Page 3

TRIBUNAINDEPENDENTE

Conjuntura

FLAVIO GOMES DE BARROS - flaviogomesdebarros55@gmail.com

São todos PCCs?

D

e Chico Alencar, deputado federal do PSOL/RJ: “O problema da promiscuidade público-privada, da política a soldo das negociatas, não deriva da ‘má índole’ de A, B ou C. É fundamental destacar: não se trata de casos isolados, em que candidatos a cargo público eletivo buscam financiamento particular – com alguns colocando o eventual mandato a serviço dos seus patronos. Isso pode ter acontecido mas é lateral, periférico. O que se revela é um processo sistêmico, nascido ali onde são gestados os políticos: seus partidos. Quem só concebe campanhas milionárias está se convidando para o esquema. Evidencia-se a podridão do regime dominante, envolvendo quase todas as agremiações e seus figurões. Os partidos criadores, diante da agonia de suas criaturas, vão, como sempre, fugir de suas responsabilidades, tentar minimizar, individualizar os procedimentos suspeitos, proteger os seus, sem um mínimo de autocrítica - o que até empresas players do esquemão espúrio, como a Odebrecht, andam fazendo. Melhor seria chamá-los, a todos os da sopa de letrinhas que as empreiteiras colocam na panela fervente, de PCCs: partidos cúmplices e corrompidos! E ainda suspeita-se de que vão tentar blindar seus ‘capos’ expostos indicando para o Conselho de Ética da Câmara parlamentares sem qualquer tradição de zelo ético...”

Ducha fria Num dia, Renan Filho festejou boa notícia: o primeiro lugar na sondagem do instituto Paraná Pesquisas, sobre disputa para o governo, no próximo ano; no outro, teve de dar explicações por constar de lista do Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, como beneficiado de doações irregulares da Odebrecht na sua campanha.

Arranhão Como os outros citados na Operação Lava Jato, Renan Filho não pode ser considerado culpado por antecipação. Mas a simples citação prejudica sua imagem, pois até então não havia suspeitas sobre sua carreira política, um dos trunfos na campanha pela reeleição - fato, inclusive, citado, na semana passada, nesta “Conjuntura”.

Senado A sondagem do Instituto Paraná é a primeira pesquisa oficial divulgada sobre cargos majoritários na eleição do próximo ano. Quanto às duas vagas que serão disputadas ao Senado, aponta, pela ordem, como preferidos do eleitor, Téo Vilela e Ronaldo Lessa. As vagas são hoje ocupadas por Benedito de Lira e Renan Calheiros.

Opção Sobre a opinião desta “Conjuntura”, de que o deputado federal Maurício Quintella precisa divulgar mais suas ações em Alagoas, como ministro dos Transportes, habitual leitor diz que ele tem feito isso, “e muito bem”, pelas redes sociais. Que tem sido, cada vez mais, ferramenta importante utilizada pela classe política.

Planejamento Rogério Teófilo estabeleceu como prioridade no início de gestão na Prefeitura de Arapiraca o pagamento do funcionalismo, incluindo as pendências deixadas por sua antecessora, Célia Rocha. “Não iria deixar de pagar salário para fazer obra”, alega. A partir de maio ele inicia a segunda etapa do que classifica “arrumação da casa”.

Agenda A Assembleia Legislativa realiza hoje sessão pública, às 9 horas, para debater situação das auto escolas em Alagoas. A audiência foi um pedido do Sindicato dos Centros de Formação de Condutores ao deputado Ronaldo Medeiros (PMDB), que propôs o debate, que visa, principalmente, regulamentar a abertura de auto escolas.

Recado As grandes manifestações, esta semana, contra a proposta de reforma da Previdência, conseguiu unir, por um propósito comum, pessoas que foram às ruas, no ano passado, em situação antagônica: os “Fora, Dilma” e os “Contra o golpe” - que não queriam Michel Temer. Uma mensagem significativa para a classe política.

Não tenho apoio do povo nem da imprensa. Se não tivesse o do Congresso não estaria aqui.” MICHEL TEMER Presidente da República, em entrevista a Policarpo Júnior, revista “Veja”

* Do jornalista Cláudio Humberto Rosa e Silva: “O governo Michel Temer pagou R$ 13,5 milhões em diárias no mês de janeiro deste ano a servidores, que também torraram outros R$ 6 milhões com cartões corporativos nos primeiros dois meses do ano”. * O Tribunal Regional do Trabalho da 19ª Região (TRT/AL) premia hoje as Varas do Trabalho vencedoras da 2ª edição do Programa Mérito de Produtividade do 1º Grau, referente a 2016. A 1ª Vara de União dos Palmares foi a primeira colocada. * A Justiça Federal em Alagoas abriu inscrições para processo seletivo de estágio em Direito, para estudantes do 5º período em diante. O prazo vai somente até hoje, das 9 às 16 horas. Contato: www.jfal.jus.br. Há vagas disponíveis também para o interior. * A semifinal estadual do Desafio Universitário Empreendedor, ciclo 2016, promovido pelo Sebrae, terá 15 estudantes da Ufal, classificados entre os 40 selecionados para a etapa que começa hoje. Os quatro primeiros receberão como premio um smartphone. * A Biblioteca Pública Estadual Graciliano Ramos promove hoje, 9 horas, debate com o tema “Mulheres que escrevem Alagoas”, celebrando, desde agora, o Bicentenário de Emancipação Política do Estado de Alagoas, que ocorre em 16 de setembro. * A banda Fresno promove hoje, em Maceió, o lançamento do álbum “A Sinfonia de Tudo que Há”, registro marcante da música afro-brasileira, com regência do músico Lucas Lima. A partir das 22 horas, no Rex Jazz Bar. Ingressos em http://even.tc/fresno. * Tem sido contestada a contratação do goleiro Bruno pelo Boa Esporte (MG) e tem direito de trabalhar. Por mais repugnante que seja a acusação pela morte da mulher, ele está pagando pelo crime, dentro da lei. Queriam pena de morte? Ou prisão perpétua?

MACEIÓ - SEXTA-FEIRA, 17 DE MARÇO DE 2017 POLÍTICA

3

Berzoini diz que Lula sempre foi perseguido Ex-ministro afirmou ainda que está em voga uma disputa programática FLÁVIO PEIXOTO

CARLOS AMARAL REPÓRTER

P

ara o ex-ministro Ricardo Berzoini (PT), Lula está sendo perseguido pela elite brasileira, “como sempre foi”. Em visita a Maceió, o dirigente petista afirmou ontem (16) que essa perseguição é, na verdade, disputa programática pelos rumos do país. “Desde que Lula foi candidato pela primeira vez, a governador de São Paulo em 1982, foi perseguido da maneira mais dura, por setores do Estado e por setores da mídia. E isso não foi diferente nas candidaturas de 1989, 1994, 1998, e nas vitoriosas de 2002 e da reeleição. Essa disputa tem um programa por trás, que hoje está materializado na reforma da previdência, na reforma trabalhista, na entrega da Petrobras, do pré-sal e dos bancos públicos”, afirma Ricardo Berzoini, que esteve ontem em Maceió para conceder uma palestra sobre a reforma da Previdência. Para o ex-ministro, essa disputa programática já ocorreu outras vezes na História brasileira, a exemplo de Getúlio Vargas e João Goulart. “A elite é contra o programa de Getúlio, foi perseguido durante por Lacerda e seus asseclas, e de João Goulart, cujo discurso na Central do Brasil de 13 março de 1964 eu recomendo a todos os jovens que leiam. Aquela pauta que ele [Goulart] apresentou ainda é atualíssima, só muda pontualmente. É a pauta da soberania nacional, dos trabalhadores e da proteção social que a elite brasileira não tolera por ser extremamente retrograda, truculentas e antidemocrática”, diz. Voltando ao que considera perseguição a Lula, Ricardo Berzoini destaca o depoimento do ex-presidente em dos inquéritos da Lava Jato, e que foi divulgado na internet. “O desabafo do presidente Lula, durante seu depoimento na ação que ele foi interrogado nessa semana, foi extremamente pertinente. Mostra um cidadão que está sendo devassado há anos e tudo que se descobre contra ele são pedalinhos, botes de alumínio. Ele [Lula] é um cidadão que não tem nada a esconder do país, enquanto aqueles que o acusam são sonegadores, corruptos. São pessoas sem decência para aparecer publicamente e colocar sua face num debate político, preferindo usar a tática de acusar adversários”, afirma. Para ele, Lula será candidato em 2018, mesmo diante da possibilidade de sua candidatura ser inviabilizada.

Ricardo Berzoini esteve em Maceió para falar sobre a polêmica proposta da reforma da Previdência

CAMPANHA 2018

“Trabalhamos com a confiança de que a justiça prevalecerá” De acordo com Ricardo Berzoini, o PT não acredita na possibilidade de Lula ser condenado em segunda instância e ter sua candidatura à Presidência da República em 2018 inviabilizada. E também não há “plano B”. “Nós trabalhamos com a confiança de que a justiça prevalecerá. Não achamos ser admissível num país como o Brasil, com uma economia vigorosa, embora desgastada por essa crise, que haja a hipótese de alijar da disputa política alguém que não tem nada provado

contra si. Não se consegue sequer, num interrogatório, fazer perguntas que tenham começo, meio e fim. Fazem perguntas ridículas, do tipo: fulano ligou para sua esposa no dia do aniversário dela?”, comenta o ex-ministro, se referindo ao depoimento de Lula nesta semana. Mesmo assim, ele diz que essa possibilidade não está descartada. “É claro que essa hipótese pode ocorrer, afinal estamos num Estado de exceção em que temos um governo ilegítimo e descarado no

Brasil. Um presidente impostor que tenta eliminar, em poucas semanas, o que os trabalhadores conquistaram em décadas”, afirma. Para ele, em caso de vitória de Lula em 2018, o PT precisa focar na reforma política. “Precisamos ter partidos mais programáticos, campanhas mais pobres e livres dos marqueteiros, onde o candidato seja a principal medida de relação com o eleitor. Pré-campanha, hoje no Brasil, é leilão de marqueteiro”, crava. (C.A.)

ANÁLISE

“Operação Lava Jato pôs política brasileira em instabilidade” Para Ricardo Berzoini, a Operação Lava Jato provocou instabilidade em toda a política do país e uma série de especulações sobre seus desdobramentos. Outra característica apontada pelo petista é a repercussão midiática sobre a investigação. “O fato de o procurador-geral da República enviar nomes para o Supremo é um procedimento normal. O que é importante? Tem o que ser investigado, será investigado. Depois se oferece ou não denúncia, e o tribunal acata ou não. Agora, esse processo

coloca a política brasileira em instabilidade, cria novas etapas de especulações sobre o futuro da Operação, sobre qual será o desdobramento e, principalmente, incertezas de como chegarão a 2018 inúmeras lideranças de inúmeros partidos”, comenta. Porém, Ricardo Berzoini afirma que, mesmo com toda a política do país estando em desgaste, o PT é o principal alvo de setores da imprensa. O petista evita prever desdobramentos da Lava Jato.

MANANCIAIS

EDUCAÇÃO

O município de Rio Largo promove no próximo dia 29 a discussão “Em Defesa das águas dos rios Mundaú e Paraíba do Meio”, com o objetivo de provocar a criação de um comitê de bacia para esses dois rios federais que se encontram em situação degradante e provocando escassez de água nos municípios que compõem o Vale do Mundaú e o Paraíba do Meio. Uma reunião na última terça-feira (14), na Câmara de Vereadores, discutiu a logística do evento que terá palestras.

Os gestores municipais têm até o dia 30 de abril para enviar informações dos investimentos em educação referente ao ano anterior para o Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação (Siope). Dos 5.570 municípios, apenas 693 transmitiram as informações, segundo o presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Paulo Ziukolski. Caso os municípios brasileiros não enviem as informações, a prefeitura pode ser inserida no Cauc.

Municípios se reúnem para defender rios

Prefeituras devem enviar informações

“O PT é alvo de uma perseguição incansável desde antes de chegar ao Governo Federal, mas eu não creio que valha a pena gastar tempo especulando sobre isso [desdobramentos da Lava Jato]. Porém, o açodamento em transformar pessoas em réus é caminho para desmoralizar a investigação. O que há é um processo político muito estranho no país, que muitas vezes trata alguns lideres políticos com demasiada condescendência e outros com demasiada dureza”, disse o ex-ministro. (C.A.)

Edição número 2859 - 17 de março de 2017  

tribunaindependenteediçãodigitaltribunahoje

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you