Issuu on Google+

10

CIDADES

TRIBUNAINDEPENDENTE

MACEIÓ - TERÇA-FEIRA, 10 DE JANEIRO DE 2017

Revitalização do Cepa atrai comunidade Obras de recuperação prometem trazer um novo complexo educacional para a população alagoana

O

maior complexo educacional da rede pública estadual ganha, aos poucos, uma nova cara. Quem passa pelo Centro Educacional de Pesquisa Aplicada (Cepa) vê que o espaço se tornou um grande canteiro graças às obras do eixo viário e da recuperação e urbanização do complexo educacional, esta última sendo executada pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc). A obra visa dar maior visibilidade ao Cepa e fortalecer os laços existentes entre o espaço e a comunidade do Farol, Pinheiro, Pitanguinha e demais bairros adjacentes. Além de contemplar as unidades escolares com a recuperação de seus espaços físicos, a revitalização vai transformar o Cepa em um grande espaço de lazer, agregando educação, esporte e cultura e trazendo muitas benfeitorias para a comunidade em geral. As obras de revitalização do espaço contemplam, den-

tre outros serviços, a construção/recuperação de quadras poliesportivas; equipamentos de academia ao ar livre; campo de futebol com arquibancadas e vestiários; pista de atletismo; quadra de areia; playground; Praça da Ciência; palco para atividades artísticas; sala de aula ao ar livre; paisagismo; espaço de convivência e de estar; mesas com jogos; urbanização educativa com tabuleiros para realização de jogos em escala humana; estacionamento; quiosques; recuperação do calçamento com a inclusão de acessibilidade; comunicação visual; instalação de uma nova rede elétrica e instalação de sistema de CFTV e Internet. IMPORTÂNCIA O vice-governador e secretário de Estado da Educação, Luciano Barbosa, destaca a importância da revitalização do complexo educacional. Ele lembra que, em todo o Brasil, existem apenas dois espaços educacionais deste porte idea-

lizados por Ib Gatto Falcão, quando secretário de Educação de Alagoas nos anos 50 e pelo educador baiano Anísio Teixeira em Salvador, Bahia. “É importante resgatar o Cepa, pois ele não pertence ao governador nem à Secretaria da Educação, mas a toda a população alagoana. As pessoas que passam lá fora muitas vezes não sabem o que é este complexo educacional e os equipamentos desportivos e culturais que ele oferece”, frisa Barbosa. COMUNIDADE A universitária Milena Felix, de 18 anos, é uma das que utilizam o espaço para suas caminhadas diárias. “Eu acho que essa revitalização trará muitas melhorias para todos que frequentam o Cepa, pois aqui é o único espaço para a prática de exercícios físicos aqui no Farol. Essas intervenções vão atrair ainda mais a comunidade para o Cepa”, disse Milena, que é estudante de Filosofia da Universidade Federal de

AGÊNCIA ALAGOAS

Universitária Milena Felix utiliza espaço para prática de caminhadas diárias

Alagoas (Ufal). O casal Valéria Sandes e Cícero Moreira, ambos de 53 anos, também faz caminhada no Cepa e elogiou a iniciativa da revitalização do complexo. “Um espaço tão importante para o maceioense não pode ser deixado de lado. Acredito que a revitalização vai ser um incentivo a mais para a comu-

nidade participar de práticas esportivas”, afirma Valéria. Fernando da Silva, 52 anos, mora próximo ao Cepa e se disse feliz com a revitalização. “Eu estudei aqui na Escola Estadual Laura Dantas, frequento o Cepa desde a minha adolescência e estou muito feliz vendo as coisas fluírem. Estou bastante an-

sioso para a inauguração”, revela. EIXO CEPA Impulsionando as ações de mobilidade urbana na região, as obras do eixo Cepa seguem em fase de implantação. À frente do projeto, a equipe técnica da Secretaria de Estado do Transporte e Desenvolvimento (Setrand) já trabalha na continuidade da passagem de nível com a execução de rampas de acesso, impermeabilização de peças pré-moldadas e concretagem do piso. Para a próxima etapa, será realizado o complemento da pavimentação da via que corta o Cepa. No total, já foram executados e finalizados 90 metros de pavimentação. Com nove quilômetros de extensão, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) até as ruas Frei Caneca e Luiz de Mascarenhas, no Farol, as obras atuam como alternativa viária à avenida Fernandes Lima.

Capoeira

Comissão de Jornalistas pela igualdade racial - Cojira - AL Editado por Helciane Angélica

Lei 10.639, cadê?

N

essa segunda-feira, 9 de janeiro, a Lei Federal 10.639 completou quatorze anos de aprovação. Surgiu com o objetivo de alterar a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira” em estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares. O conteúdo programático deveria incluir o estudo da História da África e dos Africanos, a luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional, resgatando a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica e política pertinentes à História do Brasil. E teria que ser ministrada especialmente nas áreas de Educação Artística, Literatura e História Brasileira. Porém, independente da sua importância e pressão das organizações do Movimento Social Negro em todo território nacional, as ações são executadas prioritariamente nas datas temáticas e em iniciativas isoladas de docentes. Para a professora emérita da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar), Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva – integrante da comissão que elaborou o parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE) para as diretrizes curriculares da proposta – é preciso que a Lei seja uma política das escolas, e que esta disciplina conste no plano político-pedagógico das instituições. “O que temos que fazer é a avaliação da formação dos professores e também dos princípios que cada professor leva para sua docência: que tipo de projeto de sociedade cada professor está construindo. Os professores que lutam por uma sociedade democrática e igualitária evidentemente estão empenhados em trabalhar a educação das relações étnico-raciais por meio da cultura e história dos afro-brasileiros e africanos, bem como dos povos indígenas durante todo o ano”, declarou em entrevista ao Brasil de Fato. Também é importante destacar ações louváveis que devem ser multiplicadas: concurso de redação e poesias, exposições, feira de conhecimentos, festivais, desfile afro, apresentações culturais, visitas em museus e centros afros, dentre outros. Trata-se de um instrumento importante para a formação sociocultural; combate da discriminação e o preconceito racial; reflexão sobre a intolerância religiosa; além de contribuir para o pertencimento étnico e autoestima de crianças e jovens negros(as).

Religiosidade O fim de semana na capital alagoana foi marcado por manifestações afroculturais e ações de combate a todos os tipos discriminação que atingem diretamente às religiões de matriz africana. No sábado, o Ilé Nife Omi Omo Posú Betá realizou o “Dia das Flores”, na praça Ganga Zumba, situada no bairro de Cruz das Almas. E no domingo, lideranças religiosas de várias casas de axé, grupos culturais, ativistas e admiradores participaram da tradicional lavagem do pátio da Igreja do Senhor do Bonfim e do cortejo afro, uma cerimônia realizada há 16 anos que busca a purificação, renovação de energia e a evocação de dias prósperos. As atividades também remetem-se ao dia 21 de janeiro, quando é celebrado o Dia Mundial da Religião e o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Porém, todo dia é dia de luta pela liberdade de culto; infelizmente, pessoas são insultadas, excluídas e até mortas em várias partes do mundo, devido às discordâncias dogmáticas e ideológicas. É preciso respeitar a fé e a cultura do outro, coloca-se no lugar do outro, só assim poderemos um dia viver em paz!

Moda

C

ontinua repercutindo internacionalmente o projeto fotográfico “Black Mirror” realizado em 2016. Trata-se de um protesto artístico-criativo da modelo liberiana Deddeh Howard em parceria com o fotógrafo Raffael Dickreute, para chamar atenção sobre a diversidade étnica na indústria da moda e na mídia. Apesar da última década ter ampliado a conscientização para acrescentar modelos negras nas agências e desfiles, os maiores cachês e aparições nas marcas de maior prestígio ainda são destinados aos modelos brancos. A modelo recriou ensaios de marcas consagradas, imitando posições e figurinos, colocando-se no lugar de top models como Gigi Hadid, Kendall Jenner, Linda Evangelista, Kate Moss e a brasileira Gisele Bündchen, em uma das campanhas da Vivara (foto). A iniciativa só demonstra a necessidade de ousadia dos/as profissionais negros (pretos e pardos) para provar a sua competência a todo tempo, independente da profissão, a igualdade racial, de gênero e econômica sempre serão os desafios!.

O Grupo Muzenza de Capoeira celebrará nessa semana os doze anos da Roda da Vadiagem no complexo habitacional do Benedito Bentes: o bairro mais populoso, e também, considerado o mais violento da cidade Maceió. A realização desse projeto tem contribuído para a transformação de realidades, inserido crianças e jovens na cultura afro, lazer e cidadania. Essa é uma iniciativa do contra mestre Carlinhos, que também comemora os seus 28 anos de dedicação à capoeira e realizará a roda comemorativa na sextafeira(13) às 20h, no coreto da Praça Padre Cícero no Benedito Bentes 1. A programação segue no sábado(14) das 15h às 17h, na Escola Estadual Marcos Antônio, com uma vivência ministrada por Marcelo Cardoso (Mestre Girafa), um dos mestres mais influentes de Alagoas e que já fez palestras e minicursos em vários países. E no domingo(15) às 9hs, no início da feira do Benedito Bentes II, terá uma roda especial.

Capacitação Até o dia 28 de janeiro, o Centro Universitário Maurício de Nassau – UNINASSAU oferecerá 347 minicursos de capacitação profissional. Esse é o Projeto Capacita que proporciona 20 mil vagas contemplam várias áreas: Arquitetura, Ciências Contábeis, Design, Direito, Engenharia, Enfermagem, Farmácia, Biomedicina, Fisioterapia, Odontologia, Gastronomia, Gestão de Recursos Humanos, Nutrição, Pedagogia, Radiologia, Administração, Serviço Social, Sistemas de Informação (ADS) e cursos técnicos. As oficinas acontecerão nos períodos da manhã, tarde e noite nos campi Ponta Verde e Farol em Maceió. As inscrições são gratuitas e podem realizadas no endereço eletrônico http://extensao.uninassau.edu.br/. Saiba mais: (82) 3036-2279.

Racismo

N

a última quarta-feira (4), após aparição com o seu novo corte de cabelo, o jornalista Manoel Soares (foto) que trabalha na RBS TV – emissora afiliada da Rede Globo no Rio Grande do Sul – foi vítima de racismo na internet. Na rede social facebook, um internauta o atacou escrevendo “Bombril hein”, se referindo ao cabelo afro do profissional. Em outra publicação, o jornalista mostrou o comentário racista: “O que diriam a uma pessoa que após ver uma foto de cabelo afro diz isso?”, perguntou aos seus seguidores na rede social. Além disso, na edição diária do “Jornal do Almoço”, Soares falou sobre o assunto, informando que prestou queixa ao agressor na polícia: “Quando ele fez este comentário racista, ele não só me ofendeu. Ele ofendeu a toda pessoa negra que tem orgulho de seu cabelo, tem orgulho de sua pele e de ser como é. Agora vamos esperar que a polícia tome os seus procedimentos, porque o que a gente quer é um mundo com mais generosidade e amor. A gente não quer esse tipo de situação, e não podemos aceitar. Racismo não, e ponto”, declarou.

CURTAS

· Chegamos à edição nº425 da Coluna Axé. Encaminhe suas sugestões de eventos e ações étnicorraciais para o email cojira.al@gmail.com. Acesse o nosso blog: http://cojira-al.blogspot.com.br/ · Foi lançado o “Prêmio Carnaval Bicentenário de Emancipação Política de Alagoas 2017” que investirá R$ 200 mil em premiações. Serão contempladas as propostas que tenham como objetivo o fortalecimento e a democratização do carnaval de rua, valorizando as tradições e a participação das comunidades locais. As inscrições seguem até o dia 6 de fevereiro, confira o edital no site: http://www. cultura.al.gov.br/. · O Sesc Alagoas encontra-se até o dia 12 de janeiro com inscrições abertas para a programação de férias, que terão minicursos nas áreas de Artes Cênicas e Música. As aulas acontecerão no período de 16 a 23 de janeiro, de segunda a sexta, das 14h às 17h no Teatro Jofre Soares, no Sesc Centro. Vagas limitadas! Mais informações: (82) 3201-1350 · No dia 21, das 8 às 12h, na sede do Conselho Regional de Psicologia – 15ªRegião (Rua Professor José da Silveira Camerino, 291, Farol, Maceió) terá o workshop “Desenvolva, Transforme e Aprenda a gerir sua vida: Tenha o poder de decisão em 2017” com direito a certificado de quatro horas. A inscrição custa R$30 e parte da renda será revertida para o CAVIDA. Contato: (82) 99611-8474 / potencializarvaloreshumanos@gmail.com.


Edição número 2813 - 10 de janeiro de 2017