarto título. “O que eu sei é que eu tenho de ter uma mudança de atitude. Tenho que entrar sem medo de errar. Não posso chegar como eu cheguei em todas as competições esse ano”, explicou Diego, determinado.

opções, inclusive a de abandonar as instalações”, disse Gilbert Ysern, diretor geral do Aberto da França. Um dos pontos da  reforma inclui a cobertura da quadra central com um teto retrátil, que ficaria pronta em 2013 ou 2014. Porém, a prefeitura de Paris não , estaria mais disposta a participar da empreitada - ela  arcaria com cerca de 20 milhões (cerca de R$ 50 milhões) dos 120 milhões (cerca de R$ 310 milhões) previstos para a realização das mudanças.


Tribuna 09  

Jornal Tribuna do Pará

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you