Issuu on Google+

» OS CLASSIFICADOS DA TN CIRCULAM HOJE COM 3.254 ANÚNCIOS E 18 PÁGINAS

Ano 63 • Número 001 • Domingo, 24 de março de 2013

FUNDADOR: ALUÍZIO ALVES - 1921 - 2006

DIVULGAÇÃO

ANDRE SCHILIRÓ

BALANÇO EXISTENCIAL SEGUNDO GAL COSTA Aos 67 anos de idade, mas segundo ela mesma pensando como uma mulher de 30, Gal Costa se diz revigorada com o novo trabalho, “Recanto”

« PÁGINA 15 »

João Maurício, urbanista, alerta que é preciso repensar lógica da ocupação urbana « NATAL 5 »

HONEY BOO BOO CHEGA AO BRASIL

Xuxa fala de idade, de namoro e adoção e que será sempre a ‘rainha dos baixinhos’ « REVISTA 6 E 7 »

TV brasileira vai passar a transmitir reality show com família esquisitona que é sucesso de público e alvo de críticas nos EUA « REVISTA 8 E 9 »

Só 1,2% dos processos suspeitos foi auditado

« CONTAS » Promotor quer investigação sobre gastos do Legislativo

« PRECATÓRIOS » Entre os mais de sete mil processos que tramitavam no setor de precatórios do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, na época da descoberta do esquema fraudulento operado pela ex-servidora Carla Ubarana, apenas 93 ( 1,2% do total) foram submetidos à inspeção interna do TJRN e à auditoria do Tribunal de Contas. A TRIBUNA DO NORTE teve acesso, com exclusividade, aos relatórios. A juíza Tatiana Socoloski afirma que a reestruturação do setor só agora está sendo realizada. Fontes do Judiciário opinam que a investigação foi “incompleta e os valores das fraudes subestimado”. « NATAL 1 A 3 »

esportes Quatro equipes lutam por apenas duas vagas

Apogeu e declínio do ouro branco JUNIOR SANTOS

Corintians, ASSU, América e ABC decidem, hoje, os dois finalistas do 1º turno do estadual. « ESPORTES 1 E 2 »

« POLÍTICA » Sejuc é campeã em mudanças de secretários no Governo A articulação da base política do Governo Rosalba na Assembleia Legislativa resultou em novas mudanças no secretariado. São 23 vagas, pelas quais já passaram 43 titulares. A Sejuc é a campeã de mudanças: foram cinco secretários em dois anos. « PÁGINAS 3 E 4 »

Fortaleza é o destino mais barato na Copa Jogos na Copa das Confederações custam em média R$ 1.114,92 para os potiguares. « ESPORTES 4 »

« COMÉRCIO » Consumidor pode recorrer ao cadastro de bom pagador

colunistas Woden Madruga A reorganização da biblioteca, trabalhosa, tem proporcionando reencontros literários. « PÁGINA 2 »

Cláudio Humberto Viagens de Mercadante com Dilma tem provocado falatórios nos círculos do poder. « PÁGINA 6 »

Eliana Lima Resolução do BC isenta clientes pessoas físicas de tarifas bancárias em serviços essenciais.« NATAL 10 »

O promotor Afonso de Ligório abriu inquérito civil para investigar “possíveis irregularidades” nos gastos da Assembleia Legislativa com “despesas alimentares”. Este ano, segundo o portal da AL, já foram pagos R$ 3,2 milhões com auxílio alimentação. « PÁGINA 7 »

O cultivo e a indústria de beneficiamento do algodão sustentaram, durante o século XX, riquezas pessoais e a arrecadação fiscal no Rio Grande do Norte. Atingida pela praga do bicudo, nos anos 1980, a cultura não conseguiu se recuperar. Extensas áreas de plantação estão, hoje, improdutivas. « ECONOMIA 6 E 7 »

A lei do “Cadastro Positivo” que garante a idoneidade do consumidor, aprovada em 2012, só começou a ser aplicada este ano. Parte do comércio já usa o serviço. Os bancos entram no sistema a partir de agosto. A adesão dos consumidores é voluntária. « NATAL 7 E 8 »

MAGNUS NASCIMENTO

e mais

brasil

tn família

A revolta esquecida completa 50 anos

Alimentos calóricos, mas sem nutrientes

Estudo baseia projetos para trânsito em Natal

Sargentos e praças da Aeronáutica e da Marinha se rebeleram, em 1963, tomando o Congresso, em Brasília, por algumas horas. « PÁGINA 11 »

Educação alimentar, nas escolas, é uma das medidas possíveis para crianças e adultos evitarem o risco das chamadas “calorias vazias”. « PÁGINAS 1 E 3 »

Governo garante acesso dos clubes à Arena

88

TOTAL DE PÁGINAS DESTA EDIÇÃO: páginas

FALE CONOSCO: PABX: Redação:

Assinaturas: 4006-6100 Venda avulsa: 4006-6113 Comercial:

4006-6111 Classificados: 4006-6103 Circulação: 4006-6173 Reclamações:

4006-6161 4006-6103 4006-6111

REDAÇÃO (pauta): pauta@tribunadonorte.com.br HOME PAGE: www.tribunadonorte.com.br

NO FACEBOOK

facebook.com/tribunarn

« NATAL 6 »

« ESPORTES 3 »

NO TWITTER

@tribunadonorte

PREÇO DESTA EDIÇÃO:

R$ 2,50


2

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

Jornal de WM WODEN MADRUGA [ woden@terra.com.br ]

opinião

Passando os assuntos em revista AGNELO ALVES Jornalista - Espaço Livre

Havemos Sono Quando o afro italiano Mario Balotelli, mais ou menos na meia-lua da área brasileira, vendo Júlio César adiantado encobriu-o com uma jogada de craque empatando o jogo em dois a dois, no mesmo instante caiu na minha bacia das almas um bilhete de Alex Nascimento. O futebol já foi o esporte preferido do poeta (chegou mesmo a jogar futebol de salão no velho e abandonado Ginásio Silvio Pedrosa, num tempo em que o bairro de Petrópolis não tinha apelido e a rua Seridó não inundava nas temporadas de chuvas). Faz muito tempo. Hoje o seu esporte do coração e do fígado é a Fórmula Um, principalmente quando as corridas são disputadas durante as madrugadas nas pistas do Oriente e os zumbidos das máquinas ficam mais sensuais. enfeitiçar com a luta de classes. Vez por vez ainda me sobra uma suburbana que, por um pequeno punhado de dólares, mata em mim a saudade daquela cachorra que amei às turras, lágrimas e sexices onomatopaicos. Ticiano me disse a viu nos braços de Cassius Clay, Muhamed Ali me disse que a viu nos braços de Ticiano. Em quem acreditar? Prefiro esquecer o futuro, aproveitar o passado e embrulhar o presente. Um ser humano só se mede feliz (ou desgraçado) quando consegue ser anônimo até pro espelho. Ligo a tv e escuto um gênio gritando que Deus fez o homem à Sua imagemesemelhança. Mudodecanal e, pelas notícias, começo a pensar que tipo de gente foi Deus. Antes de seguir pra Kabul, dei uma parada no Jalapão, rever Florentino, lembrar de alguns selinhos ingênuos que trocamos no Marista anos atrás, como todos os ânus costumam ser. Nada agora sentimos que arrepiasse a pele da nossa história e nos limitamos a Dimple e falar mal da vida alheia (duvido existir tira-gosto melhor). Ele me disse que querem ressacanear a velha ponte de Igapó. Perfeito, Madruga, a ponte passando a servir pra pedofilia, fobia, atria, crakia, e inda tem aquele buracão sobre os dejetos-potengi onde podem ser jogados os milionários excêntricos que insistem em dormir pelos recantos assépticos do Walfredo. Claro, tem também os detentos. Invejo a vocação turística, humanitária e filosófica de Natal tão gentil que tripartiste. Anuncio a você, com gáudio magno, que vou dormir. Havemos sono. Beijos de fratellanza, Alex”

O bilhete de Alex encaminha um texto que ele escreveu motivado pela eleição papal de Francisco e enfileira algumas considerações filosóficas em torno do cenário cinemascope em que vive a sociedade humana, além de registar suas recentes viagens ao Jalapão e ao Kabul que lhe causaram recordações do tempo distante do Colégio Marista, mas nada a ver com Proust. O bilhete só tem uma linha e meia e pt saudações. O texto é bem mais longo, acho que umas 40 linhas. Você confere, agora: “Madruguinha: Família semimiserável, não tínhamos BMW nem apartamento em Miami, e refeições harmonizadas com vinho, nem pensar. Todas as noites eu ficava puto quando perguntava “Mamãe, o que vamos jantar?” e ela repetia “Temos papa”. Aquilo me impregnou de modo tão sinistro que somente com 10 anos de análise, além de alguns cargos públicos, é que passei a me sentir um psicopata simpático, sociável. Se não pude dar aos meus filhos caráter, nunca faltaram Cashemire Bouquet e espartilhos, para os meninos, nem Winchester e Red Bull com ácido lisérgico, para as meninas. Era minha cara que corria o risco quando eu explodia caixas eletrônicos. Como pai exemplar, depois de jogar no mato as notas chamuscadas, corria para o Paraguai em busca do pão de cada dia que o diabo amassou. O resto do filme é o mesmo de tudo que se conversa em qualquer sala de espera desses dentistas que clareiam os dentes e as almas. Hoje, vivo folgado – mas nunca pensei em perineoplastia -, e gosto de passar nos shoppings pra me

O

mundo parece, mesmo, fora de controle. Se o Chipre fosse uma empresa privada teria a sua falência decretada. Barack Obama no território da autoridade Palestina? Antes foi a Israel. Dá para imaginar essa reviravolta? Israel e a autoridade nacional da Palestina chegaram, certamente, à exaustão de irem aos Estados Unidos, mais precisamente à Casa Branca. E aquele “tamainho” de gente da Coréia do Norte montando um poderoso foguete com bomba atômica na ogiva, ameaçando o mundo, a partir dos Estados Unidos, mais distante, e o Japão mais próximo. Pode? Pode dar bode. É só esperar. O papa Francisco continua quebrando todos os protocolos que, no Vaticano, são quase dogmáticos. Vale lembrar que João Paulo II

Brum

“Um dos traços mais curiosos de Machado de Assis é a sua tendência explicativa, que é característica do epileptoide (Bleuler). Machado fazia questão de explicar tudo, de esclarecer até os mínimos detalhes dos fatos e das coisas. Tornava-se, não raro, prolixo e enfadonho, de tanto repetir e explicar um caso, um episódio, uma ideia. Vejamos, por exemplo, “curto esboço genealógico dos Cubas”: E lá se vai Machado dando suas “explicações” em Memórias Póstumas de Brás Cubas”, trecho recolhido por Peregrino Júnior. Para o pessoal mais jovem, um lembrete: Peregrino Júnior é natalense (12.03.1898 – 25.10.1983), médico, jornalista e escritor. Foi o segundo potiguar a ser eleito para a Academia Brasileira de Letras (o primeiro foi o historiador Rodolfo Garcia), chegando a presidi-la). Irmão do jurista Miguel Seabra Fagundes e do escritor Umberto Peregrino.

Opinião pública Abro outro livro: “Lições de um ignorante”, de Millôr Fernandes, editado pela José Álvaro em 1963. Delícia de leitura. Vou no capítulo “A máquina da Justiça e suas peças principais” e destaco a definição que Millôr, sempre genial, de “Opinião Pública”: “A opinião pública é uma opinião particular que saiu à rua. Ela se deixa influenciar por todas as forças publicitárias da vida moderna e ao mesmo tempo influencia essas forças. Quando todo mundo está certo de que a opinião pública condena o réu ela o absolve. E vice-versa.”

Empresa Jornalística Tribuna do Norte Av. Tavares de Lira, 101 - Ribeira - Natal/RN CEP: 59010-200 Fone: (PABX) 4006-6100 Fax: (0xx84) 4006-6124 Endereço eletrônico: www.tribunadonorte.com.br

Diretor Presidente: Henrique Eduardo Alves Superintendente: José Roberto Cavalcanti Diretor Adm. e Operações: Ricardo Luiz de V. Alves Diretor Financeiro: Agnelo Alves Filho Diretor de Redação: Carlos Peixoto cpeditor@tribunadonorte.com.br Gerente Comercial: Eliane Rocha Gerente de Marketing: Andréia Barandas Gerente de Circulação: Thales Vilar

tários. Fez a substituição dos três que, injustamente, saíram como culpados. Daí, para não machucar os demitidos, anunciou que fez uma “reforma política e administrativa”, atendendo ao seu conselho político. Lamento pe-

los substitutos e pelos substituídos. A ladeira governamental é íngreme e longa. Tem prazo constitucional. Já foi transcorrido de cabeça para baixo, mais da metade. Falta muito pouco para chegar a vez do povo decidir. O nosso amigo Vulgo da Silva está com seu repertório de anedotas estourado por todos os blogues e afins. Ah, outro dia dessa semana aproveitei uma tarde para conversar com a Dindinha, a Luluca e a Dorinha. Papo pra lá de bom. Assuntos gerais. Pitadas de bom humor. Conversas dessas para se guardar e, vez por outra, lembrar e rir sozinho. Saiu cada uma, tudo muito verdadeiro e engraçado de verdade. Uma fala pouco. A outra somente ri e a terceira fala. Valeu. No mais? “No mais, entrou por uma perna de pato, saiu por uma perna de pinto, manda o rei que quem souber, conte quatro”.

Cartas Trânsito

Inércia governamental Promotor de Justiça

Na arrumação e desarrumação dos livros descidos das prateleiras carcomidas encontro entre as páginas de um exemplar de Peregrino Júnior, Doença e Constituição de Machado de Assis, 2ª. edição de 1976 da José Olympio ( a primeira é de 1938, Rio de Janeiro), devidamente autografado pelo autor, um convite para uma exposição de Lepoldo Nelson. Está escrito assim: “O presidente da Fundação José Augusto, Bacharel Valério Mesquita e o Vice-Consul da Espanha em Natal, Nemésio Morquecho Marina, sentem-se honrados em convidar V. Exa. e Exma. família para a abertura da Exposição do Pintor Leopoldo Nelson – Óleos – a realizar-se na Galeria de Arte da Biblioteca Pública ‘Câmara Cascudo’, às 20,30 horas do dia 14 de novembro de 1980.” Aproveito a virada da página para ler um pouco do que Peregrino Júnior escreve sobre Machado de Assis, no capítulo VII, “Tendência Explicativa”:

A reforma administrativa do Estado resume-se à troca de três secretários. Os que saíram não assumiram as “culpas” e os que tomaram posse vão constatar que serão os “culpados”, quando deixarem os cargos que assumiram solenemente”

[ www.rabiscosdobrum.zip.net ]

AUGUSTO CARLOS ROCHA DE LIMA

Exposição de Leopoldo

quase paga com a própria vida. E vem aí o novo secretariado papal que norteará as esperadas mudanças transformadoras. Um novo concílio? No plano nacional verde e amarelo nosso de todos os dias, não está diferente do mundo, não. A chuva mata no sul do país e a falta de chuva mata no Nordeste. A campanha para a sucessão presidencial está inegavelmente antecipada, embora ainda não apareça na lousa política eleitoral nenhum nome, exceção da presidente Dilma, com a aprovação do seu governo. O nome em crescente aumento no índice de favoritismo. A oposição tem um naipe bom. Mas... A luta é grande, como diz o nosso comum amigo Arnaldão. No território potiguar, a aposta “seca ou mau inverno” continua predominante. O governo do Estado concentrou todos os desacertos em três secre-

O

Brasil tem em sua história política uma série de experiências que se notabilizaram por executar uma fórmula eficaz para arrebatar covardemente o coração da população: a criação, pela inércia administrativa, de quadros calamitosos nos serviços públicos (e de necessidades urgentes), somada à conseguinte divulgação e execução de obras e serviços públicos salvadores, que elevam a figura divulgadora ao patamar de herói (ou heroína). As mesmas obras e serviços são marcadas por uma característica: já deveriam ter reparado a omissão estatal há anos, sem prejuízos à coletividade – se tivessem sido devidamente planejadas e executadas em seu tempo. Ultimamente, tem ganhado a imprensa e as redes sociais um ainda tímido clamor social por mudanças no tratamento politico e jurídico da inércia dos governos – e de seus mandatários. Exemplos claros disso são os projetos de lei 4523/2012 e 3453/2004, que tramitam na Câmara dos Deputados e têm por objeto a criminalização do descumprimento de promessas de campanha de gestores ou a formulação de promessas manifestamente inviáveis (intitulados “estelionatos eleitorais”). Nada obstante sejam elogioClassificados: Redação Fax Venda Avulsa Assinatura Natal Reclamações Natal ASSINATURA Mensal (à vista) Semestral (à vista) Anual (à vista)

4006-6161 4006-6113 4006-6124 4006-6100 4006-6111 4006-6111 R$ 43,00 R$ 258,00 R$ 516,00

sas as iniciativas parlamentares, o panorama jurídico atual não necessita de mudanças tão radicais, a fim de que se responsabilize os administradores da coisa pública pela inércia. Com efeito, a já vintenária Lei de Improbidade Administrativa (Lei 8.429, de 02 de junho de 1992) dispõe em seu artigo 11, II, que “constitui ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública qualquer ação ou omissão que viole os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade, e lealdade às instituições, e notadamente: […] II - retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício;”. Deveras, caso o agente público – inclusive o gestor máximo do Poder ou órgão – tenha o dever de tomar determinada providência, tendo conhecimento dessa peculiar situação, mas permaneça inerte, deverá ser responsabilizado por improbidade administrativa. É evidente que há situações em que a discricionariedade administrativa libera o agente público para tomar uma dentre várias decisões. Há também casos em que não há como se prever qual medida tomar, diante da complexidade da situação fática apresentada ao administrador. Contudo, em nenhum desses momentos é lícito ao administrador quedar-se inerte. Administrar é, por essência, agir em nome de outrem, e somen-

PREÇO DO EXEMPLAR Rio Grande do Norte 3ª a Sábado Domingo Outro Estado 3ª a Sábado Domingo

te tendo em mira benefícios para quem é titular da coisa administrada. Não existe sentido lógico algum em se admitir que o administrador público, em prejuízo dos titulares do bem administrado (coisa pública), omita-se dolosamente, mantendo-se absolutamente estático, quando o quadro social – notadamente nas áreas de atuação primaz do Estado, Educação, Saúde e Segurança Pública – reclame a tomada de providências. A inércia absoluta, quando consciente (dolosa) e devidamente documentada – por exemplo, através de recomendações do Ministério Público, entrevistas jornalísticas ou programas de campanha eleitoral –, pode ainda redundar na prática de infração penal capitulada no conservador Código Penal de 1941. É óbvio que a responsabilização penal ou administrativa de agentes públicos – como a de qualquer indivíduo – depende, em um Estado Democrático, de procedimentos regulares de apuração e de ações judiciais, todos sujeitos ao contraditório e à ampla defesa, onde a sua consciência do ilícito e o seu dever de agir de ofício devem ser comprovados. O clientelismo eleitoral é prática que vive em regime de mutualismo com a inércia governamental. Ceifando-se uma delas, ambas as neoplasias correrão sério risco de extinção.

É curioso como muitos problemas de trânsito podiam ser resolvidos com iniciativa simples do poder público, mas também com ajudar dos usuários. O desrespeito às regras e às leis é uma tragédia diária. Atrapalha o fluxo e provoca sérios acidentes. Há muitas situações nas quais isto pode ser observado. São retornos feitos em locais indevidos, desrespeito ao semáforos, às faixas de pedestres. A primeira, e menos grave, embora não seja desprezível, consequência disto atrapalhar quem faz corretamente os procedimentos nas vias públicas. Não é justo que os motoristas que cometem seguidas infrações atrapalhem os que respeitas as regras. Por isso, a punição deveria ser exemplar. Além disso, é preciso lembrar também que essas infrações podem implicar em acidentes mais sérios, com prejuízos materiais, danos físicos e até mortes. Não é pouca coisa, claro. Trata-se de motivo suficiente para que se tenha mais cuidado. Por outro lado, os profissionais responsáveis pela fiscalização dos trânsito, no caso dos vinculados ao município, conhecidos como “Amarelhinhos”, devem estar atentos, preparados e orientados para acompanhar o cumprimento das normas definidas pelos códigos estabelecidos em leis federais ou municipais. João Pereira Freitas da Silva jpfs_nn@gmail.com

Assalto A culpa [pelo assalto] é da polícia e do Banco. Ali todo dia acontece isso e ninguém toma providência. renanoliveiraa@gmail.com

Redações Não há necessidade de mudar regra nenhuma [para correção das redações do Enem]. Como diz o Arnaldo: “A regra é clara. Tanto o hino quanto a receita [que apareceram em redações com notas altas] fugiram do tema e, portanto, a nota das duas redações deveria ser ZERO! O que aconteceu foi que as redações não foram lidas. Simples assim. elciotavares67@gmail.com

FILIADO AO

R$ 1,50 R$ 2,50

FILIADO AO INSTITUTO VERIFICADOR DE CIRCULAÇÃO

R$ 2,00 R$ 3,20

REPRESENTANTE NACIONAL – Pereira de Souza & Cia Ltda: Rio de Janeiro : (O21)2544-3070 – São Paulo: (011) 3259-6111

FILIADO À ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS

REDE CABUGI DE COMUNICAÇÃO TRIBUNA DO NORTE 4006-6100 Rádio Globo/Cabugi (AM) Natal 4006-6180 104 (FM) Parnamirim 3272-3737 Rádio Difusora de Mossoró (AM) 3316-3181/2181/3317-6167 Rádio Cabugi do Seridó (AM) J. do Seridó 3472-2759 Rádio Baixa Verde (AM)J. Câmara 3262-2498 Pereira de Souza(SP) 11/3259-6111 Pereira de Souza(RJ) 21/2544-3070


Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

política

3

Rosalba procura consolidar alianças com minirreforma

Notas & Comentários [ colunanotas@tribunadonorte.com.br ]

Votação dos vetos

« CARGOS » No secretariado, prevalece a indicação por escolha

Os vereadores que integram a Comissão de Justiça e Redação Final começam a apreciar, nesta segunda-feira, os vetos do prefeito Carlos Eduardo ao projeto de Orçamento do Município. Os relatores serão escolhidos e a partir daí os vetos serão analisados. Depois da apreciação pela Comissão de Justiça e Cidadania, haverá a votação em plenário.

direta da governadora, mas houve ampliação de espaços para aliados EDU BARBOSA

ALDEMAR FREIRE Editor

GABRIELA FREIRE repórter

A

Não tenho mais ambições imediatas de disputa de cargos” Garibaldi Filho, ministro da Previdência e senador licenciado com mandato até fevereiro de 2019.

Esperança Os funcionários do Hospital da Mulher Parteira Maria Correia, em Mossoró, passaram a usar fitas verdes nas roupas. A intenção é sinalizar que a equipe tem esperança de uma solução para os problemas da unidade.

Limite para renúncia A Comissão de Justiça e Redação Final vai apreciar um projeto de resolução que fixa o volume de recursos que o município poderá destinar, por intermédio de renúncia fiscal, para investimentos em

Cultura. A proposta é que esse limite fique em 2% da arrecadação da Prefeitura com IPTU e ISS. As projeções do orçamento indicam que esse valor será próximo de R$ 5 milhões. MAGNUS NASCIMENTO

Pluralidade ao lado do ministro A visita do ministro de Saúde, Alexandre Padilha (PT) reuniu políticos de diferentes partidos, orientações ideológicas e relacionamentos com a base aliada do Governo Dilma Rousseff. Estavam ao lado de Padilha, na sexta-feira, a governadora Rosalba Ciarlini (DEM), o ministro Garibaldi Filho (PMDB), o deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB), o senador José Agripino (DEM) e a deputada Fátima Bezerra (PT).

Leis consolidadas (1)

Lei (2)

A Câmara dos Deputados e o Senado criaram uma comissão mista para consolidar a legislação federal e regulamentar os mais de 100 artigos da Constituição que até hoje não são aplicados por falta de regulamentação. O deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) foi eleito presidente da comissão e designou o senador Romero Jucá (PMDB-RR), para a relatoria. A decisão de criar a comissão foi dos presidentes da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Ao comentar sobre a instalação da Comissão, Cândido Vaccarezza explicou que hoje no Brasil existem 183 mil diplomas legais. “Milhares de leis no Brasil são obsoletas. Outras são colidentes entre si. Há também aqueles que são colidentes com a Constituição. Nós vamos fazer um processo e propor ao Plenário da Câmara e ao Plenário do Senado uma simplificação das leis brasileiras”, explicou. O deputado afirmou que ninguém hoje no País conhece todas as leis em vigor, nem mesmo os juristas.

Sucessão no PSDB A convenção municipal do PSDB será neste domingo. Aroldo Alves deve ser reconduzido à presidência e Dickson Nasser Júnior à Secretaria Geral. Paternidade Os promotores de Justiça de Família da Comarca de Natal vão se reunir no próximo dia 01 de abril, para tratar da implantação do projeto Pai Legal. Foram convocados também representantes de treze Centros de Educação Infantil da zona Sul.

Voos cancelados Do secretário de Turismo, ao comentar a suspensão de voo comerciais regulares para Natal: “Ninguém está mais preocupado com essa suspensão de voos do que o Governo do Estado. A Setur não recebeu con-

firmação oficial dessas suspensões. Mas sabemos se tratar de uma decisão empresarial, uma estratégia para aumentar o valor das passagens, e que a sazonalidade é característica do segmento turístico”.

Reações As declarações do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, de que tem afinidades com José Serra provocaram reações de petistas. “Serra esteve junto com o Democratas, com a direita conservadora, com toda a centro-direita do País, portanto, uma constatação como essa [de Eduardo Campos] é quase uma revisão da história recente do país que não pode ser aceita”, criticou o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro.

o nomear e dar posse a três novos secretários — Luiz Roberto Fonseca (Saúde), Júnior Teixeira (Saúde) e Leonardo Rego (Recursos Hídricos) — a governadora Rosalba Ciarlini (DEM) fez um movimento para apaziguar aliados, consolidar apoios para votações na Assembleia Legislativa e fortalecer as negociações com o Governo Federal que possam atrair investimentos em obras de infraestrutura. Enquanto Leonardo Rego, ex-prefeito de Pau dos Ferros, foi uma indicação do DEM; Júnior Teixeira partiu de uma sugestão do PMDB. O médico Luiz Roberto teve o nome escolhido — depois acatado pela governadora — em conversas entre os aliados para definir a recomposição do primeiro escalão. Mesmo com essas nomeações, prevalece na equipe as indicações por uma escolha direta da governadora e o chefe do Gabinete, Carlos Augusto Rosado. O núcleo central do Governo é constituído por esses auxiliares, entre os quais estão Obery Rodrigues (Planejamento e Finaças), Anselmo Carvalho (Controladoria) e Kátia Pinto (Infraestrutura). Os espaços também estão preenchidos, na maioria dos cargo de primeiro escalão, por auxiliares da cota pessoal. Mas, depois da posse dos três novos indicados, na última quinta-feira, os parlamentares que formam a base do governo procuram demonstrar unidade nas declarações de apoio a Rosalba. Eles defendem a coalizão como forma de melhorar e garan-

Governadora Rosalba Ciarlini empossa os novos secretários e tenta pacificar a base aliada

Acordos

ì

tir a governabilidade. A justificativa é que a realização de alianças entre partidos políticos é um modo democrático de se compartilhar a gestão entre as forças que ajudaram a eleger o governo.

Esse tipo de acordo é comum na política brasileira. O cientista político e professor da UFRN Alan Lacerda lembra que a coalizão é muito forte no Brasil e os cargos no Poder Executivo são ambicionados e necessários para a carreira política de muitos agentes. “A estrutura do Legislativo não é suficiente para repercutir as carreiras dos políticos e eles sempre buscam passagens pelo Executivo”, analisa. Lacerda avalia que o processo produz resultados positivos. “Amplia a capacidade do Executivo de aprovar projetos. Isso ajuda a cumprir o projeto de governo”. O formato, visto com bons olhos por todos os políticos, pode ser prejudicado quando as legen-

ALEX REGIS

EMANUEL AMARAL

O QUE A coalizão refere-se a acordos entre partidos (normalmente em torno da ocupação de cargos no governo) e alianças entre forças políticas para alcançar determinados objetivos

das envolvidas não possuem um nome para indicar aos cargos e o fazem apenas para ‘ocupar espaço’. “Ás vezes esse uso não tem muita relação com os critérios de cada pasta, cada órgão. São pessoas que estão ali meramente pela conexão política. Quando faz isso de forma exagerada pode ser ruim’”, avalia o cientista político. Alan Lacerda considera que a nomeação dos novos secretários representa mais uma pequena reforma na composição do 1º escalão da administração Rosalba, o que, avalia, ajuda a manter as alianças. “Não foi tao grande assim (a reforma). É uma reforma pontual, atende o PMDB, reforça o poder do senador José Agripino e é uma maneira de resolver um problema que é sobretudo político”, observa.

Secretaria de Justiça teve mais modificações

Aliados pedem mais ‘dinamismo’ no governo

Quarenta e três nomes já ocuparam ou ainda ocupam os cargos da administração direta da governadora Rosalba Ciarlini. O número é a soma dos que estão e já passaram pelo secretariado. As mudanças foram provocadas por motivos que vão desde crises em determinados setores da administração pública até rompimentos políticos, passando por processos de acomodações partidárias. A Secretaria da Justiça e da Cidadania é a que mais sofreu alterações desde o mês de janeiro de 2011. O atual titular da pasta, Júlio César de Queiroz Costa, é o quinto a assumir a gestão de uma das áreas que mais provoca críticas ao Governo. Seus antecessores foram Thiago Cortez, Fábio Hollanda, Aldair da Rocha e Kércio Pinto. As indicações de cota pessoal da governadora predominaram. A segunda secretaria que mais passou por mudanças foi a de Saúde Pública, cujo quarto titular foi nomeado no final da semana passada. O médico e ex-coordenador do Samu, Luis Roberto Fonseca, assume a pasta que é alvo diário de críticas vindas dos profissionais e da população. O primeiro secretário e também médico Domício Arruda, uma indicação técnica, foi exonerado após escândalo na área. A adjunta Kátia Mulatinho assumiu interinamente até nomeação do médico Isaú Gerino, que ficou menos de um ano na função.

Para o cientista político Alan Lacerda as mudanças não repetem o mesmo fenômeno de alta rotatividade apresentado na administração da ex-prefeita de Natal Micarla de Sousa (PV). “Do ponto de vista político essa mudança até tardou”, analisa. Para ele a atual reforma atende anseios das legendas que compõem a base aliada e pode melhorar a conexão entre o Executivo e essa base. “Essa reforma ainda não é suficiente para resolver o problema político do governo que tem dificuldade de se comunicar. Minha impressão é que essas três nomeações resolvem parcialmente o problema político do governo”, destaca. O senador Garibaldi Alves Filho (PMDB) espera que as mudanças possam trazer um novo dinamismo ao governo. “Não foram indicações partidárias, foram indicações de um colégio de lideranças que resolveu indicar nomes, mas sem a preocupação de carimbar as figuras”, disse. O ministro da Previdência Social acredita que as mudanças podem resolver o problema de comunicação. “Abrir mais o diálogo com a base e com a própria sociedade. Vamos ver se essa mexida vai melhorar nesse aspecto”, pondera. Para o senador líder dos Democratas, José Agripino, os novos nomes chegam ao governo desafiados para cumprir suas funções.

Obery Rodrigues: Finanças

Kátia Pinto: Infraestrutura

Governadora mantém dez secretarias estáveis Entre as sucessivas mudanças promovidas no primeiro escalão da governadora democrata Rosalba Ciarlini, nesses primeiros 27 meses de governo, dez secretarias conseguiram se manter estáveis, com um único nome na titularidade desde o início da administração estadual. As secretarias de Cultura, de Assuntos Relativos à Copa do Mundo de 2014, Segurança, Tributação, Planejamento, Habitação, Educação, Infraestrutura, Procuradoria-geral e Esporte e Lazer, continuam com a mesma titularidade. A característica principal entre os nomes dos responsáveis por cada um dessas pasta, é que a maioria possui um perfil técnico. Alguns contemplam os espaços destinados aos partidos da base governista, outros são pessoas de confiança da governadora ou de seus aliados. Essa carac-

terística é muito forte em todo o secretariado de Rosalba. Um total de 15 cargos fazem parte da cota de indicação pessoal da governadora. Alguns deles agregam o caráter técnico. Segurança e Educação, geridas, respectivamente, pela professora da Universidade Federal do RN e ex-presidente da Comperve, Betânia Ramalho, e o exsuperintendente da Polícia Federal do Ceará Aldair da Rocha, mantem a estabilidade mesmo diante dos problemas apontados constantemente. O critério confiança mostra influência nos secretários estáveis. A secretária de Infraestrutura, Kátia Pinto, e o de Planejamento, Obery Rodrigues, são nomes praticamente intocáveis, pois são reconhecidamente de extrema confiança dela e do marido da governadora, Carlos Augusto Rosado.

+

PAGINAS 4 E 5 As conexões políticas da equipe de Rosalba


4

política

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

As conexões políticas na equipe do Governo Rosalba

Procuradoria Geral MIGUEL JOSINO NETO Procurador do Estado de carreira. Uma escolha da governadora, com perfil técnico.

Dos 23 auxiliares do primeiro escalão, 15 foram escolha direta da governadora e os demais são indicações de aliados. Com as recentes mudanças na Saúde, Agricultura e Recursos Hídricos, Rosalba ampliou a presença de nomes do PMDB e DEM

Justiça e Cidadania

Recursos Hídricos

Agricultura, e Pecuária

JÚLIO CÉSAR DE QUEIROZ COSTA: Indicação técnica da própria cota pessoal da governadora, pelo cargo passaram Thiago Cortez , Fábio Hollanda e Aldair da Rocha (interino).

LEONARDO REGO: Ex-prefeito de Pau dos Ferros e filho do deputado Getúlio Rego. Uma indicação do DEM. O vice-governador Robinson Faria esteve no cargo até romper com Rosalba. Gilberto Jales também foi secretário na pasta.

JÚNIOR TEIXEIRA: Exsuperintendente do Ministério da Agricutura no RN e presidente da Anorc. Uma indicação do PMDB. Pelo cargo passaram o deputado Betinho Rosado (DEM) e José Simplício (interino).

Saúde Pública LUÍS ROBERTO FONSECA: Médico, deixou a coordenação do Samu para assumir o comando da Secretaria, em substuição a Isaú Gerino. Técnico, mas o nome foi indicado pelos aliados do governo. Pelo cargo também passaram Domício Arruda e Kátia Mulatinho.

Comunicação Social

Desenvolvimento Econômico

EDILSON BRAGA: Jornalista, tem perfil técnico. O cargo, no Governo Rosalba, já foi ocupado pelos também jornalistas Alexandre Mulatinho e Paulo Araújo. O atual é uma escolha direta da governadora.

ROGÉRIO MARINHO: Ex-deputado, é o presidente estadual do PSDB e está no cargo na cota do partido, que é aliado da governadora. O cargo foi ocupado no atual governo por Benito Gama, do PTB da Bahia.

Administração e Recursos Humanos ALBER DA NÓBREGA: Foi auxiliar da governadora na Prefeitura de Mossoró. No governo, está na cota pessoal dela.

Assuntos Fundiários e Reforma Agrária RODRIGO FERNANDES: Uma indicação do PMDB. No início do governo foi adjunto. Assumiu o comando da Secretaria com a saída de Gilberto Jales, que na época foi para Recuros Hídricos.

Consultoria Geral JOSÉ MARCELO COSTA Perfil técnico, substitui Tatiana Cunha, em uma escolha da governadora.

Turismo

Controladoria

RENATO FERNANDES Ex-diretor da Codern, foi indicado pelo PR, do deputado João Maia, com a saída do empresário Razmi Elali.

ANSELMO CARVALHO Foi auxiliar de Rosalba Ciarlini na Prefeitura de Mossoró. Deixou o Gabinete Civil para a nomeação de Carlos Augusto Rosado. Na Controladoria, substituiu Francisco de Melo. Integra a cota pessoal da governadora.

Gabinete Civil CARLOS AUGUSTO ROSADO: Ex-deputado, é marido da governadora. Está na cota pessoal. No início do governo, o cargo, que é considerado central no governo, foi ocupado por Paulo de Tarso Fernandes.

Educação

Secretaria Extraordinária para Assuntos da Cultura ISAURA ROSADO: Indicação pessoal da governadora. É cunhada de Rosalba.

Esporte e Lazer JOSÉ JOACY BASTOS: Tem experiência na área de justiça desportiva. Uma indicação técnica, definida pela governadora Rosalba Ciarlini.

Relações Institucionais ESDRAS ALVES DE QUEIROZ: Indicação pessoal da governadora, mas também foi auxiliar do senador José Agripino no governo do Estado e no Senado.

BETÂNIA RAMALHO: Professora da UFRN, exercia o cargo de presidente da Comperve. Indicação técnica, com escolha direta da governadora.

Infraestrutura KÁTIA PINTO: A indicação para a secretaria é técnica, mas a engenheira atuou por mais de 10 anos em Mossoró como secretária municipal e é muito ligada à governadora. Portanto, pode ser considerada da cota pessoal.

Assuntos Relativos à Copa do Mundo 2014 DEMÉTRIO TORRES: Indicação do DEM, mais diretamente do senador José Agripino, presidente nacional do partido. Foi secretário também no governo Agripino.

Segurança pública

Tributação

ALDAIR DA ROCHA: Foi superintendente da Polícia Federal do Ceará e a ocupação dessa pasta configura indicação técnica, também com escolha da governadora.

JOSÉ AIRTON DA SILVA: É auditor fiscal e tem 22 anos de atuação na Secretaria de Tributação. Indicação técnica, com decisão direta da governadora.

Planejamento e das Finanças OBERY RODRIGUES: Indicação da cota pessoal da governadora, embora tenha perfil técnico, com formação em contabilidade.

Trabalho, da Habitação e da Assistência Social LUIZ EDUARDO CARNEIRO COSTA: Indicação do PMDB, por intermédio do ministro Garibaldi Filho, de quem foi chefe de Gabinete no Governo.


política

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

»ENTREVISTA » ALAN LACERDA DOUTOR EM CIÊNCIAS POLÍTICAS E PROFESSOR DA UFRN

‘Falta conexão com a base aliada’ « GESTÃO » Cientista político aponta que coalizão não tem implicação negativa se as indicações forem criteriosas Os governos do Brasil são de coalizão. Qual a sua opinião sobre isso?

Se você for parar para pensar e observar o cenário internacional, a nomeação partidária para cargos de primeiro escalão é algo que ocorre de maneira universal nas democracias. A nomeação partidária de cargos é muito comum. E no Brasil o que ocorre é que há uma certa fraqueza do Poder Legislativo para reter seus quadros, então os deputados, senadores e vereadores, focam sua carreira em passagens pelo executivo. Esses cargos são objetivos de ambição politica. São ambicionados e necessários para a carreira política de muita gente. Os políticos sempre buscam essas passagens, o Poder Executivo precisa do apoio dessas forças para aprovar um conjunto de medidas, tem uma situação de troca. Quais os ganhos e perdas desse sistema?

A gente governabilidade, capacidade do Executivo de aprovar projetos. E no Brasil isso vem acontecendo. A taxa de aprovação do Executivo é alta e ajuda a cumprir o projeto de governo. O custo disso, é de você comprar o apoio desses partidos, a patronagem. Ás vezes esse uso não tem muita relação com os critérios de cada órgão. São pessoas que estão ali meramente pela conexão política. Quando faz isso

de forma exagerada isso pode ser ruim. É o custo gerencial. Qual a análise que o senhor faz do secretariado do governo Rosalba?

Não há nenhuma avaliação porque não acabou. As mudanças que tem havido ocorreram em menor frequência do que no governo de Micarla, por exemplo. Não há o mesmo fenômeno de alta rotatividade e no ponto de vista político essa mudança até tardou. As mudanças recentes não são tão grandes assim. É uma reforma pontual, atende PMDB, reforça o poder do senador José Agripino e é uma maneira de, na minha opinião resolver o problema que é sobretudo politico. Essa reforma ainda não é suficiente para resolver o problema político do governo que tem dificuldade de se comunicar. Tem base na Assembleia Legislativa, mas não funciona bem a conexão entre o Executivo e essa base. Minha impressão é que essas nomeações resolvem parcialmente o problema político do governo. Permanece a crise politica. E sobre as constantes mudanças?

Minha impressão é que ninguém repararia essa rotatividade se o governo estivesse funcionando melhor. O governo Dilma fez uma série de mudanças na mesma linha, e podem sair outras mudanças, e isso não traz um tom de crise porque o governo é bem avaliado.

5


6

geral

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

Dilma tem maioria para 1º turno « INTENÇÃO DE VOTO » Pesquisa Ibope mostra que a presidenta alcança maioria absoluta em todas as simulações de primeiro turno testadas e é a única entre os presidenciáveis com potencial acima de 70%

S

ão Paulo (AE) - A presidenta Dilma Rousseff larga na corrida para sua sucessão com um eleitorado espontâneo três vezes maior do que a soma de todos os seus adversários. Segundo pesquisa nacional do Ibope feita em parceria com o jornal o Estado de S. Paulo, ela alcança maioria absoluta em todas as simulações de primeiro turno testadas e é a única entre os presidenciáveis com potencial de voto positivo: tem mais eleitores que admitem votar nela do que os que rejeitam a essa hipótese. Nunca houve uma candidata como Dilma - nem um candidato - na redemocratização. Desde 1989, nenhum presidenciável alcançou, a um ano e meio da eleição, 35% de intenção de voto espontânea - pesquisa na qual o eleitor diz em quem pretende votar sem que o entrevistador mostre ou diga nomes de candidatos. Quando foram reeleitos, os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT) só chegaram a essa taxa após a propaganda eleitoral na TV. Em março de 2006, a seis meses de se reeleger, Lula tinha 27% na pesquisa espontânea Em julho de 1998, três meses antes de sua reeleição, Fernando Henrique marcava 25% nesse tipo de pergunta. Dilma é a candidata à reeleição mais precocemente bemsucedida entre todos os presidentes brasileiros: suas aparições na TV, anunciando cortes de impostos e tarifas, lhe renderam nove pontos a mais na pesquisa espontânea desde novembro do ano passado. Ela pulou de 26% para 35% em quatro meses. O fato é tão inédito que não há parâmetro histórico para saber se o fenômeno é duradouro.

Sem marca Em boa parte, a vantagem comparativa de Dilma se deve à falta de outros candidatos com presença marcante na cabeça do eleitor. Adversária com maior potencial segundo o Ibope, Marina Silva (sem partido) tem apenas 2% de intenção de voto espontânea. Os tucanos José Serra e Aécio Neves têm 4% e 3%, respectivamente. Eduardo Campos (PSB) e Joaquim Barbosa têm 1%. Lula tem 12%. O Ibope mediu o potencial de voto dos candidatos, que, a esta altura da campanha, é o melhor termômetro para avaliar a viabilidade de cada um. Dilma tem potencial de 76%. É a soma dos 52% que dizem que votariam nela com certeza com os 24% que poderiam votar. Como outros 20% não votariam nela de jeito nenhum, a petista tem um saldo positivo de 56%. Ninguém afirmou desconhecer a presidenta.

Fora do Nordeste, Campos não tem densidade

Pesquisa espontânea Intenção de voto manifestada antes de os eleitores receberem a lista de possíveis candidatos

ANTONIO CRUZ

WALDEMIR BARRETO

AYRTON VIGNOLA

ALBERTO LEANDRO

Potencial de Dilma, Pt

Marina Silva, sem partido

Aécio Neves, PSDB

Eduardo Campos, PSB

76%

40%

25%

10%

jeitam seu nome: saldo negativo de 11 pontos. Já Eduardo Campos tem saldo negativo de 25 pontos: 10% admitem votar nele contra 35% que não votariam de jeito nenhum. Em favor de ambos, uma grande parte dos eleitores não os conhece o suficiente para opinar: 39% desconhecem Aécio; 54%, Campos. José Serra (PSDB) é o caso oposto. Duas vezes derrotado na eleição presidencial, o tucano só é desconhecido por 14% dos eleitores brasileiros. Apesar de reconhecido, seu saldo é negativo em 15 pontos: 35% admitem poder votar nele, contra 50% que afirmam que não votariam de jeito nenhum. Ao contrário dos outros nomes da oposição, Serra tem pouco espaço para crescer. A alta rejeição de Serra e o baixo conhecimento dos nomes dos demais oposicionistas tornam as simulações do que seria a eleição de 2014 mais favoráveis para Dilma, por enquanto. A um ano e meio da eleição, a pesquisa de potencial de voto é mais reveladora sobre a viabilidade eleitoral dos candidatos do que os cenários hipotéticos.

Sem partido, Marina tem mais visibilidade na oposição

ì O QUE É Potencial de votos é indicado pela soma dos que afirma votar nela “com certeza e os que poderiam votar”

QUANDO Ibope entrevistou face a face 2.002 eleitores entre os dias 14 e 18 de março

Marina fica zerada no potencial de voto: enquanto 40% dizem que votariam nela com certeza (10%) ou poderiam votar (30%), outros 40% afirmam que não votariam na ex-senadora de jeito nenhum. Ela é desconhecida por 19% do eleitorado. Todos os outros cinco presidenciáveis testados estão, por ora, com saldo negativo.

Oposição Aécio tem 25% de eleitores que votariam ou poderiam votar nele hoje, contra 36% que re-

São Paulo (AE) - O nome mais forte da oposição na pesquisa Ibope sobre a sucessão presidencial nem sequer tem partido para concorrer. Marina Silva, que chega a 13% das intenções de voto em um dos cenários do levantamento estimulado, ainda está envolvida na construção da Rede Sustentabilidade, legenda na qual vai investir seu capital político. A presidenciável ainda não conseguiu as assinaturas mínimas para criar a sigla. Os 13% de intenção de voto que Marina obtém agora são inferiores ao resultado que ela teve na urna, na eleição presidencial de 2010, quando chegou a 19% após uma arrancada na reta final - desempenho insuficiente para levá-la ao segundo turno. O atual resultado também não difere muito das sondagens feitas um ano antes das últimas eleições. Em setembro de 2009, pesquisa Ibope mostrava a então pré-candidata do Partido Verde variando entre 8% e 11%

Bento XVI recebe Francisco

das intenções de voto, a depender da lista de adversários. Mas Marina tem chances de crescer. Na parte da pesquisa que avalia o potencial de voto, 10% dizem que votariam nela com certeza, e outros 30% afirmam que poderiam votar. A soma desses dois itens (40%) resulta em um índice superior ao do tucano José Serra (35%), segundo colocado na disputa de 2010, quando teve 33% e se classificou para o segundo turno. O único item no qual Marina fica em desvantagem em relação a outros oposicionistas é a taxa de rejeição. Os que dizem que não votariam nela de jeito nenhum são 40%, um contingente superior ao obtido por Eduardo Campos (35%), Aécio Neves (36%) e Joaquim Barbosa (34%) - o presidente do Supremo Tribunal Federal é outro que não tem partido, e foi incluído na pesquisa por conta de especulações no mundo político sobre sua suposta pretensão de disputar o Palácio do Planalto.

São Paulo (AE) - O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, tem o dobro de potencial de voto no Nordeste, segundo a sondagem do Ibope. Em todo o País, 10% disseram que poderiam votar ou votariam com certeza no governador de Pernambuco. Já no Nordeste, foram 21%. Sua taxa de rejeição também é menor na região. Em todos os cenários pesquisados, Campos foi pouco lembrado fora do Nordeste. Em uma possível disputa entre Dilma Rousseff, Aécio Neves, Marina Silva e Campos, o líder do PSB seria escolhido por 9% dos entrevistados no Nordeste e por 1% ou menos no restante do País. No geral, ele ficou com 3% de intenção de voto. A maior beneficiada com a saída de Campos da corrida pela sucessão seria a presidenta Dilma, que ficaria com seis entre dez dos votos declarados no governador. Joaquim Barbosa teve 3% das intenções de voto no cenário com sete candidatos. Entre a camada mais rica e mais escolarizada ele se saiu melhor. Chegou a 7% entre as pessoas com ensino superior e a 14% na faixa com renda familiar acima de 10 salários mínimos. O presidente do STF, que ganhou projeção nacional durante o julgamento do mensalão, é pouco conhecido por 43% dos entrevistados. Seu potencial de voto é de 17% e sua taxa de rejeição é de 34%.

José Serra é o mais lembrado dos tucanos São Paulo, 22 (AE) - No PSDB, o ex-governador paulista José Serra é hoje o pré-candidato com mais eleitores potenciais, segundo a pesquisa Ibope-Estadão: 10% dizem que votariam nele com certeza e 25% afirmam que poderiam votar em Serra. No caso do senador mineiro Aécio Neves, os índices são de 7% e 18%, respectivamente. Mas o exgovernador José Serra tem contra si o fato de 50% dos entrevistados pelo Ibope afirmarem que não votariam nele de jeito nenhum - resultado que o deixa na situação de virtualmente inelegível. A taxa de rejeição a Aécio é de 36%. A rejeição a Serra é crescente de acordo com a renda e o nível de escolaridade. No eleitorado com curso superior, chega a 57%. Entre os que têm renda superior a 10 salários mínimos, é de 54% OSSERVTORE ROMANO/AP

« VATICANO » Novo papa almoça e mantém conversa particular com seu antecessor, em visita à residência papal de Castel Gandolfo

C

astel Gandolfo (AE) - O papa Francisco esteve ontem à residência papal no sul de Roma para um encontro extraordinário com o seu antecessor, o papa emérito Bento XVI, que o recebeu no heliporto e o conduziu até a sua biblioteca para uma conversa em particular e um almoço. Do lado de fora, a praça principal de Castel Gandolfo estava repleta de pessoas que ansiavam por um vislumbre da história: dois papas partindo juntos o pão

e supostamente discutindo o futuro da Igreja Católica. Elas gritavam “Francisco! Francisco!” Bento XVI está vivendo na casa de veraneio papal desde 28 de fevereiro, quando se tornou o primeiro papa a renunciar ao pontificado em 600 anos. Ele afirmou que planejava viver os seus últimos anos em oração e ficar “escondido do mundo.” A dramática partida de Bento XVI naquele dia - deixando o heliporto nos jardins do Vaticano

com o seu secretário chorando ao seu lado e circulando a Praça de São Pedro em um último adeus - é uma das imagens mais marcantes desta notável transição papal. De modo a respeitar o desejo de Bento XVI, não há cobertura ao vivo do encontro pela televisão do Vaticano, apenas algumas fotos oficiais e talvez um vídeo seriam divulgados depois da reunião. O porta-voz do Vaticano prometeu um co-

mentário geral sobre o encontro, mas não um comunicado detalhado. Tudo isso gerou especulações sobre o que os dois poderiam dizer um ao outro, depois de fazerem história juntos: a renúncia de Bento XVI abriu caminho para a eleição do primeiro papa latino-americano, o primeiro Jesuíta e o primeiro a escolher o nome Francisco, depois do frade do século 13 que se dedicou aos pobres, à natureza e à paz.

Papa emérito Bento XVI recepciona o papa Francisco, em Roma


Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

geral

Gaudêncio Torquato [ gaudenciotorquato@tribunadonorte.com.br ]

MP investiga despesa da Assembleia Legislativa

Sonháticos e performáticos

« CONTAS PÚBLICAS » Ministério Público pede cópias dos processos

O leitor pode enxergar excesso na comparação, mas a carga litúrgica que embalou a recém lançada Rede de Sustentabilidade (quantos sabem o significado desse termo, 3%?) dá a entender que a ex-ministra Marina Silva, ao tentar imprimir diferenciação ao seu movimento, organiza um modelo mais assemelhado à religião que a um ente político. A começar pelo tratamento com que correligionários a saúdam – “a missionária” – passando pela semântica seletiva que abriga proibições e tempo de exercício de mandatos, culminando com a estética de véus coloridos que animaram uma tribo disposta a marcar contraste “entre nós e eles”. O termo tribo, usado aqui de maneira proposital, vem de encontro ao eco dos “povos da floresta”, cerne da mensagem marineira e, por conseguinte, ao discurso da sustentabilidade, servindo ao propósito dos fundadores da Rede de fixar identidade asséptica, limpa de impurezas da velha política e longe de tramóias que se lêem na cartilha do espectro partidário. Não há dúvida que o partido de Marina (ops, a Rede), sairá do papel, não devendo surgir dificuldades para alcançar as 500 mil assinaturas necessárias para a legalização. A estética de “santa” – vestimenta comedida, cabelos trançados à moda de nossos tataravós, fio de voz agudo e marcante – funciona como logomarca a puxar a lista de “sonháticos”, os aderentes da nova igreja.

referentes aos pagamentos das despesas com verbas alimentares

Os obstáculos dizem respeito aos condicionantes adotados pela Rede, a partir de “transparência e visibilidade” Considere-se, ainda, a poderosa cadeia que se cria, a partir do nome Rede de Sustentabilidade, cujas pistas apontam para a inserção de segmentos jovens, sob o empuxo da mensagem de segurança ambiental, eixo atual do discurso das Nações e com eco nas frentes sociais. Nesse sentido, não se pode duvidar que o marketing ecológico reforçará os fios dessa teia. A questão é sobre a eficácia do novo ator. A meta de um partido é o alcance do poder. O mestre Aristóteles ensinava que a política é a ciência mais suprema e sua missão é a de investigar a melhor forma de governo e instalar as instituições capazes de garantir a felicidade coletiva. Para tanto, precisam dos meios. Os sonháticos de Marina chegarão, um dia, ao poder por estas plagas? Negar tal possibilidade é desacreditar na dinâmica social brasileira, na incapacidade de uma exseringueira chegar ao topo do poder e, mesmo, na mobilização de grupos organizados para dar vida a um partido. Nosso passado recente demonstra que todas as hipóteses são possíveis. A ascensão do ex-metalúrgico Lula ao pódio do poder que o diga. Para chegar ao topo, porém, a seita vai carecer de meios. Os obstáculos dizem respeito aos condicionantes adotados pela Rede, a partir de “transparência e visibilidade” e “o processo de depuração por constrangimento ético daqueles que não estão de acordo com esse tipo de procedimento”. Se um político ficha suja entrar no partido, será constrangido a deixálo. O partido se encarregará de fazer a rejeição. Interessante é observar que o banho de ética pregado pela ex-senadora se assemelha ao que o PT defendia por ocasião de sua criação, há três décadas. A assepsia também se faz presente no limite para doação de pessoas físicas e jurídicas, na proibição de doações feitas por empresas de tabaco, álcool, agrotóxicos e armas e, até, em decisões polêmicas como a limitação de mandatos. A proposta é que o prazo máximo de um mandato seja o de 16 anos, equivalente a dois períodos de senador. O escopo marineiro, convenhamos, revestese de um tecido ético que condiz com o histórico dessa ambientalista e evangélica, que se alfabetizou no Acre aos 16 anos de idade. O desafio é ter de sujeitar o novo ente aos procedimentos que regulam as relações políticas, sem deixá-lo correr na via esburacada de práticas que alimentam o cotidiano da nossa democracia representativa.

Os partidos políticos no Brasil tornaram-se homogêneos na planilha de compromissos e na forma de fazer política. O eleitorado não consegue estabelecer diferenciais entre eles. Em 2002, por ocasião da campanha vitoriosa do PT, era possível enxergar a clivagem governo x oposição. Quatro anos mais tarde, esta diferença desapareceu, a demonstrar a equalização partidária. A organização de Maria Osmarina Silva e Souza, ( ela ganhou o apelido de Marina de uma tia), tende a ser arrastada pela pororoca que devasta a esfera política, jogando todos as agremiações na mesma praia. A real politik acaba modelando a fisionomia de um partido. Todos os partidos, sem exceção, se submetem aos raios de sol da política como ela é. Principalmente, quando se trata de uma organização que sinaliza desapreço pelas regras do jogo. Marina diz, por exemplo, que a Rede não será de esquerda nem de direita, nem tampouco situação ou oposição. Tratase de ode a um ponto vago no espaço. Não combina tal peroração com os valores centrais de um partido, que tem como finalidade interpretar e defender parcela do pensamento social. Ao se dizer contra ou favorável ao casamento entre pessoas do mesmo sexo ou ao aborto de anencéfalos, um partido toma posição, dizendo-se a favor disso ou contra aquilo. Nessa perspectiva, o discurso da candidata à presidente da República que obteve quase 20 milhões de votos deixa a desejar. Por mais que se enalteça o conjunto de virtudes que impregnam a história e o perfil de Marina Silva, não escapa à análise o clima espetaculoso que cercou o lançamento do movimento, a comprovar que os “sonháticos” podem condenar a cultura de massas, mas dela se valem para dar visibilidade às suas ações. Todos os ingredientes do Estado-Espetáculo ali se fizeram presentes. Celebridades desceram do Olimpo para prestigiar a nova entidade, ao lado de dândis, os performáticos, aqueles que praticam o culto de si mesmo. Donde se conclui que as duas categorias de Umberto Eco, os apocalípticos (que rechaçam a cultura de massa) e os integrados (que nela vêem avanços civilizatórios) deitam-se, lado a lado, na Rede de Marina, a “missionária amazônica do meio ambiente”. Gaudêncio Torquato, jornalista, professor titular da USP, consultor político e de comunicação Twitter@gaudtorquato

7

ANA SILVA

ROBERTO LUCENA Repórter

O

Ministério Público Estadual (MPE), por intermédio da 60ª Promotoria de Justiça da Comarca de Natal, instaurou um Inquérito Civil Público para apurar possíveis irregularidades nos gastos da Assembléia Legislativa do Rio Grande do Norte. Como primeira providência, o Ministério Público requer que o presidente da Assembleia, deputado Ricardo Motta, envie cópias à Procuradoria Geral de Justiça dos processos de pagamento referentes às despesas com verbas alimentares. A portaria que avisa sobre a abertura do inquérito foi publicada na edição de ontem do Diário Oficial do Estado (DOE). A peça é assinada pelo promotor de defesa do Patrimônio Público, Afonso de Ligório, e tem como fundamento legal as leis 8.429/92 – sobre atos de improbidade administrativa que importam enriquecimento ilícito – e 8.666/93 – licitações e contratos administrativos. Procurado pela TRIBUNA DO NORTE para explicar as razões das suspeitas, o promotor não revelou detalhes. Alegou que não se encontrava no gabinete, naquele momento, e limitou-se a afirmar que o inquérito instaurado ontem “é mais um, entre outros” sobre os gastos realizados pelo Poder Legislativo estadual. “No momento não estou com as informações dessa ação. Além deste, temos outros inquéritos sobre a Assembleia e alguns ainda serão publicados”, afirmou Afonso de Ligório. De acordo com a assessoria de imprensa da Assembleia, a Procuradoria do Legislativo ainda não foi comunicada sobre a abertura do inquérito e, portanto, não poderia comentar o assunto. “A Procuradoria vai aguardar ser comunicada oficialmente sobre o assunto para poder emitir alguma informação”, informou o jornalista Rubens Lemos Filho, diretor de comunicação.

Servidores O Ministério Público Estadual investiga a Assembléia Legislativa em outras áreas. Às

Afonso de Ligório, promotor do Património Público, decide abrir investigação sobre as despesas

vésperas de realizar o primeiro concurso público de sua história, o Legislativo ainda não tem perspectivas de quando contará com o desfecho de uma ação proposta pelo MPE, em 2008, e que envolve cerca de 40% do efetivo de servidores da Casa. Há quatro anos que os promotores do Patrimônio Público pedem na Justiça a demissão de mais de 190 funcionários efetivados no Poder Legislativo sem concurso público. Na ação consta 21 processos, que hoje tramitam principalmente no Superior Tribunal de Justiça, em Brasília, e no Tribunal de Justiça do Estado. O Ministério Público Estadual já perdeu em algumas instâncias. Os servidores que ainda estão ativa foram incluídos no regime estatutário, com estabilidade e diversos outros benefícios. A Assembleia tem hoje, segundo dados do Portal da Transparência, 404 servidores efetivos. Além disso, de acordo com a Assessoria de Comunicação, há 321 servidores comissionados. Até hoje nenhum concurso público foi realizado na história da Assembleia. Isso significa que os servidores foram admitidos sem concurso. Alguns foram remanejados. O Ministério Público viu ilegalidades, mas a tese foi rejeitada pelo TJRN e pelo Superior Tribunal de Justiça.

Temos outros inquéritos sobre a Assembleia Legislativa e alguns ainda serão publicados” AFONSO DE LIGÓRIO Promotor de Justiça do Patrimônio Público

Com a reforma, o benefício foi estendido a todos os funcionários. Por isso, o aumento” RUBENS LEMOS FILHO Assessor da Assembleia Legislativa

AL informa que houve ampliação do “auxílio” Os gastos com o pagamento de auxílio-alimentação aumentaram 846%, no período de três anos, na Assembleia Legislativa. A informação consta do portal da Transparência do Legislativo. No primeiro trimestre de 2011, a Assembléia estadual pagou R$ 345.424,20 como ajuda de custo para alimentação aos servidores da Casa. No mesmo período do ano passado, o valor subiu para R$ 388.771,86. Este ano, houve um acréscimo significativo. Entre janeiro e março, foram pagos R$ 3.269.771,03. Os dados integram o único item que se aproxima do objeto de investigação do MP, mas a relação não foi confirmada pelo promotor. A assessoria de imprensa da AL explicou que o aumento dos gastos com ajuda para alimentação é conseqüência da reforma administrativa realizada ano passado. Segundo a assessoria, o benefício de auxílio-alimentação era restrito, até 2012, aos funcionários efetivos da Casa. “Com a reforma, o benefício foi estendido a todos os funcionários. Por isso, esse aumento nos números”, informou Rubens Lemos Filho, diretor de comunicação.

« DIVERGÊNCIA »

Petistas lançam candidato favorável à regulamentação Ministro Paulo Bernardo enfrenta críticas por não aceitar o controle da mídia

B

rasília (AE) - A corrente Mensagem ao Partido lançou o deputado federal Paulo Teixeira (SP) como candidato a presidente do PT com um discurso em favor da regulação da mídia. O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, está sob fogo cerrado dentro da legenda por segurar o projeto sobre o tema e conceder benefícios a empresas da área. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo nesta semana o ministro disse ser “incompreensível” que o PT misture regulação da mídia com política de investimentos. Presente ao encontro, o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (RS), afirma que é preciso democratizar a opinião

no País. “Você observa a grande mídia brasileira e parece que todo povo brasileiro é neoliberal e tem saudade de Fernando Henrique, mas quando saem as pesquisas se demonstra um apoio amplamente majoritário ao projeto que representa o PT”, disse. “Não se trata de atentar contra o direito de propriedade nem contra a liberdade de opinião, o que nós queremos é um sistema regulatório que faça as opiniões circularem livremente, de maneira plural”, completou. Os vários discursos favoráveis à regulação foram ecoados com as declarações do próprio Teixeira. Ele afirmou que o debate não pode ser interditado e declarou que o partido vai continuar defendendo a regulamentação do artigo da Constituição que trata do tema. “Precisamos enfrentar um tema que toda vez que falamos nele a imprensa nos acusa de restringir a liberdade de imprensa”, disse.


8

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

geral

Degepol nomeia delegado especial « CASO ABEANE » Investigação passa a ser conduzida pelo delegado roberto andrade, da especializada em crimes de homicídios. Auditor fiscal aposentado foi assassinado a tiros, e polícia tem linha de investigação

A

Delegacia Geral da Polícia Civil (Degepol) designou o delegado de Homicídios, José Roberto de Andrade, como delegado especial para atuar, sem prejuízo de suas atribuições na Dehom, na apuração do assassinato a tiros do auditor fiscal do Estado aposentado Abeane Vale

de Medeiros, 67 anos, crime ocorrido por volta das 10h15 da terçafeira (19), na rua Alberto Maranhão, no Tirol, em Natal. O principal suspeito do homicídio é o filho da vítima, Abeane Luiz Jorge Vale, 31 anos, cuja mãe, Joana D’Arc Vale foi morta com dois tiros pelo pai em 19

outubro de 1999, crime pelo qual foi condenado a 13 anos de prisão em regime fechado e que decorreu em transitado e julgado em 28 de fevereiro deste ano, esgotado todos os recursos de apelação e judiciais em favor do réu. No dia seguinte ao crime, começo da tarde de quarta-feira

(20), o veículo usado pelo suposto assassino, foi encontrado na rua João Dias, no Barro Vermelho, com marcas de tiros e vestígios de tinta na cor amarela, pois o Gol NXZ-5484 teria batido contra o veículo da vítima, um Fiat Uno (MYN-0220) amarelo, para forçála a parar o carro no semáforo da

avenida Prudente de Morais com a rua Alberto Maranhão. No banco dianteiro do veículo da vítima, a Polícia encontrou duas cápsulas deflagradas de pistola. A Polícia Civil apurou que o Gol, branco, estava em nome do filho da vítima, Abeane Luiz Jorge Vale, que na época em que a

mãe foi assassinada pelo pai, tinha 17 anos de idade. A mulher foi morta dentro de seu carro, quando estava acompanhada de uma oficiala de justiça, que hora antes cumprira mandado judicial sobre separação de corpos proferida em desfavor do marido Abeane Vale de Medeiros.

Delegado quer ouvir filho de Abeane Medeiros O delegado José Roberto de Andrade já vinha acompanhando o caso extraoficialmente, mas como a portaria do delegado geral da Polícia, Fábio Robério Silva, só foi publicada na edição do “Diário Oficial do Estado” desse sábado (29), ele afirmou que “ainda não tinha elementos” para solicitar a prisão preventiva de Abeane Luiz Vale. “Vamos aguardar que o filho da vítima se apresente para dar explicações sobre o envolvimento do carro no crime”, disse o delegado, que, mesmo assim, afirmou que fará diligências para encontrá-lo caso não se apresente à Polícia. Roberto Andrade informou à TRIBUNA DO NORTE, na manhã de ontem, que ainda não recebeu os autos do inquérito policial 036/2013, procedimento aberto na 3ª Delegacia de Polícia, do Alecrim, que atua na jurisdição onde ocorreu o homicídio. O levantamento inicial ficou a cargo do delegado Amaro Rinaldi, que vinha respondendo pela 3ª DP em função das férias do seu titular, o delegado Natanion de Freitas, que está retornando às atividades profissionais nesta segunda-feira (26). Porém, Andrade já confirmou que acompanhou a perícia feita pelo Itep no Gol branco, supostamente utilizado pelo criminoso: “A perícia foi realizada no mesmo dia em que foi encontrado o carro”. Caicoense de nascimento, o aposentado Abeane Vale de Medeiros chegou a ser eleito vereador em Passa e Fica, na região Agreste do Estado. A Justiça havia emitido mandado de prisão contra ele em 13 março deste ano pela morte da mulher Joana d’Arc Jorge Vale.

« ASSASSINATO » Comerciante é executado dentro de casa Por volta das 5 horas de ontem (23), Yuassaf Torres de Morais, 24 anos, foi morto com três tiros, dentro de casa, em Jardim Progresso, na zona Norte da cidade. A vítima estava dormindo quando foi chamada por alguém, que o conhecia, provavelmente pedindo para efetuar uma suposta venda na antesala da pequena casa, onde funcionava uma bodega. Segundo a mulher da vítima, o assassino chamou o marido pelo apelido “Fininho”. Ela teria ouvido três tiros, efetuados de fora da residência. O criminoso supostamente se aproximou e disparou de fora do portão interno, após passar pelo primeiro portão, no muro da casa. O assassino disparou mais três tiros, já em outra rua, para inibir eventuais reações.


geral

Natal โ€ข Rio Grande do Norte Domingo, 24 de marรงo de 2013

9


10

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

Cláudio Humberto [ ch@claudiohumberto.com.br - www.claudiohumberto.com.br]

Viagens misteriosas Tem provocado falatório a presença do ministro Aloizio Mercadante (Educação) nas viagens internacionais da presidenta Dilma, mesmo naquelas onde isso não faz sentido, como a entronização do Papa. Político amante dos holofotes, ele aproveita para se transformar em “papagaio de pirata” oficial porque disputará o Senado ou o governo de São Paulo, em 2014. E ainda sonha com a presidência, em 2018.

[Ele está] mais próximo que muitos que estão conosco” EDUARDO CAMPOS (SPB) sobre José Serra (PSDB), seu mais recente amigo de infância

Custo secreto

Faturou bem

“A presidenta tem a prerrogativa de escolher quem a acompanha”, diz a assessoria de Dilma, sem citar o custo-Mercadante nos passeios.

Só nas viagens com Dilma mundo afora durante o ano de 2012, Aloizio Mercadante faturou quase R$ 40 mil em diárias. E teve tudo pago.

Projeto de poder Para o senador tucano Alvaro Dias, o ministro Mercadante “prioriza seu projeto de poder, e ignora as mazelas da educação no Brasil”.

Próxima eleição O líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), acha que o governo só pensa em fazer propaganda e na próxima eleição: “É lamentável”.

Planalto manterá luxo em viagens É bom que o respeitável contribuinte se acostume: a Presidência da República considera “normal” os quase R$ 400 mil gastos oficialmente com a viagem de Dilma e 52 assessores a Roma para ver o Pa-

pa e manterá o “padrão” anterior, de divulgar convidados oficiais e omitir nomes e funções de “equipes de apoio” que a coluna tentou em vão obter – seriam médicos, seguranças, cerimonial e tripulação etc.

Patriotas

Brasília, como fazia antes, para homenagear os gatos pingados que elegeu em algumas capitais.

Um desconhecido processo administrativo define os “apoios”, que o Itamaraty subscreve sem questionar, claro, nem divulga. Só paga.

No controle A Presidência garante que o relatório e gastos da viagem são remetidos aos “órgãos de controle internos”, e mantidos em sigilo.

Padrão Enem A assessoria de Dilma escorrega no Português também: “os custos totais relativos à hospedagem (...) foi (sic) de 125 mil, 990 euros.”

Passou em branco O PSDB anda tão atordoado que até agora, cinco meses depois da eleição, nem sequer promoveu um ato em

Com lupa O papel do ministro Paulo Bernardo (Comunicações) em uma área que não é a dele, propaganda oficial, tem sido monitorada pela oposição. Tem a ver com a escolha de agências, principalmente do Paraná, para operar contas que somam mais de R$ 1,5 bilhão em estatais.

Meta 2014 O PP planeja apostar na eleição de governadores em 2014. Os nomes mais cotados são Rebecca Garcia (AM), Ciro Nogueira (PI), Ivo Cassol (RO), Benedito de Lira (AL), Alberto Coelho (MG) e Ana Amélia (RS).

Pizzaria Planalto Investigado no Itamaraty por assédio moral no consulado-geral em Sidney (Austrália), o embaixador Américo Fontenelle passa férias em Brasília até o início de abril. Não seriam saudades do Cerrado...

Conclave tucano O deputado Paulo Abi Ackel (MG) diz que a escolha do candidato do PSDB ao governo mineiro “é quase um con-

clave”. Mas deve ser o deputado tucano Marcus Pestana, o preferido do senador Aécio Neves

Popó gostou O deputado Popó (PP-BA) não seguirá o exemplo do colega Tiririca (PR-SP), quer continuar na política: “Aqui eu trabalho pelo social. Estou bem, estou gostando e vou tentar a reeleição”, disse.

Secura boa Na atual secura de dinheiro, boa noticia para o Piauí foi a instalaçãode um grupo privado espanhol interessado namineraçãono Estado. Obra do superintendente da Sudene, Paes Landim.

Mais uma multa O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) quer multar os pais que deixam de ir a reuniões nas escolas dos filhos. Aos que reclamam da falta de tempo, o senador dá de ombros: “Que convença o chefe”.

Bendito seja O Papa Francisco operou o primeiro milagre: a inesperada presença de Dilma na missa no Rio pelos mortos nas enchentes da região serrana.

geral

Senado inclui Fundo de Participação na pauta « LEGISLATIVO » Senadores farão esforço concentrado para votar, antes do feriadão da Páscoa, os novos critérios de distribuição do FPE MOREIRA MARIZ

B

rasília (Ag. Senado) Apesar de mais curta, por conta do feriado na sexta-feira, a semana terá pauta cheia. Além de várias reuniões nas comissões, estão previstos debates e votações importantes no Plenário, como a discussão dos novos critérios de distribuição do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e a votação final, em segundo turno, da PEC das Domésticas. Para evitar a falta de quórum, as votações devem ser concentradas na próxima terça-feira. A votação dos novos critérios do FPE ainda depende da liberação da pauta, trancada pela Medida Provisória (MP) 586/2012, que trata do Pacto pela Alfabetização na Idade Certa. Na última terça-feira, o líder do governo, senador Eduardo Braga (PMDB-AM) anunciou que o relator da MP, senador Eduardo Amorim (PSC-SE), não teve tempo para concluir o relatório. Na sessão de quarta, Amorim disse que ainda precisava fazer ajustes no texto e pediu pelo menos mais 24 horas de prazo, o que acabou adiando a votação. Votada a MP, a pauta ficará livre para o exame do substitutivo do senador Walter Pinheiro (PT-BA) a oito projetos sobre o FPE. No entanto, a votação do tema continua incerta, já que há muitas divergências entre os senadores. Por sugestão de parlamentares, a sessão de terça pode ser a primeira com debate temático, conforme proposta anunciada pelo presidente Renan Calheiros em fevereiro e posteriormente aprovada em Plenário. Parte dos senadores sugeriu, porém, que a votação só ocorra em abril. Com validade até 2017, os novos critérios do FPE, pela proposta de Pinheiro, devem assegurar a cada unidade federativa um piso igual aos valores atualmente distribuídos. Se houver sobra, depois de feita a

Walter Pinheiro: substitutivo que garante rateio até 2017 deverá ser votado nesta terça-feira

As regras não poderiam impor perdas aos tesouros estaduais, daí a preservação do valor real das cotas-parte atuais” WALTER PINHEIRO autor do substitutivo

distribuição com base no piso, os recursos poderão ser repartidos de acordo com dois critérios: população e inverso da renda per capita. “As regras de rateio do FPE não poderiam impor perdas aos tesouros estaduais, daí a preservação do valor real das cotas-parte atuais, considerando os novos critérios, com base no repasse de

2012 e com ganhos gradativos até 2017”, ressalta Pinheiro O senador Luiz Henrique (PMDB-SC) vem negociando uma emenda em que acrescenta, como critério de repartição, a extensão territorial do estado. A proposta recebeu apoio de senadores em Plenário na última quinta-feira.

Merenda Os alunos matriculados na educação básica da rede pública poderão receber merenda escolar fora do período letivo. É o que estabelece projeto de lei do senador Cícero Lucena (PSDBPB), que deve ser votado na terça-feira (26) pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE). O projeto (PLS 569/2009) já recebeu parecer favorável da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) e será votado em decisão terminativa. Ao justificar a proposta, o autor enfatizou que o objetivo da medida é evitar a desconti-

nuidade na dieta dos estudantes que dependem da alimentação oferecida pela escola. Em sua avaliação, a medida contribuirá para garantir a permanência dos estudantes na escola, bem como para o sucesso nos estudos. Em seu voto favorável à aprovação da matéria, o relator, senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE), lembra que o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), teve origem em iniciativas federais há mais de 60 anos e, atualmente, atende a um contingente de 50 milhões de crianças, da creche ao ensino médio, em todas as modalidades de ensino público. Valadares ressalta que a maioria desses estudantes pertence a famílias com dificuldades para prover a alimentação diária. A merenda escolar durante o ano letivo, argumenta o senador, representa um reforço significativo na alimentação desses estudantes.

Comissão vai debater Estatuto da Juventude Brasília - O Estatuto da Juventude é o primeiro item da pauta da próxima reunião da Comissão de Assuntos Sociais (CAS), na quarta-feira, dia 27. Além de instituir normas específicas destinadas à proteção dos direitos dos jovens, o PLC 98/2011 estabelece os princípios e as diretrizes das políticas públicas para esse segmento da população. O relator é o senador Paulo Paim (PT-RS), que já havia adiantado à Agência Senado que pontos da proposição, como a meia entrada e o benefício da tarifa com 50% de desconto no transporte público, “estão pacificados” e entrarão em seu relatório que está em fase de redação final. O estatuto vem tramitando no Senado com ampla participação social e recebeu sugestões de representantes de órgãos de governo e organizações juvenis nas audiências públicas realizadas sobre o tema. O único ponto sobre o qual há divergência é a abrangência do estatuto. Pelo projeto que veio da Câmara dos Deputados, a faixa etária dos jovens vai de 15 a 29 anos, mas há quem defenda que seja de 18 a 29 anos. O relatório aprovado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), no fim do ano passado, manteve esse ponto sem alteração.


geral

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

11

Revolta esquecida faz 50 anos « HISTÓRIA » Meio século depois do movimento de cabos, sargentos e suboficiais, episódio permanece

desconhecido no RN, apesar da prisão de um deputado potiguar por praças da Marinha e da Aeronáutica

VICENTE NETO Editor

L

evante de Brasília? Rebelião dos Sargentos? No Rio Grande do Norte quase ninguém se lembra do movimento deflagrado em meio à onda de protestos, greves e manobras políticas que marcaram os últimos meses do governo João Goulart e deram combustível para o golpe militar do ano seguinte. Meio século depois, o episódio permanece desconhecido no RN, apesar de ter como um dos personagens, o presidente interino da Câmara dos Deputados, o potiguar Clóvis Motta, que recebeu voz de prisão de um soldado rebelado e foi levado para o prédio do Ministério da Fazenda, onde estavam detidos alguns oficiais da Aeronáutica. Também foi detido o ministro do Supremo Tribunal Federal Vitor Nunes Leal. O movimento articulado por um grupo de 600 militares na recém-inaugurada Brasília, ocorreu no dia 12 de setembro de 1963, como consequência de uma decisão do Supremo Tribunal Federal que reafirmou a inelegibilidade dos sargentos para mandatos legislativos. A decisão foi tomada com base na Constituição de 1946 e irritou cabos, sargentos e suboficiais, especialmente da Aeronáutica e Marinha, que tinham disputado as eleições para deputado federal, deputado estadual e câmaras municipais em São Paulo, Rio Grande do Sul e no Estado da Guanabara (hoje Rio de Janeiro) na campanha de 1962. Os rebelados invadiram os prédios do Ministério da Marinha, Departamento Federal de Segurança Pública, Estação Central de Rádio-Patrulha, Departamento de Telefones e até a Rádio Nacional. A revolta ocorreu num momento delicado para a gestão do então governador Aluízio Alves, que enfrentava uma rebelião da Polícia Militar por melhoria salariais. AA temia que o movimento de Brasília contaminasse as lideranças locais e incendiasse os quarteis em Natal. A repressão ao movimento na capital federal funcionou como instrumento de pressão e desestímulo ao movimento da PM. Na edição do

dia 20 de setembro daquele ano, a Tribuna do Norte publicava reportagem a respeito de uma conversa telefônica entre Aluízio e o presidente João Goulart: “O presidente assegurou ao governador total apoio federal a ação estadual de preservação da ordem pública”. Detalhes do levante em Brasília, até então desconhecidos, vieram a público na semana passada, quando a Câmara dos Deputados liberou os arquivos da época. Os rebeldes ocuparam prédios públicos e o aeroporto da cidade, fecharam os acesso a Brasília e provocaram um “apagão” no sistema de telefonia. Dezenas de pessoas foram presas, entre elas, o deputado federal Clóvis Motta, 1º vice-presidente da Câmara.

Documentos Históricos Mensagem de Clóvis enviada por telex e manchete da TRIBUNA DO NORTE sobre o episódio

Telegrama esclarecedor Liberado uma hora e meia depois, Clóvis usou o telex, único meio de comunicação em funcionamento, para relatar ao coronel Dagoberto Rodrigues, diretor dos Correios. “Fui acordado às quatro horas pelo serviço de segurança da Câmara informando-me... todos os telefones cortados. Dirigi-me à central telefônica, que verifiquei ocupada por tropas da Aeronáutica. Desloquei-me à Câmara, sendo detido na Esplanada dos Ministérios, onde fui preso por praças. Permaneci no Departamento Federal de Segurança, àquela hora, já ocupado, até 5h30m em companhia de alguns oficiais do Exército também presos. Esses oficiais foram transportados para a Base Aérea. Lograram fugir. Fui liberado, vindo diretamente aqui (na Câmara). Tropas do Exército conseguiram desalojar (os prédios de) Marinha e Aeronáutica, depois de choques armados. Situação caminha para normalidade. Só dispomos de ligação telex. Exército ainda não nos forneceu rádio para comunicação do Ministério e do Planalto. Indispensável sua permanência aí.” Doze horas depois, o levante foi sufocado. O Exército libertou os detidos, prendeu os rebelados e enviou mais de 500 deles para o Rio de Janeiro, onde ficaram num barco-prisão. Os líderes do movimento foram condenados a quatro anos de prisão.

‘Naquele dia ele chegou tarde em casa’ Talvez por ter durado apenas poucas horas, talvez pelas dificuldades de comunicação na época, o fato é que em Natal poucas pessoas se lembram do que ocorreu em Brasília naquela manhã de 12 de setembro de 1963. Consultados pela TN, os jornalistas que atuavam na imprensa natalense naquela época foram unânimes. Woden, Ticiano, João Batista Machado, Agnelo... Nenhum deles lembrava da revolta. A Tribuna deu manchete no dia seguinte: “Exército domina situação: Brasília.” e o texto informava: “Com a prisão de quase 500 sargentos da Marinha e Aeronáutica por tropas do Exercito, extinguiram-se os últimos

Militares acionaram forças de elite Com os telefones cortados, o Congresso ocupado e quadras cercadas na Esplanada dos Ministérios, o único meio de comunicação disponível era uma Central de Telex instalada na presidência da Câmara. Foi através dela que o presidente interino Clóvis Motta se comunicou com as Forças Armadas e também com a delegação brasileira em missão pela Europa. Depois de comunicar que estavam sitiados e de pedir providências ao Exército, nas primeiras horas da manhã, a sala de comunicação da Câmara recebeu o seguinte telex: — Quem está no aparelho? Diga ao presidente da Câmara que Coronel Dagoberto está caminhando para aqui, onde deverá chegar em dez minutos. Informe a ele que o coronel já colocou o coronel Sarmento em contato com o governador em Porto Alegre. Confirme a entrega deste recado.” Em seguida chegava uma nova mensagem: “Favor chamar o deputado Clóvis Motta ao aparelho. Coronel Dagoberto deseja falar-lhe.” — Recebi sua mensagem e a do deputado Clóvis Motta muito bem. Transmiti a última integralmente ao ministro da Justiça, deputado Abelardo Jurema, que se encontra neste momento com o

ministro da Guerra no gabinete dele. Mandou dizer ao deputado Clóvis Motta que todas as providências já foram tomadas e tropa paraquedista deverá seguir para Brasília imediatamente. Aqui na Guanabara, e nos demais estados, reina a mais absoluta calma. O Palácio das Laranjeiras já entrou em contato com o presidente que se encontra em Pelotas. Aguardo informações e peço não desfazer contato com este aparelho. Abraços, coronel Dagoberto.

Mazzilli fica na Europa Aos poucos a notícia foi se espalhando. Por volta das 8h40, o telex da Câmara recebeu uma mensagem do Palácio do Governo mineiro em Belo Horizonte. — O Sr. Governador solicita que o deputado Bilac Pinto ou José Bonifácio Andrade entre em contato conosco afim de informar a situação em Brasília. Seria possível localizá-lo?” Como resposta o operado em Brasília transmitiu a seguinte mensagem: — No momento nenhum dos dois. Aqui ao lado [está] o presidente da casa. Pode falar... — Trata-se do seguinte: o gabinete do governador foi informado que há algo anormal aí e está vivamente interessado saber das notícias. — Dr. Clóvis Motta diz o se-

guinte: houve movimento sedicioso de sargentos Aeronáutica e Marinha. Já controlada a situação. De Belgrado, aonde se encontrava em visita à Iugoslávia, o presidente Ranieri Mazzilli enviou a seguinte mensagem: “Acabo de saber pelo noticiário da imprensa que o deputado Clóvis Motta, presidente em exercício, teria sido detido como refém. Se notícia corresponde à realidade dos fatos, desejo manifestar toda minha simpatia e solidariedade ao meu colega, declarar que cargo da presidência está em boas mãos e que todas as medidas necessárias foram certamente tomadas, não havendo outras a tomar. Cordiais saudações, Ranieri Mazzilli. Com a situação sob controle, o presidente da Câmara continuou sua turnê pela Europa. Depois da Iugoslávia, ele seguiu para a França, de onde passou a se comunicar com a mesa diretora da Casa. Os rebelados foram presos e condenados, apesar das propostas de anistia. Seis meses depois, houve o golpe militar que depôs Jango e uma série de cassações de políticos supostamente ligados a partidos de esquerda ou simpatizantes de seus ideais. Clóvis escapou da cassação. No pleito seguinte foi eleito vice-govenador do Rio Grande do Norte.

focos de rebelião dos sargentos. O Ministério da Guerra distribuiu nota informando que reina calma em todos os setôres do Exército. Divulga-se, ao mesmo empo, que o 1º Exército vem apoiando as ações do general Jair Dantas diante dos acontecimentos nesta Capital.” Da bancada federal do Rio Grande do Norte naquela época, nenhum está vivo para contar o que aconteceu. Clóvis morreu em janeiro de 1979. Mas a irmã dele, Lúcia Motta, que morava em Brasília naquela época, lembrase do que ocorreu: “Nós morávamos em ele na Quadra 208. Ele sempre costumava chegar por volta das 19h30. Naquele dia ele

chegou quase às dez horas da noite. A gente via os tanques nas ruas, movimento da cavalaria, mas não pensava que era alguma coisa anormal. Naquele tempo as comunicações não eram como hoje. Quando chegou em casa foi que ele contou. Foi um episódio rápido, tanto que no dia seguinte estava tudo na normalidade.” “A rotina era muito diferente de hoje. Ele saía para a Câmara no carro oficial. Mas ele vinha almoçar em casa e voltava depois. Naquela época Brasília era uma cidade muito pacata, muito calma. Clóvis tinha muito habilidade para conversar”, conta Lúcia.

Decisão do STF foi o estopim da revolta Fortalecido pela participação na campanha da legalidade que garantiu a posse de João Goulart em 1961, o movimento dos sargentos decidiu lançar, na campanha eleitoral do ano seguinte, candidatos em três estados onde eles tinham maior poder de mobilização e influência política: São Paulo, Rio Grande do Sul e Guanabara. De acordo com o pesquisador do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, Fundação Getúlio Vargas, Sérgio Lamarão, “se na Guanabara, o sargento do Exército Antônio Garcia Filho elegeu-se deputado federal e, apesar do impedimento constitucional, tomou posse em 1º de fevereiro de 1963, no Rio Grande do Sul e em São Paulo, os candidatos eleitos – respectivamente Aimoré Zoch Cavalheiro e Edgar Nogueira Borges, ambos sargentos do Exército foram impedidos de assumir os mandatos de deputado estadual e vereador.” Lamarão lembra: “A questão da elegibilidade mobilizou a classe em 1963. No dia 12 de maio, cerca de mil graduados reuniram-se no Rio de Janeiro para discutir a situação. Durante a reunião, o subtenente Gelci Rodrigues Correia declarou que a categoria não podia se comprometer a defender a ordem reinante no país, pois ela “beneficiava uns poucos privilegiados” e referiu-se à possibilidade de os graduados “lançarem mão de seus instrumentos de trabalho (...) para exigir as reformas de base do governo federal”. Em 23 de maio, o ministro da Guerra Amauri Kruel puniu Gelci com 30 dias de prisão.” No dia 11 de setembro, o Supremo confirmou a sentença do TRE gaúcho sobre o impedimento da posse do sargento Aimoré, o que implicava que sargentos, suboficiais e cabos eram declarados definitivamente inelegíveis. Está aceso o estopim para o levante.

Ficha parlamentar Dados biográficos de um industrial progressista

Clóvis Coutinho da Motta 21/6/1926 - 09/01/1979 Naturalidade Campina Grande (PB) Profissões engenheiro, industrial Mandatos deputado federal nas legislaturas 1959-1963 e 1963-1967 Renúncias Renunciou ao mandato de deputado federal, em 3 de março de 1966, para assumir o cargo de vice-governador do Rio Grande do Norte, eleito na chapa com Monsenhor Walfredo Gurgel Filiações partidárias PTB Atividades partidárias Vice-líder do PTB em 1961 e depois presidente do partido do RN Atividades parlamentares Primeiro-vice-presidente da Câmara dos Deputados em 19631964

Outros mandatos Deputado estadual (PTB) de 1955 a 1959 Vice-governador (PTB) de 1966 a 1971 Atividades profissionais e cargos públicos Diretor da J. Mota Indústria e Comércio, diretor do Alecrim Futebol Cube Atividades sindicais Presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte (Fiern) POSIÇÕES POLÍTICAS Clóvis Coutinho da Motta, engenheiro, industrial, desportista, natural de Campina

Grande, era considerado um político progressista. Como deputado federal eleito pela Cruzada da Esperança, uma aliança de partidos formada para derrotar o então governador Dinarte Mariz, Clóvis apoiou o projeto do presidente Juscelino Kubitschek de transferir a capital federal do Rio para Brasília, engrossou o coro do presidente Jânio Quadro no reconhecimento do governo revolucionário de Cuba liderado por Fidel Castro e também defendeu o reatamento das relações diplomáticas do Brasil com a União Soviética, em 1961. Conseguiu votação consagradora em Natal ao defender a redução das tarifas de energia elétrica para a classe de baixa renda.


12

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

geral

Mentira como arma de guerra « IRAQUE » Argumento das armas de destruição em massa de Saddam Hussein, usado por Estados Unidos e Grã-Bretanha para justificar a ação bélica e ganhar apoio internacional, era baseado em informações falsas MOHAMMED HATO

PETER TAYLOR BBC News Magazine

O

principal argumento que levou os Estados Unidos e a Grã-Bretanha a invadir o Iraque há dez anos, o de que Saddam Hussein possuía armas de destruição em massa, foi baseado em informações falsas divulgadas por dois espiões iraquianos. É o que revela uma investigação conduzida pelo programa de televisão Panorama, exibido nesta semana pela BBC na Grã-Bretanha. Mesmo antes da ação militar no Iraque, várias fontes confiáveis de serviços secretos ocidentais diziam que Saddam não tinha as supostas armas de destruição em massa. No dia 24 de setembro de 2002, o governo do primeiroministro Tony Blair apresentou um dossiê sobre a suposta ameaça das armas de Saddam. “O programa de armas de destruição em massa do Iraque não foi encerrado”, disse Blair. “Ele permanece ativo.” No entanto, o dossiê - preparado para o público doméstico e com um prefácio pessoal de Tony Blair assegurando “não haver dúvidas” de que Saddam Hussein continuava a produzir armas de destruição em massa - omitiu questionamentos feitos por agências de inteligência como o MI6 (serviço secreto britânico voltado para o exterior). Frases e adjetivos como “esporádico e inconsistente” ou “permanece limitado” foram cortados do texto original, o que conferiu ao documento um grau de certeza que ele não deveria ter. Boa parte da informaçãochave usada pela Casa Branca e por Downing Street (sede do governo britânico) foi baseada em invenções e mentiras. No Panorama, o general Mike Jackson, então chefe do Exército britânico, diz que “o que parecia ser ouro em termos de inteligência acabou se revelando ouro de tolo, porque parecia, mas não era”.

Espionagem Frederick Butler, que chefiou o primeiro inquérito parlamentar sobre o dossiê após a guerra, garante que Blair e os organismos de inteligência britânicos “enganaram a si mesmos”. Butler e o general Jackson concordam que Blair não mentiu. Segundo eles, o primeiroministro realmente acreditava que Saddam Hussein tinha armas de destruição em massa. Seja como for, boa parte da base das acusações contra Saddam no dossiê - que “justificou” uma guerra violenta que devastou um país e deixou mais de uma centena de milhares de mortos - derivara de informações falsas passadas por um desertor iraquiano, o espião Rafid Ahmed Alwan Al-Janabi. Suas invenções e mentiras contribuíram para consolidar uma das maiores falhas de inteligência de que se tem memória. Janabi ficou conhecido como Curveball (bola com efeito), codinome dado a ele pelos serviços secretos americanos - e que acabaria se mostrando bastante apropriado. Janabi chamou atenção do serviço de inteligência alemão, o BND, ao se apresentar como engenheiro químico quando chegou a um centro de refugiados iraquianos na Alemanha, em 1999, pedindo asilo político. Ele disse ter visto laboratórios biológicos móveis montados em caminhões para evitar sua detecção. Os alemães tinham dúvidas sobre as informações passadas por Janabi e alertaram os serviços secretos dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha sobre isso. O MI6 também tinha dúvidas sobre a veracidade das informações e expressou insso em mensagens aos EUA e à Grã-Bretanha.

Dez anos depois da invasão do Iraque, a guerra que seria breve e de poucos riscos consumiu trilhões de dólares e ainda há muito a ser feito para alcançar a paz

Terno feito à mão usado no plenário da ONU O programa de armas de destruição em massa do Iraque não foi encerrado. Ele permanece ativo no governo de Saddam Hussein” TONY BLAIR Primeiro-ministro

Nem todas as provas e evidências estavam erradas. Informações de duas fontes altamente qualificadas próximas a Saddam Hussein estavam corretas. Ambas disseram que o Iraque não tinha qualquer arma de destruição em massa ativa. A primeira fonte, da CIA, era o ministro das Relações Exteriores do Iraque, Naji Sabri. Ex-membro da CIA, Bill Murray - então chefe da agência em Paris - negociou com ele por meio de um intermediário, um jornalista árabe, a quem deu cerca de US$ 200 mil (cerca de R$ 400 mil) em dinheiro vivo como pagamento. Murray disse que Sabri “parecia ser uma pessoa confiável - alguém com quem realmente deveríamos estar falando” e montou uma lista de perguntas para o ministro, com armas de destruição em massa no topo.O intermediário se reuniu com Naji Sabri em Nova York, em setembro de 2002, quando

o ministro estava prestes a prestar esclarecimentos à ONU seis meses antes do início da guerra, e apenas uma semana antes de o dossiê britânico ser concluído. O intermediário comprou um terno feito à mão para o ministro iraquiano, que este acabou usando nas Nações Unidas, um gesto que Murray interpretou como sinal de que Naji Sabri estava colaborando. Murray diz que a informação era de que Saddam Hussein “tinha algumas armas químicas abandonadas no início dos anos 90, que havia dado a diversas tribos leais a ele”. “Ele teve a intenção de ter armas de destruição em massa - químicas, biológicas e nucleares mas naquele momento praticamente não tinha nada”, afirma o ex-agente da CIA.A agência americana, por outro lado, insiste que o relato de Sabri indicava que o ex-presidente iraquiano tinha programas para desenvolver essas armas por-

que mencionava que “o Iraque estava atualmente produzindo e estocando armas químicas” e, “como último recurso, tinha plataformas móveis para lançamento de mísseis armados com armas químicas”. Murray contesta essa avaliação. A segunda fonte altamente qualificada que passou informações corretas foi o chefe de inteligência do Iraque, Tahir Jalil Habbush Al-Tikriti - o “valete de ouro” no baralho dos “mais procurados” pelos Estados Unidos, como eram classificados os membros procurados do governo de Saddam Hussein. Um importante funcionário do MI6 o encontrou na Jordânia em janeiro de 2003 - dois meses antes da guerra. Pensava-se que Habbush queria negociar um acordo para evitar a invasão iminente. Ele também disse que Saddam Hussein não tinha um programa ativo de armas de destruição em massa. Surpreendentemente, Fre-

derick Butler - que diz que os britânicos têm “todo o direito” de se sentir enganados pelo seu então primeiro-ministro - só tomou conhecimento da informação de Habbush depois que seu relatório foi publicado. “Não posso explicar isso”, diz Butler. “Foi algo que perdemos em nossa análise. Quando perguntamos sobre isso, fomos informados que não era um fato muito significativo, porque o MI6 encarava aquela informação como algo plantado por Saddam.” Butler diz que também não sabia de nada sobre os relatos de Naji Sabri. Já Bill Murray faz questão de frisar que não ficou satisfeito com a forma como a informação destas duas fontes altamente qualificadas foram utilizadas. “Acho que provavelmente produzimos a melhor informação gerada no período préguerra, que se provaram - no longo prazo - precisas. Mas essa informação foi descartada.”


geral

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

13

»ENTREVISTA » LEONARDO BOFF TEÓLOGO

FOTOS: RODRIGO SENA

A primavera depois de um duro inverno’ « RELIGIÃO » Defensor da Teologia da Libertação, que foi punido pelo papa, fala sobre a eleição de Francisco e os caminhos da Igreja Católicia ELEONORA MARTINI Il Manifesto

A

dital - Ele se encontrou pessoalmente com o cardeal Jorge Mario Bergoglio apenas uma vez, nos anos 1970, durante um retiro espiritual. Mas, o brasileiro Leonardo Boff, um dos fundadores da Teologia da Libertação, coloca muitas esperanças no novo papa. Ele vê nele o vento da “primavera”, que desfaz o “frio inverno da Igreja”. E a arrasta ao terceiro milênio. “Ele sempre esteve do lado dos pobres e dos oprimidos, como nós, teólogos da libertação”. E isso lhe basta. Não se importa com a marca e não acredita na cumplicidade com a ditadura militar. Nesta entrevista, Leonardo Boff fala sobre a eleição do novo papa, as relações dos progressistas com Bento XVI e da “derrota” de D. Odilo Scherer.

ì QUEM Genézio Darci Boff (nome de batismo de Leonardo Boff) é teólogo, escritor e professor universitário.

PORQUE Expoente da Teologia da Libertação no Brasil, entrou em conflito com o Vaticano, durante o pontificado de João Paulo II, e afastou-se da Ordem dos Franciscanos em 1992.

Que homem é Jorge Maria Bergoglio e que papa será Francisco?

Para mim, o importante agora não é o homem, mas sim a figura de um papa que escolheu se chamar Francisco, que não é apenas um nome, mas sim um projeto de Igreja. Uma Igreja pobre, popular, que chama todos os seres da natureza com as doces palavras de “irmão” e “irmã”. Uma Igreja do Evangelho, distante do poder e próxima das pessoas. Em sua opinião, o cardeal Bergoglio tem as cartas certas para trazer essa renovação à Igreja?

Francisco recebeu em São Damião esta mensagem: reconstruir a Igreja que está em ruínas. Hoje, estamos em um rigoroso inverno, e o próprio castelo que os dois últimos papas criaram está em ruínas. E agora um novo papa vem

Graças a Deus, o cardeal Odilo Scherer, que era o candidato da Cúria Romana, um conservador com uma autoridade muito forte, não é o novo papa.”

de fora dos muros de Roma, quase dos confins do mundo, como ele mesmo disse, externo àqueles círculos de poder. E eu acredito que, acima de tudo, ele trabalhará internamente à Cúria para resgatar a credibilidade da Igreja, manchada pelos imbróglios, pelos escândalos dos pedófilos e do banco vaticano... E depois fará uma abertura ao mundo moderno, porque tanto Bento XVI quanto João Paulo II interromperam o diálogo com a modernidade. É um erro renunciar a entender e a dialogar com a cultura moderna. Difamá-la e considerá-la como puro relativismo e secularismo, não reconhecer os seus valores, é uma blasfêmia contra o Espírito Santo. As pessoas buscam uma verdade mais rica e mais ampla do que aquela da qual a Igreja acredita ser a portadora exclusiva. Ao contrário, a sua postura é de poder. Enquanto o sentido evangélico do papado é unir os fiéis cristãos na fé, no curso da história, ao invés, criou-se uma monarquia absolutista que pensa nas coisas em uma perspectiva jurídica. Esse papa logo disse que quer presidir a Igreja na caridade. Esse é o sentido da mais antiga tradição da função de Pedro. Penso que esse papa é o novo rosto da Igreja, humilde e aberta, que pode trazer a experiência do”Grande Sul”, onde vivem 70% dos católicos. A experiência latino-americana, em particular?

A nossa Igreja não é mais o espelho da Igreja europeia. É uma Igreja fonte, que desenvolveu um rosto e uma teologia próprias, uma pastoral com raízes nas culturas locais. Franciscotrará essa vitalidade à Igreja universal, para acabar com o inverno rigoroso e entrar em uma perspectiva de primavera. Bergogliooferece essa esperança,

e a promessa de que o papado possa ser vivido de forma diferente.

bres e contra a pobreza.

na cultura popular local. Não se pode dizer que Bergogliofosse contra esse tipo de teologia.

Além da questão da ditadura, é ainda mais compartilhada a opinião, segundo a qual ele é avesso à Teologia da Libertação. Qual é a sua opinião?

Mas mesmo assim ele é filósofo, teólogo, reitor universitário. Segundo alguns especialistas, podese dizer que ele é muito distante ao menos daquela teologia da libertação de marca marxista.

Como teólogo, porém, Bergoglio nunca reconheceu o valor do movimento da Teologia da Libertação, não é mesmo?

Recentemente, Pérez Esquivel desmentiu que Bergoglio fosse cúmplice da ditadura argentina, explicando que, ao invés, ele salvou muitos perseguidos pelo regime militar. O que é certo é que ele sempre tomou a posição dos pobres e dos oprimidos, também no seu estilo de vida: é uma pessoa simples que viaja de ônibus, que vive em um pequeno apartamento, cozinha sozinho... Vem do povo, e se vê isso também na sua ação pastoral. No YouTube, há um vídeo muito bonito de Bergoglioque fala da dívida que todos temos para com os pobres, porque a desigualdade é fruto de uma sociedade antiética e antihumana. E a marca registrada da Teologia da Libertação é a opção pelos po-

Essa é a versão das ditaduras militares que sempre caluniaram a Teologia da Libertação. Que, depois, foi aceita por Ratzinger como uma forma de teologia [por exemplo, nomeando em 2012, como prefeito da Congregação para os Religiosos, o arcebispo brasileiro João Braz de Aviz, e, como chefe da Doutrina da Fé, Gerhard Ludwig Müller, ambos muito abertos à Teologia da Libertação, n.d.r.]. Mas nunca tomamos Marx como padrinho da Teologia da Libertação. Eu mesmo não sou marxista. E nunca existiu uma Teologia da Libertação marxista. O movimento da Teologia da Libertação, além disso, nunca foi forte na Argentina, onde, ao invés, desenvolveu-se uma teologia própria, encarnada

Ele é jesuíta e, como tal, possui uma ótima formação intelectual. Depois, estudou na Alemanha, como eu. Por isso, é também muito aberto intelectualmente. Mas eu não me importo com o título “Teologia da Libertação”. Ao contrário, me importa qual atitude se opta por ter diante dos pobres e dos oprimidos do mundo. Bergoglio está do nosso lado. A nossa Igreja latino-americana tem muitos mártires: Oscar Romero, Enrique Angelelli, muitos colegas meus que foram sequestrados e assassinados durante a ditadura. Eles não tinham uma ideologia na cabeça, mas sim um certo tipo de atitude com as favelas, com os bairros, com os pobres. E isso é importante. Que nome damos a tudo isso, não importa. O fato de ter preferido Bergoglio com relação ao cardeal brasileiro Odilo Scherer, membro da Comissão Cardinalícia de Vigilância do IOR, é um sinal muito importante?

Graças a Deus, Scherer – que era o candidato da Cúria Romana, um conservador com uma autoridade muito forte – não é o novo papa. No entanto, o cardeal Bergoglio ficou marcado na Argentina pela sua campanha contra as uniões homossexuais...

Até agora, ninguém na Igreja podia se afastar dessa visão de mundo. Ele, no entanto, há alguns meses, permitiu que um casal homossexual adotasse uma criança. Isso significa que não é uma pessoa inflexível. Agora, pode abrir uma discussão ampla sobre o celibato, sobre a sexualidade, sobre a reintrodução dos padres casados. Porque a Igreja tem uma crise institucional tremenda, não pode ser uma ilha sozinha no meio do mar. Qual é o bem comum da Igreja Católica?

É a tradição de Jesus, o amor incondicional. Unir os dois polos: o Pai nosso com o nosso pão. Isto é, abrir-se à transcendência e preocupar-se com quem têm fome e necessidade. Só assim pode-se dizer amém.


14

quadrantes

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

JOSÉ ARNO GALVÃO [ ADVOGADO ]

De leite

M

inhas relações com o leite nunca ficaram muito claras para mim e é difícil entendê-las. Já contei por aqui o trabalho que minha mãe teve quando eu era novinho, tendo de preparar uma mistura de banana com leite para mim, na época em que nem se falava em liquidificador. Cresci, um pouco, é verdade, e essas relações ficaram ainda mais complicadas. Quando chegava da escola, à tarde, era obri-

gado a tomar um copo de leite, que podia conter mais ou menos café, ou nenhum, dependendo do número dos adultos que haviam participado do lanche. Mas, ao mesmo tempo, gostava imenso de comer papa, fosse de maizena, fosse de aveia, o que me acarretou umas queimaduras. Fora preparado um prato de papa e eu, sentado em uma cadeira, aguardava que meu pai chegasse à mesa para começar. Só que a cadeira tinha seu assen-

to de palhinha com imenso buraco, parcialmente tampado com uma taboa que se deslocara sem eu perceber. Daí a escorregar para o buraco, levando comigo o prato de papa escaldante foi um passo. A queimadura na coxa era grande e levou-me à imobilização por alguns dias. Gostava, também, de coalhada, como vim a apreciar o iogurte, livre de preconceitos como o que minha irmã Lúcia alimentava por conta dos bacilos que

provocam a fermentação do leite e que são visíveis com uma simples lente de aumento. Vou longe por um doce de leite, seja qual for a forma de preparo: se ele tiver talhado, deixando aqueles pedaços para mastigar, melhor. Sem falar nos queijos, que somente rejeito quando são como a ricota ou o queijo de coalho tal como os sábios do Ministério da Agricultura recomendam. Um queijo de manteiga que não tenha visto geladeira é

inigualável. Mas gosto dos que Minas Gerais exporta, principalmente o do reino, embora cada vez eles fiquem parecidos com esses queijos tipo mussarela, de um sabor indefinido. Por isso, tenho dado preferência, quando disponíveis, aos queijos de países da Europa, como a França, a Holanda e, mais próximo, Portugal. Foi de lá que trouxe, quando ainda podia, um queijo amanteigado da Serra da Estrela, que contém um núcleo semi-líquido que tem sabor não se sabe se de manteiga, se de queijo. Delicioso. Até que, na idade adulta, submetendo-me á bateria de exames

de laboratório a que os médicos habitualmente recorrem, fiquei sabendo que, como tantos adultos brasileiros, tenho intolerância a lactose, o açúcar do leite. Nada demais, quando se sabe que isso é facilmente superado com a simples ingestão de um comprimido contendo lactase. Os povos árabes parece que não tem esse problema, preferindo escorrer o leite posto para fermentar, de forma a que o soro leve a maior parte de lactose. Nisso tudo fico querendo uma explicação que ninguém dá: por que a lactase preparada no Brasil não tem o efeito que a importada?

CARLOS SÉRGIO GURGEL [ ADVOGADO ]

NELSON PATRIOTA [ ESCRITOR ]

Direito à arborização

“O Violoncelo” e sua trama imperturbável

A

tutela jurídica da flora não compreende apenas o patrimônio florestal, mas todo o conjunto da flora nativa e da flora plantada, endêmica ou exótica, que sirva à função ecológica, estética, climática (ou microclimática) ou quaisquer outras funções que promovam um meio ambiente ecologicamente equilibrado, em suas principais dimensões, quais sejam a do meio ambiente natural e da do meio ambiente artificial. A relevância da arborização no contexto urbano se mostra indispensável a uma vida com maior qualidade. Entre os benefícios da arborização nas áreas urbanas podemos citar alguns: a) redução da temperatura; b) redução da poluição urbana; c) redução dos ruídos; d) valor de uma árvore; e) conforto para a visão. Tais qualidades são essenciais para combater um modelo de desenvolvimento que hoje preza pela expansão da malha urbana desconectada de seu entorno natural. Neste breve ensaio jurídico-ambiental será abordada a questão da arborização urbana no contexto das políticas nacional, estadual e municipal de meio ambiente e à luz da Constituição de 1988. Partindo da Constituição tem-se que o meio ambiente ecologicamente equilibrado é um direito de todos, bem de uso comum do povo e essencial à qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para às presentes e futuras gerações. Na parte que toca às competências comuns (administrativas) entre os entes da federação, reza o artigo 23 do texto Magno que tanto a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios têm o dever de proteção do meio ambiente, ou seja, nenhum dos entes pode se furtar ao dever de planejamento e ordenamento dos espaços urbanos. Por pertinência ao assunto ora abordado, convém destacar que a Lei 10.257/2001 (lei geral do ordenamento urbano), conhecida como Estatuto das Cidades, aponta ser indispensável o conceito de cidades sustentáveis. Segundo esta lei, cidades sustentáveis seriam aquelas que viabilizam o exercício do direito à moradia, ao saneamento ambiental, à infra-estrutura urbana, ao transporte e aos serviços públicos, ao trabalho e ao lazer, para as presentes e futuras gerações. Neste sentido, cidades sustentáveis são aquelas cidades capazes de fornecer todo o instrumental material e imaterial para um desenvolvimento que possa assegurar, ao máximo, qualidade de vida para seus habitantes. Neste contexto, as políticas de arborização constituem um fator de grande relevância, na medida em que permite que se criem ambientes mais salubres diante de tantas agressões ambientais, comuns no contexto da vida urbana. A vegetação urbana, apesar de não estar abrangida no conceito de florestas (com exceção de unidades de conservação ou outras áreas de florestas nativas presentes na zona urbana) também está tutelada pelo ordenamento jurídico brasileiro. O fundamento de tal proteção não vem do Estatuto das Cidades, que foi omisso quanto a este quesito, mas da própria Constituição Federal de 1988. A referida omissão do Estatuto das Cidades recai sobre a ausência de apelos a planos, projetos e programas de arborização nas cidades. Diante deste fato nota-se que a maior preocupação das autoridades administrativas ainda é com o traçado urbano, com os vetores de desenvolvimento social, econômico, cultural, enfim, com o meio ambiente artificial e cultural. Faz-se necessário que haja uma ruptura deste modelo de desenvolvimento das cidades, para que os ventos da mudança soprem na direção da concretização de projetos, planos e programas que restaurem nos seres humanos os laços umbilicais com o entorno natural. Seguindo este padrão de necessidades humanas, as principais cidades do mundo criaram parques urbanos (alguns deles inseridos no “centro da cidade”, como no caso do Central Park em Nova Iorque e o Ibirapuera em São Paulo), para que as pessoas possam, caso queiram, se desconectarem do frenético estilo de vida que estão submetidas hoje, em uma fase de desenvolvimento conhecida como sociedade de risco (Ulrick Beck) ou era das complexidades (Edgar Morin). O conforto ambiental proporcionado por áreas verdes no âmbito urbano permitirá às pessoas viver com mais saúde.Para finalizar, vale frisar que a Constituição não é a única fonte de tutela das áreas verdes urbanas, já que a Lei de Crimes Ambientais prevê uma penapara aquele que destruir, danificar, lesar ou maltratar, por qualquer modo ou meio, plantas de ornamentação de logradouros públicos ou em propriedade privada (art. 49).

D

CLÁUDIO EMERENCIANO [ PROFESSOR DA UFRN ]

Nostalgia

H

á um bem, precioso, sonhado, buscado, acasonhos, ideais, opções e formas de viver cultivalentado no coração e na alma de cada hodos no passado. Mas, por outro lado, numa esmem. É coletivo. Não se compatibiliza nem pécie de paradoxo, cessaram influências tradiciose harmoniza com uma posse exclusiva, individual, nais, conservadoras e impermeáveis às mudanpreconceituosa e egoísta. É um estado de espírito ças, como as dos clérigos que visitavam e ceavam coletivo, grupal, comunitário. Chama-se vida trancom a “Titi”, todos os dias, em “A Relíquia”, ouqüila. Nesse contexto a noite é uma companheira tra monumental revelação da vida provinciana de solidária, fiel, romântica, sedutora e paciente. É Lisboa no final do século XIX. Também expresusufruto da tranqüilidade. Essa percepção contasão do gênio de Eça de Queiroz, revelando semegiou gerações que viveram as noites do "Grande lhanças originais entre o Brasil e Portugal e – sem Ponto". Era o lugar central da cidade. Era compadúvida alguma - vivas neste limiar de século e rado à "Boca Maldita" (Curitiba), à Rua da Praia milênio. Apesar do fenômeno da “aldeia global”. (Porto Alegre), ao Ponto Cem Réis (João Pessoa), Por que falar nessas coisas? Suscitar reminisà Praça do Ferreira (Fortaleza), à Praça do “Diácências, que se julgavam reféns do passado ou rio de Pernambuco” (Recife), à Cinelânpeças da História? Apesar do que se diz dia (Rio de Janeiro), à Praça da Sé (São como uma espécie de "verdade", elas Paulo) etc. Infelizmente cada um persobrevivem latentes e disfarçadas na deu, com o passar dos tempos, a mamemória popular. Que alimenta gia, a fascinação, os segredos, os hásentimentos, vínculos e emoções. bitos e as peculiaridades. Culpa de Que viu a cidade, exageradamente quem? De ninguém. Constata-se, provinciana, pequena em tamanho sem qualquer generosidade ou ine visão, sofrer metamorfoses a partransigência, que o tempo se encarretir da década de 30. Antes mesmo da gou de subtrair dessas áreas suas caGuerra, quando os americanos aqui racterísticas anímicas, mais autêntichegaram e difundiram, por sua vez, cas, mais originais, singulares e exóHá um bem, hábitos, preferências e tendências. Esticas. Desfigurou-os e os despojou de precioso, sonhado, sa influencia americana não se sobrefantasias, seduções e sentimentos. buscado, pôs ao que já era o espírito da cidade. Mas, com essa transformação, ciacalentado no Uma cidade –dizia Odilon Ribeiro dades brasileiras, que preservaram escoração e na alma Coutinho – de espírito talássico. Porse centro telúrico, mais de conteúdo de cada homem. É que a urbe incorporou o que entenhumano, abdicaram uma substância coletivo. Não se deu ser aceitável para si. Assim Natal agregadora, que Saint-Exupéry chacompatibiliza nem foi a primeira cidade brasileira a abomava de “Cidadela”. Aturdidas por um se harmoniza com lir o formalismo do terno, da gravata e modelo urbano disseminado pelos uma posse do chapéu, para usar camisa de manmeios de comunicação social. Espeexclusiva, ga curta. Mas resistiu à bermuda, que cialmente a televisão. Há resistências. individual, o americano tentara impor-lhe. DeAlojam-se na cultura do povo. Naquipreconceituosa e pois, subitamente, aceitou, conlo que o povo quer, aspira, sente, ama, egoísta. É um sagrando-a definitivamente. Ruíramsonha e canta. É um fenômeno intemestado de espírito se também preconceitos. poral e universal. A alma popular é secoletivo, grupal, O propósito desta conversa, como melhante ao personagem de Shakescomunitário. certo livro de Charles Dickens ("Conpeare, Timon de Atenas: perseveranChama-se vida tos do Natal"), é interminável. Os mete, crédulo, ingênuo, obstinado, cultranqüila. Nesse xericos natalenses, que fariam inveja tor de valores de todos os tempos e tocontexto a noite é à curiosidade bisbilhoteira de um Dâlerante. Eis um epílogo com a forma uma companheira maso (outro notável personagem de de hiato, aparente mudança ou falsa solidária, fiel, Eça da Queiroz em "A Capital", "Os ruptura, que, na verdade, apenas preromântica, Maias" e "A tragédia da Rua das Floservam vivos seu espírito e seu sensedutora e res"), difundiram-se. Inspiraram anetido em outros âmbitos. O agregado, paciente. É dotário. Motivaram crônicas. Tamexcepcional personagem de Machado usufruto da bém publicações anônimas, geralmende Assis em “Dom Casmurro”, tipo catranqüilidade. te ferinas, intrigantes e até inescrupuracterístico da vida provinciana, que losas. Foi antes da Guerra que Merse exauriu no século XX, principalmoz (amigo e aviador como Saint-Exmente a partir da década de 1930, ainda pode ser upéry) percebeu que, aqui, configurava-se uma encontrado na paisagem interiorana de pequenas cidadela trepidante em sentimentos e sonhos, ese médias cidades. Do mesmo modo que o Conseperanças e angústias, mistérios e dúvidas, tão unilheiro Acácio, inimitável criação de Eça de Queiversais quanto os de todas as cidades do mundo. roz em “O Primo Basílio”, ainda hoje, com sua verO provincianismo perdia suas “defesas”. Esborréia contumaz e perceptível mediocridade, garçava-se ante o ímpeto e a extensão de mupontifica na cena política de Portugal e do Brasil. danças dos novos tempos. Assim hábitos e posÉ um traço marcante nessa espiral de mediocrituras mudaram. Mas o que foi passado, incriveldade e descompromisso com valores, posturas, mente, está vivo agora dentro de todos nós...

ecalque da vida, quanto mais intenso for o conflito do homem com as circunstâncias que o cercam, melhor se resolve o romance. Em outras palavras, quanto mais humanos os seus personagens, ou seja, falíveis e contraditórios, mais possibilidades contém de refletir as vicissitudes próprias à vida humana. Assim, personagens perfeitos produzem enredos monótonos, resultando em romances previsíveis e insípidos. Lembremos o quanto de imprevisto subjaz no comportamento do astuto Ulisses nos dois livros atribuídos a Homero: o estratagema do cavalo para romper as muralhas inexpugnáveis de Troia corresponde ao ardil de nomear-se ninguém ao ciclope Polifemo, levando-o ao desespero e à morte. Nem seria de outra natureza a glória de Hamlet e seu interminável solilóquio irresoluto entre ser e não ser. As tramas que a vida tece com mais sutileza, até, do que a fidelíssima Penélope, abomina a previsibilidade, como a profusão de romances vem constatando, desde o relato sobre o temerário cavaleiro andante que Cervantes capturou nas estradas poeirentas da Mancha. A glória de Capitu é feita dessa mesma matéria de ditos e não ditos, olhares e negaceios. Segundo esses critérios, o livro “O Violoncelo” (Livre Expressão, 2012), do norte-rio-grandense Francisco Antonio Oliveira, foge aos parâmetros do romance clássico, na medida em que tem uma trama perfeitamente linear, o que não deixa lugar para o elemento surpresa que costuma subverter o curso das narrativas de ficção. De fato, nenhum imprevisto, nenhum acaso, se interpõe no caminho do quarteto formado por Gary e Beth, de um lado, e Marcos e Susana, de outro, na caça ao segredo de um velho violoncelo encontrado num sebo em João Pessoa. Resulta daí que o apelo do livro se restringe à evolução natural de uma investigação que, desdobrando-se em muitas frentes, termina por esclarecer todo o mistério que envolve o instrumento. Paralelamente, essa busca enseja incursões às vezes demoradas pelas páginas da história da arte, notadamente nos itens relacionados com a música erudita, a arte dos “luthiers”, sobretudo os Stradivari e os Guarneri. A pintura renascentista, pela importância que desempenha na trama, merece um tratamento à parte, do mesmo modo que a ópera. Mais intrigante de tudo é que nada, absolutamente nada, vem perturbar a longa investigação levada a cabo pelo quarteto referido ao longo das 264 páginas do livro. Não faltam meios nem disposição para o projeto em pauta, cuja finalidade se esgota em desvendar um segredo, a exemplo de um latinista frente e a inscrição intrigante. À altura da página 185, o autor chega a sugerir que a intuição de Susana acendeu a luz amarela, após um encontro que ela e Marcos tiveram com certa professora Francesca (uma vilã em potencial?), após esta examinar a fotografia de uma tela que viria a ser confirmada como de um discípulo do mestre veneziano Canaletto. Mas a desconfiança de Susana resulta inócua, como sugerindo que o autor recuou essa linha narrativa. Não surpreende, então, que Marcos seja quem leva a melhor, no final, ao subestimar a intuição da mulher, embora credite a ela os principais progressos obtidos na investigação. Outra leitura de “O Violoncelo” o coloca como uma metáfora rica e indistinta, haja vista que a busca pelo segredo do instrumento serve de rito de transição da juventude para a maturidade dos personagens envolvidos, abrindo-lhes as portas para o crescimento profissional e a realização afetiva. No final, revelados todos os segredos embutidos no agora restaurado e supervalorizado violoncelo, seus pesquisadores construíram uma história comum, cuja continuidade, porém, ficará a cargo de o autor querer desenvolvê-la ou não. Nesse último caso, restará a cada leitor imaginá-la. Torcemos que dessa vez o elemento surpresa, encarnado no teatro clássico por um “Deus ex machina”, devolva à trama nuances e tons fortes, conferindo-lhe, ao final, os traços e contrastes que matizam a vida.

Destaque “ ‘O Violoncelo’ [...] foge aos parâmetros do romance clássico, na medida em que tem uma trama perfeitamente linear, o que não deixa lugar para o elemento surpresa que costuma subverter o curso das narrativas de ficção”.


Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

geral

gal

15

Aos 67 anos e com a mente de 30, cantora se diz revigorada após ter lançado ‘Recanto’, que agora ganha registro ao vivo em CD e DVD

o canto é o seu barato ANDRE SCHILIRÓ

GAL ESSENCIAL

YUNO SILVA Repórter

O

mesmo palco que testemunhou a ‘doce bárbara’ Gal Costa gravar o emblemático “Fa-Tal – Gal a todo vapor” em 1971, volta a abrigar um novo projeto ao vivo da cantora quatro décadas depois. Em comum, “Recanto” traz o desejo de transgredir, de ir além, e mostra as ‘várias Gals’ que pontuam uma carreira prestes a completar meio século de estrada. Além da voz límpida e do repertório que mescla composições inéditas com clássicos da MPB como “Vapor barato”, “Divino maravilhoso”, “Baby” e “Barato total”, entre outros, todos devidamente reembalados para o século 21, o êxito do novo álbum também deve muito ao clima familiar dos bastidores e do visto em cena. “Sempre gostei de coisas novas, do inusitado, de experimentar e isso nunca me assustou”, disse Gal Costa à TRIBUNA DO NORTE sobre “Recanto Ao Vivo” (Universal Music). A versão de estúdio do disco foi lançada em 2011, sob os cuidados de Caetano Veloso, que por sinal assina as canções inéditas, e agora em março volta ao centro das atenções como registro (em CD e DVD) do show realizado em outubro do ano passado no Teatro Tereza Raquel, Rio de Janeiro, atualmente rebatizado como Theatro Net Rio. Durante a entrevista, Gal fala do potencial que o álbum tem de atrair um público mais jovem, sobretudo devido a atualização sonora que aposta em guitarras distorcidas e batidas eletrônicas. “Meu público mais tradicional pode até achar o disco estranho num primeiro momento, mas quando assiste ao show entende melhor seu significado. As coisas mais modernas se misturam às músicas clássicas de maneira harmônica. Acredito que seja um show popular”. eee

Gal, qual a emoção de voltar ao palco do Teatro Tereza Rachel (hoje batizado de Theatro Net Rio) quatro décadas depois de “Fa-Tal - Gal a todo vapor” (1971)? Passou um ‘filme’ pela sua cabeça?

A escolha do Tereza Raquel foi proposital. Foi lá onde eu gravei “Fa-Tal”, que me marcou demais. Moreno (Veloso) foi atrás do teatro, disse que havia passado por uma reforma, gostou de como havia ficado e tocou o projeto. Foi muito comovente voltar ao mesmo lugar. O espaço está diferente, mas a emoção foi a mesma. Aquele dia (em 1971) foi muito especial, a música “Vapor Barato” foi lançada ali. Me emocionei demais por isso. Foi intenso estar lá nesse momento em que eu resgato minha vida, minha história.

SETLIST RECANTO AO VIVO

FOTOS: REPRODUÇÃO

Gal Costa (1969) – Primeiro disco solo, que já se destaca como uma das grandes vozes femininas da Tropicália. O repertório rompe com a bossa nova, e apresenta as influências do rock, blues, soul, e diferentes ritmos brasileiros. Há clássicos como ‘Divino maravilhoso’.

Esse disco é uma reunião de tudo o que eu sou, do que eu fui e do que eu serei, de uma maneira diferente, num outro tempo, mas sem perder essa essência”

“Fa-tal – Gal a todo vapor” (1971) – O disco ao vivo mais cultuado. Sob a direção de Waly Salomão, Gal Costa estrelou “Fatal”, uma série de concertos no Teatro Tereza Raquel. O repertório mistura referências desde a tradição de Ismael Silva e o folclore baiano à vanguarda de Caetano Veloso e Jorge Ben.

“Fantasia” (1981) – O show não agradou, mas o disco foi um dos grandes êxitos de público e crítica. Trouxe vários sucessos, como “Meu bem meu mal”, “Massa real” (ambas de Caetano Veloso), “Açaí”, “Faltando um pedaço” (ambas de Djavan), “O amor”, “Canta Brasil” e “Festa do interior”, entre outros.

“Recanto” (2011) – Uma guinada radical na música, após sete anos sem material inédito. Disco idealizado por Caetano Veloso, Moreno Veloso e Kassin, levou a cantora para o território da música eletrônica. A crítica adorou. No repertório, além de canções inéditas como “Neguinho”, “Segunda”.

1. “Da maior importância” (Caetano Veloso) 2. “Tudo dói” (Caetano Veloso) 3. “Recanto escuro” (Caetano Veloso) 4. “Divino maravilhoso” (Gilberto Gil/ Caetano Veloso) 5. “Folhetim” (Chico Buarque) 6. “Mãe” (Caetano Veloso) 7. “Segunda” (Caetano Veloso) 8. “Minha voz, minha vida” (Caetano Veloso) 9. “Barato total” (Gilberto Gil) 10. “Autotune autoerótico” (Caetano Veloso) 11. “Cara do mundo” (Caetano Veloso) 12. “Deus é o amor” (Jorge Ben Jor) 13. “Dom de iludir” (Caetano Veloso) 14. “Neguinho” (Caetano Veloso) 15. “O amor” (Caetano Veloso/ Ney Costa Santos/ Vladimir Maiakovski) 16. “Baby” (Caetano Veloso) 17. “Vapor barato” (Jards Macalé/ Waly Salomão) 18. “Um dia de domingo” (Michael Sullivan/ Paulo Massadas) 19. “Miami maculelê” (Caetano Veloso) 20. “Mansidão” (Caetano Veloso) 21. “Força estranha” (Caetano Veloso) 22. “Meu Bem, meu mal” (Caetano Veloso) 23. “Modinha para Gabriela” (Dorival Caymmi)

esse formato do disco trouxe um público mais jovem. Você fez alguma sugestão sobre quais instrumentos estariam presentes no palco?

Caetano me trouxe o show pronto. Fui me adaptando a ele, colocando minha voz, dando meus palpites. Alguns críticos afirmam que “Recanto” é tão emblemático quanto “Fa-Tal - Gal a todo vapor” (1971), “Plural” (1990) e “O sorriso do gato de Alice” (1994). Também enxerga dessa maneira? Está entre seus principais trabalhos?

“Gal Tropical” (1979) – Outro disco baseado em show, que rendeu à cantora mais notoriedade. A regravação de “Meu nome é Gal”, com acompanhamento da guitarra de Robertinho do Recife, era um dos grandes momentos do show, que gerou também o sucesso carnavalesco “Balancê”.

Apesar da passagem do tempo a essência musical permanece e a maturidade artística é evidente. Quais mudanças destacaria de lá pra cá, e que agora estão em cena?

Esse disco é uma reunião de tudo o que eu sou, do que eu fui e do que eu serei, de uma maneira diferente, num outro tempo, mas sem perder essa essência, essa chama viva e esse gosto pelo novo, pela coisa que instiga, por se lançar um projeto sem medo, de gostar do risco. Isso só enriquece a vida de qualquer artista, na minha opinião. O tempo faz diferença, claro. Eu sou, eu estou diferen-

ì

Pontos altos da carreira de Gal Costa em discografia fundamental

Com certeza. “Recanto” é minha atual paixão. É forte, é instigante, me emociona muito. Sobre mercado fonográfico: vê alguma solução para a equação [internet + pirataria x direitos autorais]? Imagina alguma fórmula para resolver as tensões do mercado em um futuro próximo?

te. Não tenho mais 25 ou 30 anos. Mas a paixão pelo palco é a mesma, se não é mais intensa. Cronologicamente eu tenho 67 anos, mas eu não me sinto com essa idade, sabia? O meu espírito é mais novo. E eu me cuido. Eu tô malhando e não faço isso pra ficar com o corpo que eu tinha com 30 anos, faço por saúde, porque eu não quero enferrujar. As porradas que você tomou na vida, as coisas boas que você também vivenciou, tudo isso forma uma bagagem importante. Eu acho que maturidade me traz mais confiança, mais tranquilidade, mais serenidade, mais segurança, eu diria. Você colaborou/opinou no processo de atualização dessas músicas para que contivessem sua personalidade? Qual o grau de sua influência no resultado de “Recanto”?

O projeto todo partiu do Caetano. Ele compôs as canções especialmente pra mim e me trouxe todas prontas. O restante do repertório também foi ele quem fez. Ele escolheu todas as músicas e

foi me mostrando e eu fui aprovando ou não. O trabalho não existiria sem ele. Caetano dirigiu mais a parte musical, a estética do show. Mas o show foi nascendo, eu fui incorporando aquilo, e o espetáculo foi se formando. Acho que só uma que eu não quis gravar, o restante foi perfeito. E como é estar no meio dessa moçada (músicos na faixa dos 30 e poucos anos) que te acompanha no palco e nos bastidores? Oxigena, revigora?

É revigorante, com certeza! Cantar ao lados dos jovens e para os jovens traz uma energia forte, boa. O Pedro (Baby), por exemplo, é filho do Pepeu (Gomes e da Baby Consuelo) que tocou comigo. É emocionante tê-lo ao meu lado. Moreno, filho de Caetano, é meu afilhado, também é muito rico tê-lo na equipe. Eles trouxeram elementos novos e ao mesmo tempo conheciam todo o meu trabalho. Os ensaios vieram com harmonia, uma coisa espontânea dos músicos,

quando vimos já estava bonito. Nos encontramos. (Detalhe: Zeca Veloso, outro filho de Caetano, também participa do disco como autor de bases eletrônicas) O formato da banda, um power trio básico (baixo, guitarra e bateria) com elementos extras (bases eletrônicas), apresenta uma Gal Costa mais roqueira – mesmo que o conjunto da obra siga por várias direções. Diria que o rock é uma forma de renovar, de se reinventar, e até de retomar alguns momentos da carreira?

Claro. O disco foi um desafio, eu gosto disso. É um disco de vanguarda, principalmente do estúdio, que me emociona muito, me instiga. Eu consegui misturar a Gal de antes e a Gal de agora, de maneira harmônica, no mesmo disco. Eu posso fazer isso porque eu sou verdadeiramente tudo aquilo que está ali no show. Se eu não tivesse assumido ou entendido isso de uma maneira inteira, efetiva eu acho que o “Recanto” não seria o que é. E

A crise do disco é grande, se vende pouco disco. A internet ajuda a divulgar os shows, já que o artista não vende mais discos. Antigamente, quando tinha turnê, eu ficava semanas nas capitais fazendo show e não precisava de patrocínio, hoje tem que ter apoio. Por exemplo, a luz de “Recanto” é simples, mas cara. Até os anos 90 era mais fácil fazer show, hoje é mais difícil. Temos que nos adaptar ao mercado. “Recanto” foi feito para se ouvir por inteiro, mas também para ser baixado, música a música pela internet. Mas ainda acho necessário o material físico para chamar a atenção do público e, consequentemente, dos contratantes de shows. E para finalizar, quando “Recanto” passará por Natal?

Quero levar esse show para o maior número de cidades possível, estamos indo atrás de lugares e contratantes. Com certeza espero desembarcar com o “Recanto” em Natal, uma cidade linda, já estive aí diversas vezes, e espero poder voltar em breve. [ Edição: Cinthia Lopes ]


16

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

geral MIRAFLORES

Solução para eternizar Chávez vem dos ‘ianques’ « VENEZUELA » Especialistas sugerem usar técnicas adotadas nos Estados Unidos para preservar o corpo do líder da revolução bolivariana CLARISSA MANGUEIRA Agência Estado

S

ão Paulo (AE) - Ninguém vive para sempre, nem dura para sempre. Pelo menos não sem muitos ajustes. Por mais que possa parecer que os corpos de líderes mundiais famosos, como Vladimir Ilitch Lenin e Mao Tsé-tung, foram preservados por toda a eternidade, sua presença física permanente é simplesmente uma ilusão ajudada pela ciência. Somente as autoridades venezuelanas que prometeram preservar Hugo Chávez e mostrar seu corpo “para a eternidade” dentro de uma tumba de vidro sabem exatamente como farão isso. Depois da promessa, o próprio presidente interino Nicolás Maduro admitiu ser improvável uma exposição por tempo indeterminado, uma vez que o primeiro embalsamamento demorou demais a ser feito. Mas se a Venezuela seguir os procedimentos usados nos Estados Unidos, a técnica pode ser muito simples: embalsamamento repetido.

“A primeira coisa para lembrar sobre embalsamamento como nós fazemos nos Estados Unidos é que ele é destinado a adiar a deterioração natural do corpo; não para sempre”, afirmou Vernie Fountain, um embalsamador, proprietário e fundado da Academia Nacional Fountain de Competências de Embalsamamento Profissional, em Springfield, no Missouri.

Embalsamamento Então, o que isso significa exatamente? É melhor deixar seu sanduíche de lado antes de continuar lendo. Nos EUA, a maior parte dos embalsamadores usa uma máquina que injeta um fluido com produtos químicos, principalmente formaldeído, em uma artéria do corpo, enquanto a maior parte do sangue é drenada a partir de uma veia. Muitas vezes, um produto químico umectante é adicionado, o que ajuda a preencher “o corpo, parte de espaços vazios, e acrescenta um grau de umidade”, disse Fountain. Embora tenha destacado que

não tem conhecimento pessoal sobre a condição do corpo de Chávez no momento da morte do líder venezuelano, ou sobre quando ele foi, ou será, embalsamado, Fountain afirmou que um método possível de preservar o corpo é seguir o processo de embalsamamento com uma injeção periódica de umectante, ou de algum produto similar para manter a umidade nos tecidos. Maquiagem também ajuda a cobrir áreas que ficaram marrons com a desidratação. Apenas por segurança, funcionários venezuelanos poderiam dar um passo extra de precaução e fazer uma máscara facial, utilizando a face real de Chávez para formar um molde que pode ser colocado sobre a carne no futuro “e mantêlo mais parecido como quando ele morreu”, disse Fountain. O processo de embalsamamento de um corpo por poucos dias, ou muitos anos, é essencialmente o mesmo, destacaram Fountain e Camilo Jaramillo, em embalsamador colombiano e ex-aluno do Instituto de Serviço Funerário da Academia Americana McAllister.

Chavistas tentam preservar corpo do líder político que morreu no início de março, de câncer

Argentina temia culto a Evita Peron Com a morte de Chávez ressurge a pergunta: Por que países como Rússia, China, Vietnã, e agora a Venezuela, vão tão longe para preservar os restos de seus líderes? “A decisão de embalsamar Chávez é uma tentativa de incluí-lo em um panteão de divindades comunistas”, acredita Nina Tumarkin, uma professora de história do Wellesley College e autora de “Lênin Vive! O Culto a Lenin na Rússia Soviética.” “É um retrocesso a tempos soviéticos, comunistas, e pode parecer obsoleto, mas pode ser o único panteão ao qual ele pertença. Melhor pertencer ao clube errado do que a nenhum”, ressalta a professora. Outros líderes políticos em-

balsamados após morrerem incluíram o ditador russo Josef Stalin, apesar de seu corpo ter sido removido mais tarde, e os líderes norte-coreanos Kim Il Sung e Kim Jong Il. Mas foi a famosa exibição do fundador soviético Lenin na Praça Vermelha, em 1924, que inspirou o costume entre os líderes de esquerda. E houve também Evita, a atriz que casou com o então presidente argentino Juan Domingo Perón e passou a reivindicar seu triunfo na garantia benefícios para a classe trabalhadora, fundações de hospitais e ajuda para que as mulheres tivessem direito a voto. Quando Evita morreu jovem, de um câncer uterino em 1952, os líderes milita-

res que derrubaram seu marido em 1955 estavam tão preocupados com um culto à personalidade que tomaram medidas desesperadas para evitar que isso ocorresse. Por duas décadas, o corpo de Evita foi secretamente transferido dentro da Argentina e então enterrado em cova não identificada na Itália. Enquanto isso, vários cadáveres chamarizes de cera e fibra de vidro foram enviados ao redor do mundo. O cadáver verdadeiro permaneceu em Roma até ser entregue à casa de Perón em 1971, no exílio na Espanha. Hoje, o corpo de Evita está enterrado na cripta da família no cemitério da Recoleta, um importante ponto turístico da cidade.


NO FACEBOOK

Dez coisas que você precisa saber sobre o Imposto de Renda. facebook.com/tribunarn

DOLAR COMERCIAL

DOLAR TURISMO

Compra: R$ 2.0130 Venda: 2,0140

Compra: R$ 1.9500 Venda: 2,1230

DOLAR PARALELO

EURO TURISMO

Compra: R$ 2,06 Venda: 2,16

Compra: R$ 2,5330 Venda: 2,7200

FRANCISCO DE ASSIS RELEMBRA OS TEMPOS ÁUREOS DO OURO BRANCO NO RN. PÁGINAS 6 E 7

BLOG MERCADO.COM

As áreas que mais contratam e as que pagam melhor no RN. blog.tribunadonorte.com.br/mercado/

economia Natal • Rio Grande do Norte • Domingo, 24 de março de 2013

Editora: Renata Moura [ renatamoura@tribunadonorte.com.br ]

O algodão: do auge à derrocada « AGRICULTURA » O produto, que chegou a ser chamado de ouro branco no RN, sumiu do mapa agrícola do estado e não tem perspectiva de retomada. A TRIBUNA DO NORTE viajou para contar essa história JÚNIOR SANTOS

Galpões onde o algodão era beneficiado viraram ruínas

U

ma fibra da qual nada se perde. Quando beneficiada se transforma em linha, roupa, lençol. E, do caroço, se extrai alimento para o gado e óleo para a confecção de sabão em pedra e até de combustível. Assim é o algodão. O “ouro branco” que, entre as décadas de 60 e 80 teve picos de produção no Rio Grande do Norte e alavancou a economia do estado no cenário nacional, chegou a responder por 40% da arrecadação de ICMS no RN nos anos 70. Enricou produtores, proporcionou a ascensão de pequenas comunidades a municípios prósperos, movimentou rodovias com o vai e vem de caminhões, implementou 600 quilômetros de trilhos de Natal a Macau e de Macau a Nova Cruz. Empregou milhares de potiguares. Hoje, porém, o cenário das vastas plantações que chegaram a ocupar 500 mil hectares em todo o estado, em nada lembra os algodoeiros que mais pareciam nuvens em pleno solo, dada a vastidão nas plantações. Durante dois dias, a TRIBUNA DO NORTE visitou pólos produtores e beneficiadores da

fibra no Rio Grande do Norte. Foram quase 700 quilômetros percorridos entre Afonso Bezerra, Pedro Avelino, Angicos, São Tomé e João Câmara. Em comum, os municípios visitados guardam a lembrança de um passado glorioso, hoje empoeirado e quase esquecido diante dos prejuízos herdados pela devastação das plantações causada pela “praga do bicudo”. Com a perda dos campos produtores para o besouro, os produtores se viram diante de uma situação irreversível. Sem subsídios governamentais e duelando com a concorrência externa, cuja produção em larga escala dispõe de ajuda dos governantes e juros baixos, coube aos plantadores e empresários instalados em solo potiguar fecharem suas usinas. Hoje, o maquinário enferrujado e esquecido nos galpões construídos na segunda metade do século passado enterra aquela que um dia foi a principal base da economia norte-riograndense.

+

PAGINAS 6 E 7 Abandono e dívidas são as marcas do presente inglório da cultura.


2

economia

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

Tecnologia Hoteleira

Negócios &Finanças

TOMISLAV R. FEMENICK

LUIZ ANTÔNIO FELIPE [ laf@tribunadonorte.com.br]

auditor e consultor em gestão hoteleira

Pouco para o Nordeste ntes de terminar o seu governo, em dezembro de 2014, a presidenta Dilma Rousseff promete zerar o déficit em infraestrutura, através de Parcerias Público Privada (PPPs). O Governo está preparando novas concessões de mais rodovias e ferrovias. Para o Nordeste virão poucas obras, apenas nas regiões produtoras de grãos no Sul do Maranhão e Oeste da Bahia. O volume de projetos capaz de zerar o déficit de infraestrutura no Brasil, está estimado em R$ 500 bilhões, uma montanha de dinheiro que pode levar até décadas para ser aplicada, especialmente, tratando-se de um País emergente, sem segurança jurídica como o Brasil.

A

PROJETOS O governo autorizou recentemente 30 projetos de infraestrutura, com investimentos estimados de R$ 67 bilhões, a captar recursos no mercado pela emissão de títulos privados com benefícios tributários. Mais conhecidos como debêntures incentivadas, esses papéis garantem uma cobrança menor de impostos para quem compra o papel e devem servir de importante “termômetro” este ano para medir a confiança dos investidores.

Ambiente

Sucessão

Na próxima terça-feira, dia 26, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, receberá a bancada federal, da Fiern e o segmento salineiro, para analisar a questão das pesadas multas impostas pelo Ibama. Os empresários acreditam ter peso e argumento, principalmente se tratando de um segmento que é um pilar da nossa economia na geração de emprego e de renda.

Os Auditores Fiscais estaduais irão eleger nova diretoria do Sindifern, na próxima quarta-feira (27). O sindicato, com 24 anos de atuação, prepara a nova gestão para biênio 2013/2015. Este ano duas chapas estarão concorrendo. A chapa 1– Construindo com Responsabilidade e a chapa 2 – Renovar para Avançar. A campanha está acirrada, com abordagem corpo a corpo.

rês grandes eventos internacionais estão programados para o Brasil, nos próximos anos: a Jornada Mundial da Juventude católica, ainda este ano; a Copa do Mundo de Futebol, no ano que vem, e as Olimpíadas, em 2016. A copa terá jogos em várias capitais, enquanto que a Jornada católica e as Olimpíadas serão realizadas no Rio de Janeiro, porém espalharão turistas pelo país. O “problema menor” é que a rede hoteleira nacional já está com uma ocupação média de 70% e o crescimento das diárias foi de 17%, no ano passado. O “problema maior” é que há carência de tecnologia hoteleira. Vamos dividir o imbróglio. O que é tecnologia? É o resultado da junção do capital de produção (maquinas e equipamentos) com a mão de obra treinada. Portando, tecnologia é a maneira como se desenvolve; como se realiza determinada tarefa. Pode ser uma tecnologia de ponta ou uma tecnologia jurássica. O determinante é o nível da tecnologia usada. Assim entendida, a tecnologia não é formada somente por maquinários, equipamentos e utensílios altamente desenvolvidos. Nem tão

T

FRANCISCO DE SALES MATOS

cife, vai discutir a evolução da energia renovável. O encontro acontece em paralelo à Feira de Fornecedores Industriais do Nordeste, de 15 a 18 de abril, no Centro de Convenções de Pernambuco. Especialistas estarão reunidos em conferências e mesas redondas para discutir o desenvolvimento da cadeia de fornecedores da indústria eólica no País. São esperados 280 expositores.

Professor da UFRN, procurador do Estado, membro da Academia de Letras Jurídicas do RN

A presidenta Dilma Rousseff vai anunciar novas medidas de convivência com a seca no Nordeste e deve visitar cidades da região nos próximos dias. O governo estuda permitir o repasse direto de recursos a prefeituras de municípios afetados pela seca, sem passar pelo Ministério da Integração Nacional, além de ampliar os programas Bolsa Estiagem e Seguro Safra. O grave aí é o assistencialismo. “Seu dotô, uma esmola pra um homem que é são ou lhe mata de vergonha ou vicia o cidadão”, já cantava essa bola o grande Luiz Gonzaga.

PESQUISA O Grupo Boticário investiu R$ 37 milhões, no Centro de Pesquisa e Desenvolvimento, em Curitiba. O empreendimento de mais de 8 mil metros quadrados, reafirma o pioneirismo e excelência em pesquisa, desenvolvimento e avaliação de produtos. Inicialmente, uma equipe de 230 pessoas trabalha exclusivamente em inovação em produtos. As inscrições ao concurso 2013 da Caern serão iniciadas amanhã (25) e seguem até 12 de abril, para preencher 27 cargos. Organizado pela Funcern, as inscrições podem ser feitas pelo site www.funcern.br. Serão oferecidas funções de níveis fundamental, médio-técnico e superior. O concurso 2010 é válido até 2014, com convocações de acordo com a demanda da Companhia.

1

2

O Senac RN capacitará mais de 4.300 pessoas com foco na Copa 2014. A programação dos cursos oferece várias oportunidades de qualificação gratuita. Serão cerca de 40 cursos, para qualificação de mão de obra, por meio do Programa Senac em Campo. Os interessados podem obter outras informações no site www.rn.senac.br ou por meio do telefone 40051000.

3

Já o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec Brasil Sem Miséria), executado pelo Ministério do Desenvolvimento Social em parceria com o MEC, oferece este ano 35.096 vagas para atender à população de 65 municípios potiguares. Para participar dos cursos, o candidato deve procurar o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) mais próximo da sua residência.

HOSPEDAGEM Durante a Semana Santa o Hotel VillaOeste, em Mossoró, estará oferecendo pacotes de hospedagens com preços especiais. Os hóspedes poderão desfrutar a Páscoa em clima de descontração em um ambiente confortável e aconchegante. Entre essas e outras vantagens o cliente ganhará um jantar especial de Páscoa. Informações sobre reservas e valores através do (84) 3323-0300. DECLARAÇÃO Os clientes de planos individuais do Hapvida Saúde já podem obter o informe de pagamento de mensalidades para a declaração do Imposto de Renda (IR), com ano-base de 2012. Basta acessar o site www.hapvida.com.br e clicar no link “serviços online”. O prazo para prestar contas com o Leão vai até 30 de abril. TREINAMENTO No dia 27 próximo, a Rui Cadete Consultores dá início ao ciclo de treinamentos exclusivos para clientes com o tema “Acordo de Quotistas: a importância de uma sociedade/empresa”, das 15h às 17h no auditório da empresa. As vagas são limitadas no e-mail ruicadete@ruicadete.com.br.

que a envolvem e aplica-la da melhor forma, caso contrário a tecnologia resultará somente em custos. Nos dias de hoje, com a presença da globalização em todos os setores, é impossível se pensar em qualquer área de negócio sem levar em conta o fator tecnologia. Essa consideração torna-se mais importante ainda quando se refere à área hoteleira, que é dependente de recursos tecnológicos em seus diversos setores, tais como: reservas, recepção, meios de hospedagem, alimentos e bebidas, controle dos estoques, dos ativos imobilizados, dos custos e assim por diante. Apesar da grande importância da tecnologia, nosso país ainda deixa muito a desejar quanto à implantação de tecnologia hoteleira. O maior exemplo disso é que o Sistema Uniforme de Contabilidade para Hotéis é usado em poucos estabelecimentos hoteleiros, apesar de ser usado nos Estados Unidos e no mundo desde a década de 20 do século passado. Tratando-se de novas tecnologias usadas em hotéis, podemos verificar os diferentes tipos de tecnologias presentes nas diversas categorias e tipos de hotéis. Certamente deverá haver diferenças de tecnologia. Uma pousada não pode usar da mes-

ma tecnologia de um hotel de negócios, e este não irá usar a que um resort utiliza; que seria bem diferente da de um motel, e assim por diante. Pequenos hotéis não dever fazer uso de muita tecnologia via equipamentos e utensílios, contariam mais com a tecnologia relacionada com o nível técnico da mão de obra. Já os grandes hotéis necessitariam de equipamentos eficientes para substituir boa parte do trabalho humano, oferecendo a seus hóspedes mais rapidez, melhor qualidade e conforto, uma vez que a demanda seria maior e mais exigente em comparação com o público de um estabelecimento menor. De modo geral, o custo do fator tecnologia é baixo quando se considera os benefícios que são obtidos. Por exemplo, com os softwares mais modernos o número de funcionários na recepção pode ser otimizado e, em estabelecimentos menores, a área de reservas pode ficar por conta do setor de recepção. O melhor exemplo é o setor de telefonia. As telefonistas foram substituídas por equipamentos modernos que controlam as ligações dos hospedes, podem ser programados para despertá-los, tarifam as ligações sem precisar intervenção humana, têm correio de voz etc.

Planejamento, pra que te quero?

RENOVÁVEL Mais uma conferência internacional, agora em Re-

Nordeste na mira

pouco por técnicos altamente capacitados. Deve haver um perfeito ajuste entre maquinas e equipamentos e mão de obra qualificada, de tal forma que sejam gerados benefícios financeiros para a empresa e satisfação para seus clientes. Não custa repetir: a tecnologia pode advir do capital humano (com pessoal treinado, com formação acadêmica etc.) ou ainda de duas outras fontes: o maquinário usado nas instalações do hotel e dos processos de trabalho; das maneiras como os serviços são desenvolvimento. É importante, ainda, salientar que a tecnologia é resultado das diferentes maneiras possíveis de se realizar tarefas e trabalhos, pois a forma como são executadas certas atividades, pode trazer praticidade ou dificuldade, maior ou menor segurança, pode acarretar um maior ou menor custo; lucro ou prejuízo. Além do mais, de nada adianta possuir ótimos aparelhos e equipamentos sem a manutenção adequada. De nada adianta uma infinidade de máquinas, equipamento, utensílios se as equipes da empresa não estiverem conscientes do trabalho em conjunto e de um bom desempenho. Por isso, ao fazer uso de uma nova tecnologia, devese pensar em todos os processos

planejamento é o modo de pensar a ralização da atividade humana determinada por interesses, sejam eles de pessoas, individualmente, ou de grupo de pessoas, organizadamente. Nessa perspectiva o planejamento serve para identificar os custos e os benefícios do que vai ser feito, os recursos necessários para tal e, enfim, o que desejam realizar aquelas pessoas, de que maneira, quando, como e quem deve fazer. Percebendo isto Nações do mundo inteiro passaram a adotar o planejamento como ferramenta essencial para pautar a dinâmica do Estado. A União Soviética tornou-se a primeira Nação a aplicar o planejamento como ferramenta de reconstrução ante o que lhe provocara a Primeira Guerra Mundial. Após a Segunda Guerra Mundial países de economias abertas como França e Japão, também vislumbraram no planejamento a forma de otimizar a atuação do Estado, não somente para a reconstrução como para o desenvolvimento em geral. E a partir de então os chamados países subdesenvolvidos entraram na dança. Com isto, ficou comprovado que o planejamento é estratégico não somente para a condução da vida, senão para a condução da vida politicamente organizada. Daí

O

as razões pelas quais os países de um modo geral passaram a assentar em suas Cartas Políticas os chamados planos plurianuais, diretrizes orçamentárias e os orçamentos anuais. No caso brasileiro, a nossa Carta Magna contempla no Art. 165 esse conjunto de mecanismos, traçando uma complexa regulamentação mediante a legislação infraconstitucional. O fato é que o mencionado preceito se volta de modo mais direto para o planejamento da questão financeira e orçamentária, não enfatizando o planejamento estratégico do Estado, o que não autoriza o gestor público a olvidá-lo. Esta lamentável realidade, qual seja, a ausência de planejamento estratégico, tem prejudicado muitos Estados brasileiros, dentre eles o nosso Rio Grande do Norte. Nosso Estado que já foi um dos melhor articulados do País em termos de planejamento, atualmente se depara com a triste realidade de não contar com um planejamento articulado, estratégico, para viabilizar suas ações, inclusive as mais prementes como as reclamadas para os setores da educação, saúde e segurança. Também em desgraça o planejamento agrícola, noutros idos tido até por organismos internacionais como de excelência. Não poderia deixar de enunciar, tristemente, que o status quo não é fruto da atual conjuntura, mas de um violento processo de desmonte que impuseram à organização administrativa do nosso Estado, sem qual-

quer planejamento estratégico, a partir do final dos anos 80. E iniciou-se esse desmantê-lo ou desmonte com a extinção da Fundação Estadual de Planejamento Agrícola – CEPA/RN, referência em nível nacional e internacional em matéria de planejamento setorizado. A Fundação CEPA, como era conhecida, reunia uma plêiade de técnicos, inclusive mestres e doutores, cuja performance intelectual os destacava regionalmente, no âmbito da SUDENE, no plano do governo federal, nos diversos ministérios, e no plano internacional, junto ao Banco Mundial (BIRD) e ao Banco Interamericando Para o Desenvolvimento (BID). Nos mesmos moldes, o Estado contava com a Secretaria de Planejamento que por sua vez trazia consigo, como entidade vinculada, o Ins-

tituto de Desenvolvimento Econômico – IDEC, braço operacional da SEPLAN de então. Os Quadros do IDEC também eram de excelência, pois lá, como na Fundação CEPA, havia preocupação com a qualificação e remuneração dos técnicos que o compunham. Essa desenvolvutura contaminava positivamente os técnicos das demais Pastas onde se elaboravam planos setoriais. O fato é que hoje o nosso Estado padece dessa idiossincracia que foi a desarticulação graciosa, desinteligente, irresponsável do planejamento estratégico do Estado, com a extinção dos órgãos operacionais. Enfim, o resultado não poderia ser mais catastrófico. Em que pese a competência política da Governadora do Estado, amparada pelo conjunto dos parlamentares, inclusive adversários, em negociar a vinda de recursos para o Estado, junto ao governo federal ou organismos internacionais, tais recursos não podem ser liberados porque não temos planejamento, ou seja, não temos programas, planos ou projetos, que neste momento ensejariam a captação desses tão necessários e imprescindíveis recursos, para fazer face à promoção da saúde, educação, segurança e agricultura (neste momento de seca), sem se falar em outros serviços importantes e estratégicos para o desenvolvimento econômico e social do Estado. Então, planejamento, pra que te quero?

ceiros absolutamente em dia e organizados. Caso contrário, a oportunidade de uma venda — se esta for uma opção consciente e desejada pelos controladores — poderá ser desperdiçada. Nesse sentido, a contabilidade é fundamental! Os postulantes à compra, sejam concorrentes, uma companhia de grande porte ou fundo de investimento, necessitam de informações precisas sobre a situação da empresa, para ter condições concretas de avaliação e subsídios para a tomada de decisões. Portanto, uma organização alvo ou candidata ao processo de fusão e incorporação precisa ter regras rígidas de controle e gestão do negócio. Todos os dados devem estar organizados (entradas, saídas, estoques, vendas, contabi-

lidade e operações fiscais). A contabilidade é tão importante, em especial neste momento de mudanças no sistema de prestação de contas tributárias ao fisco e consolidação da convergência do Brasil às normas internacionais, que deve ser sempre feita com profissionalismo e eficácia, não apenas com vistas a uma possibilidade de fusão ou incorporação. Conhecemos alguns pequenos e médios empresários que, depois de anos, decidiram organizar a contabilidade só para vender a empresa. Ante a transparência e organização das informações, perceberam que tinham um ótimo e potencialmente rentável negócio. Desistiram da venda. Eram felizes e não sabiam, como disse um dia o grande compositor Ataulfo Alves!

Hoje o nosso Estado padece dessa idiossincracia que foi a desarticulação graciosa, desinteligente, irresponsável do planejamento estratégico”.

Era feliz e não sabia FELIPE NASCIMENTO E VAGNER JAIME RODRIGUES consultores da Trevisan Gestão & Consultoria

s fusões e incorporações, em todos os setores de atividade, constituem um fenômeno que ganhou força desde o desencadeamento da globalização, a partir do qual os mercados tornaramse exacerbadamente competitivos. Adquirir ou fundir-se a outra empresa passou a ser a fórmula mais recorrente para a conquista ou aumento de participação nos distintos mercados. Com a eclosão da crise mundial a partir de 2008, a concorrência acirrou-se ainda mais, estimulando joint ventures, associações e

A

compras de negócios pelos concorrentes ou fundos de investimentos. Mesmo com alguns sinais de recuperação da economia, a competitividade continua num patamar altíssimo. Assim, o cenário mantém-se fértil para fusões e incorporações, maximizando o capital mobilizado, racionalizando e reduzindo os custos da produção, distribuição, marketing e recursos humanos, com ganhos de produtividade e produção. Na presente conjuntura, a venda de um negócio não é mais algo restrito ao universo das grandes corporações, tornandose alternativa viável também para pequenas e médias empresas. No entanto, estas precisam estar com todo o seu balanço e demonstrativos econômico-finan-


Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

economia

Páscoa engorda o bolso de empreendedores individuais

Abrindo a porteira LUIZ ANTÔNIO FELIPE [ laf@tribunadonorte.com.br]

Urgência nas decisões presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do RN (Faern), José Álvares Vieira, entregou à governadora Rosalba Ciarlini o documento final com todos os dados e sugestões, a partir da situação observada pela expedição “Retratos da Seca”, realizada em fevereiro, para ajudar os produtores rurais do RN. Pediu urgência nas providências. O presidente da Federação quer o Estado sendo avalista de um fundo para aquisição de alimento para o rebanho em um prazo de 90 dias. Com essa medida, o dinheiro seria usado diretamente pelo produtor rural para a aquisição de volumoso. Lembrou que a agricultura familiar conseguiu um novo prazo para organizar os créditos, e pediu essa mesma elasticidade para os pequenos e médios produtores.

O

VOLUMOSO Para garantir o volumoso para o rebanho, o governo da Paraíba lançou o Programa da Palma, com a distribuição de 200 mil raquetes resistentes à praga da cochonilha do carmim. A proposta é distribuir 4,5 milhões Sucessão (I)

Sucessão (II)

Os novos secretários de Agricultura e Pecuária, Júnior Teixeira, presidente da Anorc e Leonardo Rego, de Recursos Hídricos, ex-prefeito de Pau dos Ferros, estão empossados. As nomeações foram publicadas no Diário Oficial de terçafeira (19). Júnior Teixeira, foi indicado pelo PMDB e Leonardo Rego, pelo Democratas. Agora é mãos à obra, para enfrentar a seca.

O novo ministro da Agricultura e Pecuária, Antonio Andrade, dará ênfase no aumento da renda do trabalhador do campo. Também destaca que fomentará o uso de tecnologias sustentáveis e dará apoio à parcela de produtores rurais que não tem acesso à mecanização intensiva e cuja produção é voltada para o abastecimento do mercado interno. O ministro é criador de Gir Leiteiro, em Minas.

PREVISÃO Os meteorologistas do Nordeste decretaram praticamente que o ano de 2013 será novamente seco, com poucas chuvas no semiárido e na faixa litorânea. Mais um ano de sofrimento para o homem do campo.

Frete e acesso prejudicam Analistas acreditam que a próxima safra de milho e soja no Centro Oeste vai enfrentar problemas com o frete mais alto e a logística. Com o fim do plantio de milho na segunda semana de março no Mato Grosso, uma das preocupações que impactam de forma decisiva o rendimento da safra é seu escoamento. A safra passada já demonstrou que os problemas logísticos têm impacto direto no transcorrer da safra, visto que no primeiro bimestre deste ano 3,7 mi e t, ainda da safra passada, foram exportados pelo Estado, comprovando a dificuldade de distribuição da produção. O valor do frete hoje, no trecho Sorriso -Santos, custa 7% mais caro que o preço da saca.

LEITE A seca em vários países influencia a alta nos preços do leite em pó no mercado internacional. A tonelada do produto está cotada, em média, em US$ 4.100,00 na Oceania, 13,9% mais que na quinzena anterior. Em relação ao mesmo período de 2012, os preços estão 16,7% maiores. Na Europa, o leite em pó é comercializado no mesmo valor, o que representa um aumento de 3,8% frente a quinzena anterior e 15,5% mais que no mesmo período do ano passado. O Rio Grande do Norte assinou um acordo de cooperação técnica com o Governo Federal para implantação do Cadastro Ambiental Rural (CAR). Os Estados que assinaram o acordo receberão apoio técnico para regularização dos imóveis rurais, imagens via satélite em alta resolução e apoio institucional do Ministério do Meio Ambiente e do Ibama.

1

2

O CAR é um instrumento do Ministério do Meio Ambiente que pretende cadastrar mais de 5,2 milhões de imóveis rurais em todo o Brasil. Para o produtor, os benefícios da regularização são a comprovação de regularidade ambiental, segurança jurídica para produtores rurais, acesso a crédito, acesso aos programas de regularização ambiental e instrumento para planejamento do imóvel rural. Já para o governo federal, representa a consolidação de informações ambientais do território nacional.

3

3

Os produtores rurais brasileiros contratam R$ 71,6 bilhões na safra 2012/13. O resultado é 16,2% superior ao registrado no mesmo período da safra anterior, quando o volume foi de R$ 61,6 bilhões. Somente pelo Programa de Sustentação de Investimento foram financiados R$ 7 bilhões. Com isso, os produtores rurais já adquiriram 62,2% dos recursos previstos pelo Plano Agrícola e Pecuário 2012/13.

MILHO A Conab fará o primeiro leilão de compra de milho para atender os municípios da área da Sudene. A operação de compra de 50 mil toneladas de milho em grão ensacado é a primeira das 300 mil toneladas para abastecimento dos estoques do Programa de Venda em Balcão. O produto será destinado aos pequenos criadores. Uma novidade nesta operação é o fato de que os lotes comprados pela Companhia deverão ser entregues pelos fornecedores no local de atendimento do programa definido pela Conab, já ensacados.

IMPORTAÇÃO O Japão estuda aumentar a compra de milho do Brasil, após as autoridades japonesas visitarem o Ministério da Agricultura e Pecuária e propriedades no Mato Grosso conhecendo a logística e o sistema de produção brasileiro. O Japão está à procura de uma fonte para complementar as importações de milho, por ser dependente do cereal para a fabricação de rações. Em 2012, o Japão comprou três milhões de toneladas de milho brasileiro (US$ 814,6 milhões).

« NEGÓCIOS » As vendas de produtos artesanais chegam a aumentar

50% nesse período e movimentam o caixa dos pequenos ‘fabricantes’ FOTOS: DIVULGAÇÃO

DA AGÊNCIA SEBRAE RN

onge da disputa palmo a palmo de clientes para a Páscoa por parte da indústria de chocolate, supermercados e redes de lojas especializadas, os empreendedores individuais (EI) do Rio Grande do Norte ganham mercado com produtos artesanais derivados de chocolate. A procura pelos produtos aumenta nessa época, principalmente em função do preço e da personalização das guloseimas. As vendas chegam a subir, em média, 50% nesse período. Não é à toa. De acordo com levantamento do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio, ligado à Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Rio Grande do Norte (Fecomercio-RN), os ovos e produtos de chocolate serão os itens que serão mais consumidos nesse período. 57,8% dos natalenses pretendem comprar artigos desse gênero, mais que outros itens tradicionais da Semana Santa, como peixes e crustáceos (31,5%) ou vinhos (6,9%). A fartura dos doces faz o orçamento de Delhe Barbosa Pereira de Araújo atingir o melhor desempenho do ano nesse período. Proprietária dos Showcolates Delícia, a Empreendedora Individual produz ovos e trufas de chocolates, nessa época que as encomendas e comercializações aumentam. Os pedidos crescem 50% a mais no

L

Pequena fabricante de doces deverá produzir 4 mil ovos de chocolate este ano: demanda em alta

NÚMERO

57,8% dos natalenses pretendem comprar ovos da Páscoa este ano. Os empreendedores tentam fisgar esse público.

comparativo com o restante do ano. “Quando a Páscoa se aproxima, produzo mais ovos porque os pedidos aumentam. Nos meses seguintes, foco nas trufas, que também têm boa aceitação”, explica. Até a Semana Santa, ela terá produzido 4 mil ovos de páscoa, o que deve proporcionar um faturamento no

mês perto de R$ 2,5 mil. Na cozinha da própria residência, Delhe Barbosa montou o seu negócio, que envolve o marido, filhos e outros parentes. Tudo começou há três anos pela vontade de incrementar a renda doméstica. Com poucas economias, iniciou a produção de trufas. A qualidade e sabor dos doces atraíram clientes e o que era mero complemento virou o negócio da vida da dona de casa. Para começar certo, procurou o SEBRAE no Rio Grande do Norte, participou de palestras gerenciais e percebeu que estava na hora de abrir uma empresa. Foi quando resolveu se formalizar como EI, em março do ano passado.

Redes sociais ajudam na divulgação O gastrônomo Daniel Simplício também viu nos produtos derivados de chocolate feitos artesanalmente a oportunidade de ter o próprio negócio. Deixou para trás o emprego em um restaurante em Natal e resolveu empreender, atitude estimulada após a participação no seminário Empretec, realizado pelo Sebrae para desenvolver as competências empreendedoras dos participantes. O jovem era responsável pelo setor de confeitaria e doceria do estabelecimento, pediu demissão em junho do ano passado e passou a ser conhecido por ‘O Melhor Brigadeiro da Cidade’, por confeccionar os brigadeiros gourmet, uma variação do tradicional brigadeiro acrescido de sabores requintados, como pistache, damasco, limão siciliano, castanha do pará, café e a última novidade, caramelo com flor de sal. Ao todo, são 32 sabores que estimulam os desejos da clientela. Como canal de divulgação dos produtos, o empreendedor usou as redes sociais. Criou uma página no Facebook e um perfil no Instagram. O termômetro das vendas veio no Dia dos Namorados. As guloseimas caíram no gosto dos casais apaixonados e Daniel Simplício chegou a vender 50 caixas contendo até 20 bombons. “Venho de uma família seridoense com larga tradição nessa área de doceria. Então, resolvi apostar nos brigadeiros”, conta o rapaz, que juntamente com a mãe produz os doces, vendidos ao preço de R$ 40 a caixa. No período natalino, outra constatação de que o negócio era viável. Foram vendidas mil unidades em apenas duas semanas. Mas nada supera a Páscoa, quando a produção aumenta 50% e a receita deve atingir R$ 3 mil até o fim do mês. Até a próxima sex-

Daniel Simplício: Facebook é vitrine para os brigadeiros

Vi que essa era a oportunidade da minha vida e apostei na ideia”. DANIEL SIMPLÍCIO gastrônomo

ta-feira (29), ele terá feito 600 brigadeiros voltados especialmente para a Semana Santa. Formalizado como Empreendedor Individual no ano passado, Daniel Simplício diz que o cadastro no programa foi fundamental para o sucesso do negócio, já que praticamente todos os

ingredientes são importados e a aquisição necessita de nota fiscal ou número do Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ). A ideia de fazer da paixão pela gastronomia a principal fonte de renda deu tão certo que atualmente ‘O Melhor Brigadeiro da Cidade’ tem um cadastro de 200 clientes fixos, entre eles um café instalado no Natal Shopping. Pelo menos, duas vezes por semana, parte da produção dos brigadeiros é destinada a esse cliente. As embalagens do produto são outro diferencial e tudo pensado e planejado por Daniel Simplício que também é publicitário. “Vi que essa era a oportunidade da minha vida e apostei na ideia”.

Desde então a rotina de Delhe Barbosa foi completamente alterada. O tempo ocioso foi substituído por cálculos, busca por clientes e negociações com fornecedores. “Um dos maiores diferenciais dos meus produtos é a qualidade. Utilizo matéria prima de primeira linha”. Logo às 6 horas da manhã, a mulher já ta de pé. Começam os preparativos para manuseio do chocolate. Tudo precisa ficar pronto para a entrega, às 14h. Além das encomendas, as trufas e ovos trufados - cujos valores vão de R$ 0,50 a R$ 25 - vão parar nos principais mercadinhos e mercearias do conjunto Santa Catarina e arredores, na zona Norte de Natal. São 50 clientes fixos.

Programa dá impulso à formalização Assim como Daniel Simplício e Delhe Barbosa, milhares de potiguares deixaram a informalidade e entraram no mercado formal tornando-se Empreendedor Individual. Atualmente, o Rio Grande do Norte possui 39,6 mil profissionais autônomos que aderiram ao programa, de acordo com dados da Receita Federal. Uma iniciativa do governo federal, o Empreendedor Individual é uma categoria jurídica destinada aos profissionais que trabalham por conta própria, faturam até R$ 60 mil ao ano, não possuem participação em outras empresas como sócio ou titular e empregam, no máximo, um funcionário. “O programa tem cumprido um papel social muito importante dentro da economia do Rio Grande do Norte. E vemos isso em datas comemorativas, quando o talento e a criatividade desses profissionais vêm à tona, gerando boas vendas, como é o caso dos empreendedores que atuam com doces e chocolates”, observa o gerente da Unidade de Orientação Empresarial do SEBRAE no Rio Grande do Norte, Edwin Aldrin da Silva. Segundo o gerente, o programa só apresenta vantagens e tem avançado em número de formalizações no estado a cada ano. Mediante o pagamento de uma taxa mensal de no máximo R$ 37,10, o trabalhador passa a contar com auxílio-doença, salário-maternidade e aposentadoria após 15 anos de serviço. Outros benefícios importantes são o direito ao Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ), o de emitir notas fiscais, vender para o governo, além de ter acesso facilitado aos serviços bancários e linhas de crédito. Atualmente, mais de 450 atividades podem ser enquadradas como EI.


4

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de marรงo de 2013

economia


economia

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de marรงo de 2013

5


6

economia

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

JÚNIOR SANTOS

Usina Algodoeira Potengy, no município de São Tomé (RN): galpões e máquinas que beneficiaram safra recorde de algodão nos anos 80 estão paradas e sem perspectiva de voltar a funcionar

O presente inglório do

ouro branco

personagens no tempo

JÚNIOR SANTOS

GILMA CRUZ PINHEIRO trabalhou no Setor Fiscal e Deptº Pessoal na Algodoeira Mascote, em Pedro Avelino

A cultura do algodão, que ajudou a turbinar a produção agropecuária, o desenvolvimento econômico e a arrecadação de impostos do Rio Grande do Norte no passado, em nada lembra, hoje, os tempos áureos

“Lembro que em 1989 o Grupo Giorgi comprou 12 milhões de quilos de algodão. Era tanto algodão que nem dava para beneficiar tudo na Algodoeira Mascote. O pátio ficava cheio e os galpões preenchidos até o teto. Nós tínhamos 150 funcionários que trabalharam em regime de escala. Todo mundo aqui vivia bem financeiramente, a cidade vivia cheia de carretas e caminhões para carregar os fardos e entregar nas outras cidades. Era uma coisa linda. Mas aí veio a praga do bicudo e foi destruindo tudo. Quase ninguém mora mais nas fazendas que produziam algodão. Muitas estão em ruínas. Todo o maquinário da Mascote foi vendido para algodoeiras menores a preços abaixo do mercado. Eu sinto saudades do passado. Hoje, quem habita os galpões são os marimbondos. É um pedaço das nossas vidas que está em ruínas”. JÚNIOR SANTOS

JÚNIOR SANTOS

RICARDO ARAÚJO repórter

O

s campos que um dia reluziram o ouro branco no Rio Grande do Norte, hoje não passam de terras secas e abandonadas, nas quais jaz uma história de apogeu e declínio. O algodão, que no auge da produção entre as décadas de 1960 e 1970, chegou a contribuir com 40% da arrecadação do ICMS no estado, hoje amarga o esquecimento e a impossibilidade de retomada da produção. Dos 500 mil hectares plantados em diversas regiões do estado potiguar entre o final do século 19 e meados da década de 1980, atualmente as plantações estão resumidas a 435 hectares, cuja representação na produção estimada para 2013 é de 392 toneladas. Em 1960, o estado bateu recorde na colheita, com 96,3 mil toneladas da fibra. “O ciclo do algodão no Rio Grande do Norte acabou, ficou no passado. O ouro branco não irá reluzir novamente”, assegura o chefe do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE/RN), Aldemir Freire. O apogeu da produção algodoeira no estado se confunde com a própria história de desenvolvimento econômico potiguar. O ciclo da cotonicultura trouxe consigo a expansão das linhas férreas, cujos trilhos cortavam 605 quilômetros de Natal a Macau, no sentido Norte, e da capital a Nova Cruz, no sentido Sul. Além de passageiros e mercadorias diversas, os trens escoavam a produção das usinas algodoeiras. Os reflexos da derrocada da produção, são visíveis nos municípios nos quais existiam

EPITÁCIO DA SILVA VILAR, 86 ANOS foi funcionário da Nóbrega e Dantas Algodoeira por 30 anos, em Acari e João Câmara.

Usina Algodoeira da Giorgi, em Pedro Avelino (RN): linha férrea ajudava a escoar a produção

ì O EFEITO ALGODÃO A derrocada da cultura deixou 500 mil hectares improdutivos no RN.

A CAUSA DO BAQUE A praga do bicudo é apontada como principal responsável.

CONSEQUÊNCIA A indústria têxtil local passou a importar a fibra de algodão da China.

www.tribunadonorte.com.br

FOTOS

Veja imagens de antigas áreas de cultivo e usinas de algodão no Rio Grande do Norte.

estações de trem. Em ruínas, elas refletem a decadência de uma era próspera. Não fosse a “praga do bicudo”, besouro de origem africana que dizimou plantações em todo o estado no início dos anos 80, a produção poderia ter se recuperado. Entretanto, a falta de subsídio governamental e os altos juros cobrados pelos tipos de algodão produzidos no Rio Grande do Norte, fizeram com que grandes grupos empresariais como o Giorgi, o Nóbrega e Dantas e as usinas de Chico Sousa, no Mato Grande, falissem, impossibilitadas de concorrer com o algodão sintético produzido pelo mercado concorrente, principalmente o americano e o chinês. O que se vê hoje em dia nas cidades que sediaram usinas de beneficiamento da fibra, é o retrato de um presente inglório, no qual somente os marimbondos habitam o que um dia foi uma fá-

brica próspera, cheia de empregados e perspectivas de desenvolvimento econômico. “O algodão era a fonte de renda e sustentação monetária do interior do estado. Hoje, essas cidades se mantém com os repasses do Fundo de Participação dos Municípios, pela União, além das aposentadorias e funcionalismo público”, avalia Aldemir Freire. Conforme dados analisados pelo chefe do IBGE, metade do Produto Interno Bruto (PIB) do Rio Grande do Norte no século passado advinha da produção agropecuária. E, nesta área, a cotonicultura contribuía com quase 50% dos lucros obtidos. Do passado glorioso, no qual as cooperativas e usinas de algodão potiguares eram destaque no cenário econômico nacional, restaram apenas máquinas antigas e valiosas às sucatas. No vazio silencioso das usinas, morcegos, marimbondos e abelhas, fazem seus ninhos.

“Acho que sou o último funcionário da usina vivo. Fui funcionário do grupo Nóbrega e Dantas Comércio e Indústria até 1989. Trabalhei na usina durante 30 anos. Comecei como auxiliar de armazém, em Acari, no dia 25 de outubro de 1958. De Acari vim para João Câmara. Aqui, nossa maior produção foi de 20 milhões de quilos de algodão. Era muita gente trabalhando, de manhã, de tarde e de noite, sem parar. A usina era um galpão enorme e a gente dividia a produção, retirava o caroço do algodão, fazia óleo. Tudo do algodão se aproveita, tudo. É uma riqueza grande. Quando a Nóbrega e Dantas Algodoeira chegou em João Câmara, a cidade cresceu. Mas veio a praga do bicudo e mudou tudo. Os funcionários foram demitidos e hoje o prédio está abandonado. As terras que produziam algodão estão entregues ao acaso”. JUNIOR SANTOS

FRANCISCO DE ASSIS RODRIGUES, 54 ANOS foi classificador de algodão na Usina São Miguel, em Angicos.

“Sou nascido e criado dentro da fazenda São Miguel. Cresci vendo os agrônomos ingleses desenvolvendo novas linhas de produção, testando mudas em laboratório. Nós tínhamos cinco mil hectares só para pesquisa. Aprendi a classificar o algodão e os meus filhos cresceram na fazenda. Plantávamos o algodão fibra longa, específico para a produção de linha resistente, forte. Tudo o que era produzido era encaminhado para a antiga Linhas Corrente, hoje Coats, em Natal. Por safra, o grupo chegava a comprar 10 milhões de quilos de algodão para beneficiamento. Tudo era aproveitado. A fibra era separada do caroço, que era sugado e levado por dutos para a fábrica de óleo. Lá, era produzido, além do óleo, torta de algodão que é usada na alimentação do gado. Mas, veio o bicudo e destruiu tudo. A algodoeira fechou. Parte das máquinas foi vendida para o Centro-Oeste. Uma tristeza”.


Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

economia

7

O apogeu e o declínio do algodão No Rio Grande do Norte, o “ouro branco” foi responsável pelo desenvolvimento de cidades e enriquecimento dos plantadores em João Câmara, Pedro Avelino, Afonso Bezerra, São Tomé e Angicos. O apogeu, porém, não durou mais de duas décadas e, a partir da década de 1980, a produção sucumbiu e jamais o algodão voltou a reluzir nos campos potiguares como antes ARQUIVO TN

1950

1960

1970

Europa e Estados Unidos concentram esforços na II Guerra Mundial. A produção de algodão no Estado se destaca e fomenta o mercado local e externo.

No período de transição pós-guerra, a produção no RN entra no processo de industrialização. Entretanto, o Estado não produziu algodão arbóreo no período.

O apogeu da cotonicultura no Estado potiguar contribuiu para o desenvolvimento de cidades, expansão da economia e instalação de agências bancárias.

A falta de chuvas afetou a produção algodoeira no Estado e os produtores perderam lavouras nas regiões do Trairi, Potengi e Mato Grande.

Quantidade produzida de algodão arbóreo (fibra longa) e herbáceo (em toneladas) 96.308

Amaro Sales 69.919

“Não acredito na reestruturação da cotonicultura”

55.099

39.103

Como o setor têxtil do RN mantém seus estoques de algodão?

O setor têxtil compra essa fibra de fora, importa. Hoje, a China chega a produzir uma boa quantidade desse algodão, junto com a Rússia. Hoje em dia, se consegue comprar com preços competitivos e as indústrias passam a usar esses produtos como a Coteminas, a Coats, a Vicunha e a própria Guararapes. Há como medir a perda que a economia potiguar sofreu com o declínio da cotonicultura?

Sim. Existia, na década de 1880, o império de algodão. Existiam os coronéis no Seridó que tinham um poderio econômico. Hoje, não existe mais isso. A produção de algodão no RN ocupava 500 mil hectares na década de 70. Com a perda da produção, outras culturas surgiram. Elas foram suficientes para preencher o vazio do algodão?

Não temos nenhum estudo que comprove isso. Mas, na realidade, nós estamos no semiárido, que tem a dificuldade de chuvas. Na hora em que se tem isso, só se vai para a competição se tiver a parte irrigada. As culturas irrigadas predominaram com resultados. Mas em regiões de difícil acesso à água, como no Seridó, não foi viabilizada. E para ocupar as áreas que estão inutilizadas em várias regiões do Estado, o que poderia ser feito?

A cadeia têxtil e de confecção foi ocupando esse vazio. Não dá para implementar outra cultura na área do algodão. Mas, dá para implementar outros negócios que vem com a cultura irrigada, com o polo boneleiro, com o pólo de confecção. Novas fronteiras se abriram e novos setores trarão essa substituição de cultura.

1975

44.366

Passado o período de seca, a cotonicultura toma um novo fôlego e recupera a produção. A alegria dos produtores, porém, não dura muito tempo.

34.054

Há possibilidade de retomada das lavouras de algodão no Estado?

Não acredito. Hoje existem cultivares que acontecem no sertão da Bahia, no CentroOeste, com um nível de aproveitamento em algodão hoje que a nossa não supera. Para se ter uma ideia, o algodão produzido no RN chega a 500/700 quilos por hectare. Lá no CentroOeste, dá 3,5 mil quilos por hectare. Então, eu não acredito nessa reestruturação deste setor da agricultura.

84.344

6.721

1940

1950

1960

1970

1975

1980

1985

1995

2.537

2006

392

1980 O início da década de 80 é marcado pela dizimação de inúmeros campos produtores. Desta vez, não pela seca, mas pela “praga do bicudo”.

2013

Fonte: Censo Agropecuário – IBGE – Série Histórica / Aldemir Freire / Arquivo TN

Tempo corrói estrutura de produção O relógio de ponto parou às 17h50. Uma história de prosperidade e desenvolvimento também cristalizou-se com o tempo. Dos seis mil hectares da Fazenda São Miguel, em Angicos, 28 são ocupados pela estrutura que restou da algodoeira de mesmo nome. Os aproximadamente mil funcionários que se revesavam na produção, moravam nas cercanias da usina. Alguns ocupavam casas erguidas na propriedade. “Era um vai e vem de pessoas e caminhões. Tudo muito diferente de agora”, diz Francisco de Assis Rodrigues, que ainda mora no local e zela a usina. Do lado de fora da fábrica, poucos imóveis usados pelos ingleses que trabalhavam para a Fiação Borborema, grupo que viveu períodos de glória na explo-

ração do algodão no estado, resistem ao tempo. O clube social, o posto de saúde e a igreja erguida na vila tem suas estruturas corroídas. O aspecto geral é de uma cidade abandonada, cujo passado permanece apenas na memória dos mais velhos. No escritório empoeirado, relíquias em miniatura dos fardos de algodão que eram entregues como amostra aos compradores parecem um brinquedo diante dos olhos brilhantes de Francisco. Por quase duas décadas, ele classificou o algodão que saíra daquela usina. As 36 máquinas de beneficiamento hoje estão enferrujadas. A poucos quilômetros dali, em Pedro Avelino, o slogan do Grupo Giorgi ainda é visível numa das paredes da usina que fora a mais desenvolvida do município. A maio-

ria das máquinas permanece no mesmo local dos anos 80, quando a Algodoeira Mascote processava até 12 mil toneladas de algodão por safra. A produção era dividida em duas unidades, às margens da estação de trem. Para a população mais jovem, os imóveis parecem um mausoléu. O interior deles é conhecido por poucos. Por quase 40 mil quilos de ferro, chumbo, aço e motores, uma sucata ofereceu R$ 8 mil ao grupo que administra o que restou da usina. “É lamentável. São momentos de toda uma vida que se misturam hoje ao pó”, diz Gilma Cruz Pinheiro, que trabalhou para o Giorgi. Hoje, como “recompensa” pelas perdas, ela mora na propriedade da usina e faz sabão, a partir do óleo do algodão, para sobreviver.

6

ARQUIVO TN

presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte

mil toneladas de algodão chegaram a ser beneficiadas em São Tomé, um recorde.

42

1985

municípios enviavam o algodão que produziam para beneficiar na Usina Potengy.

Duelando contra o besouro que destruía as plantações, os produtores conseguiram manter uma produção satisfatória até meados dos anos 80.

36

1995 A produção algodoeira se resumia a poucos hectares de terra e não já era mais rentável como na década de 60.

máquinas que beneficiavam algodão em Angicos estão hoje desativadas.

2006

Declínio deixou rastro de dívidas Venerado pelos nordestinos, Frei Damião abençoou, em 1939, a fundação da Cooperativa Agro-Pecuária de São Tomé, na região Potengi do estado. A Cooperativa, que viveu dias de prosperidade beneficiando uma safra recorde de 6 mil toneladas de algodão em 1982, hoje está afundada em dívidas que, segundo seus antigos gestores, são incalculáveis. No período áureo da produção algodoeira, a Usina Potengy figurou na 18ª posição na lista dos maiores contribuintes de ICMS no Rio Grande do Norte. A unidade foi responsável pelo beneficiamento de algodão produzido em 42 municípios e que, após o desencaroçamento, era distribuído para todo o país. “Aqui existiam filas de caminhões 24 horas por dia. Nós esJUNIOR SANTOS

Antiga área de cultivo em João Câmara hoje está improdutiva

távamos entre as três maiores cooperativas do Nordeste. Ninguém via o chão do pátio, com tantos fardos de algodão empilhados”, relembra Rainel Pereira, que foi diretor e gerente administrativo da Cooperativa por 20 anos. Os frutos colhidos pelos cooperados eram tantos que, em 1981, quase todo o parque de beneficiamento do algodão foi modernizado com recursos próprios da Cooperativa. Até a cidade de São Tomé, distante 101 quilômetros de Natal, se desenvolveu a partir da expansão da produção algodoeira na região. Foi durante o funcionamento da Usina Potengy que o Banco do Brasil e o extinto Bandern instalaram agências no município. Com a paralisação das atividades na usina, as agências bancárias

fecharam as portas e jamais reabriram unidades na cidade. “Foi o fim do poder econômico da região. Acabaram-se os empregos, os bancos foram embora”, rememora Joacy Mafra, que atuava como assessor da diretoria da Cooperativa. As perdas, porém, não se restringiram à saída dos bancos da cidade. Os cooperados, a maior parte deles pequenos produtores, contraíram empréstimos que jamais foram quitados. Com maquinário e prédios empenhados junto ao Banco do Nordeste, maior financiador da Potengy, os ex-gestores afirmam que não há possibilidade de reativação. “Não temos como competir com Mato Grosso, o maior produtor do país. Nos faltaram subsídios, ajuda governamental”, diz Rainel Pereira. JUNIOR SANTOS

Usinas de algodão em ruínas simbolizam o declínio da atividade

O declínio total de uma época de ouro. A produção de algodão, que um dia foi responsável por 40% de arrecadação do ICMS no RN, sucumbiu. JUNIOR SANTOS

BATE-PAPO

ARQUIVO TN

1940

2013 Perdendo apenas para o Estado de Pernambuco em termos de produção no Nordeste, o RN mantém uma pequena produção irrigada em Ipanguaçu atualmente.

JUNIOR SANTOS

Rainel Pereira: falta de subsídios prejudicou a cadeia produtiva


8

economia

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

»ENTREVISTA » JOSÉ LACERDA E ARISTOTELINA PEREIRA ROCHA AUTORES DO LIVRO “HISTÓRIA DA INDUSTRIALIZAÇÃO DO RIO GRANDE DO NORTE: UMA HISTÓRIA DE RESISTÊNCIA”

“Temos uma indústria com mais capacidade de se manter” « ANÁLISE » Estudiosos avaliam que a indústria do RN tem mais vigor, diversidade e acesso à tecnologia, mas também se depara com uma nova realidade que inclui a perda da capacidade de investimentos do Estado. FOTOS: JUNIOR SANTOS

ANDRIELLE MENDES repórter

A

história da indústria do Rio Grande do Norte é, sobretudo, uma história de resistência. A conclusão está estampada na capa do livro de José Lacerda, Aristotelina Rocha e Giovanni Sérgio, publicado em 2011, com patrocínio da Federação das Indústrias do RN. O início da atividade industrial do Rio Grande do Norte é longínquo. Remonta de 1603, ano de origem do primeiro engenho de açúcar. Mas foi a partir da década de 50 que a indústria se diversificou. Algumas atividades se expandiram e outras foram extintas, como a produção de óleo de caroço de algodão. A indústria potiguar caminha, na ótica de Lacerda, dentro do seu próprio ritmo. Para Aristotelina, o estágio atingido pela indústria potiguar condiz com a origem econômica do estado. Os dois reconhecem, na entrevista, que muitos projetos que prometiam impulsionar a indústria local ficaram pelo caminho, e ressaltam a importância de olhar para o futuro e aproveitar melhor as oportunidades. Como se deu o processo de industrialização do Rio Grande do Norte?

Aristotelina: A criação da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) – autarquia vinculada ao Ministério da Integração idealizada para reduzir as desigualdades regionais - foi responsável por nosso começo. Lacerda: Em 1950, o RN vive a expansão da mineração de scheelita, o surgimento da indústria cotonicultora, das fábricas de óleos comestíveis, das fábricas de café. Temos ainda na década de 50 o retorno da fábrica Dore para Natal e da fábrica Guararapes, que tinha se instalado inicialmente em Recife. A década de surgimento da Tribuna do Norte é uma década rica para o desenvolvimento industrial do estado. É o momento em que a agroindústria e a indústria mineral vivem seu apogeu. Na década seguinte, a indústria vai sentir os primeiros sinais de dificuldades, porque uma série de inovações tecnológicas vão surgir e vão retirar do mercado ou comprometer os nossos produtos. O que ocorre com a nossa indústria depois de ser impactada com essas mudanças externas?

Lacerda: a tendência dela é se fragilizar. E em alguns casos, até fechar. Foi isso o que aconteceu com as nossas fábricas de óleo. O RN não conseguiu acompanhar a modernização dos processos?

Lacerda: A gente não conseguiu desenvolver tecnologias que nos permitissem acompanhar esse processo de inovação tecnológica. Nossos produtos saiam daqui para serem trabalhados lá fora. A gente não agregava valor ao produto. O que a gente fazia era beneficiar a

? QUEM É José Lacerda Alves Felipe

Cargo atual: Subsecretário de Planejamento do Governo do Estado. Formação: Professor aposentado do Departamento de Geografia da UFRN; doutor em Geografia pela UFRJ. Em que área desenvolve seus estudos: Estudos Urbanos e Regionais.

? QUEM É Aristotelina Pereira Barreto Rocha

Cargo atual: professora da Escola Agrícola de Jundiaí. Formação: Professora de Geografia da Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ); Doutora em Geografia pela UFPE. Em que área desenvolve seus estudos: Dinâmica Regional e Econômica do Rio Grande do Norte. matéria-prima. Esse problema foi percebido já na década de 60...

Aristotelina: Isso, nossa agroindústria não se modernizou. Nossa indústria evoluiu ou continuamos apenas beneficiando matéria-prima?

A década de surgimento da TRIBUNA DO NORTE é uma década rica para o desenvolvimento industrial do Estado. É o momento em que a agroindústria e a indústria mineral vivem seu apogeu”. JOSÉ LACERDA ALVES FELIPE Doutor em Geografia

Lacerda: Acho que teve sim uma evolução. A Sudene investiu na reindustrialização do Nordeste e acreditou que conseguiria colocar a região novamente no eixo do desenvolvimento. O RN vai criar na década de 70 o seu polo têxtil e de confecções, baseado nos incentivos da Sudene. Cria-se um território para as indústrias se instalarem e há uma certa sustentabilidade por conta disso. Quando esses incentivos cessam, essas indústrias não conseguem se manter no mercado. Elas não conseguiram inovar em seus processos e se preparar para quando esses incentivos deixassem de existir. Lacerda: O grupo UEB (União das Empresas Brasileira), que se instalou no RN com financiamento da Sudene, criou no estado a indústria têxtil Seridó, com incentivos da Sudene. Essa e outras indústrias do ramo tem uma vida efêmera. Elas começam a funcionar em meados dos anos 70 e não chegam ao início dos anos 80.

Mas por que as indústrias não conseguem se manter no RN, depois que cessam os incentivos?

Lacerda: Justamente porque não adquirem tecnologia suficiente para competir com indústrias de outras partes do país. Você não tem o processo de modernização tecnológica que as indústrias que estão em São Paulo tem. A camisa produzida aqui fica mais cara do que a produzida em São Paulo. Antes não ficava caro, porque a empresa tinha incentivos e conseguia competir. É uma questão do Rio Grande do Norte?

Lacerda: é uma questão do Nordeste. Agora dependendo de cada estado, você vai ter um comportamento diferente. Tem estado que existe mais. Outro tem uma indústria que se modernizou. Tem as exceções. A Guararapes, por exemplo, conseguiu sobreviver. Não é um processo generalizado. Que setores mais se destacaram ao longo da história da indústria no RN?

Lacerda: a indústria têxtil foi a que mais avançou. Aristotelina: até o estado foi considerado referência em indústrias têxteis no Nordeste. Lacerda: Mesmo assim não se conseguiu manter este polo com a mesma dinâmica com a qual ele

foi criado. Você percebe que a Coteminas reduz sua atividade no estado e planeja usar a área para outro fim. Você tem esse momento de apogeu, e depois de dificuldades e de queda da indústria do estado. O que temos hoje é uma indústria mais diversificada, com mais acesso às tecnologias, e consequentemente mais capacidade de se manter no mercado. Temos indústrias se mantendo apesar das crises, como é o caso da indústria salineira. Outro fato interessante é o retorno da indústria de mineração. Temos novos minérios sendo extraídos, como o ouro, e temos o minério de ferro. A grande questão do minério de ferro é que nós não temos uma logística para escoar a produção. Estamos trazendo em caminhões para o Porto de Natal, que também não é está adequado para fazer a exportação desse minério. Essas são as dificuldades que a nossa indústria se defronta. Há alguma atividade industrial que entrou em declínio por falta de incentivo?

Lacerda: eu não colocaria dessa forma, porque daria a entender que essa indústria só anda se ela tiver uma muleta, se tiver incentivo. E perceba, o Estado perdeu a capacidade de ser o provedor dessas situações, de ser o provocador do desenvolvimento, pelo menos no mesmo nível que foi no passado. O Estado perdeu sua capacidade de investimento, de ser uma espécie de articulador e financiador de determinados projetos. Nós tínhamos o projeto do Polo Gás-Sal, que foi um dos projetos que há três décadas alimentam o sonho de redimir o estado em termos de economia. O estado fez alguns investimentos, equipamentos chegaram a ser adquiridos e montados, até vila foi construída, no entanto isso, o polo, não se concretizou. Que outros projetos que prometiam impulsionar a indústria local ficaram pelo meio do caminho?

Lacerda: A gente teve vários sonhos, mas não teve condições de executar a maioria deles.

Acredito que a realidade de hoje não elimina, mas reduz a possibilidade desse tipo de intervenção e depois eu acho que gente está chegando a um tipo de capitalismo, que se você tiver o mercado, você vai terminar tendo as condições de produzir. O mercado consumidor é determinante, mas o Estado não pode criar um ambiente favorável para que as indústrias se instalem aqui?

Lacerda: O estado já faz alguma coisa, dentro das suas limitações. O estado, por exemplo, tem o Proadi, que beneficia 112 empresas. Essas 112 empresas criaram mais de 30 mil empregos. E há mais 33 solicitando o Proadi e 10 solicitando prorrogação do programa. O que atravanca a economia do RN?

Lacerda: Eu não consigo ver a indústria potiguar atravancada. Você tem uma indústria para esse tempo de história. Comparar Rio Grande do Norte com Pernambuco e Ceará não é um bom comparativo. Esses estados se industrializaram muito antes. Aristotelina: a origem da formação econômica desses estados é diferente e distante. Lacerda: Esses estados tem um capital importante, que é o capital humano. As universidades chegam primeiro lá. Isso faz uma diferença muito grande. Dá para começar a criar isso no RN?

Lacerda: Nós estamos criando. A gente está participando desse momento. O nosso avanço é proporcional às nossas condições. Vocês conseguem visualizar soluções que possam impulsionar a nossa indústria?

Lacerda: Eu acho que não há nenhuma fórmula abracadabra. Eu acho que o estado tem que estar antenado para aproveitar as oportunidades. Às vezes perdemos porque partimos muito tarde. O grande papel das pessoas que pensam o estado é ter esse olhar, para a gente chegar junto.


NO FACEBOOK

A TRIBUNA DO NORTE tem uma galeria de fotos dos bens já devolvidos por Carla Ubarana.

facebook.com/tribunarn

TÁBUA DE MARÉS

Preamar 02h34-2.0 - 14h51-2.2 Baixa-mar 08h21-0.5 - 20h47-0.4

FASES DA LUA

Crescente: hoje Cheia: 27/03 Nascer do sol: 5h24 Por do sol: 17h30

O ARQUITETO JOÃO MAURÍCIO FALA DA FALTA DE PLANEJAMENTO URBANÍSTICO DE NATAL • PÁGINA 5

FOTOS

Conheça, no site da TRIBUNA, os principais projetos assinados pelo arquiteto João Maurício.

tribunadonorte.com.br

natal Editora: Cledivânia Pereira [cledivania@tribunadonorte.com.br ]

Natal • Rio Grande do Norte • Domingo • 24 de março de 2013 ALDAIR DANTAS

Inspeções do TCE e TJRN auditaram apenas 93 processos

envolvidas no esquema deve ressarcir cofres públicos com a monta de R$ 46.277.719,97. Contudo, conforme exposto por Carlos Thompson, o relatório ainda está na fase de instrução e, os supostos envolvidos, quando citados, deverão apresentar defesa e terão direito ao contraditório.

SEM COMENTÁRIOS

« PRECATÓRIOS » A TRIBUNA DO NORTE teve acesso

ao relatório da inspeção feita pelo TCE para investigar fraudes no Setor de Precatórios do TJRN RICARDO ARAÚJO repórter

D

os 7.600 processos de precatórios ou requisições de pequeno valor (RPVs) identificados em tramitação na Divisão de Precatórios do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), somente 93 foram auditados pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE/RN), em decorrência do escândalo de desvio de erário público protagonizado pela ex-chefe do setor, Carla Ubarana. O número de procedimentos analisados pela Corte de Contas corresponde a 1,2% dos processos localizados pela equipe que assumiu a operacionalização do setor após a saída de Carla Ubarana, que respondeu pelos precatórios de 2007 ao início de 2012.

O detalhamento consta no Relatório Conclusivo de Inspeção nº 003/2012-SCE, assinado pelo conselheiro do TCE, Carlos Thompson Costa Fernandes, e apresentado à Justiça Estadual e ao Ministério Público. A TRIBUNA DO NORTE teve acesso com exclusividade ao documento composto por 165 páginas, datado de 19 de dezembro de 2012. Fontes ligadas ao Judiciário afirmam que as inspeções realizadas no Setor de Precatórios foram insuficientes e que o valor desviado é superior aos R$ 14 milhões tabulados tanto pela Comissão de Sindicância Interna, que fora presidida pelo desembargador Caio Alencar, hoje aposentado, quanto pelos cinco auditores da Corte de Contas. “Não posso me manifestar sobre o assunto. Eu encaminhei o

relatório às autoridades mas ainda não foi objeto de discussão. Existem dados sigilosos e não posso comentar”, argumenta o conselheiro Carlos Thompson, quando questionado acerca do trabalho realizado pelo TCE no TJRN.

Divergências O próprio relatório apresenta dados divergentes em relação ao valor final dos desvios. Além disso, identifica outros ‘laranjas’ além daqueles citados quando da deflagração da Operação Judas, pela Promotoria de Defesa do Patrimônio Público, em janeiro de 2012, que culminou na prisão de Carla Ubarana, do marido George Leal e três pessoas que atuavam como “laranjas” no esquema – Carlos Eduardo Palhares, Carlos Alberto Fasanaro e Cláudia

O Setor de Precatórios passou por inspeções do TJ, TCE e CNJ

Sueli Oliveira. Todos, porém, estão em liberdade e a denúncia final do MPE recaiu sobre Carla Ubarana e George Leal. O TCE identificou que foram desviados do Setor de Precatórios o equivalente a R$ 14.195.702,82. Nas considerações e recomenda-

ções expressas na conclusão do relatório, o órgão opina que, como penalidade, deverá ocorrer a devolução, de “cada um dos responsáveis e interessados”, do valor anteriormente exposto. Entretanto, detalha (vide facsímile), que as 16 pessoas supostamente

O conselheiro do TCE não comenta a discrepância dos valores com o argumento de que o processo ainda será julgado. Além disso, quando questionado sobre a quantidade de procedimentos analisados pelos técnicos auditores da Corte de Contas, reafirma que não pode tecer comentários sobre o tema. No decorrer do documento, porém, há a informação de que a auditoria foi efetuada por amostragem, conforme processos encaminhados pelo próprio TJRN. Fontes da TN com trânsito no Tribunal de Justiça afirmam que nenhuma das três inspeções realizadas no Setor de Precatórios expôs a real dimensão dos desvios efetuados por Carla Ubarana. Visto que, segundo a mesma fonte, a Comissão Interna cessou os trabalhos quando identificou os supostos autores, o TCE não analisou uma gama maior de processos e o CNJ não reestruturou, de fato, a Divisão de Precatórios.

+

PAGINAS 2 E 3

Relatório do TCE tem valores divergentes.


2

natal

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

Fraudes tiveram início em 2007 « PRECATÓRIOS » No relatório do Tribunal de Contas do Estado prevê a devolução de mais de R$ 46 milhões aos

cofres públicos. Entre os apontados como supostos envolvidos, Carla Ubarana deveria devolver o maior valor ALEX RÉGIS

D

e acordo com o Relatório Final da Inspeção na Divisão de Precatórios do TJRN, assinado pelo então presidente da Comissão, desembargador Caio Alencar, hoje aposentado, os golpes aplicados no Setor de Precatórios do TJRN tiveram início em 2007. “A subtração fraudulenta desses recursos teve início em 04 de junho de 2007, com a emissão de dois cheques, números 850036 e 850038, do Banco do Brasil, agência 3795 (Setor Público), conta nº 8604-5, pertencente ao Tribunal de Justiça, destinada ao pagamento de precatórios”. Os cheques eram “nominais à própria Carla de Paiva Ubarana Araújo Leal, nos valores de R$ 26.057,03 e R$ 89.113,73, compensados em 06 e 08 de junho de 2007, respectivamente, totalizando a quantia de R$ 115.170,76, sem qualquer tipo de vinculação à origem legal de pagamento. Os cheques foram assinados pelo Presente do Tribunal à época, Desembargador Osvaldo Soares da Cruz”. No período de junho de 2007 a dezembro de 2008, o método de pagamento irregular diretamente às pessoas estranhas ao processo se efetivou através da emissão de 33 cheques nominais. Acompensação dos três últimos ocorreu no ano de 2009, todos eles assinados pelo então presidente do TJ, desembargador Osvaldo Cruz. Estiveram envolvidos recursos no valor de R$ 1.488.006,43.

Linha do Tempo Dados do Relatório do Tribunal de Contas De acordo com dados do Relatório Final da Inspeção na Divisão de Precatórios do TJRN, elaborado pela Comissão Interna da Corte, foi a partir de setembro de 2011 que os processos relacionados aos precatórios levantaram suspeitas. Acompanhe os acontecimentos conforme detalhado no relatório.

Setor de Precatórios do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte tinha mais de 7.600 processos em tramitação na época da investigação

O documento expressa que, “neste caso, o detalhe que salta aos olhos é o fato de que a utilização dos cheques para retirar ilicitamente dinheiro da conta destinada à quitação de precatórios ocorreu mesmo após a substituição dessa forma antiga de pagamento regular, pelo uso das guias de resgates fornecidas pelo próprio Banco do Brasil, que por sua vez, sem objeção, liberou os pagamentos dos cheques” distribuídos para Carla Ubarana, George Leal, três laranjas e uma empresa de fachada, a Glex (Gles) Empreendimentos e Serviços Exclusivos Ltda. De acordo com os dados examinados pela Comissão do

TJ, 543 movimentações fraudulentas resultaram em desvios de recursos públicos em valores que totalizam uma quantia milionária. “Conforme documentos disponibilizados pelo Banco do Brasil, extraídos dos seus arquivos, a maioria requisitada pelo Tribunal de Contas do Estado, se constata o efetivo desvio de recursos públicos, até o momento totalizando R$ 14.122.197,33”, detalha o documento. Entretanto, à época da conclusão do relatório, em 29 de maio de 2012, faltou confirmar os responsáveis por ordens de transferências que, somadas, resultam em mais R$ 462.319,02.

Relatório do TCE Investigação foi concluída em dezembro passado

CNJ investiga desembargadores Ao longo de quase cinco anos, Carla de Paiva Ubarana Araújo Leal usou o poder que detinha em suas mãos, como responsável pelo Setor de Precatórios do TJRN, para centralizar processos, criar listas paralelas às oficiais, duplicar guias de pagamentos e, com isso, embolsar milhões, apontam relatórios. De 2007 a 2011, os procedimentos ocorreram sem levantar nenhuma suspeita. Entretanto, o poderio de Ubarana sucumbiu, face às investigações dos juízes auxiliares da então presidenta da Corte, desembargadora Judite Nunes. Um escândalo sem precedentes na história recente do Rio Grande do Norte foi descoberto. Das viagens milionárias e as hospedagens nos mais luxuosos hotéis do mundo, aos “trocos” em euro, libras esterlinas, dólares e francos trazidos de cada viagem, Carla Ubarana e George Leal protagonizaram uma história de golpe ao erário. Acobertados, supostamente pelos expresidentes do Tribunal de Justiça, os desembargadores Osvaldo Cruz e Rafael Godeiro, que segundo Carla Ubarana foram cúmplices do esquema ao longo dos seus mandatos como presi-

dentes e até mesmo no período posterior, envolveram mais onze pessoas e uma empresa de fachada como laranjas e para lavar dinheiro, respectivamente. Confirmadas as denúncias após investigação da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público, Carla Ubarana e George Leal foram presos numa luxuosa pousada em Recife. Em Natal, outros mandados de prisão foram cumpridos contra Carlos Eduardo Cabral Palhares de Carvalho, Carlos Alberto Fasanaro Júnior e Cláudia Sueli Silva de Oliveira. Ao longo do processo, Carla e George assinaram termo de delação premiada com o Ministério Público Estadual e assumiram para si, mas apontando a participação dos desembargadores Rafael Godeiro e Osvaldo Cruz no esquema, inocentando os três outros que foram apontados como laranja. Em liberdade e demitida do TJRN, Carla e o marido, George, aguardam as decisões finais do processo que está na mesa do juiz titular da 7ª Vara Criminal, José Armando Ponte Dias Júnior. Os desembargadores Osvaldo Cruz e Rafael Godeiro esperam

o desenrolar dos processos que os investigam no Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Livres da denúncia de peculato e em liberdade, Carlos Alberto Fasanaro, Cláudia Sueli e Carlos Eduardo Palhares poderão, segundo informações do Ministério Público Estadual, serem denunciados por lavagem de dinheiro. O processo aberto no TJRN para apurar a conduta de Wilza Dantas Targino, que atuou como secretária-geral da Corte à época dos golpes na gestão de Rafael Godeiro e Judite Nunes, a inocentou. Wilza, segundo informações do TJ, foi aposentada, a pedido. O processo que tramita na 7ª Vara Criminal segue sem data para julgamento. Os nomes de Albertina Pereira de Andrade, Iranete Pereira de Andrade, Laura Batista do Nascimento, Maria dos Prazeres Santana Ribeiro e Valmir Fernando da Silva, aparecem como “laranjas” no esquema capitaneado por Carla Ubarana. Eles, porém, não foram citados nas denúncias oferecidas pelo MPE à Justiça. Entretanto, o TCE recomendou que eles devolvam recursos ao erário.

Abril de 2012 A Comissão expediu o segundo relatório parcial da inspeção no dia 11, ratificando as diversas irregularidades praticadas na Divisão coordenada por Carla Ubarana. No segundo relatório, os valores desviados chegaram a R$ 13,2 milhões. Maio de 2012 A Comissão do TJ formada pelo desembargador Caio Alencar, hoje aposentado, pelo juiz Luiz Alberto Dantas Filho e pela ex-chefe dos Precatórios após a saída de Carla Ubarana, Adamires França, e mais dois técnicos, se encerrou em 29 de maio, com o saldo apurado de R$ 14,1 milhões em desvios. Judite Nunes acatou as recomendações da Comissão e encaminhou os documentos ao MPE, TCE e CNJ.

A devolução do dinheiro

Os recursos dos precatórios foram desviados de três formas diferentes

Carla Ubarana e George Leal devolveram recursos

Conforme Relatório Conclusivo de Inspeção nº 003/2012-SCE, do Tribunal de Contas do Estado (TCE/RN), os desvios de recursos ocorreram de três formas diferentes, e em certos momentos concomitantes, no Setor de Precatórios do TJRN.

Após varredura do Ministério Público Estadual nos bens de Carla Ubarana e George Leal, foram identificados imóveis e veículos adquiridos com recursos provenientes dos precatórios. Com isto, foi determinado pela Justiça que os bens fossem sequestrados, leiloados e os valores oriundos das vendas depositados em conta judicial da 7ª Vara Criminal até julgamento do processo. O dinheiro deverá voltar ao erário público.

- Mercedes-Benz GL 500 – R$ 203 mil - Ômegas – um por R$ 73 mil e outro por R$ 43 mil

1 - Bens já leiloados e o valor dos arremates.

- Dois Celulares da marca Vertus – R$ 3.800,00 cada

- Mercedes-Benz “Asa de Gaivota” R$ 415 mil

- Casa em Baía Formosa avaliada preliminarmente em R$ 3 milhões

Os títulos de créditos eram emitidos pela Presidência do TJRN e entregues ao beneficiários que sacavam os valores na Agência do Setor Público do Banco do Brasil. Período: 06/2007 a 01/2009 Total desviado: R$ 1.488.006,43 Total de operações: 33

Transferências diretas Eram expedidos ofícios dirigidos ao Banco do Brasil, determinando a transferência de valores a crédito da conta corrente do TJRN, diretamente a débito das contas bancárias dos beneficiários. Os desvios ocorriam com maior facilidade nesta operação. Período: 09/2009 a 01/2011 Total desviado: R$ 2.607.281,76 Total de operações: 37

Depósito Judicial Ouro – DJO Ocorria a expedição de ofício determinando a transferência de valores, a crédito da conta do TJRN, para conta vinculada a determinado processo judicial. Nesta modalidade, ocorriam as aberturas de contas judiciais individuais. É a atual prática para quitação dos precatórios. Período: 07/2007 a 09/2011 Total desviado: R$ 10.098.810,60 Total de operações: 483

Janeiro de 2012 Juízes auxiliares da Presidência do TJRN encaminharam o Memorando nº 001/2012-GPTJ à Judite Nunes, narrando indícios de irregularidades em pagamentos indevidos em 30 situações e a duas pessoas: Carlos Eduardo Cabral Palhares de Carvalho e Cláudia Sueli Silva de Oliveira. Os valores apontados foram de R$ 351.972,63. No mesmo dia, Judite Nunes ordenou a abertura de um processo de inspeção do dia 1º de janeiro de 2007 a 31 de dezembro de 2011. A Comissão de Sindicância formada por membros do TJ emitiu o primeiro relatório parcial em 23 de janeiro. No mesmo dia, Judite Nunces remeteu cópia do relatório ao MPE, CNJ e TCE. Haviam sido identificados o desvio ilegal de R$ 4,9 milhões divididos entre os laranjas Carlos Alberto Fasanaro Júnior (R$ 3.908.737,95), Carlos Eduardo Cabral Palhares (R$ 891.645,68) e Cláudia Sueli Silva de Oliveira (R$ 152.053,62). Fevereiro de 2012 Através das Portarias nºs 02, 03 e 04, todas de 08/02/2012, a ministra Eliana Calmon, Corregedora Nacional de Justiça, designa grupo de trabalho presidido pela juíza de Direito, Drª Agamenilde Dantas para examinar os problemas constatados na Divisão de Precatórios do TJ, objetivando sua reestruturação e a uniformização dos procedimentos.

Esquema fraudulento

Cheques

Setembro de 2011 TJ encaminhou Ofício nº 623/2011GPTJ ao Banco do Brasil, requisitando relatório de todos os depósitos judiciais, pagamentos efetuados e indicação individualizada de beneficiados, e quem realizou o saque ou recebeu o valor mediante transferência de crédito, após avaliar processos relativos a precatórios e RPVs.

- Pajero Full HPE 3.2 D – R$ 120 mil - Apartamento no Tirol – R$ 558 mil - O casal devolveu recursos em espécie (moeda estrangeira – valor não foi revelado pela Justiça. 2 - Bens a serem leiloados

O detalhe que salta aos olhos é o fato da utilização dos cheques para retirar ilicitamente dinheiro da conta ” TEXTO DO RELATÓRIO DO TCE assinado por Carlos Thompson


Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

natal

3

»ENTREVISTA » TATIANA SOCOLOSKI

JUÍZA E ATUAL DIRETORA DO SETOR DE PRECATÓRIOS DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE

FOTOS:ADRIANO ABREU

“O setor estava desorganizado quando chegamos” « PRECATÓRIOS » A juíza Tatiana Socoloski recebeu a tarefa de comandar o Setor de Precatórios que, segundo ela, estava desestruturado e sem organização

Setor de Precatórios do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte não foi reestruturado pelo Conselho Nacional de Justiça e, possivelmente, os valores identificados como sendo os oficialmente desviados por Carla Ubarana - R$ 14 milhões -, podem estar subdimensionados. São estas algumas constatações da juíza chefe da Divisão de Precatórios do TJRN, Tatiana Socoloski. Em entrevista exclusiva à TRIBUNA DO NORTE, a magistrada detalha as dificuldades enfrentadas pelo Setor e avalia o resultado das inspeções do TCE, CNJ e da Comissão Interna do TJ na Divisão durante o escândalo dos precatórios em 2012.

da ordem cronológica, é que nós podemos afirmar alguma coisa.

O

Algo tem que ser feito e nós estamos fazendo. Para que essa situação não se repita. Eu acho que esse é o sonho e o desejo de todos”

Como é que eu posso lhe responder de uma maneira mais objetiva? Se o Estado vem ou os outros entes depositam, e esse dinheiro, tem certo momento que a gente não localiza a entrada ou a saída, quem está arcando com isso é, a população.

A senhora acredita que as investigações pararam, a partir do momento em que foram identificados os culpados?

Só mesmo na esfera do CNJ para responder, se eles pararam ou não a investigação. Aqui no Precatórios eu sei que não entraram mais. Mas o que está acontecendo por lá, no âmbito do STJ, do CNJ, fica difícil para eu responder. O que está sendo feito agora aqui no setor? A nova presidência instaurou um novo processo de auditoria?

Sabe-se que hoje existem aproximadamente sete mil processos em aberto, relacionados aos pagamentos de RPVs e precatórios. Quantos, destes, foram inspecionados?

Podemos afirmar que tanto sim como não. Só mesmo um pagamento atrás do outro, dentro

Quem vai arcar com estes custos?

Do meu ponto de vista é sério, é grave. Mas algo tem que ser feito e nós estamos fazendo. Para que essa situação não se repita. Eu acho que esse é o sonho e o desejo de todos.

Bom, foi feita realmente uma investigação que entraram três equipes, como você disse, do CNJ, outra do Tribunal de Contas do Estado e uma formada aqui dentro. Desses, de todo o apurado, se formou um processo que ainda é, na verdade, pelo menos até pouco tempo atrás ainda era um inquérito que estava no âmbito do STJ e ainda está lá, por conta exatamente dos dois desembargadores. O que foi feito pelo TCE está servindo de instrumento não só para esse inquérito lá no STJ, como também para o procedimento administrativo que se formou no CNJ e ainda também, é claro, dentro de um processo criminal que está em trânsito na 7ª Vara Criminal, se não me engano. Da mesma forma serviu, essa investigação que foi feita a partir de uma equipe aqui de dentro do Tribunal, que na realidade todos se mesclaram.

O valor desviado pode ser superior aos R$ 14 milhões, apontados pelos órgãos que fizeram as inspeções?

É uma hipótese.

Isso não é muito grave para a imagem do TJ perante a sociedade?

Quais foram os frutos dessas auditorias no âmbito do TCE, do próprio Tribunal e do Conselho Nacional de Justiça?

Essa informação eu não posso lhe dar com precisão. Mas eu acho que em torno de uns 93 processos.

Ou seja, é possível que nunca se saiba realmente o valor que foi desviado deste setor?

Nós chegamos aqui em janeiro e verificamos que era muito difícil trabalhar da forma como estava disposto. Não havia uma organização”

Não, de jeito nenhum. Existem algumas etapas aí. Ora, ano passado, primeira etapa foi: descoberta a existência de alguma fraude, se instauraram todos aqueles procedimentos para se chegar a um número, se chegou. O Dr. Luiz Alberto (Dantas), numa segunda etapa, finalizada a investigação aqui no TJ, ele optou por tentar pagar. Porque o setor já estava sofrido, a pressão era grande, as pessoas necessitavam de dinheiro. Então, ou ele reestruturava ou pagava. Como ele passou seis meses parado, investigando, ele optou em pagar. E ele fez isso de junho até dezembro. Nós temos um quadro aqui, que vou dizer que foi feito pagamento nos últimos seis meses. Os outros seis estava parado. Ora, aí você pergunta: um setor que tinha todas as dificuldades que é de conhecimento amplo, geral, público e notório. Passouse por uma investigação de seis

meses. Foi sofrido pro setor, para as pessoas que trabalhavam, as pessoas de bem. Houve toda uma dúvida em cima de quem era de bem e de quem era do mal. Houve uma confusão grande. Começou-se a pagar. Reestruturação, aí não. Eles não puderam fazer a reestruturação que o CNJ ensinou a fazer. O CNJ veio aqui, veio mostrar como é que se fazia. Isso é o que eu ouço dizer. Porque eu também não participei dos encontros com o CNJ. Mas acontece que nós chegamos aqui em janeiro e verificamos que era muito difícil trabalhar da forma como estava disposto. Não havia uma organização. Mesmo após a vinda do CNJ e a suposta reestruturação do setor, a senhora ainda encontrou dificuldades?

Não houve a reestruturação. Eles não tiveram tempo de reestruturar. Ele optaram em fazer pagamentos. A reestruturação agora está recaindo na etapa da nova gestão. É uma outra etapa agora e cabe a nós, essa tarefa. E a partir de que momento a sociedade, principalmente os credores desses processos ativos, eles vão, de fato, sentir que o setor está passando por uma reestruturação e que agora o processo vai andar, que ele vai receber e que vai ser uma coisa séria, sem possibilidade de erros?

Eu acho que agora as pessoas tem que prestar atenção, ficar de olho. O que nós aqui da nova gestão temos pra oferecer é uma mudança. E essa mudança vai ser sim drástica, porque eu já tenho autorização para implementar tudo que for necessário para que o setor funcione. A automação, para mim, é primordial. Uma das maiores dificuldades dos nossos servidores é que eles param de trabalhar para poder efetuar le-

vantamento de dados, informações, numerações, valores depositados, sacados. Então, na medida em que eu faço tudo isso de uma forma virtual e eu ainda estou ligada ao banco eletronicamente, há de convir que o nosso trabalho fica imensamente mais fácil e mais célere. E mais seguro, claro. Mas, assim que nós botamos os pés aqui, nós verificamos que um grande implemento seria trazer segurança. E qual seria a segurança? Eu não faço pagamento sem antes abrir uma conta judicial vinculada ao nome do beneficiário. Estando vinculando ali, quando abre-se a conta o dinheiro está ali depositado e já está rendendo. Já é um benefício para o cidadão. Quanto o Setor de Precatórios dispõe hoje em caixa?

Essa informação, ela flutua muito. O que se depositou ano passado, houve um pagamento, que ainda está se continuando esse ano. Para eu lhe dar essa informação hoje, eu teria que parar todo o precatório para fazer um levantamento. Você acha que é uma informação basilar, mas não é tao basilar assim porque nós estamos falando em milhões. E vários beneficiários que receberam dinheiro ano passado e que ainda estão a receber. O que eu posso lhe dar de sólido, é que R$ 38 milhões ano passado foram depositados pelo Estado para, englobando repasses do Tribunal Regional Federal, TRT e autarquias, para que essas autarquias passem para seus beneficiários.

vi falar. Nós temos que trazer esse sistema para cá, ir lá conhecer, trazer para cá, implementar e passar um tempo para ver se ele se adequa à nossa realidade para daí sim, começar a atuar definitivamente com ele. Estará tudo interligado com o Banco do Brasil, com os nossos processos. É um negócio muito legal. Agora, você há de convir comigo que se eu lhe der um prazo fechado você vai vir me cobrar e eu não vou ter. Eu não tenho esse conhecimento de quanto tempo vou levar. Em relação à inspeção do CNJ, que a senhora falou que eles não reestruturam o setor, o que foi que eles fizeram, de fato?

O CNJ veio para trazer o know-how. O CNJ veio para fazer a investigação. E isso eu estou lhe dizendo pelo o que eu compreendo desde que cheguei aqui. Volto a dizer: eu não participei e nunca vim nem aqui, um dia sequer. Então eu não sei. O que eu sei, o que eu compreendo é que se não houve reestruturação, compreenderam errado. O CNJ veio ensinar. Só que Dr. Luiz Alberto não teve tempo para implementar. Ele teria que fazer opções. E ele preferiu pagar. Agora eu estou tendo que implementar ao mesmo tempo, pagar. Aí, tá pagando a contento? Não. Mas eu estou visando um futuro. Pagar com segurança e transparência. Se eu não implementar essa estrutura nova, nunca vamos ter um setor mais ou menos a contento.

Quando a senhora acredita que o setor estará informatizado?

Em relação à inspeção do TCE, qual o resultado apresentado em relatório?

Nós já temos autorização para ir a Santa Catarina, porque lá já foi implementado o precatório virtual. Foi autorizado pelo CNJ, está funcionando a contento e lá é tudo virtualizado pelo o que eu ou-

O principal foi o fator de cálculo. Eles padronizaram com o TRT e com o TRF. Não vou emitir opinião sobre a investigação. O principal fator de mudança foi a questão de mudança do cálculo.


4

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

Poder Judiciário

natal « ARTIGO »

ANELLY MEDEIROS [ anellymedeiros@hotmail.com ]

Visita a Michelangelo MARCELO ALVES DIAS DE SOUZA

Quinto perto do fim A decisão do mérito sobre a escolha do desembargador Glauber Rêgo para a vaga do Quinto, no Tribunal de Justiça do RN, deverá ser conhecida no próximo dia 2 de abril. Amanhã, a presidência do tribunal encaminhará uma nova resposta ao CNJ sobre os questionamentos feitos pelo relator do processo ministro Celso de Mello.

Mandatos terão maior controle Outra novidade anunciada em reunião ocorrida, semana passada, foi a de que, a partir de agora, os Oficiais de Justiça deverão receber e devolver os mandados através desse Sistema de Automação do Judiciário (SAJ). Segundo o diretor do

foro, juiz Mádson Ottoni, a medida permite um maior controle de devolução dos mandados ao possibilitar que o juiz e a secretaria tenham conhecimento do conteúdo da certidão, mesmo antes do mandado retornar, garantindo maior celeridade.

Segurança reforçada A notícia foi bastante comemorada pela categoria. Os oficiais de Justiça que, muitas das vezes, correm risco para cumprir a tarefa, passarão a contar com uma equipe de policiais militares à disposição para acompanhá-los, caso necessitem de reforço policial.

Prêmio Innovare As inscrições para o Prêmio Innovare podem ser feitas até o dia 31 de maio. Este ano, o tema é livre e podem concorrer, pela primeira vez, na categoria Prêmio Especial, profissionais de todas as áreas. Na 10a edição do prêmio, que incentiva projetos de

modernização da justiça brasileira, os vencedores nas categorias de juiz, defensoria pública, tribunal, advocacia e Ministério Público, receberão troféus e menção honrosa. Premiações em dinheiro foram proibidas pelo Conselho Nacional de Justiça.

O que aconteceu nesse caso específico é que uma juíza federal, por acaso ela é filha de um conselheiro do CNJ, por acaso ele falou comigo, por acaso ao falar comigo ele só falou de pressa normal, sinceramente eu não me senti constrangido com isso”.

Procurador Regional da República Mestre em Direito pela PUC/SP Doutor em Direito (PhD in Law) pelo King’s College London – KCL

N

ão faz uma semana, assisti, na escola onde estudo italiano, a uma palestra intitulada “Michelangelo a Roma”. Um hora e algo, em italiano pausado e bem falado (para que curiosos como eu pudessem entender a coisa toda), sobre aquele que muitos consideram o maior gênio do Renascimento (é o que defende, por exemplo, Georgio Vasari, no seu famoso “Le vite de’ più eccellenti pittori, scultori e architettori”, a primeira consistente biografia de artistas na história da arte). Arquiteto, escultor e pintor (embora, reza a lenda, ele não gostasse de pintar), Michelangelo di Lodovico Buonarroti Simoni (1475-1564) é natural de Florença. Faz parte daquela torrente de gênios que a cidade dos Medicis, por nascimento ou por acolhimento no seu ambiente intelectual e artístico único, emprestou ao mundo. Mas se Florença é a cidade de nascimento de Michelangelo, hospedando muitas de suas mais importantes obras (a famosa estátua David, por exemplo), é em Roma – até pela importância que esta cidade, de imperadores e de papas, tem para a humanidade – que a obra de Michelangelo se faz mais visível. Do Michelangelo arquiteto, tem-se a cúpula da Catedral de São Pedro e a praça do Capitólio (“Campidoglio”, por aqui); do escultor, a famosa “Pietá”, sita na Catedral referida; e, do pintor, a ainda mais famosa, dado o conclave papal de dias atrás, Capela Sistina. E estes são apenas alguns exemplos, como ficou muito claro na palestra a que me re-

feri no começo deste riscado. Bom, não vou, aqui, evidentemente, repetir a tal palestra. Nem vou, muito menos, falar em termos gerais sobre arte ou sobre Michelangelo. Faltando-me conhecimento para tanto, eu deixo isso para um Kenneth Clark (autor da maravilhosa série para TV e do livro “Civilização”, de 1969), para um E. H. Gombrich (autor do best-seller “A História da Arte”, de 1950), cujas leituras, por sinal, eu recomendo “assai” (como se diz por aqui). Vou apenas fazer alusão a uma obra-prima de Michelangelo que fui rever por esses dias em Roma e, sobretudo, à sensação que esse reencontro provocou em mim. Afinal, se de arte pouco sei, das minhas sensações quem mais sabe sou eu (muito embora não saiba se elas interessam a alguém). Falo da estátua de Moisés, que Michelangelo esculpiu em mármore, inicialmente como parte do monumento fúnebre do Papa Júlio II, cardeal Della Rovere (1443-1513), o mesmo papa que comissionou ao artista o teto da Capela Sistina (e o “forçou” a pintar, para o bem da humanidade). De tão gigantesco, esse monumento nunca chegou a ser concluído, mas nos deixou, felizmente, o seu Moisés. E o fiz por um motivo muito particular. O Moisés de Michelangelo encontra-se na Igreja de San Pietro in Vincoli que, por sua vez, se acha a dois passos do Hotel Palatino (sito à Via Cavour, 213), onde, garoto de 11 anos, com os meus pais e outros familiares queridos, fiquei pela primeira vez em Roma. O ano era 1984, e estávamos na Urbe para canonização de Santa Paula Frassinette (1809-1882), tão cara para nós ex-alunos do CIC. Das imediações da estação Termini, onde estou hospedado,

Disse o conselheiro Jorge Hélio tentando, por acaso, se explicar da decisão que revogou 24h depois do vazamento do e-mail aos juízes federais.

Quem não se atualiza... A internet é para muitos uma ferramenta bastante complicada. Que o diga o juiz Fernando Tourinho Neto, Conselheiro do CNJ, que enviou por engano, para toda lista de juízes federais um email contendo informações que jamais poderiam vazar. No texto, o assessor de Tourinho relatava que o colega dele de CNJ, o advogado Jorge Hélio, teria pedido para informar ao juiz que tinha deferido a liminar beneficiando a filha de Tourinho, como havia sido solicitado pelo mesmo.

... cai nas armadilhas da net No email recebido por todos os juízes federais de Tourinho, o assessor dizia que o conselheiro Jorge Hélio enviaria cópia da decisão para o juiz, para a esposa dele e para a filha, a juíza federal Lilian Tourinho, que pedia transferência do Estado do Pará para Salvador. A reportagem que foi publicada no jornal O Estado de São Paulo só fez revelar um esquema bem conhecido nos bastidores jurídicos e agora comprovado pela falta de habilidade de alguns com as novas tecnologias.

Defensoria itinerante Os Defensores Públicos do RN decidiram, em assembleia, que não atenderão mais nas comarcas denominadas assistidas, apenas nas sedes dos núcleos. A categoria enviou pedido ao Conselho Superior da Defensoria Pública para a extinção dessa atuação, em decorrência do excesso de trabalho que es-

tão submetidos. A decisão foi tomada após o estudo apresentado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada que verificou que o RN é único estado da federação com esse tipo de atendimento itinerante. A partir do dia 31, das 65 comarcas do Estado, os defensores atenderão em apenas sete.

Falando em defensores.... A Defensoria ficou de fora do grupo de trabalho formado pelo Governo do Estado para buscar soluções para desafogar o sistema carcerário do RN. No grupo estão representantes das secretarias envolvidas, do Judiciário e do Ministério Público. Detalhe: A Defensoria é o órgão político de execução penal, de acordo com a lei de Execução Penal – LEP.

autos & motores TODAS AS SEXTAS NA TRIBUNA DO NORTE

A visita foi (quase) toda tomada por uma sensação que só posso definir como de “saudade de um tempo que já não volta mais”. facilmente desci a Via Cavour, passei pelo fundos da Basílica de Santa Maria Maggiore e, logo após ter avistado o Hotel Palatino à minha direita, subi a antiquíssima escadaria (incrustada em um túnel de pedra, parecendo estar ali desde sempre) que vai dar na praça da Igreja, como fiz, certamente segurando as mãos dos meus pais, há quase trinta anos. A visita foi (quase) toda tomada por uma sensação que só posso definir como de “saudade de um tempo que já não volta mais”. Uma sensação angustiante que você, caro leitor, tenho quase certeza, já deve ter experimentado alguma vez. Mas essa sensação, felizmente, foi interrompida por um fato curioso: um senhor, muito distinto, aproximou-se de mim e perguntou, em inglês, o que era aquele “objeto”, bem no centro da Igreja, que eu, ao mesmo tempo que consultava um livro, estava fotografando. Quase um “Parla, Marcelo”. Expliquei, numa mistura de italiano e inglês de fazer rir, que eram as correntes que, reza a lenda, teriam acorrentado São Pedro em Jerusalém (por isso a igreja se chama “in Vincole”). Pelo biotipo, aquele senhor parecia vir das bandas da Índia ou do

Paquistão. E era alguém ligado ao serviço diplomático ou uma autoridade de Estado, talvez em Roma para a cerimônia de entronização do Papa Francisco, já que, ao sairmos juntos da igreja, fui até o seu carro, um carro oficial com motorista e tudo, que o esperava na praça. Conversamos um pouco sobre Michelangelo (portanto, a palestra assistida “valeu a pena”), e ele me pediu para explicar ao seu motorista que ele queria, atendendo às minhas sugestões, visitar a praça do Capitólio e a Basílica de Santa Maria degli Angeli e dei Martiri (construída “dentro” das Termas de Diocleciano, aproveitando a mesma estrutura), projetos do grande arquiteto renascentista. Muito agradecido, convidou-me até para ir junto. Apesar de muito distinto aquele senhor, polidamente recusei o convite, já que lembrei a lição, ensinada pelos meus pais quando eu ainda perambulava segurando as suas mãos, de que não se deve aceitar caronas de estranhos, ainda mais na terra dos outros. Mas aquele senhor desconhecido, mesmo sem saber, me prestou um favor muito maior do que aquele que eu, aparentemente, prestei a ele. Primeiramente, tirou-me daquela melancolia de querer, sem poder, reviver um tempo que já passou. Mas, sobretudo, me fez recordar as lições que recebi dos meus pais no tempo de “eu menino”. E não falo da lição comezinha de “não aceitar carona de estranhos”. Mas das lições, lembradas ali por associação, de amor pela leitura, pelas artes e por Michelangelo, de fé na humanidade em geral e nos seus homens e mulheres santas em particular. Lições que recebi ainda no tempo daquela minha primeira viagem a Roma.


natal

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

»ENTREVISTA » JOÃO MAURÍCIO FERNANDES ARQUITETO E MEMBRO EFETIVO DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO

FOTOS:ADRIANO ABREU

“Natal precisa de visão de futuro” « URBANISMO » João Maurício Fernandes afirma que o desenvolvimento urbano de Natal precisa andar para a zona Sul, mas para isso é necessário planejamento ROBERTO LUCENA repórter

ocupação urbanística de Natal foi influenciada diretamente pela movimentação comercial que induz as mutações do espaço e o uso do solo”. A afirmação é do arquiteto João Maurício Fernandes de Miranda. Autor de mais de duas centenas de obras – com destaque para os prédios da capela do Campus Universitário da UFRN, edifício Barão do Rio Branco e biblioteca pública Câmara Cascudo –, João Maurício revela que é necessário repensar a ocupação territorial da capital. Para tanto, o poder público precisa, por exemplo, promover a mudança de prédios que hoje concentram uma grande movimentação populacional. Nessa entrevista à TRIBUNA DO NORTE, o arquiteto e urbanista fala ainda sobre a falta de planejamento para o trânsito.

“A

Em 1999, quando Natal comemorou os 400 anos de fundação, o senhor lançou o livro “Evolução urbana de Natal em 400 anos”. Como se deu essa evolução?

O livro foi publicado em 1999 com toda evolução urbana de Natal desde a chegada da frota portuguesa até o trabalho de urbanização, em 1904, por Polidrelli, depois, em 1929, feito por Palumbo que fez o primeiro plano de ordenamento, de sistematização à cidade. Muita gente diz que o projeto das ruas largas de Natal é do plano Palumbo, mas não, as ruas largas foram do projeto de Polidrelli. Ele quem fez o projeto da cidade nova em 1904. Quando Palumbo chegou aqui, em 29, encontrou o projeto de Polidrelli e aproveitou as quadras e deu uma nova roupagem.

ì QUEM É João Maurício Fernandes de Miranda é natural de Natal e tem 79 anos. Graduou-se arquiteto em 1961 pela então Faculdade Nacional de Arquitetura da Universidade do Brasil, no Rio de Janeiro (RJ). É sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte. Além disso, dirigiu e montou o curso de Arquitetura e Urbanismo da UFRN, sendo o primeiro coordenador do curso, entre os anos de 1974 e 1976. Atualmente, está aposentado. Ente os estudos publicados, destaca-se o “Estudo Preliminar de Desenvolvimento Integrado para o município de CearáMirim”, em 1970; “Estudo Preliminar de Desenvolvimento para o município de Assu”, em 1972 e “380 Anos de História Fotográfica da Cidade do Natal”, em 1979.

O que faltou?

Faltou se debruçar, estudar com mais presteza a cidade. Quem faz isso é quem vive nela, são os profissionais da área. Não adianta chamar uma equipe de fora, pegar um helicóptero, sobrevoar a cidade por meia hora e no dia seguinte apresentar um projeto. Não é por aí. Você tem que viver, andar pela cidade. O planejador tem que viver a cidade, observar o que está acontecendo, as tendências que a cidade tem. É preciso tomar medidas antes, e não paliativas depois que acontece. É isso que chamo de planejamento, o resto são leis. Por falta desse planejamento...

E isso acaba gerando o que?

Esse caos que estamos vivenciando. Não temos mais espaços físicos para o pedestre. Hoje em dia a prioridade não é o homem, é o carro, é a rua asfaltada. Não existe calçada.

Não conheço os projetos. Nunca vi nada. Só ouço falar. Não vi publicado nem audiência pública. A coisa não acontece. Não acredito em mobilidade porque vai haver uma copa. Pensa direitinho. Isso é muito sério. Você ter que mudar, derrubar um estádio, construir outro porque uma organização externa como a Fifa exigiu? O senhor acha que são viáveis os projetos como a reforma da Roberto Freire?

Você ter que mudar, derrubar um estádio, construir outro porque uma organização externa como a Fifa exigiu?

Precisa de legislação contra isso. É especulação. A pessoa está com o terreno esperando toda a infraestrutura que foi feita pelo poder público: água, esgoto, pavimentação, energia. Não há uma contribuição, fora o imposto, por parte do proprietário que fica esperando valorização. Se você tivesse uma legislação que taxasse esse terreno por causa do não uso, algo aconteceria. Mas eu não conheço nenhuma legislação que obrigue esse tipo de cosia. A ocupação urbanística de Natal é marcada pelo quê?

A cidade evolui de acordo com os índices de desenvolvimento: estradas, pavimentação, eletricidade. O que precisa é planejar e direcionar essa indução para locais que ainda não são equipados para desafogar as outras áreas. Você direciona. Uma infraestrutura pode ser desviada. Isso é planejamento. Não é sobrevoar a cidade com helicóptero como já foi feito aqui em Natal algumas vezes.

As leis são caóticas.

O senhor acredita que as obras de mobilidade urbana que vão surgir com o advento da Copa podem reverter, de certa forma, esse quadro?

Quando surgiu, de fato, em Natal, algum plano de ordenamento de ocupação urbana?

O plano Palumbo, que era a Lei Municipal número 4 falava sobre a organização das quadras, os recuos, largura de ruas. Coisas simples inclusive para o conhecimento da época. A partir de 2000, tivemos vários planos diretores, mas todos preocupados com construção. Não há nenhum plano de preocupação espacial da cidade, de vias preferenciais, de vias secundárias, de grandes fluxos. Natal tem avenidas como, por exemplo, a Salgado Filho, que tem uma mão para lá e outra para cá, quando você poderia pegar e criar uma avenida central. Por exemplo: Natal – Parnami-

rim. Se você vai para Parnamirim, porque ficar entrando e saindo de outras ruas? Isso é projeto de tráfego. Natal tem uma coisa interessante: confunde-se tráfego com trânsito. Tráfego é engenharia, trânsito é policia, é sinalização. São duas coisas diferentes, mas, aqui, é tudo igual.

Apresentar projeto bonito é fácil. No computador você faz até milagre. Quero saber é se tem recurso para construir o que está programado. Não sou derrotista. O que quero mostrar é que, com a idade que tenho e milito em Natal, só ouço promessa. Há um outro problema em Natal que parece não ter solução aparente. Trata-se dos vazios urbanos. Qual sua opinião sobre isso?

E Natal ainda possui alguma área que comporte esses investimentos?

Acho que sim. A zona Sul toda. Natal é um triângulo. Para o Norte você não segue mais. Natal só pode desenvolver para trás e precisa de indutores de desenvolvimento para aquela região. O poder público, que se concentra no Centro, precisa deslocar. O poder público também induz o desenvolvimento. O número de pessoas que vai à uma repartição pública? A cidade precisa “andar” para o Sul. Agora, precisa planejamento e visão de futuro. Esse pensamento é compartilhado por outros arquitetos?

Isso é um pensamento meu. A prefeitura tem grandes profissionais mas a eles não é dado oportunidade. Não há chances para desenvolver um planejamento que precisa ser feito diariamente. Qual sua posição com relação a Via Costeira?

Esse é um negócio muito problemático. Prefiro não comentar. Hoje sou aposentado, estou afastado, mas sou observador. Vivo e ando nessa cidade e gostaria que ela tivesse um futuro bem melhor. E para isso, é preciso recolocar os investimentos em outros setores?

Lógico. Precisa estudar os problemas e buscar as soluções. Isso é urbanismo.

5


6

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

natal

Estudo aponta soluções para trânsito « MOBILIDADE » O estudo intitulado “Natal em movimento – novos caminhos para a mobilidade urbana” é o resultado de um trabalho que reuniu técnicos e especialistas da área durante três meses

A

manhã, o deputado estadual Kelps Lima (PR) e os os vereadores Paulinho Freire (PP) e Rafael Motta (PMN), o vão apresentar uma série de propostas que, segundo eles, vai resolver vários problemas do trânsito e transporte na capital do Rio Grande do Norte. O estudo intitulado “Natal em movimento – novos caminhos para a mobilida-

de urbana” é o resultado de um trabalho que reuniu técnicos e especialistas da área durante três meses. Os detalhes do projeto serão apresentados durante uma entrevista coletiva, mas algumas ideias já fazem parte de estudos da Prefeitura do Natal. O projeto contempla modificações sem a necessidade de intervenções que gerem custo ao Poder Público.

Algumas sugestões podem causar polêmica. Uma delas, que já foi discutida inclusive em audiências públicas na Câmara dos Vereadores e Assembleia Legislativa, é a que sinaliza para a tarifa única no transporte público de passageiros em parte da Região Metropolitana de Natal. Outra proposta é a criação de um circuito de corredores exclusivo para ta-

xis e ônibus. “Hoje temos isso apenas na Bernardo Vieira. Queremos criar o sistema, de forma mais organizada, em outras avenidas da cidade”, citou Kelps Lima. O plano envolve ainda um pacote de leis na Câmara, medidas práticas e de baixo custo. O documento com o projeto será apresentado ao prefeito Carlos Eduardo e à governadora Rosalba Ciarlini. Os

três parlamentares já solicitaram oficialmente audiência aos chefes do poder Executivo municipal e estadual para tratar do assunto. Kelps Lima, que já esteve à frente da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semob) por mais de um ano, disse que o projeto elaborado agora foi viável graças à união dos três parlamentares envolvidos. “É um fato inédi-

to na política potiguar a união de três políticos, em ano não eleitoral, para discutir políticas públicas”, disse. O vereador Paulino Freire nomeou a união dos políticos como um “consórcio” e avisou que outros projetos, nas demais áreas, estão em estudo. “A ideia é apresentar outras propostas nas áreas da saúde e educação, por exemplo”. ADRIANO ABREU

Paulinho Freire e Kelps Lima apresentam projetos

Ideia é tirar do papel projetos com baixo custo O “consórcio” de políticos vai apresentar a proposta de criação de vias binárias em Natal. A ideia foi apresentada recentemente pela Semob que apontou ainda a mudança do tempo nos semáforos, supressão de sinais de três tempos e até a implantação de canteiros e extinção de retornos para dar mais fluidez no trânsito e, principalmente, melhorar o fluxo do transporte coletivo de Natal. De médio prazo, a Semob já tem um projeto elaborado para criação de vias de mão única em, pelo menos, oito ruas de bairros centrais ligando, principalmente, as Zonas Oeste e Leste da Cidade. O secretário municipal adjunto de Trânsito da Semob, Walter Pedro da Silva, disse que o projeto de implantação desses corredores de trânsito já foi préaprovado no Ministério das Cidades, mas ainda está sendo avaliada a questão do financiamento necessário às obras, da ordem de R$ 104 milhões, junto à Caixa Econômica. “Se não sair vamos fazer por etapas”, disse ele.

Walter Pedro informou que a previsão é de implantar mão única na Avenida Coronel Estevam (antiga Avenida 9) no sentido da Avenida Rio Branco, no trecho da avenida Lima e Silva até a Avenida Cordeiro de Farias, na Ribeira. O retorno de mão única contemplaria a rua dos Canindés até a Lima e Silva. Outro trecho de mão única entre as Zonas Leste e Oeste contempla a Rua São José no sentido de Lagoa Nova, enquanto o retorno seria pela Rua Romualdo Galvão, a partir da confluência com a Rua Norton Chaves até o Tirol. Já no sentido Norte e Sul e vice-versa, a Semob estuda transformar em mão única as Avenidas Amintas Barros e Antônio Basílio. Kelps Lima não informou quais vias seriam transformadas em binárias dentro do projeto denominado “Natal em movimento – novos caminhos para a mobilidade urbana”, mas ressaltou que todas as ideias serão de custo zero. “Não será necessário investimento por parte da Prefeitura”, colocou.

MOBILIDADE Algumas sugestões que serão apresentadas pelos parlamentares

1

Tarifa única no transporte público de passageiros em parte da Região Metropolitana de Natal;

4

Incentivar a criação de estacionamentos privados em áreas como o centro da cidade;

2

Criação de um circuito de corredores exclusivo para táxis e ônibus;

5

Regulamentar horários de transporte de caminhões de carga;

3

Retomada do via livre;

Fiscalizar os carroceiros.


TÁBUA DE MARÉS

NO FACEBOOK

Preamar 02h34-2.0 - 14h51-2.2 Baixa-mar 08h21-0.5 - 20h47-0.4

Quer fazer parte do cadastro positivo? A Tribuna mostra os caminhos na página do Face

facebook.com/tribunarn

FASES DA LUA

Crescente: hoje Cheia: 27/03 Nascer do sol: 5h24 Por do sol: 17h30

FUNDADOR DA CVC, GUILHERME PAULLUS, FALA DAS PERSPECTIVAS DO SETOR TURÍSTICO • PÁGINA 9

CADASTRO POSITIVO

Veja entrevista com especialista em direito do consumidor, Fabrício Germano Alves

tribunadonorte.com.br

natal Editora: Cledivânia Pereira [cledivania@tribunadonorte.com.br ]

Natal • Rio Grande do Norte • Domingo • 24 de março de 2013

Cadastro positivo é pouco conhecido « CRÉDITO » Desde o início do ano, está em vigor a Lei que criou o chamado “Cadastro Positivo” de bons

pagadores. Parte do comércio já usa o banco de dados e os bancos devem aderir ao sistema a partir de agosto ROBERTO LUCENA repórter

O

s consumidores que desejam realizar compras parceladas, financiamentos e empréstimos já contam com um novo serviço que promete facilitar as transações comerciais. Desde o início deste ano, está em vigor a Lei que criou o chamado “Cadastro Positivo” de bons pagadores. O cadastro é um serviço oferecido por empresas especializadas que permite checar o histórico de crédito de uma pessoa e funciona de forma oposta aos cadastros negativos existentes. Parte do comércio já usa o banco de dados e os bancos devem aderir ao sistema a partir de agosto. A inclusão no cadastro positivo, diferente do que ocorre quando um nome é negativado, não ocorre de forma compulsória. É preciso que o consumidor solicite a inclusão de seus dados no sistema. O superintendente de Informações sobre Consumidores da Serasa Experian, Vander Nagata, explica quais os possíveis benefícios para quem solicitar a participação. “O consumidor terá possibilidade de contar com histórico de bom pagamento. As empresas que desconhecem a pessoa, podem ter informações e assim facilitar o financiamento, por exemplo. O cadastro é opcional, é preciso autorizar e, quando o consumidor quiser, ele pode cancelar”, diz.

INSCRIÇÃO O pedido para fazer parte do cadastro positivo já pode ser feito na Serasa Experian através da internet, pessoalmente ou pelos Correios. A Câmara dos Dirigentes Lojistas de Natal (CDL/Natal) também vai receber inscrições. De acordo com o vice-presidente do órgão, Augusto Vaz, uma ficha de inscrição está em fase de elaboração para ser disponibilizada ao público. Vaz acredita que o cadastro positivo vai gerar bons frutos para o comércio local. “Será mais fácil conseguir o crédito e, se você tiver uma boa pontuação no cadastro, conseguirá descontos. Isso é um ponto muito positivo”, destaca. Por enquanto, apenas o comércio aderiu ao sistema do cadastro positivo. Grandes lojas do

varejo como Riachuelo e Casas Bahia realizam o cadastro dos clientes que queiram participar do sistema. Vander Nagata informa que, no dia 1º de agosto, os bancos também farão parte da organização. “Nessa data, as instituições bancárias devem estar prontas para atender as solicitações com relação ao cadastro positivo”, coloca. Os bancos vão aderir ao sistema depois de muita polêmica. A lei que criou o cadastro foi aprovada pelo Congresso em dezembro de 2010 e sancionada pela presidente Dilma Rousseff em junho do ano passado, mas o texto enfrentou muita resistência, o que acabou adiando a sua regulamentação. Os bancos temem serem responsabilizados na Justiça pelo uso indevido de informações protegidas por sigilo bancário, e dos órgãos de defesa do consumidor, preocupados com o risco de exposição dos dados das pessoas.

CRÍTICAS O cadastro positivo também gera críticas em especialistas em Direito do Consumidor. Segundo o professor de Direito das Relações de Consumo, Fabrício Germano Alves, o sistema pode gerar um preconceito e o que poderia ajudar, acabará atrapalhando a vida do consumidor. “O cadastro é opcional. Não sou obrigado a me cadastrar. Mas se a empresa me solicita os dados e digo que não estou cadastrado, ela pode me ver com maus olhos e questionar o porquê da minha não participação no cadastro”, coloca. O representante da Serasa Experian explica que não há motivos para preocupação. “O cadastro é uma informação a mais. É a favor do consumidor e não ao contrário. Ao contrario é o que ocorre hoje em dia. Não existe motivo para preocupação”, diz. Autoridades ligadas à entidades de defesa do consumido lembram ainda que a abertura de crédito numa loja ou outro estabelecimento financeiro não poderá ser condicionada à concessão de autorização da inclusão do nome da pessoa no cadastro.

+

PAGINA 8

Financeiras estudam passado de consumidores.


8

natal

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

Financeiras estudam passado dos consumidores « CRÉDITO » Mesmo sem ter nome negativado nas instituições de análise de crédito, consumidor pode ter problemas na hora de conseguir financiamento

I

magine a seguinte situação: você nunca teve o nome negativado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) ou Serasa e sempre pagou as contas em dia, ou seja, é um bom pagador. Porém, ao tentar um empréstimo numa agência bancária, é informado que a solicitação foi recusada. A justificativa para a negativa é a baixa pontuação no score da Serasa. A situação hipotética é mais comum do que se imagina. O score – espécie de lista com a pontuação de todos consumidores – é utilizado pelas empresas para mensurar o risco dos contratos de empréstimos e financiamentos. Segundo especialistas, o score não obedece regras do Código do Consumidor e as informações contidas na lista devem ser exigidas pelo consumidor.

Passado O score é uma pontuação calculada com base em informações contidas na base de dados da Serasa Experian, de acordo com os modelos matemáticos estatísticos adotados pelas empresas concedentes do crédito e é calculado no momento da solicitação do mesmo. O score beneficia as empresas pois demonstra a possível capacidade de endividamento de cada consumidor. O problema, segundo o professor de Direito do Consumidor, Fabrício Germano Alves, é que o consumidor não tem acesso às informações contidas nesse score. “O código do consumidordizqueédireitodoconsumidorsabertodasasinformações sobre seu cadastro”, diz. O Código de Defesa do Consumidor é claro. No capítulo 43: “O consumidor, sem prejuízo do disposto no art. 86, terá acesso às informações existentes em cadastros, fichas, registros e dados pessoais e de consumo arquivados sobre ele, bem como sobre as suas respecti-

vas fontes. Os cadastros e dados de consumidores devem ser objetivos, claros, verdadeiros e em linguagem de fácil compreensão, não podendo conter informações negativas referentes a período superior a cinco anos”.

Informações O score é uma pontuação definida pelo modelo de cada empresa. A empresa é quem dita como quer a padronização. A Serasa faz o cálculo e envia para a empresa que solicita informando os pontos que os clientes têm. “Aí ocorre um problema. Você pode tentar um financiamento, mostrar que nada consta no SPC/Serasa e, mesmo assim, não ter o empréstimo aprovado. O motivo? Eles informam que não financiam porque o “score” está baixo e você não tem acesso a esse detalhamento”, completa. O próprio professor informa que foi à sede da Serasa em Natal solicitar às informações. “Eles disseram que era preciso mandar carta solicitando. Mandei a carta, mas eles não me responderam”, diz. A reportagem também foi ao escritório solicitar e a resposta foi a mesma. Segundo o coordenador geral do Procon Estadual, Araken Filho, as empresas têm de explicar o motivo da negação de um crédito ou empréstimo. “Em casos de negativadainformação, oconsumidor pode procurar o Procon para registrar a reclamação”, diz. O caminho para saber os detalhes do cadastro é umapeçajurídicachamada“habeas data”. “Com isso, a Justiça obriga a divulgação dos dados”, afirma Fabrício Germano. O superintendente de Informações sobre Consumidores da Serasa Experian, Vander Nagata, esclarece que o score é uma pontuação que “viabiliza o mercado de crédito e beneficia os consumidores” e afirma que as informações podem ser solicitas à Serasa.

Cadastro Positivo Entenda o que é, quais as vantagens e como fazer parte dele:

5

1 O que é? É o registro da pontualidade no pagamento das contas crediários, financiamentos, água, luz, telefone e outras contas, como a escola, por exemplo.

2 O que consta no Cadastro? Todo o histórico de pagamentos, ou seja, as contas que foram pagas em dia e as que não foram, será considerado na análise de crédito. Isso faz com que o acesso ao crédito seja facilitado, além de permitir melhores condições de negociação nos estabelecimentos comerciais.

BRUM

Quais informações serão divulgadas? O Cadastro Positivo registra as informações referentes aos compromissos assumidos e o seu pagamento. No financiamento de um carro, por exemplo, aparecerão apenas o valor da compra, o valor das parcelas, as datas de vencimento e os pagamentos realizados, além dos dados cadastrais.

6 3 Quais benefícios? Avaliação de crédito individual e mais justa para compras a prazo, mesmo que você não tenha conta em banco ou comprovante de renda. Isso porque as lojas e os prestadores de serviços, como água, luz, aluguel etc., podem analisar suas contas pagas anteriormente e não somente as dívidas não pagas, e oferecer condições comerciais de acordo com o seu bolso. Aprovação de financiamentos e empréstimos com mais facilidade e menos burocracia é outro benefício.

4 Quem administra o registro? Da mesma forma que ocorre com o registro de dívidas não pagas, o Cadastro Positivo é administrado por gestores de bancos de dados, por exemplo, a Serasa Experian.

Quem acessará meus dados? O comércio, os bancos, as financeiras e as prestadores de serviços em geral poderão ter acesso à informações mais precisas para definir condições comerciais e preços mais ajustados às necessidades e ao perfil de cada consumidor.

7 Como cadastrar? Pela internet, através do site www.cadastropositivoserasa.co m.br, pessoalmente, na agência da Serasa ou CDL Natal, ou ainda, pelos Correios, enviando o formulário (necessário conter firma reconhecida da assinatura) e também cópias autenticadas dos documentos RG e CPF para o endereço: Serasa Experian A/C. Recepção e Controles - Cadastro Rua Antônio Carlos, 434 CEP 01309-010 - Cerqueira Cesar São Paulo – SP

Fonte: Serasa Experian


Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

natal

3porquatro

9

POR ANNA RUTH DANTAS

« GUILHERME PAULLUS » DIVULGAÇÃO

ì QUEM É Guilherme Paullus

Vamos ser a maior do mundo em turismo”

O QUE FAZ Presidente do do conselho de administração da CVC, maior operadora de turismo do país. Representa o segmento de turismo no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), órgão de assessoramento da Presidência da República, vinculado à Secretaria de Assuntos Estratégicos

HISTÓRIA O empresário Guilherme Paulus é fundador da CVC. Em janeiro de 2010, o empresário vendeu 63,6% da CVC para o fundo de investimentos Carlyle, por R$ 750 milhões. Em julho do ano de 2011, Paulus vendeu a Webjet para a Gol Linhas Aéreas.

F

undador da CVC, maior operadora de turismo do país, atual presidente do Conselho de Administração da empresa. Apenas por essas credenciais, Guilherme Paullus já chama atenção e atrai olhares, curiosidade. No entanto, o empresário se mostra inquieto. Há três anos, vendeu parte da empresa para um grupo internacional. De certa forma, voltou um pouco a situação da criação da CVC, quando tinha sócios. “Você perde o poder da caneta na mão. Antigamente eu fazia o que queria. Agora precisa dar satisfação”, afirma, com muito bom humor, ao analisar o novo momento da empresa. O projeto de Paullus é arrojado: ele quer tornar a empresa que criou a maior operadora de turismo do mundo. E com o mesmo bom humor que fala ao abordar a capacidade de decisão com os sócios, ele usa para dizer que a meta precisa ser alcançada em dez anos. Ele afirma que não quer chegar aos 70 anos tendo alcançado o objetivo. “Não quero chegar a isso (a alcançar a meta) apenas com 90 anos”, diz. Na passagem por Natal, onde participou do Fórum de Turismo, o empresário estava com uma agenda muito restrita, mas nem por isso deixou de atender a imprensa. Atencioso no trato, arrojado no estilo empresarial, criativo nos momentos de crises econômicas, Guilherme Paullus é o nosso convidado de hoje do 3 por 4.

Como a CVC se transformou em CVC?

Quando nós começamos na década de 70 o turismo era para as pessoas mais abastadas, pessoas que tinham dinheiro e poderiam viajar. Não se tinha pacotes turísticos ainda. Você comprava uma passagem aérea, usava o financiamento da companhia, comprava o hotel e fazia sua viagem. O papel das agências de viagem era vender passagem aérea e fazer a reserva de hotel. Nós tínhamos três operadoras na época, que tinham serviços no Brasil. Não havia operadora brasileira. De 1972 a 1976 quando fiquei com meu sócio, atendíamos muito as empresas com venda de passagem, com serviço corporativo, com venda de passagem para executivos que viajavam. Houve uma crise muito grande, na época quando o Governo brasileiro criou o depósito compulsório para viagem ao exterior. Realmente, criou-se uma dificuldade muito grande e as empresas começaram a economizar muito para aquela viagem. Cada executivo que iria para o exterior precisava ter postado mil dólares no Banco Central. Eu descobri um filão do mercado: toda grande empresa tinha um clube de funcionários. E daí começamos a organizar passeios de um dia, passeios de final de semana, feriados prolongados e férias. Passei a organizar a viagem. Inspirei-me no conceito americano que havia. Aprendi com o clube da Ford, lá tinha um calendário de viagens. Baseeime em um calendário de viagens e criei um para excursões de viagens. Foi a partir daí que a CVC começou a crescer, crescer. O que lhe deu mais trabalho: a operadora ou as lojas CVC? O que lhe exige mais?

Acho que é o contexto. Está no geral. Quando você tem a operadora, você precisa ter alguém que venda os produtos que você faz. A rede CVC cresceu muito e cresceu pelos próprios gerentes da CVC. Porque chegou a um nível que a pessoa era gerente da CVC e estava há três ou quatro anos. Por outro lado eu precisava expandir. Então era aquela frase: “a multiplicação dos pães ou dos peixes”, aquele contexto bíblico. E como Cristo fez e pegou os doze apóstolos e espalhou pelo mundo, eu peguei os meus melhores geren-

da CVC comercializar parte das suas cotas para um grupo internacional. Qual avaliação que o senhor faz do negócio?

tes e falei que um deveria abrir no Rio de Janeiro, outro em Belo Horizonte, outro no Nordeste e assim por diante. E foi aí que nós fizemos realmente uma CVC em cada Estado do Brasil. E foi crescendo e proliferando. Surgiu dos próprios funcionários, da própria equipe CVC. A internet é concorrente das agências de viagens?

Dizem para mim que é. Mas a internet é muito fria. Você compra uma passagem aérea, comprar uma serviço, uma reserva de hotel, se ocorrer algum problema você não tem com quem falar. E o que a CVC faz hoje é uma prestadora de serviço. Quem presta serviço tem que ter o pronto atendimento. Não adianta querer atender pela internet. A internet é um grande canal de venda, um canal informativo. Você tem o Google hoje que o que você perguntar ele lhe responde. O conteúdo é algo muito importante. O Tetê a Tetê, você poder conversar olho no olho, não tem dinheiro que pague essa tranqüilidade. É a confiança, o relacionamento das pessoas, eu acho que isso nunca vai acabar no mundo. Quando fizeram a internet disseram que iria acabar o jornal, o rádio, a televisão. Estão todos aí, a internet é mais um canal. Há pessoas que não querem ir na loja e aí compram pela internet.

sil todo. É um privilégio que eu tenho. Eu digo que uma andorinha só não faz verão, tem que ter várias. Então o grande segredo da CVC é a equipe. Como o senhor avalia o momento vivido, e não é de hoje, onde o brasileiro tem a oportunidade de viajar para o exterior com preço mais baixo do que se fizesse o turismo nacional?

E onde estão seus apóstolos hoje?

Esse é um problema que vivemos há muito tempo. Antigamente era mais fácil ir a Miami do que Manaus ou Bahia. Hoje é mais fácil comprar um bilhete de Natal para Buenos Aires do que de Natal para São Paulo. Natal-Porto Alegre-Natal é mais caro do que Natal-Lisboa-Natal. E o horário de vôo é semelhante. Agora explicar como? É o custo dos aeroportos brasileiros, ainda temos um custo muito grande. Os impostos brasileiros são muito altos. O problema da nossa infraestrutura ainda é grande. Existem subsídios de combustível para as empresas internacionais, para as empresas nacionais não existe. Então temos a grande dificuldade. Os sindicatos ainda são muito paternalistas. O alto custo das empresas brasileiras. Tudo isso precisa ser repensado. A presidente Dilma está pensando na economia da energia elétrica, desonerando. Acho que está na hora de criar um imposto único. Tudo isso ajudaria muito ao desenvolvimento do país. Eu tenho trabalhado isso, faço parte do Conselho do Desenvolvimento Social, estou lá representando o turismo pela primeira vez. Fui nomeado agora. Então é um trabalho muito grande que a gente tem que fazer pela frente para ter um incentivo muito maior para que as pessoas viajem, visitem e conheçam o nosso país. Veja Brasília que é o maior espetáculo arquitetônico que temos, uma cidade encantadora.

Estão comigo. Todos eles cresceram, estão fortes no Bra-

Passado pouco mais de três anos

A CVC fará 42 anos de atuação. Qual foi o momento mais difícil nessas mais de quatro décadas?

Todos. O Brasil sempre viveu grandes crises. É na crise que você tem que cortar o “s” e vai virar crie. Em todas as crises você tem que criar. O mundo sempre está em crise. Agora está a Europa em crise, começou na Grécia essa crise e foi se expandindo. Isso é cíclico na vida da gente. E você tem que ter a dificuldade para poder superar. Nada são rosas, aliás até nas rosas você encontra espinho. E qual foi o grande momento da CVC?

Acho que o grande momento da CVC foi na década de 90, aquela grande expansão, aquela história de pegar os apóstolos e colocá-los para sair pelo mundo.

E ì BATE VOLTA Melhor vendedor de turismo: Walter Patriani

O que fez a história da CVC: a equipe, sozinho você não faz nada. A equipe da CVC é poderosa

O melhor destino: destino de praia, temos o arquipélago de Fernando de Noronha. Região serrana Gramado é o grande destino, em termos cidade maravilhosa é o Rio de Janeiro, em termos de natureza você tem a Amazônia e o Pantanal, em termos de praias você tem as mais lindas praias no Nordeste. O Brasil é completo.

É um grande momento que vivemos. Tivemos, recentemente, uma troca, em três anos tivemos um CEO (chief executive Officer – o diretor geral da empresa), é quase um CEO por ano. É uma adaptação. Passamos a fase do Walter Patriani, que trabalhou comigo durante 33 anos e ficou como CEO dois anos na CVC. Daí, claro, entrou um CEO advindo dos meus sócios, agora trouxemos um novo CEO que é um grande nome do mercado brasileiro. É uma nova fase. Isso tudo está sendo para mim uma grande experiência, de ter contatos com grandes empresários, CEO de outras empresas. É um crescimento profissional não só para mim, mas para companhia também. Então, acho que reputo isso como grande momento. Eu tive sócio há 36 anos, agora voltei a ter sócio agora. E o que o senhor pensa sobre essa fase de voltar a ter sócio (ele começou os negócios com uma sociedade, depois que vendeu parte da CVC voltou a ter sócio)?

Acho que é uma experiência. Não acho diferente. Claro, você perde o poder da caneta na mão. Antigamente eu fazia o que queria. Agora precisa dar satisfação. Mas acho que é importante dar satisfação. A gente passa a vida inteira dando satisfação. Então dá para mais um não faz muita diferença. A Carlyle é uma grande companhia, uma grande empresa, vivo uma perfeita harmonia com eles. Eles me escutam muito, a gente troca muita ideia. CVC chegou onde Guilherme Paullus queria?

Está chegando porque quero ser a maior empresa de turismo do mundo. Acho que com parte da aquisição da Carlyle é um passo importante para sermos a maior empresa de turismo do mundo.

O Brasil sempre viveu grandes crises. É na crise que você tem que cortar o “s” e vai virar crie. Em todas as crises você tem que criar”

O senhor tem meta de tempo para isso?

Veja, tem que ser nos próximos dez anos porque eu vou estar com 73 anos, vai pesando a idade. Mais uns dez anos a gente tem pela frente para transformar na maior empresa de turismo do mundo.


10

natal

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

« ELIANA LIMA » elianalima@tribunadonorte.com.br

Muitos ainda desconhecem a Resolução 3.919 do Banco Central e pagam por tarifas hoje desobrigadas. A resolução determina que os clientes (pessoa física) sejam isentos de tarifas em alguns serviços classificados como essenciais, prioritários, especiais e diferenciados. Em todos os bancos do país.

1

FOTOS JOAONETOFOTOS.COM

Atenção ao...

“A primeira casa do governador do RN foi o Forte dos Reis Magos. Era a residência do capitão-mor, sede administrativa, comando militar, quartel e refúgio dos raros moradores” De Câmara Cascudo, em ‘História da Cidade do Natal”

1 – MAIS UM... Domingo de baú do fotógrafo João Neto: Ana Regina Emerenciano em fase Lolita

2

2 - ...DOMINGO... E na passarela, lá vai ela: a hoje arquiteta Andréa Cariello

...Ao seu...

3 - ...DE MEMÓRIAS... O topdón Habib Chalita nos tempos distantes de cabelos curtos se joga na gargalhada com Dickson MedeirosMeméia

Exemplo: pessoa física tem o direito a quatro saques de conta corrente sem tarifa, todo mês, do jeito que bem pretender, seja no caixa/guichê das agências (normal ou desconto de cheque), nos caixas de autoatendimento do próprio banco ou na Rede Banco24Horas no Brasil.

4 - ...DO BAÚ... O amor de Glayds e Fernando Fernandes, testemunhado pela Bardot potiguar: Luciana Galvão

...Bolso Para conta poupança de pessoa física, direito a dois saques sem tarifa todo mês, da mesma forma que a conta corrente. Então, é olho vivo e faro fino se o banco não está empurrando alguma tarifa disfarçada. Tipo assim, seguro contra roubo de cartão, seguro de vida, anuidade de cartão de crédito, etc e mais. O cliente não é obrigado a aceitar nada dessas tentações para abrir a Conta de Serviços Essenciais.

5 - ...FOTOS JOHN Em pose para a pintura, os casadóns Cyndra e Joacir Potiguar

3

Sem perspectivas O chamado trade turístico está em rota de insatisfação. Geral. Da lista negra, soma-se o descaso com o Conselho Estadual de Turismo. O ano se aproxima do segundo semestre e não há data para se reunir. De uma hora para outra, duas eficientes funcionárias foram descartadas, sem explicação. Nem satisfação ao trade.

...Elegante E num dia de domingo? “Ahh, o domingo é sempre pura descontração. O brunch é uma ótima ideia, pois nele mesclamse pratos do café da manhã com os do almoço, podendo ser servido no final da manhã e estender-se pela tarde. Tipo: frutas, pães, geléias, quiches, um assado, uma massa, saladas, um prato quente, etc”. Então, carpe diem! Aproveite o dia!

« COLMEIA » à Hoje tem coro de parabéns para a chíquima Anita Catalão Maia, Sheila Sales, Ana Regina Bezerra Mota, jornalista Antonio Roberto Rocha, fotógrafo Giovanni Sergio.

Distância...

Mas, todavia, não demorou muito e, sem justificativa, a Secretaria de Educação determinou que todos os educadores cedidos voltassem aos seus locais de origem. Agora, essas entidades es-

Vamos lá! Para não errar num jantar informal, o que servir? Verônica dá a dica: “Leves entradinhas, sem muita variedade, um ou dois pratos substanciais, uma salada, um acompanhamento, ou até mesmo apenas prato único. Chave de ouro, encerrar com sobremesa e/ou docinhos”.

Os irmãos Rilder e Roger Chaves pilotam degustações em suas lojas (Prudente de Morais e Midway). Nesta terça 26, tem seleção de vinhos harmonizados com delicinhas italianas assinadas pelo Mediterrâneo Buffet, das 18h às 20h, na Prudente. No dia 27, repeteco, no mesmo horário. Das 18h às 21h, acontece no Midway. Vinhos: Las Moras Chardonnay, Terranoble Reserva Pinot Noir, Las Moras Bonarda, Rubizzo Rocca Delle Macie. Evento gratuito, com preços especiais para esses vinhos nos dias de degustação.

Essa modalidade garante ainda realizar transferências bancárias ilimitadas, depósitos e retiradas, consultar saldos, fazer pagamentos de contas. Dá direito a dez folhas de cheque por mês. Também, acompanhar contacorrente via e-mail e SMS. Tudo sem tarifa.

...Sem volta

...Com recheio...

Adega

E mais

Um dos motivos que levaram o PV a oficializar o rompimento com o Governo Rosa(do) foi a promessa não cumprida pela governadora Rosalba ao presidente estadual do partido, senador Paulo Davim. Garantiu que manteria os profissionais (psicólogos, pscilopedagogos) disponibilizados a instituições como a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE), Associação de Orientação aos Deficientes (Adote) e Clínica Heitor Carrilho, pioneira no Estado no trabalho em prol de pessoas com deficiências.

cas das mais diversas na linha do bem receber. Nas próximas edições, Verônica Motta, que comanda ao lado da mãe Ignês o mais tradicional e irreparável buffet da capital dos magos-exigentes, Nick, sugere toques bem legais.

4 tão ameaçadas de fechar as portas, depois de anos de trabalhos relevantes e necessários. Pais estão desesperados.

Nem tchuns À coluna, Paulo Davim disse que no início do governo, em 2012, ele e a sanitarista Ana Tânia, que foi secretária-adjunta de Saúde do Estado, elaboraram um Plano de Saúde e entregaram à governadora. Lamenta que não foi realizado sequer o primeiro parágrafo.

Raízes De um médico, que em anos anteriores foi convidado para assu-

5 mir a saúde estadual e recusou: - “Enquanto não se entregar a Secretaria de Saúde de porteira fechada para um gestor administrar, o caos na saúde pública não terá solução”.

Ou seja O médico disse que a solução passa pelo rodo em todos os problemas que se mantém na indicação política, entra e sai governo. Nomeia-se um secretário sem lhe dar autonomia para administrar sem interferências, por exemplo, que desencadeiam escândalos.

Direito... Para os traídos e traídas, eis um

exemplo. Na cidade mineira de Galileia, uma noiva traída ganhou na Justiça a indenização de R$ 25 mil. Resolveu pedir reparação moral alegando que foi informada da traição pela própria amante do seu noivo logo após a cerimônia do casamento. Resultado: a união durou apenas dez dias.

...E direitos Nos autos, relato da noiva de que encontrou e reuniu cartas amorosas e mensagens no celular do marido que comprovavam a traição. A ação foi contra o ex-marido e a amante. Além de danos morais, pediu ressarcimento de

todas as despesas que teve com o casamento. O juizRoberto Apolinário acolheu o pedido e autorizou indenização de R$ 50 mil por danos morais e de R$ 11.098 pelas despesas da cerimônia.

Todavia O ex-marido e a amante recorreram, alegando que os gastos do casamento foram divididos entre os noivos. Em segunda instância, o desembargador relator, Antônio de Pádua, reconheceu danos morais e reduziu o valor para R$ 25 mil.

Acertos... Vez por outra, a coluna trará di-

à E nesta segunda, grito de felicidade para os jornalistas Rejane Cardoso e Alberto Coutinho, o partidón Bernardo Rocha Gaspar e o noivón Luiz Felipe Ferreira de Souza Viveiros. à Amanhã tem reabertura do Coreto Music com a ‘Segunda Especial’, às 20h, ao som ‘Alan Oliveira & “Silveirinha’ Banda Show. Na Av. Prudente de Morais, em frente ao Consórcio Redenção. à No palco do Teatro Riachuelo, hoje tem o espetáculo ‘As Aventuras dos Piratas’, às 19h. à Amanhã tem estreia do ‘RN Acontece’, na tela da Band, que vai ao ar de segunda à sexta, das 13h30 às 14h, com apresentação da jornalista Marina Leiros. A governadora Rosalba será a primeira entrevistada.


Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

natal

11

« GEORGE AZEVEDO » georgeazevedo@digizap.com.br

EXPO CAKE

Guilherme Galvão e Luiz Antônio numa parceria com Markus Guedes fizeram maior burburinho no último dia 20, na Guilhermina, onde foi lançada a nova coleção com recheio do cast Tráfego Models no meio de uma exposição dos grandes cake designers da cidade. Entre eles: Robinso Câmara, Tereza Vale, Aída Cortez, Tereza Neumann, Jane e Carol By. FOTOS: VERSÁTIL NEWS

Lindjinhas da Tráfego Models roubando a cena

Cássia Sá e Rosângela Lemos conferindo tudo!!

Toinho Silveira no close com Ju Flor

Guilherme Galvão e Luiz Antônio recebendo Sandra Elali

Cloe Padilha. Sempre top!!!

Miss Danny fazendo a festa com Toinho Silveira

Markus Guedes, só alegria, ao lado da governadora Rosalba Ciarlini

FASHION DAY

A empresária Ana Maria Filgueira lançou a coleção outono-inverno 2013 da Colcci com grande badalação no West Shopping. Rolou até pocket show com o cast Tráfego Models no comando de Georgiano Azevedo. Olha só!!! FOTOS: LUIZ RODRIGUES/TRAFEGANDO.COM

Georgiano Azevedo gravando seu quadro Por Dentro da Moda/TCM com Renata Praxedes

Ana Maria Filgueira e Junior Macedo recebendo convidados

Julia Bandeira, Musa do Verão 2013, exibindo hair e make up by Salão Belarus

Karen Praxedes e Luis Henrique Azevedo. Pura fechação!!

Lenilson Fernandes passou por lá..

Melânia Bandeira no close com Marisa Silveira, aniversariante de hoje

O blogueiro Rumennig Azevedo em ação

Daniel Mendes e Morgana Escóssia. Só love!!

Tatianne Dias. Linda!!!

Beldades da Tráfego Models recheando a moda Colcci

Equipe Colcci. Salve simpatia!!!

Gustavo e Monalisa Escóssia conferindo a coleção

Raquel Silva. Maravilhosa!!!


12

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

natal DIVULGAÇÃO

NELSON MATTOS FILHO avoante1@gmail.com

uando saímos de Natal/RN em janeiro de 2013 foi com a intenção de levar o Avoante a mares brasileiros um pouco mais distantes do que os que banham a Bahia do Senhor do Bonfim. Já havíamos conhecido muito do potencial navegável da Baía de Todos os Santos e Baía de Camamu e achamos que era chegada a hora de ir um pouco mais a frente. Afinal, esse era o planejamento quando do início de nossa vida a bordo: conhecer o litoral brasileiro de ponta a ponta. Ao chegar novamente a Bahia à vida começou a entrar naquela malemolência bem baiana e a ideia inicial foi tentando escapar diante da alegria de estarmos navegando naquelas águas mornas, tranquilas e convidativas. É difícil sair da Bahia quando se tem muitos amigos e a cada ancoragem vamos acrescentando mais. A turma tem um poder de persuasão que só vendo. Um dia chegava um convite para um aniversário em plena Coroa do Limo, em frente à Ilha de Itaparica, festa que merece um bom comentário. No outro mais um convite para uma feijoada de nove dias no Aratu Iate Clube. Mais um convite de café, cerveja, almoço, cerveja, jantar e cerveja a bordo do veleiro de outro grande amigo. Mais um convite para conhecer uma ancoragem especial, mais outra e mais outra. Assim o tempo vai passando e as-

A VIDA EM OUTRA SINTONIA

Q

sim é a vida de quem adora essa vida de morador de veleiro. O tempo se vai e a gente vai ficando mais um pouquinho. Mas e o aniversário na Coroa do Limo? Bem, esse foi para entrar nos anais da história náutica baiana. A Coroa do Limo é um grande banco de areia que descobre na maré baixa em frente à Marina de Itaparica e que é a prainha do velejador. Um amigo resolveu comemorar o aniversário ali, mas a festa tinha que durar o tempo que durasse a maré baixa. No comecinho da manhã armaram duas tendas, che-

gou uma baiana com o tradicional tabuleiro de acarajé, um churrasqueiro, uma panela de feijoada, uma mesa para caipirinhas e várias caixas com cervejas geladas. Pronto, estava armada a festa! Os convidados foram chegando, mas antes do meio dia a maré já apresentava sinais de subida, porém ninguém dava bolas para ela. Quando as águas começaram a molhar os pés da baiana do acarajé, que não sabia nadar, colocaram a coitada, com tabuleiro e tudo, a bordo de um barco e assim foi garantido o acarajé. O churras-

queiro ainda tentou resistir mais a água já ameaçava inundar a churrasqueira. Ele também foi parar em cima do barco. A panela da feijoada tomou o mesmo rumo, junto com a mesa de caipirinhas, mas as caixas de cervejas, que boiavam, sempre tinha alguém para segurar. As tendas e as cadeiras foram retiradas quando a água chegou próximo ao teto, mas mesmo assim, teve gente que resistiu bravamente, sentado com a água batendo no pescoço. Mas não pensem que a festa acabou ai. Como a cerveja não havia acabado e ma-

ré foi perdendo a força, a turma foi resistindo e somente abandonou o local quando a Lua já estava presente no céu, a Coroa já estava aparecendo novamente e não restava uma lata de cerveja para a saideira. No rescaldo da festa, não se via nenhuma sujeira no local e nem nas proximidades, pois assim dita a cartilha ambiental do velejador. Por essas e outras é que o tempo passa e a gente nem vai percebendo, e numa bela tarde de sol recebo uma ligação do amigo Rui Talaia, comandante do veleiro Naumi, que havíamos levado de

Natal a Salvador no finalzinho de Dezembro de 2012, perguntando se poderíamos levar o Naumi para o Rio de Janeiro. Lógico que sim! Respondi de pronto. Mas e o Avoante? Não era com ele pretendíamos ir para o Rio? Vamos deixar ele aonde? Num segundo tudo foi pensado, resolvido e na semana seguinte embarcamos no Naumi com destino ao Rio de Janeiro. Era dia primeiro de março, Sexta-Feira, quando largamos as amarras da Ilha de Itaparica e tomamos o rumo de Camamu, nosso primeiro local de parada. Não pretendíamos ir em rumo batido para o Rio de Janeiro, já que iríamos, queríamos conhecer alguns locais como Santo André, Ilhéus, Abrolhos e Vitória. Camamu era primordial, pois temos um carinho todo especial por aquele lugarzinho mágico, além de poder rever e abraçar nossas velhas amigas Aurora e Onília, duas irmãs que são a cara e o jeito de todas aquelas belezas. O Avoante vai continuar com as marcas de dendê temperando o seu casco e descansando nas águas abrigadas do Aratu Iate Clube. Tá duro ele sair da Bahia, mas para quem estar nessa vida de velejador de cruzeiro, a vida e o tempo tem outros sentidos. Um dia ele chega e quem sabe esse dia chegue mais rápido do que a gente pensa. A Baía de Camamu continua bela e encantada. A Ilha de Campinho continua envolvida na penumbra da tranquilidade e Dona Aurora é só alegria. Viva a vida!


» OS CLASSIFICADOS DA TN CIRCULAM HOJE COM 3.254 ANÚNCIOS E 18 PÁGINAS

ES PE CIA L

FUNDADOR: ALUÍZIO ALVES - 1921 - 2006

Ano 63 • Número 001 • Domingo, 24 de março de 2013

UMA NOVA

TRIBUNA

Novo projeto gráfico e editorial, apresentado nesta edição aos leitores, foi desenvolvido pela equipe do próprio jornal e segue os padrões do jornalismo impresso mais moderno


2

especial

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

TN63ANOS

ì

EDITORIAL: NOVAS RESPONSABILIDADES TRAJETÓRIA MARCADA POR CONQUISTAS NOVA FORMA DE LER A TRIBUNA COMO SE FAZ UM JORNAL SUPERIORIDADE NO MERCADO LEITOR NOVO SITE: MAIS INFORMAÇÃO

Novas responsabilidades, o mesmo compromisso Nossos projetos para os próximos anos estão inseridos em um contexto novo, desafiador, modernizante hegamos aos 63 anos de fundação com a responsabilidade de vermos renovados os desafios e os compromissos que pautaram nossa trajetória e marcam, hoje ainda mais do que nas origens, a atividade de uma empresa jornalística. Vivemos tempos interessantes. Tempo da velocidade na informação, tempo em que – parafraseando um pensador da pós-modernidade - “tudo que é sólido parece se desman-

C

char” sob a força e o alcance da onda formada pelas redes sociais. A informação se dissemina entre todos e cada um a molda como quer. São avanços na liberdade, na ação social, no exercício da cidadania. Mas, há também motivos de preocupações que não são apenas nossas nem estão confinadas a um só lugar. São os riscos dos exageros, de se perder a capacidade de diferenciar entre fatos e boatos, verdades e ficções.

Marcas jornalísticas como a TRIBUNA DO NORTE podem e devem estabelecer, com uma atuação profissional e voltada para o interesse social, os marcos diferenciadores necessários. Nesta perspectiva, saudamos as mudanças nas formas de transmissão e de se ler notícias não como o fim de algo, mas como perspectivas abertas para novas experiências. Acreditamos na capacidade de se reinventar do jornalismo impresso. Estamos promovendo modificações gráficas e editorias que objetivam tornar a leitura da nossa edição impressa mais dinâmica. Acreditamos, igualmente, no grande potencial que as informações online oferecem

ao público e à atividade empresarial. Estamos nas redes sociais – facebook, twitter, instagram – e reformulamos a TN Online. Nossos projetos estão inseridos neste contexto novo, desafiador, modernizante. Com o profissionalismo, a credibilidade e a honestidade que se constituíram na tradição da TRIBUNA DO NORTE, queremos renovar o compromisso de oferecer ao público os melhores produtos jornalísticos. Nesta tarefa não pouparemos esforços, não nos furtaremos ao enfrentamento de desafios. Queremos continuar a fazer a diferença no jornalismo potiguar e merecer a confiança que os leitores depositam em nosso trabalho há mais de seis décadas.

Saudamos as mudanças nas formas de transmissão e de se ler notícias não como o fim de algo, mas como perspectivas abertas para novas experiências”


especial

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

3

TN63ANOS

ì José Gobat, o administrador que conduziu e consolidou a empresa

EDITORIAL: NOVAS RESPONSABILIDADES TRAJETÓRIA MARCADA POR CONQUISTAS NOVA FORMA DE LER A TRIBUNA COMO SE FAZ UM JORNAL SUPERIORIDADE NO MERCADO LEITOR NOVO SITE: MAIS INFORMAÇÃO

O fundador da TRIBUNA DO NORTE, jornalista Aluízio Alves, na redação, escrevendo um dos seus editoriais, na década de 1950

Trajetória de superações e conquistas Para manter a TRIBUNA na vanguarda do jornalismo potiguar, novos investimentos foram constantes em sua história

Q

uando chegou às bancas, no dia 24 de março de 1950, numa edição de 12 páginas, a TRIBUNA DO NORTE disse claramente a que veio: ocupar o posto mais elevado do jornalismo impresso norte-riograndense, com base na qualidade e independência do tratamento dado à sua matéria-prima principal, a notícia, sem distinção de área de abrangência – cidades, política, economia, cultura... O jornal nascia com um potencial inesgotável, como ficaria provado ao longo das seis décadas seguintes: sempre mais robusto e determinado a ser o

aliado preferencial do povo potiguar na construção de sua cidadania e de sua história. Nesta trajetória não faltariam obstáculos. O primeiro deles precisou ser vencido ainda antes da estreia. A decisão inicial do deputado federal e jornalista Aluízio Alves era que a TRIBUNA DO NORTE começaria a circular no dia 19 de março de 1950, dia de São José, não por acaso o mais amado dos santos do calendário católico nordestino, haja vista que está em suas mãos a dádiva do inverno ou a aridez das secas da região. Mas as linotipos recondicionadas,

adquiridas de uma editora do Rio de Janeiro, apresentaram problemas mecânicos difíceis de contornar para a equipe recémconstituída e, portanto, sem experiência para lidar com os segredos das compositoras. Enquanto o conserto das máquinas era providenciado, Aluízio Alves e o grupo de colaboradores que o cercava refizeram o noticiário, atualizando a edição para quando fosse possível operar sem falhas, o que ocorreu cinco dias depois. A partir daquela sexta-feira, 24 de março, o futuro líder do jornalismo potiguar jamais deixou de circular e cumprir o compromisso assumido. Desde os seus primeiros dias de circulação, a TRIBUNA DO NORTE pautou a sua filosofia de trabalho em decisões claras e transparentes. Foi assim, por exemplo, nas campanhas políticas, tanto a presidencial quanto a governamental de 1950 – contra Getúlio Vargas e Cristiano Machado, respectivamente. A derrota nas duas frentes foi um duro golpe, que se traduziu na contabilidade da empresa: caiu a circulação, os anunciantes se retraíram. Mas ânimo entre dirigentes e colaboradores jamais se abateu. Os 20 anos de arbítrio, que se estenderam de 1964 a 1984, também não foram fáceis para as empresas jornalísticas e, especialmente, para uma empresa que

Agnelo Alves, o repórter e articulista que criou a ‘Carta ao Humano’

contava entre os seus dirigentes com um político de expressão nacional, como Aluízio Alves, além de irmãos, filhos e netos, para quem a política seria um campo permanente de interesse. Censura, prisões, direitos políticos cassados, ameaças de toda ordem rondavam o jornal e seus dirigentes. De fato, correram boatos insistentes de que a ditadura fecharia a TRIBUNA DO NORTE e a rádio Cabugi, sob a alegação de que seus acionistas controladores eram cassados, numa alusão aos irmãos Aluízio e Agnelo. Temendo que o seu jornal viesse a ter o mesmo destino de tantos outros periódicos da época, o deputado Aluízio Alves tomou uma decisão drástica: licenciou-se da Câmara Federal para gerir os negócios da empresa, na busca de solucionar seus graves problemas financeiros. Com a ajuda de amigos e a confiança do incipiente mercado publicitário, o jornal angariou o apoio de grandes empresas. Nomes de prestígio como Paula Irmãos, Sanbra S.A., Orlando Gadelha Simas e irmãos, R. Chaves e Cia., Carlos Lamas, Cia. de Força e Luz, Sesi, Formosa Síria e Casa Rubi se tornaram anunciantes regulares da TRIBUNA DO NORTE e a eles, pouco a pouco, centenas de outros se somariam com o passar dos anos, confirmando a posição do jornal

Em meio a tudo, Deus nos proporcionou a força maior: a de não deixar que os sonhos se perdessem” • Aluízio Alves

Velhas linotipos em ação na gráfica, nos primeiros anos de atuação da TRIBUNA DO NORTE

Em 1979, Aluízio Alves viabiliza a impressão em off-set

como o melhor investimento publicitário da imprensa potiguar. Contando sempre com uma equipe de Redação recrutada entre os mais promissores e inquietos jovens profissionais, além de colaborações de nomes consagrados do jornalismo nacional, a TRIBUNA DO NORTE deu um grande salto para a modernização do seu parque gráfico, na década de 1970. Ao terceto formado por Aluízio, Agnelo e Zé Gobat, somou-se o empresário da área de confecções Nevaldo Rocha, entusiasta, tanto quanto Aluízio Alves, das ideias inovadoras. Com a participação dele, o grupo pôde levantar o capital necessário ao sonhado projeto de modernização do parque gráfico da TRIBUNA DO NORTE, mediante a aquisição de um novo conjunto de fotomecânica, nova impressora e nova fotocompositora. Em 13 de outubro de 1979, pouco menos de 30 anos depois de sua fundação, a TRIBUNA DO NORTE ingressava no mundo do offset e no que havia de mais moderno na época em produção e impressão de jornais. Dado esse passo, a TRIBUNA DO NORTE somaria à sua condição de líder de circulação à de líder de vendas, consolidando a posição de destaque há muito sonhada. Assim Aluizio Alves traduziu o marcado alcançado: “Em meio a tudo, Deus nos proporcionou a força maior: a de não deixar que os sonhos se perdessem nas decepções e nos malogros eventuais, dando-nos o ânimo necessário para apanhar, no chão, os pedaços que sobraram e, com eles, fazer um novo sonho”. Para manter a TRIBUNA DO NORTE na vanguarda do jornalismo potiguar, novos investimentos foram constantes. A partir da segunda metade dos anos 1990, por exemplo, foram aplicados recursos na informatização da redação, promovendo um salto de qualidade e de eficácia nos procedimentos jornalísticos, que culminou com a decisão de produzir um novo projeto gráfico-editorial, executado no período de 1995 a 1996. Atualizações periódicas dos conceitos introduzidos nessa ampla reforma foram implantadas desde então, dando ao jornal as feições que ele hoje exibe: um produto ágil, que preserva, na sua estrutura moderna, tanto a solidez empresarial e o compromisso com os anunciantes, quanto a confiabilidade, a sensibilidade e profundidade no tratamento das informações, características que marcam a trajetória do jornal nestas mais de seis décadas de sua existência.


4

especial

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

TN63ANOS

ì

EDITORIAL: NOVAS RESPONSABILIDADES TRAJETÓRIA MARCADA POR CONQUISTAS NOVA FORMA DE LER A TRIBUNA COMO SE FAZ UM JORNAL SUPERIORIDADE NO MERCADO LEITOR NOVO SITE: MAIS INFORMAÇÃO

NOVA FORMA DE LER A TRIBUNA

Mudanças permitem leitura mais dinâmica Versão impressa estreia, neste domingo, novo projeto gráfico e editorial, oferecendo mais informações aos leitores APRESENTAÇÃO DA NOTÍCIA As reportagens são editadas nas páginas por editorias, identificadas por palavras-chaves. Em apoio aos textos, fotografias, infográficos, resumos e indicações de novas leituras completam a informação.

NOVA TIPOGRAFIA Para os textos Uma nova letra chamada Georgia (fonte tipográfica de serifa transitória projetada em 1993 por Matthew Carter) é usada em todos os textos principais com o objetivo de tornar a leitura mais limpa.

abcd... ABCDEFGHIJLMNabcdefghijlm ABCDEFGHIJLMNabcdefghijlm ABCDEFGHIJLMNabcdefghijlm

Para os títulos A letra escolhida foi a FagoCoLFExtraBold para os títulos de abertura das páginas e FagoCoLF para os subtítulos

abcd... abcd...

Nos cadernos das editorias Na abertura dos cadernos foi usada a letra LinoLetter Std Medium (lançada em 1992), que oferece grande legibilidade. Uma das marcas da TN permanece: uma cor para cada caderno.


especial

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

5

TN63ANOS Desenvolvida pela equipe de Redação, nova TTRIBUNA segue os padrões do jornalismo impresso mais moderno

As mudanças gráficas e editoriais adotadas a partir deste domingo pela TRIBUNA DO NORTE foram discutidas e definidas a partir de sugestões oferecidas pela equipe de Redação do próprio jornal. Para conduzir o processo de implantação do novo projeto, foi constituído um grupo de

trabalho, com a participação de editores, repórteres, diagramadores e fotógrafos. O grupo foi coordenado pelo editor de artes, Carlos Bezerra, também responsável pela execução das mudanças, e supervisionado pelo diretor de Redação, Carlos Peixoto.

Durante três meses, ideias e propostas foram cotejadas com as mais modernas linhas de desenho e produção do jornalismo impresso e, exaustivamente, testadas em edições simuladas até o resultado final que chega, hoje, às mãos dos leitores.

SUPLEMENTOS

SERVIÇOS

Os cadernos de circulação semanal, como o Fim de Semana e o Revista da TV, receberam tratamento diferenciado. As capas terão cor relacionadas com as imagens em destaque, as páginas internas ficaram mais cleans.

Indicadores econômicos, programações na rádio Globo/Natal, na TV e nos cinemas permanecem diferenciando as capas dos cadernos e/ou entradas de editorias.

A interrelação do impresso com o online também ganhou novas referências, remetendo o leitor para informações complementares no site da TN e nas redes sociais.

AS CAPAS A diagramação da primeira página oferece uma exposição maior das notícias, a partir da hierarquização determinada pela manchete e a foto principal. O volume de chamadas continua a mesma, mas com apresentação diferenciada e mais dinâmica. Na área superior da página estão as notícias mais importantes e, eventualmente, um “balcão” com o conteúdo dos cadernos especiais, entrevistas exclusivas, reportagens sobre cultura, saúde, lazer etc. Cada bloco é encimado por palavras-chaves identificadoras do assunto.

www.tribunadonorte.com.br

VIDEO

ESTILO O novo projeto gráfico flexibiliza os estilos de títulos e apresentação dos textos e fotos, permitindo a criação de páginas temáticas, com pequenas mudanças na forma de aplicação da tipografia, na estrutura e nas variações de cor.

Veja a videoreportagem sobre a fabrica modelo de mandioca, premiada pelo Sebrae/RN.

FOTOS Confira a galeria de imagens sobre os efeitos da maré alta desta terça no litoral potiguar.

NOVAS FERRAMENTAS Reportagens de maior importância terão elementos para oferecer um novo nível de leituras. São pequenos textos, agrupados em tópicos, que resumem e/ou complementam informações básicas do assunto enfocado.

ì O QUE A escolha de um novo papa foi concluída nesta quarta-feira (13) pelos 115 cardeais católicos reunidos no Vaticano.

QUEM O arcebispo de Buenos Aires, cardeal Jorge Mario Bergoglio, foi o eleito e escolheu ser chamado pelo nome de Francisco.


6

especial

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

TN63ANOS

ì

EDITORIAL: NOVAS RESPONSABILIDADES TRAJETÓRIA MARCADA POR CONQUISTAS NOVA FORMA DE LER A TRIBUNA COMO SE FAZ UM JORNAL SUPERIORIDADE NO MERCADO LEITOR NOVO SITE: MAIS INFORMAÇÃO

Tarefa sempre renovada As mudanças tecnológicas transformaram o tempo e a produção de notícias, aumentando também a responsabilidade da apuração dos fatos e a qualidade dos relatos

O

processo de produção de um jornal está entre aquelas atividades que, nos últimos 20 ou 30 anos, sofreram mais intensamente o impacto das tecnologias digitais. Novas ferramentas criaram novos procedimentos, alteraram técnicas, suprimiram funções e exigiram novas habilidades.

1

Uma só coisa permaneceu: fazer jornalismo ainda é correr contra o tempo. Os jornalistas, quando trabalham em uma redação para um jornal diário – seja ele na versão impressa, seja um portal online – não seguem o calendário normal nem medem as horas pelo transcurso do sol ou

da lua no céu. O dia que importa é sempre o dia seguinte, quando sai a nova edição, e a hora é o momento presente, o agora, quando é preciso atualizar o noticiário online. A informatização do trabalho, que retirou das redações as seculares máquinas de escreve e as câmeras fotográficas com

filmes de celulóide, tive o impacto de uma revolução. A internet, com a oferta de um inesgotável banco de dados para a pesquisa e a possibilidade de transmissão instantânea e barata de informações entre qualquer ponto do globo, abriram possibilidades inimagináveis para a notícia. Uma oferta maior de textos,

de imagens e dos meios para receber e transmitir aumentou, em igual escala, a responsabilidade dos jornalistas. Agora que qualquer um pode criar e divulgar através de blogs e das redes sociais suas próprias notícias e versões sobre os fatos, cabe aos jornais e aos profissionais sérios da imprensa o papel FOTOS: ALEX RÉGIS

de selecionar, formatar e publicar informações confiáveis, as mais próximas possíveis da realidades dos acontecimentos, contextualizadas em dados concretos e nas razões e argumentos de todos os personagens envolvidos. Esse jornalismo, que as mudanças e facilidades tecnologias não desviou da tarefa de informar ao público com honestidade de propósitos, equilíbrio e credibilidade, se mantem como a garantia das liberdades civis em uma sociedade democrática. Para fazê-lo, é preciso dedicação, planejamento e compromisso. Isso, a TRIBUNA DO NORTE tem.

6

Decidindo o que é notícia

Editoria de fotografia

O jornal começa a ser planejado a partir de uma pauta de assuntos, com sugestões de leitores, levantamentos de jornalistas e do conjunto de informações de outras mídias e fontes variadas, assim como de leitores e redes sociais. Em reunião, no começo da tarde, os editores que definem quais desses assuntos serão levantados pelos repórteres No fim do dia, uma nova reunião decide o que será manchete.

Equipado com os mais modernos recursos técnicos disponíveis faz a produção e controle das fotos publicadas. Todo o processo é digital e garante a qualidade das cores originais.

2 Distribuído as tarefas Escolhido os assuntos, os repórteres alinham com as chefias os rumos das reportagens, quem ouvir, quais os dados a serem pesquisados etc.

3 Apurando as informações As notícias são apuradas nas ruas ou na redação, por meio do telefone, pesquisas em arquivos e de contatos nas redes sociais. Cada reportagem é trabalhada por equipes de um ou mais repórteres, fotógrafos, diagramadores, infografistas e ilustradores. O texto é discutido com os editores antes de ser publicado.

4 Em tempo real A grande maioria das notícias é publicada no site da TN Online logo após a apuração. Os textos completos, mais longos e geralmente com análises, são trabalhados para a edição impressa.

5 Organizando o noticiário As reportagens são divididas por áreas (Natal, Esportes, Cultura etc) e cada uma delas é coordenada por um editor que organiza a publicação nas páginas do jornal.

7 Elaborando o formato do jornal As edições impressas e o site na Internet seguem padrões gráficos que facilitam e tornam mais dinâmica a leitura das informações.

8 Organizando a leitura Os textos e as fotos das reportagens são distribuídas, nas páginas e no espaço do site, seguindo uma hierarquia por atualidade, importância e interesse dos leitores.

9 Preparando a edição impressa O setor de pré-impressão faz a checagem final do trabalho produzido pela redação e encaminha as páginas para a gráfica.

10 Impressão A impressora da Tribuna é uma DEV HORIZONT, que tem capacidade para imprimir até 50 mil jornais/hora.


especial

TN63ANOS

ì

EDITORIAL: NOVAS RESPONSABILIDADES TRAJETÓRIA MARCADA POR CONQUISTAS NOVA FORMA DE LER A TRIBUNA COMO SE FAZ UM JORNAL SUPERIORIDADE NO MERCADO LEITOR NOVO SITE: MAIS INFORMAÇÃO

Liderança em circulação na região metropolitana e no RN Índices do Instituto Verificador de Circulação (IVC) mostram que, em dez jornais vendidos aos leitores potiguares, oito são TRIBUNA DO NORTE

E

m janeiro deste ano o Instituto Verificador de Circulação (IVC), entidade que mede a vendagem dos jornais impressos no Brasil, registrou que a liderança da TRIBUNA DO NORTE expressa, na média de terça-feira a domingo, uma distância de 205% sobre o principal concorrente, na região metropolitana de Natal, e de 225% em todo o Estado. Os índices significam que para cada dez jornais vendidos, oito são exemplares da TRIBUNA DO NORTE. Os indicadores do IVC confirmam um processo de aceitação e consolidação, da nossa marca como sinônimo do melhor jornalismo local. Essa liderança vem sendo construída ao longo das últimas seis décadas, fundamentada na convicção de que o jornalismo impresso tem um papel relevante a desempenhar no processo de geração de conhecimento para a sociedade. Para alcançar essa posição de liderança, a TRIBUNA DO NORTE sempre investe na melhoria de qualidade, em processo que se intensificou nas últimas duas décadas, desde a grande reforma gráfica e editorial de 1996. Essas mudanças permanentes promoveram aprimoramentos constantes no uso de tecnologias e formação de pessoal em todas as áreas de atividades da empresa, da redação aos serviços de atendimento aos assinantes e circulação. “Precisamos fazer com que o jornal, seja na edição impressa ou na versão online, esteja cada vez mais próximo dos leitores”, diz o diretor de Redação, jornalista Carlos Peixoto.

Grandes temas, eventos e líderes Uma das iniciativas de maior impacto e importância, lançada nos últimos anos pela TRIBUNA DO NORTE, tem sido a série de seminários do projeto “Motores do Desenvolvimento do Rio Grande do Norte.” Em execução desde o ano de

2008, com uma média de um seminário a cada quatro meses, o projeto implementou uma cultura de discussão e debate em torno de temas fundamentais para o crescimento econômico e os avanços sóciais em políticas públicas e no setor privado. Os eventos sãorealizados em parceria com a Federação da Industria, Federação do Comércio, UFRN e a Salamanca Capital Investement, além de contar com o apoio de empresas públicas e privadas. Áreas de atividades econômicas fundamentais para o Rio Grande do Norte - como a construção civil e a agropecuária - recebem atenção especial da TRIBUNA DO NORTE. O mercado imobiliário e a indústria da construção civil são assuntos para ca-

dernos anuais que mostram as novas tendências de negócios e tecnologias voltadas para esses setores. Os desafios para os agronegócios foram, com o período de estiagem instalado no semiárido nordestino, o foco de duas séries de reportagens: “Os Caminhos da Seca.” Em parceria com o Instituto Consult, o jornal também realiza, anualmente desde 2002, a pesquisa de mercado sobre as marcas de preferência do consumidor natalense em cada segmento. É o TOP Natal, revista de circulação gratuita para os leitores da TN. Desde 2010 também é realizada a “Meia Maratona de Natal”, parceria com oUnika, que tem reunido mais de seis mil atletas inscritos, por edição.

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

7


8

especial

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

TN63ANOS

ì

EDITORIAL: NOVAS RESPONSABILIDADES TRAJETÓRIA MARCADA POR CONQUISTAS NOVA FORMA DE LER A TRIBUNA COMO SE FAZ UM JORNAL SUPERIORIDADE NO MERCADO LEITOR NOVO SITE: MAIS INFORMAÇÃO

Acesse, curta e compartilhe Portal da TRIBUNA DO NORTE foi reformulado e ganhou novo layout, ampliando destaque para conteúdo informativo e multimídia

O

portal da TRIBUNA DO NORTE ganhou uma nova cara. Mais versátil e moderno, o novo TN Online já está no ar desde a tarde de sábado, possibilitando aos leitores mais facilidade na navegação, na busca pelo noticiário e também na visibilidade do conteúdo multimídia. O objetivo é adequar a “home” de acordo com o noticiário diário. Durante o desenvolvimento do novo layout, a equipe de Jornalismo e de Tecnologia da Informação da Tribuna trabalharam juntas à MaxMeio na elaboração de formas que facilitassem a exposição do material produzido. A maior diferença é a mobilidade da página. “Todo dia o leitor pode observar alguma diferença na estrutura da página, no posicionamento de fotos, vídeos e matérias. A estrutura do novo portal foi pensada de forma a dar alternativas para a equipe de Jornalismo expor o conteúdo da maneira mais eficiente”, explicou o gerente de TI da TRIBUNA DO NORTE, César Medeiros. Na nova página, o leitor terá diariamente informações sobre tábua de maré, cotação do Peso Argentino e Dólar, temperatura e previsão do tempo em Natal. O conteúdo da Rádio Globo Natal estará disponível em local visível para todos os internautas, que também saberão em tempo real o que está sendo veiculado na emissora.

Barra de serviços Manchete Matéria principal terá mais destaque e poderá ser relacionada a outras notícias no portal

Informações sobre câmbio, tábua de maré e clima serão atualizadas diariamente

Bullets Todas as notícias terão a possibilidade de incluir material relacionado, produzido em diversas mídias

Destaque para a TV Tribuna Principal vídeo do dia estará disponível no topo da página

Imagens do dia Novo portal dará a possibilidade de até sete imagens rotativas ao mesmo tempo

Destaque com fotos Todas as chamadas de capa poderão estar acompanhadas de foto

Colunistas Blogueiros e colunistas da TN continuarão com espaço na capa do TN Online

Plantão Notícias mais recentes, mais lidas e mais comentadas terão mais destaque

Indicadores Indicadores econômicos ganham espaço no novo portal

Versão impressa Capa permitirá acesso à edição digital da versão impressa da TN

Multimídia

Saiba o que muda

1

Logo ao acessar a página, o internauta vai observar o principal vídeo do momento que está disponível na grade de programação da TV Tribuna. Ainda na página, haverá o espaço específico para o agrupamento dos demais vídeos produzidos e dos álbuns de fotos, que também poderão estar 'linkados', já na capa, a matérias que tiverem relação com o assunto abordado estarão agrupadas. “Com a maior visibilidade dada ao conteúdo multimídia que já vem sendo produzido na TRIBUNA, o internauta terá mais alternativas para se informar e, principalmente, mais facilidade para encontrar o material que procura”, explicou o editor do TN Online, Júlio Pinheiro.

2

Na disposição das notícias na página principal também há mudanças. Agora, a possibilidade de exposição de fotos aumentou, podendo ser incluídas em diversos locais da capa do portal.

3

As noticias principais estão relacionadas a outros textos, videos, galerias de fotos, audios e outras informações que auxiliam na compreensão e ampliam o conhecimento do assunto.

Conteúdo audiviosual produzido pela TN estará em local mais visível aos internautas

Galerias Álbuns de fotos estarão agrupados e serão rotativos na página do TN Online

Bloco especial Notícias sobre o mesmo assunto poderão ser agrupadas no mesmo local

Classificados Internauta terá acesso aos classificados já observando parte dos produtos oferecidos

Destaques da edição impressa Principais assuntos do jornal poderão ser acessados durante todo o dia


NO FACEBOOK

Campeonato estadual: veja em primeira mão, após a rodada, os finalistas. facebook.com/tribunarn

NO RÁDIO

A Globo Natal transmite ABC x Assu e Alecrim x América, a partir das 17h. www.radioglobonatal.com.br

HOJE NA TV

5h - GP da Malásia de Fórmula 1 - TV Globo 16h - Madureira x Botafogo - TV Globo

NEYMAR RECEBE PROTEÇÃO ESPECIAL PARA “CRESCER” NA SELEÇÃO • PÁGINA 6

BLOG DO CIRÍACO

Vídeo mostra as chances de ABC, América, Assu e Coríntians na rodada do Estadual. www.tribunadonorte.com.br/blogdociriaco

esportes Editor: Itamar Ciríaco itamar@tribunadonorte.com.br

Natal • Rio Grande do Norte • Domingo • 24 de março de 2013

Objetivo igual, caminhos diferentes « CAMPEONATO POTIGUAR » Brigando de forma direta pelas vagas na final, Coríntians, ASSU e América terão de

conquistar os três pontos e ficar de olho no resultado dos outros. ABC depende da combinação de resultados JUNIOR SANTOS

O

Campeonato Estadual chega a última rodada da Copa RN (fase de ida do segundo turno) de forma bem emocionante. Quatro equipes lutam por duas vagas na final da competição e tudo será definido após a rodada de hoje. Coríntians, ASSU e América têm os mesmos 13 pontos e estão separados apenas pelo número de gols marcados. No entanto, como o saldo de gols é o segundo critério de desempate e todos estão iguais, quem vencer ainda terá de ficar de olho dos outros dois. O quarto integrante desse seleto grupo é o ABC, que vem mais atrás com 10 pontos e também vislumbra uma vaga na final justamente apostando na vitória contra o ASSU e no saldo de gols. Tão importante quando se classificar para grande final, será acabar essa fase de classificação na liderança, uma vez que o regulamento da competição garante uma certa vantagem ao líder. Este, além de ter o direito de realizar a segunda e última partida em casa, entrará na decisão com a vantagem de atuar por dois resultados iguais. A conquista do título vai significar bastante para o grande campeão, uma vez que ele estará automaticamente classificado para a Copa Nordeste e para Copa do Brasil de 2014, premiação muito cobiçada por todas as equipes envolvidas na disputa do Campeonato Estadual. Os jogos que fecham a rodada da fase classificatória da Copa RN são os seguintes: ABC x ASSU, Alecrim x América, Coríntians x Baraúnas e Potiguar x Santa Cruz. Os três primeiros possuem o caráter de decisão e a FNF aposta num público recorde nos estádios.

Chances de cada clube O Coríntians leva vantagem

Chances Coríntians -

13 Pontos

àTem de vencer o Baraúnas, no Marizão, e torcer para que ASSU e América vençam seus jogos pelo mesmo saldo de gols, empatem ou percam. àEmpatando: que América e ASSU não vençam. àPerdendo: que América e ASSU percam pelo mesmo número de gols.

Chances ASSU

13 pontos

Artilheiro do América, Cascata trabalhou forte para entrar na rodada decisiva com disposição para ajudar seu clube ir para a final

O peso da decisão dentro do elenco americano Depois de ficar próximo a vaga na decisão do primeiro turno, o América empatou com o ASSU na última rodada e viu as chances de avançar para a final do primeiro turno do estadual diminuírem. Atualmente o alvirrubro ocupa a terceira posição na tabela, com o mesmo número de pontos do Coríntians de Caicó e do ASSU, com treze pontos, mas, perde no critério de desempate. Então, para se tornarem finalistas os comandados de Roberto Fernandes precisam vencer o Alecrim hoje, às 17h, no Ninho do Periquito, pela última rodada da Copa RN e torcer contra seus adversários diretos. “Conheço muito bem a equi-

pe do Alecrim, já que vários jogadores que lá estão, como Claiton, Rico, Renan Marques, Ruy Cabeção, foram meus atletas e sei da capacidade de cada um deles. Não vamos ter um jogo fácil, muito pelo contrário. Então, conversei com o time e disse que precisamos vencer para seguir na busca do bicampeonato”, disse Roberto Fernandes, técnico do América. O meio- campo Cascata também sabe da responsabilidade e do peso da partida contra o Alecrim. “Perdemos quatro pontos jogando em casa e temos que recuperar longe do Nazarenão. Temos que vencer o Alecrim para avançar”, afirmou. Pelo lado do Alecrim, a expec-

FICHA TÉCNICA ALECRIM AMÉRICA Rodrigues; Maneco, Bruno Recife, Robson e Marcinho; Elton, Claiton, Ruy Cabeção e Robertinho; Felipe Moreira e Rico Técnico: Wassil Mendes

Dida; Norberto, Edson Rocha, Índio e Bruno; Ricardo Baiano, Daniel, Fabinho e Netinho; Cascata e Tiago Adam. Técnico: Roberto Fernandes

Estádio: Ninho do Periquito, São Gonçalo/RN Horário: 17h Árbitro: Flávio Roberto Sales de Lima. Assistentes: Luiz Carlos Câmara Bezerra e Flávio Gomes Barroca.

tativa do técnico Wassil Mendes é que, mesmo sem chances de disputar a final do turno, sua equipe consiga conquistar uma vitória para seguir na briga pela vaga na série D do brasileiro deste ano. O alviverde vem na terceira posição da classificação geral da competição e precisa pontuar para alcançar a primeira colocação e se garantir na competição nacional, no segundo semestre.“Apesar de não termos mais chances no turno, temos um jogo importante contra o América que pode nos garantir a tranquilidade para trabalhar. Nós temos que pontuar e não podemos mais desperdiçar pontos” finalizou Wassil Mendes.

àVencer o ABC e torcer para que Coríntians ou América vençam seus jogos pela mesma diferença de gols, empatem ou percam seus jogos. àEmpatando: que América ou Coríntians empatem ou percam seus jogos. àPerdendo: que América ou Coríntians percam por mesmo número de gols.

Chances América

13 pontos àVencendo o Alecrim, no Ninho do Periquito, que o Coríntians ou ASSU vençam por diferença de gols menor, empatem ou percam. àEmpatando: que o ASSU empate com número de gols menor (2 no mínimo). àPerdendo: que Coríntians ou ASSU percam por número maior que o seu.

Chances ABC

13 pontos àVencendo o ASSU, no Frasqueirão, que o América ou Coríntians percam o seu jogo.


2

esportes

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

Tudo ou nada para ABC e ASSU « CAMPEONATO POTIGUAR » Clube do interior possui situação mais cômoda e pode se classificar até com

derrota, pois depende da combinação de resultados de América e Coríntians. Ao alvinegro só resta a vitória

A

campanha do ABC no primeiro turno do estadual foi bastante irregular. Em seis jogos, o time conquistou três vitórias, um empate e foi derrotado em duas oportunidades. Além disso, o clube vem passando por uma crise financeira que atingiu, diretamente, o time. Mas, mesmo com todos esses problemas, o alvinegro chega na última rodada do primeiro turno da competição com remotas chances de classificação para a final. O primeiro passo para que isso aconteça é derrotar o ASSU, hoje, às 17h, no estádio Frasqueirão. Os outros resultados da rodada, de acordo com o técnico abecedista Paulo Porto, só devem ser analisados após a partida. “Temos que entrar em campo pensando apenas no nosso resultado. Antes de qualquer outra coisa, o ABC precisa vencer o ASSU para ter chances de classificação. Não adianta nada se preocupar com os outros jogos se não fizermos a nossa par-

JÚNIOR SANTOS

FICHA TÉCNICA ABC ASSU Lopes (Rafael); Bileu, Leandro Cardoso, Vinícius e Alexandre; Hamilton, Edson, Júnior Xuxa e Jean Carioca; Vanderlei e Rodrigo Silva. Técnico: Paulo Porto

Dida; Hallison, Serginho, Michel e Diego Maradona; Dinho, Augusto, Ricardinho e Juninho; Paulinho e Marcelo Paraíba. Técnico: Neto Mathias.

Estádio: Frasqueirão, Natal/RN Horário: 17h Árbitro: Lenílson de Lima Assistentes: Lorival Cândido das Flores e Gilvânia Dantas da Silva.

te. Primeiro, vamos buscar os três pontos. Depois, vamos saber se avançamos ou não”, afirmou o técnico abecedista. Com 10 pontos na classificação, o ABC precisa vencer o ASSU, que tem 13 pontos e torcer por uma derrota do Coríntians de Caicó ou do América, para chegar na grande final do pri-

meiro turno. “Temos totais chances de classificação e vamos buscar chegar às finais. Temos um jogo difícil contra o ASSU, que é um dos líderes, mas estaremos jogando dentro da nossa casa e vamos entrar focados em busca dos três pontos, pois é o único resultado que nos interessa. Temos que fazer a nossa parte”, revelou o atacante Rodrigo Silva, artilheiro do time na competição. Com as baixas de Flávio Boaventura e Gladstone, a dupla de zaga vai ser formada por Vinícius e Leandro Cardoso. O goleiro Lopes segue sendo dúvida e pode ficar de fora. Na equipe do ASSU a situação é mais tranquila. Com 13 pontos na segunda posição , o Cameleão garante vaga na decisão vencendo o ABC, mas de olho nos outros resultados. Se empatar, vai depender de tropeços de América ou Coríntians para garantir lugar na decisão da Copa RN.

Preocupação no Galo é com a grande euforia

Leandro Cardoso herdou a vaga de Gladstone, que saiu do ABC

« EDGARZÃO »

Pedro Neto

Potiguar e Santa Cruz apenas cumprem tabela

[ pedron@natal.digi.com.br ]

Hoje é dia de decisão

Fatalidade

O Campeonato Potiguar terá hoje quatro jogos e deles sairá os dois finalistas para a decisão do 1º turno. Coríntians, Assu, América e ABC ainda lutam para chegar. Com 13 pontos ganhos os três primeiros tem uma probabilidade bem maior de chegar. Já o ABC precisará vencer ao Assu e torcer contra Coríntians ou América. O Coríntians além de ser o líder da competição tem o jogo, teoricamente, mais fácil, pois enfrentará o lanterna Baraúnas no Marizão. Já o América vai ao Ninho do Periquito enfrentar o Alecrim torcendo por tropeço de Assu e ou Coríntians. Como podemos ver dois ficarão pelo meio do caminho. Já os outros dois seguirão em busca do título do 1º turno. Após as 19h00 de hoje saberemos quem teve mais água para encher o pote.

Treinador: Celso Teixeira E quem está de volta ao futebol do RN após anos ausentes é o incorrigível Celso Teixeira. Técnico falante e de temperamento forte, o técnico chegou essa semana para trabalhar no Baraúnas. Aliás, terá muito trabalho mesmo, pois a equipe tricolor foi à lanterna na segunda fase do 1º turno. Em anos passados Celso Teixeira esteve por duas ou três vezes no América. E até que ele realizou alguns bons trabalhos no clube rubro, entretanto, seu temperamento prejudicou por diversas vezes sua passagem pelo alvirrubro. Mais experiente o polêmico treinador conquistou diversos inimigos entre os profissionais da bola, pois nunca foi de levar desaforo pra casa. Que Celso Teixeira possa realizar um bom trabalho no tricolor mossoroense.

EMERSON DO AMARAL

José Maria Marin A oposição está pegando pesado com o presidente da CBF, José Maria Marin. Grande parte da torcida brasileira nunca engoliu a substituição de Ricardo Teixeira por Marin, entretanto, o povo não escolhe o presidente da CBF. Sendo assim, as Federações de Futebol dos estados é quem escolhem através do voto. Já os clubes grandes clubes fazem lobby via seus presidentes, porém, até agora isso não tem surtido efeito. A pressão é grande e José Maria Marin deverá ter problemas nos próximos meses.

Quem deve está bastante triste com a sua contusão é o zagueiro Flávio Boaventura. Jogador de muita garra o zagueiro Flávio Boaventura deverá ficar longe do gramado por aproximadamente 40 dias longe dos gramados. O que não dá para negar é que o futebol de Flávio Boaventura cresceu muito nos últimos 12 meses. Gladstone seria o titular, porém, o mesmo alegou problema na coxa e não treinou. Agora, a informação é que o zagueiro deverá ser emprestado ao CRB. Quanto a Flávio Boaventura só resta ao torcedor alvinegro torcer para que ele tenha uma boa recuperação e que volte o mais rapidamente possível.

José Lira Quem completou 70 anos na última sexta-feira foi o plantonista da Rádio Globo, José Joaquim da Lira. E como não poderia ser diferente José Lira recebeu muitas homenagens. Para os que não sabem o grande “tio” Lira completou recentemente 50 anos de rádio. Parabéns a José Joaquim da Lira e que ele ainda possa ter muitos e muitos anos de vida.

Mais três A direção do ABC anunciou na última sexta-feira que mais três jogadores deixaram o clube. Jeff Silva foi liberado para acertar com outro clube. Já Walter Minhoca e Gladstone foram emprestados. Walter Minhoca para o Nacional MG e Gladstone para o CRB. Pelas informações que nos chegam o ABC ainda deverá liberar mais dois jogadores, pois a folha salarial ainda precisa ser diminuída.

Potiguar de Mossoró e Santa Cruz fazem a única partida da última rodada do primeiro turno que não interfere na decisão para a final da competição. Os dois times já estão eliminados e agora brigam para melhorar a posição na classificação geral. Como a equipe de Mossoró foi punida com a perda de um mando de campo, a partida vai ser realizada no estádio Edgarzão, em Assu, às 17h de hoje. Com a demissão de Samuel Cândido, a direção do Potiguar confirmou a contratação de Celso Teixeira.

O Coríntians de Caicó tem teoricamente a tarefa mais fácil da rodada, na disputa por uma vaga na final da Copa RN (fase de ida do segundo turno do Estadual), ele vai encarar o Baraúnas — o time de pior campanha do returno — hoje às 17 horas no estádio Marizão diante de uma torcida radiante com a possibilidade de ver a equipe envolvida em mais uma decisão. É justamente esse clima de euforia que vem despertando a preocupação do técnico Neto Maradona. Experiente, ele sabe que o clima de festa instalado em Caicó, pode interferir no rendimento dos jogadores em campo e a maior preocupação do comandante alvinegro nestes últimos dias tem sindo blindar o grupo corintiano. Apesar de estar diante de um adversário fragilizado, a ordem é ter atenção total uma vez que o Baraúnas contratou um novo treinador, e os jogadores vão querer mostrar trabalho para Samuel Cândido, que até a última quinta feira dirigia o rival Potiguar. A última vez que o Coríntians chegou numa final de campeonato foi na temporada de 2010, quando ganhou o primeiro turno do América e acabou enfrentando o ABC na definição do título Estadual. A equipe foi goleada no Marizão e venceu de virada no Frasqueirão.


Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

esportes

3

»ENTREVISTA » DEMÉTRIO TORRES SECRETÁRIO EXTRAORDINÁRIO PARA ASSUNTOS RELATIVOS À COPA 2014 NO RN

FOTOS: ADRIANO ABREU

Estado poderá intervir em favor dos clubes

ì QUEM É? Formado Engenheiro Civil na turma de 1972 na UFRN, Engenheiro de Segurança do Trabalho, 66 anos de idade. Está comemorando este ano 41 anos de carreira. Foi secretário de Obras no Governo Vilma de Faria, Diretor geral do DER no Governo José Agripino e Vivaldo Costa.

« COPA 2014 » Secretário da Secopa garante que a Arena

POR QUÊ É O ENTREVISTADO?

das Dunas será utilizada por todos com o aval do governo que ficará responsável pelo custo da manutenção do local

Empresário da construção civil, especialista em Engenharia Rodoviária, foi o secretário nomeado pela governadora Rosalba Ciarlini para organizar e acompanhar os projetos da Copa de 2014 no RN. Demétrio Torres é o interlocutor do governo junto a empresa responsável pela construção do estádio Arena das Dunas e como é também responsável pelo DER está encarregado de desenvolver alguns dos principais projetos viários, idealizados para facilitar o acesso ao novo aeroporto e desafogar o fluxo de veículos na entrada e na saída da capital potiguar.

VICENTE ESTEVAM Repórter

M

esmo com o cronograma do projeto da Arena das Dunas adiantado em torno de 60 dias, o secretário da Secopa, Demétrio Torres, afirmou que não terá pressa para inauguração da nova praça esportiva natalense. Ele disse que não pretende cometer os mesmos erros vistos em Belo Horizonte e no Ceará, onde questões de má operação acabaram ofuscando um pouco a inauguração. A boa notícia é que no próximo dia 31 de dezembro, data marcada pela Fifa para entrega do projeto, o estádio estará pronto para entrar em operação e que o Campeonato Estadual do próximo ano poderá ter algumas partidas realizadas naquele que será o principal palco do esporte potiguar. Torres garantiu que o governo também terá como interferir nos contratos negociados com os clubes locais que desejem utilizar a nova praça, uma vez que o custo pela manutenção da estrutura será bancado pelo Estado e não poderá ser repassado aos clubes.

Como está a situação da Arena das Dunas?

Está muito bem, a gente hoje está comemorando um momento bom porque, primeiro não somos mais os últimos na escala da construção das arenas, nosso projeto já adiantou bem. Natal já deixou de ser preocupação para Fifa e pelo que tenho visto, Cuiabá está com a situação mais complicada em relação as sedes. Eles parecem estar enfrentando problemas com o financiamento do projeto. Isso não pode ocorrer com Natal?

O que eu dizia antes de dar início à construção da nossa arena, que tínhamos de iniciar a obra sem qualquer pendência de ordem legal está nos ajudando agora. Iniciamos e não precisamos mais parar para nada. Foi muito importante a participação dos órgãos fiscalizadores, acompanhando tudo previamente, bem como várias pessoas foram importantes nesse processo. É o caso do Promotor Federal, Rodrigues Teves, que fiscalizou tudo e nos fez trilhar o caminho correto. Então o atraso teve um motivo justo?

Foi importante a gente observar o que as demais sedes haviam cometido de erro, para que pudéssemos consertar e nos prevenir em relação a eles. Tanto na formatação do processo quanto na própria contratação da empresa responsável pela obra. A nossa obra tem uma coisa importante, existe um item em nosso contrato que não permite que a obra seja reajustada e nem permite aditivo de prazo. Isso a empresa vencedora já chegou sabendo e em função dessas exigências a OAS tem cumprido rigorosamente com o prometido e obtido até um certo avanço. Que parte da construção da Arena das Dunas está para iniciar e que deverá causar mais impacto

O senhor esperava esse tipo de resistência que os clubes estão impondo para assinar contrato e jogar nas arenas da Copa?

na população?

Agora o grande impacto vai ser a cobertura. Ela já está sendo fabricada, a gente deve começar a receber as peças no final de maio para iniciar a montagem no início do segundo semestre. A montagem das peças é bem simples e nos garantirá um avanço significativo na obra. Muita coisa está sendo feita ao mesmo tempo, tanto que o canteiro de obras reúne hoje 1.800 funcionários e trabalha em sua plenitude. Dentro da obra já existem funcionários trabalhando na instalação de arcondicionado, implantação da rede elétrica e hidráulica e tubulação para som. O serviço não para, pois os operários estão trabalhando nos três turnos. A obra está acelerada, mas sem o estresse tipico dos projetos que estão fora do cronograma.

Agora o grande impacto vai ser a cobertura. Ela já está sendo fabricada, a gente deve começar a receber as peças no final de maio para iniciar a montagem no início do segundo semestre”

A prestação está dividida em duas partes: a fixa a que irá pagar a construção e a parte de operação e manutenção, que irá variar de acordo com o nível de zelo que a operadora apresentar com a Arena das Dunas. Se os equipamentos não estiverem funcionando bem, faltar água nos banheiros, a iluminação estiver precária, a tudo isso será atribuído uma nota que irá indicar o valor que deveremos pagar por esse item. Inicialmente o teto será de R$ 2 milhões, se tudo estiver funcionando em sua plenitude. Se a empresa não tiver um bom desempenho poderá até chegar a perder o contrato de operação e manutenção, cabendo ao estado pagar apenas o preço do custo da obra (R$ 7 milhões/mês).

Nós estamos vendo casos como o do Grêmio, que tem negócio com a OAS, mas vem enfrentando dificuldade no acerto financeiro. Tendo de pagar inclusive R$ 1 milhão ao mês para que seus sócios possam ter gratuidade na arena pertencente ao clube. Essa questão pode ser idêntica em Natal?

A gente tem dito que isso é um fato novo para o estado, não é tão novo para empresa mas a OAS está apenas iniciando neste tipo de trabalho de administrar praças esportivas. Temos buscado observar isso e no contrato firmado com a empresa colocamos cláusulas de garantia para que os clubes do nosso futebol não fiquem descobertos no momento de sentar à mesa.

Quer dizer que o governo irá pagar pela manutenção da arena. Mas isso irá ajudar de alguma forma os clubes locais?

Esse dispositivo tem a intenção de desenvolver o futebol do RN. Com o governo se responsabilizando pelo custo da manutenção, o estádio poderá ser alugado aos clubes por um preço bem inferior. Se é o governo que banca essas despesas, nós temos o direito de intervir nessa negociação dessa forma. Isso já foi feito com essa intenção.

A arena será multiúso, mas já existem empresas interessadas em se instalar por lá?

Nós levamos uma grande vantagem em relação as demais arenas que estão sendo construídas no país. A nossa fica numa região central da cidade, encravado entre bairros de classe médiaalta, com avenidas largas, acesso fácil e muito valorizada na questão de comércio e serviço. A utilização da nossa arena será mais fácil e posso antecipar que, nos próximos dias, deverão ser anunciadas algumas boas surpresas neste sentido. Só não estou autorizado a revelar o que será. A questão está sendo mantida em sigilo, porém a expectativa é muito boa em função justamente dessa localização, que é a mais privilegiada e valorizada possível.

Com relação ao custo que o governo do RN terá de repassar mensalmente a empresa, o senhor poderia explicar melhor como ele irá funcionar?

A utilização da nossa arena será mais fácil e posso antecipar que nos próximos dias deverão ser anunciadas algumas boas surpresas”

O custo para jogar na Arena das Dunas então será bem menor que, por exemplo, para se jogar na Arena Fortaleza?

Sem dúvida. Esse contrato foi pensado e voltado para nossa realidade. Uma coisa que é importante mostrar é que embora o nosso futebol seja mais modesto que os de algumas outras sedes do Mundial, o nosso estádio é sem sombra de dúvi-

da um estádio de primeiro mundo, mas que terá um custo do tamanho que os clubes potiguares puderem pagar. Essa é a condição do contrato. Assustou o preço que vem sendo cobrado para se abrir as arenas da Copa nos demais estados?

A manutenção da nossa está dentro da nossa prestação, a grande vantagem daqui é que nada será mais visível em Natal que a Arena das Dunas. Isso tem um custo, como se trata de um estádio multiúso, a pessoa que tiver um negócio lá pode muito bem ser encarado como um privilegiado e o preço será equivalente. O estacionamento será explorado comercialmente?

Ele vai ser explorado comercialmente. Hoje já existem grandes empresas buscando informações para se instalar na nossa arena. Mesmo o momento exato para realização desse tipo de negócio não tendo chegado ainda. Se o lucro obtido com a exploração da Arena das Dunas será dividido entre o consórcio e o governo, o RN poderá angariar algum lucro desse negócio?

A expectativa é que dentro de cinco anos, no máximo, o negócio se torne viável e já esteja se pagando. Aquela previsão de que o governo teria de pagar a empresa cerca de um bilhão pela Arena pode não se concretizar então?

A obra vai ser paga, mas como metade da receita da arena voltará para o estado, o valor será abatido daquele repasse fixo que nós teremos de realizar pela construção da obra. Se o volume de negócios for muito bom, além de termos os gastos cobertos, nós ainda poderemos auferir algum lucro com a Arena das Dunas.

Não. Mas também a gente não pode tornar os desiguais iguais. No nosso caso específico eu considero vantagem por que o estado irá pagar para operar a arena e manter. Nosso estádio é diferente, não custa nada para operador. Mesmo que não consiga fechar negócios, o operador não perde e nem ganha nada. Conseguindo R$ 10 milhões, depois de retirados os impostos locais, o ganho será dividido em parte iguais entre consórcio e governo. Neste caso o governo vai participar da negociação para colocar os clubes daqui atuando na arena?

Pelo contrato a negociação será realizada entre a empresa e o clube. Mas teremos um protocolo de intenções onde iremos definir regras para realização da locação e servirá também para garantir prioridade aos nossos clubes de utilizar o espaço. Mas isso tudo dentro de um calendário pré-definido pela empresa gestora. Será um acordo de negócio, com a perspectiva de fazer o clube jogar lá e ainda obter o seu lucro. Eles só vão jogar na arena se existir alguma vantagem. Se notarmos que o preço cobrado aos nossos clubes está sendo abusivo, teremos total direito de intervir na negociação. Isso está claro no contrato. O presidente da Federação Norteriograndense de futebol, José Vanildo, abriu guerra contra o governo e a OAS, dizendo que ambos estão deixando o futebol do RN fora das discussões sobre a Copa. Vanildo ameaça ir à Justiça. Como o senhor vê isso?

Para mim foi estranho porque eu acho que a gente ainda tem tempo de fazer isso. Nós iremos nos sentar com a FNF para discutir a formalização do protocolo de intenções que irá regulamentar o aluguel da Arena das Dunas para os clubes locais. A governadora mandou que colocasse no contrato da arena uma clausula para privilegiar o futebol local. Isso é contratual, terá de ser feito, mas a hora de fazer não é exatamente agora. Temos tempo pela frente ainda, a arena só será entregue em dezembro. Também não fui procurado pelo dirigente para falar sobre a questão, José Vanildo preferiu ir logo à imprensa. Não vejo por que esse açodamento. Não era necessário.


4

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

esportes Fortaleza

Pagar

19/06 - 16h Brasil México X

para ver

23/06 - 16h Espanha Nigéria X

Recife 19/06 - 19h Japão Itália X 16/06 - 19h Espanha Uruguai X

Salvador 22/06 - 16h Brasil Itália X 20/06 - 19h Uruguai Nigéria X

Torcedor potiguar interessado em assistir aos jogos da Copa das Confederações deverá desembolsar, em média, R$ 1.114,92. O destino mais barato é Fortaleza e o mais caro o Rio de Janeiro, local da decisão

Rio de Janeiro 16/06 - 16h México Itália X

Brasília 16/06 - 16h Brasil Japão X

20/06 - 16h Espanha Taiti X

* Jogos da primeira fase

ITAMAR CIRÍACO

Recife

Fortaleza

Salvador

Interessados devem ter mais pressa

editor de Esportes

S

essenta e três anos depois, o Brasil volta a receber grandes seleções do futebol mundial para um torneio. A última vez que isso ocorreu foi na Copa de 1950. De lá para cá muita coisa mudou e a exato um ano do início da Copa de 2014, parte dessas estrelas futebolísticas estará reunida no País para a Copa das Confederações. Serão seis sedes, sendo três no Nordeste. Para fazer parte desta festa e conhecer as modernas arenas construídas, o torcedor potiguar terá que desembolsar, em média, R$ 1.114,92, incluindo passagem, hospedagem, ingressos e gastos extras. Os ingressos variam de preços e a opção utilizada para o cálculo foi a do tíquete mais barato - categoria 4. O destino mais em conta para o torcedor do Estado é Fortaleza. Passagem aérea mais dois dias de hospedagem, mais ingressos e outros gastos custam em torno de R$ 718,14. Já uma ida ao Rio de Janeiro, para um jogo da Copa das Confederações custaria em torno de R$ 1.451,58. A notícia ruim é que alguns jogos podem não ter mais ingressos. No dia 19 de junho, em Fortaleza, às 16h jogam Brasil x México. Para esse jogo as vendas já estariam esgotadas pela FIFA e o preço já chega a cerca de R$ 500,00 nos sites não oficiais. Outra boa opção para o torcedor do Rio Grande do Norte pode ser Salvador. A capital baiana receberá o principal confronto da primeira fase da Copa das Confederações. Brasil x Itália está marcado para o dia 22 de junho, às 16h, na Arena Fonte Nova. Para esta data, o preço médio com hospedagem (duas diárias), gastos extras e passagem aérea chega em torno de R$ 1.300,00. O que pode encarecer o comparecimento ao jogo Brasil x Itália é o mercado paralelo de ingressos. Os sites especializados já cobram R$ 923,00. Já foram negociados mais de 500 mil bilhetes, restando apenas 300 mil. Os números impressionaram o secretário-geral da Fifa, Jerome Valcke, que se mostrou satisfeito com a mobilização do torcedor brasileiro e fez um alerta. “Gostaria de incentivar as pessoas com deficiências a garantirem seus ingressos até 15 de abril. Isso é importante. Depois desta data, os bilhetes destinados a quem tem deficiência passa a ser vendido para todo mundo”, alertou. A próxima fase de vendas está marcada para ser iniciada no próximo dia 7 de abril, cujas compras serão por ordem de encomenda. Ou seja, tem prioridade quem manifesta o interesse mais cedo. Posteriormente, há uma fase de venda de última hora (de 15 de abril a 30 de junho de 2013). Nessa etapa, os

R$ 289,14 R$ 153,00 R$ 171,00 R$ 150,00

R$ 289,14 R$ 165,00 R$ 114,00 R$ 150,00

R$ 763,00

R$ 718,14

R$ 861,34 R$ 148,00 R$ 171,00 R$ 150,00

R$ 1.330,34

passagens ingressos hospedagem outros gastos * valor de duas diárias – por pessoa em AP duplo ** categoria mais barata do ingresso *** gastos médios com alimentação, deslocamento, etc

R$ 742,60 R$ 303,00 R$ 76,00 R$ 150,00

R$ 727,58 R$ 460,00 R$ 114,00 R$ 150,00

R$ 1.271,60

R$ 1.451,58

Brasília

R$ 660,96 R$ 230,00 R$ 114,00 R$ 150,00

R$ 1.154,99

Rio de Janeiro

Belo Horizonte

FOTOS: DIVULGAÇÃO

ingressos ficam disponíveis para compra apenas por ordem de chegada, até o jogo de encerramento. A diferença é que, além dos pedidos via internet, também haverá opção de comprar as entradas pessoalmente, em Centros de Ingressos da Fifa, que serão montados em cada uma das cidades-sede do torneio. As entradas podem ser compradas de forma individual ou em carnês, espécies de pacotes para assistir aos jogos em um es-

tádio à escolha do cliente. Com exceção de Brasília, que receberá apenas a abertura, as outras cinco sedes terão três jogos cada uma. Confirmado o pagamento, os torcedores poderão retirar ingressos a partir de maio em algum dos centros oficiais a serem montados pela Fifa. Para comprar o ingresso, o torcedor preenche um formulário com dados pessoais. A compra dever ser feita pelo site da Fifa (www.fifa.com).

Silvana C. Matos, diretora da SI Turismo, dá dicas para viagem

Apesar de ainda haver passagens, vagas em hotéis e até ingressos para serem comercializados, os torcedores que pretendem acompanhar in loco as partidas da Copa das Confederações devem se apressar. Em algumas cidades como o Rio de Janeiro e Brasília, por exemplo, não existem mais vagas em hotéis nos locais mais procurados para hospedagem. “Em Copacabana não tem mais vaga. Para conseguir um hotel com preço competitivo só mesmo em outros bairros e, ainda assim já está ficando complicado. Em Brasília, para cotar preços mais em conta tivemos que buscar hospedagem em Taguatinga”, comenta a diretora a agência SI Turismo, Silvana C. Matos, que acrescenta: “Apesar de mais distante, cotamos preços em hotéis de boa qualidade e cuja rede é conhecida, assim evitamos de acomodar nossos clientes em hotéis de qualidade inferior. Em Brasília, por exemplo, escolhemos o Comfort”, revela. Outra dica repassada pela diretora da agência diz respeito à antecipação das reservas para evitar o aumento de preços. “Os hotéis, além de terem as vagas rapidamente ocupadas tem subido os preços. Antecipar a compra é o segredo para economizar e garantir uma boa hospedagem”, avalia Silvana, comentando que a procura e consultas de preços de pacotes para as seis sedes da Copa das Confederações tem crescido nas últimas semanas. Quem também dá dicas para o torcedor potiguar é a presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagem, no Estado, Diassis Holanda. Responsável pela fiscalização das empresas do setor, a empresária afirma que o passageiro deve se informar se a empresa possui o CADASTUR (Cadastro no Ministério do Turismo) e se é filiada a ABAV. “Esse cuidado evita que o passageiro compre em qualquer lugar, pois coibimos coisas ilegais. Uma agência ‘abaviana’ tem interesse em fidelizar o cliente e jamais iria prejudicar seu passageiro”, alerta. Diassis também pede atenção para preços muito abaixo dos comercializados pelo mercado. “Se o cliente observar uma diferença de preços muito grande desconfie. É como comprar um carro. Se o veículo vale R$ 20 mil e te oferecem por R$ 10 mil, pode ter certeza que tem algo de muito estranho”, exemplifica. A presidente da ABAV/RN coloca a entidade à disposição dos consumidores inclusive para denúncias. “Pode nos procurar. Nós vamos acionar a Emprotur, o Ministério do Turismo e tomar todas as providências”, finaliza.


Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

esportes

Apito Final EVERALDO LOPES [ elopes@tribunadonorte.com.br ]

O tempo que faz… O returno do Campeonato Estadual aproximase do final, podendo ser decidido logo mais em três jogos, já que um deles não terá influência no título desta fase. Neste momento, Corinthians, ASSU e América estão empatados com 13 pontos, decididas as colocações por conta dos critérios, com Corinthians em 1º lugar, ASSU em 2º e América em 3º, seguindo-se logo adiante, com chances mais reduzidas, ABC com 10 pontos, e mais abaixo PotiguarM com sete, Alecrim cinco, Santa Cruz quatro e Baraúnas dois. Das oito equipes em atividade, quem está mais tempo jejuando é o Alecrim, cujo último título aconteceu em 1986, uma distância de 27 anos para os dias atuais. Faz tanto tempo, que o treinador foi o hoje analista da Rádio Globo, Ferdinando Teixeira, bi em 85/86 no Verdão. O Corinthians está há 11 anos distante do título estadual de 2001, o time treinado por Pedrinho Albuquerque, enquanto o Potiguar/M segue-lhe as pegadas com seu último e único campeonato em 2004, ao derrotar o América em Mossoró por 4x1 e perder em Natal apenas por 1x0. Depois, na ordem cronológica tem o Baraúnas jejuando de títulos desde 2006, quando foi o campeão pela última e única vez, sob comando de Paulo Moroni. O treinador do Potiguar/M em 2004 foi Miluir Macedo.

Dois extremos

Dois extremos (2)

O fenômeno que ocorre no futebol do Rio Grande do Norte deve acontecer também em outros estados, talvez até em dimensões maiores. É que, com exceção de três ou quatro clubes mais destacados, em cada estado, o restante é formado por clubes médios e pequenos. No máximo, dez porcento têm seu pequeno estádio, uma minoria dispõe de um grande estádio, como são os casos do São Paulo FC, Inter e Grêmio, no Rio só o Vasco, Sport e Náutico no Recife, Barradão do Vitória, alguns estádios médios no interior de São Paulo. Enfim, é o futebol brasileiro igual a um enorme queijo suíço, cheio de buracos. Uma boa parte desses “clubinhos” interioranos surgiu estimulada por políticos em busca de popularização fácil, lançando mão de uma diversão de massas, como é o futebol.

Se for feita uma pesquisa no país inteiro, com certeza encontrarão milhares de exclubes. Nessa relação, o pequenino Rio Grande do Norte contribuirá com quase 50 clubes extintos. Exceção do Santa Cruz FC (extinto) em 1943, do Centro Esportivo Natalense em 1918 e 21, nenhum outro clube hoje extinto no RN levou na sua extinção a conquista de um campeonato estadual. A longa relação de ex-clubes apenas arquivou sua história, absolutamente pobre de conquistas. Uns, até que chegaram perto, como foi o caso do São Gonçalo FC, vice campeão Estadual de 2003, perdendo a decisão para o América. O também finado Globo SC, chegou a dois vicecampeonatos, sumiu rapidamente. Registrem-se alguns bons times que o extinto Cosern FC formou, nos anos setenta.

Dois extremos (3) Para o amigo leitor tomar conhecimento, já que muitos desses clubes extintos passaram de passagem nas décadas de 1930 até 1950, eis a relação dos times e timinhos que chegaram a jogar no “Juvenal Lamartine”: Centro Esportivo Natalense, Sport Club de Natal (reunia futebol, natação e remo, Baixa Verde FC, Paysandu, Santa Cruz FC, Atlético Potiguar, Ferroviário. Globo SC, Baependi, Baixa Verde FC, Juventus, Riachuelo (coincidentemente, está retornando após 24 anos distante da FNF), Asas EC, União FC, São Paulo EC, Parnamirim EC, E.C. Enserv, Macau EC, Fluminense C.F., Caicó EC, Desportiva do Vale, Grêmio, Racing das Rocas, Monte Castelo, Mosssoró FC., Vênus FC, Currais Novos FC.

Tragédia

Tragédia (2)

Leitor da coluna manda email pedindo para a coluna dissipar uma dúvida. Adianta que durante anos foi frequentador do estádio “Juvenal Lamartine”, e lembra que, na época, noticiou-se que dois jogadores – um do Alecrim FC, outro do Atlético foram assassinados em Natal. Gostaria de ser informado sobre os nomes e se de fato jogaram nesses dois clubes.

O pior, caro leitor, é que procede sua indagação. As vítimas foram o goleiro Eliezer, que foi titular do Alecrim FC em 1962/63, jogando ainda por outros clubes. A outra vítima foi o quarto zagueiro Marques, defendeu o Alecrim e o Atlético, em duas temporadas A diferença é que Marques enveredou no submundo, acabou preso. Ao que consta, teria sido assassinado no presídio.

Eduardo fala da CN O programa Esportes em Debate tem neste domingo a presença de Eduardo Rocha, supervisor da Liga do Nordeste, fundador dessa entidade. O programa tem uma só apresentação, hoje às 8 da matina.

Futsal

Futsal (2)

Começa na segunda-feira a Taça Cidade do Natal de Futsal. O América é a grande novidade, voltando a modalidade sob o comando do “eterno” Arthurzinho. Os jogos da competição serão disputados no ginásio Nélio Dias, na zona norte da capital potiguar. Expectativa da FSFs é por sucesso total.

Além da volta do Alvirrubro ao esporte da “bola pesada”, destaca-se o ressurgimento do ginásio Nélio Dias para a prática esportiva. Belíssimo e construído em um lugar privilegiado, a praça esportiva passou muito tempo sem ter o uso adequado. Agora, espera-se que haja um melhor aproveitamento do local.

Botafogo encara o Madureira em busca de mais uma vitória « CAMPEONATO CARIOCA » O time carioca vive uma

excelente fase e tem, diante do tricolor suburbano, a oportunidade de aumentar sequência de vitórias FÁBIO CASTRO/AE

R

io de Janeiro (RJ) - Gazeta Press - Em boa fase após a conquista do título da Taça Guanabara e a estreia tranquila na Taça Rio, o Botafogo entra em campo, hoje, para manter a liderança do grupo A no segundo turno. O adversário da vez é o Madureira, em Moça Bonita. Os alvinegros vão tentar manter os 100% de aproveitamento e já ficar em situação privilegiada para garantir a classificação para as semifinais. Para esta partida, o técnico Oswaldo de Oliveira não vai poder contar com o uruguaio Lodeiro, que está servindo a sua seleção na disputa das Eliminatórias. No entanto, a boa notícia fica para a volta do zagueiro Bolívar, poupado na primeira rodada. Para o lugar do meia, o comandante adiantou que Vitinho vai começar entre os titulares. “Lodeiro tem jogado muito bem, mas o Vitinho quando entra é muito bem também. Espero que consiga manter o nível de atuação. Estou doido para ter essa dor de cabeça boa”, disse. O treinador exaltou a atual fase do setor defensivo, que não leva gol há três jogos. Para Oswaldo de Oliveira, o comprometimento de todos os jogadores na marcação tem sido o diferencial do Botafogo. “Os defensores têm tido atuações muito boas, se complementado,

O craque holandês Seedorf está confirmado para a partida

ajudado muito. Mas a participação do pessoal da frente também é importante. Lodeiro, Vitinho,

Seedorf e Rafael Marques têm colaborado bastante, o Fellype já está acostumado. Se não fizer bloqueio que filtre a iniciativa do adversário, você fica muito vulnerável, não há defesa que aguente. Sempre falo na unidade, no time todo”, declarou. Já pelo lado do Madureira, o técnico Alexandre Gama vai buscar se recuperar da derrota na estreia da Taça Rio para o Olaria. Um novo revés vai deixar a equipe muito longe da disputa por uma vaga nas semifinais. A tendência é a de que o treinador repita a escalação da primeira rodada. O Tricolor Suburbano não perdeu para grandes até agora no Campeonato Carioca, pois empatou com Flamengo e Fluminense na Taça Guanabara.

« ATLÉTICO »

« CRUZEIRO »

« GAUCHÃO »

Galo quer ampliar bons números na temporada

Missão é manter Inter encara a liderança o “lanterna” contra a Caldense da competição

AVice-líder do Campeonato Mineiro, o Atlético-MG vai visitar o Nacional, às 18h30, no estádio Bernardo Queiroz, em Patos de Minas. O time do técnico Cuca emplacou uma sequência de nove triunfos seguidos, e vai com uma equipe forte para o Alto Paranaíba para chegar a dez vitórias na temporada. O Atlético-MG já é dono do ataque mais positivo com 16 gols no estadual.

Líder do Campeonato Mineiro com 16 pontos, o Cruzeiro colocará está liderança em cheque às 16h, encarando a Caldense, no Mineirão. Se não fizer o dever de casa, a Raposa pode perder a ponta da classificação para o arquirrival Atlético-MG. O zagueiro Paulão, titular absoluto do time cruzeirense, afirma que a disputa pelo primeiro lugar do Mineiro é acirrada, por isso, projeta um triunfo.

FICHA TÉCNICA MADUREIRA BOTAFOGO Márcio; Diego Renan, Leozão, Fernando e Lucas; Gilson, Ramon, Renan e Rodrigo; Jairo e Derlei. Técnico: Alexandre Gama

Jefferson; Lucas, Bolívar, Dória e Julio Cesar; Marcelo Mattos, Gabriel, Fellype Gabriel, Seedorf e Vitinho; Rafael Marques Técnico: Oswaldo de Oliveira

Estádio: Moça Bonita Hora: 16h Árbitro: Philip Georg Bennett (RJ) Assistentes: Rodrigo Figueiredo Corrêa e Luiz Cláudio Regazone (RJ)

Com cinco vitórias consecutivas, o título do primeiro turno e vaga garantida na final, o Internacional tem sobrado no Campeonato Gaúcho. Hoje, o Colorado tem uma grande chance de vencer pela sexta vez seguida e encaminhar sua vaga aos mata-matas da Taça Farroupilha: o adversário será o Santa Cruz, um dos piores times do estadual até agora, fora de casa.

5

« PAULISTÃO »

Clássico reúne duas equipes desfalcadas

C

om desfalques dos dois lados, Palmeiras e Santos medem forças neste domingo, a partir das 16 horas, no Pacaembu. Uma vitória no clássico, válido pela 14ª rodada do Campeonato Paulista, irá aproximar ainda mais um dos dois times da classificação para o mata-mata da competição. A dificuldade está em escalar jogadores para essa missão. No Palmeiras, são sete desfalques: os zagueiros Henrique, Vilson e Leandro Amaro, o volante Souza, o meia Valdivia e os atacantes Maikon Leite e Kleber. Gilson Kleina será obrigado a formar a zaga com André Luiz e Mauricio Ramos, que pouco treinaram juntos, e apostar em Caio, de 20 anos, como centroavante. “O importante é ser competitivo sem perder a alegria. Vamos jogar dessa forma, sabendo que no clássico entra o lado emocional. Não podemos colocar mais pressa do que já existe. A responsabilidade é sempre do Palmeiras é de uma grande atuação até em coletivo, mas que joguemos com mais alegria para que as coisas fluam de forma mais natural”, definiu o treinador. Pressionado, o técnico pode respirar mais aliviado depois da vitória sobre o Botafogo de Ribeirão Preto, na quarta-feira, e precisa dos três pontos hoje para se igualar ao Santos na tabela. No Peixe, o técnico Muricy Ramalho tem nada menos do que seis desfalques para enfrentar o Verdão. O volante Marcos Assunção tem uma lesão no músculo adutor da coxa direita e não poderá atuar. Com dores musculares, o lateral-esquerdo Emerson Palmieri também está vetado. O meia Montillo e o atacante Neymar estão servindo as suas respectivas Seleções – Argentina e Brasileira -, e por esta razão não poderão atuar no clássico.

Corinthians x Guarani O técnico Tite e os jogadores do Corinthians não se cansam de elogiar a qualidade do próprio elenco, capaz de tornar reservas atletas como o consagrado Emerson. Apesar da alardeada capacidade, no entanto, o Timão não lidera seu grupo na Copa Libertadores e faz campanha mediana no Campeonato Paulista. Para dar uma nova demonstração dessa qualidade – exibida em alguns momentos da atual temporada – e saltar na classificação do Estadual, o Alvinegro encara o Guarani, em Campinas, a partir das 16h de hoje.


6

esportes

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

Proteção especial para Neymar

« FUTSAL »

« SELEÇÃO BRASILEIRA » Felipão reconhece que o atacante precisa ser tratado de uma forma diferenciada para conseguir render o mesmo que rende quando atua no Santos

N

eymar foi preservado de entrevistas antes de o Brasil empatar por 2 a 2 com a Itália, na quinta-feira, na cidade suíça de Genebra. O técnico Luiz Felipe Scolari se encarregou de falar por ele – sempre de forma positiva, rebatendo todas as críticas. A proteção do comandante é vista como uma solução para o atacante do Santos vingar também na Seleção. “Tenho conversas normais com o Neymar, de dia a dia, perguntando sobre a vida no Santos e tudo o mais. Além disso, digo a ele que estará menos exposto na Seleção do que no seu clube, onde tem diversos compromissos fora de campo. Acho que ele entendeu que terá proteção para se sentir mais resguardado aqui”, comentou Felipão. O objetivo do treinador é deixar Neymar tão à vontade quanto na Vila Belmiro. Para ganhar a confiança do jogador, Felipão tem até dado conselhos que vão além das cobranças para marcar mais e ceder menos a marcações adversárias. “Em outro dia, de madrugada, ficamos falando de investimentos, do que você precisa fazer para ter uma segurança maior no futuro. São coisas que muitas vezes não parecem normais para um técnico dizer, mas faço os comentários porque tenho vivência”, contou Felipão.

ALEXANDRO AULER

ì QUEM Neymar, atacante do Santos e da Seleção Brasileira.

O QUE Craque está sendo “blindado” para evitar que super exposição prejudique as suas atuações na Seleção.

Para ganhar uma segurança maior no futuro – ou seja, na Copa do Mundo de 2014 –, o técnico da Seleção Brasileira ainda tenta adotar estratégias táticas semelhantes àquelas utilizadas por Muricy Ramalho no Santos. Neymar tem correspondido, na avaliação de Luiz Felipe Scolari. “Fiquei muito contente quando vi a forma de ele se comportar na hora de marcar a Itália. O Neymar introduziu no seu currículo a recomposição de jogo, a volta ao setor de meio-campo para ajudar a equipe. Isso é resultado do nosso dia a dia, do que a gente vai minimamente conversando. Ele é um jogador muito centrado, equilibrado, que mostra o desejo de auxiliar a Seleção”, exaltou o protetor Felipão.

Satisfeito com a apresentação da Seleção Brasileira no empate por 2 a 2 com a Itália, na quinta-feira, o técnico Luiz Felipe Scolari prometeu fazer poucas alterações na escalação para o próximo amistoso. Uma delas será a entrada do zagueiro Thiago Silva no lugar de Dante. O veterano meia Kaká, ao contrário, ainda não tem lugar certo na equipe que enfrentará a Rússia amanhã, em Londres. A confirmação do time que iniciará o amistoso contra a Rússia só virá no treinamento realizado hoje.

Rússia Os jogadores russos tem apenas 48 horas de intervalo entre a partida contra a Irlanda do Norte, válida pelo grupo F das Eliminatórias Europeias para a Copa do Mundo de 2014, e o amistoso contra o Brasil. O jogo das Eliminatórias, que estava marcado para a sexta-feira, na cidade de Belfast, foi adiado por causa da neve e da forte chuva, que castigaram o gramado do estádio Windson Park. A partida entre Rússia e Irlanda do Norte foi remarcada para as 11 horas (de Brasília) de ontem. Como o jogo contra o Brasil já é amanhã, às 16h30 (de Brasília), em Londres, é provável que os russos não entrem em campo com força máxima.

América abre a Taça Cidade do Natal O América/Cavaleiros do Forró abre a Taça Cidade do Natal amanhã contra o CTP, no Ginásio Nélio Dias (Zona Norte), que deve receber todas as partidas do torneio seletivo para a Etapa Natal da Copa Intertv Cabugi. O jogo começa às 20h. No segundo jogo da rodada de abertura se enfrentam (às 21h) SEA e Santo Antônio. A entrada é gratuita. A competição segue até o final de abril com dez equipes. Na quinta-feira, a Federação Norte-riograndense de Futsal marcou os três jogos que completam a primeira rodada: Maria Madalena/Serrinha x PFC; União/Zona Norte x Juventude; e São Gonçalo/URV x Gasac.

hoje na tv TV GLOBO 16h00– Madureira x Botafogo PREMIERE 1 16h00– Palmeiras x Santos 18h30 – Figueirense x Metropolitano PREMIERE 2 16h00 – Madureira x Botafogo 18h30 – União Barbarense x São Caetano PREMIERE 3 16h00 – Guarani x Corinthians 18h30 – Mogi Mirim x Mirassol

Neymar tem sido “controlado” pelo técnico Luiz Felipe Scolari

PREMIERE 4 16h00 – Cruzeiro x Caldense 18h30 – Nacional x Atlético Mineiro


revista da

A REVISTA DA TV É UM SUPLEMENTO DA TRIBUNA DO NORTE. NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE.

Natal • Rio Grande do Norte • Domingo • 24 de março de 2013

Xuxa conta viver um momento feliz, ao lado da família, do novo namorado e de seus animais de estimação, como o yorkshire Dudu « PÁGINAS 6 E 7 »

A Rainha faz 50

+

Cissa Guimarães, Miguel Falabella e Renata Ceribelli passaram pelo “Vídeo show”

Sucesso nos EUA, estreia no Brasil “Chegou Honey Boo Boo”

« PÁGINA 2 »

« PÁGINAS 8 E 9 »


10

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

revista da

EM FOCO

COLUNA D O

Clube do assinante Promoções e descontos renovados a cada domingo. Promoções válidas de domingo (24/03/13) a sábado (30/03/13), limitadas às quantidades em estoque, somente para assinantes da TRIBUNA.

Lado a lado com

Kevin Bacon DIVULGAÇÃO

DIVULGAÇÃO

O ator Shawn Ashmore é o agente do FBI Mike Weston, na série “The following”, parceiro do protagonista Ryan Hardy (Kevin Bacon), no rastro de psicopatas THAÍS BRITTO

Clínica Márcia Ortiz A partir de agora a Clínica oferece mais uma opção de reabilitação: A Gameterapia que é o videogame Wii utilizado como recurso terapêutico. O Wii é manuseado com controle sem fio, o que exige que os jogadores executem vários movimentos, tudo com uma enorme facilidade devido ao atrativo tecnológico. Esta semana, a Clínica Márcia Ortiz oferecerá um desconto, no serviço de Gameterapia (pacote de até 05 sessões por pessoa). Desconto válido somente nesta semana. Av. Passeio dos Girassóis, 2562, Mirassol Tel.: 3231.1727 à vista (dinheiro) no serviço de Gameterapia (pacote de até 05 sessões por pessoa). Desconto válido somente nesta semana.

DIVULGAÇÃO

50%

New Vision - Lentes de Contato Há mais de 10 anos no mercado, a New Vision trabalha com lentes de contato de diversas marcas, assim como produtos para limpeza e higienização das lentes. Tudo com a qualidade que você procura. Esta semana, a New Vision – Lentes de Contato oferecerá um desconto, exclusivo ao assinante da TN, nas lentes “solfex” descartáveis coloridas nas cores: Topázio, Mel, Cristal e Verde. Shopping Midway Mall, 1º piso – Tel.:2010.4802/3231.4443, Rua Princesa Isabel, 466, Cidade Alta Tel.:3212.1217/3222.2843 vista (dinheiro) nas lentes “solfex” descartáveis coloridas nas cores: 50% àTopázio, Mel, Cristal e Verde. ■As promoções publicadas na Coluna do Clube do Assinante são exclusivas para assinantes da TRIBUNA DO NORTE, PESSOAS FÍSICAS. ■Desconto não acumulativo. ■ Para ter direito à promoção, o assinante deverá apresentar a carteira do Clube e a Identidade no ato da compra. ■Contatos para credenciamento: Depto. de Marketing. Tel. 4006-6100, R. 6262. ■e- mail.mkttn@tribunadonorte.com.br; clube@tribunadonorte.com.br

os 33 anos, Shawn Ashmore já se acostumou a ouvir que parece mais jovem do que é. Seus personagens anteriores - ele é o Homem de Gelo da trilogia “XMen”, por exemplo - mal haviam chegado aos 20 anos. Agora, o ator é um homem feito na pele do agente do FBI Mike Weston, na série “The following” (Warner, quintas, 22h45m), parceiro do protagonista Ryan Hardy (Kevin Bacon), no rastro de psicopatas. - Kevin é um ator incrível e trabalhar com ele aumenta o desafio, já que você nunca quer ser o cara que joga a cena para baixo. Ele o força a fazer o melhor diz Ashmore, contando que passou uma tarde na companhia de agentes do FBI para descobrir quais eram as reações mais íntimas diante das brutalidades que viam. Mas outro aspecto chamou a atenção do ator: - Em cada andar do prédio do FBI ficava a equipe responsável por um tipo de crime. E todos se vestiam exatamente como os caras que perseguiam. No andar dos crimes de colarinho branco, pareciam banqueiros; no das gangues, tinham jeito de bandidos; e no dos fugitivos, eram como qualquer um que você vê na rua, de jeans e camiseta.

A

‘‘ Kevin é um ator incrível, e trabalhar com ele aumenta o desafio, já que você nunca quer ser o cara que joga a cena para baixo”


Séries policiais existem aos montes, mas “Death in paradise” tem uma proposta diferente. A trama britânica, cujo primeiro ano chega ao fim na sexta, 22h, na BBC HD, é uma comédia. Estrelada pelo humorista inglês Ben Miller (na pele do detetive Richard Poole), a história se passa na paradisíaca ilha de Saint-Marie, no Caribe, para onde o oficial foi obrigado a se transferir. E obrigado mesmo: ele detesta praia e tem sérias dificuldades de lidar com os costumes locais. Apesar de extremamente competente em seu ofício, Richard sofre com a total incapacidade de lidar com os seres humanos e grande parte da graça da leva inicial de oito episódios - a segunda temporada está confirmada - reside aí. - Richard é muito bom em muito do que faz, mas ele é peculiarmente incapaz de fazer outras coisas. Ele é engraçado, tem senso de humor, mas não é necessariamente um espirituoso. Ele é um solitário com dificuldade de estreitar relações, seja no trabalho ou na vida particular - resume Miller, em uma entrevista concedida à BBC HD. Bem diferente de seu personagem, Miller conta que estava curtindo uma praia em Ibiza, na Espanha, quando recebeu o roteiro do piloto. - Não conseguiria voltar para a Inglaterra a tempo de participar dos testes para o papel, então minha namorada me filmou e mandamos o vídeo por e-mail. Deu certo relembra o ator. DIVULGAÇÃO

Liv Brandão e Tatiana Contreiras seriaais@oglobo.com.br

Férias forçadas no Caribe

seriais

revista da

SOBE

A TV Cultura vai exibir “Mad men” desde seu primeiro ano. As seguidoras de Don Draper agradecem...

Alien. O inglês com Camille (Sara Martins), moradora da ilha

DESCE

« A&E, SEXTAS, 20H »

Sem perder a ternura Mehcad Brooks nem de longe se parece com Terrence King, o T.K., seu papel em “Necessary roughness”. Em entrevista sobre a segunda temporada da série, no ar às sextas, 20h, no A&E, ele até assume um certo incômodo com o estilo de vida de seu personagem - a estrela endinheirada, geniosa e inconsequente de um time de futebol americano. T.K. é o paciente mais complexo da protagonista Dani Santino (Callie Thorne), uma psicoterapeuta que viu sua vida mudar após a traição do marido e o início dos trabalhos com os jogadores do New York Hawks. - Tento não julgar demais o T.K. e busco interpretá-lo de forma justa. Mas fico

desconfortável quando ele trata as mulheres como objetos. Já tive, sim, problemas em dizer certas falas dele, simplesmente por não gostar de dizer esse tipo de coisa - conta o ator, de 32 anos, durante uma teleconferência com jornalistas da América Latina. - No caso desse personagem, entendo que ele está tentando ser uma pessoa melhor a cada dia. Seja no esporte ou na vida pessoal. Mesmo no desconforto, Brooks - que já participou de “Desperates housewives” e “True blood” - festeja a personalidade conturbada de seu personagem, que, para ele, é um presente. - É divertido interpretar T.K., você nunca sabe o que vem pela frente! Ele está um pouco mais maduro,

11

mas vive tendo recaídas. Ele cresce um pouco e volta a virar um moleque. T.K. encerrou o primeiro ano da série tomando um tiro durante as comemorações da vitória de um campeonato do seu time. Na segunda temporada, sua luta é para se reerguer. E ele vai ter que arcar com as consequências. - T.K. sofre muito no hospital e chega a passar por uma experiência de quase morte. Isso o ajuda a perceber o tipo de pessoa que ele vinha sendo - conta Brooks, que também já ficou à beira da morte duas vezes por conta de uma infecção e de uma batida de carro. - Por causa da dor e da angústia, T.K. vai passar a tomar remédios controlados, o que vai lhe causar problemas. Problemas esses que vão aproximá-lo ainda mais de sua terapeuta. - Eles vão ter um filho! Estou brincando. Dani é como se fosse uma mãe para T.K., como uma irmã mais velha que o aconselha. A relação dos dois só funciona porque ambos foram forçados a sair de suas zonas de conforto: ela entrou no mundo dos esportes, ele começou a ter que falar sobre seus sentimentos - analisa o ator. Como parte do trabalho de caracterização, Brooks, que jogou basquete durante a faculdade de Cinema e Televisão, malha e treina futebol americano. Graças à série, descobriu que todo mundo precisa de terapia. No tempo livre, dedica-se à música: - Estou finalmente preparando meu primeiro disco, esse é um objetivo muito antigo.

MENTIRAS DE VOLTA

NO TRONO

Elas já não são tão pequenas assim, mas continuam com mistérios de gente grande. A terceira temporada de “Pretty little liars” começa na quarta, às 19h, no Boomerang. Já no primeiro episódio, a questão sobre a morte de Alison será respondida. Para esquentar os fãs da série teen, o canal exibe no mesmo dia uma maratona do segundo ano, a partir das 11h.

A terceira temporada de “Game of thrones” terá um convidado especialíssimo. George R. R. Martin, autor dos livros que deram origem à saga pelo trono de Westeros, vai aparecer em um episódio da série.

BELAS E A FERA A HBO cancelou “Enlightened”. Uma pena. Laura Dern e Mike White vão fazer falta na TV.

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

Vinte e quatro anos e contando. A nova temporada de “Os Simpsons” estreia hoje, às 20h30m, na Fox. Passado em Nova York, o episódio desta noite teve participação especial de Zooey Deschanel, Sarah Michelle Gellar, Anne Hathaway e Natalie Portman. Charlie Sheen faz uma “ponta” na atração, na voz de Maurice LaMarche.

‘SKINS’ ON-LINE “Skins” está a um clique (ou toque na tela). O serviço gratuito de vídeos sob demanda Muu, da Globosat, disponibilizou o primeiro ano da série.

ESQUISITA, EU? “Awkward” é a novidade da vez na MTV. Na série, uma garota fica famosa na escola depois de um engano. Amanhã, às 20h.


Igor Fidalgo igor.fidalgo@oglobo.com.br

o que vem por aí

12

revista da

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

Na cara do gol

CENA VIRTUAL DEU NA TV E FEZ SUCESSO NA INTERNET VEJA OS VÍDEOS EM oglobo.com.br/revistadatv

chance de fazer muitos gols, se tornar um craque dos gramados, ganhar reconhecimento mundial e, claro, um salário avultado, é o grande estímulo dos 22 garotos que participam do reality “Menino de ouro”, estreia de hoje, às 10h, no SBT. Tetracampeão pela seleção brasileira em 1994, o ex-jogador Paulo Sérgio comanda o programa. Já os concorrentes, divididos em dois times, são treinados e avaliados por Zetti e Edmilson. Após 12 episódios e muitos dribles, o escolhido como novo talento do futebol nacional terá a chance de mostrar todo seu potencial treinando no Corinthians, no Palmeiras ou no São Paulo.

A

SBT/DIVULGAÇÃO

É BAIXARIA À frente do “Quem convence mais”, Christina Rocha não se conformou com a atitude de uma das convidadas. Deixou de lado a imparcialidade e bateu boca bonito.

HORA DA VERDADE

NÃO LARGO André era o eliminado, mas quem roubou a cena no “BBB” foi o jovem fã de Pedro Bial. “Me ajuda com esse menino aqui”, pediu Bial, sem conseguir se desvencilhar do rapaz

QUASE LÁ Em jogo do campeonato mexicano contra o Tigres, o Guadalajara pareceu contar com um jogador a mais: a trave. Foi ela quem salvou dois gols.

Uma aula de história diretamente da tela da TV: no sábado, a partir das 21h, o BBC HD apresenta as séries “Ancient world: City of Gods” e “The Bible’s buried secrets”. No primeiro, o historiador e arqueólogo Richard Miles analisa a ascensão e a queda do Império Romano. Em seguida, a professora Francesca Stavrakopoulou (foto), que leciona Bíblia Hebraica e Religiões Antigas na Universidade de Exeter, na Inglaterra, viaja pelos desertos da Síria até Jerusalém para mostrar uma visão diferente de histórias do Antigo Testamento.

DO PASSADO

É DIA DE FESTA!

Com duas horas de duração, o especial “A Rede Condor”, hoje, às 21h30m no Discovery, traz à tona os bastidores da ação, que torturou e matou milhões de pessoas na década de 1970. O programa mostra depoimentos de historiadores, jornalistas e presos políticos que contam detalhes sobre a operação.

O “Manhattan connection” festeja 20 anos com edição especial, hoje, às 23h, na Globo News. De Nova York, Lucas Mendes, Caio Blinder e Pedro Andrade. De Veneza, Diogo Mainardi. No estúdio, em São Paulo, Ricardo Amorim recebe o antropólogo Roberto DaMatta, o entrevistado da primeira edição do programa.

ZAPEANDO BIO. Yoko Ono e Linda McCartney são retratadas em “As mulheres dos Beatles”, amanhã, às 17h. O programa relembra a presença feminina na vida dos garotos de Liverpool.

MULTISHOW. A partir de quinta, o canal transmite, às 15h15m, os shows dos três dias do festival Lollapalooza, em São Paulo.

SESCTV. De Sílvio Tendler, o documentário “Os anos JK: uma trajetória política” relembra a carreira do presidente Juscelino Kubitscheck (1902-1976). No sábado, às 22h.


2

revista da

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

FOTOS DE TV GLOBO/CEDOC

1

3

2

DE HOJE E DE ONTEM. 1. Ana Furtado e André Marques no novo cenário. 2. Cissa Guimarães.

4 « ANIVERSÁRIO »

Vestido de festa ‘Vídeo Show’, que já teve mais de dez apresentadores, completa 30 anos com Ana Furtado e André Marques em novo cenário NATÁLIA BOERE

música “Don’t stop ‘til you get enough” é de Michael Jackson, mas, há 30 anos, também é facilmente identificável como a trilha de abertura do “Vídeo show”. Mas se o tema é o mesmo há três décadas, outras coisas mudaram e muito no programa. Por lá já passaram dez apresentadores e 15 repórteres. Na lista dos que mais agradaram ao público está Miguel Falabella que fazia dobradinha com Cissa Guimarães, “a garota que quebra o coco, mas não arrebenta a sapucaia”, como repetia seu parceiro de vídeo. - O “Vídeo show” foi como um

A

filhote para mim. Foram 15 anos (de 1986 a 2001), peguei pequenininho e criei mesmo, assumi, fiz de um tudo. E eu levava meus filhos para as gravações quando não tinha babá, eles adoravam lembra Cissa. Falabella sabe que aquele tempo passou, mas tem boas lembranças: Sinto muita saudade, mas acho que há ciclos que se fecham para que outros sejam abertos - observa ele, que se recorda de momentos curiosos no programa. - Uma vez fizeram um clipe com todos os cabelos que usei. Foi muito engaçado, porque tive duas mil caras em 15 anos. Nem só o visual do elenco se transforma. Para comemorar o

aniversário, por exemplo, o cenário do programa ficou maior e ganhou bancadas com objetos pessoais dos atuais apresentadores, André Marques e Ana Furtado. Ele, que também é DJ, agora tem uma mesa de som e dá uns toques na trilha sonora da atração: - Eu sou o Severino (porteiro quebra-galho interpretado por Paulo Silvino no “Zorra total”) da TV Globo. O que eles pedirem para eu fazer, eu faço, com muito prazer. Brincadeiras à parte, Marques fala com emoção de seus laços com o programa, do qual passou a ser apresentador em 2001: - Tirei as férias do Miguel, e fui ficando. Nove meses depois, descobri que eu seria o titular. Lembro que meu olho encheu de lágrimas, fiquei muito emocionado. Ele havia começado no “Vídeo show” como repórter em 2000, após cumprir uma bem-sucedida passagem por “Malhação”, interpretando Mocotó. O mesmo caminho percorreu Ana Furtado, sua companheira na apresentação desde 2009 (na época, com Geovanna Tominaga, Luigi Baricelli e Fiorella Matheis). Ela fez sua primeira reportagem para o programa em julho de 2002: - Foi com os meninos do “Casseta & Planeta”, durante a Copa do Mundo. Estava com receio,

3. Renata Ceribelli. 4. Miguel Falabella

Túnel do Tempo Renata Ceribelli

“No ‘Vídeo Show’, aprendi a “relaxar” diante das câmeras. Tenho muito carinho pelo programa”

GEOVANA TOMINAGA

“Lá vivi momentos inesquecíveis, como quando entrevistei pela primeira vez o Rei Roberto Carlos”

KADU MOLITERNO

“Quando acabava a gravação de “Armação Ilimitada”, eu ficava por mais 2h gravando as cabeças do programa, adorava” MALU MADER

“Gostava de apresentar e de assistir as cenas de novelas que me inspiraram”

pois sabia que qualquer coisa que eu falasse poderia virar piada e acabou virando mesmo, foi ótimo. A data exata da estreia do “Vídeo show” foi 20 de março de 1983, com a atriz Tássia Camargo no comando. - No primeiro programa, ela entrevistou o jogador de futebol Júnior. Nas semanas seguintes, os convidados no estúdio foram Chacrinha e Erasmo Carlos - relembra o roteirista Ricardo Xavier, mais conhecido como Rixa, que se juntou à equipe no ano seguinte. -Em 1984, editei a primeira “conversa” entre personagens de diferentes produções e vi que dava para ir além: fiz o Lima Duarte conversando com ele mesmo, a partir de falas que eu anotava de diversas novelas e especiais e não parei mais. Até então, a atração era semanal, exibida na hora do almoço de domingo, e atores como Malu Mader, Paulo Betti e Kadu Moliterno revezavam a apresentação. Em 1987, Marcelo Tas, assumiu o comando, com o personagem “Cabeça Branca”, sendo seguido por Falabella. Outra que tem lembranças do programa é Angélica, que comandou o quadro “Vídeo Game”, até dezembro de 2011. - Também fiz sátiras de de novelas impagáveis com André. Era muito divertido - ela recorda.


revista da

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

3

« REALITY » FOTOS TV GLOBO

A casa das oito mulheres

ANDRESSA

A sister entrou na casa com o status “noiva” e deve sair “em um relacionamento sério” - com outro. Ganhou o apelido de “santinha do pau oco” do Mr. Edição, por alternar suas numerosas orações com comentários pouco enaltecedores em relação aos companheiros de confinamento.

Sisters monopolizaram as atenções na 13ª edição do ‘Big Brother Brasil’, cujo vencedor será conhecido nesta terça-feira NATÁLIA BOERE

KAMILLA

A sister, natural de Belém, é candidata a herdeira do título de Beyoncé do Pará: cantou a música “Single Ladies” no palco do “Domingão do Faustão” no último domingo. Mais do que por seus reividicados dotes vocais, Kamilla chamou atenção mesmo pela dominância do seu gene da briga: saiu da casa com cinco desafetos.

Sem o menor pudor, Fernanda providenciou um namorado para Maria Eugênia (boneca de lata criada por Kleber Bambam), a versão “cabo de vassoura” do seu próprio namorado na casa, André. Fez a linha princesa, em busca do R$ 1,5 milhão perdido.

“BBB” termina nesta terça-feira com uma marca: os cromossomos X dominaram a 13ª edição. Vamos testar a nossa tese? Tente lembrar os nomes de todos os ‘brothers’ participantes e veja se os nomes das ‘sisters’ não vêm primeiro à cabeça. Rá! Ponto nosso. A lamentada eliminação da barraqueira Aline logo no primeiro paredão já seria um indício: as mulheres fariam a diferença. E fizeram. Cantaram, dançaram, brigaram, lavaram roupa suja (ou não, né, Kamilla?), fizeram as pa-

zes, levaram a maior parte das lideranças e estão em maior número na reta final; portanto, há grandes chances de o ‘BBB’ ter mais uma vencedora. No programa da última terça, ao serem indagados por Pedro Bial se concordavam que os homens tinham sido meros coadjuvantes na casa, André e Nasser foram políticos (ou melhor, sensatos) e puxaram em coro um “com certeza”. E Natália se apressou para dizer que o papel principal ficou com a mulherada mesmo. Por isso, é hora de relembramos momentos delas nestes três meses na casa.

ALINE A

NATÁLIA

ANAMARA

MARIEN

cota “gente como a gente” do BBB 13. Aline deu um tapa na cara da sociedade com sua autenticidade ‘made in’ Paciência, subúrbio do Rio de Janeiro onde mora. E aproveitou para matar suas colegas de confinamento de inveja: apesar de ter sido a primeira eliminada, chegou a fazer, como repórter, duas matérias para o programa “Mais Você”.

A gaúcha fez a linha ‘Zeca Pagodinho feat. Roberto Carlos’ e deixou o programa a levar, sempre querendo manter um milhão de amigos. Evitou se envolver em intrigas, tentou mesmo se envolver com Yuri, mas deu azar: o pretendido ‘efeito casal’ foi interrompido pela saída prematura do brother, o foi o quarto eliminado do programa.

Haja dente nessa boca, hein? O jeito escrachado da baiana chegou a conquistar o público: foi eleita para ser a falsa eliminada que voltaria ao programa como líder. Mas a receita do acarajé desandou e o dendê no sangue falou mais alto: após brigas com Elieser, Fernanda e Kamilla ela foi, de fato, eliminada, a três semanas da final.

Loira, de olhos claros, sarada e ainda por cima dançarina de flamenco. Marien prometia ser a sensação da casa, mas a profecia não se concretizou. Apesar das investidas da moça, Elieser preferiu se render ao sotaque de Kamilla, o que a deixou perturbada. Seus atributos físicos também passaram incólumes pelos outros brothers.

O FERNANDA

FANI

O mar não estava para Fani. A veterana parecia menos disposta e empolgada do que na 7ª edição. Arranjou um fôlego a mais para se envolver com o argentino Miguel, mas se disse decepcionada com o programa ao descobrir, quando eliminada, que se tratava de um ator.


4

revista da

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

Bianca Bin planeja lua de mel pós-novela No ar como Carolina em “Guerra dos sexos”, Bianca Bin pretende tirar férias com o marido, o ator Pedro Brandão, após a novela. O casal, que não teve lua de mel por causa do trabalho, planeja uma viagem para a Europa.

Balzaquiana na paquera Dani Valente voltará à TV interpretando uma mulher na faixa dos 35 anos que, depois de ficar 15 anos em um relacionamento sério, volta a ficar solteira e precisa reaprender a paquerar. A comédia será exibida no Multishow.

Três gerações, um endereço A Bossa Nova Films vai produzir uma série sobre três gerações de mulheres (avô, mãe e filha) que dividem o mesmo apartamento em São Paulo. “Três Teresas” já tem R$ 2,8 milhões garantidos pelo Fundo Setorial do Audiovisual e vai ao ar no GNT.

Samantha Schmütz será periguete na TV Depois de trocar a Globo pelo Multishow, Samantha Schmütz voltará à televisão como uma periguete, que sonha em ter uma vida fácil. Já Fiorella Mattheis, que também estará no humorístico “Vai que cola” (título provisório), vai interpretar uma estrangeira na atração.

Débora Lamm: esquetes de humor no GNT O programa de saúde que Cynthia Howlett vai apresentar no GNT terá esquetes de humor estreladas por Débora Lamm. “Minha vida, meu ritmo” terá oito episódios e estreará em maio no canal. Cynthia vai orientar oito mulheres a administrarem melhor seu tempo.

Outros talentos Produtor de circo no passado, Rafael Cortez lembrou-se do prazer que tinha com o antigo trabalho quando foi convidado para apresentar o “Got talent Brasil”. O semanal que comandará na

Record estreia dia 2 abril. - Essa mistura de artes do programa me levou de volta para o clima do circo. Aceitei a proposta não só pelo desafio, mas porque o “Got talent”

estimula no candidato a mostrar o que ele tem de melhor. É reality, é popular, mas os participantes querem ficar famosos através de seus talentos. Num país em que as pessoas aparecem por causa da bunda, isso é incrível - diz sobre o formato que é sucesso em mais de 50 países. Cortez, a princípio, carregou para a Record a irreverência que mostrava no “CQC”, mas já recuou: Na primeira gravação, exagerei no deboche e me convenceram de que um meio-termo seria melhor. O foco são os personagens e, quando você faz uma piada, chama a atenção para si analisa. Fora do picadeiro do “Got Talent”, toca outros projetos pessoais. Um deles é o “Mulheres de hoje cantam Nara Leão”, um show com artistas contemporâneas sobre uma das cantoras que ele mais admira. - Espero que até 2014 eu consiga concluir esse projeto - conta o apresentador, que possui arquivos inédios de Nara Leão doados por Marco Antônio Bompet, o último namorado da cantora. O ex-CQC” afirma não temer as críticas e eventuais comparações. Garante que é “descolado” e que já vem lidando com as alfinetadas desde que decidiu deixar a atração da Band depois de cinco anos.

RAPHAEL DIAS/TV GLOBO

Tema de série A produtora Zeppelin foi autorizada a captar R$ 4,6 milhões para produzir “O Senhor é conosco”. A série contará a história de dois irmãos que têm a chance de mudar de vida depois que recebem a herança da mãe. Eles abrem uma igreja.

10 Para Dráuzio Varella, cujas aparições na televisão são sempre gratas. Atualmente, ele está apresentando a excelente série “Males da alma”, no “Fantástico” e chegou a participar do “Esquenta!” também num domingo. Mas nunca é demais: ele sabe falar com simplicidade para o público. Super médico e super comunicador.

0 Para a escalação de Igor Rickli, para viver o Alberto de “For do Caribe”. O ator, ainda principiante e com problemas básicos de dicção, jamais poderia interpretar um personagem tão central numa novela. Falta expressão, experiência, enfim, falta quase tudo. Pena porque o vilão é chave para a história de Walther Negrão.

Tecladista em ‘Guerra’ Mú Carvalho, que fez sucesso como tecladista da banda A Cor do Som, assina a produção do CD de “Guerra dos sexos”, novela no ar na faixa das 19h da Globo. No álbum, que tem 28 composições, ele também está ao piano.

Muito glamour na volta de Katiuscia Afastada do “Zorra total” há sete meses para se dedicar à gravidez, Katiuscia Canoro voltou a gravar como Lady Kate, dirigida por Eduardo Miranda (com ela na foto). Na nova temporada, a personagem terá um cabaré, frequentado pelos passageiros do metrô.

Apresentador renova com a Band Há dez anos na Band, Otávio Mesquita acaba de acertar com a direção da casa a renovação de seu contrato. O apresentador do programa “Claquete”, que pretendia tirar um ano sabático, acabou desistindo da ideia e assinou por mais dois anos com a emissora.

JAQUELINE MACHADO

Há nove meses trabalhando em “José do Egito”, Caio Junqueira vai tirar férias depois da minissérie bíblica da Record. O ator passará dois meses estudando inglês na Luisiana, nos Estados Unidos.

com Florença Mazza e Ana Luiza Santiago, Clara Passi e rafaela Santos kogut@globo.com.br

Caio Junqueira vai tirar férias nos EUA

patrícia kogut

GUITO MORETO


revista da

«MALHAÇÃO» Globo 17:30

SEGUNGA-FEIRA Não haverá exibição.

«FLOR DO CARIBE» Globo 18:00

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

5

« NOVELAS » «GUERRA DOS SEXOS» Globo 19:00

«SALVE JORGE»

«CARROSSEL»

Globo 21:00

SEGUNGA-FEIRA

«BALACOBACO»

RECORD 20:30

SBT 22:10

A

A

Cassiano descobre uma forma de fugir. A notícia da gravidez de Ester se espalha na vila. Cristal diz a Amparo que desconfia dos negócios do pai. Quirino e Doralice se casam. Eles acham um bebê em um cesto na porta de casa. Ester sente que está na hora de parir e chama Veridiana.

Juliana e Nando discutem na ilha. Charlô se encanta com Dominguinhos. Felipe procura Roberta. Lucilene vê Ulisses e Vânia. Zenon tenta convencer Analú a contar para Felipe de sua armação. Analú flagra Carolina ouvindo a conversa. Ao acordar, Juliana se assusta com a proximidade de Nando.

Helô e Morena conversam sobre a quadrilha. Lívia pensa em Theo. Morena faz um retrato-falado de Waleska. Zyah mente para Mustafá sobre Morena. Berna descobre que o marido comprou uma mulher. Amanda destrata Antônia na rua. Carlos acerta seu divórcio.

Firmino pede que Graça toque o sinal, pois foi demitido. Helena diz a Firmino que nenhum aluno o delataria, e ele diz que suspeita de Jorge. Maria Joaquina pede que Jorge saia de sua casa, pois ele delatou Firmino. A diretora desiste de demitir o porteiro. Helena vai à casa de Davi convencê-lo a voltar à escola.

Isabel se surpreende ao saber que o estado de Abigail é delicado e que sua mãe pode morrer. Eduardo persegue Arnaud, que atira contra ele e acerta o pneu do carro do advogado. Catarina pede que Lucas se afaste, mas ele se nega e a beija.

Ester nomeia o filho Samuel. Donato é condenado a 20 anos de prisão. Taís e Olivia ficam apreensivas ao ouvir Chico dizer que guarda o dinheiro da indenização dado por Alberto para quando Cassiano voltar. Uma parede de terra desaba em cima de Duque. Alberto pede Ester em casamento.

Juliana expulsa Nando de sua metade da ilha. Roberta convida Felipe para almoçar. Lucilene enfrenta Ulisses. Felipe repreende Carolina por iniciar uma obra sem o seu consentimento. Juliana vê Nando com febre e se apavora. Charlô decide de processar Otávio.

Wanda diz que voltará para o Brasil. Lívia manda soltar Rosângela. Nasce o filho de Demir. Mustafá tenta convencer Berna de que não a traiu. Lívia tenta disfarçar sua reação depois de ser dispensada por Theo. Morena chega com Helô ao Brasil.

Helena diz a Davi que não devem existir diferenças religiosas. Margarida que presenteia Davi com um crucifixo, e Valéria fica com ciúme. O técnico e Jurandir levam o time de futebol da escola até o estádio do Santos. As crianças conhecem Neymar. A Escola Mundial vence o campeonato.

Violeta confessa ter criado Vitor para descobrir a identidade de Marcelona, deixando Vinagre revoltado. Lucas pede que Catarina continue se encontrando com Arthur. Catarina esbofeteia Lucas. Isabel conta para Eduardo que enfrentou Arthur.

Ester diz a Alberto que ainda ama Cassiano. Hélio visita o pai na cadeia. Taís incentiva Ester a ficar com Alberto. Viridiana diz a Dadá e Lino que sua mãe trabalhou na casa de Dionísio, mas não revela o motivo de ela ter ido embora. Cassiano escreve cartas para Ester. Samuca chama por seu pai.

Nieta pega a boneca russa, depois de Lucilene jogá-la contra Ulisses. Montanha manda Ricky tirar Vânia da plateia, e Ulisses vence a luta. Olívia revela um segredo de Charlô para Dominguinhos. Semíramis acredita que Nando não fugiu com Juliana. Nando e Juliana se beijam.

Helô avisa a Morena que terá uma conversa séria com ela. Lívia tenta disfarçar para Wanda sua angústia por causa de Theo. Ayla reclama de Cyla ter deixado Bianca dançar em seu restaurante. Zyah se afasta de Bianca. Lívia se irrita com Wanda.

Jaime e Paulo dizem a Laura que Jorge gosta dela. Laura vai falar com Jorge e descobre que os meninos mentiram. Paulo diz que ela é gorda e feia, e ela pergunta à professora Helena se é feio ser gorda. Jaime e Paulo comem a comida de Firmino. Paulo decide ser marinheiro e não vai à escola no dia seguinte.

Isabel pede para Eduardo morar com ela. Eduardo descobre que Taís fez um vídeo pedindo a ajuda dos internautas para descobrir o paradeiro de Norberto e Arnaud. Isabel e Eduardo ficam chocados ao ver o vídeo de Taís na televisão.

Ester diz a Alberto que precisa refazer sua vida antes de pensar em se casar. Alberto decide financiar uma ONG para Ester trabalhar. Cassiano e Duque têm dificuldades para encontrar a saída pelo duto de esgoto. A ONG é inaugurada. Ester propõe casamento a Alberto.

Nando questiona Juliana sobre Fábio. Charlô e Olívia se lembram de uma marca de nascença de Otávio. Nieta limpa a boneca russa e estranha seu peso. Charlô desafia Dominguinhos para uma corrida na piscina. Moysés procura Roberta e fala sobre os diamantes de Vitório.

Amanda ameaça contar o segredo de Carlos para impedi-lo de sair de casa. Celso implica com Antônia e Raissa enfrenta a mãe. Russo acredita que o bebê de Tamar seja o filho de Morena. Helô apresenta a Lucimar sua neta. Morena se aproxima da mãe.

Paulo foge de casa e encontra Abelardo, que também fugiu de casa por ter brigado com o pai. Os dois pegam uma van para Santos. Os pais de Paulo encontram bilhete deixado por ele e vão à escola falar com Helena. Alícia diz a Davi que tem uma ideia para ele reconquistar Valéria.

Isabel e Eduardo brigam com Taís por ter se colocado em perigo e proíbem a adolescente de dar entrevista. Catarina deixa Danilo beijá-la, mas André os interrompe. Norberto manda Arnaud matar Danilo e raptar Taís. Fabiana fica tensa ao ouvir os planos do vilão.

Alberto se declara para Ester. Yvete diz a Alberto que gostaria de ser sua secretária particular. Cassiano é escalado para pilotar o avião que levará Dom Rafael e família para a apresentação de Cristal. Cristal se interessa por Cassiano. Cassiano consegue ligar para casa e fala com Chico.

Nando teme ter que sair da ilha. Felipe conta a Fábio que Carolina está grávida. Carolina se faz de vítima para Felipe e acaba revelando que Analú armou o sumiço de Nando. Juliana e Nando são resgatados da ilha. Juliana entra na mansão de mãos dadas com Nando.

Lucimar e Morena se abraçam. Helô avisa a Lucimar que ninguém pode saber sobre Morena. Lucimar anuncia para a comunidade que o exame de DNA deu negativo. Júnior descobre que Morena não morreu. Lívia vai à casa de Theo. Wanda liga para Nunes.

Paulo e Abelardo sonham que seguem dois piratas para pegar os tesouros deles. Abelardo é capturado pelos piratas, e Paulo salva o amigo. Eles acham o tesouro dos piratas, com mensagens que remetem à família. Quando acordam do sonho, decidem voltar para suas casas.

Norberto diz que vai manter Taís em cárcere privado e exige a colaboração de Fabiana e Arnaud. Isabel conversa com Lucas e conta que Arthur ameaçou Abigail com uma arma. Vitor/Violeta consegue a entrevista exclusiva e descobre que Marcelona é Josefina.

Chico tenta impedir o casamento de Ester, dizendo que Cassiano está vivo. Cristal avisa a Amparo que sairá de casa. Cavando, Cassiano e Duque acham a saída no teto da mina. Dom Rafael descobre a fuga de Duque e Alberto manda capangas atrás deles.

Roberta e o filho procuram os diamantes no escritório. Roberta chega à casa de Nieta para falar com Nenê. Nando decide procurar Roberta. Fábio beija Juliana. Roberta se surpreende ao encontrar Nando em sua casa.

Ayla confronta Bianca, e Zyah acaba discutindo com a mulher. Maitê e Bianca decidem voltar para o Brasil. Helô e Stenio ficam juntos. Zyah repreende o comportamento de Bianca com Ayla, mas beija a ex. Delzuite expulsa Pescoço de casa.

Não há exibição.

Não há exibição.

TERÇA-FEIRA Vitor tenta convencer Sal a se afastar de Alemão e Caixote. Sal pega o celular de Vitor sem que o irmão perceba. Lia e Vitor discutem por causa de Sal. Lia recebe um torpedo do celular de Vitor e vai ao local indicado na mensagem. Sal aparece no lugar de Vitor e diz a Lia que eles precisam conversar. QUARTA-FEIRA Sal diz a Lia que mudará de vida e que quer o bem do irmão. Lia confirma para Olavo que foi Sal quem armou contra Vitor. Fatinha encontra um rato em seu quarto e decide dormir na casa de Bruno. Fatinha e Marta se desentendem. Vitor vai ao encontro de Sal e vê Alemão e Caixote com ele. QUINTA-FEIRA Vitor defende Sal de Alemão e Caixote, mas confronta o irmão por causa de Lia. Fatinha constrange Marta, e Bruno pede paciência à mãe.. Lia desconfia de que Sal tenha sido responsável pelo tombo de Orelha. Caixote e Alemão procuram Sal e Lia ouve a conversa deles. SEXTA-FEIRA Lia grava a conversa de Caixote e Alemão. Ela consegue fugir dos bandidos, mas deixa seu celular no jardim secreto. Axel oferece um emprego a Sal. Rita desabafa com o pai sobre o preconceito que enfrenta. Bruno tem seu carro roubado e é consolado por Fatinha. Marcela desocupa um quarto para Lia. SÁBADO Não há exibição.


revista da

« ENTREVISTA »

‘Ninguém me tira esse título’ Aos 50 anos, Xuxa fala de envelhecimento, do namoro, diz não descartar adotar um filho e afirma: será sempre a ‘rainha dos baixinhos’

Fatos e fotos

BAIXINHA A apresentadora paramentada como rainha ainda na infância.

ZEAN BRAVO

Como será o “TV Xuxa” especial pelos seus 50 anos?

juntos. E é tudo ótimo.

Maria da Graça Meneghel que chega aos 50 anos nesta quarta afirma ser realizada como mãe e como filha. Na profissão, a ex-modelo que se tornou fenômeno com o infantil “Xou da Xuxa”, exibido pela Globo de 1986 a 1992, diz ainda ter “muita coisa para fazer e aprender”. Namorada do cantor e ator Junno Andrade, a mãe de Sasha, de 14 anos, não descarta nem mesmo uma futura adoção. Dividida entre a profissão e a família, ela grava esta semana o “TV Xuxa” especial de aniversário, no ar no sábado. Em entrevista por e-mail, a apresentadora fala sobre a carreira, envelhecimento e ressalta que o título de “rainha dos baixinhos” será sempre dela.

Será uma surpresa. Não estou sabendo de nada.

Qual o significado do título ‘Rainha dos baixinhos’ para você hoje em dia?

Qual a melhor parte de completar 50 anos?

Sou eu. Esse título é meu e ninguém tira.

fim. Não consigo tirar o sorriso do rosto... Até as pessoas que não gostam muito de mim, que são poucas, me divertem.

É estar viva, fazendo o que gosto, trabalhando, namorando e sendo muito, muito feliz.

Ainda quer trabalhar para o público infantil?

O que ainda falta realizar na carreira?

A

Qual o balanço você faz da vida e da carreira?

Posso dizer que sou muito feliz. Minha vida é de muito sucesso, muitas vitórias e conquistas. Sou muito realizada como mãe e filha. Como vai comemorar seus 50 anos? Vai ter festa?

Vou trabalhar e ficar com a família. Todo mundo deveria desejar ser feliz todos os dias, não só no aniversário. Mas vou fazer um jantar beneficente em São Paulo. Um presente dos meus amigos para a minha fundação e para o Hospital de Câncer de Barretos. Vai ser um festão com vários shows.

Como você lida com o envelhecimento?

Envelhecer na televisão é difícil para qualquer um. Você declarou ser contra o uso de botox, por exemplo. Está satisfeita com seu corpo?

Não uso botox porque sou muito careteira e acho que as pessoas que usam demais ficam sem expressão. Uso máscaras naturebas, passo polpa de mamão no rosto, faço compressas de gelo e mergulho o rosto em uma bacia com água e gelo. Sobre o corpo, quando dá tempo, ando de esteira e faço os aparelhos de estética que minha dermatologista manda. Ela cuida muito bem de mim. Os 50 são os novos 35?

As mulheres de 50 hoje em dia se cuidam mais. Existem novas descobertas, cremes e cuidados que ajudam. Mas, sei lá... Os meus são 50 e pronto. Chegou a pensar que não iria mais se apaixonar?

Deus é muito bom para mim. Namorar é bom demais. Mas já falei muito sobre isso. Estamos

Nunca deixei de trabalhar para eles. Meus DVDs, CDs, filmes, shows, produtos... Tudo o que faço fora da TV é para o meu publico infantil.

MODELO Nos anos 1980 antes de estrear no infantil da extinta Manchete.

Pensa em ter mais filhos? Tem vontade de adotar?

Vixe... Tenho tanta coisa para fazer, aprender, campanhas para realizar. A lei que proíbe bater em criança não saiu. Quero ver a minha fundação andar sozinha, poder fazer mais coisas para as crianças...

Qual o es pa na su

Pens minha f nos meu muita fo pam o m

O que m do traba

Ficar mãe, me meu nam

Como se

Amo ser mãe da Sasha, mas tudo é possível...

Você tem um projeto de quadro para o “Fantástico” sobre violência infantil. O que pode contar sobre isso?

O seu figurino no “TV Xuxa” está mais curto. Vai mudar o seu estilo com os 50?

Não posso adiantar nada, mas posso dizer que estou aprendendo muito para poder ajudar as crianças e conhecendo muita gente boa que também quer ajudar.

Fala quem nã

O que gosta de ver na TV?

O que a f

Novela, “BBB”, desenho animado, e filme... Adoro filme!

Ver o crianças

O figurino foi um pedido da emissora. Mas tenho que mudar, né? Afinal de contas precisamos mudar de roupas e estilo sempre.

AO LADO DO REI Xuxa namorou Pelé por seis anos quando ainda era modelo.

Como será o livro que irá lançar para marcar seus 50 anos de vida?

Terá fotos lindas. Tudo dirigido por Gringo Cardia. Você usa o Facebook. Qual a sua opinião sobre as redes sociais? Costuma ler o que escrevem sobre você?

Não dá para ler tudo, mas é ótimo saber que eles me seguem, escrevem coisas carinhosas para mim e que se interessam pela a minha vida. Eu estou amando entrar e deixar uns recados. Leio muitos e fico feliz do começo ao

RAINHA No “Xou da Xuxa”, seu programa mais marcante na Globo.

Quan mília e n tido: film

Tem alg mento?


Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013 DIVULGAÇÃO/BLAD MENEGHEL

spaço que o trabalho ocuua vida?

so no meu trabalho, na filha, na minha família, us bichos, amigos... Com orça! Essas coisas ocumeu dia.

7

« PERFIL »

O doce sabor da ‘boa vilã’ hina, Vietnã ou Japão. Assim como faz ao final de cada trabalho, Totia Meirelles quer viajar tão logo encerre as gravações de “Salve Jorge”, em maio. A atriz ainda não decidiu para qual dos três países asiáticos viajará nas suas férias, mas está certa de que passará uns dias em Londres. Ela pode ter certeza também de que a folga virá depois de seu maior sucesso numa carreira pautada por papéis coadjuvantes na TV e musicais no teatro. Sem se deslumbrar com a popularidade recém-conquistada, ela sabe que Wanda, vilã que roubou a cena na trama escrita por Gloria Perez para as 21h, é um tipo ímpar em sua galeria de personagens. - Eu já interpretei a boa amiga, a boa mãe, a boa profissional. De repente, sem esperar, veio a boa vilã - destaca a atriz, aos risos. Não que ela desdenhe dos trabalhos anteriores. E cita, por exemplo, a Vera de “América” (2005), como importante. Para a atriz, a mãe da ninfeta Lurdinha (Cleo Pires), que revivia na maturidade o romance que teve na adolescência com o deficiente visual Jatobá (Marcos Frota), representou um “up grade” em sua trajetória na TV. - Um ator não precisa de um estouro para construir uma carreira. Existem grandes papéis coadjuvantes - aponta. Mas não há como comparar o apelo dos seus personagens anteriores ao de Wanda. A bandida cruel que executa sem culpa as ordens dadas pela fria Lívia (Claudia Raia), líder da quadrilha que trafica pessoas em “Salve Jorge”, é quem movimenta a ação da novela. - Eu já tive outras personagens que foram bem aceitas, mas Wanda é o primeiro grande sucesso, o de maior apelo. Outro dia fui gravar em Copacabana e todos gritavam: “Wanda, Wanda!”. Eu falava: “Gente, mas eu sou má” (risos). Não vai ser fácil conseguir outro papel assim. Sei que bons personagens para uma atriz madura são mais difíceis de serem encontrados - acredita. Parte de um elenco que traz Dira Paes, de 43 anos, e Giovanna Antonelli, de 37 anos, interpretando mães de jovens adultas (feitas por Nanda Costa e Mariana Rios, respectivamente), Totia, de 54 anos, também tem consciência de que a TV costuma optar por mulheres mais jovens mesmo para papéis que serviriam para atrizes maduras: - A imagem jovem é bem mais agradável do que a de uma pessoa cheia de rugas. Franca, assume o uso moderado de

C

SEM BOTOX. Apresentadora afirma que é muito careteira e tem medo de perder a expressão

mais gosta de fazer fora alho?

r com minha filha, minha eus bichos e agora com morado (risos).

e diverte?

ndo estou com eles (fanamorado) tudo é diverme, jogo de cartas...

gum grande arrependi-

ar muito e confiar em ão devia.

faz chorar?

o sofrimento de bichos e s. NAMORO. Xuxa assumiu recentemente um relacionamento com o cantor e ator Junnuo Andrade: o casal está junto há três meses.

Totia Meirelles fala do sucesso aos 54 anos com a Wanda de ‘Salve Jorge’, defende os tipos coadjuvantes e garante não ser ambiciosa botox no rosto. - Todo mundo fala: “Você está tão bem”. Mas não quero parecer mais nova do que sou, nem ficar como a boneca Barbie. Aplico um toque de botox nessa região diz, apontando para a parte do rosto acima do nariz, entre os olhos. Para uma pessoa que lida com a imagem, Totia acredita que poderia ser um tantinho mais vaidosa do que é. Eu passo creminhos e tiro a maquiagem. Envelhecer é chato, mas a outra opção é pior. Estou me gostando agora, mas sinto diferença ao ver uma foto minha aos 40 anos. Hoje eu consigo entender melhor o meu corpo. Sei como o meu cabelo funciona... Quando me olho no espelho não acho de todo ruim, não - brinca. Ela garante ser uma pessoa sem frescuras. Ao olhar para trás e avaliar a sua carreira, demonstra ter os pés no chão. - A nossa profissão é feita de momentos, de altos e baixos. Estou saboreando esse trabalho e sei que vai acabar. A Wanda não era para ser isso tudo, nem a Gloria esperava. O personagem cresceu além do esperado. Atriz que já interpretou mulheres tão distintas como a Silvana, de “Cobras & lagartos” (2006), a Aída, de “Caminhos das Índias” (2009), e a Zambeze, de “Fina estampa” (2011), Totia afirma que sua proposta de carreira é “viver de trabalho e não de sucesso”. - A gente quer bons personagens sempre, mas eu sou uma pessoa que não foca tanto na profissão. Eu não corro muito atrás. E não sou tão ambiciosa dentro da minha carreira. Tem gente que fala: “Quero ser protagonista”. Eu vou deixando as coisas acontecerem revela a atriz, que já encarou os papéis centrais nos musicais “Cristal Bacharach” (2005) e “Gyspsy (2010). Com exceção de “Cobras & lagartos”, trama de João Emanuel Carneiro exibida às 19h, Totia só aparece na TV no horário nobre nos últimos anos. A atriz também costuma estar em quase todas as tramas da autora de “Salve Jorge”. - Gloria diz que eu falo bem o texto

dela e me escala para bons personagens. Eu ainda estava fazendo “Cobras” quando “Amazônia, de Galvez a Chico Mendes” (2007) foi exibida. Nos nós encontramos e ela me disse: “Você está me traindo!”. Quando a novela acabou, ela me colocou numa participação de três capítulos da minissérie - conta. Bailarina de formação, Totia começou a faculdade de Educação Física com o intuito de abrir uma escola de dança. O convite para integrar o elenco do musical “Chorus line”, protagonizado por Claudia Raia no começo da década de 1980, foi responsável pela mudança de seus planos. - No meio da faculdade apareceu o teste para o musical. Gostei e comecei a carreira - resume Totia, que chegou a substituir Claudia no papel principal do espetáculo. A amizade entre as atrizes começou ali. Hoje, garante, as duas dão risadas nos bastidores de “Salve Jorge” quando ouvem boatos dando conta de que Claudia estaria enciumada com o sucesso de Totia. - Nós somos amigas de uma vida inteira. Torcemos uma pela outra afirma a atriz, que passou por humorísticos como “Escolinha do Professor Raimundo” no começo da carreira na televisão, nos anos 1990: - Fiz muita coisa de comédia e trago isso para os meus personagens das novelas. Até para a Wanda eu uso uma vírgula de humor. Ainda mais quando estou ao lado da Claudia. Se deixar, a gente pira, mas não é essa a proposta. Senão, vira “Zorra total”. Dona de uma sorriso largo, Totia diz ser o tipo de pessoa que não alimenta mágoas. - Eu posso até ficar com raiva na hora em que acontece alguma coisa, mas dois minutos depois já passou. Já tive um carro sem seguro que foi roubado. Cheguei na esquina e ele não estava lá. Quer saber se chorei? Não. Eu não choro nessas horas. O que leva Totia às lágrimas são outros sentimentos, como os que vieram ao assistir, no cinema, o musical “Os Miseráveis”. Também se viu aos prantos diante da TV na cena em que a personagem de Dira Paes acredita na falsa morte da filha em “Salve Jorge”. Nascida no Rio, a atriz passou boa parte da infância em Cuiabá por conta da carreira do pai militar. Ainda tem parentes na capital do Mato Grosso, considerada por ela sua “cidade do coração”. Casada com o médico Jaime Rabacov há 21 anos, ela vem de uma família numerosa: tem cinco irmãs e dois irmãos.


8

revista da

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

« REALITY » DIVULGAÇÃO

Estreia de ‘Chegou Honey Boo Boo’ no Brasil renova debate de por que o público assiste a realities que mostram

Estranhas obsessões

NATALIA CASTRO

‘O

i, eu sou Alana, tenho 6 anos e sou u1ma rainha da beleza”, apresentase, com sotaque carregado do sul dos Estados Unidos, Alana Thompson na abertura de seu reality show, “Chegou Honey Boo Boo”. O programa, que estreia no Brasil na quarta, às 21h30m, no TLC, no entanto, não mostra a menina em situações engraçadinhas ou fofas, como se poderia imaginar. Campeão de audiência e também de críticas negativas nos Estados Unidos, a atração é acusada de exploração infantil, escatologia, autodepreciação ou, simplesmente, mau gosto. Seu enorme sucesso provocou uma onda de protes-

tos e renovou a discussão: os realities estariam indo longe demais? Títulos como “My giant face tumor” (“Meu tumor de face gigante”) e “I was impalet”” (“Eu fui empalado”), exibidos respectivamente pelo TLC e pelo Discovery Fit & Health nos EUA e ainda sem previsão de chegar ao Brasil, indicam que sim. Mas André Rossi, diretor de programação da Discovery Networks no Brasil, argumenta que o canal busca histórias que retratam, essencialmente, a realidade. E a realidade que pode ser “lúdica, factual ou bem-humorada”. - As séries registram e não exploram as condições de ninguém. São registros de realidade e também um serviço para o telespectador. “Acumuladores”, por exemplo, trouxe à

tona a discussão sobre a existência de um transtorno que nós conhecemos, mostrando casos de superação. Esse é o nosso viés - defende Rossi. “Chegou Honey Boo Boo” é um “spin off” de outro reality: “Pequenas misses”, do qual Alana participou e onde ganhou o apelido doce e a fama pelo jeito desinibido e pela repetição de frases como “A dolla makes me holla” (“um dólar me deixa eufórica”). Em sua série solo, a vida cotidiana da menina e de sua família - os pais e três irmãs em McIntyre, na Georgia, é mostrada com lente de aumento (veja mais na página seguinte). Para veículos como o “Examiner”, o show é um reflexo da recessão que mudou o estilo de vida de uma parcela dos americanos. Mas outras reações ao pro-

Espontânea. Aos 6 anos, com sotaque carregado, Alana ganhou fama ao participar de “Pequenas misses”

grama são explosivas. Jornalistas, como Tim Goodman do “Hollywood reporter”, escreveram textos implorando que os americanos dissessem não a “Honey Boo boo”. A crítica Jennifer Pozner, em texto no “The New York Times”, culpa esse tipo atração “por “hipersexualizar crianças ao colocá-las em trajes sumários e burlescos”. E vai além: “As crianças não têm ideia de como estão sendo exploradas. Quem assiste se torna cúmplice do abuso infantil”. Esses apelos, no entanto, não foram atendidos. Em média, o reality teve 2,4 milhões de telespectadores nos EUA. Sem polemizar no que tange à superexposição de crianças frente às câmeras, Rossi define a série como “um dos poucos retratos fiéis de uma família que vive na zona rural dos Estados Unidos”. - O tom é bem-humorado, respeitoso e condizente à atitude autêntica de uma família que tem orgulho de ser como é - contemporiza ele. Diretor de “A fazenda”, Rodrigo Carelli acredita que programas de TV como “Honey Boo Boo” apenas potencializam um comportamento já presente numa sociedade em que pais enchem as redes sociais com fotos de suas crias. O primordial, ele frisa, é achar o tom certo. - Essas atrações levam a dois caminhos. Ou o espectador se identifica com o que está vendo, ou conclui que não quer aquilo de jeito nenhum. Mas sou adepto da teoria: não gostou, desliga a TV. Carelli destaca que o desenvolvimento deste tipo de programa, reforça a grande demanda por variedade que existe lá fora. Principalmente, no que diz respeito aos realities, “objetos de fascínio”. Ou guilty pleasures (prazer culpado), como ele define. Assim, o diretor explica, são criadas atrações já exibidas aqui como “Acumuladores”, “Muquiranas”, “Obsessivos compulsivos”. Focados em doenças raras e estilos de vida pouco ortodoxos, os “docu-realities” abordam situações em seu extremo.

+

PAGINA 9 Família da pesada


revista da

- As pessoas assistem porque se identificam. Eu, por exemplo, sou fã de “Acumuladores”. Quem não tem uma gaveta em casa cheia de tralha? Mas os programas mostram a situação em outro nível. O grotesco até atrai, mas o que vale mesmo é uma boa narrativa acompanhada de bons personagens. Para o sociólogo Dario Caldas, diretor do Observatório de Sinais, agência especializada em pesquisas e tendências,

Prazeres culpados MINHA ESTRANHA OBSESSÃO Discovery Home & Health. Segundas, às 23h Dormir com o secador de cabelos ligado, comer amaciante e morar com 60 ratos estão entre os hábitos dos tipos que sofrem do transtorno obsessivo-compulsivo.

TRATAMENTO DE CHOQUE A&E. Terças, às 22h A série acompanha a rotina de jovens problemáticos entre 11 e 19 anos em um programa de recuperação num presídio no

9

essas temáticas, por mais abrangentes que sejam, não podem ser consideradas inusitadas, já que são derivadas de situações reais. Sem falar em assistencialismo, ele diz que esses programas funcionam como uma troca e acabam por prestar um serviço. - O que deve ser perguntando é: quanto custaria, para as pessoas, um tratamento desses problemas que são tratados na frente das câmeras? Não há exploração, os participantes vão procu-

rar ajuda - defende ele, que vai na contramão da ideia de identificação. - O que atrai o telespectador não é solidarizarse, nem comparar-se. Ele quer ver o fim, o enlace, simples assim. Como acontece nos quadros do Luciano Huck. Se depender de Rossi, esse formato está longe do esgotamento. Além do sucesso de “Chegou Honey Boo Boo” até fora dos EUA, ele destaca que, no Brasil, “Minha estranha obsessão” e “Acumula-

dores” estão entre as séries mais assistidas no Discovery Home & Health em 2012. Ao contrário de Caldas, ele cita exatamente o inusitado como o principal ingrediente. - No caso de “Chegou Honey Boo Boo” o inusitado é exatamente a normalidade da família de Alana - frisa. Resta saber se o público brasileiro acostumado a realities de confinamento ou música vai se entreter com a triste rotina de sulistas americanos.

Illinois. Após enfrentar um préencarceramento, eles são colocados numa cela para que sintam como é viver atrás das grades.

Para isso, lançam mão das mais modernas técnicas para conseguir cloná-los.

ACUMULADORES

MUQUIRANAS TLC. Quartas, às 20h A expressão “pão-duro” ganha outro sentido quando se trata dos personagens da série. Para não gastar dinheiro, usam jornais para secar os cabelos, reviram lixos atrás de comida, recolhem coisas na rua e reutilizam de talheres de plástico a fio dental

CLONES DE ESTIMAÇÃO Animal Planet. Quartas, às 22h Inconformadas com a perda de seus bichinhos de estimação, as pessoas aqui levantam da cama com apenas um objetivo em mente: reproduzir os “melhores amigos”.

Família da pesada RETRATO. Mama June (à frente), Alana e o resto da família: eles se consideram uma família sulista como as outras

Aos 32 anos, June Shannon já é avó. Mãe de Alana Thompson, conhecida nos Estados Unidos - e no resto do mundo - como Honey Boo Boo, “Mama June” é uma figura polêmica. Ao mesmo tempo em que é capaz

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

de entupir a filha do que batizou de go-go juice (uma mistura de refrigerante e energético com tanta cafeína quanto duas xícaras grandes de café) para deixá-la agitada para os desfiles dos concursos de beleza infan-

Discovery Home & Health. Quintas, às 22h O que leva uma pessoa a acumular coisas? Não por gostar de colecionar itens, mas por não conseguir se livrar do que quer que seja. De forma que não consegue mais andar pela casa abarrotada e sofra represálias dos parentes e vizinhos. Essa doença, denominada hoarding é o foco do programa que, a cada episódio, exibe o drama dos compulsivos.

TABU Nat Geo. Quartas, 22h15m A série toca em assuntos espinhosos e mostra pessoas que, de alguma forma, são consideradas tabus por irem na contramão de normas sociais, religiosas ou culturais. Entre os temas discutidos nesta segunda temporada, a cirurgia plástica, o fanatismo, a troca de sexo e a prostituição.

til, também acredita que o dinheiro que a família recebe para estrelar “Chegou Honey Boo Boo!”, que estreia na quarta, às 21h30m, no TLC, deve ser guardado para custear os estudos das quatro filhas. June conta que relutou ao receber a proposta do TLC para que Alana estrelasse seu próprio reality, mas também pensou que outras famílias poderiam se identificar com ela. Depois de conversar com as meninas, aceitou a oferta. E apesar das críticas pela exposição do chamado white trash (lixo americano) na TV, a atração já está na segunda temporada lá fora. O espírito um tanto caipira - e tamanho GG, principalmente no que diz respeito às porções de comida, normalmente frita, é a alma de sua família, diz June. Alana e suas outras filhas (Lauryn “Pumpkin”, de 12 anos; Jessica “Chubbs”, de 15 , e Anna “Chickadee”, de 17, todas de pais diferentes), ela gosta de dizer, preferem brincar com porcos e na lama a fazer compras. Honey Boo Boo, Mama June garante, leva uma infância normal e não tem noção de sua fama. Obcecada por cupons de compra, com os quais ela se gaba de alimentar uma família de seis pessoas com apenas US$ 80 (pouco mais de R$160 por semana) em uma pequena cidade onde a maioria das famílias é de baixa renda, June acha que, se

a fama acabar, nada vai mudar. - Minhas filhas não são mimadas. Nossas vidas não mudaram com o programa. A única diferença é que, agora, temos um segurança - explica, por telefone. Mas o reality bateu, em audiência, nos EUA, a convenção do Partido Republicano. Até o presidente Barack Obama já falou sobre Alana. Paródias e piadas, como no desenho “South Park”, se tornaram corriqueiras. Mas June diz que a filha não lê tudo o que falam sobre ela na internet. Talvez seja melhor assim. Não somos uma família americana convencional, mas nosso esquema funciona para nós e somos uma família típica. Sugar Bear (seu marido, pai de Honey Boo Boo) trabalha sete dias por semana. Fico em casa com as crianças depois da escola. Somos um bando de loucos, mas nos divertimos. O programa é real. Se você vier passar um tempinho aqui na Georgia vai ver que é isso mesmo que somos. Amo minha família pelo que ela é, e fãs e detratores vão sempre existir, eu entendo. Quero dizer, crítica é bom, faz parte da vida. “Pequenas misses” era gravado por três, quatro dias. Neste, gravamos cinco dias por semana, de quarta a domingo, e mostra mais da nossa vida.


10

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

revista da

EM FOCO

COLUNA D O

Clube do assinante Promoções e descontos renovados a cada domingo. Promoções válidas de domingo (24/03/13) a sábado (30/03/13), limitadas às quantidades em estoque, somente para assinantes da TRIBUNA.

Lado a lado com

Kevin Bacon DIVULGAÇÃO

DIVULGAÇÃO

O ator Shawn Ashmore é o agente do FBI Mike Weston, na série “The following”, parceiro do protagonista Ryan Hardy (Kevin Bacon), no rastro de psicopatas THAÍS BRITTO

Clínica Márcia Ortiz A partir de agora a Clínica oferece mais uma opção de reabilitação: A Gameterapia que é o videogame Wii utilizado como recurso terapêutico. O Wii é manuseado com controle sem fio, o que exige que os jogadores executem vários movimentos, tudo com uma enorme facilidade devido ao atrativo tecnológico. Esta semana, a Clínica Márcia Ortiz oferecerá um desconto, no serviço de Gameterapia (pacote de até 05 sessões por pessoa). Desconto válido somente nesta semana. Av. Passeio dos Girassóis, 2562, Mirassol Tel.: 3231.1727 à vista (dinheiro) no serviço de Gameterapia (pacote de até 05 sessões por pessoa). Desconto válido somente nesta semana.

DIVULGAÇÃO

50%

New Vision - Lentes de Contato Há mais de 10 anos no mercado, a New Vision trabalha com lentes de contato de diversas marcas, assim como produtos para limpeza e higienização das lentes. Tudo com a qualidade que você procura. Esta semana, a New Vision – Lentes de Contato oferecerá um desconto, exclusivo ao assinante da TN, nas lentes “solfex” descartáveis coloridas nas cores: Topázio, Mel, Cristal e Verde. Shopping Midway Mall, 1º piso – Tel.:2010.4802/3231.4443, Rua Princesa Isabel, 466, Cidade Alta Tel.:3212.1217/3222.2843 vista (dinheiro) nas lentes “solfex” descartáveis coloridas nas cores: 50% àTopázio, Mel, Cristal e Verde. ■As promoções publicadas na Coluna do Clube do Assinante são exclusivas para assinantes da TRIBUNA DO NORTE, PESSOAS FÍSICAS. ■Desconto não acumulativo. ■ Para ter direito à promoção, o assinante deverá apresentar a carteira do Clube e a Identidade no ato da compra. ■Contatos para credenciamento: Depto. de Marketing. Tel. 4006-6100, R. 6262. ■e- mail.mkttn@tribunadonorte.com.br; clube@tribunadonorte.com.br

os 33 anos, Shawn Ashmore já se acostumou a ouvir que parece mais jovem do que é. Seus personagens anteriores - ele é o Homem de Gelo da trilogia “XMen”, por exemplo - mal haviam chegado aos 20 anos. Agora, o ator é um homem feito na pele do agente do FBI Mike Weston, na série “The following” (Warner, quintas, 22h45m), parceiro do protagonista Ryan Hardy (Kevin Bacon), no rastro de psicopatas. - Kevin é um ator incrível e trabalhar com ele aumenta o desafio, já que você nunca quer ser o cara que joga a cena para baixo. Ele o força a fazer o melhor diz Ashmore, contando que passou uma tarde na companhia de agentes do FBI para descobrir quais eram as reações mais íntimas diante das brutalidades que viam. Mas outro aspecto chamou a atenção do ator: - Em cada andar do prédio do FBI ficava a equipe responsável por um tipo de crime. E todos se vestiam exatamente como os caras que perseguiam. No andar dos crimes de colarinho branco, pareciam banqueiros; no das gangues, tinham jeito de bandidos; e no dos fugitivos, eram como qualquer um que você vê na rua, de jeans e camiseta.

A

‘‘ Kevin é um ator incrível, e trabalhar com ele aumenta o desafio, já que você nunca quer ser o cara que joga a cena para baixo”


Séries policiais existem aos montes, mas “Death in paradise” tem uma proposta diferente. A trama britânica, cujo primeiro ano chega ao fim na sexta, 22h, na BBC HD, é uma comédia. Estrelada pelo humorista inglês Ben Miller (na pele do detetive Richard Poole), a história se passa na paradisíaca ilha de Saint-Marie, no Caribe, para onde o oficial foi obrigado a se transferir. E obrigado mesmo: ele detesta praia e tem sérias dificuldades de lidar com os costumes locais. Apesar de extremamente competente em seu ofício, Richard sofre com a total incapacidade de lidar com os seres humanos e grande parte da graça da leva inicial de oito episódios - a segunda temporada está confirmada - reside aí. - Richard é muito bom em muito do que faz, mas ele é peculiarmente incapaz de fazer outras coisas. Ele é engraçado, tem senso de humor, mas não é necessariamente um espirituoso. Ele é um solitário com dificuldade de estreitar relações, seja no trabalho ou na vida particular - resume Miller, em uma entrevista concedida à BBC HD. Bem diferente de seu personagem, Miller conta que estava curtindo uma praia em Ibiza, na Espanha, quando recebeu o roteiro do piloto. - Não conseguiria voltar para a Inglaterra a tempo de participar dos testes para o papel, então minha namorada me filmou e mandamos o vídeo por e-mail. Deu certo relembra o ator. DIVULGAÇÃO

Liv Brandão e Tatiana Contreiras seriaais@oglobo.com.br

Férias forçadas no Caribe

seriais

revista da

SOBE

A TV Cultura vai exibir “Mad men” desde seu primeiro ano. As seguidoras de Don Draper agradecem...

Alien. O inglês com Camille (Sara Martins), moradora da ilha

DESCE

« A&E, SEXTAS, 20H »

Sem perder a ternura Mehcad Brooks nem de longe se parece com Terrence King, o T.K., seu papel em “Necessary roughness”. Em entrevista sobre a segunda temporada da série, no ar às sextas, 20h, no A&E, ele até assume um certo incômodo com o estilo de vida de seu personagem - a estrela endinheirada, geniosa e inconsequente de um time de futebol americano. T.K. é o paciente mais complexo da protagonista Dani Santino (Callie Thorne), uma psicoterapeuta que viu sua vida mudar após a traição do marido e o início dos trabalhos com os jogadores do New York Hawks. - Tento não julgar demais o T.K. e busco interpretá-lo de forma justa. Mas fico

desconfortável quando ele trata as mulheres como objetos. Já tive, sim, problemas em dizer certas falas dele, simplesmente por não gostar de dizer esse tipo de coisa - conta o ator, de 32 anos, durante uma teleconferência com jornalistas da América Latina. - No caso desse personagem, entendo que ele está tentando ser uma pessoa melhor a cada dia. Seja no esporte ou na vida pessoal. Mesmo no desconforto, Brooks - que já participou de “Desperates housewives” e “True blood” - festeja a personalidade conturbada de seu personagem, que, para ele, é um presente. - É divertido interpretar T.K., você nunca sabe o que vem pela frente! Ele está um pouco mais maduro,

11

mas vive tendo recaídas. Ele cresce um pouco e volta a virar um moleque. T.K. encerrou o primeiro ano da série tomando um tiro durante as comemorações da vitória de um campeonato do seu time. Na segunda temporada, sua luta é para se reerguer. E ele vai ter que arcar com as consequências. - T.K. sofre muito no hospital e chega a passar por uma experiência de quase morte. Isso o ajuda a perceber o tipo de pessoa que ele vinha sendo - conta Brooks, que também já ficou à beira da morte duas vezes por conta de uma infecção e de uma batida de carro. - Por causa da dor e da angústia, T.K. vai passar a tomar remédios controlados, o que vai lhe causar problemas. Problemas esses que vão aproximá-lo ainda mais de sua terapeuta. - Eles vão ter um filho! Estou brincando. Dani é como se fosse uma mãe para T.K., como uma irmã mais velha que o aconselha. A relação dos dois só funciona porque ambos foram forçados a sair de suas zonas de conforto: ela entrou no mundo dos esportes, ele começou a ter que falar sobre seus sentimentos - analisa o ator. Como parte do trabalho de caracterização, Brooks, que jogou basquete durante a faculdade de Cinema e Televisão, malha e treina futebol americano. Graças à série, descobriu que todo mundo precisa de terapia. No tempo livre, dedica-se à música: - Estou finalmente preparando meu primeiro disco, esse é um objetivo muito antigo.

MENTIRAS DE VOLTA

NO TRONO

Elas já não são tão pequenas assim, mas continuam com mistérios de gente grande. A terceira temporada de “Pretty little liars” começa na quarta, às 19h, no Boomerang. Já no primeiro episódio, a questão sobre a morte de Alison será respondida. Para esquentar os fãs da série teen, o canal exibe no mesmo dia uma maratona do segundo ano, a partir das 11h.

A terceira temporada de “Game of thrones” terá um convidado especialíssimo. George R. R. Martin, autor dos livros que deram origem à saga pelo trono de Westeros, vai aparecer em um episódio da série.

BELAS E A FERA A HBO cancelou “Enlightened”. Uma pena. Laura Dern e Mike White vão fazer falta na TV.

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

Vinte e quatro anos e contando. A nova temporada de “Os Simpsons” estreia hoje, às 20h30m, na Fox. Passado em Nova York, o episódio desta noite teve participação especial de Zooey Deschanel, Sarah Michelle Gellar, Anne Hathaway e Natalie Portman. Charlie Sheen faz uma “ponta” na atração, na voz de Maurice LaMarche.

‘SKINS’ ON-LINE “Skins” está a um clique (ou toque na tela). O serviço gratuito de vídeos sob demanda Muu, da Globosat, disponibilizou o primeiro ano da série.

ESQUISITA, EU? “Awkward” é a novidade da vez na MTV. Na série, uma garota fica famosa na escola depois de um engano. Amanhã, às 20h.


Igor Fidalgo igor.fidalgo@oglobo.com.br

o que vem por aí

12

revista da

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

Na cara do gol

CENA VIRTUAL DEU NA TV E FEZ SUCESSO NA INTERNET VEJA OS VÍDEOS EM oglobo.com.br/revistadatv

chance de fazer muitos gols, se tornar um craque dos gramados, ganhar reconhecimento mundial e, claro, um salário avultado, é o grande estímulo dos 22 garotos que participam do reality “Menino de ouro”, estreia de hoje, às 10h, no SBT. Tetracampeão pela seleção brasileira em 1994, o ex-jogador Paulo Sérgio comanda o programa. Já os concorrentes, divididos em dois times, são treinados e avaliados por Zetti e Edmilson. Após 12 episódios e muitos dribles, o escolhido como novo talento do futebol nacional terá a chance de mostrar todo seu potencial treinando no Corinthians, no Palmeiras ou no São Paulo.

A

SBT/DIVULGAÇÃO

É BAIXARIA À frente do “Quem convence mais”, Christina Rocha não se conformou com a atitude de uma das convidadas. Deixou de lado a imparcialidade e bateu boca bonito.

HORA DA VERDADE

NÃO LARGO André era o eliminado, mas quem roubou a cena no “BBB” foi o jovem fã de Pedro Bial. “Me ajuda com esse menino aqui”, pediu Bial, sem conseguir se desvencilhar do rapaz

QUASE LÁ Em jogo do campeonato mexicano contra o Tigres, o Guadalajara pareceu contar com um jogador a mais: a trave. Foi ela quem salvou dois gols.

Uma aula de história diretamente da tela da TV: no sábado, a partir das 21h, o BBC HD apresenta as séries “Ancient world: City of Gods” e “The Bible’s buried secrets”. No primeiro, o historiador e arqueólogo Richard Miles analisa a ascensão e a queda do Império Romano. Em seguida, a professora Francesca Stavrakopoulou (foto), que leciona Bíblia Hebraica e Religiões Antigas na Universidade de Exeter, na Inglaterra, viaja pelos desertos da Síria até Jerusalém para mostrar uma visão diferente de histórias do Antigo Testamento.

DO PASSADO

É DIA DE FESTA!

Com duas horas de duração, o especial “A Rede Condor”, hoje, às 21h30m no Discovery, traz à tona os bastidores da ação, que torturou e matou milhões de pessoas na década de 1970. O programa mostra depoimentos de historiadores, jornalistas e presos políticos que contam detalhes sobre a operação.

O “Manhattan connection” festeja 20 anos com edição especial, hoje, às 23h, na Globo News. De Nova York, Lucas Mendes, Caio Blinder e Pedro Andrade. De Veneza, Diogo Mainardi. No estúdio, em São Paulo, Ricardo Amorim recebe o antropólogo Roberto DaMatta, o entrevistado da primeira edição do programa.

ZAPEANDO BIO. Yoko Ono e Linda McCartney são retratadas em “As mulheres dos Beatles”, amanhã, às 17h. O programa relembra a presença feminina na vida dos garotos de Liverpool.

MULTISHOW. A partir de quinta, o canal transmite, às 15h15m, os shows dos três dias do festival Lollapalooza, em São Paulo.

SESCTV. De Sílvio Tendler, o documentário “Os anos JK: uma trajetória política” relembra a carreira do presidente Juscelino Kubitscheck (1902-1976). No sábado, às 22h.


NO FACEBOOK

Confira vídeo sobre o papel da escola na introdução da alimentação saudável facebook.com/tribunarn

ASTROLOGIA

CINEMA

PÁGINA 6

PÁGINAS 6 E 7

Lua ativa confusões na comunicação; distúrbios de clima à vista

“Vai que dá certo” reúne comediantes da nova geração do humor brasileiro

ETERNIZADA POR COCO CHANEL, COMBINAÇÃO ‘PRETO & BRANCO’ NUNCA SAI DE MODA • PÁGINA 8

PAULO COELHO

Um refúgio de peregrinos que ressurge das cinzas no Caminho de Santiago PÁGINAS 6 E 7

tnfamília Editor: Isaac Ribeiro [tnfamilia@tribunadonorte.com.br]

Natal • Rio Grande do Norte • Domingo • 24 de março de 2013

Calorias

vazias Alimentos industrializados, ricos em calorias mas sem componentes nutricionais importantes para o organismo, como refrigerantes e biscoitos recheados, geram sobrepeso e obesidade, além de aumentar riscos de doenças. Crianças e adolescentes são os maiores consumidores ISAAC RIBEIRO Repórter

uem segue algum tipo de dieta, geralmente não quer nem ouvir falar em alimentos calóricos, temendo acréscimos indesejáveis na balança. Mas o que muitos não sabem é que existem dois tipos de calorias: as positivas; ricas em vitaminas, minerais e proteínas; e as vazias, sem nenhum componente nutricional — refrigerantes, biscoitos recheados, bebidas alcoólicas, salgadinhos, produtos à base de farinha branca e doces doces feitos com açúcar refinado. O consumo exagerado dessas calorias vazias, ou anti-alimentos, engana o organismo, fazendo com que ele não absorva os nutrientes realmente necessários e ainda acumule gordura no tecido adiposo. O resultado é o risco de uma série de doenças, como diabetes, hipertensão, aumento do colesterol e triglicérides, além de sobrepeso e obesidade. Para evitar isso, o ideal é restringir o consumo de alimentos industrializados, apostando nas substituições por alimentos saudáveis, sempre que possível. Nutricionistas recomendam optar por pães, cereais e massas integrais, frutas, legumes, verduras, raízes, folhas, castanhas, sementes, carnes magras, leites e derivados magros ou desnatados, azeite de oliva extra virgem, óleo de canola e açúcar mascavo, entre outros. Mas um dos grandes entraves para se ter uma alimentação mais saudável, longe das calorias vazias, é o apelo, quase que desleal, dos produtos industrializados na mídia. Daí, o

Q ì O QUE SÃO Alimentos que fornecem muitas calorias porém pouco ou nenhum nutriente essencial à nossa saúde.

QUAIS SÃO Refrigerantes, biscoitos recheados, bebidas alcoólicas, salgadinhos, produtos à base de farinha branca e doces feitos com açúcar refinado

O QUE CAUSAM Diabetes, hipertensão, aumento das taxas de colesterol e triglicérides, além de sobrepeso e obesidade

grande sucesso das redes de fast food. Crianças e adolescentes são os principais alvos, os mais suscetíveis. A nutricionista Fátima Nunes comenta ser o refrigerante um dos antialimentos mais conhecidos e mais consumidos pelos jovens. “Ele é campeão em calorias vazias. Seu gás rouba cálcio do osso da criança em crescimento, do músculo do atleta e do osso do idoso, provocando osteoporose. Outro alimento considerado de calorias vazias é a gordura trans encontrada em muitos biscoitos recheados.” Em 2010, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou pesquisa comparando a quantidade de açúcares em algumas bebidas e alimentos industrializados. Os refrigerantes à base de cola e os guaranás contêm uma média de 10g de açúcar para cada 100ml. Para uma melhor compreensão, implica dizer que uma lata de refrigerante com 350ml possui cerca de sete colheres de chá de açúcar. Agora pense quantas latinhas de ‘refri’ seu filho toma numa festinha de aniversário... Fátima Nunes questiona como estará a saúde das crianças de hoje, ávidas consumidoras de calorias vazias, daqui a vinte anos. “Só um programa de educação alimentar aos pais e nas escolas e a proibição na mídia de propaganda de alimentos direcionados para a classe infantil resolveria, pois a criança quer comer e quer que os pais comprem aquele do bichinho da propaganda por exemplo.”

+

PÁGINA 3

Escolas apostam em cardápios saudáveis


2

tn família

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

« PAULO COELHO » Vinte anos depois: Ave Fênix ercorrendo o caminho de Santiago vinte anos depois, paro em Villafranca Del Bierzo. Ali, uma das figuras mais emblemáticas do percurso, Jesus Jato, construiu um refúgio para peregrinos. Vieram as pessoas da aldeia, e achando que Jato era um bruxo, incendiaram o local; ele não se deixou intimidar, e junto com Mari Carmen, sua mulher, recomeçou tudo de novo – o local passou a chamar-se Ave Fênix, o pássaro que renasce das cinzas. Jato é famoso por preparar a “queimada”, uma espécie de bebida alcoólica de origem celta, que bebemos em uma espécie de ritual, também celta. Nesta noite fria de primavera, estão no Ave Fênix uma canadense, dois italianos, três espanhóis, e uma australiana. E Jato conta para todos um acontecimento que ocorreu comigo em 1986, e que não tive coragem de colocar no livro “O Diário de um mago”, certo de que os leitores não acreditariam. - Um padre local passou aqui, avisando que

P

um peregrino havia passado por Villafranca naquela manhã, e não havia chegado no Cebreiro (próxima etapa), estando com toda certeza perdido na floresta – diz Jato. – Fui procurá-lo, e só o encontrei às duas horas da tarde, dormindo em uma caverna. Era o Paulo; ao despertá-lo, ele reclamou: “será que não posso dormir uma simples hora neste caminho?” Expliquei que não havia dormido apenas uma hora; estava ali há mais de um dia. Eu me lembro como se fosse hoje: estava sentindo-me cansado e deprimido, resolvi parar um pouco, descobri a caverna, deiteime no chão. Quando abri os olhos e vi o tal sujeito, tinha certeza que não havia passado mais de alguns minutos, porque nem sequer me havia mexido. Até hoje não sei exatamente como isso aconteceu, e tampouco procuro explicações – aprendi a conviver com o mistério. Todos bebemos a “queimada”, acompanhando Jato em seus “uuuh!” enquanto ele diz os versos ancestrais. No final, a canadense se

Jesus Jato, uma das figuras mais emblemáticas de Villafranca Del Bierzo, no Caminho de Santiago, relata para todos um acontecimento ocorrido em 1986, que o colunista não teve coragem de colocar no livro “O Diário de um mago”

aproxima de mim. - Não sou o tipo de pessoa que está em busca de tumbas de santos, rios sagrados, locais de milagres ou aparições. Para mim, peregrinar é celebrar. Tanto meu pai como minha mãe morreram cedo, de ataque cardíaco, e talvez eu tenha propensão para isso. “Portanto, como posso partir cedo desta vida, preciso conhecer o máximo do mundo, e ter toda a alegria que mereço”. “Quando minha mãe morreu, eu prometi a mim mesmo me alegrar sempre que o sol nascesse de novo a cada manhã. Olhar o futuro, mas nunca sacrificar o presente por causa disso. Quando o amor cruzasse o meu caminho, sempre aceitá-lo. Viver cada minuto, jamais adiar qualquer coisa que possa me deixar contente.” Lembro-me de 1986, quando também deixei tudo de lado para fazer este percurso que terminaria por mudar minha vida. Naquela época, muita gente me criticou, achando que era uma loucura – apenas minha mulher me deu o apoio suficiente. A canadense diz que o mesmo se passou com ela, e me estende um texto que carrega consigo:

- É parte de um discurso que o presidente americano Theodore Roosevelt pronunciou na Sorbonne de Paris, no dia 23 de abril de 1910. Leio o que está no papel: “O crítico não conta absolutamente nada: tudo que faz é apontar um dedo acusador no momento em que o forte sofre uma queda, ou na hora em que o que está fazendo algo comete um erro. O verdadeiro crédito vai para aquele que está na arena, com o rosto sujo de poeira, suor, e sangue, lutando com coragem”. “O verdadeiro crédito vai para aquele que erra, que falha, mas que aos poucos vai acertando, porque não existe esforço sem erro. Ele conhece o grande entusiasmo, a grande devoção, e está gastando sua energia em algo que vale a pena. Este é o verdadeiro homem, que na melhor das hipóteses irá conhecer a vitória e a conquista, e que na pior das hipóteses irá cair; mas mesmo em sua queda é grande, porque viveu com coragem, e esteve acima daquelas almas mesquinhas que jamais conheceram vitórias ou derrotas.”

MÉDICO E PROFESSOR DA UFRN - BOUCINHAS_JC@HOTMAIL.COM

PSICÓLOGA - CONTATO@MEIRYKAMIA.COM

« JORGE BOUCINHAS »

« MEIRY KAMIA »

O “peeling de cristal”

Por detrás da frustração

microdermoabrasão utilizando cristais é uma técnica de esfoliamento não-cirúrgico, que consiste em projetar sobre a pele uma quantidade de microcristais de hidróxido de alumínio quimicamente inertes (que não provocam reações na pele), com equipamento que possibilita regular os níveis de descamação. No início da década de 1990, os europeus voltaram a utilizar a técnica, denominada “peeling de cristal”, que tinha sido criada no início dos anos 30. Nesse método, microcristais de várias origens (alumínio e diamantes, principalmente), quimicamente inertes, são projetados sobre a pele, sob pressão, e, simultaneamente, são aspirados de volta ao aparelho. São recolhidas as impurezas obtidas das camadas da pele, as quais são maiores ou menores na dependência do número das passagens sobre a área tratada e da pressão aplicada. A técnica é ambulatorial, não dolorosa e de rápida execução. Cada sessão dura de um quarto de hora a meia hora, dependendo da indicação e da superfície tratada. O procedimento não requer anestesia local ou sedação do paciente, uma vez que, quando superficial, não é, em absoluto, doloroso. A anestesia do local, se pedida, é feita com pomada tópica. O executante é capaz de controlar visualmente os níveis do procedimento, e isto serve a que os pontos de impacto dos microcristais sobre a pele fiquem uniformes e a abrasão possa situar-se em nível de profundidade idêntica. As vantagens deste tipo de peeling são o menor risco de hipocromia residual total e a regeneração tecidual mais rápida. Como desvantagem tem-se uma descamação menos profunda e precisa, o que se compensa com a repetição. É, pois, tratamento barato, para ser feito numa série de sessões e, não, em aplicações isoladas. A microdermoabrasão pode ser efetuada na face, pescoço, colo, tronco, membros superiores e inferiores, sempre que existirem processos inestéticos. O número e a freqüência das sessões variam de acordo com o tipo de dermatose, a região anatômica a ser tratada, a idade do paciente, o estado de saúde física e mental. As indicações mais freqüentes são as dermatoses inestéticas superficiais. As principais: fotoenvelhecimento em pacientes de todas as idades e fototipos de pele; cicatrizes superficiais inestéticas pós-acne, pós-cirúrgicas e pós-afecções dermatológicas; alterações na pigmentação (melasma, melanoses solares e hiperpigmentação pós-inflamatória); rugas finas;

ucinha sentia-se arrasada. Frustrada. O desânimo era tanto que mal conseguia disfarçar. Dedicara cinco anos para a empresa, e agora, num processo de mudança e reestruturação, via-se com um chefe novo, fruto de uma contratação externa, num cargo que deveria ser o dela. Era terrível receber ordens de quem ainda nem entendia bem os processos da empresa. Sem contar a frustração de não ter sido reconhecida por tantos anos de trabalho. Estava perdendo prestígio e esforçava-se para esconder as dívidas que aumentavam como uma bola de neve. Era triste não poder comprar uma roupa decente para trabalhar. O carro começava a dar problemas, e a qualquer momento poderia parar de vez. Mas não tinha dinheiro para trocar de carro. Em casa a situação não era diferente. Era todo dia a mesma coisa. Saia voando do trabalho, pegava as crianças na escolinha, trânsito, e chegava em casa para a outra jornada de trabalho. Abria a porta do apartamento, e via aquela bagunça. Desânimo novamente. Ia direto para o fogão. Durante o preparo da janta, gritava irritada, o tempo todo, com as crianças. “Vá tomar banho!”, “Tira essa roupa já!!”, “Faz logo a droga da lição!”, “Vem jantar! Rápido!”. “Droga!” pensava consigo mesma, “Por que eu não tenho crianças educadas? Obedientes? Essas me irritam o tempo todo! Que inferno!!”. Lembrava-se sempre com muita mágoa do exmarido. Em sua visão, um dos principais responsáveis pelo seu fracasso. Ela, que tinha dedicado tantos anos ao casamento, imaginando um marido atencioso, generoso, que pudesse ‘bancar’ as suas contas, agora, estava sozinha e jogada às traças. “Como pude me enganar tanto?” pensava ela. Lucinha estava cansada, esperava que a qualquer momento alguma coisa pudesse acontecer para tirá-la desse circuito de chateações e frustrações, porque ela mesma já não tinha mais forças para lutar. Parecia que o mundo havia feito um complô contra ela, onde todos trabalhavam para a sua infelicidade. A história de Lucinha ilustra o processo da frustração. A frustração é causada pelas expectativas criadas em relação às pessoas e situações. Fantasiar situações é comum e até saudável para o ser humano. O problema ocorre quando há o apego às fantasias ou desejos criados e não se aceita o mundo real. Aí surge o sofrimento. A criança, por imaturidade psicológica e afetiva, apresenta mais dificuldade para tolerar a frustração. Por isso é comum ver crianças se jogando no chão, gritando, esperneando, toda vez que a mãe se recusa,

A

estrias superficiais. Em tatuagens, queratoses actínicas e seborréias, cicatrizes hipertróficas e profundas e seqüelas moderadas e graves de acne a microdermoabrasão não é muito útil. Para maior profundidade, se requerida, pode-se associar os peelings químicos. O paciente deve se apresentar com a pele lavada, limpa e seca, sem maquiagem, hidratantes ou filtro protetor solar. Não se utiliza (e não se precisa!) anestesia local ou tópica, o que dificultaria a sucção dos cristais misturados às células exfoliadas e às impurezas encontradas na epiderme. O operador trabalha com peças manuais de vários tamanhos, que permitem os atos necessários à boa execução da técnica. A extremidade que entra em contato com a pele é de plástico, sendo descartável por questão de higiene. Os jatos de microcristais são expelidos em alta pressão, bombardeando a pele, ao mesmo tempo em que a aspiração imediata recolhe os detritos. Os movimentos de vaivém podem ser lentos, rápidos, retos ou circulares, de acordo com o conhecimento do operador e a necessidade de cada área. A repetição das passagens depende da avaliação visual de cada executante, dependendo, também, do problema dermatológico em questão. A técnica da microdermoabrasão, quando bem indicada e aplicada por profissional experiente, não acarreta complicações significativas. As possíveis, quais pequenos ferimentos com posterior formação de crostas, edema e manchas escuras, só são observadas quando o profissional não tem boa experiência e quer resolver tudo numa só sessão, forçando demais a pele do paciente. A microdermoabrasão produz, depois de repetidas sessões, efeito cumulativo, melhorando cada vez mais a cútis, estimulando a formação de colágeno e promovendo a renovação das células, mesmo sem aprofundamento da penetração na pele. É, portanto, procedimento de grande valia, sem efeitos colaterais maiores nem seqüelas, de execução rápida, tendo grande aceitação. Muito importante: trata-se de método indicável sem receios em regiões ensolaradas como o Nordeste do Brasil.

L

por exemplo, a comprar um brinquedo numa loja. Conforme amadurecem, o egocentrismo diminui, e elas começam a entender que o mundo nem sempre é compatível com as fantasias que criam. E ter essa compreensão ajuda a lidar melhor com a realidade. Um dos geradores da frustração é a projeção. Por exemplo, a paixão, comum no início de todo relacionamento amoroso, é exatamente isso, uma projeção do ser que ama no ser amado. O ser que ama, projeta suas necessidades, admirações, cria expectativas de que o outro irá preencher suas carências. É óbvio que, cedo ou tarde, virá a frustração porque o ser amado não é a projeção, e sim uma pessoa. Sendo assim, a qualquer comportamento ou tomada de decisão do ser amado que não combine com a projeção criada, isso será considerada uma traição. E ouvimos queixas do tipo “como pude ser tão cego?”, “como pude me deixar enganar?”, etc. Também costumamos projetar nossa felicidade em situações, ou objetos. E, como no caso de Lucinha, o fato de não ter o cargo desejado no trabalho, de não ter como comprar roupas novas, sapatos, carros, etc., conforme ela projetara para si mesma, já é motivo para a frustração. Manifestações da frustração são a raiva e a tristeza. Assim como a criança esperneia quando não consegue o brinquedo desejado, o adulto imaturo xinga, fala mal, faz birra, etc., pois é a forma que tem de mostrar sua insatisfação. Depois, ao perceber que a realidade não muda, vem a tristeza junto com o sentimento de impotência, e assim, se torna queixoso e escravo daquilo que não tem. O frustrado, por imaturidade, nunca assume a responsabilidade por suas frustrações. A culpa será sempre do outro. Então, o que é saudável? Ser saudável é ser maduro. É ser menos egocêntrico. É entender que não se tem controle sobre sentimentos, situações, personalidades, jeitos de ser, etc, de outras pessoas. É ser tolerante às frustrações, e isso não significa ser passivo, mas sim saber sonhar, mantendo os pés na realidade. Tolerar frustrações fortalece o espírito, desenvolve a maturidade, e amplia o aprendizado. Grandes empreendedores passaram por inúmeras frustrações. A diferença entre o frustrado eterno e o vencedor é a forma como eles lidam com a frustração. O primeiro sucumbe, enquanto que o segundo supera. Se as coisas não saíram da forma como você imaginava, pergunte-se a si mesmo “onde poderia ter feito melhor?”, “o que posso aprender com essa situação?”, “como posso melhorar meu desempenho para atingir o que preciso?”.

« LIBERTAS » Francisco I A chegada de um papa latino e argentino traz reflexões profundas, não somente ao bilhão e meio de católicos do mundo, mas a todos os habitantes do planeta. Mesmo os ateus e ainda, os que vivem a esfera da espiritualidade. Os primeiros passos de Francisco I apontam para a continuidade de um trabalho pastoral de amar ao próximo como a si mesmo. Sua vida cotidiana envolve cozinhar sua própria comida, andar de metrô e ônibus, visitar os presos e os doentes nos hospitais, levando apoio e suporte para os, realmente, desfavorecidos. Seu trabalho, invisível e praticamente anônimo, tem uma gigantesca força de correção dos rumos da Igreja Católica. Mas, na verdade, o essencial está no exemplo prático e diário de descer das limusines, dos sapatos prada e da riqueza ostensiva e elitista que distancia a Igreja de Cristo. Retomar ao cen-

tro, à essência e ao fundamento de todo campo espiritual cristão - a figura do Cristo - como modelo e exemplo a ser seguido. O Caminho que passa por Ele leva à superação dos obstáculos mundanos e materiais. Este desapego, este sentir-se à vontade com o mínimo para manutenção da vida e com a doação de seu tempo, vida, orações e meditações são exemplos para a humanidade, refletindo a intenção e a atitude do Amor Universal. Jayme Panerai Alves – Jayme@libertas.com.br

Seleção A Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) abriu inscrições para o processo de seleção simplificado para professor(a) substituto(a) do curso de Ciência da Computação para o Campus de Natal e Núcleo de Nova Cruz. Os interessados devem comparecer entre os dias 25 de março e 8 de

Os primeiros passos de Francisco I apontam para a continuidade de um trabalho pastoral de amar ao próximo como a si mesmo. Sua vida cotidiana envolve cozinhar sua própria comida, andar de metrô e ônibus, visitar os presos e os doentes nos hospitais, levando apoio e suporte para os, realmente, desfavorecidos

abril à Secretaria do Curso de Ciência da Computação - Campus de Natal da UERN www.uern.br

Quero saber Sou casada e temos dois filhos. Um menino de 6 anos e a menina de 8. O problema é na relação entre eles. Enquanto o menino é “louco” pela irmã, ela simplesmente o ignora. Às vezes ele vai abraçá-la e ela simplesmente o empurra ou não deixa ele se aproximar. Ela diz que até a fala dele a irrita. Já conversamos com ela, até já a colocamos de castigo, mas nada resolveu até agora. Por favor, nos ajude. Estamos desesperados e com medo que isso possa trazer problemas psicológicos no futuro para o nosso filho. Espero ansiosamente pela resposta de vocês. Patrícia

Esta coluna é de responsabilidade da Libertas Comunidade www.libertas.com.br - libertas@libertas.com.br

Resposta Patrícia, Cada criança possui características próprias e por isso reagem de forma diferente a determinadas situações. No caso da sua filha, podemos pensar numa insegurança por parte dela em relação ao amor de vocês, como também ciúmes do irmão que veio depois dela, fazendo com que a deixasse de ser a única aos olhos dos pais. O que vocês podem fazer para ajudá-los é proporcionar momentos dos pais sozinhos com um e com outro e depois os quatro juntos. É importante esse olhar individual para cada um dos filhos, pois dessa forma, eles se sentem amados e protegidos pelos pais. Procurar orientação de um profissional da área pode vir a ajudá-la nesse momento. Giannini Ferrari – Psicóloga


Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

tnfamília

3

MAGNUS NASCIMENTO

Cardápios

saudáveis

BATE-PAPO

Muitas escolas, principalmente as de tempo integral, já mudaram a alimentação oferecida durante o lanche diário, optando por pratos saudáveis à base de arroz, feijão, carne e verduras, iniciando a conscientização desde cedo nas crianças

Jocélia Guedes nutricionista

A

s crianças são as mais afetadas pelo consumo de alimentos com alto índice de calorias vazias, já que a absorção dos nutrientes necessários para se tornar um adulto saudável fica comprometida. O que fazer se na hora das refeições o prato é pizza, batata fritas e ainda biscoito recheado de sobremesa? E aí que a escola passa a ter papel fundamental na reeducação alimentar. E a colaboração dos pais é fundamental. Para a nutricionista Jocélia Guedes, a forma de estimular as crianças para o que elas vão comer é muito importante, pois mexe diretamente com o emocional. Se os pais exaltam o rodízio de pizza e são apáticos na hora da sopa, estão atrelando maior valor à primeira opção. Aí, quando a criança vai para a escola, fica difícil aceitar um lanche saudável, à base de arroz, feijão, verduras e carne. Responsável por elaborar cardápios saudáveis para escolas de tempo integral, Jocélia Guedes reconhece a preferência das crianças por alimentos muito doces ou com um teor maior de sal em detrimento a frutas e verduras, alimentos realmente nutritivos. No dia em que a reportagem do TN Família esteve no colégio onde Jocélia é nutricionista, o cardápio oferecido às crianças do tempo integral, na faixa de dois a três anos, era carne moída acrescida de soja, feijão carioca com jerimum, macarrão e salada (alface, tomate, couve-flor). Para beber, dois tipos de suco de frutas, e ainda melão como sobremesa.

Prejuízos vitamínicos A nutricionista Fátima Nunes ressalta o prejuízo causado às crianças pelos anti-alimentos, já que eles impedem a absorção dos alimentos realmente saudáveis, resultando numa deficiência acentuada de vitaminas e minerais — principalmente a vitamina B6 e o mineral magnésio, que nos alimentos refinados estão ausentes. “A falta desses nutrientes leva à fadiga, atraso no crescimento, sonolência, unhas fracas, cabelos quebradiços, déficit de atenção e memória, anemia, cansaço, entre outros fatores.” Mas a preferência por alimentos de calorias vazias não é só de crianças. Muita gente não troca uma coxinha ou um pastel por nenhuma fruta. E há quem tenha já tenha começado a ensaiar mudanças. O comerciante MacGyver Alves, 25 anos, diz ter ingressado numa academia há dois meses e estar seguindo uma dieta “rigorosa”. Trocando massa e baganas por frutas e verduras, segundo ele.

FUJA DAS CALORIAS VAZIAS

“Os pais são peças fundamentais nessa mudança”

Confira abaixo algumas dicas para ajudar a equilibrar melhor a ingestão de calorias.

Evite os alimentos fritos. Dê preferência aos assados, cozidos ou grelhados; Preste atenção às informações nutricionais dos alimentos. Elas são apresentadas no rótulo dos produtos;

Diminua a quantidade de açúcar. Ele deve representar uma pequena fatia do total de calorias ingeridas em um dia; Consuma mais alimentos integrais como pães, arroz e massas em geral;

Evite o consumo de cerveja, vinho e outras bebidas alcoólicas; Coloque pelo menos três porções de frutas no cardápio diário. Elas são ótimas opções para lanches leves nos intervalos entre as refeições;

Reduza o consumo de doces e guloseimas. Esse tipo de alimento não possui valor nutricional relevante, contribuindo apenas para o ganho de peso.

ALGUMAS SUBSTITUIÇÕES (tabela) Confira as calorias vazias e as “cheias” de alguns dos alimentos mais consumidos pela população. Eles possuem o mesmo peso, mas diferentes valores nutricionais. Compare e substitua!

CALORIAS POSITIVAS

GANHO CALÓRICO*

CALORIAS VAZIAS

240 ml de suco de laranja natural

150kcal

350 ml de cerveja

2 unidades de banana ouro

160kcal

1 barra de chocolate ao leite

1 queijo quente

300kcal

1 acarajé

1 pão francês integral

150kcal

1 pão francês

Filé de salmão (100g)

160kcal

bisteca de porco (100g)

5 unidades de castanha (50g)

100kcal

1 brigadeiro

*O campo “ganho calórico” se refere à quantidade de calorias boas ganhas com a substituição de um alimento “vazio” por um rico em nutrientes.

1 Elimine as bebidas adocicadas, como refrigerantes, principalmente. Cada garrafa de 600ml dessa bebida pode conter 16,5 colheres de sopa de açúcar. Além disso, o alto consumo está associado à obesidade, diabetes, doenças do coração, derrames, artrite e até câncer. O melhor é substituir por água mesmo, leite desnatado, leite de soja e chá de ervas adoçado com mel.

2 Limite o consumo de suco de frutas a um copo por dia e coma uma fruta inteira diariamente. Qualquer fruta tem menos calorias e mais fibras do que os seus sucos.

3

Outras discas de substituições

5 Satisfaça sua necessidade por doces com um pedaço de fruta fresca em vez de biscoitos recheados, por exemplo, ou outras guloseimas adocicadas.

6 Substitua o arroz e o pão brancos — processados e pobres em nutrientes e fibras — por arroz e pães integrais, pois são ricos em vitaminas, minerais e fib

7 Troque as batatas fritas por batata assada na casca, colocando um pouco de queijo branco para se ter uma maior quantidade de nutrientes.

Comece seu dia com aveia ou um ovo cozido e um pedaço de fruta em vez de alimentos mais calóricos e salgados.

8

4

Inclua lentilhas e grãos ricos em nutrientes e fibras em sua dieta diária, pois eles servem como um substituto saudável às batatinhas fritas e massas brancas.

Prefira alimentos cozidos e assados em vez daqueles fritos em óleo.

Fontes: Vanderli. F. Machiori / Shine

Como a escola pode trabalhar a alimentação saudável?

Justamente na estimulação: “Pessoal, vamos ver quem adivinha de qual fruta é o suco hoje?” Outra coisa é você pegar o copo e dar para a criança tomar. É a forma que você vai conseguir envolver a criança no horário da refeição. Existe também o trabalho que pode ser feito com as culinárias, que geralmente é com brigadeiro, biscoito... nós estamos fazendo esse outro lado mais saudável. Hoje (quarta-feira), por exemplo, a culinária foi espetinho de frutas no palito. Então, elas manusearam as frutas; e quanto maior o contato da criança com o alimento mais fácil é esse trabalho de estimulação e a futura aceitação fica melhor. A escola abraçou essa questão da alimentação saudável, mas partiu dela. Mas alguns pais se preocupam muito com isso, mudaram completamente a alimentação dos filhos; inclusive perguntam o que vai ser oferecido na escola, pois trabalhamos com cardápio de alimentação saudável. E tem outros que ainda não compraram essa ideia, até porque ficam temerosos e argumentam que o filho não come esse alimentos e para que ele não fique com fome vai dar o que ele quer. E geralmente o que a criança quer é chocolate. Já vi criança de três anos, às nove horas da manhã, lanchando chocolate, batatas fritas de saquinho, que o teor de sal é muito alto. Qual o papel dos pais nesse processo?

Os pais são peças fundamentais nessa mudança de pensamento das crianças. Sem eles, nosso trabalho fica retardado. E quem perde com isso? A criança! E também os pais, lá na frente, porque algumas doenças são desencadeadas por alimentação irregular, incomum, não saudável ou realmente precária. E a questão da obesidade infantil?

Você vai pro shopping e vê crianças com excesso de peso, com obesidade... Não posso afirmar que é praticamente 50%, mas você vê que é crescente isso aí, seja no shopping, num passeio à praia.


4

tnfamília

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

BLOGJOTAOLIVEIRA/JOÃO NETO

JOÃO NETO

Carpe Diem! Escola da Vida No decorrer de nossas vidas encontramos fatos positivos e outros negativos. Os positivos são gostosos de lembrar. Ja os negativos, nós fazemos questão de esconder ou ocultar num canto bem longe da nossa lembrança. Mas um fato precisa ser tocado. Geralmente os momentos negativos nos trazem informações importantes, lições a serem aprendidas e dores a serem compreendidas. Dentro do processo evolutivo, as lágrimas devem servir para levar nossa alma, retirar do nosso eu interior as angústias e fortalecer a nossa coragem pela vida. As dores sempre servem para uma reflexão maior sobre fatos e acontecimentos, onde, em algumas vezes, deixamos nossa insensibilidade chegar à frente. Nos passos que damos rumo ao crescimento, os fracassos são lições que devem ser aprendidas com humildade, dignidade e acima de tudo com muito respeito por você. Somos aprendizes desta linda vida e todos os dias temos fracassos e vitórias. Entender como funcionava este sistema de equilíbrio de forças é o primeiro passo para estar de bem com a vida e consigo mesmo, fazendo com que uma historia linda seja contada. Mas lembre-se: Em vários instantes da nossa existência, uma escola chamada “Vida” nos dá lições importantes para sua compreensão.

Ceres Bezerra e Francisco Matoso, José bezerra Jr. e Marília Mariz nos embalos dos anos 60

Andréa Motta dá início nesta segunda-feira ao seu bazar de Páscoa. Acontecendo até dia 28, no Espaço Renata Motta, com mesas recheadas de delícias, das 9h às 19h. Imperdível.

Nos embalos dos anos 60, Cristine/Sérgio Gaspar celebraram José Bezerra Júnior

PAULO OLIVEIRA

ARQUIVO PESSOAL

BLOGJOTAOLIVEIRA/JOÃO NETO

georgeazevedo@tribunadonorte.com.br

Fafá enche de mimos o amado Marcos Procópio, em idade nova amanhã

Jota Oliveira

BAZAR

Vivas à bonitona Cristiane Diniz Barreto de Paiva, rasgando folhinha amanhã

Senador José Agripino Maia em vivas para a musa Anitinha

TENDÊNCIA

FACILIDADE

GAL

TURISMO

Apesar de algumas dúvidas quanto ao seu potencial fashion, o sapato branco se consagrou como uma das principais tendências internacionais para o inverno 2014. Veja mais detalhes no nosso blog, na seção Fashion.

Os brasileiros que desejarem passar férias ou visitar o México não vão mais precisar emitir vistos, graças a um acordo entre os dois países, que os isenta do documento em viagens de até 90 dias. A medida vale também para os mexicanos.

Os 67 anos de Gal Costa parecem muito leves para ela. Com um CD e DVD que chega às lojas na próxima semana, a cantora tem enfrentado uma maratona de divulgação do trabalho e brinca dizendo que quer ser uma senhora de 80 anos que desce e sobe ladeiras.

O embaixador dos EUA afirmou que os passageiros que frequentemente visitam o país terão menores exigências na hora de viajar. Eles serão beneficiados por um programa de préaprovação chamado “Global Entry”, onde não enfrentariam mais a fila da imigração.

« POSTURA E SAÚDE »

ALINI BRITO - FISIOTERAPEUTA E EDUCADORA FÍSICA • DÚVIDAS NO SITE WWW.ITCVERTEBRAL.COM.BR DIVULGAÇÃO

lterações no equilíbrio da coluna durante o movimento, suporte de cargas e hábitos posturais errados podem gerar instabilidade. Pesquisas têm mostrado excelentes resultados com a utilização dos exercícios terapêuticos específicos. Mais de 80% da população mundial ira ter a experiência de dor lombar ou cervical alguma vez na vida; e 87% destas pessoas apresentam recorrência dentro de um ano após o primeiro episódio de dor. Sabe-se que esta dor pode desaparecer entre 4 a 6 semanas, porém os músculos profundos locais permanecem em disfunção ou inibidos. A estabilidade pode ser definida como a habilidade de controlar o movimento e de prevenir os movimentos indesejáveis ao redor de um ponto fixo. Estabilização segmentar vertebral (esv) é um método inovador idealizado por fisioterapeutas da universidade de queensland (austrália) na década de 90, baseado em pesquisas cientificas. Surgiu então a estabilização segmentar vertebral “esv”; que consiste no re-treinamento do sistema muscular através dos exercícios de controle motor para músculos específicos, e tem sido utilizado com sucesso não só na coluna vertebral como também nas articulações periférica. A esv possui uma vasta aplicabilidade na fisioterapia e deve ser utilizada em conjunto com outras técnicas. O programa de estabilização vertebral utiliza o sistema muscular para proteger as estruturas articulares da coluna de microtraumas repetitivos, dor recorrente e mudanças degenerativas; uma vez que os elementos estáticos da coluna vertebral, que sofreram ou não ação externa, já

A

A instabilidade da coluna é gerada por alterações no equilíbrio durante o movimento, suporte de cargas ou problemas posturais”

Estabilização segmentar vertebral, um método inovador idealizado por fisioterapeutas”

Pesquisas mostram excelentes resultados com a utilização dos exercícios terapêuticos específicos”

Estabilização vertebral não respondem à estabilização provida por estes. Então, se faz necessário a ação dos elementos dinâmicos, os músculos. A estabilidade vertebral é dada por elementos estáticos e dinâmicos da coluna, sendo os estáticos: corpos vertebrais, articulações facetárias, cápsula articular, discos intervertebrais e os ligamentos espinhais; e os dinâmicos: o sistema músculotendineo e ligamentos, em especial os músculos multifidos e transverso do abdômen. Através da técnica de estabilização vertebral, podemos fortalecer os músculos profundos da coluna

vertebral e melhorar o grau de estabilidade vertebral. O músculo Transverso Abdominal é um músculo mais profundo que se localiza na região ântero-lateral do abdômen. Os músculos Multifidos são responsáveis por 2/3 da rigidez segmentar, e atuam na extensão rotação, inclinação lateral, sendo importantes estabilizadores lombares. O papel dos músculos estabilizadores segmentares é de promover proteção e suporte às articulações através do controle dos movimentos fisiológicos e translacionais, que no caso excedam 4 mm. Para que tal aconteça é

necessária uma ativação tônica, de baixa intensidade e específica estabelecendo assim o controle motor normal desses músculos. Neste caso de controle da musculatura do tronco, durante a realização dos exercícios, o terapeuta dirige a atenção do paciente para a posição em que a coluna se encontra e a sensação da contração dos músculos, objetivando a percepção da estabilização da coluna vertebral. É comprovado que atua revertendo perdas de função muscular que costumam ocorrer após lesão na coluna ou problemas degenerativos, e reduz recaídas

principalmente em pacientes com problemas antigos na coluna seguidos de perda de tônus da musculatura estabilizadora. Sendo portanto, a Estabilização Segmentar Vertebral, um método que atua na recuperação da estabilidade, principalmente da coluna lombar, e pode determinar, portanto, prevenção da instabilidade, assim como concorrer de forma significativa para a melhora no sintoma doloroso de pessoas com patologias lombares e viabilizar a melhora no quadro de dor apresentado por estas pessoas. Mais informações no www.herniadedisco.com.br


tnfamília

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013 BLOGJOTAOLIVEIRA/JOÃO NETO

BLOGJOTAOLIVEIRA /JOÃO NETO

5

BLOGJOTAOLIVEIRA /SÉRGIO LUIZ

HERDEIRO

Verônica/Marcos Nepomuceno e Egídio Câmara celebram o sessentão Ximbica

Aos 32 anos, Paulo Diógenes é sócio/proprietário da Mármore Ltda, cargo que divide há 15 anos com seu pai. Cursou Engenharia Civil e Arquitetura, mas não chegou a concluir nenhuma delas, segundo ele, por causa dos negócios. Contudo, ele não ficou por isso mesmo, e para se especializar na área que escolheu seguir fez diversos cursos de geologia de rochas ornamentais. Paulo tem muito orgulho ao falar dos negócios da família e afirma que seguiu a profissão do pai porque a paixão que ele tem pelo que faz o contaminou. A Mármore Ltda foi eleita uma das melhores marmorarias do Brasil, com mais de 600 materiais de todo o mundo e a maior diversidade de pedras do país. Ela atende a obras em São Paulo, Recife, Fortaleza e, claro, no Rio grande do Norte. E não para por aí. Está em fase de construção a 2ª marmoraria da família, que promete ser a maior do país, com 32 mil m² de área, na divisa de Macaíba com Parnamirim e começará a produzir ainda este ano. Quer saber como tudo isso começou? Seu pai, Ismar Diógenes, que trabalhava como representante de uma empresa em Açu, herdou uma pequena fábrica de mármore do irmão, que funcionava debaixo de um cajueiro e a transformou no que conhecemos hoje. Sucesso!

Os bolinhas Fernando Fernandes e Theodorico Bezerra nos agitos da fazenda Olho D’Água

MULHERESNOFDS

LAZER

BOMBA

Procurando uma opção diferente para aproveitar o fim de semana com os pequenos. Logo mais, às 16h e 19h, terá apresentação do espetáculo “Lazy Town: As aventuras dos piratas” no Teatro Riachuelo. Inédito em Natal, o espetáculo tem assinatura da Viva Promoções.

O tradicional balé Bolshoi está ganhando destaque na imprensa por supostas acusações de orgias feitas pela ex-bailarina Anastassia Volotchkova. Demitida em 2003, ela afirma que os atuais gestores obrigam as dançarinas a participarem dos encontros sob ameaça de expulsão.

FERIADÃO A galera se organizando para curtir o feriadão da semana santa. Os baladeiros já têm point certo na boate Ânima Pipa, que vai rolar a Baladinha Sunset todos os dias, a partir das 17h, com DJ Múcio NT e convidados de vários Estados. BLOGJOTAOLIVEIRA/SÉRGIO LUIZ

Nos embalos dos 6.0 de Edna Galvão, Dionete Nóbrega com Orismar Almeida/Miriam

PARABÈNS!

Regina Emerenciano e Nadja Maciel fazem moldura para Edna Galvão Marinho

Em ocasião fashion Italianíssimo: José Reinaldo Batista, Luís Sérgio Barreto/Aldanira e a anfitriã Cris Lanni

Trocando de idade com os vivas da coluna, em Mossoró, empresário Porcino Junior, d. Anita Catalão Maia, Ana Regina Bezerra Motta, jornalista Antônio Roberto Rocha, fotógrafo premiado Giovani Sérgio e Roberta Felinto. Nesta segunda, 25, vivas antecipados Aidinha Ramalho, Rejane Serejo, afilhado e amigo Marcus Procópio, jornalista Alberto Soares Coutinho, Marjorie Câmara, Cristiane Diniz Barreto de Paiva, Bernardo Rocha Gaspar, Luiz Felipe Ferreira de Souza Viveiros, Marjorie, Ney Lopes Júnior, Bruno Patriota, sobrinha querida Yerma Lima. ARQUIVO PESSOAL

BLOGJOTAOLIVEIRA/SÉRGIO LUIZ

Celebrando Edna no Boulevard, os bacanas Monalisa/Túlio Flor e Lurdes Flor Álvares

Vivas desta coluna para a sobrinha querida Yerma Lima, em idade nova nesta segunda

Sesc/RN realiza mostra internacional « CINEMA » Programação inclui sete longas-metragens e 31 curtas voltados ao público infantojuvenil, com

exibições no restaurante do Sesc (av. Rio Branco, Cidade Alta) e na zona Norte, de 9 a 12 de abril, e no interior DIVULGAÇÃO

U

ma série de longas e curtas-metragens produzidos em países como Sri Lanka, Alemanha, Dinamarca, Venezuela, Espanha e Eslováquia desembarcam no Rio Grande do Norte entre os meses de abril e maio. Os filmes fazem parte da mostra itinerante do festival de cinema Nueva Mirada, da Argentina, e são voltados principalmente para o público infantojuvenil. A passagem da mostra por várias cidades do Estado foi viabilizada através da parceria firmada entre o Sesc-RN e os promotores do evento. O acesso às sessões é gratuito. A programação inclui sete longas e 31 curtas, distribuídos em sessões conforme a faixa etária: de 4 a 10 anos, a partir de 6 anos, a partir de 11 anos e a partir de 14 anos. Em Natal as exibições acontecem no restaurante do Sesc (Av. Rio Branco, Cidade Alta) e na Zona Norte, de 9 a 12 de abril. No Sesc Seridó, em Caicó, a mostra permanece em cartaz de 22 a 26 do próximo mês, e no Sesc Santa Cruz as sessões vão do dia 16 ao dia 19. No mês de maio, Mossoró e São Paulo do Potengi recebem a mostra entre 7 e 10; e Macaíba de

Filmes usam recursos de animação digital, stop motion e atores

13 a 16. Vale ressaltar que os filmes não entram no circuito comercial de cinema e televisão. Além de promover a diversidade cultural, o projeto tem como objetivo maior contribuir com a formação educacional do público mirim a partir de atividades pedagógicas extra sala de aula, capazes de promover reflexão e motivar a curiosidade. O elo de ligação entre os filmes são as temáticas, que abordam assuntos como companheirismo, solidariedade e responsabilidade nas histórias. Para contar as histórias, as produções utilizam várias linguagens

audiovisuais: desde atores reais e animações digitais, até desenho animado tradicional, stop motion e fantoches. SERVIÇO Festival Itinerante de Cinema Nueva Mirada para a Infância e Juventude. De 9/4 a 16/5, das 10h às 16h. Gratuito. Informações: www.sescrn.com.br. . Sesc Zona Norte e Restaurante do Sesc na Cidade Alta: 9 a 12/4 . Sesc Nova Cruz: 16 a 19/4 . Sesc Seridó: 22 a 26/4 . Sesc São Paulo do Potengi e Mossoró: 7 a 10/5 . Sesc Macaíba: 13 a 16/5


6

tn família

Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

FOTOS:LIEGEBARBALHO.COM

Márcia e Alexandre Marinho. Ele celebrando mudança de idade

Marcelo Queiroz com sua musa Gisélia, que brindou aniversário

»

Na Europa Gilson Marcelino e Cléa embarcando nesta terça-feira para um tour pela Europa. O casal aproveita o período da Semana Santa para curtir as belezas do Velho Mundo, tendo como ponto de partida a Espanha, onde pegam o navio Preciosa em Barcerlona e seguem num cruzeiro pela Itália e Tunísia. Ainda em terras europeias, eles farão pit stop em Portugal, onde Cléa irá comemorar seu aniversário na cidade do Porto.

Celebrando A querida e talentosa Tereza Vale estará brindando nesta terça-feira 40 anos de profissão, com comemoração na Central de Oportunidades Cyrela Plano&Plano, na avenida Roberto Freire. O espaço sediará vernissage da exposição de bolos artísticos assinados por ela. A produção é da Casa de Ideias de Chrystian de Saboya. Na quarta-feira a exposição estará aberta para visitação e ficará em cartaz até o dia 14 de abril.

Saúde O consumo de refrigerantes, sucos industrializados e outras bebidas açucaradas pode estar associado à cerca de 180 mil mortes por ano no mundo. Os dados são uma pesquisa apresentada na última semana durante o congresso da Associação Americana de Cardiologia. Especialistas ressaltam que o consumo pode gerar resistência à insulina e levar ao diabetes tipo 2, além de aumentar o risco de obesidade. Foi o que publicou a Folha São Paulo no caderno Equilíbrio e Saúde.

Devido à correria dos preparativos da comemoração do meu aniversário, a coluna hoje foi feita a quatro mãos, a colunista contou com a colaboração da jornalista Anna Ruth Dantas, que curtirá o período da Páscoa na terra do Tio San. Ela embarcou ontem para Flórida.

liegebarbalho@tribunadonorte.com.br

»» A ocasião contará com buffet de sushi Guinza, além de frios seguidos de uma massa do Piazzale Itália. O bolo de aniversário terá assinatura de Tereza Vale e os chocolates da Caffech de Raíssa Carvalho. No comando musical o melhor da MPB com Rubinho e os hits eletrônicos com o DJ Solon Silvestre. O evento será de adesão, tendo como acesso senhas, que estão à venda na Parfumerie do CCABB Petrópolis.

Nalva Melo posa com Poliana Pinheiro e Annuska Teixeira na inauguração do seu salão em Lagoa Nova

O médico Cyro Bezerra durante congresso internacional em Varsóvia

eee Os parabéns da coluna para os aniversariantes da semana. Anita Catalão Maia, Zélia da Rocha Gama, Ana Anunciada Costa, o executivo Alexandre Marinho, Isabel Cristina, Juliana Flor, desembargador federal Carlos Newton Pinto, Sinara Marcelino, Márcia Vasconcelos Uchoa, Themis da Costa Ferreira, Neide Galiza Montenegro e Regina Pinto.

VIVAS PARA ELAS

Touro 21/04 a 20/05 Use a imaginação e a surpresa para encantar e atrair. Música, literatura e um bom filme podem acender o coração do seu amado. Em casa, vigie uso de substâncias que fazem mal à saúde, voláteis —atenção com bichinhos de estimação, crianças e plantas. É seu reino, cuide deles.

Gêmeos 21/05 a 20/06 Seu regente Mercúrio juntinho a Netuno, neste domingo, vibram juntos. Você pode captar o que vem vindo por aí na moda, cultura e artes em geral, porque suas antenas estão muito afiadas. O lado complicado são as mentirinhas e as mentironas. Abalam sua credibilidade.

Leão 22/07 a 22/08 Cheque o modo como você fala e se comunica no convívio, certificando-se de que entendeu e foi entendido. Sol e Urano favorecem um dia para espairecer por aí, escapando de situações entediantes. Imersões emocionais serão altamente regeneradoras.

Virgem 23/08 a 22/09 Dia bom para investigações profundas e estudos amplos, mas difícil para lidar com amigos, especialmente se você engatou com algum deles projeto em comum. Suscetibilidade a críticas e também com comidas —seu organismo não está num momento ótimo.

A dupla de advogadas Camila Lacerda Bezerra de Medeiros e Raquel Lacerda Bezerra Raposo conseguiu na justiça assegurar o benefício da Parcela Autônoma de Equivalência (PAE) para 21 pensionistas de juízes estaduais. A decisão foi do juiz Ibanez Monteiro, que determinou o pagamento imediato às pensionistas. O médico oftalmologista Cyro Bezerra está em mais uma missão de atualização. Participou de importante evento sobre catarata e cirurgia refrativa nos Estados Unidos. Todo antenado com as novidades da Oftalmologia, recentemente Cyro esteve em Varsóvia, na Polônia, também para congresso internacional.

Anita Catalão Maia

Juliana Flôr Elali

Isabel Cristina Câmara

Libra 23/09 a 22/10 Segure a carteira num passeio, evitando gastos. Mesmo sugestionado por alguém, um filho, é melhor adiar, e não comprar algo caríssimo e quebrado, ilusório. Descanse bastante. Vênus e Urano sublinham lado versátil e imprevisível do amor. Invente um clima.

Escorpião 23/10 21/11 Viagens curtas e relações com parentes são prejudicadas por atitude controladora. Se o assunto é pequeno, aja de acordo. Nada de concentrar poder nas suas mãos, peça ajuda a parentes. Afetos em polvorosa: ciúmes alheios irritam!

Sagitário 22/11 a 21/12 Esportes e competições são boas ocasiões para provar que você é diferente hoje, astros em Áries são forças poderosas que incendeiam sua imaginação e desejo de vencer —seja o que for. Espere sinais para se posicionar num imbróglio familiar. Há desinformações.

Tereza Vale

NACIONAL

Regina Pinto

O pioneirismo da Medicina natalense foi destaque em jornal de circulação nacional. O Correio Braziliense publicou três páginas abordando o exame de Medicina Nuclear realizado pelo médico e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Roberto Jales, onde é feito o diagnóstico de doenças mentais. A publicação nacional destacou a cintilografia de perfusão cerebral realizada em Natal, feita pelo professor da UFRN. O exame foi criado pelo médico chileno e professor da Universidade da Califórnia, Ismael Mena.

« CINEMA » ★ RUIM ★ ★ REGULAR ★ ★ ★ BOM ★ ★ ★ ★ ÓTIMO ★ ★ ★ ★ ★ EXCELENTE ✩ ESTREIA

Lua em Virgem ativa confusões na comunicação; distúrbios climáticos à vista

Tema de hoje é pressão emocional e como escapar dela para manter liberdade de decisão. Mercúrio e Netuno inspiram nas artes, pedem liberdade de expressão. Vale se soltar! Notícias ou promessas de viagem não merecem muito crédito —alguém quer que você acredite no que não existe.

Os diretores da Cooperativa da Construção Civil do Rio Grande do Norte participaram de um dos grandes eventos do mercado. Em São Paulo foi promovida a FEICON BATIMAT, maior feira da América Latina direcionada para a construção civil. O presidente da Coopercon Marcus Aguiar, os diretores Jorian Alves e Moisés Silveira, além do gestor de Negócios Sidney Dantas, participaram do evento e trouxeram novos projetos para serem desenvolvidos pela entidade potiguar.

EMBARQUE

BÁRBARA ABRAMO

Desacordo entre ideais arraigados, condicionamentos mentais e preconceitos. Até conhecimento genuíno causa canseira e apreensão. Dispersão e papos furados geram enganos sérios, cuidado com promessas feitas! Adie decisões afetivas para um dia de astral mais claro.

»

JUSTIÇA

» ANIVERSÁRIOS »

Neide Galiza Montenegro

Câncer 21/06 a 21/07

VÁRIAS

CIMENTO

«HORÓSCOPO » Áries 21/03 a 20/04

Simpatia dos queridos Haroldo Azevedo Filho e Karine

COLUNA

A Blonde reunirá grupos de amigas nesta terça-feira para brindar os 5.0. A sessão de vivas acontecerá no Spaço Guinza, na Via Costeira a partir da 20h. A ambientação ficará a cargo da Amorosa Floricultura com o toque todo especial da iluminação de Castelo e Casado. Voltada para o público feminino, a noite será regada a espumante e scotch 12 anos e contará com serviço de manobristas para melhor conforto das nossas convidadas.

Liege Barbalho

Comemoração

Marta Mac Garvey e seu fiel escudeiro Luiz Carlos

Capricórnio 22/12 a 20/01 Atividade ao ar livre, cumprimento de obrigações familiares, tudo que seja preciso para apaziguar seu coração. À noite, um encontro inesperado com amigos traz a confiança, abalada com faltas e sumiços. Cuide de seus documentos e papéis. Reforce o que combinou.

Aquário 21/01 a 19/02 Você tem mais faro com o parceiro hoje. Sensível ao modo como ele o tratará, tem de dar um descontão às aparências, pois o clima astral indica o perigo de engano nas interpretações. Este é um bom jeito de melhorar sua vida a dois. Acredite no que plantou no passado com ele.

Peixes 20/02 a 20/03 Mercúrio e Netuno sinalizam inspiração e talento; música, literatura, cinema são campos privilegiados para você se soltar. Mas estará mais suscetível às pessoas, substâncias e remédios, considere se vale a pena. À noite, compensa o esforço em reunir os amigos em casa!

Estreia – G.I. JOE 2 – RETALIAÇÃO (14 anos, legendado) Moviecom 1. Sessões 14h10 e 19h15 (qua e qui) / Cinemark 7. Sessão 21h30 (qua) A equipe dos G. I. Joe luta contra Zartan, seus comparsas e os líderes mundiais influenciados por ele. Do primeiro filme retornam Duke (Channing Tatum), o ninja Snake Eyes (Ray Park) e Storm Shadow (Lee Byung-hum). O veterano Bruce Willis interpreta o General Joe Colton, homem que deu origem ao codinome G.I. Joe. Estreia – PARKER (14 anos, legendado) Moviecom 1. Sessões 14h (exceto qua e qui), 16h30, 19h (exceto qua e qui) e 21h30 Parker (Jason Statham) é um ladrão profissional que vive com uma série de regras: não roubar de que não tem e não machucar quem não merece. Mas, em seu mais recente trabalho, sua equipe o trai, rouba sua parte e o deixa para morrer. Movido pelo desejo de vingança, Parker vai até Palm Beach onde a equipe está planejando seu maior roubo. Disfarçado de um texano rico, começa uma parceria com Leslie (Jennifer Lopez), que conhece a área e está com pouco dinheiro, mas é muito bonita, inteligente e ambiciosa. Juntos, eles tentarão derrubar a equipe e pegar o dinheiro, além de saírem limpos. Direção: Taylor Hackford

★ ★ LINHA DE AÇÃO (14 anos, legendado) Moviecom 2. Sessões 17h e 21h15 / Cinemark 7. Sessão 19h10 O prefeito de Nova York, Nicholas Hostetler (Russell Crowe), desconfia da traição de sua esposa (Catherine ZetaJones) e contrata o detetive particular Billy Taggart (Mark Wahlberg) para segui-la. Entretanto, quando ele descobre que as suspeitas do caso extraconjugal são verdadeiras e o amante acaba assassinado, o expolicial acaba envolvido numa rede de corrupção e crimes. Direção: Allen Hughes ★ ★ A FUGA (16 anos, legendado) Moviecom 2. Sessões 14h50 e 19h10 / Cinemark 3. Sessão 22h40 (sáb) Addison e Liza fogem com o dinheiro de um golpe em um cassino. Enquanto isso, o ex-boxeador Jay está a caminho da casa dos seus pais para passar o Dia de Ação de Graças. Quando Addison atira em um policial, ele e Liza se separam e seguem em direção à fronteira. Liza, que decidiu pegar carona até a cidade mais próxima, encontra Jay. O jovem casal passa a noite junto por causa de uma tempestade de neve e a atração entre eles é instantânea. Mas o ex-boxeador precisa parar na casa dos pais, exatamente onde tudo pode acontecer. Direção: Stefan Ruzowitzky


Natal - Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

tnfamília

7

Psicólogo/dentista

ENCONTRO DE GERAÇÕES - EM SAUDOSA MEMÓRIA ... E assim foi a noite de ontem promovida por Onfália Tinoco. Um sarau reuniu a família

Doriélio Barreto participa do III Congresso Sul-Americano de Hipnose, em Buenos Aires (Argentina). Um congresso que reúne os mais expressivos hipnólogos da América do Sul. Show!!!

para ouvir a história de MÃE NÃNA e TIO EZEQUIEL lá de Santa Cruz. Uma noite da “boa cepa” em Renata Motta. Família reunida várias gerações presentes e muita emoção. A filha Veronika, atenta a tudo clicou os bons momentos...

A Blode ... Nossa coleguinha Liege Barbalho vai comemorar seu aniversário na próxima quarta-feira no Espaço GUINZA. Vamos abraça-la ...

Anninha ilumina ... Ela está sempre buscando o melhor para nossas cabeças. O chique do momento é o Ilumina Color da Wella. Ela diz que é o máximo, o que ela sempre esperou para os cabelos das clientes. Vamos conferir na próxima quarta-feira, no final da tarde, às 18h no Salão Petrópolis.

NA LINHA DO TEMPO - Onfália Tinoco-Veronika e fotografias expostas

Páscoa Primeiro “mimo”: agradecer a Prof. Patrícia, top em Direito Administrativo. Brigadeiros deliciosos em caixinha personalizada. Arrasou!

GERAÇÃO DOS TINOCO

ATENTOS À LEITURA – Os Bezerra, Tinoco e Ferreira de Souza

Sala VIP

Missa para Emílio

Uma noite de “poucos e bons” fechou a sala prive do Dolce Vita para festejar o aniversário do pernambucano que a cidade acolheu, o Juiz Undário Andrade. Sem gostar de festejar aniversário, ele foi “seqüestrado” e assim dividimos a noite entre espumantes e a deliciosa cozinha de Zé Maria. Entre os poucos e bons Soledade Fernandes, Tânia Maia, Brenna Morais, os queridinhos ThiagoAlmeida-Marina. Show!

Na próxima terça-feira convido os que conheceram o meu amigo EMILIO SANTIAGO, que conviveram com ele nas andanças por Natal, os anônimos, para participarmos de missa em sua homenagem, na Igreja de Sta. Terezinha, às 17h30, pelo 7º dia de sua “partida”.

DOLCE VITA – Undário com Marina Melo Almeida, Brenna e Tânia Maia

DOLCE VITA – Nós HC, Thiago Almeida e Soledade Fernandes com Undário

Os bolos de Tereza Além de querida, ela é excelente profissional... Sempre se superando a nossa boleira a cake designer Tereza Vale promove nesta terça uma Exposição de Bolos Artísticos em comemoração aos 40 anos de sucesso. O evento tem a assinatura da Casa de Ideias ,às 19h, na Central de Oportunidades Cyrela Plano & Plano.

Parabéns para vocês Abraçar e festejar os amigos a eterna 1ª Dama Anita Catalão Maia, Hebe Mesquita Rocha, Porcino Júnior, Ana Regina Bezerra Motta, Alberto Soares Coutinho, Marcus Procópio, Aldinha Ramalho, Bernardo Rocha Gaspar, Luis Felipe Ferreira de Sousa Viveiros, Diva Cristina, Maria de Paula Melo, Ney Lopes Júnior, Cristiane Diniz Barreto de Paiva, Lorena Gaspar Pessoa, Rilder Medeiros,Dickson Martins da Fonseca (Oral Designer),Tibério Rosado,Antônio Roberto Rocha, Omar Medeiros Dias, Giovani Sérgio (Fotógrafo), Gutemberg Diógenes, Ricardo (Kaká) Borges, Ângela Lyra, Wanderley Adams (Fotógrafo), Andréa de Paula Cariello (Arquiteta), Conceição (Ceiça) Pinto Solano, Luis Sérgio Barreto (Hoteleiro), Felizardo Firmino Moura Sobrinho, Leonardo(Léo) Almeida, Eduardo Augusto Marinho e Cibelle Benevides Guedes

Cheia de energia...

hilnethcorreia@tribunadonorte.com.br

Em clima descontraído comemoramos na Cervejaria Continental. As fotos vocês já conferem no nosso www.nahorah.net e nas próximas colunas. Agradecer também aos parceiros OCEAN PALACE, PARQUE DA COSTEIRA, DESTAQUE, FOGO & CHAMA, BUONGUSTAIO, STER BOM com os tin tins ... Outros agradecimentos na coluna da próxima quinta-feira. FOI SHOW!!! Enquanto puder estarei celebrando a vida com os amigos!

Hilneth Correia

Nossos parceiros ...

Marta Dantas é muito querida e não podíamos passar em branco seus 80 anos. Principalmente quando você está super atuante, parceira e festeira. Marta é daquelas pessoas que transcendem o tempo. Excelente gourmet, chef de cozinha como ninguém, mãe, avó, bisa e companheira como ninguém. Fomos para as suas varandas, seus salões para festejar. Uma tarde de quinta-feira com algumas ausências do coração. Ela não queria festa pois está se guardando para o casamento da neta/filha Carol, em dezembro. A família, Marcelo-Rosa, as primas e sobrinhos vieram do Recife. As delícias??? bacalhau dos Deuses, dobradinha um sonho e assim passou a nossa tarde de quintafeira. A nossa Suely foi lá e clicou o encontro de amigas...

« CINEMA » ★ RUIM ★ ★ REGULAR ★ ★ ★ BOM ★ ★ ★ ★ ÓTIMO ★ ★ ★ ★ ★ EXCELENTE ✩ ESTREIA

★ ★ A BUSCA (12 anos, nacional)

Moviecom 3. Sessões 15h20, 17h25, 19h30 e 21h35 / Cinemark 4. Sessões 12h50, 15h, 17h30, 20h e 22h50 (sáb) O médico Theo Gadelha (Wagner Moura) é casado, pai do adolescente Pedro (Brás Antunes) e filho de um pai ausente (Lima Duarte). Sua esposa pede a separação, seu filho rejeita sua orientação e a casa da família vai ser posta à venda. Aos poucos constata que seu mundo está desabando, mas nada se compara ao que está por vir: Pedro some de casa pouco antes de completar 15 anos. Theo parte em busca do filho em uma jornada desesperada, que vira um caminho de autoconhecimento, transformações e descobertas. Direção: Luciano Moura Estreia – VAI QUE DÁ CERTO (12 anos, nacional) Moviecom 4. Sessões 15h05, 17h05, 19h05 e 21h05 / Cinemark 1. Sessões 13h, 15h10, 17h10, 19h30, 21h50 e 0h (sáb) / Cinemark 6. Sessões 12h (sáb e dom), 14h, 16h10, 18h10, 20h20 e 22h20 O filme narra o reencontro de cinco amigos de adolescência que compartilham a frustração de não terem alcançado o sucesso que projetaram para suas vidas. A

possibilidade de recuperar o tempo perdido surge através de uma tentadora e arriscada proposta: o assalto a uma transportadora de valores. O crime (quase) perfeito que prometia transformar suas trajetórias cumpre o seu propósito, mas não exatamente como planejaram. Direção: Maurício Farias ★ ★ ★ OS CROODS 3D (Livre, dublado) Moviecom 5. Sessões 14h, 16h10, 18h15 (sáb e dom), 19h20 (seg a sex) e 20h20 (sáb e dom) / Moviecom 6. Sessões (3D) 14h50, 17h, 19h10 (sáb e dom), 20h20 (seg a sex) e 21h20 (sáb e dom) / Cinemark 2. Sessões (3D) 11h10 (sáb e dom), 13h30, 16h, 18h20, 20h50 e 23h20 (sáb) / Cinemark 3. Sessões 12h40, 15h20 e 17h40 Família pré-histórica precisa achar um novo lar quando sua caverna é destruída. Liderados por Grug (Nicolas Cage), só não imaginavam que sair das cavernas ia render a maior aventura de suas vidas. Direção: Kirk De Micco e Chris Sanders ★ ★ ★ OZ, MÁGICO E PODEROSO (Livre, dublado e legendado) Moviecom 7. Sessões (leg) 15h10, 17h50 e 20h30 / Cinemark 5. Sessões 3D (dub) 15h30 e 18h20 / Cinemark 2. Sessão 3D (leg) 21h20 / Cinemark 5.

Em “Vai que dá certo”, amigos se reúnem em assalto atrapalhado

Sessões (leg) 13h10, 15h50, 18h30 e 21h20 (exceto ter e qui) / Cinemark 7. Sessão 3D (dub) 16h20 / Cinemark 7. Sessão 3D (leg) 21h30 Quando Oscar Diggs (James Franco), um inexpressivo mágico de circo de ética duvidosa vai parar na vibrante Terra de Oz acha que tirou a sorte grande, isso até ele encontrar três feiticeiras: Theodora (Mila Kunis), Evanora (Rachel Weisz) e Glinda (Michelle Williams) não estão convencidas de que ele é o grande mágico anunciado. Envolvido, por tabela, nos problemas épicos que a Terra de Oz e seus habitantes enfrentam, Oscar precisa descobrir quem é bom e quem é mau antes que seja tarde demais. Direção: Sam Raimi

★ ★ ★ ★ ★ O SOM AO REDOR (16 anos, nacional) Cinemark 5. Sessão 21h20 (ter e qui) A vida numa rua de classe média, na zona Sul do Recife, toma um rumo inesperado após a chegada de uma milícia que oferece a paz de espírito da segurança particular. A presença desses homens traz tranquilidade para alguns, e tensão para outros, numa comunidade que parece temer muita coisa. Enquanto isso, Bia (Maeve Jinkings), casada e mãe de duas crianças, precisa achar uma maneira de lidar com os latidos constantes do cão de seu vizinho. Direção: Kleber Mendonça Filho

★ ★ ★ DURO DE MATAR – UM BOM DIA PARA MORRER (14 anos, legendado) Cinemark 3. Sessão (leg) 20h10 Bruce Willis volta a entrar na pele do policial John McClane e, dessa vez, viaja até a Rússia para uma missão internacional. No filme, Jack (Jai Courtney), filho de McClane, é apresentado e parece ser tão durão quanto o pai. Com um relacionamento complicado, John e Jack terão que trabalhar juntos para se manterem vivos... e para evitar que o submundo de Moscou consiga

★ ★ ★ ★ O LADO BOM DA VIDA (12 anos, legendado) Cinemark 7. Sessão 13h40 Pat Solatano (Bradley Cooper) perdeu tudo: casa, trabalho e esposa. Vivendo com a mãe (Jacki Weaver) e o pai (Robert DeNiro), depois de passar oito meses preso, está determinado a reconstruir sua vida e voltar com sua esposa, apesar das circunstâncias difíceis de sua separação. Porém, quando ele conhece Tiffany (Jennifer Lawrence) as coisas se complicam. Direção: David O. Russell

controlar armas nucleares. Direção: John Moore


8

tnfamília

Natal • Rio Grande do Norte Domingo, 24 de março de 2013

Vestido Estrela Viva, casaco Bain Douche, acessórios Mc Garvey e sandália Studio TMLS

Blusa Faven para Yolla, calça Mob também para Yolla, acessórios Mc Garvey e sandália Studio TMLS

Look total Bain Douche, acessórios Mc Garvey e sandália Studio TMLS

Vestido Renata Campos para Yolla e bota Santa Lola

Blaser Mob para Yolla, calça Bain Douche, acessórios Mc Garvey e sandália Studio TMLS

TUDO PRETO NO BRANCO

georgeazevedo@tribunadonorte.com.br

Quando “pautamos” um editorial de moda em preto & branco para nossa edição alto verão da revista GLAM, alguns torceram o nariz... Porém, fomos em frente com a convicção de que a tendência se adequaria perfeitamente nos últimos dias de verão para anunciar o que seria o grande “hit” da temporada seguinte, o outono inverno! Não deu outra. A combinação que foi eternizada por Coco Chanel está em todos os lugares. E, olha, concorrendo com infinitas cartelas de cores, detalhes barrocos e muitos brilhos. A bem da verdade, o contraste do P&B nunca saiu da moda, sabe por quê? Permite inúmeras misturas de estampas e estilos, sem perder a identidade. Nesse outono inverno 2013, as combinações em maiores destaques são: as listras, o tradicional pied de poule, as formas geométricas em geral, xadrezes, zebras e estampas étnicas. O look total em “preto e branco” é o da hora, mas, se você é daquelas que adora “quebrar o gelo” vale colorir com acessórios azul cobalto, amarelo ou burgundy, que é uma mistura de vinho com cereja. Mas, cá prá nós, a coisa mais difícil do mundo é errar numa combinação de preto e branco, não é?

Look total Yolla, cinto Folic, acessórios Mc Garvey e sandália Studio TMLS

news :::::::::

A empresária Lúcia Góis e as filhas Fernanda e Babi, promovem na próxima terça-feira, 26, um “super” lançamento na loja Aliança do Cidade Jardim. Tudo para lançar a coleção The Sis e The Sis T shirts por Bruno Porpino, a partir de 16h com coquetel, desfile e muitos flashes. Estaremos por lá!

Nossa equipe Glam confirma presença no Minas Trend Preview e Fashion Rio. O primeiro acontece no Expominas, em Belo Horizonte entre 09 e 12 de abril e o outro, entre 15 e 19 de abril no Pier Mauá, Rio de Janeiro.

Vestidões maravilhosos à parte, vale destacar os incríveis calçados da Studio TMLS no fashion show Guilhermina que aconteceu na última quarta-feira, 20. Assim como, a beleza assinada pela equipe Lirêda Coiffeur. Vestido Yolla, acessórios Mc Garvey e sandália Studio TMLS

Já viram a nova campanha de moda do Midway Mall? Está no ar, com imagens maravilhosas capitadas por Giovanna Hackradt em diversos lugares de nossa amada Natal. Produção da Base Propaganda.

E por falar na campanha do Midway, temos que elogiar também o vídeo produzido por J Soares e Carito, que pode ser visto no nosso www.maisglam.com.br com performances do cast tráfego Models

A Governadora Rosalba Ciarlini foi conferir o “fashion show” da Guilhermina e claro, adorou a coleção. À propósito, boa parte dos looks da excelentíssima leva a assinatura de Luis Antônio e Guilherme Galvão.


Tribuna do Norte - 24/03/2013