Issuu on Google+

CIDADES Pane na Oi e na Velox atinge celulares e caixas eletrônicos do Banco do Brasil 12 EXEMPLAR DO ASSINANTE

SÁBADO

MACEIÓ - ALAGOAS - 18 DE FEVEREIRO DE 2012- Nº 1374 - R$ 1,50

tribunahoje.com

Aluguel de casa para o Carnaval chega até a R$ 20 mil no litoral R$ 1 BILHÃO

Eletrobras vai construir mais subestações

O preço do aluguel de casas no litoral para curtir o Carnaval está FDGDYH]PDLVLQÀDcionado em Alagoas. Um imóvel com 900 metros quadrados à beira-mar em Ipioca

chega a custar R$ 20 mil a temporada de sete dias. Os preços também são salgados na Barra de São Miguel, Praia do Francês, Paripueira e Barra de Santo Antônio. Pág. 9

FORA DE MACEIÓ

METEOROLOGIA

Excursionar para Carnaval pode curtir a folia é ser de chuva no a nova opção litoral alagoano

Com investimentos de até R$ 1 bilhão, foi garantida ontem pelo presidente nacional da Eletrobras, José da Costa Carvalho Neto, a construção de novas subestações de energia e a ampliação do serviço de atendimento, em reunião do Conselho Estadual de Política Energética. O governador Teotonio Vilela presidiu a primeira reunião do ano do conselho, que debateu políticas energéticas que garantam energia segura para Alagoas nos próximos 20 anos. “Sem energia não podemos desenvolver o Estado”, ressaltou Vilela. 5

Juntar os amigos e fazer uma excursão a Recife ou Olinda, ou ainda a uma casa numa praia alagoana e curtir um Carnaval diferente é uma opção que ganha adeptos. É o caso dos irmãos Layane e Francisco Valois. Pág. 9

O Carnaval no litoral alagoano e no Baixo São Francisco deve ser de chuva, princiSDOPHQWHKRMHHDPDnhã, segundo previsão meteorológica divulgada pelo Centro de Alerta da Secretaria de Estado do Meio Ambiente. Pág. 10

RECIFE

TRÂNSITO

Galo vai lembrar Polícias se unem os cem anos de SDUDÀVFDOL]DU Luiz Gonzaga nas estradas O Galo da Madrugada GHV¿ODKRMHHGHYH arrastar mais de um milhão de pessoas no Recife. O homenageado do bloco será o cantor Luiz Gonzaga, que faria 100 anos de idade. Pág. 8

As polícias rodoviárias estadual e federal vão trabalhar integradas ao Detran e órgãos municipais para ¿VFDOL]DUPRWRULVWDV Ontem, o movimento nas saídas de Maceió foi intenso. Pág. 10

GANGUE FARDADA

Cavalcante é libertado com tornozeleira

O ex-tenente-coronel Manoel Cavalcante, apontado e julgado como líder da Gangue Fardada em Alagoas, ganhou liberdade na tarde de ontem. Ele ficará em regime semiaberto, usará tornozeleira eletrônica e deverá obedecer algumas regras. Antes de iniciar o seu novo regime, Cavalcante conversou com o juiz José Braga Neto. Segundo o advogados, ele quer retornar à vida social e ficar perto de sua família. 3 TEMPO

Bom a parcialmente nublado com possiblidades de chuvas em áreas isoladas

Mínima

20º

Máxima

30º

Marés

01:23 07:32 13:32 01:23

1.8 0.5 1.9 1.8

FINANÇAS DÓLAR COMERCIAL R$ 1,71 R$ 1,71 DOLAR PARALELO R$ 1,77 R$ 1,90 OURO: R$ 95,00 POUPANÇA: 0,6293%

OUTROS ESTADOS

Cresce procura por Recife e Salvador A procura por passagens para Recife e Salvador no Terminal Rodoviário João Paulo II deverá ter um crescimento de 15% em relação ao ano passado. A previsão é da coordenação do Terminal. As frotas de ônibus foram dobradas. Pág. 9

COMPRA DE VOTOS

INCÊNDIO NA PREFEITURA

ESTADO GRAVE

MPE propõe nova ação contra Cícero Cavalcante e Doda

Ex-prefeita de Rio Largo e seu marido são inocentados

Chico Anysio apresenta novo quadro de infecção pulmonar

Uma nova denúncia de compra de votos nas eleições municipais de Matriz do Camaragibe será feita pelo Ministério Público Eleitoral contra o prefeito de São Luiz do Quitunde, Cícero Cavalcante. Ele é acusado de distribuir dinheiro nas eleições municipais de 2008 para favorecer sua esposa, Doda Cavalcante. Ela venceu a disputa e é a atual prefeita de Matriz. A ação anterior foi negada pelo TRE, mas o MPE pretende iniciar um novo processo, prometendo apresentar novas provas contra o casal. Pág. 4

Por falta de provas, a ex-prefeita Vânia Paiva e seu marido Ricardo Scavuzzi foram inocentados do incêndio ocorrido na Prefeitura de Rio Largo, em 2004, pelo Tribunal de Justiça de Alagoas. Na época, os dois foram apontadfos como responsáveis pelo sinistro. A decisão do TJ reformou a sentença da 17ª Vara Criminal da Capital. Em setembro de 2010, os juízes de primeiro grau os consideraram culpados pelos crimes de formação de quadrilha, supressão de documentos públicos e incêndio doloso. Pág. 4

O humorista Chico Anysio, 80, apresentou novo quadro de infecção pulmonar, após algumas melhoras, segundo boletim médico divulgado ontem pelo Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro. Até a noite de ontem, ele estava sendo medicado com antibióticos na tentativa de controlar a infecomR&KLFR$Q\VLRID]¿VLRWHUDSLDUHVSLUDWyULDH motora e respira sem ajuda de aparelhos durante algumas horas por dia. Apesar do seu quadro grave, a família acredita em sua recuperação e pede aos fãs do humorista que rezem por ele.


TribunaIndependente

2 POLĂ?TICA MACEIĂ“ - SĂ BADO, 18 DE FEVEREIRO DE 2012

PolĂ­tica

MinistĂŠrio PĂşblico do Estado esteve ao lado da Câmara na apuração de provas O trabalho da CEI teve o respaldo de instituiçþes como MinistĂŠrio PĂşblico Estadual, Procon e OAB/AL. O promotor Max Martins citou: “Os donos dos postos colocam a culpa nas distribuidoras, e as distribuidoras colocam a culpa nos donos dos postos. Para acabar com esse problema vamos fazer a perĂ­ciaâ€?, concluiu o promotor, querendo comprovar a veracidade das provas apresentadas pelos estabelecimentos.

&(,GRV&RPEXVWtYHLVPDLVĂ€VFDOL]DomR

Vereador ThÊo Fortes argumenta que Comissão não tinha atribuição de punir comerciantes, e sim entender preços

ESPLANADA LEANDRO MAZZINI - contato@colunaesplanada.com.br

Maia, sobre briga com Ideli: â€œĂ‰ mentira deslavadaâ€?

A

lvo de notĂ­cias desencontradas sobre sua relação com o Planalto, o presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-RS), dĂĄ sua versĂŁo: nĂŁo brigou com a ministra das Relaçþes Institucionais, Ideli Salvatti. â€œĂ‰ uma mentira deslavadaâ€?. Diz que nunca teve apadrinhado no Banco do Brasil ou qualquer estatal, e explica por que encerrou a sessĂŁo que o plenĂĄrio votaria o Fundo de PrevidĂŞncia Complementar do Servidor PĂşblico: “Deu-se exclusivamente porque nĂŁo houve acordo entre a base e oposiçãoâ€?.

das atividades legislativas, neste mês de fevereiro, a Comissão voltou a ser pauta na Comissão Especial de Câmara Municipal de MaInvestigação (CEI) ceió por conta do trabalho dos Combustíveis – feito – segundo o presidente que iniciou os trabalhos no Galba Novaes (PRB) – que primeiro semestre do ano pode servir de subsídio para passado para investigar os outras açþes que devem ocorpreços de combustíveis prat- rer fora da esfera do Legisicados em Maceió – concluiu lativo municipal em função R UHODWyULR ÀQDO HP PHLR das competências do poder. ao recesso do parlamentoO próprio vereador e premirim e quase que desperce- sidente da CEI dos Combusbido. PorÊm, com a retomada tíveis, vereador ThÊo Fortes LUIS VILAR REPÓRTER

A

(PTdoB), ressaltou que o relatório – que ainda não foi apresentado em detalhes à imprensa – não traz elementos punitivos em relação a empresårios, distribuidores e outros que foram ouvidos durante as oitivas da Comissão, que ocorreram no segundo semestre do ano passado. Fortes destaca que este não era o objetivo central das investigaçþes, mas sim esclarecer a pråtica dos preços considerados abusiLUIS VILAR

Cada um na sua “Tenho conduzido o trabalho na Câmara da forma mais democrĂĄticaâ€?, defende-se. E reforça, sobre os pedidos do PalĂĄcio: “NĂŁo hĂĄ obrigatoriedadeâ€? de seguir a pauta deles.

‘INCrencados’ O Tribunal de Contas da UniĂŁo determinou ao Instituto Nacional do Câncer (Inca) levantar a folha de custos de pagamento dobrado a pessoal terceirizado, de 2009, que recebeu pelo ĂłrgĂŁo e pela Fundação GR&kQFHU )$) 2VWHUFHLUL]DGRVEHQHÂżFLDGRVWHUmRTXHGHYROYHUR H[FHGHQWH27&8SHGLXSHQWHÂżQRQDIROKDGHWDPEpP

Tå bom A decisão do TCU foi publicada ontem, o Acórdão 785/2012, da 2ª CâPDUDeFDVRDQWLJRQR,QFD$GLUHomRMiMXVWL¿FRXHPRXWUDVRFDVL}HV que o adicional feito pela FAF Ê necessårio para equiparar os ganhos GRVSUR¿VVLRQDLVFRPRYDORUGHPHUFDGR

No ar Só agora, com o início das concessþes, a Infraero vai implantar internet ZL¿JUiWLVQRVWHUPLQDLVGH&XPELFD&RQJRQKDV%UDVtOLD*DOHmRH Santos Dumont. Serão ao todo 18 aeroportos. Em troca, as teles terão espaço de publicidade.

Inferno astral O novo alvo da oposição no Congresso ĂŠ o secretĂĄrio-geral da 3UHVLGrQFLD*LOEHUWR&DUYDOKRSRUFRQWDGDVGHQ~QFLDVSXEOLFDGDVQD ‘Veja’.

Preço do acordo O PMDB não deve ter candidato em Porto Alegre, onde apoia JosÊ Fortunatti (PDT) e Caxias, cujo prefeito Ivo Sartori (PMDB) apoiarå nome do PDT por trato antigo.

Despertador pifado A base tem conseguido evitar mais holofotes sobre escândalos. Na terça, por falta de quorum, a oposição não aprovou a convocação de JosÊ Martins, presidente da WITT, que denunciou Luiz Felipe Denucci, ex-presidente da Casa da Moeda.

$aúde $$PLOH8QLPHG¿]HUDPXPFRQVyUFLR¾PLUDERODQWHœSDUDOHYDUDFRQWD milionåria da Câmara dos Deputados, que pagarå plano de saúde para terceirizados. Os três grupos que disputam o convênio (Aliança, Parsaúde e Prevquali) fecharam com as operadoras.

Cautela Com mais sete anos de mandato no Congresso, o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES) jura que não Ê candidato à Prefeitura de Vitória, sonho do ex-governador Paulo Hartung.

Largada JĂĄ a ex-ministra da Secretaria da Mulher Iriny Lopes, candidata certa do PT em VitĂłria, monta comitĂŞ na surdina e faz reuniĂľes com lĂ­deres de comunidades atrĂĄs de apoio.

4G... VYpVSHUDVGDLPSODQWDomRGDLQWHUQHW*QRSDtVDVWHOHVHPSXUUDP SDUDDOHJLVODomRFRQÀLWXRVDDPiTXDOLGDGHGRVVHUYLoRVDWXDLV$OHJDP que a falta de padronização de regras de instalação de torres prejudica o setor. A Anatel faz cara de paisagem.

...Ê utopia Em nome das teles, o Sindicato das Empresas de Telefonia e de Serviços Móvel Celular indica esse ponto estrutural como o fator principal do gargalo. Hoje, existem mais de 200 leis municipais em vigor que estabelecem diferentes procedimentos de instalação.

Ponto Final Internet no Brasil não Ê banda larga. É umbanda larga. Só com muita reza para funcionar. Com Gilmar Correa e Hosa Freitas www.colunaesplanada.com.br contato@colunaesplanada.com.br Twitter @leandromazzini

PREÇOS ALTOS

Estudo aponta que ĂĄlcool nĂŁo ĂŠ mais o vilĂŁo

Ă€ mesa Maia diz ainda que Ă  ocasiĂŁo do impasse chamou os relatores do FunSUHVSSDUDFRQYHUVDU(PYmR(OHGHVFRQÂżDTXHDOJXpPTXHUFRORFDU na sua conta o fracasso.

vos por parte dos consumidores. A CEI – avalia o vereador – teve um resultado positivo em 2011, quando um primeiro relatório com levantamento de preços foi entregue ao Grupo de Combate às Organizaçþes Criminosas (Gecoc), que levou a uma reduomRVLJQLÀFDWLYDQRSUHoRGD gasolina, naquele momento. A CEI ainda conseguiu desenvolver os trabalhos ao lado de instituiçþes.

De acordo com o vereador ThĂŠo Fortes, durante os meses de trabalho da CEI, os vereadores conseguiram chegar a um relatĂłrio substancioso. “Foi um trabalho sistemĂĄtico, onde pudemos estudar e descrever todas as etapas da comercialização dos combustĂ­veis em MaceiĂł. O relatĂłrio darĂĄ subsĂ­dios para novas açþes por SDUWHGRVyUJmRVĂ€VFDOL]DGRres. NĂŁo existe no relatĂłrio elementos punitivos, mas dados para que os ĂłrgĂŁos responsĂĄveis possam ir em frente e tomar as medidasâ€?, colocou ainda. Fortes falou sobre o trabalho da ComissĂŁo Especial de Investigação no plenĂĄrio da Casa. De acordo com ele, todos os membros que passaram pela CEI tiveram um importante papel no reVXOWDGR Ă€QDO TXH FRQVWDWRX alguns “mitosâ€?. “O etanol, por exemplo, ThĂŠo Fortes, da CEI dos CombustĂ­veis, sugere que relatĂłrio seja base para uma investigação maior que ĂŠ colocado como principal causa do aumento, nĂŁo ĂŠ o grande vilĂŁo como ĂŠ colocado. Isto estĂĄ constatado no ATUAĂ‡ĂƒO relatĂłrio que foi produzido pela ComissĂŁoâ€?, destacou. A vereadora Tereza Nelma (PSDB) – que tambĂŠm integrou a ComissĂŁo – chamou a atenção para o fato de que em muitos momentos foram trabalhados dados Em 2011, a Câmara apreciados. Um deles – de (PCdoB) – jĂĄ anteciparam sigilosos e que este foi um Municipal de MaceiĂł teve autoria do Executivo – ĂŠ seus respectivos votos se compromisso assumido pela duas ComissĂľes Especiais aguardado pelos agentes de comprometendo a votar de CEI, logo no inĂ­cio. de Investigação (CEI). Uma endemias do municĂ­pio de modo favorĂĄvel ao projeto. “NĂŁo ocorreu vazamentratou do preço abusivo dos MaceiĂł. Na sessĂŁo de reabertu- tos, o que ajudou nos trabacombustĂ­veis na capital alaO projeto – conforme o ra dos trabalhos, os agen- OKRVÂľDĂ€UPRX1HOPD goana e a outra investigou presidente Galba Novaes – tes estiveram presentes no O vereador ThĂŠo Fortes as causas de dois aciden- prevĂŞ a mudança de regime Legislativo municipal e se ainda nĂŁo apresentou detates ocorridos na empresa GHFRQWUDWDomRGHVWHVSURĂ€V- reuniram com a presidĂŞncia lhes do relatĂłrio da CEI dos Braskem. Ambas apresenta- sionais. para discutir a alteração de CombustĂ­veis, porĂŠm garanUDPUHODWyULRVĂ€QDLVGHQWUR Atualmente, os agentes regime. te que ĂŠ possĂ­vel – com base do prazo. de endemias - lotados na SeCARNAVAL no que jĂĄ foi apurado – ter Os relatĂłrios – segundo o cretaria Municipal de SaĂşde 3RUPHLRGHVHXSHUĂ€OQR desdobramentos. presidente Galba Novaes – - fazem parte do regime ce- Twitter, a vereadora HeloĂ­Por esta razĂŁo, salienta devem ser disponibilizados letista. O projeto de lei auto- sa Helena (PSOL) criticou o presidente da ComissĂŁo, o em breve. riza o Executivo municipal duramente a postura de UHODWyULR Ă€QDO VHUi HQFDPLNeste ano, o parlamento- a mudar para o estatutĂĄrio, seus colegas de plenĂĄrio ao nhado ao MinistĂŠrio PĂşblico -mirim jĂĄ abriu os trabalhos garantindo efetividade para se ausentarem em massa na Estadual, MinistĂŠrio PĂşblicom a abertura de uma nova os agentes de endemias, sessĂŁo ordinĂĄria da quinta- co Federal e o Procon. “Um CEI. Desta vez, o foco ĂŠ a alĂŠm da estabilidade no em- -feira, dia 15. Em um dos dos pontos que conseguimos investigação das causas de prego. posts a vereadora chamou constatar ĂŠ que o preço praviolĂŞncia entre jovens, em Segundo explicou Galba de “vigaristasâ€? os colegas ticado em MaceiĂł, apesar da especial os homicĂ­dios. A Co- Novaes, o projeto serĂĄ in- que, segundo ela, “evapo- redução que teve no inĂ­cio missĂŁo foi proposta pelo ve- serido na pauta da Casa de ramâ€? no Carnaval. “Nada de dos trabalhos da CEI dos reador Galba Novaes e deve M��Ąrio GuimarĂŁes com ur- SessĂŁo! Apenas 4 dos 21 que CombustĂ­veis, ainda ĂŠ abuVHU RĂ€FLDOPHQWH LQVWDODGD gĂŞncia, respeitando todos os tĂŞm obrigação de presen- sivoâ€?, frisou ThĂŠo Fortes. apenas depois do perĂ­odo de trâmites legais do Legislati- ça! Vem o Carnaval e tudo O preceito da ComissĂŁo Carnaval. vo municipal. Evapora... E na Eleição os conforme entendem os vereAGENTES O presidente da Câmara Vigaristas viram HerĂłis!â€?, adores -, em virtude de suas AlĂŠm da nova ComissĂŁo DFUHGLWD TXH QmR WHUi GLĂ€- postou. prerrogativas parlamentaEspeicial de Investigação, a culdade deste projeto de lei AlĂŠm dela, estiveram no res, ĂŠ apontar aos ĂłrgĂŁos Câmara Municipal de Ma- dos agentes de endermias plenĂĄrio Galba Novaes, Car- competentes as saĂ­das cabĂ­ceiĂł reinicia os trabalhos ser aprovado. Alguns vere- los Ronalsa (PP) e perto das veis e necessĂĄrias para mutambĂŠm com importan- adores – como Tereza Nel- 10h, chegou Marcelo Malta dar a realidade dos preços tes projetos de lei a serem ma (PSDB) e Marcelo Malta (PCdoB). (L.V) abusivos em MaceiĂł. (L.V)

No pĂłs-Carnaval, vereadores tĂŞm CEI e projetos para aprovar


TribunaIndependente

POLĂ?TICA

3

Ex-chefe da Gangue Fardada ganha liberdade

Somos iguais

“T

alvez os eleitores de Alagoas sejam diferentes dos eleitores dos outros estados�. Foi o que disse ontem, em entrevista divulgada pela Rådio CBN, o cientista político David Flechter, da Universidade de Brasília. Analisando o resultado do STF favoråvel a que a Lei da Ficha Limpa tenha validade jå nas eleiçþes deste ano, ele comentou o fato de Fernando Collor de Mello ter tido os direitos políticos suspensos por oito anos, após um processo de impechment quando presidente da República, e, ainda assim, ter sido eleito senador por Alagoas, após cumprir a punição. O cientista político parece ser um dos que estigmatizam Alagoas, como se nossa gente fosse a banda podre da sociedade brasileira. Mas não Ê isso não, Doutor Flechter! O eleitor alagoano estå no mesmo nível daqueles dos demais estados. Como os paulistas, que elegem sucessivamente Paulo Maluf e outros pilantras; como os paraenses, que insistem em dar mandato a Jader Barbalho; como os maranhenses e amapaenses, que fazem de Sarney; como os brasilienses, que idolatram, em sua maioria, Joaquim Roriz. A matiz Ê a mesma e o resultado tambÊm.

PrestĂ­gio O cantor e compositor alagoano Geraldo Cardoso ĂŠ uma das atraçþes de hoje Ă  noite no Carnaval de Olinda, com o show “ForrĂłfrevandoâ€?, com sucessos de forrĂł em ritmo de frevo. O show vai ser gravado em DVD, para lançamento antes do SĂŁo JoĂŁo deste ano. A apresentação de Geraldo Cardoso serĂĄ no PĂłlo Fortin, em Olinda, a partir das 20 horas. AlĂŠm dele, Elba Ramalho tambĂŠm estarĂĄ entre os artistas da noite.

Atalho Com a decisão do Supremo Tribunal Federal de que a Lei da Ficha Limpa jå vale para as eleiçþes deste ano, adversårios de Ronaldo Lessa torcem para que ele seja condenado num dos vårios processos a que responde. Seria uma maneira de tirå-lo na disputa pela Prefeitura de 0DFHLy6HPHOH¿FDPDLVIiFLOSDUDRVGHPDLV

Lå e cå A partir de julho, Givaldo Carimbão vai ser o líder do PSB na Câmara dos Deputados. É uma função relevante, politicamente, mas que gera muitos compromissos em Brasília, por conta das articulaçþes. Não se pode avaliar agora se isso serå bom ou ruim para sua candidatura a prefeito de Maceió, que ele garante manter.

Voo alto O vereador Marcelo Palmeira vem fazendo um bom trabalho como secretårio estadual de Assistência Social. Mas não deverå disputar a reeleição para a Câmara Municipal de Maceió. Seu partido, o PP, trabalha para que ele seja candidato a prefeito ou a vice, numa chapa que deverå ser apresentada pelo grupo governista.

Nada a ver (QWLGDGHV¿ODQWUySLFDVGH0DFHLySURFXUDUDPR0LQLVWpULR3~EOLFR SHGLQGRWROHUkQFLDSDUDFRPDVGHQ~QFLDVGHLUUHJXODULGDGHVHPREUDV da secretaria estadual da Educação. Querem que as obras prossigam, para não prejudicar os assistidos das instituiçþes. É um equívoco, com WRGRRUHVSHLWRSRLVHVWiHPMRJRGLQKHLURS~EOLFR

Polivalente 5REVRQ&DOKHLURVTXHIRLYHUHDGRUHP0DFHLyVHUHYHODQDP~VLFD FRP³(XVRXRVDPED´¿FRXHPžOXJDUQD([SRVDPEDUHDOL]DGDHP São Paulo. Robinho Ê irmão de Renan (senador), Renildo (prefeito de Olinda), Remi (prefeito de Murici) e Olavo (deputado estadual), alÊm de tio de Renan Filho (deputado federal).

Paripueira A abertura informal do Carnaval de Paripueira vai acontecer às 9 horas GHKRMHFRPXPDDomRSULYDGDR³(VTXHQWD)ROLD´FRPGRLVWULRVHOptricos e a banda Xatrez. É uma iniciativa do casal JosÊ Alberto Casado/ Graça Patriota. Saindo das imediaçþes da igreja, os trios percorrerão a orla e retornarão ao ponto de partida.

“

MACEIĂ“ - 6Ăˆ%$'2'()(9(5(,52'(

“NĂłs estamos vivendo um caosâ€? JUDSON CABRAL Deputado estadual do PT/AL, para quem o governador TĂŠo Vilela deve desculpas Ă  população, por receber apoio do governo federal e nĂŁo resolver a questĂŁo da violĂŞncia

* A programação do Carnaval de rua organizado pela Prefeitura de Maceió prevê, a partir de hoje e até a próxima terça-feira, folia na Praça Multieventos, no Mirante do Jacintinho, no Pontal da Barra e no Tabuleiro do Martins. +RMHjQRLWHDFRQWHFHRGHV¿OHGDVHVFRODVGHVDPEDGH0DFHLyQD RUODGH3DMXoDUD$RWRGRFLQFRHVFRODVLUmRGHV¿ODU2HVFULWRU&DUOLWR/LPDpRKRPHQDJHDGRGDHVFROD*DYL}HVGD3DMXoDUDD~OWLPDD GHV¿ODU 20DFHLy6KRSSLQJIXQFLRQDUiKRMHGDVjVKRUDV'HDPDQKm a terça-feira, todas as lojas e estabelecimentos da praça de alimentação estarão fechados, apenas os cinemas funcionam em horário normal. Na DRIXQFLRQDPHQWRpGDVjVKRUDV 2-DUDJXi7rQLV&OXEHSURPRYHKRMHjQRLWHR%DLOHGR=p3HUHLUD$ SDUWLUGDVKRUDVVHDSUHVHQWDUmRD2UTXHVWUD3DMXoDUDQR)UHYRHR JUXSR*HQWHGR6DPED2WHPDGDIHVWDp³$'LVFRWHFDGR&KDFULQKD´ ,QIRUPDo}HV * Para quem reclama que a Rede Globo só transmite jogos do FlamenJRKRMHWHPPDLVjVKHP9ROWD5HGRQGDTXDQGRRUXEURQHJUR LUiGHFLGLUFRPR5HVHQGHTXDOGRVGRLVSDVVDUijVHPL¿QDOGD7DoD Guanabara. O Resende joga pelo empate.

Manoel Cavalcante sai do sistema penitenciĂĄrio utilizando tornozeleira eletrĂ´nica SANDRO LIMA

NIGEL SANTANA REPĂ“RTER

A

pontado e julgado como líder da quadrilha criminosa denominada de Gangue Fardada, Manoel Cavalcante, ex-tenente-coronel da Polícia Militar ganhou liberdade QD WDUGH GH RQWHP (OH Àcarå em regime semiaberto, usarå uma tornozeleira eletrônica, e deverå obedecer algumas regras exigentes. Antes de iniciar o seu novo regime, Cavalcante conversou com o juiz JosÊ Braga Neto, da 16ª Vara de Execuçþes Penais. Do lado de fora, os advogados Douglas Bastos e João Carlos Uchôa explicavam à imprensa a nova situação do ex-chefe da Gangue Fardada. ´(OH YDL ÀFDU HP UHJLPH semiaberto porque Alagoas não tem um presídio dessa forma. Especulavam que com uma nova soltura, ele sairia do Estado, e esta possibilidade estå afastada. Ele irå usar tornozeleira e seguirå algumas regras, que foram repassadas pelo juiz JosÊ Braga Neto�, esclareceu Douglas Bastos. Na porta da 16ª Vara Criminal, esperavam por Manoel Cavalcante seus dois irmãos. Ao sair, o ex-tenente-coronel não falou

Manoel Cavalcante terå vigilância monitorada por meio de tornozeleira eletrônica

com os jornalistas. Entrou no carro e tomou rumo à sua residência. Os advogados conseguiram que uma viatura com quatro policiais da Superintendência Geral de Administração Penitenciåria (Sgap), tendo em vista que Cavalcante Ê considerado um

arquivo vivo de uma história tão macabra do Estado. Questionado se o uso da tornozeleira eletrônica seria algum tipo de incômodo para Cavalcante, o advogado Douglas Bastos respondeu que não, e, inclusive a exigência da Justiça foi aceita sem

maiores questionamentos pelo ex-tenente da PolĂ­cia Militar. “Ele estĂĄ querendo UHWRUQDU j YLGD VRFLDO Ă€FDU perto da famĂ­lia. A tornozeleira nĂŁo serĂĄ empecilho, principalmente porque ela nĂŁo aparece e nĂŁo incomodaâ€?, completou.

MONITORAMENTO

Cavalcante terĂĄ que cumprir rĂ­gida rotina A nova rotina de Manoel Cavalcante muda radicalmente. Ao cumprir o regime semiaberto, ele deve seguir Ă  risca as regras impostas pela Justiça. O juiz JosĂŠ Braga Neto, da 16ÂŞ Vara Criminal, ressalta que o ex-lĂ­der da Gangue Fardada nĂŁo pode sair mais de 200 metros de sua residĂŞncia ou trabalho. Segundo o magistrado, o uso da tornozeleira eletrĂ´nica ĂŠ uma prĂĄtica para inibir os crimes em Alagoas. Quem foi julgado ou estĂĄ sendo acusado, estiver preso, e consequentemente ganhar a liberdade, o objeto serĂĄ colocado. “Quem estĂĄ sendo acusado de formação de quadrilha e homicĂ­dio, por exemplo, deve usar essas tornozeleiras, como ĂŠ o caso de Manoel Cavalcante. Em Alagoas, sĂł existem 300 tornozeleiras e como nĂŁo temos o regime semiaberto, muitos presos que ainda nĂŁo estĂŁo aptos a retornarem ao convĂ­vio social entram nesse regimeâ€?, explicou Braga Neto apĂłs a soltura de Cavalcante. REGRAS AlĂŠm de nĂŁo sair de um raio de 200 m de casa ou do trabalho, Cavalcante nĂŁo poderĂĄ frequentar bares e nĂŁo poderĂĄ transitar na rua

SANDRO LIMA

Juiz JosÊ Braga Neto recebeu o ex-tenente coronel e explicou as regras da vigilância eletrônica

fora das 6h às 20h; alÊm de manter bom comportamento. Mensalmente, Cavalcante terå de comparecer à Justiça e mostrar que estå seguindo todas as recomendaçþes. Caso descumpra um desses preceitos, ele corre o

risco de voltar ao Baldomero Cavalcanti. Em 2011, Manoel Cavalcante chegou a deixar o presídio, no entanto, havia outra condenação, e ele teve de retornar para cumprir uma parte da sentença pela morte do caseiro Cristóvão

CĂ‚MARA

COM PROCESSOS

Pular o Carnaval sem dinheiro no bolso nĂŁo ĂŠ nada bom. Para que isso nĂŁo aconteça com os servidores do Legislativo municipal da capital alagoana, o presidente da Câmara, vereador Galba Novaes (PRB), tranquilizou os servidores efetivos e comissionados da Casa e garantiu que os salĂĄrios do funcionalismo estarĂŁo em suas respectivas contas neste sĂĄbado de ‘ZĂŠ Pereira’. “Quem passar o cartĂŁo apĂłs a meia-noite vai ver o dinheiro na contaâ€?, garantiu ontem pela manhĂŁ o vereador.

O ex-deputado federal Chico Tenório (PMN) pode assumir o cargo de delegado da Polícia Civil, logo após o Carnaval. (VVDIRLDLQIRUPDomRFRQ¿UPDda pelo delegado-geral da Polícia Civil, JosÊ Edson de Freitas. A nomeação, de acordo com o JosÊ Édson, deve ter algumas restriçþes impostas pela Justiça, mas não deve impedir que ele assuma o cargo. Enquanto delegado, os processos administrativos seguem em apreciação na Corregedoria da PC, que por sua vez não se manifestou.

Galba assegura salĂĄrios para hoje

TenĂłrio deve assumir posto de delegado

Luis Santos, o ‘Tó’. Na decisĂŁo tomada pelo TJ na quarta-feira, foi considerado que Cavalcante tambĂŠm jĂĄ teria cumprido um perĂ­odo VXĂ€FLHQWHGDSHQDDWULEXtGD ao assassinato de “TĂłâ€? e foi admitida a progressĂŁo para regime semiaberto. (N.S)


TribunaIndependente

4 POLĂ?TICA MACEIĂ“ - SĂ BADO, 18 DE FEVEREIRO DE 2012

BARTOLOMEU DRESCH bartolomeu_dresch@hotmail.com.br

A “ex-sombra� de Lula

U

m artigo publicado na edição de ontem pela revista “The (FRQRPLVWÂľGHIHQGHDLGHLDGHTXHDSyVXPDQRGHPDQdato, a presidente Dilma Rousseff vai aos poucos “saindo GDVRPEUDÂľGRVHXDQWHFHVVRU/XL],QiFLR/XODGD6LOYD2WH[WR DVVLQDODTXHHODHVWiLPSRQGRVHXHVWLORSHVVRDODRJRYHUQREUDVLOHLURHH[HPSOLĂ€FDFRPDVGHPLVV}HVGHVHWHPLQLVWURVSRUGHVYLRV ĂŠticos. “Em um ano de mandato, o governo Dilma mostra que ĂŠ Ă€UPHHPVHXVSULQFtSLRVePDLVWpFQLFROHDOHGHORQJHPDLV feminino do que foi o de Lulaâ€? diz a publicação britânica. O artigo foi batizado de “Sendo ela mesmaâ€?, e diz ainda que a maioria das escolhas ministeriais em substituição aos afastados foi pessoal. SĂŁo citadas as indicaçþes de Maria das Graças Foster para a presidĂŞncia da Petrobras e de Marco Antonio Raupp para o MinisWpULRGD&LrQFLDHGD7HFQRORJLDFRPRVHQGRGHFDUiWHUWpFQLFRH pessoal da presidente. TambĂŠm ĂŠ citada a nomeação de Eleonora Menicucci para a Secretaria de PolĂ­ticas para as Mulheres, que foi companheira de cela da presidente Dilma no perĂ­odo da ditadura militar. Outro ponto positivo citado pela revista ĂŠ a aprovação popular do governo, e a maioria obtida no Congresso Nacional.

Equipamentos rurais O secretårio da Agricultura e do Desenvolvimento Agrårio, Jorge Dantas, assinou convênio com o superintendente da Caixa Econômica Federal em Alagoas, Herbert Buenos Ayres, para aquisição de diversos equipamentos rurais. O valor Ê de R$ 3,3 milhþes que serão destinados à Assistência TÊcnica e Extensão Rural, verba do MinistÊrio do Desenvolvimento Agrårio com a contrapartida do Governo do Estado. O valor serå empregado na aquisição de oito veículos tipo van, 33 caminhonetes pick-up, um microônibus, dois caminhþes, duas mil caixas para hortifrutigranjeiros e 260 barracas de aço inox. Os equipamentos serão direcionados para as feiras da agricultura familiar no Estado.

Jazz em Garanhuns $OWHUQDWLYDSDUDRVPHQRVD¿FLRQDGRVDRVUHPHOH[RVHUHTXHEURVGR frevo e do axÊ-music, o Garanhuns Jazz Festival vai movimentar, ao seu jeito o período de Carnaval. A partir deste såbado (18) atÊ a terça feira (21) a cidade pernambucana då prioridade aos amantes da boa musica instrumental, do descanso e da tranquilidade. Vale destacar a participação do grupo de Maceió Brasil Modern Jazz Quartet (na segundafeira) e uma apresentação especial do baterista Carlos Bala. Na Praça Guadalajara se apresentam no såbado; SÊrgio Ferraz (PE), Donny Nichilo (USA), Jefferson Gonçalvez (RJ) e Jeovah da Gaita (PE), ZÊ Brown (PE), MC Rodrigo (DF), UpTown e Band (PE), Tony Gordon (SP) e Eu, Edu e os Caras (NT).

MPE propþe nova ação contra Cícero Cavalcante Prefeito e sua esposa, Doda Cavalcante, são acusados de compra de votos ARQUIVO

rador eleitoral Rodrigo TeQyULRDGHFLVmRQmRVLJQLĂ€FD que Cavalcante e sua esposa O prefeito de SĂŁo Luiz foram absolvidos. do Quitunde, CĂ­cero Caval“NĂŁo houve absolvição. FDQWH 30'% VHUiDOYRGH (VVH SURFHVVR SRGHUi VHU mais uma ação do MinistĂŠ- iniciado novamente com rio PĂşblico Eleitoral (MPE). a produção de novas proA nova denĂşncia ainda ĂŠ vasâ€?, comenta o procurador. referente Ă  compra de votos “Uma vez formalizado o denas eleiçþes municipais de SRLPHQWR DIDVWDVH R yELFH Matriz do Camaragibe. que o Tribunal considerou Cavalcante ĂŠ acusado de existenteâ€?, declara. distribuir dinheiro durante É justamente isso que o pleito de 2008 para favore- VHUi IHLWR 7HQyULR DĂ€UPD cer sua esposa, Doda Caval- que vai convocar as testecante (PMDB). Ela venceu munhas ouvidas durante a a disputa e ĂŠ a atual prefei- eleição de 2008 para prestar ta do municĂ­pio. O caso foi depoimento junto ao MPE. apurado pela PolĂ­cia Fede- “As pessoas que foram citaral (PF), no dia da eleição. das pela PF serĂŁo ouvidas Acontece que na quinta- formalmente pelo MP e aĂ­ -feira (16), o Tribunal Regio- faremos a propositura de nal Eleitoral (TRE) negou a QRYDGHQ~QFLDÂľDĂ€UPD ação movida pelo MPE conMAIS AGILIDADE tra o casal. O desembargaSegundo o procurador, dor relator do caso, AntĂ´nio propor uma nova denĂşncia Bittencourt, considerou que GDUi PDLV DJLOLGDGH D XPD nĂŁo havia provas do crime. eventudal punição de CavalO problema ĂŠ que parte cante do que recorrer da dedos depoimentos colhidos cisĂŁo do TRE. â€œĂ‰ muito mais pela PF foram considerados simples fazer essa produção LQYiOLGRV SHOD &RUWH (OHLWR- do que entrar com recursoâ€?, ral. De acordo com o procu- FRPHQWD7HQyULR CĂ­cero Cavalcante vai sofrer nova ação do MinistĂŠrio PĂşblico

VICTOR AVNER REPĂ“RTER

RIO LARGO

Vânia e Scavuzzi sĂŁo inocentados de incĂŞndio REPRODUĂ‡ĂƒO

Jazz em Garanhuns 2 No domingo, no mesmo local, acontecerão as apresentaçþes de: Reisados Unidos com Alegria de Gonzaga de Garanhuns (PE), Victor Biglione (ARG), Marcel Powell (RJ), Tiffany Harp (SC), Emma Arnold (UK), Cida Maria (PE), Adriana Nascimento (PE) e Izzy Gordon (SP). Na segundafeira Ê a vez de Alexandre Santiago & Dose Dupla (PE), Grupo de Percussão de Garanhuns e Carlos Bala (AL), Brasil Modern Jazz Quartet (AL), com Atiba Taylor (USA), Big Joe Manfra (RJ), Artur Menezes (CE), Lancaster (SP), Fred Sun Walk (SP), Siqueira (PE), Daniel Diniz (PE), Thomaz Lera (SP), Jonathan Richard (PE) com The Bluz (PE) e Flavio Naves (SP).

Jazz em Garanhuns 3 Na terça-feira, dia do encerramento se apresentam Handmade Blues (PE) & Marcos Cabral (PE), Mr. Trio (PE), Bom Mintzer & Russel Ferrante (USA) com o maestro Edson Rodrigues (PE), Karl Dizon (USA) e a Grand Jam Session de encerramento. Nos intervalos haverå apresentação de repentistas da região. Na Igreja do seminårio, sempre às 16h, se apresentam: no såbado, Marcel Powell (RJ); no domingo, Big Joe Manfra (RJ) e Jefferson Gonçalves (RJ); na Segunda, Donny Nichilo (USA) com participação de Russel Ferrante (USA); e na terça, Duo Maggiore (PE).

Aborto nĂŁo ĂŠ pauta A nova ministra da Secretaria de PolĂ­ticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, disse que a questĂŁo do aborto nĂŁo faz parte da pauta do Executivo, e que o assunto deve ser tratado pelo Legislativo e pela opiniĂŁo pĂşblica. Ela respondeu a questionamentos feitos pela ONU, de o que o Brasil estĂĄ fazendo para lidar com o aborto em situação de risco. A ministra disse ainda que “segue as diretrizes do governo, mas isso nĂŁo VLJQLÂżFDTXHWHQKDPXGDGRGHSRVLomRVREUHRDVVXQWR´(ODWDPEpP tem sido muito pressionada pela bancada evangĂŠlica por ter se posicionado favoravelmente ao aborto quando tomou posse no cargo.

Operação Sorriso 2LWHQWDFULDQoDVTXHSRVVXHP¿VVXUDOiELRSDODWDOSRSXODUPHQWH conhecida como låbio leporino, serão atendidas pela Operação Sorriso, que acontece em Maceió nos dias 14 e 19 do próximo mês. A campanha vai atender a pacientes de todo o Estado e tanto o alojamento quanto a alimentação dos pacientes do interior serão custeados pela Secretaria de Saúde. A triagem serå feita no dia 14 no Hospital Nossa Senhora da Guia, onde tambÊm serão realizadas as cirurgias. Os pacientes deverão ter låbio leporino nunca operado, ou outras deformidades faciais e idade entre 1 a 6 anos. ‡1XQFDpGHPDLVID]HUDOJXPDVUHFRPHQGDo}HVSDUDTXHPHVWHMDD ¿PGH³HQ¿DURSpQDMDFD´QHVWH&DUQDYDO$DWHQomRSULQFLSDOpFXLGDU da alimentação, reposição de líquidos, não abusar excessivamente do ålcool e evitar comportamentos sexuais de risco. Camisinha Ê tudo de bom. ‡(QWmRpIXQGDPHQWDOPDQWHURFRUSRVHPSUHEHPKLGUDWDGRGHSUHIHUrQFLDLQWHUFDODQGRXPFRSRGHEHELGDDOFRyOLFDFRPXPFRSRGHiJXD para prevenir a ressaca. TambÊm vale beber muita ågua de coco ou HQHUJpWLFRVDOpPGHVXFRVGHIUXWDV ‡$RFRPSUDUEHELGDHFRPLGDGHDPEXODQWHVpERPREVHUYDUD questão da higiene para evitar contaminação. É bom observar se os SURGXWRVHVWmREHPDUPD]HQDGRVSUH¿UDRVPXLWRTXHQWHVRXPXLWR frios e use canudos nas latas. ‡6HKRXYHUSRVVLELOLGDGHSUH¿UDRVDOLPHQWRVOHYHVHHQHUJpWLFRVFRPR EDUUDGHFHUHDLVIUXWDVHVDQGXtFKHVGHSUHIHUrQFLDFRPSmRLQWHJUDO ‡2XWUDGLFDOHJDOpXVDUURXSDVOHYHVHIUHVFDVDOpPGHXPFDOoDGR confortåvel. O tênis Ê uma boa. É bom fazer um alongamento antes de seguir atrås de um bloco, ou de um trio.

Casal que comandou Rio Largo por um bom tempo foi inocentado

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas (TJ/AL) inocentou a ex-prefeita Vânia Paiva e Ricardo Scavuzzi, seu esposo, do incêndio na Prefeitura de Rio Largo, em 2004. Para os desembargadores, não havia provas VXÀFLHQWHV SDUD FRQGHQi-los. A decisão reformou a sentença da 17ª Vara Criminal da Capital. Em setembro de 2010, os juízes de primeiro grau considerarm culpados a ex-prefeita e seu esposo pelos crimes de formação de quadrilha, supressão de documentos públicos e incêndio doloso. $RFRQWUiULRGRUHODWyULR elaborado pelo desembargador Edivaldo Bandeira Rios, os demais magistrados que compþem a Câmara CrimiQDODYDOLDUDPTXHKiGLYHUsas falhas na condenação de

Vânia e Scavuzzi. Um dos problemas apontados Ê que DDXWRULDGRVFULPHVQmRÀcou totalmente esclarecida. A decisão da Câmara se deu na sessão do dia 8 deste mês. O MinistÊrio Público do Estado de Alagoas (MP/ AL), autor da denúncia, pode recorrer. INCÊNDIO 8PGLDDSyVRSOHLWRTXH elegeu Vânia Paiva prefeita, a Secretaria de Finanças, que Ê anexada à prefeitura, foi incendiada. O Corpo de Bombeiros e o Instituto de Criminalística revelaram que o incêndio havia sido criminoso. À Êpoca do crime, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) apurava desvio de verbas e irregularidades na prefeitura. Scavuzzi era seFUHWiULR GH )LQDQoDV H 9knia havia assumido a prefeitura três vezes. (V.A.)

FAVORĂ VEL

Parecer do MP foi decisivo para a absolvição Um documento do MinistÊrio Público foi fundamental para absolvição de Vânia Paiva e Ricardo Scavuzzi. Em seu parecer, o procurador Geraldo Magela desquaOLÀFRX GHSRLPHQWRV H DYDliou que a 17ª Vara Criminal não tinha competência para atuar no caso. O procurador fez questão de ressaltar a fragilidade

das provas colhidas no auto. “No caso em tela, nĂŁo exisWHP SURYDV VXĂ€FLHQWHV TXH MXVWLĂ€TXHP D FRQGHQDomR dos apelantesâ€?, considerou Magela, em seu parecer. A defesa de Vânia e Scavuzzi havia alegado que a maioria das testemunhas nĂŁo conseguiu comprovar o envolvimento de seus clientes no incĂŞndio, o que foi

aceito pelo procurador. “As declaraçþes das testemunhas nĂŁo contĂŞm a consisWrQFLD QHFHVViULD SDUD GDU validade Ă  condenação dos acusadosâ€?, pontuou. AlĂŠm disso, Magela considerou que nĂŁo houve formação de quadrilha. Desta forma, a 17ÂŞ Vara Criminal da Capital nĂŁo poderia ter julgado Vânia e Scavuzzi.

TJ NO CARNAVAL

SEM DISCUSSĂƒO

O Judiciårio alagoano suspende, de hoje (18) atÊ a quarta-feira (22), suas atividades em virtude do Carnaval. O Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), as Varas e juizados da Capital e as comarcas do interior, durante o período, funcionam em regime de plantão. O expediente normal serå retomado no próximo dia 23. O magistrado Diógenes Tenório de Albuquerque foi designado para responder pelo plantão no TJ/AL, responsåvel por apreciar processos emergenciais.

Apesar de ser o autor do parecer que culminou na absolvição de Vânia Paiva e Ricardo Scavuzzi, o procurador Geraldo Magela nĂŁo esteve presente na sessĂŁo da Câmara Criminal do TJ/AL. Em seu lugar foi enviado o procurador AntĂ´nio Arecippo. No entanto, durante todo o julgamento, Arecippo sĂł usou a palavra para comentar sobre a “complexidade do casoâ€?. Na avaliação do mĂŠrito, Arecippo se omitiiu para que os desembargadores decideissem de “forma mais adequadaâ€?.

DiĂłgenes TenĂłrio ĂŠ o juiz plantonista

Procurador avaliou que caso era complexo

CONDENAĂ‡ĂƒO A 17ÂŞ Vara Criminal da Capital havia condenado Vânia e Scavuzzi a cumprir mais de 11 anos de prisĂŁo em regime fechado. Carlos Jorge Cardoso da Silva, vulgo “Jorge PagĂŁoâ€?, e Valdemir da AraĂşjo Silva, o “Nenoâ€?, tambĂŠm foram condenados, sob acusação de executar os crimes. (V.A.)


TribunaIndependente

MACEIĂ“ - SĂ BADO, 18 DE FEVEREIRO DE 2012 POLĂ?TICA

5

Energia: Alagoas vai ganhar R$ 1 bilhĂŁo Soma de investimentos anunciados pelo presidente da Chesf, JoĂŁo Bosco, tranquiliza governador Teotonio Vilela

Cotidiano LININHO NOVAIS - contato@lininho.com

Fiscalizando o quĂŞ, mesmo, hein?

Q

uem trafega pelas rodovias em Alagoas, seja ela estadual ou federal, depara-se muitas vezes com agentes da AgĂŞncia Reguladora de Serviços Publicos de Alagoas (Arsal); estĂŁo lĂĄ sempre acompanhados por um ou dois policiais militares, tudo HPQRPHGDĂ€VFDOL]DomRGRVWUDQVSRUWHVDOWHUQDWLYRVHWi[LV autorizados por vĂĄrios municĂ­pios. AtĂŠ aĂ­ tudo bem. Essa semana fui parado numa dessas “blitzeâ€?, pelos mesmo agentes da Arsal, porĂŠm o que mais chamou minha atenção ĂŠ que meu carro ĂŠ privado e utiliza-se de placa na cor cinza, e nĂŁo vermelha (veĂ­culos de transporte pago), mesmo estando totalmente regularizado e obedecendo as normas de trânsito, fui obrigado a descer do veiculo com minha famĂ­lia para uma revista. Tudo demorou em torno de YLQWHPLQXWRVDWUDVRXDYLDJHPPDVDWpHQWmRĂ€TXHLVHPHQWHQder o porquĂŞ de uma agĂŞncia reguladora parar veĂ­culo privado e ainda com ajuda policial realizar uma revista.

O retorno 9ROWDQGRDXVDURFDYDQKDTXHDSyVDSURPHVVDIHLWDjÂżOKDRGHSXtado Judson Cabral (PT) com um sorriso no rosto garantiu que muitas novidades estĂŁo chegando e que prometem sacodir o cenĂĄrio politico na Casa de Tavares Bastos.

Mulher no comando Na cidade de Branquinha nĂŁo teremos muitas novidades na campanha eleitoral deste ano, pelo menos sabemos que serĂĄ uma mulher que FRPDQGDUiRVGHVWLQRVGRPXQLFtSLRSRLVQDGLVSXWDHVWmRDDWXDO prefeita Ana Renata (PMDB), a advogada Vaninha Menezes (PPS) e a vereadora Antonia Vasconcelos (PP).

'H¿QLGR Completando 70 anos de muita folia o tradicional bloco Tudo Azul, que VDLjVUXDVGDFLGDGHGH0XULFLQDWHUoDIHLUDGH&DUQDYDOGH¿QLXD atração deste ano que serå o cantor baiano Tattau, ex-vocalista da banda Araketu. O bloco Ê de rua e muito popular, segundo dados da PM, só no ano passado foram mais de 60 mil pessoas tomando conta das ruas da cidade.

Soldado em campo Passeando com seu neto pela orla, o vereador Chico Holanda parou para ver a beleza da lua, e ao sentar foi logo sendo assediado: “EstĂĄ com cara de vice-prefeitoâ€?. Chico nĂŁo deixou por menos: “Se for convocado estou aqui, faço tudo por minha terraâ€?.

Devolvendo A deputada Thaise Guedes (PSC) vai mesmo devolver ao erårio o montante recebido irregularmente do INSS, após denuncia veiculada no jornal Gazeta de Alagoas. Serå que agora a jovem parlamentar irå subir a tribuna da Assembleia para explicar tal situação?

Bloco na rua Jogo do CRB x Murici com estĂĄdio lotado e o presidente regatiano, GHSXWDGR0DUFRV%DUERVDFRQÂżUPRXTXHLUiPHVPRHQIUHQWDU&ULVWLDQR Matheus na disputa pelo comando da histĂłrica cidade de Marechal Deodoro. E jĂĄ mandou avisar que o bloco estarĂĄ na rua!

Atentos Uma megaoperação nas rodovias federais em Alagoas tentarå coibir os abusos causado por motoristas que ferem a legislação de trânsito, com isso foram suspensas todas as folgas dos patrulheiros para estarem atentos durante toda as festividades momescas.

Falando nisso... DVXSHULQWHQGrQFLDGD3ROLFLD5RGRYLiULD)HGHUDOHP$ODJRDVGHVDtivou o posto policial na cidade de Novo Lino. Motivo: falta de contingente!

Alerta AlÊm de priorizar os projetos da årea de segurança pública na agenda legislativa de 2012, o senador Renan Calheiros alertou os membros GR&ROpJLRGH/tGHUHVTXDQWRDRSUD]RSDUDDUHYLVmRGRVFULWpULRVGH distribuição do Fundo de Participação dos Estados – FPE.

Contra Os lideres dos partidos PTN e PTC em União dos Palmares bateram o martelo sobre as eleiçþes deste ano. Segundo Kleber Marques, eles estarão em qualquer lado menos apoiando o ex-governador Manoel Gomes de Barros, que Ê apoiado pelo atual prefeito Areski de Freitas.

RODOVIAS

‘Das 50 melhores, sĂł oito estĂŁo no NE’

O senador Benedito de Lira destacou ainda a falta de homogeneidade nos recursos para as estradas. “TambĂŠm ĂŠ preciso observar a enorme discrepância das rodovias em termos regionais. Das 20 melhores rodovias, apenas uma nĂŁo estĂĄ no Estado de SĂŁo Paulo. A primeira fora das regiĂľes Sul ou Sudeste a surgir no ranking ĂŠ a Fortaleza-Natal, apenas em 24Âş. Entre as 50 melhores, apenas oito estĂŁo no Nordeste e nenhuma na UHJLmR1RUWH´DÂżUPRX

SECOM/AL

O

governador Teotonio Vilela Filho (PSDB) OLGHURX QD VH[WDIHLra (17), a primeira reuniĂŁo do ano do Conselho Estadual de PolĂ­tica EnergĂŠtica (Cepe) que contou com a presença do presidente nacional da Eletrobras, JosĂŠ da Costa Carvalho; com o presidente da Eletrobras Distribuição Alagoas, Marcos AurĂŠlio Madureira da Silva; e com o presidente da Chesf, JoĂŁo Bosco. Tal staff serviu para anunciar um investimento de atĂŠ R$1 bilhĂŁo em recursos para Alagoas. “Sem energia nĂŁo se faz educação, saĂşde ou segurança pĂşblica. Sem energia nĂŁo podemos desenvolver o Estado. A atração de investimentos e melhoria da qualidade de vida do povo alagoano depende da energia. Metade da nossa popuODomR HVWi DEDL[R GD OLQKD de pobreza, e nosso objetivo Ă€QDO DTXL p PHOKRUDU HVWH Disputada reuniĂŁo do Conselho de PolĂ­tica EnergĂŠtica traz notĂ­cias de investimentos para o setor quadro. Agradeço em nome dos trĂŞs milhĂľes de alagoanos a atenção dada ao nosso APĂ“S O CARNAVAL (VWDGR (VWDPRV FRQĂ€DQWHV de que nossas preocupaçþes GHL[DP GH H[LVWLUÂľ DĂ€UPRX Teotonio. ApĂłs o anĂşncio dos investimentos para o setor energĂŠtico feito pelo presidente nacional da Eletrobras, o presidente da Companhia atuou tanto na ĂĄrea polĂ­ti- HidrelĂŠtrica do SĂŁo FrancisO senador Renan Ca- pĂşblica, Dilma Rousseff. “NĂŁo tenho a menor dĂş- ca como na ĂĄrea econĂ´mi- co (Chesf), JoĂŁo Bosco, fez lheiros (PMDB) aguarda o retorno das atividades par- vida que a sanção presiden- ca. Posteriormente, junto uma convocação para que lamentares apĂłs o Carnaval cial serĂĄ publicada no DiĂĄrio ao lĂ­der de seu partido na empresĂĄrios de Alagoas e de para que o Senado Federal 2Ă€FLDOGD8QLmRQRVSULPHL- Câmara dos Deputados e outros locais participem de DSURYH R WH[WR GD 0HGLGD ros dias de marçoâ€?, enfati- mais o relator da Medida discussĂľes sobre a constru3URYLVyULD Ă€FRX FRPELQDGD ção de um Parque EĂłlico no 3URYLVyULD Qž  TXH DX[L- zou Renan Calheiros. Em sessĂŁo plenĂĄria da a inclusĂŁo deste problema Estado. lia os pequenos produtores rurais de todo o PaĂ­s, em es- Câmara dos Deputados, re- para votação por parte dos O presidente da Chesf repecial, do Nordeste, que sus- alizada na noite do Ăşltimo deputados. Os ministros da DĂ€UPRXTXHDHPSUHVDHVWi SHQGH D H[HFXomR MXGLFLDO GLD  R WH[WR GR DX[tOLR Fazenda, Guido Mantega; atenta Ă s demandas do Estaestabelecendo novos prazos DRV SURGXWRUHV UXUDLV IRL Ă€- das Relaçþes Institucionais, do de Alagoas e apresentou SDUDKRQUDUĂ€QDQFLDPHQWRV nalmente aprovado e agora Ideli Salvatti; e da Casa os investimentos da Chesf consta na Medida ProvisĂłria Civil da PresidĂŞncia da Re- no Estado. Segundo Bosco, e emprĂŠstimos. O parlamentar tem cer- nÂş 545 que, por sua vez, tem pĂşblica, Gleisi Hoffmann, DV GLĂ€FXOGDGHV GH IDOWD GH teza que o Senado aprovarĂĄ sua tramitação novamente ouviram atentamente as energia elĂŠtrica em fevereiR WH[WR SURYHQLHQWH GD &k- devolvida ao Senado Fede- ponderaçþes e as soluçþes ro do ano passado ocorreram encontradas pelo senador em todo o Nordeste, e nĂŁo mara com a urgĂŞncia neces- ral. Calheiros foi atĂŠ a Espla- alagoano. Para Renan, “a apenas em Alagoas. Para o sĂĄria e o encaminharĂĄ para D GHĂ€QLWLYD DXWRUL]DomR SRU nada dos MinistĂŠrios para situação de 50 mil agriculto- presidente, o problema jĂĄ foi parte da presidente da Re- lutar por essa causa. Ele res de Alagoas ĂŠ dramĂĄticaâ€?. superado. JĂĄ o secretĂĄrio de Planejamento e Desenvolvimento EconĂ´mico e presidente do Cepe, Luiz Otavio Gomes, PETIĂ‡ĂƒO DE MISÉRIA fez um detalhado diagnĂłstico das demandas energĂŠticas de Alagoas e apresentou o balanço energĂŠtico do Estado em 2011, alĂŠm de um mapa que demonstra quais municĂ­pios e regiĂľes sofrem PDLRUHVGLĂ€FXOGDGHVHQHUJpEm Alagoas, 59% das cariedade, com enormes cus- (CNT), 61% das cargas no ticas. estradas sĂŁo consideradas tos em termos econĂ´micos e Brasil sĂŁo transportadas em “O que estamos fazendo regulares ou ruins e 62% da de vidas humanas. Insisto rodovias. O RelatĂłrio-Pes- pra reforçar esta base agora sinalização estĂĄ em estado que se o Brasil deseja con- quisa CNT de Rodovias 2011 ĂŠ um circuito vindo de Sergiregular, ruim ou pĂŠssimo, tinuar a se desenvolver, ĂŠ mostrou que o Brasil inves- pe. Estamos bem atendidos segundo pesquisa da AgĂŞn- preciso atenção redobrada tiu, em 2011, apenas 0,23% em termos de alta tensĂŁo. cia Nacional de Transportes em relação Ă s rodoviasâ€?, res- do Produto Interno Bruto Algumas obras estĂŁo atrasa 3,% QRVHWRUURGRYLiULRĂ€- das, como colocou o secretĂĄTerrestres (ANTT). Para saltou o senador. Ainda segundo Lira, cando atrĂĄs de paĂ­ses como rio Luis Otavio, mas seguem chamar a atenção do governo federal para este cenĂĄrio, “precisamos de investimen- China, RĂşssia e Ă?ndia, que em curso. Entregaremos a o senador Benedito de Lira tos, pĂşblicos ou privados, investem entre 7% e 10% VXEHVWDomR=HEXQRSUy[LPR (PP) cobrou, esta semana, que deem ao Brasil as estra- de seus respectivos PIBs em mĂŞs. TambĂŠm estamos trano Senado mais investimen- das de qualidade que o paĂ­s construção, manutenção e balhando na implantação de tos para manutenção das merece e precisa para conti- melhorias rodoviĂĄrias. um circuito duplo em Paulo Para o senador, as es- Afonso, para atender o CaURGRYLDVHVLQDOL]DomRDĂ€P nuar crescendo, para contitradas brasileiras, alĂŠm de nal do SertĂŁo. Entregaremos de adequar a infraestrutura nuar se desenvolvendoâ€?. Segundo a Confederação serem mal construĂ­das, sĂŁo esta obra concluĂ­da em abril rodoviĂĄria brasileira. “Vivemos em grande pre- Nacional de Transportes mal conservadas. deste anoâ€?, disse Bosco.

Renan aguarda aprovação de MP TXHDX[LOLDSHTXHQRVSURGXWRUHV

Benedito de Lira chama atenção para as condiçþes das estradas

ANTT

Senador alerta para apagão logístico De acordo com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANNT), informou Benedito de Lira, a precariedade das estradas naFLRQDLVSRGHFODVVL¿FDUR%UDVLOFRPRXPSDtVjEHLUDGHXP³DSDJmR ORJtVWLFR´ 2 VHQDGRU GLVVH TXH D DJrQFLD UHJXODGRUD DQDOLVRX URGRYLDV HP WRGR R SDtV H FRQFOXLX TXH  GDV HVWUDGDV SHVTXLVDGDV QmR SRVVXHP DFRVWDPHQWR  DSUHVHQWDP SUREOHPDV QD SDYLPHQWDomRHGHODVWrPSUREOHPDVGHVLQDOL]DomRGHWUkQVLWR FRPRSODFDVGHVJDVWDGDVLOHJtYHLVFREHUWDVSRUYHJHWDomR

INVESTIMENTOS

Precariedade eleva Custo Brasil

A precariedade das rodovias â€œĂŠ assustadoraâ€? para Benedito de Lira, principalmente devido aos milhares de acidentes e mortes que acontecem todos os anos em razĂŁo dos defeitos na sinalização e da mĂĄ conservação das estradas. “O resultado ĂŠ o infame Custo Brasil, isto ĂŠ, a diminuição da competitividade, quando comparada ao restante do mundo e um sobrepreço que os produtos brasileiros pagam HPUD]mRGDLQHÂżFLrQFLDGDV nossas rodoviasâ€?.


6

OPINIAO

TribunaIndependente

MACEIĂ“ - SĂ BADO, 18 DE FEVEREIRO DE 2012

OpiniĂŁo

Operação Carnaval

H

elicópteros, radares, bafômetros e viaturas (carros e motos) distribuídos por locais estratÊgicos, alÊm de cerca de 9,2 mil policiais, integram os recursos da Polícia Rodoviåria Federal (PRF) para a Operação Carnaval 2012. Em todo o País, desde ontem à noite atÊ a meia-noite da Quarta-feira de Cinzas, a PRF tambÊm executarå um esquema especial de monitoramento dos principais corredores viårios do País, com o objetivo GHDXPHQWDUDà XLGH]GRWUkQVLWR Nove helicópteros, 26 pilotos e 22 agentes especializados em policiamento aÊreo, todos da própria PRF, vão fazer patrulhamento ostensivo nas rodovias federais e resgate aeromÊdico.

O raio de assistência de cada aeronave, que serão posicionadas de acordo FRP R à X[R GH YHtFXORV H HVWDWtVWLFDV de acidentes, Ê de aproximadamente .P$VDo}HVGHÀVFDOL]DomRFRRUdenadas com as equipes em terra vão ajudar coibir abusos no trânsito e a combater a criminalidade. Tudo isso para tentar reduzir o alto índice de vítimais fatais ocorridas no Carnaval do ano passado que registrou 166 mortes, um aumento de 16% em relação a 2010. Neste ano, serão utilizados mais de 1,8 mil etilômetros. Nem mesmo o motorista que se recusar a soprar o DSDUHOKRHVFDSDUiGDÀVFDOL]DomRHGD punição.

PE MANOEL HENRIQUE DE MELO SANTANA PĂĄroco da Igreja de SĂŁo Pedro ApĂłstolo - Ponta Verde Doutorando Univesidade de Grenoble III

Mikhail Bakhtin: homem do diĂĄlogo

Na Universidade Católica de Minas Gerais, estudamos Bakhtin, ÀOyVRIR UXVVR TXH QRV GHL[RX ERDV impressþes. Suas obras somente na dÊcada de 80 chegaram ao Brasil. Bakhtin faz uma radical crítica j UD]mR FLHQWtÀFD TXH SRVVXL XPD pretensão quase absoluta de ser o parâmetro de todas as verdades. Esse caminho foi preparado, assumido e vivenciado por toda a humanidade. A Teologia sofreu com HVWDSUHSRWrQFLDÀORVyÀFDGRPXQdo da ciência. A ciência, porÊm, não pensa e trabalha com a racionalidade, que se funda na calculabilidade. A questão do ser estå, então, fora do alcance da ciência. O tema do diålogo, na dÊcada de 20, entra como discussão do Circulo de Bakhtin. As raízes dessa temåtica estão presentes desde seus primeiros estudos, como a sua grande utopia, na qual ele depositarå todo R VHX HPSHQKR H FRQÀDQoD 9LYHU VLJQLÀFD WRPDU SDUWH QR GLiORJR 6HUVLJQLÀFDYLYHUHPFRPXQLFDomR DVVLPVHH[SULPHRQRVVRÀOyVRIR %DNKWLQ DÀUPD ´(X QmR SRVVR me realizar sem um outro, eu não posso me tornar eu mesmo sem um outro�. E conclui: �Eu tenho de me encontrar num outro para encontrar um outro em mim. Viver, HQÀP VLJQLÀFD WRPDU SDUWH QR GLålogo: fazer perguntas, dar respostas, dar atenção, responder, estar presente. Nos inícios do sÊculo XX, entra em cena a interação com estrutura

de ciĂŞncia, apesar de jĂĄ ser reconheFLGD SHOD )LORVRĂ€D GHVGH R VpFXOR XVIII. É impossĂ­vel pensar o ser humano fora das relaçþes com o outro. O eu ĂŠ impossĂ­vel sem o tu. A interação antes de ser um mero objeto de conceitualização, ĂŠ uma ĂĄrea de relação. No princĂ­pio ĂŠ a relação. A alteridade precede e ĂŠ constitutiva da identidade, da ipseidade. O ser humano ĂŠ um ser in-contido. Seu destino ĂŠ a transcendĂŞncia, um ser de desejos, de ser mais do que o ĂŠ inicialmente. O homem, como ser, apresenta-se como o lugar do encontro e do reencontro com Deus. HĂĄ algo de comum, numa misteriosa cumplicidade, entre Deus e o HoPHPDĂ€UPD+HLGHJJHU Enquanto Nietzsche pensava na morte de Deus, Heidegger responGLDTXHVHWUDWDYDGHXPDĂ€ORVRĂ€D mal elaborada. A metafĂ­sica pecava pelo ocultamento do ser, fechando assim o caminho para Deus. A metafĂ­sica nĂŁo comtempla o ser, pelo contrĂĄrio, esconde-o. Nietzsche pretendia demolir a metafĂ­sica e com isso matar a Deus. Paradoxalmente, Nietzsche consegue retirar Deus da agenda histĂłrica humana, mas em seu lugar coloca o “Super-Homemâ€?, criatura sua. A questĂŁo de Deus estĂĄ ligada Ă  questĂŁo do ser, e nĂŁo a da metafĂ­sica. A possibilidade de chegar Ă€ORVRĂ€FDPHQWH DR 7UDQVFHQGHQWH passa pelo ser e nĂŁo pelo nĂŁo-ser. O sentido do homem e do mundo se

aproxima do sentido de Deus. 2 5RVWR p D Ă€JXUD GR RXWUR TXH me interpela, diz LĂŠvinas, que me impele a sair de mim mesmo. A linguagem ĂŠ a “Casa do Serâ€?, segundo D Ă€ORVRĂ€D KHLGHJJHULDQD /pYLQDV em Lâ€™Ăˆvasion, publicado em 1935, fala da necessidade de sair do ser, QXPD Ă€UPDomR DUULVFDGD QR SODQR Ă€ORVyĂ€FR Sair do ser para LĂŠvinas propunha como exigĂŞncia um reexame dos princĂ­pios constitutivos da consciĂŞncia, uma releitura crĂ­tica da maneira grega de considerar o fato humano. Em “Le Temps et L’Autreâ€?, LĂŠvinas fala da carĂ­cia humana, como poucos sabem fazer, mesmo aqueles que disso fazem SURĂ€VVmR 1R Ă€QDO GHVWH LWLQHUiULR Ă€ORVyĂ€FR HQFRQWUDPRV *DEULHO 0DUFHO DĂ€UPDQGR TXH R DPRU p IRQWH GR ser. O amor me faz existir. O amor confere primazia ao outro. O amor ĂŠ necessĂĄrio para que o homem seja sujeito histĂłrico e nĂŁo apenas um objeto qualquer de pesquisa. O sujeito sĂł pode ser chamado pelo amor. $QWHVGHFRORFDUSRQWRĂ€QDODLQGDUHFHEHPRV*DUDXG\TXHDĂ€UPD situar o amor na radicalidade ontolĂłgica, e nĂŁo sĂł no plano psicolĂłgico. “Sem amor, diz Garaudy, o homem ou a sociedade podem funcionar, mas nĂŁo existem.â€? Depois da leitura deste texto, pare e tome o Evangelho e se encontre com Jesus em seus caminhos.

MAURO SANTAYANA

GILSON CARONI

Jornalista

professor de Sociologia das Faculdades Integradas HĂŠlio Alonso (Facha), no Rio de Janeiro

O garrote vil contra GarzĂłn Outra novela do mensalĂŁo vem aĂ­ A manchete do jornal O Globo, em sua edição de 15 de fevereiro de 2012 (â€?Marcos ValĂŠrio ĂŠ o primeiro condenado do MensalĂŁoâ€?), nĂŁo deixa dĂşvidas quanto ao espetĂĄculo que dominarĂĄ pĂĄginas e telas depois do carnaval: Ă  medida em que se aproxima o julgamento do processo que a imprensa chama de “escândalo da mensalĂŁoâ€?, velhos expedientes sĂŁo reeditados sem qualquer cerimĂ´nia que busque manter a aparĂŞncia de jornalismo sĂŠrio. A condenação do publicitĂĄrio por crimes GH VRQHJDomR Ă€VFDO H IDOVLĂ€FDomR GH documentos pĂşblicos seria, mesmo que nĂŁo surjam provas de conduta delituosa por parte dos rĂŠus, a senha para o STF homologar a narrativa midiĂĄtica H QmR Ă€FDU PDFXODGR SHOD LPDJHP GH “pizzaâ€? que uma absolvição inevitavelmente traria Ă  mais alta corte do paĂ­s. Como destaca Pedro Estevam Serrano, em sua coluna para a revista &DUWD&DSLWDOÂľR TXH YHULĂ€FDPRV p D ocorrĂŞncia constante de matĂŠrias jornalĂ­sticas em alguns veĂ­culos que procuram nitidamente criar um ambiente de opiniĂŁo pĂşblica contrĂĄria aos rĂŠus, apelando a matĂŠrias mais dotadas da verossimilhança dos romances que Ă  verdade que deveria ser o mote dos relatos jornalĂ­sticosâ€?. Os riscos aos pilares bĂĄsicos do Estado DemocrĂĄtico de Direito sĂŁo nĂ­tidos na empreitada. Serrano alerta para o objetivo Ăşltimo das corporaçþes: “E tal comportamento tem intenção polĂ­tica evidente, qual seja procurar criminalizar o PT e o governo Lula, pois ao distanciar o julgamento de sua concretude por relatos abstratos e simbĂłlicos o que se procura pĂ´r no banco dos rĂŠus nĂŁo sĂŁo apenas as condutas pessoais em pauta mas sim todo um segmento polĂ­tico e ideolĂłgico.â€? $ XQLĂ€FDomR HGLWRULDO HP IDYRU GD manutenção dos direitos do CNJ em votação de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nĂŁo revela apenas preocupação com o indispensĂĄvel controle externo do poder judiciĂĄrio, mas o constrangimento necessĂĄrio de juĂ­zes Ă s vĂŠsperas de um julgamento

que envolve, a construção polĂ­tica mais cara Ă  mĂ­dia corporativa. No lugar do contraditĂłrio, a imposição de uma agenda. Ocupando o espaço da correta publicidade dos fatos, a recorrente tentativa de manipulação da opiniĂŁo pĂşblica. A trama, no entanto, deve ser olhada pelo que traz de pedagĂłgico, explicitando papĂŠis e funçþes no campo jornalĂ­stico. O pensamento Ăşnico, para o ser, nĂŁo basta ser hegemĂ´nico; tem que ser excludente. NĂŁo apenas de outros pensamentos, mas do prĂłprio pensar. Parafraseando Aldous Huxley, “se o indivĂ­duo pensa, a estrutura de poder Ă€FD WHQVDÂľ 1D YHUGDGH QD VRFLHGDGH administrada nĂŁo pode haver indivĂ­duo. Apenas a massa disforme, cujo universo cognitivo e intelectivo ĂŠ, de alto a baixo, subministrado pelos detentores do poder social. É nessa crença que se movem articulistas, editores e seus patrĂľes. Em um sistema de dominação ĂŠ essa, e nenhuma outra, a função da “mĂ­diaâ€?: induzir o espĂ­rito de manada, o nĂŁo-pensar, o abrir mĂŁo da razĂŁo e aderir entusiasticamente Ă  insensatez programada pelos que puxam os cordĂľes. Os fracassos recentes nĂŁo nos permitem desdenhar do capital simbĂłlico que as corporaçþes ainda detĂŞm para defender os seus interesses e o das fraçþes de classe a ela associadas. Nesse processo, o principal indutor ĂŠ o “Sistema Globoâ€?, que o falecido Paulo Francis, antes de capitular, apropriadamente crismou como “MetĂĄstaseâ€?, pois de fato suas toxinas se espalham por todo o tecido social. Seus carros-chefe, que frequentemente se realimentam reciprocamente, sĂŁo o jornal da classe mĂŠdia conservadora e, principalmente, o Jornal Nacional, meticulosamente pautado “de [William] Bonner para Homer [Simpson]“ que, de segunda a sĂĄbado, despeja ideologia mal travestida de notĂ­cia sobre dezenas de milhĂľes de incautos E o que “deuâ€? no Jornal Nacional “pautaâ€? desde as editorias dos jornais impresso – O Globo por cima e o Extra

por baixo — e das revistas, “da casaâ€? ou de uma “concorrĂŞnciaâ€? cujo Ăşnico objetivo ĂŠ ser ainda mais sensacionalista e leviana. Algumas vezes, o movimento segue o sentido inverso: uma SXEOLFDomRVHPDQDOSURGX]DĂ€FomRTXH sĂł repercute graças Ă  reprodução da corporação. Os outros instrumentos de espetaculosidade complementam o processo, impondo suas versĂľes de pseudo-realidade: o FantĂĄstico, ersatz dominical do JN; as novelas “campeĂŁs de audiĂŞnciaâ€?, FRPVHXV´FRQĂ LWRVÂľGHVFDUQDGRVHVXDV “causas sociaisâ€? oportunisticamente selecionadas como desconversa; e, culminando, o Big Brother Brasil, a celebração mĂĄxima da total vacuidade. Processo anĂĄlogo vem sendo usado, hĂĄ mais de duas dĂŠcadas, para esvaziar e despolitizar a polĂ­tica, reduzindo-a Ă s futricas de bastidores, ao “em offâ€? e aos “papos de cafezinhoâ€?; e, em ĂŠpoca eleitoral, Ă  corrida de cavalĂľes das pesquisas de intenção de voto que ocupam as manchetes, o noticiĂĄrio, as colunas – ah, as colunas! – e atĂŠ mesmo a discussĂŁo supostamente acadĂŞmica. A nĂŁo menos velha desconversa nacional: olha todo mundo pra cĂĄ, e pela minha lente, para que ninguĂŠm olhe pra lĂĄ. Falar-se em “opiniĂŁo pĂşblicaâ€?, nesse cenĂĄrio, ĂŠ um escĂĄrnio. “OpiniĂŁoâ€? pressupĂľe um espaço interno, em cada LQGLYtGXR SDUD UHĂ H[mR SRQGHUDomR crĂ­tica e elaboração, nĂŁo controlado pelo poder social. “PĂşblicaâ€? requer que exista uma esfera pĂşblica, de discurso racional entre iguais, aberto ao contraditĂłrio e nĂŁo subordinado aos ditames GR´PHUFDGRÂľRXVXEPLQLVWUDGRGHĂ€RD pavio pelo braço “midiĂĄticoâ€? do mesmo poder. Nem uma nem outra condição pode existir em ambiente que tenta subjugar “coraçþes e mentesâ€?, induzindo-o sistemĂĄtica e deliberadamente Ă  loucura social. Avançamos bastante, mas nĂŁo nos iludamos: o que vem por aĂ­ ĂŠ uma luta renhida. De um lado, o espetĂĄculo autoritĂĄrio. E, de outro, a cidadania e o Estado de Direito como permanente construção.

FILIADO AO

Jorgraf UM PRODUTO:

Rua da Praia, 134 - sala 303 - centro - Maceió Alagoas Endereço Comercial: Av. Menino Marcelo - 10.440 - Serraria Maceió - Alagoas - CEP: 57.083.410 CNPJ: 08.951.056/0001 - 33

Cooperativa dos Jornalistas H*UiÂżFRVGRHVWDGRGHDODJRDV

Quando o mais alto tribunal da Espanha decide expulsar da magistratura o juiz Baltasar Garzón, pelo fato de haver, a pedido da polícia, e GH DFRUGR FRP PDQLIHVWDomR RÀFLDO do MinistÊrio Público, ordenado a escuta das conversas entre empresårios corruptores e corruptos - a ÀP GH LPSHGLU D FRQWLQXLGDGH GRV delitos - Ê preciso ir alÊm dos autos. Acusa-se o magistrado espanhol de obsessiva atuação contra o crime organizado. Embora a extrema-direita se alinhe contra sua decisão de investigar os crimes do franquismo, ninguÊm ousou acuså-lo de servir a essa ou àquela convicção ideológica, ou a esse ou àquele partido político: ele atuou bravamente contra o terrorismo de direita, e contra os atos de violência do separatismo basco; decidiu investigar o terror do fascisPRHVSDQKRODÀPGHDVVHJXUDUDRV descendentes das vítimas do totalitarismo espanhol o direito de conhecer a história de seus pais e avós; obteve vitória jurídica internacional pioneira, ao conseguir a prisão de Pinochet, na Inglaterra, ao acuså-lo de haver cometido crime contra um cidadão espanhol, no Chile. Acima de tudo, era um tenaz perseguidor dos ladrþes do Erårio. Mesmo a um leigo, como o colunista, a leitura das 70 laudas da sentença não convence de que - nesse episódio das escutas no conhecido caso Gurtel - o magistrado tenha violado o Código Penal Espanhol, nos artigos em que se apoiaram seus juízes, sobretudo o artigo 446, 3º, em que se ancorou a decisão. É de tal ousadia, e violação do senso comum, a sentença do mais elevado tribunal da Espanha, para que nela não se veja novo sinal de alarme na Europa. O totalitarismo estå de volta. Na Espanha não hå mais dois partidos políticos majoritårios, mas, sim – e de acordo com a óbvia dedução de cidadãos que se manifestam pela internet – a fusão da direita e da esquerda em um PPSOE, junção do PP, resíduo do franquismo, ao

PRESIDENTE Antonio Pereira Filho DIRETOR ADMINISTRATIVO FINANCEIRO: JosĂŠ Paulo Gabriel dos Santos Editor geral: Ricardo Castro

derrotado PSOE, que desonra seus grandes fundadores, entre eles o lendĂĄrio Pablo IglĂŠsias. A reação Ă  sentença, tanto da intelligentsia espanhola, como nas manifestaçþes populares, sĂŁo de perplexidade e espanto. GarzĂłn repeliu a sentença e anunciou seu propĂłsito de continuar lutando pelo reconhecimento de sua dignidade de juiz, ao recorrer ao Tribunal Constitucional. É a instância que o pode socorrer. Escreve GarzĂłn: “Esta sentença, sem razĂŁo jurĂ­dica, nem provas que a sustentem, elimina toda a possibilidade de que se investiguem a corrupção e seus delitos associados, abrindo espaços de impunidade, e contribui gravemente - no afĂŁ de acabar com um juiz em concreto para ferir a independĂŞncia dos juizes na Espanhaâ€?. Mas, entre todas as opiniĂľes, a mais sensata foi a da senhora Mercedes Gallizo Llamas, que foi secretĂĄria geral e diretora das Instituiçþes PenitenciĂĄrias da Espanha, quando ocorreram as escutas. Em artigo ontem publicado em EL Pais, ela faz uma anĂĄlise da justiça espanhola que serve ao mundo inteiro, mas especialmente aos paĂ­ses herdeiros da tradição ibĂŠrica de injustiça: “Os cĂĄrceres estĂŁo habitados, em sua maioria, pelas pessoas pobresâ€?. Como explica a autora do artigo, a maldade humana que existe em nossas sociedades nĂŁo ĂŠ punida proporcionalmente Ă  gravidade dos delitos. Em suma: os pobres pagam, e os ricos, nĂŁo. E continua: “Faz muito tempo que todos os agentes policiais e jurĂ­dicos sabem que seria impossĂ­vel a maior parte das operaçþes de saqueio do dinheiro pĂşblico, de fraudes contra a fazenda pĂşblica, de fuga de capitais D SDUDtVRV Ă€VFDLV GH RFXOWDomR GH bens, mediante testas-de-ferro, da lavagem de capitais, de corrupção dos responsĂĄveis pĂşblicos, se nĂŁo formasse parte dessas redes um en-

tremeado tĂŠcnico-legal que lhes dĂĄ cobertura, que obtĂŠm suculento benefĂ­cio dessas operaçþes, e que, em certos casos, acaba se situando na cĂşpula dessas atividades criminoVDVHTXHVHMDFWDGHVXDLQĂ XrQFLD em todos os nĂ­veis da justiçaâ€?. $Ă€UPDHPVHJXLGDTXHDFRQGHQDomRGH*DU]yQVDQWLĂ€FDDVUHJUDV de um jogo repugnante, o da utilização dos princĂ­pios do Estado de 'LUHLWRSDUDEOLQGDUDWpRLQĂ€QLWR a cobertura legal da delinqßência organizada em alto vĂ´o. “Quando um imputado recebe, na prisĂŁo, a visita diĂĄria de uma corte de advogados de honorĂĄrios milionĂĄrios, a maior parte dos quais nĂŁo se relaciona formalmente com sua causa, sem limite de tempo, sem controle de suas atividades reais, hĂĄ quem queira pensar que se assessoram para sua melhor defesa. Alguns nĂŁo acreditam nisso e resolvem investigar. NĂŁo hĂĄ muitos que se atrevam a fazĂŞ-lo. Quase ninguĂŠm. A partir de hoje, menos aindaâ€?. E conclui: “Um estado implacĂĄvel com os dĂŠbeis, e dĂŠbil com os poderosos, perverte o sentido da justiça, do direito e das leis. AlguĂŠm devia pensar sobre issoâ€?. AlguĂŠm deve pensar sobre isso, e nĂŁo sĂł em Madri que, ontem, para lembrar o belo conto de Hemingway, foi a capital do mundo. No mundo em que as comunicaçþes derrubam as fronteiras, para o mal e para o bem, a sentença que condenou o juiz GarzĂłn – e que equivale, em seus efeitos civis, a uma simbĂłlica execução por meio de garrote vil – ĂŠ assustador sinal de alarme. A Justiça perde os seus Ăşltimos e frĂĄgeis liames com o sentimento ĂŠtico do homem e o sistema democrĂĄtico. Se nĂŁo hĂĄ ĂŠtica na justiça, todos os crimes sĂŁo consentidos, toda a opressĂŁo ĂŠ permitida, todos os absurdos passam a ser naturais e subvertem DOyJLFDGDYLGDHPFRPXP(QĂ€P a farsa substitui a lei e a idĂŠia de justiça – e Themis se vende no mercado.

Nosso noticiĂĄrio nacional ĂŠ fornecido pelas agĂŞncias: AgĂŞncia Folha e AGĂŞncia Nordeste PABX: 82.3311.1338 COMERCIAL: 82.3311.1330 - 3311. 1331 REDAĂ‡ĂƒO: 82.3311.1328 - 3311.1329 CENTRAL DE ASSINANTE: 82.3311.1308 - 3311.1309 comercial.tribunaindependente@gmail.com redação.tribunaindependente@gmail.com

ricardocastro@tribuna-al.com.br

DIRETORA COMERCIAL: Marilene Canuto

OS ARTIGOS ASSINADOS SĂƒO DE RESPONSABILIDADE DOS SEUS AUTORES. NĂƒO REPRESENTANDO, NECESSARIAMENTE, A OPĂ?NIĂƒO DESTE JORNAL.


8

BRASIL/MUNDO

TribunaIndependente

MACEIÓ - SÁBADO,18 DE FEVEREIRO DE 2012

Brasil/Mundo

Aprovado no ITA, USP e IME jovem passa na Universidade de Harvard Aprovado nos vestibulares mais concorridos dos Brasil, como o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Instituto Militar de Engenharia (IME) e Universidade de São Paulo (USP), o jovem Gustavo Haddad Braga, de 17 anos, morador de São José dos Campos, em São Paulo, que também coleciona medalhas de olimpíadas estudantis nacionais e internacionais, conquistou o título mais importante da carreira de aluno exemplar: foi aceito na Universidade de Harvard-EUA.

Galo da Madrugada sai hoje a arrasta um milhão

ALEXANDRE GONDIM

Alceu Valença e Luiz Gonzaga são os homenageados do maior bloco do mundo

A

ORQJD HVSHUD HQÀP WHUPLQRX +RMH p 6iEDGRGH=p3HUHLUD2 *DORVtPERORPDLRUGR&DUQDYDOGR(VWDGRIRLPRQWDGR VREUH D 3RQWH 'XDUWH &RHOKR QR EDLUUR GD %RD 9LVWD QR 5HFLIH $ HVFXOWXUD ÀFRX GH Sp QR PHLR GD WDUGH GH TXLQWDIHLUD H DWUDLX RV ÁDVKHVGHFHOXODUHVHPiTXLQDV IRWRJUiÀFDV H RV ROKDUHV GH WRGRVTXHTXHSDVVDYDPSHOR ORFDO $ VHQVDomR p GH TXH R *DORDJUDGRX 2QWHP DSRLDGD QR JXDUGDFRUSRGDSRQWHDDX[LOLDU DGPLQLVWUDWLYD ,YkQLD 3HUHLUDDQRVGH,WDPDFDUi SDUHFLDHQFDQWDGDFRPRTXH YLD(ODFKHJRXDR5HFLIHSHOD

PDQKm H jV K Mi DFRPSDQKDYDDPRQWDJHPGDHVFXOWXUD $ SULPHLUD SDUyGLD GH VXDDXWRULDHODIH]RQWHPjV PDUJHQV GR 5LR &DSLEDULEH ROKDQGRSDUDR*DOR´$FRUGD 5HFLIHDFRUGD4XHR*DORMi HVWi GH Sp &KDPDQGR VHXV IROL}HVSDUDEULQFDUR&DUQDYDOµ GLVVH DQLPDGD $PDQKmHODYROWDDRORFDODJRUD SDUDSDUWLFLSDUGRGHVÀOHGR *DOR +i FLQFR DQRV QR GLD GD PRQWDJHP R DPEXODQWH -RVLDV6LOYDDQRVHVFROKH RPHLRGDSRQWHSDUDYHQGHU RV VHXV SURGXWRV H HVSLDU D PRQWDJHP GR SHUVRQDJHP ´1HVWH DQR HOH HVWi OLQGR 2 FDUQDYDOVHPR*DORQmRWHP JUDoDQHQKXPDµH[SOLFRX

$OpP GH FDQWDU R IUHYR 9DVVRXULQKDVMiDSDUWLUGDV K GHVWH ViEDGR R ERQHFmR DLQGD WHUi XPD LOXPLQDomR HVSHFLDOTXHVyVHUiFRQKHFLGDGXUDQWHRS{UGRVROQRÀQDOGRGHVÀOHGR*DORGD0DGUXJDGD 2 VHJUHGR SRUpP pPDQWLGRDVHWHFKDYHVSHOR DUWLVWDSOiVWLFR6iYLR$UD~MR FULDGRU GR *DOR 0DHVWUR GD 3RQWH FRPR WDPEpP p FRQKHFLGRR*DOR ´7RGR DQR Ki QRYLGDGH SDUD FULDU H[SHFWDWLYD QR IROLmR PDV QmR SRVVR GL]HU TXDO VHUi GHVWD YH]µ IDORX 1HVWHDQRDPDLRUHVFXOWXUD FDUQDYDOHVFD GR PXQGR ID] UHIHUrQFLD DR FDQWRU H FRPSRVLWRU $OFHX 9DOHQoD 8PD

GDV SDUWHV GR JLJDQWH FKDPDGD GH MDTXHWD FRQWD FRP XPD SLQWXUD GH -RVp &OiXGLR RXWUR KRPHQDJHDGR $ REUDSHVDTXDVHWUrVWRQHODGDVWHPPHWURVGHDOWXUD H SUHFLVRX GD DMXGD GH XP JXLQGDVWHSDUDVHUHOHYDGD &ULDGR HP  DSHQDV HPREORFRFDUQDYDOHVFRWHYHDSDUWLFLSDomRGH PLOKmRGHIROL}HV2*DORGD 0DGUXJDGDFRQWDFRPFDUURV DOHJyULFRV WULRV HOpWULFRV H IUHYLRFDV1HVWHDQRREORFR KRPHQDJHLD R FDQWRU /XL] *RQ]DJD GHYLGR DR FHQWHQiULRGR¶*RQ]DJmR·2WUDGLFLRQDOGHVÀOHGR*DORGD0DGUXJDGDDFRQWHFHQDPDQKm Vista do Galo, montado na ponte Duarte Coelho, no centro de Recife GHKRMH

AMÉRICA LATINA

EM REPOUSO

/XODUHFHEHDOWDPDV 218ID]UHODWRVREUH ÀFDGLVWDQWHGDIROLD FRQGLo}HVGDVSULV}HV  'HSRLV GH FRQFOXLU D ~OWLPD VHVVmR GH UDGLRWHUDSLD FRQWUD R FkQFHU QD ODULQJH R H[SUHVLGHQWH /XL] ,QiFLR /XOD GD 6LOYD WHYH DOWD QD WDUGH GH RQWHP GR +RVSLWDO 6tULR/LEDQrVHP6mR3DXOR /XOD YROWRX SDUD VHX DSDUWDPHQWR HP 6mR %HUQDUGR GR&DPSRQR$%&SDXOLVWD RQGH GHYH SHUPDQHFHU HP UHSRXVRGXUDQWHR&DUQDYDO 6HJXQGR R EROHWLP PpGLFR GLYXOJDGR SHOR KRVSLWDO RV PpGLFRV DFRQVHOKDUDP R H[SUHVLGHQWH D QmR SDUWLFLSDU GRGHVÀOHGD*DYL}HVGD)LHO QHVWDQRLWH(OHpRKRPHQDJHDGR GD HVFROD GH VDPED OLJDGDDR&RULQWKLDQV 1R LQtFLR GD WDUGH /XOD UHFHEHX D YLVLWD GR PLQLVWUR GD 6D~GH $OH[DQGUH 3DGLOKDTXHLQIRUPRXDRVMRUQDOLVWDVTXHRHVWDGRGHVD~GH GH /XOD p ERP FRQIRUPH R RQFRORJLVWD$UWXU.DW]MiKDYLDLQIRUPDGR3DUD3DGLOKD DIRUPDFRPRRH[SUHVLGHQWH OLGRXFRPDLQIRUPDomRVREUH D GRHQoD IRL WUDQVSDUHQWH DMXGDQGRDFRPEDWHURHVWLJPDGRFkQFHU

´2 H[SUHVLGHQWH GD 5HS~EOLFD6U/XL],QiFLR/XOD GD 6LOYD FRQFOXLX KRMH FRQIRUPHSODQHMDGRRWUDWDPHQWRUDGLRTXLPLRWHUiSLFR 7HYH DOWD KRVSLWDODU H UHDOL]DUiRSURFHVVRGHUHFXSHUDomR HP VXD UHVLGrQFLD RQGH UHFHEHUi DVVLVWrQFLD IRQRDXGLROyJLFD H ÀVLRWHUiSLFD([DPHVGHUHDYDOLDomR GRWUDWDPHQWRRQFROyJLFRGHYHUmRRFRUUHUHQWUHTXDWURH VHLVVHPDQDV REPOUSO 2V PpGLFRV UHFRPHQGDUDPDRSDFLHQWHTXHSHUPDQHoD HP UHSRXVR QHVWH ÀQDO GHVHPDQDHQmRSDUWLFLSHGR GHVÀOHFDUQDYDOHVFR 2 SDFLHQWH FRQWLQXDUi VHQGR DVVLVWLGR SHORV GRXWRUHV 5REHUWR .DOLO )LOKR 3DXOR+RII$UWXU.DW]-RmR /XtV )HUQDQGHV GD 6LOYD H &OiXGLD&R]HU /XODGHDQRVIRLLQWHUQDGR QR ~OWLPR GLD  DSyV TXHL[DUVH GH IDGLJD H GLÀFXOGDGH SDUD VH DOLPHQWDU HIHLWRVFRODWHUDLVGDUDGLRWHUDSLD TXH HOH YLQKD ID]HQGR UHJXODUPHQWHQRKRVSLWDO

$2UJDQL]DomRGDV1Do}HV 8QLGDV 218 SHGLXRQWHP XPD LQYHVWLJDomR LQGHSHQGHQWHVREUHRLQFrQGLRQXPD SULVmR TXH PDWRX FHQWHQDV GH SHVVRDV HP +RQGXUDV H GHQXQFLRX R TXH FKDPRX GH RQGDGHYLROrQFLDQDVSULV}HV GD $PpULFD /DWLQD DOLPHQWDGD SHODV FRQGLo}HV SUHFiULDVHSHODVXSHUORWDomR 6REUHYLYHQWHV GR LQFrQGLR TXH PDWRX PDLV GH  SUHVRVQDSULVmRGH&RPD\DJXD QD QRLWH GH WHUoDIHLUD DFXVDUDPRVJXDUGDVGHGHL[DUHPRVGHWHQWRVPRUUHUHP QDV FHODV H GH DWLUDUHP HP RXWURVTXHWHQWDYDPHVFDSDU GDVFKDPDV $ DJrQFLD GD 218 SDUD RV GLUHLWRV KXPDQRV ´DSRLD LQWHJUDOPHQWH R HVWDEHOHFLPHQWR GH XPD LQYHVWLJDomR LQGHSHQGHQWH FRPSOHWD VREUHRVFDVRVGHLQFrQGLRHVREUHVHDVFRQGLo}HVQDSULVmR FRQWULEXtUDPSDUDDHQRUPH SHUGD GH YLGDVµ GLVVH QXP EULHÀQJ5XSHUW&ROYLOOHSRUWDYR]GDDOWDFRPLVViULDGD 218SDUDRVGLUHLWRVKXPDQRV1DYL3LOOD\

&ROYLOOH  REVHUYRX TXH D SULVmR IRL SURMHWDGD SDUD DEULJDU  SUHVRV PDV PDQWLQKD PDLV GH  QR PRPHQWR GR LQFrQGLR (OH SHGLX TXH DV DXWRULGDGHV KRQGXUHQKDV GLYXOJXHP LQIRUPDo}HV jV IDPtOLDV GDV YtWLPDV´VHPPDLVQHQKXPD GHPRUDµ 2V SUREOHPDV SRUpP VmR GLVVHPLQDGRV SHOD UHJLmR RQGH DV SULV}HV HP JHUDO DEULJDP GH  SRU FHQWR D  SRU FHQWR PDLV SULVLRQHLURV GR TXH WrP FDSDFLGDGH DÀUPRX HOH 2 SRUWDYR] GLVVHTXHQDV~OWLPDVVHPDQDV D RQGD GH YLROrQFLD QDV SULV}HV FDXVRX PRUWHV HP SDtVHVFRPR8UXJXDL$UJHQWLQD 9HQH]XHOD H &KLOH 1R %UDVLORYtGHRGHXPDSUHVD DOJHPDGDTXHWLQKDDFDEDGR GHGDUjOX]YROWRXDFKDPDU DWHQomRVREUHRXVRGHDOJHPDV GXUDQWH H DSyV R SDUWR HP 6mR 3DXOR $V DFXVDo}HV IRUDP QHJDGDV SHODV DXWRULGDGHVGHDFRUGRFRP&ROYLOOH$PXOKHUHUDPDQWLGDHP SULVmR SUHYHQWLYD DFXVDGD GHIXUWR


TribunaIndependente

MACEIÓ - SÁBADO, 18 DE FEVEREIRO DE 2012

Cidades

CIDADES

9

Taxa de ocupação hoteleira de Maceió também é grande durante o Carnaval Não é só no interior de Alagoas, ou fora do Estado, que o Carnaval é sinônimo de elevação da procura por locais para se hospedar. O principal polo turístico do Estado, Maceió, que é tranquilo nesta época do ano, apresentou uma variação positiva nos indicadores da ocupação hoteleira. Segundo o setor, os hotéis estão lotados. Além disso, nos últimos dez anos, a taxa de ocupação média nos hotéis da capital alagoana cresceu 25,8% e está acima da média do País. O Brasil cresceu 2,7% em 2011 e fechou o ano com uma taxa de ocupação de 69,14%, de acordo com os dados do Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB).

Foliões pagam até R$ 20 mil por aluguel de casa

SANDRO LIMA

Valor do aluguel de casas de temporada encarece 40% no Carnaval quando destinos são praias de Alagoas ANA PAULA OMENA REPÓRTER

Q

uem se programou para sair de casa para curtir o Carnaval ou relaxar pelo litoral alagoano teve que mexer um “pouco” mais no bolso. É que nesta época do ano, os aluguéis de imóveis para temporada dobram de preço, sobretudo nos destinos praianos. Em Alagoas, os destinos mais procurados são Barra de São Miguel, Francês, Barra de Santo Antônio, Ipioca e Paripueira. De acordo com o empresário Nilo Zampieri, que comanda uma das maiores administradoras de aluguéis no Estado, a média de preço varia

conforme o destino desejado. “Se for para Ipioca, Barra de São Miguel, o preço aumenta, agora se for para Barra de Santo Antônio ou o Francês, por exemplo, o preço cai. Uma casa à beira-mar, com 900 metros, churrasqueira, condomínio fechado, com segurança, o aluguel para sete ou oito dias sai a R$ 20 mil para 15 pessoas, uma média de R$ 1.500 por pessoa”, informou. Nilo Zampieri comparou esta mesma casa num feriado mais fraco, como na Páscoa. “Este aluguel cairia para R$ 12 mil”, revelou. Ele explicou que o destino encarece bastante os alugueis, embora a oferta de imóveis para veraneio entre dezem-

bro, janeiro e fevereiro não permaneça estável. “A oferta tem aumentado em cerca de 20% em relação ao mesmo período do ano passado”, disse. As ofertas de alugueis para casas de veraneio são as mais variadas. No Litoral Norte, uma casa toda mobiliada, com três quartos, garagem para quatro carros, a uma quadra da praia, sai a R$ 4 mil. Em São Miguel dos Milagres, uma casa grande sai a R$ 2.500 o aluguel. Em Paripueira, uma casa grande, com três quartos e garagem sai a R$ 1.800; já na Barra de São Miguel, uma casa a 800 metros da praia, com quatro suítes sai a R$ 3.200. SANDRO LIMA

Casas também podem ser alugadas por R$ 1.800 nos quatro dias, mas o valor depende da localização

ONTEM E HOJE

Mais de 200 mil veículos circulam pelas rodovias de acesso a Maceió

Grupo de amigos saiu ontem de Maceió para curtir o Carnaval no ritmo do frevo, em Olinda, Pernambuco

Motoristas que começam a deixar Maceió desde ontem rumo ao litoral alagoano ou que, ao contrário, estão chegando na capital de Alagoas precisam ter paciência e preparação para enfrentar longas filas de veículos ou escolher o horário de menor movimento nas estradas. O Batalhão de Policiamento Rodoviário (BPRV) informou, por meio do tenente Dantas, que nos horários de pico a partir das 14 horas de ontem e durante a manhã de hoje calcula-se que trafeguem pelas rodovias estaduais que dão acesso a Maceió cerca de 200 mil veículos. O oficial se baseia na quantidade média de veículos por minuto, que gira em torno de 120 veículos no Litoral Sul de Alagoas em razão da duplicação da AL-101 Sul, e 60 veículos por minuto na AL-101 Norte. “O horário mais tranquilo para pegar a estrada é antes das nove horas, depois o fluxo fica intenso e os motoristas devem redobrar a aten-

ção, ter paciência e manter uma distância segura do veículo da frente”, alertou o tenente. Ele também reforçou que os jovens devem ser prudentes, tendo em vista que as estatísticas de acidentes apontam que são os jovens entre 25 a 35 anos que estão morrendo mais em acidentes de trânsito. MALAS AFIVELADAS Fantasias, máscaras, confete, serpentina e dinheiro são itens que não podem faltar na bagagem dos maceioenses para curtir o Carnaval. Eles afivelaram ontem as malas e partiram em direção aos destinos mais frequentados no período de feriado mais longo do ano, o Carnaval. A reportagem conversou com uma turma de Maceió que segue para a cidade de Olinda, em Pernambuco, num grupo de excursão composto por mais de 50 pessoas e que pagaram um bom preço para curtir os cinco dias de folia na terra do frevo. Numa casa de primeiro

andar, no Centro de Olinda, os foliões maceioenses prometem brincar e dançar muito no passinho do tradicional frevo pernambucano. De acordo com a organizadora da viagem, Mirian Albuquerque, o pacote para esta viagem de quatro dias custou R$ 250 para cada pessoa. Ela contou que a divulgação começou em setembro do ano anterior, mas assim como os demais brasileiros, os alagoanos sempre deixam para acertar a viagem de última hora. A maioria dos pacotes não inclui alimentação, mas apenas o aluguel do espaço. O grupo saiu de Jacarecica em comboio para a cidade de Olinda no fim da manhã de ontem. Francisco Valois, 21, e sua irmã Layane Oliveira, 20, também fizeram as malas e partiram rumo à folia. Ele preferiu passar o Carnaval com a família na Praia de Sonho Verde, no Litoral Norte de Maceió. Já ela seguiu para Recife.

AUMENTO DE 15%

Procura por passagens cresce no sábado de Carnaval NIGEL SANTANA REPÓRTER

Um aumento de 15% na procura por passagens para Salvador, Recife e para o interior de Alagoas. Essa é estimativa da coordenação administrativa do Terminal Rodoviário João Paulo II, em Maceió. A movimentação iniciou na manhã de ontem com uma grande procura dos alagoanos por passagens com destino a outros esta-

dos. Hoje, as cidades do Litoral Norte e Sul de Alagoas devem receber um fluxo maior de pessoas. Para o coordenador do terminal rodoviário, Ricardo Inácio de Souza, muitas pessoas trabalharam o dia inteiro na sexta-feira e pelo menos meio expediente na manhã de sábado. “Isso faz com que a procura aumente no sábado de Carnaval. A procura na sexta-feira é mais para quem viaja para

Recife e Salvador, os dois estados mais procurados antes do feriadão. Em Alagoas, o destino mais atrativo são as cidades litorâneas. Maragogi, Japaratinga, no Litoral Norte, e Barra de São Miguel e Coruripe, no Litoral Sul. Este ano, teremos um aumento de 15% em relação ao número de viajantes do ano passado”, argumenta Ricardo. A frota de ônibus que fazem as rotas para os mu-

nicípios dobrou, no entanto, a coordenação alerta que é preciso chegar com antecedência para viajar por conta do aumento considerável de passageiros que pretendem deixar a capital no Carnaval. Quanto à segurança no terminal rodoviário, o efetivo continua o mesmo, porém, não há registros de confusão. PREÇOS De acordo com os levantamentos feitos pela coorde-

nação do terminal rodoviário, a procura por passagens tem sido grande por parte dos adolescentes. Eles preferem ir de ônibus por conta do custo. Quem pretende ir a Salvador, pode pagar entre R$ 93 e R$ 159. Já para chegar em Recife, e curtir o Carnaval de Olinda, o maceioense desembolsa de R$ 35 a R$ 59. Vale ressaltar que a diferença de valores depende do conforto e comodidade dos ônibus.


10

CIDADES

TribunaIndependente

MACEIÓ - SÁBADO, 18 DE FEVEREIRO DE 2012

Carnaval pode começar com chuvas Previsão do tempo para hoje e amanhã é de instabilidade e céu nublado; a partir de segunda, tempo deve melhorar

C

om a chegada do Carnaval, a Sala de Alerta, da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), divulgou ontem a previsão de todos os dias do feriado para deixar os foliões precavidos. Os dados meteorológicos apontam para a possibilidade maior de chuvas hoje e amanhã. Segunda, terça e quartafeira, a tendência é de que as precipitações diminuam. Tanto para o sábado quanto para o domingo os dados da Sala de Alerta indicam tempo instável, nublado a parcialmente nublado, e possibilidade de chuvas no Litoral e no Baixo São Francisco. Nas demais regiões do Estado, previsão de tempo nublado com chuvas isoladas. As temperaturas deverão variar entre mínimas de 21°C a 23°C e

ANDREZZA TAVARES

máximas de 29°C a 35°C. Segunda-feira, terça-feira e quarta-feira o tempo deve apresentar melhoras, com variação entre céu parcialmente nublado e céu claro, mas ainda pode apresentar chuvas isoladas no Litoral e na Zona da Mata, além de chuvas ocasionais nas outras regiões. As temperaturas devem variar entre mínimas de 21°C a 23°C e máximas entre 29°C e 36°C. A previsão do tempo completa pode ser conferida no Departamento de Meteorologia do site www.semarh.al.gov.br. Também é possível acessar as imagens de satélite em tempo real. Em Recife, a previsão é de chuva para todos os dias de Carnaval, com risco de temporais neste sábado. Já em Salvador a previsão é de apenas pancadas de chuva. ASSESSORIA

Alagoano terá que curtir as praias com o céu nublado; quem for para o Estado vizinho, Pernambuco, vai enfrentar chuva forte todos os dias

DIREÇÃO SEM ÁLCOOL

Polícias de trânsito intensificam fiscalização ALANA BERTO REPÓRTER

Ação de educação H¿VFDOL]DomRGHYHFRQWLQXDUDSyVIHVWDV

Uma parceria entre a Polícia Militar, o Departamento de Trânsito de Alagoas (Detran), a Secretaria de Saúde de Alagoas (Sesau), a Força Nacional e a Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) realizará uma operação durante o Carnaval com o objetivo de fiscalizar o trânsito. Os órgãos estão trabalhando as questões do trânsito desde 2007. A operação possui mais de

50 funcionários envolvidos. Este ano os órgãos irão intensificar a fiscalização para combater a combinação de bebida alcoólica e direção. “No procedimento, vamos ver quem está dirigindo o veículo fazendo consulta on-line. Estamos visando o coletivo e prevenindo ocorrências”, explicou o tenente Daniel, da Polícia Militar. Segundo Antonio Monteiro, coordenador de Segurança no Trânsito do Detran, em 2011 ocorreram mais de 800 mortes por acidente de trânsito em Ala-

goas. “75% das vítimas mortas haviam ingerido álcool”, destacou. Durante o Carnaval, a operação será realizada todos os dias entre os litorais Norte e Sul de Alagoas. “Futuramente vamos fazer esta parceria todos os finais de semana, provavelmente de quinta a domingo”, afirmou Eloi Yanes, da Diretoria de Promoção à Saúde da Sesau. Para o tenente Daniel, os índices de acidente estão diminuindo com a parceria. O tenente ain-

da acrescenta que a maioria das ocorrências é de condutores que não possuem habilitação. “Depois da parceria, notamos a diminuição, principalmente do número de mortes”, disse o tenente. A Polícia Rodoviária Federal também irá comandar uma operação durante o Carnaval, com a ação Rodovida, iniciada no início de janeiro em Alagoas e que irá se estender até a meia-noite da quarta-feira de Cinzas. A rodovias em que os cuidados serão intensificados são a BR- 01, a BR-104 e a BR316.


TribunaIndependente

AĂ?LTON VILLANOVA ailton.villanova@gmail.com

MACEIĂ“ - SĂ BADO, 18 DE FEVEREIRO DE 2012

CIDADES

11

Padrasto ĂŠ suspeito de ter matado menino de 5 anos 'HQ~QFLDVDQ{QLPDVDÂżUPDPTXH-RVXpIRLYLVWRSHOD~OWLPDYH]FRP6LGQH\ DANIEL MAIA REPĂ“RTER

O CocĂ´ dos bons!

O

s trĂŞs sempre foram muito chegados. Desde garotĂľes, no bairro do Pinheiro, Ergonaldo, BatrĂşcio e Astromar firmaram uma sĂłlida amizade dessas de dar inveja em qualquer cristĂŁo. Pintaram e bordaram adoidado na parte alta da cidade e adjacĂŞncias. Dos trĂŞs, entretanto, o mais desarnado era o Ergonaldo, uma espĂŠcie de lĂ­der. Um dia, por iniciativa do referido, o trio partiu para uma caçada na Mata do Rolo, lĂĄ pelas bandas de Satuba, montados numa caminhoneta emprestada do velho Artur, pai do BatrĂşcio. - Vamos passar uma semana caçando! – determinou Ergonaldo. Os outros dois concordaram, inclusive com a proposta no sentido de que haveria um sorteio para definir quem seria o cozinheiro do acampamento, nos dois dias iniciais. A esse barato, adicionaram uma condição: o primeiro que reclamasse da comida passaria imediatamente a ser o novo cozinheiro. No primeiro dia ninguĂŠm reclamou da comida, mas o infeliz sorteado, no caso o BatrĂşcio, nĂŁo estava suportando o fato de ter que passar o dia todo na beira de uma fogueira, cozinhando para os trĂŞs. Dois dias era demais! DaĂ­, decidiu que naquela noite largaria a tarefa e apelou para uma medida drĂĄstica: pegou uma boa quantidade de cocĂ´ e incrementou o jantar com essa matĂŠria-prima. Servido o jantar, pratos sobre uma toalha forrada no chĂŁo, e o Ergonaldo, que jamais pretendeu cumprir a tarefa de cozinheiro, fez uma careta dos seiscentos diabos, assim que botou o primeiro bocado de comida na boca. - QuĂŞ que foi, Ergonaldo? – animou-se o BatrĂşcio. E ele: - Puxa, rapaz, essa gororoba parece feita de merda! E o BatrĂşcio, ansioso para largar a empreitada: - Merda? VocĂŞ falou que a comida “parece feita de merdaâ€?? - É, parece feita de merda, sim. Mas merda da boa, hein?!

assassinato do pequeno JosuÊ Silvestre, de cinco anos de idade, que comoveu a sociedade alagoana, pode estar prestes de ser solucionado. Hå duas semanas só existiam informaçþes concretas de que o garoto foi achado morto com sinais de apedrejamento e abuso sexual, em um terreno baldio situado no bairro do Clima Bom II. Mas, ontem, o delegado do 11º Distrito Policial, Dalmo Lima Lopes, informou que recebeu denúncias anônimas, entre segunda e quinta-feira, que ressaltam a participação do servente de pedreiro Sidney Ferrei-

ra da Silva, de 22 anos, na ação criminosa. Ele ĂŠ o pai de criação de JosuĂŠ. “As informaçþes que recebi foram de que JosuĂŠ foi visto pela Ăşltima vez com o pai de criação. Essas mesmas informaçþes chegaram ao Conselho Tutelarâ€?, relatou. PorĂŠm, o delegado nega ter provas concretas para pedir a prisĂŁo preventiva de Sidney, uma vez que as denĂşncias foram feitas sem fundamentação. “Analisamos algumas câmeras de vĂ­deo e ainda nĂŁo identificamos se ele estava presente na ação. Estamos trabalhando com calma, cremos que esse crime serĂĄ elucidado. Aquele terreno ĂŠ muito grande, tem vĂĄrias possibili-

dades de poder entrar neleâ€?, informou o delegado Dalmo Lima. ApĂłs as novas denĂşncias, o servente chegou a ser ouvido pela segunda vez, mas reiterou que tratava JosuĂŠ como um filho e nĂŁo teria capacidade para tal ação. O delegado ressaltou que Sidney se sentia desconfortĂĄvel cada vez que era indagado. “Ele ficava inquieto com as perguntasâ€?, relata. AlĂŠm do servente, foram ouvidos a tia, o tio e a mĂŁe de JosuĂŠ, Joseana Ferreira da Silva. A mulher confessou ter sido agredida pelo atual esposo, na sexta-feira da semana passada. Nas declaraçþes de Joseane, o homem havia ameaçado matĂĄ-la. “Ele negou tudo,

SANDRO LIMA

mas obtivemos informaçþes de que ele pretendia matĂĄ-la e ir embora trabalhar numa pedreira em Matriz do Camaragibe. O padrasto estava fazendo as malasâ€?, reproduziu o delegado, ao informar que a briga teria sido motivada por problemas de relacionamento antigos do casal. De acordo com o conselheiro tutelar da 7Âş RegiĂŁo, Fernando da Silva, a cunhada de Joseane comunicou que ela vinha sofrendo ameaças de um suposto ex-namorado, inclusive atentados. Mas a informação foi descartada pelo delegado. “O homem que teria se relacionado com a mĂŁe do garoto estava em Palmeira dos Ă?ndiosâ€?, disse. SANDRO LIMA

Morreu, foi? ParabĂŠns! 2FDUDHQWURXHVEDIRULGRQDLJUHMDHSURFXURXRUHYHUHQGR2GLORQ 3DGUHSDGUH0LQKDPXOKHUPRUUHX 2VDFHUGRWHDVVXVWRXVH &RPR"9RFrQmRpR/DXGHOLQRGDSDGDULD" 6RXVLPSDGUH (QWmRTXHQHJyFLRpHVVH"1RÂżPGRDQRSDVVDGRHXGHLDH[WUHPDXQomRjVXDHVSRVDGHSRLVUH]HLDPLVVDQRHQWHUURGHOD&RPRpTXHYRFr PHGL]KRMHVHLVPHVHVGHSRLVTXHVXDPXOKHUPRUUHX" $KSDGUHHVTXHFLGHOKHGL]HU(XPHFDVHLGHQRYR 1mRGLJD(QWmRPHXVSDUDEpQV

Ele prĂłprio denunciou-se! 2WHOHIRQHQDFDVDGRQHJRFLDQWH(XWUySLR*DOLVWHXFRPHoRX DWRFDUORJRFHGRPDORFRPpUFLR DEULUDVXDVSRUWDV(OHDWHQGHX FKHLRGHPiYRQWDGHHGRRXWURODGR GDOLQKDRFDUDTXHHUDHQFDUUHJDGR GDYLJLOkQFLDGRVHXHVWDEHOHFLPHQWRFRPHUFLDOEHUURX 6XDORMDIRLDVVDOWDGDVHX (XWUySLR,QIHOL]PHQWHQmRSXGH ID]HUQDGD(XWLQKDLGRDREDU GDHVTXLQDID]HUXPDSUHFLVmR HTXDQGRYROWHLRGHVPDQWHOR HVWDYDIHLWR &KHJRMiDt1mRPH[DHP QDGDTXHGDTXLPHVPRHXDFLRQDUHLDSROtFLD 0LQXWRVGHSRLVDSROtFLDHR GRQRGDORMDFKHJDUDPTXDVHDR PHVPRWHPSR$SRUWDGRVIXQGRV GDUHIHULGDHVWDYDHVFDQFDUDGDH OiGHQWURWXGRQRPDLRUUHEROLoR (QWmRRSROLFLDOTXHFRPDQGDYD DHTXLSHPRELOL]DGDLQGDJRXDR YLJLODQWH +iDOJXPVXVSHLWR" (RVXMHLWRFRoDQGRR FXFXUXWR %RPTXHUGL]HU(XWRSHLFRPXPHOHPHQWRQDHVTXLQD TXDQGRHVWDYDYROWDQGRSUDFi 3RGHVHURODGUmRÂąFRQMHFWXURXRSROLFLDOÂą&RPRHUD ele? 2YLJLODQWHFRPHoRXD GHVFUHYHURVXVSHLWRHQRPHLRGD HPSUHLWDGDRSROLFLDODWDOKRX 9DPRVID]HUXPQHJyFLRDJHQWHYDLDWpDGHOHJDFLD FKDPDXPSHULWRHVSHFLDOL]DGRGR

,QVWLWXWRGH&ULPLQDOtVWLFDHID]R UHWUDWRIDODGRGRPHOLDQWHWiERP assim? 7i (OiVHIRUDPWRGRV&KHJDQGROiRSHULWRMiVHHQFRQWUDYDDJXDUGDQGRRGHVFULWRU 2ODGUmRHVWDYDXVDQGR PiVFDUD"ÂąSHUJXQWRXRSHULWRMi VHSUHSDUDQGRSDUDH[HFXWDUVXD WDUHID 7DYDQmRGRXWRU7DYD GHFDUDOLPSDÂąUHVSRQGHXR vigilante. (QWmRYDPRVOi&RPRHUD RQDUL]GHOH" 2YLJLODQWHGHVFUHYHX (DERFDHRVROKRV" $WHVWHPXQKDGLVVHFRPR HUDP 0XLWREHP$JRUDPHH[SOLTXHTXHIRUPDWRWLQKDRURVWR DVRUHOKDVHDVVREUDQFHOKDV 0DORSHULWRDFDERXGH ID]HURUHWUDWRIDODGRGRVXVSHLWR HLVTXHRSROLFLDOTXHFKHILDUDD HTXLSHTXHFRPSDUHFHUDDRORFDO GRFULPHDWDFRXHQFDUDQGRR YLJLODQWH 7iSUHVR (HHXXX"Ă?[LTXHSDSRp HVVH"ÂąUHDJLXRFDUD eLVVRPHVPR9RFrHVWi SUHVRVREDDFXVDomRGHDVVDOWR jORMD2OKHVyRUHWUDWRIDODGRe DVXDFDUDHVFULWLQKD 2HOHPHQWRQmRWHYHRXWUD DOWHUQDWLYDVHQmRFRQIHVVDUR FULPH(OHKDYLDGHVFULWRDVXD SUySULDFDUD

Tlim... Tlim... (OHVHUDPERQLWLQKRVFRPSRUWDGLQKRVPDVEHPPLRSLQKRV&HOJROt]LRH &RULIpOLDWDPEpPHUDPPXLWRWtPLGRV1DPRUDYDPGHVGHTXDQGRVHFRQKHFHUDPQRFXUVLQKRSUpYHVWLEXODU6XEPHWHUDPVHMXQWRVjVSURYDVSDUDR LQJUHVVRQDIDFXOGDGHORJUDUDPDSURYDomRHHPRFLRQDGRVIRUDPFXUWLUD IHOLFLGDGHGDTXHOHPRPHQWRVHQWDGRVEHPMXQWLQKRVQXPGRVEDQFRVGD 3UDoDGR&HQWHQiULR(¿FDUDPROKDQGRXPSDUDRRXWURGXUDQWHXPWHPSmR2VGRLVDOLSDUDGRVFDGDXPFRPRVHXROLQKRIXQGRGHJDUUDIDUHSDUDQGRSDUDRRXWUR$SHVDUGHHVWDUHPSUHWHQGHQGRVHEHLMDUFDGrFRUDJHP SDUDWRPDUDLQLFLDWLYD"0DVFRPRHUDPTXDVHFHJXLQKRVHVWDYDPFRPDV FDUDVSUDWLFDPHQWHFRODGDVXPDQDRXWUDSDUDSRGHUHPHQ[HUJDU(IRUDP FKHJDQGRPDLVSUDSHUWRPDLVSUDSHUWRPDLVPDLVHTXDQGRHVWDYDP TXDVHFRPRVOiELRVHQFRVWDGRVRVyFXORVGRVGRLVVHFKRFDUDPH¿]HUDP DTXHOHEDUXOKLQKR³WOLPWOLP´ (RVGRLVVHDIDVWDUDPPXLWRVHPJUDoD 6D~GH,GHP

Local TXHDQWHVHUDJDUDJHPGHXPDHPSUHVDVHUYHGHHVFRQGHULMR

CarrosVHDFXPXODPQRORFDOHIDFLOLWDPFRQVXPRGHGURJDVHURXERV

CLIMA BOM II

FACILITAĂ‡ĂƒO

Terreno onde JosuĂŠ foi Delegado pedirĂĄ limpeza do encontrado ĂŠ palco de crimes local e retirada de ferro-velho NĂŁo ĂŠ a primeira vez que o terreno do Clima Bom II, onde o menino JosuĂŠ Silvestre foi encontrado morto, ĂŠ palco de mortes. De acordo com Gilvan da Silva, funcionĂĄrio de uma empresa que estĂĄ situada ao lado do terreno, em menos de um ano, foram achados quatro corpos no local. “Eu trabalho aqui hĂĄ 20 e nĂŁo foi sĂł o crime do garoto que aconteceu. Esse terreno antes era a garagem da antiga Minas GĂĄsâ€?, ressaltou. A empresa que estĂĄ situada ao lado do terreno, com um histĂłrico de roubos e invasĂľes, blindou os muros com cerca elĂŠtrica e cercas de arames farpados. O proprietĂĄrio, que preferiu nĂŁo se identificar, informou que a movimentação em busca de drogas na ĂĄrea ĂŠ tĂŁo grande que os usuĂĄrios entravam

no terreno para catar pneus, arrancar os arames e vendĂŞ-los para comprar a droga. “Tive que contratar uma equipe para entrar no terreno e fazer uma limpeza dos pneus, mas eles ainda continuam lĂĄ. A relação pretende ser de melhor convivĂŞncia possĂ­vel. NĂŁo quero problemasâ€?, revelou o dono, ao dizer que a medida poderia diminuir a movimentação. O local que antes era uma garagem, maior que um campo de futebol oficial, com 70 por 110 metros, garante vĂĄrios esconderijos, onde se podem observar papelĂľes espalhados pelo chĂŁo determinando o territĂłrio de grupos que frequentam o local. Da beira do asfalto, ĂŠ possĂ­vel ver vestidos, saias e peças Ă­ntimas de crianças que foram largados pelo chĂŁo. (D.M.)

O delegado Dalmo Lima Lopes, do 11Âş Distrito Policial, afirmou que irĂĄ pedir a limpeza nĂŁo sĂł do terreno onde JosuĂŠ Silvestre foi encontrado morto, mas tambĂŠm do ferro-velho clandestino que vem invadindo o asfalto da divisa entre o Santos Dumont e o Clima Bom II. É que o local se trata de um ponto de comercialização de drogas, prostituição de menores e roubos e furtos, tudo isso de forma mais acentuada no perĂ­odo da noite. O delegado informa que irĂĄ se comunicar com os ĂłrgĂŁos competentes para limpar toda a regiĂŁo. “Entrarei em contato com a SMCCU [SuperintendĂŞncia Municipal de Controle do ConvĂ­vio Urbano], com a Secretaria do Meio Ambiente ou com

MAIS PROBLEMAS

FLAGRANTE

1mRpVyRWHUUHQREDOGLRHR IHUURYHOKRDEDQGRQDGRTXH DPHGURQWDPDSRSXODomRGR &OLPD%RP,,3RUWUiVGRWHUUHQRRQGH-RXVpIRLHQFRQWUDGR PRUWRHQFRQWUDVHXPGHSyVLWR GHOL[RRQGHUHVWRVGHDYtFRODH RXWURVUHVtGXRVVmRMRJDGRVQR PHLRGDUXDVHPQHQKXPFULWpULR2WUDEDOKDGRUGDHPSUHVD YL]LQKDDRORFDO*LOYDQGD6LOYD UHFODPDGRPDXFKHLUR³7HP XPDHPSUHVDSDUWLFXODUTXH YHPOLPSDUVHPSUHHVVDUXD PDVHOHVVHPSUHUHWRUQDPFRORFDQGRPDLVOL[ReXPDEVXUGR´ GHVDEDIRX

A Tribuna Indepedente ÀDJURX GRLVPHQRUHVXVDQGRFUDFNHP SOHQDDOX]GRGLDDLQGDQREDLUUR GR&OLPD%RP,,QDVSUR[LPLGDGHVGD)DYHODGD)HGHUDO SUy[LPRDRSRVWRGD3ROtFLD5RGRYLiULD)HGHUDO,QWLPLGDGRVFRP DSUHVHQoDGDUHSRUWDJHPRV MRYHQVIXJLUDPPDVHPVHJXLGD XPGHOHVIRLUHHQFRQWUDGRSRU WUiVGHXP{QLEXVDEDQGRQDGR WDPEpPHPXPIHUURYHOKRDLQGD FRQVXPLQGRFUDFN0RUDGRUHV GDVLPHGLDo}HVVHGL]HPDVVXVWDGRVFRPDRQLSUHVHQoDGDV GURJDVQDUHJLmR

Abandono transforma rua em depĂłsito de lixo

Menores usam crack Ă  luz do dia em favela

o Departamento de Estradas de Rodagem para retirar todos esses veĂ­culosâ€?, disse. De acordo com o delegado, o local tambĂŠm ĂŠ palco de crimes e estĂĄ fazendo o Clima Bom ficar mais obscuro com relação Ă  presença das drogas. Como consequĂŞncia do abandono, o delegado registrou um saldo de oito homicĂ­dios, somente no ano de 2011. “Esses sĂŁo os nĂşmero que eu tenho conhecimento, pode atĂŠ ter havido mais homicĂ­diosâ€?, ressalta. O conselheiro tutelar da regiĂŁo, Fernando dos Santos, confirma as ocorrĂŞncias de prostituição de menores nas imediaçþes do ferro-velho, na rodovia. “As crianças estĂŁo se prostituindo nessa localidadeâ€?. (D.M.)


12

CIDADES

TribunaIndependente

MACEIĂ“ - SĂ BADO, 18 DE FEVEREIRO DE 2012

Pane na Oi e na Velox gera transtornos em AL

ViolĂŞncia em Delmiro

O

vereador por Delmiro Gouveia, Edvaldo Nascimento (PCdoB), aguarda o retorno das atividades na Casa Legislativa para requerer a realização de uma audiência pública para debater a segurança em Delmiro Gouveia e região.

6LWHVGRJRYHUQRHFDL[DVGHDXWRDWHQGLPHQWRÂżFDUDPIRUDGRDURQWHP EDITORIA DE CIDADES

U

Alto Ă­ndice

Condiçþes

Ele ressalta que a reunião serå proposta devido ao crescente tQGLFHGHYLROrQFLDQRPXQLFtSLR EHPFRPRRGHXVXiULRVGHFUDFN ³$FDGDGLDDVVLVWLPRVDYLROrQFLD DXPHQWDUQRQRVVRPXQLFtSLRFRP GLYHUVRVDVVDVVLQDWRVEHPFRPRR GRDODVWUDPHQWRGRFUDFNTXHWHP FDXVDGRPXLWDVFRQVHTXrQFLDVQHJDWLYDV´IDORX(GYDOGR(OHHQIDWL]D que serão convidados a participar representantes da Secretaria de 'HIHVD6RFLDO3ROtFLD0LOLWDU3ROtFLD &LYLOH0LQLVWpULR3~EOLFR

2YHUHDGRUHQIDWL]DR WUDEDOKRGHVHQYROYLGRSHOR Delegado Regional Rodrigo Cavalcanti, mas que Ê necessårio maior aparato para D3ROtFLDFLYLOEHPFRPRD 3ROtFLD0LOLWDU³eLPSRUWDQWH GDUFRQGLo}HVGHWUDEDOKRj 3ROtFLD0LOLWDUFRPRQRYDV YLDWXUDVHPHOKRUHVVDOiULRVDVVLPFRPRj3ROtFLD &LYLOTXHWDPEpPSUHFLVDGH LQFHQWLYRVHPHOKRULDVQDV GHOHJDFLDV´

Drogas (GYDOGRH[SOLFDTXHRFUHVFHQWHDXPHQWRGRQ~PHURGHXVXiULRVGH FUDFNGHYHUHFHEHUDWHQomRHVSHFLDOGDVDXWRULGDGHV³eQHFHVViULR TXHRSRGHUS~EOLFRSRVVDRIHUHFHUHVSDoRVGHDSRLRHUHFXSHUDomR DVVLPFRPRDXPHQWDUDRVWHQVLYDFRQWUDRWUi¿FRGHGURJDV´

Homenageada

Iniciativa

A secretĂĄria de Administração e Recursos +XPDQRV/~FLDGH)iWLPD&DYDOFDQWH 4XHLUR]TXHGHL[DDSDVWDSDUDDVVXPLU D6HFUHWDULDGD0XOKHUDSyVR&DUQDYDO WHYHXPDVXUSUHVDDJUDGiYHOQDPDQKmGH VH[WDIHLUD  FRPXPDKRPHQDJHPIHLWD SHORVVHUYLGRUHV /~FLDGH)iWLPDFKHJRXDRWUDEDOKRHIRL UHFHELGDFRPDEUDoRVHGHFODUDo}HVHPRFLRQDQWHVGRVVHUYLGRUHVS~EOLFRV'XUDQWH DVKRPHQDJHQVIRLH[LELGRXPYtGHRFRP UHODWRVGHIXQFLRQiULRVGDVHFUHWDULDDOpP GDHQWUHJDGHSODFDHXPDFHVWDFRPĂ€RUHV

$LQLFLDWLYDIRLRUJDQL]DGDSHOR*UXSR GH9DORUL]DomRGRV Servidores pelo traEDOKRTXH/~FLDGH )iWLPDHHTXLSHYrP GHVHQYROYHQGRKi PHVHVSDUDDPHOKRria da qualidade de YLGDGRVWUDEDOKDdores da administração municipal em $UDSLUDFD

Agradecimento %DVWDQWHHPRFLRQDGD/~FLDGH)iWLPDDJUDGHFHXDWRGRVSHODKRPHQDJHP³(VVHFRQWDWRHHVVDFRQYLYrQFLDVmRLPSRUWDQWHVSDUDR VXFHVVRGRWUDEDOKRGXUDQWHRVPHVHVGHJHVWmR&DGDXPGHVXD PDQHLUDGiUHOHYDQWHSDUFHODGHFRQWULEXLomRDRVHUYLoRS~EOLFRVHPSUHFRPIRFRQDYDORUL]DomRGHWRGRV´D¿UPRX

Coleta de lixo $3UHIHLWXUDGH$UDSLUDFDDWUDYpVGD6HFUHWDULDGH/LPSH]D 6HOLPSLQIRUPRXGXUDQWHRGLD de ontem, aos arapiraquenses, que a coleta de lixo, na terçaIHLUDQmRVHUiUHDOL]DGD GHYLGRDRIHULDGRUHIHUHQWHDR GLDGH&DUQDYDO2UHSDVVHVHUi UHDOL]DGRDSHQDVQR&HQWURSHOD PDQKm A Secretaria solicita aos moraGRUHVGRVEDLUURVRQGHDFROHWD VHULDUHDOL]DGDSDUDQmRGLVSRUR OL[RGRPLFLOLDUHPYLDVS~EOLFDV A coleta retornarå à normalidade QDTXDUWDIHLUD

Palmeira (PXPDSHVTXLVDUHDOL]DGD UHFHQWHPHQWH3HWU~FLR%DUERVD REWHYHDSUHIHUrQFLDGRHOHLWRUDGR GH3DOPHLUDGRVËQGLRV$SHVTXLVD TXHHVWiJXDUGDGDDVHWHFKDYHV pela situação, ouviu eleitores de todas as camadas sociais da cidade H]RQDUXUDO 0DLVXPDYH]¿FDSURYDGRTXH WRGDDRSRVLomRGHYHVHMXQWDU D3HWU~FLR%DUERVDSRLVHOHWHP GHQVLGDGHHOHLWRUDOHpR~QLFR FDQGLGDWRRSRVLFLRQLVWDTXHUH~QH os ingredientes necessårios para FRQTXLVWDUDSUHIHLWXUDGH3DOPHLUD GRVËQGLRV

Desgaste &RQWLQXDTXDVHLQDOWHUDGRRGHVJDVWHKiPXLWRWHPSRHQIUHQWDGR SHORSUHIHLWR-DPHV5LEHLURSHUDQWHXPDERDSDUWHGDSRSXODomRGH 3DOPHLUDGRVĂ‹QGLRV2GHVJDVWHpUHVSRQViYHOSHODDOWDUHMHLomRYLYLGD SHORFKHIHGDPXQLFLSDOLGDGHTXHDQGDSUHRFXSDGRHDQJXVWLDGRFRP RUHVXOWDGRGDV~OWLPDVSHVTXLVDVGHRSLQLmRS~EOLFDTXHDSRQWDPXPD DGPLQLVWUDomRStÂżD

&HUFDGHPLODJULFXOWRUHVDODJRDQRVHGHRXWURV(VWDGRVGR1RUGHVWHLUmRSDVVDUR&DUQDYDOPDLVDOLYLDGRV2GUDPDGRVHQGLYLGDGRV GDiUHDUXUDOHVWiFRPRVGLDVFRQWDGRV2VHQDGRU5HQDQ&DOKHLURV GH%UDVtOLDDQXQFLRXDVERDVQRYDVFRQ¿UPDQGRTXHDVROXomRGR SUREOHPDMiHVWDYDDFDPLQKRFRPDDSURYDomRQDTXDUWDIHLUDjQRLWH QD&kPDUDGRV'HSXWDGRVGD0HGLGD3URYLVyULD Ainda de acordo com Renan, foi incluído no texto aprovado pelos deputados a reabertura do prazo para a liquidação dos débitos, estendido para 29 de março de 2013. Da mesma forma, foram suspensas as execuções judiciais referente às dívidas que não foram pagas no prazo de vencimento. 26HQDGRFRQIRUPHJDUDQWLX5HQDQGHYHUiFRQ¿UPDUH¿QDOL]DUHVWH EHQH¿FLDDRVDJULFXOWRUHVQRPrVGHPDUoR 4XDVH  PLOK}HVGHGLDEpWLFRVHKLSHUWHQVRVUHFHEHUDPQRDQR SDVVDGRUHPpGLRVJUDWXLWRVSHORSURJUDPD³6D~GH1mR7HP3UHoR´ 1HVWDVHPDQDDSUHVLGHQWH'LOPD5RXVVHIIIH]XPEDODQoRGRSULPHLUR DQRGRSURJUDPDTXHFUHGHQFLRXFHUFDGHPLOIDUPiFLDVHPPDLV GHPLOPXQLFtSLRVEUDVLOHLURVSDUDUHDOL]DUDHQWUHJDJUDWXLWDGRV PHGLFDPHQWRV

ma pane na operadora de telefonia móvel Oi e no provedor de internet Velox causou transtornos ontem à população de Alagoas, aos clientes de bancos e atÊ aos órgãos do governo. O problema começou no início da tarde, quando os clientes da Velox não conseguiram acessar a internet. Pouco depois, os celulares da Oi deixaram de fazer e receber ligaçþes em todo o Estado. A pane deixou fora do ar durante a tarde e início da noite de ontem todos os sites hospedados no domínio do governo do Estado de Alagoas. Påginas na internet como a da Polícia Militar, a da Agência Alagoas, que divulga notícias sobre o Estado, e a da Polícia Civil não puderam ser acessadas. A própria polícia, que utiliza telefones da operadora Oi, estava tendo dificuldade em se comunicar,

a não ser por meio de rådio frequência. Os caixas de auto-atendimento do Banco do Brasil tambÊm ficaram fora do ar por algumas horas e causaram receio nos foliþes que tentaram sacar dinheiro e não conseguiram. Alguns clientes reclamaram porque iam viajar e não queriam sair sem dinheiro. Apenas poucos caixas funcionavam no horårio da tarde. Nas redes sociais Facebook e Twitter, muita gente reclamou do problema. A reportagem da Tribuna Independente tentou entrar em contato com a Velox e a Oi, mas não obteve êxito. Ao ligar para uma loja da operadora, uma das vendedoras informou que não estava sabendo da pane. O número que atende os consumidores da operadora e do provedor tambÊm não estavam disponíveis e atÊ o fechamento desta edição. Por volta das 19 horas, as linhas telefônicas e a internet voltaram ao normal.

QUATRO

SANDRO LIMA

Acesso jLQWHUQHWSHOD9HOR[HOLJDomRSHOD2LIRUDPSUHMXGLFDGRV

ASSESSORIA

PolĂ­cia prende suspeitos de formar milĂ­cia e matar um A PolĂ­cia Civil de Alagoas, atravĂŠs do 19Âş Distrito Policial, prendeu na quinta-feira (16) quatro pessoas acusadas de homicĂ­dio na Barra de Santo AntĂ´nio. Foram presos: Adailton de Barros, conhecido por “Caixinhaâ€?; Felipe dos Santos; JosĂŠ FlĂĄvio da Silva, o “Flavinhoâ€?, e Luiz Alex Faustino da Costa, vulgo “NegĂŁo do Vanâ€?. Eles sĂŁo acusados de matar um rapaz na noite de terça-feira (14). A vĂ­tima, identificada apenas por “Charlingtonâ€?, foi encontrada morta nas margens da Rodovia AL-101 Norte. Os policiais identificaram os acusados depois de ouvir testemunhas do crime. ApĂłs investigaçþes, a delegada titular do municĂ­pio, Paula Frassinete, solicitou o mandado de prisĂŁo preventiva da quadrilha. Segundo informaçþes policiais, os quatro trabalham

como vigilantes noturnos e tambĂŠm realizam “acertosâ€? de trĂĄfico de drogas. Para o chefe de operaçþes do 19Âş DP, Neri Goethen, trata-se de uma milĂ­cia, jĂĄ que eles controlavam o trĂĄfico de entorpecentes e cobravam dĂ­vidas com drogas. Luiz Alex foi localizado na casa de um homem, na Ilha da CrĂ´a, identificado inicialmente por “Benevanâ€?, que seria um traficante conhecido na regiĂŁo. No local, um revĂłlver 38 foi achado e apreendido. A arma seria a mesma utilizada na execução da vitima. “Benevanâ€? tambĂŠm foi preso acusado de porte ilegal de arma de fogo. FlĂĄvio e “Caixinhaâ€? foram detidos em uma barbearia. JĂĄ Felipe foi localizado escondido prĂłximo ao acesso da antiga balsa do municĂ­pio. O grupo responderĂĄ por homicĂ­dio qualificado e formação de quadrilha.

ÔNIBUS

Ufal cogita criar sistema de integração para o Campus Em reunião realizada na tarde de ontem, o reitor Eurico Lôbo, a vice-reitora Rachel Rocha e representantes das empresas de transportes coletivos de Maceió discutiram saídas para melhorar o fluxo de ônibus na Universidade Federal de Alagoas. O reitor esclareceu que foi pego de surpresa com a informação de que os veículos não estariam entrando no Campus A.C. Simþes e, por isso, convidou os empresårios para buscar soluçþes para o problema. Estiveram presentes os representantes da São Francisco, da Piedade, da Cidade de Maceió e da Veleiro, que têm linhas para a Universidade. Uma das propostas apresentadas foi a implantação do sistema de integração gratuito dentro do campus. Para discutir o projeto, serå formada uma comissão de tÊcnicos da Ufal e da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), alÊm de representantes de estudan-

tes e das empresas. Segundo Eurico LĂ´bo, o objetivo ĂŠ garantir a prestação do serviço de qualidade para a comunidade universitĂĄria. “Agradeço aos empresĂĄrios pela disponibilidade de abrir esse canal de negociação para discutirmos a circulação dos Ă´nibus na Ufal. Nosso objetivo ĂŠ oferecer mais segurança aos nossos alunos e servidores que usam esse serviçoâ€?, destacou. O representante do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos, Rubens Pimenta, disse que serĂĄ preciso encontrar uma saĂ­da para atender bem aos universitĂĄrios e a comunidade dos bairros vizinhos. “Estamos Ă  disposição para resolver o problema, por isso, vamos fazer um estudo, junto com engenheiros da Ufal, para saber o fluxo de pessoas durante o dia e Ă  noite, definir os horĂĄrios, entre outras providĂŞnciasâ€?, declarou.

GrupoVHULDUHVSRQViYHOSRUID]HUFREUDQoDVGHGtYLGDVGHGURJDV


TribunaIndependente

MACEIĂ“ - SĂ BADO, 18 DE FEVEREIRO DE 2012

Economia

ECONOMIA

13

Incra mobiliza assentados e tĂŠcnicos de Alagoas para conferĂŞncias de ‘Ater’ Assentados e tĂŠcnicos de empresas de assistĂŞncia tĂŠcnica ligadas Ă  reforma agrĂĄria estĂŁo mobilizados para as etapas preparatĂłrias da ConferĂŞncia Estadual de AssistĂŞncia TĂŠcnica e ExtensĂŁo Rural, que serĂĄ realizada na primeira semana de março. TĂŠcnicos do Instituto Nacional de Colonização e Reforma AgrĂĄria (Incra) estĂŁo orientados a incentivar e mobilizar dirigentes de associaçþes de assentados para incluĂ­rem o tema dos assentamentos nas conferĂŞncias territoriais. Na mais recente conferĂŞncia territorial, realizada esta semana em Maragogi, no Litoral Norte, representantes de 25 assentamentos da regiĂŁo participaram dos debates e muitos se candidataram a delegados Ă  conferĂŞncia estadual. A cidade tem o maior nĂşmero de assentamentos no estado, 18 ao todo.

Defasagem preocupa produtores de leite Preço pago pelo produto não acompanha custos de produção, reclama Cooperativa de Produção Leiteira de Alagoas

A

diretoria da Cooperativa de Produção Leiteira de Alagoas (CPLA) voltou a discutir a defasagem no preço do leite pago pelo Programa Social do Leite, do Governo Federal em Alagoas. No segundo semestre do ano passado, quando o programa teve um aumento no Estado, as cooperativas e produtores jå se preocupavam com o aumento nos custos de produção. Atualmente o produtor Ê remunerado com R$ 0,76 o litro do leite e as grandes indústrias jå começam a comprar o alimento por R$ 0,95. No último mês de novembro a CPLA e representantes de outras cooperativas entregou a Secretaria de Estado de Agricultura e Desenvolvimento Agrårio (Seagri) um levantamento contendo os custos de produção atualizados e o preço do repasse do DOLPHQWR Mi EHQHÀFLDGR SHOD indústria. Segundo Aldemar Monteiro, diretor-presidente da CPLA, enquanto o mercado repassa ao consumidor o leite pasteurizado entre R$ 1,80 e R$ 1,90, o programa remunera os laticínios com R$ 1,34 o litro do leite pas-

teurizado. “EstĂĄ cada vez mais difĂ­cil segurar produtores de determinadas regiĂľes, por conta dessa discrepância de valores. Quando procuramos a superintendente da Agricultura Familiar, propomos que o repasse por litro de leite ao agricultor familiar passasse para R$ 0,85 e o SUHoR Ă€QDO GR OHLWH SDUD 5 1,60. Com isso, ainda nĂŁo chegamos ao ideal, mas pelo menos diminuĂ­mos as diferenças e continuamos de fato a fomentar a Cadeia Produtiva do Leite, um dos objetivos do Programaâ€?, reforçou Aldemar Monteiro. O presidente lembrou que a Seagri se comprometeu atĂŠ o mĂŞs de março dar uma posição aos pequenos agricultores. “O prazo estĂĄ terminando e contamos com o empenho do Governo do Estado. Hoje sĂł a CPLA beQHĂ€FLD PDLV GH GRLV PLO SHquenos produtores nos 102 municĂ­pios alagoanos e 80 mil famĂ­lias com a distribuição do leite pasteurizado, livre de qualquer risco Ă  saĂşde GDV IDPtOLDV EHQHĂ€FLDGDVÂľ enfatizou. Segundo a CPLA, estĂĄ cada vez mais difĂ­cil segurar os produtores de leite em determinadas regiĂľes do Estado

DIVULGAĂ‡ĂƒO

BERTHOLET PESCADORES

Programa Sururu das Lagoas ĂŠ apresentado A Secretaria de Estado da Pesca e Aquicultura (Sepaq) em menos de um ano de existĂŞncia vem ampliando açþes em diversas ĂĄreas do segmento. Prova disto ĂŠ o projeto experimental que estĂĄ sendo executado nos complexos lagunares de Alagoas. Trata-se do programa Sururu das Lagoas. Ele tem como objetivo desenvolver tecnologia no cultivo do molusco, visando a inclusĂŁo social e econĂ´mica da população do entorno, por meio do trabalho coletivo e agregação de valor. Regis Cavalcante esteve na quinta-feira (16) na Federação dos Pescadores de Alagoas (Fepeal), situada em frente Ă  Lagoa MundaĂş para esclarecer como serĂĄ o desenvolvimento da ação, alĂŠm de pedir apoio aos pescadores. “O nosso superintendente Edson Maruta e outros tĂŠcnicos da Secretaria hĂĄ algumas semanas começaram os estudos in loco com o mapeamento de onde estĂĄ acontecendo a pescaria, por meio de GPS, e hoje vamos começar a ação propriamente ditaâ€?, falou o secretĂĄrio.

De acordo com os especialistas, hoje o sururu ĂŠ vendido de forma processada – descascada, despinicada e cozida. O molusco chega a essa forma, depois de passar por vĂĄrias etapas. “Eles pescam, dĂŁo uma prĂŠ-lavada, entregam para as mulheres tirar o visgo, e elas recebem por lata despinicada. O rendimento ĂŠ baixo. Elas recebem dos pescadores um latĂŁo de 18 litros, entre sururu in natura e lama. Quando estĂĄ na ĂŠpoca boa do molusco, esses 18 litros tornam-se GRLV TXLORV GR SURGXWR Ă€QDO Na ĂŠpoca crĂ­tica, das chuvas, DOpPGDGLĂ€FXOGDGHGHSHVFDU o sururu, o rendimento se restringe a um quilo, em função da dessalinização da lagoaâ€?, explicou Maruta. O superintendente destacou que normalmente cada marisqueira consegue fazer no mĂĄximo quatro latas por dia. E recebem R$ 3 por lata. Para chegar ao mercado, o molusco ĂŠ cozido, em seguida, retirada a carne da casca, embalado, e repassado ao atravessador, que faz a logĂ­stica, HĂ€QDOPHQWHFKHJDDRFRQVXmidor. SecretĂĄrio Regis Cavalcante e tĂŠcnicos iniciam cultivo planejado de sururu

DIVULGAĂ‡ĂƒO

VANTAGEM

Programa regulariza cultivo do molusco em Alagoas A principal vantagem do programa serå a regularização do cultivo do molusco. Cultivå-lo para que durante todo o ano seja possível ter uma produção de qualidade e de forma regular. Outra vantagem, segundo os tÊcnicos, Ê o fato de que, quando se pesca e não se consegue a venda, não serå necessårio, descartar o sururu, jogando-o fora. Pois apenas serå vendido o que tiver demanda para fazê-lo. O restante serå mantido na ågua.

Os envolvidos nas etapas tambĂŠm irĂŁo permanecer com seus trabalhos. “Vai precisar limpar, despinicar, todos que fazem parte do processo, estarĂŁo lĂĄ, porĂŠm com um produto nobre, agregando mais valor ao alimenWR¾ÀQDOL]RXRVHFUHWiULR5Hgis Cavalcante. PASSO A PASSO Pensando em atender Ă  comunidade que vive do sururu, serĂĄ testada uma forma de realizar uma aquicultura do molusco, tĂ­pico de Alagoas. No horĂĄrio em que

os pescadores estão realizando seus trabalhos, entre três e quatro horas da manhã, tÊcnicos da Sepaq irão mapear com GPS onde estå ocorrendo de fato a pescaria. Para os especialistas, a pesca atual Ê muito variåvel. Hoje se pesca em um local, amanhã em outro e não existe uma investigação de fato. COLETA Por meio de uma coleta de sementes de sururu¸ colocou-se uma estrutura de cultivo na lagoa Mundaú, semelhante às produçþes de

Santa Catarina e da Espanha, que jå são exitosas. Nas lagoas do Estado serå uma mistura dos dois processos. Essa produção Ê chamada, sistema de meias. Com uma bóia, serão esticadas duas cordas, atÊ o fundo. Ao longo da corda, serão colocados pequenos sacos vazados, SDUD YHULÀFDU VH R VXUXUX cresce naquele ambiente. Como aconteceu com outros mexilhþes na Espanha e em Santa Catarina. Segundo anålises, Ê essencial deixar o sururu no

seu habitat natural. Feito isso, o experimento segue com os sacos posicionados em vĂĄrias profundidades. Porque a cada perĂ­odo avaliado, a pesca vai se deslocando. Dessa maneira, serĂĄ possĂ­vel descobrir, mensalmente, onde de fato tem a produção. “Pois nĂŁo ĂŠ toda a extensĂŁo da lagoa que produz o sururu. Tudo depende da salinidade, profundidade e correnteza da ĂĄguaâ€?, completou o superintendente Edson Maruta.

Pindorama conhece similar no ParanĂĄ Uma comitiva formada por associados, funcionĂĄrios e jovens do Programa de Liderança Cooperativista, da Cooperativa Pindorama, conheceu, durante a participação em um dos maiores eventos da agroindĂşstria do paĂ­s, realizado no estado do ParanĂĄ, a Cooperativa AgrĂĄria Agroindustrial de Guarapuava (AgrĂĄria). A unidade, fundada em 1951, teve como um dos seus presidentes o suíço-francĂŞs, RenĂŠ Bertholet, fundador da Cooperativa Pindorama. A cooperativa, que possui hoje 550 cooperados e 1.070 funcionĂĄrios, tem como principais produtos agrĂ­colas a soja, milho, trigo, cevada, aveia e suĂ­nos. De acordo com Alvacy Vieira, gerente de Recursos Humanos de Pindorama, a comitiva alagoana foi bem recebida pela superintendĂŞncia da AgrĂĄria. “Conhecemos o campo e toda a ĂĄrea industrial na unidade, nossos associados Ă€FDUDP PDUDYLOKDGRV FRP o aprendizado que tiveram neste diaâ€?, destacou. Conforme os registros histĂłricos, conservados no memorial dedicado a Bertholet, instalado no Povoado de Pindorama, o suíço-francĂŞs desembarcou em Alagoas em 1953 e se surpreendeu com o abandono da ĂĄrea rural por famĂ­lias de agricultores. Como alternativa e contando com o seu conhecimento e experiĂŞncia, trĂŞs anos depois ele idealizou a Cooperativa 3LQGRUDPD FRP D Ă€QDOLGDde de gerar emprego, renda, dignidade e qualidade de vida. Hoje a Cooperativa Pindorama ĂŠ maior cooperativa agroindustrial do Nordeste. A gerente administrativa da cooperativa alagoana, Lucineide dos Santos, que fez parte do grupo que conheceu a AgrĂĄria, destacou como um dos pontos mais interessantes as diferenças culturais.


14

ECONOMIA

TribunaIndependente

MACEIĂ“ - SĂ BADO, 18 DE FEVEREIRO DE 2012

etjornalista@gmail.com

Rio Largo, da tristeza para a alegria

A

cidade começou a YLYHQFLDUVHXJUDQGH&DUQDYDOGHVGH ontem, num clima de total autoestima, depois da tragÊdia ocorrida hå pouco mais de 19 meses, quando a enchente do Rio Mundaú mudou com a sua fúria, RSHUÀODUTXLWHW{QLFRGRPXQLFtSLRGHVWUXLQGRFDVDVHSUpGLRV S~EOLFRVSRURQGHSDVVDYD2SUHIHLWRToninho Lins programou XPVXSHU&DUQDYDOQDH[SHFWDWLYDGHUHVJDWDUYHOKDVWUDGLo}HV ULRODUJXHQVHV(PPHLRDLVVRRSUHIHLWRFRQVLGHUDFRPRSRVLWLYR VHXHVIRUoRSDUDGHL[DU5LR/DUJRFRPRKRMHVHHQFRQWUD

Rio Largo - Elogios Diz que um volume de casas vem sendo construídas; como tambÊm, escolas, ruas recuperadas entre tantas outras obras sociais, numa ação conjunta entre: município, estado e governo federal. Essa semana, o prefeito passou boa parte em Brasília, quando por sinal recebeu elogios por suas açþes do senador Renan Calheiros. Lå esteve se empenhando SDUDREWHUPDLVUHFXUVRVD¿PGHWRFDUREUDVQHVVDUHWD¿QDOGHVWHDWXDO mandato de governo municipal.

Senador Rui Palmeira, carnaval $SDFDWDFLGDGHVHUWDQHMDGH6HQDGRU5XL3DOPHLUDÂżFDGHIRUDGR&DUnaval 2012, por nĂŁo ter tradição nesse tipo de festa. Mas, nesse perĂ­odo, seu povo sempre procura se divertir em outras cidades prĂłximas, como Santana do Ipanema, Delmiro, Ă gua Branca entre outras. Ao que se VDEH6HQDGRU5XL3DOPHLUDWHPLQYHVWLGRÂżUPHQRPHLRGRDQRTXDQGR acontece o badalado “Senador ForrĂł e Foliaâ€?, um evento que deu sinais de se consolidar no calendĂĄrio turĂ­stico da regiĂŁo.

Senador Rui Palmeira, forrĂł Ainda sobre o “Senador ForrĂł Foliaâ€? foi que ano passado, por exemplo, no dia 25 de junho, o evento atraiu gente de toda parte da regiĂŁo; inclusive pessoas de MaceiĂł, que saĂ­ram em comitivas atravĂŠs de viagem organizada por agĂŞncias de turismo, que na oportunidade queriam ver atraçþes de peso como: Cavalo de Pau e ForrĂł das Antigas, entre outros. Ao que se sabe por meio da imprensa, em 2011, a prefeitura de Senador montou uma mega festa, dotada de toda uma estrutura invejĂĄvel de se ver em Alagoas; sobretudo com o apoio do governo federal, por meio do MinistĂŠrio do Turismo.

Maragogi

Maragogi - Turismo

“A folia carnavalesca 2012 de Maragogi promete ser inesquecĂ­velâ€?, foi com essa frase que o prefeito Marcos Madeira resumiu o evento que iniciou ontem, e vai atĂŠ a Quarta-feira de Cinzas. Ainda de acordo com o gestor, essa festa ĂŠ consagrada no calendĂĄrio anual como o melhor evento da regiĂŁo. “O Carnaval ĂŠ o melhor evento de Maragogi, e os turistas e veranistas jĂĄ chegaram. Isso ĂŠ bom para o comĂŠrcio, bem como para a nossa gestĂŁo, uma vez que, se recebemos mais visitantes ĂŠ porque a cidade estĂĄ agradandoâ€?, ressaltou o prefeito.

Segundo a secretĂĄria de Turismo, Mariana Gorestein, a divulgação continuada anualmente do destino ĂŠ de grande importância para que Maragogi seja escolhido por turistas de vĂĄrios lugares do mundo. “A prefeitura estĂĄ sempre participando de feiras nacionais e internacionais, essa ação ajuda e muito na hora de escolher a cidade, pois a divulgação atravĂŠs de folders, vĂ­deos, mĂ­dia eletrĂ´nica e da imprensa, ĂŠ bastante convidativa e irredutĂ­vel. Podemos perceber o resultado disso agora com a cidade lotadaâ€?, garante.

Coruripe O Rei Momo Nadson Silva e rainha do Carnaval Janielle Ferreira receberam a chave da cidade, entregue na noite de quinta-feira, com muito IUHYRHIDQWDVLDVLUUHYHUHQWHVGDQGRLQtFLRDDEHUWXUDR¿FLDOGR&DUQDYDO no Litoral Sul de Alagoas. Cerca de 5 mil pessoas acompanharam o des¿OHGHEORFRVFDUQDYDOHVFRVFRPDSDUWLFLSDomRGDRUTXHVWUD3DMXoDUD no frevo e integrantes Coretfal que tocaram juntos no palco principal da folia. A orquestra Santa Cecília da cidade de Marechal Deodoro fez a animação no trajeto dos blocos.

Cajueiro O Carnaval “ Todos pela Educação “ percorrerĂĄ neste sĂĄbado as principais ruas da cidade, onde ĂŠ esperado um nĂşmero recorde de foliĂľes. Âł(VWDPRVHVSHUDQGRFHUFDGHWUrVPLOSHVVRDVFXMDDQLPDomRÂżFDUiSRU conta da banda de frevo Mestre Lulaâ€? disse o secretĂĄrio de Educação do municĂ­pio, Jorge Cavalcante, orgulhoso pelo o apoio que a Prefeitura vem dando, por intermĂŠdio do prefeito Palmery Neto.

Barra de Santo Antônio O Carnaval deste ano tem tudo para entrar para história, como o melhor de todos os tempos na cidade. Toda estrutura foi montada e a prefeitura tem sido o elo maior para garantir uma super festa. A prefeita Ciçou tem Ê muito que comemorar durante esse período de momo; Ê que o governo federal abriu as portas para um vasto conjunto de obras no município. Entre elas estão moradia, creche, posto de saúde e um muro de arrimo para proteger o avanço do mar em boa parte da Ilha da Crôa.

renosa

Dia da Mulher: Sebrae premia empresĂĄrias de sucesso

Este ano, trabalhadoras formalizadas por lei concorrem nesta categoria

A

cerimônia de entrega do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios serå realizada no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, na sede da instituição, em BrasíOLD $V ÀQDOLVWDV YHQFHGRUDV na etapa estadual, concorrem a trofÊus ouro, prata e bronze, em duas categorias - Pequenos Negócios, para proprietårias de micro e pequenas empreVDVH1HJyFLRV&ROHWLYRVSDUD mulheres que atuam em cooSHUDWLYDV H DVVRFLDo}HV FRP geração de trabalho e renda. As empresårias com os dois melhores relatos, um em cada categoria, ganharão uma YLDJHP LQWHUQDFLRQDO D XP centro de referência mundial em empreendedorismo. No mesmo dia, o Sebrae ODQoD RÀFLDOPHQWH D HGLomR 2012 do prêmio. Neste ano, Ki XPD QRYD FDWHJRULD YROtada para mulheres que são HPSUHHQGHGRUDV LQGLYLGXDLV (EI) – trabalhadoras formalizadas por lei, como costureiras e manicures. Mais de 400 ocuSDo}HV SRVVLELOLWDP R UHJLVWUR como EI. Para obter o registro nessa FDWHJRULD R WUDEDOKDGRU GHYH ter receita bruta anual de atÊ R$ 60 mil, apenas um empre-

DIVULGAĂ‡ĂƒO

gado contratado, e nĂŁo ter participação em outra empresa como sĂłcio ou titular. Nesta edição, o prĂŞmio recebeu 3.646 histĂłrias que conWDPDWUDMHWyULDSURĂ€VVLRQDOH pessoal de mulheres de todo o Brasil. 2SUrPLRpXPDLQLFLDWLYD do Sebrae, com o apoio da Secretaria Especial de PolĂ­ticas para as Mulheres (SPM), da )HGHUDomR GDV $VVRFLDo}HV GH 0XOKHUHVGH1HJyFLRVH3URĂ€Vsionais do Brasil (BPW), e da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ). Com histĂłrias distintas, HPSUHHQGHGRUDVGHYiULDVUHJL}HV GR SDtV WrP HP FRPXP R IDWR GH VHUHP YHQFHGRUDV em seus projetos pessoais e no PrĂŞmio Sebrae Mulher de NegĂłcios. Uma delas ĂŠ Joseane %UDQGmR TXH SUHFLVRX YHQFHU SUHFRQFHLWRV H GHVFRQĂ€DQoDV para conquistar espaço em um mercado estritamente masculino. HĂĄ 12 anos, ela abriu em Campina Grande (PB) uma loja especializada em bateULDV DXWRPRWLYDV &RP HVIRUoR H GHWHUPLQDomR OHYRX SRU GXDVYH]HVRWURIpXHP e 2010, na categoria Pequenos NegĂłcios. CerĂŽmĂ´nia que homenageia empreendedoras serĂĄ em 8 de março

SĂƒO LUIZ

6HVFRRSLQVWUXLFRVWXUHLUDVSDUDIRUPDUFRRSHUDWLYD 2LQVWUXWRUGR6HUYLoRGH Aprendizagem do CooperatiYLVPRQR(VWDGRGH$ODJRDV (Sescoop/AL), Ednildo JosÊ GD 6LOYD PLQLVWURX FXUVR para um grupo de costureiras, do município de São Luiz do Quitunde, que presWDVHUYLoRj8VLQD6DQWR$QW{QLR2REMHWLYRIRLH[SOLFDU passo a passo da constituiomRGHXPDFRRSHUDWLYD 'H DFRUGR FRP 0DULYi Pereira, gerente de capacitação do Sescoop/AL, a iniciaWLYDSDUWLXGDHPSUHVD

“Fomos procurados por um gerente da usina que mostrou interesse em proĂ€VVLRQDOL]DU DV FRVWXUHLUDV TXHSUHVWDPVHUYLoRjLQG~Vtria, principalmente na produção de Equipamentos de 3URWHomR ,QGLYLGXDO (3,V  e prontamente atendemos a demandaâ€?, contou a gerente de capacitação. A unidade industrial entrou em contato inicialmente com o Sistema CooperaWLYLVWD $ODJRDQR FRPSRVWR pelo Sindicato e Organiza-

omRGDV&RRSHUDWLYDVGR(Vtado de Alagoas (OCB/AL) e o Sescoop/AL, com o intuito de constituir uma cooperatiYDQRUDPRGHFUpGLWRSRUpP esse tipo de empresa demanda uma discussão e conhecimento mais aprofundado, o que jå estå sendo discutido, de acordo com a representante do Sescoop/AL. ´7LYHPRV FRQKHFLPHQWR TXHRJUXSRLQGXVWULDOPRYLmenta cerca de dez mil empregos; Ê uma das maiores do Estado, ou seja, possui um

potencial imenso de desenYROYLPHQWR 1HVVH SULPHLUR FRQWDWR QRVVR LQVWUXWRU YDL mostrar como funciona uma FRRSHUDWLYD DV HWDSDV SDUD construção, como despesas com registro, documentação necessåria e o papel de cada FRRSHUDGR¾ UHYHORX 0DULYi Pereira. Conforme o último leYDQWDPHQWR GD -XQWD &Rmercial de Alagoas (Juceal), em 2011 foram criadas oito QRYDV FRRSHUDWLYDV HP GLYHUVRVUDPRV


TribunaIndependente

MACEIĂ“ - SĂ BADO, 18 DE FEVEREIRO DE 2012

ESPORTES 15

Flu: Ăşnico desesperado na rodada &ODVVLÂżFDGRVSDUDDVVHPLÂżQDLVGD7DoD*XDQDEDUDVHUmRFRQKHFLGRVKRMHHDSHQDVR9DVFRWHPDYDJDJDUDQWLGD

S

åbado, Carnaval e, ainda, muito futebol em solo brasileiro pelos Estaduais. E no Rio de Janeiro não Ê diferente. Na Taça Guanabara, aliås, o dia serå decisivo, jå que acontece a sÊtima e última rodada da primeira fase. Único time jå classificado Ê o Vasco da Gama, que venceu os seis jogos atÊ o momento e figura com 100% de aproveitamento no Estadual. A última rodada pode fazer com que dois dos quatro grandes times do Rio de Janeiro fiquem de fora das semifinais do primeiro turno. Botafogo, Flamengo e Fluminense seguem na disputa. Tudo pode acontecer e a definição das semifinais vai ter seu decreto em torno das 21 horas, quando o som dos tamborins jå serå ouvido pelos lados da Sapucaí. O Botafogo Ê o que tem a situação mais confortåvel, pois Ê o segundo colocado no Grupo A e não terå confronto direto pela vaga. O Flamengo depende de si tambÊm, mas encara o líder Resende. Em quanto que o Flu precisa vencer e secar. Assim, a Tribuna Independente traz o que cada time que luta pela classificação precisa. RESENDE Surpresa do Estadual, o time comandado por Paulo Campos encara o Flamengo e precisa somente de um empate para avançar. Em caso de derrota, o Resende depende de uma derrota do Botafogo. BOTAFOGO O Fogão precisa de um empate diante do jå eliminado MacaÊ para se classificar. Se isso acontecer, o time chega aos 13 pontos. Por conta do confronto entre Resende e Flamengo, o empate Ê suficiente ao Botafogo. Se perder, o Bota precisa torcer para que o Resende vença o Fla. FLAMENGO O Mengão soma 12 pon-

tos e depende somente de si. Uma vitória garante a vaga de forma automåtica, enquanto que um empate obriga o Fla a torcer para que o MacaÊ vença o Botafogo. BOAVISTA Com 11 pontos e na segunda posição, o time encara o líder Vasco da Gama. A vitória confirma a vaga sem depender de outros resultados. Em caso de empate, o Boavista precisa torcer pelo empate ou derrota do Fluminense contra o lanterna Bangu e pelo empate no jogo entre Volta Redonda e Friburguense. Se for derrotado, o Boavista avança com a derrota do Flu e empate no outro jogo. FLUMINENSE Precisa vencer seu jogo diante do Bangu e torcer para que o Boavista não vença o Vasco. Em caso de empate, se classifica caso o Boavista seja derrotado e Volta Redonda e Friburguense fiquem no empate. Se isso acontecer, Boavista e Flu empatariam com 11 pontos, mas o Tricolor levarå a melhor no saldo de gols (5 a 2). Friburguense O time da região serrana precisa vencer o Volta Redonda e torcer para que Boavista e Fluminense tropecem. Assim, chegarå aos 13 pontos e confirma a vaga. O empate de nada adianta devido ao saldo de gols menor que os demais acima na classificação. VOLTA REDONDA Tem que vencer o Friburguense, fora de casa, e torcer para que Boavista e Fluminense não vençam os seus jogos. ÚLTIMA RODADA 15h20 Olaria x Bonsucesso 15h20 MacaÊ x Botafogo 15h20 Resende x Flamengo 15h20 Madureira x N.Iguaçu 18h D.Caxias x Americano 18h Boavista x Vasco 18h V.Redonda x Friburgo 18h Fluminense x Bangu

75$3,&+$2&20

Oswaldo (Botafogo)$EHO )OXPLQHQVH -RHO )ODPHQJR H&ULVWyYmR 9DVFR FRPDQGDPRVSULQFLSDLVFOXEHVGR5LRQDURGDGDGHFLVLYD

PAULISTĂƒO

Adriano pode aparecer hoje no Timão O retorno do atacante Adriano ao time do Corinthians, previsto para acontecer na partida contra o São Caetano, hoje, às 15h20 (de Maceió), não foi garantido pela comissão tÊcnica. Ainda assim, o jogador recebeu elogios do preparador físico do clube, Fåbio Mahseredjian, que disse que a avaliação nos treinos irå definir se Adriano disputa

a partida pelo Paulista no ABC. Ele disse ainda sobre o atacante Adriano durante treino do Corinthians: “Ele atingiu o menor peso corporal desde que chegou ao clubeâ€?. Adriano evoluiu na semana passada, mas ele precisa de continuidade na evoluçãoâ€?, completou. O atacante ficou cinco noites confinado no CT corintiano hĂĄ

uma semana e, nesta, completarå outros cinco dias de concentração. Quem não vai enfrentar o São Caetano por causa do físico Ê Douglas, que, fora do peso, foi excluído atÊ do banco de reservas no empate de anteontem contra o Deportivo Tåchira na estreia na Libertadores. O meia, recÊm-contratado, deverå realizar trabalho

especĂ­fico por uma semana para reconquistar a forma ideal. Tite deve colocar em campo um time com: Danilo Fernandes, Welder, Wallace, Marquinhos e Ramon; EdenĂ­lson, Gomes, RamĂ­rez e Vitor JĂşnior; Gilsinho e Adriano. OUTROS JOGOS 17h30 Mirassol x Santos 17h30 Linense x Bragantino 17h30 Ituano x Catanduvense

5(87(56

CAMPEONATO ESPANHOL

Real Madrid pode disparar na liderança

Argentino 'L0DULDpDQRYLGDGHGR5HDO0DGULGQDSDUWLGDGHKRMH

O argentino Ă ngel Di MarĂ­a e o brasileiro Marcelo sĂŁo as duas novidades no Real Madrid na lista de convocados do tĂŠcnico JosĂŠ Mourinho para enfrentar o Racing Santander, hoje Ă s 16h, no EstĂĄdio Santiago BernabĂŠu. O time estĂĄ com 58 pontos (dez Ă  frente do segundo, que ĂŠ o Barcelona) e poderĂĄ

disparar com mais uma vitĂłria hoje. “Estamos com essa margem grande e o objetivo ĂŠ chegar ao tĂ­tulo o mais breve possĂ­vel. Estou recuperado e vou ajudar meus companheiros neste jogoâ€?, disse o lateral Marcelo, que apĂłs a partida se apresenta Ă  seleção brasileira para o amistoso contra a BĂłsnia dia 28.

de um treino nessa semana, Diarra ainda nĂŁo foi liberado para atuar numa partida. AlĂŠm disso, o tĂŠcnico portuguĂŞs nĂŁo contarĂĄ com o lateral-direito Ă lvaro Arbeloa, suspenso, nem com o turco Hamit Alntintop, que estĂĄ lesionado. OUTROS JOGOS 14h Getafe x Espanyol 18h Sevilla x Osasuna

7(55$

UFC

ESPECULAĂ‡ĂƒO

W. Silva quer aprender chute de Anderson para pegar Belfort Wanderlei Silva quer contar com um ajuda especial para seu prĂłximo desafio no UFC. Em conversa atravĂŠs do Twitter, ele aceitou o auxĂ­lio de Anderson Silva na preparação para a luta contra Vitor Belfort. Wanderlei lembrou da luta entre os dois, que aconteceu no ano passado. “Ajuda aceita. Quero aprender aquele chute que vocĂŞ deu bem na boca dele! Quero fazer igualzinhoâ€?, escreveu Wanderlei, depois que o prĂłprio Anderson Silva deu a ideia de ajudĂĄ-lo no combate. Wanderlei Silva tem uma rivalidade antiga com Vitor Belfort. Os dois se enfrentaram no primeiro UFC que aconteceu no Brasil, em 1998, com vitĂłria para o entĂŁo novato Belfort. Agora, ele vĂŁo protagoni-

Recuperados de suas lesþes musculares hå sete dias, eles aproveitaram esta semana para melhorar o preparo físico e chegar em boas condiçþes para a partida. Apesar dos retornos, Mourinho não terå o retorno do volante Lassana Diarra, devido a uma lombalgia. Apesar de ter participado

zar o TUF (The Ultimate Fighter), reality show do UFC, em que serão treinadores de outros lutadores. Mas no final os dois vão se enfrentar em um grande duelo, que serå a chance de revanche para Wanderlei Silva. JONES X EVANS Toda a tensão que poderia haver ao se colocar em uma mesma conferência de imprensa dois ex-companheiros de treinos que virão a se enfrentar pelo título dos meio-pesados do UFC pareceu desaparecer no momento em que a entrevista começou. O campeão Jon Jones e o desafiante Rashad Evans travaram um duelo de tiradas espirituosas e muito bom humor, usando as provocaçþes para tentar fazer um ao outro parecer menos do que são. A luta serå dia 21 de abril.

Ricardo Teixeira viaja e nĂŁo define seu futuro na CBF

Ricardo TeixeiraYLDMRXSDUDRV(VWDGRV8QLGRVHQmRGLVVHQDGD

Envolvido em especulaçþes sobre seu futuro à frente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e do Comitê Organizador Local da Copa do Mundo de 2014 (COL), Ricardo Teixeira embarcou ontem para os Estados Unidos. No país, o dirigente vai se encontrar com a esposa Ana Carolina Wigand e a filha Antônia, que estão em Miami hå alguns dias. Teixeira viajou em um jato particular acompanhado do amigo Wagner Abraão, que Ê dono da agência de turismo Pallas (prestadora de serviços para a CBF) e presidente do Grupo à guia, escolhido pela Fifa para comercializar pacotes de viagens, hospedagem em hotÊis e ingressos em espaços VIP do Mundial de 2014. A semana tem sido movimentada para Teixeira,

que tem sofrido pressão para deixar a CBF e o COL após denúncias de corrupção. Na quinta de manhã, o dirigente participou da nomeação do ex-atacante Bebeto como novo membro do Conselho de Administração do Comitê de 2014. Após o evento, Ronaldo, que tambÊm faz parte do órgão, afirmou que o presidente não deixarå o COL. Jå o diretor de Comunicação da CBF, Rodrigo Paiva, disse que nenhum pedido de renúncia ou licença foi informado à entidade. À tarde, Teixeira se reuniu com o presidente da Federação Paulista, Marco Polo del Nero, alÊm de JosÊ Maria Marín, vice-presidente mais velho da CBF e o sucessor na presidência em caso de renúncia, segundo o estatuto da entidade.


16 ESPORTES

TribunaIndependente

0$&(,Ă?6Ăˆ%$'2'()(9(5(,52'(

Esportes

7pFQLFRGDVHOHomREUDVLOHLUDFRQ¿DQD qualidade de Marta para trazer ouro de Londres A seleção brasileira feminina de futebol anunciou seus próximos compromissos na preparação para Londres 2012. A equipe do tÊcnico Jorge Barcellos farå três amistosos nos próximos dois meses e, entre os adversårios, enfrentarå o Japão, atual campeão mundial, em 5 de abril, na cidade de Kobe, no país asiåtico. Jå em 3 de abril, o Brasil terå pela frente os Estados Unidos, atual campeão olímpico, em Chiba, no Japão. O time norte-americano derrotou as brasileiras nas TXDUWDVGH¿QDOGD&RSDGR0XQGRGRDQRSDVVDGRQD$OHPDQKDHQDV~OWLPDV duas decisþes de Jogos Olímpicos: em Atenas 2004 e Pequim 2008. As estrelas 0DUWDH&ULVWLDQHHVWUDQKDPHQWH¿FDUDPGHIRUDGDOLVWDGR3DQ$PHULFDQR 0DVSDUD/RQGUHVRWUHLQDGRUMiDGLDQWRXTXHFRQ¿DQHODV

&5%FRQĂ€UPDGRLV UHIRUoRVPDV GLYXOJDDSHQDVXP

75$3,&+$2&20

0HLD:DQGHUVRQFKHJDQDVHJXQGDIHLUDHRXWURPHLD TXHHVWiMRJDQGRQRIXWHEROSDXOLVWDDJXDUGDFRQWUDWR

O

CRB faz hoje pela manhĂŁ um trabalho fĂ­sico e tĂĄtico. Depois os jogadores serĂŁo liberados e sĂł voltam Ă s atividades na segunda-feira. “Eles serĂŁo liberados para estarem com suas famĂ­lias no Carnaval, mas sem exagerosâ€?, disse o presidente Marcos Barbosa. A diretoria do CRB continua reforçando o elenco e anunciou a contratação do meio-campista Wanderson, 32, que em 2007 defendeu o Galo na SĂŠrie B. Atualmente o meia estava no Americano-RJ. AlĂŠm de Wanderson, outro jogador para o setor de meio-campo jĂĄ estĂĄ acertado e deverĂĄ ser anunciado durante esse final de semana. Segundo informaçþes, esse meia estĂĄ atuando em clube da Primeira DivisĂŁo do futebol paulista. Os reforços estĂŁo sendo aguardados na segunda-feira (20) e deverĂŁo ga-

nhar condição de jogo para a partida contra o Murici, domingo (26), 17h, no Rei PelĂŠ. ALOĂ?SIO PROCURADO A diretoria do Aparecidense-GO anunciou a contratação de trĂŞs jogadores para reforçar o elenco na temporada. AlĂŠm das contrataçþes jĂĄ certas, a diretoria tambĂŠm demonstrou interesse em contratar AloĂ­sio Chulapa, atacante que jĂĄ passou pelo SĂŁo Paulo e que atua no CRB. Com 37 anos, AloĂ­sio foi procurado pelo CamaleĂŁo. Entretanto, a diretoria do clube goiano deixou claro que o jogador nĂŁo deve deixar o Galo da Pajuçara, clube que defende desde o segundo semestre do ano passado. RAFINHA Rafinha chega confiante que poderĂĄ ajudar a equipe a fazer um bom campeonato. “Ouvi falar muito bem da Caldense, e por isso chego

mais animado ainda para jogar. Fico feliz por estar aqui e quero auxiliar o time, quero somar. Vim focado a conquistar o título. Nós temos que pensar grande, temos que chegar às pontas e brigar pelo primeiro lugar. Vou treinar bastante para conquistar meu espaço. Vou lutar do começo ao fim�. MARADONA Rumores começaram a surgir na Pajuçara de uma possível saída do meia Ewerton Maradona do CRB. O motivo de uma possível saída e Maradona do CRB seria o interesse do Caldense, time da primeira divisão do futebol mineiro. Mas, uma reunião entre o presidente Marcos Barbosa, Alarcon Pacheco e o diretor de futebol, Ednilton Lins, confirmou a presença do atleta atÊ o final do Alagoano e provavelmente para a disputa da SÊrie B do Brasileiro. 7(55$

Alarcon Pacheco HVWiID]HQGRRVFRQWDWRVSDUDDVFRQWUDWDo}HV:DQGHUVRQMiIRLFRQÂżUPDGRQR&5%

SEM NOĂ‡ĂƒO!

MAL-ENTENDIDO

“Esse regulamento sĂł ajuda os times defensivosâ€?. Esta foi a primeira frase do tĂŠcnico do ASA, Heriberto da Cunha, durante a entrevista coletiva cedida apĂłs a vitĂłria diante do Corinthians do Pilar por 5 a 0. De acordo com o comandante alvinegro, o placar elĂĄstico deveria beneficiar o time vencedor de alguma forma. “Fico muito triste quando vejo que esse resultado nĂŁo influencia. Podemos perder de um a zero e estarmos desclassificados. Esse regulamento sĂł ajuda os times defensivosâ€?, reclamou sem saber que foi o prĂłprio presidente do ASA, JosĂŠ de Oliveira, quem propĂ´s essa mudança no regulamento. Apesar das crĂ­ticas ao regulamento, Heriberto da Cunha fez questĂŁo de ressaltar o trabalho do grupo. “Foi um jogo muito bom. Tivemos alguns erros, principalmente de posicionamento, mas conseguimos a vitĂłria, que era o objetivo principal. Jogamos bem, com os jogadores se dedicando, correndo, e tenho certeza que serĂĄ assim na partida de volta. NĂŁo tem nada ganhoâ€?, falou. Perguntado sobre quem era o jogador que mais teria o agradado, Cunha foi rĂĄpido: ValdĂ­via. Para ele, o jovem meia, revelado nas categorias de base do alvinegro, vai conseguindo mostrar seu potencial. “Ele estĂĄ ganhando força fĂ­sica, tem habilidade, usa muito bem a velocidade e sabe marcar. Foi um dos grandes nomes do jogo e com certeza estarĂĄ nos ajudando muito durante esse Campeonato Alagoanoâ€?, destacou.

Nordeste publicou ontem uma informação que o presidente do BaraĂşnas-RN, Eudes Machado, teria confirmado a contratação de vĂĄrios reforços para o clube e um deles seria do meia Claudinho, que estĂĄ no CSA. Conforme a nota, Claudinho chegaria para ser o camisa 10 do time, por toda sua habilidade com a perna esquerda. O repĂłrter Wyderlan AraĂşjo, setorista do AzulĂŁo pela a RĂĄdio Jornal AM, conversou com o atleta, que por sua vez desmentiu o fato. “SĂł vou para o Rio Grande do Norte se for para brincar o Carnavalâ€?. Segundo Claudinho, jamais houve contato com a equipe poti-

Após goleada, Baraúnas anuncia Claudinho ASA reclama do e direção do CSA desmente regulamento O site esportivo Arena guar e o fato não passou de

Alagoano Willian JosĂŠ estĂĄ feliz no SĂŁo Paulo e ocupa a artilharia do PaulistĂŁo com 7 gols em 5 jogos

JOIA RARA

Alagoano Willian JosĂŠ desponta como artilheiro do PaulistĂŁo Depois de cair por 1 a 0 no clĂĄssico contra o Corinthians, no Ăşltimo domingo, no Pacaembu, o SĂŁo Paulo reagiu de forma positiva ao bater o Paulista por 3 a 1, no Morumbi, na abertura da oitava rodada do PaulistĂŁo. E, apĂłs a vitĂłria, o tĂŠcnico Emerson LeĂŁo destacou que a descontração dos jogadores antes do confronto foi determinante para o resultado que deixou a equipe sĂŁo-paulina na vice-liderança provisĂłria da competição estadual. “A alegria no vestiĂĄrio, a comunicação no tĂşnel... sĂł poderia ter dado coisa boa no jogoâ€?, enfatizou o coman-

dante, que ao mesmo tempo apontou que o São Paulo poderia ter goleado e evitado as expulsþes do atacante alagoano Willian JosÊ, autor dos três gols do time, e do zagueiro Paulo Miranda, assim como sofrido menos no segundo tempo. Willian, por sua vez, não deixou de lamentar a sua expulsão, mas comemorou o fato de mais uma vez ter aproveitado bem o espaço aberto na equipe pela ausência de Luis Fabiano, que se recupera de um estiramento na coxa direita. Com os três gols desta quinta, ele ficou empatado com Hernane, do Mogi Mirim, na arti-

lharia do Campeonato Paulista, com sete bolas na rede cada um. “Estou tranquilo e fazendo um bom trabalho. JĂĄ sĂŁo sete gols e espero continuar assim, sempre ajudando o SĂŁo Paulo. Todo mundo sabe que o Luis (Fabiano) ĂŠ o titular, mas estou procurando ajudar o timeâ€?, destacou. O atacante, porĂŠm, jĂĄ ĂŠ desfalque certo do time de LeĂŁo no jogo da prĂłxima quarta-feira, contra o Bragantino, em Bragança, pela nona rodada do torneio estadual. O duelo poderĂĄ marcar a volta de Luis Fabiano, que serĂĄ reavaliado pelo departamento mĂŠdico.

um equĂ­voco. “Acho que houve uma confusĂŁo com meu nome; nunca tive contato com ninguĂŠm de lĂĄ e confesso que meu foco estĂĄ voltado para realizar um grande segundo turno pelo CSAâ€?, ressaltou. O repĂłrter Paulo Victor, do portal Tudo na Hora, falou sobre o caso com o gerente de futebol, SĂŠrgio Vertello. “Conversei com o Claudinho e em nenhum momento ele foi procurado. Na verdade houve um engano. Esse Claudinho ĂŠ um outro jogador, que tambĂŠm ĂŠ canhoto e atua como lateral-esquerdo e volante. A imprensa potiguar nĂŁo deve ter apurado bem essa informaçãoâ€?, explicou.

75$3,&+$2&20

Time do CSA HVWiXQLGRH&ODXGLQKRJDUDQWHTXHQmRVDLGRFOXEH


TribunaIndependente

0$&(,Ă?6Ăˆ%$'2'()(9(5(,52'(

John Goodman atuarĂĄ ao lado GH&OLQW(DVWZRRGHPQRYRÂżOPH

John Goodman, de “O artistaâ€?, um dos favoritos ao Oscar, foi anunciado FRPRPDLVXPLQWHJUDQWHGRHOHQFRGHÂł7URXEOHZLWKWKHFXUYH´QRYRÂżOPH do premiado ator e diretor Clint Eastwood (“Os imperdoĂĄveisâ€? e “Menina GHRXUR´ 'HVWDYH](DVWZRRGGHL[DDGLUHomRSDUDRQRYDWR5REHUW/RUHQ]TXHIRLVHXDVVLVWHQWHHPYDULDGDVSURGXo}HVFRPRÂł6REUHPHQLQRV HORERV´HÂł'tYLGDVGHVDQJXH´*RRGPDQVHUiRPHOKRUDPLJRGRSURWDJRQLVWDLQWHUSUHWDGRSRU(DVWZRRGTXHGHVGHRÂżOPHÂł1DOLQKDGHIRJR´ GHQmRDWXDYDHPXPDSHOtFXODTXHHOHQmRHVWLYHVVHGLULJLQGR

D PARA DEPOIS A Ilha do Mel, no litoral do Paranå, possui um status especial entre os destinos do ecoturismo. É uma Reserva da Biosfera, título reconhecido pela Unesco (Organização das Naçþes Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). &DOPDQmRVLJQLÀFD que o visitante precise desembarcar em suas praias com roupa de gala ou de grife, para reverenFLDUDVLWXDomR6LJQLÀFD sim, que a preservação do rico ecossistema Ê importante para o mundo, não apenas para a região ou o país. O conjunto de mar, morros, costþes, manguezais, brejos litorâneos e restingas da Mata Atlântica convida a longas caminhadas, boa parte delas em trilhas bem sinalizadas. O único meio de transporte terrestre Ê a bicicleta. Não hå cavalos puxando carroças. Automóveis, jardineiras? Nem pensar. Dividida em duas unidades de conservação da natureza --Estação Ecológica e Parque Estadual--, a Ilha do Mel Ê administrada pelo IAP (Instituto Ambiental do Paranå), que controla o acesso de turistas. A lotação måxima Ê de 5.000 pessoas, marca raramente atingida. O controle e o cadastro dos visitantes são feitos no terminal de embarque de Pontal do Sul, um balneårio de Pontal do

Paranå, ou no terminal de embarque de Paranaguå, o município a que a ilha estå vinculada. De lå os barcos partem para as vilas de Encantadas, ao sul, ou de Brasília, ao norte, que concentram a estrutura de pousadas, restaurantes, postos de saúde e de informaçþes, com mapas. São paisagens distintas, no tipo de movimentação da orla, nas praias e nas opçþes de lazer, que se complementam. Quem GHFLGHÀFDUHP(QFDQtadas, por exemplo, tem um trapiche imponente recortando o horizonte, a Gruta das Encantadas ao ÀQDOGDPDLVWUDQTXLOD das trilhas e o Mar de Fora, com uma confortåvel praça de alimentação, disponível para mergulho e surfe. A opção por Brasília (ou Nova Brasília) traz a proximidade das principais construçþes históricas: o Farol das Conchas e a Fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres. E tambÊm a diversidade das praias, sendo que as da Fortaleza, do Farol e Praia Grande contam com pousadas. Para muitos, o charme do lugar, procurado especialmente nos feriadþes, vem da rusticidade e da sensação de isolamento. A iluminação elÊtrica, antes a diesel, chegou em 1998 (ano de Copa do Mundo), por cabos submarinos. Como na vila de Jericoacoara, no Cearå, não hå postes de ilumi-

DIVERSĂƒO&ARTE

1

Guns N’ Roses original se reunirå no Hall da Fama do rock

A formação original do Guns N’ Roses, responsĂĄvel pela gravação do clĂĄssico ĂĄlbum “Apettite for destructionâ€?, vai se reunir para a cerimĂ´nia de ingresso da banda no Hall da Fama do rock, no dia 14 de abril, em &OHYHODQG2KLR$FRQÂżUPDomRIRLGDGDSHORDWXDOWHFODGLVWDGRJUXSR'L]]\ Reed, em entrevista Ă  Billboard. “Eu sei que todo o grupo original estarĂĄ lĂĄâ€?, disse ele, “NĂŁo sei exatamente o que vai acontecer. É uma GHVVDVVLWXDo}HVHPTXHWHQKRFHUWH]DTXHWXGRYDLVHDMHLWDUHWHUPLQDUEHP Vou chegar com uma boa atitude, cabeça aberta e coração gratoâ€?.

R N A A C V A L O

Ilha do Mel, Reserva da Biosfera paranaense, marcada por suas trilhas, praias e morros verdes

nação pública, e Ê sempre uma aventura caminhar à noite, de lanterna na mão, por ruelas e pontezinhas. O breu esconde o verde luminoso da vegetação durante o dia. Com chuva, adiciona-se lama aos trajetos. 2VVXUÀVWDVHDJDrotada de porte atlÊtico, com saúde para trilhas morro acima, ajudam a caracterizar o público deste refúgio incluído na programação de festas de formaturas de estudantes, quando a vida noturna se agita com forró, reggae e rock (os decibÊis são limitados a 70). Bares

e restaurantes adotaram no cardĂĄpio o chamado ‘prato surfe’, com arroz, saladinha, batata frita, carne ou camarĂŁo. Mas a visitação pode ser mais democrĂĄtica do que parece. Fora da estrutura de descanso das pousadas, algumas com piscinas e chalĂŠs, famĂ­lias com crianças e grupos da terceira idade tĂŞm Ă  disposição passeios de barco, como o que vai de Encantadas atĂŠ BrasĂ­lia e vice-versa e outros que fazem a volta completa Ă  Ilha. Trilhas fĂĄceis como a da Gruta das Encantadas e a do Farol sĂŁo para

qualquer idade ou preparo físico. Interessados em geologia e biologia, SRUH[HPSORQmRÀFDP a ver navios na baía de Paranaguå. Existe todo um catålogo a observar: os migmatitos na Gruta e na Fortaleza, os diques de diabåsio próximos do Farol, falÊsias, piçarras e areias negras na praia da Fortaleza. Algumas agências de turismo incluem a programação de um dia na Ilha do Mel em pacotes para cidades paranaenses. Manhã e tarde VmRVXÀFLHQWHVSDUDXP banho de mar, um pas-

seio curto de barco, uma trilha na mata atÊ uma praia mais deserta e passagens pelo Farol, Fortaleza e Gruta. Mas passar a noite, claro, reserva boas surpresas. Dias a mais permitem imagens diferentes do pôr-do-sol, nos vårios recortes da ilha em formato de baleia. Vale a pena perder-se pelas ruelas estreitas (de dia!), descobrir aos poucos as engenhosas soluçþes dos ilhÊus para as casas de madeira no meio das årvores. Não esqueça o kit båsico de sobrevivência: chapÊu, óculos escuros, repelente para mosquitos, protetor solar, mangas e calças compridas de fåcil secagem, sandålias e tênis antiderrapantes. Leve tambÊm dinheiro (não hå caixas eletrônicos) e remÊdios para emergências (não hå farmåcias). E não custa comprar um maiô novo para estrear na Reserva da Biosfera. Uma homenagem mínima à preservação do planeta.


2

TribunaIndependente

DIVERSÃO&ARTE 0$&(,Ï6È%$'2'()(9(5(,52'(

Exposição ³%XPEDPHXERL±1RVVR3DWULP{QLR&XOWXUDO´±20XVHX3DOiFLR)ORULDQR3HL[RWR 0XSD DEULJDDH[SRVLomRTXHUH~QHIRWRJUD¿DVGRFRQFXUVR GHEXPEDPHXERLUHDOL]DGRHPIHYHUHLURGH$PRVWUDH[S}HEXPEDVGDVDJUHPLDo}HV%RL*DYLmRGR9DOHGR5HJLQDOGR%RL9LQJDGRUH %RL-DJXDU$H[SRVLomR¿FDDEHUWDDWpPDUoR2VKRUiULRVGHYLVLWDomRVmRGHWHUoDVTXLQWDVHVH[WDVIHLUDVGDVKjVKTXDUWDVIHLUDVGDV KjVKHViEDGRVGRPLQJRVHIHULDGRVGDVKjVK0DLVLQIRUPDo}HVH

Com reggae $FRQWHFHQR%DUGR7LWLRHP5LDFKR'RFHRV VKRZVGDVEDQGDV5HVLVWrQFLDH5HJJDHVVrQFLD2VRUJDQL]DGRUHVJDUDQWHPTXHRVDPDQWHV GRUHJJDHYmRGDQoDUDQRLWHLQWHLUD2VVKRZV HVWmRPDUFDGRVSDUDFRPHoDUjVK2V LQJUHVVRVVHUmRYHQGLGRVD5

Circo e Carnaval

Folia em São Miguel 'H]HQDVGHEORFRVID]HPDFRPHPRUDomRGR &DUQDYDOHP6mR0LJXHOGRV&DPSRV'H]HVVHWHEORFRVLUmRVDLUHPYiULRVSRQWRVGDFLGDGH DRULWPRGHD[pIRUUyVZLQJXHLUDHIUHYRGH EDQGDVORFDLVHQDFLRQDLV&RQ¿UDDSURJUDPDomRGRVEORFRVTXHVDLUmRSHODFLGDGHDWp R&DUQDYDO%ORFR&RQKDTXHFRP0HOKRMHQR 3RYRDGR&RLWpGDVjVKFRPD%DQGDGH )UHYR%ORFR6y9DL4XHP&KXSDDPDQKmQD 3UDoDGR5HOyJLRGDVjVKFRPD%DQGD GH)UHYR%ORFRž*UDXVVHJXQGDIHLUD QR3iWLRGD5RGRYLiULDGDVjVKFRPDV EDQGDV-XOKLQKR3RUUDGmRHGH)UHYR%ORFRž *UDXVWHUoDIHLUDQR(VWiGLR0XQLFLSDO)HUUHLUmRGDVjVKFRPDVEDQGDV-XOKLQKR 3RUUDGmRHGH)UHYR

Bakanas é Show (P5LR/DUJRR&DUQDYDOSURPHWHDQLPDomR 6HJXLQGRDSURJUDPDomRGH&DUQDYDOKRMH DQRLWHVHUiGRVµ%DNDQDVp6KRZ¶HGDEDQGD µ.XDUWHO)DWDOH¶-iDPDQKmKDYHUiVKRZVFRP DVEDQGDVµ7URSLFDQD¶HµÇUH¶1DVHJXQGDIHLUD  VHUiDYH]GDVEDQGDVµ$[HULIH¶Hµ6RNDSSD¶ 3DUDHQFHUUDURVIHVWHMRVGH0RPRQDWHUoD IHLUD  RULWPRGDVEDQGDVµ.XDUWRGH(PSUHJDGD¶Hµ0DVVDUDUD¶(QWUHWDQWRDIHVWDVy WHUPLQDUiQRGLDFRPDIHVWDGDUHVVDFDDR VRPGDEDQGD7UHP%DODTXHDUUDVWDUiPLOKDUHV GHIROL}HVQRµEORFR$]XORX¶$FRQFHQWUDomRHVWi SUHYLVWDSDUDDVKQDDYHQLGDSULQFLSDOGR DQWLJREDLUURGR7DEXOHLURGR3LQWR

Na Praça Jácome Calheiros 3HQHGRHPXPDFLGDGHGHWUDGLo}HVHFRPDIHVWD GH&DUQDYDOQmRSRGHULDVHUGLIHUHQWH3RUOiRV GLDVGH0RPRSURPHWHPVHUGHIHVWDP~VLFDHDQLPDomR+RMHDSDUWLUGDVKDFRQWHFHRGHV¿OHGRV %ORFRV±FRQFHQWUDomRQD3UDoD-iFRPH&DOKHLURV HGHSRLVWRGRVVHFRQFHQWUDPQRSDOFRPRQWDGRQD SUDoDFHQWUDOSDUDSXODUFDUQDYDO1RGRPLQJRPDLV GHV¿OHGRVEORFRV±&RQFHQWUDomRQD3UDoD-iFRPH &DOKHLURVFRPRUTXHVWUDVGHIUHYREDWXFDGDFDUURVDOHJyULFRVEORFRVWUDGLFLRQDLVHDOWHUQDWLYRVD VHJXQGDIHLUDJRUGDHDWHUoDIHLUDVHJXHPFRPD PHVPDSURJUDPDomRHDWUDo}HV

2FLUFR7LKDQ\DUPDGRHPXPWHUUHQRQD$YHQLGD)HUQDQGHV/LPDYDLIXQFLRQDUQRUPDOPHQWHQHVVH GLDVGH&DUQDYDO7HUoDDVHVVmRpGHKMiKRMHVHUijVKHKDPDQKmKH K3DUDTXHPQmRYDLFXUWLUDVIHVWDVGH0RPRHVWDpXPDERDRSRUWXQLGDGHGHVHGLYHUWLU0DLV LQIRUPDo}HVRXHVWDQGH6XH&KDPXVFDQR0DFHLy6KRSSLQJ

FALE CONOSCO$$JHQGDpXPVHUYLoRJUDWXLWRGHRULHQWDomRDROHLWRU2VLQWHUHVVDGRVHPGLYXOJDUHYHQWRVVKRZVHH[SRVLo}HVSRGHPHQYLDUPDWHULDODWUDYpVGRHQGHUHoRWLDJHQGD#KRWPDLOFRP

RESUMO DE NOVELAS GLOBO 18h A VIDA DA GENTE

$QDD¿UPDD5RGULJRTXHQmR¿FDUiFRPHOH &tFHURGHFLGHGHL[DU6X]DQD'RUD¿FDSUHRFXSDGDDRVDEHUTXH0DUFRVHVWiVR]LQKRQD DJrQFLD/RXUHQoRFKHJDFRP5RGULJRDRIyUXP 1DQGDVHHPRFLRQDHPVHXGHSRLPHQWRGXUDQWH DDXGLrQFLD2FDUURGH0DULDQRpFRQ¿VFDGR SRUIDOWDGHSDJDPHQWR-~OLDVHQWHVDXGDGHGH $QDH/~FLR0DULDQRIDODSDUD9LWyULDTXHVHX FDUURHVWiQDR¿FLQD/~FLRGL]D&HOLQDTXHQmR TXHUVDEHUQRWtFLDVGH$QD0DUFRVDYLVDD'RUD H6R¿DTXHIHFKRXVXDDJrQFLD

GLOBO 19h

GLOBO 21h

AQUELE BEIJO

FINA ESTAMPA

0DULVROLQFHQWLYD$QD*LUDIDDFRQKHFHUVXD PmH5DLPXQGLQKDpGHPLWLGDGDFDVDGH )HOL]DUGRHFKDQWDJHLD'DPLDQD$PiOLDWHQWD VHGX]LU-RVHOLWR0DULHWDDOHUWD9LRODQWHTXHHOD HVWiVHQGRSURFXUDGDSHODSROtFLD2ODYRLPSORUD RSHUGmRGH0DULHWDH7DOXGDDSRLDRSDWUmR )HOL]DUGRID]DVSD]HVFRP/RFDQGD$VKXDU\D FRQ¿UPDD0DUXVFKNDTXHRGLQKHLURGDKHUDQoD GR&RQGHGH9LOOLHUVQmRVHUiOLEHUDGR-RVHOLWR H,DUDSODQHMDPUHVJDWDU7HG%R\HP3DULV0DUXVFKNDSODQHMDVHYLQJDUGH+HQULTXH$OEHUWR UHYHODD$QD*LUDIDTXH0DUXVFKNDpVXDPmH

2GHOHJDGR3DUHGHVJDUDQWHD-RDQDTXHQmR GHVFDQVDUiHQTXDQWRQmRSURYDUTXH7HUH]D &ULVWLQDpDDVVDVVLQDGH0DUFHOD3DWUtFLDVH VXUSUHHQGHDRYHUTXH$OH[DQGUHH(OOHQHVWmR QDPRUDQGR3DXOR¿FDRUJXOKRVRSRUFRQVHJXLU FXLGDUGH9LWyULD'DQLHOOHFRQWDVXDYHUVmRSDUD RVMRUQDOLVWDVPDVpFRQVWDQWHPHQWHLQWHUURPSLGDSRU&HOLQD%HWR-XQLRUSHUJXQWDjDUTXLWHWD VHHODIRLLQGX]LGDSRU'DQLHOOHDGRDUVHXV yYXORVH&HOLQDWHQWDPDQLSXODUVXDUHVSRVWD

RECORDE 21h VIDAS EM JOGO

1mRKiH[LELomRDRVViEDGRV


TribunaIndependente

0$&(,Ă?6Ăˆ%$'2'()(9(5(,52'(

DIVERSĂƒO&ARTE

3

,48((67(9(679*/2%2

FLĂ VIO RICCOFRODERUDomR-RVp&DUDORV1HU\ZZZWZHWWHUFRPĂ€DYLRULFFR

Record renova contrato de atriz acidentada

TV TUDO PrĂłxima minissĂŠrie

C

(QTXDQWR³5HL'DYL´FDPLQKD SDUDDVVXDV~OWLPDVJUDYDo}HVR FRPDQGRGD5HFRUGVDWLVIHLWRFRP RVUHVXOWDGRVREWLGRVMiSHQVDQD SUy[LPDPLQLVVpULHWDPEpPEtEOLFD (GJDUG0LUDQGDTXHGLULJLX ³5LEHLUmRGR7HPSR´WHPSDUWLFLSDGRGHHQFRQWURVGLiULRVFRPDDOWD F~SXODGDHPLVVRUDQR5LRHVHX nome jå Ê dado como certo para FXLGDUGHVWDQRYDSURGXomR

ibele Larrama, que volta Ă s gravaçþes de “Rei Daviâ€? neste sĂĄbado, esteve quarta-feira no complexo Recnov, no Rio, e se emocionou ao reencontrar os companheiros de minissĂŠrie. Em todos os momentos, foram muitas as manifestaçþes de solidariedade. Porque nĂŁo estĂĄ recuperada totalmente das queimaNo prĂłximo dia 23, em “As Brasileirasâ€?, a Globo exibe o episĂłdio ‘A ViĂşva do MaranhĂŁo’, protagoniduras, ela nĂŁo serĂĄ muito exigida nos trabazado por PatrĂ­cia Pillar. Ela faz uma viĂşva que ao mesmo tempo em que procura voltar a viver, namorar Tem o seguinte: e ser feliz, nĂŁo consegue se desvencilhar da imagem do falecido marido lhos. O seu caso ainda faz por merecer certos $%DQGHLUDQWHVHQWUHRVVHXV cuidados e um esquema especial foi montado YiULRVSURMHWRVSUHWHQGHODQoDUXP Esporte 1 Lado diferente Bate-rebate para esta sua volta. A outra notĂ­cia boa ĂŠ que o RXWURSURJUDPDGHYDULHGDGHVSDUD &RLQFLGrQFLDRXQmRWRGDVDV GHVFREULUQRYRVYDORUHVDUWtVWLFRVe )HUQDQGR)HUQDQGHVUHSyUWHUGD FKDPDGDVVREUHR&DUQDYDOQR %DQGHLUDQWHVIRLSURFXUDGRHFRQYLcontrato de Cibele na Record foi renovado atĂŠ quase um show de calouros. ¡ Equipe do “Pânicoâ€? vai completa GDGRSHOD5HFRUGSDUDLQWHJUDUDVXD Âł6%7%UDVLO´HVWmRVHQGRIHLWDV para a Bandeirantes. Inclusive com 2WiYLR0HVTXLWDTXHDWHQGHD 2015. O compromisso anterior valia apenas SHOR-RVHYDO3HL[RWR&RPRVH HTXLSHGHHVSRUWHVQD2OLPStDGD toda a sua produção. todas as classes e tem um bom Ă‚$79*ORER,QWHUQDFLRQDODEULX SHODREUD(Ă€FRXGHFLGLGRWDPEpPTXHDSDU- KLVWyULFRGHKXPRUHFUHGLELOLGDGH $FRQYHUVDYHPGHVGHRFRPHoRGR recorda, no ano passado, a sua ano, mas acabou nĂŁo dando em nada. FROHJDGHEDQFDGD5DFKHO6KHKRVHXVLQDOSDUDDVVLQDQWHVQR jĂĄ se coloca como um dos fortes tir de agora, todas as cenas da atriz, intĂŠrprete FDQGLGDWRVSDUDDDSUHVHQWDomR HUD]DGHTXDQGRDLQGDHVWDYDQD (OHRSWRXSRUFRQWLQXDUQD%DQG &DQDGi(VWDGRV8QLGRVHD$Pp797DPED~DÂżOLDGDGD3DUDtED ULFD/DWLQDGXUDQWHWRGRFDUQDYDO da bruxa Allat, nĂŁo serĂŁo mais dirigidas por Esporte 2 IH]FUtWLFDVDRHYHQWRGL]HQGRTXH ¡ AlĂŠm da Adriana AraĂşjo, que jĂĄ (GVRQ6SLQHOOR8PRXWURSURĂ€VVLRQDOSDVVDUi Bico no macacĂŁo WLQKDYLUDGRÂłQHJyFLRGHULFRV´H $VPHVPDVIRQWHVUHYHODPTXHD estĂĄ lĂĄ, a Record pretende mandar TXHVyGDYDÂłOXFURSDUDGRQRVGH 5HFRUGWDPEpPFKHJRXDSURFXUDU em breve alguĂŠm do seu departaa assumir essas funçþes. O que tambĂŠm deixa $QD&DUROLQD'LDVYDLFRPHoDU 0DXUR1DYHVXPGRVUHSyUWHUHVPDLV FHUYHMDULDSURSULHWiULRVGHWULRV mento de esportes para Londres. DJDQKDUGHVWDTXHHPÂł)LQD(Valguma coisa no ar. HOpWULFRVHXQVSRXFRVDUWLVWDV LPSRUWDQWHVGD*ORER Ă‚$RUGHPGHDJRUDpWUDEDOKDUIRUWH WDPSD´QRQ~FOHRGDSUDLD -iQRVSUy[LPRVFDStWXORVFRPHoD DURODURFRQFXUVRÂł$7RGD%RD´ SDWURFLQDGRSRU*ULVHOGD /LOLD &DEUDO HDSUHVHQWDGRSRU*LJDQWH (UL-RKQVRQ  'HERUDKVXDSHUVRQDJHPHQWUD SDUDGHVEDQFDUDVGHPDLVFRQFRUrentes.

Aquecimento

0DVWDPEpPQRFDVRGHOHDQHJRFLDomRQmRSURJUHGLX0DXURSUHIHULX UHQRYDURVHXFRQWUDWR

DĂşvida no ar

EDLDQRV´+RMHQDVYROWDVTXHR PXQGRGiHODHVWiQXPDHPLVVRUD TXHSDVVRXDLQYHVWLUIRUWHQHVWH WLSRGHFRLVD

8PDGDVTXHVW}HVDVHUHPUHVROYLGDVQD5HGH79DSyVDVDtGDGR ³3kQLFR´SDUDD%DQGHLUDQWHVHQYROYHRSURJUDPD³(VWDomR7HHQ´GR'XGX 6XULWD¿OKRGR(PtOLR6XULWD 1DGDIRLGH¿QLGRDWpDJRUDVHSHUPDQHFHQRVSODQRVRXQmR

7RGRVRVLQWHJUDQWHVGR³&4&´ HVWLYHUDPTXLQWDIHLUD  QD %DQGHLUDQWHVSUHSDUDQGRPDWHULDO SURPRFLRQDOVREUHDYROWDGRSURJUDPD$OpPGHIRWRVHDVFKDPDGDVTXHHQWUDUmRQRDUHPEUHYH WDPEpPIRLGHVWLQDGRXPWHPSR SDUDJUDYDomRGHQRYDVDo}HVGH PHUFKDQGLVLQJ

Alguns setores da Rede TV! jĂĄ estĂŁo se movimentando para um parabĂŠns especial a Hebe Camargo. No prĂłximo dia 8, a apresentadora vai comemorar 83 anos.

3Uy[LPDGD¿OD 'HSRLVGR³3kQLFR´/XFLDQD*LPHQH]SRGHVHUDSUy[LPDQRYLGDGH GD%DQGHLUDQWHV 2LQWHUHVVHQDDSUHVHQWDGRUDYHP desde o ano passado.

2XWURGHWDOKH 2FRPHUFLDOGD%DQGHLUDQWHVWHYHXPSHVRLPSRUWDQWHQDFRQWUDWDomRGR³3kQLFR´0DUFHOR0DLQDUGLVHXGLUHWRU WUDEDOKRXPXLWRWHPSRQD-RYHP3DQHVHPSUHPDQWHYHERDVUHODo}HVFRPDIDPtOLD0DFKDGRGH&DUYDOKRTXHp GRQDGRSURJUDPD 1mRIRVVHHVWHRPRWLYRR³3kQLFR´pVHJXUDQoDGHERPIDWXUDPHQWR

QRHYHQWR2OLPStDGD9DORUL]iORR TXDQWRSRVVtYHO ¡ Mudanças importantes estĂŁo sendo projetadas na programação do canal Globo News Ă‚2DWRU&DLR%ODWHVWiQD$OHPDQKD ID]HQGRDGLYXOJDomRGRVHXQRYR ÂżOPHÂł;LQJX´ ¡ Os PJs, contratados como pessoas jurĂ­dicas na Record, reclamam que nenhum dos benefĂ­cios anunciados no ano passado foi oferecido. Ă‚3HORPHQRVDWpDJRUD ¡ Em função do barulho causado, a direção da Band jĂĄ pensa numa outra edição do “Mulheres RicaV´ Ă‚0DVDLQGDQmRWHPQDGDRÂżFLDOVREUHLVVR$WpSRUTXHVHUi QHFHVViULRUHXQLUXPJUXSRGH VHQKRUDVTXHVHGLVSRQKDDLVVR

&¡HVWÀQL 0DUFR&DPDUJRUHQRYRXFRQWUDWR SRUPDLVXPDQRFRPD5HFRUG SDUDFRQWLQXDUFRPRMXUDGRGR ³ËGRORV´eR~QLFRJDUDQWLGRQDEDQFDGDGRSURJUDPDDWpDJRUDDOpP GRDSUHVHQWDGRU5RGULJR)DUR 2VGRLVDQWLJRVFRPSDQKHLURV /XL]D3RVVLH5LFN%RQDGLRQmR estão nos planos. )LFDPRVDVVLP0DVDPDQKmWHP PDLV7FKDX

HORĂ“SCOPO PALAVRAS CRUZADAS DIRETAS

www.coquetel.com.br Ingrediente da feijoada

Š Revistas COQUETEL 2012 Em que lugar? AtÊ, em espanhol

Que estĂĄ por vir; vindoura DivisĂŁo de Vil; revoljornais tante (fig.)

Motivo para se engessar um membro

Modelo; padrão (ing.) (?) da à sia, localização da Aråbia Saudita

Terreno para cultivo de verduras Muito surpreendido; pasmado

TalĂŁo, em inglĂŞs SĂ­laba de "conhecer"

(?) Peixoto, repĂłrter da Globo

Contudo; todavia Nornordeste (abrev.) Expatriar

PĂł de certos cereais moĂ­dos

(?) Ketu, conjunto Rodas da bicicleta

Mais-(?), conceito marxista (Econ.)

Variedade de batata usada em sopas

Acre (sigla) Munir de asas

Pintou "As Tentaçþes de Santo Antão"

Chaga; ferida (p. ext. pop.) Título do poeta britânico Byron

A 2a nota musical A letra muda

A

Leva à perdição ArtÊria do coração

A

Tecla de microcomputadores

3/tab. 5/baroa — hasta — valia. 6/futura. 8/standard — sudoeste.

64

Solução T O S S P O F R B A T U R A D C O

R E L E G A R F U T U R A

O C I N A N D D O E E M R I NH N N E O A V A C E R L O A S N A O N A

H H O A R S T T A A A A R L I A R D A A L R I

D E B O C A A B E R T A

BANCO

G

Meio poluĂ­do pelo diĂłxido de carbono

(?)-luz, medida astronĂ´mica

Ă RIES - (21/3 a 19/4) – Seja prudente nos seus contactos, quer VHMDPSURÂżVVLRQDLVTXHURXGHDPL]DGH6HUiXPDIDVHPDLVIDYRUHFLGDSDUDFRQYLYHUFRPIDPLOLDUHVH DPLJRVPXLWRtQWLPRV6HMDFXLGDGRVRQDIRUPDFRPRVHUHODFLRQDFRP GHVFRQKHFLGRV$VUHODo}HVVRFLDLV SRGHUmRVHUXPSRXFRFRPSOLFDGDV VHQmRFRQVHJXLUGRPLQDURVVHXV LPSXOVRV TOUROÂą D Âą'HYHUiWHU RVHQWLGRGDUHDOLGDGH6HQmRDJLU GHXPDIRUPDLPSHQVDGDSRGHUi HYLWDUDOJXPDVVLWXDo}HVFRPSOLFDGDV0DQWHQKDVHÂżUPHQDVVXDV DPELo}HVHSURMHWRVWHQWHVHU UHDOLVWDHREMHWLYR1RYDVWDUHIDVHP SHUVSHFWLYDTXHSRGHPDEULUQRYRV KRUL]RQWHVGRVTXDLVREWHUiERQV UHWRUQRV(VWHDQRSHVHDOJXPDV GLÂżFXOGDGHVDSUHVHQWDXPTXDGUR SURPLVVRUSDUDRVQDWLYRVGHVWH VLJQR GĂŠMEOS Âą D Âą'HYHUi DJLUFRPWRGDDSUXGrQFLDFRPDV pessoas que fazem parte do seu JUXSRVRFLDO6HUiXPDIDVHPDLV IDYRUHFLGDSDUDUHVROYHUDVVXQWRV UHODFLRQDGRVFRPRVHXODU1R entanto, tenha presente, que uma DWLWXGHSRVLWLYDHPUHODomRjVSHVVRDVTXHRURGHLDPPXGDPXLWD FRLVDSDUDPHOKRU CĂ‚NCER – (22/6 a 22/7) – NĂŁo JDVWHPDLVGRTXHSRGH$SURYHLWH HVWHSHUtRGRSDUDID]HUXPDDQiOLVH GHWDOKDGDjVVXDVGHVSHVDVH SUHSDUHVHSDUDHVWHQRYRDQR $WUDYHVVDXPSHUtRGRGHOLFDGRH WRGRRFXLGDGRpSRXFR2PRPHQWR FRPSOLFDGRTXHVHYLYHQDiUHD ÂżQDQFHLUDUHTXHUPXLWDDWHQomRH ponderação. LEĂƒO Âą D Âą6HMDÂżUPH QDVVXDVGHFLV}HVHHYLWHDGLVSHUVmR(VWHpXPSHUtRGRIDYRUHFLGRSDUDFRQVROLGDUDOJXQVDVSHWRV DRQtYHOSURÂżVVLRQDOTXHVHHQFRQWUDPQXPDIDVHGHDGLDPHQWRV FRQWtQXRV1mRVHGHL[HHQYROYHU HPDVVXQWRVTXHQmROKHGLJDP GLUHWDPHQWHUHVSHLWR(VWHQRYRDQR DFRQVHOKDDTXHSRQGHUHDOJXQV DVSHFWRVGDVXDYLGDSURÂżVVLRQDO VIRGEM – (23/8 a 22/9) – Seja FDULQKRVRSDUDFRPRVHXSDU$ IDVHSRGHUiVHUJUDWLÂżFDQWHGHSHQGHQGRXQLFDPHQWHGDVXDDWLWXGH

e da postura que tomar. SerĂŁo faYRUHFLGRVRVQRYRVUHODFLRQDPHQWRV QDiUHDVHQWLPHQWDO1mRVHGHL[H LQĂ€XHQFLDUSRUÂłSDOSLWHV´YLQGRV de pessoas que nĂŁo lhe merecem FRQÂżDQoD LIBRA Âą D Âą'LQKHLURLQYHVWLPHQWRVGHPpGLRULVFR QHJyFLRVGHYHUmRPHUHFHUOKHR PDLRUFXLGDGR3HUtRGRGHVIDYRUiYHO SDUDUHDOL]DUTXDOTXHULQLFLDWLYDHP TXHDVVXDVÂżQDQoDVHVWHMDPHP MRJR'HTXDOTXHUIRUPDWHQKDHP FRQWDTXHHVWHQRYRDQRSRGHUiVHU FRPSOLFDGR ESCORPIĂƒO – (23/10 a 21/11) – 6HUHQLGDGHERDYRQWDGHHGHVHMR GHXPERPHQWHQGLPHQWRGHYHUmR VHUIDWRUHVDFRQVLGHUDU1mRFULHH QHPOHYDQWHSUREOHPDVRQGHQmR H[LVWHPUD]}HVSDUDWDODWLWXGH2 VXSpUĂ€XRGHYHUiVHUHQFDUDGRQD VXDGLPHQVmRH[DWD$VH[XDOLGDGH GRVQDWLYRVGHVWHVLJQRHVWDUiHP alta. SAGITĂ RIO – (22/11 a 21/12) – 1RYRVUHODFLRQDPHQWRVHDPL]DGHV SRGHUmRYHULÂżFDUVHGXUDQWHHVWH SHUtRGR$SURYHLWHHVWDIDVHSDUDVH DSUR[LPDUXPSRXFRPDLVGRVVHXV IDPLOLDUHV3DUDXPDPHOKRUFRPSUHHQVmRGRTXHVHSDVVDjVXD YROWDSUDWLTXHDDXWRDQiOLVH(VWH DQRSRGHUiWUD]HUOKHDOJXPDGLÂżFXOGDGHTXHGHVGHMiGHYHDFDXWHODU CAPRICĂ“RNIO – (22/12 a 19/1) – 2DVSHWRSURÂżVVLRQDOQmRSDVVDSRU XPSHUtRGRPXLWRIDYRUHFLGR0DQWHQKDDOJXPDPRGHUDomRQRVVHXV UHODFLRQDPHQWRVHHYLWHFKRTXHV HVSHFLDOPHQWHFRPVXSHULRUHV2 PDLVDFRQVHOKiYHOpGHL[DUTXH HVWHSHUtRGRSDVVHVHPWRPDURX DVVXPLUDWLWXGHVTXHOKHSRGHUmR QXPIXWXURLPHGLDWRWUD]HUDOJXQV problemas. AQUĂ RIO – (20/1 a 18/2) – Bom DPELHQWHVRFLDOQRTXHVHUHIHUH DUHODo}HVGHDPL]DGH1RFDPSR IDPLOLDUWHQWHXPSRXFRPDLVGH DSUR[LPDomRGRVVHXVHQWHVTXHULGRV$SURYHLWHRÂżPGHVHPDQDSDUD UHOD[DUXPSRXFRHQDGDPHOKRU TXHDDXWRDQDOLVHSDUDHQFRQWUDUR HTXLOtEULR PEIXES – (19/2 a 20/3) -Seja pruGHQWHQRVUHODFLRQDPHQWRV1RYDV H[LJrQFLDVQHVWHDQRUHTXHUHP toda a sua atenção e concentração.

REENCONTRO

Beach Boys anunciam datas da turnĂŞ de 50 anos da banda

D

epois de se reunirem no Grammy pela primeira vez em mais de 20 anos, os Beach Boys anunciaram as datas da turnê em comemoração ao aniversårio de 50 anos da banda. Os integrantes Brian Wilson, Mike Love, Al Jardine, Bruce Johnston e David Marks farão 39 shows nos EUA, incluindo apresentaçþes como atração principal no New Orleans Jazz Fest, em 27 de abril, e no Bonnaroo, em 10 de junho. A rodada americana da Beach Boys 50th Anniversary Reunion Tour 2012 começa em Tucson, Arizona, em 24 de abril, e termina em Stateline, Ne-

vada, em 15 de julho. Veja o roteiro aqui. No site da banda californiana, hĂĄ dois shows marcados na Alemanha em 3 e 4 de agosto --os Beach Boys prometem, ao todo, 50 apresentaçþes. Hits como “Good Vibrationsâ€? e “California Girlsâ€? levaram os Beach Boys Ă  fama mundial na dĂŠcada de 1960. A banda foi formada em Los Angeles pelos irmĂŁos Brian, Carl e Dennis Wilson, o primo deles Love e o amigo de escola Jardine. Johnston e Marks juntaram-se ao grupo em versĂľes posteriores, e Dennis e Carl Wilson morreram em 1983 e 1998, respectivamente.


4

TribunaIndependente

DIVERSĂƒO&ARTE 0$&(,Ă?6Ăˆ%$'2'()(9(5(,52'(

Mais que uma cidade ...

F

undada hå 300 anos, e eleita Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco, Ouro Preto Ê, para muitos, e com toda a razão, a grande joia das cidades históricas brasileiras. Não hå, no centro antigo do município, uma única rua, ladeira ou edifício que não guarde lembranças de alguns dos mais importantes episódios da história do país. A cidade nasceu quando, sob a febre GRRXURQRÀQDOGRVpFXOR;9,,EDQdeirantes encontraram enormes reserYDVGRQREUHPHWDOQR9DOHGR7ULSXt sudeste de Minas Gerais. Os casebres e capelas que serviam à moradia e devoção dos exploradores, porÊm, logo dariam lugar a um dos principais centros urbanos e religiosos da colônia: Ouro Preto, em meados do sÊculo ;9,,,HQWmRFKDPDGDGH9LOD5LFD chegou a abrigar quase 40 mil pessoas (população que, à Êpoca, era maior que muitas cidades da Europa), todas seguramente interessadas nos dividendos extraídos das profundezas terrenas. 7DOULTXH]DPRWLYRXD*XHUUDGRV Emboabas (que, entre 1707 e 1709, opôs bandeirantes e portugueses pelo domínio das reservas auríferas da årea) e a construção do que ainda hoje Ê um dos principais conjuntos arquitetônicos do país: em Ouro Preto hå pelo menos dez igrejas que representam o iSLFHGREDUURFRPLQHLUR7RGDVHODV exibem obras de grandes gênios da arte - como Manuel Francisco Lisboa, Antônio Francisco Lisboa (Aleijadinho), Manuel da Costa Ataíde e FranFLVFR;DYLHUGH%ULWRHFRPVHXV altares dourados e fachadas decoradas com intrincados frontispícios, ainda mostram os melhores exemplos de arte religiosa jå produzidos no Brasil. Ouro Preto tambÊm foi cenårio da ,QFRQÀGrQFLD0LQHLUDHKRMHHQWUH sua dezena de museus, o visitante pode FRQKHFHUDVFDVDVGH7RPiV$QW{QLR

$IHVWHLUD2XUR 3UHWRHP 0LQDV*HUDLV mistura DUWHHKLVWyULD em suas ladeiras

Gonzaga e ClĂĄudio Manoel da Costa (famosos poetas e lĂ­deres da conjuraomR DOpPGR0XVHXGD,QFRQĂ€GrQFLD instalado na antiga Casa da Câmara mineira, e que guarda importantes testemunhos do episĂłdio - como os FRUSRVGRVLQFRQĂ€GHQWHV O passado mineiro da regiĂŁo, por sua vez, ainda se faz presente em toda a cidade. Acredita-se que existam cerca de duas mil bocas de mina abertas dentro de Ouro Preto, e algumas delas, como a Mina do Chico Rei, embora totalmente exauridas, estĂŁo abertas para os turistas. O Museu de CiĂŞncia H7pFQLFDGD(VFRODGH0LQDVSRUVXD vez, darĂĄ a introdução teĂłrica ao passeio: localizada no coração da cidade (a 3UDoD7LUDGHQWHV DLQVWLWXLomRDEULJD mais de 20 mil objetos relacionados ao fascinante mundo da mineralogia. 9DOHOHPEUDUTXHDVUXDVTXHVHparam todas essas atraçþes sĂŁo extremamente Ă­ngremes e que o visitante irĂĄ passar boa parte do dia subindo ou descendo ladeiras. Antes de ser um defeito, porĂŠm, tal caracterĂ­stica representa uma das grandes virtudes da cidade. Com seu formato ondulado, Ouro Preto ĂŠ um paraĂ­so para os DPDQWHVGDIRWRJUDĂ€DTXHVHPSUH irĂŁo encontrar ângulos inusitados na hora compor imagens com igrejas, casas e ruas com calçamento irregular de pedras. Apesar de tricentenĂĄria, Ouro Preto estĂĄ longe de ser um lugar “caretaâ€?. A cidade ĂŠ um importante centro universitĂĄrio (abriga, por exemplo, a primeira faculdade de farmĂĄcia do paĂ­s, fundada em 1839) e estĂĄ recheada bares e repĂşblicas estudantis que dĂŁo muita animação Ă  vida noturna local. Das procissĂľes religiosas ao profano carnaval, as festas populares de Ouro Preto estĂŁo entre as mais animadas do paĂ­s – o que deixa a cidade ainda mais imperdĂ­vel.

Lagash 1 2HQFDQWDGRU UHVWDXUDQWH/DJDVK ÂąHVSHFLDOL]DGR HPFRPLGDiUDEHÂą FRPHPRUDDQRV GHSRUWDVDEHUWDV2 UHVWDXUDQWHTXHÂżFD HP%UDVtOLDpOLQGR (DOpPGLVVRFODUR WHPXPDVLJXDULDV TXHID]DJHQWH SHFDU6mRUHFHLWDVTXHSULYLOHJLDP sabores, aromas e WH[WXUDVGRVLQJUHGLHQWHVWtSLFRVGR 2ULHQWH1RPHOKRU estilo comfort food 3DUDTXHPJRVWDGH SUDWRFKHLRpXP GHOHLWH

Recompensadora

B

arra de Santo Antônio possui diversas opçþes de praias para agradar a todos os gostos, desde aqueles que buscam mais tranquilidade atÊ quem procura mais agitação. E quem for por lå não pode, de maneira nenhuma, deixar de ir à Praia do Carro Quebrado. A princípio parece besteira – e caro – aceitar a ajuda do morador, porÊm, se você não gosta de se perder, aceite a oferta, pois não hå nenhuma sinalização da entrada para a praia. Não que seja impossível encontrå-la, mas talvez isso leve um pouco mais de tempo. A estrada atÊ Carro Quebrado Ê toda de terra e com muitos buracos (leia-se: perigo de atolar consideråvel se choveu hå pouco tempo – agora você entedeu por que o nome da praia). Diversas casas de taipa são vistas durante o percurso, que tambÊm inclui uma bela vegetação e centenas de coqueiros. Hå duas entradas para a praia, uma mais longe e outra mais próxima das falÊsias. à rea de preservação ambiental, Carro Quebrado Ê deserta. Não possui nenhuma infraestrutura, mas Ê possível encontrar algumas barraquinhas que vendem ågua de coco e refrigerantes, mas a melhor opção Ê o turista levar, ao menos, uma garUDIDGHiJXDFRQVLJR$GLÀFXOGDGHSDUDHQFRQWUDU a praia logo Ê compensada pelo visual deslumbrante que ela oferece. à guas azuis, muita vegetação, coqueiros, areia clara e um enorme paredão avermelhado fazem do lugar um excelente ponto para descansar e curtir a natureza.

Visto on-line Desde a última quarta-feira, tirar o visto de WXULVPRSDUDHQWUDUQD$XVWUiOLD¿FRXPDLV IiFLO2SURJUDPD³H7RXULVW´RXH SHUPLWHTXHEUDVLOHLURVHDUJHQWLQRVSRVVDP ID]HUWRGRRSURFHVVRGHVROLFLWDomRYLDLQWHUQHW3DUDID]HURSHGLGREDVWDHQWUDUQROLQN ZZZLPPLJRYDXHBYLVDHKWPSUHHQFKHU RIRUPXOiULRHSDJDUDWD[DGHGyODUHV DXVWUDOLDQRV$UHVSRVWDVDLHPGH]GLDV ~WHLV&DVRVHMDDSURYDGDRWXULVWDUHFHEHUi XPDQRWL¿FDomRSRUHPDLOTXHSRGHUiVHU LPSUHVVDHOHYDGDQDYLDJHP)iFLODVVLP

Ex-Costa Cruzeiro 2SUHVLGHQWHGD&RVWD&UX]HLURV3LHU/XLJL)RVFKL D¿UPRXTXHHPERUDQmRH[LVWDULVFRGHIDOrQFLDGD HPSUHVDpSRVVtYHOTXHRQRPHGDFRPSDQKLDVHMD H[WLQWRDSyVRQDXIUiJLRGR&RVWD&RQFRUGLDHP GHMDQHLURHPIUHQWHjLOKDGH*LJOLRQD,WiOLDTXH FDXVRXPRUWRVHGHL[RXSHVVRDVGHVDSDUHFLGDV(PHQWUHYLVWDSXEOLFDGDQRMRUQDOLWDOLDQR³/D 6WDPSD´)RVFKLGHFODURXTXHRVFOLHQWHVFDtUDP QDFRPSDUDomRFRPRDQRSDVVDGRRTXH FUHGLWDDRQDXIUiJLR3DUDHOHRMHLWRpPXGDUR QRPHHVHJXUDUDDWpDVSHVVDRVHVTXHFHUHP 2PHOKRUpUHGREUDURVFXLGDGRVFRPRVHUYLoR RIHUHFLGRV

Lagash 2

1RFDUGiSLRGR /DJVKPXLWDV SUHSDUDo}HVHVWmR desde a abertura do UHVWDXUDQWH2&RUGHLUR0DUURTXLQRpR prato mais servido KiDQRV1D UHFHLWDDFDUQHWHQUD pFXLGDGRVDPHQWH SUHSDUDGDHGHVÂżDGD FRPQR]HVHFHEROD VHUYLGDFRPDUUR] DOLWULD IHLWRFRP PDFDUUmRFDEHOLQKR GHDQMRHPDQWHLJD FDVHLUD DOpPGH EDWDWDVFRUDGDV &OiVVLFRVFRPR FKDUXWRGHIROKDGH SDUUHLUDHVÂżUUDV HTXLEHVWDPEpP VmRXPDFRQVWDQWH 3DUDKDUPRQL]DUD FDVDGLVS}HGHXP FDUWDGHYLQKRVFRP PDLVGHUyWXORV GHGLYHUVRVSDtVHV SURGXWRUHVLQFOXVLYH /tEDQR0DUURFRVH 7XQtVLD

Espuma de sakĂŞ &RLVDVTXHYrPGRFKHI Wanderson Medeiros, GDVSDQHODVGR3LFXt QmRSRGHVHUUXLPRXGDU HUUDGR'LDGHVVHVH[perimentei uma de suas FDLSLULQKDV,PSHUGtYHO $GHIUXWDVYHUPHOKDV FRPVDNrHQWmRTXHP preferir pode ter as WUDGLFLRQDLVFRPYRGND RXFDFKDoDHDLQGDD PDLVHOHJDQWHFRPHVSXPDQWHYDLÂżFDUERDGH TXDOTXHUMHLWR

Feijoada do mar 4XHPYDLDEULUGXUDQWHR&DUQDYDOpR%RWHFR3UDLDTXHÂżFDQD$PpOLD 5RVDĂ?WLPDQRWLFLDSDUDTXHPYDLÂżFDUSRU0DFHLyHGHVHMDDOLDUWUDQTXLOLGDGHHFRPLGDERD/ipROXJDULGHDOH[FHOHQWHRSRUWXQLGDGHSDUDH[SHULPHQWDUDERDIHLMRDGDGHIUXWRVGRPDUTXHVHUYHPSRUOiSDUDTXHP QmRIRLHGHVHMDOHPEUDUWHPERORGHURORHELVFRLWRVGHIUHLUDVWtSLFRVGH 5HFLIHQRFDUGiSLReVySHGLU$SURYHLWDHSHGHWDPEpPXPDIDURIDGH RYRHFDPDUmRQmRGiSDUDVHDUUHSHQGHU

Divina aberto 2FKHI$QGUp*HQHURVR'R'LYLQD*XODIH]DOJXPDVDGDSWDo}HVQRFDUGiSLRTXHVHUiRIHUHFLGRDRVFOLHQWHVGXUDQWHGRVGLDVGH&DUQDYDOÂąOHLDVHGH KRMHD4XDUWDIHLUDGH&LQ]DV3DUDRVTXHLUmRFXUWLUDOJXPDIHVWDRXRVTXHSUHIHUHPUHOD[DUGXUDQWHR&DUQDYDODRSomRGHFRPHUEHPVHPSUHpPXLWR EHPYLQGDHPTXDOTXHUVLWXDomR2'LYLQD*XODHVWDUiGHSRUWDVDEHUWDVHVSHUDQGRSRUYRFrDQWHVGXUDQWHRXGHSRLVGDIROLDRXDWpPHVPRVHPIROLD


Edição número 1374 18 de fevereiro de 2012