Page 1

EXEMPLAR DO ASSINANTE

DOMINGO

MACEIĂ“ - ALAGOAS - 1 DE ABRIL DE 2012 - NÂŞ 1409 - R$ 3,00

tribunahoje.com ADAILSON CALHEIROS

Lembrança com admiração e amor de todos nós para a Tia Marcelina Suplemento

DĂŠbora Falabella interpreta uma mocinha vingativa em ‘Avenida Brasil’

Emprego, imĂłveis, automĂłveis e mais de 2.600 anĂşncios para vocĂŞ

Suplemento

Suplemento

A ex-coelhinha Fernanda Paz Leme vem a MaceiĂł na Semana da PĂĄscoa Suplemento

DIA DA MENTIRA

O homem ou a mulher mente mais? Depende da maturidade... Quem mente mais: o homem ou a mulher? Para a psicĂłloga Izaura Maria Wanderley, a questĂŁo nĂŁo depende de sexo, mas da maturidade das pessoas que se relacionam. PĂĄg. 11

Gruta de Lourdes e Pitanguinha sĂŁo bairros ‘campeĂľes’ em roubo de carro Os bairros Gruta de Lourdes, Pitanguinha e Bebedouro sĂŁo os que mais tĂŞm registro de roubos e furtos de veĂ­culos em MaceiĂł. O mapa de incidĂŞncia foi traçado a pedido da Tribuna Independente pelo delegado de Roubos e Furtos de VeĂ­culos de MaceiĂł, Marcos Lins. Ele ainda apontou quais sĂŁo os modelos mais roubados na capital. As estatĂ­sticas da delegacia batem com as das seguradoras de veĂ­culos, que estĂŁo cobrando mais pelo serviço, a depender do endereço do proprietĂĄrio. AlĂŠm de Alagoas ter um seguro mais caro do que Pernambuco, os bairros mais prĂłximos da Avenida Fernandes Lima, o Tabuleiro do Martins e o Benedito Bentes, encarecem o serviço porque sĂŁo locais onde a fuga ĂŠ mais fĂĄcil. 9

LEI SECA

PolĂ­cias vĂŁo insistir no teste do bafĂ´metro

Na última terça-feira, Alagoas assistiu na televisão a XPKRPHPErEDGRFKRUDQGRSRUTXHKDYLDGDQL¿FDGR o carro em um acidente onde a vítima, um gari que estava em serviço, teve a perna amputada. O homem IRLSUHVRHOLEHUDGRDSyVSDJDU¿DQoD1RGLDVHJXLQte, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que só o teste do bafômetro e o exame de sangue são provas de embriaguez ao volante. A decisão foi avaliada em Alagoas pelo delegado de Acidentes de Trânsito e SHOD3ROtFLD5RGRYLiULD)HGHUDO$PERVD¿UPDPTXH D¿VFDOL]DomRDXWXDomRHSXQLomRGHYHPFRQWLQXDU Mas hå receio entre os órgãos e entre os condutores de que o teste do bafômetro seja cada vez mais recusado e, futuramente, atÊ esquecido. Påg. 10

SANDRO LIMA

SANDRO LIMA

CONJUNTURA

Advogados da ĂĄrea eleitoral entram em alerta

O cidadão brasileiro que procura a cada eleição dar o seu voto a quem aparentemente pode contribuir para melhorar a situação quase sempre se då mal na avaliação. A opção por alguÊm que passa a LPDJHPGHVpULRFRPSHU¿O diferente do político... Påg. 3

TATIANA BRASIL SURGX]RYRVPDLVVRÂżVWLFDGRVHJDUDQWHXPPHOKRUIDWXUDPHQWRQD3iVFRD

Em pleno ano de eleiçþes municipais, advogados HOHLWRUDLV¿FDUDPVREWHQVmR em virtude do atentado à bala sofrido pelo advogado do PMN, Felipe Sarmento, no início de março. A seccional alagoana da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) manifesta sua atenção sobre o caso e enfatiza que o que ocorreu foi um caso isolado e não Ê regra em terras alagoanas. Mas pro¿VVLRQDLVGDiUHDIDODPHP cautela e cuidado. Påg. 3

FUTEBOL

GOLPE DE 64

AILTON VILLANOVA Coronel da reserva remunerada PM, mĂŠdico dos bons e gozador da vida e da cara dos outros, Zoomilx Marcelo Melo Costa sempre foi chegado a uma boemia, desde que passou a se entender de gente. Segundo seu colega Fernando Theodomiro... PĂĄg. 12 TEMPO

Bom a parcialmente nublado com possiblidades de chuvas em ĂĄreas isoladas

MĂ­nima

20Âş

MĂĄxima

30Âş

MarĂŠs

05:23 0.8 11:28 1.6 18:02 0.6

FINANÇAS DÓLAR COMERCIAL R$ 1,82 R$ 1,82 DOLAR PARALELO R$ 1,88 R$ 1,98 OURO: R$ 97,50 POUPANÇA: 0,6073%

ATENTADO

MARCELO VIEIRA

Advogado se lança para disputar vaga no TRT de Alagoas Advogado trabalhista, Marcelo Vieira Ê um dos prÊ-candidatos a ocupar a vaga de desembargador no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 19ª Região. Militante na årea hå vinte anos, Vieira tem em seu currículo uma breve passagem pelo Pleno do Tribunal. Ele jå foi juiz classista, antiga função anåloga a de desembargador. Påg. 2

CSE pode chegar jFODVVLĂ€FDomR se vencer o ASA Em Palmeira dos Ă?ndios, CSE e ASA fazem o clĂĄssico da sexta rodada do segundo turno do Campeonato Alagoano, Ă s 16h. Uma vitĂłria do Alvinegro pode garantir a vaga nas VHPLÂżQDLV3HOR&DULRFD Fluminense e Botafogo jogam Ă s 18h30. PĂĄg. 15

OPORTUNIDADE

Ovos de PĂĄscoa caseiros garantem renda extra A PĂĄscoa traz renda extra para profissionais e amadores na arte culinĂĄria. A chef Tatiana Brasil produz ovos de PĂĄscoa mais sofisticados para clientes bem exigentes, com embalagens charmosĂ­ssimas e custam de R$ 60 a R$ 80. “Produzimos

atÊ ovo de Påscoa com cartão plastificado dentro. Minha produção quadruplica neste período�, revela. Jå a nutricionista Talyta Honci produz ovos de chocolates caseiros mais simples e sua propaganda circula pelas redes sociais. 13

Comissão da Verdade assusta conservadores Ao completar neste domingo 48 anos do golpe militar, setores mais conservadores das Forças Armadas não escondem o temor de que a Comissão da Verdade exponha fatos que desejariam ver esquecidos e se mobilizam para protestar. Påg. 7


2 POLĂ?TICA MACEIĂ“ - DOMINGO 1 DE ABRIL DE 2012

PolĂ­tica

“

TribunaIndependente

Sinto-me como uma prĂŠ-candidaWXUDQDWXUDOGHYLGRjH[SHULrQFLD TXHDFXPXOHL3RUpPHVVDSUp-candidatura nĂŁo ĂŠ minha. 1mRpXPDFDQGLGDWXUDVROLWiULDÂľ MARCELO VIEIRA ADVOGADO

Iniciada corrida por vaga no TRT 19

Advogado trabalhista Marcelo Vieira ĂŠ prĂŠ-candidato pelo quinto constitucional da Ordem dos Advogados do Brasil

ESPLANADA LEANDRO MAZZINI - contato@colunaesplanada.com.br

Senado: ninguÊm quer comandar o Conselho de Ética

P

RUWHUDPDLRUEDQFDGDROtGHUGR30'%QR6HQDGR5HQDQ &DOKHLURV $/ pRLQFXPELGRGHLQGLFDURQRYRSUHVLGHQWH GRDGRUPHFLGR&RQVHOKRGHeWLFDHSDVVDUiRÀPGHVHPDQDWHQWDQGRFRQYHQFHUXPGRVVHXVSDUHVDDVVXPLUDIXQomR HPDEULOSDUDMXOJDURFDVR'HPyVWHQHV7RUUHV '(0*2 $ WDUHIDpiUGXD$OHJDQGRPRWLYRVGLYHUVRVGHVGHVXVSHLomRSHOD DPL]DGHDWpXPVHFR´QmRTXHUR¾RX´QmRSRVVR¾RVVHQDGRUHV WrPUHFXVDGRRFRQYLWHHFRORFDPVREULVFRDFUHGLELOLGDGHGD&DVD Alta.

Descarte O problema Ê que quem toparia, o caso de Randolfe Rodrigues (PSOLAP), não pode, porque foi justo ele quem pediu a investigação do Conselho.

Telhado de vidro 2XWURSUREOHPDQmRSRGHVHUDOJXpPGDRSRVLomRTXHÂżFDULDVREVXVpeita, ou do grupo dos independentes do PMDB, para nĂŁo se voltarem contra o prĂłprio Renan.

Teia de aranha A Operação Monte Carlo, que ‘pegou’ o senador DemĂłstenes e o bicheiro Carlinhos Cachoeira, preso pela PF, chegou Ă s portas do gabinete do prefeito de Goiânia, Paulo Garcia (PT). O seu chefe de gabinete, o mĂŠdico Cairo Peixoto, foi demitido depois da revelação de que ele armou reuniĂŁo entre Cachoeira e vereadores da oposição.

Parque de maracutaias A reunião entre Cachoeira e a oposição era para tentar negociar trÊgua nas denúncias contra a reforma do Mutirama, um parque de diversþes de Goiânia com investimentos de R$ 100 milhþes, do MinistÊrio do Turismo, na qual o bicheiro foi envolvido.

Lei Seca Autor da nova Lei Seca, que prevê pena de atÊ 16 anos de cadeia para quem dirigir bêbado e provocar acidente fatal, o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES) estå cÊtico quanto à aprovação do projeto na Câmara dos Deputados.

Uma pena Ferraço teme que deputados, governo e setores da sociedade estejam pressionando o Legislativo para tornar a lei mais branda. O STJ jå atropelou o uso bafômetro.

Caminho das Ă?ndias De Nova DĂŠli, o ministro do Turismo, GastĂŁo Vieira, faz as contas para a coluna: sĂł 18 mil indianos visitaram o Brasil, de um total de 18 milhĂľes que viajaram no ano passado.

Sonho de EunĂ­cio O senador EunĂ­cio Oliveira (PMDB-CE) acalenta o sonho de governar o CearĂĄ e faz planos. Para se cacifar e confrontar o grupo do governaGRU&LG*RPHV 36% (XQtFLRTXHUDPSOLDUVXDLQĂ€XrQFLDMXQWRjV prefeituras.

Conta Eunício Oliveira domina hoje 33 prefeituras, e quer dobrar esse número na campanha deste ano. Trabalha para que o PMDB dispute prefeituras em 184 municípios, lançando pelo menos 110 candidatos próprios.

Fla x Flu TerĂĄ clima de Fla-Flu a reuniĂŁo da CCJ na quarta. EstĂĄ na pauta a reforma administrativa da Casa, o que mobilizarĂĄ centenas de funcionĂĄrios, preocupados com as perdas de vantagens.

Dois lados Duas propostas: de Benedito de Lyra (PP-AL), que ouviu os lobbies internos, mexe pouco na estrutura. Outra, de Ferraço (PMDB-ES), segue RUHODWyULRHQFRPHQGDGRj)*9HSDVVDDIDFDQDV¾JRUGXUDV¿QDQFHLras’: economia de R$ 150 milhþes por ano.

Som alto O deputado OtĂĄvio Leite (PSDB-RJ) conseguiu garantia do Senado de TXHD3(&GD0~VLFDTXHGHVRQHUDRVHWRUIRQRJUiÂżFRSDUDEDUDWHDUR CD, entra em pauta dia 11.

No site &RQÂżUDQRVLWHGDFROXQDIRWRGRJUDQGHPHVWUH(YDQGUR7HL[HLUDHQRYD charge de Aliedo sobre histĂłria pitoresca de polĂ­ticos em BrasĂ­lia.

Ponto Final “Os nĂşmeros dos acidentes com vĂ­timas mostram que o nosso trânsito virou calamidadeâ€?, senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES).

Com Gilmar Correa e Hosa Freitas www.colunaesplanada.com.br contato@colunaesplanada.com.br Twitter @leandromazzini

SANDRO LIMA

CADU EPIFĂ‚NIO EDITOR DE POLĂ?TICA

O

quinto constitucioQDO p TXH RÀFLDOL]D a presença de um membro da Ordem dos Advogados do Brasil nos Tribunais do Poder Judiciårio. É quando a OAB formula uma lista de pelo menos seis pretensos candidatos D ID]HU SDUWH GH XP SOHQR QHVWH FDVR HP HVSHFLDO QR Tribunal Regional do Trabalho da 19ª Região (TRT �  VLWXDGR HP 0DFHLy 2 DGYRJDGR PXULFLHQVH que tambÊm enveredou pelo ramo do comÊrcio de padaULDV ODEXWD Ki  DQRV QR Direito Trabalhista Ê um dos prÊ-candidatos da Ordem dos Advogados do BraVLOVHFFLRQDO$ODJRDV 2$% $/ jYDJDGRTXLQWRFRQVtitucional aberta com o falecimento do desembargador -RVp$EtOLR1HYHV6RXVDGR Tribunal Regional do Trabalho da 19ª Região. Tribuna Independente – O sr. atua hå quanto tempo da årea trabalhista e o que o faz postular o cargo de desembargador do TRT 19? Marcelo Vieira – Eu atuo na advocacia hå apro[LPDGDPHQWH  DQRV HP especial milito na advocacia trabalhista neste período de tempo. Sou presidente da Comissão de Estudos e ReODo}HVGR7UDEDOKRGD2$% AL. Sou ainda secretårio-geral do Sindicato dos Advogados de Alagoas. E neste VHQWLGR VRX SUpFDQGLGDWR justamente por que o processo de escolha do quinto constitucional da Ordem dos Advogados ainda não IRL GHà DJUDGR RÀFLDOPHQWH 0DVVLJRQDFRQGLomRGHSUpFDQGLGDWRVHQGRLQFHQWLYDGR DLQGD SHOD IRUPDOL]DomR de apoio oriundo da parte dos nobres colegas advogaGRV D FRQÀDQoD SRU SDUWH deles. TambÊm saliento que JR]R GH XPD VLWXDomR TXH Ê única entre os pretensos FDQGLGDWRV VLQWRPH FRPR uma prÊ-candidatura natuUDOGHYLGRjH[SHULrQFLDTXH DFXPXOHL 3RUpP HVVD SUp-candidatura não Ê minha. Não Ê uma candidatura solitåria. É um honra prestar HVVD SUpFDQGLGDWXUD p D hora de pessoas que tiveram oportunidade de conhecer R 0DUFHOR 9LHLUD FRPR DGYRJDGR FRPR MXL] FODVVLVWD FRPR SHVVRD HODV SRGHP GL]HU PLQKD UHWLGmR H PHX trabalho. Jamais tive qualquer tipo de representação. 1mR TXHUR GL]HU WDPEpP que quem teve representação teve qualquer måcula HPVHXFXUUtFXORPDVpTXH temos a satisfação de nunca ter qualquer tipo de conduta duvidosa ou recriminante. T.I. – O sr. citou que tem uma certa vantagem sobre os demais advogados que pretendam postular a vaga de desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 19ª Região. Qual seria essa vantagem? Marcelo Vieira – Entre RV SUHWHQVRV FDQGLGDWRV j vaga de desembargador do 757DSHQDVHXMiH[HUFL a função equivalente a que Ê GHQRPLQDGD KRMH (X Mi À] parte daquele tribunal. Fui MXL] WHPSRUiULR MXL] FODV-

“““

Marcelo Vieira atua hå 20 anos no Direito Trabalhista alagoano e pleiteia assunção ao Pleno do TRT 19

(XMiÀ]SDUWHGDquele tribunal. Fui MXL]WHPSRUiULRMXL] FODVVLVWDTXHDWXDOmente a denominação Ê desembargador IHGHUDO¾ MARCELO VIEIRA ADVOGADO

A cada dia mais o nosso Tribunal tenta aperfeiçoar com material humano e com os instrumentos de informåtica e redes sociais HVWHVSUD]RVTXHSRU VXDYH]VmRPXLWR VDWLVIDWyULRV2SUD]R mÊdio de sentença Ê 45 GLDV¾ MARCELO VIEIRA ADVOGADO

VLVWD TXH DWXDOPHQWH D GHnominação Ê desembargador federal [que ocupa o pleno do TRT 19]. Na Êpoca [ano @HXWLQKDWRGDVDVSUHUrogativas e iguais poderes de um atual desembargador federal. Eu avalio que não dei WUpJXD j KLSRFULVLD GXUDQte esse tempo que ocupei a YDJDGHMXL]FODVVLVWD T.I. – Como foi o mandato como juiz classista do TRT 19? Marcelo Vieira – Foi QR DQR GH  4XDQGR HX terminei meu mandato meu desempenho foi reconhecido dentro do Tribunal. Fui um magistrado destacado. Ao ÀP GR PHX PDQGDWR KRXve uma sessão no Pleno do 757 RQGH QRV IRL GDGR XP voto de aplauso pelo meu WUDEDOKR SHOD PLQKD DWXDção no Tribunal. Entre ouWURV DUJXPHQWRV RV GHPDLV PDJLVWUDGRV HQIDWL]DUDP D YDORUL]DomRTXHGHPRVjTXHOD&RUWH*R]DQGRGHVVDH[SHULrQFLDGHVWHDSUHQGL]DGR QDTXHOH3OHQRHGRVDQRV GHH[SHULrQFLDPLOLWDQGRQD iUHDWUDEDOKLVWDHVSHURYROWDU jTXHOH 7ULEXQDO DJRUD FRP DLQGD PDLV H[SHULrQFLD para o magistrado que a sociedade espera. T.I. – Algo em especial, peculiar, o motivo do voto de aplauso dado pelos magistrados daquela corte. Qual a MXVWLÀFDWLYD" Marcelo Vieira – Em VH WUDWDQGR GH FHOHULGDGH HP SUHVWDomR GH VHUYLoR em resolução de problemas e deixando um pouco a moGpVWLDGHODGRQDTXHOHDQR HPIXLRMXL]FODVVLVWD

que mais julgou processos. Isso são as estatísticas que registram no Tribunal. Foram 698 processos lavrados QR DQR GH  2 VHJXQGR magistrado que mais julgou processos foi o excelentíssimo desembargador João %DWLVWD GD 6LOYD FRP  processos [o registro estå no UHODWyULR DQXDO GR H[HUFtFLR GR757GRDQR@(X QmR PH YDQJORULR FRP LVVR QmR À] IDYRU HUD D PLQKD REULJDomR1R(VWDGRRMXL] HVWi SUD LVVR SDUD SUHVWDU HVVHVHUYLoReFRPRMiGL]LD R LQHVTXHFtYHO 5XL %DUERVD œDMXVWLoDWDUGLDPDVKiMXVWLoD¡ 9RFr VDEH EHP QHVVD caminhada vemos muitos casos de cidadãos que morrem e não veem seus direitos DOFDQoDGRV 4XDQWDV SHVVRDV SHUHJULQDP SRU HVVHV Iyruns e não conseguem. E são SDJDGRUHVGHLPSRVWRVFXPprem com suas obrigaçþes. T.I. – Como na Justiça comum, onde juízes seguidamente são enquadrados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), na Justiça Trabalhista alagoana o sr. tem conhecimento de algum caso que mereça atenção especial por parte do Conselho Nacional da Justiça do Trabalho? Marcelo Vieira – Não existe aqui no Tribunal Regional do Trabalho da 19ª Região nenhuma denúncia de qualquer comportamento duvidoso ou inadequado a um magistrado. A cobrança vålida Ê com relação a pra]RV SURFHVVXDLV j TXDOLGDde no atendimento; hå uma cobrança para que ele preste um melhor trabalho ao

Foram 698 processos lavrados no ano de >3RU0DUFHOR 9LHLUD@2VHJXQGR magistrado que mais julgou processos foi o excelentĂ­ssimo desembargador JoĂŁo Batista da Silva com SURFHVVRVÂľ MARCELO VIEIRA ADVOGADO

MXULVGLFLRQDGR H j SUySULD -XVWLoD ,VVR VLP GHYH VHU H[LJLGR PDV DTXL QmR Ki casos neste sentido. Nossa Justiça Trabalhista Ê elogiada. T.I. – A Corte do Trabalho aqui em Alagoas tem se destacado pela celeridade, diferente da justiça comum. Como o sr. avalia essa performance? 0DUFHOR 9LHLUD ² 2 7ULbunal Regional do Trabalho [19ª Região] merece não DSHQDVRPHXDSODXVRPDV tambÊm de toda a sociedade. Ele tem se destacado pela celeridade e seriedade HP VXDV GHFLV}HV DOpP GD SDUWLFLSDomR MXQWR j VRFLHdade. Tudo por que o Direito Trabalhista Ê um direito PXLWRSHFXOLDUSRLVHQYROYH aquela necessidade mais urgente que Ê a de alimenWRV GD QHFHVVLGDGH KXPDna. E o Tribunal tem tido um comportamento muito bom. T.I. – O que se pode melhorar nesse sentido no TRT 19? Marcelo Vieira – A cada dia mais o nosso Tribunal tenta aperfeiçoar com material humano e com os instrumentos de informåtica e redes sociais estes SUD]RVTXHSRUVXDYH]VmR PXLWRVDWLVIDWyULRV6ySDUD VH WHU XPD LGHLD R SUD]R mÊdio de sentença Ê 45 dias. Para reforçar essa ilustração foram pagos por meio de açþes no TRT 19 pouco mais GH5PLOK}HVHPSUHFDWyULRV QR DQR GH  ,VVR oxigenou muito a economia do estado.


TribunaIndependente

$SDUrQFLDSRGHHQJDQDU

O

FLGDGmREUDVLOHLURTXHSURFXUDDFDGDHOHLomRGDURVHX YRWRDTXHPDSDUHQWHPHQWHSRGHFRQWULEXLUSDUDPHOKRUDU DVLWXDomRTXDVHVHPSUHVHGiPDOQDDYDOLDomR$RSomR SRUDOJXpPTXHSDVVDDLPDJHPGHVpULRFRPSHUĂ€OGLIHUHQWHGR SROtWLFRWUDGLFLRQDOYH]SRURXWUDID]FRPTXHDHVSHUDQoDGrOXJDU jIUXVWUDomR8PFDVRUHPRWRpRGRH[SUHVLGHQWHHKRMHVHQDGRU )HUQDQGR&ROORU2ULXQGRGHXPSHTXHQR(VWDGRĂ€OLDGRDXP SDUWLGRLQH[SUHVVLYR 36&QDpSRFD DQJDULRXVLPSDWLDHJDQKRX YRWRVFRPRDUDXWRGDPRUDOLGDGHDSDUWLUGDLPDJHPGHFDoDGRU GHPDUDMiV'HXQRTXHGHX([HPSORGRVPDLVUHFHQWHVpRGRVHQDGRUJRLDQR'HPyVWHQHV7RUUHV,QWHJUDQWHGDOLQKDGHIUHQWHGR '(0FUtWLFRLPSHWXRVRGRJRYHUQRGR37PHPEURGR0LQLVWpULR 3~EOLFRHUDXPGRVQRPHVUHVSHLWDGRVQR6HQDGR)LFRXPDLVVXMR GRTXHSDXGHJDOLQKHLURGLDQWHGDVHYLGHQWHVOLJDo}HVHVS~ULDV FRPRFRQWUDYHQWRU&DUOLQKRV&DFKRHLUD)ODJUDGRFRPEDWRPQD FXHFDWURFRXRUHVSHLWRGDRSLQLmRS~EOLFDSHODGHUURFDGDSROtWLFD 8PQRYRHSLVyGLRDGHPRQVWUDUTXHWDPEpPQDSROtWLFDDVDSDUrQFLDVPXLWDVYH]HVHQJDQDP

Fato novo Talvez Palmeira dos �ndios seja o PXQLFtSLRRQGHKiPDLRULQGH¿QLomRGH candidatos a prefeito na eleição deste ano. O prefeito James Ribeiro (PSDB) tem sua gestão bastante questionada e, por conta disso, surgem diversos pretendentes ao seu cargo. Numa das últimas pesquisas encomendadas a surpresa foi a empresåria Patrícia Sampaio (PT). Seu nome surgiu em terceiro lugar e sua cotação aumentou por conta disso.

3RQWRÂżQDO O deputado estadual TemĂłteo Correia (DEM) jĂĄ havia manifestado desencanto com a atividade polĂ­tica e admitia nĂŁo concorrer Ă reeleição. A disposição aumentou com a polĂŞmica entrevista ao programa CQC, da TV Bandeirantes. “Eu jĂĄ avisei lĂĄ em casa: ninguĂŠm se candidata a mais nada, nem a inspetor de quarteirĂŁoâ€?, garante ele.

Tã, tã, tã, tã... Hå muita expectativa em relação à próxima edição do CQC, que vai ao ar amanhã, às 22 horas, na Band. É que a equipe fez trabalho na Assembleia Legislativa e na Câmara de Vereadores, semana passada, mas no último programa só saiu o material com deputados estaduais. Não se sabe se, na edição de amanhã, os vereadores entrarão na parada.

Dependência Candidatos a vereador pelo PSOL em Maceió vivem momentos de ansiedade. É que a vereadora Heloísa Helena jå admite não disputar a reeleição. O que inviabiliza por completo as outras candidaturas da legenda, pois os demais pretendentes só têm chance com as sobras dos votos dela. Ou seja: se ela não disputar, nenhum se elege.

Desgaste Nenhum servidor público com salårio acima de R$ 3.916,20, que Ê o limite do INSS, vai se aposentar com proventos equivalentes à remuneração da ativa. Pelo que o Senado aprovou, para receber alÊm do teto na inatividade serå preciso contribuir para o Fundo de Previdência Complementar. Os três senadores de Alagoas votaram a favor disso.

Boa nova (PWHUPRVSUiWLFRVSRGHQmRVLJQL¿FDUPXLWRPDVGRSRQWRGHYLVWD político representa bastante: a partir de amanhã, policiais militares da reserva podem retornar à ativa, para atividades administrativas, liberando colegas que atuam em gabinetes para o serviço externo. Na primeira etapa, 28 policiais retornam à atividade.

Retrocesso Hå coisas no Brasil difíceis de serem entendidas. Exemplo: em meio à revolta popular por acidentes de trânsito causados por embriaguez ao volante, o Superior Tribunal de Justiça decidiu que evidências de o motorista estar embriagado não servem como prova. Só com exame de sangue ou teste do bafômetro se alguÊm pode ser responsabilizado.

“

3DUWLGRVSROtWLFRVGHYHULDP VHUXPOXJDUGHFRQVWUXomRGH LGHLDVPDVKRMHVmRXPOXJDU GHFRQVWUXomRGHQHJyFLRV¾ JOSÉ ANTÔNIO REGUFFE Deputado federal do PDT-DF, tornando público o que, nos bastidores políticos, Ê mais do que notório

2Ă€DXWLVWD5RJpULR$FLROLHDSLDQLVWD(O\DQQD&DOGDVYLQGRVGH Pernambuco, sĂŁo os personagens do “Concerto aos Domingosâ€? de hoje. A partir das 10 horas, em ponto, no salĂŁo nobre do Instituto HistĂłrico e *HRJUiÂżFRGH$ODJRDV(QWUDGDJUDWXLWD * Chico AnĂ­sio, cidadĂŁo de mĂşltiplas atividades, falecido na semana passada, ĂŠ o homenageado do programa “Aplausoâ€? de hoje, na RĂĄdio Educativa FM, pelo seu trabalho como compositor e cantor. A partir das 10 da manhĂŁ. * O programa “Pauta Especialâ€? de amanhĂŁ, na TV Educativa, tem como convidado de Elias Ferreira secretĂĄrio estadual de Promoção da Paz, Jardel Aderico. O tema principal ĂŠ o combate ao crack. InĂ­cio Ă s 20 horas. * Hoje ĂŠ o Ăşltimo dia, em Matriz do Camaragibe, da 6ÂŞ edição do Cine Sesi Cultural em Alagoas. A partir das 18h30, na Praça CapitĂŁo JosĂŠ de Barros, haverĂĄ exibição de trĂŞs curtas e trĂŞs longas-metragens da produção audiovisual brasileira. * EstĂĄ correndo tudo como o programado pelos responsĂĄveis pelas obras da Copa 2014: para compensar o atraso, os custos estĂŁo sendo reavaliados. Para mais, como ĂŠ natural quando se trata de verbas pĂşblicas. E, como sempre, ninguĂŠm serĂĄ preso.

MACEIĂ“ - DOMINGO 1 DE ABRIL DE 2012

POLĂ?TICA

3

Advocacia eleitoral sob tensĂŁo em ano de pleito ApĂłs atentado contra Felipe Sarmento, OABSHGHFDXWHODDRVSURÂżVVLRQDLV SANDRO LIMA

NIGEL SANTANA REPĂ“RTER

A

DGYRFDFLD HOHLWRUDO HP $ODJRDV YLYHX PRPHQWRV GH WHQVmR TXDQGR R SURFXUDGRU GD 2UGHP GRV $GYRJDGRV %UDVLO 2$%$/  )HOLSH 6DUPHQWR VRIUHX XP DWHQWDGR j EDOD HQTXDQWR GLULJLD VHX YHtFXOR Ki GXDV VHPDQDV 6DUPHQWRpDGYRJDGRHOHLWRUDOHWUDEDOKDYDSDUDR3DUWLGRGD0RELOL]DomR1DFLRQDO 301 (OHUHQXQFLRXDPDLV GH GR]H SURFHVVRV SDUD QmR VHU PDLV SHUVHJXLGRV SHODV RXWUDVSDUWHV $DPHDoDWUD]jWRQDFRPR RHVWDGRGHPRFUiWLFRGHGLUHLWR HVWi VHQGR GHVUHVSHLWDGR PHVPRVHQGRHVWHRSULPHLUR FDVR HP TXH D 2UGHP WHQKD WRPDGRFRQKHFLPHQWR 'H DFRUGR FRP 'DQLHO %UDER SUHVLGHQWH GD &RPLVVmR GH 3UHUURJDWLYDV GD VHFFLRQDO$ODJRDVRVDGYRJDGRV TXH DWXDP QD iUHD HOHLWRUDO QmRWrPOKHGDGRFRPDWRVGH YLROrQFLD ´1D &RPLVVmR RXoR ERDWRVVREUHVXVSRVWDVDPHDoDV PDV QXQFD QRV FKHJRX DOJR WmR IRUWH TXDQWR DR DWHQWDGR FRQWUD R DGYRJDGR )HOLSH 6DUPHQWR(PTXDOTXHUSURÀVVmR GHYHPRV HVWDU SUHFDYLGRV SULQFLSDOPHQWH TXDQGR R (VWDGR QmR QRV IRUQHFH

Ordem dos Advogados crĂŞ que atentado contra Felipe Sarmento foi um caso isolado em Alagoas

VHJXUDQoD S~EOLFDÂľ UHVVDOWD %UDER (PXPFDVRWmRHPEOHPiWLFR R SUHVLGHQWH GD &RPLVVmR GH 3UHUURJDWLYDV DWHQWD TXH D 2UGHP YDL EXVFDU WRGDV DV PHGLGDV GH SURWHomR VH KRXYHU FRPSURYDomR GH TXH HVWi KDYHQGR ULVFR SDUD

DYLGDGRSURĂ€VVLRQDO&RQVHJXLUSURWHomRSROLFLDOQR&RQVHOKRGH6HJXUDQoDGR(VWDGR &RQVHJ  IRL XPD PHGLGD WRPDGDSHOD2$%HPEHQHĂ€FLR GR DGYRJDGR )HOLSH 6DUPHQWR 0HVPR FRP XPD DWXDomR GLUHFLRQDGD DRV GLUHLWRV

GHVWHV SURĂ€VVLRQDLV H[LVWH R UHFHLR HP H[HUFHU D VXD SURĂ€VVmRSULQFLSDOPHQWHHPSHUtRGRVHOHLWRUDLVHP$ODJRDV 3DUD 'DQLHO %UDER R TXH DFRQWHFHX FRP )HOLSH 6DUPHQWR QmR FRUUH ULVFR GH YLUDU URWLQD QR (VWDGR PDV p SUHFLVRFDXWHOD

LIMITE

$WXDomRSURÀVVLRQDOGHYHVHUUHVSHLWDGD $LVHQomRGRDGYRJDGRDR DWXDUHPTXHVW}HVHOHLWRUDLV p XP SDVVR IXQGDPHQWDO SDUDQmRFRQYLYHUFRPVLWXDo}HVFRPSOLFDGDVHQYRYHQGR R ULVFR GH VXD YLGD H DWp GH VHXVIDPLOLDUHV (VVH p XP GRV SUHFHLWRV TXHGHYHPVHUVHJXLGRVSDUD TXH QmR VHMD FRQIXQGLGD D UHODomRSURÀVVLRQDOGRDGYRJDGRHOHLWRUDOFRPDSROtWLFD HP GHWHUPLQDGRV PXQLFtSLRVGH$ODJRDV 3DUDRDGYRJDGR*XVWDYR )HUUHLUD GD 0)) $GYRFDFLD DV SDUWHV DGYHUViULRV FLWDGRV QRV SURFHVVRV  SRGHP UHDJLU GH RXWUD PDQHLUD VHP R FRQVHQWLPHQWR GD OHLFRPRRFRUUHXFRPRSURFXUDGRU)HOLSH6DUPHQWR ´2 DGYRJDGR HOHLWRUDO GHYH VHU R PDLV LVHQWR SRVVtYHO $ VXD DSUR[LPDomR HP HYHQWRV SROtWLFRV GH VHX FOLHQWH ID] FRP TXH D VXD UHODomRSURÀVVLRQDOVHHVWUHPHoDHRVDGYHUViULRVOHYDP HVVDTXHVWmRDOpPGRVWULEXQDLV 1mR HVWRX DÀUPDQGR TXHIRLSRULVVRTXHRGU)HOLSH IRL YtWLPD 1R HQWDQWR HVVHIDWRUQmRSRGHGHL[DUGH VHU HVTXHFLGR HP TXDOTXHU KLSyWHVH¾RSLQD*XVWDYR 'H DFRUGR FRP )HUUHLUD R DWHQWDGR D XP FROHJD GH SURÀVVmR GHPRQVWUD TXH RV DGYRJDGRV HVWmR ÀFDQGR

SANDRO LIMA

Gustavo Ferreira clama que atentado contra Sarmento seja elucidado e os responsĂĄveis, punidos

PDLV H[SRVWRV SRUpP HVVD DVFHQomR QR PHLR MXUtGLFRHOHLWRUDOWHPPRWLYR ´$QWHVHUDPDLVFRPSOLFDGR H HPEOHPiWLFR GH VH UHVROYHU DV TXHVW}HV HOHLWRUDLV 1R SUHVHQWH RV DGYRJDGRV GHVWD iUHD FRQVHJXL-

UDPGHVWDTXHSRUVROXFLRQDU SUREOHPDV TXH SDUHFLDP LQVRO~YHLV QR FDPSR MXUtGLFRÂľ FRPHQWDRDGYRJDGR PUNIĂ‡ĂƒO (PRXWURPRPHQWR*XVWDYR )HUUHLUD HVSHUD TXH R FULPH FRPHWLGR FRQWUD R

APURAĂ‡ĂƒO

MARCELO BRABO

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Alagoas, Omar CoĂŞlho de Mello, encara o fato acontecido com o advogado eleitoral Felipe Sarmento como um fato isolado, mas, que todas as providĂŞncias foram e estĂŁo sendo tomadas pela Ordem. “O caso estĂĄ sendo acompanhado de perto, e jĂĄ estamos organizando uma comissĂŁo para nos reunirmos com a Delegacia-geral da PolĂ­cia Civil para cobrar celeridade na resolução do inquĂŠritoâ€?, assegura o presidente da OAB/AL.

Outro advogado eleitoral e conselheiro federal da Ordem dos Advogados do Brasil, Marcelo Brabo MagalhĂŁes, condena o ato de violĂŞncia ao que foi submetido Felipe Sarmento. Para Brabo, os novos tempos nĂŁo permitem que a barbĂĄrie tome conta de uma sociedade em que todos tĂŞm direito a defesa. “JĂĄ tivemos o advogado Tobias Granja assassinado no passado por sua atuação. Quando nos deparamos com essa situação, estamos estamos sendo desrespeitadosâ€?.

Ordem vai solicitar mais celeridade

“Tempos de barbĂĄrie jĂĄ passaramâ€?

DGYRJDGR HOHLWRUDO VHMD HOXFLGDGR H TXH RV FXOSDGRV UHFHEDP SXQLomR H[HPSODU )HUUHLUD DUJXPHQWD TXH RV FXLGDGRV QDR GHYHP VHU UHGREUDGRV DSHQDV SRU DGYRJDGRV HOHLWRUDLV PDV HP WRGRDViUHDV 16


TribunaIndependente

4 POLĂ?TICA MACEIĂ“ - DOMINGO 1 DE ABRIL DE 2012

BARTOLOMEU DRESCH bartolomeu_dresch@hotmail.com.br

Incentivo Ă indĂşstria

S

HUiIHLWRQHVWDWHUoDIHLUD  RDQ~QFLRRĂ€FLDOGDVQRYDV PHGLGDVGHDSRLRiLQG~VWULDQDFLRQDOHDHOHYDomRGDWULEXWDomRSDUDSURGXWRVLPSRUWDGRV$HTXLSHHFRQ{PLFDYDL DQXQFLDUDGHVRQHUDomRGDIROKDGHSDJDPHQWRSDUDQRYHVHWRUHV HDFULDomRGHXPDQRYD&RĂ€QV &RQWULEXLomRSDUDR)LQDQFLDPHQWRGD6HJXULGDGH6RFLDO DGLFLRQDOSDUDDLPSRUWDomRGHVWHV PHVPRVSURGXWRV2VVHWRUHVEHQHĂ€FLDGRVMiIRUDPHVFROKLGRV PiTXLQDVPyYHLVJHUDomRHWUDQVPLVVmRGHHQHUJLDSOiVWLFRV IDEULFDQWHVGH{QLEXVGHDYL}HVGHQDYLRVDOpPGHFDOoDGRVH Wr[WHLVTXHMiIRUDPEHQHĂ€FLDGRV(VWHVVHWRUHVGHL[DPGHSDJDU RVGR,166TXHLQFLGHPVREUHRVVDOiULRVGRVVHXVVHUYLGRUHV HHPWURFDYmRFRQWULEXLUFRPXPDDOtTXRWDGHFHUFDGHGRIDWXUDPHQWREUXWR2*RYHUQRDFUHGLWDTXHDFREUDQoDGHXPDQRYD &RĂ€QVSDUDRVLPSRUWDGRVYDLJDUDQWLUXPDLJXDOGDGHGHSUHoRV FRPDLQG~VWULDQDFLRQDO$OJXQVHFRQRPLVWDVFRQVLGHUDPQRHQWDQWRTXHR*RYHUQRSRGHHVWDUSURPRYHQGRXPWUDWDPHQWRGLVFULPLQDWyULRHTXHHVWDULDDIURQWDQGRDVUHJUDVGD2UJDQL]DomR 0XQGLDOGR&RPpUFLR 20& 6HLVVRĂ€FDUFRQĂ€JXUDGRQDSUiWLFD R*RYHUQRSRGHULDUHFRUUHUDXPDHVSpFLHGHSODQR%HOHYDQGRD &RĂ€QVSDUDWRGRVRVSURGXWRVPDQXIDWXUDGRVHGHYROYHURLPSRVWR jLQG~VWULDQDFLRQDODWUDYpVGRFKDPDGRFUpGLWRWULEXWiULR

As voltas da política Lembram-se da Luciana Genro, ex-deputada federal do PSOL do Rio Grande do Sul, grande amiga da nossa vereadora Heloísa Helena? Pois Ê, ela tem enfrentado alguns revezes que só a política parece explicar. Em 2010 ela teve 129 mil votos do SRYRJD~FKRHIRLDQRQDFDQGLGDWD å Câmara Federal mais votada no (VWDGR1RHQWDQWR¿FRXGHIRUDSRU FDXVDGRFRH¿FLHQWHHOHLWRUDO$QWHV Luciana havia sido eleita deputada estadual (1995-2002) e federal (2003-2010). Agora ela pretende se candidatar a vereadora pelo PSOL HP3RUWR$OHJUHPDVDSUHWHQVmRSRGHDFDEDUFHGR6HXVDGYHUViULRV JD~FKRVYmRSHGLUVXDLQHOHJLELOLGDGHSHORVODoRVFRQVDQJXtQHRVFRPR governador Tarso Genro, seu pai.

Maratona dos Marechais 1 Alagoas poderå ser incluída como uma das sedes para maratonas internacionais. Se depender do ministro dos Esportes, o alagoano Aldo ReEHORD³0DUDWRQDGRV0DUHFKDLV´IDUiSDUWHGRFDOHQGiULRPXQGLDOGRV HYHQWRVHVSRUWLYRVSDWURFLQDGRVSHOR*RYHUQR)HGHUDO(OHDEUDoRXD idÊia do prefeito Cristiano Matheus, de Marechal Deodoro, que sugeriu a FULDomRGDFRPSHWLomRTXHFRPHoDULDHP,SLRFDRQGHQDVFHXR0DUHchal Floriano Peixoto, com a chegada na casa onde nasceu o Marechal Deodoro, num percurso de aproximadamente 45 quilômetros. AlÊm do aspecto esportivo a prova tambÊm teria um forte apelo histórico.

Maratona dos Marechais 2 )RLRSUySULRPLQLVWURTXHVXJHULXTXHDSURYDVHMDUHDOL]DGDQRGLD GHQRYHPEURFRPRSDUWHGRVIHVWHMRVGD3URFODPDomRGD5HS~EOLFD Aldo Rebelo assinalou que pretende realizar um grande evento esportivo em Alagoas, trazendo atletas internacionais que se destacam nas principais maratonas do mundo. JĂĄ para o prefeito Cristiano Matheus, de Marechal Deodoro, a prova daria uma grande visibilidade para Alagoas e para o seu municĂ­pio, enaltecendo o turismo e a cultura. Sem falar no aspecto que o ministro Rebelo ĂŠ um estudioso da vida e da obra do Marechal Floriano Peixoto, segundo presidente republicano do Brasil.

A maior franquia Com um aumento de 19% nas vendas em 2011 e um faturamento de R$ ELOK}HVR%RWLFiULRDOFDQoRXDSRVLomRGHPDLRUUHGHGHIUDQTXLDGR paĂ­s. O negĂłcio cresceu mais que o prĂłprio setor de franquias, que auPHQWRXVHJXQGRD$VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH)UDQFKLVLQJ $%)  De acordo com a entidade, as franquias no Brasil movimentaram R$ 88 ELOK}HVQRDQRSDVVDGRRHTXLYDOHQWHDGR3URGXWR,QWHUQR%UXWR 3,% 2%RWLFiULRTXHHVWiFRPSOHWDQGRDQRVDEULXQRYDVORMDV DXPHQWDQGRSDUDXQLGDGHVHPWRGRRSDtV/DQoRXDLQGD novos produtos no mercado de perfumaria e cosmĂŠticos. Para este ano DPHWDGHFUHVFLPHQWRpVHPHOKDQWHDGHFRPDLQDXJXUDomRGH PDLVORMDV

Reforço militar $SDUWLUGHVWDVHJXQGDIHLUD  D3ROLFLD0LOLWDUFRPHoDDLPSODQWDUHIHWLYDPHQWHRSURMHWRGHUHDSURYHLWDPHQWRGRVPLOLWDUHVGDUHVHUYDSDUD DWXDUHPQRVHUYLoRDGPLQLVWUDWLYRHQDJXDUGDSDWULPRQLDO&RPLVVRRV SROLFLDLVTXHHVWDYDPQRVJDELQHWHVVHUmRGHVORFDGRVSDUDRVHUYLoR externo, aumentando o efetivo de combate ao crime nas ruas. A troca VHUiIHLWDGHIRUPDJUDGDWLYDMiTXHRVDSRVHQWDGRVSUHFLVDPSDVVDU SRUXPFXUVRGHUHDGDSWDomR1HVWDVHJXQGDDSULPHLUDWXUPDGH militares inicia as novas atividades. A expectativa é de que 750 policiais da reserva retornem ao trabalho. Cada militar contratado como Agente (VSHFLDOUHFHEHUiXPVDOiULRLQLFLDOGH5VHPTXDOTXHUSUHMXt]R para sua aposentadoria.

Sertão como inspiração 2GLVFRGHQXPHURGH0DULD%HWkQLDTXHFKHJDjVORMDVQHVWH GRPLQJR ž WHPFRPRIRQWHLQVSLUDGRUDR6HUWmRQRUGHVWLQR³2iVLVGH %HWkQLD´UHÀHWHDSDL[mRGDFDQWRUDSHOR6HUWmRHUHWUDWD³HVVDFRLVD iULGDGRPXQGRHDRPHVPRWHPSRRDPRUGRVHUWDQHMRSRUVXDWHUUD´ GLVVHHODQRODQoDPHQWRGRGLVFR(OHWHPGH]FDQo}HVHFDGDXPD FRPXPDXWRURXDUUDQMDGRUGLIHUHQWHFRPR&KLFR%XDUTXH ³29HOKR )UDQFLVFR´ 'MDYDQ ³9LYH´ HPDLV/HQLQH+DPLOWRQGH+RODQGD5RTXH )HUUHLUD0DUFHOR&RVWDHQWUHRXWURV2WtWXOR2iVLVFRPS}HXPWH[WR da própria intÊrprete e que faz parte da poesia musicada por Paulo &pVDU3LQKHLURFKDPDGDGH³&DUWDGH$PRU´ ‡+RMHGRPLQJRXPSURJUDPDGHERPJRVWRSRGHVHUDSUHFLDGRQR ,QVWLWXWR+LVWyULFRH*HRJUi¿FRGH$ODJRDV/iSRGHUiVHUFRQIHULGRR WDOHQWRGDSLDQLVWD(O\DQQD&DOGDVHGRÀDXWLVWD5RJpULR$FLROL ‡7UDWDVHGHPDLVXPDHGLomRGR³&RQFHUWRDRV'RPLQJRV´TXH DFRQWHFHVHPSUHQRSULPHLURGRPLQJRGHFDGDPrVKiGR]HDQRV1R UHSHUWyULRGHKRMHP~VLFDEUDVLOHLUDYDULDGDHIUDQFHVD2DSRLRpGD 6HFUHWDULD(VWDGXDOGH&XOWXUD ‡3DUDFDQGLGDWRVKRMHpGLDGHSURYDQRFRQFXUVRS~EOLFRGD 3UHIHLWXUDGH0DFHLy6HUmRGLVSXWDGDVYDJDVSDUDDQDOLVWDSUHYLGHQFLiULRDJHQWHGH¿VFDOL]DomRGRWUkQVLWR¿VFDOGHSRVWXUDV¿VFDOGH obras, tÊcnico previdenciårio e coveiro. ‡$VSURYDVDFRQWHFHPiVKPDVRVSRUW}HVVHUmRIHFKDGRViV KQDVTXDUHQWDHVFRODVGRPXQLFtSLR2WpUPLQRHVWDSUHYLVWRSDUD iVK ‡2VFDQGLGDWRVGHYHPVHDSUHVHQWDUQRORFDOLQGLFDGRSHORFDUWmRGH LQVFULomRQRKRUiULRFLWDGRPXQLGRVGHFDQHWDHVIHURJUi¿FDGHWLQWD D]XORXSUHWDFRPRFDUWmRGHLQVFULomRHGRFXPHQWRGHLGHQWLGDGH( boa sorte!

O que pensam os que fazem as leis em MaceiĂł Reportagem listou os principais problemas da capital citados por vereadores SANDRO LIMA

LUIS VILAR REPĂ“RTER

$

FKHJDGD GR SHUtRGR HOHLWRUDO SRGH UHSUHsentar para as casas OHJLVODWLYDV XP SURFHVVR GH UHQRYDomRRXGHPDQXWHQomR GRPHVPRSDUODPHQWRMiTXH QHVWDHVIHUDGRSRGHUQmRKi OLPLWHV GH UHHOHLomR 3RUpP QDV HOHLo}HV SURSRUFLRQDLV FRP TXDLV FULWpULRV XP HOHLWRUSRGHDYDOLDUFRPSUHFLVmR VH R /HJLVODWLYR DWHQGH RX QmR jV VXDV H[SHFWDWLYDV (VWH DQR VmR RV YHUHDGRUHV TXH HVWDUmR QD ´EHUOLQGD¾ 'HQWUHDVIXQo}HVGHOHVHVWi ÀVFDOL]DU H DSRQWDU VROXo}HV SDUDRVSUREOHPDVGDFLGDGH SRU PHLR GH LQGLFDo}HV UHTXHULPHQWRV UHVROXo}HV DOWHUDo}HV QD /HL 2UJkQLFD PXQLFLSDO H SURMHWRV GH OHL 1RFDVRGH0DFHLyHPHVSHFtÀFRRSDUODPHQWRPLULP p FRPSRVWR SRU  HGLV (P  R Q~PHUR SRGH VXELU SDUDRTXHMipSUHQ~QFLR GHUHQRYDomRQDUHSUHVHQWDWLYLGDGH PHVPR TXH UHQRYH os mandatos a maioria parte SDUDDUHHOHLomR 0DV FRPR QRVVRV YHUHDGRUHVHQ[HUJDPRSDUODPHQWR FRPR HOH SRGH FRQWULEXLU mais com a sociedade e como HOHV  HQTXDQWR ÀVFDOL]DGRUHVDYDOLDPR([HFXWLYRQD DWXDOLGDGH")RLFRPHVWHIRFR TXH D Tribuna IndependenteFROHWRXDYLVmRGRVYH-

Cinco vereadores externaram os temas mais preocupantes para eles na capital alagoana

UHDGRUHVGDFDSLWDODODJRDQD SDUD VH GDU XP ´SDQRUDPD¾ GR TXH VH SHQVD QD &kPDUD 0XQLFLSDOHPUHODomRjFLGDGHGH0DFHLy 8PGRVRXYLGRVSHODHTXLSH IRL R SUHVLGHQWH GD &DVD GH 0iULR *XLPDUmHV *DOED 1RYDHV 35%  2 SUHVLGHQWH GHVWDFD TXH R SDUODPHQWR-mirim passa por uma refor-

PARA O PRĂ“XIMO GESTOR

6HJXUDQoD(GXFDomRH 6D~GHVmRSRQWRVFHQWUDLV *DOED 1RYDHV UHFRQKHFH TXH 0DFHLy DLQGD SDVVD SRU SUREOHPDV JUDYHV TXH SUHFLVDP VHU UHVROYLGRV 2 HGLO GHVWDFD D SUREOHPiWLFD GD YLROrQFLD H FRORFD TXH D &DVD GH 0iULR *XLPDUmHV SRGH WDPEpP GDU UHVSRVWD LQFOXVLYHFRPD&RPLVVmRGH ,QYHVWLJDomR TXH IRL DEHUWD QHVWHVHQWLGR ´7LYHPRV DYDQoRV QD DWXDO JHVWmR PDV DLQGD Ki SUREOHPDVTXHSUHFLVDPVHU SHQVDGRV1DHVIHUDGRPXQLFtSLR WHPRV DLQGD D QHcessidade de novos postos de VD~GHGHPHOKRUDUDFREHUWXUDGR3URJUDPD6D~GHGD )DPtOLD 36)  TXH p PXLWR EDL[DHSRGHPRVLPSODQWDU D MRUQDGD LQWHJUDGD GH WUDEDOKR¾FRORFRX 2YHUHDGRU3DXOR&RULQWKR 3'7  WDPEpP ID] VXD DQiOLVHGDVDo}HVUHDOL]DGDV HGRTXHpQHFHVViULRSDUDRV SUy[LPRVDQRVHPUHODomRj FDSLWDO DODJRDQD ´2 SUHIHLWR&tFHUR$OPHLGDFRQVHJXLX DYDQoDUHPSRQWRVFDyWLFRV PDV DOJXPDV RXWUDV SULRridades foram deixadas de ODGR¾GHVWDFD &RULQWKR FRQFRUGD FRP

1RYDHV H WDPEpP DSRQWD D QHFHVVLGDGH GH PHOKRULDV QD 6D~GH (GXFDomR H 6HJXUDQoD´eXPWULSpEiVLFR TXHWHPTXHVHUDGLDQWHLUD GH TXDOTXHU JHVWmR $R DQGDUPRV SHODV FRPXQLGDGHV REVHUYDPRV TXH QR TXHVLWR VHJXUDQoD 0DFHLy HVWi GHYHQGR 1D HGXFDomR RV DYDQoRVVmRSRXFRVHSRQWXDLV¾ (OH GHVWDFD DLQGD TXH DOJXQV EDLUURV SHULIpULFRV SDUHFHP HVTXHFLGRV ´0DFHLy FUHVFHX H DLQGD WHPRV XPDELVPRVRFLDOTXHVHSDUDRGLVFXUVRSROtWLFRGDUHDOLGDGHTXHDVRFLHGDGHYLYH¾ /tGHU GR SUHIHLWR QD &kPDUD 6tOYLR &DPHOR 39  DFKD LQMXVWR DSRQWDU SUREOHPDVGHIRUPDLVRODGDTXH GHYHP VH HQIUHQWDGRV SHOR SUy[LPR SUHIHLWR ´SRUTXH D JHVWmR DWXDO WUDEDOKRX DR Pi[LPRSDUDJDUDQWLUDYDQoRV ´(VWDPRV VDLQGR GH RLWR DQRVFRPXPVDOGRSRVLWLYR ,VWR QmR VRX QHP HX PDV p D SUySULD SRSXODomR TXH DVVLP HQ[HUJD $FKR TXH R GHVDÀRSDUDRSUy[LPRFKHIHGR([HFXWLYRpVXSHUDUD DWXDODGPLQLVWUDomR¾(LV)

ma administrativa em sua JHVWmR TXH  HP VXD YLVmR - tem buscado se aperfeiçoar para atender a demanda da sociedade e ser mais transSDUHQWH 3DUD HOH R HGLO p R SROtWLFR PDLV SUy[LPR GD SRSXODomR H SRU LVWR SUHFLVD ´DSUHQGHU D RXYLU RV UHFODPHVHOHYiORDRSDUODPHQWR HPEXVFDGHVROXo}HV¾

GARGALOS

3DUD2VFDUYLROrQFLDpR DOYR+HORtVDFULWLFD6D~GH $RFRPHQWDUVREUHRVGHVDÀRV SDUD R IXWXUR QD FDSLWDO DODJRDQD R YHUHDGRU 2VFDUGH0HOR 33 GHVWDFRX TXHRVSUy[LPRVJHVWRUHVWHUmRFRPRGHVDÀRHQIUHQWDUD ´LQpUFLD GR (VWDGR HP UHODomRjYLROrQFLD¾ 0HORGHIHQGHRHQIUHQWDPHQWRjFULPLQDOLGDGHFRPR um dos pontos primordiais SDUD RV JHVWRUHV DOpP GH citar a necessidade do deVHQYROYLPHQWR GH SROtWLFDV S~EOLFDV SDUD R FRPEDWH jV GURJDV2VFDUGH0HORWDPEpP DYDOLD D DWXDO JHVWmR &RUUHOLJLRQiULRGH$OPHLGD HOH GHVWDFD TXH ´R JUDQGH SUREOHPD GH WRGR VHJXQGR PDQGDWR p TXH R SDUkPHWUR SDUD D FRPSDUDomR p R SULPHLUR PDQGDWR TXH IRL PXLWR ERP GR SUHIHLWR 0DFHLyFUHVFHXPXLWRHPSRXFR WHPSR0DVYLYHPRVWHPSRV GLIHUHQWHVGHFULVHPXQGLDO HTXHDIHWDDWRGRV0DVWHQKR FHUWH]D TXH DLQGD VHUi feito muita coisa por MaFHLy¾ DESAFIOS 'HQWUH RV TXH PDLV GHVWDFDP RV GHVDÀRV HQIUHQWDGRV HP 0DFHLy HVWi D

ENTRE PODERES

FISCALIZAR

Heloísa HelenaQmRYrDDWXDO JHVWmRFRPRVPHVPRVROKRV de seus pares. Distribui críticas WDPEpPSDUDD(GXFDomRXP GRVGHVD¿RVGDSUy[LPDDGPLQLVWUDomR(PUHODomRj&kPDUD 0XQLFLSDOHODTXHDLQGDQmR GHFLGLXVHSDUWHSDUDDUHHOHLomR - frisa a necessidade de maior WUDQVSDUrQFLDFRPRVJDVWRV S~EOLFRVDOpPGHFREUDUPDLRU LQGHSHQGrQFLDHPUHODomRjV¿VFDOL]Do}HVGRDWRGR([HFXWLYR SDUDQmRFDLUFRPRMiFLWRXHP GLVFXUVRHP³VXEVHUYLrQFLD´

Este ano o eleitor terå que fazer a anålise do Executivo e do Legislativo e caberå a ele concordar com a forma com que os vereadores andam conduzindo a Câmara Municipal de Maceió. De uma coisa, nenhum vereador discorda: o parlamento-mirim Ê de fundamental importância para a garantia da democracia HGD¿VFDOL]DomRQDVH[HFXo}HV GRRUoDPHQWRS~EOLFRe¿FDUGH olho e saber o que seu vereador estå fazendo na Casa de Mårio Guimarães.

Vereadora prega mais independĂŞncia

1RYDHV UHVVDOWD DLQGD TXH  QRV ~OWLPRV DQRV  IRL SRVVtYHO FRQVWDWDU ´DYDQoRV HP UHODomR j FLGDGH GH 0DFHLy¾ ´0XLWRV GHVWHV FRQWDUDP FRPDSDUWLFLSDomRGD&kPDUD QD DSURYDomR GH SURMHWRV H QD ERD UHODomR TXH WHPRV FRPRSUHIHLWR&tFHUR$OPHLGD 33 ¾GHVWDFD

Eleitor deve avaliar cada vereador

YHUHDGRUD +HORtVD +HOHQD 362/ 8PGRVSRXFRVQRPHVGHRSRVLomRQD&kPDUD 0XQLFLSDO D SVROLVWD WHP XPD YLVmR DJXoDGD HP UHODomRDRVSUREOHPDVTXHHVWDUmR QDV PmRV GR SUy[LPR JHVWRU +HORtVD+HOHQDWHPXPD SUHRFXSDomR HVSHFLDO FRP D VD~GH WDQWR QD UHGH PXQLFLSDO TXDQWR HVWDGXDO (P UHODomR j PXQLFLSDO GHVWDFDRTXHHPVXDYLVmRpXP ´FDRV¾TXHpRWHPSRGHHVSHUDSDUDFRQVHJXLUFRQVXOWDV PDUFDomR GH H[DPHV H FLUXUJLDV ´$SHVDU GH QmR SUHFLVDU GH OHJLVODomR SRUTXH QD OHL pSHUIHLWR2SUREOHPDpTXH Ki YRQWDGH SROtWLFD SDUD VH ID]HU R TXH p FHUWR¾ FRORFD DLQGD DR UHODWDU R SUREOHPD TXH SRU GLYHUVDV YH]HV foi tema de seus pronunciaPHQWRV +HORtVD +HOHQD DLQGD HOHQFD D TXHVWmR GR WUDQVSRUWH S~EOLFR PXQLFLSDO H FKDPD DWHQomR SDUD D OLFLWDomR IULVDQGR TXH VH QmR IRVVHR0LQLVWpULR3~EOLFRH a Justiça o processo estaria EHPPDLVDWUDVDGR(LV)


ois

so es.

TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO 1 DE ABRIL DE 2012 POLĂ?TICA

5

Ditadura: Brasil ĂŠ investigado na OEA ComissĂŁo Interamericana vai julgar paĂ­s por nĂŁo investigar a morte do jornalista Vladimir Herzog, durante o regime militar

Cotidiano LININHO NOVAIS - contato@lininho.com

Semana Santa e o “inferno� na ALE

H

oje para os cristãos inicia-se a Semana Santa, ou maior, momento onde se revive a paixão, morte e ressurreição de Cristo. Se fossemos analisar pelo lado religioso deveria ser o momento para perdoar os inimigos e suas açþes, mas este que deveria ser um momento puramente religioso tornou-se numa VHPDQDGHFLVLYDSDUDD&DVDGH7DYDUHV%DVWRVTXHGHVDÀRXR MinistÊrio Publico de Contas e este ganhou reforço de diversas instituiçþes na luta pela cadeira de conselheiro do Tribunal de &RQWDVGR(VWDGR1RPHVGHSHVRTXDOLÀFDGRVHUHVSHLWDGRVHVWmR na disputa. A sabatina deverå ser o ponto alto, e causar muito incômodo aos deputados, ou não. Mas, Fernando Ribeiro Toledo, jå pensa em desistir da disputa, ou estaria o nobre parlamentar blefando? Em reportagem ao destemido jornalista da TV Pajuçara, 7KLDJR&RUUHLDRSUySULR7ROHGRQRiSLFHGHVXDWHQVmRDÀUPRX que a vaga Ê da sociedade civil e não da ALE. Agora Ê aguardar e esperar a movimentação dos parlamentares da Casa do povo, que estão enfurecidos e prometem retaliação. PorÊm, quem mexe com fogo, acaba se queimando, e OAB, PGE, MPE, e outras instituiçþes estão vigilantes.

Coação Com atribuiçþes diferentes dos conselheiros tutelares, a cidade de UniĂŁo dos Palmares ganhou nesta Ăşltima semana os “agentes de proteçãoâ€? para coibir açþes praticadas por menores infratores. A ideia foi do juiz da Infância e Adolescencia, Igor Vieira de Figueredo, que reuniu no auditĂłrio TĂĄgore CarnaĂşba 14 das 15 pessoas escolhidas, para anunciar a importância do Agente de Proteção.

É hoje... ... Que o prefeito de Japaratinga, Bruno Loureiro, reunirå todos os seus correligionårios para anunciar quem terå a sua bênção na sua sucessão na cidade paradisíaca. Do outro lado a oposição lançarå o nome de Augusto Marques, que Ê marido da promotora de Justiça Karla Padilha, que Ê candidata à vaga de conselheira no Tribunal de Contas.

Investigação O promotor de Justiça Jorge Dória iniciou investigaçþes em relação a denúncias feitas por vereadores de São JosÊ da Laje em relação a administração do prefeito Mårcio JosÊ Lyra, o Duduí, que possivelmente teria desviado recursos da Educação e participado de uma fraude na licitação de locação de veículos para o município – no valor de R$ 6 milhþes. Dória pediu apoio ao MinistÊrio Público de Contas para ter acesso a mais informaçþes e orientaçþes tÊcnicas, bem como para que RWUDEDOKRVHMDIHLWRHPFRQMXQWRFRPRMiSHUPLWHXPFRQYrQLR¿UPDGR entre o MPE e o MPC.

De Olho 2GHSXWDGR-XGVRQ&DEUDO 37 WHPVLGRÂżUPHQRFRPEDWHjLQVHJXUDQoDHFREUDGRJRYHUQRPDLVHÂżFiFLDGDVSROtWLFDVGHVHJXUDQoD(VWD semana, enquanto o Governo do Estado recebia o ministro da Justiça, JosĂŠ Eduardo Cardozo, Cabral esteve presente. Sentou na frente do governador Teotonio Vilela Filho (PSDB) e quando o secretĂĄrio de Segurança, DĂĄrio CĂŠsar, discursou sobre o combate Ă criminalidade, o petista prestava atenção, mas sempre deixava escapar um sorriso: “Tudo que estĂĄ sendo dito, Ă  sociedade nĂŁo vĂŞ na prĂĄticaâ€?, comentou com seu assessor.

Sem lĂ­der? Ao que parece, o deputado JoĂŁozinho Pereira (PSDB) ainda aguarda a decisĂŁo do governador para saber se ele serĂĄ o lĂ­der do Executivo, enquanto Edval Gaia estĂĄ de licença. Pereira colocou suas condiçþes: “Libere as emendas parlamentares que sou o lĂ­derâ€?. JĂĄ Vilela, age como sempre, pacientemente.

Falando nisso... ... O deputado estadual Joãozinho Pereira (PSDB) estarå em Recife (PE), nesta segunda-feira (2), às 9h, para uma visita tÊcnica à Secretaria de Planejamento e Gestão, responsåvel pelo projeto ChapÊu de Palha, tendo em vista a elaboração proposta pelo parlamentar do projeto Amigo Trabalhador.

SMTT Depois da mudança no trânsito na Avenida Rotary/Barro Duro, com a construção da Avenida Mårcio Canuto, os agentes da SMTT estão preocupados em cobrir aquela årea e deixando outras a mercê. Na Avenida Fernandes Lima, por exemplo, Próximo ao Hospital do Açúcar, a faixa de pedestre parece não existir, pois, os motoristas passam no sinal vermelho. Detalhe: existe uma tenda da Superintendência, com agentes conversando.

AtÊ quando O tråfego de motos, mobiletes e motocicletas nos locais de passeio na Orla de Ponta Verde/Pajuçara tem causado desconforto à população. Enquanto muitas pessoas usam aquela årea para lazer, para o passeio, as motos passam em velocidade consideråvel com risco de machucar alguÊm.

DIVERGĂŠNCIA

Lei da Anista difere de normas internacionais Ao propor perdĂŁo a torturadores e outros criminosos da Ditadura, a Lei da AnisWLDÂżFDHPGHVDFRUGRFRP as normas internacionais de direitos humanos. De acordo com a jurisprudĂŞncia da Corte Interamericana de Direitos Humanos, “sĂŁo inadmissĂ­veis as disposiçþes de anistia [...] que pretendam impedir a investigação e punição dos responsĂĄveis por graves violaçþes dos direitos humanos, como a tortura, as execuçþes sumĂĄrias, extrajudiciais ou arbitrĂĄrias, e os desaparecimentos forçadosâ€?.

DIVULGAĂ‡ĂƒO

VICTOR AVNER REPĂ“RTER

A

ditadura no Brasil volta Ă s manchetes internacionais. A Organização dos Estados Americanos (OEA) decidiu investigar a morte do jornalista Vladimir Herzog, ocorrida em 1975. A investigação serĂĄ realizada pela ComissĂŁo Interamericana de Direitos Humanos (CIDH). O problema ĂŠ que o Brasil nunca investigou a morte do jornalista. Para Gilberto Irineu, presidente da ComissĂŁo de Direito Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas (OAB/AL), a medida deverĂĄ contribuir com a reparação dos crimes ocorridos durante a ditadura. “Essa provocação da OEA ĂŠ uma resposta Ă s autoridades brasileiras. É preciso responsabilizar todos aqueles que praticaram crime contra a vida durante o regime militarâ€?, declara. O advogado considera que a falta de investigação dos crimes da ditadura deixou uma lacuna aberta na histĂłria do paĂ­s. Agora a falha pode ser corrigida. “Esse ĂŠ mais um caso dentre dezenas de outros. Temos que resgatar a memĂłria do

Vladimir Herzog foi um dos mĂĄrtires da ditadura; sua morte virou sĂ­mbolo de protesto atĂŠ hoje

provo brasileiro, mas com um processo de depuração�, pontua Irineu. O Estado brasileiro terå dois meses para prestar esclarecimentos sobre o caso. A defesa estå sendo preparada pela Advocacia Geral da União (AGU).

ASSASSINATO Vladimir Herzog foi assassinado em 1975. O então diretor da TV Cultura foi detido arbitrariamente por agentes do DOI/Codi de São Paulo para prestar esclarecimentos sobre sua relação com a esquerda.

O jornalista foi interrogado sob tortura e nĂŁo resistiu aos ferimentos. No dia seguinte, a polĂ­cia informou que Herzog teria cometido suicĂ­dio dentro da cadeia. Uma foto fraudulenta chegou a ser divulgada para comprovar a tese.

SEM PUNIĂ‡ĂƒO

3URIHVVRUFRQVLGHUDDomRLQVXĂ€FLHQWH A investigação aberta SHOD2($pLQVXĂ€FLHQWH(VVD ĂŠ a avaliação de Ranulfo Paranhos, professor da Ufal e cientista social. Acontece que o julgamento da Corte nĂŁo provoca punição efetiva, nem LGHQWLĂ€FDRVFXOSDGRV “A penalidade ĂŠ muito mais simbĂłlica do que real. Serve como um exemplo e Ă€FD UHJLVWUDGR QD KLVWyULD mas nĂŁo se cria uma culpabilidade pelo crimeâ€?, comenta o professor. Com a impossibilidade de punir torturadores e assassi-

nos a serviço da ditadura, o julgamento da Corte Interamericana nĂŁo garante se as perguntas da sociedade serĂŁo respondidas. No entanto, Paranhos considera que a investigação iniciada na OEA ĂŠ vĂĄlida. “Nenhum paĂ­s quer ter o nome vinculado a crime de tortura. Ainda mais tendo uma presidente [Dilma Rousseff] e um ex-presidente [Lula] que foram presos polĂ­ticosâ€?, destaca. Para o professor, alterar a legislação brasileira traria

melhores resultados do que aguardar respostas da OEA. Paranhos diz que ĂŠ preciso PRGLĂ€FDU D /HL GD $QLVWLD que impede julgamento dos envolvidos com a ditadura. “A pressĂŁo popular vai conseguir mudar isso. A prĂłpria proposta nĂŁo ĂŠ prender quem cometeu crime, mas deixar as coisas claras. É dizer que houve tortura e idenWLĂ€FDU TXHP IRL R UHVSRQVivelâ€?, declara. O presidente da ComissĂŁo de Direitos Humanos da OAB/AL, Gilberto Irineu,

concorda com o professor. “O Brasil precisa passar da teoria para a prĂĄtica. Tem que julgar e punir quem cometeu crimes contra a vida durante a ditadura militarâ€?, ressalta o advogado. Irineu lembra que nos outros paĂ­ses sulamericanos em que houve ditadura, os responsĂĄveis estĂŁo pagando pelos crimes que foram cometidos. “O povo brasileiro precisa passar pelo processo de depuração da ditadura, como ocorreu no Chile e na Argentinaâ€?, pontua. (V.A.)


6

OPINIAO

TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 1 DE ABRIL DE 2012

OpiniĂŁo

Sobre a lei da anistia

O

que se pode perceber nos 48 anos do golpe militar, uma das mais cruÊis fase política e social do país Ê que, pelo que se viu nesta semana Ê de que hå um movimento recrudescedor que estå ressurgindo das cinzas para evitar que todos os casos ocultos e que resultaram no desaparecimento de centenas de cidadãos e cidadas brasileiras sejam apurados e os responsåveis punidos na forma da lei. As reaçþes à Comissão da Verdade e a insatisfação que chegaram a gerar um documento contra o governo são atos que precisam ser encarado com mais seriedade para que os atos brutais cometidos tenham o mesmo processo de investigação e de puniçþes que adotaram os países vizinhos, onde os torturadores foram presos, al-

guns deles morreram na prisão Segundo reportagem da BCC: o Brasil tem adotado um caminho diferente de seus vizinhos ao tratar de crimes políticos cometidos durante o regime militar. Enquanto o Brasil mantÊm a anistia ampla, geral e irrestrita e o caminho para a criação da Comissão da Verdade, a Argentina, o Uruguai e o Chile reabriram processos contra os acusados de crimes durante o período. Enquanto integrantes da ONG Tortura Nunca Mais querem o mesmo tratamento dos países vizinhos, especialistas ententem que a exposição dos acusados vai alÊm do processo democråtico por que passa atualmente o país, tanto que atÊ os culpados foram anistiados dos crimes que cometeram.

EMIR SADER FilĂłsofo, cientista polĂ­tico e professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), onde coordena o LaboratĂłrio de PolĂ­ticas PĂşblicas

Golpe e a direita nativa O golpe e a ditadura foram a desembocadura natural da direita brasileira – partidos e ĂłrgĂŁos da mĂ­dia, alĂŠm de entidades empresariais e religiosas. A direita brasileira aderiu, em bloco, ao campo norteamericano durante a guerra fria, adotando a visĂŁo de que o conĂ LWRFHQWUDOQRPXQGRVHGDYD entre “democraciaâ€?(a liberal, naturalmente) e o comunismo (sob a categoria geral de “totalitarismoâ€?, para tentar fazer com que aparecesse como da mesma famĂ­lia do nazismo e do fascismo). Com esse arsenal, se diabolizava todo o campo popular: as polĂ­ticas de desenvolvimento econĂ´mico, de distribuição de renda (centradas nos aumentos do salĂĄrio mĂ­nimo), de reforma agrĂĄria, de limitação do envio dos lucros das grandes empresas transnacionais para o exterior, como polĂ­ticas “comunizantesâ€?, que atentavam contra “ a liberdadeâ€?, juntando liberdades individuais com as liberdades das empresas para fazer circular seus capitais como bem entendessem. A direita brasileira nunca – atĂŠ hoje – se refez da derrota sofrida com a vitĂłria de GetĂşlio em 1930, com a construção do Estado nacional, o projeto de desenvolvimento econĂ´mico com distribuição de renda, o fortalecimento do movimento sindical e da ideologia nacional e popular que acompanhou essas iniciativas. Foi uma direita sempre anti-getulista, anti-estatal, anti-sindical, anti-nacional e anti-popular. GetĂşlio era o seu diabo – assim como agora Lula ocupa esse papel -, quem representa-

va a derrota da burguesia paulista, da economia exportadora, das oligarquias que haviam governado o paĂ­s excluindo o povo durante dĂŠcadas. A direita foi golpista desde 1930, começando pelo movimento – chamado por Lula de golpista, de contrarrevolução – de 1932, que atĂŠ hoje norteia a direita paulista, com seu racismo, seu separatismo, seu sentimento profundamente antipopular. A direita caracterizou-se pelo chamado aos quarteis quando perdiam eleiçþes -e perderam sempre, em 1945, em 1950, em 1955, ganharam e perderam com o Jânio em 1960 – pedindo para “salvar a democraciaâ€?, intervindo militarmente com golpes. Seu Ă­dolo era o golpista Carlos Lacerda. Esse era o tom da mĂ­dia –Globo, Folha, EstadĂŁo, etc., etc. Era normal entĂŁo que a direita apoiasse, de forma toWDOPHQWH XQLĂ€FDGD R JROSH militar. Vale a pena dar uma olhada no tom dos editoriais e da cobertura desses ĂłrgĂŁos no perĂ­odo prĂŠvio ao golpe a forma como saudaram a vitĂłria dos militares. Cantavam tudo como um “movimento democrĂĄticoâ€?, que resgatava a liberdade contra as ameaças do “comunismoâ€? e da “subversĂŁoâ€?. Aplaudiram as intervençþes nos sindicatos, nas entidades estudantis, no Parlamento, no JudiciĂĄrio, foram coniventes com as versĂľes mentirosas da ditadura e seus ĂłrgĂŁos repressivos sobre como se davam as mortes dos militantes da resistĂŞncia democrĂĄtica. Por isso a cada primeiro de abril a mĂ­dia nĂŁo tem coragem

de recordar suas manchetes, seus editoriais, sua participação na campanha que desembocou no golpe. Porque esse mesmo espĂ­rito segue orientando a direita brasileira – e seus ĂłrgĂŁos da mĂ­dia -, quando veem que a massa do povo apoia o governo (O desespero da UDN chegou a levar que ela propusesse o voto qualitativo, em que o voto de um engenheiro valesse muito mais do que o voto de um operĂĄrio.). Desenvolvem a tese de que os direitos sociais reconhecidos pelo governo sĂŁo formas de “comprarâ€? a consciĂŞncia do povo com “migalhasâ€?. Prega a ruptura democrĂĄtica, quando se dĂĄ conta que as forças progressistas tĂŞm maioria no paĂ­s. NĂŁo elegem presidentes do Brasil desde 1998, isto ĂŠ, hĂĄ 14 anos e tem pouca esperança de que possam vir a eleger seus candidatos no futuro. Por isso buscam enfraquecer o Estado, o governo, as forças do campo popular, a ideologia nacional, democrĂĄtica e popular. É uma direita herdeira e viĂşva de Washington Luis (e do seu continuador FHC, ambos cariocas de nascimento adotados pela burguesia paulista) e inimiga feroz do GetĂşlio e do Lula (como recordou Lula em SĂŁo Paulo nĂŁo ha nenhum espaço pĂşblico importante com o nome do maior estadista brasileiro do sĂŠculo passado, o GetĂşlio, e tantos lugares importantes com o nome do Washington Luis e do 9 de julho). É uma direita golpista, elitista, racista, que assume a continuidade da velha repĂşblica, de 1932, do golpe de 1964 e do neoliberalismo de FHC.

LEILA CORDEIRO Começou como repórter na TV Aratu, em Salvador. Trabalhou depois nas TVs Globo, Manchete, SBT e CBS Telenotícias Brasil como repórter e âncora. É tambÊm artista plåstica e tem dois livros de poesias publicados

OLĂ?VIA DE CĂ SSIA CORREIA DE CERQUEIRA Jornalista - http://oliviadecassia.blogspot.com

ViolĂŞncia contra as mulheres

O combate à violência contra as mulheres Ê um tema recorrente nos fóruns de discussão feminina e dos movimentos sociais e precisa ser encarado, não como um caso de polícia, mas como um caso de saúde. Combater a violência precisa fazer parte da agenda de gestores públicos e das instituiçþes competentes, como forma de se ter uma sociedade saudåvel e com qualidade de vida e bem-estar. Uma mulher que passa por uma situação de violência carrega dentro de si um saldo negativo, de ranços e doenças psicológicas diversas. Não se pode combater a violência de uma forma isolada; Ê preciso que haja parcerias: entre o poder público, a escola e os meios de comunicação, entre outros setores. Apesar de a Lei Maria da Penha ter sido sancionada pelo presidente da República, Luiz Inåcio Lula da Silva, em agosto de 2006 e ter entrado em vigor em setembro daquele ano, ainda Ê preciso muito para que a mulher se conscientize que precisa denunciar seus agressores. Para o combate à violência contra a mulher, desde a dÊcada de 1980, o movimento de mulheres discutia a questão das casas de passagem. Hoje, em alguns estados esses locais

estão instalados, mas Ê preciso que exista uma publicização disso e estrutura que acolha essas pessoas vítimas de abuso e de violência. Uma estrutura que seja dada pelo poder público com psicólogos preparados para ouvir e atender os casos e todo o aparato possível. A mulher custa a entender, e esse Ê um aprendizado difícil quando se tem baixa autoestima, que Ê preciso que ela se ame para depois amar o outro. Passei minha vida inteira sofrendo por amor; desde menina tive esse sentimento exagerado e muitas vezes, ou na maioria delas, eu permiti, mesmo de forma inconsciente, que eu fosse mutilada espiritualmente. Sempre tive a tendência de ter amores platônicos, doloridos, arrasadores, feito os amores dos poetas de sÊculos passados e isso me machucou muito na vida. Meus amigos que me conhecem desde a infância sabem disso. Passei por situaçþes que posso dizer hoje, na maturidade, que foram de certa forma constrangedores e vexatórios, em União dos Palmares, para uma menina e uma adolescente em formação, que pensava diferente e via o mundo de uma outra forma, que queria mudar o mundo com seus ideais e suas

poesias. Não tive a devida compressão educativa de meus familiares, que não tiveram grandes formaçþes acadêmicas e não sabiam como me ajudar. Meus pais não tiveram formação educacional, mas me ensinaram a ter caråter e a ser a pessoa que sou hoje, mas no campo dos sentimentos eu sempre fui uma pessoa frågil e isso me fez sofrer muito de alguma forma. É preciso que a gente entenda que não somos únicos, que ninguÊm Ê dono de ninguÊm e isso eu aprendi com muita dor e sofrimento e espero que muitas mulheres que fazem parte da minha família, como minhas sobrinhas e parentes, não venham a passar por isso. Que FDGD XPD VHMD ÀUPH QD VXD maneira de ser e entenda que nós mulheres somos guerreiras e não sobreviventes. Na última quinta-feira, 22, recebi uma linda homenagem do Sindicato dos Jornalistas, programada pela Comissão de Mulheres da entidade. Recebemos a homenagem eu e minhas colegas jornalistas Bleine Oliveira e Raquel Rocha. A honraria Ê dedicada às mulheres jornalistas que lutam, por igualdade no trabalho, na vida e no movimento sindical. Muito grata a todos e lutemos pela vida! FILIADO AO

Jorgraf UM PRODUTO:

Rua da Praia, 134 - sala 303 - centro - Maceió Alagoas Endereço Comercial: Av. Menino Marcelo - 10.440 - Serraria Maceió - Alagoas - CEP: 57.083.410 CNPJ: 08.951.056/0001 - 33

Cooperativa dos Jornalistas H*UiÂżFRVGRHVWDGRGHDODJRDV

A nova paixĂŁo da Globo Agora a moda nas colunas especializadas ĂŠ dizer que a “a Globo estĂĄ voltando os olhos para a classe Câ€?, daĂ­ ter colocado em horĂĄrio nobre uma novela com o nome de “Avenida Brasilâ€?, a rodovia que jĂĄ foi o sĂ­mbolo da ligação entre as zonas Sul e Norte da cidade do Rio de Janeiro. AliĂĄs, desde a festa de lançamento da novela o elenco jĂĄ começou a fazer um verdadeiro workshop, vivendo “a vida como ela ĂŠâ€? das comunidades mais carentes e dizem, durante o coquetel, num galpĂŁo comunitĂĄrio, regado a salgadinhos e drinques mais populares, as baratas voavam entre as celebridades e o calor do ambiente era insuportĂĄvel, amenizado parcamente por ventiladores tradicionais. Tudo em nome de chegar com uma mensagem mais “pĂŠ no chĂŁoâ€? atĂŠ a classe C. Mas alguĂŠm pode explicar direitinho o que ela realmente representa? Quem faz parte dela e quais as suas preferĂŞncias? Seria a tal classe C o chamado “povĂŁo’, a massa que realmente conta nos pontinhos da audiĂŞncia da TV aberta, jĂĄ que nĂŁo tem dinheiro para pagar TV a cabo ou comprar um computador? Na verdade, a tal classe C nunca teve muito espaço na telinha global , a nĂŁo ser em tragĂŠdias, pois vive em regiĂľes

PRESIDENTE Antonio Pereira Filho DIRETOR ADMINISTRATIVO FINANCEIRO: JosĂŠ Paulo Gabriel dos Santos Editor geral: Ricardo Castro

perigosas e fĂĄceis de serem destruĂ­das pelas intempĂŠries da natureza ou na violĂŞncia do dia a dia em favelas ou ĂĄreas consideradas perigosas. Vale relembrar, especialmente para os mais jovens, que essa classe C, hoje tĂŁo cobiçada pela Globo, hĂĄ tempos teve um certo prestĂ­gio na emissora, quando criaram um espaço comunitĂĄrio chamado Globo Cidade, do qual participei como repĂłrter. Eram Ă DVKHVTXHHQWUDYDPQRVLQWHUvalos da programação vespertina mostrando problemas dos EDLUURV SREUHV H GHVDĂ€DQGR DV autoridades a resolvĂŞ-los. Naquela ĂŠpoca, nos idos dos anos 80, o sucesso do programa foi tĂŁo grande que a Globo conseguiu derrotar o popular “Povo na TVâ€? de Silvio Santos e foi obrigada a criar o CAT, Centro de Atendimento ao Telespectador, tantos eram os telefonemas de moradores dos bairros carentes pedindo a visita da reportagem do Globo Cidade para denunciar as condiçþes precĂĄrias em que viviam. Mas como tudo que ĂŠ bom dura pouco, problemas polĂ­ticos interromperam a carreira de sucesso do Globo Cidade. Explico. O programa em forma GH  Ă DVKHV FRPR GLVVH DFLPD começou em 1981. Ocorre que, em 1983, tomou posse no governo do Estado do Rio um dos maiores desafetos da famĂ­lia

Marinho, Leonel Brizola. O novo governador viu no Globo Cidade uma maneira de se aproximar do povĂŁo, colocando sua administração a serviço das comunidades via reportagens do GC. Ao descobrir que Brizola estava faturando politicamente Ă s custas do seu jornalismo, a alta direção da emissora foi esvaziando pouco a pouco o Globo Cidade, que se transformou em boletins de notĂ­cias atĂŠ ser retirado da programação. Ea classe C perdeu o pouco de espaço e voz que conquistara. Mas eis que trinta anos depois a Globo, hoje sem Brizola ou alguĂŠm que lhe aperte o calo, resolveu dar atenção novamente ao povĂŁo da classe C, colocando toda a sua mĂĄquina a favor dos mais necessitados, com suas estrelas sabadeiras e domingueiras distribuindo afagos e condescendentes prĂŞmios aos carentes. Sua novela entra nessa linha, com atores e atrizes que representam seus personagens em meio a falsos lixĂľes ou cenĂĄrios imitando a verdadeira pobreza. Tudo “fake’, mas tudo em nome de agradar a classe C. AH! E por falar nisso. JĂĄ colocaram uma via de Ă´nibus que possa levar os populares de seus bairros da periferia direto atĂŠ a SUDLD GH *HULEi QR VRĂ€VWLFDGR balneĂĄrio de BĂşzios?

Nosso noticiĂĄrio nacional ĂŠ fornecido pelas agĂŞncias: AgĂŞncia Folha e AGĂŞncia Nordeste PABX: 82.3311.1338 COMERCIAL: 82.3311.1330 - 3311. 1331 REDAĂ‡ĂƒO: 82.3311.1328 - 3311.1329 CENTRAL DE ASSINANTE: 82.3311.1308 - 3311.1309 comercial.tribunaindependente@gmail.com redação.tribunaindependente@gmail.com

ricardocastro@tribuna-al.com.br

DIRETORA COMERCIAL: Marilene Canuto

OS ARTIGOS ASSINADOS SĂƒO DE RESPONSABILIDADE DOS SEUS AUTORES. NĂƒO REPRESENTANDO, NECESSARIAMENTE, A OPĂ?NIĂƒO DESTE JORNAL.


TribunaIndependente

Brasil

MACEIĂ“ - DOMINGO, 1 DE ABRIL DE 2012

BRASIL

Militares da reserva ainda nĂŁo assumiram o carĂĄter inconstitucional do golpe Antes da presidenta extinguir as comemoraçþes do golpe no ano pasVDGRR([pUFLWRMijVKDYLDUHWLUDGRGHVHXFDOHQGiULRRÂżFLDOHQHP fazia mais aquelas “ordens do diaâ€? comemorativas a respeito. Mas, a questĂŁo, por enquanto, ainda tem um lado sĂŠrio e grave: setores da reserva das Forças Armadas, e elas em seu conjunto, em sua leitura pedagĂłgica nas escolas militares, ainda nĂŁo assumiram a versĂŁo correta da histĂłria sobre a carĂĄter ilegal e inconstitucional do golpe e da natureza ditatorial do regime de 1964.

Militares prĂł- 64 vĂŁo para a ofensiva

Clube Militar se transforma em trincheira contra a ComissĂŁo da Verdade que pune todos os torturadores

A

queda de braço ideolĂłgica que os setores mais conservadores das Forças Armadas tentam travar com o governo desde o anĂşncio da criação da ComissĂŁo da Verdade teve seu ĂĄpice na quinta-feira, quando o Clube Militar organizou no Rio de Janeiro a celebração “1964 – A Verdadeâ€?, pelos 48 anos do golpe militar. Com DSUHVHQoDGHSHVVRDV²RĂ€ciais da reserva e seus familiares eram maioria –, um debate reuniu alguns dos maiores crĂ­ticos Ă criação da comissĂŁo, como o jornalista AristĂłteles Drummond, o mĂŠdico e escritor Heitor de Paola e o general Luiz Eduardo Rocha Paiva, que ganhou notoriedade ao sugerir que a presidente Dilma Rousseff tambĂŠm fosse convocada para depor sobre seus atos de resistĂŞncia Ă  ditadura militar. A presença – na calçada em frente ao Clube Militar, na regiĂŁo central do Rio – de cerca

de 300 manifestantes contrĂĄrios Ă s celebraçþes pelo aniversĂĄrio do golpe tornou ainda maior o clima de beligerância com os militares que chegavam para o evento. Na porta, indagado de longe – a entrada dos jornalistas nĂŁo foi permitida – se mantinha sua posição quanto Ă  convocação de Dilma, o general Rocha 3DLYD DĂ€UPRX DFKDU ´MXVWR TXH todos devam ser expostos Ă  Naçãoâ€?. No debate, o general criticou o governo federal: “Querem criar essa ComissĂŁo da Verdade 30 anos apĂłs os fatos. Isso porque hoje temos ex-militantes da luta armada ocupando posiçþes importantes no cenĂĄrio polĂ­tico nacional e internacionalâ€?, disse. TambĂŠm em comemoração ao aniversĂĄrio do que chamam de “revolução democrĂĄtica de 31 de março de 1964â€?, dez coronĂŠis paraquedistas programaram ontem um salto coletivo sobre a praia da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. Segundo os organi-

zadores, uma grande bandeira do Brasil foi pendurada no aviĂŁo que levarĂĄ os paraquedistas. ApĂłs o salto, todos deverĂŁo cantar os hinos nacional e dos paraquedistas, antes de gritar o lema “Brasil acima de tudoâ€?. Segundo o coronel Luiz Oliveira, que assina a convocatĂłria para o salto coletivo, cada saltador tambĂŠm carregarĂĄ consigo uma bandeira do Brasil. A ofensiva ideolĂłgica dos PLOLWDUHV VH LQWHQVLĂ€FRX GHVGH que o governo anunciou a criação da ComissĂŁo da Verdade, mas as crises – maiores ou menores – com os setores que defendem a ditadura acontecem desde o primeiro mandato do ex-presidente Luiz InĂĄcio Lula da Silva. Primeiro ministro da Defesa de Lula, JosĂŠ Viegas pediu demissĂŁo em outubro de 2004 por se sentir enfraquecido apĂłs tentar abrir investigação sobre os assassinatos do Araguaia e o entĂŁo comandante do ExĂŠrcito,

general Francisco Albuquerque, ter divulgado uma nota que, em alguns trechos, chegava a justiÀFDU D SUiWLFD GD WRUWXUD FRPR forma de luta contra os opositores do regime milita, com a missão de pressionar o governo brasileiro a abrir a exploração do petróleo às empresas norte-americanas. O presidente da Standard Oil nos Estados Unidos, Eugene Holman, orientou Miller a nos vender a ideia de que, só assim, o Brasil se desenvolveria. O povo brasileiro foi às ruas e obrigou o Congresso a impor o monopólio. A domesticação dos meios de informação do Brasil começara ainda no governo Dutra. Os americanos usaram as excelentes relaçþes entre os intelectuais e jornalistas e o embaixador Jefferson Caffery, nos meses em que o Brasil decidira por aliar-se aos Estados Unidos na luta contra o nazifascismo, em benefício PM reprime manifestantes contra evento militar que de sua expansão neocolonialista. comemorava o golpe de 1964 no Rio de Janeiro

APURAĂ‡ĂƒO DE MORTES

DIVERGĂŠNCIAS

MANIFESTO

SECTARISMO

A ofensiva ideológica dos PLOLWDUHVVHLQWHQVLÀFRXGHVGH que o governo anunciou a criação da Comissão da Verdade, mas as crises – maiores ou menores – com os setores que defendem a ditadura acontecem desde o primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inåcio Lula da Silva. Primeiro ministro da Defesa de Lula, JosÊ Viegas pediu demissão em outubro de 2004 por se sentir enfraquecido após tentar abrir investigação sobre os assassinatos do Araguaia e o então comandante do ExÊrcito, general Francisco Albuquerque, ter divulgado uma nota que, em alguns trechos, chegava a MXVWLÀFDUDSUiWLFDGDWRUWXUD como forma de luta contra os opositores do regime militar. Ainda no governo de Fernando Henrique Cardoso, os setores da reserva, sempre utilizando o Clube Militar como trincheira ideológica, À]HUDP RSRVLomR VLVWHPiWLFD aos trabalhos da Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos. Investigação sobre desaparecidos do Araguaia iniciou a insatisfação

No governo Lula, após a saída de Viegas, o MinistÊrio GD 'HIHVD ÀFRX GLUHWDPHQWH ligado ao Palåcio do Planalto, com a nomeação do vice-presidente JosÊ Alencar como ministro. A mudança aplacou os ânimos entre os militares pró-64, mas estes voltaram a se manifestar quando Lula nomeou Waldir Pires para o cargo. O ex-governador da Bahia teve de enfrentar a dura oposição atÊ mesmo dos três ministros militares por causa da divergência de opiniþes quanto à negociação com os controladores de voo (todos militares da Aeronåutica) nos dias que sucederam o acidente com o avião A-320 da TAM, derrubado por um jato Legacy de uso particular em 2007. O ministro não resistiu à pressão e caiu. Ao conYRFDU 1HOVRQ -RELP ÀJXUD próxima aos militares, para o lugar de Waldir Pires, Lula conquistou alguma serenidaGHFRPRVRÀFLDLVGDUHVHUYD

A chegada à Presidência da República de uma ex-combatente contra a ditadura, Dilma Rousseff, voltou a agitar o Clube Militar. Os temores dos RÀFLDLV GD UHVHUYD TXDQWR DR DWXDOJRYHUQRVHFRQÀUPDUDP com o início da discussão sobre a criação da Comissão da Verdade, e os ânimos teriam novamente se acirrado com a substituição de Jobim por Celso Amorim, ex-ministro das 5HODo}HV ([WHULRUHV H ÀJXUD sabidamente de esquerda. A 1ª crise com Amorim surgiu quando os presidentes dos clubes Militar (general Renato CÊsar Tibau da Costa; Naval (almirante Ricardo Antônio da Veiga Cabral), e da Aeronåutica (tenente-brigadeiro Carlos de Almeida Baptista) divulgaram um manifesto no qual criticavam a Comissão da Verdade e acusavam o PT e as ministras Maria do Rosårio, de Direitos Humanos,) e Eleonora Menicucci, das Mulheres, de pregar o desrespeito à Lei de Anistia.

A busca pelo confron LGHROyJLFRĂ€FDFODUD´23D tido dos Trabalhadores, a qual a presidente pertenc diz que estarĂĄ empenhad junto com a sociedade n resgate de nossa memĂłr da luta pela democracia du rante o perĂ­odo da ditadur militar. ABERTURA POLĂ?TICA 3RGHVHDĂ€UPDUTXHDD sertiva ĂŠ uma falĂĄcia, pos que, quando de sua criaçã o governo jĂĄ promovera abertura polĂ­tica, incluind a possibilidade de fundaçã de outros partidos polĂ­tico encerrando o bipartidari moâ€?, diz o manifesto, c brando ainda de Dilma qu seja “presidente de todos o brasileiros, e nĂŁo de min rias sectĂĄrias ou de partido polĂ­ticosâ€?. A reação do governo f imediata, e o ministro Am rim determinou que os au tores do manifesto fosse punidos.

Guerrilha do Araguaia provocou a reação militar contra o governo

Ministros da Defesa foram pressionados

Carta tenta PT e Comissão mostrar a força da Verdade do movimento são atacados


8

PUBLICIDADE

MACEIÓ - DOMINGO, 1 DE ABRIL DE 2012

TribunaIndependente


TribunaIndependente

MACEIÓ - DOMINGO, 1 DE ABRIL DE 2012

Cidades

CIDADES

9

Morar em condomínio fechado é vantagem na hora de contratar seguro Não é possível saber de que forma a localização do cliente pode interferir no valor do seguro de um veículo. Segundo o corretor Moacir Wanderlei, ³QmRH[LVWHXPDWDEHOD1mRH[LVWHXPIRUPXOiULRHVSHFt¿FR+RMHpWXGR on-line”. “O sistema calcula automaticamente. Normalmente se calcula pelo chassi”, informou o corretor de seguros. Em compensação, o cliente deve apresentar, em algumas seguradoras, detalhes pessoais de sua residência. “Eles perguntam o CEP, eles dão o número da rua, o número da residência. Se você coloca, se tem condomínio fechado, vigilante 24 horas, isso dá mais tranquilidade para a seguradora”, revela.

Gruta é líder em roubo de carros Delegado e corretor de seguros avaliam que bairros próximos à Avenida Fernandes Lima são estratégicos para fuga DANIEL MAIA REPÓRTER

O

titular da Delegacia de Roubo e Furto de Veículos e Cargas, delegado Marcos Lins, listou, a pedido da Tribuna Independente, os bairros de Maceió onde acontecem mais roubos e furtos de veículos e quais veículos são mais roubados. Ele afirma que a questão é “pulverizada”. Entretanto, ele destacou três localidades da capital que vêm sendo repetitivas nos inquéritos e no sistema Sispol. São elas: Gruta de Lourdes, o bairro da Pitanguinha e Bebedouro. “Realmente os bairros que estão perto da Fernandes Lima representam uma zona de perigo”, disse. Outro detalhe, segundo Marcos Lins, é que na periferia se rouba mais. “Os carros mais passíveis aos roubos e furtos são o Gol e o Uno. Carros como o Golf, Ágile e Fox são os mais adulterados e utilizados por se-

rem velozes”, destacou. Os roubos de motos são mais perceptíveis, na opinião de Marcos Lins. Segundo ele, a média de roubo ou furto de motos varia em torno de 30 a 40 por mês. O corretor de seguros Moacir Wanderlei e o delegado Marcos Lins concordam em um ponto: veículos de grande porte estão sendo mais visados para o roubo, como por exemplo, Hilux e Amarok. “Tem seguradoras que hoje que estão evitando fazer o seguro de caminhonetes e veículos grandes em Alagoas. Porque tem determinadas quadrilhas que querem roubar veículos fáceis para entrar em alguns povoados do interior de difícil acesso. Esses carros estão sendo mais visados”, alertou o corretor. Já Marcos Lins, considera que o tipo de veículo é transportado para fora do Estado e clonado, principalmente no Pará, onde a utilização dos transportes é favorável à extração de madeira.

SANDRO LIMA

Além da Pitanguinha, Gruta de Lourdes e Bebedouro são os bairros com mais incidência de roubos e furtos segundo apontam inquéritos $'$,/621&$/+(,526

VEÍCULO

RELATOS

Seguro em Alagoas é mais caro que em Pernambuco O fato de Alagoas apresentar liderança entre os Estados mais violentos do Brasil favorece o encarecimento de seguro de veículos. Mais até do que em Pernambuco. “Já teve vezes de eu fazer um cálculo de um seguro para Alagoas e valer 1.700 reais, e depois, com o mesmo carro me com o mesmo perfil, com o endereço de Recife deu 1.370 reais. Teve um caso que deu 1.560 reais aqui em Maceió e na Paraíba deu 1.310 reais. Ou seja, uma diferença relativamente grande”, revela o corretor de seguros Moacir Wanderlei. “Se for comparar Maceió com Campina Grande, Recife, João Pessoa e Brasília, o CEP daqui pode dar mais caro de 20% a 30% em relação a essas cidades”, disse. Por causa disso, de acordo com o corretor, há quem prefira realizar o seguro de

veículo fora do Estado para driblar o valor alto de um Estado que é considerado vulnerável e violento. O pior é que, segundo Moacir, Alagoas já se prejudica pela essência do seguro, que é uma divisão do prejuízo com quem contribui com o seguro, ou seja, a população do Estado que tem frota pequena, acaba assumindo despesas como de uma metrópole como o Rio de Janeiro, e pagando caro por prejuízos de terceiros. “Rio de Janeiro e São Paulo são os maiores índices de roubo sem serem recuperados os veículos. Com isso, a taxa do seguro aumenta. E nós aqui terminamos ficando com uma quantidade desse prejuízo de lá. Porque como nós temos uma quantidade bem menor de veículos, o seguro é um mutualismo. O prejuízo é dividido por todos”. (D.M.)

FACILIDADE NA FUGA

Endereço do dono encarece seguro do carro ou da moto Há bairros em Maceió que já têm o valor do seguro de veículos calculado mediante o grau de vulnerabilidade e o índice de roubo e furto de carros e motos. A avaliação é realizada por meio de um sistema que varia em cada seguradora. No final das contas, há quem pague pelo seguro R$ 1.200 ou R$ 2.500, a depender, entre outros fatores, do bairo onde mora. “Aqui em Maceió, se você fizer um cálculo com o CEP da Ponta Verde, com o CEP da Avenida Rotary e um cálculo do Henrique Hequelman, do Salvador Lira ou do Benedito Bentes você vai sentir a diferença”, disse o corretor de seguros, Moacir Wanderlei, ao informar que o bairro interfere de 5% a 10% no valor do seguro. Segundo ele, o que mais

aquisição do seguro é a probabilidade de fuga, mais do que o índice de roubos na localidade, porque ainda pode haver chances de o veículo ser recuperado. “Você há de convir que é até mais fácil ser roubado na Ponta Verde, onde você está brincando, se divertindo com a sua família. Porém, para a pessoa correr da Ponta Verde, para sair de Maceió, ela deverá passar por vários bairros”, exemplifica. Quem mora nas imediações do Benedito Bentes ou Tabuleiro do Martins certamente vai sentir um aperto maior na hora de fazer as negociações. O conhecimento empírico de Moacir revela a possibilidade. “Onde se paga mais, sem sobra de dúvida, é no Tabuleiro. Em algumas seguradoras, isso influi bastan-

Vítima diz que não morreu por misericórdia dos bandidos

&RUUHWRUD¿UPD que seguro em outras capitais do NE é mais barato

Délio de Campos Carvalho pode dizer que nasceu de novo e, por pouco, não teve o carro extraviado. Ele diz que não morreu pela “misericórdia dos bandidos”. A situação de Délio chegou a ser noticiada pela imprensa há dois anos. Ele deixava uma Agência do Banco do Brasil, na Avenida Tomaz Espíndola, no Farol, e foi abordado por homens armados que o tornou refém por mais de uma hora. “Eles pediram para que eu fosse para o banco do passageiro e deitasse na brecha dos bancos. Pediram minha senha para sacar dinheiro, mas eu errei. Estava muito nervoso. Tiraram minha roupa, enrolaram minha blusa na cabeça. E levaram tudo”. O sequestro relâmpago foi marcado por agressões físicas dentro do veículo Peugeot e, mais ainda, eles realizaram mais de seis as-

saltos com Délio no veículo. “Eu contei a quantidade de vezes que eles pararam. A namorada de um deles ligou e ele disse que estava em uma missão, rindo. Um deles teve a ideia de me matar. Mas parece que sempre há uma pessoa mais calma no meio deles para intervir”. Os arrastões foram realizados em postos de combustíveis, e as ameaças continuaram. Após uma longa jornada, Délio foi deixado, ainda com o carro, num canavial em Rio Largo. “Eles disseram que iam levar o meu carro, mas eles preferiram me roubar e utilizá-lo só para arrastões. Acho que pensaram que seriam pegos”, revelou ao informar que toda a operação criminosa aconteceu em conjunto com outros bandidos que se comunicavam via celular. (D.M.)

SANDRO LIMA

PITANGUINHA

Moradora teve veículo levado de dentro de casa Ana de Fátima Omena recebeu a Tribuna Independente no local onde teve o carro roubado por bandidos em 2010. Da garagem de casa, no Bairro da Pitanguinha, a funcionária pública teve o carro levado em plena luz do dia. Tudo aconteceu às 17 horas, na Rua Antônio Guedes Nogueira. “Não havia ninguém na rua. Quando eu estava pegando a bolsa no carro, eu senti uma mão no meu ombro. Eu achei que era uma brincadeira de uma das crianças aqui da rua, de tão desprovida de maldade que eu estava. De cara limpa, um homem me pediu para eu passar a chave com uma arma na mão”, relata. Após isso, Fátima con-

com tanta perspicácia que os vizinhos disseram que viram um homem entrando na casa, mas achavam que ele era um morador da residência. “Eu tinha acabado de comprar o carro. Era um Uno Mile. Nunca mais encontrei o carro, e com menos de um mês o dinheiro do seguro já estava na minha conta”, relata. A funcionária pública disse que não se lembra o quanto pagou no seguro do carro. Mas assegurou que, na Pitanguinha, o roubo de veículos é apenas uma das modalidades de crime que vem se repetindo. “Depois disso tive que fazer proteção na minha casa e só saio com atenção redobrada”, disse.


10

CIDADES

TribunaIndependente

MACEIÓ - DOMINGO, 1 DE ABRIL DE 2012

Delegado ainda defende testemunho em Lei Seca Tenório teme, porém, oportunismo com possibilidade de recusar bafômetro DIVULGAÇÃO

DANIEL MAIA REPÓRTER

N

a terça-feira passada (27), Alagoas pode ver na televisão a cena de um homem alcoolizado chorando porque teria danificado o carro, após um acidente em que se envolveu na Avenida Dona Constança, Jatiúca, em Maceió. O detalhe é que ele havia acabado de atropelar um gari, em pleno serviço. Pedro Bernardo da Silva Filho, de 26 anos, teve que amputar uma das pernas no Hospital Geral do Estado. O condutor, João Paulo Barbosa Silva, de 30 anos, foi preso, mas pagou fiança e já está em liberdade. O fato faz refletir sobre como seria se a Lei Seca fosse eficaz e não houvesse tanta possibilidade de driblá-la. Certamente, o gari ainda teria as duas pernas, e menos um embriagado estaria circulando nas ruas do Brasil. Na última quarta-feira (28), um dia depois do acidente, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) aprovou o que todos já sabiam: só servirão como provas de embriaguez para uma ação penal as coletas de sangue ou a realização do teste com o etilômetro e bafômetro. Só

Teste do bafômetro e exame de sangue passaram a ser duas únicas provas de embriaguez ao volante

que o direito de não realizar o teste é assegurado ao condutor. A sociedade brasileira tomou conhecimento da decisão. Porém, ainda é uma incógnita dizer se os testes de alcoolemia serão realizados com a mesma frequência de antes. Tampouco é difícil dizer se o número de acidentes voltará a crescer pela tolerância permitida pelo STJ.

Para avaliar a repercussão da decisão, a Tribuna Independente ouviu o titular da Delegacia de Acidentes, Fernando Tenório. Cauteloso, o delegado observou a decisão como a “abertura de uma vala de escape”, para os que já ignoram a Lei Seca. Fernando Tenório, porém, se diz a favor da prova testemunhal e da obrigatoriedade da rea-

lização do teste de alcoolemia. “Se uma pessoa se recusa a fazer o exame de paternidade, é dada como culpada, justamente porque se não quer realizar o exame, as chances de culpa são maiores. Da mesma forma, se eu não bebi, porque eu vou fazer questão de não realizar o teste do bafômetro?”, compara o delegado.

AOS ALCOOLIZADOS

Condutores criticam tolerância da lei O delegado Fernando Tenório apontou que em três meses foram registrados 60 procedimentos de acidentes envolvendo ingestão de bebida alcoólica. Ele e muitos condutores em Alagoas acreditam que o número deva aumentar. O servente de pedreiro e motociclista José Francisco diz que nunca foi abordado

em estado de embriaguez. Ele critica que a maioria dos motociclistas costuma ser desrespeitada por pessoas embriagadas. José acredita que a Lei Seca deve enfraquecer com a decisão do STJ. “Quanto mais chances um indivíduo tem de se esconder da prova que está bêbado, maior vai ser a quantidade de bêbados nas

ruas, e de acidentes”, explica. O gaúcho Waldor Drock, supervisor de obras, falou que volta para casa de táxi quando bebe. Segundo ele, em Alagoas, andam respeitando mais no trânsito que em Porto Alegre, porém o respeito pode diminuir, caso haja mais tolerância ao álcool no trânsito.

“Um infrator teria que ser obrigado a fazer o exame diante de uma batida desastrosa. A lei do trânsito é muito fraca. A Lei Seca ajudou um pouco. O problema é que ele não permanece na prisão. A pessoa que responde por um crime doloso no trânsito, por estar embriagada, deveria estar presa”, disse.

COM DECISÃO

PRF diz que abordagens não mudam Para polícia, alcoolizado não terá senso crírico para renegar teste de alcoolemia A assessoria de comunicação da Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Alagoas, falou em nome da instituição informando que a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) em permitir que somente o exame de sangue e o teste de alcoolemia sejam provas concretas de embriaguez, não altera em nada no cotidiano do condutor brasileiro. “Hoje em dia já é dessa forma. Não tem nenhuma mudança. A decisão já está reiterando o que se faz”, disse. A assessoria lembrou que a sociedade se sensibilizou por já estar na expectativa da aprovação de um projeto de lei que tramita no Congresso Nacional com participação do Ministério da Justiça cuja ideia é tornar mais rigorosa a Lei Seca, facilitando a emissão de provas e aumentando o nível das punições. A assessoria declarou que as pessoas não vão deixar de utilizar o teste de alcoolemia. “Quem está visivelmente embriagado não vai ter condições suficientes para rejeitar o teste”, relatou. Não é o que pensa o delegado Fernando Tenório,

SANDRO LIMA

Três latinhas de cerveja bastam para que condutor seja preso, multado, tenha veículo apreendido e perca CNH

da Delegacia de Acidentes. Para ele, “o condutor em estado de embriaguez pode não ter o controle do volante. Mas tem noção das consequências dos seus atos”. “É necessário diferenciar quando um indivíduo ultrapassou a média tolerada de álcool no sangue, e quando ele está embriagado, apesar de que, das duas formas ele

está errado”, esclarece. Tenório considera que os testes de alcoolemia tendem a ser esquecidos, pela recusa frequente dos condutores que já sabem da decisão. LEI SECA A Lei 11.705, conhecida como Lei Seca, presente no Código Brasileiro de Trânsito (CBT) prevê que a presença de 0,2 decigramas

de álcool por litro de sangue acarreta na suspensão do direito de dirigir por 12 meses, e ainda no pagamento de multa no valor de R$ 957. Três latinhas de cerveja é o suficiente para que o mesmo procedimento seja realizado, acrescentado da apreensão do veículo, perda da carteira de habilitação e a prisão do condutor.


TribunaIndependente

MACEIÓ - DOMINGO, 1 DE ABRIL DE 2012

CIDADES

11

Homens disfarçam mais a mentira

Especialista garante porém que mentir é falta de maturidade entre casal, fato que independe de qual seja o sexo ALANA BERTO REPÓRTER

Q

uem mente mais em um relacionamento, o homem ou a mulher? Essa foi a pergunta que a equipe de reportagem da Tribuna Independente fez à psicóloga Izaura Maria Wanderley, que é especialista em terapia de casal, neste 1º de abril, considerado o Dia da Mentira. A psicóloga explicou que o problema não depende de sexo, mas sim da maturidade das pessoas que estão se relacionando. Quando se entra em um relacionamento, nem todo mundo está disposto a ter que fazer renúncias ou criar vínculos. A sinceridade no relacionamento muitas vezes depende do amadurecimento tanto do homem como da mulher. A psicóloga explicou que a a infidelidade é uma questão de fazer vínculos e escolhas. “As pessoas que entram em um relacionamento precisam de valores. Existe pessoas que conseguem se ligar com a outra, já outras não”. Para a psicóloga, a infidelidade não está ligada ao gênero. “Culturalmente, o homem foi por muito tempo o caçador, mas hoje tem muitos homens capazes de criar vínculos”, afirmou. Ela ainda acrescentou que existe muita gente insatisfeita. “Quem vai enganar o parceiro é quem não está bem no relacionamento e não tem capacidade de recomeçar o relacionamento ou romper”, destacou a psicóloga. Para ela, a questão da mentira é pessoal. “Existem pessoas que não conseguem expressar o que sentem e preferem não ser sincero”, frisou. A psicóloga disse que a mulher tende a externar mais

ADAILSON CALHEIROS

Quem vai enganar o parceiro é quem não está bem no relacionamento e não tem capacidade de recomeçar ou romper” IZAURA WANDERLEY Terapeuta de casais

os sentimentos, enquanto o homem é mais introspectivo. “Culturalmente a gente pensa que o homem não sofre, entretanto o homem sofre, só que a mulher extravasa mais. Isso depende do amadurecimento tanto do homem quanto da mulher, concluiu. FATOS A contadora Ana Paula Reis e o funcionário público Itamar Melo contam que têm um relacionamento muito tranquilo e que são muito sinceros um com o outro. “Quando um casal vive bem não existe motivo para mentiras. A relação da gente é muito aberta, fazemos tudo juntos”, afirmou o casal. Já a estudante Jessyana Alencar, que tem um relacionamento há quatro anos, disse que tudo depende de como é a relação. “Mas eu acredito que o homem mente mais; quando a mulher trai é para se vingar do homem”, disse ela. A jornalista Deisy Nascimento considera uma questão difícil, entretanto ainda acredita que o homem mente mais. “Os homens são mais descarados e talvez seja por menos sentimento de culpa. Mas hoje tudo anda bem relativo, inclusive os relacionamentos”, concluiu.

Itamar e Ana: “Quando um casal vive bem, não existe motivo para mentiras. Nós fazemos tudo juntos”, garante o casal sobre a polêmica

PESQUISA

Eles mentem mais para suas mães ADAILSON CALHEIROS

Em 2010, uma pesquisa encomendada pelo Museu da Ciência (Science Museum) e realizada na Inglaterra concluiu que os homens têm mais facilidade em dizer mentiras, pois se sentem menos culpados que as mulheres. Na pesquisa foi constatado que os homens mentem mais para as mães, Apenas 10% dos homens revelaram mentir para a parceira ou o parceiro. Enquanto as mulheres mentem duas vezes por dia, os homens mentem três vezes por dia. Porém 82% dos entrevistados consideraram que existe mentiras aceitáveis. Já outro estudo feito pela Century Fox Home Entertainment, realizado também entre os britânicos, revelou que os homens contam em média seis mentiras por dia, já as mulheres contam três por dia. Nos anos de 2002 e 2004 a psicóloga Mônica Portela realizou uma pesquisa no Rio de Janeiro e chegou a algumas conclusões. Uma delas é a de que os homens convencem mais quando mentem, já as mulheres nem tanto. Em 2003 foi realizada uma pesquisa pela Universidade de São Paulo (USP), onde foram entrevistadas quatro mil pessoas casadas. A conclusão da

Mais sensíveis, as mulheres se sentem mais culpadas quando mentem, segundo pesquisa

pesquisa foi a de que metade dos homens já traiu pelo menos uma vez. Já entre as mulheres o índice de traição foi de 22%. Segundo a pesquisa,

as mulheres costumam ter mais sentimento em uma relação enquanto os homens querem apenas sexo. A pesquisa também indica que os homens que

mais costumam trair são os que têm 40 ou 50 anos, já as mulheres mais novas são as que mais entram em um relacionamento extraconjugal.


12

CIDADES

TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 1 DE ABRIL DE 2012

Hipocondria: como tratar e conviver SĂ­ndrome do alarmismo pode gerar dependĂŞncia de remĂŠdios nas pessoas que sofrem com problema e nĂŁo tratam

C Haja corrupção

O

promotor de Justiça, Jorge Dória, estå investigando denúncias feitas por vereadores de São JosÊ da Laje sobre desvios de recursos da Educação e fraude na licitação de locação de veículos para o município. O promotor revelou que jå no início da investigação encontrou irregularidades na contratação do serviço. A denúncia aponta para um desvio de R$ 6 milhþes pela administração do prefeito Mårcio JosÊ Lyra, o Dudui.

Projeto imoral

“NĂŁo sabiaâ€?

A propósito, pegou mal para os vereadores de Santana do Ipanema, uma das cidades mais importantes do Sertão de Alagoas, aprovar um Projeto de Lei, em sessão extraordinåria, para aumentar a verba de gabinete, que passou para R$ 10.200,00. O caso, que na realidade se transformou numa imoralidade, vai parar no MinistÊrio Público. A Tribuna Independente publicou matÊria com exclusividade, mostrando mais um escândalo envolvendo o Poder Legislativo do município.

O mais estranho ĂŠ que o Projeto de Lei ĂŠ de autoria do vereador Eudes Vieira da PaixĂŁo, conhecido como ‘Meirica’. Ele disse, no entanto, que nĂŁo sabia que o projeto estava em seu nome, e mesmo se estivesse ele assinaria e votaria a favor do aumento. Em ĂŠpoca de campanha acontece coisas que atĂŠ Deus duvida. Diga aĂ­, pode uma coisa dessas?!

PaixĂŁo de Cristo

A Paixão de Cristo, realizada hå 17 anos no Morro da Massaranduba, em Arapiraca, acontece de cinco a sete de abril, mobilizando mais de 300 pessoas. No elenco deste ano, alguns dos melhores atores do teatro alagoano, como Erivaldo Garrote (Jesus), Carol Morais (Maria), Homero Cavalcante (Caifas), Aermerson Barros (Anås), Sandro Leite (Pedro), Flåvia Cardozo (Madalena), Edjaniode Almeida (Judas), Julien Costa (Pilatos) e Paulo Cândido (Anjo). A expectativa Ê de um público superior a 40 mil pessoas por noite.

Agente jovem

Ação Cultural

Rio Grande do Norte, Alagoas e Pernambuco serão os próximos (VWDGRVDUHFHEHUHPDVR¿FLQDVGH orientação sobre o Prêmio Agente Jovem de Cultura. A atividade irå contemplar 500 projetos, realizados por jovens com idades entre 15 e 29 anos, de todo o Brasil, que trabalham em suas comunidades com açþes culturais.

Em Alagoas, as atividades acontecem na terça-feira, 3 de abril, às 15h, na sede da Fundação Municipal de Ação Cultural, em Maceió; na quarta-feira, 4 de abril, às 10h, no Centro de Apoio Integral II, em Arapiraca, e no dia 4, às 16h, na Casa de Aposentadoria, em Penedo.

onsiderada muitas vezes como brincadeira, a hipocondria, distĂşrbio psiquiĂĄtrico que se manifesta em vĂĄrios graus e tem uma caracterĂ­stica chave de negatividade, ĂŠ um estado psĂ­quico que pode causar danos Ă saĂşde de quem sofre este mal. Segundo uma pesquisa recente, ĂŠ possĂ­vel identificar as doenças que mais afetam os portadores desta sĂ­ndrome. De acordo com a psicĂłloga LĂ­via Vieira, ansiedade e transtorno obsessivo compulsivo sĂŁo alguns dos problemas que podem ser percebidos nos pacientes que sofrem de hipocondria. “A hipocondria ĂŠ um mal que envolve a cabeça e gera problemas sĂŠrios porque estĂĄ ligada Ă  dependĂŞncia. A pessoa tem tanto medo de pegar uma doença, que ela tem medo de se mostrar para o mundo e acaba se automedicando. E a automedicação ĂŠ um perigoâ€?, explica. HipocondrĂ­acos sĂŁo descritos como alarmistas, mas acredita-se que apenas 5% de suas suspeitas sobre doenças sĂŁo confirmadas. Entre os sintomas relatados com mais frequĂŞncia nos consultĂłrios mĂŠdicos, destaques para dor no peito, onde o paciente acredita estar sofrendo ataque cardĂ­aco; sede crĂ´nica, que faz o paciente imaginar sofrer de diabetes tipo dois; perda ocasional de memĂłria, relacionando o sintoma ao mal de Alzheimer; alĂŠm de dificuldade para respirar, e dor de cabeça crĂ´nica, onde a pessoa imagina estar com tumor na cabeça. “Os hipocondrĂ­acos nĂŁo ficam de acordo com o que os mĂŠdicos falam. A pessoa

que sofre deste mal cria a doença e acha que pode e deve tomar remĂŠdio. Tem gente que chega a tomar um remĂŠdio dez vezes durante um diaâ€?, afirma LĂ­via Vieira. A especialista alerta que existem maneiras de garantir a qualidade de vida mesmo sofrendo de hipocondria. O primeiro passo para identificar a sĂ­ndrome ĂŠ observando a quantidade de remĂŠdio que a pessoa guarda dentro de casa. â€œĂ‰ preciso ver a ‘farmacinha’ que ĂŠ mantida dentro de casa e fazer o questionamento se hĂĄ necessidade de ter tanto remĂŠdio ou se precisa mesmo tomar remĂŠdio com qualquer dor que venha a sentir. O grande problema da psicose ĂŠ que mexendo com a cabeça ela termina tornando a pessoa dependente do remĂŠdioâ€?, alerta. A psicĂłloga explica que existem dois nĂ­veis de tratamento para os casos de hipocondria, mas que sĂł podem ser detectados por especialistas. “HĂĄ um tratamento psicolĂłgico e um psiquiĂĄtrico. É sempre bom passar pela anĂĄlise de um psicĂłlogo e buscar uma terapia de autoajudaâ€?, disse. â€œĂ‰ possĂ­vel ter qualidade de vida mesmo sofrendo deste mal, mas, para isto, ĂŠ necessĂĄrio ter autocontrole para poder conseguir evitar a automedicação. A terapia ajuda, mas ĂŠ bom lembrar que as pessoas precisam ter consciĂŞncia em relação Ă brincadeira com pessoas que possam sofrer disso. A brincadeira, dependendo do grau e frequĂŞncia, abala a pessoa e faz com que ela aumente a busca pelos medicamentosâ€?, finaliza. DIVULGAĂ‡ĂƒO

Maratona dos Marechais A informação ĂŠ do jornalista Carlos Roberts: O prefeito Cristiano Matheus esteve reunido em BrasĂ­lia com o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, na manhĂŁ de quarta-feira (28). O ministro aceitou a sugestĂŁo do prefeito em realizar a “Maratona dos Marechaisâ€?, que farĂĄ parte do calendĂĄrio internacional de eventos esportivos patrocinado pelo Governo Federal.

Percurso

Homenagem

O percurso serĂĄ de Ipioca Ă cidade de Marechal Deodoro. A largada serĂĄ da frente da casa onde nasceu, em Ipioca, Floriano Peixoto. Conhecido como o “Consolidador da RepĂşblicaâ€? e “Marechal de Ferroâ€?, Floriano Peixoto foi vice de Marechal Deodoro da Fonseca, o primeiro presidente do Brasil. E Marechal Floriano foi o segundo presidente do Brasil.

Para relembrar a história e enaltecer ainda mais a participação destes dois alagoanos naquele momento político que mudou a vida dos brasileiros, o prefeito Cristiano Matheus propôs ao ministro do Esporte, Aldo Rebelo, a Maratona dos Marechais. O ministro acatou a idÊia e anunciou que no próximo dia 15 de novembro, data em que se comemora a República, o MinistÊrio do Esporte irå patrocinar a Maratona, que terå um percurso de cerca de 45 quilômetros e farå parte do calendårio nacional e internacional esportivo.

Entusiasmado O ministro se mostrou entusiasmado com a idĂŠia. “Vamos fazer um grande evento esportivo. É bem provĂĄvel que teremos atletas do mundo inteiro, como quenianos e outros paĂ­ses que se destacam no esporte de rendimento. Marechal Deodoro e Alagoas terĂŁo a atenção do mundo esportivoâ€?, declarou.

Empolgado Por outro lado, o prefeito Cristiano Matheus tambĂŠm se mostrou empolgado. “Foi uma sugestĂŁo que pareceu boa aos olhos do ministro e vamos ter um evento que nĂŁo apenas irĂĄ enaltecer ainda mais o valor do povo alagoano, mas tambĂŠm uma vez mais colocarĂĄ Marechal Deodoro no lugar de destaque em que merece. É bom para o turismo, ĂŠ bom para nossa cultura, ĂŠ bom para nossa genteâ€?, disse o prefeito ... Em Santana do Ipanema, o vereador Meirica, responsĂĄvel pelo Projeto de Lei que aumentou a verba de gabinete para mais de R$ 10 mil, disse que “ ainda nĂŁo leu o documento, mas, se estiver em meu nome, este vereador vai votar favoravelmente, pois tudo que ĂŠ feito no parlamento nĂŁo ĂŠ escondidoâ€?. ... E disse mais o vereador santanense Meirica: “Eu defendo uma verba de gabinete mais justa para que eu possa desenvolver o meu trabalho. Quem nĂŁo concordar, use a verba e devolva com prestação de contasâ€?. ... De acordo com o jornalista Nigel Santana, com o projeto aprovado, a Câmara de Santana passa a ser a primeira de Alagoas a pagar uma verba de gabinete com um valor mais alto que as demais. “Para se ter uma ideia, a Câmara de Vereadores de MaceiĂł desembolsa todos os meses R$ 9 mil para cada gabinete. Em Arapiraca, segunda maior cidade de Alagoas, os vereadores recebem R$ 8.300â€?, observou.

NĂşmero de remĂŠdios que pessoa guarda em casa pode ser indĂ­cio

AĂ?LTON VILLANOVA ailton.villanova@gmail.com

Mas o peixe era carimbado!

C

oronel da reserva remunerada PM, mĂŠdico dos bons e gozador da vida e da cara dos outros, Zoomilx Marcelo Melo Costa sempre foi chegado a uma boemia, desde que passou a se entender de gente. Segundo seu colega Fernando Theodomiro Lima, doutor Zoomilx – hoje em dia um sujeito caseiro e bastante dedicado Ă s rezas -, na ĂŠpoca em que foi boĂŞmio era rigorosamente marcado em casa, pela sua digna consorte, cuja brabeza dava medo. Todas as vezes que ele chegava tarde casa, o “comĂ­cioâ€? que madame promovia varava a madrugada e chegava Ă s portas da matina. Mas o caro leitor pensa que o baixinho ligava para os ataques da mulher? Coisa nenhuma. Um dia, Zoomilx combinou com uns parceiros para tomar uns birinaites em Riacho Doce, porque o tira-gosto de agulha frita que serviam por lĂĄ era o fino! Quando ele se preparava para cair na rua, a patroa chegou junto: - Posso saber para onde “vossa excelĂŞnciaâ€? estĂĄ indo, doutor? Zoomilx respondeu o que lhe deu na telha: - Vou pescar com uns amigos... - Quem amigos? - JosĂŠ Ramalho, Fernando Theodomiro, ZĂŠ Rubem FonsĂŞca, AĂ­lton Villanova, Rubens CamĂŞlo, Gerson ArgĂ´lo, ZĂŠ Fernandes de Gouveia... e outros. - Que outros? - Quer mesmo saber? EntĂŁo lĂĄ vai: BrĂĄulio Leite, Valmir Calheiros, JoĂŁo Ramalho, ZĂŠ Maia Fernandes, AndrĂŠ Costa... - E essa turma vai mesmo pescar? - De iate. O ZĂŠ Rubem, o Gouveia e o Theodomiro alugaram um iate. - Tem mulher nesse meio? - Por acaso vocĂŞ me ouviu citar alguma? Pescaria ĂŠ coisa pra macho, minha filha! - Mas vocĂŞs vĂŁo pescar logo no sĂĄbado, ZozĂł? - Pois fique sabendo que o melhor dia pra pegar peixe ĂŠ o sĂĄbado! - E o caniço? E as iscas? - A gente pega lĂĄ no clube... No Alagoinhas! Tchau, meu amor! Dito tudo isto, Zoomilx pinoteou na garagem, montou no carro, enfincou o pĂŠ no acelerador e saiu para a farra. A noitada varou a madrugada, emendou com a manhĂŁ, a tarde e a noite do domingo, porque o barato esteve enfeitado de mulheres sensacionais. Na segunda-feira de manhĂŁ, Zoomilx entrou em casa com ar triunfal, exibindo belos exemplares de peixes, que havia comprado no supermercado. - Olha sĂł o que pesquei, meu amor! – mentiu deslavadamente. Madame pegou nos peixes e observou com ar glacial: - EstĂŁo gelados! - É que foi pescado em Maragogi... - E essas guelras roxas? - É a qualidade do peixe. JĂĄ viu albacora sem guelra roxa? - E esses carimbos nos peixes? - Carimbos?! Ah, sim! É decreto do governo. Todo peixe pescado que passa pelo posto rodoviĂĄrio tem que ser pesado e carimbado. É lei, meu amor! Lei, ĂŠ lei, entende?

O hiper-hipocondríaco O mal da hipocondria se abateu sobre o Agatêmio Barbosa quando ele tinha exatos 15 anos de idade. Ela veio atravÊs de surtos. Depois, mediante ataques contínuos, atÊ HVWDEHOHFHUVHGH¿QLWLYDPHQWHQD pessoa do infeliz. Agatêmio não Ê um simples hipocondríaco. Ele Ê o campeão do retraimento enfermiço. AtÊ um tempo atrås ele conseguiu conviver numa boa com a mania de doença. Trabalhava, curtia legal os amigos. Batia atÊ uma bolinha com a rapaziada. Em casa, passou a manter uma farmåcia capaz de superar qualquer rede do gênero. No seu imaginar, jå foi vítima de todas as molÊstias do mundo. AtÊ da Aids. Sua santa esposa, dona Amaralina, Ê de uma compreensão incomum. Na região nordestina, raríssimos são os mÊdicos que não tenha ao menos ouvido falar no Agatêmio Barbosa. Parece exagero, não Ê? Pois perguntem ao doutor BiodÊsio Branchur que ele lhe conta tudo sobre a vida desse cristão. A situação complicou pra cima do Agatêmio quando ele encontrou um antigo colega de trabalho na Petrobras e este lhe contou que estava fazendo hemodiålise. Ali mesmo o Agatêmio começou a sentir os sintomas de rins paralisados. E o que fez, então? Pegou o carro e disparou para o hospital. Em lå chegando, procurou o nefrologista de plantão:

- Vim fazer homodiĂĄlise, doutor! E o mĂŠdico, atĂ´nito: - Espere aĂ­, meu amigo! NĂŁo ĂŠ assim nĂŁo! O que vocĂŞ estĂĄ realmente sentindo? - Meus rins pifaram, doutor! Quero me submeter imediatamente Ă hemodiĂĄlise, ou eu morro aqui mesmo, aos seus pĂŠs! 5HSDUDQGRQDÂżJXUDRPpGLFR persistiu: - O senhor nĂŁo me parece doente! Façamos o seguinte: volte aqui amanhĂŁ para procedermos conforme manda a Medicina. AgatĂŞmio vibrou: 9RXÂżFDULQWHUQDGRGRXWRU" - NĂŁo sei! Primeiramente, terei que examinĂĄ-lo e, em seguida, pedirei que se submeta a alguns procedimentos laboratoriais. Dia seguinte, bem cedinho, lĂĄ HVWDYDRFDUDQDÂżODGRVSDFLHQWHV submissos Ă  hemodiĂĄlise. Por um descuido da enfermeira, ele sentou na cadeira destinada ao paciente emergencial e mandaram pra dentro dele um monte de sangue novo, retirando-lhe o antigo, que era tĂŁo saudĂĄvel quanto o que estava recebendo. Repentinamente, AgatĂŞmio foi acometido de ligeiro desmaio, de fome, e foi remetido Ă s pressas Ă  UTI. Quando era submetido Ă  injeção de soro glicosado, AgatĂŞmio se virou para o mĂŠdico e perguntou, com voz sumida: - E aĂ­, doutor? - “E aĂ­â€?, o quĂŞ? - JĂĄ morri?


TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 1 DE ABRIL DE 2012

Economia

ECONOMIA

13

FĂĄbrica de chocolate atrai crianças e adultos no Shopping PĂĄtio MaceiĂł A praça central do Shopping PĂĄtio se transformou numa verdadeira fĂĄbrica de chocolate que segue exposta atĂŠ o dia 12 de abril. O maior centro de compras do Tabuleiro dos Martins estarĂĄ repleto de atividades alusivas Ă data. AtĂŠ lĂĄ, FULDQoDVSRGHUmRVHGLYHUWLUFRPRÂżFLQDVGHFKRFRODWHSODQWLRGHVHPHQWHVUHcortes de orelhas, desenhos, alĂŠm de usar a imaginação com os contos infantis. No cenĂĄrio dos sonhos, a “FĂĄbrica de Chocolatesâ€? ĂŠ a atração principal. Ela estĂĄ recheada de chocolate e a diversĂŁo ainda ĂŠ garantida por conta dos espaços reservados para a horta, onde os participantes aprenderĂŁo a cuidar das plantinhas. “TambĂŠm teremos espaços reservados para pintura e artes, alĂŠm de muitas atividades infantisâ€?, destaca a gerente de Marketing, Carla Patriota.

Ovos artesanais garantem renda extra

0HUFDGRGLYHUVLÂżFDHRIHUHFHRVPDLVYDULDGRVUHFKHLRVHVDERUHVDOpPGDVHQVDomRGRDQRRFKRFRODWHGHFROKHU trição no ano passado e como estava parada, resolvi invesWLU HP FXUVRV SURĂ€VVLRQDOLPĂĄscoa estĂĄ chegando ]DQWHV +RMH SRVVR JDUDQWLU e nada melhor do que XPD UHQGD H[WUD HP PpGLD ganhar o tradicional de R$ 500 no perĂ­odo da pĂĄschocolate nesta data que ce- FRD FRPR R SHVVRDO Vy GHL[D lebra a Ressurreição de Jesus para a Ăşltima hora, Ă s vendas Cristo depois da sua morte GHYHP WULSOLFDU QD SUy[LPD SRUFUXFLĂ€FDomRQD6H[WD)HL- VHPDQDÂľGLVVH7DO\WD+RQFL UD 6DQWD $V RSo}HV VmR DV A nutricionista trabalha mais variadas e tĂŞm para to- em casa com encomendas, e dos os gostos: branco, ao leite, frisou que o forte de sua promeio amargo, recheios de ga- SDJDQGDVmRDVUHGHVVRFLDLV nache, brigadeiro de colher, “Muitas vendas aumentaram mousse de leite condensado, GHSRLV TXH Ă€] R EORJ H R IDfarofa de negresco crocante, cebook, sobretudo o Ăşltimo, doce de leite com pralinĂŠ, Nu- quando comecei a postar as tella ou amĂŞndoas, frutas, e fotos do trabalho meu lucro DWpSHUVRQDOL]DGRV FUHVFHXÂľ FRPHPRURX ´*UDPara quem trabalha com ças a Deus deu certo, uso o este tipo de produção nos 365 que aprendi na faculdade dias do ano, na PĂĄscoa , com trabalhando no que gostoâ€?, a produtividade artesanal, ĂŠ JDUDQWLX possĂ­vel movimentar a eco$VRSo}HVVmRDVPDLVYDnomia garantindo uma renda riadas e seguem ao gosto do H[WUD e D GHPRQVWUDomR GH FOLHQWH quem tem muita criativa e Os ovos de pĂĄscoa caseiFDULQKRQRTXHID]$UHSRUWD- ros trufados, decorados com gem acompanhou a produção pasta americana, com chocoartesanal da nutricionista late maciço, sonho de valsa, 7DO\WD +RQFL (OD UHVVDOWD cookies, crocante, alvinho, ao que o cliente pode participar leite e branco sĂŁo os preferida criação, indicando a com- GRVGRFRQVXPLGRU binação de recheios de sua Os preços sĂŁo acessĂ­veis SUHIHUrQFLD e cabem no bolso do consumi“Terminei o curso de Nu- dor, do mais simples, ao mais

SANDRO LIMA

ANA PAULA OMENA REPĂ“RTER

Talyta Honci OHYDRFOLHQWH DSDUWLFLSDUGD FULDomRGRRYR GH3iVFRDFRP FRPELQDomRGH UHFKHLRV

A

H[LJHQWHYmRGH5DWp5  CASEIRO SOFISTICADO A chef Tatiana Brasil que SURGX]RYRVPDLVVRĂ€VWLFDGRV SDUD FOLHQWHV EHP H[LJHQWHV destacou que a encomenda ĂŠ para quem aprecia o chocolate, com embalagens char-

mosíssimas, os ovos custam GH 5  D 5  ´3URGX]Lmos atÊ ovo de påscoa com FDUWmR SODVWLÀFDGR GHQWUR¾ DÀUPD ´1RVVRV FOLHQWHV HP sua maioria são mulheres e os homens quando aparecem são aqueles que ganharam o produto gostaram da ideia e

QRV SURFXUDUDPÂľ H[SOLFRX “Minha produção quadrupliFDQHVWHSHUtRGRÂľUHYHOD Com trĂŞs camadas de chocolate, Tatiana Brasil conta que cada ovo leva em mĂŠdia KRUDHPHLDSDUDSURGX]LU Os mais pedidos, segundo ela, sĂŁo: ganache, brigadei-

ro de colher, mousse de leite condensado, farofa de negresco crocante, doce de leite com SUDOLQp FURFDQWH )UDQFrV  Nutella ou amêndoas, frutas, HDWpSHUVRQDOL]DGRV2RYRGH colher tambÊm Ê a sensação e os pedidos saltam neste períRGRGHSiVFRD

CHOCOLATES

SANDRO LIMA

Chef Tatiana BrasilSUHSDUDRYRVFDVHLURVVRÂżVWLFDGRVSDUDFOLHQWHVH[LJHQWHVDSUHFLDGRUHVGRFKRFRODWH

Consumidores ainda preferem os industrializados Mesmo mais caros milhares de consumidores que nĂŁo dispensam os ovos de PĂĄscoa e seus derivados pagam o valor que for para garantir o sabor inconfundĂ­vel de um chocolate de marca, dos inGXVWULDOL]DGRV 3DUD R FRQWDGRU (]HTXLHO 6LOYD TXH WHP GRLV Ă€OKRV RV ovos de chocolate industrializados embora mais caros que os caseiros tĂŞm o melhor saERU ´$Wp Mi WHQWHL HP SiVFRas passadas comprar caseiro, mas a famĂ­lia nĂŁo aprovouâ€?, FRQWRX ´0HXVĂ€OKRVGHHDQRV fazem questĂŁo de ganhar ovo de PĂĄscoa que tenha brinde

sei que ĂŠ mais caro, porĂŠm a data sĂł tem uma vez no ano e nĂŁo custa nada pagar um pouco mais para ver a alegria no rostinho das crianças quando recebem o presenteâ€?, RSLQRX JĂĄ a dona-de-casa JaqueOLQH%DUERVDGLVVHQmRWHUĂ€lho, mas tem que presentear os sobrinhos, ela revela que WRGR DQR GLVWULEXL FDL[DV GH chocolate para eles e faz uma ressalva: “sĂł dou o que posso e HOHV>VREULQKRV@Ă€FDPIHOL]HV ovo de pĂĄscoa ĂŠ muito caro e tem menos gramas que uma FDL[DGHFKRFRODWHÂľGHVWDFRX DE MARCA O professor Neilson Cam-

pos frisou que nĂŁo abre mĂŁo de um ovo de PĂĄscoa indusWULDOL]DGR ´$YLVR ORJR R TXH quero para a minha namoraGDHYLFHYHUVDÂľ As irmĂŁs de 8 e 10 anos, que estavam acompanhadas da mĂŁe no supermercado, escolhiam o ovo de PĂĄscoa deste ano e foram logo dizendo para a reportagem: “queremos com brinquedo dentro, sem a surSUHVDQmRWHPJUDoDÂľ $HPSUHViULR.DULQD)HUro, dona de uma franquia da &DFDX 6KRZ HP 0DFHLy FRmemora o lucro, ela conta que esta ĂŠpoca ĂŠ o seu natal quanGRVHYHQGHHPUHODomR DRVRXWURVPHVHVGRDQR


14

PUBLICIDADE

MACEIÓ - DOMINGO, 1 DE ABRIL DE 2012

TribunaIndependente


TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 1 DE ABRIL DE 2012

Esportes

ESPORTES 15

TĂŠcnico Vica poderĂĄ ser rebaixado com o time da Anapolina neste domingo 2&DPSHRQDWR*RLDQRWHPPDLVWUrVURGDGDVHQRYHSRQWRVHPMRJDGD&RQÂżDQWHR WpFQLFRVicaDFUHGLWDTXHGiWHPSRGHOLYUDUD$QDSROLQDGRUHEDL[DPHQWR$WXDOPHQWH RFOXEHDPDUJDDODQWHUQDFRPSRQWRVÂł2WLPHPHOKRURXPXLWRQRV~OWLPRVMRJRV &RQÂżRHPPHXVDWOHWDV7HPRVWUrVGHFLV}HVHYDPRVFRPWXGRSDUDHVWDV~OWLPDV URGDGDV´GLVVH$SULPHLUDGHFLVmRVHUiQHVWHGRPLQJRjVKFRQWUDR$SDUHFLGHQVHSHODÂ?URGDGD2ULYDOFRPSRQWRVWDPEpPOXWDFRQWUDRGHVFHQVRÂł4XHP PHFRQKHFHVDEHTXHFRVWXPROXWDUSRUWtWXORVHDFHVVR1mRTXHURVDEHUGHDEDL[DU DFDEHoD7HPRVTXHQRVVXSHUDU&RQÂżRHPPHXVMRJDGRUHVHDUHDomRFRPHoDUi QHVWHGRPLQJR´FRPSOHWRX9LFDTXHSRGHDPDUJDURUHEDL[DPHQWRSUHFRFH

CSE x ASA: rivalidade acirrada no interior $GYHUViULRVEULJDPSHODVYDJDVQDVVHPLÂżQDLVGRVHJXQGRWXUQRHDWUDomRGRFOiVVLFRVHUiRXWUDYH]7~OLR0DUDYLOKD

A

No duelo do primeiro turno o ASA levou a melhor em cima do CSE no jogo disputado em Arapiraca; agora os dois brigam por vaga no G4

principal rivalidade do futebol do interior alagoano estarĂĄ em campo neste domingo. CSE e ASA se enfrentam Ă s 16h, no EstĂĄdio Juca Sampaio, em Palmeira dos Ă?ndios pelo fechamento da sexta rodada do segundo turno do Campeonato Alagoano. O Tricolorido vive um momento delicado, pois saiu do G4 na Ăşltima rodada e trocou de treinador. Luiz Carlos Cruz, que foi contratado no final de primeiro turno e abandonou o time para ir para o River Plate-SE, foi trazido de volta para o lugar de Paulo Roberto Guilardhi. “Os jogadores alegaram que nĂŁo tinham mais clima para trabalhar com o Paulo e por isso tivemos esse contato com o Cruz que, na verdade, montou esse time para o segundo turno e nĂŁo teve a chance de trabalhar. A hora ĂŠ a gora de mostrar serviço e levar o CSE para as semifinais do turnoâ€?, disse o presidente Antonio Oliveira. O atacante TĂşlio Maravilha ĂŠ a principal atração

do jogo. Ele não marca pelo Campeonato Alagoano desde a terceira rodada do primeiro turno. O elenco do ASA treinou muito para o confronto contra o CSE, no Estådio Juca Sampaio, em Palmeira dos �ndios. Na última sexta-feira, alguns jogadores treinaram no CT do Ailton. Os dois novos reforços, goleiro Jonatas e zagueiro Gaúcho, participaram da movimentação. Enquanto isso, os atletas que atuaram contra o CRB realizaram a movimentação na concentração do clube. No período da tarde, todo o elenco se reuniu no Estådio Coaracy da Mata Fonseca, o Fumeirão, onde o tÊcnico Heriberto da Cunha comandou um coletivo apronto. A equipe encerrou os preparativos ontem e a base titular não deve mudar muito em relação ao time que venceu o Galo no meio de semana. O artilheiro Lúcio Maranhão estå confirmado.OUTROS OUTROS JOGOS 15h15 Sport x CEO 16h Murici x Corinthians

CLĂ SSICO CARIOCA

PAULISTĂƒO

PERNAMBUCANO

ApĂłs escalar praticamente a sua força mĂĄxima nos Ăşltimos compromissos do Santos, o tĂŠcnico Muricy Ramalho planeja dar um descanso aos seus principais jogadores na partida contra a Portuguesa, neste domingo, Ă s 16h, no CanindĂŠ. O duelo ĂŠ vĂĄlido pela 17ÂŞ rodada do Campeonato Paulista. O treinador destacou que a parada dos titulares jĂĄ era prevista, independentemente do duelo com o Internacional-RS, na prĂłxima quarta-feira, no Beira-Rio, pela penĂşltima rodada da fase de grupos da Copa Libertadores da AmĂŠrica. “NĂŁo ĂŠ bem pensando na Libertadores. O time fez quatro, cinco jogos seguidos, e estĂĄ na hora de parar um pouco novamente, como fizemos contra o Mogi Mirim (quando os reservas foram escalados). Chegou o momento de dar uma paradaâ€? OUTROS JOGOS Oeste x Corinthians Ituano x SĂŁo Paulo GuaratinguetĂĄ x Ponte Preta Linense x Botafogo Catanduvense x Guarani Bragantino x SĂŁo Caetano

Santa Cruz e Nåutico fazem um clåssico diferente neste domingo às 16h. O Coral jå estå garantido na próxima fase, enquanto o alvirrubro só precisa de um empate para assegurar a vaga. A disputa então serå motivada pela rivalidade e pela busca da melhor colocação. A posição na tabela vai definir os próximos confrontos, o que faz com que as equipes pensem em como fugir dos rivais ou encontrar a trajetória mais fåcil. Com 38 pontos e em terceiro lugar, o Santa pode atÊ alcançar a liderança caso Sport e Salgueiro tropecem em suas partidas. O clube coral do Arruda conta com a volta de Carlinhos e Memo, que cumpriram suspensão automåtica contra o Porto. Em contrapartida, o volante Sandro Manoel e o zagueiro William não jogam por causa do terceiro amarelo. OUTROS JOGOS Petrolina x Porto Central x AmÊrica-PE Araripina x Ypiranga Salgueiro x Belo Jardim

CLICK ARAPIRACA

Santos nĂŁo terĂĄ Santa Cruz e titulares contra NĂĄutico duelam -RJDGRUHVHVWmRIRFDGRVDSHQDVQDFODVVLÂżFDomRSDUDDVVHPLÂżQDLVGD7DoD5LR Portuguesa no Arruda

Botafogo descarta revanche contra o Flu O Botafogo reencontra o Fluminense neste domingo, Ă s 18h30 (de BrasĂ­lia), no EstĂĄdio do EngenhĂŁo, no clĂĄssico da sexta rodada da Taça Rio, segundo turno do Campeonato Carioca. Esse serĂĄ o segundo encontro entre as duas equipes na competição. Na semifinal da Taça Guanabara, as duas equipes empataram por 1 a 1 e o Tricolor acabou levando a melhor na disputa de pĂŞnaltis, se classificou para a final, ficando com o tĂ­tulo apĂłs bater o Vasco. Aquele confronto gerou vĂĄrias desconfianças sobre o elenco alvinegro, com pesadas crĂ­ticas a alguns jogadores. Apesar disso, os botafoguenses descartam qualquer clima de revanche para o duelo que se aproxima. ‘NĂŁo gosto muito da palavra revanche e nem de ficar cultivando isso, pois pode inclusive atrapalhar o nosso desempenho. Cada partida tem a sua histĂłria e a desse domingo, com certeza, serĂĄ

MILAN

Pato volta e tem chance de pegar o Barcelona 8PQRPHTXHDQGDYDHVTXHFLGR QR0LODQYROWRXDHVWDUHPSDXWD Alexandre Pato2EUDVLOHLUR YROWDUiGRV(VWDGRV8QLGRVDSyV PDLVXPDYLVLWDDHVSHFLDOLVWDVSRU FRQWDGHXPDOHVmRPXVFXODUH VHJXQGRRWpFQLFR0DVVLPLOLDQR $OOHJULSRGHUiDWpMRJDUDSDUWLGDGHYROWDFRQWUDR%DUFHORQD SHODVTXDUWDVGHÂżQDOGD/LJDGRV &DPSH}HVQR&DPS1RXÂł9DPRV DYDOLiORSDUDVDEHUVHHOHHVWi GLVSRQtYHOÂłGLVVH$OOHJUL2WLPH URVVRQHURGHIHQGHDYDQWDJHPQD OLGHUDQoDGDFRPSHWLomRQDFLRQDO FRQWUDR-XYHQWXV

bem diferente da semifinal. Temos que procurar impor o nosso estilo desde o começo e conseguir a vitĂłria, assim como fizemos contra o Vasco’, disse o meia Andrezinho. Para os jogadores do Botafogo, se o elenco começar a remoer o mau resultado na Taça Guanabara, a chance de uma nova derrota acontecer neste domingo se torna ainda maior. ‘NĂŁo estamos vivendo clima de revanche e sim a necessidade que temos de ganhar essa partida para nĂŁo complicar a nossa vida na Taça Rio. O Fluminense ganhou daquela vez nos pĂŞnaltis e precisa ser respeitando, pois conta com grandes jogadores, capazes de desequilibrar. Cabe ao Botafogo ganhar esse jogo e passamos a semana inteira nos preparando para isso’, finalizou o volante Marcelo Mattos. OUTROS JOGOS 16h Flamengo x Bangu 16h Friburguense x Madureira 16h D. Caxias x Bonsucesso

3+272&$0(5$

Botafogo e Fluminense fazem o clĂĄssico da rodada no Carioca 2012

LONDRES 2012

Fifa determina que clubes liberem jogadores $)LIDGHWHUPLQRXTXHRVFOXEHV GHYHPOLEHUDURVMRJDGRUHVFRP DWpDQRVFRQYRFDGRVSHODV VHOHo}HVGHVHXVSDtVHVSDUDR FDPSHRQDWRGHIXWHEROGD2OLPStDGD$PHGLGDpSRWHQFLDOPHQWHFRQWURYHUVDjPHGLGDTXHR FDPSHRQDWRQmRID]SDUWHGRFDOHQGiULRLQWHUQDFLRQDO³2FRPLWr H[HFXWLYRGHFLGLXTXHDOLEHUDomR GHMRJDGRUHVVXESHORVFOXEHV GHYHVHUREULJDWyULD´GHFODURXD )LIDHPFRPXQLFDGR2WRUQHLR GHIXWHEROGD2OLPStDGDGH ¿FRXPDUFDGRSHORSpGHJXHUUD HQWUHR%DUFHORQDHD$UJHQWLQD SRUFDXVDGDOLEHUDomRGH Lionel Messi

CONHECIDO...

Delegação do Coritiba chega hoje em Maceió &KHJDQHVWDVHJXQGDIHLUDHP 0DFHLyDGHOHJDomRGR&RULWLED 2WLPHHQFDUDR$6$QDSUy[LPD TXDUWDIHLUDjVKQR(VWiGLR &RDUDF\GD0DWD)RQVHFDSHOD VHJXQGDIDVHGD&RSDGR%UDVLO2WpFQLFRMarcelo Oliveira pYHOKRFRQKHFLGRGRWRUFHGRU DODJRDQR(PHOHFRPDQGRX R&5%QD6pULH%HQR(VWDGXDO 2WLPHFKHJDGHPDGUXJDGDHQD WHUoDIHLUDID]XPWUHLQDPHQWROHYH QR&7GR&RULQWKLDQV$ODJRDQR 1HVWDIDVHGDFRPSHWLomRXPD YLWyULDSRUGRLVJROVGHGLIHUHQoD GR&R[DHOLPLQDR$OYLQHJUR


16

PUBLICIDADE

TribunaIndependente


TribunaIndependente

MACEIĂ“ - DOMINGO, 1 DE ABRIL DE 2012

VeĂ­culos

VEĂ?CULOS 17

Nissan March ĂŠ escolhido o melhor carro compacto de 2012 O Nissan March (foto), conquistou um dos reconhecimentos mais importantes da imprensa automotiva especializada: ‘Melhor Compacto 2012’, categoria do PrĂŞmio “Best Carsâ€?, que ĂŠ organizado anualmente pela revista Carro, da editora Motorpress. A cerimĂ´nia de premiação foi realizada na semana passada, em SĂŁo Paulo (SP). ‘Primeiro carro popular japonĂŞs do Brasil’, o compacto Nissan March ĂŠ reconhecido pelo excelente custo-benefĂ­cio, especialmente por entregar jĂĄ em sua versĂŁo de entrada itens importantes como airbag duplo para motorista e passageiro, por R$ 27.790.

Novos acessĂłrios originais do Renault Duster

DDDDD

Novos produtos oferecidos para o SUV estĂŁo disponĂ­veis em toda a rede de concessionĂĄrias autorizadas da marca

A

Renault do Brasil estĂĄ aumentando as opçþes de acessĂłrios originais disponĂ­veis para o Duster. A partir de agora engate para reboque e rĂĄdio multimĂ­dia passam a fazer parte do portfĂłlio de itens destinados ao utilitĂĄrio esportivo de melhor relação custo - benefĂ­cio do mercado nacional. “Atualmente, cerca de 30% dos SUVs comercializados pela Renault saem da loja com algum tipo de acessĂłrio. Um Ă­ndice alto que revela o sucesso comercial dos produtos oferecidos aos consumidoresâ€?, revela Luiz Fernando Pedrucci, diretor de PĂłs-Venda da Renault do Brasil. No primeiro bimestre deste ano, por exemplo,

quase 45% dos modelos vendidos saĂ­ram das lojas com proteção frontal ou tube look. Em se tratando de alargador de para-lama, o Ă­ndice foi de pouco mais de 35%; jĂĄ os estribos ODWHUDLV Ă€FDUDP HP  Os novos produtos contam com a garantia de qualidade Renault e estĂŁo disponĂ­veis em toda a rede de concessionĂĄrias autorizadas. O engate tem preço sugerido de R$ 599,00, preço inferior ao oferecido por concorrentes diretos no mercado nacional. Homologada pela Renault e validada pelo Inmetro, a peça, que vem acompanhada de chicote, tem 40 kg de capacidade de carga e  NJ GH WUDomR 2 WHPSR mĂŠdio de instalação na rede

autorizada Ê de 1,5 hora. Outro item que passa a integrar os acessórios originais Renault para o Duster Ê o rådio multimídia. A principal característica desse lançamento Ê a versatilidade, jå que, em um único aparelho - integrado ao painel do veículo, com uma tela de 8� e tecnologia touch screen -, os ocupantes do Duster contam com TV digital, DVD Player (ambas com funcionamento liberado quando do veículo parado), rådio AM/FM, navegação por GPS, conexþes USB/iPod e Auxiliar, alÊm de entrada para câmara de rÊ e Bluetooth, que permite conectar um telefone celular ao sistema de åudio. Fornecido pela Hurricane, esse acessório tem o valor VXJHULGR GH 5 

Duster jå Ê considerado o utilitårio esportivo de melhor relação custo-benefício do mercado nacional

FĂ BRICA EM 2013

China passa a controlar todas operaçþes da Chery no Brasil A chinesa Chery passou a controlar toda a operação no Brasil, que estava nas mãos de uma empresa brasileira, a Avenco, da cidade de Salto. Agora, a direção da empresa Ê chinesa. Foi mantido apenas o diretor Luiz Curi, que estå na importadora desde o início das opeUDo}HVQR%UDVLOHP$ nova diretoria vai controlar tanto as importaçþes como

a construção da fåbrica em Jacareí, no Vale do Ribeira, que jå estå em fase de terUDSODQDJHP H GHYHUi ÀFDU SURQWDHP(PGH]HPEUR GH  VHUi ODQoDGR R primeiro Chery brasileiro. O investimento da empresa chinesa no Brasil Ê de U$ 400 milhþes. A Chery, que Ê a maior montadora de veículos independente da China, IHFKRXFRPPLOXQL-

dades vendidas no Brasil. Neste ano a expectativa era chegar a 60 mil, mas o aumento dos 30 pontos percentuais do IPI para importados baixou a estimativa pra 30 mil. Com a fåbrica em construção, a empresa espera um relaxamento nas exigências de importação, mas o carro feito aqui vai começar com os 65% de nacionalização exigidos pelo governo.


18

TribunaIndependente

VEĂ?CULOS 0$&(,Ă?'20,1*2'($%5,/'(

Fit 2013: moderno e seguro

1RYDOLQKDGRPRQRYROXPHFKHJDjV FRQFHVVLRQiULDVFRPYLVXDOUHQRYDGR

S

eja pelo elevado número de vendas ou pelos prêmios alcançados junto à mídia especializada, o Honda Fit jå provou ser um sucesso. A marca sempre busca aperfeiçoar o modelo para conquistar um espaço cada vez maior no concorrido mercado automotivo nacional. É o que foi feito em sua linha 2013, que chega à rede de concessionårias com PXGDQoDV VLJQLÀFDWLYDV As novidades começaram

no número de versþes. Serão seis a partir deste ano: DX (MT), LX (MT e AT), EX (MT e AT), e EXL (AT). AlÊm disso, o Honda Fit Ê apresentado com um novo design. Os paralamas dianteiros foram redesenhados. Isso sem contar os novos parachoques dianteiro e traseiro, a grade frontal e o conjunto de faróis. Tudo novo. Aliås, o veículo tambÊm ganhou mais autonomia com a mudança no tanque de combustível, que terå capa-

Modelo Honda Fit 2013 ĂŠ comercializado com o ar-condicionado em todas as suas versĂľes; na EX e na EXL o sistema ĂŠ todo digital

cidade ampliada para 47 litros (antes eram 42 litros). A tecnologia tambÊm ganhou mais espaço no face-lift do Fit 2013. As versþes EX e EXL, por exemplo, receberam sensores de estacionamento. A versão LX tambÊm vem com mudanças importantes. Novas rodas mais

arrojadas foram projetadas e, essa versão, contarå agora com sistema de freios ABS com EBD — jå disponível nas versþes EX e EXL. Linha 2013 retrata evolução do modelo que caiu nas graças do público. Sua segunda geração ultrapassou a marca de mais de 120

mil unidades emplacadas. Um adjetivo explica muito bem o que as pessoas sentem ao olhar o novo Fit. Trata-se de um carro boniWR3DUDHOHÀFRXPDLV agressivo e moderno, uma vez que passou por algumas alteraçþes em seu design. Paralamas e parachoques dian-

teiro e traseiro, rodas, grade frontal e conjunto de faróis de todas as versþes foram redesenhados. Some a isso sua ampla årea envidraçada, que melhora a visibilidade dos ocupantes, e o marcante conjunto óptico, que oferece uma iluminação de elevado alcance e contribui para

FORA-DE-ESTRADA

Mercedes-Benz lança Ă´nibus para escola rural A Mercedes-Benz lançou um chassi de Ă´nibus especial para equipar veĂ­culos de transporte de alunos na zona rural. O novo modelo, denominado OF 1519 R, foi concebido para operação fora-de-estrada, com o objetivo de oferecer maior robustez e resistĂŞncia, jĂĄ que o Ă´nibus ĂŠ submetido a condiçþes severas de rodagem, em estradas de terra. O chassi atende os requisitos do edital do Ă”nibus Rural Escolar (ORE) do programa “Caminho da Escolaâ€?, do Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação, ĂłrgĂŁo ligado ao MinistĂŠrio da Educação. Entre os requisitos, o edital exige balanço dianteiro curto para facilitar a circulação em

pisos acidentados, altura elevada do solo para enfrentar os buracos da pista e bloqueio no eixo traseiro para melhorar a tração em åreas irregulares e terrenos alagados. CONSUMO O novo chassi da Mercedes-Benz tem tambÊm freio-motor auxiliar top brake, que amplia a potência de frenagem e propicia menor consumo de combustível e menor desgaste dos componentes dos freios e dos pneus. Veículo possui, ainda, barras estabilizadoras na dianteira e na traseira, dando mais estabilidade, segurança e conforto. O eixo traseiro reforçado garante, segundo a empresa, o bom desempenho para rodar em regiþes mais acidentadas da zona rural.

INOVADOR

Sistema hĂ­brido da Nissan ganha prĂŞmio no JapĂŁo O inovador sistema hĂ­brido com tecnologia de dupla embreagem rendeu Ă Nissan o reconhecimento do Ichimura Prizes in Industry, tradicional premiação da fundação japonesa New Technology Development. O sistema hĂ­brido recebeu a honraria na categoria “PrĂŞmio Contribuiçãoâ€?. A fundação, que organiza a premiação hĂĄ mais de quatro dĂŠcadas, indicou o sistema hĂ­brido da Nissan pelo seu baixo peso e estrutura simples. Focado nos veĂ­culos de passeio, especialmente os FRPSDFWRV GH DOWD HĂ€FLrQcia energĂŠtica, o sistema entrega simultaneamente desempenho e dirigibilidade equivalentes aos de um motor V8. Esse sistePD Mi p XWLOL]DGR QR ,QĂ€-

Modelo Mercedes-Benz atende ao edital do programa “Caminho da Escolaâ€?, do Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação

MANAUS

Harley Davidson: uma nova fĂĄbrica

A Harley Davidson vai montar suas motos no Brasil em nova unidade em Manaus. As operaçþes jå começaram e serão realizadas pelo sistema CKD (todas as peças chegam ao Brasil onde são montadas). Esta unidade substitui a antiga, que estava em operação desde 1999 e foi

a primeira linha de montagem em CKD da marca fora dos Estados Unidos. “A Harley Davidson jĂĄ reconheceu o potencial do Brasil muito tempo atrĂĄs, motivo pelo qual abrimos a linha de montagem original em Manaus hĂĄ mais de uma dĂŠcada. Hoje, podemos oferecer melhores serviços aos nossos consumidores

e uma experiência com a marca nunca vista antes no País. Faz parte de nossa estratÊgia superar as expectativas dos consumidores em todo o mundo�, disse Keith Wandell, presidente da Harley Davidson Inc. A unidade deverå montar 18 modelos de um total de 19 vendidos no Brasil. $VLQVWDODo}HVVmRà H[tYHLV

permitindo que a linha de montagem produza múltiplos modelos e responda rapidamente às demandas do mercado. O processo de montagem completo de uma moto Harley Davidson varia de 14 a 35 minutos. Um avanço para o setor e mostra a continuidade do trabalho realizado para atender ao mercado nacional.

niti M e no Nissan Fuga. Antes desse desenvolvimento da Nissan, os sistemas híbridos em automóveis utilizavam preferencialmente conversor de torque ao invÊs da tecnologia de duas embreagens para o melhor funcionamento do conjunto. Entretanto, os engenheiros da Nissan conseguiram preservar as melhores características de dirigibilidade com uma tecnologia de controle do motor e embreagem, como arrancadas råpidas e respostas imediata das baterias de íon-lítio. PERFORMANCE A utilização do motor em alta velocidade Ê mais frequente e o condutor aproveita a performance mais emocionante do veículo. A Nissan investe cada vez mais em pesquisas.

Unidade montarå 18 modelos de um total de 19 vendidos no Brasil, instalaçþes são ÀH[tYHLV permitindo montagem de múltiplos modelos

SĂƒO PAULO

MOTOCICLETAS

MOTOR V8

$&XPPLQVYDLFRQVWUXLUXPD QRYDIiEULFDHP$WLEDLD63 SDUDDIDEULFDomRGHJUXSRV JHUDGRUHV IRWR 2ORFDOVHUi XVDGRWDPEpPFRPRFHQWUR GHGLVWULEXLomR2LQYHVWLPHQWRVHUiGH5PLOK}HV $IiEULFDQRTXLO{PHWURGD URGRYLD'RP3HGUR,YDLJHUDU HPSUHJRVGLUHWRVSRGHQGR FKHJDUD)iEULFDWHUiFDSDFLGDGHSDUDSURGX]LUPLO XQLGDGHVGHJHUDGRUHV

&RPRLQWXLWRGHPRVWUDUWRGRV RVGLIHUHQFLDLVGRVHXOLQHXS GHPRWRFLFOHWDVHUHIRUoDUR FRQFHLWRGHSLORWDJHPFRP VHJXUDQoDD+RQGDSDUWLFLSD GR0RWRIDLU IRWR TXH WHUPLQDQHVWHGRPLQJRQR ([SRPLQDV%HOR+RUL]RQWH 0* 2HYHQWRpFRQVLGHUDGRDPDLRUIHLUDGRVHWRU GHGXDVURGDVGR(VWDGRGH 0LQDV*HUDLV(PXPDiUHDLQWHUQDGHPRVYLVLWDQWHVFRQWDPFRPD H[SRVLomRGRVPRGHORVQDFLRQDLVHLPSRUWDGRVGDPDUFD

Depois de ser Ă&#x20AC;DJUDGRHPGLferentes testes, HQÂżPR%0: 0&DEULR IRWR  YDLHVWUHDU2 PRGHORGHYH DSDUHFHUSHOD SULPHLUDYH]QR 6DOmRGH1RYD <RUNTXHFRPHoDQRGLDGHDEULO$YDULDQWHFRPFDSRWDGRFXSrIRLDSUHVHQWDGDQRLQtFLRGHVWHPrV$PEDVWrPDPHVPDPHFkQLFDHDPXGDQoD ÂżFDSRUFRQWDGDFDUURFHULD8PPRWRU9ELWXUERGHFYDQLPDDYHUVmR

Cummins terĂĄ nova fĂĄbrica de geradores

Honda marca presença no Motofair 2012

BMW M6 Cabrio estreia em Nova York


TribunaIndependente

MACEIĂ&#x201C; - DOMINGO, 1 DE ABRIL DE 2012 CIDADES VEĂ?CULOS 20

Visa orienta vendedores de pescados

Capacitação da Vigilância Sanitåria de Maceió teve como objetivo reforçar cuidados com este tipo de alimento

A

s orientaçþes acerca da manipulação, exposição e acondicionamento de pescados â&#x20AC;&#x201C; peixes, crustĂĄceos e moluscos â&#x20AC;&#x201C; foram tema, na Ăşltima terça-feira (20), da capacitação promovida pela Coordenação de Vigilância SanitĂĄria de MaceiĂł para reforçar os cuidados que devem ser adotados pelos vendedores desses alimentos, que serĂŁo especialmente consumidos nas prĂłximas semanas. Por conta da proximidade do perĂ­odo de PĂĄscoa, a atividade serviu como ação preventiva. Sob a coordenação da inspetora Jadna Cilene Gomes, a palestra abordou inĂşmeras questĂľes relativas Ă venda dos pescados, como a necessidade das condiçþes adequadas do ambiente em que os ali-

mentos serĂŁo expostos aos consumidores e a apresentação do pescado e do vendedor (higiene pessoal), alĂŠm das condiçþes de acondicionamento desses produtos, altamente perecĂ­veis. â&#x20AC;&#x153;Apesar do comportaPHQWR GRV SURĂ&#x20AC;VVLRQDLV GD ĂĄrea ter melhorado, ĂŠ preciso sempre reforçar esses cuidados, especialmente com a limpeza das mĂŁos, que deve ser feita antes de tudo e depois de qualquer coisa. Como a maioria das bactĂŠrias que causam doenças nĂŁo alteram os alimentos, a atenção permanente com os aspectos higiĂŞnico-sanitĂĄrios na manipulação e conservação desses alimentos sĂŁo fundamentais na prevenção das enfermidadesâ&#x20AC;?, orientou a nutricionista. Para a presidente da ColĂ´nia de Pescadores Z-1, localizada na Pa-

ASSESSORIA

juçara â&#x20AC;&#x201C; onde a capacitação foi realizada â&#x20AC;&#x201C; Maria Aparecida Silva, a ação da Visa de MaceiĂł foi importante para todos, por atualizar e esclarecer sobre os procedimentos que devem ser incorporados ao dia-a-dia da atividade. â&#x20AC;&#x153;Na rotina da comercialização dos pescados, alguns desses detalhes podem acabar passando despercebidos, causando consequĂŞncias indesejĂĄveis. Seguindo as orientaçþes, nĂŁo colocaremos nossa FOLHQWHOD HP ULVFRÂľ DĂ&#x20AC;UPD A atividade da Visa fez parte da programação voltada Ă Semana Santa, que inFOXLUiDĂ&#x20AC;VFDOL]DomRGHWRGRV os pontos â&#x20AC;&#x201C; mercados, feiras livres e balanças â&#x20AC;&#x201C; de venda do pescado, garantindo assim Ă  população a segurança dos alimentos mais consumidos nessa ĂŠpoca do ano. PescadoresFODVVLÂżFDUDPRULHQWDo}HVFRPRLPSRUWDQWHVHPHVSHFLDOSDUDPDQWHUDFOLHQWHOD SANDRO LIMA

FIQUE ATENTO

Higiene das embarcaçþes UHà HWHQDTXDOLGDGHGRSHL[H

Pescado FRPHoDSURFHVVRGHGHFRPSRVLomRORJRGHSRLVTXHPRUUHSRULVVRWRGRFXLGDGRpSRXFR

A forma como o pescado ĂŠ manipulado e conservado nas embarcaçþes de pesca tem uma grande repercusVmR QD TXDOLGDGH Ă&#x20AC;QDO GRV produtos e na sua higiene. 2 REMHWLYR GRV SURĂ&#x20AC;Vsionais deste setor ĂŠ que o pescado chegue Ă terra em Ăłtimas condiçþes de conservação, sem golpes, livre de toxinas e com todo o seu valor nutricional. Deste modo ĂŠ possĂ­vel disponibilizar ao consumidor um produto de alta qualidade e com elevado valor comercial. O peixe ĂŠ um alimento muito perecĂ­vel,

cuja conservação não Ê fåcil, uma vez que o processo de degradação tem início logo que o animal morre. A partir desse momento começam a ocorrer as reaçþes químicas de decomposição, os microrganismos começam a multiplicar-se, o odor torna-se desagradåvel e o aspecto vai se tornando cada vez menos apelativo. AlÊm de tudo isto, o estresse a que estes animais estão sujeitos, as feridas e os golpes que estes podem sofrer durante a pesca tambÊm aceleram o processo de degradação. A junção de todos

estes fatores faz com que o alimento perca o seu valor nutricional e comercial. As boas pråticas de higiene e manipulação evitam a råpida deterioração do pescado e mantêm a sua alta qualidade nutricional e segurança. O processo de degradação pode ser retardado se forem tomadas as atitudes corretas. O processo de lavagem, a manutenção da cadeia de frio e a correta manipulação são os processos mais importantes. O consumidor deve estar atento a esses cuidados e sempre tirar dúvidas na hora da compra.


20

ESPECIAL

MACEIÓ - DOMINGO, 1 DE ABRIL DE 2012

TribunaIndependente


TribunaIndependente

MACEIĂ&#x201C; - DOMINGO, 1 DE ABRIL DE 2012 DIVERSĂ&#x192;O&ARTE

Anne Hathaway terĂĄ de perder sete quilos em atĂŠ trĂŞs semanas

Piers Morgan diz que Madonna pode voltar a seus programas se pedir desculpas

Anne Hathaway terĂĄ de perder sete quilos em no mĂĄximo trĂŞs VHPDQDV$H[LJrQFLDYHLRGDSURGXomRGHVHXQRYRÂżOPH â&#x20AC;&#x153;Les Miserablesâ&#x20AC;?, segundo o â&#x20AC;&#x153;Daily Mailâ&#x20AC;?. Para conseguir um resultado rĂĄpido, a atriz irĂĄ comer apenas 500 calorias por dia, ao invĂŠs das duas mil que sĂŁo recomendadas. No longa, ela interpreta Fantine, uma prostituta pobre prestes a morrer e que reaparece como um fantasma.

O apresentador Piers Morgan disse que a cantora Madonna pode aparecer nos seus programas nos EUA e Reino Unido dos quais foi banida, mas apenas se ela pedir desculpas de joelhos, informou o site TMZ. â&#x20AC;&#x153;A Madonna pode aparecer no show, mas ela precisa cair de joelhos e pedir desculpas para mimâ&#x20AC;?, falou Morgan. Segunda-feira (26). Morgan trocou farpas no Twitter com a musa pop. â&#x20AC;&#x153;Seja bem-vinda ao Twitter. VocĂŞ continua banida do meu show. Com Amor, Piers Xâ&#x20AC;?, escreveu ele sem explicar o motivo da proibição.

1

AB

Lado e Dinho Ouro Preto se divide em dois para tocar o Capital Inicial e lançar um disco solo

U

m belo dia de agosto de 2011, Dinho Ouro Preto, cantor do Capital Inicial, estava visitando a sede de sua gravadora, a Sony, no Rio, quando enxergou uma janela de oportunidade: â&#x20AC;&#x153;Entrei na sala do meu diretor artĂ­stico, Bruno Batista, e perguntei a ele se poderia gravar um disco solo, de covers, em inglĂŞsâ&#x20AC;?, lembra o cantor! O disco seguinte do Capital sĂł sairia um ano depois, e eu hĂĄ tempos tinha a vontade de gravar um disco meu, fazendo tudo do meu MHLWR3DUDTXHQmRĂ&#x20AC;FDVVH parecido com o que jĂĄ faço na banda, tive a ideia de gravar mĂşsicas de outros autores, em inglĂŞs, em um formato de voz e violĂŁo. Primeira mentira. Depois, ele ainda prometeu a Bruno que em um mĂŞs tudo estaria gravado. â&#x20AC;&#x153;Seria moleza, eu e um cara para tocar o violĂŁo, mĂşsicas que conheço bem... Pois ĂŠ, levei seis mesesâ&#x20AC;?. O repertĂłrio de â&#x20AC;&#x153;Black heartâ&#x20AC;?, que estĂĄ chegando Ă s lojas, atĂŠ que nĂŁo foi problema. â&#x20AC;&#x153;Naquela primeira conversa, pensei em bandas dos anos 1980, como o Cure, os Smiths e Nick Cave, em mĂşsicas um pouco mais lentas, introspectivasâ&#x20AC;?, conta ele. â&#x20AC;&#x153;Logo surgiram â&#x20AC;&#x153;Lovesongâ&#x20AC;?, do Cure, e â&#x20AC;&#x153;There is a time that never goes outâ&#x20AC;?, do Morrissey (ex-cantor dos Smiths). AĂ­, resol-

dĂŠcadas, nesse mesmo clima. EntĂŁo, vieram â&#x20AC;&#x153;Suspicious mindsâ&#x20AC;?, do Elvis (dos anos 1960), â&#x20AC;&#x153;Dancing barefootâ&#x20AC;?, da Patti Smith (anos 1970), e as mais recentes, como â&#x20AC;&#x153;Steady as she goesâ&#x20AC;?, dos Raconteurs (2006) e â&#x20AC;&#x153;Time is running outâ&#x20AC;?, do Muse (2003)â&#x20AC;?. AlĂŠm das semelhanças estilĂ­sticas das mĂşsicas, mais introspectivas do que o rockĂŁo que ele costuma cantar, Dinho vĂŞ outras caracterĂ­sticas em comum: â&#x20AC;&#x153;SĂŁo todos grandes letristas: Leonard Cohen, Morrissey, Patti Smith, Nick Cave... A mĂşsica de Cave, â&#x20AC;&#x153;Are you the one that Iâ&#x20AC;&#x2122;ve been waiting for?â&#x20AC;?, ĂŠ a minha favorita. E ĂŠ o Ăşnico com quem jĂĄ toquei: quando ele morava em SĂŁo Paulo, no começo dos anos 1990. Ele promovia noitadas de rock movidas a ĂĄlcool e cocaĂ­na na casa deleâ&#x20AC;?.

a maioria dos artistas que gravou sĂŁo independentes. â&#x20AC;&#x153;Ă&#x2030; curioso, e reforça essa cara de lado B do discoâ&#x20AC;?. Muito bem, a escolha das mĂşsicas foi divertida e rĂĄpida. Mas, na hora de ir para o estĂşdio... â&#x20AC;&#x153;Eu achava que teria mais tempo, mas o Capital toma muito da minha agendaâ&#x20AC;?, conta ele. â&#x20AC;&#x153;A banda nĂŁo para nunca, nem quando estĂĄ gravando. SĂł parou, por seis meses, quando eu caĂ­ do palco (em um show em Poços de Caldas, em outubro de 2009, lesionando seis vĂŠrtebras e sofrendo traumatismo craniano) e nĂŁo podia cantarâ&#x20AC;?. A agenda deixou menos tempo para que Dinho e o produtor David Corcos â&#x20AC;&#x201D; responsĂĄvel pelo Ăşltimo disco do grupo, â&#x20AC;&#x153;Das Kapitalâ&#x20AC;?, e pelo prĂłximo â&#x20AC;&#x201D; cuidassem do disco. O violĂŁo que seria a Ăşnica

de Corcos: Eduardo Bologna, virtuose e rato de estĂşdio em SĂŁo Paulo que acompanhou LobĂŁo em seu premiado â&#x20AC;&#x153;AcĂşstico MTVâ&#x20AC;?. â&#x20AC;&#x153;Ele veio Ă minha casa e tiramos as 12 mĂşsicasâ&#x20AC;?, lembra Dinho. â&#x20AC;&#x153;Mas aĂ­ começamos a achar que outros instrumentos poderiam entrar, e o disco IRLĂ&#x20AC;FDQGRGHPRUDGRGLVSHQdioso, internacional...â&#x20AC;? A cantora Lisa Papineau, da banda indie americana Big Sir (â&#x20AC;&#x153;precisava de uma mulher que cantasse em inglĂŞs sem sotaqueâ&#x20AC;?, diz Dinho), e o tecladista Koool G Murder, mĂşsico de estĂşdio em Los Angeles, gravaram suas partes nos EUA e as enviaram pela internet. â&#x20AC;&#x153;Para quem começou gravando cassetes, isso ĂŠ muito Jetsons, nĂŠ?â&#x20AC;?, brinca Dinho. Tudo isso aconteceu enquanto o Capital viajava, tocava no Rock in Rio... â&#x20AC;&#x153;Foi uma loucura, e deve piorarâ&#x20AC;?, diz o cantor. De fato: em abril e parte de maio, Dinho serĂĄ ele mesmo de segunda a sexta e cantor do &DSLWDOQRVĂ&#x20AC;QVGHVHPDQDD partir daĂ­, ele começarĂĄ a ensaiar e gravar o novo disco do TXDUWHWRGHSRLV'LQKRSDVVD a fazer shows solo Ă s quintas e domingos, deixando sextas e sĂĄbados para o Capital. â&#x20AC;&#x153;Tinha que ser agoraâ&#x20AC;?, suspira ele. â&#x20AC;&#x153;Ainda sinto dores na coluna por causa do acidente, e vou fazer 48 anos em abril. Daqui a alguns anos, talvez


2

TribunaIndependente

DIVERSÃO&ARTE 0$&(,Ï'20,1*2'($%5,/'(

Concerto aos Domingos +RMHR&RQFHUWRDRV'RPLQJRVRIHUHFHDRS~EOLFRRGXRGHÀDXWDHSLDQRIRUPDGRSRU5RJpULR$FLROLH(O\DQQD&DOGDV1RSURJUDPD WHP*DEULHO)DXUp )DQWDVLDRS )UDQFLV3RXOHQF VRQDWDSDUDÀDXWDHSLDQR &ODXGH'HEXVV\ /D¿OOHDX[FKHYHX[GHOLQ 9LOOD± /RERV 2FDQWRGRFLVQHQHJUR H$QWRQLQ'YRUiN 6RQDWLQDRS $P~VLFDFRPHoDjVKQR,QVWLWXWR+LVWyULFRH*HRJUi¿FRGH $ODJRDV ,+*$/ QD/DGHLUDGR%ULWRQR&HQWURGDFLGDGH

Edital Infantil Coco de Roda 2VDXWRUHVDODJRDQRVGHYHP¿FDUDWHQWRVSRLVDLPSUHVVDR¿FLDODEULXHGLWDOTXHDEUHFRQFRUUrQFLD SDUDSXEOLFDomRGHOLYURVLQIDQWLVQDFROHomR&RFRGH5RGD2VLQWHUHVVDGRVSRGHPFRQFRUUHUFRP KLVWyULDVLQIDQWLVTXHDERUGHPWHPDVFXOWXUDLVHKLVWyULFRVGH$ODJRDV$VLQVFULo}HVDFRQWHFHUmRDWp RGLDGHDEULO$V¿FKDVGHLQVFULomRHVWmRGLVSRQtYHLVQRVLWHGD,PSUHQVD2¿FLDO ZZZLPSUHQVDR¿FLDODO HRVFDQGLGDWRVGHYHPOHYDURWUDEDOKRHPWUrVYLDVLPSUHVVDVDVVLPFRPRXPDFySLD GRDUTXLYRHP&'RX'9'2VFLQFRWH[WRVVHOHFLRQDGRVTXHGHYHPWHUQRPi[LPRSDODYUDV VHUmRHGLWDGRVLPSUHVVRVSXEOLFDGRVHFRPHUFLDOL]DGRVSHODLQVWLWXLomR0DLVLQIRUPDo}HV RXQRHPDLODWHQGLPHQWR#LPSUHQVDR¿FLDODO

Loucos no teatro 1RSUy[LPRGLDGHDEULO FRPHoDDWHPSRUDGD GRSURMHWR3DOFR*LUDWyULRGR 6HVF1DFLRQDO(P0DFHLy DSULPHLUDDSUHVHQWDomRp GD&LD*DQ\PHGHVFRPR PRQWDJHP³$V0XLWDVÒOWLPDV&RLVDV´&RPGLUHomRGH )iWLPD)DULDVRHVSHWiFXOR PRVWUDTXDWURSHUVRQDJHQV TXHYLYHPFRQ¿QDGDV GLVWDQWHVGRPXQGRH[WHULRU (PFHQDRHVSDoRGDDomR QmRVHGH¿QH(VWDULDPHOHV QXPDHVSpFLHGHVDQDWyULR ou apenas detentos de suas SUySULDVPHQWHV"2UDORXFRV RUDDSHQDVVROLWiULRV$ DSUHVHQWDomRVHUijVKQR 7HDWUR-RIUH6RDUHVQR6HVF &HQWUR$EHUWRDRS~EOLFR -iQRGLDGHDEULOpDYH] GRHVSHWiFXOR³3DLH)LOKR´ GD3HTXHQD&RPSDQKLDGH 7HDWUR 0DUDQKmR 

Dupla 1RSUy[LPRGLDGHDEULOD'LUHWRULDGH7HDWURV GR(VWDGRGH$ODJRDVUHDOL]DUiRž&RQFHUWR GH3iVFRDGR7HDWUR'HRGRURDSUHVHQWDQGRR duo formado pelo alagoano Fernando Melo e pelo paulistano Luiz Bueno QRVKRZ³DQRV GH'XRIHO´TXHVHUiRODQoDPHQWRGR'9' ³'XRIHO3OD\V7KH%HDWOHV±/LYH7KH&DYHUQ &OXE/LYHUSRRO´2VLQJUHVVRVHVWDUmRjYHQGDD SDUWLUGRVGLDGHDEULOQDELOKHWHULDGR7HDWUR 'HRGRURDRSUHoRGH5 LQWHLUD H5 PHLDHQWUDGD 

Sextas Populares $VHJXQGDWHPSRUDGDGRSURMHWR6H[WDV3RSXODUHVWDPEpP UHDOL]DGRSHOD'LWHDOFRPHoDQRGLDGHDEULO(VWHSURMHWRWHP SRUREMHWLYRGLYXOJDUDSURGXomRPXVLFDOHP$ODJRDVSRUPHLR GHDSUHVHQWDo}HVjVVH[WDVIHLUDVQRSiWLRH[WHUQRGR7HDWUR 'HRGRURVHPSUHDSDUWLUGDVKFRPHQWUDGDJUDWXLWD&DGD DUWLVWDRXJUXSRVHDSUHVHQWDUiSRUGXDVVHPDQDVFRQVHFXWLYDV $DEHUWXUDGHVWDWHPSRUDGDVHUiFRPRP~VLFRAllan Bastos. ,QIRUPDo}HVSDUDVDEHUFRPRVHLQVFUHYHURXSHOR HPDLOGDFGHRGRUR#JPDLOFRP

Comédia

Artistas visuais

Rebeldes

$V'LVSXWDGDVTXHPVHUiD'LDQDGRSDVWRULO" ,QVSLUDGDQDFXOWXUDIROFOyULFDGH$ODJRDVD SHoDGHFRPpGLDVREHDRVSDOFRVGRWHDWURGR &LQH6HVLHSHUPDQHFHHPFDUWD]DWpR¿PGH PDLRVHPSUHDRVGRPLQJRV&RPDQGDGDSHORV DWRUHV5pJLVGH6RX]D3LHUUH3HOHJULQHH6DOOHV 7HQyULRRHVSHWiFXORFXVWD5 LQWHLUD H 5 PHLDHQWUDGD HMiHVWmRGLVSRQtYHLVQD ELOKHWHULDGRWHDWUR

(GLWDODEHUWRDWpRGLDDEULOLUiVHOHFLRQDU H[SRVLo}HVQDViUHDVGHDUWHVSOiVWLFDVLQWHUYHQomRYLGHRDUWHSHUIRUPDQFHLQVWDODomRRX RXWUDVH[SHULPHQWDo}HVQRFDPSRGDVDUWHV YLVXDLV$RORQJRGRDQRVHUmRUHDOL]DGDV VHWHH[SRVLo}HVWHPSRUiULDVTXHSRGHUmRVHU YLVLWDGDVGHWHUoDDGRPLQJRGDVKjVK 2HGLWDOSRGHVHUDGTXLULGRQRHPDLOLSKDQ DO#LSKDQJRYEURXRX

Casa do Patrimônio de Maceió

(GLWDODEHUWRDWpRGLDDEULOLUiVHOHFLRQDUH[SRVLo}HVQDViUHDVGHDUWHVSOiVWLFDVLQWHUYHQomRYLGHRDUWHSHUIRUPDQFHLQVWDODomRRXRXWUDV H[SHULPHQWDo}HVQRFDPSRGDVDUWHVYLVXDLV$R ORQJRGRDQRVHUmRUHDOL]DGDVVHWHH[SRVLo}HV WHPSRUiULDVTXHSRGHUmRVHUYLVLWDGDVGHWHUoD DGRPLQJRGDVKjVK2HGLWDOSRGHVHU DGTXLULGRQRHPDLOLSKDQDO#LSKDQJRYEURX RX

6XFHVVRGRS~EOLFRDGROHVFHQWHDEDQGDRebeldes HVWiSHUFRUUHQGRRSDtVFRPDWXUQr³0XVLFDO ´(P0DFHLyRVKRZHVWiPDUFDGRSDUDRGLDGHDEULOQD9R[5RRP HVWDFLRQDPHQWRGR -DUDJXi $SURGXomRORFDODLQGDQmRGH¿QLXRKRUiULRGRVKRZ3UHoRV5H5 iUHD9LS  ,QIRUPDo}HV

FALE CONOSCO$$JHQGDpXPVHUYLoRJUDWXLWRGHRULHQWDomRDROHLWRU2VLQWHUHVVDGRVHPGLYXOJDUHYHQWRVVKRZVHH[SRVLo}HVSRGHPHQYLDUPDWHULDODWUDYpVGRHQGHUHoRWLDJHQGD#KRWPDLOFRP


TribunaIndependente GLOBO

0$&(,Ă?'20,1*2'($%5,/'( DIVERSĂ&#x192;O&ARTE

FLĂ VIO RICCOFRODERUDomR-RVp&DUDORV1HU\ZZZWZHWWHUFRPĂ&#x20AC;DYLRULFFR

â&#x20AC;&#x153;Pânicoâ&#x20AC;? volta com mais responsabilidade

Fechou 2DSUHVHQWDGRU*LOEHUWR%DUURVDIDVWDGRGDWHOHYLVmRGHVGH pRQRYRFRQWUDWDGRGD5HGH79 7RGRVRVGHWDOKHVVREUHRSURJUDPDTXHHOHLUiFRPDQGDUQDHPLVVRUDVHUmRLQIRUPDGRVQRVSUy[LPRVGLDV

Boa ocasiĂŁo

TV TUDO

5RGULJR)DURDWpHPIXQomRGRFRQFXUVRGH GDQoDGD-HQQLIHU/RSH]HVWiFRPYLDJHP PDUFDGDSDUDRV(VWDGRV8QLGRV (WHPSURFXUDGRDUPDUWXGRGHXPMHLWRSDUD TXHSRVVDDFRPSDQKDUDRYLYRD¿QDOGR ³$PHULFDQ,GRO´9DLFRPRFRQYLGDGRHVSHFLDO da J-Lo.

Segredo

C

3

2QRYRSURJUDPDGR6%7TXHWHUi

omo nĂŁo poderia deixar de ser e por tudo que DGLUHomRGH/HRQRU&RUUrDDLQGDp representa, a estrĂŠia do â&#x20AC;&#x153;Pânicoâ&#x20AC;?, neste domingo, XPVHJUHGRUHVWULWRDSRXFRV 6RPHQWHDSDUWLUGHVWDVHJXQGDIHL9 da noite, na Rede Bandeirantes, ĂŠ aguardada com enorme interesse. Depois de oito anos na Rede UDTXDQGRHODMiHVWDUiWRWDOPHQWH OLEHUDGDGRÂł(OLDQD´RSURMHWR TV!, ĂŠ natural esperar que o programa, agora FRPHoDUiDVHUGHVHQYROYLGR com melhores condiçþes de trabalho e maior responsabilidade â&#x20AC;&#x201C; como admitem os seus prĂłprios O mesmo horĂĄrio integrantes, possa surpreender o pĂşblico de ma- 7XGRFRPRDQWHVQDÂł)D]HQGD´ QHLUDEHPSRVLWLYD+RXYHWHPSRVXĂ&#x20AC;FLHQWHSDUD GD5HFRUG$DQXQFLDGDWURFDGH isso. Para avaliar o que de bom existia e deve ser KRUiULRFRPDSUHVHQWDo}HVGR preservado, com as mudanças que a simples tro- SURJUDPDQDIDL[DGDVGDQRLWH QmRYDLPDLVDFRQWHFHU ca de canal passam a exigir. O â&#x20AC;&#x153;Pânicoâ&#x20AC;?, ainda na $GLUHomRGD5HFRUGDFDERXRSWDQantiga emissora, jĂĄ dava sinais da necessidade GRHDJRUDGHIRUPDGHÂżQLWLYDSHOD de um gĂĄs diferente. Que os exageros e a brutali- IDL[DGDVKRUDV GDGHGHDOJXPDVVLWXDo}HVĂ&#x20AC;TXHPQRSDVVDGR2 Luta de sempre seu elenco, com CearĂĄ, Carioca, Vesgo, Sabrina, Bola, Evandro, Edu e tantos outros, sob a lide$LQGDDSURSyVLWRGDÂł)D]HQGD´R GHSDUWDPHQWRFRPHUFLDOGD5HFRUG UDQoDGR(PtOLRMiVHPRVWURXVXĂ&#x20AC;FLHQWHPHQWH capaz de apresentar um humor interessante. E ĂŠ MiGHDOJXQVGLDVHVWiGHPDQJDV arregaçadas tentando fechar o exatamente isso, com toda a certeza, que o pĂşbli- SDFRWHGHVWHDQR ([LVWHPDOJXPDVGLÂżFXOGDGHVHVco das noites de domingo estĂĄ esperando.

Tempo integral 'HSRLVGHXPSHUtRGRDSHQDVGHGLFDGRDRV WUHLQDPHQWRVSDUDRVHXMRJRGHGHVSHGLGD UHDOL]DGRHP6mR-DQXiULRQD~OWLPDTXDUWDIHLUD(GPXQGRDJRUDSDVVDDGLVSHQVDU WHPSRLQWHJUDOjVVXDVDWLYLGDGHVQD%DQGHLrantes. (VWHSHORPHQRVpRGHVHMRGDHPLVVRUD

Festa na Globo +RMHpRGLDGR³0HOKRUHVGR$QR´QR ³'RPLQJmRGR)DXVWmR´8PDIHVWDVHPSUH DJXDUGDGDFRPYiULDVDWUDo}HVHTXHSUHPLDDTXHOHVTXHPDLVVHGHVWDFDUDPHQWUH DWRUHVHMRUQDOLVWDVDRORQJRGR~OWLPRDQR (QWUHRXWUDVDWUDo}HV)DXVWR6LOYDYDLUHFHEHU%LEL)HUUHLUD3DXOD)HUQDQGHV0LFKHO 7HOyH*XVWWDYR/LPD6HLVGDWDUGH

SHFLDOPHQWHFRPUHODomRjVFRWDV GHSDWURFtQLR

Bate-rebate ¡ O canal Viva, da Globo, vai completar dois anos no ar agora em maio. Ă&#x201A;$*ORERDLQGDQmRGHÂżQLXFRPRVHUiR ´0DOKDomR´QRVHJXQGRVHPHVWUHPDVMiHVWi FRQÂżUPDGDDVXDSHUPDQrQFLDQDJUDGH ¡ JĂĄ tem muita gente escalada, mas ainda hĂĄ papĂŠis a serem preenchidos em â&#x20AC;&#x153;Salve Jorgeâ&#x20AC;?, da GlĂłria Perez. Ă&#x201A;'HTXDOTXHUPDQHLUDDSUySULDDXWRUDMi LQIRUPRXTXHDVXDQRYHODWHUiPDLVGH SHUVRQDJHQV Ă&#x201A;1D5HGH79HVWiWXGRSURQWRHFRQÂżUPDGR para a estreia do â&#x20AC;&#x153;Estação Teenâ&#x20AC;?, do Dudu Surita, no prĂłximo dia 9. Ă&#x201A;2SURJUDPDVHUiDSUHVHQWDGRGLDULDPHQWHQD IDL[DGDVVHWHGDQRLWH ¡ Na Band tambĂŠm se fala num programa sĂł do Felipe Andreolli. Mas nĂŁo ĂŠ coisa para tĂŁo jĂĄ. Ă&#x201A;eEHPSRVVtYHODSDUWLFLSDomRHVSHFLDOGHDOJXQVH[MRJDGRUHVFDULRFDVHPÂł$YHQLGD%UDVLO´ ¡ O autor JoĂŁo Emanuel Carneiro, no entanto, ainda nĂŁo deu pistas de como isto irĂĄ acontecer. Ă&#x201A;,VDEHOOD*DUFLDWDPEpPWHYHFRQÂżUPDGDDVXD HVFDODomRHPÂł/DGRD/DGR´SUy[LPDGDVQD *ORERGRVDXWRUHV-RmR;LPHQHVH&ODXGLD /DJH

Deixou no ar 1DIHVWDGD5HFRUGUHDOL]DGDHP 6mR3DXORQDQRLWHGD~OWLPDWHUoDIHLUDRVHXQ~PHUR+RQRULOWRQ *RQoDOYHVQXPDURGDGHMRUQDOLVWDVD¿UPRXTXHXPHVTXHPD HVSHFLDOHVWiVHQGRPRQWDGRSDUD HQIUHQWDURQRYRSURJUDPDGD)iWLma Bernardes. Mas não entrou em GHWDOKHVGRTXHVHWUDWD6HVHUi XPQRYRSURJUDPDRXVHR´+RMH HP'LD´SDVVDUiSRUQHFHVViULDV PRGL¿FDo}HV

Apresentação 2GHVHPSHQKRGD³¿OKD´GR7RQ\ 5DPRVQRVSULPHLURVFDStWXORVGH ³$YHQLGD%UDVLO´DWpDJRUDpFRPHQWDGRHHORJLDGRSHODPDLRULD 0HO0DLDpRQRPHGDPHQLQDGH XPWDOHQWRLPSUHVVLRQDQWH1DVFHX FRPLVVR

Tudo em paz

&¡HVWĂ&#x20AC;QL

0DUL$OH[DQGUHHVWiSDUWLFLSDQGR QRYDPHQWHGDVJUDYDo}HVGD³(VFROLQKDGR*XJX´$VXDDXVrQFLD GHDOJXPDVVHPDQDVVHGHXSRU FDXVDGHXPDRSHUDomRQREUDoR

6HUYtOLRGH2OLYHLUDH[SXJLOLVWDWHPXP SURMHWRGHFRPSHWLo}HVGHER[HTXHHOHYHP RIHUHFHQGRSDUDDVHPLVVRUDVGHWHOHYLVmR -iHVWHYHQD5HGH79PDVOiQmRIHFKRX nada. (QWmRpLVVR0DVDPDQKmWHPPDLV7FKDX

IntĂŠrprete da vilĂŁ de â&#x20AC;&#x153;Avenida Brasilâ&#x20AC;?, a atriz Adriana Esteves foi destaque da primeira semana da novela

HORĂ&#x201C;SCOPO PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS

www.coquetel.com.br Coerência Condição da estrada em que não se pode passar

Ator espanhol de "A Lenda do Zorro"

Š Revistas COQUETEL 2012

Detecta a Pedaço presença (de bolo) de anabolizantes no organismo do atleta Aparelho sonoro da ambulância

Grupo de imigrantes asiĂĄticos que introduziu o judĂ´, o caratĂŞ e o aiquidĂ´ no Brasil Maiores do que os comuns (homens)

O

N Casa das (?) Janelas, museu paraense

Euclydes (?), novelista da Globo

A Item da identidade Comer, em inglĂŞs

Capital da antiga Alemanha Ocidental

Marcos Oliveira, o Beiçola (TV) Amigo, em francês Nariz, em inglês

Ainda, em espanhol Em + a Provoca nĂĄusea em Ecoa; retumba Porco, em inglĂŞs Tornava impraticĂĄvel

Destino do gado de corte

ProprietĂĄrio Fez a barba

CrĂ­tica a polĂ­tica do Incra (sigla)

Apazigua; tranquiliza

Prazer buscado na relação sexual

O dia decisivo Diz-se da cena tĂ­pica do filme de terror

Acrescenta (uma coisa a outra)

Preocupação interna dos EUA após os ataques de 11 de setembro de 2001

Especialidade dos escoteiros

Estanho (sĂ­mbolo) NĂŁo, em francĂŞs

DesinĂŞncia do plural

"Rotação", em rpm (Fís.)

3/ami â&#x20AC;&#x201D; aĂşn â&#x20AC;&#x201D; eat â&#x20AC;&#x201D; non â&#x20AC;&#x201D; pig. 4/bonn â&#x20AC;&#x201D; nose. 15/exame antidoping.

45

Solução 2

+

2 % $ 2 ,

1

$ 1 7 2 1 , 2 % $ 1 ' ( 5 $ 6

( ( ; 2 5 $ 1 0 $ = ( $ 8 1 1 $ 7 ( , 0 2 ' 2 5 ÂŻ 3 $ 5 , 3 1 2 ( * 8

3 ( , * $ 3 , /$ & 5 $ 2 6

) $ 6 7 , 5 , ( $ 1 ( 1

& $ 2 9 $ ( / 1 + 2 7 1 $ 0 , - 2 $ $ ' , $ 2 3 6 0 2 6 1 1 7 ( 2 6 1 d $

BANCO

Forma do cabo do guardachuva

Ă RIES - (21/3 a 19/4) â&#x20AC;&#x201C; As regras GDERDFRQYLYrQFLDVmRyWLPDVSUD YRFrWDPEpPDVVLPVHOLYUDGH FKDWRVTXHHPSDWDPVHXWHPSR FRPEREDJHQV0DLVDJXGRHSHUVSLFD]VDERUHDQGRMiDVYLWRULDV IXWXUDVYRFrSUHFLVDGHWHPSRSUD VHSODQHMDUHVHSUHSDUDU 1~PHURVGD6RUWH  TOURO â&#x20AC;&#x201C; D Âą$IDVWHVH GDVSHVVRDVTXHDGRUDPYHUYRFr TXDQGRHVWiPDOHSUHFLVDQGRGH DOJR3URFXUHDTXHOHVTXHYLEUDP FRPVXDDOHJULDHVHXVXFHVVR1R WUDEDOKRXPDSHVVRDDPLJiYHOWHP LQIRUPDo}HVLPSRUWDQWHVYiDWUiVH FRQÂżUD 1~PHURVGD6RUWH  GĂ&#x160;MEOS Âą D Âą$OWRVH EDL[RVQRVHXHVWDGRGHKXPRUVH GHYHPDHVWHSHUtRGRHPTXHQmR VDEHEHPSDUDRQGHUXPDUQHP RTXHID]HUGDSUySULDLQWLPLGDGH 7XGRTXHQmRWHPVDERUGHQRYLGDGHHVXUSUHVDRFDQVDHLVXPD YHUGDGHHVVHQFLDO 1~PHURVGD6RUWH  CĂ&#x201A;NCER Âą D Âą1XPGLD GHDVWUDOFRQWXUEDGRSDUDRVFDQFHULDQRVPDLVWtPLGRVYDOHPDLVVHU DVVHUWLYREULJDUSRUVHXHVSDoRH SURYDUDTXHYHLRQRWUDEDOKR$OLDV XPFKHIHDJXDUGDLVVRPHVPRGH VHXFRPSRUWDPHQWR1mROHYHPXLWR DVpULRUHFODPDo}HVHPFDVD 1~PHURVGD6RUWH  LEĂ&#x192;O Âą D Âą1DGDGHYLEUDUSHORVHXVXFHVVRDSHQDV+RMH pGLDGHIRUWDOHFHURSRGHUGRJUXSR DTXHSHUWHQFHFRPERDVLGHLDV WUDEDOKRHQWXVLDVPDGRHH[SOLFDo}HVFODUDV0XGDQoDVGHKXPRU GRSDUFHLURRXPHVPRDXVrQFLDH IULH]D3HQD 1~PHURVGD6RUWH  VIRGEM Âą D Âą6HULD yWLPRWHUXPSRXFRGHSDFLrQFLD FRPRVPDLVGHSHQGHQWHVHRV PDLVIUiJHLV9RFrSRGHGDUH[HPSORVFRUULJLUDTXLHDOLPDVFXLGDGR SDUDQmRLPSRUVXDYRQWDGH6DLED GLIHUHQFLDUFDSULFKRSHVVRDOGH FRPSRUWDPHQWRpWLFRHMXVWR 1~PHURVGD6RUWH 

LIBRA Âą D Âą6DWXUQR HPVHXVLJQRWUDYDHPDOJXQVGLDV FRPRKRMHDDOHJULDGHVHUHVSRQWkQHRGHSRGHUFXUWLUDYLGDGHDFRUGR FRPVHXWLPLQJHVXDYRQWDGH$V UHJUDVHVWmRDLHHVSHUDPVHUOHYDGDVDVpULR'HQRLWHGLVWHQVmRFRP DPLJRV$PRUHPDOWD 1~PHURVGD6RUWH  ESCORPIĂ&#x192;O Âą D Âą 0DLVPRYLPHQWRHQHJRFLDo}HV FRPSOH[DVTXHHYROXHPFRPDPLJRVVRFLHGDGHVHSDUFHULDV7XGR WHPGHVHUEHPHVWXGDGRHGHYH REHGHFHUDXPSDVVRPDLVOHQWR +iLQWHUHVVHVP~OWLSORVHPMRJR2V GHWDOKHVVmRHVWUDWpJLFRV 1~PHURVGD6RUWH  SAGITĂ RIO â&#x20AC;&#x201C; (22/11 a 21/12) â&#x20AC;&#x201C; ,QIRUPDo}HVLPSRUWDQWHVDLQGDTXH DWUDVDGDVFKHJDPSDUDHOXFLGDU FDSLWXORGLItFLOQRWUDEDOKR7HLPRVLDHIUDJLOLGDGHPHGRHDQVLHGDGHVXPDGDVYLVWDVGHTXHP SURYRFDHPYRFrHVWDVHPRo}HVH LPSUHVV}HVSHVDGDV 1~PHURVGD6RUWH  CAPRICĂ&#x201C;RNIO â&#x20AC;&#x201C; (22/12 a 19/1) â&#x20AC;&#x201C; ,QGHSHQGrQFLDHDXWRQRPLDVLPH YRFrHVWiGLVSRVWRDSDJDURSUHoR GHWULOKDUVR]LQKRXPFDPLQKRSRU FRQWDGLVVR'HFLV}HVLPSRSXODUHV HFRPSRUWDPHQWRDQWLSiWLFRVmRRV RVVRVGRRÂżFLRGHTXHPHQ[HUJDR FXPHHQmRVHGHL[DDEDWHU 1~PHURVGD6RUWH  AQUĂ RIOÂą D Âą,GHLDV ERDVPDVTXHSUHFLVDPVHUUHJLVWUDGDV6HSXGHUDUUDQMHDOJXpP TXHSRVVDFRORFDUHPRUGHPWRGRV RVVHXVLQVLJKWVHSHUFHSo}HV 0HVPRTXHHVWHMDPLUDQGRRIXWXUR VHUiSUHFLVRH[SOLFDUDRVRXWURV FRPRFKHJDUOi$PRUHPEDL[D 1~PHURVGD6RUWH  PEIXES Âą D ,UULWDo}HV HSHTXHQRVGHVFRQWHQWDPHQWRV QRFRWLGLDQR0DVYRFrQmRYDL FRQVHJXLUGDUIRUPDDFDEDGDD nenhuma estrutura agora. Os astros VLQDOL]DPLGDVHYLQGDVKHVLWDo}HV HYHUGDGHVQmRUHYHODGDVHPDomR 7HQKDPXLWDSDFLrQFLD 1~PHURVGD6RUWH 

â&#x20AC;&#x2DC;IrmĂŁos gĂŞmeosâ&#x20AC;&#x2122;

SEQUĂ&#x160;NCIA

terĂĄ Eddie Murphy

A

rnold Schwarzenegger e Danny DeVito serĂŁo gĂŞmeos novamente. A dupla, que estrelou o clĂĄssico da dĂŠcada de 1980 â&#x20AC;&#x153;IrmĂŁos gĂŞmeosâ&#x20AC;?, vai se reunir para DVHTXrQFLDGRĂ&#x20AC;OPH ainda em fase de prĂŠ-produção. Desta vez, os gĂŞmeos descobrirĂŁo um terceiro irmĂŁo, que serĂĄ vivido por Eddie Murphy. 2GLUHWRUGRĂ&#x20AC;OPH original, Ivan Reitman,

vai participar apenas como produtor da nova empreitada. No ano passado, Schwarzenegger anunciou sua intenção de voltar a DWXDUDSyVRĂ&#x20AC;PGHVHX governo na CalifĂłrnia, mas os planos foram deixados de lado por causa de seus problemas conjugais. JĂĄ DeVito atuava na sĂŠrie â&#x20AC;&#x153;Itâ&#x20AC;&#x2122;s always sunny in Philadelphiaâ&#x20AC;?. As informaçþes sĂŁo da â&#x20AC;&#x153;NMEâ&#x20AC;?.


4

TribunaIndependente

DIVERSĂ&#x192;O&ARTE MACEIĂ&#x201C; - DOMINGO, 1 DE ABRIL DE 2012

3UREOHPDVWRGRVWHPRV'LĂ&#x20AC;FXOGDGHVWRGRVYDPRV SDVVDU6RQKRVQmRUHDOL]DGRVLUmRID]HUSDUWH GDVQRVVDVYLGDV2PHGRYDLQRVDFRPSDQKDU ODGRDODGR0DVRERPpSDVVDUWXGRLVVRHQR Ă&#x20AC;PGDUERDVJDUJDOKDGDV Chico Anysio

Fotos by Chico BrandĂŁo

1

JosĂŠ e Ana DĂłria deram um tempo da rotina da Dryclean USA Ponta Verde, e curtem temporada de dolce far niente pela Europa. Enquanto o casal curte dias de sombra e ĂĄgua fresca, o ÂżOKR+HQULTXHVHJXHFRPDQdando com competĂŞncia a sua lavanderia. FamĂ­lia de sucesso.

Novos tempos

M

XGDUpVHPSUHXPGHVDĂ&#x20AC;R SRUTXHQRVLPS}HVLWXDo}HV TXHQRVWLUDPGRÂśFRPRGLVPR¡GD ]RQDGHFRQIRUWR0DVpWDPEpPXP PRPHQWRGHUHQRYDomRGHEULOKDU TXHFRQKHFHURQRYRHVHIRUWDOHFHU 1HVVHLQtFLRGHFRQYtYLRQD7ULEXQD ,QGHSHQGHQWHDSyVDQRVGHGHGLFDomRDRMRUQDOLVPRVRFLDOVDXGDPRV QRVVRVOHLWRUHVQRVVRVFROHJDVGH WUDEDOKRHDFLPDGHWXGRDVSHVVRDV TXHLQWHJUDPDGLUHomRGHVWDHPSUHVDXPDGDVLQLFLDWLYDVPDLVRXVDGDV HFRUDMRVDVGRMRUQDOLVPRDODJRDQR 3HVVRDOPHQWHJRVWDULDGHDJUDGHFHU DOJXQVDPLJRVTXHVHPSUHHVWLYHUDP DRPHXODGR0LQKDHWHUQDJUDWLGmR DRLQGXVWULDO-RmR/\UD&DUPRVLQD 3HUHLUD/HLWH-RVp$OIUHGR*DVSDU GH0HQGRQoD0iULR0DUURTXLP )OiYLD&RXWLQKR1DGHMDQH0DGHLURV0DQRHOH0iUFLD0DUTXHV *LOYDQH0DUOHQH/HLWH)HUQDQGR H0DUWLQKD$]HYHGR*UDoD1REUH &OiXGLD7ROHGR(O]D%DUERVD,UHQH &DYDOFDQWH7kQLD$OEXTXHUTXH 0LUQD'yULD0DULD/Xt]D7RUUHV 'RPHQLFD,VDEHO7RUUHV5DLOGD 0DJDOKmHV(UDOGR)iWLPDH9DQHVVD7HQyULR(ODLQHH(OLDQH7HQyULR -RVp0DXUtFLR&DQVDQomR1HOVRQH +HOHQD)HUUHLUD$QD-RVp'yULD +HQULTXH'yULD'DQLHO&XQKD0iUFLRH0LUHOOD&RHOKR5DIDHOH'LQKD 7HQyULR6tOYLD6DFXQR'DQLOOR'DQWDV3DWUtFLD.DWDUFKR(XJrQLR-XFi HĂ&#x2030;WLOD0DFKDGR$YRFrVDPLJRVD PLQKDHWHUQDJUDWLGmRSHODHVSHFLDO SDUWLFLSDomRHPPLQKDYLGD

Iloa

U

m dos mais jovens e competentes empresĂĄrios da seara, Felipe Cavalcanti, vem â&#x20AC;&#x2DC;causandoâ&#x20AC;&#x2122; na Barra de SĂŁo Miguel. AlĂŠm de ser o idealizador Iloa Vida em FamĂ­lia, que reĂşne o know how dos maiores empreendimentos turĂ­sticos do paĂ­s, estĂĄ transformando o nome da Vivendi em sinĂ´nimo GHFRQÂżDQoDHLQRYDomR2HPpresĂĄrio ainda recebe elogios pelo primeiro leilĂŁo de cavalos mangalarga marchador, realizado no local, e que reuniu o PIB alagoano. Sucesso absoluto.

2

Se vocĂŞ mora em prĂŠdio, aceite o fato de que o barulho vem sempre de cima. Considere tapetes, carpetes e outras tecnologias que protegem os de baixo. Ao chegar, troque seus saltos por magnĂ­ÂżFDVKDYDLDQDV6HXVSpVH os vizinhos agradecerĂŁo.

3

Eraldo e FĂĄtima TenĂłrio felizes da vida com o reconhecimento pelo sucesso da System Tour, uma agĂŞncia que tem os melhores roteiros ao redor do mundo, sem falar no mais conceituado curso de imersĂŁo que leva mais de 300 adolescentes, anualmente, para os EUA. ParabĂŠns, amigos

I

Em close exclusivo para esta coluna, FlĂĄvia Coutinho e MĂĄrio Marroquim brindam com muito amor a chegada do primeiro herdeiro JoĂŁo Pedro Coutinho Marroquim. Toda felicidade do mundo para vocĂŞs

PavĂŞ de nozes

ngredientes: 2 xícaras de leite, 1 xícara de açúcar, 3 gemas, 3 colheres de amido de milho, ½ colher de baunilha, 1 ½ xícara de nozes picadas, 1 caixa de biscoitos champanhe. Cobertura: 1 tablete de chocolate meio amargo (170 g), 1 caixa de creme de leite (200 g), 1 colher de glucose de milho, 2 colheres de licor, 1 xícara de calda de chocolate. Modo de preparo: Leve ao fogo o leite com o açúcar, as gemas e o amido, mexendo sempre atÊ engrossar. Retire do fogo e junte a baunilha. Deixe esfriar e misture metade das nozes. Reserve. Cobertura: Leve ao fogo, em banho-maria, o chocolate picado com o creme de leite. Retire do fogo e junte a glucose e o licor. Deixe esfriar. Em uma forma de bolo inglês, forrada com papel-alumínio, alterne FDPDGDVGHELVFRLWRHGHFUHPHSROYLOKDQGRDVQR]HVUHVWDQWHV)LQDOL]HFRPELVFRLWRV&XEUDFRP¿OPH plåstico e leve à geladeira por 4 horas. Desenforme e cubra com a calda.

Antes de uma festa bacana sempre bate aquela dúvida: qual modelito usar? Se você Ê daquelas que procura elegância com um toque moderno tem o lugar perfeito para achar o look ideal. A Casa Moa, das amigas AndrÊa e Moacira Cunha, jå estão com as primeiras peças da temporada Outono/Inverno das grifes mais cobiçadas do mundo. Um luxo! A amiga Adriana Lessa feliz da vida com o sucesso do coquetel de lançamento da coleção outono/inverno GD+RUXVTXHRFRUUHHVWD semana, com direito a pocket show do cantor Thiaguinho, da banda Afarra. Com dÊcor assinado por Cacau Gameleira, inspirado em madame Chanel, Eliana e a queridíssima Ana Aice Nunes promoveram uma tarde regada a prosseco e muito estilo. A maison aposta em grifes consagradas como Carmim, Iódice, Verty e Cavalera. Para as poderosas!!!

P

erfumes fortes, nem que sejam bons; Desodorantes ou musses de cabelo com cheirinho de morango, de bala de uva, de Gleid Sachet; incenso vagabundo, charuto (maravilha com os seus confrades, no clube. Ou em casa).

Circuito

6

Ă&#x201A;

9LYHQGRXPDKDUPRQLDLQÂżQLWDHPVXDVYLGDVRVDPLJRVNelson e Helena Ferreira, um casal VIP, que merecem todos os adjetivos pelas qualidades que possuem

Bazar de luxo!

Os empresårios Breno e Leopoldo Gama foram homenageados durante a última edição do TrofÊu Lagoa Mar, idealizado pelo jornaOLVWD$QWRQLR1R\DQR+RWHO Jatiúca. O prêmio Ê uma das maiores vitrines e sempre homenageia personalidade que divulgam Alagoas no país. Reconhecimento merecido.

7

Um par de slippers que pertenceu a Maria Antonieta, rainha mais polĂŞmica da França, foi leiloado pela bagatela de US$ 57.336. Sim, o arremate foi feito na cidade de Toulon, por um FRPSUDGRUQmRLGHQWLÂżFDGR Os sapatinhos â&#x20AC;&#x201C; de nÂş 35 no Brasil â&#x20AC;&#x201C; sĂŁo feitos de seda.

D

epois do sucesso da primeira edição do Fashion Day PrĂł-Amor, um megabazar de luxo com as melhores grifes do paĂ­s, vĂĄrios HPSUHViULRVDODJRDQRVMiFRQÂżUmaram participação na segunda ação que serĂĄ realizada nos dias 18 e 19 de abril, no Pierre Chalita, em JaraguĂĄ. A turma que adora consumir moda grifada pode ir se preparando para as comprinhas. -iFRQÂżUPDUDPSUHVHQoD(OOXV+LW 6HGD3XUD.DUDNROD+RUXV(Qtrevista, Zoe, Boudoir Esmalteria, Arezzo, Schutz, Sunça, Dona TetĂŞ, Mia AcessĂłrios, Soraya Farias, Lâ&#x20AC;&#x2122;eclat, Monjour Casa e Zoolo. Anote na agenda.

4

5

Cheiros

ngela e Marcel Monteiro levando mais um grupo de alagoanos para um Grande Circuito PortuguĂŞs. Com partida neste domingo, dia 1Âş, o grupo irĂĄ percorrer cidades como Lisboa, Porto, Obidos, GuimarĂŁes, Sintra, Cascais, Estoril, Coimbra e FĂĄtima. SerĂŁo nove dias puro deleite. Este serĂĄ o 6Âş vĂ´o charter com destino MaceiĂł/Portugal/MaceiĂł.

A parceria entre o Palato e a Adega Alentejana traz para Alagoas o maior evento de degustação de vinhos do Estado, com participação de rótulos prestigiados de produtores como Mouchão, Burmester, Cortes de Cima, Eugênio Almeida (produtor do Cartuxa), Paulo Laureano, entre outros. O encontro com os produtores portugueses serå realizado no dia 27 de abril, das 16h às 20h30, no Palato.

Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

Enfocamsos as amigas ThaĂ­se Manso e Dra. Ster Manso (juĂ­za); elas sempre enaltecerĂŁo o valor e a capacidade da mulher alagoana. Aplausos, amigas!

Gilvan e Marlene Leite, amigos do lado esquerdo do peito, se destacam nas reuniĂľes HPSUHVDULDLVVRFLDLVHÂżODQWUySLFDVGDFLGDGH

Assine a Tribuna Independente e esta coluna

pelo telefone (82) 3311-1308

elenilsontopnews@gmail.com

8

â&#x20AC;&#x2DC;Dia de frete grĂĄtisâ&#x20AC;&#x2122; na internet ocorrerĂĄ no prĂłximo 12 de abril, cerca de 30 lojas virtuais do paĂ­s deixarĂŁo de cobrar pelo envio das mercadorias vendidas a partir da 0h. Entre os sites participantes estĂŁo Walmart, Submarino, Shoptime, Fnac e Netshoes. SerĂĄ uma grande oprtuniadada para quem jĂĄ aderiu Ă moda do cormĂŠrcio eletrĂ´nico.


Edição número 1409 1 de abril de 2012  

Edição Digital Jornal Tribuna Independente TribunaHoje.com