Page 11

TRIBUNAINDEPENDENTE

MACEIÓ - SÁBADO E DOMINGO,18 E 19 DE MARÇO DE 2017

CIDADES

11

Encontro difunde expressões da capoeira Paripueira reúne cerca de 800 capoeiristas de várias idades e regiões do País; eles mostram as formas regionais da arte LUCAS FRANÇA REPÓRTER

C

apoeiristas de todo país se reúnem para mostrar as diversas formas de expressão cultural que mistura arte marcial, esporte, cultura popular e música. Apesar de ser única, a capoeira possui três estilos que se diferenciam por seus movimentos e pelo ritmo musical de acompanhamento. O estilo mais antigo foi criado na época da escravidão e é conhecido como capoeira angola que tem como principais características o ritmo musical lento e golpes jogados mais baixos (próximo ao chão). A capoeira regional já faz uma mistura da malícia da capoeira angola com o jogo rápido de movimentos, usando o som do berimbau e os golpes são mais rápidos e secos e sem uso de acrobacias. Já a capoeira contemporânea une um pouco das duas e é o mais praticado atualmente em todo o país. E é com esse objetivo de mostrar arte brasileira com “ginga e estilos” praticado em outras regiões, além de trocar informações, que cerca de 800 capoeiristas de todas as idades estão participando de um encontro nacional na cidade de Paripueira, Litoral Norte de Alagoas. O

evento começou na última quinta-feira (16) e segue até este sábado (18). O evento conhecido como “Paripueiraça” é promovido pelo Grupo Raça de Paripueira. Oficinas de capoeira, apresentações, aulões, palestras, rodas, batizado e troca de cordéis estão dentro da programação. Um dos organizadores do encontro e professor de capoeira, mestre Ventania, explicou que o evento é importante porque faz essa “ponte” com os grupos de outros Estados e também incentiva as crianças, adolescentes e adultos a praticar o esporte. “É um momento de divulgar a arte da capoeira, para que as pessoas tenham interesse por ela. Já para o capoeirista, é a análise do desempenho anual”, explicou o Mestre Ventania Além do Mestre Ventania, participam do encontro mestres de capoeira de todo o Brasil, como o Mestre Pantera de Vitória da Conquista, Mestre Folha da Bahia, e outros. O criador do Grupo Capoeira Raça, Dr. Luis Rocha, conhecido como Mestre Medicina, de Muritiba-BA, é considerado uma referência mundial da Capoeira. Para ele, o evento é um intercâmbio de informação entre os criadores de grupos, professores e alunos.

SANDRO LIMA

Evento começou na última quinta-feira e segue até este sábado, com oficinas, aulões, apresentações, palestras, batizados e troca de cordéis

ALUNOS

Evento proporciona interação, conhecimento e aperfeiçoamento Para os alunos de capoeira, o evento traz muito mais que interação entre os grupos. De acordo com eles, o encontro proporciona mais conhecimento e aperfeiçoamento da prática. A capoeirista Alexya Caroline, de São Luiz do Maranhão, a “Capitã” como é conhecida nas rodas de capoeira da sua cidade, disse que o encontro é muito importante para os alunos. “A capoeira é única, mas existem várias formas de se praticar. O que fazemos em São Luiz, por exemplo, é bem diferente do que se faz aqui e do que se faz na Bahia. E esse contato com outros capoeiristas é fundamental justamente para essa troca de conhecimento, assim aperfeiçoamos nossa prática e melhoramos o desempenho”, comentou Capi-

tã. O capoeirista alagoano Luan Ferreira, de 15 anos, o “Ratinho” como é conhecido, no Grupo Raça de Paripueira informou que pratica o esporte há três anos e nesse mesmo tempo vem participando do evento. Para ele, o encontro é essencial para aprimorar o conhecimento e incentivar o esporte em todo o país. “Faço capoeira há três anos, já participei de campeonatos e desse encontro desde quando entrei na capoeira. E como todos falam, é uma interação entre os grupos do núcleo Raça e também troca de informação. A gente vê como eles fazem a capoeira por lá e eles como a gente faz aqui através dessas aulas e apresentações”, falou Ratinho. (L.F)

SANDRO LIMA

É um momento de divulgar a arte da capoeira, para que as pessoas tenham interesse por ela. Já para o capoeirista, é a análise do desempenho anual” MESTRE VENTANIA Professor de Capoeira e um dos organizadores do encontro

Capoeirista de São Luis do Maranhão, Alexya Caroline destaca diferenças regionais da arte no País

Edição número 2860 - 18 e 19 de março de 2017  

tribunaindependenteediçãodigitaltribunahoje

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you